Fernando Cardeal

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "Fernando Cardeal fcardeal@ifba.edu.br"

Transcrição

1 Fernando Cardeal Definição de SOA. Teoria de Serviços. Arquitetura de Software. E-Business. Arquiteturas Orientadas a Serviços. Padrões em SOA. Software como Serviço, Serviço como Software SaaS. Considerações sobre o futuro. 2 1

2 Uma arquitetura de aplicativo na qual todas as funções ou serviços, são definidos usando uma linguagem de descrição e têm interfaces que são chamadas para executar processos de negócios. Cada interação é independente de todas as outras e dos protocolos de interconexão dos dispositivos de comunicação (por exemplo, os componentes da infraestrutura que determinam o sistema de comunicação não afetam as interfaces). Como as interfaces são independentes de plataforma, um cliente a partir de qualquer dispositivo com qualquer sistema operacional em qualquer linguagem de programação pode usar o serviço. (WEBOPEDIA) 3 4 2

3 Definição de Serviço. Tipos de Serviço. Perspectiva da Tecnologia da Informação. Ciclo de Vida de Serviços de TI. 5 Conjunto de atividades correlatas, com objetivo ou regras bem definidas, e que, ao ser avaliado como um todo, representa um benefício de valor específico. Uma atividade ou conjunto de atividades de natureza intangível que normalmente acontece entre um provedor e um consumidor (Christian Gronroos). 6 3

4 Ambiente de Negócio PROVEDOR (Aquele que fornece o Serviço) Interação CONSUMIDOR (Aquele que utiliza o Serviço) 7 O propósito do Serviço. Os Atores envolvidos na prestação e no consumo do serviço. A informação que é trocada por ambas as partes. Os processos ou atividades que são representadas pelos serviços. Os recursos necessários para a execução do serviço. 8 4

5 Sensores Recursos Objetivos (regras de negócio) Entradas Saídas Transformações 9 Serviços Gratuitos: contratados sem necessidade de pagar pelo provimento. Geralmente mantidos por anunciantes. Ex.: Serviços Pagos: requerem uma taxa de utilização (pré ou pós-pagos). Ex.: VoIP Serviços de Governo: prestados pelo governo e são híbridos, pois são gratuitos na prestação mas são patrocinados pelos impostos pagos por nós mesmos. 10 5

6 Representação lógica de uma atividade de negócio que pode ser mapeada por meio de uma entrada, um processamento e uma saída. Deve fornecer sempre os mesmos resultados a partir de entradas iguais. 11 Deve sempre preservar um conjunto de propriedades conhecidas como ACID. ATOMICIDADE; CONSISTÊNCIA; ISOLAMENTO (ou INDEPENDÊNCIA) DURABILIDADE (ou PERSISTÊNCIA) 12 6

7 Cada transação é executada integralmente ou é desfeita. Exemplo: uma transferência bancária. Débito em uma conta; Crédito em outra conta. É inaceitável que ocorra o débito em uma conta sem ocorrer o crédito na outra. 13 As informações não podem corromper o banco de dados. Considerando o paralelismo das transações, isso requer que uma transação não corrompa os dados do sistema. 14 7

8 Em um ambiente com muitas transações ocorrendo paralelamente, cada uma delas deve acontecer como se fosse a única a ocorrer. Uma transação não pode afetar o funcionamento de outra. 15 Uma vez concluída uma transação, os seus resultados devem ser mantidos. Um serviço concluído não deve ser afetado por um serviço que tenha que ser desfeito. 16 8

9 17 Um ativo de TI é qualquer elemento utilizado pelo departamento de TI para apoiar os negócios. Gerenciar corretamente os ativos de TI permite alinhar os objetivos internos da área de TI com os da Organização, 18 9

10 Aquisição Instalação Uso Desativação Atualização Recuperação 19 GERENCIAMENTO Planejamento Engajamento Desenvolviment o Entrega Operação Cobrança 20 10

11 Ciclo de Deming - PDCA Plan - Planejar Do - Fazer Check - Verificar Act - Agir

12 Introdução. Estilos Arquiteturais: Estilos Estruturais. Estilos Distribuídos. Estilos Interativos. Estilos Adaptáveis. 23 Melhores práticas de desenvolvimento. Ferramenta para lidar com a complexidade do software. Facilidade na gerência da complexidade. Padronização da linguagem e da comunicação entre desenvolvedores, clientes e gerentes. Possibilidade de reuso. Define o modelo estrutural do sistema

13 Tarefas são compostas por subtarefas. Estilo Pipes & Filters: os componentes são chamados de filtros e a comunicação é feita por conectores. Exemplos: Linux e Unix Compilador: Léxica, Sintática, Semântica, Geração de Código, Otimização. Vantagens: fácil de usar e de reutilizar. Desvantagens: desempenho e depuração. 25 Estilo em Camadas: organizado hierarquicamente e funciona como uma máquina virtual que fornece os serviços para a camada superior. Exemplos: Modelo TCP/IP de encapsulamento Vantagens: reutilização, padronização fácil. Desvantagens: mudança em uma camada pode afetar as demais, baixa eficiência pode afetar desempenho

14 Rede Internet Transporte Aplicação 27 Estilo Repositório: tem dois tipos de componentes: uma estrutura de dados central e uma coleção de componentes independentes que operam no repositório. Vantagens: regras de acesso ao repositório fáceis de implementar, agentes podem ser implementados de forma independente. Desvantagens: controle ao acesso concorrente, perda de desempenho quando repositório está sobrecarregado

15 Componente 1 Componente 6 Componente 2 Repositóri o Componente 5 Componente 3 Componente 4 29 Estilo Baseado em Eventos Central De Eventos Barramento de Comunicação Componente 1 Componente 2 Componente 3 Cadastramento na Central de Eventos 30 15

16 Cada componente carregado se registra na Central de Eventos. Recebe chamados via broadcast por uma barramento de comunicação. Vantagens: reutilização fácil, redução de dependências do sistema. Desvantagens: componentes não podem depender da ordem em que são ativados, sempre que um assinante altera a identidade todas as centrais de evento devem ser notificadas. 31 Criados para facilitar a interação entre o cliente e o sistema. Mais comuns e utilizados atualmente. Estilo MVC Model-View-Controller Tem três componentes: Modelo, Controle e Visão (vários componentes deste tipo)

17 Visão 1 Modelo Controle Visão 2 Visão 3 Somente o Controlador tem acesso ao Modelo 33 Facilitam projetos que precisam de desenvolvimento incremental. Modelo Microkernel. Muito comum na construção de sistemas operacionais. Vantagens: portabilidade, escalabilidade, flexibilidade e confiabilidade. Desvantagens: complexo de implementar

18 Componente 1 Componente 4 Núcleo (Kernel ) Componente 2 Componente 3 35 Estilos Estruturais: tarefas decompostas em subtarefas. Estilos Distribuídos: permitem aplicações distribuídas como aplicações orientadas a eventos. Estilos Interativos: direcionados a facilitar a interação com usuários, separando responsabilidades. Estilos Adaptáveis: visam desenvolvimento de componentes de forma incremental

19 37 Conceitos de e-commerce e e-business. Por que implantar e-business? Etapas para implantar um e-business. Perspectivas futuras

20 Comércio Eletrônico (CE ou e- commerce) Descreve o processo de compra, venda, transferência ou troca de produtos, serviços ou informações via rede de computadores, incluindo a Internet. E-Business: Não apenas compra e venda, mas também o atendimento a clientes, colaboração com parceiros, e-learning e transações dentro de uma organização. 39 Dimensões: Produto, Processo e Agente de Entrega. Comércio tradicional: Produto físico, processado pela loja física e entregue em mãos. Comércio eletrônico puro: Produto virtual, processado por um sistema de vendas e entregue em suporte digital (ex. toque de celular)

21 Business-to-business (B2B): Os vendedores e os compradores são empresas. Operam a maioria das transações e dos lucros do comércio eletrônico. Comércio colaborativo (c-commerce): Empresas cooperam eletronicamente como parceiros empresariais ao longo da cadeia de fornecimento. 41 Business-to-Consumer (B2C): Venda de empresas para consumidores finais. Apesar de não ser o mais lucrativo, atrai uma nova forma de mercado. Consumer-to-Consumer (C2C) Venda ou troca de produtos entre consumidores finais (Ex. MercadoLivre)

22 Consumer-to-Business: Reverte a lógica de venda trazendo o consumidor como orientação ativa do processo de negócio. O cliente anuncia uma demanda que a empresa tentará resolver. Comércio intraorganizacional (intrabusiness) Uma organização usa o CE para melhorar suas operações de consumo. 43 Government-to-citizens (G2c ou e-gov): Entidades governamentais fornecem serviços aos cidadãos usando a lógica de comércio e atendimento eletrônico. Comércio móvel (m-commerce): Quando o e-commerce é realizado em uma rede sem fio (celular)

23 Catálogos eletrônicos: Catálogos já existem a muito tempo, no entanto o CE reformulou sua relação. Os clientes buscam informações sobre produtos e os comerciantes promover produtos. Os catálogos eletrônicos com busca e indexação dinamizou o que se entendia como centro de informação para clientes, se tornando hoje a essência do e-commerce e uma ferramenta para empresas off-line. 45 Leilões eletrônicos (e-auctions) A Internet fornece uma infra-estrutura eficiente para executar leilões com menor custo administrativo e com muito mais vendedores e compradores envolvidos. Podem ser diretos (quando alguém oferta um produto em leilão, ex. MercadoLivre) ou reversos (quando um comprador coloca sua demanda para ser atendida por empresas, como e-pregão)

24 Venda eletrônica É a venda direta de produtos ou serviços por vitrines eletrônicas. Podem advir de catálogos ou leilões. Funciona 24h por dia, 7 dias por semana, por todo ano. Oferece itens exclusivos, normalmente com preços mais baixos. Fornecem mais informações e extensão para os consumidores. 47 Homebanking Operações bancárias através da Internet. Reduz o tempo de realizar certas transações e aumenta o controle sobre as contas. Pagamentos eletrônicos Sistemas complementar ao de comércio que disponibiliza ferramentas seguras para pagamento e recebimento de moedas pelo mundo (ex. Paypal, MercadoPago)

25 Que produtos são melhores para vender on-line? Produtos digitais, como softwares ou informações. Produtos que necessitam de muita informações, como livros, músicas ou filmes. Produtos que não precisam ser manipulados ou experimentados. Produtos incomuns para uma área. 49 Entender que a Internet faz parte do todo Integrar com a estratégia de marketing. Participar da rede Links com parceiros significam visitas potenciais. Compreender melhor o consumidor Compreender exatamente a demanda do consumidor para saber exatamente qual produto ou serviço melhor irá lhe atender

26 Lembrar do comércio cooperativo e fidelidade A cooperação entre empresas pode ser um diferencial competitivo importante para o comércio eletrônico. A fidelização de clientes mantém o contato empresa-cliente. Use as comunidades A participação de consumidores em fóruns, lista de discussão e chats podem aumentar o contato com a empresa, criando fidelidade. 51 E-Commerce x E-Business RESUMO C2C Parceiro A B2C B2B B2B G2C EMPRESA Parceiro N B2G B2E Governo Colaborador 52 26

27 Planejamento: preparar um plano de negócios (www.sebrae.com.br) Definição de tecnologias: definir arquitetura, hardware, estrutura, fornecedores. Gerenciamento: gerência de mudança, gerência de risco, capacitação de colaboradores. Manutenção do e-business: melhoria contínua, redefinição de estratégias da organização. 53 Considerar as mudanças tecnológicas e as tecnologias que se firmam e que despontam. Quem chega primeiro corre mais riscos de errar, mas corre o risco de ter sucesso pelo pioneirismo

28 VoIP Voz sobre IP. TV Interativa. Tecnologias 3G e 4G. Wi-Fi. Escritórios virtuais

29 Introdução. Modelo Operacional Triangular. SOA e o alinhamento entre TI e e Negócio. Barramento de Serviços. 57 Nova abordagem para utilização dos recursos de TI apoiando o negócio da organização. Desvincula o domínio do negócio de tecnologias e modelos específicos. SOA atualmente é frequentemente associada a Web Services por ser uma tecnologia conhecida e relacionada diretamente a serviços

30 No nível mais abstrato, SOA é composto por três elementos: Consumidor do Serviço. Prestador de Serviço. Registro de Serviço. 59 Registro Consumidor SOA Execução Provedor 60 30

31 Provimento do Serviço: determina o comportamento de quem está disponibilizando o serviço. É capaz de reconhecer as requisições internas e externas. Consumo do Serviço: determina o comportamento daquele que representa o cliente. Registro do serviço: determina o comportamento da organização para DIVULGAR o serviço e do cliente para LOCALIZAR o serviço desejado. Gerencia os repositórios que armazenam informações sobre os serviços. 61 Armazena as seguintes informações: Informações sobre o negócio, tais como nome, descrição e contato. Denominadas Páginas BRANCAS. Informações técnicas como linguagens, tecnologias utilizadas, infraestrutura de acesso, etc. Denominadas Páginas VERDES. Informações sobre o serviço em si, operações que dispõe, classificação, etc. Denominadas Páginas AMARELAS

32 Oferecer mecanismos de publicação e busca, garantindo facilidade de localização e de utilização do serviço. Aceitar a publicação de um serviço, mediante protocolo específico. Manter seu repositório associado a duas interfaces de comunicação: publicação e busca. 63 Possível quando se consegue determinar os elementos de um processo de negócio e os associar a serviços de TI. Desmembrando processos e subprocessos até o nível em que as atividades realizadas pelos colaboradores são mapeadas. Deste mapeamento são projetados os serviços de TI e desenvolvidos os componentes que irão interagir

33 Serviço Serviço Serviço Componente Serviço Componente SISTEMA 65 Barramento de Serviço (Enterprise Service Bus ESB): modelo conceitual tecnológico que se utiliza de padrões para unir e conectar serviços, aplicações e recursos de TI da organização. O ESB regulamenta a forma como os serviços se comunicam e interagem uns com os outros

34 Funcionalidade. Simplicidade. Flexibilidade e manutenibilidade. Confiabilidade. Tolerância a falhas. Eficiência. Reutilização. Portabilidade. 67 Serviço 1 Serviço 2 Aplicação Java Aplicação.Net Barramento de Serviços Mecanismos de Integração Roteamento de Mensagens Mecanismos de Conversão e Transformação Ferramentas de Controle e Gerência Aplicação Java Aplicação Legada Web Service 1 Web Service

35 Cada nível indica o grau de proficiência da organização em relação ao uso de SOA. Nível 1 Processo de desenvolvimento tradicional: a empresa não utiliza SOA como estratégia de alinhamento. Nível 2 Processo de desenvolvimento orientado a serviços, apoiado por soluções de TI simples: utiliza SOA para necessidades pontuais, não utiliza barramento de serviços. 69 Nível 3 Processo de desenvolvimento orientado a serviços, apoiado por soluções de TI compostas: as soluções de TI seguem um padrão de desenvolvimento onde os serviços são organizados internamente ou externamente de maneira colaborativa e utilizam infraestrutura de colaboração por meio de um barramento de serviço (ESB)

36 Nível 4 Processo de automação do negócio pelo meio de soluções de TI compostas: a organização utiliza todo o potencial fornecido pelas soluções orientadas a serviços para automatizar o alinhamento estratégico entre a TI e o negócio. Poderia ser chamado de full SOA

37 Representa a materialização da ideia de um serviço que é disponibilizado na Internet e que pode ser acessado em qualquer lugar do planeta. Uma nova forma de utilizar a Internet em benefício da organização. É uma infraestrutura leve e desacoplada de plataforma e que permite a integração de diferentes tecnologias. 73 Existem algumas ferramentas que oferecem caminhos para implantação de Web Services: Java Web Services Developer Pack (Sun/Oracle). AXIS (Apache)

38 Protocolo HTTP: protocolo padrão para transmissão de dados pela Internet. XML: formato padrão para troca de informação. Principal elemento para Web Services. Simple Object Access Protocol (SOAP): estrutura padrão de empacotamento para transporte de documentos XML pela Internet. Permite que servidores e clientes diferentes possam interagir. 75 Web Service Description Language (WSDL): tecnologia XML que descreve de forma padronizada a interface de um Web Service. Determina parâmetros de entrada e de saída, estrutura de funções, natureza da chamada (E, S, E/S). Também define como os clientes interagem e executam os serviços

39 Universal Description, Discovery, and Integration (UDDI): descreve um registro mundial de serviços e serve como integração, propaganda e descoberta de serviços. 77 Aplicação Cliente SOAP Requisição HTTP Resposta HTTP Serviço Processador SOAP Registro UDDI WSDL Lógica De Negócio 78 39

40 79 Responsabilidades. Padrões de Web Services. Padrões em Projetos

41 A criação de padrões demanda esforço mas compensa por facilitar o uso de boas práticas de desenvolvimento. Várias organizações como Consórcios, Fundações, empresas privadas têm trabalhado para a criação de padrões. Algumas delas: W3C, OASIS, IETF, CEFACT, Microsoft, IBM, INTEL se uniram para criar a Web Services Interoperability Organization. 81 Existe uma pilha de padrões para a construção de aplicações SOA: Camada de Transporte. (mais baixa) Camada de Mensagens. Camada de Descrição. Camada de Qualidade de Serviço. Camada de Composição. Camada de Integração. (mais alta) 82 41

42 Determina conjunto de protocolos e caminhos que servem de base para a construção e operação de serviços. HTTP, HTTPS, SMTP, RMI/IIOP (Java e CORBA), JMS (Java). 83 Define padrões para troca de mensagens entre Web Services em um ambiente distribuído. XML, SOAP, WS-Addressing, WS- ReliableMessaging. A ideia é garantir que a mensagem é entregue OU notificar o remetente caso não seja possível entregá-la no destino especificado

43 Descreve como a informação deve ser representada e fornece informações a respeito das funcionalidades de um Web Service. WS-Resource properties, WS-Base faults, XSD (XML Schema Definition), WSDL, WS- Policy, WS-Metadata exchange. 85 Serve para garantir a satisfação do cliente em relação ao serviço sendo consumido. WS-Security, WS-TM, WS-Coordination, WS-Atomic-Transaction, Asynchronous Service Access Protocol (ASAP), WS- Reliable Messaging

44 Define procedimentos de orquestração e composição de serviços para dar significado ao processo de negócio. BPEL4WS, WS-Service Group, WS- Notification. 87 Integra Web Services para maximizar a capacidade de servir clientes. Manuseia e controla requisições HTTP e SOAP. Integra novos serviços ao ambiente sem que interfiram na execução dos demais

45 São descrições formais de soluções para problemas recorrentes em projetos de software. Padrões de projeto clássicos: Padrões de Criação: Abstract factory, Builder, Factory Method, etc. Padrões estruturais: Adapter, Bridge, Composite, Decorator, Facade, Flyweight e Proxy. Padrões comportamentais: Chain of Responsibility, Command, Interpreter, Iterator, Mediator etc

46 A tendência a desenvolver software para oferecer serviços tem aumentado. Um importante conceito influenciou fortemente: Web 2.0 (criado em 2004, não implica em uma nova versão da Web e sim em novas formas de usar a Web). 91 Beta Perpétuo. Desacoplamento total das partes - reutilização. Software acima do nível do dispositivo software nem no cliente nem no servidor. Lei da conservação dos lucros: utilizar APIs e protocolos abertos sempre que possível. Segurança da Informação. Ganho de competitividade 92 46

47 Definição de serviços feitos manualmente como se fossem software. Gestão do conhecimento. Representação do conhecimento. 93 Computação nas nuvens ou cloud computing pode ser definida como a convergência entre os aspectos dos modelos de negócio apresentados. A ideia representa um conjunto de computadores que hospeda os serviços. A tendência é que os computadores pessoais se tornem meramente veículos de acesso à Internet

48 Ferramentas disponíveis fora do computador. Aplicativos e dados armazenados em servidores na Internet. Exemplos: Dropbox, Skydrive, Google Drive, Aplicativos Google para escritório etc

49 Prever o futuro é impossível, mas podese criar algumas expectativas em relação á utilização de SOA. Modelagem do Domínio. Desenvolvimento Colaborativo. Computação em Nuvens. 97 IBM. Tivoli Software. Gestão de Ativos. Disponível em MARZULLO, Fabio Perez. SOA na Prática. São Paulo: Novatec, TECMUNDO disponível em WBEOPEDIA disponível em

50 Fernando Cardeal al 99 50

Arquitetura Orientada a Serviço

Arquitetura Orientada a Serviço Arquitetura Orientada a Fabio Perez Marzullo IEEE Body of Knowledge on Services Computing Sponsored by Technical Committee on Services Computing, IEEE Computer Society 1 SOA e Web Services SOA é um modelo

Leia mais

Service Oriented Architecture (SOA)

Service Oriented Architecture (SOA) São Paulo, 2011 Universidade Paulista (UNIP) Service Oriented Architecture (SOA) Prof. MSc. Vladimir Camelo vladimir.professor@gmail.com 04/09/11 vladimir.professor@gmail.com 1 04/09/11 vladimir.professor@gmail.com

Leia mais

SOA. Fabio Perez Marzullo. Inovando seu negócio por meio de soluções orientadas a serviços. Novatec

SOA. Fabio Perez Marzullo. Inovando seu negócio por meio de soluções orientadas a serviços. Novatec SOA na prática Inovando seu negócio por meio de soluções orientadas a serviços Fabio Perez Marzullo Novatec Sumário Parte I Fundamentos técnicos da teoria de serviços... 17 Capítulo 1 Introdução à teoria

Leia mais

2 Conceitos relativos a Web services e sua composição

2 Conceitos relativos a Web services e sua composição 15 2 Conceitos relativos a Web services e sua composição A necessidade de flexibilidade na arquitetura das aplicações levou ao modelo orientado a objetos, onde os processos de negócios podem ser representados

Leia mais

Web Services. (Introdução)

Web Services. (Introdução) Web Services (Introdução) Agenda Introdução SOA (Service Oriented Architecture) Web Services Arquitetura XML SOAP WSDL UDDI Conclusão Introdução Comunicação distribuída Estratégias que permitem a comunicação

Leia mais

3 Serviços na Web (Web services)

3 Serviços na Web (Web services) 3 Serviços na Web (Web services) 3.1. Visão Geral Com base na definição do Word Wide Web Consortium (W3C), web services são aplicações autocontidas, que possuem interface baseadas em XML e que descrevem

Leia mais

Curso Tecnológico de Redes de Computadores 5º período Disciplina: Tecnologia WEB Professor: José Maurício S. Pinheiro V. 2009-2

Curso Tecnológico de Redes de Computadores 5º período Disciplina: Tecnologia WEB Professor: José Maurício S. Pinheiro V. 2009-2 Curso Tecnológico de Redes de Computadores 5º período Disciplina: Tecnologia WEB Professor: José Maurício S. Pinheiro V. 2009-2 Aula 2 Computação em Nuvem Desafios e Oportunidades A Computação em Nuvem

Leia mais

acoplamento Exprime o grau de conexão entre os módulos; os módulos de um software devemapresentar um baixo coeficiente de acoplamento.

acoplamento Exprime o grau de conexão entre os módulos; os módulos de um software devemapresentar um baixo coeficiente de acoplamento. SOA Arquitetura Orientada a Serviços Conceitos e Aplicações Prof. MSc. Edilberto Silva edilms@yahoo.com/ http://edilms.eti.br Gestão de TI Conceitode SOA SOA - Service OrientedArchitecture (Arquitetura

Leia mais

UFG - Instituto de Informática

UFG - Instituto de Informática UFG - Instituto de Informática Especialização em Desenvolvimento de Aplicações Web com Interfaces Ricas EJB 3.0 Prof.: Fabrízzio A A M N Soares professor.fabrizzio@gmail.com Aula 13 Web Services Web Services

Leia mais

Planejamento Estratégico de TI. Felipe Pontes felipe.pontes@gmail.com

Planejamento Estratégico de TI. Felipe Pontes felipe.pontes@gmail.com Planejamento Estratégico de TI Felipe Pontes felipe.pontes@gmail.com VPN Virtual Private Network Permite acesso aos recursos computacionais da empresa via Internet de forma segura Conexão criptografada

Leia mais

A empresa digital: comércio e negócios eletrônicos

A empresa digital: comércio e negócios eletrônicos Universidade Federal do Vale do São Francisco Curso de Administração Tecnologia e Sistemas de Informação - 06 Prof. Jorge Cavalcanti jorge.cavalcanti@univasf.edu.br www.univasf.edu.br/~jorge.cavalcanti

Leia mais

Introdução a Web Services

Introdução a Web Services Introdução a Web Services Mário Meireles Teixeira DEINF/UFMA O que é um Web Service? Web Service / Serviço Web É uma aplicação, identificada por um URI, cujas interfaces podem ser definidas, descritas

Leia mais

INTEGRAÇÃO DE APLICAÇÕES UTILIZANDO WEB SERVICE 1. Kellen Kristine Perazzoli 2 ; Manassés Ribeiro 3

INTEGRAÇÃO DE APLICAÇÕES UTILIZANDO WEB SERVICE 1. Kellen Kristine Perazzoli 2 ; Manassés Ribeiro 3 INTEGRAÇÃO DE APLICAÇÕES UTILIZANDO WEB SERVICE 1 Kellen Kristine Perazzoli 2 ; Manassés Ribeiro 3 INTRODUÇÃO Atualmente empresas de diversos portes estão encontrando nos web services soluções para seus

Leia mais

TEMA TECNOLOGIA DA INFORMAÇÃO -Tipos de SI e Recursos de Software parte2. AULA DE SISTEMAS DE INFORMAÇÃO PROFa. ROSA MOTTA

TEMA TECNOLOGIA DA INFORMAÇÃO -Tipos de SI e Recursos de Software parte2. AULA DE SISTEMAS DE INFORMAÇÃO PROFa. ROSA MOTTA TEMA TECNOLOGIA DA INFORMAÇÃO -Tipos de SI e Recursos de Software parte2 AULA DE SISTEMAS DE INFORMAÇÃO PROFa. ROSA MOTTA CONTEÚDO DA AULA Tipos de Software Serviços Web Tendências 2 OBJETIVOS ESPECÍFICOS

Leia mais

Comércio Eletrônico. Comércio Eletrônico. Grau de digitalização. Caracteriza-se Comércio eletrônico pelo grau de digitalização:

Comércio Eletrônico. Comércio Eletrônico. Grau de digitalização. Caracteriza-se Comércio eletrônico pelo grau de digitalização: Comércio Eletrônico FTS Faculdade Taboão da Serra Curso de Administração de Sistemas de Informações Disciplina: Comércio Eletrônico Comércio Eletrônico Caracteriza-se Comércio eletrônico pelo grau de digitalização:

Leia mais

10. Defina Sistemas Distribuídos: Um conjunto de computadores independentes que se apresenta a seus usuários como um sistema único e coerente

10. Defina Sistemas Distribuídos: Um conjunto de computadores independentes que se apresenta a seus usuários como um sistema único e coerente 1. Quais os componentes de um sistema cliente-servidor? Clientes e servidores 2. Na visão do hardware, defina o que é cliente e o que é servidor: Clientes. Qualquer computador conectado ao sistema via

Leia mais

E-BUSINESS AGENDA. Profª. Kelly Hannel

E-BUSINESS AGENDA. Profª. Kelly Hannel E-BUSINESS Profª. Kelly Hannel AGENDA Evolução da internet nos negócios Conceitos de E-BUSINESS e COMÉRCIO ELETRÔNICO Identificando tendências do E-BUSINESS Quadro das interações possíveis no meio eletrônico

Leia mais

SOA Introdução. SOA Visão Departamental das Organizações

SOA Introdução. SOA Visão Departamental das Organizações 1 Introdução A Organização é a forma pela qual nós coordenamos nossos recursos de todos os tipos para realizar o trabalho que nos propusemos a fazer. A estrutura de nossas organizações manteve-se basicamente

Leia mais

PROGRAMA DE MBA em Gestão e Engenharia do Produto. O Produto Internet e suas Aplicações

PROGRAMA DE MBA em Gestão e Engenharia do Produto. O Produto Internet e suas Aplicações Universidade de São Paulo Escola Politécnica Programa de Educação Continuada em Engenharia PROGRAMA DE MBA em Gestão e Engenharia do Produto O Produto Internet e suas Aplicações Tecnologias de Informação

Leia mais

A computação na nuvem é um novo modelo de computação que permite ao usuário final acessar uma grande quantidade de aplicações e serviços em qualquer

A computação na nuvem é um novo modelo de computação que permite ao usuário final acessar uma grande quantidade de aplicações e serviços em qualquer A computação na nuvem é um novo modelo de computação que permite ao usuário final acessar uma grande quantidade de aplicações e serviços em qualquer lugar e independente da plataforma, bastando para isso

Leia mais

Infra estrutura da Tecnologia da Informação

Infra estrutura da Tecnologia da Informação Infra estrutura da Tecnologia da Informação Capítulo 3 Adaptado do material de apoio ao Livro Sistemas de Informação Gerenciais, 7ª ed., de K. Laudon e J. Laudon, Prentice Hall, 2005 CEA460 Gestão da Informação

Leia mais

11/20/10. Resoluções: Teste de Áudio. Não suporto esses malucos de TI. Só inventam despesas. Não acredito que teremos que pagar por mais softwares.

11/20/10. Resoluções: Teste de Áudio. Não suporto esses malucos de TI. Só inventam despesas. Não acredito que teremos que pagar por mais softwares. Não suporto esses malucos de TI. Só inventam despesas. Não acredito que teremos que pagar por mais softwares. Teste de Áudio Quero adaptar os softs que já temos e você não sabe como faz e diz que não é

Leia mais

Arquitetura Orientada a Serviços (SOA) Copyright e-core LTDA, 2010. Todos os direitos reservados.

Arquitetura Orientada a Serviços (SOA) Copyright e-core LTDA, 2010. Todos os direitos reservados. Arquitetura Orientada a Serviços (SOA) Visão Geral e-coree Estabelecida em 1999 Escritórios rios no Brasil e EUA Aproximadamente 100 profissionais Atua em prestação de serviços offshore desde 2004 Roteiro

Leia mais

24/05/2013. Comércio Eletrônico. Prof. João Artur Izzo

24/05/2013. Comércio Eletrônico. Prof. João Artur Izzo Comércio Eletrônico 1 A evolução do sistema mercadológico tem exigido das organizações grande esforço para a assimilação e utilização das tecnologias de informação referentes a comércio eletrônico, em

Leia mais

Padrões Arquiteturais e de Integração - Parte 1

Padrões Arquiteturais e de Integração - Parte 1 1 / 58 - Parte 1 Erick Nilsen Pereira de Souza T017 - Arquitetura e Design de Aplicações Análise e Desenvolvimento de Sistemas Universidade de Fortaleza - UNIFOR 11 de fevereiro de 2015 2 / 58 Agenda Tópicos

Leia mais

Objetivos. Qantas Airways Uma nova maneira de competir

Objetivos. Qantas Airways Uma nova maneira de competir MINISTÉRIO DE EDUCAÇÃO UNIVERSIDADE FEDERAL DE ALAGOAS - UFAL FACULDADE DE ECONOMIA, ADMINISTRAÇÃO E CONTABILIDADE FEAC CURSO DE ADMINISTRAÇÃO CONCEITOS COMÉRCIO ELETRÔNICO Prof. Dr. Nelsio Abreu nelsio@gmail.com

Leia mais

INFRAESTRUTURA DE TI E TECNOLOGIAS EMERGENTES

INFRAESTRUTURA DE TI E TECNOLOGIAS EMERGENTES Sistema de Informação e Tecnologia FEQ 0411 Prof Luciel Henrique de Oliveira luciel@uol.com.br Capítulo 5 INFRAESTRUTURA DE TI E TECNOLOGIAS EMERGENTES PRADO, Edmir P.V.; SOUZA, Cesar A. de. (org). Fundamentos

Leia mais

Laudon & Laudon Essentials of MIS, 5th Edition. Pg. 4.1

Laudon & Laudon Essentials of MIS, 5th Edition. Pg. 4.1 Laudon & Laudon Essentials of MIS, 5th Edition. Pg. 4.1 4 OBJETIVOS OBJETIVOS A EMPRESA DIGITAL: COMÉRCIO E NEGÓCIOS ELETRÔNICOS Como a tecnologia de Internet mudou propostas de valor e modelos de negócios

Leia mais

Tecnologia e Sistemas de Informações Empresa Digital

Tecnologia e Sistemas de Informações Empresa Digital Universidade Federal do Vale do São Francisco Tecnologia e Sistemas de Informações Empresa Digital Prof. Ricardo Argenton Ramos Aula 7 Desafios para a Administração Comercio eletrônico e negócios eletrônicos

Leia mais

IV. Intercâmbio Eletrônico de Dados (EDI)

IV. Intercâmbio Eletrônico de Dados (EDI) IV. Intercâmbio Eletrônico de Dados (EDI) 1. Funcionamento do EDI 2. EDI tradicional X WEB EDI 3. EDI Tradicional 4. WEB EDI Intercâmbio Eletrônico de Dados (EDI) EDI: Electronic Data Interchange Troca

Leia mais

FUNDAMENTOS DE SISTEMAS DE INFORMAÇÃO

FUNDAMENTOS DE SISTEMAS DE INFORMAÇÃO FUNDAMENTOS DE SISTEMAS DE INFORMAÇÃO Rafael D. Ribeiro, M.Sc,PMP. rafaeldiasribeiro@gmail.com http://www.rafaeldiasribeiro.com.br @ribeirord Pesquisa e Propagação do conhecimento: Através da Web, é possível

Leia mais

ARQUITETURA DE SISTEMAS. Cleviton Monteiro (cleviton@gmail.com)

ARQUITETURA DE SISTEMAS. Cleviton Monteiro (cleviton@gmail.com) ARQUITETURA DE SISTEMAS Cleviton Monteiro (cleviton@gmail.com) Roteiro Definição Documento de arquitetura Modelos de representação da arquitetura Estilos arquiteturais Arquitetura de sistemas web Arquitetura

Leia mais

Sistemas web e comércio eletrônico. Aula 02 Arquiteturas de comércio eletrônico

Sistemas web e comércio eletrônico. Aula 02 Arquiteturas de comércio eletrônico Sistemas web e comércio eletrônico Aula 02 Arquiteturas de comércio eletrônico Tópicos abordados Arquitetura do e-commerce Aspectos importantes do e-commerce Modelos de negócios Identificação do modelo

Leia mais

Web Services. Integração de aplicações na Web. Sistemas Distribuídos

Web Services. Integração de aplicações na Web. Sistemas Distribuídos Web Services Integração de aplicações na Web Integração de Aplicações na Web Interoperação entre ambientes heterogêneos desafios diversidade de componentes: EJB, CORBA, DCOM... diversidade de linguagens:

Leia mais

O Processo de Negociação visa superar possíveis conflitos e ao mesmo tempo obter para a empresa o melhor resultado possível da negociação.

O Processo de Negociação visa superar possíveis conflitos e ao mesmo tempo obter para a empresa o melhor resultado possível da negociação. O Processo de Negociação visa superar possíveis conflitos e ao mesmo tempo obter para a empresa o melhor resultado possível da negociação. As Etapas do Processo de Negociação envolvem o planejamento da

Leia mais

Serviços Web: Arquitetura

Serviços Web: Arquitetura Sistemas Distribuídos Mauro Lopes Carvalho Silva Professor EBTT DAI Departamento de Informática Campus Monte Castelo Instituto Federal de Educação Ciência e Tecnologia do Maranhão Objetivos Nesta aula

Leia mais

Um Processo para Desenvolvimento de Aplicações Web Baseado em Serviços. Autores: Fábio Zaupa, Itana Gimenes, Don Cowan, Paulo Alencar e Carlos Lucena

Um Processo para Desenvolvimento de Aplicações Web Baseado em Serviços. Autores: Fábio Zaupa, Itana Gimenes, Don Cowan, Paulo Alencar e Carlos Lucena Um Processo para Desenvolvimento de Aplicações Web Baseado em Serviços Autores: Fábio Zaupa, Itana Gimenes, Don Cowan, Paulo Alencar e Carlos Lucena Tópicos Motivação e Objetivos LP e SOA Processo ADESE

Leia mais

Fase 1: Engenharia de Produto

Fase 1: Engenharia de Produto Fase 1: Engenharia de Produto Disciplina: Análise de Requisitos DURAÇÃO: 44 h O objetivo principal da disciplina é realizar uma análise das necessidades e produzir um escopo do produto. Representará os

Leia mais

Estratégias em Tecnologia da Informação. Posição e Vantagem Competitiva Aplicações integradas Aplicações Web

Estratégias em Tecnologia da Informação. Posição e Vantagem Competitiva Aplicações integradas Aplicações Web Estratégias em Tecnologia da Informação Capítulo 09 Posição e Vantagem Competitiva Aplicações integradas Aplicações Web Material de apoio 2 Esclarecimentos Esse material é de apoio para as aulas da disciplina

Leia mais

Consumindo um Web Service através de uma Aplicação Comercial em Android. Alex Malmann Becker www.alex.porthal.com.br alex@porthal.com.

Consumindo um Web Service através de uma Aplicação Comercial em Android. Alex Malmann Becker www.alex.porthal.com.br alex@porthal.com. Consumindo um Web Service através de uma Aplicação Comercial em Android Alex Malmann Becker www.alex.porthal.com.br alex@porthal.com.br 08/2014 Agenda Introdução Conceitos Web Service Por que utilizar

Leia mais

Integração de sistemas utilizando Web Services do tipo REST

Integração de sistemas utilizando Web Services do tipo REST Integração de sistemas utilizando Web Services do tipo REST Jhonatan Wilson Aparecido Garbo, Jaime Willian Dias Universidade Paranaense (Unipar) Paranavaí PR Brasil jhowgarbo@gmail.com jaime@unipar.br

Leia mais

Aula 7 Aplicações e questões do Comércio Eletrônico.

Aula 7 Aplicações e questões do Comércio Eletrônico. Aula 7 Aplicações e questões do Comércio Eletrônico. TENDÊNCIAS NO COMÉRCIO ELETRÔNICO Atualmente, muitos negócios são realizados de forma eletrônica não sendo necessário sair de casa para fazer compras

Leia mais

Cloud Computing: Quando a nuvem pode ser um risco para o negócio. Marco Lima aka Mago Enterprise Technology Specialist

Cloud Computing: Quando a nuvem pode ser um risco para o negócio. Marco Lima aka Mago Enterprise Technology Specialist Cloud Computing: Quando a nuvem pode ser um risco para o negócio Marco Lima aka Mago Enterprise Technology Specialist 05 De onde vem o termo nuvem? Business Servidores SAN WAN SAN LANs Roteador NAS Switch

Leia mais

Abstraindo as Camadas de SOA & Aplicações Compostas

Abstraindo as Camadas de SOA & Aplicações Compostas Abstraindo as Camadas de SOA & Aplicações Compostas Serviço Service Requisitante Consumer Service Serviço Provider Provedor consumidores processos business e processes negócios Coreografia process choreography

Leia mais

Serviços Web: Introdução

Serviços Web: Introdução Sistemas Distribuídos Mauro Lopes Carvalho Silva Professor EBTT DAI Departamento de Informática Campus Monte Castelo Instituto Federal de Educação Ciência e Tecnologia do Maranhão Objetivos Nesta aula

Leia mais

Padrões Arquiteturais. Sistemas Distribuídos: Broker

Padrões Arquiteturais. Sistemas Distribuídos: Broker Padrões Arquiteturais Sistemas Distribuídos: Broker Sistemas Distribuídos Tendências: Sistemas Comp. com múltiplas CPUs Redes locais com centenas de hospedeiros Benefícios Economia Desempenho e escalabilidade

Leia mais

SOA: Service-oriented architecture

SOA: Service-oriented architecture SOA: Service-oriented architecture Roteiro Breve História O que é Arquitetura de Software? O que é SOA? Serviços Infraestrutura Composição Sua empresa está preparada para SOA? Breve História Uma empresa

Leia mais

Tecnologia da Informação. Prof Odilon Zappe Jr

Tecnologia da Informação. Prof Odilon Zappe Jr Tecnologia da Informação Prof Odilon Zappe Jr Comércio Eletrônico Um breve histórico Comércio compra, venda, troca de produtos e serviços; Incrementado pelos Fenícios, Árabes, Assírios e Babilônios uso

Leia mais

Sistemas Operacionais

Sistemas Operacionais Sistemas Operacionais Aula 6 Estrutura de Sistemas Operacionais Prof.: Edilberto M. Silva http://www.edilms.eti.br Baseado no material disponibilizado por: SO - Prof. Edilberto Silva Prof. José Juan Espantoso

Leia mais

e-ping - Padrões de Interoperabilidade de Governo Eletrônico www.governoeletronico.gov.br www.eping.e.gov.br

e-ping - Padrões de Interoperabilidade de Governo Eletrônico www.governoeletronico.gov.br www.eping.e.gov.br e-ping - Padrões de Interoperabilidade de Governo Eletrônico www.governoeletronico.gov.br www.eping.e.gov.br e PING: Segmentação Interconexão Segurança Meios de acesso Organização e intercâmbio de informações

Leia mais

UNIVERSIDADE. Sistemas Distribuídos

UNIVERSIDADE. Sistemas Distribuídos UNIVERSIDADE Sistemas Distribuídos Ciência da Computação Prof. Jesus José de Oliveira Neto Web Services Web Services Existem diferentes tipos de comunicação em um sistema distribuído: Sockets Invocação

Leia mais

Sistemas Operacionais. Prof. M.Sc. Sérgio Teixeira. Aula 05 Estrutura e arquitetura do SO Parte 2. Cursos de Computação

Sistemas Operacionais. Prof. M.Sc. Sérgio Teixeira. Aula 05 Estrutura e arquitetura do SO Parte 2. Cursos de Computação Cursos de Computação Sistemas Operacionais Prof. M.Sc. Sérgio Teixeira Aula 05 Estrutura e arquitetura do SO Parte 2 Referência: MACHADO, F.B. ; MAIA, L.P. Arquitetura de Sistemas Operacionais. 4.ed. LTC,

Leia mais

Sistemas Distribuídos

Sistemas Distribuídos Sistemas Distribuídos LICENCIATURA EM COMPUTAÇÃO Prof. Adriano Avelar Site: www.adrianoavelar.com Email: eam.avelar@gmail.com Mecanismos de Comunicação Protocolos de Aplicação Mecanismos de comunicação

Leia mais

Sistemas Distribuídos Arquitetura de Sistemas Distribuídos Aula II Prof. Rosemary Silveira F. Melo Arquitetura de Sistemas Distribuídos Conceito de Arquitetura de Software Principais elementos arquiteturais

Leia mais

11/3/2009. Software. Sistemas de Informação. Software. Software. A Construção de um programa de computador. A Construção de um programa de computador

11/3/2009. Software. Sistemas de Informação. Software. Software. A Construção de um programa de computador. A Construção de um programa de computador Sistemas de Informação Prof. Anderson D. Moura Um programa de computador é composto por uma seqüência de instruções, que é interpretada e executada por um processador ou por uma máquina virtual. Em um

Leia mais

UNIVERSIDADE FEDERAL DE SANTA MARIA CENTRO DE TECNOLOGIA AULA 14 PROFª BRUNO CALEGARO

UNIVERSIDADE FEDERAL DE SANTA MARIA CENTRO DE TECNOLOGIA AULA 14 PROFª BRUNO CALEGARO UNIVERSIDADE FEDERAL DE SANTA MARIA CENTRO DE TECNOLOGIA AULA 14 PROFª BRUNO CALEGARO Santa Maria, 01 de Novembro de 2013. Revisão aula passada Projeto de Arquitetura Decisões de projeto de Arquitetura

Leia mais

Tópicos de Ambiente Web Internet: negócios eletrônicos, novas tendencias e tecnologias

Tópicos de Ambiente Web Internet: negócios eletrônicos, novas tendencias e tecnologias Tópicos de Ambiente Web Internet: negócios eletrônicos, novas tendencias e tecnologias Professora: Sheila Cáceres Uma mensagem enviada em internet é dividida em pacotes de tamanho uniforme. Cada pacote

Leia mais

Obtendo Qualidade com SOA

Obtendo Qualidade com SOA Obtendo Qualidade com SOA Daniel Garcia Gerente de Prática BPM/SOA daniel.garcia@kaizen.com.br 11 de Novembro de 2009 Copyright 2009 Kaizen Consultoria e Serviços. All rights reserved Agenda Sobre a Kaizen

Leia mais

Modelos e Arquiteturas de Sistemas Computacionais

Modelos e Arquiteturas de Sistemas Computacionais Modelos e Arquiteturas de Sistemas Computacionais Prof. Ricardo J. Rabelo UFSC Universidade Federal de Santa Catarina DAS Departamento de Automação e Sistemas SUMÁRIO Importância da definição da Arquitetura

Leia mais

Sistemas Empresariais. Capítulo 3: Sistemas de Negócios. Colaboração SPT SIG

Sistemas Empresariais. Capítulo 3: Sistemas de Negócios. Colaboração SPT SIG Capítulo 3: Sistemas de Negócios Colaboração SPT SIG Objetivos do Capítulo Explicar como os SI empresariais podem apoiar as necessidades de informação de executivos, gerentes e profissionais de empresas.

Leia mais

Colaboração nas Empresas SPT SIG Aplicações Empresariais

Colaboração nas Empresas SPT SIG Aplicações Empresariais Capítulo 3: Sistemas de Apoio Gerenciais Colaboração nas Empresas SPT SIG Aplicações Empresariais Objetivos do Capítulo Explicar como os SI empresariais podem apoiar as necessidades de informação de executivos,

Leia mais

Dado: Fatos conhecidos que podem ser registrados e têm um significado implícito. Banco de Dados:

Dado: Fatos conhecidos que podem ser registrados e têm um significado implícito. Banco de Dados: MC536 Introdução Sumário Conceitos preliminares Funcionalidades Características principais Usuários Vantagens do uso de BDs Tendências mais recentes em SGBDs Algumas desvantagens Modelos de dados Classificação

Leia mais

Figura 01 Kernel de um Sistema Operacional

Figura 01 Kernel de um Sistema Operacional 01 INTRODUÇÃO 1.5 ESTRUTURA DOS SISTEMAS OPERACIONAIS O Sistema Operacional é formado por um Conjunto de rotinas (denominado de núcleo do sistema ou kernel) que oferece serviços aos usuários e suas aplicações

Leia mais

Sistemas de Produtividade

Sistemas de Produtividade Sistemas de Produtividade Os Sistemas de Produtividade que apresentaremos em seguida são soluções completas e podem funcionar interligadas ou não no. Elas recebem dados dos aplicativos de produtividade,

Leia mais

Bancos de dados distribuídos Prof. Tiago Eugenio de Melo tiagodemelo@gmail.com. http://www.tiagodemelo.info

Bancos de dados distribuídos Prof. Tiago Eugenio de Melo tiagodemelo@gmail.com. http://www.tiagodemelo.info Bancos de dados distribuídos Prof. Tiago Eugenio de Melo tiagodemelo@gmail.com Última atualização: 20.03.2013 Conceitos Banco de dados distribuídos pode ser entendido como uma coleção de múltiplos bds

Leia mais

Armazenamento em nuvem é feito em serviços que poderão ser acessados de diferentes lugares, a qualquer momento e utilizando diferentes dispositivos,

Armazenamento em nuvem é feito em serviços que poderão ser acessados de diferentes lugares, a qualquer momento e utilizando diferentes dispositivos, Nuvem cloud Armazenamento em nuvem é feito em serviços que poderão ser acessados de diferentes lugares, a qualquer momento e utilizando diferentes dispositivos, não havendo necessidade de armazenamento

Leia mais

Kassius Vargas Prestes

Kassius Vargas Prestes Kassius Vargas Prestes Agenda 1. Introdução Web Services 2. XML, SOAP 3. Apache Tomcat 4. Axis 5. Instalação Tomcat e Axis 6. Criação de um Web Service 7. Criação de um cliente Baixar http://www.inf.ufrgs.br/~kvprestes/webservices/

Leia mais

T2Ti Tecnologia da Informação Ltda T2Ti.COM http://www.t2ti.com Projeto T2Ti ERP 2.0. Bloco Comercial. CRM e AFV

T2Ti Tecnologia da Informação Ltda T2Ti.COM http://www.t2ti.com Projeto T2Ti ERP 2.0. Bloco Comercial. CRM e AFV Bloco Comercial CRM e AFV Objetivo O objetivo deste artigo é dar uma visão geral sobre os Módulos CRM e AFV, que fazem parte do Bloco Comercial. Todas informações aqui disponibilizadas foram retiradas

Leia mais

Sistemas de Informações Gerenciais Prof. Esp. André Luís Belini Bacharel em Sistemas de Informações MBA em Gestão Estratégica de Negócios

Sistemas de Informações Gerenciais Prof. Esp. André Luís Belini Bacharel em Sistemas de Informações MBA em Gestão Estratégica de Negócios Sistemas de Informações Gerenciais Prof. Esp. André Luís Belini Bacharel em Sistemas de Informações MBA em Gestão Estratégica de Negócios Capítulo 4 Infra-Estrutura de TI: Hardware e Software 2 1 OBJETIVOS

Leia mais

Service Oriented Architecture SOA

Service Oriented Architecture SOA Service Oriented Architecture SOA Arquitetura orientada aos serviços Definição: Arquitetura de sistemas distribuídos em que a funcionalidade é disponibilizada sob a forma de serviços (bem definidos e independentes)

Leia mais

Web Services. Autor: Rômulo Rosa Furtado

Web Services. Autor: Rômulo Rosa Furtado Web Services Autor: Rômulo Rosa Furtado Sumário O que é um Web Service. Qual a finalidade de um Web Service. Como funciona o serviço. Motivação para o uso. Como construir um. Referências. Seção: O que

Leia mais

Proposta de Avaliação de Empresas para o uso do SAAS

Proposta de Avaliação de Empresas para o uso do SAAS 1 INSTITUTO DE EDUCAÇÃO TECNOLÓGICA PÓS-GRADUAÇÃO Gestão e Tecnologia da Informação/ IFTI 1402 Turma 25 09 de abril de 2015 Proposta de Avaliação de Empresas para o uso do SAAS Raphael Henrique Duarte

Leia mais

Categorias de Padrões

Categorias de Padrões Categorias de Padrões Padrão Arquitetural ou Estilo Arquitetural Padrão de Design (Design Patterns) Idiomas Categorias de Padrões ESTILOS ARQUITETURAIS PADRÕES DE DESIGN IDIOMAS Padrões de Design Os subsistemas

Leia mais

Novas tecnologias otimizando a avaliação de bens

Novas tecnologias otimizando a avaliação de bens Novas tecnologias otimizando a avaliação de bens Avaliando Imóveis Urbanos em 2 minutos Antônio Pelli Neto Eng. Civil e Mecânico INTRODUÇÃO Agenda: Conceitos básicos sobre Avaliando nas Nuvens Porque somente

Leia mais

Projeto Demoiselle. Para perguntas e respostas, utilizem a lista de discussões de usuários da comunidade: demoiselle-users@lists.sourceforge.

Projeto Demoiselle. Para perguntas e respostas, utilizem a lista de discussões de usuários da comunidade: demoiselle-users@lists.sourceforge. Projeto Demoiselle Para perguntas e respostas, utilizem a lista de discussões de usuários da comunidade: demoiselle-users@lists.sourceforge.net Palestrantes: Antônio Carlos Tiboni Luciana Campos Mota 20/07/2009

Leia mais

Universidade Federal de Goiás Centro de Recursos Computacionais - CERCOMP Divisão de Sistemas. Criação de uma Serviço de Geração de Relatórios

Universidade Federal de Goiás Centro de Recursos Computacionais - CERCOMP Divisão de Sistemas. Criação de uma Serviço de Geração de Relatórios Universidade Federal de Goiás Centro de Recursos Computacionais - CERCOMP Divisão de Sistemas Criação de uma Serviço de Geração de Relatórios Goiânia 12/2011 Versionamento 12/12/2011 Hugo Marciano... 1.0

Leia mais

Comunicado Técnico 11

Comunicado Técnico 11 Comunicado Técnico 11 ISSN 2177-854X Maio. 2011 Uberaba - MG Web Services e XML Comunicação Inteligente entre Sistemas Responsáveis: Daniela Justiniano de Sousa E-mail: dsol_dani21@hotmail.com Graduada

Leia mais

Padrões Abertos, Componentização e SOA A chave para a evolução e criação de uma nova geração de sistemas de gestão comercial

Padrões Abertos, Componentização e SOA A chave para a evolução e criação de uma nova geração de sistemas de gestão comercial Padrões Abertos, Componentização e SOA A chave para a evolução e criação de uma nova geração de sistemas de gestão comercial Sindo V. Dias Antônio C. Mosca Rogério A. Rondini Agenda Cenário do Setor de

Leia mais

Programação Orientada a Objetos. Padrões de Criação

Programação Orientada a Objetos. Padrões de Criação Programação Orientada a Objetos Padrões de Criação Cristiano Lehrer, M.Sc. Objetivos Apresentar cada um dos 23 padrões clássicos descrevendo: O problema que solucionam. A solução. Diagramas UML (Unified

Leia mais

TI Aplicada. Aula 02 Áreas e Profissionais de TI. Prof. MSc. Edilberto Silva prof.edilberto.silva@gmail.com http://www.edilms.eti.

TI Aplicada. Aula 02 Áreas e Profissionais de TI. Prof. MSc. Edilberto Silva prof.edilberto.silva@gmail.com http://www.edilms.eti. TI Aplicada Aula 02 Áreas e Profissionais de TI Prof. MSc. Edilberto Silva prof.edilberto.silva@gmail.com http:// Papéis... Um papel é uma definição abstrata de um conjunto de atividades executadas e dos

Leia mais

CORBA. Common Object Request Broker Architecture. Unicamp. Centro de Computação Rubens Queiroz de Almeida queiroz@unicamp.br

CORBA. Common Object Request Broker Architecture. Unicamp. Centro de Computação Rubens Queiroz de Almeida queiroz@unicamp.br CORBA Common Object Request Broker Architecture Unicamp Centro de Computação Rubens Queiroz de Almeida queiroz@unicamp.br Objetivos Apresentação Tecnologia CORBA Conceitos Básicos e Terminologia Considerações

Leia mais

Anexo VI Edital nº 03361/2008. Projeto de Integração das informações de Identificação Civil. 1. Definições de interoperabilidade adotadas pela SENASP

Anexo VI Edital nº 03361/2008. Projeto de Integração das informações de Identificação Civil. 1. Definições de interoperabilidade adotadas pela SENASP Anexo VI Edital nº 03361/2008 Projeto de Integração das informações de Identificação Civil 1. Definições de interoperabilidade adotadas pela SENASP A Senasp procura adotar os padrões de interoperabilidade

Leia mais

CAPITULO 4 A ARQUITETURA LÓGICA PARA O AMBIENTE

CAPITULO 4 A ARQUITETURA LÓGICA PARA O AMBIENTE CAPITULO 4 A ARQUITETURA LÓGICA PARA O AMBIENTE A proposta para o ambiente apresentada neste trabalho é baseada no conjunto de requisitos levantados no capítulo anterior. Este levantamento, sugere uma

Leia mais

A EMPRESA DIGITAL: COMÉRCIO E NEGÓCIOS ELETRÔNICOS

A EMPRESA DIGITAL: COMÉRCIO E NEGÓCIOS ELETRÔNICOS A EMPRESA DIGITAL: COMÉRCIO E NEGÓCIOS ELETRÔNICOS 1 OBJETIVOS 1. Como a tecnologia de Internet mudou propostas de valor e modelos de negócios? 2. O que é comércio eletrônico?? Como esse tipo de comércio

Leia mais

Aplicativo web para definição do modelo lógico no projeto de banco de dados relacional

Aplicativo web para definição do modelo lógico no projeto de banco de dados relacional Aplicativo web para definição do modelo lógico no projeto de banco de dados relacional Juarez Bachmann Orientador: Alexander Roberto Valdameri Roteiro Introdução Objetivos Fundamentação teórica Desenvolvimento

Leia mais

A INTERNET E A NOVA INFRA-ESTRUTURA DA TECNOLOGIA DE INFORMAÇÃO

A INTERNET E A NOVA INFRA-ESTRUTURA DA TECNOLOGIA DE INFORMAÇÃO A INTERNET E A NOVA INFRA-ESTRUTURA DA TECNOLOGIA DE INFORMAÇÃO 1 OBJETIVOS 1. O que é a nova infra-estrutura informação (TI) para empresas? Por que a conectividade é tão importante nessa infra-estrutura

Leia mais

Unidade II GERENCIAMENTO DE SISTEMAS. Prof. Roberto Marcello

Unidade II GERENCIAMENTO DE SISTEMAS. Prof. Roberto Marcello Unidade II GERENCIAMENTO DE SISTEMAS DE INFORMAÇÃO Prof. Roberto Marcello SI Sistemas de gestão A Gestão dos Sistemas Integrados é uma forma organizada e sistemática de buscar a melhoria de resultados.

Leia mais

FACULDADE DE ADMINISTRAÇÃO E NEGÓCIOS DE SERGIPE - FANESE CURSO SUPERIOR DE TECNOLOGIA em Gestão da Tecnologia da Informação

FACULDADE DE ADMINISTRAÇÃO E NEGÓCIOS DE SERGIPE - FANESE CURSO SUPERIOR DE TECNOLOGIA em Gestão da Tecnologia da Informação FACULDADE DE ADMINISTRAÇÃO E NEGÓCIOS DE SERGIPE - FANESE CURSO SUPERIOR DE TECNOLOGIA em Gestão da Tecnologia da Informação 1 Ruironaldi dos Santos Cruz ARTIGO ARQUITETURA ORIENTADA A SERVIÇO SOA SERVICE

Leia mais

UMA VISÃO GERAL DA COMPUTAÇÃO EM NUVEM

UMA VISÃO GERAL DA COMPUTAÇÃO EM NUVEM UMA VISÃO GERAL DA COMPUTAÇÃO EM NUVEM Ederson dos Santos Cordeiro de Oliveira 1, Tiago Piperno Bonetti 1, Ricardo Germano 1 ¹Universidade Paranaense (Unipar) Paranavaí PR Brasil edersonlikers@gmail.com,

Leia mais

Sistemas para internet e software livre

Sistemas para internet e software livre Sistemas para internet e software livre Aula 3 - Modelos de Negócios na Web Image: FreeDigitalPhotos.net Modelo de negócios Definição clássica "É um método de fazer negócios por meio do qual uma empresa

Leia mais

Sistemas Distribuídos. Professora: Ana Paula Couto DCC 064

Sistemas Distribuídos. Professora: Ana Paula Couto DCC 064 Sistemas Distribuídos Professora: Ana Paula Couto DCC 064 Sistemas Distribuídos Basedos na Web Capítulo 12 Agenda Arquitetura Processos Comunicação Nomeação Sincronização Consistência e Replicação Introdução

Leia mais

Disciplina de Banco de Dados Introdução

Disciplina de Banco de Dados Introdução Disciplina de Banco de Dados Introdução Prof. Elisa Maria Pivetta CAFW - UFSM Banco de Dados: Conceitos A empresa JJ. Gomes tem uma lista com mais ou menos 4.000 nomes de clientes bem como seus dados pessoais.

Leia mais

JXTA. Alessandro Vasconcelos Ferreira de Lima. avfl@cin.ufpe.br

JXTA. Alessandro Vasconcelos Ferreira de Lima. avfl@cin.ufpe.br JXTA Alessandro Vasconcelos Ferreira de Lima Roteiro Motivação Introdução Arquitetura de JXTA Elementos de JXTA Os Protocolos Comparações e Desvantagens Conclusão Motivação Limitações do Modelo Cliente

Leia mais

PROGRAMAÇÃO SERVIDOR WEBSERVICES EM SISTEMAS WEB. Prof. Dr. Daniel Caetano 2012-1

PROGRAMAÇÃO SERVIDOR WEBSERVICES EM SISTEMAS WEB. Prof. Dr. Daniel Caetano 2012-1 PROGRAMAÇÃO SERVIDOR EM SISTEMAS WEB WEBSERVICES Prof. Dr. Daniel Caetano 2012-1 Objetivos Compreender o que é um WebService e sua utilidade Compreender a lógica de funcionamento de um WebService Capacitar

Leia mais

Projeto de Arquitetura

Projeto de Arquitetura Projeto de Arquitetura Ian Sommerville 2006 Engenharia de Software, 8ª. edição. Capítulo 11 Slide 1 Objetivos Apresentar projeto de arquitetura e discutir sua importância Explicar as decisões de projeto

Leia mais

Padrões de Projeto. Prof. Jefersson Alex dos Santos (jefersson@dcc.ufmg.br) http://www.dcc.ufmg.br/~jefersson

Padrões de Projeto. Prof. Jefersson Alex dos Santos (jefersson@dcc.ufmg.br) http://www.dcc.ufmg.br/~jefersson Padrões de Projeto Prof. Jefersson Alex dos Santos (jefersson@dcc.ufmg.br) http://www.dcc.ufmg.br/~jefersson Apresentação Conceitos Definição Ponto de vista prático História Padrões de Projeto Conhecidos

Leia mais

AUTOMAÇÃO SUPERVISÃO E CONTROLE E A APLICAÇÃO DA ARQUITETURA ORIENTADA A SERVIÇOS SOA.

AUTOMAÇÃO SUPERVISÃO E CONTROLE E A APLICAÇÃO DA ARQUITETURA ORIENTADA A SERVIÇOS SOA. AUTOMAÇÃO SUPERVISÃO E CONTROLE E A APLICAÇÃO DA ARQUITETURA ORIENTADA A SERVIÇOS SOA. Uma significativa parcela dos sistemas de automação de grandes empresas são legados de tecnologias de gerações anteriores,

Leia mais

Sistemas de Informação

Sistemas de Informação Sistemas de Informação Informação no contexto administrativo Graduação em Redes de Computadores Prof. Rodrigo W. Fonseca SENAC FACULDADEDETECNOLOGIA PELOTAS >SistemasdeInformação SENAC FACULDADEDETECNOLOGIA

Leia mais