Universidade do estado da Bahia - UNEB. Pró-Reitor de Pesquisa e Ensino de Pós-Graduação

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "Universidade do estado da Bahia - UNEB. Pró-Reitor de Pesquisa e Ensino de Pós-Graduação"

Transcrição

1 Universidade do estado da Bahia - UNEB Pró-Reitoria de Pesquisa e Ensino de Pós-Graduação Departamento de Ciências Exatas e da Terra - DCET Curso de Especialização em Design de Produto Pós-Graduação Lato Sensu Ivete Alves do Sacramento Reitora Cesário Francisco das Virgens Pró-Reitor de Pesquisa e Ensino de Pós-Graduação Lourisvaldo Valentim da Silva Pró-Reitor de Extensão Luis Carlos dos Santos Pró-Reitor de Ensino e Graduação Lídia Boaventura Pimenta Pró-Reitoria de Administração Lourisvaldo Valentim da Silva Unidade de Desenvolvimento Organizacional Carlos Antônio Alves Queirós Diretor do Departamento Suzi Mariño Pequini Coordenadora Anamaria de Moraes Supervisora UNEB PÓSDESIGN

2 Coordenadora: Suzi Mariño Pequini Ass. Administrativa: Taís Campos Pedrosa Ass. de Imprenssa: Candida Lemos Designers Gráfico: Amauri Passos Carina Silveira Marcus Vinícius Web Designer: Rodrigo Aranha Monitores: Cristian Machado Dinah Gonçalves Lorena Peixoto UNEB PÓSDESIGN

3 Estação Individual de Trabalho, de Uso Doméstico, para Pintor ou Desenhista Contemporâneo. GRUPO Ana Maria Guimarães Carlos Eduardo Góes Emerson Monteiro João Carlos Weschollek Sandra Velozo Coelho Salvador / 2002 UNEB PÓSDESIGN

4 Corpo Docente Anamaria de Moraes Antônio Ferreira Neto Carla Niemeyer Fábio Righetto Lucy Niemeyer Márcia Auriani Maurício Robbe de Almeida Milton Francisco Júnior Nilda de Oliveira Sydney Freitas Suzi Mariño Pequini Equipe Técnica Candida Lemos Franca Carina Santos Silveira Cristian Benedito Machado Dinah Pereira Gonçalves Lorena Torres Peixoto Marcus Vinícius Souza Santos Rodrigo Aranha Taís Moraes Campos Pedrosa UNEB PÓSDESIGN

5 SUMÁRIO 1. INTRODUÇÃO PROBLEMA OBJETIVO JUSTIFICATIVA PROBLEMATIZAÇÃO SISTEMATIZAÇÃO 5.1. Caracterização e posição serial do sistema Ordenação hierárquica do sistema Expansão do sistema Modelagem comunicacional do sistema Fluxograma funcional ação-decisão Tabela de função informação ação Problematização do sistema homem-tarefa-máquina Definição das classes dos problemas Classes dos problemas e observações Atividades da tarefa e problemas verificados Levantamento de dados ergonômicos Parecer ergonômico Posturas assumidas durante a realização da tarefa Levantamento de dados antropométricos Posição sentado vista sagital lateral Posição de pé vista sagital lateral Posição semi-sentado LEVANTAMENTO E ANÁLISE DE DADOS 6.1. Questionários Modelo dos questionários aplicados Resultado dos questionários aplicados Entrevista Observação Levantamento e análise de similares Levantamento e análise de materiais e processos de fabricação Módulo 1 Pintura e desenho Módulo 2 Apoio e guarda Dados de mercado Técnicas de conclave aplicadas Brainstorm Diagrama espinha de peixe Matriz de prioridades Tabela GUT Analogias Tabela de Brainstorm Estratégias de inovação UNEB PÓSDESIGN

6 7. SÍNTESE 7.7. Lista dos requisitos projetuais Requisitos de usabilidade Requisitos comunicacionais Requisitos arquiteturais Requisitos mercadológicos Requisitos materiais GERAÇÃO E SELEÇÃO DE ALTERNATIVAS 8.1. Desenhos com as alternativas Justificativa para a alternativa selecionada DESENVOLVIMENTO 9.1. Testes com Modelo rústico de papelão Planilha: problemas, de que maneiras, alternativas Soluções dos problemas solução de subsistemas da alternativa selecionada Modelo rústico da solução escolhida para os pés dos módulos 1 e DETALHAMENTO TÉCNICO Desenho técnico preliminar Especificações de materiais Definição do processo de fabricação TESTES FINAIS Planilha de planejamento para construção e testes com protótipo Testes com registros fotográficos Avaliação dos resultados (PNI) CONCLUSÃO Recomendações BIBLIOGRAFIA Anexo 1 - Questionário para levantamento de doenças músculo-esqueléticas Anexo 2 - Pesquisa sobre materiais e processos de fabricação Anexo 3 Plantas e detalhes da alternativa selecionada Anexo 4 Rendering do produto e fotos da exposição do protótipo UNEB PÓSDESIGN

7 LISTA DE FIGURAS 01.5 Problemas interfaciais - Inadequação do campo de visão Problemas interfaciais - Inadequação do campo de visão Problemas interfaciais - Inadequação do posto de trabalho Problemas interfaciais - Inadequação do posto de trabalho Problemas interfaciais - Alcance da área de trabalho Problemas interfaciais - Vício de postura Problemas interfaciais - Inadequação do posto de trabalho Problemas interfaciais - Inadequação do posto de trabalho Problemas interfaciais - Inadequação do posto de trabalho Problemas interfaciais - Apoio para colocação de foto Problemas interfaciais - Altura da mesa compromete a postura Problemas interfaciais - Alturas incompatíveis entre mesa e banco Problemas interfaciais - Inadequação das dimensões Problemas interfaciais - Inadequação do campo de visão e alcances Problemas interfaciais - Inadequação do campo de visão e alcances Problemas interfaciais - Inadequação do campo de visão e alcances Problemas interfaciais - Postura sentada Problemas interfaciais - Postura sentada Problemas interfaciais - Postura sentada Problemas interfaciais - Postura em pé Problemas interfaciais - Postura em pé Problemas interfaciais - Postura em pé Problemas instrumentais - Arranjos físicos incongruentes de painéis Problemas instrumentais - Arranjos físicos incongruentes de painéis Problemas movimentacionais Problemas movimentacionais Problemas movimentacionais Problemas acionais Problemas acionais Problemas acionais Problemas acionais Problemas acionais Problemas acionais Problemas acionais Antonello L abate e seu atelier Detalhe do atelier Detalhe do atelier Detalhe do atelier Detalhe do atelier Detalhe do atelier Detalhe do atelier Juarez Paraíso e a praça infantil do Hospital Aliança da Bahia Detalhe dos mosaicos Detalhe dos mosaicos Alfredo Gama e seu atelier e escritório Detalhe do atelier UNEB PÓSDESIGN

8 Detalhe do atelier Waldo Robatto Detalhe do mobiliário do atelier Detalhe do atelier Waldo Robatto Detalhe do atelier Waldo Robatto Atelier do artista argentino Nicolás Garcia Uriburu Detalhe do atelier do artista Atelier do artista italiano Mário de Luigi Detalhe do atelier do artista Atelier do artista italiano Mário de Luigi Detalhe do atelier do artista O artista Pollock e seu modo de pintar O artista Pollock e seu modo de pintar Cavalete Estúdio Campo luxo Cavalete Estúdio Super Cavalete Estúdio Super Cavalete Estúdio Estojo/Cavalete Fricote Estojo/Cavalete Francês Cavalete Campo Estante/Prancheta Móvel Ponyeasel Uso improvisado de mesa de televisão Prancheta para desenhos de arquitetura Carrinho de apoio para arquitetos Alternativas - Desenho Alternativas - Desenho Alternativas - Desenho Alternativas - Desenho Alternativas - Desenho Alternativas - Desenho Alternativas - Desenho Alternativas - Desenho Alternativas - Desenho Alternativas - Desenho Alternativas - Desenho Alternativas - Desenho Alternativas - Desenho Alternativas - Desenho Alternativas - Desenho Alternativas - Desenho Alternativas - Desenho Alternativas - Desenho Alternativas - Desenho Alternativas - Desenho Alternativas - Desenho Alternativas - Desenho Alternativas - Desenho Alternativas - Desenho UNEB PÓSDESIGN

9 25.8 Alternativas - Desenho Alternativas - Desenho Alternativas - Desenho Alternativas - Desenho Alternativas - Desenho Alternativas - Desenho Alternativas - Desenho Alternativas - Desenho Alternativas - Desenho Alternativas - Desenho Bancada na horizontal (h=63cm) - menor mulher Bancada na horizontal (h=76cm) - menor mulher Bancada na horizontal (h=76cm) - maior homem Bancada na horizontal (h=76cm) - maior homem Bancada na vertical (h=1,22m) - maior homem Bancada na vertical (h=1,07m) - menor mulher Bancada na horizontal (h=1,15m) - maior homem Bancada na horizontal (h=90cm) - menor mulher Bancada na vertical (h=1,59m) - maior homem Bancada na vertical (h=1,48m) - menor mulher Bancada na horizontal e módulo 02 - menor mulher Bancada na horizontal e módulo 02 - maior homem Bancada na vertical e módulo 02 - menor mulher Bancada na vertical e módulo 02 maior homem Módulo Módulo 01 Detalhe do mecanismo central Módulo Módulo Materiais que serão guardados no módulo Materiais que serão guardados no módulo Materiais que serão guardados no módulo Testes de cubagem no módulo Testes de cubagem no módulo Testes de cubagem no módulo Testes de cubagem no módulo Testes de cubagem no módulo Soluções dos problemas Desenho Soluções dos problemas Desenho Soluções dos problemas Desenho Soluções dos problemas Desenho Soluções dos problemas Desenho Soluções dos problemas Desenho Soluções dos problemas Desenho Modelo dos pés do módulo 1 Foto Modelo dos pés do módulo 1 Foto Modelo dos pés do módulo 2 Foto Modelo dos pés do módulo 2 Foto UNEB PÓSDESIGN

10 Modelo dos pés do módulo 2 Foto Modelo dos pés do módulo 2 Foto Equipe da Letto Módulo Testes com Módulo Módulos 01 e Detalhe do rodízio do módulo Detalhe da manopla da haste do módulo Detalhe da soldagem dos pés Detalhe da fixação do rodízio Detalhe do módulo UNEB PÓSDESIGN

11 LISTA DE GRÁFICOS 01.6 Local de trabalho Tempo de trabalho por dia Forma de trabalho Interrupções do trabalho por avarias ou falta de material à mão Prepara/ajusta o equipamento de trabalho Altera a posição da tela ou papel Resultados negativos por iluminação defeituosa Posição de trabalho Qual o apoio que utiliza Dimensões das telas ou papéis em centímetros Utilização de fotografias ou modelos Costume de guardar o material ao final da jornada de trabalho Outras atividades enquanto trabalha Encontra os instrumentos facilmente Sugestão apoio móvel e ajustável Sugestão apoio para instrumentos Sugestão local para guardar material Sugestão iluminação dirigida Sugestão apoio para braço e punho Sugestão apoio para os pés Sugestão suporte para fotos Sugestão guardar objetos pessoais Sugestão lavatório Sugestão variação de ângulo e altura Sugestão trabalho em duas superfícies Sugestão local para secagem Sugestão local para trabalhos prontos Sugestão local para solventes Sugestão valor em reais UNEB PÓSDESIGN

12 RESUMO PALAVRAS-CHAVE: Estação de trabalho, pintura, organização Estação individual de trabalho, de uso doméstico, para pintor ou desenhista contemporâneo que proporcione o máximo de conforto, funcionalidade e adaptabilidade na elaboração dos trabalhos. A estação de trabalho deverá propiciar o armazenamento adequado dos materiais de trabalho, visibilidade do material em uso e ter os materiais sempre à mão. KEYWORDS: Work station, painting, organization Home Personal Work Station, for contemporary painters or drawers in order to give them the best of confort, functionality and adaptability during their work. The work station should provide the appropriate stoking of all materials and visibility of the material that is being used, making them also handy. UNEB PÓSDESIGN

13 1. INTRODUÇÃO Entende-se como estação individual de trabalho de uso doméstico para pintores e/ou desenhistas contemporâneos, o sistema para o desenvolvimento da atividade de pintura e ou desenho por um único indivíduo proporcionando o máximo de conforto, funcionalidade e adaptabilidade. Existem os artistas, formados em artes plásticas ou não, que sobrevivem unicamente da venda dos seus trabalhos, e que possuem atelier onde desenvolvem suas atividades. Encontramos também artistas que, além da venda de trabalhos, exercem outras atividades paralelas para completar a renda mensal. Além destes, muitas pessoas que sempre desejaram pintar começaram a atividade como forma de lazer e de satisfação pessoal. A maioria destes exercem profissões diversas e desenvolvem a pintura nas suas residências com mobiliário improvisado, ou em cursos de pintura e desenho. A estação de trabalho será desenvolvida para atender a todo este universo de pessoas que se dedicam às artes plásticas, sejam Artistas Plásticos profissionais ou amadores, que trabalham em casa ou em atelier próprio Histórico A arte é, antes de tudo, comunicação, e tem que se valer de todos os recursos que possam significar uma maior difusão da nossa obra. Quem assegura que só pinta para si mesmo, para satisfazer uma necessidade biológica, está enganado... Se a vida dá vida e a beleza promove engendrá-la, cada obra de arte deve possuir a vitalidade suficiente para assegurar a sua continuidade. JOAN-JOSEP THARRATS A pintura tem acompanhado a evolução da humanidade e funcionado como uma espécie de sinalização dos tempos: ela se transforma de acordo com a realidade de quem produz e reflete o tempo e o contexto cultural em que o artista vive. Em particular, ela é imensamente rica em significado e narrativa. Do Paleolítico até os dias atuais encontram-se diferentes expressões e manifestações pictóricas. Cada época e cada cultura utilizaram-se de características, técnicas, estilos, composições e apelos visuais que mais se adaptassem às suas realidades, valores e regras. A pintura é encontrada em grande estilo nas paredes das cavernas, nas paredes das tumbas egípcias, nos vasos gregos, nas pinturas murais ilusionistas romanas, nas iluminuras da Idade Média, nas pinturas das magníficas catedrais góticas e nos diferentes movimentos que surgiram na história da arte como expressões de idéias e sentimentos próprios. E o ser humano nasceu com o potencial de reagir a qualquer tipo de arte. UNEB PÓSDESIGN

14 Todo o panorama da pintura atravessou a história da arte utilizando-se de diferentes suportes: parede, pedra, ferro, cerâmica, papel, madeira, vidro e tela. Após o uso de rochas das cavernas e argila como suportes para a pintura, o homem descobriu novas experiências. Ao longo dos tempos foi criando novas soluções para a produção de imagens que expressassem sua imaginação e seus sentimentos. Surge então uma incrível variedade de suportes e superfícies placas de cobre, couro, madeira, ossos, papel, vidros e tecidos. Até o fim da Idade Média, o suporte mais comum para pinturas e o material pais usado em esculturas era a madeira, usada desde os tempos do antigo Egito. Na Europa havia uma grande preocupação quanto o tipo de madeira a ser usada e quanto à sua qualidade. Ela não deveria apresentar nódulos, empenos, carcomidos e tão pouco estarem úmidas. Aqueles que a comercializassem sem seguirem as determinações dos fiscais medievais corriam o risco de pagarem altas multas. O tecido, que já era muito conhecido pelos egípcios dois milênios antes de Cristo, tinha a má fama de ser pouco resistente. A tela como suporte para pintura só se tornou popular a partir do século XV, quando artistas que pintavam temas religiosos começaram a usá-la. O tecido permitia a realização de trabalhos em maiores dimensões, como também facilitava o manuseio e transporte, já que este podia ser enrolado. Isto facilitou muito o intercâmbio de obras de artes em diferentes tipos de culturas e diferentes povos. Acredita-se que Ascensão, obra do pintor italiano Tiziano, datada de 1518, foi a primeira grande pintura religiosa feita sobre tela. A tela é utilizada até os dias de hoje e é o suporte mais usado pela maioria dos artistas. Estima-se que no mundo atual existem mais artistas em atividade do que em três séculos de Renascença. Porém, não há seguimento de uma linha histórico-cronológica única. Já não existe mais uma tendência dominante. O mundo e o fluxo constante de mudanças e transformações do século XX e XXI fizeram com que a arte contemporânea adquirisse um caráter indefinível. Segundo estudiosos e pesquisadores a história da pintura perde temporariamente o rumo: ela vai ao encontro do desconhecido e do incerto. A liberdade aventurosa oferecida pela arte contemporânea possibilitou o surgimento de novas técnicas e tendências. A pintura clássica cede seu espaço para as novas manifestações, descobertas e experimentos pictóricos. Com isso, a utilização de certos instrumentos e materiais de pintura tornaram-se dispensáveis para a realização de determinados trabalhos artísticos. Para os seguidores da action painting de Jackson Pollock, por exemplo, a paleta, o cavalete e o pincel tornaram-se obsoletos para a criação da pintura. Porém, mesmo com toda essa efervescência de novas tendências, o cavalete ainda se faz presente em grande parte das produções artísticas. Ele ainda é um móvel indispensável nas escolas ou centros de pintura, assim como nos ateliês de artistas e mesmo nas residências daqueles que têm como hobby a pintura. UNEB PÓSDESIGN

15 2. PROBLEMA Observamos que as estações utilizadas são inadequadas e muitas vezes são resultado de improvisações no mobiliário, sendo diversos os problemas decorrentes desta inadequação. Existem limitações na mobilidade do artista que não consegue alcançar toda a área da tela sem causar constrangimentos posturais. A visibilidade e armazenamento do material de trabalho são prejudicados, pois quase nunca existe um local para guardá-los ou para apoiá-los durante o trabalho. A sujeira proveniente da atividade é constante, às vezes por falta de cuidado ou por mau hábito do artista, mas na maioria das vezes decorre do derramamento de água ou solvente durante o trabalho, já que os suportes para os materiais são inadequados. A iluminação dos locais de trabalho é muitas vezes inadequada, prejudicando os resultados dos trabalhos. Verificou-se também a falta de local reservado para a secagem dos trabalhos. Além destes problemas, os sistemas existentes não têm muita flexibilidade para comportar trabalhos de tamanhos variados e, além disso, os mecanismos de ajuste emperram ou são de difícil alcance. 3. OBJETIVO Criação de um sistema para o desenvolvimento das atividades de pintura ou desenho, proporcionando aos artistas plásticos contemporâneos o máximo de conforto, funcionalidade e adaptabilidade na elaboração dos trabalhos. 4. JUSTIFICATIVA Observando-se o considerável número de artistas plásticos, estudantes, autodidatas e de pessoas que fazem da pintura e/ou desenho um hobby ou terapia, torna-se importante lançar no mercado um produto diferenciado que facilite a tarefa da pintura e inove o conceito de pintar em casa e no ateliê. A mesmice e a inadequação dos produtos existentes no mercado, seja por suas formas e funções, pelo alto custo ou por materiais, requerem observação e mudança. Vale ressaltar que os conhecidos cavaletes de pintura foram criados para serem transportados e usados em campo, prática já em decadência. A tendência de se trabalhar em casa (home-offices) e em espaços cada vez mais reduzidos induzem o mercado a criar produtos específicos que atendam pela boa estética e dimensões compactas. A existência de um novo produto com tais características estimularia a atividade de pintar em casa, evitando-se grandes transtornos no ambiente doméstico, tais como o uso da mesa da sala ou da bancada de estudos como local de trabalho. UNEB PÓSDESIGN

16 5. PROBLEMATIZAÇÃO E SISTEMATIZAÇÃO 5.1. Caracterização e posição serial do sistema RESTRIÇÕES: Diversidade do material a ser armazenado, custo, dimensionamento e produção de sujeira durante o trabalho. SISTEMA ALIMEN- TADOR: Mente, capacidade criadora, inspiração. Entradas: Idéia para a realização do trabalho. META: Proporcionar melhores condições de conforto e produtividade ao desenvolvimento das atividades de pintura e/ou desenho de artistas plásticos contemporâneos. SISTEMA ALVO Sistema de trabalho, de uso doméstico, para o desenvolvimento das atividades de pintura e/ou desenho do artista plástico contemporâneo. REQUISITOS: Armazenamento adequado para o material de trabalho, Visibilidade do material durante o desenvolvimento dos trabalhos, Possibilidade de ter os materiais de trabalho sempre à mão, Iluminação adequada, Mobilidade do usuário (liberdade de movimentos), Possibilidade de variar os ângulos do plano trabalho de 0º a 90º, Transportabilidade do sistema, Resistência do material de fabricação do sistema aos solventes, tintas, abrasivos e outros, Personalização. SAÍDAS: Quadros, desenhos, trabalhos artísticos finalizados. SISTEMA ULTERIOR: Galerias, exposições, feiras, lojas de decoração, residências, mercado de artes plásticas. Resultados despropositados: Dores no corpo, fadiga muscular, queda do material, manchas na pele e vestes, intoxicação, danos nos trabalhos, problemas de visão, telas defeituosas. UNEB PÓSDESIGN

17 5.2. Ordenação hierárquica do sistema ECOSSISTEMA - MERCADO DE ARTE SUPRA-SUPRA-SISTEMA - MERCADO DE ARTES PLÁSTICAS SUPRA-SISTEMA - MERCADO DE PINTURA E DESENHO SISTEMA ALVO - SISTEMA DE USO DOMÉSTICO PARA O DESENVOLVIMENTO DAS ATIVIDADES DE PINTURA E DESENHO Subsistema 1 Superfície de trabalho Materiais em uso Sistema para colocação da tela Acondicionamento de água e/ou solvente acomodação do usuário Iluminação Subsistema 2 Armazenagem Materiais Telas Secagem Armazenagem 5.3. Expansão do sistema SISTEMA SERIAL 1 Encomendas, Solicitações. SISTEMA PARA O DESENVOLVIMENTO DAS ATIVIDADES DE PINTURA E DESENHO DE USO DOMÉSTICO SISTEMA SUPERFÍCIE DE TRABALHO SISTEMA ARMAZENAGEM SISTEMA SERIAL 2 Galerias, Lojas, Etc. SISTEMA PARALELO 1: Cerâmica SISTEMA PARALELO 2: Escultura SISTEMA PARALELO 3: Gravuras SISTEMA PARALELO 4: Instalações UNEB PÓSDESIGN

18 5.4. Modelagem comunicacional do sistema MÁQUINA Fontes de informação: Visual Cores Texturas Instrumentos Suportes CANAIS DE TRANSMISSÃO HOMEM Sistemas humanos: Visão Olfato Tato Transmissões Neurônios Comandos: Alças Empunhaduras Alavancas Manivelas ACIONAMENTOS: Movimentar Segurar Empurrar Pressionar Puxar Abaixar Levantar Pegar Colocar Rotacionar Ajustar Respostas humanas: Posturas Gestos Movimentos Deslocamentos UNEB PÓSDESIGN

19 5.5. Fluxograma funcional ação-decisão I INÍCIO Escolha da idéia Concretização da idéia-esboço 3.0 Escolha da técnica Disposição dos equi- pamentos Ajuste do para o trabalho suporte de trabalho Preparação da superfície 7.0 Marcação da superfície II Preparar a paleta Escolha dos instrumentos Pintura ou desenho S Secagem Limpeza do material Guarda do material Pintura Pronta N Aplicar verniz S 14.0 N 3 3 I II Embalagem Distribuição FIM 3 UNEB PÓSDESIGN

20 5.6. Tabela de função informação ação Função 1- Escolher a idéia Informações requeridas - Solicitação do cliente - Idéia - Tendência do mercado Informação Fontes de informação - Pesquisas - Entrevistas - Cursos - Viagens - Inspiração Dificuldades - Bloqueio mental - Indecisão Ação(ões) - Inspirar-se Ação Objetos das ações - Mente Dificuldades - Stress - Capacidade cria dora 2- Concretização da idéia - Idéia definida - Mente - Fotografias - Filmes - Modelos - Objetivação da imagem - Esboçar - Superfícies diversas - Lápis e similares - Falta de domínio da técnica 3- Escolha da técnica Tipos de técnicas - Livros - Cursos - Pesquisas - Experimentos - Adaptação da técnica à idéia - Escolher - Decisão 4- Disposição dos equipamentos para trabalho - Tipo do material - Localização - Posicionamento - Cores - Tintas - Odor do material - Instrumentos: pincéis, espátulas - Diversidade do material - Falta de espaço - Separar o material - Organizar o material - O próprio material - Desorganização - Falta de espaço - Tipo de superfícies - Materiais alternativos 5- Ajuste do suporte de trabalho - Tamanho da superfície de trabalho - Técnica escolhida - A superfície e o suporte - Manual do usuário - Posicionamento do ângulo e da altura - Suporte - Impossibilidade de ajustes adequados - Material não apropriado UNEB PÓSDESIGN

21 Função Informações requeridas Informação Fontes de informação Dificuldades - Tipo do material - Massa 6- - Técnica escolhida - Odor do material Prepara-ção da superfície - Instrumentos - Tipo de superfície - Materiais alternativos Ação(ões) Ação Objetos das ações - Aplicar a base - Superfície - Preparar a superfície - Massa - Água - Instrumentos Dificuldades 7- Marcação da superfície 8- Preparação da paleta - Idéia - O - Tipo de superfície Esboço - Esboçar - Idéia - Cores - Tintas - Odor do material - Tipo de técnica - Esboço - Superfície - Carvão ou similar - Colocar - Tintas as tintas na paleta - Paleta - Misturar - Água as cores - Instru- - Adicionar solventes mentos - Solventes - Paleta adequada - Espaço - Obter matizes desejada 9- Escolha dos instrumentos - O esboço - - Tipo da técnica Idéia - Diversi- - Separar - Mãos - Locali-zação - dos A técnica instrumen-tos dade do material os instru-mentos - Pincéis - Visualização dos instru- - Espátulas - Tipo da superfície mentos - Organizar - Bastões os instru-mentos - Penas - Lápis - Carvão outros - Desorganização - Falta de espaço 10- Pintura ou desenho - Idéia - Cores - Tintas - Esboço - Tipo da técnica - Paleta - Tipo da superfície - Instru-mentos - Posicio-namento - Modelos do suporte - Fotos - Imagens - Manual do usuário - Domínio da técnica - Dissolver - Pigmentar - Misturar - Desenhar - Raspar - Lixar - Riscar - Pigmentos - Domínio da técnica - Instru-mentos - Solventes UNEB PÓSDESIGN

22 Função Informações requeridas Informação Fontes de informação Dificuldades Ação(ões) Ação Objetos das ações - Mãos - Material utilizado - durante a tarefa 11- Visualização do - material Desconhe-cimento utilizado - Separar do material adequado - Local de trabalho para os instru- Limpeza do mate-rial limpeza mentos - Limpar - Pincéis - Espátulas - Bastões - Penas - Lápis - Carvão - Solventes -Material de limpeza Dificuldades - Falta de espaço - Limpar os instru-mentos com mate-riais já endure cidos Material utilizado - Interrupção durante a tarefa Guarda do material - Local de armazena-mento ou finalização do trabalho - Separar - Armazenar - Materiais - Falta de espaço - Comparti- mentos - Visualização do material utilizado 13- Secagem - Se o trabalho - está O trabalho finalizado ou interrom-pido - Separar o trabalho - Trabalho - Manchas - Local da secagem - O tipo da técnica - Proteger - Proteção - Aderên- - Secar - Instru-mentos cia de de secagem partículas estranh (vento, secador) 14- Aplicação do verniz ou fixador 15- Embalagem - Técnica - Trabalho seco - Tempo de seca-gem - O tipo do da trabalho técnica - Trabalho finalizado - Material da embalagem - Meio de transporte - Distância - Aplicar o verniz - Pincel - Verniz - Proteger - Sinalizar - Embalar - Etiquetar - Iluminação ade- quada - Spray fixador - Trabalho - Proteção -Material da embalagem - Sujeira na aplicação -Tamanho - Peso - Fragilidade do trabalho 16- Distribuição - Distância - Destino - Enviar - Carregar - Transportar - Legalizar - Trabalho embalado UNEB PÓSDESIGN

23 5.7. Problematização do sistema homem-tarefa-máquina Definição das Classes dos problemas Durante a análise da tarefa, observou-se a existência das classes de problemas abaixo definidas, conforme categorização expressa nas páginas 81 a 85 do livro Ergonomia: Conceitos e Aplicações, das autoras Anamaria de Moraes e Cláudia Mont Alvão, Editora 2AB:? Problemas Interfaciais: Posturas prejudiciais resultantes de inadequações do campo de visão / tomada de informações, do envoltório acional / alcances, do posicionamento de componentes comunicacionais, com prejuízos para os sistemas muscular e esquelético.? Problemas Acionais: Constrangimentos biomecânicos no ataque acional a comandos e empunhaduras; ângulos, movimentação e aceleração, que agravam as lesões por traumas repetitivos.? Problemas Químico-Ambientais: Partículas, elementos tóxicos e aero-dispersóides em concentração no ar acima dos limites permitidos. Estes problemas são causados principalmente pelos materiais usados na técnica de pintura à óleo, tintas e solventes, que possuem cheiro forte, são tóxicos e causam alergias a diversas pessoas. Na técnica de pintura acrílica os problemas alérgicos são menores, pois a tinta não tem cheiro muito forte, não é tóxica e o solvente utilizado é a água. Na atividade de desenho os problemas são ainda menores, pois são usados geralmente materiais não tóxicos, porém o spray fixador, usado para finalizar trabalhos em carvão e pastel seco, tem cheiro muito forte e necessita ser usado em local ventilado.? Problemas Instrumentais: Arranjos físicos incongruentes de painéis de informações e de comandos, que acarretam dificuldades de tomada de informações e de acionamentos, em face de inconsistência de navegação e de exploração visual, com prejuízos para a memorização e para a aprendizagem.? Problemas Movimentacionais: Excesso de peso, distância do curso da carga, freqüência de movimentação dos objetos a levantar ou transportar. Desrespeito aos limites recomendados de movimentação manual de materiais, com riscos para os sistemas muscular e esquelético.? Problemas Espaciais / arquiteturais de interiores; Deficiência de fluxo, circulação, isolamento; má aeração, insolação, iluminação, isolamento acústico, térmico, radioativo. Estes problemas interferem muito na qualidade do trabalho pois limitam a movimentação do artista (ambientes muito apertados). Além disso, uma iluminação inadequada (escassa ou excessiva) causam efeitos indesejados nos trabalhos pois interferem na percepção visual das cores usadas. Por fim, a falta ou o excesso de ventilação causa problemas na secagem dos trabalhos, além de ser necessária ventilação adequada para dispersão dos elementos tóxicos eventualmente usados na atividade. UNEB PÓSDESIGN

Uma Definição: "Estudo entre o homem e o seu trabalho, equipamentos e meio ambiente".

Uma Definição: Estudo entre o homem e o seu trabalho, equipamentos e meio ambiente. ERGONOMIA: palavra de origem grega. ERGO = que significa trabalho NOMOS = que significa regras Uma Definição: "Estudo entre o homem e o seu trabalho, equipamentos e meio ambiente". Tríade básica da Ergonomia:

Leia mais

O que é ERGONOMIA? TERMOS GREGOS: ERGO = TRABALHO NOMIA (NOMOS)= REGRAS, LEIS NATURAIS

O que é ERGONOMIA? TERMOS GREGOS: ERGO = TRABALHO NOMIA (NOMOS)= REGRAS, LEIS NATURAIS O que é ERGONOMIA? TERMOS GREGOS: ERGO = TRABALHO NOMIA (NOMOS)= REGRAS, LEIS NATURAIS...é um conjunto de conhecimentos relativos ao homem e necessários à concepção de instrumentos, máquinas e dispositivos

Leia mais

Biomecânica. A alavanca inter-resistente ou de 2º grau adequada para a realização de esforço físico, praticamente não existe no corpo humano.

Biomecânica. A alavanca inter-resistente ou de 2º grau adequada para a realização de esforço físico, praticamente não existe no corpo humano. Biomecânica Parte do conhecimento da Ergonomia aplicada ao trabalho origina-se no estudo da máquina humana. Os ossos, os músculos, ligamentos e tendões são os elementos dessa máquina que possibilitam realizar

Leia mais

Aula 03 Antropometria Prof. Mario S. Ferreira Junho, 2013

Aula 03 Antropometria Prof. Mario S. Ferreira Junho, 2013 Pontifícia Universidade Católica do Rio Grande do Sul Faculdade de Arquitetura e Urbanismo Curso de Especialização em Arquitetura da Habitação de Interesse Social ERGONOMIA E ACESSIBILIDADE Aplicada à

Leia mais

Postura. As posturas prolongadas podem prejudicar os músculos e as articulações.

Postura. As posturas prolongadas podem prejudicar os músculos e as articulações. Postura A postura é, freqüentemente, determinada pela natureza da tarefa ou do posto de trabalho. Um porteiro de hotel tem uma postura estática, enquanto um carteiro passa a maior parte do tempo andando.

Leia mais

PORQUÊ EU TENHO DORES NAS COSTAS?

PORQUÊ EU TENHO DORES NAS COSTAS? Dores nas Costas PORQUÊ EU TENHO DORES NAS COSTAS? O QUE CAUSA DORS NAS COSTAS? Várias podem ser as causas de suas dores nas costas: - Posturas inadequadas - Esforço exagerado - Permanecer por muito tempo

Leia mais

Ergonomia Corpo com Saúde e Harmonia

Ergonomia Corpo com Saúde e Harmonia Ergonomia Corpo com Saúde e Harmonia Dr. Leandro Gomes Pistori Fisioterapeuta CREFITO-3 / 47741-F Fone: (16) 3371-4121 Dr. Paulo Fernando C. Rossi Fisioterapeuta CREFITO-3 / 65294 F Fone: (16) 3307-6555

Leia mais

ERGONOMIA Notas de Aula - Graduação

ERGONOMIA Notas de Aula - Graduação ERGONOMIA Notas de Aula - Graduação Análise Ergonômica do Trabalho - AET Ponto 02 Mario S. Ferreira Março, 2010 CONCEITUAÇÃO Análise Ergonômica do Trabalho Intervenção, no ambiente de trabalho, para estudo

Leia mais

LAUDO ERGONÔMICO DE TRABALHO ERGONOMIA NR-17

LAUDO ERGONÔMICO DE TRABALHO ERGONOMIA NR-17 LAUDO ERGONÔMICO DE TRABALHO ERGONOMIA NR-17 1. IDENTIFICAÇÃO DA EMPRESA Razão Social: Caixa Econômica Federal Endereço: Setor SBS Quadra 4 Bloco A Lote 3 e 4 Asa Sul Brasília/ DF CEP 70.092-900 CNPJ:

Leia mais

Cuidando da Coluna e da Postura. Texto elaborado por Luciene Maria Bueno. Coluna e Postura

Cuidando da Coluna e da Postura. Texto elaborado por Luciene Maria Bueno. Coluna e Postura Cuidando da Coluna e da Postura Texto elaborado por Luciene Maria Bueno Coluna e Postura A coluna vertebral possui algumas curvaturas que são normais, o aumento, acentuação ou diminuição destas curvaturas

Leia mais

Antropometria. A antropometria estuda as dimensões físicas e proporções do corpo humano.

Antropometria. A antropometria estuda as dimensões físicas e proporções do corpo humano. Antropometria A antropometria estuda as dimensões físicas e proporções do corpo humano.. O conhecimento dessas medidas e como saber usá-las é muito importante na determinação dos diversos aspectos relacionados

Leia mais

O Dimensionamento do Centro de Produção

O Dimensionamento do Centro de Produção O Dimensionamento do Centro de Produção (posto de trabalho) ANTROPOMETRIA estudo e sistematização das medidas físicas do corpo humano. ANTROPOMETRIA ESTÁTICA - refere-se a medidas gerais de segmentos corporais,

Leia mais

Avaliação ergonômica dos postos de trabalho dos funcionários de uma lavanderia industrial área industrial

Avaliação ergonômica dos postos de trabalho dos funcionários de uma lavanderia industrial área industrial Avaliação ergonômica dos postos de trabalho dos funcionários de uma lavanderia industrial área industrial Paolo Cinque Pequini (Faculdade Área 1) ppeqhini@cpunet.com.br Carlos Brasileiro (Faculdade Área

Leia mais

CUIDADOS COM A COLUNA

CUIDADOS COM A COLUNA SENADO FEDERAL CUIDADOS COM A COLUNA SENADOR CLÉSIO ANDRADE 2 Cuidados com a coluna 3 apresentação As dores na coluna vertebral são um grande transtorno na vida de muita gente, prejudicando os movimentos

Leia mais

Global Training. The finest automotive learning

Global Training. The finest automotive learning Global Training. The finest automotive learning Cuidar da saúde com PREFÁCIO O Manual de Ergonomia para o Motorista que você tem em agora em mãos, é parte de um programa da Mercedes-Benz do Brasil para

Leia mais

Caderno de Postura. Prof. Luiz Mello

Caderno de Postura. Prof. Luiz Mello Caderno de Postura Prof. Luiz Mello CADERNO DE POSTURA Este caderno de postura tem como objetivo demonstrar os principais pontos relacionados a maneira de como tocar violão e guitarra de uma maneira saudável,

Leia mais

A postura saudável para o digitador

A postura saudável para o digitador A postura saudável para o digitador A postura saudável para o digitador 2 Muitas vezes nos perguntamos: Qual é a postura mais adequada para se trabalhar durante horas em frente a um computador? Após anos

Leia mais

Prof. Gustavo Suriani de Campos Meireles, M.Sc.

Prof. Gustavo Suriani de Campos Meireles, M.Sc. Pontifícia Universidade Católica de Goiás Departamento de Engenharia Curso de Graduação em Engenharia de Produção ENG 1090 Introdução à Engenharia de Produção Prof. Gustavo Suriani de Campos Meireles,

Leia mais

UNIVERSIDADE FEDERAL DA BAHIA ESCOLA DE BELAS ARTES DESENHO INDUSTRIAL REDESENHO DO BANCO CAVALINHO DA ESCOLA DE BELAS ARTES DA UFBA

UNIVERSIDADE FEDERAL DA BAHIA ESCOLA DE BELAS ARTES DESENHO INDUSTRIAL REDESENHO DO BANCO CAVALINHO DA ESCOLA DE BELAS ARTES DA UFBA UNIVERSIDADE FEDERAL DA BAHIA ESCOLA DE BELAS ARTES DESENHO INDUSTRIAL REDESENHO DO BANCO CAVALINHO DA ESCOLA DE BELAS ARTES DA UFBA Discente: Pedro Coelho Barreiros Docente: Prof. Dr. Paulo Fernando de

Leia mais

DESIGN INDUSTRIAL. ERGONOMIA Aplicada ao Design Gráfico. Sistema técnico de leitura ergonômica. Disciplina: Prof. Dr.

DESIGN INDUSTRIAL. ERGONOMIA Aplicada ao Design Gráfico. Sistema técnico de leitura ergonômica. Disciplina: Prof. Dr. DESIGN INDUSTRIAL Disciplina: ERGONOMIA Aplicada ao Design Gráfico Sistema técnico de leitura ergonômica DESIGN DO PRODUTO Prof. Dr. João Gomes Filho DESIGN DO PRODUTO Leitura Ergonômica EXEMPLOS 1 Leitura

Leia mais

MARCIA JASCOV MASCARENHAS MACHADO

MARCIA JASCOV MASCARENHAS MACHADO MARCIA JASCOV MASCARENHAS MACHADO POSTURA CORPORAL Produção Didática apresentada para o 2º Período do Programa de Desenvolvimento Educacional - 2008 da Secretaria de Estado da Educação do Paraná. Orientador

Leia mais

MANUAL DE USO, CONSERVAÇÃO E GARANTIA DO PRODUTO

MANUAL DE USO, CONSERVAÇÃO E GARANTIA DO PRODUTO MANUAL DE USO, CONSERVAÇÃO E GARANTIA DO PRODUTO GARANTIA QUALIDADE No Manual de Uso, Conservação e Garantia do Produto você vai encontrar dicas e informações importantes para conservação dos produtos

Leia mais

Ergo (trabalho) Nomos (regras)

Ergo (trabalho) Nomos (regras) ERGONOMIA Ergo (trabalho) Nomos (regras) Ergonomia é o estudo do relacionamento entre o homem e o seu trabalho, equipamentos, ferramentas e ambiente, visando à solução dos problemas surgidos desse relacionamento

Leia mais

Unidade II SAÚDE E SEGURANÇA NO TRABALHO / BENEFÍCIOS E ASSISTÊNCIA SOCIAL. Prof. Joaquim Ribeiro

Unidade II SAÚDE E SEGURANÇA NO TRABALHO / BENEFÍCIOS E ASSISTÊNCIA SOCIAL. Prof. Joaquim Ribeiro Unidade II SAÚDE E SEGURANÇA NO TRABALHO / BENEFÍCIOS E ASSISTÊNCIA SOCIAL Prof. Joaquim Ribeiro 6. Conceito e importância da Ergonomia Origem nas palavras gregas: ergon (trabalho) e nomos (regras). 6.

Leia mais

INVOLUÇÃO X CONCLUSÃO

INVOLUÇÃO X CONCLUSÃO POSTURA INVOLUÇÃO X CONCLUSÃO *Antigamente : quadrúpede. *Atualmente: bípede *Principal marco da evolução das posturas em 350.000 anos. *Vantagens: cobrir grandes distâncias com o olhar, alargando seu

Leia mais

Prof. Paulo C. Barauce Bento. Ergonomia. UFPR 2007 ETAPAS. Prof. Paulo C. Barauce Bento. Ergonomia. UFPR 2007. Prof. Paulo C.

Prof. Paulo C. Barauce Bento. Ergonomia. UFPR 2007 ETAPAS. Prof. Paulo C. Barauce Bento. Ergonomia. UFPR 2007. Prof. Paulo C. Ergonomia Posto de trabalho Menor unidade produtiva Aplicação da antropometria no design do local de trabalho Homem e seu local de trabalho Fábrica / escritório > conjunto de postos Análise do posto Enfoque

Leia mais

ERGONOMIA CENTRO DE EDUCAÇÃO MÚLTIPLA PROFESSOR: RODRIGO ARAÚJO 3 MÓDULO NOITE

ERGONOMIA CENTRO DE EDUCAÇÃO MÚLTIPLA PROFESSOR: RODRIGO ARAÚJO 3 MÓDULO NOITE ERGONOMIA CENTRO DE EDUCAÇÃO MÚLTIPLA PROFESSOR: RODRIGO ARAÚJO 3 MÓDULO NOITE A ERGONOMIA ESTUDA A SITUAÇÃO DE TRABALHO: Atividade Ambiente (iluminação, ruído e calor) Posto de trabalho Dimensões, formas

Leia mais

NR 17 - ERGONOMIA. Portaria 3.214, de 08 de junho de 1978 06/07

NR 17 - ERGONOMIA. Portaria 3.214, de 08 de junho de 1978 06/07 NR 17 - ERGONOMIA Portaria 3.214, de 08 de junho de 1978 06/07 Esta Norma Regulamentadora visa a estabelecer parâmetros que permitam a adaptação das condições de trabalho às características psicofisiológicas

Leia mais

DE VOLTA ÀS AULAS... CUIDADOS COM A POSTURA E O PESO DA MOCHILA!

DE VOLTA ÀS AULAS... CUIDADOS COM A POSTURA E O PESO DA MOCHILA! DE VOLTA ÀS AULAS... CUIDADOS COM A POSTURA E O PESO DA MOCHILA! SUA MOCHILA NÃO PODE PESAR MAIS QUE 10% DO SEU PESO CORPORAL. A influência de carregar a mochila com o material escolar nas costas, associado

Leia mais

CHECK-LIST PARA AVALIAÇÃO DAS CONDIÇÕES ERGONÔMICAS EM POSTOS DE TRABALHO INFORMATIZADOS

CHECK-LIST PARA AVALIAÇÃO DAS CONDIÇÕES ERGONÔMICAS EM POSTOS DE TRABALHO INFORMATIZADOS 1 CHECK-LIST PARA AVALIAÇÃO DAS CONDIÇÕES ERGONÔMICAS EM POSTOS DE TRABALHO INFORMATIZADOS Versão fevereiro 2007 (UA: 30/06/10) Autor: Hudson Couto Colaborador: Dr. Edivaldo Sanábio e Remi Lópes Antonio

Leia mais

KIT Porta IPUMIRIM. Manual técnico e instruções de instalação

KIT Porta IPUMIRIM. Manual técnico e instruções de instalação Manual técnico e instruções de instalação KIT Porta IPUMIRIM Este manual de instalação do Kit Faqueadas Ipumirim vai auxiliar e orientar construtores e consumidores com as informações necessárias com relação

Leia mais

ergonomia fatores humanos Ergonomia cognitiva Ergonomia organizacional Qual o papel da Ergonomia para a saúde

ergonomia fatores humanos Ergonomia cognitiva Ergonomia organizacional Qual o papel da Ergonomia para a saúde A ergonomia (ou fatores humanos, como é conhecida nos Estados Unidos da América) é a disciplina científica relacionada ao entendimento das interações entre seres humanos e outros elementos de um sistema,

Leia mais

ANÁLISE ERGONÔMICA DO POSTO DE TRABALHO EM UMA REVENDA DE INSUMOS AGRÍCOLA

ANÁLISE ERGONÔMICA DO POSTO DE TRABALHO EM UMA REVENDA DE INSUMOS AGRÍCOLA ANÁLISE ERGONÔMICA DO POSTO DE TRABALHO EM UMA REVENDA DE INSUMOS AGRÍCOLA 1 LUIZIANE DALLAVECHIA, 2 FRANCIANNE BARONI ZANDONADI 1 Bacharel em Engenheira de Produção Agroindustrial (UNEMAT) e Estudante

Leia mais

Análise de fatores ergonômicos em um salão de beleza da cidade de Horizontina.

Análise de fatores ergonômicos em um salão de beleza da cidade de Horizontina. Análise de fatores ergonômicos em um salão de beleza da cidade de Horizontina. Diana Michele Pilz (FAHOR) dp000682@fahor.com.br Ricardo Muller (FAHOR) rm000820@fahor.com.br Luciéli Della Flora (FAHOR)

Leia mais

CARTILHA DE AUTOCUIDADO DE COLUNA

CARTILHA DE AUTOCUIDADO DE COLUNA CARTILHA DE AUTOCUIDADO DE COLUNA APRENDA A CUIDAR DA SUA COLUNA Elaboração: Júlia Catarina Sebba Rios Pesquisa: Efeitos de um programa educacional de autocuidado de coluna em idosos ati vos e sedentários

Leia mais

MANUAL DE INSTRUÇÕES MODELO ABC DESIGN 3 TEC

MANUAL DE INSTRUÇÕES MODELO ABC DESIGN 3 TEC MANUAL DE INSTRUÇÕES MODELO ABC DESIGN 3 TEC Utilização 3 em 1 (sistema travel system) bebê conforto adaptável ao carrinho Altura regulável das alças para empurrar o carrinho 3 posições de regulagem de

Leia mais

NR 12 - Máquinas e Equipamentos (112.000-0)

NR 12 - Máquinas e Equipamentos (112.000-0) 12.1. Instalações e áreas de trabalho. NR 12 - Máquinas e Equipamentos (112.000-0) 12.1.1. Os pisos dos locais de trabalho onde se instalam máquinas e equipamentos devem ser vistoriados e limpos, sempre

Leia mais

Quesitos da função prática. Antropometria

Quesitos da função prática. Antropometria Quesitos da função prática Antropometria breve histórico Filósofos, teóricos, artistas e arquitetos estudaram, ao longo da história, as proporções do corpo humano; antropometria física: viagens de Marco

Leia mais

ESCOLIOSE Lombar: Sintomas e dores nas costas

ESCOLIOSE Lombar: Sintomas e dores nas costas ESCOLIOSE Lombar: Sintomas e dores nas costas O que é escoliose? É um desvio látero-lateral que acomete acoluna vertebral. Esta, quando olhada de frente, possui aparência reta em pessoas saudáveis. Ao

Leia mais

2624 :: Artistas visuais,desenhistas industriais e conservadores-restauradores de bens culturais

2624 :: Artistas visuais,desenhistas industriais e conservadores-restauradores de bens culturais 2624 :: Artistas visuais,desenhistas industriais e conservadores-restauradores de bens culturais 2624-05 - Artista (artes visuais) Aquarelista, Artesão (artista visual), Artista plástico, Caricaturista,

Leia mais

PREVALÊNCIA DE LOMBALGIA EM ALUNOS DE FISIOTERAPIA E SUA RELAÇÃO COM A POSTURA SENTADA

PREVALÊNCIA DE LOMBALGIA EM ALUNOS DE FISIOTERAPIA E SUA RELAÇÃO COM A POSTURA SENTADA ISBN 978-85-61091-05-7 Encontro Internacional de Produção Científica Cesumar 27 a 30 de outubro de 2009 PREVALÊNCIA DE LOMBALGIA EM ALUNOS DE FISIOTERAPIA E SUA RELAÇÃO COM A POSTURA SENTADA Juliana Camilla

Leia mais

VOCÊ JÁ PENSOU NA SUA POSTURA HOJE?

VOCÊ JÁ PENSOU NA SUA POSTURA HOJE? VOCÊ JÁ PENSOU NA SUA POSTURA HOJE? Dicas Gerais para uma Boa Postura 1) Manter o topo da tela ao nível dos olhos e distante cerca de um comprimento de braço (45cm ~ 70cm); 2) Manter a cabeça e pescoço

Leia mais

Cuidados Posturais. Prof Paulo Fernando Mesquita Junior

Cuidados Posturais. Prof Paulo Fernando Mesquita Junior Cuidados Posturais Prof Paulo Fernando Mesquita Junior Vídeo: Cuidados_posturais_Dr.MiguelMastropaulo A postura correta Considera-se uma boa postura aquela condição em que o alinhamento corporal proporciona

Leia mais

1 INTRODUÇÃO. Ergonomia aplicada ao Design de produtos: Um estudo de caso sobre o Design de bicicletas 1 INTRODUÇÃO

1 INTRODUÇÃO. Ergonomia aplicada ao Design de produtos: Um estudo de caso sobre o Design de bicicletas 1 INTRODUÇÃO O presente trabalho foi elaborado com o objetivo mostrar ser viável o uso de bicicletas que proporcionem conforto e segurança e advertir para o surgimento de fisiopatologias nos usuários de bicicletas.

Leia mais

Newsletter do Grupo 4Work Nº 60 Setembro de 2014

Newsletter do Grupo 4Work Nº 60 Setembro de 2014 A 4 Work - Segurança, Higiene e Saúde no Trabalho, Lda., vai realizar a partir do início do mês de Outubro, uma campanha de vacinação antigripal, desenvolvida e dirigida às empresas, independentemente

Leia mais

A Maxflex é a única empresa brasileira de Colchões e Sistemas de Dormir que possui certificação ISO 9001 nos escopos:

A Maxflex é a única empresa brasileira de Colchões e Sistemas de Dormir que possui certificação ISO 9001 nos escopos: Manual do usuário A Maxflex é a única empresa brasileira de Colchões e Sistemas de Dormir que possui certificação ISO 9001 nos escopos: Desenvolvimento, Produção e Comercialização. 3 1 Um sonho, um desejo

Leia mais

Manual de Instruções RETÍFICA RETA 1/4 AR 1214

Manual de Instruções RETÍFICA RETA 1/4 AR 1214 Manual de Instruções RETÍFICA RETA 1/4 AR 1214 ADVERTÊNCIA: Leia atentamente este manual antes de usar o produto. ÍNDICE SEÇÃO PÁGINA Introdução 3 Normas gerais de segurança 3 Normas especificas de segurança

Leia mais

MANUAL DE INSTRUÇÕES E OPERAÇÃO. DPE Desmontadora de Pneus Elétrica

MANUAL DE INSTRUÇÕES E OPERAÇÃO. DPE Desmontadora de Pneus Elétrica MANUAL DE INSTRUÇÕES E OPERAÇÃO DPE Desmontadora de Pneus Elétrica 01 - Cabeçote Fixador 02 Garras 03 Bicos de Pato Deslocador 04 Haste Móvel 05 Braço Deslocador 06 Trava da Haste Móvel 07 Mola 08 Bico

Leia mais

2. CARACTERÍSTICAS 1. INTRODUÇÃO

2. CARACTERÍSTICAS 1. INTRODUÇÃO 1. INTRODUÇÃO O estabilizador portátil de câmera Tedi Cam é um equipamento de avançada tecnologia utilizado para filmagens de cenas onde há a necessidade de se obter imagens perfeitas em situações de movimento

Leia mais

ANÁLISE ERGONÔMICA DO TRABALHO EM UMA EMPRESA BENEFICIADORA DE ACRÍLICOS NA REGIÃO DE JOINVILLE-SC

ANÁLISE ERGONÔMICA DO TRABALHO EM UMA EMPRESA BENEFICIADORA DE ACRÍLICOS NA REGIÃO DE JOINVILLE-SC 1 ANÁLISE ERGONÔMICA DO TRABALHO EM UMA EMPRESA BENEFICIADORA DE ACRÍLICOS NA REGIÃO DE JOINVILLE-SC Thatiana Prado Brito* RESUMO Dentre as preocupações das empresas na melhoria da qualidade e competitividade

Leia mais

2 O Ergodesign de Automóveis

2 O Ergodesign de Automóveis 2 O Ergodesign de Automóveis 2.1. O Ergodesign O conceito de Ergodesign surgiu, há pelo menos duas décadas, com o intuito de acabar com as diferenças que existiam entre as disciplinas Ergonomia e Design.

Leia mais

Universidade Federal do Rio de Janeiro NCE/PGTIAE. Tutorial SweetHome3D

Universidade Federal do Rio de Janeiro NCE/PGTIAE. Tutorial SweetHome3D Universidade Federal do Rio de Janeiro NCE/PGTIAE Tutorial SweetHome3D Trabalho apresentado ao Prof. Carlo na Disciplina de Software Livre no curso Pós Graduação em Tecnologia da Informação Aplicada a

Leia mais

CINESIOLOGIA DA COLUNA VERTEBRAL. Prof. Dr. Guanis de Barros Vilela Junior

CINESIOLOGIA DA COLUNA VERTEBRAL. Prof. Dr. Guanis de Barros Vilela Junior CINESIOLOGIA DA COLUNA VERTEBRAL Prof. Dr. Guanis de Barros Vilela Junior COLUNA VERTEBRAL 7 vértebras cervicais 12 vértebras torácicas 5 vértebras lombares 5 vértebras sacrais 4 vértebras coccígeas anterior

Leia mais

A importância da Ergonomia Voltada aos servidores Públicos

A importância da Ergonomia Voltada aos servidores Públicos A importância da Ergonomia Voltada aos servidores Públicos Fisioterapeuta: Adriana Lopes de Oliveira CREFITO 3281-LTT-F GO Ergonomia ERGONOMIA - palavra de origem grega, onde: ERGO = trabalho e NOMOS

Leia mais

PREVENÇÃO E TRATAMENTO DE HÉRNIA DE DISCO SEM CIRURGIA

PREVENÇÃO E TRATAMENTO DE HÉRNIA DE DISCO SEM CIRURGIA PREVENÇÃO E TRATAMENTO DE HÉRNIA DE DISCO SEM CIRURGIA Dicas para uma vida sem dores na coluna A Hérnia de Disco A nossa coluna é composta de aproximadamente 32 vértebras, que são os ossos que formam

Leia mais

6 RESULTADOS OBTIDOS. 6.1 Sistematização do SHTM. 6.1.1 Modelagem sistêmica

6 RESULTADOS OBTIDOS. 6.1 Sistematização do SHTM. 6.1.1 Modelagem sistêmica 182 6 RESULTADOS OBTIDOS 6.1 Sistematização do SHTM 6.1.1 Modelagem sistêmica A tarefa de se construir prédios depende de um sistema organizado que funcione. Para que um prédio seja erguido, é necessário,

Leia mais

ERGONOMIA: SAÚDE, SEGURANÇA E OTIMIZAÇÃO DE PROCESSOS

ERGONOMIA: SAÚDE, SEGURANÇA E OTIMIZAÇÃO DE PROCESSOS 1 Análise ergonômica de máquina injetora, sob o ponto de vista da norma regulamentadora 12 segurança no trabalho em máquinas e equipamentos, aspectos ergonômicos, considerando operador com altura de 1,43m.

Leia mais

MANUAL DO PRODUTO SPA RELAX. cód. 5707

MANUAL DO PRODUTO SPA RELAX. cód. 5707 MANUAL DO PRODUTO SPA RELAX cód. 5707 1- LUCRATIVIDADE 1.1 Aumente os lucros do seu salão oferecendo relaxamento para seu cliente. Corpo e pés relaxados ao mesmo tempo. Esse é o propósito do Spa Relax,

Leia mais

TRABALHADOR NA APLICAÇÃO DE AGROTÓXICOS

TRABALHADOR NA APLICAÇÃO DE AGROTÓXICOS TRABALHADOR NA APLICAÇÃO DE AGROTÓXICOS CONSELHO DELIBERATIVO DO SENAR Presidente do Conselho Deliberativo João Martins da Silva Júnior Secretário Executivo Daniel Klüppel Carrara Chefe do Departamento

Leia mais

CORTADOR DE CABELOS CERAMIC

CORTADOR DE CABELOS CERAMIC MANUAL DE INSTRUÇÕES CORTADOR DE CABELOS CERAMIC LIMPEZA E MANUTENÇÃO É extremamente importante, para manter a boa performance de corte, a realização da limpeza das lâminas após cada utilização do aparelho.

Leia mais

CASA MINIMA API 5. Habitação social - Memorial. Projeto implantado no Jardim Holanda Uberlândia. Mapa do Bairro. Acesso a área de estudo:

CASA MINIMA API 5. Habitação social - Memorial. Projeto implantado no Jardim Holanda Uberlândia. Mapa do Bairro. Acesso a área de estudo: CASA MINIMA API 5 Habitação social - Memorial Projeto implantado no Jardim Holanda Uberlândia Mapa do Bairro Acesso a área de estudo: a- mapa regional Localização escolhida - Por que? Perto de vias rápidas.

Leia mais

OMO NASCEU A PALAVRA ERGONOMIA?...3

OMO NASCEU A PALAVRA ERGONOMIA?...3 Índice ÍNDICE...2 COMO NASCEU A PALAVRA ERGONOMIA?...3 O QUE É A ERGONOMIA?...3 ERGONOMIA NO TRABALHO....3 POSIÇÕES CORRECTAS A TER NO TRABALHO....4 O EQUIPAMENTO ERGONÓMICO...6 MONITOR...7 TECLADOS E

Leia mais

Higiene do Trabalho. Higiene, Ergonomia e Segurança do Trabalho ERGONOMIA. Programa de Higiene do Trabalho GESTÃO DE PESSOAS. 3o bimestre / 2013

Higiene do Trabalho. Higiene, Ergonomia e Segurança do Trabalho ERGONOMIA. Programa de Higiene do Trabalho GESTÃO DE PESSOAS. 3o bimestre / 2013 GESTÃO DE PESSOAS CEFET-MG / DIVINÓPOLIS 3o bimestre / 2013 Prof. MSc. Antônio Guimarães Campos Higiene, Ergonomia e Segurança do Trabalho Higiene do Trabalho Conjunto de normas e procedimentos que visa

Leia mais

Hora de trabalhar. Dicas para um home office bonito, prático e confortável

Hora de trabalhar. Dicas para um home office bonito, prático e confortável Foto Divulgação / Casa Cor Projeto das arquitetas Suelen Parizotto e Nathalia Loyola Hora de trabalhar Dicas para um home office bonito, prático e confortável Por Marcéli Faleiro Profissionais independentes,

Leia mais

Uma experiência sensorial

Uma experiência sensorial Uma experiência sensorial C o m e s t e p r o p ó s i t o s u r g i u a M O B LO. Uma empresa brasileira que desenvolve mobiliário único e diferente, com tecnologia própria e matérias primas nacionais.

Leia mais

Fisioterapia Personalizada a Domicilio

Fisioterapia Personalizada a Domicilio Fisioterapia Personalizada a Domicilio O atendimento a domicilio da Fisio e Saúde Sul, privilegia o conforto e a saúde de seus pacientes, realizando atendimento que proporciona SAÚDE, BEM-ESTAR e MELHORA

Leia mais

Senior Fitness Test SFT

Senior Fitness Test SFT 1. Levantar e sentar na caira Senior Fitness Test SFT Objetivo: avaliar a força e resistência dos membros inferiores. Instrumentos: cronômetro, caira com encosto e sem braços, com altura assento aproximadamente

Leia mais

Para ajuste de posição vertical da superfície e do tampo monitor utilizar as manivelas, observando o sentido correto de rotação.

Para ajuste de posição vertical da superfície e do tampo monitor utilizar as manivelas, observando o sentido correto de rotação. Manual do Produto Parabéns, Você acaba de adquirir um móvel RAVAD! Os móveis da RAVAD são especialmente projetados, desenvolvidos e montados a partir do resultado de pesquisas das tendências nacionais

Leia mais

Estação de trabalho informatizada para designers gráficos e de produto em home office

Estação de trabalho informatizada para designers gráficos e de produto em home office Estação de trabalho informatizada para designers gráficos e de produto em home office Camila Penna Teixeira Clotildes Vilares Santos Fábio Alves Mascarenhas Manoela de Siqueira Leiro Ticiana Fahel Vilas

Leia mais

DE RELÓGIOS. Guia de Melhores Práticas. Como Fotografar Relógios Como um Profissional EDIÇÃO Nº 06 GRÁTIS FOTOGRAFIA

DE RELÓGIOS. Guia de Melhores Práticas. Como Fotografar Relógios Como um Profissional EDIÇÃO Nº 06 GRÁTIS FOTOGRAFIA EDIÇÃO Nº 06 GRÁTIS FOTOGRAFIA DE RELÓGIOS SOLUÇÕES PARA IMAGENS DE PRODUTO QUE CONQUISTARAM OS LÍDERES DO COMÉRCIO ELETRÔNICO Guia de Melhores Práticas Como Fotografar Relógios Como um Profissional Precisa

Leia mais

5 Análise da Investigação Ergonômica Apreciação Ergonômica. 5.1 Sistematização do sistema humano-tarefa-máquina

5 Análise da Investigação Ergonômica Apreciação Ergonômica. 5.1 Sistematização do sistema humano-tarefa-máquina 5 Análise da Investigação Ergonômica Apreciação Ergonômica Neste capítulo serão apresentados os dados obtidos após a aplicação dos recursos pertinentes à metodologia utilizada durante a realização da pesquisa.

Leia mais

A Empresa. Com mais de 20 anos de mercado,a RTC esta sempre atenta as inovações, e as necessidades dos clientes mais exigentes.

A Empresa. Com mais de 20 anos de mercado,a RTC esta sempre atenta as inovações, e as necessidades dos clientes mais exigentes. A Empresa Com mais de 20 anos de mercado,a RTC esta sempre atenta as inovações, e as necessidades dos clientes mais exigentes. Representamos e fabricamos os melhores produtos do mercado buscamos um continuo

Leia mais

O Guia Prático da. Arquitetura Corporativa

O Guia Prático da. Arquitetura Corporativa O Guia Prático da Arquitetura Corporativa SUMÁRIO INTRODUÇÃO ARQUITETURA CORPORATIVA NO BRASIL RECURSOS HUMANOS, TURNOVER, NORMAS E LEIS TRABALHISTAS MÓVEIS DE ESCRITÓRIO Tudo o que você precisa saber

Leia mais

Seqüência completa de automassagem

Seqüência completa de automassagem Seqüência completa de automassagem Os exercícios descritos a seguir foram inspirados no livro Curso de Massagem Oriental, de Armando S. B. Austregésilo e podem ser feitos em casa, de manhã ou à tardinha.

Leia mais

Universidade do Estado da Bahia

Universidade do Estado da Bahia UNEB Universidade do Estado da Bahia Pró-Reitoria de Pesquisa e Ensino de Pós-Graduação Departamento de Ciências Exatas e da Terra Curso de Especialização em Design de Produto Prof. Lourisvaldo Valentin

Leia mais

informativo técnico Coleção Move De Emerson Borges

informativo técnico Coleção Move De Emerson Borges informativo técnico Coleção Move De Emerson Borges informativo técnico Coleção Move... Alternando entre o clássico e o moderno o Sofá Move se coloca como uma alternativa sóbria e elegante para a decoração

Leia mais

Di Giovanni, Jordaem Rocha Miranda 1. Silveira, Carina Santos 2.

Di Giovanni, Jordaem Rocha Miranda 1. Silveira, Carina Santos 2. Intervenção Ergonômica de Postos de Trabalho: Um Estudo de Caso da Indústria de Toldos Di Giovanni, Jordaem Rocha Miranda 1. Silveira, Carina Santos 2. Resumo Norteado pelo aprendizado da ergonomia no

Leia mais

Introdução PREVENINDO LER/DORT

Introdução PREVENINDO LER/DORT Introdução O homem (Homo sapiens) surgiu há cerca de 200.000 atrás e apenas após a Revolução Industrial é que conhecemos este modo de vida moderno, com trabalhos repetitivos, horário fixo de trabalho e

Leia mais

Aula 04 Normas e Estratégias de Acessibilidade A NBR9050 Setembro, 2013

Aula 04 Normas e Estratégias de Acessibilidade A NBR9050 Setembro, 2013 Pontifícia Universidade Católica do Rio Grande do Sul Faculdade de Arquitetura e Urbanismo Curso de Especialização em Arquitetura da Habitação de Interesse Social ERGONOMIA E ACESSIBILIDADE Aplicada à

Leia mais

MUSCULAÇÃO PRINCÍPIOS BÁSICOS

MUSCULAÇÃO PRINCÍPIOS BÁSICOS 1 MUSCULAÇÃO PRINCÍPIOS BÁSICOS Prof. Dr. Valdir J. Barbanti Escola de Educação Física e Esporte de Ribeirão Preto da Universidade de São Paulo A musculação refere-se à forma de exercícios que envolvem

Leia mais

BANQUETA EM ABS MANUAL DE INSTRUÇÕES. Modelo ABS 801 e ABS 802. Leia com atenção e guarde este manual para consultas futuras.

BANQUETA EM ABS MANUAL DE INSTRUÇÕES. Modelo ABS 801 e ABS 802. Leia com atenção e guarde este manual para consultas futuras. BANQUETA EM ABS MANUAL DE INSTRUÇÕES Leia com atenção e guarde este manual para consultas futuras. Modelo ABS 801 e ABS 802 BANQUETA EM ABS LEIA COM ATENÇÃO ESTAS INSTRUÇÕES E GUARDE ESTE MANUAL PARA

Leia mais

Clínica Deckers. Fisioterapia Exercícios Terapêuticos para a Coluna Lombar O QUE É

Clínica Deckers. Fisioterapia Exercícios Terapêuticos para a Coluna Lombar O QUE É Fisioterapia Exercícios Terapêuticos para a Coluna Lombar O QUE É Estes são alguns dos exercícios recomendados com maior freqüência para a terapia da coluna lombar, Eles foram compilados para dar a você,

Leia mais

ANEXO XI - PADRÃO TÉCNICO PARA VEÍCULO TÁXI ACESSÍVEL REQUISITOS MÍNIMOS BÁSICOS

ANEXO XI - PADRÃO TÉCNICO PARA VEÍCULO TÁXI ACESSÍVEL REQUISITOS MÍNIMOS BÁSICOS ANEXO XI - PADRÃO TÉCNICO PARA VEÍCULO TÁXI ACESSÍVEL 1. OBJETIVO REQUISITOS MÍNIMOS BÁSICOS Este documento tem como objetivo estabelecer as características básicas aplicáveis aos veículos produzidos para

Leia mais

Gestão e Produtividade em. Call Centers

Gestão e Produtividade em. Call Centers Gestão e Produtividade em Call Centers 1 SUMÁRIO INTRODUÇÃO O MERCADO DE CALL CENTERS NO BRASIL PRODUTIVIDADE: Um desafio crescente no setor RECURSOS HUMANOS, TURNOVER, NORMAS E LEIS TRABALHISTAS MÓVEIS

Leia mais

Aspectos de Segurança - Discos de Corte e Desbaste

Aspectos de Segurança - Discos de Corte e Desbaste Aspectos de Segurança - Discos de Corte e Desbaste Os discos de corte e desbaste são produzidos e controlados com rigor, sendo submetidos a testes internos que objetivam a reprodução da qualidade lote

Leia mais

Organizando o trabalho

Organizando o trabalho Organizando o Trabalho Organizando o trabalho Para executar qualquer tarefa com sucesso, é preciso que nos organizemos antes. Organizar significa pensar antes de iniciarmos a tarefa. Mas pensar em quê?

Leia mais

PROJETO DE NORMA BRASILEIRA

PROJETO DE NORMA BRASILEIRA PROJETO DE NORMA BRASILEIRA ABNT NBR 9050 Acessibilidade a edificações, mobiliário, espaços e equipamentos urbanos Acessibility to buildings, equipment and the urban environment Palavras-chave: Descriptors:

Leia mais

MANUAL DE INSTRUÇÕES

MANUAL DE INSTRUÇÕES MANUAL DE INSTRUÇÕES REGISTRO M.S.: NT-5065 MESA DE CABECEIRA DISPENSADO DE CADASTRO CONFORME RDC 24/2009 E IN-02 NOTA! ESTA MESA DE CABECEIRA É DESTINADA AO USO MÉDICO HOSPITALAR. Página 1 de 10 INTRODUÇÃO

Leia mais

LISTA DE TABELAS LISTA DE QUADROS

LISTA DE TABELAS LISTA DE QUADROS x LISTA DE TABELAS Tabela 1 Distribuição dos acidentes segundo o agente da lesão... 12 Tabela 2 Dispêndio segundo a importância da carga deslocada, erguida ou subida (kcal/min)... 166 Tabela 3 Avaliação

Leia mais

PRESENTE NOS EDIFÍCIOS. Parabéns!

PRESENTE NOS EDIFÍCIOS. Parabéns! ANOS PRESENTE NOS EDIFÍCIOS + INTELIGENTES E MODERNOS Parabéns! Você acaba de adquirir um produto de alto padrão, elaborado com matéria-prima de excelente qualidade, tecnologia avançada e design exclusivo.

Leia mais

MINI KIT MARTELINHO DE OURO

MINI KIT MARTELINHO DE OURO MINI KIT MARTELINHO DE OURO *Imagens meramente ilustrativas Manual de Instruções Prezado Cliente Este Manual tem como objetivo orientá-lo na instalação, operação e informações gerais de seu Mini Kit Martelinho

Leia mais

LER/DORT. www.cpsol.com.br

LER/DORT. www.cpsol.com.br LER/DORT Prevenção através s da ergonomia DEFINIÇÃO LER: Lesões por Esforços Repetitivos; DORT: Doenças Osteomusculares Relacionadas ao Trabalho; São doenças provocadas pelo uso inadequado e excessivo

Leia mais

Adaptação do trabalho ao homem. Pessoas diferentes Capacidades físicas e mentais diferentes.

Adaptação do trabalho ao homem. Pessoas diferentes Capacidades físicas e mentais diferentes. Adaptação do trabalho ao homem. Pessoas diferentes Capacidades físicas e mentais diferentes. Tarefas que exijam elevada acuidade visual Visão desfocada e sensação de olhos a arder. Teclar de forma incorrecta

Leia mais

1. Identificação do Produto e da Empresa

1. Identificação do Produto e da Empresa 1. Identificação do Produto e da Empresa Produto: Perfis de Poliestireno Tipo de produto: 96 % de Poliestireno Reciclado e 4 % de Poliestireno Virgem Empresa: Indústria e Comércio de Molduras Santa Luzia

Leia mais

Dor nas costas é natural ou descuido?

Dor nas costas é natural ou descuido? 1 FOLHAS Escola: E. E. Prof. Léo Kohler Ensino Fundamental NRE: Cianorte Nome do professor: Reginaldo Dimas R. Longo e-mail: reginaldodimas@seed.pr.gov.br Nome do professor orientador: Prof. Dr. Pedro

Leia mais

Dicas para manter a postura e não prejudicar a coluna no dia a dia

Dicas para manter a postura e não prejudicar a coluna no dia a dia Dicas para manter a postura e não prejudicar a coluna no dia a dia No decorrer do dia, desempenhamos várias funções, desde agachar para pegar uma caneta do chão, a limpeza de sua casa e no trabalho. As

Leia mais

Garantia do Produto ML Magalhães

Garantia do Produto ML Magalhães Garantia do Produto ML Magalhães (Segundo o código de defesa do consumidor) Seja bem-vindo! Estamos orgulhosos pela sua opção por nossos produtos. Com sua escolha, você passou a fazer parte de um grupo

Leia mais

Mesa de TRAÇÃO CERVICAL E LOMBAR 1200

Mesa de TRAÇÃO CERVICAL E LOMBAR 1200 Mesa de TRAÇÃO CERVICAL E LOMBAR 1200 Manual do Usuário Índice: 03...Informações Gerais 03...Símbolos 04...Instalação e Conexão à Rede Elétrica 05...Controles 06-07...Operação da Mesa 07...Precauções 07-08...Indicações

Leia mais

Manual do usuário. Braço robótico para educação técnica

Manual do usuário. Braço robótico para educação técnica para educação técnica A T E N Ç Ã O Enquanto o robô Sci-Arm é um computador leve, pode se manejar em altas velocidades e pode causar danos se ele colidir com uma pessoa. Sempre use com extrema cautela.

Leia mais

VELOCIDADE, AGILIDADE, EQUILÍBRIO e COORDENAÇÃO VELOCIDADE

VELOCIDADE, AGILIDADE, EQUILÍBRIO e COORDENAÇÃO VELOCIDADE 1 VELOCIDADE, AGILIDADE, EQUILÍBRIO e COORDENAÇÃO VELOCIDADE - É a capacidade do indivíduo de realizar movimentos sucessivos e rápidos, de um mesmo padrão, no menor tempo possível. Força; Fatores que influenciam

Leia mais