OBRAS HIDRÁULICAS, HIDRÁULICA URBANA E ENERGIAS RENOVÁVEIS OBRAS HIDRÁULICAS, HIDRÁULICA URBANA Y ENERGÍAS RENOVABLES

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "OBRAS HIDRÁULICAS, HIDRÁULICA URBANA E ENERGIAS RENOVÁVEIS OBRAS HIDRÁULICAS, HIDRÁULICA URBANA Y ENERGÍAS RENOVABLES"

Transcrição

1 OBRAS HIDRÁULICAS, HIDRÁULICA URBANA E ENERGIAS RENOVÁVEIS OBRAS HIDRÁULICAS, HIDRÁULICA URBANA Y ENERGÍAS RENOVABL

2 OBRAS HIDRÁULICAS, HIDRÁULICA URBANA E ENERGIAS RENOVÁVEIS OBRAS HIDRÁULICAS, HIDRÁULICA URBANA Y ENERGÍAS RENOVABL

3 06 INTRODUÇÃO INTRODUCCIÓN ABASTECIMENTO URBANO ABASTECIMENTO URBANO # INFRA-TRUTURAS EM BAIXA DE ADUÇÃO E RERVA DOS SUBSISTEMAS DE ABASTECIMENTO DE ÁGUA DE VILAR, LUMIAR E BALSEMÃO INFRATRUCTURAS DE ADUCCIÓN PARA ABASTECIMIENTO Y RERVA DE LOS SUBSISTEMAS DE ABASTECIMIENTO DE AGUA DE VILAR, LUMIAR Y BALSEMÃO # CAAÇÃO, TAÇÃO ELEVATÓRIA E RERVATÓRIO DE SÃO JORGE CAACIÓN Y TACIÓN ELEVADORA DE S. JORGE # BARRAGEM DAS OLGAS PRA DE LAS OLGAS # BARRAGEM DE PRETAROUCA PRA DE PRETAROUCA AVEITAMENTO HIDROELÉCTRICOS AVECHAMIENTOS HIDROELÉCTRICOS # AVEITAMENTO HIDROELÉCTRICO DE KAYELEKERA AVECHAMIENTO HIDROELÉCTRICO DE KAYELEKERA, MALAWI # PLANO DE ELECTRIFICAÇÃO DE TIMOR PLAN DE ELECTRIFICACIÓN DE TIMOR # AVEITAMENTOS DE GOUVÃ, PADROSELOS, ALTO TÂMEGA E DAIVÕ AVECHAMIENTOS HIDROELÉCTRICOS DE GOUVÃ, DE PADROSELOS, DE ALTO TÂMEGA Y DE DAIVÕ REGA RIEGO # BARRAGEM DE SERRINHA E REDE DE REGA DE NAVALHO PRA DE SERRINHA Y RED DE RIEGO DE NAVALHO # BARRAGEM E REDE DE REGA DE RIO SECO PRA Y RED DE RIEGO DE RÍO SECO INSTALAÇÕ HIDRÁULICAS EM EDIFÍCIOS INSTALACION HIDRÁULICAS EN EDIFICIOS # HOTEL TIVOLI VICTÓRIA HOTEL TIVOLI VICTÓRIA # HOTEL THE LAKE RORT THE LAKE RORT HOTEL EMPREENDIMENTOS TURÍSTICOS EMPRENDIMENTOS TURÍSTICOS # ADT3 ÁREA DE DENVOLVIMENTO TURÍSTICO 3 ADT3 ÁREA DE DARROLLO TURÍSTICO 3 # ROYAL ÓBIDOS, COMPLEXO TURÍSTICO SPA E GOLFE ROYAL ÓBIDOS, COMPLEJO TURÍSTICO SPA Y GOLF SANEAMENTO SANEAMIENTO 46 # PLANO DE CONTROLO DE CAUDAIS PLUVIAIS NO SUBSISTEMA DE BEIROLAS PLAN DE CONTROL DE CAUDAL PLUVIAL EN EL SUBSISTEMA DE BEIROLASz DIVERSOS DIVERSOS # JECTO DE EXECUÇÃO DOS SISTEMAS DE DRENAGEM E ELEVATÓRIOS DOS SUBSISTEMAS LAGOA/MECO E SANTO ANTONIO TO DE EJECUCIÓN DE LOS SISTEMAS DE DRENAJE Y ELEVADOR DE LOS SUBSISTEMAS LAGOA/MECO Y SANTO ANTONIO # JECTO DE SANEAMENTO DA BACIA DO GUADIANA TO DE SANEAMIENTO DE LA CUENCA DEL GUADIANA # AÇUDE INSUFLÁVEL DE ABRANT AZUD HINCHABLE DE ABRANT # DVIO DOS RIOS CHICAPA E LUÓ DVÍO DE LOS RÍOS CHIKAPA Y LUÓ ÍNDICE INDEX

4 A CENOR Consultores, S.A. foi fundada em 1980 e congrega, actualmente, cerca de 200 colaboradores. É uma empresa especializada em Consultoria de Engenharia no âmbito do projecto e da Fiscalização nos seguintes domínios: Energias Renováveis, Infra-estruturas, Hidráulica Agrícola e Urbana, Saneamento Ambiental, Parques e Unidades Industriais, Engenharia de Transportes, Estruturas e Fundações, Geotecnia e Obras de Arte. A CENOR Consultores, S.A. detém participações em diversas empresas Nacionais e Internacionais. Empresas Grupo CENOR: ECGPLAN, Engenharia, Gestão e Planeamento, Lda. Madeira, Portugal CENOR, Açores, Lda. Açores, Portugal CENOR, Consultores Angola, Lda. Luanda, Angola CENOR, Argélia Argel, Argélia CENOR, Colômbia Bogotá, Colômbia CENOR, Iraque Bagdá, Iraque Empresas Participadas: NVIST Lisboa, Portugal CENORVIA MZ Maputo, Moçambique SCCONSULT Belo Horizonte, Brasil DALAN Díli, Timor Leste Visite-nos em e conheça uma empresa cada vez melhor preparada para responder a novos desafios. CENOR fue fundada en 1980 y cuenta actualmente con cerca de 200 empleados. Es una empresa especializada en consultoría de ingeniería en el marco del proyecto y de la supervisión en los siguientes dominios: energías renovables, infraestructuras, hidráulica agrícola y urbana, saneamiento medioambiental, parques y unidades industriales, ingeniería de transportes, estructuras y cimentaciones, geotecnia y obras civiles. CENOR Consultores, S.A. posee participaciones en diversas empresas nacionales e internacionales. Empresas del Grupo CENOR: ECGPLAN, Engenharia, Gestão e Planeamento, Lda. Madeira, Portugal CENOR, Açores, Lda. Azores, Portugal CENOR, Consultores Angola, Lda. Luanda, Angola CENOR, Argélia Argel, Argelia CENOR, Colômbia Bogotá, Colombia CENOR, Iraque Bagdad, Irak Empresas participadas: NVIST Lisboa, Portugal CENORVIA MZ Maputo, Mozambique SCCONSULT Belo Horizonte, Brasil DALAN Díli, Timor Oriental Visítenos en y obtenga más información sobre una empresa cada vez más fuerte y mejor preparada para el mercado global. INTRODUÇÃO INTRODUCCIÓN

5 ABASTECIMENTO URBANO ABASTECIMENTO URBANO

6 10 OBRAS HIDRÁULICAS, HIDRÁULICA URBANA E ENERGIAS RENOVÁVEIS OBRAS HIDRÁULICAS, HIDRÁULICA URBANA Y ENERGÍAS RENOVABL JECTO INFRA-TRUTURAS EM BAIXA DE ADUÇÃO E RERVA DOS SUBSISTEMAS DE ABASTECIMENTO DE ÁGUA DE VILAR, LUMIAR E BALSEMÃO Águas de Trás-Os-Montes e Alto Douro Estudo Prévio Projecto de Execução Assistência Técnica INFRATRUCTURAS DE ADUCCIÓN PARA ABASTECIMIENTO Y RERVA DE LOS SUBSISTEMAS DE ABASTECIMIENTO DE AGUA DE VILAR, LUMIAR Y BALSEMÃO Águas de Trás-Os-Montes e Alto Douro Estudio Previo Proyecto de Ejecución Asistencia Técnica 2008 Em Curso Armamar, Lamego, Moimenta da Beira, Resende, Sernancelhe, Tabuaço, Tarouca, Portugal 2008 En Curso Armamar, Lamego, Moimenta da Beira, Resende, Sernancelhe, Tabuaço, Tarouca, Portugal A CENOR elaborou, em associação com a Sisáqua, o Projecto de Execução de Infra-Estruturas em Baixa de Adução e Reserva dos Subsistemas de Abastecimento de Água de Balsemão, Lumiares e Vilar, cujas intervenções resultaram: Subsistema de Balsemão - 60km de condutas, de diâmetro 90mm a 125mm; - 45 Reservatórios, com capacidades entre 100m³ e 800m³; - 7 Estações elevatórias. Subsistema de Lumiares - 20km de condutas, de diâmetro 90mm a 125mm; - 25 Reservatórios, com capacidades entre 100m³ e 500m³; - 1 Estação elevatória. Subsistema de Vilar - 126km de condutas, de diâmetro 90mm a 125mm; - 9 Reservatórios, com capacidades entre 100m³ e 800m³; - 5 Estações elevatórias. CENOR elaboró, en asociación con Sisáqua, el Proyecto de Ejecución de Infraestructuras en Aducción para consumo doméstico y Reserva de los Subsistemas de Abastecimiento de Agua de Balsemão, Lumiares y Vilar, de cuyas intervenciones resultaron: Subsistema de Balsemão - 60km de tuberías, de diámetro 90mm a 125mm; - 45 Depósitos, con capacidades entre 100m 3 y 800m 3 ; - 7 Estaciones elevadoras. Subsistema de Lumiares - 20km de tuberías, de diámetro 90 a 125mm; - 25 Depósitos, con capacidades entre 100m 3 y 500m 3 ; - 1 Estación elevadora. Subsistema de Vilar - 126km de tuberías, de diámetro 90 a 125mm; - 9 Depósitos, con capacidades entre 100m 3 y 800m 3 ; - 5 Estaciones elevadoras.

7 12 OBRAS HIDRÁULICAS, HIDRÁULICA URBANA E ENERGIAS RENOVÁVEIS OBRAS HIDRÁULICAS, HIDRÁULICA URBANA Y ENERGÍAS RENOVABL JECTO CAAÇÃO, TAÇÃO ELEVATÓRIA E RERVATÓRIO DE SÃO JORGE Águas do Minho e Lima, S.A. Estudo Prévio Projecto de Execução Assistência Técnica CAACIÓN Y TACIÓN ELEVADORA DE SÃO JORGE Águas do Minho e Lima, S.A. Estudio Previo Proyecto de Ejecución Asistencia Técnica 2005 Arcos de Valdevez, Minho, Portugal 2005 Arcos de Valdevez, Minho, Portugal Captação de Água na Albufeira de Touvedo: Estação elevatória com aproximadamente 2MW de potência, instalada e equipada com 4 grupos submersíveis, dimensionados, cada um deles, para um caudal de 250l/s e uma altura de elevação de 175m. Transporte: conduta elevatória (DN 700 de FFD), com 1100m de extensão, que liga à ETA de S.Jorge. Reservatório de água tratada com duas células e 15000m³ de capacidade, situado imediatamente a jusante da ETA. Captación de Agua en la Albufera de Touvedo: Estación elevadora con aproximadamente 2MW de potencia, instalada y equipada con 4 grupos sumergibles, dimensionados, cada uno de ellos, para un caudal de 250l/s y una altura de elevación de 175m. Transporte: tubería elevadora (DN 700 de FFD), con 1.100m de extensión, que conecta con la ETAP de S. Jorge. Depósito de agua tratada con dos celdas y m 3 de capacidad, situado aguas abajo de la ETAP.

8 14 OBRAS HIDRÁULICAS, HIDRÁULICA URBANA E ENERGIAS RENOVÁVEIS OBRAS HIDRÁULICAS, HIDRÁULICA URBANA Y ENERGÍAS RENOVABL JECTO BARRAGEM DAS OLGAS Águas de Trás-os-Montes e Alto Douro Projecto de Execução Assistência Técnica PRA DE LAS OLGAS Águas de Trás-os-Montes e Alto Douro Proyecto de Ejecución Asistencia Técnica 2004 Torre de Moncorvo, Trás-os-Montes, Portugal 2004 Torre de Moncorvo, Trás-os-Montes, Portugal Barragem para abastecimento urbano, de betão gravidade clássico, com 34,5m de altura máxima acima da fundação, 123m de desenvolvimento do coroamento e 30300m³ de volume de betão. Descarregador de Cheias dimensionado para um caudal máximo de 196m³/s, constituído por soleira descarregadora livre (tipo Creager), canal de descarga em degraus sobre o paramento de jusante da barragem e bacia de dissipação de energia do tipo III do USBR. Descarga de fundo (Ø800mm) inserida no corpo da barragem e dimensionada para um caudal máximo de 2,43m³/s. Torre de tomada de água na albufeira, com estação de bombagem no seu interior e com 3 orifícios (Ø 300mm) para captação de água a diferentes níveis. Presa para abastecimiento urbano, de hormigón de gravedad clásico, con 34,5m de altura máxima sobre la cimentación, 123m de coronación y m 3 de volumen de hormigón. Aliviadero dimensionado para un caudal máximo de 196m 3 /s, constituido por solera libre (tipo Creager), canal de descarga escalonado sobre el paramento aguas abajo de la presa y cuenco amortiguador de energía de tipo III del USBR. Descarga de fondo (Ø800mm) inserida en el cuerpo de la presa y dimensionada para un caudal máximo de 2,43m 3 /s. Torre de toma de agua en la albufera, con estación de bombeo en su interior y con 3 orificios (Ø300mm) para captación de agua a diferentes niveles.

9 16 OBRAS HIDRÁULICAS, HIDRÁULICA URBANA E ENERGIAS RENOVÁVEIS OBRAS HIDRÁULICAS, HIDRÁULICA URBANA Y ENERGÍAS RENOVABL JECTO BARRAGEM DE PRETAROUCA Águas de Trás-os-Montes e Alto Douro Estudo Prévio Projecto de Execução Assistência Técnica PRA DE PRETAROUCA Águas de Trás-os-Montes e Alto Douro Estudio Previo Proyecto de Ejecución Asistencia Técnica 2003 Lamego, Portugal 2003 Lamego, Portugal Barragem para abastecimento urbano, de betão gravidade clássico, com 28,5m de altura máxima acima da fundação, 305m de desenvolvimento do coroamento e 37000m³ de volume de betão. Descarregador de Cheias dimensionado para um caudal máximo de 194m³/s, constituído por soleira descarregadora livre (tipo Creager), por canal de descarga em degraus, sobre o paramento de jusante da barragem, e por bacia de dissipação de energia do tipo III do USBR. Descarga de fundo (Ø1300mm) inserida no corpo da barragem e dimensionada para um caudal máximo de 8,80m³/s. Três tomadas de água para abastecimento (Ø800mm) sobre o paramento de montante da barragem. Presa para abastecimiento urbano, de hormigón de gravedad clásico, con 28,5m de altura máxima sobre la cimentación, 305m de coronación y m 3 de volumen de hormigón. Aliviadero dimensionado para un caudal máximo de 194m 3 /s, constituido por solera libre (tipo Creager), por canal de descarga escalonado, sobre el paramento de aguas abajo de la presa, y por cuenco de disipación de energía de tipo III del USBR. Descarga de fondo (Ø1.300mm) inserida en el cuerpo de la presa y dimensionada para un caudal máximo de 8,8m 3 /s. Tres tomas de agua para abastecimiento (Ø800mm) sobre el paramento de aguas arriba de la presa.

10 AVEITAMENTO HIDROELÉCTRICOS AVECHAMIENTOS HIDROELÉCTRICOS

11 20 OBRAS HIDRÁULICAS, HIDRÁULICA URBANA E ENERGIAS RENOVÁVEIS OBRAS HIDRÁULICAS, HIDRÁULICA URBANA Y ENERGÍAS RENOVABL JECTO AVEITAMENTO HIDROELÉCTRICO DE KAYELEKERA Mota-Engil COM Estudo Prévio AVECHAMIENTO HIDROELÉCTRICO DE KAYELEKERA, MALAWI Mota-Engil COM Estudio Previo Rio Norte Rukuru, Karonga, Malawi Rio Norte Rukuru, Karonga, Malawi Barragem de betão gravidade com 35m de altura. Tomada de água na albufeira criada pela barragem. Túnel sub-horizontal com 3m de diâmetro útil e 1500m de extensão. Chaminé de equilíbrio com 12m de diâmetro e 29m de altura. Conduta de aço soldado com 2,2m de diâmetro e 50m de extensão. Central equipada com duas turbinas Francis, com as seguintes características: - Caudal máximo: 2 x 9 = 18m³/s; - Queda nominal: 73m; - Potência: 2 x 5,6 = 11,2Mw. Presa de hormigón de gravedad con 35m de altura. Toma de agua en la albufera creada por la presa. Túnel subhorizontal con 3m de diámetro útil y 1.500m de extensión. Chimenea de equilibrio con 12m de diámetro y 29m de altura. Tubería de acero soldado con 2,2m de diámetro y 50m de extensión. Central equipada con dos turbinas Francis, con las siguientes características: - Caudal máximo: 2 x 9 = 18m³/s; - Caída nominal: 73m; - Potencia: 2 x 5,6 = 11,2Mw.

12 OBRAS HIDRÁULICAS, HIDRÁULICA URBANA E ENERGIAS RENOVÁVEIS OBRAS HIDRÁULICAS, HIDRÁULICA URBANA Y ENERGÍAS RENOVABL JECTO PLANO DE ELECTRIFICAÇÃO DE TIMOR Martifer Renewables Projecto de Execução PLAN DE ELECTRIFICACIÓN DE TIMOR Martifer Renewables Proyecto de Ejecución Timor Leste Timor Oriental No âmbito do Plano de Electrificação de Timor Leste com energias renováveis, a Martifer Renewables encarregou a CENOR de assegurar a componente hidroeléctrica, que compreende a identificação, o pré dimensionamento, a estimativa de custo e classificação de todos os aproveitamentos hidroeléctricos tecnicamente viáveis no país e com relevância para a sua rede de distribuição de energia. En el ámbito del Plan de Electrificación de Timor del Este con energías renovables, Martifer Renewables le encargó a CENOR asegurar el componente hidroeléctrico, que comprende la identificación, el predimensionamiento, la estimativa de coste y clasificación de todos los aprovechamientos hidroeléctricos técnicamente viables en el país y con relevancia para su red de distribución de energía.

13 24 OBRAS HIDRÁULICAS, HIDRÁULICA URBANA E ENERGIAS RENOVÁVEIS OBRAS HIDRÁULICAS, HIDRÁULICA URBANA Y ENERGÍAS RENOVABL JECTO AVEITAMENTOS DE GOUVÃ, PADROSELOS, ALTO TÂMEGA E DAIVÕ Iberdrola Anteprojecto Rios Tâmega, Torno e Beça, Trás-os-Montes, Portugal AVECHAMIENTOS HIDROELÉCTRICOS DE GOUVÃ, DE PADROSELOS, DE ALTO TÂMEGA Y DE DAIVÕ Iberdrola Anteproyecto Tâmega, Torno and Beça Rivers, Trás-os-Montes, Portugal A CENOR elaborou, em associação com a AQUALOGUS, o Anteprojecto do complexo constituído pelos Aproveitamentos Hidroeléctricos de Gouvães, de Padroselos, de Alto Tâmega e de Daivões, estando agora a desenvolver o projecto dos dois últimos, cujas características são as seguintes: - Aproveitamento hidroeléctrico de Alto Tâmega: Barragem no rio Tâmega, em abóbada de dupla curvatura, com 108m de altura máxima acima da fundação e com 285m de desenvolvimento do coroamento.central hidroeléctrica de pé-debarragem, com 2 grupos, equipada para o caudal máximo de 160m³/s e para a potência máxima 118MW. - Aproveitamento hidroeléctrico de Daivões: Barragem no rio Tâmega, em arco-gravidade, com 75m de altura máxima acima da fundação e com 266m de desenvolvimento do coroamento. Central hidroeléctrica de pé-de-barragem, com 2 grupos, equipada para o caudal máximo de 0m³/s e para a potência máxima 118MW. CENOR elaboró, en asociación con AQUALOGUS, el anteproyecto del complejo formado por los aprovechamientos hidroeléctricos de Gouvães, Padroselos, Alto Tâmega y Daivões, cuyas características son las siguientes: - Aprovechamiento hidroeléctrico de Alto Tâmega: Presa en el río Tâmega, de bóveda de doble curvatura, con 108m de altura máxima sobre la cimentación y con 285m de desarrollo de la coronación. Central hidroeléctrica al pie de la presa, con 2 grupos, equipada para un caudal máximo de 160 m 3 /s y para una potencia máxima de 118MW. - Aprovechamiento hidroeléctrico de Daivões: Presa en el río Tâmega, de arco-gravedad, con 75m de altura máxima sobre la cimentación y con 266m de desarrollo de la coronación. Central hidroeléctrica al pie de la presa, con 2 grupos, equipada para un caudal máximo de 0m 3 /s y para una potencia máxima de 118MW.

14 REGA RIEGO

15 28 OBRAS HIDRÁULICAS, HIDRÁULICA URBANA E ENERGIAS RENOVÁVEIS OBRAS HIDRÁULICAS, HIDRÁULICA URBANA Y ENERGÍAS RENOVABL JECTO BARRAGEM DE SERRINHA E REDE DE REGA DE NAVALHO Município de Mirandela Estudo Prévio PRA DE SERRINHA Y RED DE RIEGO DE NAVALHO Município de Mirandela Estudio Previo 2007 Em Curso Mirandela, Trás-os-Montes, Portugal 2007 En Curso Mirandela, Trás-os-Montes, Portugal Barragem para rega. Barragem de aterro com núcleo argiloso com cerca de 30m de altura máxima acima da fundação. O escoamento médio anual afluente à secção da barragem, que domina uma bacia hidrográfica com 7km², é de 1,4Mm³. A albufeira criada pela barragem de Serrinha inundará uma área com 20ha e terá uma capacidade de armazenamento de 2Mm³. A área a regar com a água captada na albufeira da barragem de Serrinha é próxima de 300 ha, sendo o correspondente consumo da ordem de m³/ano. Presa para riego. Presa de terraplén con núcleo arcilloso con cerca de 30m de altura máxima sobre la cimentación. El vaciado medio anual afluente a la sección de la presa, que domina una cuenca hidrográfica de 7km 2, es de 1,4Mm 3. La albufera creada por la presa de Serrinha inundará un área de 20ha y tendrá una capacidad de almacenamiento de 2Mm 3. El área a regar con el agua captada en la albufera de la presa de Serrinha es de cerca de 300ha, siendo el correspondiente consumo de aproximadamente m 3 /año.

16 30 OBRAS HIDRÁULICAS, HIDRÁULICA URBANA E ENERGIAS RENOVÁVEIS OBRAS HIDRÁULICAS, HIDRÁULICA URBANA Y ENERGÍAS RENOVABL JECTO BARRAGEM E REDE DE REGA DE RIO SECO DRABI Direcção Regional de Agricultura da Beira Interior Estudo Base Estudo Prévio Projecto de Execução Assistência Técnica PRA Y RED DE RIEGO DE RÍO SECO DRABI Direcção Regional de Agricultura da Beira Interior Estudio Básico Estudio Previo Proyecto de Ejecución Asistencia Técnica 2009 Guarda, Beira Alta, Portugal 2009 Guarda, Beira Alta, Portugal Barragem de aterro zonado, com núcleo central impermeável, com cerca de 20m de altura máxima acima da fundação, 750m de desenvolvimento do coroamento e m³ de volume de aterro. Descarregador de cheias dimensionado para um caudal máximo de 39m³/s. Torre de tomada de água na albufeira, com captações localizadas a 3 níveis. Perímetro de rega com 380ha / consumo médio anual de 6 250m³/ha. Modelo cultural: predominância de milho (50%) e de lameiros (20%). Presa de terraplén zonada, con núcleo central impermeable, con cerca de 20m de altura máxima sobre la cimentación, 750m de coronación y m 3 de volumen de terraplén. Aliviadero dimensionado para un caudal máximo de 39m 3 /s. Torre de toma de agua en la albufera, con captaciones localizadas a 3 niveles. Perímetro de riego con 380ha/consumo medio anual de 6.250m 3 /ha. Modelo de cultivo: predominancia de maíz (50%) y de tierra para pastos (20%).

17 INSTALAÇÕ HIDRÁULICAS EM EDIFÍCIOS INSTALACION HIDRÁULICAS EN EDIFICIOS

18 34 OBRAS HIDRÁULICAS, HIDRÁULICA URBANA E ENERGIAS RENOVÁVEIS OBRAS HIDRÁULICAS, HIDRÁULICA URBANA Y ENERGÍAS RENOVABL JECTO HOTEL TIVOLI VICTÓRIA Promontório Estudo Prévio Projecto de Concurso e Licenciamento Projecto de Execução Assistência Técnica HOTEL TIVOLI VICTÓRIA Promontório Estudio Previo Proyecto de Concurso y Licencias de Obras Proyecto de Ejecución Asistencia técnica 2005 Vilamoura, Algarve, Portugal 2005 Vilamoura, Algarve, Portugal Hotel de cinco estrelas, da cadeia de Hoteis Tivoli, situado em Vilamoura, junto ao Victória Golfe. O hotel terá 280 quartos com uma área total de m² e será constituído por um edifício com 5 pisos, três edifícios anexos (apoio ao golfe e clube infantil e polo técnico) SPA e 3 piscinas exteriores. A CENOR realizou o projecto das instalações hidráulicas constituído por 53km de canalizações de águas e esgotos, reservatórios de água para consumo (450m³) e de água para combate a incêndio (250m³), centrais de bombagem de água para consumo e de incêndio, poços de bombagem de esgotos domésticos e pluviais, centrais de tratamento de água das piscinas exteriores. Hotel de cinco estrellas de la cadena de Hoteles Tivoli, situado en Vilamoura, junto al Victória Golfe. El hotel posee 280 cuartos con un área total de m² y está constituido por un edificio de 5 pisos, tres edificios anexos (apoyo al golf, club infantil y núcleo técnico) SPA y 3 piscinas exteriores. CENOR realizó el proyecto de las instalaciones hidráulicas constituido por 53km de canalizaciones de aguas y alcantarillado, depósitos de agua para consumo (450m³) y de agua para combate a incendios (250m³), centrales de bombeo de agua para consumo y de incendio, pozos de bombeo de alcantarillado doméstico y pluvial, centrales de tratamiento de agua de las piscinas exteriores y del Spa.

19 36 OBRAS HIDRÁULICAS, HIDRÁULICA URBANA E ENERGIAS RENOVÁVEIS OBRAS HIDRÁULICAS, HIDRÁULICA URBANA Y ENERGÍAS RENOVABL JECTO HOTEL THE LAKE RORT FICOPE Estudo Prévio Projecto de Concurso e Licenciamento Projecto de Execução Assistência Técnica THE LAKE RORT HOTEL FICOPE Estudio Previo Proyecto de Concurso y Licencias de Obras Proyecto de Ejecución Asistencia técnica Vilamoura, Algarve, Portugal Vilamoura, Algarve, Portugal Hotel de 5 estrelas situado em Vilamoura, constituído por 6 pisos, dispõe de 192 quartos, 95 apartamentos de luxo, piscinas interiores e exteriores com uma área total de construção de m² e m² de jardins. A CENOR realizou o estudo das instalações hidráulicas, dimensionando mais de 87km de canalizações de águas e de esgotos, reservatórios de água para consumo (300m³) e de água para combate a incêndio (200m³), centrais de bombagem de água e de incêndio, poços de bombagem de esgotos domésticos e centrais de tratamento de água das piscinas exteriores. Hotel de 5 estrellas situado en Vilamoura, constituido por 6 pisos, dispone de 192 cuartos, 95 apartamentos de lujo, piscinas interiores y exteriores, con un área total de construcción de m² y m² de jardines. CENOR realizó el estudio de las instalaciones hidráulicas, dimensionando más de 87km de canalizaciones de aguas y de alcantarillado, depósitos de agua para consumo (300m³) y de agua para combate a incendios (200m³), centrales de bombeo de agua y de incendios, pozos de bombeo de alcantarillado doméstico y centrales de tratamiento de agua de las piscinas exteriores.

20 EMPREENDIMENTOS TURÍSTICOS EMPRENDIMENTOS TURÍSTICOS

21 40 OBRAS HIDRÁULICAS, HIDRÁULICA URBANA E ENERGIAS RENOVÁVEIS OBRAS HIDRÁULICAS, HIDRÁULICA URBANA Y ENERGÍAS RENOVABL JECTO ADT3 ÁREA DE DENVOLVIMENTO TURÍSTICO 3 Herdade da Comporta, S.A. Estudo Prévio Projecto de Licenciamento Projecto de Execução Assistência Técnica ADT3 ÁREA DE DARROLLO TURÍSTICO 3 Herdade da Comporta, S.A. Estudo Prévio Proyecto de Concesión de Licencias de Obras Proyecto de Ejecución Asistencia técnica 2008 Em Curso Herdade da Comporta Grândola, Portugal 2008 En Curso Herdade da Comporta Grândola, Portugal O Empreendimento Turístico ADT3 - Área de Desenvolvimento Turístico, na Herdade da Comporta, é constituído por macrolotes destinados a hotéis, apartamentos turísticos, moradias, Club- House e campo de golfe com uma área total de 377 hectares, área bruta de construção de m² e capacidade para 6.000camas. A CENOR, para além da coordenação dos projectos das infraestruturas gerais, elaborou os seguintes projectos hidráulicos: - Sistema de Abastecimento de Água Potável: 2 furos de captação de água; reservatório de água potável, com 3000m³ de capacidade, e centrais hidropressoras; rede de distribuição de água potável, com 10,4km de extensão (DN 90 a 315mm); - Sistema de Abastecimento de Água para Rega: 2 furos de captação de água; 2 reservatórios de rega principais, com capacidade de 200m³, cada, e centrais hidropressoras; rede de distribuição de água para rega, com comprimento de 6,3km (DN 90 a 160mm); - Sistema de Drenagem e Tratamento de Águas Residuais Domésticas: rede de drenagem de esgotos com 5,5km de colectores gravíticos (DN 200 a 630mm); 6 estações elevatórias e respectivas condutas elevatórias, com 4,8km de extensão (DN 110 a 315mm); ETAR: tratamento ao nível terciário com aproveitamento da água tratada para rega do campo de golfe. - Sistema de Drenagem de Águas Pluviais: rede de drenagem de águas pluviais, constituída por 10,3km de valas e trincheiras drenantes e 34 poços absorventes. El Emprendimiento Turístico ADT3 - Área de Desarrollo Turístico, en la Herdade da Comporta, está constituido por macro lotes destinados a hoteles, apartamentos turísticos, chalés, Club- House y campo de golf, con un área total de 377hectáreas, área bruta de construcción de m² y capacidad para camas. CENOR, además de la coordinación de proyectos de las infraestructuras generales, ha elaborado los siguientes proyectos hidráulicos: - Sistema de Abastecimiento de Agua Potable: 2 pozos de captación de agua; Depósito de agua potable, con 3.000m³ de capacidad, y centrales hidropresoras; red de distribución de agua potable, con 10,4km de extensión (DN 90 a 315mm); - Sistema de Abastecimiento de Agua para Riego: 2 pozos de captación de agua; 2 depósitos de riego principales, con capacidad de 200m³ cada, y centrales hidropresoras; red de distribución de agua para riego, con una de largura de 6,3km (DN 90 a 160 mm); - Sistema de Drenaje y Tratamiento de Aguas Residuales Domésticas: red de drenaje de alcantarillado con 5,5km de colectores gravídicos (DN 200 a 630mm); 6 estaciones elevadoras y respectivas conductas elevadoras, con 4,8km de extensión (DN 110 a 315mm); ETAR: tratamiento a nivel terciario con aprovechamiento del agua tratada para riego del campo de golf; - Sistema de Drenaje de Aguas Pluviales: red de drenaje de aguas pluviales, constituida por 10,3km de zanjas y trincheras de drenaje y 34 pozos absorbentes.

22 42 OBRAS HIDRÁULICAS, HIDRÁULICA URBANA E ENERGIAS RENOVÁVEIS OBRAS HIDRÁULICAS, HIDRÁULICA URBANA Y ENERGÍAS RENOVABL JECTO ROYAL ÓBIDOS, COMPLEXO TURÍSTICO SPA E GOLFE Royal Óbidos Estudo Prévio Projecto de Licenciamento Projecto de Execução Assistência Técnica ROYAL ÓBIDOS, COMPLEJO TURÍSTICO SPA Y GOLF Royal Óbidos Estudio Previo Proyecto de Licenciamiento Proyecto de Ejecución Asistencia técnica 2007 Em Curso Cabeço da Serra, Óbidos, Portugal 2007 En Curso Cabeço da Serra, Óbidos, Portugal O Empreendimento Turístico Royal Óbidos Resort é constituído por um hotel, edifícios de apartamentos, moradias unifamiliares, Club House e campo de golfe, com uma área total de 130 hectares, área bruta de construção de m² e capacidade para 2.270camas. A CENOR para além de coordenação das infra-estruturas gerais, elaborou os seguintes projectos hidráulicos: Sistema de Abastecimento de Água Potável compreendendo: condutas adutoras, com 3,3km de extensão (DN 125 a 500mm); reservatório de água potável, com capacidade de 4.000m³, e centrais hidropressoras; rede de abastecimento de água potável, com comprimento de 11km (DN 90 a 200mm); Sistema de Abastecimento de Água para Rega, constituído por: reservatório de água para rega, com capacidade de 1.000m³, e centrais hidropressoras; rede de abastecimento de água para rega, com comprimento de 5,6km (DN 63 a 200mm); Sistema de Drenagem de Águas Residuais, compreendendo: rede de drenagem de águas residuais domésticas, com 12,7km de colectores gravíticos (DN 200 a 400mm); 3 estações elevatórias e respectivas condutas elevatórias, com comprimento de 1,1km (DN 125 a 250mm). Sistema de Drenagem de Águas Pluviais, constituído por: rede de drenagem de águas pluviais, com 11,6km de colectores gravíticos (DN 400 a 800mm). El Emprendimiento Turístico Royal Óbidos Resort está constituido por un hotel, edificios de apartamentos, chalés unifamiliares, Club House y campo de golf, con un área total de 130 hectáreas, área bruta de construcción de m² y capacidad para camas. CENOR, además de la coordinación de las infraestructuras generales, ha elaborado los siguientes proyectos hidráulicos: Sistema de Abastecimiento de Agua Potable que comprende: tuberías aductoras, con 3,3km de extensión (DN 125 a 500mm); depósito de agua potable, con una capacidad de 4.000m³, y centrales hidropresoras; red de abastecimiento de agua potable, con una largura de 11km (DN 90 a 200mm); Sistema de Abastecimiento de Agua para Riego, constituido por: depósito de agua para riego, con capacidad de 1.000m³, y centrales hidropresoras; red de abastecimiento de agua para riego, con una largura de 5,6km (DN 63 a 200mm); Sistema de Drenaje de Aguas Residuales, que comprende: red de drenaje de aguas residuales domésticas, con 12,7km de colectores gravídicos (DN 200 a 400mm); 3 estaciones elevadoras y respectivas tuberías elevadoras, con una largura de 1,1km (DN 125 a 250mm). Sistema de Drenaje de Aguas Pluviales, constituido por: red de drenaje de aguas pluviales, con 11,6km de colectores gravídicos (DN 400 a 800mm).

23 SANEAMENTO SANEAMIENTO

24 46 OBRAS HIDRÁULICAS, HIDRÁULICA URBANA E ENERGIAS RENOVÁVEIS OBRAS HIDRÁULICAS, HIDRÁULICA URBANA Y ENERGÍAS RENOVABL JECTO PLANO DE CONTROLO DE CAUDAIS PLUVIAIS NO SUBSISTEMA DE BEIROLAS SIMTEJO Projecto de Execução Assistência Técnica PLAN DE CONTROL DE CAUDAL PLUVIAL EN EL SUBSISTEMA DE BEIROLAS SIMTEJO Proyecto de Ejecución Asistencia técnica 2008 Lisboa, Portugal 2008 Lisboa, Portugal A CENOR elaborou, em associação com a Sisáqua, o Plano de Controlo de Caudais Pluviais no Subsistema de Beirolas. O estudo era constituído pelas seguintes etapas: - Reconhecimento de traçados e análise do cadastro existente; - Campanha de medição de caudal, com instalação de 31 medidores de caudal no interior dos colectores; - Campanha de medição de nível, com instalação de 10 medidores de nível em linhas de água e colectores; - Campanha de medição de pluviosidade com instalação de 3 udómetros; - Tratamento e análise dos dados de medição; - Construção, validação e calibração do modelo do Subsistema em software SWMM (V ); - Avaliação do funcionamento hidráulico do subsistema; - Controlo de afluências pluviais e elaboração dos projectos das medidas de aplicar. CENOR elaboró, en asociación con Sisáqua, el Plan de Control de Caudales Pluviales en el Subsistema de Beirolas. El estudio estaba constituido por las siguientes etapas: - Reconocimiento de trazados y análisis del catastro existente; - Campaña de medición de caudal, con instalación de 31 medidores de caudal en el interior de los colectores; Campaña de medición de nivel, con instalación de 10 medidores de nivel en líneas de agua y colectores; - Campaña de medición de pluviosidad con instalación de 3 udómetros; - Tratamiento y análisis de los datos de medición; - Construcción, validación y calibración del modelo del Subsistema en software SWMM (V ); - Evaluación del funcionamiento hidráulico del subsistema; - Control de afluencias pluviales y elaboración de los proyectos de las medidas a aplicar.

OBRAS HIDRÁULICAS E ENERGIAS RENOVÁVEIS Obras hidráulicas y energías renovables

OBRAS HIDRÁULICAS E ENERGIAS RENOVÁVEIS Obras hidráulicas y energías renovables OBRAS HIDRÁULICAS E ENERGIAS RENOVÁVEIS Obras hidráulicas y energías renovables OBRAS HIDRÁULICAS E ENERGIAS RENOVÁVEIS Obras hidráulicas y energías renovables 06 INTRODUÇÃO INTRODUCCIÓN ABASTECIMENTO

Leia mais

História do Grupo CENOR

História do Grupo CENOR . Dezembro 2013 História do Grupo CENOR CENOR COLÔMBIA ECG ECGPLAN CENOR PROJECTOS DALAN Timor Leste CENORVIA Roménia CENOR AÇORES SCCONSULT BRASIL CENOR IRAQUE 1980 1990 1993 2000 2005 2006 2007 2009

Leia mais

EDIFÍCIOS E UNIDADES INDUSTRIAIS EDIFICIOS Y UNIDADES INDUSTRIALES

EDIFÍCIOS E UNIDADES INDUSTRIAIS EDIFICIOS Y UNIDADES INDUSTRIALES EDIFÍCIOS E UNIDAD INDUSTRIAIS EDIFICIOS Y UNIDAD INDUSTRIAL EDIFÍCIOS E UNIDAD INDUSTRIAIS EDIFICIOS Y UNIDAD INDUSTRIAL 04 EDIFÍCIOS EDIFICIOS 10 12 14 16 18 20 INTRODUÇÃO INTRODUCCIÓN #.171.051 EDIFÍCIOS

Leia mais

VALÊNCIAS AMBIENTAIS EM ENGENHARIA (VAE) (2ºano MEAmbi) Mestrado Integrado em Engª do Ambiente (2015/2016) Sala QA1.4

VALÊNCIAS AMBIENTAIS EM ENGENHARIA (VAE) (2ºano MEAmbi) Mestrado Integrado em Engª do Ambiente (2015/2016) Sala QA1.4 DEPARTAMENTO DE ENGENHARIA CIVIL, ARQUITETURA E GEORRECURSOS VALÊNCIAS AMBIENTAIS EM ENGENHARIA (VAE) (2ºano MEAmbi) Mestrado Integrado em Engª do Ambiente (2015/2016) Sala QA1.4 SISTEMAS DE ABASTECIMENTO

Leia mais

Hotéis/ Resorts/ Aldeamentos

Hotéis/ Resorts/ Aldeamentos Hotéis/ Resorts/ Aldeamentos PT a empresa O Grupo Ductos existe desde Julho de 1992, em resultado da já longa colaboração entre os sócios, colaboradores e consultores, na elaboração e execução de estudos

Leia mais

Hidráulica e Ambiente

Hidráulica e Ambiente Hidráulica e Ambiente Abastecimento de Água 1./ Obras da Rede de Distribuição de Lisboa Coordenação de Segurança, Saúde e Ambiente - 1996 - Cliente: EPAL, SA Ano: 2011 Valor: --- 2./ Estudo de actualização

Leia mais

Reforço de Potência Aproveitamento Hidroeléctrico de Vila Nova/Venda Nova. (Venda Nova II) Relatório de Visita de Estudo.

Reforço de Potência Aproveitamento Hidroeléctrico de Vila Nova/Venda Nova. (Venda Nova II) Relatório de Visita de Estudo. ISEL INSTITUTO SUPERIOR DE ENGENHARIA DE LISBOA DEPARTAMENTO DE ENGENHARIA ELECTROTÉCNICA E AUTOMAÇÃO Reforço de Potência Aproveitamento Hidroeléctrico de Vila Nova/Venda Nova (Venda Nova II) Relatório

Leia mais

5.2 Material da tubagem: AA_PVC de 10kg/cm2; ARD_PVC de 6kg/cm2; AP_Manilhas de betão pré-fabricadas

5.2 Material da tubagem: AA_PVC de 10kg/cm2; ARD_PVC de 6kg/cm2; AP_Manilhas de betão pré-fabricadas A) Abastecimento de Água + Drenagem de Águas Residuais Domésticas + Drenagem de Águas Pluviais 1. Requerimento (*) 2. Termo de responsabilidade (*): 2.1 Independente por especialidade apresentada 2.2 Legislação

Leia mais

Projecto Hidroagricola da Baixa de Óbidos. Localização. Objectivos

Projecto Hidroagricola da Baixa de Óbidos. Localização. Objectivos Projecto Hidroagricola da Baixa de Óbidos Regadio e Aproveitamentos Hidroagrícolas» Aproveitamentos hidroagrícolas em projecto» Projecto Hidroagricola da Baixa de Óbidos Localização A vila de Óbidos situada

Leia mais

Rio Catucá (Barragem de Botafogo), Cumbe, Pilão, Tabatinga, Conga, Arataca/Jardim e ainda os Rios Pitanga e Utinga.

Rio Catucá (Barragem de Botafogo), Cumbe, Pilão, Tabatinga, Conga, Arataca/Jardim e ainda os Rios Pitanga e Utinga. SISTEMA BOTAFOGO INÍCIO DE OPERAÇÃO DO SISTEMA: 1986 (1ª etapa) UNIVERSO DE ATENDIMENTO: Produz, aproximadamente, 17% do volume distribuído na Região Metropolitana do Recife, abrangendo Igarassu (parcialmente),

Leia mais

DISCIPLINA: SISTEMA SANITÁRIO (2/7)

DISCIPLINA: SISTEMA SANITÁRIO (2/7) DISCIPLINA: SISTEMA SANITÁRIO (2/7) Rede de capitação, tratamento e distribuição de água Rede de drenagem de águas pluviais Rede de coleta e tratamento de esgoto Serviço de coleta e tratamento de resíduos

Leia mais

Curriculum Vitae. Nome Ricardo Hermano de Sousa Alves Ferreira. Data de Nascimento 05/03/1955, em Moçambique. Morada Urbanização Terraços do Pinhal,

Curriculum Vitae. Nome Ricardo Hermano de Sousa Alves Ferreira. Data de Nascimento 05/03/1955, em Moçambique. Morada Urbanização Terraços do Pinhal, Curriculum Vitae Dados Pessoais Nome Ricardo Hermano de Sousa Alves Ferreira Nacionalidade Portuguesa Data de Nascimento 05/03/1955, em Moçambique Estado Civil Casado Morada Urbanização Terraços do Pinhal,

Leia mais

REFERÊNCIAS REFERENCIAS

REFERÊNCIAS REFERENCIAS REFERÊNCIAS REFERENCIAS PT REFERÊNCIAS REFERENCIAS PT 08 HISTÓRIA HISTORIA 40 APROVEITAMENTO HIDROELÉCTRICO DE CAMANENGA APROVECHAMIENTO HIDROELÉCTRICO DE CAMANENGA 68 TAÇÃO DE METRO DO TERREIRO DO PAÇO

Leia mais

DEPARTAMENTO DE ENGENHARIA CIVIL E ARQUITECTURA. VALÊNCIAS AMBIENTAIS EM ENGENHARIA (VAE) Mestrado Integrado em Engª do Ambiente

DEPARTAMENTO DE ENGENHARIA CIVIL E ARQUITECTURA. VALÊNCIAS AMBIENTAIS EM ENGENHARIA (VAE) Mestrado Integrado em Engª do Ambiente DEPARTAMENTO DE ENGENHARIA CIVIL E ARQUITECTURA VALÊNCIAS AMBIENTAIS EM ENGENHARIA (VAE) Mestrado Integrado em Engª do Ambiente SISTEMAS DE ABASTECIMENTO DE ÁGUA E SANEAMENTO José Saldanha Matos (DECivil)

Leia mais

IGA Investimentos e Gestão da Água, S.A.

IGA Investimentos e Gestão da Água, S.A. Levantamento e Cadastro de Infra-estruturas associadas aos Sistemas de Abastecimento de Água e de Tratamento e Drenagem de Águas Residuais e Pluviais Ricardo Freitas 3 Objectivos Elaboração do cadastro

Leia mais

APROVEITAMENTO HIDROELÉCTRICO DE AGILDE

APROVEITAMENTO HIDROELÉCTRICO DE AGILDE APROVEITAMENTO HIDROELÉCTRICO DE AGILDE Ribeira de Santa Natália Concelho de Celorico de Basto Acesso rodoviário Açude Canal e conduta forçada Câmara de carga Central hidroeléctrica O aproveitamento hidroeléctrico

Leia mais

AULA 23 ÓRGÃOS ESPECIAIS EM SISTEMAS DE DRENAGEM DE ÁGUAS RESIDUAIS. SANEAMENTO Aula 23 - Sumário

AULA 23 ÓRGÃOS ESPECIAIS EM SISTEMAS DE DRENAGEM DE ÁGUAS RESIDUAIS. SANEAMENTO Aula 23 - Sumário SANEAMENTO Aula 23 - Sumário AULA 23 ÓRGÃOS ESPECIAIS EM SISTEMAS DE DRENAGEM DE ÁGUAS RESIDUAIS Sifões invertidos, descarregadores e instalações elevatórias. Saneamento [A23.1] SIFÕES INVERTIDOS (Artº

Leia mais

ÁguaGlobal. Mesa Redonda Testemunhos Empresariais CENOR / CONDURIL / EFACEC / FASE / MOINHOS AMBIENTE / PROCESL / SISÁQUA

ÁguaGlobal. Mesa Redonda Testemunhos Empresariais CENOR / CONDURIL / EFACEC / FASE / MOINHOS AMBIENTE / PROCESL / SISÁQUA ÁguaGlobal Mesa Redonda Testemunhos Empresariais CENOR / CONDURIL / EFACEC / FASE / MOINHOS AMBIENTE / PROCESL / SISÁQUA Sessão de encerramento Leça da Palmeira, 27 de Abril, 2014 Desafios e constrangimentos

Leia mais

AHE SIMPLÍCIO QUEDA ÚNICA* Luiz Antônio Buonomo de PINHO Gerente / Engenheiro Civil Furnas Centrais Elétricas S. A.

AHE SIMPLÍCIO QUEDA ÚNICA* Luiz Antônio Buonomo de PINHO Gerente / Engenheiro Civil Furnas Centrais Elétricas S. A. AHE SIMPLÍCIO QUEDA ÚNICA* Luiz Antônio Buonomo de PINHO Gerente / Engenheiro Civil Furnas Centrais Elétricas S. A. Rogério Sales GÓZ Gerente / Engenheiro Civil Furnas Centrais Elétricas S. A. Brasil RESUMO

Leia mais

3.5 SANTOS DUMONT. Quanto ao sistema de esgotamento sanitário, sua operação e manutenção cabe a Prefeitura local, através da Secretaria de Obras.

3.5 SANTOS DUMONT. Quanto ao sistema de esgotamento sanitário, sua operação e manutenção cabe a Prefeitura local, através da Secretaria de Obras. Esta unidade compõe-se de três conjuntos moto-bombas idênticos, dos quais dois operam em paralelo, ficando o terceiro como unidade de reserva e/ou rodízio. Estão associados, cada um, a um motor elétrico

Leia mais

AULA 5. PROJECTO DE SANEAMENTO Aula 5 - Sumário RESERVATÓRIOS

AULA 5. PROJECTO DE SANEAMENTO Aula 5 - Sumário RESERVATÓRIOS PROJECTO DE SANEAMENTO Aula 5 - Sumário AULA 5 RESERVATÓRIOS Função dos reservatórios. Tipos de Reservatórios. Localização. Aspectos construtivos. Órgãos e Acessórios e Instrumentação. Dimensionamento

Leia mais

PROJECTO DA ESTAÇÃO ELEVATÓRIA PRINCIPAL DE PEDRÓGÃO, NA PERSPECTIVA DOS EQUIPAMENTOS

PROJECTO DA ESTAÇÃO ELEVATÓRIA PRINCIPAL DE PEDRÓGÃO, NA PERSPECTIVA DOS EQUIPAMENTOS PROJECTO DA ESTAÇÃO ELEVATÓRIA PRINCIPAL DE PEDRÓGÃO, NA PERSPECTIVA DOS EQUIPAMENTOS Pedro SANTOS Eng.º Mecânico, COBA, Av. 5 de Outubro, 323, 1649-011 Lisboa, +351210125000, pgs@coba.pt Luís GUSMÃO Eng.º

Leia mais

3.9 VISCONDE DE RIO BRANCO

3.9 VISCONDE DE RIO BRANCO 3.9 VISCONDE DE RIO BRANCO Projeto Preparatório para o Gerenciamento dos Recursos Hídricos do Paraíba do Sul Em Visconde de Rio Branco, o sistema público de abastecimento de água é operado e mantido pela

Leia mais

DECLARAÇÃO AMBIENTAL 2012. Aproveitamentos Hidroelétricos da Direção de Produção Hidráulica

DECLARAÇÃO AMBIENTAL 2012. Aproveitamentos Hidroelétricos da Direção de Produção Hidráulica DECLARAÇÃO AMBIENTAL 2012 Aproveitamentos Hidroelétricos da Direção de Produção Hidráulica Centro de Produção Cávado-Lima Alto Lindoso, Touvedo, Alto Rabagão, Vila Nova/Venda Nova, Vila Nova/Paradela,

Leia mais

ÁGUAS DO CÁVADO, SA A ESTAÇÃO DE TRATAMENTO DE ÁGUA DE AREIAS DE VILAR. Octávio PASCOAL PEREIRA (1)

ÁGUAS DO CÁVADO, SA A ESTAÇÃO DE TRATAMENTO DE ÁGUA DE AREIAS DE VILAR. Octávio PASCOAL PEREIRA (1) ÁGUAS DO CÁVADO, SA A ESTAÇÃO DE TRATAMENTO DE ÁGUA DE AREIAS DE VILAR Octávio PASCOAL PEREIRA (1) RESUMO A Estação de Tratamento de Água (ETA) de Areias de Vilar e as infraestruturas de captação e da

Leia mais

declaração ambiental 2013 aproveitamentos hidroelétricos da edp produção

declaração ambiental 2013 aproveitamentos hidroelétricos da edp produção declaração ambiental 213 aproveitamentos hidroelétricos da edp produção Centro de Produção Cávado-Lima Alto Lindoso Touvedo Alto Rabagão Vila Nova/Venda Nova Vila Nova/Paradela Frades/Venda Nova Cascata

Leia mais

EFICIÊNCIA ENERGÉTICA NA ÁGUAS DO VOUGA

EFICIÊNCIA ENERGÉTICA NA ÁGUAS DO VOUGA EFICIÊNCIA ENERGÉTICA NA ÁGUAS DO VOUGA Tiago PARENTE 1 Fausto OLIVEIRA 2, RESUMO A promoção pela eficiência energética tem sido uma das medidas impostas pelas actuais políticas europeias com o objectivo

Leia mais

DIÁLOGO LATINOAMERICANO SOBRE LAS MEJORES PRÁCTICAS EN EL DESARROLLO DE GRANDES CENTRALES HIDROELÉCTRICAS. Carlos Nadalutti Filho

DIÁLOGO LATINOAMERICANO SOBRE LAS MEJORES PRÁCTICAS EN EL DESARROLLO DE GRANDES CENTRALES HIDROELÉCTRICAS. Carlos Nadalutti Filho DIÁLOGO LATINOAMERICANO SOBRE LAS MEJORES PRÁCTICAS EN EL DESARROLLO DE GRANDES CENTRALES HIDROELÉCTRICAS 22.11.2011 - Tucuruí,, Brasil Carlos Nadalutti Filho APROVEITAMENTO HIDROELÉCTRICO DE CAPANDA Início:

Leia mais

U H E S Ã O S A LVA D O R

U H E S Ã O S A LVA D O R SÃO SALVADOR Estudo de impacto ambiental U H E S Ã O S A LVA D O R Anexos Volume IV Anexo A A-1 Anexo A. Capítulo I Caracterização do empreendimento Anexo A A-2 A1. Fases de Desvio do rio Tocantins para

Leia mais

A CONSULGAL EXPERIÊNCIA E MODELO DE IMPLANTAÇÃO NO BRASIL

A CONSULGAL EXPERIÊNCIA E MODELO DE IMPLANTAÇÃO NO BRASIL A CONSULGAL EXPERIÊNCIA E MODELO DE IMPLANTAÇÃO NO BRASIL . . . . . . . . ÁREAS DE EXPERIÊNCIA INFRAESTRUTURAS DE TRANSPORTES EDIFÍCIOS E URBANISMO ENERGIA E INDUSTRIA ÁGUA, SANEAMENTO E AMBIENTE I.INFRAESTRUTURAS

Leia mais

ELEMENTOS NECESSÁRIOS À INSTRUÇÃO DO PEDIDO DE LICENÇA DE UTILIZAÇÃO DOS RECURSOS HÍDRICOS DESCARGA DE ÁGUAS RESIDUAIS

ELEMENTOS NECESSÁRIOS À INSTRUÇÃO DO PEDIDO DE LICENÇA DE UTILIZAÇÃO DOS RECURSOS HÍDRICOS DESCARGA DE ÁGUAS RESIDUAIS ELEMENTOS NECESSÁRIOS À INSTRUÇÃO DO PEDIDO DE LICENÇA DE UTILIZAÇÃO DOS RECURSOS HÍDRICOS DESCARGA DE ÁGUAS RESIDUAIS I IDENTIFICAÇÃO DO REQUERENTE Nome/Denominação social, identificação fiscal n.º, bilhete

Leia mais

VISITA DA ORDEM DOS ENGENHEIROS REGIÃO NORTE

VISITA DA ORDEM DOS ENGENHEIROS REGIÃO NORTE Reforço de Potência de Bemposta VISITA DA ORDEM DOS ENGENHEIROS REGIÃO NORTE BEMPOSTA, 13 de Novembro de 2010 António Freitas da Costa Agenda 1. Objectivo 2. O Aproveitamento Hidroeléctrico do Douro Internacional

Leia mais

Engenharia, Ambiente e Qualidade de Vida

Engenharia, Ambiente e Qualidade de Vida Engenharia, Ambiente e Qualidade de Vida HISTÓRIA, MISSÃO, VISÃO E VALORES HISTÓRIA A Prospectiva nasceu em 1977 para desenvolver Estudos e Projectos de Engenharia. Iniciou a sua actividade na Hidráulica

Leia mais

As novas barragens e o controlo de segurança

As novas barragens e o controlo de segurança As novas barragens e o controlo de segurança Carlos Pina Investigador Coordenador do LNEC ENEC 2011 - Encontro Nacional de Engenharia Civil FEUP - Faculdade de Engenharia da Universidade do Porto 21 de

Leia mais

PERDAS DE ÁGUA NA REDE

PERDAS DE ÁGUA NA REDE Seminário Uso Eficiente da Água no Sector Residencial Catarina Canha ambiente@cm-obidos.pt Estrutura da Apresentação 1. Descrição das principais actividades do Município de Óbidos; 2. Definição de objectivos;

Leia mais

Portfolio. Vias de Comunicação, Obras de Urbanização e outras Infraestruturas

Portfolio. Vias de Comunicação, Obras de Urbanização e outras Infraestruturas Portfolio Vias de Comunicação, Obras de Urbanização Reservatório de Baguim do Monte Águas de Gondomar, S.A. 2009 Duas células, 2 x 2.000,00 m³ Capacidade Total do Reservatório, 4.000,00 m³ Conduta Adutora

Leia mais

Universidade Federal de Ouro Preto Escola de Minas Departamento de Engenharia Civil CIV 640 Saneamento Urbano

Universidade Federal de Ouro Preto Escola de Minas Departamento de Engenharia Civil CIV 640 Saneamento Urbano Universidade Federal de Ouro Preto Escola de Minas Departamento de Engenharia Civil CIV 640 Saneamento Urbano Reservatórios e Redes de Distribuição de Água Universidade Federal de Ouro Preto Escola de

Leia mais

CAUDALÍMETROS ULTRA-SÓNICOS

CAUDALÍMETROS ULTRA-SÓNICOS EQUIPAMENTOS - SERVIÇOS - REFERÊNCIAS TUBAGENS PARCIALMENTE CHEIAS - TUBAGENS CHEIAS - RIOS - CANAIS Rua do Proletariado 15-B - 2795-648 CARNAXIDE tel. 214 203 900 fax 214 203 901 e-mail industria@contimetra.com

Leia mais

USINA HIDRELÉTRICA BELO MONTE EMPRESA: CONSÓRCIO NORTE ENERGIA POTÊNCIA INSTALADA: 11.233,1 MW ETAPA: PROJETO BÁSICO DATA: 18/08/10

USINA HIDRELÉTRICA BELO MONTE EMPRESA: CONSÓRCIO NORTE ENERGIA POTÊNCIA INSTALADA: 11.233,1 MW ETAPA: PROJETO BÁSICO DATA: 18/08/10 USINA HIDRELÉTRICA BELO MONTE EMPRESA: CONSÓRCIO NORTE ENERGIA POTÊNCIA INSTALADA: 11.233,1 MW ETA: PROJETO BÁSICO DATA: 18/08/10 CONTATO: TEL.: 1. LOCALIZAÇÃO RIO: XINGU SUB-BACIA: RIO XINGU RIO XINGU

Leia mais

Concepção de instalações para o abastecimento de água

Concepção de instalações para o abastecimento de água Universidade Federal de Ouro Preto Escola de Minas Departamento de Engenharia Civil CIV 640 Saneamento Urbano Concepção de instalações para o abastecimento de água Prof. Aníbal da Fonseca Santiago Universidade

Leia mais

Barragens de concreto em abóbada com dupla curvatura.

Barragens de concreto em abóbada com dupla curvatura. ANÁLISE DIMENSIONAL Modelos Reduzidos Prof. Manuel Rocha - LNEC Prof. Eduardo C. S. Thomaz Notas de aula Barragens de concreto em abóbada com dupla curvatura. Na década de 60, época do projeto e da construção

Leia mais

ENGENHARIA, AMBIENTE E QUALIDADE DE VIDA ENGENHARIA, AMBIENTE E QUALIDADE DE VIDA. www.prospectiva.pt

ENGENHARIA, AMBIENTE E QUALIDADE DE VIDA ENGENHARIA, AMBIENTE E QUALIDADE DE VIDA. www.prospectiva.pt ENGENHARIA, AMBIENTE E QUALIDADE DE VIDA ENGENHARIA, AMBIENTE E QUALIDADE DE VIDA www.prospectiva.pt HISTÓRIA, MISSÃO, VISÃO E VALORES HISTÓRIA A PROSPECTIVA nasceu em 1977 para desenvolver Estudos e Projectos

Leia mais

C O N S U L T O R E S D E E N G E N H A R I A E A M B I E N T E CENTRAIS HIDROELÉCTRICAS CENTRAL DE CAMBAMBE 2

C O N S U L T O R E S D E E N G E N H A R I A E A M B I E N T E CENTRAIS HIDROELÉCTRICAS CENTRAL DE CAMBAMBE 2 CENTRAIS HIDROELÉCTRICAS CENTRAL DE CAMBAMBE 2 ANGOLA REFORÇO DE POTÊNCIA DO HIDROELÉCTRICO DE CAMBAMBE CONSTRUÇÃO CENTRAL 2 Cliente: ENE - Empresa Nacional de Electridade Aprovação de Projectos, Gestão

Leia mais

ESTAÇÃO ELEVATÓRIA PEDRÓGÃO-MARGEM ESQUERDA E REFORÇO DE POTÊNCIA DO PEDRÓGÃO. CONCEPÇÃO E PRINCIPAIS CARACTERÍSTICAS DAS OBRAS

ESTAÇÃO ELEVATÓRIA PEDRÓGÃO-MARGEM ESQUERDA E REFORÇO DE POTÊNCIA DO PEDRÓGÃO. CONCEPÇÃO E PRINCIPAIS CARACTERÍSTICAS DAS OBRAS ESTAÇÃO ELEVATÓRIA PEDRÓGÃO-MARGEM ESQUERDA E REFORÇO DE POTÊNCIA DO PEDRÓGÃO. CONCEPÇÃO E PRINCIPAIS CARACTERÍSTICAS DAS OBRAS António PINHEIRO (1) ; António MOISÉS (2) ; Carlos GASPAR (3) (1) CEHIDRO,

Leia mais

Termos de referência para o cadastro das infraestruturas de abastecimento de água e de saneamento de águas residuais

Termos de referência para o cadastro das infraestruturas de abastecimento de água e de saneamento de águas residuais Termos de referência para o cadastro das infraestruturas de abastecimento de água e de saneamento de águas residuais Enquadramento A base do conhecimento de qualquer sistema de abastecimento de água e

Leia mais

PROJECTO DA REDE DE ABASTECIMENTO DE ÁGUA

PROJECTO DA REDE DE ABASTECIMENTO DE ÁGUA PROJECTO DA REDE DE ABASTECIMENTO DE ÁGUA CONSTRUÇÃO DE ARRUAMENTO DESDE A ROTUNDA DANMARIE - LÉS - LYS À AV. ENGº CASTRO CALDAS - A2 ARCOS DE VALDEVEZ ÍNDICE 1) Planta de Localização 2) Termo de Responsabilidade

Leia mais

INSTRUÇÃO TÉCNICA DPO Nº 5, de 10/11/2011

INSTRUÇÃO TÉCNICA DPO Nº 5, de 10/11/2011 INSTRUÇÃO TÉCNICA DPO Nº 5, de 10/11/2011 1. Objeto. 2. Referências. OUTORGA DE APROVEITAMENTOS HIDRELÉTRICOS UHE / PCH / CGH 3. Obtenção de outorgas junto ao. 4. Fluxograma dos procedimentos para uso

Leia mais

GUIA DE PROJECTO E OBRA

GUIA DE PROJECTO E OBRA GUIA DE PROJECTO E OBRA Processos Prediais Direcção de Engenharia 2010 ÍNDICE 1. Âmbito de Aplicação e Objectivos... 3 2. Competências e Responsabilidades... 3 2.1 Projectista... 3 2.2 ÁGUAS DO SADO...

Leia mais

APROVEITAMENTO HIDROELÉCTRICO DE EL BORJ (MARROCOS) Concepção, dimensionamento e optimização do aproveitamento

APROVEITAMENTO HIDROELÉCTRICO DE EL BORJ (MARROCOS) Concepção, dimensionamento e optimização do aproveitamento APROVEITAMENTO HIDROELÉCTRICO DE EL BORJ (MARROCOS) Concepção, dimensionamento e optimização do aproveitamento António PEREIRA DA SILVA Engº Civil, MSc Hidráulica e Recursos Hídricos, Director Adjunto

Leia mais

ANEXO AO REQUERIMENTO DO PEDIDO DE UTILIZAÇÃO DOS RECURSOS HÍDRICOS PESQUISA DE ÁGUAS SUBTERRÂNEAS DO DOMÍNIO PÚBLICO

ANEXO AO REQUERIMENTO DO PEDIDO DE UTILIZAÇÃO DOS RECURSOS HÍDRICOS PESQUISA DE ÁGUAS SUBTERRÂNEAS DO DOMÍNIO PÚBLICO ANEXO AO REQUERIMENTO DO PEDIDO DE UTILIZAÇÃO DOS RECURSOS HÍDRICOS PESQUISA DE ÁGUAS SUBTERRÂNEAS DO DOMÍNIO PÚBLICO I. IDENTIFICAÇÃO DO REQUERENTE Nome/Denominação social identificação fiscal nº, residência/sede

Leia mais

Engenharia, Ambiente e Qualidade de Vida

Engenharia, Ambiente e Qualidade de Vida Engenharia, Ambiente e Qualidade de Vida www.prospectiva.pt HISTÓRIA, MISSÃO, VISÃO E VALORES HISTÓRIA A PROSPECTIVA nasceu em 1977 para desenvolver Estudos e Projectos de Engenharia. Iniciou a sua actividade

Leia mais

A seguir, far-se-á a descrição das unidades operacionais dos referidos sistemas:

A seguir, far-se-á a descrição das unidades operacionais dos referidos sistemas: 3.4 MURIAÉ Projeto Preparatório para o Gerenciamento dos Recursos Hídricos do Paraíba do Sul Os sistemas de abastecimento de água e de esgotamento sanitário da cidade de Muriaé são operados e mantidos

Leia mais

MANUAL PROCESSOS PREDIAIS

MANUAL PROCESSOS PREDIAIS MANUAL Página : 3 / 11 ÍNDICE 1 OBJECTIVO...4 2 ÂMBITO...4 3 INSTRUÇÃO DO PROCESSO...4 3.1. Projecto... 4 3.2. Tela Fina.4 4 REGRAS A TER EM CONTA NA ELABORAÇÃO DO PROJECTO E EM OBRA...5 4.1. Ampliações

Leia mais

ENGENHARIA, AMBIENTE E QUALIDADE DE VIDA ENGENHARIA, AMBIENTE E QUALIDADE DE VIDA. www.prospectiva.pt

ENGENHARIA, AMBIENTE E QUALIDADE DE VIDA ENGENHARIA, AMBIENTE E QUALIDADE DE VIDA. www.prospectiva.pt ENGENHARIA, AMBIENTE E QUALIDADE DE VIDA ENGENHARIA, AMBIENTE E QUALIDADE DE VIDA www.prospectiva.pt HISTÓRIA, MISSÃO, VISÃO E VALORES HISTÓRIA A PROSPECTIVA nasceu em 1977 para desenvolver Estudos e Projetos

Leia mais

3.1. JUIZ DE FORA. 3.1.1 Sistema Existente de Abastecimento de Água

3.1. JUIZ DE FORA. 3.1.1 Sistema Existente de Abastecimento de Água A adução é feita por gravidade, partindo da barragem que garante a submergência de duas tubulações que encaminham a água captada a duas estruturas de controle (Foto 2), ambas construídas em concreto armado,

Leia mais

PROGRAMA DE RECUPERAÇÃO AMBIENTAL DA REGIÃO METROPOLITANA DA BAIXADA SANTISTA

PROGRAMA DE RECUPERAÇÃO AMBIENTAL DA REGIÃO METROPOLITANA DA BAIXADA SANTISTA PROGRAMA DE RECUPERAÇÃO AMBIENTAL DA REGIÃO METROPOLITANA DA BAIXADA SANTISTA Diretoria de Tecnologia, Empreendimentos e Meio Ambiente - T Sistema Produtor de Água Mambu - Branco REUNIÃO DO COMITÊ TÉCNICO

Leia mais

PATRÍCIA SILVA FERREIRA CURRICULUM VITAE

PATRÍCIA SILVA FERREIRA CURRICULUM VITAE PATRÍCIA SILVA FERREIRA CURRICULUM VITAE Tel: 91 868 82 53 e 916 315 034 Página 1 Europass-Curriculum Vitae Informação pessoal Apelido(s) / Nome(s) Ferreira, Patrícia Silva próprio(s) Morada(s) - Telefone(s)

Leia mais

APRESENTAÇÃO DA EMPRESA COMPANY PRESENTATION

APRESENTAÇÃO DA EMPRESA COMPANY PRESENTATION APRESENTAÇÃO DA EMPRESA COMPANY PRESENTATION CENORVIA MZ Consultores de Engenharia, Lda, é uma empresa de direito Moçambicano subsidiária das empresas CENOR Consultores S.A. e NORVIA Consultores de Engenharia

Leia mais

Reabilitação de barragens de aterro. Barragem do Roxo. Anomalias, Diagnóstico e Reabilitação

Reabilitação de barragens de aterro. Barragem do Roxo. Anomalias, Diagnóstico e Reabilitação Reabilitação de barragens de aterro Barragem do Roxo Anomalias, Diagnóstico e Reabilitação Caraterísticas Gerais da Barragem do Roxo > Vale assimétrico Forte inclinação na margem esquerda Suave na margem

Leia mais

O sistema ora descrito apresenta as seguintes unidades operacionais:

O sistema ora descrito apresenta as seguintes unidades operacionais: A elevatória apresenta três conjuntos moto-bombas (Foto 3), dos quais dois operam em paralelo, ficando um de reserva, cada um associado a um motor elétrico de 150 cv de potência e recalcando uma vazão

Leia mais

ATOS DE ENGENHARIA CIVIL

ATOS DE ENGENHARIA CIVIL 1. ENGENHARIA CIVIL ATOS DE ENGENHARIA CIVIL 1 Projeto 1.1 Edificações 1.1.1 Estabilidade e contenção periférica Contenção periférica Plano de escavação Fundações superficiais Fundações profundas Muros

Leia mais

2.4.0 TRANSPORTE, ARMAZENAGEM E SERVIÇOS RELACIONADOS

2.4.0 TRANSPORTE, ARMAZENAGEM E SERVIÇOS RELACIONADOS Listagem Categorias Criticas Portugal Esta é a listagem de categorias de produto/serviço consideradas criticas pelas empresas que compõem a omunidade RePro em Portugal. Caso tenha inscrito ou pretenda

Leia mais

[ ] Sementeira, plantação e corte de árvores ou arbustos

[ ] Sementeira, plantação e corte de árvores ou arbustos Ex. mo Senhor Vice-Presidente da APA, I.P. Assunto: Pedido de Informação Prévia sobre a possibilidade de utilização dos recursos hídricos (artigo 11º do Decreto-Lei n.º 226-A/2007, de 31 de maio) Selecione

Leia mais

3.3 CATAGUASES. Quanto ao sistema de esgotamento sanitário, a responsabilidade pela sua operação e manutenção cabe a Prefeitura local.

3.3 CATAGUASES. Quanto ao sistema de esgotamento sanitário, a responsabilidade pela sua operação e manutenção cabe a Prefeitura local. Da caixa de areia a água chega às quatro câmaras onde estão interligadas as tubulações de sucção das bombas, essas unidades de bombeamento são em número de quatro, cada uma com capacidade de recalque de

Leia mais

PCH BARUÍTO PRINCIPAIS CARACTERÍSTICAS TÉCNICAS DO PROJETO

PCH BARUÍTO PRINCIPAIS CARACTERÍSTICAS TÉCNICAS DO PROJETO PCH BARUÍTO PRINCIPAIS CARACTERÍSTICAS TÉCNICAS DO PROJETO CUIABÁ MT OUTUBRO DE 2003 1 PCH BARUITO PRINCIPAIS CARACTERÍSTICAS TÉCNICAS DO PROJETO Empreendedor : Global Energia Elétrica S/A Empreendimento:

Leia mais

SISTEMAS PREDIAIS DE ÁGUAS E ESGOTOS EM EDIFÍCIOS ALTOS

SISTEMAS PREDIAIS DE ÁGUAS E ESGOTOS EM EDIFÍCIOS ALTOS VI ENCONTRO TÉCNICO DA ECOSERVIÇOS SISTEMAS PREDIAIS DE ÁGUAS E ESGOTOS EM EDIFÍCIOS ALTOS LÉLIO BARATA FÉLIX PONTA DELGADA, 8 DE MAIO DE 2003 1 INSTALAÇÕES DE ABASTECIMENTO DE ÁGUA (fria / quente / incêndio)

Leia mais

EDP - Gestão da Produção de Energia, S.A. Central Termoelétrica de Sines. Produção de Energia Elétrica e Deposição de resíduos não perigosos em aterro

EDP - Gestão da Produção de Energia, S.A. Central Termoelétrica de Sines. Produção de Energia Elétrica e Deposição de resíduos não perigosos em aterro 2.º ADITAMENTO À LICENÇA AMBIENTAL nº 300/2009 Nos termos da legislação relativa à Prevenção e Controlo Integrados da Poluição (PCIP), é emitido o 2.º Aditamento à Licença Ambiental do operador EDP - Gestão

Leia mais

ETAR de Ermesinde e Alfena. Capacidade de Tratamento: Breve descrição do tratamento:

ETAR de Ermesinde e Alfena. Capacidade de Tratamento: Breve descrição do tratamento: ETAR de Ermesinde e Alfena A ETAR de Ermesinde foi projectada para tratar os efluentes urbanos provenientes da zona poente do Concelho de Valongo, abrangendo as freguesias de Ermesinde e Alfena. Esta ETAR

Leia mais

SERVIÇO AUTÔNOMO DE ÁGUA E ESGOTOS DE ITAPIRA

SERVIÇO AUTÔNOMO DE ÁGUA E ESGOTOS DE ITAPIRA NORMAS PARA ELABORAÇÃO DE PROJETOS DE SISTEMAS DE ABASTECIMENTO DE ÁGUA E DE ESGOTAMENTO SANITÁRIO PARA LOTEAMENTOS URBANOS 1 DO OBJETIVO A presente Norma estabelece os requisitos mínimos a serem obedecidos

Leia mais

UNIVERSIDADE FEDERAL DE PELOTAS - UFPEL CENTRO DE ENGENHARIAS - CENG DISCIPLINA: SISTEMAS URBANOS DE ÁGUA E ESGOTO

UNIVERSIDADE FEDERAL DE PELOTAS - UFPEL CENTRO DE ENGENHARIAS - CENG DISCIPLINA: SISTEMAS URBANOS DE ÁGUA E ESGOTO UNIVERSIDADE FEDERAL DE PELOTAS - UFPEL CENTRO DE ENGENHARIAS - CENG DISCIPLINA: SISTEMAS URBANOS DE ÁGUA E ESGOTO SISTEMAS DE ESGOTO SANITÁRIO Prof. Hugo Alexandre Soares Guedes E-mail: hugo.guedes@ufpel.edu.br

Leia mais

C O N S U L T O R E S D E E N G E N H A R I A E A M B I E N T E

C O N S U L T O R E S D E E N G E N H A R I A E A M B I E N T E 0 SISTEMAS DE À ZONA NORTE DA ÁREA DO GRANDE PORTO PORTUGAL DESCRIÇÃO: SISTEMA MULTIMUNICIPAL DE ABASTECIMENTO DE ÁGUA À ZONA NORTE DA REGIÃO DO GRANDE PORTO IPE Águas de Portugal / Águas do Cávado, S.A.

Leia mais

Anexo 9.1.1 b) - Diretrizes Técnicas Mínimas

Anexo 9.1.1 b) - Diretrizes Técnicas Mínimas Anexo 9.1.1 b) - Diretrizes Técnicas Mínimas Folha 1 de 14 APRESENTAÇÃO Este Anexo é dividido em duas partes: A Seção I introduz a descrição da Infra-estrutura de Irrigação de Uso Comum do Projeto Pontal,

Leia mais

C O N S U L T O R E S D E E N G E N H A R I A E A M B I E N T E S. A. C O N S U L T O R E S D E E N G E N H A R I A E A M B I E N T E

C O N S U L T O R E S D E E N G E N H A R I A E A M B I E N T E S. A. C O N S U L T O R E S D E E N G E N H A R I A E A M B I E N T E S. A. C O N S U L T O R E S D E E N G E N H A R I A E A M B I E N T E BREVE HISTÓRIA Fundada em 1962, a COBA é hoje a maior empresa portuguesa de Consultores de Engenharia 250 colaboradores. 400 colaboradores

Leia mais

INÍCIO DE OPERAÇÃO DO SISTEMA: A primeira etapa entrou em operação em 1975 e a segunda, em 1982.

INÍCIO DE OPERAÇÃO DO SISTEMA: A primeira etapa entrou em operação em 1975 e a segunda, em 1982. SISTEMA TAPACURÁ INÍCIO DE OPERAÇÃO DO SISTEMA: A primeira etapa entrou em operação em 1975 e a segunda, em 1982. UNIVERSO DE ATENDIMENTO: Produz, aproximadamente, 36% do volume distribuído na Região Metropolitana

Leia mais

ANEXO I EDITAL DE TOMADA DE PREÇOS Nº 008/2014

ANEXO I EDITAL DE TOMADA DE PREÇOS Nº 008/2014 ANEXO I EDITAL DE TOMADA DE PREÇOS Nº 008/2014 ESPECIFICAÇÕES TÉCNICAS PARA ELABORAÇÃO DE ESTUDOS AMBIENTAIS PARA O PROCESSO DE LICENÇA DE INSTALAÇÃO DO ALTEAMENTO DO VERTEDOURO DA BARRAGEM DO CIPÓ 1)

Leia mais

Seminário Uso Eficiente da Água no Sector Residencial

Seminário Uso Eficiente da Água no Sector Residencial Seminário Uso Eficiente da Água no Sector Residencial Aproveitamento de Águas Pluviais Rainwater Harvesting em Portugal Perspectivas, Realidades e Oportunidades Faro, 12 de Outubro de 2009 Castelos, Conventos,

Leia mais

APRESENTAÇÃO DA EMPRESA Presentación de Empresa ESCADAS EM ALUMÍNIO PLATAFORMAS DE TRABALHO EM ALUMÍNIO TORRES EM ALUMÍNIO

APRESENTAÇÃO DA EMPRESA Presentación de Empresa ESCADAS EM ALUMÍNIO PLATAFORMAS DE TRABALHO EM ALUMÍNIO TORRES EM ALUMÍNIO APRESENTAÇÃO DA EMPRESA Presentación de Empresa ESCADAS EM ALUMÍNIO Escaleras en Aluminio PLATAFORMAS DE TRABALHO EM ALUMÍNIO Plataformas de Trabajo en Aluminio TORRES EM ALUMÍNIO Torres en Aluminio PRANCHAS

Leia mais

Vasos de Pressão. Vasos de Presión. Soluções em Refrigeração Industrial. Criando soluções que fazem a diferença.

Vasos de Pressão. Vasos de Presión. Soluções em Refrigeração Industrial. Criando soluções que fazem a diferença. Vasos de Pressão Vasos de Presión Criando soluções que fazem a diferença. 3 Utilização Utilización Os vasos de pressão Mebrafe respeitam rigorosamente as normas de projeto e fabricação estabelecidas em

Leia mais

Sistemas de recuperação de águas pluviais

Sistemas de recuperação de águas pluviais Ambietel Tecnologias Ambientais, Lda UPTEC P.MAR Av. Liberdade, s/n 4450-718 Leça da Palmeira Telef: +351 225 096 087 Sistemas de recuperação de águas pluviais A água da chuva é um recurso natural que

Leia mais

ÍNDICE DE TEXTO. Pág. 1 - INTRODUÇÃO... 2 2 - ANTECEDENTES... 2 3 - BREVE DESCRIÇÃO DO PROJECTO... 3 4 - CONTEÚDO DA DIA... 7

ÍNDICE DE TEXTO. Pág. 1 - INTRODUÇÃO... 2 2 - ANTECEDENTES... 2 3 - BREVE DESCRIÇÃO DO PROJECTO... 3 4 - CONTEÚDO DA DIA... 7 EXPANSÃO DA INSTALAÇÃO DE REJEITADOS DE CERR RO DO LOBO UTILIZANDO TECNOLOGIA DA PASTA / REJEITADOS ESPESSADOS Sumário Executiv vo Fevereiro de 2010 ÍNDICE DE TEXTO Pág. 1 - INTRODUÇÃO... 2 2 - ANTECEDENTES...

Leia mais

Processo: 02122/2008 Protocolo: 522284/2008

Processo: 02122/2008 Protocolo: 522284/2008 Folha: 1/15 Processo: 02122/2008 Protocolo: 522284/2008 Dados do Requerente/ Empreendedor Nome: SPE BARRA DA PACIÊNCIA ENERGIA S.A. CNPJ: 09.079.142/0001-60 Endereço: AV. BRIGADEIRO FARIA LIMA, N O 1309

Leia mais

PROGRAMA DE VIGILÂNCIA SANITÁRIA

PROGRAMA DE VIGILÂNCIA SANITÁRIA USP de Concelho A. Identificação da Zona Balnear Zona Balnear Identificada: Zona Balnear (cod.) (designação) Bandeira Azul Praia Acessível (ano de atribuição) (ano de atribuição) Identificação do local

Leia mais

31ª Reunião Comissão de Acompanhamento

31ª Reunião Comissão de Acompanhamento 31ª Reunião Comissão de Acompanhamento Apresentação do projecto 2001/PT/16/C/PE/007 Sistema Multimunicipal de abastecimento de água e de saneamento de Raia, Zêzere e Nabão Índice 1. Apresentação da Águas

Leia mais

Sistemas de recuperação de águas pluviais

Sistemas de recuperação de águas pluviais Ambietel Tecnologias Ambientais, Lda UPTEC P.MAR Av. Liberdade, s/n 4450-718 Leça da Palmeira Telef: +351 225 096 087 Sistemas de recuperação de águas pluviais A água da chuva é um recurso natural que

Leia mais

SITUAÇÃO GEOGRÁFICA E CLIMA

SITUAÇÃO GEOGRÁFICA E CLIMA SITUAÇÃO GEOGRÁFICA E CLIMA 0 território português abrange uma área de cerca de 89 300 km 2 e tem forma aproximadamente rectangular com valores máximos do comprimento e da largura de cerca de 560 e 220

Leia mais

PROJECTO DA REDE DE DRENAGEM DE ÁGUAS RESIDUAIS

PROJECTO DA REDE DE DRENAGEM DE ÁGUAS RESIDUAIS PROJECTO DA REDE DE DRENAGEM DE ÁGUAS RESIDUAIS CONSTRUÇÃO DE ARRUAMENTO DESDE A ROTUNDA DANMARIE - LÉS - LYS À AV. ENGº CASTRO CALDAS - A2 ARCOS DE VALDEVEZ ÍNDICE 1) Planta de Localização 2) Termo de

Leia mais

Usina Hidrelétrica Belo Monte APRESENTAÇÃO GERAL DO EMPREENDIMENTO

Usina Hidrelétrica Belo Monte APRESENTAÇÃO GERAL DO EMPREENDIMENTO Usina Hidrelétrica Belo Monte APRESENTAÇÃO GERAL DO EMPREENDIMENTO BREVE HISTÓRICO Estudo de Inventário do rio Xingu: realizados na década de 1970 com relatório técnico emitido no final de 1979 Estudos

Leia mais

O sistema ora descrito apresenta as seguintes unidades operacionais: O sistema conta com dois mananciais, ambos com captações superficiais:

O sistema ora descrito apresenta as seguintes unidades operacionais: O sistema conta com dois mananciais, ambos com captações superficiais: 3.8 SÃO JOÃO NEPOMUCENO Projeto Preparatório para o Gerenciamento dos Recursos Hídricos do Paraíba do Sul A Companhia de Saneamento de Minas Gerais - COPASA, é o órgão responsável pela operação e manutenção

Leia mais

INFORME HIDROMETEOROLÓGICO RÉGIMEN DE CAUDALES RELATÓRIO HIDROMETEOROLÓGICO REGIME DE CAUDAIS

INFORME HIDROMETEOROLÓGICO RÉGIMEN DE CAUDALES RELATÓRIO HIDROMETEOROLÓGICO REGIME DE CAUDAIS CONVENIO DE ALBUFEIRA CONVENÇÃO DE ALBUFEIRA INFORME HIDROMETEOROLÓGICO RÉGIMEN DE CAUDALES RELATÓRIO HIDROMETEOROLÓGICO REGIME DE CAUDAIS ÍNDICE RESUMEN 1 CUENCA HIDROGRÁFICA DEL MIÑO 1 CUENCA HIDROGRÁFICA

Leia mais

APROVEITAMENTO DA ÁGUA DA CHUVA EM EDIFICAÇÕES

APROVEITAMENTO DA ÁGUA DA CHUVA EM EDIFICAÇÕES APROVEITAMENTO DA ÁGUA DA CHUVA EM EDIFICAÇÕES Elisabete Peres Bertolo Engenheira Civil Mestre em Engenharia do Ambiente Aproveitamento da água das chuvas numa casa australiana (Apostolidis, 2003). Museu

Leia mais

Manual de Processos Prediais

Manual de Processos Prediais Índice Índice...1 1. Objectivo...2 2. Âmbito...2 3. Referências...2 4. Definições / Abreviaturas...2 5. Responsabilidades...2 6. Modo de Proceder...2 6.1. Fluxograma...2 6.2. Descrição...2 6.2.1. INSTRUÇÃO

Leia mais

Contribuição de Hidroeléctricas e Barragens para o Desenvolvimento Sustentável em África

Contribuição de Hidroeléctricas e Barragens para o Desenvolvimento Sustentável em África Contribuição de Hidroeléctricas e Barragens para o Desenvolvimento Sustentável em África Madalena Dray Consultora Socio-Ambiental Luanda, 24 a 27 de Setembro de 2013 CONFERÊNCIA INTERNACIONAL SOBRE ENERGIA

Leia mais

Aula 4 - Captação de água de superfície (Parte I) 4.1 - Introdução. O tratamento da água começa na sua captação

Aula 4 - Captação de água de superfície (Parte I) 4.1 - Introdução. O tratamento da água começa na sua captação Sistemas de Água I - Aula 4 - Captação de água de superfície (Parte I) 22/10/2013 2 Aula 4 - Captação de água de superfície (Parte I) 4.1 - Introdução O tratamento da água começa na sua captação A parte

Leia mais

INSTRUÇÕES PARA ELABORAÇÃO DE PROJETOS DE SISTEMAS DE ABASTECIMENTO DE ÁGUA E ESGOTAMENTO SANITÁRIO DE LOTEAMENTO URBANO

INSTRUÇÕES PARA ELABORAÇÃO DE PROJETOS DE SISTEMAS DE ABASTECIMENTO DE ÁGUA E ESGOTAMENTO SANITÁRIO DE LOTEAMENTO URBANO SERVIÇO AUTÔNOMO DE ÁGUA E ESGOTO GUANHÃES MG INSTRUÇÕES PARA ELABORAÇÃO DE PROJETOS DE SISTEMAS DE ABASTECIMENTO DE ÁGUA E ESGOTAMENTO SANITÁRIO DE LOTEAMENTO URBANO SERVIÇO AUTÔNOMO DE ÁGUA E ESGOTO

Leia mais

As exigências de sustentabilidade ambiental e económica estão sempre presentes nas soluções técnicas apresentadas pela FACTORIAL.

As exigências de sustentabilidade ambiental e económica estão sempre presentes nas soluções técnicas apresentadas pela FACTORIAL. QUEM SOMOS A FACTORIAL Desenvolvimento Integrado de Projectos e Construções, Lda. foi fundada em 2006 com o objectivo de prestar serviços na área da engenharia. Actualmente, a FACTORIAL está predominantemente

Leia mais

SISTEMAS DE DRENAGEM DE ÁGUAS RESIDUAIS SISTEMAS DE DRENAGEM DE ÁGUAS RESIDUAIS

SISTEMAS DE DRENAGEM DE ÁGUAS RESIDUAIS SISTEMAS DE DRENAGEM DE ÁGUAS RESIDUAIS Evolução Histórica dos Sistemas Saneamento I - 1 Evolução Histórica dos Sistemas Saneamento I - 2 Setúbal canecos à porta para recolha de excreta Lisboa colectores de cascões, ou rateiros Fim Séc. XIX

Leia mais

Vacuflow. Tecnologia de esgotos por vazio Onde os métodos construtivos e o meio ambiente sairão beneficiados

Vacuflow. Tecnologia de esgotos por vazio Onde os métodos construtivos e o meio ambiente sairão beneficiados Vacuflow Tecnologia de esgotos por vazio Onde os métodos construtivos e o meio ambiente sairão beneficiados Sistema Vacuflow de Qua-Vac O método tradicional É frequente encontrarmos redes de esgotos com

Leia mais

Abastecimento de Água e Saneamento de Águas Residuais

Abastecimento de Água e Saneamento de Águas Residuais INSTITUTO SUPERIOR DE ENGENHARIA DE LISBOA Departamento de Engenharia Civil Abastecimento de Água e Saneamento de Águas Residuais NUNO MIGUEL CONCEIÇÃO MARTINS Trabalho Final de Mestrado para obtenção

Leia mais

Protegida pelas últimas ramificações da Serra da Mantiqueira, em pleno vale do Rio Camanducaia.

Protegida pelas últimas ramificações da Serra da Mantiqueira, em pleno vale do Rio Camanducaia. MONTEALEGRE ALEGRE DO MONTE DOSUL SUL Protegida pelas últimas ramificações da Serra da Mantiqueira, em pleno vale do Rio Camanducaia. MONTE ALEGRE DO SUL Área 110,306 km² População (estimativa para 2014)

Leia mais

* Desvio - Critérios de Projeto. * Tipos de Desvios: Exemplos. * Casos históricos importantes

* Desvio - Critérios de Projeto. * Tipos de Desvios: Exemplos. * Casos históricos importantes MARÇO/2011 EXPERIÊNCIA BRASILEIRA EM DESVIO DE GRANDES RIOS ERTON CARVALHO COMITÊ BRASILEIRO DE BARRAGENS - CBDB PRESIDENTE * Desvio - Critérios de Projeto * Etapas de Desvio * Tipos de Desvios: Exemplos

Leia mais