Como as grandes empresas poupam na energia

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "Como as grandes empresas poupam na energia"

Transcrição

1 ESTE SUPLEMENTO FAZ PARTE INTEGRANTE DO DIÁRIO ECONÓMICO Nº 5460 DE 5 DE JULHO E NÃO PODE SER VENDIDO SEPARADAMENTE Eficiência ENERGÉTICA Como as grandes empresas poupam na energia Chev Wilkinson/cultura/Corbis/VMI As dez formas para poupar energia Governo apresenta em Setembro novo plano para eficiência energética Opinião de oito responsáveis que traçam a estratégia para Portugal PUB

2 II Diário Económico Quinta-feira 5 Julho 2012 EFICIÊNCIA ENERGÉTICA É JÁ AMANHÃ que vai decorrer no Hotel Tivoli Lisboa a partir das nove horas a conferência Redes do Futuro, promovida pela Rede Eléctrica Nacional (REN). A iniciativa, que tem o apoio do Diário Económico, conta com a participação de George Gross, especialista em Energias Renováveis, e ainda de Artur Trindade, Secretário de Estado da Energia (na imagem). Governo apresenta em Setembro novo plano eficiência energética O objectivo é adaptar as novas metas à conjuntura económica, reforçando a aposta nesta área de negócio. Da União Europeia vêm também ventos de mudança. ANA MARIA GONÇALVES Aaposta na eficiência energética é uma inevitabilidade. Quer por imposição comunitária, quer para fazer face à actual crise económica. A revisão do Plano Nacional de Acção para a Eficiência Energética (PNAEE), aprovado em 2008, encontra-se com um ano de atrasado e só será apresentado em Setembro, depois de concluída a consulta pública que está a decorrer, avança a Agência para a Energia (ADENE). O Governo quer adequá-lo à nova realidade (redução do consumo, excesso de oferta e restrições de financiamento), sem comprometer os objectivos fixados pela União Europeia, os mesmos que se preparam agora para também ser revistos em baixa. A palavra de ordem do Executivo é eliminar as medidas ou metas que nunca foram cumpridas ou que tiveram baixo impacto e recentrar esforços em medidas actuais ou novas de baixo investimento e alto impacto. O novo alvo recai num corte do consumo total de energia em 25% (o equivalente a 22,5 milhões de tonedas de petróleo), com o Estado a dar o exemplo, prevendo uma redução de 30%. Até agora, o PNAEE previa uma meta ambiciosa:10%deaumentodeeficiênciaenergética entre 2008 e 2015 em Portugal, contra 9% da União Europeia, para o mesmo horizonte temporal. A fasquia de Bruxelas, para 2020, era de 20%. O último relatório de execução do PNAEE, divulgado pela ADENE e datado de Maio de 2011, revela que dos 12 programas que o integravam foi possível quantificar, em 2010, poupanças em 37 das 48 medidas. Estas resultaram na economia de tonelada de petróleo equivalente, representando 19,3% do objectivo de A sua intervenção abrangia desde a área dos transportes, residencial e serviços, passando pela indústria, Estado e aquilo que é designado por comportamentos. A implementação acumulada das medidas, nos anos 2008, 2009 e 2010, traduziu-se na redução de tonelada de petróleo equivalente, o que permite concluir, segundo a ADENE, que já se atingiu 36,7% do objectivo para O reiterado recurso à importação de combustíveis de origem fósseis como o carvão, o gás ouopetróleo, sujeitos a grandes oscilações de preços, obriga Portugal a racionalizar o consumo de energia. Os números falam por si: Portugal apenas produz cerca de 15% da energia que consome. Para esta performance contribuiu sobretudo a área dos transportes e residencial e serviço. O Estado, por seu turno, é um dos campos onde tarda a introdução de medidas de eficiência energética. O programa Eco AP, que pretende reduzir a factura energética dos edifícios do Estado, está parado há mais de um ano. A sua publicação em Diário da República ocorreu em finais de A Associação Portuguesa de Empresas de Serviços de Energia defende que o Estado poderia poupar um milhão de euros porsemanasejátivesselançadooecoap. O reiterado recurso à importação de combustíveis de origem fósseis como o carvão, o gás ou o petróleo, sujeitos a grandes oscilações de preços, obriga assim Portugal a introduzir medidas adicionais para diminuir e racionalizar o consumo de energia. Os números falam por si: Portugal apenas produz cerca de 15% da energia que consome. Eficiência energética negligenciada, afirmam especialistas A eficiência energética, por ser um processo moroso, com pouca visibilidade imediata e implicar uma mudança de mentalidades, tem sido, segundo várias fontes contactas pelo Diário Económico, negligenciado pelos diversos governos e encarada como um parente pobre nas opções de política energética. A ameaça de esgotamento das reservas de combustíveis fósseis, a pressão dos resultados económicos e as preocupações ambientais fazem com que a eficiência energética seja encarada como uma das soluções para equilibrar o modelo de consumo existente e para combater as alterações climáticas. Segundo fonte oficial da Quercus, Portugal e outros Estados-membros tentaram enfraquecer as recentes propostas da Comissão Europeia e do Parlamento Europeu nesta matéria. A proposta de Directiva de eficiência energética, apresentada pela Comissão Europeia e aprovada pelo Parlamento Europeu, apresentava um objectivo de redução do consumo de energia primária de 20%, em 2020, muito acima dos 14,5% sugeridos pelo Conselho Europeu. O acordo alcançado, que deverá ser votado em Julho pelo Parlamento Europeu, fixou esta meta em 15%. NASA

3 Quinta-feira 5 Julho 2012 Diário Económico III AS PEQUENAS E MÉDIAS EMPRESAS (PME) portuguesas são as que mais tomam medidas para poupar energia, de acordo com o Eurobarómetro que avalia a sustentabilidade nestas companhias. Segundo o documento, 88% das PMEs portuguesas estão a tomar medidas de eficiência energética a percentagem mais alta de toda a Europa, à frente de Espanha (87%) e Reino Unido (83%). A CONFEDERAÇÃO Portuguesa das Micro, Pequenas e Médias Empresas (CPPME) rejeita o aumento das tarifas de electricidade e gás natural a que as micro, pequenas e médias empresas vão estar sujeitas com a liberalização do mercado, alegando que consubstanciam um forte constrangimento à sua subsistência, aumentando as insolvências, cujos efeitos são incontroláveis. Mundo MONITORIZAR O AMBIENTE A Agência Europeia do Ambiente (AEA), a Esri e a Microsoft apresentaram recentemente na Cimeira Eye on Earth, que decorreu no Abu Dhabi, nos Emirados Árabes Unidos, a Rede Eye on Earth (Eye on Earth Network). O projecto visa criar uma comunidade online para desenvolvimento de serviços inovadores que mapeiam parâmetros ambientais. No seu lançamento, esta nova comunidade online vai fornecer três serviços: o WaterWatch que utiliza os dados da AEA sobre a água e os recursos hídricos; o AirWatch, que utiliza os dados da AEA sobre a qualidade do ar, e o NoiseWatch que combina os dados ambientais com a informação fornecida pelos cidadãos utilizadores. Rio+20 reforça aposta na economia verde O encontro envolveu 193 nações, que terão ainda de formalizar os pontos aprovados. >> CORTES NA ILUMINAÇÃO Portugal estará certamente maisescurodoquenestafotografia de satélite publicada pela Nasa em São hoje várias as autarquias que tiveram de cortar na iluminação pública para poupar nos gastos energéticos. Mas não só. A eficiência forçada devido ao aumento dos preços da energia e ao contexto económico também levou empresas e consumidores agastarmenos. Os resultados da Conferência da Organização das Nações Unidas (ONU) sobre o Desenvolvimento Sustentável Rio+20, que se realizou em Junho, não são consensuais, apesar de esta ter conseguido colocar a temática na agenda política e mediática. Do encontro era esperado um impulso para a erradicaçãodapobrezaeatransiçãomundial para uma economia verde. Ficou-se pela definição de 281 pontos que precisam agora de ser assinados pelas delegações presentes. Apesar de reconhecerem avanços, ambientalistas,governoeuealegamqueoencontroonde estiveram as 193 nações que compõe a ONU pecou por falta de medidas que favorecessem a implementação de planos de actuação concretos. A anfitriã do evento, a chefe de Estado brasileira, Dilma Rousseff, garante, no entanto, que foi dado um passo histórico na criação de um mundo mais justo, para que a pobreza seja erradicada, e o meio ambiente protegido. Já o primeiro-ministro português, Passos Coelho, aproveitou a cimeira do Rio+20 para realçar que, em anos recentes, 50% da electricidade foi proveniente de fontes de energia renováveis e que várias empresas nacionais estão hoje entre as mais avançadas em termos de ecoeficiência e ecoinovação. Da lista de medidas destacou as políticas ambientais destinadas a uma maior eficiência energética, a aplicação de critérios ambientais nas políticas de taxação relativas a veículos automóveis e uma política de contratação pública mais verde, bem como a incorporação de biocombustíveis nos transportes. A.M.G. Recuperar a economia é fácil A economia verde é um conceito que já entrou no vocabulário dos governantes internacionais. É o caso do presidente dos EUA. No ano passado, Barack Obama lançou o desafio e disponibilizou dois mil milhões de dólares para que os edifícios do governo federal introduzuissem medidas de eficiência energética. Medidas estas que irão auto-sustentar-se. Esta e outras iniciativas de Obama seguem o lema de que a eficiência energétca é a forma mais fácil, rápida e barata de criar emprego, poupar dinheiro e cortar na poluição. I.M.

4 IV Diário Económico Quinta-feira 5 Julho 2012 EFICIÊNCIA ENERGÉTICA O PRESIDENTE DA COMISSÃO Europeia, José Manuel Durão Barroso, elogiou esta semana a presidência dinamarquesa por ter colocado na agenda um pacto que confirma a necessidade do crescimento acompanhar a estabilidade, e ainda o trabalho em termos de crescimento verde, designadamente os avanços em matéria de eficiência energética, escreve a agência Lusa. Custo vai continuar a subir, com ou sem défice tarifário A Plataforma Mais Eficiência Energética para Portugal revela as dez medidas que considera essenciais no caminho para a eficiência. IRINA MARCELINO S ão oito associações na área da eficiência energética que se batem por mais e melhores medidas nesta área. A Plataforma Mais Eficiência Energética para Portugal, que reúne as representantes de cerca de 700 empresas com um volume de negócios na ordem dos milhões de euros, quer ajudar na definição de estratégias de actuação e intervenção pública na área da eficiência energética e também na produção descentralizada de fontes renováveis. A constituição da plataforma que reúne associações de sectores diversos como o solar, fotovoltaico ou até mesmo das janelas eficientes, decorreu em Abril deste ano. Na altura, anunciavam como uma das iniciativas mais urgentes uma reunião com o secretário de Estado da Energia. Porém, três meses volvidos a reunião ainda não foi marcada. Ao Diário Económico, em entrevista por escrito e assinada pelas oito associações, revelaram quais são as dez medidas que consideram ser essenciais para tornar o país mais eficiente a nível energético: 1 Conhecer detalhadamente os consumos de energiaeacontribuiçãodaproduçãolocalpara satisfazer esses consumos. É necessário medir mais e melhor o nosso consumo e produção energética nos edifícios uma vez que só se consegue gerir o que se conhece. Nas nossas casas ou empresas, raramente sabemos quanto consumimos para os diferentes serviços de energia de que gozamos; no entanto sabemos quanto gastamos em mobilidade. 2 Objectivo de total liberdade de escolha pelo consumidor, capacitando-o para se tornar num prosumer consumidor e produtor com ou sem investimento partilhado e motivando-o a fazer o melhor uso possível da sua energia. 3 Informar de forma transparente os consumidores sobre as tendências de evolução dos preços da energia. Os tempos da energia barata terminaram e o custo vai continuar a subir, com ou sem défice tarifário; com ou sem liberalização de mercado. 4 Assumir a reabilitação urbana como objectivo estratégico de renovação nas cidades: sem novas construções, devemos aproveitar os recursos disponíveis para melhorar o edificado, intervindo sobreasuaenvolventeesobreossistemasdeprodução local de energia; 5 Publicar os regulamentos de desempenho energético (RCCTE e RSECE) revistos, acautelan- EMPRESAS APlataformaparaa Eficiência Energética reúne oito associações que representam um universo de 700 empresas. 700 empresas VOLUME DE NEGÓCIOS Estas 700 empresas têm um volume de negócios na ordem dos mil milhões de euros. Todas actuam na área da eficiência energética milhões de euros APLATAFORMA Sãooitoasassociaçõesna Plataforma para a Eficiência Energética: APISOLAR, ANFAJE, APESF, AGEFE, APIRAC, AFIQ, ANPEB e APESEnergia. 8associações do as recomendações das empresas do sector. É fundamental que os nossos edifícios consigam responder ao desafio do conforto térmico com o menor recurso possível a tecnologias activas pela intervenção em elementos da sua envolvente, como as janelas ou os isolamentos. 6 Rever, publicar e fiscalizar a implementação do Sistema de Gestão de Consumos Intensivos deenergianaindústria.oâmbitodeveser alargado, aumentando o número de empresas que ficam sujeitas à condição de melhorarem o seu desempenho energético. Deve-se também assegurar que é preferencial a introdução de tecnologias que façam uso dos recursos endógenos nacionais. Finalmente, é necessária mais e melhor fiscalização: a certificação energética e o cumprimento ou não das normas para grandes consumidores passarão a ser motivo de competitividade, sendo essencial promover o mérito e a excelência de processos. Sem fiscalização quem ganha são os incumpridores; 7 Criar linhas de crédito de apoio ao investimento para implementar medidas de eficiência energética e de produção local de energia. O fomento à produção de negawatts e de watts verdes tem retorno garantido e valoriza os edifícios, pelo que deveriam ser suficientes garantias do próprio edifício para as executar; 8 Manter o Fundo de Eficiência Energética (FEE) activo e com dotação. Foram lançados esta semana os primeiros avisos para o FEE. É uma notícia esperada há mais de um ano. Esperemos que seja possível concentrar no FEE os fundos do QREN, JESSICA e do PPEC por utilizar. 9 Operacionalizar o programa ECO.AP. Os edifícios do Estado poderiam poupar cerca de 1 milhão de euros por semana com medidas de EE, no entanto o programa ECO.AP continua sem ter o quadro regulamentar fechado, apesar do decreto-lei ter já ter sido publicado há mais de um ano. É essencial este arranque mas com disponibilidade de linhas de crédito ou do FEE para as ESE poderem assumir riscos; 10 Qualificar e credibilizar as ESE. As Empresas de Serviços de Energia (ESE) são essenciais para intermediar o financiamento e credibilizar a obtenção de poupanças garantidas, através dos contratos de performance. É essencial que este sistema seja publicado e possa ser utilizado para agilizar a selecção e execução de projectos. Paulo Figueiredo

5 Quinta-feira 5 Julho 2012 Diário Económico V DESDE 29 de Junho que estão abertas candidaturas para o desenvolvimento de projectos e iniciativas que promovam a eficiência energética nas áreas Residencial e Indústria. As candidaturas vêm na sequência da aprovação do Plano de Atividades do Fundo de Eficiência Energética. O enfoque será sobre a instalação de colectores solares térmicos e de janelas eficientes para edifícios com certificado energético. SÃO ELEVADORES eficientes que prometem fazer reduzir a factura ds electricidade em 75%. O grupo Ascensores Enor lançou em Portugal um leque de soluções que tanto pode ser utilizado em elevadores novos como adaptado nos já existentes. Deve-se a um sistema que consiste na última geração de máquinas de tracção, associadas a um sistema de regeneração. A presidente da APISOLAR, Maria João Rodrigues, é uma das participantes da Plataforma Mais Eficiência Energética para Portugal. PME MELHORIA E EFICIÊNCIA O projecto Efinerg foi lançado no ano passado em co-promoção pelo IAPMEI, AEP e o LNEG e é dirigido às PME com consumos anuais de energia situados entre as 250 e as 500 tep (tonelada equivalente de petróleo), localizadas nas regiões Norte, Centro e Alentejo e dos sectores metalomecânico, agro-alimentar, têxtil e vestuário, cerâmica e vidro e madeira, mobiliário e cortiça. Entre os objectivos do projecto estão o lançamento de uma estratégia sectorial que facilite a implementação das medidas para melhorar a eficiência energética das empresas, bem como o apoio a estas para a concretização das metas fixadas no PNAEE (Plano Nacional de Acção para a Eficiência Energética). As 10 formas de poupar energia Plataforma para a Eficiência revela quais são as melhores formas para as empresas não gastarem tanto. Concentre-se no seu negócio. Desafie os especialistas em energia. Existem empresas portuguesas com credenciais internacionais prontas a responder ao seu desafio. Use a Plataforma para as contactaresaberquemsão; Conheça os seus consumos. Realize uma auditoria energética externa; Implemente um sistema de gestão de energia que o apoie a analisar consumos e a optar pelas soluções mais eficientes; Certifique-se energeticamente. Conheça em detalhe as medidas de racionalização de consumos aplicáveis e siga os planos resultantes. Seja ambicioso, ouse ser uma empresa A++; Desligue tudo o que não está a usar. Ficará espantado com o que lhe custam os aparelhos em standby, os elevadores sem regras, a iluminação permanente nas casas de banho ou garagens... A energia maisbarataéaenergiaquenãosegasta; Ligue tudo... o que precisa para garantir qualidade nos seus produtos ou serviços; ou a criação de ambientes propícios à optimização da produtividade dos seus trabalhadores. Eficiência energética não significa perda de qualidade, mas sim a suamanutençãoouatémesmoaumento reduzindo o consumo de energia; Não ponha os ovos todos no mesmo cesto. Em matéria de energia é bom garantir alguma independência nas suas decisões pelo que suspeite de planos que o aprisionam a fornecedores de energia base (electricidade, gás, diesel) e que o obrigam a uma fidelização superior a 12 meses. Pode estar a hipotecar o seu futuro e a possibilidade de ser mais eficiente e mais eficaz nas suas escolhas; Considere produzir a sua própria energia. Valide se consegue produzir parte ou a totalidade da energia que precisa de forma renovável; Implemente um Programa de Alteração Comportamental face ao desperdício de energia na sua empresa. Se já conseguiu implementar a reciclagem agora é altura de ser mais eficiente com a energia. Existem dezenas de medidas a propor. Como ponto de partida investigue as boas práticas dos finalistas do concurso Green Campus (www.greencampusportugal.info); Partilhe o risco com uma ESE. As ESE, além de especialistas de energia que o ajudam a escolher a melhor solução, estão disponíveis para arriscar consigo no seu programa de melhoria, prestando garantias das poupanças a atingir. I.M.

6 VI Diário Económico Quinta-feira 5 Julho 2012 EFICIÊNCIA ENERGÉTICA O que fazem as maiores consumidoras As indústrias que mais consomem energia estão sempre atentas a tudo quanto as possa ajudar a poupar. IRINA MARCELINO SAIBA O QUE FAZEM E QUANTO POUPAM AS GRANDES EMPRESAS PONTOS-CHAVE 1. Na SN Longos, há vários responsáveis com acesso online ao consumo energético da empresa. 59% CIMPOR Grande consumidora de energia, a Cimpor tem uma empresa própria que ajuda a desenvolver projectos de poupança: a CimporTec. Ao longo dos anos foram inúmeros os projectos que ajudaram nesta busca pela eficiência. Em 2011, o peso da energia eléctrica nos custos variáveis de produção da empresa era de 22% e o peso da energia térmica 59%. Enquanto a electricidade é adquirida à rede, a térmica é conseguida através da queima de coque de petróleo e de combustíveis alternativos como farinhas animais ou pneus usados. Em Souselas e em Alhandra prevê-se que durante o primeiro semestre deste ano a taxa de subsitituição térmica chegue aos 20%. As medidas de eficiência são inúmeras e decorrem desde os anos % PORTUCEL-SOPORCEL A energia pesa 20% nos custos de produção da papeleira. Mas a Portucel-Soporcel é simultaneamente responsável por cerca de 4% da produção, a partir de biomassa, do total de energia eléctrica em Portugal. Também no grupo a biomassa é a fonte mais utilizada (70% do total), seguida do gás natural com mais de 26% e pelo fuel. Para poupar, o grupo tem adoptado equipamentos mais eficientes no desenvolvimento de novos projectos. A eficiência é fulcral para a empresa, e é por essa razão que está a desenvolver um programa de eficiência energética com uma consultora internacional um projecto que permitirá atingir uma poupança de energia eléctrica superior a MWh e de cerca de 50 mil GJ/ano em combustíveis. 2. A Solvay afirma que com os aumentos que a energia eléctrica tem tido em Portugal, há um perigo real de deslocalização de produções para Espanha. 3. Na Cimpor a utilização de t de combustíveis alternativos em 2011 levou a uma redução de t de CO2. 4. Na Portucel Soporcel foram instaladas caldeiras e turbinas de elevada eficiência e é usada a biomassa como fonte energética. 50% SOLVAY Nos processos electrolíticos da Solvay Portugal, o peso da energia eléctrica chega a ultrapassar os 50%. A Solvay Portugal, que tem uma fábrica que trabalha em contínuo na produção de produtos químicos de base para indústrias como a da pasta do papel, do vidro ou do têxtil utiliza electricidade e vapor, mas também antracite, coque e fuel óleo. A competitividade da empresa tem sido conseguida através do recurso à eficiência energética, utilizando equipamentos e processos muitas vezes antes dos outros países europeus. Entre as tecnologias mais utilizadas pela empresa está o das células de electrólise, que recorrem à tecnologia de membrana, muito mais eficientes na utilização da energia eléctrica. 43% SIDERURGIA NACIONAL Na SN Longos, no Seixal, a energia pesa 43% dos custos de transformação. As duas fábricas da SN, no Seixal e na Maia, funcionam em contínuo com paragens nas horas de ponta do calendário eléctrico. Todos os consumos são controlados informaticamente e analisados de forma contínua, estando toda a informação disponível em rede para análise em qualquer ponto das fábricas. Com os aumentos dos custos, a energia eléctrica passou a representar cerca de 30% dos custos de transformação. Ao longo dos anos instalaram-se sistemas de controlo dos consumos de todas as energias consumidas, instalaram-se equipamentos com variadores de frequência, recuperadores de calor nos gases dos fornos, entre muitos outros. ENTREVISTA OLIVEIRA BAPTISTA, DIRECTOR EXECUTIVO DA ASSOCIAÇÃO PORTUGUESA DOS INDUSTRIAIS GRANDES CONSUMIDORES DE ENERGIA ELÉCTRICA Liberalização do mercado energético é um logro O representante das grandes empresas industriais consumidoras de energia eléctrica revela que a liberalização do mercado em nada ajudou a aumentar a concorrência entre as eléctricas. Como se caracteriza a Associação? A associação reúne empresas que devido ao peso da energia que gastam têm uma preocupação muito grande com esta área. Quanta energia eléctrica consomem as empresas que fazem parte da associação? Oconsumonacionaldeenergiaeléctricaéactualmente da ordem de 50 TWh por ano. As nossas associadas consomem 9% deste valor. Ou seja, GWh, o que corresponde também a 25% do consumo industrial em Portugal. Os consumos já foram maiores. Tem, no entanto, havido decréscimo devido ao contexto económico. Qual é o peso que a energia tem nas vossas associadas? Ocustodaenergiaédepelomenos10%do custo final de produção. Porém, em alguns A APIGCEE abrange empresas como a Cimpor, a Cuf, a Portucel, a Repsol Polímeros a Secil, a Siderurgia Nacional, a Solvay ou a Sociedade Mineira de Neves Corvo. Em 2011 a factura anual de energia eléctrica destas empresas foi superior a 270 milhões de euros. sectores e produtos, constitui uma matériaprima e chega a ultrapassar 50%. É um factor de custo pesado e o facto da energia ser mais cara em Portugal coloca estas empresas em desvantagem com as de outros países. Em Portugal, as nossas empresas pagam pela energia eléctrica mais 20 a 25% que em Espanha. As estatísticas do Eurostat confirmam-no? Os consumos dos grandes consumidores industriais não constam do Eurostat. Além disso, as estatísticas utilizam preços de referência. E não incluem as remunerações por interruptibilidade, que em Portugal podem atingir um máximo de 15 euros por MWh, enquanto em Espanha podem atingir 20 euros/mwh. Os máximos são mais fáceis de atingir em Espanha porque estão indexados ao preço de mercado de electricidade, o que não acontece em Portugal. Em Portugal, a possibilidade de atingir o máximo é por isso muito mais difícil, o que só por si provoca agravamentos na ordem dos sete ou oito euros por MWh. Como comenta o aumento de preços e a próxima liberalização do mercado? A nós já não nos atinge porque o nosso mercado já tinha sido liberalizado. Vai atingir sim os pequenos consumidores. Mas para nós a liberalização do mercado é um logro. Primeiro, porque não existe um mercado. Não basta que haja consumidores. Na verdade não existe mercadoporquesóhámercadoseexistirconcorrência. Em minha opinião, o mercado só poderá existir se houver um importante reforço da interligação entre a Espanha e a França, no quadro dum futuro mercado interno europeu. Por outro lado, somos contra a forma como é determinado o preço da energia eléctrica, segundo a qual, em cada hora, todas as centrais são remuneradas pela que apresenta preço mais caro e que fecha o preço horário. Esta forma só serve o interesse das companhias eléctricas. Em que sectores acha que ainda pode haver ganhos energéticos? Fundamentalmente nos transportes, no sector público e no sector residencial, ainda há muito por fazer. No entanto, são os sectores onde foi sempre mais difícil intervir. I.M.

7 PUB

8 VIII Diário Económico Quinta-feira 5 Julho 2012 EFICIÊNCIA ENERGÉTICA A instalação de contadores inteligentes é uma forma de controlar os gastos energéticos. Arquivo Económico Cortar nos consumos não é se faz com passes de mágica. A Galp Energia tem projectos concretos e um deles prevê que seja desenvolvido um campus sustentável juntamente com o Instituto Superior Técnico. Paulo Alexandre Coelho Produtoras de energia apostam em eco-soluções A Galp e a EDP tem vindo ao longo dos últimos anos a colocar o mercado da eficiência energética no seu radar. ELISABETE FELISMINO Omercado da eficiência energética aparece cada vez mais na cartilha das empresas nacionais. Quem parece estar atenta a esta realidade são as grandes produtoras energéticas, casos da Galp e da EDP. A petrolífera nacional, tendo em conta o desenvolvimento de projectos de eficiência energética, lançou Galp Soluções de Energia em Esta unidade do grupo Galp Energia está orientada para a redução dos custos energéticos e das emissões de Co2 dos seus clientes. A Galp garante que os benefícios dos projectos implementados até agora, nos sectores de actividade mais diversos, são partilhados com os seus clientes permitindo inclusive minimizar o investimento inicial desses mesmos clientes. A empresa garante que tem vindo a conquistar cada vez maior número de clientes nos mais diversos sectores de actividade. Entre os clientes estão o hotel Corinthia, o primeiro energeticamente eficiente é a Emel, com a qual a Galp desenvolveu o primeiro parque de estacionamento energeticamente eficiente e ainda o Instituto Superior Técnico, com o qual celebrou um protocolo para o desenvolvimento de um campus energeticamente sustentável. Mas as iniciativas da empresa liderada por Ferreira de Oliveira não se ficam por aqui. Já em EDP A empresa liderada por António Mexia acaba de anunciar um investimento de 20 milhões para a eficiência energética. 20 milhões de euros GALP O Ecoposto assegura, de acordo com o projecto piloto, uma poupança energética de 20%. 20% de poupança energética PROGRAMA ESTATAL O Eco.AP, programa estatal, contempla 330 intervenções até edifícios 2007 a empresa desenvolveu o programa Galp que coloca bolseiros de mestrado nas áreas de engenharia em mais de 100 empresas portuguesas clientes da Galp. Também a nível interno a petrolífera tem adoptado medidas de eficiência energética através da modernização de tecnologias, que permitem a redução do consumo de energia e de emissão de gases poluentes. Em Junho de 2009, a Galp lançou o Ecoposto, cujo objectivo é desenvolver e implementar medidas de optimização energética nas estações de serviços através de soluções sustentáveis. A aplicação do Ecoposto assegura, de acordo com o projecto piloto, uma poupança energética de 20%. No caso da EDP, a mais recente aposta na área da eficiência energética passa pelo save to compete, um programa que visa promover e apoiar a implementação de grandes projectos de eficiência energéticas nas empresas nacionais. Para este programa a EDP disponibilizou 20 milhões de euros. Tendo em conta a dinamização deste programa, a EDP e a CIP assinaram um protocolo de cooperação. O save to compete assenta num modelo no qual cada projecto é pago por parte das poupanças geradas, sem que a empresa beneficiária tenha a necessidade de investir directamente, não comprometendo, recursos financeiros necessários para a sua actividade. Ainda no âmbito deste projecto, foi também assinado um protocolo entre a EDP e o BPI tendo em vista a criação de mecanismos facilitadores do acesso opcional a financiamento bancário para projectos de eficiência energética. Este protocolo é ainda extensível a outras iniciativas desta área da EDP. Para além desta recente aposta, a EDP - cujas sedesdoportoeafuturadelisboapodemser apontadas como edifícios sustentáveis a nível energético (ver página 16) - lançou em 2007 o ECO EDP. O ECO EDP integra ferramentas, simuladores e medidas de eficiência energética implementadas pela empresa de Mexia ao abrigo do plano de promoção da eficiência no consumo de energia eléctrica (PPEC), promovido pelo regulador energético nacional (ER- SE). A EDP tem levado a cabo projectos ao abrigo do PPEC que envolvem famílias, empresas e a sociedade em geral. Na área da administração pública há também um importante projecto de eficiência energética. A provar esta realidade está a adesão ao programa estatal Eco.AP - programa de eficiência energética na administração pública por parte de uma centena de empresas interessadas em investir em soluções energéticas na Administração Pública. O Eco.AP pretende aumentar em 20% a eficiência energética nos serviços públicos, equipamentos e organismos de administração pública, no horizonte de Para este ano o programa estatal contempla intervenções em 30 edifícios do Estado e 300 até 2015.

9 Quinta-feira 5 Julho 2012 Diário Económico IX PUB Indústria automóvel com projectos que ajudam a poupar Gás Natural Fenosa e FIAPAL encabeçam projectos. IRINA MARCELINO Vinte empresas da indústria automóvel estão a ser alvo de auditorias energéticas. O projecto chama-se Auto.AR, é direccionado à indústria automóvel e incentivado pela Gás Natural Fenosa (GNF), que avalia assim a pertinência do ar comprimido no contexto da eficiência energética e na redução na factura da electricidade. De acordo com o comunicado da GNF, as análises preliminares efectuadas revelam que 20% da energia usada nos sistemas de ar comprimido é desperdiçada devido a fugas, má utilização ou falta de manutenção. Numa indústria consumidora de média dimensão de ar comprimido, a implementação dos planos de eficiência apontam para uma redução do consumo de energia em 15%, valor que representa 1.884,5 MWh por ano, no universo das vinte empresas inseridas no projecto. Este valor equivale a uma poupança total anual de 140 mil euros. Em termos de emissões de CO2, a poupança é de 33 mil euros em dois anos. Também na área da indústria automóvel mas ainda sem dados concrectos sobre poupanças efectuadas está o projecto que o Fiapal (Fórum da Indústria Automóvel de Palmela), que envolve empresas como a Autoeuropa, está a desenvolver em coordenação com a ENA (Agência de Energia e Ambiente da Arrábida). Ambas as entidades têm conceido apoio às empresas essencialmente ao nível da procura de soluções para o incremento da sua eficiência energética, como afirmou ao Diário Económico fonte do Fiapal. Este apoio tem sido dado na implementação do istema de Gestão dos Consumos Intensivos de Energia e acompanhamento dos respetivos Planos de Racionalização Energética, na realização de seminários que abordam temas como os sistemas de gestão de energia (ISO 50001), o SGCIE ou as energias renováveis, no aconselhamento sobre as melhores práticas ao nível da utilização racional de energia e na analise das condições de funcionamento da rede de distribuição de energia eléctrica. Grande parte das empresas apoiadas são PME. Foi o caso da Imeguisa, PME da região de Palmela. O Fiapal coordenou um projecto de desenvolvimento e configuração de uma plataforma para gestão industrial em que numa das aplicações desenvolvidas pela ISA monitoriza os consumos energéticos em tempo real. Foi ainda implementada uma ferramenta informática da SAP e que na altura ainda não tinha sido lançada no mercado. O projecto foi efectuado no âmbito do plano europeu Apollon, coordenado em Portugal pelo Fiapal. Ainda nesta área, o Fiapal quer ser o consultor da eficiência energética das PME nacionais, tendo com essa perspectiva feito chegar à Comissão Europeia uma candidatura com vista à introdução da norma ISO que ainda não foi aprovada - nas PME nacionais. O que é o Auto.AR OAuto.ARéumprojecto criado pela Gás Natural Fenosa, em parceria com a INTELI, o Centro para a Excelência e Inovação na Indústria Automóvel, financiado pelo Plano de Promoção da Eficiência no Consumo de Energia Elétrica e promovido pela ERSE Entidade Reguladora dos Serviços Energéticos. Depois das auditorias, as empresas envolvidas recebem um relatório com as medidas de eficiência energética a implementar, a poupança estimada e o período de recuperação do investimento. O que é o FIAPAL O FIAPAL é o Fórum da Indústria Automóvel de Palmela. Tem cerca de 60 associados, dos quais se destacam a VW Autoeuropa, a Câmara Municipal de Palmela, a Autovision, a Benteler, a Webasto, a Schnellecke, a Continental Lemmerz, o Porto de Setúbal, a Vanpro, a Imeguisa, a T-Systems, a Inapal Plásticos, a Atec, a Dura, entre outros.

10 X Diário Económico Quinta-feira 5 Julho 2012 EFICIÊNCIA ENERGÉTICA OPINIÃO Eficiência energética para um futuro sustentável A Inteligent Sensing Anywhere nasceu em Coimbra. Hoje, tem escritórios em Espanha, França, Brasil, ReinoUnido,EUAeEgipto. As emissões de CO2 poderiam ser reduzidas de 7,6 gigatoneladas em Aeficiência energética (EE) apresenta-se como uma ferramenta poderosa e custo eficaz para um futuro sustentável. O incremento em EE pode representar menos investimento em infra-estruturas de energia, redução dos custos com combustível, aumento da competitividade e melhoria do bem-estar do consumidor. A estes benefícios acrescem os ambientais que se traduzem na redução das emissões de gases de efeito estufa e poluição do ar local. A segurança energética através da diminuição da dependência de combustíveis fósseis importados constitui uma outra vantagem. Por estas razões, a eficiência energética tem recebido atenções acrescidas e recomendações de políticas para a sua promoção nos países da Comissão Europeia e da Agência Internacional de Energia (AIE). Uma avaliação da AIE estima que se as medidas previstas forem implementadas globalmente as emissões de CO2 poderiam ser reduzidas de 7,6 gigatoneladas em Estas políticas incidem fundamentalmente na de eficiência energética e tecnologia em edifícios, equipamentos, transportes e indústria, bem como aplicações de uso final, tais como iluminação. Nesta abordagem são ainda identificadas as melhores práticas. O relatório Energy Technology Perspectives da AIE conclui que sem uma aposta forte na Eficiência Energética o mundo não conseguirá cumprir o cenário 2DS (BlueMap Scenario) que implica permitir apenas um aumento de 2ºC no aquecimento global. Também o RoadMap 2050 da European Climate Foundation chega a conclusões semelhantes. São necessárias políticas indutoras de boas práticas, seja através de incentivos, medidas fiscais ou através de acções que visem a mudança de mentalidades incluindo disseminação direccionada e perceptível pelas diferentes audiências. Todas estas vias são cruciais para o incremento da EE. É preciso transportar esta mensagem para as políticas e que os países consigam, de forma devidamente avaliada, quantificando os impactos, tomar as medidas mais correctas em função das realidades locais e regionais em função do retorno económico e ambiental de médio, longo prazo. Apesar do difícil contexto em que nos inserimos precisamos de fazer um esforço para articular de forma coerente todos os instrumentos que temos à nossa disposição. Inovar pela partilha consciente e responsável do conhecimento com origem nos diferentes actores sejam dos governos, dos reguladores, das autarquias, das agências ou do sistema científico. A partilha da informação e do conhecimento é um bom ponto de partida para o alavancar de resultados. TERESA PONCE DE LEÃO Presidente do Laboratório Nacional de Energia e Geologia Apesar do difícil contexto em que nos inserimos precisamos todos fazer um esforço para articular de forma coerente todos os instrumentos que temos à nossa disposição. A cotada que torna as empresas mais eficientes A PME cotada em bolsa ajuda a monitorizar consumos. IRINA MARCELINO FoiaprimeiraPMEasercotada na bolsa Alternext. E é uma empresa que ajuda outras a tornarem-se mais eficientes a nível energético. Para José Basílio Simões, CEO da Inteligent Sensing Anywhere (ISA), o Estado tem de ser o primeiro a dar o exemplo, implementando medidas que reduzam os seus consumos energéticos. Existe um potencial enorme de poupanças em todos os edifícios do Estado cujo potencial tem vindo a ser adiado com atrasos sucessivos do projecto ECO AP, que pretendia a definição e implementação de políticas de eficiência energética em todos os edifícios do Estado, afirma. Por outro lado, defende, tem que haver maior sensibilidade e informação para esta temática. A educação energética ainda é uma realidade muito distante em Portugal. Nesta área, a empresa tem desenvolvido alguns projectos, como é o caso de um realizadonasescolas comummistodeformaçãoe interacção com software de gestão energética específicos para esta realidade. Temos sentido um efeito muito bom com os alunos a levarem para casa o que lhes é ensinado na escola conduzindo os pais e restante agregado familiar a adoptarem comportamentos energeticamente eficientes. Nas empresas, o responsável da ISA, cuja área dedicada à eficiência energética tem um volume de ne- gócios na ordem dos três milhões de euros, afirma observar uma maior sensibilidade para esta temática com muito empresários sensíveis e dispostos a investir. Para ajudar, a empresa e tem criado modelos de financiamento às soluções que comercializa. A ISA tem vindo a ganhar vários projectos de referência nesta área. Um deles, recente, foi um sistema de monitorização dos consumos energéticos em 20 edifícios e 400 agências de um banco português, através do qual é possível ver os consumos, verificar ineficiências e implementar medidas correctivas. O projecto, revela José Basílio Simões, tem permitido ao cliente obter poupanças superiores a 12% sem que tenham sido necessários investimentos em medidas adicionais. Para o responsável, a aposta na monitorização é, ao contrário de algumas tecnologias denominadas eficientes, um investimento seguro com um payback inferior a dois anos, impensável na maioria da oferta que existe no mercado. A ISA desenvolve soluções de monitorização consumos para o sector residencial e empresarial, que ajudam a perceber o consumo real em cada momento e de cada equipamento. Dentro desta área, a ISA tem apostado em produtos inovadores. O Cloogy, solução para o mercado residencial, e o KiSense, uma plataforma de software para clientes comerciais gerirem todo o seu portfolio de energia, foram tecnologias desenvolvidas em Portugal. Hernâni Pereira

11 PUB

12 XII Diário Económico Quinta-feira 5 Julho 2012 EFICIÊNCIA ENERGÉTICA Um carro eléctrico não tem a mesma performance que um automóvel movido a gasolina. Veículos REDES INTELIGENTES O projecto Redes Eléctricas Inteligentes com Veículos Eléctricos, desenvolvido pelo LNEG, desenvolve estratégias integradas de gestão e controlo da rede eléctrica e protótipos pré-industriais de dispositivos de interface para os veículos eléctricos (VE) e para os sistemas de microgeração, de modo a potenciar a integração de energias renováveis e de VE no sistema electroprodutor português, sem provocar impactos negativos na exploração do sistema. OPINIÃO Rentabilizar o consumo É essencial limitar os custos energéticos em nome de uma economia competitiva. As empresas confrontam-se com vários desafios, sendo um deles o custo da energia, cuja redução passa pela sua eficiente utilização, eliminando todo o desperdício. Uma gestão energética eficiente, permite assim uma redução dos seus custos operacionais e melhoria da sua rentabilidade. Nos últimos anos um dos factores importantes, com impacto no preço de energia, resultou do significativo aumento das Tarifas de Acesso às Redes. É essencial limitar estes custos, que significam mais de 40% da factura da energia eléctrica, para assegurar uma economia competitiva, nomeadamente no que toca à indústria transformadora. O conjunto de medidas de redução das rendas do sector eléctrico, anunciado pelo governo, quanto ao regime legal da cogeração edagarantiadepotência,entreoutras,éjá um passo nesse sentido. Com o aumento significativo dos custos de energia, as organizações têm portanto de gerir cuidadosamente a sua utilização, estabelecendo os sistemas e processos necessários para a melhoria do seu desempenho energético global, ou seja, na utilização, no consumo e na eficiência energética de uma forma contínua. Amelhoriadaeficiênciapoderáserfeitaatravés de investimentos, por vezes elevados, em equipamentos que utilizem as melhores tecnologias, contudo, é também possível reduzir os consumos, sem investimento, mudando a atitude diária das pessoas. Esta mudança cultural necessita de sensibilização, não necessita de aplicação de capital. Para desenvolver o processo de redução dos consumos energéticos é importante começar pelo Diagnóstico, ou seja, uma caracterização das instalações consumidoras de energia, em todas as suas formas, e identificação dos respetivos potenciais de poupança. Segue-se a realização de uma Auditoria Energética para identificação das condições de utilização de energia e de oportunidades de melhoria do desempenho energético da instalação, com a elaboração e implementação de um plano de racionalização. Assim, a implementação de um sistema de Gestão de Consumos é fundamental para reduzir, monitorizar e controlar os consumos de energia. Aracionalização do consumo de energia nas empresas, mais do que importante, é obrigatória, para que estas se mantenham competitivas, situação essencial para a sua sobrevivência. FILIPE VILLAS-BOAS Vice-presidente da AFIA A racionalização do consumo de energia nas empresas, mais do que importante, é obrigatória, para que estas se mantenham competitivas, situação essencial para a sua sobrevivência. Mobi.e está a exportar para a Noruega Vendas ao exterior devem atingir 50 milhões de euros até ANTÓNIO FREITAS DE SOUSA Mesmo não sendo para já, é para muitos a solução do futuro: veículos automóveis movidos a electricidade. E como quem dirige um sector é normalmente aquele que arrisca dar os primeiros passos, o consórcio Mobi.e composto pela Inteli (e o CEIIA), Novabase, Efacec e Cristal Software decidiu avançar com a criação de uma rede de abastecimento de automóveis eléctricos. A estratégia é mais abrangente. Queremos criar um cluster de mobilidade, informa fonte oficial da Inteli, através do qual seja possível mesurar a racionalidade do negócio em termos de criação de empresas, emprego gerado, exportações, projectos internacionais. Para já, os números que a Inteli actualizou a 25 de Junho passado são positivos: Geração de novos negócios da ordem dos 65 milhões de euros até 2015; 15 milhões de investimento em investigação e desenvolvimento público e privado; e redução das emissões de CO2 e da importação de petróleo de 78 milhões até A rede Mobi.e que inicialmente previa a instalação de postos até finais de 2011, o que não foi possível é actualmente composta por 12 empresas envolvidas directamente no desenvolvimento de soluções técnicas; mais dez indirectamente; cinco operadores; 300 pessoas; e conta com o envolvimento da Renault, Nissan e Peugeot e parcerias com a Siemens e a Oracle. Ao mesmo tempo que desenvolve a rede nacional, a Mobi.e já se virou para o estrangeiro, onde tem um projecto em execução na Noruega (instalação de 250 postos de abastecimento) e abordagens aos mercados da China, Brasil, Lituânia e Letónia. A internacionalização já deu os primeiros resultados. Foram gerados cerca de 12 milhões de euros em exportações até 2012 e 50 milhões são estimados até 2015, informa a mesma fonte. Mas o sucesso do sistema ou mais propriamente dos automóveis eléctricos ainda não está garantido: a poderosa indústria dos componentes automóveis (acompanhada pelo sector do petróleo) olha ainda com desconfiança para estes veículos, cuja versatilidade em termos de utilização diária está muito longe de atingir a das viaturas tradicionais. Enquanto as vantagens da electricidade na mobilidade automóvel não estiverem claras para todos, é possível diz a indústria automóvel que o mercado passe por um momento misto: os automóveis híbridos, onde se juntam os motores de explosão com os movidos a electricidade. Seja como for, tanto para a fase híbrida quanto para a fase da electricidade, a Mobi.e está no mercado para dar uma resposta à altura da procura. Paulo Alexandre Coelho

13 PUB

14 XIV Diário Económico Quinta-feira 5 Julho 2012 EFICIÊNCIA ENERGÉTICA A Revigrés desenvolveu produtos como o Ecotech,, em que 90% das matérias-primas resultam de reaproveitamentos do processo produtivo. 1,7milhões PAINÉIS SOLARES NA RL A Rodoviária de Lisboa instalou painéis solares que dão informação aos passageiros em tempo real do destino e hora de chegada dos autocarros. Ao serem accionados por um comando, prestam informação sonora a quem não consegue ler. Este projecto venceu um prémio do IMTT na área da acessibilidade e soluções inovadoras para os cidadãos com necessidades especiais. Na área da poupança do combustível a RL conseguiu desde 2004, ano em que foi instalado o Gisfrot, poupar 1,7 milhões de litros de combustível e toneladas de emissões de CO2. OPINIÃO Utilização racional de energia é prioridade O custo da energia é um dos maiores constrangimentos à actividade da cerâmica. A indústria de cerâmica olha para as questões energéticas com especial sensibilidade, e reage a estes custos com grande preocupação. Embora variando a incidência de custos de energia eléctrica e de gás natural combustível principal, ou biomassa, consoante os diversos sectores desta indústria, ela é sempre elevada. Por esta razão e desde logo, a utilização racional de energia constitui uma prioridade da gestão, que por isso multiplica esforços no sentido de monitorizar a eficiência dos equipamentos e assegurar o melhor rendimento energético. Num passado muito recente a evolução tecnológica não criou grandes avanços que criassem entre os vários países produtores com acesso às tecnologias mais desenvolvidas grandes diferenças de consumos, e as diferenças de custos manifestam-se pelas diferentes tarifas entre países. Não será por isso de estranhar que as empresas de cerâmica em Portugal considerem presentemente a energia, quer no que respeita à qualidade da sua distribuição, quer no que respeita à formação do seu preço e à sua regulação, um dos maiores constrangimentos à sua actividade. A energia usada em Portugal, proveniente em mais de 80% de fontes primárias de origem fóssil, tem sofrido progressivamente aumentos consideráveis no seu preço, com fortes impactos na competitividade das empresas, em particular das PME. Na indústria cerâmica, consumidora intensiva de recursos energéticos, a componente de custos energéticos representa em média mais de 30% do total dos custos industriais, de onde advém, consequentemente, uma forte dependência do custo da energia na economia destas empresas. As políticas públicas têm vindo a focar-se crescentemente na promoção da eficiência energética e na introdução de energias renováveis no sistema energético nacional. Neste cenário, a utilização racional de energia, com a eventual introdução de cenários de cogeração, e o aproveitamento de energias renováveis constituirão sempre uma prioridade para a Indústria. DUARTE GARCIA Presidente da Direcção da APICER Na indústria cerâmica, uma indústria consumidora intensiva de recursos energéticos, a componente de custos energéticos representa em média mais de 30% do total dos custos industriais. Revigrés no caminho da sustentabilidade A cerâmica de Águeda apostou no desenvolvimento de produtos amigos do ambiente e eficientes ao nível energético. SÓNIA SANTOS PEREIRA ARevigrés, indústria de produtos cerâmicos, imprime no seu quotidiano uma política de sustentabilidade que vai desde a optimização da produção ao desenvolvimento de produtos que garantam uma maior eficiência energética. A competitividade da empresa nos mercados internacionais exige uma atenção constante aos factores energéticos. Afinal, o custo da factura energética pesa cerca de 16% no preço do produto à saída da fábrica. No actual contexto de quebra no crescimento das economias mais desenvolvidas e do abrandamento no crescimento das economias emergentes, os custos energéticos assumem um papel determinante na competitividade das empresas de cerâmica nos mercados internacionais, sublinha a Revigrés. Em Maio, o preço do gás e da electricidade sofreu um agravamento de 24% e 25% respectivamente face ao período homólogo de A estes aumentos soma-se o impacto dos custos logísticos, fortemente dependente da cotação dos combustíveis, sublinha a empresa. Uma das medidas implementadas para reduzir o valor da factura com a electricidade foi a instalação de uma subestação de energia eléctrica, que permite obter preços mais baixos com um retorno do investimento num prazo de três anos, avança. A Revigrés desenvolve também estratégias de melhorias na gestão, planeamento, processo e logística, com o objectivo de eliminar o desperdício e que lhe têm permitido assegurar a liderança no mercado. A gestão da empresa tem por base o estabelecimento de metas empresariais compatíveis com o desenvolvimento sustentável da sociedade, preservando recursos ambientais e culturais para as gerações futuras. Segundo adianta, existe a preocupação de adequar os recursos às exigências dos clientes, com a racionalização do plano de produção em função da procura, com a consequente redução do nível de stock e melhoria da sua utilidade, redução do desperdício, optimização dos consumos energéticos e redução das emissões. A cerâmica de Águeda tem também apostado no desenvolvimento de produtos eco inovadores. São produtos que visam promover a sustentabilidade na construção e reabilitação urbana e, por isso, conjugam as funções estéticas com as funções técnicas de eficiência energética, protecção do ambiente e preservação da saúde e bem-estar. Exemplos disso são o Light Tile (metade da espessura e metade do peso do produto tradicional) e o Ecotech (90% das matérias-primas resultam de reaproveitamentos do processo). A Revigrés, que emprega 259 pessoas, facturou no ano passado 36,5 milhões de euros, sendo que as exportações representaram 36% das vendas. Foto cedida por Revigrés

15 PUB

16 XVI Diário Económico Quinta-feira 5 Julho 2012 EFICIÊNCIA ENERGÉTICA A sede de Lisboa da EDP vai ser construída naavenida24dejulhoeestaráprontaem2013. zero CONSUMO ZERO Este projecto internacional desenvolvido pela Agência Internacional de Energia, visa desenvolver o conceito NZEB-Net Zero-Energy Buildings, de edifícios de consumo zero, estabelecendo os critérios técnicos ao nível da componente do edifício e sua concepção, bem como na integração de sistemas de energias renováveis de forma a perspectivar a sua integração na componente regulamentar de acordo com os desenvolvimentos exigidos pela revisão das Directivas Europeias. OPINIÃO Eficiência energética na construção Em domínios como a competitividade a eficiência energética assume especial relevância. Aeficiência energética ocupa um lugar central nas políticas de desenvolvimento económico, tanto ao nível nacional, como europeu. Esta é uma realidade que, em muito, se deve à dependência energética da Europa, que, só em 2011, importou 280 mil milhões de euros de petróleo. Trata-se de um motivo que contribuiu para o estabelecimento das ambiciosas metas que, até 2020, deverão ser cumpridas, numa estratégia que não visa, apenas, objetivos de poupança ambiental e financeira, mas também a competitividade e a criação de emprego. A própria Comissão Europeia aponta para um potencial de criação de dois milhões de postos de trabalho, com a concretização das referidas metas. Estamos, assim, perante um desafio que, partindo de edifícios mais eficientes do ponto de vista energético, é também uma oportunidade para desenvolver uma área com um elevado potencial.em Portugal, o mercado da construção está em crise profunda, particularmente sentida no segmento habitacional. Em 2011, os fogos licenciados reduziram-se em 32,3%, situação que, fruto da atual conjuntura, se agravou substancialmente. O segmento da reabilitação de edifícios é visto como uma aposta estratégica, capaz de incentivar e de valorizar o mercado imobiliário, com o desenvolvimento de estratégias de eficiência energética. A intervenção de reabilitação é, comprovadamente, o momento mais adequado e eficaz para a introdução de soluções de melhoria do desempenho energético sobre o edificado. Porém, para que assim seja e porque é exigido um relevante esforço financeiro é, não só, essencial a criação de um eficaz sistema de incentivos, como é, de igual modo, fundamental acautelar a implementação das soluções legais, designadamente ao nível do arrendamento, que garantam a sua dinamização. E um verdadeiro mercado do arrendamento exige, tal como sempre tenho afirmado, a agilização dos processos de despejo por incumprimento, que devem correr de forma célere, de modo a dar segurança a quem pretende investir e a implementação de uma taxa liberatória para o arrendamento, garantindo a atratividade deste mercado. Em suma, também a renovação do parque habitacional, energeticamente mais eficiente, faz da reabilitação urbana uma verdadeira prioridade nacional, que não pode continuar adiada. REIS CAMPOS Presidente da Direção da AICCOPN Associação dos Industriais da Construção Civil e Obras Públicas Estamos perante um desafio que, partindo de edifícios mais eficientes do ponto de vista energético, é também uma oportunidade para desenvolver uma área com um elevado potencial. Duas sedes amigas do ambiente EDP aposta na eficiência em Lisboa e no Porto. IRINA MARCELINO AEDPpretendequeasua nova sede em Lisboa seja ummarcoaníveldesustentabilidade. Para isso ajudaaobtençãodacertificação do Leadership in Energy and Environmental Design (LEED), sistema de certificação de mérito ambiental líder a nível mundial. O futuro edifício com a assinatura dos arquitectos Carrilho da Graça e Manuel Aires Mateus, vai ter iluminação eficiente, com regulação de fluxo em articulação com a iluminação natural, utilização do potencial geotérmico para a climatização do edifício, painéis solares e ainda um sistema de reaproveitamento de águas pluviais. Queríamos que fosse um dos edifícios de referência na área da sustentabilidade e eficiência energética, afirmou António Mexia, CEO da EDP, em entrevista recente à revista Fora de Série, revista publicada no Diário Económico. O edifício-sede da eléctrica nacional, que será construído na Avenida 24 de Julho e estará pronto no próximo ano, terá oito pisos acima do solo e seis em cave. Da área total de construção, metros quadrados, metros quadrados são destinados a escritórios, onde se concentrarão cerca de 750 colaboradores. O edifício terá ainda 481 lugares de estacionamento, sendo 172 de utilização pública. TambémasededaempresalideradaporAntónio Mexia no Porto é considerado sustentável: as água subterrâneas são aproveitadas para rega automática, águas sanitárias e lavagens do parqueamento. As casas-de-banho estão equipadas com fluxómetros e torneiras temporizadas para redução de consumos. No querespeitaaoaproveitamenodaenergiasolar e fotovoltaica, há painéis solares térmicos para aquecimento de águas para o restaurante e para os balneários do ginásio e painéis fotovoltaicos aplicados na cobertura e fachada. Nas fachadas deste edifício inaugurado a 13 deabriljuntoàcasadamúsica,hálâminas sombreadoras nas fachadas, motorizadas, que contribuem para a minimização dos consumos energéticos através de ganhos pela redução da iluminação artificial e pela redução das necessidades de arrefecimento ambiente. No novo edifício constituído por dois blocos, com uma área de construção acima do solo de m2, onde vão trabalhar colaboradores, a iluminação será feita com aparelhos de lâmpadas de baixo consumo, lâmpadas fluorescentes ou led e o a refrigeração com ar condicionado que recupera energia e cujo calor das máquinas ajuda a aquecer a água utilizada. EDP

17 PUB

18 XVIII Diário Económico Quinta-feira 5 Julho 2012 EFICIÊNCIA ENERGÉTICA euros TAXIS ELÉCTRICOS Lisboa tornou-se no início do mês na primeira cidade do mundo a incorporar veículos eléctricos na sua frota de táxis. Os dois veículos Renault Fluence Z.E. podem ser vistos nas ruas da capital nos próximos dois meses. Esta iniciativa tem com pano de fundo um protocolo entre a Câmara de Lisboa e a Autocoope, cooperativa de táxis de Lisboa, que escolheram o eléctrico da Renault como veículo para testar em utilização real. A Autocoope prevê poupar seis cêntimos por km e euros por ano, aproveitando para testar alternativas aos grandes problemas dos táxis eléctricos: tempo de carga e limitações na autonomia dos veículos. OPINIÃO O último recurso para melhorar a competitividade A indústria do têxtil e vestuário poderia reduzir em 20% os custos em energia. Aindústria do têxtil e vestuário é constituída por subsectores trabalhando em cadeia. Todos com elevados consumos de electricidade e um deles de calor, sendo este propício à instalação de cogerações. A forte componente em renováveis, o acumular de défices tarifários e a grande utilização de gás liquefeito tornam a energia cara. A eficiência energética (EE) resta como último recurso para melhorar a competitividade. A indústria está envelhecida, descapitalizada e desconfiada. Por isso as oportunidades para melhorar a EE são grandes mas os obstáculos também. Destaco os investimentos elevados, com períodos longos de retorno; dificuldade em medir as poupanças. As reduções energéticas são difíceis de quantificar; desatenção. Ao contrário de outros factores, a eficiência energética é relegada para um plano menor; barreiras comportamentais. A habituação a equipamentos obsoletos e o receio dos desafios técnicos; os custos de estudos técnicos para melhorias; os obstáculos criados pelos grandes fornecedores de electricidade, ciosos de manter o seu monopólio, em relação às cogerações; a animosidade contra a cogeração, tentando imputar-lhe a responsabilidade de sobrecustos sem contabilizar os benefícios. Para contrariar estas dificuldades, sugiro para as grandes empresas fundos destinados a financiar investimentos na área energética, após avaliação, empresa a empresa, do potencial de benefício. Para as PME, onde os potenciais de poupança são maiores, fundos geridos pela banca, com o mesmo objectivo, mas baseado num esquema simplificado de avaliação por agentes qualificados; informação e formação para gestores e operadores; promoção do fácil e universal acesso à rede pelos cogeradores; reconhecimento de que a cogeração é omeiomaiseficientedetransformação de energia, certificando-se que as instalações sejam dimensionadas para assegurar as necessidades térmicas. A ITV consome anualmente tep s, 6% da indústria transformadora. Uma redução de 20% pouparia 32 milhões de euros. JOÃO PERES GUIMARÃES Associação Têxtil e Vestuário de Portugal A indústria do têxtil e vestuário está envelhecida, descapitalizada e desconfiada. Por isso as oportunidades para melhorar a eficiência energética são grandes mas os obstáculos são-no também. Polopique aposta em painéis fotovoltaicos A têxtil procura reduzir os custos energéticos em todos os investimentos produtivos. SÓNIA SANTOS PEREIRA APolopique, uma das três maiores exportadoras do sector têxtil português, está a estudar a instalação de painéis fotovoltaicos, medida que irá implicar uma diminuição do peso dos custos energéticos da actividade, avança Teresa Portilha, directora da têxtil. A par desse investimento, a Polopique está prestes a arrancar com a segunda unidade de fiação neste momento em fase final de testes, unidade onde a empresa apostou na aquisição de máquinas novas com consumos de energia optimizados com vista a obter maior produtividade com menor consumo de energia, adianta ainda. Nos últimos anos, todos os investimentos produtivos são pensados para reduzir custos energéticos, seja através da compra de equipamentos mais eficientes ou pela adopção de medidas no processo produtivo que permitam essa poupança, salienta Teresa Portilha. A empresa, especializada em vestuário em malha para senhora, está inserida num grupo económico que integra as áreas de fiação, tecelagem, tinturaria e acabamentos. Como salienta Teresa Portilha, o custo energético pode ter um peso de 25% no produto no caso da tinturaria e acabamentos e a rondar os 20% no caso da tecelagem e fiação. Os custos da energia em Portugal, a par com a A Polopique tem como cliente o grupo espanhol Inditex (que detém a Zara). carga fiscal, são seguramente os dois maiores constrangimentos ao desenvolvimento e crescimento económico do País, frisou a responsável. Por isso, a Polopique promove também auditorias energéticas, seguindo as suas recomendações, o que tem permitido poupanças significativas nos custos de energia. Como adianta Teresa Portilha, a empresa já avançou com várias acções tendo em vista uma melhoria da eficiência energética, como são exemplos a aquisição de equipamentos como permutadores para a recuperação do calor de exaustão, colocação de economizadores de vapor nas caldeiras, aproveitamento de águas quentes, instalação de lâmpadas de baixo consumo, entre outras medidas. Os 150 colaboradores da Polopique são também sensibilizados para as questões energéticas, nomeadamente no âmbito do processo produtivo e em particular nas unidades de fiação. Como realça Teresa Portilha, também é feita sensibilização dos colaboradores para as boas práticas em termos de eficiência energética. A Polopique registou um volume de negócios de 71,5 milhões de euros em 2011, um crescimentode6%faceaoanoanterior.maisde 99% da facturação é proveniente das exportações, sendo Espanha o principal mercado e o grupo Inditex (que detém a Zara) um dos mais relevantes clientes. Albert Gea/Reuters

19 Quinta-feira 5 Julho 2012 Diário Económico XIX OPINIÃO A caminho da eficiência e da economia verde Quercus defende que é o momento de Portugal mostrar que está ao lado da eficiência energética. Durante o mês de Junho estiveramemdiscussão pública conjunta as linhas de orientação do Plano Nacional de Acção para a Eficiência Energética (PNAEE) e do Plano Nacional de Acção para as Energias Renováveis (PNAER). Embora seja positivo que estes dois planos tivessem sido articulados, pois de um depende a execução do outro, é também fundamental que estejam em sintonia com o Roteiro de Baixo Carbono para Portugal que terá metas para 2020 e 2050 e que ainda não é conhecido. O PNAEE tem uma meta traçada para 2015 de melhoria de eficiência energética equivalente a 10% do consumo final de energia, inserido no objetivo europeu de reduzir o consumo em 1% ao ano, assumindo um objetivo de 25% até No mês de Junho também teve lugar a discussão da nova Diretiva de Eficiência Energética com metas para 2020 e que, supostamente, deveria levar ao cumprimento da meta definida no chamado Pacote , de aumentar aeficiênciaenergéticanoespaçodaunião Europeia em 20%, a par de um aumento do peso FRANCISCO FERRREIRA Coordenador da área da energia e alterações climáticas da Quercus Precisamos de um país menos dependente do exterior, e é fundamental fazermos as mudanças estruturantes que nos permita ter menores necessidades energéticas. das energias renováveis para 20% e duma redução de emissões de gases com efeito de estufa em 20% entre 1990 e Este objetivo falhou: o Conselho Europeu conseguiu enfraquecer a proposta da Comissão e do Parlamento Europeu, justificando o facto com a crise económica e a falta de vontade política dos Estados-membros em apostar na eficiência energética. Na área residencial é necessário um incentivo à reabilitação urbana, onde existe um potencial elevado de crescimento de mercado, estimado em cerca de 28 mil milhões de euros, só na componente de reabilitação do edificado habitacional, que pode representar a curto prazo a manutenção dos cerca de 140 mil postos de trabalho que o sector tem neste momento emrisco,eumarecuperaçãodopesodosector no PIB nacional. Os incentivos fiscais que se propõem existiram já em sede de IRS e infelizmente foram retirados no quadro da execução orçamental recente. O programa Eco.AP, para o sector público, prevê um aumento de eficiência energética de 30% nos edifícios do Estado até 2020, em consonância com os objetivos definidos no Programa deste Governo. O Estado tem aqui um papel fundamental de actuação. No que à mobilidade diz respeito, as medidas mais importantes são aquelas que apostam no transporte de mercadorias através da ferrovia, proporcionando uma intermodalidade que não é prática no nosso país, onde à escala doméstica e internacional a carga é ainda transportada em grande parte através das vias rodoviárias. O retomar de incentivos para a aquisição de veículos eléctricos, mesmo que em valor menor ao inicialmente existente, seria também importante. É o momento de Portugal mostrar que está do lado da eficiência energética e da economia verde, tendo objetivos importantes que não se traduzam em reduções de consumo apenas devidas à crise económica, que sejam devidamente monitorizados, e que junto de Bruxelas, Portugal saiba defender posições ambiciosas para dinamizar um potencial que poderá evitar o recurso ao uso de combustíveis fósseis. Precisamos de um país menos dependente do exterior, e é fundamental fazermos as mudanças estruturantes que nos permita ter menores necessidades energéticas e uma produção maior a partir de fontes renováveis. PUB

20 PUB

8, 9 e 10 NOVEMBRO 2011 LISBOA. Novos Mercados Encontro de Sectores INSCREVA-SE JÁ. Especial: MERCADOS INTERNACIONAIS. www.expoenergia2011.about.

8, 9 e 10 NOVEMBRO 2011 LISBOA. Novos Mercados Encontro de Sectores INSCREVA-SE JÁ. Especial: MERCADOS INTERNACIONAIS. www.expoenergia2011.about. 8, 9 e 10 NOVEMBRO 2011 LISBOA Centro de Congressos Univ. Católica Novos Mercados Encontro de Sectores Especial: MERCADOS INTERNACIONAIS ORGANIZAÇÃO PARCEIRO PATROCÍNIO INSCREVA-SE JÁ www.expoenergia2011.about.pt

Leia mais

Apresentação do Projeto

Apresentação do Projeto Apresentação do Projeto CTCV, 14 de dezembro 2012 filomena.egreja@iapmei.pt Índice Fundamentos e características do projeto Atividades executadas Empresas e setores: algumas constatações Análise SWOT Empresas

Leia mais

Estratégia Nacional para a Energia (ENE 2020) Luis Silva, ADENE Agência para a Energia

Estratégia Nacional para a Energia (ENE 2020) Luis Silva, ADENE Agência para a Energia Estratégia Nacional para a Energia (ENE 2020) Luis Silva, ADENE Agência para a Energia 6º workshop da Plataforma do Empreendedor AIP-CE, 1 Julho 2010 Índice As novas metas EU para as Renováveis Estratégia

Leia mais

PROGRAMA DE APOIO À IMPLEMENTAÇÃO DE PROJECTOS DE PRODUÇÃO DE ENERGIA E DE EFICIÊNCIA ENERGÉTICA. Selfenergy

PROGRAMA DE APOIO À IMPLEMENTAÇÃO DE PROJECTOS DE PRODUÇÃO DE ENERGIA E DE EFICIÊNCIA ENERGÉTICA. Selfenergy PROGRAMA DE APOIO À IMPLEMENTAÇÃO DE PROJECTOS DE PRODUÇÃO DE ENERGIA E DE EFICIÊNCIA ENERGÉTICA Selfenergy PARCEIRO: SCT Consulting SOLVING CHALLENGES TOGETHER Uma empresa com energia A Vivapower é uma

Leia mais

Sistema Nacional de Certificação Energética e da Qualidade do Ar Interior nos Edifícios (SCE)

Sistema Nacional de Certificação Energética e da Qualidade do Ar Interior nos Edifícios (SCE) Sistema Nacional de Certificação Energética e da Qualidade do Ar Interior nos Edifícios (SCE) Seminário : Inovação na Construção, Técnicas e Materiais de Construção sustentável Auditório da Associação

Leia mais

Portugal Eficiência 2015 Plano Nacional de Acção para a Eficiência Energética

Portugal Eficiência 2015 Plano Nacional de Acção para a Eficiência Energética Portugal Eficiência 2015 Plano Nacional de Acção para a Eficiência Energética Apresentação da Versão para Discussão Pública Fevereiro 2008 Coordenação : Apoio : Forte inversão da intensidade energética

Leia mais

Portugal 2020 e outros instrumentos financeiros. Dinis Rodrigues, Direção-Geral de Energia e Geologia Matosinhos, 27 de fevereiro de 2014

Portugal 2020 e outros instrumentos financeiros. Dinis Rodrigues, Direção-Geral de Energia e Geologia Matosinhos, 27 de fevereiro de 2014 Portugal 2020 e outros instrumentos financeiros Dinis Rodrigues, Direção-Geral de Energia e Geologia Matosinhos, 27 de fevereiro de 2014 O desafio Horizonte 2020 Compromissos Nacionais Metas UE-27 20%

Leia mais

Sistema de Incentivos à Inovação e I&DT (Sector Automóvel) Quadro de Referência Estratégico Nacional [QREN]

Sistema de Incentivos à Inovação e I&DT (Sector Automóvel) Quadro de Referência Estratégico Nacional [QREN] Sistema de Incentivos à Inovação e I&DT (Sector Automóvel) Quadro de Referência Estratégico Nacional [QREN] Frederico Mendes & Associados Sociedade de Consultores Lda. Frederico Mendes & Associados é uma

Leia mais

A Construção Sustentável e o Futuro

A Construção Sustentável e o Futuro A Construção Sustentável e o Futuro Victor Ferreira ENERGIA 2020, Lisboa 08/02/2010 Visão e Missão O Cluster Habitat? Matérias primas Transformação Materiais e produtos Construção Equipamentos Outros fornecedores

Leia mais

Desempenho energético dos edifícios o impacto dos regulamentos na construção e as oportunidades de melhoria do parque habitacional

Desempenho energético dos edifícios o impacto dos regulamentos na construção e as oportunidades de melhoria do parque habitacional Desempenho energético dos edifícios o impacto dos regulamentos na construção e as oportunidades de melhoria do parque habitacional Paulo Santos ADENE Agência para a Energia Nuno Baptista ADENE Agência

Leia mais

OPORTUNIDADES. Cluster energético: oportunidades; horizontes; observatório, BejaGlobal; PASE

OPORTUNIDADES. Cluster energético: oportunidades; horizontes; observatório, BejaGlobal; PASE CLUSTER ENERGÉTICO DE BEJA OPORTUNIDADES SUSTENTABILIDADE ENERGÉTICA E CRESCIMENTO ECONÓMICO A sustentabilidade energética e climática é um desígnio estratégico duplo significado. Por um lado, desenvolvimento

Leia mais

Tendências. Membro. ECOPROGRESSO, SA tel + 351 21 798 12 10 fax +351 21 798 12 19 geral@ecotrade.pt www.ecotrade.pt

Tendências. Membro. ECOPROGRESSO, SA tel + 351 21 798 12 10 fax +351 21 798 12 19 geral@ecotrade.pt www.ecotrade.pt 30 27 Evolução do Preço CO2 Jan 06 - Fev 07 Spot Price Powernext Carbon Jan de 2006 a Fev 2007 Spot CO2 (30/01/07) Preço Δ Mensal 2,30-64.50% 2007 2,35-64,4% 2008 15.30-16,16% Futuro Dez 2009 2010 15.85

Leia mais

PUBLICADO NA EDIÇÃO IMPRESSA SEGUNDA-FEIRA, 18 DE JUNHO DE 2012 POR JM. Energia sustentável

PUBLICADO NA EDIÇÃO IMPRESSA SEGUNDA-FEIRA, 18 DE JUNHO DE 2012 POR JM. Energia sustentável PUBLICADO NA EDIÇÃO IMPRESSA SEGUNDA-FEIRA, 18 DE JUNHO DE 2012 POR JM Energia sustentável A ONU declarou 2012 como o Ano Internacional da Energia Sustentável para Todos. Esta iniciativa pretende chamar

Leia mais

Dossier de imprensa - Cloogy

Dossier de imprensa - Cloogy Dossier de imprensa - Cloogy Revista de Imprensa 05-12-2012 1. (PT) - Diário Económico, 05122012, ISA e EDP negoceiam solução de poupança energética para famílias 1 2. (PT) - Jornal de Negócios, 05122012,

Leia mais

Energia, investimento e desenvolvimento económico

Energia, investimento e desenvolvimento económico Energia, investimento e desenvolvimento económico Aníbal Fernandes ENEOP Eólicas de Portugal Mesa Redonda Energia Eólica ERSE, 10 Fevereiro 2010 Prioridades de política energética e benefícios económicos

Leia mais

Plano de Acção para a Energia Sustentável (PAES) Município do Barreiro. Nota complementar e explicativa

Plano de Acção para a Energia Sustentável (PAES) Município do Barreiro. Nota complementar e explicativa Plano de Acção para a Energia Sustentável (PAES) Município do Barreiro Nota complementar e explicativa Setembro de 2012 IDENTIFICAÇÃO Título: Plano de Acção para a Energia Sustentável (PAES) - Município

Leia mais

POLÍTICAS DE COMPETITIVIDADE PARA O SECTOR AGRO-ALIMENTAR

POLÍTICAS DE COMPETITIVIDADE PARA O SECTOR AGRO-ALIMENTAR POLÍTICAS DE COMPETITIVIDADE PARA O SECTOR AGRO-ALIMENTAR Prioridades Estratégicas Indústria Portuguesa Agro-Alimentar Federação das Indústrias Portuguesas Agro-Alimentares XI LEGISLATURA 2009-2013 XVIII

Leia mais

::ENQUADRAMENTO ::ENQUADRAMENTO::

::ENQUADRAMENTO ::ENQUADRAMENTO:: ::ENQUADRAMENTO:: :: ENQUADRAMENTO :: O actual ambiente de negócios caracteriza-se por rápidas mudanças que envolvem a esfera politica, económica, social e cultural das sociedades. A capacidade de se adaptar

Leia mais

ESTUDO DA PEGADA CARBÓNICA NO SECTOR FINANCEIRO EM PORTUGAL

ESTUDO DA PEGADA CARBÓNICA NO SECTOR FINANCEIRO EM PORTUGAL ESTUDO DA PEGADA CARBÓNICA NO SECTOR FINANCEIRO EM PORTUGAL Agosto de 2010 ÍNDICE ÍNDICE... 2 ENQUADRAMENTO... 3 O IMPACTE DO SECTOR FINANCEIRO NAS ALTERAÇÕES CLIMÁTICAS... 4 PEGADA CARBÓNICA DO SECTOR

Leia mais

Portugal Eficiência 2015 Análise 2008

Portugal Eficiência 2015 Análise 2008 Portugal Eficiência 2015 Análise 2008 Coordenação : Apoio : 0 Forte inversão da intensidade energética nos 2 últimos anos No entanto, a intensidade energética nacional continua significativamente acima

Leia mais

PROJECTO DE RESOLUÇÃO N.º 347/XI/2ª (PSD)

PROJECTO DE RESOLUÇÃO N.º 347/XI/2ª (PSD) PROJECTO DE RESOLUÇÃO N.º 347/XI/2ª (PSD) Recomenda ao Governo que utilize sistemas de teleconferência e videoconferência em substituição de reuniões presenciais I - Exposição de motivos A proposta de

Leia mais

XIX CONGRESSO SOCIEDADE, TERRITÓRIO E AMBIENTE A INTERVENÇÃO DO ENGENHEIRO 19 e 20 de outubro de 2012

XIX CONGRESSO SOCIEDADE, TERRITÓRIO E AMBIENTE A INTERVENÇÃO DO ENGENHEIRO 19 e 20 de outubro de 2012 XIX CONGRESSO SOCIEDADE, TERRITÓRIO E AMBIENTE A INTERVENÇÃO DO ENGENHEIRO 19 e 20 de outubro de 2012 O CONSUMO MUNDIAL DE ENERGIA CONTINUARÁ A CRESCER, MAS AS POLÍTICAS DE EFICIÊNCIA TERÃO UM FORTE IMPACTO

Leia mais

Células de combustível

Células de combustível Células de combustível A procura de energia no Mundo está a aumentar a um ritmo alarmante. A organização WETO (World Energy Technology and Climate Policy Outlook) prevê um crescimento anual de 1,8 % do

Leia mais

WORKSHOP 'EFICIÊNCIA ENERGÉTICA - DESAFIOS E OPORTUNIDADES PARA PORTUGAL

WORKSHOP 'EFICIÊNCIA ENERGÉTICA - DESAFIOS E OPORTUNIDADES PARA PORTUGAL WORKSHOP 'EFICIÊNCIA ENERGÉTICA - DESAFIOS E OPORTUNIDADES PARA PORTUGAL Eficiência Energética na Industria Experiencia Save to Compete Sofia Tavares EDP Comercial sofia.tavares@edp.pt Lisboa, 6 Março,

Leia mais

PLANO DE PROMOÇÃO DA EFICIÊNCIA NO CONSUMO (PPEC) REVISÃO DAS REGRAS

PLANO DE PROMOÇÃO DA EFICIÊNCIA NO CONSUMO (PPEC) REVISÃO DAS REGRAS PLANO DE PROMOÇÃO DA EFICIÊNCIA NO CONSUMO (PPEC) REVISÃO DAS REGRAS Intervenção do Senhor Presidente da CIP Confederação da Indústria Portuguesa, Eng.º Francisco van Zeller, na Audição Pública (CCB, 04/04/2008)

Leia mais

CARACTERIZAÇÃO DO PROGRAMA FORMAÇÃO-ACÇÃO PME

CARACTERIZAÇÃO DO PROGRAMA FORMAÇÃO-ACÇÃO PME CARACTERIZAÇÃO DO PROGRAMA FORMAÇÃO-ACÇÃO PME NATUREZA DO PROGRAMA O Programa Formação-Acção PME consiste num itinerário de Formação e Consultoria Especializada (Formação-Acção Individualizada), inteiramente

Leia mais

ENERGIA: OPORTUNIDADE, EMPRESAS, CRESCIMENTO Filipe Vasconcelos, Diretor Geral da ADENE

ENERGIA: OPORTUNIDADE, EMPRESAS, CRESCIMENTO Filipe Vasconcelos, Diretor Geral da ADENE ENERGIA: OPORTUNIDADE, EMPRESAS, CRESCIMENTO Filipe Vasconcelos, Diretor Geral da ADENE Lisboa, 26 de Junho 2012 23 de Março de 2012 ONDE NOS ENCONTRAMOS Num Contexto Internacional financeiro e económico

Leia mais

Plano de Marketing Operacional

Plano de Marketing Operacional Plano de Marketing Operacional CONTEÚDO 1. Oportunidade do projecto APCMC +Inovação... iii 2. Plano de comunicação... viii 3. Controlo e revisão... xvi ii 1. Oportunidade do projecto APCMC +Inovação A

Leia mais

Certificação e Monitorização de Edifícios Públicos Municipais em Cascais

Certificação e Monitorização de Edifícios Públicos Municipais em Cascais Certificação e Monitorização de Edifícios Públicos Municipais em Cascais TECNOFIL Workshop Municípios e Certificação Energética de Edifícios Lisboa, 18 Junho 2009 Objectivos A Agência Cascais Energia é

Leia mais

CIRCULAR. Assunto: SI Inovação e SI Qualificação PME Abertura de concursos para apresentação de candidaturas

CIRCULAR. Assunto: SI Inovação e SI Qualificação PME Abertura de concursos para apresentação de candidaturas CIRCULAR N/ REFª: 62/09 DATA: 15/07/2009 Assunto: SI Inovação e SI Qualificação PME Abertura de concursos para apresentação de candidaturas Exmos. Senhores, Vimos informar que estão abertos concursos para

Leia mais

ORIENTAÇÃO TÉCNICA N.º3 /2009. Política de Cidades - Parcerias para a Regeneração Urbana. Programas integrados de criação de Eco-Bairros

ORIENTAÇÃO TÉCNICA N.º3 /2009. Política de Cidades - Parcerias para a Regeneração Urbana. Programas integrados de criação de Eco-Bairros ORIENTAÇÃO TÉCNICA N.º3 /2009 Política de Cidades - Parcerias para a Regeneração Urbana Programas integrados de criação de Eco-Bairros 1. ENQUADRAMENTO GERAL A Autoridade de Gestão do Programa Operacional

Leia mais

Global Incentives Solutions*

Global Incentives Solutions* Incentives Solutions Global Incentives Solutions* Informação sobre incentivos ao investimento Número 6, Outubro de 2007 *connectedthinking What s hot Assinatura dos Programas Operacionais (PO) No passado

Leia mais

Programas Operacionais e Sistemas de Incentivos às Empresas

Programas Operacionais e Sistemas de Incentivos às Empresas Programas Operacionais e Sistemas de Incentivos às Empresas Da União Europeia vão chegar até 2020 mais de 20 mil milhões de euros a Portugal. Uma pipa de massa, nas palavras do ex-presidente da Comissão

Leia mais

EXPO EUROPA E AMBIENTE

EXPO EUROPA E AMBIENTE EXPO EUROPA E AMBIENTE Microgeração Um novo Conceito de Energias Carlos Mendes Nunes Carlos Simões Contactos: Eurosauna; José Morais / Raul Fino Quarteira - Loulé 09 Maio 2008 Energias Renová Energias

Leia mais

SESSÃO DE ENCERRAMENTO DO VENTURE CAPITAL IT 2006

SESSÃO DE ENCERRAMENTO DO VENTURE CAPITAL IT 2006 SESSÃO DE ENCERRAMENTO DO VENTURE CAPITAL IT 2006 Jaime Andrez Presidente do CD do IAPMEI 10 de Maio de 2006 Minhas Senhoras e meus Senhores, 1. Em nome do Senhor Secretário de Estado Adjunto, da Indústria

Leia mais

SISTEMAS DE INCENTIVOS ÀS EMPRESAS

SISTEMAS DE INCENTIVOS ÀS EMPRESAS SISTEMAS DE INCENTIVOS ÀS EMPRESAS Sistema de Incentivos às Empresas O que é? é um dos instrumentos fundamentais das políticas públicas de dinamização económica, designadamente em matéria da promoção da

Leia mais

QUEM FAZ A AVALIAÇÃO ENERGÉTICA E EMITE O CERTIFICADO?

QUEM FAZ A AVALIAÇÃO ENERGÉTICA E EMITE O CERTIFICADO? O QUE É UM CERTIFICADO ENERGÉTICO? Um Certificado Energético (CE) de um edifício ou fracção autónoma é o documento emitido no âmbito do Sistema Nacional de Certificação Energética e Qualidade do Ar Interior

Leia mais

Melhoria do desempenho ambiental - implementação do Sistema de Gestão Ambiental

Melhoria do desempenho ambiental - implementação do Sistema de Gestão Ambiental Melhoria do desempenho ambiental - implementação do Sistema de Gestão Ambiental 1 Melhoria do desempenho ambiental implementação do Sistema de Gestão Ambiental A Caixa Geral de Depósitos (CGD) tem implementado

Leia mais

Mecanismos e modelos de apoio à Comunidade Associativa e Empresarial da Indústria Extractiva

Mecanismos e modelos de apoio à Comunidade Associativa e Empresarial da Indústria Extractiva centro tecnológico da cerâmica e do vidro coimbra portugal Mecanismos e modelos de apoio à Comunidade Associativa e Empresarial da Indústria Extractiva Victor Francisco CTCV Responsável Unidade Gestão

Leia mais

1. Os desafios e a visão de futuro

1. Os desafios e a visão de futuro ESTRATÉGIA NACIONAL DE INVESTIGAÇÃO E INOVAÇÃO PARA UMA ESPECIALIZAÇÃO INTELIGENTE 2 1. Os desafios e a visão de futuro Plano internacional A economia mundial defronta-se na atualidade com dois grandes

Leia mais

intra Perfil do Gestor

intra Perfil do Gestor Perfil do Gestor 35 Entrevista Dinah J. Kamiske, Autoeuropa A internacionalização economia obriga as empresas a tornarem-se mais competitivas. Entrevista de José Branco Dados publicados recentemente prevêem

Leia mais

CTCV. seminários. Programas de apoio no novo Quadro Portugal 2020. Seminário ISO 9001 e ISO 14001 Enquadramento e alterações nos referenciais de 2015

CTCV. seminários. Programas de apoio no novo Quadro Portugal 2020. Seminário ISO 9001 e ISO 14001 Enquadramento e alterações nos referenciais de 2015 23 10 2014 Programas de apoio no novo Quadro Portugal 2020 Seminário ISO 9001 e ISO 14001 Enquadramento e alterações nos referenciais de 2015 Victor Francisco Gestão e Promoção da Inovação 21 de outubro

Leia mais

EDP. PREPARAR A ECONOMIA DO CARBONO Eficiência energética em alerta vermelho EMPRESA

EDP. PREPARAR A ECONOMIA DO CARBONO Eficiência energética em alerta vermelho EMPRESA EDP PREPARAR A ECONOMIA DO CARBONO Eficiência energética em alerta vermelho EMPRESA O Grupo EDP Energias de Portugal centra as suas actividades na produção, distribuição e comercialização de energia eléctrica,

Leia mais

As ações de formação ação no âmbito do presente Aviso têm, obrigatoriamente, de ser desenvolvidas com a estrutura a seguir indicada.

As ações de formação ação no âmbito do presente Aviso têm, obrigatoriamente, de ser desenvolvidas com a estrutura a seguir indicada. Anexo A Estrutura de intervenção As ações de formação ação no âmbito do presente Aviso têm, obrigatoriamente, de ser desenvolvidas com a estrutura a seguir indicada. 1. Plano de ação para o período 2016

Leia mais

Eco.AP e o financiamento no âmbito do Portugal 2020

Eco.AP e o financiamento no âmbito do Portugal 2020 Eco.AP e o financiamento no âmbito do Portugal 2020 IV Congresso ATEPH Energia e Ambiente no Edifícios Hospitalar 4 de junho de 2015 Dinis Rodrigues Porto, 4 de junho de 2015 AGENDA Tema 1 Enquadramento

Leia mais

Eficiência Energética e Mercados de Carbono Sector dos Transportes

Eficiência Energética e Mercados de Carbono Sector dos Transportes Eficiência Energética e Mercados de Carbono Sector dos Transportes Lisboa, 20 de Novembro 2009 Cláudio Casimiro claudio.casimiro@ceeeta.pt tel. +351 213 103 510 fax +351 213 104 411 Rua Dr. António Cândido,

Leia mais

Senhor Presidente do Instituto da Mobilidade e dos. Senhor Vereador da Câmara Municipal de Lisboa. Senhor Vereador da Câmara Municipal do Porto

Senhor Presidente do Instituto da Mobilidade e dos. Senhor Vereador da Câmara Municipal de Lisboa. Senhor Vereador da Câmara Municipal do Porto Senhor Presidente do Instituto da Mobilidade e dos Transportes Terrestres Senhor Vereador da Câmara Municipal de Lisboa Senhor Vereador da Câmara Municipal do Porto Senhores representantes das associações

Leia mais

Inovação TECNOLÓGICA DAS MOTORIZAÇÕES

Inovação TECNOLÓGICA DAS MOTORIZAÇÕES Inovação EVOLUÇÃO TECNOLÓGICA DAS MOTORIZAÇÕES DOSSIER 13 JORGE LIZARDO NEVES O futuro é sem dúvida eléctrico Vem aí a Era de motores menos poluentes e mais eficientes. Quem o diz é o Jorge Lizardo Neves,

Leia mais

ESPOSENDE PACTO DE AUTARCAS

ESPOSENDE PACTO DE AUTARCAS ESPOSENDE PACTO DE AUTARCAS Novembro de 2010 CÂMARA MUNICIPAL DE ESPOSENDE ESPOSENDE AMBIENTE, EEM OBJECTIVOS DE COMBATE ÀS ALTERAÇÕES CLIMÁTICAS Até ao ano de 2020, Aumentar em 20% a eficiência energética

Leia mais

Congresso da Associação Ibérica de Gás Natural para a Mobilidade. Barcelona, 20 de outubro de 2015 Carlos Almeida Diretor-Geral da DGEG

Congresso da Associação Ibérica de Gás Natural para a Mobilidade. Barcelona, 20 de outubro de 2015 Carlos Almeida Diretor-Geral da DGEG Congresso da Associação Ibérica de Gás Natural para a Mobilidade A DIRETIVA EUROPEIA SOBRE INFRAESTRUTURAS DE COMBUSTÍVEIS ALTERNATIVOS Barcelona, 20 de outubro de 2015 Carlos Almeida Diretor-Geral da

Leia mais

Energia: Sustentabilidade e redução de custos.

Energia: Sustentabilidade e redução de custos. . dossier / Energia Pág: 36 Área: 15,00 x 20,27 cm² Corte: 1 de 6 Energia: Sustentabilidade e redução de custos. 2015 marca o ano Internacional da Luz. No que diz respeito ao consumo de energia, os hotéis

Leia mais

Colóquio: As Empresas de Serviços Energéticos em Portugal

Colóquio: As Empresas de Serviços Energéticos em Portugal Colóquio: As Empresas de Serviços Energéticos em Portugal Lisboa, 30 de Dezembro Miguel Matias Presidente da APESE Vice-Presidente Self Energy A Eficiência Energética na Cidade oportunidade na Reabilitação

Leia mais

O contributo do Cluster Habitat Sustentável

O contributo do Cluster Habitat Sustentável O contributo do Cluster Habitat Sustentável Victor Ferreira Plataforma para a Construção Sustentável Seminário Construção Sustentável CONCRETA 2011 20/10/2011 Visão e Missão O Cluster Habitat? agregador

Leia mais

////////////// CLUSTER DA MOBILIDADE OBJECTIVOS EIXOS PROJECTOS PARCEIROS CLUSTER DA MOBILIDADE

////////////// CLUSTER DA MOBILIDADE OBJECTIVOS EIXOS PROJECTOS PARCEIROS CLUSTER DA MOBILIDADE Plano de Acção ////////////// O FUTURO DA. UM FUTURO SUSTENTÁVEL A mobilidade sustentável é um dos principais desafios da Europa. Empresas construtoras de meios de transporte, fornecedores e vários outros

Leia mais

DEBATE DO PG SRETC 21/05/2015

DEBATE DO PG SRETC 21/05/2015 DEBATE DO PG SRETC 21/05/2015 Senhor Presidente da Assembleia Legislativa Regional, Excelência Senhor Presidente do Governo Regional da Madeira, Excelência Senhoras e Senhores Secretários Regionais Senhoras

Leia mais

Caso prático: Um contrato de desempenho energético num hotel de cinco estrelas. pág. 22

Caso prático: Um contrato de desempenho energético num hotel de cinco estrelas. pág. 22 Caso prático: Um contrato de desempenho energético num hotel de cinco estrelas. pág. 22 H IPALAI.'I.)"S'.' HOlfc.O'.^INIHIA Corínthía Hotel Lisbon "Energy Performance Contracting" num hotel de cinco estrelas

Leia mais

O QUE ABORDAMOS, EM PARTICULAR, NESTE EU REPORT?

O QUE ABORDAMOS, EM PARTICULAR, NESTE EU REPORT? Cosme 1 O QUE ABORDAMOS, EM PARTICULAR, NESTE EU REPORT? Neste EU Report abordamos, em particular, o COSME, o novo programa quadro europeu para a competitividade das Empresas e das PME (pequenas e médias

Leia mais

Case study. LX Sustentável BLOGUE SOBRE SUSTENTABILIDADE URBANA EMPRESA

Case study. LX Sustentável BLOGUE SOBRE SUSTENTABILIDADE URBANA EMPRESA Case study 2010 LX Sustentável BLOGUE SOBRE SUSTENTABILIDADE URBANA EMPRESA A Siemens está em Portugal há 105 anos, sendo líder nos seus sectores de Indústria, Energia e Saúde. Com cerca de 2 mil colaboradores,

Leia mais

O presente documento suporta a apreciação do ponto 3 da Agenda da reunião da Comissão de Acompanhamento de 13/11/07, sendo composto por duas partes:

O presente documento suporta a apreciação do ponto 3 da Agenda da reunião da Comissão de Acompanhamento de 13/11/07, sendo composto por duas partes: EIXO I COMPETITIVIDADE, INOVAÇÃO E CONHECIMENTO INSTRUMENTO: SISTEMA DE INCENTIVOS À QUALIFICAÇÃO E INTERNACIONALIZAÇÃO DE PME (SI QUALIFICAÇÃO PME) O presente documento suporta a apreciação do ponto 3

Leia mais

ECO.AP Apresentação das linhas gerais do Projecto-Piloto. Janeiro de 2012

ECO.AP Apresentação das linhas gerais do Projecto-Piloto. Janeiro de 2012 ECO.AP Apresentação das linhas gerais do Projecto-Piloto Janeiro de 2012 Agenda 1 2 3 4 5 6 Introdução Sistema de Qualificação de ESE s Estrutura do concurso Bases do modelo de contrato Programa Piloto

Leia mais

PLANO DE ACTIVIDADES PARA 2013

PLANO DE ACTIVIDADES PARA 2013 PLANO DE ACTIVIDADES PARA 2013 Setúbal, Dezembro de 2012 São cinco as linhas orientadoras do plano de actividades relativo ao ano de 2013: - Apoiar os Municípios, e restantes associados, na prossecução

Leia mais

Redução da Dependência Energética de Portugal Principal Desafio:

Redução da Dependência Energética de Portugal Principal Desafio: Redução da Dependência Energética de Portugal Principal Desafio: Mudança de paradigma energético em Portugal, com um implícito Desenvolvimento Sustentável suportado no seu crescimento económico, justiça

Leia mais

A MOBILIDADE URBANA E A SUSTENTABILIDADE DAS CIDADES. Opções da União Europeia e posição de Portugal

A MOBILIDADE URBANA E A SUSTENTABILIDADE DAS CIDADES. Opções da União Europeia e posição de Portugal A MOBILIDADE URBANA E A SUSTENTABILIDADE DAS CIDADES Opções da União Europeia e posição de Portugal 1 I Parte - O Plano de Acção da EU Plano de Acção para a Mobilidade Urbana Publicado pela Comissão Europeia

Leia mais

O Consumo de Energia está a aumentar

O Consumo de Energia está a aumentar Schneider Electric -Eficiência Energética HAG 04/2010 1 Luis Hagatong Energy Efficiency Manager Schneider Electric Portugal 3 as Jornadas Electrotécnicas Máquinas e instalações eléctricas ISEP 29 e 30

Leia mais

Sumário executivo. Em conjunto, as empresas que implementaram

Sumário executivo. Em conjunto, as empresas que implementaram 10 Sumário executivo Conclusões coordenadas pela Deloitte, em articulação com os membros do Grupo de Trabalho da AÇÃO 7 Sumário executivo Em conjunto, as empresas que implementaram estes 17 projetos representam

Leia mais

Consórcio CGD/IHRU. Fundo de Desenvolvimento Urbano TEKTÓNICA. Iniciativa Comunitária JESSICA. 9 de Maio 2012

Consórcio CGD/IHRU. Fundo de Desenvolvimento Urbano TEKTÓNICA. Iniciativa Comunitária JESSICA. 9 de Maio 2012 Iniciativa Comunitária JESSICA Fundo de Desenvolvimento Urbano Consórcio CGD/IHRU TEKTÓNICA 9 de Maio 2012 Iniciativa Comunitária JESSICA Consórcio IHRU/GCGD 18 de Abril de 2012 1 Portugal Evolução de

Leia mais

O Sistema de Certificação Energética como plataforma integrada de gestão do património edificado

O Sistema de Certificação Energética como plataforma integrada de gestão do património edificado O Sistema de Certificação Energética como plataforma integrada de gestão do património edificado ENERGY FOR SMART CITIES Cascais Painel Built Environment Lisboa, 28 a 30 de Novembro de 2012 Joana Fernandes

Leia mais

PROPOSTAS DE ALGUMAS MEDIDAS CONCRETAS PARA A COMPETITIVIDADE EMPRESARIAL

PROPOSTAS DE ALGUMAS MEDIDAS CONCRETAS PARA A COMPETITIVIDADE EMPRESARIAL PROPOSTAS DE ALGUMAS MEDIDAS CONCRETAS PARA A COMPETITIVIDADE EMPRESARIAL 1 São muitas e variadas as soluções e medidas de apoio à competitividade empresarial. Na intervenção de abertura o Presidente da

Leia mais

MAIOR EVENTO NACIONAL PARA O CRESCIMENTO VERDE E DESENVOLVIMENTO DAS CIDADES 04 / 06 MARÇO 2015 CENTRO DE CONGRESSOS DE LISBOA

MAIOR EVENTO NACIONAL PARA O CRESCIMENTO VERDE E DESENVOLVIMENTO DAS CIDADES 04 / 06 MARÇO 2015 CENTRO DE CONGRESSOS DE LISBOA MAIOR EVENTO NACIONAL PARA O CRESCIMENTO VERDE E DESENVOLVIMENTO DAS CIDADES 04 / 06 MARÇO 2015 CENTRO DE CONGRESSOS DE LISBOA Conselho Estratégico da Green Business Week Entidades Empresas convidadas

Leia mais

Case study. Aumentar o conhecimento, informar a decisão ÍNDICE E.VALUE ENERGIA E CO2 EM PORTUGAL EMPRESA

Case study. Aumentar o conhecimento, informar a decisão ÍNDICE E.VALUE ENERGIA E CO2 EM PORTUGAL EMPRESA Case study 2010 Aumentar o conhecimento, informar a decisão ÍNDICE E.VALUE ENERGIA E CO2 EM PORTUGAL EMPRESA A E.Value S.A. é uma empresa de consultoria e desenvolvimento, com competências nos domínios

Leia mais

Diagnóstico de Competências para a Exportação

Diagnóstico de Competências para a Exportação Diagnóstico de Competências para a Exportação em Pequenas e Médias Empresas (PME) Guia de Utilização DIRECÇÃO DE ASSISTÊNCIA EMPRESARIAL Departamento de Promoção de Competências Empresariais Índice ENQUADRAMENTO...

Leia mais

Adenda aos Critérios de Selecção

Adenda aos Critérios de Selecção Adenda aos Critérios de Selecção... Critérios de Selecção SI Qualificação PME EIXO I COMPETITIVIDADE, INOVAÇÃO E CONHECIMENTO INSTRUMENTO: SISTEMA DE INCENTIVOS À QUALIFICAÇÃO E INTERNACIONALIZAÇÃO DE

Leia mais

2ª Reunião do National Supporting Group (NSG) - Projecto Ele.C.Tra. Lisboa, 13 de Junho de 2015

2ª Reunião do National Supporting Group (NSG) - Projecto Ele.C.Tra. Lisboa, 13 de Junho de 2015 2ª Reunião do National Supporting Group (NSG) - Projecto Ele.C.Tra Lisboa, 13 de Junho de 2015 EMEL EMEL Empresa Municipal de Mobilidade e Estacionamento de Lisboa, E.M. S.A., tem como objecto a gestão

Leia mais

MINISTÉRIO DA ECONOMIA, DA INOVAÇÃO E DO DESENVOLVIMENTO

MINISTÉRIO DA ECONOMIA, DA INOVAÇÃO E DO DESENVOLVIMENTO MINISTÉRIO DA ECONOMIA, DA INOVAÇÃO E DO DESENVOLVIMENTO Decreto-Lei n.º 39/2010 de 26 de Abril O Programa do XVIII Governo Constitucional estabelece como uma das principais linhas de modernização estrutural

Leia mais

10º Fórum da Indústria Têxtil. Que Private Label na Era das Marcas?

10º Fórum da Indústria Têxtil. Que Private Label na Era das Marcas? Que Private Label na Era das Marcas? Vila Nova de Famalicão, 26 de Novembro de 2008 Manuel Sousa Lopes Teixeira 1 2 INTELIGÊNCIA TÊXTIL O Sector Têxtil e Vestuário Português e o seu enquadramento na Economia

Leia mais

Sines 06.05.2009. João Martins da Silva. Direcção de Marketing Corporativo

Sines 06.05.2009. João Martins da Silva. Direcção de Marketing Corporativo Sines 06.05.2009 João Martins da Silva Em resposta ao desafio global, a UE definiu um Plano Energético Europeu assente em 3 pilares Sustentabilidade Desenvolvimento de renováveis e fontes de baixo teor

Leia mais

Debate Quinzenal Economia Intervenção do Primeiro-Ministro José Sócrates

Debate Quinzenal Economia Intervenção do Primeiro-Ministro José Sócrates Debate Quinzenal Economia Intervenção do Primeiro-Ministro José Sócrates 11.02.2009 1. A execução da Iniciativa para o Investimento e o Emprego A resposta do Governo à crise económica segue uma linha de

Leia mais

Iniciativa JESSICA. Perguntas Frequentes

Iniciativa JESSICA. Perguntas Frequentes 1 - Como nasceu a iniciativa JESSICA? A iniciativa JESSICA (Joint European Support for Sustainable Investment in City Areas) é um instrumento financeiro promovido pela Comissão Europeia e desenvolvido

Leia mais

POLÍTICA DE PME's Debate promovido pela AIP. 11 Setembro 2007

POLÍTICA DE PME's Debate promovido pela AIP. 11 Setembro 2007 POLÍTICA DE PME's Debate promovido pela AIP 11 Setembro 2007 Durante o 1º trimestre de 2007, o PIB cresceu 2,0% Crescimento do PIB 2,5% 2,0% 1,5% 1,5% 1,7% 2,0% 1,0% 1,1% 1,0% 0,9% 0,5% 0,5% 0,5% 0,0%

Leia mais

Portugal 2020: Investigação e Inovação no domínio da Competitividade e Internacionalização

Portugal 2020: Investigação e Inovação no domínio da Competitividade e Internacionalização Portugal 2020: Investigação e Inovação no domínio da Competitividade e Internacionalização Duarte Rodrigues Vogal da Agência para o Desenvolvimento e Coesão Lisboa, 17 de dezembro de 2014 Tópicos: 1. Portugal

Leia mais

REABILITAÇÃO URBANA E ARRENDAMENTO: OPORTUNIDADES DO NOVO REGIME JURÍDICO. Conferência na Faculdade de Direito da Universidade de Lisboa

REABILITAÇÃO URBANA E ARRENDAMENTO: OPORTUNIDADES DO NOVO REGIME JURÍDICO. Conferência na Faculdade de Direito da Universidade de Lisboa REABILITAÇÃO URBANA E ARRENDAMENTO: OPORTUNIDADES DO NOVO REGIME JURÍDICO Conferência na Faculdade de Direito da Universidade de Lisboa 18 de maio de 2012 Intervenção do Presidente da CIP Minhas Senhoras

Leia mais

INOVAR com SUSTENTABILIDADE ENERGIA IBERO-AMERICANA 2050

INOVAR com SUSTENTABILIDADE ENERGIA IBERO-AMERICANA 2050 INOVAR com SUSTENTABILIDADE ENERGIA IBERO-AMERICANA 2050 Lisboa, 26 de Novembro 2009 1. EFICIÊNCIA ENERGÉTICA 2. MOBILIDADE SUSTENTÁVEL 3. EXPLORAÇÃO & PRODUÇÃO 4. DOUTORAMENTO EM MEIO EMPRESARIAL 5. OPEN

Leia mais

RESUMO DA AVALIAÇÃO DE IMPACTO

RESUMO DA AVALIAÇÃO DE IMPACTO COMISSÃO DAS COMUNIDADES EUROPEIAS Bruxelas, 25.6.2009 SEC(2009) 815 DOCUMENTO DE TRABALHO DOS SERVIÇOS DA COMISSÃO que acompanha a COMUNICAÇÃO DA COMISSÃO AO PARLAMENTO EUROPEU E AO CONSELHO Demonstração

Leia mais

PPEC 2013-2014 Plano de Promoção da Eficiência Energética no Consumo de Energia Eléctrica. Auditoria Energética para Escolas

PPEC 2013-2014 Plano de Promoção da Eficiência Energética no Consumo de Energia Eléctrica. Auditoria Energética para Escolas PPEC 2013-2014 Plano de Promoção da Eficiência Energética no Consumo de Energia Eléctrica Auditoria Energética para Escolas Objectivo da Medida As Auditorias Energéticas para Escolas faz parte de um conjunto

Leia mais

Portugal 2020. Pedro Gomes Nunes. Director Executivo. Lisboa, Fevereiro 2014. www.risa.pt

Portugal 2020. Pedro Gomes Nunes. Director Executivo. Lisboa, Fevereiro 2014. www.risa.pt Pedro Gomes Nunes Director Executivo Lisboa, Fevereiro 2014 RISA - Apresentação ÁREAS DE NEGÓCIO Estudos e Projectos + 20 anos de experiência + 1.500 candidaturas a Fundos Comunitários aprovadas. + 1,6

Leia mais

Projecto Bio-Escola Episódios de uma escola sustentável

Projecto Bio-Escola Episódios de uma escola sustentável Ano lectivo 2011-2012 Projecto Bio-Escola Episódios de uma escola sustentável Concurso do Ano Internacional da Juventude - Inovação/Energias renováveis Escola Secundária Anselmo de Andrade Projecto elaborado

Leia mais

A Estratégia de Lisboa. Plano Tecnológico. e o. Évora, SI@P 17 de Outubro de 2008

A Estratégia de Lisboa. Plano Tecnológico. e o. Évora, SI@P 17 de Outubro de 2008 A Estratégia de Lisboa e o Plano Tecnológico Évora, SI@P 17 de Outubro de 2008 1. Estratégia de Lisboa Estratégia de Lisboa : uma resposta a novos desafios A Globalização e a emergência de novas potências

Leia mais

PRIMAVERA BUSINESS SOFTWARE SOLUTIONS, SA

PRIMAVERA BUSINESS SOFTWARE SOLUTIONS, SA PRIMAVERA BUSINESS SOFTWARE SOLUTIONS, SA Introdução Nesta edição do Catálogo de Serviços apresentamos os vários tipos de serviços que compõe a actual oferta da Primavera na área dos serviços de consultoria.

Leia mais

Programa de trabalho da Presidência Portuguesa para o Conselho Ecofin

Programa de trabalho da Presidência Portuguesa para o Conselho Ecofin Programa de trabalho da Presidência Portuguesa para o Conselho Ecofin A Presidência Portuguesa na área dos Assuntos Económicos e Financeiros irá centrar-se na prossecução de três grandes objectivos, definidos

Leia mais

Não é um sector específico (Pequenas e médias empresas em geral) - Go to 3

Não é um sector específico (Pequenas e médias empresas em geral) - Go to 3 INQUÉRITO EUROPEU DAS PME E O MEIO-AMBIENTE Bem-vindo ao inquérito europeu sobre as PMEs e o meio-ambiente. O questionário deve demorar entre 5-10 minutos para ser concluído. Obrigado! Instituto Tecnológico

Leia mais

Factores Determinantes para o Empreendedorismo. Encontro Empreender Almada 26 de Junho de 2008

Factores Determinantes para o Empreendedorismo. Encontro Empreender Almada 26 de Junho de 2008 Factores Determinantes para o Empreendedorismo Encontro Empreender Almada 26 de Junho de 2008 IAPMEI Instituto de Apoio às PME e à Inovação Principal instrumento das políticas económicas para Micro e Pequenas

Leia mais

PROJECTO DE RESOLUÇÃO Nº 318XII/1ª

PROJECTO DE RESOLUÇÃO Nº 318XII/1ª PROJECTO DE RESOLUÇÃO Nº 318XII/1ª RECOMENDA AO GOVERNO A ADOÇÃO DE MEDIDAS PARA BAIXAR A FATURA DA ELETRICIDADE E DO GÁS E AUMENTAR A COMPETITIVIDADE DA ECONOMIA As políticas energéticas assumem, no contexto

Leia mais

ELECTRICIDADE E SUSTENTABILIDADE O caso das renováveis Intermitentes

ELECTRICIDADE E SUSTENTABILIDADE O caso das renováveis Intermitentes ELECTRICIDADE E SUSTENTABILIDADE LUIS MIRA AMARAL Engenheiro (IST) e Economista (Msc NOVASBE) ORDEM DOS ENGENHEIROS 21 de Setembro de 2015 1 I - O MONSTRO ELECTRICO PORTUGUÊS: EÓLICAS, BARRAGENS, CENTRAIS

Leia mais

Fundos Comunitários. geridos pela Comissão Europeia. M. Patrão Neves. www.mpatraoneves.pt. www.mpatraoneves.pt. www.mpatraoneves.

Fundos Comunitários. geridos pela Comissão Europeia. M. Patrão Neves. www.mpatraoneves.pt. www.mpatraoneves.pt. www.mpatraoneves. Fundos Comunitários geridos pela Comissão Europeia M. Patrão Neves Fundos comunitários: no passado Dependemos, de forma vital, dos fundos comunitários, sobretudo porque somos um dos países da coesão (e

Leia mais

Inscrições e pedido de informações: acege@acege.pt ou 217 941 323

Inscrições e pedido de informações: acege@acege.pt ou 217 941 323 Portugal tem futuro! Liderar com responsabilidade Introdução: A ACEGE em parceria com a CIP e o IAPMEI está a desenvolver o programa Liderar com Responsabilidade, que quer potenciar a acção dos líderes

Leia mais

Dinamizar o Empreendedorismo e promover a Criação de Empresas

Dinamizar o Empreendedorismo e promover a Criação de Empresas Dinamizar o Empreendedorismo e promover a Criação de Empresas À semelhança do que acontece nas sociedades contemporâneas mais avançadas, a sociedade portuguesa defronta-se hoje com novos e mais intensos

Leia mais

SOBRE OS PRESSUPOSTOS SUBJACENTES AO PLANO

SOBRE OS PRESSUPOSTOS SUBJACENTES AO PLANO No âmbito do procedimento de consulta pública do Plano Estratégico de Transportes 2008-2020 (PET), vem a Quercus - Associação Nacional de Conservação da Natureza apresentar o seu parecer. SOBRE OS PRESSUPOSTOS

Leia mais

MAIS JANELAS EFICIENTES

MAIS JANELAS EFICIENTES MAIS JANELAS EFICIENTES MAIS EFICIÊNCIA ENERGÉTICA nos edifícios portugueses TEKTÓNICA 2014 Lisboa 06 de Maio de 2014 1 JANELAS EFICIENTES E A REABILITAÇÃO URBANA 2 JANELAS EFICIENTES E A SUSTENTABILIDADE

Leia mais

Uma forma de reduzir o consumo de combustível. Existe outra! www.ecodrive.org

Uma forma de reduzir o consumo de combustível. Existe outra! www.ecodrive.org Uma forma de reduzir o consumo de combustível Existe outra! ECO-CONDUÇÃO modo de condução eficiente e equipamentos de bordo Aumenta a segurança rodoviária, reduz o consumo de combustível, reduz custos

Leia mais

EDIÇÃO 2011/2012. Introdução:

EDIÇÃO 2011/2012. Introdução: EDIÇÃO 2011/2012 Introdução: O Programa Formação PME é um programa financiado pelo POPH (Programa Operacional Potencial Humano) tendo a AEP - Associação Empresarial de Portugal, como Organismo Intermédio,

Leia mais