INSTRUÇÕES PARA ATENDIMENTO DIFERENCIADO

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "INSTRUÇÕES PARA ATENDIMENTO DIFERENCIADO"

Transcrição

1 Dia Provas Duração* 03/11/2012 (sábado)... Ciências Humanas e suas Tecnologias e Ciências da Natureza e suas Tecnologias... 4h30 04/11/2012 (domingo)... Linguagens, Códigos e suas Tecnologias, Redação e Matemática e suas Tecnologias... 5h30 * Os participantes com atendimento diferenciado terão direito a 1 (uma) hora adicional, exceto nos seguintes casos: lactantes, gestantes, idosos e sabatistas (desde que não possua alguma deficiência, síndromes ou transtornos). (O tempo adicional não está contemplado no horário apresentado acima.) INSTRUÇÕES PARA ATENDIMENTO DIFERENCIADO Em todas as salas para atendimento diferenciado atuarão também Chefes de Sala. No entanto, os Aplicadores Especiais não poderão ser substituídos pelos Chefes de Sala ou pelos Aplicadores convencionais, a não ser que estes possuam o treinamento, a formação profissional e a experiência exigida para o atendimento diferenciado. É importante que os Chefes de Sala que atuarão em tais salas tenham devida ciência desse conjunto de instruções. Esses aplicadores deverão seguir todas as orientações do Manual do Chefe de Sala e do Aplicador, que deverão ser adaptadas quanto ao horário de término das provas para situações com tempo adicional, acrescentando-se 1 hora, e quanto ao horário de retirada da etiqueta do marcador de tempo restante de prova, iniciando-se a retirada da etiqueta às 14h30min (horário oficial de Brasília/DF). Nas salas para o atendimento específico (sabatistas) atuarão apenas Chefes de Sala e Aplicadores convencionais, salvo naquelas em que houver participantes sabatistas que também deverão receber atendimento diferenciado. CHEFE DE SALA É o responsável pelo processo de aplicação em sala. Atribuições Registrar as ocorrências na Ata de sala; receber as provas (cadernos de questões) e acompanhar as mesmas em sala, juntamente com o(s) aplicador(es); fazer a distribuição das provas em sala, no horário predeterminado, juntamente com o(s) aplicador(es); preencher a Lista de Presença/Ata de Sala; fazer a identificação dos participantes, mesa por mesa, coletando a assinatura na lista de presença e preenchendo o requerimento de tempo adicional na declaração de atendimento diferenciado; dar os avisos verbais necessários aos participantes; circular pela sala observando se os preenchimentos obrigatórios dos participantes estão sendo realizados; (cor da prova, transcrição da frase, assinatura nos campos obrigatórios: cartão-resposta, folha de redação e de rascunho e lista de presença); vistoriar todo o material permitido a ser utilizado pelo participante com atendimento diferenciado deferido; preencher o campo Para uso exclusivo do chefe de sala constante no cartão-resposta e declaração de atendimento diferenciado, e auxiliar cada participantes no preenchimento da declaração de atendimento diferenciado ao termino de suas provas. Deverão: APLICADOR ESPECIAL É o aplicador habilitado para aplicação das provas para os participantes que solicitaram atendimento diferenciado. Esta função compreende as atribuições do ledor, intérprete de libras, guia-intérprete de surdocegos e o transcritor. Atribuições: verificar o tipo de atendimento a ser realizado e dispor o mobiliário da sala de acordo com a solicitação do participante; verificar as rotas mais próximas para banheiros e bebedouros; verificar se nessas rotas existem obstáculos a serem removidos e/ou sinalizados; vistoriar todo material permitido a ser utilizado pelo participante com atendimento diferenciado deferido; recepcionar e identificar os participantes; aplicar a prova; e observar se os preenchimentos obrigatórios dos participantes estão sendo realizados: cor da prova, transcrição da frase, assinatura nos campos obrigatórios: cartão-resposta, folha de redação e de rascunho e lista de presença. guardar, obrigatoriamente, no envelope porta-objetos fornecido pelo Consórcio, os aparelhos eletrônicos, inclusive, os celulares. Somente a equipe de coordenação deve portar seus telefones celulares; assinar o Termo de Compromisso sobre Confidencialidade e Frequência, conforme forem chegando. É vedado durante a aplicação das provas: ler provas, jornais e revistas; conversar com os participantes, inclusive, no trajeto ao banheiro; sair do ambiente de prova. Caso o colaborador saia, por qualquer pretexto, não será permitido o seu retorno. Os Aplicadores deverão comportar-se sempre com muita educação e polidez e tratar os participantes de forma isonômica.

2 ATENDIMENTO/SITUAÇÃO Auxílio Ledor Auxílio para transcrição Intérprete Libras Leitura Labial Guia-intérprete Sala de fácil acesso Prova ampliada Prova em Braille Prova do Ledor Sala para lactantes (amamentação) Sala extra Classe hospitalar Sala para sabatistas SITUAÇÃO Baixa visão (sem Ledor e sem Transcritor) Baixa visão (com Transcritor) Baixa visão (com Ledor) Cegueira (com Ledor) Cegueira (com Braille) Surdez (com Tradutor-Intérprete de Libras) DESCRIÇÃO Serviço especializado de leitura da prova para pessoas com deficiência visual, deficiência física, deficiência intelectual, autismo, déficit de atenção ou dislexia. Serviço especializado de preenchimento das provas objetivas e da redação para participantes impossibilitados de escrever ou de preencher o cartão-resposta. Profissional habilitado para mediar a comunicação entre surdos e ouvintes e, no ato da prova, esclarecer dúvidas dos participantes que se comunicam por Libras (Língua Brasileira de Sinais) ou Leitura Labial na compreensão de palavras, expressões e orações escritas em Língua Portuguesa. Tem direito ao uso de dicionários. Serviço de apoio às pessoas com deficiência auditiva que não se comunicam por Libras na compreensão de palavras, expressões e orações escritas em Língua Portuguesa. Tem direito ao uso de dicionários. Profissional especializado em formas de comunicação e técnicas de tradução, interpretação e guia para mediar a interação entre os participantes com surdocegueira, a prova e os demais envolvidos na aplicação do Exame. Local de prova provido de acessibilidade a pessoas com mobilidade reduzida, conforme NBR 9050/2004. Esta sala deve possuir: rota de acesso sem obstáculos: corredores de no mínimo 1,20 m de largura, com rampas ou elevadores amplos (para as pessoas em cadeiras de rodas ou com muletas), escadas com corrimão duplo (para os deficientes visuais); porta com porta de no mínimo 80 cm de largura, sem degraus superiores a 1,5 cm; mobiliário condizente com a necessidade especial do participante; espaço suficiente para garantir, entre as mesas, livre trânsito (corredor) e a rotação das cadeiras de rodas, mantendo uma distância de pelo menos 1,20 m entre as mesas (à frente, atrás e aos lados); boas condições de controle de iluminação e ventilação; proximidade com os banheiros adaptados. Prova impressa com fonte de tamanho 24 e com imagens ampliadas e outras adaptações para facilitar a leitura por parte de pessoas com baixa visão. Prova transcrita segundo um código em relevo destinado a participantes cegos. Instrumento de apoio (adaptado) para a atuação do profissional Ledor que atenderá participantes com deficiência visual ou cegueira. (Ledores em atendimento a participantes com outras necessidades atuarão com provas comuns.) Locais custodiados por aplicadores reservados para a acomodação de crianças em fase de amamentação, acompanhadas de adultos indicados por responsáveis. As salas deverão apresentar condições adequadas para acolher as crianças. O adulto acompanhante deverá obedecer às normas de sigilo e segurança definidas no Edital. Sala reserva prevista para atender excepcionalidades. Por exemplo: acolher participantes com doença infecto-contagiosa. Ambiente em que, no interior das instituições hospitalares ou afins, os pacientes recebem formalmente aulas na condição de estudantes internados para tratamento de saúde. Não são caracterizados como estudantes em classe hospitalar pessoas que, na época da prova, simplesmente estarão internadas para realizar partos, cirurgias ou tratamentos médicos. Salas de aplicação reservadas para os participantes sabatistas, no primeiro dia do Exame. MATERIAL PREVISTO 1 prova ampliada em macrotipo 24, e 1 prova ampliada em macrotipo 24, e 3 provas comum (cor branca no 1º dia e cor cinza no 2ºdia, igual à prova ledor). 2 provas do Ledor (adaptadas), 1 para cada Ledor. 2 provas do Ledor (adaptadas), 1 para cada Ledor. 1 prova em Braille para o participante 2 provas do Ledor (adaptadas), uma para cada Ledor. 2

3 SITUAÇÃO Surdez ou deficiência auditiva (com intérprete para a Leitura Labial) Surdocegueira Deficiente físico (com Transcritor) Deficiente físico (sem auxílio) Deficiente intelectual (com auxílio) Autismo (com auxílio) Dislexia (com auxílio) Déficit de atenção (com auxílio) Lactante Gestante Idoso Lactante, gestante ou idoso com necessidade especial Sabatista (atendimento específico) Sabatista com necessidade especial (atendimento diferenciado) Atendimento diferenciado ou específico não solicitado previamente MATERIAL PREVISTO 1 prova comum da mesma cor utilizada pelos participantes para os Tradutores e Intérpretes 1 prova comum da mesma cor utilizada pelos participantes para os Tradutores e Intérpretes 2 provas do Ledor (adaptadas). (Se houver Ledores: 2 provas da mesma cor da prova do participante para os Ledores.) 1 prova comum por participante 1 prova comum para o participante. 2 provas da mesma cor da prova do participante para os Ledores. 1 prova comum para o participante. 2 provas da mesma cor da prova do participante para os Ledores. 1 prova comum para o participante. 2 provas da mesma cor da prova do participante para os Ledores. 1 prova comum para o participante. 2 provas da mesma cor da prova do participante para os Ledores. Obs: a participante deverá levar um acompanhante, que entrará no local de provas no horário comum a todos os participantes e ficará em local separado e custodiado por 2 aplicadores. Sala, auxílios e recursos conforme o atendimento deferido. Horário de início das provas no sábado: 19 horas (horário oficial de Brasília/DF). O participante deverá entrar no local de provas no horário comum a todos os participantes. Sala, auxílios e recursos conforme o atendimento deferido. Horário de início das provas no sábado: 19 horas (horário oficial de Brasília/DF). O participante deverá entrar no local de provas no horário comum a todos os participantes. Em cada local de aplicação, haverá uma prova ampliada em macrotipo 24 de reserva no material da última sala da escola. O participante que não solicitou previamente a realização das provas como sabatista só poderá realizar suas provas no horário normal. Nos demais casos, o coordenador de aplicação deverá atender as solicitações se houver condições e, se for o caso, entrar em contato com o coordenador municipal ou estadual. Os participantes com atendimento diferenciado terão direito a 1 (uma) hora adicional, exceto nos seguintes casos: lactantes, gestantes, idosos e sabatistas (desde que não possua alguma deficiência, síndromes ou transtornos). Mantidas as exceções acima mencionadas, reitera-se que os participantes com atendimento diferenciado deverão ser devidamente avisados sobre o direito ao tempo adicional. Deficiente Físico Canetas especiais Órteses Próteses Apoio para leitura Apoio de braço Andadores e muletas Deficiente Auditivo e Surdo Aparelhos de amplificação sonora individual (aparelho auditivo). Receptores do implante coclear Deficiente Visual Cegueira e Baixa Visão Máquinas Braille (Perkins, etc.) Reglete/Punção Sorobã ou ábaco Folhas brancas e limpas Caneta de ponta grossa Assinador Régua RECURSOS PERMITIDOS 3 Papel para rascunho Óculos especiais (fumê, escuros, etc.) Lupa (manual, etc.) Lupa com luz (de cabeça, manual, etc.) Telelupa Luminária Tábuas de apoio para leitura Bengala Cão-guia Surdocegueira Todos os recursos permitidos a Deficientes Auditivos e Deficientes Visuais.

4 ORIENTAÇÕES GERAIS O Coordenador de Local de Aplicação, antes da chegada dos participantes, deverá: Definir as rotas até as salas de fácil acesso que deverão estar sem obstáculos (lixeira, vasos, bancos etc.). Os obstáculos fixos ou projetados (orelhões, placas, extintores de incêndio etc.) deverão ser sinalizados, conforme instruções fornecidas no curso de capacitação. Verificar as condições de iluminação de todas as salas e, se necessário, providenciar a colocação ou troca de lâmpadas. Orientar que a sinalização da Unidade de Aplicação seja sempre afixada à altura dos olhos (entre 1,60 e 1,70m do solo). Liberar elevadores, rampas e banheiros para uso das pessoas com deficiência. Verificar as condições dos banheiros e fazer constar na Ata de Coordenação caso não haja banheiros devidamente adequados para o uso de participantes com deficiência. Verificar quais os tipos de mobiliários que devem constar em cada sala redistribuindo, acrescentando ou removendo mesas e cadeiras, de forma a proporcionar condições apropriadas, conforto, segurança e espaços de locomoção dentro da sala. Destinar pelo menos um ledor para recepcionar e orientar os participantes cegos no portão de entrada. Destinar pelo menos um tradutor-intérprete de Libras para recepcionar e orientar os participantes surdos no portão de entrada. Verificar o contingente de aplicadores especiais que atuarão no atendimento diferenciado e alocá-los de acordo com suas especialidades (Ledores, Transcritores, Tradutores-Intérpretes, Guias-Intérpretes), lembrando que tais aplicadores devem possuir capacitação específica, sendo VEDADA a sua atuação em outra função diferente daquela para a que foi capacitado. Se o grupo de aplicadores especiais estiver incompleto, solicitar IMEDIATAMENTE ao Coordenador Municipal a reposição dos aplicadores especiais, obedecendo rigorosamente suas especialidades e os quantitativos necessários. Se, por qualquer motivo, for necessário iniciar a prova sem que as salas possuam aplicadores especiais capacitados nos quantitativos e nos termos exigidos, REGISTRAR NA ATA DE COORDENAÇÃO E SOLICITAR QUE SE REGISTRE NA ATA DA SALA. PROCEDIMENTOS DE ROTINA DE APLICAÇÃO DAS PROVAS CHEFE DE SALA 1. Vistoriar a sala de aplicação. 2. Verificar o tipo de atendimento a ser realizado e dispor o mobiliário da sala de acordo com a solicitação do participante. 3. Verificar se o número de carteiras/participantes da sala é adequado e se as fileiras de carteiras não estão muito próximas. 4. Não deixar a mesa dos aplicadores muito próxima às carteiras. 5. Escrever no quadro da sua sala: Dia 03/11/2012 Dia 04/11/2012 Horário de início: 13h Horário de início: 13h Horário de término: 17h30 Horário de término: 18h30 Com direito a requerer 1h adicional. Com direito a requerer 1h adicional. O participante só poderá levar o seu O participante só poderá levar o seu Caderno de Questões após as 17h (horário Caderno de Questões após as 18h (horário oficial de Brasília/DF) oficial de Brasília/DF) 6. Entregar o porta-objetos, solicitar a guarda dos pertences e lacrá-lo. 7. Receber as provas (cadernos de questões) e acompanhar as mesmas em sala, juntamente com o(s) aplicador(es). Atenção: aproximadamente 15 (quinze) minutos antes do início das provas os Aplicadores receberão em sala o envelope plástico lacrado contendo os Cadernos de Questões, não devendo abri-lo nesse momento. 8. Cinco (5) minutos antes do início do Exame, abrir o envelope plástico que contém os Cadernos de Questões e distribuí-los. 9. Fazer a distribuição das provas em sala, no horário predeterminado, juntamente com o(s) aplicador(es). 10. Explicar ao participante juntamente com o aplicador especial o funcionamento do marcador de tempo afixado na sala. 11. Identificar os participantes mesa por mesa e preencher o requerimento de tempo adicional de todos os participantes na declaração de atendimento diferenciado. 12. Ao término auxiliar no preenchimento da avaliação do atendimento previsto na declaração. ANTES DO INÍCIO DAS PROVAS APLICADOR ESPECIAL 1. Tomar cuidados para que as portas não obstruam os corredores. 2. Verificar as rotas mais próximas para banheiros e bebedouros. 3. Verificar se nessas rotas existem obstáculos a serem removidos e/ou sinalizados, conforme inscrições fornecidas no curso de capacitação. 4. Realizar a identificação dos participantes no INTERIOR DAS SALAS (porque cadeiras ou mesas nos corredores também podem ser classificadas como obstáculos de locomoção). 5. Após a identificação preliminar, conduzir o participante até seu assento e cuidar para que ele esteja devidamente acomodado. O participante Deficiente Intelectual ou com Autismo, ou com Déficit de Atenção, ou com Dislexia poderá escolher o seu assento. 6. Informar ao participante juntamente com o chefe de sala sobre o seu direito uma hora adicional. Os participantes que tenham direito ao atendimento diferenciado deverão ser obrigatoriamente avisados sobre o direito legal a tempo adicional de 60 minutos, por dia de prova. Esse direito deve ser assegurado inclusive a participantes com deficiência auditiva, dislexia, déficit de atenção que, eventualmente, não tenham solicitado auxílio ou recursos de acessibilidade. Estão excluídos dessa regra: participantes grávidas, lactantes e idosos, a não ser aqueles se enquadram nos demais casos de atendimento diferenciado. 7. Informar ao participante verbalmente (ou por meio da Libras, quando for o caso) os horários de início e de término das provas e o tempo de sua duração, considerando inclusive a hora adicional. 8. Pedir ao participante que confira se o envelope de provas está lacrado antes de abri-lo. 9. Verificar se todos os aplicadores especiais possuem os cadernos de provas adequados ao atendimento especializado, caso contrário solicitar imediatamente à Coordenação. 10. Verificar, seguindo as instruções fornecidas no curso de capacitação, se a prova do Ledor (se for o caso) é igual à prova do participante, caso contrário comunicar imediatamente a Coordenação. 11. Imediatamente após a distribuição dos cadernos de questões, dar os avisos constantes no Manual do Chefe de Sala e do Aplicador. 4

5 APLICADOR ESPECIAL Instruções para Atendimento Diferenciado 1º TOQUE DA SIRENE: 13h (horário oficial de Brasília/DF) - INÍCIO DAS PROVAS 1. Perguntar ao participante com auxílio Ledor/Transcritor se ele deseja efetuar a marcação das respostas ao final de cada item ou ao final da prova, da mesma forma se ele deseja fazer a redação no início ou no final da prova. 2. Informar ao participante que ele deve reservar tempo suficiente para preenchimento do Cartão-Resposta. Não será permitido o preenchimento do cartão-resposta fora do tempo de prova (considerando a hora adicional). CHEFE DE SALA DURANTE A REALIZAÇÃO DAS PROVAS 1. Retirar a etiqueta do marcador de tempo, conforme horários abaixo (horário oficial de Brasília). ETIQUETAS DO MARCADOR DE TEMPO Dia 03/11/2012 (sábado) 3. Solicitar ao participante que assine os formulários exigidos (Cartão- Resposta/Folha de Redação, Folha de Rascunho, Lista de Presença e declaração de atendimento diferenciado), acompanhá-lo e, se necessário, auxiliá-lo. 4. Caso o grau de comprometimento do participante o impeça de assinar os documentos citados acima, você deverá auxiliá-lo conforme ensinado no curso de capacitação do atendimento diferenciado. Preencher o formulário relatório de ocorrências (opção: identificação especial) e fazer constar em ata a dificuldade em assinar do participante. Dia 04/11/2012 (domingo) HORÁRIO DE RETIRADA DA ETIQUETA ETIQUETAS DO MARCADOR DE TEMPO 4:30 14h30 5:30 14h30 4:00 15h 5:00 15h 3:30 15h30 4:30 15h30 3:00 16h 4:00 16h 2:30 16h30 3:30 16h30 2:00 17h 3:00 17h 1:30 17h30 2:30 17h30 1:00 17h45 2:00 18h 0:45 18h 1:30 18h30 0:30 18h15 1:00 18h45 0:15 18h30 0:45 19h 0:30 19h15 0:15 19h30 HORÁRIO DE RETIRADA DA ETIQUETA 2. Preencher a Lista de Presença/Ata de Sala. 3. Registrar as ocorrências na Ata de Sala. 4. Circular pela sala observando se os preenchimentos obrigatórios dos participantes estão sendo realizados (cor da prova, transcrição da frase, assinatura nos campos obrigatórios: cartão-resposta, folha de redação e de rascunho e lista de presença). 5. Preencher o requerimento do tempo adicional na declaração de atendimento diferenciado. APLICADOR ESPECIAL 1. Autorizar a ida do participante ao banheiro, um por vez, sempre acompanhado por um aplicador treinado, que deverá proceder conforme técnicas de orientação e mobilidade/atividade da vida diária. 2. Informar o participante do direito de requerer o tempo adicional (exceto nos casos já descritos). 3. Chamar a atenção do participante para o tempo restante de prova, sempre que houver alteração no marcador de tempo. 4. Avisar ao participante quando estiver faltando 30 minutos para o término regular das provas e fazer o mesmo quando faltarem 30 minutos para o término do tempo adicional. CHEFE DE SALA 2º TOQUE DA SIRENE: 18h30 (1º dia) / 19h30 (2º dia) (horário oficial de Brasília/DF) - FIM DAS PROVAS APLICADOR ESPECIAL 1. Recolher o Cartão-Resposta/Folha de Redação, a Folha de Rascunho do participante quando este terminar a prova. 2. O participante poderá levar seu caderno de questões e seus rascunhos desde que saia quando faltar, no máximo, 30 minutos para o término regular das provas. Caso o participante termine suas provas faltando mais de 30 minutos para o horário oficial de término, todo o seu material de prova deverá ser recolhido, inclusive o caderno de questões. 3. Ao término auxiliar no preenchimento da avaliação do atendimento previsto na declaração. CHEFE DE SALA 1. Colocar nos respectivos envelopes, conforme o dia do exame, o cartão-resposta ou cartão-resposta/folha de redação, a folha de rascunho e a lista de presença/ata de sala. 2. Entregar todo o material à coordenação. 1. Solicitar que o participante preencha a avaliação do atendimento recebido na Declaração de Atendimento Diferenciado. 2. Acompanhar o encerramento das atividades. 3. Acompanhar o participante com cegueira ou baixa visão até a saída da escola. 4. Se solicitado, encaminhá-lo a um telefone, seguindo as instruções de segurança. APÓS O TÉRMINO DAS PROVAS APLICADOR ESPECIAL 1. Acompanhar a entrega dos documentos de sala à Coordenação. 5

6 PROCEDIMENTOS ESPECÍFICOS PARA ATENDIMENTO DIFERENCIADO E/OU ESPECÍFICO 1. LEDOR Seguir rigorosamente as técnicas de leitura ensinadas no curso de capacitação para Ledores/Transcritores. Além disso, deverá também: Executar a leitura da prova a partir da capa sempre em dupla e em sala com apenas um participante. No início da prova, situar o participante dizendo-lhe o nome da prova que ele está começando. Observar as instruções para Voz, as Observações, para Preenchimento do Cartão-Resposta e para a Redação. Observar que a prova do Ledor é seu único instrumento de leitura e, por isso, evitar ler na prova do participante. No caso da descrição das figuras, primeiramente, leia o constante na Prova do Ledor, se ainda persistir a dúvida use os recursos táteis e descritivos ensinados durante o curso de capacitação. Observar que o tempo de execução da prova bem como a sequência a ser adotada na leitura das questões são de gerência do participante. Perguntar ao participante se ele deseja efetuar a marcação das respostas ao final de cada item ou ao final da prova, da mesma forma se ele deseja fazer a redação no início ou no final da prova. 2. LEDOR/TRANSCRITOR Seguir rigorosamente as técnicas de transcrição ensinadas no curso de capacitação para Ledores/Transcritores. Além disso, deverá também: Executar a transcrição da prova individualmente e em sala com apenas um participante. No início da prova, situar o participante dizendo-lhe o nome da prova que ele está começando. Observar as instruções para Voz, as Especificidades, para Preenchimento do Cartão-Resposta e para a Redação. Perguntar ao participante se ele deseja efetuar a marcação das respostas ao final de cada questão ou ao final da prova, da mesma forma se ele deseja fazer a redação no início ou no final da prova. Lembrar o participante que ele deve reservar tempo suficiente para preenchimento do Cartão-Resposta/Folha de Redação. Em caso de erro de marcação por parte do Transcritor, solicitar novo Cartão-Resposta/Folha de Redação para a coordenação e atentar-se para recolher novamente a assinatura do participante. O Ledor/Transcritor não terá tempo adicional para preenchimento do Cartão-Resposta/Folha de Redação, exceto se for necessária a substituição do mesmo em caso de erro na transcrição. Registrar na Ata de Sala caso o participante decida preencher ele mesmo o Cartão-Resposta ou a Folha de Redação. Neste caso, o participante tomará para si a responsabilidade pelo preenchimento e não terá direito a solicitar a sua troca em caso de erro. 3. INTÉRPRETE Recepcionar os participantes, dando-lhes seu sinal, nome e função. Ficar atento às orientações do(s) aplicador(es) da sala. Interpretar todos os avisos, informações e leituras realizadas pelo Aplicador da sala. No início da prova, situar o participante dizendo-lhe o nome da prova que ele está começando. Atender à solicitação individual dos participantes para traduzir 6 determinadas palavras ou frases. Esteja bem atento para não influenciar o julgamento do participante. Ficar atento ao sentido figurado que determinadas palavras possam ter em um texto. Ter muito cuidado com a cola. É comum que os participantes surdos se conheçam e, por meio de sinais, eles são capazes de se comunicar perfeitamente. 4. ESPECIFICIDADES Não omitir informação alguma contida na prova. Os sinais gráficos que encerram termos (parênteses, aspas e travessões) devem ser ditos ao abrir e fechar, por exemplo abre parênteses, fecha aspas, etc. No caso de palavra em destaque, lê-la e dizer o tipo de destaque (grifado, negrito, caixa-alta, etc.). Se todo um período estiver destacado, anunciar o destaque antes de proceder à leitura do período. Nas provas em língua portuguesa, ler as palavras estrangeiras nas suas línguas originais e, a pedido do participante, soletrá-las. Nas questões referentes à averiguação de concordância, ortografia, pontuação, acentuação, etc., ler e soletrar as frases minuciosamente. Quando houver asteriscos ou símbolos de referência, ler e informar o que indicam. Se houver algum desenho, descreva-o nos mínimos detalhes (podem ocorrer adaptações previamente feitas em questões com desenhos, gráficos, tabelas, mapas, etc.). 5. VOZ A leitura deve ser clara. Marcar os diálogos com a entonação adequada. Não abaixar o tom da voz no final das palavras ou frases. Dicção Deve ser natural. Enfatizar os parágrafos e respeitar a pontuação. Velocidade Deve ser natural, como se estivesse lendo para um grupo. A leitura não deve ser muito rápida, nem lenta, nem infantil. 6. LETRA A letra do Ledor/Transcritor deve ser legível e de tamanho médio. 7. POSTURA Manter uma boa postura. Não ler com a cabeça baixa. Não colocar a mão no rosto (abafa a voz). Ler de frente para o participante. Evitar ruídos de fundo. Evitar interromper muitas vezes a leitura. Sempre que interromper a leitura, retornar o inicio da frase para garantir o entendimento completo. Repetir, a pedido do participante, quantas vezes forem necessárias, os comandos das questões, os trechos e as opções. Em caso de erro, refazer a leitura do trecho. 8. PREENCHIMENTO DO CARTÃO-RESPOSTA DA PROVA DE MÚLTIPLA ESCOLHA (opções A, B, C, D e E) O participante que não necessita de ajuda, ele mesmo procederá ao preenchimento do Cartão-Resposta normalmente. O participante que não seja deficiente visual e necessita de ajuda para preencher o Cartão-Resposta, o Aplicador deverá fazer o preenchimento posicionando-se ao lado do participante e permitindo que ele acompanhe todas as marcações, como nos

7 exemplos a seguir. Aplicador: questão n.º 1, resposta? Participante: A Aplicador: resposta A, confirma? O aplicador faz a marcação supervisionado pelo participante. Aplicador: questão n.º 2, resposta? Participante: em branco Aplicador: resposta em branco, confirma? O aplicador passa para a questão seguinte. Aplicador: questão n.º 3, resposta? (...) O participante deficiente visual poderá optar por responder cada questão à medida que a prova for sendo lida, ou seguir com a leitura da prova. O aplicador deverá marcar a resposta do participante no Caderno de Questões. A resposta deverá ser confirmada pelo aplicador Ledor. Após a autorização do participante, o aplicador Ledor preenche o Cartão-Resposta. A autorização do participante deve ser feita da seguinte maneira: inicialmente, as respostas foram marcadas no Caderno de Questões. Para conferência, o Aplicador faz o procedimento inverso: lê o que marcou no Caderno de Questões e o participante confere com as suas anotações, se houver. Depois da revisão do participante, o Aplicador preenche o Cartão- Resposta. No caso de prova ampliada, quando necessário, o aplicador Ledor transcreverá as respostas do participante do Caderno de Questões para o Cartão-Resposta. Para conferência, o aplicador ledor lê o que marcou no cartão-resposta e o participante confere com suas anotações. Instruções para Atendimento Diferenciado GLOSSÁRIO DE SÍMBOLOS 9. REDAÇÃO O participante disléxico a sua redação deverá ser corrigida por uma banca especializada. O participante que não possa escrever deverá ditar sua redação pausadamente e indicando o que for necessário (inclusive a ortografia e pontuação) para o Ledor/Transcritor. O Ledor/Transcritor deverá, inicialmente, escrever a redação do participante no espaço destinado ao rascunho da redação e, em seguida, após autorização do participante, transcrevê-lo para a Folha de Redação, sob a supervisão do participante, que indicará qualquer correção a ser feita. O participante deficiente visual frequentemente registra suas respostas em braile ou verbalmente. Quando for verbal, o participante deve ditar pausadamente seu texto para o aplicador Ledor, soletrando, quando solicitado, a grafia das palavras exemplo: palavras com ss, s, c, ç, x, ch, z, g, j, r, rr, etc. - e indicando pontuação, acentuação, parágrafo, aspas, letra maiúscula e minúscula, símbolos, etc. Para não gerar dúvidas ao participante, não perguntar se escreve com uma letra ou outra, o tamanho do parágrafo, o número máximo e mínimo de linhas redigidas, pois ele deve saber as normas da prova de Redação. A transcrição do texto deve ser feita, preferencialmente, no espaço destinado ao rascunho da redação. O aplicador Ledor primeiramente deverá ler o texto do rascunho, que deverá ser conferido pelo participante. Com a aprovação do participante deficiente visual, transcrever o texto para a Folha de Redação. A letra do ledor/transcritor deve ser legível e de tamanho médio. Caso haja erro do ledor/transcritor na transcrição, proceder de acordo com as instruções da folha de redação. Se necessário, solicitar a substituição do cartão-resposta/folha de redação. No caso de prova ampliada, o participante deficiente visual recebe sua Folha de Redação, dispensando, usualmente, a transcrição por parte do aplicador Ledor. 7

8 GLOSSÁRIO DE LETRAS GREGAS GLOSSÁRIO DE SÍMBOLOS/ELEMENTOS QUÍMICOS 8

9 EXEMPLOS DE MATERIAIS UTILIZADOS POR DEFICIENTES VISUAIS DEFICIENTE VISUAL CEGO Bengala Sorobã É um tipo de ábaco adaptado, que serve para montar as operações para cálculos matemáticos. Esse aparelho substitui o papel e a caneta na execução de cálculos. Reglete e punção O reglete é uma régua para escrita em Braille por meio da marcação de pontos em relevo com a utilização do punção. Máquina Braille Perkins É uma máquina de escrever que substitui a reglete na escrita em Braille. DEFICIENTE VISUAL BAIXA VISÃO Telelupa Óculos especiais Lupa sem luz Lupa com luz Lupa horizontal Lupa com luz As pessoas com baixa visão podem usar durante as provas uma variedade de lupas e telelupas que ampliam os caracteres das provas. DEFICIENTE FÍSICO Os deficientes físicos podem usar durante a prova uma variedade de órteses. 9

10 MODELO DE FORMULÁRIO DECLARAÇÃO DE ATENDIMENTO DIFERENCIADO 10

O atendimento diferenciado no ENEM

O atendimento diferenciado no ENEM Ministério da Educação Instituto Nacional de Estudos e Pesquisas Educacionais Anísio Teixeira Diretoria de Avaliação da Educação Básica O atendimento diferenciado no ENEM A promoção dos direitos das pessoas

Leia mais

MANUAL DE ORIENTAÇÃO PARA SOLICITAÇÃO DE SERVIÇOS E RECURSOS DE ACESSIBILIDADE POR CANDIDATOS COM DEFICIÊNCIA E OUTRAS CONDIÇÕES ESPECIAIS COMPERVE

MANUAL DE ORIENTAÇÃO PARA SOLICITAÇÃO DE SERVIÇOS E RECURSOS DE ACESSIBILIDADE POR CANDIDATOS COM DEFICIÊNCIA E OUTRAS CONDIÇÕES ESPECIAIS COMPERVE UNIVERSIDADE FEDERAL DO RIO GRANDE DO NORTE UFRN NÚCLEO PERMANENTE DE CONCURSOS COMPERVE COMISSÃO PERMANENTE DE APOIO A ESTUDANTES COM NECESSIDADES EDUCACIONAIS ESPECIAIS CAENE MANUAL DE ORIENTAÇÃO PARA

Leia mais

RECOMENDAÇÕES PARA A ACESSIBILIDADE EM ETAPAS DA 2 CONFERÊNCIA NACIONAL DE JUVENTUDE

RECOMENDAÇÕES PARA A ACESSIBILIDADE EM ETAPAS DA 2 CONFERÊNCIA NACIONAL DE JUVENTUDE RECOMENDAÇÕES PARA A ACESSIBILIDADE EM ETAPAS DA 2 CONFERÊNCIA NACIONAL DE JUVENTUDE Este documento foi organizado pela Comissão Organizadora Nacional (CON) da 2 Conferência Nacional de Políticas Públicas

Leia mais

MANUAL DO CANDIDATO. Concurso Público n.º 01/2015. Estado de Santa Catarina MUNICÍPIO DE IOMERÊ

MANUAL DO CANDIDATO. Concurso Público n.º 01/2015. Estado de Santa Catarina MUNICÍPIO DE IOMERÊ MANUAL DO CANDIDATO Concurso Público n.º 01/2015 Estado de Santa Catarina MUNICÍPIO DE IOMERÊ Orientações e Instruções para a Realização das Provas 1. Do horário de comparecimento para a realização das

Leia mais

FORMAS DE COMUNICAÇÃO

FORMAS DE COMUNICAÇÃO FORMAS DE COMUNICAÇÃO Surdocegos usam diferentes formas de comunicação. As formas utilizadas por cada pessoa vai depender do grau de perda sensorial (visão/audição) e da capacidade de utilizar a forma

Leia mais

UNIVERSIDADE FEDERAL DO RIO DE JANEIRO CONCURSOS PÚBLICOS ROTEIRO DO FISCAL DE SALA

UNIVERSIDADE FEDERAL DO RIO DE JANEIRO CONCURSOS PÚBLICOS ROTEIRO DO FISCAL DE SALA INSTRUÇÕES: 1. Os fiscais de sala são os responsáveis pela guarda de todo o material de aplicação recebido e utilizado na sala de prova, não devendo afastar-se do mesmo, principalmente do envelope cinza

Leia mais

UNIVERSIDADE FEDERAL DE PELOTAS COORDENAÇÃO DE PROCESSOS DE SELEÇÃO E INGRESSO PAVE EDITAL 053/2015 04/10/2015 INSTRUÇÕES PARA O DIA DA PROVA

UNIVERSIDADE FEDERAL DE PELOTAS COORDENAÇÃO DE PROCESSOS DE SELEÇÃO E INGRESSO PAVE EDITAL 053/2015 04/10/2015 INSTRUÇÕES PARA O DIA DA PROVA UNIVERSIDADE FEDERAL DE PELOTAS COORDENAÇÃO DE PROCESSOS DE SELEÇÃO E INGRESSO PAVE EDITAL 053/2015 04/10/2015 INSTRUÇÕES PARA O DIA DA PROVA ! UNIVERSIDADE FEDERAL DE PELOTAS COORDENAÇÃO DE PROCESSOS

Leia mais

X Conferência Nacional de Assistência Social INFORME CNAS Nº 03/2015

X Conferência Nacional de Assistência Social INFORME CNAS Nº 03/2015 X Conferência Nacional de Assistência Social INFORME CNAS Nº 03/2015 Recomendações aos Conselhos para garantir a acessibilidade nas Conferências de Assistência Social Ranieri Braga - Informes Conselho

Leia mais

M A N U A L DOS C OORDEN A D OR ES

M A N U A L DOS C OORDEN A D OR ES 1. INTRODUÇÃO O Exame Nacional do Ensino Médio (ENEM) é constituído por quatro provas objetivas que abrangem as várias áreas de conhecimento em que se organizam as atividades pedagógicas da escolaridade

Leia mais

SERVIÇO PÚBLICO FEDERAL MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO UNIVERSIDADE FEDERAL DE UBERLÂNDIA Pró-Reitoria de Graduação Diretoria de Processos Seletivos

SERVIÇO PÚBLICO FEDERAL MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO UNIVERSIDADE FEDERAL DE UBERLÂNDIA Pró-Reitoria de Graduação Diretoria de Processos Seletivos REQUERIMENTO DE ATENDIMENTO ESPECIAL PARA REALIZAÇÃO DAS PROVAS Este formulário destina-se aos candidatos que necessitam de condições especiais para a realização das provas do Processo Seletivo 2015-2

Leia mais

UNIVERSIDADE POSITIVO (UP) DEPARTAMENTO DE PROCESSOS SELETIVOS (DPS) EDITAL N o 372 de 07/10/2015 Vagas remanescentes

UNIVERSIDADE POSITIVO (UP) DEPARTAMENTO DE PROCESSOS SELETIVOS (DPS) EDITAL N o 372 de 07/10/2015 Vagas remanescentes UNIVERSIDADE POSITIVO (UP) DEPARTAMENTO DE PROCESSOS SELETIVOS (DPS) COMISSÃO DE PROCESSO SELETIVO CPS VESTIBULAR 2016 DIA FIXO 21/11/2015 (P4a) MODALIDADE EDUCAÇÃO À DISTÂNCIA FORMATO DE OFERTA: SEMIPRESENCIAL

Leia mais

PROCESSO SELETIVO EAD DEZEMBRO 2013-09/12/2012

PROCESSO SELETIVO EAD DEZEMBRO 2013-09/12/2012 PROCESSO SELETIVO EAD DEZEMBRO 2013-09/12/2012 Calendário Processo de Dezembro Inscrições na internet: até dia 06/12/2012 Data da Prova: 09/12/2012 Resultado: 19/12/2012 Matrículas: 19/12/2012 a 01/02/2013

Leia mais

SAERJINHO 2015 MANUAL DO DIRETOR

SAERJINHO 2015 MANUAL DO DIRETOR SAERJINHO 2015 MANUAL DO DIRETOR Apresentação /// Sistema de Avaliação da Educação do Estado do Rio de Janeiro Prezado(a) Diretor(a) A prática da avaliação caracteriza-se como um instrumento investigativo

Leia mais

PROGRAMA JOVENS TALENTOS PARA A CIÊNCIA (PJT IC) ORIENTAÇÕES GERAIS

PROGRAMA JOVENS TALENTOS PARA A CIÊNCIA (PJT IC) ORIENTAÇÕES GERAIS PROGRAMA JOVENS TALENTOS PARA A CIÊNCIA (PJT IC) ORIENTAÇÕES GERAIS 1 - DAS DISPOSIÇÕES PRELIMINARES 1.1 O Programa Bolsa Jovens Talentos para a Ciência (PJT- IC) tem como objetivo proporcionar a formação

Leia mais

Orientações: aplicadores especiais IFMG

Orientações: aplicadores especiais IFMG MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO SECRETARIA DE EDUCAÇÃO PROFISSIONAL E TECNOLÓGICA INSTITUTO FEDERAL DE EDUCAÇÃO, CIÊNCIA E TECNOLOGIA DE MINAS GERAIS PRO REITORIA DE ENSINO Av. Professor Mario Werneck, nº 2590,

Leia mais

Manual de Suporte para Candidatos com Necessidades Especiais

Manual de Suporte para Candidatos com Necessidades Especiais Manual de Suporte para Candidatos com Necessidades Especiais INSTRUÇÕES DE PREENCHIMENTO O preenchimento dos formulários de solicitação é essencial para a liberação das acomodações especiais. Abaixo, algumas

Leia mais

EA 2015 ENEM EM REVISTA ACESSIBILIDADE. Tema 1

EA 2015 ENEM EM REVISTA ACESSIBILIDADE. Tema 1 EA 2015 ENEM EM REVISTA ACESSIBILIDADE Tema 1 ACESSIBILIDADE Direito de todos, responsabilidade de cada um! Fonte:www.gazetadailha.com.br Vamos dar início à Unidade 4, que trata da questão da acessibilidade

Leia mais

1.7.3 NÃO submeterá a terceiros a correção da prova. 1.7.4 Repassará as notas das avaliações única e exclusivamente para o PPgS/UFJF.

1.7.3 NÃO submeterá a terceiros a correção da prova. 1.7.4 Repassará as notas das avaliações única e exclusivamente para o PPgS/UFJF. O CURSO FREEWAY no exercício de suas atribuições, conforme solicitado pelo Programa de Pós-Graduação em Saúde da Faculdade de Medicina da Universidade Federal de Juiz de Fora (UFJF) em 18 de dezembro de

Leia mais

DOCUMENTO ORIENTADOR DA EDUCAÇÃO ESPECIAL NA REDE MUNICIPAL DE ENSINO DE FLORIANÓPOLIS

DOCUMENTO ORIENTADOR DA EDUCAÇÃO ESPECIAL NA REDE MUNICIPAL DE ENSINO DE FLORIANÓPOLIS DOCUMENTO ORIENTADOR DA EDUCAÇÃO ESPECIAL NA REDE MUNICIPAL DE ENSINO DE FLORIANÓPOLIS A Educação Especial da Rede Municipal de Ensino de Florianópolis/SC visa garantir as condições de o aluno, com deficiência

Leia mais

Política Nacional de Educação Especial, na perspectiva da Educação Inclusiva (2008)

Política Nacional de Educação Especial, na perspectiva da Educação Inclusiva (2008) Política Nacional de Educação Especial, na perspectiva da Educação Inclusiva (2008) Público-alvo da Educação Especial Alunos com: surdez deficiência física, intelectual cegueira, baixa visão, surdocegueira

Leia mais

TODAS AS PERGUNTAS DEVEM SER RESPONDIDAS COMPLETAMENTE REQUERIMENTOS INCOMPLETOS SERÃO DEVOLVIDOS. Sobrenome Nome. Endereço Ap.

TODAS AS PERGUNTAS DEVEM SER RESPONDIDAS COMPLETAMENTE REQUERIMENTOS INCOMPLETOS SERÃO DEVOLVIDOS. Sobrenome Nome. Endereço Ap. Nº ident. Data de recebimento Protocolo eletrônico Arquivo completo / Rubrica DISTRITO DE TRANSPORTE PÚBLICO DA GRANDE HARTFORD ADA (Lei de Apoio a Americanos com Deficiência) REQUERIMENTO PARA TRANSPORTE

Leia mais

MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO UNIVERSIDADE FEDERAL DE VIÇOSA. COLÉGIO DE APLICAÇÃO CAp-COLUNI EDITAL DO EXAME DE SELEÇÃO 2016

MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO UNIVERSIDADE FEDERAL DE VIÇOSA. COLÉGIO DE APLICAÇÃO CAp-COLUNI EDITAL DO EXAME DE SELEÇÃO 2016 MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO UNIVERSIDADE FEDERAL DE VIÇOSA COLÉGIO DE APLICAÇÃO CAp-COLUNI EDITAL DO EXAME DE SELEÇÃO 2016 Estarão abertas, das 9h00min do dia 18 de setembro de 2015 às 18h00min do dia 20 de

Leia mais

PROVA UNIJUÍ. Locais de Realização da Prova Câmpus/Polo Ijuí, Câmpus Santa Rosa, Câmpus Panambi e Câmpus Três Passos.

PROVA UNIJUÍ. Locais de Realização da Prova Câmpus/Polo Ijuí, Câmpus Santa Rosa, Câmpus Panambi e Câmpus Três Passos. PROVA UNIJUÍ Data 08 de fevereiro de 2015 (domingo) Modalidades e Horários Cursos EaD Prova da Unijuí (Redação) Início às 8h30min e término às 11h30min. Cursos Presenciais Prova da Unijuí (Redação e 40

Leia mais

Educação Especial. 5. O que é a Sala de Recursos Multifuncionais?

Educação Especial. 5. O que é a Sala de Recursos Multifuncionais? Educação Especial 1. Qual a definição de pessoa com deficiência? De acordo com a ONU, pessoa com deficiência é aquela que tem impedimentos de natureza física, intelectual ou sensorial, os quais, em interação

Leia mais

Avaliação ocupacional da pessoa. Renata Pavão Moreira Médica do trabalho Reunião Científica APAMT - 25/10/2014

Avaliação ocupacional da pessoa. Renata Pavão Moreira Médica do trabalho Reunião Científica APAMT - 25/10/2014 Avaliação ocupacional da pessoa com deficiência -casos práticos Renata Pavão Moreira Médica do trabalho Reunião Científica APAMT - 25/10/2014 Papel do médico do trabalho Análise enquadramento Adaptações

Leia mais

Dicas de relacionamento com as pessoas com deficiência

Dicas de relacionamento com as pessoas com deficiência Dicas de relacionamento com as pessoas com deficiência Respeito à Diversidade Devemos respeitar as pessoas exatamente como elas são. O respeito à diversidade humana é o primeiro passo para construirmos

Leia mais

Conhecendo o Aluno Surdo e Surdocego

Conhecendo o Aluno Surdo e Surdocego I - [FICHA DE AVALIAÇÃO SOBRE O ALUNO SURDO E/OU COM DEFICIÊNCIA AUDITIVA] Usar letra de forma É importante considerarmos que o aluno surdo da Rede Municipal de Ensino do Rio de Janeiro possui características

Leia mais

1 - DAS INSCRIÇÕES. 1.4 Portadores de necessidades especiais:

1 - DAS INSCRIÇÕES. 1.4 Portadores de necessidades especiais: 1 - DAS INSCRIÇÕES Cursos de Arquitetura e Urbanismo noturno, Administração noturno, Administração vespertino, Biomedicina noturno, Ciências Biológicas Bacharelado noturno, Ciências Biológicas Licenciatura

Leia mais

VESTIBULAR TEMPORÃO JULHO DE 2010 ESCOLA SUPERIOR EM MEIO AMBIENTE

VESTIBULAR TEMPORÃO JULHO DE 2010 ESCOLA SUPERIOR EM MEIO AMBIENTE VESTIBULAR TEMPORÃO JULHO DE 2010 ESCOLA SUPERIOR EM MEIO AMBIENTE FUNDAÇÃO EDUCACIONAL VALE DO SÃO FRANCISCO - faz saber aos interessados que estarão abertas, no período de 01 de julho a 17 de julho de

Leia mais

Dicas de relacionamento com as pessoas com deficiência

Dicas de relacionamento com as pessoas com deficiência Dicas de relacionamento com as pessoas com deficiência Respeito à Diversidade A INFORMAÇÃO é fundamental para vencermos as barreiras do preconceito e da discriminação. Ao buscarmos a INFORMAÇÃO, exercitamos

Leia mais

1.4. Cada candidato poderá concorrer a apenas uma das vagas ofertadas neste Edital e deverá usar o próprio CPF para inscrição.

1.4. Cada candidato poderá concorrer a apenas uma das vagas ofertadas neste Edital e deverá usar o próprio CPF para inscrição. UNIVERSIDADE FEDERAL DO CEARÁ COORDENADORIA DE CONCURSOS CCV Edital Nº 03/2014/CCV Regulamenta o Teste de Nível das Casas de Cultura Estrangeira, para o período 2014.2. A Presidente da Coordenadoria de

Leia mais

FACULDADES INTEGRADAS DA UNIÃO EDUCACIOANAL DO PLANALTO CENTRAL CURSO DE ODONTOLOGIA PROVA INSTITUCIONAL DO CURSO DE ODONTOLOGIA DA FACILAC

FACULDADES INTEGRADAS DA UNIÃO EDUCACIOANAL DO PLANALTO CENTRAL CURSO DE ODONTOLOGIA PROVA INSTITUCIONAL DO CURSO DE ODONTOLOGIA DA FACILAC FACULDADES INTEGRADAS DA UNIÃO EDUCACIOANAL DO PLANALTO CENTRAL CURSO DE ODONTOLOGIA PROVA INSTITUCIONAL DO CURSO DE ODONTOLOGIA DA FACILAC Portaria Provisória nº 01, de 20 de dezembro de 2011 Institui

Leia mais

ENADE 2014. 7 - ATENDIMENTO ESPECIAL PARA REALIZAÇÃO DA PROVA...Pag. 07 8 - PREENCHIMENTO DO QUESTIONÁRIO DO ESTUDANTE...Pag. 07

ENADE 2014. 7 - ATENDIMENTO ESPECIAL PARA REALIZAÇÃO DA PROVA...Pag. 07 8 - PREENCHIMENTO DO QUESTIONÁRIO DO ESTUDANTE...Pag. 07 ENADE 2014 SUMÁRIO 1 - APRESENTAÇÃO...Pag. 02 2 - PROCEDIMENTOS OBRIGATÓRIOS PARA ALUNOS INGRESSANTES... Pag. 02 3 - PROCEDIMENTOS OBRIGATÓRIOS PARA ALUNOS CONCLUINTES... Pag. 03 4 - OFICIALIZAÇÃO DA PARTICIPAÇÃO

Leia mais

PROCESSO SELETIVO SENAI 02/2013 INTERNO

PROCESSO SELETIVO SENAI 02/2013 INTERNO PROCESSO SELETIVO 02/2013 INTERNO O Serviço Nacional de Aprendizagem Industrial, Departamento Regional da Paraíba, torna pública a realização do Processo Seletivo Nº 02/2013 INTERNO destinado a selecionar

Leia mais

Projeto de Lei n.º 013/2015

Projeto de Lei n.º 013/2015 [ Página n.º 1 ] ESTABELECE NORMAS DE ATENDIMENTO AO PÚBLICO E ADEQUAÇÃO DE AMBIENTES DE ESTABELECIMENTOS BANCÁRIOS NO ÂMBITO DO MUNICÍPIO DE CASTANHEIRA-MT, E DÁ OUTRAS PROVIDÊNCIAS. A PREFEITA MUNICIPAL

Leia mais

Exame Nacional do Ensino Médio 2011 INSTRUÇÕES PARA ATENDIMENTO DIFERENCIADO E/OU ESPECÍFICO

Exame Nacional do Ensino Médio 2011 INSTRUÇÕES PARA ATENDIMENTO DIFERENCIADO E/OU ESPECÍFICO As instruções a seguir tratam apenas de orientações específicas para cada tipo de atendimento diferenciado e/ou específico, e devem ser seguidas pelos aplicadores especiais. Em todas as salas para atendimento

Leia mais

REQUISITOS E CONSIDERAÇÕES GERAIS REF. NBR 13434 DA ABNT

REQUISITOS E CONSIDERAÇÕES GERAIS REF. NBR 13434 DA ABNT ELABORAÇÃO E APRESENTAÇÃO DE PROJETOS DE SINALIZAÇÃO DE EMERGÊNCIA JUNTO A DGST REQUISITOS E CONSIDERAÇÕES GERAIS REF. NBR 13434 DA ABNT ANÁLISE E VISTORIA DOS SISTEMAS DE SINALIZAÇÃO DE EMERGÊNCIA Objetivo

Leia mais

Dispositivos e Adaptações ANTONIO BORGES

Dispositivos e Adaptações ANTONIO BORGES Dispositivos e Adaptações ANTONIO BORGES Há uma imensa quantidade de dispositivos tecnológicos que podem ser usados para auxiliar um deficiente visual e inseri lo no processo escolar. Os dispositivos mais

Leia mais

EDITAL DO PROCESSO SELETIVO

EDITAL DO PROCESSO SELETIVO CURSO DE APRENDIZAGEM INDUSTRIAL CANDIDATOS FORMALMENTE ENCAMINHADOS POR EMPRESAS CONTRIBUINTES DO SENAI-SP 1SEM15 EDITAL DO PROCESSO SELETIVO 1. Das Inscrições 1.1 As inscrições para o processo seletivo

Leia mais

Atendimento Educacional Especializado - AEE

Atendimento Educacional Especializado - AEE Atendimento Educacional Especializado - AEE Segundo o texto da Política de Educação Especial, na Perspectiva Inclusiva SEESP/MEC; 01/2008 Educação Especial É uma modalidade de ensino que perpassa todos

Leia mais

Município de Ascurra (Processo Seletivo 03/2013) Data: 19/01/2014 GABARITO OFICIAL

Município de Ascurra (Processo Seletivo 03/2013) Data: 19/01/2014 GABARITO OFICIAL Município de Ascurra (Processo Seletivo 03/2013) Data: 19/01/2014 CARGO Crecheiras (71) GABARITO OFICIAL QUESTÃO ALTERNATIVA CORRETA 01 B 02 C 03 B 04 A 05 C 06 B 07 C 08 C 09 B 10 D 11 B 12 D 13 A 14

Leia mais

Agrupamento de Escolas e Jardins de Infância D. Lourenço Vicente. Escola Básica com JI de Ribamar. Provas e Exames do Ensino Básico 2013

Agrupamento de Escolas e Jardins de Infância D. Lourenço Vicente. Escola Básica com JI de Ribamar. Provas e Exames do Ensino Básico 2013 Agrupamento de Escolas e Jardins de Infância D. Lourenço Vicente Escola Básica com JI de Ribamar Provas e Exames do Ensino Básico 2013 Instruções para Professores Vigilantes e Coadjuvantes A função de

Leia mais

ATENDIMENTO EDUCACIONAL ESPECIALIZADO. Marizete Almeida Müller

ATENDIMENTO EDUCACIONAL ESPECIALIZADO. Marizete Almeida Müller ATENDIMENTO EDUCACIONAL ESPECIALIZADO ATENDIMENTO EDUCACIONAL ESPECIALIZADO AEE Segundo a Política Nacional de Educação Especial, na Perspectiva Inclusiva - SEESP/MEC (2008) CONCEITO É um serviço da educação

Leia mais

REGIÃO AUTÓNOMA DA MADEIRA GOVERNO REGIONAL SECRETARIA REGIONAL DA EDUCAÇÃO E RECURSOS HUMANOS

REGIÃO AUTÓNOMA DA MADEIRA GOVERNO REGIONAL SECRETARIA REGIONAL DA EDUCAÇÃO E RECURSOS HUMANOS GOVERNO REGIONAL SECRETARIA REGIONAL DA EDUCAÇÃO E RECURSOS HUMANOS Escola Básica dos 2º e 3º Ciclos do Estreito de Câmara de Lobos N.º do Código do Estabelecimento de Ensino 3102-202 Nº de Telefone: 291945614/15

Leia mais

Total de Vagas. Autorizado pela Resolução CONSUNI, nº 05/2012 de 13.07.2012 Autorizado pela Resolução CONSUNI, nº 05/2012 de 13.07.

Total de Vagas. Autorizado pela Resolução CONSUNI, nº 05/2012 de 13.07.2012 Autorizado pela Resolução CONSUNI, nº 05/2012 de 13.07. De acordo com a Lei nº 9.394 de 20/12/96 e o Regimento Geral, a Reitora da Universidade Salvador - UNIFACS, no uso de suas atribuições, torna pública a abertura das inscrições do Processo Seletivo Agendado

Leia mais

AGRUPAMENTO PROFESSOR ÓSCAR LOPES - MATOSINHOS. Provas finais de Ciclo do Ensino Básico 2014

AGRUPAMENTO PROFESSOR ÓSCAR LOPES - MATOSINHOS. Provas finais de Ciclo do Ensino Básico 2014 AGRUPAMENTO PROFESSOR ÓSCAR LOPES - MATOSINHOS Provas finais de Ciclo do Ensino Básico 2014 PROFESSOR VIGILANTE As seguintes instruções são um resumo da Norma 2/JNE/2014, não dispensando, porém a leitura

Leia mais

NOTA TÉCNICA 25/2015 REQUISITOS LEGAIS UNIDADE 1. Roberta Muriel

NOTA TÉCNICA 25/2015 REQUISITOS LEGAIS UNIDADE 1. Roberta Muriel NOTA TÉCNICA 25/2015 REQUISITOS UNIDADE 1 Roberta Muriel Objetivo: Orientar sobre como cada requisito deve ser tratado pela IES e pelos avaliadores. A IES deve: Manifestar-se e apresentar informações sobre

Leia mais

UNIVERSIDADE DE BRASÍLIA PROGRAMA DE PÓS-GRADUAÇÃO EM TECNOLOGIAS QUÍMICA E BIOLÓGICA

UNIVERSIDADE DE BRASÍLIA PROGRAMA DE PÓS-GRADUAÇÃO EM TECNOLOGIAS QUÍMICA E BIOLÓGICA UNIVERSIDADE DE BRASÍLIA PROGRAMA DE PÓS-GRADUAÇÃO EM TECNOLOGIAS QUÍMICA E BIOLÓGICA EDITAL N o. 1/2012 SELEÇÃO DE CANDIDATOS ÀS VAGAS DO PROGRAMA DE PÓS- GRADUAÇÃO EM TECNOLOGIAS QUÍMICA E BIOLÓGICA

Leia mais

1.1. Prever que o edital do processo seletivo tenha as seguintes adaptações:

1.1. Prever que o edital do processo seletivo tenha as seguintes adaptações: MANUAL DE PROCEDIMENTOS ACESSIVEIS PARA PROCESSOS SELETIVOS E CONCURSOS Esse texto tem o objetivo de orientar os processos seletivos institucionais, visando resguardar condições mínimas 1 de acessibilidade.

Leia mais

FABEL- FACULDADE DE BELÉM EDITAL DO PROCESSO SELETIVO COMPLEMENTAR 2010.1

FABEL- FACULDADE DE BELÉM EDITAL DO PROCESSO SELETIVO COMPLEMENTAR 2010.1 FABEL- FACULDADE DE BELÉM EDITAL DO PROCESSO SELETIVO COMPLEMENTAR 2010.1 O Diretor da FABEL FACULDADE DE BELÉM, Instituição autorizada a funcionar pela Portaria Ministerial nº. 675 de 17 de março de 2004,

Leia mais

PREFEITURA MUNICIPAL DE TERESINA PMT SECRETARIA MUNICIPAL DE ADMINISTRAÇÃO E RECURSOS HUMANOS SEMA

PREFEITURA MUNICIPAL DE TERESINA PMT SECRETARIA MUNICIPAL DE ADMINISTRAÇÃO E RECURSOS HUMANOS SEMA 0 PREFEITURA MUNICIPAL DE TERESINA PMT SECRETARIA MUNICIPAL DE ADMINISTRAÇÃO E RECURSOS HUMANOS SEMA EDITAL DE SELEÇÃO PARA BOLSAS DO PROGRAMA SERVIDOR UNIVERSITÁRIO 2011 A Secretaria Municipal de Administração

Leia mais

Deficiência Visual. Profa Me Luciana Andrade Rodrigues Faculdades COC

Deficiência Visual. Profa Me Luciana Andrade Rodrigues Faculdades COC Deficiência Visual Profa Me Luciana Andrade Rodrigues Faculdades COC DEFINIÇÕES A cegueira é uma alteração grave ou total de uma ou mais funções da visão. Pode ser congênita ou adquirida. EDUCAÇÃO: cego

Leia mais

EDITAL DE PROCESSO SELETIVO PROGRAMA JOVEM APRENDIZ

EDITAL DE PROCESSO SELETIVO PROGRAMA JOVEM APRENDIZ EDITAL DE PROCESSO SELETIVO PROGRAMA JOVEM APRENDIZ A Petróleo Brasileiro S/A - PETROBRAS, CNPJ nº 33.000.167/0001-01, com base na Lei n 10.097/2000 e no Decreto n 5.598/2005, torna pública a realização

Leia mais

HELP DE UTILIZAÇÃO DO SISTEMA ONLINE DOCTOR/SBOT PARA SECRETÁRIAS

HELP DE UTILIZAÇÃO DO SISTEMA ONLINE DOCTOR/SBOT PARA SECRETÁRIAS HELP DE UTILIZAÇÃO DO SISTEMA ONLINE DOCTOR/SBOT PARA SECRETÁRIAS 1 - A TELA AGENDA 1.1 - TIPOS DE AGENDA 1.1.1 AGENDA NORMAL 1.1.2 AGENDA ENCAIXE 2 - AGENDANDO CONSULTAS 2.1 - AGENDANDO UMA CONSULTA NA

Leia mais

PROJETO. Banheiros e Vestiário VISTA SUPERIOR VISTA SUPERIOR VISTA SUPERIOR

PROJETO. Banheiros e Vestiário VISTA SUPERIOR VISTA SUPERIOR VISTA SUPERIOR PROJETO Vaso sanitário e lavatório Medidas das áreas de aproximação Banheiros e Vestiário VISTA SUPERIOR VISTA SUPERIOR VISTA SUPERIOR Área para estacionamento da cadeira, para posteior transferência.

Leia mais

PROCESSO SELETIVO PARA CONTRATAÇÃO DE PESSOAL EM CARÁTER TEMPORÁRIO PARA ATUAR NO MAGISTÉRIO PÚBLICO MUNICIPAL EDITAL Nº 02/2013

PROCESSO SELETIVO PARA CONTRATAÇÃO DE PESSOAL EM CARÁTER TEMPORÁRIO PARA ATUAR NO MAGISTÉRIO PÚBLICO MUNICIPAL EDITAL Nº 02/2013 PROCESSO SELETIVO PARA CONTRATAÇÃO DE PESSOAL EM CARÁTER TEMPORÁRIO PARA ATUAR NO MAGISTÉRIO PÚBLICO MUNICIPAL EDITAL Nº 02/2013 NOME DO CANDIDATO: Nº DE INSCRIÇÃO: CARGO: INTÉRPRETE DE LIBRAS PROCESSO

Leia mais

Manual do Professor Aplicador

Manual do Professor Aplicador 1. O Simulado DF O Simulado DF está inserido no Programa Por dentro dos Exames do Ensino Médio e tem como objetivo possibilitar aos s verificarem suas potencialidades e fragilidades quanto ao desempenho

Leia mais

Secretariado de exames. Normas para os Professores Vigilantes

Secretariado de exames. Normas para os Professores Vigilantes Secretariado de exames Normas para os Professores Vigilantes Nota: Nos termos do ponto 5.1 da norma 02/JNE/2013, o serviço de exames, nomeadamente, o exercício de funções no secretariado de exames, vigilância,

Leia mais

Organização do Atendimento Educacional Especializado nas Salas de Recursos Multifuncionais

Organização do Atendimento Educacional Especializado nas Salas de Recursos Multifuncionais Organização do Atendimento Educacional Especializado nas Salas de Recursos Multifuncionais Fonte: MEC/SEE - Política Nacional de Educação Especial na Perspectiva da Educação Inclusiva O que é a Educação

Leia mais

1.4. O Manual do Candidato estará disponível para os inscritos exclusivamente no sítio www.suprema.edu.br.

1.4. O Manual do Candidato estará disponível para os inscritos exclusivamente no sítio www.suprema.edu.br. EDITAL DE PROCESSO SELETIVO PARA PREENCHIMENTO DE VAGAS 2º SEMESTRE 2015 EDITAL nº 04/2015 A Faculdade de Ciências Médicas e da Saúde de Juiz de Fora - FCMS/JF SUPREMA torna público que se encontram abertas

Leia mais

HELP DE UTILIZAÇÃO DO SISTEMA ONLINE DOCTOR PARA SECRETÁRIAS

HELP DE UTILIZAÇÃO DO SISTEMA ONLINE DOCTOR PARA SECRETÁRIAS HELP DE UTILIZAÇÃO DO SISTEMA ONLINE DOCTOR PARA SECRETÁRIAS 1 - A TELA AGENDA 1.1 - TIPOS DE AGENDA 1.1.1 AGENDA NORMAL 1.1.2 AGENDA ENCAIXE 2 - AGENDANDO CONSULTAS 2.1 - AGENDANDO UMA CONSULTA NA AGENDA

Leia mais

INTRODUÇÃO O QUE É MONITORIA

INTRODUÇÃO O QUE É MONITORIA MANUAL DE MONITORIA Maceió Alagoas 1 INTRODUÇÃO A Facima oferece ao aluno a oportunidade de iniciar-se na função docente através do exercício de Monitorias. Apenas será considerado monitor o aluno que

Leia mais

UNIVERSIDADE POSITIVO COMISSÃO DE PROCESSO SELETIVO CPS VAGAS REMANESCENTES

UNIVERSIDADE POSITIVO COMISSÃO DE PROCESSO SELETIVO CPS VAGAS REMANESCENTES UNIVERSIDADE POSITIVO COMISSÃO DE PROCESSO SELETIVO CPS VAGAS REMANESCENTES 1 o SEMESTRE DE 2015 CURSOS DE BACHARELADO E LICENCIATURA VESTIBULAR AGENDADO 2 e de DIA FIXO EDITAL N O 296 DE 03/12/2014 A

Leia mais

UNIVERSIDADE DE BRASÍLIA PROGRAMA DE PÓS-GRADUAÇÃO EM TECNOLOGIAS QUÍMICA E BIOLÓGICA EDITAL Nº 1/2014

UNIVERSIDADE DE BRASÍLIA PROGRAMA DE PÓS-GRADUAÇÃO EM TECNOLOGIAS QUÍMICA E BIOLÓGICA EDITAL Nº 1/2014 UNIVERSIDADE DE BRASÍLIA PROGRAMA DE PÓS-GRADUAÇÃO EM TECNOLOGIAS QUÍMICA E BIOLÓGICA EDITAL Nº 1/2014 SELEÇÃO DE CANDIDATOS ÀS VAGAS DO PROGRAMA DE PÓS-GRADUAÇÃO EM TECNOLOGIAS QUÍMICA E BIOLÓGICA PARA

Leia mais

Teste de Habilidade Específica - THE

Teste de Habilidade Específica - THE LEIA COM ATENÇÃO 1. Só abra este caderno após ler todas as instruções e quando for autorizado pelos fiscais da sala. 2. Preencha os dados pessoais. 3. Autorizado o inicio da prova, verifique se este caderno

Leia mais

EDITAL Nº 001/2015 ESTABELECE NORMAS E ORIENTAÇÕES SOBRE O PROCESSO SELETIVO SENAI / COMPANHIA SIDERÚRGICA DO PECÉM CSP.

EDITAL Nº 001/2015 ESTABELECE NORMAS E ORIENTAÇÕES SOBRE O PROCESSO SELETIVO SENAI / COMPANHIA SIDERÚRGICA DO PECÉM CSP. EDITAL Nº 001/2015 ESTABELECE NORMAS E ORIENTAÇÕES SOBRE O PROCESSO SELETIVO SENAI / COMPANHIA SIDERÚRGICA DO PECÉM CSP. O SENAI, em parceria com a Companhia Siderúrgica do Pecém, torna público o Processo

Leia mais

UNIVERSIDADE POSITIVO (UP)

UNIVERSIDADE POSITIVO (UP) UNIVERSIDADE POSITIVO (UP) COMISSÃO DE PROCESSO SELETIVO CPS PROCESSO SELETIVO - 2 o SEMESTRE DE 2015-2 a ENTRADA CURSO DE PEDAGOGIA (Graduação Licenciatura) Modalidade Educação à Distância (EAD) EDITAL

Leia mais

UNIVERSIDADE FEDERAL DO MARANHÃO CURSINHO DA INCLUSÃO SOCIAL

UNIVERSIDADE FEDERAL DO MARANHÃO CURSINHO DA INCLUSÃO SOCIAL UNIVERSIDADE FEDERAL DO MARANHÃO CURSINHO DA INCLUSÃO SOCIAL EDITAL DE ABERTURA DE VAGAS PARA PROFESSOR-MONITOR DO CURSINHO DA INCLUSÃO SOCIAL, N 2 DE 03 DE SETEMBRO DE 2012. A Coordenação do Projeto Cursinho

Leia mais

CENTRO DE CIÊNCIAS MATEMÁTICAS E DA NATUREZA INSTITUTO DE QUÍMICA

CENTRO DE CIÊNCIAS MATEMÁTICAS E DA NATUREZA INSTITUTO DE QUÍMICA CENTRO DE CIÊNCIAS MATEMÁTICAS E DA NATUREZA INSTITUTO DE QUÍMICA EDITAL Nº 155 (complementar), de 14 de agosto de 2015 A UNIVERSIDADE FEDERAL DO RIO DE JANEIRO (UFRJ), por intermédio da Direção do Instituto

Leia mais

ENCCEJA. pp. 46-49 ISSN 1677-7069 DIÁRIO OFICIAL DA UNIÃO - Seção 3 Nº 43, quarta-feira, 5 de março de 2014 EDITAL Nº 4, DE 28 DE FEVEREIRO DE 2014

ENCCEJA. pp. 46-49 ISSN 1677-7069 DIÁRIO OFICIAL DA UNIÃO - Seção 3 Nº 43, quarta-feira, 5 de março de 2014 EDITAL Nº 4, DE 28 DE FEVEREIRO DE 2014 1 ENCCEJA Inscrição para exame pode ser feita no período de 17 a 31 de março de 2014. Jovens e adultos residentes no Brasil terão prazo do dia 17 até 31 próximos para fazer a inscrição no Exame Nacional

Leia mais

Rua Moreira e Costa, 531 Ipiranga CEP 04266 010 São Paulo SP Tel.: (11) 3013 0320 Fax: (11) 3013 0366 www.sanfra.g12.

Rua Moreira e Costa, 531 Ipiranga CEP 04266 010 São Paulo SP Tel.: (11) 3013 0320 Fax: (11) 3013 0366 www.sanfra.g12. Rua Moreira e Costa, 531 Ipiranga CEP 04266 010 São Paulo SP Tel.: (11) 3013 0320 Fax: (11) 3013 0366 www.sanfra.g12.br M I S S Ã O O Colégio São Francisco Xavier, da Rede Jesuíta de Educação, tem como

Leia mais

SISAUT/FC Sistema de Controle de Transporte Fretado Contínuo de Passageiros

SISAUT/FC Sistema de Controle de Transporte Fretado Contínuo de Passageiros SISAUT/FC Sistema de Controle de Transporte Fretado Contínuo de Passageiros O que é o SISAUT/FC? MANUAL DO USUÁRIO O SISAUT/FC é o sistema por meio do qual são feitos os requerimentos para as autorizações

Leia mais

TEMA 02 : Estruturação dos NAPNE (Tecnologia Assistiva e Recursos Multifuncionais)

TEMA 02 : Estruturação dos NAPNE (Tecnologia Assistiva e Recursos Multifuncionais) PROPOSTAS DE AÇÕES DE EDUCAÇÃO INCLUSIVA PARA O IFB E A REDE FEDERAL TEMA 01: Gestão dos NAPNE (Vinculação/gestão) 1. No campus, o Napne deverá estar vinculado à Direção de Ensino (e não à coordenação

Leia mais

EDITAL DE CONVOCAÇÃO DE PROVAS

EDITAL DE CONVOCAÇÃO DE PROVAS EDITAL DE CONVOCAÇÃO DE PROVAS No uso das atribuições legais, e mediantes as condições estipuladas nos Editais e Comunicados oficiais publicados no site www.selecao.uneb.br/dpe2012, CONVOCA os Candidatos

Leia mais

PROGRAMA PRONTIDÃO ESCOLAR PREVENTIVA. Rota de Fuga e Análise de Riscos. Maj. QOBM Fernando Raimundo Schunig

PROGRAMA PRONTIDÃO ESCOLAR PREVENTIVA. Rota de Fuga e Análise de Riscos. Maj. QOBM Fernando Raimundo Schunig PROGRAMA PRONTIDÃO ESCOLAR PREVENTIVA Rota de Fuga e Análise de Riscos Maj. QOBM Fernando Raimundo Schunig 2010 É um mapa que representa, através de símbolos apropriados, o trajeto a ser seguido pelo indivíduo

Leia mais

Número máximo de alunos por turma. Total de Vagas. Curso/Habilitação/ Modalidade. Local de Funcionamento. Legislação do curso.

Número máximo de alunos por turma. Total de Vagas. Curso/Habilitação/ Modalidade. Local de Funcionamento. Legislação do curso. De acordo com a Lei nº 9.394 de 20/12/96 e o Regimento Geral, a Reitora da Universidade Salvador - UNIFACS, no uso de suas atribuições, torna pública a abertura das inscrições do Processo Seletivo EAD

Leia mais

ENADE. Aos estudantes cabe empenhar-se para que seu resultado individual e coletivo seja de fato representativo da formação recebida.

ENADE. Aos estudantes cabe empenhar-se para que seu resultado individual e coletivo seja de fato representativo da formação recebida. Sub-Reitoria de Graduação SR-1 Departamento de Orientação e Supervisão Pedagógica DEP O ENADE é obrigatório? Conforme disposição do art. 5º, 5º, da Lei nº. 10.861/2004, o ENADE constitui-se componente

Leia mais

GRUPO 5 - COMUNICAÇÃO

GRUPO 5 - COMUNICAÇÃO GRUPO 5 - COMUNICAÇÃO Nº PROPOSTA UF e Nº Original da Proposta 01 Garantir que todo material produzido pelo poder público e privado seja produzido e veiculado em sistema de braile, texto digital, caracteres

Leia mais

ORIENTAÇÕES PARA SELEÇÃO DE COORDENADORES DE TURMAS ETAPA 2014

ORIENTAÇÕES PARA SELEÇÃO DE COORDENADORES DE TURMAS ETAPA 2014 ORIENTAÇÕES PARA SELEÇÃO DE COORDENADORES DE TURMAS ETAPA 2014 A Coordenadora Geral do Programa Todos Pela Alfabetização TOPA, no uso de suas atribuições legais e considerando o disposto no Art. 10 da

Leia mais

O presente processo terá validade para matrícula no primeiro semestre de 2015, através de ingresso por:

O presente processo terá validade para matrícula no primeiro semestre de 2015, através de ingresso por: EDITAL DE TRANSFERÊNCIA EXTERNA E PORTADORES DE DIPLOMA PARA 2015/1 Os Diretores Executivo e Técnico do SENAI CETIQT, no uso das atribuições que lhes conferem o Regimento Interno do SENAI CETIQT, tornam

Leia mais

Prova/código Fase/chamada Dia Hora Língua Portuguesa / 22 1ª / 1ª 20. 06. 11 09.00 Matemática / 23 1ª / 1ª 22. 06. 11 09.00

Prova/código Fase/chamada Dia Hora Língua Portuguesa / 22 1ª / 1ª 20. 06. 11 09.00 Matemática / 23 1ª / 1ª 22. 06. 11 09.00 Escola Básica 2º e 3º ciclos D. Luís Mendonça Furtado Ano lectivo 2010/11 EXAMES NACIONAIS DE 3º CICLO Língua Portuguesa e Matemática Súmula da Norma 02/EB/11 Este documento não dispensa a leitura integral

Leia mais

Edital - Processo Seletivo 2015 Verão FACULDADE DE ENGENHARIA E INOVAÇÃO TÉCNICO PROFISSIONAL EDITAL Nº 007 DE 10 DE SETEMBRO DE 2014

Edital - Processo Seletivo 2015 Verão FACULDADE DE ENGENHARIA E INOVAÇÃO TÉCNICO PROFISSIONAL EDITAL Nº 007 DE 10 DE SETEMBRO DE 2014 EDITAL PROCESSO SELETIVO VESTIBULAR VERÃO 2015 1 Edital - Processo Seletivo 2015 Verão FACULDADE DE ENGENHARIA E INOVAÇÃO TÉCNICO PROFISSIONAL EDITAL Nº 007 DE 10 DE SETEMBRO DE 2014 PROCESSO SELETIVO/VESTIBULAR

Leia mais

PROPLAN Diretoria de Informações. Tutorial SisRAA Biblioteca

PROPLAN Diretoria de Informações. Tutorial SisRAA Biblioteca PROPLAN Tutorial SisRAA Biblioteca Ana Carla Macedo da Silva Jaciane do Carmo Ribeiro Diego da Costa Couto Mauro Costa da Silva Filho Dezembro 2014 SUMÁRIO 1. Menu: Acessibilidade... 3 1.1 Opção de menu:

Leia mais

CATEGORIA C5 EVENTOS PROGRAMADOS IDENTIFICAÇÃO. Subtipos:

CATEGORIA C5 EVENTOS PROGRAMADOS IDENTIFICAÇÃO. Subtipos: Ministério do Turismo Secretaria Nacional de Políticas de Turismo Departamento de Estruturação, Articulação e Ordenamento Turístico Coordenação Geral de Regionalização Inventário da Oferta Turística uf:

Leia mais

CENTRO DE CIÊNCIAS MATEMÁTICAS E DA NATUREZA INSTITUTO DE QUÍMICA

CENTRO DE CIÊNCIAS MATEMÁTICAS E DA NATUREZA INSTITUTO DE QUÍMICA CENTRO DE CIÊNCIAS MATEMÁTICAS E DA NATUREZA INSTITUTO DE QUÍMICA EDITAL Nº 156, de 25 de maio de 2015 A UNIVERSIDADE FEDERAL DO RIO DE JANEIRO (UFRJ), por intermédio da Direção do Instituto de Química,

Leia mais

CENSO DA EDUCAÇÃO SUPERIOR 2014. Manual do Usuário

CENSO DA EDUCAÇÃO SUPERIOR 2014. Manual do Usuário MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO INSTITUTO NACIONAL DE ESTUDOS E PESQUISAS EDUCACIONAIS ANÍSIO TEIXEIRA DIRETORIA DE ESTATÍSTICAS EDUCACIONAIS COORDENAÇÃO GERAL DO CENSO DA EDUCAÇÃO SUPERIOR CENSO DA EDUCAÇÃO SUPERIOR

Leia mais

DEFICIÊNCIA VISUAL Luciana Andrade Rodrigues Professor das Faculdades COC

DEFICIÊNCIA VISUAL Luciana Andrade Rodrigues Professor das Faculdades COC DEFICIÊNCIA VISUAL Luciana Andrade Rodrigues Professor das Faculdades COC 25 de Junho de 2010 Objetivos - Discutir sobre as estratégias a serem usadas com as deficiências visuais e surdocegueira; Conteúdos

Leia mais

Centro POP Infraestrutura

Centro POP Infraestrutura CENTRO POP Centro de Referência Especializado para População em Situação de Rua Centro POP Infraestrutura Onde deve ser localizado o Centro de Referência Especializado para População em Situação de Rua

Leia mais

Edital de Seleção de Equipe para Aplicação de Provas do Vestibular

Edital de Seleção de Equipe para Aplicação de Provas do Vestibular O Grupo Educacional Unis, seleciona colaboradores para aplicação de provas presenciais aos(às) candidatos(as) do Vestibular 2016/2. 1 DAS VAGAS 1.1 As vagas de aplicadores serão estipuladas do dia 30/06/2016

Leia mais

1. DAS DISPOSIÇÕES GERAIS

1. DAS DISPOSIÇÕES GERAIS O Diretor Geral da Faculdade ISAEBRASIL, credenciada pela Portaria MEC n. 439 de 29 de abril de 2015, por sua Comissão de Vestibular, instituída em caráter permanente pela Portaria ISAE n.º 02/2015 de

Leia mais

PORTARIA n.º 003/2014 - SMTT

PORTARIA n.º 003/2014 - SMTT PORTARIA n.º 003/2014 - SMTT Dispõe sobre os requisitos de obtenção do Cartão DeFis-SMTT, documento obrigatório para utilização das vagas sinalizadas, demarcadas com o Símbolo Internacional de Acesso,

Leia mais

Manual de uso de regletes:

Manual de uso de regletes: Manual de uso de regletes: 1- Características das regletes (definição e descrição dos modelos) 2- Como usar os modelos de regletes (Reglete Negativa e Reglete Positiva) Qualquer dúvida ou sugestão para

Leia mais

RESOLUÇÃO N.º 81, DE 31 DE JANEIRO DE 2012. (Publicada no Diário Oficial da União, Seção 1, de 24/02/2012, pág. 113 e 114)

RESOLUÇÃO N.º 81, DE 31 DE JANEIRO DE 2012. (Publicada no Diário Oficial da União, Seção 1, de 24/02/2012, pág. 113 e 114) RESOLUÇÃO N.º 1, DE 31 DE JANEIRO DE 2012. (Publicada no Diário Oficial da União, Seção 1, de 24/02/2012, pág. 113 e 114) Dispõe sobre a criação da Comissão Temporária de Acessibilidade, adequação das

Leia mais

Quem são os alunos habilitados e que devem ser inscritos no ENADE de 2014: Para fins de inscrição no Enade 2014, consideram-se:

Quem são os alunos habilitados e que devem ser inscritos no ENADE de 2014: Para fins de inscrição no Enade 2014, consideram-se: As IES cujos cursos serão avaliados pelo Enade 2014 deverão encaminhar ao Inep, nos termos da legislação vigente, o cadastro de todos os estudantes habilitados (concluintes e ingressantes), assim como

Leia mais

Adaptação Curricular e Projeto de Educação Inclusiva. 11/7/2009 Adaptações Curriculares - Prof. Dorival Rosa Brito

Adaptação Curricular e Projeto de Educação Inclusiva. 11/7/2009 Adaptações Curriculares - Prof. Dorival Rosa Brito Adaptação Curricular e Projeto de Educação Inclusiva 1 Abordagem tradicional -Focalização do aluno -Avaliação do aluno por especialistas -Resultados da avaliação traduzidos em diagnóstico/prescrição Abordagem

Leia mais

MANUAL DE ACESSIBILIDADE

MANUAL DE ACESSIBILIDADE - LIC 71.3.8 - Índice 1. Elementos de Arquitetura 1.1 Passeio 1.2 Vagas de estacionamento - demarcação 1.3 Vagas de estacionamento - sinalização 1.4 Rampas 1.5 Escadas e seus componentes 1.6 Aproximação

Leia mais

Perguntas frequentes:

Perguntas frequentes: Perguntas frequentes: 1. Enade 1.1. Qual a legislação pertinente ao Enade? Lei nº 10.861, de 14 de abril de 2004: Criação do Sistema Nacional de Avaliação da Educação Superior (Sinaes) Portaria Normativa

Leia mais

CATEGORIA A7 OUTROS SERVIÇOS E EQUIPAMENTOS DE APOIO IDENTIFICAÇÃO

CATEGORIA A7 OUTROS SERVIÇOS E EQUIPAMENTOS DE APOIO IDENTIFICAÇÃO Ministério do Turismo Secretaria Nacional de Políticas de Turismo Departamento de Estruturação, Articulação e Ordenamento Turístico Coordenação Geral de Regionalização Inventário da Oferta Turística uf:

Leia mais

UNIOESTE -Universidade Estadual do Oeste do Paraná 2º PSS - PROCESSO SELETIVO SIMPLIFICADO NÍVEL SUPERIOR

UNIOESTE -Universidade Estadual do Oeste do Paraná 2º PSS - PROCESSO SELETIVO SIMPLIFICADO NÍVEL SUPERIOR UNIOESTE -Universidade Estadual do Oeste do Paraná 2º PSS - PROCESSO SELETIVO SIMPLIFICADO NÍVEL SUPERIOR Candidato: inscrição - nome do candidato Opção: código - nome / turno - cidade Local de Prova:

Leia mais

Prezado Senhor Secretário Nacional, Prezada Senhora Secretária-executiva, Prezada Senhora Presidente do Conselho, Presidente da ONCB

Prezado Senhor Secretário Nacional, Prezada Senhora Secretária-executiva, Prezada Senhora Presidente do Conselho, Presidente da ONCB Ofício nº XXX/2015/ONCB Brasília, 04 de maio de 2015. Ao Senhor Gabriel Medina de Toledo Secretário Nacional de Juventude Via VN1, Leste, s/nº - Praça dos Três Poderes 70150-908 - Brasília/DF Às Senhoras

Leia mais