4 Computação Autonômica e métodos de aprendizagem 8

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "4 Computação Autonômica e métodos de aprendizagem 8"

Transcrição

1 Sumário 1 Introdução 3 2 Sistemas Autônomos 5 3 Auto Gerenciamento Auto Configuração ( Self-Configuring ) Auto Cicatrização ( Self-Healing ) Auto Otimização ( Self-Optimizing ) Auto Proteção ( Self-Protecting ) Computação Autonômica e métodos de aprendizagem 8 5 Redes Autonômicas Características Pincipais de Redes Autonômicas Elemento Autonômico Arquiteturas de Gerencimento de Redes Autonômicas Arquitetura MANNA Arquitetura Peer-to-Peer IBM e Autonomic Computing IBM Tivoli: soluções em gerenciamento de software IBM DB2: software de gerencia de banco de dados Desafios da Computação Autonômica Elementos Autônomos Elementos autônomos específicos Sistemas Autônomos

2 7.3 Interações entre humanos e computadores Aplicações de Sucesso Demanda de Negócio JBBC Business Mart Conclusão 26 Referências Bibliográficas 27 2

3 Capítulo 1 Introdução Com o advento da Internet, serviços como e-commerce, , e-newspapers tem surgido e vêm crescendo de uma forma assustadora. Juntamente com a chegada das redes sem fio, que pelas quais as pessoas podem acessar estes tipos de serviço de várias formas possíveis, como utilizando PDA, notebooks, pelos próprios computadores pessoais e com o impulso da diminuição do preço dos hardwares, possibilitando pessoas de classes mais baixa obterem também tais tecnologias, torna esta rede de comunicação algo gigantesco e complexo. Face a este ambiente, com tais dificuldades e complexidades, para o gerenciamento disto tudo, será necessária uma grande mão-de-obra especializada, dispenderá de muito tempo para solucionar possíveis falhas, gerando um custo imenso para tal gerenciamento.[nea06] Segundo [Kon03] a computação autonômica (autonomic computing) foi proposta como uma abordagem para reduzir custo e complexidade de gerenciamento de uma infra-estrutura de TI requerendo o mínimo de intervenção humana possível. A computação autonômica é uma tecnologia que busca a habilidade de um sistema se auto gerenciar e dinamicamente se adaptar à alterações sofridas conforme as políticas de negócio e seus objetivos. Isso permitiria o profissional de TI realizar tarefas de alto valor, enquanto as tarefas mais comuns seriam realizadas através desta tecnologia de gerenciamento. Apesar do custo das tecnologias de TI estarem diminuindo, o custo total da TI não está, pois há necessidade de contratação de vários profissionais na 3

4 área, além de toda infra-estrutura necessária. Por este motivo os gerentes de TI estão em busca desta tecnologia que diminuiria o custo para o proprietário, colocando todo o custo em um único produto, além da rapidez da execução e do gerenciamento TI s complexas em tempo hábil. A IBM é a empresa que está frente desta tecnologia, possuindo vários produtos que já vem com esta tecnologia, as quais serão detalhadas mais adiante, em seguida vem a HP e posteriormente a Microsoft. 4

5 Capítulo 2 Sistemas Autônomos As potencialidades da computação autonômica podem oferecer várias mudanças, um exemplo, o mercado financeiro que reduziria o risco de falhas. O conceito de ação autonômica é muito simples, podendo ser resumido em duas palavras: detectar e responder. Isso acontece até em casa, quando a temperatura na sala cai bastante no inverno ou quando a temperatura sobe bastante no verão, o termostato sente o ambiente e responde com um impulso elétrico para ativar o aquecimento ou o resfriamento. Isso é autonômico, o morador não precisa fazer nada, somente o termostato faz. Um outro exemplo são os modernos aviões. A fuselagem e os motores do avião são encaixados com uma placa de sistema que detecta e responde a condições adversas como turbulências. Quando este sistema autonômico detecta um problema, ele reage instantâneamente seguindo políticas pré-ajustadas e programas para estabilizar o avião e fazer com que os passageiros viagem confortavelmente e seguros. Um avião é um complexo e sofisticado sistema que deve operar com confiança, mas as empresas são ainda mais complexas, pois exigem uma maior confiabilidade e desempenho em seus negócios. Hoje em dia os mercados financeiros são muito mais complexos que um moderno avião. 5

6 Capítulo 3 Auto Gerenciamento Um sistema auto gerenciado tem a habilidade de detectar falhas e solucionálas, de adicionar e/ou remover programas, adicionar e/ou remover hardwares, se proteger contra vírus, spywares, malwares, detectando-os e eliminando-os do sistema, se auto configurar mediante a regras pré-estabelecidas, além de fazer tudo isso de forma otimizada. O auto gerenciamento possui quatro características principais: Auto Configuração (Self-Configuring), Auto Cicatrização(Self-Healing), Auto Otimização (Self-Optimizing) e Auto Proteção (Self-Protecting). Figura 3.1: Características principais do Auto Gerenciamento 6

7 3.1 Auto Configuração ( Self-Configuring ) Auto Configuração é a habilidade de um sistema se configurar automaticamente, com a mínima intervenção humana possível e podendo sofrer alterações em suas configurações durante sua execução. Estas possíveis alterações podem ajudar na verificação contínua da intensidade e da efetividade de um sistema. 3.2 Auto Cicatrização ( Self-Healing ) A Auto Cicatrização é a capacidade de um sistema detectar e solucionar, em tempo de execução, possíveis falhas que podem vir a surgir no sistema, sem prejudicar seu funcionamento. Nas empresas certos tipos de falhas podem ser o divisor entre o crescimanto da empresa e o caos. 3.3 Auto Otimização ( Self-Optimizing ) É a capacidade do sistema realizar todas suas tarefas da maneira mais eficiente possível. Uma maior eficiência na alocação de recursos e para encontrar o que o usuário necessita. 3.4 Auto Proteção ( Self-Protecting ) A Auto Proteção é definida como a destinação de informações corretas a usuário corretos, garantido que o usuário só terá acesso a dados, os quais lhes são destinados. Também garantir a total segurança dos dados da empresa, detectando possíveis invasões e realizando ações corretivas instantaneamente e também realizando ações preventivas contra novas invasões. Com estas características, um sistema pode estar em funcionamento com toda proteção, otimizado e configurado com o mínimo de intervenção humana, isto tudo em um único produto, com isso tendo uma diminuição considerável nos custos de TI. 7

8 Capítulo 4 Computação Autonômica e métodos de aprendizagem Em 2001 Paul Horn, vice-presidente de pesquisa da IBM, introduziu a idéia da computação autonômica, que tinha princípios no sistema nervoso autônomo humano, no qual ele gerência a freqüência cardíaca e a temperatura do corpo, que sinaliza ao cérebro caso algo esteja errado, e este por sua vez desencadeará vários processos para encontrar e solucionar tal problema. Segundo [CK03] a computação autonômica é definida como sendo um sistema que pode se auto gerenciar, dando o alto nível de objetividade aos administradores. Para que tal sistema possa saber como gerenciar, ele deverá aprender de alguma maneira. Alguns métodos de aprendizagem foram apresentados, um dos mais comuns é a de um administrador registrar algumas políticas de conduta perante um sistema e a partir daí este sistema terá a capacidade de auto gerenciar, como exemplo de sistema possível de auto gerenciar, uma rede de computadores. Alguns outros algoritmos para treinamento de gerência ou de algumas tarefas específicas foi proposto por vários pesquisadores. Em [Dob06] são apresentados alguns deles, os quais são descritos abaixo: Redes Neurais: Utilização de Redes Neurais Artificiais para a aprendizagem de todo o roteamento da rede, utilizando reforço de aprendizagem e posteriormente aprender a realizar tal roteamento sozinha. 8

9 Neste caso a Rede Neural será treinada com estes roteamentos iniciais, pelos quais ela vai ajustando seus pesos sinápticos e se adaptando à forma de realização de todo o roteamento. Algoritmos Genéticos: Foram utilizados e avaliados para descobrir novos trajetos da rede, para encontar caminho ótimos, oferencendo rapidez na transmissão dos pacotes, oferecendo potencial Qualidade de Serviço (QoS). Além de outras abordagens como algoritmos para a construção e manutenção de sistemas peer-to-peer baseados em distribuição de tabelas hash, também algoritmos baseados no comportamento natural, outra linha é a topologia auto-adaptável, no qual realiza-se um estudo para a topologia ótima para o problema em questão, além de outras abordagens. 9

10 Capítulo 5 Redes Autonômicas As Redes Autonômicas descreve um das principais aplicações da computação autonômica, na qual possui a capacidade de realizar seus processso sem a interferência humana. Com o crescimento da complexidade das redes de computadores, impulsionada pelo grande crescimento da Internet, os sistemas de gerência de rede tem se tornado cada vez mais trabalhoso e dispendendo de uma grande leva de profissionais de TI.[Ste04] A partir disto, uma Rede Autonômica possui a capacidade de recuperação de falhas, adequações dos parâmetros de rede para situações imprevistas, otimização dos processos de rede, entre outros. Para que isso seja possível é necessário alguma maneira para que a rede aprenda como gerenciar todos estes componentes, um destes meios é a apresentação à rede algumas políticas de trabalho, na qual as mesmas serão definidas pelo administrador, assim a rede terá como efetuar as ações necessárias para o seu gerenciamento. Outro meio é ensinar a rede como tomar decisões, armazenar um banco de problemas conhecidos e decisões tomadas para que assim a rede aprenda como gerenciar. Várias tecnologias de rede tem surgindo com isso há necessidade de integração entre elas, exemplos destas tecnologias são as redes ad hoc, rede em malha, rede Sensores Sem Fio (RSSF), redes metropolitanas e em cada uma destas tecnologias possui um protocolo de comunicação diferente, tornando o processo de integração mais complexo. 10

11 5.1 Características Pincipais de Redes Autonômicas [RK06] apresenta algumas características principais de uma rede autonômica, algumas destas características são descritas abaixo. 1. Roteamento: Alguns protocolos de roteamento tais como OSPF provêm funcionalidades autonômicas, após configurar os pesos das ligações o protocolo detectará falhas, caso elas ocorram, e a falha será rastreada até que seja detectada, convergindo para um novo caminho válido. Alguns protocolos de distância tais como BGP provêm similares funcionalidades. 2. Conhecimento da Região de Operação: Sistemas Autônomos devem realizar suposições sobre seu ambiente de operação, mas mudanças podem ocorrer e muitas vezes tais suposições serão inválidas e algumas modificações em seu comportamento serão requeridas. 3. Controlar casos de falha comuns: É também importante entender os cenários comuns de falha e assegurar que o comportamento autônomo de controle do sistema serão igualmente apropriados para estas situações. 4. Ser explícito: Sem explicitar o objetivo a qualquer sistema autônomo, ele se afundará em generalidades. Visto que o sucesso não pode ser definido, um inesperável resultado pode ser obtido, quão maior a complexidade da rede mais inesperado será o resultado. Contudo eles podem trabalhar, mas trabalharão ineficientemente e de uma maneira incompreensível. 5. Suporte à compreensão humana: Redes de grande escala envolve muitos fatores distintos, e alguns destes fatores não podem ser direcionados para sistemas os realizarem. Para isso pessoas devem ser envolvidas para operarem tais redes, assim estas redes devem ser compreensíveis para as pessoas que as operarão. 11

12 Figura 5.1: Exemplo de um Elemento Autonômico 6. Monitorar e Validar: Uma rede autonômica deve ter a característica de de auto-monitorar e se auto-validar, reduzindo assim a carga deste tipo de trabalho para o operador humano, permitindo assim que o humano possa executar tarefas de mais alto nível. 5.2 Elemento Autonômico Um elemento autonômico (EA) de rede é a célula principal da mesma, realizando o trabalho de monitoramento, planejamento, análise e execução de ações necessárias para a manutenção da rede, além de um conhecimento adquirido pelo elemento, para saber tomar tais decisões. Além disto um EA também possui outros componentes tais como os sensores e efetuadores, que consistem em monitorar o ambiente e executar ações respectivamente. A figura 5.1 apresenta o modelo de EA descrito pela IBM. Os sensores são quem se interage com o meio externo, caso haja necessidade e esta necessidade é detectada através da comparação da situação no qual se encontra sistema e com base em seu conhecimento, o elemento é capaz de detectar tal necessidade e posteriormente a enviar uma solicitação para que assim os efetuadores, realizarem alguma ação corretiva. Este processo é denominado loop de controle, que é realizado ininterruptamente. Para cada componente existente na rede, um elemento de controle é atribuido a ele, no qual cada elemento mantém seu comportamento interno, e externo em relação com os outros elementos, de acordo com políticas estabe- 12

13 lecidas pelo homem ou pelos demais elementos. Este relacionamento é feito pricipalmente por meio de conexões peer-to-peer e cliente-servidor. Segundo [NS07] os elementos autonômicos podem ser hardware, software de aplicação ou um sistema inteiro. 5.3 Arquiteturas de Gerencimento de Redes Autonômicas Em seu trabalho [Kon03] afirma que para que uma arquitetura de gerenciamento suporte um comportamento autonômico ela deve satisfazer os alguns requisitos: Suporte a representação da configuração do elemento e desempenhar as propriedades utilizads para controlar e monitorar o comportamento do elemento; Expressar o relacionamento entre diferentes elementos autonômicos; Controlar o acesso as propriedades de configuração assim como assegurar a visão consistente; Habilitar automáticos elementos para descobrir, acessar e controlar as configurações de outros elementos dependentes; Habilitar a configuração persistente e recuperação do elemento. Segundo [Ste04] os elementos básicos para construções de redes autonômicas incluem sensores e efetuadores. O comportamento dos sistemas são monitorados através de sensores e posteriormente é realizado o planejamento das ações que serão tomadas e assim realizá-la por meio dos efetuadores, criando um ciclo de controle, chamado de loop de controle. Uma arquitetura define como serão colocados os elementos constituintes da rede, como será o processo de comunicação entre os elementos, seu protocolo de comunicação, que tipo de método de aprendizagem será utilizada para ensinar o elemento autonômico, entre outros. 13

14 Figura 5.2: Estrutura da MANNA Arquitetura MANNA A Arquitetura MANNA foi desenvolvida no Brasil, é aplicada em Redes de Sensores Sem Fio(RSSF). Estas redes possui várias aplicações, dentre elas a de controle e gerenciamento de sistemas remotos, não havendo como gerenciá-las, onde são aplicado a gerência autonômica. Esta arquitetura é toda baseada no paradigma da computação autonômica, pois necessita de ser auto-gerenciável. Cada elemento da rede constitui um nó sensor autônomo, dotado de um processador, transceptor, uma bateria limitada, uma memória limitada, e dispositivos de comunicação que serão distribuidos sobre o local o qual eles irão monitorar, formando uma malha sobre o local, após serem distribuídos no local os sensores iniciarão o processo de comunicação entre si, que iniciará o processo de monitoração. Os nós são divididos em grupos, em cada grupo existe um líder que receberá informação dos outros e emitirá os dados do grupo o qual ele comanda para um ponto de acesso. A MANNA é dividida em três dimensões de gerenciamento, sendo duas utilizando abordagens de rede tradicional e uma denominada de Funcionalidades da RSSF, a qual é baseada no modelo de rede autonômica[rui03]. A figura 5.2, mostra da estrutura da MANNA. Segundo [Rui03] a MANNA é um rede ad hoc com recursos limitados, seu protocolo de comunicação não possui serviços de segurança especificado, por restrições de redes ad hoc. Seu método de aprendizagem é baseado em políticas que são apresentas pelos administadores da rede, e tal arquitetura 14

15 Figura 5.3: Exemplo da Arquitetura Peer-to-Peer não foi implementada, foi apenas deixada por enquanto como algo teórico Arquitetura Peer-to-Peer A Arquitetura peer-to-peer(p2p) é uma arquitetura de gerenciamento que foi desenhada para cobrir todos os requerimentos de um gerenciamento autônomo. Konstantinou [Kon03] apresenta a arquitetura peer-to-peer como sendo uma arquitetura composta de duas camadas, como apresentada na figura 5.3. Na camada inferior um objeto distribuído, o Modelador, que provê a um consolidado elemento alguns serviços como configuração, relacionamento, estado e desempenho tão quanto seus eventos de comportamento. Este Modelador provê interface para acessar e manipular os dados gerenciados. Para que com isso a camada superior poder acessar um modelo unificado de dados, interpretando seu comportamento e ativando suas funções autonômicas. O Modelador realiza seu trabalho através de uma modelagem de gerenciamento da informação, Konstantinou[Kon03] baseou-se no paradigma da orientação à objetos, pois os relacionamentos é algo importante neste paradigma assim como em uma modelagem de gerenciamento, por isso tal arquitetura foi expressa em RDL(Resource Definition Language), que é uma linguagem orientada a objetos. 15

16 Capítulo 6 IBM e Autonomic Computing Em outubro de 2001, a IBM lançou um manifesto observando que o principal obstáculo para o progresso da indústria de TI era a aproximação da crise de complexidade dos softwares. Apresentou ambientes com dezenas de milhões de linhas de código, que dispendia de muitos funcionários de TI para sua instalação, configuração e manutenção[ck03]. A partir disto a IBM começou a financiar diversas pesquisas na área de computação autonômica. Muitas destas pesquisas geraram resultados e a IBM já está utilizando estes resultados em seus softwares, alguns exemplos destes softwares é descrito abaixo. 6.1 IBM Tivoli: soluções em gerenciamento de software O IBM Tivoli providencia serviço de gerenciamento que automatiza o monitoramento e resolução de edições de serviços, correlaciona dados operacionais para localizar a causa de problemas, e providenciar uma visão de negocio de uma infra-estrutura assim a equipe pode imediatamente determinar o impacto do negocio em qualquer edição. O IBM Tivoli que monitora o software, segue o desempenho do sistema, automatiza processos de recuperação se o sistema esta operando fora do nível de desempenho, e colocas os dados no sistema de armazenagem do IBM Tivoli. Também monitora o desempenho da transações sintéticas no intervalo 16

17 de dois a dois minutos e meio, para medir o desempenho dos processos específicos para uma perspectiva de usuário final. As regras de negócios automatizam alertas quando cada pagina cai a baixo do nível especificado. O sistema separa cada processo em etapas individuais e pode-se rapidamente identificar as causas da lentidão, assim ações corretivas podem ser tomadas. O software de gerenciador de configuração do Tivoli faz varreduras diariamente. Isto é critico para evitar conseqüentes performances e manter outros problemas operacionais de edições anteriores, pois os sistemas são atribuídos novamente de uma linha de negocio a outra, baseado na demanda. O software gerenciador de sistemas de negócios IBM Tivoli providencia uma lógica visão singular de uma empresa de site em termos de sistemas de negócios critico que ajuda a equipe da TI, priorizando ações para suporte, o mais importante nos sistemas de negócios. Adicionalmente, o software gerenciador de sistemas de negócios Tivoli providencia a capacidade de planejamento da equipe com a informação necessária pra modelar cenários por cada linha do negocio. Fazendo assim, a equipe pode eficazmente avaliar exigências de recursos. O software conselheiro do nível de serviço da IBM Tivoli alerta a equipe quando a demanda por um item ou categoria cresce rapidamente mais que o projetado. Este serviço providencia a equipe um histórico inteligente. 6.2 IBM DB2: software de gerencia de banco de dados O software IBM DB2 Universal Database é um banco de dados para desenvolver soluções de missões críticas. Em versões anteriores, DB2 expande fundação em computação autonômica com potencialidades que reduz as complexidades em desenvolver-se, gerenciando e configurando banco de dados relacionais. O Monitor de Saúde fornece uma caixa de monitoramento de chaves de desempenho e confiabilidade do DB2 e oferece um perito em conselhos sobre resolver problemas. A configuração do DB2 Conselheiro permite até que um usuário novato consiga configurá-lo para que sejam realizados exames diários. Liberações do BD2 Universal Database caracterizara potencialida- 17

18 des na infra-estrutura para trazê-lo ao nível da seguinte automatização e do auto-controle do sistema, permitindo uma grande quantidade de operações, mudanças de configurações e manutenção de utilidades para funcionar simultaneamente com sistemas on-line, e fornecer monitoração e relatório das atividades do sistema e recursos utilizados. Este monitoramento e as capacidades on-line ajustaram o estágio para a pesquisa no controle de recurso adaptável, em ajuste dinâmico e em manutenção automática. 18

19 Capítulo 7 Desafios da Computação Autonômica A Computação autônomica é uma visão de um grandioso desafio do futuro, na qual sistemas de computador irão gerenciar a si mesmo, de acordo com objetivos de alto nível criado por humanos. A indústria de TI reconhece que encontrar esse desafio é imperativo, contrariamente os sistemas de TI logo ficarão impossíveis de administrar. Mas encontrar este desafio é extremamente difícil. Os desafios da computação autonômica estão em várias áreas e o desafio inicial é endereçá-los[kep05]. Computação autônoma oferece um território rico de aplicação para pesquisadores em muitos ramos de informática, incluindo arquitetura de software, sistemas, inteligência artificial e interfaces humano-computador. É também possível beneficiar-se de avanços em matemática aplicada, aplicações singulares de mecanismos econômicos e mesmo estudos etinográficos. Computação autonômica abrange vários campos, que vão além dos limites da informática tradicional. Os desafios são divididos em três partes básicas: elementos autônomos, sistemas autônomos, e interações entre humanos e computadores. 19

20 7.1 Elementos Autônomos Elementos autônomos são os blocos básicos da construção de sistemas autônomos, que por suas interações mútuas produz o comportamento total de autoadministração de sistemas autônomos de computação. Essencialmente qualquer recurso de tipo de computação pode ser visto como um elemento autônomo: um artifício de armazenamento, uma base de dados ou servidor de aplicação, um componente de middleware, um balanceador de carga, um gerente de carga de trabalho, um corretor de recurso, etc. Os elementos autônomos são divididos em: Elementos autônomos específicos O desafio seria pesquisar, para buscar a direção de melhorar a capacidade auto-administração de componentes específicos tal como bases de dados, sistemas de armazenamento, servidores, etc. 1. Tecnologias autônomas genéricas de elemento O desafio seria pesquisar tecnologias que são geralmente aplicáveis a elementos autônomos, incluindo planejamento, modelagem, prevenção, otimização, etc, e testar para classificar as melhores. 2. Arquiteturas autônomas genéricas de elemento, ferramentas e protótipos Pesquisar na estrutura interna de elementos autônomos, ferramentas que possam ajudar a criar elementos autônomos, e implementações de referência de elementos autônomos construídos com estas ferramentas. Pois elementos autônomos necessitarão compartilhar métodos comuns para colecionar e representar dados controlados. Os desafios aqui será principalmente a padronização. Um esforço notável definir um formato comum e coerente para acontecimentos controlados e nos formatos de arquivos. 20

21 7.2 Sistemas Autônomos Os desafios presentes na elaboração de sistemas autônomos é subdivido em: 1. Tecnologias autônomas de sistema Pesquisar em tecnologias genéricas que implicam em interações entre múltiplos elementos autônomos, para alcançar metas de sistema por nível, incluindo determinação de problema e cura, previsão automatizada, gerência de carga de trabalho, instalação automatizada e configuração, gerência de integridade, etc. 2. Sistemas de arquitetura autônoma e protótipos Pesquisar em arquiteturas sistema por nível que eficientemente governa interações entre elementos autônomos, e protótipos que montam os muitos outros pedaços descritos nesta estrutura para demonstrar sistemas com melhoramento de auto-gerência em relação a sistemas existentes. 3. Ciência de Sistema autonômico Pesquisar na ciência fundamental de sistemas de computação autônoma de larga escala, endereçando perguntas de aprender, estabilidade, controle e comportamento emergente em sistemas com vários agentes, e também endereçando perguntas de como quantificar o grau de autogerência nos sistemas. 7.3 Interações entre humanos e computadores É caracterizado pelos seguintes desafios: 1. Estudo Humano Pesquisas em interações do presente e futuro, entre administradores humanos e outros usuários com sistemas de auto-gerenciamento, determinar que interfaces e outros modos de interação são bem eficientes. 21

22 2. Política Pesquisar os métodos para extrair políticas de alto nível das pessoas, representando e transformando apropriadamente essas políticas dentro de sistemas autônomos e administrar o comportamento respeitando essas políticas. 22

23 Capítulo 8 Aplicações de Sucesso Algumas empresas já estão utilizando alguns softwares que têm a computação automômica como base para o gerenciamento de vários processos que antes eram realizados por profissionais de TI. Estas empresas obtiveram ganhos significativos de tempo, dinheiro e qualidade do serviço prestado. Alguns exemplos de empresas que utilizam estes softwares e como eles foram implantados são descritos abaixo. 8.1 Demanda de Negócio JBBC Japan Business Computer Corporation (JBCC) diminui o tempo de determinação de problema em 50% com auto-gerenciamento de tecnologia autônoma, com essa redução do tempo o custo também foi reduzido. Autonomizando e integrando os processos ajuda a otimizar a eficiência e permite que companhias possam redirecionar seus processos para o outra equipe de funcionários elevando o valor do processo. Com um virtualizado auto-gerenciamento num ambiente autônomo, podese uma visão por nível do gerenciamento simplificando-o. Os benefícios são redução do tempo de determinação do problema em 50%, aumento da qualidade do serviço, diminuição do tempo de treinamento e custo, e permite um uso mais eficiente dos recursos. Japan Business Computer Corporation (JBCC) é o maior fornecedor de TI e de solução de problemas computáveis em pequenas e médias empresas. 23

24 O serviço da companhia se espalha pelo mundo, construindo, operando, fazendo manutenção e descobrindo soluções TI, ajudando empresas a passar pelos seus desafios. Seus 1000 empregados servem a quase empresas através do Japão. Os funcionários trabalham num ambiente onde eles se ajudam mutuamente para satisfazer as necessidades do consumidor. O ambiente de trabalho da JBBC estava ficando muito complexo, então eles resolveram mover-se de uma gerência de sistemas normal para um sistema TI de gerência de serviço ajudando a equipe de funcionários existentes controlar a complexidade de crescimento, através de um controle do processo por nível. Então o auto-gerenciamento de sistema com tecnologia autônoma diminui o custo e simplifica o gerenciamento. 8.2 Business Mart O objetivo da empresa usando tecnologia autônoma é achar rapidamente o raiz do problema de TI para manter uma alta qualidade de serviço. A solução é um gerenciamento de sistema em um ambiente autônomo, que automatiza os processos e permite aos funcionários uma maior introspectiva do processo. Os benefícios são a redução da determinação do problema em 40%, assim administradores altamente qualificados ficam livres para focar em novas oportunidades. Business Mart desenvolve e opera para algumas das maiores e mais bem sucedidas plataformas da Europa. E também ajuda cerca de 133 empresas, e aproximadamente 506 mil transições por mês. Com o crescimento da empresa a complexidade do ambiente de trabalho também aumenta. Então deve-se gerenciar o crescimento de maneira eficiente para os serviços não percam suas qualidades. Para este gerenciamento devese: Converter rapidamente formatos conhecidos por poucos do registro dos componentes heterogêneos em uma língua comum para uma integração e um análise mais rápida. Automatizar a correlação e a análise dos dados de registro gerados por serviços frouxamente acoplados, para que os administradores possam 24

25 rapidamente encontrar a causa da raiz de todo o problema. Criar uma base de problemas conhecidos junto com soluções associadas, com as diretrizes orientadoras da equipe de funcionários para acelerar tempo de definição do problema. A Business Mart pretende diminuir ainda mais o tempo de determinação do problema para sempre estar um passo a frente das concorrentes. 25

26 Capítulo 9 Conclusão A computação autonômica veio para resolver alguns problemas existentes na computação tradicional. A complexidade de gerenciamento de sistemas de grande porte, gerenciamento de redes de larga escala, altos custos em TI para manutenção de sistemas complexos, falhas nestas gerências, alto gasto de tempo para realização de tais tarefas. Este novo paradigma ainda está em sua fase teórica, até hoje não existe um sistema 100% autonômico, pois alguns desafios devem ser superados, mas para isso muitas pesquisas vem sendo realizadas. Alguns softwares, como é o caso dos softwares da IBM já possuem algumas idéias da computação autonômica e já está reduzindo custos de muitas empresas, as quais já estão utilizando os produtos. 26

Engenharia de Software Introdução. Ricardo Argenton Ramos UNIVASF Engenharia de Software I - Aula 1

Engenharia de Software Introdução. Ricardo Argenton Ramos UNIVASF Engenharia de Software I - Aula 1 Engenharia de Software Introdução Ricardo Argenton Ramos UNIVASF Engenharia de Software I - Aula 1 Tópicos Apresentação da Disciplina A importância do Software Software Aplicações de Software Paradigmas

Leia mais

Otimização do Gerenciamento de Datacenters com o Microsoft System Center

Otimização do Gerenciamento de Datacenters com o Microsoft System Center Otimização do Gerenciamento de Datacenters com o Microsoft System Center Aviso de Isenção de Responsabilidade e Direitos Autorais As informações contidas neste documento representam a visão atual da Microsoft

Leia mais

Gestão de Armazenamento

Gestão de Armazenamento Gestão de Armazenamento 1. Introdução As organizações estão se deparando com o desafio de gerenciar com eficiência uma quantidade extraordinária de dados comerciais gerados por aplicativos e transações

Leia mais

COBIT Um kit de ferramentas para a excelência na gestão de TI. Eduardo Mayer Fagundes e-mail: eduardo@efagundes.com

COBIT Um kit de ferramentas para a excelência na gestão de TI. Eduardo Mayer Fagundes e-mail: eduardo@efagundes.com COBIT Um kit de ferramentas para a excelência na gestão de TI Eduardo Mayer Fagundes e-mail: eduardo@efagundes.com Introdução Atualmente, é impossível imaginar uma empresa sem uma forte área de sistemas

Leia mais

INFRAESTRUTURA DE TI E TECNOLOGIAS EMERGENTES

INFRAESTRUTURA DE TI E TECNOLOGIAS EMERGENTES Sistema de Informação e Tecnologia FEQ 0411 Prof Luciel Henrique de Oliveira luciel@uol.com.br Capítulo 5 INFRAESTRUTURA DE TI E TECNOLOGIAS EMERGENTES PRADO, Edmir P.V.; SOUZA, Cesar A. de. (org). Fundamentos

Leia mais

Gerenciamento de Redes

Gerenciamento de Redes Gerenciamento de Redes As redes de computadores atuais são compostas por uma grande variedade de dispositivos que devem se comunicar e compartilhar recursos. Na maioria dos casos, a eficiência dos serviços

Leia mais

Tópicos Especiais em Redes de Telecomunicações

Tópicos Especiais em Redes de Telecomunicações Tópicos Especiais em Redes de Telecomunicações Redes definidas por software e Computação em Nuvem Prof. Rodrigo de Souza Couto Informações Gerais Prof. Rodrigo de Souza Couto E-mail: rodsouzacouto@ieee.org

Leia mais

Engenharia de Software Introdução. Ricardo Argenton Ramos UNIVASF Engenharia de Software I - Aula 1

Engenharia de Software Introdução. Ricardo Argenton Ramos UNIVASF Engenharia de Software I - Aula 1 Engenharia de Software Introdução Ricardo Argenton Ramos UNIVASF Engenharia de Software I - Aula 1 Tópicos Apresentação da Disciplina A importância do Software Software Aplicações de Software Paradigmas

Leia mais

Engenharia de Requisitos

Engenharia de Requisitos Engenharia de Requisitos Introdução a Engenharia de Requisitos Professor: Ricardo Argenton Ramos Aula 08 Slide 1 Objetivos Introduzir a noção de requisitos do sistema e o processo da engenharia de requisitos.

Leia mais

A EMPRESA. A Future Technology é uma divisão da Do Carmo voltada para o mercado de soluções em tecnologia.

A EMPRESA. A Future Technology é uma divisão da Do Carmo voltada para o mercado de soluções em tecnologia. A EMPRESA A Future Technology é uma divisão da Do Carmo voltada para o mercado de soluções em tecnologia. A experiência da Future Technology nas diversas áreas de TI disponibiliza aos mercados público

Leia mais

Consolidação inteligente de servidores com o System Center

Consolidação inteligente de servidores com o System Center Consolidação de servidores por meio da virtualização Determinação do local dos sistemas convidados: a necessidade de determinar o melhor host de virtualização que possa lidar com os requisitos do sistema

Leia mais

SISTEMA DE GESTÃO DE PESSOAS SEBRAE/TO UNIDADE: GESTÃO ESTRATÉGICA PROCESSO: TECNOLOGIA DA INFORMAÇÃO

SISTEMA DE GESTÃO DE PESSOAS SEBRAE/TO UNIDADE: GESTÃO ESTRATÉGICA PROCESSO: TECNOLOGIA DA INFORMAÇÃO SISTEMA DE GESTÃO DE PESSOAS SEBRAE/TO UNIDADE: GESTÃO ESTRATÉGICA PROCESSO: TECNOLOGIA DA INFORMAÇÃO Competências Analista 1. Administração de recursos de infra-estrutura de tecnologia da informação 2.

Leia mais

O que é o Virto ERP? Onde sua empresa quer chegar? Apresentação. Modelo de funcionamento

O que é o Virto ERP? Onde sua empresa quer chegar? Apresentação. Modelo de funcionamento HOME O QUE É TOUR MÓDULOS POR QUE SOMOS DIFERENTES METODOLOGIA CLIENTES DÚVIDAS PREÇOS FALE CONOSCO Suporte Sou Cliente Onde sua empresa quer chegar? Sistemas de gestão precisam ajudar sua empresa a atingir

Leia mais

Tipos de Sistemas Distribuídos (Cluster e Grid)

Tipos de Sistemas Distribuídos (Cluster e Grid) Tipos de Sistemas Distribuídos (Cluster e Grid) Sistemas Distribuídos Mauro Lopes Carvalho Silva Professor EBTT DAI Departamento de Informática Campus Monte Castelo Instituto Federal de Educação Ciência

Leia mais

Introdução a computação móvel. Middlewares para Rede de Sensores sem Fio. Uma avaliação na ótica de Adaptação ao Contexto

Introdução a computação móvel. Middlewares para Rede de Sensores sem Fio. Uma avaliação na ótica de Adaptação ao Contexto Introdução a computação móvel Monografia: Middlewares para Rede de Sensores sem Fio Uma avaliação na ótica de Adaptação ao Contexto Adriano Branco Agenda Objetivo do trabalho O que é uma WSN Middlewares

Leia mais

TÉCNICAS DE INFORMÁTICA WILLIAN FERREIRA DOS SANTOS

TÉCNICAS DE INFORMÁTICA WILLIAN FERREIRA DOS SANTOS TÉCNICAS DE INFORMÁTICA WILLIAN FERREIRA DOS SANTOS Vimos em nossas aulas anteriores: COMPUTADOR Tipos de computadores Hardware Hardware Processadores (CPU) Memória e armazenamento Dispositivos de E/S

Leia mais

Módulo 4. Visão geral dos controles do COBIT aplicáveis para implantação da Sarbanes, o papel de TI, a importância dos softwares e exercícios

Módulo 4. Visão geral dos controles do COBIT aplicáveis para implantação da Sarbanes, o papel de TI, a importância dos softwares e exercícios Módulo 4 Visão geral dos controles do COBIT aplicáveis para implantação da Sarbanes, o papel de TI, a importância dos softwares e exercícios Estruturas e Metodologias de controle adotadas na Sarbanes COBIT

Leia mais

2.3. ORGANIZAÇÕES E GESTÃO DOS SISTEMAS DE INFORMAÇÃO

2.3. ORGANIZAÇÕES E GESTÃO DOS SISTEMAS DE INFORMAÇÃO 2.3. ORGANIZAÇÕES E GESTÃO DOS SISTEMAS DE INFORMAÇÃO As Empresas e os Sistemas Problemas locais - impacto no sistema total. Empresas como subsistemas de um sistema maior. Uma empresa excede a soma de

Leia mais

COMPUTAÇÃO EM NUVEM: UM FUTURO PRESENTE

COMPUTAÇÃO EM NUVEM: UM FUTURO PRESENTE COMPUTAÇÃO EM NUVEM: UM FUTURO PRESENTE Andressa T.R. Fenilli 1, Késsia R.C.Marchi 1 1 Universidade Paranaense (UNIPAR) Paranavaí PR Brasil andressa.trf@gmail.com, kessia@unipar.br Resumo. Computação em

Leia mais

Unidade III FUNDAMENTOS DE SISTEMAS. Prof. Victor Halla

Unidade III FUNDAMENTOS DE SISTEMAS. Prof. Victor Halla Unidade III FUNDAMENTOS DE SISTEMAS OPERACIONAIS Prof. Victor Halla Conteúdo Arquitetura de Processadores: Modo Operacional; Velocidade; Cache; Barramento; Etc. Virtualização: Maquinas virtuais; Gerenciamento

Leia mais

CONCORRÊNCIA AA Nº 05/2009 BNDES ANEXO X PROJETO BÁSICO: DESCRIÇÃO DOS PROCESSOS DE TI

CONCORRÊNCIA AA Nº 05/2009 BNDES ANEXO X PROJETO BÁSICO: DESCRIÇÃO DOS PROCESSOS DE TI CONCORRÊNCIA AA Nº 05/2009 BNDES ANEXO X PROJETO BÁSICO: DESCRIÇÃO DOS PROCESSOS DE TI 1. PI06 TI 1.1. Processos a serem Atendidos pelos APLICATIVOS DESENVOLVIDOS Os seguintes processos do MACROPROCESSO

Leia mais

DESCRITIVO TÉCNICO INSTALAÇÃO E MANUTENÇÃO DE REDES

DESCRITIVO TÉCNICO INSTALAÇÃO E MANUTENÇÃO DE REDES DESCRITIVO TÉCNICO INSTALAÇÃO E MANUTENÇÃO DE REDES 39 A, por resolução do seu Comitê Técnico, em acordo com o Estatuto e as Regras da Competição, adotou as exigências mínimas que seguem no tocante a esta

Leia mais

Tópicos. Engenharia de Software: Uma Visão Geral

Tópicos. Engenharia de Software: Uma Visão Geral Tópicos 2 3 Engenharia de Software: Uma Visão Geral SCE 186 - Engenharia de Software Profs. José Carlos Maldonado e Elisa Yumi Nakagawa 2 o semestre de 2002 A importância do Software Software Aplicações

Leia mais

NetMRI. Reduzir riscos e melhorar a eficiência da área de TI através de Configuração de rede automática e Gestão de mudança(s)

NetMRI. Reduzir riscos e melhorar a eficiência da área de TI através de Configuração de rede automática e Gestão de mudança(s) Benefícios para os Negócios Detecte e automatize mudanças de rede, e veja quem mudou o que, quando e onde, e monitore qual o impacto na condição e estabilidade da rede. Reduza as suposições com total descoberta,

Leia mais

Crescendo e Inovando com um Parceiro Confiável de Suporte

Crescendo e Inovando com um Parceiro Confiável de Suporte IBM Global Technology Services Manutenção e suporte técnico Crescendo e Inovando com um Parceiro Confiável de Suporte Uma abordagem inovadora em suporte técnico 2 Crescendo e Inovando com um Parceiro Confiável

Leia mais

CENTRO UNIVERSITÁRIO ESTÁCIO RADIAL DE SÃO PAULO SÍNTESE DO PROJETO PEDAGÓGICO DE CURSO 1

CENTRO UNIVERSITÁRIO ESTÁCIO RADIAL DE SÃO PAULO SÍNTESE DO PROJETO PEDAGÓGICO DE CURSO 1 SÍNTESE DO PROJETO PEDAGÓGICO DE CURSO 1 CURSO: Redes de Computadores MISSÃO DO CURSO Com a modernização tecnológica e com o surgimento destes novos serviços e produtos, fica clara a necessidade de profissionais

Leia mais

CobiT. MBA em Sistemas de Informação. Conteúdo. 1. Sumário Executivo. 2. Estrutura. 3. Objetivos de Controle. 4. Diretrizes de Gerenciamento

CobiT. MBA em Sistemas de Informação. Conteúdo. 1. Sumário Executivo. 2. Estrutura. 3. Objetivos de Controle. 4. Diretrizes de Gerenciamento MBA em Sistemas de Informação CobiT Conteúdo 1. Sumário Executivo 2. Estrutura 3. Objetivos de Controle 4. Diretrizes de Gerenciamento 5. Modelo de Maturidade 6. Guia de Certificação de TI 7. Implementação

Leia mais

Engenharia de Software

Engenharia de Software Engenharia de Software O que é a engenharia de software É um conjunto integrado de métodos e ferramentas utilizadas para especificar, projetar, implementar e manter um sistema. Método É uma prescrição

Leia mais

Uma solução de desempenho para a distribuição de documentos: Habilitando a distribuição de documentos em tempo real para corporações globais

Uma solução de desempenho para a distribuição de documentos: Habilitando a distribuição de documentos em tempo real para corporações globais Uma solução de desempenho para a distribuição de documentos: Habilitando a distribuição de documentos em tempo real para corporações globais Visão Geral Desafio Hoje, os aplicativos da web são um tremendo

Leia mais

Gerenciamento de Serviços de TI com base na ITIL

Gerenciamento de Serviços de TI com base na ITIL Gerenciamento de Serviços de TI com base na ITIL Information Technology Infrastructure Library ou Biblioteca de Infraestrutura da Tecnologia da Informação A TI de antes (ou simplesmente informática ),

Leia mais

Windows 2008 Server. Windows 2008 Server IFSP Boituva Prof. Sérgio Augusto Godoy. www.profsergiogodoy.com sergiogutogodoy@hotmail.

Windows 2008 Server. Windows 2008 Server IFSP Boituva Prof. Sérgio Augusto Godoy. www.profsergiogodoy.com sergiogutogodoy@hotmail. Windows 2008 Server IFSP Boituva Prof. Sérgio Augusto Godoy www.profsergiogodoy.com sergiogutogodoy@hotmail.com Windows 2008 Server Construído sob o mesmo código do Vista Server Core (Instalação somente

Leia mais

SAM GERENCIAMENTO DE ATIVOS DE SOFTWARE

SAM GERENCIAMENTO DE ATIVOS DE SOFTWARE SAM GERENCIAMENTO DE ATIVOS DE SOFTWARE Modelo de Otimização de SAM Controle, otimize, cresça Em um mercado internacional em constante mudança, as empresas buscam oportunidades de ganhar vantagem competitiva

Leia mais

Service Oriented Architecture (SOA)

Service Oriented Architecture (SOA) São Paulo, 2011 Universidade Paulista (UNIP) Service Oriented Architecture (SOA) Prof. MSc. Vladimir Camelo vladimir.professor@gmail.com 04/09/11 vladimir.professor@gmail.com 1 04/09/11 vladimir.professor@gmail.com

Leia mais

Uma visão abrangente dos negócios. Solução para superar barreiras e otimizar recursos na sua empresa

Uma visão abrangente dos negócios. Solução para superar barreiras e otimizar recursos na sua empresa Uma visão abrangente dos negócios Solução para superar barreiras e otimizar recursos na sua empresa Negócios sem barreiras O fenômeno da globalização tornou o mercado mais interconectado e rico em oportunidades.

Leia mais

Controle e Monitoramento Inteligente dos processos e regras de negócios utilizando a Plataforma Zabbix

Controle e Monitoramento Inteligente dos processos e regras de negócios utilizando a Plataforma Zabbix 1/7 Controle e Monitoramento Inteligente dos processos e regras de negócios utilizando a Plataforma Zabbix Navegue: 1/7 > www.alertasecurity.com.br +55 11 3105.8655 2/7 PERFIL ALERTA SECURITY SOLUTIONS

Leia mais

Metodologia de Desenvolvimento de Sistemas

Metodologia de Desenvolvimento de Sistemas Metodologia de Desenvolvimento de Sistemas Aula 1 Ementa Fases do Ciclo de Vida do Desenvolvimento de Software, apresentando como os métodos, ferramentas e procedimentos da engenharia de software, podem

Leia mais

Gerência de Redes: Modelos de Gerência de Redes: Modelo FCAPS: Ferramentas de Gerência de Redes:

Gerência de Redes: Modelos de Gerência de Redes: Modelo FCAPS: Ferramentas de Gerência de Redes: Gerência de Redes: - Gerência de redes é o monitoramento de qualquer estrutura física e/ou lógica de uma rede. É de extrema importância esse gerenciamento para que se obtenha um bom fluxo no tráfego das

Leia mais

Levando os benefícios do IP aberto ao controle de acesso físico. Controlador de porta em rede AXIS A1001

Levando os benefícios do IP aberto ao controle de acesso físico. Controlador de porta em rede AXIS A1001 Levando os benefícios do IP aberto ao controle de acesso físico. Controlador de porta em rede AXIS A1001 Abra as portas para o futuro. Com o Controlador de porta em rede AXIS A1001, estamos introduzindo

Leia mais

Gerenciamento de Serviços de TI ITIL v2 Módulo 1 Conceitos básicos

Gerenciamento de Serviços de TI ITIL v2 Módulo 1 Conceitos básicos Gerenciamento de Serviços de TI ITIL v2 Módulo 1 Conceitos básicos Referência: An Introductory Overview of ITIL v2 Livros ITIL v2 Cenário de TI nas organizações Aumento da dependência da TI para alcance

Leia mais

MCITP: ENTERPRISE ADMINISTRATOR

MCITP: ENTERPRISE ADMINISTRATOR 6292: INSTALAÇÃO E CONFIGURAÇÃO DO WINDOWS 7, CLIENT Objetivo: Este curso proporciona aos alunos o conhecimento e as habilidades necessárias para instalar e configurar estações de trabalho utilizando a

Leia mais

ITIL. Conteúdo. 1. Introdução. 2. Suporte de Serviços. 3. Entrega de Serviços. 4. CobIT X ITIL. 5. Considerações Finais

ITIL. Conteúdo. 1. Introdução. 2. Suporte de Serviços. 3. Entrega de Serviços. 4. CobIT X ITIL. 5. Considerações Finais ITIL Conteúdo 1. Introdução 2. Suporte de Serviços 3. Entrega de Serviços 4. CobIT X ITIL 5. Considerações Finais Introdução Introdução Information Technology Infrastructure Library O ITIL foi desenvolvido,

Leia mais

Sistema BuildParty para montagem e gerenciamento de eventos. Plano de Testes. Versão <1.1> DeltaInfo. Soluções para web Soluções para o mundo

Sistema BuildParty para montagem e gerenciamento de eventos. Plano de Testes. Versão <1.1> DeltaInfo. Soluções para web Soluções para o mundo Sistema BuildParty para montagem e gerenciamento de eventos Plano de Testes Versão DeltaInfo Soluções para web Soluções para o mundo DeltaInfo 2 Histórico de Revisões Data Versão Descrição Autores

Leia mais

Como ter sucesso no desenvolvimento e suporte de nuvens híbridas

Como ter sucesso no desenvolvimento e suporte de nuvens híbridas BOLETIM INFORMATIVO Como ter sucesso no desenvolvimento e suporte de nuvens híbridas Oferecido por: HP Gard Little Julho de 2014 Elaina Stergiades OPINIÃO DA IDC Ao planejar a adoção de novas tecnologias

Leia mais

Gerenciamento de Projeto

Gerenciamento de Projeto UNIVERSIDADE ESTADUAL PAULISTA INSTITUTO DE BIOCIÊNCIAS, LETRAS E CIÊNCIAS EXATAS DEPARTAMENTO DE CIÊNCIAS DE COMPUTAÇÃO E ESTATÍSTICA Gerenciamento de Projeto Engenharia de Software 2o. Semestre/ 2005

Leia mais

Módulo 07 Gestão de Conhecimento

Módulo 07 Gestão de Conhecimento Módulo 07 Gestão de Conhecimento Por ser uma disciplina considerada nova dentro do campo da administração, a gestão de conhecimento ainda hoje tem várias definições e percepções, como mostro a seguir:

Leia mais

Gestão de T.I. GESTÃO DE T.I. ITIL. José Luís Padovan jlpadovan@gmail.com

Gestão de T.I. GESTÃO DE T.I. ITIL. José Luís Padovan jlpadovan@gmail.com GESTÃO DE T.I. José Luís Padovan jlpadovan@gmail.com 1 Information Technology Infrastructure Library 2 O que é o? Information Technology Infrastructure Library é uma biblioteca composta por sete livros

Leia mais

Na medida em que se cria um produto, o sistema de software, que será usado e mantido, nos aproximamos da engenharia.

Na medida em que se cria um produto, o sistema de software, que será usado e mantido, nos aproximamos da engenharia. 1 Introdução aos Sistemas de Informação 2002 Aula 4 - Desenvolvimento de software e seus paradigmas Paradigmas de Desenvolvimento de Software Pode-se considerar 3 tipos de paradigmas que norteiam a atividade

Leia mais

ADMINISTRAÇÃO DE REDES E DATA CENTER 1º PERÍODO DE TECNOLOGIA DE REDES

ADMINISTRAÇÃO DE REDES E DATA CENTER 1º PERÍODO DE TECNOLOGIA DE REDES DESENHO DE SERVIÇO Este estágio do ciclo de vida tem como foco o desenho e a criação de serviços de TI cujo propósito será realizar a estratégia concebida anteriormente. Através do uso das práticas, processos

Leia mais

A Biblioteca: Gerenciamento de Serviços de TI. Instrutor : Cláudio Magalhães E-mail: cacmagalhaes@io2.com.br

A Biblioteca: Gerenciamento de Serviços de TI. Instrutor : Cláudio Magalhães E-mail: cacmagalhaes@io2.com.br A Biblioteca: Gerenciamento de Serviços de TI Instrutor : Cláudio Magalhães E-mail: cacmagalhaes@io2.com.br 2 A Biblioteca ITIL: Information Technology Infrastructure Library v2 Fornece um conjunto amplo,

Leia mais

IW10. Rev.: 02. Especificações Técnicas

IW10. Rev.: 02. Especificações Técnicas IW10 Rev.: 02 Especificações Técnicas Sumário 1. INTRODUÇÃO... 1 2. COMPOSIÇÃO DO IW10... 2 2.1 Placa Principal... 2 2.2 Módulos de Sensores... 5 3. APLICAÇÕES... 6 3.1 Monitoramento Local... 7 3.2 Monitoramento

Leia mais

LISTA DE EXERCÍCIOS. Mede a capacidade de comunicação de computadores e dispositivos. Operam em diferentes plataformas de hardware

LISTA DE EXERCÍCIOS. Mede a capacidade de comunicação de computadores e dispositivos. Operam em diferentes plataformas de hardware 1. A nova infra-estrutura de tecnologia de informação Conectividade Mede a capacidade de comunicação de computadores e dispositivos Sistemas abertos Sistemas de software Operam em diferentes plataformas

Leia mais

Roteamento e Comutação

Roteamento e Comutação Roteamento e Comutação Uma estação é considerada parte de uma LAN se pertencer fisicamente a ela. O critério de participação é geográfico. Quando precisamos de uma conexão virtual entre duas estações que

Leia mais

Gerenciamento de Redes de Computadores. Introdução ao Gerenciamento de Redes

Gerenciamento de Redes de Computadores. Introdução ao Gerenciamento de Redes Introdução ao Gerenciamento de Redes O que é Gerenciamento de Redes? O gerenciamento de rede inclui a disponibilização, a integração e a coordenação de elementos de hardware, software e humanos, para monitorar,

Leia mais

Resumo. Introdução História Caracteristicas Exemplos Arquitetura Distribuição Vertical vs Distribuição Horizontal Segurança Conclusão

Resumo. Introdução História Caracteristicas Exemplos Arquitetura Distribuição Vertical vs Distribuição Horizontal Segurança Conclusão Peer 2 Peer (P2P) Resumo Introdução História Caracteristicas Exemplos Arquitetura Distribuição Vertical vs Distribuição Horizontal Segurança Conclusão O que é P2P? Introdução Tipo de arquitetura de rede

Leia mais

Glossário Apresenta a definição dos termos, siglas e abreviações utilizadas no contexto do projeto Citsmart.

Glossário Apresenta a definição dos termos, siglas e abreviações utilizadas no contexto do projeto Citsmart. Apresenta a definição dos termos, siglas e abreviações utilizadas no contexto do projeto Citsmart. Versão 1.6 15/08/2013 Visão Resumida Data Criação 15/08/2013 Versão Documento 1.6 Projeto Responsáveis

Leia mais

Conheça a nova solução de servidor que ajuda pequenas empresas a fazer mais Com menos.

Conheça a nova solução de servidor que ajuda pequenas empresas a fazer mais Com menos. Conheça a nova solução de servidor que ajuda pequenas empresas a fazer mais Com menos. O papel de um servidor Introdução à rede básica Sua empresa tem muitas necessidades recorrentes, tais como organizar

Leia mais

Segurança na Rede Local Redes de Computadores

Segurança na Rede Local Redes de Computadores Ciência da Computação Segurança na Rede Local Redes de Computadores Disciplina de Desenvolvimento de Sotware para Web Professor: Danilo Vido Leonardo Siqueira 20130474 São Paulo 2011 Sumário 1.Introdução...3

Leia mais

ERP. Enterprise Resource Planning. Planejamento de recursos empresariais

ERP. Enterprise Resource Planning. Planejamento de recursos empresariais ERP Enterprise Resource Planning Planejamento de recursos empresariais O que é ERP Os ERPs em termos gerais, são uma plataforma de software desenvolvida para integrar os diversos departamentos de uma empresa,

Leia mais

MÓDULO 11 ELEMENTOS QUE FAZEM PARTE DO PROJETO DO SISTEMA

MÓDULO 11 ELEMENTOS QUE FAZEM PARTE DO PROJETO DO SISTEMA MÓDULO 11 ELEMENTOS QUE FAZEM PARTE DO PROJETO DO SISTEMA Através dos elementos que fazem parte do projeto do sistema é que podemos determinar quais as partes do sistema que serão atribuídas às quais tipos

Leia mais

Linha Criativa por Lunzayiladio Hervé Maimona PORTFOLIO

Linha Criativa por Lunzayiladio Hervé Maimona PORTFOLIO PORTFOLIO 2014 A LINHA CRIATIVA é uma solução de TI focada em produtos inteligentes e simples, actuando no sector de empresas de médio e pequeno porte, nas áreas de terceirização, infra-estrutura, suporte,

Leia mais

Inteligência Artificial

Inteligência Artificial Inteligência Artificial As organizações estão ampliando significativamente suas tentativas para auxiliar a inteligência e a produtividade de seus trabalhadores do conhecimento com ferramentas e técnicas

Leia mais

Cisco UCS Mini: solução avançada com recursos corporativos

Cisco UCS Mini: solução avançada com recursos corporativos Resumo da solução Cisco UCS Mini: solução avançada com recursos corporativos Você deseja uma solução de computação unificada para a sua empresa de médio ou pequeno porte ou para o padrão avançado do seu

Leia mais

Contrato de Suporte End.: Telefones:

Contrato de Suporte End.: Telefones: Contrato de Suporte Contrato de Suporte Desafios das empresas no que se refere à infraestrutura de TI Possuir uma infraestrutura de TI que atenda as necessidades da empresa Obter disponibilidade dos recursos

Leia mais

IBM Cognos Business Intelligence Scorecarding

IBM Cognos Business Intelligence Scorecarding IBM Cognos Business Intelligence Scorecarding Unindo a estratégia às operações com sucesso Visão Geral O Scorecarding oferece uma abordagem comprovada para comunicar a estratégia de negócios por toda a

Leia mais

da mão-de-obra de TI da América Latina está no Brasil (considerado o maior empregador do setor) seguido pelo México com 23%.

da mão-de-obra de TI da América Latina está no Brasil (considerado o maior empregador do setor) seguido pelo México com 23%. Informações de Tecnologia A tecnologia virou ferramenta indispensável para as pessoas trabalharem, se comunicarem e até se divertirem. Computação é a área que mais cresce no mundo inteiro! Esse constante

Leia mais

Universidade Paulista

Universidade Paulista Universidade Paulista Ciência da Computação Sistemas de Informação Gestão da Qualidade Principais pontos da NBR ISO/IEC 12207 - Tecnologia da Informação Processos de ciclo de vida de software Sergio Petersen

Leia mais

FACULDADE DE TECNOLOGIA SENAC GOIÁS GESTÃO DA TECNOLOGIA DA INFORMAÇÃO EDUARDO ROCHA BRUNO CATTANY FERNANDO BAPTISTA

FACULDADE DE TECNOLOGIA SENAC GOIÁS GESTÃO DA TECNOLOGIA DA INFORMAÇÃO EDUARDO ROCHA BRUNO CATTANY FERNANDO BAPTISTA FACULDADE DE TECNOLOGIA SENAC GOIÁS GESTÃO DA TECNOLOGIA DA INFORMAÇÃO EDUARDO ROCHA BRUNO CATTANY FERNANDO BAPTISTA Descrição da(s) atividade(s): Indicar qual software integrado de gestão e/ou ferramenta

Leia mais

Importância do GED. Implantação de um Sistema de GED

Importância do GED. Implantação de um Sistema de GED Implantação de um Sistema de GED Gerenciamento Eletrônico de Documentos Importância do GED O GED tem uma importante contribuição na tarefa da gestão eficiente da informação; É a chave para a melhoria da

Leia mais

Fábrica de Software 29/04/2015

Fábrica de Software 29/04/2015 Fábrica de Software 29/04/2015 Crise do Software Fábrica de Software Analogias costumam ser usadas para tentar entender melhor algo ou alguma coisa. A idéia é simples: compara-se o conceito que não se

Leia mais

IBM System Storage. Projeta suas informações de negócios importantes com soluções de segurança de informações da IBM

IBM System Storage. Projeta suas informações de negócios importantes com soluções de segurança de informações da IBM IBM System Storage Projeta suas informações de negócios importantes com soluções de segurança de informações da IBM As organizações sempre se esforçaram para gerenciar o crescimento exponencial de informações

Leia mais

Segurança Internet. Fernando Albuquerque. fernando@cic.unb.br www.cic.unb.br/docentes/fernando (061) 273-3589

Segurança Internet. Fernando Albuquerque. fernando@cic.unb.br www.cic.unb.br/docentes/fernando (061) 273-3589 Segurança Internet Fernando Albuquerque fernando@cic.unb.br www.cic.unb.br/docentes/fernando (061) 273-3589 Tópicos Introdução Autenticação Controle da configuração Registro dos acessos Firewalls Backups

Leia mais

15/09/2015. Gestão e Governança de TI. Modelo de Governança em TI. A entrega de valor. A entrega de valor. A entrega de valor. A entrega de valor

15/09/2015. Gestão e Governança de TI. Modelo de Governança em TI. A entrega de valor. A entrega de valor. A entrega de valor. A entrega de valor Gestão e Governança de TI Modelo de Governança em TI Prof. Marcel Santos Silva PMI (2013), a gestão de portfólio é: uma coleção de projetos e/ou programas e outros trabalhos que são agrupados para facilitar

Leia mais

Projeto de controle e Automação de Antena

Projeto de controle e Automação de Antena Projeto de controle e Automação de Antena Wallyson Ferreira Resumo expandido de Iniciação Tecnológica PUC-Campinas RA: 13015375 Lattes: K4894092P0 wallysonbueno@gmail.com Omar C. Branquinho Sistemas de

Leia mais

Administração de Sistemas de Informação Gerenciais

Administração de Sistemas de Informação Gerenciais Administração de Sistemas de Informação Gerenciais UNIDADE III: Infraestrutura de Tecnologia da Informação Atualmente, a infraestrutura de TI é composta por cinco elementos principais: hardware, software,

Leia mais

da mão-de-obra de TI da América Latina está no Brasil (considerado o maior empregador do setor) seguido pelo México com 23%.

da mão-de-obra de TI da América Latina está no Brasil (considerado o maior empregador do setor) seguido pelo México com 23%. Informações de Tecnologia A tecnologia virou ferramenta indispensável para as pessoas trabalharem, se comunicarem e até se divertirem. Computação é a área que mais cresce no mundo inteiro! Esse constante

Leia mais

Gerenciamento de Incidentes

Gerenciamento de Incidentes Gerenciamento de Incidentes Os usuários do negócio ou os usuários finais solicitam os serviços de Tecnologia da Informação para melhorar a eficiência dos seus próprios processos de negócio, de forma que

Leia mais

Automatizando o Data Center

Automatizando o Data Center Este artigo examina uma arquitetura alternativa que suporte a automação do data center e o provisionamento dinâmico sem a virtualização do sistema operacional. por Lori MacVittie Gerente Técnico de Marketing,

Leia mais

Acordo de Nível de Serviço

Acordo de Nível de Serviço VERSÃO 20120815 Acordo de Nível de Serviço Gestão Compartilhada Página. 2 de 13 Sumário PARTE 1... 3 1 INTRODUÇÃO... 3 2 DEFINIÇÕES... 4 2.1 GESTÃO COMPARTILHADA... 4 2.2 PROVEDOR... 4 2.3 CLIENTE... 4

Leia mais

Metas de um Sistema Distribuído

Metas de um Sistema Distribuído Metas de um Sistema Distribuído Sistemas Distribuídos Mauro Lopes Carvalho Silva Professor EBTT DAI Departamento de Informática Campus Monte Castelo Instituto Federal de Educação Ciência e Tecnologia do

Leia mais

Gerência de Redes NOC

Gerência de Redes NOC Gerência de Redes NOC Cássio D. B. Pinheiro pinheiro.cassio@ig.com.br cassio.orgfree.com Objetivos Apresentar os conceitos fundamentais, assim como os elementos relacionados a um dos principais componentes

Leia mais

Identificar as mudanças que acontecem na forma e no uso de apoio à decisão em empreendimentos de e-business. Identificar o papel e alternativas de

Identificar as mudanças que acontecem na forma e no uso de apoio à decisão em empreendimentos de e-business. Identificar o papel e alternativas de 1 Identificar as mudanças que acontecem na forma e no uso de apoio à decisão em empreendimentos de e-business. Identificar o papel e alternativas de relatórios dos sistemas de informação gerencial. Descrever

Leia mais

Dez fatos inteligentes que você deve saber sobre storage

Dez fatos inteligentes que você deve saber sobre storage Dez fatos inteligentes que você deve saber sobre storage Tendências, desenvolvimentos e dicas para tornar o seu ambiente de storage mais eficiente Smart decisions are built on Storage é muito mais do que

Leia mais

GESTÃO DE TI NAS ORGANIZAÇÕES CONTEMPORÂNEAS

GESTÃO DE TI NAS ORGANIZAÇÕES CONTEMPORÂNEAS GESTÃO DE TI NAS ORGANIZAÇÕES CONTEMPORÂNEAS WALLACE BORGES CRISTO 1 JOÃO CARLOS PEIXOTO FERREIRA 2 João Paulo Coelho Furtado 3 RESUMO A Tecnologia da Informação (TI) está presente em todas as áreas de

Leia mais

Forefront Server Security Management Console: Gerenciamento Simplificado da Segurança para Mensagens e Colaboração White Paper

Forefront Server Security Management Console: Gerenciamento Simplificado da Segurança para Mensagens e Colaboração White Paper Forefront Server Security Management Console: Gerenciamento Simplificado da Segurança para Mensagens e Colaboração White Paper Outubro de 2007 Resumo Este white paper explica a função do Forefront Server

Leia mais

Transformando os processos e a cultura de TI para assegurar a qualidade do serviço e aprimorar a eficiência operacional de TI

Transformando os processos e a cultura de TI para assegurar a qualidade do serviço e aprimorar a eficiência operacional de TI RESUMO EXECUTIVO Service Operations Management Novembro de 2011 Transformando os processos e a cultura de TI para assegurar a qualidade do serviço e aprimorar a eficiência operacional de TI agility made

Leia mais

CLOUD COMPUTING NAS EMPRESAS: NUVEM PÚBLICA OU NUVEM PRIVADA? nubeliu.com

CLOUD COMPUTING NAS EMPRESAS: NUVEM PÚBLICA OU NUVEM PRIVADA? nubeliu.com CLOUD COMPUTING NAS EMPRESAS: NUVEM PÚBLICA OU NUVEM PRIVADA? nubeliu.com SUMÁRIO Introdução... 4 Nuvem pública: quando ela é ideal... 9 Nuvem privada: quando utilizá-la... 12 Alternativas de sistemas

Leia mais

Engenharia de Software I. Prof. André Castro Garcia

Engenharia de Software I. Prof. André Castro Garcia Engenharia de Software I Prof. André Castro Garcia 1. Introdução 1.1 A IMPORTÂNCIA DO SOFTWARE Nas primeiras décadas da era do computador, o principal desafio era desenvolver um hardware que reduzisse

Leia mais

GESTÃO DE SISTEMAS OPERACIONAIS II

GESTÃO DE SISTEMAS OPERACIONAIS II GESTÃO DE SISTEMAS OPERACIONAIS II Servidores Definição Servidores História Servidores Tipos Servidores Hardware Servidores Software Evolução do Windows Server Windows Server 2003 Introdução Windows Server

Leia mais

Relatorio do trabalho pratico 2

Relatorio do trabalho pratico 2 UNIVERSIDADE FEDERAL DE SANTA CATARINA INE5414 REDES I Aluno: Ramon Dutra Miranda Matricula: 07232120 Relatorio do trabalho pratico 2 O protocolo SNMP (do inglês Simple Network Management Protocol - Protocolo

Leia mais

Sistemas Distribuídos

Sistemas Distribuídos Sistemas Distribuídos Modelo Cliente-Servidor: Introdução aos tipos de servidores e clientes Prof. MSc. Hugo Souza Iniciando o módulo 03 da primeira unidade, iremos abordar sobre o Modelo Cliente-Servidor

Leia mais

Gestão do Conteúdo. 1. Introdução

Gestão do Conteúdo. 1. Introdução Gestão do Conteúdo 1. Introdução Ser capaz de fornecer informações a qualquer momento, lugar ou através de qualquer método e ser capaz de fazê-lo de uma forma econômica e rápida está se tornando uma exigência

Leia mais

Softwares de Sistemas e de Aplicação

Softwares de Sistemas e de Aplicação Fundamentos dos Sistemas de Informação Softwares de Sistemas e de Aplicação Profª. Esp. Milena Resende - milenaresende@fimes.edu.br Visão Geral de Software O que é um software? Qual a função do software?

Leia mais

IBM Software IBM Business Process Manager Simples e Poderoso

IBM Software IBM Business Process Manager Simples e Poderoso IBM Software IBM Business Process Manager Simples e Poderoso Uma única plataforma BPM que oferece total visibilidade e gerenciamento de seus processos de negócios 2 IBM Business Process Manager Simples

Leia mais

Governança de T.I. Professor: Ernesto Junior E-mail: egpjunior@gmail.com

Governança de T.I. Professor: Ernesto Junior E-mail: egpjunior@gmail.com Governança de T.I Professor: Ernesto Junior E-mail: egpjunior@gmail.com Information Technology Infrastructure Library ITIL ITIL é um acrônimo de Information Technology Infraestruture Library. Criado em

Leia mais

Para construção dos modelos físicos, será estudado o modelo Relacional como originalmente proposto por Codd.

Para construção dos modelos físicos, será estudado o modelo Relacional como originalmente proposto por Codd. Apresentação Este curso tem como objetivo, oferecer uma noção geral sobre a construção de sistemas de banco de dados. Para isto, é necessário estudar modelos para a construção de projetos lógicos de bancos

Leia mais

21. Qualidade de Produto ou Qualidade de Processo de Software?

21. Qualidade de Produto ou Qualidade de Processo de Software? 21. Qualidade de Produto ou Qualidade de Processo de Software? Qualidade de software é uma preocupação real e esforços têm sido realizados na busca pela qualidade dos processos envolvidos em seu desenvolvimento

Leia mais

Governança de TI com COBIT, ITIL e BSC

Governança de TI com COBIT, ITIL e BSC {aula #2} Parte 1 Governança de TI com melhores práticas COBIT, ITIL e BSC www.etcnologia.com.br Rildo F Santos rildo.santos@etecnologia.com.br twitter: @rildosan (11) 9123-5358 skype: rildo.f.santos (11)

Leia mais

UMA VISÃO GERAL DA COMPUTAÇÃO EM NUVEM

UMA VISÃO GERAL DA COMPUTAÇÃO EM NUVEM UMA VISÃO GERAL DA COMPUTAÇÃO EM NUVEM Ederson dos Santos Cordeiro de Oliveira 1, Tiago Piperno Bonetti 1, Ricardo Germano 1 ¹Universidade Paranaense (Unipar) Paranavaí PR Brasil edersonlikers@gmail.com,

Leia mais

ERP. Planejamento de recursos empresariais

ERP. Planejamento de recursos empresariais ERP Enterprise Resource Planning Planejamento de recursos empresariais ERP Enterprise Resource Planning -Sistema de Gestão Empresarial -Surgimento por volta dos anos 90 -Existência de uma base de dados

Leia mais

Processos de Software. 2007 by Pearson Education Ian Sommerville 2006 Engenharia de Software, 8ª. edição. Capítulo 4 Slide 1

Processos de Software. 2007 by Pearson Education Ian Sommerville 2006 Engenharia de Software, 8ª. edição. Capítulo 4 Slide 1 Processos de Software Ian Sommerville 2006 Engenharia de Software, 8ª. edição. Capítulo 4 Slide 1 Objetivos Apresentar modelos de processos de software Descrever três modelos genéricos de processo e quando

Leia mais