Agenda. Fluxos financeiros. Como preencher a declaração anual. Reciclagem de embalagens. Multipacks. Valores Ponto Verde 2013

Save this PDF as:
 WORD  PNG  TXT  JPG

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "Agenda. Fluxos financeiros. Como preencher a declaração anual. Reciclagem de embalagens. Multipacks. Valores Ponto Verde 2013"

Transcrição

1 JORNADAS TÉCNICAS Lisboa, 13 Dezembro 2012

2 Agenda 2 Fluxos financeiros Como preencher a declaração anual Reciclagem de embalagens Multipacks Valores Ponto Verde 2013

3 Fluxos financeiros 3

4 Fluxos financeiros A Sociedade Ponto Verde é uma entidade sem fins lucrativos 4 VC + VIM + Marketing + I&D + Estrutura = VPV + VR Os custos: VC Valor de Contrapartida, valor pago aos Sistemas Municipais pela recolha e triagem dos resíduos do Fluxo Urbano VIM Valor de Informação e Motivação, valor pago aos Operadores de Gestão de Resíduos pela informação recebida destes quanto ao encaminhamento dos resíduos de embalagens do Fluxo Não Urbano para reciclagem Marketing - investimentos na sensibilização da população I&D investimento em investigação e desenvolvimento Estrutura - custos com pessoal e restantes custos de estrutura Têm que ser iguais às receitas: VPV Valor Ponto Verde, valor pago pelos Embaladores/Importadores VR Valor de Retoma, valor positivo ou negativo resultante da venda dos resíduos à indústria de reciclagem

5 Fluxos financeiros 5 RECEITAS Embalagens PGC s Prim. Multipacks Embalagens de Serviço (Incluindo Sacos de Caixa) CUSTOS Recolha Selectiva (Ecopontos + Porta-a-Porta) Tratamento Mecânico Biológico Escórias de Embalagens da Incineração Embalagens PGC s Sec. + Terc. Embalagens PI s Emb. Prim + Sec. + Terc. Valor de Informação e Motivação

6 Alterações na declaração anual 6 ESTRUTURA DA DECLARAÇÃO 1. Novo campo respeitante a embalagens multipacks na zona dos Produtos de Grande Consumo (PGC) 2. Reposicionamento do campo relativo aos sacos de caixa, deixando de estar localizado no fim da declaração, e passando a estar integrado na zona de PGC

7 Embalagens de Produtos Ind. Perigosos Embalagens de Produtos Industriais Embalagens de Produtos de Grande Consumo Declaração 2012 DECLARAÇÃO ANUAL 2012 ÂMBITO MATERIAL Primárias Sacos de Caixa Multipacks Secundárias Terciárias VIDRO PLÁSTICO PAPEL E CARTÃO ECAL FLUXO URBANO AÇO ALUMÍNIO MADEIRA OUTROS MATERIAIS 7 ÂMBITO MATERIAL Primárias Secundárias Terciárias VIDRO PLÁSTICO PAPEL E CARTÃO AÇO ALUMÍNIO MADEIRA OUTROS MATERIAIS FLUXO URBANO ÂMBITO MATERIAL Primárias Secundárias Terciárias VIDRO PLÁSTICO PAPEL E CARTÃO AÇO ALUMÍNIO MADEIRA

8 Embalagens de Produtos Ind. Perigosos Embalagens de Produtos Industriais Embalagens de Produtos de Grande Consumo Declaração 2012 DECLARAÇÃO ANUAL 2012 ÂMBITO MATERIAL Primárias Sacos de Caixa Multipacks Secundárias Terciárias VIDRO PLÁSTICO PAPEL E CARTÃO ECAL FLUXO NÃO AÇO URBANO ALUMÍNIO MADEIRA OUTROS MATERIAIS 8 ÂMBITO MATERIAL Primárias Secundárias Terciárias VIDRO PLÁSTICO PAPEL E CARTÃO AÇO ALUMÍNIO MADEIRA OUTROS MATERIAIS FLUXO NÃO URBANO FLUXO URBANO ÂMBITO MATERIAL Primárias Secundárias Terciárias VIDRO PLÁSTICO PAPEL E CARTÃO AÇO FLUXO NÃO URBANO ALUMÍNIO MADEIRA

9 Como preencher a declaração? 9

10 Embalagens a declarar 10 RESPONSABILIDADE LEGAL Devem ser declaradas todas as embalagens não reutilizáveis de produtos cuja primeira colocação no mercado nacional seja da responsabilidade da sua empresa: Embala produtos com a sua própria marca Manda outras empresas embalar produtos com a sua marca Importa directamente produtos que coloca no mercado nacional

11 Embalagens que não devem ser declaradas 11 Embalagens reutilizáveis/retornáveis Embalagens de produtos vendidas para fora do país (seja para países da União Europeia, seja para qualquer outro país) Embalagens destinadas a uso hospitalar incluídas nos Grupos III e IV do Despacho 242/96, do Ministério da Saúde, de 13 de Agosto Embalagens de matérias-primas e de produtos embalados, desde que utilizados exclusivamente para consumo próprio nas respectivas instalações e objecto de um circuito fechado no seu processo de utilização, deixaram, a partir de 18 de Junho de 2011, de estar abrangidas pela obrigação de serem submetidas a um sistema de consignação ou integrado

12 Como preencher a declaração 12 Para identificar as zonas de preenchimento que se aplicam às embalagens dos seus produtos deve consultar o diagrama abaixo e, quando necessário, recorrer à Tabela de Classificação de Embalagens Primárias por sector de actividade. Diagrama aplicável aos produtos que comercializa 1) Canal HORECA hotéis, restaurantes, cafés, cantinas, pastelarias e padarias com e sem fabrico próprio 2) Produtos que irão sofrer uma transformação ou incorporação num outro bem ou serviço, não podendo ser vendidos individualmente ao consumidor final nem se destinam ao canal HORECA

13 Embalagens a declarar 13 EMBALAGEM DE VENDA OU EMBALAGEM PRIMÁRIA Qualquer embalagem concebida de modo a constituir uma unidade de venda para o utilizador final ou consumidor no ponto de compra EXEMPLOS - Caixa de cereais - Aerossol - Boião de compota - Boião de iogurte - Frasco de champô - Garrafa de água - Garrafa de azeite - Garrafa de vinho - Lata de cerveja - Lata de conserva - Lata de tinta - Pacote de leite - Pacote de massa - Pacote de açúcar

14 Embalagens a declarar 14 EMBALAGEM DE GRUPAGEM OU EMBALAGEM SECUNDÁRIA Qualquer embalagem concebida de modo a constituir, no ponto de compra, uma grupagem de determinado número de unidades de venda, quer estas sejam vendidas como tal ao utilizador ou consumidor final, quer sejam apenas utilizadas como meio de reaprovisionamento no ponto de venda, podendo ser retirada do produto sem afectar as suas características. EXEMPLOS - Caixa de cartão canelado (contendo caixas de cereais) - Tabuleiro em cartão com plástico retráctil (com boiões de compota dentro)

15 Embalagens a declarar 15 EMBALAGEM DE TRANSPORTE OU EMBALAGEM TERCIÁRIA Qualquer embalagem concebida de modo a facilitar a movimentação e o transporte de uma série de unidades de venda ou embalagens grupadas, a fim de evitar danos físicos durante a movimentação e o transporte, excluindo os contentores para transporte rodoviário, ferroviário, marítimo e aéreo. EXEMPLOS - Palete de madeira, não reutilizável - Separadores de cartão - Cintas de plástico - Filme plástico de paletização

16 Embalagens a declarar EMBALAGENS DE SERVIÇO 16 Embalagens que são cheias e/ou executadas pelas empresas, normalmente dos sectores da Distribuição/Comércio, Serviços e Restauração e Bebidas, e que se destinam exclusivamente a acondicionar os produtos comercializados por estas nos seus pontos de venda. Estas embalagens deverão ser declaradas como embalagens primárias, excepto os sacos de caixa que têm um campo específico na declaração anual. EXEMPLOS - Sacos de plástico ou de papel para pão e bolos - Saco para fruta e legumes vendidos ao kg - Embalagem de comida pronta - Embalagens para colocar flores vendidas nas floristas - Plásticos usados nas lavandarias para envolver as peças depois de limpas

17 Embalagens a declarar 17 SACOS DE CAIXA Embalagens, normalmente sacos de plástico ou papel com asas, que são disponibilizados pelas empresas dos sectores da Distribuição/Retalho, para que os consumidores acondicionem os produtos adquiridos à saída dos pontos de venda. EXEMPLOS - Saco de plástico com asas disponibilizado num hipermercado - Saco de papel com asas disponibilizado num pronto-a-vestir

18 Embalagens de Produtos Ind. Perigosos Embalagens de Produtos Industriais Embalagens de Produtos de Grande Consumo Declaração 2012 Fluxo Urbano DECLARAÇÃO ANUAL 2012 ÂMBITO MATERIAL Primárias Sacos de Caixa Multipacks VIDRO PLÁSTICO PAPEL E CARTÃO ECAL AÇO ALUMÍNIO MADEIRA OUTROS MATERIAIS Secundárias Terciárias 18 ÂMBITO MATERIAL Primárias Secundárias Terciárias VIDRO PLÁSTICO PAPEL E CARTÃO AÇO ALUMÍNIO MADEIRA OUTROS MATERIAIS FLUXO URBANO ÂMBITO MATERIAL Primárias Secundárias Terciárias VIDRO PLÁSTICO PAPEL E CARTÃO AÇO ALUMÍNIO MADEIRA

19 Embalagens de Produtos Ind. Perigosos Embalagens de Produtos Industriais Embalagens de Produtos de Grande Consumo Declaração 2012 Fluxo Não Urbano DECLARAÇÃO ANUAL 2012 ÂMBITO MATERIAL Primárias Sacos de Caixa Multipacks Secundárias Terciárias VIDRO PLÁSTICO PAPEL E CARTÃO ECAL AÇO ALUMÍNIO MADEIRA OUTROS MATERIAIS 19 ÂMBITO MATERIAL Primárias Secundárias Terciárias VIDRO PLÁSTICO PAPEL E CARTÃO AÇO ALUMÍNIO MADEIRA OUTROS MATERIAIS FLUXO URBANO ÂMBITO MATERIAL Primárias Secundárias Terciárias VIDRO PLÁSTICO PAPEL E CARTÃO AÇO ALUMÍNIO MADEIRA

20 Reciclagem de embalagens 20

21 Reciclagem de embalagens 21 VIDRO

22 Reciclagem de embalagens 22 PET

23 Reciclagem de embalagens 23 PEAD

24 Reciclagem de embalagens 24 FILME

25 Reciclagem de embalagens PLÁSTICOS MISTOS 25

26 Reciclagem de embalagens 26 PAPEL/CARTÃO

27 Reciclagem de embalagens ECAL 27

28 Reciclagem de embalagens AÇO 28

29 Reciclagem de embalagens ALUMÍNIO 29

30 Reciclagem de embalagens MADEIRA 30

31 Multipacks 31

32 Multipacks 32 O que é um multipack? Os multipacks são embalagens (geralmente de papel e/ou plástico) que agrupam várias unidades de venda individuais (cada uma com código de barras próprio), e que foram concebidas especificamente para possibilitar a venda ao consumidor final. Quando é que uma embalagem é considerada multipack? Tem que satisfazer a condição base da embalagem de grupagem ter sido concebida especificamente para ser vendida ao consumidor final. Para facilitar a determinação do que é multipack, foram adoptadas algumas regras práticas e exemplos. Ofertas promocionais Toda e qualquer embalagem de grupagem de ofertas promocionais deverá ser sempre classificada e incluída na declaração como multipack.

33 Multipacks Leite e Bebidas 33 Tipo de embalagem de grupagem Todas as embalagens de grupagem contendo bebidas espirituosas e vinhos (excepto espumantes e frisantes). Todas as embalagens de grupagem contendo espumantes e frisantes. Limite* para classificação como multipack 3 unidades primárias ou menos (ex: caixa com 3 garrafas de vinho) Multipack 3 unidades 2 unidades primárias ou menos (ex: caixa com 2 garrafas de espumante) Todas as embalagens de grupagem contendo leite e bebidas, excepto bebidas espirituosas e todos os tipos de vinho, cujo conteúdo da unidade de venda (primária) seja maior ou igual a 1 litro. Primária 1 litro Multipack 2 unidades 10 litros conteúdo total ou menos (ex: 6 x 1,5l de água ou 4 x 2l de refrigerante) Multipack 10 litros Todas as embalagens de grupagem contendo bebidas, excepto bebidas espirituosas e todos os tipos de vinho, 12 unidades primárias ou menos cujo * expresso conteúdo em da volume unidade total de de venda produto seja contido menor no que multipack 1 ou nº de unidades (ex: 6 contidas latas de no refrigerante) multipack litro. Primária < 1 litro Multipack 12 unidades

34 Multipacks - Exemplos 34 Cartão a agrupar 6 garrafas de cerveja, 6 leites achocolatados, 4 iogurtes

35 Multipacks - Exemplos 35 Plástico a agrupar 6 latas de refrigerante ou cerveja Plástico a agrupar 6 pacotes de leite

36 Multipacks - Exemplos 36 Plástico a agrupar 4 garrafas de água ou de refrigerante

37 Multipacks Ofertas promocionais 37 Todas as embalagens de ofertas promocionais deverão ser sempre classificadas como multipacks, desde que os produtos que as compõem tenham código de barras próprio. São exemplos de ofertas promocionais os banded pack, bonus pack e brindes. Banded pack conjunto de 2 ou mais produtos diferentes

38 Multipacks Ofertas promocionais 38 Bonus pack conjunto de 2 ou mais produtos iguais

39 Multipacks - Brindes 39 Brinde objecto oferecido na compra de um produto, localizado no interior da embalagem ou unido a esta. A embalagem que os une ao(s) produto(s), ou seja, a embalagem de junção, deve ser declarada na nova categoria multipack, desde que os produtos tenham código de barras próprio. Contudo, a embalagem que envolve directamente o brinde deve continuar a ser declarada como embalagem primária.

40 Embalagens Primárias 40 EMBALAGENS QUE PODEM SER CONFUNDIDAS COM MULTIPACKS!! Aquelas que contêm no seu interior produtos embalados que não podem ser comercializados individualmente pois não contêm código de barras próprio, ou seja, o cliente no local de venda não poderá abrir a embalagem de grupagem e comprar apenas uma unidade. Estas embalagens deverão continuar a ser declaradas como primárias.

41 Como declarar as embalagens multipacks? 41

42 Como declarar embalagens similares a multipacks? 42

43 Valores Ponto Verde

44 Embalagens de Produtos Ind. Perigosos Embalagens de Produtos Industriais Embalagens de Produtos de Grande Consumo Valores Ponto Verde 2013 ÂMBITO MATERIAL Primárias ( /ton) Sacos de Caixa Multipacks Secundárias Terciárias 44 VIDRO 16,1 PLÁSTICO 200,8 200,8 68,4 23,8 23,8 PAPEL E CARTÃO 75,9 75,9 26,1 7,0 7,0 ECAL 1) 113,9 AÇO 84,5 30,9 24,4 24,4 ALUMÍNIO 144,7 MADEIRA 13,6 10,3 9,1 9,1 OUTROS MATERIAIS 228,8 55,0 55,0 ÂMBITO MATERIAL Primárias Secundárias Terciárias VIDRO 13,5 PLÁSTICO 23,8 23,8 23,8 PAPEL E CARTÃO AÇO 24,4 24,4 24,4 ALUMÍNIO 49,4 MADEIRA 9,1 9,1 9,1 OUTROS MATERIAIS 55,0 55,0 55,0 ÂMBITO MATERIAL Primárias Secundárias Terciárias VIDRO 13,5 PLÁSTICO 23,8 23,8 23,8 PAPEL E CARTÃO AÇO 24,4 24,4 24,4 ALUMÍNIO 49,4 MADEIRA 9,1 Aos valores indicados acresce o IVA à taxa legal em vigor. 1) ECAL - Embalagens de Cartão para Alimentos Líquidos

45 Valores Ponto Verde Aos valores indicados acresce o IVA à taxa legal em vigor

46 Manual Declaração

47 47 Nós não herdámos o planeta dos nossos pais, pedimo-lo emprestado aos nossos filhos provérbio Sioux

DAS EMPRESAS www.pontoverde.pt

DAS EMPRESAS www.pontoverde.pt PARCEIRA DAS EMPRESAS www.pontoverde.pt SOCIEDADE PONTO VERDE PARCEIRA DAS EMPRESAS A Sociedade Ponto Verde é uma empresa privada sem fins lucrativos, licenciada pelo Ministério do Ambiente e Ordenamento

Leia mais

MANUAL SPV PREENCHIMENTO. www.pontoverde.pt

MANUAL SPV PREENCHIMENTO. www.pontoverde.pt MANUAL SPV PREENCHIMENTO DECLARAÇÃO www.pontoverde.pt ANUAL 2012 www.pontoverde.pt CARO ADERENTE: Passados 16 anos de existência, a SPV, cumpriu e ultrapassou a meta global de 55% de retoma fixada na sua

Leia mais

Parceira das empresas

Parceira das empresas Parceira das empresas PARCEIRA DAS EMPRESAS 02 SOCIEDADE PONTO VERDE PARCEIRA DAS EMPRESAS A Sociedade Ponto Verde é uma empresa privada sem fi ns lucrativos, licenciada pelo Ministério do Ambiente e Ordenamento

Leia mais

MANUAL SPV PREENCHIMENTO. www.pontoverde.pt

MANUAL SPV PREENCHIMENTO. www.pontoverde.pt MANUAL SPV PREENCHIMENTO DECLARAÇÃO www.pontoverde.pt ANUAL 2013 www.pontoverde.pt CARO ADERENTE: Passados 17 anos de existência, a SPV, cumpriu e ultrapassou a meta global de 55% de retoma fixada na sua

Leia mais

O QUE É A RECICLAGEM?

O QUE É A RECICLAGEM? O QUE É A RECICLAGEM? A reciclagem é a transformação dos resíduos de embalagens - depois de separados por famílias de materiais (papel/cartão, vidro e embalagens de plástico ou metal) em novos objectos.

Leia mais

EMBALAGENS A DECLARAR

EMBALAGENS A DECLARAR EMBALAGENS A DECLARAR Embalagens a declarar RESPONSABILIDADE LEGAL Devem ser declaradas todas as embalagens não reutilizáveis de produtos cuja primeira colocação no mercado nacional seja da responsabilidade

Leia mais

RELATÓRIO DE ATIVIDADES 2013 SOCIEDADE PONTO VERDE. www.pontoverde.pt

RELATÓRIO DE ATIVIDADES 2013 SOCIEDADE PONTO VERDE. www.pontoverde.pt RELATÓRIO DE ATIVIDADES 2013 SOCIEDADE PONTO VERDE www.pontoverde.pt Entidade Atividade Licença Sociedade Ponto Verde Gestão de um Sistema Integrado de Gestão de Resíduos de Embalagens (SIGRE) Licença

Leia mais

1. Introdução 2. 2. As funções da embalagem 2. 3. Classificação das embalagens 5. 4. Principais características dos materiais de embalagem 6

1. Introdução 2. 2. As funções da embalagem 2. 3. Classificação das embalagens 5. 4. Principais características dos materiais de embalagem 6 Capítulo I CONCEITOS GERAIS SOBRE EMBALAGEM 1. Introdução 2 2. As funções da embalagem 2 3. Classificação das embalagens 5 4. Principais características dos materiais de embalagem 6 5. O ambiente e a embalagem

Leia mais

JORNADAS TÉCNICAS Mário Raposo

JORNADAS TÉCNICAS Mário Raposo JORNADAS TÉCNICAS 2014 Mário Raposo Agenda Funcionamento da SPV Como preencher a declaração anual Valores Ponto Verde 2014 Site aderentes Alterações em 2014 2 Funcionamento da SPV Sociedade Ponto Verde

Leia mais

ESPECIFICAÇÕES TÉCNICAS RESÍDUOS DE EMBALAGENS DE VIDRO

ESPECIFICAÇÕES TÉCNICAS RESÍDUOS DE EMBALAGENS DE VIDRO RESÍDUOS DE EMBALAGENS DE VIDRO Documentos de referência: Despacho n.º15370/2008 (Alteração à licença concedida à Sociedade Ponto Verde em 7 de Dezembro de 2004); Ajustamento, de 24 de Novembro de 2008,

Leia mais

MINISTÉRIO DAS ACTIVIDADES ECONÓMICAS E DO TRABALHO MINISTÉRIO DO AMBIENTE E DO ORDENAMENTO DO TERRITÓRIO LICENÇA

MINISTÉRIO DAS ACTIVIDADES ECONÓMICAS E DO TRABALHO MINISTÉRIO DO AMBIENTE E DO ORDENAMENTO DO TERRITÓRIO LICENÇA LICENÇA Licenciamento de uma entidade gestora de resíduos de embalagens, ao abrigo do preceituado no Decreto-Lei n.º 366-A/97, de 20 de Dezembro, na redacção introduzida pelo Decreto-Lei n.º 162/2000,

Leia mais

Portaria n.º 29-B/98 de 15 de Janeiro

Portaria n.º 29-B/98 de 15 de Janeiro Portaria n.º 29-B/98 de 15 de Janeiro A Portaria n.º 313/96, de 29 de Julho, regulamentou o Decreto-Lei n.º 322/95, de 28 de Novembro, que estabelecia os princípios e as normas aplicáveis à gestão de embalagens

Leia mais

CONDIÇÕES DE ENTREGA/RECEPÇÃO DO SERVIÇO EXTRA URBANO

CONDIÇÕES DE ENTREGA/RECEPÇÃO DO SERVIÇO EXTRA URBANO SERVIÇO EXTRA URBANO O Serviço extra Urbano corresponde ao serviço a ser prestado aos produtores de resíduos não urbanos de embalagens, de forma a garantir a esses produtores um destino final adequado

Leia mais

MANUAL DE PROCEDIMENTOS DO DISTRIBUIDOR DAS FARMÁCIA COMUNITÁRIAS

MANUAL DE PROCEDIMENTOS DO DISTRIBUIDOR DAS FARMÁCIA COMUNITÁRIAS Luis Figueiredo 2016.01.19 12:27:21 Z PROCEDIMENTO 1. OBJECTIVO Definição de procedimentos nos distribuidores das farmácias comunitárias aderentes à VALORMED. 2. ÂMBITO A VALORMED tem por objectivo a implementação

Leia mais

A EMBALAGEM ALIMENTAR NO CONTEXTO DA POLÍTICA AMBIENTAL. Raquel P. F. Guiné* * Assistente do 1º Triénio - Dep. Agro-Alimentar, ESAV.

A EMBALAGEM ALIMENTAR NO CONTEXTO DA POLÍTICA AMBIENTAL. Raquel P. F. Guiné* * Assistente do 1º Triénio - Dep. Agro-Alimentar, ESAV. A EMBALAGEM ALIMENTAR NO CONTEXTO DA POLÍTICA AMBIENTAL Raquel P. F. Guiné* * Assistente do 1º Triénio - Dep. Agro-Alimentar, ESAV 1 - Introdução A embalagem é hoje em dia uma presença tão constante no

Leia mais

MANUAL DE PROCEDIMENTOS DO ARMAZENISTA

MANUAL DE PROCEDIMENTOS DO ARMAZENISTA Luis Figueiredo 2014.02.06 16:35:35 Z PROCEDIMENTO 1. OBJECTIVO Definição de Procedimentos nos Armazenistas que aderiram à VALORMED. 2. ÂMBITO A VALORMED tem por objectivo a implementação e gestão de um

Leia mais

O exemplo da Recolha Selectiva Porta a Porta junto de sectores específicos (restauração, comércio, serviços)

O exemplo da Recolha Selectiva Porta a Porta junto de sectores específicos (restauração, comércio, serviços) Pontos a abordar: Caracterização geral do sistema Lipor Enquadramento (PERSU II) Actuais projectos de Recolha Selectiva Porta a Porta na área da Lipor e análise da sua evolução Comparação da Recolha Selectiva

Leia mais

BOLETIM INFORMATIVO Nº 57

BOLETIM INFORMATIVO Nº 57 Boletim Informativo Março de 2013 Av. da República, 62 F, 5º 1050 197 LISBOA Tel: 21 780 80 60 Email: embopar@embopar.pt www.embopar.pt BOLETIM INFORMATIVO Nº 57 Março de 2013 Notícias Comissão lança Livro

Leia mais

Câmara Municipal da Póvoa de Varzim ÍNDICE. 1. Local. 2. Horário de funcionamento. 3. Materiais a depositar no ecocentro

Câmara Municipal da Póvoa de Varzim ÍNDICE. 1. Local. 2. Horário de funcionamento. 3. Materiais a depositar no ecocentro ÍNDICE 1. Local 2. Horário de funcionamento 3. Materiais a depositar no ecocentro 4. Normas e regras de utilização 5. Código do Catálogo Europeu dos Resíduos 6. Anexos Anexo I - Registo diário de entradas

Leia mais

Coleção Cadernos Práticos - 2. Licenciamento Zero COMÉRCIO, SERVIÇOS, ARMAZENAGEM, RESTAURAÇÃO OU BEBIDAS

Coleção Cadernos Práticos - 2. Licenciamento Zero COMÉRCIO, SERVIÇOS, ARMAZENAGEM, RESTAURAÇÃO OU BEBIDAS Coleção Cadernos Práticos - 2 Licenciamento Zero COMÉRCIO, SERVIÇOS, ARMAZENAGEM, RESTAURAÇÃO OU BEBIDAS Tudo o que Precisa Saber 1 Definição Enquadramento Requisitos 4 Legislação 5 Fiscalização Procedimentos

Leia mais

REGULAMENTO DE UTILIZAÇÃO DO ECOCENTRO DE BEJA

REGULAMENTO DE UTILIZAÇÃO DO ECOCENTRO DE BEJA REGULAMENTO DE UTILIZAÇÃO DO ECOCENTRO DE BEJA Preâmbulo No âmbito da sua delegação, a RESIALENTEJO integrou o Ecocentro de Beja (EC), situado no concelho de Beja. Assim em conformidade: Com a legislação

Leia mais

PERSPETIVAS DE FUTURO DO SETOR DOS RESÍDUOS EM PORTUGAL. Lisboa, 29 de abril de 2013 Fernando Leite Administrador-Delegado

PERSPETIVAS DE FUTURO DO SETOR DOS RESÍDUOS EM PORTUGAL. Lisboa, 29 de abril de 2013 Fernando Leite Administrador-Delegado PERSPETIVAS DE FUTURO DO SETOR DOS RESÍDUOS EM PORTUGAL Lisboa, 29 de abril de 2013 Fernando Leite Administrador-Delegado A LIPOR. ASSOCIAÇÃO DE MUNICÍPIOS 2 A LIPOR NO CONTEXTO NACIONAL População 10 %

Leia mais

Projecto de Lei nº 466/XI/2ª. Medidas destinadas à redução da utilização de sacos de plástico

Projecto de Lei nº 466/XI/2ª. Medidas destinadas à redução da utilização de sacos de plástico Projecto de Lei nº 466/XI/2ª Medidas destinadas à redução da utilização de sacos de plástico Exposição de motivos A problemática da gestão dos resíduos está hoje no centro de muitas opções essenciais de

Leia mais

DIPLOMA ÂMBITO DE APLICAÇÃO LEGISLAÇÃO TRANSPOSTA OBSERVAÇÕES IMPORTÂNCIA NO CONTEXTO DO PERH GESTÃO DE RESÍDUOS

DIPLOMA ÂMBITO DE APLICAÇÃO LEGISLAÇÃO TRANSPOSTA OBSERVAÇÕES IMPORTÂNCIA NO CONTEXTO DO PERH GESTÃO DE RESÍDUOS GESTÃO DE RESÍDUOS Portaria n.º 1127/2009, de 1 de Outubro [Republicada pela Portaria n.º 1324/2010, de 29 de Dezembro] Art.º 121.º da Lei n.º 64- A/2008, de 31 de Dezembro Aprova o Regulamento Relativo

Leia mais

Directiva 94/62/CE do Parlamento Europeu e do Conselho, de 20 de Dezembro de 1994, relativa a embalagens e resíduos de embalagens

Directiva 94/62/CE do Parlamento Europeu e do Conselho, de 20 de Dezembro de 1994, relativa a embalagens e resíduos de embalagens Directiva 94/62/CE do Parlamento Europeu e do Conselho, de 20 de Dezembro de 1994, relativa a embalagens e resíduos de embalagens O PARLAMENTO EUROPEU E O CONSELHO DA UNIÃO EUROPEIA, Tendo em conta o Tratado

Leia mais

Legislação sobre Resíduos

Legislação sobre Resíduos Legislação sobre Resíduos Eng. Cristina Marcelo Correia (APEA - Associação Portuguesa dos Engenheiros do Ambiente) 03 de Março 2004 Tipos de Resíduos Resíduos urbanos Resíduos industriais Resíduos hospitalares

Leia mais

CONVITE À APRESENTAÇÃO DE PROPOSTAS

CONVITE À APRESENTAÇÃO DE PROPOSTAS CONVITE À APRESENTAÇÃO DE PROPOSTAS Para: Concessão da Exploração do Bar da Escola Superior de Educação de Portalegre Data: Portalegre, 10 de Agosto de 2012 1. Identificação do Objeto do Contrato O presente

Leia mais

Guia de triagem. O que devemos pôr no saco azul? Recolha selectiva de resíduos das embalagens domésticas

Guia de triagem. O que devemos pôr no saco azul? Recolha selectiva de resíduos das embalagens domésticas Recolha selectiva de resíduos das embalagens domésticas O que devemos pôr no saco azul? 08/12 plan K Editor responsável: Ernest Boever - VALORLUX asbl - BP 26 - L-3205 Leudelange - Fone: 37 00 06-20 -

Leia mais

31/10/1992 Jornal Oficial L 316

31/10/1992 Jornal Oficial L 316 DIRECTIVA 92/83/CEE DO CONSELHO de 19 de Outubro de 1992 relativa à harmonização da estrutura dos impostos especiais sobre o consumo de álcool e bebidas alcoólicas CONSELHO DAS COMUNIDADES EUROPEIAS, Tendo

Leia mais

Produtos e materiais inovadores provenientes da reciclagem. Como promover a sua efetiva introdução na economia?

Produtos e materiais inovadores provenientes da reciclagem. Como promover a sua efetiva introdução na economia? Produtos e materiais inovadores provenientes da reciclagem. Como promover a sua efetiva introdução na economia? PRINCIPAIS MARCOS SOCIEDADE PONTO VERDE PRINCIPAIS MARCOS SOCIEDADE PONTO VERDE ÍNICIO 1996

Leia mais

Código: CHCB.PI..EST.01 Edição: 1 Revisão: 0 Páginas:1 de 12. 1. Objectivo. 2. Aplicação

Código: CHCB.PI..EST.01 Edição: 1 Revisão: 0 Páginas:1 de 12. 1. Objectivo. 2. Aplicação Código: CHCB.PI..EST.01 Edição: 1 Revisão: 0 Páginas:1 de 12 1. Objectivo o Estabelecer normas para o processamento dos dispositivos médicos, baseadas em padrões de qualidade. o Estabelecer condições de

Leia mais

Boletim Estatístico Nº 2 Outubro de 2009

Boletim Estatístico Nº 2 Outubro de 2009 Boletim Estatístico Nº 2 Outubro de 2009 1. Evolução da Reciclagem em 2008 - Actualização Conforme anunciado, republica-se a informação estatística relativa a 2008, depois de efectuadas diversas correcções

Leia mais

1. Entidade Sociedade Ponto Verde (SPV) 2. Indicadores de atividade (em geral)

1. Entidade Sociedade Ponto Verde (SPV) 2. Indicadores de atividade (em geral) RELATÓRIO DE ATIVIDADES 214 GESTÃO DE RESÍDUOS DE EMBALAGENS SPV SOCIEDADE PONTO VERDE 1. Entidade Sociedade Ponto Verde (SPV) 2. Indicadores de atividade (em geral) 1) Mercado Potencial atualizado em

Leia mais

Azul. Amarelo. Verde. Pilhão. Conheça a nova vida de cada resíduo ECOPONTO ECOPONTO ECOPONTO

Azul. Amarelo. Verde. Pilhão. Conheça a nova vida de cada resíduo ECOPONTO ECOPONTO ECOPONTO Conheça a nova vida de cada resíduo Ao chegar ao ecoponto correto, cada embalagem inicia uma pequena viagem que tem como destino uma nova vida. São recolhidos pela RESIESTRELA por camiões especiais e levados

Leia mais

Definição e classificação

Definição e classificação Definição A gestão de resíduos urbanos Qual o nosso papel? Definição e classificação «Resíduo» qualquer substância ou objecto de que o detentor se desfaz ou tem a intenção ou a obrigação de se desfazer,

Leia mais

O que acontece com o teu Lixo?

O que acontece com o teu Lixo? VIDRARIA FABRICANTE DE PAPEL COMPOSTAGEM O que acontece com o teu Lixo? Cada um tem seu próprio rumo... O orgânico.. O compost O compostagem de residuos umido reproduz o processo natural de decomposição

Leia mais

Perguntas Frequentes

Perguntas Frequentes Perguntas Frequentes Embalagens e Resíduos de Embalagens 1. Qual o enquadramento legal para embalagens e resíduos de embalagens? 2. Na adesão à entidade gestora do sistema integrado de embalagens e resíduos

Leia mais

Guia prático para o descarte de resíduos

Guia prático para o descarte de resíduos Guia prático para o descarte de resíduos 1 2 Apresentação Eleições - vocês já pensaram em quantos resíduos se produz a mais? São tantos manuais e experimentos de toda a natureza que acabamos por não perceber

Leia mais

REGULAMENTO DE GESTÃO DE RESÍDUOS NO PORTO DE AVEIRO. CAPÍTULO 1 Disposições gerais. Artigo 1.º Objectivo e Âmbito de aplicação

REGULAMENTO DE GESTÃO DE RESÍDUOS NO PORTO DE AVEIRO. CAPÍTULO 1 Disposições gerais. Artigo 1.º Objectivo e Âmbito de aplicação REGULAMENTO DE GESTÃO DE RESÍDUOS NO PORTO DE AVEIRO CAPÍTULO 1 Disposições gerais Artigo 1.º Objectivo e Âmbito de aplicação O presente Regulamento aplica-se a toda a área portuária e tem como objectivo

Leia mais

Helena Pinto [PROPOSTA VALORHOSPITAL] Proposta para o Procedimento Nº 25/CCLIN/SRLF/2012

Helena Pinto [PROPOSTA VALORHOSPITAL] Proposta para o Procedimento Nº 25/CCLIN/SRLF/2012 2011 Helena Pinto [PROPOSTA VALORHOSPITAL] Proposta para o Procedimento Nº 25/CCLIN/SRLF/2012 Para: GNR Centro Clínico De: Helena Pinto CC: Centro Clínico Data: 08.12.2011 email cari.cc.srf@gnr.pt Tel:

Leia mais

NORMAS TÉCNICAS PARA OS SISTEMAS DE DEPOSIÇÃO DE RESÍDUOS SÓLIDOS URBANOS EM EDIFICAÇÕES NO CONCELHO DO PORTO

NORMAS TÉCNICAS PARA OS SISTEMAS DE DEPOSIÇÃO DE RESÍDUOS SÓLIDOS URBANOS EM EDIFICAÇÕES NO CONCELHO DO PORTO 1. Disposições gerais 1.1. De acordo com o Art.º 12 do Regulamento Municipal de Resíduos Sólidos Urbanos e Limpeza Pública, publicado no Diário da República de 17 de Setembro de 1999 e no Edital Camarário

Leia mais

AS PRÁTICAS INDIVIDUAIS RESTRITIVAS

AS PRÁTICAS INDIVIDUAIS RESTRITIVAS AS PRÁTICAS INDIVIDUAIS RESTRITIVAS DO COMÉRCIO 3 de Abril de 2014 Hotel Infante Sagres Porto Maria de Deus Botelho O DL n.º 166/2013, de 27. 12 Revogação do DL n.º 370/93, de 29.10, com 20 anos de vigência;

Leia mais

Código de Boas Práticas. para a Prevenção e Redução. de Micotoxinas em Cereais

Código de Boas Práticas. para a Prevenção e Redução. de Micotoxinas em Cereais Código de Boas Práticas para a Prevenção e Redução de Micotoxinas em Cereais Índice: Introdução... 3 I. Práticas recomendadas com base nas Boas Práticas Agrícolas (BPA) e nas Boas Práticas de Fabrico (BPF)...

Leia mais

BOLETIM INFORMATIVO Nº 54

BOLETIM INFORMATIVO Nº 54 Av. da República, 62 F, 5º 1050 197 LISBOA Tel: 21 780 80 60 Fax: 21 780 80 69 Email: embopar@embopar.pt www.embopar.pt BOLETIM INFORMATIVO Nº 54 Junho de 2012 Notícias PRO EUROPE apela à clarificação

Leia mais

Perguntas Frequentes. Pilhas e Acumuladores. 1. Qual é a legislação nacional em vigor em matéria de Pilhas e Acumuladores?

Perguntas Frequentes. Pilhas e Acumuladores. 1. Qual é a legislação nacional em vigor em matéria de Pilhas e Acumuladores? Perguntas Frequentes Pilhas e Acumuladores 1. Qual é a legislação nacional em vigor em matéria de Pilhas e Acumuladores? É o Decreto-Lei n.º 6/2009, de 6 de Janeiro, que estabelece o regime de colocação

Leia mais

Aplicação de Indicadores de Desempenho da Recolha Selectiva

Aplicação de Indicadores de Desempenho da Recolha Selectiva Aplicação de Indicadores de Desempenho da Recolha Selectiva O caso do município do Porto Manuela Álvares Carlos Afonso Teixeira Isabel Bentes Paulo Guerra Direcção Municipal de Ambiente e Serviços Urbanos

Leia mais

Eficiência na Gestão de Resíduos. I joana.andre@lipor.pt I www.lipor.pt I. Multimaterial

Eficiência na Gestão de Resíduos. I joana.andre@lipor.pt I www.lipor.pt I. Multimaterial REEE joana.andre@lipor.pt www.lipor.pt População 969.036 habitantes (Census 2001) 10,3% da população de Portugal Produção anual de RSU (ano 2004) : 488.128 toneladas Capitação 1,38 kg/(hab/dia) Área: 648

Leia mais

CONTRATO. a) Nos termos do nº 1 do artigo 4º, os operadores económicos são coresponsáveis pela gestão das pilhas e acumuladores usados;

CONTRATO. a) Nos termos do nº 1 do artigo 4º, os operadores económicos são coresponsáveis pela gestão das pilhas e acumuladores usados; CONTRATO Entre: a) Ecopilhas, Sociedade Gestora de Resíduos de Pilhas e Acumuladores, Lda., sociedade comercial por quotas, com sede na Praça Nuno Rodrigues dos Santos, 7, 1600-171 Lisboa, pessoa colectiva

Leia mais

1. O presente Regulamento estabelece os meios de prevenção, de controlo e de reabilitação de trabalhadores, no âmbito do consumo de álcool e drogas.

1. O presente Regulamento estabelece os meios de prevenção, de controlo e de reabilitação de trabalhadores, no âmbito do consumo de álcool e drogas. Prevenção e Controlo do Consumo do Álcool e Drogas I. OBJECTO DO REGULAMENTO 1. O presente Regulamento estabelece os meios de prevenção, de controlo e de reabilitação de trabalhadores, no âmbito do consumo

Leia mais

Caros Associados informação definitiva

Caros Associados informação definitiva Caros Associados, A AHRESP apresenta, em anexo, informação definitiva sobre as regras e procedimentos, para a correta aplicação da taxa de IVA a partir de 1 de julho de 2016, que contou com esclarecimentos

Leia mais

Descrição do serviço: Serviços de recuperação de activos ProManage Dell Reciclagem de activos de TI

Descrição do serviço: Serviços de recuperação de activos ProManage Dell Reciclagem de activos de TI Dell Serviços Descrição do serviço: Serviços de recuperação de activos ProManage Dell Reciclagem de activos de TI Apresentação dos serviços A Dell tem o prazer de fornecer os Serviços de recuperação de

Leia mais

COLETA SELETIVA VIDRO

COLETA SELETIVA VIDRO PROJETO COLETA SELETIVA VIDRO Florianópolis, 29 de abril de 2013 Assessoria Técnica - ASTE Departamento Técnico DPTE 2 1. CONTEXTUALIZAÇÃO As obrigações impostas pela Política Nacional de Resíduos Sólidos

Leia mais

Mensagem do Ministério Público do Estado de Goiás

Mensagem do Ministério Público do Estado de Goiás PRATIQUE COLETA SELETIVA Mensagem do Ministério Público do Estado de Goiás O Ministério Público do Estado de Goiás (MP-GO) tem a missão de defender a ordem jurídica, o regime democrático e os interesses

Leia mais

Regulamento de admissão de Resíduos Não Perigosos (RNP) no Aterro de Sermonde

Regulamento de admissão de Resíduos Não Perigosos (RNP) no Aterro de Sermonde o Regulamento o Anexos: I. Inquérito para Pedido de Autorização para Deposição no Aterro de Sermonde II. III. IV. Descrição da Atividade da Empresa Produtora Declaração de Responsabilidade do Produtor

Leia mais

Gestão de Resíduos nos Açores. Carlos de Andrade Botelho

Gestão de Resíduos nos Açores. Carlos de Andrade Botelho Gestão de Resíduos nos Açores Carlos de Andrade Botelho Distância ao Continente = 1.500 Km Dispersão por 600 Km (mais do que a altura de Portugal Continental ou a largura da Alemanha) Ligações marítimas

Leia mais

III Conferência Internacional sobre Resíduos Urbanos. Sociedade Ponto Verde Reutilização e Reciclagem. Objectivos 2020

III Conferência Internacional sobre Resíduos Urbanos. Sociedade Ponto Verde Reutilização e Reciclagem. Objectivos 2020 III Conferência Internacional sobre Resíduos Urbanos Porto, 23 e 24 de Outubro de 2008 Sociedade Ponto Verde Reutilização e Reciclagem. Objectivos 2020 Luís Veiga Martins REUTILIZAÇÃO OU RECICLAGEM COEXISTÊNCIA

Leia mais

Norma contabilística e de relato financeiro 9. e divulgações apropriadas a aplicar em relação a locações financeiras e operacionais.

Norma contabilística e de relato financeiro 9. e divulgações apropriadas a aplicar em relação a locações financeiras e operacionais. Norma contabilística e de relato financeiro 9 Locações Esta Norma Contabilística e de Relato Financeiro tem por base a Norma Internacional de Contabilidade IAS 17 Locações, adoptada pelo texto original

Leia mais

Valor Ambiente Gestão e Administração de Resíduos da Madeira S.A. A Gestão dos Resíduos na Região Autónoma da Madeira

Valor Ambiente Gestão e Administração de Resíduos da Madeira S.A. A Gestão dos Resíduos na Região Autónoma da Madeira A Gestão dos Resíduos na Região Autónoma da Madeira A Região Autónoma da Madeira Área 42,17 km 2 População residente 4.474 hab. Porto Moniz Densidade populacional 106 hab/km 2 São Vicente Santana Porto

Leia mais

(a) Propriedade detida por locatários que seja contabilizada como propriedade de investimento (ver NCRF 11 - Propriedades de Investimento);

(a) Propriedade detida por locatários que seja contabilizada como propriedade de investimento (ver NCRF 11 - Propriedades de Investimento); NCRF 9 Locações Esta Norma Contabilística e de Relato Financeiro tem por base a Norma Internacional de Contabilidade IAS 17 - Locações, adoptada pelo texto original do Regulamento (CE) n.º 1126/2008 da

Leia mais

Caracterização da Situação dos Fluxos Específicos de Resíduos em 2009 APA 06 08 2010

Caracterização da Situação dos Fluxos Específicos de Resíduos em 2009 APA 06 08 2010 Caracterização da Situação dos Fluxos Específicos de Resíduos em 2009 APA 06 08 2010 FLUXOS ESPECÍFICOS DE RESÍDUOS Um dos objectivos da política ambiental integrada é a atribuição da responsabilidade,

Leia mais

FICHA DOUTRINÁRIA. Diploma: CIVA. Artigo: 9º. Assunto:

FICHA DOUTRINÁRIA. Diploma: CIVA. Artigo: 9º. Assunto: FICHA DOUTRINÁRIA Diploma: Artigo: Assunto: CIVA 9º. Enquadramento - Concessão do Direito de Construção, Gestão e Exploração Comercial, em Regime de Serviço Público, da Plataforma Logística. Processo:

Leia mais

Este documento constitui um instrumento de documentação e não vincula as instituições

Este documento constitui um instrumento de documentação e não vincula as instituições - I Este documento constitui um instrumento de documentação e não vincula as instituições DIRECTIVA DO PARLAMENTO EUROPEU E DO CONSELHO de 30 de Junho de 1994 relativa aos edulcorantes para utilização

Leia mais

Apresentação Os desafios da PNRS. Outubro de 2015

Apresentação Os desafios da PNRS. Outubro de 2015 Apresentação Os desafios da PNRS Outubro de 2015 Vidro, material naturalmente sustentável Vantagens Ambientais da Embalagem de Vidro 100% reciclável ciclo infinito 1kg de caco gera 1kg de vidro novo, sem

Leia mais

controle de vetores e pragas urbanas (RDC 052/09) São Paulo, 18 de novembro de 2011

controle de vetores e pragas urbanas (RDC 052/09) São Paulo, 18 de novembro de 2011 Embalagens vazias de saneantes de uso profissional para controle de vetores e pragas urbanas (RDC 052/09) São Paulo, 18 de novembro de 2011 Agenda Agenda RDC 52/09 inpev e ABAS: prestação de serviços Objetivos

Leia mais

7. RECICLAGEM 7.1 RECICLAGEM DE EMBALAGENS. 7.1.1 Latas de Alumínio

7. RECICLAGEM 7.1 RECICLAGEM DE EMBALAGENS. 7.1.1 Latas de Alumínio 92 Panorama dos no Brasil 200..1 DE EMBALAGENS Os dados mais recentes disponibilizados pelas associações que congregam as empresas dos segmentos mais diretamente envolvidos na fabricação de embalagens

Leia mais

MINISTÉRIO DAS OBRAS PÚBLICAS, TRANSPORTES E COMUNICAÇÕES. Instituto Nacional de Aviação Civil, I.P. Regulamento n.º /2011

MINISTÉRIO DAS OBRAS PÚBLICAS, TRANSPORTES E COMUNICAÇÕES. Instituto Nacional de Aviação Civil, I.P. Regulamento n.º /2011 MINISTÉRIO DAS OBRAS PÚBLICAS, TRANSPORTES E COMUNICAÇÕES Instituto Nacional de Aviação Civil, I.P. Regulamento n.º /2011 Transporte aéreo de mercadorias perigosas O transporte aéreo de mercadorias, a

Leia mais

Embalagens perigosas

Embalagens perigosas Embalagens perigosas EMBALAGENS PERIGOSAS 02 Declaração de embalagens industriais que acondicionem substâncias perigosas CARACTERIZAÇÃO DA PERIGOSIDADE DO RESÍDUO De acordo com a Portaria 209/2004 de 3

Leia mais

SER PESADO EM PRESENÇA DO CONSUMIDOR,

SER PESADO EM PRESENÇA DO CONSUMIDOR, Hoje iremos abordar vários temas ligados a Setor de Mercadorias Pré Medidas. E a primeira duvida e entender o que é um produto Pré Medido? produto pré medido e todo ou qualquer produto medido e/ou embalado

Leia mais

Case study 100R RECICLAGEM 100% GARANTIDA EMPRESA ENVOLVIMENTO

Case study 100R RECICLAGEM 100% GARANTIDA EMPRESA ENVOLVIMENTO Case study 2010 100R RECICLAGEM 100% GARANTIDA EMPRESA A Sociedade Ponto Verde é uma entidade privada sem fins lucrativos que tem por missão organizar e gerir a retoma e valorização de resíduos de embalagens

Leia mais

Factores de selecção da embalagem Produtos alimentares. Margarida Alves Segurança Alimentar - Uma visão global Porto Salvo, 31 de Maio 2011

Factores de selecção da embalagem Produtos alimentares. Margarida Alves Segurança Alimentar - Uma visão global Porto Salvo, 31 de Maio 2011 Factores de selecção da embalagem Produtos alimentares Margarida Alves Segurança Alimentar - Uma visão global Porto Salvo, 31 de Maio 2011 PERFIL CNE Data de constituição 1972 Forma jurídica Associação

Leia mais

832 DIÁRIO DA REPÚBLICA I SÉRIE-A N. o 25 30 de Janeiro de 2002 MINISTÉRIO DO AMBIENTE E DO ORDENAMENTO DO TERRITÓRIO

832 DIÁRIO DA REPÚBLICA I SÉRIE-A N. o 25 30 de Janeiro de 2002 MINISTÉRIO DO AMBIENTE E DO ORDENAMENTO DO TERRITÓRIO 832 DIÁRIO DA REPÚBLICA I SÉRIE-A N. o 25 30 de Janeiro de 2002 MINISTÉRIO DO AMBIENTE E DO ORDENAMENTO DO TERRITÓRIO Decreto-Lei n. o 20/2002 de 30 de Janeiro Os objectivos fundamentais de uma política

Leia mais

Regulamento de Serviço de Gestão de Resíduos Urbanos do Ecocentro da Ericeira

Regulamento de Serviço de Gestão de Resíduos Urbanos do Ecocentro da Ericeira Regulamento de Serviço de Gestão de Resíduos Urbanos do Ecocentro da Ericeira Fevereiro de 2012 (Revisão 1) 2 TRATOLIXO Índice CAPÍTULO I DISPOSIÇÕES GERAIS... 4 Art.º 1º - Objecto... 4 Art.º 2º - Âmbito

Leia mais

Considerando que o trânsito de alimentos em condições seguras pressupõe a preservação da saúde e do meio ambiente;

Considerando que o trânsito de alimentos em condições seguras pressupõe a preservação da saúde e do meio ambiente; Pag. 1 de 9 Portaria 069-R, de 26/09/2007. Dispõe sobre a documentação e requisitos básicos necessários para concessão de Licença Sanitária para Veículos Automotivos utilizados para o Transporte de Alimentos

Leia mais

Missão Reciclar. Num projeto piloto, realizado no Porto em junho de 2013, dos 4.300 lares visitados, 890 eram não

Missão Reciclar. Num projeto piloto, realizado no Porto em junho de 2013, dos 4.300 lares visitados, 890 eram não Missão Reciclar 1 Missão Reciclar Apesar de a reciclagem estar na ordem do dia, cerca de 30% da população portuguesa ainda não separa as embalagens usadas. A Sociedade Ponto Verde, responsável pela gestão

Leia mais

Ana Loureiro Diretora de Comunicação, Imagem e Documentação

Ana Loureiro Diretora de Comunicação, Imagem e Documentação Ana Loureiro Diretora de Comunicação, Imagem e Documentação MISSÃO Implementar e gerir um sistema integrado, tecnicamente avançado, ambientalmente correto e economicamente sustentável, para tratamento

Leia mais

DESFRAGMENTAR PARA TETRIFICAR. www.cotecna.pt 1

DESFRAGMENTAR PARA TETRIFICAR. www.cotecna.pt 1 DESFRAGMENTAR PARA TETRIFICAR www.cotecna.pt 1 O início A embalagem, no seu sentido originário, remonta há mais de 10.000 anos. A finalidade nos primórdios Transportar. Com as migrações, havia a necessidade

Leia mais

LEGISLAÇÃO E DOCUMENTOS NORMATIVOS ESPECÍFICOS DE ACORDO COM A NATUREZA JURÍDICA DAS ENTIDADES ESTABELECIMENTOS E SERVIÇOS INTEGRADOS

LEGISLAÇÃO E DOCUMENTOS NORMATIVOS ESPECÍFICOS DE ACORDO COM A NATUREZA JURÍDICA DAS ENTIDADES ESTABELECIMENTOS E SERVIÇOS INTEGRADOS LEGISLAÇÃO E DOCUMENTOS NORMATIVOS ESPECÍFICOS DE ACORDO COM A NATUREZA JURÍDICA DAS ENTIDADES ESTABELECIMENTOS E SERVIÇOS INTEGRADOS Portaria n.º 355/97, de 28 de Maio Aprova o modelo do livro de reclamações

Leia mais

13-09-2010 MATERIAIS RECICLÁVEIS, PROCESSO DE RECICLAGEM

13-09-2010 MATERIAIS RECICLÁVEIS, PROCESSO DE RECICLAGEM MATERIAIS RECICLÁVEIS, PROCESSO DE RECICLAGEM 1 2 Introdução História da limpeza; Educação Ambiental; Campanhas de Sensibilização, Publicidade; Reciclagem antigamente; Materiais reutilizáveis; Processos

Leia mais

VEÍCULOS EM FIM DE VIDA

VEÍCULOS EM FIM DE VIDA TEMA 7 VEÍCULOS EM FIM DE VIDA B. NÍVEL MAIS AVANÇADO De acordo com o Decreto-lei nº 196/2003, de 23 de Agosto, entende-se por veículo qualquer veículo classificado nas categorias M1 1 ou N1 2 definidas

Leia mais

Meio ambiente: a conscientização começa pela educação. Implementação. Coleta Seletiva Solidária

Meio ambiente: a conscientização começa pela educação. Implementação. Coleta Seletiva Solidária Meio ambiente: a conscientização começa pela educação Implementação da Coleta Seletiva Solidária A guardiã da natureza Judith Cortesão "... Quem conhece ama, quem ama protege. Uma das descobertas mais

Leia mais

Relatório de Reciclagem no Vale do Sousa

Relatório de Reciclagem no Vale do Sousa Relatório de Reciclagem no Vale do Sousa 4º Trimestre de 2006 Outubro 2006 Relatório da Reciclagem 4º Trimestre 2006 2 Total Outubro - 554,22 ton 16,44 1,18 18,74 2,62 11,20 251,82 252,22 Vidro Papel/Cartão

Leia mais

PLANO DE GESTÃO DE RESIDUOS ÍNDICE 1. INTRODUÇÃO... 3 2. IDENTIFICAÇÃO DOS RESÍDUOS PRODUZIDOS... 4 3. MODO OPERATIVO... 5 4. RESPONSABILIDADES...

PLANO DE GESTÃO DE RESIDUOS ÍNDICE 1. INTRODUÇÃO... 3 2. IDENTIFICAÇÃO DOS RESÍDUOS PRODUZIDOS... 4 3. MODO OPERATIVO... 5 4. RESPONSABILIDADES... PLANO DE GESTÃO DE RESIDUOS ÍNDICE 1. INTRODUÇÃO... 3 2. IDENTIFICAÇÃO DOS RESÍDUOS PRODUZIDOS... 4 3. MODO OPERATIVO... 5 3.1. FASE DE PLANEAMENTO (PRÉ-OBRA)...5 3.2. FASE DE CONSTRUÇÃO...5 3.2.1. Deposição

Leia mais

ANEXO I. 2. Projeto O projeto do sistema de deposição de resíduos urbanos deve incluir obrigatoriamente as seguintes peça escritas e desenhadas:

ANEXO I. 2. Projeto O projeto do sistema de deposição de resíduos urbanos deve incluir obrigatoriamente as seguintes peça escritas e desenhadas: ANEXO I NORMAS TÉCNICAS DOS SISTEMAS DE DEPOSIÇÃO DE RESÍDUOS URBANOS EM EDIFICAÇÕES (NTRU) 1. Disposições gerais As presentes normas técnicas dizem respeito ao projeto dos sistemas de deposição de resíduos

Leia mais

Considerando que o descarte de embalagens plásticas de óleo lubrificante pós-consumo para o solo ou cursos de água gera graves danos ambientais;

Considerando que o descarte de embalagens plásticas de óleo lubrificante pós-consumo para o solo ou cursos de água gera graves danos ambientais; RESOLUÇÃO N 037/2009 - SEMA Dispõe sobre a coleta, armazenamento e destinação de embalagens plásticas de óleo lubrificante pós-consumo no Estado do Paraná. O Secretário de Estado do Meio Ambiente e Recursos

Leia mais

Logistica e Distribuição. Definição de embalagem. Mas quais são as atividades da Logística? Ballou, 1993. Outras funções da embalagem são:

Logistica e Distribuição. Definição de embalagem. Mas quais são as atividades da Logística? Ballou, 1993. Outras funções da embalagem são: Mas quais são as atividades da Logística? Ballou, 1993 Logística e Distribuição Embalagem Primárias Apoio 1 2 Definição de embalagem A embalagem é um recipiente ou envoltura que armazena produtos temporariamente

Leia mais

3ª EDIÇÃO DO CONCURSO DE DESIGN & CRIATIVIDADE. - Mobilidade - REGULAMENTO DO CONCURSO ANO LETIVO 2015-2016

3ª EDIÇÃO DO CONCURSO DE DESIGN & CRIATIVIDADE. - Mobilidade - REGULAMENTO DO CONCURSO ANO LETIVO 2015-2016 3ª EDIÇÃO DO CONCURSO DE DESIGN & CRIATIVIDADE - Mobilidade - REGULAMENTO DO CONCURSO ANO LETIVO 2015-2016 1. Verallia Breve Apresentação A Verallia é uma marca que reúne as atividades de embalagem alimentares

Leia mais

Constituem receitas das freguesias o produto da cobrança de taxas, nomeadamente provenientes da prestação de serviços pelas freguesias;

Constituem receitas das freguesias o produto da cobrança de taxas, nomeadamente provenientes da prestação de serviços pelas freguesias; Considerando que: Se torna necessário aprovar um novo Regulamento das Taxas a aplicar pela Junta de Freguesia pela prestação de serviços administrativos, em ordem à sua harmonização com a recente produção

Leia mais

MINISTÉRIO DA ECONOMIA E DA INOVAÇÃO

MINISTÉRIO DA ECONOMIA E DA INOVAÇÃO Diário da República, 1. a série N. o 7 10 de Janeiro de 2007 249 Nos termos do n. o 28 do Acordo, este entrará em vigor em 18 de Dezembro de 2006. Direcção-Geral dos Assuntos Técnicos e Económicos, 19

Leia mais

Manual do Revisor Oficial de Contas IAS 7 (1) NORMA INTERNACIONAL DE CONTABILIDADE IAS 7 (REVISTA EM 1992) Demonstrações de Fluxos de Caixa

Manual do Revisor Oficial de Contas IAS 7 (1) NORMA INTERNACIONAL DE CONTABILIDADE IAS 7 (REVISTA EM 1992) Demonstrações de Fluxos de Caixa IAS 7 (1) NORMA INTERNACIONAL DE CONTABILIDADE IAS 7 (REVISTA EM 1992) Demonstrações de Fluxos de Caixa Esta Norma Internacional de Contabilidade revista substitui a NIC 7, Demonstração de Alterações na

Leia mais

ANEXO I RESUMO DAS CARACTERÍSTICAS DO MEDICAMENTO

ANEXO I RESUMO DAS CARACTERÍSTICAS DO MEDICAMENTO ANEXO I RESUMO DAS CARACTERÍSTICAS DO MEDICAMENTO 1. NOME DO MEDICAMENTO VETERINÁRIO VETZYME CHAMPÔ INSECTICIDA JDS 2. COMPOSIÇÃO QUALITATIVA E QUANTITATIVA Substância(s) activa(s): % p/p Permetrina (Cis:

Leia mais

NÚMERO: 1. TÍTULO: Os ciclos dos materiais. IDEIAS CHAVE: Papel e cartão, plástico, vidro, matéria fermentável.

NÚMERO: 1. TÍTULO: Os ciclos dos materiais. IDEIAS CHAVE: Papel e cartão, plástico, vidro, matéria fermentável. NÚMERO: 1 TÍTULO: Os ciclos dos materiais. IDEIAS CHAVE: Papel e cartão, plástico, vidro, matéria fermentável. DESCRIÇÃO: Serão apresentados os ciclos de quatro materiais mais representativos da composição

Leia mais

Press Release Soluções para recolha selectiva By appointment to Her Majesty

Press Release Soluções para recolha selectiva By appointment to Her Majesty Página: 1 / 5 A P.S.A. - Plásticos Santo António foi seleccionada pela Câmara de Westminster (Londres) para fornecer 20 mil cestos para recolha de resíduos, destinados aos edifícios governamentais, Parlamento

Leia mais

ESTUDO DE GESTÃO DE RESÍDUOS DA CONSTRUÇÃO E DEMOLIÇÃO

ESTUDO DE GESTÃO DE RESÍDUOS DA CONSTRUÇÃO E DEMOLIÇÃO ÍNDICE 1.Antecedentes--------------------------------------------------------------------------------------3 1.1. Objecto do estudo... 3 1.2. Descrição da obra... 3 1.3. Autor do estudo... 4 2.Tipos de

Leia mais

RESPEITO E CONSCIÊNCIA AMBIENTAL

RESPEITO E CONSCIÊNCIA AMBIENTAL RESPEITO E CONSCIÊNCIA AMBIENTAL A Comissão Ministerial de Gestão Ambiental foi criada através da Portaria POR-PGJ n 204/08, com o fim de estudar, sugerir e acompanhar a implementação de medidas administrativas

Leia mais

Brochura Institucional

Brochura Institucional Brochura Institucional INTERFILEIRAS A INTERFILEIRAS representa as organizações - Fileiras de material - criadas ao abrigo de legislação específica com a missão de assegurar a retoma e reciclagem de resíduos

Leia mais

RELATÓRIO DE AVALIAÇÃO DA ACÇÃO PREVENIR PARA PRODUZIR MELHOR!

RELATÓRIO DE AVALIAÇÃO DA ACÇÃO PREVENIR PARA PRODUZIR MELHOR! RELATÓRIO DE AVALIAÇÃO DA ACÇÃO PREVENIR PARA PRODUZIR MELHOR! 1. DESCRIÇÃO DA ACÇÃO: A Semana Europeia da Prevenção de Resíduos é um projecto de 3 anos e tem o apoio do Programa LIFE+ até 2011. Em 2010,

Leia mais

Refrigerantes e Sumos

Refrigerantes e Sumos Águas, Refrigerantes e Sumos INFORMAR Boletim digital ANIRSF / APIAM Nº 12 Agosto a Outubro 2004 ESTUDO DO SECTOR DAS ÁGUAS ENGARRAFADAS No quadro de uma parceria entre a APIAM e a Canadean foi concluído

Leia mais

ECODEPUR DEPURWASH. Sistema de Tratamento e. Reciclagem de Águas de Lavagem. v1.2-200213

ECODEPUR DEPURWASH. Sistema de Tratamento e. Reciclagem de Águas de Lavagem. v1.2-200213 ECODEPUR DEPURWASH Sistema de Tratamento e v1.2-200213 Reciclagem de Águas de Lavagem ENQUADRAMENTO A água potável é um bem cada vez mais escasso, e deverão ser efectuados todos os esforços para preservar

Leia mais

A Grande Viagem do Lixo

A Grande Viagem do Lixo Olá! Eu sou a Clarinha a mascote da Lipor. Sempre que me vires, é sinal que alguém está a cuidar do ambiente e a aprender como viver num mundo mais limpo, mais verde. E tu? sabias que... Há 4 R s nossos

Leia mais

Prática Pedagógica: Coleta de Lixo nas Escolas

Prática Pedagógica: Coleta de Lixo nas Escolas Prática Pedagógica: Coleta de Lixo nas Escolas Introdução O objetivo desse trabalho é ajudar as Escolas e demais instituições na implantação do programa da coleta seletiva do lixo e do lixo eletrônico.

Leia mais