Os períodos iniciais da arte

Save this PDF as:
 WORD  PNG  TXT  JPG

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "Os períodos iniciais da arte"

Transcrição

1 Cuadernos de Arte Rupestre Número 4 Año 2007 Páginas Os períodos iniciais da arte do Vale do Tejo (Paleolítico e Epipaleolítico) Mário Varela Gomes * RESUMO As cerca de gravuras que se calcula constituirem a arte rupestre do Vale do Tejo, descoberta em 1971, mostram evolução cronoestilística, correspondendo a longo ciclo artístico iniciado nos começos do Paleolítico Superior e que alcança os tempos proto-históricos. Ali identificou o autor, a partir do estudo das sobreposições, das associações, das diferenças técnicas e de pátinas, como dos comportamentos de antropomorfos e de zoomorfos, ou da representação de artefactos, sete grandes períodos artísticos, que reflectem importantes alterações económicas, sociais, ideológico-culturais e cognitivas. Aqueles três primeiros períodos correspondem a sociedades de caçadores-recolectores do Paleolítico Superior (estilo arcaico), do Epipaleolítico (estilo subnaturalista) e do Epipaleolítico na transição para o Neolítico (estilo estilizado-estático). Foi, ainda, possível determinar duas fases, a antiga e a evolucionada, para o estilo subnaturalista e duas outras fases, a inicial e a plena, para o estilo estilizado-estático, reflectindo, a evolução cognitiva das sociedades responsáveis por, certamente, complexas actividades de carácter sócioreligioso e de que as gravuras são os únicos testemunhos chegados até nós. * Departamento de História. Faculdade de Ciências Sociais e Humanas. Universidade Nova de Lisboa. Membro da Academia da História e da Academia Nacional de Belas-Artes (Av. de Berna, 26 C; Lisboa).

2 CUADERNOS DE ARTE RUPESTRE Tais documentos são constituídos por imagens, gravadas principalmente através de picotagem e com grandes dimensões, de cervídeos, caprinos, de um auroque e de um equídeo, não se tendo detectado representações antropomórficas ou ideogramas. Os animais surgem isolados e, no período mais tardio, associados aos pares ou em bando, reconhecendo-se evolução onde se observa tendência tanto para a diminuição das dimensões, como para a sintetização morfológica. PALAVRAS-CHAVE Arte rupestre, estilo arcaico, estilo subnaturalista, estilo estilizado-estático. ABSTRACT The 20,000 or so engravings discovered in 1971 which constitute the rock art of the Tagus Valley reveal a chronostylistic evolution corresponding to a long artistic cycle initiated at the beginning of the Upper Palaeolithic and extending to protohistoric times. From a study of superimpositions, associations, differences in technique and patination, the behaviour of anthropomorphic and zoomorphic figures as well as the representations of artefacts, we have identified seven major artistic periods which reflect important economic, social, cultural-ideological and cognitive changes. The first three periods correspond to hunter-gatherer societies from the Upper Palaeolithic (archaic style), the Epipalaeolithic (sub-naturalistic style) and the Epipalaeolithic in transition to the Neolithic (stylised- -static style). It was also possible to determine two phases for the sub-naturalistic style early and developed and two other phases for the stylised-static style initial and late. These phases primarily reflect the cognitive evolution of societies which were responsible for complex activities of a socio-religious nature and for which the only testimony to have reached us are these engravings. This documentary evidence comprises very large depictions of cervids, caprids, an aurochs and an equid which were engraved mainly by pecking. No anthropomorphic representations or ideograms have been detected. The animals appear in isolation but in the later period are associated in pairs or in groups. We can recognise an evolution when a tendency for a reduction in size and for morphological synthesisation is observed. KEY WORDS Rock art, archaic style, sub-naturalistic style, stylised-static style

3 Os períodos iniciais da arte do Vale do Tejo (Paleolítico e Epipaleolítico) 1. Descobertas e primeiras problemáticas Quando nos finais de 1972 iniciámos a nossa colaboração nos trabalhos de levantamento e estudo da arte rupestre do Vale do Tejo, depressa verificámos que sob os nossos olhos se aglomeravam, em não poucas superfícies, gravuras com técnicas, graus de pátina e iconografia diferentes, algumas das quais sobrepondo outras ou associando-se entre si, demonstrando longa diacronia. Todavia, a datação de tais testemunhos não foi simples de determinar, pelo que alguns estilos e formas, permitem discussão cronológica. Naqueles tempos, informados pelo livro de E. Anati intitulado Arte Rupestre nelle Regioni Occidentali della Penisola Iberica, investigador com quem haveríamos ulteriormente de trabalhar, estabelecendo forte empatia e amizade que ainda hoje se mantêm, classificámos como epipaleolíticas as grandes representações de cervídeos e de caprinos, executadas através de sucessões de negativos ou picotados, formando linhas contínuas, por vezes profundas e, em alguns exemplares, regularizadas por abrasão, mostrando grandes dimensões e o corpo segmentado. Correspondiam a estas características veados e caprinos do Cachão do Algarve, Fratel ou Chão da Velha Jusante, tal como equídeo e touro, daquele segundo arqueossítio, e dois outros zoomorfos, de difícil classificação específica, da Lomba da Barca. Tal atribuição fazia recuar significativamente a datação que no início havia sido conferida às gravuras, da autoria do responsável científico pelos trabalhos de levantamento, E. da Cunha Serrão e dos seus colaboradores, a quem se deve a identificação das primeiras ocorrências da arte do Vale do Tejo. De facto, se um primeiro texto apresentava cronologia muito abrangente e quase em nada argumentada, do Neolítico Médio à Romanização, ainda no mesmo ano se defenderia que as gravuras foram produzidas em dois momentos, do Neolítico ao Calcolítico e durante as Idades do Bronze e do Ferro (Soromenho, Serrão e Lemos, 1972; Serrão et alii, 1972: 71). A datação circunscrita à Idade do Bronze surgiu no ano seguinte, retomando-se, em seguida, cronologia mais alargada, do Neolítico Final à Idade do Ferro (Serrão et alii, 1973: 166, 167; Serrão, 1974: 50). Aquela situação, em que a atribuição cronológica se comportava como uma espécia de harmónio, ora fechado ora aberto, deveu-se, como parece evidente, por um lado à inexperiência dos intervenientes no tipo de estudos que iniciavam e, por outro lado, tanto à falta de trabalhos, monográficos ou de síntese, realizados sobre a arte rupestre portuguesa e que ultrapassassem a simples descrição dos testemunhos, tratando as metodologias de levantamento a aplicar, tal como as problemáticas de carácter arqueológico e histórico. Para esta conjuntura muito contribuiu a ausência de diálogo com outros M. Varela 83

4 CUADERNOS DE ARTE RUPESTRE investigadores, nacionais e estrangeiros, daquela área do conhecimento e a inexistência do seu ensino nos programas universitários. Durante visita, que ajudámos a promover e que teve lugar em 1974, E. Anati confirmava a presença de características técnicas e morfoestilísticas, nas grandes figurações zoomórficas do Vale do Tejo, permitindo integrá-las no estilo subnaturalista e atribuí-las aos primeiros tempos holocénicos (Anati, 1975: 157, 158, fig. 76). A concepção de grandes estádios da evolução humana, definidos pelas vertentes económica, social e ideológica, reflectindo-se nas expressões artísticas, enforma modelo fenomenológico em que Anati tem fundamentado grande parte da sua obra no que concerne, sobretudo, às interpretações cronoestilísticas. Estas, apesar de pontualmente contestadas por alguns autores têm, designadamente para os ciclos artísticos pós-paleolíticos europeus, encontrado suporte na informação empírica oferecida pela documentação disponível, tal como pela sua contextualização, reflectindo bem estruturada formulação científica. Todavia, E. Anati (1974: 72) deixou bem claro que a existência de um mesmo estilo não exige contactos entre populações dado que a analogia estilística e figurativa reflectem similitudes na concepção, na ideologia, no nível cultural, no modo de vida e na base económica. À arte epipaleolítica ou das últimas sociedades de caçadoresrecolectores da Europa, dedicou aquele mesmo investigador importante artigo onde reconheceu a sua existência na Península Ibérica, nomeadamente no Levante e no Noroeste Peninsular, concluindo sobre a presença de mais de uma fase artística para o estilo subnaturalista daquele último ciclo e sobre a sua longa duração (Anati, 1974: 78,79). Mais tarde, incluirá em outros trabalhos referências aos animais de estilo subnaturalista do Vale do Tejo. Em artigo que tivémos a oportunidade de redigir para a Enciclopédia Verbo de Cultura, com grande divulgação, apresentámos, pela primeira vez, a evolução cronoestilística da arte do Vale do Tejo, considerando seis grandes períodos pré-históricos com expressão estilística e cultural, reflectindo alterações no desenvolvimento económico, social e cognitivo das comunidades humanas que produziram tais testemunhos. O primeiro daqueles correspondia às figuras zoomórficas de estilo subnaturalista, onde pudémos identificar duas fases (plena e evolucionada) e o segundo, que denominámos estilizado-estático, ainda epipaleolítico mas na transição para os primeiros tempos neolíticos, pode igualmente, ser subdividido em duas fases (inicial e plena) (Gomes, 1980). Este modelo, fruto do estudo de centenas de rochas e de milhares de gravuras, das que se calcula terem existido no complexo do Vale do Tejo, encontra-se suportado por numerosos exemplos de sobreposições, de associa

5 Os períodos iniciais da arte do Vale do Tejo (Paleolítico e Epipaleolítico) ções, diferentes graus de pátina, variações técnicas, morfológico-estilísticas e comportamentais das imagens gravadas. Ele tem vindo a ser completado e matizado em diversos trabalhos (Gomes, 1983; 1987; 1989; 1990; 2000; 2001;2002; 2004; Gomes e Cardoso, 1989). Com a identificação, em 2000, das primeiras figuras paleolíticas do ciclo artístico tagano, tivemos de considerar a existência de um Período 0, ou Arcaico, no quadro que tínhamos detectado. Importa, no entanto, considerar que aquele não deve ser interpretado como correspondendo a periodização estanque mas, bem pelo contrário, a modelo evolutivo, contando com frequências e continuidades diversas, a par de recorrências. A documentação agora publicada foi em grande parte obtida através do decalque de moldes, elaborados com borracha líquida (látex), das gravuras, bem como a partir de decalques directos daquelas e, mais raramente, utilizaram-se diapositivos ou fotografias (fig. 1). 2. Arte Paleolítica (período arcaico) No Verão de 2000 surgiram no vale do rio Ocresa, afluente da margem direita do curso médio do Tejo, pelo menos duas superfícies contendo iconografia paleolítica, uma delas dada a conhecer por P. Bahn (2000). Aquelas encontravam-se não longe das gravuras holocénicas, tendo utilizado-se como suporte superfícies subverticais de xisto grauváquico, o que ali acontece mais raramente com gravuras póspaleolíticas, onde foram principalmente usados painéis horizontais, bem polidos pela acção das águas do rio ao longo dos milénios. Uma das rochas apresenta diversas linhas incisas, de tipo filiforme, não tendo sido possível reconhecer qualquer figura. A segunda superfície mostra imagem de equídeo acéfalo, dado que a cabeça apenas foi esboçada, representada de perfil e dirigida para o lado direito do observador, através de picotagem, constituindo linhas largas, profundas e contínuas. A linha cérvico-dorsal é bem ondulada, a ventral acentuadamente convexa, foi figurado apenas um membro dianteiro e outro traseiro, em forma de V e sem mostrarem os cascos, pelo menos naquele primeiro, dado não se poder apreciar no segundo por se encontrar amputado, devido a fractura do suporte. A cauda é longa e arqueada, encontrando-se semi-erguida. As crinas altas fariam ângulo recto com a testa, contribuindo para melhor caracterizar, talvez um dos estilos cujos convencionalismos gráficos são não só dos mais evidentes como recorrentes, da arte paleolítica europeia, tendo vindo a ser atribuído ao Gravetense e ao Solutrense Antigo (fig. 2). M. Varela 85

6 CUADERNOS DE ARTE RUPESTRE Figura 1. Dispersão da arte do Vale do Tejo (seg. M. V. Gomes). Na ribeira do Pracana, afluente do rio Ocresa, observámos conjuntos de incisões filiformes, talvez paleolíticas, situadas em grande afloramento de xisto grauváquico e junto de superfícies repletas de covinhas, abertas em momentos ulteriores (Monteiro e Gomes, : 98, est. II-B). Campanha de levantamentos que realizámos no ano 2000, no sítio de Gardete, na margem direita do rio Tejo e imediatamente a jusante da barragem de Fratel, conduziu à descoberta de conjunto de traços filiformes paralelos na rocha G 11, tal como de painel subvertical (rocha G 27), contendo incisões lineares, ainda de tipo filiforme (Gomes, 2004: 83, 106, 109, 110) (fig. 3)

7 Os períodos iniciais da arte do Vale do Tejo (Paleolítico e Epipaleolítico) Figura 2. Ocresa. Cavalo de estilo arcaico (foto CNART) (comp. 0,30 m). A análise de diapositivos de rochas decoradas de Fratel, efectuados nos anos setenta da passada centúria, permitiu que identificássemos, na rocha F 196, incisões filiformes, por certo paleolíticas, algumas das quais sob gravuras obtidas por picotagem, com carácter esquemático e atribuíveis ao Calcolítico. 3. Arte Epipaleolítica (períodos subnaturalista e estilizado-estático) O acervo iconográfico que, na arte do Vale do Tejo, podemos atribuir aos tempos epipaleolíticos é constítuido apenas por representações animalistas, de grandes quadrúpedes, como o veado, a cabra montês, o auroque e o cavalo. Aquela primeira espécie foi a mais figurada, tanto através de exemplares masculinos como femininos, e tais imagens devem integrar dois estilos distintos, da nossa proposta de evolução cronoestilística para a arte do Vale do Tejo, o subnaturalista, nas suas fases antiga ou evolucionada, e o estilizado-estático, possuindo igualmente duas fases, a inicial e a plena. M. Varela 87

8 CUADERNOS DE ARTE RUPESTRE Figura 3. Gardete. Filiformes (G11.149) (seg. M. V. Gomes) Alagadouro Jazida rupestre localizada na margem esquerda do Tejo, a cerca de 3 km para jusante da barragem de Cedillo. Identificaram-se dois zoomorfos, cujas características estilísticas permitem que os atribuamos à fase evolucionada do estilo subnaturalista. Na rocha AL 45 observa-se veado fêmea (AL 45.1), cuja cabeça está encimada pelas duas orelhas arrebitadas, possuindo corpo de forma ovalada, assente em quatro membros lineares e oblíquos em relação ao eixo maior daquele. No interior do corpo detecta-se parte de linha paralela à linha ventral e alguns negativos dispersos. Mede 0,295m de comprimento (fig. 4). Possivelmente outra fêmea de veado (AL 43.7), cuja caracterização específica não conta com a cabeça, devido a esta se encontrar amputada por fractura do suporte, regista-se na rocha AL 43. A cabeça mostrava as orelhas levantadas, o corpo apresenta as linhas cérvico-dorsal e ventral pouco convexas, enquanto o peito e os quartos traseiros são inclinados, o que a par dos dois pares de membros se encontrarem encurvados e oblíquos, em relação ao eixo do corpo imprime à figura algum movimento. Os quartos traseiros mostram mancha de picotados, que também, embora de forma dispersa, se estendem ao interior do corpo. Mede, actualmente, 0,30 m de comprimento (fig. 4)

9 Os períodos iniciais da arte do Vale do Tejo (Paleolítico e Epipaleolítico) Figura 4. Alagadouro (AL 45; AL 43). Chão da Velha Jusante (CVJ 11; CVJ 7). Ocresa (OC 2) (seg. M. V. Gomes) Lomba da Barca Situa-se na margem esquerda do rio Tejo, imediatamente a jusante do Alagadouro. Grande rocha (LB 37) em forma de mesa, cuja superfície superior foi profusamente gravada ao longo dos milénios, e guarda duas representações, muito pátinadas, de grandes quadrúpedes, cuja classificação específica não é, para nós, clara (LB 37.22; LB 37.28) (fig. 5). As cabeças de ambos mostram perfil triangular alongado e são desprovidas de armação, os corpos oferecem contorno quase trapezoidal, sendo um deles largo, e as caudas curtas. Os quartos traseiros de ambos apresentam perspectiva e os membros, lineares, são perpendiculares aos corpos. Trata-se, muito possivelmente, de casal de cervídeos, no período em que o macho se encontra desprovido de armação. No interior do M. Varela 89

10 Figura 5. Lomba da Barca (LB 37). Zoomorfos subnaturalistas evolucionados e figuras ulteriores (seg. M. V. Gomes).

11 Os períodos iniciais da arte do Vale do Tejo (Paleolítico e Epipaleolítico) corpo de ambos observam-se linhas e picotados dispersos. Devem integrar o estilo subnaturalista evolucionado. Medem 0,43 m e 0,50 m de comprimento Cachão do Algarve Localiza-se na margem direita do rio Tejo, quase frente à Lomba da Barca, em zona onde aquele curso de água alarga e onde existia pequena cachoeira. A seguir à estação de Fratel é a que maior número de zoomorfos guardava, tanto de estilo subnaturalista como estilizado-estático. A rocha CAL 59 mostra enorme figuração de veado (CAL 59.19), possuindo a cabeça e o corpo em perspectiva, encontrando-se sobreposta por diversas gravuras (fig. 6). A pequena cabeça ovalada assenta em pescoço longo, sustenta armação bem desenvolvida, de forma oval e exibindo alguns galhos. O corpo apresenta a linha cérvicodorsal côncava, os quartos traseiros angulosos, talvez simulando perspectiva, e a linha ventral ligeiramente convexa. O interior do corpo oferece reticulado, constituído por linhas transversais e longitudinais, tal como abundantes picotados. A cauda, caída, é algo longa, para a espécie que se quis reproduzir. Os dois pares de membros, lineares e verticais, encontram-se representados e são perpendiculares ao corpo. Mede 0,50 m de comprimento e 0,60 m de altura máxima. Integra a fase antiga do estilo subnaturalista (fig. 7). Na rocha CAL 54 observa-se caprino macho, sob figuras gravadas em data bem mais recente, reproduzido em perspectiva. Oferece pequena cabeça de perfil triangular, encimada por longa armação formada por duas hastes sub-paralelas. A linha cérvico-dorsal é côncava e a ventral convexa, mostrando os quartos traseiros algo perspectivados. O corpo, totalmente preenchido por picotados, assenta em dois pares de membros lineares, sendo os dianteiros algo encurvados e oblíquos, o que lhe confere algum movimento. A cauda é curta. Mede 0,28 m de comprimento. Deve pertencer à fase evolucionada do estilo subnaturalista (fig. 7). Enorme cervídeo da rocha CAL 60, com corpo alongado e algo disforme, apresenta pequena cabeça de perfil triangular, encimada por desenvolvida armação disposta em perspectiva. A linha cérvico-dorsal é quase recta e os quartos traseiros, exagerados, estão bem arredondados, talvez tentando simular perspectiva. No interior do corpo observa-se linha vertical, que demarca os quartos dianteiros, e linha mediana, curva, talvez a linha da vida. A cauda é curta. Os dois pares de membros são lineares, encontram-se dispostos na vertical e perpendicularmente ao eixo maior do corpo. Mede 0,56 m de comprimento. Corresponde ao estilo subnaturalista evolucionado (fig. 8). M. Varela 91

12 Figura 6. Cachão do Algarve (CAL 59). Veado subnaturalista antigo, sobreposto por figuras muito ulteriores (seg. M. V. Gomes).

13 Figura 7. Cachão do Algarve (CAL 59; CAL 54) (seg. M. V. Gomes).

14 CUADERNOS DE ARTE RUPESTRE Possível veado fêmea da rocha CAL 25, mostra tanto a cabeça, como o corpo e as pernas de perfil (CAL 25.2). Apenas as duas orelhas apresentam perspectiva. O pescoço alarga no volume mesial, encontrando-se preenchido por picotados, e o corpo é subrectangular, contendo linha paralela à ventral, tal como negativos dispersos. A cauda é curta e foi, apenas, representado um membro dianteiro e outro traseiro. Mede 0,43 m de comprimento e pertence ao estilo estilizado-estático inicial (fig. 8). Duas prováveis figurações de cervídeos, da rocha CAL 04, protagonizam cena de pré-acasalamento, onde o macho, perseguindo a fêmea, toca nos quartos traseiros desta com a cabeça. Ambos zoomorfos foram representados de perfil, com corpos de forma ovalada, no interior dos quais se observam restos de linhas horizontais e Figura 8. Cachão do Algarve (CAL 60; CAL 25; CAL 04; CAL 61; CAL 56) (seg. M. V. Gomes)

15 Os períodos iniciais da arte do Vale do Tejo (Paleolítico e Epipaleolítico) picotados dispersos. Apenas os membros, lineares e paralelos, mostram perspectiva, tendo sido gravados os dois pares pertencentes a cada animal, embora dispostos algo obliquamente em relação ao eixo dos respectivos corpos. O comprimento desta composição é de 0,465 m, medindo o macho 0,34 m de comprimento e a fêmea 0,28 m. Integram a fase inicial do estilo estilizado-estático (fig. 8). Regista-se a presença de veado, sobreposto por podomorfo proto-histórico, na rocha CAL 61. Trata-se de figura com cabeça de perfil triangular, assente em pescoço estreito e longo, que ostenta alta armação de forma triangular, vista de frente, constituída por duas hastes, ramificadas no topo e providas de diversos galhos. O corpo oferece forma ovalada, linha mediana e densa mancha de picotados nos quartos traseiros. A cauda é curta. Foram figurados os dois pares de membros, lineares, um deles algo curvo e os dianteiros oblíquos em relação ao eixo do corpo. Mede 0,345 m de comprimento e deve ser incluído no estilo estilizado-estático inicial (fig. 8). Na rocha CAL 56 observam-se dois veados da fase plena do estilo estilizado-estático, embora com acentuadas variações morfológicas entre ambos (fig. 8). Um deles, mostra cabeça de perfil triangular alongado, com altas hastes, providas de galhos, em perspectiva. O corpo oferece forma oval, apresenta linha central, sugerindo continuar na curta cauda, que se encontra levantada. Os dois pares de membros figurados são lineares e verticais, em relação ao eixo do corpo. Ao centro do dorso mostra cravada longa arma de arremesso barbelada. Trata-se de aspecto raro na arte do Vale do Tejo, que devemos valorizar com ocorrência reconhecida em rocha de Fratel (F 45 3 ). Mede 0,29 m de comprimento. O segundo veado, oferece cabeça, distinguindo-se a boca aberta, encimada por armação em forma de V, figurada de frente e onde cada haste exibe quatro galhos laterais. O corpo é trapezoidal, com a linha cérvico-dorsal algo convexa e a ventral recta. No seu interior observam-se linha vertical, que demarca os quartos dianteiros, e mancha de picotados cobrindo aquela zona. A cauda é curta e encontra-se levantada. Foram figurados ambos pares de membros, lineares e verticais, em relação ao eixo do corpo. Mede 0,29 m de comprimento Fratel Neste arqueossítio existe uma das maiores concentrações de gravuras rupestres do Vale do Tejo, estendendo-se por cerca de 1,5 km da margem direita daquele rio. Este é o primeiro núcleo de gravuras situado a jusante do monumental acidente natural conhecido por Portas do Ródão, estreita garganta existente em altivo maciço quartzítico, que o rio abriu ao longo dos milénios. M. Varela 95

16 CUADERNOS DE ARTE RUPESTRE A rocha F 155 corresponde à superfície contendo maior número de representações subnaturalistas do Vale do Tejo, contando-se dez, completas ou parcialmente figuradas, sete cervídeos, um cavalo e dois animais indeterminados, embora com diferenças estilísticas, dimensionais, técnicas e até de graus de pátina, permitindo reconhecer, pelo menos, dois grandes momentos ou fases de realização daquelas, tal como quatro imagens de estilo estilizado-estático, dois cervídeos e dois caprinos, também evidenciando duas fases de execução. Algumas de tais gravuras foram subrepostas por outras mais tardias, designadamente por espirais, círculos e linhas, da Idade do Bronze (figs. 9 e 10). Trata-se de enorme afloramento que se eleva acima de caos de blocos de xisto grauváquico, oferecendo típica forma de mesa, onde a face superior, profundamente fracturada, foi aproveitada para a realização das gravuras. Junto a um dos lados maiores daquela, zona mais elevada contém metade das figurações epipaleolíticas detectadas, observando-se, ao centro, enorme cervídeo, figurado de pé, com o corpo de perfil e voltado para o lado esquerdo do observador. A cabeça, pequena e levantada, tal como a respectiva armação e os membros, foram representados em perspectiva. A armação, ovalada, é desenvolvida e o pescoço esbelto. A linha cérvico-dorsal encontra-se ligeiramente ondulada e a ventral apresenta pequena convexidade. Figuraram-se os dois pares de membros, lineares, verticais e perpendiculares ao corpo. O interior deste zoomorfo foi subdividido, através de linhas, longitudinais, transversais e oblíquas. Tanto a cabeça como o pescoço encontram-se preenchidos por picotados. A cauda é curta. Mede 0,61 m de comprimento. Pertence à fase antiga do estilo subnaturalista (fig. 10, a). Ligeiramente abaixo da figura que acabámos de descrever, identifica se representação de equídeo, sobrepondo os membros traseiros daquela e figurado de perfil, voltado para o lado direito do observador. A cabeça é curta, mostrando o olho e curva mandibular acusada, sendo o pescoço longo e largo, observando-se as crinas, serrilhadas, fazendo ângulo recto com a testa e confundindo-se com as orelhas. A linha cérvico-dorsal é ligeiramente ondulada e a ventral, tal como ambos pares de membros, desapareceram devido a fractura do bordo do suporte. A cauda é longa. Tanto a cabeça como o pescoço e o peito foram preenchidos por picotagem, enquanto o corpo contém reticulado, formado por linhas transversais e longitudinais, uma das quais parece ligar o pescoço à zona genital, a denominada linha da vida. Mede 0,62 m de comprimento. Integra a fase antiga do estilo subnaturalista (fig. 10, b). A norte das duas imagens mencionadas reconhece-se zoomorfo incompleto, de que foi figurada a cabeça e parte do corpo (fig. 10, m),

17 Os períodos iniciais da arte do Vale do Tejo (Paleolítico e Epipaleolítico) Figura 9. Fratel (F 155). Figurações subnaturalistas e estilizado-estáticas, sobrepostas por outras ulteriores (seg. M. V. Gomes). tal como expressiva cabeça de cervídeo, assente em pescoço longo e provida de armação ramificada, em perspectiva, parecendo sair de fractura que delimita o suporte. Mede 0,30 m de altura. Deve ser atribuida à fase antiga do estilo subnaturalista (fig. 10, g). A sul das primeiras imagens descritas, foi gravado cervídeo, com o corpo, os membros e a cabeça de perfil, enquanto a armação ramificada oferece perspectiva. A linha cérvico-dorsal é ondulada e a ventral recta. Mostra, apenas, um membro dianteiro e outro traseiro, oferecendo o interior do corpo reticulado. A cauda é curta. Mede 0,38 m de comprimento. Pertence à fase antiga do estilo subnaturalista (fig. 10, h). M. Varela 97

18 CUADERNOS DE ARTE RUPESTRE Figura 10. Fratel (F 155). Zoomorfos subnaturalistas e estilizado-estáticos (seg. M. V. Gomes). No extremo sul da superfície decorada, dois outros cervídeos, que os caracteres anatómicos deixam proceder à diagnose sexual, representam casal, embora mostrem estilos bem diferentes; um deles, o macho, pode ser atribuido à fase mais antiga do estilo subnaturalista, enquanto que a fêmea deve integrar a fase mais recuada do estilo estilizado-estático

19 Os períodos iniciais da arte do Vale do Tejo (Paleolítico e Epipaleolítico) O veado anteriormente referido oferece cabeça de perfil triangular, armação ramificada em perspectiva, linha cérvico-dorsal ondulada e a ventral ligeiramente convexa. O interior do corpo encontra-se reticulado, mostrando dupla linha ventral. A cauda é curta e os membros, lineares, foram gravados obliquamente em relação ao eixo do corpo. Mede 0,41 m de comprimento (fig. 10, c). A fêmea, que se associa ao macho acabado de descrever, e cujos membros traseiros sobrepõem os membros do mesmo lado daquele, apresenta cabeça pequena, encimada por duas orelhas, corpo sub-rectangular, com o arranque de linha mediana e preenchido por picotados dispersos. Foi figurado apenas um dos membros de cada lado, rectilíneos e perpendiculares em relação ao eixo do corpo. Mede 0,325 m de comprimento. Além da sobreposição dos membros traseiros, existe linha que liga as zonas genitais dos dois animais. A poente da zona da rocha onde se encontram os zoomorfos descritos, observa-se veado, com cabeça de perfil triangular e armação ramificada, em perspectiva semi-torcida, possuindo corpo trapezoidal, somente esboçado e apenas um membro de cada par. A cabeça e o pescoço foram preenchidos por picotado. Mede 0,52 m de comprimento. Trata-se de figuração subnaturalista antiga (fig. 10, d). A noroeste da imagem acima referida reconhecem-se zoomorfo inacabado (fig. 10, n) e cervídeo. Este oferece pescoço longo, cabeça pequena e desenvolvida armação, provida de numerosos galhos. O corpo é trapezoidal e encontra-se reticulado, mostrando os dois pares de membros mal definidos, rectilíneos e perpendiculares ao eixo daquele. Mede 0,50 m de comprimento e integra a fase antiga do estilo subnaturalista (fig. 10, e). No sector norte da rocha cuja iconografia mais antiga temos vindo a descrever, encontra-se figurada a metade dianteira de caprino, com cabeça triangular e longa armação, dirigida para trás, que parece surgir de fractura do suporte, medindo 0,25 m de comprimento. Pertence à fase plena do estilo estilizado-estático (fig. 10, l). Ali se observam, ainda, outro caprino, um veado e cabeça de animal desta mesma espécie. O caprino mostra longa armação, algo encurvada para trás, linha cérvico-dorsal convexa e linha ventral recta, contendo linha mediana no interior do corpo. Este assenta em dois pares de membros, curtos, rectilíneos e perpendiculares, em relação ao eixo do corpo. Mede 0,37 m de comprimento e corresponde ao estilo estilizadoestático inicial (fig. 10, i). O veado possui cabeça com longa armação em perspectiva semitorcida e corpo trapezoidal, subdividido por linha mediana. A cabeça, preenchida por picotados, apresenta estilo subnaturalista antigo, indicando que o corpo foi gravado mais tarde, tal como os dois cur- M. Varela 99

20 CUADERNOS DE ARTE RUPESTRE tos membros dianteiros, podendo atribuir-se à fase inicial do estilo estilizado-estático. Mede 0,45 m de comprimento (fig. 10, k). Por fim, o prótomo de veado, apresenta armação ramificada e em perspectiva, tal como longo pescoço e a linha do peito, encontrandose associado a fissura do suporte. Mede 0,38 m de altura e deve integrar a fase antiga do estilo subnaturalista (fig. 10, f). As características estilísticas, tal como as sobreposições e associações detectadas nesta rocha permitem considerarmos quatro grandes momentos de gravação na iconografia descrita, pertencentes dois ao estilo subnaturalista e os dois outros ao estilizado-estático. Os grandes cervídeos e o equídeo, todos com o interior dos corpos reticulados, integram aquele primeiro momento (estilo subnaturalista antigo), enquanto veado de corpo algo geometrizado, com dois membros figurados, embora ainda com o interior do corpo reticulado, pertence a um segundo momento (estilo subnaturalista evolucionado). A corça, que se associa a um dos veados mais antigos, a cabra e o veado com cabeça antiga e corpo mais recente, todos possuindo corpos rectangulares e, contendo linha mediana, devem ser atribuídos à fase inicial do período estilizado-estático. E a metade dianteira de cabra, mais realista, à segunda ou plena, daquele mesmo período. Além do importante conjunto de zoomorfos que acabámos de descrever, identificou-se em Fratel, pelo menos, mais uma representação, de auroque, que deve incluir-se na primeira fase de gravação referida. Trata-se da imagem patente na rocha F 103, com cabeça levantada, de perfil triangular, possuindo armação alta e em perspectiva. O corpo apresenta a linha cérvico-dorsal côncava e a ventral, dupla e convexa. A cauda foi figurada e os dois pares de membros são rectilíneos, embora os dianteiros sejam oblíquos e os traseiros verticais, em relação ao eixo do corpo. Mede 0,27 m de comprimento (fig. 11). Aquela é a única representação de auroque claramente reconhecida na arte rupestre do Vale do Tejo, lembrando a sua armação a de alguns animais da mesma espécie figurados nos inícios do Paleolítico Superior. Devemos incluir no estilo estilizado-estático os cervídeos das rochas F 49 1 C e F 45 3, tal como o caprino da rocha F 211B. Um dos cervídeos mencionados (F 49 1 C), apresenta cabeça, assente em pescoço longo e, dirigida para o solo, corpo de perfil, preenchido por picotados, embora se reconheça linha, mais profunda, que liga a cabeça aos quartos traseiros, a linha da vida. Sobre a cabeça mostra armação curta e algo encurvada que, não fora os dois galhos basilares sugeria pertencer a auroque. Ambos pares de membros são altos e rectilíneos, quase verticais em relação ao eixo do corpo. Mede 0,29 m de comprimento (fig. 11)

Anon. (2000) Arte paleolítica datada por depósitos arqueológicos no sítio do Fariseu, Vale do Côa. Lisboa, Instituto Português de Arqueologia

Anon. (2000) Arte paleolítica datada por depósitos arqueológicos no sítio do Fariseu, Vale do Côa. Lisboa, Instituto Português de Arqueologia Anon. (2000) Arte paleolítica datada por depósitos arqueológicos no sítio do Fariseu, Vale do Côa. Lisboa, Instituto Português de Arqueologia [Disponível em http://www.ipa.mincultura.pt/news/news/2000/fariseu/fariseu_pt,

Leia mais

Licenciatura em: Design HISTÓRIA DA ARTE E DA TÉCNICA. EVOLUÇÃO DO DESIGN AUTOMÓVEL (BMW Séries 5)

Licenciatura em: Design HISTÓRIA DA ARTE E DA TÉCNICA. EVOLUÇÃO DO DESIGN AUTOMÓVEL (BMW Séries 5) Licenciatura em: Design HISTÓRIA DA ARTE E DA TÉCNICA Assim: 9; com ref. às fontes: 12-13 EVOLUÇÃO DO DESIGN AUTOMÓVEL (BMW Séries 5) Autores: André Sequeira 1º - A1 20110039 João Almeida 1º - A1 20110309

Leia mais

Arte da Pré-História

Arte da Pré-História ALUNO(A) Nº SÉRIE: 6º. Ano TURMA: DATA: / /2013 Profª Ana Lúcia Leal - DISCIPLINA: ARTE Ficha de Aula - III Trimestre Arte da Pré-História As primeiras expressões artísticas As mais antigas figuras feitas

Leia mais

Observação do Comportamento Estrutural da Barragem de Beliche após a Realização de Obras de Reabilitação

Observação do Comportamento Estrutural da Barragem de Beliche após a Realização de Obras de Reabilitação Observação do Comportamento Estrutural da Barragem de Beliche após a Realização de Obras de Reabilitação Fernando Pardo de Santayana Laboratório Nacional de Engenharia Civil (LNEC), Lisboa, Portugal RESUMO:

Leia mais

Desenho e Projeto de tubulação Industrial

Desenho e Projeto de tubulação Industrial Desenho e Projeto de tubulação Industrial Módulo I Aula 08 1. PROJEÇÃO ORTOGONAL Projeção ortogonal é a maneira que o profissional recebe o desenho em industrias, 1 onde irá reproduzi-lo em sua totalidade,

Leia mais

MÉTODOS DE REPRESENTAÇÃO

MÉTODOS DE REPRESENTAÇÃO MARIA DO CÉU SIMÕES TERENO 2011 EUROPEU E AMERICANO SISTEMAS DE PROJEÇÕES ORTOGONAIS Ângulos Diedros A representação de objectos tridimensionais por meio de desenhos bidimensionais, utilizando projecções

Leia mais

RAÇAS DE CAPRINOS. Profa. Alda Monteiro - 2013

RAÇAS DE CAPRINOS. Profa. Alda Monteiro - 2013 RAÇAS DE CAPRINOS Profa. Alda Monteiro - 2013 As raças de cabras estão reunidas em 3 troncos distintos, sendo aceitas as subdivisões que se seguem: Tronco europeu: raças do sub-tronco europeu alpino, com

Leia mais

ARTE NA PRÉ-HISTÓRIA HISTÓRIA DA ARTE. Colégio Einstein. A evolução do conhecimento. Aluno (a): 9º ano: A [ ] B [ ] Professor: Lucas Salomão

ARTE NA PRÉ-HISTÓRIA HISTÓRIA DA ARTE. Colégio Einstein. A evolução do conhecimento. Aluno (a): 9º ano: A [ ] B [ ] Professor: Lucas Salomão HISTÓRIA DA ARTE Aluno (a): Professor: Lucas Salomão Data: / /2015 9º ano: A [ ] B [ ] ARTE NA PRÉ-HISTÓRIA Há milhares de anos os povos antigos já se manifestavam artisticamente. Embora ainda não conhecessem

Leia mais

O BENGALIM DO JAPÃO. O comprimento total do Bengalim do Japão, medido desde a ponta do bico à extremidade da cauda, é de 12,5 cm.

O BENGALIM DO JAPÃO. O comprimento total do Bengalim do Japão, medido desde a ponta do bico à extremidade da cauda, é de 12,5 cm. O BENGALIM DO JAPÃO Tipo e Estrutura O Bengalim do Japão é uma ave de forma compacta e robusta, não devendo, contudo parecer pesado ou gordo. A cabeça é bem proporcionada com o resto do corpo. O dorso

Leia mais

ESTRUTURA EMPRESARIAL NACIONAL 1995/98

ESTRUTURA EMPRESARIAL NACIONAL 1995/98 ESTRUTURA EMPRESARIAL NACIONAL 1995/98 NOTA METODOLÓGICA De acordo com a definição nacional, são pequenas e médias empresas aquelas que empregam menos de 500 trabalhadores, que apresentam um volume de

Leia mais

rofa Lia Pimentel TOPOGRAFIA

rofa Lia Pimentel TOPOGRAFIA rofa Lia Pimentel TOPOGRAFIA Diferença entre Cartografia e Topografia: A Topografia é muitas vezes confundida com a Cartografia ou Geodésia pois se utilizam dos mesmos equipamentos e praticamente dos mesmos

Leia mais

Barragens de concreto em abóbada com dupla curvatura.

Barragens de concreto em abóbada com dupla curvatura. ANÁLISE DIMENSIONAL Modelos Reduzidos Prof. Manuel Rocha - LNEC Prof. Eduardo C. S. Thomaz Notas de aula Barragens de concreto em abóbada com dupla curvatura. Na década de 60, época do projeto e da construção

Leia mais

MÓDULO 9. A luz branca, que é a luz emitida pelo Sol, pode ser decomposta em sete cores principais:

MÓDULO 9. A luz branca, que é a luz emitida pelo Sol, pode ser decomposta em sete cores principais: A COR DE UM CORPO MÓDULO 9 A luz branca, que é a luz emitida pelo Sol, pode ser decomposta em sete cores principais: luz branca vermelho alaranjado amarelo verde azul anil violeta A cor que um corpo iluminado

Leia mais

INTRODUÇÃO INTRODUÇÃO

INTRODUÇÃO INTRODUÇÃO INTRODUÇÃO A partir de meados do século xx a actividade de planeamento passou a estar intimamente relacionada com o modelo racional. Uma das propostas que distinguia este do anterior paradigma era a integração

Leia mais

Testa os conhecimentos de Geometria Descritiva

Testa os conhecimentos de Geometria Descritiva Testa os conhecimentos de Geometria Descritiva Para testar os conhecimentos de Geometria Descritiva, procede da seguinte forma: responde por escrito à questão escolhida; em seguida, clica no Hiperlink

Leia mais

O azulejo articulado de Eduardo Nery

O azulejo articulado de Eduardo Nery O azulejo articulado de Eduardo Nery Jorge Rezende (Grupo de Física-Matemática (GFMUL) e Departamento de Matemática (DMFCUL) da Universidade de Lisboa.) Neste artigo consideramos apenas azulejos quadrados

Leia mais

DELIMITAÇÃO DE VARIAÇÕES LATERAIS NUM RESERVATÓRIO ALUVIONAR COM MÉTODOS ELÉCTRICOS. Nuno ALTE DA VEIGA 1

DELIMITAÇÃO DE VARIAÇÕES LATERAIS NUM RESERVATÓRIO ALUVIONAR COM MÉTODOS ELÉCTRICOS. Nuno ALTE DA VEIGA 1 DELIMITAÇÃO DE VARIAÇÕES LATERAIS NUM RESERVATÓRIO ALUVIONAR COM MÉTODOS ELÉCTRICOS Nuno ALTE DA VEIGA 1 RESUMO Em regiões de soco cristalino pequenas manchas de depósitos de aluvião existentes localmente

Leia mais

REFLEXO DO PONTO, SEGMENTO DE RECTA E FIGURA GEOMÉTRICA NUM ESPELHO VERTICAL

REFLEXO DO PONTO, SEGMENTO DE RECTA E FIGURA GEOMÉTRICA NUM ESPELHO VERTICAL Figura 156. Óleo sobre tela de Almada Negreiros (1893-1970). Retrato do Poeta Fernando Pessoa. Apesar de parecer uma composição na base do quadrado devido à quadrícula do soalho, é na realidade um rectângulo.

Leia mais

Dist. da linha saída à 1ª barreira

Dist. da linha saída à 1ª barreira TÉCNICA DAS CORRIDAS COM BARREIRAS Antes de mais nada podemos dizer que as corridas com barreiras são provas de velocidade rasa porque, muito embora o barreiristas se depare com uma série de barreiras

Leia mais

BRACO DE BOURBON NAIS

BRACO DE BOURBON NAIS CONFEDERAÇÃO BRASILEIRA DE CINOFILIA Fédération Cynologique Internationale GRUPO 7 Padrão FCI 179 29/03/2006 Padrão Ofi cial da Raça BRACO DE BOURBON NAIS BRAQUE DU BOURBONNAIS CONFEDERAÇÃO BRASILEIRA

Leia mais

CONFEDERAÇÃO BRASILEIRA DE CINOFILIA. Fédération Cynologique Internationale GRUPO 5. Padrão FCI 195 09/06/1999. Padrão Ofi cial da Raça

CONFEDERAÇÃO BRASILEIRA DE CINOFILIA. Fédération Cynologique Internationale GRUPO 5. Padrão FCI 195 09/06/1999. Padrão Ofi cial da Raça CONFEDERAÇÃO BRASILEIRA DE CINOFILIA Fédération Cynologique Internationale GRUPO 5 Padrão FCI 195 09/06/1999 Padrão Ofi cial da Raça VOLPINO ITALIANO CONFEDERAÇÃO BRASILEIRA DE CINOFILIA Filiada à Fédération

Leia mais

Povos americanos: Primeiros habitantes da América do SUL

Povos americanos: Primeiros habitantes da América do SUL Povos americanos: Primeiros habitantes da América do SUL Nicho Policrômico. Toca do Boqueirão da Pedra Fiurada. Serra da Capivara Piauí- Brasil Ruínas as cidade inca Machu Picchu - Peru Código de escrita

Leia mais

CONFEDERAÇÃO BRASILEIRA DE CINOFILIA

CONFEDERAÇÃO BRASILEIRA DE CINOFILIA CONFEDERAÇÃO BRASILEIRA DE CINOFILIA Fédération Cynologique Internationale GRUPO 2 Padrão FCI 186 11/08/2000 Padrão Oficial da Raça AFFENPINSCHER CONFEDERAÇÃO BRASILEIRA DE CINOFILIA Filiada à Fédération

Leia mais

Objetivo Conteúdos Habilidades

Objetivo Conteúdos Habilidades Tema 8 Um Lugar Frio e Escuro Objetivo investigar as condições ambientais predominantes nos oceanos, com destaque para os gradientes verticais de temperatura, luz e pressão hidrostática. Conteúdos física,

Leia mais

Índice: Introdução 3. Princípios Orientadores 3. Definição do projecto 4. Considerações Finais 8. Actividades a desenvolver 9.

Índice: Introdução 3. Princípios Orientadores 3. Definição do projecto 4. Considerações Finais 8. Actividades a desenvolver 9. Índice: Introdução 3 Princípios Orientadores 3 Definição do projecto 4 Objectivos a alcançar 5 Implementação do projecto 5 Recursos necessários 6 Avaliação do projecto 7 Divulgação Final do Projecto 7

Leia mais

45 mm INDICADORES DE PALEOLINHAS DE COSTA E VARIAÇÕES DO NÍVEL DO MAR NA PLATAFORMA CONTINENTAL SUL DE ALAGOAS

45 mm INDICADORES DE PALEOLINHAS DE COSTA E VARIAÇÕES DO NÍVEL DO MAR NA PLATAFORMA CONTINENTAL SUL DE ALAGOAS INDICADORES DE PALEOLINHAS DE COSTA E VARIAÇÕES DO NÍVEL DO MAR NA PLATAFORMA CONTINENTAL SUL DE ALAGOAS Fontes, L.C.S. 1 ; Santos, L.A. 1 ; Santos J.R. 1 ; Mendonça, J.B.S. 1 ; Santos, V.C.E 1 ; Figueiredo

Leia mais

Rodrigo Simas Aguiar. Catálogo. da Arte Rupestre da Ilha de Santa Catarina

Rodrigo Simas Aguiar. Catálogo. da Arte Rupestre da Ilha de Santa Catarina Rodrigo Simas Aguiar Catálogo da Arte Rupestre da Ilha de Santa Catarina Texto e Fotos: Rodrigo Simas Aguiar Título: Catálogo da Arte Rupestre da Ilha de Santa Catarina Autor: Rodrigo Luiz Simas de Aguiar

Leia mais

Sessão de Abertura Muito Bom dia, Senhores Secretários de Estado Senhor Presidente da FCT Senhoras e Senhores 1 - INTRODUÇÃO

Sessão de Abertura Muito Bom dia, Senhores Secretários de Estado Senhor Presidente da FCT Senhoras e Senhores 1 - INTRODUÇÃO Sessão de Abertura Muito Bom dia, Senhores Secretários de Estado Senhor Presidente da FCT Senhoras e Senhores 1 - INTRODUÇÃO Gostaria de começar por agradecer o amável convite que a FCT me dirigiu para

Leia mais

Caderno de Respostas

Caderno de Respostas Caderno de Respostas DESENHO TÉCNICO BÁSICO Prof. Dr.Roberto Alcarria do Nascimento Ms. Luís Renato do Nascimento CAPÍTULO 1: ELEMENTOS BÁSICOS DO DESENHO TÉCNICO 1. A figura ilustra um cubo ao lado de

Leia mais

SIMBOLOGIA DA SOLDAGEM

SIMBOLOGIA DA SOLDAGEM SIMBOLOGIA DA SOLDAGEM Ricardo Leli dos Santos (leli@ig.com.br) Aires Gomes Sabino (agsabino@bol.com.br) Cícero Roberto Gonçalves Bezerra (fe3c_w@gmx.net) RESUMO A simbologia de soldagem é a representação

Leia mais

b : nas representações gráficas de funções do tipo

b : nas representações gráficas de funções do tipo do as suas escolhas a partir daí. Nesta situação, tendem a identificar as assímptotas verticais, as assímptotas horizontais e a associar as representações analítica e gráfica que têm estas características

Leia mais

ÓRBITA ILUMINADA HU F 152/ NT4091

ÓRBITA ILUMINADA HU F 152/ NT4091 ÓRBITA ILUMINADA HU F 152/ NT4091 INTRODUÇÃO Trata-se de um modelo científico de trabalho, representando o Sol, a Terra e a Lua, e mostrando como estes se relacionam entre si. Foi concebido para mostrar

Leia mais

VENTOS DO PASSADO: SÍTIOS ARQUEOLÓGICOS ENCONTRADOS EM LICENCIAMENTO DE PARQUE EÓLICO NA BAHIA.

VENTOS DO PASSADO: SÍTIOS ARQUEOLÓGICOS ENCONTRADOS EM LICENCIAMENTO DE PARQUE EÓLICO NA BAHIA. VENTOS DO PASSADO: SÍTIOS ARQUEOLÓGICOS ENCONTRADOS EM LICENCIAMENTO DE PARQUE EÓLICO NA BAHIA. Almir do Carmo Bezerra Diretor-Presidente / ANX Engenharia e Arqueologia LTDA Rua Antônio Curado, nº937,

Leia mais

ALGUMAS CARACTERÍSTICAS MORFOLÓGICAS DA BACIA HIDROGRÁFICA E DO PERCURSO DO RIO PINHÃO RESUMO

ALGUMAS CARACTERÍSTICAS MORFOLÓGICAS DA BACIA HIDROGRÁFICA E DO PERCURSO DO RIO PINHÃO RESUMO ALGUMAS CARACTERÍSTICAS MORFOLÓGICAS DA BACIA HIDROGRÁFICA E DO PERCURSO DO RIO PINHÃO Ana Maria ALENCOÃO 1 ; Martim R. PORTUGAL FERREIRA 2 RESUMO Na região de Trás-os-Montes e Alto Douro (NE de Portugal)

Leia mais

Objectivos Proporcionar experiências musicais ricas e diversificadas e simultaneamente alargar possibilidades de comunicação entre Pais e bebés.

Objectivos Proporcionar experiências musicais ricas e diversificadas e simultaneamente alargar possibilidades de comunicação entre Pais e bebés. O estudo do desenvolvimento musical da criança é um campo de trabalho privilegiado pela CMT, tendo em conta o perfil curricular de alguns dos seus elementos, com ligações ao meio universitário. Um pouco

Leia mais

Notas sobre a população a propósito da evolução recente do número de nascimentos

Notas sobre a população a propósito da evolução recente do número de nascimentos Maria João Valente Rosa* Análise Social, vol. xxxiii (145), 1998 (1. ), 183-188 Notas sobre a população a propósito da evolução recente do número de nascimentos O número de nascimentos em Portugal tem

Leia mais

Fotografia aérea e foto-interpretação

Fotografia aérea e foto-interpretação Fotografia aérea e foto-interpretação Fotografias aéreas e foto-interpretação são elementos e técnicas de trabalho fundamentais para um conhecimento aprofundado do território e para a elaboração ou actualização

Leia mais

ORIENTAÇÕES PARA O JULGAMENTO DO ORIGINAL FILA BRASILEIRO TÓPICO 1.

ORIENTAÇÕES PARA O JULGAMENTO DO ORIGINAL FILA BRASILEIRO TÓPICO 1. ORIENTAÇÕES PARA O JULGAMENTO DO ORIGINAL FILA BRASILEIRO TÓPICO 1. Na minha opinião de juiz da raça, e como estudioso do Fila Original, as exposições especializadas devem orientar corretamente as criações

Leia mais

XI Mestrado em Gestão do Desporto

XI Mestrado em Gestão do Desporto 2 7 Recursos Humanos XI Mestrado em Gestão do Desporto Gestão das Organizações Desportivas Módulo de Gestão de Recursos Rui Claudino FEVEREIRO, 28 2 8 INDÍCE DOCUMENTO ORIENTADOR Âmbito Objectivos Organização

Leia mais

Tigris & Euphrates. Regras em Português

Tigris & Euphrates. Regras em Português Tigris & Euphrates Regras em Português Componentes do jogo 1 Tabuleiro 153 Peças de Civilização o 57 Vermelhas (Templos) o 36 Azuis (Quintas) o 30 Verdes (Mercados) o 30 Pretas (Colonizações) 8 Peças de

Leia mais

Estudo dirigido sobre premolares

Estudo dirigido sobre premolares Estudo dirigido sobre premolares 1 Miguel Carlos Madeira e Roelf Cruz Rizzolo http://www.anatomiafacial.com Material para ser impresso, com a autorização dos autores, exclusivamente para os alunos do primeiro

Leia mais

Aula 3 de 4 Versão Aluno

Aula 3 de 4 Versão Aluno Aula 3 de 4 Versão Aluno As Comunidades Indígenas Agora vamos conhecer um pouco das características naturais que atraíram essas diferentes ocupações humanas ao longo dos séculos para a Região da Bacia

Leia mais

Cotagens especiais. Você já aprendeu a interpretar cotas básicas

Cotagens especiais. Você já aprendeu a interpretar cotas básicas A UU L AL A Cotagens especiais Você já aprendeu a interpretar cotas básicas e cotas de alguns tipos de elementos em desenhos técnicos de modelos variados. Mas, há alguns casos especiais de cotagem que

Leia mais

PIXEL - DO DESENHO À PINTURA DIGITAL

PIXEL - DO DESENHO À PINTURA DIGITAL F PIXEL - DO DESENHO À PINTURA DIGITAL Carga Horária: 96 horas/aulas Módulo 01: Desenho de observação DESCRIÇÃO: Neste módulo o você irá praticar sua percepção de linhas e formas, bem como a relação entre

Leia mais

Trabalho realizado por: João Rabaça. 11º Ano do Curso Técnico de gestão de Equipamentos Informáticos

Trabalho realizado por: João Rabaça. 11º Ano do Curso Técnico de gestão de Equipamentos Informáticos Trabalho realizado por: João Rabaça 11º Ano do Curso Técnico de gestão de Equipamentos Informáticos Introdução Animais em vias de extinção - O que são? - O que é a extinção? -O cachalote -O Lince Ibérico

Leia mais

FAZ UM SMASH À ROTINA! REGRAS OFICIAIS WWW.AROUNDTHEFUTURE.PT

FAZ UM SMASH À ROTINA! REGRAS OFICIAIS WWW.AROUNDTHEFUTURE.PT FAZ UM SMASH À ROTINA! REGRAS OFICIAIS WWW.AROUNDTHEFUTURE.PT REGRAS OFICIAIS 1. O CAMPO 1.1. A área de jogo é um rectângulo de 10 metros de largura por 20 metros de comprimento. 1.2. Este rectângulo será

Leia mais

ɸ E = ΣE.A (5) 14/04/2015. Bacharelado em Engenharia Civil. Física III

ɸ E = ΣE.A (5) 14/04/2015. Bacharelado em Engenharia Civil. Física III Bacharelado em Engenharia Civil Física III Prof a.: M.Sc. Mariana de Faria Gardingo Diniz FLUXO DE CAMPO ELÉTRICO Imagine que as linhas de campo da figura abaixo representem um campo elétrico de cargas

Leia mais

VERDADEIROS FALSOS CORRETA

VERDADEIROS FALSOS CORRETA Arte Pré-Histórica Questão 01 A religiosidade é um item de bastante relevância no estudo da arte na pré-história. Que alternativa abaixo marca CORRETAMENTE fatos que atestam esta realidade? a) ( ) As pinturas

Leia mais

Recursos Hídricos. Fig. 1 Distribuição da Água no Planeta

Recursos Hídricos. Fig. 1 Distribuição da Água no Planeta Recursos Hídricos Recursos Hídricos Os recursos hídricos representam a água subterrânea e superficial disponível para qualquer tipo de uso dado pelo Homem numa determinada região. Estes recursos hídricos

Leia mais

MICROSOFT ACCESS MICROSOFT ACCESS. Professor Rafael Vieira Professor Rafael Vieira

MICROSOFT ACCESS MICROSOFT ACCESS. Professor Rafael Vieira Professor Rafael Vieira MICROSOFT ACCESS MICROSOFT ACCESS Professor Rafael Vieira Professor Rafael Vieira - Access - Programa de base de dados relacional funciona em Windows Elementos de uma Base de Dados: Tabelas Consultas Formulários

Leia mais

Currículo Referência em Artes Visuais Ensino Médio

Currículo Referência em Artes Visuais Ensino Médio Currículo Referência em Artes Visuais Ensino Médio 1º ANO - ENSINO MÉDIO Objetivos Conteúdos Expectativas - Conhecer a área de abrangência profissional da arte e suas características; - Reconhecer e valorizar

Leia mais

OBJETIVOS: Mostrar o comportamento das correntes de ar e pressão através do gerador de fluxo de ar.

OBJETIVOS: Mostrar o comportamento das correntes de ar e pressão através do gerador de fluxo de ar. UNIVERSIDADE FEDERAL DO PIAUÍ UF PI CENTRO DE CIÊNCIAS DANATUREZA CCN DEPARTAMENTO DE FÍSICA DISCIPLINA: FÍSICA EXPERIMENTAL II PROF. : JEREMIAS ARAÚJO Prática V: APLICAÇÕES DA EQUAÇÃO DE BERNOULLI OBJETIVOS:

Leia mais

Sequência (Níveis) na medida de área

Sequência (Níveis) na medida de área Sequência (Níveis) na medida de área Comparação A: Decalques da mão Rectângulo e triângulo Sobreposição das mãos Unidades não Estandardizadas Unidades Estandardizadas Concreto Representacional Símbólico

Leia mais

Perfil das Ideias e dos Empreendedores

Perfil das Ideias e dos Empreendedores Perfil das Ideias e dos Empreendedores I - Considerações gerais A análise que se segue tem como referência um painel 115 ideias de negócio, com proposta de desenvolvimento por 214 empreendedores, candidatos

Leia mais

Cada nova camada que se forma sobrepõe-se e comprime as camadas mais antigas, situadas por baixo dela

Cada nova camada que se forma sobrepõe-se e comprime as camadas mais antigas, situadas por baixo dela - são testemunhos dos processos geológicos que ocorreram no passado; - são habitualmente estratificadas e fossilíferas Reflectem as alterações ambientais que ocorreram na Terra Contam a história evolutiva

Leia mais

Encontro Técnico Poluição difusa desafios para o futuro. O caso prático da agricultura: Perímetro de Rega do Vale do Sorraia

Encontro Técnico Poluição difusa desafios para o futuro. O caso prático da agricultura: Perímetro de Rega do Vale do Sorraia Encontro Técnico Poluição difusa desafios para o futuro O caso prático da agricultura: Perímetro de Rega do Vale do Sorraia José Nuncio Auditório do IPQ, Caparica 29 Maio 2013 Definição POLUIÇÃO DIFUSA

Leia mais

CATÓLICA RESEARCH CENTER FOR THE FUTURE OF LAW

CATÓLICA RESEARCH CENTER FOR THE FUTURE OF LAW CATÓLICA RESEARCH CENTER FOR THE FUTURE OF LAW ALGUNS VETORES FUNDAMENTAIS (Janeiro de 2013) Rui Medeiros Centro, Escola e Faculdade 1. Centro da Escola de Lisboa (ainda que transitoriamente) e que, nessa

Leia mais

Ficha Sumativa. Onde existe vida na Terra? Ambientes naturais: terrestres e aquáticos. Tema 2 - Terra em transformação.

Ficha Sumativa. Onde existe vida na Terra? Ambientes naturais: terrestres e aquáticos. Tema 2 - Terra em transformação. Ficha Sumativa Onde existe vida na Terra? Ambientes naturais: terrestres e aquáticos. Tema 2 - Terra em transformação. Bloco de trabalho 7 - Diversidade nos animais: como se alimentam. 1. A figura 1 representa,

Leia mais

O Ecomuseu Municipal do Seixal como sistema de recursos patrimoniais e museais descentralizados no território

O Ecomuseu Municipal do Seixal como sistema de recursos patrimoniais e museais descentralizados no território O Ecomuseu Municipal do Seixal como sistema de recursos patrimoniais e museais descentralizados no território Graça Filipe Modelos de redes de museus I Encontro de Museus do Douro Vila Real 24 Setembro

Leia mais

UNIVERSIDADE FEDERAL DO RIO GRANDE DO SUL INSTITUTO DE FÍSICA PROGRAMA DE PÓS-GRADUAÇÃO EM ENSINO DE FÍSICA

UNIVERSIDADE FEDERAL DO RIO GRANDE DO SUL INSTITUTO DE FÍSICA PROGRAMA DE PÓS-GRADUAÇÃO EM ENSINO DE FÍSICA UNIVERSIDADE FEDERAL DO RIO GRANDE DO SUL INSTITUTO DE FÍSICA PROGRAMA DE PÓS-GRADUAÇÃO EM ENSINO DE FÍSICA Mestrando Patrese Coelho Vieira Porto Alegre, maio de 2012 O presente material é uma coletânea

Leia mais

Desenho Técnico. Desenho Projetivo e Perspectiva Isométrica

Desenho Técnico. Desenho Projetivo e Perspectiva Isométrica Desenho Técnico Assunto: Aula 3 - Desenho Projetivo e Perspectiva Isométrica Professor: Emerson Gonçalves Coelho Aluno(A): Data: / / Turma: Desenho Projetivo e Perspectiva Isométrica Quando olhamos para

Leia mais

Física e Química A. Actividade Prático-Laboratorial 1.3 Salto para a piscina

Física e Química A. Actividade Prático-Laboratorial 1.3 Salto para a piscina Física e Química A Actividade Prático-Laboratorial 1.3 Salto para a piscina Ano lectivo de 2009/2010 Índice Sumário 3 I Relatório 1.1. Objectivos.. 4 1.2. Planeamento 5 1.3. Execução. 6 1.4. Resultados

Leia mais

O NÚMERO DE OURO E SUA RELAÇÃO COM A BELEZA E HARMONIA DOS OBJETOS. GT 10 - Docência em Matemática: desafios, contextos e possibilidades

O NÚMERO DE OURO E SUA RELAÇÃO COM A BELEZA E HARMONIA DOS OBJETOS. GT 10 - Docência em Matemática: desafios, contextos e possibilidades O NÚMERO DE OURO E SUA RELAÇÃO COM A BELEZA E HARMONIA DOS OBJETOS GT 10 - Docência em Matemática: desafios, contextos e possibilidades Marília Lidiane Chaves da Costa marilialidiane@gmail.com Izamara

Leia mais

Introdução: Mas, todas estas lentes podem ser na verdade convergentes ou divergentes, dependendo do que acontece com a luz quando esta passa por ela.

Introdução: Mas, todas estas lentes podem ser na verdade convergentes ou divergentes, dependendo do que acontece com a luz quando esta passa por ela. Introdução: Com este trabalho experimental pretende-se observar o comportamento de feixes ao atravessar lentes e, ao mesmo tempo, verificar o comportamento dos feixes ao incidir em espelhos. Os conceitos

Leia mais

ORIENTAÇÃO SOBRE COMO DEVE SER FEITO O TCC DENTRO DO CURSO DE CIÊNCIA DA COMPUTAÇÃO

ORIENTAÇÃO SOBRE COMO DEVE SER FEITO O TCC DENTRO DO CURSO DE CIÊNCIA DA COMPUTAÇÃO ORIENTAÇÃO SOBRE COMO DEVE SER FEITO O TCC DENTRO DO CURSO DE CIÊNCIA DA COMPUTAÇÃO Ministrantes: Anita Maria da Rocha Fernandes César Albenes Zeferino Maria Cristina Kumm Pontes Rafael Luiz Cancian Itajaí,

Leia mais

Atletismo O LANÇAMENTO DO DARDO

Atletismo O LANÇAMENTO DO DARDO Atletismo O LANÇAMENTO DO DARDO A história do lançamento do dardo, pode ter sua origem na pré-história. Empregado, inicialmente na caça e, posteriormente na guerra, como arma de combate. É uma das provas

Leia mais

PEQUENO LEBRÉL ITALIANO

PEQUENO LEBRÉL ITALIANO CONFEDERAÇÃO BRASILEIRA DE CINOFILIA Fédération Cynologique Internationale GRUPO 10 Padrão FCI 200 17/06/1998 Padrão Oficial da Raça PEQUENO LEBRÉL ITALIANO PICCOLO LEVRIERO ITALIANO CONFEDERAÇÃO BRASILEIRA

Leia mais

ANDAM GOLFINHOS NA COSTA

ANDAM GOLFINHOS NA COSTA ANDAM GOLFINHOS NA COSTA ESCOLA DE MAR INVESTIGAÇÃO, PROJECTOS E EDUCAÇÃO EM AMBIENTE E ARTES Delphinus delphis Toninha, assim se chama o mais comum dos golfinhos em Portugal. O golfinho-comum (Delphinus

Leia mais

UNIVERSIDADE FEDERAL DA BAHIA - UFBA

UNIVERSIDADE FEDERAL DA BAHIA - UFBA UNIVERSIDADE FEDERAL DA BAHIA - UFBA Instituto de Ciências Ambientais e Desenvolvimento Sustentável Cartografia Sistemática e Temática (IAD319) Prof. pablosantos@ufba.br 08 a Aula INFORMAÇÃO E REPRESENTAÇÃO

Leia mais

Departamento de Engenharia Civil Métodos de Levantamento Clássico

Departamento de Engenharia Civil Métodos de Levantamento Clássico Departamento de Engenharia Civil Métodos de Levantamento Clássico Rosa Marques Santos Coelho Paulo Flores Ribeiro 006 / 007 1. INTRODUÇÃO O levantamento clássico utiliza aparelhos como a prancheta e respectiva

Leia mais

INQUÉRITO ÀS ENTIDADES GESTORAS NORMA ISO 24510 1 OBJECTIVO DO INQUÉRITO 2 CONSTITUIÇÃO DO INQUÉRITO RELATÓRIO FINAL

INQUÉRITO ÀS ENTIDADES GESTORAS NORMA ISO 24510 1 OBJECTIVO DO INQUÉRITO 2 CONSTITUIÇÃO DO INQUÉRITO RELATÓRIO FINAL INQUÉRITO ÀS ENTIDADES GESTORAS NORMA ISO 24510 RELATÓRIO FINAL 1 OBJECTIVO DO INQUÉRITO A publicação das normas ISO 24500 (ISO 24510, ISO 24511 e ISO 24512), que constituem o primeiro conjunto de normas

Leia mais

O Público dos Blogues

O Público dos Blogues O Público dos Blogues em Portugal Universidade Católica Portuguesa Comunicação Social e Cultural Variante Digital Interactiva Públicos e Audiências Dezembro 2005 Dinis Correia 130301088 Filipa Manha 130301505

Leia mais

Prefácio Prefácio Ao fim de uma década de seminários de investigação dedicados à apresentação de trabalhos empíricos e teóricos e à análise de temas específicos de educação matemática como a resolução

Leia mais

Regulamento dos Concursos

Regulamento dos Concursos Prosepe - Projecto de Sensibilização e Educação Florestal da População Escolar 1 Projecto Prosepe Projecto de Sensibilização e Educação Florestal da População Escolar Ciclo: Olhar Pela Floresta Regulamento

Leia mais

Breve história da Tabela Periódica

Breve história da Tabela Periódica Breve história da Tabela Periódica Apesar dos parcos conhecimentos de Química que cada um possa ter, com certeza que já ouviu falar da Tabela Periódica, uma disposição sistemática dos elementos químicos

Leia mais

Será que doses elevadas de creatina "atrasam o início clínico" da doença de Huntington? Porquê a creatina?

Será que doses elevadas de creatina atrasam o início clínico da doença de Huntington? Porquê a creatina? Notícias científicas sobre a Doença de Huntington. Em linguagem simples. Escrito por cientistas. Para toda a comunidade Huntington. Será que doses elevadas de creatina "atrasam o início clínico" da doença

Leia mais

CONFEDERAÇÃO BRASILEIRA DE CINOFILIA. GRUPO 11 Padrão CBKC NR 10. Padrão Oficial da Raça TOY FOX TERRIER

CONFEDERAÇÃO BRASILEIRA DE CINOFILIA. GRUPO 11 Padrão CBKC NR 10. Padrão Oficial da Raça TOY FOX TERRIER CONFEDERAÇÃO BRASILEIRA DE CINOFILIA GRUPO 11 Padrão CBKC NR 10 Padrão Oficial da Raça TOY FOX TERRIER CONFEDERAÇÃO BRASILEIRA DE CINOFILIA Classificação CBKC: Grupo 11 - Raça não reconhecida pela FCI.

Leia mais

Reabilitação de barragens de aterro. Barragem do Roxo. Anomalias, Diagnóstico e Reabilitação

Reabilitação de barragens de aterro. Barragem do Roxo. Anomalias, Diagnóstico e Reabilitação Reabilitação de barragens de aterro Barragem do Roxo Anomalias, Diagnóstico e Reabilitação Caraterísticas Gerais da Barragem do Roxo > Vale assimétrico Forte inclinação na margem esquerda Suave na margem

Leia mais

CONFEDERAÇÃO BRASILEIRA DE CINOFILIA Fédération Cynologique Internationale GRUPO 3. Padrão FCI 86 22/02/2012. Padrão Oficial da Raça

CONFEDERAÇÃO BRASILEIRA DE CINOFILIA Fédération Cynologique Internationale GRUPO 3. Padrão FCI 86 22/02/2012. Padrão Oficial da Raça CONFEDERAÇÃO BRASILEIRA DE CINOFILIA Fédération Cynologique Internationale GRUPO 3 Padrão FCI 86 22/02/2012 Padrão Oficial da Raça YORKSHIRE TERRIER CONFEDERAÇÃO BRASILEIRA DE CINOFILIA Classificação F.C.I.:

Leia mais

TRANSPORTE de viagens de bicicleta na Região Metropolitana de São Paulo TRANSPORTE

TRANSPORTE de viagens de bicicleta na Região Metropolitana de São Paulo TRANSPORTE Análise /2008 do número de viagens de bicicleta na Região Metropolitana de São Paulo Carlos Eduardo de Paiva Cardoso* Este trabalho analisa as viagens de bicicleta não integradas a outros modos de transporte

Leia mais

CONFEDERAÇÃO BRASILEIRA DE CINOFILIA Fédération Cynologique Internationale GRUPO 1. Padrão FCI 44 19/12/2001

CONFEDERAÇÃO BRASILEIRA DE CINOFILIA Fédération Cynologique Internationale GRUPO 1. Padrão FCI 44 19/12/2001 CONFEDERAÇÃO BRASILEIRA DE CINOFILIA Fédération Cynologique Internationale GRUPO 1 Padrão FCI 44 19/12/2001 Padrão Oficial da Raça PASTOR DE BEAUCERON BERGER DE BEAUCE (BEAUCERON) CONFEDERAÇÃO BRASILEIRA

Leia mais

IV SEMINÁRIO NACIONAL DE CIÊNCIA E TECNOLOGIA EM CUNICULTURA. Faculdade de Medicina Veterinária e Zootecnia. UNESP Botucatu Campus Lageado

IV SEMINÁRIO NACIONAL DE CIÊNCIA E TECNOLOGIA EM CUNICULTURA. Faculdade de Medicina Veterinária e Zootecnia. UNESP Botucatu Campus Lageado Cuidados e conforto para coelhos de companhia Maísa Melo Heker* *Zootecnista e Mestrando Programa de Pós Graduação em Zootecnia FCAV- UNESP Campus Jaboticabal. Introdução Atualmente todas as raças de coelhos

Leia mais

Título: Professor: Turma: 2ª Lista de Física II Tadeu 2ª Ano. Questão 1. Questão 4

Título: Professor: Turma: 2ª Lista de Física II Tadeu 2ª Ano. Questão 1. Questão 4 Título: Professor: Turma: 2ª Lista de Física II Tadeu 2ª Ano Questão 1 Um raio luminoso emitido por um laser de um ponto F incide em um ponto I de um espelho plano. O ponto F está a uma distância b do

Leia mais

EVOLUÇÃO DO SEGURO DE SAÚDE EM PORTUGAL

EVOLUÇÃO DO SEGURO DE SAÚDE EM PORTUGAL EVOLUÇÃO DO SEGURO DE SAÚDE EM PORTUGAL Ana Rita Ramos 1 Cristina Silva 2 1 Departamento de Análise de Riscos e Solvência do ISP 2 Departamento de Estatística e Controlo de Informação do ISP As opiniões

Leia mais

PROPOSTA DE MARCA UNIVERSIDADE DA BEIRA INTERIOR 2ª Fase de Concurso Número de aluno 20710

PROPOSTA DE MARCA UNIVERSIDADE DA BEIRA INTERIOR 2ª Fase de Concurso Número de aluno 20710 PROPOSTA DE MARCA UNIVERSIDADE DA BEIRA INTERIOR 2ª Fase de Concurso Número de aluno 20710 01. UNIVERSO Antes de qualquer construção de uma nova marca, o primeiro passo deve ser sempre perceber qual o

Leia mais

Cotagem de dimensões básicas

Cotagem de dimensões básicas Cotagem de dimensões básicas Introdução Observe as vistas ortográficas a seguir. Com toda certeza, você já sabe interpretar as formas da peça representada neste desenho. E, você já deve ser capaz de imaginar

Leia mais

Copiright de todos artigos, textos, desenhos e lições. A reprodução parcial ou total desta aula só é permitida através de autorização por escrito de

Copiright de todos artigos, textos, desenhos e lições. A reprodução parcial ou total desta aula só é permitida através de autorização por escrito de 1 Nesta aula você aprenderá a diferenciar um desenhista de um ilustrador e ainda iniciará com os primeiros exercícios de desenho. (Mateus Machado) O DESENHISTA E O ILUSTRADOR Ainda que não sejam profissionais

Leia mais

Mecânica 2007/2008. 6ª Série

Mecânica 2007/2008. 6ª Série Mecânica 2007/2008 6ª Série Questões: 1. Suponha a=b e M>m no sistema de partículas representado na figura 6.1. Em torno de que eixo (x, y ou z) é que o momento de inércia tem o menor valor? e o maior

Leia mais

Figura 1: Bosque de Casal do Rei, alguns meses após o incêndio que ocorreu no Verão de 2005.

Figura 1: Bosque de Casal do Rei, alguns meses após o incêndio que ocorreu no Verão de 2005. Estudo da vegetação 1. Introdução A intensa actividade humana desenvolvida na região Centro ao longo dos últimos milénios conduziu ao desaparecimento gradual de extensas áreas de floresta autóctone, que

Leia mais

Exercícios sobre Espelhos Esféricos

Exercícios sobre Espelhos Esféricos Exercícios sobre Espelhos Esféricos 1-Quando colocamos um pequeno objeto real entre o foco principal e o centro de curvatura de um espelho esférico côncavo de Gauss, sua respectiva imagem conjugada será:

Leia mais

Unidade II - REPRESENTAÇÃO DE ÁREA DE CORTE POR MEIO DE HACHURAS EM DESENHO TÉCNICO - NBR 12298

Unidade II - REPRESENTAÇÃO DE ÁREA DE CORTE POR MEIO DE HACHURAS EM DESENHO TÉCNICO - NBR 12298 Unidade II - REPRESENTAÇÃO DE ÁREA DE CORTE POR MEIO DE HACHURAS EM DESENHO TÉCNICO - NBR 12298 Os cortes são utilizados para representar de modo claro, os detalhes internos das peças ou de conjuntos.

Leia mais

SISTEMA AQUÍFERO: COVÕES (M1)

SISTEMA AQUÍFERO: COVÕES (M1) SISTEMA AQUÍFERO: COVÕES (M1) Figura M1.1 Enquadramento litoestratigráfico do sistema aquífero Covões Sistema Aquífero: Covões (M1) 438 Identificação Unidade Hidrogeológica: Orla Meridional Bacia Hidrográfica:

Leia mais

Fenómenos Ondulatórios. Reflexão, refracção, difracção

Fenómenos Ondulatórios. Reflexão, refracção, difracção Fenómenos Ondulatórios Reflexão, refracção, difracção Natureza dualística da radiação electromagnética A radiação electromagnética é um fenómeno ondulatório envolvendo a propagação de um campo magnético

Leia mais

Métodos e Técnicas de Pesquisas ARTIGO CIENTÍFICO. Professor Adm. Walter Martins Júnior CRA-PR 15.063

Métodos e Técnicas de Pesquisas ARTIGO CIENTÍFICO. Professor Adm. Walter Martins Júnior CRA-PR 15.063 Métodos e Técnicas de Pesquisas ARTIGO CIENTÍFICO Professor Adm. Walter Martins Júnior CRA-PR 15.063 ALGUMAS REGRAS 2 não deixe para a última hora escreva leia alguns relatórios ou resumos faça um esboço

Leia mais

)tvlfd,, 0,(QJ4XtPLFD. ²ž6HPHVWUH ÐSWLFD

)tvlfd,, 0,(QJ4XtPLFD. ²ž6HPHVWUH ÐSWLFD )tvlfd,, 0,(QJ4XtPLFD Óptica Geométrica ²ž6HPHVWUH ÐSWLFD Exercício 1: Um feixe de luz cujo comprimento de onda é 650 nm propaga-se no vazio. a) Qual é a velocidade da luz desse feixe ao propagar-se num

Leia mais

ESPECIFICAÇÕES PARA IMPLANTAÇÃO E APOIO TOPOGRÁFICO

ESPECIFICAÇÕES PARA IMPLANTAÇÃO E APOIO TOPOGRÁFICO ESPECIFICAÇÕES PARA IMPLANTAÇÃO E APOIO TOPOGRÁFICO Versão 1.0 30 de Abril de 2003 Índice 1 INTRODUÇÃO... 1 2 SISTEMA DE COORDENADAS... 1 2.1 DESCRIÇÃO... 1 3 TRANSPORTE DE COORDENADAS PARA SISTEMAS DE

Leia mais

SISMO BUILDING TECHNOLOGY, TECNOLOGIA DE CONSTRUÇÃO ANTI-SISMICA: APLICAÇÕES EM PORTUGAL

SISMO BUILDING TECHNOLOGY, TECNOLOGIA DE CONSTRUÇÃO ANTI-SISMICA: APLICAÇÕES EM PORTUGAL SÍSMICA 2007 7º CONGRESSO DE SISMOLOGIA E ENGENHARIA SÍSMICA 1 SISMO BUILDING TECHNOLOGY, TECNOLOGIA DE CONSTRUÇÃO ANTI-SISMICA: APLICAÇÕES EM PORTUGAL M.T. BRAZ CÉSAR Assistente IPBragança Bragança Portugal

Leia mais

Colégio Pedro II Departamento de Desenho e Artes Visuais

Colégio Pedro II Departamento de Desenho e Artes Visuais Colégio Pedro II Departamento de Desenho e Campus São Cristóvão II Coordenador Pedagógico de disciplina: Shannon Botelho 6º ano. TURMA 603 NOME: nº ARTE DA PRÉ-HISTÓRIA As primeiras manifestações artísticas

Leia mais

GUIÃO DE ENTREVISTA ÀS EDUCADORAS DE INFÂNCIA. 2º Momento

GUIÃO DE ENTREVISTA ÀS EDUCADORAS DE INFÂNCIA. 2º Momento 4.1.8. Orientação específica de codificação: Entrevista a educadoras de infância (2º momento) (2001) GUIÃO DE ENTREVISTA ÀS EDUCADORAS DE INFÂNCIA 2º Momento I. Questões sobre a modalidade de prática pedagógica

Leia mais

Capítulo 6 ELEMENTOS GEOMÉTRICOS DAS ESTRADAS DE RODAGEM

Capítulo 6 ELEMENTOS GEOMÉTRICOS DAS ESTRADAS DE RODAGEM Capítulo 6 ELEMENTOS GEOMÉTRICOS DAS ESTRADAS DE RODAGEM 6.1. INTRODUÇÃO A geometria de uma estrada é definida pelo traçado do seu eixo em planta e pelos perfis longitudinal e transversal. A Fig. 6.1 apresentada

Leia mais