DENSITOMETRIA ÓPTICA RADIOGRÁFICA EM ANÁLISE DE DENSIDADE ÓSSEA DE MANDÍBULAS DE COELHOS CASTRADOS

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "DENSITOMETRIA ÓPTICA RADIOGRÁFICA EM ANÁLISE DE DENSIDADE ÓSSEA DE MANDÍBULAS DE COELHOS CASTRADOS"

Transcrição

1 FOL Faculdade de Odontologia de Lins / UNIMEP DENSITOMETRIA ÓPTICA RADIOGRÁFICA EM ANÁLISE DE DENSIDADE ÓSSEA DE MANDÍBULAS DE COELHOS CASTRADOS RADIOGRAPHIC OPTICAL DENSITOMETRY IN ANALYSIS OF BONE DENSITY IN CASTRATED RABBITS MANDIBLES RESUMO Mário Jefferson Quirino Louzada Guilherme de Paula Nogueira Idelmo Rangel Garcia Junior Carlos Alberto de Carvalho Glaucia Alvisi de Paula Professor assistente doutor de Biofísica do curso de Medicina Veterinária da Unesp-Araçatuba Professor assistente doutor de Fisiologia do curso de Medicina Veterinária da Unesp-Araçatuba Professor assistente de Cirurgia e Traumatologia Buco-Maxilo-Facial do Departamento de Diagnóstico e Cirurgia da Faculdade de Odontologia de Araçatuba-Unesp Cirurgião-dentista estagiário de Cirurgia e Traumatologia Buco- Maxilo-Facial do Departamento de Diagnóstico e Cirurgia da Faculdade de Odontologia de Araçatuba-Unesp Cirurgiã-dentista estagiária de Cirurgia e Traumatologia Buco- Maxilo-Facial do Departamento de Diagnóstico e Cirurgia da Faculdade de Odontologia de Araçatuba-Unesp A diminuição da secreção de esteróides gonadais é apontada como um dos fatores responsáveis pela diminuição da massa óssea, e isso, provavelmente, tem influenciado cirurgiões-dentistas em suas ações rotineiras. O objetivo deste trabalho foi determinar e analisar a densidade óssea em mandíbulas de coelhos castrados, por meio da densitometria óptica radiográfica. Seis coelhos (três machos e três fêmeas) constituíram o grupo controle e outros 12 (seis machos e seis fêmeas) formaram o grupo que foi castrado aos cinco meses de idade e acompanhados até os 11 meses. Os animais foram, então, sacrificados e retiradas suas mandíbulas, em seguida separadas em hemimaníbulas. Estas foram radiografadas e suas imagens, digitalizadas por meio de scanner convencional. As análises densitométricas foram realizadas na região do 1/3 médio, superior ao incisivo central, por meio de programa computacional específico, e os valores de densidade óssea expressados em espessura equivalente a uma escada de alumínio, radiografada concomitantemente com as mandíbulas. Os resultados demonstraram que a média das densidades das hemi-mandíbulas dos machos castrados, ao final do experimento, foi de 2,32±0,04 mmal, e a das fêmeas foi de 2,37±0,07 mmal. Quanto ao grupo controle, os machos tiveram média de 2,33±0,05 e as fêmeas, de 2,36±0,03 mmal. Após análise estatística (teste de Mann-Whitney, p<0,05), constatou-se não haver diferenças significativas entre sexo e entre grupos. Dessa maneira, apesar de a literatura apontar para uma diferenciação de densidade óssea entre machos e fêmeas e entre animais castrados e não castrados, nossos resultados, obtidos por meio da densitometria óptica radiográfica, não apresentaram diferenças significativas. Unitermos: densidade óssea densitometria óptica radiográfica mandíbula. SUMMARY The decrease of gonadal steroid secretion plays a role in the decrease of bone mass. This may interfere on some routine dental procedures. This study aims to quantify and analyze the bone density in castrated rabbit s mandibles through radiographic optical densitometry. Six rabbits (3 males and 3 females) were used as a control group and twelve other (6 males and 6 females) were castrated at 5 months of age. At 11 months of age the animals were sacrificed when the mandibles were removed and separated in two hemimandibles. These two parts were x-rayed and the images were digitized through a conventional scanner. Densitometric analysis was carried out at the medium third, superior to the central incisive, using a specific software. Bone density values were expressed as equivalent to an aluminum reference. The results for castrated male animals was 2,32±0,04 mmal and for females 2,37±0,07 mmal. Non-castrated males and females showed 2,33±0,05 and 2,36±0,03 mmal, respectively. The Man Whitney statistical test (p<0,05) showed no statistical difference between gender and castration status. Although the literature reports differences on bone density according to gender and castration status, this study didn t find any significant differences in bone density using radiographic optical densitometry in rabbit s mandibles. Uniterms: bone density radiographic optical densitometry mandible. 33

2 34 INTRODUÇÃO Diversos estudos foram e vêm sendo realizados a respeito da qualidade óssea da mandíbula. De acordo com Jeffcoat, 4 tem sido crescente o interesse no inter-relacionamento entre osteoporose sistêmica, perda óssea oral, perda de dentes e seus fatores de risco. Em seu trabalho, ele faz revisão desses fatores para osteoporose e periondontites, bem como as evidências das perdas minerais ósseas orais relacionadas à osteopenia sistêmica. Entre os fatores de risco citados, está a menopausa precoce. Henrikson & Wallenius, 3 em estudo sobre o metabolismo esquelético de mulheres após a menopausa, analisaram seus rádios e mandíbulas, relatando a necessidade de métodos mais eficientes para obtenção e medida de densidade mineral óssea, objetivando, assim, melhor elucidar variações de densidades. A diminuição da secreção de esteróides gonoidais é apontada como um dos fatores responsáveis pela diminuição da massa óssea, e isso, provavelmente, tem influenciado cirurgiões-dentistas em suas ações rotineiras. Várias são as áreas em que essa variável é importante: cirurgia, implantodontia, periodontia, geriatria e outras. Bando et al. 1 examinaram os efeitos da densidade óssea na dentição de mulheres após a menopausa. Seus resultados sugerem que boa função mastigatória associada a saúde periodontal pode inibir ou atrasar o progresso de mudanças osteoporóticas no esqueleto, e que mulheres desdentadas podem ser mais susceptíveis a osteoporose. Além da análise qualitativa, normalmente por meio de exames clínicos e radiológicos, é interessante que sejam realizadas avaliações quantitativas. Uma das técnicas atualmente empregadas é a tomografia computadorizada. 7 Entretanto, poucos são os centros odontológicos que dispõem desse recurso, certamente devido à relação custo/benefício. Dessa maneira, há necessidade de se buscar novas técnicas e metodologias mais acessíveis. Recentemente, com os novos recursos da informática (computadores, scanners, softwares), análises qualitativas e quantitativas têm se tornado mais viáveis. Watanabe et al. 13 fazem um comentário sobre o estado atual das técnicas em imagem digital aplicada à Odontologia no qual apresentam suas diversas vantagens sobre os métodos convencionais, citando, inclusive, a grande capacidade de manipulação da imagem após sua digitalização, graças às técnicas de processamento de imagens. A densitometria em imagens radiográficas é técnica bastante antiga, que vem ressurgindo no cenário científico graças aos avanços computacionais. Louzada et al. 8 desenvolveram metodologia que possibilita avaliar densidades de radiografias convencionais. Em estudo posterior, Louzada et al. 9 demonstraram a praticidade, a precisão e a sensibilidade dessa metodologia ao avaliar a densidade óssea em tíbias de cães que passaram por processos de descalcificação. Kribbs et al., 5 por meio de radiografias, realizaram estudo para avaliar a eficácia da técnica microdensitométrica para determinação da densidade mandibular em pacientes dentados e desdentados. Concluíram que a técnica é útil para determinar massa óssea mandibular, podendo compará-la à massas ósseas de outras regiões do corpo. Em estudo posterior, Kribbs et al. 6 utilizaram a técnica anteriormente descrita para avaliação da qualidade do osso oral em grupos de mulheres com osteoporose. Diante do exposto, o objetivo deste trabalho foi determinar e analisar em estudo experimental a densidade óssea em mandíbulas de coelhos castrados, utilizando para isso a técnica da densitometria óptica radiográfica. MATERIAL E MÉTODOS ANIMAIS Foram utilizados 18 coelhos do grupo genético Botucatu, obtidos junto ao Biotério Central do campus de Botucatu da Universidade Estadual Júlio de Mesquita Filho-Unesp, que foram mantidos em gaiolas apropriadas e alimentados com água e ração comercialmente preparadas. Os animais foram divididos em dois grupos: o grupo 1 (controle), com três fêmeas e três machos, e o grupo 2 (castrado), com seis fêmeas e seis machos. Os animais do grupo 2 foram castrados aos cinco meses de idade e acompanhados até os 11 meses. Nessa ocasião, foram sacrificados e suas mandíbulas retiradas e separadas em hemi-mandíbulas, que foram conservadas em freezer a 20 o C. DENSITOMETRIA ÓPTICA RADIOGRÁFICA Como referencial densitométrico, nas tomadas radiográficas, foi utilizada uma escada UNIMEP Universidade Metodista de Piracicaba

3 FOL Faculdade de Odontologia de Lins / UNIMEP de alumínio (liga 6063, ABNT) de 12 degraus (0,5 mm de espessura para o primeiro degrau, variando de 0,5 mm em 0,5 mm até o décimo; o décimo primeiro com 6 mm de espessura; o décimo segundo com 8 mm de espessura; cada degrau com 5 x 25 mm 2 de área). A escada foi radiografada concomitantemente com as hemimandíbulas (fig. 1). O aparelho de raios X padrão foi ajustado para 55kVp e 5mAs, e mantida a distância foco-filme de 1 m. Utilizou-se filmes radiográficos da marca BRAF e o processo de revelação e fixação foi realizado em processadora automática padrão. Para a realização das leituras densitométricas, foi utilizado um scanner HP Scanjet 4C, com adaptador para transparências HP Scanjet 4C, 1 para a digitalização das imagens radiográficas. Uma vez digitalizadas as imagens, utilizando o programa HP Desk- Scan, elas foram armazenadas em microcomputador 2 (fig. 2). Por meio do programa computacional 3 (CROMOX), as imagens foram recapturadas e, com o auxílio do mouse, foi possível selecionar a região sobre os incisivos onde foram feitas as análises (fig. 3 e 4). Uma vez determinada a região, procedeu-se à leitura dos dados, fornecendo os valores de densi- dade óptica e expressando-os em níveis de cinza (até 256). Esse programa foi confeccionado de maneira a permitir variar a área a ser utilizada na leitura densitométrica. Definida a área a ser utilizada, o programa fez a leitura, pixel a pixel, fornecendo o valor relativo à densidade óptica como a média dessas leituras. Os valores de densidade de todas as radiografias das imagens ósseas e da escada de alumínio foram armazenados no microcomputador e processados para as análises pertinentes. Os valores densitométricos obtidos pelo scanner HP Scanjet 4C foram convertidos para valores em espessura de alumínio, por meio do computador, utilizando a mesma metodologia descrita por Louzada et al. 8 Os valores encontrados para os dois grupos foram tratados estatisticamente pelo teste de Mann-Whitney (p < 0,05). RESULTADOS Os valores de densidade óssea, expressos em milímetros de alumínio, das hemi-mandíbulas dos animais controle e dos castrados estão na tabela 1 e seus valores médios, na tabela 2. Os gráficos 1 e 2 mostram os valores de densidade óssea média segundo sexo e grupo. TABELA 1. DENSIDADE ÓSSEA (EM MMAL) DAS HEMI-MANDÍBULAS (HM) DIREITA E ESQUERDA DOS COELHOS. CONTROLE CASTRADO Hmd Hme Hmd Hme Fêmeas Fêmeas 1 2,33 2,40 1 2,29 2,29 2 2,43 2,41 2 2,25 2,25 3 2,25 2,35 3 2,58 2,58 4-2,41 5 2,23 2,43 6 2,93-7 2,09 2,12 Machos Machos 4 2,22 2, ,28 2,18 5 2,25 2, ,48 2,38 6 2,34 2, ,64 2, ,21 2, ,21 2, ,24 2,45 35

4 Tabela 2. Análise estatística dos resultados. Média, em mmal, dos valores obtidos (M ± EP) Machos Fêmeas Controle (2,332 ± 0,051) (2,362 ± 0,027) Castrado (2,321 ± 0,044) (2,368 ± 0,067) Média, em mmal, dos valores quanto aos grupos Controle Castrado (2,347 ± 0,028) (2,344 ± 0,039) Análise estatística Teste Mann-Whitney (p < 0,05): não há diferença significativa entre sexo e entre grupos. Gráfico 1.. Média de densidade óssea (D.O.) em mandíbulas de coelhos, segundo sexo e grupo. Não foi encontrada diferença significativa (p < 0,05). D.O. (em mmai) controle Macho Fêmea castrado Gráfico 2.. Média de densidade óssea (D.O.) em mandíbulas de coelhos, segundo grupos. Não foi encontrada diferença significativa entre os grupos (p < 0,05). D.O. (em mmai) controle castrado UNIMEP Universidade Metodista de Piracicaba 36 DISCUSSÃO Em nosso trabalho, optamos por analisar o efeito da castração em mandíbulas de coelhos sadios. A castração foi a forma adotada para induzir precocemente à menopausa, predispondo a um estado de osteoporose. 4 Os animais foram operados aos cinco meses de idade e sacrificados aos 11 meses. Após o sacrifício, suas mandíbulas foram retiradas e seccionadas na linha mediana, de forma a serem radiografadas separadamente, podendo o osso mandibular ser analisado sem superposição de imagens. As análises foram realizadas em região óssea sobre o incisivo, região de fácil visualização e anatomicamente favorável ao emprego da técnica de avaliação proposta. Corroborando nosso estudo, em termos de local de análise, Denissem et al. 2 também elegeram trabalhar com hemi-mandíbulas, citando a importância da região e a vantagem da não superposição das imagens. Entretanto, utilizaram cães em seu trabalho. A escolha do coelho como animal de experimentação deveu-se ao fato de ser um animal de fácil manuseio, dócil, da possibilidade de trabalhar com animais de uma mesma linhagem e da mesma idade, o que não aconteceria com cães ao menos em nossa região, onde a maioria dos trabalhos que utilizam esses animais como modelo são dificultados quanto à raça indefinida, o número amostral e, mais recentemente, o estado geral de saúde, devido ao surgimento de diversas doenças infecto-contagiosas. A densitometria óptica em imagens radiográficas foi a técnica de avaliação escolhida principalmente em função de nossas experiências anteriores 8;9 e graças aos recursos de informática para digitalização e processamento de informações, que vieram facilitar e agilizar essa metodologia, já bastante antiga. Jeffcoat, 4 entretanto, cita que erros inerentes à não padronização radiográfica têm limitado a utilização desse método. Esse fato a não padronização radiográfica é superado quando se faz uso de referenciais como escadas de alumínio, cobre e outros, que são radiografados concomitantemente ao material em estudo, passando, portanto, por todas as fases do processo radiográfico, ou seja, a tomada radiográfica e o processamento do filme. Dessa forma, todas as variações que possam decorrer da não padronização afetarão, também, os referenciais, que servirão para corrigir os

5 FOL Faculdade de Odontologia de Lins / UNIMEP valores de maneira a se poder compará-los, depois, entre as radiografias. Em nosso estudo, utilizamos uma escada de alumínio, e os valores encontrados na região da mandíbula foram expressos em equivalente de milímetros de alumínio. Nossos resultados, expressos nas tabelas 1 e 2, não mostraram diferenças significativas entre os grupos e entre os sexos. De acordo com eles, a castração não influenciou na densidade óssea mandibular dos coelhos de ambos os sexos. Esses resultados vêm ao encontro do de Marion et al., 10 que também não encontraram diferenças de densidade óssea em estudo com ratas ovariectomizadas. Uma possível explicação para essa não diferença em nossos resultados talvez repouse no local escolhido para as análises, ou seja, a mandíbula. De acordo com Bando et al., 1 que examinaram os efeitos do estado da dentição na densidade óssea em mulheres após a menopausa, uma boa função mastigatória associada a saúde periodontal pode inibir ou atrasar o progresso das mudanças osteoporóticas no esqueleto ou, como citam no trabalho, mulheres desdentadas podem ser mais susceptíveis à osteoporose. No trabalho de Payne et al. 11 em que foram analisadas mudanças de densidade óssea alveolar para determinar se este osso é análogo ao do esqueleto na manifestação longitudinal de perda óssea em mulheres com deficiência de 17 b estradiol, ao comentar seus resultados, os autores citam que muitos fatores, endógenos e exógenos, mostram seus efeitos sobre a cavidade oral, tornando difícil isolar uma particular entidade, tal como o estrógeno, e estudar seus efeitos sobre o osso alveolar. Outros autores, entretanto, têm escrito sobre as diferenças de densidade óssea encontradas entre animais castrados e não castrados. Rosen et al., 12 ao realizar estudos dessa natureza em ratos, apontam para uma diferença significativa entre os grupos castrados e controle analisados com três diferentes técnicas. Entretanto, suas análises não foram realizadas em mandíbulas e, sim, em fêmures e tíbias, em experimento de 11 semanas após a cirurgia. Queremos ressaltar a metodologia aqui empregada, principalmente pela facilidade de sua execução, pelos equipamentos sim- FIGURA 1. Imagem radiográfica das peças ósseas e, ao centro, escada de alumínio (usada como referencial densitométrico). FIGURA 2. Sistema utilizado para a digitalização das imagens radiográficas (scanner HP com adaptador para transparências). FIGURA 3. Imagem da tela do computador, programa CROMOX, quando da análise densitométrica. Podemos observar a hemi-mandíbula e a escada de alumínio (o retângulo mostra a região óssea acima do incisivo onde está se processando a medida de densidade, em níveis de cinza). FIGURA 4. Imagem amplificada da tela do computador, programa CROMOX, da região em estudo (recurso do programa: visão em relevo). 37

6 ples que utiliza microcomputador e scanner comercial (com adaptador para transparências comercial) e programas também de fácil acesso e manipulação. CONCLUSÃO Apesar de a literatura apontar para uma diferenciação de densidade óssea entre machos e fêmeas e entre animais castrados e não castrados, nossos resultados, obtidos por meio da técnica de densitometria óptica radiográfica, não registraram diferenças significativas. REFERÊNCIAS BIBLIOGRÁFICAS 1. BANDO, K.; NITTA, H.; MATSUBARA, M. & ISHIKAWA, I. Bone mineral density in periodontally healthy and edentolous postmenopausal women. Ann. Periodont., v. 3, n. 1, pp , DENISSEN, H.; VERHEY, H.; DE BLIECK, J.; CORTEN; F.: KLEIN, C. & van LINGEN, A. Dual X- Ray absorptiometry for alveolar bone: precision of periimplant mineral measurements ex vivo. J. Periodont. Res., v. 31, pp , HENRIKSON, P. & WALLENIUS, K. The mandible and osteoporoses. A qualitative comparison between the mandible and the radius. J. Oral Rehab., v. 1, pp , JEFFCOAT, M.K. Osteoporosis: a possible modifying factor in oral bone loss. Ann. Periodont., v. 3, n. 1, KRIBBS, P.J.; SMITH, D.E. & CHESNUT III, H. Oral findings in osteoporosis. Part I: measurement of mandibular bone density. J. Prosth. Dent., v. 50, pp , 1983a. 6.. Oral findings in osteoporosis. Part II: relationship between residual ridge and alveolar bone resorption and generalized skeletal osteopenia. Journal of Prosthetic Dentistry, v. 50, pp , 1983b. 7. LINDH, C.; NILSON, M.; KLINGE, B. & PETERSSON, A. Quantitative computed tomography of trabecular bone in the mandible. Dentomaxillofac. Radiol., v. 25, n. 3, pp , LOUZADA, M.J.Q.; BELANGERO, W.D.; PELÁ, C.A. & SANTOS-PINTO, R. Avaliações de densidade óssea em imagens radiográficas: estudos em peças ósseas de cães. Rev. Bras. Eng.-Cad. Eng. Bioméd., v. 14, n. 1, pp , 1998a. 9.. Metodologia para avaliação de densidade em imagem radiográfica. Rev. Bras. Eng.-Cad. Eng. Bioméd., v. 14, n. 2, pp , 1998b. 10. MARION, A.D.C. & NONAKA, K.O. Osteoporose experimental em ratas: conteúdo mineral ósseo. In: An. XII Reunião Anual da Fed. Soc. Biol. Experimental. Caxambu, PAYNE, J.B.; ZACHS, N.R.; REINHARDT, R.A.; NUMMIKOSKI, P.V. & PATIL, K. The association between estrogen status and alveolar bone density changes in postmenopausal women with a history of periodontitis. J. Periodontol., v. 68, n. 1, pp , ROSEN, H.N.; TOLLIN, S.; BALENA, R.; MIDDLEBROOKS, V.L.; BEAMER, W.G.; DONOHUE, L.R.; ROSEN, C.; TURNER, A.; HOLICK, M. & GREENSPAN, S.L. Diferentiating between orchiectomized rats and controls using measurements of trabecular bone density. A comparison among DXA, histomorphometry, and pheripheral quantitative computerized tomography. Calcif. Tissue Int., v. 57, pp , WATANABE, P.C.A.; TANAKA, E.E.; FENYO- PEREIRA, M. & PANELLA, J. Estado atual da arte da imagem digital em Odontologia. Rev. Assoc. Paul. Cir. Dent., v. 53, n. 4, pp , UNIMEP Universidade Metodista de Piracicaba 38 Notas 1 Cedido por comodata pela empresa Athena-SIA/Sistemas de Inteligência Avançada, São José dos Campos, SP. 2 Material adquirido através de bolsa auxílio pesquisa, processo n.º 534/92-DFP (Fundunesp). 3 Desenvolvido especialmente pela empresa Athena-SIA/Sistemas de Inteligência Avançada, São José dos Campos, SP.

Alunas do curso de graduação em Odontologia da Pontifícia Universidade Católica do Paraná, Curitiba, PR, Brasil. **

Alunas do curso de graduação em Odontologia da Pontifícia Universidade Católica do Paraná, Curitiba, PR, Brasil. ** Estudo comparativo da densidade óptica óssea obtida em radiografias panorâmicas e da densitometria óssea em mulheres histerectomizadas e não histerectomizadas Comparative study of bone optical density

Leia mais

óptica radiográfica; Densitometria óssea; INTRODUÇÃO

óptica radiográfica; Densitometria óssea; INTRODUÇÃO RBE - Caderno de Engenharia Biomédica, v. 14, n. 2, p. 37-47, juvdez 1998 37 METODOLOGIA PARA AVALIAÇÃO DE DENSIDADE EM IMAGEM RADIOGRÁFICA M.J.Q. Louzada 1, c.a. Pelá 2, W.D. Belanger0 3 e R. Santos-Pint0

Leia mais

Tomografia Computorizada Dental

Tomografia Computorizada Dental + Universidade do Minho M. I. Engenharia Biomédica Beatriz Gonçalves Sob orientação de: J. Higino Correia Tomografia Computorizada Dental 2011/2012 + Casos Clínicos n Dentes privados do processo de erupção

Leia mais

TOMOGRAFIA COMPUTADORIZADA DO CONE BEAM HIGH DEFINITION PARA AVALIAÇÃO PERIODONTAL

TOMOGRAFIA COMPUTADORIZADA DO CONE BEAM HIGH DEFINITION PARA AVALIAÇÃO PERIODONTAL TOMOGRAFIA COMPUTADORIZADA DO CONE BEAM HIGH DEFINITION PARA AVALIAÇÃO PERIODONTAL Autora: Nelma Maria de Freitas Agradecimentos: Imagem Radiologia de Itajaí, Dr. Élio Giácomo Papaiz (in memorian). Dr.

Leia mais

Características radiográficas dos portadores de osteoporose e o papel do cirurgião-dentista no diagnóstico

Características radiográficas dos portadores de osteoporose e o papel do cirurgião-dentista no diagnóstico 85 Características radiográficas dos portadores de osteoporose e o papel do cirurgião-dentista no diagnóstico Luciana Soares de Andrade Freitas Oliveira 1 Frederico Sampaio Neves 1 Marianna Guanaes Gomes

Leia mais

SOFTWARE AUTOMÁTICO PARA DETERMINAÇÃO DA IDADE ÓSSEA BASEADO NO MÉTODO DE EKLOF & RINGERTZ

SOFTWARE AUTOMÁTICO PARA DETERMINAÇÃO DA IDADE ÓSSEA BASEADO NO MÉTODO DE EKLOF & RINGERTZ Revista Brasileira de Física Médica (2009) - Volume 2, Número 1, p.15-19 Artigo Original SOFTWARE AUTOMÁTICO PARA DETERMINAÇÃO DA IDADE ÓSSEA BASEADO NO MÉTODO DE EKLOF & RINGERTZ C.O. Júnior, E.L.L. Rodrigues

Leia mais

Assessoria ao Cirurgião Dentista

Assessoria ao Cirurgião Dentista Assessoria ao Cirurgião Dentista Publicação mensal interna a Papaiz edição IV agosto de 2014 Escrito por: Dr. André Simões, radiologista da Papaiz Diagnósticos Odontológicos por Imagem 11 3894 3030 papaizassociados.com.br

Leia mais

II CURSO DE ESPECIALIZAÇÃO EM RADIOLOGIA ODONTOLÓGICA E IMAGINOLOGIA UNIVERSIDADE PAULISTA CAMPUS DE BRASÍLIA CRONOGRAMA DOS MÓDULOS

II CURSO DE ESPECIALIZAÇÃO EM RADIOLOGIA ODONTOLÓGICA E IMAGINOLOGIA UNIVERSIDADE PAULISTA CAMPUS DE BRASÍLIA CRONOGRAMA DOS MÓDULOS II CURSO DE ESPECIALIZAÇÃO EM RADIOLOGIA ODONTOLÓGICA E IMAGINOLOGIA UNIVERSIDADE PAULISTA CAMPUS DE BRASÍLIA CRONOGRAMA DOS MÓDULOS MÓDULO MÊS DATAS I OUTUBRO/NOVEMBRO/07 29, 30, 31/10, 01/11 II DEZEMBRO/07

Leia mais

2 Imagens Médicas e Anatomia do Fígado

2 Imagens Médicas e Anatomia do Fígado 2 Imagens Médicas e Anatomia do Fígado Neste capítulo são apresentados os tipos de dados utilizados neste trabalho e a anatomia do fígado, de onde foram retiradas todas as heurísticas adotadas para segmentação

Leia mais

Comparação da avaliação automatizada do Phantom Mama em imagens digitais e digitalizadas

Comparação da avaliação automatizada do Phantom Mama em imagens digitais e digitalizadas Comparação da avaliação automatizada do Phantom Mama em imagens digitais e digitalizadas Priscila do Carmo Santana 1,2,3, Danielle Soares Gomes 3, Marcio Alves Oliveira 3 e Maria do Socorro Nogueira 3

Leia mais

Com os avanços da medicina e o aumento da expectativa de vida da

Com os avanços da medicina e o aumento da expectativa de vida da ARTIGO ORIGINAL Avaliação de pacientes odontológicos para auxílio no diagnóstico precoce da osteoporose Evaluation of dental patients to aid in early dignosis of osteoporosis Janderson Teixeira Rodrigues

Leia mais

Daros, K A C e Medeiros, R B

Daros, K A C e Medeiros, R B 1 ESTUDO DAS FONTES DE RUÍDO DA IMAGEM PARA FINS DE OTIMIZAÇÃO DAS DOSES NA TOMOGRAFIA COMPUTADORIZADA DE CRÂNIO E ABDOME ADULTO Daros, K A C e Medeiros, R B Universidade Federal de São Paulo São Paulo

Leia mais

AVALIAÇÃO DA REGIÃO MAXILAR EM IMAGENS DE TC POR RAIOS X PARA O USO EM IMPLANTODONTIA E CIRURGIA BUCOMAXILOFACIAL

AVALIAÇÃO DA REGIÃO MAXILAR EM IMAGENS DE TC POR RAIOS X PARA O USO EM IMPLANTODONTIA E CIRURGIA BUCOMAXILOFACIAL AVALIAÇÃO DA REGIÃO MAXILAR EM IMAGENS DE TC POR RAIOS X PARA O USO EM IMPLANTODONTIA E CIRURGIA BUCOMAXILOFACIAL Prof. Drª. Helena Willhelm de Oliveira - Faculdade de Odontologia / PUCRS Eduardo Diebold

Leia mais

Aula 12: ASPECTOS RADIOGRÁFICOS DAS LESÕES PERIODONTAIS

Aula 12: ASPECTOS RADIOGRÁFICOS DAS LESÕES PERIODONTAIS Aula 12: ASPECTOS RADIOGRÁFICOS DAS LESÕES PERIODONTAIS Autora: Profª. Rosana da Silva Berticelli Edição: Luana Christ e Bruna Reuter Lesões Periodontais Doença inflamatória dos tecidos de suporte dos

Leia mais

AVALIAÇÃO DA PERDA ÓSSEA PELA ANÁLISE DAS RADIOGRAFIAS PANORÂMICA E CEFALOMÉTRICA, COMPARANDO COM A DENSITOMETRIA ÓSSEA LOMBAR E FEMORAL

AVALIAÇÃO DA PERDA ÓSSEA PELA ANÁLISE DAS RADIOGRAFIAS PANORÂMICA E CEFALOMÉTRICA, COMPARANDO COM A DENSITOMETRIA ÓSSEA LOMBAR E FEMORAL TÂNIA CRISTINA CHICRE ALCÂNTARA AVALIAÇÃO DA PERDA ÓSSEA PELA ANÁLISE DAS RADIOGRAFIAS PANORÂMICA E CEFALOMÉTRICA, COMPARANDO COM A DENSITOMETRIA ÓSSEA LOMBAR E FEMORAL Dissertação apresentada ao Centro

Leia mais

Planejamento radiográfico e tomográfico para instalação de implantes dentários

Planejamento radiográfico e tomográfico para instalação de implantes dentários Artigo de revisão de literatura Planejamento radiográfico e tomográfico para instalação de implantes dentários Cauê Monteiro dos Santos 1 1 Bacharel em Odontologia pela Faculdade de Macapá - FAMA. Faculdade

Leia mais

Avaliação radiográfica do osso alveolar periimplantar no período de cicatrização estudos de casos através de imagem digitalizada

Avaliação radiográfica do osso alveolar periimplantar no período de cicatrização estudos de casos através de imagem digitalizada Avaliação radiográfica do osso alveolar periimplantar no período de cicatrização estudos de casos através de imagem digitalizada Mady Crusoé de Souza 1 Maíra Dias Sampaio 2 Marianna Guanaes Gomes Torres

Leia mais

RADIOLOGIA DIGITAL. Conceitos Básicos. Eizo Soluções Médicas

RADIOLOGIA DIGITAL. Conceitos Básicos. Eizo Soluções Médicas Eizo Soluções Médicas Conceitos Básicos RADIOLOGIA DIGITAL Entenda os conceitos, termos e a história da radiologia ; os benefícios, desafios e o futuro da radiologia digital INTRODUÇÃO Para profissionais

Leia mais

29/08/2011. Radiologia Digital. Princípios Físicos da Imagem Digital 1. Mapeamento não-linear. Unidade de Aprendizagem Radiológica

29/08/2011. Radiologia Digital. Princípios Físicos da Imagem Digital 1. Mapeamento não-linear. Unidade de Aprendizagem Radiológica Mapeamento não-linear Radiologia Digital Unidade de Aprendizagem Radiológica Princípios Físicos da Imagem Digital 1 Professor Paulo Christakis 1 2 Sistema CAD Diagnóstico auxiliado por computador ( computer-aided

Leia mais

Aluna: Lucy Shiratori. Dissertação apresentada à Faculdade de. obtenção do título de Mestre, pelo Programa de Pós-

Aluna: Lucy Shiratori. Dissertação apresentada à Faculdade de. obtenção do título de Mestre, pelo Programa de Pós- FOUSP Avaliação da precisão da tomografia computadorizada por feixe cônico (cone beam) como método de medição do volume ósseo vestibular em implantes dentários Dissertação apresentada à Faculdade de Odontologia

Leia mais

VistaScan Combi View Eficiência com precisão

VistaScan Combi View Eficiência com precisão VistaScan Combi View Eficiência com precisão O novo digitalizador de placas de fósforo com tela touch screen para todos os formatos Ar comprimido Aspiração Imagiologia Tratamento Higiene Placas de fósforo

Leia mais

CLASSIFICAÇÃO DOS DISTÚRBIOS TIREOIDIANOS EM USUÁRIOS DE UM LABORATÓRIO DE ANÁLISES CLÍNICAS

CLASSIFICAÇÃO DOS DISTÚRBIOS TIREOIDIANOS EM USUÁRIOS DE UM LABORATÓRIO DE ANÁLISES CLÍNICAS CLASSIFICAÇÃO DOS DISTÚRBIOS TIREOIDIANOS EM USUÁRIOS DE UM LABORATÓRIO DE ANÁLISES CLÍNICAS Kamila Karoliny Ramos de Lima 1, Josimar dos Santos Medeiros 2. Resumo Entre as principais doenças de evolução

Leia mais

Influence of the bone mineral densitometry s

Influence of the bone mineral densitometry s INFLUÊNCIA DOS NÍVEIS DE DENSITOMETRIA MINERAL ÓSSEA NA PERDA... Mafetano et al. Influência dos níveis de densitometria mineral óssea na perda óssea alveolar e parâmetros clínicos periodontais em mulheres

Leia mais

UNIVERSIDADE DE BRASÍLIA UnB

UNIVERSIDADE DE BRASÍLIA UnB UNIVERSIDADE DE BRASÍLIA UnB PROGRAMA DE PÓS-GRADUAÇÃO EM CIÊNCIAS DA SAÚDE DOUTORADO Tomografia Computadorizada Volumétrica: Mensuração de tecidos gengivais, da mucosa mastigatória do palato e aplicações

Leia mais

09/07/2014. Quando avaliar e como manejar Osteopenia e Osteoporose na DPOC. Fernando Lundgren. Osteopenia e Osteoporose na DPOC doença concomitante?

09/07/2014. Quando avaliar e como manejar Osteopenia e Osteoporose na DPOC. Fernando Lundgren. Osteopenia e Osteoporose na DPOC doença concomitante? Quando avaliar e como manejar Osteopenia e Osteoporose na DPOC Fernando Lundgren Pontos para pensar Osteopenia e Osteoporose na DPOC doença concomitante? Ocorre em todo paciente com DPOC? Se relaciona

Leia mais

TÉCNICA DE MARFRAN PARA CÁLCULO DE CONSTANTES

TÉCNICA DE MARFRAN PARA CÁLCULO DE CONSTANTES UNIVERSIDADE FEDERAL DE SERGIPE CAMPUS DA SAÚDE PROF. JOÃO CARDOSO NASCIMENTO JÚNIOR HOSPITAL UNIVERSITÁRIO - UNIDADE DE IMAGENS E MÉTODOS GRÁFICOS TÉCNICA DE MARFRAN PARA CÁLCULO DE CONSTANTES PROJETO

Leia mais

disponibilidade do proprietário. Em geral, a melhor forma de profilaxia consiste na escovação dentária diária em animais de pequeno porte e, três

disponibilidade do proprietário. Em geral, a melhor forma de profilaxia consiste na escovação dentária diária em animais de pequeno porte e, três Perfil do proprietário de cães e gatos da cidade de Jataí GO em relação aos cuidados odontológicos de seus animais RESENDE, Lara Gisele¹; PAIVA, Jacqueline de Brito¹; ARAÚJO, Diego Pereira¹; CARVALHO,

Leia mais

PROCESSO-CONSULTA CFM Nº 4.728/08 PARECER CFM Nº 10/09 INTERESSADO:

PROCESSO-CONSULTA CFM Nº 4.728/08 PARECER CFM Nº 10/09 INTERESSADO: PROCESSO-CONSULTA CFM Nº 4.728/08 PARECER CFM Nº 10/09 INTERESSADO: Colégio Brasileiro de Radiologia e Diagnóstico por Imagem ASSUNTO: Tempo de guarda de exames radiológicos; RELATOR: responsabilidade

Leia mais

PACS. III Encontro Sul Brasileiro de Engenharia Clínica. Santa Casa de Porto Alegre, RS. 24 de Novembro de 2012

PACS. III Encontro Sul Brasileiro de Engenharia Clínica. Santa Casa de Porto Alegre, RS. 24 de Novembro de 2012 PACS III Encontro Sul Brasileiro de Engenharia Clínica Santa Casa de Porto Alegre, RS 24 de Novembro de 2012 III Encontro Sul Brasileiro de Engenharia Clínica PACS - Agenda Histórico Workflow Modalidades

Leia mais

Especialidades Odontológicas

Especialidades Odontológicas Especialidades Odontológicas Urubatan Medeiros Doutor (USP) - Professor Titular do Departamento de Odontologia Preventiva e Comunitária (UERJ/UFRJ) - Consultor do Ministério da Saúde I - Introdução A Odontologia

Leia mais

Scanner de películas de memória VistaScan Mini pequeno, mas forte

Scanner de películas de memória VistaScan Mini pequeno, mas forte Scanner de películas de memória VistaScan Mini pequeno, mas forte Ar comprimido Aspiração Imagiologia Conservação dos dentes Higiene A nova dimensão do diagnóstico radiográfico Chairside O scanner de películas

Leia mais

Resolução CFBM Nº 234 DE 05/12/2013

Resolução CFBM Nº 234 DE 05/12/2013 Resolução CFBM Nº 234 DE 05/12/2013 Publicado no DO em 19 dez 2013 Dispõe sobre as atribuições do biomédico habilitado na área de imagenologia, radiologia, biofísica, instrumentação médica que compõe o

Leia mais

Instituto Latino Americano de Pesquisa e Ensino Odontológico Ricardo José Fernandes da Costa

Instituto Latino Americano de Pesquisa e Ensino Odontológico Ricardo José Fernandes da Costa Instituto Latino Americano de Pesquisa e Ensino Odontológico Ricardo José Fernandes da Costa Relevâncias da tomografia computadorizada cone beam na implantodontia. CURITIBA 2014 Ricardo José Fernandes

Leia mais

TELE ORTHOPANTOMOGRAPH OP300. Uma plataforma para todas as suas necessidades. OP300. Sistema de imagem digital panorâmica

TELE ORTHOPANTOMOGRAPH OP300. Uma plataforma para todas as suas necessidades. OP300. Sistema de imagem digital panorâmica OP300 Sistema de imagem digital panorâmica Sistema de imagem digital cefalométrica Sistema de imagem digital Cone Beam 3D TELE Uma plataforma para todas as suas necessidades. ORTHOPANTOMOGRAPH OP300 1

Leia mais

HOSPITAL DE CLÍNICAS DR. RADAMÉS NARDINI

HOSPITAL DE CLÍNICAS DR. RADAMÉS NARDINI HOSPITAL DE CLÍNICAS DR. RADAMÉS NARDINI PROJETO REVELAÇÃO DE IMAGEM DIAGNÓSTICA DIGITALIZADA ECIMARA DOS SANTOS SILVA Email: e.santos@hospitalnardini.org.br Telefone: (11) 4547-6906 Cel. (11) 98697-6908

Leia mais

Relatório da prática/proposta

Relatório da prática/proposta Relatório da prática/proposta 1.Nome da pratica/ proposta inovadora: Projeto de Digitalização de Imagens Radiológicas na Rede Pública de Saúde de Naviraí 2.Caracterização da situação anterior: O município

Leia mais

Cálculo de volume de objetos utilizando câmeras RGB-D

Cálculo de volume de objetos utilizando câmeras RGB-D Cálculo de volume de objetos utilizando câmeras RGB-D Servílio Souza de ASSIS 1,3,4 ; Izadora Aparecida RAMOS 1,3,4 ; Bruno Alberto Soares OLIVEIRA 1,3 ; Marlon MARCON 2,3 1 Estudante de Engenharia de

Leia mais

PARA SIMPLIFICAR E MINIMIZAR ERROS SER MAIS ÁGIL E PRECISO

PARA SIMPLIFICAR E MINIMIZAR ERROS SER MAIS ÁGIL E PRECISO PARA SIMPLIFICAR E MINIMIZAR ERROS SER MAIS ÁGIL E PRECISO SOMOS UMA EMPRESA QUE PROVÊ inteligência e tecnologia que simplificam e levam mais precisão para dentistas MUITO PRAZER SOMOS A COMPASS Somos

Leia mais

SISTEMAS DE INFORMAÇÃO GEOGRÁFICA (I)

SISTEMAS DE INFORMAÇÃO GEOGRÁFICA (I) UNIVERSIDADE DE SÃO PAULO ESCOLA SUPERIOR DE AGRICULTURA LUIZ DE QUEIROZ DEPARTAMENTO DE ENGENHARIA DE BIOSSISTEMAS DISCIPLINA: LEB450 TOPOGRAFIA E GEOPROCESSAMENTO II PROF. DR. CARLOS ALBERTO VETTORAZZI

Leia mais

Profº. Emerson Siraqui

Profº. Emerson Siraqui RADIOLOGIA DIGITAL Profº. Emerson Siraqui Nome: Emerson Siraqui Formação Acadêmica: Graduação: Tecnólogo em Radiologia Médica-FASM Especialização: APRESENTAÇÃO Operacionalidade e Capacitação em aparelhos

Leia mais

ANORÂMICA: A: O QUE O CIRUR

ANORÂMICA: A: O QUE O CIRUR ATUALIZAÇÃO OSTEOPOROSE OSE E A RADIOGRAFIA PANORÂMIC ANORÂMICA: A: O QUE O CIRUR URGIÃO DENTISTA A PODE ANALISAR AR Osteoporosis and Panoramic Radiography: What dentists can analyze Plauto Christopher

Leia mais

Palavras-Chave Cor, Espectrofotometria, Própolis, Resina composta, Café

Palavras-Chave Cor, Espectrofotometria, Própolis, Resina composta, Café Ciências da Vida - Odontologia AVALIAÇÃO ATRAVÉS DA ESPECTROFOTOMETRIA DAS ALTERAÇÕES DE COR EM DUAS RESINAS COMPOSTAS COM O USO DE SOLUÇÃO A BASE DE PRÓPOLIS TIPIFICADA ASSOCIADA OU NÃO À INGESTÃO DE

Leia mais

ATENÇÃO: * Arquivos com tamanho superior a 500 KB NÃO SERÃO ACEITOS * SOMENTE serão aceitos documentos do formato: PDF

ATENÇÃO: * Arquivos com tamanho superior a 500 KB NÃO SERÃO ACEITOS * SOMENTE serão aceitos documentos do formato: PDF TUTORIAL DE DIGITALIZAÇÃO DIRIGIDO AO USO DO PROCESSO ELETRÔNICO Adaptado do tutorial elaborado pelo colega MAICON FALCÃO, operador de computador da subseção judiciária de Rio Grande. Introdução Este tutorial

Leia mais

SOFTWARE PARA IDENTIFICAÇÃO E CLASSIFICAÇÃO DE CÉLULAS DO ENDOTÉLIO CORNEANO DESENVOLVIDO PARA DISPOSITIVOS MÓVEIS

SOFTWARE PARA IDENTIFICAÇÃO E CLASSIFICAÇÃO DE CÉLULAS DO ENDOTÉLIO CORNEANO DESENVOLVIDO PARA DISPOSITIVOS MÓVEIS 221 SOFTWARE PARA IDENTIFICAÇÃO E CLASSIFICAÇÃO DE CÉLULAS DO ENDOTÉLIO CORNEANO DESENVOLVIDO PARA DISPOSITIVOS MÓVEIS Jean-Jacques S. De Groote - Prof. Dr. do Centro Universitário Uniseb de Ribeirão Preto.

Leia mais

Bem-vindo Revista Periodontia Maio/Dezembro-1999

Bem-vindo Revista Periodontia Maio/Dezembro-1999 Bem-vindo Revista Periodontia Maio/Dezembro-1999 RADIOGRAFIA POR SUBTRAÇÃO EM PERIODONTIA Sinopse CURY, P.R.; NASCIMENTO, L.M.C.* TABA JR., M.** Abstract CAMPOS JR., A..*** SALLUM, E.A.**** SINOPSE Radiografias

Leia mais

Palavras-chave: Microtomografia; Imagem; Morfometria; Ossos.

Palavras-chave: Microtomografia; Imagem; Morfometria; Ossos. MORFOLOGIA DA ESTRUTURA INTERNA DE OSSOS: MICROTOMOGRAFIA POR RAIOS X G. Carvalho J.R.C. Pessôa F. V. Vidal J.T. Assis Resumo A Microtomografia Computadorizada (CT) é uma técnica de ensaio não destrutivo,

Leia mais

O ingresso no Programa de Mestrado é feito por meio do exame de seleção, que consta de:

O ingresso no Programa de Mestrado é feito por meio do exame de seleção, que consta de: EDITAL DE SELEÇÃO 002/2016 Estarão abertas, a partir do dia 04 de março de 2016, as inscrições para a seleção de candidatos ao Programa de Pós-Graduação em Ciências Odontológicas nas Áreas de Concentração

Leia mais

UTILIZAÇÃO DO APARELHO DE PROTRAÇÃO MANDIBULAR COMO ANCORAGEM PARA MESIALIZAÇÃO DE MOLARES INFERIORES: RELATO DE CASO CLÍNICO RESUMO

UTILIZAÇÃO DO APARELHO DE PROTRAÇÃO MANDIBULAR COMO ANCORAGEM PARA MESIALIZAÇÃO DE MOLARES INFERIORES: RELATO DE CASO CLÍNICO RESUMO 474 UTILIZAÇÃO DO APARELHO DE PROTRAÇÃO MANDIBULAR COMO ANCORAGEM PARA MESIALIZAÇÃO DE MOLARES INFERIORES: RELATO DE CASO CLÍNICO Fábio André Werlang 1 Marcos Massaro Takemoto 2 Prof Elton Zeni 3 RESUMO

Leia mais

TECNOLOGIA RADIOLÓGICA

TECNOLOGIA RADIOLÓGICA TECNOLOGIA RADIOLÓGICA Prof. Walmor Cardoso Godoi, M.Sc. http://www.walmorgodoi.com Aula 05 Qualidade Radiográfica Agenda Qualidade radiográfica, resolução, velocidade, d curva característica, ti densidade

Leia mais

Fracturas osteoporóticas do colo do fémur: consequência inevitável do envelhecimento?

Fracturas osteoporóticas do colo do fémur: consequência inevitável do envelhecimento? Fracturas osteoporóticas do colo do fémur: consequência inevitável do envelhecimento? Uma análise de epidemiologia espacial INEB - Instituto de Engenharia Biomédica Maria de Fátima de Pina Instituto de

Leia mais

O USO DA INFORMÁTICA NA REDE BÁSICA E HOSPITALAR DA CIDADE DE RIBEIRÃO PRETO (S.P.)

O USO DA INFORMÁTICA NA REDE BÁSICA E HOSPITALAR DA CIDADE DE RIBEIRÃO PRETO (S.P.) O USO DA INFORMÁTICA NA REDE BÁSICA E HOSPITALAR DA CIDADE DE RIBEIRÃO PRETO (S.P.) Cristina Maria Galvão * Namie Okino Sawada * GALVÃO, C. M.; SAWADA, N. O. O uso da informática na rede básica e hospitalar

Leia mais

Cirurgiã Dentista, Especialista em Radiologia, Especializanda em Ortodontia PLANO DE CURSO

Cirurgiã Dentista, Especialista em Radiologia, Especializanda em Ortodontia PLANO DE CURSO C U R S O O D O N T O L O G I A Autorizado pela Portaria no 131, de 13/01/11, publicada no DOU no 11, de17/01/11, seção 1, pág.14 Componente Curricular: RADIOLOGIA Código: ODO-14 Pré-requisito: ANATOMIA

Leia mais

CURSO TÉCNICO EM SAÚDE BUCAL (TSB)

CURSO TÉCNICO EM SAÚDE BUCAL (TSB) CURSO TÉCNICO EM SAÚDE BUCAL (TSB) INFORMAÇÕES SOBRE O CURSO CARGA HORÁRIA: 1.200 HORAS COM ESTÁGIO DURAÇÃO : 2 ANOS PERIODICIDADE: SEMANAL (2ª, 3ª E 4ª) HORÁRIO DAS AULAS: 19H AS 21H INFORMAÇÕES SOBRE

Leia mais

Aula 4: TÉCNICA RADIOGRÁFICA INTRA-ORAL

Aula 4: TÉCNICA RADIOGRÁFICA INTRA-ORAL Aula 4: TÉCNICA RADIOGRÁFICA INTRA-ORAL Técnicas Radiográficas Periapical Exame do dente e osso alveolar que o rodeia; Interproximal Diagnóstico de cáries proximais, excessos marginais de restaurações;

Leia mais

FÍSICA DAS RADIAÇÕES. Prof. Emerson Siraqui

FÍSICA DAS RADIAÇÕES. Prof. Emerson Siraqui FÍSICA DAS RADIAÇÕES Prof. Emerson Siraqui CONCEITO Método que permite estudar o corpo em cortes ou fatias axiais ou trasversais, sendo a imagem obtida atraves dos Raios-X com o auxílio do computador (recontrução).

Leia mais

Semestre: 2 Quantidade de Módulos:8 Unidade de Ensino:Núcleo de Saúde

Semestre: 2 Quantidade de Módulos:8 Unidade de Ensino:Núcleo de Saúde 212 Semestre: 2 Módulo: 8º Período e Mês Início do Módulo:216/1 Numero da Página: 1 Impresso em:16/12/215 11:48:45 5697 TÉCNICAS DE PESQUISA EM ODONTOLOGIA II DCOP(N/C)APS 2 1 Estudo dos tipos de trabalhos

Leia mais

ANEXO I Edital 80/2014

ANEXO I Edital 80/2014 ANEXO I Edital 80/2014 UNIDADES DE ENSINO DE NITERÓI CLASSE A: ADJUNTO A - REGIME: 40H DE 1- Faculdade de Administração e Ciências Contábeis Departamento de Contabilidade Área de Conhecimento: CONTABILIDADE

Leia mais

Área de Biologia Craniofacial e Biomateriais

Área de Biologia Craniofacial e Biomateriais Bibliografia e tópicos para a prova de seleção 2013 (Mestrado / Doutorado) Área de Biologia Craniofacial e Biomateriais Tópicos - Mestrado e Doutorado (prova teórica*) *O candidato poderá excluir um número

Leia mais

Técnicas radiográficas. Técnicas Radiográficas Intraorais em Odontologia. Técnicas Radiográficas Intraorais. Técnicas Radiográficas

Técnicas radiográficas. Técnicas Radiográficas Intraorais em Odontologia. Técnicas Radiográficas Intraorais. Técnicas Radiográficas Técnicas Radiográficas Intraorais em Odontologia Técnicas radiográficas Divididas em dois grandes grupos: Técnicas Intraorais Profª Paula Christensen Técnicas Radiográficas Técnicas Extraorais Técnicas

Leia mais

Estudo da Perfusão e Ventilação Pulmonar em Imagens de Tomografia de Impedância Elétrica através de Modelagem Fuzzy

Estudo da Perfusão e Ventilação Pulmonar em Imagens de Tomografia de Impedância Elétrica através de Modelagem Fuzzy Anais do CNMAC v.2 ISSN 1984-820X Estudo da Perfusão e Ventilação Pulmonar em Imagens de Tomografia de Impedância Elétrica através de Modelagem Fuzzy Harki Tanaka Centro de Engenharia, Modelagem e Ciências

Leia mais

Tomografia Computadorizada

Tomografia Computadorizada Tomografia Computadorizada Características: não sobreposição de estruturas melhor contraste ( menos radiação espalhada) usa detectores que permitem visibilizar pequenas diferenças em contraste de tecido

Leia mais

ANÁLISE CITOGENÉTICA E COMPARAÇÃO DAS CARACTERÍSTICAS DA CARCAÇA E DA CARNE EM SUS SCROFA SCROFA (JAVALI EUROPEU)

ANÁLISE CITOGENÉTICA E COMPARAÇÃO DAS CARACTERÍSTICAS DA CARCAÇA E DA CARNE EM SUS SCROFA SCROFA (JAVALI EUROPEU) REVISTA CIENTÍFICA ELETRÔNICA DE MEDICINA VETERINÁRIA PERIODICIDADE SEMESTRAL EDIÇÃO NÚMERO 5 JULHO DE 2005 ISSN 1679-7353 ANÁLISE CITOGENÉTICA E COMPARAÇÃO DAS CARACTERÍSTICAS DA CARCAÇA E DA CARNE EM

Leia mais

Tomografia Computadorizada I. Walmor Cardoso Godoi, M.Sc. http://www.walmorgodoi.net Aula 04. Sistema Tomográfico

Tomografia Computadorizada I. Walmor Cardoso Godoi, M.Sc. http://www.walmorgodoi.net Aula 04. Sistema Tomográfico Tomografia Computadorizada I Walmor Cardoso Godoi, M.Sc. http://www.walmorgodoi.net Aula 04 Sistema Tomográfico Podemos dizer que o tomógrafo de forma geral, independente de sua geração, é constituído

Leia mais

Absenteísmo por causas odontológicas em cooperativa de produtores rurais do Estado de Minas Gerais

Absenteísmo por causas odontológicas em cooperativa de produtores rurais do Estado de Minas Gerais Absenteísmo por causas odontológicas em cooperativa de produtores rurais do Estado de Minas Gerais Cristiane Miranda CARVALHO 1 Marina Pereira COELHO 1 Ronaldo RADICCHI 2 RESUMO Conhecer as causas odontológicas

Leia mais

CURSO DE ODONTOLOGIA Autorizado pela Portaria no 131, de 13/01/11, publicada no DOU no 11, de17/01/11, seção 1, pág.

CURSO DE ODONTOLOGIA Autorizado pela Portaria no 131, de 13/01/11, publicada no DOU no 11, de17/01/11, seção 1, pág. CURSO DE ODONTOLOGIA Autorizado pela Portaria no 131, de 13/01/11, publicada no DOU no 11, de17/01/11, seção 1, pág.14 Componente Curricular: CLÍNICA INTEGRADA II Código: ODO-031 Pré-requisito: Clínica

Leia mais

INSTITUIÇÃO: INSTITUTO FEDERAL DE EDUCAÇÃO, CIÊNCIA E TECNOLOGIA DO ESPÍRITO SANTO

INSTITUIÇÃO: INSTITUTO FEDERAL DE EDUCAÇÃO, CIÊNCIA E TECNOLOGIA DO ESPÍRITO SANTO Anais do Conic-Semesp. Volume 1, 2013 - Faculdade Anhanguera de Campinas - Unidade 3. ISSN 2357-8904 TÍTULO: DIGITALIZAÇÃO DE EXAMES DE ECG CATEGORIA: CONCLUÍDO ÁREA: ENGENHARIAS E TECNOLOGIAS SUBÁREA:

Leia mais

Universidade da Beira Interior Curso Tecnologias e Sistemas de Informação Tecnologia dos Computadores 2011/2012. Docente: Grupo 10:

Universidade da Beira Interior Curso Tecnologias e Sistemas de Informação Tecnologia dos Computadores 2011/2012. Docente: Grupo 10: Universidade da Beira Interior Curso Tecnologias e Sistemas de Informação Tecnologia dos Computadores 2011/2012 Docente: Prof.Doutor Pedro Araújo Grupo 10: Luís Pinheiro nº26684 Artur Duque nº 25484 Níveis

Leia mais

MATRIZ CURRICULAR 2012.2 NOVO PROJETO PEDAGÓGICO DO CURSO (PPC) OBRIGATÓRIAS: 264 CREDITOS OPTATIVAS: 14 CRÉDITOS TOTAL: 278 CRÉDITOS

MATRIZ CURRICULAR 2012.2 NOVO PROJETO PEDAGÓGICO DO CURSO (PPC) OBRIGATÓRIAS: 264 CREDITOS OPTATIVAS: 14 CRÉDITOS TOTAL: 278 CRÉDITOS MATRIZ CURRICULAR 2012.2 NOVO PROJETO PEDAGÓGICO DO CURSO (PPC) TOTAL DE CRÉDITOS: 278 TOTAL DE HORAS: 4448 HORAS OBRIGATÓRIAS: 2 CREDITOS OPTATIVAS: 14 CRÉDITOS TOTAL: 278 CRÉDITOS SEMESTRE 01 Módulo

Leia mais

ASPECTO DE IMAGEM DAS ESTRUTURAS DO DENTE

ASPECTO DE IMAGEM DAS ESTRUTURAS DO DENTE ASPECTO DE IMAGEM DAS ESTRUTURAS DO DENTE O órgão dentário, um dos elementos do aparelho mastigatório, é constituído por tecidos especificamente dentais (esmalte, dentina, polpa) e por tecidos periodontais

Leia mais

VANTAGENS E LIMITAÇÕES DIAGNÓSTICO MAMOGRÁFICO MAMOGRAFIA ANALÓGICA MAMOGRAFIA COMPUTADORIZADA (CR) MAMOGRAFIA DIGITAL(DR)

VANTAGENS E LIMITAÇÕES DIAGNÓSTICO MAMOGRÁFICO MAMOGRAFIA ANALÓGICA MAMOGRAFIA COMPUTADORIZADA (CR) MAMOGRAFIA DIGITAL(DR) XXX CONGRESSO PARAIBANO DE GINECOLOGIA VANTAGENS E LIMITAÇÕES DIAGNÓSTICO MAMOGRÁFICO MAMOGRAFIA ANALÓGICA MAMOGRAFIA COMPUTADORIZADA (CR) MAMOGRAFIA DIGITAL(DR) Norma Maranhão norma@truenet.com.br EVOLUÇÃO

Leia mais

Reabilitação fisioterapêutica do idoso com osteoporose

Reabilitação fisioterapêutica do idoso com osteoporose Definição Reabilitação fisioterapêutica do idoso com osteoporose Distúrbio osteometabólico, de origem multifatorial, caracterizado pela diminuição da densidade mineral óssea e deterioração de sua micro

Leia mais

UNIDADES DE ENSINO DE NITERÓI CLASSE A: ADJUNTO A - REGIME: 40H DE 1 - Escola de Arquitetura e Urbanismo Departamento de Arquitetura Área de

UNIDADES DE ENSINO DE NITERÓI CLASSE A: ADJUNTO A - REGIME: 40H DE 1 - Escola de Arquitetura e Urbanismo Departamento de Arquitetura Área de UNIDADES DE ENSINO DE NITERÓI CLASSE A: ADJUNTO A - REGIME: 40H DE 1 - Escola de Arquitetura e Urbanismo Departamento de Arquitetura Área de Conhecimento: PROJETO DE HABITAÇÃO SOCIAL (uma vaga). Provas

Leia mais

Interface DICOM para Captura e Transmissão de Imagens Médicas

Interface DICOM para Captura e Transmissão de Imagens Médicas Interface DICOM para Captura e Transmissão de Imagens Médicas Diego Ferreira dos Santos 1, Eduardo Tavares Costa 2, Marco Antônio Gutierrez 3 1,2 Departamento de Engenharia Biomédica (DEB),Faculdade de

Leia mais

A UTILIZAÇÃO DA PROTEÍNA MORFOGENÉTICA RECOMBINANTE SINTÉTICA TIPO 2 PARA RECOSNTRUÇÃO DE MAXILA ATRÓFICA. DESCRIÇÃO DA TÉCNICA E RELATO DE UM CASO

A UTILIZAÇÃO DA PROTEÍNA MORFOGENÉTICA RECOMBINANTE SINTÉTICA TIPO 2 PARA RECOSNTRUÇÃO DE MAXILA ATRÓFICA. DESCRIÇÃO DA TÉCNICA E RELATO DE UM CASO A UTILIZAÇÃO DA PROTEÍNA MORFOGENÉTICA RECOMBINANTE SINTÉTICA TIPO 2 PARA RECOSNTRUÇÃO DE MAXILA ATRÓFICA. DESCRIÇÃO DA TÉCNICA E RELATO DE UM CASO AUTORES: André Zétola Rafaela Larson Introdução A procura

Leia mais

MICROSCÓPIO ESPECULAR VOROCELL. Duvidas freqüentes a respeito do microscópio Vorocell, mitos e verdades.

MICROSCÓPIO ESPECULAR VOROCELL. Duvidas freqüentes a respeito do microscópio Vorocell, mitos e verdades. MICROSCÓPIO ESPECULAR VOROCELL Duvidas freqüentes a respeito do microscópio Vorocell, mitos e verdades. Porque o Microscópio Especular da Eyetec chama-se Vorocell? Vorocell é uma homenagem ao pesquisador

Leia mais

fmvz-unesp FACULDADE DE MEDICINA VETERINÁRIA E ZOOTECNIA - BOTUCATU Curso de Pós-Graduação em Zootecnia Nutrição e Produção Animal

fmvz-unesp FACULDADE DE MEDICINA VETERINÁRIA E ZOOTECNIA - BOTUCATU Curso de Pós-Graduação em Zootecnia Nutrição e Produção Animal fmvz-unesp FACULDADE DE MEDICINA VETERINÁRIA E ZOOTECNIA - BOTUCATU Curso de Pós-Graduação em Zootecnia Nutrição e Produção Animal SISTEMA DE PRODUÇÃO X QUALIDADE DA CARNE OVINA Raquel Abdallah da Rocha

Leia mais

PREVALÊNCIA DE CÁRIE DENTÁRIA NOS ALUNOS DA ESCOLA MUNICIPAL ADELMO SIMAS GENRO, SANTA MARIA, RS: UMA ANÁLISE DESCRITIVA PARCIAL 1

PREVALÊNCIA DE CÁRIE DENTÁRIA NOS ALUNOS DA ESCOLA MUNICIPAL ADELMO SIMAS GENRO, SANTA MARIA, RS: UMA ANÁLISE DESCRITIVA PARCIAL 1 Disc. Scientia. Série: Ciências da Saúde, Santa Maria, v. 7, n. 1, p. 121-125, 2006. 121 ISSN 1982-2111 PREVALÊNCIA DE CÁRIE DENTÁRIA NOS ALUNOS DA ESCOLA MUNICIPAL ADELMO SIMAS GENRO, SANTA MARIA, RS:

Leia mais

29/08/2011. Radiologia Digital. Princípios Físicos da Imagem Digital. Unidade de Aprendizagem Radiológica. Professor Paulo Christakis

29/08/2011. Radiologia Digital. Princípios Físicos da Imagem Digital. Unidade de Aprendizagem Radiológica. Professor Paulo Christakis Radiologia Digital Unidade de Aprendizagem Radiológica Princípios Físicos da Imagem Digital Professor Paulo Christakis 1 Em sistemas digitais de imagens médicas, as mudanças não se apresentam somente no

Leia mais

Cré d. Cód Sem Módulo Ementa Créd

Cré d. Cód Sem Módulo Ementa Créd Conselho Universitário - CONSUNI Câmara de Ensino Curso de Graduação em Odontologia da UNIPLAC Quadro de Equivalência para Fins de Aproveitamento de Estudos entre duas Estruturas Curriculares Modulares

Leia mais

ANÁLISE DO CAMPO TÉRMICO EM ÚBERE BOVINO EX VIVO APÓS APLICAÇÃO DE ULTRASSOM TERAPÊUTICO

ANÁLISE DO CAMPO TÉRMICO EM ÚBERE BOVINO EX VIVO APÓS APLICAÇÃO DE ULTRASSOM TERAPÊUTICO ANÁLISE DO CAMPO TÉRMICO EM ÚBERE BOVINO EX VIVO APÓS APLICAÇÃO DE ULTRASSOM TERAPÊUTICO 1 ANALISIS OF THERMAL BEAM OF EX VIVO BOVINE UDDER AFTER THERAPEUTIC ULTRASOUND APLICATION ANDRESSA DE CASTRO SOUZA

Leia mais

PROTOCOLO TÉCNICO- IMPLANTODONTIA CEO_ SÃO JOSÉ DO RIO PRETO

PROTOCOLO TÉCNICO- IMPLANTODONTIA CEO_ SÃO JOSÉ DO RIO PRETO COORDENAÇÃO DE SAÚDE BUCAL ESPECIALIZADA SMS PROTOCOLO TÉCNICO- IMPLANTODONTIA CEO_ SÃO JOSÉ DO RIO PRETO DR. ALESSANDRO CALDEIRA DA SILVA PÓS-GRADUAÇÃO: CIRURGIA-BUCO-MAXILO-FACIAL E IMPLANTODONTIA COORDENAÇÃO

Leia mais

Resolução CFM Nº 2107 DE 25/09/2014 Publicado no DO em 17 dez 2014

Resolução CFM Nº 2107 DE 25/09/2014 Publicado no DO em 17 dez 2014 Resolução CFM Nº 2107 DE 25/09/2014 Publicado no DO em 17 dez 2014 Define e normatiza a Telerradiologia e revoga a Resolução CFM nº 1890/09, publicada no D.O.U. de 19 janeiro de 2009, Seção 1, p. 94-5p

Leia mais

UNIVERSIDADE FEDERAL DE PELOTAS. Índice

UNIVERSIDADE FEDERAL DE PELOTAS. Índice Índice Capítulo 10 Inserindo figuras e objetos... 2 Configurando AutoFormas... 2 Criando Caixas de Texto... 3 Inserindo Linhas e Setas... 3 Utilizando WordArt... 4 Inserindo Figuras... 5 Configurando figuras...

Leia mais

VARIABILIDADE NA PROFUNDIDADE CLÍNICA

VARIABILIDADE NA PROFUNDIDADE CLÍNICA VARIABILIDADE NA PROFUNDIDADE CLÍNICA DE SONDAGEM UTILIZANDO SONDA CONVENCIONAL E DE PRESSÃO CONTROLADA 1 Professor assistente em Periodontia Universidade do Sagrado Coração - USC 2 Professor assistente

Leia mais

Estudo comparativo entre radiografias panorâmicas convencional e digitalizada na análise de lesões ósseas periapicais

Estudo comparativo entre radiografias panorâmicas convencional e digitalizada na análise de lesões ósseas periapicais Revista de Odontologia da Universidade Cidade de São Paulo 2008 set-dez; 20(3): 261-6 Estudo comparativo entre radiografias panorâmicas convencional e digitalizada na análise de lesões ósseas periapicais

Leia mais

Figura 01: Aplicações do Filtro Espacial Passa-Baixa.

Figura 01: Aplicações do Filtro Espacial Passa-Baixa. 791 IMPLEMENTAÇÃO DE TÉCNICAS DE PRÉ-PROCESSAMENTO E PROCESSAMENTO DE IMAGENS PARA RADIOGRAFIAS CARPAIS Rafael Lima Alves 1 ; Michele Fúlvia Angelo 2 Bolsista PROBIC, Graduando em Engenharia de Computação,

Leia mais

Altera a Deliberação CONSEP Nº 172/2012, que Altera o Currículo do Curso de Odontologia, para regime seriado semestral.

Altera a Deliberação CONSEP Nº 172/2012, que Altera o Currículo do Curso de Odontologia, para regime seriado semestral. DELIBERAÇÃO CONSEP Nº 154/2014 Altera a Deliberação CONSEP Nº 172/2012, que Altera o Currículo do Curso de Odontologia, para regime seriado semestral. O CONSELHO DE ENSINO E PESQUISA, na conformidade do

Leia mais

Introdução ao SIG. Objetivos Específicos 18/11/2010. Competência: Apresentar: Utilidade de um SIG

Introdução ao SIG. Objetivos Específicos 18/11/2010. Competência: Apresentar: Utilidade de um SIG MINISTÉRIO DO MEIO AMBIENTE - MMA INSTITUTO CHICO MENDES DE CONSERVAÇÃO DA BIODIVERSIDADE - ICMBio DIRETORIA DE PLANEJAMENTO, ADMINISTRAÇÃO E LOGÍSTICA - DIPLAN COORDENAÇÃO GERAL DE GESTÃO DE PESSOAS -

Leia mais

42º Congresso Bras. de Medicina Veterinária e 1º Congresso Sul-Brasileiro da ANCLIVEPA - 31/10 a 02/11 de 2015 - Curitiba - PR 1

42º Congresso Bras. de Medicina Veterinária e 1º Congresso Sul-Brasileiro da ANCLIVEPA - 31/10 a 02/11 de 2015 - Curitiba - PR 1 1 ESTRUTURAÇÃO DE UM BANCO DE DENTES CANINOS NO DEPARTAMENTO DE ANATOMIA DA UFPR PRODUCTION OF A CANINE TEETH BANK AT THE ANATOMY DEPARTMENT OF UFPR DORIE FERNANDA DE MORAES ZATTONI¹, MARIA FERNANDA TORRES¹,

Leia mais

ASPECTO RADIOGRÁFICO DAS ALTERAÇÕES DO PERIODONTO

ASPECTO RADIOGRÁFICO DAS ALTERAÇÕES DO PERIODONTO ASPECTO RADIOGRÁFICO DAS ALTERAÇÕES DO PERIODONTO ESTUDAR COM ATENÇÃO AMPLIAR AS IMAGENS PARA OBSERVAR OS DETALHES O periodonto (peri= em redor de; odontos = dente) compreende a gengiva, o ligamento periodontal,

Leia mais

OSTEOPOROSE VS DOENÇAS NEURODEGENERATIVAS USANDO A TOMOGRAFIA COMPUTADORIZADA QUANTITATIVA

OSTEOPOROSE VS DOENÇAS NEURODEGENERATIVAS USANDO A TOMOGRAFIA COMPUTADORIZADA QUANTITATIVA Universidade do Minho Escola de Engenharia OSTEOPOROSE VS DOENÇAS NEURODEGENERATIVAS USANDO A TOMOGRAFIA COMPUTADORIZADA QUANTITATIVA José Artur Rodrigues Nº 55574 Orientador: Prof. Higino Correia Mestrado

Leia mais

Osteoporose no Paciente Jovem. R4 André Ricardo Fuck Orientadora: Profª Drª Carolina A. M. Kulak

Osteoporose no Paciente Jovem. R4 André Ricardo Fuck Orientadora: Profª Drª Carolina A. M. Kulak Osteoporose no Paciente Jovem R4 André Ricardo Fuck Orientadora: Profª Drª Carolina A. M. Kulak Incomum em jovens e geralmente devido causa secundária Critérios densitométricos da ISCD e SBDens: Homens

Leia mais

Rodrigo Passoni Cléber Bidegain Pereira

Rodrigo Passoni Cléber Bidegain Pereira CUSTO BIOLÓGICO DA BOA INFORMAÇÃO Rodrigo Passoni Cléber Bidegain Pereira O custo-benefício das imagens em 3D é um dos pontos principais do SROOF-2012 e tema de justificado interesse da Odontologia. A

Leia mais

FITOTERÁPICO ANOREXÍGENO: CHÁ VERDE (CAMELLIA SINENSIS) SILVA, D.F; TORRES, A

FITOTERÁPICO ANOREXÍGENO: CHÁ VERDE (CAMELLIA SINENSIS) SILVA, D.F; TORRES, A FITOTERÁPICO ANOREXÍGENO: CHÁ VERDE (CAMELLIA SINENSIS) SILVA, D.F; TORRES, A Resumo A obesidade é fator de risco para diversas Patologias. Em virtude desse problema a população tem procurado cada vez

Leia mais

Uma Ontologia para Estruturação da Informação Contida em Laudos Radiológicos

Uma Ontologia para Estruturação da Informação Contida em Laudos Radiológicos Universidade de São Paulo Faculdade de Filosofia, Ciências e Letras de Ribeirão Preto Faculdade de Medicina de Ribeirão Preto Uma Ontologia para Estruturação da Informação Contida em Laudos Radiológicos

Leia mais

RESSALVA. Atendendo solicitação da autora, o texto completo desta dissertação será disponibilizado somente a partir de 26/04/2016.

RESSALVA. Atendendo solicitação da autora, o texto completo desta dissertação será disponibilizado somente a partir de 26/04/2016. RESSALVA Atendendo solicitação da autora, o texto completo desta dissertação será disponibilizado somente a partir de 26/04/2016. UNIVERSIDADE ESTADUAL PAULISTA FACULDADE DE MEDICINA VETERINÁRIA E ZOOTECNIA

Leia mais

ESTUDO SOBRE SOFTWARE DE VISUALIZAÇÃO DE IMAGENS MÉDICAS DIGITAIS: INVESALIUS

ESTUDO SOBRE SOFTWARE DE VISUALIZAÇÃO DE IMAGENS MÉDICAS DIGITAIS: INVESALIUS ESTUDO SOBRE SOFTWARE DE VISUALIZAÇÃO DE IMAGENS MÉDICAS DIGITAIS: INVESALIUS ADRIANY DA S. CARVALHO * EDUILSON LÍVIO NEVES DA C. CARNEIRO ** Resumo. O presente trabalho se propõe, através de uma revisão

Leia mais

INFORMÁTICA ANS GUIA TISS CERTIFICADO DIGITAL TABELA TUSS TABELA DE ATOS ESPECIALIDADES

INFORMÁTICA ANS GUIA TISS CERTIFICADO DIGITAL TABELA TUSS TABELA DE ATOS ESPECIALIDADES INFORMÁTICA ANS GUIA TISS CERTIFICADO DIGITAL TABELA TUSS TABELA DE ATOS ESPECIALIDADES 21/06/2014 A Agência Nacional de Saúde Suplementar (ANS) é a agência reguladora vinculada ao Ministério da Saúde

Leia mais

ESTUDO RETROSPECTIVO DOS TUMORES MAMÁRIOS EM CANINOS E FELINOS ATENDIDOS NO HOSPITAL VETERINÁRIO DA FAMED ENTRE 2003 A 2007.

ESTUDO RETROSPECTIVO DOS TUMORES MAMÁRIOS EM CANINOS E FELINOS ATENDIDOS NO HOSPITAL VETERINÁRIO DA FAMED ENTRE 2003 A 2007. REVISTA CIENTÍFICA ELETRÔNICA DE MEDICINA VETERINÁRIA - ISSN 1679-7353 PUBLICAÇÃO CI ENTÍFICA DA FACULDADE DE MEDICINA VETERINÁRIA E ZOOTECNIA DE GARÇA/FAMED ANO IV, NÚMERO, 08, JANEIRO DE 2007. PERIODICIDADE:

Leia mais

AVALIAÇÃO DO EMPREGO DOS EXAMES RADIOGRÁFICOS E PROTEÇÃO RADIOLÓGICA NO COTIDIANO CLÍNICO DO CIRURGIÃO-DENTISTA NA CIDADE DE SÃO PAULO

AVALIAÇÃO DO EMPREGO DOS EXAMES RADIOGRÁFICOS E PROTEÇÃO RADIOLÓGICA NO COTIDIANO CLÍNICO DO CIRURGIÃO-DENTISTA NA CIDADE DE SÃO PAULO FOL Faculdade de Odontologia de Lins / UNIMEP AVALIAÇÃO DO EMPREGO DOS EXAMES RADIOGRÁFICOS E PROTEÇÃO RADIOLÓGICA NO COTIDIANO CLÍNICO DO CIRURGIÃO-DENTISTA NA CIDADE DE SÃO PAULO EVALUATION OF RADIOGRAPHIC

Leia mais