A Fórmula da Sexuação e a Teoria de Gênero: algumas problematizações

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "A Fórmula da Sexuação e a Teoria de Gênero: algumas problematizações"

Transcrição

1 A Fórmula da Sexuação e a Teoria de Gênero: algumas problematizações Priscila de Lima Catão "Confesso a vocês que nunca a escrevi em nenhum lugar, e em nenhum lugar a preparei. Ela não me parece exemplar senão, como de hábito, para produzir mal-entendido" (Jacques Lacan). As atuais discussões sobre novas apresentações da sexualidade são de extremo interesse para a psicanálise. Sob esta perspectiva, o presente trabalho vem trazer um recorte de concepções psicanalíticas, mais especificamente no que concerne a construção lacaniana da tábua da sexuação, em contraponto com a própria teoria psianalítica, no que diz respeito ao sujeito do inconsciente, promovendo um questionamento diante das provocações dos estudos de gênero quanto à construção dos sujeitos em sociedade. 1. A fórmula da Sexuação As quatro fórmulas proposicionais são elaborações lacanianas que se apresentam num quadro composto por quatro espaços, sendo os dois superiores referentes às formulações matemáticas propriamente ditas. Tais espaços são divididos por uma barra: do lado esquerdo o masculino, do direito, o feminino. Os dois espaços abaixo, também separados por uma barra e configurando o masculino e o feminino, trazem cinco termos que se relacionam por setas que partem dos mesmos e que por hora atravessam a barra. Tais termos são o sujeito dividido ($), símbolo fálico (Ф), objeto pequeno a, o significante de uma mulher (A/) e o significante da falta no Outro [S(A/)], conforme a imagem abaixo:

2 Em relação às quatro fórmulas, é interessante observar o caminho traçado por Lacan para tal estruturação. Munido da teoria psicanalítica em construção, acrescida das formulações lógicas de Frege, o autor perpassa pela lógica aristotélica, através das negativas e afirmativas universais e particulares, com uma nova proposta de trabalho. Formadas pelos quantificadores existenciais e universais, as premissas lógicas da tábua da sexuação têm suas proposições resumidamente trabalhadas no Seminário 20- Mais, ainda, onde a tabela se apresenta. Expliquemos. 1.1 O lado masculino Lacan escreveu as fórmulas: existe ao menos um homem para quem a função fálica não incide, e para todo homem é verdadeiro que a função fálica incide. A primeira delas foi baseada no mito freudiano do pai primevo de Totem e Tabu (1915), uma tentativa de elaborar o marco mítico que divide natureza e cultura, onde o líder da horda primitiva, que teria livre acesso a todas as mulheres do bando, sem nenhuma lei que lhe proibisse, impedia o acesso dos outros machos às mulheres. O assassínio deste pai primevo é seguido pela instauração da lei da proibição do incesto, onde os filhos, movidos pelo remorso e pelo sentimento de culpa, em reverência a este pai, criam a lei simbólica. A função fálica (Φx) remete à castração que, nessa fórmula, tem um traço horizontal sobre ela indicando a sua negativa. Assim, a fórmula é: existe pelo menos um homem que não foi submetido à castração, ou seja, o pai primevo. Esse pelo menos um que não segue a regra da castração permite a fundamentação da mesma e, desta forma, a exceção exige a regra. A universalidade expressa na segunda fórmula só tem sentido, portanto, porque pelo menos

3 um elemento se subtrai dela. A linha inferior do lado masculino assim se resume, trazendo a fórmula proposicional que ilustra essa universalidade: para todo homem é verdadeiro que a função fálica incide. 1.2 O lado feminino As duas formulações seguem-se como: não existe ao menos uma mulher para quem a função fálica não incide e para não-toda mulher é verdadeiro que a função fálica incide. Ao afirmar que não existe ao menos uma mulher que não seja castrada, na fórmula, Lacan transgride o formalismo lógico contemporâneo, no qual a negativa recairia sobre o quantificador universal ( toda mulher é castrada ). Para o lado feminino, ele se utiliza do para toda mulher, negando esse primeiro elemento da proposição e, à revelia, afirma o para não-toda mulher, elaborando a fórmula para não-toda mulher é verdadeiro que a função x incide. O mesmo ocorre com o quantificador existencial, negando-o ( não existe x ), bem como nega, agora mantendo-se na base do formalismo lógico, a função ( a função fálica não incide ). Tratando-se das repercussões das proposições forjadas por Lacan, o lado direito da tábua mostra que a não existência de pelo menos um que tenha escapado à castração. Ou seja, não existe ao menos uma mulher que seja uma exceção à regra. Sem a exceção, consequentemente, não existe a regra universal para todas as mulheres. Se a exceção funda a regra, com a ausência de uma exceção, a universalidade, ( x), o para todo x não se aplica. O conjunto universal só pode ser fundado na presença de um que esteja fora da regra do todo, assim, se do lado feminino não há essa exceção, inviabiliza a universalidade do ponto de vista da função fálica, ou seja, é impossível falar de todas as mulheres, e não haveria A Mulher, numa categoria universal afirmativa, donde se produz as famosas frases A Mulher não existe, e a mulher é não-toda. Outra consequência é que, de acordo com as premissas lógicas da tábua da sexuação, não é possível relacionar dois termos que não se equiparam: do lado masculino, utiliza-se o universal e do lado feminino deveríamos poder usar o mesmo referencial, o universal. Mas é justamente por não existir o universal do lado feminino que não é possível estabelecer relação alguma entre os sexos masculino e feminino. Portanto, Lacan propõe o axioma não há relação sexual para falar sobre esta impossibilidade de relacionar O Homem (o todo) com uma mulher (não-toda).

4 2. Problematizações Quanto a esta matematização da construção subjetiva baseada no formalismo lógico contemporâneo, algumas contradições surgem quando, em nossa contemporaneidade, vê-se ampliar o espectro de identificações subjetivas e relações objetais, que questionam o padrão heteronormativo. Afirmar que há uma padrão de identidades, e que os que fogem a ele ficam de fora, ou mesmo dentro somente quando adaptados, significa, inevitavelmente, reafirmar tais padrões, de modo que o que se amplia é apenas a possibilidade ou não de estar dentro, sem a opção do vacilar da própria estrutura. Podemos inferir aqui que, ao não seguir o formalismo lógico contemporâneo, elidindo ou negativando quantificadores, à sua maneira, Lacan cria um padrão de processos identificatórios, invenção própria que vem justificar toda sorte de axiomas que são repetidos entre os grupos psicanalíticos, por vezes sem a reflexão teórica que se exige deles. Deste modo, é possível para Lacan criar uma tabela cujo destino dos seres humanos é ou ser mulher ou ser homem; cuja estrutura é dissimétrica, pois as proposições universais não são comparáveis (o que seria possível na lógica clássica); cuja origem é mítica (o mito de Totem e Tabu); e que concebe homens e mulheres como as únicas possibilidades de estruturações e relações psíquicas. Tornar tais assertivas uma lógica de afirmativas e negativas universais é um processo delicado, quando, a partir dela, o que fica fora é imediatamente conduzido para o campo das psicoses, a exemplo da transexualidade. Ou bem se está fora do quadro, ou se enquadra, se emoldura nele. Lacan é categórico ao afirmar o elemento da duplicidade como única via para a construção subjetiva. O importante é isto: a identidade de gênero não é outra coisa senão o que acabo de expressar com estes termos, homem e mulher (LACAN, 1971). O tecer das suas contribuições partem deste modelo de relação. Assim, a humanidade seria dividida entre homens e mulheres, mas diferentemente da biologia, cada um pode escolher de que lado se identifica. Quem quer que seja ser falante se inscreve de um lado ou de outro (LACAN, 1973). Ainda que sejam consideradas posições subjetivas passíveis de mobilidade, ou seja, um homem pode ocupar o lado feminino e vice-e-versa, este tratamento mantém os sujeitos engessados nas duas únicas categorias possíveis, como

5 também não impede que se reproduzam as frases padronizadas e carregadas de sentido, onde é preciso ser mulher não-toda para o acesso ao gozo para além do falo, sem que se saibamos desvincular a mulher do feminino ou o homem do masculino. Tais são as únicas definições possíveis da parte dita homem ou bem mulher para o que quer que se encontre na posição de habitar a linguagem (LACAN, 1973). Contudo, para além disso, a questão inserida aqui é da necessidade do pensamento dicotômico para a produção da subjetividade. Assim, um mito é criado a partir de outro mito, e, pela via da repetição, este mito é reproduzido. Ao tratar das questões pela via das fórmulas da sexuação, ficam cravadas na teoria as categorias sexuais feminino/masculino como únicas possibilidades, correndo-se os riscos de reafirmação do padrão heteronormativo. É inegável, contudo, a contribuição de Lacan para melhor esclarecimento de sua teoria, no que diz respeito à estrutura da fantasia e das modalidades de gozo, estruturas sempre referenciadas ao falo. A tentativa da representação por imagens e símbolos é de grande auxílio para a compreensão, diante do seu caráter indizível. A questão é que, no vazio do indizível, há um potencial infinito de possibilidades. Na tentativa de dar conta, Lacan escolheu esta. O que se trata aqui, então, é produzir reflexões acerca do lugar de onde partem os pensamentos a respeito da construção dos sujeitos, ampliando os caminhos possíveis, sem que se caia necessariamente na dicotomização. 3. Teoria de gênero e o sujeito do inconsciente A teoria de gênero mostra-se entusiasmada em relação às novas identificações que vêm, senão surgindo, tornando-se mais visíveis aos olhos da sociedade moderna. Estilos como a transexualidade, a homossexualidade e o travestismo são temáticas que, por si só, questionam os modelos padronizados, modelos estes tornados naturalizados como a naturalização da heterossexualidade mas que, como qualquer padrão, trata-se de uma ficção, pura invenção, produção social que gera uma série de efeitos, à serviço de um controle e de uma contenção de valores que, uma vez ditados, forjam um modo de subjetivação que não permite a entrada da diferença.

6 Associada a variadas ramificações das teorias de gênero - teoria queer, feminismo, estudos de gênero, drag, entre outras é na elaboração do conceito de performatividade de gênero que a filósofa Judith Butler se destaca. Em uma entrevista para o site Big Think (www.bigthink.com), em janeiro de 2011, a filósofa apresenta, de forma clara e resumida, o que seria o caminho de seu trabalho. Quanto ao que significa dizer que o gênero é performativo, ela faz a distinção entre performance e performatividade: Quando se fala em performance de gênero, geralmente significa que estamos representando um papel, ou que estamos, de alguma maneira, atuando, e que esta atuação ou interpretação é crucial para o gênero que somos e o gênero que apresentamos para o mundo. Dizer que o gênero é performativo é um pouco diferente, visto que, para algo ser performativo, significa que isso produz uma série de efeitos. Agimos, falamos, e andamos de modos que consolidam a impressão de se ser um homem ou uma mulher. Agimos como se esse ser homem ou ser mulher fosse uma realidade interna genuína, ou fosse simplesmente uma verdade, um fato sobre nós, mas na verdade é um fenômeno que está sendo produzido o tempo todo, e reproduzido o tempo todo, portanto, dizer que o gênero é performativo é dizer que ninguém é realmente de um gênero desde o início. Eu sei que é polêmico, mas esse é o meu postulado. (BUTLER, 2011) Em continuidade, Butler problematiza a questão, quando a performatividade de gênero pode modificar o modo como se olha a construção de gênero. Se pensarmos o quão difícil é para garotos afeminados, ou quão difícil é para tomboys, funcionar socialmente sem que não sejam intimidados ou provocados, ou, por vezes, sofrendo ameaças de violência ou tendo seus pais intervindo, ao dizer que talvez precisem de um psiquiatra ou questionando o por que eles não podem ser normais. Portanto, há poderes institucionais, tal qual a normatização psiquiátrica, como também existem tipos de práticas informais como o bullying, que tentam nos manter em lugares gendrados. Há uma questão real sobre como tais normas de gênero são estabelecidas e até mesmo policiadas. Para a filósofa, o melhor caminho seria a disrupção e a subversão destas funções repressoras. Ela acredita que o gênero é culturalmente formado, mas que também é um campo de liberdade e capacidade de agir, e que o mais importante é resistir à violência imposta pelas normas de gêneros ideais, especialmente contra aqueles que são diferentemente gendrados, não conformes com sua apresentação de gênero. Podemos dizer que o gênero é instituído pela estilização do corpo e, por isso, deve ser compreendido como um modo como os gestos corporais, os movimentos, e as

7 encenações de vários tipos constituem a ilusão de um eu permanentemente definido pelo gênero. É interessante notar que, a exemplo da fórmula da sexuação, a criação de parâmetros de onde partem as possibilidades de subjetivação não dá garantias de que sua interpretação inclua a diferença. Uma vez estabelecidos os dois lados, ainda que haja a mobilidade, esta só se dirá respeito às possibilidades que se referenciam a estes elementos, ou um, ou outro, ou os dois, porém não o nem um nem outro. Encontrar-se no nenhum, ao invés de abrir-se para o campo da criação do novo, fecha-se para o fora, ou não-dentro, e assim se perpetuam as produções de subjetivações tabeladas. Como sugere Lattanzio (2011), em sua dissertação de mestrado O Lugar do gênero na psicanálise: Em nossa cultura, então, onde a heterossexualidade é a norma e onde sexo, gênero e desejo devem se ajustar entre si para atender à norma, o efeito de naturalização que essas categorias adquirem é extremo. Com isso, determinadas identidades são excluídas do domínio simbólico, conferindo-lhes classificações discriminatórias (LATTANZIO, 2011, p 175) Entretanto, a psicanálise, ela mesma, carrega o paradoxo da constituição de sujeito, pois há também possibilidades de aproximação entre os conceitos aqui descritos e o caminho de desconstrução subjetiva. Indivíduos angustiados procuram os consultórios em busca do alívio do mal-estar e se deparam com um processo longo e árduo de reconhecimento e questionamento dos seus padrões psíquicos, bem como sua maneira de lidar com os mesmos. É no decorrer do processo analítico que os sujeitos oportunam-se em se despir dos parâmetros em que baseiam suas vidas, através do (re)velamento da verdade como estrutura de ficção, da verdade fictícia, forjada e, por isso mesmo, possível e passível de novos rearranjos, novas perlaborações, e novas posições em relação à história de suas vidas. Esse espaço vazio, espaço por excelência da criação, onde o sujeito do inconsciente emerge do discurso e provoca sua ruptura, no tropeço das palavras, abrindo-se para o campo da inventividade, parece assemelhar-se ao processo de subjetivação proposto pela performatividade, pela via do gênero e sexualidade, que questiona uma naturalização das formatações contingentes de gênero, desejo e sexualidade, e que abarca a diferença. A teoria psicanalítica, portanto, tem muito a se beneficiar ao agregar novas concepções acerca da sexualidade, e ao questionar seus próprios padrões, pois a psicanálise acompanha o seu tempo, e o que um dia foi fruto da era vitoriana e do pensamento

8 cartesiano merece estar aberto a revisões inclusive conceituais o que nos deixaria em maior intimidade com a própria teoria psicanalítica, esta cujo fundador jamais se recusou a rever seus conceitos, e colocá-los contantemente em movimento. Referências: BUTLER, Judith. Problemas de gênero: feminism e subversão da identidade. Rio de Janeiro: Civilização Brasileira, 2003., Judith. Performativity. Interviewed by Max Miller, Directed by Jonathan Fowler, Produced by Elizabeth Rodd. EUA Disponível em FREUD, S. Totem e Tabu (1913). ESB, v. XIII, Rio de Janeiro: Imago, Além do Princípio do Prazer (1920b), ESB, v. XVIII, Rio de Janeiro, Imago: LACAN, Jacques. O Seminário 18: De um Discurso que Não Fosse Semblante (1971) Rio de Janeiro: Jorge Zahar, O Seminário 20: Mais, Ainda. ( ) Rio de Janeiro: Jorge Zahar, LATTANZIO, Felippe F. O Lugar do Gênero na Psicanálise: da metapsicologia às novas formas de subjetivação. Dissertação (Mestrado em Psicologia, Belo Horizonte, UFMG, 2011, 195 f.) NASIO, Juan-David. Cinco Lições Sobre a Teoria de Jacques Lacan. Rio de Janeiro: Jorge Zahar, 1993.

Feminilidade e Angústia 1

Feminilidade e Angústia 1 Feminilidade e Angústia 1 Claudinéia da Cruz Bento 2 Freud, desde o início de seus trabalhos, declarou sua dificuldade em abordar o tema da feminilidade. Após um longo percurso de todo o desenvolvimento

Leia mais

Opção Lacaniana online nova série Ano 3 Número 8 julho 2012 ISSN 2177-2673. Há um(a) só. Analícea Calmon

Opção Lacaniana online nova série Ano 3 Número 8 julho 2012 ISSN 2177-2673. Há um(a) só. Analícea Calmon Opção Lacaniana online nova série Ano 3 Número 8 julho 2012 ISSN 2177-2673 Analícea Calmon Seguindo os passos da construção teórico-clínica de Freud e de Lacan, vamos nos deparar com alguns momentos de

Leia mais

CONTEMPORANEIDADE. Palavras-chave: pai, interdição do incesto, Lei, complexo de Édipo, contemporaneidade, psicanálise.

CONTEMPORANEIDADE. Palavras-chave: pai, interdição do incesto, Lei, complexo de Édipo, contemporaneidade, psicanálise. A FUNÇÃO DO PAI NA INTERDIÇÃO E NA LEI: UMA REFLEXÃO SOBRE IDENTIFICAÇÃO E VIOLÊNCIA NA CONTEMPORANEIDADE. Jamille Mascarenhas Lima Psicóloga, Universidade Federal da Bahia. Especialista em psicomotricidade,

Leia mais

SOBRE A SEXUALIDADE ( MASCULINA) 1. A sedução abre o jogo da promessa de prazeres desconhecidos,

SOBRE A SEXUALIDADE ( MASCULINA) 1. A sedução abre o jogo da promessa de prazeres desconhecidos, SOBRE A SEXUALIDADE ( MASCULINA) 1 Alejandro Luis Viviani A sedução abre o jogo da promessa de prazeres desconhecidos, supondo veladamente uma resposta sobre a origem da sexualidade. Jogo em espelho onde,

Leia mais

Desdobramentos: A mulher para além da mãe

Desdobramentos: A mulher para além da mãe Desdobramentos: A mulher para além da mãe Uma mulher que ama como mulher só pode se tornar mais profundamente mulher. Nietzsche Daniela Goulart Pestana Afirmar verdadeiramente eu sou homem ou eu sou mulher,

Leia mais

Novos fundamentos para a psicanálise: Teoria da feminilidade generalizada

Novos fundamentos para a psicanálise: Teoria da feminilidade generalizada Novos fundamentos para a psicanálise: Teoria da feminilidade generalizada 2001 Novos fundamentos para a psicanálise: Teoria da feminilidade generalizada Márcio Peter de Souza Leite Conteúdo Argumento...

Leia mais

Violência Simbólica: possíveis lugares subjetivos para uma criança diante da escolha materna

Violência Simbólica: possíveis lugares subjetivos para uma criança diante da escolha materna Violência Simbólica: possíveis lugares subjetivos para uma criança diante da escolha materna Henrique Figueiredo Carneiro Liliany Loureiro Pontes INTRODUÇÃO Esse trabalho apresenta algumas considerações,

Leia mais

ISSO NÃO ME FALA MAIS NADA! (SOBRE A POSIÇÃO DO ANALISTA NA DIREÇÃO DA CURA) 1

ISSO NÃO ME FALA MAIS NADA! (SOBRE A POSIÇÃO DO ANALISTA NA DIREÇÃO DA CURA) 1 ISSO NÃO ME FALA MAIS NADA! (SOBRE A POSIÇÃO DO ANALISTA NA DIREÇÃO DA CURA) 1 Arlete Mourão 2 Essa frase do título corresponde à expressão utilizada por um ex-analisando na época do final de sua análise.

Leia mais

Feminilidade e Violência

Feminilidade e Violência Feminilidade e Violência Emilse Terezinha Naves O tema sobre a violência e a feminilidade apresenta-se, nas mais diversas áreas do conhecimento, como um tema de grande interesse, quando encontramos uma

Leia mais

O REAL DA LÍNGUA O REAL DA HISTÓRIA considerações a partir do texto La Lengua de Nunca Acabar. Pêcheux e Gadet (1987)

O REAL DA LÍNGUA O REAL DA HISTÓRIA considerações a partir do texto La Lengua de Nunca Acabar. Pêcheux e Gadet (1987) O REAL DA LÍNGUA O REAL DA HISTÓRIA considerações a partir do texto La Lengua de Nunca Acabar. Pêcheux e Gadet (1987) Blanca de Souza Viera MORALES (UFRGS) Para Pêcheux e Gadet a lingüística não pode reduzir-se

Leia mais

QUANDO AMAR É DAR AQUILO QUE SE TEM...

QUANDO AMAR É DAR AQUILO QUE SE TEM... QUANDO AMAR É DAR AQUILO QUE SE TEM... Adelson Bruno dos Reis Santos adelsonbruno@uol.com.br Mestrando em Psicologia - IP/UFRJ; Bolsista CAPES; Membro do CLINP-UFRJ/CNPq (Grupo de Pesquisa Clínica Psicanalítica);

Leia mais

Márcio Peter de Souza Leite 4 de abril de 1997 PUC

Márcio Peter de Souza Leite 4 de abril de 1997 PUC O Pai em Freud 1997 O Pai em Freud Márcio Peter de Souza Leite 4 de abril de 1997 PUC Conteudo: Pais freudianos... 3 O pai de Dora... 3 O pai de Schreber.... 4 O pai castrador, que é o terceiro em Freud,

Leia mais

A ética na pesquisa com seres humanos sob um ponto de vista psicanalítico

A ética na pesquisa com seres humanos sob um ponto de vista psicanalítico 1 A ética na pesquisa com seres humanos sob um ponto de vista psicanalítico Samyra Assad Foi a oportunidade de falar sobre o tema da ética na pesquisa em seres humanos, que me fez extrair algumas reflexões

Leia mais

Tudo o que gosto é ilegal, imoral ou engorda

Tudo o que gosto é ilegal, imoral ou engorda Tudo o que gosto é ilegal, imoral ou engorda Maria Cristina da Cunha Antunes Flávia Lana Garcia de Oliveira Introdução: O campo freudiano de orientação lacaniana trabalha segundo o axioma de que não há

Leia mais

De uma prática. Samyra Assad 1

De uma prática. Samyra Assad 1 1 De uma prática Samyra Assad 1 INTRODUÇÃO Em primeiro lugar, recebi, há cerca de três anos atrás, e não sem surpresa, um convite para trabalhar no CRP- 04, sob a égide do tema de sua gestão: Cuidar da

Leia mais

Latusa Digital ano 3 Nº 24 setembro de 2006

Latusa Digital ano 3 Nº 24 setembro de 2006 Latusa Digital ano 3 Nº 24 setembro de 2006 Filho, não vês que estou queimando! Ondina Maria Rodrigues Machado * Fui a Salvador para o XV Encontro Brasileiro do Campo Freudiano, mas não só para isso. Fui

Leia mais

Devastação: um nome para dor de amor Gabriella Dupim e Vera Lopes Besset

Devastação: um nome para dor de amor Gabriella Dupim e Vera Lopes Besset Opção Lacaniana online nova série Ano 2 Número 6 novembro 2011 ISSN 2177-2673 Gabriella Dupim e Vera Lopes Besset No início da experiência analítica, foi o amor, diz Lacan 1 parafraseando a fórmula no

Leia mais

RETIFICAÇÃO SUBJETIVA: OS CONTRAPONTOS ENTRE A CLÍNICA PSICANALÍTICA E A EPISTEMOLOGIA HISTÓRICA

RETIFICAÇÃO SUBJETIVA: OS CONTRAPONTOS ENTRE A CLÍNICA PSICANALÍTICA E A EPISTEMOLOGIA HISTÓRICA RETIFICAÇÃO SUBJETIVA: OS CONTRAPONTOS ENTRE A CLÍNICA PSICANALÍTICA E A EPISTEMOLOGIA HISTÓRICA Marcio Luiz Ribeiro Bacelar Wilson Camilo Chaves A expressão retificação subjetiva está presente tanto nas

Leia mais

A QUESTÃO DA PROCRIAÇÃO NA PSICOSE

A QUESTÃO DA PROCRIAÇÃO NA PSICOSE A QUESTÃO DA PROCRIAÇÃO NA PSICOSE Lauro Barbosa Sonia Alberti A teoria psicanalítica das psicoses, de Freud a Lacan, atribui um mecanismo específico para a psicose conceituado como Foraclusão, que designa

Leia mais

Crime ou parceria amorosa violenta. Interlocuções entre psicanálise aplicada e direito

Crime ou parceria amorosa violenta. Interlocuções entre psicanálise aplicada e direito Opção Lacaniana online nova série Ano 3 Número 7 março 2012 ISSN 2177-2673 : Interlocuções entre psicanálise aplicada e direito Elaine de Souza Cordeiro e Ruth Helena Pinto Cohen Agora eu era o rei Era

Leia mais

NÃO HÁ RAPPORT, RAZÃO, RELAÇÃO SEXUAL

NÃO HÁ RAPPORT, RAZÃO, RELAÇÃO SEXUAL NÃO HÁ RAPPORT, RAZÃO, RELAÇÃO SEXUAL Ana Lúcia Bastos Falcão 1 Desde o início, em seus seminários, Lacan foi bordejando alguns conceitos que deram contorno à afirmação - Não há rapport, razão, relação

Leia mais

O PSICANALITICAMENTE CORRETO E O QUE É DITO POLITICAMENTE INCORRETO Juçara Rocha Soares Mapurunga Henrique Figueiredo Carneiro

O PSICANALITICAMENTE CORRETO E O QUE É DITO POLITICAMENTE INCORRETO Juçara Rocha Soares Mapurunga Henrique Figueiredo Carneiro O PSICANALITICAMENTE CORRETO E O QUE É DITO POLITICAMENTE INCORRETO Juçara Rocha Soares Mapurunga Henrique Figueiredo Carneiro A expressão politicamente correto refere-se a uma política que consiste em

Leia mais

A ética do tratamento psicanalítico: diagnóstico diferencial.

A ética do tratamento psicanalítico: diagnóstico diferencial. A ética do tratamento psicanalítico: diagnóstico diferencial. Claudia Wunsch. Psicóloga. Pós-graduada em Psicanálise Clínica (Freud/Lacan) Unipar - Cascavel- PR. Docente do curso de Psicologia da Faculdade

Leia mais

Ô MÃE, ME EXPLICA, ME ENSINA, ME DIZ O QUE É FEMININA? nossos tempos não foge à regra. As mulheres, afetadas pela condição de não-todas,

Ô MÃE, ME EXPLICA, ME ENSINA, ME DIZ O QUE É FEMININA? nossos tempos não foge à regra. As mulheres, afetadas pela condição de não-todas, Ô MÃE, ME EXPLICA, ME ENSINA, ME DIZ O QUE É FEMININA? Fernanda Samico Küpper É notória a contribuição que as mulheres sempre deram à engrenagem da psicanálise enquanto campo teórico. Desde Anna O., passando

Leia mais

Considerações acerca da transferência em Lacan

Considerações acerca da transferência em Lacan Considerações acerca da transferência em Lacan Introdução Este trabalho é o resultado um projeto de iniciação científica iniciado em agosto de 2013, no Serviço de Psicologia Aplicada do Instituto de Psicologia

Leia mais

MOURA, Marisa Decat de (ORG). Psicanálise e hospital 3 Tempo e morte: da urgência ao ato analítico. Revinter: Rio de Janeiro, 2003.

MOURA, Marisa Decat de (ORG). Psicanálise e hospital 3 Tempo e morte: da urgência ao ato analítico. Revinter: Rio de Janeiro, 2003. MOURA, Marisa Decat de (ORG). Psicanálise e hospital 3 Tempo e morte: da urgência ao ato analítico. Revinter: Rio de Janeiro, 2003. Prefácio Interessante pensar em um tempo de começo. Início do tempo de

Leia mais

Novas configurações familiares: A homoparentalidade em questão

Novas configurações familiares: A homoparentalidade em questão Novas configurações familiares: A homoparentalidade em questão Rodriguez, Brunela Gomes, Isabel Cristina Diante da diversidade de modelos familiares da contemporaneidade nos deparamos com a dificuldade

Leia mais

MIGUEL, L. F.; BIROLLI, F. Feminismo e política: uma introdução. São Paulo: Boitempo, 2014

MIGUEL, L. F.; BIROLLI, F. Feminismo e política: uma introdução. São Paulo: Boitempo, 2014 MIGUEL, L. F.; BIROLLI, F. Feminismo e política: uma introdução. São Paulo: Boitempo, 2014 Karen Capelesso 4 O livro Feminismo e política: uma introdução, de Luis Felipe Miguel e Flávia Biroli, se vincula

Leia mais

Os impasses na vida amorosa e as novas configurações da tendência masculina à depreciação

Os impasses na vida amorosa e as novas configurações da tendência masculina à depreciação Os impasses na vida amorosa e as novas configurações da tendência masculina à depreciação Maria José Gontijo Salum Em suas Contribuições à Psicologia do Amor, Freud destacou alguns elementos que permitem

Leia mais

UMA CRIANÇA E EX-PANCADA: RELAÇÃO DO MASOQUISMO INFANTIL AO SADISMO ADULTO

UMA CRIANÇA E EX-PANCADA: RELAÇÃO DO MASOQUISMO INFANTIL AO SADISMO ADULTO UMA CRIANÇA E EX-PANCADA: RELAÇÃO DO MASOQUISMO INFANTIL AO SADISMO ADULTO 2015 Marcell Felipe Alves dos Santos Psicólogo Clínico - Graduado pela Centro Universitário Newton Paiva (MG). Pós-graduando em

Leia mais

A Outra: o delírio da histérica

A Outra: o delírio da histérica Opção Lacaniana online nova série Ano 2 Número 6 novembro 2011 ISSN 2177-2673 1 Ana Martha Maia e Maria Fátima Pinheiro Desde Freud, podemos dizer que a fantasia e o delírio são construções ficcionais

Leia mais

Impasses na clínica psicanalítica: a invenção da subjetividade

Impasses na clínica psicanalítica: a invenção da subjetividade Estados Gerais da Psicanálise: Segundo Encontro Mundial, Rio de Janeiro 2003 Impasses na clínica psicanalítica: a invenção da subjetividade Teresa Pinheiro Regina Herzog Resumo: A presente reflexão se

Leia mais

A palavra que humaniza o desejo

A palavra que humaniza o desejo 1 A palavra que humaniza o desejo Cristina Drummond Palavras-chave: pai, desejo, criança, Gide. Proponho tomarmos o caso Amâncio como um paradigma da função do romance familiar para a amarração de um sujeito.

Leia mais

CORPOLINGUAGEM E MOVIMENTO: UMA PROPOSTA DE TRABALHO CORPORAL PARA CRIANÇAS À LUZ DA PSICANÁLISE

CORPOLINGUAGEM E MOVIMENTO: UMA PROPOSTA DE TRABALHO CORPORAL PARA CRIANÇAS À LUZ DA PSICANÁLISE CORPOLINGUAGEM E MOVIMENTO: UMA PROPOSTA DE TRABALHO CORPORAL PARA CRIANÇAS À LUZ DA PSICANÁLISE Nathalia Leite Gatto Nota-se que as disciplinas ligadas ao movimento na educação infantil, tanto curriculares

Leia mais

A criança, a lei e o fora da lei

A criança, a lei e o fora da lei 1 A criança, a lei e o fora da lei Cristina Drummond Palavras-chave: criança, mãe, lei, fora da lei, gozo. A questão que nos toca na contemporaneidade é a do sujeito às voltas com suas dificuldades para

Leia mais

A DESTRUIÇÃO DO CORPO E A EMERGÊNCIA DO SUJEITO: A SUBJETIVAÇÃO EM JUDITH BUTLER

A DESTRUIÇÃO DO CORPO E A EMERGÊNCIA DO SUJEITO: A SUBJETIVAÇÃO EM JUDITH BUTLER Estados Gerais da Psicanálise: Segundo Encontro Mundial, Rio de Janeiro 2003 A DESTRUIÇÃO DO CORPO E A EMERGÊNCIA DO SUJEITO: A SUBJETIVAÇÃO EM JUDITH BUTLER Henrique Caetano Nardi 1 Raquel da Silva Silveira

Leia mais

Há ou não um ato sexual? 1

Há ou não um ato sexual? 1 Opção Lacaniana online nova série Ano 5 Número 13 março 2014 ISSN 2177-2673 Há ou não um ato sexual? 1 Patrícia Badari Um, dois, três..., uma série de homens, uma série de encontros sexuais é o que ouvimos

Leia mais

Resumos. Seminário de Pesquisa do Programa de Pós-Graduação em Teoria Psicanalítica

Resumos. Seminário de Pesquisa do Programa de Pós-Graduação em Teoria Psicanalítica Seminário de Pesquisa do Programa de Pós-Graduação em Teoria Psicanalítica Inovação em psicanálise: rumos e perspectivas na contemporaneidade Quarta-feira 10/6 10h30-12h Mesa-redonda Saúde mental e psicanálise

Leia mais

Ser mãe hoje. Cristina Drummond. Palavras-chave: família, mãe, criança.

Ser mãe hoje. Cristina Drummond. Palavras-chave: família, mãe, criança. Ser mãe hoje Cristina Drummond Palavras-chave: família, mãe, criança. Hoje em dia, a diversidade das configurações familiares é um fato de nossa sociedade. Em nosso cotidiano temos figuras cada vez mais

Leia mais

DOS ESTUDOS DE GÊNERO ÀS TEORIAS QUEER: DESDOBRAMENTOS DO FEMINISMO E DO MOVIMENTO LGBT NA PSICOLOGIA SOCIAL

DOS ESTUDOS DE GÊNERO ÀS TEORIAS QUEER: DESDOBRAMENTOS DO FEMINISMO E DO MOVIMENTO LGBT NA PSICOLOGIA SOCIAL DOS ESTUDOS DE GÊNERO ÀS TEORIAS QUEER: DESDOBRAMENTOS DO FEMINISMO E DO MOVIMENTO LGBT NA PSICOLOGIA SOCIAL Profª Drª Juliana Perucchi Universidade Federal de Juiz de Fora Desde os primeiros estudos que

Leia mais

Falar de si na contemporaneidade. máquina de impostura? 1 Ana Paula Britto Rodrigues

Falar de si na contemporaneidade. máquina de impostura? 1 Ana Paula Britto Rodrigues Opção Lacaniana online nova série Ano 2 Número 5 Julho 2011 ISSN 2177-2673 : uma máquina de impostura? 1 Ana Paula Britto Rodrigues O que tem sido feito do silêncio no mundo atual? Acabou o silêncio? Se

Leia mais

FUNÇÃO MATERNA. Luiza Bradley Araújo 1

FUNÇÃO MATERNA. Luiza Bradley Araújo 1 FUNÇÃO MATERNA Luiza Bradley Araújo 1 Entendemos por função materna a passagem ou a mediação da Lei que a mãe opera. Nós falamos de uma função e não da pessoa da mãe, função de limite entre o somático

Leia mais

O AMOR NOSSO DE CADA DIA * Palavras chave: Amor; felicidade; sintoma; semblante

O AMOR NOSSO DE CADA DIA * Palavras chave: Amor; felicidade; sintoma; semblante O AMOR NOSSO DE CADA DIA * Palavras chave: Amor; felicidade; sintoma; semblante Heloisa Caldas ** Minha contribuição para este número de Latusa visa pensar o amor como um semblante que propicia um tratamento

Leia mais

FREUD: IMPASSE E INVENÇÃO

FREUD: IMPASSE E INVENÇÃO FREUD: IMPASSE E INVENÇÃO Denise de Fátima Pinto Guedes Roberto Calazans Freud ousou dar importância àquilo que lhe acontecia, às antinomias da sua infância, às suas perturbações neuróticas, aos seus sonhos.

Leia mais

Heteronomia do desejo Resumo da última aula do 1º semestre do curso

Heteronomia do desejo Resumo da última aula do 1º semestre do curso Heteronomia do desejo Resumo da última aula do 1º semestre do curso Marcus do Rio Teixeira Heteronomia significa que a lei do desejo vem do Outro e que, consequentemente, o sujeito que anima o desejo e

Leia mais

Os princípios da prática analítica com crianças

Os princípios da prática analítica com crianças Os princípios da prática analítica com crianças Cristina Drummond Palavras-chave: indicação, tratamento, criança, princípios. As indicações de um tratamento para crianças Gostaria de partir de uma interrogação

Leia mais

Professora Adjunta da Universidade Estadual de Londrina (UEL) Doutora em Teoria Psicanalítica pela Universidade Federal do Rio de Janeiro (UFRJ)

Professora Adjunta da Universidade Estadual de Londrina (UEL) Doutora em Teoria Psicanalítica pela Universidade Federal do Rio de Janeiro (UFRJ) 1 A psicanálise e a discussão sobre o normal e o patológico Rosane Zétola Lustoza Endereço: Rua Goiás, 1777 apt. 307 Centro Londrina PR CEP: 86020-410 e-mail: rosanelustoza@yahoo.com.br Professora Adjunta

Leia mais

(Re)buscando Pêcheux: algumas reflexões in-certas 1

(Re)buscando Pêcheux: algumas reflexões in-certas 1 (Re)buscando Pêcheux: algumas reflexões in-certas 1 Beatriz Maria ECKERT-HOFF 2 Doutoranda em Lingüística Aplicada/UNICAMP Este texto se insere no painel 04, intitulado Mises au point et perspectives à

Leia mais

IDENTIFICAÇÃO MASCULINA E SUAS ARTICULAÇÕES COM O RECALCAMENTO. o processo de constituição do psiquismo. A discussão será feita à luz das idéias

IDENTIFICAÇÃO MASCULINA E SUAS ARTICULAÇÕES COM O RECALCAMENTO. o processo de constituição do psiquismo. A discussão será feita à luz das idéias IDENTIFICAÇÃO MASCULINA E SUAS ARTICULAÇÕES COM O RECALCAMENTO Cristiana de Amorim Mazzini 1 O presente trabalho discorrerá sobre a identificação masculina ocorrida durante o processo de constituição do

Leia mais

Negar é no fundo querer recalcar

Negar é no fundo querer recalcar Negar é no fundo querer recalcar Jorge A. Pimenta Filho Introdução A Negativa 1 artigo de Freud escrito em 1925 se refere à metapsicologia e também à técnica psicanalítica. (FREUD, 1976). A primeira indicação

Leia mais

II ENCONTRO ESTADUAL DE EDUCAÇÃO DO MINISTÉRIO PÚBLICO DA BAHIA A EDUCAÇÃO COMO MATRIZ DE TODAS AS RELAÇÕES HUMANAS E SOCIAIS SALVADOR, BA 2013

II ENCONTRO ESTADUAL DE EDUCAÇÃO DO MINISTÉRIO PÚBLICO DA BAHIA A EDUCAÇÃO COMO MATRIZ DE TODAS AS RELAÇÕES HUMANAS E SOCIAIS SALVADOR, BA 2013 II ENCONTRO ESTADUAL DE EDUCAÇÃO DO MINISTÉRIO PÚBLICO DA BAHIA A EDUCAÇÃO COMO MATRIZ DE TODAS AS RELAÇÕES HUMANAS E SOCIAIS SALVADOR, BA 2013 TEMÁTICA: EDUCAÇÃO, QUESTÃO DE GÊNERO E DIVERSIDADE EDUCAÇÃO

Leia mais

Instituto de Psicanálise e Saúde Mental de Minas Gerais - Almanaque On-line n.6

Instituto de Psicanálise e Saúde Mental de Minas Gerais - Almanaque On-line n.6 O que não cessa de não se atualizar Loren Alyne Costa Resumo O presente artigo tem por objetivo questionar de que forma se dá a temporalidade do inconsciente. Nos dias de hoje, percebemos as novas formas

Leia mais

Um Quarto de Volta. Maria Cristina Vecino de Vidal. Discursos

Um Quarto de Volta. Maria Cristina Vecino de Vidal. Discursos Um Quarto de Volta Maria Cristina Vecino de Vidal Este escrito versará em torno da estrutura dos quatro discursos e seu funcionamento na clínica psicanalítica. As questões se centrarão na problemática

Leia mais

Sujeito do desejo, sujeito do gozo e falasser

Sujeito do desejo, sujeito do gozo e falasser Sujeito do desejo, sujeito do gozo e falasser Luis Francisco Espíndola Camargo 1 lfe.camargo@gmail.com Resumo: A noção de sujeito do desejo não inclui a substância gozante. Na clínica, tal característica

Leia mais

Há um acontecimento de corpo

Há um acontecimento de corpo Opção Lacaniana online nova série Ano 5 Número 13 março 2014 ISSN 2177-2673 1 Ram Avraham Mandil Para uma discussão sobre a lógica do tratamento a partir do Seminário...ou pior, de Jacques Lacan, gostaria

Leia mais

1. O feminino e a publicidade: em busca de sentido

1. O feminino e a publicidade: em busca de sentido 1. O feminino e a publicidade: em busca de sentido No estudo da Comunicação, a publicidade deve figurar como um dos campos de maior interesse para pesquisadores e críticos das Ciências Sociais e Humanas.

Leia mais

A PERFORMATIVIDADE DE GÊNERO NA EDUCAÇÃO INFANTIL: PROBLEMÁTICAS E PROPOSIÇÕES NA CONSTITUIÇÃO DE LIVROS DIDÁTICOS

A PERFORMATIVIDADE DE GÊNERO NA EDUCAÇÃO INFANTIL: PROBLEMÁTICAS E PROPOSIÇÕES NA CONSTITUIÇÃO DE LIVROS DIDÁTICOS A PERFORMATIVIDADE DE GÊNERO NA EDUCAÇÃO INFANTIL: PROBLEMÁTICAS E PROPOSIÇÕES NA CONSTITUIÇÃO DE LIVROS DIDÁTICOS OLIVEIRA, Márcio de (UEM) MAIO, Eliane Rose (UEM) INTRODUÇÃO A proposta central desse

Leia mais

A sua revista eletrônica CONTEMPORANEIDADE E PSICANÁLISE 1

A sua revista eletrônica CONTEMPORANEIDADE E PSICANÁLISE 1 A sua revista eletrônica CONTEMPORANEIDADE E PSICANÁLISE 1 Patrícia Guedes 2 Comemorar 150 anos de Freud nos remete ao exercício de revisão da nossa prática clínica. O legado deixado por ele norteia a

Leia mais

Os gozos Sobre duas dicotomias presentes no Seminário 20: Mais, ainda

Os gozos Sobre duas dicotomias presentes no Seminário 20: Mais, ainda Os gozos Sobre duas dicotomias presentes no Seminário 20: Mais, ainda Marcus do Rio Teixeira O objetivo deste artigo não é elaborar um histórico do conceito de gozo em Lacan, tampouco pesquisar suas origens

Leia mais

CONSTRUINDO CASTELOS SOBRE ORVALHO, BRINCAM CRIANÇAS E POETAS

CONSTRUINDO CASTELOS SOBRE ORVALHO, BRINCAM CRIANÇAS E POETAS CONSTRUINDO CASTELOS SOBRE ORVALHO, BRINCAM CRIANÇAS E POETAS Irmgard Birmoser de Matos Ferreira 1 Apresento aqui algumas reflexões sobre aspectos presentes na experiência do brincar que me parecem merecer

Leia mais

PSICANÁLISE: UMA ÉTICA DO DESEJO. perspectiva analítica, é de ter cedido de seu desejo (LACAN, 1991, p. 385). Mas que

PSICANÁLISE: UMA ÉTICA DO DESEJO. perspectiva analítica, é de ter cedido de seu desejo (LACAN, 1991, p. 385). Mas que PSICANÁLISE: UMA ÉTICA DO DESEJO Sérgio Scotti Lacan dizia que a única coisa da qual se pode ser culpado, pelo menos da perspectiva analítica, é de ter cedido de seu desejo (LACAN, 1991, p. 385). Mas que

Leia mais

Do sonho do corpo ideal ao masoquismo feminino

Do sonho do corpo ideal ao masoquismo feminino Do sonho do corpo ideal ao masoquismo feminino Lia Novaes Serra Introdução Sabemos que o ensejo por realizar uma operação plástica, que acomete, sobretudo, às mulheres, aparece como uma urgência do feminino

Leia mais

A prova da devastação Daniela Goulart Pestana

A prova da devastação Daniela Goulart Pestana A prova da devastação Daniela Goulart Pestana A comunicação que segue procura pensar algumas especificidades constitucionais do feminino a partir do aforismo lacaniano: Não há relação sexual. Para dizer

Leia mais

O FALO E A MORTE NA DINÂMICA DA NEUROSE OBSESSIVA

O FALO E A MORTE NA DINÂMICA DA NEUROSE OBSESSIVA O FALO E A MORTE NA DINÂMICA DA NEUROSE OBSESSIVA Doris Rinaldi 1 A neurose obsessiva apresenta uma complexidade e uma riqueza de aspectos que levou, de um lado, Freud a dizer que tratava-se do tema mais

Leia mais

Fome de quê? Daniela Goulart Pestana

Fome de quê? Daniela Goulart Pestana Fome de quê? Daniela Goulart Pestana O trabalho a seguir fruto de um Cartel sobre sintomas alimentares, propõe a ser uma reflexão dos transtornos alimentares mais comuns de nossa contemporaneidade. O eixo

Leia mais

Os nós e o amor. Silvia Emilia Espósito* Palavras - chave: nós, real, amor, três registros

Os nós e o amor. Silvia Emilia Espósito* Palavras - chave: nós, real, amor, três registros Os nós e o amor Silvia Emilia Espósito* Palavras - chave: nós, real, amor, três registros Aprendemos com Freud que o amor é sempre narcísico, ou seja, não importa de que escolha de objeto se trate, ele

Leia mais

9. Papel, funções, atuação, limites e possibilidades do pesquisador na concepção burocrática e na concepção complexa de metodologia da pesquisa;

9. Papel, funções, atuação, limites e possibilidades do pesquisador na concepção burocrática e na concepção complexa de metodologia da pesquisa; Setor de Estudos: Fundamentos Teóricos Metodológicos da Psicologia 1. Conhecimentos popular, filosófico, religioso, artístico e científico: relações, construções, dificuldades e desafios do pesquisador;

Leia mais

Freud, S. Inibições, sintomas e ansiedade (1925). Em: Obras completas. Rio de Janeiro: Imago, 1969. 2

Freud, S. Inibições, sintomas e ansiedade (1925). Em: Obras completas. Rio de Janeiro: Imago, 1969. 2 DAR CORPO AO SINTOMA NO LAÇO SOCIAL Maria do Rosário do Rêgo Barros * O sintoma implica necessariamente um corpo, pois ele é sempre uma forma de gozar, forma substitutiva, como Freud bem indicou em Inibição,

Leia mais

A Clínica das Mulheres: Erotomania e Devastação

A Clínica das Mulheres: Erotomania e Devastação A Clínica das Mulheres: Erotomania e Devastação Universidade Severino Sombra, Centro de Letras, Ciências, Sociais Aplicadas e Humanas, Curso de Psicologia fernandasamico@uss.br Resumo: O discurso das mulheres

Leia mais

Os três tempos do objeto no Fort-Da (1) Maria Rita de Oliveira Guimarães Coordenadora Adjunta do Núcleo de Psicanálise e Criança

Os três tempos do objeto no Fort-Da (1) Maria Rita de Oliveira Guimarães Coordenadora Adjunta do Núcleo de Psicanálise e Criança Os três tempos do objeto no Fort-Da (1) Maria Rita de Oliveira Guimarães Coordenadora Adjunta do Núcleo de Psicanálise e Criança O ponto central da investigação que, atualmente, a Nova Rede Cereda realiza,

Leia mais

IMAGEM TÉCNICA, PRODUÇÃO DE SUBJETIVIDADE E PESQUISA EM CIÊNCIAS HUMANAS: DESAFIOS METODOLÓGICOS

IMAGEM TÉCNICA, PRODUÇÃO DE SUBJETIVIDADE E PESQUISA EM CIÊNCIAS HUMANAS: DESAFIOS METODOLÓGICOS IMAGEM TÉCNICA, PRODUÇÃO DE SUBJETIVIDADE E PESQUISA EM CIÊNCIAS HUMANAS: DESAFIOS METODOLÓGICOS Aluno: Lucas Boscacci Pereira Lima da Silva Orientadora: Solange Jobim e Souza Introdução Câmera como Instrumento

Leia mais

2.1. Freud e os pilares do gozo

2.1. Freud e os pilares do gozo 2.1. Freud e os pilares do gozo O prazer de chupar o dedo, o gozo da sucção, é um bom exemplo de tal satisfação auto-erótica partida de uma zona erógena. (Freud, 1910[1909]/1996) Na frase escolhida para

Leia mais

O sonho e o despertar

O sonho e o despertar 189 Nery Filho, MacRae, Tavares e Rêgo O sonho e o despertar Jane Alves Cohim Silva 1 A partir do atendimento clínico a adolescentes é possível observar que, mesmo que alguns comportamentos sejam considerados

Leia mais

O AUTISMO NA PSICANÁLISE E A QUESTÃO DA ESTRUTURA Germano Quintanilha Costa 1

O AUTISMO NA PSICANÁLISE E A QUESTÃO DA ESTRUTURA Germano Quintanilha Costa 1 O AUTISMO NA PSICANÁLISE E A QUESTÃO DA ESTRUTURA Germano Quintanilha Costa 1 I Introdução O objetivo deste trabalho é pensar a questão do autismo pelo viés da noção de estrutura, tal como compreendida

Leia mais

Matemática e Psicanálise

Matemática e Psicanálise Matemática e Psicanálise Antonio Carlos Borges Campos Desde que comecei minhas leituras sobre Lacan, passei a conviver com um verdadeiro sentimento de estranheza, no sentido do Unheimlich. A topologia

Leia mais

PSICANÁLISE E A QUESTÃO RELIGIOSA: A INSIGNIFICÂNCIA DO TRIUNFO

PSICANÁLISE E A QUESTÃO RELIGIOSA: A INSIGNIFICÂNCIA DO TRIUNFO PSICANÁLISE E A QUESTÃO RELIGIOSA: A INSIGNIFICÂNCIA DO TRIUNFO 2014 Matheus Henrique de Souza Silva Psicólogo pela Faculdade Pitágoras de Ipatinga-MG. Especializando em Clínica Psicanalítica na atualidade:

Leia mais

Título: Educação e construção de sentidos em um mundo de constantes transformações.

Título: Educação e construção de sentidos em um mundo de constantes transformações. Família e Escola construindo valores. Título: Educação e construção de sentidos em um mundo de constantes transformações. Autor: Fábio Henrique Marques Instituição: Colégio Metodista de Ribeirão Preto

Leia mais

A Função do Nome Próprio no Campo do Sujeito

A Função do Nome Próprio no Campo do Sujeito A Função do Nome Próprio no Campo do Sujeito Autor: Felipe Nunes de Lima Bacharel em Psicologia pela Universidade Federal do Rio de Janeiro. Integrante do Núcleo de Pesquisa: Psicanálise, Discurso e Laço

Leia mais

Grata pela atenção, Rio de Janeiro, 12 de maio de 2010. Luciana Brandão Carreira Del Nero.

Grata pela atenção, Rio de Janeiro, 12 de maio de 2010. Luciana Brandão Carreira Del Nero. À Comissão Organizadora do IV Congresso Internacional de Psicopatologia Fundamental e X Congresso Brasileiro de Psicopatologia Fundamental. Curitiba/2010. Eu, Luciana Brandão Carreira Del Nero, autora

Leia mais

A fala freada Bernard Seynhaeve

A fala freada Bernard Seynhaeve Opção Lacaniana online nova série Ano 1 Número 2 Julho 2010 ISSN 2177-2673 Bernard Seynhaeve Uma análise é uma experiência de solidão subjetiva. Ela pode ser levada suficientemente longe para que o analisante

Leia mais

Latusa digital ano 2 N 19 outubro de 2005

Latusa digital ano 2 N 19 outubro de 2005 Latusa digital ano 2 N 19 outubro de 2005 Sinthoma e fantasia fundamental no caso do homem dos ratos * Cleide Maschietto Doris Rangel Diogo ** O Homem dos ratos 1 é um caso de neurose muito comentado,

Leia mais

Transferência e vínculo institucional na Clínica-Escola 1 José Vicente Alcantara

Transferência e vínculo institucional na Clínica-Escola 1 José Vicente Alcantara Transferência e vínculo institucional na Clínica-Escola 1 José Vicente Alcantara "Uma análise termina quando analista e paciente deixam de encontrar-se para a sessão analítica" Sigmund Freud em Analise

Leia mais

A função da alteridade frente ao desamparo nos primórdios da vida psíquica

A função da alteridade frente ao desamparo nos primórdios da vida psíquica A função da alteridade frente ao desamparo nos primórdios da vida psíquica Natália De Toni Guimarães dos Santos O humano só advém a partir de outros humanos. O filho do homem é um ser absolutamente dependente

Leia mais

GÊNERO E EDUCAÇÃO: DISCUTINDO A DOCILIZAÇÃO DOS CORPOS INFANTIS

GÊNERO E EDUCAÇÃO: DISCUTINDO A DOCILIZAÇÃO DOS CORPOS INFANTIS GÊNERO E EDUCAÇÃO: DISCUTINDO A DOCILIZAÇÃO DOS CORPOS INFANTIS TAINARA GUIMARÃES ARAÚJO UNIVERSIDADE ESTADUAL DE SANTA CRUZ (UESC) Resumo A construção das identidades de gênero constitui todo um processo

Leia mais

Educação e Repressão Indivíduo e Sociedade

Educação e Repressão Indivíduo e Sociedade Educação e Repressão Indivíduo e Sociedade Fernanda Rezende R. Almeida, Mona Bittar Universidade Federal de Goiás, Núcleo de Estudos e Pesquisas em Educação,Psicologia e Cultura, 74605-050, Brasil nandarezenderodrigues@gmail.com

Leia mais

O jargão: traço identificatório ou comunidade de uso? *

O jargão: traço identificatório ou comunidade de uso? * Latusa Digital N 11 ano 1 novembro de 2004 O jargão: traço identificatório ou comunidade de uso? * Maria Celina Pinheiro Guimarães Uma das acepções de jargão, encontrada no dicionário Aurélio, define precisa

Leia mais

Gilberto Gobbato A mulher sem pecado: fantasia rodrigueana

Gilberto Gobbato A mulher sem pecado: fantasia rodrigueana Gilberto Gobbato A mulher sem pecado: fantasia rodrigueana Trata-se da mostração da fantasia fundamental, tal qual Freud propõe a partir dos três tempos da gramática da fantasia, na peça teatral A mulher

Leia mais

Quadro Geral de Disciplinas do PPGP

Quadro Geral de Disciplinas do PPGP Quadro Geral de s do PPGP Obrigatórias CR CH Metodologia de Pesquisa 4 60 Metodologias Específicas - Linha Psicanálise: teoria e clínica 4 60 Metodologias Específicas - Linha Psicologia e Sociedade 4 60

Leia mais

1 Hospital Universitário Lauro Wanderley, UFPB.

1 Hospital Universitário Lauro Wanderley, UFPB. TÍTULO:TRABALHO CRIATIVO NUMA EXPERIÊNCIA EM UM AMBULATÓRIO PSIQUIÁTRICo AUTORES: Margarida Maria Elia Assad 1 Cleide Pereira Monteiro 2 João Mendes de Lima Júnior 3 Alzira Edjane da Nóbrega Xavier, Elizabeth

Leia mais

A verdade e o nariz ou A ficção do sujeito entre corpo e linguagem

A verdade e o nariz ou A ficção do sujeito entre corpo e linguagem Opção Lacaniana online nova série Ano 4 Número 12 novembro 2013 ISSN 2177-2673 ou A ficção do sujeito entre corpo e linguagem Nelly Brito Lacan, em um célebre escrito 1, afirma que a fala do paciente é

Leia mais

DIETA DO SEXO - DISCURSOS SOBRE FEMININO/MASCULINO EM UMA PROPAGANDA DE PRESERVATIVOS: MEMÓRIA DISCURSIVA, INTERPRETAÇÃO E DESLIZAMENTO DE SENTIDOS

DIETA DO SEXO - DISCURSOS SOBRE FEMININO/MASCULINO EM UMA PROPAGANDA DE PRESERVATIVOS: MEMÓRIA DISCURSIVA, INTERPRETAÇÃO E DESLIZAMENTO DE SENTIDOS DIETA DO SEXO - DISCURSOS SOBRE FEMININO/MASCULINO EM UMA PROPAGANDA DE PRESERVATIVOS: MEMÓRIA DISCURSIVA, INTERPRETAÇÃO E DESLIZAMENTO DE SENTIDOS Verônica Rodrigues Times 1 Texto e Discurso: delimitando

Leia mais

As vicissitudes da repetição

As vicissitudes da repetição As vicissitudes da repetição As vicissitudes da repetição Breno Ferreira Pena Resumo O objetivo deste trabalho é explorar o conceito de repetição em psicanálise. Para tanto, o autor faz uma investigação

Leia mais

Instituto de Psicanálise e Saúde Mental de Minas Gerais Almanaque On-line n.7. Safar-se com a loucura

Instituto de Psicanálise e Saúde Mental de Minas Gerais Almanaque On-line n.7. Safar-se com a loucura Entrevista com Marcus André Vieira 1 Safar-se com a loucura Almanaque: O tema do V ENAPOL A saúde para todos não sem a loucura de cada um a se realizar em junho próximo enfatiza o singular dentro do universal.

Leia mais

ADEUS ESTRADA DE TIJOLOS AMARELOS: adolescência, toxicomania, psicose. adolescência, desencadeamento, psicose, toxicomania.

ADEUS ESTRADA DE TIJOLOS AMARELOS: adolescência, toxicomania, psicose. adolescência, desencadeamento, psicose, toxicomania. ADEUS ESTRADA DE TIJOLOS AMARELOS: adolescência, toxicomania, psicose José Tiago dos Reis Filho [1] Palavras-chave: adolescência, desencadeamento, psicose, toxicomania. Resumo: Buscar articular os conceitos

Leia mais

Analista em função ama?

Analista em função ama? Analista em função ama?... o amor demanda o amor. Ele não deixa de demandá-lo. Ele o demanda... mais... ainda (Lacan) (1) Este texto é causado pelo interrogante insistente sobre o que é do amor ao final?

Leia mais

APO TAME TOS SOBRE A A GÚSTIA EM LACA 1

APO TAME TOS SOBRE A A GÚSTIA EM LACA 1 APO TAME TOS SOBRE A A GÚSTIA EM LACA 1 Elza Macedo Instituto da Psicanálise Lacaniana IPLA São Paulo, 2008 A angústia é um afeto Lacan (2005) dedica o Seminário de 1962-1963 à angústia. Toma a experiência

Leia mais

Transexualismo e Cirurgia de Troca de Sexo no Brasil: diálogo entre a Medicina e o Direito

Transexualismo e Cirurgia de Troca de Sexo no Brasil: diálogo entre a Medicina e o Direito Transexualismo e Cirurgia de Troca de Sexo no Brasil: diálogo entre a Medicina e o Direito Por Elizabeth Zambrano Introdução A composição da sociedade, do ponto de vista da classificação sexual, apresenta-se,

Leia mais

A BOCA CALA, O CORPO FALA: VIOLÊNCIA SEXUAL, SEGREDO E PSICANÁLISE.

A BOCA CALA, O CORPO FALA: VIOLÊNCIA SEXUAL, SEGREDO E PSICANÁLISE. A BOCA CALA, O CORPO FALA: VIOLÊNCIA SEXUAL, SEGREDO E PSICANÁLISE. Desde os primeiros passos de Freud em suas investigações sobre o obscuro a respeito do funcionamento da mente humana, a palavra era considerada

Leia mais

A verdadeira mãe é a mãe adotiva

A verdadeira mãe é a mãe adotiva A verdadeira mãe é a mãe adotiva 1 Maria Rita de Oliveira Guimarães Palavras-chave: caso clínico, verdadeira mãe, adoção, romance familiar Primeiramente, gostaria de contextualizar a clínica de onde extraí

Leia mais

Latusa digital ano 2 N 14 maio de 2005

Latusa digital ano 2 N 14 maio de 2005 Latusa digital ano 2 N 14 maio de 2005 Dos novos sintomas ao sintoma analítico Elizabeth Karam Magalhães Na contemporaneidade, a prática clínica confronta o analista com novas formas do sintoma, que têm

Leia mais