PCF Lehi Sudy dos Santos Instituto Nacional de Criminalística Área de Perícias em Balística Forense

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "PCF Lehi Sudy dos Santos Instituto Nacional de Criminalística Área de Perícias em Balística Forense"

Transcrição

1 PCF Lehi Sudy dos Santos Instituto Nacional de Criminalística Área de Perícias em Balística Forense

2 Objetivos Revisar questões técnicas sobre confronto; Apresentar estudos sobre Evofinder; Levantar discussões sobre um banco de dados em balística.

3 Confronto Balístico - Objetivo Relacionar a arma de fogo a projéteis disparados através do seu cano ou estojos percutidos e deflagrados pela arma.

4 COMPOSIÇÃO DE UMA MUNIÇÃO Espoleta (mistura iniciadora) Estojo Pólvora Projétil Estifinato de chumbo; Nitrato de bário; Trisulfeto de antimônio; Tetrazeno; e Alúminio Latão (70%Cu, 30%Zn) com ou sem banho de Ni; Cu; ou Al; KNO3+S+carvão vegetal; Nitrocelulose; Nitrocelulose+Nitroglicerina; Pb; Cu; CuZn; CuNi; CuZnNi; CuZnSn; FeC.

5 Definições: Elemento de Munição Questionado: projétil ou estojo geralmente coletado em local de crime; Elemento de Muniçao Padrão: projétil ou estojo coletado de arma suspeita.

6 Fundamentos técnicos científicos dos confrontos balísticos: Elevadas pressões geradas no interior da arma; A impossibilidade de existirem duas armas com as mesmas características microscópicas em suas partes.

7 Geração de marcas identificadoras Extrator Raiamento Percutor Câmara Ejetor Culatra contínuo marcas

8 Coleta de padrões para comparação

9 Piscina de coleta: APBAL/INC

10 Confronto padrão x questionado:

11 Comparação ótica

12 Confronto entre projéteis

13 Confronto entre estojos

14 CONFRONTO BALÍSTICO OBJETIVOS DA TÉCNICA: Relacionar elemento de munição coletado em local de crime à arma que o disparou; Identificar quantidade e características das armas que efetuaram disparos em um local.

15 Estudo de caso Assassinato de policial peruano em Tabatinga AM.

16 Vestígios do local de crime

17 Primeiro laudo comparando apenas os elementos de munição coletados no local concluiu: Quantidade de armas? Todos os projéteis passaram pelo cano de uma mesma arma; Características da Arma? calibre 9mm, raiamento do tipo 5D.

18 Armas encontradas com suspeito

19 Projétil Padrão Projétil Questionado

20 Percutor Extrator Ejetor

21 CONFRONTO BALÍSTICO LIMITAÇÕES DA TÉCNICA: Estado do elemento de munição incriminado; A comparação é feita incriminado versus padrão, um a um (consome tempo); Se não há arma suspeita o caso fica em aberto; Correlação de crimes cometidos com a mesma arma apenas se houver informação (caso Anápolis x Bahia)

22 SISTEMAS AUTOMATIZADOS ARSENAL (Papillon) BALISTIKA (Turquia) CONDOR (SBC Co) CIBLE (Francês) EVOFINDER (ScanBII/Russia) FIREBALL (Australia) IBIS (Americano/Canadense) LEPUS (Protótipo Nacional)

23 SISTEMAS AUTOMATIZADOS ARSENAL (Papillon) BALISTIKA EVOFINDER (Turquia) (ScanBII/Russia) CONDOR (SBC Co) CIBLE IBIS (Francês) (Americano/Canadense) EVOFINDER (ScanBII/Russia) FIREBALL (Australia) LEPUS (Protótipo Nacional) IBIS (Americano/Canadense) LEPUS (Protótipo Nacional)

24 Qual sistema escolher? IBIS SALVADOR e ESPÍRITO SANTO NOVA YORK, MARYLAND Evofinder - BELO HORIZONTE e GOIÂNIA FRANÇA, ALEMANHA E RUSSIA Decisão por Evofinder (Lepus adquirimos o protótipo como estímulo): Gerenciamento do Banco de dados Preço Características Físicas Forma de captura e confronto Política da empresa

25 EVOFINDER EVOFINDER: Sistema de Identificação Balística. (ScannBI Technology Ltd)

26 EVOFINDER

27 EVOFINDER

28 EVOFINDER

29 EVOFINDER

30 EVOFINDER

31 EVOFINDER

32 EVOFINDER

33 EVOFINDER A qualidade das imagens permite que o confronto seja feito diretamente na tela do computador; Utilizamos microscópio comparador apenas para confirmar; O sistema efetua uma correlação automatizada fornecendo uma lista de amostras mais semelhantes.

34 EVOFINDER

35 EVOFINDER

36 POSSIBILIDADES DE UM BANCO DE DADOS Diminuir o tempo de correlação quando se tem muitos elementos de um local de crime; Armazenar apropriadamente casos abertos; Ligar crimes cometidos com a mesma arma; Relacionar armas apreendidas com crimes em aberto.

37 DESAFIOS PARA IMPLEMENTAÇÃO DE UM BANCO DE DADOS Confiabilidade dos resultados apresentados pelo sistema; Dificuldade de correlação quando os elementos de munições são de tipos diferentes; Compra de equipamento padronizado; Número muito grande de armas a cadastrar; Falta de peritos com treinamento em balística.

38 Estudo comparativo EVOFINDER X LEPUS

39 Projeto Piloto Evofinder: Testes com revólveres calibre.38

40 Projeto Piloto Evofinder: Testes com revólveres calibre armas com vida útil variável (novas até ANP) Sequência de Coleta: 14 disparos por arma - 2 disparos com Pb nú ogival - 2 disparos de semi-encamisado ponta oca - 2 disparos de semi-encamisado ponta oca +P - 2 disparos de encamisado ogival silver point +P (niquelado) - * - 2 disparos de semi-encamisado ponta oca silver point +P+ (niquelado) - * - 2 disparos de encamisados ponta oca gold +P+ (latonado) - 2 disparos de Pb nú ogival (verificar qualquer alteração com a limpeza do cano pelos projéteis encamisados e semi-encamisados) Teste 1: 224 disparos

41

42 1 RESULTADOS PARA PROJÉTEIS DE REVÓLVER.38 6D Porcentagem de padrões X posição do padrão no resultado 0,9 0,8 0,7 0,6 0,5 0,4 0,3 DISTRIBUIÇÃO PERFEITA EVOFINDER LEPUS 0,2 0,1 0 1º 11º 21º 30º 41º 51º 62º 72º 82º

43 1 RESULTADOS PARA PROJÉTEIS DE REVÓLVER.38 5D Porcentagem de padrões X posição do padrão no resultado 0,9 0,8 0,7 0,6 0,5 0,4 DISTRIBUIÇÃO PERFEITA EVOFINDER LEPUS 0,3 0,2 0,1 0 1º 11º 21º 30º 41º 51º 62º 72º 82º

44 1 - RAHM, JOACHIM. Evaluation of an electronic comparison system and implementation of a quantitative effectiveness criterion, Forensic Science International 214 (2012)

45 Resultado do primeiro teste do Evofinder segundo critério proposto. Projéteis calibre.38 SPL 1 0,9 P(n) Probabilidade de que um acerto seja encontrado até os primeiros n candidatos da lista de resultados 0,8 0,7 0,6 0,5 0,4 0,3 Efetividade (Г) = 0,96 0,2 0, n

46 Resultado do primeiro teste do Evofinder segundo critério proposto. Estojos calibre.38 SPL Probabilidade de que um acerto sejam encontrado até os primeiros n candidatos da lista de resultados 1 P(n) 0,9 0,8 0,7 0,6 0,5 Efetividade (Г) = 0,93 0,4 0,3 0,2 0, n

47 PLANEJAMENTO DO EXPERIMENTO

48

49 PLANEJAMENTO DO EXPERIMENTO - I 1 P

50 CONFIGURAÇÃO I 1 P Bando de dados com 1258 imagens de projéteis. (Sendo 576 6D e 682 5D). Projétil questionado tipo I Projéteis padrões - tipo 1 Cadastro por: P = perito

51 Resultado de 16 confrontos na configuração I 1 P 1 0,9 P(n) Probabilidade de que um acerto sejam encontrado até os primeiros n candidatos da lista de resultados 0,8 0,7 0,6 0,5 Efetividade (Г) = 0,33 0,4 0,3 0,2 0, n

52 PLANEJAMENTO DO EXPERIMENTO - V 6 P

53 CONFIGURAÇÃO V 6 P Bando de dados com 1258 imagens de projéteis (Sendo 576 6D e 682 5D). Projétil questionado tipo V Projéteis padrões - tipo 6 Cadastro por: P = perito

54 Resultado de 16 confrontos na configuração V 6 P 1 Probabilidade de que um acerto sejam encontrado até os primeiros n candidatos da lista de resultados 0,9 P(n) 0,8 0,7 0,6 0,5 0,4 Efetividade (Г) = 0,87 0,3 0,2 0, n

55 RESULTADOS PROJÉTEIS ARMAS CALIBRE.38 SPL

56 ANOVA

57 ANOVA (retirando da análise os resultados com CHOG)

58 RESULTADOS ESTOJOS ARMAS CALIBRE.38 SPL 1 Probabilidade de que um acerto sejam encontrado até os primeiros n candidatos da lista de resultados P(n) 0,9 0,8 0,7 0,6 0,5 0,4 0,3 0,2 0,1 PERITO ALUNO Efetividade (Г) = Aluno 0,54 Perito 0,47

59 RESULTADOS ESTOJOS ARMAS CALIBRE.38 SPL

60 QUESTIONAMENTOS: Qual tamanho de um banco de dados em que o sistema ainda seria útil? Desempenho do sistema com outro calibres? Banco de dados deveria ser TOTAL, ARMAS REGISTRADAS, ARMAS DA SEGURANÇA, CRIMINAIS? (exp. PC DF e PC GO) Os resultados com estojos indicam a necessidade de desenvolvimento de outro sistema?

61 A evidência física não pode estar errada... Cabe aos humanos, procurá-la, estudá-la e compreendê-la. Edmond Locard

N O 43 Emitido em Junho de 2005.

N O 43 Emitido em Junho de 2005. N O 43 mitido em Junho de 2005. MUNIÇÕS PARA ARMAS CURTAS ste Informativo Técnico tem por objetivo relacionar as diferentes munições para armas curtas fabricadas pela CBC permitindo a escolha mais adequada

Leia mais

QUANTO AO SISTEMA DE CARREGAMENTO. CANO DE ALMA LISA (espingarda)

QUANTO AO SISTEMA DE CARREGAMENTO. CANO DE ALMA LISA (espingarda) DEFINIÇÃO ARMAS DE FOGO são exclusivamente aquelas que para expelirem seus projeteis, utiliza-se da força expansiva dos gases resultantes da combustão da pólvora. ASPECTOS CLASSIFICATÓRIOS Vários critérios

Leia mais

Nº 38 Atualizado em Janeiro de 2012

Nº 38 Atualizado em Janeiro de 2012 Nº 38 Atualizado em Janeiro de 2012 CARTUCHOS PARA ARMAS LONGAS NÃO RAIADAS INTRODUÇÃO Os cartuchos destinados a armas longas não raiadas (espingardas) são habitualmente carregados com bagos múltiplos

Leia mais

Manual de Aperfeiçoamento Profissional

Manual de Aperfeiçoamento Profissional Manual de Aperfeiçoamento Profissional Introdução: "'Conhecer profundamente o produto é a base do sucesso em vendas."' Um bom produto é tudo que uma experiente e dinâmica equipe de vendas precisa para

Leia mais

Introdução. A arma de fogo. Ciência Forense: balística

Introdução. A arma de fogo. Ciência Forense: balística Introdução Todos os dias, ao ligar a televisão e sintonizar no noticiário, assiste-se algo mais ou menos assim: João e José tentaram assaltar um banco e, na fuga, ambos atiraram com armas de fogo contra

Leia mais

Saibam como funciona a coordenação de química na elucidação de crimes!

Saibam como funciona a coordenação de química na elucidação de crimes! Curiosidades: Saibam como funciona a coordenação de química na elucidação de crimes! A coordenação de química do Laboratório Central de Policia Técnica é formada por peritos criminais e peritos técnicos

Leia mais

LEGISLAÇÃO MODELO RELACIONADA COM 12 janeiro 2006 PROJETO DE PROPOSTA DE LEGISLAÇÃO MODELO SOBRE MARCAÇÃO E RASTREAMENTO DE ARMAS DE FOGO E MUNIÇÕES

LEGISLAÇÃO MODELO RELACIONADA COM 12 janeiro 2006 PROJETO DE PROPOSTA DE LEGISLAÇÃO MODELO SOBRE MARCAÇÃO E RASTREAMENTO DE ARMAS DE FOGO E MUNIÇÕES PRIMEIRA REUNIÃO DO GRUPO DE PERITOS OEA/Ser.L/XXII.6.1 CIFTA-CICAD PARA A ELABORAÇÃO DE GE/CIFTA-CICAD/doc.3/06 LEGISLAÇÃO MODELO RELACIONADA COM 12 janeiro 2006 AS ÁREAS A QUE SE REFERE A CIFTA Original:

Leia mais

ANO LECTIVO 2011-12 WORKSHOPS PRÉ-ESCOLAR E 1º CICLO 2º CICLO 3º CICLO SECUNDÁRIO NOVAS OPORTUNIDADES

ANO LECTIVO 2011-12 WORKSHOPS PRÉ-ESCOLAR E 1º CICLO 2º CICLO 3º CICLO SECUNDÁRIO NOVAS OPORTUNIDADES ANO LECTIVO 2011-12 WORKSHOPS PRÉ-ESCOLAR E 1º CICLO 2º CICLO 3º CICLO SECUNDÁRIO NOVAS OPORTUNIDADES 1 3º CICLO a quente e a frio Técnicas de gelificação a quente e a frio e esferificação de líquidos.

Leia mais

CARTILHA DE ARMAMENTO E TIRO APRESENTAÇÃO

CARTILHA DE ARMAMENTO E TIRO APRESENTAÇÃO CARTILHA DE ARMAMENTO E TIRO APRESENTAÇÃO Esta cartilha foi elaborada pelo Serviço de Armamento e Tiro da Academia Nacional de Polícia e pelo Serviço Nacional de Armas, tendo como objetivo principal fornecer

Leia mais

LOCALÍSTICA FORENSE. Rogéria M. Ventura, Ph D FMU - 2011

LOCALÍSTICA FORENSE. Rogéria M. Ventura, Ph D FMU - 2011 LOCALÍSTICA FORENSE Rogéria M. Ventura, Ph D FMU - 2011 PERÍCIA CRIMINAL INVESTIGAÇÃO DO CRIME Chegada do perito investigador ao local do crime e certificação da preservação; Reconhecimento inicial da

Leia mais

Curso Forense Computacional

Curso Forense Computacional Curso Forense Computacional Todos nossos cursos são preparados por mestres e profissionais reconhecidos no mercado de Segurança da Informação no Brasil e exterior. Os cursos são ministrados em português,

Leia mais

F.1 Gerenciamento da integração do projeto

F.1 Gerenciamento da integração do projeto Transcrição do Anexo F do PMBOK 4ª Edição Resumo das Áreas de Conhecimento em Gerenciamento de Projetos F.1 Gerenciamento da integração do projeto O gerenciamento da integração do projeto inclui os processos

Leia mais

22/07/2011. Resumo. Leandro Galafassi CHFI, CEH, ITIL Twitter: @LGalafassi Email: leandro@galafassiforense.com.br

22/07/2011. Resumo. Leandro Galafassi CHFI, CEH, ITIL Twitter: @LGalafassi Email: leandro@galafassiforense.com.br Resumo Conceitos Fundamentos de Hardware Desafios para Implementação de Estruturas de Investigação Digital Tecnologias de Combate ao Crime Eletrônico Leandro Galafassi CHFI, CEH, ITIL Twitter: @LGalafassi

Leia mais

CARTILHA DE ARMAMENTO E TIRO. Edição Revista em Janeiro/2014 APRESENTAÇÃO

CARTILHA DE ARMAMENTO E TIRO. Edição Revista em Janeiro/2014 APRESENTAÇÃO CARTILHA DE ARMAMENTO E TIRO Edição Revista em Janeiro/2014 Cartilha de Armamento e Tiro Clube Orion de Tiro APRESENTAÇÃO Esta cartilha foi elaborada pelo Clube Orion de Tiro, tendo como base os conteúdos

Leia mais

CARTILHA DE ARMAMENTO E TIRO

CARTILHA DE ARMAMENTO E TIRO CARTILHA DE ARMAMENTO E TIRO 2 APRESENTAÇÃO Esta cartilha foi elaborada pelo Serviço de Armamento e Tiro da Academia Nacional de Polícia e pelo Serviço Nacional de Armas e tem como objetivo principal fornecer

Leia mais

ESTUDO DA CONFIABILIDADE DE UM SISTEMA DE IDENTIFICAÇÃO BALÍSTICA PARA ESTOJOS E PROJÉTEIS DE MUNIÇÕES CALIBRE.38

ESTUDO DA CONFIABILIDADE DE UM SISTEMA DE IDENTIFICAÇÃO BALÍSTICA PARA ESTOJOS E PROJÉTEIS DE MUNIÇÕES CALIBRE.38 PROJETO DE GRADUAÇÃO ESTUDO DA CONFIABILIDADE DE UM SISTEMA DE IDENTIFICAÇÃO BALÍSTICA PARA ESTOJOS E PROJÉTEIS DE MUNIÇÕES CALIBRE.38 Por, Mário Lincoln Lopes de Oliveira Júnior Brasília, 26 de Junho

Leia mais

EM VIGOR A PARTIR DE: 01.01.2013. VALORES Códigos. Descrição do Produto

EM VIGOR A PARTIR DE: 01.01.2013. VALORES Códigos. Descrição do Produto Tabela de Preços - ESPORTE DO TIRO FOGO CIRCULAR CARTUCHO DE COMPETIÇÃO F. CENTRAL USO PERMITIDO s R$ / R$ / milheiro 10-00-12-77 CART CBC 12/70 CH-7 ½ T200 32g 25 38,04 1.521,50 10-00-12-90 CART CBC 12/70

Leia mais

central de atendimento -> 55(11) 3807-0188 ou atendimento@grupotreinar.com.br

central de atendimento -> 55(11) 3807-0188 ou atendimento@grupotreinar.com.br Todos nossos cursos são preparados por mestres e profissionais reconhecidos no mercado de Segurança da Informação no Brasil e exterior. Os cursos são ministrados em português, espanhol ou inglês, atendendo

Leia mais

Nome do Sistema DESARM- Sistema De Guarda E Rastreabilidade de Armas de Fogo. Equipe Dr. ERNESTO ANSELMO QUEIROZ CHÍXARO Juiz Auxiliar da Corregedoria

Nome do Sistema DESARM- Sistema De Guarda E Rastreabilidade de Armas de Fogo. Equipe Dr. ERNESTO ANSELMO QUEIROZ CHÍXARO Juiz Auxiliar da Corregedoria Órgão Tribunal de Justiça do Amazonas Email para contato sidney.brito@tjam.jus.br Nome do Sistema DESARM- Sistema De Guarda E Rastreabilidade de Armas de Fogo Equipe Dr. ERNESTO ANSELMO QUEIROZ CHÍXARO

Leia mais

O que é Forense Computacional?

O que é Forense Computacional? O que é Forense Computacional? É a ciência que estuda a aquisição, preservação, recuperação e análise de dados armazenados em mídias computadorizadas e procura caracterizar crimes de informática de acordo

Leia mais

Nome da Empresa Sistema digitalizado no almoxarifado do EMI

Nome da Empresa Sistema digitalizado no almoxarifado do EMI Nome da Empresa Documento Visão Histórico de Revisões Data Versão Descrição Autor 23/02/2015 1.0 Início do projeto Anderson, Eduardo, Jessica, Sabrina, Samuel 25/02/2015 1.1 Correções Anderson e Eduardo

Leia mais

RESOLUÇÃO Nº 5, DE 29 DE MAIO DE 2014.

RESOLUÇÃO Nº 5, DE 29 DE MAIO DE 2014. RESOLUÇÃO Nº 5, DE 29 DE MAIO DE 2014. Dispõe sobre a instituição da Comissão da Qualidade, e os requisitos técnicos para a realização de auditorias nos laboratórios e bancos que compõem a Rede Integrada

Leia mais

Centro Universitário de Mineiros Sistemas de Informação Segurança e Auditoria de Sistemas

Centro Universitário de Mineiros Sistemas de Informação Segurança e Auditoria de Sistemas Centro Universitário de Mineiros Sistemas de Informação Segurança e Auditoria de Sistemas milenaresende@fimes.edu.br http://professor.fimes.edu.br/milena/ Presidência Executiva Auditoria de Sistemas Diretoria

Leia mais

MANUAL DE ARMAMENTO E MANUSEIO SEGURO DE ARMAS DE FOGO

MANUAL DE ARMAMENTO E MANUSEIO SEGURO DE ARMAS DE FOGO MANUAL DE ARMAMENTO E MANUSEIO SEGURO DE ARMAS DE FOGO MANAUS 2012 1 SUMÁRIO APRESENTAÇÃO... 03 1 Manuseio seguro com armas de fogo... 04 1.1 Conceito... 04 1.2 Regras de segurança... 04 2 Arma de fogo...

Leia mais

Passos para a perícia forense computacional

Passos para a perícia forense computacional Passos para a perícia forense computacional Marcella Cruz, Giulia Gouveia, Vanessa Cavalcanti. Segurança da Informação manhã primeiro semestre. 1. Introdução O avanço da tecnologia da informação trouxe

Leia mais

Pode a Química ajudar a resolver crimes e apanhar criminosos?

Pode a Química ajudar a resolver crimes e apanhar criminosos? Pode a Química ajudar a resolver crimes e apanhar criminosos? As investigações criminais têm um aliado poderoso na descoberta dos criminosos e na resolução dos crimes, a QUÍMICA. Na cena do crime, um perito

Leia mais

SENADO FEDERAL PROJETO DE LEI DO SENADO FEDERAL Nº 171, DE 2011

SENADO FEDERAL PROJETO DE LEI DO SENADO FEDERAL Nº 171, DE 2011 SENADO FEDERAL PROJETO DE LEI DO SENADO FEDERAL Nº 171, DE 2011 Altera a Lei nº 10.826 de 22 de dezembro de 2003 (Estatuto do Desarmamento) para estabelecer o sistema de controle de munições, obrigando-se

Leia mais

A computação forense e perícia digital na sociedade contemporânea

A computação forense e perícia digital na sociedade contemporânea A computação forense e perícia digital na sociedade contemporânea DANTAS, Elias Rangel (1); MEIRELLES, Sara Garcia (1); SANTOS, Lorena Rodrigues dos (1); COTA, Maria Aparecida Mendes Leite (2) (1) Alunos

Leia mais

Observação importante: ORIENTAÇÃO

Observação importante: ORIENTAÇÃO MINISTERIO DA DEFESA EXERCITO BRASILEIRO CMSE 2 ª RM 22º DEPOSITO DE SUPRIMENTO (DRMM/2 1946) Observação importante: a. Quando a relação de armas e munições estiverem prontas, encaminhar em arquivo do

Leia mais

Copyright Proibida Reprodução. Prof. Éder Clementino dos Santos

Copyright Proibida Reprodução. Prof. Éder Clementino dos Santos INTERPRETAÇÃO ISO 9001:2008 GESTÃO DE QUALIDADE O que é ISO? ISO = palavra grega que significa Igualdade CAPÍTULO: Preâmbulo ISO 9001:2008 0.1 - Generalidades: foi esclarecido que a conformidade com requisitos

Leia mais

Fenaspen: Exército normatiza aquisição de armas para agentes e guardas prisionais Seg, 06 de Abril de 2015 12:02

Fenaspen: Exército normatiza aquisição de armas para agentes e guardas prisionais Seg, 06 de Abril de 2015 12:02 O Exército publicou, quinta-feira (02/04), no Diário Oficial da União, normas para aquisição, registro, cadastro e transferência de propriedade de arma de fogo de uso restrito, para uso particular, por

Leia mais

Introdução à Simulação

Introdução à Simulação Introdução à Simulação O que é simulação? Wikipedia: Simulação é a imitação de alguma coisa real ou processo. O ato de simular algo geralmente consiste em representar certas características e/ou comportamentos

Leia mais

Segurança Patrimonial - Sistema de Informações para Proteção Patrimonial

Segurança Patrimonial - Sistema de Informações para Proteção Patrimonial Segurança Patrimonial - Sistema de Informações para Proteção Patrimonial Conheça mais sobre a coleta de dados por meio de bastão de rondas, entrevistas e auditorias. Artigo Publicado no Jornal da Segurança

Leia mais

ITIL. Conteúdo. 1. Introdução. 2. Suporte de Serviços. 3. Entrega de Serviços. 4. CobIT X ITIL. 5. Considerações Finais

ITIL. Conteúdo. 1. Introdução. 2. Suporte de Serviços. 3. Entrega de Serviços. 4. CobIT X ITIL. 5. Considerações Finais ITIL Conteúdo 1. Introdução 2. Suporte de Serviços 3. Entrega de Serviços 4. CobIT X ITIL 5. Considerações Finais Introdução Introdução Information Technology Infrastructure Library O ITIL foi desenvolvido,

Leia mais

Importância do GED. Implantação de um Sistema de GED

Importância do GED. Implantação de um Sistema de GED Implantação de um Sistema de GED Gerenciamento Eletrônico de Documentos Importância do GED O GED tem uma importante contribuição na tarefa da gestão eficiente da informação; É a chave para a melhoria da

Leia mais

ONU: 50 mil pessoas foram assassinadas no Brasil em 2012. Isto equivale a 10% dos homicídios no mundo

ONU: 50 mil pessoas foram assassinadas no Brasil em 2012. Isto equivale a 10% dos homicídios no mundo ONU: 50 mil pessoas foram assassinadas no Brasil em 2012. Isto equivale a 10% dos homicídios no mundo 10/04/2014 Manifestação dos movimentos sociais em frente ao Fórum Cível de Marabá, no Pará, contra

Leia mais

Plano do Curso. Curso de Instrutor de Armamento e Tiro 2013 São Leopoldo/RS

Plano do Curso. Curso de Instrutor de Armamento e Tiro 2013 São Leopoldo/RS Plano do Curso Curso de Instrutor de Armamento e Tiro 2013 São Leopoldo/RS Distribuição: Justificativa; Objetivos do Curso; Público-Alvo; Metodologia; Quadro horário; Extras; Instrutores; Referências Bibliográficas;

Leia mais

SISTEMA DE CONTROLE DE ACESSO, PARA AMBIENTE ACADÊMICO

SISTEMA DE CONTROLE DE ACESSO, PARA AMBIENTE ACADÊMICO SISTEMA DE CONTROLE DE ACESSO, FREQÜÊNCIA E GESTÃO DE PERMISSÃO PARA AMBIENTE ACADÊMICO LEONARDO DENARDI ORIENTADOR: JACQUES ROBERT HECKMANN SEQÜÊNCIA DA APRESENTAÇÃO Introdução Objetivos Fundamentação

Leia mais

RECUPERAÇÃO DE DADOS EM PEN-DRIVE UTILIZANDO AS FERRAMENTAS AUTOPSY E FOREMOST: FASES PARA O PROCESSAMENTO DE EVIDÊNCIAS

RECUPERAÇÃO DE DADOS EM PEN-DRIVE UTILIZANDO AS FERRAMENTAS AUTOPSY E FOREMOST: FASES PARA O PROCESSAMENTO DE EVIDÊNCIAS RECUPERAÇÃO DE DADOS EM PEN-DRIVE UTILIZANDO AS FERRAMENTAS AUTOPSY E FOREMOST: FASES PARA O PROCESSAMENTO DE EVIDÊNCIAS Ligia M. O. Campos 1, Everaldo Gomes 2, Henrique P. Martins 3 1 Graduanda, Faculdade

Leia mais

POLÍCIA CIVIL ACADEMIA DE POLÍCIA CIVIL DE MINAS GERAIS CURSO: FORMAÇÃO POLICIAL 2014 1º

POLÍCIA CIVIL ACADEMIA DE POLÍCIA CIVIL DE MINAS GERAIS CURSO: FORMAÇÃO POLICIAL 2014 1º POLÍCIA CIVIL ACADEMIA DE POLÍCIA CIVIL DE MINAS GERAIS CURSO: FORMAÇÃO POLICIAL 2014 1º Semestre CARREIRA MÉDICO-LEGISTA PROVA FINAL GENÉRICA 17/ 03/ 2014 De 14:00 às 18:00 TRANSCREVA, cuidadosamente,

Leia mais

Autor: André Gomes Rabeschini

Autor: André Gomes Rabeschini Artigos Jurídicos Autor: André Gomes Rabeschini Este texto é de responsabilidade do autor e não reflete necessariamente a linha programática e ideológica da Editora Letras Jurídicas. 2 Criminalística Forense

Leia mais

PROVA DE LÍNGUA PORTUGUESA

PROVA DE LÍNGUA PORTUGUESA Concurso Vestibular 2006 PROVA DE LÍNGUA PORTUGUESA Os excertos da prova de Língua Portuguesa foram retirados do jornal AtuaLex, do curso de Direito, de Marechal Cândido Rondon, ano 01, nº 04, setembro

Leia mais

MINERAÇÃO DE DADOS EDUCACIONAIS: UM ESTUDO DE CASO APLICADO AO PROCESSO SELETIVO DO IFSULDEMINAS CÂMPUS MUZAMBINHO

MINERAÇÃO DE DADOS EDUCACIONAIS: UM ESTUDO DE CASO APLICADO AO PROCESSO SELETIVO DO IFSULDEMINAS CÂMPUS MUZAMBINHO MINERAÇÃO DE DADOS EDUCACIONAIS: UM ESTUDO DE CASO APLICADO AO PROCESSO SELETIVO DO IFSULDEMINAS CÂMPUS MUZAMBINHO Fernanda Delizete Madeira 1 ; Aracele Garcia de Oliveira Fassbinder 2 INTRODUÇÃO Data

Leia mais

Tutorial de Instalação

Tutorial de Instalação Tutorial de Instalação Reserva Legal Todos os produtos, logotipos e marcas aqui referidos são marcas registradas de seus proprietários legais. A W PC Software ao elaborar este tutorial de instalação dos

Leia mais

CASUÍSTICA DE GRAFOTECNIA

CASUÍSTICA DE GRAFOTECNIA FLS. 1 CASUÍSTICA DE GRAFOTECNIA D-511 No mês de março deste ano de 2015, foram encaminhados ao Instituto de Criminalística do Paraná, por uma Delegacia de Polícia do interior do Estado, três livros de

Leia mais

Monitoramento Remoto Wi Fi Mod. CS9267

Monitoramento Remoto Wi Fi Mod. CS9267 Monitoramento Remoto Wi Fi Mod. CS9267 Guia Rápido de Instalação DC 5V INTRODUÇÃO Obrigado por adquirir a IPCam Comtac mod. CS9267. Com ela você poderá monitorar remotamente um cômodo de sua residência

Leia mais

PORTARIA Nº 021 - D LOG, DE 23 DE NOVEMBRO DE 2005. (Publicado BE 50, 16.12.05)

PORTARIA Nº 021 - D LOG, DE 23 DE NOVEMBRO DE 2005. (Publicado BE 50, 16.12.05) PORTARIA Nº 021 - D LOG, DE 23 DE NOVEMBRO DE 2005 (Publicado BE 50, 16.12.05) Aprova as Normas Reguladoras da Aquisição, Registro, Cadastro e Transferência de Propriedade de Armas de Uso Restrito, por

Leia mais

Automação de Bancada Pneumática

Automação de Bancada Pneumática Instituto Federal Sul-rio-grandense Campus Pelotas - Curso de Engenharia Elétrica Automação de Bancada Pneumática Disciplina: Projeto Integrador III Professor: Renato Allemand Equipe: Vinicius Obadowski,

Leia mais

Integração de Sistemas Industriais com a Suíte GE Proficy

Integração de Sistemas Industriais com a Suíte GE Proficy Integração de Sistemas Industriais com a Suíte GE Proficy Ricardo Caruso Vieira Aquarius Software Revista Cadware Ed.22 versão online 1. Introdução Há mais de duas décadas, a indústria investe intensamente

Leia mais

para Exame de Documentos Suspeitos

para Exame de Documentos Suspeitos VSC 8000 O VÍDEO COMPARADOR ESPECTRAL ESSENCIAL para Exame de Documentos Suspeitos Examinar e Autenticar Passaportes e Cartões de Identificação Documentos de Segurança Papel-moeda e Cheques foster+freeman

Leia mais

MANUAL DO USUÁRIO CONSULTA DE RELACIONAMENTOS

MANUAL DO USUÁRIO CONSULTA DE RELACIONAMENTOS SISTEMA DE INFORMAÇÃO E GESTÃO INTEGRADA POLICIAL Elaborado: Equipe SAG Revisado: Aprovado: Data: 08/09/2008 Data: 18/11/2008 Data: A autenticação do documento consta no arquivo primário da Qualidade Referencia:

Leia mais

Padrões de Qualidade e Métricas de Software. Aécio Costa

Padrões de Qualidade e Métricas de Software. Aécio Costa Padrões de Qualidade e Métricas de Software Aécio Costa Qual o Principal objetivo da Engenharia de Software? O principal objetivo da Engenharia de Software (ES) é ajudar a produzir software de qualidade;

Leia mais

Apresentação Inspetor de Solda MIPS Sistemas Ltda.

Apresentação Inspetor de Solda MIPS Sistemas Ltda. Apresentação Inspetor de Solda MIPS Sistemas Ltda. Rua Ricardo Landmann, 385 Joinville SC - Brasil O Controle Digital da Geometria dos Cordões de Solda é a mais moderna e eficaz maneira de avaliar a qualidade

Leia mais

Engenharia de Software

Engenharia de Software Engenharia de Software Conceitos e Metodologias para Desenvolvimento de Software Cascata, Prototipação, Espiral e RUP Prof. MSc. Edilberto Silva prof.edilberto.silva@gmail.com http://www.edilms.eti.br

Leia mais

TIPOLOGIAS PERICIAIS REALIZADAS PELOS CPPT/CBMERJ

TIPOLOGIAS PERICIAIS REALIZADAS PELOS CPPT/CBMERJ SUBSECRETARIA DE ESTADO DA DEFESA CIVIL CORPO DE BOMBEIROS MILITAR DO ESTADO DO RIO DE JANEIRO DIRETORIA GERAL DE SERVIÇOS TÉCNICOS CENTRO DE PESQUISAS, PERÍCIAS E TESTES TIPOLOGIAS PERICIAIS REALIZADAS

Leia mais

Este glossário é de natureza específica, não devendo prevalecer entendimentos distintos dos termos

Este glossário é de natureza específica, não devendo prevalecer entendimentos distintos dos termos GLOSSÁRIO Este glossário é de natureza específica, não devendo prevalecer entendimentos distintos dos termos nele apresentados, embora aplicáveis em outros contextos. Análise atividade que envolve a determinação

Leia mais

Módulo 3 Procedimento e processo de gerenciamento de riscos, PDCA e MASP

Módulo 3 Procedimento e processo de gerenciamento de riscos, PDCA e MASP Módulo 3 Procedimento e processo de gerenciamento de riscos, PDCA e MASP 6. Procedimento de gerenciamento de risco O fabricante ou prestador de serviço deve estabelecer e manter um processo para identificar

Leia mais

Materiais / Materiais I

Materiais / Materiais I Materiais / Materiais I Guia para o Trabalho Laboratorial n.º 4 CORROSÃO GALVÂNICA E PROTECÇÃO 1. Introdução A corrosão de um material corresponde à sua destruição ou deterioração por ataque químico em

Leia mais

Como implementar os processos de Gerenciamento de Demanda e Capacidade de serviços de TI. www.path.com.br

Como implementar os processos de Gerenciamento de Demanda e Capacidade de serviços de TI. www.path.com.br Como implementar os processos de Gerenciamento de Demanda e Capacidade de serviços de TI AGENDA Gerenciamento da Demanda Processos de Negócio Desafios e KPIs Papel do Gerenciamento da Demanda Gerenciamento

Leia mais

9º ENTEC Encontro de Tecnologia: 23 a 28 de novembro de 2015

9º ENTEC Encontro de Tecnologia: 23 a 28 de novembro de 2015 SOFTWARE DE CONTROLE DE ARMAMENTO EM QUARTEL MILITAR Kahic Ribeiro de Almeida Rocha 1 ; Montgomery Scofield Ferreira Furletti; Luiz Fernando Ribeiro de Paiva¹ ¹Universidade de Uberaba - UNIUBE, Uberaba

Leia mais

Integração de Sistemas Industriais com a Suíte GE Proficy

Integração de Sistemas Industriais com a Suíte GE Proficy Integração de Sistemas Industriais com a Suíte GE Proficy Ricardo Caruso Vieira Aquarius Software 1. Introdução Há mais de duas décadas, a indústria investe intensamente em sistemas ERP (Enterprise Resource

Leia mais

MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO INSTITUTO FEDERAL DE EDUCAÇAO, CIÊNCIA E TECNOLOGIA DE RONDÔNIA 1. DESCRIÇÃO DA SOLUÇÃO DE TECNOLOGIA DA INFORMAÇÃO

MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO INSTITUTO FEDERAL DE EDUCAÇAO, CIÊNCIA E TECNOLOGIA DE RONDÔNIA 1. DESCRIÇÃO DA SOLUÇÃO DE TECNOLOGIA DA INFORMAÇÃO ESTUDO TÉCNICO PRELIMINAR DA CONTRATAÇÃO 1. DESCRIÇÃO DA SOLUÇÃO DE TECNOLOGIA DA INFORMAÇÃO Aquisição de sistema de monitoramento por câmeras para todo o IFRO 2. DEFINIÇÃO E ESPECIFICAÇÃO DE REQUISITOS

Leia mais

IDENTIFICAÇÃO DE ASSINATURAS QUÍMICAS EM RESÍDUOS DE DISPAROS DE ARMA DE FOGO EM DIFERENTES ALVOS JOÃO CARLOS DIAS DE FREITAS

IDENTIFICAÇÃO DE ASSINATURAS QUÍMICAS EM RESÍDUOS DE DISPAROS DE ARMA DE FOGO EM DIFERENTES ALVOS JOÃO CARLOS DIAS DE FREITAS AUTARQUIA ASSOCIADA À UNIVERSIDADE DE SÃO PAULO IDENTIFICAÇÃO DE ASSINATURAS QUÍMICAS EM RESÍDUOS DE DISPAROS DE ARMA DE FOGO EM DIFERENTES ALVOS JOÃO CARLOS DIAS DE FREITAS Dissertação apresentada como

Leia mais

UNIVERSIDADE FEDERAL DO PIAUÍ (UFPI) ENG. DE PRODUÇÃO PROBABILIDADE E ESTATÍSTICA 2

UNIVERSIDADE FEDERAL DO PIAUÍ (UFPI) ENG. DE PRODUÇÃO PROBABILIDADE E ESTATÍSTICA 2 UNIVERSIDADE FEDERAL DO PIAUÍ (UFPI) ENG. DE PRODUÇÃO PROBABILIDADE E ESTATÍSTICA 2 LISTA N O 2 Prof.: William Morán Sem. I - 2011 1) Considere a seguinte função distribuição conjunta: 1 2 Y 0 0,7 0,0

Leia mais

NORMA CONTROLE DO PARQUE DE INFORMÁTICA

NORMA CONTROLE DO PARQUE DE INFORMÁTICA CONTROLE DO PARQUE DE INFORMÁTICA Data: 17 de dezembro de 2009 Pág. 1 de 13 SUMÁRIO SUMÁRIO 2 1. INTRODUÇÃO 3 2. FINALIDADE 3 3. ÂMBITO DE APLICAÇÃO 3 4. PADRONIZAÇÃO DOS RECURSOS DE T.I. 4 5. AQUISIÇÃO

Leia mais

UNIVERSIDADE F EDERAL DE P ERNAMBUCO ANÁLISE DE UM MÉTODO PARA DETECÇÃO DE PEDESTRES EM IMAGENS PROPOSTA DE TRABALHO DE GRADUAÇÃO

UNIVERSIDADE F EDERAL DE P ERNAMBUCO ANÁLISE DE UM MÉTODO PARA DETECÇÃO DE PEDESTRES EM IMAGENS PROPOSTA DE TRABALHO DE GRADUAÇÃO UNIVERSIDADE F EDERAL DE P ERNAMBUCO GRADUAÇÃO EM CIÊNCIA DA COMPUTAÇÃO CENTRO DE INFORMÁTICA 2010.2 ANÁLISE DE UM MÉTODO PARA DETECÇÃO DE PEDESTRES EM IMAGENS PROPOSTA DE TRABALHO DE GRADUAÇÃO Aluno!

Leia mais

Domínios, Competências e Padrões de Desempenho do Design Instrucional (DI)

Domínios, Competências e Padrões de Desempenho do Design Instrucional (DI) Domínios, Competências e Padrões de Desempenho do Design Instrucional (DI) (The Instructional Design (ID) Domains, Competencies and Performance Statements) International Board of Standards for Training,

Leia mais

Gerenciamento de custos do projeto

Gerenciamento de custos do projeto PMBOK Visão Geral O PMBOK (Project Management Body of Knowledge) é um guia do Conjunto de Conhecimentos em de Projetos, o qual inclui práticas comprovadas que são amplamente aplicadas na gestão de s, além

Leia mais

Engenharia de Software

Engenharia de Software Universidade São Judas Tadeu Profª Dra. Ana Paula Gonçalves Serra Engenharia de O Processo Uma Visão Genérica Capítulo 2 (até item 2.2. inclusive) Engenharia de - Roger Pressman 6ª edição McGrawHill Capítulo

Leia mais

Sistemas de informação da rede de laboratorios da visa/sgaweb

Sistemas de informação da rede de laboratorios da visa/sgaweb 4 ENCONTRO LACENS/ 2 ENCONTRO LACENS, VISA E ANVISA SEMINARIO TEMATICO SOBRE LABORATORIOS ANALITICOS Sistemas de informação da rede de laboratorios da visa/sgaweb Eduardo C. Leal Brasilia 08 e 09 de Dezembro

Leia mais

NI AUTOMOTIVE DAY 2012 AUTOMAÇÃO DE TESTES FUNCIONAIS

NI AUTOMOTIVE DAY 2012 AUTOMAÇÃO DE TESTES FUNCIONAIS Automação de testes em painel de instrumentos automotivos NI AUTOMOTIVE DAY 2012 AUTOMAÇÃO DE TESTES FUNCIONAIS Grupo Magneti Marelli A Magneti Marelli é um grupo internacional líder no desenvolvimento

Leia mais

PROGRAMA DE MONITORAMENTO DA QUALIDADE DOS COMBUSTÍVEIS PMQC

PROGRAMA DE MONITORAMENTO DA QUALIDADE DOS COMBUSTÍVEIS PMQC PROGRAMA DE MONITORAMENTO DA QUALIDADE DOS COMBUSTÍVEIS PMQC SUPERINTEDÊNCIA DE BIOCOMBUSTÍVEIS E DE QUALIDADE DE PRODUTOS SBQ Alexandre de Souza Lima Salvador Junho/2008 AGENTES DO ABASTECIMENTO Posição

Leia mais

Busca e apreensão de provas

Busca e apreensão de provas Universidade Federal do Espírito Santo Centro de Ciências Agrárias CCA UFES Departamento de Computação Universidade Federal do Espírito Santo CCA UFES Busca e apreensão de provas Computação Forense Site:

Leia mais

ANALISE DE SISTEMAS. Gabriela Trevisan

ANALISE DE SISTEMAS. Gabriela Trevisan ANALISE DE SISTEMAS Gabriela Trevisan O que é o Analista? Estuda processos a fim de encontrar o melhor caminho racional para que a informação possa ser processada. Estuda os diversos sistemas existentes

Leia mais

Introdução à Computação Forense

Introdução à Computação Forense Universidade Federal do Espírito Santo Centro de Ciências Agrárias CCA UFES Departamento de Computação Universidade Federal do Espírito Santo CCA UFES Introdução à Computação Forense Computação Forense

Leia mais

ANÁLISE DOS REQUISITOS NORMATIVOS PARA A GESTÃO DE MEDIÇÃO EM ORGANIZAÇÕES

ANÁLISE DOS REQUISITOS NORMATIVOS PARA A GESTÃO DE MEDIÇÃO EM ORGANIZAÇÕES V CONGRESSO BRASILEIRO DE METROLOGIA Metrologia para a competitividade em áreas estratégicas 9 a 13 de novembro de 2009. Salvador, Bahia Brasil. ANÁLISE DOS REQUISITOS NORMATIVOS PARA A GESTÃO DE MEDIÇÃO

Leia mais

Gestão de Processos de RH

Gestão de Processos de RH Gestão de Processos de RH A TCI BPO Com atuação em todo o Brasil, a TCI oferece excelência na prestação dos serviços em BPO - Business Process Outsourcing, levando aos seus clientes as melhores competências

Leia mais

GESTÃO DA QUALIDADE COORDENAÇÃO DA QUALIDADE

GESTÃO DA QUALIDADE COORDENAÇÃO DA QUALIDADE GESTÃO DA COORDENAÇÃO DA Primeira 1/12 CONTROLE DE APROVAÇÃO ELABORADO REVISADO POR APROVADO Marcelo de Sousa Marcelo de Sousa Marcelo de Sousa Silvia Helena Correia Vidal Aloísio Barbosa de Carvalho Neto

Leia mais

Versão 1 Maio/2009 MANUAL PARA RECADASTRAMENTO NACIONAL DE ARMAS

Versão 1 Maio/2009 MANUAL PARA RECADASTRAMENTO NACIONAL DE ARMAS Versão 1 Maio/2009 MANUAL PARA RECADASTRAMENTO NACIONAL DE ARMAS 1 No Referendo de 2005 os brasileiros optaram pelo direito de ter armas em suas casas. Agora, é hora de recadastrar todas elas. O recadastramento

Leia mais

FORENSIC GENERAL. Laboratórios Forenses Consultoria, Implantação, modernização, Formação e treinamento Forense -

FORENSIC GENERAL. Laboratórios Forenses Consultoria, Implantação, modernização, Formação e treinamento Forense - FORENSIC GENERAL Laboratórios Forenses Consultoria, Implantação, modernização, Formação e treinamento Forense - Por favor, encontre neste documento uma descrição geral da base de conhecimento e formação

Leia mais

MINISTÉRIO DO PLANEJAMENTO, ORÇAMENTO E GESTÃO SUBSECRETARIA DE PLANEJAMENTO, ORÇAMENTO E ADMINISTRAÇÃO COORDENAÇÃO-GERAL DE AQUISIÇÕES

MINISTÉRIO DO PLANEJAMENTO, ORÇAMENTO E GESTÃO SUBSECRETARIA DE PLANEJAMENTO, ORÇAMENTO E ADMINISTRAÇÃO COORDENAÇÃO-GERAL DE AQUISIÇÕES MINISTÉRIO DO PLANEJAMENTO, ORÇAMENTO E GESTÃO SUBSECRETARIA DE PLANEJAMENTO, ORÇAMENTO E ADMINISTRAÇÃO COORDENAÇÃO-GERAL DE AQUISIÇÕES BANCO INTERAMERICANO DE DESENVOLVIMENTO REPRESENTAÇÃO NO BRASIL SOLICITAÇÃO

Leia mais

EVOLUÇÃO DA MANUTENÇÃO

EVOLUÇÃO DA MANUTENÇÃO EVOLUÇÃO DA MANUTENÇÃO 1.1. INTRODUÇÃO Nos últimos 20 anos a atividade de manutenção tem passado por mais mudanças do que qualquer outra. Estas alterações são conseqüências de: a) aumento, bastante rápido,

Leia mais

CHECK - LIST - ISO 9001:2000

CHECK - LIST - ISO 9001:2000 REQUISITOS ISO 9001: 2000 SIM NÃO 1.2 APLICAÇÃO A organização identificou as exclusões de itens da norma no seu manual da qualidade? As exclusões são relacionadas somente aos requisitos da sessão 7 da

Leia mais

7 DIFERENÇAS ENTRE PABX e PABX IP. Comparativo de recursos e benefícios telefônicos para sua empresa

7 DIFERENÇAS ENTRE PABX e PABX IP. Comparativo de recursos e benefícios telefônicos para sua empresa 7 DIFERENÇAS ENTRE PABX e PABX IP Comparativo de recursos e benefícios telefônicos para sua empresa ÍNDICE Definição de PABX e PABX-IP 1ª - Gravação de Chamadas 2ª - URA 3ª - Fila de Atendimento 4ª - Ramal

Leia mais

12/20/2010. Introdução - Criminalística. Perícia Federal. Perito Criminal. Treinamento & desenvolvimento. Gestão pericial.

12/20/2010. Introdução - Criminalística. Perícia Federal. Perito Criminal. Treinamento & desenvolvimento. Gestão pericial. Introdução - Criminalística Polícia Federal Diretoria Técnico-Científica Instituto Nacional de Criminalística Perícia Federal Perito Criminal Treinamento & desenvolvimento Gestão pericial Clênio Guimarães

Leia mais

SEGURANÇA AO ALCANCE DE TODOS

SEGURANÇA AO ALCANCE DE TODOS SEGURANÇA AO ALCANCE DE TODOS TECNOLOGIA A SERVIÇO DA SEGURANÇA O Helper é um sistema inovador que utiliza tecnologia para promover o bem-estar das pessoas, contribuindo para a gestão da segurança pública

Leia mais

Recebimento, Armazenagem, Movimentação e Expediçao de Produtos à Granel

Recebimento, Armazenagem, Movimentação e Expediçao de Produtos à Granel Recebimento, Armazenagem, Movimentação e Expediçao de Produtos à Granel Produto : Logix, WMS, 12 Chamado : PCREQ-1926 Data da criação : 03/07/2015 Data da revisão : 24/07/15 País(es) : Todos Banco(s) de

Leia mais

MINISTÉRIO DO PLANEJAMENTO

MINISTÉRIO DO PLANEJAMENTO Conceitualização O Projeto Assentamento Funcional Digital - AFD objetiva a criação de Dossiês, em mídia digital, que serão tratados como Fonte Primária de Informação de dados cadastrais de cada Servidor

Leia mais

CHECK LIST DE AVALIAÇÃO DE FORNECEDORES Divisão:

CHECK LIST DE AVALIAÇÃO DE FORNECEDORES Divisão: 4.2.2 Manual da Qualidade Está estabelecido um Manual da Qualidade que inclui o escopo do SGQ, justificativas para exclusões, os procedimentos documentados e a descrição da interação entre os processos

Leia mais

Gerenciamento de Projeto: Monitorando e Controlando o Projeto II. Prof. Msc Ricardo Britto DIE-UFPI rbritto@ufpi.edu.br

Gerenciamento de Projeto: Monitorando e Controlando o Projeto II. Prof. Msc Ricardo Britto DIE-UFPI rbritto@ufpi.edu.br Gerenciamento de Projeto: Monitorando e Controlando o Projeto II Prof. Msc Ricardo Britto DIE-UFPI rbritto@ufpi.edu.br Sumário Reportar o Desempenho Realizar o Controle Integrado de Mudanças Reportar o

Leia mais

AULA Gestão dos processos de manutenção.

AULA Gestão dos processos de manutenção. ASTI - Análise de Sistemas e Tecnologia da Informação DIAGNÓSTICO E SOLUÇÃO DE PROBLEMAS EM TI - II AULA 03 / 04 Prof. Pissinati FATEC AM Faculdade de Tecnologia de Americana 19/FEV/2010 19/02/10 1 AULA

Leia mais

1- Objetivo: Avaliar os conhecimentos adquiridos durante o auto treinamento de Governança de TI com as práticas da ITIL e Cobit.

1- Objetivo: Avaliar os conhecimentos adquiridos durante o auto treinamento de Governança de TI com as práticas da ITIL e Cobit. 1- Objetivo: Avaliar os conhecimentos adquiridos durante o auto treinamento de Governança de TI com as práticas da ITIL e Cobit. 2 Regras e Instruções: Antes de começar a fazer a avaliação leia as instruções

Leia mais

Redes de Computadores

Redes de Computadores Redes de Computadores Redes de Computadores Redes de Computadores 2 1 Responsável pela movimentação dos dados, de maneira eficiente e confiável, entre processos (usuários) em execução nos equipamentos

Leia mais

Engenharia de Requisitos

Engenharia de Requisitos Engenharia de Requisitos Introdução a Engenharia de Requisitos Professor: Ricardo Argenton Ramos Aula 08 Slide 1 Objetivos Introduzir a noção de requisitos do sistema e o processo da engenharia de requisitos.

Leia mais

Seção 2: Atenção ao Paciente Subseções: Gestão do Acesso, Internação, Atendimento em Emergência e Atendimento Ambulatorial

Seção 2: Atenção ao Paciente Subseções: Gestão do Acesso, Internação, Atendimento em Emergência e Atendimento Ambulatorial Seção 2: Atenção ao Paciente Subseções: Gestão do Acesso, Internação, Atendimento em Emergência e Atendimento Ambulatorial Flávia Soveral Miranda Luciana de Camargo Requisitos necessários a todos as subseções

Leia mais

Introdução à Forense Computacional. Henrique Ribeiro henrique@gris.dcc.ufrj.br

Introdução à Forense Computacional. Henrique Ribeiro henrique@gris.dcc.ufrj.br Introdução à Forense Computacional Henrique Ribeiro henrique@gris.dcc.ufrj.br Definição Coleta e análise de dados de maneira não tendenciosa e o mais livre de distorção possível, para reconstruir dados

Leia mais

Tecnologia da Informação. Sistema Integrado de Gestão ERP ERP

Tecnologia da Informação. Sistema Integrado de Gestão ERP ERP Tecnologia da Informação. Sistema Integrado de Gestão ERP Prof: Edson Thizon ethizon@gmail.com O que é TI? TI no mundo dos negócios Sistemas de Informações Gerenciais Informações Operacionais Informações

Leia mais

Sistema Integrado de Gestão ERP. Prof: Edson Thizon ethizon@gmail.com

Sistema Integrado de Gestão ERP. Prof: Edson Thizon ethizon@gmail.com Sistema Integrado de Gestão ERP Prof: Edson Thizon ethizon@gmail.com Tecnologia da Informação. O que é TI? TI no mundo dos negócios Sistemas de Informações Gerenciais Informações Operacionais Informações

Leia mais