INTRODUÇÃO. Brasil 3 Orientadora do Curso de História do Centro Universitário Franciscano (UNIFRA), Santa Maria, RS,

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "INTRODUÇÃO. Brasil 3 Orientadora do Curso de História do Centro Universitário Franciscano (UNIFRA), Santa Maria, RS,"

Transcrição

1 PUNTEANDO A MEMÓRIA HISTÓRICA DE SANTA MARIA (RS): O TRATAMENTO DO ACERVO DA CASA DE MEMÓRIA EDMUNDO CARDOSO (CMEC) 1 CHAVES, Marjana Feltrin 2 ; CORRÊA, Roselâine Casanova 3 1 PROBEX _UNIFRA 2 Acadêmica do Curso de História do Centro Universitário Franciscano (UNIFRA), Santa Maria, RS, Brasil 3 Orientadora do Curso de História do Centro Universitário Franciscano (UNIFRA), Santa Maria, RS, Brasil RESUMO O Projeto de Extensão Casa de Memória Edmundo Cardoso CMEC: a arte de salvaguardar coleções museais (Santa Maria-RS) 1, do Curso de História do Centro Universitário Franciscano (UNIFRA), teve início em abril de 2010 com a bolsista Daiane Silveira Rossi. A partir de abril de 2011, assumiu como bolsista a acadêmica Marjana Feltrin Chaves, que desde janeiro (2011) já estava inserida no projeto como voluntária. A CMEC sedia um acervo vastíssimo: arquivo, biblioteca, pinacoteca, fotografias e objetos de diversas tipologias (cerâmica, couro, gesso, metal, plástico, têxteis, vidro). Ao longo de 2011 foram realizadas atividades visando à conservação, a catalogação, o acondicionamento e a armazenagem do acervo documental, museológico e fotográfico, a fim de preservar a memória da cidade e de seus agentes, tal como Edmundo Cardoso fez o longo de sua vida ( ). Palavras-Chave: Acervo; Higienização; Bando de Dados. INTRODUÇÃO Este projeto de extensão funciona nas dependências da antiga residência da família de Edmundo Cardoso, na Rua Pinheiro Machado, nº em Santa Maria/RS. A execução do mesmo se dá devido à parceria entre a Casa de Memória Edmundo Cardoso (CMEC) e o Curso de História do Centro Universitário Franciscano (UNIFRA). Os procedimentos executados na CMEC visam à preservação da memória e a conservação do acervo coletado por Edmundo Cardoso ( ), que no decorrer de sua trajetória desempenhou as funções de jornalista, funcionário da justiça, escritor, pesquisador, memorialista e teatrólogo. Para a execução do projeto foi formada uma equipe de trabalho, assim distribuída: professora orientadora Roselâine Casanova Corrêa (Curso de História UNIFRA), bolsista Marjana Feltrin Chaves (acadêmica do Curso de História UNIFRA), voluntária Antônia Dias da Costa Teixeira (acadêmica do Curso de História UNIFRA) e pelas responsáveis pelo acervo, Therezinha de Jesus Pires Santos e Gilda May Cardoso Santos (administradoras da Casa). 1 Resultados parciais do Projeto de Extensão CASA DE MEMÓRIA EDMUNDO CARDOSO (CMEC): MEMÓRIA E SALVAGUARDA DE ACERVOS (SANTA MARIA-RS) - UNIFRA

2 As atividades dessa segunda fase do Projeto 2 tiveram início em abril de 2011, e ao final de um semestre foi entregue para à Pró-Reitoria de Pós-Graduação, Pesquisa e Extensão (PRPGPE) da UNIFRA um relatório contendo as atividades realizadas até então. Ao longo do ano corrente foram realizados os processos de higienização, catalogação, acondicionamento e armazenagem das peças do acervo museológico, totalizando 210 objetos. Os mesmos processos se deram com as fotografias, que foram revisadas e realocadas no novo Banco de Dados, em um total de 80 imagens, sobre diversos temas da cidade de Santa Maria. Também se realizaram a digitalização, redimensionamento e montagem de recortes de jornais, dispostos segundo temáticas amplas, tais como: Festa de Santo Antão; Religião 1; Religião 2; Religião Medianeira; Religião Catedral; Montanha Russa; Artes Cênicas Teatro; Japoneses; Maçonaria; Marcelo Canellas; Escravidão; Mulheres; Hospital de Caridade Dr. Astrogildo de Azevedo; Visitas Ilustres e Cemitério Municipal. 1. CASA DE MEMÓRIA EDMUNDO CARDOSO: memória e (des) sacralização do objeto No decorrer de 2011 foram executadas atividades com o intuito de salvaguardar parte da memória da CMEC, através do tratamento de fotografias e de objetos variados do acervo. Tomaram-se medidas necessárias à conservação dos mesmos, por meio de processos de higienização, catalogação, acondicionamento e armazenagem. Foram, portanto, tratadas no corrente ano, 210 peças de diversas tipologias e coleções. Em 1º de junho de 2011, a acadêmica do Curso de História, Antônia Dias da Costa Teixeira 3, ingressou no projeto como voluntária. Com o auxílio da bolsista Marjana Feltrin Chaves, tomou conhecimento das técnicas especificas para a higienização do acervo da CMEC. A obra que embasou as acadêmicas para desenvolver este trabalho foi o Manual de Higienização e Acondicionamento do Acervo Museológico do SDM. Inicialmente, Costa Teixeira realizou a higienização dos metais brancos e amarelos, como ferros de passar roupa, prataria, espadas, projetores de cinema, bainhas de facas, dentre outros objetos. Posteriormente, foram tratados objetos de diversos materiais: cerâmica, couro, gesso, madeira, plástico e vidro. Estes materiais foram higienizados com técnicas simples e 2 A primeira fase do projeto foi realizada durante o período de março de 2010 a março de Voluntária do Projeto de Extensão Casa de Memória Edmundo Cardoso (CMEC): a arte de salvaguardar coleções museais (Santa Maria-RS) Curso de História Centro Universitário Franciscano (UNIFRA), Santa Maria (RS). 2

3 eficazes. Usa-se esponja macia embebida em detergente líquido neutro e água. No caso de recipientes de vidro, pode-se fazer o uso de escovas dentais ou escovas de mamadeira, para melhor atingir o fundo dos mesmos. Lava-se em água corrente e seca-se a peça. Para madeira usa-se lixa d água A500, utilizada para acabamentos, de modo a desprender mais facilmente a sujidade contida no material. Feito isso, lava-se e seca-se a peça e para dar o acabamento final, usa-se óleo mineral. Feita a higienização, confecciona-se em máquina de costura, embalagens em TNT que cobrem totalmente a peça e são vedadas com barbantes cru para evitar o contado com o meio externo. Então os objetos são catalogados no Livro de Registro, que contém 100 folhas numeradas. Suas folhas são rubricadas pela responsável pelo registro e pela coordenadora do museu, Therezinha de Jesus Pires Santos. O registro inicia-se no reverso da 1ª página e na página 2, ocupando toda a largura do livro quando aberto. Para a numeração do acervo, foi adotado o sistema alfa numérico, uma vez que por intermédio dele podem-se preservar duas ou mais informações: a sigla do museu, o número de registro do objeto e o seu desdobramento. Exemplo: a numeração de um açucareiro ficaria assim - CMEC001, a tampa do açucareiro seria o desdobramento e receberia o número - CMEC A marcação das peças é provisória, feita com lápis 6B, em etiquetas de joalheiro, contendo uma etiqueta dentro da embalagem e a outra preza ao barbante cru. Os objetos, após passarem pelo processo de higienização, acondicionamento e catalogação, são devidamente armazenados na Reserva Técnica (RT). É importante ressaltar que os objetos mais deteriorados são os primeiros a serem tratados. Portanto, antes de ser o lugar de preservação da memória, o museu é um território de construção da memória, disputa em torno do que deve resistir à corrosão do tempo (RAMOS, 2004, p.112). Uma gama enorme de museus trazia em seus acervos objetos diretamente ligados a personagens proeminentes: um presidente, um literato, um príncipe, enfim, objetos que remetiam a pessoas pertencentes a fatos históricos importantes. Estes objetos eram sacralizados, postos em um pedestal digno de reverência e encobertos por uma cuba de vidro incapaz de aproximá-los do público. Perdia-se muito do caráter crítico da peça, pois a tão esperada interação não ocorria. Eram museus neutros e apolíticos, não correspondendo ao ato educativo e reflexivo. Isso, no entanto, mudou, a partir do século XIX. Atualmente, os debates sobre o papel educativo do museu afirmam que o objetivo não é mais a celebração de personagens ou a classificação enciclopédica da natureza, e sim a reflexão crítica. Se antes os objetos eram contemplados, ou analisados, dentro da suposta neutralidade científica, agora devem ser interpretados (RAMOS, 2004, p. 20). 3

4 A CMEC ainda não expõe seu acervo, porém atende aos interessados sob agendamento. Então são selecionadas algumas peças na Reserva Técnica, de modo a construir uma colcha de retalhos, capaz de transportar o visitante às memórias vividas por ele ou pelo (s) grupo (s) no qual o sujeito está inserido. Tais peças podem transportá-lo a lugares pelos quais já passou, a histórias que ele ouviu ou leu, aos causos dos mais velhos. Enfim, as lembranças permanecem coletivas e nos lembramos por outros, ainda que se trate de eventos em que somente nós estivemos envolvidos e objetos que somente nós vimos. Isto acontece porque jamais estamos sós (HALBWACHS, 2006, p.30). Aqui o objeto ganha vez e voz, ele reporta as pessoas a uma Santa Maria da Boca do Monte que envolveu não apenas uma elite letrada, o clero ou prefeitos e governadores do Estado. Leva-os também as diversas camadas sociais, expressa desde uma tigela de barbear de porcelana e prata até os ferros de passar roupa à brasa (muito usado pelas empregadas e donas de casa menos abastadas). Perde, portanto, os ares de sacralidade, mostram-se reflexivos, partícipes de uma vida social plural, conversam com o público, sendo que: [...] o papel do museu não é revelar o implícito, nem o explícito, não é resgatar o submerso, não é dar voz aos excluídos (nem incluídos...), não é oferecer dados ou informações. Em suma, o museu não é um doador de cultura. Sua responsabilidade social é excitar a reflexão sobre múltiplas relações entre o presente e o passado, através dos objetos no espaço expositivo (HALBWACHS, 2006, p.131). A Casa de Memória Edmundo Cardoso cumpre com seu papel educativo, por meio das visitas guiadas, agraciando os visitantes com objetos museológicos, pinacoteca, arquivo e biblioteca. Isso possibilita a produção do saber crítico e diferencia-se daqueles modelos arcaicos de mediação de informações, cabendo ao professor (no caso de visitas provindas de escolas) propor, juntamente com as ações do museu, levar os alunos a entendimentos refletidos. Dessa maneira, administrar um museu é, portanto, entende-lo em sua historicidade. Além de expor o resultado de pesquisas sobre a história que há nos objetos, o museu deve se expor ao conhecimento histórico, tonando-se tema de estudo e perdendo ares de sacralidade. Assim, o alvo de reflexão crítica estranhada no conhecimento histórico não é somente o acervo ou o prédio onde funciona o museu, mas também a própria dinâmica do museu em suas várias dimensões de curta ou longa duração e a metodologia de monitoramento das visitas de estudantes ou do público em geral. (RAMOS, 2004, p.48). 4

5 Fora da Casa são realizadas em diversos locais da cidade exposições itinerantes. Em 2011, foram realizadas duas exposições: em maio, na Escola Estadual de 1º Grau Edna Mey Cardoso (Camobi), a exposição intitulada Edna Mey: Mulher e atriz admirável (Figura 11); a exposição Um olhar sobre Santa Maria Antiga, passou pela Escola Básica Estadual Érico Veríssimo, EMEF CAIC Luizinho de Grandi (Figura 10), Faculdade Palotina de Santa Maria (FAPAS) e a Escola Estadual de Ensino Médio Dr. Walter Jobim (em comemoração aos 39 anos de funcionamento da escola). As duas ações foram realizadas em celebração do aniversário de Santa Maria e concomitante a Semana Nacional de Museus, ambos em maio. Essas exposições culminam na produção de conhecimento fora dos limites do museu, e são importantes, pois levam consigo parcelas da história da Casa, de Santa Maria e de personagens santa-marienses. Cumprindo com o papel educativo, reflexivo e dialogado. Isso implica afirmar que, sem problemáticas historicamente fundamentadas para produzir o saber crítico, a visita torna-se um ato mecânico. Ainda é muito comum o professor de história exigir dos alunos o famigerado relatório da visita. Aí, vemos uma legião de estudantes desesperados, copiando as legendas rapidamente, para fazer a tarefa exigida. Nessa atividade, baseada no reflexo e não na reflexão, o visitante chega ao ponto de perder o que há de mais importante: o contato com os objetos. [...] Seguindo os passos da educação bancária, como diz Paulo Freire, o museu é transformado em fornecedor de dados (RAMOS, 2004, p. 26). A CMEC abriga uma infinidade de fotografias que estão dispostas em duas categorias: fotografias da cidade (museu) e fotografias pessoais de Edmundo Cardoso (arquivo). Cabendo a bolsista proceder com os processos de salvaguarda das primeiras, para conservá-las da ação corrosiva do tempo, pois as mesmas exprimem [...] um inesgotável poder para a percepção da trama entre o espaço e o tempo, abrindo uma significativa via de acesso à chamada educação patrimonial. Além de possibilitar o jogo de percepções entre passado e presente, os enquadramentos ressaltam detalhes, chamam nossa atenção para aspectos que muitas vezes não se revelam facilmente nas observações in loco. A lente da máquina, ao capturar e fixar imagens, tem outro olhar, um enfoque que nos coloca na terceira margem do rio: revela coisas que até já foram vistas, mas que escapam do olho em sua dinâmica. De tempos pretéritos ou da atualidade, a fotografia excita o olhar atento, na medida em que mostra novidades em panoramas, nas minúcias desconhecidas e naquilo que já faz parte do senso comum do nosso campo visual. Nesse delineamento de cores pregadas no papel, há uma mística da visibilidade deslocamento no poder de percepção. É por isso que o ato de ver nossa própria imagem numa fotografia sempre carrega surpresas (RAMOS, 2004, p.42-43). A primeira etapa do processo de salvaguarda das fotografias e de todo o aparato de conhecimento que dela provém, reside primeiramente na higienização. Tal higienização consiste na limpeza mecânica que: 5

6 [...] consiste na remoção das sujeiras superficiais tanto da base quanto da emulsão. Neste caso, utilizam-se pincéis macios para não provocar abrasões nas superfícies ou pó de borracha. A limpeza química é feita para a remoção de resíduos de colas, fitas adesivas, etiquetas, tintas, grampos, clipes, excrementos de insetos e outros tipos de substâncias alheias à superfície original da imagem (FELLIPI, 2002, p. 97). Ao término da higienização, são confeccionados envelopes de ph neutro, comportando a dimensão total da imagem, que varia entre 30x24cm até 5x4cm. Estes envelopes são produzidos manualmente, sobre uma superfície emborrachada especializada para o corte, que é realizado com uso de estilete e uma régua de metal. É importante ressaltar que estes envelopes cobrem totalmente a imagem, para que não ocasione o contato delas com agentes externos, que podem vir a deteriorá-las. Já a identificação da imagem é realizada de forma superficial, apenas com o título da imagem, escrito com lápis 6B na parte frontal superior esquerda do envelope. E são armazenadas em caixa de ph neutro e postas no armário de aço contra incêndio, para maior proteção. Após o término dos processos devidos, parte-se para o Banco de Dados. Durante os trabalhos de 2010, usou-se o dispositivo criado pela Arquivista Tassiara Jaqueline Fanck Kich. Em 2011, foi elaborado um novo Banco de Dados, por Gustavo Segalla, a fim de melhor dispor as informações contidas na fotografia. Este novo dispositivo abarcará não somente as fotografias, mas também a descrição dos objetos museais, que serão tratados a partir de Nele são depositadas as fotografias que estão sendo revisadas e realocadas, totalizando a correção de 80 fotografias. Atualmente o dispositivo é usado pela bolsista Marjana Feltrin Chaves e por Therezinha de Jesus Pires Santos. O acesso ao banco de dados demanda de um usuário e uma senha. Nos campos a serem preenchidos são postas as seguintes informações: 1ª Aba IDENTIFICAÇÃO: código; número; outros números; nome/título; classificação por coleção; principal/desdobramento; referência (BR CMEC 0000); descrição da foto; autor e data. 2ª Aba CONTEXTO HISTÓRICO: evento; local; assunto (s); pessoas e edificação. 3ª Aba CARACTERÍSTICAS FÍSICAS: tipo de material; estado de conservação; dimensão; cromia; características físicas; espécie; original; possui negativo; código de localização negativo e anotações/texto no documento. 6

7 4ª Aba PUBLICAÇÕES: existência e localização de originais/cópias e publicações. 5ª Aba AQUISIÇÃO ACONDICIONAMENTO: aquisição; data; modo; procedência e acondicionamento. Em todas as abas encontra-se a fotografia digitalizada, com o recurso de ampliá-la caso necessário, para melhor visualizá-la. Para descrever as fotos, usam-se as informações contidas no verso das mesmas; nos livros, como João Daudt Filho, João Belém, Walter Noal Filho e Romeu Beltrão; revistas; recortes de jornais e com o auxílio de Therezinha de Jesus Pires Santos, exímia conhecedora da história de Santa Maria. Existem, portanto, várias interpretações sobre a mesma fotografia, pois a lembrança é uma reconstrução do passado com a ajuda de dados tomados de empréstimo ao presente e preparados por outras reconstruções feitas em épocas anteriores e de onde a imagem de outrora já saiu bastante alterada (HALBWACHS, 2006, p. 91). Essas imagens já estão disponíveis à consulta, podendo ser de grande utilidade para pesquisadores em geral, historiadores, memorialistas, enfim, podem atender ao público que sentir-se interessado em conhecer a história de Santa Maria da Boca do Monte. CONCLUSÕES As atividades realizadas na Casa de Memória Edmundo Cardoso (CMEC) por meio do Projeto de Extensão supracitado é muito mais que cumprir etapas, apresentar resultados, preencher relatórios e redigir artigos. O que foi mencionado obedece a um script, um cronograma, um compromisso, que também são importantes. Adentrar a Casa por um corredor estreito e longo, forrado de imagens de teatro, cinema, atores, atrizes, a própria família, que é também tudo isso, já é uma experiência única. Descobrir aos poucos a pinacoteca, a biblioteca, a sala de higienização, a Reserva Técnica e muito mais, não se quantifica e não se descreve. Se sente. A Casa de Memória Edmundo Cardoso entrou na vida de muitos e o contrário também procede. Dessa vivência ou convivência com a casa, com os objetos, com a família, resulta uma memória que não conseguimos definir se é individual ou coletiva. Como apropriadamente relata Ecléa Bosi em sua obra Memória e sociedade lembrança de velhos (1994), ao término de cada etapa da rememoração do outro se rouba um pouco da memória alheia. E ainda citando Bosi, mexendo e remexendo em objetos tão variados, carregados de símbolos e signos, vamos punteando a nossa própria memória. Que depois transformaremos em pesquisa, que resultará em um texto e assim 7

8 sucessivamente, de maneira que formamos um bailado (os marxistas diriam que isto é dialética). Os passos dessa dança nos levam por toda a casa e resulta em um feixe de flores colorido, inusitado, brilhante. Na verdade vários feixes de flores. Ao higienizar um ferro de passar (quando ainda era mesmo de ferro), depara-se com arabescos impensados; a espada, afinal, não era prateada; e os garfos de prata para bolo, já limpos no estojo azul escuro, nos leva correndo para a confeitaria. E há o abajur que era cobre e ficou dourado e alguém jura que não foi responsável pelo seu trincado. E o Banco de Dados, afinal, faz brilhar os olhos de quem explica como, para que e porque ele existe. Ele existe para colocar a Casa dentro dele, claro. Nas diversas etapas dos trabalhos, a equipe manteve-se coesa e produtiva, de maneira que o projeto segue seu cronograma em A parceria entre a Casa de Memória e a UNIFRA demonstrou ser possível o crescimento e amadurecimento de todos os envolvidos. REFERÊNCIAS BOSI, Ecléa. Memória e sociedade: lembranças dos velhos. 3ª. ed. São Paulo: Companhia das Letras, CHAGAS, Mário de Souza. Há uma gota de sangue em cada museu: a ótica museológica de Mario de Andrade. Chapecó: Argos, FELIPPI, Patrícia de; LIMA, Solange Ferraz de; CARVALHO, Vânia Carneiro de. Como Tratar Coleções de Fotografias. 2ª ed. Arquivo do Estado/ Imprensa Oficial do Estado. São Paulo, HALBWACHS, Maurise. A memória coletiva. Trad. de Beatriz Sidou. São Paulo: Centauro, Manual de Higienização e Acondicionamento do Acervo Museológico do SDM. Rio de Janeiro: Serviço de Documentação da Marinha, Os Museus do Mundo. Biblioteca Salvat de Grandes Temas. Livros GT. Lisboa: Fernando Chinaglia Distribuidora S. A RAMOS, Francisco Régis Lopes. A danação do objeto: o museu no ensino de história. Chapecó: Argos, SEGRE, Roberto; FINOTI, Leonardo. Museus brasileiros. Rio de Janeiro: Viana & Mosley,

CONSERVAÇÃO E ORGANIZAÇÃO DE ACERVOS: PONTAPÉ INICIAL

CONSERVAÇÃO E ORGANIZAÇÃO DE ACERVOS: PONTAPÉ INICIAL PRESERVE SEU ACERVO CONSERVAÇÃO E ORGANIZAÇÃO DE ACERVOS: PONTAPÉ INICIAL Sabe aquelas fotos, textos, recortes de jornal, roupas, flâmulas e outros objetos que guardamos em casa, na sede do clube, no comércio

Leia mais

As práticas do historiador: experiências do Laboratório de Documentação do Curso de História da Universidade Cruzeiro do Sul UNICSUL

As práticas do historiador: experiências do Laboratório de Documentação do Curso de História da Universidade Cruzeiro do Sul UNICSUL As práticas do historiador: experiências do Laboratório de Documentação do Curso de História da Universidade Cruzeiro do Sul UNICSUL Profa. Dra. Ana Barbara A. Pederiva Professora da Universidade Cruzeiro

Leia mais

GAVETAS DE GUARDADOS: O TRATAMENTO DA CASA DE MEMÓRIA EDMUNDO CARDOSO CHAVES, Marjana Feltrin; CORRÊA, Roselâine Casanova

GAVETAS DE GUARDADOS: O TRATAMENTO DA CASA DE MEMÓRIA EDMUNDO CARDOSO CHAVES, Marjana Feltrin; CORRÊA, Roselâine Casanova RESUMO GAVETAS DE GUARDADOS: O TRATAMENTO DA CASA DE MEMÓRIA EDMUNDO CARDOSO CHAVES, Marjana Feltrin; CORRÊA, Roselâine Casanova UNIFRA Curso de História Centro Universitário Franciscano (UNIFRA) E-mails:

Leia mais

Modernização da gestão da documentação pública do Estado do Rio de Janeiro e reestruturação do Arquivo Público.

Modernização da gestão da documentação pública do Estado do Rio de Janeiro e reestruturação do Arquivo Público. Modernização da gestão da documentação pública do Estado do Rio de Janeiro e reestruturação do Arquivo Público. BENEFICIADOS: Administração Estadual. Pesquisadores. Entidades científicas brasileiras. Demais

Leia mais

Histórias, Redes Sociais e Memória

Histórias, Redes Sociais e Memória Histórias, Redes Sociais e Memória h.d.mabuse "A capacidade de lembrar o que já se viveu ou aprendeu e relacionar isso com a situação presente é o mais importante mecanismo de constituição e preservação

Leia mais

PLANEJAMENTO TRIMESTRAL III Trimestre / 2009. PROFESSORA: Bianca de Souza NÚCLEO 3 TURMA N3-8 OBJETIVOS 1

PLANEJAMENTO TRIMESTRAL III Trimestre / 2009. PROFESSORA: Bianca de Souza NÚCLEO 3 TURMA N3-8 OBJETIVOS 1 PLANEJAMENTO TRIMESTRAL III Trimestre / 2009 PROFESSORA: Bianca de Souza OBJETIVOS 1 Os objetivos para o terceiro trimestre com a turma N3-8 é o estudo e a construção de uma maquete da escola. Uma sequência

Leia mais

OBJETIVOS: ARTES VISUAIS EDUCAÇÃO INFANTIL PRÉ II DATA: PERÍODO:

OBJETIVOS: ARTES VISUAIS EDUCAÇÃO INFANTIL PRÉ II DATA: PERÍODO: ARTES VISUAIS EDUCAÇÃO INFANTIL PRÉ II DATA: PERÍODO: CONTEÚDO: Gênero: Retrato /Fotografia Técnica: Pintura óleo sobre tela Elementos formais: cor e luz Os recursos formais de representação: figuração

Leia mais

Programa Educativo da Bienal na exposição Em Nome dos Artistas

Programa Educativo da Bienal na exposição Em Nome dos Artistas Programa Educativo da Bienal na exposição Em Nome dos Artistas O Programa Educativo da Bienal é responsável pela relação direta da Bienal com o público. Sob curadoria de Stela Barbieri, o programa tem

Leia mais

EDUCAÇÃO E PROGRESSO: A EVOLUÇÃO DO ESPAÇO FÍSICO DA ESCOLA ESTADUAL ELOY PEREIRA NAS COMEMORAÇÕES DO SEU JUBILEU

EDUCAÇÃO E PROGRESSO: A EVOLUÇÃO DO ESPAÇO FÍSICO DA ESCOLA ESTADUAL ELOY PEREIRA NAS COMEMORAÇÕES DO SEU JUBILEU 1 EDUCAÇÃO E PROGRESSO: A EVOLUÇÃO DO ESPAÇO FÍSICO DA ESCOLA ESTADUAL ELOY PEREIRA NAS COMEMORAÇÕES DO SEU JUBILEU Resumo Rodrigo Rafael Pinheiro da Fonseca Universidade Estadual de Montes Claros digasmg@gmail.com

Leia mais

TEMPO AO TEMPO, NO MUSEU HERING "TIME TO TIME" IN HERING'S MUSEUM. Em Blumenau, a história e as tradições são preservadas de muitas formas e

TEMPO AO TEMPO, NO MUSEU HERING TIME TO TIME IN HERING'S MUSEUM. Em Blumenau, a história e as tradições são preservadas de muitas formas e TEMPO AO TEMPO, NO MUSEU HERING "TIME TO TIME" IN HERING'S MUSEUM Marli Rudnik Em Blumenau, a história e as tradições são preservadas de muitas formas e uma delas é através do acervo e das exposições dos

Leia mais

Cultura Material em Exposição: Museu do Couro e do Zé Didor, Campo Maior, Piauí

Cultura Material em Exposição: Museu do Couro e do Zé Didor, Campo Maior, Piauí 1 Cultura Material em Exposição: Museu do Couro e do Zé Didor, Campo Maior, Piauí Felipe de Sousa Soares* Felipe Rocha Carvalho Lima** Petherson Farias de Oliveira*** 1. Introdução O texto visa apresentar

Leia mais

FORMULÁRIO DAS AÇÕES DE EXTENSÃO

FORMULÁRIO DAS AÇÕES DE EXTENSÃO FORMULÁRIO DAS AÇÕES DE EXTENSÃO 1. IDENTIFICAÇÃO DA ORIGEM 1.1. TÍTULO DO PROJETO: Programa História e Memória Regional 1.2. CURSO: Interdisciplinar 1.3. IDENTIFICAÇÃO DO(A) PROFESSOR(A) /PROPONENTE 1.3.1.

Leia mais

FUNDAÇÃO PATRIMÔNIO HISTÓRICO DA ENERGIA E SANEAMENTO MUSEU DA ENERGIA DE ITU EDITAL DE CAPTAÇÃO DE PROJETOS PARA VISITAÇÃO AO MUSEU DA ENERGIA DE ITU

FUNDAÇÃO PATRIMÔNIO HISTÓRICO DA ENERGIA E SANEAMENTO MUSEU DA ENERGIA DE ITU EDITAL DE CAPTAÇÃO DE PROJETOS PARA VISITAÇÃO AO MUSEU DA ENERGIA DE ITU FUNDAÇÃO PATRIMÔNIO HISTÓRICO DA ENERGIA E SANEAMENTO MUSEU DA ENERGIA DE ITU EDITAL DE CAPTAÇÃO DE PROJETOS PARA VISITAÇÃO AO MUSEU DA ENERGIA DE ITU Ano: 2015 Edital nº 01/2015 Temas: energia elétrica;

Leia mais

Portal Contador Parceiro

Portal Contador Parceiro Portal Contador Parceiro Manual do Usuário Produzido por: Informática Educativa 1. Portal Contador Parceiro... 03 2. Acesso ao Portal... 04 3. Profissionais...11 4. Restrito...16 4.1 Perfil... 18 4.2 Artigos...

Leia mais

MEMÓRIA URBANA DE PALMAS-TO: LEVANTAMENTO DE INFORMAÇÕES E MATERIAL SOBRE O PLANO DE PALMAS E SEUS ANTECEDENTES

MEMÓRIA URBANA DE PALMAS-TO: LEVANTAMENTO DE INFORMAÇÕES E MATERIAL SOBRE O PLANO DE PALMAS E SEUS ANTECEDENTES MEMÓRIA URBANA DE PALMAS-TO: LEVANTAMENTO DE INFORMAÇÕES E MATERIAL SOBRE O PLANO DE PALMAS E SEUS ANTECEDENTES Nome dos autores: Gislaine Biddio Rangel¹; Ana Beatriz Araujo Velasques². 1 Aluna do Curso

Leia mais

Prática Pedagógica: Coleta de Lixo nas Escolas

Prática Pedagógica: Coleta de Lixo nas Escolas Prática Pedagógica: Coleta de Lixo nas Escolas Introdução O objetivo desse trabalho é ajudar as Escolas e demais instituições na implantação do programa da coleta seletiva do lixo e do lixo eletrônico.

Leia mais

SERVIÇO PÚBLICO FEDERAL MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO INSTITUTO FEDERAL DE EDUCAÇÃO, CIÊNCIA E TECNOLOGIA FARROUPILHA PRÓ-REITORIA DE EXTENSÃO

SERVIÇO PÚBLICO FEDERAL MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO INSTITUTO FEDERAL DE EDUCAÇÃO, CIÊNCIA E TECNOLOGIA FARROUPILHA PRÓ-REITORIA DE EXTENSÃO SERVIÇO PÚBLICO FEDERAL MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO INSTITUTO FEDERAL DE EDUCAÇÃO, CIÊNCIA E TECNOLOGIA FARROUPILHA PRÓ-REITORIA DE EXTENSÃO ANEXO I. PROJETO DE CURTA DURAÇÃO 1. IDENTIFICAÇÃO 1.1 Título do

Leia mais

A infância é o tempo de maior criatividade na vida de um ser humano. Jean Piaget

A infância é o tempo de maior criatividade na vida de um ser humano. Jean Piaget Lista de material 2016 BERÇÁRIO II (1 a 2 anos) 01 resma de papel A3 01 pacote de papel sulfite rosa 04 folhas de papel microondulado (coloridas) 03 folhas de papel laminado (2 pratas/01 verde) 02 folhas

Leia mais

LITERATURA INFANTIL E JUVENIL E A FORMAÇÃO DE LEITORES NA BIBLIOTECA ESCOLAR. Lília Santos

LITERATURA INFANTIL E JUVENIL E A FORMAÇÃO DE LEITORES NA BIBLIOTECA ESCOLAR. Lília Santos LITERATURA INFANTIL E JUVENIL E A FORMAÇÃO DE LEITORES NA BIBLIOTECA ESCOLAR Lília Santos NA BIBLIOTECA ESCOLAR, a MEDIAÇÃO com crianças e jovens acontece o tempo todo. É preciso ter atenção com os conteúdos

Leia mais

A ARTE E A EXPRESSÃO CORPORAL NA FORMAÇÃO CONTINUADA DE PROFISSIONAIS DA EDUCAÇÃO INFANTIL 1

A ARTE E A EXPRESSÃO CORPORAL NA FORMAÇÃO CONTINUADA DE PROFISSIONAIS DA EDUCAÇÃO INFANTIL 1 A ARTE E A EXPRESSÃO CORPORAL NA FORMAÇÃO CONTINUADA DE PROFISSIONAIS DA EDUCAÇÃO INFANTIL 1 Ingrid Dos Santos Gonçalves 2, Sarai De Fátima Silveira De Souza 3, Andrisa Kemel Zanella 4. 1 projeto de extensão

Leia mais

FOTOGRAFIA IMPRESSA E EXPOSIÇÕES FOTOJORNALÍSTICAS DO GRUPO FOCA FOTO

FOTOGRAFIA IMPRESSA E EXPOSIÇÕES FOTOJORNALÍSTICAS DO GRUPO FOCA FOTO 12. CONEX Apresentação Oral Resumo Expandido 1 ÁREA TEMÁTICA: (marque uma das opções) ( x ) COMUNICAÇÃO ( ) CULTURA ( ) DIREITOS HUMANOS E JUSTIÇA ( ) EDUCAÇÃO ( ) MEIO AMBIENTE ( ) SAÚDE ( ) TRABALHO

Leia mais

Fundação Romi. Centro de Documentação

Fundação Romi. Centro de Documentação Fundação Romi Centro de Documentação Neste espaço os mais importantes períodos da história barbarense são pontuados, partindo dos povos primitivos, passando pela fundadora, a cana-de-açúcar, os impactos

Leia mais

Para que um sistema de arquivos seja considerado completo é necessário que ele comporte três fases distintas definidas como:

Para que um sistema de arquivos seja considerado completo é necessário que ele comporte três fases distintas definidas como: Manual de Arquivo IINTRODUÇÃO A elaboração do presente manual de arquivo tem como objetivo disponibilizar um instrumento de auxílio aos usuários dos arquivos setoriais, intermediário e permanente que integram

Leia mais

ACERVOS FOTOGRÁFICOS HISTÓRICOS. Organização, Pesquisa e Usos de Documentos Visuais. Aline Lopes de Lacerda alopeslacerda@gmail.

ACERVOS FOTOGRÁFICOS HISTÓRICOS. Organização, Pesquisa e Usos de Documentos Visuais. Aline Lopes de Lacerda alopeslacerda@gmail. ACERVOS FOTOGRÁFICOS HISTÓRICOS Organização, Pesquisa e Usos de Documentos Visuais Aline Lopes de Lacerda alopeslacerda@gmail.com Parte I - Fotografia e valor documentário Parte II - A fotografia nos arquivos:

Leia mais

Arquivo CÂNDIDO DE MELLO NETO: organização e disponibilização dos acervos sobre Anarquismo, Integralismo e Documentos Particulares

Arquivo CÂNDIDO DE MELLO NETO: organização e disponibilização dos acervos sobre Anarquismo, Integralismo e Documentos Particulares Arquivo CÂNDIDO DE MELLO NETO: organização e disponibilização dos acervos sobre Anarquismo, Integralismo e Documentos Particulares Professora Elizabeth Johansen ( UEPG) Jessica Monteiro Stocco (UEPG) Tatiane

Leia mais

A prática da Educação Patrimonial:

A prática da Educação Patrimonial: A prática da Educação Patrimonial: uma experiência no município de Restinga Sêca / RS HELIANA DE MORAES ALVES E LAURO CÉSAR FIGUEIREDO Introdução O presente trabalho é um breve relato sobre uma prática

Leia mais

Atlas Observe o mundo a sua volta. Como você classificaria os objetos que vê? Por seu uso, cor, forma, tamanho, natureza? A intenção aqui é que toda

Atlas Observe o mundo a sua volta. Como você classificaria os objetos que vê? Por seu uso, cor, forma, tamanho, natureza? A intenção aqui é que toda Atlas Observe o mundo a sua volta. Como você classificaria os objetos que vê? Por seu uso, cor, forma, tamanho, natureza? A intenção aqui é que toda a turma crie categorias de classificação. Grupos então

Leia mais

Plano de aula para três encontros de 50 minutos cada. Tema: Vida e obra de Vincent Van Gogh. Público alvo: 4º série do Ensino fundamental

Plano de aula para três encontros de 50 minutos cada. Tema: Vida e obra de Vincent Van Gogh. Público alvo: 4º série do Ensino fundamental UDESC UNIVERSIDADE DO ESTADO DE SANTA CATARINA DAV- DEPARTAMENTO DE ARTES VISUAIS Curso: Licenciatura em Artes Visuais Disciplina: Cultura Visual Professora: Jociele Lampert Acadêmica: Cristine Silva Santos

Leia mais

Como Criar uma Aula? Na página inicial do Portal do Professor, acesse ESPAÇO DA AULA: Ao entrar no ESPAÇO DA AULA, clique no ícone Criar Aula :

Como Criar uma Aula? Na página inicial do Portal do Professor, acesse ESPAÇO DA AULA: Ao entrar no ESPAÇO DA AULA, clique no ícone Criar Aula : Como Criar uma Aula? Para criar uma sugestão de aula é necessário que você já tenha se cadastrado no Portal do Professor. Para se cadastrar clique em Inscreva-se, localizado na primeira página do Portal.

Leia mais

MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO SECRETARIA DE EDUCAÇÃO BÁSICA

MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO SECRETARIA DE EDUCAÇÃO BÁSICA MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO SECRETARIA DE EDUCAÇÃO BÁSICA Diretoria de Políticas de Formação, Materiais Didáticos e Tecnologias para a Educação Básica Coordenação Geral de Materiais Didáticos PARA NÃO ESQUECER:

Leia mais

COMO REALIZAR UMA EXCELENTE PINTURA PREDIAL!

COMO REALIZAR UMA EXCELENTE PINTURA PREDIAL! COMO REALIZAR UMA EXCELENTE PINTURA PREDIAL! Na execução de uma PINTURA, devemos levar em consideração os vários fatores que envolvem as etapas deste processo e suas particularidades. Por exemplo, temos

Leia mais

Patrocínio Institucional Parceria Apoio

Patrocínio Institucional Parceria Apoio Patrocínio Institucional Parceria Apoio InfoReggae - Edição 79 Memória Institucional - Documentação 17 de abril de 2015 O Grupo AfroReggae é uma organização que luta pela transformação social e, através

Leia mais

Workshops de Conservação. e Restauro: a Colecção de Joshua Benoliel Margarida Duarte

Workshops de Conservação. e Restauro: a Colecção de Joshua Benoliel Margarida Duarte Workshops de Conservação e Restauro: a Colecção de Joshua Benoliel Margarida Duarte Margarida Duarte, técnica de conservação e restauro do Arquivo Fotográfico Municipal de Lisboa, coordenou, em finais

Leia mais

EDITAL PARA EXPOSIÇÃO ARTE + ARTE: LIBERDADE CONTEMPORÂNEA

EDITAL PARA EXPOSIÇÃO ARTE + ARTE: LIBERDADE CONTEMPORÂNEA EDITAL PARA EXPOSIÇÃO ARTE + ARTE: LIBERDADE CONTEMPORÂNEA A Associação Riograndense de Artes plásticas Francisco Lisboa e o Instituto Estadual de Artes Visuais apresentam o regulamento para seleção de

Leia mais

Alunos de 6º ao 9 anos do Ensino Fundamental

Alunos de 6º ao 9 anos do Ensino Fundamental Alunos de 6º ao 9 anos do Ensino Fundamental Resumo Este projeto propõe a discussão da Década de Ações para a Segurança no Trânsito e a relação dessa com o cotidiano dos alunos, considerando como a prática

Leia mais

Ajuda do Sistema Aquarius.

Ajuda do Sistema Aquarius. Ajuda do Sistema Aquarius. Esta ajuda é diferenciada da maioria encontrada nos sistemas de computador do mercado. O objetivo desta ajuda é literalmente ajudar o usuário a entender e conduzir de forma clara

Leia mais

PALÍNDROMO Nº 7 /2012 Programa de Pós Graduação em Artes Visuais CEART/UDESC

PALÍNDROMO Nº 7 /2012 Programa de Pós Graduação em Artes Visuais CEART/UDESC ENTREVISTA MUSEO DE ARTE LATINOAMERICANO DE BUENOS AIRES MALBA FUNDACIÓN CONSTANTINI Entrevista realizada com a educadora Florencia González de Langarica que coordenou o educativo do Malba até 2012, concedida

Leia mais

SUMÁRIO INTRODUÇÃO. 3 1. ACESSO AO SISTEMA. 5 2. ACESSO AO MÓDULO DE MONITORAMENTO.6 3. PREENCHIMENTO DO MÓDULO DE MONITORAMENTO. 8 4.

SUMÁRIO INTRODUÇÃO. 3 1. ACESSO AO SISTEMA. 5 2. ACESSO AO MÓDULO DE MONITORAMENTO.6 3. PREENCHIMENTO DO MÓDULO DE MONITORAMENTO. 8 4. MANUAL TÉCNICO-OPERACIONAL DO MÓDULO DE MONITORAMENTO DO PLANO DE AÇÕES ARTICULADAS - PAR Brasília/DF, 23 julho de 2009 1 SUMÁRIO INTRODUÇÃO... 3 1. ACESSO AO SISTEMA... 5 2. ACESSO AO MÓDULO DE MONITORAMENTO...6

Leia mais

ARTEBR EXPOSIÇÃO LUGARES

ARTEBR EXPOSIÇÃO LUGARES ARTEBR EXPOSIÇÃO LUGARES A empresa ARTEBR desenvolve projetos em arte, educação e literatura para diversas instituições culturais brasileiras. Atua nas áreas de consultoria e assessoria em arte e educação,

Leia mais

ESCOLA MUNICIPAL DE PERÍODO INTEGRAL IRMÃ MARIA TAMBOSI

ESCOLA MUNICIPAL DE PERÍODO INTEGRAL IRMÃ MARIA TAMBOSI PREFEITURA MUNICIPAL DE LONTRAS SECRETARIA MUNICIPAL DE EDUCAÇÃO, CULTURA E ESPORTE ESCOLA MUNICIPAL DE PERÍODO INTEGRAL IRMÃ MARIA TAMBOSI DESPERTANDO AÇÕES SUSTENTÁVEIS LONTRAS 2013 1.TEMA A preservação

Leia mais

ANEXO A Projeto básico para a Exposição

ANEXO A Projeto básico para a Exposição 95 1 IDENTIFICAÇÃO: ANEXO A Projeto básico para a Exposição 1.1 Título: Exposição FOTO-CINE CLUBE GAÚCHO MAIS DE 60 ANOS DE FOTOGRAFIA 1.2 Responsável: Margarete Ross Pereira Pacheco 1.3 Curadoria: Direção

Leia mais

CMI. CMI Centro de Memória e Informação. Dados do Projeto e do(a) Coordenador do Projeto

CMI. CMI Centro de Memória e Informação. Dados do Projeto e do(a) Coordenador do Projeto CMI Centro de Memória e Informação CMI Dados do Projeto e do(a) Coordenador do Projeto Título do Projeto Museu Casa de Rui Barbosa: estabelecendo relações com os turistas nacionais e internacionais Coordenador

Leia mais

OS DESAFIOS DA INCLUSÃO ESCOLAR: O método avaliativo do aluno com deficiência intelectual

OS DESAFIOS DA INCLUSÃO ESCOLAR: O método avaliativo do aluno com deficiência intelectual OS DESAFIOS DA INCLUSÃO ESCOLAR: O método avaliativo do aluno com deficiência intelectual Tuane Telles Rodrigues 1 Letícia Ramires Corrêa 2 Resumo: Durante nossa vida acadêmica estamos em constante aperfeiçoamento,

Leia mais

Educação para Sustentabilidade. Projeto Cultura Ambiental nas Escolas. Oficina

Educação para Sustentabilidade. Projeto Cultura Ambiental nas Escolas. Oficina Educação para Sustentabilidade Projeto Cultura Ambiental nas Escolas Oficina Educador Ambiental: Marcos Wilson Cidade: Taquarana (Alagoas) Data: 19 de Setembro Atividades realizadas: Interação com professores;

Leia mais

Tocando coisas: a impressão como registro de existência, ampliada em outras experiências. Por Carolina Rochefort

Tocando coisas: a impressão como registro de existência, ampliada em outras experiências. Por Carolina Rochefort APRESENTAÇÕES ARTÍSTICAS E PROVOCAÇÕES PERMANENTES Tocando coisas: a impressão como registro de existência, ampliada em outras experiências. Por Carolina Rochefort - Conceito da Obra/Apresentação. Em minha

Leia mais

ANEXO XI ESPECIFICAÇÕES TÉCNICAS REFERENTE AO EDITAL DE PREGÃO PARA REGISTRO DE PREÇOS Nº 008/2011

ANEXO XI ESPECIFICAÇÕES TÉCNICAS REFERENTE AO EDITAL DE PREGÃO PARA REGISTRO DE PREÇOS Nº 008/2011 ANEXO XI ESPECIFICAÇÕES TÉCNICAS REFERENTE AO EDITAL DE PREGÃO PARA REGISTRO DE PREÇOS Nº 008/2011 OBJETO Prestação de serviços de organização arquivística, guarda física, digitalização e gerenciamento

Leia mais

CONSELHO DE CLASSE DICIONÁRIO

CONSELHO DE CLASSE DICIONÁRIO CONSELHO DE CLASSE O Conselho de Classe é um órgão colegiado, de cunho decisório, presente no interior da organização escolar, responsável pelo processo de avaliação do desempenho pedagógico do aluno.

Leia mais

Ao considerar e ao explicitar a representação feita, nota-se sua lógica e o que levou o aluno a tal escolha. A partir dela, o professor pode chegar a

Ao considerar e ao explicitar a representação feita, nota-se sua lógica e o que levou o aluno a tal escolha. A partir dela, o professor pode chegar a 37 Ao trabalhar questões socioambientais e o conceito de natureza, podemos estar investigando a noção de natureza que os alunos constroem ou construíram em suas experiências e vivências. Alguns alunos

Leia mais

DIREITOS HUMANOS E CIDADANIA: e os museus com isso? Museu Antropológico da Universidade Federal de Goiás (MA/UFG)

DIREITOS HUMANOS E CIDADANIA: e os museus com isso? Museu Antropológico da Universidade Federal de Goiás (MA/UFG) DIREITOS HUMANOS E CIDADANIA: e os museus com isso? Marisa Damas Vieira Comunicadora/ Produtora Cultural Rosani Moreira Leitão Antropóloga/ Coordenadora de Antropologia Museu Antropológico da Universidade

Leia mais

MERCADO MUNICIPAL PATRIMÔNIO HISTÓRICO DE UBERLÂNDIA

MERCADO MUNICIPAL PATRIMÔNIO HISTÓRICO DE UBERLÂNDIA MERCADO MUNICIPAL PATRIMÔNIO HISTÓRICO DE UBERLÂNDIA Soraia Cristina Cardoso Lelis soraia@aromata.com.br Escola de Educação Básica da UFU Relato de Experiência Palavras-chave: Patrimônio Histórico, Artes

Leia mais

PROJETO ACERVO: INFORMAÇÕES HOSPITAIS COLÔNIAS. 1 - Nome da Instituição: Hospital Colônia Itapuã (HCI) 2 - Histórico:

PROJETO ACERVO: INFORMAÇÕES HOSPITAIS COLÔNIAS. 1 - Nome da Instituição: Hospital Colônia Itapuã (HCI) 2 - Histórico: PROJETO ACERVO: INFORMAÇÕES HOSPITAIS COLÔNIAS 1 - Nome da Instituição: Hospital Colônia Itapuã (HCI) 2 - Histórico: Inaugurado em 11 de maio de 1940 no distrito de Itapuã, o Hospital Colônia foi construído

Leia mais

PROJETO TERRA CHÃO - DANÇA E ARTE

PROJETO TERRA CHÃO - DANÇA E ARTE PROJETO TERRA CHÃO - DANÇA E ARTE 1. JUSTIFICATIVA A região do Baixo Tocantins apresenta-se na área cultural e artística, é um grande celeiro de talentos, que vem enraizado culturalmente em nosso povo,

Leia mais

Tutorial de animação quadro a quadro

Tutorial de animação quadro a quadro Tutorial de animação quadro a quadro quadro a quadro é uma técnica que consiste em utilizar imagens ou fotografias diferentes de um mesmo objeto para simular o seu movimento. Nesse caso, trata-se de relatar

Leia mais

Reciclagem. Projetos temáticos

Reciclagem. Projetos temáticos Material elaborado pelo Ético Sistema de Ensino Ensino fundamental Publicado em 2011 Projetos temáticos 2 o ano Data: / / Nível: Escola: Nome: Reciclagem Justificativa Este projeto tem como foco promover

Leia mais

TRIBUNAL DE CONTAS DA UNIÃO Segepres/ISC/Cedoc Serviço de Gestão Documental

TRIBUNAL DE CONTAS DA UNIÃO Segepres/ISC/Cedoc Serviço de Gestão Documental TRIBUNAL DE CONTAS DA UNIÃO Segepres/ISC/Cedoc Serviço de Gestão Documental MANUAL DE TRATAMENTO E GUARDA DE DOCUMENTOS ESPECIAIS AVULSOS Setembro/2013 1 PROCEDIMENTOS DE RECEBIMENTO E GUARDA DE DOCUMENTOS

Leia mais

Curadoria e montagem de exposições de arte: um campo de diversas profissões

Curadoria e montagem de exposições de arte: um campo de diversas profissões Curadoria e montagem de exposições de arte: um campo de diversas profissões As oportunidades de trabalho e as novas profissões ligadas à arte contemporânea têm crescido muito nos últimos anos, impulsionadas

Leia mais

UNIVERSIDADE FEDERAL DO TRIÂNGULO MINEIRO. O ESPORTE SEM CORES. Uma Perspectiva para a desconstrução do racismo

UNIVERSIDADE FEDERAL DO TRIÂNGULO MINEIRO. O ESPORTE SEM CORES. Uma Perspectiva para a desconstrução do racismo UNIVERSIDADE FEDERAL DO TRIÂNGULO MINEIRO O ESPORTE SEM CORES. Uma Perspectiva para a desconstrução do racismo Uberaba 2011 UNIVERSIDADE FEDERAL DO TRIÂNGULO MINEIRO O ESPORTE SEM CORES. Uma Perspectiva

Leia mais

Setembro/2014. Período. 1 a 30 de setembro de 2014

Setembro/2014. Período. 1 a 30 de setembro de 2014 Setembro/2014 Período 1 a 30 de setembro de 2014 Cine Jardim traz filmes e música ao ar livre no Museu da Energia de Itu Público poderá conferir exibição do clássico do terror Nosferatu, além de show

Leia mais

Presidência da República Casa Civil Secretaria de Administração Diretoria de Gestão de Pessoas Coordenação Geral de Documentação e Informação

Presidência da República Casa Civil Secretaria de Administração Diretoria de Gestão de Pessoas Coordenação Geral de Documentação e Informação Presidência da República Casa Civil Secretaria de Administração Diretoria de Gestão de Pessoas Coordenação Geral de Documentação e Informação Coordenação de Biblioteca Programa transmitido em 26 de fevereiro

Leia mais

FACULDADE EÇA DE QUEIROS. Edna Cristina do Nascimento. Marineide Gonçalves. Tâmara de Oliveira PROJETO PEDAGÓGICO JANDIRA

FACULDADE EÇA DE QUEIROS. Edna Cristina do Nascimento. Marineide Gonçalves. Tâmara de Oliveira PROJETO PEDAGÓGICO JANDIRA FACULDADE EÇA DE QUEIROS Edna Cristina do Nascimento Marineide Gonçalves Tâmara de Oliveira PROJETO PEDAGÓGICO JANDIRA MARÇO 2012 FACULDADE EÇA DE QUEIROS PROJETO PEDAGÓGICO SOBRE O LIVRO: MENINA BONITA

Leia mais

Limpeza e Conservação de Objetos Metálicos. Diogo Menezes Costa Museu de Porto Alegre Joaquim José Felizardo/SMC. Introdução

Limpeza e Conservação de Objetos Metálicos. Diogo Menezes Costa Museu de Porto Alegre Joaquim José Felizardo/SMC. Introdução Limpeza e Conservação de Objetos Metálicos Diogo Menezes Costa Museu de Porto Alegre Joaquim José Felizardo/SMC Introdução Esta comunicação tem por objetivo relatar as diversas experiências na limpeza

Leia mais

TIPOS DE termômetros. e termômetros ESPECIAIS. Pirômetros ópticos

TIPOS DE termômetros. e termômetros ESPECIAIS. Pirômetros ópticos Pirômetros ópticos TIPOS DE termômetros e termômetros ESPECIAIS A ideia de construir um pirômetro óptico surgiu em meados do século XIX como consequência dos estudos da radiação dos sólidos aquecidos.

Leia mais

artes visuais na capital

artes visuais na capital artes visuais na capital Na cidade de São Paulo, em função do tamanho da amostra, é possível comparar os resultados entre as diferentes regiões da cidade.! As páginas seguintes apresentam o número de entrevistados

Leia mais

Ambiental Liron Perfil e Resumo de Atividades

Ambiental Liron Perfil e Resumo de Atividades Ambiental Liron Perfil e Resumo de Atividades Nossa Empresa A Ambiental Liron é uma empresa prestadora de serviços, voltada à limpeza de dutos de ar condicionado, limpeza de coifas, limpeza de sistemas

Leia mais

PRINCIPAIS DICAS Escute o Mister Maker e siga o seu conselho e sugestões. cada atividade para mais detalhes.

PRINCIPAIS DICAS Escute o Mister Maker e siga o seu conselho e sugestões. cada atividade para mais detalhes. P2 Entertainment Guia de Início Rápido do Aplicativo Mister Maker: Vamos fazer Arte! PARA OS PAIS Mister Maker: Vamos fazer Arte! contém muitas características únicas e divertidas e permite que as crianças

Leia mais

G U I A T É C N I C O

G U I A T É C N I C O Os produtos da Brogliato passam por um processo de controle de qualidade em seu processo produtivo, assim qualquer dano e irregularidade são corrigidos imediatamente na empresa para que os revestimentos

Leia mais

Meio ambiente conforme o Dicionário Aurélio é aquilo que cerca ou envolve os seres vivos ou as coisas.

Meio ambiente conforme o Dicionário Aurélio é aquilo que cerca ou envolve os seres vivos ou as coisas. Justificativa Meio ambiente conforme o Dicionário Aurélio é aquilo que cerca ou envolve os seres vivos ou as coisas. A Escola de Ensino Fundamental Mondrian, fundada em 2011, começou suas atividades em

Leia mais

UNIVERSIDADE FEDERAL DO PARANÁ. CURSO: Ciência da Computação DATA: / / 2013 PERÍODO: 4 o.

UNIVERSIDADE FEDERAL DO PARANÁ. CURSO: Ciência da Computação DATA: / / 2013 PERÍODO: 4 o. CURSO: Ciência da Computação DATA: / / 2013 PERÍODO: 4 o. PROFESSOR: Andrey DISCIPLINA: Técnicas Alternativas de Programação AULA: 08 APRESENTAÇÃO Na aula de hoje vamos apresentar e discutir como definir

Leia mais

PRESERVAÇÃO DA MEMÓRIA E ORGANIZAÇÃO DO ACERVO DO PATRONATO AGRÍCOLA VIDAL DE NEGREIROS DA CIDADE DE BANANEIRAS

PRESERVAÇÃO DA MEMÓRIA E ORGANIZAÇÃO DO ACERVO DO PATRONATO AGRÍCOLA VIDAL DE NEGREIROS DA CIDADE DE BANANEIRAS PRESERVAÇÃO DA MEMÓRIA E ORGANIZAÇÃO DO ACERVO DO PATRONATO AGRÍCOLA VIDAL DE NEGREIROS DA CIDADE DE BANANEIRAS BATISTA¹, Paloma Priscila Bispo, Centro de Ciências Humanas, Sociais e Agrárias-PROBEX 2013

Leia mais

EDITAL PARA EXPOSIÇÃO ARTE + ARTE: Transversalidades

EDITAL PARA EXPOSIÇÃO ARTE + ARTE: Transversalidades EDITAL PARA EXPOSIÇÃO ARTE + ARTE: Transversalidades A Associação Riograndense de Artes plásticas Francisco Lisboa e o Museu de Arte Contemporânea do Rio Grande do Sul apresentam o regulamento para seleção

Leia mais

Relatório da Visita da Comissão ao. Museu Nacional UFRJ. 5 de agosto de 2011

Relatório da Visita da Comissão ao. Museu Nacional UFRJ. 5 de agosto de 2011 Relatório da Visita da Comissão ao Museu Nacional UFRJ 5 de agosto de 2011 Bruno de Cerqueira Luiz da Motta Recepção Fomos recebidos de maneira extremamente cordial pela diretora do Museu Nacional, Profª.

Leia mais

Metodologia e Prática de Ensino de Ciências Sociais

Metodologia e Prática de Ensino de Ciências Sociais Metodologia e Prática de Ensino de Ciências Sociais Metodologia I nvestigativa Escolha de uma situação inicial: Adequado ao plano de trabalho geral; Caráter produtivo (questionamentos); Recursos (materiais/

Leia mais

Regulamento para Seleção de Exposições nos Espaços Expositivos Prefeitura Municipal de Santa Maria

Regulamento para Seleção de Exposições nos Espaços Expositivos Prefeitura Municipal de Santa Maria A Prefeitura Municipal de Santa Maria, Secretaria de Município da Cultura e o Museu de Arte de Santa Maria comunicam que estão abertas as inscrições aos produtores culturais, artistas plásticos e Visuais,

Leia mais

GUIÃO DO PROFESSOR BRINCAR CIÊNCIA. As profissões. Exploração de conteúdos Preparação da visita Caderno do professor

GUIÃO DO PROFESSOR BRINCAR CIÊNCIA. As profissões. Exploração de conteúdos Preparação da visita Caderno do professor GUIÃO DO PROFESSOR BRINCAR CIÊNCIA Exploração de conteúdos Preparação da visita Caderno do professor As profissões Introdução Preparação da visita A Casa Inacabada é um dos espaços que faz parte da exposição

Leia mais

Passo a Passo. Portal Hydros. www.projetohydros.com

Passo a Passo. Portal Hydros. www.projetohydros.com Passo a Passo Portal Hydros www.projetohydros.com Caro internauta, Você está a um clique de conhecer o Projeto Hydros e tudo o que temos feito, para sensibilizar e conscientizar as pessoas e organizações

Leia mais

XXXVII CONCURSO FOTOGRÁFICO CIDADE DE SANTA MARIA 2015

XXXVII CONCURSO FOTOGRÁFICO CIDADE DE SANTA MARIA 2015 XXXVII CONCURSO FOTOGRÁFICO CIDADE DE SANTA MARIA 2015 REGULAMENTO O Concurso Fotográfico Cidade de Santa Maria, criado pela Lei Municipal n 1974/78, promovido pela Prefeitura Municipal de Santa Maria,

Leia mais

O PROGRAMA ASSISTÊNCIA SÓCIO-JURÍDICA E OS DIREITOS DO IDOSO

O PROGRAMA ASSISTÊNCIA SÓCIO-JURÍDICA E OS DIREITOS DO IDOSO O PROGRAMA ASSISTÊNCIA SÓCIO-JURÍDICA E OS DIREITOS DO IDOSO Maria Salete da Silva Josiane dos Santos O Programa Assistência Sócio-Jurídica, extensão do Departamento de Serviço Social, funciona no Núcleo

Leia mais

Desenvolvimento motor do deficiente auditivo. A deficiência auditiva aparece, por vezes, associada a outras deficiências, como

Desenvolvimento motor do deficiente auditivo. A deficiência auditiva aparece, por vezes, associada a outras deficiências, como Texto de apoio ao Curso de Especialização Atividade Física Adaptada e Saúde Prof. Dr. Luzimar Teixeira Desenvolvimento motor do deficiente auditivo A deficiência auditiva aparece, por vezes, associada

Leia mais

Empreendedorismo COMPETÊNCIAS HABILIDADES

Empreendedorismo COMPETÊNCIAS HABILIDADES Empreendedorismo Curso de Moda e Estilismo Graduação em Administração de Empresas Especialização em Marketing Empreendedorismo COMPETÊNCIAS Conhecer o processo de empreender utilizando as estruturas, as

Leia mais

Programa de Pós Graduação em Educação da FCT/UNESP, Presidente Prudente, SP. depenna05@yahoo.com.br

Programa de Pós Graduação em Educação da FCT/UNESP, Presidente Prudente, SP. depenna05@yahoo.com.br Encontro de Ensino, Pesquisa e Extensão, Presidente Prudente, 18 a 22 de outubro, 2010 799 INTERVENÇÃO EM ARTE COM O AUXÍLIO DO SOFTWARE PHOTOSHOP Denise Penna Quintanilha Programa de Pós Graduação em

Leia mais

BOLETIM MUSEU DA IMIGRAÇÃO Julho Agosto 2014

BOLETIM MUSEU DA IMIGRAÇÃO Julho Agosto 2014 O Boletim do Museu da Imigração chega à sua vigésima primeira edição. Este veículo tem a proposta de manter as comunidades e o público geral informados sobre o MI, destacando ainda as atividades e ações

Leia mais

Todas as ações de formação terão lugar na sede da empresa.

Todas as ações de formação terão lugar na sede da empresa. Luis Pavão Limitada Rua Rafael Andrade, 29-1150-274 Lisboa Telefone e Fax 21 812 68 45 Site: www.lupa.com.pt Correio eletrónico para inscrições: mariamm@lupa.com.pt Plano de Ações de Formação Todas as

Leia mais

6. Considerações finais

6. Considerações finais 84 6. Considerações finais Nesta dissertação, encontram-se registros de mudanças sociais que influenciaram as vidas de homens e mulheres a partir da chegada das novas tecnologias. Partiu-se da Revolução

Leia mais

REPRESENTAÇÃO DO MEIO AMBIENTE MAPAS MENTAIS UMA LINGUAGEM NO ENSINO DA GEOGRAFIA

REPRESENTAÇÃO DO MEIO AMBIENTE MAPAS MENTAIS UMA LINGUAGEM NO ENSINO DA GEOGRAFIA REPRESENTAÇÃO DO MEIO AMBIENTE MAPAS MENTAIS UMA LINGUAGEM NO ENSINO DA GEOGRAFIA Kelli Carvalho Melo Mestre em Geografia - PPGG/UNIR. Pesquisadora do Grupo de Estudos e Pesquisas Modos de Vidas e Culturas

Leia mais

PLANO DE COMUNICAÇÃO PARA MUSEUS DE PEQUENO PORTE METODOLOGIA PRIORITÁRIA

PLANO DE COMUNICAÇÃO PARA MUSEUS DE PEQUENO PORTE METODOLOGIA PRIORITÁRIA PLANO DE COMUNICAÇÃO PARA MUSEUS DE PEQUENO PORTE EIXO 1 - Relações Públicas Avaliação - abordagem sistêmica Comunicação integrada Diagnóstico - Planejamento Plano METODOLOGIA PRIORITÁRIA EIXO 2 Teoria

Leia mais

CAIXAS DE MEMÓRIAS. O que guarda o Centro de Arte Moderna? Quem pensa e faz obras de arte? escultor. Sobre o que nos fala uma obra de arte?

CAIXAS DE MEMÓRIAS. O que guarda o Centro de Arte Moderna? Quem pensa e faz obras de arte? escultor. Sobre o que nos fala uma obra de arte? CAIXAS DE MEMÓRIAS No CAM existem muitas obras de arte, cheias de ideias e histórias para nos contar, tantas que nem sempre nos conseguimos lembrar de todas... a não ser que elas se transformem em memórias!

Leia mais

JORNALISMO CULTURAL ONLINE: EXPERIÊNCIAS DE COBERTURA JORNALÍSTICA DO SITE CULTURA PLURAL

JORNALISMO CULTURAL ONLINE: EXPERIÊNCIAS DE COBERTURA JORNALÍSTICA DO SITE CULTURA PLURAL 12. CONEX Apresentação Oral Resumo Expandido 1 ÁREA TEMÁTICA: ( x ) COMUNICAÇÃO ( ) CULTURA ( ) DIREITOS HUMANOS E JUSTIÇA ( ) EDUCAÇÃO ( ) MEIO AMBIENTE ( ) SAÚDE ( ) TRABALHO ( ) TECNOLOGIA JORNALISMO

Leia mais

Todas as ações de formação terão lugar na sede da empresa.

Todas as ações de formação terão lugar na sede da empresa. Luis Pavão Limitada Rua Rafael Andrade, 29-1150-274 Lisboa Telefone e Fax 21 812 68 45 Site: www.lupa.com.pt Correio eletrónico para inscrições: mariamm@lupa.com.pt Plano de Ações de Formação para o ano

Leia mais

Carta da Terra: Consciência e cidadania socioambiental

Carta da Terra: Consciência e cidadania socioambiental Carta da Terra: Consciência e cidadania socioambiental Luciana Vieira Professora efetiva rede estadual de ensino de Santa Catarina e doutoranda em Ensino de Geografia/UFRGS lucianageografia1996@gmail.com

Leia mais

Elvira Cristina de Azevedo Souza Lima' A Utilização do Jogo na Pré-Escola

Elvira Cristina de Azevedo Souza Lima' A Utilização do Jogo na Pré-Escola Elvira Cristina de Azevedo Souza Lima' A Utilização do Jogo na Pré-Escola Brincar é fonte de lazer, mas é, simultaneamente, fonte de conhecimento; é esta dupla natureza que nos leva a considerar o brincar

Leia mais

Como elaborar um relatório de pesquisa

Como elaborar um relatório de pesquisa Como elaborar um relatório de pesquisa Profa. Dra. Maria José B. Finatto - UFRGS - Instituto de Letras www.ufrgs.br/textecc Seminários Temáticos PROPESQ - 2012 Preâmbulo - sério! O Programa Institucional

Leia mais

CENTRO UNIVERSITÁRIO DE BRUSQUE (UNIFEBE)

CENTRO UNIVERSITÁRIO DE BRUSQUE (UNIFEBE) FORMULÁRIO DAS AÇÕES DE EXTENSÃO 1. IDENTIFICAÇÃO DA ORIGEM 1.1. TÍTULO DO PROJETO: II Seminário Temático: Indústria têxtil em Brusque: 120 anos refletindo desenvolvimento em Brusque e Região 1.2. CURSO:

Leia mais

Projeto Sustentabilidade CRF-SP

Projeto Sustentabilidade CRF-SP Projeto Sustentabilidade CRF-SP 2010 O que é Sustentabilidade? Sustentabilidade se define como um princípio de uma sociedade que mantém as características necessárias para um sistema social justo, ambientalmente

Leia mais

As bonecas de papel são brinquedos que estimulam a imaginação e a criatividade das crianças. Foram muito usadas no século XIX e até meados do século

As bonecas de papel são brinquedos que estimulam a imaginação e a criatividade das crianças. Foram muito usadas no século XIX e até meados do século As bonecas de papel são brinquedos que estimulam a imaginação e a criatividade das crianças. Foram muito usadas no século XIX e até meados do século passado, quando faziam as delícias de muitas das nossas

Leia mais

Lista de Material Educação Infantil I Fase 2

Lista de Material Educação Infantil I Fase 2 Lista de Material Educação Infantil I Fase 2 O Colégio Objetivo fornece aos seus alunos todos os Cadernos de Atividades necessários ao trabalho desenvolvido nas diversas áreas. Esses cadernos são elaborados

Leia mais

POR QUE INVERTER O SINAL DA DESIGUALDADE EM UMA INEQUAÇÃO? GT 02 Educação matemática no ensino médio e ensino superior.

POR QUE INVERTER O SINAL DA DESIGUALDADE EM UMA INEQUAÇÃO? GT 02 Educação matemática no ensino médio e ensino superior. POR QUE INVERTER O SINAL DA DESIGUALDADE EM UMA INEQUAÇÃO? GT 02 Educação matemática no ensino médio e ensino superior. Bruno Marques Collares, UFRGS, collares.bruno@hotmail.com Diego Fontoura Lima, UFRGS,

Leia mais

Maria Berthilde Moura Filha Isabel van der Linden Pautília Costa Alves Cavalcanti 1

Maria Berthilde Moura Filha Isabel van der Linden Pautília Costa Alves Cavalcanti 1 MEMÓRIA. JOÃO PESSOA.BR INFORMATIZANDO A HISTÓRIA DO NOSSO PATRIMÔNIO Maria Berthilde Moura Filha Isabel van der Linden Pautília Costa Alves Cavalcanti 1 RESUMO Este projeto de extensão desenvolvido junto

Leia mais

Colheita, secagem e montagem de material de herbário

Colheita, secagem e montagem de material de herbário Colheita, secagem e montagem de material de herbário 1. Colheita de material Para iniciar a colheita do material de herbário, é necessário levar para o campo: livro de campo (para fazer as anotações necessárias

Leia mais

FACULDADE EÇA DE QUEIRÓS

FACULDADE EÇA DE QUEIRÓS FACULDADE EÇA DE QUEIRÓS GISELE CRISTINA DE SANTANA FERREIRA PEREIRA JÉSSICA PALOMA RATIS CORREIA NOBRE PEDAGOGIA: PROJETO MENINA BONITA DO LAÇO DE FITA JANDIRA - 2012 FACULDADE EÇA DE QUEIRÓS GISELE CRISTINA

Leia mais

Museu do Homem do Nordeste

Museu do Homem do Nordeste c a p a À esquerda: painel recebe luz de sanca no teto, e um gibão de couro, de rasgos laterais. Acima: iluminação proveniente de spots articuláveis e nichos com fibra ótica. Acima: luz homogênea emitida

Leia mais