RODRIGO ALCANTARA DE LEONARDO,

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "RODRIGO ALCANTARA DE LEONARDO,"

Transcrição

1 VISTOS, etc. RODRIGO ALCANTARA DE LEONARDO, vulgo Tumba, GUILHERME WITIUK FERREIRA DE CARVALHO, vulgo Chuck, JORGE GABRIEL GONZALEZ, THIAGO BATISTA MIRANDA, vulgo Crânio, VIVIAN CRISTINY MOURA DA SILVA, vulgo Vivi, ALINE LACERDA FOCH, vulgo Lika e ANA PAULA RAMOS GUIMARÃES DA SILVA, vulgo Mel, qualificados nos autos, foram denunciados e processados pela incursão nos artigos 288, p.ú., 251, e 129, caput (por 12 vezes), na forma do artigo 69, todos do Código Penal. RODRIGO ALCANTARA DE LEONARDO, vulgo Tumba, também foi denunciado por incursão no artigo 180, caput, do Código Penal. Segundo a denúncia e respectivo aditamento: a) no primeiro semestre de 2008, todos os réus acima nomeados, juntamente com os adolescentes FERNANDO CARIOLA DOS SANTOS LAGUNA, vulgo Macaco, e DIEGO NASCIMENTO ALVES, vulgo Seqüestrado, associaram-se em quadrilha ou bando armado, por intermédio do grupo IMPACTO HOOLIGAN, visando a pratica de crimes violentos contra homossexuais e punks ; b) em 14 de junho de 2009, por volta das 21:40h, na Av. Vieira de Carvalho, esquina com a Rua Vitória, na Av. Paulista (proximidades do Banco Bradesco) e na Rua Frei Caneca, nesta Capital, todos os réus acima nomeados, juntamente com os adolescentes FERNANDO CARIOLA DOS SANTOS LAGUNA, vulgo Macaco, e DIEGO NASCIMENTO ALVES, vulgo Seqüestrado, expuseram a perigo a vida e a integridade física das vítimas Kalahn Iço Bou Assi, Marcio Lima Santos, Paulo Luiz Freitas da Costa Santos, Felipe Pereira de Freitas, Renan Eduardo Santana da Costa, Herbert Vieira dos Santos, Camila

2 de Cássia dos Santos Teixeira, Ana Paula de Oliveira, Jéssica Emanuelle da Silva e Willis Manoel da Silva, mediante explosão e arremesso de engenho de dinamite ou substância de efeitos análogos, causando nas vítimas as lesões corporais descritas nos laudos de corpo de delito encartados; c) em 14 de junho de 2009, por volta das 21:40h, na Av. Vieira de Carvalho, esquina com a Rua Vitória, na Av. Paulista (proximidades do Banco Bradesco) e na Rua Frei Caneca, nesta Capital, todos os réus acima nomeados, juntamente com os adolescentes FERNANDO CARIOLA DOS SANTOS LAGUNA, vulgo Macaco, e DIEGO NASCIMENTO ALVES, vulgo Seqüestrado, pela explosão acima descrita, ofenderam a integridade física das vítimas Kalahn Iço Bou Assi, Marcio Lima Santos, Paulo Luiz Freitas da Costa Santos, Felipe Pereira de Freitas, Renan Eduardo Santana da Costa, Herbert Vieira dos Santos, Camila de Cássia dos Santos Teixeira, Ana Paula de Oliveira, Jéssica Emanuelle da Silva, Willis Manoel da Silva, Mackson Custodio da Silva e Mauricio Ramos, causando-lhes lesões corporais descritas nos laudos periciais de fls. 496/501, 503/504 e 722; e d) no primeiro semestre de 2009, RODRIGO ALCANTARA DE LEONARDO, vulgo Tumba, recebeu em proveito próprio cartões de crédito e documentos pessoais de Bianca Correa dos Santos e Vinicius Henríquez, sabendo que eram produto de crime. A denúncia e o respectivo aditamento foram recebidos a fls. 810 e os réus tiveram a prisão preventiva decretada. Citados, os réus ofereceram as pertinentes respostas escritas. Durante a instrução foram ouvidas as testemunhas e vítimas arroladas e os réus foram interrogados (fls. 1146/1145, 1176/1225, 1286/1298, 1309/1366 e 1422/1475).

3 As partes ofereceram alegações finais escritas. O Ministério Público pleiteou a condenação de todos os réus nos termos da imputação (fls. 1547). Os réus, por seus Defensores, deduziram pleitos absolutórios a fls (THIAGO), 1596 (JORGE), 1621 (RODRIGO), 1636 (GILHERME), 1650 (ALINE),e 1668 (ANA PAULA e VIVIAN). Este é o relatório. FUNDAMENTO e DECIDO. em parte. O pedido acusatório procede A materialidade dos crimes imputados é comprovada pelos fartos elementos do inquérito policial, em especial os autos de exibição e apreensão, os laudos periciais resultado dos exames médicos nas vítimas e os depoimentos colhidos de testemunhas e investigados. Entretanto, o mesmo não se pode dizer da autoria delitiva, ao menos quanto a todos os réus e delitos. Após a longa instrução, o que se tem provado nos autos é a associação de parte dos réus e de outros indivíduos em quadrilha para o fim de cometer crimes violentos e de intolerância. A existência da quadrilha autodenominada IMPACTO HOOLIGAN, assim como sua finalidade ilícita, é fato incontroverso e mais do que provado nos autos. Pensar o contrário é ofender o bom senso. A formação da quadrilha está demonstrada, de um lado, por farta prova material. Os principais documentos a esse respeito foram formalmente apreendidos por

4 policiais civis do DECRADI na residência do réu RODRIGO. Todo o material foi periciado e os laudos respectivos foram juntados, merecendo maior interesse os laudos referentes ao caderno de 241 folhas (fls. 527/563) e à agenda pessoal referente ao ano de 2008 (fls. 564/613). No caderno examinado, as anotações referentes ao grupo IMPACTO HOOLIGAN são fartas e inegáveis. A fls. 547, consta o nome do bando e as palavras (com ele incompatíveis) Honra, Coragem e Respeito. A fls. 555 e 558, novas anotações referentes ao grupo e frases vazias, como vida longa aos verdadeiros skinheads. Por fim, a fls. 552/553 constam regras escritas, em forma de estatuto, a serem seguidas pelos membros da quadrilha. Deixo de transcrever a integralidade das regras, mas a leitura do manuscrito fala por si. Basta mencionar, por exemplo: respeitar a hierarquia, comparecer às reuniões, honrar o nome da Impacto Hooligan, ajudar e respeitar os membros da IH, lutar contra o inimigo, ser leal a ideologia, cobrar tretas suas e de membros do IH, não trair o movimento, não ter dó de inimigos, não ficar bêbado em dias de role agressivo, levar o nome da IMPACTO HOOLIGAN adiante, nunca baixar a cabeça para os inimigos, conhecer símbolos e siglas, em hipótese alguma trair membros da IH, mesmo em minoria, ir aos combates. Na agenda pessoal de RODRIGO, as menções a quadrilha são igualmente robustas e demonstram não só sua existência como a periodicidade de reuniões e dos chamados rolês, quando o grupo saía com o propósito deliberado de praticar crimes contra a honra e a integridade física de homossexuais e punks, alguns de bandos rivais. Basta a leitura da agenda para constatar que RODRIGO ingressou no bando no dia 25 de maio de 2008 (fls. 590), e

5 durante os meses seguintes participou de várias reuniões, roles e batizados de novos membros, todos devidamente identificados nas datas em que ocorreram. Alem desses dois documentos principais, diversos outros objetos foram apreendidos nas residências de RODRIGO e de GUILHERME, conforme autos de fls. 180/181 e 174/178. A par de roupas adereços típicos de grupos skinheads, alguns objetos robustecem ainda mais a prova material da existência da quadrilha. Na residência de GUILHERME, por exemplo, foram apreendidas 07 cartas manuscritas a ele endereçadas (fls. 201 e ss) e 01 carta escrita por GUILHERME e endereçada ao réu RODRIGO (fls. 203 e envelope de fls. 210). A leitura das cartas reforça algumas conclusões importantes. Primeiramente, a maioria das cartas chama GUILHERME pelo apelido CHUCK, nome pelo qual é referido pelos membros da quadrilha. Em segundo lugar, fica nítido especialmente pela carta redigida por GUILHERME o forte vínculo associativo do bando e a óbvia liderança de GUILHERME. Ele escreveu a carta em fevereiro de 2009, endereçada a RODRIGO, de dentro do estabelecimento prisional em que estava preso por mais um crime violento, e alguns trechos falam por si. No segundo parágrafo, GUILHERME escreve: O os rolês muleque? Ta fiel ao IMPACTO né? Porque aqui é 98 até a morte, não é porque eu fui preso que tudo ou eu irei parar ou largar a banca. Eu to montando a banca até aqui na cadeia, juro pra você, HAHAHA!. No parágrafo seguinte, acrescenta seja leal a banca e ao nosso ideal 88. Por fim, termina assinando: CHUCK 98, IMPACTO H88LIGAN e uma suástica nazista. Fica clara a liderança de GUILHERME sobre a quadrilha e sobre RODRIGO, que é

6 cobrado na carta a manter-se fiel ao grupo. Também fica clara a simbologia utilizada pelos integrantes do bando, especialmente os numerais 88 e 98. Conforme demonstrado nos autos de inquérito e confirmado pelos adolescentes membros da quadrilha, os números se referem a localização da primeira letra das palavras no alfabeto. Especificamente, 88 refere-se a HH, que por sua vez indica a saudação nazista Heil Hitler, enquanto 98 se refere a IH, que tem o significado óbvio de IMPACTO HOOLIGAN. Vale ressaltar que GUILHERME, como confirmado em audiência, ostenta o numeral 98 tatuado em seu corpo. Por sua vez, o adolescente Fernando Cariola dos Santos, membro confesso do grupo liderado por CHUCK, ostenta as letras IH tatuadas no peito (fls. 399/405). Os fartos elementos colhidos, especialmente no inquérito policial, demonstram não apenas a existência do grupo, mas sua estabilidade, organização e finalidade criminosa. Todas as testemunhas e investigados ouvidos na fase policial confirmaram a estabilidade do grupo, que já existia já apelo menos alguns anos, e sua finalidade violenta. Analisando-se todos os documentos e depoimentos chega-se a conclusão fatal de que o grupo IMPACTO HOOLIGAN não se limitava a exercer o direito constitucional de reunião e de expressão do pensamento, ainda que absurdo, preconceituoso, intolerante e desarrazoado, mas extrapolava para a execução de atos de violência contra os alvos escolhidos, preferencialmente grupos punks rivais igualmente criminosos e indivíduos com orientação homossexual. São inúmeros os boletins de ocorrência acostados aos autos sobre crimes contra a integridade física, a vida e o patrimônio, em sua maioria envolvendo vítimas homossexuais, sempre com o envolvimento de membros da quadrilha desde a adolescência. Basta mencionar os diversos boletins de ocorrência acostados a fls.

7 126/155 (todos envolvendo GUILHERME e alguns com envolvimento de RODRIGO), por fatos semelhantes, sempre praticados em bando e ligados, direta ou indiretamente, à ideologia do grupo. Mais recente é o boletim de ocorrência de fls. 412/417, que versa sobre crimes de formação de quadrilha, roubo mediante violência e injúria real contra vítimas com orientação homossexual. Na ocasião, foram presos em flagrante delito quatro imputáveis, entre eles os réus GUILHERME e JORGE, e dois adolescentes infratores, entre os quais a ré VIVIAN e a testemunha Fernando Cariola Laguna, membro confesso da quadrilha ouvido na fase policial. Por este fato, os réus GUILHERME e JORGE foram processados e condenados por injuria real pelo juízo desta 29ª Vara Criminal (fls e 1111). Por fim, vale ressaltar que GUILHERME e THIAGO respondem juntos a processo criminal por homicídio doloso contra vítima homossexual. De outra banda, não se pode concluir, com base idônea nos autos, de que a quadrilha em questão fosse armada. Nenhuma arma foi apreendida com qualquer dos membros e o modus operandi dos chamados roles, segundo consta, incluía predominantemente agressões físicas com mãos e pés. Estabelecido nos autos o crime de quadrilha, tipificado no artigo 288, do Código Penal, cabe analisar concretamente a efetiva participação de cada réu em sua formação e funcionamento. Constata-se, de início, que importantes depoimentos tomados na fase policial não foram repetidos em juízo, por ter o Ministério Público optado em não arrolar como testemunhas os adolescentes Fernando Cariola dos Santos Laguna, vulgo Macaco, e Diego do Nascimento Alves,

8 vulgo Sequestrado. Tais adolescentes ofereceram importantes esclarecimentos em Delegacia de Polícia, por meio de depoimentos detalhados em que admitem serem membros do grupo IMPACTO HOOLIGAN, chefiado por GUILHERME, e fornecem importantes elementos de convicção. Entretanto, o Ministério Público não os arrolou como testemunhas na denúncia ou em nenhum dos aditamentos posteriores, limitando-se a pleitear em audiência, a fls. 1149, a vinda aos autos de cópia de eventuais depoimentos prestados pelos menores em procedimentos na Vara Especial da Infância e Juventude. Tal providência ficou prejudicada diante da notícia a fls. 1233/1234 de que nada constava a esse respeito nos registros das Varas Especializadas. Dessa forma, impossível aceitar como absolutos os depoimentos prestados pelos adolescentes exclusivamente na fase policial, pois não foram repetidos ou ao menos confirmados em juízo. A prova oral deve ser produzida em juízo, sob o crivo do contraditório, não se podendo contentar com o mero aproveitamento isolado dos depoimentos colhidos em Delegacia de Polícia. Feita essa ressalva, conclui-se que a prova destes autos é inequívoca apenas no sentido de que GUILHERME e RODRIGO eram membros atuantes da quadrilha denominada IMPACTO HOOLIGAN. Os depoimentos colhidos na fase policial, especialmente dos menores Diego e Fernando, assim como os relatos dos então investigados, confirmam a participação de GUILHERME e RODRIGO. Tanto os adolescentes quando todos os demais réus (VIVIAN, ALINE, JORGE, ANA PAULA e THIAGO), confirmaram na fase policial que o grupo era liderado por GUILHERME e integrado, entre outras pessoas, por RODRIGO.

9 A esses elementos somam-se nos autos a prova documental já esmiuçada quando da análise da quadrilha em si e seu funcionamento. A farta documentação e os objetos apreendidos nas residências de RODRIGO e GUILHERME, especialmente a indumentária característica, as obras de temática nazista e neonazista, o caderno com anotações já referidas, as cartas de GUILHERME e a agenda pessoal de RODRIGO, trazem plena segurança sobre a imputação do crime de quadrilha a tais indivíduos. Não resta dúvida de que GUILHERME liderava o grupo estável e hierarquizado, contando até mesmo com estatuto a ser cumprido, com a finalidade precípua de praticar crimes contra a vida, integridade física, honra e patrimônio de vítimas homossexuais ou integrantes de outras minorias. Também está demonstrado á saciedade, pela farta documentação apreendida e já analisada, que RODRIGO era membro atuante de tal quadrilha, que contava com rituais de batismo, reuniões periódicas e códigos de comunicação e conduta. Contudo, a mesma certeza não se tem acerca da participação dos demais réus, por maiores os indícios nesse sentido decorrentes dos depoimentos colhidos em Delegacia. Nenhum dos réus confessou a participação na quadrilha ou nos demais crimes em juízo, o que enfraquece os relatos prestados na fase policial. As vítimas arroladas e ouvidas nada acrescentaram nesse sentido, pois se referiram apenas às lesões corporais sofridas na explosão ocorrida em 14 de junho de Por sua vez, as únicas testemunhas ouvidas na fase policial e que poderiam colaborar com a apuração dos fatos em juízo, os adolescentes Diego e Fernando, não foram arrolados por qualquer das partes.

10 Importante ressaltar que os réus, na fase policial, em sua maioria negam a participação no grupo, mas implicam os demais ou parte dos demais, e viceversa. Outros se dizem apenas simpatizantes eventuais, namoradas ou amigos de membros do IMPACTO HOOLIGAN. Sem maiores elementos documentais ou de outra natureza, e sem depoimentos judiciais que esclarecessem as contradições, impossível presumir que os réus JORGE, THIAGO, VIVIAN, ALINE e ANA PAULA eram membros ativos da quadrilha, e não apenas amigos de membros, simpatizantes eventuais ou namoradas. Não se olvidam os enormes indícios nesse sentido, ao menos quanto aos réus JORGE e THIAGO, ambos corréus em outros processos juntamente com o réu GUILHERME. Entretanto, não se pode tomar a coautoria em outro feito como prova cabal e isolada de formação de quadrilha. O fato é que nestes autos não existem provas orais, documentais ou periciais suficientes para responsabilização criminal de tais indivíduos pelo crime do artigo 288, do Código Penal. O que está provado, para além de qualquer dúvida, é que GUILHERME e RODRIGO, desde pelo menos o início de 2008, associaram-se entre si e com os adolescentes Fernando Cariola dos Santos Laguna, vulgo Macaco, e Diego do Nascimento Alves, vulgo Seqüestrado, além de outros indivíduos não identificados, de forma estável e organizada, para a prática de crimes violentos e contra a honra de homossexuais e integrantes de outros grupos rivais. Apesar disso, não existe prova judicial suficiente nos autos de que o grupo IMPACTO HOOLIGAN, e por conseguinte os réus RODRIGO e

11 GUILHERME, foi o responsável pela explosão ocorrida em 14 de junho de 2009, durante a Parada do Orgulho Gay, causadora das lesões corporais nas várias vítimas. Nenhuma testemunha judicial ou acusado confirmou os elementos amealhados na fase policial, que ficaram enfraquecidos em juízo. Tampouco as vítimas contribuíram para o esclarecimento da autoria da explosão, pois se limitaram a confirmar as lesões e as circunstâncias da explosão, nenhuma delas reconhecendo qualquer dos réus. Mais uma vez, por maiores os indícios decorrentes dos depoimentos colhidos pela Policia, não existe nenhum elemento concreto produzido em juízo que ligue os réus ou o grupo IMPACTO HOOLIGAN à explosão em questão. Os elementos que levaram o Ministério Público a pleitear a condenação dos réus nesse particular resumem-se a relatos colhidos em fase policial que, ou não foram reproduzidos em juízo, no caso das testemunhas adolescentes, ou foram aqui expressamente desmentidos, no caso dos réus. A única prova técnica que poderia alterar esse panorama também não foi suficiente para tanto. A Polícia Civil conseguiu imagens do local da explosão na hora do fato e tais imagens foram periciadas, impressas e gravadas em mídia acostada aos autos. Na Delegacia, alguns réus teriam se identificado em tais imagens, como consta do inquérito. Contudo, mais uma vez tal identificação não se confirmou em juízo e foi negada pelos réus a quem eram atribuídas. Os próprios policiais ouvidos confirmaram que as pessoas que aparecem nas gravações não foram identificadas propriamente, mas teriam se auto-identificado, o que perde força diante da negativa dos réus a esse respeito. Ressalto, por

12 oportuno, que examinei não só os laudos e imagens impressas acostados aos autos, como assisti ao inteiro teor das imagens gravadas no dia da explosão, e não consegui identificar a fisionomia de nenhum dos indivíduos que teriam sido os responsáveis pelo fato. Em verdade, as imagens, em plano distante e em péssima resolução, mostram dezenas de pessoas paradas na esquina e logo depois correndo da explosão. Impossível a identificação correta e segura de qualquer pessoa em tais imagens. Por conseqüência lógica, a falta de provas sobre a autoria do crime de explosão alcança os delitos de lesão corporal dolosa contra as vítimas. Por fim, resta analisar a imputação referente ao crime de receptação (artigo 180, do Código Penal) feita contra o réu RODRIGO. A solução, nesse particular, é igualmente a improcedência do pleito. A uma, porque a instrução criminal passou ao largo da questão, cingindo-se aos crimes de quadrilha, explosão e lesão corporal. A duas, porque a única vítima da receptação ouvida, Bianca Correa dos Santos (fls. 1201), relatou em audiência ter apenas perdido os documentos em via pública. Negou ter sido vítima de furto ou roubo de tais documentos, que posteriormente foram localizados na residência de RODRIGO. Dessa forma, não há prova segura de que o objeto encontrado era produto de crime anterior, elementar objetiva do tipo penal. Passo a dosar as penas. Na primeira fase da dosimetria, considero especialmente graves a finalidade e a motivação da quadrilha formada. Os réus RODRIGO e GUILHERME e seus

13 comparsas adolescentes e não identificados foram além da finalidade criminosa. O grupo IMPACTO HOOLIGAN, além de praticar crimes violentos e contra a honra de terceiros, o fazia por motivação odiosa e preconceituosa, elegendo as vítimas entre minorias e homossexuais, apenas e tão somente pelo fato de pertencerem a tais minorias ou exercerem referida orientação sexual. Os membros do bando, jovens de classe média, oriundos de famílias constituídas e que cursavam boas escolas e faculdades, seguiam orientação neonazista e xenófoba que disseminava o preconceito, o ódio, a intolerância e a violência. Reputo que tais circunstâncias, frontalmente contrárias ao Estado democrático de Direito que se pretende ver estabelecido em nosso país, demonstram reprovabilidade à conduta. Por isso, com apoio nos artigos 59, e 288, caput, do Código Penal, fixo a pena-base de cada réu em 02 ANOS DE RECLUSÃO. Na segunda etapa, reconheço a agravante da reincidência em desfavor de GUILHERME, em virtude de sua condenação definitiva certificada a fls Observo, nesse ponto, que apesar de a quadrilha ter se formado antes do trânsito em julgado da condenação mencionada, tratase de crime permanente, que continuava em plena consumação no período já posterior ao trânsito em julgado para as partes. Por esse motivo, agravo a pena de GUILHERME em 1/5, levando-a para 02 ANOS, 04 MESES E 24 DIAS DE RECLUSÃO. Não há outras agravantes ou atenuantes a se aplicar, nem causas de aumento ou diminuição, razão pela qual torno as penas definitivas. Diante das circunstâncias judiciais desfavoráveis já analisadas na primeira fase da dosimetria, referentes a ambos os réus, especialmente a motivação e a finalidade da quadrilha em comento, inviável o

14 cumprimento das penas em regimes brandos, incompatíveis com a gravidade concreta do crime praticado e seus efeitos deletérios à sociedade. A tais circunstâncias soma-se, quanto ao réu GUILHERME, a reincidência em crime doloso. Por esses motivos, com apoio no artigo 33, do Código Penal, fixo para ambos os réus o regime inicial FECHADO para o desconto das penas. Pelos mesmos motivos, os réus não fazem jus a substituição da pena por medidas restritivas de direito ou ao sursis, com apoio nos artigos 44 e 77, do Código Penal. Ante todo o exposto, e pelo mais que dos autos consta, JULGO PARCIALMENTE PROCEDENTE o pedido inicial e: a) CONDENO, como incursos no artigo 288, caput, Código Penal, o réu RODRIGO ALCANTARA DE LEONARDO, vulgo Tumba, qualificado nos autos, a pena de 02 ANOS DE RECLUSÃO em regime FECHADO, e o réu GUILHERME WITIUK FERREIRA DE CARVALHO, vulgo Chuck, também qualificado nos autos, à pena de 02 ANOS, 04 MESES E 24 DIAS DE RECLUSÃO em regime FECHADO; b) ABSOLVO os réus JORGE GABRIEL GONZALEZ, THIAGO BATISTA MIRANDA, vulgo Crânio, VIVIAN CRISTINY MOURA DA SILVA, vulgo Vivi, ALINE LACERDA FOCH, vulgo Lika e ANA PAULA RAMOS GUIMARÃES DA SILVA, vulgo Mel, qualificados nos autos, de todas as imputações, por falta de provas suficientes para a condenação, com apoio no artigo 386, VII, do Código de Processo Penal; c) ABSOLVO o réu RODRIGO ALCANTARA DE LEONARDO, vulgo Tumba, qualificado nos autos, da imputação referente

15 ao artigo 180, caput, do Código Penal, por falta de provas suficientes para a condenação, com apoio no artigo 386, VII, do Código de Processo Penal. d) ABSOLVO os réus RODRIGO ALCANTARA DE LEONARDO, vulgo Tumba, e GUILHERME WITIUK FERREIRA DE CARVALHO, vulgo Chuck, das imputações referentes aos artigos 251 e 129, caput, por 12 vezes, ambos do Código Penal, por falta de provas suficientes para a condenação, com apoio no artigo 386, VII, do Código de Processo Penal. Taxa judiciária pelos réus condenados, nos termos da legislação estadual vigente, ressalvada eventual gratuidade. Transitada em julgado, lancemse os nomes no rol dos culpados. Ate o presente momento, não existe razão concreta para restabelecimento da prisão processual revogada. Faculto o recurso em liberdade. P.R.I.C São Paulo, 17 de setembro de LUIZ RAPHAEL NARDY LENCIONI VALDEZ Juiz de Direito

TRIBUNAL DE JUSTIÇA DO ESTADO DE SÃO PAULO

TRIBUNAL DE JUSTIÇA DO ESTADO DE SÃO PAULO fls. 1 SENTENÇA Processo nº: Classe - Assunto Réu: Procedimento Especial da Lei Antitóxicos - Tráfico de Drogas e Condutas Afins Juiz(a) de Direito: Dr(a). Heitor Donizete de Oliveira Vistos. XX, qualificado

Leia mais

2ª AULA INQUÉRITO POLICIAL

2ª AULA INQUÉRITO POLICIAL 2ª AULA INQUÉRITO POLICIAL O inquérito policial é um procedimento (não é processo) que tem por escopo a produção de provas, tudo para abalizar a denúncia (se for o caso) do membro do Ministério Público.

Leia mais

APELAÇÃO CRIMINAL Nº 599295-2 DO FORO CENTRAL DA COMARCA DA REGIÃO METROPOLITANA DE CURITIBA 11ª VARA CRIMINAL APELANTE 1: APELANTE

APELAÇÃO CRIMINAL Nº 599295-2 DO FORO CENTRAL DA COMARCA DA REGIÃO METROPOLITANA DE CURITIBA 11ª VARA CRIMINAL APELANTE 1: APELANTE APELAÇÃO CRIMINAL Nº 599295-2 DO FORO CENTRAL DA COMARCA DA REGIÃO METROPOLITANA DE CURITIBA 11ª VARA CRIMINAL APELANTE 1: CLEBER ALVES APELANTE 2: MARCELO FABRÍCIO PRESTES AMÉRICO APELADO: MINISTÉRIO

Leia mais

ORDEM DOS ADVOGADOS DO BRASIL XVIII EXAME DE ORDEM UNIFICADO

ORDEM DOS ADVOGADOS DO BRASIL XVIII EXAME DE ORDEM UNIFICADO PADRÃO DE RESPOSTA - PEÇA PROFISSIONAL Durante o carnaval do ano de 2015, no mês de fevereiro, a família de Joana resolveu viajar para comemorar o feriado, enquanto Joana, de 19 anos, decidiu ficar em

Leia mais

CADERNO DE RASCUNHO DIREITO PENAL

CADERNO DE RASCUNHO DIREITO PENAL Ordem dos Advogados do Brasil Exame de Ordem Unificado 2010.2 Prova Prático-profissional CADERNO DE RASCUNHO DIREITO PENAL Leia com atenção as instruções a seguir: 1. Você está recebendo do fiscal de sala,

Leia mais

NEILA SILVANA JUNQUEIRA ABEL

NEILA SILVANA JUNQUEIRA ABEL COMARCA DE CAMAQUÃ VARA CRIMINAL Av. Antonio Duro, 260 Processo nº: 007/2.08.0000879-0 (CNJ:.0008792-82.2008.8.21.0007) Natureza: Crimes contra a Propriedade Imaterial - DL 7903/45 - Lei 7646/87 Autor:

Leia mais

Release do Processo n.º 2007.61.11.002996-0 OPERAÇÃO OESTE CASO 3 X 1

Release do Processo n.º 2007.61.11.002996-0 OPERAÇÃO OESTE CASO 3 X 1 Release do Processo n.º 2007.61.11.002996-0 OPERAÇÃO OESTE CASO 3 X 1 Trata-se de ação penal que o Ministério Público Federal move em face de EMERSON LUIS LOPES e HENRIQUE PINHEIRO NOGUEIRA, dados como

Leia mais

Tribunal de Justiça do Distrito Federal

Tribunal de Justiça do Distrito Federal Tribunal de Justiça do Distrito Federal Circunscrição :4 - GAMA Processo :2011.04.1.003085-4 Vara : 11 - TRIBUNAL DO JÚRI E VARA DOS DELITOS DE TRÂNSITO DO GAMA Autos nº: 2011.04.1.003085-4 AUTORA: JUSTIÇA

Leia mais

TRIBUNAL DE JUSTIÇA DO ESTADO DO RIO DE JANEIRO XLIII CONCURSO PARA INGRESSO NA MAGISTRATURA SENTENÇA PENAL

TRIBUNAL DE JUSTIÇA DO ESTADO DO RIO DE JANEIRO XLIII CONCURSO PARA INGRESSO NA MAGISTRATURA SENTENÇA PENAL TRIBUNAL DE JUSTIÇA DO ESTADO DO RIO DE JANEIRO XLIII CONCURSO PARA INGRESSO NA MAGISTRATURA DE CARREIRA DO ESTADO DO RIO DE JANEIRO SENTENÇA PENAL Leia o relatório abaixo com atenção e complemente a sentença.

Leia mais

Autor: Ministério Público do Estado de Mato Grosso. Réu: Evanderly de Oliveira Lima. Vistos.

Autor: Ministério Público do Estado de Mato Grosso. Réu: Evanderly de Oliveira Lima. Vistos. Fl..---- --- ESTADO DE MATO GROSSO PODER JUDICIÁRIO COMARCA DE ALTO ARAGUAIA Tribunal do Júri Vistos. O Ministério Público estadual ofereceu denúncia contra o réu Evanderly de Oliveira Lima, por ter infringido

Leia mais

PROVA DISCURSIVA P 2

PROVA DISCURSIVA P 2 PROVA DISCURSIVA P 2 Nesta prova, faça o que se pede, usando os espaços para rascunho indicados no presente caderno. Em seguida, transcreva os textos para o CADERNO DE TEXTOS DEFINITIVOS DA PROVA DISCURSIVA

Leia mais

CRIMES DE TORTURA (9.455/97)

CRIMES DE TORTURA (9.455/97) CRIMES DE TORTURA (9.455/97) TORTURA FÍSICA MENTAL Art. 1º Constitui crime de tortura: I - constranger alguém com emprego de violência ou grave ameaça, causando-lhe sofrimento físico ou mental: a) tortura-persecutória

Leia mais

PODER JUDICIÁRIO TRIBUNAL DE JUSTIÇA DE SÃO PAULO 11ª CÂMARA DE DIREITO CRIMINAL

PODER JUDICIÁRIO TRIBUNAL DE JUSTIÇA DE SÃO PAULO 11ª CÂMARA DE DIREITO CRIMINAL Registro: 2014.0000061802 ACÓRDÃO Vistos, relatados e discutidos estes autos do Apelação nº 0048213-33.2013.8.26.0050, da Comarca de São Paulo, em que é apelante DIOGO SOUSA LIMA, é apelado MINISTÉRIO

Leia mais

Núcleo de Pesquisa e Extensão do Curso de Direito NUPEDIR VII MOSTRA DE INICIAÇÃO CIENTÍFICA (MIC) 25 de novembro de 2014

Núcleo de Pesquisa e Extensão do Curso de Direito NUPEDIR VII MOSTRA DE INICIAÇÃO CIENTÍFICA (MIC) 25 de novembro de 2014 A DELAÇÃO PREMIADA E OS PRINCÍPIOS CONSTITUCIONAIS DO PROCESSO PENAL Vinicius Rubert 1 Diego Alan Schofer Albrecht 2 SUMÁRIO: 1. INTRODUÇÃO. 2. DELAÇÃO PREMIADA. 3. A DELAÇÃO PREMIADA NA LEGISLAÇÃO BRASILEIRA

Leia mais

DIREITO PENAL E DIREITO PROCESSUAL PENAL

DIREITO PENAL E DIREITO PROCESSUAL PENAL DIREITO PENAL E DIREITO PROCESSUAL PENAL PEÇA PROFISSIONAL Mariano Pereira, brasileiro, solteiro, nascido em 20/1/1987, foi denunciado pela prática de infração prevista no art. 157, 2.º, incisos I e II,

Leia mais

Mais uma falha legislativa na tentativa desesperada de retificar o Código de Processo Penal. Análise feita à luz da Lei nº. 12.403/11.

Mais uma falha legislativa na tentativa desesperada de retificar o Código de Processo Penal. Análise feita à luz da Lei nº. 12.403/11. Mais uma falha legislativa na tentativa desesperada de retificar o Código de Processo Penal. Análise feita à luz da Lei nº. 12.403/11. Ricardo Henrique Araújo Pinheiro. A breve crítica que faremos neste

Leia mais

ESTADO DE MATO GROSSO PODER JUDICIÁRIO COMARCA DE BARRA DO GARÇAS GABINETE DA SEGUNDA VARA CRIMINAL S E N T E N Ç A

ESTADO DE MATO GROSSO PODER JUDICIÁRIO COMARCA DE BARRA DO GARÇAS GABINETE DA SEGUNDA VARA CRIMINAL S E N T E N Ç A Código: 170741 Autor: Ministério Público Estadual Réu: Eldo Barbosa S E N T E N Ç A 1. Relatório O Ministério Público estadual ofereceu denúncia, fls. 05/08, contra Eldo Barbosa, por supostamente ter infringido

Leia mais

DIREITO PENAL XVII EXAME DE ORDEM UNIFICADO PROVA PRÁTICO - PROFISSIONAL

DIREITO PENAL XVII EXAME DE ORDEM UNIFICADO PROVA PRÁTICO - PROFISSIONAL XVII EXAME DE ORDEM UNIFICADO DIREITO PENAL PROVA PRÁTICO - PROFISSIONAL SEU CADERNO Além deste caderno de rascunho contendo o enunciado da peça prático-profissional e das quatro questões discursivas,

Leia mais

PARECER Nº, DE 2010. RELATOR: Senador RENATO CASAGRANDE

PARECER Nº, DE 2010. RELATOR: Senador RENATO CASAGRANDE PARECER Nº, DE 2010 Da COMISSÃO DE CONSTITUIÇÃO, JUSTIÇA E CIDADANIA, em caráter terminativo, sobre o Projeto de Lei do Senado nº 37, de 2010, da Senadora Lúcia Vânia, que altera o art. 10 do Código de

Leia mais

V - APELACAO CRIMINAL 2005.51.01.503995-6

V - APELACAO CRIMINAL 2005.51.01.503995-6 RELATOR APELANTE ADVOGADO APELADO ORIGEM : ANDRÉ FONTES : EDUARDO PEREIRA DE OLIVEIRA : DEFENSORIA PUBLICA DA UNIAO : MINISTERIO PUBLICO : JUÍZO FEDERAL DA 4ª VARA CRIMINAL DO RIO DE JANEIRO (200551015039956)

Leia mais

SIMULADO 2ª FASE EXAME DE ORDEM DIREITO PENAL CADERNO DE RASCUNHO

SIMULADO 2ª FASE EXAME DE ORDEM DIREITO PENAL CADERNO DE RASCUNHO SIMULADO 2ª FASE EXAME DE ORDEM DIREITO PENAL CADERNO DE RASCUNHO Leia com atenção as instruções a seguir: Você está recebendo do fiscal de sala, além deste caderno de rascunho contendo o enunciado da

Leia mais

Supremo Tribunal Federal

Supremo Tribunal Federal RECLAMAÇÃO 15.309 SÃO PAULO RELATORA RECLTE.(S) PROC.(A/S)(ES) RECLDO.(A/S) ADV.(A/S) INTDO.(A/S) ADV.(A/S) : MIN. ROSA WEBER :MINISTÉRIO PÚBLICO DO ESTADO DE SÃO PAULO :PROCURADOR-GERAL DE JUSTIÇA DO

Leia mais

COMISSÃO DE CONSTITUIÇÃO E JUSTIÇA E DE CIDADANIA PROJETO DE LEI Nº 215, DE 2015 (EM APENSO OS PLS NºS 1.547 E 1.589, DE 2015)

COMISSÃO DE CONSTITUIÇÃO E JUSTIÇA E DE CIDADANIA PROJETO DE LEI Nº 215, DE 2015 (EM APENSO OS PLS NºS 1.547 E 1.589, DE 2015) COMISSÃO DE CONSTITUIÇÃO E JUSTIÇA E DE CIDADANIA PROJETO DE LEI Nº 215, DE 2015 (EM APENSO OS PLS NºS 1.547 E 1.589, DE 2015) Acrescenta inciso V ao art. 141 do Decreto- Lei nº 2.848, de 7 de dezembro

Leia mais

PROJETO DE LEI Nº DE 2011

PROJETO DE LEI Nº DE 2011 PROJETO DE LEI Nº DE 2011 Altera a Lei nº 8.137, de 27 de dezembro de 1990, a Lei 8.666, de 21 de junho de 1993 e a Lei nº 8.884, de 11 de junho de 1994. O CONGRESSO NACIONAL decreta: Art. 1º O art. 4º

Leia mais

DIREITO PROCESSUAL PENAL IV

DIREITO PROCESSUAL PENAL IV AULA DIA 25/05/2015 Docente: TIAGO CLEMENTE SOUZA E-mail: tiago_csouza@hotmail.com DIREITO PROCESSUAL PENAL IV Procedimento Sumaríssimo (Lei 9.099/95) - Estabelece a possibilidade de conciliação civil,

Leia mais

UNESC Faculdades Integradas de Cacoal Mantidas pela Associação Educacional de Rondônia E-mail: unesc@unescnet.br - Internet: www.unescnet.

UNESC Faculdades Integradas de Cacoal Mantidas pela Associação Educacional de Rondônia E-mail: unesc@unescnet.br - Internet: www.unescnet. NÚCLEO DE PRÁTICA JURÍDICA (NPJ) ANEXO VI (Edital n. 02/2014-2) CRONOGRAMA SEMESTRAL 9.º PERÍODO DEPENDÊNCIA N. DATAS ATIVIDADES EQUIVALÊNCIA Disponibilização do Cronograma Semestral de atividades no átrio

Leia mais

Ts ii sgrsr- PODER JUDICIÁRIO TRIBUNAL DE JUSTIÇA DE SÃO ACÓRDÃO

Ts ii sgrsr- PODER JUDICIÁRIO TRIBUNAL DE JUSTIÇA DE SÃO ACÓRDÃO DE SÃO PAULO Ts ii sgrsr- ACÓRDÃO Vistos, relatados e discutidos estes autos de Apelação n 990.09.293088-5, da Comarca de Tatuí, em que é apelante/apelado ANDERSON FERNANDO PEREIRA sendo apelado/apelante

Leia mais

Abaixo, você encontra perguntas e respostas frequentes sobre o exercício profissional dos médicos.

Abaixo, você encontra perguntas e respostas frequentes sobre o exercício profissional dos médicos. Consultas à Defesa Anualmente, o Departamento de Defesa Profissional da Associação Paulista de Medicina (APM) realiza cerca de mil atendimentos, esclarecendo dúvidas sobre uma série de assuntos e garantindo

Leia mais

HC 6017-PB (0002378-25.2015.4.05.0000). RELATÓRIO

HC 6017-PB (0002378-25.2015.4.05.0000). RELATÓRIO HC 6017-PB (0002378-25.2015.4.05.0000). IMPTTE : CONSELHO FEDERAL DA ORDEM DOS ADVOGADOS DO BRASIL ADV/PROC : OSWALDO PINHEIRO RIBEIRO JÚNIOR E OUTROS IMPTDO : JUÍZO DA 8ª VARA FEDERAL DA PARAÍBA (SOUSA)

Leia mais

Seção 20 Da Gravação de Audiências

Seção 20 Da Gravação de Audiências Seção 20 Da Gravação de Audiências 2.20.1 Nas audiências criminais, salvo impossibilidade material momentânea, devidamente anotada em ata, o registro dos depoimentos do investigado, do indiciado, do ofendido

Leia mais

MODELO QUEIXA-CRIME. (especificar a Vara de acordo com o problema)

MODELO QUEIXA-CRIME. (especificar a Vara de acordo com o problema) Disciplina Processo Penal Aula 10 Professora Beatriz Abraão MODELO DE PETIÇÃO DE INTERPOSIÇÃO E RAZÕES DE APELAÇÃO EM CASO DE CONDENAÇÃO POR CRIME COMUM Excelentíssimo Senhor Doutor Juiz de Direito da...

Leia mais

PROJETO DE LEI Nº, DE 2015 (Da Sra. Soraya Santos)

PROJETO DE LEI Nº, DE 2015 (Da Sra. Soraya Santos) CÂMARA DOS DEPUTADOS PROJETO DE LEI Nº, DE 2015 (Da Sra. Soraya Santos) Torna mais rigorosa a punição dos crimes contra a honra cometidos mediantes disponibilização de conteúdo na internet ou que ensejarem

Leia mais

Questões de Processo Penal

Questões de Processo Penal Questões de Processo Penal 1º) As Contravenções Penais (previstas na LCP) são punidas com: a) ( ) Prisão Simples; b) ( ) Reclusão; c) ( ) Detenção; d) ( ) Não existe punição para essa espécie de infração

Leia mais

PROJETO DE LEI Nº, DE 2012 (Dos Srs. Paulo Teixeira, Fábio Trad, Delegado Protógenes e Miro Teixeira)

PROJETO DE LEI Nº, DE 2012 (Dos Srs. Paulo Teixeira, Fábio Trad, Delegado Protógenes e Miro Teixeira) PROJETO DE LEI Nº, DE 2012 (Dos Srs. Paulo Teixeira, Fábio Trad, Delegado Protógenes e Miro Teixeira) Altera os arts. 161, 162, 164, 165, 169 e 292 do Decreto-Lei n o 3.689, de 3 de outubro de 1941- Código

Leia mais

Monitoramento de mídia digital Tribunal de Justiça de Pernambuco. Assunto: Veículo: Jornal do Commercio Data: 27/11/2012

Monitoramento de mídia digital Tribunal de Justiça de Pernambuco. Assunto: Veículo: Jornal do Commercio Data: 27/11/2012 Assunto: Veículo: Jornal do Commercio Data: 27/11/2012 Editoria: Caderno C Dia a Dia Assunto: TJPE nomeia novos servidores Veículo: diariodepernambuco.com.br Data: 08/01/2013 Editoria: TJPE nomeia novos

Leia mais

^ g -, ,fitt.à r '4 4.44. kre44, ej_,.. 4 ' t+1$ 3 '., e. (4' jr~..pax ESTADO DA PARAÍBA PODER JUDICIÁRIO GABINETE DO DES. NILO LUIS RAMALHO VIEIRA

^ g -, ,fitt.à r '4 4.44. kre44, ej_,.. 4 ' t+1$ 3 '., e. (4' jr~..pax ESTADO DA PARAÍBA PODER JUDICIÁRIO GABINETE DO DES. NILO LUIS RAMALHO VIEIRA ^ g -,,fitt.à r '4 4.44 kre44, ej_,.. 4 ' t+1$ 3 '., e In. Wh& i* 1 "#. (4' jr~..pax ESTADO DA PARAÍBA PODER JUDICIÁRIO GABINETE DO DES. NILO LUIS RAMALHO VIEIRA ACÓRDÃO APELAÇÃO CRIMINAL: 016.2000.000691-2/001

Leia mais

SIMULADO XVII EXAME 2ª FASE DA ORDEM - 2ª FASE PROVA PRÁTICO -PROFISSIONAL - DIREITO PENAL

SIMULADO XVII EXAME 2ª FASE DA ORDEM - 2ª FASE PROVA PRÁTICO -PROFISSIONAL - DIREITO PENAL SIMULADO XVII EXAME 2ª FASE DA ORDEM - 2ª FASE PROVA PRÁTICO -PROFISSIONAL - DIREITO PENAL VJ *ATENÇÃO: ANTES DE INICIAR A PROVA, VERIFIQUE SE TODOS OS SEUS APARELHOS ELETRÔNICOS FORAM ACONDICIONADOS E

Leia mais

JUSTIÇA ELEITORAL TRIBUNAL REGIONAL ELEITORAL DO RIO GRANDE DO SUL

JUSTIÇA ELEITORAL TRIBUNAL REGIONAL ELEITORAL DO RIO GRANDE DO SUL PROCESSO: RC 1-30.2013.6.21.0068 PROCEDÊNCIA: FLORES DA CUNHA RECORRENTE: MINISTÉRIO PÚBLICO ELEITORAL RECORRIDO: JONATAN DE OLIVEIRA -----------------------------------------------------------------------------------------------------------------

Leia mais

PADRÃO DE RESPOSTA PEÇA PROFISSIONAL

PADRÃO DE RESPOSTA PEÇA PROFISSIONAL PEÇA PROFISSIONAL Petição inicial: Queixa-crime. Endereçamento: Vara Criminal da Comarca de São Paulo SP. Vara criminal comum, visto que as penas máximas abstratas, somadas, ultrapassam dois anos. Como

Leia mais

PLANO DE RESPOSTA DA PROVA DISSERTATIVA PARA O CARGO DE DELEGADO

PLANO DE RESPOSTA DA PROVA DISSERTATIVA PARA O CARGO DE DELEGADO PLANO DE RESPOSTA DA PROVA DISSERTATIVA PARA O CARGO DE DELEGADO PEÇA D E S P A C H O 1. Autue-se o Auto de Prisão em Flagrante; 2. Dê-se o recibo de preso ao condutor; 3. Autue-se o Auto de Apresentação

Leia mais

INSTITUIÇÕES DE DIREITO PUBLICO E PRIVADO MÓDULO 18 COMPETÊNCIA

INSTITUIÇÕES DE DIREITO PUBLICO E PRIVADO MÓDULO 18 COMPETÊNCIA INSTITUIÇÕES DE DIREITO PUBLICO E PRIVADO MÓDULO 18 COMPETÊNCIA Índice 1. Competência...3 1.1. Critérios Objetivos... 3 1.1.1. Critérios Subjetivos... 4 1.1.2. Competência Territorial... 4 2. Dos Processos...4

Leia mais

GABARITO SIMULADO WEB 1

GABARITO SIMULADO WEB 1 GABARITO SIMULADO WEB 1 PADRÃO DE RESPOSTA - PEÇA PROFISSIONAL No dia 10 de outubro de 2014, Caio, na condução de um ônibus, que fazia a linha Centro Capão Redondo, agindo com imprudência, realizou manobra

Leia mais

Poder Judiciário TRIBUNAL REGIONAL FEDERAL DA 5ª REGIÃO Gabinete do Desembargador Federal Geraldo Apoliano RELATÓRIO

Poder Judiciário TRIBUNAL REGIONAL FEDERAL DA 5ª REGIÃO Gabinete do Desembargador Federal Geraldo Apoliano RELATÓRIO RELATÓRIO O DESEMBARGADOR FEDERAL ÉLIO SIQUEIRA (RELATOR CONVOCADO): Habeas Corpus liberatório impetrado pela Defensoria Pública da União, em favor de Abia Mets, Dudel Hanani, Dahan Honi, Eban Arad e Achisar

Leia mais

SENTENÇAS, E JURISPRUDÊNCIA ACÓRDÃO

SENTENÇAS, E JURISPRUDÊNCIA ACÓRDÃO SENTENÇAS, E JURISPRUDÊNCIA CRIME AMBIENTAL. ARTIGO 60, CAPUT, LEI 9605/98. SENTENÇA CONDENATÓRIA MANTIDA. Restando comprovadas a materialidade e a autoria delitiva, impõe-se a manutenção da sentença condenatória.

Leia mais

TRIBUNAL DE JUSTIÇA PODER JUDICIÁRIO São Paulo

TRIBUNAL DE JUSTIÇA PODER JUDICIÁRIO São Paulo Registro: 2015.0000927737 ACÓRDÃO Vistos, relatados e discutidos estes autos do Apelação nº 0009206-77.2014.8.26.0477, da Comarca de Praia Grande, em que é apelante MARCEL BARBOSA LOPES, é apelado MINISTÉRIO

Leia mais

PROCESSO PENAL RESUMO DE PROCESSO PENAL 3 Rosivaldo Russo 1) AÇÃO PENAL: 2. INÍCIO DA AÇÃO PENAL

PROCESSO PENAL RESUMO DE PROCESSO PENAL 3 Rosivaldo Russo 1) AÇÃO PENAL: 2. INÍCIO DA AÇÃO PENAL PROCESSO PENAL RESUMO DE PROCESSO PENAL 3 Rosivaldo Russo 1) AÇÃO PENAL: 2. INÍCIO DA AÇÃO PENAL AÇÃO PENAL PÚBLICA tem início através de uma peça que se chama denúncia. Essa é a petição inicial dos crimes

Leia mais

MINISTÉRIO PÚBLICO DO ESTADO DO RIO DE JANEIRO 1ª Central de Inquéritos Policiais 23ª Promotoria de Investigação Penal DENÚNCIA

MINISTÉRIO PÚBLICO DO ESTADO DO RIO DE JANEIRO 1ª Central de Inquéritos Policiais 23ª Promotoria de Investigação Penal DENÚNCIA EXMO. SR. DR. JUIZ DE DIREITO DA 35ª VARA CRIMINAL DO FORO DA COMARCA DA CAPITAL - RIO DE JANEIRO. Processo n.º 0271912-17.2013.8.19.0001 Inquérito Policial nº.: 015/027/2013. Origem: Divisão de Homicídios

Leia mais

ENUNCIADOS. Suspensão Condicional do Processo. Lei Maria da Penha e Contravenções Penais

ENUNCIADOS. Suspensão Condicional do Processo. Lei Maria da Penha e Contravenções Penais ENUNCIADOS Suspensão Condicional do Processo Enunciado nº 01 (001/2011): Nos casos de crimes de violência doméstica e familiar contra a mulher não se aplica a suspensão condicional do processo. (Aprovado

Leia mais

inciso II e IV, do Código Penal contra a vítima Cristiane Monteiro da Silva.

inciso II e IV, do Código Penal contra a vítima Cristiane Monteiro da Silva. Processo nº 201402509884 Natureza: Ação Penal Réu: Jhones Milton Soares do Nascimento S E N T E N Ç A O Representante do Ministério Público do Estado de Goiás, com atribuição nesta Comarca, denunciou Jhones

Leia mais

SUSPENSÃO CONDICIONAL DO PROCESSO: momento processual para a aceitação do benefício MARCIO FRANCISCO ESCUDEIRO LEITE

SUSPENSÃO CONDICIONAL DO PROCESSO: momento processual para a aceitação do benefício MARCIO FRANCISCO ESCUDEIRO LEITE SUSPENSÃO CONDICIONAL DO PROCESSO: momento processual para a aceitação do benefício MARCIO FRANCISCO ESCUDEIRO LEITE PROMOTOR DE JUSTIÇA ASSESSOR DO CENTRO DE APOIO OPERACIONAL CRIMINAL DO MINISTÉRIO PUBLICO

Leia mais

Vistos. Consta, ainda, que no período compreendido entre as 13h15min do dia 13 de outubro até as 18h00min do dia 17 de outubro de 2008, na Rua Oito,

Vistos. Consta, ainda, que no período compreendido entre as 13h15min do dia 13 de outubro até as 18h00min do dia 17 de outubro de 2008, na Rua Oito, Vistos. LINDEMBERG ALVES FERNANDES, qualificado nos autos, foi denunciado como incurso no artigo 121, parágrafo 2º, incisos I e IV (vítima Eloá); artigo 121, parágrafo 2º, incisos I e IV c.c. artigo 14,

Leia mais

CONSELHO NACIONAL DO MINISTÉRIO PÚBLICO. (Alterada pelas Resoluções nº 65/2011 e 98/2013) RESOLUÇÃO Nº 20, DE 28 DE MAIO DE 2007.

CONSELHO NACIONAL DO MINISTÉRIO PÚBLICO. (Alterada pelas Resoluções nº 65/2011 e 98/2013) RESOLUÇÃO Nº 20, DE 28 DE MAIO DE 2007. CONSELHO NACIONAL DO MINISTÉRIO PÚBLICO (Alterada pelas Resoluções nº 65/2011 e 98/2013) RESOLUÇÃO Nº 20, DE 28 DE MAIO DE 2007. Regulamenta o art. 9º da Lei Complementar nº 75, de 20 de maio de 1993 e

Leia mais

ACÓRDÃO ESTADO DA PARAÍBA TRIBUNAL DE JUSTIÇA

ACÓRDÃO ESTADO DA PARAÍBA TRIBUNAL DE JUSTIÇA 4 ê% ESTADO DA PARAÍBA poder JUDICIÁRIO Apelação Criminal n 035.1998.000012-5 / 001 1 a Vara Sapé Relator : Excelentíssimo Desembargador José Martinho Lisboa 1 Apelante : Carlos Francisco de Oliveira Filho

Leia mais

A PRISÃO PREVENTIVA E AS SUAS HIPÓTESES PREVISTAS NO ART. 313 DO CPP, CONFORME A LEI Nº 12.403, DE 2011.

A PRISÃO PREVENTIVA E AS SUAS HIPÓTESES PREVISTAS NO ART. 313 DO CPP, CONFORME A LEI Nº 12.403, DE 2011. A PRISÃO PREVENTIVA E AS SUAS HIPÓTESES PREVISTAS NO ART. 313 DO CPP, CONFORME A LEI Nº 12.403, DE 2011. Jorge Assaf Maluly Procurador de Justiça Pedro Henrique Demercian Procurador de Justiça em São Paulo.

Leia mais

SIMULADO 2ª FASE EXAME DE ORDEM DIREITO PENAL CADERNO DE RASCUNHO

SIMULADO 2ª FASE EXAME DE ORDEM DIREITO PENAL CADERNO DE RASCUNHO SIMULADO 2ª FASE EXAME DE ORDEM DIREITO PENAL CADERNO DE RASCUNHO Além deste caderno de rascunho, contendo o enunciado da peça prático-profissional e das quatro questões discursivas, você receberá do fiscal

Leia mais

ALTERAÇÕES A TIPOS PENAIS

ALTERAÇÕES A TIPOS PENAIS ALTERAÇÕES A TIPOS PENAIS COMO É HOJE VERSÃO DO PL ANTERIOR SUBSTITUTIVO APRESENTADO em 22 de setembro de 2015 Art. 141 - As penas cominadas neste Capítulo aumentam-se de um terço, se qualquer dos crimes

Leia mais

Origem : 01920050029000 Machadinho do Oeste/RO (1ª Vara Criminal)

Origem : 01920050029000 Machadinho do Oeste/RO (1ª Vara Criminal) TRIBUNAL DE JUSTIÇA DE RONDÔNIA Câmara Criminal Data de distribuição :31/07/2007 Data de julgamento :25/09/2008 100.019.2005.002900-0 Apelação Criminal Origem : 01920050029000 Machadinho do Oeste/RO (1ª

Leia mais

',V, 4. PODER JUDICIÁRIO TRIBUNAL DE JUSTIÇA DA PARAÍBA Gabinete do Des. ARNÓBIO ALVES TEODÓSIO

',V, 4. PODER JUDICIÁRIO TRIBUNAL DE JUSTIÇA DA PARAÍBA Gabinete do Des. ARNÓBIO ALVES TEODÓSIO ',V, 4. PODER JUDICIÁRIO TRIBUNAL DE JUSTIÇA DA PARAÍBA Gabinete do Des. ARNÓBIO ALVES TEODÓSIO ACORDÃO APELAÇÃO CRIMINAL N2 033.2008.001458-3/002 5g Vara da Comarca de Santa Rita-PB. RELATOR : O Exmo.

Leia mais

Rtgukfípekc"fc"Tgrûdnkec"

RtgukfípekcfcTgrûdnkec Página 1 de 8 Rtgukfípekc"fc"Tgrûdnkec" Ecuc"Ekxkn" Uudejghkc"rctc"Cuuupvqu"Lutîfkequ NGK"P "340625."FG"6"FG"OCKQ"FG"42330 Vigência Altera dispositivos do Decreto-Lei n o 3.689, de 3 de outubro de 1941

Leia mais

*200404010126186B* RELATÓRIO

*200404010126186B* RELATÓRIO APELAÇÃO CRIMINAL Nº 2004.04.01.012618-6/RS RELATOR : DES. FEDERAL LUIZ FERNANDO WOWK PENTEADO APELANTE : JEAN SIDNEI DE OLIVEIRA ADVOGADO : Ivo Grandini Neto APELADO : MINISTÉRIO PÚBLICO FEDERAL RELATÓRIO

Leia mais

EXCLUSÃO DE REGISTROS DE ANTECEDENTES CRIMINAIS. JUSTIÇA COMUM e JUSTIÇA MILITAR. Por Cid Sabelli 1

EXCLUSÃO DE REGISTROS DE ANTECEDENTES CRIMINAIS. JUSTIÇA COMUM e JUSTIÇA MILITAR. Por Cid Sabelli 1 EXCLUSÃO DE REGISTROS DE ANTECEDENTES CRIMINAIS. JUSTIÇA COMUM e JUSTIÇA MILITAR Por Cid Sabelli 1 INTRODUÇÃO Fato tormentoso na vida do cidadão diz respeito às informações lançadas em sua folha de antecedentes

Leia mais

9ª Vara Criminal Protocolo nº: 362588-24.2011.809.0174 (201103625882) Réu: JOSÉ CARLOS RECKERT S E N T E N Ç A

9ª Vara Criminal Protocolo nº: 362588-24.2011.809.0174 (201103625882) Réu: JOSÉ CARLOS RECKERT S E N T E N Ç A 9ª Vara Criminal Protocolo nº: 362588-24.2011.809.0174 (201103625882) Réu: JOSÉ CARLOS RECKERT S E N T E N Ç A O Ministério Público, via de sua representante legal, denunciou JOSÉ CARLOS RECKERT, brasileiro,

Leia mais

Presidência da República Casa Civil Subchefia para Assuntos Jurídicos

Presidência da República Casa Civil Subchefia para Assuntos Jurídicos Presidência da República Casa Civil Subchefia para Assuntos Jurídicos LEI Nº 12.850, DE 2 DE AGOSTO DE 2013. Vigência Define organização criminosa e dispõe sobre a investigação criminal, os meios de obtenção

Leia mais

Poder Judiciário Tribunal de Justiça da Paraíba Gabinete Des. Carlos Martins Beltrão Filho

Poder Judiciário Tribunal de Justiça da Paraíba Gabinete Des. Carlos Martins Beltrão Filho Poder Judiciário Tribunal de Justiça da Paraíba Gabinete Des. Carlos Martins Beltrão Filho ACÓRDÃO APELAÇÃO CRIMINAL No. 200.2008.032784-0/001 ia Vara Criminal da Comarca da Capital RELATOR: Marcos William

Leia mais

MINISTÉRIO PÚBLICO DO RIO GRANDE DO SUL PROCURADORIA-GERAL DE JUSTIÇA

MINISTÉRIO PÚBLICO DO RIO GRANDE DO SUL PROCURADORIA-GERAL DE JUSTIÇA QUESTIONAMENTO: Solicito pesquisa acerca do enquadramento típico de indivíduo que fora abordado pela Brigada Militar, conduzindo veículo embriagado (306 dp CTB) e com a CNH vencida, sendo que foi reprovado

Leia mais

PROCESSO PENAL COMNENTÁRIOS RECURSOS PREZADOS, SEGUEM OS COMENTÁRIOS E RAZÕES PARA RECURSOS DAS QUESTÕES DE PROCESSO PENAL.

PROCESSO PENAL COMNENTÁRIOS RECURSOS PREZADOS, SEGUEM OS COMENTÁRIOS E RAZÕES PARA RECURSOS DAS QUESTÕES DE PROCESSO PENAL. PROCESSO PENAL COMNENTÁRIOS RECURSOS PREZADOS, SEGUEM OS COMENTÁRIOS E RAZÕES PARA RECURSOS DAS QUESTÕES DE PROCESSO PENAL. A PROVA FOI MUITO BEM ELABORADA EXIGINDO DO CANDIDATO UM CONHECIMENTO APURADO

Leia mais

PODER JUDICIÁRIO TRIBUNAL REGIONAL FEDERAL DA 5.ª REGIãO Gabinete do Desembargador Federal Marcelo Navarro

PODER JUDICIÁRIO TRIBUNAL REGIONAL FEDERAL DA 5.ª REGIãO Gabinete do Desembargador Federal Marcelo Navarro RELATÓRIO O Senhor DESEMBARGADOR FEDERAL MARCELO NAVARRO: Cuida-se de apelação criminal interposta pelo Ministério Público Federal contra sentença proferida pelo MM. Juízo da 37ª Vara de Pernambuco, na

Leia mais

SIMULADO 2ª FASE EXAME DE ORDEM DIREITO PENAL CADERNO DE RASCUNHO

SIMULADO 2ª FASE EXAME DE ORDEM DIREITO PENAL CADERNO DE RASCUNHO SIMULADO 2ª FASE EXAME DE ORDEM DIREITO PENAL CADERNO DE RASCUNHO Leia com atenção as instruções a seguir: Você está recebendo do fiscal de sala, além deste caderno de rascunho contendo o enunciado da

Leia mais

ACF.* Ao Íncleto Causídico DD. Professor Doutor René Ariel Dotti Rua Marechal Deodoro, 497. 13 andar. Curitiba/PR. Prezado Senhor:

ACF.* Ao Íncleto Causídico DD. Professor Doutor René Ariel Dotti Rua Marechal Deodoro, 497. 13 andar. Curitiba/PR. Prezado Senhor: Sindicato dos Escrivães de Polícia do Estado do Paraná SINDESPOL/PR CNPJ 77.824.167/0001-00 e-mail: sindespol.pr@hotmail.com Av. Brasília, 116/4298 -~ Novo Mundo CEP: 81.010-020 Tefones: 8834-0816 e 8413-8419

Leia mais

VISTOS, RELATADOS e DISCUTIDOS estes autos, em que são partes as acima identificadas,

VISTOS, RELATADOS e DISCUTIDOS estes autos, em que são partes as acima identificadas, ri, átáit0 PODER JUDICIÁRIO TRIBUNAL DE JUSTIÇA DA PARAÍBA GABINETE DO DESEMBARGADOR Luiz SILVIO RAMALHO JÚNIOR ACÓRDÃO APELAÇÃO CRIMINAL (PROCESSO N 004.2009.000339-51001). RELATOR: Desembargador Luiz

Leia mais

Critérios para correção: o conteúdo e a qualidade da sentença:

Critérios para correção: o conteúdo e a qualidade da sentença: Critérios para correção: o conteúdo e a qualidade da sentença: 1. Qualidade da redação: 1.1. Com observância, inclusive, de ortografia e gramática além de completo domínio do vernáculo. 1.2. Valor: 2,0

Leia mais

EXERCÍCIOS ATO INFRACIONAL.

EXERCÍCIOS ATO INFRACIONAL. EXERCÍCIOS ATO INFRACIONAL. 1.José foi inserido em medida sócio-educativa de internação, com prazo indeterminado. Durante o cumprimento da medida sócio-educativa, já tendo completado dezoito anos, praticou

Leia mais

PODER JUDICIÁRIO TRIBUNAL DE JUSTIÇA DO DISTRITO FEDERAL E DOS TERRITÓRIOS

PODER JUDICIÁRIO TRIBUNAL DE JUSTIÇA DO DISTRITO FEDERAL E DOS TERRITÓRIOS Órgão : Segunda Turma Criminal Classe : Apelação Criminal Nº Processo : 1999 04 1 000829-4 Apelante : JOÃO AMARO FERNANDES Apelada : A JUSTIÇA PÚBLICA Relator : Des or GETULIO PINHEIRO Delito de trânsito.

Leia mais

CARTILHA DOS JUIZADOS ESPECIAIS CRIMINAIS

CARTILHA DOS JUIZADOS ESPECIAIS CRIMINAIS CARTILHA DOS JUIZADOS ESPECIAIS CRIMINAIS Os Juizados Especiais foram criados para atender; de uma forma rápida e simples, problemas cujas soluções podem ser buscadas por qualquer cidadão. Antes deles,

Leia mais

ESTADO DA PARAÍBA PODER JUDICIÁRIO TRIBUNAL DE JUSTIÇA

ESTADO DA PARAÍBA PODER JUDICIÁRIO TRIBUNAL DE JUSTIÇA - L,, n ESTADO DA PARAÍBA TRIBUNAL DE JUSTIÇA Apelação Criminal n 200.2007.001711-2/001 8 a Vara Criminal de João Pessoa Relator : O Excelentíssimo Desembargador José Maninho Lisboa Apelante : Darcilene

Leia mais

PARECER - Instituto dos Advogados Brasileiros (IAB)

PARECER - Instituto dos Advogados Brasileiros (IAB) PARECER - Instituto dos Advogados Brasileiros (IAB) Autor: Consócio Jacksohn Grossman Matéria: Nova Lei de Crimes Resultantes de Discriminação e Preconceito Relatora: Victoria-Amália de Barros Carvalho

Leia mais

PODER JUDICIÁRIO TRIBUNAL DE JUSTIÇA DE SÃO PAULO ACÓRDÃO SOUZA NÜCCI RELATOR

PODER JUDICIÁRIO TRIBUNAL DE JUSTIÇA DE SÃO PAULO ACÓRDÃO SOUZA NÜCCI RELATOR TRIBUNAL DE JUSTIÇA DE SÃO PAULO ACÓRDÃO TRIBUNAL DE JUSTIÇA DE SÃO PAULO ACÓRDÃO/DECISÃO MONOCRÁTICA REGISTRADO(A) SOB N Vistos, relatados e discutidos estes autos de Revisão Criminal n 0077734-18.2009.8.26.0000,

Leia mais

IV - APELACAO CIVEL 374161 2000.50.01.011194-0

IV - APELACAO CIVEL 374161 2000.50.01.011194-0 RELATOR : DESEMBARGADOR FEDERAL GUILHERME COUTO DE CASTRO APELANTE : UNIAO FEDERAL APELADO : JOSÉ RODRIGUES PINHEIRO ADVOGADO : SONIA REGINA DALCOMO PINHEIRO ORIGEM : QUARTA VARA FEDERAL DE VITÓRIA (200050010111940)

Leia mais

Correção da Prova de Legislação Especial Agente da PF 2014 Professor: Leonardo Coelho. Prof. Heraldo Rezende 1 de 7. www.exponencialconcursos.com.

Correção da Prova de Legislação Especial Agente da PF 2014 Professor: Leonardo Coelho. Prof. Heraldo Rezende 1 de 7. www.exponencialconcursos.com. Correção da Prova de Legislação Especial Agente da PF 2014 Professor: Leonardo Coelho Prof. Heraldo Rezende 1 de 7 Correção da Prova de Legislação Especial Agente da PF 2014 Falaí, pessoal, como comentei

Leia mais

TRIBUNAL DE JUSTIÇA DO ESTADO DO RIO DE JANEIRO TERCEIRA CÂMARA CRIMINAL

TRIBUNAL DE JUSTIÇA DO ESTADO DO RIO DE JANEIRO TERCEIRA CÂMARA CRIMINAL TRIBUNAL DE JUSTIÇA DO ESTADO DO RIO DE JANEIRO TERCEIRA CÂMARA CRIMINAL APELAÇÃO CRIMINAL Nº 0009721-92.2011.8.19.0031 (Ação n 0009721-92.2011.8.19.0031 // Juízo de Direito da 2ª Vara da Comarca de Maricá)

Leia mais

TRIBUNAL DE JUSTIÇA PODER JUDICIÁRIO São Paulo

TRIBUNAL DE JUSTIÇA PODER JUDICIÁRIO São Paulo fls. 2 Registro: 2016.0000213833 ACÓRDÃO Vistos, relatados e discutidos estes autos de Apelação nº 0831938-67.2013.8.26.0052, da Comarca de, em que é apelante ALEX KOZLOFF SIWEK, é apelado MINISTÉRIO PÚBLICO

Leia mais

1. PRINCÍPIOS DOS JUIZADOS ESPECIAIS CRIMINAIS art. 62 da Lei 9.009/95 2. OBJETIVOS DO JUIZADO ESPECIAL CRIMINAL

1. PRINCÍPIOS DOS JUIZADOS ESPECIAIS CRIMINAIS art. 62 da Lei 9.009/95 2. OBJETIVOS DO JUIZADO ESPECIAL CRIMINAL 1 PROCESSO PENAL PROCESSO PENAL PONTO 1: Princípios dos Juizados Especiais Criminais PONTO 2: Objetivos PONTO 3: Competência PONTO 4: Fase Policial PONTO 5: Fase Judicial PONTO 6: Recursos PONTO 7: Atos

Leia mais

Formulário de Visita Técnica à Delegacia de Polícia Estadual

Formulário de Visita Técnica à Delegacia de Polícia Estadual Formulário de Visita Técnica à Delegacia de Polícia Estadual Resolução CNMP Nº 20 de 28/05/2007 Dados da Entidade Visitada Nome: CPF ou CNPJ:: Endereço: Município: UF: Telefones c/ddd: Seção I Identificação

Leia mais

SÉTIMA VARA FEDERAL CRIMINAL

SÉTIMA VARA FEDERAL CRIMINAL PODER JUDICIÁRIO JUSTIÇA FEDERAL SEÇÃO JUDICIÁRIA DO RIO DE JANEIRO SÉTIMA VARA FEDERAL CRIMINAL Av. Venezuela, n 134, 4 andar Praça Mauá/RJ Telefones: 3218-8974/8973 Fax: 3218-8972 E-mail: 07vfcr@jfrj.jus.br

Leia mais

Preconceito na Própria Raça e Outras Raças

Preconceito na Própria Raça e Outras Raças Preconceito na Própria Raça e Outras Raças Aline Figueiredo* José Roberto Mary** Diferença de Racismo e Preconceito Muito se fala de racismo e preconceito atualmente, porém é importante a compreensão das

Leia mais

OAB 2ª Fase Penal Espelho Simulado Estefânia Rocha & Emerson Castelo Branco

OAB 2ª Fase Penal Espelho Simulado Estefânia Rocha & Emerson Castelo Branco OAB 2ª Fase Penal Espelho Simulado Estefânia Rocha & Emerson Castelo Branco 2013 Copyright. Curso Agora eu Passo - Todos os direitos reservados ao autor. José foi denunciado como incurso no art. 155, 4o,

Leia mais

ACÓRDÃO. O julgamento teve a participação dos Exmos. Desembargadores PERCIVAL NOGUEIRA (Presidente) e VITO GUGLIELMI. São Paulo, 14 de maio de 2015.

ACÓRDÃO. O julgamento teve a participação dos Exmos. Desembargadores PERCIVAL NOGUEIRA (Presidente) e VITO GUGLIELMI. São Paulo, 14 de maio de 2015. fls. 1 PODER JUDICIÁRIO ACÓRDÃO Registro: 2015.0000330010 Vistos, relatados e discutidos estes autos de Apelação nº 0007845-11.2008.8.26.0291, da Comarca de Jaboticabal, em que é apelante CARLOS RENATO

Leia mais

EXMA. SRA. DRA. JUÍZA DE DIREITO DO JUIZADO DE VIOLÊNCIA DOMÉSTICA E FAMILIAR CONTRA A MULHER DA COMARCA DE FORTALEZA CEARÁ

EXMA. SRA. DRA. JUÍZA DE DIREITO DO JUIZADO DE VIOLÊNCIA DOMÉSTICA E FAMILIAR CONTRA A MULHER DA COMARCA DE FORTALEZA CEARÁ 1 EXMA. SRA. DRA. JUÍZA DE DIREITO DO JUIZADO DE VIOLÊNCIA DOMÉSTICA E FAMILIAR CONTRA A MULHER DA COMARCA DE FORTALEZA CEARÁ DENÚNCIA Referência: Inquérito Policial n.º XXX-00XXX/2010 O MINISTÉRIO PÚBLICO

Leia mais

Direito Processual Penal - Inquérito Policial

Direito Processual Penal - Inquérito Policial Direito Processual Penal - Inquérito Policial O inquérito policial é um procedimento administrativo préprocessual, de caráter facultativo, destinado a apurar infrações penais e sua respectiva autoria.

Leia mais

EXCELENTÍSSIMO (A) SENHOR (A) DOUTOR (A) JUIZ (A) DE DIREITO DO PLANTÃO CRIMINAL DA COMARCA DE MANAUS AM.

EXCELENTÍSSIMO (A) SENHOR (A) DOUTOR (A) JUIZ (A) DE DIREITO DO PLANTÃO CRIMINAL DA COMARCA DE MANAUS AM. fls. 65 EXCELENTÍSSIMO (A) SENHOR (A) DOUTOR (A) JUIZ (A) DE DIREITO DO PLANTÃO CRIMINAL DA COMARCA DE MANAUS AM. Autos: 0225155-11.2015.8.04.0001 JOAQUIM RAMOS NASCIMENTO, já qualificado nos autos do

Leia mais

Os acusados foram notificados, e apresentaram defesa preliminar, mas por preencher os requisitos legais a denúncia foi recebida.

Os acusados foram notificados, e apresentaram defesa preliminar, mas por preencher os requisitos legais a denúncia foi recebida. Vara: 1ª Vara de Delitos de Tóxicos Processo: 0070912-73.2009.8.22.0501 Classe: Procedimento Especial da Lei Antitóxicos (Réu Solto) Autor: Ministério Público do Estado de Rondônia Denunciado: Robson Fernandes

Leia mais

Assim, o bem jurídico tutelado é o meio ambiente natural, cultural, artificial e do trabalho, englobáveis na expressão BEM AMBIENTAL.

Assim, o bem jurídico tutelado é o meio ambiente natural, cultural, artificial e do trabalho, englobáveis na expressão BEM AMBIENTAL. ASPECTOS DA TUTELA PENAL DO AMBIENTE 1. Introdução Como conseqüência da consciência ambiental, o legislador brasileiro não só previu a proteção administrativa do meio ambiente e a denominada tutela civil

Leia mais

I CONGRESSO BRASILEIRO DE EXECUÇÃO DE PENAS E MEDIDAS ALTERNATIVAS

I CONGRESSO BRASILEIRO DE EXECUÇÃO DE PENAS E MEDIDAS ALTERNATIVAS I CONGRESSO BRASILEIRO DE EXECUÇÃO DE PENAS E MEDIDAS ALTERNATIVAS CARTA DE CURITIBA Os participantes do I CONGRESSO BRASILEIRO DE EXECUÇÃO DE PENAS E MEDIDAS ALTERNATIVAS, realizado em Curitiba PR, de

Leia mais

PODER JUDICIÁRIO TRIBUNAL DE JUSTIÇA DO ESTADO DA PARAÍBA GABINETE DO DESEMBARGADOR LUIZ SILVIO RAMALHO JÚNIOR

PODER JUDICIÁRIO TRIBUNAL DE JUSTIÇA DO ESTADO DA PARAÍBA GABINETE DO DESEMBARGADOR LUIZ SILVIO RAMALHO JÚNIOR PODER JUDICIÁRIO TRIBUNAL DE JUSTIÇA DO ESTADO DA PARAÍBA GABINETE DO DESEMBARGADOR LUIZ SILVIO RAMALHO JÚNIOR ACÓRDÃO APELAÇÃO CRIMINAL (Processo N 017.2010.001.201-6/001) RELATOR :Desembargador Luiz

Leia mais

ORDEM DOS ADVOGADOS DO BRASIL XVII EXAME DE ORDEM UNIFICADO

ORDEM DOS ADVOGADOS DO BRASIL XVII EXAME DE ORDEM UNIFICADO PADRÃO DE RESPOSTA - PEÇA PROFISSIONAL Daniel, nascido em 02 de abril de 1990, é filho de Rita, empregada doméstica que trabalha na residência da família Souza. Ao tomar conhecimento, por meio de sua mãe,

Leia mais

LATROCÍNIO COM PLURALIDADE DE VÍTIMAS

LATROCÍNIO COM PLURALIDADE DE VÍTIMAS LATROCÍNIO COM PLURALIDADE DE VÍTIMAS ALESSANDRO CABRAL E SILVA COELHO - alessandrocoelho@jcbranco.adv.br JOSÉ CARLOS BRANCO JUNIOR - jcbrancoj@jcbranco.adv.br Palavras-chave: crime único Resumo O presente

Leia mais

PODER JUDICIÁRIO TRIBUNAL DE JUSTIÇA DE SÃO PAULO

PODER JUDICIÁRIO TRIBUNAL DE JUSTIÇA DE SÃO PAULO TRIBUNAL DE JUSTIÇA DE SÃO PAULO ACÓRDÃO TRIBUNAL DE JUSTIÇA DE SÃO PAULO ACÓRDÃO/DECISÃO MONOCRÁTICA REGISTRADO(A) SOB N i mm um li um mu mu mu um mi m *03428858* Vistos, relatados e discutidos estes

Leia mais

FACULDADES INTEGRADAS DE JAÚ CURSO DE DIREITO NÚCLEO DE PRÁTICA JURÍDICA ROTEIRO DE ATIVIDADES DE PRÁTICA REAL E SIMULADA.

FACULDADES INTEGRADAS DE JAÚ CURSO DE DIREITO NÚCLEO DE PRÁTICA JURÍDICA ROTEIRO DE ATIVIDADES DE PRÁTICA REAL E SIMULADA. FACULDADES INTEGRADAS DE JAÚ CURSO DE DIREITO NÚCLEO DE PRÁTICA JURÍDICA ROTEIRO DE ATIVIDADES DE PRÁTICA REAL E SIMULADA 5º SEMESTRE Os alunos matriculados no 5º semestre do Curso de Direito terão que

Leia mais

Espelho Penal Peça. Endereçamento correto da interposição 1ª Vara Criminal do Município X 0 / 0,25

Espelho Penal Peça. Endereçamento correto da interposição 1ª Vara Criminal do Município X 0 / 0,25 Espelho Penal Peça O examinando deve redigir uma apelação, com fundamento no artigo 593, I, do Código de Processo Penal. A petição de interposição deve ser endereçada ao juiz de direito da 1ª vara criminal

Leia mais