Palavras-chave: dialogia, linguagem,exclusão, poder, zona de indistinção.

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "Palavras-chave: dialogia, linguagem,exclusão, poder, zona de indistinção."

Transcrição

1 Confederación Iberoamericana de Asociaciones Científicas y Académicas de la Comunicación A constituição do sujeito na zona de indistinção: O exercício do poder na animalização do homem Elvair Grossi 1 Resumo: Bakhtin afirma que qualquer que seja o relato ou quando alguém expõe algo, a fala do outro estará presente e disseminada de várias formas, confirmando assim, que todo discurso cita outro discurso. Agamben entende que o sujeito se constitui pela linguagem, nela a consciência existe e se dá a realidade, pois, a linguagem é voz articulada. A partir desses conceitos, analisamos alguns recortes do filme, Vidas Secas, de Nelson Pereira dos Santos, com a finalidade de compreender o comportamento, as atitudes e a trajetória de vida dos personagens Fabiano e Sinhá Vitória, na constituição do sujeito na zona de indistinção, procuramos apontar a ruptura que existe entre o homem e o cidadão, promovendo assim, a reclusão territorial, tão comum nos dias de hoje. Palavras-chave: dialogia, linguagem,exclusão, poder, zona de indistinção. Abstract: Bakhtin says that whatever the story or when someone exposes something, speaking of the "other" and this will be disseminated in various ways, thus confirming that all discourse cites another discourse. Agamben believes that the subject is constituted through language, conscience exists and it takes the reality, because the language is articulate voice. Based on these concepts, we analyze some excerpts from the film, Vidas Secas, Nelson Pereira dos Santos, in order to understand the behavior, attitudes and way of life of characters Fabiano and Sinhã Vitória, in the constitution of the subject in the zone of indistinction, we tried to point out that the rupture between man and citizen, thus promoting the territorial prison, so common today. Keywords: dialogism, language, exclusion, power, zone of indistinction. 1

2 ELVAIR GROSSI, Mestre e Doutorando em Comunicação e Semiótica pela PUC-SP, professor da graduação e da pós-graduação em literatura, linguística e comunicação, escritor de livros de redação e literatura infantil. Título: A constituição do sujeito na zona de indistinção Subtítulo: O exercício do poder na animalização do homem Introdução Este trabalho tem por objetivo estabelecer um diálogo entre Mikhail Bakhtin e Giorgio Agamben, dois trabalhadores da palavra e exploradores da linguagem, como elemento instituidor das relações e conhecimento dos homens e do mundo. Para Bakhtin(1992), quando alguém relata ou expõe algo, a fala do "outro" estará presente e disseminada de várias formas, mesmo que, enquanto locutor, esse alguém detenha essa fala como elemento particular e individual, confirmando, assim, que todo o discurso cita outro discurso, logo, todo discurso é heterogêneo e o eu do discurso constitui-se, obrigatoriamente, em função do outro, o que define não só a natureza social desse discurso, como as coerções sociais que ele sofre. Para Agamben (2006), é na linguagem e através da linguagem que o homem se constitui como sujeito, ou seja, a única forma de reconhecimento, de relação existencial e de instância de discurso só pode ser identificável por meio da voz que as profere, pois, a palavra está associada à voz e da sua relação com a linguagem. A linguagem humana é a voz da consciência, nela a consciência existe e se dá realidade, porque a linguagem é voz articulada 2

3 A partir dessas premissas, analisamos um recorte: Fabiano e Sinhá Vitória, no filme, Vidas Secas, de Nelson Pereira dos Santos, a fim de verificar as modalidades: língua oral e escrita e verbo-visual (filme), bem como as relações dialógicas entre interlocutores e discursos, em esferas e lugares diferentes, marcando diferentes significados, como as relações de poder, a constituição do sujeito na zona de indistinção e a figura do refugiado na condição de homo sacer 1, provocando uma ruptura entre homem e cidadão, entre nascimento e nacionalidade, alimentando violentamente a reclusão territorial nos nosso tempos. 3

4 1.Segundo Agamben, o homo sacer é uma obscura figura do direito romano arcaico, desprovido de qualquer poder e submetido ao poder soberano que se apresenta como lei: ele é a lei mas ao mesmo tempo está fora dela. Nessa situação desnudada, desprovida o homo sacer dá-se como vida nua aberta à morte e insacrificável. É, portanto, nos dizeres de Agamben, uma vida sagrada. Mas se essa pessoa for morta por outra, a que mata não é punida, não comete qualquer crime porque o homo sacer encontra-se abandonado pela lei, ou seja, abandonado pelo poder soberano. (2007, p.. 89,90) 1 A constituição do sujeito na zona de indistinção Morin (1996) entende que a constituição do sujeito se dá de forma dicotomizada, a partir de sua individualidade e dependência. Ou seja, segundo nossas leituras, o sujeito tem como fundamento duas faces associadas e inseparáveis: inclusão e exclusão. A exclusão se fundamenta na busca do eu, na consciência da individualidade, como elemento único, central e subjetivo, diretamente relacionada com a inclusão, que se fundamenta na relação com o outro. Assim, o eu não existe de forma isolada, mas se completa com o outro. Ser humano e possuir linguagem e cultura denotam a individualidade, ou seja, a instituição de um ser único, sem plural. Este eu, porém, não pode deixar de levar em consideração o interlocutor e o grupo no qual está inserido. Segundo Agamben (2005), a linguagem de cada um pertence à comunidade com quem convive, fundamentada na experiência e no conhecimento, sendo o homem o sujeito do processo. Nesse sentido, a arte é um movimento, um simulacro da cultura, modo de reconstituição do evento conversacional, representação de uma cultura e da linguagem, um discurso dentro do discurso, com início, desenvolvimento e fim. Como uma história dentro da História, uma modalidade se apropria de outras modalidades escritas, orais e verbo-visuais, como em Vidas Secas, de Graciliano Ramos, adaptado ao cinema por Nelson Pereira dos Santos. Em um pequeno recorte uma modalidade discursiva apropria-se de outra, com as relações dialógicas e as extensões de significados. O mesmo recorte, em texto escrito, literário, responde ao texto verbo-visual ou fílmico, mostrando as relações dialógicas de sentido, como no capítulo Mudança: Na planície avermelhada os juazeiros alargavam duas manchas verdes. Os infelizes tinham caminhado o dia inteiro, estavam cansados e famintos. Ordinariamente andavam pouco, mas como haviam repousado bastante na areia do rio seco, a viagem progredira 4

5 bem três léguas. Fazia horas que procuravam uma sombra. A folhagem dos juazeiros apareceu longe, através dos galhos pelados da catinga rala. (RAMOS, 1983, p.9) O narrador discorre linguisticamente, apresentando um quadro dramático da situação de uma família em busca da sobrevivência no espaço árido. Graciliano não dá a fala aos seus personagens, não há alternância de turnos, muito comum na oralidade, o que mantém uma dinâmica e motiva a interação. No texto, predomina o discurso indireto livre, às vezes, misturando a fala do narrador com a fala do personagem, dada a intimidade entre ambos. O personagem não evoca uma voz, não possui uma linguagem, o tempo é manipulado pelo narrador, o que revela premeditação, ou seja, os movimentos de pessoas fadadas ao insucesso, infelizes, que pode ser entendida apenas como mudança de lugar e não mudança de situação, como anuncia o título Mudança. Segundo Bakhtin (1992): todo enunciado é uma resposta a enunciados anteriores dentro de uma esfera: refuta-os, confirma-os completa-os, supõe-nos conhecidos e, de um modo ou de outro, conta com eles. (p.316) Nessa perspectiva, nenhum texto ou discurso se constrói sozinho, mas a partir de outro. Em Vidas Secas, as imagens, a sucessividade e a estruturalidade das cenas só são possíveis a partir de outro texto, no caso, o texto literário. A linguagem verbal, por meio da imagem, ganha corpo, detalhamento, forma e adjacência, como mostra acena a seguir: 5

6 Nesse recorte o texto verbo-visual é um evento híbrido, com sincretismo de linguagens, sons, cores e cenografia, de extrema importância na constituição do discurso. Sua materialidade dá densidade ao visual e contribui para um efeito de sentido pelas várias linguagens que se interpenetram e se entretecem, assegurando a imitação do real. O enunciador apresenta na cena 1, abertura do texto-filmíco, apenas a imagem, em primeiro plano, da região, a aridez, a agressividade da natureza, o espaço vazio, a ausência de vegetação e verde, um aberto sem referência; na indicação da seta, bem no meio da paisagem, uma vez anunciado o título do filme, começam a surgir a cabeça de Fabiano, Sinhá Vitória, o menino mais velho, o menino mais novo e a cachorra Baleia, que está sempre à frente da comitiva. A família parece brotar da terra, nascendo para aquela região. Como se nasce uma planta, denotando, claramente, no decorrer do texto e filme, o sentido vegetativo dessas pessoas. Por exemplo, é possível perceber que quando Fabiano conversa, sua fala é atravessada por sons guturais, que não fazem sentido algum a não ser pela entonação ou pela gestualidade. Confirmando, que a falta de voz e linguagem é total, ainda na abertura do filme, apenas um ruído se avoluma, muito semelhante ao ranger das rodas de um velho carro de boi. À medida que a cena vai se enquadrando, dando destaque aos retirantes, o volume aumenta. A horizontalidade, tendo um foco de câmera aberto, causa o efeito e sentido de brotar, nascer da terra, o nascer da planta, do vegetal. O deslocamento da família, que se dá a partir da cena 01, é quase imperceptível, além da falta de manifestação da voz e da fala dos personagens, o texto-fílmico também acentua certa condição de silêncio, ou seja, não há trilha sonora musical, apenas a trilha sonora da natureza do sertão, da região do nordeste e tudo que nela se encontra, como por exemplo, o ranger do carro de boi, a chuva, o vento da caatinga, os animais etc. Enaltecendo e valorizando o quadro que se destaca, que se desponta: espaço e a família de retirantes, pois a terra e sua aridez se misturam com as pessoas, motivando a imagem de melancolia e o isolamento dos personagens em relação ao meio ambiente desolador, gerando uma sensação de monotonia e deixando prevalecer apenas uma imagem: a terra e toda a agressividade da natureza. Na sequência das cenas há uma mobilidade, uma dinâmica, uma movimentação, um deslocamento do fundo em direção à frente da tela, ressaltando o caminhar dos persoangens que, 6

7 ao mesmo tempo, vem caracterizar a letidão, a monotonia de vida, uma busca determinada pela vagueza e pela falta de de perpectiva. Tais cenas apontam vários aspectos representativos: a cultura regional, os traços físicos, a postura e forma dos personagens, às quais a imagem dá autenticidade. Fabiano e sua família, em meio à agressividade da natureza, movimentam-se, caminham e gesticulam, incorporando o texto verbal que, agora, além da imagem, tem uma extensão ampla de significados. A câmera, narrador por excelência, mostra uma enunciação importante para sustentar o discurso verbal, no âmbito social, histórico e ideológico. A peregrinação 2 (migração) e a forma como se estrutura o discurso textual e o discurso verbovisual denunciam o estado de miserabilidade e precariedade em que se vivem os retirantes, os excluídos, postos à margem de qualquer sistema social. De acordo com Agamben (2007), tais pessoas não são consideradas socialmente úteis, ou seja, não têm um papel social claramente definido dentro de uma ordem instituída, são apenas entidades biológicas, em um estágio animalesco, vidas nuas ou vidas sacras. Nessas condições, as cenas que se apresentam na abertura do filme, confirmam a zona de indistinção, uma pessoa que é simplesmente posta para fora da jurisdição humana sem ultrapassar a divina (AGAMBEN, 2007, p. 89), uma vida matável e insacrificável, aquele que constitui o conteúdo primeiro do poder soberano ( p.91). Não se trata apenas da animalização do homem, mas também do bando, remetido à própria separação e entregue à mercê de quem o abandona, ao mesmo tempo excluso e incluso, dispensado, abandonado 3 e, simultaneamente, capturado (AGAMBEN, 2007, p.116). A família de Fabiano carrega tanto a insígnia da soberania, de quem a baniu, quanto à expulsão da comunidade. 2. Essa peregrinação, que destacamos, são imagens que representam o movimento de deslocamento e, também, o movimento de busca, de sobrevivência, mas acima de tudo, traduzem a saga dos retirantes, como se estivessem pressionados a fugir, a desocupar a área sob as ordens do poder; legitimando, de forma autêntica, a miséria e o sofrimento, pois, segundo Agamben (2007), A exceção é uma espécie de exclusão. Ela é um caso singular, que é 7

8 excluído da norma geral. Mas o que caracteriza propriamente a exceção é que aquilo que é excluído não está por causa disto, absolutamente fora de relação com a norma; ao contrário, esta se mantém em relação com aquela na forma da suspensão. A norma se aplica à exceção desaplicando-se, retirando-se desta. (p.25) 3. O termo abandono, segundo a perspectiva de Agamben, pode significar a mercê de... ou a seu talante livremente e bandido pode ser entendido como excluído, banido ou aberto a todos, livre. Nota-se que ambos podem representar-se com significados opostos. Diante dessa ambigüidade, os conceitos se aplicam para aqueles que não pertencem a lugar algum, estando livres, como também, para aqueles que foram abandonados, banidos ou excluídos (AGAMBEN, 2007, p. 117). Assim, a regra, suspendendo-se, dá lugar à exceção, a inclusão de Fabiano se dá por sua própria exclusão. A seca é o lugar onde a provação total torna-se regra, as pessoas podem ser assassinadas sem que isso represente crime 4, é o homo sacer. 8

9 4. Assassinar alguém e não representar um crime, é possível, devido à soberania, ou seja, segundo Agamben (2007), soberana é uma esfera na qual se pode matar sem cometer homicídio e sem celebrar um sacrifício, e sacra, isto é, matável e insacrificável, é a vida que foi capturada nesta esfera (p.91). 2 As referências: social e da linguagem Os campos são o espaço de exceção, o território total, onde ocorre o mais completo fechamento e exclusividade, onde a lei é integralmente suspensa. (...) fato e direito se confundem sem resíduos, neles tudo é verdadeiramente possível, move-se em uma zona de indistinção entre externo e interno, exceção e regra, lícito e ilícito, na qual os próprios conceitos de direito subjetivo e de proteção jurídica não fazem mais sentido (...) (AGAMBEN, 2007, p.177) O Estado de exceção inaugura um novo paradigma, no qual a norma torna-se indiscernível da exceção e o campo é, digamos, a estrutura em que o Estado de exceção, em cuja possível decisão se baseia o poder soberano, é realizado normalmente (Agamben, 2007, p.177), como se pode observar na cena 7. ( 7 ) 9

10 Aqui, os retirantes, depois de uma longa jornada, na investida do projeto de sobrevivência, deparam-se com um pequeno retiro abandonado, uma verdadeira zona de exclusão territorial, da qual tomam posse. ( 8 ) 10

11 Posse momentânea, pois, com a chegada do Coronel, representante da Lei, consuma-se a expulsão. A situação se inverte, quando Fabiano declara ser um bom boiadeiro, a serviço do Coronel. Entretanto, a forma de negociação torna-se mais branda, principalmente, quando o oprimido está totalmente a serviço da submissão, à mercê do opressor. No oprimido reside e se manifesta a incomunicabilidade, sua linguagem é totalmente desprovida de quaisquer adjetivos, sem substância linguística, uma linguagem seca, talvez o reflexo do ambiente e característica marcante de quem ali habita. Nos recortes 7 e 8, exclusão territorial indica afastamento dos campos 5 e da atividade ou ocupação humana. Fabiano não está completamente destituído de laços sociais, pois, nas palavras de Agamben, mesmo nesse retiro, trata-se de uma exclusão inclusa. O que significa dizer que, Fabiano, como mostra o recorte 7, para ser abandonado é necessário, primeiramente, pertencer a algum lugar. Esse lugar é o bando, seu lugar de origem. 5. As imagens constituídas nos recortes 7 e 8, denotam uma certa semelhanças aos campos, pois segundo Agamben (2008) O campo é o espaço que se abre quando o estado de exceção começa a tornar-se regra (...) (p.09) Deste modo, o abandonado sempre estará ligado ao bando pela sua exclusão, pois, apesar de ter sido posto fora de seu bando, sempre vai pertencer ao mesmo, estando a mercê do Coronel, da lei, recorte 8, é quem o abandonou ou excluiu, porque aquele, por sua vez, também não pode abrir mão da relação que tem sobre quem baniu. Assim, o abandonado jamais será livre e ao mesmo tempo não pertencerá a lugar nenhum, estando em uma condição de indeterminação quanto a sua relação ao seu bando, a sua origem. Nesse mundo biopolítico, vida nua, contexto pelo qual trafega Fabiano e sua família, Sinhá Vitória é a única personagem que tem racionalidade e consciência de seu estado e condição, como mostra a cena 9 e 10: ( 9 ) 11

12 Fabiano O patrão disse que é 100 mil réis por cabeça... Sinhá Vitória e Fabiano não questionam o valor a ser pago pelo serviço prestado, mas Sinhá Vitória, imediatamente, faz uma avaliação, um orçamento, para achar uma saída para a situação. ( 10 ) Sinhá Vitória É... o dinheiro dá para acertar as conta com patrão... e com a sobra a gente compra o couro para fazer uma cama igualzinha ao do seu Tomais... se precisar a gente gasta de menos. Fabiano...é... a gente gasta de meno Sinhá Vitória... vamo dormi em cama de couro... vamo sê gente... A expressão Vamo sê gente é uma constatação da biopolítica, da vida nua, da exclusão como principal forma de ação política sobre a vida, cujo efeito é a vida desqualificada, animalizada, despojada, exposta à morte. O Coronel (patrão), ao pagar um salário indigno, não comete delito, porque a lei lhe é totalmente indiferente. Essa é a lógica das relações de poder. Na cena em que se dá a relação entre Fabiano e Sinhá Vitória, é possível perceber que Sinhá Vitória, tendo consciência de seu estágio, alimenta um projeto de vida, uma miragem, uma referência social: possuir uma cama de couro, igualzinho ao do seu Tomás. Sinhá Vitória Que fim levou seu Tomás Fabiano Se largou-se como a gente. Será que ele carregou todos os trem junto, a bolandeira garanto que ficou e os livros também... (...) Seu Tomás é que era homem de valia, seu Tomás falava bem, como um dotor... (...) homem de leitura 12

13 Na passagem em que, seu Tomás da Bolandeira é referência para Fabiano, que aspira possuir seus dotes e qualidades, principalmente, o falar e ler muito bem., confirmando a importância da linguagem e legitimando os dizeres de Agambém (2006), o homem se constitui pela linguagem. Já nas palavras de Bakhin (1992), todo sujeito se constitui em relação ao outro, ou seja, mesmo os retirantes, em estado de vida animalizada, vida nua, aspiram por uma nova forma de vida, porém, encurralados pelas forças que representam o Estado, não se constituem como sujeito, residem numa zona de indistinção, uma vez que sua vida fica reduzida ao mínimo biológico, sem qualquer valor ou dignidade. A relação de Fabiano com o Patrão. Patrão Entre... Fabiano Dia... Patrão Sente.. cê qué acertá as conta hoje? Fabiano Após careço de compra.. Patrão Quanto é que eu lhe devo mesmo? Fabiano Bom... é... quer dizer... é... Patrão Panha a caderneta... tá lá na sala em cima da escrivaninha... Fabiano E eu sei... Fabiano Me desculpe, mais tem de meno... Patrão Tá certo... Fabiano O que a mulhé disse é mais... aqui tem erro na conta.. Patrão A diferença é do juro, não lhe emprestei dinheiro todo esse ano... tem erro não.. Fabiano Eu não, mais a mulhé tem miolo, sabe fazê conta... aqui tem de menos... Patrão Sua parte tá i... não tem mais nada para receber... Fabiano Isso não tá certo... só nego não... Patrão Nego não tem nenhum aqui... leve seu dinheiro e se não quiser vai procurar emprego em outro lugar... cabra insolente não trabalha comigo não... Fabiano Bem... bem... não é preciso barulho... foi palavra à toa... me desculpe, foi culpa da mulher patrão... eu não sei lê, a velha me disse é tanto, eu acreditei nela... Patrão Esta bem Fabiano, vá trabalhar... Fabiano Mas noutra não caio não senhor, me desculpe... Nesta relação, observamos que o patrão representa a lei, o poder soberano, vejamos: 13

14 Patrão Nego não tem nenhum aqui... leve seu dinheiro e se não quiser vai procurar emprego em outro lugar... cabra insolente não trabalha comigo não... Nota-se que o patrão nesta passagem, é aquele que decide sobre o estado de exceção, ou seja, pessoa que se põe, ao mesmo tempo, acima e além da lei dos homens para instaurar o regime em que a lei, embora vigente, não possui aplicação, aplica-se em consonância com seu próprio bando, aplica-se desaplicando-se, é a suspensão da ordem jurídica. Vale dizer, segundo Agamben, que não se trata de invalidar a lei, mas aplicá-la desaplicando. Isso legitima que nesta relação, Fabiano e seu Patrão, define-se pelos papéis de opressor e oprimido, pois, mais uma vez, o clímax da negociação ocorre no momento em que Fabiano reconhece a sua condição de oprimido e impotência devido à total miséria física, linguística e intelectual, como também aparece na cena entre o fiscal e Fabiano: Fiscal Pra vender tem que pagar imposto da prefeitura Fabiano Não sei nada de imposto não Fiscal O porco é seu? É pra vender? Então tem que pagar imposto... Fabiano Isso não é porco não... é pedaço de porco... Fiscal Não interessa, se é pra vender tem que pagar imposto seu cabra safado... tá me desacatando. Fabiano Me desculpe seu moço, pensei que poderia me dispo dos meu troço, não sabia desse tal de imposto, não sabia que a prefeitura tinha uma parte do meu cevado... O embate entre o fiscal da Prefeitura e Fabiano revela a supremacia do poder ou, como afirma Agamben, o poder se estabelecendo por um corpo de leis, mecanismo, dispositivos, acionado de acordo com os interesses dos opressores, do poder ou do Estado: é pra vender?... Então tem que pagar imposto. O Estado se manifesta como força e autoridade, o cidadão se aniquila e, sem nenhum histórico, fica reduzido a uma entidade biológica. Assim, os representantes das instituições sociais que oprimem Fabiano - o soldado, corrupto, oportunista e medroso; o dono da fazenda (Coronel ou patrão), exigente, ladrão e opressor e o fiscal da Prefeitura, intolerante e explorador o levam à exclusão, à vida nua e apenas biológica. 14

15 3 Considerações finais Todo texto tem uma esfera de atuação, procede de alguém e destina-se a alguém, pois cada enunciador tem um horizonte social bem definido. Assim, a análise do nosso corpus Vidas Secas, na categoria filme, aponta diferentes formas de constituição, diferentes textos e discursos, todos relacionados e imbricados dialogicamente, onde ocorrem as relações de poder, o embate entre opressor e oprimido, a zona de indistinção, o estado de animalização e a vida nua. Nesse terreno de mobilidade tão contrastante e árido, à luz da teoria de Agamben, vemos um Fabiano, que pode ser apenas um representante do povo, um cidadão brasileiro. Para sua família exposta à morte, excluída, não há nenhuma espécie de resgate. O Soldado Amarelo pode ser apenas um representante do governo, do poder e o patrão, um adminstrador de nossas instituições. Tais forças políticas que habitam as esferas do Estado, em nenhum momento 15

16 cometem crímes ou delitos, pois, mesmo que cometessem, jamais seriam julgadas, eis a figura do homo sacer. O corpus possibilita refletir sobre o dispositivo de poder, a política, a animalização do homem por meio do mais sofisticado dispositivo, máquina ou técnica política, como mostram nossos referenciais teóricos. 4 Referências AGAMBEN, Giorgio. A linguagem e a morte. Trad. Henrique Burigo. Belo Horizonte: Editora UFMG, Estado de Exceção. Trad. Iraci D. Poleti. São Paulo: Boitempo Editorial, (2004).. Homo Sacer: o poder soberano e a Vida Nua I. Trad. Henrique Burigo. Belo Horizonte: Editora UFMG. (2007).. Infância e história: a destruição da experiência e a origem da história. Trad. Henrique Burigo. Belo Horizonte: Ed. UFMG, O que resta de Auschwitz. Trad. Selvino J. Assmann. São Paulo: Boitempo Editorial, Profanações. Trad. de Selvino J. Assmann. São Paulo: Editorial, Boitempo 16

17 BAKHTIN, Mikkhail (Voloshinov). Marxismo e filosofia da linguagem. Tradução Michel Laud e Yara Frateschi Vieira. São Paulo: Hucitec, Questões de literatura e de estética: A teoria do romance. Tradução Aurora F. Bernardini. São Paulo: Unesp / Hucitec, 1992b.. Estética Martins Fontes, 1992c. da criação verbal. Tradução Maria E. G. Gomes Pereira. São Paulo: FOUCAULT, M. As palavras e as coisas. Tradução de Salma Tannus Muchail. 8. ed. São Paulo: Martins Fontes, LA BOÉTIE, Étienne de. Discurso da servidão voluntária. Trad. Laymert G. Santos. São Paulo: Brasiliense, MORIN, Edgar A noção de sujeito. In: SCHNITMAN, Dora Fried (org.). Novos Paradigmas, cultura e subjetividade. Trad. Jussara Haubert Rodrigues. Porto Alegre: Artes Médicas. (1996). RAMOS, Graciliano. Vidas Secas. 51ª. Ed. Rio de Janeiro: Record, SANTOS, Nelson Pereira. VIDAS SECAS. Brasil: Sino Filmes, filme (103min.), son., color, 35mm. 17

INTERPRETAÇÃO DA LIBRAS NO GÊNERO JORNALÍSTICO TELEVISIVO: ELEMENTOS EXTRALINGÜÍSTICOS NA PRODUÇÃO DE SENTIDOS

INTERPRETAÇÃO DA LIBRAS NO GÊNERO JORNALÍSTICO TELEVISIVO: ELEMENTOS EXTRALINGÜÍSTICOS NA PRODUÇÃO DE SENTIDOS INTERPRETAÇÃO DA LIBRAS NO GÊNERO JORNALÍSTICO TELEVISIVO: ELEMENTOS EXTRALINGÜÍSTICOS NA PRODUÇÃO DE SENTIDOS Marcus Vinícius Batista Nascimento Pontifícia Universidade Católica de São Paulo - PUCSP RESUMO

Leia mais

Para pensar o. livro de imagens. Para pensar o Livro de imagens

Para pensar o. livro de imagens. Para pensar o Livro de imagens Para pensar o livro de imagens ROTEIROS PARA LEITURA LITERÁRIA Ligia Cademartori Para pensar o Livro de imagens 1 1 Texto visual Há livros compostos predominantemente por imagens que, postas em relação,

Leia mais

REPRESENTAÇÕES DE CULTURA SURDA DE ALUNOS DA DISCIPLINA FUNDAMENTOS DE LIBRAS

REPRESENTAÇÕES DE CULTURA SURDA DE ALUNOS DA DISCIPLINA FUNDAMENTOS DE LIBRAS Introdução REPRESENTAÇÕES DE CULTURA SURDA DE ALUNOS DA DISCIPLINA FUNDAMENTOS DE LIBRAS Ana Rachel Carvalho Leão 1 Este trabalho tem por objetivo apresentar algumas representações sobre cultura surda

Leia mais

Profª Drª Maria Aparecida Baccega

Profª Drª Maria Aparecida Baccega Profª Drª Maria Aparecida Baccega http://lattes.cnpq.br/8872152033316612 Elizabeth Moraes Gonçalves - UMESP Alguns dados de currículo Livre Docente em Comunicação pela Escola de Comunicações e Artes da

Leia mais

O QUE ALUNOS DO CICLO INICIAL INVENTAM AO NOMEAR OS PERSONAGENS DE SUAS HISTÓRIAS INVENTADAS

O QUE ALUNOS DO CICLO INICIAL INVENTAM AO NOMEAR OS PERSONAGENS DE SUAS HISTÓRIAS INVENTADAS O QUE ALUNOS DO CICLO INICIAL INVENTAM AO NOMEAR OS PERSONAGENS DE SUAS HISTÓRIAS INVENTADAS Roberta da Silva Freitas roberta_sfreitas@hotmail.com Universidade Federal de Alagoas (UFAL-PPGE/ET&C-CAPES)

Leia mais

Carlos Fabiano de Souza IFF UFF carlosfabiano.teacher@gmail.com

Carlos Fabiano de Souza IFF UFF carlosfabiano.teacher@gmail.com VIII Jornada de Estudos do Discurso NARRANDO A VIDA SOCIAL A FALA DO PROFESSOR DE INGLÊS SOBRE A SUA ATIVIDADE DOCENTE EM CURSOS DE IDIOMAS: POR UM ITINERÁRIO INVESTIGATIVO NA INTERFACE TRABALHO & LINGUAGEM

Leia mais

CRIARCONTEXTO: ANÁLISE DO DISCURSO NAS LETRAS DE MÚSICA 1. Faculdade de Letras, Universidade Federal de Goiás, CEP - 74001-970, Brasil

CRIARCONTEXTO: ANÁLISE DO DISCURSO NAS LETRAS DE MÚSICA 1. Faculdade de Letras, Universidade Federal de Goiás, CEP - 74001-970, Brasil CRIARCONTEXTO: ANÁLISE DO DISCURSO NAS LETRAS DE MÚSICA 1 Juliana Dionildo dos Santos 2 e Eliane Marquez da Fonseca Fernandes 3 Faculdade de Letras, Universidade Federal de Goiás, CEP - 74001-970, Brasil

Leia mais

Proposta N o 83 Dezembro/Fevereiro de 1999/00

Proposta N o 83 Dezembro/Fevereiro de 1999/00 Avaliação: face escolar da exclusão social? Maria Teresa Esteban* * Doutora em Educação. Professora da Faculdade de Educação da Universidade Federal Fluminense e Pesquisadora do grupo Alfabetização dos

Leia mais

PADRÃO PLÁSTICO TOM.

PADRÃO PLÁSTICO TOM. PADRÃO PLÁSTICO TOM. Os princípios de dinâmica de um padrão tonal são muito parecidos com o que vimos em relação aos da linha. Ao colocarmos algumas pinceladas de preto sobre um campo, eles articulam uma

Leia mais

CRIARCONTEXTO: ANÁLISE DO DISCURSO EM LETRA DE ROCK 1. Faculdade de Letras, Universidade Federal de Goiás, CEP - 74001-970, Brasil

CRIARCONTEXTO: ANÁLISE DO DISCURSO EM LETRA DE ROCK 1. Faculdade de Letras, Universidade Federal de Goiás, CEP - 74001-970, Brasil CRIARCONTEXTO: ANÁLISE DO DISCURSO EM LETRA DE ROCK 1 Larissa Nogueira de Oliveira 2 e Eliane Marquez da Fonseca Fernandes 3 Faculdade de Letras, Universidade Federal de Goiás, CEP - 74001-970, Brasil

Leia mais

Fig. 247 Storyboard 2

Fig. 247 Storyboard 2 173 Fig. 247 Storyboard 2 174 Fig. 248 Storyboard 2 Fig. 249 Storyboard 2 175 176 3.2.5 Edição visual e sonora Foram realizadas algumas etapas: análise, seleção e edição da imagem (correção de cor, luz,

Leia mais

UMA PROPOSTA DE ANÁLISE DA NARRATIVA O ALQUIMISTA BASEADA NA ANÁLISE ESTRUTURAL DA NARRATIVA

UMA PROPOSTA DE ANÁLISE DA NARRATIVA O ALQUIMISTA BASEADA NA ANÁLISE ESTRUTURAL DA NARRATIVA UMA PROPOSTA DE ANÁLISE DA NARRATIVA O ALQUIMISTA BASEADA NA ANÁLISE ESTRUTURAL DA NARRATIVA Mestranda Ivi Furloni Ribeiro Resumo: Nosso objetivo neste presente artigo é entender como se constitui a narrativa

Leia mais

AS TRÊS EXPERIÊNCIAS

AS TRÊS EXPERIÊNCIAS Nome: N.º: endereço: data: Telefone: E-mail: Colégio PARA QUEM CURSA O 8 Ọ ANO EM 2014 Disciplina: PoRTUGUÊs Prova: desafio nota: Texto para as questões de 1 a 7. AS TRÊS EXPERIÊNCIAS Há três coisas para

Leia mais

REFLEXÕES SOBRE A QUESTÃO SOCIAL

REFLEXÕES SOBRE A QUESTÃO SOCIAL TEORIA MARXISTA NA COMPREENSÃO DA SOCIEDADE CAPITALISTA Disciplina: QUESTÃO E SERVIÇO Professora: Maria da Graça Maurer Gomes Türck Fonte: AS Maria da Graça Türck 1 Que elementos são constitutivos importantes

Leia mais

FORMAÇÃO DE PROFESSORES SEUS DIZERES SOBRE A SALA DE AULA

FORMAÇÃO DE PROFESSORES SEUS DIZERES SOBRE A SALA DE AULA FORMAÇÃO DE PROFESSORES SEUS DIZERES SOBRE A SALA DE AULA Lúcia de Fátima Melo do Nascimento Secret. Municipal de Educ. do Natal RN / Depart. de Ensino / Setor de Ensino Fundamental Colégio Imaculada Conceição

Leia mais

Aluno(a) Nº. Série: Turma: Ensino Médio Trimestre [ ] Data: / / Disciplina: Professor: Linguagem e língua

Aluno(a) Nº. Série: Turma: Ensino Médio Trimestre [ ] Data: / / Disciplina: Professor: Linguagem e língua Aluno(a) Nº. Série: Turma: Ensino Médio Trimestre [ ] Data: / / Disciplina: Professor: Linguagem e língua É a palavra que identifica o ser humano, é ela seu substrato que possibilitou a convivência humana

Leia mais

A ICONICIDADE LEXICAL E A NOÇÃO DE "VER COMO

A ICONICIDADE LEXICAL E A NOÇÃO DE VER COMO A ICONICIDADE LEXICAL E A NOÇÃO DE "VER COMO Ana Lúcia Monteiro Ramalho Poltronieri Martins (UERJ) anapoltronieri@hotmail.com Darcilia Marindir Pinto Simões (UERJ) darciliasimoes@gmail.com 1- Da noção

Leia mais

Universidade Federal de Uberlândia

Universidade Federal de Uberlândia PRIMEIRA QUESTÃO A) É importante que o candidato ressalte o fato de que, na ilha, a princípio, tudo é eletivo : cabe aos indivíduos escolher os seus papéis. Esta liberdade da constituição do sujeito deve

Leia mais

PRÁTICAS DE LINGUAGEM ORAL E ESCRITA NA EDUCAÇÃO INFANTIL

PRÁTICAS DE LINGUAGEM ORAL E ESCRITA NA EDUCAÇÃO INFANTIL PRÁTICAS DE LINGUAGEM ORAL E ESCRITA NA EDUCAÇÃO INFANTIL CRUVINEL,Fabiana Rodrigues Docente do curso de pedagogia da faculdade de ciências humana- FAHU/ACEG Garça/SP e-mail:fabianarde@ig.com.br ROCHA,

Leia mais

Artigo: Educação e Inclusão: Projeto Moral ou Ético. Autora: Sandra Dias ( Buscar na internet o texto completo)

Artigo: Educação e Inclusão: Projeto Moral ou Ético. Autora: Sandra Dias ( Buscar na internet o texto completo) Artigo: Educação e Inclusão: Projeto Moral ou Ético. Autora: Sandra Dias ( Buscar na internet o texto completo) Os ideais e a ética que nortearam o campo da educação Comenius: A educação na escola deve

Leia mais

Filme: Como se morre no cinema 1 de Luelane Loiola Correa. Plano de Aula: Ensino Fundamental II e Ensino Médio

Filme: Como se morre no cinema 1 de Luelane Loiola Correa. Plano de Aula: Ensino Fundamental II e Ensino Médio Filme: Como se morre no cinema 1 de Luelane Loiola Correa Plano de Aula: Ensino Fundamental II e Ensino Médio Disciplinas/Áreas do Conhecimento: Língua Portuguesa; Arte; Inglês; Projeto Interdisciplinar;

Leia mais

Resenhas de filmes Piaf: um Hino ao Amor

Resenhas de filmes Piaf: um Hino ao Amor 581 Resenhas de filmes Piaf: um Hino ao Amor Título Original: La Môme Gênero: Drama Tempo de Duração: 140 minutos Ano de Lançamento (França/República Tcheca/Inglaterra): 2007 Autor da resenha Henrique

Leia mais

2 Público não é político. É o espaço coletivo, do cidadão.

2 Público não é político. É o espaço coletivo, do cidadão. A MÚSICA NA SOCIALIZAÇÃO DAS MENINAS DE SINHÁ GIL, Thais Nogueira UFMG thaisgil@terra.com.br GT: Movimentos Sociais e Educação / n.03 Agência Financiadora: CAPES O que acontece quando os sujeitos excluídos

Leia mais

Roteiro. Coordenador do curso Prof. Dr. Francisco Isidro Massetto. Autor Professor Conteudista Rafael Moralez

Roteiro. Coordenador do curso Prof. Dr. Francisco Isidro Massetto. Autor Professor Conteudista Rafael Moralez Roteiro 1 Coordenador do curso Prof. Dr. Francisco Isidro Massetto Autor Professor Conteudista Rafael Moralez PACC Programa Anual de Capacitação Continuada Curso: Produção de Vídeo. de Massetto, F. I.,

Leia mais

Guia Curta Fácil 1 Festival Nacional Curta no Celular de Taubaté

Guia Curta Fácil 1 Festival Nacional Curta no Celular de Taubaté 1 Conteúdo TIPOS DE PLANOS... 3 PLANO GERAL... 3 PLANO MÉDIO... 3 PLANO AMERICANO... 4 PRIMEIRO PLANO OU CLOSE-UP... 4 PRIMEIRÍSSIMO PLANO... 4 MOVIMENTOS DE CÂMERA... 5 PANORÂMICAS - PANS... 5 PANORÂMICA

Leia mais

EXTENSÃO UNIVERSITÁRIA E POLÍTICAS PÚBLICAS SOCIAIS

EXTENSÃO UNIVERSITÁRIA E POLÍTICAS PÚBLICAS SOCIAIS EXTENSÃO UNIVERSITÁRIA E POLÍTICAS PÚBLICAS SOCIAIS Flávio Pereira DINIZ (FCS UFG / diniz.fp@gmail.com) 1 Dijaci David de OLIVEIRA (FCS UFG / dijaci@gmail.com) 2 Palavras-chave: extensão universitária;

Leia mais

Não Era uma Vez... Contos clássicos recontados

Não Era uma Vez... Contos clássicos recontados elaboração: PROF. DR. JOSÉ NICOLAU GREGORIN FILHO Não Era uma Vez... Contos clássicos recontados escrito por Vários autores Os Projetos de Leitura: concepção Buscando o oferecimento de subsídios práticos

Leia mais

Análise Cinematográfica do Curta Metragem Ilha das Flores¹ Jaderlano de Lima JARDIM² Shirley Monica Silva MARTINS³

Análise Cinematográfica do Curta Metragem Ilha das Flores¹ Jaderlano de Lima JARDIM² Shirley Monica Silva MARTINS³ Análise Cinematográfica do Curta Metragem Ilha das Flores¹ Jaderlano de Lima JARDIM² Shirley Monica Silva MARTINS³ RESUMO O premiado Ilha das Flores exibe o percurso de um tomate até chegar a um lixão

Leia mais

BASE NACIONAL COMUM CURRICULAR DA EDUCAÇÃO INFANTIL

BASE NACIONAL COMUM CURRICULAR DA EDUCAÇÃO INFANTIL BASE NACIONAL COMUM CURRICULAR DA EDUCAÇÃO INFANTIL 1988 CONSTITUIÇÃO FEDERAL ANTECEDENTES Art. 210. Serão fixados conteúdos mínimos para o ensino fundamental, de maneira a assegurar formação básica comum

Leia mais

Vidas Secas (Graciliano Ramos )

Vidas Secas (Graciliano Ramos ) Vidas Secas (Graciliano Ramos ) A literatura da época Após a revolução artística, fruto das novas tendências modernistas, no período de 1922 a 1930, surge uma Literatura Brasileira de caráter social e

Leia mais

II FESTIVAL NACIONAL CURTA NO CELULAR GUIA CURTA FÁCIL

II FESTIVAL NACIONAL CURTA NO CELULAR GUIA CURTA FÁCIL II FESTIVAL NACIONAL CURTA NO CELULAR GUIA CURTA FÁCIL O FEST CURT CELU Guia Curta Fácil 2 A câmera de cinema funciona como se fosse uma máquina fotográfica que dispara milhares de foto em um espaço muito

Leia mais

Associação Juinense de Educação Superior do Vale do Juruena Faculdade de Ciências Contábeis e Administração do Vale do Juruena

Associação Juinense de Educação Superior do Vale do Juruena Faculdade de Ciências Contábeis e Administração do Vale do Juruena Associação Juinense de Educação Superior do Vale do Juruena Faculdade de Ciências Contábeis e Administração do Vale do Juruena Curso: Especialização em Psicopedagogia Módulo: Noções Fundamentais de Direito

Leia mais

Lembro de uma cena em especial, no Hospital Psiquiátrico Cyro Martins, que muito

Lembro de uma cena em especial, no Hospital Psiquiátrico Cyro Martins, que muito UM TÊNUE LIMIAR... 1 Graciella Leus Tomé Lembro de uma cena em especial, no Hospital Psiquiátrico Cyro Martins, que muito me chocou. Foi a internação de uma jovem senhora, mãe, casada, profissão estável,

Leia mais

Por muito tempo na história as pessoas acreditaram existir em nós uma capacidade transcendental que nos emanciparia da natureza e nos faria

Por muito tempo na história as pessoas acreditaram existir em nós uma capacidade transcendental que nos emanciparia da natureza e nos faria 1 Por muito tempo na história as pessoas acreditaram existir em nós uma capacidade transcendental que nos emanciparia da natureza e nos faria especiais. Fomos crescendo e aprendendo que, ao contrário dos

Leia mais

BAKHTIN: O EVENTO DA ENUNCIAÇÃO NO PROCESSO TRADUTÓRIO

BAKHTIN: O EVENTO DA ENUNCIAÇÃO NO PROCESSO TRADUTÓRIO BAKHTIN: O EVENTO DA ENUNCIAÇÃO NO PROCESSO TRADUTÓRIO Evandro Santana 1 RESUMO O presente artigo propõe uma análise do processo de tradução à luz das proposições de Mikhail Bakhtin (1895-1975) 1975) no

Leia mais

A REDAÇÃO DO VESTIBULAR E A CONSTRUÇÃO DE UM ETHOS DISCURSIVO APOIADO NO HIPERENUNCIADOR JORNALISTA

A REDAÇÃO DO VESTIBULAR E A CONSTRUÇÃO DE UM ETHOS DISCURSIVO APOIADO NO HIPERENUNCIADOR JORNALISTA A REDAÇÃO DO VESTIBULAR E A CONSTRUÇÃO DE UM ETHOS DISCURSIVO APOIADO NO HIPERENUNCIADOR JORNALISTA Gislane Kátia TESSAROLO AUTORA - MESTRANDA DO PROGRAMA DE PÓS- GRADUAÇÃO EM LETRAS E LINGUÍSTICA UFG

Leia mais

Por uma pedagogia da juventude

Por uma pedagogia da juventude Por uma pedagogia da juventude Juarez Dayrell * Uma reflexão sobre a questão do projeto de vida no âmbito da juventude e o papel da escola nesse processo, exige primeiramente o esclarecimento do que se

Leia mais

CONSTRUÇÃO DO EU LÍRICO E O RETRATO NA POETICA CECÍLIA MEIRELES

CONSTRUÇÃO DO EU LÍRICO E O RETRATO NA POETICA CECÍLIA MEIRELES CONSTRUÇÃO DO EU LÍRICO E O RETRATO NA POETICA CECÍLIA MEIRELES Silvia Eula Muñoz¹ RESUMO Neste artigo pretendo compartilhar os diversos estudos e pesquisas que realizei com orientação do Prof. Me. Erion

Leia mais

A importância da oralidade e do contato com os gêneros textuais na educação pré-escolar

A importância da oralidade e do contato com os gêneros textuais na educação pré-escolar A importância da oralidade e do contato com os gêneros textuais na educação pré-escolar Angélica Fernanda Rossi-USC-Pedagogia.angelicafrossi@gmail.com Caroline Silvério-USC-Pedagogia kakarol_2009@hotmail.com

Leia mais

GOVERNO DO ESTADO DO AMAZONAS TEXTO DE APOIO

GOVERNO DO ESTADO DO AMAZONAS TEXTO DE APOIO AULA 2.2 - A SIGNIFICAÇÃO NA ARTE TEXTO DE APOIO 1. A especificidade da informação estética Teixeira Coelho Netto, ao discutir a informação estética, comparando-a à semântica, levanta aspectos muito interessantes.

Leia mais

SUMÁRIO TUTORIAL DO HQ. 2 DICAS PEDAGÓGICAS:. 2 DOWNLOAD DA INSTALAÇÃO. 2 PASSO 1 FORMULÁRIO PARA DOWNLOAD. 2 PASSO 2 ESCOLHENDO A VERSÃO.

SUMÁRIO TUTORIAL DO HQ. 2 DICAS PEDAGÓGICAS:. 2 DOWNLOAD DA INSTALAÇÃO. 2 PASSO 1 FORMULÁRIO PARA DOWNLOAD. 2 PASSO 2 ESCOLHENDO A VERSÃO. SUMÁRIO TUTORIAL DO HQ... 2 DICAS PEDAGÓGICAS:... 2 DOWNLOAD DA INSTALAÇÃO... 2 PASSO 1 FORMULÁRIO PARA DOWNLOAD... 2 PASSO 2 ESCOLHENDO A VERSÃO... 3 PASSO 3 INSTRUÇÕES DE INSTALAÇÃO... 4 CRIANDO NOVAS

Leia mais

RESISTÊNCIA E DESAFIO: TRAÇOS DO PENSAMENTO DE PÊCHEUX NO BRASIL

RESISTÊNCIA E DESAFIO: TRAÇOS DO PENSAMENTO DE PÊCHEUX NO BRASIL RESISTÊNCIA E DESAFIO: TRAÇOS DO PENSAMENTO DE PÊCHEUX NO BRASIL Luiz Francisco DIAS Universidade Federal de Minas Gerais Passados 20 anos da morte de Michel Pêcheux, os estudos em torno das suas idéias

Leia mais

Antropologia Religiosa

Antropologia Religiosa Antropologia Religiosa Quem somos nós? De onde viemos? Para onde vamos? Qual é a nossa missão no universo? O que nos espera? Que sentido podemos dar a nossa vida? Qual o sentido da história e do mundo?

Leia mais

IMAGEM TÉCNICA, PRODUÇÃO DE SUBJETIVIDADE E PESQUISA EM CIÊNCIAS HUMANAS: DESAFIOS METODOLÓGICOS

IMAGEM TÉCNICA, PRODUÇÃO DE SUBJETIVIDADE E PESQUISA EM CIÊNCIAS HUMANAS: DESAFIOS METODOLÓGICOS IMAGEM TÉCNICA, PRODUÇÃO DE SUBJETIVIDADE E PESQUISA EM CIÊNCIAS HUMANAS: DESAFIOS METODOLÓGICOS Aluno: Lucas Boscacci Pereira Lima da Silva Orientadora: Solange Jobim e Souza Introdução Câmera como Instrumento

Leia mais

O letramento a partir da oralidade e do uso de gêneros textuais no Ensino Fundamental

O letramento a partir da oralidade e do uso de gêneros textuais no Ensino Fundamental O letramento a partir da oralidade e do uso de gêneros textuais no Ensino Fundamental Rosangela Balmant; Universidade do Sagrado Coração de Jesus- Bauru-SP. rosangelabalmant@hotmail.com Gislaine Rossler

Leia mais

O ser humano é comunicação

O ser humano é comunicação O ser humano é comunicação Sem. Andrey Nicioli anicioli@hotmail.com Catequese Arqudiocesana Pouso Alegre 14/11/2015 Primeira certeza O termo comunicação é abrangente e não se restringe aos meios midiáticos.

Leia mais

A fotografia como testemunho material das reflexões de alunos do ensino médio na aula de arte.

A fotografia como testemunho material das reflexões de alunos do ensino médio na aula de arte. A fotografia como testemunho material das reflexões de alunos do ensino médio na aula de arte. Doutorando: Laudo Rodrigues Sobrinho Universidade Metodista de Piracicaba-UNIMEP e-mail: laudinho@bol.com.br

Leia mais

A HISTÓRIA DO ENSINO DE LÍNGUA PORTUGUESA NOS LIVROS DIDÁTICOS BRASILEIROS EM DOIS TEMPOS: A OBRA DE HERMÍNIO SARGENTIM (1974 E 1999)

A HISTÓRIA DO ENSINO DE LÍNGUA PORTUGUESA NOS LIVROS DIDÁTICOS BRASILEIROS EM DOIS TEMPOS: A OBRA DE HERMÍNIO SARGENTIM (1974 E 1999) A HISTÓRIA DO ENSINO DE LÍNGUA PORTUGUESA NOS LIVROS DIDÁTICOS BRASILEIROS EM DOIS TEMPOS: A OBRA DE HERMÍNIO SARGENTIM (1974 E 1999) Ioná Vieira Guimarães Venturi * Décio Gatti Júnior RESUMO O presente

Leia mais

ACS Assessoria de Comunicação Social

ACS Assessoria de Comunicação Social O tempo e a espera Ministro fala de projetos em andamento e ações do governo para a área educacional Entrevista do ministro publicada na Revista Educação no dia 26 de maio de 2004. Tarso Genro é considerado

Leia mais

II ENCONTRO ESTADUAL DE EDUCAÇÃO DO MINISTÉRIO PÚBLICO DA BAHIA A EDUCAÇÃO COMO MATRIZ DE TODAS AS RELAÇÕES HUMANAS E SOCIAIS SALVADOR, BA 2013

II ENCONTRO ESTADUAL DE EDUCAÇÃO DO MINISTÉRIO PÚBLICO DA BAHIA A EDUCAÇÃO COMO MATRIZ DE TODAS AS RELAÇÕES HUMANAS E SOCIAIS SALVADOR, BA 2013 II ENCONTRO ESTADUAL DE EDUCAÇÃO DO MINISTÉRIO PÚBLICO DA BAHIA A EDUCAÇÃO COMO MATRIZ DE TODAS AS RELAÇÕES HUMANAS E SOCIAIS SALVADOR, BA 2013 TEMÁTICA: EDUCAÇÃO, QUESTÃO DE GÊNERO E DIVERSIDADE EDUCAÇÃO

Leia mais

Reflexões sobre Empresas e Direitos Humanos. Leticia Veloso leticiahelenaveloso@outlook.com

Reflexões sobre Empresas e Direitos Humanos. Leticia Veloso leticiahelenaveloso@outlook.com Reflexões sobre Empresas e Leticia Veloso leticiahelenaveloso@outlook.com PRINCÍPIOS ORIENTADORES SOBRE EMPRESAS E DIREITOS HUMANOS (ONU, 2011): 1. PROTEGER 2. RESPEITAR 3. REPARAR Em junho de 2011, o

Leia mais

ARTE E LINGUAGEM UNIVERSAL

ARTE E LINGUAGEM UNIVERSAL ARTE E LINGUAGEM UNIVERSAL ANGELO JOSÉ SANGIOVANNI - Professor da Universidade Estadual do Paraná (UNESPAR)/CAMPUS II FAP) Email: ajsangiovanni@yahoo.com.br Resumo: A partir da análise da tragédia antiga,

Leia mais

O SUJEITO DOS DIREITOS HUMANOS

O SUJEITO DOS DIREITOS HUMANOS O SUJEITO DOS DIREITOS HUMANOS Marconi Pequeno * * Pós-doutor em Filosofia pela Universidade de Montreal. Docente do Programa de Pós-Graduação em Filosofia e membro do Núcleo de Cidadania e Direitos Humanos

Leia mais

LEONARDO KOURY MARTINS ENSAIO DISCURSIVO. Concepções acerca de uma nova ordem societária

LEONARDO KOURY MARTINS ENSAIO DISCURSIVO. Concepções acerca de uma nova ordem societária LEONARDO KOURY MARTINS ENSAIO DISCURSIVO Concepções acerca de uma nova ordem societária LEONARDO KOURY MARTINS ENSAIO DISCURSIVO CONCEPÇÕES ACERCA DE UMA NOVA ORDEM SOCIETÁRIA O passado não se pode ser

Leia mais

ORALIDADE E ESCRITA: ANÁLISE DE HISTÓRIA EM QUADRINHOS

ORALIDADE E ESCRITA: ANÁLISE DE HISTÓRIA EM QUADRINHOS ORALIDADE E ESCRITA: ANÁLISE DE HISTÓRIA EM QUADRINHOS Ana Letícia Vaz Pereira 1 Natália Canuto do Nascimento 2 Orientador Prof. Ms. Artarxerxes Modesto RESUMO: Este trabalho tem como objetivo analisar

Leia mais

O discurso de mídia em relação a mulher 1

O discurso de mídia em relação a mulher 1 O discurso de mídia em relação a mulher 1 GLÁUCIA PEREIRA DE SOUZA UNIVERSIDADE CATOLICA DE BRASILIA O objetivo desta comunicação é fazer uma primeira discussão sobre o discurso da mídia em relação à mulher,

Leia mais

AS CRIANÇAS E SUAS NARRATIVAS AUDIOVISUAIS: UMA PESQUISA EM PROCESSO Renata Gazé UNIRIO

AS CRIANÇAS E SUAS NARRATIVAS AUDIOVISUAIS: UMA PESQUISA EM PROCESSO Renata Gazé UNIRIO AS CRIANÇAS E SUAS NARRATIVAS AUDIOVISUAIS: UMA PESQUISA EM PROCESSO Renata Gazé UNIRIO Resumo Hoje muitas crianças convivem com narrativas audiovisuais na tv, no cinema e na Internet. Como se relacionam

Leia mais

O FUNCIONAMENTO DA INCLUSÃO/EXCLUSÃO, EM RECORTES DE DISCURSOS DE SUJEITOS COTISTAS, NA UNEMAT

O FUNCIONAMENTO DA INCLUSÃO/EXCLUSÃO, EM RECORTES DE DISCURSOS DE SUJEITOS COTISTAS, NA UNEMAT O FUNCIONAMENTO DA INCLUSÃO/EXCLUSÃO, EM RECORTES DE DISCURSOS DE SUJEITOS COTISTAS, NA UNEMAT 1. Introdução Adelita Balbinot 1 Olímpia Maluf-Souza 2 As condições de produção dos discursos em torno das

Leia mais

11 a 14 de dezembro de 2012 Campus de Palmas

11 a 14 de dezembro de 2012 Campus de Palmas ESTUDO DO TERMO ONOMA E SUA RELAÇÃO COM A INTERDISCIPLINARIDADE NOS PARÂMETROS CURRICULARES DO ENSINO FUNDAMENTAL DA GEOGRAFIA NA PERSPECTIVA DA ONOMÁSTICA/TOPONÍMIA Verônica Ramalho Nunes 1 ; Karylleila

Leia mais

e-scrita ISSN 2177-6288

e-scrita ISSN 2177-6288 194 e-scrita ISSN 2177-6288 COMO LER IMAGENS? SANTAELLA, Lucia. Leitura de imagens. São Paulo. Melhoramentos. 2012. 184 p. (Coleção Como eu ensino). Rodrigo da Costa Araujo 1 Como ler imagens? Como elas

Leia mais

FORMAÇÃO IDEOLÓGICA: O CONCEITO BASILAR E O AVANÇO DA TEORIA

FORMAÇÃO IDEOLÓGICA: O CONCEITO BASILAR E O AVANÇO DA TEORIA UNIVERSIDADE FEDERAL DO RIO GRANDE DO SUL IV SEAD - SEMINÁRIO DE ESTUDOS EM ANÁLISE DO DISCURSO 1969-2009: Memória e história na/da Análise do Discurso Porto Alegre, de 10 a 13 de novembro de 2009 FORMAÇÃO

Leia mais

O ENVOLVIMENTO DOS DOCENTES DO ENSINO FUNDAMENTAL COM OS LETRAMENTOS DIGITAIS 1

O ENVOLVIMENTO DOS DOCENTES DO ENSINO FUNDAMENTAL COM OS LETRAMENTOS DIGITAIS 1 O ENVOLVIMENTO DOS DOCENTES DO ENSINO FUNDAMENTAL COM OS LETRAMENTOS DIGITAIS 1 Bruno Ciavolella Universidade Estadual de Maringá RESUMO: Fundamentado na concepção dialógica de linguagem proposta pelo

Leia mais

Presidência da República Casa Civil Secretaria de Administração Diretoria de Gestão de Pessoas Coordenação Geral de Documentação e Informação

Presidência da República Casa Civil Secretaria de Administração Diretoria de Gestão de Pessoas Coordenação Geral de Documentação e Informação Presidência da República Casa Civil Secretaria de Administração Diretoria de Gestão de Pessoas Coordenação Geral de Documentação e Informação Coordenação de Biblioteca 37 Discurso na cerimónia de retomada

Leia mais

Sócrates - Platão - Aristóteles - Questões de Vestibulares - Gabarito

Sócrates - Platão - Aristóteles - Questões de Vestibulares - Gabarito Sócrates - Platão - Aristóteles - Questões de Vestibulares - Gabarito 1. (Uel 2012) Leia o texto a seguir. No ethos (ética), está presente a razão profunda da physis (natureza) que se manifesta no finalismo

Leia mais

Como utilizar este caderno

Como utilizar este caderno INTRODUÇÃO O objetivo deste livreto é de ajudar os grupos da Pastoral de Jovens do Meio Popular da cidade e do campo a definir a sua identidade. A consciência de classe, ou seja, a consciência de "quem

Leia mais

Um Menino Igual a Todo Mundo

Um Menino Igual a Todo Mundo elaboração: PROF. DR. JOSÉ NICOLAU GREGORIN FILHO Um Menino Igual a Todo Mundo escrito por & ilustrado por Sandra Saruê Marcelo Boffa Os Projetos de Leitura: concepção Buscando o oferecimento de subsídios

Leia mais

VÍDEO DA CAMPANHA DE DIVULGAÇÃO E CONSCIENTIZAÇÃO DO PROJETO DE INCLUSÃO SOCIAL DOS CATADORES 1

VÍDEO DA CAMPANHA DE DIVULGAÇÃO E CONSCIENTIZAÇÃO DO PROJETO DE INCLUSÃO SOCIAL DOS CATADORES 1 VÍDEO DA CAMPANHA DE DIVULGAÇÃO E CONSCIENTIZAÇÃO DO PROJETO DE INCLUSÃO SOCIAL DOS CATADORES 1 Gabriela Viero GARCIA 2 Jana GONÇALVES 3 Samira Tumelero VALDUGA 4 Luciano MATTANA 5 Universidade Federal

Leia mais

Os Amigos do Pedrinho

Os Amigos do Pedrinho elaboração: PROF. DR. JOSÉ NICOLAU GREGORIN FILHO Os Amigos do Pedrinho escrito por & ilustrado por Ruth Rocha Eduardo Rocha Os Projetos de Leitura: concepção Buscando o oferecimento de subsídios práticos

Leia mais

A LOUCURA E O COGITO DE DESCARTES: um diálogo entre Derrida e Foucault

A LOUCURA E O COGITO DE DESCARTES: um diálogo entre Derrida e Foucault A LOUCURA E O COGITO DE DESCARTES: um diálogo entre Derrida e Foucault *Daniel Salésio Vandresen 1 RESUMO Este artigo apresenta o diálogo, um tanto conflitante, entre Foucault e Derrida sobre a relação

Leia mais

Subjetividade, afetividade, mídia 1

Subjetividade, afetividade, mídia 1 Subjetividade, afetividade, mídia 1 Edneuza Alves Universidade Católica de Brasília Nesta comunicação, analiso e discuto o relacionamento afetivo do homem moderno através da mídia, tomando como recorte

Leia mais

A ILUSTRAÇÃO NO LIVRO DE LITERATURA INFANTO-JUVENIL: UM PROJETO EM ANDAMENTO

A ILUSTRAÇÃO NO LIVRO DE LITERATURA INFANTO-JUVENIL: UM PROJETO EM ANDAMENTO A ILUSTRAÇÃO NO LIVRO DE LITERATURA INFANTO-JUVENIL: UM PROJETO EM ANDAMENTO Maria da Graça Cassano 1 1 Dos fatores determinantes para a pesquisa O trabalho com a literatura infanto-juvenil desenvolvido

Leia mais

Morro da Favella. Fatos e lendas da primeira favela do Brasil

Morro da Favella. Fatos e lendas da primeira favela do Brasil Fatos e lendas da primeira favela do Brasil Fatos e lendas da primeira favela do Brasil FORMATO: Documentário: 1X 52 HD FULL 16:9 GENERO: Documentário em técnica mista: SINOPSE: Morro da Favella é um documentário

Leia mais

Oficina de Roteiro - Onda Cidadã

Oficina de Roteiro - Onda Cidadã Oficina de Roteiro - Onda Cidadã ---Pesquisa Todo vídeo necessita de pesquisa para ser produzido. Isto ajuda a organizar as ideias e facilita a produção. Faça a sua própria pesquisa (...) você deve fazer

Leia mais

XIII Encontro de Iniciação Científica IX Mostra de Pós-graduação 06 a 11 de outubro de 2008 BIODIVERSIDADE TECNOLOGIA DESENVOLVIMENTO

XIII Encontro de Iniciação Científica IX Mostra de Pós-graduação 06 a 11 de outubro de 2008 BIODIVERSIDADE TECNOLOGIA DESENVOLVIMENTO XIII Encontro de Iniciação Científica IX Mostra de Pós-graduação 06 a 11 de outubro de 2008 BIODIVERSIDADE TECNOLOGIA DESENVOLVIMENTO MCH0181 HISTÓRIAS EM QUADRINHOS SOB A PERSPECTIVA DA TEORIA BAKHTINIANA

Leia mais

O ator-autor a questão da autoria nas formas teatrais contemporâneas

O ator-autor a questão da autoria nas formas teatrais contemporâneas O ator-autor a questão da autoria nas formas teatrais contemporâneas Fernanda Coutinho Bond Programa de Pós-Graduação em Artes Cênicas - UNIRIO Doutoranda Or. Prof. Dra. Ângela Materno Resumo: Este trabalho

Leia mais

51 ANOS DA LEI N.º 4.320, DE 17 DE MARÇO DE 1964

51 ANOS DA LEI N.º 4.320, DE 17 DE MARÇO DE 1964 51 ANOS DA LEI N.º 4.320, DE 17 DE MARÇO DE 1964 Conselheiro Inaldo da Paixão Santos Araújo Presidente do Tribunal de Contas do Estado da Bahia (TCE/BA) Campo Grande, 12 de junho de 2015 Ontem Hoje Amanhã

Leia mais

São Paulo, 28 e 29 de novembro de 2008. Oficina 5

São Paulo, 28 e 29 de novembro de 2008. Oficina 5 Palestrante: Seminário Nacional de Saúde Mental e Trabalho Maria Eduarda Leme Representante do INSS. São Paulo, 28 e 29 de novembro de 2008 Oficina 5 REABILITAÇÃO PROFISSIONAL EM SAÚDE MENTAL 29 de Novembro

Leia mais

ANÁLISE DE COMPREENSÃO DE TEXTO ESCRITO EM LÍNGUA INGLESA COM BASE EM GÊNEROS (BIOGRAFIA).

ANÁLISE DE COMPREENSÃO DE TEXTO ESCRITO EM LÍNGUA INGLESA COM BASE EM GÊNEROS (BIOGRAFIA). ANÁLISE DE COMPREENSÃO DE TEXTO ESCRITO EM LÍNGUA INGLESA COM BASE EM GÊNEROS (BIOGRAFIA). Alinne da Silva Rios Universidade do Sagrado Coração, Bauru/SP e-mail: alinnerios@hotmail.com Profa. Ms. Leila

Leia mais

RESOLUÇÕES DE QUESTÕES 9º ANO ENSINO FUNDAMENTAL II PROFº DANILO BORGES

RESOLUÇÕES DE QUESTÕES 9º ANO ENSINO FUNDAMENTAL II PROFº DANILO BORGES RESOLUÇÕES DE QUESTÕES 9º ANO ENSINO FUNDAMENTAL II PROFº DANILO BORGES (UFU ) Segundo Jean Paul Sartre, filósofo existencialista contemporâneo, liberdade é I- escolha incondicional que o próprio homem

Leia mais

A PESQUISA NO CAMPO DA COMUNICAÇÃO SOCIAL: MAIS UM OLHAR

A PESQUISA NO CAMPO DA COMUNICAÇÃO SOCIAL: MAIS UM OLHAR A PESQUISA NO CAMPO DA COMUNICAÇÃO SOCIAL: MAIS UM OLHAR Alexandre de Medeiros Motta 1 RESUMO O campo da comunicação é um espaço emocionante para ser sondado e explorado pela pesquisa, principalmente aquelas

Leia mais

O LAVA JATO MACABRO. Por JULIANO FIGUEIREDO DA SILVA

O LAVA JATO MACABRO. Por JULIANO FIGUEIREDO DA SILVA O LAVA JATO MACABRO Por JULIANO FIGUEIREDO DA SILVA Rua alameda dom Pedro II n 718 Venda da cruz São Gonçalo. e-mail:jfigueiredo759@gmail.com TEL: (21)92303033 EXT.LAGE DA CASA.DIA Renam está sentado na

Leia mais

JANELA SOBRE O SONHO

JANELA SOBRE O SONHO JANELA SOBRE O SONHO um roteiro de Rodrigo Robleño Copyright by Rodrigo Robleño Todos os direitos reservados E-mail: rodrigo@robleno.eu PERSONAGENS (Por ordem de aparição) Alice (já idosa). Alice menina(com

Leia mais

RECADO AOS PROFESSORES

RECADO AOS PROFESSORES RECADO AOS PROFESSORES Caro professor, As aulas deste caderno não têm ano definido. Cabe a você decidir qual ano pode assimilar cada aula. Elas são fáceis, simples e às vezes os assuntos podem ser banais

Leia mais

Constelação 1 RESUMO. PALAVRAS-CHAVE: haicai; minimalismo; poesia; imaginação INTRODUÇÃO

Constelação 1 RESUMO. PALAVRAS-CHAVE: haicai; minimalismo; poesia; imaginação INTRODUÇÃO Constelação 1 Bruno Henrique de S. EVANGELISTA 2 Daniel HERRERA 3 Rafaela BERNARDAZZI 4 Williane Patrícia GOMES 5 Ubiratan NASCIMENTO 6 Universidade Federal do Rio Grande do Norte, Natal, RN RESUMO Este

Leia mais

DICA PEDAGÓGICA EDUCAÇÃO INFANTIL

DICA PEDAGÓGICA EDUCAÇÃO INFANTIL DICA PEDAGÓGICA EDUCAÇÃO INFANTIL 1 TÍTULO DO PROGRAMA Balinha e Dentinho. 2 EPISÓDIO TRABALHADO Conhecendo o Rosquinha. 3 SINOPSE DO EPISÓDIO ESPECÍFICO Balinha e Dentinho encontram um cachorro perdido

Leia mais

Romance familiar poesia familiar

Romance familiar poesia familiar Romance familiar poesia familiar Em busca de imagens para uma apresentação, dou com a foto, feita em estúdio, de um garoto de 11 anos de idade chamado Walter Benjamin (1892-1940). Serve de ilustração a

Leia mais

Guia do Professor / Vozes da Cidade / Conhecendo.../ Eduardo Guimarães. Conhecendo a Cidade

Guia do Professor / Vozes da Cidade / Conhecendo.../ Eduardo Guimarães. Conhecendo a Cidade Guia do Professor / Vozes da Cidade / Conhecendo.../ Eduardo Guimarães 1 Guia do Professor Episódio Conhecendo a Cidade Programa Vozes da Cidade Apresentação Como já vimos nos trabalhos desenvolvidos para

Leia mais

Guia do Professor / Vozes da Cidade / Conhecendo.../ Eduardo Guimarães. Conhecendo a Cidade

Guia do Professor / Vozes da Cidade / Conhecendo.../ Eduardo Guimarães. Conhecendo a Cidade 1 Guia do Professor Episódio Conhecendo a Cidade Programa Vozes da Cidade Apresentação Como já vimos nos trabalhos desenvolvidos para o episódio 1, os trabalhos para o episódio 2 também trazem várias questões

Leia mais

ROJO, Roxane. Letramentos múltiplos, escola e inclusão social. São Paulo: Parábola, 2009.

ROJO, Roxane. Letramentos múltiplos, escola e inclusão social. São Paulo: Parábola, 2009. Resenhas 161 ROJO, Roxane. Letramentos múltiplos, escola e inclusão social. São Paulo: Parábola, 2009. Márcia Moreira Pereira* marcia.moreirapereira@gmail.com *Possui graduação em Letras pela Universidade

Leia mais

www.senado.leg.br/datasenado

www.senado.leg.br/datasenado www.senado.leg.br/datasenado Lei Maria da Penha completa 9 Promulgada em 2006, a Lei Maria da Penha busca garantir direitos da mulher, além da prevenção e punição de casos de violência doméstica e familiar.

Leia mais

13. A FORMAÇÃO PESSOAL E SOCIAL, AS ÁREAS DE CONHECIMENTO E O DESENVOLVIMENTO DA CRIANÇA ATÉ OS 6 ANOS

13. A FORMAÇÃO PESSOAL E SOCIAL, AS ÁREAS DE CONHECIMENTO E O DESENVOLVIMENTO DA CRIANÇA ATÉ OS 6 ANOS 13. A FORMAÇÃO PESSOAL E SOCIAL, AS ÁREAS DE CONHECIMENTO E O DESENVOLVIMENTO DA CRIANÇA ATÉ OS 6 ANOS A importância da formação pessoal e social da criança para o seu desenvolvimento integral e para a

Leia mais

Círculo Fluminense de Estudos Filológicos e Linguísticos

Círculo Fluminense de Estudos Filológicos e Linguísticos (RE)DISCUTINDO AS ATIVIDADES DE LEITURA EM LIVROS DIDÁTICOS DE LINGUA PORTUGUESA SOB O VIÉS DO LETRAMENTO CRÍTICO Rosenil Gonçalina dos Reis e Silva (UFMT) rosenilreis@gmail.com Simone de Jesus Padilha

Leia mais

Em algum lugar de mim

Em algum lugar de mim Em algum lugar de mim (Drama em ato único) Autor: Mailson Soares A - Eu vi um homem... C - Homem? Que homem? A - Um viajante... C - Ele te viu? A - Não, ia muito longe! B - Do que vocês estão falando?

Leia mais

O PAI É MAIOR DO QUE O FILHO

O PAI É MAIOR DO QUE O FILHO O PAI É MAIOR DO QUE O FILHO O PAI É MAIOR DO QUE O FILHO Vós ouviste o que vos disse: Vou e retorno a vós. Se me amásseis, ficaríeis alegres por eu ir para o Pai, porque o Pai é maior do que eu. João

Leia mais

PROJETO PEDAGÓGICO 1

PROJETO PEDAGÓGICO 1 PROJETO PEDAGÓGICO 1 Projeto Pedagógico Por Beatriz Tavares de Souza* Silêncio criativo Em Catador de Palavras, o jovem leitor tem a oportunidade de escolher as palavras mais adequadas que o ajudarão a

Leia mais

Literatura e cinema: algumas reflexões sobre a produção voltada para o público infantil

Literatura e cinema: algumas reflexões sobre a produção voltada para o público infantil Literatura e cinema: algumas reflexões sobre a produção voltada para o público infantil Fábio Augusto Steyer Universidade Estadual de Ponta Grossa PR A atual produção cinematográfica voltada para o público

Leia mais

ANÁLISE DA PRÁTICA INSTITUCIONAL

ANÁLISE DA PRÁTICA INSTITUCIONAL ANÁLISE DA PRÁTICA INSTITUCIONAL Prof.ª Mônica Ferreira dos Santos José Augusto Guilhon de Albuquerque é sociólogo e professor da USP. No Serviço Social alguns autores já usaram seu referencial. Weisshaupt

Leia mais

LEITURA DOS DIZERES DOS ALUNOS-APRENDIZES DE LÍNGUA ESTRANGEIRA. Maria de Lourdes Marques Moraes (UNINCOR Três Corações)

LEITURA DOS DIZERES DOS ALUNOS-APRENDIZES DE LÍNGUA ESTRANGEIRA. Maria de Lourdes Marques Moraes (UNINCOR Três Corações) LEITURA DOS DIZERES DOS ALUNOS-APRENDIZES DE LÍNGUA ESTRANGEIRA Maria de Lourdes Marques Moraes (UNINCOR Três Corações) Este texto é produto das reflexões acerca da construção das identidades a partir

Leia mais