III CONGRESSO NACIONAL DO CANGAÇO

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "III CONGRESSO NACIONAL DO CANGAÇO"

Transcrição

1 III CONGRESSO NACIONAL DO CANGAÇO Prezados (as) Coordenadores (as) e Apresentadores (as) de Comunicação, Esta primeira versão em PDF tem por objetivo divulgar os trabalhos aprovados nos simpósios temáticos. Os STs já se encontram organizados por sessões, com as apresentações sistematizadas por datas (23, 24 e 25/10), no turno vespertino, das 13:30h às 16:30h. Os locais de realização dos STs serão divulgados oportunamente. Em breve, publicaremos no site a versão definitiva do Livro de Resumos (com o número de ISSN), com a devida revisão ortográfica. Índice onomástico no final Consultar nome e página. Atenção Alguns autores não pagaram a taxa de inscrição, mesmo a organização do evento tendo enviado e de ter estipulado um prazo para pagar. Como não houve retorno por parte de alguns desses autores, cancelamos alguns resumos. Abaixo, lista dos resumos aprovados e devidamente pagos. RESULTADO DOS RESUMOS APROVADOS ST 1 CULTURA E REPRESENTAÇÕES NO SERTÃO NORDESTINO: MEMÓRIA, IDENTIDADES E RESSIGNIFICAÇÕES José Ferreira Júnior Professor da Faculdade de Integração do Sertão / Serra Talhada PE Doutorando em Ciências Sociais (UFCG) Mestre em Ciências Sociais (UFCG) Resumo: A cultura é objeto de investigação acadêmica; ela permite uma maior compreensão dos fenômenos sociais, em particular aos que remetem às especificidades da preservação de memórias, seu uso no processo de formação identitária e às ressignificações por que passam tais identidades. Este simpósio temático discutirá a memória e sua importância no constructo de identidades e as ressignificações verificadas nessas construções, tomando como espacialidade os sertões nordestinos em suas múltiplas representações: relações de gênero, questões familiares, relação com os lugares, expressões artísticas, religiosidade, etc. Acataremos trabalhos que tratem da temática proposta, sob as óticas da História, da Sociologia, Antropologia e ciências afins. SESSÃO 1 23 DE OUTUBRO (QUARTA-FEIRA) POESIA E MEMÓRIA EM MARIA BONITA, DE MYRIAM FRAGA Verônica Almeida Trindade Mestranda em Literatura e Diversidade Cultural (UEFS) Resumo: Este trabalho tem como principal objetivo discutir sobre memórias e a sensualidade feminina através da poesia de Myriam Fraga. Nesse sentido, visa-se representar imagens femininas em sua poética, ressignificadas na contemporaneidade. As memórias, as quais se pretende representar, serão contextualizadas

2 através de Maria Bonita de Myriam Fraga, poema de mesmo nome da personagem feminina do cangaço nordestino que faz parte do imaginário cultural coletivo do sertanejo. Palavras-chave: Poesia e Memória Sensualidade Myriam Fraga. UM ESTUDO ONTOLÓGICO SOBRE A REALIDADE HUMANA N ESSA TERRA DE ANTONIO TORRES Ana Cristina da Silva Pereira Graduanda em Licenciatura em Letras (UNEB) Resumo: A partir da realidade humana presente no romance Essa Terra, de Antonio Torres, este artigo apresenta uma análise sobre os personagens torreanos à luz de questionamentos ontológicos suscitados através da filosofia existencialista sartreana. Em Essa Terra a diegese desenvolve-se através do relato do narrador Totonhim, que se vale da memória para apresentar o drama vivenciado pelo seu irmão Nelo, em seu trajeto de retirante nordestino que não se identifica com a realidade local vivida no Junco (sertão da Bahia, atual Sátiro Dias) e busca integrar-se à realidade paulistana. Parte do pressuposto do sujeito pós-moderno, fragmentado e complexo para tratar do processo des-identificação sofrida pelo personagem Nelo, apontandolhe o caráter trágico e absurdo decorrente do deslocamento da terra natal no interior da Bahia para São Paulo, assim como a situação de incomunicabilidade característica desse personagem. Os questionamentos existencialistas que fundamentam este trabalho partem da distinção estabelecida por Paul Sartre, entre o conceito de ser em si, simples realidade humana, e o conceito de ser para si, sujeito consciente de suas ações e livre de determinações de qualquer ordem. Como contraponto a Nelo, apresenta-se o narrador Totonhim, sujeito consciente de sua realidade, mas que mantém a esperança, mesmo diante de um cenário hostil, numa atitude que permite traçar um paralelo com o herói mitológico Sísifo, a partir do conceito de absurdo desenvolvido pelo pensador francês Albert Camus. Palavras-chave: Identidade Realidade Humana Absurdo. DESCAMINHOS DO SERTÃO: MEMÓRIA E IDENTIDADE NA OBRA ESSA TERRA, DE ANTÔNIO TORRES Graciethe da Silva de Souza Graduanda em Letras (UFRB) Luciene Conceição dos Santos Graduanda em Letras (UFRB) Resumo: O presente artigo é fruto de um diálogo entre questões relacionadas à identidade, à memória e à cultura vivenciadas no sertão brasileiro. Analisa-se aqui o modo como o sertanejo aparece na literatura contemporânea, no palco da era pós-moderna, de identidades líquidas, em que a presença desse personagem efetiva-se de forma desestabilizada dos referenciais consagrados por poéticas e narrativas de conotação social, como a verificada no romance regionalista de Afinal, a narrativa sertaneja contemporânea acrescenta, ao plano sociocultural pautado na descrição do cotidiano do sertão, o viés do drama psicológico dos sujeitos que experienciam, sob novas perspectivas, o fenômeno da migração. Para tanto, escolhemos o romance Essa Terra, de autoria do escritor baiano Antônio Torres, publicado em 1976, que insere questões subjetivas ao debate sobre o (des) encontro campo-cidade vivenciado no sertão, especialmente dos migrantes baianos em direção à capital paulista. Enfim, a leitura crítica da narrativa de Antônio Torres nos impulsiona a reavaliar as balizas identitárias do sertão na literatura brasileira. Palavras-chave: Identidade Memória Sertão.

3 SERTÃO E MEMÓRIA EM ELOMAR FIGUEIRA MELLO Tatiana Cíntia da Silva Mestranda em Estudos Literários: Literatura e Cultura (UFS) Resumo: O presente trabalho tem como corpus a canção Retirada de Elomar Figueira Mello. Tem-se, como proposta, a leitura e análise dos eixos identitários que circundam o constante emigrar do nordestino, ser andarilho, que foge da seca. O inevitável deslocamento, ora carregado pela memória/saudade da antiga terra, ora marcado pelo medo do que irá encontrar hibridizado à esperança de se deparar com a terra desejada, será o ponto central do estudo em questão. Além de tais entornos, será evidenciada a oralidade presente na canção como marca metapoética do compositor e elemento integrante da cultura nordestina de cantar/contar suas apreensões e pretensões pela istrada enluarada enquanto vive a retirar. Palavras-chave: Sertão Retirada Memória. AS REPRESENTAÇÕES DE LAMPIÃO PELOS VERSOS DA LITERATURA DE CORDEL DO SÉCULO XX Sabrinne Cordeiro Barbosa da Silva Mestranda em História Comparada (UFRJ) Resumo: Ao longo da História do Brasil as personagens que marcaram essa trajetória nacional tiveram suas vidas e ações contadas e pesquisadas por diversas áreas da historiografia. Na conjuntura da região Nordeste, por exemplo, destacaram-se as narrativas sobre os feitos de Virgulino Ferreira da Silva, o Lampião. As mudanças no campo historiográfico, principalmente após a década de 1960, propiciaram que os textos e biografias referentes a estas figuras passassem a não se concentrar exclusivamente nos chamados documentos oficiais. Estabelecendo-se, na atualidade, uma articulação entre eles e as novas tipologias de fonte, como as de cunho literário. A escolha do cangaceiro Lampião para essa comunicação se deu por ele se constituir personagem já bastante trabalhado neste contexto da pluralidade de fontes. A cinematografia brasileira narrou à trajetória do cangaceiro em filmes como: O Cangaceiro (1953) de Lima Barreto, Lampião e Maria Bonita (1982), de Paulo Afonso Grisolli e, O Baile Perfumado (1997), de Paulo Caldas. O próprio fenômeno do Cangaço também foi retratado em diferentes obras literárias como o romance Grande Sertão Veredas, de Guimarães Rosa. Esta comunicação irá analisar as representações do cangaceiro Lampião a partir de exemplares da Literatura de Cordel. O cerne desta pesquisa estará nos discursos narrativos presentes neste tipo de folheto. Busca-se perceber, através dos versos de cordéis, uma visão de Lampião baseada não como em uma figura folclórica, mas como um indivíduo de importância histórica. Palavras-chave: Lampião Representação Literatura. AS ROUPAS DO HOMEM: O MITO DO JAGUNÇO EM O RISCO DO BORDADO, DE AUTRAN DOURADO Andréia Silva de Araújo Doutoranda em Literatura e Cultura (UFBA) Resumo: O presente artigo se dispõe a refletir sobre a construção do mito do jagunço a partir da narrativa de O Risco do Bordado (1976) de Autran Dourado, atendo-se mais especificamente ao capítulo VII da obra em questão. Em As roupas do homem, o autor apresenta a figura mítica do jagunço Xambá por meio das lentes do menino João da Fonseca Nogueira que, anos depois, já adulto, resolve sair em busca das histórias em torno de seu mito de infância. Cotejando depoimentos, memórias e causos do imaginário popular dos habitantes da fictícia cidade de Duas Pontes, o que resulta da busca de João da Fonseca Nogueira é o avesso

4 do mito de Xambá, despido de seus atributos de coragem e virilidade responsáveis por projetar-lhe uma aura sobrenatural para dar lugar a uma representação em tom menor que, opondo-se ao mito, faz com que figura de Xambá gradualmente decresça, se humanize e, finalmente, se desumanize, não mais pela via do mito, mas pela via da marginalização social. Referendam a análise desenvolvida os estudos de Eliade (1998), Lepecki (1976) e Turchi (2006). Palavras-chave: Jagunço Mito Autran Dourado. SESSÃO 2 24 DE OUTUBRO (QUINTA-FEIRA) A MORAL DO TRABALHO NOS CAMPOS DE CONCENTRAÇÃO DA SECA DE 1932, NO CEARÁ Leda Agnes Simões de Melo Mestranda em Ciências Sociais em Desenvolvimento, Agricultura e Sociedade/Cpda (UFRRJ) Resumo: Essa proposta de trabalhado pretende analisar os discursos da Inspetoria Federal de Obras Contra as Secas, em 1932 no Ceará, e seus impactos no cotidiano dos sertanejos, enfatizando como o Governo desejava programar uma política moralizante para o sertão. Esse trato levou a criação dos campos de concentração nessa região, que se tornaram verdadeiras escolas de trabalhadores cearenses para as obras públicas. O contexto era à entrada de Getúlio Vargas no poder, a formação de uma identidade nacional e de um verdadeiro homem brasileiro, sob o discurso da necessidade de isolar o retirante na região ou fixá-los nos sertões de Goiás e Mato Grosso, mas de maneira alguma levá-los para o litoral. Esse discurso oficial mostrava que havia alternativas para que o sertanejo continuasse na sua terra, principalmente através do trabalho nas obras públicas, onde era possível mantê-los controlados. O IFOCS, não tendo como encaminhar os milhares de flagelados de 1932 para as obras, criou sete campos de concentração no Ceará que chegaram a receber pessoas e neles os sertanejos foram moralizados, disciplinados e isolados. O honesto flagelado era aquele que honrava sua pátria e sua terra, trabalhava, não mendigava a esmola particular ou publica, nem saqueava armazéns. A estigmatização do sertanejo era notória e o seu controle ligado à velha idéia de sua passividade interessava não só ao Governo, mas às elites locais, que queriam continuar controlando as rédeas das leis do sertão. É com base nesses discursos e na construção dessa imagem estigmatizada do sertanejo que pretendo discutir as idéias de sertão, pobreza e identidade nacional no período citado, além de apresentar a criação de campos de concentração no Nordeste brasileiro, fato pouco explorado pela historia. Palavras-chave: Identidade nacional Seca Campos de concentração. PEREIRAS E CARVALHOS: UMA HISTÓRIA DA ESPACIALIZAÇÃO DAS RELAÇÕES DE PODER (SERRA TALHADA) Cristiano Emerson de Carvalho Soares Mestrando em História (UFRN) Resumo: Do final do século XIX ao início do século XX, o Sertão do médio Pajeú pernambucano, especialmente o município de Serra Talhada, transformou-se em palco de uma guerra quase que secular entre as famílias Pereira e Carvalho. A ostentação de sangues e brasões em Serra Talhada acabou por contribuir para um processo de espacialização das relações de poder entre uma hegemonia campestre, no caso os Pereiras, e uma contra-hegemonia urbana, os Carvalhos. Campo e Cidade se configuraram como territórios de conquista e manutenção do poder. O objetivo deste trabalho é analisar os conceitos teórico-metodológicos de poder e espacialização, além de território e territorialização, como categorias espaciais fundamentais para compreender como o conflito entre as Famílias Pereira e Carvalho, no município de Serra Talhada, constitui um episódio histórico de espacialização das relações de poder no Brasil do início do século XX.

5 Palavras-chave: Famílias Território Espacialização. A ÉTICA PROTESTANTE E O ESPÍRITO ORGANIZACIONAL DO ASSENTAMENTO CACIMBA NOVA Ednaldo Emilio Ferraz Mestrando em Ciênciais Sociais (UFRN) Resumo: Muitas discussões inflamadas decorrem hodiernamente envolvendo o meio rural brasileiro. Não poderia ocorrer de forma diferente, pois o rural se complexificou muito nas últimas décadas, heterogeneizando, a cada dia, o agrário, agrícola e o não-agrícola. E uma dessas discussões que consegue atrair uma gama vasta de pesquisadores é a da reforma agrária, em diversas frentes de análise, e uma dessas frentes é concernente a eficiência dos assentamentos rurais, quanto à renda, acesso aos serviços públicos, produção, comercialização, organização dos atores sociais e políticas públicas. No presente artigo se demonstrará uma breve radiografia da organização do assentamento Cacimba Nova, no município de Floresta, Pernambuco, considerado o melhor assentamento do estado. Ali, crê-se que esse sucesso se deva à preponderância da ética protestante vivenciada, uma vez que, em mais de 200 pessoas que formam o assentamento, os protestantes variam entre 50% a 60%. Palavras-chave: Reforma agrária Assentamento Cacimba Nova. DOS JUMENTOS AOS TRATORES: UMA EXPERIÊNCIA MODERNIZANTE NA REGIÃO DE IRECÊ-BA, NAS DÉCADAS DE 60 A 90 DO SÉCULO XX Atílio Sena da Silva Dourado Graduando em História (UNEB) Resumo: O presente trabalho tem o intuito de discutir como se deu o processo de modernização e mecanização no campo na região de Irecê BA, nas décadas de 60 a 90 do século XX. Mostra-se como esse processo, mediante a introdução de elementos modernizadores, como máquinas agrícolas e energia elétrica, influenciou na ressignificação de tradições e nas mudanças nas sociabilidades da população local, causando uma seria mudança na sociedade local, nas relações de trabalho e no cotidiano da população da zona-rural. Constroi-se um panorama de como era o cotidiano da população da zona rural antes da modernização, como a comunidade se relacionava e como passou a ser o cotidiano e as relações sociais na comunidade após a introdução de elementos modernizantes. Palavras-chave: Irecê Jumentos Tradição e cotidiano. NO PASSO DA BOIADA: A HISTÓRIA DE OCUPAÇÃO E TRADIÇÕES VAQUEIRA NO ALTO SERTÃO DA BAHIA ( ) Izis Pollyanna Teixeira Dias Graduada em História (UNEB) Resumo: O presente artigo aborda o diálogo estabelecido entre a memória popular e obras de historiadores que se dedicaram ao estudo da formação e desenvolvimento de comunidades agropastoris do alto sertão da Bahia, sua importância para o abastecimento de gado e produtos alimentícios para o estado da Bahia e de outras localidades do Brasil. Objetiva-se apresentar o vaqueiro como um dos atores da história que remonta à colonização dos sertões, e que contribuiu para a formação da identidade coletiva e da memória histórica do Brasil.

6 Palavras-chave: Vaqueiro Memória Alto Sertão da Bahia. SERTÕES DA BAHIA COLONIAL: ENTRE A CRIAÇÃO DE GADO E A MINERAÇÃO Tadeu Baliza de Souza Júnior Mestrando em História (UEFS) Resumo: O presente trabalho pretende investigar escritos da Historiografia Brasileira que tratam sobre a criação de gado e a mineração: os textos se apresentam como fontes. Foram analisadas obras de André João Antonil (1711), Capistrano de Abreu (1907), Basílio de Magalhães (1914) e Urbino Vianna (1935). Outros escritos dão suporte bibliográfico, na tentativa de cobrir lacunas dos autores, pois foram criados em circunstâncias diferentes. Existia uma interdependência entre a pecuária e a mineração, foram relevantes atividades econômicas para o surgimento, desenvolvimento e conexões das comunidades sertanejas, sobretudo as pioneiras: Jacobina e Rio de Contas. Nos tempos coloniais, os vaqueiros tangiam e os boiadeiros comercializavam o gado; esses sujeitos históricos eram os agentes desde o nascimento até a condução das boiadas para os mercados consumidores do litoral baiano. A grande extensão dos sertões foi essencial para a criação de gado, que era usado também como força motriz nos engenhos e nos transportes da cana no litoral. Devido à mineração, surgiu uma figura importante que disputava com outros grupos sociais os achados das minas: o garimpeiro. A mineração forçou a sedentarização das pessoas, mormente próximos a região de Jacobina e de Rio de Contas. Esses indivíduos ajudaram articular os sertões da Bahia com outras regiões inimagináveis. Palavras-chave: Sertões da Bahia Criação de gado Mineração SESSÃO 3 25 DE OUTUBRO (SEXTA-FEIRA) CANGAÇO RECONTADO: COMEMORAÇÕES DO SECULAR CANGACEIRO LAMPIÃO NO CEARÁ Vagner Silva Ramos Filho Graduando em história (UFCE) Resumo: O trabalho pretende analisar as reconstruções da memória social sobre o cangaço nas comemorações do centenário de nascimento do cangaceiro Lampião, em 1997/1998, no Ceará, a partir da imprensa, problematizando as variações da recordação e suas relações com as identidades nordestinas. O cangaço foi um dos fenômenos sociais com maior repercussão nos debates sobre os sentidos da emergente região do Nordeste brasileiro durante a primeira metade do século XX. A imprensa desse período foi espaço privilegiado para difusão de ideias e, sua importância para a constituição de memórias sobre espaços, culturas e acontecimentos continuou exercendo força vital posteriormente. Povoado por estereótipos estigmatizantes, o imaginário construído sobre o Nordeste é apresentado muitas vezes como homogêneo. Assim, analisar as rememorações sobre o cangaço em meio às comemorações através da imprensa cearense, principalmente nos periódicos O Povo e Diário do Nordeste, em suas leituras sobre o passado, colabora para evidenciar contendas e por em questão o que significa o Nordeste e o ser nordestino. Pensar o cangaço e a questão identitária como memória social permite submeter à pesquisa as perspectivas teóricas e metodológicas da História Social da Memória, intuindo observar os trabalhos da memória inseridos no contexto como fonte e objeto de estudo histórico. Palavras-chaves: Lampião Comemoração Ceará. A MULHER E O CANGAÇO: RELAÇÕES E PRÁTICAS DE GÊNERO

7 Camila da Silva Almeida Graduanda em História (UEFS) Resumo: O cangaço foi um movimento de bases sociais e latifundiárias propagado pelo Nordeste brasileiro, a partir do século XIX e, que teve como uma de suas características o predomínio dos conflitos e das demandas violentas, com a ação de grupos ou indivíduos que atuavam principalmente contra os proprietários de terras, os coronéis. O presente trabalho visa estudar as Mulheres no Cangaço na região nordeste do país, em meados do século XIX e inicio do século XX, como eram o convívio e atuação delas na vida do Cangaço. Para tanto, tomo como base as fontes biográficas e literárias, cujo levantamento nominal e de localidade foi realizado com base em relatos e histórias de sobreviventes no livro Lampião, as mulheres e o cangaço, de Antônio Amaury. Quem eram estas mulheres, de onde vieram e por quais motivos foram parar num bando de cangaceiros sem rumo pelo sertão adentro? Esta é a questão central que impulsiona o desenrolar deste artigo. Palavras-chave: Mulheres Cangaço Sertão. COMBATES DE MEMÓRIAS NO ÚLTIMO CAMPO DE BATALHA DE LAMPIÃO José Diones Costa dos Santos Graduando em História (UFS) Resumo: O Cangaço atuou na região do Nordeste brasileiro, principalmente entre a segunda metade do século XIX e meados do XX. Mesmo após a desestruturação dos bandos de cangaceiros, podemos constatar a presença das memórias desse fenômeno social em diversos bens e expressões culturais no Brasil. O objetivo do presente artigo é trazer à tona um novo elemento no campo das batalhas da memória em torno do Cangaço, que foi a colocação de uma cruz em homenagem ao soldado volante, Adrião Pedro de Souza, que também tombou no combate da Grota de Angico, em frente às cruzes que representam as Memórias de Lampião e dos cangaceiros mortos na localidade. A metodologia proposta é o depoimento de um dos que fixaram a cruz do volante na Grota, o João de Souza Lima. Nesta perspectiva, pretendemos identificar, refletir e problematizar as memórias do cangaço (memória do cangaço X volante). Palavras-chave: Nordeste brasileiro Memória Cangaço. A CRIAÇÃO AUDIOVISUAL SOB OS TEMAS DA MEMÓRIA E DA HISTÓRIA: RELATOS E ABORDAGENS DE UMA PRODUÇÃO BAIANA Marcelo Costa Lopes Mestrando em Memória: Linguagem e Sociedade (UESB) Resumo: Certo perfil de tradição oral que reproduz saberes populares por meio de causos vem se modificando, de maneira estrutural, nas últimas décadas. A urbanização das formas de convivência e o avanço tecnológico que encurta fronteiras e se infiltra aceleradamente no cotidiano têm levado práticas da oralidade, no meio rural, a uma berlinda onde as formas de transmissividade de saberes têm se modificado a ponto de não serem mais reconhecíveis como foram durante séculos. Tomando as histórias de indivíduos que, segundo a crença popular, mantiveram a prática do corpo fechado como forma de sobrevivência nas suas relações de poder e guerra, violência e religiosidade, em 2012, o projeto do documentário intitulado Contra o Veneno Peçonhento do Cão Danado foi aprovado no edital da Secretaria de Cultura do Estado da Bahia para sua produção em curta-metragem. Este artigo busca refletir sobre o processo de pesquisa em andamento que redundará na finalização desta obra, no início de Tomando com referência teórica a memória coletiva, de Maurice Halbwachs, a análise e o relato desta pesquisa dá conta de uma série de reconstruções do passado a partir do presente, sob a ótica de determinado grupo, comunidade ou sociedade: são recordações que, sob este aspecto, estão sempre vivas e constantemente modificadas socialmente pela

8 ação do agora e da coletividade, a partir do qual nenhuma memória nunca é tão somente individual. Temas como a natureza mágica nas relações de violência, matadores de aluguel, cangaceiros, grandes políticos e invultados, indivíduos do cotidiano são parte deste universo. Palavras-chave: Memória Cinema Cultura popular. RETORNANDO À POLÍTICA: O ESTADO E A QUESTÃO DO DESENVOLVIMENTO DO SEMIÁRIDO Danilo Uzêda da Cruz Graduando Ciências Sociais (UFBA) Resumo: A política pública de Desenvolvimento Territorial em curso no Brasil possibilita a ampliação da esfera democrático-participativa, numa nova significação do conceito de políticas públicas e de desenvolvimento regional, e uma repactuação da relação entre Estado e sociedade civil, configurando um novo arranjo institucional de gestão pública. O Desenvolvimento Territorial na Bahia, significa, sobretudo o desenvolvimento do semiárido, uma vez que sua abrangência alcança 82% do território do Estado, e se pensarmos em termos culturais, o que não é semiárido é o recôncavo. Portanto a política pública busca organizar, por meio do Estado, a equação capital-trabalho-natureza e a relação com suas populações, fundamentada na ideia-conceito de participação e territorialidade, possibilitando outros arranjos institucionais. Essa impossível equação apresenta problemas teóricos e metodológicos entre ser uma proposta concreta garantidora da qualidade de vida mais ampla ou de comunidades restritas. Mas, sobretudo, um retorno da política, em seu sentido ontológico, alargando os espaços da sociedade na disputa por hegemonia dentro do aparelho estatal. Nesse recorte de pesquisa que ora apresentamos, buscamos entender porque essa ampliação da esfera democrática substitui outras formas de luta e organização do povo do semiárido, silenciando grupos e classes sociais, tornadas reféns da técnica-tempo impostas pelo Estado. Busca-se interrogar porque a política pública de desenvolvimento territorial, portanto do semiárido, tem contribuído esse novo arranjo e sua articulação com três conceitos fundamentais: a concepção de território, de democracia e de participação, fazendo retornar identidades coletivas deixadas de lado ao longo dos anos 1990, ou substituindo-as por outros cenários de participação e disputas locais contra-hegenônicas. Palavras-chave: Desenvolvimento Territorial Sertões Estado e política IDENTIDADE E MEMÓRIA NOS SERTÕES DE EUCLIDES DA CUNHA Wilma Santana dos Santos Graduanda em Letras (UNEB/Campus XX) Resumo: O presente resumo pretende abordar as perspectivas de significações e representações do sertanejo como memória na formação da identidade nacional presentes na obra Os Sertões (1902) de Euclides da Cunha. Inserido num cenário de luta e contrastes, o sertanejo é apresentado em Os Sertões, como um forte. Através do jogo entre o selvagem e o moderno, o autor destaca a importância do sertanejo como integrante da identidade nacional. Dentro desse ambiente, a literatura constitui um papel fundamental na constituição da nacionalidade. Esse papel constitui na preservação e valorização da identidade cultural. Na guerra de Canudos, o sertanejo é visto como um herói que, mesmo diante de tropas inimigas aparentemente imbatíveis, ele se dispõe a enfrentar as dificuldades de forma bastante rude e segura. Contudo, o sertanejo mesmo diante de características físicas tão rudes, ele não perde sua serenidade. Através de uma pesquisa bibliográfica da obra Os Sertões, é possível propor reflexões quanto a preservação da memória da identidade sertaneja, tendo como embasamento teórico, autores como Darcy Ribeiro (1968), Euclides da Cunha (1902), Stuart Hall (2006), dentre outros. Palavras-chave: Identidade Memória Euclides da Cunha.

9 IDENTIDADE CONSTRUÍDA X IDENTIDADE REIVINDICADA: O CONFRONTO ENTRE A MACHEZA E A HOMOSSEXUALIDADE EM SERRA TALHADA PE José Ferreira Júnior Professor da Faculdade de Integração do Sertão / Serra Talhada PE Doutorando em Ciências Sociais (UFCG) Resumo: Este artigo discute o confronto entre a macheza e a homossexualidade no espaço pernambucano serra-talhadense. Procura mostrar, no espaço citado, o constructo da macheza, que em seu discurso legitimador identitário, majoritariamente evoca a memória lampiônica. Também se atém à movimentação social decorrente da reivindicação homossexual que, na busca do usufruto de direitos constitucionalmente garantidos, à memória citada dá ressignificação, promovendo tensão entre os atores sociais envolvidos. Para a confecção deste trabalho lança-se mão de literatura histórica, antropológica e sociológica, como também de entrevistas feitas com elementos componentes das partes envolvidas. Palavras-chave: Macheza Homossexualidade Serra Talhada. ST 2 CONTOS, CANÇÕES E CENAS: O CANGAÇO EM IMAGENS, LETRAS E SONS Caroline de Araújo Lima Mestre em História Regional e Local (UNEB/Campus V) Professora do curso de História (UNEB/Campus XVIII) Resumo: Este simpósio temático tem como proposta reunir estudantes e pesquisadores com o objetivo de divulgar resultados de pesquisas relacionadas ao tema do Cangaço. Pretendemos analisar as representações dos cangaceiros no cinema, nos folhetos de cordel, na literatura, nas fotografias jornalísticas, dentre outras linguagens. A partir de tais linguagens que deram a esses personagens contornos míticos e estereotipados, ofereceremos ricas discussões sobre identidade, representações de sertão e sertanejo, relações de poder, de gênero e de memória. O simpósio está aberto para receber propostas de temas que versem sobre o universo cultural dos sertões e sertanejos no campo do audiovisual, da literatura de cordel, na área fotográfica e da música popular. SESSÃO 1 23 DE OUTUBRO (QUARTA-FEIRA) CANGACEIROS: HERÓIS OU BANDIDOS? A ESTIGMATIZAÇÃO DO MITO EM TORNO DE LAMPIÃO E SEU BANDO NO FILME O CANGACEIRO Michele Soares Santos Graduanda em História (UNEB) Resumo: Este trabalho é fruto do estudo realizado durante a pesquisa de Iniciação Científica: História, Cinema e Ensino de História: O sertão, o cangaceiro e o beato no Cinema Brasileiro ( ). A partir das leituras realizadas durante essa pesquisa, foi possível constatar os estereótipos construídos sob os cangaceiros e a região nordestina nos filmes que trabalham com essa temática. Assim, percebendo a grande influência dos espaços midiáticos, principalmente da produção fílmica sob a sociedade, o presente estudo foi desenvolvido com a pretensão de analisar o filme O Cangaceiro (1953) de Vitor Lima Barreto, produzido em

10 uma época que permeava no Brasil uma ideologia nacionalista e progressista, sendo visível o reflexo dessas ideologias nesta obra fílmica. A finalidade deste trabalho é identificar a forma como o cangaceirismo, um fenômeno social da zona rural, foi representado pelo intelectual da zona urbana no cinema, pretendendo realizar uma discussão sobre a consolidação mitológica da figura de Lampião e seu bando através deste filme. Cabe ressaltar que o filme O Cangaceiro obteve grande repercussão no Brasil, sendo o primeiro a ultrapassar as barreiras internacionais, consolidando os ciclos de filme referente ao cangaço. Palavras-chave: Representação Cangaço Cinema. TECENDO NARRATIVAS: O CINEMA VAI AO CANGAÇO NA DÉCADA DE 1950 Francisca Kalidiany de Abrantes Lima Graduanda em História (UERN) Hélia Costa Morais Graduanda em História (UERN) MicarlaNatana Lopes Rebouças Graduanda em História (UERN) Resumo: O cangaço, enquanto fenômeno social, tem se constituído em amplo e complexo objeto de investigação histórica no meio acadêmico. Sem indícios de que há um consenso próximo, os questionamentos, interpretações e análises em volta desse fenômeno social abrangem uma ampla dimensão, que atinge não somente o espaço acadêmico, mas tem, contudo ramificações que despertam a atenção da sociedade, ultrapassando assim, os muros da academia. Uma das formas de abordagem desse fenômeno dá-se por meio das representações fílmicas sobre o tema, pois o cinema, enquanto um instrumento de arte massificada é capaz de adentrar e influenciar o imaginário popular. Seu auge no campo cinematográfico dáse na década de 1950 com o filme O Cangaceiro (1953) do cineasta Lima Barreto, produção que acarreta no surgimento do gênero Nordestern, influenciado pelo Western. Partindo desse pressuposto, o presente trabalho, tendo como base a análise do Cangaço enquanto fator histórico, tentará compreender como essa temática repercutiu no cinema nacional, propondo discussões como a representação imagética do Nordeste e seus sujeitos, a apropriação do gênero norte americano Western e as contribuições do filme na disseminação do gênero no cinema brasileiro, levando em conta a representação do passado na narrativa cinematográfica e a construção de uma memória sobre o Cangaço. Palavras-chave: Cangaço Cinema Representação. LAMPIÃO: A IDEIA DO MITO E DO HERÓI CONSTRUÍDA NO FILME LAMPIÃO, REI DO CANGAÇO (1962) Elizabeth Oliveira Amorim Morais Mestrando em Ciências Sociais e Humanas (UERN) Resumo: Lampião ainda é visto enquanto um personagem histórico multifacetado, foi a partir dessa percepção que iniciamos o nosso interesse em revisitar essa figura presente no imaginário social nos dias atuais. A partir da análise fílmica de Lampião, o Rei do Cangaço (1962), filme dirigido por Carlos Coimbra, procuramos buscar de que maneira o cinema pode ter contribuído para a cristalização de um Lampião herói e cercado por elementos míticos. Apesar de constatada a recorrência do tema cangaço tanto em produções bibliográficas quanto nas produções cinematográficas nacionais, verificamos que existem poucos estudos e publicações que discutem sobre a imagem de Lampião construída no cinema nacional. Nesse sentido, o presente trabalho procurou, através da análise dos mitos e do arquétipo do herói exposto na

III Congresso Nacional do Cangaço. Sertões: Memórias, Deslocamentos e Identidades LIVRO DE RESUMOS

III Congresso Nacional do Cangaço. Sertões: Memórias, Deslocamentos e Identidades LIVRO DE RESUMOS III Congresso Nacional do Cangaço Sertões: Memórias, Deslocamentos e Identidades LIVRO DE RESUMOS UESB - Universidade Estadual do Sudoeste da Bahia DH - Departamento de História 2013 UESB - Universidade

Leia mais

II ENCONTRO ESTADUAL DE EDUCAÇÃO DO MINISTÉRIO PÚBLICO DA BAHIA A EDUCAÇÃO COMO MATRIZ DE TODAS AS RELAÇÕES HUMANAS E SOCIAIS SALVADOR, BA 2013

II ENCONTRO ESTADUAL DE EDUCAÇÃO DO MINISTÉRIO PÚBLICO DA BAHIA A EDUCAÇÃO COMO MATRIZ DE TODAS AS RELAÇÕES HUMANAS E SOCIAIS SALVADOR, BA 2013 II ENCONTRO ESTADUAL DE EDUCAÇÃO DO MINISTÉRIO PÚBLICO DA BAHIA A EDUCAÇÃO COMO MATRIZ DE TODAS AS RELAÇÕES HUMANAS E SOCIAIS SALVADOR, BA 2013 TEMÁTICA: EDUCAÇÃO, QUESTÃO DE GÊNERO E DIVERSIDADE EDUCAÇÃO

Leia mais

(30h/a 02 créditos) Dissertação III (90h/a 06 Leituras preparatórias para a

(30h/a 02 créditos) Dissertação III (90h/a 06 Leituras preparatórias para a GRADE CURRICULAR DO MESTRADO EM LETRAS: LINGUAGEM E SOCIEDADE DISCIPLINAS OBRIGATÓRIAS 34 CRÉDITOS Teorias da Linguagem (60h/a 04 Teorias Sociológicas (60h/a 04 Metodologia da Pesquisa em Linguagem (30h/a

Leia mais

SUJEITO COLETIVO NO CURSO DE LICENCIATURA EM EDUCAÇÃO DO CAMPO TURMA DOM JOSÉ MAURO

SUJEITO COLETIVO NO CURSO DE LICENCIATURA EM EDUCAÇÃO DO CAMPO TURMA DOM JOSÉ MAURO SUJEITO COLETIVO NO CURSO DE LICENCIATURA EM EDUCAÇÃO DO CAMPO TURMA DOM JOSÉ MAURO VIANA, Valdecir Lopes Universidade Federal de Minas Gerais Valdecir_viana@yahoo.com.br RESUMO Este texto integra as reflexões

Leia mais

EDUCAÇÃO INFANTIL E RELAÇÕES ÉTNICO-RACIAIS: A LEI NO PAPEL, A LEI NA ESCOLA Aline de Assis Augusto UFJF

EDUCAÇÃO INFANTIL E RELAÇÕES ÉTNICO-RACIAIS: A LEI NO PAPEL, A LEI NA ESCOLA Aline de Assis Augusto UFJF EDUCAÇÃO INFANTIL E RELAÇÕES ÉTNICO-RACIAIS: A LEI NO PAPEL, A LEI NA ESCOLA Aline de Assis Augusto UFJF Resumo A presente pesquisa se debruça sobre as relações étnico-raciais no interior de uma escola

Leia mais

FACULDADE DE ARTES DO PARANÁ CURSO DE BACHARELADO EM CINEMA E VÍDEO Ano Acadêmico de 2008 MATRIZ CURRICULAR

FACULDADE DE ARTES DO PARANÁ CURSO DE BACHARELADO EM CINEMA E VÍDEO Ano Acadêmico de 2008 MATRIZ CURRICULAR MATRIZ CURRICULAR Carga Horária Semestral por Disciplina Disciplinas 1º semestre 2º semestre 3º semestre 4º semestre 5º semestre 6º semestre 7º semestre 8º semestre Total Obrigatórias Optativas Fundamentos

Leia mais

DINÂMICA CURRICULAR DO CURSO DE PEDAGOGIA - 2008. Disciplinas Teórica Prática Estágio Total. 1º Período

DINÂMICA CURRICULAR DO CURSO DE PEDAGOGIA - 2008. Disciplinas Teórica Prática Estágio Total. 1º Período MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO Universidade Federal de Alfenas. UNIFAL-MG Rua Gabriel Monteiro da Silva, 700. Alfenas/MG. CEP 37130-000 Fone: (35) 3299-1000. Fax: (35) 3299-1063 DINÂMICA CURRICULAR DO CURSO DE

Leia mais

Finalmente, chegamos ao último Roteiro de Estudos do Segundo ano! Você já sabe como proceder! Organize seu material, revise o conteúdo e mãos à obra!

Finalmente, chegamos ao último Roteiro de Estudos do Segundo ano! Você já sabe como proceder! Organize seu material, revise o conteúdo e mãos à obra! ROTEIRO DE ESTUDOS DE LITERATURA PARA A 3ª ETAPA 2ª SÉRIE Finalmente, chegamos ao último Roteiro de Estudos do Segundo ano! Você já sabe como proceder! Organize seu material, revise o conteúdo e mãos à

Leia mais

Dossiê Cinema e Audiovisual: entre o sensível e o reflexivo

Dossiê Cinema e Audiovisual: entre o sensível e o reflexivo Apresentação Milene de Cássia Silveira Gusmão* ** *** *Doutora em Ciências Sociais pela Universidade Federal da Bahia (UFBA). Docente do Bacharelado em Cinema e Audiovisual e do Programa de Pós-Graduação

Leia mais

A Bandeira Brasileira e Augusto Comte

A Bandeira Brasileira e Augusto Comte A Bandeira Brasileira e Augusto Comte Resumo Este documentário tem como ponto de partida um problema curioso: por que a frase Ordem e Progresso, de autoria de um filósofo francês, foi escolhida para constar

Leia mais

Carta Documento: pela construção e implementação de uma Política de Educação do Campo na UNEB

Carta Documento: pela construção e implementação de uma Política de Educação do Campo na UNEB Salvador, 21 de setembro de 2015 Carta Documento: pela construção e implementação de uma Política de Educação do Campo na UNEB Nos dias 19, 20 e 21 de agosto de 2015 realizou-se no Hotel Vila Velha, em

Leia mais

A RELAÇÃO CAMPO- CIDADE NO ENSINO DE GEOGRAFIA DE ESCOLAS RURAIS DE CATALÃO: entre o ideal e o essencial

A RELAÇÃO CAMPO- CIDADE NO ENSINO DE GEOGRAFIA DE ESCOLAS RURAIS DE CATALÃO: entre o ideal e o essencial A RELAÇÃO CAMPO- CIDADE NO ENSINO DE GEOGRAFIA DE ESCOLAS RURAIS DE CATALÃO: entre o ideal e o essencial Heloisa Vitória de CASTRO; Mestranda do PPG/UFG/Campus Catalão/Membro do NEPSA/Bolsista CAPES heloisavcp@hotmail.com

Leia mais

NÚCLEO DE ESTUDOS E PESQUISAS HISTÓRIA DA EDUCAÇÃO EM PERNAMBUCO: 13 ANOS DE HISTÓRIA

NÚCLEO DE ESTUDOS E PESQUISAS HISTÓRIA DA EDUCAÇÃO EM PERNAMBUCO: 13 ANOS DE HISTÓRIA NÚCLEO DE ESTUDOS E PESQUISAS HISTÓRIA DA EDUCAÇÃO EM PERNAMBUCO: 13 ANOS DE HISTÓRIA Margarete Maria da Silva meghamburgo@yahoo.com.br Graduanda em Pedagogia e membro do NEPHEPE Universidade Federal de

Leia mais

A FORMAÇÃO DE SUJEITOS CRÍTICOS NO ENSINO SUPERIOR: UM POSSÍVEL CAMINHO PARA A TRANSFORMAÇÃO SOCIAL. Marijara de Lima Monaliza Alves Lopes

A FORMAÇÃO DE SUJEITOS CRÍTICOS NO ENSINO SUPERIOR: UM POSSÍVEL CAMINHO PARA A TRANSFORMAÇÃO SOCIAL. Marijara de Lima Monaliza Alves Lopes A FORMAÇÃO DE SUJEITOS CRÍTICOS NO ENSINO SUPERIOR: UM POSSÍVEL CAMINHO PARA A TRANSFORMAÇÃO SOCIAL Marijara de Lima Monaliza Alves Lopes FACULDADE ALFREDO NASSER INSTITUTO SUPERIOR DE EDUCAÇÃO III PESQUISAR

Leia mais

Homens da África Ahmadou Kourouma. Edições SM. Cabelos de axé: identidade e resistência Raul Lody. Editora SENAC

Homens da África Ahmadou Kourouma. Edições SM. Cabelos de axé: identidade e resistência Raul Lody. Editora SENAC ÁFRICA Homens da África Ahmadou Kourouma. Edições SM Ricamente ilustrada por fotos e desenhos, esta obra traça um painel detalhado da vida dos habitantes da África do Oeste: sua tradição oral, detalhes

Leia mais

Attached File: Proposta de Curso para Pós.doc

Attached File: Proposta de Curso para Pós.doc nome: Adilson José Gonçalves enviado_por: professor proposta: Ampliar as discuss~eos sobre o redesenho, apontando para a excelencia, agilidade, flexibilidade e aprofundamento da democratização da instituição.

Leia mais

REGISTROS HISTÓRICOS, HISTÓRIA E HISTORIOGRAFIA: um estudo historiográfico do Alto Sertão da Bahia no período colonial

REGISTROS HISTÓRICOS, HISTÓRIA E HISTORIOGRAFIA: um estudo historiográfico do Alto Sertão da Bahia no período colonial 1537 REGISTROS HISTÓRICOS, HISTÓRIA E HISTORIOGRAFIA: um estudo historiográfico do Alto Sertão da Bahia no período colonial SOUZA JÚNIOR, Tadeu Baliza de 1 ; NEVES, Erivaldo Fagundes 2 1. Bolsista PROBIC,

Leia mais

Palavras-chave: formação continuada, educação básica, ensino de artes visuais.

Palavras-chave: formação continuada, educação básica, ensino de artes visuais. 4CCHLADAVPEX01 O ENSINO DE ARTES VISUAIS NAS ESCOLAS PÚBLICAS DE ALHANDRA: UMA PROPOSTA DE FORMAÇÃO CONTINUADA PARA OS PROFESSORES DO ENSINO FUNDAMENTAL Cláudia Oliveira de Jesus (1); Adeílson França (1);

Leia mais

EMENTÁRIO DO CURO DE JORNALISMO

EMENTÁRIO DO CURO DE JORNALISMO EMENTÁRIO DO CURO DE JORNALISMO LET 02630 LÍNGUA PORTUGUESA Noções gerais da língua portuguesa. Leitura e produção de diferentes tipos de textos, em especial os relativos à comunicação de massa. Os tipos

Leia mais

Educação bilíngüe intercultural entre povos indígenas brasileiros

Educação bilíngüe intercultural entre povos indígenas brasileiros Educação bilíngüe intercultural entre povos indígenas brasileiros Maria do Socorro Pimentel da Silva 1 Leandro Mendes Rocha 2 No Brasil, assim como em outros países das Américas, as minorias étnicas viveram

Leia mais

CURSO DE PEDAGOGIA EMENTÁRIO DAS DISCIPLINAS 2015.1 BRUSQUE (SC) 2015 1 EMENTÁRIO DAS DISCIPLINAS DO CURSO DE PEDAGOGIA

CURSO DE PEDAGOGIA EMENTÁRIO DAS DISCIPLINAS 2015.1 BRUSQUE (SC) 2015 1 EMENTÁRIO DAS DISCIPLINAS DO CURSO DE PEDAGOGIA 1 CURSO EMENTÁRIO DAS DISCIPLINAS 2015.1 BRUSQUE (SC) 2015 2 SUMÁRIO 1ª FASE... 4 01 INVESTIGAÇÃO DA PRÁTICA DOCENTE I... 4 02 LEITURA E PRODUÇÃO DE TEXTO... 4 03 PROFISSIONALIDADE DOCENTE... 4 04 RESPONSABILIDADE

Leia mais

A ditadura civil-militar brasileira através das artes: uma experiência com alunos do ensino médio no Colégio de Aplicação

A ditadura civil-militar brasileira através das artes: uma experiência com alunos do ensino médio no Colégio de Aplicação A ditadura civil-militar brasileira através das artes: uma experiência com alunos do ensino médio no Colégio de Aplicação Beatrice Rossotti rossottibeatrice@gmail.com Instituto de História, 9º período

Leia mais

Nas Margens da Educação: imprensa feminina e urbanidade moderna na Ribeirão Preto das primeiras décadas do século XX

Nas Margens da Educação: imprensa feminina e urbanidade moderna na Ribeirão Preto das primeiras décadas do século XX Nas Margens da Educação: imprensa feminina e urbanidade moderna na Ribeirão Preto das primeiras décadas do século XX Jorge Luiz de FRANÇA * Nesta comunicação, pretendemos, por intermédio das publicações

Leia mais

Cinema como ferramenta de aprendizagem¹. Angélica Moura CORDEIRO². Bianca da Costa ARAÚJO³ Universidade Federal de Campina Grande, Campina Grande, PB.

Cinema como ferramenta de aprendizagem¹. Angélica Moura CORDEIRO². Bianca da Costa ARAÚJO³ Universidade Federal de Campina Grande, Campina Grande, PB. Cinema como ferramenta de aprendizagem¹ Angélica Moura CORDEIRO² Bianca da Costa ARAÚJO³ Universidade Federal de Campina Grande, Campina Grande, PB. RESUMO Este artigo pronuncia o projeto Criancine que

Leia mais

Projeto São João Literário Promovendo a cultura popular, incentivando a leitura e a produção literária.

Projeto São João Literário Promovendo a cultura popular, incentivando a leitura e a produção literária. Projeto São João Literário Promovendo a cultura popular, incentivando a leitura e a produção literária. Histórico e Justificativa No ano de 2012, ao participar de uma quadrilha temática, em homenagem ao

Leia mais

Não Era uma Vez... Contos clássicos recontados

Não Era uma Vez... Contos clássicos recontados elaboração: PROF. DR. JOSÉ NICOLAU GREGORIN FILHO Não Era uma Vez... Contos clássicos recontados escrito por Vários autores Os Projetos de Leitura: concepção Buscando o oferecimento de subsídios práticos

Leia mais

Ementário do Curso de Pedagogia, habilitações: Educação Infantil e Séries Iniciais 2010.2

Ementário do Curso de Pedagogia, habilitações: Educação Infantil e Séries Iniciais 2010.2 01 BIOLOGIA EDUCACIONAL Fase: 1ª Carga Horária: 30 h/a Prática: 30 h/a Créditos: 4 A biologia educacional e os fundamentos da educação. As bases biológicas do crescimento e desenvolvimento humano. A dimensão

Leia mais

Áfricas no Brasil: aprendendo sobre os sons, as cores, as imagens e os sabores

Áfricas no Brasil: aprendendo sobre os sons, as cores, as imagens e os sabores Áfricas no Brasil: aprendendo sobre os sons, as cores, as imagens e os sabores Rosália Diogo 1 Consideramos que os estudos relacionados a processos identitários e ensino, que serão abordados nesse Seminário,

Leia mais

ENTRE A LEI, OS COSTUMES E O DESENVOLVIMENTO: O PROJETO URBANÍSTICO DE 1970 EM MONTES CLAROS/MG.

ENTRE A LEI, OS COSTUMES E O DESENVOLVIMENTO: O PROJETO URBANÍSTICO DE 1970 EM MONTES CLAROS/MG. ENTRE A LEI, OS COSTUMES E O DESENVOLVIMENTO: O PROJETO URBANÍSTICO DE 1970 EM MONTES CLAROS/MG. Michael Jhonattan Delchoff da Silva. Universidade Estadual de Montes Claros- Unimontes. maicomdelchoff@gmail.com

Leia mais

A FORMAÇÃO EM EDUCAÇÃO FÍSICA: O PIBID COMO ESPAÇO DE TRABALHO COLETIVO. Palavras-chave: Licenciatura, Educação Física, Escola, Trabalho Coletivo.

A FORMAÇÃO EM EDUCAÇÃO FÍSICA: O PIBID COMO ESPAÇO DE TRABALHO COLETIVO. Palavras-chave: Licenciatura, Educação Física, Escola, Trabalho Coletivo. A FORMAÇÃO EM EDUCAÇÃO FÍSICA: O PIBID COMO ESPAÇO DE TRABALHO COLETIVO Bruna de Paula,CRUVINEL(FEF); Jehnny Kellen Vargas Batista, QUEIROZ (FEF); Lorrayne Bruna de CARVALHO (FEF); Karine Danielly L. M.

Leia mais

QUESTÃO 04 QUESTÃO 05

QUESTÃO 04 QUESTÃO 05 QUESTÃO 01 Arte abstrata é uma arte: a) que tem a intenção de representar figuras geométricas. b) que não pretende representar figuras ou objetos como realmente são. c) sequencial, como, por exemplo, a

Leia mais

Ensino Técnico Integrado ao Médio FORMAÇÃO GERAL. Ensino Médio

Ensino Técnico Integrado ao Médio FORMAÇÃO GERAL. Ensino Médio Ensino Técnico Integrado ao Médio FORMAÇÃO GERAL Ensino Médio ETEC PROFª NAIR LUCCAS RIBEIRO Código: 156 Município: TEODORO SAMPAIO Área de conhecimento: Linguagens, Códigos e suas Tecnologias Componente

Leia mais

2 Público não é político. É o espaço coletivo, do cidadão.

2 Público não é político. É o espaço coletivo, do cidadão. A MÚSICA NA SOCIALIZAÇÃO DAS MENINAS DE SINHÁ GIL, Thais Nogueira UFMG thaisgil@terra.com.br GT: Movimentos Sociais e Educação / n.03 Agência Financiadora: CAPES O que acontece quando os sujeitos excluídos

Leia mais

EDUCAÇÃO INFANTIL LINGUAGEM ORAL E ESCRITA. Premissas básicas:

EDUCAÇÃO INFANTIL LINGUAGEM ORAL E ESCRITA. Premissas básicas: EDUCAÇÃO INFANTIL A Educação Infantil, enquanto segmento de ensino que propicia um maior contato formal da criança com o mundo que a cerca, deve favorecer a socialização da criança, permitir a interação

Leia mais

REVOLTAS DURANTE A REPÚBLICA VELHA

REVOLTAS DURANTE A REPÚBLICA VELHA REVOLTAS DURANTE A REPÚBLICA VELHA Unidade 2, Tema 2 e 3. Págs. 50 53 Personagem. Pág. 55 e 64 Ampliando Conhecimentos. Págs. 60-61 Conceitos Históricos. Pág. 65 Em foco. Págs. 66-71 GUERRA DE CANUDOS

Leia mais

DIRETRIZES CURRICULARES NACIONAIS PARA A EDUCAÇÃO INFANTIL

DIRETRIZES CURRICULARES NACIONAIS PARA A EDUCAÇÃO INFANTIL MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO FUNDO NACIONAL DE DESENVOLVIMENTO DA EDUCAÇÃO - FNDE PROINFÂNCIA BAHIA UNIVERSIDADE FEDERAL DA BAHIA - UFBA FACULDADE DE EDUCAÇÃO - FACED DIRETRIZES CURRICULARES NACIONAIS PARA A

Leia mais

Universidade Federal da Bahia

Universidade Federal da Bahia + Universidade Federal da Bahia Instituto de Humanidades, Artes e Ciências Prof. Milton Santos UFBA NOVA BACHARELADOS INTERDISCIPLINARES 2010 ÁREA DE CONCENTRAÇÃO EM XXXXXXXX + IDENTIFICAÇÃO DA PROPOSTA

Leia mais

GRUPO FRESTAS: FORMAÇÃO E RESSIGNIFICAÇÃO DO EDUCADOR: SABERES, TROCA, ARTE E SENTIDOS

GRUPO FRESTAS: FORMAÇÃO E RESSIGNIFICAÇÃO DO EDUCADOR: SABERES, TROCA, ARTE E SENTIDOS Eixo: Políticas para a Infância e Formação de Professores Contempla as produções acadêmico-científicas que tratam de ações políticas e legislações referentes à Educação Infantil e a infância. Aborda pesquisas

Leia mais

Arcoverde: Páginas que Ninguém Leu 1. Aline de Souza Silva SIQUEIRA 2 Adriana Xavier Dória MATOS 3 Universidade Católica de Pernambuco, Recife, PE

Arcoverde: Páginas que Ninguém Leu 1. Aline de Souza Silva SIQUEIRA 2 Adriana Xavier Dória MATOS 3 Universidade Católica de Pernambuco, Recife, PE Arcoverde: Páginas que Ninguém Leu 1 Aline de Souza Silva SIQUEIRA 2 Adriana avier Dória MATOS 3 Universidade Católica de Pernambuco, Recife, PE RESUMO Este trabalho se propõe uma jornada Arcoverde adentro

Leia mais

334 Valdecy de Oliveira Pontes e Alexandra Maria de Castro e Santos Araújo

334 Valdecy de Oliveira Pontes e Alexandra Maria de Castro e Santos Araújo MARTINS, André Ricardo Nunes. A polêmica construída: racismo e discurso da imprensa sobre a política de cotas para negros. Brasília: Senado Federal, 2011, 281p. O livro intitulado A polêmica construída:

Leia mais

UNIVERSIDADE PRESBITERIANA MACKENZIE Centro de Comunicação e Letras Curso de Letras

UNIVERSIDADE PRESBITERIANA MACKENZIE Centro de Comunicação e Letras Curso de Letras ÁREAS DE ORIENTAÇÕES DOS PROFESSORES DO CURSO DE LETRAS (Licenciatura e Bacharelado) DOCENTE Área(s) de orientação Temas preferenciais de orientação Alexandre - Literatura - Elaboração de propostas Huady

Leia mais

DATAS DE PRÉ-MATRÍCULA

DATAS DE PRÉ-MATRÍCULA Mestrado e Doutorado em Comunicação Matrícula e Calendário acadêmico 2014.2 DATAS DE PRÉ-MATRÍCULA: 29, 30 e 31/07/2014 LOCAL: A pré-matrícula deverá ser efetivada na Secretaria do PPGCOM ou através do

Leia mais

Ementário do Curso de Pedagogia, habilitações: Educação Infantil e Séries Iniciais 2008.1A

Ementário do Curso de Pedagogia, habilitações: Educação Infantil e Séries Iniciais 2008.1A 01 BIOLOGIA EDUCACIONAL Fase: 1ª Prática: 15 h/a Carga Horária: 60 h/a Créditos: 4 A biologia educacional e os fundamentos da educação. As bases biológicas do crescimento e desenvolvimento humano. A dimensão

Leia mais

Os Amigos do Pedrinho

Os Amigos do Pedrinho elaboração: PROF. DR. JOSÉ NICOLAU GREGORIN FILHO Os Amigos do Pedrinho escrito por & ilustrado por Ruth Rocha Eduardo Rocha Os Projetos de Leitura: concepção Buscando o oferecimento de subsídios práticos

Leia mais

A Cobronça, a Princesa e a Surpresa

A Cobronça, a Princesa e a Surpresa elaboração: PROF. DR. JOSÉ NICOLAU GREGORIN FILHO A Cobronça, a Princesa e a Surpresa escrito por & ilustrado por Celso Linck Fê Os Projetos de Leitura: concepção Buscando o oferecimento de subsídios práticos

Leia mais

A DIVERSIDADE CULTURAL: UM ELO ENTRE A MATEMÁTICA E OUTROS SABERES

A DIVERSIDADE CULTURAL: UM ELO ENTRE A MATEMÁTICA E OUTROS SABERES A DIVERSIDADE CULTURAL: UM ELO ENTRE A MATEMÁTICA E OUTROS SABERES Marilene Rosa dos Santos Coordenadora Pedagógica de 5ª a 8ª séries da Prefeitura da Cidade do Paulista rosa.marilene@gmail.com Ana Rosemary

Leia mais

RELAÇÕES DA EDUCAÇÃO ÉTNICO-RACIAL NA PRÉ-ESCOLA: RELATO DE UMA EXPERIÊNCIA

RELAÇÕES DA EDUCAÇÃO ÉTNICO-RACIAL NA PRÉ-ESCOLA: RELATO DE UMA EXPERIÊNCIA EDUCAÇÃO, CURRÍCULO E DIVERSIDADE CULTURAL RELAÇÕES DA EDUCAÇÃO ÉTNICO-RACIAL NA PRÉ-ESCOLA: RELATO DE UMA EXPERIÊNCIA Michelly Spineli de Brito Campos Vieira/Prefeitura de Itapissuma-PE Paloma Viana de

Leia mais

CONCEITOS E PRECONCEITOS SOBRE O BAIRRO DO GUAMÁ: RECONSTRUINDO SIGNIFICADOS E PERCEPÇÕES

CONCEITOS E PRECONCEITOS SOBRE O BAIRRO DO GUAMÁ: RECONSTRUINDO SIGNIFICADOS E PERCEPÇÕES CONCEITOS E PRECONCEITOS SOBRE O BAIRRO DO GUAMÁ: RECONSTRUINDO SIGNIFICADOS E PERCEPÇÕES Glauco Rivelino Ferreira de ARAÚJO 9 (FIBRA) Ruan Carlos Silva de Freitas Este artigo apresenta resultados de um

Leia mais

O LUGAR DA INFÂNCIA NA RELIGIÃO DE MATRIZ AFRICANA Jaqueline de Fátima Ribeiro UFF Agência Financiadora: CAPES

O LUGAR DA INFÂNCIA NA RELIGIÃO DE MATRIZ AFRICANA Jaqueline de Fátima Ribeiro UFF Agência Financiadora: CAPES O LUGAR DA INFÂNCIA NA RELIGIÃO DE MATRIZ AFRICANA Jaqueline de Fátima Ribeiro UFF Agência Financiadora: CAPES Resumo O texto em questão é parte da pesquisa em desenvolvimento (mestrado) que tem como objetivo

Leia mais

AFRICAMOS: PENSAR E VIVER AFRICANIDADES PARA E COM AS CRIANÇAS EM CONTEXTOS COLETIVOS DE EDUCAÇÃO E CUIDADO

AFRICAMOS: PENSAR E VIVER AFRICANIDADES PARA E COM AS CRIANÇAS EM CONTEXTOS COLETIVOS DE EDUCAÇÃO E CUIDADO AFRICAMOS: PENSAR E VIVER AFRICANIDADES PARA E COM AS CRIANÇAS EM CONTEXTOS COLETIVOS DE EDUCAÇÃO E CUIDADO Área Temática: Educação Coordenador: Adilson de Angelo 1 Autoras: Neli Góes Ribeiro Laise dos

Leia mais

Mostra de Projetos 2011 PROJETO "DIREITO E CINEMA"

Mostra de Projetos 2011 PROJETO DIREITO E CINEMA Mostra de Projetos 2011 PROJETO "DIREITO E CINEMA" Mostra Local de: Cornélio Procópio. Categoria do projeto: Projetos finalizados. Nome da Instituição/Empresa: (Campo não preenchido). Cidade: Cornélio

Leia mais

COLEÇÃO IMAGÉTICA: FOTOGRAFIA, EXTENSÃO, ENSINO E PESQUISA NO PROJETO FOCA FOTO. PALAVRAS-CHAVE Fotografia. Coleção fotográfica. Lapa. Extensão.

COLEÇÃO IMAGÉTICA: FOTOGRAFIA, EXTENSÃO, ENSINO E PESQUISA NO PROJETO FOCA FOTO. PALAVRAS-CHAVE Fotografia. Coleção fotográfica. Lapa. Extensão. 12. CONEX Apresentação Oral Resumo Expandido 1 ÁREA TEMÁTICA: (marque uma das opções) ( X ) COMUNICAÇÃO ( ) CULTURA ( ) DIREITOS HUMANOS E JUSTIÇA ( ) EDUCAÇÃO ( ) MEIO AMBIENTE ( ) SAÚDE ( ) TRABALHO

Leia mais

Missão. Objetivo Geral

Missão. Objetivo Geral SÍNTESE DO PROJETO PEDAGÓGICO Curso: CINEMA E AUDIOVISUAL Missão O Curso de Cinema e Audiovisual da Universidade Estácio de Sá tem como missão formar um profissional humanista, com perfil técnico e artístico

Leia mais

MEMÓRIA SOCIAL - UM REGISTRO DE COSTUMES DA SOCIEDADE DE JOÃO PESSOA NO SÉCULO XX

MEMÓRIA SOCIAL - UM REGISTRO DE COSTUMES DA SOCIEDADE DE JOÃO PESSOA NO SÉCULO XX MEMÓRIA SOCIAL - UM REGISTRO DE COSTUMES DA SOCIEDADE DE JOÃO PESSOA NO SÉCULO XX MOURA FILHA 1, Maria Berthilde CAVALCANTI FILHO 2, Ivan QUEIROZ 3, Louise Costa GONDIM 4, Polyanna Galvão RESUMO Nos últimos

Leia mais

PROJETO DE PESQUISA TÍTULO: CINEMA E PUBLICIDADE: RELAÇÕES INTERTEXTUAIS E MERCADOLÓGICAS. CURSO: Programa de Mestrado em Comunicação

PROJETO DE PESQUISA TÍTULO: CINEMA E PUBLICIDADE: RELAÇÕES INTERTEXTUAIS E MERCADOLÓGICAS. CURSO: Programa de Mestrado em Comunicação PROJETO DE PESQUISA TÍTULO: CINEMA E PUBLICIDADE: RELAÇÕES INTERTEXTUAIS E MERCADOLÓGICAS CURSO: Programa de Mestrado em Comunicação LINHA DE PESQUISA: Inovações na Linguagem e na Cultura Midiática PROFESSOR

Leia mais

EIXOS TEMÁTICOS REFERENCIAS BIBLIOGRÁFICAS

EIXOS TEMÁTICOS REFERENCIAS BIBLIOGRÁFICAS EIXOS TEMÁTICOS 1. Cultura, saberes e práticas escolares e pedagógicas na educação profissional e tecnológica: arquivos escolares, bibliotecas e centros de documentação. Para este eixo temático espera

Leia mais

Curso: Letras Português ( 1 ª Licenciatura) II Bloco

Curso: Letras Português ( 1 ª Licenciatura) II Bloco Curso: Letras Português ( 1 ª Licenciatura) I Bloco Filosofia da Educação 60 horas Metodologia Científica 60 horas Iniciação à Leitura e Produção de Textos Acadêmicos 60 horas Introdução à filosofia e

Leia mais

Formação de Professores: um diálogo com Rousseau e Foucault

Formação de Professores: um diálogo com Rousseau e Foucault Formação de Professores: um diálogo com Rousseau e Foucault Eixo temático 2: Formação de Professores e Cultura Digital Vicentina Oliveira Santos Lima 1 A grande importância do pensamento de Rousseau na

Leia mais

Escola Secundária com 2.º e 3.º ciclos Anselmo de Andrade. Critérios de Avaliação / Planificação 6.º Ano - HGP Grupo 400 História Ano Letivo 2014/15

Escola Secundária com 2.º e 3.º ciclos Anselmo de Andrade. Critérios de Avaliação / Planificação 6.º Ano - HGP Grupo 400 História Ano Letivo 2014/15 Domínio/ Tema/unidade História de Portugal Subdomínio/ conteúdos Compreensão da espacialidade Temporalidade Metas de aprendizagem intermédias Meta 1 O aluno traça, em diferentes representações cartográficas,

Leia mais

Reciclando Sonhos: o Teatro em Comunidades no Contexto das ONGS

Reciclando Sonhos: o Teatro em Comunidades no Contexto das ONGS Reciclando Sonhos: o Teatro em Comunidades no Contexto das ONGS Lia Alarcon Lima Programa de Pós-Graduação em Teatro UDESC Mestranda Teatro Or. Profª Dra. Márcia Pompeo Nogueira Resumo: A pesquisa aqui

Leia mais

Universidade Federal do Acre UFAC Centro de Filosofia e Ciências Humanas CFCH.

Universidade Federal do Acre UFAC Centro de Filosofia e Ciências Humanas CFCH. Universidade Federal do Acre UFAC Centro de Filosofia e Ciências Humanas CFCH. Colóquio Religiões e Campos simbólicos na Amazônia Período de realização 25 a 28 de agosto de 2014. Grupos de trabalhos. GT

Leia mais

PLANEJAMENTO NA EDUCAÇÃO INFANTIL: UMA CONSTRUÇÃO COLETIVA.

PLANEJAMENTO NA EDUCAÇÃO INFANTIL: UMA CONSTRUÇÃO COLETIVA. PLANEJAMENTO NA EDUCAÇÃO INFANTIL: UMA CONSTRUÇÃO COLETIVA. OLIVEIRA 1, Jordânia Amorim da Silva. SOUSA 2, Nádia Jane de. TARGINO 3, Fábio. RESUMO Este trabalho apresenta resultados parciais do projeto

Leia mais

ALVES, Giovanni. MACEDO, Felipe. Cineclube, Cinema e Educação etrópolis: Vozes,

ALVES, Giovanni. MACEDO, Felipe. Cineclube, Cinema e Educação etrópolis: Vozes, ALVES, Giovanni. MACEDO, Felipe. Cineclube, Cinema e Educação etrópolis: Vozes, 2009. Editora Práxis, 2010. Autêntica 2003. 11 Selma Tavares Rebello 1 O livro Cineclube, Cinema e Educação se apresenta

Leia mais

Joaozinho, o repórter 1. Fábio Willard de OLIVEIRA 2 Tárcio ARAUJO 3 Moises Henrique Cavalcante de ALBUQUERUQUE 4

Joaozinho, o repórter 1. Fábio Willard de OLIVEIRA 2 Tárcio ARAUJO 3 Moises Henrique Cavalcante de ALBUQUERUQUE 4 Joaozinho, o repórter 1 Fábio Willard de OLIVEIRA 2 Tárcio ARAUJO 3 Moises Henrique Cavalcante de ALBUQUERUQUE 4 Universidade do Estado do Rio Grande do Norte, Mossoró, RN. RESUMO O documentário Joãozinho,

Leia mais

A ESCOLHA DAS LÍNGUAS OFICIAIS DO MERCOSUL: HEGEMONIA E SILENCIAMENTO 1

A ESCOLHA DAS LÍNGUAS OFICIAIS DO MERCOSUL: HEGEMONIA E SILENCIAMENTO 1 A ESCOLHA DAS LÍNGUAS OFICIAIS DO MERCOSUL: HEGEMONIA E SILENCIAMENTO 1 Daiana Marques Sobrosa 2 1. Introdução Em 26 de março de 1991, Brasil, Argentina, Uruguai e Paraguai assinaram o Tratado de Assunção

Leia mais

O SERVIÇO SOCIAL NA UNIVERSIDADE CASTELO BRANCO: ENSINO, PESQUISA E EXTENSÃO NA CONSTRUÇÃO DE UM PROJETO DE CIDADANIA.

O SERVIÇO SOCIAL NA UNIVERSIDADE CASTELO BRANCO: ENSINO, PESQUISA E EXTENSÃO NA CONSTRUÇÃO DE UM PROJETO DE CIDADANIA. O SERVIÇO SOCIAL NA UNIVERSIDADE CASTELO BRANCO: ENSINO, PESQUISA E EXTENSÃO NA CONSTRUÇÃO DE UM PROJETO DE CIDADANIA. Profa. Elizabeth Rodrigues Felix 1 I- INTRODUÇÃO Com dezoito anos de existência, o

Leia mais

Projetos de Seminário Temático Recebidos Para Análise Tema do Seminário Curso Municipio Data do recebimento Observação

Projetos de Seminário Temático Recebidos Para Análise Tema do Seminário Curso Municipio Data do recebimento Observação Projetos de Seminário Temático Recebidos Para Análise Tema do Seminário Curso Municipio Data do recebimento Observação Formação do Educador para a diversidade cultural e religiosa Letras Bom Jesu da Lapa

Leia mais

A ARTE DOS ENCONTROS: OS PROFESSORES E O CINEMA 1

A ARTE DOS ENCONTROS: OS PROFESSORES E O CINEMA 1 A ARTE DOS ENCONTROS: OS PROFESSORES E O CINEMA 1 RECH, Indiara 2 ; OLIVEIRA, VALESKA FORTES DE 3 ; BREOLIN, Caroline Ferreira 4 ; ZINI, Hallana Cristina Peransoni 5 ; FORTES, Nátali Dezordi 6 1 Trabalho

Leia mais

CURRÍCULO NA EDUCAÇÃO INFANTIL

CURRÍCULO NA EDUCAÇÃO INFANTIL CURRÍCULO NA EDUCAÇÃO INFANTIL Claudia Maria da Cruz Consultora Educacional FEVEREIRO/2015 CURRÍCULO NA EDUCAÇÃO INFANTIL A ênfase na operacionalização escrita dos documentos curriculares municipais é

Leia mais

PROJETO POLÍTICO-PEDAGÓGICO

PROJETO POLÍTICO-PEDAGÓGICO UNIVERSIDADE FEDERAL DA PARAÍBA CENTRO DE CIÊNCIAS HUMANAS LETRAS E ARTES PROJETO POLÍTICO-PEDAGÓGICO CURSO DE HISTÓRIA - LICENCIATURA João Pessoa, maio de 2011 UNIVERSIDADE FEDERAL DA PARAÍBA CENTRO DE

Leia mais

ENSINO DE GEOGRAFIA, CULTURA POPULAR E TEMAS TRANSVERSAIS: uma proposta de transversalidade a partir dos Parâmetros Curriculares Nacionais (PCN s)

ENSINO DE GEOGRAFIA, CULTURA POPULAR E TEMAS TRANSVERSAIS: uma proposta de transversalidade a partir dos Parâmetros Curriculares Nacionais (PCN s) ENSINO DE GEOGRAFIA, CULTURA POPULAR E TEMAS TRANSVERSAIS: uma proposta de transversalidade a partir dos Parâmetros Curriculares Nacionais (PCN s) Kálita Tavares da SILVA 1 ; Estevane de Paula Pontes MENDES

Leia mais

CURSO: LICENCIATURA EM CIÊNCIAS DA RELIGIÃO EMENTA DAS DISCIPLINAS

CURSO: LICENCIATURA EM CIÊNCIAS DA RELIGIÃO EMENTA DAS DISCIPLINAS CURSO: LICENCIATURA EM CIÊNCIAS DA RELIGIÃO EMENTA DAS DISCIPLINAS PRODUÇÃO E RECEPÇÃO DE TEXTOS Lingüística Textual : Recepção e Produção de Textos Visão Sistemática e Particular. Gêneros e Estruturas

Leia mais

PROJETO POLÍTICO PEDAGÓGICO DA DISCIPLINA AUDIOVISUAL DA ESCOLA POLITÉCNICA DE SAÚDE JOAQUIM VENÂNCIO

PROJETO POLÍTICO PEDAGÓGICO DA DISCIPLINA AUDIOVISUAL DA ESCOLA POLITÉCNICA DE SAÚDE JOAQUIM VENÂNCIO PROJETO POLÍTICO PEDAGÓGICO DA DISCIPLINA AUDIOVISUAL DA ESCOLA POLITÉCNICA DE SAÚDE JOAQUIM VENÂNCIO 1. AUDIOVISUAL NO ENSINO MÉDIO O audiovisual tem como finalidade realizar-se como crítica da cultura,

Leia mais

PRÁTICAS LETRADAS NO AMBIENTE DAS BIBLIOTECAS: Um estudo no IF Sertão Pernambucano. Tatiane Lemos Alves 1

PRÁTICAS LETRADAS NO AMBIENTE DAS BIBLIOTECAS: Um estudo no IF Sertão Pernambucano. Tatiane Lemos Alves 1 PRÁTICAS LETRADAS NO AMBIENTE DAS BIBLIOTECAS: Um estudo no IF Sertão Pernambucano Tatiane Lemos Alves 1 RESUMO A leitura, inicialmente, veio atrelada à questão do incentivo e desenvolvimento do hábito

Leia mais

A EDUCAÇÃO E A ESCOLA NUMA PERSPECTIVA GRAMSCIANA

A EDUCAÇÃO E A ESCOLA NUMA PERSPECTIVA GRAMSCIANA A EDUCAÇÃO E A ESCOLA NUMA PERSPECTIVA GRAMSCIANA CARDOSO NETO, Odorico Ferreira i ; CAMPOS, Cleanil Fátima Araújo Bastos ii ; FREITAS, Cleyson Santana de iii ; CABRAL, Cristiano Apolucena iv ; ADAMS,

Leia mais

A TRANSVERSALIDADE DA EDUCAÇÃO AMBIENTAL COM O APOIO DA MÚSICA, EM UMA EXPERIÊNCIA NO ENSINO FUNDAMENTAL I

A TRANSVERSALIDADE DA EDUCAÇÃO AMBIENTAL COM O APOIO DA MÚSICA, EM UMA EXPERIÊNCIA NO ENSINO FUNDAMENTAL I A TRANSVERSALIDADE DA EDUCAÇÃO AMBIENTAL COM O APOIO DA MÚSICA, EM UMA EXPERIÊNCIA NO ENSINO FUNDAMENTAL I CAMPELO, Luciana Galdino de Azevedo¹; RODRIGUES, Andreza Alves Guimarães²; ARAÚJO, Albanira Duarte

Leia mais

SERVIÇO SOCIAL. Disciplina: Metodologia Científica. Número de créditos: 04. Carga horária: 80

SERVIÇO SOCIAL. Disciplina: Metodologia Científica. Número de créditos: 04. Carga horária: 80 Disciplina: Metodologia Científica SERVIÇO SOCIAL Ementa: Finalidade da metodologia científica. Importância da metodologia Número âmbito das ciências. Metodologia de estudos. O conhecimento e suas formas.

Leia mais

PROGRAMA INSTITUCIONAL DE BOLSA DE INICIAÇÃO À DOCÊNCIA - PIBID

PROGRAMA INSTITUCIONAL DE BOLSA DE INICIAÇÃO À DOCÊNCIA - PIBID PROGRAMA INSTITUCIONAL DE BOLSA DE INICIAÇÃO À DOCÊNCIA - PIBID DETALHAMENTO DO SUBPROJETO 1. Unidade: 2. Área do Subprojeto: Dourados 3. Curso(s) envolvido(s) na proposta: Letras - Inglês Obs.: Para proposta

Leia mais

Palavras-chave: Escola, Educação Física, Legitimidade e cultura corporal.

Palavras-chave: Escola, Educação Física, Legitimidade e cultura corporal. A ORGANIZAÇÃO DO TRABALHO PEDAGÓGICO DA EDUCAÇÃO FÍSICA NA ESCOLA MUNICIPAL RECANTO DO BOSQUE: LIMITES E POSSIBILIDADES PARA UMA INTERVENÇÃO PEDAGÓGICA A PARTIR DO SUBPROJETO DA EDUCAÇÃO FÍSICA DA ESEFFEGO/UEG.

Leia mais

Proposta Curricular do Estado de São Paulo para a Disciplina de Sociologia

Proposta Curricular do Estado de São Paulo para a Disciplina de Sociologia Proposta Curricular do Estado de São Paulo para a Disciplina de Ensino Médio Elaborar uma proposta curricular para implica considerar as concepções anteriores que orientaram, em diferentes momentos, os

Leia mais

Rede Jovem de Cidadania, programa de TV de Acesso público. Alexia Melo. Clebin Quirino. Michel Brasil. Gracielle Fonseca. Rafaela Lima.

Rede Jovem de Cidadania, programa de TV de Acesso público. Alexia Melo. Clebin Quirino. Michel Brasil. Gracielle Fonseca. Rafaela Lima. Rede Jovem de Cidadania, programa de TV de Acesso público Alexia Melo Clebin Quirino Michel Brasil Gracielle Fonseca Rafaela Lima Satiro Saone O projeto Rede Jovem de Cidadania é uma iniciativa da Associação

Leia mais

CURSO DE PEDAGOGIA EMENTÁRIO DAS DISCIPLINAS EMENTÁRIO DAS DISCIPLINAS DO CURSO DE PEDAGOGIA

CURSO DE PEDAGOGIA EMENTÁRIO DAS DISCIPLINAS EMENTÁRIO DAS DISCIPLINAS DO CURSO DE PEDAGOGIA 1 CURSO DE EMENTÁRIO DAS DISCIPLINAS BRUSQUE (SC) 2012 2 SUMÁRIO 1ª FASE... 4 01 BIOLOGIA EDUCACIONAL... 4 02 INVESTIGAÇÃO PEDAGÓGICA: DIVERSIDADE CULTURAL NA APRENDIZAGEM... 4 03 METODOLOGIA CIENTÍFICA...

Leia mais

Projeto Música e Cidadania no CAp: Extensão, Universidade, Comunidade

Projeto Música e Cidadania no CAp: Extensão, Universidade, Comunidade 1 Projeto Música e Cidadania no CAp: Extensão, Universidade, Comunidade Maria Helena de Lima helenal@terra.com.br/helena.lima@ufrgs.br Universidade Federal do Rio Grande do Sul Resumo. Este artigo constitui

Leia mais

A IMPORTÂNCIA DO ENSINO DE HISTÓRIA NAS ESCOLAS E SUAS IMPLICAÇÕES NA VIDA SOCIAL

A IMPORTÂNCIA DO ENSINO DE HISTÓRIA NAS ESCOLAS E SUAS IMPLICAÇÕES NA VIDA SOCIAL A IMPORTÂNCIA DO ENSINO DE HISTÓRIA NAS ESCOLAS E SUAS IMPLICAÇÕES NA VIDA SOCIAL Alex Silva Costa 1 Resumo O artigo procura analisar o desenvolvimento do ensino da disciplina de História na educação brasileira,

Leia mais

A INSERÇÃO DO PIBID NA FORMAÇÃO DOCENTE NO CURSO DE LICENCIATURA EM EDUCAÇÃO DO CAMPO DA UFCG

A INSERÇÃO DO PIBID NA FORMAÇÃO DOCENTE NO CURSO DE LICENCIATURA EM EDUCAÇÃO DO CAMPO DA UFCG A INSERÇÃO DO PIBID NA FORMAÇÃO DOCENTE NO CURSO DE LICENCIATURA EM EDUCAÇÃO DO CAMPO DA UFCG Andréa Augusta de Morais Ramos 1 /UFCG-CDSA - andreaedu.15@gmail.com Fabiano Custódio de Oliveira 2 /UFCG-CDSA

Leia mais

RELATÓRIO FINAL DE FUNCIONAMENTO DOS SIMPÓSIOS TEMÁTICOS

RELATÓRIO FINAL DE FUNCIONAMENTO DOS SIMPÓSIOS TEMÁTICOS RELATÓRIO FINAL DE FUNCIONAMENTO DOS SIMPÓSIOS TEMÁTICOS Comissão Organizadora e Secretaria do II Congresso Internacional: História e Mídia A Comissão Organizadora do II Congresso Internacional: História

Leia mais

SERRANO, Carlos, WALDMAN, Maurício. Memória d África: a temática africana em sala de aula. São Paulo: Cortez, 2007. 327 p.

SERRANO, Carlos, WALDMAN, Maurício. Memória d África: a temática africana em sala de aula. São Paulo: Cortez, 2007. 327 p. SERRANO, Carlos, WALDMAN, Maurício. Memória d África: a temática africana em sala de aula. São Paulo: Cortez, 2007. 327 p. Ana Cláudia da SILVA A publicação da Lei Nº. 10.639, de 9 de janeiro de 2003,

Leia mais

CORPO FEMININO E DETERMINAÇÕES DA INDÚSTRIA CULTURAL: CONTRIBUIÇÕES DA PSICOLOGIA SOCIAL Bruna Trevizoli Ferraz Lobo 1

CORPO FEMININO E DETERMINAÇÕES DA INDÚSTRIA CULTURAL: CONTRIBUIÇÕES DA PSICOLOGIA SOCIAL Bruna Trevizoli Ferraz Lobo 1 CORPO FEMININO E DETERMINAÇÕES DA INDÚSTRIA CULTURAL: CONTRIBUIÇÕES DA PSICOLOGIA SOCIAL Bruna Trevizoli Ferraz Lobo 1 (Orientador) Profa. Dra. Tatiana Machiavelli Carmo Souza 2 RESUMO O presente trabalho

Leia mais

As Escolas Famílias Agrícolas do Território Rural da Serra do Brigadeiro

As Escolas Famílias Agrícolas do Território Rural da Serra do Brigadeiro As Escolas Famílias Agrícolas do Território Rural da Serra do Brigadeiro VIEIRA, Tatiana da Rocha UFV - pedagogia_tati@yahoo.com.br BARBOSA, Willer Araújo UFV- wbarbosa@ufv.br Resumo: O trabalho apresentado

Leia mais

ESTRUTURA CURRICULAR:

ESTRUTURA CURRICULAR: ESTRUTURA CURRICULAR: Definição dos Componentes Curriculares Os componentes curriculares do Eixo 1 Conhecimentos Científico-culturais articula conhecimentos específicos da área de história que norteiam

Leia mais

Formação docente e movimentos sociais: diálogos e tensões cotidianas

Formação docente e movimentos sociais: diálogos e tensões cotidianas A PRÁTICA PEDAGÓGICA E MOVIMENTOS SOCIAIS: DIÁLOGOS FORMATIVOS PARA O TRABALHO DOCENTE NA PEDAGOGIA DA ALTERNÂNCIA Eliziane Santana dos Santos 1 Ludmila Oliveira Holanda Cavalcante 2 ¹ Bolsista FAPESB,

Leia mais

Palavras-chave: Docência; cultura; Cultura afro-brasileira e indígena.

Palavras-chave: Docência; cultura; Cultura afro-brasileira e indígena. RELATO DA MINHA PRIMEIRA EXPERIÊNCIA NA DOCÊNCIA: 1º SEMINÁRIO DE CULTURA AFRO-BRASILEIRA E INDÍGENA: DESCONSTRUINDO CONCEITOS, ROMPENDO PRECONCEITOS. Raquel Chaiane Amaro de Jesus 1 RESUMO Este trabalho

Leia mais

...Anais Eletrônicos da II Semana de História do Pontal 26, 27 e 28 de junho de 2013 Ituiutaba, MG

...Anais Eletrônicos da II Semana de História do Pontal 26, 27 e 28 de junho de 2013 Ituiutaba, MG CINEMA NO ESPAÇO ESCOLAR: rediscutindo cidadania e diversidade RESUMO: Meireslaine Nascimento da Silva Graduanda do curso de Pedagogia, bolsista Pet (Re) conectando Saberes - FACIPUFU/MEC/SESU/SECAD, meireslainepetg@gmail.com.

Leia mais

Palavras-chave: gêneros textuais, resenha crítica, ensino, leitura e produção textual

Palavras-chave: gêneros textuais, resenha crítica, ensino, leitura e produção textual RESENHA CRÍTICA NO ENSINO DE LÍNGUA PORTUGUESA: PRÁTICAS DE ANÁLISE E PRODUÇÃO DE TEXTOS Valdisnei Martins de CAMPOS Letras - CAC/UFG; valdis_martins@hotmail.com Erislane Rodrigues RIBEIRO Letras - CAC/UFG;

Leia mais

GRADUAÇÃO E FORMAÇÃO INTERDISCIPLINAR: DESAFIOS CONTEMPORÂNEOS. Sonia Sampaio IHAC/UFBA

GRADUAÇÃO E FORMAÇÃO INTERDISCIPLINAR: DESAFIOS CONTEMPORÂNEOS. Sonia Sampaio IHAC/UFBA GRADUAÇÃO E FORMAÇÃO INTERDISCIPLINAR: DESAFIOS CONTEMPORÂNEOS Sonia Sampaio IHAC/UFBA BACHARELADOS INTERDISCIPLINARES NA UFBA CAMPUS SALVADOR Percurso e contexto da espacialização do IHAC no período 2008-2013

Leia mais

Jambo! Uma Manhã com os Bichos da África

Jambo! Uma Manhã com os Bichos da África elaboração: PROF. DR. JOSÉ NICOLAU GREGORIN FILHO Jambo! Uma Manhã com os Bichos da África escrito por & ilustrado por Rogério de A. Barbosa Eduardo Engel Os Projetos de Leitura: concepção Buscando o oferecimento

Leia mais

O TRABALHO COMO PRINCÍPIO EDUCATIVO NA PEDAGOGIA DA ALTERNÂNCIA: ANÁLISE DO PLANO DE ESTUDO Melo, Érica Ferreira Melo 1 SILVA, Lourdes Helena 2

O TRABALHO COMO PRINCÍPIO EDUCATIVO NA PEDAGOGIA DA ALTERNÂNCIA: ANÁLISE DO PLANO DE ESTUDO Melo, Érica Ferreira Melo 1 SILVA, Lourdes Helena 2 O TRABALHO COMO PRINCÍPIO EDUCATIVO NA PEDAGOGIA DA ALTERNÂNCIA: ANÁLISE DO PLANO DE ESTUDO Melo, Érica Ferreira Melo 1 SILVA, Lourdes Helena 2 RESUMO Nos CEFFAs o processo de ensino e aprendizagem se

Leia mais

A temática Sistema Nacional de Educação foi dissertada pela Profa. Flávia Maria Barros Nogueira Diretora da SASE.

A temática Sistema Nacional de Educação foi dissertada pela Profa. Flávia Maria Barros Nogueira Diretora da SASE. CARTA DE RECIFE O Fórum Nacional de Conselhos Estaduais de Educação realizou em Recife, no período de 16 a 18 de setembro a Reunião Plenária da Região Nordeste, com a participação dos Conselhos Estaduais

Leia mais

1. O feminino e a publicidade: em busca de sentido

1. O feminino e a publicidade: em busca de sentido 1. O feminino e a publicidade: em busca de sentido No estudo da Comunicação, a publicidade deve figurar como um dos campos de maior interesse para pesquisadores e críticos das Ciências Sociais e Humanas.

Leia mais

Resenha Práticas avaliativas e aprendizagens significativas em diferentes áreas do currículo

Resenha Práticas avaliativas e aprendizagens significativas em diferentes áreas do currículo Resenha Práticas avaliativas e aprendizagens significativas em diferentes áreas do currículo (SILVA, Jansen Felipe; HOFFMAN, Jussara; ESTABAN, Maria Teresa. Porto Alegre: Mediação. 2003). André Luiz da

Leia mais