INTRODUÇÃO A BANCO DE DADOS

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "INTRODUÇÃO A BANCO DE DADOS"

Transcrição

1 UNINGÁ UNIDADE DE ENSINO SUPERIOR INGÁ FACULDADE INGÁ DEPARTAMENTO DE CIÊNCIA DA COMPUTAÇÃO ERINALDO SANCHES NASCIMENTO INTRODUÇÃO A BANCO DE DADOS MARINGÁ 2014

2 SUMÁRIO 2 INTRODUÇÃO A BANCO DE DADOS CARACTERÍSTICAS DA ABORDAGEM DE BANCO DE DADOS Natureza de Autodescrição de um Sistema de Banco de Dados Isolamento Entre Programas e Dados, e Abstração de Dados Suporte para Múltiplas Visões dos Dados Compartilhamento de Dados e Processamento de Transação Multiusuário ADMINISTRADORES, PROJETISTAS E USUÁRIOS Administradores de Banco de Dados Projetista de Banco de Dados Usuários Finais Analistas de Sistemas e Engenheiros de Software MANTENEDORES DO AMBIENTE DO SISTEMA DE BANCO DE DADOS VANTAGENS DE USAR A ABORDAGEM DE SGBD Controlar a Redundância Restringir o Acesso Não Autorizado Oferecer Armazenamento Persistente para Objetos do Programa Oferecer Estruturas de Armazenamento e Técnicas de Pesquisa para o Processamento Eficiente de Consulta Oferecer Backup e Recuperação Oferecer Múltiplas Interfaces do Usuário Representar Relacionamentos Complexos entre Dados Impor Restrições de Integridade Permitir Dedução e Ações Usando Regras Implicações Adicionais DESVANTAGENS AO USAR UM SGBD EXERCÍCIOS REFERÊNCIA BIBLIOGRÁFICA...18

3 2 INTRODUÇÃO A BANCO DE DADOS Encontramos diariamente diversas aplicações de banco de dados tradicionais, em que a maior parte da informação armazenada é textual ou numérica. Por exemplo: Ir ao banco depositar ou retirar fundos. Fazer uma reserva de hotel ou de voo. Acessar o catálogo de uma biblioteca virtual para procurar uma referência bibliográfica. Fazer compra on-line. Atualizar automaticamente o estoque ao realizar uma compra de produtos em um supermercado. Nos últimos anos, os avanços na tecnologia levaram a interessantes novas aplicações dos sistemas de banco de dados. Armazenar imagens, clipes de áudio e streams de vídeo digitalmente (banco de dados de multimídia). Armazenar e analisar mapas, dados sobre o clima e imagens de satélite (sistemas de informações geográficas GIS Geographic Information Systems). Extrair e analisar informações comerciais para ajudar na tomada de decisão (sistemas de data warehousing e de processamento analítico on-line OLPA On- Line Analytical Processing). Controlar processos industriais e de manufatura (tecnologia de tempo real e banco de dados ativo). Buscar por informações necessárias feitas pelos usuários que utilizam a Internet. Os bancos de dados desempenham um papel crítico em quase todas as áreas em que os computadores são usados (negócios, comércio eletrônico, engenharia, medicina, genética, direito, educação, biblioteconomia, etc.). Um banco de dados (database) é uma coleção de dados relacionados. Os dados são fatos conhecidos que podem ser registrados e possuem significado implícito. O uso do termo banco de dados é restrito as seguintes propriedades implícitas: Um banco de dados representa algum aspecto do mundo real, onde suas mudanças são refletidas no banco de dados. 2

4 Um banco de dados é uma coleção logicamente coerente de dados com algum significado inerente. Um banco de dados é projetado, construído, populado com dados, possui um grupo definido de usuários, e algumas aplicações previamente concebidas, para uma finalidade específica. Um banco de dados tem alguma fonte da qual o dado é derivado, algum grau de interação com eventos no mundo real e um público interessado no seu conteúdo. Para que um banco de dados seja preciso e confiável o tempo todo, as mudanças no minimundo (mundo real) precisam ser refletidas nele o mais breve possível. Um banco de dados pode ter qualquer tamanho e complexidade. As informações precisam ser organizadas e gerenciadas de modo que os usuários possam consultar, recuperar e atualizar os dados quando necessário. Um banco de dados pode ser gerado e mantido manualmente ou computadorizado. Um banco de dados computadorizado pode ser criado e mantido por um grupo de programas de aplicação específicos para essa tarefa ou por um sistema gerenciador de banco de dados. Um sistema gerenciador de banco de dados (SGBD Database Management System) é uma coleção de programas que permite aos usuários criar e manter um banco de dados. O SGBD facilita o processo de definição, construção, manipulação e compartilhamento de bancos de dados entre diversos usuários e aplicações. Definir um banco de dados envolve especificar os tipos, estruturas e restrições dos dados a serem armazenados. Construir um banco de dados é o processo de armazenar os dados em algum meio controlado pelo SGBD. Manipular um banco de dados inclui funções no banco de dados como consultas para recuperar dados específicos, atualização que reflita mudanças no minimundo e geração de relatórios com base nos dados. Compartilhar banco de dados é permitir que diversos usuários e programas acessem-no simultaneamente. Outras funções importantes fornecidas pelo SGBD incluem proteção e manutenção do banco de dados por um longo período. A proteção pode ser contra defeitos (falhas) de hardware e software ou contra acesso não autorizado ou malicioso (segurança). A manutenção permite a evolução do sistema de banco de dados ao longo do ciclo de vida, 3

5 à medida que os requisitos mudem com o tempo. Figura 1 Diagrama simplificado de um ambiente de sistema de banco de dados. 2.1 CARACTERÍSTICAS DA ABORDAGEM DE BANCO DE DADOS Na abordagem de banco de dados, um único repositório mantém dados que são definidos uma vez e depois acessados por vários usuários. Os nomes ou rótulos de dados são definidos uma vez, e usados repetidamente por consultas, transações e aplicações Natureza de Autodescrição de um Sistema de Banco de Dados Na abordagem de banco de dados seu sistema contém não apenas o banco de dados, mas também uma definição ou descrição completa de sua estrutura e restrições. Essa definição é armazenada no catálogo do SGBD. A informação armazenada no 4

6 catálogo é chamada metadados. O catálogo é usado pelo software de SGBD e também pelos usuários do banco de dados que precisam de informações sobre a estrutura do banco de dados (tipo e o formato dos dados). O software SGBD precisa trabalhar de forma satisfatória com qualquer quantidade de aplicações de banco de dados Isolamento Entre Programas e Dados, e Abstração de Dados Na maioria dos casos, quaisquer mudanças na estrutura de dados do SGBD não exige mudanças nos programas que acessam o banco de dados. A estrutura dos arquivos de dados é armazenada no catálogo do SGBD separadamente dos programas de acesso. Essa propriedade é chamada de independência de dados do programa. Em alguns tipos de sistemas de banco de dados os usuários podem definir operações (funções ou métodos) sobre como os dados como parte das definições de banco de dados. A interface de uma operação inclui o nome da operação e os tipos de dados de seus argumentos (parâmetros). A implementação (método) da operação é especificada separadamente e pode ser alterada sem afetar a interface. Isso é chamado de independência da operação do programa. A independência de dados do programa e a independência da operação do programa é chamada de abstração de dados. A representação conceitual de dados não inclui muitos detalhes de como os dados são armazenados ou como as operações são implementadas. Um modelo de dados é um tipo de abstração de dados usado para oferecer essa representação conceitual. Na abordagem de banco de dados, a estrutura detalhada e a organização de cada arquivo são armazenadas no catálogo. Os usuários do banco de dados e os programas de aplicação se referem à representação conceitual dos arquivos, e o SGBD extrai os detalhes do armazenamento do arquivo do catálogo quando estes são necessários para os módulos de acesso a arquivo do SGBD. 5

7 2.1.3 Suporte para Múltiplas Visões dos Dados Cada usuário do banco de dados pode exigir um ponto de vista ou visão (view) diferente do banco de dados. Uma visão pode ser um subconjunto do banco de dados ou conter dado virtual que é derivado dos arquivos de banco de dados, mas não estão armazenados explicitamente. Um SGBD multiusuário precisa oferecer facilidades para definir múltiplas visões Compartilhamento de Dados e Processamento de Transação Multiusuário Um SGBD multiusuário precisa permitir que múltiplos usuários acessem o banco de dados ao mesmo tempo. O SGBD precisa incluir um software de controle de concorrência para garantir que vários usuários tentando atualizar o mesmo dados faça isso de uma maneira controlada, de modo que o resultado dessas atualizações seja correto. Esses tipos de aplicações são chamados OLTP (On-Line Transaction Processing, processamento de transações on-line). Por exemplo, se vários agentes de viagem tentam reservar um assento em um voo de uma companhia aérea. O SGBD precisa garantir que cada assento só possa ser acessado por um agente de cada vez para que seja atribuído a um único passageiro. Um papel do software SGBD multiusuário é garantir que as transações concorrentes operem de maneira correta e eficiente. Uma transação é um programa em execução ou processo que inclui um ou mais acessos ao banco de dados, como a leitura ou atualização de seus registros. Uma transação executa um acesso logicamente correto a um banco de dados quando ele é executada de forma completa e sem interferência de outras operações. O SGBD precisa impor várias propriedades de transação, como: Isolamento, que garante cada transação parecer executar isoladamente das demais, embora centenas de transações possam executar concorrentemente. Atomicidade, que garante a todas as operações em uma transação serem executadas ou que nenhuma seja. 6

8 2.2 ADMINISTRADORES, PROJETISTAS E USUÁRIOS Em grandes organizações, muitas pessoas estão envolvidas no projeto, no uso e na manutenção de um grande banco de dados, com centenas de usuários Administradores de Banco de Dados Em um ambiente de banco de dados o banco de dados é o recurso principal, e o SGBD e os softwares são os recursos secundários. A administração desses recursos é de responsabilidade do administrador de banco de dados (DBA database administrator). O DBA é responsável por: Autorizar o acesso ao banco de dados. Coordenar e monitorar seu uso. Adquirir recursos de software e hardware conforme a necessidade. Responsável por resolver problemas como falhas na segurança e demora no tempo de resposta do sistema Projetista de Banco de Dados Em muitos casos, os projetistas estão na equipe de DBAs e são responsáveis por: Identificar os dados a serem armazenados. Escolher estruturas apropriadas para representar e armazenar os dados. Se comunicar com todos os potenciais usuários a fim de entender suas necessidades e criar um projeto que as atenda. Desenvolver visões do banco de dados que cumpram os requisitos de dados e processamento de cada potencial grupo de usuários. 7

9 2.2.3 Usuários Finais O banco de dados existe primariamente para atender os usuário finais. Existem várias categorias de usuários finais: Casuais, são os gerentes de nível intermediário ou alto. Utilizam uma linguagem sofisticada de consulta ao banco de dados para especificar suas necessidades. Iniciantes ou paramétricos, são os caixas de banco, agentes de companhias aéreas, hotéis e locadoras de automóveis, funcionários nas estações de recebimento de transportadores, entre outros. Sua função principal gira em torno de consultar e atualizar o banco de dados constantemente, usando transações programadas, que foram cuidadosamente programadas e testadas. Sofisticados, são os engenheiros, cientistas, analistas de negócios e outros que estão profundamente familiarizados com as facilidades do SGBD a ponto de implementar as próprias aplicações que atendam suas necessidades. Isolados, que mantêm bancos de dados pessoais usando pacotes de programas prontos, que oferecem interfaces de fácil utilização, baseadas em menu ou gráficos Analistas de Sistemas e Engenheiros de Software Os analistas de sistemas identificam as necessidades dos usuários finais, especialmente os iniciantes e paramétricos, e definem as especificações das transações padrão que atendam a elas. Os programadores de aplicações (engenheiros de software e desenvolvedores de sistemas de software) implementam essas especificações como programas, testam, depuram, documentam e mantêm essas transações programadas. 8

10 2.3 MANTENEDORES DO AMBIENTE DO SISTEMA DE BANCO DE DADOS As pessoas associadas ao projeto, desenvolvimento e operação do software e ambiente de sistema do SGBD, normalmente não estão interessadas no conteúdo do banco de dados. Elas são incluídas nas seguintes categorias: Projetistas e implementadores de sistema de SGBD Desenvolvedores de ferramentas (pacotes de software que facilitam a modelagem e o projeto do banco de dados, o projeto do sistema de banco de dados e a melhoria no desempenho). Operadores e pessoal de manutenção (administração de sistemas). Essas categorias de trabalhadores tornam o sistema de banco de dados disponível aos usuários finais. 2.4 VANTAGENS DE USAR A ABORDAGEM DE SGBD Um SGBD possui vantagens e capacidades que o DBA deve utilizar para cumprir uma série de objetivos relacionados ao projeto, à administração e ao uso de um grande bando de dados multiusuário Controlar a Redundância Na abordagem de banco de dados, as visões de diferentes grupos de usuários são integradas durante o projeto. O ideal é ter um projeto que armazena cada item de dados lógico em apenas um lugar no banco de dados. Isso é conhecido como normalização de dados, e garante consistência e economia de espaço de armazenamento. Porém, na prática, às vezes é necessário usar a redundância controlada para melhorar o desempenho das consultas. Isso é conhecido como desnormalização. Nesses casos, o SGBD deve ter a capacidade de controlar essa redundância a fim de proibir 9

11 inconsistências entre os arquivos Restringir o Acesso Não Autorizado Quando vários usuários compartilham um grande banco de dados, é provável que a maioria deles não esteja autorizada a acessar todas as informações nele contidas. Alguns usuários só podem ter permissão para recuperar dados, enquanto outros podem recuperar e atualizar. Assim, o tipo de operação de acesso também deve ser controlado. Um SGBD deve oferecer um subsistema de segurança e autorização, que o DBA utiliza para criar contas e especificar suas restrições. Controles semelhantes podem ser aplicados ao software de SGBD, onde somente o DBA está autorizado a usar certo software privilegiado, como o software para criar contas Oferecer Armazenamento Persistente para Objetos do Programa Um objeto é considerado persistente quando sobrevive ao término da execução e pode ser recuperado mais tarde. O armazenamento persistente de objetos de programa e estruturas de dados é uma função importante dos sistemas de banco de dados Oferecer Estruturas de Armazenamento e Técnicas de Pesquisa para o Processamento Eficiente de Consulta Os sistemas de banco de dados precisam oferecer capacidades para executar consultas e atualizações de modo eficiente. Índices, são arquivos auxiliares que agilizam a busca dos registros desejados no disco. 10

12 Processamento e otimização de consulta do SGBD é um módulo responsável por escolher um plano de execução eficiente para cada consulta, com base nas estruturas de armazenamento existentes Oferecer Backup e Recuperação O subsistema de backup e recuperação do SGBD é responsável por recuperar-se de falha de hardware e software. Se o sistema do computador falhar em meio a uma transação, o subsistema de recuperação garante que o banco de dados seja recuperado ao estado em que estava antes de uma transação se executada. O backup de disco também é necessário no caso de uma falha de disco catastrófica Oferecer Múltiplas Interfaces do Usuário As interfaces de usuário incluem linguagens de consulta para usuário casuais, interfaces de linguagem de programação para programadores de aplicação, formulários e códigos de comando para usuários paramétricos e interfaces controladas por menu e de linguagem natural para usuário isolados Representar Relacionamentos Complexos entre Dados Um SGBD precisa ter a capacidade de representar uma série de relacionamentos complexos entre dados, definir novos relacionamentos à medida que eles surgem e recuperar e atualizar dados relacionados de modo fácil e eficaz. 11

13 2.4.8 Impor Restrições de Integridade O tipo mais simples de restrição de integridade envolve especificar um tipo de dado para cada item de dado. Um tipo de restrição mais complexo, que ocorre com frequência, envolve especificar que um registro em um arquivo deve estar relacionado a registro em outros arquivos. Isso é conhecido como restrição de integridade referencial. Outro tipo de restrição especifica a exclusividade sobre valores de item de dados. Isso é conhecido como uma restrição de chave ou singularidade. É responsabilidade dos projetistas de banco de dados identificar restrições de integridade durante o projeto. Algumas restrições podem ser especificadas ao SGBD e impostas automaticamente. Outras podem ter que ser verificadas por programas de atualização ou no momento da entrada de dados. Tais restrições são chamadas de regras de negócio Permitir Dedução e Ações Usando Regras Nos sistemas de banco de dados relacionais é possível associar gatilhos (triggers) a tabelas. Um gatilho é uma forma de regra ativada por atualizações na tabela, que resulta na realização de algumas operações adicionais em algumas outras tabelas, envio de mensagens, e assim por diante. Procedimentos mais elaborados para impor regras são popularmente chamados de procedimentos armazenados (stored procedures). Eles se tornam parte da definição geral de banco de dados e são chamados de forma apropriada quando certas condições são atendidas Implicações Adicionais Algumas implicações adicionais do uso da abordagem de banco de dados que 12

14 podem beneficiar a maioria das organizações. Potencial para garantir padrões. Tempo reduzido para desenvolvimento de aplicação. Flexibilidade. Disponibilidade de informações atualizadas. Economias de escala. 2.5 DESVANTAGENS AO USAR UM SGBD Existem algumas situações em que esse sistema pode envolver custos adicionais desnecessários, que não aconteceriam no processamento tradicional de arquivos. Alto investimento inicial em hardware, software e treinamento. A generalidade que um SGBD oferece para a definição e o processamento de dados. Esforço adicional para oferecer funções de segurança, controle de concorrência, recuperação e integridade. Pode ser mais desejável usar arquivos comuns sob as seguintes circunstâncias: Aplicações de banco de dados simples e bem definidas, para as quais não se espera muitas mudanças. Requisitos rigorosos, de tempo real, para alguns programas de aplicação, que podem não ser atendidos devido as operações extras executadas pelo SGBD. Sistemas embarcados com capacidade de armazenamento limitada, onde um SGBD de uso geral não seria apropriado. Nenhum acesso de múltiplos usuários de dados. 13

15 2.6 EXERCÍCIOS 1. Defina os seguintes termos: a) Dados b) Banco de dados g) Visão do usuário h) DBA c) SGBD i) Usuário final d) Sistema de banco de dados j) Transação programada e) Catálogo de banco de dados k) Objeto persistente f) Independência entre dados e programas l) Metadados 2. Assinale V para verdadeiro e F para falso: ( ) Não há processo manual em um sistema de informações, porque mão é possível descrevê-lo. ( ) Um dado do tipo artificial normalmente é gerado por dois ou mais dados naturais. ( ) Não é possível se fazer o estudo de um sistema sem estudar os processos. ( ) O dado é independente do processo. ( ) Não se consegue estruturar os dados de um sistema sem conhecer profundamente os processos que os manipulam. ( ) O modelo conceitual de dados pode apresentar redundância de dados quando o banco de dados a ser desenvolvido for do tipo hierárquico. ( ) Quando se constrói o modelo conceitual de dados já se sabe as redundâncias controladas que deverão fazer parte do modelo físico de dados. ( ) Um sistema de informações, se for implementado com três configurações diferentes: com arquitetura centralizada utilizando um host; ou com arquitetura cliente/servidor; ou totalmente manual, terá o mesmo modelo conceitual de dados. ( ) O modelo conceitual de dados não precisa ser validado com os usuários. ( ) O processo é o elemento mais estável de um sistema de informações. ( ) Os dados nascem no nível operacional da organização e caminham no sentido do nível estratégico. ( ) No ciclo de vida de um sistema de informações, o modelo conceitual de dados é desenvolvido durante a fase de análise. ( ) O detalhamento dos processos durante a fase de análise podem trazer ajustes no modelo conceitual. ( ) Um esquema de um SGBD é identificado por um nome e uma identificação de 14

16 autorização, que indica o usuário ou conta a qual o esquema pertence, bem como os descritores de cada elemento. ( ) Os procedimentos armazenados no servidor de banco de dados podem ser invocados por inúmeras aplicações. ( ) SGBD utiliza o conceito de atomicidade do registro, assegurando que, uma vez detectada uma falha na operação com o registro, os dados sejam salvos em seu último estado consistente, anterior a essa falha. ( ) SGBD, que é formado por uma coleção de arquivos e programas inter-relacionados, tem por objetivo garantir que o acesso para consultas e alterações dos dados nos arquivos seja limitado a um único administrador, responsável por efetuar as modificações e atualizações requeridas pelos usuários do sistema. 3. Preencha com: (1) Dado natural (2) Dado derivado (3) Dado artificial ( ) dataadmissaofuncionario ( ) salarioliquido ( ) tempocasafuncionario ( ) codseqarquivofuncionario ( ) tempocontribuicaofgts ( ) sexofuncionario ( ) salariobase ( ) codmatriculafuncionario 4. Preencha com: (D) dado (P) processo (F) fluxo ( ) Emitir nota fiscal ( ) Separa material rejeitado ( ) Nota fiscal ( ) Número da camisa do cliente ( ) codnotafiscal ( ) Lista de aprovados no vestibular ( ) notafinalaluno ( ) Comparar valores das mercadorias ( ) Histórico escolar ( ) Tabela de preço de passagens ( ) Decidir aprovação do aluno ( ) Aviso de desligamento funcional da ( ) Selecionar jogadores para a seleção empresa brasileira ( ) Valor do produto ( ) NomeJogadorSelecionado ( ) Apurar irregularidades fiscais ( ) Relação dos jogadores selecionados 5. Preencha com: (D) dado (C) conteúdo do dado ( ) Nome do programa de televisão ( ) Sebastian Vettel ( ) Domingão do Faustão ( ) R$ 35,00 15

17 ( ) Data de nascimento do aluno ( ) Nome do piloto ( ) 27/09/1997 ( ) Valor do sapato 6. (TST 2012) Um Sistema de Gerenciamento de Bancos de Dados (SGBD) a) é um ambiente de suporte ao desenvolvimento de projetos de banco de dados relacionais, que gera um modelo de banco de dados para ser implementado em um servidor. b) prepara aplicações para que possam acessar um ou mais bancos de dados. Na linguagem de programação Java, por exemplo, o JDBC (Java Data Base Connectivity) é um SGBD capaz de acessar dados de diferentes bancos. c) oferece um conjunto de ferramentas que possibilitam o gerenciamento de diferentes arquivos do tipo texto ou do tipo binário, armazenados em bancos de dados, limitados aos formatos UNICODE ou ASCII. d) consiste em uma tecnologia de servidores que opera sobre o protocolo HTTP para a troca de dados e informações através de arquivos que transportam mensagens no formato HTML. e) faz a gerência de uma ou mais bases de dados, permitindo o armazenamento e consulta de dados e informações pelos usuários finais e programas de aplicação. 7. (TJ-MG 2012) Em relação aos Sistemas Gerenciadores de Banco de Dados (SGBD), analise as seguinte afirmativas. I. A estrutura de arquivos de dados é armazenada no catálogo do SGBD separadamente do programa de acesso aos dados. II. O módulo do SGBD para o processamento de consulta e otimização é responsável por criar automaticamente índices que tornem as consultas mais efcientes. III. O módulo de armazenamento temporário (buffering) de partes do banco de dados em memória é somente utilizado nos processos de backup e recuperação do banco de dados. Assinale a alternativa CORRETA: a) A afirmativa I está incorreta e as afirmativas II e III estão corretas. b) A afirmativa II está incorreta e as afirmativas I e III estão corretas. c) A afirmativa I está correta e as alternativas II e III estão incorretas. d) A afirmativa II está correta e as afirmativas I e III estão incorretas. 8. (ENADE 2008) A Secretaria de Saúde de determinado município está executando um projeto de automação do seu sistema de atendimento médico e laboratorial, atualmente manual. O objetivo do projeto é melhorar a satisfação dos usuários com relação aos serviços prestados pela Secretaria. O sistema automatizado deve contemplar os 16

18 seguintes processos: marcação de consulta, manutenção de prontuário do paciente, além do pedido e do registro de resultados de exame laboratorial. A Secretaria possui vários postos de saúde e cada um deles atende a um ou mais bairros do município. As consultas a cada paciente são realizadas no posto de saúde mais próximo de onde ele reside. Os exames laboratoriais são realizados por laboratórios terceirizados e conveniados. A solução proposta pela equipe de desenvolvimento e implantação da automação contempla, entre outros, os seguintes aspectos: sistema computacional do tipo cliente-servidor na web, em que cada usuário cadastrado utiliza login e senha para fazer uso do sistema; uma aplicação, compartilhada por médicos e laboratórios, gerencia o pedido e o registro de resultados dos exames. Durante uma consulta o próprio médico registra o pedido de exames no sistema; uma aplicação, compartilhada por médicos e pacientes, permite que ambos tenham acesso aos resultados dos exames laboratoriais; uma aplicação, compartilhada por médicos e pacientes, que automatiza o prontuário dos pacientes, em que os registros em prontuário, efetuados por cada médico para cada paciente, estão disponíveis apenas para o paciente e o médico específicos. Além disso, cada médico pode fazer registros privados no prontuário do paciente, apenas visíveis por ele; uma aplicação, compartilhada por pacientes e atendentes de postos de saúde, que permite a marcação de consultas por pacientes e(ou) por atendentes. Esses atendentes atendem o paciente no balcão ou por telefone. a) Considerando o contexto acima, julgue os seguintes itens. I No contexto do projeto acima descrito, aquele que desempenha o papel de usuário do sistema de informação automatizado não é apenas o paciente, e aquele que desempenha o papel de cliente pode não ser um médico. II O sistema de informação manual atualmente em uso na referida secretaria de saúde não dá suporte aos processos de negócio dessa secretaria. III O projeto de automação dos serviços de saúde não é uma solução de outsourcing. IV No sistema acima, os riscos de não-repúdio são aumentados com a automação. V Para o gestor do sistema de informação a ser automatizado, a acessibilidade é uma característica de menor importância jurídica frente à necessidade de ampliar a 17

19 confidencialidade. Estão certos apenas os itens: a) I e II b) I e III c) II e IV d) III e V e) IV e V b) Considerando as informações apresentadas no texto e considerando ainda que entre os principais benefícios de um projeto de melhoria de sistema de informação destacam-se o aumento da: (I) eficiência (II) eficácia (III) integridade (IV) disponibilidade Faça o que se pede a seguir. a) Cite 4 vantagens da solução proposta, frente a atual, para tratar a interação entre pacientes e os serviços de saúde, sendo duas delas relativas à eficiência e duas relativas à eficácia b) Descreva 2 riscos de segurança da informação que aumentam quando se substitui o sistema atual pelo sistema proposto, e que são relativos à interação entre pacientes e os serviços da referida secretaria de saúde. Um dos riscos deve ser relativo à perda de disponibilidade e o outro, à perda de integridade. 2.7 REFERÊNCIA BIBLIOGRÁFICA ELMASRI, Ramez & NAVATHE, Shamkant B. Sistema de Banco de Dados, 6ª ed. São Paulo: Pearson Addison Wesley,

As principais características da abordagem de um banco de dados versus a abordagem de processamento de arquivos são as seguintes:

As principais características da abordagem de um banco de dados versus a abordagem de processamento de arquivos são as seguintes: SGBD Características do Emprego de Bancos de Dados As principais características da abordagem de um banco de dados versus a abordagem de processamento de arquivos são as seguintes: Natureza autodescritiva

Leia mais

04/08/2012 MODELAGEM DE DADOS. PROF. RAFAEL DIAS RIBEIRO, M.Sc. @ribeirord MODELAGEM DE DADOS. Aula 2. Prof. Rafael Dias Ribeiro. M.Sc.

04/08/2012 MODELAGEM DE DADOS. PROF. RAFAEL DIAS RIBEIRO, M.Sc. @ribeirord MODELAGEM DE DADOS. Aula 2. Prof. Rafael Dias Ribeiro. M.Sc. MODELAGEM DE DADOS PROF. RAFAEL DIAS RIBEIRO, M.Sc. @ribeirord MODELAGEM DE DADOS Aula 2 Prof. Rafael Dias Ribeiro. M.Sc. @ribeirord 1 Objetivos: Revisão sobre Banco de Dados e SGBDs Aprender as principais

Leia mais

Banco de Dados. Aula 1 - Prof. Bruno Moreno 16/08/2011

Banco de Dados. Aula 1 - Prof. Bruno Moreno 16/08/2011 Banco de Dados Aula 1 - Prof. Bruno Moreno 16/08/2011 Roteiro Apresentação do professor e disciplina Definição de Banco de Dados Sistema de BD vs Tradicional Principais características de BD Natureza autodescritiva

Leia mais

Programação com acesso a BD. Prof.: Clayton Maciel Costa clayton.maciel@ifrn.edu.br

Programação com acesso a BD. Prof.: Clayton Maciel Costa clayton.maciel@ifrn.edu.br Programação com acesso a BD Prof.: Clayton Maciel Costa clayton.maciel@ifrn.edu.br 1 Introdução BD desempenha papel crítico em todas as áreas em que computadores são utilizados: Banco: Depositar ou retirar

Leia mais

Para construção dos modelos físicos, será estudado o modelo Relacional como originalmente proposto por Codd.

Para construção dos modelos físicos, será estudado o modelo Relacional como originalmente proposto por Codd. Apresentação Este curso tem como objetivo, oferecer uma noção geral sobre a construção de sistemas de banco de dados. Para isto, é necessário estudar modelos para a construção de projetos lógicos de bancos

Leia mais

Roteiro. BCC321 - Banco de Dados I. Conceitos Básicos. Conceitos Básicos. O que é um banco de dados (BD)?

Roteiro. BCC321 - Banco de Dados I. Conceitos Básicos. Conceitos Básicos. O que é um banco de dados (BD)? Roteiro BCC321 - Banco de Dados I Luiz Henrique de Campos Merschmann Departamento de Computação Universidade Federal de Ouro Preto luizhenrique@iceb.ufop.br www.decom.ufop.br/luiz Conceitos Básicos Banco

Leia mais

Plano de Ensino. Apresentação da Unidade Curricular

Plano de Ensino. Apresentação da Unidade Curricular Plano de Ensino Plano de Ensino Apresentação da Unidade Curricular o Funcionamento, arquitetura e conceitos fundamentais dos bancos de dados relacionais e objeto relacionais. Utilização de linguagem DDL

Leia mais

Introdução. Conceitos Básicos. Conceitos Básicos. Conceitos Básicos

Introdução. Conceitos Básicos. Conceitos Básicos. Conceitos Básicos Conceitos Básicos Introdução Banco de Dados I Prof. Guilherme Tavares de Assis Universidade Federal de Ouro Preto UFOP Instituto de Ciências Exatas e Biológicas ICEB Departamento de Computação DECOM Dados

Leia mais

Dado: Fatos conhecidos que podem ser registrados e têm um significado implícito. Banco de Dados:

Dado: Fatos conhecidos que podem ser registrados e têm um significado implícito. Banco de Dados: MC536 Introdução Sumário Conceitos preliminares Funcionalidades Características principais Usuários Vantagens do uso de BDs Tendências mais recentes em SGBDs Algumas desvantagens Modelos de dados Classificação

Leia mais

Banco de Dados Aula 1 Introdução a Banco de Dados Introdução Sistema Gerenciador de Banco de Dados

Banco de Dados Aula 1 Introdução a Banco de Dados Introdução Sistema Gerenciador de Banco de Dados Banco de Dados Aula 1 Introdução a Banco de Dados Introdução Um Sistema Gerenciador de Banco de Dados (SGBD) é constituído por um conjunto de dados associados a um conjunto de programas para acesso a esses

Leia mais

Conceitos de Banco de Dados

Conceitos de Banco de Dados Conceitos de Banco de Dados Autor: Luiz Antonio Junior 1 INTRODUÇÃO Objetivos Introduzir conceitos básicos de Modelo de dados Introduzir conceitos básicos de Banco de dados Capacitar o aluno a construir

Leia mais

Sistemas de Banco de Dados Aspectos Gerais de Banco de Dados

Sistemas de Banco de Dados Aspectos Gerais de Banco de Dados Sistemas de Banco de Dados Aspectos Gerais de Banco de Dados 1. Conceitos Básicos No contexto de sistemas de banco de dados as palavras dado e informação possuem o mesmo significado, representando uma

Leia mais

Banco de Dados. Introdução. João Eduardo Ferreira Osvaldo Kotaro Takai. jef@ime.usp.br DCC-IME-USP

Banco de Dados. Introdução. João Eduardo Ferreira Osvaldo Kotaro Takai. jef@ime.usp.br DCC-IME-USP Banco de Dados Introdução João Eduardo Ferreira Osvaldo Kotaro Takai jef@ime.usp.br DCC-IME-USP Importância dos Bancos de Dados A competitividade das empresas depende de dados precisos e atualizados. Conforme

Leia mais

Softwares Aplicativos Banco de Dados

Softwares Aplicativos Banco de Dados Softwares Aplicativos Banco de Dados INTRODUÇÃO À ENGENHARIA DA COMPUTAÇÃO Professor: Rosalvo Ferreira de Oliveira Neto Estrutura 1. Definições 2. Serviços 3. Usuários 4. Evolução 5. Exemplos 03 Banco

Leia mais

Persistência e Banco de Dados em Jogos Digitais

Persistência e Banco de Dados em Jogos Digitais Persistência e Banco de Dados em Jogos Digitais Prof. Marcos Francisco Pereira da Silva Especialista em Engenharia de Software Jogos Digitais - Computação Gráfica 1 Agenda Vantagens de usar a abordagem

Leia mais

SISTEMA GERENCIADOR DE BANCO DE DADOS

SISTEMA GERENCIADOR DE BANCO DE DADOS BANCO DE DADOS Universidade do Estado de Santa Catarina Centro de Ciências Tecnológicas Departamento de Ciência da Computação Prof. Alexandre Veloso de Matos alexandre.matos@udesc.br SISTEMA GERENCIADOR

Leia mais

Introdução à Banco de Dados. Definição

Introdução à Banco de Dados. Definição Universidade Federal da Bahia Departamento de Ciência da Computação (DCC) Disciplina: Banco de Dados Profª. Daniela Barreiro Claro Introdução à Banco de Dados Definição Um banco de dados é uma coleção

Leia mais

INTRODUÇÃO E CONCEITOS BÁSICOS. Prof. Ronaldo R. Goldschmidt

INTRODUÇÃO E CONCEITOS BÁSICOS. Prof. Ronaldo R. Goldschmidt INTRODUÇÃO E CONCEITOS BÁSICOS Prof. Ronaldo R. Goldschmidt Hierarquia Dado - Informação - Conhecimento: Dados são fatos com significado implícito. Podem ser armazenados. Dados Processamento Informação

Leia mais

Evolução. Tópicos. Bancos de Dados - Introdução. Melissa Lemos. Evolução dos Sistemas de Informação Esquemas Modelos. Características de SGBDs

Evolução. Tópicos. Bancos de Dados - Introdução. Melissa Lemos. Evolução dos Sistemas de Informação Esquemas Modelos. Características de SGBDs 1 Bancos de Dados - Introdução Melissa Lemos melissa@inf.puc-rio.br Tópicos Evolução dos Sistemas de Informação Esquemas Modelos Conceitual Lógico Características de SGBDs 2 Evolução tempo Programas e

Leia mais

Roteiro 2 Conceitos Gerais

Roteiro 2 Conceitos Gerais Roteiro 2 Conceitos Gerais Objetivos: UC Projeto de Banco de Dados Explorar conceitos gerais de bancos de dados; o Arquitetura de bancos de dados: esquemas, categorias de modelos de dados, linguagens e

Leia mais

Sistema de Bancos de Dados. Conceitos Gerais Sistema Gerenciador de Bancos de Dados

Sistema de Bancos de Dados. Conceitos Gerais Sistema Gerenciador de Bancos de Dados Sistema de Bancos de Dados Conceitos Gerais Sistema Gerenciador de Bancos de Dados # Definições # Motivação # Arquitetura Típica # Vantagens # Desvantagens # Evolução # Classes de Usuários 1 Nível 1 Dados

Leia mais

Banco de Dados I. Apresentação (mini-currículo) Conceitos. Disciplina Banco de Dados. Cont... Cont... Edson Thizon (edson@esucri.com.

Banco de Dados I. Apresentação (mini-currículo) Conceitos. Disciplina Banco de Dados. Cont... Cont... Edson Thizon (edson@esucri.com. Sistemas da Informação Banco de Dados I Edson Thizon (edson@esucri.com.br) 2008 Apresentação (mini-currículo) Formação Acadêmica Mestrando em Ciência da Computação (UFSC/ ) Créditos Concluídos. Bacharel

Leia mais

Introdução a Banco de Dados

Introdução a Banco de Dados Introdução a Banco de Dados O modelo relacional Marta Mattoso Sumário Introdução Motivação Serviços de um SGBD O Modelo Relacional As aplicações não convencionais O Modelo Orientado a Objetos Considerações

Leia mais

Introdução. Motivação. Sistema Gerenciador de Banco de Dados (SGBD) Banco de Dados (BD) Sistema de Banco de Dados (SBD)

Introdução. Motivação. Sistema Gerenciador de Banco de Dados (SGBD) Banco de Dados (BD) Sistema de Banco de Dados (SBD) Pós-graduação em Ciência da Computação CCM-202 Sistemas de Banco de Dados Introdução Profa. Maria Camila Nardini Barioni camila.barioni@ufabc.edu.br Bloco B - sala 937 2 quadrimestre de 2011 Motivação

Leia mais

Etapas da evolução rumo a tomada de decisão: Aplicações Isoladas: dados duplicados, dados inconsistentes, processos duplicados.

Etapas da evolução rumo a tomada de decisão: Aplicações Isoladas: dados duplicados, dados inconsistentes, processos duplicados. Histórico Etapas da evolução rumo a tomada de decisão: Aplicações Isoladas: dados duplicados, dados inconsistentes, processos duplicados. Sistemas Integrados: racionalização de processos, manutenção dos

Leia mais

Banco de Dados I Introdução

Banco de Dados I Introdução Banco de Dados I Introdução Prof. Moser Fagundes Curso Técnico em Informática (Modalidade Integrada) IFSul Campus Charqueadas Sumário da aula Avaliações Visão geral da disciplina Introdução Histórico Porque

Leia mais

Banco de Dados I. Quantidade de informação gerada em um dia. Aula 1. 59 milhões de clientes ativos; Mais de 42 terabytes de dados; Salários na área

Banco de Dados I. Quantidade de informação gerada em um dia. Aula 1. 59 milhões de clientes ativos; Mais de 42 terabytes de dados; Salários na área Banco de Dados I Aula 1 Quantidade de informação gerada em um dia E-mails Compras Bate-papo Notícias Blogs Transações bancárias Etc... 59 milhões de clientes ativos; Mais de 42 terabytes de dados; 100

Leia mais

CONCEITOS E ARQUITETURA DO SISTEMA DE BANCO DE DADOS

CONCEITOS E ARQUITETURA DO SISTEMA DE BANCO DE DADOS riuningá UNIDADE DE ENSINO SUPERIOR INGÁ FACULDADE INGÁ DEPARTAMENTO DE CIÊNCIA DA COMPUTAÇÃO ERINALDO SANCHES NASCIMENTO CONCEITOS E ARQUITETURA DO SISTEMA DE BANCO DE DADOS MARINGÁ 2014 SUMÁRIO 3 ARQUITETURA...3

Leia mais

Prof. Marcelo Machado Cunha www.marcelomachado.com mcelobr@yahoo.com.br

Prof. Marcelo Machado Cunha www.marcelomachado.com mcelobr@yahoo.com.br Prof. Marcelo Machado Cunha www.marcelomachado.com mcelobr@yahoo.com.br Ementa Introdução a Banco de Dados (Conceito, propriedades), Arquivos de dados x Bancos de dados, Profissionais de Banco de dados,

Leia mais

Banco de Dados. CursoTécnico em Informática Modalidade Integrado. Professora Michelle Nery. Instituto Federal do Sul de Minas, câmpus Pouso Alegre

Banco de Dados. CursoTécnico em Informática Modalidade Integrado. Professora Michelle Nery. Instituto Federal do Sul de Minas, câmpus Pouso Alegre Banco de Dados CursoTécnico em Informática Modalidade Integrado Instituto Federal do Sul de Minas, câmpus PousoAlegre Professora Michelle Nery Conteúdo Programático Introdução O que é Banco de Dados O

Leia mais

BARBIERI, Carlos. BI Modelagem de Dados. Rio de Janeiro: Infobook, 1994.

BARBIERI, Carlos. BI Modelagem de Dados. Rio de Janeiro: Infobook, 1994. Faculdade Pitágoras Unidade 1 Curso Superior de Tecnologia: Banco de Dados Disciplina: Banco de Dados Prof.: Fernando Hadad Zaidan Imagem: BARBIERI, Carlos. Material usado na montagem dos Slides INTRODUÇÃO

Leia mais

Curso Superior de Tecnologia em BD Curso Superior de Tecnologia em DAI

Curso Superior de Tecnologia em BD Curso Superior de Tecnologia em DAI Curso Superior de Tecnologia em BD Curso Superior de Tecnologia em DAI Fundamentos de Banco de Dados Aula 01 Introdução aos Sistemas de Bancos de Dados Introdução aos Sistemas de BD Objetivo Apresentar

Leia mais

04/08/2012 MODELAGEM DE DADOS. PROF. RAFAEL DIAS RIBEIRO, M.Sc. @ribeirord MODELAGEM DE DADOS. Aula 1. Prof. Rafael Dias Ribeiro. M.Sc.

04/08/2012 MODELAGEM DE DADOS. PROF. RAFAEL DIAS RIBEIRO, M.Sc. @ribeirord MODELAGEM DE DADOS. Aula 1. Prof. Rafael Dias Ribeiro. M.Sc. MODELAGEM DE DADOS PROF. RAFAEL DIAS RIBEIRO, M.Sc. @ribeirord MODELAGEM DE DADOS Aula 1 Prof. Rafael Dias Ribeiro. M.Sc. @ribeirord 1 Objetivos: Apresenta a diferença entre dado e informação e a importância

Leia mais

BANCO DE DADOS E BUSINESS INTELIGENCE. C/H: 20 horas (20/02, 25/02, 27/02, 04/03, 06/03)

BANCO DE DADOS E BUSINESS INTELIGENCE. C/H: 20 horas (20/02, 25/02, 27/02, 04/03, 06/03) MBA em Gestão de TI MÓDULO: BANCO DE DADOS E BUSINESS INTELIGENCE C/H: 20 horas (20/02, 25/02, 27/02, 04/03, 06/03) PROFESSOR: Edison Andrade Martins Morais prof@edison.eti.br http://www.edison.eti.br

Leia mais

SISTEMA DE BANCO DE DADOS. Banco e Modelagem de dados

SISTEMA DE BANCO DE DADOS. Banco e Modelagem de dados SISTEMA DE BANCO DE DADOS Banco e Modelagem de dados Sumário Conceitos/Autores chave... 3 1. Introdução... 4 2. Arquiteturas de um Sistema Gerenciador... 5 3. Componentes de um Sistema... 8 4. Vantagens

Leia mais

Bancos de dados distribuídos Prof. Tiago Eugenio de Melo tiagodemelo@gmail.com. http://www.tiagodemelo.info

Bancos de dados distribuídos Prof. Tiago Eugenio de Melo tiagodemelo@gmail.com. http://www.tiagodemelo.info Bancos de dados distribuídos Prof. Tiago Eugenio de Melo tiagodemelo@gmail.com Última atualização: 20.03.2013 Conceitos Banco de dados distribuídos pode ser entendido como uma coleção de múltiplos bds

Leia mais

MC536 Bancos de Dados: Teoria e Prática

MC536 Bancos de Dados: Teoria e Prática Universidade Estadual de Campinas - UNICAMP Instituto de Computação - IC MC536 Bancos de Dados: Teoria e Prática Aula #1 Arquitetura de Banco de Dados Profs. Anderson Rocha e André Santanchè Campinas,

Leia mais

Introdução a Computação

Introdução a Computação Introdução a Computação Aula 04 SGBD Sistemas Gerenciadores de Bancos de Dados Prof. MSc. Edilberto Silva edilms@yahoo.com Conceitos Básicos DADOS: são fatos em sua forma primária. Ex: nome do funcionário,

Leia mais

INTRODUÇÃO BANCO DE DADOS. Prof. Msc. Hélio Esperidião

INTRODUÇÃO BANCO DE DADOS. Prof. Msc. Hélio Esperidião INTRODUÇÃO BANCO DE DADOS Prof. Msc. Hélio Esperidião BANCO DE DADOS Podemos entender por banco de dados qualquer sistema que reúna e mantenha organizada uma série de informações relacionadas a um determinado

Leia mais

Banco de Dados I. 1. Conceitos de Banco de Dados

Banco de Dados I. 1. Conceitos de Banco de Dados Banco de Dados I 1. Conceitos de Banco de Dados 1.1. Características de um Banco de Dados. 1.2. Vantagens na utilização de um BD. 1.3. Quando usar e não usar um Banco de Dados. 1.4. Modelos, Esquemas e

Leia mais

Faculdade Lourenço Filho - ENADE 2011-1

Faculdade Lourenço Filho - ENADE 2011-1 1. Quando se constrói um banco de dados, define-se o modelo de entidade e relacionamento (MER), que é a representação abstrata das estruturas de dados do banco e seus relacionamentos. Cada entidade pode

Leia mais

ADMINISTRAÇÃO DOS RECURSOS DE DADOS

ADMINISTRAÇÃO DOS RECURSOS DE DADOS Capítulo 7 ADMINISTRAÇÃO DOS RECURSOS DE DADOS 7.1 2003 by Prentice Hall OBJETIVOS Por que as empresas sentem dificuldades para descobrir que tipo de informação precisam ter em seus sistemas de informação?

Leia mais

Hoje é inegável que a sobrevivência das organizações depende de dados precisos e atualizados.

Hoje é inegável que a sobrevivência das organizações depende de dados precisos e atualizados. BANCO DE DADOS Universidade do Estado de Santa Catarina Centro de Ciências Tecnológicas Departamento de Ciência da Computação Prof. Alexandre Veloso de Matos alexandre.matos@udesc.br INTRODUÇÃO Hoje é

Leia mais

Introdução Banco de Dados

Introdução Banco de Dados Introdução Banco de Dados Vitor Valerio de Souza Campos Adaptado de Vania Bogorny Por que estudar BD? Os Bancos de Dados fazem parte do nosso dia-a-dia: operação bancária reserva de hotel matrícula em

Leia mais

GBC043 Sistemas de Banco de Dados. Introdução. Ilmério Reis da Silva ilmerio@facom.ufu.br www.facom.ufu.br/~ilmerio/sbd UFU/FACOM

GBC043 Sistemas de Banco de Dados. Introdução. Ilmério Reis da Silva ilmerio@facom.ufu.br www.facom.ufu.br/~ilmerio/sbd UFU/FACOM GBC043 Sistemas de Banco de Dados Introdução Ilmério Reis da Silva ilmerio@facom.ufu.br www.facom.ufu.br/~ilmerio/sbd UFU/FACOM Página 2 Definição BD Def. Banco de Dados é uma coleção de itens de dados

Leia mais

Introdução a Banco de Dados. Adão de Melo Neto

Introdução a Banco de Dados. Adão de Melo Neto Introdução a Banco de Dados Adão de Melo Neto 1 Por que estudar BD? Os Bancos de Dados fazem parte do nosso dia-a-dia: operação bancária reserva de hotel matrícula em uma disciplina da universidade cadastro

Leia mais

Bancos de Dados Aula #1 - Introdução

Bancos de Dados Aula #1 - Introdução Bancos de Dados Aula #1 - Introdução Prof. Eduardo R. Hruschka * Slides baseados no material elaborado pelas professoras: Cristina D. A. Ciferri Elaine P. M. de Souza Motivação Operações bancárias; Compras

Leia mais

FACULDADE INTEGRADAS DE PARANAÍBA ADMINISTRAÇÃO DE EMPRESAS. Bancos de Dados Conceitos Fundamentais

FACULDADE INTEGRADAS DE PARANAÍBA ADMINISTRAÇÃO DE EMPRESAS. Bancos de Dados Conceitos Fundamentais FACULDADE INTEGRADAS DE PARANAÍBA ADMINISTRAÇÃO DE EMPRESAS Bancos de Dados Conceitos Fundamentais Tópicos Conceitos Básicos Bancos de Dados Sistemas de Bancos de Dados Sistemas de Gerenciamento de Bancos

Leia mais

Banco de Dados. Uma coleção de dados relacionados [ELMASRI/NAVATHE]

Banco de Dados. Uma coleção de dados relacionados [ELMASRI/NAVATHE] 1/6 Banco de Dados O que é um Banco de Dados? Uma coleção de dados relacionados [ELMASRI/NAVATHE] Conjunto de dados integrados que tem por objetivo atender a uma comunidade específica [HEUSER] Um conjunto

Leia mais

Fundamentos de Banco de Dados

Fundamentos de Banco de Dados Fundamentos de Banco de Dados SISTEMAS BASEADOS NO PROCESSAMENTO DE ARQUIVOS Sistema A Funcionário Pagamento Cargo Sistema B Funcionário Projeto SISTEMAS GERENCIADORES DE BANCO DE DADOS (SGBD) Sistema

Leia mais

Módulo 4: Gerenciamento de Dados

Módulo 4: Gerenciamento de Dados Módulo 4: Gerenciamento de Dados 1 1. CONCEITOS Os dados são um recurso organizacional decisivo que precisa ser administrado como outros importantes ativos das empresas. A maioria das organizações não

Leia mais

Banco de Dados I. Introdução Conceitos

Banco de Dados I. Introdução Conceitos Banco de Dados I Introdução Conceitos Prof. Rodrigo Rocha prof.rodrigorocha@yahoo.com Apresentação Prof. Rodrigo Rocha prof.rodrigorocha@yahoo.com Ementa Conceitos Fundamentais de Banco de Dados; Características

Leia mais

Sistemas Gerenciadores de Bancos de Dados

Sistemas Gerenciadores de Bancos de Dados Sistemas Gerenciadores de Bancos de Dados Fernando Castor A partir de slides elaborados por Fernando Fonseca & Robson Fidalgo 1 Sistemas de Arquivos Sistemas de arquivos Principal característica é a replicação

Leia mais

Bancos de Dados. Conceitos F undamentais em S is temas de B ancos de Dados e s uas Aplicações

Bancos de Dados. Conceitos F undamentais em S is temas de B ancos de Dados e s uas Aplicações Conceitos F undamentais em S is temas de B ancos de Dados e s uas Aplicações Tópicos Conceitos Básicos Bancos de Dados Sistemas de Bancos de Dados Sistemas de Gerenciamento de Bancos de Dados Abstração

Leia mais

Introdução. Banco de dados. Por que usar BD? Por que estudar BD? Exemplo de um BD. Conceitos básicos

Introdução. Banco de dados. Por que usar BD? Por que estudar BD? Exemplo de um BD. Conceitos básicos Introdução Banco de Dados Por que usar BD? Vitor Valerio de Souza Campos Adaptado de Vania Bogorny 4 Por que estudar BD? Exemplo de um BD Os Bancos de Dados fazem parte do nosso dia-a-dia: operação bancária

Leia mais

Banco de Dados I Ementa:

Banco de Dados I Ementa: Banco de Dados I Ementa: Banco de Dados Sistema Gerenciador de Banco de Dados Usuários de um Banco de Dados Etapas de Modelagem, Projeto e Implementação de BD O Administrador de Dados e o Administrador

Leia mais

Banco de Dados. Conceitos e Arquitetura de Sistemas de Banco de Dados. Profa. Flávia Cristina Bernardini

Banco de Dados. Conceitos e Arquitetura de Sistemas de Banco de Dados. Profa. Flávia Cristina Bernardini Banco de Dados Conceitos e Arquitetura de Sistemas de Banco de Dados Profa. Flávia Cristina Bernardini Relembrando... Vantagens da Utilização de SGBD Redundância controlada Consistência dos dados armazenados

Leia mais

BANCO DE DADOS DISTRIBUÍDOS e DATAWAREHOUSING

BANCO DE DADOS DISTRIBUÍDOS e DATAWAREHOUSING BANCO DE DADOS DISTRIBUÍDOS e DATAWAREHOUSING http://www.uniriotec.br/~tanaka/tin0036 tanaka@uniriotec.br Bancos de Dados Distribuídos Conceitos e Arquitetura Vantagens das Arquiteturas C/S (em relação

Leia mais

Sistemas Gerenciadores de Bancos de Dados

Sistemas Gerenciadores de Bancos de Dados Sistemas Gerenciadores de Bancos de Dados Orivaldo V. Santana Jr A partir de slides elaborados por Ivan G. Costa Filho Fernando Fonseca & Robson Fidalgo 1 Sistemas de Arquivos Sistemas de arquivos Principal

Leia mais

BANCO DE DADOS AULA 02 INTRODUÇÃO AOS BANCOS DE DADOS PROF. FELIPE TÚLIO DE CASTRO 2015

BANCO DE DADOS AULA 02 INTRODUÇÃO AOS BANCOS DE DADOS PROF. FELIPE TÚLIO DE CASTRO 2015 BANCO DE DADOS AULA 02 INTRODUÇÃO AOS BANCOS DE DADOS PROF. FELIPE TÚLIO DE CASTRO 2015 NA AULA PASSADA... 1. Apresentamos a proposta de ementa para a disciplina; 2. Discutimos quais as ferramentas computacionais

Leia mais

CONCEITOS BÁSICOS. 1. Conceitos básicos de BD, SBD e SGBD BANCO DE DADOS I

CONCEITOS BÁSICOS. 1. Conceitos básicos de BD, SBD e SGBD BANCO DE DADOS I CONCEITOS BÁSICOS 1. Conceitos básicos de BD, SBD e SGBD A importância da informação para a tomada de decisões nas organizações tem impulsionado o desenvolvimento dos sistemas de processamento de informações.

Leia mais

Roteiro. Conceitos e Arquitetura de Sistemas de Banco de Dados. Conceitos e Arquiteturas de Sistemas de Banco de Dados. BCC321 - Banco de Dados I

Roteiro. Conceitos e Arquitetura de Sistemas de Banco de Dados. Conceitos e Arquiteturas de Sistemas de Banco de Dados. BCC321 - Banco de Dados I Roteiro Conceitos e Arquitetura de Sistemas de Banco de Dados Luiz Henrique de Campos Merschmann Departamento de Computação Universidade Federal de Ouro Preto luizhenrique@iceb.ufop.br www.decom.ufop.br/luiz

Leia mais

INTRODUÇÃO. Diferente de Bando de Dados

INTRODUÇÃO. Diferente de Bando de Dados INTRODUÇÃO Diferente de Bando de Dados 1 INTRODUÇÃO DADOS São fatos conhecidos que podem ser registrados e que possuem significado. Ex: venda de gasolina gera alguns dados: data da compra, preço, qtd.

Leia mais

AULA 01-02-03 SISTEMAS DE GERENCIAMENTO DE BANCO DE DADOS

AULA 01-02-03 SISTEMAS DE GERENCIAMENTO DE BANCO DE DADOS AULA 01-02-03 SISTEMAS DE GERENCIAMENTO DE BANCO DE DADOS Curso: Sistemas de Informação (Subseqüente) Disciplina: Administração de Banco de Dados Prof. Abrahão Lopes abrahao.lopes@ifrn.edu.br História

Leia mais

Um cluster de servidores de email pode ser usado para servir os emails de uma empresa.

Um cluster de servidores de email pode ser usado para servir os emails de uma empresa. CLUSTERS Pode-se pegar uma certa quantidade de servidores e juntá-los para formar um cluster. O serviço então é distribuído entre esses servidores como se eles fossem uma máquina só. Um cluster de servidores

Leia mais

SISTEMAS DE BANCO DE DADOS. Prof. Adriano Pereira Maranhão

SISTEMAS DE BANCO DE DADOS. Prof. Adriano Pereira Maranhão SISTEMAS DE BANCO DE DADOS Prof. Adriano Pereira Maranhão 1 REVISÃO BANCO DE DADOS I O que é banco de dados? Ou seja afinal o que é um SGBD? REVISÃO BD I REVISÃO DE BD I Um Sistema de Gerenciamento de

Leia mais

1. CONCEITOS BÁSICOS DE BD, SBD E SGBD

1. CONCEITOS BÁSICOS DE BD, SBD E SGBD Introdução 1. CONCEITOS BÁSICOS DE BD, SBD E SGBD A importância da informação para a tomada de decisões nas organizações tem impulsionado o desenvolvimento dos sistemas de processamento de informações.

Leia mais

Prof.: Clayton Maciel Costa clayton.maciel@ifrn.edu.br

Prof.: Clayton Maciel Costa clayton.maciel@ifrn.edu.br Programação com acesso a BD Prof.: Clayton Maciel Costa clayton.maciel@ifrn.edu.br 1 Modelos de Dados, Esquemas e Instâncias 2 Modelos de Dados, Esquemas e Instâncias Modelo de dados: Conjunto de conceitos

Leia mais

INF220 - Banco de Dados I

INF220 - Banco de Dados I Banco de Dados - Introdução Bibliografia INF220 - Banco de Dados I Prof. Jugurta Lisboa Filho Departamento de Informática - UFV Notas de Aula (jugurta@dpi.ufv.br) ELMASRI, R; NAVATHE, S. Fundamentals of

Leia mais

Arquitetura de SGBD. Prof. Antonio Almeida de Barros Junior

Arquitetura de SGBD. Prof. Antonio Almeida de Barros Junior Arquitetura de SGBD Prof. Antonio Almeida de Barros Junior Agenda Caracterização de SGBDs SGBDs Centralizados SGBDs Cliente-Servidor SGBDs Distribuídos Homogêneos Multi-SGBDs Heterogêneos SGBDs Paralelos

Leia mais

Banco de Dados Capítulo 1: Introdução. Especialização em Informática DEINF/UFMA Cláudio Baptista

Banco de Dados Capítulo 1: Introdução. Especialização em Informática DEINF/UFMA Cláudio Baptista Banco de Dados Capítulo 1: Introdução Especialização em Informática DEINF/UFMA Cláudio Baptista O que é um Banco de Dados (BD)? É uma coleção de dados relacionados e armazenados em algum dispositivo. Propriedades

Leia mais

Disciplina de Banco de Dados Introdução

Disciplina de Banco de Dados Introdução Disciplina de Banco de Dados Introdução Prof. Elisa Maria Pivetta CAFW - UFSM Banco de Dados: Conceitos A empresa JJ. Gomes tem uma lista com mais ou menos 4.000 nomes de clientes bem como seus dados pessoais.

Leia mais

Revisão de Banco de Dados

Revisão de Banco de Dados Revisão de Banco de Dados Fabiano Baldo 1 Sistema de Processamento de Arquivos Antes da concepção dos BDs o registro das informações eram feitos através de arquivos. Desvantagens: Redundância e Inconsistência

Leia mais

Conceitos Básicos. Conceitos Básicos. Sistema de Arquivos. Prof. Edilberto Silva - edilms@yahoo.com. Sistemas de Informação Brasília/DF

Conceitos Básicos. Conceitos Básicos. Sistema de Arquivos. Prof. Edilberto Silva - edilms@yahoo.com. Sistemas de Informação Brasília/DF 2 Conceitos Básicos Material baseado nas notas de aula: Maria Luiza M. Campos IME/2005 Carlos Heuser - livro Projeto de Banco de Dados CasaNova / PUC/RJ Prof. MSc. Edilberto Silva edilms@yahoo.com Sistemas

Leia mais

Arquitetura de Sistemas Distribuídos. Introdução a Sistemas Distribuídos

Arquitetura de Sistemas Distribuídos. Introdução a Sistemas Distribuídos Introdução a Sistemas Distribuídos Definição: "Um sistema distribuído é uma coleção de computadores autônomos conectados por uma rede e equipados com um sistema de software distribuído." "Um sistema distribuído

Leia mais

BANCO DE DADOS. Introdução a Banco de Dados. Conceitos BásicosB. Engenharia da Computação UNIVASF. Aula 1. Breve Histórico

BANCO DE DADOS. Introdução a Banco de Dados. Conceitos BásicosB. Engenharia da Computação UNIVASF. Aula 1. Breve Histórico Banco de Dados // 1 Banco de Dados // 2 Conceitos BásicosB Engenharia da Computação UNIVASF BANCO DE DADOS Aula 1 Introdução a Banco de Dados Campo representação informatizada de um dado real / menor unidade

Leia mais

PROJETO DE BANCO DE DADOS -INTRODUÇÃO. Prof. Angelo Augusto Frozza, M.Sc.

PROJETO DE BANCO DE DADOS -INTRODUÇÃO. Prof. Angelo Augusto Frozza, M.Sc. 1 PROJETO DE BANCO DE DADOS -INTRODUÇÃO Prof. Angelo Augusto Frozza, M.Sc. FUNDAMENTOS Dados Representação de fatos, conceitos ou instruções de maneira formalizada; Informação Significado que pessoas associam

Leia mais

Banco de Dados 1 Prof. MSc Wagner Siqueira Cavalcante

Banco de Dados 1 Prof. MSc Wagner Siqueira Cavalcante Banco de Dados 1 Programação sucinta do curso:. Conceitos fundamentais de Banco de Dados.. Arquitetura dos Sistemas Gerenciadores de Banco de Dados (SGBD ou DBMS).. Características típicas de um SGBD..

Leia mais

20/05/2013. Sistemas de Arquivos Sistemas de arquivos. Sistemas de Gerenciamento de Banco de Dados (SGBD) Banco de Dados. Estrutura de um BD SGBD

20/05/2013. Sistemas de Arquivos Sistemas de arquivos. Sistemas de Gerenciamento de Banco de Dados (SGBD) Banco de Dados. Estrutura de um BD SGBD Gerenciamento de Dados e Informação Fernando Fonseca Ana Carolina Robson Fidalgo Sistemas de Arquivos Sistemas de arquivos Principal característica é a replicação e isolamento de dados (ilhas de informações)

Leia mais

Conteúdo Programático. Conceitos básicos Modelo entidade relacionamento Normalização

Conteúdo Programático. Conceitos básicos Modelo entidade relacionamento Normalização Banco de dados I Conteúdo Programático Conceitos básicos Modelo entidade relacionamento Normalização Bibliografia HEUSER, Carlos A. Projeto de Bancos de Dados. Sagra, 1998. (Livrotexto) MACHADO, Felipe

Leia mais

ADMINISTRAÇÃO DOS RECURSOS DE DADOS

ADMINISTRAÇÃO DOS RECURSOS DE DADOS 7 ADMINISTRAÇÃO DOS RECURSOS DE DADOS OBJETIVOS Por que as empresas sentem dificuldades para descobrir que tipo de informação precisam ter em seus sistemas de informação ão? Como um sistema de gerenciamento

Leia mais

ADMINISTRAÇÃO DOS RECURSOS DE HARDWARE E SOFTWARE

ADMINISTRAÇÃO DOS RECURSOS DE HARDWARE E SOFTWARE Capítulo 6 ADMINISTRAÇÃO DOS RECURSOS DE HARDWARE E SOFTWARE 6.1 2003 by Prentice Hall OBJETIVOS Qual é a capacidade de processamento e armazenagem que sua organização precisa para administrar suas informações

Leia mais

ADMINISTRAÇÃO DOS RECURSOS DE HARDWARE E SOFTWARE

ADMINISTRAÇÃO DOS RECURSOS DE HARDWARE E SOFTWARE ADMINISTRAÇÃO DOS RECURSOS DE HARDWARE E SOFTWARE 1 OBJETIVOS 1. Qual é a capacidade de processamento e armazenagem que sua organização precisa para administrar suas informações e transações empresariais?

Leia mais

1) O QUE NÃO É BANCO DE DADOS?

1) O QUE NÃO É BANCO DE DADOS? FMU - Graduação em Ciência da Computação - BANCO DE DADOS I - Prof. Fernando Alberto Covalski - pág 1 1) O QUE NÃO É BANCO DE DADOS? SISTEMAS ISOLADOS SISTEMA DE PRODUÇÃO SISTEMA DE VENDAS SISTEMA DE COMPRAS

Leia mais

Laboratório de Banco de Dados

Laboratório de Banco de Dados Universidade Federal de Mato Grosso-UFMT Sistemas de Informação Laboratório de Banco de Dados Prof. Clóvis Júnior Laboratório de Banco de Dados Conteúdo Administração de Usuários de Papéis; Linguagens

Leia mais

Introdução. Gerenciamento de Dados e Informação. Principais Tipos de SI. Papel de SI. Principais Tipos de SI. Principais Tipos de SI.

Introdução. Gerenciamento de Dados e Informação. Principais Tipos de SI. Papel de SI. Principais Tipos de SI. Principais Tipos de SI. Introdução Gerenciamento de Dados e Informação Introdução Sistema de Informação (SI) Coleção de atividades que regulam o compartilhamento e a distribuição de informações e o armazenamento de dados relevantes

Leia mais

FUNDAMENTOS DE SISTEMAS DE INFORMAÇÃO

FUNDAMENTOS DE SISTEMAS DE INFORMAÇÃO @ribeirord FUNDAMENTOS DE SISTEMAS DE INFORMAÇÃO Rafael D. Ribeiro, M.Sc,PMP. rafaeldiasribeiro@gmail.com http://www.rafaeldiasribeiro.com.br Lembrando... Aula 4 1 Lembrando... Aula 4 Sistemas de apoio

Leia mais

Conceitos básicos. Aplicações de banco de dados. Conceitos básicos (cont.) Dado: Um fato, alguma coisa sobre a qual uma inferência é baseada.

Conceitos básicos. Aplicações de banco de dados. Conceitos básicos (cont.) Dado: Um fato, alguma coisa sobre a qual uma inferência é baseada. Conceitos básicos Angélica Toffano Seidel Calazans E-mail: angelica_toffano@yahoo.com.br Conceitos introdutórios de Modelagem de dados Dado: Um fato, alguma coisa sobre a qual uma inferência é baseada.

Leia mais

PROJETO DE BANCO DE DADOS -INTRODUÇÃO. Prof. Angelo Augusto Frozza, M.Sc. http://about.me/tilfrozza

PROJETO DE BANCO DE DADOS -INTRODUÇÃO. Prof. Angelo Augusto Frozza, M.Sc. http://about.me/tilfrozza 1 PROJETO DE BANCO DE DADOS -INTRODUÇÃO Prof. Angelo Augusto Frozza, M.Sc. http://about.me/tilfrozza FUNDAMENTOS Dados Representação de fatos, conceitos ou instruções de maneira formalizada; Informação

Leia mais

Administração de Banco de Dados

Administração de Banco de Dados Administração de Banco de Dados Professora conteudista: Cida Atum Sumário Administração de Banco de Dados Unidade I 1 INTRODUÇÃO A BANCO DE DADOS...1 1.1 Histórico...1 1.2 Definições...2 1.3 Importância

Leia mais

Bancos de Dados Distribuídos. Filipe Gomes Pinto Guilherme Marquesini Reis Ribeiro Matheus Leônidas Silva Pedro Duarte

Bancos de Dados Distribuídos. Filipe Gomes Pinto Guilherme Marquesini Reis Ribeiro Matheus Leônidas Silva Pedro Duarte Bancos de Dados Distribuídos Filipe Gomes Pinto Guilherme Marquesini Reis Ribeiro Matheus Leônidas Silva Pedro Duarte Conceitos Sistema distribuído. Banco de dados distribuído (BDD). Coleção de multiplos

Leia mais

Planejamento Estratégico de TI. Prof.: Fernando Ascani

Planejamento Estratégico de TI. Prof.: Fernando Ascani Planejamento Estratégico de TI Prof.: Fernando Ascani Data Warehouse - Conceitos Hoje em dia uma organização precisa utilizar toda informação disponível para criar e manter vantagem competitiva. Sai na

Leia mais

Disciplina: Tecnologias de Banco de Dados para SI s

Disciplina: Tecnologias de Banco de Dados para SI s Curso de Gestão em SI Disciplina: Tecnologias de Banco de Dados para SI s Rodrigo da Silva Gomes (Extraído do material do prof. Ronaldo Melo - UFSC) Banco de Dados (BD) BD fazem parte do nosso dia-a-dia!

Leia mais

Banco de Dados I. Introdução. Fabricio Breve

Banco de Dados I. Introdução. Fabricio Breve Banco de Dados I Introdução Fabricio Breve Introdução SGBD (Sistema Gerenciador de Banco de Dados): coleção de dados interrelacionados e um conjunto de programas para acessar esses dados Coleção de dados

Leia mais

Laudon & Laudon Essentials of MIS, 5th Edition. Pg. 6.1

Laudon & Laudon Essentials of MIS, 5th Edition. Pg. 6.1 Laudon & Laudon Essentials of MIS, 5th Edition. Pg. 6.1 6 OBJETIVOS OBJETIVOS ADMINISTRAÇÃO DOS RECURSOS DE HARDWARE E SOFTWARE 6.1 2003 by Prentice Hall Qual é a capacidade de processamento e armazenagem

Leia mais

Capítulo I -Introdução a Banco de Dados

Capítulo I -Introdução a Banco de Dados Capítulo I -Introdução a Banco de Dados Emerson Cordeiro Morais ( emersoncm@estacio.br) Doutorando em Bioinformática Mestre em Banco de Dados Agenda Dados, Banco de Dados e SGBD Evolução Histórica dos

Leia mais

ESTUDOS DE BANCO DE DADOS I - CONCEITO BÁSICOS. usuário 1- SISTEMAS DE PROCESSAMENTO DE ARQUIVOS

ESTUDOS DE BANCO DE DADOS I - CONCEITO BÁSICOS. usuário 1- SISTEMAS DE PROCESSAMENTO DE ARQUIVOS ESTUDOS DE BANCO DE DADOS I - CONCEITO BÁSICOS 1- SISTEMAS DE PROCESSAMENTO DE ARQUIVOS - Redundância e inconsistência - Problema de integração - Associação a aplicações - Dificuldade de acesso ( solicitações

Leia mais

Banco de Dados I. Prof. Bal. Emerson Meneses Inocente

Banco de Dados I. Prof. Bal. Emerson Meneses Inocente Banco de Dados I Prof. Bal. Emerson Meneses Inocente Continuação aula 1 Arquitetura de SGBD Relacional ocaracterísticas: Independência de dados e programas; Suporte a múltiplas visões de usuários; Uso

Leia mais

Fundamentos do uso de tecnologia da informação F U P A C V R B P R O F. C H R I S T I E N L. R A C H I D

Fundamentos do uso de tecnologia da informação F U P A C V R B P R O F. C H R I S T I E N L. R A C H I D Fundamentos do uso de tecnologia da informação O USO CONSCIENTE DA TECNOLOGIA PARA O GERENCIAMENTO F U P A C V R B P R O F. C H R I S T I E N L. R A C H I D Organização 1. Vínculo Administração-Tecnologia

Leia mais