Formulário de Referência RANDON S.A. IMPLEMENTOS E PARTICIPAÇÕES Versão : Declaração e Identificação dos responsáveis 1

Save this PDF as:
 WORD  PNG  TXT  JPG

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "Formulário de Referência - 2012 - RANDON S.A. IMPLEMENTOS E PARTICIPAÇÕES Versão : 8. 1.1 - Declaração e Identificação dos responsáveis 1"

Transcrição

1 Índice 1. Responsáveis pelo formulário Declaração e Identificação dos responsáveis 1 2. Auditores independentes 2.1/2.2 - Identificação e remuneração dos Auditores 2 3. Informações financ. selecionadas Informações Financeiras Medições não contábeis Eventos subsequentes às últimas demonstrações financeiras Política de destinação dos resultados Distribuição de dividendos e retenção de lucro líquido Declaração de dividendos à conta de lucros retidos ou reservas Nível de endividamento Obrigações de acordo com a natureza e prazo de vencimento Outras informações relevantes Fatores de risco Descrição dos fatores de risco Comentários sobre expectativas de alterações na exposição aos fatores de risco Processos judiciais, administrativos ou arbitrais não sigilosos e relevantes Processos judiciais, administrativos ou arbitrais não sigilosos cujas partes contrárias sejam administradores, ex-administradores, controladores, ex-controladores ou investidores Processos sigilosos relevantes Processos judiciais, administrativos ou arbitrais repetitivos ou conexos, não sigilosos e relevantes em conjunto Outras contingências relevantes Regras do país de origem e do país em que os valores mobiliários estão custodiados Risco de mercado Descrição dos principais riscos de mercado Descrição da política de gerenciamento de riscos de mercado 53

2 Índice Alterações significativas nos principais riscos de mercado Outras informações relevantes Histórico do emissor 6.1 / 6.2 / Constituição do emissor, prazo de duração e data de registro na CVM Breve histórico Principais eventos societários ocorridos no emissor, controladas ou coligadas Informações de pedido de falência fundado em valor relevante ou de recuperação judicial ou extrajudicial Atividades do emissor Descrição das atividades do emissor e suas controladas Informações sobre segmentos operacionais Informações sobre produtos e serviços relativos aos segmentos operacionais Clientes responsáveis por mais de 10% da receita líquida total Efeitos relevantes da regulação estatal nas atividades Receitas relevantes provenientes do exterior Efeitos da regulação estrangeira nas atividades Relações de longo prazo relevantes Outras informações relevantes Grupo econômico Descrição do Grupo Econômico Organograma do Grupo Econômico Operações de reestruturação Ativos relevantes Bens do ativo não-circulante relevantes - outros Bens do ativo não-circulante relevantes / 9.1.a - Ativos imobilizados Bens do ativo não-circulante relevantes / 9.1.b - Patentes, marcas, licenças, concessões, franquias e contratos de transferência de tecnologia Bens do ativo não-circulante relevantes / 9.1.c - Participações em sociedades 121

3 Índice Outras informações relevantes Comentários dos diretores Condições financeiras e patrimoniais gerais Resultado operacional e financeiro Eventos com efeitos relevantes, ocorridos e esperados, nas demonstrações financeiras Mudanças significativas nas práticas contábeis - Ressalvas e ênfases no parecer do auditor Políticas contábeis críticas Controles internos relativos à elaboração das demonstrações financeiras - Grau de eficiência e deficiência e recomendações presentes no relatório do auditor Destinação de recursos de ofertas públicas de distribuição e eventuais desvios Itens relevantes não evidenciados nas demonstrações financeiras Comentários sobre itens não evidenciados nas demonstrações financeiras Plano de negócios Outros fatores com influência relevante Projeções Projeções divulgadas e premissas Acompanhamento e alterações das projeções divulgadas Assembleia e administração Descrição da estrutura administrativa Regras, políticas e práticas relativas às assembleias gerais Datas e jornais de publicação das informações exigidas pela Lei nº6.404/ Regras, políticas e práticas relativas ao Conselho de Administração Descrição da cláusula compromissória para resolução de conflitos por meio de arbitragem / 8 - Composição e experiência profissional da administração e do conselho fiscal Composição dos comitês estatutários e dos comitês de auditoria, financeiro e de remuneração Existência de relação conjugal, união estável ou parentesco até o 2º grau relacionadas a administradores do emissor, controladas e controladores Relações de subordinação, prestação de serviço ou controle entre administradores e controladas, controladores e outros

4 Índice Acordos, inclusive apólices de seguros, para pagamento ou reembolso de despesas suportadas pelos administradores Outras informações relevantes Remuneração dos administradores Descrição da política ou prática de remuneração, inclusive da diretoria não estatutária Remuneração total do conselho de administração, diretoria estatutária e conselho fiscal Remuneração variável do conselho de administração, diretoria estatutária e conselho fiscal Plano de remuneração baseado em ações do conselho de administração e diretoria estatutária Participações em ações, cotas e outros valores mobiliários conversíveis, detidas por administradores e conselheiros fiscais - por órgão Remuneração baseada em ações do conselho de administração e da diretoria estatutária Informações sobre as opções em aberto detidas pelo conselho de administração e pela diretoria estatutária Opções exercidas e ações entregues relativas à remuneração baseada em ações do conselho de administração e da diretoria estatutária Informações necessárias para a compreensão dos dados divulgados nos itens 13.6 a Método de precificação do valor das ações e das opções Informações sobre planos de previdência conferidos aos membros do conselho de administração e aos diretores estatutários Remuneração individual máxima, mínima e média do conselho de administração, da diretoria estatutária e do conselho fiscal Mecanismos de remuneração ou indenização para os administradores em caso de destituição do cargo ou de aposentadoria Percentual na remuneração total detido por administradores e membros do conselho fiscal que sejam partes relacionadas aos controladores Remuneração de administradores e membros do conselho fiscal, agrupados por órgão, recebida por qualquer razão que não a função que ocupam Remuneração de administradores e membros do conselho fiscal reconhecida no resultado de controladores, diretos ou indiretos, de sociedades sob controle comum e de controladas do emissor Outras informações relevantes Recursos humanos Descrição dos recursos humanos Alterações relevantes - Recursos humanos Descrição da política de remuneração dos empregados Descrição das relações entre o emissor e sindicatos 253

5 Índice 15. Controle 15.1 / Posição acionária Distribuição de capital Acordo de acionistas arquivado na sede do emissor ou do qual o controlador seja parte Alterações relevantes nas participações dos membros do grupo de controle e administradores do emissor Transações partes relacionadas Descrição das regras, políticas e práticas do emissor quanto à realização de transações com partes relacionadas Informações sobre as transações com partes relacionadas Identificação das medidas tomadas para tratar de conflitos de interesses e demonstração do caráter estritamente comutativo das condições pactuadas ou do pagamento compensatório adequado Capital social Informações sobre o capital social Aumentos do capital social Informações sobre desdobramentos, grupamentos e bonificações de ações Informações sobre reduções do capital social Outras informações relevantes Valores mobiliários Direitos das ações Descrição de eventuais regras estatutárias que limitem o direito de voto de acionistas significativos ou que os obriguem a realizar oferta pública Descrição de exceções e cláusulas suspensivas relativas a direitos patrimoniais ou políticos previstos no estatuto Volume de negociações e maiores e menores cotações dos valores mobiliários negociados Descrição dos outros valores mobiliários emitidos Mercados brasileiros em que valores mobiliários são admitidos à negociação Informação sobre classe e espécie de valor mobiliário admitida à negociação em mercados estrangeiros Ofertas públicas de distribuição efetuadas pelo emissor ou por terceiros, incluindo controladores e sociedades coligadas e controladas, relativas a valores mobiliários do emissor 309

6 Índice Descrição das ofertas públicas de aquisição feitas pelo emissor relativas a ações de emissão de terceiros Planos de recompra/tesouraria Informações sobre planos de recompra de ações do emissor Movimentação dos valores mobiliários mantidos em tesouraria Informações sobre valores mobiliários mantidos em tesouraria na data de encerramento do último exercício social Outras informações relevantes Política de negociação Informações sobre a política de negociação de valores mobiliários Outras informações relevantes Política de divulgação Descrição das normas, regimentos ou procedimentos internos relativos à divulgação de informações Descrição da política de divulgação de ato ou fato relevante e dos procedimentos relativos à manutenção de sigilo sobre informações relevantes não divulgadas Administradores responsáveis pela implementação, manutenção, avaliação e fiscalização da política de divulgação de informações Outras informações relevantes Negócios extraordinários Aquisição ou alienação de qualquer ativo relevante que não se enquadre como operação normal nos negócios do emissor Alterações significativas na forma de condução dos negócios do emissor Contratos relevantes celebrados pelo emissor e suas controladas não diretamente relacionados com suas atividades operacionais 324

7 1.1 - Declaração e Identificação dos responsáveis Nome do responsável pelo conteúdo do formulário Cargo do responsável ASTOR MILTON SCHMITT Diretor de Relações com Investidores Nome do responsável pelo conteúdo do formulário Cargo do responsável DAVID ABRAMO RANDON Diretor Presidente Os diretores acima qualificados, declaram que: a. reviram o formulário de referência b. todas as informações contidas no formulário atendem ao disposto na Instrução CVM nº 480, em especial aos arts. 14 a 19 c. o conjunto de informações nele contido é um retrato verdadeiro, preciso e completo da situação econômico-financeira do emissor e dos riscos inerentes às suas atividades e dos valores mobiliários por ele emitidos PÁGINA: 1 de 324

8 2.1/2.2 - Identificação e remuneração dos Auditores Possui auditor? SIM Código CVM Tipo auditor Nome/Razão social Nacional ERNST & YOUNG AUDITORES INDEPENDENTES S/S CPF/CNPJ / Período de prestação de serviço 10/03/2009 Descrição do serviço contratado Montante total da remuneração dos auditores independentes segregado por serviço AMÉRICO FRANKLIN FERREIRA NETO 10/03/ Revisão das Informações Trimestrais (ITR's consolidadas dos períodos encerrados em março, junho e setembro e das demonstrações financeiras consolidadas do exercício findo em 31 de dezembro Total - R$ mil, sendo R$ serviços legais obrigatórios de auditoria externa que compreenderam a revisão das informações trimestrais (ITRs) dos períodos encerrados em março, junho e setembro de 2011 e auditoria das demonstrações financeiras do exercício findo em 31 de dezembro de 2011 e R$ 422 mil em serviços de due dilligence em aquisição de empresa durante o exercício. Justificativa da substituição Não houve substituição do auditor externo no exercício de Razão apresentada pelo auditor em caso da discordância da justificativa do emissor Nome responsável técnico Não houve substituição do auditor externo no exercício de 2011 Período de prestação de serviço CPF Endereço Rua Mostardeiro, nº 322, 10 º andar, Moinhos de Vento, Porto Alegre, RS, Brasil, CEP , Telefone (51) , Fax (51) , PÁGINA: 2 de 324

9 3.1 - Informações Financeiras - Consolidado Rec. Liq./Rec. Intermed. Fin./Prem. Seg. Ganhos (Reais) Exercício social (31/12/2011) Exercício social (31/12/2010) Exercício social (31/12/2009) Patrimônio Líquido , , ,00 Ativo Total , , ,00 Resultado Bruto , , ,00 Resultado Líquido , , ,00 Número de Ações, Ex-Tesouraria (Unidades) Valor Patrimonial de Ação (Reais Unidade) , , , , , , Resultado Líquido por Ação 1, , , PÁGINA: 3 de 324

10 3.2 - Medições não contábeis a) Informar o valor das medições não contábeis: Ver quadro letra b abaixo. b) fazer as conciliações entre os valores divulgados e os valores das demonstrações financeiras auditadas Receita Liquida Consolidada Custo dos Produtos Vendidos Lucro Bruto Consolidado (-) Despesas Operacionais (-) Outras Despesas/Receitas Resultado da Atividade (+) Depreciação/Amortização EBITDA Consolidado Margem EBITDA (%) 13,4% 14,6% 12,0% Valores em R$ Mil c)explicar o motivo pelo qual entende que tal medição é mais apropriada para a correta compreensão da sua condição financeira e do resultado de suas operações O cálculo do EBITDA e EBIT são medições convencionais e amplamente utilizadas no mercado de capitais. O EBITDA representa a geração operacional de caixa da companhia, ou seja, o quanto a empresa gera de recursos apenas através de suas atividades operacionais, sem levar em consideração os efeitos financeiros e de impostos. Por isso o EBITDA também é chamado de fluxo de caixa operacional. Difere do EBIT, conhecido como o lucro na atividade, no que se refere à depreciação e amortização, que no caso do EBITDA são considerados. Para calcular estas medições a Randon utiliza as medições comuns ao mercado sem nenhuma consideração adicional, como demonstrado no item 3.2 (b). PÁGINA: 4 de 324

11 3.3 - Eventos subsequentes às últimas demonstrações financeiras Eventos Subsequentes Demonstrações Financeiras Consolidadas Exercício 2009 Novos pronunciamentos contábeis O Comitê de Pronunciamentos Contábeis (CPC) seguindo agenda conjunta divulgada pela CVM e CPC tem emitido diversos pronunciamentos para convergir as práticas contábeis brasileiras para o padrão internacional de contabilidade. Esses pronunciamentos contábeis têm sido sistematicamente aprovados pelo Conselho Federal de Contabilidade (CFC) e Comissão de Valores Mobiliários (CVM), com vigência para os exercícios sociais iniciados a partir de 1º de janeiro de 2010 com aplicação retroativa para fins de comparabilidade. Os pronunciamentos, orientações e interpretações técnicas emitidos até a presente data pelo CPC que poderão produzir efeitos na preparação ou na divulgação das demonstrações financeiras do exercício a findar-se em 31 de dezembro de 2010 estão sendo avaliados pela Companhia com base nos seguintes pronunciamentos: CPC 16 Estoques, aprovado pela Deliberação CVM nº 575, de 5 de junho de 2009; CPC 18 Investimento em Coligada e em Controlada, aprovado pela Deliberação CVM nº 605, de 26 de novembro de 2009; CPC 20 Custos de Empréstimos, aprovado pela Deliberação CVM nº 577, de 5 de junho de 2009; CPC 22 - Informações por Segmento: aprovado pela Deliberação CVM nº 582, de 31 de julho de 2009; CPC 23 - Políticas Contábeis, Mudanças de Estimativa e Retificação de Erro, aprovado pela Deliberação CVM nº 592, de 15 de setembro de 2009; CPC 24 - Eventos Subsequentes, aprovado pela Deliberação CVM nº 593, de 15 de setembro de 2009; CPC 25 - Provisões, Passivos Contingentes e Ativos Contingentes, aprovado pela Deliberação CVM nº 594, de 15 de setembro de 2009; CPC 26 - Apresentação das Demonstrações, aprovado pela Deliberação CVM nº 595, de 15 de setembro de 2009; CPC 27 - Ativo Imobilizado, aprovado pela Deliberação CVM nº 583, de 31 de julho de 2009; CPC 29 - Ativo Biológico e Produto Agrícola, aprovado pela Deliberação CVM nº 596, de 15 de setembro de 2009; CPC Receitas, aprovado pela Deliberação CVM nº 597, de 15 de setembro de 2009; CPC 32 - Tributos sobre o Lucro, aprovado pela Deliberação CVM nº 599, de 15 de setembro de 2009; CPC 33 - Benefícios a Empregados, aprovado pela Deliberação CVM nº 600, de 7 de outubro de 2009; CPC 36 Demonstrações Consolidadas, aprovado pela Deliberação CVM nº 608, de 26 de novembro de 2009; CPC 37 Adoção Inicial das Normas Internacionais de Contabilidade, aprovado pela Deliberação CVM nº 609, de 22 de dezembro de 2009; PÁGINA: 5 de 324

12 3.3 - Eventos subsequentes às últimas demonstrações financeiras CPC 38 Instrumentos Financeiros: Reconhecimento e Mensuração, aprovado pela Deliberação CVM nº 604, de 19 de novembro de 2009; CPC 39 Instrumentos Financeiros: Apresentação, aprovado pela Deliberação CVM nº 604, de 19 de novembro de 2009; CPC 40 Instrumentos Financeiros: Evidenciação, aprovado pela Deliberação CVM nº 604, de 19 de novembro de 2009; CPC 43 Adoção Inicial dos Pronunciamentos Técnicos do CPC 15 a 40, aprovado pela Deliberação CVM nº 610, de 22 de dezembro de 2009; OCPC 03 Instrumentos Financeiros: Reconhecimento, Mensuração e Evidenciação; ICPC 09 Demonstrações contábeis individuais, demonstrações separadas, demonstrações consolidadas e, aplicação do método de equivalência patrimonial, aprovado pela Deliberação CVM nº 618, de 22 de dezembro de 2009; ICPC 10 Interpretação sobre a aplicação inicial ao ativo imobilizado e a propriedade para investimento dos CPCs 27, 28, 37 e 43, aprovado pela Deliberação CVM nº 619 de 22 de dezembro de 2009; O CPC pretende ainda emitir diversos pronunciamentos técnicos em 2010, portanto a avaliação dos impactos nas demonstrações financeiras da Companhia e de suas controladas deverá ser complementada por ocasião da emissão de novos pronunciamentos contábeis ou reavaliada na medida em que esses novos pronunciamentos ou novas interpretações tragam alguma alteração que possam modificar as análises efetuadas anteriormente. Exercício 2010 Não teve eventos subseqüentes em Exercício 2011 Aquisição da Freios Controil Ltda. Conforme fato relevante divulgado em 1º de dezembro de 2011, a Controlada Fras-le S/A adquiriu 100% das quotas representativas do capital social da Freios Controil Ltda., empresa que atua na fabricação de autopeças, com foco principal em componentes para freios. Pelo contrato de compra e venda assinado entre as partes, o controle dessa Companhia passará para a Fras-le S.A. a partir de 1º de janeiro de 2012, data em que efetivamente ocorrerá a conclusão do negócio e haverá a transferência das quotas representativas da totalidade do capital social dessa Companhia. O valor total do negócio foi de R$ PÁGINA: 6 de 324

13 3.4 - Política de destinação dos resultados 3.4 Descrever a política de destinação dos resultados dos 3 últimos exercícios sociais, indicando: a. regras sobre retenção de lucros b. regras sobre distribuição de dividendos c. periodicidade das distribuições de dividendos d. eventuais restrições à distribuição de dividendos Regra Estatutária No que se refere a retenção de lucros, de acordo com o disposto no Artigo 37 do Estatuto Social, deverá ser observado que (i) 5% seja aplicado, antes de qualquer outra destinação, na constituição da reserva legal, que não excederá 20% do capital social; e, (ii) o saldo, após a distribuição dos dividendos aos acionistas, ser destinado a Reserva de Investimento e Capital de Giro que e terá como limite máximo importe que não poderá exceder, em conjunto com a reserva legal, o valor do capital social e terá por finalidade assegurar investimentos em bens de ativo permanente e acréscimo do capital de giro, inclusive através de amortização de dívidas da sociedade, bem como o financiamento de empresas controladas e coligadas. Prática adotada pela Companhia Do total de R$ ,87 Do total de R$ ,36 Do total de R$ ,80 foram retidos: foram retidos: foram retidos: R$ ,34 R$ ,18 para Reserva R$ ,37 para Reserva para reserva legal (5,00%); e, Legal (5,00%) e Legal (5,00%); e, R$ ,09 para Reserva R$ ,89 para R$ ,57 para de Investimento e Capital de Reserva de Investimento e Reserva de Investimento e Giro de (63,03%). Total retido Capital de Giro (58,33%). Total Capital de Giro (63,33%). Total R$ ,43 (68,03%) retido de R$ ,07 retido de R$ ,94 (63,33%). (68,33%). Regra Estatutária Conforme o Artigo 37 do Estatuto Social, os acionistas têm direito de receber como dividendo obrigatório, em cada exercício, a importância correspondente a 30% do lucro ajustado como dividendo mínimo obrigatório. Por deliberação do Conselho de Administração, a Companhia poderá: (i) declarar dividendos à conta do lucro apurado no balanço patrimonial semestral, bem como em decorrência de balanços em períodos menores, atendido no último caso, o limite do Artigo 204, 1º da Lei 6404/1976, ou, ainda, declarar dividendos intermediários à conta de reservas de lucros; (ii) creditar e pagar juros sobre o capital próprio, nos termos da legislação vigente, e imputá-los aos dividendos mínimos obrigatórios. Prescreve em três anos a ação para haver dividendos, contados da data em que tenham sido postos à disposição dos acionistas. 35% do lucro líquido ajustado foram destinados ao pagamento de dividendos. Os acionistas foram remunerados em três parcelas, sendo que em julho de 2011 e janeiro de 2012 receberam sob a forma de juros sobre o capital próprio e em abril os dividendos remanescentes. Não há restrições ao pagamento de dividendos. Prática adotada pela Companhia 30% do lucro líquido ajustado foram destinados ao pagamento de dividendos. Os acionistas foram remunerados em três parcelas, sendo que em julho de 2010 e janeiro de 2011 receberam sob a forma de juros sobre o capital próprio e em abril os dividendos remanescentes Não há restrições ao pagamento de dividendos. 30% do lucro líquido ajustado foram destinados ao pagamento de dividendos. Os acionistas foram remunerados em três parcelas, sendo que em julho de 2009 e janeiro de 2010 receberam sob a forma de juros sobre o capital próprio e em abril os dividendos remanescentes Não há restrições ao pagamento de dividendos. PÁGINA: 7 de 324

14 3.5 - Distribuição de dividendos e retenção de lucro líquido (Reais) Exercício social 31/12/2011 Exercício social 31/12/2010 Exercício social 31/12/2009 Lucro líquido ajustado , , ,00 Dividendo distribuído em relação ao lucro líquido ajustado 35, , , Taxa de retorno em relação ao patrimônio líquido do emissor 23, , , Dividendo distribuído total , , ,00 Lucro líquido retido ,00 0,00 0,00 Data da aprovação da retenção 29/03/2012 Lucro líquido retido Montante Pagamento dividendo Montante Pagamento dividendo Montante Pagamento dividendo Dividendo Obrigatório Ordinária ,13 11/04/ ,00 29/04/ ,00 23/04/2010 Preferencial ,51 11/04/ ,00 29/04/ ,00 23/04/2010 Juros Sobre Capital Próprio Ordinária ,64 11/07/ ,00 23/07/ ,00 28/01/2010 Ordinária ,16 24/01/2012 Preferencial ,46 24/01/ ,00 27/01/ ,00 10/07/2009 Preferencial ,90 11/07/2011 Ordinária ,00 27/01/2011 Preferencial ,00 23/07/2010 Ordinária ,00 10/07/2009 Preferencial ,00 28/01/2010 PÁGINA: 8 de 324

15 3.6 - Declaração de dividendos à conta de lucros retidos ou reservas Nos últimos três exercícios não foram declarados dividendos a conta de lucros retidos ou de reservas de lucros constituídas em exercícios sociais anteriores. PÁGINA: 9 de 324

16 3.7 - Nível de endividamento Exercício Social Montante total da dívida, de qualquer natureza Tipo de índice Índice de endividamento 31/12/ ,00 Índice de Endividamento 1, Descrição e motivo da utilização de outro índice PÁGINA: 10 de 324

17 3.8 - Obrigações de acordo com a natureza e prazo de vencimento Exercício social (31/12/2011) Tipo de dívida Inferior a um ano Um a três anos Três a cinco anos Superior a cinco anos Total Garantia Real , , , , ,00 Quirografárias , , , , ,00 Total , , , , ,00 Observação PÁGINA: 11 de 324

18 3.9 - Outras informações relevantes Item Informações complementares O exercício de 2011 sofreu alguns ajustes em relação à divulgação realizada pela Companhia em Fevereiro/2012. Um deságio apurado no valor de R$ 163, referente aquisição da empresa Folle Industria de Implementos Rodoviários Ltda, foi registrado no resultado do exercício, na rúbrica de Outros resultados operacionais, alterando o resultado. (Ver Nota explicativa número 1 das Demonstrações Financeiras do 1º Trimestre/2012. Informações sobre a Companhia). PÁGINA: 12 de 324

19 4.1 - Descrição dos fatores de risco Descrição dos fatores de risco que possam influenciar a decisão de investimento: Riscos Relacionados a Fatores Macroeconômicos O Governo Brasileiro tem exercido e continua a exercer significativa influência sobre a economia brasileira. As condições políticas e econômicas no Brasil exercem impacto direto sobre os negócios, o desempenho financeiro e as perspectivas da Companhia e sobre o preço de mercado das Ações. A inflação e os esforços no Governo Federal de combate à inflação, incluindo o aumento das taxas de juros oficiais, poderão contribuir significativamente para a incerteza econômica no Brasil, podendo prejudicar as atividades da Companhia e o valor de mercado das Ações. A flutuação do real em relação a moedas estrangeiras fortes, como o dólar norteamericano e o Euro, pode trazer efeitos negativos à situação financeira e aos negócios da Companhia. Acontecimentos e a percepção de riscos em outros países, sobretudo em países de economia emergente, podem prejudicar o preço de mercado dos valores mobiliários brasileiros, inclusive o das Ações. Riscos Relativos às Indústrias de Veículos e Implementos e de Autopeças As principais matérias-primas utilizadas pelas indústrias de implementos e de autopeças são commodities internacionais. Um aumento do preço dessas commodities no mercado internacional pode afetar as vendas e os resultados da Companhia. No mercado de Autopeças a concentração de clientes é alta. Problemas relacionados à performance dos produtos ou relacionamento comercial podem afetar a demanda por produtos da Companhia; O desempenho do setor de bens de capital é fortemente influenciado por oscilações no nível de atividade econômica. Alterações nas leis e regulamentos ambientais podem afetar de maneira adversa os negócios das indústrias de implementos e de autopeças. Riscos Relativos aos Negócios da Companhia Eventuais problemas envolvendo as parcerias com a Meritor e a Jost Werke podem afetar adversamente os negócios da Companhia. A Companhia atua em mercados altamente competitivos. A Companhia está exposta a retrações no desenvolvimento econômico dos países onde atua ou para os quais exporta. PÁGINA: 13 de 324

20 4.1 - Descrição dos fatores de risco A cobertura de seguros da Companhia pode ser insuficiente para ressarcir eventuais perdas. A Companhia está sujeita a riscos operacionais e riscos relacionados ao uso dos seus produtos. A Companhia está sujeita a riscos relacionados à sua estrutura logística e de transportes. Decisões contrárias em uma ou mais ações judiciais ou procedimentos administrativos nos quais a Companhia é parte podem afetar de maneira adversa seu resultado. A Companhia é dependente de certos membros de sua administração. A Companhia continuará sendo controlada pelo Grupo Controlador, cujos interesses poderão diferir daqueles de outros acionistas. A capacidade da Companhia de distribuir dividendos e/ou juros sobre capital próprio está sujeita a limitações. Riscos Relativos às Ações Companhia As ações ordinárias e preferenciais de emissão da Companhia apresentam média liquidez no mercado secundário, o que pode dificultar a sua venda e depreciar seu preço. As Ações Preferenciais não têm direito a voto, salvo em situações restritas. PÁGINA: 14 de 324

21 4.2 - Comentários sobre expectativas de alterações na exposição aos fatores de risco No momento a Companhia não tem expectativas de alterações na exposição aos fatores de risco. PÁGINA: 15 de 324

22 4.3 - Processos judiciais, administrativos ou arbitrais não sigilosos e relevantes 4.3. Descrever os processos judiciais, administrativos ou arbitrais em que o emissor ou suas controladas sejam parte, discriminando entre trabalhistas, tributários, cíveis e outros: (i) que não estejam sob sigilo, e (ii) que sejam relevantes para os negócios do emissor ou de suas controladas, indicando: a. juízo b. instância c. data de instauração d. partes no processo e. valores, bens ou direitos envolvidos f. principais fatos g. se a chance de perda é: i. provável ii. possível iii. remota h. análise do impacto em caso de perda do processo i. valor provisionado, se houver provisão Processos relativos à Companhia a. juízo Processo Administrativo b. instância Conselho de Contribuintes c. data de instauração 26/01/2005 d. partes no processo e. valores, bens ou direitos envolvidos em 31/12/2011 f. principais fatos g. chance de perda: Remota h. análise do impacto em caso de perda do processo j. valor provisionado, se houver provisão Autor: Secretaria da Receita Federal - RS Réu: Randon S.A. Implementos e Participações R$ ,18 Objeto: Cobrança administrativa de suposto débito resultante das compensações do COFINS c/ FINSOCIAL realizadas pela Companhia, com base em medida liminar deferida nos autos de processo judicial. Fase processual: Aguardando julgamento de Recurso Voluntário. Caso a Companhia venha a perder processos que envolvam valores substanciais, os quais não estão provisionados, o custo agregado das decisões desfavoráveis poderá ter impacto negativo na situação financeira da Companhia. Não há. PÁGINA: 16 de 324

23 4.3 - Processos judiciais, administrativos ou arbitrais não sigilosos e relevantes a. juízo Processo Administrativo b. instância Conselho de Contribuintes c. data de instauração 26/08/2004 d. partes no processo e. valores, bens ou direitos envolvidos em 31/12/2011 f. principais fatos g. chance de perda: Remota h. análise do impacto em caso de perda do processo j. valor provisionado, se houver provisão Autor: Secretaria da Receita Federal - RS Réu: Randon S.A. Implementos e Participações R$ ,00 Objeto: Cobrança de supostos débitos resultantes do indeferimento de Declarações de Compensação de saldos negativos de IRPJ e CSSL com débitos de IRPJ e CSSL estimados, referentes ao período em que foram efetivadas operações societárias de incorporação e de cisão pela Companhia. Fase processual: Aguardando julgamento de recurso voluntário. Caso a Companhia venha a perder processos que envolvam valores substanciais, os quais não estão provisionados, o custo agregado das decisões desfavoráveis poderá ter impacto negativo na situação financeira da Companhia. Não há. a. juízo Processo Administrativo b. instância Conselho de Contribuintes c. data de instauração 18/04/2007 d. partes no processo e. valores, bens ou direitos envolvidos em 31/12/2011 f. principais fatos g. chance de perda: Remota h. análise do impacto em caso de perda do processo j. valor provisionado, se houver provisão Autor: Secretaria da Receita Federal - RS Réu: Randon S.A. Implementos e Participações R$ ,05 Objeto: Cobrança administrativa de suposto débito referente à exclusão do ICMS da base de cálculo do PIS/Finsocial, realizada pela Companhia e não homologada pela Receita Federal, derivada de créditos obtidos em processo judicial. Fase processual: Aguardando julgamento, pela Câmara Superior de Recursos Fiscais, de Embargos de Declaração. Caso a Companhia venha a perder processos que envolvam valores substanciais, os quais não estão provisionados, o custo agregado das decisões desfavoráveis poderá ter impacto negativo na situação financeira da Companhia. Não há. a. juízo Processo Administrativo PÁGINA: 17 de 324

24 4.3 - Processos judiciais, administrativos ou arbitrais não sigilosos e relevantes b. instância Delegacia da Receita Federal em Caxias do Sul - RS c. data de instauração 21/05/2009 d. partes no processo Autor: Secretaria da Receita Federal Réu: Randon S/A Implementos e Participações e. valores, bens ou direitos envolvidos em 31/12/2011 f. principais fatos g. chance de perda: Possível h. análise do impacto em caso de perda do processo j. valor provisionado, se houver provisão R$ ,04 Objeto: Suposto débito apurado pela Receita Federal em razão da não-homologação da compensação efetuada pela empresa de créditos oriundos do saldo negativo de IRPJ, apurado no ano-calendário de 2004, com o IRPJ apurado por estimativa no mês de fevereiro de Fase processual: Aguardando julgamento, pelo Conselho Administrativo de Recursos Fiscais, de recurso voluntário apresentado pela Companhia. Caso a Companhia venha a perder processos que envolvam valores substanciais, os quais não estão provisionados, o custo agregado das decisões desfavoráveis poderá ter impacto negativo na situação financeira da Companhia. Não há. a. juízo Processo Administrativo b. instância Conselho de Contribuintes c. data de instauração 15/12/2003 d. partes no processo e. valores, bens ou direitos envolvidos em 31/12/2011 f. principais fatos g. chance de perda: Remota h. análise do impacto em caso de perda do processo Autor: Secretaria da Receita Federal Réu: Randon S.A. Implementos e Participações R$ ,77 Objeto: Cobrança administrativa de supostos débitos resultantes do indeferimento de Declaração de Compensação de saldos negativos de IRPJ e CSLL com débitos de IRPJ e CSLL estimados, referentes ao período em que foram efetivadas operações societárias de incorporação e de cisão pela empresa. Fase processual: Aguardando julgamento, de embargos de declaração opostos pela Companhia em face do acórdão proferido pelo mesmo Órgão que não admitiu o recurso voluntário. Caso a Companhia venha a perder processos que envolvam valores substanciais, os quais não estão provisionados, o custo agregado das decisões desfavoráveis poderá ter impacto negativo na situação financeira da Companhia. PÁGINA: 18 de 324

25 4.3 - Processos judiciais, administrativos ou arbitrais não sigilosos e relevantes j. valor provisionado, se houver provisão Não há. a. juízo Processo Administrativo b. instância Delegacia da Receita Federal em Caxias do Sul - RS c. data de instauração 13/10/2008 d. partes no processo e. valores, bens ou direitos envolvidos em 31/12/2011 f. principais fatos g. chance de perda: Possível h. análise do impacto em caso de perda do processo j. valor provisionado, se houver provisão Autor: Secretaria da Receita Federal Réu: Randon S.A. Implementos e Participações R$ ,03 Objeto: Compensações de Impostos Federais não homologados pela RFB, referente a compra de créditos de terceiros. Fase processual: Aguardando julgamento, pelo Conselho Administrativo de Recursos Fiscais, de recurso voluntário apresentado pela Companhia. Caso a Companhia venha a perder processos que envolvam valores substanciais, os quais não estão provisionados, o custo agregado das decisões desfavoráveis poderá ter impacto negativo na situação financeira da Companhia. Não há. a. juízo Processo Administrativo b. instância Delegacia da Receita Federal em Caxias do Sul - RS c. data de instauração 22/10/2009 d. partes no processo Autor: Secretaria da Receita Federal Réu: Randon S.A. Implementos e Participações e. valores, bens ou direitos R$ ,00 envolvidos em 31/12/2011 f. principais fatos Objeto: Suposto débito de IR e CSLL decorrente de benefício fiscal relativo a crédito de juros sobre o capital próprio aos acionistas, apurado em valor excedente ao limite legal no ano calendário de O excesso refere-se a juros sobre o capital próprio reconhecidos no exercício de 2007, relativo ao ano base de Fase processual: Aguardando julgamento de Recurso Especial interposto pela Companhia. g. chance de perda: Remota h. análise do impacto em caso de perda do processo Caso a Companhia venha a perder processos que envolvam valores substanciais, os quais não estão provisionados, o custo agregado das decisões desfavoráveis poderá ter impacto negativo na situação financeira da Companhia. PÁGINA: 19 de 324

26 4.3 - Processos judiciais, administrativos ou arbitrais não sigilosos e relevantes j. valor provisionado, se houver provisão Não há Processos relativos às empresas Controladas, exceto a Fras-le S.A., que por ser companhia aberta, informou seus processos em Formulário de Referência próprio a. juízo Processo Administrativo b. instância Delegacia da Receita Federal em Caxias do Sul - RS c. data de instauração 05/09/2007 d. partes no processo e. valores, bens ou direitos envolvidos em 31/12/2011 f. principais fatos g. chance de perda: Possível h. análise do impacto em caso de perda do processo j. valor provisionado, se houver provisão Autor: Secretaria da Receita Federal Réu: Suspensys Sistemas Automotivos Ltda R$ ,00 Objeto: Trata-se de suposto débito de II e IPI, apurado pela Receita Federal, relativo a atos concessórios previstos no Regime Especial de Drawback. Fase processual: Aguardando a apreciação do pedido de produção da prova pericial. Caso a Suspensys venha a perder processos que envolvam valores substanciais os quais não estão provisionados, o custo agregado das decisões desfavoráveis poderá ter impacto negativo na situação financeira da Companhia. Não há. a. juízo Processos Administrativos b. instância Conselho de Contribuintes c. data de instauração 02/09/2005 d. partes no processo e. valores, bens ou direitos envolvidos em 31/12/2011 f. principais fatos g. chance de perda: Remota h. análise do impacto em caso de perda do processo Autor: Secretaria da Receita Federal Réu: Master Sistemas Automotivos Ltda R$ ,31 Objeto: Suposto débito IRPJ e CSLL sobre o lucro, apurado pela Receita Federal, sob a alegação de que Master não comprovou a intermediação de venda pelos agentes no exterior, de valores pagos a este título, os quais passam a ser indedutíveis. Fase processual: Aguardando julgamento. Caso a Master venha a perder processos que envolvam valores substanciais os quais não estão provisionados, o custo agregado das decisões desfavoráveis poderá ter PÁGINA: 20 de 324

27 4.3 - Processos judiciais, administrativos ou arbitrais não sigilosos e relevantes j. valor provisionado, se houver provisão impacto negativo na situação financeira da Companhia. Não há. a. juízo Processo Administrativo b. instância Secretaria da Fazenda Estadual/RS c. data de instauração 16/09/2008 d. partes no processo e. valores, bens ou direitos envolvidos em 31/12/2011 f. principais fatos g. chance de perda: Remota h. análise do impacto em caso de perda do processo j. valor provisionado, se houver provisão Autor: Secretaria da Fazenda Estadual/RS Réu: Master Sistemas Automotivos Ltda R$ ,00 Objeto: Glosa de crédito de ICMS presumido do aço. Autuação da Secretaria da Fazenda, sob a alegação de que a Master adjudicou do benefício fiscal em montante superior ao permitido pela legislação. Fase processual: Aguardando julgamento de Recurso no Tribunal Administrativo de Recursos Fiscais. Caso a Master venha a perder processos que envolvam valores substanciais os quais não estão provisionados ou provisionados em valor substancialmente inferior a perda, o custo agregado das decisões desfavoráveis poderá ter impacto negativo na situação financeira da Companhia. Não há. a. juízo 2ª Vara Cível Especializada em fazenda Pública do Foro de Caxias do Sul - RS b. instância 1ª Instância c. data de instauração 24/01/2008 d. partes no processo e. valores, bens ou direitos envolvidos em 31/12/2011 f. principais fatos g. chance de perda: Remota Autor: Suspensys Sistemas Automotivos Réu: Estado do Rio Grande do Sul R$ ,00 Objeto: ICMS - Ação Anulatória de Débito Fiscal com Pedido de Antecipação de Tutela ou medida cautelar de caráter incidental, objetivando o cancelamento do saldo remanescente do crédito tributário, no qual o Estado alega supostas irregularidades quando da elaboração do cálculo do benefício do FUNDOPEM NOSSO EMPREGO/RS, sendo que o processo administrativo originário desta Ação já está encerrado e a decisão foi parcialmente favorável à Suspensys. Fase processual: Aguardando sentença. PÁGINA: 21 de 324

28 4.3 - Processos judiciais, administrativos ou arbitrais não sigilosos e relevantes h. análise do impacto em caso de perda do processo j. valor provisionado, se houver provisão Caso a Suspensys venha a perder processos que envolvam valores substanciais os quais não estão provisionados o custo agregado das decisões desfavoráveis poderá ter impacto negativo na situação financeira da Companhia. Não há. a. juízo Processo Adminstrativo b. instância Conselho de Contribuintes c. data de instauração 26/07/2010 d. partes no processo e. valores, bens ou direitos envolvidos em 31/12/2011 f. principais fatos g. chance de perda: Possível h. análise do impacto em caso de perda do processo j. valor provisionado, se houver provisão Autor: Secretaria da Receita Federal Réu: Suspensys Sistemas automotivos Ltda R$ ,50 Objeto: PLR Suposto débito oriundo de contribuições previdenciárias incidentes sobre as parcelas pagas a título de Participação nos Lucros e Resultados PLR para os Diretores, Gerentes, Coordenadores, bem como contribuição previdenciária destinada a outras entidades e fundos (salárioeducação, INCRA, SEBRAE), incidentes sobre as remunerações supostamente pagas aos segurados empregados. Fase processual: Aguardando julgamento de recurso voluntário. Caso a Suspensys venha a perder processos que envolvam valores substanciais os quais não estão provisionados o custo agregado das decisões desfavoráveis poderá ter impacto negativo na situação financeira da Companhia. Não há. PÁGINA: 22 de 324

29 4.3 - Processos judiciais, administrativos ou arbitrais não sigilosos e relevantes Processos de natureza administrativos: Imposto de Renda, Contribuição Social sobre o Lucro Líquido e Imposto de Renda Retido na Fonte a. Juízo b. Instância c. Data de instauração d. Partes do processo e. Valores, bens ou direitos envolvidos f. Principais fatos Secretaria da Receita Federal Administrativa 28/12/2005 Autor(es): Secretaria da Receita Federal Réu(s): Fras-le S.A. R$ ,00 Suposto débito IRPJ e CSLL sobre o lucro, apurado pela Receita Federal, sob a alegação de que a Frasle não comprovou a intermediação de venda pelos agentes no exterior, de valores pagos a este título, os quais passam a ser indedutíveis e também desconsiderou os pagamentos de comissão efetuados aos agentes estabelecidos no exterior, considerando como pagamentos não justificados, fazendo incidir o IRRF a alíquota de 25%. Fase processual: Aguardando julgamento de impugnação. g. Chance de perda h. Análise do impacto em caso de perda do processo i. Valor provisionado, se houver provisão Remota Caso a Fras-le venha a perder processos que envolvam valores substanciais os quais não estão provisionados, o custo agregado das decisões desfavoráveis poderá ter impacto negativo na situação financeira da Companhia. Não há provisão PÁGINA: 23 de 324

30 4.3 - Processos judiciais, administrativos ou arbitrais não sigilosos e relevantes Imposto de Renda, Contribuição Social sobre o Lucro Líquido a. Juízo b. Instância c. Data de instauração d. Partes do processo e. Valores, bens ou direitos envolvidos f. Principais fatos g. Chance de perda h. Análise do impacto em caso de perda do processo i. Valor provisionado, se houver provisão Secretaria da Receita Federal Administrativo 29/10/1998 Autor(es): Receita Federal Réu(s): Fras-le S.A. R$ ,00 A Companhia foi autuada pela Secretaria da Receita Federal referente a não adição na Receita Bruta para fins da base de cálculo da receita líquida do crédito de exportação a título de IPI. Remota Caso a Fras-le venha a perder processos que envolvam valores substanciais os quais não estão provisionados, o custo agregado das decisões desfavoráveis poderá ter impacto negativo na situação financeira da Companhia. Não há provisão PÁGINA: 24 de 324

31 4.3 - Processos judiciais, administrativos ou arbitrais não sigilosos e relevantes IPI, PIS, COFINS a. Juízo Secretaria da Receita Federal b. Instância Administrativa c. Data de instauração 09/05/2003 Autor(es):Secretaria da Receita Federal d. Partes do processo Réu(s): Fras-le S.A. e. Valores, bens ou direitos envolvidos f. Principais fatos g. Chance de perda h. Análise do impacto em caso de perda do processo i. Valor provisionado, se houver provisão R$ ,00 Pedido de restituição interposto pela Fras-le que foi objeto de compensação com valores devidos em períodos posteriores a título de PIS, COFINS e IPI, mas teve seu pedido de restituição indeferido. Remota Caso a Fras-le venha a perder processos que envolvam valores substanciais os quais não estão provisionados, o custo agregado das decisões desfavoráveis poderá ter impacto negativo na situação financeira da Companhia. Não há provisão PÁGINA: 25 de 324

32 4.3 - Processos judiciais, administrativos ou arbitrais não sigilosos e relevantes Imposto de Renda e Contribuição Social a. Juízo b. Instância c. Data de instauração d. Partes do processo e. Valores, bens ou direitos envolvidos f. Principais fatos g. Chance de perda h. Análise do impacto em caso de perda do processo i. Valor provisionado, se houver provisão Secretaria da Receita Federal Administrativo 29/05/1998 Autor(es): Secretaria da Receita Federal Réu(s): Fras-le S.A. R$ ,00 A Companhia retificou as declarações de rendimentos dos anos bases de 1995 e 1996 por considerar dedutível a assunção de dívidas de terceiros assumidas na aquisição do controle acionário pela sua controladora Randon S.A. Implementos e Participações e parcela a título de gastos com assessoria externa. (Perda confirmada, na via administrativa) Remota, na via judicial Caso a Fras-le venha a perder processos que envolvam valores substanciais os quais não estão provisionados, o custo agregado das decisões desfavoráveis poderá ter impacto negativo na situação financeira da Companhia. Não há previsão PÁGINA: 26 de 324

33 4.3 - Processos judiciais, administrativos ou arbitrais não sigilosos e relevantes Imposto de Importação a. Juízo b. Instância c. Data de instauração d. Partes do processo e. Valores, bens ou direitos envolvidos f. Principais fatos g. Chance de perda h. Análise do impacto em caso de perda do processo i. Valor provisionado, se houver provisão Secretaria da Receita Federal Administrativa 02 de dezembro de 2005 Autor(es): Secretaria da Receita Federal Réu(s): Fras-le S.A. R$ ,78 A Companhia foi autuada, sob a presunção de descumprimento da proporção Bens de Capital Nacional x Bens de Capital, e conseqüente infração ao disposto no artigo 2, inciso II, da Lei 9.449/97, e artigo 6 do Decreto n 2072/96. Remota Caso a Fras-le venha a perder processos que envolvam valores substanciais os quais não estão provisionados, o custo agregado das decisões desfavoráveis poderá ter impacto negativo na situação financeira da Companhia. Não há provisão PÁGINA: 27 de 324

34 4.4 - Processos judiciais, administrativos ou arbitrais não sigilosos cujas partes contrárias sejam administradores, ex-administradores, controladores, ex-controladores ou investidores 4.4. Descrever os processos judiciais, administrativos ou arbitrais, que não estejam sob sigilo, em que o emissor ou suas controladas sejam parte e cujas partes contrárias sejam administradores ou ex-administradores, controladores ou excontroladores ou investidores do emissor ou de suas controladas, informando: a. juízo b. instância c. data de instauração d. partes no processo e. valores, bens ou direitos envolvidos f. principais fatos g. se a chance de perda é: i. provável ii. possível iii. remota h. análise do impacto em caso de perda do processo i. valor provisionado, se houver provisão Não há. PÁGINA: 28 de 324

35 4.5 - Processos sigilosos relevantes 4.5. Em relação aos processos sigilosos relevantes em que o emissor ou suas controladas sejam parte e que não tenham sido divulgados nos itens 4.3 e 4.4 acima, analisar o impacto em caso de perda e informar os valores envolvidos Não há. PÁGINA: 29 de 324

36 4.6 - Processos judiciais, administrativos ou arbitrais repetitivos ou conexos, não sigilosos e relevantes em conjunto 4.6. Descrever os processos judiciais, administrativos ou arbitrais repetitivos ou conexos, baseados em fatos e causas jurídicas semelhantes, que não estejam sob sigilo e que em conjunto sejam relevantes, em que o emissor ou suas controladas sejam parte, discriminando entre trabalhistas, tributários, cíveis e outros, e indicando: a. valores envolvidos b. valor provisionado, se houver c. prática do emissor ou de sua controlada que causou tal contingência Não há. PÁGINA: 30 de 324

37 4.7 - Outras contingências relevantes 4.7. Descrever outras contingências relevantes não abrangidas pelos itens anteriores Não se aplica PÁGINA: 31 de 324

38 4.8 - Regras do país de origem e do país em que os valores mobiliários estão custodiados Não é o caso da Companhia, pois a mesma tem seus valores mobiliários custodiados no Brasil. PÁGINA: 32 de 324

39 5.1 - Descrição dos principais riscos de mercado Formulário de Referência RANDON S.A. IMPLEMENTOS E PARTICIPAÇÕES Versão : Descrever, quantitativa e qualitativamente, os principais riscos de mercado a que o emissor está exposto, inclusive em relação a riscos cambiais e a taxas de juros Administração financeira de risco A Companhia e suas controladas possuem exposição a riscos associados à utilização de seus instrumentos financeiros, conforme descrito a seguir: A Companhia e suas controladas participam de operações envolvendo instrumentos financeiros, todos registrados em contas patrimoniais, que se destinam a atender as suas necessidades operacionais, bem como a reduzir a exposição a riscos financeiros, principalmente de créditos e aplicações de recursos, riscos de mercado (câmbio e juros) e risco de liquidez, aos quais a Companhia entende que está exposta, de acordo com sua natureza de negócios e estrutura operacional. A administração desses riscos é efetuada por meio da definição de estratégias elaboradas e aprovadas pela Administração da Companhia, atreladas ao estabelecimento de sistemas de controle e determinação de limites de posições. Os riscos da Companhia estão descritos a seguir: Risco de mercado A Companhia e suas controladas não efetuam aplicações de caráter especulativo, em derivativos ou quaisquer outros ativos de risco. O risco de mercado é o risco de que o valor justo dos fluxos de caixa futuros de um instrumento financeiro flutue devido a variações nos preços de mercado. Os preços de mercado englobam três tipos de risco: risco de taxa de juros, risco cambial e risco de preço que pode ser de commodities, de ações, entre outros. Instrumentos financeiros afetados pelo risco de mercado incluem empréstimos a receber e empréstimos a pagar, depósitos, instrumentos financeiros mantidos até o vencimento e mensurados ao valor justo através do resultado e instrumentos financeiros derivativos. PÁGINA: 33 de 324

40 5.1 - Descrição dos principais riscos de mercado Todas as operações com instrumentos financeiros estão reconhecidas nas demonstrações financeiras d conforme o quadro abaixo: Controladora: Valor justo através do resultado Mantida até o vencimento Valor justo Custo através do Mantida até o amortizado Total resultado vencimento Nota a Ativos Caixa e equivalente de caixa Aplicações financeiras de liquidez não imediata Clientes Consórcio para revenda Instrumentos financeiros derivativos Passivos Empréstimos e financiamentos em moeda nacional ( ) ( ) - - ( Empréstimos e financiamentos em moeda estrangeira (60.258) (60.258) - - Mútuos a pagar - - (72.564) (72.564) (67.039) PÁGINA: 34 de 324

41 Formulário de Referência RANDON S.A. IMPLEMENTOS E PARTICIPAÇÕES Descrição dos principais riscos de mercado Controladora: Valor justo através do resultado Disponível para venda 31/12/ /12/2010 Valor justo Mantida até o Custo através do Mantida até o Custo vencimento amortizado Total resultado vencimento amortiza Nota Ativos Caixa e equivalente de caixa Aplicações financeiras de liquidez não imediata Clientes Consórcio para revenda Partes Relacionadas Passivos - Empréstimos e financiamentos em moeda nacional ( ) - ( ) - - (715.4 Empréstimos e financiamentos em moeda estrangeira (44.559) - (44.559) (60.2 Mútuos a pagar (29.276) (29.276) - - (72.5 Instrumentos financeiros Derivativos (633) (633) - - (633) ( ) (85.869) (67.0

42 5.1 - Descrição dos principais riscos de mercado Consolidado: Nota Valor justo através do resultado Mantida até o vencimento Valor justo Custo através do Mantida até o Custo amortizado Total resultado vencimento amortizado Ativos Caixa e equivalente de caixa Aplicações financeiras de liquidez não imediata Clientes Consórcio para revenda Instrumentos financeiros derivativos Passivos Empréstimos e financiamentos em moeda nacional ( ) ( ) - - ( ) ( ) Empréstimos e financiamentos em moeda estrangeira ( ) ( ) - - ( ) ( ) Mútuos a pagar - - (66.546) (66.546) - - (62.097) (62.097) Instrumentos financeiros derivativos (1.528) - - (1.528) (43) - - (43) (1.114) (43) Total PÁGINA: 36 de 324

43 5.1 - Descrição dos principais riscos de mercado Consolidado: Nota Valor justo através do resultado Disponível para venda 31/12/ /12/2010 Valor justo Mantida até o Custo através do Mantida até o Custo vencimento amortizado Total resultado vencimento amortizado Ativos Caixa e equivalente de caixa Aplicações financeiras de liquidez não imediata Clientes Consórcio para revenda Instrumentos financeiros Derivativos Passivos Empréstimos e financiamentos em moeda nacional ( ) - ( ) - - ( ) ( ) Empréstimos e financiamentos em moeda estrangeira ( ) - ( ) - - ( ) ( ) Mútuos a pagar (27.865) (27.865) - - (66.546) (66.546) Instrumentos financeiros Derivativos (4.187) (4.187) (1.528) - - (1.528) (3.990) ( ) (1.114) Total PÁGINA: 37 de 324

44 5.1 - Descrição dos principais riscos de mercado Encontra-se a seguir uma comparação por classe do valor contábil e do valor justo dos instrumentos financeiros da Companhia apresentados nas demonstrações financeiras. Controladora: Valor contábil Valor justo Nota /01/ /01/2009 Ativos Caixa e equivalente de caixa Aplicações financeiras de liquidez não imediata Clientes Consórcio para revenda Mútuos a receber Passivos Empréstimos e financiamentos em moeda nacional 17 ( ) ( ) ( ) ( ) ( ) ( ) Empréstimos e financiamentos em moeda estrangeira 17 (60.258) (70.903) ( ) (60.258) (70.903) ( ) Mútuos a pagar (72.564) (55.652) (36.758) (72.564) (55.652) (36.758) Instrumentos financeiros derivativos - - (5.811) - - (5.811) Total PÁGINA: 38 de 324

45 5.1 - Descrição dos principais riscos de mercado Controladora: Valor contábil Valor justo Nota 31/12/ /12/ /12/ /12/2010 Ativos Caixa e equivalente de caixa Aplicações financeiras de liquidez não imediata Clientes Consórcio para revenda Mútuos a receber Passivos Empréstimos e financiamentos em moeda nacional 16 ( ) ( ) ( ) ( ) Empréstimos e financiamentos em moeda estrangeira 16 (44.559) (60.258) (44.559) (60.258) Mútuos a pagar (29.276) (72.564) (29.276) (72.564) Instrumentos financeiros derivativos (633) - (633) - Total (85.869) (85.562) PÁGINA: 39 de 324

46 5.1 - Descrição dos principais riscos de mercado Consolidado: Valor contábil Valor justo Nota /01/ /01/2009 Ativos Caixa e equivalente de caixa Aplicações financeiras de liquidez não imediata Clientes Consórcio para revenda Instrumentos financeiros derivativos Passivos Empréstimos e financiamentos em moeda nacional 17 ( ) ( ) ( ) ( ) ( ) ( ) Empréstimos e financiamentos em moeda estrangeira 17 ( ) ( ) ( ) ( ) ( ) ( ) Mútuos a pagar (66.546) (62.097) (45.174) (66.546) (62.097) (45.174) Instrumentos financeiros derivativos (1.528) (43) (27.372) (1.528) (43) (27.372) Total Consolidado: Valor contábil Valor justo Nota 31/12/ /12/ /12/ /12/2010 Ativos Caixa e equivalente de caixa Aplicações financeiras de liquidez não imediata Clientes Consórcio para revenda Instrumentos financeiros Derivativos Passivos Empréstimos e financiamentos em moeda nacional 16 ( ) ( ) ( ) ( ) Empréstimos e financiamentos em moeda estrangeira 16 ( ) ( ) ( ) ( ) Mútuos a pagar (27.865) (66.546) (27.865) (66.546) Instrumentos financeiros Derivativos (4.187) (1.528) (4.187) (1.528) Total PÁGINA: 40 de 324

47 refere-se, principalmente, às obrigações de longo prazo sujeitas a taxas de juros variáveis. Formulário de Referência RANDON S.A. IMPLEMENTOS E PARTICIPAÇÕES Versão : 8 A Companhia gerencia o risco de taxa de juros mantendo uma carteira equilibrada Descrição entre dos empréstimos principais a riscos receber de e empréstimos mercado a pagar sujeitos a taxas fixas e a taxas variáveis. Para mitigar esses riscos, a Companhia e suas controladas adotam como prática diversificar as captações de recursos em termos de taxas pré-fixadas ou pósfixadas, análise permanente de riscos das instituições financeiras e, em determinadas circunstâncias avaliam a necessidade de contratação de operações de hedge para travar o custo financeiro das operações. Os rendimentos oriundos das aplicações financeiras bem como as despesas financeiras provenientes dos empréstimos e financiamentos da Companhia são afetados pelas variações nas taxas de juros, tais como TJLP, IPCA e CDI. Sensibilidade a taxas de juros A tabela abaixo demonstra a sensibilidade a uma possível mudança nas taxas de juros, mantendo-se todas as outras variáveis constantes no lucro da Companhia antes da tributação (é afetado pelo impacto dos empréstimos a pagar sujeitos a taxas variáveis). Foi considerado três cenários, sendo o cenário provável o adotado pela Companhia, mais dois cenários com deterioração de 25% e 50% da variável do risco considerado. Esses cenários foram definidos com base na expectativa da Administração para as variações da taxa de juros nas datas de vencimento dos respectivos contratos sujeitos a estes riscos. A análise de sensibilidade leva em consideração as posições em aberto na data base de 31 de dezembro de 2010, com base em valores nominais e juros de cada instrumento contratado. 9 PÁGINA: 41 de 324

48 Depreciação da Taxa em 25,00% 50,00% Referência para Receitas Financeiras Provável Possível Remoto CDI % 10,8% 8,1% 5,4% AUMENTO DE DESPESA FINANCEIRA Consolidado: Empréstimos e Financiamentos R$ Apreciação da Taxa em 25,00% 50,00% Referência para Passivos Financeiros Provável Possível Remoto TJLP 6,0% 7,5% 9,0% URTJLP 10,4% 13,0% 15,6% CDI 10,8% 13,5% 16,2% IPCA 5,9% 7,4% 8,9% LIBOR Semestral 0,5% 0,6% 0,7% Variação Cambial 1,7 2,1 2,5 BADLAR 10,8% 13,5% 16,2% Operação DETERIORAÇÃO DAS RECEITAS FINANCEIRAS Moeda Cenário Provável (Valor Contábil) Cenário Possível Cenário Remoto Aplicações financeiras R$ Depreciação da Taxa em 25,00% 50,00% Referência para Receitas Financeiras Provável Possível Remoto CDI % 10,8% 8,1% 5,4% AUMENTO DE DESPESA FINANCEIRA Empréstimos e Financiamentos R$ Apreciação da Taxa em 25,00% 50,00% Referência para Passivos Financeiros Provável Possível Remoto TJLP 6,0% 7,5% 9,0% URTJLP 10,4% 13,0% 15,6% CDI 10,8% 13,5% 16,2% IPCA 5,9% 7,4% 8,9% LIBOR Semestral 0,5% 0,6% 0,7% Variação Cambial 1,7 2,1 2,5 BADLAR 10,8% 13,5% 16,2% 10 PÁGINA: 42 de 324

49 5.1 - Descrição dos principais riscos de mercado Risco de câmbio O risco de câmbio é o risco de que o valor justo dos fluxos de caixa futuros de um instrumento financeiro flutue devido a variações nas taxas de câmbio. A exposição da Companhia ao risco de variações nas taxas de câmbio refere-se principalmente às atividades operacionais da Companhia (quando receitas ou despesas são denominadas em uma moeda diferente da moeda funcional) e aos investimentos líquidos da Companhia em controladas no exterior. A Companhia atua internacionalmente e está exposta ao risco cambial decorrente de exposições de algumas moedas, principalmente com relação ao dólar dos Estados Unidos, que no exercício findo em 31 de dezembro de 2010 apresentou variação negativa de 4,31% (25,45% negativo em 2009). O risco cambial também decorre de operações comerciais e financeiras, ativos e passivos reconhecidos e investimentos no exterior, líquidos. A Companhia e suas controladas administram seu risco cambial em relação à sua moeda funcional. Além das contas a receber originadas por exportações no Brasil e dos investimentos no exterior que se constituem em hedge natural a Companhia avalia constantemente sua exposição cambial e, quando necessário, contrata instrumento financeiro derivativo com a finalidade única de proteção (hedge). Em 31 de dezembro de 2010 e 2009, a exposição cambial da Companhia e suas controladas para operações em moeda estrangeira são como segue: US$ mil Controladora Consolidado BRGAAP IFRS A. Ativos líquidos em dólares norte-americanos B. Empréstimos/financiamentos em dólares norte-americanos C. Valor justo de instrumentos financeiros derivativos - - (668) (25) D. Superavit (Déficit) apurado (A-B+C) (1.808) (41.390) 11 PÁGINA: 43 de 324

50 5.1 - Descrição dos principais riscos de mercado Sensibilidade à taxa de câmbio A tabela abaixo demonstra a sensibilidade a uma variação que possa ocorrer na taxa de câmbio do US$, mantendo-se todas as outras variáveis constantes, do lucro da Companhia antes da tributação e do patrimônio líquido da Companhia. Também são considerados três cenários, sendo o cenário provável o adotado pela Companhia, mais dois cenários com deterioração de 25% e 50% da variável do risco considerado. Esses cenários foram definidos com base na expectativa da Administração para as variações da taxa de câmbio nas datas de vencimento dos respectivos contratos sujeitos a estes riscos. Operação Risco Controladora Cenário provável Cenário A Cenário B Taxa Alta do US$ 1,67 2,08 2,50 Superávit apurado Taxa Baixa do US$ 1,67 1,25 0,84 Superávit apurado Operação Risco Consolidado Cenário provável Cenário A Cenário B Taxa Alta do US$ 1,67 2,08 2,50 Superávit apurado (1.899) (2.374) (2.849) Taxa Baixa do US$ 1,67 1,25 0,84 Superávit apurado (1.899) (1.425) (950) Risco de estrutura de capital O objetivo principal da administração de capital da Companhia é assegurar que esta mantenha uma classificação de crédito forte e uma razão de capital livre de problemas a fim de apoiar os negócios e maximizar o valor do acionista. A Companhia administra a estrutura do capital e a ajusta considerando as mudanças nas condições econômicas. A estrutura de capital ou o risco financeiro decorre da escolha entre capital próprio (aportes de capital e retenção de lucros) e capital de terceiros que a Companhia e as suas controladas fazem para financiar suas operações. Para mitigar os riscos de liquidez e a otimização do custo médio ponderado do capital, a Companhia e as suas controladas monitoram permanentemente os níveis de endividamento de acordo com os padrões de mercado e o cumprimento de índices (covenants) previstos em contratos de empréstimos e financiamentos. Não houve alterações quanto aos objetivos, políticas ou processos durante os exercícios findos em 31 de dezembro de 2010 e PÁGINA: 44 de 324

51 5.1 - Descrição dos principais riscos de mercado A Companhia inclui na dívida líquida os empréstimos e financiamentos com rendimento, menos caixa e equivalentes de caixa e aplicações de liquidez não imediata, como demonstrado abaixo. Controladora Nota Empréstimos e financiamentos (-) Caixa e equivalentes de caixa 6 ( ) ( ) (-) Aplicações de liquidez não imediata 7 ( ) (68.513) Dívida líquida Patrimônio Capital Social e dívida líquida Quociente de alavancagem 8,9% 11,8% Consolidado Nota Empréstimos e financiamentos (-) Caixa equivalentes de caixa 6 ( ) ( ) (-) Aplicações de liquidez não imediata 7 ( ) (68.513) Dívida líquida Patrimônio Capital Social e dívida líquida Quociente de alavancagem 5,6% 15,6% Garantias A Companhia não tem ativos financeiros dados em garantia em 31 de dezembro de 2010 e Risco de crédito O risco de crédito é o risco de a contraparte de um negócio não cumprir uma obrigação prevista em um instrumento financeiro ou contrato com cliente, o que levaria ao prejuízo financeiro. A Companhia está exposta ao risco de crédito em suas atividades operacionais (principalmente com relação a contas a receber) e de financiamento, incluindo depósitos em bancos e instituições financeiras, transações cambiais e outros instrumentos financeiros. Contas a receber O risco de crédito do cliente é administrado por cada unidade de negócios, estando sujeito aos procedimentos, controles e política estabelecida pela Companhia em relação a esse risco. Os limites de crédito são estabelecidos para todos os clientes com base em critérios internos de classificação. A qualidade do crédito do cliente é avaliada com base em um sistema interno de classificação de crédito extensivo. Os recebíveis de clientes em aberto são acompanhados com frequência. Em 31 de dezembro de 2010, a Companhia contava com aproximadamente 11 clientes (2009: 7 clientes) que deviam a Companhia mais de R$ cada e eram responsáveis por aproximadamente 34,5% (2009: 23,8%) de todos os recebíveis devidos. Em 31 de dezembro de 2010, oito clientes (2009: seis clientes) apresentavam saldos superiores a R$ , sendo responsáveis por mais de 29,5% (2009: 21,8%) dos valores a receber. A necessidade de uma provisão para perda por redução ao valor recuperável 13 PÁGINA: 45 de 324

52 5.1 - Descrição dos principais riscos de mercado é analisada a cada data reportada em base individual para os principais clientes. Além disso, um grande número de contas a receber com saldos menores está agrupado em grupos homogêneos e, nesses casos, a perda recuperável é avaliada coletivamente. O cálculo é baseado em dados históricos efetivos. A exposição máxima ao risco de crédito na data-base é o valor registrado de cada classe de ativos financeiros mencionados na Nota 8 das Demonstrações Financeiras. Instrumentos financeiros e depósitos em bancos O risco de crédito de saldos com bancos e instituições financeiras é administrado pela Tesouraria da Companhia de acordo com a política por esta estabelecida. Os recursos excedentes são investidos apenas em instituições financeiras autorizadas e aprovadas pelo Comitê de Planejamento e Finanças, avalizadas pela Diretoria Executiva, respeitando limites de crédito definidos, os quais são estabelecidos a fim de minimizar a concentração de riscos e, assim, mitigar o prejuízo financeiro no caso de potencial falência de uma contraparte. Risco de liquidez O risco de liquidez consiste na eventualidade da Companhia e suas controladas não dispor de recursos suficientes para cumprir com seus compromissos em função das diferentes moedas e prazos de liquidação de seus direitos e obrigações. O controle da liquidez e do fluxo de caixa da Companhia e suas controladas é monitorado diariamente pelas áreas de Gestão da Companhia, de modo a garantir que a geração operacional de caixa e a captação prévia de recursos, quando necessária, sejam suficientes para a manutenção do seu cronograma de compromissos, não gerando riscos de liquidez para a Companhia e suas controladas. O quadro abaixo resume o perfil do vencimento do passivo financeiro da Companhia e suas controladas em 31 de dezembro de 2010 com base nos pagamentos contratuais não descontados. Exercício findo em 31 de dezembro de 2010 Menos de 3 meses 3 a 12 meses 1 a 5 anos Mais de 5 anos Total Empréstimos Fornecedores Derivativos financeiros PÁGINA: 46 de 324

53 5.1 - Descrição dos principais riscos de mercado Risco de taxa de juros Risco de taxas de juros é o risco de que o valor justo dos fluxos de caixa futuros de um instrumento financeiro flutue devido a variações nas taxas de juros de mercado. A exposição da Companhia ao risco de mudanças nas taxas de juros de mercado refere-se, principalmente, às obrigações de longo prazo sujeitas a taxas de juros variáveis. A Companhia gerencia o risco de taxa de juros mantendo uma carteira equilibrada entre empréstimos a receber e empréstimos a pagar sujeitos a taxas fixas e a taxas variáveis. Para mitigar esses riscos, a Companhia e suas controladas adotam como prática diversificar as captações de recursos em termos de taxas pré-fixadas ou pósfixadas, análise permanente de riscos das instituições financeiras e, em determinadas circunstâncias avaliam a necessidade de contratação de operações de hedge para travar o custo financeiro das operações. Os rendimentos oriundos das aplicações financeiras bem como as despesas financeiras provenientes dos empréstimos e financiamentos da Companhia são afetados pelas variações nas taxas de juros, tais como TJLP, IPCA e CDI. Sensibilidade a taxas de juros A tabela abaixo demonstra a sensibilidade a uma possível mudança nas taxas de juros, mantendo-se todas as outras variáveis constantes no lucro da Companhia antes da tributação (é afetado pelo impacto dos empréstimos a pagar sujeitos a taxas variáveis). Foi considerado três cenários, sendo o cenário provável o adotado pela Companhia, mais dois cenários com deterioração de 25% e 50% da variável do risco considerado. Esses cenários foram definidos com base na expectativa da Administração para as variações da taxa de juros nas datas de vencimento dos respectivos contratos sujeitos a estes riscos. A análise de sensibilidade leva em consideração as posições em aberto na data base de 31 de dezembro de 2011, com base em valores nominais e juros de cada instrumento contratado. 15 PÁGINA: 47 de 324

54 5.1 - Descrição dos principais riscos de mercado Risco de taxa de juros--continuação Controladora Operação DETERIORAÇÃO DAS RECEITAS FINANCEIRAS Moeda Cenário Provável (Valor Contábil) Cenário Possível Cenário Remoto Aplicações financeiras R$ Depreciação da Taxa em 25,00% 50,00% Referência para Receitas Financeiras Provável Possível Remoto CDI % 11,6% 8,7% 5,8% AUMENTO DE DESPESA FINANCEIRA Empréstimos e Financiamentos R$ Apreciação da Taxa em 25,00% 50,00% Referência para Passivos Financeiros Provável Possível Remoto TJLP 6,0% 7,5% 9,0% URTJLP 2,0% 2,5% 3,0% CDI 11,6% 14,5% 17,4% IPCA 6,5% 8,1% 9,8% LIBOR Semestral 0,8% 1,0% 1,2% Variação Cambial 1,88 2,34 2,81 BADLAR 17,2% 21,5% 25,8% Consolidado Operação DETERIORAÇÃO DAS RECEITAS FINANCEIRAS Moeda Cenário Provável (Valor Contábil) Cenário Possível Cenário Remoto Aplicações financeiras R$ Depreciação da Taxa em 25,00% 50,00% Referência para Receitas Financeiras Provável Possível Remoto CDI % 11,6% 8,7% 5,8% AUMENTO DE DESPESA FINANCEIRA Empréstimos e Financiamentos R$ Apreciação da Taxa em 25,00% 50,00% Referência para Passivos Financeiros Provável Possível Remoto TJLP 6,0% 7,5% 9,0% URTJLP 2,0% 2,5% 3,0% CDI 11,6% 14,5% 17,4% IPCA 6,5% 8,1% 9,8% LIBOR Semestral 0,8% 1,0% 1,2% Variação Cambial 1,88 2,34 2,81 BADLAR 17,2% 21,5% 25,8% Risco de câmbio O risco de câmbio é o risco de que o valor justo dos fluxos de caixa futuros de um instrumento financeiro flutue devido a variações nas taxas de câmbio. A exposição da Companhia ao risco de variações nas taxas de câmbio refere-se principalmente às atividades operacionais da Companhia (quando receitas ou despesas são denominadas em uma moeda diferente da moeda funcional) e aos investimentos líquidos da Companhia em controladas no exterior. 16 PÁGINA: 48 de 324

55 5.1 - Descrição dos principais riscos de mercado A Companhia atua internacionalmente e está exposta ao risco cambial decorrente de exposições de algumas moedas, principalmente com relação ao dólar dos Estados Unidos, que no exercício findo em 31 de dezembro de 2011 apresentou variação positiva de 12,58% (4,31% negativo em 2010). O risco cambial também decorre de operações comerciais e financeiras, ativos e passivos reconhecidos e investimentos no exterior, líquidos. A Companhia e suas controladas administram seu risco cambial em relação à sua moeda funcional. Além das contas a receber originadas por exportações no Brasil e dos investimentos no exterior que se constituem em hedge natural a Companhia avalia constantemente sua exposição cambial e, quando necessário, contrata instrumento financeiro derivativo com a finalidade única de proteção (hedge). Em 31 de dezembro de 2011 e 2010, a exposição cambial da Companhia e suas controladas para operações em moeda estrangeira são como segue: US$ mil Controladora Consolidado BRGAAP IFRS 31/12/ /12/ /12/ /12/2010 A. Ativos líquidos em dólares norte-americanos B. Empréstimos/financiamentos em dólares norte-americanos C. Valor justo de instrumentos financeiros derivativos (337) - (2.127) (668) D. Superavit (Déficit) apurado (A-B+C) (3.275) (1.808) Sensibilidade à taxa de câmbio A tabela abaixo demonstra a sensibilidade a uma variação que possa ocorrer na taxa de câmbio do US$, mantendo-se todas as outras variáveis constantes, do lucro da Companhia antes da tributação e do patrimônio líquido da Companhia. Também são considerados três cenários, sendo o cenário provável o adotado pela Companhia, mais dois cenários com deterioração de 25% e 50% da variável do risco considerado. Esses cenários foram definidos com base na expectativa da Administração para as variações da taxa de câmbio nas datas de vencimento dos respectivos contratos sujeitos a estes riscos. 17 PÁGINA: 49 de 324

56 5.1 - Descrição dos principais riscos de mercado Operação Risco Controladora Cenário provável Cenário A Cenário B Taxa Alta do US$ 1,88 2,35 2,82 Superávit apurado Taxa Baixa do US$ 1,88 1,41 0,94 Superávit apurado Operação Risco Consolidado Cenário provável Cenário A Cenário B Taxa Alta do US$ 1,88 2,35 2,82 Superávit apurado (6.157) (7.696) (9.236) Taxa Baixa do US$ 1,88 1,41 0,94 Superávit apurado (6.157) (4.618) (3.079) Risco de estrutura de capital O objetivo principal da administração de capital da Companhia é assegurar que esta mantenha uma classificação de crédito forte e uma razão de capital livre de problemas a fim de apoiar os negócios e maximizar o valor do acionista. A Companhia administra a estrutura do capital e a ajusta considerando as mudanças nas condições econômicas. A estrutura de capital ou o risco financeiro decorre da escolha entre capital próprio (aportes de capital e retenção de lucros) e capital de terceiros que a Companhia e as suas controladas fazem para financiar suas operações. Para mitigar os riscos de liquidez e a otimização do custo médio ponderado do capital, a Companhia e as suas controladas monitoram permanentemente os níveis de endividamento de acordo com os padrões de mercado e o cumprimento de índices (covenants) previstos em contratos de empréstimos e financiamentos. Não houve alterações quanto aos objetivos, políticas ou processos durante os exercícios findos em 31 de dezembro de 2011 e A Companhia inclui na dívida líquida os empréstimos e financiamentos com rendimento, menos caixa e equivalentes de caixa e aplicações de liquidez não imediata, como demonstrado abaixo. 18 PÁGINA: 50 de 324

57 5.1 - Descrição dos principais riscos de mercado Controladora Nota 31/12/ /12/2010 Empréstimos e financiamentos (-) Caixa e equivalentes de caixa 6 ( ) ( ) (-) Aplicações de liquidez não imediata 7 ( ) ( ) Dívida líquida Patrimônio Capital Social e dívida líquida Quociente de alavancagem 17,5% 8,9% Consolidado Nota 31/12/ /12/2010 Empréstimos e financiamentos (-) Caixa e equivalentes de caixa 6 ( ) ( ) (-) Aplicações de liquidez não imediata 7 ( ) ( ) Dívida líquida Patrimônio Capital Social e dívida líquida Quociente de alavancagem 21,9% 5,6% Garantias A Companhia não tem ativos financeiros dados em garantia em 31 de dezembro de 2011 e Risco de crédito O risco de crédito é o risco de a contraparte de um negócio não cumprir uma obrigação prevista em um instrumento financeiro ou contrato com cliente, o que levaria ao prejuízo financeiro. A Companhia está exposta ao risco de crédito em suas atividades operacionais (principalmente com relação a contas a receber) e de financiamento, incluindo depósitos em bancos e instituições financeiras, transações cambiais e outros instrumentos financeiros. Contas a receber O risco de crédito do cliente é administrado por cada unidade de negócios, estando sujeito aos procedimentos, controles e política estabelecida pela Companhia em relação a esse risco. Os limites de crédito são estabelecidos para todos os clientes com base em critérios internos de classificação. A qualidade do crédito do cliente é avaliada com base em um sistema interno de classificação de crédito extensivo. Os recebíveis de clientes em aberto são acompanhados com frequência. Em 31 de dezembro de 2011, a Companhia contava com aproximadamente 10 clientes (11 clientes em 31 de dezembro de 2010) que deviam à Companhia mais de R$ cada e eram responsáveis por aproximadamente 33,2% (34,5% em 31 de dezembro de 2010) de todos os recebíveis devidos. Em 31 de dezembro de 2011, 8 clientes (8 clientes em 31 de dezembro de 2010) apresentavam saldos superiores a R$ , sendo responsáveis por mais de 30,2% (29,5% em 31 de dezembro de 2010) dos valores a receber. A necessidade de uma provisão para perda por redução ao valor recuperável é analisada a cada data reportada em base individual para os principais clientes. Além disso, um grande número de contas a receber com saldos menores 19 PÁGINA: 51 de 324

58 5.1 - Descrição dos principais riscos de mercado está agrupado em grupos homogêneos e, nesses casos, a perda recuperável é avaliada coletivamente. O cálculo é baseado em dados históricos efetivos. A exposição máxima ao risco de crédito na data-base é o valor registrado de cada classe de ativos financeiros mencionados na Nota 7 das Demonstrações financeiras. Instrumentos financeiros e depósitos em bancos O risco de crédito de saldos com bancos e instituições financeiras é administrado pela Tesouraria da Companhia de acordo com a política por esta estabelecida. Os recursos excedentes são investidos apenas em instituições financeiras autorizadas e aprovadas pelo Comitê de Planejamento e Finanças, avalizadas pela Diretoria Executiva, respeitando limites de crédito definidos, os quais são estabelecidos a fim de minimizar a concentração de riscos e, assim, mitigar o prejuízo financeiro no caso de potencial falência de uma contraparte. Risco de liquidez O risco de liquidez consiste na eventualidade da Companhia e suas controladas não dispor de recursos suficientes para cumprir com seus compromissos em função das diferentes moedas e prazos de liquidação de seus direitos e obrigações. O controle da liquidez e do fluxo de caixa da Companhia e suas controladas são monitorados diariamente pelas áreas de Gestão da Companhia, de modo a garantir que a geração operacional de caixa e a captação prévia de recursos, quando necessária, sejam suficientes para a manutenção do seu cronograma de compromissos, não gerando riscos de liquidez para a Companhia e suas controladas. O quadro abaixo resume o perfil do vencimento do passivo financeiro da Companhia e suas controladas em 31 de dezembro de 2011 com base nos pagamentos contratuais não descontados. Exercício findo em 31 de dezembro de 2011 Menos de 3 meses 3 a 12 meses 1 a 5 anos Mais de 5 anos Total Empréstimos Fornecedores Derivativos financeiros PÁGINA: 52 de 324

59 5.2 - Descrição da política de gerenciamento de riscos de mercado 5.2 Descrever a política de gerenciamento de riscos de mercado adotada pelo emissor, seus objetivos, estratégias e instrumentos, indicando: a. riscos para os quais se busca proteção A Companhia tem por política efetuar operações com instrumentos financeiros derivativos com o objetivo de mitigar ou de eliminar riscos cambiais inerentes à sua operação. Atualmente, os instrumentos financeiros derivativos contratados pela Companhia, todos com registro na CETIP, são decorrentes de risco de câmbio, com objetivo específico de proteção de sua exposição estimada em moeda estrangeira. Os instrumentos derivativos contratados pela Companhia e suas controladas foram substancialmente de operações com NDFs (Non Deliverable Forward) visando a proteção (hedge) de vendas futuras esperadas a clientes no exterior para as quais a Companhia prevê que seja altamente provável a realização das transações e saldo credor denominado em moeda estrangeira, e operações de swap cambial, visando a proteção da variação cambial de alguns empréstimos contratados em moeda estrangeira. b. estratégia de proteção patrimonial (hedge) A Companhia e suas controladas mantêm operações com instrumentos financeiros. A administração desses instrumentos é efetuada por meio de estratégias operacionais e controles internos visando assegurar liquidez, rentabilidade e segurança. A contratação de instrumentos financeiros com o objetivo de proteção é feita por meio de uma análise periódica da exposição ao risco que a administração pretende cobrir. A partir de 2010, algumas operações de NDFs foram documentadas para fins de registro através da metodologia de contabilidade de hedge ( hedge accounting ), em conformidade com o CPC 38, aprovado pela Deliberação CVM nº. 604/09. Nesta modalidade de operação a Companhia tem deveres e obrigações com base em uma cotação contratada previamente no momento de seu vencimento. A Companhia registra em conta especifica do patrimônio líquido os efeitos não realizados destes instrumentos contratados. A operação de swap cambial refere-se à operação de troca de indexadores, sobre um valor nocional, onde a Companhia na ponta ativa recebe a variação cambial entre um período de início de contrato até o vencimento, pagando na ponta passiva a variação da CDI descontado de deságio pré-fixado para cada vencimento. Apresentamos no quadro abaixo as posições da Companhia verificadas em 31 de dezembro de 2010, com os valores nominais e justos de cada instrumento contratado: PÁGINA: 53 de 324

60 5.2 - Descrição da política de gerenciamento de riscos de mercado Descrição / Contraparte Valor de Referência Nocional em milhares de US$ Valor de Referência Nocional em milhares de R$ Valor Justo em milhares de R$ - (crédito) / débito Valor de Custo em milhares de R$ - (crédito) / débito Efeito Acumulado em 2010 em milhares de R$ (crédito) / débito Valor Recebid o Valor pago Efeito Acumulado em 2009 em milhares de R$ (crédito) / débito Valor recebido Valor pago NDF (43) 414 (43) 776 (61) (5.891) SWAP (1.528) - (1.528). - (874) - - Total (1.114) (43) (1.114) (43) 776 (935) (5.891) No quadro abaixo demonstramos a abertura dos derivativos de câmbio por contraparte: Valor de Referência (nocional) Valor Justo Descrição Moeda Moeda NDF hedge accounting Banco do Brasil USD R$ 312 (43) HSBC USD R$ 67 - Banco Itaú BBA USD R$ 35 - Swap Banco do Brasil USD R$ (1.528) - Total USD R$ (1.114) (43) Os vencimentos destas operações estão abaixo resumidos, em milhares de dólares. Descrição Até 30 dias De 31 a 180 dias De 181 a 365 dias Total líquido Total líquido NDF Swap Total Abaixo estão apresentados, por seu valor justo, os ganhos e perdas nos exercícios findos em 31 de dezembro de 2010 e 2009, agrupados pelas principais categorias de riscos: Ganhos e Perdas registradas no Resultado Alocado na Alocado no Receita Bruta Resultado em Financeiro em Ganhos e Perdas registradas no Patrimônio Líquido* Descrição Moeda Operações de Proteção Cambial Contratos NDF (Non Deliverable Forwards) R$ Swap - - (2.403) TOTAL R$ - - (825) * Valor sem os efeitos dos impostos, sendo representado pelo valor de R$ 273 líquidos dos efeitos tributários. PÁGINA: 54 de 324

61 5.2 - Descrição da política de gerenciamento de riscos de mercado No quadro a seguir apresentamos três cenários, sendo o cenário mais provável o adotado pela Companhia. Esses cenários foram definidos com base na expectativa da administração para as variações da taxa de câmbio nas datas de vencimento dos respectivos contratos sujeitos a estes riscos. Além desse cenário a CVM, através da Instrução nº 475, determinou que fossem apresentados mais dois cenários com deterioração de 25% e 50% da variável do risco considerado. Esses cenários estão sendo apresentados de acordo com o regulamento da CVM. Operação Risco Consolidado Cenário provável Cenário A Cenário B Non Deliverable Forward NDF Alta do US$ 414 (2.084) (4.584) Swap (1.528) (1.910) (2.292) Apresentamos no quadro abaixo as posições da Companhia e suas controladas verificadas em 31 de dezembro de 2011, com os valores nominais e justos de cada instrumento contratado: Controladora Valor de Referência Notional em milhares de US$ Valor de Referência Notional em milhares de R$ Valor Justo em milhares de R$ - (crédito) / débito Valor de Custo em milhares de R$ - (crédito) / débito Efeito Acumulado em 2011 em milhares de R$ (crédito) / débito Valor Valor Recebido Pago Efeito Acumulado em 2010 em milhares de R$ (crédito) / débito Valor Valor recebido pago Descrição / Contraparte NDF (633) - (633) - 16 (172) - - Total (633) - (633) - 16 (172) - - Consolidado Valor de Referência Notional em milhares de US$ Valor de Referência Notional em milhares de R$ Valor Justo em milhares de R$ - (crédito) / débito Valor de Custo em milhares de R$ - (crédito) / débito Efeito Acumulado em 2011 em milhares de R$ (crédito) / débito Valor Valor Recebido Pago Efeito Acumulado em 2010 em milhares de R$ (crédito) / débito Valor Valor recebido pago Descrição / Contraparte NDF (4.187) 414 (4.187) (334) 776 (61) SWAP (1.528) 197 (1.528) - (1.355) - (874) Total (3.990) (1.114) (3.990) (1.114) (1.689) 776 (935) No quadro abaixo demonstramos a abertura dos derivativos de câmbio por contraparte: PÁGINA: 55 de 324

62 5.2 - Descrição da política de gerenciamento de riscos de mercado Controladora Valor de referência (Notional) Valor justo Descrição Moeda 31/12/2011 Moeda 31/12/2011 NDF hedge accounting Banco Santander USD R$ (73) Banco Itaú BBA USD R$ (560) Total USD R$ (633) Consolidado Valor de referência (Notional) Valor justo Descrição Moeda 31/12/ /12/2010 Moeda 31/12/ /12/2010 NDF hedge accounting Banco do Brasil USD R$ (575) 312 HSBC USD R$ (1.028) 67 Banco Itaú BBA USD R$ (803) 35 Banco Santander USD R$ (1.379) - Banco Votorantin USD R$ (402) - Swap Banco do Brasil USD R$ 197 (1.528) Total USD R$ (3.990) (1.114) Os vencimentos destas operações estão abaixo resumidos, em milhares de dólares. Controladora Descrição Até 30 dias 31/12/2011 De 31 a 180 dias Total líquido NDF Total Consolidado Descrição Até 30 dias De 31 a 180 dias 31/12/ /12/2010 De 181 a 365 Acima de 365 dias dias Total líquido Total líquido NDF Swap Total Abaixo estão apresentados, por seu valor justo, os ganhos e perdas nos exercícios findos em 31 de dezembro de 2011 e 2010, agrupados pelas principais categorias de riscos: PÁGINA: 56 de 324

63 5.2 - Descrição da política de gerenciamento de riscos de mercado Ganhos e Perdas registradas no Resultado Alocado no Resultado Financeiro em Alocado na Receita Bruta em Ganhos e Perdas registradas no Patrimônio Líquido* Moed a Descrição Operações de Proteção Cambial Contratos NDF (Non Deliverable Forwards) R$ (2.167) (3.555) 414 Swap R$ (2.403) - - Total R$ (1.798) (825) (3.555) 414 * Valor sem os efeitos dos impostos. No quadro a seguir apresentamos três cenários, sendo o cenário mais provável o adotado pela Companhia. Esses cenários foram definidos com base na expectativa da administração para as variações da taxa de câmbio nas datas de vencimento dos respectivos contratos sujeitos a estes riscos. Além desse cenário a CVM, através da Instrução nº 475, determinou que fossem apresentados mais dois cenários com deterioração de 25% e 50% da variável do risco considerado. Esses cenários estão sendo apresentados de acordo com o regulamento da CVM. Operação Risco Controladora Cenário provável Cenário A Cenário B Non Deliverable Forward NDF Alta do US$ (633) (5.108) (9.583) Operação Risco Consolidado Cenário provável Cenário A Cenário B Non Deliverable Forward NDF Alta do US$ 197 (246) (296) Swap (4.187) (21.161) (38.695) c. instrumentos utilizados para proteção patrimonial (hedge) As operações contratadas no exercício são instrumentos derivativos Non Deliverable Forward (NDF). d. parâmetros utilizados para o gerenciamento desses riscos Para a exposição ao câmbio, a Companhia possui Política de Proteção Cambial, escrita pelo Comitê de Planejamento e Finanças e avalizada pela Diretoria Executiva. O objetivo da política é uniformizar os procedimentos entre a Companhia e suas controladas, definir responsabilidades e limites nas operações que envolvam proteção cambial, reduzindo os efeitos cambiais sobre o fluxo de divisas em moeda estrangeira projetado pelo fluxo de caixa. PÁGINA: 57 de 324

64 5.2 - Descrição da política de gerenciamento de riscos de mercado É tomado por base o fluxo de caixa em moeda estrangeira projetado mensalmente sempre para os doze meses seguintes, com base nas projeções do Plano Estratégico, ou na expectativa atualizada de cada empresa. Os instrumentos utilizados são conservadores e previamente aprovados pelo mesmo comitê. A taxa média a ser perseguida deve ser igual ou superior à prevista no Plano Anual de Negócios (Orçamento) das empresas. Todas as operações são controladas pela Diretoria Financeira da Companhia Controladora e informadas ao Comitê Executivo. O resultado líquido, destas operações, é registrado por competência nas suas demonstrações financeiras. e. se o emissor opera instrumentos financeiros com objetivos diversos de proteção patrimonial (hedge) e quais são esses objetivos A Companhia e suas controladas não efetuam aplicações de caráter especulativo, em derivativos ou quaisquer outros ativos de risco. Os resultados obtidos com estas operações estão condizentes com as políticas e estratégias definidas pela Administração da Companhia. f. estrutura organizacional de controle de gerenciamento de riscos A responsabilidade pelo gerenciamento de riscos à operações de hedge é compartilhado pelo Comitê de Planejamento e Finanças e pela Diretoria Executiva, que avaliza as políticas emitidas por este comitê e controla mensalmente exposições em cada controlada por meio de formulários gerenciais específicos. Tais formulários, quando necessário, podem ser solicitados e fornecidos à Auditoria Interna, Auditoria Independente Externa e Conselho Fiscal. g. adequação da estrutura operacional e controles internos para verificação da efetividade da política adotada A Administração da Companhia e de suas controladas mantém monitoramento permanente sobre os instrumentos financeiros derivativos contratados por meio de seus controles internos, fiscalizados pela Auditoria Interna, Auditoria Independente Externa e Conselho Fiscal instalado. PÁGINA: 58 de 324

65 5.3 - Alterações significativas nos principais riscos de mercado Não houve alterações significativas nos principais riscos de mercado a que o emissor está exposto ou na política de gerenciamento de riscos. PÁGINA: 59 de 324

66 5.4 - Outras informações relevantes - Não há outras informações relevantes referente aos Riscos de Mercado. PÁGINA: 60 de 324

67 6.1 / 6.2 / Constituição do emissor, prazo de duração e data de registro na CVM Data de Constituição do Emissor 16/09/1992 Forma de Constituição do Emissor Sociedade Anônima de Capital aberto País de Constituição Brasil Prazo de Duração Prazo de Duração Indeterminado Data de Registro CVM 05/02/1993 PÁGINA: 61 de 324

68 6.3 - Breve histórico As atividades da Companhia tiveram seu início em 1949, quando seus fundadores, Raul Anselmo Randon, atual Presidente do Conselho de Administração da Companhia, e seu irmão, Hercílio Randon, (falecido em 1989) montaram uma oficina voltada à reforma de motores e posteriormente à fabricação de freios a ar para caminhões, na cidade de Caxias do Sul,no Estado do Rio Grande do Sul, Brasil. A Companhia, especificamente, foi constituída em 26 de agosto de 1976 sob a forma de uma sociedade limitada com a denominação social de RAR Participações e Administração Ltda., tendo sido transformada em uma sociedade anônima em 16 de setembro de 1992, quando passou a denominar-se Randon Participações S.A.. A atual denominação somente foi adotada em 28 de novembro de 2003, após a incorporação da Randon S.A. Implementos e Sistemas Automotivos por sua controladora Randon Participações S.A., conforme descrito abaixo. Em 1978, a Companhia adquiriu a Mecânica Rodoviária, que era a sua principal concorrente no setor de implementos rodoviários. A Mecânica Rodoviária tinha um faturamento equivalente a 30% do faturamento da empresa de implementos rodoviários da Companhia. Em 1986, a então Randon S.A. Veículos e Implementos e a Rockwell International Corporation, antecessora da ArvinMeritor Inc., empresa norte-americana, constituíram a primeira das atuais joint ventures, a Master sistemas Automotivos Ltda, tendo como objeto a produção de sistemas de freio. A Companhia detêm 51% e a ArvinMeritor, 49%, do capital social da Master. Em março de 1993, houve uma reestruturação societária implementada na Companhia, que teve por objetivo a criação de uma holding ( Randon Participações S.A. ) e a abertura de seu capital por meio da realização de uma oferta pública de leilão de permuta de ações da Randon S/A Veículos e Implementos, Rodoviária S/A Indústria de Implementos para o Transporte, Randon Nordeste S/A Veículos e Implementos e quotas da Irapuru Transporte Ltda. por ações da Randon Participações S.A., hoje Randon S.A. Implementos e Participações. Com essa reestruturação se eliminou o efeito cascata nas participações societárias entre as empresas envolvidas no processo. Em 1995, a Companhia estabeleceu uma nova joint venture, dessa vez com a empresa alemã JOST Werke. Foi então constituída a JOST Brasil Sistemas Automotivos Ltda, que fabrica, monta, comercializa, importa e exporta produtos como a quinta-roda, aparelhos de levantamento, pinos-rei, suspensores, kits de cavalo mecânico, engates para containeres, ralas, hubodômetros, engates PÁGINA: 62 de 324

69 6.3 - Breve histórico automáticos, dentre outros sistemas automotivos. A Companhia detêm 51% e a JOST Werke, 49%, do capital social da JOST. Em 1996, a Companhia adquiriu o controle da Fras-le S.A., que atualmente é uma empresa líder no segmento de materiais de fricção. A Companhia detêm 53,1% do capital social votante e 45% do capital total de Fras-le. Em 2002, a Companhia estabeleceu uma nova joint venture com o grupo ArvinMeritor, criando a Suspensys Sistemas Automotivos Ltda, tendo como objeto a fabricação de sistema de suspensões. Essa joint venture surgiu a partir da cisão parcial da Randon Nordeste S.A. Veículos e Implementos, que teve parte de seu patrimônio vertida para a Randon S.A. Implementos e Sistemas Automotivos, que posteriormente transformou seu tipo jurídico em uma sociedade limitada, denominada RN Veículos e Implementos Ltda. A atual denominação desta segunda joint venture com a ArvinMeritor, Suspensys, foi adotada em A Companhia detêm, diretamente, 22,9% e, indiretamente, 27,1% do capital social da Suspensys. A parcela remanescente era detida pela ArvinMeritor. Na Assembléia Geral Extraordinária e Ordinária da Companhia realizada em 30 de abril de 2004, foi aprovado o grupamento das ações representativas do capital social da Companhia com o propósito de simplificar os procedimentos operacionais, ajustando a quantidade de ações ao valor do capital social, possibilitando a expressão monetária das ações mais adequada por unidade. Foram agrupadas as ações nominativas, escriturais e sem valor nominal emitidas até então pela Companhia, na proporção de 1000 ações para uma da respectiva espécie, sem alteração do valor do capital social, reduzindo-as para ações. A Dramd cedeu gratuitamente ações de sua titularidade a todos os acionistas que necessitaram completar suas posições, por espécie, em lotes múltiplos de mil, de modo que com o grupamento não fossem geradas frações e as frações remanescentes da Dramd foram desprezadas. Em novembro de 2003, a Companhia incorporou a controlada Randon S.A. Implementos e Sistemas Automotivos, passando a se denominar Randon S.A. Implementos e Participações. Essa operação visou simplificar a estrutura do grupo, economizar custos com a eliminação de uma sociedade e concentrar atividades operacionais na Companhia, que até então era uma sociedade preponderantemente de participações. PÁGINA: 63 de 324

70 6.3 - Breve histórico No ano de 2006, a Companhia realizou oferta pública primária e secundária onde emitiu de ações ordinárias e de ações preferenciais, cujo preço de emissão foi de R$ 8,25 cada uma. O valor do capital social da Companhia passou de R$ ,00 para R$ ,00 representado por ações, sendo ações ordinárias e ações preferenciais. Em fevereiro/2008, a Companhia, com o objetivo de otimizar seus controles administrativos e de custos, dentro outros, fundamentais ao desempenho das Empresa Randon, transformou sua filial sediada em Guarulhos São Paulo em controlada (unidade de negócio) a qual passou a denominarse Randon Implementos para o Transporte Ltda. Em junho/2009 a Companhia incorporou sua controlada Randon Veículos Ltda. Esta operação visou integrar as atividades da Controlada com as atividades desenvolvidas pela Companhia; redefinição das sociedades envolvidas, de modo a racionalizar operações sociais e reduzir custos administrativos e operacionais, buscando como resultado, entre outros, benefícios patrimoniais, financeiros e fiscais. Em abril de 2010, a Companhia aprovou em Assembléia Geral Ordinária e Extraordinária, bonificação de 50%. O total de ações da Companhia passou de ações sendo ações ordinárias e ações preferenciais para ações sendo ações ordinárias e ações preferenciais. Em a Randon S.A. Implementos e Participações firmou contrato para aquisição das quotas da Folle Indústria de Implementos Rodoviários Ltda., de Chapecó (SC), fabricante de semirreboques, que passou a denominar-se Randon Brantech Implementos para o Transporte Ltda. Atualmente, o grupo Randon é formado por onze empresas operacionais e quatro subsidiárias. Das empresas operacionais, sete delas são controladas diretamente pela Companhia, uma refere-se a controladora Randon S.A. e três têm o controle compartilhado com sócios estrangeiros. São dez plantas industriais, sendo que seis delas localizadas no complexo industrial Randon em Caxias do Sul, no Rio Grande do Sul, uma localizada no Complexo Fras-le, também em Caxias do Sul, uma em Guarulhos, São Paulo, uma em Chapecó - SC e uma planta em Santa Fé na Argentina. PÁGINA: 64 de 324

71 6.3 - Breve histórico Para melhor compreensão da estrutura societária da companhia, abaixo apresentamos organograma societário. PÁGINA: 65 de 324

72 6.5 - Principais eventos societários ocorridos no emissor, controladas ou coligadas a.evento 2011 Aquisição de empresa b.principais condições do negócio Sua aquisição faz parte da estratégia de crescimento da Randon S.A., que busca destinar investimentos para o fortalecimento de segmentos específicos, em pólos regionais, visando consolidar ainda mais a presença do grupo no mercado doméstico. Randon S.A. Implementos e Participações c. Sociedades envolvidas e Folle Indústria de Implementos Rodoviários Ltda a qual passou a denominar-se Randon Brantech Implementos para o Transporte Ltda d. Efeitos resultantes da operação no quadro acionário, especialmente, sobre a participação do controlador, de acionistas com mais de 5% do capital social e dos Não se aplica administradores do emissor e. Quadro societário antes e depois Vide Organogramas abaixo da operação No exercício de 2010 o emissor e suas controladas não passaram por eventos de reorganização societária. PÁGINA: 66 de 324

73 6.5 - Principais eventos societários ocorridos no emissor, controladas ou coligadas Organograma sem a aquisição da Folle Indústria de Implementos Rodoviários Ltda: Organograma com a aquisição da Folle Indústria de Implementos Rodoviários Ltda Atualmente denominada - Randon Brantech Implementos para o Transporte Ltda. PÁGINA: 67 de 324

74 6.6 - Informações de pedido de falência fundado em valor relevante ou de recuperação judicial ou extrajudicial Não houve pedido de falência, de recuperação judicial ou extrajudicial do emissor. PÁGINA: 68 de 324

75 7.1 - Descrição das atividades do emissor e suas controladas Item 7.1 Descrever sumariamente as atividades desenvolvidas pelo emissor e suas controladas; Segmento de Veículos e Implementos Randon S.A. Implementos e Participações É a maior fabricante de implementos rodoviários da América latina e está posicionada entre as maiores do mundo. Fabrica carrocerias, reboques e semireboques nos modelos graneleiro, tanque, carga seca, basculante, silo, frigorífico, canavieiro, florestal, sider e furgão, além de silos estacionários. Atua também no desenvolvimento, fabricação, venda e assistência técnica de caminhões fora de estrada rígidos e articulados, para indústria da construção e da mineração; de tratores florestais e cabeçotes processadores para mecanização florestal e de retroescavadeira. Desde 2004, fabrica vagões ferroviários de carga geral, plataforma, entre outros. Com sede em Caxias do Sul, RS, a empresa mantém unidades industriais em Guarulhos, SP (Randon Implementos para o Transporte Ltda), Chapecó SC (Randon Brantech Implementos para o Transporte Ltda) e em Alvear, na Província de Santa Fé, na Argentina (Randon Argentina S.A.). Randon Implementos para o Transporte Ltda, localizada em Guarulhos, SP, está em operação desde Em 2009 consolidou o seu processo de modernização e desenvolvimento tecnológico expandindo sua capacidade produtiva em mais de 50%. Modernizou a linha de fabricação de produtos para o transporte de bebidas, agregou novos processos produtivo duplicando a capacidade das linhas de montagem dos produtos canavieiros e furgões e incrementou uma nova linha para a fabricação de siders, além de ingressar no mercado de carrocerias basculantes para aplicação na mineração e construção. Randon Brantech Implementos para o Transporte Ltda, iniciou suas atividades em novembro de 2011 na cidade de Chapecó, SC, após firmar contrato para aquisição da empresa Folle Indústria de Implementos Rodoviários Ltda. Fabrica exclusivamente semirreboques frigoríficos dos modelos gancheira e paleteira e é atual líder no mercado nacional neste segmento. Com seis meses de atuação, a Randon Brantech incrementou sua capacidade produtiva em 100% através de melhorias de processo e adequação da mão-de-obra. Randon Argentina S.A., fundada em 1994 e em 1998 foi concluída a construção da unidade industrial em Alvear, Rosário, Província de Santa Fé. Em 2005, a Randon Argentina intensificou a fabricação do acoplado carga geral. No ano seguinte iniciou a montagem de semirreboques carga geral a partir de kits CKD enviados do Brasil pela Randon, mas logo nacionalizou o processo aliando a sua estratégia comercial e consolidando a presença da marca Randon naquele país. Hoje, os produtos Randon são referências no setor de transporte na Argentina e estão disponíveis nos modelos tanques, silo, carga seca, frigorífico, basculante, canavieiro, florestal, sider e furgão. Segmento de Autopeças Suspensys Sistemas Automotivos Ltda Líder nacional na produção de sistemas de suspensões e componentes, a Suspensys foi criada através de uma joint-venture entre a PÁGINA: 69 de 324

76 7.1 - Descrição das atividades do emissor e suas controladas Randon S.A. Implementos e Participações e a ArvinMeritor Inc., dos Estados Unidos em A empresa oferece soluções e serviços inovadores em sistemas de suspensões com tecnologia, qualidade e atendimentos reconhecidos. Fornece produtos para as principais montadoras de caminhões, ônibus e implementos rodoviários, exportando para outros continentes em conjunto com os sócios Randon e ArvinMeritor. Fras- Le S.A. Criada em 1954, a empresa oferece soluções de segurança no controle de movimentos para os segmentos de Montadoras e Reposição, com um portfólio de mais de referências. São pastilhas e lonas de freio, revestimentos de embreagem, produtos industriais e especiais, para aplicação em caminhões, ônibus, reboques e semirreboques, automóveis, motocicletas, máquinas, tratores, trens, metrôs, elevadores e sonda pretolíferas. A Fras-le é líder na América Latina e entre as maiores fabricantes mundiais do segmento de materiais de fricção. É fornecedora de materiais de fricção originais para 95% das montadoras brasileiras de veículos pesados e semipesados, além de liderar no mercado nacional de reposição. Os produtos Fras-le são fabricados em três unidades fabris; na matriz, localizada em Caxias do Sul, RS, Brasil, na unidade localizada na cidade de Pinghu, China e na planta do Alabama, nos Estados Unidos. Sua estrutura conta ainda com centros de distribuição na Argentina, na Europa e nos Estados Unidos e com operações comerciais na África do Sul, Alemanha, Argentina, Chile, China, Emirados Árabes Unidos, Estados Unidos e México. Master Sistemas Automotivos Ltda situada em Caxias do Sul, RS e fruto da joint-venture entre duas empresas líderes no ramo de implementos rodoviários Randon S.A. Implementos e Participações e Rockwell International (hoje ArvinMeritor), a Master produz freios pneumáticos e hidráulicos, nas versões a disco e a tambor, para caminhões, ônibus e implementos rodoviários. Comprometida em oferecer produtos de alta qualidade e que garantam a segurança de seus clientes, investe constantemente em novos equipamentos e processos, incorporando tecnologia de última geração. Jost Brasil Sistemas Automotivos Ltda Criada em 1995 por meio da joint venture entre a Randon S.A. Implementos e Participações e a JOST, com matriz em Neu-isenburg Alemanha, é líder mundial na comercialização da quinta-roda e em tecnológica para acoplamentos de veículos comerciais articulados. A JOST Brasil está localizada em Caxias do sul, RS, junto ao complexo de Empresas Randon, onde são fabricados os componentes e sistemas para montadoras de caminhões, reboques e semirreboques. Com um amplo portfólio, oferece quinta-roda, mesa e perfis de montagem da quinta-roda, pino-rei, aparelho de levantamento, engate de contêiner, engate automático, ponteira giratória, suspensor pneumático, rala, hubodômetro, porta-estepe, além de itens para atender ás necessidades específicas dos clientes. Castertech Fundição e Tecnologia Ltda Constituída em setembro 2006, é a mais nova empresa da Randon e foi criada para aumentar a integração da cadeia de suprimentos do grupo. Localizada junto ao complexo de Empresas Randon, na cidade de Caxias do Sul, RS. Com 12 metros quadrados de prédio construídos a Castertech tem capacidade de produção de 30 mil toneladas/ano de peças de ferro fundido nodular. Da linha de produção da fundição saem peças leves e pesadas de cinco diferentes famílias de produtos que são fundidas dentro de um processo de absoluto zelo ambiental. PÁGINA: 70 de 324

77 7.1 - Descrição das atividades do emissor e suas controladas Segmento de Serviços Financeiros Randon Administradora de Consórcios Ltda Criada em 1987 para a venda dos implementos rodoviários da Randon S.A. Implementos e Participações, a empresa surgiu no mercado com a marca Consórcio Nacional Randon e hoje atua no consórcio de outros segmentos como automóveis, imóveis, Caminhões, ônibus, miniônibus, máquinas e implementos agrícolas e implementos rodoviários. Banco Randon S.A. Em 2010 a Randon S.A. Implementos e Participações deu início ao seu mais novo negócio: O Banco Randon. O banco múltiplo foi criado com o objetivo de atuar no mercado financeiro nacional e no desenvolvimento de produtos e serviços financeiros sintonizados com os negócios das Empresas Randon. O Banco Randon atua no mercado nacional e está sediado em Caxias do Sul, RS. Sua gestão é independente e altamente qualificada, com ampla experiência na indústria bancária, porém permeada com a tradição e a cultura das Empresas Randon. PÁGINA: 71 de 324

78 7.2 - Informações sobre segmentos operacionais O emissor atua em três segmentos: Veículos e Implementos, Autopeças e Serviços. A seguir indicamos as seguintes informações de cada segmento: a) produtos e serviços comercializados b) receita proveniente do segmento e sua participação na receita líquida do emissor c) lucro ou prejuízo resultante do segmento e sua participação no lucro líquido do emissor. Veículos e Implementos Var. % 2009 Var. % Receita Líquida Consolidada , ,8 Lucro Líquido Consolidado , ,5 Vendas Físicas: Veículos Rebocados (un.) , ,0 Veículos Especiais (un.) (13,6) ,7 Vagões (un.) (7,7) ,9 Autopeças Var. % 2009 Var. % Receita Líquida Consolidada , ,0 Lucro Líquido Consolidado , ,7 Vendas Físicas: Materiais de fricção (ton.) * , ,4 Freios (un.) , ,0 Sistemas de Acoplamento (un.) , ,1 Sistemas de Suspensão e Rodagem (un.) , ,5 Fundidos (ton.) ,3 - - * Considera toneladas faturadas nas controladas da Fras-le. PÁGINA: 72 de 324

79 7.2 - Informações sobre segmentos operacionais Serviços Var. % 2009 Var. % Receita Líquida Consolidada , ,7 Lucro Líquido Consolidado (6,1) ,9 Cotas de Consórcio Vendidas , ,4 PÁGINA: 73 de 324

80 7.3 - Informações sobre produtos e serviços relativos aos segmentos operacionais 7.3 Em relação aos produtos e serviços que correspondam os segmentos operacionais divulgados no item 7.2, descrever: a) características do processo de produção: Segmento de Veículos e Implementos De modo geral, a Companhia tem seu processo produtivo organizado de acordo com a estratégia de produzir sob encomenda, mantendo linhas regulares de produtos padronizados e linhas de produtos para transporte especializado, que demandam adequações/desenvolvimento de novos produtos. Fazem parte dessa estrutura os recursos tecnológicos de hardware (tais como máquinas equipamentos, computadores, etc.), bem como os recursos para a gestão da informação e a capacitação sempre atualizada dos funcionários da Companhia. Métodos e ferramentas de gestão complementam o acervo necessário para o atendimento dos objetivos propostos no planejamento estratégico da Companhia. Destaca-se a estrutura de administração baseada em equipes em toda a empresa, que permite trabalhar de forma ágil e dinâmica. A operação de produção é suportada pelo conceito de produção enxuta e para tal a Companhia usa os princípios da Demanda Dependente MRP II, Sistema Toyota de Produção e Teoria das restrições além de ferramentas tais como: Kanban, Lay-out celular, F.M.E.A, CAD 3 D, POKA-YOKE, entre outros. A Companhia está certificada por praticamente todas as normas exigidas pela indústria automobilística mundial, merecendo destaque: ISO 9001, ISO 14001, ISO/TS16949, AS 8001 e OHSAS 18001, EURO V. A Companhia caracteriza-se por ser uma empresa focada em montagem de implementos rodoviários, agregando a operação de transformação de chapas. A operação de transformação de chapas subdivide-se nos processos de corte, dobra e estampagem de chapas de aço-carbono, inox e alumínio e planas, sendo o início do processo produtivo. A partir deste, segue-se o processo de montagem, estruturado em dez diferentes linhas de montagem organizadas por famílias de produtos. A pintura dos produtos é feita em dois conceitos, a saber: em linha, para a pintura de plataformas, e em box, para os demais produtos. Com novos investimentos no sistema de pintura no ano de 2008/2009 todo o processo de pintura das bases dos produtos é feito pelo sistema e-coat, livre de solventes e totalmente a base da água. Além de ser um processo amigo da natureza ele confere ao produto um excelente acabamento e garantia de durabilidade adicional aos processos anteriores. A conclusão do processo ocorre no setor de montagem final, onde são instalados os sistemas elétrico, hidráulico e o sistema de freios, os quais, após os testes de qualidade, são disponibilizados para a entrega ao cliente. PÁGINA: 74 de 324

81 7.3 - Informações sobre produtos e serviços relativos aos segmentos operacionais A Companhia estima que transforma em torno de toneladas de chapas de aço, por mês, nos materiais acima citados e em diversas espessuras. As linhas de produção da Companhia têm capacidade para montar até 115 produtos/dia, na soma das famílias de implementos. Segmento de Autopeças Em linhas gerais, o processo de produção é composto por: Fundição: parte das peças utilizadas pela Companhia são fundidas em fundição cativa; Usinagem: utiliza-se máquinas-ferramenta convencionais e centros de usinagem até a transformação em componentes ou produto final. As máquinas, tais como furadeiras, tornos e retíficas, usam óleo refrigerante recirculável; Montagem/Solda: os processos compreendem solda com proteção de gás inerte, com proteção sólida ou com eletrodo; Corte/Estamparia: os processos de corte e estamparia são feitos em guilhotina ou prensas e utilizam-se de óleo de corte. Os processos podem ser de corte e dobra livre, até estampagem com deformação plástica; Forjaria: a operação de forja é realizada em prensas com peças aquecidas por indução ou em forno a óleo; Tratamento Térmico: é feito em banho de óleo recirculante, com peças aquecidas por indução; Pintura: o processo é terceirizado em algumas situações; Teste de validação dos requisitos funcionais podem ser realizados na própria linha, de acordo com as especificações de cada cliente. b) Características do processo de distribuição; Segmento de Veículos e Implementos A Companhia utiliza-se dos seguintes canais de venda para comercializar os seus produtos: redes de distribuidores independentes em todo Brasil; oficinas autorizadas; consultores comerciais, que apóiam a equipe de vendas da Companhia; vendedores nacionais; gerências regionais; representantes no exterior; filiais e (seis) escritórios comerciais no exterior, situados em Joanesburgo (África do Sul) Recklinghausen (Alemanha), Miami (Estados Unidos), Dubai (Emirados Árabes Unidos), Farmington Hills (Estados Unidos) e Santiago (Chile); e dois centros de distribuição de produtos no exterior, em Detroit (Estados Unidos) e San Martin (Argentina). PÁGINA: 75 de 324

82 7.3 - Informações sobre produtos e serviços relativos aos segmentos operacionais A Companhia opera com vendas sob encomenda tanto no segmento de autopeças e sistemas automotivos, quanto no segmento de implementos rodoviários, ferroviários e veículos especiais. A Companhia não fabrica para estoque uma vez que os produtos são negociados caso a caso e de acordo com as especificações dos clientes. Permanentemente são negociados lotes de produtos cujo volume e valor dependerá do segmento e do cliente, sendo possível tanto a comercialização de lotes unitários e de valor baixo, como lotes de grandes volumes ou somas. A relação com os distribuidores é regida pela Lei 6.279/79 (conhecida como Lei Ferrari ) e prevê tanto a distribuição de autopeças quanto o agenciamento para a compra de equipamentos e semi-reboques fabricados pela Companhia. Assim sendo, nos contratos constam dois sistemas distintos de venda. No primeiro, que se refere à distribuição de autopeças, o distribuidor possui um estoque e atua de forma independente da Companhia, vendendo diretamente o produto ao cliente final. Já no segundo, o distribuidor negocia com o cliente as condições para a compra dos equipamentos e posteriormente as repassa, sob a forma de encomenda, para a Companhia. Por conseguinte, a Companhia fatura diretamente a venda para os clientes, sendo cabível ao distribuidor um percentual sobre o preço líquido de venda dos produtos encomendados. O estoque de produtos prontos equivale ao volume rotativo de equipamentos que permanecem no pátio da empresa até sua retirada pelo cliente.. Entre o pedido e a retirada, normalmente transcorrem prazos não superiores a 120 dias. A distribuição dos produtos e serviços, no mercado nacional, é feita por meio de uma rede de pontos de vendas, incluindo distribuidores, oficinas, lojas de peças e escritórios de vendas, além de pontos adicionais de vendas sub-contratados pelos distribuidores da Companhia e um representante comercial. A Companhia conta com uma rede de vendas (distribuidores, oficinas, lojas de peças e escritórios de vendas) na América do Sul, África e Oriente Médio, para comercializar seus produtos Os contratos mantidos com os distribuidores prevêem exclusividade e os proíbem de vender produtos fabricados por concorrentes. Os contratos também permitem aos distribuidores vender outros produtos fabricados pelo segmento de autopeças e sistemas automotivos da Companhia. A Companhia também utiliza a estrutura comercial da Master e da Randon Consórcios para a distribuição de seus produtos e revende produtos adquiridos de suas controladas Fras-le, Master, Suspensys e Jost. As controladas da Companhia também se utilizam, em alguns casos, da rede de distribuição da Randon S.A Divisão Implementos e de outras controladas para a distribuição de seus produtos. Os distribuidores da Companhia também prestam serviços de assistência técnica especializada e montagem de produtos especiais fabricados por suas controladas, como terceiro-eixo e quintaroda. O relacionamento entre a Companhia e seus distribuidores é centralizada na ABRADIR Associação Brasileira de Distribuidores da Randon, onde são promovidas reuniões mensais, que visam identificar problemas comerciais e administrativos enfrentados pelos distribuidores e pela própria Companhia. PÁGINA: 76 de 324

83 7.3 - Informações sobre produtos e serviços relativos aos segmentos operacionais Segmento de Autopeças e Sistemas Automotivos No segmento de autopeças e sistemas automotivos, as vendas seguem as programações semanais ou mensais dos clientes, que em grande parte são as montadoras de veículos comerciais e semi-reboques, ou os distribuidores independentes. São vendas que seguem preços acordados geralmente com periodicidade não freqüente (uma ou duas vezes ao ano), e os volumes são definidos através dos próprios pedidos. Os financiamentos diretos aos clientes, nos casos de componentes e sistemas, normalmente não ultrapassam 60 dias. A exceção às vendas sob encomendas, vale ressaltar que, no segmento de materiais de fricção direcionado para o mercado de reposição, a Fras-le mantém um estoque de seus produtos visando atender de imediato os pedidos de seus clientes. O sistema de comercialização e venda dos produtos Suspensys, ocorre de acordo com cada segmento de atuação da empresa. Para o segmento de montadoras de veículos comerciais e exportação, os pedidos são programados através dos releases, relatório enviado semanalmente ou mensalmente, via EDI, a empresa recebe informações referentes à necessidade de seus clientes com relação ao volume, o tipo de produto e o prazo de entrega dos mesmos, num horizonte de 18 meses. Já para o segmento de Reposição, os pedidos são realizados diariamente, através dos contatos de clientes junto à área de Pós-Venda. SUSPENSYS A Suspensys atua diretamente no Brasil, em países da América do Sul e territórios onde o sócio ArvinMeritor não possui escritórios ou representantes, sendo a participação média no mercado brasileiro de 53%. Na Europa, Estados Unidos, Ásia e Oceania a Organização atua através do sócio americano. Fornece seus produtos para os seguintes mercados: Mercado de Montadoras de Veículos Comerciais: fornecimento de produtos junto às montadoras de caminhões e ônibus. São clientes deste mercado: Volkswagen, Volvo, Ford, Mercedes-Benz, Scania, Iveco, International e Agrale. Mercado de Montadoras de Implementos Rodoviários: Sua participação ocorre por meio do fornecimento de produtos para as montadoras de implementos rodoviários. São clientes deste mercado: Randon, Librelato, Rodotic, Rodotécnica, Ziemann Liess, etc. Peças de Reposição: venda direta de produtos e 3º eixo para distribuidores de autopeças do Brasil. A empresa possuí mais de 200 pontos de vendas neste segmento. Exportação: fornecimento de produtos para fabricantes de caminhões, implementos rodoviários e ônibus na América do Sul, sendo que nos países da Europa, Estados Unidos e Ásia o fornecimento ocorre por meio da ArvinMeritor. PÁGINA: 77 de 324

84 7.3 - Informações sobre produtos e serviços relativos aos segmentos operacionais Master Os produtos da Master são comercializados diretamente por meio de uma rede de distribuidores independentes no Brasil e, indiretamente, através de concessionárias de veículos (Volkswagen e Ford) e distribuidores de implementos rodoviários. As vendas da Master no exterior são efetuadas por meio da Fras-le e da ArvinMeritor. JOST A JOST Brasil atua no mercado da América Latina, atendendo aos seguintes segmentos: montadoras (veículos comerciais e implementos rodoviários), reposição e exportação. Montadoras: As vendas para as montadoras de veículos e implementos são realizadas diretamente pela área comercial da JOST. O segmento de montadoras de veículos é um dos principais. São clientes deste segmento a Randon Implementos, Volkswagen, Scania, Mercedes Benz, Volvo, Ford, Facchini, Librelato e outros. Reposição: No caso da reposição, os produtos JOST são comercializados através da Rede de Distribuidores Randon e também pela Rede Independente de distribuidores. Além disso, atende diretamente as concessionárias de veículos da Scania através do sistema DSH (Direct Shipment). Exportação: No caso da exportação, a JOST atende ao mercado da América Latina através do field force da Frasle, e faz o atendimento direto às montadoras, tais como Iveco Argentina. Segmento de Serviços Financeiros Randon Consórcios A Randon Consórcios utiliza-se da rede de vendas do parceiro para comercialização de cotas de consórcio para Implementos Rodoviários, Implementos/Máquinas Agrícolas, Ônibus e Miniônibus. A rede de venda dos parceiros atua em âmbito nacional. Para comercialização de cotas de consórcio para Imóveis, Automóveis e Caminhões subsidia-se da rede Franquias de sua marca própria Racon Consórcios, que está situada nas seguintes cidades: Caxias do Sul (RS), Porto Alegre (RS), Florianópolis (SC), Curitiba (PR), Goiânia (GO), Fortaleza (CE) e Belém (PA). Banco Randon O Banco Randon é parte do braço financeiro da Companhia e também atua como suporte as vendas, com financiamento direcionado a clientes e fornecedores das Empresas Randon. A inauguração oficial do Banco Randon aconteceu no dia 01/09/2010. PÁGINA: 78 de 324

85 7.3 - Informações sobre produtos e serviços relativos aos segmentos operacionais O banco já iniciou suas operações e já possuí contratos de financiamentos. O foco no estágio inicial das operações é ampliar a base comercial em conjunto com os distribuidores Randon. c) Características dos mercados de atuação, em especial: I. Participação em cada um dos mercados Segmento Veículos e Implementos O segmento de Veículos e Implementos, composto pela Randon S.A. Implementos e Participações, Randon Argentina S.A., Randon Implementos para o Transporte Ltda. e Randon Brantech Implementos para o Transporte Ltda., respondeu por 49,7% da receita líquida da Companhia no exercício em análise. Na distribuição de produtos desse segmento, os veículos rebocados representaram 81% da receita líquida, enquanto veículos especiais e vagões ferroviários, alcançaram, respectivamente, 10% e 9%. Veículos Especiais Vagões Ferroviários 10% 9% 81% Veículos Rebocados Presente na história do transporte do Brasil, a Randon é o maior centro de desenvolvimento tecnológico de veículos rebocados da América Latina e sua linha de produtos é composta por um mix de produtos diversificados e adequado as diferentes demandas dos mercados de sua atuação. PÁGINA: 79 de 324

86 7.3 - Informações sobre produtos e serviços relativos aos segmentos operacionais Autopeças O segmento de autopeças da Randon é formado pelas empresas Castertech, Fras-le, Jost, Master e Suspensys e representou 48,8% das vendas líquidas consolidadas, com receita de R$ 2 bilhões em 2011 (R$ 1,8 bilhão em 2010). A Randon é uma das principais fornecedoras de peças e sistemas automotivos para as montadoras de veículos comerciais do Brasil e no mundo, posição desenvolvida ao longo dos anos pelas parcerias, foco no desenvolvimento tecnológico, competitividade, eficiência e qualidade de seus produtos. Cabe lembrar que os principais produtos de cada uma das empresas de autopeças são, respectivamente para Suspensys, Fras-le, Master e Jost: sistemas de suspensão e rodagem, materiais de fricção, freios e sistemas de acoplamento. Faturamento líquido por linha de produto A evolução da receita relativa ao segmento de autopeças é reflexo direto do crescimento de vendas de caminhões e ônibus, sendo afetada também pela sustentação dos níveis de produção de veículos rebocados. Das vendas totais do segmento, 72% são direcionadas aos OEMs (Original Equipment Manufacturer). PÁGINA: 80 de 324

87 7.3 - Informações sobre produtos e serviços relativos aos segmentos operacionais Faturamento líquido por Mercados Serviços O braço financeiro das Empresas Randon, com a Randon Consórcios e o Banco Randon respondeu por 1,49% da receita líquida consolidada no exercício de Esses negócios são um complemento da atividade fim (acesso a crédito e financiamento de produtos para clientes das demais empresas Randon) e um importante meio de sustentação de vendas. II. condições de competição nos mercados Veículos e Implementos Neste segmento o campo de competição é doméstico, com competidores com atuação local. A Randon tem mantido sua posição de liderança nas últimas décadas, mesmo com o surgimento de novos players no mercado. A participação média dos últimos anos tem variado entre 33% e 40%, fechando o ano de 2011 em 32,6% no Mercado Doméstico de Veículos Rebocados, medido através dos emplacamentos de veículos novos. Abaixo, gráfico de participação de mercado em 2011 comparado aos principais competidores: PÁGINA: 81 de 324

88 7.3 - Informações sobre produtos e serviços relativos aos segmentos operacionais Autopeças O campo de competição no segmento de Autopeças é abrangente e implica em enfrentamento de players globais. Como boa parte das vendas do segmento é direcionada as montadoras de caminhões, no território doméstico, a concentração de clientes também é um desafio no mercado. A concentrada exposição aos OEMs, desenvolveu competitividade adequada e velocidade de adaptação aos diferentes momentos econômicos, graças ao fato de fornecer sistemas integrados de componentes e não itens isolados. Este modelo reforça um controle mais apurado da cadeia de suprimentos, reduz os custos de estoques e exige um processo contínuo de investimentos em P&D, máquinas e processos. A Companhia é líder de mercado nos principais itens fornecidos por suas empresas ao segmento cfe. gráfico abaixo: PÁGINA: 82 de 324

89 7.3 - Informações sobre produtos e serviços relativos aos segmentos operacionais No segmento, os principais competidores assim estão elencados: Knorr (Alemanha) Unidade em São Paulo Wabco (EUA) Unidade em São Paulo Freios Boechat (Brasil/RJ) Silpa (Brasil/RS) Mercado Cativo (MB, Scania) Hendrickson (EUA) Acordo de tecnologia com KLL no RS BPW (Alemanha) Eixos e Suspensões SAF Holland (EUA e Alemanha) Unidade em São Paulo Fuwa (China) HBZ (Brasil/SP) Guerra (Brasil/RS) Fontaine (EUA) Unidade no Paraná Sistemas de Articulação Amstead Maxion (EUA e Brasil) Unidade em São Paulo GF George Fischer (Suíça) Escritório no Brasil/RS Fuwa (China) Bendix (EUA) Material de Fricção Cobreq (TMD Friction/ Alemanha) Unidade em São Paulo Thermoid (Brasil/SP) Duroline (Brasil/RS) PÁGINA: 83 de 324

90 7.3 - Informações sobre produtos e serviços relativos aos segmentos operacionais A Empresa desenvolveu e qualificou um amplo leque de fornecedores nacionais e internacionais, o que permite o fornecimento contínuo das matérias-primas envolvidas no processo produtivo. Desta forma, a cadeia de fornecimento está preparada para absorver as variações de demanda do mercado. Os principais fornecedores e produtos utilizados pela Empresa, com base no ano de 2011, para a fabricação dos implementos rodoviários e vagões ferroviários são: FORNECEDOR MÁTERIA-PRIMA % fornecimento sobre o total de compras da Randon Suspensys Sistemas Automotivos Suspensões e Eixos 18,16% Usiminas SID de Minas Gerais A Aços Planos 11,49% ArcelorMittal Brasil S/A Aços Planos 5,00% Sociedade Michelin de Participações Pneus 3,60% Jost Brasil Sistemas Automotivos Sistemas de Acoplamento 3,40% Cruzaço Fundição e Mecânica Ltda Fundidos Ferroviários 3,37% Borlem S/A Empreendimentos Aros e Rodas 2,27% Gerdau Aços Longos S A Aços Não Planos 2,16% Pirelli Pneus S.A Pneus 2,12% MWL Brasil Rodas & Eixos Ltda. Rodas e Eixos Ferroviários 2,08% Master Sistemas Automotivos Ltda Câmaras de Freio 1,93% As empresas Suspensys, Jost e Master, que fazem parte das Empresas Randon, fornecem os principais produtos que são utilizados na fabricação de implementos rodoviários. Nas demais matérias-primas, alguns são considerados commodities ou estão diretamente ligados a estes. Em regra geral, o preço das matérias-primas adquiridas são commodities e estão atreladas as oscilações da oferta e da demanda de mercado. A Empresa possui poder de negociação junto aos fornecedores devido ao alto volume de compra. Nas negociações de compras compartilhadas, ou seja, envolvendo mais de uma das Empresas Randon, a definição da estratégia da negociação fica sob responsabilidade da empresa com maior volume de compra, sendo suportado pelo Comitê de Suprimentos das Empresas Randon. Os prazos de pagamento são estabelecidos com os fornecedores através de negociações realizadas antes do início do processo de fornecimento e o prazo médio de pagamento é de 30 dias. PÁGINA: 84 de 324

91 7.4 - Clientes responsáveis por mais de 10% da receita líquida total Nos últimos 3 exercícios, nenhum cliente representou mais que 10% da Receita Líquida do emissor. PÁGINA: 85 de 324

92 7.5 - Efeitos relevantes da regulação estatal nas atividades a) para desenvolvimento das atividades, a empresa necessita de licenciamentos ambientais específicos, sendo: Licença prévia (LP): deve ser solicitada sempre que houver alteração de capacidade produtiva, ampliação de área, alteração de processo ou implantação de novas linhas de produção. Neste momento devem ser apresentados os dados gerais do projeto com o detalhamento dos aspectos ambientais envolvidos. Licença de instalação (LI): detalhamento do projeto proposto na LP com cronograma de execução. Licença de operação (LO): autoriza o início da operação ou a inclusão de nova atividade. Neste momento a empresa não possui nenhum processo de licenciamento prévio ou de instalação. A atual Licença de Operação é a LO Nº 2197/2010-DL. b) As questões ambientais estão relacionadas à estratégia da empresa dentro da perspectiva de processo, traduzidas pelo objetivo de ser uma empresa sócio, cultural e ambientalmente correta. As diretrizes para atendimento ao objetivo estão descritas na política de gestão: POLÍTICA DE GESTÃO A RANDON S/A, com base no Negócio, Missão, Visão e Princípios, estabelece as seguintes diretrizes: Ter tecnologia pioneira e inovadora, compatível com as exigências do mercado; Garantir qualidade e segurança na aplicação de seus produtos; Assegurar a conformidade dos processos, produtos e serviços às normas e legislação aplicáveis, atendendo aos requisitos dos clientes. Preservar a segurança e saúde ocupacional gerenciando e prevenindo perigos e riscos; Preservar o meio ambiente gerenciando e prevenindo aspectos e impactos; Promover a capacitação das pessoas e o trabalho em equipe; Incentivar a melhoria contínua garantindo a sustentabilidade da organização. CUSTOS AMBIENTAIS Os custos envolvidos na gestão ambiental são monitorados pelo indicador Custos ambientais (R$)/Horas trabalhadas, compreendendo o somatório dos custos com: PÁGINA: 86 de 324

93 7.5 - Efeitos relevantes da regulação estatal nas atividades - gerenciamento: pessoas envolvidas na gestão e operação ambiental, pagamentos de taxas e licenciamentos ambientais; - monitoramento, tratamento e destinação de resíduos sólidos, líquidos e gasosos; - consumo de recursos (água e energéticos). Neste item estão contabilizados os ganhos obtidos pela prática de recirculação de efluente (deixa-se de pagar o consumo correspondente de água potável). c) A Companhia não depende de patentes, marcas, licenças, concessões, franquias, contratos de royalties relevantes para o desenvolvimento das atividades. PÁGINA: 87 de 324

94 7.6 - Receitas relevantes provenientes do exterior Em relação aos países dos quais o emissor obtém receitas relevantes, identificar: a. receita proveniente dos clientes atribuídos ao país sede do emissor e sua participação na receita líquida total do emissor b. receita proveniente dos clientes atribuídos a cada país estrangeiro e sua participação na receita líquida total do emissor c. receita total proveniente de países estrangeiros e sua participação na receita líquida total do emissor A Companhia não possuí receita relevante direcionada a países específicos, e a concentração por cliente também não é expressiva. A conhecimento, como já informado anteriormente nos releases regulares ao mercado, a Companhia informa suas exportações direcionadas aos blocos econômicos conforme tabela abaixo: US$ Milhões % s/ RBT US$ Milhões % s/ RBT US$ Milhões % s/ RBT MERCOSUL + CHILE ,16% ,69% ,44% NAFTA ,13% ,32% ,18% EUROPA ,34% ,42% ,19% AFRICA ,94% ,17% ,84% AMER.. SUL E CENTRAL ,54% ,37% ,55% OUTROS ,55% ,54% ,50% TOTAL ,66% ,51% ,70% PÁGINA: 88 de 324

95 7.7 - Efeitos da regulação estrangeira nas atividades A Companhia obedece a regulação relacionada ao produtos que ela comercializa no mercado externo em diferentes países. Movimentos atípicos, de tempos em tempos, como medidas protecionistas ou quedas de mercado podem de algum modo afetar as vendas de seus produtos. Contudo, como já mencionado anteriormente, a concentração de vendas, seja por país destinatário, ou cliente especifico não é relevante no montante total de vendas do emissor. PÁGINA: 89 de 324

96 7.8 - Relações de longo prazo relevantes O emissor não possui relações de longo prazo relevantes. O emissor elabora e divulga seu Relatório de Sustentabilidade. O Relatório de 2010 pode ser encontrado no site da Companhia O Relatório de Sustentabilidade referente 2011 esta em fase de conclusão e quando concluído poderá ser encontrado no site da Companhia. PÁGINA: 90 de 324

97 7.9 - Outras informações relevantes No item 7.2 os números estão em R$ Mil PÁGINA: 91 de 324

98 8.1 - Descrição do Grupo Econômico Item 8 Grupo Econômico Descrever o grupo econômico em que se insere o emissor, indicando: a) Controladores diretos e Indiretos A Randon S.A. Implementos e Participações é controlada pela empresa familiar Dramd Participações e Administração Ltda a qual possui 78,58% das ações ordinárias e 40,43% do capital total. A Dramd é composta pelos quotistas Raul Anselmo Randon, Nilva Therezinha Randon, Draipar Administração e Participações Ltda, La Rose Administração e Participações Ltda, Alexpar Administração e Participações Ltda, Mauripar Administração e Participações Ltda e White Tiger Administração e Participações Ltda (ver quadro anexo). b) controladas e coligadas O grupo Randon é formado por onze empresas operacionais e quatro subsidiárias. Das empresas operacionais, sete delas são controladas diretamente pela Companhia, uma refere-se a controladora Randon S.A. e três têm o controle compartilhado com sócios estrangeiros. São dez plantas industriais, sendo que seis delas localizadas no complexo industrial Randon em Caxias do Sul, no Rio Grande do Sul, uma localizada no Complexo Fras-le, também em Caxias do Sul, uma em Guarulhos, São Paulo, uma em Chapecó - SC e uma planta em Santa Fé na Argentina. c) São controladas da Randon S.A. Implementos e Participações as seguintes empresas: Randon Implementos para o Transporte Ltda -99,99% Randon Argentina S.A. 99,99% Randon Administradora de Consórcios Ltda 99,57% Castertech Fundição e Tecnologia Ltda 99,99% Randon Investimentos Ltda 99,99% Suspensys Sistemas Automotivos Ltda- 50% - sendo participação direta de 22,88% e indireta, através da também controlada Master Sistemas Automotivos Ltda, 27,12%. Master Sistemas Automotivos Ltda 51% Jost Brasil Sistemas Automotivos Ltda 51% PÁGINA: 92 de 324

99 8.1 - Descrição do Grupo Econômico Randon Automotive Ltda 100% - (subsidiária integral) Randon Brantech Implementos para o Transporte Ltda 99,99% Randon North America, Inc. 100% - (subsidiária integral) Randon Middle East 100% - (subsidiária integral) Randon Maghreb 100% - subsidiária Integral Fras-le S.A. 53,14% do capital votante A Fras-le S.A. é controladora das seguintes empresas: Fras-le Argentina S.A. 94% sendo que a Randon S.A. Implementos e Participações possui 6% do capital. Fras-le North America, Inc. 100% Fras-le Europe Handelsgesellchaft mbh 100% Fras-le Friction Material Pinghu Co. Ltd. 100% Fras-le Andina Comércio Y Representaciones Limitada 99,00% Fras-le México S. de R. L. de C.V. 99,66% Freios Controil Ltda. 100% São controladas indiretas da Randon S.A. Implementos e Participações as seguintes empresas: Banco Randon S.A. A Randon S.A. participa em 100% através da sua controlada direta Randon Investimentos Ltda. d) participações de sociedades do grupo no emissor Não há. PÁGINA: 93 de 324

100 8.1 - Descrição do Grupo Econômico e) sociedades sob controle comum Fras-le Argentina S.A. 94% sendo que a Randon S.A. Implementos e Participações possui 6% do O quadro abaixo demonstra as participações da Randon S.A. Implementos e Participações no grup GRUPO RANDON Controladora % do capital votante Investidores Pessoas Físicas (Randon) 100 Draipar Administraçã Investidores Pessoas Físicas (Randon) 100 La Rose Administraçã Investidores Pessoas Físicas (Randon) 100 Alexpar Administraçã Investidores Pessoas Físicas (Randon) 100 Mauripar Administra Investidores Pessoas Físicas (Randon) 100 White Tiger Administ Draipar Administração e Participações Ltda. 19,58 Dramd Participações La Rose Administração e Participações Ltda. 19,58 Dramd Participações Alexpar Administração e Participações Ltda. 19,58 Dramd Participações Mauripar Administração e Participações Ltda. 19,58 Dramd Participações White Tiger Administração e Participações Ltda. 19,58 Dramd Participações Investidores Pessoas Físicas (Randon) 2,10 Dramd Participações Dramd Participações e Administração Ltda. 78,58 Randon S.A. Impleme Randon S.A. Implementos e Participações 51 Master Sistemas Aut Randon S.A. Implementos e Participações 100 Castertech Fundição Randon S.A. Implementos e Participações 100 Randon Argentina S. Randon S.A. Implementos e Participações 100 Randon Implemento Randon S.A. Implementos e Participações 100 Randon Investimento Randon Investimentos Ltda. 100 Banco Randon S.A. Randon S.A. Implementos e Participações 22,88 Suspensys Sistemas A PÁGINA: 94 de 324

101 Formulário de Referência RANDON S.A. IMPLEMENTOS E PARTICIPAÇÕES Descrição do Grupo Econômico GRUPO RANDON Controladora % do capital votante Master Sistemas Automotivos Ltda. 27,12 Suspensys Sistemas A Randon S.A. Implementos e Participações 100 Randon North Ameri Randon S.A. Implementos e Participações 100 Randon Automotive Randon S.A. Implementos e Participações 100 Randon Middle East Randon S.A. Implementos e Participações 51 Jost Brasil Sistemas A Randon S.A. Implementos e Participações 100 Randon Maghreb Randon S.A. Implementos e Participações 100 Randon Brantech Im Randon S.A. Implementos e Participações 99,57 Randon Adm. de Con Dramd Participações e Administração Ltda. 0,43 Randon Adm. de Con Randon S.A. Implementos e Participações 6 Fras-le (Argentina) S. Randon S.A. Implementos e Participações 53,14 Fras-le S.A. Fras-le S.A. 94 Fras-le (Argentina) S. Fras-le S.A. 99 Fras-le Andina Com. Fras-le S.A. 100 Fras-le North Americ Fras-le S.A. 100 Fras-le Europe Hande Fras-le S.A. 100 Fras-le Mexico S. de Fras-le S.A. 100 Fras-le Friction Mate Fras-le S.A. 100 Fras-le Africa Autom Fras-le S.A. 100 Freios Controil Ltda

102 NILVA THEREZINHA RANDON ,00 1,06 TOTAL Formulário de Referência RANDON S.A. IMPLEMENTOS E PARTICIPAÇÕES ,00 100,00 Versão : Descrição do Grupo Econômico Composição da DRAIPAR ADMINISTRAÇÃO E PARTICIPAÇÕES LTDA QUOTISTAS NR QUOTAS VALOR QUOTAS % R$ RAUL ANSELMO RANDON ,00 0,0045 DAVID ABRAMO RANDON ,00 99,9955 TOTAL ,00 100,0000 Composição da LA ROSE ADMINISTRAÇÃO E PARTICIPAÇÕES LTDA QUOTISTAS NR QUOTAS VALOR QUOTAS % R$ RAUL ANSELMO RANDON ,00 0,0045 ROSELI BEATRIZ RANDON ,00 99,9955 TOTAL ,00 100,0000 Composição da ALEXPAR ADMINISTRAÇÃO E PARTICIPAÇÕES LTDA QUOTISTAS NR QUOTAS VALOR QUOTAS % R$ RAUL ANSELMO RANDON ,00 0,0045 ALEXANDRE RANDON ,00 99,9955 TOTAL ,00 100,0000 PÁGINA: 96 de 324

103 QUOTISTAS NR QUOTAS VALOR QUOTAS % R$ RAUL ANSELMO RANDON ,00 0,0045 DANIEL RAUL RANDON ,00 99,9955 TOTAL ,00 100,0000 PÁGINA: 97 de 324

104 EQUAÇÃO SOCIETÁRIA - S/ Capital Total Grupo Controlador 40,59% Randon S.A. Implementos e Participações 100,00% 99,57% 99,99% 51,00% 45,22% 22,88% 51,00% 100,00% 100,00% 100,00% 100,00% 100,00% 100,00% 100,00% Randon North América Randon Adm. Consórcios Randon Argentina Jost Bras il Fras-le Suspensys Sist. Autom. Master Sist. Autom. Castertech Fundição e Tecnologia Randon Impl. p/o Transp. Randon Brantech Randon Autom otive Pty Randon Investimentos Randon Maghreb Randon Middle East 53,18% 100,00% 99,66% 99,00% 100,00% 100,00% 94,00% 100,00% 100,00% Fras-le Europe Fras-le México Fras-le Andina Fras-le North Am érica Fras-le Friction Mat. Pinghu Fras-le Arge ntina Fras-le Africa Autom otive Banco Randon 6,00% PÁGINA: 98 de 324

105 8.3 - Operações de reestruturação Data da operação 31/10/2011 Evento societário Descrição da operação Data da operação 26/10/2009 Evento societário Descrição do evento societário "Outro" Descrição da operação Data da operação 30/06/2009 Evento societário Descrição da operação Alienação e aquisição de controle societário Aquisição das quotas da empresa Folle Indústria de Implementos Rodoviários Ltda, fabricante de semirreboques, que passou a denominar-se Randon Brantech Implementos para o Transporte Ltda. Sua aquisição faz parte da estratégia de crescimento da Randon, que busca destinar investimentos para o fortalecimento de segmentos específicos, em pólos regionais, visando consolidar ainda mais a presença do grupo no mercado doméstico. Outro Constituição de sociedade O emissor constituiu sociedade denominada Randon Investimentos Ltda, da qual possui 99,99% do capital social. O emissor constituiu sociedade denominada Banco Randon S.A., do qual possui 99,99% do capital social através da sociedade Randon Investimentos Ltda. Incorporação Tendo em vista a convergência de interesses sociais, o emissor, Randon S.A. Implementos e Participações (Incorporadora) e sua controlada, Randon Veículos Ltda (Incorporada), julgaram conveniente realizar reorganização societária por meio da absorção da totalidade do patrimônio da incorporada e sua conseqüente extinção, sucedendo-a a incorporadora para todos os fins de direito. PÁGINA: 99 de 324

106 9.1 - Bens do ativo não-circulante relevantes - outros Item 9.1 Bens do ativo não circulante relevantes outros Vide quadro 9.1 letra a. PÁGINA: 100 de 324

107 9.1 - Bens do ativo não-circulante relevantes / 9.1.a - Ativos imobilizados Descrição do bem do ativo imobilizado País de localização UF de localização Município de localização Tipo de propriedade Prédio de Alvenaria (matrizaria e Pintura) Brasil RS Caxias do Sul Própria Prédio de Alvenaria (Administração Geral) Brasil RS Caxias do Sul Própria Prédio de Alvenaria (Usinagem, Calderaria e Pós Vendas) Brasil RS Caxias do Sul Própria Prédio de Alvenaria (forjaria/jato de Granalha) Brasil RS Caxias do Sul Própria Prédio de Alvenaria (Casa de Guarda, Balança e REcepção de motoristas) Brasil RS Caxias do Sul Própria Prédio de alvenaria (manutenção) Brasil RS Caxias do Sul Própria Prédio de alvenaria (REcursos Humanos) Brasil RS Caxias do Sul Própria Pavilhão de alvenaria (pantógrafo e Carrega Tudo) Brasil RS Caxias do Sul Própria pavilhão de alvenaria (Granalha e Chapas) Brasil RS Caxias do Sul Própria Pavilhão de alvenaria (Pintura e Granalha de produtos) Brasil RS Caxias do Sul Própria Pavilhão de alvenaria (Casa das Caldeiras) Brasil RS Caxias do Sul Própria Prédio de Alvenaria (divisão Veículos) Brasil RS Caxias do Sul Própria pavilhão de alvenaria (Revisão) Brasil RS Caxias do Sul Própria Prédio de Alvenaria (Pintura) Brasil RS Caxias do Sul Própria prédio de alvenaria (Vendas/Recebimento de Notas) Brasil RS Caxias do Sul Própria Prédio de alvenaria (preparação de Pintura) Brasil RS Caxias do Sul Própria Pavilhão de alvenaria (Casa de Caldeira/compressores) Brasil RS Caxias do Sul Própria Prédio de Alvenaria (Refeitório/Recursos Humanos) Brasil RS Caxias do Sul Própria Prédio de alvenaria (Pintura e-coat) Brasil RS Caxias do Sul Própria pavilhão Industrial Brasil SP Guarulhos Própria Casa do Cliente - Prédio de alvenaria Brasil SP Guarulhos Própria pavilhão Industrial Brasil RS Caxias do Sul Própria pavilhão de Reposição Brasil RS Caxias do Sul Própria Prédio Administrativo Brasil RS Caxias do Sul Própria pavilhão Industrial Brasil RS Caxias do Sul Própria Vestiário e Portaria Brasil RS Caxias do Sul Própria pavilhão Industrial Brasil RS Caxias do Sul Própria pavilhão Industrial Brasil RS Caxias do Sul Própria pavilhão Industrial e Pistas de Testes Brasil RS Farroupilha Própria pavilhão Industrial e Administrativo Brasil RS Caxias do Sul Própria PÁGINA: 101 de 324

108 9.1 - Bens do ativo não-circulante relevantes / 9.1.a - Ativos imobilizados Descrição do bem do ativo imobilizado País de localização UF de localização Município de localização Tipo de propriedade pavilhão Industrial Brasil RS Caxias do Sul Própria Prédio Subestação Brasil RS Caxias do Sul Própria Pavilhão industrial Brasil SC Chapecó Própria PÁGINA: 102 de 324

109 9.1 - Bens do ativo não-circulante relevantes / 9.1.b - Patentes, marcas, licenças, concessões, franquias e contratos de transferência de tecnologia Tipo de ativo Descrição do ativo Território atingido Duração Eventos que podem causar a perda dos direitos Marcas Randon - (produtos) Brasil 24/05/2014 A Companhia não tem conhecimento de direitos relativos às suas marcas e patentes, tampouco de consequências que eventuais perdas possam acarretar. Marcas Randon (serviços) Brasil 20/03/2017 A Companhia não tem conhecimento de direitos relativos às suas marcas e patentes, tampouco de consequências que eventuais perdas possam acarretar. Marcas Randon Brasilis Brasil 08/04/2018 A Companhia não tem conhecimento de direitos relativos às suas marcas e patentes, tampouco de consequências que eventuais perdas possam acarretar. Marcas Randon Estradeiro Brasil 08/12/2019 A Companhia não tem conhecimento de direitos relativos às suas marcas e patentes, tampouco de consequências que eventuais perdas possam acarretar. Marcas Marcas Randon Multiservice Randon Rodoviária Brasil 03/03/2019 A Companhia não tem conhecimento de direitos relativos às suas marcas e patentes, tampouco de consequências que eventuais perdas possam acarretar. Brasil 11/08/2012 A Companhia não tem conhecimento de direitos relativos às suas marcas e patentes, tampouco de consequências que eventuais perdas possam acarretar. Consequência da perda dos direitos A Companhia não tem conhecimento de direitos relativos às suas marcas e patentes, tampouco de consequências que eventuais perdas possam acarretar. A Companhia não tem conhecimento de direitos relativos às suas marcas e patentes, tampouco de consequências que eventuais perdas possam acarretar. A Companhia não tem conhecimento de direitos relativos às suas marcas e patentes, tampouco de consequências que eventuais perdas possam acarretar. A Companhia não tem conhecimento de direitos relativos às suas marcas e patentes, tampouco de consequências que eventuais perdas possam acarretar. A Companhia não tem conhecimento de direitos relativos às suas marcas e patentes, tampouco de consequências que eventuais perdas possam acarretar. A Companhia não tem conhecimento de direitos relativos às suas marcas e patentes, tampouco de consequências que eventuais perdas possam acarretar. PÁGINA: 103 de 324

110 9.1 - Bens do ativo não-circulante relevantes / 9.1.b - Patentes, marcas, licenças, concessões, franquias e contratos de transferência de tecnologia Tipo de ativo Descrição do ativo Território atingido Duração Eventos que podem causar a perda dos direitos Marcas RK Brasil 07/04/2019 A Companhia não tem conhecimento de direitos relativos às suas marcas e patentes, tampouco de consequências que eventuais perdas possam acarretar. Marcas RK LOG Brasil 07/04/2019 A Companhia não tem conhecimento de direitos relativos às suas marcas e patentes, tampouco de consequências que eventuais perdas possam acarretar. Marcas Rodoviária (produtos e serviços) Brasil 10/05/2018 A Companhia não tem conhecimento de direitos relativos às suas marcas e patentes, tampouco de consequências que eventuais perdas possam acarretar. Marcas Safety Multisetas Brasil 20/05/2018 A Companhia não tem conhecimento de direitos relativos às suas marcas e patentes, tampouco de consequências que eventuais perdas possam acarretar. Marcas Safety Plus Brasil 09/10/2017 A Companhia não tem conhecimento de direitos relativos às suas marcas e patentes, tampouco de consequências que eventuais perdas possam acarretar. Marcas Suspensys Brasil 25/09/2017 A Companhia não tem conhecimento de direitos relativos às suas marcas e patentes, tampouco de consequências que eventuais perdas possam acarretar. Consequência da perda dos direitos A Companhia não tem conhecimento de direitos relativos às suas marcas e patentes, tampouco de consequências que eventuais perdas possam acarretar. A Companhia não tem conhecimento de direitos relativos às suas marcas e patentes, tampouco de consequências que eventuais perdas possam acarretar. A Companhia não tem conhecimento de direitos relativos às suas marcas e patentes, tampouco de consequências que eventuais perdas possam acarretar. A Companhia não tem conhecimento de direitos relativos às suas marcas e patentes, tampouco de consequências que eventuais perdas possam acarretar. A Companhia não tem conhecimento de direitos relativos às suas marcas e patentes, tampouco de consequências que eventuais perdas possam acarretar. A Companhia não tem conhecimento de direitos relativos às suas marcas e patentes, tampouco de consequências que eventuais perdas possam acarretar. PÁGINA: 104 de 324

111 9.1 - Bens do ativo não-circulante relevantes / 9.1.b - Patentes, marcas, licenças, concessões, franquias e contratos de transferência de tecnologia Tipo de ativo Descrição do ativo Território atingido Duração Eventos que podem causar a perda dos direitos Marcas Transtrailer Brasil 08/11/2015 A Companhia não tem conhecimento de direitos relativos às suas marcas e patentes, tampouco de consequências que eventuais perdas possam acarretar. Marcas Randon África do Sul 02/07/2012 A Companhia não tem conhecimento de direitos relativos às suas marcas e patentes, tampouco de consequências que eventuais perdas possam acarretar. Marcas Randon Angola 23/04/2018 A Companhia não tem conhecimento de direitos relativos às suas marcas e patentes, tampouco de consequências que eventuais perdas possam acarretar. Marcas Randon Arábia Saudita 12/10/2012 A Companhia não tem conhecimento de direitos relativos às suas marcas e patentes, tampouco de consequências que eventuais perdas possam acarretar. Marcas Marcas Repuestos Genuínos Randon Randon Multiservice Argentina 17/11/2016 A Companhia não tem conhecimento de direitos relativos às suas marcas e patentes, tampouco de consequências que eventuais perdas possam acarretar. Argentina 21/09/2016 A Companhia não tem conhecimento de direitos relativos às suas marcas e patentes, tampouco de consequências que eventuais perdas possam acarretar. Consequência da perda dos direitos A Companhia não tem conhecimento de direitos relativos às suas marcas e patentes, tampouco de consequências que eventuais perdas possam acarretar. A Companhia não tem conhecimento de direitos relativos às suas marcas e patentes, tampouco de consequências que eventuais perdas possam acarretar. A Companhia não tem conhecimento de direitos relativos às suas marcas e patentes, tampouco de consequências que eventuais perdas possam acarretar. A Companhia não tem conhecimento de direitos relativos às suas marcas e patentes, tampouco de consequências que eventuais perdas possam acarretar. A Companhia não tem conhecimento de direitos relativos às suas marcas e patentes, tampouco de consequências que eventuais perdas possam acarretar. A Companhia não tem conhecimento de direitos relativos às suas marcas e patentes, tampouco de consequências que eventuais perdas possam acarretar. PÁGINA: 105 de 324

112 9.1 - Bens do ativo não-circulante relevantes / 9.1.b - Patentes, marcas, licenças, concessões, franquias e contratos de transferência de tecnologia Tipo de ativo Descrição do ativo Território atingido Duração Eventos que podem causar a perda dos direitos Marcas Suspensys Argentina 23/04/2018 A Companhia não tem conhecimento de direitos relativos às suas marcas e patentes, tampouco de consequências que eventuais perdas possam acarretar. Marcas Randon Australia 20/06/2016 A Companhia não tem conhecimento de direitos relativos às suas marcas e patentes, tampouco de consequências que eventuais perdas possam acarretar. Marcas Randon Bareine 01/08/2016 A Companhia não tem conhecimento de direitos relativos às suas marcas e patentes, tampouco de consequências que eventuais perdas possam acarretar. Marcas Randon Bolivia 05/02/2019 A Companhia não tem conhecimento de direitos relativos às suas marcas e patentes, tampouco de consequências que eventuais perdas possam acarretar. Marcas Randon Botswana 03/09/2018 A Companhia não tem conhecimento de direitos relativos às suas marcas e patentes, tampouco de consequências que eventuais perdas possam acarretar. Marcas Randon Burundi Ilimitado A Companhia não tem conhecimento de direitos relativos às suas marcas e patentes, tampouco de consequências que eventuais perdas possam acarretar. Consequência da perda dos direitos A Companhia não tem conhecimento de direitos relativos às suas marcas e patentes, tampouco de consequências que eventuais perdas possam acarretar. A Companhia não tem conhecimento de direitos relativos às suas marcas e patentes, tampouco de consequências que eventuais perdas possam acarretar. A Companhia não tem conhecimento de direitos relativos às suas marcas e patentes, tampouco de consequências que eventuais perdas possam acarretar. A Companhia não tem conhecimento de direitos relativos às suas marcas e patentes, tampouco de consequências que eventuais perdas possam acarretar. A Companhia não tem conhecimento de direitos relativos às suas marcas e patentes, tampouco de consequências que eventuais perdas possam acarretar. A Companhia não tem conhecimento de direitos relativos às suas marcas e patentes, tampouco de consequências que eventuais perdas possam acarretar. PÁGINA: 106 de 324

113 9.1 - Bens do ativo não-circulante relevantes / 9.1.b - Patentes, marcas, licenças, concessões, franquias e contratos de transferência de tecnologia Tipo de ativo Descrição do ativo Território atingido Duração Eventos que podem causar a perda dos direitos Marcas Randon Canadá 28/02/2015 A Companhia não tem conhecimento de direitos relativos às suas marcas e patentes, tampouco de consequências que eventuais perdas possam acarretar. Marcas Randon Catar 13/11/2016 A Companhia não tem conhecimento de direitos relativos às suas marcas e patentes, tampouco de consequências que eventuais perdas possam acarretar. Marcas Repuestos Genuinos Randon Chile 09/02/2015 A Companhia não tem conhecimento de direitos relativos às suas marcas e patentes, tampouco de consequências que eventuais perdas possam acarretar. Marcas Randon Chile 07/01/2018 A Companhia não tem conhecimento de direitos relativos às suas marcas e patentes, tampouco de consequências que eventuais perdas possam acarretar. Marcas Randon Multiservice Chile 11/11/2015 A Companhia não tem conhecimento de direitos relativos às suas marcas e patentes, tampouco de consequências que eventuais perdas possam acarretar. Marcas Suspensys Chile 20/12/2017 A Companhia não tem conhecimento de direitos relativos às suas marcas e patentes, tampouco de consequências que eventuais perdas possam acarretar. Consequência da perda dos direitos A Companhia não tem conhecimento de direitos relativos às suas marcas e patentes, tampouco de consequências que eventuais perdas possam acarretar. A Companhia não tem conhecimento de direitos relativos às suas marcas e patentes, tampouco de consequências que eventuais perdas possam acarretar. A Companhia não tem conhecimento de direitos relativos às suas marcas e patentes, tampouco de consequências que eventuais perdas possam acarretar. A Companhia não tem conhecimento de direitos relativos às suas marcas e patentes, tampouco de consequências que eventuais perdas possam acarretar. A Companhia não tem conhecimento de direitos relativos às suas marcas e patentes, tampouco de consequências que eventuais perdas possam acarretar. A Companhia não tem conhecimento de direitos relativos às suas marcas e patentes, tampouco de consequências que eventuais perdas possam acarretar. PÁGINA: 107 de 324

114 9.1 - Bens do ativo não-circulante relevantes / 9.1.b - Patentes, marcas, licenças, concessões, franquias e contratos de transferência de tecnologia Tipo de ativo Descrição do ativo Território atingido Duração Eventos que podem causar a perda dos direitos Marcas Randon Colombia 09/04/2017 A Companhia não tem conhecimento de direitos relativos às suas marcas e patentes, tampouco de consequências que eventuais perdas possam acarretar. Marcas Randon Congo 23/06/2016 A Companhia não tem conhecimento de direitos relativos às suas marcas e patentes, tampouco de consequências que eventuais perdas possam acarretar. Marcas Randon Costa Rica 27/08/2017 A Companhia não tem conhecimento de direitos relativos às suas marcas e patentes, tampouco de consequências que eventuais perdas possam acarretar. Marcas Randon Cuba 29/04/2016 A Companhia não tem conhecimento de direitos relativos às suas marcas e patentes, tampouco de consequências que eventuais perdas possam acarretar. Marcas Randon Egito 22/10/2021 A Companhia não tem conhecimento de direitos relativos às suas marcas e patentes, tampouco de consequências que eventuais perdas possam acarretar. Marcas Randon Emirados Árabes Unidos 25/05/2013 A Companhia não tem conhecimento de direitos relativos às suas marcas e patentes, tampouco de consequências que eventuais perdas possam acarretar. Consequência da perda dos direitos A Companhia não tem conhecimento de direitos relativos às suas marcas e patentes, tampouco de consequências que eventuais perdas possam acarretar. A Companhia não tem conhecimento de direitos relativos às suas marcas e patentes, tampouco de consequências que eventuais perdas possam acarretar. A Companhia não tem conhecimento de direitos relativos às suas marcas e patentes, tampouco de consequências que eventuais perdas possam acarretar. A Companhia não tem conhecimento de direitos relativos às suas marcas e patentes, tampouco de consequências que eventuais perdas possam acarretar. A Companhia não tem conhecimento de direitos relativos às suas marcas e patentes, tampouco de consequências que eventuais perdas possam acarretar. A Companhia não tem conhecimento de direitos relativos às suas marcas e patentes, tampouco de consequências que eventuais perdas possam acarretar. PÁGINA: 108 de 324

115 9.1 - Bens do ativo não-circulante relevantes / 9.1.b - Patentes, marcas, licenças, concessões, franquias e contratos de transferência de tecnologia Tipo de ativo Descrição do ativo Território atingido Duração Eventos que podem causar a perda dos direitos Marcas Randon Equador 23/04/2014 A Companhia não tem conhecimento de direitos relativos às suas marcas e patentes, tampouco de consequências que eventuais perdas possam acarretar. Marcas Randon Espanha 02/07/2012 A Companhia não tem conhecimento de direitos relativos às suas marcas e patentes, tampouco de consequências que eventuais perdas possam acarretar. Marcas Randon Estados Unidos da América 08/12/2012 A Companhia não tem conhecimento de direitos relativos às suas marcas e patentes, tampouco de consequências que eventuais perdas possam acarretar. Marcas Randon Etiópia 10/03/2017 A Companhia não tem conhecimento de direitos relativos às suas marcas e patentes, tampouco de consequências que eventuais perdas possam acarretar. Marcas Randon Ghana 20/06/2016 A Companhia não tem conhecimento de direitos relativos às suas marcas e patentes, tampouco de consequências que eventuais perdas possam acarretar. Marcas Randon Guatemala 15/05/2013 A Companhia não tem conhecimento de direitos relativos às suas marcas e patentes, tampouco de consequências que eventuais perdas possam acarretar. Consequência da perda dos direitos A Companhia não tem conhecimento de direitos relativos às suas marcas e patentes, tampouco de consequências que eventuais perdas possam acarretar. A Companhia não tem conhecimento de direitos relativos às suas marcas e patentes, tampouco de consequências que eventuais perdas possam acarretar. A Companhia não tem conhecimento de direitos relativos às suas marcas e patentes, tampouco de consequências que eventuais perdas possam acarretar. A Companhia não tem conhecimento de direitos relativos às suas marcas e patentes, tampouco de consequências que eventuais perdas possam acarretar. A Companhia não tem conhecimento de direitos relativos às suas marcas e patentes, tampouco de consequências que eventuais perdas possam acarretar. A Companhia não tem conhecimento de direitos relativos às suas marcas e patentes, tampouco de consequências que eventuais perdas possam acarretar. PÁGINA: 109 de 324

116 9.1 - Bens do ativo não-circulante relevantes / 9.1.b - Patentes, marcas, licenças, concessões, franquias e contratos de transferência de tecnologia Tipo de ativo Descrição do ativo Território atingido Duração Eventos que podem causar a perda dos direitos Marcas Randon Guiana 22/05/2017 A Companhia não tem conhecimento de direitos relativos às suas marcas e patentes, tampouco de consequências que eventuais perdas possam acarretar. Marcas Randon Honduras 27/11/2012 A Companhia não tem conhecimento de direitos relativos às suas marcas e patentes, tampouco de consequências que eventuais perdas possam acarretar. Marcas Randon Iemen do Norte 02/12/2016 A Companhia não tem conhecimento de direitos relativos às suas marcas e patentes, tampouco de consequências que eventuais perdas possam acarretar. Marcas Randon Irã 06/06/2021 A Companhia não tem conhecimento de direitos relativos às suas marcas e patentes, tampouco de consequências que eventuais perdas possam acarretar. Marcas Randon Israel 31/05/2016 A Companhia não tem conhecimento de direitos relativos às suas marcas e patentes, tampouco de consequências que eventuais perdas possam acarretar. Marcas Randon Jordania 30/01/2021 A Companhia não tem conhecimento de direitos relativos às suas marcas e patentes, tampouco de consequências que eventuais perdas possam acarretar. Consequência da perda dos direitos A Companhia não tem conhecimento de direitos relativos às suas marcas e patentes, tampouco de consequências que eventuais perdas possam acarretar. A Companhia não tem conhecimento de direitos relativos às suas marcas e patentes, tampouco de consequências que eventuais perdas possam acarretar. A Companhia não tem conhecimento de direitos relativos às suas marcas e patentes, tampouco de consequências que eventuais perdas possam acarretar. A Companhia não tem conhecimento de direitos relativos às suas marcas e patentes, tampouco de consequências que eventuais perdas possam acarretar. A Companhia não tem conhecimento de direitos relativos às suas marcas e patentes, tampouco de consequências que eventuais perdas possam acarretar. A Companhia não tem conhecimento de direitos relativos às suas marcas e patentes, tampouco de consequências que eventuais perdas possam acarretar. PÁGINA: 110 de 324

117 9.1 - Bens do ativo não-circulante relevantes / 9.1.b - Patentes, marcas, licenças, concessões, franquias e contratos de transferência de tecnologia Tipo de ativo Descrição do ativo Território atingido Duração Eventos que podem causar a perda dos direitos Marcas Randon Kuwait 14/10/2016 A Companhia não tem conhecimento de direitos relativos às suas marcas e patentes, tampouco de consequências que eventuais perdas possam acarretar. Marcas Randon Libano 18/12/2015 A Companhia não tem conhecimento de direitos relativos às suas marcas e patentes, tampouco de consequências que eventuais perdas possam acarretar. Marcas Randon Marrocos 09/03/2020 A Companhia não tem conhecimento de direitos relativos às suas marcas e patentes, tampouco de consequências que eventuais perdas possam acarretar. Marcas Randon Mexico 11/02/2022 A Companhia não tem conhecimento de direitos relativos às suas marcas e patentes, tampouco de consequências que eventuais perdas possam acarretar. Marcas Randon Moçambique 08/02/2021 A Companhia não tem conhecimento de direitos relativos às suas marcas e patentes, tampouco de consequências que eventuais perdas possam acarretar. Marcas Randon Nicarágua 14/01/2012 A Companhia não tem conhecimento de direitos relativos às suas marcas e patentes, tampouco de consequências que eventuais perdas possam acarretar. Consequência da perda dos direitos A Companhia não tem conhecimento de direitos relativos às suas marcas e patentes, tampouco de consequências que eventuais perdas possam acarretar. A Companhia não tem conhecimento de direitos relativos às suas marcas e patentes, tampouco de consequências que eventuais perdas possam acarretar. A Companhia não tem conhecimento de direitos relativos às suas marcas e patentes, tampouco de consequências que eventuais perdas possam acarretar. A Companhia não tem conhecimento de direitos relativos às suas marcas e patentes, tampouco de consequências que eventuais perdas possam acarretar. A Companhia não tem conhecimento de direitos relativos às suas marcas e patentes, tampouco de consequências que eventuais perdas possam acarretar. A Companhia não tem conhecimento de direitos relativos às suas marcas e patentes, tampouco de consequências que eventuais perdas possam acarretar. PÁGINA: 111 de 324

118 9.1 - Bens do ativo não-circulante relevantes / 9.1.b - Patentes, marcas, licenças, concessões, franquias e contratos de transferência de tecnologia Tipo de ativo Descrição do ativo Território atingido Duração Eventos que podem causar a perda dos direitos Marcas Randon Nigéria 21/06/2013 A Companhia não tem conhecimento de direitos relativos às suas marcas e patentes, tampouco de consequências que eventuais perdas possam acarretar. Marcas Randon Omã 29/07/2013 A Companhia não tem conhecimento de direitos relativos às suas marcas e patentes, tampouco de consequências que eventuais perdas possam acarretar. Marcas Randon Organização Africana 23/06/2016 A Companhia não tem conhecimento de direitos relativos às suas marcas e patentes, tampouco de consequências que eventuais perdas possam acarretar. Marcas Randon Panamá 25/04/2016 A Companhia não tem conhecimento de direitos relativos às suas marcas e patentes, tampouco de consequências que eventuais perdas possam acarretar. Marcas Randon Paraguai 28/12/2014 A Companhia não tem conhecimento de direitos relativos às suas marcas e patentes, tampouco de consequências que eventuais perdas possam acarretar. Marcas Randon Peru 16/10/2012 A Companhia não tem conhecimento de direitos relativos às suas marcas e patentes, tampouco de consequências que eventuais perdas possam acarretar. Consequência da perda dos direitos A Companhia não tem conhecimento de direitos relativos às suas marcas e patentes, tampouco de consequências que eventuais perdas possam acarretar. A Companhia não tem conhecimento de direitos relativos às suas marcas e patentes, tampouco de consequências que eventuais perdas possam acarretar. A Companhia não tem conhecimento de direitos relativos às suas marcas e patentes, tampouco de consequências que eventuais perdas possam acarretar. A Companhia não tem conhecimento de direitos relativos às suas marcas e patentes, tampouco de consequências que eventuais perdas possam acarretar. A Companhia não tem conhecimento de direitos relativos às suas marcas e patentes, tampouco de consequências que eventuais perdas possam acarretar. A Companhia não tem conhecimento de direitos relativos às suas marcas e patentes, tampouco de consequências que eventuais perdas possam acarretar. PÁGINA: 112 de 324

119 9.1 - Bens do ativo não-circulante relevantes / 9.1.b - Patentes, marcas, licenças, concessões, franquias e contratos de transferência de tecnologia Tipo de ativo Descrição do ativo Território atingido Duração Eventos que podem causar a perda dos direitos Marcas Randon Portugal 20/01/2014 A Companhia não tem conhecimento de direitos relativos às suas marcas e patentes, tampouco de consequências que eventuais perdas possam acarretar. Marcas Randon Quenia 04/02/2016 A Companhia não tem conhecimento de direitos relativos às suas marcas e patentes, tampouco de consequências que eventuais perdas possam acarretar. Marcas Randon Republica Dominicana 29/01/2017 A Companhia não tem conhecimento de direitos relativos às suas marcas e patentes, tampouco de consequências que eventuais perdas possam acarretar. Marcas Randon Ruanda Ilimitado A Companhia não tem conhecimento de direitos relativos às suas marcas e patentes, tampouco de consequências que eventuais perdas possam acarretar. Marcas Randon Siria 18/01/2014 A Companhia não tem conhecimento de direitos relativos às suas marcas e patentes, tampouco de consequências que eventuais perdas possam acarretar. Marcas Randon Sudão 17/10/2016 A Companhia não tem conhecimento de direitos relativos às suas marcas e patentes, tampouco de consequências que eventuais perdas possam acarretar. Consequência da perda dos direitos A Companhia não tem conhecimento de direitos relativos às suas marcas e patentes, tampouco de consequências que eventuais perdas possam acarretar. A Companhia não tem conhecimento de direitos relativos às suas marcas e patentes, tampouco de consequências que eventuais perdas possam acarretar. A Companhia não tem conhecimento de direitos relativos às suas marcas e patentes, tampouco de consequências que eventuais perdas possam acarretar. A Companhia não tem conhecimento de direitos relativos às suas marcas e patentes, tampouco de consequências que eventuais perdas possam acarretar. A Companhia não tem conhecimento de direitos relativos às suas marcas e patentes, tampouco de consequências que eventuais perdas possam acarretar. A Companhia não tem conhecimento de direitos relativos às suas marcas e patentes, tampouco de consequências que eventuais perdas possam acarretar. PÁGINA: 113 de 324

120 9.1 - Bens do ativo não-circulante relevantes / 9.1.b - Patentes, marcas, licenças, concessões, franquias e contratos de transferência de tecnologia Tipo de ativo Descrição do ativo Território atingido Duração Eventos que podem causar a perda dos direitos Marcas Randon Suriname 26/06/2016 A Companhia não tem conhecimento de direitos relativos às suas marcas e patentes, tampouco de consequências que eventuais perdas possam acarretar. Marcas Randon Tunisia 04/01/2016 A Companhia não tem conhecimento de direitos relativos às suas marcas e patentes, tampouco de consequências que eventuais perdas possam acarretar. Marcas Randon Turquia 31/05/2016 A Companhia não tem conhecimento de direitos relativos às suas marcas e patentes, tampouco de consequências que eventuais perdas possam acarretar. Marcas Randon Uganda 21/06/2013 A Companhia não tem conhecimento de direitos relativos às suas marcas e patentes, tampouco de consequências que eventuais perdas possam acarretar. Marcas Repuestos Genuinos Randon Uruguai 27/05/2015 A Companhia não tem conhecimento de direitos relativos às suas marcas e patentes, tampouco de consequências que eventuais perdas possam acarretar. Marcas Randon Uruguai 26/03/2019 A Companhia não tem conhecimento de direitos relativos às suas marcas e patentes, tampouco de consequências que eventuais perdas possam acarretar. Consequência da perda dos direitos A Companhia não tem conhecimento de direitos relativos às suas marcas e patentes, tampouco de consequências que eventuais perdas possam acarretar. A Companhia não tem conhecimento de direitos relativos às suas marcas e patentes, tampouco de consequências que eventuais perdas possam acarretar. A Companhia não tem conhecimento de direitos relativos às suas marcas e patentes, tampouco de consequências que eventuais perdas possam acarretar. A Companhia não tem conhecimento de direitos relativos às suas marcas e patentes, tampouco de consequências que eventuais perdas possam acarretar. A Companhia não tem conhecimento de direitos relativos às suas marcas e patentes, tampouco de consequências que eventuais perdas possam acarretar. A Companhia não tem conhecimento de direitos relativos às suas marcas e patentes, tampouco de consequências que eventuais perdas possam acarretar. PÁGINA: 114 de 324

121 9.1 - Bens do ativo não-circulante relevantes / 9.1.b - Patentes, marcas, licenças, concessões, franquias e contratos de transferência de tecnologia Tipo de ativo Descrição do ativo Território atingido Duração Eventos que podem causar a perda dos direitos Marcas Randon Venezuela 11/11/2012 A Companhia não tem conhecimento de direitos relativos às suas marcas e patentes, tampouco de consequências que eventuais perdas possam acarretar. Marcas Randon Zambia 21/06/2013 A Companhia não tem conhecimento de direitos relativos às suas marcas e patentes, tampouco de consequências que eventuais perdas possam acarretar. Patentes Patentes Patentes Patentes Esticador de correntes Engate esférico, com trava e amortecedor Viga tubular para eixo veicular Válvula pneumática veicular Brasil 08/01/2013 A Companhia não tem conhecimento de direitos relativos às suas marcas e patentes, tampouco de consequências que eventuais perdas possam acarretar. Brasil 19/06/2022 A Companhia não tem conhecimento de direitos relativos às suas marcas e patentes, tampouco de consequências que eventuais perdas possam acarretar. Brasil 20/08/2022 A Companhia não tem conhecimento de direitos relativos às suas marcas e patentes, tampouco de consequências que eventuais perdas possam acarretar. Brasil 01/10/2022 A Companhia não tem conhecimento de direitos relativos às suas marcas e patentes, tampouco de consequências que eventuais perdas possam acarretar. Consequência da perda dos direitos A Companhia não tem conhecimento de direitos relativos às suas marcas e patentes, tampouco de consequências que eventuais perdas possam acarretar. A Companhia não tem conhecimento de direitos relativos às suas marcas e patentes, tampouco de consequências que eventuais perdas possam acarretar. A Companhia não tem conhecimento de direitos relativos às suas marcas e patentes, tampouco de consequências que eventuais perdas possam acarretar. A Companhia não tem conhecimento de direitos relativos às suas marcas e patentes, tampouco de consequências que eventuais perdas possam acarretar. A Companhia não tem conhecimento de direitos relativos às suas marcas e patentes, tampouco de consequências que eventuais perdas possam acarretar. A Companhia não tem conhecimento de direitos relativos às suas marcas e patentes, tampouco de consequências que eventuais perdas possam acarretar. PÁGINA: 115 de 324

122 9.1 - Bens do ativo não-circulante relevantes / 9.1.b - Patentes, marcas, licenças, concessões, franquias e contratos de transferência de tecnologia Tipo de ativo Descrição do ativo Território atingido Duração Eventos que podem causar a perda dos direitos Patentes Patentes Patentes Marcas Adaptador para aro de roda em cubo a disco Configuração aplicada a anteparo plástico para Implementos Rodoviários Configuração aplicada a silo para implementos rodoviários RANDON MINERALE Brasil 07/11/2022 A Companhia não tem conhecimento de direitos relativos às suas marcas e patentes, tampouco de consequências que eventuais perdas possam acarretar. Brasil 15/12/2016 A Companhia não tem conhecimento de direitos relativos às suas marcas e patentes, tampouco de consequências que eventuais perdas possam acarretar. Brasil 05/07/2018 A Companhia não tem conhecimento de direitos relativos às suas marcas e patentes, tampouco de consequências que eventuais perdas possam acarretar. Brasil 07/12/2020 A Companhia não tem conhecimento de direitos relativos às suas marcas e patentes, tampouco de consequências que eventuais perdas possam acarretar. Marcas RANDON Argélia 04/04/2020 A Companhia não tem conhecimento de direitos relativos às suas marcas e patentes, tampouco de consequências que eventuais perdas possam acarretar. Marcas RANDON Suazilândia 01/10/2018 A Companhia não tem conhecimento de direitos relativos às suas marcas e patentes, tampouco de consequências que eventuais perdas possam acarretar. Consequência da perda dos direitos A Companhia não tem conhecimento de direitos relativos às suas marcas e patentes, tampouco de consequências que eventuais perdas possam acarretar. A Companhia não tem conhecimento de direitos relativos às suas marcas e patentes, tampouco de consequências que eventuais perdas possam acarretar. A Companhia não tem conhecimento de direitos relativos às suas marcas e patentes, tampouco de consequências que eventuais perdas possam acarretar. A Companhia não tem conhecimento de direitos relativos às suas marcas e patentes, tampouco de consequências que eventuais perdas possam acarretar. A Companhia não tem conhecimento de direitos relativos às suas marcas e patentes, tampouco de consequências que eventuais perdas possam acarretar. A Companhia não tem conhecimento de direitos relativos às suas marcas e patentes, tampouco de consequências que eventuais perdas possam acarretar. PÁGINA: 116 de 324

123 9.1 - Bens do ativo não-circulante relevantes / 9.1.b - Patentes, marcas, licenças, concessões, franquias e contratos de transferência de tecnologia Tipo de ativo Descrição do ativo Território atingido Duração Eventos que podem causar a perda dos direitos Patentes Marcas Marcas Marcas Marcas Sistema de descarga automática de veículo graneleiro Carga Total Randon Carrega Tudo Maxicarga Randon Consórcio Nacional Randon Marcofrigo - Marca Nominativa Brasil 03/12/2022 A Companhia não tem conhecimento de direitos relativos às suas marcas e patentes, tampouco de consequências que eventuais perdas possam acarretar. Brasil 11/09/2017 A Companhia não tem conhecimento de direitos relativos às suas marcas e patentes, tampouco de consequências que eventuais perdas possam acarretar. Brasil 11/08/2019 A Companhia não tem conhecimento de direitos relativos às suas marcas e patentes, tampouco de consequências que eventuais perdas possam acarretar. Brasil 24/10/2010 A Companhia não tem conhecimento de direitos relativos às suas marcas e patentes, tampouco de consequências que eventuais perdas possam acarretar. Brasil 08/02/2019 A Companhia não tem conhecimento de direitos relativos às suas marcas e patentes, tampouco de consequências que eventuais perdas possam acarretar. Marcas Maxiuni Brasil 22/01/2018 A Companhia não tem conhecimento de direitos relativos às suas marcas e patentes, tampouco de consequências que eventuais perdas possam acarretar. Consequência da perda dos direitos A Companhia não tem conhecimento de direitos relativos às suas marcas e patentes, tampouco de consequências que eventuais perdas possam acarretar. A Companhia não tem conhecimento de direitos relativos às suas marcas e patentes, tampouco de consequências que eventuais perdas possam acarretar. A Companhia não tem conhecimento de direitos relativos às suas marcas e patentes, tampouco de consequências que eventuais perdas possam acarretar. A Companhia não tem conhecimento de direitos relativos às suas marcas e patentes, tampouco de consequências que eventuais perdas possam acarretar. A Companhia não tem conhecimento de direitos relativos às suas marcas e patentes, tampouco de consequências que eventuais perdas possam acarretar. A Companhia não tem conhecimento de direitos relativos às suas marcas e patentes, tampouco de consequências que eventuais perdas possam acarretar. PÁGINA: 117 de 324

124 9.1 - Bens do ativo não-circulante relevantes / 9.1.b - Patentes, marcas, licenças, concessões, franquias e contratos de transferência de tecnologia Tipo de ativo Descrição do ativo Território atingido Duração Eventos que podem causar a perda dos direitos Marcas Marcas Peças Genuínas Randon Peças Genuínas Randon Brasil 01/03/2021 A Companhia não tem conhecimento de direitos relativos às suas marcas e patentes, tampouco de consequências que eventuais perdas possam acarretar. Brasil 11/09/2017 A Companhia não tem conhecimento de direitos relativos às suas marcas e patentes, tampouco de consequências que eventuais perdas possam acarretar. Marcas Randon Brasilis Brasil 19/02/2018 A Companhia não tem conhecimento de direitos relativos às suas marcas e patentes, tampouco de consequências que eventuais perdas possam acarretar. Marcas Rodoviária Brasil 30/05/2019 A Companhia não tem conhecimento de direitos relativos às suas marcas e patentes, tampouco de consequências que eventuais perdas possam acarretar. Marcas Suspensy Brasil 29/11/2015 A Companhia não tem conhecimento de direitos relativos às suas marcas e patentes, tampouco de consequências que eventuais perdas possam acarretar. Marcas Repuestos Genuínos Randon Argentina 19/01/2017 A Companhia não tem conhecimento de direitos relativos às suas marcas e patentes, tampouco de consequências que eventuais perdas possam acarretar. Consequência da perda dos direitos A Companhia não tem conhecimento de direitos relativos às suas marcas e patentes, tampouco de consequências que eventuais perdas possam acarretar. A Companhia não tem conhecimento de direitos relativos às suas marcas e patentes, tampouco de consequências que eventuais perdas possam acarretar. A Companhia não tem conhecimento de direitos relativos às suas marcas e patentes, tampouco de consequências que eventuais perdas possam acarretar. A Companhia não tem conhecimento de direitos relativos às suas marcas e patentes, tampouco de consequências que eventuais perdas possam acarretar. A Companhia não tem conhecimento de direitos relativos às suas marcas e patentes, tampouco de consequências que eventuais perdas possam acarretar. A Companhia não tem conhecimento de direitos relativos às suas marcas e patentes, tampouco de consequências que eventuais perdas possam acarretar. PÁGINA: 118 de 324

125 9.1 - Bens do ativo não-circulante relevantes / 9.1.b - Patentes, marcas, licenças, concessões, franquias e contratos de transferência de tecnologia Tipo de ativo Descrição do ativo Território atingido Duração Eventos que podem causar a perda dos direitos Marcas Randon Bahamas 01/08/2016 A Companhia não tem conhecimento de direitos relativos às suas marcas e patentes, tampouco de consequências que eventuais perdas possam acarretar. Marcas Randon Guatemala 23/08/2021 A Companhia não tem conhecimento de direitos relativos às suas marcas e patentes, tampouco de consequências que eventuais perdas possam acarretar. Marcas Randon Namibia 14/06/2016 A Companhia não tem conhecimento de direitos relativos às suas marcas e patentes, tampouco de consequências que eventuais perdas possam acarretar. Marcas Patentes Randon Multiservice Configurações Aplicadas em Conjunto Traseiro para Veículo Automotivo Uruguai 21/02/2016 A Companhia não tem conhecimento de direitos relativos às suas marcas e patentes, tampouco de consequências que eventuais perdas possam acarretar. Marcas Randon Zimbabwe 18/06/2018 A Companhia não tem conhecimento de direitos relativos às suas marcas e patentes, tampouco de consequências que eventuais perdas possam acarretar. Brasil 12/11/2019 A Companhia não tem conhecimento de direitos relativos às suas marcas e patentes, tampouco de consequências que eventuais perdas possam acarretar. Consequência da perda dos direitos A Companhia não tem conhecimento de direitos relativos às suas marcas e patentes, tampouco de consequências que eventuais perdas possam acarretar. A Companhia não tem conhecimento de direitos relativos às suas marcas e patentes, tampouco de consequências que eventuais perdas possam acarretar. A Companhia não tem conhecimento de direitos relativos às suas marcas e patentes, tampouco de consequências que eventuais perdas possam acarretar. A Companhia não tem conhecimento de direitos relativos às suas marcas e patentes, tampouco de consequências que eventuais perdas possam acarretar. A Companhia não tem conhecimento de direitos relativos às suas marcas e patentes, tampouco de consequências que eventuais perdas possam acarretar. A Companhia não tem conhecimento de direitos relativos às suas marcas e patentes, tampouco de consequências que eventuais perdas possam acarretar. PÁGINA: 119 de 324

126 9.1 - Bens do ativo não-circulante relevantes / 9.1.b - Patentes, marcas, licenças, concessões, franquias e contratos de transferência de tecnologia Tipo de ativo Descrição do ativo Território atingido Duração Eventos que podem causar a perda dos direitos Patentes Patentes Patentes Patentes Patentes Configuração Aplicada em Suporte de Placa para Veículo Automotivo Configurações Aplicadas em Lanterna Sinalizadora para Automotivos Configuração Aplicada em Parabarro Configuração Aplicada em Acabamento de Caixa de Carga Configuração Aplicada em Perfil Brasil 12/11/2019 A Companhia não tem conhecimento de direitos relativos às suas marcas e patentes, tampouco de consequências que eventuais perdas possam acarretar. Brasil 12/11/2019 A Companhia não tem conhecimento de direitos relativos às suas marcas e patentes, tampouco de consequências que eventuais perdas possam acarretar. Brasil 24/11/2019 A Companhia não tem conhecimento de direitos relativos às suas marcas e patentes, tampouco de consequências que eventuais perdas possam acarretar. Brasil 28/05/2020 A Companhia não tem conhecimento de direitos relativos às suas marcas e patentes, tampouco de consequências que eventuais perdas possam acarretar. Brasil 02/03/2021 A Companhia não tem conhecimento de direitos relativos às suas marcas e patentes, tampouco de consequências que eventuais perdas possam acarretar. Consequência da perda dos direitos A Companhia não tem conhecimento de direitos relativos às suas marcas e patentes, tampouco de consequências que eventuais perdas possam acarretar. A Companhia não tem conhecimento de direitos relativos às suas marcas e patentes, tampouco de consequências que eventuais perdas possam acarretar. A Companhia não tem conhecimento de direitos relativos às suas marcas e patentes, tampouco de consequências que eventuais perdas possam acarretar. A Companhia não tem conhecimento de direitos relativos às suas marcas e patentes, tampouco de consequências que eventuais perdas possam acarretar. A Companhia não tem conhecimento de direitos relativos às suas marcas e patentes, tampouco de consequências que eventuais perdas possam acarretar. PÁGINA: 120 de 324

127 9.1 - Bens do ativo não-circulante relevantes / 9.1.c - Participações em sociedades Razão social CNPJ Código CVM Tipo sociedade País sede UF sede Município sede Descrição das atividades desenvolvidas Exercício social Valor contábil - variação % Valor mercado - variação % Castertech fundição e Tecnologia Ltda Montante de dividendos recebidos (Reais) / Coligada Brasil RS Caxias do Sul Criada para aumentar a integração da cadeia de suprimentos do grupo, produz peças de ferro fundido nodular. Valor mercado Data Valor (Reais) Participação do emisor (%) 99, /12/ , , ,00 Valor contábil 31/12/ ,00 31/12/ , , ,00 31/12/2009-1, , ,00 Razões para aquisição e manutenção de tal participação A atual estrutura societária visa atender de forma eficiente, os mercados referentes ao foco da Companhia. Fras-le Argentina / Coligada Argentina Buenos Aires Distribuição e comercialização de materiais de fricção e outros produtos do ramo de auto-peças Valor mercado 6, /12/ , , ,00 Valor contábil 31/12/ ,00 31/12/ , , ,00 31/12/ , , ,00 Razões para aquisição e manutenção de tal participação A atual estrutura societária visa atender de forma eficiente, os mercados referentes ao foco da Companhia. FRAS-LE S.A / Controlada Brasil RS Caxias do Sul Oferece soluções de segurança no controle de movimentos para os segmentos de Montadoras e Reposição, com um portfólio de mais de referências. referências.são pastilhas e lonas de freio, revestimentos de embreagem, produtos industriais e especiais, para aplicação em caminhões, ônibus, reboques e semirreboques, automóveis, motocicletas, máquinas, tratores, trens, metrôs, elevadores e sonda pretolíferas. Valor mercado 31/12/ ,00 45, /12/2011 7, , ,00 Valor contábil 31/12/ ,00 31/12/ , , ,00 31/12/ , , ,00 PÁGINA: 121 de 324

128 9.1 - Bens do ativo não-circulante relevantes / 9.1.c - Participações em sociedades Razão social CNPJ Código CVM Tipo sociedade País sede UF sede Município sede Descrição das atividades desenvolvidas Exercício social Valor contábil - variação % Valor mercado - variação % Razões para aquisição e manutenção de tal participação Montante de dividendos recebidos (Reais) Data Valor (Reais) Participação do emisor (%) A atual estrutura societária visa atender de forma eficiente, os mercados referentes ao foco da Companhia. Jost Brasil Sistemas Automotivos Ltda / Controlada Brasil RS Caxias do Sul Fabricação de componentes e sistemas para montadoras de caminhões, reboques e semirreboques. Com um amplo portfólio, oferece quinta-roda, mesa e perfis de montagem da quinta-roda, pino-rei, aparelho de levantamento, engate de contêiner, engate automático, ponteira giratória, suspensor pneumático, rala, hubodômetro, porta-estepe, além de itens para atender ás necessidades específicas dos clientes. Valor mercado 51, /12/2011 7, , ,00 Valor contábil 31/12/ ,00 31/12/ , , ,00 31/12/2009-0, , ,00 Razões para aquisição e manutenção de tal participação A atual estrutura societária visa atender de forma eficiente, os mercados referentes ao foco da Companhia. Master Sistemas Automotivos Ltda / Controlada Brasil RS Caxias do Sul Produz freios pneumáticos e hidráulicos, nas versões a disco e a tambor, para caminhões, ônibus e implementos rodoviários. Valor mercado 51, /12/ , , ,00 Valor contábil 31/12/ ,00 31/12/ , , ,00 31/12/2009 5, , ,00 Razões para aquisição e manutenção de tal participação A atual estrutura societária visa atender de forma eficiente, os mercados referentes ao foco da Companhia. PÁGINA: 122 de 324

129 9.1 - Bens do ativo não-circulante relevantes / 9.1.c - Participações em sociedades Razão social CNPJ Código CVM Tipo sociedade País sede UF sede Município sede Descrição das atividades desenvolvidas Exercício social Valor contábil - variação % Valor mercado - variação % Randon Administradora de Consórcios Ltda / Controlada Brasil RS Caxias do Sul Criada em 1987 para a venda dos implementos rodoviários da Randon S.A. Implementos e Participações, a empresa surgiu no mercado com a marca Consórcio Nacional Randon e hoje atua no consórcio de outros segmentos como automóveis, imóveis, Caminhões, ônibus, miniônibus, máquinas e implementos agrícolas e implementos rodoviários. 31/12/2011 5, , ,00 Valor contábil 31/12/ ,00 31/12/ , , ,00 Razões para aquisição e manutenção de tal participação Montante de dividendos recebidos (Reais) 31/12/ , , ,00 A atual estrutura societária visa atender de forma eficiente, os mercados referentes ao foco da Companhia. Valor mercado Data Valor (Reais) Participação do emisor (%) 99, Randon Argentina S.A / Controlada Argentina Santa Fé Os produtos Randon são referências no setor de transporte na Argentina e estão disponíveis nos modelos tanques, silo, carga seca, frigorífico, basculante, canavieiro, florestal, sider e furgão. Valor mercado 99, /12/ , , ,00 Valor contábil 31/12/ ,00 31/12/ , , ,00 31/12/ , , ,00 Razões para aquisição e manutenção de tal participação A atual estrutura societária visa atender de forma eficiente, os mercados referentes ao foco da Companhia. Randon Automotive Ltda / Controlada África do Sul Lonehill Intermediação nas vendas de reboques, semirreboques e suas partes relacionadas Valor mercado 100, /12/ , , ,00 Valor contábil 31/12/ ,00 31/12/ , , ,00 31/12/ , , ,00 Razões para aquisição e manutenção de tal participação PÁGINA: 123 de 324

130 9.1 - Bens do ativo não-circulante relevantes / 9.1.c - Participações em sociedades Razão social CNPJ Código CVM Tipo sociedade País sede UF sede Município sede Descrição das atividades desenvolvidas Exercício social Valor contábil - variação % Valor mercado - variação % Montante de dividendos recebidos (Reais) A atual estrutura societária visa atender de forma eficiente, os mercados referentes ao foco da Companhia. Data Valor (Reais) Participação do emisor (%) Randon Brantech Implementos para o Transporte Ltda / Controlada Brasil RS Chapecó industrialização, comercialização, importação e exportação de implementos para o transporte rodoviário e ferroviário, de aparelhos mecânicos, de equipamentos veiculares, de peças, partes e componenetes relativos ao ramo e, a prestação de serviços atinentes a seu ramo de atividade. Valor mercado 100, /12/2011 0, , ,00 Valor contábil 31/12/ ,00 31/12/2010 0, , ,00 31/12/2009 0, , ,00 Razões para aquisição e manutenção de tal participação Sua aquisição faz parte da estratégia de crescimento da Randon S.A., que busca destinar investimentos para o fortalecimento de segmentos específicos, em pólos regionais, visando consolidar ainda mais a presença do grupo no mercado doméstico. Randon Implementos para o Transporte Ltda / Controlada Brasil SP São Paulo A industrialização, a comercialização, a importação e a exportação de implementos para o transporte rodoviário e ferroviário, de aparelhos mecânicos, de equipamentos veiculares, de peças, partes e componentes relativos ao ramo; e, a prestação de serviços atinentes a seu ramo de atividade. 31/12/ , , ,00 Valor contábil 31/12/ ,00 31/12/ , , ,00 31/12/ , , ,00 Razões para aquisição e manutenção de tal participação A atual estrutura societária visa atender de forma eficiente, os mercados referentes ao foco da Companhia. Valor mercado 99, Randon Investimentos Ltda / Controlada Brasil RS Caxias do Sul Éa controladora do Banco Randon S.A. O Banco Randon atua no mercado financeiro nacional e no desenvolvimento de produtos e serviços financeiros sintonizados com os negócios das Empresas Randon. Valor mercado 99, PÁGINA: 124 de 324

131 9.1 - Bens do ativo não-circulante relevantes / 9.1.c - Participações em sociedades Razão social CNPJ Código CVM Tipo sociedade País sede UF sede Município sede Descrição das atividades desenvolvidas Exercício social Valor contábil - variação % Valor mercado - variação % Montante de dividendos recebidos (Reais) 31/12/ , , ,00 Valor contábil 31/12/ ,00 Data Valor (Reais) Participação do emisor (%) 31/12/2010-4, , ,00 31/12/2009 0, , ,00 Razões para aquisição e manutenção de tal participação A atual estrutura societária visa atender de forma eficiente, os mercados referentes ao foco da Companhia. Randon Middle East / Coligada Emirados Árabes Unidos Dubai Intermediação nas vendas de reboques, semirreboques e suas partes relacionadas 100, Valor mercado 31/12/ , , ,00 Valor contábil 31/12/ ,00 31/12/ , , ,00 31/12/2009-1, , ,00 Razões para aquisição e manutenção de tal participação A atual estrutura societária visa atender de forma eficiente, os mercados referentes ao foco da Companhia. Suspensys Sistemas Automotivos Ltda / Controlada Brasil RS Caxias do Sul Líder nacional na produção de sistemas de suspensões e componentes. oferece soluções e serviços inovadores em sistemas de suspensões com tecnologia, qualidade e atendimentos reconhecidos. Fornece produtos para as principais montadoras de caminhões, ônibus e implementos rodoviários. Valor mercado 22, /12/ , , ,00 Valor contábil 31/12/ ,00 31/12/ , , ,00 31/12/ , , ,00 Razões para aquisição e manutenção de tal participação A atual estrutura societária visa atender de forma eficiente, os mercados referentes ao foco da Companhia. PÁGINA: 125 de 324

132 9.2 - Outras informações relevantes Esclarecimentos - Quadro 9.1.c Participações em sociedades A controlada Randon Brantech não possui variação contábil nos exercícios de 2009 e 2010, pois a mesma foi adquirida no final de PÁGINA: 126 de 324

133 Condições financeiras e patrimoniais gerais Comentário dos administradores 2009 a) Condições financeiras e patrimoniais gerais: Um olhar detalhado sobre o ano de 2009 revela momentos e situações bastante distintas. Extremos provocados pelo efeito da crise financeira mundial, instalada no último trimestre de 2008, e a euforia da retomada nos três meses finais do ano. O período marca com precisão o momento de maior cautela no mercado até o retorno mais intenso da atividade: exatamente um ano. A crise provocou uma redução forte da demanda, cancelamentos de ordens de produção e paralisação dos mercados externos. Estes eventos foram potencializados pela escassez de crédito e a falta de confiança. O somatório deste cenário desenhou um início de ano bastante difícil para a Companhia, sem precedentes nos últimos anos. E, embora o ano tenha sido em sua maior parte desafiador, a postura proativa diante das incertezas permitiu um desempenho satisfatório no fechamento do ciclo. Os principais destaques do período foram: Receita Bruta Total, antes da consolidação, de R$ 3,7 bilhões, recuo de 18,6% comparado com 2008; Receita Líquida Consolidada atingiu R$ 2,5 bilhões, queda 19,3% em relação a 2008; EBITDA de R$ 297,4 milhões, decréscimo de 43,1% comparado com 2008; R$ 135,2 milhões de lucro líquido consolidado em 2009, 41,5% menos que 2008 apresentando Margem Líquida de 5,5% sobre receita líquida consolidada; Durante o momento de maior stress, a Companhia adotou, entre outras medidas, em consenso com seus colaboradores e sindicato da categoria, regime de flexibilização de jornada de trabalho, prevendo reduções de custos, adequação da capacidade e manutenção de empregos. No lado mercadológico as áreas comerciais foram orientadas a analisar o mercado e suas possibilidades de forma dinâmica, criativa e inovadora, voltada à manutenção e ampliação da participação de mercado independente do segmento. O retorno da demanda só foi intensificado com o pacote de medidas anticíclicas (renúncia fiscal, ampliação dos prazos e redução do custo dos financiamentos) anunciadas pelo governo no final do primeiro semestre. Em especial os ajustes e benefícios relacionados ao financiamento de veículos comerciais foram os propulsores da recuperação da demanda no último trimestre do ano, com avanços significativos nas vendas de caminhões e veículos rebocados a partir de setembro. O fato de estar exposta aos diversos setores da economia permitiu à Companhia aproveitar os poucos bons momentos do ano em cada setor e traduzir isto em novas demandas. Cabe destacar alguns pedidos expressivos na área de rebocados, veículos especiais e vagões ferroviários. Na esfera dos investimentos foram priorizados os aportes para conclusão daqueles iniciados anteriormente a No exercício em análise foram investidos R$ 123 milhões. Mesmo com os desafios já apresentados, este nível de investimentos reforça a convicção na retomada do crescimento e no avanço dos negócios PÁGINA: 127 de 324

134 Condições financeiras e patrimoniais gerais A Randon concentra a maior parte de seus negócios direcionados ao mercado doméstico. Acima de 85% da sua receita foi relativo às vendas em território brasileiro. O momento atual da economia do Brasil trouxe reflexos positivos em diversos setores, e, como já explorado nos relatórios trimestrais da Companhia, esta interação diversificada dos negócios com todos os diferentes setores econômicos proporciona resultados consistentes, equilibrados e sustentáveis no longo prazo. Os principais destaques do período foram: Receita Bruta Total, antes da consolidação, de R$ 5,6 bilhões, 51,0% de crescimento em relação a 2009; Receita Líquida Consolidada atingiu R$ 3,7 bilhões, 50,6% superior a 2009; EBITDA de R$ 541,4 milhões, 82,0% maior se comparado com 2009; R$ 249,5 milhões de lucro líquido consolidado em 2010, com Margem Líquida de 6,7% sobre receita líquida consolidada; O desempenho da indústria automotiva doméstica que produziu caminhões (+54,7% comparado a 2009), chassis de ônibus (+32,8% em relação a 2009) e veículos rebocados (+46% sobre 2009) impactou de forma positiva as vendas nos diferentes segmentos da Companhia. (Fontes: Anfavea / Anfir- Fenabrave / Holding Randon). De fato, em números absolutos, no âmbito de produção, volume de vendas e resultado, o ano de 2010 foi o ano dos recordes da Randon. Jamais em sua história houve números de tamanha grandeza. É sabido também, que parte deste crescimento foi motivado pelas medidas de incentivos providas pelo governo federal como renúncia fiscal, ampliação dos prazos e redução do custo dos financiamentos. Partes destes benefícios ainda são vigentes para o próximo exercício. A alta demanda por produtos e serviços da Companhia exigiu atenção adicional à adequação de capacidade, pequenos problemas de fornecimento na área de suprimentos e contratação e treinamento de mão de obra qualificada. Por outro lado, a alta utilização da capacidade, em muitos momentos acima de 90%, permitiu ganhos de eficiência e produtividade, contabilizadas no incremento de margens quando comparadas ao exercício anterior. O ritmo de investimentos também retomou aos níveis históricos, fechando o ano de 2010 com R$ 186,2 milhões. Este montante foi direcionado ao aumento de capacidade nas diferentes linhas de produtos, reposição de ativos depreciados, modernização, desenvolvimento de novos produtos e ferramentais diversos. Vale destacar também, o início da implantação do novo ERP (Enterprise Resource Planning), que deverá ser concluído no próximo exercício O exercício encerrado em 2011 apresentou bons níveis de atividade das Empresas Randon, em sintonia com os movimentos ocorridos na indústria de veículos comerciais. Os principais destaques do período foram: Receita Bruta Total, antes da consolidação, de R$ 6,4 bilhões, 14,1% de crescimento em relação a 2010; Receita Líquida Consolidada atingiu R$ 4,2 bilhões, 11,8% superior a 2010; EBITDA de R$ 556,8 milhões, 2,8% maior se comparado com 2010; R$ 269,3 milhões de lucro líquido consolidado em 2011, com Margem Líquida de 6,5% sobre receita líquida consolidada, crescimento de 7,9% no ano; PÁGINA: 128 de 324

135 Condições financeiras e patrimoniais gerais Houve, em 2011, dois movimentos distintos na atividade da Companhia. Ambos reforçam o compromisso com o crescimento, performance, gestão e estratégia das operações. O primeiro refere-se a troca do sistema ERP (Enterprise Resource Planning), com impacto pontual nos resultados, porém, focado a suportar o avanço das atividades, no longo prazo. A integração e padronização dos processos de negócios são fundamentais para promoção dos ganhos de sinergia entre as empresas do grupo, além de gerar agilidade na estratégia de crescimento. O segundo ponto é relacionado à performance da Companhia e suas controladas no mercado externo. Os níveis de vendas e atividade além fronteiras também pontuou níveis bastante positivos no ano encerrado. No total, as receitas de exportação somaram US$ 294,4 milhões, crescimento de 22,5% quando comparado ao exercício anterior. Na ponta do CAPEX (investimentos), o montante aplicado foi de R$ 248,3 milhões. Além das linhas regulares de investimento (aumento de capacidade nas diferentes linhas de produtos, reposição de ativos depreciados, o novo ERP, modernização, desenvolvimento de novos produtos e ferramentais diversos), também houve movimentação da conta de investimentos não orgânicos, com a aquisição de unidade produtora de veículos rebocados no estado de Santa Catarina e o anúncio da aquisição, pela controlada Fras-le, de fábrica dedicada à produção de componentes para freios e outras autopeças. Ambas as aquisições serão detalhadas mais adiante. O exercício também foi caracterizado por pressão acentuada nos custos de mão de obra. Os ganhos reais realizados dos últimos anos condicionam atenção especial à produtividade e à eficiência, a fim de manter a competitividade e rentabilidade dos negócios. Em 2011 a Companhia encerrou seu exercício com boas condições patrimoniais e financeiras: Geração operacional de caixa em bom nível e equilibrada posição financeira (R$ 556,8 milhões); Boa performance na geração de lucros; Adequada estrutura de capital, com custos de financiamento de terceiros abaixo das taxas praticadas pelo mercado; Divida Líquida inferior a 7 meses de Geração de Caixa (EBITDA); b) Estrutura de capital e possibilidade de resgate de ações ou quotas, indicando: A composição da dívida bruta total ao final do exercício de 2009 era 19,2% de curto prazo (R$ 166,7 milhões) e 80,8% de longo prazo (R$ 703,3 milhões). Em 31/12/2009, a dívida bruta consolidada era composta por 77,6% em reais e 22,4% em moeda estrangeira contratada pelas empresas no Brasil ou em diferentes moedas contratadas pelas subsidiárias no exterior. O indicador de dívida bruta em relação à capitalização total (dívida total + PL) da Companhia foi de 38,8% em 31/12/2009. Considerando-se a dívida bruta total ao final do exercício de 2010, 28,9% eram de curto prazo (R$ 388,4 milhões) e 71,1% de longo prazo (R$ 956,5 milhões). Em 31/12/2010, a dívida bruta consolidada era composta por 88,1% em reais e 11,9% PÁGINA: 129 de 324

136 Condições financeiras e patrimoniais gerais em moeda estrangeira contratada pelas empresas no Brasil ou em diferentes moedas contratadas pelas subsidiárias no exterior. O indicador de dívida bruta em relação à capitalização total da Companhia foi de 45,4% em 31/12/2010. Considerando-se a dívida bruta total ao final do exercício de 2011, 32,1% eram de curto prazo (R$ 478,2 milhões) e 67,9% de longo prazo (R$ 1.009,6 bilhão). Neste ano as dividas da divisão financeira da Companhia (Banco Randon) somaram 30,4 milhões (24,6% curto prazo, 75,4% de longo prazo), já incluídas na dívida total. Em 31 de dezembro de 2011, a dívida bruta consolidada era composta por 85,5% em reais e 14,5% em moeda estrangeira contratada pelas empresas no Brasil ou em diferentes moedas contratadas pelas subsidiárias no exterior. O indicador de dívida bruta em relação à capitalização total da Companhia foi de 44,4% em 31/12/2011. i) Hipótese de resgate A Administração não antevê possibilidade de resgate das ações emitidas. ii) Fórmula de cálculo do valor de resgate Não se aplica. c) Capacidade de pagamento em relação aos compromissos financeiros assumidos A Randon apresenta plena capacidade de pagamento de todos os seus compromissos financeiros de curto e longo prazo. Esta situação tem sido estável ao longo dos anos como atestam seus índices de liquidez e solvência. A manutenção da saúde econômica financeira é conseqüência da estratégia de gestão conservadora dos ativos que maximiza giro dos ativos operacionais e dimensiona investimentos com vista a não ultrapassar os padrões de endividamento previstos. O endividamento líquido em 2011 foi R$ 383,5 milhões, o equivalente a um múltiplo de 0,69 do EBITDA. Direitos e obrigações por recursos de consorciados Referem-se a recursos pendentes de recebimentos na Randon Administradora de Consórcio Ltda., oriundos de cobrança judicial em decorrência do encerramento de grupos, transferido para a administradora, conforme definido na Circular nº do Banco Central do Brasil, de 31 de janeiro de Após a conclusão do processo de cobrança judicial, estes recursos são rateados proporcionalmente entre os beneficiários do grupo. d) Fontes de financiamento para capital de giro e para investimentos em ativos não-circulantes utilizados: A Companhia possui operações de adiantamentos de contratos de câmbio (ACCs), linhas de pré-pagamentos e pré-embarques atrelados às operações de exportações. Adicionalmente, a Companhia utiliza, além de recursos próprios, linhas de créditos junto a instituições financeiras para o financiamento de ativos não-circulantes, tais como o IFC, FINEP e o BNDES. PÁGINA: 130 de 324

137 Condições financeiras e patrimoniais gerais e) Fontes de financiamento para capital de giro e para investimentos em ativos não-circulantes que pretende utilizar para cobertura de deficiências de liquidez ACCs, pré-pagamento, pré-embarque, FINEP e BNDES. f) Níveis de endividamento e as características de tais dívidas, descrevendo ainda: i. Contratos de empréstimo e financiamento relevantes ii. Outras relações de longo prazo com instituições financeiras Financiamentos (R$ milhões) PÁGINA: 131 de 324

138 Condições financeiras e patrimoniais gerais Controladora Consolidado BRGAAP IFRS Indexador Juros Vencimento 31/12/ /12/ /12/ /12/2010 Circulante Moeda nacional: FINAME TJLP 5,0% a.a. 15/12/ FINEP TJLP 1,0% a 5,25% a.a. 15/12/ Contratos de arrendamento mercantil CDI 0,1% a 1,6% a.m. 14/08/ Incentivo fiscal - Fundopem IPCA 3,0% a 4,0% a.a. 28/02/ BNDES URTJLP / TJLP 2,0% a 4,5% a.a. 16/01/ BNDES Taxa Fixa 4,5% a 9,0% a.a. 15/11/ Moeda estrangeira: Adiantamentos de contratos de câmbio de pré-pagamento de exportação de US$ mil Variação cambial + Libor 0,8% a 1,8% a.a. 05/11/ Financiamento de US$ mil Variação cambial + Libor 2,0% a 5,7% a.a. 15/10/ Empréstimo de capital de giro de US$ 1.400mil Badlar 9,7% a.a. 30/06/ BNDES UMBNDES / Variação Cambial 1,9% a 2,5 % a.a. 15/01/ Não circulante Moeda nacional: FINAME TJLP 5,0% a.a. 15/12/ FINEP TJLP 1,0% a 5,25% a.a. 15/12/ Incentivo fiscal Fundopem IPCA 3,0% a 4,0% a.a. 28/02/ BNDES URTJLP / TJLP 2,0% a 4,5% a.a. 16/01/ BNDES Taxa Fixa 4,5% a 9,0% a.a. 15/11/ Moeda estrangeira: Adiantamentos de contratos de câmbio de pré-pagamento de exportação. Variação cambial + Libor 0,8% a 1,8% a.a. 05/11/ Financiamento de US$ mil Variação cambial + Libor 2,0% a 5,7% a.a. 15/10/ Empréstimo de capital de giro de US$ 9.161mil Badlar 9,7% a.a. 30/06/ BNDES UMBNDES / Variação Cambial 1,9% a 2,5 % a.a. 15/01/ Total de empréstimos sujeitos a juros Os financiamentos e empréstimos estão garantidos por avais e fianças para as controladas no valor de R$ (R$ em 31 de dezembro de 2010), hipoteca no valor de R$ (R$ em 31 de dezembro de 2010); bens dados em garantia e propriedade fiduciária no valor de R$ (R$ em 31 de dezembro de 2010); notas promissórias e carta fiança no valor de R$ (R$ em 31 de dezembro de 2010). Os contratos de financiamentos junto ao International Finance Corporation IFC, e os contratos junto ao Banco Nacional de Desenvolvimento Econômico e Social BNDES contém cláusulas restritivas que incluem, entre outras, antecipação parcial ou total do vencimento quando determinados índices financeiros (liquidez corrente, endividamento a longo prazo e cobertura de dívida) não forem atingidos. Em 31 de dezembro de 2011 os índices estabelecidos estavam sendo atendidos pela Companhia. Fundopem/RS Em dezembro de 2006, a Companhia e suas controladas assinaram Termo de Ajuste junto ao Estado do Rio Grande do Sul, como adesão ao Fundopem/RS (Fundo Operação Empresa do Estado do Rio Grande do Sul). O incentivo fiscal constitui-se em postergação de pagamento de parcela do débito de ICMS gerado mensalmente, com uma carência de 33 a 54 meses e prazo de pagamento entre 54 a 96 meses, a partir de cada débito, corrigido pelo PÁGINA: 132 de 324

139 Condições financeiras e patrimoniais gerais IPCA/IBGE e taxa de juros entre 3% a.a. e 4% a.a. A parcela do débito com pagamento postergado, apurada a partir de incremento de faturamento, aumento na geração de débito de ICMS e geração de empregos conforme definido no Termo de Ajuste Fundopem RS ainda não utilizado é no valor de R$ (R$ em 31 de dezembro de 2010). Para incremento de valor financiado a Companhia e suas controladas observam todas as exigências para obtenção deste tipo de incentivo, a saber: a) Faturamento bruto incremental mensal; b) ICMS incremental mensal; c) Número de empregos diretos incrementais. A Companhia classifica esta operação como um financiamento para capital de giro, com juros e prazos subsidiados. Fundopem/RS - Nosso Emprego A controlada Suspensys Sistemas Automotivos Ltda. obteve do governo do Estado do Rio Grande do Sul, incentivo fiscal vinculado à geração de empregos, denominado Fundopem Nosso Emprego, em agosto de 1998, encerrado em novembro de A Empresa calculou o valor do benefício de acordo com regras especificadas no protocolo 18/98, na Lei nº /97 e demais legislações pertinentes, como a Resolução Normativa nº 40/97. A estrutura do cálculo foi baseada na Instrução Normativa DRP nº 45/98, título 1, capitulo V, item 6.0. A planilha utilizada para o cálculo era submetida mensalmente à análise do Sistema Estadual para Atração e Desenvolvimento de Atividades Produtivas (SEADAP). Seguindo orientações da Lei nº /07 e CPC 07, a controlada Suspensys Sistemas Automotivos Ltda., registrou até o seu encerramento ocorrido em 30 de novembro de 2010, a título de incentivo o montante de R$ Fontes de Liquidez adicional A Companhia tem utilizado sua geração de caixa próprio e instrumentos lastreados em exportação para uso em sua necessidade de recursos. Embora sem utilização nos últimos anos, a Companhia possui bons índices de avaliação junto às instituições financeiras o que permite acesso rápido a linhas de crédito. iii. Grau de subordinação entre as dívidas Segue abaixo, tabela que expõe a subordinação de garantias relativas aos 3 últimos exercícios: GARANTIAS QUIROGRAFÁRIAS POR PERÍODO (R$) Menos de 1 Ano Entre 1 e 3 Anos Entre 3 a 5 anos Acima de 5 anos PÁGINA: 133 de 324

140 Condições financeiras e patrimoniais gerais As garantias reais informadas no item 3.8 deste formulário, em caso de liquidação da Companhia, terão preferência entre as garantias dadas pela mesma. Eventuais restrições impostas ao emissor, em especial, em relação a limites de endividamento e contratação de novas dívidas, à distribuição de dividendos, à alienação de ativos, à emissão de novos valores mobiliários e à alienação de controle societário Segue abaixo, arrolamento das cláusulas restritivas a que a Companhia se submetia até 31/12/2011: (a) Existência corporativa; Condução dos negócios: Manter sua existência corporativa, cumprir com seu Instrumento de Constituição, e implementar o Segundo Projeto e conduzir seus negócios com devida diligência e eficiência em conformidade com as práticas comerciais, financeiras e de engenharia sólidas; (b) Utilização de receitas: Fazer com que o financiamento especificado no Plano Financeiro seja aplicado exclusivamente ao segundo projeto; (c) Cumprimento com as Leis; Impostos; (i) Conduzir seus negócios em conformidade, em todo aspecto material, com as exigências aplicáveis da lei; e (ii) Registrar até data devida todas as declarações, relatórios e registros relativos a Impostos que devam ser registrados por ela e pagar, quando forem devidos, todos os Impostos devidos pela mesma; (d) Gerenciamento contábil e financeiro: Manter um sistema contábil e de controle, sistemas de gerenciamento de informação, livros contábeis e outros registros, os quais conjuntamente apresentam de forma adequada e precisa a condição financeira da Sociedade e os resultados de suas operações em conformidade com as Normas Contábeis; (e) Auditores (i) Manter a todos os momentos uma empresa de contadores públicos independentes reconhecidos internacionalmente; e (ii) Irrevogavelmente autorizar os Auditores a se comunicarem diretamente a qualquer momento com relação às demonstrações financeiras da Sociedade (tanto auditadas quanto não auditadas), contas e operações, e fornecer uma cópia da referida autorização; (iii) No mais tardar 30 (trinta) dias após qualquer alteração com relação aos Auditores, emitir uma autorização similar aos novos Auditores e fornecer uma cópia da mesma; (f) Acesso: Mediante solicitação e notificação prévia razoável enviada à Sociedade, permitir que os representantes, durante todo o horário comercial normal (i) Visitem quaisquer dos locais e instalações onde os negócios da Sociedade são conduzidos; (ii) Inspecionem quaisquer dos locais, instalações, plantas e equipamentos da Sociedade; PÁGINA: 134 de 324

141 Condições financeiras e patrimoniais gerais (iii) Tenham acesso aos livros contábeis e todos os registros da Sociedade; (iv) Tenham acesso aos funcionários, agentes, contratados e subcontratados da Sociedade que tenham ou possam ter conhecimento de assuntos com relação aos quais se busca informações; Contudo, (i) nenhuma notificação prévia razoável será necessária se um evento de inadimplemento ou evento de inadimplemento em Potencial esteja acontecendo ou caso circunstâncias especiais assim exijam e (ii) no caso do Diretor Contábil, o referido acesso será para o propósito de desempenhar o papel de Diretor Contábil; (g) Questões ambientais: Por meio de seus funcionários, agentes, contratados e subcontratados, garantir que o design, construção, operação, manutenção, gerenciamento e monitoramento dos locais, plantas, equipamentos, operações e instalações do Projeto sejam realizados em conformidade com as exigências aplicáveis das normas de desempenho. (h) Índices de manutenção: Manter em todos os momentos: (i) Um consolidado Quoficiente de Liquidez não inferiror a 1,4; (ii) Uma dívida financeira líquida consolidada ajustada para EBITDA consolidado de não mais que 1,5; (iii) Uma dívida financeira consolidada ajustada para o índice de Patrimônio Líquido Tangível de não mais que 1,0; e (iv) Um índice de cobertura de serviço de dívida de pico com mais que 1,3; A Sociedade não deverá, a menos que seja autorizada: (a) Dívida financeira permitida: Incorrer, assumir ou permitir a existência de qualquer Dívida Financeira exceto pela Dívida Financeira adicional que não resultaria em Índice de Cobertura de Serviço de Dívida de Pico excedendo 1,3; (b) Arrendamentos: Celebrar qualquer contrato ou acordo para arrendar qualquer propriedade ou equipamento de qualquer tipo, exceto por arrendamentos com relação aos quais os pagamentos agregados nos termos dos referidos contratos ou acordos não excedem o equivalente a $ ,00 (dez milhões de dólares) em nenhum exercício financeiro. (c) Transações derivativas: Celebrar qualquer transação derivativa ou assumir obrigações de qualquer parte de qualquer transação derivativa, exceto pelas transações derivativas celebradas no Curso Ordinário do Negócio para o propósito de gerenciar riscos inerentes às operações comerciais da Sociedade com relação a taxas de câmbio, taxas de juros e preços de commodities e não para propósitos especulativos; (d) Incorporação, fusão, etc: Se comprometer ou permitir qualquer incorporação, cisão, fusão ou reorganização a menos que a(s) entidade(s) resultando das mesmas se tornem devedoras ou fiadoras conjuntas do empréstimo; (e) Aditamentos, renúncias, etc, de contratos materiais: Rescindir, aditar ou conceder qualquer renúncia coma relação a qualquer disposição de quaisquer PÁGINA: 135 de 324

142 Condições financeiras e patrimoniais gerais documentos de transação ou qualquer contrato comprovando quaisquer empréstimos fornecidos nos termos do plano financeiro; (f) Práticas sancionáveis: Engajar-se em (e não autorizar ou permitir que nenhuma afiliada ou qualquer outra pessoa agindo em seu nome se engaje) com relação ao projeto ou a qualquer transação contemplada pelo presente contrato, nenhuma prática sancionável. g) Limites de utilização dos financiamentos já contratados Não se aplica. h) Alterações significativas em cada item das demonstrações financeiras Segue demonstração das informações financeiras dos exercícios sociais encerrados em 31 de dezembro de 2009, 31 de dezembro de 2010 e 31 de dezembro de A tabela resumo abaixo facilita a compreensão dos dados. Receita Bruta Total sem eliminações IFRS 2011 IFRS 2010 IFRS ,1% Receita Liquida Consolidada ,8% Lucro Bruto Consolidado ,4% Lucro Líquido Consolidado ,9% Lucro Operacional Próprio (EBIT) - Consolidado ,2% EBITDA Consolidado ,8% Endividamento Financeiro Líquido Consolidado ,7% Resultado Financeiro Líquido Consolidado ,1% Receitas Financeiras ,1% Despesas Financeiras ( ) ( ) 29,8% ( ) Despesas Administrativas e Comerciais Consolidadas ( ) ( ) 22,9% ( ) Lucro Consolidado por Ação 1,12 1,04 7,7% 0,84 Valores em R$ Mil Relativo ao exercício de 2011, os indicadores que apresentaram maior variação foram os seguintes: - Endividamento Financeiro Líquido Consolidado: a variação deste indicador foi de 440,7% (R$ 70,9 milhões em 31/12/2010 para R$ 383,5 milhões em 31/12/2011). Este incremento é explicado pontualmente por dois fatores. O primeiro, referente à variação do capital de giro, influenciada pela alteração/implementação de novo ERP na Companhia e suas Controladas, no exercício de Embora dentro do esperado, em processos similares percebesse por momentos distintos uma piora nas contas de estoques e fluxo de recebimentos. A Administração acredita que ao longo do próximo exercício, e com a estabilização do processo de implementação do novo ERP, o uso PÁGINA: 136 de 324

143 Condições financeiras e patrimoniais gerais do capital de giro deva retornar aos padrões normais da Companhia. Além da variação do capital de giro, a Companhia também tomou mais empréstimos ao longo do ano com o objetivo de financiar suas operações de curto prazo relacionadas ao mercado externo (em evidência no 1.b). - Resultado Financeiro Líquido Consolidado: O volume de dívida tomada pela Empresa foi suficiente para complementar sua geração de caixa em suas obrigações e devido ao perfil da dívida ser de baixo custo, permitiu que houvesse Resultado Financeiro positivo de R$ 60 milhões (336% superior ao ano anterior). Este indicador foi excepcional neste exercício e deve reduzir sua importância à medida que a Companhia honre suas obrigações relativas ao pagamento de dívidas e também pela redução das taxas de juros no país (que determinam a remuneração das aplicações financeiras da Companhia). OBS: No exercício de 2009, os valores foram ajustados em adequação ao IFRS. No exercício de 2011, os valores foram ajustados em virtude de ajustes realizados no comparativo do ITR do 1ºTrimestre/2012. PÁGINA: 137 de 324

144 Resultado operacional e financeiro Comentários dos Administradores O comentário a seguir contempla os seguintes itens: a. Resultados das operações do emissor: i. Descrição de quaisquer componentes importantes da receita ii. Fatores que afetaram materialmente os resultados operacionais Receitas A receita bruta total (sem eliminação das vendas entre as empresas) alcançou R$ 6,4 bilhões em 2011, um crescimento de 14,1% sobre 2010 (R$ 5,6 bilhões). Em 2009 foi de R$ 3,7 milhões). A receita líquida consolidada no exercício de 2011 fechou em R$ 4,2 bilhões, 11,8% mais que no período de 2010 de R$ 3,7 bilhões. Em 2009 o indicador encerrou em R$ 2,5 milhões. Composição da Receita Líquida Consolidada JAN-DEZ/2011 As vendas entre empresas representaram 16,9% da receita líquida total contra 15,7% do ano anterior. Distribuição da Receita por Segmento RECEITA LÍQUIDA VENDA ENTRE EMPRESAS RECEITA LÍQUIDA CONSOLIDADA % S/ RECEITA RECEITA LÍQUIDA CONSOLIDADA % S/ RECEITA Randon S.A. Impl. e Participações (Controladora) ,2% ,2% Randon Impl. p/o Transporte Ltda ,8% ,8% Randon Brantech Ltda ,1% - 0,0% Randon Argentina S.A ,7% ,4% Escritórios Internacionais ,0% - - VEÍCULOS E IMPLEMENTOS ,7% ,5% Master Sist. Automotivos Ltda ,0% ,2% Jost Brasil Sistemas Automotivos Ltda ,3% ,2% Fras-Le S.A. (Consolidado) ,2% ,0% Suspensys Sistemas Automotivos Ltda ,2% ,7% Castertech Fundição e Tecnologia Ltda (174) 0,0% ,0% AUTOPEÇAS ,8% ,1% Randon Administradora de Consórcios Ltda ,3% ,3% Randon Investimentos Ltda ,2% SERVIÇOS FINANCEIROS ,5% ,4% TOTAL ,0% ,0% Valores em R$ Mil Em 2011, houve crescimento no desempenho em todos os segmentos de atuação, com uma variação pouco significativa na participação por segmento. PÁGINA: 138 de 324

145 Resultado operacional e financeiro Veículos e Implementos 49,72% Autopeças 48,79% Veículos e Implementos 50,47% Autopeças 48,15% Serviços Financeiros 1,49% Serviços Financeiros 1,38% O lucro líquido consolidado em 2009 atingiu R$ 135,2 milhões. O montante representou margem líquida (lucro líquido x receita líquida) de 5,5%. O lucro líquido consolidado em 2010 atingiu R$ 249,5 milhões no exercício ou 84,6% mais que o ano de Isto representou um aumento da margem líquida (lucro líquido x receita líquida) de 5,5% no ano anterior para 6,7% em O lucro líquido consolidado atingiu R$ 269,3 milhões no exercício ou 7,9% mais que o ano de Isto representou uma queda da margem líquida (lucro líquido x receita líquida) de 6,7% no ano anterior para 6,5% em b. Variações das receitas atribuíveis a modificações de preços, taxas de câmbio, inflação, alterações de volumes e introdução de novos produtos e serviços Em síntese as principais rubricas que influenciaram os resultados dos 3 últimos exercícios sociais foram: 2009 Custo dos Produtos Vendidos O custo dos produtos vendidos representou 77,3% da receita líquida consolidada ou R$ 1,9 bilhão no exercício de 2009 contra R$ 2,2 bilhões referentes ao mesmo período de 2008 e que representou 72,8% da receita líquida. Lucro Bruto O lucro bruto chegou a R$ 561,7 milhões no acumulado de 2009 e representou 22,7% da receita líquida consolidada, uma queda de 32,6% em relação ao mesmo período de 2008, quando o lucro bruto totalizou R$ 833,7 milhões ou 27,2% da receita líquida consolidada. Despesas Operacionais (Administrativas/Comerciais/Outras) As despesas operacionais em 2009 representaram 13,6% sobre a receita líquida consolidada contra 12,4% no ano de 2008, ficando em R$ 334,7 milhões (R$ 378,4 milhões em 2008). Este acréscimo em termos percentuais está relacionado à redução mais do que proporcional na receita no período. Geração Bruta de Caixa (EBITDA) O EBITDA (geração bruta de caixa) totalizou R$ 297,4 milhões ou 12,0% sobre a receita líquida do período, enquanto em 2008 registrou R$ 522,7 milhões ou 17,1% PÁGINA: 139 de 324

Formulário de Referência - 2012 - FRAS-LE SA Versão : 1. 1.1 - Declaração e Identificação dos responsáveis 1

Formulário de Referência - 2012 - FRAS-LE SA Versão : 1. 1.1 - Declaração e Identificação dos responsáveis 1 Índice 1. Responsáveis pelo formulário 1.1 - Declaração e Identificação dos responsáveis 1 2. Auditores independentes 2.1/2.2 - Identificação e remuneração dos Auditores 2 2.3 - Outras informações relevantes

Leia mais

Formulário de Referência - 2011 - SUDESTE SA Versão : 1. 1.1 - Declaração e Identificação dos responsáveis 1

Formulário de Referência - 2011 - SUDESTE SA Versão : 1. 1.1 - Declaração e Identificação dos responsáveis 1 Índice 1. Responsáveis pelo formulário 1.1 - Declaração e Identificação dos responsáveis 1 2. Auditores independentes 2.1/2.2 - Identificação e remuneração dos Auditores 2 2.3 - Outras informações relevantes

Leia mais

Formulário de Referência - 2010 - VALETRON SA Versão : 2. 1.1 - Declaração e Identificação dos responsáveis 1

Formulário de Referência - 2010 - VALETRON SA Versão : 2. 1.1 - Declaração e Identificação dos responsáveis 1 Índice 1. Responsáveis pelo formulário 1.1 - Declaração e Identificação dos responsáveis 1 2. Auditores independentes 2.1/2.2 - Identificação e remuneração dos Auditores 2 2.3 - Outras informações relevantes

Leia mais

Formulário de Referência - 2011 - GAMA PARTICIPAÇÕES S.A. Versão : 1. 1.1 - Declaração e Identificação dos responsáveis 1

Formulário de Referência - 2011 - GAMA PARTICIPAÇÕES S.A. Versão : 1. 1.1 - Declaração e Identificação dos responsáveis 1 Índice 1. Responsáveis pelo formulário 1.1 - Declaração e Identificação dos responsáveis 1 2. Auditores independentes 2.1/2.2 - Identificação e remuneração dos Auditores 2 2.3 - Outras informações relevantes

Leia mais

Formulário de Referência - 2015 - ALFA HOLDINGS SA Versão : 2. 1.1 - Declaração e Identificação dos responsáveis 1

Formulário de Referência - 2015 - ALFA HOLDINGS SA Versão : 2. 1.1 - Declaração e Identificação dos responsáveis 1 Índice 1. Responsáveis pelo formulário 1.1 - Declaração e Identificação dos responsáveis 1 2. Auditores independentes 2.1/2.2 - Identificação e remuneração dos Auditores 2 2.3 - Outras informações relevantes

Leia mais

Formulário de Referência - 2015 - BR PROPERTIES S.A. Versão : 9. 1.1 - Declaração e Identificação dos responsáveis 1

Formulário de Referência - 2015 - BR PROPERTIES S.A. Versão : 9. 1.1 - Declaração e Identificação dos responsáveis 1 Índice 1. Responsáveis pelo formulário 1.1 - Declaração e Identificação dos responsáveis 1 2. Auditores independentes 2.1/2.2 - Identificação e remuneração dos Auditores 2 2.3 - Outras informações relevantes

Leia mais

Formulário de Referência - 2013 - PARCOM PARTICIPACOES SA Versão : 4. 1.1 - Declaração e Identificação dos responsáveis 1

Formulário de Referência - 2013 - PARCOM PARTICIPACOES SA Versão : 4. 1.1 - Declaração e Identificação dos responsáveis 1 Índice 1. Responsáveis pelo formulário 1.1 - Declaração e Identificação dos responsáveis 1 2. Auditores independentes 2.1/2.2 - Identificação e remuneração dos Auditores 2 2.3 - Outras informações relevantes

Leia mais

Formulário de Referência - 2014 - OPPORTUNITY ENERGIA E PARTICIPAÇÕES S.A. Versão : 9. 1.1 - Declaração e Identificação dos responsáveis 1

Formulário de Referência - 2014 - OPPORTUNITY ENERGIA E PARTICIPAÇÕES S.A. Versão : 9. 1.1 - Declaração e Identificação dos responsáveis 1 Índice 1. Responsáveis pelo formulário 1.1 - Declaração e Identificação dos responsáveis 1 2. Auditores independentes 2.1/2.2 - Identificação e remuneração dos Auditores 2 2.3 - Outras informações relevantes

Leia mais

Formulário de Referência - 2010 - ARAUCÁRIA PARTICIPAÇÕES SA Versão : 3. 1.1 - Declaração e Identificação dos responsáveis 1

Formulário de Referência - 2010 - ARAUCÁRIA PARTICIPAÇÕES SA Versão : 3. 1.1 - Declaração e Identificação dos responsáveis 1 Índice 1. Responsáveis pelo formulário 1.1 - Declaração e Identificação dos responsáveis 1 2. Auditores independentes 2.1/2.2 - Identificação e remuneração dos Auditores 2 2.3 - Outras informações relevantes

Leia mais

Formulário de Referência - 2011/2012 - BRASILAGRO CIA BRAS DE PROP AGRICOLAS Versão : 6. 1.1 - Declaração e Identificação dos responsáveis 1

Formulário de Referência - 2011/2012 - BRASILAGRO CIA BRAS DE PROP AGRICOLAS Versão : 6. 1.1 - Declaração e Identificação dos responsáveis 1 Índice 1. Responsáveis pelo formulário 1.1 - Declaração e Identificação dos responsáveis 1 2. Auditores independentes 2.1/2.2 - Identificação e remuneração dos Auditores 2 2.3 - Outras informações relevantes

Leia mais

Formulário de Referência - 2013 - BETAPART PARTICIPAÇÕES SA Versão : 1. 1.1 - Declaração e Identificação dos responsáveis 1

Formulário de Referência - 2013 - BETAPART PARTICIPAÇÕES SA Versão : 1. 1.1 - Declaração e Identificação dos responsáveis 1 Índice 1. Responsáveis pelo formulário 1.1 - Declaração e Identificação dos responsáveis 1 2. Auditores independentes 2.1/2.2 - Identificação e remuneração dos Auditores 2 2.3 - Outras informações relevantes

Leia mais

Formulário de Referência - 2011 - BRASIL BROKERS PARTICIPAÇÕES SA Versão : 1. 1.1 - Declaração e Identificação dos responsáveis 1

Formulário de Referência - 2011 - BRASIL BROKERS PARTICIPAÇÕES SA Versão : 1. 1.1 - Declaração e Identificação dos responsáveis 1 Índice 1. Responsáveis pelo formulário 1.1 - Declaração e Identificação dos responsáveis 1 2. Auditores independentes 2.1/2.2 - Identificação e remuneração dos Auditores 2 3. Informações financ. selecionadas

Leia mais

Formulário de Referência - 2012 - SUZANO PAPEL E CELULOSE SA Versão : 1. 1.1 - Declaração e Identificação dos responsáveis 1

Formulário de Referência - 2012 - SUZANO PAPEL E CELULOSE SA Versão : 1. 1.1 - Declaração e Identificação dos responsáveis 1 Índice 1. Responsáveis pelo formulário 1.1 - Declaração e Identificação dos responsáveis 1 2. Auditores independentes 2.1/2.2 - Identificação e remuneração dos Auditores 2 2.3 - Outras informações relevantes

Leia mais

Formulário de Referência - 2014 - BPMB I Participações S.A. Versão : 3. 1.1 - Declaração e Identificação dos responsáveis 1

Formulário de Referência - 2014 - BPMB I Participações S.A. Versão : 3. 1.1 - Declaração e Identificação dos responsáveis 1 Índice 1. Responsáveis pelo formulário 1.1 - Declaração e Identificação dos responsáveis 1 2. Auditores independentes 2.1/2.2 - Identificação e remuneração dos Auditores 2 2.3 - Outras informações relevantes

Leia mais

Formulário de Referência - 2016 - BRASIL BROKERS PARTICIPAÇÕES SA Versão : 4. 1.1 - Declaração e Identificação dos responsáveis 1

Formulário de Referência - 2016 - BRASIL BROKERS PARTICIPAÇÕES SA Versão : 4. 1.1 - Declaração e Identificação dos responsáveis 1 Índice 1. Responsáveis pelo formulário 1.1 - Declaração e Identificação dos responsáveis 1 1.1 Declaração do Diretor Presidente 2 1.2 - Declaração do Diretor de Relações com Investidores 3 1.3 - Declaração

Leia mais

Formulário de Referência - 2012 - Lan Airlines S.A. Versão : 2. 1.1 - Declaração e Identificação dos responsáveis 1

Formulário de Referência - 2012 - Lan Airlines S.A. Versão : 2. 1.1 - Declaração e Identificação dos responsáveis 1 Índice 1. Responsáveis pelo formulário 1.1 - Declaração e Identificação dos responsáveis 1 2. Auditores independentes 2.1/2.2 - Identificação e remuneração dos Auditores 2 2.3 - Outras informações relevantes

Leia mais

Formulário de Referência - 2013-524 PARTICIPAÇOES SA Versão : 3. 1.1 - Declaração e Identificação dos responsáveis 1

Formulário de Referência - 2013-524 PARTICIPAÇOES SA Versão : 3. 1.1 - Declaração e Identificação dos responsáveis 1 Índice 1. Responsáveis pelo formulário 1.1 - Declaração e Identificação dos responsáveis 1 2. Auditores independentes 2.1/2.2 - Identificação e remuneração dos Auditores 2 2.3 - Outras informações relevantes

Leia mais

Formulário de Referência - 2015 - PROMPT PARTICIPAÇÕES S.A. Versão : 1. 1.1 - Declaração e Identificação dos responsáveis 1

Formulário de Referência - 2015 - PROMPT PARTICIPAÇÕES S.A. Versão : 1. 1.1 - Declaração e Identificação dos responsáveis 1 Índice 1. Responsáveis pelo formulário 1.1 - Declaração e Identificação dos responsáveis 1 2. Auditores independentes 2.1/2.2 - Identificação e remuneração dos Auditores 2 2.3 - Outras informações relevantes

Leia mais

Formulário de Referência - 2010 - ESTACIO PARTICIPAÇÕES SA Versão : 3. 1.1 - Declaração e Identificação dos responsáveis 1

Formulário de Referência - 2010 - ESTACIO PARTICIPAÇÕES SA Versão : 3. 1.1 - Declaração e Identificação dos responsáveis 1 Índice 1. Responsáveis pelo formulário 1.1 - Declaração e Identificação dos responsáveis 1 2. Auditores independentes 2.1/2.2 - Identificação e remuneração dos Auditores 2 2.3 - Outras informações relevantes

Leia mais

Formulário de Referência - 2010 - CTEEP-CIA TRANSM ENERGIA ELÉTR. PAULISTA Versão : 3. 1.1 - Declaração e Identificação dos responsáveis 1

Formulário de Referência - 2010 - CTEEP-CIA TRANSM ENERGIA ELÉTR. PAULISTA Versão : 3. 1.1 - Declaração e Identificação dos responsáveis 1 Índice 1. Responsáveis pelo formulário 1.1 - Declaração e Identificação dos responsáveis 1 2. Auditores independentes 2.1/2.2 - Identificação e remuneração dos Auditores 2 2.3 - Outras informações relevantes

Leia mais

FORMULÁRIO DE REFERÊNCIA. Conforme Anexo 24 da Instrução CVM nº 480, de 7 de dezembro de 2009 TEGMA GESTÃO LOGÍSTICA S.A.

FORMULÁRIO DE REFERÊNCIA. Conforme Anexo 24 da Instrução CVM nº 480, de 7 de dezembro de 2009 TEGMA GESTÃO LOGÍSTICA S.A. FORMULÁRIO DE REFERÊNCIA Conforme Anexo 24 da Instrução CVM nº 480, de 7 de dezembro de 2009 TEGMA GESTÃO LOGÍSTICA S.A. Identificação Tegma Gestão Logística S.A., sociedade por ações inscrita no CNPJ/MF

Leia mais

Formulário de Referência - 2010 - M DIAS BRANCO SA IND E COM DE ALIMENTOS Versão : 5. 1.1 - Declaração e Identificação dos responsáveis 1

Formulário de Referência - 2010 - M DIAS BRANCO SA IND E COM DE ALIMENTOS Versão : 5. 1.1 - Declaração e Identificação dos responsáveis 1 Índice 1. Responsáveis pelo formulário 1.1 - Declaração e Identificação dos responsáveis 1 2. Auditores independentes 2.1/2.2 - Identificação e remuneração dos Auditores 2 2.3 - Outras informações relevantes

Leia mais

Formulário de Referência - 2015 - SUL AMERICA S/A Versão : 1. 1.1 - Declaração e Identificação dos responsáveis 1

Formulário de Referência - 2015 - SUL AMERICA S/A Versão : 1. 1.1 - Declaração e Identificação dos responsáveis 1 Índice 1. Responsáveis pelo formulário 1.1 - Declaração e Identificação dos responsáveis 1 2. Auditores independentes 2.1/2.2 - Identificação e remuneração dos Auditores 2 2.3 - Outras informações relevantes

Leia mais

FORMULÁRIO DE REFERÊNCIA. (Conforme Anexo 24 da Instrução CVM nº 480, de 7 de dezembro de 2009 ( Instrução CVM 480 )

FORMULÁRIO DE REFERÊNCIA. (Conforme Anexo 24 da Instrução CVM nº 480, de 7 de dezembro de 2009 ( Instrução CVM 480 ) FORMULÁRIO DE REFERÊNCIA Data-Base: 30.06.2010 (Conforme Anexo 24 da Instrução CVM nº 480, de 7 de dezembro de 2009 ( Instrução CVM 480 ) Identificação Estácio Participações S.A., inscrita no CNPJ/MF sob

Leia mais

Formulário de Referência - 2014 - SUL AMERICA S/A Versão : 2. 1.1 - Declaração e Identificação dos responsáveis 1

Formulário de Referência - 2014 - SUL AMERICA S/A Versão : 2. 1.1 - Declaração e Identificação dos responsáveis 1 Índice 1. Responsáveis pelo formulário 1.1 - Declaração e Identificação dos responsáveis 1 2. Auditores independentes 2.1/2.2 - Identificação e remuneração dos Auditores 2 2.3 - Outras informações relevantes

Leia mais

Formulário de Referência - 2012 - Senior Solution S.A. Versão : 5. 1.1 - Declaração e Identificação dos responsáveis 1

Formulário de Referência - 2012 - Senior Solution S.A. Versão : 5. 1.1 - Declaração e Identificação dos responsáveis 1 Índice 1. Responsáveis pelo formulário 1.1 - Declaração e Identificação dos responsáveis 1 2. Auditores independentes 2.1/2.2 - Identificação e remuneração dos Auditores 2 2.3 - Outras informações relevantes

Leia mais

Formulário de Referência - 2012 - MARISOL SA Versão : 2. 1.1 - Declaração e Identificação dos responsáveis 1

Formulário de Referência - 2012 - MARISOL SA Versão : 2. 1.1 - Declaração e Identificação dos responsáveis 1 Índice 1. Responsáveis pelo formulário 1.1 - Declaração e Identificação dos responsáveis 1 2. Auditores independentes 2.1/2.2 - Identificação e remuneração dos Auditores 2 2.3 - Outras informações relevantes

Leia mais

Formulário de Referência - 2015 - ENEVA S.A. Versão : 5. 1.1 - Declaração e Identificação dos responsáveis 1

Formulário de Referência - 2015 - ENEVA S.A. Versão : 5. 1.1 - Declaração e Identificação dos responsáveis 1 Índice 1. Responsáveis pelo formulário 1.1 - Declaração e Identificação dos responsáveis 1 2. Auditores independentes 2.1/2.2 - Identificação e remuneração dos Auditores 2 2.3 - Outras informações relevantes

Leia mais

Formulário de Referência - 2010 - VIVER INCORPORADORA E CONSTRUTORA S.A. Versão : 7. 1.1 - Declaração e Identificação dos responsáveis 1

Formulário de Referência - 2010 - VIVER INCORPORADORA E CONSTRUTORA S.A. Versão : 7. 1.1 - Declaração e Identificação dos responsáveis 1 Índice 1. Responsáveis pelo formulário 1.1 - Declaração e Identificação dos responsáveis 1 2. Auditores independentes 2.1/2.2 - Identificação e remuneração dos Auditores 2 3. Informações financ. selecionadas

Leia mais

Formulário de Referência - 2012 - Vigor Alimentos S.A. Versão : 4. 1.1 - Declaração e Identificação dos responsáveis 1

Formulário de Referência - 2012 - Vigor Alimentos S.A. Versão : 4. 1.1 - Declaração e Identificação dos responsáveis 1 Índice 1. Responsáveis pelo formulário 1.1 - Declaração e Identificação dos responsáveis 1 2. Auditores independentes 2.1/2.2 - Identificação e remuneração dos Auditores 2 2.3 - Outras informações relevantes

Leia mais

Formulário de Referência - 2011 - ECORODOVIAS INFRAESTRUTURA E LOGÍSTICA S.A Versão : 4. 1.1 - Declaração e Identificação dos responsáveis 1

Formulário de Referência - 2011 - ECORODOVIAS INFRAESTRUTURA E LOGÍSTICA S.A Versão : 4. 1.1 - Declaração e Identificação dos responsáveis 1 Índice 1. Responsáveis pelo formulário 1.1 - Declaração e Identificação dos responsáveis 1 2. Auditores independentes 2.1/2.2 - Identificação e remuneração dos Auditores 2 2.3 - Outras informações relevantes

Leia mais

Formulário de Referência - 2011 - TELE NORTE CELULAR PARTICIPAÇÕES SA Versão : 1. 1.1 - Declaração e Identificação dos responsáveis 1

Formulário de Referência - 2011 - TELE NORTE CELULAR PARTICIPAÇÕES SA Versão : 1. 1.1 - Declaração e Identificação dos responsáveis 1 Índice 1. Responsáveis pelo formulário 1.1 - Declaração e Identificação dos responsáveis 1 2. Auditores independentes 2.1/2.2 - Identificação e remuneração dos Auditores 2 2.3 - Outras informações relevantes

Leia mais

Formulário de Referência - 2015 - FINANCEIRA ALFA S.A.- C.F.I Versão : 4. 1.1 - Declaração e Identificação dos responsáveis 1

Formulário de Referência - 2015 - FINANCEIRA ALFA S.A.- C.F.I Versão : 4. 1.1 - Declaração e Identificação dos responsáveis 1 Índice 1. Responsáveis pelo formulário 1.1 - Declaração e Identificação dos responsáveis 1 2. Auditores independentes 2.1/2.2 - Identificação e remuneração dos Auditores 2 2.3 - Outras informações relevantes

Leia mais

Formulário de Referência - 2010 - LPS BRASIL CONSULTORIA DE IMOVEIS S/A Versão : 17. 1.1 - Declaração e Identificação dos responsáveis 1

Formulário de Referência - 2010 - LPS BRASIL CONSULTORIA DE IMOVEIS S/A Versão : 17. 1.1 - Declaração e Identificação dos responsáveis 1 Índice 1. Responsáveis pelo formulário 1.1 - Declaração e Identificação dos responsáveis 1 2. Auditores independentes 2.1/2.2 - Identificação e remuneração dos Auditores 2 2.3 - Outras informações relevantes

Leia mais

Formulário de Referência - 2014 - MAGNESITA REFRATARIOS S.A. Versão : 5. 1.1 - Declaração e Identificação dos responsáveis 1

Formulário de Referência - 2014 - MAGNESITA REFRATARIOS S.A. Versão : 5. 1.1 - Declaração e Identificação dos responsáveis 1 Índice 1. Responsáveis pelo formulário 1.1 - Declaração e Identificação dos responsáveis 1 2. Auditores independentes 2.1/2.2 - Identificação e remuneração dos Auditores 2 2.3 - Outras informações relevantes

Leia mais

Formulário de Referência - 2016 - CVC BRASIL OPERADORA E AGÊNCIA DE VIAGENS S/A Versão : 1. 1.1 - Declaração e Identificação dos responsáveis 1

Formulário de Referência - 2016 - CVC BRASIL OPERADORA E AGÊNCIA DE VIAGENS S/A Versão : 1. 1.1 - Declaração e Identificação dos responsáveis 1 Índice 1. Responsáveis pelo formulário 1.1 - Declaração e Identificação dos responsáveis 1 1.1 Declaração do Diretor Presidente 2 1.2 - Declaração do Diretor de Relações com Investidores 3 1.3 - Declaração

Leia mais

Telemar Norte Leste S.A.

Telemar Norte Leste S.A. FORMULÁRIO DE REFERÊNCIA Telemar Norte Leste S.A. Data base: 8 de abril de 2010 Identificação TELEMAR NORTE LESTE S.A., sociedade anônima com sede social na Rua General Polidoro, nº 99, CEP 22280-004,

Leia mais

Capital/Bolsa Capital/ Balcão. Mesmas informações para os 2 últimos exercícios

Capital/Bolsa Capital/ Balcão. Mesmas informações para os 2 últimos exercícios Identificação das pessoas responsáveis pelo formulário Capital/Bolsa Capital/ Balcão Declaração do Presidente e do Diretor de Relação com Investidores Dívida / Investimento Coletivo IAN Apenas informações

Leia mais

Formulário de Referência - 2013 - IOCHPE-MAXION SA Versão : 1. 1.1 - Declaração e Identificação dos responsáveis 1

Formulário de Referência - 2013 - IOCHPE-MAXION SA Versão : 1. 1.1 - Declaração e Identificação dos responsáveis 1 Índice 1. Responsáveis pelo formulário 1.1 - Declaração e Identificação dos responsáveis 1 2. Auditores independentes 2.1/2.2 - Identificação e remuneração dos Auditores 2 2.3 - Outras informações relevantes

Leia mais

1 - CÓDIGO CVM 2 - DENOMINAÇÃO SOCIAL 3 - CNPJ 02091-5 MRV ENGENHARIA E PARTICIPAÇÕES S.A. 08.343.492/0001-20 3 - CEP 4 - MUNICÍPIO 5 - UF

1 - CÓDIGO CVM 2 - DENOMINAÇÃO SOCIAL 3 - CNPJ 02091-5 MRV ENGENHARIA E PARTICIPAÇÕES S.A. 08.343.492/0001-20 3 - CEP 4 - MUNICÍPIO 5 - UF ITR - INFORMAÇÕES TRIMESTRAIS Data-Base - 3/9/21 EMPRESA COMERCIAL, INDUSTRIAL E OUTRAS O REGISTRO NA CVM NÃO IMPLICA QUALQUER APRECIAÇÃO SOBRE A COMPANHIA, SENDO OS SEUS ADMINISTRADORES RESPONSÁVEIS PELA

Leia mais

Formulário de Referência - 2016 - CYRELA COMMERCIAL PROPERTIES SA EMP PART Versão : 1. 1.1 - Declaração e Identificação dos responsáveis 1

Formulário de Referência - 2016 - CYRELA COMMERCIAL PROPERTIES SA EMP PART Versão : 1. 1.1 - Declaração e Identificação dos responsáveis 1 Índice 1. Responsáveis pelo formulário 1.1 - Declaração e Identificação dos responsáveis 1 1.1 Declaração do Diretor Presidente 2 1.2 - Declaração do Diretor de Relações com Investidores 3 2. Auditores

Leia mais

CVM COMISSÃO DE VALORES MOBILIÁRIOS e BM&F BOVESPA BOLSA DE VALORES, MERCADORIAS E FUTUROS 28/03/2014. Prezados Senhores.

CVM COMISSÃO DE VALORES MOBILIÁRIOS e BM&F BOVESPA BOLSA DE VALORES, MERCADORIAS E FUTUROS 28/03/2014. Prezados Senhores. À CVM COMISSÃO DE VALORES MOBILIÁRIOS e BM&F BOVESPA BOLSA DE VALORES, MERCADORIAS E FUTUROS 28/03/2014 Prezados Senhores. Em atendimento ao art.21 inciso VIII da Instrução CVM 480/09, segue abaixo as

Leia mais

1 - CÓDIGO CVM 2 - DENOMINAÇÃO SOCIAL 3 - CNPJ 02091-5 MRV ENGENHARIA E PARTICIPAÇÕES S.A. 08.343.492/0001-20 3 - CEP 4 - MUNICÍPIO 5 - UF

1 - CÓDIGO CVM 2 - DENOMINAÇÃO SOCIAL 3 - CNPJ 02091-5 MRV ENGENHARIA E PARTICIPAÇÕES S.A. 08.343.492/0001-20 3 - CEP 4 - MUNICÍPIO 5 - UF ITR - INFORMAÇÕES TRIMESTRAIS Data-Base - 31/3/21 EMPRESA COMERCIAL, INDUSTRIAL E OUTRAS O REGISTRO NA CVM NÃO IMPLICA QUALQUER APRECIAÇÃO SOBRE A COMPANHIA, SENDO OS SEUS ADMINISTRADORES RESPONSÁVEIS

Leia mais

Formulário de Referência - 2010 - BCO MERCANTIL INVS SA Versão : 4. 1.1 - Declaração e Identificação dos responsáveis 1

Formulário de Referência - 2010 - BCO MERCANTIL INVS SA Versão : 4. 1.1 - Declaração e Identificação dos responsáveis 1 Índice 1. Responsáveis pelo formulário 1.1 - Declaração e Identificação dos responsáveis 1 2. Auditores independentes 2.1/2.2 - Identificação e remuneração dos Auditores 2 2.3 - Outras informações relevantes

Leia mais

Formulário de Referência - 2011 - EDP ENERGIAS DO BRASIL S/A Versão : 3. 1.1 - Declaração e Identificação dos responsáveis 1

Formulário de Referência - 2011 - EDP ENERGIAS DO BRASIL S/A Versão : 3. 1.1 - Declaração e Identificação dos responsáveis 1 Índice 1. Responsáveis pelo formulário 1.1 - Declaração e Identificação dos responsáveis 1 2. Auditores independentes 2.1/2.2 - Identificação e remuneração dos Auditores 2 2.3 - Outras informações relevantes

Leia mais

Formulário de Referência - 2015 - COMPANHIA DE GÁS DE SÃO PAULO - COMGÁS Versão : 1. 1.1 - Declaração e Identificação dos responsáveis 1

Formulário de Referência - 2015 - COMPANHIA DE GÁS DE SÃO PAULO - COMGÁS Versão : 1. 1.1 - Declaração e Identificação dos responsáveis 1 Índice 1. Responsáveis pelo formulário 1.1 - Declaração e Identificação dos responsáveis 1 2. Auditores independentes 2.1/2.2 - Identificação e remuneração dos Auditores 2 2.3 - Outras informações relevantes

Leia mais

Formulário de Referência - 2012 - Harpia Ômega Participações S.A. Versão : 1. 1.1 - Declaração e Identificação dos responsáveis 1

Formulário de Referência - 2012 - Harpia Ômega Participações S.A. Versão : 1. 1.1 - Declaração e Identificação dos responsáveis 1 Índice 1. Responsáveis pelo formulário 1.1 - Declaração e Identificação dos responsáveis 1 2. Auditores independentes 2.1/2.2 - Identificação e remuneração dos Auditores 2 2.3 - Outras informações relevantes

Leia mais

Formulário de Referência - 2012 - MRV ENGENHARIA E PARTICIPAÇÕES S/A Versão : 6. 1.1 - Declaração e Identificação dos responsáveis 1

Formulário de Referência - 2012 - MRV ENGENHARIA E PARTICIPAÇÕES S/A Versão : 6. 1.1 - Declaração e Identificação dos responsáveis 1 Índice 1. Responsáveis pelo formulário 1.1 - Declaração e Identificação dos responsáveis 1 2. Auditores independentes 2.1/2.2 - Identificação e remuneração dos Auditores 2 2.3 - Outras informações relevantes

Leia mais

FORMULÁRIO CADASTRAL LOJAS RENNER S.A. VERSÃO 2 ENTREGUE À CVM EM 11.05.2011

FORMULÁRIO CADASTRAL LOJAS RENNER S.A. VERSÃO 2 ENTREGUE À CVM EM 11.05.2011 FORMULÁRIO CADASTRAL 2011 LOJAS RENNER S.A. VERSÃO 2 ENTREGUE À CVM EM 11.05.2011 Formulário Cadastral - 2011 - LOJAS RENNER SA Versão : 2 Índice Dados Cadastrais Dados gerais 1 Endereço 2 Valores mobiliários

Leia mais

Formulário de Referência - 2011 - LPS BRASIL CONSULTORIA DE IMOVEIS S/A Versão : 17. 1.1 - Declaração e Identificação dos responsáveis 1

Formulário de Referência - 2011 - LPS BRASIL CONSULTORIA DE IMOVEIS S/A Versão : 17. 1.1 - Declaração e Identificação dos responsáveis 1 Índice 1. Responsáveis pelo formulário 1.1 - Declaração e Identificação dos responsáveis 1 2. Auditores independentes 2.1/2.2 - Identificação e remuneração dos Auditores 2 2.3 - Outras informações relevantes

Leia mais

Formulário de Referência - 2013 - IOCHPE-MAXION SA Versão : 2. 1.1 - Declaração e Identificação dos responsáveis 1

Formulário de Referência - 2013 - IOCHPE-MAXION SA Versão : 2. 1.1 - Declaração e Identificação dos responsáveis 1 Índice 1. Responsáveis pelo formulário 1.1 - Declaração e Identificação dos responsáveis 1 2. Auditores independentes 2.1/2.2 - Identificação e remuneração dos Auditores 2 2.3 - Outras informações relevantes

Leia mais

Formulário de Referência - 2011 - TRANSMISSORA ALIANÇA DE ENERGIA ELÉTRICA S.A. Versão : 3. 1.1 - Declaração e Identificação dos responsáveis 1

Formulário de Referência - 2011 - TRANSMISSORA ALIANÇA DE ENERGIA ELÉTRICA S.A. Versão : 3. 1.1 - Declaração e Identificação dos responsáveis 1 Índice 1. Responsáveis pelo formulário 1.1 - Declaração e Identificação dos responsáveis 1 2. Auditores independentes 2.1/2.2 - Identificação e remuneração dos Auditores 2 2.3 - Outras informações relevantes

Leia mais

Formulário de Referência - 2015 - EZ TEC EMPREEND. E PARTICIPAÇÕES S/A Versão : 2. 1.1 - Declaração e Identificação dos responsáveis 1

Formulário de Referência - 2015 - EZ TEC EMPREEND. E PARTICIPAÇÕES S/A Versão : 2. 1.1 - Declaração e Identificação dos responsáveis 1 Índice 1. Responsáveis pelo formulário 1.1 - Declaração e Identificação dos responsáveis 1 2. Auditores independentes 2.1/2.2 - Identificação e remuneração dos Auditores 2 2.3 - Outras informações relevantes

Leia mais

Conforme Anexo 24 à Instrução da Comissão de Valores Mobiliários ( CVM ) nº 480 de 7 de dezembro de 2009 ( Instrução CVM 480 )

Conforme Anexo 24 à Instrução da Comissão de Valores Mobiliários ( CVM ) nº 480 de 7 de dezembro de 2009 ( Instrução CVM 480 ) FORMULÁRIO DE REFERÊNCIA Data base: 31 de dezembro de 2009 Data de preenchimento: 15 de abril de 2010 Conforme Anexo 24 à Instrução da Comissão de Valores Mobiliários ( CVM ) nº 480 de 7 de dezembro de

Leia mais

ITR - Informações Trimestrais - 31/03/2011 - CEMEPE INVESTIMENTOS SA Versão : 1. Composição do Capital 1. Balanço Patrimonial Ativo 2

ITR - Informações Trimestrais - 31/03/2011 - CEMEPE INVESTIMENTOS SA Versão : 1. Composição do Capital 1. Balanço Patrimonial Ativo 2 Índice Dados da Empresa Composição do Capital 1 DFs Individuais Balanço Patrimonial Ativo 2 Balanço Patrimonial Passivo 3 Demonstração do Resultado 4 Demonstração do Fluxo de Caixa 5 Demonstração das Mutações

Leia mais

Formulário de Referência - 2016 - MAGNESITA REFRATARIOS S.A. Versão : 3. 1.1 - Declaração e Identificação dos responsáveis 1

Formulário de Referência - 2016 - MAGNESITA REFRATARIOS S.A. Versão : 3. 1.1 - Declaração e Identificação dos responsáveis 1 Índice 1. Responsáveis pelo formulário 1.1 - Declaração e Identificação dos responsáveis 1 1.1 Declaração do Diretor Presidente 2 1.2 - Declaração do Diretor de Relações com Investidores 3 1.3 - Declaração

Leia mais

Formulário de Referência - 2014 - FORJAS TAURUS SA Versão : 10. 1.1 - Declaração e Identificação dos responsáveis 1

Formulário de Referência - 2014 - FORJAS TAURUS SA Versão : 10. 1.1 - Declaração e Identificação dos responsáveis 1 Índice 1. Responsáveis pelo formulário 1.1 - Declaração e Identificação dos responsáveis 1 2. Auditores independentes 2.1/2.2 - Identificação e remuneração dos Auditores 2 2.3 - Outras informações relevantes

Leia mais

Formulário de Referência - 2013 - LOJAS AMERICANAS SA Versão : 8. 1.1 - Declaração e Identificação dos responsáveis 1

Formulário de Referência - 2013 - LOJAS AMERICANAS SA Versão : 8. 1.1 - Declaração e Identificação dos responsáveis 1 Índice 1. Responsáveis pelo formulário 1.1 - Declaração e Identificação dos responsáveis 1 2. Auditores independentes 2.1/2.2 - Identificação e remuneração dos Auditores 2 2.3 - Outras informações relevantes

Leia mais

Formulário de Referência - 2014 - RUMO LOGÍSTICA OPERADORA MULTIMODAL S. A. Versão : 14. 1.1 - Declaração e Identificação dos responsáveis 1

Formulário de Referência - 2014 - RUMO LOGÍSTICA OPERADORA MULTIMODAL S. A. Versão : 14. 1.1 - Declaração e Identificação dos responsáveis 1 Índice 1. Responsáveis pelo formulário 1.1 - Declaração e Identificação dos responsáveis 1 2. Auditores independentes 2.1/2.2 - Identificação e remuneração dos Auditores 2 2.3 - Outras informações relevantes

Leia mais

Formulário de Referência - 2012 - BRASIL TELECOM S/A Versão : 1. 1.1 - Declaração e Identificação dos responsáveis 1

Formulário de Referência - 2012 - BRASIL TELECOM S/A Versão : 1. 1.1 - Declaração e Identificação dos responsáveis 1 Índice 1. Responsáveis pelo formulário 1.1 - Declaração e Identificação dos responsáveis 1 2. Auditores independentes 2.1/2.2 - Identificação e remuneração dos Auditores 2 2.3 - Outras informações relevantes

Leia mais

Formulário de Referência - 2014 - FLEURY SA Versão : 10. 1.1 - Declaração e Identificação dos responsáveis 1

Formulário de Referência - 2014 - FLEURY SA Versão : 10. 1.1 - Declaração e Identificação dos responsáveis 1 Índice 1. Responsáveis pelo formulário 1.1 - Declaração e Identificação dos responsáveis 1 2. Auditores independentes 2.1/2.2 - Identificação e remuneração dos Auditores 2 3. Informações financ. selecionadas

Leia mais

Demonstrações Financeiras Associação Brasileira de Metalurgia, Materiais e Mineração - ABM

Demonstrações Financeiras Associação Brasileira de Metalurgia, Materiais e Mineração - ABM Demonstrações Financeiras Associação Brasileira de Metalurgia, Materiais e Mineração - ABM Demonstrações financeiras Índice Relatório dos auditores independentes... 1 Demonstrações financeiras auditadas

Leia mais

Formulário de Referência - 2015 - HOTEIS OTHON SA Versão : 2. 1.1 - Declaração e Identificação dos responsáveis 1

Formulário de Referência - 2015 - HOTEIS OTHON SA Versão : 2. 1.1 - Declaração e Identificação dos responsáveis 1 Índice 1. Responsáveis pelo formulário 1.1 - Declaração e Identificação dos responsáveis 1 2. Auditores independentes 2.1/2.2 - Identificação e remuneração dos Auditores 2 2.3 - Outras informações relevantes

Leia mais

Formulário de Referência - 2015 - CIA. DE SANEAMENTO DO PARANÁ - SANEPAR Versão : 8. 1.1 - Declaração e Identificação dos responsáveis 1

Formulário de Referência - 2015 - CIA. DE SANEAMENTO DO PARANÁ - SANEPAR Versão : 8. 1.1 - Declaração e Identificação dos responsáveis 1 Índice 1. Responsáveis pelo formulário 1.1 - Declaração e Identificação dos responsáveis 1 2. Auditores independentes 2.1/2.2 - Identificação e remuneração dos Auditores 2 2.3 - Outras informações relevantes

Leia mais

Formulário de Referência - 2015 - MARISA LOJAS SA Versão : 11. 1.1 - Declaração e Identificação dos responsáveis 1

Formulário de Referência - 2015 - MARISA LOJAS SA Versão : 11. 1.1 - Declaração e Identificação dos responsáveis 1 Índice 1. Responsáveis pelo formulário 1.1 - Declaração e Identificação dos responsáveis 1 2. Auditores independentes 2.1/2.2 - Identificação e remuneração dos Auditores 2 2.3 - Outras informações relevantes

Leia mais

Formulário de Referência - 2014 - IDEIASNET SA Versão : 10. 1.1 - Declaração e Identificação dos responsáveis 1

Formulário de Referência - 2014 - IDEIASNET SA Versão : 10. 1.1 - Declaração e Identificação dos responsáveis 1 Índice 1. Responsáveis pelo formulário 1.1 - Declaração e Identificação dos responsáveis 1 2. Auditores independentes 2.1/2.2 - Identificação e remuneração dos Auditores 2 2.3 - Outras informações relevantes

Leia mais

Formulário de Referência - 2016 - SUZANO PAPEL E CELULOSE SA Versão : 3. 1.1 - Declaração e Identificação dos responsáveis 1

Formulário de Referência - 2016 - SUZANO PAPEL E CELULOSE SA Versão : 3. 1.1 - Declaração e Identificação dos responsáveis 1 Índice 1. Responsáveis pelo formulário 1.1 - Declaração e Identificação dos responsáveis 1 1.1 Declaração do Diretor Presidente 2 1.2 - Declaração do Diretor de Relações com Investidores 3 1.3 - Declaração

Leia mais

Formulário de Referência - 2015 - PARTICIPAÇÕES INDUST. DO NORDESTE S.A. Versão : 2. 1.1 - Declaração e Identificação dos responsáveis 1

Formulário de Referência - 2015 - PARTICIPAÇÕES INDUST. DO NORDESTE S.A. Versão : 2. 1.1 - Declaração e Identificação dos responsáveis 1 Índice 1. Responsáveis pelo formulário 1.1 - Declaração e Identificação dos responsáveis 1 2. Auditores independentes 2.1/2.2 - Identificação e remuneração dos Auditores 2 2.3 - Outras informações relevantes

Leia mais

Formulário de Referência - 2014 - BANRISUL ARMAZENS GERAIS SA Versão : 3. 1.1 - Declaração e Identificação dos responsáveis 1

Formulário de Referência - 2014 - BANRISUL ARMAZENS GERAIS SA Versão : 3. 1.1 - Declaração e Identificação dos responsáveis 1 Índice 1. Responsáveis pelo formulário 1.1 - Declaração e Identificação dos responsáveis 1 2. Auditores independentes 2.1/2.2 - Identificação e remuneração dos Auditores 2 2.3 - Outras informações relevantes

Leia mais

Manual do Formulário de Referência 2016

Manual do Formulário de Referência 2016 Manual do Formulário de Referência 2016 Março/2016 1 Identificação de pessoas responsáveis pelo conteúdo do Formulário 1.0 Identificação 1.1 Novo item. Declaração do Diretor Presidente 1.2 Novo item. Declaração

Leia mais

Demonstrações Financeiras Brasmotor S.A. 31 de dezembro de 2010 com Relatório dos Auditores Independentes sobre as Demonstrações Financeiras

Demonstrações Financeiras Brasmotor S.A. 31 de dezembro de 2010 com Relatório dos Auditores Independentes sobre as Demonstrações Financeiras Demonstrações Financeiras Brasmotor S.A. 31 de dezembro de 2010 com Relatório dos Auditores Independentes sobre as Demonstrações Financeiras Senhores Acionistas, Submetemos à apreciação de V.Sas. as Demonstrações

Leia mais

FORMULÁRIO DE REFERÊNCIA

FORMULÁRIO DE REFERÊNCIA FORMULÁRIO DE REFERÊNCIA CENTRAIS ELÉTRICAS BRASILEIRAS S.A. ELETROBRAS Sociedade Anônima de Economia Mista Federal e de Capital Aberto CNPJ/MF nº 00.001.180/0001-26 Setor Comercial Norte, Quadra 4-BL-B-nº100,

Leia mais

1 - CÓDIGO CVM 2 - DENOMINAÇÃO SOCIAL 3 - CNPJ 01999-2 TOTVS S/A 53.113.791/0001-22 3 - CEP 4 - MUNICÍPIO 5 - UF

1 - CÓDIGO CVM 2 - DENOMINAÇÃO SOCIAL 3 - CNPJ 01999-2 TOTVS S/A 53.113.791/0001-22 3 - CEP 4 - MUNICÍPIO 5 - UF ITR - INFORMAÇÕES TRIMESTRAIS Data-Base - 3/6/21 EMPRESA COMERCIAL, INDUSTRIAL E OUTRAS Reapresentação Espontânea O REGISTRO NA CVM NÃO IMPLICA QUALQUER APRECIAÇÃO SOBRE A COMPANHIA, SENDO OS SEUS ADMINISTRADORES

Leia mais

TRX Securitizadora de Créditos Imobiliários S.A.

TRX Securitizadora de Créditos Imobiliários S.A. Balanços patrimoniais em 31 de dezembro (Em Reais) (reclassificado) (reclassificado) Ativo Nota 2012 2011 Passivo Nota 2012 2011 Circulante Circulante Caixa e equivalentes de caixa 4 61.664 207.743 Fornecedores

Leia mais

Formulário de Referência - 2014 - LOJAS AMERICANAS SA Versão : 4. 1.1 - Declaração e Identificação dos responsáveis 1

Formulário de Referência - 2014 - LOJAS AMERICANAS SA Versão : 4. 1.1 - Declaração e Identificação dos responsáveis 1 Índice 1. Responsáveis pelo formulário 1.1 - Declaração e Identificação dos responsáveis 1 2. Auditores independentes 2.1/2.2 - Identificação e remuneração dos Auditores 2 2.3 - Outras informações relevantes

Leia mais

ITR - Informações Trimestrais - 30/06/2013 - CEMEPE INVESTIMENTOS SA Versão : 1. Composição do Capital 1. Balanço Patrimonial Ativo 2

ITR - Informações Trimestrais - 30/06/2013 - CEMEPE INVESTIMENTOS SA Versão : 1. Composição do Capital 1. Balanço Patrimonial Ativo 2 Índice Dados da Empresa Composição do Capital 1 DFs Individuais Balanço Patrimonial Ativo 2 Balanço Patrimonial Passivo 3 Demonstração do Resultado 4 Demonstração do Resultado Abrangente 5 Demonstração

Leia mais

Formulário de Referência - 2015 - POSITIVO INFORMATICA SA Versão : 6. 1.1 - Declaração e Identificação dos responsáveis 1

Formulário de Referência - 2015 - POSITIVO INFORMATICA SA Versão : 6. 1.1 - Declaração e Identificação dos responsáveis 1 Índice 1. Responsáveis pelo formulário 1.1 - Declaração e Identificação dos responsáveis 1 2. Auditores independentes 2.1/2.2 - Identificação e remuneração dos Auditores 2 2.3 - Outras informações relevantes

Leia mais

Formulário de Referência - 2011 - BRADESPAR S/A Versão : 6. 1.1 - Declaração e Identificação dos responsáveis 1

Formulário de Referência - 2011 - BRADESPAR S/A Versão : 6. 1.1 - Declaração e Identificação dos responsáveis 1 Índice 1. Responsáveis pelo formulário 1.1 - Declaração e Identificação dos responsáveis 1 2. Auditores independentes 2.1/2.2 - Identificação e remuneração dos Auditores 2 2.3 - Outras informações relevantes

Leia mais

Serviço Funerário Bom Pastor Ltda ME Demonstrações contábeis findas em 31 de dezembro de 2014

Serviço Funerário Bom Pastor Ltda ME Demonstrações contábeis findas em 31 de dezembro de 2014 Serviço Funerário Bom Pastor Ltda ME Demonstrações contábeis findas Demonstrações financeiras em IFRS e baseadas nos Pronunciamentos Técnicos emitidos pelo Comitê de Pronunciamentos Contábeis - CPC em

Leia mais

Formulário de Referência - 2015 - IOCHPE-MAXION SA Versão : 5. 1.1 - Declaração e Identificação dos responsáveis 1

Formulário de Referência - 2015 - IOCHPE-MAXION SA Versão : 5. 1.1 - Declaração e Identificação dos responsáveis 1 Índice 1. Responsáveis pelo formulário 1.1 - Declaração e Identificação dos responsáveis 1 2. Auditores independentes 2.1/2.2 - Identificação e remuneração dos Auditores 2 2.3 - Outras informações relevantes

Leia mais

Associação Brasileira de Metalurgia, Materiais e Mineração. Demonstrações Contábeis acompanhadas do Relatório dos Auditores Independentes

Associação Brasileira de Metalurgia, Materiais e Mineração. Demonstrações Contábeis acompanhadas do Relatório dos Auditores Independentes Associação Brasileira de Metalurgia, Materiais e Mineração Demonstrações Contábeis acompanhadas do Relatório dos Auditores Independentes Em 31 de dezembro de 2012 Índice Página Relatório dos auditores

Leia mais

Demonstrações Financeiras Yuny Incorporadora S.A. 31 de dezembro de 2013 e 2012 com Relatório dos Auditores Independentes

Demonstrações Financeiras Yuny Incorporadora S.A. 31 de dezembro de 2013 e 2012 com Relatório dos Auditores Independentes Demonstrações Financeiras Yuny Incorporadora S.A. 31 de dezembro de 2013 e 2012 com Relatório dos Auditores Independentes Yuny Incorporadora S.A. Demonstrações financeiras 31 de dezembro de 2013 e 2012

Leia mais

Formulário de Referência - 2012 - JSL S.A. Versão : 6. 1.1 - Declaração e Identificação dos responsáveis 1

Formulário de Referência - 2012 - JSL S.A. Versão : 6. 1.1 - Declaração e Identificação dos responsáveis 1 Índice 1. Responsáveis pelo formulário 1.1 - Declaração e Identificação dos responsáveis 1 2. Auditores independentes 2.1/2.2 - Identificação e remuneração dos Auditores 2 2.3 - Outras informações relevantes

Leia mais

Formulário de Referência - 2012 - WEG SA Versão : 3. 1.1 - Declaração e Identificação dos responsáveis 1

Formulário de Referência - 2012 - WEG SA Versão : 3. 1.1 - Declaração e Identificação dos responsáveis 1 Índice 1. Responsáveis pelo formulário 1.1 - Declaração e Identificação dos responsáveis 1 2. Auditores independentes 2.1/2.2 - Identificação e remuneração dos Auditores 2 2.3 - Outras informações relevantes

Leia mais

Formulário de Referência - 2010 - NUTRIPLANT INDUSTRIA E COMÉRCIO S/A Versão : 2. 1.1 - Declaração e Identificação dos responsáveis 1

Formulário de Referência - 2010 - NUTRIPLANT INDUSTRIA E COMÉRCIO S/A Versão : 2. 1.1 - Declaração e Identificação dos responsáveis 1 Índice 1. Responsáveis pelo formulário 1.1 - Declaração e Identificação dos responsáveis 1 2. Auditores independentes 2.1/2.2 - Identificação e remuneração dos Auditores 2 2.3 - Outras informações relevantes

Leia mais

Formulário de Referência - 2011 - DIRECIONAL ENGENHARIA SA Versão : 12. 1.1 - Declaração e Identificação dos responsáveis 1

Formulário de Referência - 2011 - DIRECIONAL ENGENHARIA SA Versão : 12. 1.1 - Declaração e Identificação dos responsáveis 1 Índice 1. Responsáveis pelo formulário 1.1 - Declaração e Identificação dos responsáveis 1 2. Auditores independentes 2.1/2.2 - Identificação e remuneração dos Auditores 2 2.3 - Outras informações relevantes

Leia mais

Formulário de Referência - 2013 - OBRASCON HUARTE LAIN BRASIL S/A Versão : 13. 1.1 - Declaração e Identificação dos responsáveis 1

Formulário de Referência - 2013 - OBRASCON HUARTE LAIN BRASIL S/A Versão : 13. 1.1 - Declaração e Identificação dos responsáveis 1 Índice 1. Responsáveis pelo formulário 1.1 - Declaração e Identificação dos responsáveis 1 2. Auditores independentes 2.1/2.2 - Identificação e remuneração dos Auditores 2 2.3 - Outras informações relevantes

Leia mais

Formulário de Referência - 2016 - HOTEIS OTHON SA Versão : 1. 1.1 - Declaração e Identificação dos responsáveis 1

Formulário de Referência - 2016 - HOTEIS OTHON SA Versão : 1. 1.1 - Declaração e Identificação dos responsáveis 1 Índice 1. Responsáveis pelo formulário 1.1 - Declaração e Identificação dos responsáveis 1 1.1 Declaração do Diretor Presidente 2 1.2 - Declaração do Diretor de Relações com Investidores 3 1.3 - Declaração

Leia mais

Formulário de Referência - 2011 - MARISA LOJAS SA Versão : 3. 1.1 - Declaração e Identificação dos responsáveis 1

Formulário de Referência - 2011 - MARISA LOJAS SA Versão : 3. 1.1 - Declaração e Identificação dos responsáveis 1 Índice 1. Responsáveis pelo formulário 1.1 - Declaração e Identificação dos responsáveis 1 2. Auditores independentes 2.1/2.2 - Identificação e remuneração dos Auditores 2 2.3 - Outras informações relevantes

Leia mais

Formulário de Referência - 2016 - USINAS SIDERURGICAS DE MINAS GERAIS SA Versão : 2. 1.1 - Declaração e Identificação dos responsáveis 1

Formulário de Referência - 2016 - USINAS SIDERURGICAS DE MINAS GERAIS SA Versão : 2. 1.1 - Declaração e Identificação dos responsáveis 1 Índice 1. Responsáveis pelo formulário 1.1 - Declaração e Identificação dos responsáveis 1 1.1 Declaração do Diretor Presidente 2 1.2 - Declaração do Diretor de Relações com Investidores 3 2. Auditores

Leia mais

http://www.econeteditora.com.br/boletim_imposto_renda/ir-11/boletim-19/cont_demonstracoes_...

http://www.econeteditora.com.br/boletim_imposto_renda/ir-11/boletim-19/cont_demonstracoes_... http://www.econeteditora.com.br/boletim_imposto_renda/ir-11/boletim-19/cont_demonstracoes_... Página 1 de 14 CONTABILIDADE DEMONSTRAÇÕES CONTÁBEIS Considerações ROTEIRO 1. INTRODUÇÃO 1. INTRODUÇÃO 2. OBJETIVO

Leia mais

VALID SOLUÇÕES E SERVIÇOS DE SEGURANÇA EM MEIOS DE PAGAMENTO E IDENTIFICAÇÃO S.A. 1ª Emissão Pública de Debêntures

VALID SOLUÇÕES E SERVIÇOS DE SEGURANÇA EM MEIOS DE PAGAMENTO E IDENTIFICAÇÃO S.A. 1ª Emissão Pública de Debêntures VALID SOLUÇÕES E SERVIÇOS DE SEGURANÇA EM MEIOS DE PAGAMENTO E IDENTIFICAÇÃO S.A. 1ª Emissão Pública de Debêntures Relatório Anual do Agente Fiduciário Exercício de 2011 VALID SOLUÇÕES E SERVIÇOS DE SEGURANÇA

Leia mais

Formulário de Referência - 2015 - QGEP PARTICIPAÇÕES SA Versão : 2. 1.1 - Declaração e Identificação dos responsáveis 1

Formulário de Referência - 2015 - QGEP PARTICIPAÇÕES SA Versão : 2. 1.1 - Declaração e Identificação dos responsáveis 1 Índice 1. Responsáveis pelo formulário 1.1 - Declaração e Identificação dos responsáveis 1 2. Auditores independentes 2.1/2.2 - Identificação e remuneração dos Auditores 2 2.3 - Outras informações relevantes

Leia mais

Formulário de Referência - 2010 - BANCO PANAMERICANO SA Versão : 15. 1.1 - Declaração e Identificação dos responsáveis 1

Formulário de Referência - 2010 - BANCO PANAMERICANO SA Versão : 15. 1.1 - Declaração e Identificação dos responsáveis 1 Índice 1. Responsáveis pelo formulário 1.1 - Declaração e Identificação dos responsáveis 1 2. Auditores independentes 2.1/2.2 - Identificação e remuneração dos Auditores 2 2.3 - Outras informações relevantes

Leia mais

Formulário de Referência - 2012 - ITAUTEC S.A. - GRUPO ITAUTEC Versão : 5. 1.1 - Declaração e Identificação dos responsáveis 1

Formulário de Referência - 2012 - ITAUTEC S.A. - GRUPO ITAUTEC Versão : 5. 1.1 - Declaração e Identificação dos responsáveis 1 Índice 1. Responsáveis pelo formulário 1.1 - Declaração e Identificação dos responsáveis 1 2. Auditores independentes 2.1/2.2 - Identificação e remuneração dos Auditores 2 2.3 - Outras informações relevantes

Leia mais

Formulário de Referência - 2014 - CIA ESTADUAL DE ÁGUAS E ESGOTOS - CEDAE Versão : 4. 1.1 - Declaração e Identificação dos responsáveis 1

Formulário de Referência - 2014 - CIA ESTADUAL DE ÁGUAS E ESGOTOS - CEDAE Versão : 4. 1.1 - Declaração e Identificação dos responsáveis 1 Índice 1. Responsáveis pelo formulário 1.1 - Declaração e Identificação dos responsáveis 1 2. Auditores independentes 2.1/2.2 - Identificação e remuneração dos Auditores 2 2.3 - Outras informações relevantes

Leia mais

Formulário de Referência - 2010 - OBRASCON HUARTE LAIN BRASIL S/A Versão : 10. 1.1 - Declaração e Identificação dos responsáveis 1

Formulário de Referência - 2010 - OBRASCON HUARTE LAIN BRASIL S/A Versão : 10. 1.1 - Declaração e Identificação dos responsáveis 1 Índice 1. Responsáveis pelo formulário 1.1 - Declaração e Identificação dos responsáveis 1 2. Auditores independentes 2.1/2.2 - Identificação e remuneração dos Auditores 2 2.3 - Outras informações relevantes

Leia mais

31 de março de 2015 e 2014 com Relatório dos Auditores Independentes sobre as demonstrações financeiras

31 de março de 2015 e 2014 com Relatório dos Auditores Independentes sobre as demonstrações financeiras Demonstrações Financeiras Banrisul Multi Fundo de Investimento em Cotas de Fundos de Investimento (Administrado pelo Banco do Estado do Rio Grande do Sul S.A. - CNPJ: 92.702.067/0001-96) e 2014 com Relatório

Leia mais

Formulário de Referência - 2010 - CONCESSIONARIA DE RODOVIAS DO INTERIOR PAULISTA S/A Versão : 6. 1.1 - Declaração e Identificação dos responsáveis 1

Formulário de Referência - 2010 - CONCESSIONARIA DE RODOVIAS DO INTERIOR PAULISTA S/A Versão : 6. 1.1 - Declaração e Identificação dos responsáveis 1 Índice 1. Responsáveis pelo formulário 1.1 - Declaração e Identificação dos responsáveis 1 2. Auditores independentes 2.1/2.2 - Identificação e remuneração dos Auditores 2 2.3 - Outras informações relevantes

Leia mais

Formulário de Referência - 2012 - RENOVA ENERGIA S/A Versão : 17. 1.1 - Declaração e Identificação dos responsáveis 1

Formulário de Referência - 2012 - RENOVA ENERGIA S/A Versão : 17. 1.1 - Declaração e Identificação dos responsáveis 1 Índice 1. Responsáveis pelo formulário 1.1 - Declaração e Identificação dos responsáveis 1 2. Auditores independentes 2.1/2.2 - Identificação e remuneração dos Auditores 2 2.3 - Outras informações relevantes

Leia mais