O LÉXICO EM FOCO: ALGUMAS INCURSÕES SOBRE A VARIAÇÃO LEXICAL PRESENTE EM AUTOS DE DEFLORAMENTO DO INÍCIO DO SÉCULO XX

Save this PDF as:
 WORD  PNG  TXT  JPG

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "O LÉXICO EM FOCO: ALGUMAS INCURSÕES SOBRE A VARIAÇÃO LEXICAL PRESENTE EM AUTOS DE DEFLORAMENTO DO INÍCIO DO SÉCULO XX"

Transcrição

1 O LÉXICO EM FOCO: ALGUMAS INCURSÕES SOBRE A VARIAÇÃO LEXICAL PRESENTE EM AUTOS DE DEFLORAMENTO DO INÍCIO DO SÉCULO XX Daianna Quelle da Silva Santos da Silva (UEFS/ FAPESB) 1 Josenilce Rodrigues de Oliveira Barreto (UEFS/ CAPES) 2 Rita de Cássia Ribeiro de Queiroz (UEFS/ Orientadora) 3 Josane Moreira de Oliveira (UEFS/ Orientadora) 4 RESUMO: O presente artigo é resultado da disciplina Variação, mudança linguística e ensino que foi ministrada pela professora Dra. Josane Moreira de Oliveira. Neste trabalho falamos da variação lexical, no campo dos qualificadores da mulher, mais especificamente das lexias referentes à virgindade feminina, que estão presentes em autos de defloramento do início do século XX. O corpus deste trabalho é o livro intitulado Manuscritos baianos dos séculos XVIII ao XX: Autos de defloramento, no prelo ainda, organizado pela professora Dra. Rita de Cássia Ribeiro de Queiroz. Neste entremeio, escolhemos seis autos de defloramento constantes no livro, são eles: o de Ephigenia Augusta de Jesus (1907) ; o de Joana Francisca dos Santos (1900) ; o de Saturnina Maria de Jesus (1902). A partir disso, resolvemos analisar algumas lexias no campo da sexualidade e escolhemos apenas três delas, Deflorada, Disvirginada e Offendida. Assim, sob o prisma histórico, mais especificamente, a partir de alguns dicionários vimos as definições para as lexias mencionadas. Destaca-se que, como aporte teórico, usamos Aulete (1964), Bueno (19068), Cunha (2007) Silva Neto (1977) entre outros, e, principalmente Labov (2008), cujos trabalhos em sua grande maioria versam sobre variação e mudança linguística. Portanto, esperamos, com o presente trabalho, inter-relacionar a Filologia e Lexicologia com a Variação e Mudança Linguística. PALAVRAS CHAVE: Documentos Manuscritos. Filologia. Variação Lexical. RESUMEN: Este artículo es el resultado de la disciplina " Variación, el cambio linguístico y educación", que fue impartida por la profesora Dr. Josane Moreira de Oliveira. En este trabajo se habla de la variación léxica en el campo de la competición preliminar de la mujer, específicamente las lexias sobre la virginidad femenina, que están presentes en el caso de desflorar a principios del siglo XX. El corpus de este trabajo incluyen el libro titulado "Los manuscritos de Bahía XVIII hasta el siglo XX: Coches desfloración ", todavía en prensa, organizada por el Profesor Dr. Rita Ribeiro de Queiroz. En el medio, hemos elegido seis actos de desfloración aparece en el libro, que son: el "Augusta Ephigenia de Jesús 1 Mestranda em Estudos Linguísticos pela Universidade Estadual de Feira de Santana. 2 Mestranda em Estudos Linguísticos pela Universidade Estadual de Feira de Santana. 3 Professora Plena da Universidade Estadual de Feira de Santana. Orientadora. 4 Professora Adjunta da Universidade Estadual de Feira de Santana. Orientadora 318

2 (1907);" a "Juana Francisca dos Santos (1900)", a "Saturnina María de Jesús (1902)." Por lo tanto, hemos decidido analizar algunas lexias respecto a la sexualidad, y eligieron sólo tres de ellos, "Desflorada", "Disvirginada" y "Offendida". Así, la historia prisma, específicamente de algunos diccionarios valores observados para lexias mencionado. Cabe señalar que, según el teórico, Aulete (1964), Bueno (19.068), Cunha (2007) Silva Neto (1977) entre otros, y sobre todo Labov (2008), cuyas obras tratan principalmente con el cambio y cambio lingüístico. Así que espero que, con este trabajo, se relacionan entre sí con la Filología y lingüística Lexicología Variación y Cambio. PALABRAS - LLAVE:Documentos Manuscritos. Filología. Variación Léxica. 1. PRIMEIRAS PALAVRAS Há algum tempo, as discussões que propiciam ver a língua como dinâmica, diversificada e interacionista são realizadas. A sociolinguística é uma das subáreas da Linguística que se propõe ao estudo da língua em uso e abarca a investigação que correlaciona os aspectos linguísticos aos sociais. A ciência, ora apresentada, iniciou-se com os estudos de William Labov, um linguista norte-americano, na década de 60. Labov ([1972] 2008) por sua vez, deu início à "Teoria da Variação". A Sociolinguística Variacionista surge, portanto, com base nas discussões que priorizam a heterogeneidade das línguas e a variabilidade linguística presente em todas aquelas. Nesse âmbito, os estudos que utilizam a teoria da variação permitem uma nova abordagem para a língua, pois analisam o seu uso dentro da comunidade de fala, quantificam essa análise baseada na fala espontânea, ou seja, no momento em que o indivíduo monitora minimamente a lingua(gem) (LABOV, 2008), além de estarem aliados ao objetivo de descrever a variação e a mudança linguística atrelada ao contexto social de produção. Sabe-se, entretanto, que para compreender os processos de mudança linguística, em uma perspectiva diacrônica, é necessário recorrer a textos escritos pretéritos, visto que não há amostras de fala de épocas passadas. Assim, entram em cena a filologia e os documentos escritos, pois estes últimos constituem corpora indispensáveis para a observação, análise e compreensão dos processos envolvidos na implementação da mudança linguística ao longo do tempo. Dessa forma, ao se desvendarem os 319

3 mecanismos correlacionados à variação e à mudança linguística, têm-se em mãos argumentos sólidos para explicar como e por que as línguas mudam. Os textos escritos em épocas pretéritas, consequentemente, retomam a ciência que traz à tona esses textos bem como os métodos envolvidos na busca da genuinidade de documentos referentes a períodos remotos. Assim, faz-se necessário destacar que, através do aparato técnico-científico disponibilizado pela filologia - ciência que se ocupa da língua, da cultura de um povo ou de um grupo de povos-, pode-se creditar a fidedignidade de textos vários, os quais podem ser utilizados para diversos estudos de inúmeras áreas do conhecimento, tais como a Antropologia, o Direito, a Sociologia, a História, a Linguística, a Sociolinguística, enfim. Partindo desse pressuposto, pode-se constatar que, por meio do estudo de documentos notariais de décadas passadas, mais especificamente a partir do léxico constante nestes, é possível perceber alguns aspectos referentes à variação lexical. Pelo fato de não haver amostras de falas gravadas nessa época, faz-se necessário recorrer a textos escritos, neste caso do início do século XX, para o desenvolvimento deste trabalho, que envolve a variação, na perspectiva de estudo da sociolinguística. 2. NAS LINHAS DO TEMPO: OS LAÇOS ENTRE A FILOLOGIA E A SOCIOLINGUÍSTICA Sabe-se que a língua é um dos bens culturais mais preciosos que a humanidade possui e que as características sócio-histórico-político-culturais pertencentes a um determinado povo são desvendadas a partir da língua. Assim, de acordo com Pires (2006, p.61), a língua é um sistema de signos que é visto como um valor cultural em si mesma. Os falantes identificam-se com os demais membros do grupo social através da língua e eles consideram a sua língua um símbolo da sua identidade social. Por conseguinte, pode dizer-se que a língua é uma realidade cultural. 320

4 Dessa forma, a língua de um determinado povo está atrelada à cultura deste, pois é impossível estudar o sistema linguístico de uma comunidade sem levar em consideração a sociedade e a cultura em que se inserem esses falantes. Ao se pensar em língua, consequentemente, tem-se que considerar o aspecto social, pois a linguagem [...] é, iminentemente, um fato social. Tem-se, frequentemente, repetido que as línguas não existem fora dos sujeitos que as falam, e, em consequência disto, não há razões para lhes atribuir uma existência autônoma, um ser particular (MEILLET apud ALKIMIN, 2001, p. 24). No entanto, como é possível estudar a língua utilizada por sociedades pretéritas? Ou melhor, como compreender os processos de mudança linguística sem estudar a língua em uma perspectiva diacrônica? Ou ainda, como perceber, analisar e comprovar uma possível variação e/ou mudança linguística referente a períodos em que não se tem à disposição amostras de fala de comunidades linguísticas de outras épocas históricas? Não há amostras de fala gravadas antes da década de 1960, período em que a sociolinguística se estabeleceu enquanto ciência; assim a única maneira que se tem de estudar a língua antes dessa data é recorrendo aos textos escritos que representem o período linguístico que se deseja analisar. Dessa forma, através de documentos pretéritos é possível estabelecer hipóteses sobre como funciona(va) o sistema linguístico em determinado período da história. Entretanto, para se ter textos capazes de servir a tais estudos, é fundamental que se tenha em mãos meios eficazes de trazer à superfície documentos autênticos. Daí a importância da Filologia, porque, como ciência surgida no século XIX, dispõe de critérios e métodos específicos para a edição e a preservação de documentos de outrora e presentes. Segundo Silva Neto (1977, p. 20), a Filologia é entendida como:. [...] o estudo científico, histórico e comparado da língua nacional em toda a sua amplitude, não só quanto à gramática (fonética, morfologia, sintaxe) e quanto à etimologia, semasiologia, etc., mas também como órgão da literatura e como manifestação do espírito nacional. 321

5 Assim, para a realização dos estudos filológicos, há um aparato técnicocientífico a fim de trazer à baila textos escritos, os quais constituem excelentes corpora para o estudo da língua ao longo da história. Por outro lado, nos estudos sociolinguísticos, há um olhar voltado para ocorrência de variações dentro do sistema linguístico que podem ou não implicar uma mudança. Assim, [...] as evidências da variação sincrônica passam a constituir um excelente laboratório para a compreensão de mudanças já completadas, ocorridas no passado [...] (WEINREICH, LABOV e HERZOG, 2006, p ). Daí, a empreitada que se intenta realizar neste artigo: analisar a variação lexical constante em documentos notariais do início do século XX, editados a partir de critérios filológicos, associando o trabalho propiciado pela filologia com a análise de dados referentes à variação do léxico, objeto de estudo da sociolinguística. 3. O CORPUS Este trabalho possui como corpus o livro intitulado Manuscritos baianos dos séculos XVIII ao XX: Autos de defloramento, no prelo, organizado pela Dra. Rita de Cássia Ribeiro de Queiroz, professora plena da Universidade Estadual de Feira de Santana. Este livro consta de seis autos de defloramento editados por 1) Analídia dos Santos Brandão, 2) Bárbara Bezerra de Santana, 3) Fernanda Assunção Dias Cerqueira, 4) Ivanete Martins de Jesus, 5) Jacilene Marques Salomão e 6) a organizadora. Para a edição desses textos, foram adotados alguns critérios, a saber: para a descrição, observou-se número de colunas, número de linhas da mancha escrita, existência de ornamentos, maiúsculas mais interessantes, existência de sinais especiais, número de abreviaturas, tipo de escrita, tipo de papel e data do manuscrito. Já para a transcrição, adotou-se respeitar fielmente o texto: grafia (letras e algarismos), linha, fólio, etc; indicar o número do fólio, à margem direita; numerar o texto linha por linha, indicando a numeração de cinco em cinco, desde a primeira linha do fólio; separar as 322

6 palavras unidas e unir as separadas; desdobrar as abreviaturas, apresentando-as em itálico e negrito; utilizar colchetes para as interpolações; e indicar as rasuras ilegíveis com o auxílio de colchetes e reticências (QUEIROZ, 2007, p. 34). As ações representadas nesses autos de defloramento são práticas delituosas dos acusados de defloramento, que, através da sedução e promessa de casamento, conseguiam desvirginar as suas amadas e deixá-las, aos olhos da sociedade da época, deshonradas e, portanto, defloradas e maculadas. No entanto podemos nos questionar: o que vem a ser defloramento? De acordo com Sartori (2010, p.4), O crime por defloramento, segundo consta na prática corriqueira dos Inquéritos Policiais analisados, era o desvirginamento consentido de mulheres menores de 21 anos. A virgindade da pretensa vitima era uma premissa básica para o desenvolvimento dos autos. O delito criminoso incidia sobre a não oficialização do casamento após o ato sexual. A partir deste incidente que a trama de vida de homens e mulheres começa ser tecida lentamente por diferentes discursos, permeado por diversos conflitos, em caminhos sinuosos, que acionam uma rede de sociabilidade ampla, composta por diferentes sujeitos. Assim, através desses documentos são reveladas as atitudes sociais, o comportamento das vítimas e de seus ofensores bem como da Justiça e as marcas ideológicas da sociedade de então representadas através da língua expressa na mancha escrita. Desta forma, por meio da identificação e análise de lexias como deflorar e seus respectivos derivados (defloramento defloração, deflorador e deflorada) poderemos verificar o quanto deflorar pôde assumir significados múltiplos ao longo dos anos, bem como as suas ocorrências e de seus derivados no corpus. Contudo traremos, inicialmente, as definições constantes em dicionários de língua portuguesa do século XX, a saberem: Aulete (1964), Bueno (1968), Fernandes (1983), Luft (2000), Houaiss (2001), Cunha (2007), Barsa (2008) e Ferreira (2010), com o intuito de compreender seus significados ao longo dos documentos e inferir qual foi a motivação de seu desaparecimento e a sua respectiva substituição pelo sinônimo desvirginar na atualidade. 323

7 4 OS SENTIDOS DO DEFLORAR : VARIAÇÃO LÉXICO-SEMÂNTICA O léxico surgiu a partir da necessidade que o ser humano teve de nomear as coisas, os seres de modo geral e o mundo que o cerca. É através do léxico que são notadas, mais nitidamente, as alterações de significado que uma ou outra palavra podem assumir, a depender do contexto, pois a [...] palavra nasce neutra (em estado de dicionário), ao se contextualizar, ela passa a expressar valores e ideias, transitando ideologias, cumprindo um amplo espectro de funções persuasivas [...] (CITELLI, 1995, p ). Dessa forma, o nível lexical é a parte da língua que está mais suscetível à mudança, pois engloba, por exemplo, várias palavras novas que vão surgindo, os neologismos e os empréstimos; ressignifica palavras existentes dentro do sistema linguístico, as gírias; e abarca outras que caíram ou cairão em desuso, os arcaísmos. A [...] geração do léxico se processou e se processa através de atos sucessivos de cognição da realidade e de categorização da experiência, cristalizada em signos linguísticos: as palavras [...] (BIDERMAN, 1998, p. 11), pois é no nível do léxico que são percebidas as arbitrariedades do signo linguístico, porque não há uma relação lógica entre significante e significado, ou seja, a denominação de um objeto ou coisa não corresponde à sua funcionalidade. Para exemplificar o que foi dito anteriormente, reflita-se sobre a palavra caneta (não será abordada aqui a etimologia da palavra, mas sim a relação ilógica entre o nome e o seu significado): o objeto caneta tem como funcionalidade escrever, rabiscar, então por que o seu nome não é escrevedor ou rabiscador? O que tem a ver o objeto com o seu significante? Nada! Apenas a nomeação, como se disse anteriormente, se dá de forma ilógica, daí dizer-se que o signo linguístico é arbitrário, porém convencionalizado e aceito pelos falantes da língua, ou seja, estamos falando do signo linguístico como entidade de duas faces, que [...] une não uma coisa e uma palavra, mas um conceito e uma imagem acústica (SAUSSURE, 1970, p. 80), ou melhor, o signo linguístico é constituído de duas formas: uma que é o significado, representado pelo seu equivalente no mundo exterior, e uma significação, 324

8 que é a ideia ou noção que elaboramos em nossa mente do objeto representado, signos estes contidos nos referidos documentos. Além do mais, ao se perscrutar o léxico de uma língua natural, deve-se ter em mente que [...] estudar o léxico de uma língua é enveredar pela história, costumes, hábitos e estrutura de um povo, partindo-se de suas lexias [...] (ABBADE, 2006, p. 213), pois não se pode analisar o conjunto aberto e infinito de palavras, doravante o léxico, sem levar em consideração as características históricas, culturais, sociais, só para citar algumas, do povo que as produziu. Analogicamente, ao se estudar documentos manuscritos de épocas pretéritas, identificam-se alguns aspectos como pertencentes àquelas comunidades linguísticas. 4.1 A ANÁLISE DOS DADOS De acordo com alguns dicionários consultados, o termo deflorar sofre algumas variações de significado, variações estas que partem desde a sua etimologia. Assim, antes de qualquer coisa, observemos as definições da lexia em destaque e de seus significados trazidos nos dicionários de língua portuguesa analisados para compreendermos as variações presentes nos documentos manuscritos. Percebemos, a partir das definições dadas pelos dicionários, que o termo deflorar assume acepções diversas, tais como tirar a flor, violar a virgindade, fazer perder a candura, a inocência, desonrar, estuprar, desvirginar etc. Assim como nos dicionários analisados, os documentos estudados também apresentam variação no que tange à sinonímia ao termo deflorar. Para corroborar isto, vejamos a seguir algumas lexias e suas respectivas ocorrências para se referir ao ato de desvirginar alguém. 325

9 Anos Palavra Significados e Sinônimos 1964 Deflorar v.tr. tirar a flor a: O granizo deflorou tôdas as árvores frutíferas. (Fig.) violar a virgindade de; fazer perder a candura, a inocência, a ingenuidade de. Extinguir a beleza, o viço, o frescor de uma coisa. Desflorar. (AULETE, 1964, grifo nosso); 1968 Deflorar v.t. desonrar. Lat. Deflorare, tirar a flor. Derivs. Defloração, lat. Deflorationem; defloramento, s.m.; deflorador, lat. Defloratorem. (BUENO, 1968, grifo nosso); 1983 Deflorar tr. Tirar a flor a; [Aulete] violar a virgindade de; desflorar: Deflorar mulher de menor idade. (FERNANDES, 1983, grifo nosso); 2000 Deflorar v.t. 1. Tirar as flores a; desflorar. 2. (fig.) desvirginar defloração s.f. ou defloramento s.m.; deflordor dj e s.m. (LUFT, 2000) 2001 Deflorar v. 1 t.d. desflorar/ retirar ou perder as flores. 2. T.d. fazer perder ou perder a virgindade; desflorar-se, desvirginar(-se). 3 t.d. tirar a pureza, a naturalidade de; alterar, deturpar, profanar, desflorar. 4. t.d. fazer diminuir ou perder o viço, a beleza a (alguém ou algo). Etim. Latim defloro, -as, -avi, -atum, -are colher a flor, p. ex. deflorar, manchar. (HOUAISS, 2001) 2001 Deflorar [do lat. Deflorare] v.t.d. 1. Desflorar; 2. V. estuprar Defloração [do lat. Defloratione] s.f. v. defloração Deflorado [part. de deflorar] Adj. Que se deflorou Deflorador [do lat. Defloratore] Adj. S.m. v. desflorador Defloramento [de deflorar + - mento] s.m. v. desfloração (FERREIRA, 2010, grifo nosso); 2001 Deflorador adj. S.m. (século XVI) desflorador. 1. Que ou aquele que faz diminuir o viço, a beleza a (alguém ou algo). Etim. Latim deflorator, -oris o que desonra, mancha (HOUAISS, 2001, grifo nosso); 2007 Defloraração, - ador, - amento, - ar flor (CUNHA, 2007); 2008 Deflorar vtd. 1. Tirar as flores a. 2. Tirar a virgindade de. Defloração s.f. Ação de deflorar. (BARSA, 2008); 326

10 Nos documentos em análise aparecem várias lexias para se referir ao (des)virginamento da moça antes do casamento. Vejamos: AUTOS DE Ephigenia Joana Saturnina Josepha Senhorinha Maria TOTAL DEFLORAMENTO Augusta Francisca Maria de Esmina Soares de José de de Jesus dos Jesus Ribeiro Lima Oliveira (1907) Santos (1900) (1902) (1907) (1903) (1903) LEXIAS OCORRÊNCIAS Deflorada Disvirginad a Offendida TOTAL 98 Assim como nos dicionários analisados, os autos de defloramento também apresentam lexias diferentes (sinônimos), como por exemplo, desvirginada, deflorada e ofendida para se referir ao ato de desvirginar/violar a virgindade de alguém. É interessante notarmos que, nos autos de defloramento, as lexias mais constantes referentes à virgindade feminina são deflorada e offendida, sendo esta última a que mais apresenta ocorrências ao longo dos documentos, a qual marca, ideologicamente, a sociedade de então, pois dizer que uma mulher foi offendida significava, naquela época, que o seu desvirginamento ofendia não apenas a sua honra /castidade, mas também e principalmente a sua família, visto que esta recorria à Justiça para que o nome da família não fosse jogado na lama, pois a castidade feminina era vista como símbolo de honestidade e dignidade de toda a família. Por sua vez, as lexias desvirginada e offendida em sua honra aparecem apenas uma vez, cada uma, no auto de defloramento de Ephigenia Augusta de Jesus (1907), fato este que mostra o quanto as escolhas lexicais feitas pelos indivíduos possuem marcas ideológicas fortes, pois as principais lexias escolhidas para se referir ao 327

11 defloramento de uma mulher são offendida e deflorada, visto que estas carregam consigo cargas semânticas ideologicamente mais fortes do que as anteriores, porque do ponto de vista da sociedade de então para o desvirginamento feminino antes do matrimônio era como se a flor tivesse sido colhida e o mel tivesse sido derramado, portanto havia uma grande ofensa tanto para a vítima quanto para a família daquela. Daí dizer-se que é impossível pensar em língua sem levarmos em consideração a sociedade e a cultura, pois são as características sócio-culturais que impelem as escolhas linguísticas de cada povo, ou melhor, são aquelas características que definem quais as escolhas lexicais que devem ser feitas ao se referir ao desvirginamento da mulher, que neste caso foram as lexias offendida e deflorada. 5 PALAVRAS FINAIS, MAS NÃO AS ÚLTIMAS... Percebemos que a palavra deflorar era usada principalmente no meio jurídico para indicar que uma moça tinha perdido a virgindade, o que figurativamente significava o desabrochar da flor, e, por conseguinte a pureza feminina. Hoje, estudos mostram que a palavra deflorar está cada vez mais sendo menos utilizada, sendo substituídas, com mudanças semânticas, por palavras como estupro e desvirginamento porque, de certa forma, a palavra deflorar, quando utilizada, trazia eu seu bojo a carga semântica que liga a mulher a um objeto de prazer, a um ser impuro e desonrado. Sendo assim, neste artigo, tentou-se fazer um esboço da variação lexical existente em documentos jurídicos, mais especificadamente em autos de defloramento, como uma maneira de explanar algumas palavras usadas para (des)qualificar a virgindade feminina. 328

12 REFERÊNCIAS AUERBACH, Erich. Introdução aos estudos literários. Tradução de José Paulo Paes. São Paulo: Cultrix, LABOV, W. Padrões sociolinguísticos. Trad. de Marcos Bagno, Maria Marta Scherre e Caroline Cardoso. São Paulo: Parábola, PIRES, Eliane Cristine Raab. Língua e Cultura. Portugal: Instituto Politécnico de Bragança, SAUSSURE, Ferdinand de. Curso de lingüística geral. 2. ed. São Paulo: Cultrix, SILVA NETO, Serafim da. Manual de filologia portuguesa. Rio de Janeiro: Livraria Acadêmica, WEINREICH, Uriel; LABOV, William; HERZOG, Marvin I. Fundamentos empíricos para uma teoria da mudança linguística. Tradução de Marcos Bagno. São Paulo: Parábola editorial, ABBADE, Celina Márcia de Souza. O estudo do léxico. In: TEIXEIRA, Maria da Conceição Reis; QUEIROZ, Rita de Cássia Ribeiro de; SANTOS, Rosa Borges dos (Org.). Diferentes perspectivas dos estudos filológicos. Salvador: Quarteto, 2006, p ALKIMIN, Tânia M. Sociolinguística: parte 1. In: MUSSALIN, Fernanda; BENTES, Anna. Introdução à linguística: domínios e fronteiras. São Paulo: Cortez, v.1, 2001, p BIDERMAN, Maria Thereza Camargo. As ciências do léxico. In: OLIVEIRA, Ana Maria Pinto Pires de; ISQUERDO, Aparecida Negri (Org.). As ciências do léxico: lexicologia, lexicografia, terminologia. 2. ed. Campo Grande: Ed. UFMT, 1998, p CITELLI, Adilson. Linguagem e persuasão. São Paulo: Ática, p QUEIROZ, Rita de Cássia Ribeiro de. Introdução metodológica. In:. (Org.). Documentos do acervo de Monsenhor Galvão: edição semidiplomática. Feira de Santana: Universidade Estadual de Feira de Santana, p AULETE, Caldas. Dicionário contemporâneo da língua portuguesa em 5 volumes. 2 ed. Brasileira. 5 ed., BUENO, Francisco da Silveira. Grande dicionário etimológico-prosódico da língua portuguesa. São Paulo: Saraiva, CUNHA, Antônio Geraldo da. Dicionário etimológico da língua portuguesa. Rio de Janeiro: Lexicon, DICIONÁRIO BARSA DA LÍNGUA PORTUGUESA. São Paulo: Barsa Planeta,

13 FERNANDES, Francisco. Dicionário de verbos e regimes. 33. ed. Porto Alegre Rio de Janeiro: Globo, FERREIRA, Aurélio Buarque de Holanda. Dicionário Aurélio da língua portuguesa. 5 ed. Curitiba: Positivo, HOUAISS, Antonio; VILLAR, Mauro de Salles. Dicionário Houaiss da língua portuguesa. Rio de Janeiro: Objetiva, LUFT, Celso Pedro. Minidicionário Luft. 20. ed. São Paulo: Ática, SARTORI, Guilherme Rocha. Práticas discursivas: um estudo sobre crimes de defloramento ( ) na comarca de Bauru (SP). In: Diásporas, diversidades, deslocamentos. Anais Disponível em: completo.pdf. Acesso em: 20 set Recebido Para Publicação em 05 de fevereiro de Aprovado Para Publicação em 11 de março de

CAMPOS LEXICOS DOS FALARES RURAIS DE GOIÁS, MATO GROSSO, MINAS GERAIS E SÃO PAULO.

CAMPOS LEXICOS DOS FALARES RURAIS DE GOIÁS, MATO GROSSO, MINAS GERAIS E SÃO PAULO. CAMPOS LEXICOS DOS FALARES RURAIS DE GOIÁS, MATO GROSSO, MINAS GERAIS E SÃO PAULO. Gisele Martins SIQUEIRA (Mestranda FL/UFG) Gisele.msiqueira@gmail.com Maria Suelí de AGUIAR (FL/UFG) aguiarmarias@gamil.com

Leia mais

O tratamento da variação lexical nos dicionários

O tratamento da variação lexical nos dicionários O tratamento da variação lexical nos dicionários Mônica Emmanuelle Ferreira de Carvalho UFMG INTRODUÇÃO Em 2005, com a sanção da lei 11.161 (05/08/2005), pelo presidente Luis Inácio Lula da Silva, foi

Leia mais

DITADURA MILITAR: O DISCURSO DE MULHERES NO CONFLITO POR TERRA NA REGIÃO DO ARAGUAIA

DITADURA MILITAR: O DISCURSO DE MULHERES NO CONFLITO POR TERRA NA REGIÃO DO ARAGUAIA DITADURA MILITAR: O DISCURSO DE MULHERES NO CONFLITO POR TERRA NA REGIÃO DO ARAGUAIA Juliany Teixeira Reis 1 Judite Gonçalves Albuquerque 2 Esta pesquisa foi inicialmente objeto de uma monografia de graduação

Leia mais

A MEMÓRIA DISCURSIVA DE IMIGRANTE NO ESPAÇO ESCOLAR DE FRONTEIRA

A MEMÓRIA DISCURSIVA DE IMIGRANTE NO ESPAÇO ESCOLAR DE FRONTEIRA A MEMÓRIA DISCURSIVA DE IMIGRANTE NO ESPAÇO ESCOLAR DE FRONTEIRA Lourdes Serafim da Silva 1 Joelma Aparecida Bressanin 2 Pautados nos estudos da História das Ideias Linguísticas articulada com Análise

Leia mais

O processo de aquisição da linguagem escrita: estudos de A. R. Lúria e L. S. Vygotsky

O processo de aquisição da linguagem escrita: estudos de A. R. Lúria e L. S. Vygotsky O PROCESSO DE AQUISIÇÃO DA LINGUAGEM ESCRITA: ESTUDOS DE A. R. LÚRIA E L. S. VYGOTSKY Ana Carolina Rosendo Gonzalez C. Baptista Edileusa Lopes de L. Alves Kátia Garcia Vanessa Leite * INTRODUÇÃO O presente

Leia mais

Círculo Fluminense de Estudos Filológicos e Linguísticos

Círculo Fluminense de Estudos Filológicos e Linguísticos TÓPICOS LINGUÍSTICOS: SINTAXE NA LIBRAS Magno Pinheiro de Almeida (UEMS/UFMS) mpa_magno@hotmail.com Miguél Eugenio Almeida (UEMS) mealmeida_99@yahoo.com.br A língua já não é agora livre, porque o tempo

Leia mais

Autovaliação em Práticas de Linguagem: uma reflexão sobre o planejamento de textos

Autovaliação em Práticas de Linguagem: uma reflexão sobre o planejamento de textos Autovaliação em Práticas de Linguagem: uma reflexão sobre o planejamento de textos Luna Abrano Bocchi Laís Oliveira O estudante autônomo é aquele que sabe em que direção deve avançar, que tem ou está em

Leia mais

Língua(gem), Tecnologia e Informação

Língua(gem), Tecnologia e Informação Língua(gem), Tecnologia e Informação Língua, Tecnologia e Informação A Ciência da Informação estuda vários aspectos sobre o acesso ao registro, acesso ideal de maneira eficiente e eficaz O registro de

Leia mais

A CONTRIBUIÇÃO DOS ESTUDOS SOCIOGEOLINGÜÍSTICOS PARA A ESCOLHA LEXICAL NA RECEPÇÃO E PRODUÇÃO DE TEXTOS ORAIS E ESCRITOS

A CONTRIBUIÇÃO DOS ESTUDOS SOCIOGEOLINGÜÍSTICOS PARA A ESCOLHA LEXICAL NA RECEPÇÃO E PRODUÇÃO DE TEXTOS ORAIS E ESCRITOS A CONTRIBUIÇÃO DOS ESTUDOS SOCIOGEOLINGÜÍSTICOS PARA A ESCOLHA LEXICAL NA RECEPÇÃO E PRODUÇÃO DE TEXTOS ORAIS E ESCRITOS Adriana Cristina Cristianini (USP, UNIBAN) dricris@usp.br Márcia Regina Teixeira

Leia mais

CARACTERÍSTICAS DAS CULTURAS INFANTIS DAS COMUNIDADES QUILOMBOLAS DO PARANÁ

CARACTERÍSTICAS DAS CULTURAS INFANTIS DAS COMUNIDADES QUILOMBOLAS DO PARANÁ 25 a 28 de Outubro de 2011 ISBN 978-85-8084-055-1 CARACTERÍSTICAS DAS CULTURAS INFANTIS DAS COMUNIDADES QUILOMBOLAS DO PARANÁ Luisa de Oliveira Demarchi Costa 1 ; Verônica Regina Müller 2 RESUMO: Este

Leia mais

O Planejamento Participativo

O Planejamento Participativo O Planejamento Participativo Textos de um livro em preparação, a ser publicado em breve pela Ed. Vozes e que, provavelmente, se chamará Soluções de Planejamento para uma Visão Estratégica. Autor: Danilo

Leia mais

O COMPORTAMENTO SINTÁTICO DOS ELEMENTOS À ESQUERDA 1 Maiane Soares Leite Santos (UFBA) may_leite@hotmail.com Edivalda Alves Araújo (UFBA)

O COMPORTAMENTO SINTÁTICO DOS ELEMENTOS À ESQUERDA 1 Maiane Soares Leite Santos (UFBA) may_leite@hotmail.com Edivalda Alves Araújo (UFBA) O COMPORTAMENTO SINTÁTICO DOS ELEMENTOS À ESQUERDA 1 Maiane Soares Leite Santos (UFBA) may_leite@hotmail.com Edivalda Alves Araújo (UFBA) RESUMO O objeto de estudo dessa pesquisa são os sintagmas preposicionados

Leia mais

Relações de poder e usos linguísticos: desvelando outra face

Relações de poder e usos linguísticos: desvelando outra face Relações de poder e usos linguísticos: desvelando outra face Girllaynne Marques Vinícius Nicéas 1 Universidade Federal de Pernambuco A obra A norma oculta, do linguista brasileiro Marcos Bagno 2 (2003),

Leia mais

A ICONICIDADE LEXICAL E A NOÇÃO DE "VER COMO

A ICONICIDADE LEXICAL E A NOÇÃO DE VER COMO A ICONICIDADE LEXICAL E A NOÇÃO DE "VER COMO Ana Lúcia Monteiro Ramalho Poltronieri Martins (UERJ) anapoltronieri@hotmail.com Darcilia Marindir Pinto Simões (UERJ) darciliasimoes@gmail.com 1- Da noção

Leia mais

EXPRESSÕES RESUMITIVAS E CONSTRUÇÃO DE SENTIDOS EM ARTIGOS CIENTÍFICOS

EXPRESSÕES RESUMITIVAS E CONSTRUÇÃO DE SENTIDOS EM ARTIGOS CIENTÍFICOS EXPRESSÕES RESUMITIVAS E CONSTRUÇÃO DE SENTIDOS EM ARTIGOS CIENTÍFICOS RESUMO Profa. Dra. Cinthya Torres de Melo (Universidade Federal de Pernambuco - NELFE - Campus do Agreste UFPE/CAA) Maria Sirleidy

Leia mais

Sobre a diferença entre música e musicalidade: considerações para educação musical

Sobre a diferença entre música e musicalidade: considerações para educação musical Sobre a diferença entre música e musicalidade: considerações para educação musical Rafael Beling Unasp rafaelbeling@gamil.com Resumo: os termos música e musicalidade, por sua evidente proximidade, podem

Leia mais

O ensino da cultura nos livros didáticos de Espanhol como Língua Estrangeira

O ensino da cultura nos livros didáticos de Espanhol como Língua Estrangeira O ensino da cultura nos livros didáticos de Espanhol como Língua Estrangeira Cleide Coelho MARTINS 1, Lucielena Mendonça de LIMA 2 cleidecmartins@gmail.com INTRODUÇÃO Quando aprendemos ou ensinamos uma

Leia mais

A DESIGNAÇÃO DE TERCEIRIZAÇÃO NA REVISTA CARTA CAPITAL

A DESIGNAÇÃO DE TERCEIRIZAÇÃO NA REVISTA CARTA CAPITAL A DESIGNAÇÃO DE TERCEIRIZAÇÃO NA REVISTA CARTA CAPITAL Fernando Ramos Campos 1 UEMS Rosimar Regina Rodrigues de Oliveira UEMS/FUNDECT/CNPq Resumo Neste trabalho procuramos apresentar uma análise do sentido

Leia mais

UMA ANÁLISE DISCURSIVA DE DICIONÁRIOS* Joelma Aparecida Bressanin joelmaab@hotmail.com Doutoranda Universidade do Estado de Mato Grosso (UNEMAT)

UMA ANÁLISE DISCURSIVA DE DICIONÁRIOS* Joelma Aparecida Bressanin joelmaab@hotmail.com Doutoranda Universidade do Estado de Mato Grosso (UNEMAT) Introdução UMA ANÁLISE DISCURSIVA DE DICIONÁRIOS* Joelma Aparecida Bressanin joelmaab@hotmail.com Doutoranda Universidade do Estado de Mato Grosso (UNEMAT) O projeto História das Ideias Linguísticas 1

Leia mais

Universidade Federal de Juiz de Fora Departamento de Nutrição Curso de Nutrição MANUAL DE RELATÓRIO DE AULAS PRÁTICAS

Universidade Federal de Juiz de Fora Departamento de Nutrição Curso de Nutrição MANUAL DE RELATÓRIO DE AULAS PRÁTICAS Universidade Federal de Juiz de Fora 0 MANUAL DE RELATÓRIO DE AULAS PRÁTICAS Professores: Renato Moreira Nunes Cristiane Gonçalves de Oliveira Fialho Paulo Henrique Fonseca da Silva Renata Maria Souza

Leia mais

Alfabetizar letrando... Letrar alfabetizando: por quê? Como?

Alfabetizar letrando... Letrar alfabetizando: por quê? Como? Alfabetizar letrando... Letrar alfabetizando: por quê? Como? Patrícia Moura Pinho 1 Resumo: O presente texto trata da questão da alfabetização e as discussões teóricas e didáticas acerca da mesma, principalmente

Leia mais

REFLEXÃO E INTERVENÇÃO: PALAVRAS-CHAVE PARA A PRÁTICA EDUCATIVA

REFLEXÃO E INTERVENÇÃO: PALAVRAS-CHAVE PARA A PRÁTICA EDUCATIVA 178 REFLEXÃO E INTERVENÇÃO: PALAVRAS-CHAVE PARA A PRÁTICA EDUCATIVA FEBA, Berta Lúcia Tagliari 1... ler é solidarizar-se pela reflexão, pelo diálogo com o outro, a quem altera e que o altera (YUNES, 2002,

Leia mais

MONITORIA: EXPERIENCIA DA PESQUISA EM SALA DE AULA NO CURSO DE LICENCIATURA EM PEDAGOGIA. Resumo

MONITORIA: EXPERIENCIA DA PESQUISA EM SALA DE AULA NO CURSO DE LICENCIATURA EM PEDAGOGIA. Resumo 1 MONITORIA: EXPERIENCIA DA PESQUISA EM SALA DE AULA NO CURSO DE LICENCIATURA EM PEDAGOGIA Resumo Patricia Santos de Barros/UFRJ A nossa vivência pedagógica situa-se no âmbito do curso de Licenciatura

Leia mais

A DOCÊNCIA: APONTAMENTOS DE ALGUNS AUTORES QUE DISCUTEM O ENSINO NA PÓS-GRADUAÇÃO

A DOCÊNCIA: APONTAMENTOS DE ALGUNS AUTORES QUE DISCUTEM O ENSINO NA PÓS-GRADUAÇÃO A DOCÊNCIA: APONTAMENTOS DE ALGUNS AUTORES QUE DISCUTEM O ENSINO NA PÓS-GRADUAÇÃO Franciele Ribeiro Lima 1 1. Mestranda em Educação do PPGEdu da UFGD, bolsista CAPES. RESUMO: A docência discutida no âmbito

Leia mais

DO DESENHO A ESCRITA E LEITURA

DO DESENHO A ESCRITA E LEITURA DO DESENHO A ESCRITA E LEITURA Cleide Nunes Miranda 1 Taís Batista 2 Thamires Sampaio 3 RESUMO: O presente estudo discute a relevância do ensino de leitura e principalmente, da escrita, trazendo em especial

Leia mais

A PRÁTICA PEDAGÓGICA DO PROFESSOR DE PEDAGOGIA DA FESURV - UNIVERSIDADE DE RIO VERDE

A PRÁTICA PEDAGÓGICA DO PROFESSOR DE PEDAGOGIA DA FESURV - UNIVERSIDADE DE RIO VERDE A PRÁTICA PEDAGÓGICA DO PROFESSOR DE PEDAGOGIA DA FESURV - UNIVERSIDADE DE RIO VERDE Bruna Cardoso Cruz 1 RESUMO: O presente trabalho procura conhecer o desempenho profissional dos professores da faculdade

Leia mais

A REVISTA OESTE NA CONSOLIDAÇÃO DO CENÁRIO POLÍTICO GOIANO

A REVISTA OESTE NA CONSOLIDAÇÃO DO CENÁRIO POLÍTICO GOIANO A REVISTA OESTE NA CONSOLIDAÇÃO DO CENÁRIO POLÍTICO GOIANO Pedro Henrique Rosa Graduando do curso de História da UEG-Anápolis Heavy_metal11@hotmail.com Vanessa Claudio Fernandes Graduanda do curso de História

Leia mais

A mobilização de conhecimentos matemáticos no ensino de Física

A mobilização de conhecimentos matemáticos no ensino de Física Cintia Ap. Bento dos Santos Universidade Cruzeiro do Sul Brasil cintiabento@ig.com.br Edda Curi Universidade Cruzeiro do Sul Brasil edda.curi@cruzeirodosul.edu.br Resumo Este artigo apresenta um recorte

Leia mais

CRIARCONTEXTO: ANÁLISE DO DISCURSO NAS LETRAS DE MÚSICA 1. Faculdade de Letras, Universidade Federal de Goiás, CEP - 74001-970, Brasil

CRIARCONTEXTO: ANÁLISE DO DISCURSO NAS LETRAS DE MÚSICA 1. Faculdade de Letras, Universidade Federal de Goiás, CEP - 74001-970, Brasil CRIARCONTEXTO: ANÁLISE DO DISCURSO NAS LETRAS DE MÚSICA 1 Juliana Dionildo dos Santos 2 e Eliane Marquez da Fonseca Fernandes 3 Faculdade de Letras, Universidade Federal de Goiás, CEP - 74001-970, Brasil

Leia mais

O HOMEM DE VERDADE 1 : Olhando pelas lentes pelas quais vêem as mulheres

O HOMEM DE VERDADE 1 : Olhando pelas lentes pelas quais vêem as mulheres Introdução O HOMEM DE VERDADE 1 : Olhando pelas lentes pelas quais vêem as mulheres Sonia de Alcantara IFRJ/UGB sonia.alcantara@ifrj.edu.br Letícia Mendes Pereira, Lohanna Giovanna Gonçalves da Silva,

Leia mais

Construção, desconstrução e reconstrução do ídolo: discurso, imaginário e mídia

Construção, desconstrução e reconstrução do ídolo: discurso, imaginário e mídia Construção, desconstrução e reconstrução do ídolo: discurso, imaginário e mídia Hulda Gomides OLIVEIRA. Elza Kioko Nakayama Nenoki do COUTO. Programa de Pós-Graduação da Faculdade de Letras. huldinha_net@hotmail.com

Leia mais

ENSINO DE GRAMÁTICA OU ANÁLISE LINGUÍSTICA? SERÁ QUE ESSA ESCOLHA É NECESSÁRIA?

ENSINO DE GRAMÁTICA OU ANÁLISE LINGUÍSTICA? SERÁ QUE ESSA ESCOLHA É NECESSÁRIA? 12. CONEX Apresentação Oral Resumo Expandido 1 ÁREA TEMÁTICA: ( ) COMUNICAÇÃO ( ) CULTURA ( ) DIREITOS HUMANOS E JUSTIÇA ( x ) EDUCAÇÃO ( ) MEIO AMBIENTE ( ) SAÚDE ( ) TRABALHO ( ) TECNOLOGIA ENSINO DE

Leia mais

UM POSSÍVEL DIÁLOGO ENTRE FUTEBOL E GÊNERO NAS AULAS DE EDUCAÇÃO FÍSICA: O ESTÁGIO NUMA ESCOLA MUNICIPAL DE GOIÂNIA

UM POSSÍVEL DIÁLOGO ENTRE FUTEBOL E GÊNERO NAS AULAS DE EDUCAÇÃO FÍSICA: O ESTÁGIO NUMA ESCOLA MUNICIPAL DE GOIÂNIA UM POSSÍVEL DIÁLOGO ENTRE FUTEBOL E GÊNERO NAS AULAS DE EDUCAÇÃO FÍSICA: O ESTÁGIO NUMA ESCOLA MUNICIPAL DE GOIÂNIA Tiago Onofre da Silva 1 Rafael Santos Nunes 2 RESUMO: O presente artigo aborda o processo

Leia mais

Formação Profissional em Psicologia Social: Um estudo sobre os interesses dos estudantes pela área.

Formação Profissional em Psicologia Social: Um estudo sobre os interesses dos estudantes pela área. Formação Profissional em Psicologia Social: Um estudo sobre os interesses dos estudantes pela área. Autores: Ligia Claudia Gomes de Souza Universidade Salgado de Oliveira Faculdades Integradas Maria Thereza.

Leia mais

PINTURA COMO INSTRUMENTO DE AUXÍLIO À INTERPRETAÇÃO TEXTUAL

PINTURA COMO INSTRUMENTO DE AUXÍLIO À INTERPRETAÇÃO TEXTUAL PINTURA COMO INSTRUMENTO DE AUXÍLIO À INTERPRETAÇÃO TEXTUAL NASCIMENTO, Edna Ranielly do. niellyfersou@hotmail.com CABRAL, Juliana da Silva. julianacabralletras@hotmail.com SILVA, Jobson Soares da. PIBIC/Universidade

Leia mais

Projetos Interdisciplinares Por quê? Quando? Como?

Projetos Interdisciplinares Por quê? Quando? Como? Projetos Interdisciplinares Por quê? Quando? Como? Profª. Ms. Maria Cecília Nobrega de Almeida Augusto 26 e 27/10/2011 A aula de hoje: Situando a discussão sobre projetos interdisciplinares; O conceito

Leia mais

Palavras chave: Direito Constitucional. Princípio da dignidade da pessoa humana.

Palavras chave: Direito Constitucional. Princípio da dignidade da pessoa humana. 99 Princípio da Dignidade da Pessoa Humana Idália de Oliveira Ricardo de Assis Oliveira Talúbia Maiara Carvalho Oliveira Graduandos pela Faculdade de Educação, Administração e Tecnologia de Ibaiti. Palavras

Leia mais

Denise Fernandes CARETTA Prefeitura Municipal de Taubaté Denise RAMOS Colégio COTET

Denise Fernandes CARETTA Prefeitura Municipal de Taubaté Denise RAMOS Colégio COTET O DESENVOLVIMENTO DA LINGUAGEM INFANTIL NAS PERSPECTIVAS SÓCIO-HISTÓRICA, ANTROPOLÓGICA E PEDAGÓGICA: UM ESTUDO DO REFERENCIAL CURRICULAR NACIONAL DA EDUCAÇÃO INFANTIL Denise Fernandes CARETTA Prefeitura

Leia mais

MATEMÁTICA E RACIOCÍNIO LÓGICO: TRABALHANDO E DISCUTINDO OS JOGOS BOOLE.

MATEMÁTICA E RACIOCÍNIO LÓGICO: TRABALHANDO E DISCUTINDO OS JOGOS BOOLE. MATEMÁTICA E RACIOCÍNIO LÓGICO: TRABALHANDO E DISCUTINDO OS JOGOS BOOLE. Marivete Girelli Universidade Estadual do Oeste do Paraná UNIOESTE Campus de Foz do Iguaçu mariveteg@hotmail.com Renata Camacho

Leia mais

CIÊNCIA E PROGRESSO: notas a partir do texto de Pierre Auger denominado Os métodos e limites do conhecimento científico.

CIÊNCIA E PROGRESSO: notas a partir do texto de Pierre Auger denominado Os métodos e limites do conhecimento científico. CIÊNCIA E PROGRESSO: notas a partir do texto de Pierre Auger denominado Os métodos e limites do conhecimento científico. Rafael Augusto De Conti 1. Pensar no progresso da ciência, nos conduz, necessariamente,

Leia mais

9 Como o aluno (pré)adolescente vê o livro didático de inglês

9 Como o aluno (pré)adolescente vê o livro didático de inglês Cap. 9 Como o aluno (pré)adolescente vê o livro didático de inglês 92 9 Como o aluno (pré)adolescente vê o livro didático de inglês Nesta parte do trabalho, analisarei alguns resultados da análise dos

Leia mais

POSSÍVEL IMPACTO DE UMA EDUCAÇÃO DISCRIMINADORA NAS PERSPECTIVAS DE FUTURO DE CRIANÇAS E ADOLESCENTES

POSSÍVEL IMPACTO DE UMA EDUCAÇÃO DISCRIMINADORA NAS PERSPECTIVAS DE FUTURO DE CRIANÇAS E ADOLESCENTES POSSÍVEL IMPACTO DE UMA EDUCAÇÃO DISCRIMINADORA NAS PERSPECTIVAS DE FUTURO DE CRIANÇAS E ADOLESCENTES 2013 Trabalho utilizado como requisito parcial da disciplina Métodos de Pesquisa em Psicologia André

Leia mais

VARIAÇÃO LINGÜÍSTICA, ORALIDADE E LETRAMENTO EM UMA TURMA DE PRÉ-ESCOLAR (CRECHE), EM TERESINA.

VARIAÇÃO LINGÜÍSTICA, ORALIDADE E LETRAMENTO EM UMA TURMA DE PRÉ-ESCOLAR (CRECHE), EM TERESINA. VARIAÇÃO LINGÜÍSTICA, ORALIDADE E LETRAMENTO EM UMA TURMA DE PRÉ-ESCOLAR (CRECHE), EM TERESINA. Maria de Fátima Silva Araújo (bolsista do PIBIC/ UFPI), Catarina de Sena Sirqueira Mendes da Costa (Orientadora,

Leia mais

Este trabalho é um comentário sobre a proposta de estudo da teoria das

Este trabalho é um comentário sobre a proposta de estudo da teoria das A teoria das representações sociais na pesquisa interdisciplinar * Josie Agatha Parrilha da Silva 1 Universidade Estadual de Ponta Grossa Este trabalho é um comentário sobre a proposta de estudo da teoria

Leia mais

COMPRE AQUI E MORE BEM : A LINGUAGEM PUBLICITÁRIA E OS DISCURSOS DA PROPAGANDA IMOBILIÁRIA

COMPRE AQUI E MORE BEM : A LINGUAGEM PUBLICITÁRIA E OS DISCURSOS DA PROPAGANDA IMOBILIÁRIA COMPRE AQUI E MORE BEM : A LINGUAGEM PUBLICITÁRIA E OS DISCURSOS DA PROPAGANDA IMOBILIÁRIA Maria Eliane Gomes Morais (PPGFP-UEPB) Linduarte Pereira Rodrigues (DLA/PPGFP-UEPB) Resumo: Os textos publicitários

Leia mais

A arte das Missões Jesuíticas: cultura genuinamente brasileira ou imposição Européia?

A arte das Missões Jesuíticas: cultura genuinamente brasileira ou imposição Européia? A arte das Missões Jesuíticas: cultura genuinamente brasileira ou imposição Européia? Israel Tavares Boff Licenciado em História pela UNILASALLE - Prof. substituto do Colégio Maria Auxiliadora de Canoas

Leia mais

Imagens de professores e alunos. Andréa Becker Narvaes

Imagens de professores e alunos. Andréa Becker Narvaes Imagens de professores e alunos Andréa Becker Narvaes Inicio este texto sem certeza de poder concluí-lo de imediato e no intuito de, ao apresentá-lo no evento, poder ouvir coisas que contribuam para continuidade

Leia mais

2. Diálogo com a Literatura

2. Diálogo com a Literatura A DISCIPLINA BIOLOGIA APLICADA: UM ESTUDO SOBRE A SUA CONSTRUÇÃO E AS RELAÇÕES CTS LA ASIGNATURA DE BIOLOGÍA APLICADA: UN ESTUDIO DE SU CONSTRUCCIÓN Y DE SUS RELACIONES CTS Denise de Freitas * (Departamento

Leia mais

Daniele Marcelle Grannier, UnB Tércia A. F. Teles, UnB. Introdução

Daniele Marcelle Grannier, UnB Tércia A. F. Teles, UnB. Introdução 1 Um estudo do vocabulário de crianças ouvintes de cinco anos como subsídio para elaboração de material didático para a iniciação à escrita de crianças surdas Introdução Daniele Marcelle Grannier, UnB

Leia mais

A TATUAGEM NO SUBMUNDO DO CRIME: UMA LINGUAGEM CODIFICADA

A TATUAGEM NO SUBMUNDO DO CRIME: UMA LINGUAGEM CODIFICADA A TATUAGEM NO SUBMUNDO DO CRIME: UMA LINGUAGEM CODIFICADA Thiago Leonardo Ribeiro (Bolsista PIBIC-FA / PG-CLCA-UENP/CJ) Vera Maria Ramos Pinto (CLCA-UENP/CJ) Grupo de Pesquisa Leitura e Ensino Introdução

Leia mais

ALTERNATIVAS APRESENTADAS PELOS PROFESSORES PARA O TRABALHO COM A LEITURA EM SALA DE AULA

ALTERNATIVAS APRESENTADAS PELOS PROFESSORES PARA O TRABALHO COM A LEITURA EM SALA DE AULA ALTERNATIVAS APRESENTADAS PELOS PROFESSORES PARA O TRABALHO COM A LEITURA EM SALA DE AULA RAQUEL MONTEIRO DA SILVA FREITAS (UFPB). Resumo Essa comunicação objetiva apresentar dados relacionados ao plano

Leia mais

MATEMÁTICA EM TODA PARTE II

MATEMÁTICA EM TODA PARTE II MATEMÁTICA EM TODA PARTE II Episódio: Matemática na Cidade Resumo O Episódio Matemática na Cidade, o segundo da série Matemática em Toda Parte II, vai abordar situações envolvendo fluxo e movimento nas

Leia mais

Guia do Professor / Vozes da Cidade / Conhecendo.../ Eduardo Guimarães. Conhecendo a Cidade

Guia do Professor / Vozes da Cidade / Conhecendo.../ Eduardo Guimarães. Conhecendo a Cidade 1 Guia do Professor Episódio Conhecendo a Cidade Programa Vozes da Cidade Apresentação Como já vimos nos trabalhos desenvolvidos para o episódio 1, os trabalhos para o episódio 2 também trazem várias questões

Leia mais

POLÍTICAS E PRÁTICAS DE INCLUSÃO ESCOLAR NO COLÉGIO DE APLICAÇÃO DA UERJ: IMPACTOS SOBRE A CULTURA ESCOLAR

POLÍTICAS E PRÁTICAS DE INCLUSÃO ESCOLAR NO COLÉGIO DE APLICAÇÃO DA UERJ: IMPACTOS SOBRE A CULTURA ESCOLAR POLÍTICAS E PRÁTICAS DE INCLUSÃO ESCOLAR NO COLÉGIO DE APLICAÇÃO DA UERJ: IMPACTOS SOBRE A CULTURA ESCOLAR Amanda Carlou; Suzanli Estef; Cristina Mascaro Universidade do Estado do Rio de Janeiro UERJ carlou.amanda@gmail.com,

Leia mais

Língua portuguesa: ultrapassar fronteiras, juntar culturas

Língua portuguesa: ultrapassar fronteiras, juntar culturas A PESQUISA SOBRE A REESCRITA DE TEXTOS Raquel Salek FIAD 1 RESUMO: Este trabalho, que se caracteriza como uma meta-pesquisa, tematiza as pesquisas sobre aquisição da escrita com foco na reescrita e tem

Leia mais

Cadernos do CNLF, Vol. XIII, Nº 04

Cadernos do CNLF, Vol. XIII, Nº 04 O LÉXICO DO PORTUGUÊS DO BRASIL EM DICIONÁRIOS ELETRÔNICOS DO SÉCULO XXI Rosinalda Pereira Batista rosikmf@gmail.com Alexandra Feldekircher Müller alexandra.f.m@gmail.com INTRODUÇÃO Este trabalho tem por

Leia mais

O que são Direitos Humanos?

O que são Direitos Humanos? O que são Direitos Humanos? Técnico comercial 4 (1º ano) Direitos Humanos são os direitos e liberdades básicas de todos os seres humanos. O principal objetivo dos Direitos Humanos é tratar cada indivíduo

Leia mais

DISCURSIVIDADES CONTEMPORÂNEAS E DICIONÁRIO. Objetivamos neste trabalho refletir sobre a inserção de discursividades

DISCURSIVIDADES CONTEMPORÂNEAS E DICIONÁRIO. Objetivamos neste trabalho refletir sobre a inserção de discursividades DISCURSIVIDADES CONTEMPORÂNEAS E DICIONÁRIO José Horta Nunes Universidade Estadual Paulista (UNESP) Objetivamos neste trabalho refletir sobre a inserção de discursividades contemporâneas em dicionários

Leia mais

MARTINS, Carlos Benedito (org). Para onde vai a Pós-graduação em Ciências Sociais no Brasil. Bauru SP: Edusc, 2005. POR.

MARTINS, Carlos Benedito (org). Para onde vai a Pós-graduação em Ciências Sociais no Brasil. Bauru SP: Edusc, 2005. POR. Resenhas Trajetos da Pós-graduação em Ciências Sociais no Brasil MARTINS, Carlos Benedito (org). Para onde vai a Pós-graduação em Ciências Sociais no Brasil. Bauru SP: Edusc, 2005. POR Fabio Lanza 1 Aobra

Leia mais

ESTEQUIMETRIA LÚDICA: RESSIGNIFICANDO A APRENDIZAGEM POR MEIO DE UMA MARATONA QUÍMICA

ESTEQUIMETRIA LÚDICA: RESSIGNIFICANDO A APRENDIZAGEM POR MEIO DE UMA MARATONA QUÍMICA ESTEQUIMETRIA LÚDICA: RESSIGNIFICANDO A APRENDIZAGEM POR MEIO DE UMA MARATONA QUÍMICA Patrícia Severiano de Oliveira* (1) (1) Universidade Federal de Alagoas Campus Arapiraca *patríciaufal2011@gmail.com

Leia mais

O ABANDONO VOLUNTÁRIO DO LAR : EDIÇÃO SEMIDIPLOMÁTICA E ESTUDO LÉXICO-SEMÂNTICO DE UMA AÇÃO ORDINÁRIA DE DESQUITE DO INÍCIO DO SÉCULO XX

O ABANDONO VOLUNTÁRIO DO LAR : EDIÇÃO SEMIDIPLOMÁTICA E ESTUDO LÉXICO-SEMÂNTICO DE UMA AÇÃO ORDINÁRIA DE DESQUITE DO INÍCIO DO SÉCULO XX O ABANDONO VOLUNTÁRIO DO LAR : EDIÇÃO SEMIDIPLOMÁTICA E ESTUDO LÉXICO-SEMÂNTICO DE UMA AÇÃO ORDINÁRIA DE DESQUITE DO INÍCIO DO SÉCULO XX Josenilce Rodrigues de Oliveira Barreto (UEFS) nilce11.barreto@gmail.com

Leia mais

LIDERANÇA, ÉTICA, RESPEITO, CONFIANÇA

LIDERANÇA, ÉTICA, RESPEITO, CONFIANÇA Dado nos últimos tempos ter constatado que determinado sector da Comunidade Surda vem falando muito DE LIDERANÇA, DE ÉTICA, DE RESPEITO E DE CONFIANÇA, deixo aqui uma opinião pessoal sobre o que são estes

Leia mais

O CURRÍCULO NA PERSPECTIVA DO RECONSTRUCIONISMO SOCIAL

O CURRÍCULO NA PERSPECTIVA DO RECONSTRUCIONISMO SOCIAL O CURRÍCULO NA PERSPECTIVA DO RECONSTRUCIONISMO SOCIAL Resumo Fabiana Antunes Machado 1 - UEL/PR Rosana Peres 2 - UEL/PR Grupo de trabalho - Comunicação e Tecnologia Agência Financiadora: Capes Objetiva-se

Leia mais

O IDOSO EM QUESTÃO: ALUNOS DA EDUCAÇÃO DE JOVENS E ADULTOS MOSTRAM SUA VISÃO SOBRE O QUE É SER IDOSO NA ATUALIDADE

O IDOSO EM QUESTÃO: ALUNOS DA EDUCAÇÃO DE JOVENS E ADULTOS MOSTRAM SUA VISÃO SOBRE O QUE É SER IDOSO NA ATUALIDADE ISSN: 1981-3031 O IDOSO EM QUESTÃO: ALUNOS DA EDUCAÇÃO DE JOVENS E ADULTOS MOSTRAM SUA VISÃO SOBRE O QUE É SER IDOSO NA ATUALIDADE Eva Pauliana da Silva Gomes 1. Givanildo da Silva 2. Resumo O presente

Leia mais

XI Semana de Extensão, Pesquisa e Pós-Graduação - SEPesq Centro Universitário Ritter dos Reis

XI Semana de Extensão, Pesquisa e Pós-Graduação - SEPesq Centro Universitário Ritter dos Reis - SEPesq A produção Científica em Programas de Stricto Sensu em Design no Brasil 1 André Luis Marques da Silveira 2 Bruna Borges 3 1. Introdução Este texto descreve o projeto de pesquisa intitulado Dissertações

Leia mais

ANÁLISE DOS CONTÉUDOS DE QUÍMICA ABORDADOS NO ENSINO FUNDAMENTAL II

ANÁLISE DOS CONTÉUDOS DE QUÍMICA ABORDADOS NO ENSINO FUNDAMENTAL II ANÁLISE DOS CONTÉUDOS DE QUÍMICA ABORDADOS NO ENSINO FUNDAMENTAL II Thais Cristina de Oliveira Rocha 1 (IC) * André Amaral Gonçalves Bianco 1 (PQ) 1 Universidade Federal de São Paulo (UNIFESP).*thais.cristina1991@gmail.com

Leia mais

O Filme Matrix, Segundo a Teoria Marxista

O Filme Matrix, Segundo a Teoria Marxista O Filme Matrix, Segundo a Teoria Marxista Fabíola dos Santos Cerqueira O homem tem de viver em dois mundos que se contradizem (...) O espirito afirma o seu direito e a sua dignidade perante a anarquia

Leia mais

PROFISSIONAIS DO SEXO UMA PERSPECTIVA ANTROPOLÓGICA DO ESTIGMA DA PROSTITUIÇÃO. Vanessa Petró* 1. Introdução. Comportamento Desviante e Estigma

PROFISSIONAIS DO SEXO UMA PERSPECTIVA ANTROPOLÓGICA DO ESTIGMA DA PROSTITUIÇÃO. Vanessa Petró* 1. Introdução. Comportamento Desviante e Estigma PROFISSIONAIS DO SEXO UMA PERSPECTIVA ANTROPOLÓGICA DO ESTIGMA DA PROSTITUIÇÃO Vanessa Petró* 1 Introdução O presente artigo tem o intuito de desenvolver algumas idéias acerca de comportamentos desviantes

Leia mais

UMA ANÁLISE DO TRATAMENTO DADO À TRIGONOMETRIA EM LIVROS DIDÁTICOS DO ENSINO MÉDIO PUBLICADOS NO BRASIL DO INÍCIO DO SÉCULO XX AOS DIAS ATUAIS

UMA ANÁLISE DO TRATAMENTO DADO À TRIGONOMETRIA EM LIVROS DIDÁTICOS DO ENSINO MÉDIO PUBLICADOS NO BRASIL DO INÍCIO DO SÉCULO XX AOS DIAS ATUAIS ISSN 2316-7785 UMA ANÁLISE DO TRATAMENTO DADO À TRIGONOMETRIA EM LIVROS DIDÁTICOS DO ENSINO MÉDIO PUBLICADOS NO BRASIL DO INÍCIO DO SÉCULO XX AOS DIAS ATUAIS Resumo Adriano Torri Souza UFSM adriano.torrisouza@gmail.com

Leia mais

COMANDOS DE PRODUÇÃO TEXTUAL: ANÁLISE DOS DADOS DE UMA PESQUISA-AÇÃO

COMANDOS DE PRODUÇÃO TEXTUAL: ANÁLISE DOS DADOS DE UMA PESQUISA-AÇÃO 2686 COMANDOS DE PRODUÇÃO TEXTUAL: ANÁLISE DOS DADOS DE UMA PESQUISA-AÇÃO Contexto da Pesquisa Nagely Beatriz Hütner - ESAP O presente artigo versa sobre o relato de uma pesquisa de mestrado que teve como

Leia mais

A INFLUÊNCIA DOCENTE NA (RE)CONSTRUÇÃO DO SIGNIFICADO DE LUGAR POR ALUNOS DE UMA ESCOLA PÚBLICA DE FEIRA DE SANTANA-BA 1

A INFLUÊNCIA DOCENTE NA (RE)CONSTRUÇÃO DO SIGNIFICADO DE LUGAR POR ALUNOS DE UMA ESCOLA PÚBLICA DE FEIRA DE SANTANA-BA 1 64 A INFLUÊNCIA DOCENTE NA (RE)CONSTRUÇÃO DO SIGNIFICADO DE LUGAR POR ALUNOS DE UMA ESCOLA PÚBLICA DE FEIRA DE SANTANA-BA 1 Edson da Silva Santos e-mail: edsonsporte@hotmail.com Bolsista FAPESB, Bacharelando

Leia mais

CRIARCONTEXTO: ANÁLISE DO DISCURSO EM LETRA DE ROCK 1. Faculdade de Letras, Universidade Federal de Goiás, CEP - 74001-970, Brasil

CRIARCONTEXTO: ANÁLISE DO DISCURSO EM LETRA DE ROCK 1. Faculdade de Letras, Universidade Federal de Goiás, CEP - 74001-970, Brasil CRIARCONTEXTO: ANÁLISE DO DISCURSO EM LETRA DE ROCK 1 Larissa Nogueira de Oliveira 2 e Eliane Marquez da Fonseca Fernandes 3 Faculdade de Letras, Universidade Federal de Goiás, CEP - 74001-970, Brasil

Leia mais

Nem tudo o que parece, é! Estereótipos de género, os meios de comunicação social, as e os jovens

Nem tudo o que parece, é! Estereótipos de género, os meios de comunicação social, as e os jovens Nem tudo o que parece, é! Estereótipos de género, os meios de comunicação social, as e os jovens Senhora Presidente da CIG, Caras parceiras e parceiro de mesa, Caras senhoras e caros senhores, É com grande

Leia mais

Notas sobre a Fórmula de Taylor e o estudo de extremos

Notas sobre a Fórmula de Taylor e o estudo de extremos Notas sobre a Fórmula de Taylor e o estudo de etremos O Teorema de Taylor estabelece que sob certas condições) uma função pode ser aproimada na proimidade de algum ponto dado) por um polinómio, de modo

Leia mais

A DOMINAÇÃO JESUÍTICA E O INÍCIO DA LITERATURA NACIONAL

A DOMINAÇÃO JESUÍTICA E O INÍCIO DA LITERATURA NACIONAL A DOMINAÇÃO JESUÍTICA E O INÍCIO DA LITERATURA NACIONAL Ederson da Paixão (Especialista em Educação Especial: Atendimento às Necessidades Especiais Integrante do Projeto de Pesquisa Os Primeiros Dramas

Leia mais

AS ABORDAGENS DA RELIGIÃO NA GEOGRAFIA CULTURAL. META Compreender como abordamos a religião nos estudos de Geografi a Cultural.

AS ABORDAGENS DA RELIGIÃO NA GEOGRAFIA CULTURAL. META Compreender como abordamos a religião nos estudos de Geografi a Cultural. AS ABORDAGENS DA RELIGIÃO NA GEOGRAFIA CULTURAL META Compreender como abordamos a religião nos estudos de Geografi a Cultural. OBJETIVOS Ao final desta aula, o aluno deverá: ser capaz de abordar a religião

Leia mais

MÉTODO PARA REALIZAÇÃO DE REVISÃO DA PRODUÇAO ACADÊMICA NO BRASIL: BANCO DE TESE DA CAPES 1

MÉTODO PARA REALIZAÇÃO DE REVISÃO DA PRODUÇAO ACADÊMICA NO BRASIL: BANCO DE TESE DA CAPES 1 MÉTODO PARA REALIZAÇÃO DE REVISÃO DA PRODUÇAO ACADÊMICA NO BRASIL: BANCO DE TESE DA CAPES 1 André Luiz Borges Milhomem Mestre em Educação UNEMAT andre80@unemat.br Heloisa Salles Gentil Profª Drª do Programa

Leia mais

Percursos da pesquisa de campo: as rodas de conversas e a caracterização dos jovens e seus contextos

Percursos da pesquisa de campo: as rodas de conversas e a caracterização dos jovens e seus contextos 44 5. Percursos da pesquisa de campo: as rodas de conversas e a caracterização dos jovens e seus contextos As rodas de conversa tiveram como proposta convidar os participantes a debater o tema da violência

Leia mais

A FORMAÇÃO PROFISSIONAL DO CIENTISTA SOCIAL: SABERES E COMPETÊNCIAS NECESSÁRIOS

A FORMAÇÃO PROFISSIONAL DO CIENTISTA SOCIAL: SABERES E COMPETÊNCIAS NECESSÁRIOS O JOGO SEGUNDO A TEORIA DO DESENVOLVIMENTO HUMANO DE WALLON Cleudo Alves Freire Daiane Soares da Costa Ronnáli da Costa Rodrigues Rozeli Maria de Almeida Raimunda Ercilia Fernandes S. de Melo Graduandos

Leia mais

TÍTULO: JOGOS DE MATEMÁTICA: EXPERIÊNCIAS NO PROJETO PIBID CATEGORIA: CONCLUÍDO ÁREA: CIÊNCIAS EXATAS E DA TERRA SUBÁREA: MATEMÁTICA

TÍTULO: JOGOS DE MATEMÁTICA: EXPERIÊNCIAS NO PROJETO PIBID CATEGORIA: CONCLUÍDO ÁREA: CIÊNCIAS EXATAS E DA TERRA SUBÁREA: MATEMÁTICA Anais do Conic-Semesp. Volume 1, 2013 - Faculdade Anhanguera de Campinas - Unidade 3. ISSN 2357-8904 TÍTULO: JOGOS DE MATEMÁTICA: EXPERIÊNCIAS NO PROJETO PIBID CATEGORIA: CONCLUÍDO ÁREA: CIÊNCIAS EXATAS

Leia mais

Design de superfície e arte: processo de criação em estamparia têxtil como lugar de encontro. Miriam Levinbook

Design de superfície e arte: processo de criação em estamparia têxtil como lugar de encontro. Miriam Levinbook Design de superfície e arte: processo de criação em estamparia têxtil como lugar de encontro. Miriam Levinbook Resumo: Este artigo propõe conexões a respeito do design de superfície em estamparia têxtil

Leia mais

I SEMINÁRIO INTERDISCIPLINAR DAS CIÊNCIAS DA LINGUAGEM NO CARIRI DE 21 a 23 DE NOVEMBRO DE 2012 - ISSN 2318-8391

I SEMINÁRIO INTERDISCIPLINAR DAS CIÊNCIAS DA LINGUAGEM NO CARIRI DE 21 a 23 DE NOVEMBRO DE 2012 - ISSN 2318-8391 ENSINO E APRENDIZAGEM DE LATIM NA URCA: UM ESTUDO DE CASO SOUZA, Yascara Simão 1 ARRUDA, Francisco Edmar Cialdine 2 RESUMO Este trabalho tem como objetivo apresentar análises colhidas de materiais como

Leia mais

AS CONTRIBUIÇÕES DO SUJEITO PESQUISADOR NAS AULAS DE LEITURA: CONSTRUÇÃO DE SENTIDOS ATRAVÉS DAS IMAGENS

AS CONTRIBUIÇÕES DO SUJEITO PESQUISADOR NAS AULAS DE LEITURA: CONSTRUÇÃO DE SENTIDOS ATRAVÉS DAS IMAGENS AS CONTRIBUIÇÕES DO SUJEITO PESQUISADOR NAS AULAS DE LEITURA: CONSTRUÇÃO DE SENTIDOS ATRAVÉS DAS IMAGENS INTRODUÇÃO Ângela Mª Leite Aires (UEPB) (angelamaryleite@gmail.com) Luciana Fernandes Nery (UEPB)

Leia mais

INSTITUTO DE LETRAS DEPARTAMENTO DE LETRA VERNÁCULAS

INSTITUTO DE LETRAS DEPARTAMENTO DE LETRA VERNÁCULAS INSTITUTO DE LETRAS DEPARTAMENTO DE LETRA VERNÁCULAS PROJETO DE PESQUISA O LÉXICO NO LIVRO DIDÁTICO PROFA. ALBA VALÉRIA SILVA SALVADOR 2013.2 SUMÁRIO 1 RESUMO... 3 2 INTRODUÇÃO... 3 3 RELEVÂNCIA PARA A

Leia mais

Semed 2013 Módulo. Curso de DIANA MÁRGARA RAIDAN CHÁCARA SECRETÁRIA MUNICIPAL DA EDUCAÇÃO LUCINÉIA DE SOUZA OLIVEIRA WALLACE MIRANDA BARBOSA

Semed 2013 Módulo. Curso de DIANA MÁRGARA RAIDAN CHÁCARA SECRETÁRIA MUNICIPAL DA EDUCAÇÃO LUCINÉIA DE SOUZA OLIVEIRA WALLACE MIRANDA BARBOSA ESTADO DO ESPIRITO SANTO PREFEITURA MUNICIPAL DE GUARAPARI SECRETARIA MUNICIPAL DA EDUCAÇÃO Curso de Semed 2013 Módulo DIANA MÁRGARA RAIDAN CHÁCARA SECRETÁRIA MUNICIPAL DA EDUCAÇÃO LUCINÉIA DE SOUZA OLIVEIRA

Leia mais

Subjetividade, afetividade, mídia 1

Subjetividade, afetividade, mídia 1 Subjetividade, afetividade, mídia 1 Edneuza Alves Universidade Católica de Brasília Nesta comunicação, analiso e discuto o relacionamento afetivo do homem moderno através da mídia, tomando como recorte

Leia mais

Trechos do voto do Ministro CELSO DE MELLO proferido na sessão plenária de 22 de outubro de 2012 (AP 470/MG).

Trechos do voto do Ministro CELSO DE MELLO proferido na sessão plenária de 22 de outubro de 2012 (AP 470/MG). Trechos do voto do Ministro CELSO DE MELLO proferido na sessão plenária de 22 de outubro de 2012 (AP 470/MG). Em mais de 44 anos de atuação na área jurídica, primeiramente como membro do Ministério Público

Leia mais

A Formação do Leitor no Contexto da Instituição Escolar. Palavras chave: leitura-leitor-texto-ensino-aprendizagem. Considerações Iniciais

A Formação do Leitor no Contexto da Instituição Escolar. Palavras chave: leitura-leitor-texto-ensino-aprendizagem. Considerações Iniciais A Formação do Leitor no Contexto da Instituição Escolar Palavras chave: leitura-leitor-texto-ensino-aprendizagem Considerações Iniciais Este artigo trata da formação do leitor-proficiente: aquele que,

Leia mais

A LEITURA NA VOZ DO PROFESSOR: O MOVIMENTO DOS SENTIDOS

A LEITURA NA VOZ DO PROFESSOR: O MOVIMENTO DOS SENTIDOS A LEITURA NA VOZ DO PROFESSOR: O MOVIMENTO DOS SENTIDOS Victória Junqueira Franco do Amaral -FFCLRP-USP Soraya Maria Romano Pacífico - FFCLRP-USP Para nosso trabalho foram coletadas 8 redações produzidas

Leia mais

CONSTRUÇÃO DE MATERIAL DIDÁTICO PARA O ENSINO DE PORTUGUÊS PARA ESTRANGEIROS 1

CONSTRUÇÃO DE MATERIAL DIDÁTICO PARA O ENSINO DE PORTUGUÊS PARA ESTRANGEIROS 1 CONSTRUÇÃO DE MATERIAL DIDÁTICO PARA O ENSINO DE PORTUGUÊS PARA ESTRANGEIROS 1 FABRI, Ana Sophia 2 ; RANGEL, Eliane 3 ; BARIN, Nilsa Reichert 4 1 Artigo final produzido no PROBIC- Projeto de bolsisita

Leia mais

O LÚDICO COMO INSTRUMENTO TRANSFORMADOR NO ENSINO DE CIÊNCIAS PARA OS ALUNOS DA EDUCAÇÃO BÁSICA.

O LÚDICO COMO INSTRUMENTO TRANSFORMADOR NO ENSINO DE CIÊNCIAS PARA OS ALUNOS DA EDUCAÇÃO BÁSICA. O LÚDICO COMO INSTRUMENTO TRANSFORMADOR NO ENSINO DE CIÊNCIAS PARA OS ALUNOS DA EDUCAÇÃO BÁSICA. Autor (1)Suzânia Maria Pereira de Araújo; Autor (2) Eleilde de Sousa Oliveira; Orientador (1)Denise Silva

Leia mais

Pontifícia Universidade Católica de Minas Gerais. Anais. IV Seminário Internacional Sociedade Inclusiva

Pontifícia Universidade Católica de Minas Gerais. Anais. IV Seminário Internacional Sociedade Inclusiva Pontifícia Universidade Católica de Minas Gerais Anais IV Seminário Internacional Sociedade Inclusiva Propostas e ações inclusivas: impasses e avanços Belo Horizonte 17 a 20 de outubro de 2006 Sessões

Leia mais

PROCESSO DE TRABALHO DO AGENTE COMUNITÁRIO DE SAÚDE ENQUANTO MORADOR E TRABALHADOR DE SAÚDE INSERIDO NO MESMO TERRITÓRIO

PROCESSO DE TRABALHO DO AGENTE COMUNITÁRIO DE SAÚDE ENQUANTO MORADOR E TRABALHADOR DE SAÚDE INSERIDO NO MESMO TERRITÓRIO 1322 PROCESSO DE TRABALHO DO AGENTE COMUNITÁRIO DE SAÚDE ENQUANTO MORADOR E TRABALHADOR DE SAÚDE INSERIDO NO MESMO TERRITÓRIO Janyelle Silva Mendes¹;Juliana Alves Leite Leal² 1. Graduanda do Curso de Enfermagem,

Leia mais

A dignidade da pessoa humana e os valores da liberdade, da igualdade e da solidariedade

A dignidade da pessoa humana e os valores da liberdade, da igualdade e da solidariedade Direitos humanos: considerações gerais Camila Bressanelli * A dignidade da pessoa humana e os valores da liberdade, da igualdade e da solidariedade Análise contextual: Para o estudo dos direitos humanos

Leia mais

Fundamentos para uma prática pedagógica: convite de casamento

Fundamentos para uma prática pedagógica: convite de casamento Fundamentos para uma prática pedagógica: convite de casamento Fernando José de Almeida Maria Elizabeth Bianconcini de Almeida Casamento não significa felicidade automática e garantida. Isso só acontece

Leia mais

PASSO-A-PASSO PARA DESENVOLVER E REDIGIR UM ARTIGO CIENTÍFICO

PASSO-A-PASSO PARA DESENVOLVER E REDIGIR UM ARTIGO CIENTÍFICO CURSO DE PEDAGOGIA EaD PASSO-A-PASSO PARA DESENVOLVER E REDIGIR UM ARTIGO CIENTÍFICO 1. CARACTERÍSTICAS E CONCEITUAÇÃO Este texto trata a respeito das Normas da ABNT com a finalidade de orientar os acadêmicos

Leia mais

Os gêneros do discurso na sala de aula: um enfoque para o professor de ensino médio Victoria Wilson (FFP-UERJ)

Os gêneros do discurso na sala de aula: um enfoque para o professor de ensino médio Victoria Wilson (FFP-UERJ) Os gêneros do discurso na sala de aula: um enfoque para o professor de ensino médio Victoria Wilson (FFP-UERJ) Parte I: Reflexões iniciais Desde a implementação dos Parâmetros Curriculares Nacionais (2000),

Leia mais

PRINCÍPIO DO DESENVOLVIMENTO SUSTENTÁVEL COMO UM DIREITO FUNDAMENTAL

PRINCÍPIO DO DESENVOLVIMENTO SUSTENTÁVEL COMO UM DIREITO FUNDAMENTAL PRINCÍPIO DO DESENVOLVIMENTO SUSTENTÁVEL COMO UM DIREITO FUNDAMENTAL Fernando Souza OLIVEIRA 1 Pedro Anderson da SILVA 2 RESUMO Princípio do Desenvolvimento Sustentável como um direito e garantia fundamental,

Leia mais

O que é coleta de dados?

O que é coleta de dados? O que é coleta de dados? Segundo Bandeira (2004) no projeto de pesquisa, o pesquisador deverá descrever detalhadamente o método que usará para coletar seus dados. Basicamente ele pode adotar como método

Leia mais