UNIVERSIDADE ANHEMBI MORUMBI LUIS CARLOS PESSOTO FILHO LUIZ FELIPE FERNANDES GENTILE NAILSON COELHO COSTA

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "UNIVERSIDADE ANHEMBI MORUMBI LUIS CARLOS PESSOTO FILHO LUIZ FELIPE FERNANDES GENTILE NAILSON COELHO COSTA"

Transcrição

1 UNIVERSIDADE ANHEMBI MORUMBI LUIS CARLOS PESSOTO FILHO LUIZ FELIPE FERNANDES GENTILE NAILSON COELHO COSTA SOLUÇÃO DE DATA WAREHOUSE COM ESQUEMAS DINÂMICOS PARA LEVANTAMENTO ESTATÍSTICO DOS DADOS DE OBSERVAÇÃO DO USO DE SERVIÇOS PÚBLICOS São Paulo 2009

2 LUIS CARLOS PESSOTO FILHO LUIZ FELIPE FERNANDES GENTILE NAILSON COELHO COSTA SOLUÇÃO DE DATA WAREHOUSE COM ESQUEMAS DINÂMICOS PARA LEVANTAMENTO ESTATÍSTICO DOS DADOS DE OBSERVAÇÃO DO USO DE SERVIÇOS PÚBLICOS Trabalho de Conclusão de Curso apresentado como exigência parcial para a obtenção de título de Graduação do Curso de Ciência da Computação na Universidade Anhembi Morumbi. Orientadora: Dra. Judith Virginia Pavón Mendonza. São Paulo 2009

3 LUIS CARLOS PESSOTO FILHO LUIZ FELIPE FERNANDES GENTILE NAILSON COELHO COSTA SOLUÇÃO DE DATA WAREHOUSE COM ESQUEMAS DINÂMICOS PARA LEVANTAMENTO ESTATÍSTICO DOS DADOS DE OBSERVAÇÃO DO USO DE SERVIÇOS PÚBLICOS Trabalho de Conclusão de Curso apresentado como exigência parcial para a obtenção de título de Graduação do Curso de Ciência da Computação na Universidade Anhembi Morumbi. Aprovado em Profª. Dra. JUDITH VIRGINIA PAVÓN MENDONZA Universidade Anhembi Morumbi Prof. FABIANO DO PRADO MARQUES Universidade Anhembi Morumbi Profª. REGIANE APARECIDA MARUCCI Universidade Anhembi Morumbi

4 AGRADECIMENTOS Agrademos primeiramente a Deus por nos dar força, sabedoria, paciência, amizade, compreensão para que ao longo desse trabalho pudéssemos conviver com muitas pessoas diferentes em muitos aspectos e conseguir trabalhar com todas em harmonia. Agrademos aos nossos familiares e amigos que por muitas vezes tiveram que nos aguentar em momentos difíceis e de muita pressão e que conseguiram com sua verdadeira amizade e compreensão nos ajudar a superar tais momentos. Agradecemos à Prof. Dra. Judith Pavón por ter no orientado com sua paciência e sabedoria ao longo desse trabalho e por nos ter ajudado a alcançar esse objetivo que foi traçado no inicio do ano e que com muito trabalho e esforço de todos foi atingido. Agradecemos à equipe do e-poupatempo por nos ter ajudado disponibilizando as informações necessárias quando lhes foi solicitado. Agradecemos aos professores que ao longo do curso nos orientaram e nos ensinaram e ao coordenador do curso, o professor Luciano Freire que sempre que foi necessário estava à disposição para nos atender e nos ajudar. E agradecemos a todas as outras pessoas que direta ou indiretamente nos ajudaram em todo esse processo ao longo desse ano.

5 RESUMO Quando se fala em empresas e órgãos governamentais, existe a necessidade de se levar em consideração os avanços tecnológicos, pois, cada vez mais essas instituições estão aproveitando os benefícios dos recursos tecnológicos disponíveis no mercado em suas atividades. Um exemplo disso é o e-poupatempo, uma iniciativa de governo eletrônico (egov) do estado de São Paulo que visa garantir a rapidez e eficiência dos serviços disponibilizados pelo governo, aliando essa iniciativa com a expansão da inclusão digital. Idealizadores do e-poupatempo realizam regularmente pesquisas, chamadas de campanhas, nas suas unidades para ter informações sobre usabilidade, tipos de usuário dos serviços, tempo médio de atendimento e dificuldades que enfrentam estes usuários quando utilizam os serviços disponíveis no e-poupatempo. Estas campanhas geram relatórios, que são utilizados em análises e confecção de laudos, que ajudam nas tomadas de decisões para melhoria dos serviços. O grande problema é que atualmente os gestores do e-poupatempo dependem da equipe de TI para que a geração desses relatórios seja possível. A equipe do e-poupatempo possui um Data Warehouse (DW) baseada em apenas uma campanha e que foi desenvolvido por um grupo de alunos que concluíram o curso de Sistemas de Informação no final do ano de Porém a necessidade atual do e-poupatempo é ter um DW que possa armazenar informações das diversas campanhas que são aplicadas nas salas e com isso gerar os relatórios necessários para auxiliar nas tomadas de decisões e análises dos dados coletados. Neste trabalho será construído um DW, que permitirá aos usuários confeccionar diferentes tipos de relatórios com base nos dados levantados nas diversas campanhas, tendo assim, maior rapidez nas tomadas de decisões. O diferencial desse trabalho consiste no uso de esquemas dinâmicos de Bancos de Dados (BDs), que permite aos gestores ter uma maior flexibilidade no modelo e na escolha de dimensões. Palavras-chave: Data Warehouse, Esquemas Dinâmicos, Banco de Dados, e-poupatempo

6 ABSTRACT When it comes to companies and government agencies, we must take into account technological advances, therefore, this institutions are increasingly taking advantage of technological resources available on the market in its activities. One example is e- Poupatempo an initiative for electronic government (e-gov) from the state of Sao Paulo which aims to ensure speed and efficiency of services provided by government, combining this effort with the expansion of digital inclusion. E-Poupatempo s developers regularly created researches, called Campaigns in their units to have a notion on usability, like types of users of the services, average attendance and difficulties faced by these users when they use the services available on e-poupatempo. These campaigns generate reports, which are used in analysis and production of reports, which helps in decision-making to improve services. The big problem is that currently the managers of e- Poupatempo depend on IT staff to produce them. The team of e-poupatempo has a Data Warehouse (DW) based on a single campaign that was developed by a group of students who completed the course in Information Systems at the end of But the e-poupatempo s actual need is a data warehouse that can store information from the various campaigns that are applied in classrooms and thus generate the necessary reports to assist in decision-making and analysis of data collected. This work will build a data warehouse, which will allow users to build different types of reports based on data collected in different campaigns, and thus greater speed on decision making. The differential of this work is the use of dynamic schemas of Database, which allows managers to have greater flexibility in the model and the choice of dimensions. Key Words: Data Warehouse, Esquemas Dinâmicos, Banco de Dados, e-poupatempo

7 LISTA DE FIGURAS Figura 1 - Portal do e-poupatempo...17 Figura 2 - Cubo...21 Figura 3 Modelo Estrela...25 Figura 4 - Modelo Snowflake...26 Figura 5 - Constelação de Fatos...27 Figura 6 - Planilha de Atendimento Campanha de Fundo...32 Figura 7 - Planilha de Atendimento Campanha Especifica...33 Figura 8 - Informação sobre as Campanhas Especifica...35 Figura 9 - Tabelas...35 Figura 10 - Banco de Dados Relacional...37 Figura 11- Modelagem Data Warehouse...38 Figura 12 Criação do Banco de Dados...40 Figura 13 Criação do DataSource BDEPOUPATEMPO...41 Figura 14 Criação do DataSource View BDEPOUPATEMPO...42 Figura 15 Visualização do DataSource View...42 Figura 16 Selecionando as tabelas Fato...43 Figura 17 Selecionando as dimensões...43 Figura 18 Estrutura do Cubo...44 Figura 19 Editando as medidas...45 Figura 20 Adicionando atributos às dimensões...45 Figura 21 Tratando a dimensão de tempo...46 Figura 22 Processando o Cubo...46 Figura 23 Analisando os resultados...47 Figura 24 Tela inicial do Microsoft Excel...48 Figura 25 Opções do submenu...49 Figura 26 Configuração da Conexão com Analysis Services...49 Figura 27 Tela de seleção do BD e do Cubo...49 Figura 28 Nomeando o Arquivo de Conexão...50 Figura 29 Tipos de conexão...50 Figura 30 - Total de Atendimentos por Local...51 Figura 31 - Total de Atendimentos por Periodo...51 Figura 32 Total de Atendimentos por Órgão...51

8 Figura 33 - Total de Atendimentos por Serviço...52 Figura 34- Campanhas Especificas...52 Figura 35 - Total de Ajuda por Serviço...52 Figura 36 - Tempo Médio por Serviço...53

9 LISTA DE TABELAS Tabela 1 - Nível Operacional x Nível SAD - Fonte: Navarro, Tabela 2 - Tabela Fato, Dimensão e Medidas Fonte: O autor (2009)...39

10 SUMÁRIO 1 INTRODUÇÃO OBJETIVO JUSTIFICATIVA ABRANGÊNCIA ESTRUTURA DO TRABALHO GOVERNO ELETRÔNICO DEFINIÇÃO TRANSAÇÕES PRINCIPAIS FUNÇÕES E-POUPATEMPO Sobre e-poupatempo DATA WAREHOUSE INTRODUÇÃO Características Conceitos Granularidade Fatos Dimensões Medidas DATAMARTS METADADOS ETL (EXTRACT, TRANSFORM AND LOAD) Extração Transformação Carga Ferramentas para ETL MODELOS MULTIDIMENSIONAIS Tipos de Modelos Multidimensionais ESQUEMAS DINÂMICOS TRABALHOS RELACIONADOS APRESENTAÇÃO DO ESTUDO DE CASO CAMPANHAS...31

11 4.1.2 Campanha de Fundo Campanhas Específicas EXEMPLO DE UTILIZAÇÃO DE ESQUEMAS DINÂMICOS LEVANTAMENTO DE REQUISITOS MODELO DE DADOS RELACIONAL MODELAGEM DO DATA WAREHOUSE IMPLEMENTAÇÃO DA SOLUÇÃO ANÁLISE DOS RESULTADOS CONCLUSÕES E TRABALHOS FUTUROS REFERÊNCIAS BIBLIOGRÁFICAS ANEXO I - CARGA DOS DADOS PARA SCHEMA BDEPOUPATEMPO 58

12 12 1 INTRODUÇÃO Para obter um diferencial, empresas procuram novas formas para se destacar no mercado, uma estratégia de sucesso é dispor de informações cruciais para as tomadas de decisão. Isso é possível, se o Gestor ou tomador de decisões consegue acessar as informações relevantes para o negócio a partir de diferentes perspectivas, sem depender dos profissionais da área de TI. Uma dessas formas que possibilita uma análise rápida é o DW, que fornece informações que dão apoio nas tomadas de decisões através de relatórios constantemente atualizados, de acordo com a necessidade do usuário. Além de empresas, órgãos governamentais se utilizam também do DW, não visando à competitividade, mas sim, melhorias para a população em geral e para o estado como um todo. Um exemplo disso é o e-poupatempo, iniciativa do governo do estado de São Paulo, que substitui muitos dos serviços presencias por serviços on-line. Além de disponibilizar esses serviços para que qualquer pessoa que tenha acesso à internet possa acessá-los, o e- Poupatempo dispõe de salas espalhadas pelas unidades do Poupatempo onde o cidadão pode acessar esses serviços e ainda tem a sua disposição monitores que auxiliam na execução dos mesmos. No decorrer do trabalho, será apresentada a implementação e utilização de uma ferramenta de DW na gestão de informações geradas pelas campanhas organizadas pelo e- Poupatempo e aplicadas nas diversas salas espalhadas nos postos do Poupatempo e nos postos móveis. Campanhas são tipos de pesquisas realizadas pelos próprios monitores/atendentes e que será explicado com mais detalhes no capitulo OBJETIVO Atualmente, em todas as salas do e-poupatempo são realizadas pesquisas pelos próprios atendentes com a finalidade de coletar informações sobre o perfil do cidadão e suas dificuldades nas realizações dos serviços públicos eletrônicos, visando à melhoria desses serviços. O objetivo desse trabalho é modelar uma aplicação baseada em um DW para permitir que o próprio Gestor possa criar, sem intervenção da área de TI, diversos tipos de relatórios de acordo as necessidades do negócio, e assim, ajudar na tomada de decisões do e- Poupatempo.

13 JUSTIFICATIVA O e-poupatempo não possui uma ferramenta de auxílio à análise dos dados obtidos através das pesquisas e de visualização desses dados por diferentes critérios e a partir de diferentes perspectivas. Diante desse problema, pretende-se modelar uma solução que atenda essas necessidades, disponibilizando para os gestores do e-poupatempo, relatórios que servirão para auxiliar na análise dos dados coletados e que possa ser utilizada como uma ferramenta de apoio à decisão. Essa ferramenta será capaz de gerar relatórios a partir de campanhas que poderão ser criadas a qualquer momento pela equipe do e-poupatempo denominadas Campanhas Específicas. Esse é o ponto principal desse trabalho, que para poder disponibilizar esses relatórios, se utilizará dos conceitos de esquemas dinâmicos de BDs na criação do DW. Ao longo desse trabalho será explicado o que é uma campanha, o que é um esquema dinâmico e como ele será aplicado. 1.3 ABRANGÊNCIA Esse trabalho pretende realizar o levantamento de requisitos e modelar uma aplicação baseada em um DW que sirva de solução para o problema exposto, que permitirá que os gestores do e-poupatempo analisem os dados obtidos pelas campanhas sob diversas perspectivas, sem que pra isso seja necessária a intervenção da equipe técnica para a criação dos relatórios. Devido à falta de dados, será disponibilizado ao final desse trabalho toda a documentação e uma prévia de como será essa aplicação, pois para que todos os testes sejam realizados com sucesso, existe a necessidade de uma grande massa de dados e a mesma não existe, pois as coletas dos dados tiveram inicio em Outubro de ESTRUTURA DO TRABALHO O trabalho foi estruturado da seguinte forma: No capítulo 2 são abordados os conceitos de Governo Eletrônico, incluindo suas definições, transações e principais funções, inclui também conceitos sobre e-poupatempo. No capítulo 3 são abordados os conceitos de Data Warehouse, incluindo conceitos básicos, importância, características. No capitulo 4 é apresentado o estudo de caso, incluindo os conceitos de campanha, levantamento de requisitos e modelo de dados relacional.

14 14 No capítulo 5 é apresentada a modelagem do Data Warehouse. No capítulo 6 é apresentada a implementação do modelo dividida em Extração dos dados, Transformação dos dados, Construção do Cubo e Processamento do Cubo. No capítulo 7 é apresentada a análise dos resultados obtidos. No capítulo 8 é apresentada a conclusão do grupo sobre o trabalho.

15 15 2 GOVERNO ELETRÔNICO O Governo Eletrônico (e-gov) é uma tendência mundial e tem como objetivo estabelecer uma melhor relação entre o setor público e seu público-alvo, utilizando a tecnologia de informação como elo. 2.1 DEFINIÇÃO Os aparelhos governamentais, no início dessa década, impulsionados pela evolução dos processos tecnológicos e pela necessidade de reestruturação e modernização das ações governamentais, conceberam a idéia de aperfeiçoar, facilitar e disseminar os serviços prestados pelo setor público utilizando a tecnologia de informação e comunicação (TIC) como ferramenta. Essa idéia foi intitulada Governo Eletrônico. (RIBEIRO, 2009) 2.2 TRANSAÇÕES O Governo Eletrônico atua principalmente em três tipos de transações: a) G2G (Government to Government): transações intra ou inter-governos, geralmente feitas em sistemas de gestão interna, criados e mantidos pelo próprio governo para otimizar seus canais de informação. São esses tipos de transações que permitem, por exemplo, que os Cadastros de Pessoa Física (CPF) sejam emitidos em qualquer município do Brasil e mesmo assim, obedeçam a uma numeração única e nacionalmente conhecida. b) G2B (Government to Business): transações entre o Governo e as empresas, é a transação menos comum, mas com grande potencial para crescer. Em alguns países, por exemplo, já é possível cadastrar-se como fornecedor de um produto de interesse do Governo, ou candidatar-se a uma licitação através da Internet. c) G2C (Government to Citizens): transações entre o Governo e os cidadãos, são as transações mais comuns, e são amplamente difundidas nos países com tradição democrática. Um exemplo comum são os sites que o Governo disponibiliza aos cidadãos para execução de serviços que anteriormente só poderiam ser feitos presencialmente, como o Boletim de Ocorrência que hoje pode ser feito pela Internet.

16 PRINCIPAIS FUNÇÕES O Programa de Governo Eletrônico brasileiro se compromete a transformar as relações entre Governo, Cidadãos e Empresas buscando: a) Aprimorar a qualidade dos serviços prestados b) Promover a interação com empresas e indústrias c) Fortalecer a participação cidadã através do acesso à informação d) Tornar a administração governamental mais eficiente A adesão ao Governo Eletrônico traz diversos benefícios, tanto para o próprio governo, que diminui seus gastos na execução dos serviços e garante transparência em suas ações, como para o cidadão, que não precisa mais se deslocar ao posto de serviço, não enfrenta filas, e na grande maioria dos casos acessa os serviços a qualquer hora e de qualquer lugar. 2.4 E-POUPATEMPO Conforme o relatório técnico sobre a ética na pesquisa com cidadão, a monitoração dos usuários durante a utilização dos serviços públicos eletrônicos foi realizada em salas que receberam o nome de e-poupatempo. Neste local, cidadãos podem acessar qualquer site governamental ou público de interesse, sendo auxiliados, quando necessário, por pessoal treinado e especializado tanto na utilização de tais serviços quanto no manuseio dos equipamentos (FILGUEIRAS; FERREIRA, 2006, p. 6). Neste mesmo ambiente foi instalado o Laboratório de Interação Homem-Computador (LabIHC), que tem a responsabilidade de identificar e avaliar barreiras que dificultam ou impedem a utilização dos serviços eletrônicos. O e-poupatempo é uma iniciativa do Governo do Estado de São Paulo, que busca levar o padrão de qualidade do atendimento do Poupatempo para o meio eletrônico. Atualmente o e-poupatempo conta com várias salas de atendimento dentro dos postos do e-poupatempo, e com bases móveis que fazem um revezamento nas cidades onde não existem postos fixos do Poupatempo. Tudo isso serve para aproximar o cidadão dos serviços que ele tem disponível a partir da sua própria casa, bastando ter apenas acesso à internet para realizar os serviços disponíveis no site. Na figura 1 é apresentada a página inicial do e-poupatempo no site do Poupatempo.

17 17 Figura 1 - Portal do e-poupatempo - Fonte: e-poupatempo (2008) Sobre e-poupatempo O projeto e-poupatempo, além de visar à padronização dos serviços de governo eletrônico existentes na esfera estadual, tornando sua utilização mais fácil, rápida, intuitiva e menos burocrática, têm como objetivo também fornecer os meios para que os cidadãos possam conhecer e utilizar esse tipo de serviço. Com esse propósito, foram criadas as salas de atendimento e-poupatempo dentro dos Poupatempos espalhados pelo Estado de São Paulo, essas salas além de fornecer acesso à internet e orientação para utilização dos serviços disponíveis em meio eletrônico, ainda permitem que essa utilização seja monitorada e posteriormente avaliada contribuindo para a análise dos serviços existentes atualmente e garantindo um salto na qualidade e eficiência dos serviços já existentes e uma melhor base para a elaboração dos novos serviços a serem disponibilizados. Alguns exemplos de serviços oferecidos pelo e-poupatempo são: Boletim de Ocorrência, Carteira Nacional de Habilitação, Segunda via de RG, Carteira de Trabalho Profissional, etc.

18 18 3 DATA WAREHOUSE Os DWs são ambientes desenvolvidos para armazenar grandes quantidades de dados que posteriormente serão utilizados para análises e tomadas de decisões. No decorrer desse capítulo, são apresentados os conceitos, características, tipos de modelos e ferramentas para extração dos dados. São abordados também os conceitos de esquemas dinâmicos de banco de dados. 3.1 INTRODUÇÃO Os sistemas e as bases de dados disponíveis hoje dentro das organizações foram concebidos e implantados para atender as necessidades do setor operacional, onde os dados relevantes são, geralmente, os dados do período atual e a fronteira de sua informação está delimitada pela área de atuação do departamento que utiliza aquele sistema. (NAVARRO, 2009). Na tomada de decisões, o nível gerencial e estratégico da organização precisa conhecer a tendência desses dados ao longo do tempo, e precisa cruzar dados advindos de diversos setores da empresa. A tabela 1 mostra a diferença entre os dois níveis: Tabela 1 - Nível Operacional x Nível SAD - Fonte: Navarro, 2009 Tópico ou Função Nível Operacional Nível Suporte à Decisão Conteúdo dos Dados Valores Correntes Dados históricos, consolidados e trabalhados. Organização dos Dados Orientada à Aplicação Orientado à Informação Natureza dos Dados Estrutura e Formato dos Dados Dinâmica, Dados Normalizados. Complexos, desejáveis para computação operacional. Estática, dados desnormalizados. Simples, desejáveis para análise de negócios. Possibilidade de Acesso Alta Moderada a Baixa Atualização Contínua Periódica Aplicação Não-estruturada, Estruturada, processamento processamento analítico. repetitivo. Tempo de Resposta Entre 2 e 30 segundos Segundos a minutos O processo de tomada de decisão deve considerar a empresa como um todo, desde o nível mais operacional até ao mais alto escalão. Nesse cenário um Sistema de Apoio à decisão

19 19 (SAD) mostra sua importância, disponibilizando uma visão mais apurada das informações e garantindo maior segurança no processo decisório. Os DWs são criados pelas organizações justamente para atuar nessa realidade, fornecendo informações precisas e confiáveis aos SAD s e esses fornecendo aos gerentes uma visão global da organização, permitindo uma tomada de decisão mais precisa. (PARIS, 2009). Um DW como a própria tradução do nome diz, é basicamente um Armazém de Dados. Sua principal função é o armazenamento dos dados de uma empresa, de forma a dar suporte à tomada de decisões da organização. A arquitetura DW é amplamente utilizada em SAD s para auxiliar o corpo gerencial e estratégico da empresa na tomada de melhores decisões para o rumo das operações e processos da companhia. (MACHADO, 2004) Características Uma das grandes diferenças de um DW é o seu ciclo de vida. Em um banco de dados operacional, primeiro entende-se a necessidade e somente após esse processo é que se inicia a fase de projeto e desenvolvimento. Em um DW, quase que acontece de maneira inversa, pois uma vez tendo os dados sob controle, é feita a integração, testes para verificar distorções, codificação dos dados, e, somente após todo esse processo é que os resultados obtidos são analisados e finalmente os requisitos do sistema são compreendidos (INMON, 1997). Existem várias características que são pertinentes ao DW, a seguir as quatro principais: a) Orientação por Assunto: As informações armazenadas em um DW são agrupadas por assunto e cada um está relacionado a um processo de interesse da empresa. b) Não Volátil: Os dados são carregados e depois ficam disponíveis para serem acessados. Não existe manipulação dos dados no que diz respeito à alteração, modificação dos mesmos. c) Variação de Tempo: Os dados não podem ser alterados, mas ao longo do tempo, dependendo do momento que o mesmo esteja sendo analisado ele pode variar. Nesse contexto o campo data é o elemento principal para que as análises ou comparações possam ser realizadas. d) Integração: Os dados podem vir de várias fontes e antes de serem carregados, passam por alguns processos que fazem com que sejam filtrados e agregados e isso garante que tudo esteja unificado.

20 Conceitos Abaixo serão apresentados alguns dos principais conceitos básicos de DW, incluindo granularidade, fato, dimensão e medidas Granularidade A granularidade refere-se ao nível de sumarização dos elementos e de detalhes disponíveis nos dados. Quanto maior foi o nível de detalhamento mais baixo será o nível de granularidade e quanto menor for o nível de detalhamento mais alto será o nível de granularidade e esse é o mais importante aspecto de um projeto de DW. Durante o projeto do DW essa é a questão mais crítica a ser tratada, pois, quanto maior for o volume de dados menor será a performance e isso está diretamente relacionado à questão de maior nível de detalhamento, pois isso implica a necessidade de maior espaço para armazenamento dos dados, em contrapartida, quanto menor for o nível de detalhamento menos espaço será necessário para armazenar os dados, mas em uma eventual análise, menos dados serão analisados e isso pode afetar em uma tomada de decisão Fatos Utilizado para analisar o processo que envolve um negócio da empresa, o fato é uma coleção de itens de dados e essa coleção é composta de dados de medidas e de contexto. Cada fato ao longo do tempo representará a evolução da organização dia após dia, em uma modelagem podem existir mais de um fato, depende dos processos da empresa. A principal característica de um fato é que ele é representado por valores numéricos, como por exemplo, quantidade de produtos vendidos, e são implementados em tabelas, por esse motivo as mesmas são denominadas tabelas de fato (INMON, 1997) Dimensões Uma aplicação que se baseia em DW tem por finalidade analisar os dados coletados ao longo de um período e a partir daí, ajudar na análise dos mesmos e emitir relatórios para auxiliar nas tomadas de decisões. Em uma empresa de venda de produtos, por exemplo,

21 21 muitas vezes é necessário avaliar o quando um determinado produto vende por semana, por mês, por ano, e essas visualizações nada mais são que as dimensões, ou seja, representam as possíveis formas de visualização dos dados e conceitualmente são todos os elementos que fazem parte de um fato. Cada dimensão pode ou não conter membros e caso existam, passam a fazer parte de uma hierarquia. Uma hierarquia representa a classificação dos dados dentro de uma dimensão e caso a modelagem não seja bem feita, isso pode inviabilizar uma analise mais global sobre um dado especifico Medidas São consideradas medidas, todos os atributos numéricos que representam um fato e é determinada pela combinação das dimensões que participam do mesmo. Usando como base o exemplo utilizado na explicação de dimensões, a quantidade de um determinado produto que foi vendido em um determinado mês é chamada de medida, esses valores numéricos são conhecidos como variáveis (KIMBALL, 2007). A Figura 2 é uma representação de um cubo onde o fato corresponde à Venda de Produtos, existem três dimensões, Região, Produto e Mês e as medidas surgem a partir do relacionamento entre as dimensões, por exemplo: Quantidade de Suco. Figura 2 - Cubo - Fonte: Nardi (2009)

22 DATAMARTS O termo DataMart designa um subconjunto do DW que contém os dados sobre um setor ou departamento específico da empresa. Geralmente os DWs são constituídos de diversos DataMarts, onde cada DataMart é modelado com foco em um departamento ou setor específico da empresa. Em suma, um DataMart possui as mesmas características de um DW, só que possui menor proporção, e é direcionado para um departamento da empresa ou assunto específico. 3.3 METADADOS A idéia mais comum que se tem sobre Metadados é que eles representam dados sobre dados. De uma forma um pouco mais completa podemos dizer que o metadado é a descrição do dado, do ambiente onde ele reside, como ele é manipulado e para onde é distribuído". Outra forma, mais concisa e direta, é definir metadado como "documentação" (TRONCHIN, 1998). Sem metadados, os dados não têm significado, e ações como a de localizar informações contidas em um DW tornam-se uma tarefa muito difícil, semelhante a procurar o telefone de uma pessoa sem a ajuda de uma lista telefônica. 3.4 ETL (EXTRACT, TRANSFORM AND LOAD) A extração, transformação e carga dos dados devem ser feitas com o intuito de garantir a integridade da informação para que, desta forma, seja construída, uma base de dados confiável e com qualidade, que realmente demonstre a realidade dos negócios da empresa. O ETL é importante, pois constituem tarefas criticas para seu funcionamento efetivo e eficiente. O processo de ETL é um processo que envolve: a) a extração dos dados vinda de diversas fontes externas, podendo ser bancos de dados relacionais ou ate arquivos textos; b) a transformação destes arquivos para atender às necessidades de negócios que são solicitadas, isto é, a informação chega de forma bruta e sai com as devidas formatações requeridas pelo usuário. c) a carga destes dados, já modificados e transformados para a forma que o usuário

23 23 deseja, no DW. Com isso, cada tópico estará explicando de uma forma mais abrangente a definição de cada um dos tópicos de ETL (Extração, Transformação e Carga) Extração Durante a implementação de um DW, a primeira parte do processo é a extração de dados dos sistemas de origem, este podendo ser feito de diversas fontes como bancos de dados relacionais ou arquivos texto, chamados de flat files. Cada sistema pode também utilizar um formato ou organização de dados diferente. Formatos de dados comuns são bases de dados relacionais e flat files ou em português, arquivos planos, mas podem incluir estruturas de bases de dados não relacionais. A extração converte para um determinado formato para a entrada no processamento da transformação, fazendo com que estes cheguem de forma mais limpa e clara. Os tipos de tratamentos mais comuns no processo de extração são: a) Resolução de conflitos de nomes; b) Conversão de dados para um tipo de unidade de medida comum; c) Padronização no formato de datas Transformação A fase de transformação (transform) funciona como um filtro nos dados vindos da extração, aplicando uma série de regras aos dados que serão carregados. Algumas fontes de dados não precisarão de tantas mudanças, pois podem ser que já estejam corretos sendo assim necessitarão de pouca manipulação nos dados. Em caso contrário, pode ser necessário um ou mais de um dos seguintes tipos de transformação: 1 Seleção de apenas determinadas colunas para carregar; 2 Tradução de valores codificados, o que é conhecido como limpeza de dados; 3 Codificação de valores, mapeando, por exemplo, Masculino, "1 e Sr. para M; 4 Derivação de um novo valor calculado; 5 União de dados extraídos de diversas fontes;

24 24 6 Resumo de várias linhas de dados; 7 Geração de valores de chaves substitutas; 8 Transformação de múltiplas colunas em múltiplas linhas ou vice-versa (Rotação); 9 Quebra de uma coluna em diversas colunas Carga A fase de carga, como o próprio nome já diz, faz a carga do DW, isto é, carrega os dados no ambiente. Dependendo do tipo de necessidade da organização, este processo pode variar. Alguns DWs podem substituir as informações existentes semanalmente, com dados atualizados, ao passo que outro, ou até outras partes do mesmo DW, podem acrescentar dados a cada hora. Essa medida de tempo entre as cargas depende do tempo disponível e das necessidades de negócios. Sistemas mais complexos podem manter um histórico de todas as mudanças sofridas pelos dados Ferramentas para ETL Existem no mercado muitas ferramentas para realizar o ETL, cuja função principal é a de extrair os dados de diversas fontes heterogêneas, transformarem esses dados a partir de regras de negócios pré-definidas e a partir daí, realizar a carga em um DW ou Data Mart. A maioria das fontes de onde os dados são extraídos são BDs relacionais, mas existem diversos outros tipos de fontes e as ferramentas de ETL devem ser capazes de ler as informações. As ferramentas mais usadas e mais poderosas existentes no mercado são o PowerCenter da Informática e o DataStage da IBM. Ambas possuem como grande diferencial a questão da portabilidade, não necessitam de um banco de dados especifico para funcionar, pois podem acessar informações de bases heterogêneas. Um diferencial do PowerCenter é que seu processamento pode ser em modo batch ou em tempo real devido sua estrutura. O DataStage tem como principal característica a utilização do processamento em paralelo o que otimiza a extração. 3.5 MODELOS MULTIDIMENSIONAIS São técnicas de modelagem que auxiliam no ganho de performance nas consultas e servem basicamente para consultas analíticas. Essa modelagem é feita a partir do

DATA WAREHOUSE. Introdução

DATA WAREHOUSE. Introdução DATA WAREHOUSE Introdução O grande crescimento do ambiente de negócios, médias e grandes empresas armazenam também um alto volume de informações, onde que juntamente com a tecnologia da informação, a correta

Leia mais

Data Warehouse. Debora Marrach Renata Miwa Tsuruda

Data Warehouse. Debora Marrach Renata Miwa Tsuruda Debora Marrach Renata Miwa Tsuruda Agenda Introdução Contexto corporativo Agenda Introdução Contexto corporativo Introdução O conceito de Data Warehouse surgiu da necessidade de integrar dados corporativos

Leia mais

Modelo de dados do Data Warehouse

Modelo de dados do Data Warehouse Modelo de dados do Data Warehouse Ricardo Andreatto O modelo de dados tem um papel fundamental para o desenvolvimento interativo do data warehouse. Quando os esforços de desenvolvimentos são baseados em

Leia mais

Data Warehousing. Leonardo da Silva Leandro. CIn.ufpe.br

Data Warehousing. Leonardo da Silva Leandro. CIn.ufpe.br Data Warehousing Leonardo da Silva Leandro Agenda Conceito Elementos básicos de um DW Arquitetura do DW Top-Down Bottom-Up Distribuído Modelo de Dados Estrela Snowflake Aplicação Conceito Em português:

Leia mais

Planejamento Estratégico de TI. Prof.: Fernando Ascani

Planejamento Estratégico de TI. Prof.: Fernando Ascani Planejamento Estratégico de TI Prof.: Fernando Ascani Data Warehouse - Conceitos Hoje em dia uma organização precisa utilizar toda informação disponível para criar e manter vantagem competitiva. Sai na

Leia mais

SUMÁRIO 1. INTRODUÇÃO... 2 2. O QUE É DATA WAREHOUSE?... 2 3. O QUE DATA WAREHOUSE NÃO É... 4 4. IMPORTANTE SABER SOBRE DATA WAREHOUSE... 5 4.

SUMÁRIO 1. INTRODUÇÃO... 2 2. O QUE É DATA WAREHOUSE?... 2 3. O QUE DATA WAREHOUSE NÃO É... 4 4. IMPORTANTE SABER SOBRE DATA WAREHOUSE... 5 4. SUMÁRIO 1. INTRODUÇÃO... 2 2. O QUE É DATA WAREHOUSE?... 2 3. O QUE DATA WAREHOUSE NÃO É... 4 4. IMPORTANTE SABER SOBRE DATA WAREHOUSE... 5 4.1 Armazenamento... 5 4.2 Modelagem... 6 4.3 Metadado... 6 4.4

Leia mais

SISTEMAS DE INFORMAÇÕES GERENCIAIS

SISTEMAS DE INFORMAÇÕES GERENCIAIS 1 SISTEMAS DE INFORMAÇÕES GERENCIAIS John F. Eichstaedt, Toni Édio Degenhardt Professora: Eliana V. Jaeger RESUMO: Este artigo mostra o que é um SIG (Sistema de Informação gerencial) em uma aplicação prática

Leia mais

5 Estudo de Caso. 5.1. Material selecionado para o estudo de caso

5 Estudo de Caso. 5.1. Material selecionado para o estudo de caso 5 Estudo de Caso De modo a ilustrar a estruturação e representação de conteúdos educacionais segundo a proposta apresentada nesta tese, neste capítulo apresentamos um estudo de caso que apresenta, para

Leia mais

Banco de Dados - Senado

Banco de Dados - Senado Banco de Dados - Senado Exercícios OLAP - CESPE Material preparado: Prof. Marcio Vitorino OLAP Material preparado: Prof. Marcio Vitorino Soluções MOLAP promovem maior independência de fornecedores de SGBDs

Leia mais

Adriano Maranhão BUSINESS INTELLIGENCE (BI),

Adriano Maranhão BUSINESS INTELLIGENCE (BI), Adriano Maranhão BUSINESS INTELLIGENCE (BI), BUSINESS INTELLIGENCE (BI) O termo Business Intelligence (BI), popularizado por Howard Dresner do Gartner Group, é utilizado para definir sistemas orientados

Leia mais

Requisitos de business intelligence para TI: O que todo gerente de TI deve saber sobre as necessidades reais de usuários comerciais para BI

Requisitos de business intelligence para TI: O que todo gerente de TI deve saber sobre as necessidades reais de usuários comerciais para BI Requisitos de business intelligence para TI: O que todo gerente de TI deve saber sobre as necessidades reais de usuários comerciais para BI Janeiro de 2011 p2 Usuários comerciais e organizações precisam

Leia mais

O Valor da TI. Introduzindo os conceitos do Val IT para mensuração do valor de Tecnologia da Informação. Conhecimento em Tecnologia da Informação

O Valor da TI. Introduzindo os conceitos do Val IT para mensuração do valor de Tecnologia da Informação. Conhecimento em Tecnologia da Informação Conhecimento em Tecnologia da Informação Conhecimento em Tecnologia da Informação O Valor da TI Introduzindo os conceitos do Val IT para mensuração do valor de Tecnologia da Informação 2010 Bridge Consulting

Leia mais

Data Warehousing Visão Geral do Processo

Data Warehousing Visão Geral do Processo Data Warehousing Visão Geral do Processo Organizações continuamente coletam dados, informações e conhecimento em níveis cada vez maiores,, e os armazenam em sistemas informatizados O número de usuários

Leia mais

A importância da. nas Organizações de Saúde

A importância da. nas Organizações de Saúde A importância da Gestão por Informações nas Organizações de Saúde Jorge Antônio Pinheiro Machado Filho Consultor de Negócios www.bmpro.com.br jorge@bmpro.com.br 1. Situação nas Empresas 2. A Importância

Leia mais

AGILE ROLAP - UMA METODOLOGIA ÁGIL PARA IMPLEMENTAÇÃO DE AMBIENTES DE NEGÓCIOS BASEADO EM SERVIDORES OLAP.

AGILE ROLAP - UMA METODOLOGIA ÁGIL PARA IMPLEMENTAÇÃO DE AMBIENTES DE NEGÓCIOS BASEADO EM SERVIDORES OLAP. AGILE ROLAP - UMA METODOLOGIA ÁGIL PARA IMPLEMENTAÇÃO DE AMBIENTES DE NEGÓCIOS BASEADO EM SERVIDORES OLAP. Luan de Souza Melo (Fundação Araucária), André Luís Andrade Menolli (Orientador), Ricardo G. Coelho

Leia mais

FUNDAMENTOS DE SISTEMAS DE INFORMAÇÃO

FUNDAMENTOS DE SISTEMAS DE INFORMAÇÃO @ribeirord FUNDAMENTOS DE SISTEMAS DE INFORMAÇÃO Rafael D. Ribeiro, M.Sc,PMP. rafaeldiasribeiro@gmail.com http://www.rafaeldiasribeiro.com.br Lembrando... Aula 4 1 Lembrando... Aula 4 Sistemas de apoio

Leia mais

Interatividade aliada a Análise de Negócios

Interatividade aliada a Análise de Negócios Interatividade aliada a Análise de Negócios Na era digital, a quase totalidade das organizações necessita da análise de seus negócios de forma ágil e segura - relatórios interativos, análise de gráficos,

Leia mais

Data Warehouses Uma Introdução

Data Warehouses Uma Introdução Data Warehouses Uma Introdução Alex dos Santos Vieira, Renaldy Pereira Sousa, Ronaldo Ribeiro Goldschmidt 1. Motivação e Conceitos Básicos Com o advento da globalização, a competitividade entre as empresas

Leia mais

DATA WAREHOUSE NO APOIO À TOMADA DE DECISÕES

DATA WAREHOUSE NO APOIO À TOMADA DE DECISÕES DATA WAREHOUSE NO APOIO À TOMADA DE DECISÕES Janaína Schwarzrock jana_100ideia@hotmail.com Prof. Leonardo W. Sommariva RESUMO: Este artigo trata da importância da informação na hora da tomada de decisão,

Leia mais

UNIVERSIDADE REGIONAL DE BLUMENAU CENTRO DE CIÊNCIAS EXATAS E NATURAIS CURSO DE CIÊNCIAS DA COMPUTAÇÃO (Bacharelado)

UNIVERSIDADE REGIONAL DE BLUMENAU CENTRO DE CIÊNCIAS EXATAS E NATURAIS CURSO DE CIÊNCIAS DA COMPUTAÇÃO (Bacharelado) UNIVERSIDADE REGIONAL DE BLUMENAU CENTRO DE CIÊNCIAS EXATAS E NATURAIS CURSO DE CIÊNCIAS DA COMPUTAÇÃO (Bacharelado) SISTEMA INTERNO INTEGRADO PARA CONTROLE DE TAREFAS INTERNAS DE UMA EMPRESA DE DESENVOLVIMENTO

Leia mais

O PAINEL OUVIDORIA COMO PRÁTICA DE GESTÃO DAS RECLAMAÇÕES NA CAIXA

O PAINEL OUVIDORIA COMO PRÁTICA DE GESTÃO DAS RECLAMAÇÕES NA CAIXA PRÁTICA 1) TÍTULO O PAINEL OUVIDORIA COMO PRÁTICA DE GESTÃO DAS RECLAMAÇÕES NA CAIXA 2) DESCRIÇÃO DA PRÁTICA - limite de 8 (oito) páginas: A Ouvidoria da Caixa, responsável pelo atendimento, registro,

Leia mais

Módulo 4: Gerenciamento de Dados

Módulo 4: Gerenciamento de Dados Módulo 4: Gerenciamento de Dados 1 1. CONCEITOS Os dados são um recurso organizacional decisivo que precisa ser administrado como outros importantes ativos das empresas. A maioria das organizações não

Leia mais

Data Warehouse Processos e Arquitetura

Data Warehouse Processos e Arquitetura Data Warehouse - definições: Coleção de dados orientada a assunto, integrada, não volátil e variável em relação ao tempo, que tem por objetivo dar apoio aos processos de tomada de decisão (Inmon, 1997)

Leia mais

Curso Data warehouse e Business Intelligence

Curso Data warehouse e Business Intelligence Curso Data warehouse e Business Intelligence Fundamentos, Metodologia e Arquitetura Apresentação Os projetos de Data Warehouse e Business Intelligence são dos mais interessantes e complexos de desenvolver

Leia mais

Curso Data warehouse e Business Intelligence Fundamentos, Metodologia e Arquitetura

Curso Data warehouse e Business Intelligence Fundamentos, Metodologia e Arquitetura Curso Data warehouse e Business Intelligence Fundamentos, Metodologia e Arquitetura Apresentação Os projetos de Data Warehouse e Business Intelligence são dos mais interessantes e complexos de desenvolver

Leia mais

Instituto de Educação Tecnológica Pós-graduação Gestão e Tecnologia da Informação - Turma 25 20/03/2015. Big Data Analytics:

Instituto de Educação Tecnológica Pós-graduação Gestão e Tecnologia da Informação - Turma 25 20/03/2015. Big Data Analytics: Instituto de Educação Tecnológica Pós-graduação Gestão e Tecnologia da Informação - Turma 25 20/03/2015 Big Data Analytics: Como melhorar a experiência do seu cliente Anderson Adriano de Freitas RESUMO

Leia mais

INSTRUÇÃO DE TRABALHO PARA INFORMAÇÕES GERENCIAIS

INSTRUÇÃO DE TRABALHO PARA INFORMAÇÕES GERENCIAIS INSTRUÇÃO DE TRABALHO PARA INFORMAÇÕES GERENCIAIS Asia Shipping Transportes Internacionais Ltda. como cópia não controlada P á g i n a 1 7 ÍNDICE NR TÓPICO PÁG. 1 Introdução & Política 2 Objetivo 3 Responsabilidade

Leia mais

TÓPICOS AVANÇADOS EM ENGENHARIA DE SOFTWARE

TÓPICOS AVANÇADOS EM ENGENHARIA DE SOFTWARE TÓPICOS AVANÇADOS EM ENGENHARIA DE SOFTWARE Engenharia de Computação Professor: Rosalvo Ferreira de Oliveira Neto OLPT x OLAP Roteiro OLTP Datawarehouse OLAP Operações OLAP Exemplo com Mondrian e Jpivot

Leia mais

Formas de Aumentar a Lucratividade da Sua Empresa com o Big Data

Formas de Aumentar a Lucratividade da Sua Empresa com o Big Data 9 Formas de Aumentar a Lucratividade da Sua Empresa com o Big Data Planejamento Performance Dashboard Plano de ação Relatórios Indicadores Sua empresa sabe interpretar os dados que coleta? Para aumentar

Leia mais

ROTEIRO PARA TREINAMENTO DO SAGRES DIÁRIO Guia do Docente

ROTEIRO PARA TREINAMENTO DO SAGRES DIÁRIO Guia do Docente Conceito ROTEIRO PARA TREINAMENTO DO SAGRES DIÁRIO Guia do Docente O Sagres Diário é uma ferramenta que disponibiliza rotinas que facilitam a comunicação entre a comunidade Docente e Discente de uma instituição,

Leia mais

Chapter 3. Análise de Negócios e Visualização de Dados

Chapter 3. Análise de Negócios e Visualização de Dados Chapter 3 Análise de Negócios e Visualização de Dados Objetivos de Aprendizado Descrever a análise de negócios (BA) e sua importância par as organizações Listar e descrever brevemente os principais métodos

Leia mais

Módulo 4. Construindo uma solução OLAP

Módulo 4. Construindo uma solução OLAP Módulo 4. Construindo uma solução OLAP Objetivos Diferenciar as diversas formas de armazenamento Compreender o que é e como definir a porcentagem de agregação Conhecer a possibilidade da utilização de

Leia mais

Sistemas de Informação James A. O Brien Editora Saraiva Capítulo 5

Sistemas de Informação James A. O Brien Editora Saraiva Capítulo 5 Para entender bancos de dados, é útil ter em mente que os elementos de dados que os compõem são divididos em níveis hierárquicos. Esses elementos de dados lógicos constituem os conceitos de dados básicos

Leia mais

Figura 1 - Arquitetura multi-camadas do SIE

Figura 1 - Arquitetura multi-camadas do SIE Um estudo sobre os aspectos de desenvolvimento e distribuição do SIE Fernando Pires Barbosa¹, Equipe Técnica do SIE¹ ¹Centro de Processamento de Dados, Universidade Federal de Santa Maria fernando.barbosa@cpd.ufsm.br

Leia mais

SAM GERENCIAMENTO DE ATIVOS DE SOFTWARE

SAM GERENCIAMENTO DE ATIVOS DE SOFTWARE SAM GERENCIAMENTO DE ATIVOS DE SOFTWARE Modelo de Otimização de SAM Controle, otimize, cresça Em um mercado internacional em constante mudança, as empresas buscam oportunidades de ganhar vantagem competitiva

Leia mais

Sistemas de Apoio a Decisão

Sistemas de Apoio a Decisão Universidade do Contestado Campus Concórdia Curso de Sistemas de Informação Prof.: Maico Petry Sistemas de Apoio a Decisão DISCIPLINA: Sistemas de Apoio a Decisão O QUE É UM SISTEMA DE APOIO À DECISÃO?

Leia mais

e- SIC Manual do Cidadão

e- SIC Manual do Cidadão e- SIC Manual do Cidadão Sumário Introdução 3 O e-sic 4 Primeiro acesso 5 Cadastrando-se no e-sic 6 Acessando o e-sic 7 Funções do e-sic 8 Envio de avisos por e-mail pelo e-sic 9 Como fazer um pedido de

Leia mais

Software. Gerenciamento de Manutenção

Software. Gerenciamento de Manutenção Software Gerenciamento de Manutenção Importância de um Software de Manutenção Atualmente o departamento de manutenção das empresas, como todos outros departamentos, necessita prestar contas de sua atuação

Leia mais

Gerencie Carteira - PF

Gerencie Carteira - PF Gerencie Carteira - PF Mais negócios para a sua empresa, com melhor resultado e o risco sob controle. Manual do Produto Manual do Produto 1 Índice Produto 02 Meio de acesso 02 Carteira de Clientes Pessoa

Leia mais

Módulo 15 Resumo. Módulo I Cultura da Informação

Módulo 15 Resumo. Módulo I Cultura da Informação Módulo 15 Resumo Neste módulo vamos dar uma explanação geral sobre os pontos que foram trabalhados ao longo desta disciplina. Os pontos abordados nesta disciplina foram: Fundamentos teóricos de sistemas

Leia mais

Professor: Disciplina:

Professor: Disciplina: Professor: Curso: Esp. Marcos Morais de Sousa marcosmoraisdesousa@gmail.com Sistemas de informação Disciplina: Introdução a SI Noções de sistemas de informação Turma: 01º semestre Prof. Esp. Marcos Morais

Leia mais

SIGA Manual -1ª - Edição

SIGA Manual -1ª - Edição SIGA Manual -1ª - Edição ÍNDICE 1. INTRODUÇÃO 4 2. MÓDULO DE PROCESSOS 4 3. ACESSO AO SISTEMA 4 3.1 Acessando o Sistema 4 3.2 Primeiro Acesso 5 3.3 Login do Fornecedor 5 o Teclado Virtual 5 o Máquina Virtual

Leia mais

O GEM é um software 100% Web, ou seja, você poderá acessar de qualquer local através da Internet.

O GEM é um software 100% Web, ou seja, você poderá acessar de qualquer local através da Internet. Olá! Você está recebendo as informações iniciais para utilizar o GEM (Software para Gestão Educacional) para gerenciar suas unidades escolares. O GEM é um software 100% Web, ou seja, você poderá acessar

Leia mais

Declaração de Escopo

Declaração de Escopo 1/9 Elaborado por: Adriano Marra, Bruno Mota, Bruno Leite, Janaina Versão: 1.4 Lima, Joao Augusto, Paulo Takagi, Ricardo Reis. Aprovado por: Porfírio Carlos Roberto Junior 24/08/2010 Time da Equipe de

Leia mais

CAPITULO 4 A ARQUITETURA LÓGICA PARA O AMBIENTE

CAPITULO 4 A ARQUITETURA LÓGICA PARA O AMBIENTE CAPITULO 4 A ARQUITETURA LÓGICA PARA O AMBIENTE A proposta para o ambiente apresentada neste trabalho é baseada no conjunto de requisitos levantados no capítulo anterior. Este levantamento, sugere uma

Leia mais

Sistema de Informações de Crédito do Banco Central SCR

Sistema de Informações de Crédito do Banco Central SCR Departamento de Supervisão Indireta e Gestão da Informação Desig Diretoria de Fiscalização Sistema de Informações de Crédito do Banco Central SCR Visão Geral O que é o SCR Experiência em outros países

Leia mais

Tópicos Avançados Business Intelligence. Banco de Dados Prof. Otacílio José Pereira. Unidade 10 Tópicos Avançados Business Inteligence.

Tópicos Avançados Business Intelligence. Banco de Dados Prof. Otacílio José Pereira. Unidade 10 Tópicos Avançados Business Inteligence. Tópicos Avançados Business Intelligence Banco de Dados Prof. Otacílio José Pereira Unidade 10 Tópicos Avançados Business Inteligence Roteiro Introdução Níveis organizacionais na empresa Visão Geral das

Leia mais

Pag: 1/20. SGI Manual. Controle de Padrões

Pag: 1/20. SGI Manual. Controle de Padrões Pag: 1/20 SGI Manual Controle de Padrões Pag: 2/20 Sumário 1 Introdução...3 2 Cadastros Básicos...5 2.1 Grandezas...5 2.2 Instrumentos (Classificação de Padrões)...6 3 Padrões...9 3.1 Padrão Interno...9

Leia mais

DATA WAREHOUSE. Rafael Ervin Hass Raphael Laércio Zago

DATA WAREHOUSE. Rafael Ervin Hass Raphael Laércio Zago DATA WAREHOUSE Rafael Ervin Hass Raphael Laércio Zago Roteiro Introdução Aplicações Arquitetura Características Desenvolvimento Estudo de Caso Conclusão Introdução O conceito de "data warehousing" data

Leia mais

Desenvolvimento da Iluminação Pública no Brasil. Sistemas de gestão da iluminação pública

Desenvolvimento da Iluminação Pública no Brasil. Sistemas de gestão da iluminação pública 14 Capítulo IX Sistemas de gestão da iluminação pública Por Luciano Haas Rosito* Conforme apresentado no capítulo anterior, uma das oportunidades de melhoria na iluminação pública justamente refere-se

Leia mais

Requisitos de Software. Requisitos de Software. Requisitos de Software. Requisitos de Software. Requisitos de Software. Requisitos de Software

Requisitos de Software. Requisitos de Software. Requisitos de Software. Requisitos de Software. Requisitos de Software. Requisitos de Software INSTITUTO FEDERAL DE EDUCAÇÃO, CIÊNCIA E TECNOLOGIA DO RIO GRANDE DO NORTE Curso Técnico em Informática ENGENHARIA DE SOFTWARE Prof.: Clayton Maciel Costa clayton.maciel@ifrn.edu.br Clayton Maciel Costa

Leia mais

ADMINISTRAÇÃO DOS RECURSOS DE DADOS

ADMINISTRAÇÃO DOS RECURSOS DE DADOS Capítulo 7 ADMINISTRAÇÃO DOS RECURSOS DE DADOS 7.1 2003 by Prentice Hall OBJETIVOS Por que as empresas sentem dificuldades para descobrir que tipo de informação precisam ter em seus sistemas de informação?

Leia mais

SERVIÇO DE ANÁLISE DE REDES DE TELECOMUNICAÇÕES APLICABILIDADE PARA CALL-CENTERS VISÃO DA EMPRESA

SERVIÇO DE ANÁLISE DE REDES DE TELECOMUNICAÇÕES APLICABILIDADE PARA CALL-CENTERS VISÃO DA EMPRESA SERVIÇO DE ANÁLISE DE REDES DE TELECOMUNICAÇÕES APLICABILIDADE PARA CALL-CENTERS VISÃO DA EMPRESA Muitas organizações terceirizam o transporte das chamadas em seus call-centers, dependendo inteiramente

Leia mais

Noções de. Microsoft SQL Server. Microsoft SQL Server

Noções de. Microsoft SQL Server. Microsoft SQL Server Noções de 1 Considerações Iniciais Basicamente existem dois tipos de usuários do SQL Server: Implementadores Administradores 2 1 Implementadores Utilizam o SQL Server para criar e alterar base de dados

Leia mais

perspectivas e abordagens típicas de campos de investigação (Senra & Camargo, 2010).

perspectivas e abordagens típicas de campos de investigação (Senra & Camargo, 2010). 1 Introdução Os avanços na tecnologia da informação, bem como o crescimento da sociedade da informação através do uso da Internet, obrigaram os governos de inúmeros países, em seus mais variados níveis,

Leia mais

Business Intelligence e ferramentas de suporte

Business Intelligence e ferramentas de suporte O modelo apresentado na figura procura enfatizar dois aspectos: o primeiro é sobre os aplicativos que cobrem os sistemas que são executados baseados no conhecimento do negócio; sendo assim, o SCM faz o

Leia mais

INTEGRE Diversas fontes de informações em uma interface intuitiva que exibe exatamente o que você precisa

INTEGRE Diversas fontes de informações em uma interface intuitiva que exibe exatamente o que você precisa INTEGRE Diversas fontes de informações em uma interface intuitiva que exibe exatamente o que você precisa ACESSE Informações corporativas a partir de qualquer ponto de Internet baseado na configuração

Leia mais

Introdução a listas - Windows SharePoint Services - Microsoft Office Online

Introdução a listas - Windows SharePoint Services - Microsoft Office Online Page 1 of 5 Windows SharePoint Services Introdução a listas Ocultar tudo Uma lista é um conjunto de informações que você compartilha com membros da equipe. Por exemplo, você pode criar uma folha de inscrição

Leia mais

e-business A IBM definiu e-business como: GLOSSÁRIO

e-business A IBM definiu e-business como: GLOSSÁRIO Através do estudo dos sistemas do tipo ERP, foi possível verificar a natureza integradora, abrangente e operacional desta modalidade de sistema. Contudo, faz-se necessário compreender que estas soluções

Leia mais

04/08/2012 MODELAGEM DE DADOS. PROF. RAFAEL DIAS RIBEIRO, M.Sc. @ribeirord MODELAGEM DE DADOS. Aula 1. Prof. Rafael Dias Ribeiro. M.Sc.

04/08/2012 MODELAGEM DE DADOS. PROF. RAFAEL DIAS RIBEIRO, M.Sc. @ribeirord MODELAGEM DE DADOS. Aula 1. Prof. Rafael Dias Ribeiro. M.Sc. MODELAGEM DE DADOS PROF. RAFAEL DIAS RIBEIRO, M.Sc. @ribeirord MODELAGEM DE DADOS Aula 1 Prof. Rafael Dias Ribeiro. M.Sc. @ribeirord 1 Objetivos: Apresenta a diferença entre dado e informação e a importância

Leia mais

Coletividade; Diferenciais; Informação; Dado; Informação; Conhecimento. Coletar informação; e Identificar as direções.

Coletividade; Diferenciais; Informação; Dado; Informação; Conhecimento. Coletar informação; e Identificar as direções. Revisão 1 Coletividade; Diferenciais; Informação; Dado; Informação; Conhecimento Coletar informação; e Identificar as direções. Precisa; Clara; Econômica; Flexível; Confiável; Dirigida; Simples; Rápida;

Leia mais

Aplicativo para Gerenciamento Eletrônico de Documentos

Aplicativo para Gerenciamento Eletrônico de Documentos Aplicativo para Gerenciamento Eletrônico de Documentos Trabalho de Conclusão de Curso Vera Lúcia Kamiroski Orientador: Paulo Roberto Dias 13/12/2004 1 Roteiro Introdução Objetivos do Trabalho Arquivística

Leia mais

Unidade II GESTÃO DE. Prof. Léo Noronha

Unidade II GESTÃO DE. Prof. Léo Noronha Unidade II GESTÃO DE SUPRIMENTOS E LOGÍSTICA Prof. Léo Noronha Após a Segunda Guerra Mundial: Estados Unidos da América passaram por um longo período de crescimento. Responsáveis pela reconstrução de muitos

Leia mais

Páginas Amarelas como ferramenta para mapeamento do conhecimento tácito

Páginas Amarelas como ferramenta para mapeamento do conhecimento tácito Páginas Amarelas como ferramenta para mapeamento do conhecimento tácito 1. INTRODUÇÃO O setor de energia sofreu, nos últimos anos, importantes modificações que aumentaram sua complexidade. Para trabalhar

Leia mais

Programa do Curso de Pós-Graduação Lato Sensu MBA em Business Intelligence (BI)

Programa do Curso de Pós-Graduação Lato Sensu MBA em Business Intelligence (BI) Programa do Curso de Pós-Graduação Lato Sensu MBA em Business Intelligence (BI) Apresentação O programa de Pós-graduação Lato Sensu em Business Intelligence Inteligência Competitiva tem por fornecer conhecimento

Leia mais

Ocomon & Invmon: Ferramentas para gerência de suporte de helpdesk

Ocomon & Invmon: Ferramentas para gerência de suporte de helpdesk Ocomon & Invmon: Ferramentas para gerência de suporte de helpdesk Flávio Ribeiro Centro de Informática Centro Universitário La Salle (Unilasalle) Av. Victor Barreto,2288 Canoas RS Brasil flavio@unilasalle.edu.br

Leia mais

Guia Básico de Utilização da Biblioteca Virtual da FAPESP. Thais Fernandes de Morais Fabiana Andrade Pereira

Guia Básico de Utilização da Biblioteca Virtual da FAPESP. Thais Fernandes de Morais Fabiana Andrade Pereira Guia Básico de Utilização da Biblioteca Virtual da FAPESP Thais Fernandes de Morais Fabiana Andrade Pereira Centro de Documentação e Informação da FAPESP São Paulo 2015 Sumário Introdução... 2 Objetivos...

Leia mais

Criação de Consultas e Relatórios no Access CRIAÇÃO DE CONSULTAS E RELATÓRIOS NO ACCESS

Criação de Consultas e Relatórios no Access CRIAÇÃO DE CONSULTAS E RELATÓRIOS NO ACCESS Criação de Consultas e Relatórios no Access CRIAÇÃO DE CONSULTAS E RELATÓRIOS NO ACCESS Sumário Conceitos / Autores chave... 3 1. Introdução... 4 2. Consultas... 5 3. Relatórios... 8 4. Conclusões... 11

Leia mais

Sistema Corporativo de Tele-Medição de Energia Elétrica. Eng. Eduardo Caldas Cardoso ELO Sistemas e Tecnologia eduardo@elotek.com.

Sistema Corporativo de Tele-Medição de Energia Elétrica. Eng. Eduardo Caldas Cardoso ELO Sistemas e Tecnologia eduardo@elotek.com. 21 a 25 de Agosto de 2006 Belo Horizonte - MG Sistema Corporativo de Tele-Medição de Energia Elétrica Eng. Eduardo Caldas Cardoso ELO Sistemas e Tecnologia eduardo@elotek.com.br RESUMO A tele-medição de

Leia mais

srbo@ufpa.br www.ufpa.br/srbo

srbo@ufpa.br www.ufpa.br/srbo CBSI Curso de Bacharelado em Sistemas de Informação BI Prof. Dr. Sandro Ronaldo Bezerra Oliveira srbo@ufpa.br www.ufpa.br/srbo Tópicos Especiais em Sistemas de Informação Faculdade de Computação Instituto

Leia mais

MVREP- Manual do Gerador de Relatórios. ÍNDICE

MVREP- Manual do Gerador de Relatórios. ÍNDICE ÍNDICE ÍNDICE... 1 CAPÍTULO 01 PREPARAÇÃO DO AMBIENTE... 2 1.1 IMPORTAÇÃO DO DICIONÁRIO DE DADOS... 2 CAPÍTULO 02 CADASTRO E CONFIGURAÇÃO DE RELATÓRIOS... 4 2.1 CADASTRO DE RELATÓRIOS... 4 2.2 SELEÇÃO

Leia mais

Contrato nº xxx/201x ANEXO 1 Acesso ao estudo do BI (Business Intelligence) Municípios - XXXXXX

Contrato nº xxx/201x ANEXO 1 Acesso ao estudo do BI (Business Intelligence) Municípios - XXXXXX Contrato nº xxx/201x ANEXO 1 Acesso ao estudo do BI (Business Intelligence) Municípios - XXXXXX 1. Resumo Executivo Disponibilizar acesso ao estudo do BI (Business Intelligence) da CELEPAR, baseado nas

Leia mais

MANUAL DO CNPq PARA GESTORES INSTITUCIONAIS DO PROGRAMA CIÊNCIA SEM FRONTEIRAS

MANUAL DO CNPq PARA GESTORES INSTITUCIONAIS DO PROGRAMA CIÊNCIA SEM FRONTEIRAS MANUAL DO CNPq PARA GESTORES INSTITUCIONAIS DO PROGRAMA CIÊNCIA SEM FRONTEIRAS MANUAL DO CNPq PARA GESTORES INSTITUCIONAIS DO PROGRAMA CIÊNCIA SEM FRONTEIRAS O presente manual tem por objetivo orientar

Leia mais

Governança AMIGA. Para baixar o modelo de como fazer PDTI: www.microsoft.com/brasil/setorpublico/governanca/pdti

Governança AMIGA. Para baixar o modelo de como fazer PDTI: www.microsoft.com/brasil/setorpublico/governanca/pdti e d a id 4 m IN r fo a n m Co co M a n ua l Governança AMIGA Para baixar o modelo de como fazer PDTI: www.microsoft.com/brasil/setorpublico/governanca/pdti Um dos grandes desafios atuais da administração

Leia mais

UNG CIC Tópicos Especiais de TI. Aula 13

UNG CIC Tópicos Especiais de TI. Aula 13 Aula 13 1. Data Warehouse Armazém de Dados (Continuação) 1 Erros na implantação de um Data Warehouse Segundo o Data Warehousing Institute existem dez erros mais comuns na implantação de um Data Warehouse

Leia mais

Subsecretaria de Contabilidade Pública. Coordenação-Geral de Contabilidade e Custos da União. Tesouro Gerencial

Subsecretaria de Contabilidade Pública. Coordenação-Geral de Contabilidade e Custos da União. Tesouro Gerencial Subsecretaria de Contabilidade Pública Coordenação-Geral de Contabilidade e Custos da União Tesouro Gerencial Brasília Novembro/2014 Objetivos do Curso O aluno deve ser capaz de: 1) Identificar as diferenças/semelhanças

Leia mais

ERP & BI ENTENTENDO A BUSCA CONSTANTE DAS EMPRESAS POR UM SISTEMA QUE FORNEÇA INFORMAÇÕES CONFIÁVEIS PARA TOMADA DE DECISÃO*

ERP & BI ENTENTENDO A BUSCA CONSTANTE DAS EMPRESAS POR UM SISTEMA QUE FORNEÇA INFORMAÇÕES CONFIÁVEIS PARA TOMADA DE DECISÃO* ERP & BI ENTENTENDO A BUSCA CONSTANTE DAS EMPRESAS POR UM SISTEMA QUE FORNEÇA INFORMAÇÕES CONFIÁVEIS PARA TOMADA DE DECISÃO* RESUMO Marilia Costa Machado - UEMG - Unidade Carangola Graciano Leal dos Santos

Leia mais

WORKER SISTEMA COMERCIAL PARA COMÉRCIO VAREJISTA E PRESTADORES DE SERVIÇO

WORKER SISTEMA COMERCIAL PARA COMÉRCIO VAREJISTA E PRESTADORES DE SERVIÇO WORKER SISTEMA COMERCIAL PARA COMÉRCIO VAREJISTA E PRESTADORES DE SERVIÇO VILAS BOAS, M. A. A. 1 ; GOMES, E. Y. 2 1- Graduando em Sistemas de Informação na FAP - Faculdade de Apucarana 2- Docente do Curso

Leia mais

DESENVOLVIMENTO DE PLUG-INS KETTLE PARA GERAÇÃO DE MONDRIAN SCHEMA A PARTIR DE BASES RELACIONAIS, UTILIZANDO A METODOLOGIA AGILE ROLAP.

DESENVOLVIMENTO DE PLUG-INS KETTLE PARA GERAÇÃO DE MONDRIAN SCHEMA A PARTIR DE BASES RELACIONAIS, UTILIZANDO A METODOLOGIA AGILE ROLAP. DESENVOLVIMENTO DE PLUG-INS KETTLE PARA GERAÇÃO DE MONDRIAN SCHEMA A PARTIR DE BASES RELACIONAIS, UTILIZANDO A METODOLOGIA AGILE ROLAP. Eduardo Cristovo de Freitas Aguiar (PIBIC/CNPq), André Luís Andrade

Leia mais

Data Warehouses. Alunos: Diego Antônio Cotta Silveira Filipe Augusto Rodrigues Nepomuceno Marcos Bastos Silva Roger Rezende Ribeiro Santos

Data Warehouses. Alunos: Diego Antônio Cotta Silveira Filipe Augusto Rodrigues Nepomuceno Marcos Bastos Silva Roger Rezende Ribeiro Santos Data Warehouses Alunos: Diego Antônio Cotta Silveira Filipe Augusto Rodrigues Nepomuceno Marcos Bastos Silva Roger Rezende Ribeiro Santos Conceitos Básicos Data Warehouse(DW) Banco de Dados voltado para

Leia mais

Projeto de Arquitetura

Projeto de Arquitetura Projeto de Arquitetura Ian Sommerville 2006 Engenharia de Software, 8ª. edição. Capítulo 11 Slide 1 Objetivos Apresentar projeto de arquitetura e discutir sua importância Explicar as decisões de projeto

Leia mais

EXPERIÊNCIA DE USO DE ARQUITETURA CORPORATIVA NO PROJETO DE RES

EXPERIÊNCIA DE USO DE ARQUITETURA CORPORATIVA NO PROJETO DE RES EXPERIÊNCIA DE USO DE ARQUITETURA CORPORATIVA NO PROJETO DE RES Rigoleta Dutra Mediano Dias 1, Lívia Aparecida de Oliveira Souza 2 1, 2 CASNAV, MARINHA DO BRASIL, MINISTÉRIO DA DEFESA, BRASIL Resumo: Este

Leia mais

Capítulo 13: Tecnologia da Informação. Prof.: Roberto Franciscatto

Capítulo 13: Tecnologia da Informação. Prof.: Roberto Franciscatto Capítulo 13: Tecnologia da Informação Prof.: Roberto Franciscatto Introdução Uma informação é um arranjo de dados (nomes, palavras, números, sons, imagens) capazes de dar forma ou sentido a algo do interesse

Leia mais

Aplicação A. Aplicação B. Aplicação C. Aplicação D. Aplicação E. Aplicação F. Aplicação A REL 1 REL 2. Aplicação B REL 3.

Aplicação A. Aplicação B. Aplicação C. Aplicação D. Aplicação E. Aplicação F. Aplicação A REL 1 REL 2. Aplicação B REL 3. Sumário Data Warehouse Modelagem Multidimensional. Data Mining BI - Business Inteligence. 1 2 Introdução Aplicações do negócio: constituem as aplicações que dão suporte ao dia a dia do negócio da empresa,

Leia mais

MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO FUNDO NACIONAL DE DESENVOLVIMENTO DA EDUCAÇÃO TERMO DE REFERÊNCIA PARA CONTRATAÇÃO DE PESSOA FÍSICA - CONSULTOR POR PRODUTO

MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO FUNDO NACIONAL DE DESENVOLVIMENTO DA EDUCAÇÃO TERMO DE REFERÊNCIA PARA CONTRATAÇÃO DE PESSOA FÍSICA - CONSULTOR POR PRODUTO MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO FUNDO NACIONAL DE DESENVOLVIMENTO DA EDUCAÇÃO TERMO DE REFERÊNCIA PARA CONTRATAÇÃO DE PESSOA FÍSICA - CONSULTOR POR PRODUTO Analista Desenvolvedor de ETL OEI/TOR/FNDE/CGETI Nº /09

Leia mais

ADMINISTRAÇÃO DOS RECURSOS DE DADOS

ADMINISTRAÇÃO DOS RECURSOS DE DADOS 7 ADMINISTRAÇÃO DOS RECURSOS DE DADOS OBJETIVOS Por que as empresas sentem dificuldades para descobrir que tipo de informação precisam ter em seus sistemas de informação ão? Como um sistema de gerenciamento

Leia mais

Sistemas de Informação I

Sistemas de Informação I + Sistemas de Informação I Dimensões de análise dos SI Ricardo de Sousa Britto rbritto@ufpi.edu.br + Introdução n Os sistemas de informação são combinações das formas de trabalho, informações, pessoas

Leia mais

Business Intelligence. Business Intelligence. Business Intelligence. Business Intelligence. Business Intelligence

Business Intelligence. Business Intelligence. Business Intelligence. Business Intelligence. Business Intelligence Juntamente com o desenvolvimento desses aplicativos surgiram os problemas: & Data Warehouse July Any Rizzo Oswaldo Filho Década de 70: alguns produtos de BI Intensa e exaustiva programação Informação em

Leia mais

RESUMO DA SOLUÇÃO CA ERwin Modeling. Como eu posso gerenciar a complexidade dos dados e aumentar a agilidade dos negócios?

RESUMO DA SOLUÇÃO CA ERwin Modeling. Como eu posso gerenciar a complexidade dos dados e aumentar a agilidade dos negócios? RESUMO DA SOLUÇÃO CA ERwin Modeling Como eu posso gerenciar a complexidade dos dados e aumentar a agilidade dos negócios? O CA ERwin Modeling fornece uma visão centralizada das principais definições de

Leia mais

A importância do PDTI na implantação da Governança de TI nas Prefeituras Brasileiras

A importância do PDTI na implantação da Governança de TI nas Prefeituras Brasileiras A importância do PDTI na implantação da Governança de TI nas Prefeituras Brasileiras Hugo Queiroz Abonizio 1, Rodolfo Miranda de Barros 1 1 Departamento de Computação Universidade Estadual de Londrina

Leia mais

Regulamento do Programa RiSE/Porto Digital de Residência em Reuso de Software 2011

Regulamento do Programa RiSE/Porto Digital de Residência em Reuso de Software 2011 Regulamento do Programa RiSE/Porto Digital de Residência em Reuso de Software 2011 1. Apresentação A RiSE Reuse in Software Engineering e o Núcleo de Gestão do Porto Digital (NGPD), com o apoio do CNPq

Leia mais

INFORMÁTICA APLICADA II BANCO DE DADOS

INFORMÁTICA APLICADA II BANCO DE DADOS INFORMÁTICA APLICADA II BANCO DE DADOS Professor:. Carga horária semanal: 4 HA Resumo dos assuntos abordados: - Teoria de banco de dados; - Modelagem de dados; - MS-Access; - Linguagem SQL; - PostgreSQL;

Leia mais

PLANO DE ENSINO PRÉ-REQUISITOS: ENS

PLANO DE ENSINO PRÉ-REQUISITOS: ENS UNIVERSIDADE DO ESTADO DE SANTA CATARINA UDESC CENTRO DE EDUCAÇÃO SUPERIOR DO ALTO VALE DO ITAJAÍ CEAVI PLANO DE ENSINO DEPARTAMENTO: DSI Departamento de Sistema de Informação DISCIPLINA: Data Warehouse

Leia mais

INDICE 3.APLICAÇÕES QUE PODEM SER DESENVOLVIDAS COM O USO DO SAXES

INDICE 3.APLICAÇÕES QUE PODEM SER DESENVOLVIDAS COM O USO DO SAXES w w w. i d e a l o g i c. c o m. b r INDICE 1.APRESENTAÇÃO 2.ESPECIFICAÇÃO DOS RECURSOS DO SOFTWARE SAXES 2.1. Funcionalidades comuns a outras ferramentas similares 2.2. Funcionalidades próprias do software

Leia mais

Gestão de Relacionamento com o Cliente CRM

Gestão de Relacionamento com o Cliente CRM Gestão de Relacionamento com o Cliente CRM Fábio Pires 1, Wyllian Fressatti 1 Universidade Paranaense (Unipar) Paranavaí PR Brasil pires_fabin@hotmail.com wyllian@unipar.br RESUMO. O projeto destaca-se

Leia mais

Tipos de Sistemas Distribuídos

Tipos de Sistemas Distribuídos (Sistemas de Informação Distribuída e Pervasivos) Sistemas Distribuídos Mauro Lopes Carvalho Silva Professor EBTT DAI Departamento de Informática Campus Monte Castelo Instituto Federal de Educação Ciência

Leia mais

Aula 15. Tópicos Especiais I Sistemas de Informação. Prof. Dr. Dilermando Piva Jr.

Aula 15. Tópicos Especiais I Sistemas de Informação. Prof. Dr. Dilermando Piva Jr. 15 Aula 15 Tópicos Especiais I Sistemas de Informação Prof. Dr. Dilermando Piva Jr. Site Disciplina: http://fundti.blogspot.com.br/ Conceitos básicos sobre Sistemas de Informação Conceitos sobre Sistemas

Leia mais

Manual SAGe Versão 1.2 (a partir da versão 12.08.01)

Manual SAGe Versão 1.2 (a partir da versão 12.08.01) Manual SAGe Versão 1.2 (a partir da versão 12.08.01) Submissão de Relatórios Científicos Sumário Introdução... 2 Elaboração do Relatório Científico... 3 Submissão do Relatório Científico... 14 Operação

Leia mais

Palavras-Chaves: Arquitetura, Modelagem Orientada a Objetos, UML.

Palavras-Chaves: Arquitetura, Modelagem Orientada a Objetos, UML. MODELAGEM ORIENTADA A OBJETOS APLICADA À ANÁLISE E AO PROJETO DE SISTEMA DE VENDAS ALTEMIR FERNANDES DE ARAÚJO Discente da AEMS Faculdades Integradas de Três Lagoas ANDRE LUIZ DA CUNHA DIAS Discente da

Leia mais