XXIII ENANGRAD. Gestão de Informações e Tecnologia (GIT) TECNOLOGIAS DIGITAIS NAS ORGANIZAÇÕES. Ivo Pedro Gonzalez Junior. Fábio Madureira Garcia

Save this PDF as:
 WORD  PNG  TXT  JPG

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "XXIII ENANGRAD. Gestão de Informações e Tecnologia (GIT) TECNOLOGIAS DIGITAIS NAS ORGANIZAÇÕES. Ivo Pedro Gonzalez Junior. Fábio Madureira Garcia"

Transcrição

1 XXIII ENANGRAD Gestão de Informações e Tecnologia (GIT) TECNOLOGIAS DIGITAIS NAS ORGANIZAÇÕES Ivo Pedro Gonzalez Junior Fábio Madureira Garcia Bento Gonçalves, 2012

2 Área temática: GESTÃO DE INFORMAÇÕES E TECNOLOGIA Código : GIT TECNOLOGIAS DIGITAIS NAS ORGANIZAÇÕES

3 RESUMO Com o amplo desenvolvimento da globalização, tem-se desenvolvido e surgido grandes tecnologias capazes de suprir parcialmente as demandas exigidas pelo mercado. As tecnologias ligadas diretamente ao ambiente de informação têm crescido de forma acelerada, a fim de proporcionar uma ampla facilidade na administração de recursos necessários para uma boa utilização dos serviços apresentados e exigidos constantemente. Nas organizações que estão surgindo e as que já encontram-se estabilizadas no mercado, torna-se quase impossível pensar e trabalhar dentro das mesmas sem a utilização dos recursos disponibilizados pela TI, porém é necessário uma reflexão dos investimento de Tecnologia da Informação, bem como relação com a produtividade e os fatores condicionantes da adoção de Tecnologia da Informação, considerando ainda o alinhamento estratégico das organizações. As tecnologias digitais e as estruturas em redes criaram uma maior rapidez na troca de informações e interações entre os diversos agentes envolvidos, e a reflexão para a compreensão destes diversos fatores envolvidos podem auxiliar no desenvolvimento das organizações. PALAVRAS-CHAVE: Tecnologias digitais, Tecnologia da informação, Organizações. ABSTRACT With the extensive development of globalization, has been developed and large emerging technologies capable of providing "partially" the demands required by the market. The technologies related directly to the information environment has grown rapidly, in order to provide a broad feature in the administration of resources needed for a good use of the services provided and "required" constantly. In organizations that are already emerging and are stabilized in the market, it becomes almost impossible to think and work within them without the use of the resources provided by IT, but it is necessary to reflect the investment in information technology, as well as relationship with productivity and the factors affecting the adoption of Information Technology, and considering the strategic alignment of organizations. Digital technologies and the networks created structures in a faster exchange of information and interactions between the various actors involved. KEYWORDS: Digital technology. Information Technology. Organizations.

4 1. INTRODUÇÃO O papel da tecnologia de informação - TI - nas organizações tem assumido uma importância jamais vista em outras épocas. Em tempos de comunicação instantânea, o uso de tecnologias permite percepções humanas intensas, derrubando conceitos e definições. Estas interações favorecem também a criação de redes de comunicação e podem também alterar o comportamento das redes já existentes. Alguns debates surgem quanto à adoção da TI pelas organizações, pois com o alargamento das fronteiras dos mercados, surge uma necessidade muito maior do gerenciamento das informações. Existem diversos fatores que devem ser levados em conta na escolha da adoção de uma tecnologia, fatores estes relacionados do custo da tecnologia a implantar ou a substituição por uma mais produtiva e os processos de difusão. Riscos devem ser também levados em conta de modo que as escolhas desta adoção possam possibilitar um conhecimento mais amplo de todas as variáveis envolvidas e suas implicações. O alinhamento entre negócios e TI relacionam como questões estratégicas fundamentais para o sucesso e desempenho das organizações. Um bom alinhamento pode promover vantagens competitivas e melhor visão dos objetivos a serem alcançados pelas organizações. Entretanto, como diferentes autores observam, é difícil colocar em prática este alinhamento. Dentre os principais motivos podem ser destacados o dinamismo dos ambientes tecnológicos e de negócios e o grande número de variáveis envolvidas que aumentam sensivelmente a complexidade do problema. Ainda refere-se a refere-se ao distanciamento entre o perfil técnico e o perfil de negócios e à dificuldade de entendimento entre eles. Os profissionais das áreas de negócio muitas vezes não sabem transmitir adequadamente suas necessidades, de outro lado os profissionais da área de TI não entendem com facilidade as demandas de negócio, assim o diálogo entre as áreas de negócio e a área de TI não é claro e objetivo. No mundo atual, globalizado e competitivo, saber identificar vantagens tecnológicas diferenciadas para buscar se destacar pode ser encarado como uma grande estratégia competitiva. É possível afirmar que para certas tecnologias a serem utilizadas dentro das organizações, é preciso considerar alguns aspectos, como: os recursos disponíveis, opções de usuários, ferramentas oferecidas pela organização, todos esses fatores com o objetivo de possuir um resultado otimizado em relação às atividades a serem desempenhadas. Além do surgimento e escolha das tecnologias que devem ser utilizadas, é possível verificar com Rogers (1995), que as diferentes formas de adquiri-las reflete na maneira em que são adquiridas e escolhidas por indivíduos. De acordo com Fichman (1992), uma das maiores dificuldades da teoria clássica da difusão é que os indivíduos adquirem tecnologias e inovação relacionada diretamente aos seus próprios interesses, sem a preocupação com o uso dos demais usuários. Estes argumentos necessitam de uma reflexão nos investimentos em Tecnologia da Informação e também impactos na produtividade. O paradoxo da produtividade entra na pauta das discussões a vários anos. Este Paradoxo estabelece que os acréscimos nos investimentos em tecnologia da informação não são acompanhados por acréscimos na produtividade das empresas. Por fim, nos anos mais recentes, entram em cena a tecnologia em nuvens, e ainda as redes sociais. Na computação nas nuvens (Cloud Computing), plataformas e software estão disponibilizados como serviços, como uma tendência recente de tecnologia cujo objetivo é proporcionar serviços de Tecnologia da Informação (TI) sob demanda com pagamento baseado no uso. A intenção é melhorar a flexibilidade, reduzindo o custo total dos negócios e provendo serviços sob demanda. Aliado a isto, o uso de rede sociais como ferramenta de negócios tem potencializado a sua utilização, e assim, organizações tem investido nestas novas tendências. 2. FUNDAMENTAÇÃO TEÓRICA 2.1 QUÃO EXÓGENA É A CIÊNCIA? Rosemberg (2006) em seu ensaio, na verdade, postula que as relações entre o progresso científico, o progresso técnico e o desenvolvimento econômico, além de amplas e profundas, são mais antigas do que geralmente se supõe. Outra proposição que ele defende é a da precedência lógica e cronológica da tecnologia em relação à ciência, com a primeira também constituindo uma

5 forma de conhecimento, teórico e prático, e não uma simples aplicação da segunda. Trata-se, além do mais, de uma forma de conhecimento geradora de progresso econômico algo que não pode ser diretamente atribuído ao conhecimento científico per se. Com isto, obviamente, nãos e quer dizer que este último seja destituído de importância do ponto de vista econômico, em particular nos dias atuais, mas apenas que as tecnologias de base científica são relativamente recentes em termos históricos, somente começando a manifestar-se de forma sistemática a partir da Segunda Revolução Industrial, durante as décadas finais do século XIX. Além disso, pode-se afirmar como faz o próprio Rosemberg no início da parte III do seu artigo, que, atualmente, é o desenvolvimento tecnológico que vem pautando a programação das pesquisas científicas nos países economicamente mais avançados A ciência vem sendo moldada, direcionada e constrangida por poderosos estímulos econômicos. Esses estímulos têm suas raízes em dois fatos: o primeiro, que a pesquisa científica é uma atividade dispendiosa; o segundo, que ela pode ser direcionada de maneiras que podem gerar grandes retribuições econômicas (ROSEMBERG, 2006). As sociedades industrializadas criaram um vasto domínio tecnológico muito estreitamente moldado por necessidades e incentivos econômicos. Esse domínio tecnológico, por seu turno, proporciona numerosos meios pelos quais, a vida cotidiana se tornou extremamente ligadas a Ciência. Assim, os conhecimentos tecnológicos fornecem uma base de observações que em algum momento se tornou objeto de interesse por parte da ciência, e o progresso tecnológico desempenha um papel muito importante na formulação da agenda subsequente da ciência; O progresso tecnológico identifica as direções de novas pesquisas científicas que apresentem um alto retorno potencial. As relações entre a ciência e a tecnologia não podem ser adequadamente descritas quando se visualiza a pesquisa científica aparecendo em primeiro lugar e levando em algum momento a aplicações na tecnologia. 2.2 FATORES CONDICIONANTES DA ADOÇÃO DE TECNOLOGIA DA INFORMAÇÃO A TI pode se apresentar muitas vezes como um grande dilema para os gestores, pois existe uma necessidade muito maior de gerenciamento de informações objetivando ganhos de produtividade. Torna-se dessa forma um recurso significativo na competitividade atual, mas deve-se olhar também as mudanças rápidas, o que torna cada vez mais difícil tomar decisões de seleção e adoção de TI. Para Fernandes e Alves (1992), O sucesso da adoção de TI está relacionado com o "saber escolher" e o "saber usar", que dependem da assimilação de inovações tecnológicas, alinhamento entre a TI e as estratégias de negócios da empresa, da elaboração de estratégias específicas para investimentos em TI, além de atitudes gerenciais e comportamentais voltadas para a inovação. Santos (2004), apresentou um modelo de análise proposto como base para compreensão do processo de adoção de TI por parte das organizações. Esse modelo apresenta quatro fatores básicos como condicionantes da escolha por uma determinada tecnologia: adoção cumulativa, efeitos de rede, trajetória tecnológica e custos troca. Na sua concepção, o autor colocou esses fatores como inter-relacionados de alguma forma sem, no entanto, estabelecer relações de dependência ou hierarquia entre eles. Subjacentes a esses fatores encontram-se ainda as estratégias de negócios e tecnológica da organização. Em alguns casos, ambas estão explícitas e formalmente definidas; em outros, apenas uma ou, até mesmo, nenhuma delas. Na situação ideal, a empresa possui ambas estratégias definidas, alinhadas entre si, com a tecnológica subordinada a de negócios, e que servem de guia para o processo da adoção das TI. O modelo é apresentado na figura 1.

6 Figura 1 - Fatores condicionantes da adoção de TI Fonte: Santos (2004) 2.3 ALINHAMENTO ESTRATÉGICO Existe ainda algo que deve ser bem observado, que é o alinhamento entre o nível de negocio, e o nível de TI que se está utilizando dentro de uma organização. De acordo com Henderson e Venkatraman(1993), quando a organização possui a capacidade de aplicar uma estratégia de TI conforme as necessidades e interesses da estratégia de negocio apresentada, estes é definido como um alinhamento adequado ou ainda possui esse encaixe entre estratégias, a organização ainda pode sair como uma vantagem competitiva no mercado. Percebe-se que o ambiente das organizações, é bastante volátil, pois as tarefas e atividades desenvolvidas na mesma, nem sempre utilizam-se dos mesmos recursos, o que pode tornar por varias vezes a dificuldade de escolha de recursos tecnológicos padrão para determinados tipos de ambientes e negócios oferecidos por organizações. Há vários autores que enfatizam o alinhamento entre a estratégia de negócio da organização, e a estratégia de TI utilizada pelas mesmas. Com isso, Luftman (2000) sugere que o alinhamento é composto por seus variáveis sendo: medidas de valor e competência, governança, parceria, comunicação, escopo e arquitetura e habilidades. Há uma grande observação no que diz respeito ao problema e motivo encontrado para o mau funcionamento do alinhamento estratégico na organização, uma das variáveis encontradas para o forte desalinhamento estratégico, é a comunicação, que alem de ser um fator que causa falhas na maioria das situações cotidianas, a comunicação também desperta dificuldade do desenvolvimento

7 de um trabalho. De acordo com Mann (2002), essa variável, pode causar um desentendimento entre as informações que serão passadas entre um perfil técnico e o perfil de negócios. De acordo com Pauli e Barreto (2011), as grandes dificuldades do alinhamento entre TI e negócios podem ser destacadas com o dinamismo dos ambientes tecnológicos e de negócios; o grande número de variáveis envolvidas que aumentam sensivelmente a complexidade do problema; distância natural entre os dois mundos envolvidos: negócios e TI. Seguindo ainda com Pauli e Barreto (2011), é possível verificar a falta de conhecimento do pessoal de TI em relação ao negócio ou vice-versa, alem de possuir esse tipo de problema, ainda se pode destacar a falta de importância do pessoal de TI, para o pessoal da área de negócio. Além da falta de interesse e reconhecimento por parte dos executivos em relação ao desenvolvimento e desempenho realizado pelos profissionais de TI nas organizações, com o objetivo e apoio as tarefas a serem executadas nas organizações, o modelo de Luftman (2000), entre as seis variáveis de alinhamento, explica a comunicação como sendo uma coerência de idéias a serem transmitidas entre TI e negócios ou negócios e TI, para uma melhor execução de estratégia. Apesar da percepção da importância da TI dentro das organizações, ainda existem executivos que trazem consigo uma cultura de resistência ao reconhecimento da mesma para a aceleração no que tange ao ambiente econômico. Para Peppard e Ward (1999), a cultura torna-se um tipo de justificativa, a fim de encontrar uma solução para o desalinhamento junto a solução dos conflitos existentes. O alinhamento deve ser encarado como um potencial diferencial estratégico e não apenas como uma despesa financeira mandatória (CHAN et al, 1997) Percebe-se então que o alinhamento estratégico entre executivos de TI e responsáveis pelo negócio das organizações, passam por certos graus de dificuldade, e principalmente quando se considera comunicação bem com a falta de reconhecimento da importância do pessoal de TI para a organização, é que torna-se possível desligação dessa tecnologia dentro das empresas. Segundo destaca Keen (1993), o termo tecnologia da informação vai além dos sistemas de informação, software, hardware, pois alem desses aplicativos envolve os aspectos humanos, organizacionais e ate mesmo administrativos, pois são esses que na maioria das circunstancias tornam-se responsáveis pelas decisões de implantação, manutenção e uso dos equipamentos necessários para o bom andamento e desenvolvimento das atividades a serem desempenhadas. Existem aspectos que devem ser considerados nos sistemas de informação (SI), onde vale ressaltar que os conceitos de eficiência e eficácia devem ser destacados para entender o desenvolvimento da tecnologia da informação as organizações. O termo eficácia significa fazer as coisas certas, o que está diretamente ligada entre os resultados da implantação da TI com os negócios realizados pela empresa e os possíveis impactos que serão adquiridos na estrutura organizacional. Já o termo eficiência, significa fazer as coisas bem, o que esta relacionada aos impactos internos causados pela TI e recursos corretos que são utilizados (LAURINDO et al, 2001) 2.4 PAPEL DA TI NAS ORGANIZAÇÕES Percebe-se que desde a implantação e surgimento de um novo produto no mercado, esse passa por um estágio ou ainda denominado de ciclo de vida do produto, contudo, é preciso destacar que para a informatização de uma empresa entre TI e negócios, é preciso analisar e verificar o ponto do ciclo em que a mesma encontra-se inserida. De acordo com o modelo de Nolan (1979), existem seis fases de estágio para informatizar uma organização, sendo eles: iniciação, contágio, controle, integração, administração e por fim, nível de maturidade. E ainda é possível analisar que uma mesma organização pode possuir diferenças nas fases, o que ainda depende das suas funções que serão implantadas. Existem ainda fatores que merecem análise sobre a sua centralização e descentralização da TI, quando se considera a descentralização, Buchanan e Linowes (1980) explicam em seus trabalhos a existência de três fatores que contribuem para que haja este tipo de situação. Dentro dos três fatores estão as variadas atividades que devem ser realizadas por uma mesma unidade de núcleo, o que acaba gerando uma dificuldade em manter as mesmas metas e até mesmo estruturas; a segunda razão é o desejo de controlar as prioridades no desenvolvimento; e por fim, quando utiliza-se das informações disponibilizadas, usando para obter poder. Grande parte das empresas são estabilizadas, lembradas e bem reconhecidas no mercado, por muitas vezes possuírem uma diferenciação notável em relação aos seus concorrentes, com isso,

8 dentro da gestão da TI, também existem ativos que soa considerados para que a empresa possa adquirir o seu grau de competitividade por um longo espaço de tempo. Para Ross et al (1996), existem cerca de três ativos que são capazes de promover a competitividade na área de TI nas empresas, sendo eles: parceria entre administração da TI e negócio, base tecnológica reutilizável e staff de TI. Cada um desses ativos são definidos, a parceria entre o pessoal de TI e negócios, significa basicamente a comunicação do que se está planejando e as responsabilidades dos acontecimentos entre as duas áreas; a tecnologia reutilizável representa os dados compartilhados e por fim, staff de TI está ligada com os recursos de alto desempenho utilizados, merecendo destaque para o pessoal, os recursos humanos. Seguindo Laurindo et al (2000), os três ativos apresentam impacto no planejamento da TI, entrega e na operação e suporte, pois esses processos sendo utilizados de forma rápida, e levados em consideração também os custos, podem ajudar na vantagem competitiva da organização. Laurindo et al (2000) ainda enfatiza que as empresas vivem em diferentes situações de estratégia para com a TI, o que ainda é importante destacar é que as empresas estão buscando sempre os mesmos fornecedores, os mesmos sistemas, os serviços parecidos, o que não causa um impacto competitivo entre as empresas. A competitividade nesse aspecto não surge apenas da maneira mais especifica de criar um novo jeito de utilizar a TI, mas a forma com que será usado os ativos para não ter fácil imitação, serem quase raros e bem administrados. Ao ser realizado estudos com executivos e empresas em alguns países, levando em consideração principalmente fatores que melhor auxiliam para a implantação e desenvolvimento de uma boa TI nas organizações, Rockart ET al (1996), chegaram a conclusão de alguns pontos em que se deve considerar como: o bom alinhamento estratégico entre executivos de TI e negócios; relacionamentos entre gerência; implantar novos sistemas; quando for necessário deverá capacitar e treinas o pessoal de TI, onde esses são os fatores que influenciam de forma satisfatória para uma gestão de TI nas organizações. 2.5 O PARADOXO DA PRODUTIVIDADE A Teoria do Crescimento (Solow, 1988), aborda que o aumento no volume dos investimentos em tecnologia da informação não é acompanhado pelo aumento na produtividade das empresas. A frase de Solow (1988) you can see the computer age everywhere but in the productivity statistics reflete ainda pesquisas e contradições. Ainda existem vários questionamentos ligados principalmente a produtividade causada pela utilização da TI nas organizações, o que ainda se tem percebido é que essa instalação dentro dos negócios ainda é bastante intangível, o que pode dificultar a conclusão de que a tecnologia da informação traz grande benefícios ou que ainda pode trazer prejuízos com a instalação da mesma. O que deve ser considerado para medir a produtividade do negócio além de aspectos técnicos e de eficiência é o que realmente representa para a empresa, e para que a mesma possa até desfrutar de uma competitividade significativa além das suas concorrentes. Para Waener (2002) existe algumas situações que devem ser consideradas para possivelmente verificar ao benefícios que a tecnologia da informação traz para as organizações. A primeira seria analisar as atividades que mais fazem uso da TI, e observar se houve aumento na produtividade com o uso da TI, e ainda verificar qual foi a contribuição dada para o aumento da produtividade e ainda a lucratividade para os negócios; já a segunda situação está relacionada a observar quais os fatores da economia que apresentam um maior aproveitamento na produtividade e outros setores que não trouxeram nenhum aumento, excluindo-os dos fatores. Existem vários estudos adotados para explicação do paradoxo da produtividade, e torna-se difícil focar numa única explicação, para isso, Waener (2002) seleciona algumas explicações para demonstrar perda da produtividade em algumas situações. Ø Macroeconômica- não existem medidas estatísticas governamentais próprias para verificar a produção no setor de serviços; Ø Inter-organizacional- neste aspecto acredita-se que o investimento em TIé para competir com seus concorrentes e não para contribuição da produtividade; Ø Organizacional- nesta fase, autores afirmam que a TI por si mesma não é uma tecnologia capaz de gerar benefícios na produtividade das organizações, mas quando essa traz impactos e transformações nas empresas, principalmente nos negócios e estruturas hierárquicas, torna-se útil para empresas e traz ganhos através das mudanças perceptíveis;

9 Ø Gerencial- as aplicações considerando os aspectos gerenciais, visam os custos visíveis e os invisíveis da TI, o que se refere a projetos de sistemas organizacionais, estudos esses levantados principalmente por Strassmann; Ø Programas- neste sentido, é discutido como os sistemas atualmente foram criados, a dificuldade por vezes em manuseá-los e a causa da perda da produtividade que pode ser considerada. Teixeira (2001) apresenta algumas explicações do paradoxo de Solow: Ø Declínio da produtividade anos 70; Ø Erros de mensuração nos índices de produtividade; Ø O processo de convergência (catch-up) ter-se esgotado; Ø Melhoria da qualidade e serviços? Ø Difusão da TI diminui o preço. 2.6 GOVERNANÇA DE TI Para Weill e Ross (2004) a Governança da tecnologia da informação, é responsável pelo incentivo do comportamento a ser desejado para o uso a TI na empresa. De acordo com pesquisas realizadas por Weill (2004), existem 8 fatores que podem contribuir para a Governança de TI, afim de reduzir falhas no gerenciamento, sendo eles assim apresentados: Ø Transparência- utilização das ferramentas de governança, para todos os gerentes; Ø Abrangente- a governança deve ser aplicada nos objetivos de toda corporação. Ø Poucas Mudanças- não se deve ocorrer mudanças constantes, mas quando for necessário adaptações decorrentes de situações econômicas; Ø Conhecimento da Cultura da Governança de TI- conhecer bastante sobre a cultura da governança de TI, para uma maior aceitação nas decisões a serem tomadas; Ø Simplicidade- a governança deve preocupar-se a um número reduzido de objetivos de desempenho da corporação; Ø Manipulação de exceção- esta categoria refere-se a aproveita as novas oportunidades, quando as regras da governanças estão claras, para saber onde essas oportunidades deverão ser incluídos. Ø Governança desenvolvida em vários níveis organizacionais- nas grandes empresas, existem varias quantidades de unidades no negócio, onde a governança de TI deve esta atenta para avaliar os objetivos de cada uma e fazer a relação entre elas. Ø Incentivos ao alinhamento com a governança de TI- a administração tem como responsabilidade incentivar, reconhecer o trabalho desenvolvido pela governança de TI. Percebe-se que caso não se tenha uma boa administração da tecnologia de informação, é possível verificar alguns erros constantes, como gastos desnecessário, falta de adaptação em relação ao trabalho, atraso nos projetos o que esses fatores podem também contribuir para o fracasso do investimento. 2.7 CLOUD COMPUTING COMPUTAÇÃO EM NUVEM É uma tendência recente de tecnologia cujo objetivo é proporcionar serviços de Tecnologia da Informação (TI) sob demanda com pagamento baseado no uso (SOUZA, 2009). A computação em nuvem surge da necessidade de construir infraestruturas de TI complexas, onde os usuários têm que realizar instalação, configuração e atualização de sistemas de software. Em geral, os recursos de computação e hardware são propensos a ficarem obsoletos rapidamente e a utilização de plataformas computacionais de terceiros é uma solução inteligente para os usuários lidarem com a infraestrutura de TI. Na computação em nuvem os recursos de TI são fornecidos como um serviço, permitindo que os usuários o acessem sem a necessidade de conhecimento sobre a tecnologia utilizada. Assim, os usuários acessam os serviços sob demanda e independente de localização, isto reduz drasticamente os custos iniciais de investimento, e também aumenta a quantidade de serviços disponíveis. Na computação em nuvem, os recursos de TI são fornecidos como um serviço,

10 permitindo aos usuários acessarem os serviços sem a necessidade de conhecimento sobre a tecnologia utilizada. Para Buyvaa et al (2009), a computação em nuvem está se tornando uma das palavras chaves da indústria de TI. A nuvem é uma metáfora para a Internet ou infraestrutura de comunicação entre os componentes arquiteturais, baseada em uma abstração que oculta à complexidade de infraestrutura. Cada parte desta infraestrutura é provida como um serviço e, estes são normalmente alocados em centros de dados, utilizando hardware compartilhado para computação e armazenamento A convergência de uma gama de importantes tecnologias permite à computação na nuvem prover serviços de forma transparente para o usuário, dentre outras funcionalidades e particularidades. Campos de tecnologia que são de grande relevância nesta convergência são: Hardware, com a capacidade de virtualização; Tecnologias de internet, como a Web 2.0, serviços web; Gerenciamento de Sistemas, como a computação independente (autonomic computing) e a automação de gerenciamento e manutenção de Data Center; alem da computação distribuída, em especial a utility e grid computing (BUYYA ET AL, 2009). 2.8 APRENDIZAGEM INFORMAL E NEGÓCIOS NA WEB SOCIAL Na atual sociedade, também denominada sociedade da informação, do conhecimento e, mais recentemente da aprendizagem temos vivenciadas profundas mudanças na economia, na política, na educação e, principalmente, nas formas de conceber o conhecimento. Estas mudanças podem ser atribuídas, em grande parte, à disseminação da Internet, que revolucionou, de forma significativa, as formas de comunicação e, consequentemente, a vida das pessoas, pois segundo Castells (2003): Na co-evolução da internet e da sociedade, a dimensão política de nossas vidas está sendo profundamente transformada. O poder é exercido antes de tudo em torno da produção e difusão de nós culturais e conteúdos de informação. O controle sobre as redes de comunicação torna-se a alavanca pela qual interesses e valores são transformados em normas condutoras do comportamento humano (CASTELLS, 2003, p.135). Apesar das redes de comunicação estarem desde sempre presentes na vida dos seres humanos, foi graças às tecnologias de comunicação baseadas no computador e, em especial a Internet, que elas ganharam uma nova capacidade e alcance, assumindo um caráter flexível e adaptável, de forma descentralizada e horizontal, condizentes com o modelo de sociedade em que a informação circula a uma velocidade alucinante (MAURÌCIO, 2005). Portanto, a tecnologia acaba por se repercutir nos valores, costumes e hábitos da sociedade, impulsionando assim, um novo olhar sobre as potencialidades que a cibercultura pode interferir nos diversos segmentos sociais em que a interação e a partilha de conhecimentos assumem um papel de grande relevância na construção do saber. Sendo assim, percebe-se que as comunidades vêm se formando com o objetivo de responder às necessidades de diversas esferas sociais e áreas do conhecimento. Há os que as buscam para as atividades econômicas, religiosas, culturais, desportivas, etc. Outros buscam o aprimoramento profissional, criando verdadeiras redes organizadas de partilha de conhecimentos e espaços de aprendizagem colaborativa. Atualmente as Tecnologias da Informação e Comunicação (TIC), têm contribuído para a difusão do conhecimento por diversos meios, a exemplo das médias digitais, alargando as possibilidades de comunicação e troca de múltiplos saberes. A escola, local onde se efetua a educação sistematizada, pode valer-se destas tecnologias para propiciar uma aprendizagem construtivista em que o aluno passa a ser visto como um agente ativo e responsável por seu próprio aprendizado, utilizando para isso, de um arsenal de ferramentas que contribuem não só para pesquisa, mas também oferecem condições para que o conhecimento seja construído e o mais importante, seja partilhado e socializado nessa aldeia global através da Web social (LISBOA, 2010) Nos estudos de rede social e aprendizagem de Lisboa (2010), os resultados mostram que há diferenças substantivas entre as comunidades moderadas e públicas relativamente a assuntos tratados, tipo de linguagem utilizada, formas de comunicação e colaboração. O e-moderador surge como o elemento chave na dinamização das comunidades virtuais; no entanto, percebe-se que este

11 elemento ainda não tem plena consciência da importância do seu papel, assumindo muitas vezes uma função mais administrativa do que pedagógica. Em outra esfera, a dos negócios, as redes sociais estão sendo utilizadas para novas mudanças e perspectivas. O livro Facebook Era, de Clara Shih (2009), aborda a utilização das redes sociais online para criar produtos melhores, alcançar novas audiências e vender mais coisas. A utilização da propaganda boca a boca digital é uma das chaves de sucesso deste novo tipo de negócios. Ela é baseada em indicação dos usuários com o chamado Curtir. Neste contexto o CRM (Customer Relationship Management), o marketing de relacionamento ganha dimensões astronômicas em espaço de tempo curto. O Facebook-commerce possibilita a utilização das redes sociais, com milhares de usuários, para esta nova forma de negócio. CONSIDERAÇÕES FINAIS A partir dos avanços tecnológicos observa-se um aumento dos níveis concorrenciais em âmbito global, o uso dos recursos da TI também se intensificou. O papel da tecnologia de informação - TI - nas organizações tem assumido uma importância jamais vista em outras épocas. Em tempos de comunicação instantânea, o uso de tecnologias permite percepções humanas intensas, derrubando conceitos e definições. Estas interações favorecem também a criação de redes de comunicação e podem também alterar o comportamento das redes já existentes. A utilização da tecnologia da informação nas organizações, e mais recente as tecnologias digitais, tende a suprir parcialmente as demandas exigidas pelo mercado no desenvolvimento da globalização. Assim as tecnologias ligadas diretamente ao ambiente de informação têm crescido de forma acelerada, a fim de proporcionar uma ampla facilidade na administração de recursos necessários para uma boa utilização dos serviços apresentados e exigidos constantemente. Nas organizações que estão surgindo e as que já encontram-se estabilizadas no mercado, torna-se quase impossível pensar e trabalhar dentro das mesmas sem a utilização dos recursos disponibilizados pela TI, Neste artigo viu-se aspectos importantes de reflexão, dos investimento de Tecnologia da Informação, onde os sistemas de informação podem constituir uma vantagem competitiva real, sendo aqueles que apoiam a Gestão no esforço de estruturação e dinamização das empresas. São assim sistemas adequados ao uso e aos objetivos da instituição, e que são fundamentais para a atividade diariamente desenvolvida. As empresas bem organizadas do ponto de vista estratégico e econômico conseguem tirar proveito das TI's. O que se observa nos estudos sobre o tema é que estes recursos, e estes investimentos em TI, para sua otimização e para que efetivamente contribuam para a geração de vantagem competitiva devem apresentar estratégias alinhadas às estratégias de negócio, ou seja, apresentarem um alinhamento estratégico. Fatores importantes e que merecem a atenção é a relação com a produtividade e os fatores condicionantes da adoção de Tecnologia da Informação. As tecnologias digitais e as estruturas em redes criaram uma maior rapidez na troca de informações e interações entre os diversos agentes envolvidos, e dessa forma, permite novas formas de aprendizagem, tanto formal, quanto informal, e ainda a utilização das redes e mídias sociais comporta a criação de novos negócios e produtos, bem como a forma de como são realizados. REFERÊNCIAS BUCHANAN, J.R. & LINOWES, R.G.: Making Distributed Data Processing Work. Harvard Business Review, v.58, n.5, p , Sept./Oct Buyya, R., Yeo, C. S., Venugopal, S., Broberg, J., and Brandic, Cloud computing and merging it platforms: Vision, hype, and reality for delivering computing as the 5th utility. Future Gener. Comput. Syst., 25(6):

12 CASTELLS, Manuel. A sociedade em rede. São Paulo: Paz e Terra, CASTELLS, Manuel (2003). A Galáxia da Internet: Reflexões sobre a Internet, os negócios e a sociedade. Rio de Janeiro: Jorge Zahar Editor. HENDERSON, John C.; VENKATRAMAN, N. Strategic Alignment: Leveraging IT for Transforming Organizations. IBM Systems Journal. Newark: IBM, v.32, n.1, p.4-16, HUNT, Lynn; EAGLE, Lynne; KITCHEN, Philip J.. Balancing Marketing Education and Information Technology: Matching Needs or Needing a Better Match? Journal of Marketing Education. London: Sage, v.26, n.1, p.75-88, GONZALEZ, Ivo Pedro Gonzalez Jr; MADUREIRA, Fábio G.. O Software Livre Como Posicionamento Vantajoso. IN: Anais do XII Encontro Nacional Estudantes de Administração. Brasília: ENANGRAD, GONZALEZ, Ivo Pedro Gonzalez Jr; MADUREIRA Fábio G.. Diferencial competitivo alcançado com a utilização do software livre e lousa interativa de baixo custo. IN: Anais do 9º CONTECSI, LUFTMAN, Jerry. Assessing Business-IT Alignment Maturity. Communications of AIS. Atlanta: Association for Information Systems, v.4, n.1, p.1-50, PEPPARD, J.; WARD, J.. Mind the Gap : diagnosing the relationship between the IT organization and the rest of the business. Journal of Strategic Information Systems. Amsterdam: Elsevier, v.8, p.29-60, KEEN, P.G.W.: Information Technology And The Management Theory: The Fusion Map. IBM Systems Journal, v.32, n.1, p.17-38, LAURINDO, F. J. B.; SHIMIZU, T.; CARVALHO, M. M.; RABECHINI Jr., R. O papel da Tecnologia da Informação (TI) na estratégia das organizações. Gestão e Produção, v. 8, n. 2, p , São Carlos, ago LISBOA, Eliana Santana. Aprendizagem informal na Web social: um estudo na rede social Orkut. Dissertação de Mestrado em Ciências da Educação Área de Conhecimento em Tecnologia Educativa. Universidade do Minho, 2010 LUFTMAN, Jerry. Assessing Business-IT Alignment Maturity. Communications of AIS. Atlanta: Association for Information Systems, v.4, n.1, p.1-50, MANN, Joan. IT Education's Failure to Deliver Successful Information Systems: Now is the Time to Address the IT-User Gap. Journal of Information Technology Education.[S.I.: s.n.], v.1, n.4, p , MAURÍCIO, Luís Fernando Belchior (2005). Sistemas de informação para a educação. Contributos para uma reflexão crítica. In: Biblioteca online de Ciências da Comunicação (ISSN: ). Disponível em: Acedido em: 28/12/09. NOLAN, R.L.: Managing the Crises in Data Processing. Harvard Business Review, v.57, n.2, p , Mar./Apr PEPPARD, J.; WARD, J.. Mind the Gap : diagnosing the relationship between the IT organization and the rest of the business. Journal of Strategic Information Systems. Amsterdam: Elsevier, v.8, p.29-60, ROCKART, J.F.; EARL, M.J. & ROSS, J.W.: Eight Imperatives for the new IT Organization. Sloan Management Review, v.38, n.1, p.43-55, Fall 1996.

13 ROSEMBERG, Nathan. Quão exógena é a ciência RBI- Revista Brasileira de Inovação,Vol. 5, No 2, ROSS, J.W.; BEATH, C.M. & GOODHUE, D.L.: Develop Long-Term Competitiveness through ITAssets. Sloan Management Review, v.38, n.1, p.31-42, SANTOS, E. Fatores_Condicionantes_da_Adoção_de_TI_pelas_organizações. In: ENCONTRO ANUAL DA ANPAD, São Paulo:2004 SANTOS, E. O processo de aprisionamento tecnológico: um estudo sob o enfoque da gestão das tecnologias da informação.in: ENCONTRO ANUAL DA ANPAD, 26, 2002, Salvador. Anais, Salvador, SOLOW, R. A contribution to the Theory of Economic Grow. Quartely Journal of economics, vol 70, n.1, STRASSMAM, P. The Squandered Computer. New York Information economics Press TEIXEIRA, F. Tecnologia, Organizações e Produtividade: Lições do Paradoxo de Solow. Revista de Economia Política, vol 21, n.2 (82), abril-junho WAINER,J. O Paradoxo da Produtividade. In: RUBEN,G., DWYER,T. (Org.). Informática, Organizações e Sociedade no Brasil. São Paulo: Cortez Editora, 2003,p WEILL, Peter; ROSS, Jeanne W. Governança de TI. São Paulo: M. Books, 2006.

Núcleo de Pós Graduação Pitágoras

Núcleo de Pós Graduação Pitágoras Referências Núcleo de Pós Graduação Pitágoras MBA Gestão em TI Tópicos Especiais Alinhamento Estratégico TI e Negócios Professor: Fernando Zaidan 1 JAMIL, George Leal. Tecnologia e Sistemas de Informação.

Leia mais

Metodologias COBIT e ITIL e as perspectivas do Modelo de Alinhamento Estratégico de TI

Metodologias COBIT e ITIL e as perspectivas do Modelo de Alinhamento Estratégico de TI Metodologias COBIT e ITIL e as perspectivas do Modelo de Alinhamento Estratégico de TI Gilberto Zorello (USP) gilberto.zorello@poli.usp.br Resumo Este artigo apresenta o Modelo de Alinhamento Estratégico

Leia mais

Alinhamento Estratégico. A importância do alinhamento entre a TI e o Negócio e o método proposto pelo framework do CobiT 4.1

Alinhamento Estratégico. A importância do alinhamento entre a TI e o Negócio e o método proposto pelo framework do CobiT 4.1 Conhecimento em Tecnologia da Informação Alinhamento Estratégico A importância do alinhamento entre a TI e o Negócio e o método proposto pelo framework do CobiT 4.1 2010 Bridge Consulting Apresentação

Leia mais

22/02/2009. Supply Chain Management. É a integração dos processos do negócio desde o usuário final até os fornecedores originais que

22/02/2009. Supply Chain Management. É a integração dos processos do negócio desde o usuário final até os fornecedores originais que Supply Chain Management SUMÁRIO Gestão da Cadeia de Suprimentos (SCM) SCM X Logística Dinâmica Sugestões Definição Cadeia de Suprimentos É a integração dos processos do negócio desde o usuário final até

Leia mais

SPEKTRUM SOLUÇÕES DE GRANDE PORTE PARA PEQUENAS E MÉDIAS EMPRESAS SPEKTRUM SAP Partner 1

SPEKTRUM SOLUÇÕES DE GRANDE PORTE PARA PEQUENAS E MÉDIAS EMPRESAS SPEKTRUM SAP Partner 1 SPEKTRUM SOLUÇÕES DE GRANDE PORTE PARA PEQUENAS E MÉDIAS EMPRESAS SPEKTRUM SAP Partner 1 PROSPERE NA NOVA ECONOMIA A SPEKTRUM SUPORTA A EXECUÇÃO DA SUA ESTRATÉGIA Para as empresas que buscam crescimento

Leia mais

2.3. ORGANIZAÇÕES E GESTÃO DOS SISTEMAS DE INFORMAÇÃO

2.3. ORGANIZAÇÕES E GESTÃO DOS SISTEMAS DE INFORMAÇÃO 2.3. ORGANIZAÇÕES E GESTÃO DOS SISTEMAS DE INFORMAÇÃO As Empresas e os Sistemas Problemas locais - impacto no sistema total. Empresas como subsistemas de um sistema maior. Uma empresa excede a soma de

Leia mais

Sistemas de Informação Gerenciais

Sistemas de Informação Gerenciais Faculdade Pitágoras de Uberlândia Pós-graduação Sistemas de Informação Gerenciais Terceira aula Prof. Me. Walteno Martins Parreira Júnior www.waltenomartins.com.br waltenomartins@yahoo.com Maio -2013 Governança

Leia mais

Instituto de Educação Tecnológica Pós-graduação Gestão em Tecnologia da Informação - Turma nº 25 08/04/2015. Computação em Nuvem

Instituto de Educação Tecnológica Pós-graduação Gestão em Tecnologia da Informação - Turma nº 25 08/04/2015. Computação em Nuvem Instituto de Educação Tecnológica Pós-graduação Gestão em Tecnologia da Informação - Turma nº 25 08/04/2015 Computação em Nuvem Carlos Henrique Barbosa Lemos RESUMO Este trabalho tem por objetivo tratar

Leia mais

O Valor da TI. Introduzindo os conceitos do Val IT para mensuração do valor de Tecnologia da Informação. Conhecimento em Tecnologia da Informação

O Valor da TI. Introduzindo os conceitos do Val IT para mensuração do valor de Tecnologia da Informação. Conhecimento em Tecnologia da Informação Conhecimento em Tecnologia da Informação Conhecimento em Tecnologia da Informação O Valor da TI Introduzindo os conceitos do Val IT para mensuração do valor de Tecnologia da Informação 2010 Bridge Consulting

Leia mais

Proposta de Avaliação de Empresas para o uso do SAAS

Proposta de Avaliação de Empresas para o uso do SAAS 1 INSTITUTO DE EDUCAÇÃO TECNOLÓGICA PÓS-GRADUAÇÃO Gestão e Tecnologia da Informação/ IFTI 1402 Turma 25 09 de abril de 2015 Proposta de Avaliação de Empresas para o uso do SAAS Raphael Henrique Duarte

Leia mais

Módulo 07 Gestão de Conhecimento

Módulo 07 Gestão de Conhecimento Módulo 07 Gestão de Conhecimento Por ser uma disciplina considerada nova dentro do campo da administração, a gestão de conhecimento ainda hoje tem várias definições e percepções, como mostro a seguir:

Leia mais

EXPERIÊNCIA DE USO DE ARQUITETURA CORPORATIVA NO PROJETO DE RES

EXPERIÊNCIA DE USO DE ARQUITETURA CORPORATIVA NO PROJETO DE RES EXPERIÊNCIA DE USO DE ARQUITETURA CORPORATIVA NO PROJETO DE RES Rigoleta Dutra Mediano Dias 1, Lívia Aparecida de Oliveira Souza 2 1, 2 CASNAV, MARINHA DO BRASIL, MINISTÉRIO DA DEFESA, BRASIL Resumo: Este

Leia mais

Respostas da Lista de Exercícios do Módulo 2: Vantagem Competitiva. Resposta do Exercício 1

Respostas da Lista de Exercícios do Módulo 2: Vantagem Competitiva. Resposta do Exercício 1 Respostas da Lista de Exercícios do Módulo 2: Vantagem Competitiva 1 Resposta do Exercício 1 Uma organização usa algumas ações para fazer frente às forças competitivas existentes no mercado, empregando

Leia mais

GESTÃO ESTRATÉGICA DO CONHECIMENTO NAS PEQUENAS ORGANIZAÇÕES: UM MODELO DE ABORDAGEM ABRAHAM B. SICSÚ

GESTÃO ESTRATÉGICA DO CONHECIMENTO NAS PEQUENAS ORGANIZAÇÕES: UM MODELO DE ABORDAGEM ABRAHAM B. SICSÚ GESTÃO ESTRATÉGICA DO CONHECIMENTO NAS PEQUENAS ORGANIZAÇÕES: UM MODELO DE ABORDAGEM ABRAHAM B. SICSÚ 1 Contextualizando a Apresentação Gestão do Conhecimento, primeira abordagem: TI + Tecnologias Organizacionais

Leia mais

Estratégia de TI. Posicionamento Estratégico da TI: como atingir o alinhamento com o negócio. Conhecimento em Tecnologia da Informação

Estratégia de TI. Posicionamento Estratégico da TI: como atingir o alinhamento com o negócio. Conhecimento em Tecnologia da Informação Conhecimento em Tecnologia da Informação Conhecimento em Tecnologia da Informação Estratégia de TI Posicionamento Estratégico da TI: como atingir o alinhamento com o negócio 2011 Bridge Consulting Apresentação

Leia mais

CobiT 4.01 OBJETIVOS DE CONTROLE PARA INFORMAÇÃO E TECNOLOGIAS RELACIONADAS

CobiT 4.01 OBJETIVOS DE CONTROLE PARA INFORMAÇÃO E TECNOLOGIAS RELACIONADAS CobiT 4.01 OBJETIVOS DE CONTROLE PARA INFORMAÇÃO E TECNOLOGIAS RELACIONADAS METODOLOGIA DE AUDITORIA PARA AVALIAÇÃO DE CONTROLES E CUMPRIMENTO DE PROCESSOS DE TI NARDON, NASI AUDITORES E CONSULTORES CobiT

Leia mais

A mudança na aquisição de soluções de tecnologia da informação. O que significa para a TI e a linha de negócios (LOB)

A mudança na aquisição de soluções de tecnologia da informação. O que significa para a TI e a linha de negócios (LOB) A mudança na aquisição de soluções de tecnologia da informação Maio de 2014 O novo comprador de tecnologia e a mentalidade de aquisição Existe hoje um novo comprador de tecnologia da informação Esse comprador

Leia mais

Mídias sociais como apoio aos negócios B2C

Mídias sociais como apoio aos negócios B2C Mídias sociais como apoio aos negócios B2C A tecnologia e a informação caminham paralelas à globalização. No mercado atual é simples interagir, aproximar pessoas, expandir e aperfeiçoar os negócios dentro

Leia mais

GTI Governança de TI. GTI como Ativo Estratégico. GTI - Um Ativo Estratégico 1

GTI Governança de TI. GTI como Ativo Estratégico. GTI - Um Ativo Estratégico 1 GTI Governança de TI GTI como Ativo Estratégico GTI - Um Ativo Estratégico 1 GTI Um Ativo Estratégico Para pensar: Os problemas significativos que enfrentamos não podem ser resolvidos pelo mesmo nível

Leia mais

Situação mercadológica hoje: Era de concorrência e competição dentro de ambiente globalizado.

Situação mercadológica hoje: Era de concorrência e competição dentro de ambiente globalizado. TECNICAS E TECNOLOGIAS DE APOIO CRM Situação mercadológica hoje: Era de concorrência e competição dentro de ambiente globalizado. Empresas já não podem confiar em mercados já conquistados. Fusões e aquisições

Leia mais

Mídias sociais como apoio aos negócios B2B

Mídias sociais como apoio aos negócios B2B Mídias sociais como apoio aos negócios B2B A tecnologia e a informação caminham paralelas à globalização. No mercado atual é simples interagir, aproximar pessoas, expandir e aperfeiçoar os negócios dentro

Leia mais

INTRODUÇÃO A PORTAIS CORPORATIVOS

INTRODUÇÃO A PORTAIS CORPORATIVOS INTRODUÇÃO A PORTAIS CORPORATIVOS Conectt i3 Portais Corporativos Há cinco anos, as empresas vêm apostando em Intranet. Hoje estão na terceira geração, a mais interativa de todas. Souvenir Zalla Revista

Leia mais

A Importância do CRM nas Grandes Organizações Brasileiras

A Importância do CRM nas Grandes Organizações Brasileiras A Importância do CRM nas Grandes Organizações Brasileiras Por Marcelo Bandeira Leite Santos 13/07/2009 Resumo: Este artigo tem como tema o Customer Relationship Management (CRM) e sua importância como

Leia mais

Unidade II GESTÃO DO CONHECIMENTO. Profa. Leonor Cordeiro Brandão

Unidade II GESTÃO DO CONHECIMENTO. Profa. Leonor Cordeiro Brandão Unidade II GESTÃO DO CONHECIMENTO Profa. Leonor Cordeiro Brandão Relembrando Vimos alguns conceitos importantes: O que são dados; O que é informação; Quando uma informação se transforma em conhecimento;

Leia mais

Gestão do Conhecimento A Chave para o Sucesso Empresarial. José Renato Sátiro Santiago Jr.

Gestão do Conhecimento A Chave para o Sucesso Empresarial. José Renato Sátiro Santiago Jr. A Chave para o Sucesso Empresarial José Renato Sátiro Santiago Jr. Capítulo 1 O Novo Cenário Corporativo O cenário organizacional, sem dúvida alguma, sofreu muitas alterações nos últimos anos. Estas mudanças

Leia mais

Planejamento Estratégico de TI. Prof.: Fernando Ascani

Planejamento Estratégico de TI. Prof.: Fernando Ascani Planejamento Estratégico de TI Prof.: Fernando Ascani BI Business Intelligence A inteligência Empresarial, ou Business Intelligence, é um termo do Gartner Group. O conceito surgiu na década de 80 e descreve

Leia mais

Material de Apoio. Sistema de Informação Gerencial (SIG)

Material de Apoio. Sistema de Informação Gerencial (SIG) Sistema de Informação Gerencial (SIG) Material de Apoio Os Sistemas de Informação Gerencial (SIG) são sistemas ou processos que fornecem as informações necessárias para gerenciar com eficácia as organizações.

Leia mais

O POSICIONAMENTO DA ARQUITETURA DA INFORMAÇÃO NA GOVERNANÇA DE TI

O POSICIONAMENTO DA ARQUITETURA DA INFORMAÇÃO NA GOVERNANÇA DE TI O POSICIONAMENTO DA ARQUITETURA DA INFORMAÇÃO NA GOVERNANÇA DE TI Claudio Gottschalg Duque Professor Departamento de Ciência da Informação Universidade de Brasília (UnB) Brasil Mauricio Rocha Lyra Aluno

Leia mais

GOVERNANÇA EM TI. Prof. André Dutton. www.portaldoaluno.info 1

GOVERNANÇA EM TI. Prof. André Dutton. www.portaldoaluno.info 1 GOVERNANÇA EM TI Prof. André Dutton www.portaldoaluno.info 1 O QUE É GOVERNANÇA EM TI A governança em TI é de responsabilidade da alta administração (incluindo diretores e executivos), na liderança, nas

Leia mais

O advento das mídias sociais digitais e o mercado de trabalho para o profissional de relações públicas

O advento das mídias sociais digitais e o mercado de trabalho para o profissional de relações públicas O advento das mídias sociais digitais e o mercado de trabalho para o profissional de relações públicas Julie Caroline de Alcântara Universidade do Sagrado Coração, Bauru/SP E-mail: juliealcantara.31@gmail.com

Leia mais

CONCEITOS E APLICAÇÕES DA COMPUTAÇÃO EM NUVEM

CONCEITOS E APLICAÇÕES DA COMPUTAÇÃO EM NUVEM CONCEITOS E APLICAÇÕES DA COMPUTAÇÃO EM NUVEM Rogério Schueroff Vandresen¹, Willian Barbosa Magalhães¹ ¹Universidade Paranaense(UNIPAR) Paranavaí-PR-Brasil rogeriovandresen@gmail.com, wmagalhaes@unipar.br

Leia mais

Forneça a próxima onda de inovações empresariais com o Open Network Environment

Forneça a próxima onda de inovações empresariais com o Open Network Environment Visão geral da solução Forneça a próxima onda de inovações empresariais com o Open Network Environment Visão geral À medida que tecnologias como nuvem, mobilidade, mídias sociais e vídeo assumem papéis

Leia mais

ADMINISTRAÇÃO DA INFORMÁTICA

ADMINISTRAÇÃO DA INFORMÁTICA ADMINISTRAÇÃO DA INFORMÁTICA A informação sempre esteve presente em todas as organizações; porém, com a evolução dos negócios, seu volume e valor aumentaram muito, exigindo uma solução para seu tratamento,

Leia mais

SAM GERENCIAMENTO DE ATIVOS DE SOFTWARE

SAM GERENCIAMENTO DE ATIVOS DE SOFTWARE SAM GERENCIAMENTO DE ATIVOS DE SOFTWARE Modelo de Otimização de SAM Controle, otimize, cresça Em um mercado internacional em constante mudança, as empresas buscam oportunidades de ganhar vantagem competitiva

Leia mais

1- Objetivo: Avaliar os conhecimentos adquiridos durante o auto treinamento de Governança de TI com as práticas da ITIL e Cobit.

1- Objetivo: Avaliar os conhecimentos adquiridos durante o auto treinamento de Governança de TI com as práticas da ITIL e Cobit. 1- Objetivo: Avaliar os conhecimentos adquiridos durante o auto treinamento de Governança de TI com as práticas da ITIL e Cobit. 2 Regras e Instruções: Antes de começar a fazer a avaliação leia as instruções

Leia mais

CENTRO UNIVERSITÁRIO ESTÁCIO RADIAL DE SÃO PAULO SÍNTESE DO PROJETO PEDAGÓGICO DE CURSO 1

CENTRO UNIVERSITÁRIO ESTÁCIO RADIAL DE SÃO PAULO SÍNTESE DO PROJETO PEDAGÓGICO DE CURSO 1 SÍNTESE DO PROJETO PEDAGÓGICO DE CURSO 1 CURSO: ANÁLISE E DESENVOLVIMENTO DE SISTEMAS MISSÃO DO CURSO A concepção do curso de Análise e Desenvolvimento de Sistemas está alinhada a essas novas demandas

Leia mais

A GESTÃO ESCOLAR E O PROCESSO DE DEMOCRATIZAÇÃO DA ESCOLA PÚBLICA

A GESTÃO ESCOLAR E O PROCESSO DE DEMOCRATIZAÇÃO DA ESCOLA PÚBLICA A GESTÃO ESCOLAR E O PROCESSO DE DEMOCRATIZAÇÃO DA ESCOLA PÚBLICA Shirlei de Souza Correa - UNIVALI 1 Resumo: No contexto educacional pode-se considerar a gestão escolar como recente, advinda das necessidades

Leia mais

Uso dos computadores e a Tecnologia da informação nas empresas: uma visão geral e introdutória

Uso dos computadores e a Tecnologia da informação nas empresas: uma visão geral e introdutória Uso dos computadores e a Tecnologia da informação nas empresas: uma visão geral e introdutória Não há mais dúvidas de que para as funções da administração - planejamento, organização, liderança e controle

Leia mais

Sistemas de Informação I

Sistemas de Informação I + Sistemas de Informação I Dimensões de análise dos SI Ricardo de Sousa Britto rbritto@ufpi.edu.br + Introdução n Os sistemas de informação são combinações das formas de trabalho, informações, pessoas

Leia mais

MBA Gestão de Mercados ementas 2015/2

MBA Gestão de Mercados ementas 2015/2 MBA Gestão de Mercados ementas 2015/2 Análise de Tendências e Inovação Estratégica Levar o aluno a compreender os conceitos e as ferramentas de inteligência preditiva e inovação estratégica. Analisar dentro

Leia mais

Terceirização de Serviços de TI

Terceirização de Serviços de TI Terceirização de Serviços de TI A visão do Cliente PACS Quality Informática Ltda. 1 Agenda Terceirização: Perspectivas históricas A Terceirização como ferramenta estratégica Terceirização: O caso específico

Leia mais

CENTRO UNIVERSITÁRIO ESTÁCIO RADIAL DE SÃO PAULO SÍNTESE DO PROJETO PEDAGÓGICO DE CURSO 1

CENTRO UNIVERSITÁRIO ESTÁCIO RADIAL DE SÃO PAULO SÍNTESE DO PROJETO PEDAGÓGICO DE CURSO 1 SÍNTESE DO PROJETO PEDAGÓGICO DE CURSO 1 CURSO: Redes de Computadores MISSÃO DO CURSO Com a modernização tecnológica e com o surgimento destes novos serviços e produtos, fica clara a necessidade de profissionais

Leia mais

OS PRINCIPAIS PROBLEMAS DA GESTÃO DA CADEIA DE SUPRIMENTOS

OS PRINCIPAIS PROBLEMAS DA GESTÃO DA CADEIA DE SUPRIMENTOS OS PRINCIPAIS PROBLEMAS DA GESTÃO DA CADEIA DE SUPRIMENTOS Esta seção apresenta alguns dos problemas da gestão da cadeia de suprimentos discutidos em mais detalhes nos próximos capítulos. Estes problemas

Leia mais

Modelagem de Processos de Negócio Departamento de Ciência da Computação - UFMG. Maturidade em BPM. (Business Process Management)

Modelagem de Processos de Negócio Departamento de Ciência da Computação - UFMG. Maturidade em BPM. (Business Process Management) Modelagem de Processos de Negócio Departamento de Ciência da Computação - UFMG Maturidade em BPM (Business Process Management) Douglas Rodarte Florentino Belo Horizonte, 21 de Junho de 2010 Agenda Introdução

Leia mais

CLOUD COMPUTING: COMPARANDO COMO O MUNDO ONLINE PODE SUBSTITUIR OS SERVIÇOS TRADICIONAIS

CLOUD COMPUTING: COMPARANDO COMO O MUNDO ONLINE PODE SUBSTITUIR OS SERVIÇOS TRADICIONAIS CLOUD COMPUTING: COMPARANDO COMO O MUNDO ONLINE PODE SUBSTITUIR OS SERVIÇOS TRADICIONAIS João Antônio Bezerra Rodrigues¹, Claudete Werner¹, Gabriel Costa Silva² ¹Universidade Paranaense (Unipar) Paranavaí

Leia mais

OBSERVATÓRIO DE GESTÃO DA INFORMAÇÃO. Palavras-chave: Gestão da Informação. Gestão do conhecimento. OGI. Google alertas. Biblioteconomia.

OBSERVATÓRIO DE GESTÃO DA INFORMAÇÃO. Palavras-chave: Gestão da Informação. Gestão do conhecimento. OGI. Google alertas. Biblioteconomia. XIV Encontro Regional dos Estudantes de Biblioteconomia, Documentação, Ciência da Informação e Gestão da Informação - Região Sul - Florianópolis - 28 de abril a 01 de maio de 2012 RESUMO OBSERVATÓRIO DE

Leia mais

Gestão da Inovação no Contexto Brasileiro. Hugo Tadeu e Hérica Righi 2014

Gestão da Inovação no Contexto Brasileiro. Hugo Tadeu e Hérica Righi 2014 Gestão da Inovação no Contexto Brasileiro Hugo Tadeu e Hérica Righi 2014 INTRODUÇÃO Sobre o Relatório O relatório anual é uma avaliação do Núcleo de Inovação e Empreendedorismo da FDC sobre as práticas

Leia mais

Inteligência Organizacional, Inteligência Empresarial, Inteligência Competitiva, Infra-estrutura de BI mas qual é a diferença?

Inteligência Organizacional, Inteligência Empresarial, Inteligência Competitiva, Infra-estrutura de BI mas qual é a diferença? Inteligência Organizacional, Inteligência Empresarial, Inteligência Competitiva, Infra-estrutura de BI mas qual é a diferença? * Daniela Ramos Teixeira A Inteligência vem ganhando seguidores cada vez mais

Leia mais

Estratégia como fator de Competitividade. Resumo

Estratégia como fator de Competitividade. Resumo Estratégia como fator de Competitividade Autora: Claryce Barros Santos Resumo Em meio à variabilidade de processos organizacionais a estratégia surge como ferramenta crucial nas organizações. O presente

Leia mais

Gestão e estratégia de TI Conhecimento do negócio aliado à excelência em serviços de tecnologia

Gestão e estratégia de TI Conhecimento do negócio aliado à excelência em serviços de tecnologia Gestão e estratégia de TI Conhecimento do negócio aliado à excelência em serviços de tecnologia Desafios a serem superados Nos últimos anos, executivos de Tecnologia de Informação (TI) esforçaram-se em

Leia mais

SISTEMA PARA CONTROLE DE EGRESSOS E INDICADORES DE MEDIÇÃO Pesquisa em Andamento: resultados preliminares

SISTEMA PARA CONTROLE DE EGRESSOS E INDICADORES DE MEDIÇÃO Pesquisa em Andamento: resultados preliminares SISTEMA PARA CONTROLE DE EGRESSOS E INDICADORES DE MEDIÇÃO Pesquisa em Andamento: resultados preliminares Neidson Santos Bastos 1 ; Angelo Augusto Frozza 2 ; Reginaldo Rubens da Silva 3 RESUMO Mensurar

Leia mais

NÚCLEO DE EDUCAÇÃO MATEMÁTICA E ENSINO DE FÍSICA E AS NOVAS TECNOLOGIAS NA FORMAÇÃO DE PROFESSORES

NÚCLEO DE EDUCAÇÃO MATEMÁTICA E ENSINO DE FÍSICA E AS NOVAS TECNOLOGIAS NA FORMAÇÃO DE PROFESSORES NÚCLEO DE EDUCAÇÃO MATEMÁTICA E ENSINO DE FÍSICA E AS NOVAS TECNOLOGIAS NA FORMAÇÃO DE PROFESSORES Edson Crisostomo dos Santos Universidade Estadual de Montes Claros - UNIMONTES edsoncrisostomo@yahoo.es

Leia mais

GESTÃO EMPRESARIAL E TECNOLOGIA DA INFORMAÇÃO

GESTÃO EMPRESARIAL E TECNOLOGIA DA INFORMAÇÃO GESTÃO EMPRESARIAL E TECNOLOGIA DA INFORMAÇÃO * César Raeder Este artigo é uma revisão de literatura que aborda questões relativas ao papel do administrador frente à tecnologia da informação (TI) e sua

Leia mais

EDUCAÇÃO CORPORATIVA EM EAD: Benefícios da modalidade e-learning.

EDUCAÇÃO CORPORATIVA EM EAD: Benefícios da modalidade e-learning. EDUCAÇÃO CORPORATIVA EM EAD: Benefícios da modalidade e-learning. Autor(a): Gliner Dias Alencar Coautor(es): Joaquim Nogueira Ferraz Filho, Marcelo Ferreira de Lima, Lucas Correia de Andrade, Alessandra

Leia mais

O IMPACTO DA UTILIZAÇÃO DE UM SOFTWARE DE GERENCIAMENTO ELETRÔNICO DE PROJETOS NAS EMPRESAS

O IMPACTO DA UTILIZAÇÃO DE UM SOFTWARE DE GERENCIAMENTO ELETRÔNICO DE PROJETOS NAS EMPRESAS O IMPACTO DA UTILIZAÇÃO DE UM SOFTWARE DE GERENCIAMENTO ELETRÔNICO DE PROJETOS NAS EMPRESAS Nadia Al-Bdywoui (nadia_alb@hotmail.com) Cássia Ribeiro Sola (cassiaribs@yahoo.com.br) Resumo: Com a constante

Leia mais

Programa do Curso de Pós-Graduação Lato Sensu MBA em Gestão de Projetos

Programa do Curso de Pós-Graduação Lato Sensu MBA em Gestão de Projetos Programa do Curso de Pós-Graduação Lato Sensu MBA em Gestão de Projetos Apresentação O programa de Pós-graduação Lato Sensu em Gestão de Projetos tem por fornecer conhecimento teórico instrumental que

Leia mais

O Supply Chain Evoluiu?

O Supply Chain Evoluiu? O Supply Chain Evoluiu? Apresentação - 24º Simpósio de Supply Chain & Logística 0 A percepção de estagnação do Supply Chain influenciada pela volatilidade do ambiente econômico nos motivou a entender sua

Leia mais

O papel educativo do gestor de comunicação no ambiente das organizações

O papel educativo do gestor de comunicação no ambiente das organizações O papel educativo do gestor de comunicação no ambiente das organizações Mariane Frascareli Lelis Universidade Estadual Paulista Júlio de Mesquita Filho UNESP, Bauru/SP e-mail: mariane_lelis@yahoo.com.br;

Leia mais

Sistemas Integrados de Gestão Empresarial. Prof. Dr. Adilson de Oliveira Computer Engineering Ph.D Project Management Professional (PMP)

Sistemas Integrados de Gestão Empresarial. Prof. Dr. Adilson de Oliveira Computer Engineering Ph.D Project Management Professional (PMP) Sistemas Integrados de Gestão Empresarial Prof. Dr. Adilson de Oliveira Computer Engineering Ph.D Project Management Professional (PMP) Evolução da TI nas Organizações Estágios de Evolução da TI nas Organizações

Leia mais

Por Antonio Couto. Autor: Antonio Couto Enterprise Architect

Por Antonio Couto. Autor: Antonio Couto Enterprise Architect Cloud Computing e HP Converged Infrastructure Para fazer uso de uma private cloud, é necessário crescer em maturidade na direção de uma infraestrutura convergente. Por Antonio Couto O que é Cloud Computing?

Leia mais

Sistemas de Informação

Sistemas de Informação Material adicional: Sistemas de Informação livro Osistema de Informação : Enfoque Gerencial... livro O Analista de Negócios e da Informação... 1. Conceito de Sistema A palavra sistema envolve, de fato,

Leia mais

EMPRESA COM CONHECIMENTO EM TI

EMPRESA COM CONHECIMENTO EM TI EMPRESA COM CONHECIMENTO EM TI Referência Conhecimento em TI : O que executivos precisam saber para conduzirem com sucesso TI em suas empresas. Peter Weill & Jeanne W. Ross Tradução M.Books, 2010. 2 O

Leia mais

Programa do Curso de Pós-Graduação Lato Sensu MBA em Gestão de Pessoas

Programa do Curso de Pós-Graduação Lato Sensu MBA em Gestão de Pessoas Programa do Curso de Pós-Graduação Lato Sensu MBA em Gestão de Pessoas Apresentação O programa de Pós-graduação Lato Sensu em Gestão de Pessoas tem por objetivo o fornecimento de instrumental que possibilite

Leia mais

www.jrsantiago.com.br

www.jrsantiago.com.br www.jrsantiago.com.br Gestão do Conhecimento em Projetos José Renato Santiago Cenário Corporativo Muitas empresas gastam parte significativa de seu tempo no planejamento e desenvolvimento de atividades,

Leia mais

PROJETO DE REDES www.projetoderedes.com.br

PROJETO DE REDES www.projetoderedes.com.br PROJETO DE REDES www.projetoderedes.com.br Disciplina: Curso de Tecnologia em Redes de Computadores Auditoria e Análise de Segurança da Informação - 4º período Professor: José Maurício S. Pinheiro AULA

Leia mais

ESTRATÉGIAS NA EDUCAÇÃO DE JOVENS E ADULTOS NA PERSPECTIVA DAS NOVAS TECNOLOGIAS

ESTRATÉGIAS NA EDUCAÇÃO DE JOVENS E ADULTOS NA PERSPECTIVA DAS NOVAS TECNOLOGIAS 1 ESTRATÉGIAS NA EDUCAÇÃO DE JOVENS E ADULTOS NA PERSPECTIVA DAS NOVAS TECNOLOGIAS INTRODUÇÃO Marilda Coelho da Silva marildagabriela@yahoo.com.br Mestrado Profissional Formação de Professores UEPB As

Leia mais

Resenha. Inovação: repensando as organizações (BAUTZER, Daise. São Paulo: Atlas, 2009.)

Resenha. Inovação: repensando as organizações (BAUTZER, Daise. São Paulo: Atlas, 2009.) Resenha Inovação: repensando as organizações (BAUTZER, Daise. São Paulo: Atlas, 2009.) Patrícia Morais da Silva 1 Superar as expectativas do mercado atendendo de forma satisfatória as demandas dos clientes

Leia mais

SG FOOD (SISTEMA GERÊNCIAL DE LANCHONETES EM GERAL) JUNIOR, M. P.A.; MODESTO, L.R. Resumo

SG FOOD (SISTEMA GERÊNCIAL DE LANCHONETES EM GERAL) JUNIOR, M. P.A.; MODESTO, L.R. Resumo SG FOOD (SISTEMA GERÊNCIAL DE LANCHONETES EM GERAL) JUNIOR, M. P.A.; MODESTO, L.R. Resumo A Tecnologia da Informação (TI) faz parte do cotidiano da sociedade moderna, mesmo as pessoas que não têm acesso

Leia mais

Planejamento de sistemas de informação.

Planejamento de sistemas de informação. Planejamento de sistemas de informação. O planejamento de sistemas de informação e da tecnologia da informação é o processo de identificação das aplicações baseadas em computadores para apoiar a organização

Leia mais

Introdução. Gestão do Conhecimento GC

Introdução. Gestão do Conhecimento GC Introdução A tecnologia da informação tem um aspecto muito peculiar quanto aos seus resultados, uma vez que a simples disponibilização dos recursos computacionais (banco de dados, sistemas de ERP, CRM,

Leia mais

Tecnologia da Informação. Sistema Integrado de Gestão ERP ERP

Tecnologia da Informação. Sistema Integrado de Gestão ERP ERP Tecnologia da Informação. Sistema Integrado de Gestão ERP Prof: Edson Thizon ethizon@gmail.com O que é TI? TI no mundo dos negócios Sistemas de Informações Gerenciais Informações Operacionais Informações

Leia mais

Sistema Integrado de Gestão ERP. Prof: Edson Thizon ethizon@gmail.com

Sistema Integrado de Gestão ERP. Prof: Edson Thizon ethizon@gmail.com Sistema Integrado de Gestão ERP Prof: Edson Thizon ethizon@gmail.com Tecnologia da Informação. O que é TI? TI no mundo dos negócios Sistemas de Informações Gerenciais Informações Operacionais Informações

Leia mais

Governança de TI com COBIT, ITIL e BSC

Governança de TI com COBIT, ITIL e BSC {aula #2} Parte 1 Governança de TI com melhores práticas COBIT, ITIL e BSC www.etcnologia.com.br Rildo F Santos rildo.santos@etecnologia.com.br twitter: @rildosan (11) 9123-5358 skype: rildo.f.santos (11)

Leia mais

Aula 09 - Remuneração por competências: uma alavanca para o capital intelectual

Aula 09 - Remuneração por competências: uma alavanca para o capital intelectual Aula 09 - Remuneração por competências: uma alavanca para o capital intelectual Objetivos da aula: Estudar a remuneração por habilidades; Sistematizar habilidades e contrato de desenvolvimento contínuo.

Leia mais

Universidade de Brasília. Departamento de Ciência da Informação e Documentação. Prof a.:lillian Alvares

Universidade de Brasília. Departamento de Ciência da Informação e Documentação. Prof a.:lillian Alvares Universidade de Brasília Departamento de Ciência da Informação e Documentação Prof a.:lillian Alvares Fóruns óu s/ Listas de discussão Espaços para discutir, homogeneizar e compartilhar informações, idéias

Leia mais

ü Curso - Bacharelado em Sistemas de Informação

ü Curso - Bacharelado em Sistemas de Informação Curso - Bacharelado em Sistemas de Informação Nome e titulação do Coordenador: Coordenador: Prof. Wender A. Silva - Mestrado em Engenharia Elétrica (Ênfase em Processamento da Informação). Universidade

Leia mais

A ITIL e o Gerenciamento de Serviços de TI

A ITIL e o Gerenciamento de Serviços de TI A ITIL e o Gerenciamento de Serviços de TI A era da informação Informação, palavra derivada do verbo latim "informare", que significa "disciplinar", "ensinar", "instruir", juntamente com o seu significado

Leia mais

Liderança e Gestão de Pessoas Porque Educação Executiva Insper Cursos de Curta e Média Duração Educação Executiva

Liderança e Gestão de Pessoas Porque Educação Executiva Insper Cursos de Curta e Média Duração Educação Executiva 1 Porque Educação Executiva Insper A dinâmica do mundo corporativo exige profissionais multidisciplinares, capazes de interagir e formar conexões com diferentes áreas da empresa e entender e se adaptar

Leia mais

Análise do Ambiente estudo aprofundado

Análise do Ambiente estudo aprofundado Etapa 1 Etapa 2 Etapa 3 Etapa 4 Etapa 5 Disciplina Gestão Estratégica e Serviços 7º Período Administração 2013/2 Análise do Ambiente estudo aprofundado Agenda: ANÁLISE DO AMBIENTE Fundamentos Ambientes

Leia mais

Universidade de Brasília Departamento de Ciência da Informação e Documentação Profa.:Lillian Alvares

Universidade de Brasília Departamento de Ciência da Informação e Documentação Profa.:Lillian Alvares Universidade de Brasília Departamento de Ciência da Informação e Documentação Profa.:Lillian Alvares Comunidades de Prática Grupos informais e interdisciplinares de pessoas unidas em torno de um interesse

Leia mais

Programa do Curso de Pós-Graduação Lato Sensu MBA em Gestão Estratégica de Marketing

Programa do Curso de Pós-Graduação Lato Sensu MBA em Gestão Estratégica de Marketing Programa do Curso de Pós-Graduação Lato Sensu MBA em Gestão Estratégica de Marketing Apresentação Em uma economia globalizada e extremamente competitiva, torna-se cada vez mais imprescindível a visão estratégica

Leia mais

biblioteca Cultura de Inovação Dr. José Cláudio C. Terra & Caspar Bart Van Rijnbach, M Gestão da Inovação

biblioteca Cultura de Inovação Dr. José Cláudio C. Terra & Caspar Bart Van Rijnbach, M Gestão da Inovação O artigo fala sobre os vários aspectos e desafios que devem ser levados em consideração quando se deseja transformar ou fortalecer uma cultura organizacional, visando a implementação de uma cultura duradoura

Leia mais

Administração de CPD Chief Information Office

Administração de CPD Chief Information Office Administração de CPD Chief Information Office Cássio D. B. Pinheiro pinheiro.cassio@ig.com.br cassio.orgfree.com Objetivos Apresentar os principais conceitos e elementos relacionados ao profissional de

Leia mais

A Descrição do Produto ou Serviço e a Análise do Mercado e dos Competidores Fabiano Marques

A Descrição do Produto ou Serviço e a Análise do Mercado e dos Competidores Fabiano Marques A Descrição do Produto ou Serviço e a Análise do Mercado e dos Competidores Fabiano Marques "O plano de negócios é o cartão de visitas do empreendedor em busca de financiamento". (DORNELAS, 2005) A partir

Leia mais

Programa do Curso de Pós-Graduação Lato Sensu MBA em Engenharia de Software Orientada a Serviços (SOA)

Programa do Curso de Pós-Graduação Lato Sensu MBA em Engenharia de Software Orientada a Serviços (SOA) Programa do Curso de Pós-Graduação Lato Sensu MBA em Engenharia de Software Orientada a Serviços (SOA) Apresentação O programa de Pós-graduação Lato Sensu em Engenharia de Software Orientada a Serviços

Leia mais

Governança de TI Evolução e Conceitos de Gestão da TI. Raimir Holanda raimir@tce.ce.gov.br

Governança de TI Evolução e Conceitos de Gestão da TI. Raimir Holanda raimir@tce.ce.gov.br Governança de TI Evolução e Conceitos de Gestão da TI Raimir Holanda raimir@tce.ce.gov.br Agenda Conceitos de Governança de TI Fatores motivadores das mudanças Evolução da Gestão de TI Ciclo da Governança

Leia mais

Universidade de Brasília. Faculdade de Ciência da Informação. Prof a Lillian Alvares

Universidade de Brasília. Faculdade de Ciência da Informação. Prof a Lillian Alvares Universidade de Brasília Faculdade de Ciência da Informação Prof a Lillian Alvares Fóruns Comunidades de Prática Mapeamento do Conhecimento Portal Intranet Extranet Banco de Competências Memória Organizacional

Leia mais

Balanced Scorecard BSC. O que não é medido não é gerenciado. Medir é importante? Também não se pode medir o que não se descreve.

Balanced Scorecard BSC. O que não é medido não é gerenciado. Medir é importante? Também não se pode medir o que não se descreve. Balanced Scorecard BSC 1 2 A metodologia (Mapas Estratégicos e Balanced Scorecard BSC) foi criada por professores de Harvard no início da década de 90, e é amplamente difundida e aplicada com sucesso em

Leia mais

O Valor estratégico da sustentabilidade: resultados do Relatório Global da McKinsey

O Valor estratégico da sustentabilidade: resultados do Relatório Global da McKinsey O Valor estratégico da sustentabilidade: resultados do Relatório Global da McKinsey Executivos em todos os níveis consideram que a sustentabilidade tem um papel comercial importante. Porém, quando se trata

Leia mais

Laudinei Rossi Barbatto JUNIOR 1 Gilson Rodrigo Silvério POLIDORIO 2

Laudinei Rossi Barbatto JUNIOR 1 Gilson Rodrigo Silvério POLIDORIO 2 COMO QUEBRAR PARADIGMAS SEM CAUSAR UM IMPACTO NEGATIVO NO PROCESSO DE IMPLANTAÇÃO DO MARKETING DE RELACIONAMENTO, CRM E DBM EMPRESARIAL: UM ESTUDO DE CASO Laudinei Rossi Barbatto JUNIOR 1 Gilson Rodrigo

Leia mais

FIGURA 1: Capacidade de processos e maturidade Fonte: McCormack et al., 2003, 47p. Maturidade SCM Foco SCM. Inter-organizacional. Alta.

FIGURA 1: Capacidade de processos e maturidade Fonte: McCormack et al., 2003, 47p. Maturidade SCM Foco SCM. Inter-organizacional. Alta. Pesquisa IMAM/CEPEAD descreve os níveis de maturidade dos logísticos de empresas associadas Marcos Paulo Valadares de Oliveira e Dr. Marcelo Bronzo Ladeira O Grupo IMAM, em conjunto com o Centro de Pós-Graduação

Leia mais

Visão estratégica para compras

Visão estratégica para compras Visão estratégica para compras FogStock?Thinkstock 40 KPMG Business Magazine Mudanças de cenário exigem reposicionamento do setor de suprimentos O perfil do departamento de suprimentos das empresas não

Leia mais

FACULDADE REDENTOR NUCLEO DE APOIO EMPRESARIAL CURSO DE ADMINISTRAÇÃO

FACULDADE REDENTOR NUCLEO DE APOIO EMPRESARIAL CURSO DE ADMINISTRAÇÃO FACULDADE REDENTOR NUCLEO DE APOIO EMPRESARIAL CURSO DE ADMINISTRAÇÃO Justificativa: As transformações ocorridas nos últimos anos têm obrigado as organizações a se modificarem constantemente e de forma

Leia mais

ITIL V3 GUIA DE MELHORES PRÁTICAS EM GERENCIAMENTO DE SERVIÇOS

ITIL V3 GUIA DE MELHORES PRÁTICAS EM GERENCIAMENTO DE SERVIÇOS ITIL V3 GUIA DE MELHORES PRÁTICAS EM GERENCIAMENTO DE SERVIÇOS CAPÍTULO 1 INTRODUÇÃO ITIL V3 1.1. Introdução ao gerenciamento de serviços. Devemos ressaltar que nos últimos anos, muitos profissionais da

Leia mais

TÍTULO: CAPITAL INTELECTUAL E GESTÃO DO CONHECIMENTO: OS DESAFIOS DOS GESTORES DE RECURSOS HUMANOS DIANTE DOS NOVOS CONTEXTOS DE GERENCIAMENTO

TÍTULO: CAPITAL INTELECTUAL E GESTÃO DO CONHECIMENTO: OS DESAFIOS DOS GESTORES DE RECURSOS HUMANOS DIANTE DOS NOVOS CONTEXTOS DE GERENCIAMENTO Anais do Conic-Semesp. Volume 1, 2013 - Faculdade Anhanguera de Campinas - Unidade 3. ISSN 2357-8904 TÍTULO: CAPITAL INTELECTUAL E GESTÃO DO CONHECIMENTO: OS DESAFIOS DOS GESTORES DE RECURSOS HUMANOS DIANTE

Leia mais

Solução CA Technologies Garante Entrega de Novo Serviço de Notícias do Jornal Valor Econômico

Solução CA Technologies Garante Entrega de Novo Serviço de Notícias do Jornal Valor Econômico CUSTOMER SUCCESS STORY Abril 2014 Solução CA Technologies Garante Entrega de Novo Serviço de Notícias do Jornal Valor Econômico PERFIL DO CLIENTE Indústria: Mídia Companhia: Valor Econômico Funcionários:

Leia mais

GESTÃO DE TI NAS ORGANIZAÇÕES CONTEMPORÂNEAS

GESTÃO DE TI NAS ORGANIZAÇÕES CONTEMPORÂNEAS GESTÃO DE TI NAS ORGANIZAÇÕES CONTEMPORÂNEAS WALLACE BORGES CRISTO 1 JOÃO CARLOS PEIXOTO FERREIRA 2 João Paulo Coelho Furtado 3 RESUMO A Tecnologia da Informação (TI) está presente em todas as áreas de

Leia mais

UMA ANÁLISE QUALITATIVA SOBRE A IMPORTÂNCIA DA ATUAÇÃO CONJUNTO ENTRE A TECNOLOGIA DA INFORMAÇÃO E A CONTROLADORIA NO AMBIENTE ORGANIZACIONAL

UMA ANÁLISE QUALITATIVA SOBRE A IMPORTÂNCIA DA ATUAÇÃO CONJUNTO ENTRE A TECNOLOGIA DA INFORMAÇÃO E A CONTROLADORIA NO AMBIENTE ORGANIZACIONAL UMA ANÁLISE QUALITATIVA SOBRE A IMPORTÂNCIA DA ATUAÇÃO CONJUNTO ENTRE A TECNOLOGIA DA INFORMAÇÃO E A CONTROLADORIA NO AMBIENTE ORGANIZACIONAL ANDRADE, Luís¹ Filipe Veri de VEGGIAN, Viviane¹ Amaro SCARPINELLI,

Leia mais

Unidade II GERENCIAMENTO DE SISTEMAS. Prof. Roberto Marcello

Unidade II GERENCIAMENTO DE SISTEMAS. Prof. Roberto Marcello Unidade II GERENCIAMENTO DE SISTEMAS DE INFORMAÇÃO Prof. Roberto Marcello SI Sistemas de gestão A Gestão dos Sistemas Integrados é uma forma organizada e sistemática de buscar a melhoria de resultados.

Leia mais

O poder da presença O valor empresarial da colaboração presencial

O poder da presença O valor empresarial da colaboração presencial O poder da presença O valor empresarial da colaboração presencial Sumário executivo À medida que as organizações competem e crescem em uma economia global dinâmica, um novo conjunto de pontos cruciais

Leia mais