PALAVRAS CHAVES: Apropriação, acessibilidade, espaço público, Parque da Criança.

Save this PDF as:
 WORD  PNG  TXT  JPG

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "PALAVRAS CHAVES: Apropriação, acessibilidade, espaço público, Parque da Criança."

Transcrição

1 APROPRIAÇÃO E ACESSIBILIDADE NO PARQUE DA CRIANÇA EM MOSSORÓ-RN José Gomes Neto 1 Maria Helena Braga e Vaz da Costa 2 Programa de Pós Graduação em Geografia-UFRN RESUMO: Esse trabalho versa sobre espaços públicos, precisamente o Parque da Criança, integrante do Corredor Cultural de Mossoró-RN, localizado no centro da cidade. O Parque da Criança apresenta-se para a cidade de Mossoró como uma opção de lazer, de entretenimento, de encontro. Foi uma obra construída totalmente com verbas públicas, dispõe de um aparato de objetos, brinquedos, destinados ao público infantil. Este local, no entanto, faz nos refletirmos sobre algumas questões que envolvem o seu estatuto enquanto espaço público, reflexões pautadas na noção de espaço público que seus freqüentadores congregam; nas apropriações que acontecem no local; e no acesso por parte das mais diferentes classes sociais à área. Este local que deveria ser de uso coletivo e irrestrito acaba sendo apropriado pela classe média, através pagamento de taxas para seu uso, dificultando assim o acesso e uso por parte de pessoas mais humildes. De acordo com o exposto acima realizamos um levantamento teórico sobre autores que trabalham com a temática, e uma pesquisa qualitativa, com uso de questionários abertos, com o intuito de conhecermos melhor a complexa realidade deste espaço. Foi revelado que precisaríamos discutir alguns pontos, como por exemplo, certos conceitos, o de apropriação e o de acessibilidade para este espaço em especial, tomando como base as idéias de Serpa (2007) e Gomes (2006). Sabe-se que a noção de espaço público para a maioria dos entrevistados se faz confusa; que o pagamento de taxas tornaria o Parque da Criança uma área seletiva, portanto, segmentada; que os entrevistados do Nova Betânia, bairro elitista não concordam com a cobrança de taxas, enquanto do Barrocas um bairro mais popular acredita ser necessária. PALAVRAS CHAVES: Apropriação, acessibilidade, espaço público, Parque da Criança. 1 Mestrando do Programa de Pós Graduação em Geografia da UFRN, bolsista Capes. 2 Professora do Departamento de Artes-DART da UFRN, orientadora da pesquisa. 1

2 INTRODUÇÃO Neste artigo faremos uma incursão sobre as idéias que permeiam teoricamente os estudos sobre os espaços públicos, daremos ênfase ao Parque da Criança, um espaço lotado no Corredor Cultural de Mossoró. Para criarmos uma possibilidade de aproximação de um debate mais coerente com a noção de espaço público, nos remeteremos a analisá-lo sob a ótica das apropriações que são realizadas no local, bem como o seu acesso, que em determinados casos se faz de maneira restrita. Para obtermos o estatuto de um trabalho científico ponderamos alguns procedimentos que foram realizados, como um levantamento teórico com autores que trabalham com o tema em tela; realizamos uma pesquisa qualitativa com a aplicação de questionários abertos. Em nossa aproximação com determinados teóricos fizemos a escolha por dois geógrafos que discutem a temática, o Paulo César da Costa Gomes e o Ângelo Serpa, mais especificadamente duas de suas obras, A condição urbana (2006) e O espaço público na cidade contemporânea (2007), respectivamente. Fizemos a escolha pelo Gomes baseado em sua idéia geral de espaço público que enfoca quatro elementos principais: a origem dos espaços públicos; o desafio da geografia de estudar esse tema; as incompreensões acerca dos espaços públicos e sua relação com a cidadania; e por último, os contornos que o mesmo ganha na contemporaneidade. E de acordo com esta perspectiva de análise, podemos vislumbrar uma base para explicar os contornos de uma estrutura segregada que não oferece acesso a todos, e que este comportamento não remete aos dias de hoje, vem desde a origem, na Grécia antiga. A opção pelo Serpa se faz extremamente útil neste momento, pelo esforço teórico que este autor vem desenvolvendo para encontrar explicações plausíveis para as transformações que este equipamento urbano vem sofrendo, especialmente nestes últimos anos. Mais, algumas de suas considerações nos chamam a atenção porque imagina o espaço público formado por dimensões superiores que se desdobram em outras. As principais seriam o fator político e econômico, que dariam sustentação a acessibilidade, a visibilidade, a espetacularização, as formas territoriais gestadas no seu seio. Este autor nos fornece uma explicação sólida para imaginarmos que determinadas apropriações, realizadas por grupos, agentes, entre outros, são capazes de gerar barreiras que impeçam o acesso universal a um local que deveria ser coletivo, de uso irrestrito. Realizamos a pesquisa qualitativa com o uso de questionários abertos por pensarmos que este encaminhamento nos daria respostas satisfatórias para o que nos propomos a pesquisar, pois poderíamos pensar a respeito das diversas opiniões que são formadas pelas pessoas que utilizam ou não este local. A partir da coleta destas noções montamos um mosaico de formulações para, no mínimo, pensarmos geograficamente a respeito de um espaço que passa por transformações significativas nestes últimos anos. 2

3 Escolhemos três locais para aplicarmos nossos questionários, dois bairros, sendo um elitista o Nova Betânia, outro mais distante do centro e de caráter popular, o Barrocas, alem do próprio Parque da Criança. Realizamos esta escolha levando em consideração que poderíamos encontrar opiniões diferentes, entre os freqüentadores do parque e bairros com caráter financeiro distintos. Resolvemos com esta pesquisa revelar que o Parque da Criança é um espaço que foi totalmente construído com dinheiro público, ou seja, não foi concebido em regime de Parceria Público Privado (PPP), e resolvemos denunciar que o mesmo não dá acesso as mais diferentes classes sociais. Tentaremos evidenciar que um espaço dito público é controlado por uma empresa privada, que inclusive, cobra taxas para a utilização dos mais diferentes brinquedos e elementos que constituem o lugar. DE PRAÇA A PARQUE DA CRIANÇA O Parque da Criança situado na cidade de Mossoró-RN, é um dos elementos que compõem o complexo do Corredor Cultural, é localizado na Avenida Rio Branco, cruza a cidade no sentido leste-oeste, e fora edificado na transição do bairro Alto da Conceição com o Centro. É um equipamento público que dispõe de uma gama de objetos e brinquedos destinados ao público infantil, constitui se enquanto parque temático, com uma proposta de ser uma opção de lazer, entretenimento para os cidadãos. Nasceu com a toponímia de Praça da Criança, porém, com as constantes críticas, principalmente de Gomes (2009), os representantes do poder decidiram rebatizar o espaço desde o ano de 2010, com o nome de Parque da Criança. Essa mudança toponímica deu se em relação ao caráter do empreendimento, como há no seu entorno um emuramento, ou seja, muros e grades que cercam o local, gerando assim um aspecto de fechamento, este espaço não poderia ser chamado de praça, sendo assim constituiria se como um parque. Não faria sentido que uma praça tivesse uma fachada isolacionista, com a presença de barreiras concretas ao seu redor. O Parque da Criança, que fora edificado unicamente com verbas públicas, recebeu um investimento superior a 10 milhões de reais, é controlado por um grupo empresarial que fornece o gerenciamento, segurança, manutenção dos aparelhos. Pelo controle e organização deste equipamento esta empresa cobra taxas para sua utilização. Atualmente a entrada para as dependências internas é livre, mais nem sempre foi assim, eram cobrados determinados valores para as pessoas poderem adentrar e conseqüentemente utilizar os brinquedos. Depois de muitas críticas, principalmente nossas, tivemos uma mudança na postura dos que controlam o espaço, fora mudado a maneira da cobrança, que será feita levando se em consideração apenas o que as pessoas fossem consumir ou utilizar. Todavia, não seria legal, juridicamente, 3

4 cobrar para cidadãos transitarem em um espaço que foi concebido que seu próprio dinheiro. O OLHAR DO GEÓGRAFO SOBRE OS ESPAÇOS PÚBLICOS A idéia de espaço público, tal qual nós concebemos hoje, nasce na Grécia antiga durante o governo de Clístenes, que de acordo com Gomes (2006), tem no seu embrião uma concepção de cidadania, sendo assim, desde o seu nascimento podemos vislumbrá-lo como um espaço segmentado, pois neste período da história o termo cidadão era aplicado a algumas porções da sociedade grega, ou seja, a uma elite, portanto, o estatuto do espaço público tem no seu embrião uma forma territorial, que exclui, que segrega. Podemos operacionalizar este conceito em um novo período, momento este que remete a modernidade, mais precisamente a França do século XIX, quando das famosas reformas urbanas que o Barão Haussmann promoveu em Paris, tendo como pilar principal a construção de Bulevares, este último um dos grandes símbolos concretos da idéia de espaços públicos. Um estudo geográfico que tenha como mote os espaços públicos precisa compreender que uma praça, um parque, não é apenas uma obra arquitetônica, dotada de uma estrutura física e que esta impressa na paisagem de uma cidade. É necessário ir além, é preciso estabelecer uma relação com o espaço enquanto objeto de estudo da geografia, portanto, [...] um olhar geográfico sobre o espaço público deve considerar por um lado, sua configuração física e, por outro, o tipo de práticas e dinâmicas sociais que aí se desenvolvem. Ele passa a ser visto como um conjunto indissociável das formas com as práticas sociais (GOMES, 2006: 172). Sendo observado que existe uma estrutura física, mas, que ela não se explica por si só, precisamos entender como irão se estabelecer relações sociais, que serão das mais variadas naturezas. E que essas relações irão dotar um espaço de um determinado conteúdo, este último sendo de extremo interesse para a geografia, porque a partir dele perceberemos como as ações, as relações, os usos irão se estabelecer em um espaço público, dotando o de um sentido, nesse caso Gomes (2006: 19-20) ratifica, (...) assim, uma análise geográfica do espaço urbano deve ser nutrida da disposição locacional dos objetos espaciais confrontados com o comportamento social que aí tem lugar. Um espaço como o Parque da Criança se enquadraria na condição de um objeto espacial incluso em uma cidade, todavia, a análise única do objeto não será suficiente, precisamos estudar como se da o comportamento social estabelecido pelos seus freqüentadores. Podemos perceber esse comportamento através dos usos, das apropriações, das práticas inseridas neste lugar. 4

5 Os objetos, e praças não são diferentes, necessita ser compreendida a luz de suas ações, afinal, objetos e ações são inseparáveis numa visão geográfica dos fatos. Um sistema de ações e um conjunto de objetos deram vida a um complexo de espaços públicos conhecido como Corredor Cultural. Foi o governo municipal que foi o grande articulador da criação deste complexo, pois não fora feita nenhuma consulta popular para edificá-lo. A racionalidade posta em pratica no Corredor Cultural fora gerada para atender especificidades do meio no qual vivemos, pois em uma sociedade capitalista que começa enxergar nos espaços públicos possibilidade de expansão de seus negócios, observamos que determinados espaços estão sendo mercantilizados. Podemos observar como exemplo desta dinâmica uma serie de empreendimentos comerciais lotados no complexo, desde restaurantes, fast foods, bares, empresas terceirizadas para gerenciar o local, entre outros. A dimensão econômica não pode ser compreendida separada da política, pois estas duas faces se completam, é imprescindível em um estudo sobre praças não observar esta inseparabilidade. Podemos relacioná-los de diversas formas, desde interesse na visibilidade, na espetacularização da obra por parte dos gestores públicos, ate a construção por parte das empreiteiras; das empresas que comercializam produtos, tendências; pode ser palco de manifestações políticas por parte de partidos, sindicatos, grupos organizados. No sentido de agregar estas duas dimensões, de estabelecer pontes para nos aproximar de um conceito geográfico dos espaços públicos, Serpa (2007: 09) define o termo: O espaço público é aqui compreendido como espaço da ação política ou, ao menos, da possibilidade da ação política na contemporaneidade. Ele é analisado sob a perspectiva crítica de sua incorporação como mercadoria para consumo de poucos, dentro da lógica da produção e reprodução do sistema capitalista na escala mundial. Ou seja, ainda que seja espaço público, poucos se beneficiam desse espaço teoricamente comum a todos. Nesta lógica de reprodução do capital podemos enxergar no Corredor varias empresas, inclusive, multinacionais. Este local se torna mercadoria para poucos pelo seu caráter, pois são cobradas taxas para sua plena utilização, legitimando sua face segregacionista, contribuindo para que uma porção da sociedade não utilize este espaço pelar razão de não dispor de condições de pagamento. APROPRIAÇÕES E ACESSIBILIDADE NO PARQUE DA CRIANÇA A apropriação seletiva e diferenciada dos espaços coletivos tem uma relação estreita com as políticas públicas que são aplicadas a cidade, pois podem servir 5

6 para (re) qualificar uma área, que pode ser de interesse dos gestores públicos. Isso é muito comum acontecer em bairros de classes médias, que geralmente se tornam destino destas políticas (Serpa, 2007). Quando os parques públicos são instalados em determinados bairros, acabam por fomentar um processo de segmentação e exclusão, as diferenças sócioespaciais se acentuam. E tais diferenças podem ser capazes de gerar um processo de territorialização do espaço, como nesse sentido, afirma Serpa (2007: 36): Que as práticas urbanas que neles [os parques públicos] inscrevem-se em um processo de territorialização do espaço. Em verdade, os usuários privatizam os espaços públicos através da ereção de barreiras simbólicas, por vezes invisíveis, o espaço público transforma-se, portanto, em uma justaposição de espaços privatizados; ele não é mais partilhado, mas, sobretudo dividido entre os diferentes grupos. Esse processo territorial reforça os laços de apropriação, esta ultima terá como conseqüência o uso restrito, dificultando assim o acesso universal, portanto, pensamos que a apropriação de determinados espaços tem ligações intimas com seu acesso. Todavia, o uso coletivo será limitado, criando assim enclaves privados, seja por grupos, empresas, sujeitos, nos espaços públicos. Na última década, os gestores públicos da cidade de Mossoró vêm concebendo uma atenção especial para determinadas transformações urbanísticas. Desse modo, inúmeros projetos arquitetônicos, inclusive, edificações de espaços públicos, foram ou ainda estão sendo (re) construídos. Desta maneira, faz-se necessário pensar como estão sendo implementados esses projetos, bem como os interesses que estão em jogo, pois alguns agentes econômicos e grupos políticos têm negócios/interesses específicos nesses empreendimentos. Nesse sentido, as pesquisas que abordam esse tema colocam-se como possibilidade de pensar a cidade de Mossoró nos dias atuais. É notório que em certos momentos os espaços públicos legitimam os poderes das elites locais, já que eles se apropriam materialmente e simbolicamente desses locais, justificando assim sua dominação. É também visível que muitos dos nossos espaços ditos públicos estão sendo apropriados tanto pela elite econômica da cidade como pelos trabalhadores informais. Portanto, faz-se necessário ter uma melhor compreensão do papel do espaço público na cidade. Mas, para tanto, é preciso ouvir os sujeitos sociais que utilizam ou não esses espaços, ou seja, é imprescindível ouvir o modo como esses cidadãos pensam, suas noções sobre espaço público. E isso irá nos ajudar na compreensão da relação da sociedade mossoroense com os espaços na cidade. Mais, em Mossoró, quais os elementos que permeiam a questão do uso? Como esse tema é percebido pela população? Como estão sendo apropriados os espaços públicos na cidade? Eles são acessíveis? Como os sujeitos que neles atuam vêem esta forma espacial? Essas perguntas são, sem dúvidas, difíceis de serem respondidas, pois há todo um universo de opiniões que permeiam as mais diferentes classes sociais. Daí a importância de serem estudadas e pensadas, pelo motivo de serem diversificadas as 6

7 maneiras como cada um percebe esse espaço. Nem entre os teóricos há uma unidade de compreensão a respeito do espaço público. No entendimento de uma parcela significativa dos entrevistados, é comum a afirmação que o espaço público é importante para a cidade. Nesse caso, a própria palavra importante é citada inúmeras vezes durante as entrevistas como um deles destaca: Eu entendo como importante para o público em geral, traz progresso para a cidade de Mossoró. Quase todos os bairros têm uma praça e isso ajuda no progresso de Mossoró, a cidade tá se modernizando. E estes espaços ajudam nesta modernização e mesmo no progresso [...] ( por A. S. C., no Bairro Barrocas). As respostas foram dadas com tamanha diversidade que algumas merecem um destaque especial, pois um dos entrevistados atribui ao espaço público a sua própria casa. Outro se refere ao mesmo como espaços carentes. Já alguns mencionam que é algo que tem que ser público mesmo, que são apenas praças. Outro se refere a pontos importantes para o debate, quando afirma: daria acesso a todos, mas tem que ter um controle, é necessário restringir às vezes para evitar bagunça. ( por E. F., na Praça da Criança). Esse ponto referente ao controle é fundamental para entendermos como se dá a normatização do uso de alguns espaços, pois há uma confusão no entendimento do termo público, que se refere, em muitos casos, à desordem e à falta de controle. Mas isso é na opinião de algumas pessoas. E a fala do entrevistado refere-se a esse assunto, pois, apesar de uma área ser pública, é necessário ter uma organização, um controle, caso contrário, o que deveria ser de interesse coletivo vai acabar sendo mal utilizado. O termo público não é para ser encarado como algo sem organização. Pelo contrário, é para ser levado a sério, já que esses espaços são construídos com verbas públicas e a população e o poder público têm o dever de cuidar adeqüadamente. Do ponto de vista teórico, vale ressaltar que o acesso a esses espaços pelas mais diversas classes sociais é um elemento importante, um espaço público é concebido nas cidades para a coletividade, e a questão do acesso universal é sempre central nesse aspecto, assim como o fato desses espaços serem uma iniciativa do poder público na sua construção, pois a iniciativa privada, com exceção em raros casos, constrói espaços dessa natureza. Nesse sentido, uma das entrevistas sinaliza para isto: Para mim, espaço público se denomina os ambientes nos quais a população em geral tenha livre acesso, isto é, ambientes que sejam obras do poder público para utilização e bem-estar da população, independente de sua camada social, ou seja, de suas condições financeiras. E por Mossoró dispor de poucos espaços públicos, e ainda alguns locais que precisam ser pagos para serem freqüentados, acabam afastando as pessoas que fazem parte das camadas mais humildes, pois não são beneficiadas (por A. R. S. P., no Bairro Barrocas). 7

8 Nessa entrevista, o sujeito em questão ressalta de maneira importante dois pontos centrais que são relacionados aos espaços públicos: a sua natureza coletiva e a questão de ser concebido pelo poder público. Quando o entrevistado cita o livre acesso como importante ele é feliz em afirmar isso, porque em muitos casos esses locais não são acessíveis a certas classes sociais, por serem apropriados pela iniciativa privada e a mesma cobrar tarifas para a sua utilização, e esse caso podemos citar como exemplo o Parque da Criança. O segundo ponto importante dessa entrevista se refere à questão da construção da obra que geralmente a sua concepção é de responsabilidade do poder público. Mas, com novas formas de se fazerem políticas públicas, em que se aponta para as parcerias com a iniciativa privada e no qual os espaços públicos estão nesse rol de orientações inserido, essas obras acabam sendo apropriadas por essas empresas que tentam maximizar seus lucros através desses empreendimentos e acabam cobrando tarifas, algumas até abusivas. Uma outra entrevista também merece destaque, pois mostra um pouco da indignação de um cidadão que acredita que alguns espaços públicos na cidade não são acessíveis a todos: acredito que seja algo que tem que ser público, que possa andar livremente, que poderiam ser construídos muito mais, já que são escassos na cidade [...] (por A. H., no Bairro Nova Betânia). Quando menciona o fato de um espaço ser necessariamente público, o entrevistado fala da questão do acesso das mais diversas pessoas aos espaços públicos, todavia, em alguns casos em Mossoró, os espaços são restritos e para utilizá-los é necessário pagar taxas. Nesses casos, a utilização desses espaços está atrelada a mercantilização de mercadorias, como bebidas e refeições, no caso da Praça de Convivência, e o pagamento de tarifas para o uso dos brinquedos e jogos no Parque da Criança. Em nossa última pergunta que talvez tenha sido uma das nossas indagações centrais, questionamos sobre o que acham a respeito da Praça da Criança, se esse espaço constitui um equipamento urbano público ou privado, e ainda a respeito da taxa que é cobrada para o uso daqueles brinquedos pela população. As pessoas do Bairro Nova Betânia, que é um dos bairros de maior incidência de moradores de classe média de Mossoró, responderam em sua maioria que acredita ser um local privado, pois se paga para usufruir daquele espaço. Eles relacionam, então, ao pagamento das taxas o lado particular do mesmo. Mas por outro lado, não acham justas as taxas cobradas, por ser, a Praça da Criança, um equipamento urbano construído com dinheiro público. Por ser teoricamente um bairro em que as pessoas possam ser mais bem informadas, os moradores não aceitam que seja cobrado um tributo para que se possam usar aqueles brinquedos, apesar de todos os entrevistados poderem pagar por isso. Já as pessoas do Bairro Barrocas em sua maioria quase que esmagadora, quase sua totalidade, aceita este espaço como um local público pelo simples fato dele ter sido construído com dinheiro público e são mais flexíveis com a cobrança da taxa, em muitos casos, achando justa pelo serviço de qualidade que é ofertado. Já na própria Praça da Criança encontramos um equilíbrio, entre considerar que esse espaço seja público ou privado, porém, gostam da idéia de que seja cobrada a taxa para a utilização, pois limita seu uso, e dá para se estabelecer um controle maior 8

9 sobre os aparelhos, evitando assim uma desordem que pode ser causada se a entrada e o uso forem gratuitos. CONSIDERAÇÃOES FINAIS Podemos constatar nesta pesquisa, que foi prazerosa, que realmente o campo é revelador. Pois colhemos opiniões surpreendentes, reveladoras, que nos ajudaram a pensar os espaços públicos, tendo o Parque da Criança como objeto. Compreendemos que determinados conceitos como acessibilidade e apropriação são centrais para nos aproximarmos de um debate que verse sobre o Parque da Criança. Que a noção de espaço público para a maioria dos entrevistados parece confusa; que o pagamento de taxas tornaria o Parque da Criança uma área seletiva, portanto, segmentada; que os entrevistados do Nova Betânia, bairro elitista não concordam com as cobranças, apesar de poderem pagar. Enquanto do Barrocas um bairro mais popular acredita ser necessária. Esperamos com esse trabalho, que ainda esta em fase de amadurecimento, criar uma possibilidade de aproximar o debate sobre espaços públicos com a geografia, evidentemente, a partir desta possibilidade, aproximar a discussão para a realidade de uma cidade como Mossoró. REFERÊNCIAS BIBLIOGRÁFICAS BEZERRA, Amélia Cristina Alves. Pelas margens da cidade e no meio da festa: A (re) invenção das festas e da identidade no espaço urbano de Mossoró-RN. Tese (Doutorado em Geografia) Universidade Federal Fluminense, Rio de Janeiro, Festa e identidade. In: ARAUJO, Frederico Guilherme Bandeira de; HAESBAERT, Rogério (ORG.). Identidades e Territórios: Questões e olhares contemporâneos. Rio de Janeiro: Access, DAMATTA, Roberto. A casa e a Rua: Espaço, cidadania, mulher e morte no Brasil. 5 Ed. Rio de janeiro: Rocco, GOMES, Paulo César da Costa. A Condição Urbana: Ensaios de geopolítica da Cidade. 2 Ed. Rio de Janeiro: Bertrand Brasil, GOMES NETO, José. Usos e noções dos espaços públicos de Mossoró: o caso do Corredor Cultural. Monografia de especialização. UERN, SERPA, Ângelo. Espaço Público na cidade contemporânea. São Paulo: Contexto, Espaço público e acessibilidade: Notas para uma abordagem geográfica. GEOUSP- Espaço e Tempo, São Paulo, n 15, pp ,

10 10

Pedro João de Albuquerque Araújo Universidade Federal de Pernambuco Laboratório de Pesquisas sobre Espaço, Cultura e Política (LECGEO)

Pedro João de Albuquerque Araújo Universidade Federal de Pernambuco Laboratório de Pesquisas sobre Espaço, Cultura e Política (LECGEO) Vidas exclusivas: Territorialização, transformação dos usos e apropriações da Praia do Paiva-PE Pedro João de Albuquerque Araújo Universidade Federal de Pernambuco Laboratório de Pesquisas sobre Espaço,

Leia mais

O QUE OS ALUNOS DIZEM SOBRE O ENSINO DE LÍNGUA PORTUGUESA: VOZES E VISÕES

O QUE OS ALUNOS DIZEM SOBRE O ENSINO DE LÍNGUA PORTUGUESA: VOZES E VISÕES O QUE OS ALUNOS DIZEM SOBRE O ENSINO DE LÍNGUA PORTUGUESA: VOZES E VISÕES Aline Patrícia da Silva (Departamento de Letras - UFRN) Camila Maria Gomes (Departamento de Letras - UFRN) Orientadora: Profª Dra.

Leia mais

Danilo Munhoz Alves Corrêa Pontifícia Universidade Católica do Rio de Janeiro - PUC-Rio danilomunhoz@globo.com. 1 - Introdução

Danilo Munhoz Alves Corrêa Pontifícia Universidade Católica do Rio de Janeiro - PUC-Rio danilomunhoz@globo.com. 1 - Introdução Sistema Modal de Transportes no Município do Rio de Janeiro: a modernização dos eixos de circulação na cidade carioca para a Copa do Mundo de Futebol em 2014 e as Olimpíadas em 2016. 1 - Introdução Danilo

Leia mais

SIGNIFICADOS ATRIBUÍDOS ÀS AÇÕES DE FORMAÇÃO CONTINUADA DA REDE MUNICIPAL DE ENSINO DO RECIFE/PE

SIGNIFICADOS ATRIBUÍDOS ÀS AÇÕES DE FORMAÇÃO CONTINUADA DA REDE MUNICIPAL DE ENSINO DO RECIFE/PE SIGNIFICADOS ATRIBUÍDOS ÀS AÇÕES DE FORMAÇÃO CONTINUADA DA REDE MUNICIPAL DE ENSINO DO RECIFE/PE Adriele Albertina da Silva Universidade Federal de Pernambuco, adrielealbertina18@gmail.com Nathali Gomes

Leia mais

5 Considerações finais

5 Considerações finais 5 Considerações finais 5.1. Conclusões A presente dissertação teve o objetivo principal de investigar a visão dos alunos que se formam em Administração sobre RSC e o seu ensino. Para alcançar esse objetivo,

Leia mais

A INFLUÊNCIA DOCENTE NA (RE)CONSTRUÇÃO DO SIGNIFICADO DE LUGAR POR ALUNOS DE UMA ESCOLA PÚBLICA DE FEIRA DE SANTANA-BA 1

A INFLUÊNCIA DOCENTE NA (RE)CONSTRUÇÃO DO SIGNIFICADO DE LUGAR POR ALUNOS DE UMA ESCOLA PÚBLICA DE FEIRA DE SANTANA-BA 1 64 A INFLUÊNCIA DOCENTE NA (RE)CONSTRUÇÃO DO SIGNIFICADO DE LUGAR POR ALUNOS DE UMA ESCOLA PÚBLICA DE FEIRA DE SANTANA-BA 1 Edson da Silva Santos e-mail: edsonsporte@hotmail.com Bolsista FAPESB, Bacharelando

Leia mais

BRINQUEDOS E BRINCADEIRAS NOS ANOS INICIAIS: UMA PERSPECTIVA INTERGERACIONAL

BRINQUEDOS E BRINCADEIRAS NOS ANOS INICIAIS: UMA PERSPECTIVA INTERGERACIONAL BRINQUEDOS E BRINCADEIRAS NOS ANOS INICIAIS: UMA PERSPECTIVA INTERGERACIONAL RESUMO Luana da Mata (UEPB) 1 Patrícia Cristina de Aragão Araújo (UEPB) 2 Este artigo tem como objetivo refletir como as brincadeiras

Leia mais

ANÁLISE DA POSTURA DE UMA PROFESSORA PARTICIPANTE DE UM CURSO DE FORMAÇÃO CONTINUADA

ANÁLISE DA POSTURA DE UMA PROFESSORA PARTICIPANTE DE UM CURSO DE FORMAÇÃO CONTINUADA IX CONGRESO INTERNACIONAL SOBRE INVESTIGACIÓN EN DIDÁCTICA DE LAS CIENCIAS Girona, 9-12 de septiembre de 2013 COMUNICACIÓN ANÁLISE DA POSTURA DE UMA PROFESSORA PARTICIPANTE DE UM CURSO DE FORMAÇÃO CONTINUADA

Leia mais

Algumas contribuições para a construção do projeto político pedagógico na escola 1

Algumas contribuições para a construção do projeto político pedagógico na escola 1 FALA PEDAGOGIA Algumas contribuições para a construção do projeto político pedagógico na escola 1 Daniela Erani Monteiro Will O Projeto Político Pedagógico (PPP), há alguns anos, está na pauta de discussões

Leia mais

Percursos da pesquisa de campo: as rodas de conversas e a caracterização dos jovens e seus contextos

Percursos da pesquisa de campo: as rodas de conversas e a caracterização dos jovens e seus contextos 44 5. Percursos da pesquisa de campo: as rodas de conversas e a caracterização dos jovens e seus contextos As rodas de conversa tiveram como proposta convidar os participantes a debater o tema da violência

Leia mais

4 Desigualdade, Pobreza e o Acesso à Educação

4 Desigualdade, Pobreza e o Acesso à Educação 4 Desigualdade, Pobreza e o Acesso à Educação A desigualdade, em suas várias formas, é um fenômeno bastante antigo nas sociedades e reflete sempre uma relação de poder, na medida em que representa um padrão

Leia mais

DIAGNÓSTICO DA COLETA E DESTINAÇÃO FINAL DOS RESÍDUOS DA CONSTRUÇÃO CIVIL NO MUNICÍPIO DE ANÁPOLIS-GO

DIAGNÓSTICO DA COLETA E DESTINAÇÃO FINAL DOS RESÍDUOS DA CONSTRUÇÃO CIVIL NO MUNICÍPIO DE ANÁPOLIS-GO DIAGNÓSTICO DA COLETA E DESTINAÇÃO FINAL DOS RESÍDUOS DA CONSTRUÇÃO CIVIL NO MUNICÍPIO DE ANÁPOLIS-GO Cinthia Martins dos SANTOS Programa de Pós Graduação em Engenharia do Meio Ambiente, Escola de Engenharia,

Leia mais

DIREITOS AUTORAIS E ACESSO À CULTURA São Paulo, agosto de 2008 MESA 2 LIMITAÇÕES E EXCEÇÕES DA LEI

DIREITOS AUTORAIS E ACESSO À CULTURA São Paulo, agosto de 2008 MESA 2 LIMITAÇÕES E EXCEÇÕES DA LEI DIREITOS AUTORAIS E ACESSO À CULTURA São Paulo, agosto de 2008 MESA 2 LIMITAÇÕES E EXCEÇÕES DA LEI O SR. GUILHERME CARBONI (Instituto de Direito do Comércio Internacional e Desenvolvimento): Gostaria de

Leia mais

O IMPACTO DO ENSINO DE EMPREENDEDORISMO NA GRADUAÇÃO DE ENGENHARIA : RESULTADOS E PERSPECTIVAS.

O IMPACTO DO ENSINO DE EMPREENDEDORISMO NA GRADUAÇÃO DE ENGENHARIA : RESULTADOS E PERSPECTIVAS. O IMPACTO DO ENSINO DE EMPREENDEDORISMO NA GRADUAÇÃO DE ENGENHARIA : RESULTADOS E PERSPECTIVAS. Fernando Toledo Ferraz - ferraz@cybernet.com.br Departamento de Engenharia de Produção Myriam Eugênia R.

Leia mais

QUANDO OS SUJEITOS ENUNCIAM ESPAÇOS DE AÇÃO: TOMADAS DE POSIÇÃO DE HIP HOP, ECOSOL E ESCOLAS

QUANDO OS SUJEITOS ENUNCIAM ESPAÇOS DE AÇÃO: TOMADAS DE POSIÇÃO DE HIP HOP, ECOSOL E ESCOLAS QUANDO OS SUJEITOS ENUNCIAM ESPAÇOS DE AÇÃO: TOMADAS DE POSIÇÃO DE HIP HOP, ECOSOL E ESCOLAS Leandro R. Pinheiro - UFRGS FAPERGS Dos anos 1970 aos 1990, visualizamos mudanças no cenário de ação sociopolítica

Leia mais

A Visão das Educadoras Sobre a Inclusão de Pessoas com Necessidades Especiais na Rede Regular de Ensino do Município do Rio de Janeiro.

A Visão das Educadoras Sobre a Inclusão de Pessoas com Necessidades Especiais na Rede Regular de Ensino do Município do Rio de Janeiro. A Visão das Educadoras Sobre a Inclusão de Pessoas com Necessidades Especiais na Rede Regular de Ensino do Município do Rio de Janeiro Teacher s Perspective about Including Special Needs Students Into

Leia mais

UMA LEITURA SOBRE A PARTICIPAÇÃO DO JOVEM NO PROGRAMA ESCOLA DA FAMÍLIA

UMA LEITURA SOBRE A PARTICIPAÇÃO DO JOVEM NO PROGRAMA ESCOLA DA FAMÍLIA UMA LEITURA SOBRE A PARTICIPAÇÃO DO JOVEM NO PROGRAMA ESCOLA DA FAMÍLIA Gina Sanchez, Instituto de Ensino Superior de Bauru IESB PREVE; Leila Maria Ferreira Salles, UNESP/IB - Rio Claro. A participação

Leia mais

CARTA ABERTA PELO DIREITO A CIDADE E A GESTÃO DEMOCRÁTICA

CARTA ABERTA PELO DIREITO A CIDADE E A GESTÃO DEMOCRÁTICA CARTA ABERTA PELO DIREITO A CIDADE E A GESTÃO DEMOCRÁTICA Apesar de nos últimos anos ter-se dado visibilidade apenas ao discurso único capitaneado pelo IPPUC, vários movimentos populares, associações de

Leia mais

Modelos entrevistas com intelectuais das Ciências Humanas e Filósofos

Modelos entrevistas com intelectuais das Ciências Humanas e Filósofos Modelos entrevistas com intelectuais das Ciências Humanas e Filósofos ENTREVISTA PETER SINGER. - SELEÇÃO DE TRECHOS Fonte: Portal da Revista Época. Disponível em http://revistaepoca.globo.com/revista/epoca/0,,edg74453-5856-421,00.html

Leia mais

PLANEJAMENTO NO SERVIÇO SOCIAL: as idéias gestadas no plano chegam à intervenção?

PLANEJAMENTO NO SERVIÇO SOCIAL: as idéias gestadas no plano chegam à intervenção? 1 PLANEJAMENTO NO SERVIÇO SOCIAL: as idéias gestadas no plano chegam à intervenção? Gissele Carraro 1 Nilda Stecanela 2 RESUMO O artigo discute alguns elementos imprescindíveis da gestão do planejamento

Leia mais

Introdução. instituição. 1 Dados publicados no livro Lugar de Palavra (2003) e registro posterior no banco de dados da

Introdução. instituição. 1 Dados publicados no livro Lugar de Palavra (2003) e registro posterior no banco de dados da Introdução O interesse em abordar a complexidade da questão do pai para o sujeito surgiu em minha experiência no Núcleo de Atenção à Violência (NAV), instituição que oferece atendimento psicanalítico a

Leia mais

ipea políticas sociais acompanhamento e análise 7 ago. 2003 117 GASTOS SOCIAIS: FOCALIZAR VERSUS UNIVERSALIZAR José Márcio Camargo*

ipea políticas sociais acompanhamento e análise 7 ago. 2003 117 GASTOS SOCIAIS: FOCALIZAR VERSUS UNIVERSALIZAR José Márcio Camargo* GASTOS SOCIAIS: FOCALIZAR VERSUS UNIVERSALIZAR José Márcio Camargo* Como deve ser estruturada a política social de um país? A resposta a essa pergunta independe do grau de desenvolvimento do país, da porcentagem

Leia mais

A CONSTRUÇÃO DO PROJETO POLÍTICO PEDAGÓGICO COMO UMA PROPOSTA EDUCACIONAL DEMOCRÁTICA

A CONSTRUÇÃO DO PROJETO POLÍTICO PEDAGÓGICO COMO UMA PROPOSTA EDUCACIONAL DEMOCRÁTICA A CONSTRUÇÃO DO PROJETO POLÍTICO PEDAGÓGICO COMO UMA PROPOSTA EDUCACIONAL DEMOCRÁTICA Maria Cleonice Soares (Aluna da Graduação UERN) 1 Kátia Dayana de Avelino Azevedo (Aluna da Graduação UERN) 2 Silvia

Leia mais

AS TRANSFORMAÇÕES SOCIOESPACIAIS NA REGIÃO DO BARREIRO: A METROPOLIZAÇÃO NA PERIFERIA DE BELO HORIZONTE.

AS TRANSFORMAÇÕES SOCIOESPACIAIS NA REGIÃO DO BARREIRO: A METROPOLIZAÇÃO NA PERIFERIA DE BELO HORIZONTE. AS TRANSFORMAÇÕES SOCIOESPACIAIS NA REGIÃO DO BARREIRO: A METROPOLIZAÇÃO NA PERIFERIA DE BELO HORIZONTE. Saulo de Paula Pinto e Souza Evânio dos Santos Branquinho 1068 saulodepaula@gmail.com Geografia

Leia mais

TÍTULO DO PROJETO: Política de Financiamento da Educação Superior no Brasil uma análise dos Planos Nacionais de Educação

TÍTULO DO PROJETO: Política de Financiamento da Educação Superior no Brasil uma análise dos Planos Nacionais de Educação TÍTULO DO PROJETO: Política de Financiamento da Educação Superior no Brasil uma análise dos Planos Nacionais de Educação 1 APRESENTAÇÃO O financiamento da educação superior pública constitui-se num dos

Leia mais

TRAÇOS DA EDUCAÇÃO BÁSICA EM SÃO LUÍS- MA: UM DIAGNÓSTICO DO PERFIL SOCIOCULTURAL E EDUCACIONAL DE ALUNOS DAS ESCOLAS PARCEIRAS DO PIBID.

TRAÇOS DA EDUCAÇÃO BÁSICA EM SÃO LUÍS- MA: UM DIAGNÓSTICO DO PERFIL SOCIOCULTURAL E EDUCACIONAL DE ALUNOS DAS ESCOLAS PARCEIRAS DO PIBID. TRAÇOS DA EDUCAÇÃO BÁSICA EM SÃO LUÍS- MA: UM DIAGNÓSTICO DO PERFIL SOCIOCULTURAL E EDUCACIONAL DE ALUNOS DAS ESCOLAS PARCEIRAS DO PIBID. Resumo Alcenir Amorim de Sousa 1 1 Instituto Federal de educação

Leia mais

O que a Postura Consultiva tem a ver com Você

O que a Postura Consultiva tem a ver com Você O que a Postura Consultiva tem a ver com Você Marcelo Egéa M* O que é postura consultiva Criar e sustentar uma marca é um trabalho que exige o máximo de todos na empresa. Alguns têm contato direto com

Leia mais

DIFERENÇAS ENTRE OS SETORES PÚBLICO E PRIVADO QUE FUNDAMENTAM A ATUAÇÃO DO PES PLANEJAMENTO ESTRATÉGICO SITUACIONAL

DIFERENÇAS ENTRE OS SETORES PÚBLICO E PRIVADO QUE FUNDAMENTAM A ATUAÇÃO DO PES PLANEJAMENTO ESTRATÉGICO SITUACIONAL . DIFERENÇAS ENTRE OS SETORES PÚBLICO E PRIVADO QUE FUNDAMENTAM A ATUAÇÃO DO PES PLANEJAMENTO ESTRATÉGICO SITUACIONAL Comparação entre os âmbitos para suporte à decisão sobre que conhecimentos são necessários

Leia mais

Motivos de transferência do negócio por parte dos franqueados

Motivos de transferência do negócio por parte dos franqueados Motivos de transferência do negócio por parte dos franqueados Por Maria Teresa Somma Com o intuito de entender os motivos que levam franqueados a transferir o seu negócio, foi realizada uma pesquisa exploratória

Leia mais

A mobilização de conhecimentos matemáticos no ensino de Física

A mobilização de conhecimentos matemáticos no ensino de Física Cintia Ap. Bento dos Santos Universidade Cruzeiro do Sul Brasil cintiabento@ig.com.br Edda Curi Universidade Cruzeiro do Sul Brasil edda.curi@cruzeirodosul.edu.br Resumo Este artigo apresenta um recorte

Leia mais

Resultados da Pesquisa IDIS de Investimento Social na Comunidade 2004

Resultados da Pesquisa IDIS de Investimento Social na Comunidade 2004 Resultados da Pesquisa IDIS de Investimento Social na Comunidade 2004 Por Zilda Knoploch, presidente da Enfoque Pesquisa de Marketing Este material foi elaborado pela Enfoque Pesquisa de Marketing, empresa

Leia mais

MERCADO DE MEIOS ELETRÔNICOS DE PAGAMENTO POPULAÇÃO E COMÉRCIO - ANO V. Indicador de atividade da micro e pequena indústria de São Paulo.

MERCADO DE MEIOS ELETRÔNICOS DE PAGAMENTO POPULAÇÃO E COMÉRCIO - ANO V. Indicador de atividade da micro e pequena indústria de São Paulo. 1 MERCADO DE MEIOS ELETRÔNICOS DE PAGAMENTO POPULAÇÃO E COMÉRCIO - ANO V Indicador de atividade da micro e pequena indústria de São Paulo Abril / 2014 Metodologia 2 Metodologia 3 Técnica Pesquisa quantitativa,

Leia mais

O PAPEL DESEMPENHADO PELO PROGRAMA LEXT-OESSTE E SUAS CONTRIBUIÇÕES PARA A FORMAÇÃO E PARA O EXERCÍCIO PROFISSIONAL

O PAPEL DESEMPENHADO PELO PROGRAMA LEXT-OESSTE E SUAS CONTRIBUIÇÕES PARA A FORMAÇÃO E PARA O EXERCÍCIO PROFISSIONAL O PAPEL DESEMPENHADO PELO PROGRAMA LEXT-OESSTE E SUAS CONTRIBUIÇÕES PARA A FORMAÇÃO E PARA O EXERCÍCIO PROFISSIONAL Larissa dos Santos Gomes Resumo O presente artigo refere-se ao trabalho de conclusão

Leia mais

Portugal - João Seixas: "As cidades são grandes espelhos de nós próprios"

Portugal - João Seixas: As cidades são grandes espelhos de nós próprios Portugal - João Seixas: "As cidades são grandes espelhos de nós próprios" Nas crônicas urbanas do investigador João Seixas, agora publicadas em livro, a cidade é o reflexo das realizações e aspirações

Leia mais

A LEITURA LITERÁRIA: UM OLHAR SOBRE AS ESTRATÉGIAS DE INCENTIVO À LEITURA DA LITERATURA NAS ESCOLAS PÚBLICAS DE ENSINO FUNDAMENTAL DE SÃO SEBASTIÃO

A LEITURA LITERÁRIA: UM OLHAR SOBRE AS ESTRATÉGIAS DE INCENTIVO À LEITURA DA LITERATURA NAS ESCOLAS PÚBLICAS DE ENSINO FUNDAMENTAL DE SÃO SEBASTIÃO A LEITURA LITERÁRIA: UM OLHAR SOBRE AS ESTRATÉGIAS DE INCENTIVO À LEITURA DA LITERATURA NAS ESCOLAS PÚBLICAS DE ENSINO FUNDAMENTAL DE SÃO SEBASTIÃO Autores: Rúbia Ribeiro LEÃO; Letícia Érica Gonçalves

Leia mais

PARA ALÉM DOS ESTEREÓTIPOS : RELATOS DE USUÁRIOS DE CRACK 1

PARA ALÉM DOS ESTEREÓTIPOS : RELATOS DE USUÁRIOS DE CRACK 1 PARA ALÉM DOS ESTEREÓTIPOS : RELATOS DE USUÁRIOS DE CRACK 1 GIL, Bruna; BOTTON, Andressa 3 1 Trabalho de Pesquisa _UNIFRA 2 Psicóloga, formada pelo Centro Universitário Franciscano (UNIFRA), Santa Maria,

Leia mais

Como escrever um estudo de caso que é um estudo de caso? Um estudo so é um quebra-cabeça que tem de ser resolvido. A primeira coisa a

Como escrever um estudo de caso que é um estudo de caso? Um estudo so é um quebra-cabeça que tem de ser resolvido. A primeira coisa a Página 1 1 Como escrever um Estudo de Caso O que é um estudo de caso? Um estudo de caso é um quebra-cabeça que tem de ser resolvido. A primeira coisa a lembre-se de escrever um estudo de caso é que o caso

Leia mais

O PLANO DIRETOR E A FUNÇÃO SOCIAL DA PROPRIEDADE URBANA

O PLANO DIRETOR E A FUNÇÃO SOCIAL DA PROPRIEDADE URBANA O PLANO DIRETOR E A FUNÇÃO SOCIAL DA PROPRIEDADE URBANA Sérgio Ulisses Jatobá* A função social da propriedade urbana deve ser exercida por meio do Plano Diretor Municipal e seus instrumentos, de acordo

Leia mais

2 METODOLOGIA DA PESQUISA

2 METODOLOGIA DA PESQUISA 2 METODOLOGIA DA PESQUISA A pesquisa, como toda atividade racional e sistemática, exige que as ações desenvolvidas ao longo de seu processo sejam efetivamente planejadas. Para Gil (1991), o conhecimento

Leia mais

É precisamente nestas alturas que temos de equacionar todos os meios possíveis para tornar viáveis, nomeadamente, os museus.

É precisamente nestas alturas que temos de equacionar todos os meios possíveis para tornar viáveis, nomeadamente, os museus. Museus Novos produtos para novos públicos António Ponte Paço dos Duques de Bragança PORTO, 2011-11-07 Ao iniciar esta apresentação quero agradecer o convite que nos foi endereçado para apresentar a situação

Leia mais

USO DA INTERNET E PARTICIPAÇÃO CIDADÃ NA GESTÃO LOCAL: ORÇAMENTO PARTICIPATIVO INTERATIVO DE IPATINGA

USO DA INTERNET E PARTICIPAÇÃO CIDADÃ NA GESTÃO LOCAL: ORÇAMENTO PARTICIPATIVO INTERATIVO DE IPATINGA USO DA INTERNET E PARTICIPAÇÃO CIDADÃ NA GESTÃO LOCAL: ORÇAMENTO PARTICIPATIVO INTERATIVO DE IPATINGA An Innovations in Technology and Governance Case Study Desde o final dos anos 1980, diversos governos

Leia mais

A HISTÓRIA DA MATEMÁTICA COMO MEDIADOR DIDÁTICO CONCEITUAL NA FORMAÇÃO DE PROFESSORES DE MATEMÁTICA DOS ANOS INICIAIS

A HISTÓRIA DA MATEMÁTICA COMO MEDIADOR DIDÁTICO CONCEITUAL NA FORMAÇÃO DE PROFESSORES DE MATEMÁTICA DOS ANOS INICIAIS 1 A HISTÓRIA DA MATEMÁTICA COMO MEDIADOR DIDÁTICO CONCEITUAL NA FORMAÇÃO DE PROFESSORES DE MATEMÁTICA DOS ANOS INICIAIS Lúcia Helena Bezerra Ferreira Universidade Federal do Piauí luchbf@gmail.com RESUMO

Leia mais

PARA ONDE VAMOS? Uma reflexão sobre o destino das Ongs na Região Sul do Brasil

PARA ONDE VAMOS? Uma reflexão sobre o destino das Ongs na Região Sul do Brasil PARA ONDE VAMOS? Uma reflexão sobre o destino das Ongs na Região Sul do Brasil Introdução Mauri J.V. Cruz O objetivo deste texto é contribuir num processo de reflexão sobre o papel das ONGs na região sul

Leia mais

PROGRAMA INSTITUCIONAL DE BOLSA DE INICIAÇÃO À DOCÊNCIA (PIBID): UMA AVALIAÇÃO DA ESCOLA SOBRE SUAS CONTRIBUIÇÕES

PROGRAMA INSTITUCIONAL DE BOLSA DE INICIAÇÃO À DOCÊNCIA (PIBID): UMA AVALIAÇÃO DA ESCOLA SOBRE SUAS CONTRIBUIÇÕES PROGRAMA INSTITUCIONAL DE BOLSA DE INICIAÇÃO À DOCÊNCIA (PIBID): UMA AVALIAÇÃO DA ESCOLA SOBRE SUAS CONTRIBUIÇÕES Silva.A.A.S. Acadêmica do curso de Pedagogia (UVA), Bolsista do PIBID. Resumo: O trabalho

Leia mais

Realizado de 25 a 31 de julho de 2010. Porto Alegre - RS, 2010. ISBN 978-85-99907-02-3

Realizado de 25 a 31 de julho de 2010. Porto Alegre - RS, 2010. ISBN 978-85-99907-02-3 Autor: Mariana Souza Freitas Instituição: Universidade Federal de Juiz de Fora (UFJF) Email: nanafreitasf@hotmail.com Co-autores: William Gesualdo Moreira Monteiro Instituição: Universidade Federal de

Leia mais

EDUCAÇÃO AMBIENTAL E MEIO AMBIENTE: CONCEPÇÕES DE PROFISSIONAIS DA EDUCAÇÃO 1

EDUCAÇÃO AMBIENTAL E MEIO AMBIENTE: CONCEPÇÕES DE PROFISSIONAIS DA EDUCAÇÃO 1 EDUCAÇÃO AMBIENTAL E MEIO AMBIENTE: CONCEPÇÕES DE PROFISSIONAIS DA EDUCAÇÃO 1 Elisabete Chirieleison Fernandes Ana Maria de Oliveira Cunha Oswaldo Marçal Júnior Universidade Federal de Uberlândia 1 Introdução

Leia mais

A INTEGRAÇÃO DA PREVENÇÃO DAS DROGAS NO CURRÍCULO ESCOLAR

A INTEGRAÇÃO DA PREVENÇÃO DAS DROGAS NO CURRÍCULO ESCOLAR A INTEGRAÇÃO DA PREVENÇÃO DAS DROGAS NO CURRÍCULO ESCOLAR Robson Rogaciano Fernandes da Silva (Mestrando-Universidade Federal de Campina Grande) Ailanti de Melo Costa Lima (Graduanda-Universidade Estadual

Leia mais

CARTA ABERTA EM DEFESA DO PACTO NACIONAL PELA ALFABETIZAÇÃO NA IDADE CERTA

CARTA ABERTA EM DEFESA DO PACTO NACIONAL PELA ALFABETIZAÇÃO NA IDADE CERTA CARTA ABERTA EM DEFESA DO PACTO NACIONAL PELA ALFABETIZAÇÃO NA IDADE CERTA O Fórum das universidades públicas participantes do PACTO NACIONAL PELA ALFABETIZAÇÃO NA IDADE CERTA vem, por meio desta, defender

Leia mais

DISCUSSÃO TEÓRICA SOBRE O CONCEITO DE REDE URBANA

DISCUSSÃO TEÓRICA SOBRE O CONCEITO DE REDE URBANA 25 DISCUSSÃO TEÓRICA SOBRE O CONCEITO DE REDE URBANA Agda da Luz Oliveira¹ Ângelo Moura Araújo¹ Cristiano Uzêda Teixeira¹ José Luiz Oliveira Batista¹ Ruy Borges Carneiro¹ Resumo O conceito rede tem sido

Leia mais

GESTÃO DEMOCRÁTICA: ALGUNS DESAFIOS E PERSPECTIVAS NO COTIDIANO ESCOLAR

GESTÃO DEMOCRÁTICA: ALGUNS DESAFIOS E PERSPECTIVAS NO COTIDIANO ESCOLAR GESTÃO DEMOCRÁTICA: ALGUNS DESAFIOS E PERSPECTIVAS NO COTIDIANO ESCOLAR Girlene dos Santos Souza 1 ; Danielle Lima de Oliveira 1 ; Josilene Maria de Almeida 2 ; Ana Maria Pereira de Lima 3 ; Ângela Cristina

Leia mais

ENSINO DE GRAMÁTICA OU ANÁLISE LINGUÍSTICA? SERÁ QUE ESSA ESCOLHA É NECESSÁRIA?

ENSINO DE GRAMÁTICA OU ANÁLISE LINGUÍSTICA? SERÁ QUE ESSA ESCOLHA É NECESSÁRIA? 12. CONEX Apresentação Oral Resumo Expandido 1 ÁREA TEMÁTICA: ( ) COMUNICAÇÃO ( ) CULTURA ( ) DIREITOS HUMANOS E JUSTIÇA ( x ) EDUCAÇÃO ( ) MEIO AMBIENTE ( ) SAÚDE ( ) TRABALHO ( ) TECNOLOGIA ENSINO DE

Leia mais

O maior desafio do Sistema Único de Saúde hoje, no Brasil, é político

O maior desafio do Sistema Único de Saúde hoje, no Brasil, é político O maior desafio do Sistema Único de Saúde hoje, no Brasil, é político Jairnilson Paim - define o SUS como um sistema que tem como característica básica o fato de ter sido criado a partir de um movimento

Leia mais

8. AS EQUIPES VIRTUAIS PROMOVENDO VANTAGENS COMPETITIVAS NA BUNGE FERTILIZANTES S/A

8. AS EQUIPES VIRTUAIS PROMOVENDO VANTAGENS COMPETITIVAS NA BUNGE FERTILIZANTES S/A 8. AS EQUIPES VIRTUAIS PROMOVENDO VANTAGENS COMPETITIVAS NA BUNGE FERTILIZANTES S/A Adriane Hartman Fábio Gomes da Silva Dálcio Roberto dos Reis Luciano Scandelari 1 INTRODUÇÃO Este artigo pretende mostrar

Leia mais

CENTRO HISTÓRICO EMBRAER. Entrevista: Eustáquio Pereira de Oliveira. São José dos Campos SP. Abril de 2011

CENTRO HISTÓRICO EMBRAER. Entrevista: Eustáquio Pereira de Oliveira. São José dos Campos SP. Abril de 2011 CENTRO HISTÓRICO EMBRAER Entrevista: Eustáquio Pereira de Oliveira São José dos Campos SP Abril de 2011 Apresentação e Formação Acadêmica Meu nome é Eustáquio, estou com sessenta anos, nasci em Minas Gerais,

Leia mais

CARACTERÍSTICAS DAS CULTURAS INFANTIS DAS COMUNIDADES QUILOMBOLAS DO PARANÁ

CARACTERÍSTICAS DAS CULTURAS INFANTIS DAS COMUNIDADES QUILOMBOLAS DO PARANÁ 25 a 28 de Outubro de 2011 ISBN 978-85-8084-055-1 CARACTERÍSTICAS DAS CULTURAS INFANTIS DAS COMUNIDADES QUILOMBOLAS DO PARANÁ Luisa de Oliveira Demarchi Costa 1 ; Verônica Regina Müller 2 RESUMO: Este

Leia mais

UM POSSÍVEL DIÁLOGO ENTRE FUTEBOL E GÊNERO NAS AULAS DE EDUCAÇÃO FÍSICA: O ESTÁGIO NUMA ESCOLA MUNICIPAL DE GOIÂNIA

UM POSSÍVEL DIÁLOGO ENTRE FUTEBOL E GÊNERO NAS AULAS DE EDUCAÇÃO FÍSICA: O ESTÁGIO NUMA ESCOLA MUNICIPAL DE GOIÂNIA UM POSSÍVEL DIÁLOGO ENTRE FUTEBOL E GÊNERO NAS AULAS DE EDUCAÇÃO FÍSICA: O ESTÁGIO NUMA ESCOLA MUNICIPAL DE GOIÂNIA Tiago Onofre da Silva 1 Rafael Santos Nunes 2 RESUMO: O presente artigo aborda o processo

Leia mais

CO 33: Uma História da Formação de Professores de Matemática a partir do PIBID de Matemática da UFRN-Natal

CO 33: Uma História da Formação de Professores de Matemática a partir do PIBID de Matemática da UFRN-Natal CO 33: Uma História da Formação de Professores de Matemática a partir do PIBID de Matemática da UFRN-Natal Klêffiton Soares da Cruz Universidade Federal do Rio Grande do Norte kleffitonsoares@yahoo.com

Leia mais

DOCUMENTOS DE GESTÃO FINANCEIRA Realizado por GESTLUZ - Consultores de Gestão

DOCUMENTOS DE GESTÃO FINANCEIRA Realizado por GESTLUZ - Consultores de Gestão DOCUMENTOS DE GESTÃO FINANCEIRA Realizado por GESTLUZ - Consultores de Gestão A Análise das Demonstrações Financeiras Este artigo pretende apoiar o jovem empreendedor, informando-o de como utilizar os

Leia mais

Relato de Experiência: Iniciativas Acadêmicas PRIMEIRO PASSO. Elaboração de um jornal de bairro em comunidade do interior do Rio Grande do Sul

Relato de Experiência: Iniciativas Acadêmicas PRIMEIRO PASSO. Elaboração de um jornal de bairro em comunidade do interior do Rio Grande do Sul Relato de Experiência: Iniciativas Acadêmicas PRIMEIRO PASSO Elaboração de um jornal de bairro em comunidade do interior do Rio Grande do Sul PARZIANELLO, Geder Universidade Federal do Pampa RESUMO Projeto

Leia mais

é de queda do juro real. Paulatinamente, vamos passar a algo parecido com o que outros países gastam.

é de queda do juro real. Paulatinamente, vamos passar a algo parecido com o que outros países gastam. Conjuntura Econômica Brasileira Palestrante: José Márcio Camargo Professor e Doutor em Economia Presidente de Mesa: José Antonio Teixeira presidente da FENEP Tentarei dividir minha palestra em duas partes:

Leia mais

LOGÍSTICA Professor: Dr. Edwin B. Mitacc Meza

LOGÍSTICA Professor: Dr. Edwin B. Mitacc Meza LOGÍSTICA Professor: Dr. Edwin B. Mitacc Meza edwin@engenharia-puro.com.br www.engenharia-puro.com.br/edwin Introdução A A logística sempre existiu e está presente no dia a dia de todos nós, nas mais diversas

Leia mais

MANUAL DE RESPONSABILIDADE SOCIOAMBIENTAL

MANUAL DE RESPONSABILIDADE SOCIOAMBIENTAL MANUAL DE RESPONSABILIDADE Definição: A responsabilidade socioambiental é a responsabilidade que uma empresa ou organização tem com a sociedade e com o meio ambiente além das obrigações legais e econômicas.

Leia mais

OS CANAIS DE PARTICIPAÇÃO NA GESTÃO DEMOCRÁTICA DO ENSINO PÚBLICO PÓS LDB 9394/96: COLEGIADO ESCOLAR E PROJETO POLÍTICO PEDAGÓGICO

OS CANAIS DE PARTICIPAÇÃO NA GESTÃO DEMOCRÁTICA DO ENSINO PÚBLICO PÓS LDB 9394/96: COLEGIADO ESCOLAR E PROJETO POLÍTICO PEDAGÓGICO 1 OS CANAIS DE PARTICIPAÇÃO NA GESTÃO DEMOCRÁTICA DO ENSINO PÚBLICO PÓS LDB 9394/96: COLEGIADO ESCOLAR E PROJETO POLÍTICO PEDAGÓGICO Leordina Ferreira Tristão Pedagogia UFU littledinap@yahoo.com.br Co

Leia mais

PERÍCIA AMBIENTAL E MOBILIZAÇÃO SOCIAL 1. Paulo Nobukuni

PERÍCIA AMBIENTAL E MOBILIZAÇÃO SOCIAL 1. Paulo Nobukuni 1 PERÍCIA AMBIENTAL E MOBILIZAÇÃO SOCIAL 1 Paulo Nobukuni RESUMO: O objetivo foi tratar sobre elementos da perícia ambiental como mobilizadores sociais, ocorrendo o estudo em trechos inundáveis da bacia

Leia mais

UM ESTUDO DA OCORRÊNCIA DE VIOLÊNCIA DOMÉSTICA RELACIONADA A CASOS DE ATENDIMENTO À FAMÍLIA NO ESCRITÓRIO MODELO DE ADVOCACIA DA PUC-RIO

UM ESTUDO DA OCORRÊNCIA DE VIOLÊNCIA DOMÉSTICA RELACIONADA A CASOS DE ATENDIMENTO À FAMÍLIA NO ESCRITÓRIO MODELO DE ADVOCACIA DA PUC-RIO UM ESTUDO DA OCORRÊNCIA DE VIOLÊNCIA DOMÉSTICA RELACIONADA A CASOS DE ATENDIMENTO À FAMÍLIA NO ESCRITÓRIO MODELO DE ADVOCACIA DA PUC-RIO Aluna: Janaína da Guia Santos Panisset Orientadora: Ilda Lopes Rodrigues

Leia mais

I - RELATÓRIO DO PROCESSADOR *

I - RELATÓRIO DO PROCESSADOR * PSICODRAMA DA ÉTICA Local no. 107 - Adm. Regional do Ipiranga Diretora: Débora Oliveira Diogo Público: Servidor Coordenadora: Marisa Greeb São Paulo 21/03/2001 I - RELATÓRIO DO PROCESSADOR * Local...:

Leia mais

CENTRALIDADE POLINUCLEADA: UMA ANÁLISE DOS SUBCENTROS POPULARES DE GOIÂNIA O CASO DO SETOR CAMPINAS

CENTRALIDADE POLINUCLEADA: UMA ANÁLISE DOS SUBCENTROS POPULARES DE GOIÂNIA O CASO DO SETOR CAMPINAS CENTRALIDADE POLINUCLEADA: UMA ANÁLISE DOS SUBCENTROS POPULARES DE GOIÂNIA O CASO DO SETOR CAMPINAS Flavia Maria de Assis Paula 1,3 Elaine Alves Lobo Correa 2,3 José Vandério Cirqueira Pinto 2,3 RESUMO

Leia mais

VIOLÊNCIA: UM MAL SILENCIOSO

VIOLÊNCIA: UM MAL SILENCIOSO 11. CONEX Apresentação Oral Resumo Expandido 1 ÁREA TEMÁTICA: ( ) COMUNICAÇÃO ( ) CULTURA ( ) DIREITOS HUMANOS E JUSTIÇA ( x ) EDUCAÇÃO ( ) MEIO AMBIENTE ( ) SAÚDE ( ) TRABALHO ( ) TECNOLOGIA VIOLÊNCIA:

Leia mais

Disciplina Corpo Humano e Saúde: Uma Visão Integrada - Módulo 3

Disciplina Corpo Humano e Saúde: Uma Visão Integrada - Módulo 3 3. A transversalidade da saúde Você já ouviu falar em Parâmetros Curriculares Nacionais? Já ouviu? Que bom! Não lembra? Não se preocupe, pois iremos, resumidamente, explicar o que são esses documentos.

Leia mais

O COORDENADOR PEDAGÓGICO COMO FORMADOR: TRÊS ASPECTOS PARA CONSIDERAR

O COORDENADOR PEDAGÓGICO COMO FORMADOR: TRÊS ASPECTOS PARA CONSIDERAR Título do artigo: O COORDENADOR PEDAGÓGICO COMO FORMADOR: TRÊS ASPECTOS PARA CONSIDERAR Área: Gestão Coordenador Pedagógico Selecionadora: Maria Paula Zurawski 16ª Edição do Prêmio Victor Civita Educador

Leia mais

Financiamento do Desporto

Financiamento do Desporto Financiamento do Desporto Para abordar o tema do financiamento do desporto no momento actual e suas prospectivas é conveniente recordarmos as Opções do Plano e o Programa do Governo. De igual modo, consubstanciando

Leia mais

GERENCIAMENTO DE RESÍDUOS SÓLIDOS - A IMPORTÂNCIA DA EDUCAÇÃO AMBIENTAL NO PROCESSO DE IMPLANTAÇÃO DA COLETA SELETIVA DE LIXO O CASO DE IJUÍ/RS 1

GERENCIAMENTO DE RESÍDUOS SÓLIDOS - A IMPORTÂNCIA DA EDUCAÇÃO AMBIENTAL NO PROCESSO DE IMPLANTAÇÃO DA COLETA SELETIVA DE LIXO O CASO DE IJUÍ/RS 1 GERENCIAMENTO DE RESÍDUOS SÓLIDOS - A IMPORTÂNCIA DA EDUCAÇÃO AMBIENTAL NO PROCESSO DE IMPLANTAÇÃO DA COLETA SELETIVA DE LIXO O CASO DE IJUÍ/RS 1 Juliana Carla Persich 2, Sérgio Luís Allebrandt 3. 1 Estudo

Leia mais

Estado do Rio de Janeiro. Secretaria Municipal de Planejamento Urbano

Estado do Rio de Janeiro. Secretaria Municipal de Planejamento Urbano UMA BARRA MANSA: DUAS CIDADES A CIDADE FORMAL: Regularizada, com infraestrutura completa, usufruindo do melhor que a comunidade pode ter em comércio, serviços, cultura e lazer. É a parte da cidade que

Leia mais

LEITURA EM TELA NO PONTO BALE/CTI

LEITURA EM TELA NO PONTO BALE/CTI LEITURA EM TELA NO PONTO BALE/CTI Renata Paiva de Freitas/UERN renata18.love@hotmail.com Claudia Magna Pessoa da Silva/UERN lookpessoa@gmail.com Maria Lúcia Pessoa Sampaio/UERN malupsampaio@hotmail.com

Leia mais

9 Como o aluno (pré)adolescente vê o livro didático de inglês

9 Como o aluno (pré)adolescente vê o livro didático de inglês Cap. 9 Como o aluno (pré)adolescente vê o livro didático de inglês 92 9 Como o aluno (pré)adolescente vê o livro didático de inglês Nesta parte do trabalho, analisarei alguns resultados da análise dos

Leia mais

TRABALHO: VILÃO OU SALVAÇÃO? Sofrimento Psíquico e Alcoolismo entre Servidores da Universidade Federal do Ceará

TRABALHO: VILÃO OU SALVAÇÃO? Sofrimento Psíquico e Alcoolismo entre Servidores da Universidade Federal do Ceará TRABALHO: VILÃO OU SALVAÇÃO? Sofrimento Psíquico e Alcoolismo entre Servidores da Universidade Federal do Ceará O Problema Alcoolismo - um dos mais graves problemas de saúde pública na atualidade. Abuso

Leia mais

TERAPIA OCUPACIONAL CONSTRUINDO POSSIBILIDADES PARA DIVERSÃO E SOCIALIZAÇÃO DE CRIANÇAS COM DEFICIÊNCIA FÍSICA EM PARQUES INFANTIS

TERAPIA OCUPACIONAL CONSTRUINDO POSSIBILIDADES PARA DIVERSÃO E SOCIALIZAÇÃO DE CRIANÇAS COM DEFICIÊNCIA FÍSICA EM PARQUES INFANTIS TERAPIA OCUPACIONAL CONSTRUINDO POSSIBILIDADES PARA DIVERSÃO E SOCIALIZAÇÃO DE CRIANÇAS COM DEFICIÊNCIA FÍSICA EM PARQUES INFANTIS Karina Félix de Vilhena Santoro¹, Cláudia Franco Monteiro² ¹Universidade

Leia mais

OS SABERES NA FORMAÇÃO DO PROFESSOR DE MATEMÁTICA. Cleber Luiz da Cunha 1, Tereza de Jesus Ferreira Scheide 2

OS SABERES NA FORMAÇÃO DO PROFESSOR DE MATEMÁTICA. Cleber Luiz da Cunha 1, Tereza de Jesus Ferreira Scheide 2 Encontro de Ensino, Pesquisa e Extensão, Presidente Prudente, 22 a 25 de outubro, 2012 1029 OS SABERES NA FORMAÇÃO DO PROFESSOR DE MATEMÁTICA Cleber Luiz da Cunha 1, Tereza de Jesus Ferreira Scheide 2

Leia mais

POSSÍVEL IMPACTO DE UMA EDUCAÇÃO DISCRIMINADORA NAS PERSPECTIVAS DE FUTURO DE CRIANÇAS E ADOLESCENTES

POSSÍVEL IMPACTO DE UMA EDUCAÇÃO DISCRIMINADORA NAS PERSPECTIVAS DE FUTURO DE CRIANÇAS E ADOLESCENTES POSSÍVEL IMPACTO DE UMA EDUCAÇÃO DISCRIMINADORA NAS PERSPECTIVAS DE FUTURO DE CRIANÇAS E ADOLESCENTES 2013 Trabalho utilizado como requisito parcial da disciplina Métodos de Pesquisa em Psicologia André

Leia mais

Artigo publicado. na edição 34. www.revistamundologistica.com.br. Assine a revista através do nosso site. maio e junho de 2013

Artigo publicado. na edição 34. www.revistamundologistica.com.br. Assine a revista através do nosso site. maio e junho de 2013 Artigo publicado na edição 34 Assine a revista através do nosso site maio e junho de 2013 www.revistamundologistica.com.br Paulo Guedes :: opinião Gastos e Custos Logísticos diferenciar para compreender

Leia mais

META Explicar a importância da análise dos impactos socioculturais advindos do desenvolvimento da prática turística.

META Explicar a importância da análise dos impactos socioculturais advindos do desenvolvimento da prática turística. OS IMPACTOS SOCIOCULTURAIS VERSUS PRÁTICA TURÍSTICA META Explicar a importância da análise dos impactos socioculturais advindos do desenvolvimento da prática turística. OBJETIVOS Ao fi nal desta aula,

Leia mais

O uso do Crédito por consumidores que não possuem conta corrente Junho/2015

O uso do Crédito por consumidores que não possuem conta corrente Junho/2015 O uso do Crédito por consumidores que não possuem conta corrente Junho/2015 1. INTRODUÇÃO 84% dos consumidores que não possuem conta corrente fazem compras parceladas O fato de não possuir conta em banco

Leia mais

CONCEPÇÃO E PRÁTICA DE EDUCAÇÃO EM DIREITOS HUMANOS: UM OLHAR SOBRE O PROGRAMA MAIS EDUCAÇÃO RAFAELA DA COSTA GOMES

CONCEPÇÃO E PRÁTICA DE EDUCAÇÃO EM DIREITOS HUMANOS: UM OLHAR SOBRE O PROGRAMA MAIS EDUCAÇÃO RAFAELA DA COSTA GOMES 1 CONCEPÇÃO E PRÁTICA DE EDUCAÇÃO EM DIREITOS HUMANOS: UM OLHAR SOBRE O PROGRAMA MAIS EDUCAÇÃO RAFAELA DA COSTA GOMES Introdução A discussão que vem sendo proposta por variados atores sociais na contemporaneidade

Leia mais

Nota técnica produzida para o projeto Cresce Brasil + Engenharia + Desenvolvimento

Nota técnica produzida para o projeto Cresce Brasil + Engenharia + Desenvolvimento Nota técnica produzida para o projeto Cresce Brasil + Engenharia + Desenvolvimento Agosto/2009 SDS Edifício Eldorado salas 106/109 CEP 70392-901 Brasília DF Telefax: (61) 3225-2288 E-mail: fneng@fne.org.br

Leia mais

POR UMA ESCOLA DE QUALIDADE: O DESFAZER DOS MITOS

POR UMA ESCOLA DE QUALIDADE: O DESFAZER DOS MITOS POR UMA ESCOLA DE QUALIDADE: O DESFAZER DOS MITOS Ramiro Marques Portugal tem conhecido, nos últimos 25 anos, um conjunto de inovações educativas de carácter contraditório mas que têm em comum, além de

Leia mais

A Sustentabilidade e a Inovação na formação dos Engenheiros Brasileiros. Prof.Dr. Marco Antônio Dias CEETEPS

A Sustentabilidade e a Inovação na formação dos Engenheiros Brasileiros. Prof.Dr. Marco Antônio Dias CEETEPS A Sustentabilidade e a Inovação na formação dos Engenheiros Brasileiros Prof.Dr. Marco Antônio Dias CEETEPS O PAPEL DA FORMAÇÃO ACADÊMICA Segundo diversos autores que dominam e escrevem a respeito do tema,

Leia mais

Modos de vida no município de Paraty - Ponta Negra

Modos de vida no município de Paraty - Ponta Negra Modos de vida no município de Paraty - Ponta Negra Resultados gerais Dezembro 2010 Projeto Community-based resource management and food security in coastal Brazil (Universidade Estadual de Campinas/UNICAMP)

Leia mais

9. A realidade da inclusão

9. A realidade da inclusão 9. A realidade da inclusão A filosofia da inclusão ainda está muito aquém de ser posta em prática da forma como realmente se espera. Para que se tenha uma escola para todos, temos que conceber professores

Leia mais

A CAPES : quais ambições para a pesquisa em Letras e Linguística?

A CAPES : quais ambições para a pesquisa em Letras e Linguística? A CAPES : quais ambições para a pesquisa em Letras e Linguística? Universidade de São Paulo benjamin@usp.br Synergies-Brésil O Sr. foi o representante da Letras junto à CAPES. O Sr. poderia explicar qual

Leia mais

O CIRCO E OS DIREITOS HUMANOS

O CIRCO E OS DIREITOS HUMANOS O CIRCO E OS DIREITOS HUMANOS Evandro Marcelo da Silva 1 - PUCPR Kauana Domingues 2 PUCPR Edinéia Aranha 3 Grupo de Trabalho Educação e Direitos Humanos Agência Financiadora: não contou com financiamento

Leia mais

EDUCAÇÃO AMBIENTAL NO ENSINO FUNDAMENTAL I DA ESCOLA ESTADUAL BIJAMIM TAVARES DA SILVA DO 3º ANO.

EDUCAÇÃO AMBIENTAL NO ENSINO FUNDAMENTAL I DA ESCOLA ESTADUAL BIJAMIM TAVARES DA SILVA DO 3º ANO. EDUCAÇÃO AMBIENTAL NO ENSINO FUNDAMENTAL I DA ESCOLA ESTADUAL BIJAMIM TAVARES DA SILVA DO 3º ANO. Eliete Alves Barcelo 1 Priscylla Karoline Menezes 2 Introdução A utilização dos recursos naturais de forma

Leia mais

defendem revitalização do Cais Mauá, mas questionam modelo escolhido

defendem revitalização do Cais Mauá, mas questionam modelo escolhido Porto Alegre (RS) Comerciantes do Centro defendem revitalização do Cais Mauá, mas questionam modelo escolhido Comerciantes do Centro Histórico dizem ainda não ter muitas informações sobre as obras de revitalização

Leia mais

RELENDO A HISTÓRIA AO LER HISTÓRIAS

RELENDO A HISTÓRIA AO LER HISTÓRIAS RELENDO A HISTÓRIA AO LER HISTÓRIAS BRASÍLIA ECHARDT VIEIRA (CENTRO DE ATIVIDADES COMUNITÁRIAS DE SÃO JOÃO DE MERITI - CAC). Resumo Na Baixada Fluminense, uma professora que não está atuando no magistério,

Leia mais

5 Conclusão e Recomendações para Estudos Futuros

5 Conclusão e Recomendações para Estudos Futuros 5 Conclusão e Recomendações para Estudos Futuros Esta dissertação teve como objetivo contribuir para o estudo do lazer, com ênfase nas principais restrições que impedem crianças a realizarem suas atividades

Leia mais

EIXO I GESTÃO CULTURAL DEMOCRÁTICA E PARTICIPATIVA

EIXO I GESTÃO CULTURAL DEMOCRÁTICA E PARTICIPATIVA PLANO MUNICIPAL DE CULTURA DE BALNEÁRIO CAMBORIÚ Comissão de Elaboração do Plano Municipal de Cultura: Anderson Beluzzo, Celso Peixoto, Dagma Castro, Elias Alcides Luciano, Guilhermina Stuker, João Alexandre

Leia mais

Eixo Temático 1 Instrução e Cult uras Escola res

Eixo Temático 1 Instrução e Cult uras Escola res 97 A INSTRUÇÃO NOS JORNAIS, RELATÓRIOS E MENSAGENS DOS PRESIDENTES DE PROVÍNCIA E DE ESTADO NA PARAÍBA (1889-1910). Algumas palavras iniciais: Michelle Lima da Silva Bolsista CNPQ/PIBIC/UFPB (graduanda)

Leia mais

METAMORFOSES NA PAISAGEM PELA TURISTIFICAÇÃO DO RURAL EM UBERLÂNDIA - MG

METAMORFOSES NA PAISAGEM PELA TURISTIFICAÇÃO DO RURAL EM UBERLÂNDIA - MG METAMORFOSES NA PAISAGEM PELA TURISTIFICAÇÃO DO RURAL EM UBERLÂNDIA - MG Raphaella Karla Portes Beserra raphaella_udi@hotmail.com Geografia - Universidade Federal de Uberlândia 375 Resumo Jéssica Soares

Leia mais

O ENSINO DO PRINCÍPIO DE BERNOULLI ATRAVÉS DA WEB: UM ESTUDO DE CASO

O ENSINO DO PRINCÍPIO DE BERNOULLI ATRAVÉS DA WEB: UM ESTUDO DE CASO O ENSINO DO PRINCÍPIO DE BERNOULLI ATRAVÉS DA WEB: UM ESTUDO DE CASO Rivanildo Ferreira de MOURA 1, Marcos Antônio BARROS 2 1 Aluno de Graduação em Licenciatura em Física, Universidade Estadual da Paraíba-UEPB,

Leia mais

Tecnologia sociais entrevista com Larissa Barros (RTS)

Tecnologia sociais entrevista com Larissa Barros (RTS) Tecnologia sociais entrevista com Larissa Barros (RTS) A capacidade de gerar tecnologia e inovação é um dos fatores que distinguem os países ricos dos países pobres. Em sua maioria, essas novas tecnologias

Leia mais

5 Considerações finais

5 Considerações finais 5 Considerações finais A dissertação traz, como foco central, as relações que destacam os diferentes efeitos de estratégias de marca no valor dos ativos intangíveis de empresa, examinando criticamente

Leia mais