Utilização de dados InSAR para estudos de subsidência em áreas urbanas

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "Utilização de dados InSAR para estudos de subsidência em áreas urbanas"

Transcrição

1 Utilização de dados InSAR para estudos de subsidência em áreas urbanas João Catalão IDL, Faculdade Ciências, Universidade de Lisboa A Deteção Remota como um instrumento de gestão e apoio à decisão 13 de Março 2012

2 Enquadramento Avaliação de Riscos Naturais e Tecnológicos na Cidade de Lisboa Financiado por: Instabilidade de Vertentes: Estudo da estabilidade vertical da cidade de Lisboa Methodologies for assessing landslide hazard and risk applied to municipal planning Financiado pela FCT PTDC/GEO/68227/2006

3 Antecedentes The Terrafirma Atlas (2009)

4 Objectivos Efectuar um estudo da estabilidade vertical da área do concelho de Lisboa: 1. Produzindo um mapa de velocidades verticais. 2. Indicar as áreas susceptíveis de merecerem um programa de monitorização geodésico de maior resolução espacial e temporal. Como foi realizado: Interferometria SAR nos períodos , , Instalada e observada uma rede de nivelamento geométrico na região de Sete-Rios - Entre Campos - Cidade Universitária - Largo da Luz.

5 Como funciona a interferometria SAR Dp P 2 2 z(t 1,t 2 ) D P = Deformação na linha de vista (LOS) 1 ciclo de deformação na linha de vista do satélite (LOS) é igual a metade do comprimento de onda

6 Deformação causada por um sismo

7 Deformação causada por um sismo ALOS / PALSAR On March 11, 2011 (UTC), a magnitude 9.0 huge earthquake occurred off the Pacific coast of Tohoku-Kanto district in Japan (38.32 N, E, 32 km in depth;

8 Série temporal de interferogramas Long Valley Caldera Com reduzida coerencia

9 Persistent Scatterers Decomposição da Fase A deformação da superfície terrestre por interferometria SAR é dada por: 4 P D p topo atmo orb ruido?

10 Série temporal de interferogramas Sept Aug Persistent Scatterers

11 O que foi feito Construído um MDT para a Estremadura com a resolução de 20m Cálculo do atraso troposférico Órbitas precisas da Universidade de Delft (ERS) e da ESA (ENVISAT) P. Mateus, G. Nico and J. Catalão, "Interpolating MERIS and GPS measurements of precipitable water vapour (PWV) to estimate atmospheric phase delay maps", Proc. SPIE 7827, (2010); doi: /

12 Imagens SAR (ERS + ENVISAT+TerraSAR-X) ERS1 + ERS2 (105 imagens) ENVISAT (32 imagens) ERS1 + ERS2 ENVISAT TerraSAR-X Condição: Continuidade temporal (interrupção de dados nunca superior a 2 ciclos) (46 imagens) (19 imagens) Projecto ESA CAT-1 n. 5763, Landslide risk mapping in the Lisbon area, Portugal, by means of SAR interferometry

13 Deformação Imagens SAR dos satélites ERS1 e ERS2 Baselines entre os: -991m e os 1015 m 46 imagens de: Maio 2005 a Janeiro mm/ano

14 Deformação Imagens SAR do satélite ENVISAT Baselines entre os: -422m e os 359 m 20 imagens de: Setembro 2008 a Agosto 2010

15 Subsidencia Palma-EUL TRX ( )

16 Subsidencia Palma-EUL (mm/ano)

17 Linhas de nivelamento FCUL Igreja Campo Grande

18 Linhas de Nivelamento Rosa: marcas de 1976 Vermelho: marcas de 1996

19 Subsidência Palma-EUL

20 Sete Rios Velocidade (mm/ano) Colégio Militar Subsidência Estrada das Laranjeiras INSAR ( ) Nivelamento Nivelamento Velocidade média da deformação medida com INSAR e nivelamento geométrico. Velocidade em mm/ano Distancia (m) Catalão, J, Giovanni Nico, Vasco Conde, 2011.Detection of ground subsidence in the city of Lisbon: comparison of InSAR and topographic measurements. IEEE Urban Remote Sensing Join Event.

21 Identificação de zonas de Instabilidade vertical

22 Identificação de zonas de Instabilidade vertical

23 Deformação vertical nas ilhas do Pico e Faial Faial Marques, FO, Hildenbrand,A.,Catalão, J., Catita, C., Costa, A., Active large sector collapse on Pico Island (Azores). Geophysical Research Abstracts, Vol. 13, EGU General Assembly 2011.

24 Deformação vertical em Singapura 7 mm/ano singapura -8 mm/ano Projecto Mapping vertical land movement and coastline retreat study using INSAR and GNSS em parceria com a National University of Singapore e UBI.

25 Considerações finais Neste comunicação foram apresentadas as potencialidades da Interferometria radar na 1. Detecção e quantificação de processos de subsidência com uma resolução na ordem dos mm/ano (caso de Lisboa-Palma Baixo) 2. Identificação e zonamento de áreas de instabilidade vertical Instrumento de suporte a acções de mitigação do risco

26 Detalhe da deformação vertical na região da Alta de Lisboa Lumiar. Resultado do satélite TerraSAR-X. Os pontos vermelhos correspondem a deformação vertical e os pontos azuis a zonas estáveis. (Agradecimentos)

27 Agradecimentos José Luis Zêzere Sérgio Oliveira Giovanni Nico Pedro Benevides Vasco Conde Todos os colegas MapRisk

VALIDAÇÃO COM NIVELAMENTO GEOMÉTRICO DA SUBSIDÊNCIA DETECTADA NA CIDADE DE LISBOA COM PSINSAR

VALIDAÇÃO COM NIVELAMENTO GEOMÉTRICO DA SUBSIDÊNCIA DETECTADA NA CIDADE DE LISBOA COM PSINSAR VALIDAÇÃO COM NIVELAMENTO GEOMÉTRICO DA SUBSIDÊNCIA DETECTADA NA CIDADE DE LISBOA COM PSINSAR Maria João HENRIQUES 1, José Nuno LIMA 1, Ana Paula FALCÃO 2 e Sandra I. HELENO 2 1 Laboratório Nacional de

Leia mais

Monitorização de estruturas com interferometria SAR

Monitorização de estruturas com interferometria SAR Monitorização de estruturas com interferometria SAR Dora ROQUE 1, *, Daniele PERISSIN 2, Ana Paula FALCÃO 3, Maria João HENRIQUES 1 e Ana Maria FONSECA 1 1 Laboratório Nacional de Engenharia Civil, Lisboa

Leia mais

vistamps: UM PROJETO COLABORATIVO InSAR

vistamps: UM PROJETO COLABORATIVO InSAR vistamps: UM PROJETO COLABORATIVO InSAR Joaquim J. Sousa 1, Pedro Guimarães 2,3, António Sousa 1, Glória Patrício 4,5, Antonio M. Ruiz-Armenteros 6,7 e Luísa Bastos 4 1 INESC TEC (formerly INESC Porto)

Leia mais

Estudo da rotura do sismo de 2006 em Moçambique (Mw 7.0) inferido através de dados sísmicos e de SAR

Estudo da rotura do sismo de 2006 em Moçambique (Mw 7.0) inferido através de dados sísmicos e de SAR Versão online: http://www.lneg.pt/iedt/unidades/16/paginas/26/30/185 Comunicações Geológicas (2014) 101, Especial I, 375-379 IX CNG/2º CoGePLiP, Porto 2014 ISSN: 0873-948X; e-issn: 1647-581X Estudo da

Leia mais

Objetivos. Geógrafa, Especialista em Geografia Agrária, analista da Embrapa Monitoramento por Satélite, Campinas-SP, edlene.garcon@embrapa.

Objetivos. Geógrafa, Especialista em Geografia Agrária, analista da Embrapa Monitoramento por Satélite, Campinas-SP, edlene.garcon@embrapa. Comunicado Técnico 35 ISSN 1415-2118 Campinas, SP Dezembro, 2013 Base de dados Satélites de Monitoramento Cristina Criscuolo 1 Edlene Aparecida Monteiro Garçon 2 Mateus Batistella 3 Édson Luis Bolfe 4

Leia mais

Sistemas de RADAR. Natural Resources Ressources naturelles Centro Canadiense de Sensoriamento Remoto, Ministerio de Recursos Naturales de Canadá

Sistemas de RADAR. Natural Resources Ressources naturelles Centro Canadiense de Sensoriamento Remoto, Ministerio de Recursos Naturales de Canadá Sistemas de RADAR Natural Resources Ressources naturelles Canada Canada Aplicações de SAR Medição de movimentos da superfície terrestre, visando uma melhor compreensão de terremotos e vulcões e o apoio

Leia mais

GIS in Disaster Risk Management in Mozambique

GIS in Disaster Risk Management in Mozambique GIS in Disaster Risk Management in Mozambique 1 Contents 1. Disasters in Mozambique 2. Role of GIS 3. Some Examples 4. CIG Profile 2 1. Disasters in Mozambique Frequent disasters are: Droughts Floods (+

Leia mais

SPMSAT - APLICATIVO PARA ESTUDOS DE SISTEMAS PRECIPITANTES DE MESOESCALA UTILIZANDO IMAGENS DE SATÉLITE

SPMSAT - APLICATIVO PARA ESTUDOS DE SISTEMAS PRECIPITANTES DE MESOESCALA UTILIZANDO IMAGENS DE SATÉLITE SPMSAT - APLICATIVO PARA ESTUDOS DE SISTEMAS PRECIPITANTES DE MESOESCALA UTILIZANDO IMAGENS DE SATÉLITE ANATOLI STAROSTIN PAULO ROBERTO PELUFO FOSTER 1 ROSELI GUETHS GOMES 1 VLADAIR MORALES DE OLIVEIRA

Leia mais

Sistemas sensores remotos: Características e aplicações.

Sistemas sensores remotos: Características e aplicações. Sistemas sensores remotos: Características e aplicações. Fabrício Dias Gonçalves fdias@ufpa.br Landsat; Ikonos; QuickBird; JERS-1; ALOS; RADARSAT-1; RADARSAT-2 Sensores Remotos Ativo Ativo e Passivo Passivo

Leia mais

Humidade no solo. Departamento de Física 2011 Detecção Remota Pratica III. Joao Gonçalo Ricardo Rodrigues - 45365

Humidade no solo. Departamento de Física 2011 Detecção Remota Pratica III. Joao Gonçalo Ricardo Rodrigues - 45365 Humidade no solo Departamento de Física 2011 Detecção Remota Pratica III Joao Gonçalo Ricardo Rodrigues - 45365 Índice Introdução Da observação aos produtos Conclusões Complicações na obtenção de dados

Leia mais

de Susceptibilidade Geotécnica

de Susceptibilidade Geotécnica II Congresso Internacional de Riscos 24-25 Maio 2010, Coimbra Classificação de Susceptibilidade Geotécnica João Narciso 1, Pedro Santarém Andrade 2 1 Instituto de Engenharia de Estruturas, Território e

Leia mais

RELATÓRIO FINAL (Bolseiros) FINAL REPORT FORM (Fellowships)

RELATÓRIO FINAL (Bolseiros) FINAL REPORT FORM (Fellowships) UNIVERSIDADE DE évora Largo dos Colegiais, N.º 2 Apartado 94 7002-554 ÉVORA PORTUGAL Telefone (telephone): ++351.266.740872/3 Fax: ++351.266.740804 Mail: gia@uevora.pt Internet: http://www.uevora.pt RELATÓRIO

Leia mais

Demonstração de processamento interferométrico de imagens de radar de abertura sintética, utilizando programas e dados disponíveis gratuitamente

Demonstração de processamento interferométrico de imagens de radar de abertura sintética, utilizando programas e dados disponíveis gratuitamente Demonstração de processamento interferométrico de imagens de radar de abertura sintética, utilizando programas e dados disponíveis gratuitamente Felipe Geremia Nievinski 1 Sérgio Florêncio de Souza 2 1

Leia mais

RGB - Poeiras Departamento de Física 2011 Detecção Remota Pratica 1. Joao Gonçalo Ricardo Rodrigues - 45365

RGB - Poeiras Departamento de Física 2011 Detecção Remota Pratica 1. Joao Gonçalo Ricardo Rodrigues - 45365 RGB - Poeiras Departamento de Física 2011 Detecção Remota Pratica 1 Joao Gonçalo Ricardo Rodrigues - 45365 Índice Determinar o objectivo do realce Escolher do canal apropriado Pré-processamento de imagem

Leia mais

CIRCLE-2 ERA-Net Adaptação às Alterações Climáticas

CIRCLE-2 ERA-Net Adaptação às Alterações Climáticas CIRCLE-2 ERA-Net Adaptação às Alterações Climáticas Tiago Capela Lourenço SIM/CCIAM - Faculdade Ciências - Universidade Lisboa Oportunidades de Financiamento no 7ºPQ para Alterações Climáticas (Espaço,

Leia mais

PLANO DE ORDENAMENTO DA ALBUFEIRA DE MAGOS

PLANO DE ORDENAMENTO DA ALBUFEIRA DE MAGOS INAG INSTITUTO DA ÁGUA PLANO DE ORDENAMENTO DA ALBUFEIRA DE MAGOS VOLUME II ELEMENTOS QUE ACOMPANHAM O PLANO PARTE II PROGRAMA DE EXECUÇÃO E PLANO DE INVESTIMENTO MAIO 2007 Trabalho elaborado pela HIDROPROJECTO,

Leia mais

TROÇO IC2 BATALHA SUL / PORTO (IC1) PLANO DE ACÇÃO RESUMO NÃO TÉCNICO

TROÇO IC2 BATALHA SUL / PORTO (IC1) PLANO DE ACÇÃO RESUMO NÃO TÉCNICO ESTRADAS DE PORTUGAL, S.A. TROÇO IC2 BATALHA SUL / PORTO (IC1) PLANO DE ACÇÃO RESUMO NÃO TÉCNICO Lisboa, Abril de 2015 Esta página foi deixada propositadamente em branco 2 ESTRADAS DE PORTUGAL, S.A. TROÇO

Leia mais

CRISIS TASS SMART- ER

CRISIS TASS SMART- ER PROJETOS DE I&D EM CURSO CRISIS G-AOC Projetos de I&D TASS SECAIR SMART- ER Projeto CRISIS O CRISIS - Critical Incident Management System Using an Interactive Environment, um projeto do 7º Programa Quadro,

Leia mais

ATIVIDADE SÍSMICA ATUAL NO NOROESTE DO CEARÁ

ATIVIDADE SÍSMICA ATUAL NO NOROESTE DO CEARÁ Universidade Federal do Rio Grande do Norte Centro de Ciências Exatas e da Terra Departamento de Geofísica Laboratório Sismológico Campus Universitário 59072-970 - Natal - RN - Brasil Tel.: 84 3215-3796;

Leia mais

UNICAP Universidade Católica de Pernambuco Laboratório de Topografia de UNICAP - LABTOP Topografia 2. Métodos de Aquisição de dados Planialtimétricos

UNICAP Universidade Católica de Pernambuco Laboratório de Topografia de UNICAP - LABTOP Topografia 2. Métodos de Aquisição de dados Planialtimétricos UNICAP Universidade Católica de Pernambuco Laboratório de Topografia de UNICAP - LABTOP Topografia 2 Métodos de Aquisição de dados Planialtimétricos Recife, 2014 Métodos de Aquisição dos Dados O cuidado

Leia mais

UTILIZAÇÃO DA TECNOLOGIA LIDAR EM PROJETOS DE ENGENHARIA DE INFRAESTRUTURA VIÁRIA

UTILIZAÇÃO DA TECNOLOGIA LIDAR EM PROJETOS DE ENGENHARIA DE INFRAESTRUTURA VIÁRIA XI CONGRESSO NACIONAL Y VIII LATINOAMERICANO DE AGRIMENSURA UTILIZAÇÃO DA TECNOLOGIA LIDAR EM PROJETOS DE ENGENHARIA DE INFRAESTRUTURA VIÁRIA Eng. Cart. Bruno da Cunha Bastos (1) Eng. Cart. MSc. Leonardo

Leia mais

Análise de Estratégias de Processamento de Dados GPS

Análise de Estratégias de Processamento de Dados GPS Análise de Estratégias de Processamento de Dados GPS Gonçalo Prates 1 e Virgílio Mendes 2 1 Escola Superior de Tecnologia da Universidade do Algarve 2 LATTEX e Departamento de Matemática da Faculdade de

Leia mais

XI Congresso Nacional de Engenharia do Ambiente Certificação Ambiental e Responsabilização Social nas Organizações

XI Congresso Nacional de Engenharia do Ambiente Certificação Ambiental e Responsabilização Social nas Organizações Livro de actas do XI Congresso Nacional de Engenharia do Ambiente Certificação Ambiental e Responsabilização Social nas Organizações 20 e 21 de Maio de 2011 Universidade Lusófona de Humanidades e Tecnologias

Leia mais

Licenciatura, Engenharia Geográfica, Faculdade de Ciências da Universidade de Lisboa, 1995.

Licenciatura, Engenharia Geográfica, Faculdade de Ciências da Universidade de Lisboa, 1995. CURRICULUM VITAE FERNANDO MIGUEL GRANJA MARTINS Nome: Fernando Miguel Apelido: Granja Martins Departamento de Engenharia Civil, Instituto Superior de Engenharia, Universidade do Algarve, Portugal Telefone:

Leia mais

AUTO-ESTRADA COMO VEÍCULO DE INCORPORAÇÃO DE MATERIAIS VERDES

AUTO-ESTRADA COMO VEÍCULO DE INCORPORAÇÃO DE MATERIAIS VERDES AUTO-ESTRADA COMO VEÍCULO DE INCORPORAÇÃO DE MATERIAIS VERDES Tomé Pereira Canas 1, Rui Camolino 2 1 Brisa Inovação e Tecnologia SA; Núcleo de Relações Institucionais e Inovação; Gestor de Inovação; 214233418;

Leia mais

Consulta pública. Sistema de Cobertura do Risco de Fenómenos Sísmicos

Consulta pública. Sistema de Cobertura do Risco de Fenómenos Sísmicos MINISTÉRIO DAS FINANÇAS E DA ADMINISTRAÇÃO PÚBLICA Consulta pública Sistema de Cobertura do Risco de Fenómenos Sísmicos - Fundo Sísmico - Fundo de Solidariedade Outubro de 2010 1 ÍNDICE 1. Enquadramento

Leia mais

Unidade Curricular de Projecto Empresarial, em Parceria com o ISCTE-IUL

Unidade Curricular de Projecto Empresarial, em Parceria com o ISCTE-IUL ENQUDRAMENTO Unidade Curricular de Projecto Empresarial, em Parceria com o ISCTE-IUL A Faculdade de Ciências inclui nos seus planos de estudos diversas disciplinas que têm como objectivo sensibilizar os

Leia mais

PROJECTO NAZARÉ XXI. - Marina de recreio e Complexo Turístico de S. Gião

PROJECTO NAZARÉ XXI. - Marina de recreio e Complexo Turístico de S. Gião PROJECTO NAZARÉ XXI - Marina de recreio e Complexo Turístico de S. Gião Nazaré XXI é um projecto turístico de impacto regional, inserido na política de desenvolvimento económico que a Câmara Municipal

Leia mais

Plataforma Integrada de Gestão e Accionamento de Cenários

Plataforma Integrada de Gestão e Accionamento de Cenários , Plataforma Integrada de Gestão e Accionamento de Cenários Cláudia Paixão A Ilha da Madeira apresenta um conjunto de riscos específicos entre os quais se destacam: Movimentação de Massas Cheias Rápidas

Leia mais

Relatório de Execução Material do Projecto PTDC/CTE- GIN/8704/2006 SISMOD/LISMOT Ano de 2010

Relatório de Execução Material do Projecto PTDC/CTE- GIN/8704/2006 SISMOD/LISMOT Ano de 2010 Relatório de Execução Material do Projecto PTDC/CTE- GIN/8704/2006 SISMOD/LISMOT Ano de 2010 RESUMO DOS TRABALHOS (6000 caracteres) As tarefas de desenvolvimento estão no essencial concluídas, estando

Leia mais

BARÓMETRO DE INOVAÇÃO COTEC. VÍtor Corado Simões

BARÓMETRO DE INOVAÇÃO COTEC. VÍtor Corado Simões BARÓMETRO DE INOVAÇÃO COTEC VÍtor Corado Simões Contexto nacional de inovação O Problema As Empresas Portuguesas têm uma baixa performance em inovação Somos Inovação Barómetro Inovação Somos Inovação Barómetro

Leia mais

Ciência e Tecnologia de Defesa no 3.º Quartel do Séc. XX A cartografia Militar em PORTUGAL (1950-1975)

Ciência e Tecnologia de Defesa no 3.º Quartel do Séc. XX A cartografia Militar em PORTUGAL (1950-1975) Ciência e Tecnologia de Defesa no 3.º Quartel do Séc. XX A cartografia Militar em PORTUGAL (1950-1975) 1975) A cartografia Militar Resumo histórico do IGeoE Evolução das instalações Produção cartográfica

Leia mais

Infra-Estruturas Viárias:

Infra-Estruturas Viárias: Design e Inovação Infra-Estruturas Viárias: Um Sistema de Gestão Inovador AUTORES: Maria da Conceição M. Azevedo, Professora da FE da Universidade Católica Portuguesa, Directora da CAeMD Paulo Fonseca,

Leia mais

ANÁLISE DOS DADOS DE REANÁLISE DA PRECIPITAÇÃO MENSAL NO PERÍODO DE 62 ANOS NO MUNICÍPIO DE IBATEGUARA-AL

ANÁLISE DOS DADOS DE REANÁLISE DA PRECIPITAÇÃO MENSAL NO PERÍODO DE 62 ANOS NO MUNICÍPIO DE IBATEGUARA-AL ANÁLISE DOS DADOS DE REANÁLISE DA PRECIPITAÇÃO MENSAL NO PERÍODO DE 62 ANOS NO MUNICÍPIO DE IBATEGUARA-AL Kedyna Luanna Tavares Bezerra 1, Nayara Arroxelas dos Santos 2, Adriana de Souza Costa², Anderlan

Leia mais

APLICAÇÃO DA METODOLOGIA GLIMS PARA A ILHA RENAUD PENÍNSULA ANTÁRTICA APLICAÇÃO DA METODOLOGIA GLIMS PARA A ILHA RENAUD PENÍNSULA ANTÁRTICA

APLICAÇÃO DA METODOLOGIA GLIMS PARA A ILHA RENAUD PENÍNSULA ANTÁRTICA APLICAÇÃO DA METODOLOGIA GLIMS PARA A ILHA RENAUD PENÍNSULA ANTÁRTICA APLICAÇÃO DA METODOLOGIA GLIMS PARA A ILHA RENAUD Petsch, C. 1 ; Simões, Cardia, J. 2 ; 1 UFRGS Email:carinapetsch@gmail.com; 2 UFRGS Email:jefferson.simoes@ufrgs.br; RESUMO: Esta pesquisa aplicou o método

Leia mais

Os mapas são a tradução da realidade numa superfície plana.

Os mapas são a tradução da realidade numa superfície plana. Cartografia Desde os primórdios o homem tentou compreender a forma e as características do nosso planeta, bem como representar os seus diferentes aspectos através de croquis, plantas e mapas. Desenhar

Leia mais

Análise da qualidade de imagens Landsat-1-MSS entre os anos de 1972 e 1975 para o bioma Cerrado

Análise da qualidade de imagens Landsat-1-MSS entre os anos de 1972 e 1975 para o bioma Cerrado Análise da qualidade de imagens Landsat-1-MSS entre os anos de 1972 e 1975 para o bioma Cerrado Carlos Antônio Melo CRISTÓVÃO Laerte Guimarães FERREIRA Jr. Universidade Federal de Goiás - UFG Instituto

Leia mais

Coordinator of the FCT Team Project in Lisbon Local Agenda 21 Case Study Bairro do Charquinho

Coordinator of the FCT Team Project in Lisbon Local Agenda 21 Case Study Bairro do Charquinho Coordinator of the FCT Team Project in Lisbon Local Agenda 21 Case Study Agenda 21 Local de Lisboa Ameixoeira, Benfica, Carnide, Charneca e Lumiar Dec 2010 Feb 201 A Project in Partnership Lisbon Local

Leia mais

Radar Multiparamétrico e X-Net

Radar Multiparamétrico e X-Net Matéria Especial: Visando a Previsão de Desastres Causados por Fortes Chuvas Repentinas Radar Multiparamétrico e X-Net Novo Sistema de Observação que Capta Fortes Chuvas Repentinas (chamadas no Japão de

Leia mais

9 o 25b 00n 39 o 41b 10n 9 o 25b 00n 38 o 40b 40n 9 o 16b 50n 38 o 34b 50n. 9 o 12b 00n 38 o 24b 30n

9 o 25b 00n 39 o 41b 10n 9 o 25b 00n 38 o 40b 40n 9 o 16b 50n 38 o 34b 50n. 9 o 12b 00n 38 o 24b 30n N. o 213 14 de Setembro de 2002 DIÁRIO DA REPÚBLICA I SÉRIE-B 6441 3. o A eficácia da concessão está dependente de prévia sinalização, de acordo com as condições definidas nas Portarias n. os 1103/2000

Leia mais

Seminário sobre Energia Elétrica Luanda, 8 e 9 de Setembro de 2011

Seminário sobre Energia Elétrica Luanda, 8 e 9 de Setembro de 2011 Seminário sobre Energia Elétrica Luanda, 8 e 9 de Setembro de 2011 A política energética europeia para a promoção da competitividade, sustentabilidade e segurança de abastecimento Jorge de Sousa Professor

Leia mais

IMAGENS DE SATÉLITE PROF. MAURO NORMANDO M. BARROS FILHO

IMAGENS DE SATÉLITE PROF. MAURO NORMANDO M. BARROS FILHO UNIVERSIDADE FEDERAL DE CAMPINA GRANDE CENTRO DE TECNOLOGIA E RECURSOS HUMANOS UNIDADE ACADÊMICA DE ENGENHARIA CIVIL IMAGENS DE SATÉLITE PROF. MAURO NORMANDO M. BARROS FILHO Sumário 1. Conceitos básicos

Leia mais

Projectar o Algarve no Futuro

Projectar o Algarve no Futuro Projectar o Algarve no Futuro Os Novos Desafios do Algarve Região Digital paulo.bernardo@globalgarve.pt 25 Maio 2007 Auditório Portimão Arena Um mundo em profunda mudança O Mundo enfrenta hoje um processo

Leia mais

IPSentinel: Desenvolvimento de uma plataforma colaborativa para a disseminação de informação geoespacial em Portugal

IPSentinel: Desenvolvimento de uma plataforma colaborativa para a disseminação de informação geoespacial em Portugal IPSentinel: Desenvolvimento de uma plataforma colaborativa para a disseminação de informação geoespacial em Portugal Mário CAETANO 1, Paulo CRISÓGONO 2 ; José SANTOS 3 ; Andreia BARBEIRO 4 ; Marisa SILVA

Leia mais

CARTOGRAFIA E IMAGEM ASTER APLICADOS NO MAPEAMENTO GEOMORFOLÓGICO DO MUNICÍPIO DE CATU, BA.

CARTOGRAFIA E IMAGEM ASTER APLICADOS NO MAPEAMENTO GEOMORFOLÓGICO DO MUNICÍPIO DE CATU, BA. CARTOGRAFIA E IMAGEM ASTER APLICADOS NO MAPEAMENTO Avelino, E. 1 ; 1 IFBAIANO, CAMPUS CATU Email:ed.avelino@hotmail.com; RESUMO: Esta pesquisa tem o objetivo de mapear as unidades geomorfológicas do município

Leia mais

EXÉRCITO BRASILEIRO Departamento de Ciência e Tecnologia Diretoria de Serviço Geográfico

EXÉRCITO BRASILEIRO Departamento de Ciência e Tecnologia Diretoria de Serviço Geográfico EXÉRCITO BRASILEIRO Departamento de Ciência e Tecnologia Diretoria de Serviço Geográfico MAPEAMENTO DA AMAZÔNIA: PROJETO ESTRATÉGICO PARA O BRASIL GEOINFORMAÇÕES NA AMAZÔNIA Gen Div PEDRO RONALT VIEIRA

Leia mais

PPDA DA REN ARMAZENAGEM ANÁLISE DO RELATÓRIO DE EXECUÇÃO DO ANO GÁS 2009-2010

PPDA DA REN ARMAZENAGEM ANÁLISE DO RELATÓRIO DE EXECUÇÃO DO ANO GÁS 2009-2010 PPDA DA REN ARMAZENAGEM ANÁLISE DO RELATÓRIO DE EXECUÇÃO DO ANO GÁS 2009-2010 Abril 2011 ENTIDADE REGULADORA DOS SERVIÇOS ENERGÉTICOS Este documento está preparado para impressão em frente e verso Rua

Leia mais

Anais XVII Simpósio Brasileiro de Sensoriamento Remoto - SBSR, João Pessoa-PB, Brasil, 25 a 29 de abril de 2015, INPE

Anais XVII Simpósio Brasileiro de Sensoriamento Remoto - SBSR, João Pessoa-PB, Brasil, 25 a 29 de abril de 2015, INPE Detecção de mudanças no uso e cobertura da terra utilizando Land Change Modeler: o caso da bacia hidrográfica do Ribeirão do Rebojo, Pontal do Paranapanema, SP, Brasil Éder Pereira dos Santos 1 Edson Luís

Leia mais

Dia 27 de Maio Promoção Imobiliária e Sustentabilidade. Eng.º Gonçalo Costa. Alta de Lisboa

Dia 27 de Maio Promoção Imobiliária e Sustentabilidade. Eng.º Gonçalo Costa. Alta de Lisboa Dia 27 de Maio Promoção Imobiliária e Sustentabilidade Eng.º Gonçalo Costa Sustentabilidade na A é um empreendimento que abrange uma área de cerca de 300 ha, junto ao aeroporto de Lisboa, que tem prevista

Leia mais

Potencial e estratégia de desenvolvimento da energia das ondas em Portugal

Potencial e estratégia de desenvolvimento da energia das ondas em Portugal WAVE ENERGY CENTRE Potencial e estratégia de desenvolvimento da energia das ondas em Portugal Versão 0.1 1 INDICE 11.. OO RREECCUURRSSOO EENNEERRGGÉÉTTIICCOO... 3 22.. AACCTTUUAAIISS PPRROOTTÓÓTTIIPPOOSS

Leia mais

Figura 1 Classificação Supervisionada. Fonte: o próprio autor

Figura 1 Classificação Supervisionada. Fonte: o próprio autor ANÁLISE DAS ÁREAS DE PRESERVAÇÃO PERMANENTE NA BACIA HIDROGRÁFICA DO RIO JUQUERY ATRÁVES DE TÉCNICAS DE GEOPROCESSAMENTO E IMAGENS DE SENSORIAMENTO REMOTO 1. INTRODUÇÃO Ultimamente tem-se visto uma grande

Leia mais

FALTA A CAPA RELATÓR IO ECONTAS 2009. PRODUTECH Associação para as Tecnologias de Produção Sustentável www.produtech.org

FALTA A CAPA RELATÓR IO ECONTAS 2009. PRODUTECH Associação para as Tecnologias de Produção Sustentável www.produtech.org FALTA A CAPA RELATÓR IO ECONTAS 2009 PRODUTECH Associação para as Tecnologias de Produção Sustentável www.produtech.org ÍNDICE 1 INTRODUÇÃO... 3 2 OBJECTIVOS... 3 3 RELATÓRIO DE ACTIVIDADES... 5 3.1 DESENVOLVIMENTO

Leia mais

Tomografia 3D do vapor de água com integração de dados GPS e interferometria SAR

Tomografia 3D do vapor de água com integração de dados GPS e interferometria SAR Tomografia 3D do vapor de água com integração de dados GPS e interferometria SAR Pedro BENEVIDES 1, João CATALÃO 1, Giovanni NICO 2 e Pedro M. A. MIRANDA 1 1 IDL, Universidade de Lisboa, Faculdade de Ciências

Leia mais

ANÁLISE DE UMA LINHA DE INSTABILIDADE QUE ATUOU ENTRE SP E RJ EM 30 OUTUBRO DE 2010

ANÁLISE DE UMA LINHA DE INSTABILIDADE QUE ATUOU ENTRE SP E RJ EM 30 OUTUBRO DE 2010 ANÁLISE DE UMA LINHA DE INSTABILIDADE QUE ATUOU ENTRE SP E RJ EM 30 OUTUBRO DE 2010 No sábado do dia 30 de outubro de 2010 uma linha de instabilidade provocou temporais em áreas entre o Vale do Paraíba

Leia mais

MECANISMOS FÍSICOS EM MÊS EXTREMO CHUVOSO NA CIDADE DE PETROLINA. PARTE 3: CARACTERÍSTICAS TERMODINÂMICAS E DO VENTO

MECANISMOS FÍSICOS EM MÊS EXTREMO CHUVOSO NA CIDADE DE PETROLINA. PARTE 3: CARACTERÍSTICAS TERMODINÂMICAS E DO VENTO MECANISMOS FÍSICOS EM MÊS EXTREMO CHUVOSO NA CIDADE DE PETROLINA. PARTE 3: CARACTERÍSTICAS TERMODINÂMICAS E DO VENTO Roberta Everllyn Pereira Ribeiro 1, Maria Regina da Silva Aragão 2, Jaqueline Núbia

Leia mais

Descrição do Datum Geodésico da Região Administrativa Especial de Macau

Descrição do Datum Geodésico da Região Administrativa Especial de Macau Descrição do Datum Geodésico da Região Administrativa Especial de Macau 1. Introdução Acompanhando a alteração social e o avanço de tecnologia e ciência, as tecnologias de recepção do sistema de posicionamento

Leia mais

PPDA DA REN ARMAZENAGEM ANÁLISE DO RELATÓRIO DE EXECUÇÃO DO ANO GÁS 2008-2009

PPDA DA REN ARMAZENAGEM ANÁLISE DO RELATÓRIO DE EXECUÇÃO DO ANO GÁS 2008-2009 PPDA DA REN ARMAZENAGEM ANÁLISE DO RELATÓRIO DE EXECUÇÃO DO ANO GÁS 2008-2009 Maio 2010 ENTIDADE REGULADORA DOS SERVIÇOS ENERGÉTICOS Este documento está preparado para impressão em frente e verso Rua Dom

Leia mais

MAPA DE RUÍDO DO TERRITÓRIO MUNICIPAL DE VIANA DO CASTELO RESUMO NÃO TÉCNICO

MAPA DE RUÍDO DO TERRITÓRIO MUNICIPAL DE VIANA DO CASTELO RESUMO NÃO TÉCNICO Câmara Municipal de Viana do Castelo MAPA DE RUÍDO DO TERRITÓRIO MUNICIPAL DE VIANA DO CASTELO Novembro de 2008 MAPA DE RUÍDO DO TERRITÓRIO MUNICIPAL DE VIANA DO CASTELO Equipa Técnica: José F. G. Mendes,

Leia mais

A PARCERIA PORTUGUESA PARA A ÁGUA Visita da Delegação da Comissão de Recursos Hídricos do Rio das Pérolas 17 de Maio 2011

A PARCERIA PORTUGUESA PARA A ÁGUA Visita da Delegação da Comissão de Recursos Hídricos do Rio das Pérolas 17 de Maio 2011 O que quer que possuamos, duplica o seu valor quando temos a oportunidade de o partilhar com outros. JEAN-NICOLAS BOUILLY (1763-1842) A PARCERIA PORTUGUESA PARA A ÁGUA Visita da Delegação da Comissão de

Leia mais

Boletim Climatológico Mensal Maio de 2014

Boletim Climatológico Mensal Maio de 2014 Boletim Climatológico Mensal Maio de 2014 CONTEÚDOS Detalhe do posto meteorológico de Angra do Heroísmo, instalado na Igreja do Colégio (c. 1927). 01 Resumo Mensal 02 Resumo das Condições Meteorológicas

Leia mais

PPDA DA REN GASODUTOS ANÁLISE DO RELATÓRIO DE EXECUÇÃO DO ANO GÁS 2009-2010

PPDA DA REN GASODUTOS ANÁLISE DO RELATÓRIO DE EXECUÇÃO DO ANO GÁS 2009-2010 PPDA DA REN GASODUTOS ANÁLISE DO RELATÓRIO DE EXECUÇÃO DO ANO GÁS 2009-2010 Abril 2011 ENTIDADE REGULADORA DOS SERVIÇOS ENERGÉTICOS Este documento está preparado para impressão em frente e verso Rua Dom

Leia mais

Dotar o território de instrumentos de planeamento de gestão compatíveis com a preservação e conservação dos recursos;

Dotar o território de instrumentos de planeamento de gestão compatíveis com a preservação e conservação dos recursos; 1. Medida 3.5.: Apoio ao Desenvolvimento do Sistema Ambiental e do Ordenamento 2. Descrição Esta medida contempla o apoio aos investimentos a realizar nos domínios do Ordenamento do Território e do Desenvolvimento

Leia mais

NOVOS INVESTIMENTOS NA FERROVIA 09 DE NOVEMBRO DE 2015/ CARLOS MATIAS RAMOS

NOVOS INVESTIMENTOS NA FERROVIA 09 DE NOVEMBRO DE 2015/ CARLOS MATIAS RAMOS OE, 9 de novembro de 2015 Temas a abordar A Estratégia Europeia Objectivos da UE Objetivos da UE: Redução das emissões de GEE até 2050 em 80 a 95% dos valores de1990 Modos de transporte. Eficiência energética

Leia mais

RELATÓRIO DO LEVANTAMENTO GEOFÍSICO UTILIZANDO O MÉTODO DE ELETRORRESISTIVIDADE PARA O PROJETO TAV TREM DE ALTA VELOCIDADE

RELATÓRIO DO LEVANTAMENTO GEOFÍSICO UTILIZANDO O MÉTODO DE ELETRORRESISTIVIDADE PARA O PROJETO TAV TREM DE ALTA VELOCIDADE RELATÓRIO DO LEVANTAMENTO GEOFÍSICO UTILIZANDO O MÉTODO DE ELETRORRESISTIVIDADE PARA O PROJETO TAV TREM DE ALTA VELOCIDADE SUMÁRIO 1. INTRODUÇÃO... 1 2. LOCALIZAÇÃO DOS ENSAIOS GEOFÍSICOS... 2 3. EQUIPE...

Leia mais

Satélites e Sensores. Profa. Ligia Flávia Antunes Batista

Satélites e Sensores. Profa. Ligia Flávia Antunes Batista Satélites e Sensores Profa. Ligia Flávia Antunes Batista Referências Slides baseados em: Geomática Aplicada à Gestão de Recursos Hídricos. PROF. ALEXANDRE ROSA DOS SANTOS. UNIVERSIDADE FEDERAL DOS ESPÍRITO

Leia mais

DOMÍNIO DE ESTUDO: MAPEAMENTO E ANÁLISE EVOLUTIVA ATRAVÉS DE TÉCNICAS DE DETEÇÃO REMOTA E CRITÉRIOS BIOFÍSICOS

DOMÍNIO DE ESTUDO: MAPEAMENTO E ANÁLISE EVOLUTIVA ATRAVÉS DE TÉCNICAS DE DETEÇÃO REMOTA E CRITÉRIOS BIOFÍSICOS DOMÍNIO DE ESTUDO: MAPEAMENTO E ANÁLISE EVOLUTIVA ATRAVÉS DE TÉCNICAS DE DETEÇÃO REMOTA E CRITÉRIOS BIOFÍSICOS Ricardo Nogueira Mendes (1), Rodrigo Ceia (1), João Catalão (1), Ricardo Melo (1), Tiago Silva

Leia mais

MEDIDAS DE REFORÇO DA SOLIDEZ FINANCEIRA DAS INSTITUIÇÕES DE CRÉDITO

MEDIDAS DE REFORÇO DA SOLIDEZ FINANCEIRA DAS INSTITUIÇÕES DE CRÉDITO NotíciasdoDireito Janeiro a Março de 2012 SECTOR BANCÁRIO E FINANCEIRO MEDIDAS DE REFORÇO DA SOLIDEZ FINANCEIRA DAS INSTITUIÇÕES DE CRÉDITO A Lei n.º 4/2012, de 11 de Janeiro, altera a Lei n.º 63-A/2008,

Leia mais

Dados para mapeamento

Dados para mapeamento Dados para mapeamento Existem dois aspectos com relação aos dados: 1. Aquisição dos dados para gerar os mapas 2. Uso do mapa como fonte de dados Os métodos de aquisição de dados para o mapeamento divergem,

Leia mais

RECURSOS NATURAIS SISTEMA ANEXO B APÊNDICE 1 ADENDA H RECURSOS NATURAIS - ATMOSFERA. Estratégia Nacional para o Mar 2013-2020 A-A-1

RECURSOS NATURAIS SISTEMA ANEXO B APÊNDICE 1 ADENDA H RECURSOS NATURAIS - ATMOSFERA. Estratégia Nacional para o Mar 2013-2020 A-A-1 RECURSOS NATURAIS SISTEMA ANEXO B APÊNDICE 1 ADENDA H RECURSOS NATURAIS - ATMOSFERA Estratégia Nacional para o Mar 2013-2020 A-A-1 Estratégia Nacional para o Mar 2013-2020 B-1-H-2 RECURSOS NATURAIS (ATMOSFERA)

Leia mais

PREVISÃO E DETECÇÃO DE TORNADOS: PROBLEMAS INERENTES Paulo Pinto Instituto de Meteorologia, I.P. MONITORIZAMOS CONTRIBUÍMOS

PREVISÃO E DETECÇÃO DE TORNADOS: PROBLEMAS INERENTES Paulo Pinto Instituto de Meteorologia, I.P. MONITORIZAMOS CONTRIBUÍMOS PREVISÃO E DETECÇÃO DE TORNADOS: PROBLEMAS INERENTES Paulo Pinto Instituto de Meteorologia, I.P. MONITORIZAMOS O TEMPO O CLIMA A ACTIVIDADE SÍSMICA CONTRIBUÍMOS V Encontro Nacional de Riscos Auditório

Leia mais

Introdução ao Sensoriamento Remoto

Introdução ao Sensoriamento Remoto Introdução ao Sensoriamento Remoto Cachoeira Paulista, 24 a 28 novembro de 2008 Bernardo Rudorff Pesquisador da Divisão de Sensoriamento Remoto Instituto Nacional de Pesquisas Espaciais - INPE Sensoriamento

Leia mais

Conceitos, ferramentas e aplicações na avaliação imobiliária: Tecnologias de informação geográfica FLOSS & FLOSS4G

Conceitos, ferramentas e aplicações na avaliação imobiliária: Tecnologias de informação geográfica FLOSS & FLOSS4G Conceitos, ferramentas e aplicações na avaliação imobiliária: Tecnologias de informação geográfica FLOSS & FLOSS4G José Miguel M. C. Gomes Aires zeaires@gmail.com 1 FLOSS & FLOSS4G "Código Aberto FSF (Free

Leia mais

catálogo de publicações

catálogo de publicações catálogo de publicações NÚCLEO DE COMUNICAÇÃO E DOCUMENTAÇÃO Horário Todos os dias úteis no seguinte horário: 10h00 12h30 14h30 17h00 Contactos Rua de S. Julião, n.º 63 - R/C 1149-030 LISBOA Tel.: 21 881

Leia mais

GEOEXÉRCITO: SISTEMA TÁCTICO-ESTRATÉGICO PARA O EXÉRCITO PORTUGUÊS

GEOEXÉRCITO: SISTEMA TÁCTICO-ESTRATÉGICO PARA O EXÉRCITO PORTUGUÊS GEOEXÉRCITO: SISTEMA TÁCTICO-ESTRATÉGICO PARA O EXÉRCITO PORTUGUÊS 1. Introdução Luis Nunes 1 ; Alberto Silva 2 1 Instituto Geográfico do Exército 2 Instituto Superior Técnico (lnunes@igeoe.pt ; alberto.silva@acm.org)

Leia mais

Revisor Oficial de Contas, desde 1990.

Revisor Oficial de Contas, desde 1990. 1. Dados pessoais Nome: Vitor Manuel Batista de Almeida Data de nascimento: 14 de Julho de 1956 Naturalidade: Lisboa Residência: Calçada das Lages, Lote 3, Nº 61-A, 14º C 1900-291 Lisboa Telefone casa:

Leia mais

UNIVERSIDADE DE LISBOA

UNIVERSIDADE DE LISBOA UNIVERSIDADE DE LISBOA FACULDADE DE CIÊNCIAS DEPARTAMENTO DE ENGENHARIA GEOGRÁFICA, GEOFÍSICA E ENERGIA Elaboração de uma Carta de Aterros da Cidade de Lisboa por LiDAR e Fotogrametria Aérea PEDRO MIGUEL

Leia mais

Aplicações Práticas de Cartografia de Modelos de Combustível Florestal no apoio ao Planeamento e Combate a Incêndios

Aplicações Práticas de Cartografia de Modelos de Combustível Florestal no apoio ao Planeamento e Combate a Incêndios Aplicações Práticas de Cartografia de Modelos de Combustível Florestal no apoio ao Planeamento e Combate a Incêndios Nuno Guiomar (Investigador/Colaborador da Universidade de Évora) João Paulo Fernandes

Leia mais

CARTOGRAFIA E CADASTRO Cadastros Temáticos / SIG FICHEIRO VITIVINÍCOLA COMUNITÁRIO

CARTOGRAFIA E CADASTRO Cadastros Temáticos / SIG FICHEIRO VITIVINÍCOLA COMUNITÁRIO Cadastros Temáticos / SIG FICHEIRO VITIVINÍCOLA COMUNITÁRIO DESCRIÇÃO FICHEIRO VITIVINÍCOLA COMUNITÁRIO EM. Regiões do Minho, Trás-os-Montes, Ribatejo, Estremadura e Terras do Sado Cliente: Instituto do

Leia mais

Venus Express. 11 de Abril: Inserção em Órbita de Vénus

Venus Express. 11 de Abril: Inserção em Órbita de Vénus Venus Express 11 de Abril: Inserção em Órbita de Vénus 1 O Planeta Vénus Índice O Planeta Vénus...2 Venus Express...3 Dia 11 de Abril...4 Contactos...5 Mais informações...5 Planeta Vénus está coberto por

Leia mais

Iniciação ao software SIG Open Source WinGRASS 6.4 7-9 Maio 2010 Lisboa Cristina Catita, FCUL

Iniciação ao software SIG Open Source WinGRASS 6.4 7-9 Maio 2010 Lisboa Cristina Catita, FCUL Iniciação ao software SIG Open Source WinGRASS 6.4 7-9 Maio 2010 Lisboa Cristina Catita, FCUL Objectivos O objectivo deste curso é familiarizar os formandos com a utilização do software Geographic Resources

Leia mais

P R E S I D Ê N C I A D A R E P Ú B L I C A C A S A C I V I L

P R E S I D Ê N C I A D A R E P Ú B L I C A C A S A C I V I L P R E S I D Ê N C I A D A R E P Ú B L I C A C A S A C I V I L O Sistema de Proteção da Amazônia Palestra apresentada dia 4 de outubro de 2006 no SERFA 06 Roberto Ventura Santos Diretor Técnico T e Operacional

Leia mais

Para que um sensor possa coletar e registrar a energia refletida ou emitida por um objeto ou superfície, ele tem que estar instalado em uma

Para que um sensor possa coletar e registrar a energia refletida ou emitida por um objeto ou superfície, ele tem que estar instalado em uma Sensores e Satélites Para que um sensor possa coletar e registrar a energia refletida ou emitida por um objeto ou superfície, ele tem que estar instalado em uma plataforma estável à distância do objeto

Leia mais

Minhas senhoras e meus senhores.

Minhas senhoras e meus senhores. Minhas senhoras e meus senhores. Apresentamos hoje a Campanha Especial de Segurança Rodoviária que visa, durante o mês de Dezembro e os primeiros dias de Janeiro, valorizar a prevenção e reforçar a segurança

Leia mais

Impacte da assimilação de dados de vento provenientes de satélite em ambiente offshore: caso de estudo da Berlenga

Impacte da assimilação de dados de vento provenientes de satélite em ambiente offshore: caso de estudo da Berlenga Impacte da assimilação de dados de vento provenientes de satélite em ambiente offshore: caso de estudo da Berlenga Miguel Fernandes (1), Paulo Costa (1), Ana Estanqueiro (1) miguel.fernandes@ineti.pt,

Leia mais

XII Congresso Brasileiro de Meteorologia, Foz de Iguaçu-PR, 2002

XII Congresso Brasileiro de Meteorologia, Foz de Iguaçu-PR, 2002 CARACTERÍSTICAS DAS PRECIPITAÇÕES CONVECTIVAS INTENSAS NA ÁREA DO RADAR METEOROLÓGICO DE SÃO PAULO Emanuella de Cássia Vicente Clóvis Angeli Sansigolo LMO, CPTEC, INPE, São José dos Campos, SP Augusto

Leia mais

Relatório de Actividades de 2009

Relatório de Actividades de 2009 CENTRO DE INVESTIGAÇÃO EM CONTABILIDADE E FISCALIDADE (CICF) Relatório de Actividades de 2009 Nota Prévia O Centro de Investigação em Contabilidade e Fiscalidade (CICF), é uma unidade de investigação científica

Leia mais

Serão os resultados iguais? Comparação E-OBS vs SPAIN02

Serão os resultados iguais? Comparação E-OBS vs SPAIN02 Serão os resultados iguais? Comparação E-OBS vs SPAIN02 M. J. Carvalho, J. Teixeira and A. Rocha CESAM Centro de Estudos do Ambiente e do Mar Physics Department University of Aveiro Correspond to: mariajcarvalho@ua.pt

Leia mais

PLANEAMENTO PARA O MUNDIAL EM DAEGU 2011 ------------------------- INÊS HENRIQUES

PLANEAMENTO PARA O MUNDIAL EM DAEGU 2011 ------------------------- INÊS HENRIQUES PLANEAMENTO PARA O MUNDIAL EM DAEGU 2011 ------------------------- INÊS HENRIQUES Jorge Miguel - Treinador PLANEAMENTO PARA O MUNDIAL EM DAEGU PLANEAMENTO PARA: UM ANO DE TREINO (ÉPOCA) UM PERÍODO DE TREINO

Leia mais

Os Percursos Pedestres nos AçoresA

Os Percursos Pedestres nos AçoresA Os Percursos Pedestres nos AçoresA Importância para a Monitorização e Valorização das Áreas Ambientais S. Diogo Caetano,, Eva A. Lima, Rita Melo, Teófilo Braga e Luís s N. Botelho Subida ao Pico da Vara,

Leia mais

Fase de construção do Prolongamento da Linha Vermelha, entre Alameda e São Sebastião

Fase de construção do Prolongamento da Linha Vermelha, entre Alameda e São Sebastião Fase de construção do Prolongamento da Linha Vermelha, entre Alameda e São Sebastião Identificação dos factores ambientais verdadeiramente significativos Descrição do projecto Prolongamento da Linha Vermelha

Leia mais

Apontamentos sobre a avaliação de perigos geológicos nas ilhas do Faial e Pico na sequência do sismo de 9 de Julho de 1998

Apontamentos sobre a avaliação de perigos geológicos nas ilhas do Faial e Pico na sequência do sismo de 9 de Julho de 1998 Estudos Desenvolvidos Capítulo 33 Apontamentos sobre a avaliação de perigos geológicos nas ilhas do Faial e Pico na sequência do sismo de 9 de Julho de 1998 Notes on the geological hazards assessment of

Leia mais

MAPEAMENTO COSTEIRO. DINÂMICA COSTEIRA E MONITORAMENTO GEODÉSICO DA LINHA DE COSTA.

MAPEAMENTO COSTEIRO. DINÂMICA COSTEIRA E MONITORAMENTO GEODÉSICO DA LINHA DE COSTA. MAPEAMENTO COSTEIRO. DINÂMICA COSTEIRA E MONITORAMENTO Prof. Gilberto Pessanha Ribeiro gilberto.pessanha@gmail.com Universidade Federal de São Paulo - UNIFESP Instituto do Mar Campus Baixada Santista www.mapasdigitais.uerj.br

Leia mais

Fundo para o Meio Ambiente Mundial

Fundo para o Meio Ambiente Mundial Organização do Tratado de Co Amazônica Fundo para o Meio Ambiente Mundial Programa das Nações Unidas para o Meio Ambiente Universidade Federal do Pará Grupo de Estudos Marinhos e Costeiros PROJETO GESTÃO

Leia mais

Operacionalização da Interferometria Diferencial (D-InSAR) para o sistema OrbiSAR Estudo de caso realizado na região de São Sebastião, SP

Operacionalização da Interferometria Diferencial (D-InSAR) para o sistema OrbiSAR Estudo de caso realizado na região de São Sebastião, SP Anais XV Simpósio Brasileiro de Sensoriamento Remoto - SBSR, Curitiba, PR, Brasil, 30 de abril a 05 de maio de 2011, INPE p.8207 Operacionalização da Interferometria Diferencial (D-InSAR) para o sistema

Leia mais

CURSOS DE FORMAÇÃO Curso para Peritos Qualificados no Sistema de Certificação Energética

CURSOS DE FORMAÇÃO Curso para Peritos Qualificados no Sistema de Certificação Energética CURSOS DE FORMAÇÃO Curso para Peritos Qualificados no Sistema de Certificação Energética Módulo RSECE- Energia: Regulamento dos Sistemas Energéticos de Climatização em Edifícios No âmbito do desenvolvimento

Leia mais

UNICAP Universidade Católica de Pernambuco Laboratório de Topografia de UNICAP - LABTOP Topografia 2. Sensoriamento Remoto.

UNICAP Universidade Católica de Pernambuco Laboratório de Topografia de UNICAP - LABTOP Topografia 2. Sensoriamento Remoto. UNICAP Universidade Católica de Pernambuco Laboratório de Topografia de UNICAP - LABTOP Topografia 2 Sensoriamento Remoto Parte 1 Recife, 2014 Conceito de Sensoriamento Remoto Sensoriamento Remoto consiste

Leia mais

Estudo de Viabilidade Económico-Financeira

Estudo de Viabilidade Económico-Financeira Departamento de Planeamento e Controlo Estudo de Viabilidade Económico-Financeira Fábrica Gelo-Puro (Luanda) Inferência Consultores de Negócio e Gestão Lisboa: Anexo ao Centro de Congressos de Lisboa -

Leia mais

Click to edit Master title style

Click to edit Master title style Complementaridade Ferroviária Um MAR de Oportunidades Sessão : Transporte Internacional de Mercadorias ADFERSIT Lisboa 11 de Dezembro de 2012 1 Peso do grupo nas exportações nacionais (2011) A Portucel

Leia mais

PRESIDÊNCIA DO GOVERNO REGIONAL Resolução do Conselho do Governo n.º 107/2010 de 14 de Julho de 2010

PRESIDÊNCIA DO GOVERNO REGIONAL Resolução do Conselho do Governo n.º 107/2010 de 14 de Julho de 2010 PRESIDÊNCIA DO GOVERNO REGIONAL Resolução do Conselho do Governo n.º 107/2010 de 14 de Julho de 2010 O Programa Estagiar, nas suas vertentes L, T e U, dirigido a recém-licenciados e mestres, recém-formados

Leia mais

MAPA DE RUÍDO DO MUNICÍPIO DE VILA NOVA DE FAMALICÃO

MAPA DE RUÍDO DO MUNICÍPIO DE VILA NOVA DE FAMALICÃO MAPA DE RUÍDO DO MUNICÍPIO DE VILA NOVA DE FAMALICÃO Actualização segundo o D.L. 9/2007, 17 de Janeiro RESUMO NÃO TÉCNICO Equipa Técnica do Mapa de Ruído: Luís Conde Santos, Director do Laboratório Susana

Leia mais