FICHA PROJETO - nº 097-MA

Save this PDF as:
 WORD  PNG  TXT  JPG

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "FICHA PROJETO - nº 097-MA"

Transcrição

1 FICHA PROJETO - nº 097-MA Mata Atlântica Grande Projeto 1) TÍTULO: Construindo Estratégias Participativas e Projetos Demonstrativos de Conservação da Mata Atlântica na Região do Corredor de Biodiversidade Tinguá Bocaina. 2) MUNICÍPIOS DE ATUAÇÃO DO PROJETO: Paty do Alferes, Miguel Pereira, Mendes, Engenheiro Paulo de Frontin, Paracambi, Barra do Piraí, Piraí, Vassouras e Rio Claro. 3) LINHA TEMÁTICA: Elaboração de planos e implantação de micro-corredores ecológicos em áreas prioritárias, estabelecendo conectividade com áreas de preservação permanente e de reserva legal em âmbitos local e regional. 4) BACIAS HIDROGRÁFICAS: Partes da Bacia do Rio Paraíba do Sul e do Rio Guandú. 5) FITOSIONOMIA DO BIOMA: Floresta Ombrófila Densa 6) PERÍODO DE EXECUÇÃO: 26 meses 7) PROPONENTE: Organização Instituto terra de Preservação Ambiental ITPA Palavras Chaves: Instituto/ONG. ENDEREÇO:Estrada do Chaumiére, 1405 Barão de Javary. MUNICÍPIO: Miguel Pereira UF: RJ CEP: TELEFONE: (24) TELEFAX: (24) CORREIO ELETRÔNICO: PÁGINA NA INTERNET: 7.1) COORDENADOR DO PROJETO: Mauricio Ruiz Castello Branco TELEFONE/FAX.: (24) / (24) ) RESUMO: O projeto compreende um conjunto de ações estratégicas que visam a integração regional de entidades públicas, privadas, ONG s e movimentos sociais que atuam na região localizada entre a Reserva Biológica do Tinguá e o Parque Nacional da Serra da Bocaína, em torno de uma visão de planejamento biorregional e a implementação de projetos locais demonstrativos de: apoio a criação e implantação de unidades de conservação públicas e privadas e recuperação de áreas degradadas através de sistemas agroflorestais. Observando o planejamento elaborado no Workshop, construímos este projeto prevendo atividades em duas escalas: regional e local. Nas ações de escala regional, realizaremos seminários e oficinas temáticas para a capacitação/fortalecimento do Colegiado de Entidades e a avaliação de áreas prioritárias de conservação, através de um estudo de valoração dos serviços ambientais das bacias do corredor. Nas ações locais, de caráter demonstrativo, propomos ações de implantação das duas APA s do Corredor (APA Palmares e APA Rio Santana) e o apoio a criação de duas RPPN s. Com estas atividades, esperamos dar

2 um importante passo no rumo da conservação e recuperação da mata atlântica em uma escala regional, estimulando projetos de reconecção dos fragmentos, contribuindo para integrar diferentes escalas de gestão ambiental e gerando mecanismos para continuidade das ações. 8.1) RESUMO DO ORÇAMENTO TOTAL: PDA CONTRAP. TOTAL R$ , , ,00 9) INFORMAÇÕES GERAIS: 9.1) INSTITUIÇÕES PARCEIRAS: Prefeitura Municipal de Paty do Alferes PMPA Prefeitura Municipal de Barra do Piraí PMBP Prefeitura Municipal de Paracambi PMP Prefeitura Municipal de Rio Claro PMRC Prefeitura Municipal de Vassouras- PMV Prefeitura Municipal de Engenheiro Paulo de Frontin PMEPF Prefeitura Municipal de Miguel Pereira Prefeitura Municipal de Mendes Prefeitura Municipal de Piraí Associação de Moradores e Amigos do Vale das Princesas Associação de Moradores de Palmares AMAPalmares Laboratório de Bacias Hidrográficas da Universidade Rural do Rio de Janeiro Universidade Severino Sombra Organização: Palavras Chaves: Governo Municipal, Associação, Universidade. 9.2) NÚMERO DE FAMÍLIAS ENVOLVIDAS: 525 famílias distribuídas em APA Palmares: Comunidade de Palmares: 200 famílias Comunidade de Boa Vista: 138 famílias APA Rio Santana: Comunidade de Fragoso: 57 famílias Comunidade de Vera Cruz: 22 famílias Comunidade de Marco da Costa: 32 famílias Comunidade de Facão/ Vale das Princesas 16 famílias Comunidade de Santa Branca 17 famílias Comunidade de Arcádia - 12 famílias Comunidade de Lagoa das Lontras 24 famílias Criação de RPPN 2 famílias Implantação de SAFs 5 famílias 9.3) UNIDADES DE CONSERVAÇÃO ENVOLVIDAS: APA Palmares e APA Rio Santana (ação direta) Parque Municipal do Curió ( ação indireta) Parque Municipal de Barra do Piraí (ação indireta) Reserva Biológica do Tinguá (ação indireta) Parque Nacional da Serra da Bocaina (ação indireta) 9.4) ASSENTAMENTOS RURAIS, QUILOMBOLAS, TERRAS INDÍGENAS: 01 comunidade Quilombola Associação Nós da Roça Rio Claro - Lídice

3 04 Assentamentos Rurais Paracambi, Paty do Alferes, Vassouras e Barra do Piraí 9.5) TIPO DE PÚBLICO ENVOLVIDO NO PROJETO: Produtor familiar, proprietários rurais como fazendeiros e sitiantes, sociedade civil organizada e poder público. 10) DESCRIÇÃO DO PROJETO: 10.1) OBJETIVO: Construir e implementar de forma participativa estratégias de conservação e recuperação da Mata Atlântica para o Corredor de Biodiversidade Tinguá Bocaina, através de ações integradas de fomento a projetos demonstrativos de criação e implantação de áreas protegidas e capacitação de atores com potencial de multiplicação. 10.2)METAS/ATIVIDADES: Meta 01: Coordenação, Implementação e Monitoramento do Projeto,INCLUINDO: Contratação da equipe técnica do projeto; aquisição de veículo, equipamentos, material permanente e de consumo necessários ao projeto; atividades de Monitoramento. Meta 02: Atividades de Capacitação e Planejamento Participativo, INCLUINDO: Seminários sobre: Agenda 21 Local, Aperfeiçoamento da Legislação Ambiental, Ampliação de fontes e mecanismos financeiros; Oficinas de capacitação sobre: procedimentos para a criação e manutenção das unidades de conservação públicase das RPPN s; 2 Workshop do Corredor de Biodiversidade Tinguá Bocaina, para avaliação de resultados e revisão do planejamento construído. Meta 03: Identificação de Áreas Prioritárias para a Conservação e Recuperação, INCLUINDO: Trabalho de campo; processamento e análise de dados, publicação do Mapa de Áreas Prioritárias para a Conservação e Recuperação. Meta 04: Projeto Piloto de Implantação das APA s do Corredor (APA Palmares e APA Rio Santana), INCLUINDO: Mobilização social das comunidades do interior e entorno das UC s; reuniões; elaboração dos planos de manejo; implantação de placas orientadoras nos limites e em Locais Estratégicos das APA s; Campanha de Fortalecimento Social das APA s; Campanha de Prevenção às Queimadas nas APA s. Meta 05: Projeto Piloto de Apoio a Criação de RPPN s no Corredor, INCLUINDO: Elaboração da Planta Georreferenciada das duas Propriedades que Criarão as RPPN S; Levantamento Cartorial e Averbação para a criação das RPPN s; Meta 06: Implantação de 05 Unidades Demonstrativas de Recuperação de Áreas Degradadas através de SAF s no Corredor, INCLUINDO: Capacitação sobre sistemas agroflorestais; visita de campo à Barra do Turvo; planejamento, implantação, manejo e monitoramento dos sistemas agroflorestais; reuniões mensais; curso ministrado pelos agricultores agroflorestais para difusão dos conhecimentos. Area ser recuperada através de sistemas agriflorestais: 500m² por propriedade rural. 10.3) PRODUTOS E SERVIÇOS: Palavras Chaves: Fortalecimento Institucional, Plano de Manejo, Criação de UC s, SAF s. 10.4) ATIVIDADES: Palavras Chaves: Oficina, Capacitação, Seminário, Levantamento de Campo, Publicação de Mapa, Reuniões, Plano de Manejo, Criação de UC s, Planejamento, Dias de Campo. 10.5) COMUNICAÇÃO: Palavras Chaves: Oficina, mapa, campanha, sinalização com placas.

4 11) ANEXOS: FOTOS DO I WORKSHOP SOBRE ESTRATÉGIAS DE CONSERVAÇÃO DA MATA ATLANTICA OCORRIDO NOS DIAS 23 E 24 DE JUNHO DE 2005

5

FICHA PROJETO - nº383-mapp

FICHA PROJETO - nº383-mapp FICHA PROJETO - nº383-mapp Mata Atlântica Pequeno Projeto 1) TÍTULO: Restauração da Região Serrana RJ: assistência técnica para consolidar uma rede de produtores rurais e viveiros comunitários. 2) MUNICÍPIOS

Leia mais

FICHA PROJETO - nº387-mapp

FICHA PROJETO - nº387-mapp FICHA PROJETO - nº387-mapp Mata Atlântica Pequeno Projeto 1) TÍTULO: ETUDO DE VIABILIDADE PARA A AMPLIAÇÃO DO PARQUE NACIONAL DA ERRA DA BOCAINA. 2) MUNICÍPIO DE ATUAÇÃO DO PROJETO: Parati, Angra dos Reis,

Leia mais

FICHA PROJETO - nº 075-MA

FICHA PROJETO - nº 075-MA FICHA PROJETO - nº 075-MA Mata Atlântica Grande Projeto 1) TÍTULO: CENTRO DE REFERÊNCIA EM BIODIVERSIDADE DA SERRA DOS ÓRGÃOS: UMA ALIANÇA ENTRE EDUCAÇÃO, TURISMO E CONSERVAÇÃO. 2) MUNICÍPIOS DE ATUAÇÃO

Leia mais

FICHA PROJETO - nº019 -MA

FICHA PROJETO - nº019 -MA 0 FICHA PROJETO - nº019 -MA Mata Atlântica Grande Projeto 1) TÍTULO: ECOTURISMO EM SÃO LOURENÇO DA SERRA: Água para a Região Metropolitana de São Paulo e Mata Atlântica para o Brasil. 2) MUNICÍPIOS DE

Leia mais

FICHA PROJETO - nº 045-MA

FICHA PROJETO - nº 045-MA FICHA PROJETO - nº 045-MA Mata Atlântica Grande Projeto 1) TÍTULO: Floresta Legal corredores florestais conectando habitats e envolvendo pessoas 2) MUNICÍPIOS DE ATUAÇÃO DO PROJETO: Silva Jardim, Rio Bonito,

Leia mais

FICHA PROJETO - nº 172 MA

FICHA PROJETO - nº 172 MA FICHA PROJETO - nº 172 MA Mata Atlântica Pequeno Projeto 1) TÍTULO: Morro do Caçador Uma Proposta de Unidade de Conservação. 2) MUNICÍPIOS DE ATUAÇÃO DO PROJETO: Florianópolis, Ilha de Santa Catarina.

Leia mais

FICHA PROJETO - nº 072-MA

FICHA PROJETO - nº 072-MA FICHA PROJETO - nº 072-MA Mata Atlântica Grande Projeto TÍTULO: Vereda do Desenvolvimento Sustentável da Comunidade de Canoas: um Projeto Demonstrativo da Conservação da Mata Atlântica. 2) MUNICÍPIOS DE

Leia mais

FICHA PROJETO - nº 063-P

FICHA PROJETO - nº 063-P FICHA PROJETO - nº 063-P LOGO Instituição Parceira PADEQ Grande Projeto 1) TÍTULO: Xingu Vivo Para Sempre 2) MUNICÍPIOS DE ATUAÇÃO DO PROJETO: Porto de Moz- PA: Comunidades Mutuncaia, Cariá, Jussara, Carmelino,

Leia mais

FUNDO DE PARCERIA PARA ECOSSISTEMAS CRÍTICOS RELATÓRIO FINAL DO PROJETO I. DADOS BÁSICOS. Nome da organização: Instituto Floresta Viva

FUNDO DE PARCERIA PARA ECOSSISTEMAS CRÍTICOS RELATÓRIO FINAL DO PROJETO I. DADOS BÁSICOS. Nome da organização: Instituto Floresta Viva FUNDO DE PARCERIA PARA ECOSSISTEMAS CRÍTICOS RELATÓRIO FINAL DO PROJETO I. DADOS BÁSICOS Nome da organização: Instituto Floresta Viva Título do projeto: Creation and Implementation of Protected Areas in

Leia mais

Projeto Corredores Ecológicos: Corredor Central da Mata Atlântica Unidade de Coordenação Estadual Espírito Santo

Projeto Corredores Ecológicos: Corredor Central da Mata Atlântica Unidade de Coordenação Estadual Espírito Santo Conectando pessoas e florestas Projeto Corredores Ecológicos: Corredor Central da Mata Atlântica ti Unidade de Coordenação Estadual Espírito Santo Objetivos PCE 1. Objetivo Geral: Demonstrar a viabilidade

Leia mais

FICHA PROJETO - nº 066-C

FICHA PROJETO - nº 066-C FICHA PROJETO - nº 066-C CONSOLIDAÇÃO Grande Projeto LOGO Instituição Parceira 1) TÍTULO: Frutos do Cerrado - Fortalecimento Organizacional e Produção Sustentável de Agricultores Extrativistas do Tocantins

Leia mais

EDUCAÇÃO AMBIENTAL APA SERRA DO LAJEADO

EDUCAÇÃO AMBIENTAL APA SERRA DO LAJEADO PLANO DE AÇÃO EDUCAÇÃO AMBIENTAL APA SERRA DO LAJEADO 2014 1 -OBJETIVO GERAL APA Serra do Lajeado foi instituída pela Lei nº 906 de 20 de maio de 1997, está no entorno do Parque Estadual do Lajeado e tem

Leia mais

RELATÓRIO FINAL DO PROJETO

RELATÓRIO FINAL DO PROJETO RELATÓRIO FINAL DO PROJETO I. DADOS BÁSICOS Nome da organização: Conservation Strategy Fund Título do projeto: Economics of the Conservation of Corridors in the Atlantic Forest Parceiros que contribuíram

Leia mais

Projeto Quintais Amazônicos

Projeto Quintais Amazônicos Projeto Quintais Amazônicos BOLETIM INFORMATIVO DO PROJETO QUINTAIS AMAZÔNICOS - MAIO - Nº.01 CONHEÇA 0 PROJETO QUE IRÁ GERAR NOVAS OPORTUNIDADES ECONÔMICAS, INCLUSÃO SOCIAL E CONSERVAÇÃO AMBIENTAL PARA

Leia mais

FICHA PROJETO - nº364-ma

FICHA PROJETO - nº364-ma FICHA PROJETO - nº364-ma Mata Atlântica Linha Nacional 1) TÍTULO: Capacitação em gestão participativa de Unidades de Conservação na Mata Atlântica do Nordeste 2) MUNICÍPIOS DE ATUAÇÃO DO PROJETO: Estados

Leia mais

Brasília, 28 de novembro de 2011. O que é o PPCerrado:

Brasília, 28 de novembro de 2011. O que é o PPCerrado: PPCerrado Brasília, 28 de novembro de 2011. 1 O que é o PPCerrado: É um Plano de Ação (tático-operacional) que reúne ações para a redução do desmatamento no Cerrado e a viabilização de alternativas de

Leia mais

Criado por iniciativa da Suzano Papel e Celulose em 1999 e qualificado como OSCIP (Organização da Sociedade Civil de Interesse Público).

Criado por iniciativa da Suzano Papel e Celulose em 1999 e qualificado como OSCIP (Organização da Sociedade Civil de Interesse Público). FIESP, 28/05/2014 Criado por iniciativa da Suzano Papel e Celulose em 1999 e qualificado como OSCIP (Organização da Sociedade Civil de Interesse Público). Campanha pela universalização de bibliotecas em

Leia mais

ESTUDO DE VIABILIDADE DE IMPLANTAÇÃO DO PROGRAMA PRO-PSA NA REGIÃO HIDROGRÁFICA DO GUANDU RIO DE JANEIRO (em desenvolvimento)

ESTUDO DE VIABILIDADE DE IMPLANTAÇÃO DO PROGRAMA PRO-PSA NA REGIÃO HIDROGRÁFICA DO GUANDU RIO DE JANEIRO (em desenvolvimento) ESTUDO DE VIABILIDADE DE IMPLANTAÇÃO DO PROGRAMA PRO-PSA NA REGIÃO HIDROGRÁFICA DO GUANDU RIO DE JANEIRO Reunião CTEP, 07 de novembro de 2013 Photo credits: (Top) Mark Godfrey; (Bottom) Sergio Pucci; Rick

Leia mais

PROJETO EM DEFESA DAS ÁGUAS E PROTEÇÃO DA VIDA RELATÓRIO FINAL I. DADOS BÁSICOS

PROJETO EM DEFESA DAS ÁGUAS E PROTEÇÃO DA VIDA RELATÓRIO FINAL I. DADOS BÁSICOS I. DADOS BÁSICOS Nome da organização: Tereviva Associação de Fomento Turístico e Desenvolvimento Sustentável S/C Título do projeto: Defense of Waters and Protection of Life: Três Picos State Park Parceiros

Leia mais

PROJETO DE LEI DO SENADO Nº, DE 2016

PROJETO DE LEI DO SENADO Nº, DE 2016 PROJETO DE LEI DO SENADO Nº, DE 2016 Institui a Política de Desenvolvimento Sustentável da Caatinga. O CONGRESSO NACIONAL decreta: Art. 1º Esta Lei institui a Política de Desenvolvimento Sustentável da

Leia mais

As Reservas Particulares do Patrimônio Natural e a rede de parceiros na Mata Atlântica

As Reservas Particulares do Patrimônio Natural e a rede de parceiros na Mata Atlântica As Reservas Particulares do Patrimônio Natural e a rede de parceiros na Mata Atlântica MATA ATLÂNTICA A Conservação, proteção, regeneração e utilização da Mata Atlântica rege-se pela Lei Federal 11.428/2006

Leia mais

Programa Mato-grossense de Municípios Sustentáveis Registro de Experiências municipais 1

Programa Mato-grossense de Municípios Sustentáveis Registro de Experiências municipais 1 Programa Mato-grossense de Municípios Sustentáveis Registro de Experiências municipais 1 Conceito de Tecnologia Social aplicada a Municípios Sustentáveis: "Compreende técnicas, metodologias e experiências

Leia mais

Agricultura Familiar e Alimentação Escolar no município de Registro.

Agricultura Familiar e Alimentação Escolar no município de Registro. Rua José Antônio de Campos, nº 250 Centro Registro/SP 11900-000 Fone (13) 3828.1000 Fax (13) 3821.2565 CNPJ: 45.685.872/0001-79 Agricultura Familiar e Alimentação Escolar no município de Registro. Marcos

Leia mais

Estrutura de projeto de Serviços Ambientais

Estrutura de projeto de Serviços Ambientais Estrutura de projeto de Serviços Ambientais 1 Definição do escopo NOME: PAE SERINGAL MATA GRANDE - BEIRA DA BR, ESTADO DO ACRE OBJETIVOS: CONTER O DESMATAMENTO DENTRO DO PAE ATRAVÉS DE ATIVIDADES EXTRATIVISTAS

Leia mais

MOSAICO DE ÁREAS PROTEGIDAS DO EXTREMO SUL DA BAHIA - MAPES

MOSAICO DE ÁREAS PROTEGIDAS DO EXTREMO SUL DA BAHIA - MAPES MOSAICO DE ÁREAS PROTEGIDAS DO EXTREMO SUL DA BAHIA - MAPES ACADEBIO Agosto de 2012 Suiane Benevides Marinho Brasil /RVS Rio dos Frades / Sec. Executiva do COMAPES EXTEMO SUL DA BAHIA CORREDOR CENTRAL

Leia mais

VISÃO DA COMUNIDADE CARENTE A RESPEITO DA CRIAÇÃO DE UMA UNIDADE DE CONSERVAÇÃO, NO MUNICÍPIO DE MIGUEL PEREIRA, RJ Mattos C.F.

VISÃO DA COMUNIDADE CARENTE A RESPEITO DA CRIAÇÃO DE UMA UNIDADE DE CONSERVAÇÃO, NO MUNICÍPIO DE MIGUEL PEREIRA, RJ Mattos C.F. VISÃO DA COMUNIDADE CARENTE A RESPEITO DA CRIAÇÃO DE UMA UNIDADE DE CONSERVAÇÃO, NO MUNICÍPIO DE MIGUEL PEREIRA, RJ Mattos C.F. Junior¹ A relação da comunidade com o meio-ambiente é uma das mais importantes

Leia mais

PROJETO DE RECUPERAÇÃO DE MATAS CILIARES

PROJETO DE RECUPERAÇÃO DE MATAS CILIARES TERMOS DE REFERÊNCIA PARA A CONTRATAÇÃO DE SERVIÇOS DE CONSULTORIA PARA MONITORAMENTO DE PROJETOS DE RECUPERAÇÃO DE MATAS CILIARES DESENVOLVIDOS POR MEIO DE SISTEMAS AGRO- FLORESTAIS 1. IDENTIFICAÇÃO DOS

Leia mais

Capacitação para o Desenvolvimento Sustentável na Amazônia

Capacitação para o Desenvolvimento Sustentável na Amazônia Programa 0502 Amazônia Sustentável Objetivo Promover o desenvolvimento da Amazônia, mediante o uso sustentável de seus recursos naturais. Indicador(es) Número de Ações 9 Taxa de participação de produtos

Leia mais

Texto da Dibap p/ Intranet

Texto da Dibap p/ Intranet Texto da Dibap p/ Intranet DIBAP A Diretoria de Biodiversidade e Áreas Protegidas tem como missão: empreender ações para a conservação da biodiversidade fluminense, administrar as unidades de conservação

Leia mais

Projeto de Conservação e Uso Sustentável da Biodiversidade nas Florestas de Fronteira do Noroeste de Mato Grosso. Projeto Poço de Carbono Juruena

Projeto de Conservação e Uso Sustentável da Biodiversidade nas Florestas de Fronteira do Noroeste de Mato Grosso. Projeto Poço de Carbono Juruena Projeto de Conservação e Uso Sustentável da Biodiversidade nas Florestas de Fronteira do Noroeste de Mato Grosso Projeto Poço de Carbono Juruena Oficina de Capacitação sobre Monitoramento de Carbono em

Leia mais

Titulo. O Uso Sustentável da Palmeira Juçara como Estratégia para Conservação da Mata Atlântica Rede Juçara. Introdução

Titulo. O Uso Sustentável da Palmeira Juçara como Estratégia para Conservação da Mata Atlântica Rede Juçara. Introdução Titulo O Uso Sustentável da Palmeira Juçara como Estratégia para Conservação da Mata Atlântica Rede Juçara Introdução A Rede Juçara, assim denominada, é resultado do esforço de articulação entre diversas

Leia mais

ANEXO DAS PRIORIDADES E METAS DA ADMINISTRAÇÃO PÚBLICA

ANEXO DAS PRIORIDADES E METAS DA ADMINISTRAÇÃO PÚBLICA PREFEITURA MUNICIPAL DE JOAO PESSOA Secretaria Municipal de Planejamento EXERCÍCIO: 0 ANEXO DAS PRIORIDADES E METAS DA ADMINISTRAÇÃO PÚBLICA ÓRGÃO: Projeto/Atividade Objetivo Denominação da Meta Unid.

Leia mais

Projeto de Fortalecimento e Intercâmbio de Mosaicos de Áreas Protegidas na Mata Atlântica

Projeto de Fortalecimento e Intercâmbio de Mosaicos de Áreas Protegidas na Mata Atlântica Documento de referência RBMA: Subsídios para Marco Regulatório de Mosaicos de Áreas Protegidas versão 1.0 agosto 2009 I Definição e base conceitual: 1 Os mosaicos foram definidos no SNUC a partir de: LEI

Leia mais

PREFEITURA MUNICIPAL DE VOLTA REDONDA SECRETARIA MUNICIPAL DE PLANEJAMENTO DEPARTAMENTO DE ORÇAMENTO E CONTROLE SECRETARIA MUNICIPAL DE OBRAS

PREFEITURA MUNICIPAL DE VOLTA REDONDA SECRETARIA MUNICIPAL DE PLANEJAMENTO DEPARTAMENTO DE ORÇAMENTO E CONTROLE SECRETARIA MUNICIPAL DE OBRAS SECRETARIA MUNICIPAL DE OBRAS PROGRAMA Nº - 034 Recuperação Geológica de Áreas de Risco Contenção de Encostas SUB-FUNÇÃO: 543 RECUPERAÇÃO DE ÁREA DEGRADADAS Identificar áreas de risco; desenvolver projetos

Leia mais

Plano Anual de Aplicação Regionalizada

Plano Anual de Aplicação Regionalizada Plano Anual de Aplicação Regionalizada PAAR - 2015 MINISTÉRIO DO MEIO AMBIENTE SERVIÇO FLORESTAL BRASILEIRO FUNDO NACIONAL DE DESENVOLVIMENTO FLORESTAL Introdução PLANO ANUAL DE APLICAÇÃO REGIONALIZADA

Leia mais

Código Florestal contexto.problemas.propostas

Código Florestal contexto.problemas.propostas Código Florestal contexto.problemas.propostas tasso.azevedo@gmail.com 1. Contexto 2. Problemas 3. Propostas 1 Regulamentação sobre florestas Constituição Federal (1988) Código Florestal (1965) Lei de Crimes

Leia mais

1ª Oficina Chamada Pública de Projetos do Fundo Amazônia Apoio à Planos de Gestão Territorial e Ambiental (PGTA) em Terras Indígenas

1ª Oficina Chamada Pública de Projetos do Fundo Amazônia Apoio à Planos de Gestão Territorial e Ambiental (PGTA) em Terras Indígenas 1ª Oficina Chamada Pública de Projetos do Fundo Amazônia Apoio à Planos de Gestão Territorial e Ambiental (PGTA) em Terras Indígenas Brasília, 10 e 11 de Junho 2014 Política Nacional de Gestão Ambiental

Leia mais

PLANEJANDO A CONSERVAÇÃO DO CERRADO. Conciliando Biodiversidade e Agricultura

PLANEJANDO A CONSERVAÇÃO DO CERRADO. Conciliando Biodiversidade e Agricultura PLANEJANDO A CONSERVAÇÃO DO CERRADO Conciliando Biodiversidade e Agricultura DESAFIO Compatibilizar a Conservação e a Agricultura O crescimento da população global e a melhoria dos padrões de vida aumentaram

Leia mais

ANEXO DAS PRIORIDADES E METAS DA ADMINISTRAÇÃO PÚBLICA

ANEXO DAS PRIORIDADES E METAS DA ADMINISTRAÇÃO PÚBLICA PREFEITURA MUNICIPAL DE JOAO PESSOA SECRETARIA MUNICIPAL DE PLANEJAMENTO EXERCÍCIO: 200 ANEXO DAS PRIORIDADES E METAS DA ADMINISTRAÇÃO PÚBLICA ÓRGÃO: Projeto/Atividade Objetivo Denominação da Meta Unid.

Leia mais

Projeto: SEMENADO O BIOMA CERRADO RELATÓRIO DE VIAGEM A CRITALINA/GO

Projeto: SEMENADO O BIOMA CERRADO RELATÓRIO DE VIAGEM A CRITALINA/GO Projeto: SEMENADO O BIOMA CERRADO RELATÓRIO DE VIAGEM A CRITALINA/GO Assunto: Reuniões de Programação de Eventos. 2011. Pessoas que participaram das reuniões: Luiz Carlos Simon Coordenador Geral do Instituto

Leia mais

MOSAICOS DE UNIDADES DE CONSERVACÃO E ÄREAS PROTEGIDAS- INTRODUÇÃO

MOSAICOS DE UNIDADES DE CONSERVACÃO E ÄREAS PROTEGIDAS- INTRODUÇÃO MOSAICOS DE UNIDADES DE CONSERVACÃO E ÄREAS PROTEGIDAS- INTRODUÇÃO O Sistema Nacional de Unidades de Conservação da Natureza SNUC - lei n 9.985/2000 traz a figura organizacional Mosaico, no cap. IV art.

Leia mais

EXO ANEXO TEMÁTICO 2: Tema Prioritário II Manejo de Paisagem Linha de Ação Temática 2.1 Manejo Florestal Sustentável

EXO ANEXO TEMÁTICO 2: Tema Prioritário II Manejo de Paisagem Linha de Ação Temática 2.1 Manejo Florestal Sustentável EXO ANEXO TEMÁTICO 2: Tema Prioritário II Manejo de Paisagem Linha de Ação Temática 2.1 Manejo Florestal Sustentável 1. Objetivos da Chamada de Projetos para esta Linha de Ação Temática O objetivo da chamada

Leia mais

Carta à sociedade referente à participação no Plano de Investimentos do Brasil para o FIP

Carta à sociedade referente à participação no Plano de Investimentos do Brasil para o FIP Carta à sociedade referente à participação no Plano de Investimentos do Brasil para o FIP Prezado(a)s, Gostaríamos de agradecer por sua participação e pelas contribuições recebidas no âmbito da consulta

Leia mais

ANEXO II GUIA DE FORMULAÇÃO DO PROJETO

ANEXO II GUIA DE FORMULAÇÃO DO PROJETO ANEXO II GUIA DE FORMULAÇÃO DO PROJETO 1. INTRODUÇÃO A Agência Pernambucana de Águas e Clima (APAC) foi criada pela Lei estadual 14.028 de março de 2010 e tem como uma de suas finalidades executar a Política

Leia mais

CONSIDERAÇÕES PARA APRESENTAÇÃO DE PROJETOS DE RECUPERAÇÃO DAS ÁREAS DE PRESERVAÇÃO PERMANENTE DE NASCENTES

CONSIDERAÇÕES PARA APRESENTAÇÃO DE PROJETOS DE RECUPERAÇÃO DAS ÁREAS DE PRESERVAÇÃO PERMANENTE DE NASCENTES CONSIDERAÇÕES PARA APRESENTAÇÃO DE PROJETOS DE RECUPERAÇÃO DAS ÁREAS DE PRESERVAÇÃO PERMANENTE DE NASCENTES Este modelo foi desenvolvido visando à recuperação de Áreas de Preservação Permanente de Nascentes

Leia mais

Intersetorialidade na Informação da População e do trabalhador rural

Intersetorialidade na Informação da População e do trabalhador rural Intersetorialidade na Informação da População e do trabalhador rural Conselho de C Políticas e Gestão do Meio Ambiente Histórico: 2007 Criação do CONPAM Lei Estadual Nº 13.875 de 07 de fevereiro, com status

Leia mais

PISA. Ministério da Agricultura, Pecuária e Abastecimento. Diversificar para produzir com sustentabilidade alimentos seguros e de qualidade

PISA. Ministério da Agricultura, Pecuária e Abastecimento. Diversificar para produzir com sustentabilidade alimentos seguros e de qualidade PISA Programa de Produção Integrada de Sistemas Agropecuários em Microbacias Hidrográficas Diversificar para produzir com sustentabilidade alimentos seguros e de qualidade Ministério da Agricultura, Pecuária

Leia mais

Diagnóstico de oportunidades de quebra de barreiras para acesso às políticas públicas da Agricultura Familiar em São Félix do Xingu, Pará.

Diagnóstico de oportunidades de quebra de barreiras para acesso às políticas públicas da Agricultura Familiar em São Félix do Xingu, Pará. TERMO DE REFERÊNCIA Diagnóstico de oportunidades de quebra de barreiras para acesso às políticas públicas da Agricultura Familiar em São Félix do Xingu, Pará. 1. Título: Diagnóstico de oportunidades para

Leia mais

2ª Reunião Ordinária do Plenário 04 de abril de 2013.

2ª Reunião Ordinária do Plenário 04 de abril de 2013. 2ª Reunião Ordinária do Plenário 04 de abril de 2013. Missão: Garantir que a SUSTENTABILIDADE seja construída com Democracia Participativa, Valorização da Diversidade Cultural e Preservação da Biodiversidade.

Leia mais

Recursos Naturais e Biodiversidade

Recursos Naturais e Biodiversidade 1 2 3 4 5 6 7 8 9 10 11 12 13 14 15 16 17 18 19 20 21 22 23 24 25 26 27 28 29 30 31 32 33 34 35 36 37 38 39 Florestas Gestão dos Recursos Hídricos Qualidade e Ocupação do Solo Proteção da Atmosfera e Qualidade

Leia mais

FICHA PROJETO - nº 226-MA

FICHA PROJETO - nº 226-MA FICHA PROJETO - nº 226-MA Mata Atlântica Grande Projeto Chamada 03 1) TÍTULO: Apoio a criação de Unidades de Conservação na Floresta Atlântica de Pernambuco. 2) MUNICÍPIOS DE ATUAÇÃO DO PROJETO: Água Preta,

Leia mais

Protocolo nº: Item: Contratação de empresa para o fortalecimento e implantação da gestão Obras Instalações. Prestação de Serviços

Protocolo nº: Item: Contratação de empresa para o fortalecimento e implantação da gestão Obras Instalações. Prestação de Serviços 1) Projeto: TERMO DE REFERÊNCIA Nº 01/2013 Ações prioritárias de apoio à gestão da Reserva Particular do Patrimônio Natural RPPN Bacchus: elaboração do Plano de Manejo e apoio à proteção. Assunto: Protocolo

Leia mais

TERMO DE REFERÊNCIA. Cursos itinerantes sobre REDD+

TERMO DE REFERÊNCIA. Cursos itinerantes sobre REDD+ TERMO DE REFERÊNCIA Cursos itinerantes sobre REDD+ 1. Código: TDR_RRB_03 2. Título: Desenho e facilitação de cursos itinerantes sobre REDD+ para comunidades rurais de São Felix do Xingu 3. The Nature Conservancy

Leia mais

Proposta. Programa de Educação Ambiental na Praça Victor Civita

Proposta. Programa de Educação Ambiental na Praça Victor Civita Proposta Programa de Educação Ambiental na Praça Victor Civita 2015 Programa de Educação Ambiental para a Praça Victor Civita que tenha como principal objetivo promover a Cultura da Sustentabilidade, por

Leia mais

POLÍTICA NACIONAL DE GESTÃO TERRITORIAL E AMBIENTAL DE TERRAS INDÍGENAS - PNGATI

POLÍTICA NACIONAL DE GESTÃO TERRITORIAL E AMBIENTAL DE TERRAS INDÍGENAS - PNGATI POLÍTICA NACIONAL DE GESTÃO TERRITORIAL E AMBIENTAL DE TERRAS INDÍGENAS - PNGATI FUNAI - CGGAM Coordenação Geral de Gestão Ambiental Fundação Nacional do Índio Diretoria de Promoção ao Desenvolvimento

Leia mais

EIXO 02 Uso sustentável das áreas protegidas

EIXO 02 Uso sustentável das áreas protegidas EIXO 02 Uso sustentável das áreas protegidas 1 OBJETIVOS DA OFICINA 1. Apresentar a Estrutura da Agenda Regionais e das Agendas Municipais 2. Apresentar o Objetivo geral do Eixo 3. Apresentar as Diretrizes

Leia mais

PROGRAMA DE AÇÕES PARA O DESENVOLVIMENTO SUSTENTÁVEL DA BACIA DO RIO TAQUARI

PROGRAMA DE AÇÕES PARA O DESENVOLVIMENTO SUSTENTÁVEL DA BACIA DO RIO TAQUARI Manutenção e recuperação da capacidade produtiva da região do Médio e Baixo Apoiar o desenvolvimento de atividades produtivas com espécies adaptadas a região (fauna e flora) Identificar as potencialidades

Leia mais

Agricultura de Baixo Carbono e Desmatamento Evitado para Reduzir a Pobreza no Brasil BR-X1028. TERMOS DE REFERÊNCIA: Consultor de bioma (Amazônia)

Agricultura de Baixo Carbono e Desmatamento Evitado para Reduzir a Pobreza no Brasil BR-X1028. TERMOS DE REFERÊNCIA: Consultor de bioma (Amazônia) Agricultura de Baixo Carbono e Desmatamento Evitado para Reduzir a Pobreza no Brasil BR-X1028 TERMOS DE REFERÊNCIA: Consultor de bioma (Amazônia) I. APRESENTAÇÃO 1.1. O Brasil é o décimo oitavo maior emissor

Leia mais

SECRETARIA DE ESTADO DO MEIO AMBIENTE SEMA DEPARTAMENTO DE MUDANÇAS CLIMÁTICAS E GESTAO DE UNIDADES DE CONSERVAÇÃO DEMUC

SECRETARIA DE ESTADO DO MEIO AMBIENTE SEMA DEPARTAMENTO DE MUDANÇAS CLIMÁTICAS E GESTAO DE UNIDADES DE CONSERVAÇÃO DEMUC SECRETARIA DE ESTADO DO MEIO AMBIENTE SEMA DEPARTAMENTO DE MUDANÇAS CLIMÁTICAS E GESTAO DE UNIDADES DE CONSERVAÇÃO DEMUC DOCUMENTO DE REFERÊNCIA PARA ELABORAÇÃO DE PROPOSTA RELACIONADA NO ÂMBITO DOS TEMAS

Leia mais

Programa de Conservação e Recuperação da Cobertura Florestal e dos Recursos Hídricos do Espírito Santo

Programa de Conservação e Recuperação da Cobertura Florestal e dos Recursos Hídricos do Espírito Santo Programa de Conservação e Recuperação da Cobertura Florestal e dos Recursos Hídricos do Espírito Santo MARIA DA GLÓRIA BRITO ABAURRE Secretária de Estado de Meio Ambiente e Recursos Hídricos CONTEXTO O

Leia mais

DIRETRIZES E CRITÉRIOS PARA APLICAÇÃO DOS RECURSOS E FOCOS DE ATUAÇÃO PARA O BIÊNIO 2013 E 2014

DIRETRIZES E CRITÉRIOS PARA APLICAÇÃO DOS RECURSOS E FOCOS DE ATUAÇÃO PARA O BIÊNIO 2013 E 2014 DIRETRIZES E CRITÉRIOS PARA APLICAÇÃO DOS RECURSOS E FOCOS DE ATUAÇÃO PARA O BIÊNIO 2013 E 2014 Projetos no Bioma Amazônia A Critérios Orientadores B C D E F Condicionantes Mínimos para Projetos Modalidades

Leia mais

Crédito Ambiental Paulista para as Reservas Particulares do Patrimônio Natural Projeto CAP / RPPN. Resultados e próximos passos

Crédito Ambiental Paulista para as Reservas Particulares do Patrimônio Natural Projeto CAP / RPPN. Resultados e próximos passos Crédito Ambiental Paulista para as Reservas Particulares do Patrimônio Natural Projeto CAP / RPPN Resultados e próximos passos Vinculada à Secretaria Estadual do Meio Ambiente do Estado de São Paulo Criação

Leia mais

151 - ONG Verdejar: agroecologia e preservação ambiental no subúrbio de uma métropole

151 - ONG Verdejar: agroecologia e preservação ambiental no subúrbio de uma métropole 151 - ONG Verdejar: agroecologia e preservação ambiental no subúrbio de uma métropole GUIA, Eric Vidal Ferreira da. UFRJ, voitakus@hotmail.com. Resumo O trabalho da ONG verdejar surgiu em 1997 por iniciativas

Leia mais

TERMO DE REFERENCIA PARA COMPILAÇÃO E MAPEAMENTO DE IMOVEIS RURAIS

TERMO DE REFERENCIA PARA COMPILAÇÃO E MAPEAMENTO DE IMOVEIS RURAIS SERVIÇOS DE GEORREFERENCIAMENTO DE IMÓVEIS RURAIS PARA FINS DE ELABORAÇÃO DE CADASTRO AMBIENTAL RURAL CAR NO MUNICÍPIO DE RIO CLARO DO ESTADO DO RIO DE JANEIRO 1. Contextualização A The Nature Conservancy

Leia mais

Sistema de Autorização e Informação em Biodiversidade. Sisbio

Sistema de Autorização e Informação em Biodiversidade. Sisbio Sistema de Autorização e Informação em Biodiversidade Sisbio Sisbio Sistema de Autorização e Informação em Biodiversidade Sistema interativo e simplificado de atendimento à distância e de informação. O

Leia mais

RELATÓRIO FINAL DO PROJETO I. DADOS BÁSICOS. Nome da organização: Instituto Amigos da Reserva da Biosfera da Mata Atlântica

RELATÓRIO FINAL DO PROJETO I. DADOS BÁSICOS. Nome da organização: Instituto Amigos da Reserva da Biosfera da Mata Atlântica RELATÓRIO FINAL DO PROJETO I. DADOS BÁSICOS Nome da organização: Instituto Amigos da Reserva da Biosfera da Mata Atlântica Título do projeto: Supporting the Implementation of Mosaics in Protected Areas

Leia mais

SISTEMA NACIONAL DE UNIDADES DE CONSERVAÇÃO

SISTEMA NACIONAL DE UNIDADES DE CONSERVAÇÃO SISTEMA NACIONAL DE UNIDADES DE CONSERVAÇÃO Previsão Legal Objetivos Categorias Finalidades Gestão do Sistema Quantitativos Outros Espaços Protegidos Distribuição Espacial Relevância O Brasil possui alguns

Leia mais

Políticas Públicas para o Desenvolvimento Agropecuário no Brasil

Políticas Públicas para o Desenvolvimento Agropecuário no Brasil Secretaria de Desenvolvimento Agropecuário e Cooperativismo - SDC Ministério da Agricultura, Pecuária e Abastecimento - MAPA Políticas Públicas para o Desenvolvimento Agropecuário no Brasil Reunião Regional

Leia mais

NOVO CÓDIGO FLORESTAL: IMPLICAÇÕES E MUDANÇAS PARA A REALIDADE DO PRODUTOR DE LEITE BRASILEIRO

NOVO CÓDIGO FLORESTAL: IMPLICAÇÕES E MUDANÇAS PARA A REALIDADE DO PRODUTOR DE LEITE BRASILEIRO NOVO CÓDIGO FLORESTAL: IMPLICAÇÕES E MUDANÇAS PARA A REALIDADE DO PRODUTOR DE LEITE BRASILEIRO Enio Resende de Souza Eng. Agr. M.Sc. Manejo Ambiental / Coordenador Técnico / Meio Ambiente Gestão do Produto

Leia mais

olímpico das 24 milhões de árvores Beto Mesquita

olímpico das 24 milhões de árvores Beto Mesquita Indução de reflorestamento no Rio de Janeiro: Das compensações ambientais ao desafio olímpico das 24 milhões de árvores Beto Mesquita Seminário Reflorestamento da Mata Atlântica no Estado do Rio de Janeiro

Leia mais

Grupo Votorantim inicia aquisições de terras na região em 1927

Grupo Votorantim inicia aquisições de terras na região em 1927 1927 1950 2011 2012 2013 2014 Grupo Votorantim inicia aquisições de terras na região em 1927 1927 1950 2011 2012 2013 2014 Nas décadas de 40, 50 e 60 (entre 1947 e 1963) a Votorantim adquire 245 títulos

Leia mais

PROGRAMA DE REFLORESTAMENTO DAS MICROBACIAS HIDROGRÁFICAS DAS ÁREAS DE PROTEÇÃO AOS MANANCIAIS DA REPRESA BILLINGS NO MUNICÍPIO DE SANTO ANDRÉ SP

PROGRAMA DE REFLORESTAMENTO DAS MICROBACIAS HIDROGRÁFICAS DAS ÁREAS DE PROTEÇÃO AOS MANANCIAIS DA REPRESA BILLINGS NO MUNICÍPIO DE SANTO ANDRÉ SP PROGRAMA DE REFLORESTAMENTO DAS MICROBACIAS HIDROGRÁFICAS DAS ÁREAS DE PROTEÇÃO AOS MANANCIAIS DA REPRESA BILLINGS NO MUNICÍPIO DE SANTO ANDRÉ SP Fernanda Longhini Ferreira 1 O município de Santo André,

Leia mais

Bairro Colégio é o sexto núcleo a participar da Capacitação

Bairro Colégio é o sexto núcleo a participar da Capacitação Bairro Colégio é o sexto núcleo a participar da Capacitação As oficinas do programa de Capacitação de Produtores Rurais de Ibiúna, projeto da SOS Itupararanga, chegaram ao Bairro Colégio. O objetivo é

Leia mais

PRESERVAÇÃO DO PATRIMONIO NATURAL NO SUL MERIDIONAL DA SERRA DO ESPINHAÇO

PRESERVAÇÃO DO PATRIMONIO NATURAL NO SUL MERIDIONAL DA SERRA DO ESPINHAÇO PRESERVAÇÃO DO PATRIMONIO NATURAL NO SUL MERIDIONAL DA SERRA DO ESPINHAÇO Ronald Carvalho Guerra Diretor de Meio Ambiente Prefeitura Municipal de Ouro Preto Gerente da APA da Cachoeira das Andorinhas -

Leia mais

ICMS ECOLÓGICO, A OPORTUNIDADE DO FINANCIAMENTO DA GESTÃO AMBIENTAL MUNICIPAL NO BRASIL

ICMS ECOLÓGICO, A OPORTUNIDADE DO FINANCIAMENTO DA GESTÃO AMBIENTAL MUNICIPAL NO BRASIL ICMS ECOLÓGICO, A OPORTUNIDADE DO FINANCIAMENTO DA GESTÃO AMBIENTAL MUNICIPAL NO BRASIL Wilson Loureiro 1 O ICMS Ecológico é um mecanismo que possibilita aos municípios acessarem recursos financeiros do

Leia mais

AÇÕES DA GERÊNCIA DE REVITALIZAÇÃO DE BACIAS HIDROGRÁFICAS REVITALIZAÇÃO DE BACIAS HIDROGRÁFICAS

AÇÕES DA GERÊNCIA DE REVITALIZAÇÃO DE BACIAS HIDROGRÁFICAS REVITALIZAÇÃO DE BACIAS HIDROGRÁFICAS REVITALIZAÇÃO DE BACIAS HIDROGRÁFICAS Editais Fehidro 2010/2011/2012/2014 Projetos em execução: 11 Nascentes: 88 Hectares: 212,30 Mudas: 306.400 Total de recurso : R$ 3.970.408,68 Municípios atendidos:

Leia mais

EDITAL DE PSA HÍDRICO Nº 01/2015

EDITAL DE PSA HÍDRICO Nº 01/2015 PREFEITURA MUNICIPAL DE IBIRAPITANGA SECRETARIA MUNICIPAL DE AGRICULTURA, DESENVOLVIMENTO RURAL E MEIO AMBIENTE SADERMA COMITÊ GESTOR DO PROGRAMA MUNICIPAL DE PAGAMENTO POR SERVIÇOS AMBIENTAIS CGP EDITAL

Leia mais

FUNDAÇÃO GRUPO BOTICÁRIO DE PROTEÇÃO À NATUREZA ORIENTAÇÕES PARA PESQUISA NA RESERVA NATURAL SALTO MORATO

FUNDAÇÃO GRUPO BOTICÁRIO DE PROTEÇÃO À NATUREZA ORIENTAÇÕES PARA PESQUISA NA RESERVA NATURAL SALTO MORATO FUNDAÇÃO GRUPO BOTICÁRIO DE PROTEÇÃO À NATUREZA ORIENTAÇÕES PARA PESQUISA NA RESERVA NATURAL SALTO MORATO 2013 A FUNDAÇÃO GRUPO BOTICÁRIO DE PROTEÇÃO À NATUREZA Criada em 1990, a Fundação Grupo Boticário

Leia mais

Proposta de Criação da Floresta Estadual José Zago. Consulta Pública

Proposta de Criação da Floresta Estadual José Zago. Consulta Pública Proposta de Criação da Floresta Estadual José Zago Consulta Pública 2015 Base Legal Lei Federal nº 9.985 de 18 de julho de 2000 Regulamenta o artigo 225 da Constituição Federal e Institui o Sistema Nacional

Leia mais

Termo de Referência INTRODUÇÃO E CONTEXTO

Termo de Referência INTRODUÇÃO E CONTEXTO Termo de Referência CONSULTORIA PARA AVALIAÇÃO DOS FINANCIAMENTOS DO BANCO DA AMAZÔNIA BASA, PARA FORTALECIMENTO DA AGENDA DE DESENVOLVIMENTO RURAL SUSTENTÁVEL DA AMAZÔNIA BRASILEIRA, COM DESTAQUE PARA

Leia mais

LEGISLAÇÃO BRASILEIRA E PROGRAMAS DO GOVERNO FEDERAL PARA O USO SUSTENTÁVEL E A CONSERVAÇÃO DE SOLOS AGRÍCOLAS

LEGISLAÇÃO BRASILEIRA E PROGRAMAS DO GOVERNO FEDERAL PARA O USO SUSTENTÁVEL E A CONSERVAÇÃO DE SOLOS AGRÍCOLAS ESTUDO LEGISLAÇÃO BRASILEIRA E PROGRAMAS DO GOVERNO FEDERAL PARA O USO SUSTENTÁVEL E A CONSERVAÇÃO DE SOLOS AGRÍCOLAS ESTUDO DEZEMBRO/2014 Rodrigo Hermeto Corrêa Dolabella Consultor Legislativo da Área

Leia mais

MINISTÉRIO DO MEIO AMBIENTE SECRETARIA DE BIODIVERSIDADE E FLORESTAS (SBF) DEPARTAMENTO DE ÁREAS PROTEGIDAS (DAP)

MINISTÉRIO DO MEIO AMBIENTE SECRETARIA DE BIODIVERSIDADE E FLORESTAS (SBF) DEPARTAMENTO DE ÁREAS PROTEGIDAS (DAP) MINISTÉRIO DO MEIO AMBIENTE SECRETARIA DE BIODIVERSIDADE E FLORESTAS (SBF) DEPARTAMENTO DE ÁREAS PROTEGIDAS (DAP) PROGRAMA ÁREAS PROTEGIDAS DA AMAZÔNIA (ARPA) TERMO DE REFERÊNCIA Nº 2015.1230.00053-3 OBJETIVO:

Leia mais

RELATÓRIO PÚBLICO DE AUDITORIA DE CERTIFICAÇÃO LIFE. Responsável: Marcos Vinicius Lorenzon

RELATÓRIO PÚBLICO DE AUDITORIA DE CERTIFICAÇÃO LIFE. Responsável: Marcos Vinicius Lorenzon 1. Dados da Auditoria Data: 15 à 17 de setembro de 2014 Certificação ( X ) Acompanhamento ( ) Verificação ( ) Recertificação ( ) OBS: 2. Dados do Organismo Certificador LIFE Nome do Organismo Certificador

Leia mais

Relatório Plante Bonito Patrocinador: Colégio Palmares Ambiental Viagens e Turismo Área: Estância Mimosa Ecoturismo

Relatório Plante Bonito Patrocinador: Colégio Palmares Ambiental Viagens e Turismo Área: Estância Mimosa Ecoturismo Instituto das Águas da Serra da Bodoquena IASB Organização não governamental sem fins lucrativos, com caráter técnico, científico e ambiental, criado em Bonito/MS por proprietários rurais, empresários,

Leia mais

1.1. Fonte: Elaborado por STCP Engenharia de Projetos Ltda., 2011.

1.1. Fonte: Elaborado por STCP Engenharia de Projetos Ltda., 2011. 1 - APRESENTAÇÃO A Área de Proteção Ambiental (APA) Serra Dona Francisca, localizada no município de Joinville/SC, com área mapeada de 40.177,71 ha, foi criada através do Decreto n 8.055 de 15 de março

Leia mais

ARTICULAÇÃO INSTITUCIONAL PARA O FORTALECIMENTO DAS RPPNs

ARTICULAÇÃO INSTITUCIONAL PARA O FORTALECIMENTO DAS RPPNs ARTICULAÇÃO INSTITUCIONAL PARA O FORTALECIMENTO DAS RPPNs Laércio Machado de Sousa Associação de Proprietários de Reservas Particulares do Patrimônio Natural do Mato Grosso do Sul (REPAMS) e Confederação

Leia mais

Agendas Estaduais de Desenvolvimento Integrado de Alfabetização e de Educação de Jovens e Adultos

Agendas Estaduais de Desenvolvimento Integrado de Alfabetização e de Educação de Jovens e Adultos Agendas Estaduais de Desenvolvimento Integrado de Alfabetização e de Educação de Jovens e Adultos PROGRAMA BRASIL ALFABETIZADO As Agendas Estaduais de Desenvolvimento Integrado de Alfabetização e Educação

Leia mais

Reflexões sobre legislação, conservação e a sociobiodiversidade

Reflexões sobre legislação, conservação e a sociobiodiversidade Reflexões sobre legislação, conservação e a sociobiodiversidade Priscila Facina Monnerat Engenheira Florestal Instituto Contestado de Agroecologia - ICA A devastação histórica das florestas no Paraná 1890

Leia mais

É HORA DE INCLUIR O DESENVOLVIMENTO LOCAL NAS PRIORIDADES DO SEU MUNICÍPIO! Especialistas em pequenos negócios

É HORA DE INCLUIR O DESENVOLVIMENTO LOCAL NAS PRIORIDADES DO SEU MUNICÍPIO! Especialistas em pequenos negócios É HORA DE INCLUIR O DESENVOLVIMENTO LOCAL NAS PRIORIDADES DO SEU MUNICÍPIO! Especialistas em pequenos negócios MÃOS À OBRA!!! Prefeito e Prefeita, seguem sugestões de Programas e Ações a serem inseridos

Leia mais

O dia da água vivências e partilhas entre agricultores do entorno de unidade de conservação

O dia da água vivências e partilhas entre agricultores do entorno de unidade de conservação O dia da água vivências e partilhas entre agricultores do entorno de unidade de conservação The day of water - experiences and shares on the exchange between small farmers surrounding a nature park MENDES,

Leia mais

PROJETO RESUMO EXECUTIVO

PROJETO RESUMO EXECUTIVO PROJETO RESUMO EXECUTIVO Submetido e aprovado pelo Edital FEHIDRO/2011 Proponente: Associação Águas do Nordeste (ANE) Parceiros: Sociedade Nordestina de Ecologia (SNE); Universidade Federal de Pernambuco/Grupo

Leia mais

FICHA PROJETO - nº 442-MA

FICHA PROJETO - nº 442-MA FICHA PROJETO - nº 442-MA 1) TÍTULO: Corredor da Mata Atlântica do Nordeste: definição, planejamento e ações piloto para a formulação de políticas públicas. 2) MUNICÍPIOS DE ATUAÇÃO DO PROJETO: Estados

Leia mais

Premiação de Boas Práticas de Gestão Ambiental

Premiação de Boas Práticas de Gestão Ambiental Premiação de Boas Práticas de Gestão Ambiental Andrea Pitanguy de Romani 20º Reunião do COGES, 9 de março Boas práticas são iniciativas bem sucedidas que: apresentam impacto tangível na melhoria da qualidade

Leia mais

UNIDADES DE CONSERVAÇÃO NO SEMIÁRIDO BRASILEIRO: ESTUDO DA GESTÃO PÚBLICA DESSES ESPAÇOS PRESERVADOS

UNIDADES DE CONSERVAÇÃO NO SEMIÁRIDO BRASILEIRO: ESTUDO DA GESTÃO PÚBLICA DESSES ESPAÇOS PRESERVADOS UNIDADES DE CONSERVAÇÃO NO SEMIÁRIDO BRASILEIRO: ESTUDO DA GESTÃO PÚBLICA DESSES ESPAÇOS PRESERVADOS José Irivaldo Alves Oliveira Silva, Elizandra Sarana Lucena Barbosa Universidade Federal de Campina

Leia mais

REFLEXÕES SOBRE UM CONFLITO NA ÁREA DE PROTEÇÃO AMBIENTAL ESTADUAL DE MACAÉ DE CIMA (RJ)

REFLEXÕES SOBRE UM CONFLITO NA ÁREA DE PROTEÇÃO AMBIENTAL ESTADUAL DE MACAÉ DE CIMA (RJ) 1 REFLEXÕES SOBRE UM CONFLITO NA ÁREA DE PROTEÇÃO AMBIENTAL ESTADUAL DE MACAÉ DE CIMA (RJ) Virgínia Villas Boas Sá Rego Neste trabalho apresento algumas reflexões que pretendem contribuir para a formulação

Leia mais

Ações de Conservação da Mata Atlântica PDA Mata Atlântica

Ações de Conservação da Mata Atlântica PDA Mata Atlântica Ministério do Meio Ambiente Secretaria de Coordenação da Amazônia Secretaria de Biodiversidade e Florestas Núcleo Assessor de Planejamento da Mata Atlântica Subprograma de Projetos Demonstrativos PROPOSTA

Leia mais

APRESENTACAO SUB-PROJETOS CONTEXTO SÓCIO-AMBIENTAL DO PROJETO SUB-PROJETO REFLORESTAMENTO SUB-PROJETO EDUCACAO SOCIO-MBIENTAL

APRESENTACAO SUB-PROJETOS CONTEXTO SÓCIO-AMBIENTAL DO PROJETO SUB-PROJETO REFLORESTAMENTO SUB-PROJETO EDUCACAO SOCIO-MBIENTAL "Palestra apresentada no Seminário Nacional Restauração de APPs, Brasilia DF, julho de 2006 Mauricio Lobo, M.Sc engª ambiental - UERJ, presidente do IEF/RJ e da Câmara Técnica de UCs e Demais Áreas Protegidas

Leia mais

Legislação Ambiental Brasileira: Entraves, Sucessos e Propostas Inovadoras no Âmbito da Pequena Propriedade

Legislação Ambiental Brasileira: Entraves, Sucessos e Propostas Inovadoras no Âmbito da Pequena Propriedade Legislação Ambiental Brasileira: Entraves, Sucessos e Propostas Inovadoras no Âmbito da Pequena Propriedade Fórum sobre Área de Preservação Permanente e Reserva Legal na Paisagem e Propriedade Rural Piracicaba,

Leia mais

AGENDA 21 COMPERJ Diagnóstico e Plano de Ação: 1º setor Município: Teresópolis

AGENDA 21 COMPERJ Diagnóstico e Plano de Ação: 1º setor Município: Teresópolis SEÇÃO I DIMENSÕES SOCIAIS E ECONÔMICAS Capítulo 1 Cenário 3 Integração das preocupações relativas ao meio ambiente e desenvolvimento 1 - Falta funcionar o Conselho do Meio Ambiente existente 1 - Existência

Leia mais

Estratégias Inovadoras em ATER Voltados à Transição Agroecológica e ao Desenvolvimento de SAFs: o Caso do Assentamento Ipanema, Iperó/SP.

Estratégias Inovadoras em ATER Voltados à Transição Agroecológica e ao Desenvolvimento de SAFs: o Caso do Assentamento Ipanema, Iperó/SP. Estratégias Inovadoras em ATER Voltados à Transição Agroecológica e ao Desenvolvimento de SAFs: o Caso do Assentamento Ipanema, Iperó/SP. COSTA JR., Edgar Alves da 1. edgacj@yahoo.com.br; GONÇALVES, Pedro

Leia mais