Anexo Diretrizes para o Serviço de Acolhida e Hospedagem Vitória do Xingu

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "Anexo 4.6.2-13 Diretrizes para o Serviço de Acolhida e Hospedagem Vitória do Xingu"

Transcrição

1 6 RELATÓRIO CONSOLIDADO DE ANDAMENTO DO PBA E DO ATENDIMENTO DE CONDICIONANTES CAPÍTULO 2 ANDAMENTO DO PROJETO BÁSICO AMBIENTAL Anexo Diretrizes para o Serviço de Acolhida e Hospedagem Vitória do Xingu

2 Diretrizes para o Serviço de Atendimento e Acolhida à Pessoa Migrante O presente documento apresenta as diretrizes para a oferta de acolhida e hospedagem às pessoas ou famílias migrantes no âmbito do TERMO ADITIVO DE PRAZO DO CONVENIO DS-C-0038/ Descrição do Serviço O serviço de acolhida e hospedagem a pessoas ou famílias migrantes será prestado, por: i) Entidade social habilitada para firmar Convênio com a Prefeitura; ou, no caso de sua inexistência, ii) Pousada, Pensão ou Serviço de acolhida/ hospedagem, com a documentação devidamente regularizada. As pessoas migrantes em situação de vulnerabilidade social que constituem o públicoalvo do serviço e desejam retornar ao seu local de origem ou outro destino em que houver oportunidade de trabalho, continuarão a ser atendidas pelo Núcleo de Atendimento Social e Psicológico às Comunidades Interferidas e ao Migrante, assim como, continuarão a receber a oferta de hospedagem, alimentação, passagem, ajuda de custo para viagem. O Núcleo de Atendimento Social oferece um espaço de convivência para que o migrante desacompanhado ou acompanhado de sua família possa realizar atividades socioeducativas enquanto aguarda as providências relativas aos encaminhamentos propostos pela equipe multidisciplinar desta unidade. A mesma oferece, também, apoio para os cuidados com a higiene pessoal (kit migrante) e alimentação dos(as) usuários(as), passagem, ajuda de custo para viagem com recursos previstos no âmbito do convênio. O conjunto de serviços ao migrante é constituído por: a) Um Núcleo de Atendimento Social às Comunidades Interferidas e ao Migrante: a) Recepção, triagem e identificação da demanda de hospedagem; b) Núcleo de Atendimento Social às Comunidades Interferidas; c) Núcleo de Convivência e de Atendimento ao migrante.

3 2. Caracterização e ofertas dos Serviços de atendimento à pessoa migrante O acolhimento provisório para pernoite é realizado durante um período de três dias, havendo necessidade de prorrogação do mesmo será apresentado parecer da Assistente Social e informado ao serviço de acolhida/ hospedagem que a hospedagem do usuário será prolongada. O serviço de hospedagem deverá oferecer estrutura para acolher com privacidade pessoas e grupos familiares, com ou sem crianças, respeitando o perfil do usuário, bem como sua orientação sexual. Deverá atender preferencialmente os usuários que estiverem em condições de maior fragilidade e vulnerabilidade pessoal e social e/ou situação de rua. 1.1 Usuários: Pessoas/famílias migrantes em situação de vulnerabilidade ou risco social que chegam aos terminais rodoviários, fluviais ou encontram-se em trânsito pela cidade. 1.2 Conceito de pessoa Migrante em situação de vulnerabilidade social: para o Projeto 4.6.2, é a pessoa (acompanhada de família ou desacompanhada), em situação de vulnerabilidade social e, ou, risco pessoal, que se encontra na cidade, há um período não superior a três meses, vindo de outro município, estado ou país, e que: não esteja conseguindo uma oportunidade de trabalho ou tenha sido demitido e não esteja conseguindo uma nova colocação; tenha tentado fixar residência no município e não conseguido; não tenha parentes, amigos, ou pessoas de referência e apoio na cidade; se encontre fragilizado, sem meios de sobrevivência e queira voltar para o seu local de origem ou outro local de destino onde mantenha vínculos familiares, comunitários ou oportunidade de trabalho. Este conceito foi definido com base na legislação que regulamenta serviços públicos congêneres atualmente em funcionamento (estados e municípios). 1.3 Objetivo geral: Acolher e favorecer a proteção integral às pessoas/famílias migrantes, contribuindo para a sua reinserção social. 1.4 Objetivos específicos: Construir o processo de retorno ao local de origem, respeitando-se as especificidades da situação individual da pessoa atendida;

4 Contribuir para restaurar e preservar a integridade, autonomia e o protagonismo da pessoa atendida; Possibilitar condições de acesso à rede de serviços socioassistenciais do município ou pólo regional, a benefícios assistenciais e demais políticas públicas, conforme a necessidade; (Re) construir o processo de inserção social respeitando as especificidades de cada situação. 1.5 Horário de Atendimento (Núcleo): ininterrupto, de domingo a domingo por 24 horas (técnico de sobreaviso durante o período noturno, finais de semana e feriados) 1.6 Horário de Atendimento (Serviço de Acolhida): ininterrupto, de domingo a domingo por 24 horas (técnico de sobreaviso durante o período noturno, finais de semana e feriados) 1.7 Forma de acesso ao serviço de acolhida e hospedagem: obrigatoriamente por encaminhamento realizado e acompanhado pelo Núcleo de Atendimento Social às Comunidades Interferidas e ao Migrante. 2- Procedimentos de atendimentos: 2.1 Acolhida/Ambientação: no Núcleo, as famílias, grupos e indivíduos recebem as informações primordiais de seus direitos e deveres dentro do espaço de hospedagem; 2.2 Assinatura do termo de responsabilidade: é um procedimento de compromisso do migrante/usuário em acordar com as regras e deveres no de abrigamento/hospedagem, o termo será assinado no Núcleo de Atendimento Social; 2.3 Assinatura da declaração de pertences: É um procedimento de controle e respaldo da unidade referente à organização e responsabilização do usuário perante seus objetos pessoais, a declaração será assinada no Núcleo de Atendimento Social; 2.4 Entrega dos materiais de higienização: No Núcleo, será entregue à pessoa/família migrante, um kit de higienização (masculino, feminino, infantil e, ou geriátrico);

5 2.5 Alimentação: Será garantida alimentação diária. O café da manhã é de responsabilidade do serviço de acolhida/ hospedagem, quanto às demais refeições, almoço e janta, serão fornecidas pelo Núcleo de Atendimento sendo o café da manhã e a janta no local de hospedagem e o almoço servido no Núcleo. 2.6 Trabalho Socioeducativo: A convivência é a base do ser social, reconhecer-se num contexto, construir referências de comportamento e valores, perceber e respeitar a diversidade são temas que precisam ser discutidos e apresentados com os grupos socioeducativos que estão acolhidos/ hospedados, proporcionando-lhes aquisição do protagonismo social. A atuação com grupos permite atender um número maior de famílias ou indivíduos em um mesmo momento. Este trabalho será desenvolvido no espaço do Núcleo de Convivência e Atendimento ao Migrante no período diurno. Além da hospedagem e acolhida o Núcleo de Atendimento Social oferecerá: atendimento social e psicológico e encaminhamentos à rede de serviços socioassistencais, tais como, inclusão no Cadastro Único, orientação para acompanhamento e inserção no Benefício de Prestação Continuada BPC, acompanhamento individual e familiar, para capacitação, atividades socioeducativas e encaminhamentos ao mercado de trabalho. 3- Direitos e Deveres do usuário: 3.1 Direitos: I - ter atendimento humano, atencioso e respeitoso, por parte de todos os trabalhadores dos equipamentos; (Ser acolhido em suas demandas, interesses, necessidades e possibilidades) II - ter local digno e adequado para seu atendimento; (Ter acesso a ambiente acolhedor e espaços reservados à manutenção da privacidade do usuário e guarda de pertences pessoais); III - Receber informação por escrito (material informativo), ao dar entrada no serviço, contendo seus direitos, deveres e regras de convivência; IV - não sofrer discriminação étnico racial, de credo e/ou gênero nos serviços e ser identificado pelo nome e sobrenome; V - receber explicações sobre o trabalho a ser realizado e para qual finalidade, de forma clara, simples e compreensível, adaptada à sua condição cultural; VI O usuário terá o direito de realizar duas ligações no Núcleo para pessoa de sua escolha durante a estadia de três dias com duração máxima de 10 (dez) minutos cada.

6 3.2 Deveres do usuário durante sua hospedagem: I - Todo usuário deverá zelar pelos pertences pessoais, pelo material entregue pelo serviço para seu uso pessoal e pelos espaços utilizados durante o período de acolhida/ hospedagem; II - Indenizar eventuais prejuízos ou danos causados à estrutura de hospedagem durante o período de sua permanência; III - Todo usuário deverá manter conduta condizente com ambiente sócio familiar, respeitando os demais hóspedes e os profissionais do serviço e evitando agressões físicas e verbais; IV - Vedado praticar atos considerados nocivos e/ou inadequados à moral e aos bons costumes; V - Não poderá usar/portar e traficar bebidas alcoólicas e outras drogas ilícitas; VI - Não poderá circular em trajes de dormir, sem camisa, trajes de banho ou impróprios; VII - Proibido levar animais nas dependências do serviço de acolhida/ hospedagem; VIII - Proibido jogar pela janela: papéis, ou qualquer outro objeto; IX - Vedado utilizar forros de cama ou banho para outros fins; X - Ao sair do quarto certifique-se de ter trancado as janelas e fechado a porta. Bens e objetos de valor deverão ser mantidos no cofre do serviço de acolhida/ hospedagem durante a ausência do usuário; XI - Não é permitido retirar das dependências do serviço de acolhida/ hospedagem roupa de banho ou outros objetos de propriedade do serviço de acolhida/ hospedagem; XII - Não é permito, a qualquer hora, o uso de aparelhos sonoros ou instrumentos que incomodem assim como, conversas em altas vozes, gritos ou palavreado que atentem contra a tranquilidade ou provoquem constrangimento aos demais hóspedes, principalmente no período entre 21 e 7 horas. XIII - Em caso de acolhida/ hospedagem de família com menores de 18 anos, cabe ao responsável legal prevenir-se para que as crianças/ adolescentes não permaneçam desacompanhadas nas áreas privativas (apartamentos) e áreas comuns do serviço de acolhida/ hospedagem, evitando possíveis incidentes; XIV - As áreas comuns são de trânsitos de terceiros, sendo o usuário responsável por seus pertences e menores de idade nessas áreas; XV - Qualquer situação conflituosa deverá ser levada à Coordenação do Núcleo (na ausência da mesma, à equipe técnica) e esta se reportará à gerência do serviço de acolhida/ hospedagem a fim de que sejam adotadas as providências cabíveis. Trata-se aqui de arrolar as responsabilidades que os usuários assumem como forma de favorecer a convivência em grupo, bem como um meio pelo qual pode contribuir para a reorganização de sua trajetória de vida. Assumir responsabilidades para si e para o outro ao exercitar o cumprimento das regras abaixo:

7 4- Regras: 1º Obedecer e respeitar a coordenação geral da unidade; 2º Respeitar a todos os funcionários do espaço; 3º Respeitar os horários de entrada e saída estipulados pelo serviço de acolhida/ hospedagem; 4º Cuidar e zelar pelo espaço físico, mobiliário e equipamentos do serviço de acolhida/ hospedagem mediante responsabilização por danos causados; 5º Zelar, cuidar e não vender o Kit do migrante recebido no momento da ambientação da casa; 6º Estar ciente que o acolhimento/ hospedagem é provisório e irreversível caso não cumpra as regras do espaço; 7º Respeitar os horários de utilidade de entrada do serviço de acolhida/ hospedagem, assim como as regras de utilização das áreas coletivas; 8º Não utilizar aparelhos sonoros em volume que incomode os demais hóspedes; 9º Respeitar os companheiros do sexo oposto bem como a orientação sexual de todos, Lei nº de 05/11/2001 Dispõe sobre as penalidades a serem aplicadas à prática de discriminação em razão de orientação sexual e dá outras providências; 10º Não fumar nas dependências do espaço conforme a lei nº 9.294, de 15 de junho de 1996, que estabelece que: Art. 2 É proibido o uso de cigarros, cigarrilhas, charutos, cachimbos ou de qualquer outro produto fumígero, derivado ou não do tabaco, em recinto coletivo, privado ou público, salvo em área destinada exclusivamente a esse fim, devidamente isolada e com arejamento conveniente; 11º Respeitar e aguardar os horários das refeições; 12º Respeitar a todas as crianças, adolescentes, mulheres e idosos que estiverem hospedados; 13º Não ingerir nenhum tipo de droga licita ou ilícita durante o período de acolhimento; 14º Não causar conflitos internos com agressões verbais e físicas para qualquer hóspede ou funcionário do serviço de acolhida/ hospedagem; 15º Não levar nenhum desconhecido no espaço sem prévia autorização (sugestão não levar convidados); 16º Permanecer sem camisa, ou andar nas dependências do serviço de acolhida/ hospedagem de roupas íntimas ou fazer qualquer tipo de insinuação sexual; 17º Portar, distribuir, usar substâncias psicoativas (entorpecentes, álcool, entre outros); 18º Proibido praticar atos libidinosos, prostituição, ato sexual e leitura pornográfica nas dependências da casa; 19 Para garantir a segurança de todos poderá ser solicitado que os usuários mostrem seus pertences em revista no Núcleo para coibir a entrada de armas brancas ou de fogo, bem como drogas licitas e/ou ilícitas;

8 20º Fica estritamente proibido sob pena de boletim policial e providências das autoridades policiais: I - Portar armas de qualquer natureza; II - Atentar contra a integridade física dos hóspede ou funcionários do serviço de acolhida/ hospedagem; VI - Danificar deliberadamente, equipamentos, materiais e instalações do serviço de acolhida/ hospedagem;. 21º Fica estritamente proibido sob pena de denuncia ao Conselho Tutelar e providências às autoridades Judiciárias da Infância e Juventude e Delegacia da Mulher: I Qualquer situação de maus tratos, violência sexual, psicológica e agressão contra a criança/adolescente; II Qualquer situação de violência doméstica contra o companheiro; 5- Situações que são proibidas e que na sua ocorrência terão como consequência desligamento imediato do serviço de acolhimento: I- Provocar brigas e cometer agressões seja verbal ou física; II- Desenvolver condutas que configurem crime; III- Comercializar drogas lícitas e ilícitas; IV- Portar armas brancas e/ou de fogo internamente; V- Uso de droga lícitas e ilícitas internamente; VI- Desenvolver condutas que atentem ao pudor. Obs: Nos casos em que forem constatadas condutas que configurem crime, deverá ser acionada a Policia Militar para registro e providências necessárias.

REGULAMENTO INTERNO DO PIAZITO PARK HOTEL

REGULAMENTO INTERNO DO PIAZITO PARK HOTEL REGULAMENTO INTERNO DO PIAZITO PARK HOTEL O presente regulamento rege as relações jurídicas entre o prestador de serviços PIAZITO PARK HOTEL e o(s) hóspede. As condições descritas neste regulamento também

Leia mais

Contamos com a compreensão e a colaboração de todos para manter uma interação marcada pela gentileza e o profissionalismo.

Contamos com a compreensão e a colaboração de todos para manter uma interação marcada pela gentileza e o profissionalismo. 1 Regulamento Interno Este regulamento define regras e procedimentos para o pleno entendimento entre Hóspedes e a Administração do Hotel, lembrando que o bom senso e o respeito mútuo constituem as melhores

Leia mais

Condições Gerais de Hospedagem do Arraial do Conto Hotel e Lazer

Condições Gerais de Hospedagem do Arraial do Conto Hotel e Lazer Condições Gerais de Hospedagem do Arraial do Conto Hotel e Lazer A hospedagem no Arraial do Conto Hotel e Lazer é regida pelas seguintes condições: 1. Preenchimento da Ficha de Identificação: É obrigatório

Leia mais

3º RELATÓRIO CONSOLIDADO DE ANDAMENTO DO PBA E DO ATENDIMENTO DE CONDICIONANTES

3º RELATÓRIO CONSOLIDADO DE ANDAMENTO DO PBA E DO ATENDIMENTO DE CONDICIONANTES 3º RELATÓRIO CONSOLIDADO DE ANDAMENTO DO PBA E DO ATENDIMENTO DE CONDICIONANTES 4.6.2 PROJETO DE ATENDIMENTO SOCIAL E PSICOLÓGICO DA POPULAÇÃO ATINGIDA Anexo 4.6.2-2 - Conceito de pessoa/família migrante

Leia mais

Prefeitura Municipal de Tangará da Serra ESTADO DE MATO GROSSO

Prefeitura Municipal de Tangará da Serra ESTADO DE MATO GROSSO DECRETO Nº 201/GP/2006, DE 17 DE OUTUBRO DE 2006. HOMOLOGA O REGIMENTO INTERNO DO ALBERGUE MUNICIPAL SÃO JUDAS TADEU. O Senhor JÚLIO CESAR DAVOLI LADEIA, Prefeito Municipal de Tangará da Serra, Estado

Leia mais

REGULAMENTO PARA UTILIZAÇÃO DAS SEDES DE LAZER DA AMPB

REGULAMENTO PARA UTILIZAÇÃO DAS SEDES DE LAZER DA AMPB Art. 1º. O presente regulamento visa disciplinar o uso do Clube de Areia Dourada, assim como eventuais unidades de lazer a serem construídas ou adquiridas pela Associação dos Magistrados da Paraíba. DOS

Leia mais

Excelentíssimo Senhor Presidente da Câmara de Vereadores e demais Edis.

Excelentíssimo Senhor Presidente da Câmara de Vereadores e demais Edis. MENSAGEM Nº. 02/2013 Excelentíssimo Senhor Presidente da Câmara de Vereadores e demais Edis. Com nossos cordiais cumprimentos encaminhamos a V. Exa. e digníssimos Pares dessa R. Casa Legislativa, o Projeto

Leia mais

REGIMENTO INTERNO DA POUSADA BUTTERFLY HOUSE. A hospedagem na POUSADA BUTTERFLY HOUSE é regida pelas condições abaixo descritas:

REGIMENTO INTERNO DA POUSADA BUTTERFLY HOUSE. A hospedagem na POUSADA BUTTERFLY HOUSE é regida pelas condições abaixo descritas: REGIMENTO INTERNO DA POUSADA BUTTERFLY HOUSE A hospedagem na POUSADA BUTTERFLY HOUSE é regida pelas condições abaixo descritas: 1. É obrigatório o preenchimento da ficha de identificação, atendendo normas

Leia mais

Hotel Colônia AOJESP PACOTES Alta Temporada 2011/2012

Hotel Colônia AOJESP PACOTES Alta Temporada 2011/2012 Hotel Colônia AOJESP PACOTES Alta Temporada 2011/2012 PACOTE ENTRADA SAÍDA DIÁRIAS DEZEMBRO 30/11/2011 QUA 05/12/2011 SEG 5 07/12/2011 QUA 12/12/2011 SEG 5 14/12/2011 QUA 19/12/2011 SEG 5 NATAL 21, 22,

Leia mais

NORMAS PARA PACIENTES, ACOMPANHANTES E VISITANTES

NORMAS PARA PACIENTES, ACOMPANHANTES E VISITANTES NORMAS PARA PACIENTES, ACOMPANHANTES E VISITANTES INFORMAÇÕES GERAIS Terão direito a um (01) acompanhante, pacientes com mais de 60 anos, menores de 18 anos, pessoas com deficiência ou que tenham dificuldade

Leia mais

MANUAL INFORMATIVO CASA DE APOIO HOSPITAL INFANTIL WALDEMAR MONASTIER

MANUAL INFORMATIVO CASA DE APOIO HOSPITAL INFANTIL WALDEMAR MONASTIER MANUAL INFORMATIVO CASA DE APOIO HOSPITAL INFANTIL WALDEMAR MONASTIER PROJETO Casa Acolhedora Em um momento tão difícil, só um apoio de uma casa acolhedora para nos ajudar a suportar o tempo. APRESENTAÇÃO

Leia mais

DECRETO Nº 32965 DE 20 DE OUTUBRO DE 2010.

DECRETO Nº 32965 DE 20 DE OUTUBRO DE 2010. DECRETO Nº 32965 DE 20 DE OUTUBRO DE 2010. Institui o Regimento Interno do Clube do Servidor Municipal da Prefeitura da Cidade do Rio de Janeiro Clube do Servidor e dá outras providências. O PREFEITO DA

Leia mais

Projeto de Decreto. (Criar uma denominação/nome própria para o programa)

Projeto de Decreto. (Criar uma denominação/nome própria para o programa) Projeto de Decreto Dispõe sobre as atribuições e competência do Programa de Execução de Medidas Socioeducativas em Meio Aberto, atendendo à Resolução do Conselho Nacional dos Direitos da Criança e do Adolescente,

Leia mais

PORTARIA Nº 52, DE 10 DE MARÇO DE 2009 DODF de 19.03.2009

PORTARIA Nº 52, DE 10 DE MARÇO DE 2009 DODF de 19.03.2009 PORTARIA Nº 52, DE 10 DE MARÇO DE 2009 DODF de 19.03.2009 Dispõe sobre o funcionamento e organização da Casa de Passagem Masculina no âmbito do Distrito Federal. A SECRETÁRIA DE ESTADO DE DESENVOLVIMENTO

Leia mais

DAS DISPOSIÇÕES PRELIMINARES

DAS DISPOSIÇÕES PRELIMINARES Ff 1 REGULAMENTO GERAL Nº. 001/2007 Regulamenta o funcionamento do clube social da Associação dos Servidores da Secretaria da Administração e Unidades Vinculadas - ASSECAD e dá outras providências. DAS

Leia mais

Faço saber que a Câmara Municipal de Queimados, APROVOU e eu SANCIONO a seguinte Lei:

Faço saber que a Câmara Municipal de Queimados, APROVOU e eu SANCIONO a seguinte Lei: LEI N.º 1135/13, DE 01 DE ABRIL DE 2013. Dispõe sobre o Sistema Municipal de Assistência Social de Queimados e dá outras providências. Faço saber que a Câmara Municipal de Queimados, APROVOU e eu SANCIONO

Leia mais

NORMAS E PROCEDIMENTOS DE USO DOS LABORATÓRIOS DO DEPARTAMENTO DE COMPUTAÇÃO

NORMAS E PROCEDIMENTOS DE USO DOS LABORATÓRIOS DO DEPARTAMENTO DE COMPUTAÇÃO SERVIÇO PÚBLICO FEDERAL MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO CENTRO FEDERAL DE EDUCAÇÃO TECNOLÓGICA DE MINAS GERAIS DEPARTAMENTO DE COMPUTAÇÃO NORMAS E PROCEDIMENTOS DE USO DOS LABORATÓRIOS DO DEPARTAMENTO DE COMPUTAÇÃO

Leia mais

MANUAL DO VOLUNTÁRIO. Ajudar uma criança é tornar o mundo melhor.

MANUAL DO VOLUNTÁRIO. Ajudar uma criança é tornar o mundo melhor. MANUAL DO VOLUNTÁRIO Ajudar uma criança é tornar o mundo melhor. Apresentação No decorrer do ano de 2010, muitas mudanças estruturais ocorreram na Casa do Bom Menino. Podemos colher alguns frutos positivos

Leia mais

Regulamento BEM VINDOS A POUSADA LA VILLA. Para sua maior tranquilidade e conforto apresentamos o manual do hospede.

Regulamento BEM VINDOS A POUSADA LA VILLA. Para sua maior tranquilidade e conforto apresentamos o manual do hospede. Regulamento BEM VINDOS A POUSADA LA VILLA Para sua maior tranquilidade e conforto apresentamos o manual do hospede. Recepção: HORÁRIOS DE FUNCIONAMENTO da recepção dás 8:00 às 12:00 e 13:00 às 18:00. DO

Leia mais

Projeto de Lei n.º 36/2013-L

Projeto de Lei n.º 36/2013-L Projeto de Lei n.º 36/2013-L AUTORIZA A CRIAÇÃO DE UMA CASA DE PASSAGEM PARA MULHERES NO ÂMBITO DO MUNICÍPIO DA ESTÂNCIA TURÍSTICA DE BARRA BONITA. Art. 1º Fica o Executivo autorizado a criar no âmbito

Leia mais

Políticas Setoriais Secretarias Municipais: Saúde, Assistência Social, Educação, Direitos Humanos(quando houver). Participações Desejáveis

Políticas Setoriais Secretarias Municipais: Saúde, Assistência Social, Educação, Direitos Humanos(quando houver). Participações Desejáveis PARÂMETROS PARA A CONSTITUIÇÃO DAS COMISSÕES INTERSETORIAIS DE ACOMPANHAMENTO DO PLANO NACIONAL DE PROMOÇÃO, PROTEÇÃO E DEFESA DO DIREITO DE CRIANÇAS E ADOLESCENTES À CONVIVÊNCIA FAMILIAR E COMUNITÁRIA

Leia mais

LEI Nº.1015 DE 11 DE NOVEMBRO DE 2013.

LEI Nº.1015 DE 11 DE NOVEMBRO DE 2013. LEI Nº.1015 DE 11 DE NOVEMBRO DE 2013. Dispõe sobre a Política Municipal de Atendimento ao Idoso do Município de São Gonçalo do Rio Abaixo, Cria o Conselho Municipal do Idoso e dá outras providências.

Leia mais

REGIMENTO INTERNO HOME234

REGIMENTO INTERNO HOME234 REGIMENTO INTERNO HOME234 REGRAS PARA UMA BOA CONVIVÊNCIA E SEGURANÇA 01. Porta Principal: Os hóspedes não podem abrir a porta principal a pessoas que não conhecem, e a ninguém após as 22h00min e deverá

Leia mais

Aprova o Regimento Interno do Centro de Referência de Assistência Social - CRAS. D E C R E T A:

Aprova o Regimento Interno do Centro de Referência de Assistência Social - CRAS. D E C R E T A: DECRETO N 1.289, DE 28 DE AGOSTO DE 2014. Aprova o Regimento Interno do Centro de Referência de Assistência Social - CRAS. O PREFEITO MUNICIPAL DE DOURADOS, Estado de Mato Grosso do Sul, no uso das atribuições

Leia mais

Manual de Orientação ao Paciente

Manual de Orientação ao Paciente Manual de Orientação ao Paciente Caros pacientes e familiares, O Hospital do Rio deseja um período o mais breve e tranquilo possível em nossas instalações. Desde já, agradecemos sua confiança e preferência.

Leia mais

Regulamento do Alojamento Estudantil do Curso de Medicina da Universidade de Marília

Regulamento do Alojamento Estudantil do Curso de Medicina da Universidade de Marília Regulamento do Alojamento Estudantil do Curso de Medicina da Universidade de Marília I - Da Organização do Alojamento Artº 1º- A Gestão do Alojamento estudantil da Universidade de Marília é da competência

Leia mais

COSTAS MARIS POUSADA

COSTAS MARIS POUSADA COSTAS MARIS POUSADA Regras para efetivação de Reservas. 1 - Nossas diárias iniciam às 14:00hs e encerram às 12:00hs do dia seguinte com tolerância de 30 minutos após este período, será cobrada mais uma

Leia mais

REGULAMENTO DA PROMOÇÃO

REGULAMENTO DA PROMOÇÃO REGULAMENTO DA PROMOÇÃO "Grand Prix Polo Casa & Arte Punta Del Este" 1. DADOS DAS EMPRESAS PARTICIPANTES: 1.1. Promotora: Associação Polo Casa & Arte, situada na Av. Dr. Carlos Botelho, 1872, Alto da Cidade

Leia mais

GRÊMIO ESPÍRITA ATUALPA BARBOSA LIMA REGULAMENTO BIG ENCONTRO 2014

GRÊMIO ESPÍRITA ATUALPA BARBOSA LIMA REGULAMENTO BIG ENCONTRO 2014 GRÊMIO ESPÍRITA ATUALPA BARBOSA LIMA REGULAMENTO BIG ENCONTRO 2014 CAPITULO I DO EVENTO Art. 1º O BIG ENCONTRO 2014 será promovido pelo Grêmio Espírita Atualpa Barbosa Lima - GEABL, organizado pelo Departamento

Leia mais

Curso I Introdução ao provimento de serviços e benefícios socioassistenciais do SUAS

Curso I Introdução ao provimento de serviços e benefícios socioassistenciais do SUAS Curso I Introdução ao provimento de serviços e benefícios socioassistenciais do SUAS Módulo II - O provimento dos serviços socioassistenciais Proteção Social Especial Recife, fevereiro/2014 Conteúdo Programático

Leia mais

ANEXO I PROGRAMA ESTADUAL DE PROTEÇÃO SOCIAL BÁSICA E ESPECIAL, DA REDE SOCIAL SÃO PAULO

ANEXO I PROGRAMA ESTADUAL DE PROTEÇÃO SOCIAL BÁSICA E ESPECIAL, DA REDE SOCIAL SÃO PAULO ANEXO I PROGRAMA ESTADUAL DE PROTEÇÃO SOCIAL BÁSICA E ESPECIAL, DA REDE SOCIAL SÃO PAULO I- DA PROTEÇÃO SOCIAL BÁSICA. II- DA PROTEÇÃO SOCIAL ESPECIAL. III- DO CO-FINANCIAMENTO E DOS REQUISITOS, PARA O

Leia mais

Capítulo II - Do acesso aos estádios, ginásios e campos desportivos, para o fim de assistir a jogos

Capítulo II - Do acesso aos estádios, ginásios e campos desportivos, para o fim de assistir a jogos CORREGEDORIA-GERAL DE JUSTIÇA DIREÇÃO DO FORO - COMARCA DE BELO HORIZONTE VARA CÍVEL DA INFÂNCIA E DA JUVENTUDE PORTARIA Nº 2/2013 Disciplina a entrada e permanência de crianças e adolescentes em estádios,

Leia mais

Art. 2 O Sistema Municipal de Assistência Social de Mangueirinha SUAS é regido pelos seguintes princípios:

Art. 2 O Sistema Municipal de Assistência Social de Mangueirinha SUAS é regido pelos seguintes princípios: LEI Nº 1720/2012 Dispõe sobre o Sistema Municipal de Assistência Social de Mangueirinha SUAS (Sistema Único de Assistência Social). Faço saber, que a Câmara Municipal de Mangueirinha, Estado do Paraná

Leia mais

LEI Nº 3.612, DE 13/09/2012.

LEI Nº 3.612, DE 13/09/2012. LEI Nº 3.612, DE 13/09/2012. DISPÕE SOBRE A CRIAÇÃO DO PROGRAMA FAMÍLIA ACOLHEDORA E DÁ OUTRAS PROVIDÊNCIAS. O PREFEITO MUNICIPAL DE ARACRUZ, ESTADO DO ESPÍRITO SANTO, NO USO DE SUAS ATRIBUIÇÕES LEGAIS,

Leia mais

Ministério do Desenvolvimento Social e Combate à Fome POLÍTICA DE ATENDIMENTO AO IDOSO NO ÂMBITO DA ASSISTÊNCIA SOCIAL - S U A S

Ministério do Desenvolvimento Social e Combate à Fome POLÍTICA DE ATENDIMENTO AO IDOSO NO ÂMBITO DA ASSISTÊNCIA SOCIAL - S U A S POLÍTICA DE ATENDIMENTO AO IDOSO NO ÂMBITO DA ASSISTÊNCIA SOCIAL - S U A S MINISTÉRIO DO DESENVOLVIMENTO SOCIAL E COMBATE À FOME Data de Criação: 23 de janeiro de 2004. Objetivo: aumentar a intersetorialidade

Leia mais

REGULAMENTO DA HOTELARIA

REGULAMENTO DA HOTELARIA REGULAMENTO DA HOTELARIA I DISPOSIÇÕES GERAIS. Art. 1º. O presente Regulamento, aprovado pela Diretoria Executiva, rege o uso dos serviços de hotelaria disponibilizados pela AMAM aos Associados e seus

Leia mais

Guia de Orientação ao Paciente

Guia de Orientação ao Paciente Guia de Orientação ao Paciente Esse guia foi desenvolvido especialmente para melhor atendê-lo durante a permanência no HSR. Aqui encontrará informações sobre nosso funcionamento, serviços e práticas que

Leia mais

GOVERNO DO ESTADO DO PARANÁ SECRETARIA DE ESTADO DA SAÚDE HOSPITAL REGIONAL DA LAPA SÃO SEBASTIÃO

GOVERNO DO ESTADO DO PARANÁ SECRETARIA DE ESTADO DA SAÚDE HOSPITAL REGIONAL DA LAPA SÃO SEBASTIÃO GOVERNO DO ESTADO DO PARANÁ A clínica de Tisiologia é constituída com pacientes que, para tratamento de sua patologia, necessitam de longa permanência no hospital. Assim, a fim de facilitar a convivência

Leia mais

Código de Conduta Ética

Código de Conduta Ética Código de Conduta Ética Afonso França Engenharia - 23 Detalha as normas de conduta esperadas pela Afonso França Engenharia de seus profissionais. A Afonso França tem e dissemina princípios que devem nortear

Leia mais

Resolução Congregação 01/2007

Resolução Congregação 01/2007 Resolução Congregação 01/2007 Dispõe sobre os procedimentos da Biblioteca da FEAD. O Presidente da Congregação, no uso de suas atribuições regimentais, e considerando: a) a necessidade de adequar normas

Leia mais

Central de Atendimento: (11) 3292-6100

Central de Atendimento: (11) 3292-6100 Manual das Normas para uso da Colônia de Férias do Sindicato dos Trabalhadores nas Indústrias de Artefatos de Borracha, Pneumáticos e Afins da Grande São Paulo e Região Uma publicação do Sindicato dos

Leia mais

MANUAL DO TRATADOR EXPOINEL, EXPOBRAHMAN E EXPOSIÇÃO NACIONAL DO GIR LEITEIRO - 2015 COMUNICADO AOS EXPOSITORES

MANUAL DO TRATADOR EXPOINEL, EXPOBRAHMAN E EXPOSIÇÃO NACIONAL DO GIR LEITEIRO - 2015 COMUNICADO AOS EXPOSITORES MANUAL DO TRATADOR EXPOINEL, EXPOBRAHMAN E EXPOSIÇÃO NACIONAL DO GIR LEITEIRO - 2015 COMUNICADO AOS EXPOSITORES Os participantes da EXPOINEL, EXPOBRAHMAN E EXPOSIÇÃO NACIONAL DO GIR LEITEIRO, devem cumprir

Leia mais

PREFEITURA MUNICIPAL DE RIO NEGRINHO

PREFEITURA MUNICIPAL DE RIO NEGRINHO 1 ESTABELECE REGULAMENTO DA ORQUESTRA DA ESCOLA DE MÚSICA PROF. VALDECI MAIA O Prefeito Municipal de Rio Negrinho, Estado de Santa Catarina, no uso das atribuições privativas que lhe são conferidas pelo

Leia mais

18 de Maio. Denuncie. Faça sua parte! Dia Nacional de Combate ao Abuso e a Exploração Sexual de Crianças e Adolescentes

18 de Maio. Denuncie. Faça sua parte! Dia Nacional de Combate ao Abuso e a Exploração Sexual de Crianças e Adolescentes 18 de Maio Dia Nacional de Combate ao Abuso e a Exploração Sexual de Crianças e Adolescentes VIOLÊNCIA SEXUAL CONTRA CRIANÇAS E ADOLESCENTES. Denuncie. Faça sua parte! Ficha Técnica União Norte Brasileira

Leia mais

REGULAMENTO DO PROGRAMA DE ALIMENTAÇÃO RESTAURANTE UNIVERSITÁRIO

REGULAMENTO DO PROGRAMA DE ALIMENTAÇÃO RESTAURANTE UNIVERSITÁRIO UNIVERSIDADE FEDERAL DE LAVRAS PRO-REITORIA DE ASSUNTOS ESTUDANTIS E COMUNITARIOS COORDENADORIA DE MORADIA E ALIMENTAÇÃO REGULAMENTO DO PROGRAMA DE ALIMENTAÇÃO RESTAURANTE UNIVERSITÁRIO JANEIRO - 2013

Leia mais

RESOLUÇÃO CONJUNTA CNAS/CONANDA Nº 001 DE 09 DE JUNHO DE 2010

RESOLUÇÃO CONJUNTA CNAS/CONANDA Nº 001 DE 09 DE JUNHO DE 2010 RESOLUÇÃO CONJUNTA CNAS/CONANDA Nº 001 DE 09 DE JUNHO DE 2010 Estabelece parâmetros para orientar a constituição, no âmbito dos Estados, Municípios e Distrito Federal, de Comissões Intersetoriais de Convivência

Leia mais

Art. 99. As medidas previstas neste Capítulo poderão ser aplicadas isolada ou cumulativamente, bem como substituídas a qualquer tempo.

Art. 99. As medidas previstas neste Capítulo poderão ser aplicadas isolada ou cumulativamente, bem como substituídas a qualquer tempo. Conforme o Estatuto da Criança e do Adolesecente Art. 98. As medidas de proteção à criança e ao adolescente são aplicáveis sempre que os direitos reconhecidos nesta Lei forem ameaçados ou violados: I -

Leia mais

ACESSO A SEDE CAMPESTRE DE RATONES REGULAMENTO Nº. 001/2014

ACESSO A SEDE CAMPESTRE DE RATONES REGULAMENTO Nº. 001/2014 ACESSO A SEDE CAMPESTRE DE RATONES REGULAMENTO Nº. 001/2014 Regulamenta o funcionamento da SEDE CAMPESTRE da Associação dos Servidores da UDESC - ASUDESC e dá outras providências. Das disposições preliminares

Leia mais

Núcleos Sindicais: Apucarana. Arapongas. Assis Chateaubriand. Cambará. Campo Mourão. Cascavel. Cianorte. Cornélio Procópio

Núcleos Sindicais: Apucarana. Arapongas. Assis Chateaubriand. Cambará. Campo Mourão. Cascavel. Cianorte. Cornélio Procópio REGIMENTO DAS COLÔNIAS DE PRAIA ITAPOÁ E GUARATUBA Curitiba Art. 1º - As Colônias de Praia de Itapoá e Guaratuba são propriedades da APP-Sindicato e destinam-se à hospedagem dos seus sindicalizados e dependentes.

Leia mais

CAPÍTULO I DAS FINALIDADES

CAPÍTULO I DAS FINALIDADES REGULAMENTO DA SEDE CAMPESTRE DO SINDICATO DOS SERVIDORES DAS JUSTIÇAS FEDERAIS NO ESTADO DO RIO DE JANEIRO SISEJUFE. PREÂMBULO O presente regulamento, objetiva a fixação de normas e regras de utilização

Leia mais

REGIMENTO INTERNO DE RECURSOS HUMANOS

REGIMENTO INTERNO DE RECURSOS HUMANOS REGIMENTO INTERNO DE RECURSOS HUMANOS Dispõe sobre as Diretrizes de Recursos Humanos da Ong Samaritano São Francisco de Assis e dá outras providencias correlatas. Introdução Artigo 1º - O presente Regimento

Leia mais

CONSIDERANDO o que o Sr. João Lima Goes relatou ao Conselho Tutelar de Alto Piquiri Paraná, cuja cópia segue em anexo;

CONSIDERANDO o que o Sr. João Lima Goes relatou ao Conselho Tutelar de Alto Piquiri Paraná, cuja cópia segue em anexo; RECOMENDAÇÃO ADMINISTRATIVA nº 05/2012 CONSIDERANDO que, nos termos do art. 201, inciso VIII, da Lei nº 8.069/90, compete ao Ministério Público zelar pelo efetivo respeito aos direitos e garantias legais

Leia mais

Código de Ética e Conduta

Código de Ética e Conduta Código de Ética e Conduta O Código de Ética e Conduta do ESA - Externato Santo Antônio estabelece o comportamento esperado de todos aqueles que trabalham na, para e com a instituição, e tem por objetivo

Leia mais

IX JORNADA DE ESTÁGIO: FORMAÇÃO E PRÁTICA PROFISSIONAL DO SERVIÇO SOCIAL.

IX JORNADA DE ESTÁGIO: FORMAÇÃO E PRÁTICA PROFISSIONAL DO SERVIÇO SOCIAL. IX JORNADA DE ESTÁGIO: FORMAÇÃO E PRÁTICA PROFISSIONAL DO SERVIÇO SOCIAL. A PRÁTICA DO SERVIÇO SOCIAL NA COMUNIDADE TERAPEUTICA MARCOS FERNANDES PINHEIRO SILVA, Pollyane Ditoza (estagio II), CORREIA, Valeria

Leia mais

CÂMARA MUNICIPAL DE PLANALTO CNPJ Nº 78.114.121/0001-51 Praça são Francisco de Assis, 1583 Fone: (46) 3555-2168

CÂMARA MUNICIPAL DE PLANALTO CNPJ Nº 78.114.121/0001-51 Praça são Francisco de Assis, 1583 Fone: (46) 3555-2168 PROJETO DE LEI N.º 04, DE AUTORIA DO PODER LEGISLATIVO. DATA: 25 de maio de 2015. Súmula: Estabelece normas especiais para o funcionamento de bares e estabelecimentos similares, disciplina a comercialização

Leia mais

MINISTÉRIO PÚBLICO DE RORAIMA COLÉGIO DE PROCURADORES DE JUSTIÇA

MINISTÉRIO PÚBLICO DE RORAIMA COLÉGIO DE PROCURADORES DE JUSTIÇA EXTRATO DA ATA DA SÉTIMA SESSÃO ORDINÁRIA DO EGRÉGIO COLÉGIO DE PROCURADORES DE JUSTIÇA DO MINISTÉRIO PÚBLICO DO ESTADO DE RORAIMA 2014. Data: 24/11/2014 Horário: 9h Local: Sala de reuniões dos Órgãos

Leia mais

TEMA AS EQUIPES DE REFERÊNCIAS POR SERVIÇOS DE PROGRAMAS

TEMA AS EQUIPES DE REFERÊNCIAS POR SERVIÇOS DE PROGRAMAS TEMA AS EQUIPES DE REFERÊNCIAS POR SERVIÇOS DE PROGRAMAS Programação Primeiro Dia: I Seção Discutindo Papéis 1-8h30 às 12h30 Abertura e Boas-vindas Dinâmica de Apresentação Acordos de Convivência Trabalho

Leia mais

LEI N.º 7.390, DE 6 DE MAIO DE 2015

LEI N.º 7.390, DE 6 DE MAIO DE 2015 LEI N.º 7.390, DE 6 DE MAIO DE 2015 Institui o Sistema Municipal de Assistência Social do Município de Santo Antônio da Patrulha e dá outras providências. O PREFEITO MUNICIPAL de Santo Antônio da Patrulha,

Leia mais

RESOLUÇÃO - RDC Nº 29, DE 30 DE JUNHO DE 2011

RESOLUÇÃO - RDC Nº 29, DE 30 DE JUNHO DE 2011 RESOLUÇÃO - RDC Nº 29, DE 30 DE JUNHO DE 2011 Legislações - ANVISA Sex, 01 de Julho de 2011 00:00 RESOLUÇÃO - RDC Nº 29, DE 30 DE JUNHO DE 2011 Dispõe sobre os requisitos de segurança sanitária para o

Leia mais

REGULAMENTO GERAL DO ALUNO

REGULAMENTO GERAL DO ALUNO REGULAMENTO GERAL DO ALUNO O Regimento Geral do Colégio Lobo do Paraná prevê os direitos e deveres dos alunos, as proibições, as sanções a que estão sujeitos, bem como informações pertinentes ao bom andamento

Leia mais

Acampamento Regional Ramo Escoteiro Muitas origens, um só pais

Acampamento Regional Ramo Escoteiro Muitas origens, um só pais Acampamento Regional Ramo Escoteiro Muitas origens, um só pais # INFORMATIVO I (Distrito Natal) ACAMPAMENTO REGIONAL DO RAMO ESCOTEIRO - ARRE 2012 Faça as malas e organize sua barraca. Está na hora de

Leia mais

Finché Eventos e Coquetelaria Luiz Carlos Moraes ME.

Finché Eventos e Coquetelaria Luiz Carlos Moraes ME. Finché Eventos e Coquetelaria Luiz Carlos Moraes ME. Termos de Utilização do Banco de Freelancers e site. Regras gerais da empresa. Data de criação: 20 de outubro de 2013. Última modificação: 26 de Novembro

Leia mais

LEGISLAÇÃO CITADA CONSTITUIÇÃO DA REPÚBLICA FEDERATIVA DO BRASIL DE 1988

LEGISLAÇÃO CITADA CONSTITUIÇÃO DA REPÚBLICA FEDERATIVA DO BRASIL DE 1988 LEGISLAÇÃO CITADA CONSTITUIÇÃO DA REPÚBLICA FEDERATIVA DO BRASIL DE 1988 TÍTULO VIII Da Ordem Social CAPÍTULO VII DA FAMÍLIA, DA CRIANÇA, DO ADOLESCENTE E DO IDOSO Art. 227. É dever da família, da sociedade

Leia mais

O Suas Sistema Único da Assistência Social em perspectiva Valéria Cabral Carvalho, CRESS nº 0897 Luiza Maria Lorenzini Gerber, CRESS nº 0968

O Suas Sistema Único da Assistência Social em perspectiva Valéria Cabral Carvalho, CRESS nº 0897 Luiza Maria Lorenzini Gerber, CRESS nº 0968 O Suas Sistema Único da Assistência Social em perspectiva Valéria Cabral Carvalho, CRESS nº 0897 Luiza Maria Lorenzini Gerber, CRESS nº 0968 Com a Constituição Federal de 1988, a Assistência Social passa

Leia mais

ESCOLA TÉCNICA ESTADUAL DR. JÚLIO CARDOSO

ESCOLA TÉCNICA ESTADUAL DR. JÚLIO CARDOSO ESCOLA TÉCNICA ESTADUAL DR. JÚLIO CARDOSO FRANCA 2014 FORMAÇÃO PROFISSIONAL E CIDADÃ A escola deve representar um espaço social idealizado para o abrigo de educandos de diferentes idades, níveis de desenvolvimento

Leia mais

Informações gerais e regras para participação

Informações gerais e regras para participação 9º Jamboree Nacional do Chile Boletim 9..5 - Versão Informações gerais e regras para participação Os Escoteiros do Brasil foram convidados pela Associação de Guias y Scouts de Chile para participar de

Leia mais

Termo de Adesão Seven Gym Academia e Normas de Utilização. Por meio deste termo, você está contratando os serviços da Seven Gym Academia, nas

Termo de Adesão Seven Gym Academia e Normas de Utilização. Por meio deste termo, você está contratando os serviços da Seven Gym Academia, nas Termo de Adesão Seven Gym Academia e Normas de Utilização Por meio deste termo, você está contratando os serviços da Seven Gym Academia, nas condições aqui estipuladas. Serviços: A Seven Gym Academia presta

Leia mais

RECOMENDAÇÃO MINISTERIAL Nº 002/2015

RECOMENDAÇÃO MINISTERIAL Nº 002/2015 Procedimento administrativo nº 201400036940 RECOMENDAÇÃO MINISTERIAL Nº 002/2015 Objeto: Dispõe sobre o dever de atuação de diversas autoridades públicas, durante a Romaria Nossa Senhora d'abadia do Muquém

Leia mais

NORMAS PARA A UTILIZAÇÃO DO ALOJAMENTO

NORMAS PARA A UTILIZAÇÃO DO ALOJAMENTO NORMAS PARA A UTILIZAÇÃO DO ALOJAMENTO O XI COLÓQUIO NACIONAL DE GÊNERO E DE SEXUALIDADES disponibilizará alojamento com o valor de R$30,00 por pessoa para pagamento de despesas com limpeza e segurança,

Leia mais

MANUAL DE. Missão. Visão. Cuidar da saúde do ser humano na sua integralidade.

MANUAL DE. Missão. Visão. Cuidar da saúde do ser humano na sua integralidade. MANUAL Do paciente Missão Cuidar da saúde do ser humano na sua integralidade. Visão Ser uma instituição nacional e internacionalmente reconhecida pelo tratamento humanizado e de alta qualidade. Valores

Leia mais

Art. 1º Estabelecer normas para o funcionamento do transporte escolar da Rede Pública do Sistema Municipal de Educação do Município de Palmas.

Art. 1º Estabelecer normas para o funcionamento do transporte escolar da Rede Pública do Sistema Municipal de Educação do Município de Palmas. PUBLICADO EM PLACAR Palmas-TO, / / Luzenir Poli Coutinho da Silveira Assessora de Legislação, Normas e Conselhos Matr. 25 745 PREFEITURA MUNICIPAL DE PALMAS SECRETARIA MUNICIPAL DA EDUCAÇÃO PORTARIA GAB/SEMED

Leia mais

Regulamento da Promoção Porto Seguro Espera por Você 2. CARACTERÍSTICAS GERAIS DA CAMPANHA: 2.1. Modalidade Adotada: Concurso Cultural.

Regulamento da Promoção Porto Seguro Espera por Você 2. CARACTERÍSTICAS GERAIS DA CAMPANHA: 2.1. Modalidade Adotada: Concurso Cultural. Regulamento da Promoção Porto Seguro Espera por Você 1. DADOS DA EMPRESA PARTICIPANTE: 1.1. Promotora: Hot Praia Viagens LTDA- ME., situada na Av. Santos Dumont, 329, 1º Andar Sala 03, Jundiaí Anápolis,

Leia mais

REGULAMENTO UNIDADE PAULISTA ATENÇÃO:

REGULAMENTO UNIDADE PAULISTA ATENÇÃO: REGULAMENTO UNIDADE PAULISTA ATENÇÃO: 1) Este regulamento SÓ se aplica aos contratos celebrados na unidade Paulista, por alunos matriculados nos cursos preparatórios para concursos públicos semestrais

Leia mais

MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO INSTITUTO FEDERAL DO ESPÍRITO SANTO CAMPUS DE ALEGRE PORTARIA Nº. 358, DE 12 DE SETEMBRO DE 2014.

MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO INSTITUTO FEDERAL DO ESPÍRITO SANTO CAMPUS DE ALEGRE PORTARIA Nº. 358, DE 12 DE SETEMBRO DE 2014. CAMPUS DE ALEGRE PORTARIA Nº. 358, DE 12 DE SETEMBRO DE 2014. A DIRETORA-GERAL DO CAMPUS DE ALEGRE, no uso de suas atribuições legais e tendo em vista Processo nº 23149.001263/2014-61, resolve: Homologar

Leia mais

CMAS Conselho Municipal de Assistência Social CMDDCA Conselho Municipal de Defesa dos Direitos da Criança e do Adolescente

CMAS Conselho Municipal de Assistência Social CMDDCA Conselho Municipal de Defesa dos Direitos da Criança e do Adolescente Resolução Conjunta 002/2013 CMAS/ de 12/06/2013 Dispõe sobre os parâmetros para o funcionamento das Entidades de acolhimento institucional e familiar da Criança e do Adolescente do município de Divinópolis

Leia mais

DECRETO Nº 689/2013 GIRUÁ/RS, 19 DE AGOSTO DE 2013.

DECRETO Nº 689/2013 GIRUÁ/RS, 19 DE AGOSTO DE 2013. DECRETO Nº 689/2013 GIRUÁ/RS, 19 DE AGOSTO DE 2013. DISPÕE SOBRE O REGIMENTO INTERNO DO ABRIGO PROVISÓRIO ACONCHEGO DE GIRUÁ/RS ÂNGELO FABIAM DUARTE THOMAS, Prefeito Municipal de Giruá, Estado do Rio Grande

Leia mais

Como proceder à notificação e para onde encaminhá-la?

Como proceder à notificação e para onde encaminhá-la? Se a família não quiser ou não puder assumir a notificação, o educador deverá informar a família que, por força da lei, terá que notificar o fato aos órgãos competentes. Como proceder à notificação e para

Leia mais

A GESTÃO DO CREAS E AS MUDANÇAS COM A TIPIFICAÇÃO E O PROTOCOLO DE GESTÃO

A GESTÃO DO CREAS E AS MUDANÇAS COM A TIPIFICAÇÃO E O PROTOCOLO DE GESTÃO A GESTÃO DO CREAS E AS MUDANÇAS COM A TIPIFICAÇÃO E O PROTOCOLO DE GESTÃO A Assistência Social como política de proteção social configura uma nova situação para o Brasil: garantir proteção a todos, que

Leia mais

3. Interagir com qualidade no conjunto de todas as atividades proporcionadas pela SATC, que envolvam os educandos, podendo este, apresentar sugestões;

3. Interagir com qualidade no conjunto de todas as atividades proporcionadas pela SATC, que envolvam os educandos, podendo este, apresentar sugestões; CÓDIGO DE CONVIVÊNCIA ET Noturno DIREITOS DOS EDUCANDOS Ao educando é assegurado: 1. Participar do processo de construção de conhecimentos; 2. Ter seus conhecimentos prévios respeitados e valorizados;

Leia mais

PREVENÇÃO DE VIOLÊNCIAS E PROMOÇÃO DA CULTURA DE PAZ

PREVENÇÃO DE VIOLÊNCIAS E PROMOÇÃO DA CULTURA DE PAZ MINISTÉRIO DA SAÚDE IMPACTO DA VIOLÊNCIA NA SAÚDE DAS CRIANÇAS E ADOLESCENTES PREVENÇÃO DE VIOLÊNCIAS E PROMOÇÃO DA CULTURA DE PAZ VOCÊ É A PEÇA PRINCIPAL PARA ENFRENTAR ESTE PROBLEMA Brasília - DF 2008

Leia mais

NOME DO SERVIÇO: SERVIÇO DE CONVIVÊNCIA E FORTALECIMENTO DE VÍNCULOS.

NOME DO SERVIÇO: SERVIÇO DE CONVIVÊNCIA E FORTALECIMENTO DE VÍNCULOS. NOME DO SERVIÇO: SERVIÇO DE CONVIVÊNCIA E FORTALECIMENTO DE VÍNCULOS. DESCRIÇÃO GERAL: Serviço realizado em grupos, organizado a partir de percursos, de modo a garantir aquisições progressivas aos seus

Leia mais

PORTARIA Nº 15, DE 08 DE MARÇO DE 2007.

PORTARIA Nº 15, DE 08 DE MARÇO DE 2007. PORTARIA Nº 15, DE 08 DE MARÇO DE 2007. Regulamenta o uso dos veículos da frota oficial e estabelece normas gerais sobre as atividades de transporte de usuários da FHDSS-Unesp. O Diretor da Faculdade de

Leia mais

O QUE VOCÊ PRECISA SABER SOBRE INTERNAÇÃO (11) 4414-6072. Horário de Funcionamento: De 2ª a 6ª: das 6h às 22h Sábados e feriados: das 7h às 19h

O QUE VOCÊ PRECISA SABER SOBRE INTERNAÇÃO (11) 4414-6072. Horário de Funcionamento: De 2ª a 6ª: das 6h às 22h Sábados e feriados: das 7h às 19h O QUE VOCÊ PRECISA SABER SOBRE INTERNAÇÃO Tel.: (11) 4414-6000 - Ramal: 6420 (11) 4414-6072 Horário de Funcionamento: De 2ª a 6ª: das 6h às 22h Sábados e feriados: das 7h às 19h Seja bem-vindo ao nosso

Leia mais

CADASTRO DE ENTIDADE DE ACOLHIMENTO

CADASTRO DE ENTIDADE DE ACOLHIMENTO Nome da Instituição Endereço (Rua/Av/Pça) Complemento: Tribunal de Justiça do Estado da Bahia Coordenadoria da Infância e Juventude Tribunal de Justiça do Estado da Bahia, 5ª Avenida do CAB, CEP 41746-900

Leia mais

RESOLUÇÃO DO CONSELHO DE FACULDADE nº 002/04

RESOLUÇÃO DO CONSELHO DE FACULDADE nº 002/04 RESOLUÇÃO DO CONSELHO DE FACULDADE nº 002/04 O Prof. Sérgio Clementi, Diretor da Faculdade de Engenharia, do Centro Universitário Fundação Santo André, no uso de suas atribuições estatutárias e resolve:

Leia mais

BOLETIM OFICIAL LDU DE TÊNIS - 2015 02

BOLETIM OFICIAL LDU DE TÊNIS - 2015 02 BOLETIM OFICIAL LDU DE TÊNIS - 2015 02 DIRETORIA DA CBDU Sr. LUCIANO ATAIDE CABRAL PRESIDENTE DA CBDU Sr. ALIM RACHID MALUF NETO VICE-PRESIDENTE DA CBDU Sr. MARCELO FALCÃO DIRETOR FINANCEIRO DA CBDU COMITÊ

Leia mais

Regulamento de Funcionamento da Clínica Odontológica, Pré-Clínica e Radiologia da FAPAC/ITPAC PORTO

Regulamento de Funcionamento da Clínica Odontológica, Pré-Clínica e Radiologia da FAPAC/ITPAC PORTO Regulamento de Funcionamento da Clínica Odontológica, Pré-Clínica e Radiologia da FAPAC/ITPAC PORTO Porto Nacional TO 2015 Sumário: Introdução:... 3 Dos Objetivos:... 3 Do Horário de Funcionamento:...

Leia mais

8ª CONFERÊNCIA ESTADUAL DOS DIREITOS DA CRIANÇA E DO ADOLESCENTE DE MINAS GERAIS

8ª CONFERÊNCIA ESTADUAL DOS DIREITOS DA CRIANÇA E DO ADOLESCENTE DE MINAS GERAIS 8ª CONFERÊNCIA ESTADUAL DOS DIREITOS DA CRIANÇA E DO ADOLESCENTE DE MINAS GERAIS DOCUMENTO FINAL EIXO 1 PROMOÇÃO DOS DIREITOS DA CRIANÇA E DO ADOLESCENTE Ações de mobilização: 1. Ampla mobilização, por

Leia mais

Resolução Nº 003/2011/ASIBAMA-DF

Resolução Nº 003/2011/ASIBAMA-DF Resolução Nº 003/2011/ASIBAMA-DF Altera o Regimento Interno da Área de Lazer da ASIBAMA-DF A Presidente da ASIBAMA-DF, nos termos do art. 30, inciso I, do Estatuto da ASIBAMA-DF, e considerando o disposto

Leia mais

PORTARIA N. 002/2008 PARA DISCIPLINAR A EXPEDIÇÃO DE ALVARÁS JUDICIAIS PARA ESTABELECIMENTOS QUE EXPLOREM COMERCIALMENTE DIVERSÕES ELETRÔNICAS

PORTARIA N. 002/2008 PARA DISCIPLINAR A EXPEDIÇÃO DE ALVARÁS JUDICIAIS PARA ESTABELECIMENTOS QUE EXPLOREM COMERCIALMENTE DIVERSÕES ELETRÔNICAS PORTARIA N. 002/2008 PARA DISCIPLINAR A EXPEDIÇÃO DE ALVARÁS JUDICIAIS PARA ESTABELECIMENTOS QUE EXPLOREM COMERCIALMENTE DIVERSÕES ELETRÔNICAS A Senhora Doutora Juíza de Direito do Juizado da Infância

Leia mais

O PETI e o Trabalho em Rede. Maria de Fátima Nassif Equipe Proteção Social Especial Coordenadoria de Ação Social Secretaria de Desenvolvimento Social

O PETI e o Trabalho em Rede. Maria de Fátima Nassif Equipe Proteção Social Especial Coordenadoria de Ação Social Secretaria de Desenvolvimento Social O PETI e o Trabalho em Rede Maria de Fátima Nassif Equipe Proteção Social Especial Coordenadoria de Ação Social Secretaria de Desenvolvimento Social Articulação da rede de serviços socioassistenciais Proteção

Leia mais

NOTA TÉCNICA 003/2012_ DA OBRIGAÇÃO DO PODER EXECUTIVO MUNICIPAL NO ATENDIMENTO DA PRESTAÇÃO DE SERVIÇO À COMUNIDADE DE ADOLESCENTES

NOTA TÉCNICA 003/2012_ DA OBRIGAÇÃO DO PODER EXECUTIVO MUNICIPAL NO ATENDIMENTO DA PRESTAÇÃO DE SERVIÇO À COMUNIDADE DE ADOLESCENTES Prezada, NOTA TÉCNICA 003/2012_ DA OBRIGAÇÃO DO PODER EXECUTIVO MUNICIPAL NO ATENDIMENTO DA PRESTAÇÃO DE SERVIÇO À COMUNIDADE DE ADOLESCENTES Florianópolis, 18 de abril de 2012. Interessados: Secretarias

Leia mais

RELATÓRIO DO GRUPO DE TRABALHO NO SUBTEMA TRATAMENTO E ACOLHIMENTO

RELATÓRIO DO GRUPO DE TRABALHO NO SUBTEMA TRATAMENTO E ACOLHIMENTO RELATÓRIO DO GRUPO DE TRABALHO NO SUBTEMA TRATAMENTO E ACOLHIMENTO Coordenadora Deputada Iracema Portella Membros: Deputadas Carmen Zanotto e Rosane Ferreira e Deputado Pastor Eurico 1 Propostas do grupo

Leia mais

POLÍTICA NACIONAL DE ASSISTÊNCIA SOCIAL, SUAS e legislações pertinentes. Profa. Ma. Izabel Scheidt Pires

POLÍTICA NACIONAL DE ASSISTÊNCIA SOCIAL, SUAS e legislações pertinentes. Profa. Ma. Izabel Scheidt Pires POLÍTICA NACIONAL DE ASSISTÊNCIA SOCIAL, SUAS e legislações pertinentes Profa. Ma. Izabel Scheidt Pires REFERÊNCIAS LEGAIS CF 88 LOAS PNAS/04 - SUAS LOAS A partir da Constituição Federal de 1988, regulamentada

Leia mais

PRESSUPOSTOS, REGRAS E PROCEDIMENTOS 2015 ENSINO MÉDIO

PRESSUPOSTOS, REGRAS E PROCEDIMENTOS 2015 ENSINO MÉDIO São Paulo, 26 de novembro de 2014. PRESSUPOSTOS, REGRAS E PROCEDIMENTOS 2015 ENSINO MÉDIO O Colégio Santa Maria acredita que responsabilidade social e liberdade se aprendem e se exercitam na interação

Leia mais

GALBA TACIANA SARMENTO VIEIRA

GALBA TACIANA SARMENTO VIEIRA GALBA TACIANA SARMENTO VIEIRA No Brasil, a questão do combate ao uso de drogas teve início na primeira metade do século XX, nos governos de Eptácio Pessôa e Getúlio Vargas; A primeira regulamentação sobre

Leia mais

Manual de Assistência 24 horas. Assistência 24 Horas AUTOCONTROLE

Manual de Assistência 24 horas. Assistência 24 Horas AUTOCONTROLE Manual de Assistência 24 horas Assistência 24 Horas AUTOCONTROLE I. Assistência 24 Horas 1. Descrição da Assistência 24 Horas Prestação de atendimento ao cliente/usuário através da administração de rede

Leia mais

PROPOSTAS PARA A REDUÇÃO DA VIOLÊNCIA

PROPOSTAS PARA A REDUÇÃO DA VIOLÊNCIA PROPOSTAS PARA A REDUÇÃO DA VIOLÊNCIA 1. Criar o Fórum Metropolitano de Segurança Pública Reunir periodicamente os prefeitos dos 39 municípios da Região Metropolitana de São Paulo para discutir, propor,

Leia mais

RECOMENDAÇÃO ADMINISTRATIVA nº 01/2012

RECOMENDAÇÃO ADMINISTRATIVA nº 01/2012 RECOMENDAÇÃO ADMINISTRATIVA nº 01/2012 CONSIDERANDO: 1. A existência do Procedimento Preparatório n. 0089.11.000011-7, cujo objeto é apurar eventual irregularidade em casa de abrigo para idosos na Rua

Leia mais

Secretaria Nacional de Assistência Social

Secretaria Nacional de Assistência Social POLÍTICA NACIONAL DE ASSISTÊNCIA SOCIAL SISTEMA ÚNICO DE ASSISTÊNCIA SOCIAL SUAS Secretaria Nacional de Assistência Social MARCOS NORMATIVOS E REGULATÓRIOS Constituição Federal 1988 LOAS 1993 PNAS 2004

Leia mais