Nome: Nº: Turma: Rev. Gabarito Romantismo Poesia

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "Nome: Nº: Turma: Rev. Gabarito Romantismo Poesia"

Transcrição

1 Nome: Nº: Turma: Estudos Literários 3º ano Rev. Gabarito Romantismo Poesia Wilton Out/10 O que você deve saber sobre ROMANTISMO POESIA O Romantismo foi um movimento artístico que predominou na Europa por quase todo o século XIX e esteve ligado aos movimentos burgueses daquele continente. No Brasil, o Romantismo se deu, sobretudo, na primeira metade do século XIX, inserido no contexto da Independência do país, em Essa estética procurou expressar os devaneios, os desejos, as frustrações e as fantasias de um eu livre de qualquer compromisso com os padrões clássicos de representação artística, fugindo muitas vezes da realidade que o circundava. Contexto do Romantismo europeu queda do Antigo Regime Revolução Francesa (1789): derrocada da monarquia, ascensão burguesa, Declaração dos direitos do homem e do cidadão. Revolução Industrial (1760 início na Inglaterra): deslocamento dos camponeses para a zona industrial urbana. Independência dos Estados Unidos. Contexto do Romantismo brasileiro Chegada da Corte portuguesa ao Brasil (1808): rápido desenvolvimento da cidade do Rio de Janeiro, abertura dos portos ao comércio internacional, criação do Reino Unido de Portugal, Brasil e Algarves (1815). Independência do Brasil (1822): busca de uma identidade nacional, mitificação da figura do índio, redescobrimento do Brasil. Marcos literários Início Publicação, em Paris, da Nitheroy, Revista Brasiliense de Ciências, Letras e Artes (1836), pelo Grupo de Paris (destaque para Gonçalves de Magalhães e Araújo Porto Alegre). Publicação da obra Suspiros poéticos e saudades (1836), por Gonçalves de Magalhães. Final publicação de O mulato, de Aluísio Azevedo, e de Memórias póstumas de Brás Cubas, de Machado de Assis (ambos em 1881) início do Realismo no Brasil. Primeira geração Nacionalismo/indianismo Na Europa, muitos autores românticos criaram suas obras tendo como base mitos medievais (como os cavaleiros). Inspirados na teoria do bom selvagem,

2 elaborada por Jean-Jacques Rousseau, os escritores da primeira geração romântica brasileira elegeram o índio como símbolo nacional.

3 Gonçalves Dias ( ) O autor é considerado o artista que consolidou o movimento romântico no Brasil a partir de temas como a pátria, a religião e a natureza. Obras de destaque: Primeiros cantos (1846); Segundos cantos, As sextilhas do frei Antão (ambas publicadas em 1848) e Últimos cantos (1851). Publicou também a obra dramática Leonor de Mendonça (1847). Poemas de destaque: Os timbiras, Canto do piaga, Deprecação e I-Juca Pirama. Dias escreveu ainda poemas líricos como Se se morre de amor, em que trabalha temas como o sofrimento amoroso, a morte, a solidão e a natureza como espelho dos estados de alma do sujeito poético. Segunda geração romântica Byronismo/Mal do século/ultra-romantismo Inspirados, entre outros, por Musset, Shelley e Byron, os jovens poetas ultraromânticos brasileiros atingiram o ápice do egocentrismo romântico na segunda fase. A evasão da realidade, a criação de uma natureza tenebrosa, o pessimismo, o fascínio pelo mórbido e pelo misterioso, a idealização da mulher são alguns dos temas trabalhados pelos poetas da época. Álvares de Azevedo ( ) Partindo das duas personagens do texto teatral A tempestade, de Shakespeare, o autor se auto-denominou Ariel e Calibã, ou seja, coexistem nele uma faceta angelical e outra demoníaca, irônica, sarcástica. Os poemas de Álvares de Azevedo revelam um pessimismo crônico, herança do inglês Lord Byron e do francês Alfred de Mussett. A obra do autor Lira dos vinte anos (publicação póstuma de 1853) é dividida em três partes com duas temáticas. A primeira e a terceira partes seguem os temas da adolescência do autor: a religiosidade, o sonho, a figura feminina virginal. A segunda, diferentemente, apresenta o irônico, o "satânico", o sexual. A primeira parte é composta por 33 poemas; a segunda compõe-se de 14 poemas e a última de 30. Azevedo publicou ainda a obra em prosa Noite na taverna, contos mórbidos narrados pelos jovens personagens Solfieri, Bertram, Gennaro, Claudius Hermann e Johann; e Macário, peça teatral que narra o diálogo entre um estudante e Satã. Casimiro de Abreu ( ) Um tanto distante do tom adotado por outros autores do Mal do século, Casimiro de Abreu tornou-se o mais popular dos poetas da segunda geração devido à temática prosaica de seus versos: a natureza, o amor, a mulher amada, a saudade da infância, a pátria idealizada. Meus oito anos, que trata da saudade de uma infância idealizada do eu lírico, é um dos mais populares poemas do autor. Fagundes Varela ( ) Considerado um autor de transição da segunda para a terceira geração romântica, devido à abordagem do tema da escravidão, Fagundes Varela apresenta também em sua produção temas bastante comuns aos autores do Mal do século: a solidão e a morte, por exemplo.

4 Terceira geração Social/Condoreira/Hugoana Distanciando-se do subjetivismo e do egocentrismo que caracterizaram a segunda geração romântica, os escritores da terceira fase foram marcados pela preocupação social. Inspirados no escritor francês Victor Hugo, os poetas brasileiros serviram como porta-vozes da luta contra as injustiças e crueldades praticadas contra os escravos. Castro Alves ( ) Considerado o poeta dos escravos, Castro Alves dedicou muitos de seus versos à causa abolicionista. Vozes d África e Navio negreiro, publicados em Os escravos (publicação póstuma de 1883), são alguns dos exemplos de poemas em que o autor, por meio de hipérboles, metáforas, personificações, versos extremamente musicais e grandiloqüentes, apresenta ao leitor o sofrimento dos negros africanos trazidos para o Brasil no século XIX. Castro Alves também produziu uma rica poesia de caráter lírico-amoroso, todavia, diferentemente de seus contemporâneos, apresenta nela figuras femininas mais reais, sedutoras e sensuais. Destacam-se ainda, entre suas obras, os livros Espumas flutuantes (1870) e A cachoeira de Paulo Afonso (1876 publicação póstuma). Sousândrade ( ) O caráter inovador e a originalidade dos versos de Sousândrade talvez expliquem seu quase desconhecimento por parte da crítica especializada até antes de O poeta ampliou sua proposta de discussão social no épico Guesa errante, poema em que aborda a lenda indígena dos quíchua, habitantes do Peru e da Bolívia. Sua primeira obra foi Harpas selvagens (1850), entretanto foi com "Guesa errante", poema inacabado, que o autor maranhense obteve o reconhecimento devido.

5 Poemas Canção do exílio Kennst du das Land, wo die Citronen blühen, Im dunkeln die Gold-Orangen glühen? Kennst du es wohl? Dahin, dahin! Möcht ich... ziehn. Goethe Minha terra tem palmeiras, Onde canta o Sabiá; As aves, que aqui gorjeiam, Não gorjeiam como lá. Nosso céu tem mais estrelas, Nossas várzeas têm mais flores, Nossos bosques têm mais vida, Nossa vida mais amores. Em cismar, sozinho, à noite, Mais prazer encontro eu lá; Minha terra tem palmeiras, Onde canta o Sabiá. Minha terra tem primores, Que tais não encontro eu cá; Em cismar sozinho, à noite Mais prazer encontro eu lá;

6 Minha terra tem palmeiras, Onde canta o Sabiá. Não permita Deus que eu morra, Sem que eu volte para lá; Sem que desfrute os primores Que não encontro por cá; Sem qu'inda aviste as palmeiras, Onde canta o Sabiá. Coimbra d julho (Gonçalves Dias Poemas. Biblioteca Folha, 15 Seleção, introdução e notas de Péricles Eugênio da Silva Ramos. Rio de Janeiro: Ediouro. São Paulo: publifolha, 1997, pp. 27-8) Soneto Pálida à luz da lâmpada sombria, Sobre o leito de flores reclinada, Como a lua por noite embalsamada, Entre as nuvens do amor ela dormia! Era a virgem do mar, na escuma fria Pela maré das águas embalada! Era um anjo entre nuvens d'alvorada Que em sonhos se banhava e se esquecia! Era mais bela! o seio palpitando Negros olhos as pálpebras abrindo Formas nuas no leito resvalando

7 Não te rias de mim, meu anjo lindo! Por ti - as noites eu velei chorando, Por ti - nos sonhos morrerei sorrindo! (Álvares de Azevedo. Lira dos vinte anos. Editora FTD. São Paulo. Série Grandes leituras, ª. edição. P. 72) Navio negreiro fragmento Era um sonho dantesco... O tombadilho Que das luzernas avermelha o brilho. Em sangue a se banhar. Tinir de ferros... estalar do açoite... Legiões de homens negros como a noite, Horrendos a dançar... Negras mulheres, suspendendo às tetas Magras crianças, cujas bocas pretas Rega o sangue das mães: Outras moças... mas nuas e espantadas, No turbilhão de espectros arrastadas, Em ânsia e mágoa vãs. E ri-se a orquestra irônica, estridente... E da ronda fantástica a serpente Faz doudas espirais...

8 Se o velho arqueja, se no chão resvala, Ouvem-se gritos... o chicote estala. E voam mais e mais... Presa nos elos de uma só cadeia, A multidão faminta cambaleia, E chora e dança ali! Um de raiva delira, outro enlouquece, Outro, que martírios embrutece, Cantando, geme e ri! (...) (Castro Alves. Obra completa. Rio de Janeiro: Nova Aguilar P. 280) Negres a fond de calle" ("Navio negreiro" de Johann Moritz Rugendas

9 Quadro O Grito do Ipiranga, Pedro Américo, 1888 Paulista da Universidade de São Paulo O grito do Ipiranga, Pedro Américo, Museu Paulista da Universidade de São Paulo

10 Questões Inicie com a questão a seguir porque ela segue a tendência dos concursos vestibulares de trabalhar com o diálogo intertextual (no caso, entre Drummond e Gonçalves Dias). Embora seja uma questão de múltipla escolha, você pode aproveitar para refletir como o Modernismo retomou o Romantismo. Os movimentos literários não são fenômenos estanque, daí a importância do exercício da PUC. 1. (PUC/2007 1ª. prova) Nova Canção do Exílio Um sabiá na palmeira, longe. Estas aves cantam um outro canto. O céu cintila sobre flores úmidas. Vozes na mata, e o maior amor. Só, na noite, seria feliz: um sabiá, na palmeira, longe. Onde é tudo belo e fantástico, só, na noite, seria feliz.

11 (Um sabiá, na palmeira, longe.) Ainda um grito de vida e voltar para onde é tudo belo e fantástico: a palmeira, o sabiá, o longe. O poema acima integra a obra Rosa do Povo, de Carlos Drummond de Andrade. Deste poema, como um todo, é incorreto afirmar que a) é uma variação do tema da terra natal, espécie de atualização moderna de uma idealização romântica da pátria. b) estabelece uma relação intertextual com a Canção do Exílio, de Gonçalves Dias, e se mostra como uma espécie de paráfrase. c) evidencia que o poeta se apropriou indevidamente do poema de Gonçalves Dias e manteve os esquemas de métrica e de rima do texto original. d) traduz na palavra longe, o significado do lá, lugar do ideal distante, aracterizador de visão de uma pátria idealizada. e) utiliza a imagem do sabiá e da palmeira para sugerir um espaço onde tudo é belo e fantástico e, afastado do qual, o poeta se sente em exílio. Resposta: c A alternativa c está incorreta porque Drummond não se apropriou indevidamente do poema de Gonçalves Dias. O poeta da 2ª. fase do Modernismo brasileiro estabelece uma relação intertextual com o artista romântico, propondo uma nova maneira de ler a temática do exílio. Além disso, Drummond não mantém os esquemas de métrica e de rima do texto original. A canção do exílio (1843), de Gonçalves Dias, apresenta 5 estrofes: 3 quadras e 2 sextilhas (ver texto na íntegra no box de imagens) modelo com que a Nova canção do exílio, de Drummond, dialoga. A canção do exílio apresenta versos de redondilha maior (7 sílabas poéticas) e rimas alternadas; a Nova canção do exílio, por sua vez, possui versos livres e brancos bem ao estilo modernista.

12 Os exercícios a seguir trabalham com um fragmento de um romance histórico escrito por Ana Miranda que trata da vida do poeta Gonçalves Dias e seguem a tendência dos concursos vestibulares de privilegiar a interpretação de textos em detrimento da exploração de características isoladas dos movimentos literários. Aproveite para revisar alguns tópicos de teoria literária como o foco narrativo, além das características do Romantismo. (UFRRJ ª. fase) Leia o texto a seguir para responder às questões 2 a 4. O fluido elétrico Quando chegava perto de Antônio alguma endiabrada moça requebrando e seduzindo-o com palavras, com os gestos, com os olhos e com os modos, ele confessa numa carta que sentia um fluido elétrico a correr pela medula da sua coluna vertebral, então por que não sentiria isso também por mim? Antônio é fraco para com as mulheres e nunca sincero com elas, nem consigo mesmo, sincero apenas com Alexandre Teófilo e com a poesia, sua Musa, por isso acredito que o poema tenha sido inspirado em meus olhos, que ele via verdes mas infelizmente são da cor do mel, um mel turvo, quase verdes quando olho a luz, o mar quando viajávamos na costa do Ceará, Natalícia admitiu que meus olhos estavam verdes. Desejo acreditar no que diz Maria Luíza, mas acredito apenas em meu coração, sei quanto fel pode haver no coração de uma romântica. Talvez ele tenha confundido meus olhos com as vagens do feijão verde e com as paisagens que ele tanto ama de palmeiras esbeltas e cajazeiros cobertos de cipós, talvez estivesse apenas ensaiando o grande amor que iria sentir na sua vida adulta, quando escreveria tantos poemas, dos mais dedicados, apaixonados, melancólicos, dos mais saudosos, e ao pensar nisso uma tristeza funda, inexprimível, o coração me anseia. (MIRANDA, Ana. Dias e Dias. São Paulo: Companhia das Letras, p. 19) Questão 2 Esse texto é um capítulo da obra Dias e Dias, de Ana Miranda, publicado em 2002, que reconstitui a vida de Antônio Gonçalves Dias. É, portanto, um romance histórico escrito no século XXI que retrata o século XIX. a) Como se estrutura o foco narrativo do texto? Trata-se de uma narradora-personagem (foco narrativo em primeira pessoa). b) Transcreva uma passagem que comprove sua resposta. Algumas respostas possíveis: então por que não sentiria isso também por mim? ; por isso acredito que o poema tenha sido inspirado nos meus olhos, ; quando olho a luz, o mar ; Quando viajávamos na costa do Ceará, Natalícia admitiu que meus olhos estavam verdes. ; Desejo acreditar no que diz Maria Luíza, mas acredito apenas em meu coração, sei quanto fel pode haver no coração de uma romântica. ; Talvez ele

13 tenha confundido meus olhos com vagens de feijão verde ; e ao pensar nisso uma tristeza funda, inexprimível, o coração me anseia. Questão 3 Que argumento é usado para comprovar a hipótese de que o poema Olhos verdes foi inspirado nos olhos cor de mel da admiradora de Antônio Gonçalves Dias? O argumento segundo o qual o poeta era sincero com a Poesia, sua Musa, ou o argumento de que Dias poderia ter-se confundido com a cor das vagens do feijão verde e com as paisagens. Questão 4 Tendo em vista que Gonçalves Dias foi um poeta romântico da chamada primeira geração, indique a que características da poesia dessa fase os fragmentos a seguir se referem: a)...com as paisagens que ele tanto ama de palmeiras esbeltas e cajazeiros cobertos de cipós, Valorização da paisagem brasileira (nacionalismo) ou culto à natureza. b) quando escreveria tantos poemas, dos mais dedicados, apaixonados, melancólicos, dos mais saudosos, Sentimentalismo ou saudosismo.

14 A questão proposta a seguir trabalha com uma característica bastante presente na lírica romântica: a natureza como espelho do estado de alma do eu lírico. Retome esse aspecto e revise os pontos que diferenciam a produção lírica de Castro Alves (poeta da 3ª. geração) da de poetas como Álvares de Azevedo, Casimiro de Abreu, Fagundes Varela e Junqueira Freire (artistas da 2ª. geração). (UFRRJ ª. fase) Leia o texto e responda à questão 5. A cruz da estrada Caminheiro que passas pela estrada, Seguindo pelo rumo do sertão, Quando vires a cruz abandonada, Deixa-a em paz dormir na solidão. É de um escravo humilde sepultura, Foi-lhe a vida o velar de insônia atroz. Deixa-o dormir no leito de verdura, Que o Senhor dentre as selvas lhe compôs. Dentre os braços da cruz, a parasita, Num abraço de flores se prendeu. Chora orvalhos a grama, que palpita; Lhe acende o vaga-lume o facho seu. Caminheiro! Do escravo desgraçado O sono agora mesmo começou! Não lhe toques no leito de noivado, Há pouco a liberdade o desposou. (ALVES, Castro. (1883) In: LAJOLO, Marisa & CAMPEDELLI, Samira (org.) Literatura comentada. 2ª. ed. São Paulo: Nova Cultural, 1988, p ) Nesse fragmento do poema A cruz da estrada, observa-se um traço marcante da poesia romântica, que é (a) o egocentrismo exacerbado revelador das emoções do eu. (b) o nacionalismo expresso na origem histórica do nosso povo. (c) o envolvimento subjetivo dos elementos da natureza. (d) a evasão do eu para espaços distantes e exóticos. (e) a idealização da infância como uma época perfeita. Resposta: c O egocentrismo citado na alternativa a, a evasão do eu para espaços distantes e exóticos (alternativa b), bem como a idealização da infância como uma época perfeita (alternativa c) estão mais presentes nos poemas da 2ª. geração; o nacionalismo a que se

15 refere a alternativa b marca fortemente os poetas da 1ª. geração. Castro Alves pertence à 3ª. geração romântica.

16 Aproveite a questão proposta a seguir para revisar Ubirajara, romance em que José de Alencar aborda uma série de lendas do povo indígena antes da chegada dos portugueses ao Brasil. Estabeleça também um diálogo entre os romances indianistas e os textos informativos produzidos pelos viajantes europeus sobre o Brasil no século XVI, explorando os aspectos pitorescos da nova terra e de seus habitantes. (UFG-PS/2007) 6. No tocante à descrição dos costumes indígenas, José de Alencar, em Ubirajara, retoma um procedimento já utilizado nos relatos dos cronistas do século XVI. No romance, o tratamento das informações referentes à cultura indígena resulta na a) transformação do passado colonial do Brasil. b) idealização da figura do indígena nacional. c) indicação dos sentidos da cultura autóctone. d) apresentação dos primeiros habitantes do Brasil. e) introdução do índio na literatura brasileira. Resposta: b

17 Retome com os alunos os principais autores nativistas ou indianistas do Brasil: Gonçalves Dias (poesia) e José de Alencar (prosa). Destaque que os indianistas brasileiros foram influenciados pela teoria do bom selvagem, de Jean-Jacques Rousseau. (UFAC/2007) 7. A poesia romântica desenvolveu-se em três gerações: Nacionalista ou Indianista, do Mal-do-século e Condoreira. O Indianismo de nossos poetas românticos é: a) um meio de reconstruir o grave perigo que o índio representava durante a instalação da Capitania de São Vicente. b) um meio de eternizar liricamente a aceitação, pelo índio, da nova civilização que se instalava. c) uma forma de apresentar o índio como motivo estético; idealização com simpatia e piedade; exaltação de bravura, heroísmo e de todas as qualidades morais superiores. d) uma forma de apresentar o índio em toda a usa realidade objetiva; o índio como elemento étnico da futura raça do Brasil. e) um modelo francês seguido no Brasil; uma necessidade de exotismo que em nada difere do modelo europeu. Resposta: c

18 Aproveite o poema Marabá para relembrar que Gonçalves Dias abordou em sua obra os mitos e lendas indígenas, seus dramas, amores, lutas, sua fusão com o branco. Entre os textos produzidos pelo autor, destacam-se os poemas "Marabá", "Leito de folhas verdes", "Canto do piaga", "Canto do tamoio", "Canto do guerreiro" e "I-Juca-Pirama" (ponto alto da poesia indianista brasileira). Além da análise do texto, é possível revisar, por meio dos exercícios propostos, regência verbal e figuras de linguagem, especialmente a metáfora. (UNIRIO/2007) Texto para as questões de 8 a 12. MARABÁ Eu vivo sozinha; ninguém me procura! Acaso feitura Não sou de Tupá? Se algum dentre os homens de mim não se esconde Tu és, me responde, Tu és Marabá! Meus olhos são garços, são cor das safiras, Têm luz das estrelas, têm meigo brilhar; Imitam as nuvens de um céu anilado, As cores imitam das vagas do mar! Se algum dos guerreiros não foge a meus passos: Teus olhos são garços, Responde anojado, mas és Marabá: Quero antes uns olhos bem pretos, luzentes, Uns olhos fulgentes, Bem pretos, retintos, não cor d anajá! É alvo meu rosto da alvura dos lírios, Da cor das areias batidas do mar; As aves mais brancas, as conchas mais puras Não têm mais alvura, não têm mais brilhar. Se ainda me escuta meus agros delírios: És alva de lírios, Sorrindo responde, mas és Marabá: Quero antes um rosto de jambo corado, Um rosto crestado Do sol do deserto, não flor de cajá. Meu colo de leve se encurva engraçado, Como hástea pendente do cáctus em flor; Mimosa, indolente, resvalo no prado, Como um soluçado suspiro de amor!

19 Eu amo a estatura flexível, ligeira, Qual duma palmeira, Então me respondem; tu és Marabá: Quero antes o colo da ema orgulhosa, Que pisa vaidosa, Que as flóreas campinas governa, onde está. Meus loiros cabelos em ondas se anelam, O oiro mais puro não tem seu fulgor; As brisas nos bosques de os ver se enamoram, De os ver tão formosos como um beija-flor! Mas eles respondem : Teus longos cabelos, São loiros, são belos, Mas são anelados; tu és Marabá; Quero antes cabelos bem lisos, corridos, Cabelos compridos, Não cor d oiro fino, nem cor d anajá. E as doces palavras que eu tinha cá dentro A quem nas direi? O ramo d acácia na fronte de um homem Jamais cingirei: Jamais um guerreiro da minha arazóia Me desprenderá: Eu vivo sozinha, chorando mesquinha, Que sou Marabá! (Gonçalves Dias) 1. marabá: mestiço de francês com índia. 2. Tupá ou Tupã (v. 3 ) 3. engraçado: gracioso (v. 27) 4. arazóia ou araçóia: saiote de penas usado pelas mulheres indígenas. 8. Após leitura, análise e interpretação do poema Marabá, algumas afirmações como as seguintes podem ser feitas, com exceção de uma. Indique-a. a) O poema se inicia com uma pergunta de ordem religiosa e termina com uma consideração de aspecto sensual. b) O poema é um profundo lamento construído com base na estrutura dialética, apresentando-se argumentação e contraargumentação. c) Ocorre interlocução registrada em discurso direto, estrutura que enfatiza assim o desprezo preconceituoso dado à Marabá. d) A ocorrência de figuras de linguagem e o emprego da primeira pessoa marcam, respectivamente, as funções da linguagem poética e emotiva. e) Marabá é poema representante da primeira fase que cultua o aspecto físico da mulher.

20 Resposta: e 9. A expressão Quero antes pode ser substituída, sem que haja alteração de significado, por preferir. Quanto à regência desse verbo, de acordo com a norma padrão, está correto: a) Prefiro uns olhos bem pretos, luzentes, uns olhos fulgentes, bem pretos, retintos, / que cor d anajá! b) Prefiro uns olhos bem pretos, luzentes, uns olhos fulgentes, bem pretos, retintos, / do que cor d anajá! c) Prefiro a uns olhos bem pretos, luzentes, uns olhos fulgentes, bem pretos, retintos, / do que cor d anajá! d) Prefiro uns olhos bem pretos, luzentes, uns olhos fulgentes, bem pretos, retintos, / à cor d anajá! e) Prefiro uns olhos bem pretos, luzentes do que, uns olhos fulgentes, bem pretos, retintos, / a cor d anajá! Resposta: d 10. A leitura dos versos abaixo permite a identificação de figuras de linguagem. Aquela que está em desacordo com o contexto do poema é a) Eu vivo sozinha, chorando mesquinha ( v. 53 ) gradação b) Se algum dentre os homens de mim não se esconde ( v. 4 ) hipérbato c) Não têm mais alvura, não têm mais brilhar ( v. 20 ) comparação d) O oiro mais puro não tem seu fulgor; ( v. 38 ) hipérbole e) E as doces palavras que eu tinha cá dentro ( v. 47 ) sinestesia Resposta: a 11. A unidade dramática vivenciada pelo eu-lírico no poema Marabá concentra-se em a) tristeza e compreensão. b) aflição e frustração. c) amargura e comedimento. d) indignação e passividade. e) decepção e aceitação. Resposta: b 12. O Romantismo tende ao uso de metáforas, o que denota um comportamento linguístico voltado para a imagística em geral, tanto nas descrições apresentadas, quanto nas alegorias. O fragmento de texto que exemplifica o uso predominante da metáfora é a) Jamais um guerreiro da minha arazóia/ Me desprenderá...

21 b) Quero antes uns olhos bem pretos, reluzentes, / uns olhos fulgentes... c) Quero antes o colo da ema orgulhosa, / que pisa vaidosa... d) Teus longos cabelos, são loiros, são belos,... e) Meus olhos são garços, são cor das safiras, / têm luz das estrelas, têm meigo brilhar. Resposta: e

22 Sérgio de Castro Pinto é um autor paraibano, nascido em Estreou como poeta com o livro Gestos lúcidos (1967). Posteriormente, publicou A Ilha na Ostra (1970), Domicílio em Trânsito (1983) e O cerco da memória (1993), do qual a UFCG retirou o poema Nômade, reproduzido a seguir. Sérgio é doutor em Letras pela Universidade Federal da Paraíba, onde é professor, e membro da Academia Paraibana de Letras. Há diferença de linguagem entre os textos de Dias e de Sérgio. (UFCG/2009) 12. Assinale a alternativa correta, com base nos versos transcritos dos livros Poesia lírica e indianista, de Gonçalves Dias, e O cerco da memória, de Sérgio de Castro Pinto. Inocência 1.Ó meu anjo, vem correndo, Vem tremendo Lançar-te nos braços meus; Vem depressa, que a lembrança 5. Da tardança Me aviva os rigores teus. (...) É belo o pudor, mas choro, E deploro Que assim sejas medrosa. 10. Por inocente tens medo. De tão cedo, De tão cedo ter amor; Mas sabe que a formosura Pouco dura, 15. Pouco dura, como a flor. (p. 125) Nômade acha que atritas, o meu falo queima. somos trogloditas descobrindo o fogo. crescem labaredas. sob a braguilha, armo uma tenda com a minha glande. e o meu falo nômade rumo à tua fenda levanta acampamento. (p. 9)

23 a) Tanto nas estrofes de Gonçalves Dias quanto nas de Sérgio de Castro Pinto, observase que a temática gira em torno da experiência amorosa, já comprovada a partir do título de ambos. b) Em se tratando da figura feminina, observa-se que nos versos de Gonçalves Dias a mulher é um ser frágil, angelical e inatingível, enquanto que nos versos de Sérgio Castro Pinto, ela é troglodita e sem nenhum pudor. c) Em ambos os textos, percebe-se que os poetas, cada qual a seu modo, lançam mão de uma linguagem coloquial, utilizando a metáfora e a comparação para ratificar o prosaísmo das obras. d) Nos 7º, 8º e 9º versos, de Gonçalves Dias, verifica-se que o eu-lírico admira o pudor da amada e prefere que ela continue tendo medo de amar. e) Nos versos de Sérgio Castro Pinto, observa-se que o poeta utiliza uma linguagem de caráter erótico, lançando mão de imagens predominantemente metafóricas. Resposta: b

24 (UFCG/2009) 13. A partir da leitura do fragmento do poema, abaixo transcrito, e da leitura de Poesia lírica e indianista, de Gonçalves dias, assinale a alternativa incorreta: Marabá Eu vivo sozinha; ninguém me procura! Acaso feitura Não sou de Tupá! Se algum dentre os homens de mim não se esconde: - Tu és, me responde, Tu és Marabá! Meus olhos são garços, são cor das safiras, Têm luz das estrelas, têm meigo brilhar; Imitam as nuvens de um céu anilado, As cores imitam das vagas do mar! (...) (p. 89) a) Gonçalves Dias soube aliar, em sua obra, habilidade técnica aos temas de que tratou, além de ostentar uma reconhecida imaginação criadora. b) O eu-lírico ressalta suas qualidades, assemelhando-as a elementos da natureza como forma de convencer algum índio a querê-la. c) Este poema, como tantos outros de Gonçalves Dias, traz a valorização do indígena - elemento símbolo do nacionalismo defendido pelos românticos. d) O eu-lírico é a típica representação da mulher indígena romântica: formosa, mas valorizada por poucos homens. e) O poema reproduz um diálogo entre a índia e os rapazes da tribo em que se observa a rejeição sofrida pelo eu-lírico por ser fruto da mistura de raças: européia e indígena. Resposta: e Marabá é desprezada pelo fato de ser mestiça. Por apresentar características que correspondem ao ideal europeu de beleza, a índia é rejeitada pelos outros índios.

ROMANTISMO POESIA Antes de conferir os gabaritos, seria interessante ler alguns textos importantes:

ROMANTISMO POESIA Antes de conferir os gabaritos, seria interessante ler alguns textos importantes: ROMANTISMO POESIA Antes de conferir os gabaritos, seria interessante ler alguns textos importantes: Texto 1 Canção do exílio Kennst du das Land, wo die Citronen blühen, Im dunkeln die Gold-Orangen glühen?

Leia mais

Classes Gramaticais: Conjunção e Coesão

Classes Gramaticais: Conjunção e Coesão Classes Gramaticais: Conjunção e Coesão Texto 1: Mulher Barriguda Mulher barriguda que vai ter menino, Qual o destino que ele vai ter? Que será ele quando crescer? Haverá guerra ainda? Tomara que não Mulher

Leia mais

A Linguagem e suas Funções

A Linguagem e suas Funções A Linguagem e suas Funções 1. ENEM 2009 Prova cancelada Lista de Exercícios Ouvir estrelas Ora, (direis) ouvir estrelas! Certo perdeste o senso! E eu vos direi, no entanto, que, para ouvi-las, muita vez

Leia mais

ROMANTISMO PRINCIPAIS CARACTERÍSTICAS LITERÁRIAS

ROMANTISMO PRINCIPAIS CARACTERÍSTICAS LITERÁRIAS ROMANTISMO O Romantismo foi uma estética artística surgida no início do século XVIII, que provocou uma verdadeira revolução na produção literária da época. Retratando a força dos sentimentos, ela propôs

Leia mais

7 - Romantismo. Gerações Poéticas do Romantismo

7 - Romantismo. Gerações Poéticas do Romantismo 7 - Romantismo O final do século XVIII foi marcado pela revolução francesa, pela revolução industrial, pela independência dos EUA, enfim, foi um período de intensas transformações que contribuíram para

Leia mais

PERTO DE TI AUTOR: SILAS SOUZA MAGALHÃES. Tu és meu salvador. Minha rocha eterna. Tu és minha justiça, ó Deus. Tu és Jesus, amado da Minh alma.

PERTO DE TI AUTOR: SILAS SOUZA MAGALHÃES. Tu és meu salvador. Minha rocha eterna. Tu és minha justiça, ó Deus. Tu és Jesus, amado da Minh alma. PERTO DE TI Tu és meu salvador. Minha rocha eterna. Tu és minha justiça, ó Deus. Tu és Jesus, amado da Minh alma. Jesus! Perto de ti, sou mais e mais. Obedeço a tua voz. Pois eu sei que tu és Senhor, o

Leia mais

UNIVERSIDADE ESTADUAL DE FEIRA DE SANTANA Departamento de Letras e Artes Especialização em Estudos Literários

UNIVERSIDADE ESTADUAL DE FEIRA DE SANTANA Departamento de Letras e Artes Especialização em Estudos Literários UNIVERSIDADE ESTADUAL DE FEIRA DE SANTANA Departamento de Letras e Artes Especialização em Estudos Literários IDENTIDADE BRASILEIRA NO ROMANTISMO DE CASIMIRO DE ABREU E SOUSÂNDRADE JOÃO BOSCO DA SILVA

Leia mais

O Romantismo - 1. Gonçalves de Magalhães: Suspiros Poéticos e Saudades (1836)

O Romantismo - 1. Gonçalves de Magalhães: Suspiros Poéticos e Saudades (1836) O Romantismo - 1 Gonçalves de Magalhães: Suspiros Poéticos e Saudades (1836) O sentimento dos descontentes com as novas estruturas: a nobreza, que já caiu, e a pequena burguesia, que ainda não subiu. As

Leia mais

Poemas da Língua Portuguesa

Poemas da Língua Portuguesa Poemas da Língua Portuguesa Poemas - Romantismo "Mulher" Para todos nossos familiares e amigos Pessoas maravilhosas,amigos maravilhosos Por que ler,hoje,poemas do século XIX? Os Poemas do século XIX são

Leia mais

Exercícios de Poesia Romântica (Parte 1)

Exercícios de Poesia Romântica (Parte 1) Exercícios de Poesia Romântica (Parte 1) 1. (UFF) Contranarciso em mim eu vejo o outro e outro e outro enfim dezenas trens passando vagões cheios de gente centenas o outro que há em mim é você você e você

Leia mais

1. Porque eu te amo nunca será suficiente 2. Porque a cada dia você me conquista mais e de um jeito novo 3. Porque a ciência não tem como explicar

1. Porque eu te amo nunca será suficiente 2. Porque a cada dia você me conquista mais e de um jeito novo 3. Porque a ciência não tem como explicar 1. Porque eu te amo nunca será suficiente 2. Porque a cada dia você me conquista mais e de um jeito novo 3. Porque a ciência não tem como explicar nosso amor 4. Porque a gente discute nossos problemas

Leia mais

ROMANTISMO EM PORTUGAL E NO BRASIL

ROMANTISMO EM PORTUGAL E NO BRASIL AULA 10 LITERATURA PROFª Edna Prado ROMANTISMO EM PORTUGAL E NO BRASIL I - CONTEXTO HISTÓRICO Na aula passada nós estudamos as principais características do Romantismo e vimos que a liberdade era a mola

Leia mais

Sugestão de avaliação

Sugestão de avaliação Sugestão de avaliação 8 PORTUGUÊS Professor, esta sugestão de avaliação corresponde ao primeiro bimestre escolar ou às Unidades 1 e 2 do Livro do Aluno. Avaliação - Língua Portuguesa NOME: TURMA: escola:

Leia mais

As Tendências Românticas Através da Pintura e do Desenho no século XIX. Prof. Vinicius Rodrigues

As Tendências Românticas Através da Pintura e do Desenho no século XIX. Prof. Vinicius Rodrigues As Tendências Românticas Através da Pintura e do Desenho no século XIX Prof. Vinicius Rodrigues Romantismo Nacionalista Associado à primeira geração da poesia romântica brasileira Fortemente influenciado

Leia mais

Ensino Médio Unidade São Judas Tadeu Professor (a): Anna Izabel Aluno (a): Série: 2ª Data: / / 2015. LISTA DE LITERATURA

Ensino Médio Unidade São Judas Tadeu Professor (a): Anna Izabel Aluno (a): Série: 2ª Data: / / 2015. LISTA DE LITERATURA Ensino Médio Unidade São Judas Tadeu Professor (a): Anna Izabel Aluno (a): Série: 2ª Data: / / 2015. LISTA DE LITERATURA Questão 01.O texto abaixo apresenta, basicamente, três partes: a realidade, o sonho

Leia mais

Aluno(a): Nº. Disciplina: Português Data da prova: 03/10/2014. P1-4 BIMESTRE. Análise de textos poéticos. Texto 1. Um homem também chora

Aluno(a): Nº. Disciplina: Português Data da prova: 03/10/2014. P1-4 BIMESTRE. Análise de textos poéticos. Texto 1. Um homem também chora Lista de Exercícios Aluno(a): Nº. Professor: Daniel Série: 9 ano Disciplina: Português Data da prova: 03/10/2014. P1-4 BIMESTRE Análise de textos poéticos Texto 1 Um homem também chora Um homem também

Leia mais

Estudo do Hino Nacional. Salve! Salve!

Estudo do Hino Nacional. Salve! Salve! Estudo do Hino Nacional Ouviram do Ipiranga as margens plácidas De um povo heróico o brado retumbante E o sol da liberdade em raios fúlgidos, Brilhou no céu da Pátria nesse instante. Se o penhor dessa

Leia mais

Álbum: O caminho é o Céu

Álbum: O caminho é o Céu Álbum: O caminho é o Céu ETERNA ADORAÇÃO Não há outro Deus que seja digno como tu. Não há, nem haverá outro Deus como tu. Pra te adorar, te exaltar foi que eu nasci, Senhor! Pra te adorar, te exaltar foi

Leia mais

POESIAS. Orientação: Professora Keila Cachioni Duarte Machado

POESIAS. Orientação: Professora Keila Cachioni Duarte Machado POESIAS Orientação: Professora Keila Cachioni Duarte Machado A flor amiga O ser mais belo e culto Emoções e corações Sentimentos envolvidos Melhor amiga e amada O seu sorriso brilha como o sol Os seus

Leia mais

ROMANTISMO NO BRASIL - PROSA

ROMANTISMO NO BRASIL - PROSA AULA 12 LITERATURA PROFª Edna Prado ROMANTISMO NO BRASIL - PROSA Na aula passada nós estudamos as principais características da poesia romântica no Brasil.Vimos o fenômeno das três gerações românticas:

Leia mais

MELHORES MOMENTOS. Expressão de Louvor Paulo Cezar

MELHORES MOMENTOS. Expressão de Louvor Paulo Cezar MELHORES MOMENTOS Expressão de Louvor Acordar bem cedo e ver o dia a nascer e o mato, molhado, anunciando o cuidado. Sob o brilho intenso como espelho a reluzir. Desvendando o mais profundo abismo, minha

Leia mais

Introdução ao Realismo

Introdução ao Realismo Lista de Exercícios Pré Universitário Uni-Anhanguera Aluno(a): Nº. Professor: Daniel Série: 2 Disciplina: Literatura Data da prova: 15/02/2014. Introdução ao Realismo P1-1 BIMESTRE Os textos seguintes

Leia mais

Carlos Neves. Antologia. Raízes. Da Poesia

Carlos Neves. Antologia. Raízes. Da Poesia 1 Antologia Raízes Da Poesia 2 Copyrighr 2013 Editra Perse Capa e Projeto gráfico Autor Registrado na Biblioteca Nacional ISBN International Standar Book Number 978-85-8196-234- 4 Literatura Poesias Publicado

Leia mais

Anna Catharinna 1 Ao contrário da palavra romântico, o termo realista vai nos lembrar alguém de espírito prático, voltado para a realidade, bem distante da fantasia da vida. Anna Catharinna 2 A arte parece

Leia mais

E sua sede começa a crescer Em angústia e desespero Enquanto os ruídos da cachoeira Da grande cachoeira das eras O convoca para mergulhar Mergulhar

E sua sede começa a crescer Em angústia e desespero Enquanto os ruídos da cachoeira Da grande cachoeira das eras O convoca para mergulhar Mergulhar Uma Estória Pois esta estória Trata de vida e morte Amor e riso E de qualquer sorte de temas Que cruzem o aval do misterioso desconhecido Qual somos nós, eu e tu Seres humanos Então tomemos acento No dorso

Leia mais

SEQUÊNCIA DIDÁTICA PODCAST ÁREA LÍNGUA PORTUGUESA ALFA Título do Relação entre textos

SEQUÊNCIA DIDÁTICA PODCAST ÁREA LÍNGUA PORTUGUESA ALFA Título do Relação entre textos SEQUÊNCIA DIDÁTICA PODCAST ÁREA LÍNGUA PORTUGUESA ALFA Título do Relação entre textos Podcast Área Língua Portuguesa Segmento Ensino Fundamental Programa de Alfabetização de Jovens e Adultos Duração 4min.

Leia mais

2. 1 A poesia trovadoresca - Leitura de cantigas de amor e de amigo semântico, sintático, lexical e sonoro;

2. 1 A poesia trovadoresca - Leitura de cantigas de amor e de amigo semântico, sintático, lexical e sonoro; EIXO TEMÁTICO: 1 TEXTO LITERÁRIO E NÃO LITERÁRIO 1) Analisar o texto em todas as suas dimensões: semântica, sintática, lexical e sonora. 1. Diferenciar o texto literário do não-literário. 2. Diferenciar

Leia mais

A MEMÓRIA NA LITERATURA

A MEMÓRIA NA LITERATURA A MEMÓRIA NA LITERATURA O MEMORIALISMO OCASIONAL Uma confissão indireta, uma revelação camuflada, às s vezes inconsciente, do que sepassa na cabeça a do escritor, das suas experiências e das recordações

Leia mais

Convite. Poesia é brincar com palavras como se brinca com bola, papagaio, pião. Só que bola, papagaio, pião de tanto brincar se gastam.

Convite. Poesia é brincar com palavras como se brinca com bola, papagaio, pião. Só que bola, papagaio, pião de tanto brincar se gastam. Convite Poesia é brincar com palavras como se brinca com bola, papagaio, pião. Só que bola, papagaio, pião de tanto brincar se gastam. As palavras não: quanto mais se brinca com elas mais novas ficam.

Leia mais

Português. 1. Leia os seguintes poemas e faça o que se pede:

Português. 1. Leia os seguintes poemas e faça o que se pede: Português Leitura de texto 3 os anos Wilton fev/11 Nome: Nº: Turma: 1. Leia os seguintes poemas e faça o que se pede: Longe do estéril turbilhão da rua, Beneditino escreve! No aconchego Do claustro, na

Leia mais

Universidade Federal de Uberlândia

Universidade Federal de Uberlândia PRIMEIRA QUESTÃO A) É importante que o candidato ressalte o fato de que, na ilha, a princípio, tudo é eletivo : cabe aos indivíduos escolher os seus papéis. Esta liberdade da constituição do sujeito deve

Leia mais

LITERATURA BRASILEIRA - ALGUNS ELEMENTOS INFLUENCIADORES

LITERATURA BRASILEIRA - ALGUNS ELEMENTOS INFLUENCIADORES 1 UNIVERSIDADE ESTADUAL DE FEIRA DE SANTANA DEPARTAMENTO DE LETRAS E ARTES DLA LICENCIATURA EM LETRAS COM A LÍNGUA INGLESA LITERATURA BRASILEIRA I Professor: Manoel Anchieta Nery JOÃO BOSCO DA SILVA (prof.bosco.uefs@gmail.com)

Leia mais

Concurso Literário. O amor

Concurso Literário. O amor Concurso Literário O Amor foi o tema do Concurso Literário da Escola Nova do segundo semestre. Durante o período do Concurso, o tema foi discutido em sala e trabalhado principalmente nas aulas de Língua

Leia mais

Sugestão de avaliação

Sugestão de avaliação Sugestão de avaliação 6 PORTUGUÊS Professor, esta sugestão de avaliação corresponde ao segundo bimestre escolar ou às Unidades 3 e 4 do livro do Aluno. Avaliação - Língua Portuguesa NOME: TURMA: escola:

Leia mais

Emília Amaral. Ricardo Silva Leite

Emília Amaral. Ricardo Silva Leite coleção Nov s P l vr s N O V A E D I Ç Ã O Nov s P l vr s Nov e ıç o 2 Ricardo Silva Leite Emília Amaral Mestre em Teoria Literária e doutora em Educação pela Unicamp, professora do Ensino Médio e Superior

Leia mais

O Pequeno Mundo de Maria Lúcia

O Pequeno Mundo de Maria Lúcia Eric Ponty O Pequeno Mundo de Maria Lúcia Pinturas de Fernando Campos [2005] Virtual Book s Numa noite de outubro a pequena Maria Lúcia viu o azul do céu escuro da tarde um homem andando de bicicleta.

Leia mais

BANDEIRA NACIONAL: IDENTIDADE BRASILEIRA

BANDEIRA NACIONAL: IDENTIDADE BRASILEIRA SAUDAÇÃO À BANDEIRA 2009 NOVEMBRO/2009 BANDEIRA NACIONAL: IDENTIDADE BRASILEIRA Assim como nós, cidadãos, temos documentos para sermos identificados onde quer que estejamos, como brasileiros temos nossa

Leia mais

Xixi na Cama. Cara Professora, Caro Professor,

Xixi na Cama. Cara Professora, Caro Professor, Xixi na Cama Cara Professora, Caro Professor, Estamos oferecendo a você e a seus alunos mais um livro da coleção Revoluções: Xixi na Cama, do autor mineiro Drummond Amorim. Junto com a obra, estamos também

Leia mais

Fala sem Voz. Vinícius Arena Cupolillo

Fala sem Voz. Vinícius Arena Cupolillo Fala sem Voz Vinícius Arena Cupolillo 3- Meu amor, Tua amizade 4- Amizades 5- Minha Fala sem Voz 6- Indecisão 7- Verdades de amor ou Conto de fadas 8- A procura da minha inspiração 9- Distancias 10- A

Leia mais

TALVEZ TE ENCONTRE AO ENCONTRAR-TE

TALVEZ TE ENCONTRE AO ENCONTRAR-TE TALVEZ TE ENCONTRE Vivaldo Terres Itajaí /SC Talvez algum dia eu te encontre querida Para renovarmos momentos felizes, Já que o nosso passado foi um passado lindo, Tão lindo que não posso esquecer Anseio

Leia mais

NOTA: Leia com muita atenção os textos a seguir: Texto 1 Todas as cartas de amor são. Ridículas. Não seriam de amor se não fossem. Ridículas.

NOTA: Leia com muita atenção os textos a seguir: Texto 1 Todas as cartas de amor são. Ridículas. Não seriam de amor se não fossem. Ridículas. GOIÂNIA, / / 2015 PROFESSOR: Daniel DISCIPLINA: LITERATURA SÉRIE: 1º ANO ALUNO (a): NOTA: No Anhanguera você é + Enem LISTA DE EXERCÍCIOS - P1 3º BIMESTRE Leia com muita atenção os textos a seguir: Texto

Leia mais

Prova 2 Língua Portuguesa e Literaturas em Língua Portuguesa

Prova 2 Língua Portuguesa e Literaturas em Língua Portuguesa Prova 2 Língua Portuguesa e Literaturas em Língua Portuguesa QUESTÕES DISCURSIVAS N ọ DE ORDEM: N ọ DE INSCRIÇÃO: NOME DO CANDIDATO: INSTRUÇÕES PARA A REALIZAÇÃO DA PROVA 1. Verifique se este caderno contém

Leia mais

Tovadorismo. 2 - (UFPA - 2010) Das estrofes abaixo, a que apresenta traços da estética do Trovadorismo é:

Tovadorismo. 2 - (UFPA - 2010) Das estrofes abaixo, a que apresenta traços da estética do Trovadorismo é: Tovadorismo 1 - (PUC-Camp - 2011) A poesia medieval procurou enaltecer os valores e as virtures do cavaleiro. Nessa poesia, o amor cortês, referido no texto, pressupunha uma concepção mítica do amor, que

Leia mais

Fragmento do filme Caramuru, a invenção do Brasil. http://www.youtube.com/watch?v=nv04qj93pwu. (Terra Papagalli - Mandamento 4)

Fragmento do filme Caramuru, a invenção do Brasil. http://www.youtube.com/watch?v=nv04qj93pwu. (Terra Papagalli - Mandamento 4) É aquela terra onde tudo está à venda e não há nada que não se possa comprar, seja água ou madeira, cocos ou macacos. Mas o que mais lá se vende são homens, que trocam-se por qualquer mercadoria e são

Leia mais

José da Fonte Santa. Magia Alentejana. Poesia e desenhos. Pesquisa e recolha de Isabel Fonte Santa. Edições Colibri

José da Fonte Santa. Magia Alentejana. Poesia e desenhos. Pesquisa e recolha de Isabel Fonte Santa. Edições Colibri José da Fonte Santa Magia Alentejana Poesia e desenhos Pesquisa e recolha de Isabel Fonte Santa Edições Colibri índice Nota Prévia 3 Prefácio 5 O Amor e a Natureza Desenho I 10 A rapariga mais triste do

Leia mais

localização competição

localização competição LÍNGUA PORTUGUESA LIBRAS Leia o texto para responder às questões de 01 a 07. Como surdos podem falar Texto 1 Uma luva, criada por estudantes da Ucrânia, transforma movimentos da mão em fala e permite que

Leia mais

O medievo em dois poemas de Gonçalves Dias

O medievo em dois poemas de Gonçalves Dias O medievo em dois poemas de Gonçalves Dias Danglei de Castro Pereira 1 (UEMS) Resumo O estudo aborda a presença de traços medievais em dois poemas de Gonçalves Dias com a intenção de discutir a acomodação

Leia mais

Unidade IV Cultura A pluralidade na expressão humana.

Unidade IV Cultura A pluralidade na expressão humana. Unidade IV Cultura A pluralidade na expressão humana. 30.2 Conteúdo: Intertextualidade no texto literário. Habilidade: Estabelecer, em textos de diferentes gêneros, relações entre recursos verbais e não

Leia mais

Anjo Emprestado. Cristina Magalhães

Anjo Emprestado. Cristina Magalhães Anjo Emprestado Cristina Magalhães [uma chancela do grupo LeYa] Rua Cidade de Córdova, n. 2-2610 -038 Alfragide http://caderno.leya.com caderno@leya.pt 2011, Cristina Magalhães Todos os direitos reservados.

Leia mais

PROJETO PEDAGÓGICO 1

PROJETO PEDAGÓGICO 1 PROJETO PEDAGÓGICO 1 Projeto Pedagógico Por Beatriz Tavares de Souza* Título: Maricota ri e chora Autor: Mariza Lima Gonçalves Ilustrações: Andréia Resende Formato: 20,5 cm x 22 cm Número de páginas: 32

Leia mais

Pré Exame Literatura

Pré Exame Literatura Pré Exame Literatura Romantismo Macedo Álvares de Azevedo Gonçalves Dias Alencar Castro Alves Manuel Antônio de Almeida Romantismo Características Subjetivismo Sentimentalismo Culto à natureza Escapismo

Leia mais

Direis agora: Tresloucado amigo! Que conversas com elas? Que sentido Tem o que dizem, quando estão contigo?

Direis agora: Tresloucado amigo! Que conversas com elas? Que sentido Tem o que dizem, quando estão contigo? VIA LÁCTEA XIII Ora (direis) ouvir estrelas! Certo Perdeste o senso! E eu vos direi, no entanto, Que, para ouvi-las, muita vez desperto E abro as janelas, pálido de espanto... E conversamos toda a noite,

Leia mais

AVALIAÇÃO DA UNIDADE I PONTUAÇÃO: 7,5 PONTOS

AVALIAÇÃO DA UNIDADE I PONTUAÇÃO: 7,5 PONTOS DA UNIDADE I PONTUAÇÃO: 7,5 PONTOS QUESTÃO 01: Avalie as afirmativas seguintes em relação ao Romantismo. (1,0) I. As primeiras manifestações literárias do Romantismo ocorreram nos países europeus mais

Leia mais

PROGRAMA DE INTERVENÇÃO PEDAGÓGICA ANOS FINAIS / SRE - CURVELO

PROGRAMA DE INTERVENÇÃO PEDAGÓGICA ANOS FINAIS / SRE - CURVELO 61 Poema O que é: Segundo o poeta Carlos Drummond de Andrade, entre coisas e palavras principalmente entre palavras circulamos. As palavras, entretanto, não circulam entre nós como folhas soltas no ar.

Leia mais

AS TRÊS EXPERIÊNCIAS

AS TRÊS EXPERIÊNCIAS Nome: N.º: endereço: data: Telefone: E-mail: Colégio PARA QUEM CURSA O 8 Ọ ANO EM 2014 Disciplina: PoRTUGUÊs Prova: desafio nota: Texto para as questões de 1 a 7. AS TRÊS EXPERIÊNCIAS Há três coisas para

Leia mais

Furor suave. O Ar. À beira mar Está um homem a pescar Peixe está a apanhar E sem nunca parar. (Pedro Ernesto, 10 anos)

Furor suave. O Ar. À beira mar Está um homem a pescar Peixe está a apanhar E sem nunca parar. (Pedro Ernesto, 10 anos) 6 Furor suave Vou fazer um poema com ar; mas não é com este ar. Qual ar? Este, aqui, este ar. Este qual? O que se respira? Sim, esse, não é com o que se respira, é com o ar de ar. Qual ar? Queres dizer

Leia mais

1-PORTO SEGURO-BAHIA-BRASIL

1-PORTO SEGURO-BAHIA-BRASIL 1-PORTO SEGURO-BAHIA-BRASIL LUGAR: EUNÁPOLIS(BA) DATA: 05/11/2008 ESTILO: VANEIRÃO TOM: G+ (SOL MAIOR) GRAVADO:16/10/10 PORTO SEGURO BAHIA-BRASIL VOCÊ É O BERÇO DO NOSSO PAIS. PORTO SEGURO BAHIA-BRASIL

Leia mais

COLÉGIO ESTADUAL CRISTO REI ENSINO FUNDAMENTAL E MÉDIO

COLÉGIO ESTADUAL CRISTO REI ENSINO FUNDAMENTAL E MÉDIO COLÉGIO ESTADUAL CRISTO REI ENSINO FUNDAMENTAL E MÉDIO Rua das Ameixeiras, 119 Núcleo Cristo Rei Fone/Fax: 0xx42 3624 3095 CEP 85060-160 Guarapuava Paraná grpcristorei@seed.pr.gov.br PLANO DE TRABALHO

Leia mais

Agrupamento Vertical de Escolas do Viso. Escola E. B. 2.3 do Viso. A vida é uma folha de papel

Agrupamento Vertical de Escolas do Viso. Escola E. B. 2.3 do Viso. A vida é uma folha de papel 1.º Prémio A vida é uma folha de papel A vida pode ser Escura como a noite, Ou clara como as águas cristalinas Que brilham ao calor do sol. A vida pode ser Doce como o mel Ou amarga como o fel. A vida

Leia mais

NAVIO NEGREIRO: IDEALIZAÇÃO, LIBERDADE E IDENTIDADE

NAVIO NEGREIRO: IDEALIZAÇÃO, LIBERDADE E IDENTIDADE 1 NAVIO NEGREIRO: IDEALIZAÇÃO, LIBERDADE E IDENTIDADE Júlia de Carvalho Almeida Oliveira 1 RESUMO Este trabalho tem como objetivo analisar o poema Navio Negreiro: uma tragédia no mar (1983), escrito por

Leia mais

Figuras de Linguagem

Figuras de Linguagem Figuras de Linguagem Aspectos semânticos Metáfora: transposição de significado com base em semelhanças. Você é um bicho, Fabiano. (Graciliano Ramos) Itabira é apenas um retrato na parede (...) (Drummond)

Leia mais

Turma: 3º ano FG e ADM

Turma: 3º ano FG e ADM COLÉGIO NOSSA SENHORA DA PIEDADE Programa de Recuperação Paralela 2ª Etapa 2013 Disciplina: Literatura Ano: 2013 Professor (a): Felipe Amaral Turma: 3º ano FG e ADM Caro aluno, você está recebendo o conteúdo

Leia mais

O PASTOR AMOROSO. Alberto Caeiro. Fernando Pessoa

O PASTOR AMOROSO. Alberto Caeiro. Fernando Pessoa O PASTOR AMOROSO Alberto Caeiro Fernando Pessoa Este texto foi digitado por Eduardo Lopes de Oliveira e Silva, no Rio de Janeiro, em maio de 2006. Manteve-se a ortografia vigente em Portugal. 2 SUMÁRIO

Leia mais

Amar Dói. Livro De Poesia

Amar Dói. Livro De Poesia Amar Dói Livro De Poesia 1 Dedicatória Para a minha ex-professora de português, Lúcia. 2 Uma Carta Para Lúcia Querida professora, o tempo passou, mas meus sonhos não morreram. Você foi uma pessoa muito

Leia mais

COMENTÁRIO GERAL DOS PROFESSORES DO CURSO POSITIVO VESTIBULAR PUCPR 2009/2010 PROVA DE LITERATURA

COMENTÁRIO GERAL DOS PROFESSORES DO CURSO POSITIVO VESTIBULAR PUCPR 2009/2010 PROVA DE LITERATURA COMENTÁRIO GERAL DOS PROFESSORES DO CURSO POSITIVO VESTIBULAR PUCPR 2009/2010 PROVA DE LITERATURA Nenhuma questão com problema no gabarito. Nenhuma falha mais clamorosa. Logo, podemos considerar excelente

Leia mais

copyright Todos os direitos reservados

copyright Todos os direitos reservados 1 2 Espaço das folhas 3 copyright Todos os direitos reservados 4 Autor Jorge Luiz de Moraes Minas Gerais 5 6 Introdução Folha é apenas uma folha, uma branca cor cheia de paz voltada para um querer, um

Leia mais

Direitos reservados Domingos Sávio Rodrigues Alves Uso gratuito, permitido sob a licença Creative Commons 1

Direitos reservados Domingos Sávio Rodrigues Alves Uso gratuito, permitido sob a licença Creative Commons 1 1 O caminho da harmonia. Colossenses 3 e 4 Col 3:1-3 Introdução: Portanto, já que vocês ressuscitaram com Cristo, procurem as coisas que são do alto, onde Cristo está assentado à direita de Deus. Mantenham

Leia mais

Saudades. Quantas vezes, Amor, já te esqueci, Para mais doidamente me lembrar, Mais doidamente me lembrar de ti!

Saudades. Quantas vezes, Amor, já te esqueci, Para mais doidamente me lembrar, Mais doidamente me lembrar de ti! Durante as aulas de Português da turma 10.º 3, foi lançado o desafio aos alunos de escolherem poemas e tentarem conceber todo um enquadramento para os mesmos, o que passava por fazer ligeiras alterações

Leia mais

Page 1 of 7. Poética & Filosofia Cultural - Roberto Shinyashiki

Page 1 of 7. Poética & Filosofia Cultural - Roberto Shinyashiki Page 1 of 7 Universidade Federal do Amapá Pró-Reitoria de Ensino de Graduação Curso de Licenciatura Plena em Pedagogia Disciplina: Filosofia Cultural Educador: João Nascimento Borges Filho Poética & Filosofia

Leia mais

CEGO, SURDO E MUDO (porque nao?) LETRA: Ricardo Oliveira e Mário F.

CEGO, SURDO E MUDO (porque nao?) LETRA: Ricardo Oliveira e Mário F. FRUTO PROIBIDO FRUTO PROIBIDO 1 Cego, surdo e mudo (porque não?) 2 Mundo inteiro 3 Acordo a tempo 4 Contradição 5 A água não mata a fome 6 Quem és é quanto basta 7 Nascer de novo (és capaz de me encontrar)

Leia mais

PORTUGUÊS ENSINO MÉDIO. Prêmio Nobel de Química defende maior investimento do governo na ciência

PORTUGUÊS ENSINO MÉDIO. Prêmio Nobel de Química defende maior investimento do governo na ciência Texto 1 PORTUGUÊS Prêmio Nobel de Química defende maior investimento do governo na ciência Por Paulo Floro Em Ciência O Prêmio Nobel de Química, pesquisador norte-americano Martin Chalfie, defende a ciência

Leia mais

EXAME FINAL NACIONAL DO ENSINO SECUNDÁRIO. Duração da Prova: 120 minutos. Tolerância: 30 minutos.

EXAME FINAL NACIONAL DO ENSINO SECUNDÁRIO. Duração da Prova: 120 minutos. Tolerância: 30 minutos. EXAME FINAL NACIONAL DO ENSINO SECUNDÁRIO Prova Escrita de Português 12.º Ano de Escolaridade Decreto-Lei n.º 139/2012, de 5 de julho Prova 639/2.ª Fase 8 Páginas Duração da Prova: 120 minutos. Tolerância:

Leia mais

Abril Literatura 2ª Série

Abril Literatura 2ª Série Abril Literatura 2ª Série 01. Texto I Vinte anos! derramei-os gota a gota Num abismo de dor e esquecimento... De fogosas visões nutri meu peito... Vinte anos!... não vivi um só momento! Contudo, no passado

Leia mais

Leia o poema abaixo de João Ruiz de Castelo-Branco, composto do século XVI, para responder às questões 1, 2 e 3.

Leia o poema abaixo de João Ruiz de Castelo-Branco, composto do século XVI, para responder às questões 1, 2 e 3. Leia o poema abaixo de João Ruiz de Castelo-Branco, composto do século XVI, para responder às questões 1, 2 e 3. Senhora, partem tão tristes meus olhos por vós, meu bem, que nunca tão tristes vistes outros

Leia mais

LITERATURA BRASILEIRA

LITERATURA BRASILEIRA LITERATURA BRASILEIRA 01 Leia o poema Pintura admirável de uma beleza, de Gregório de Matos. Vês esse sol de luzes coroado? Em pérolas a aurora convertida? Vês a lua de estrelas guarnecida? Vês o céu de

Leia mais

I ANTOLOGIA DE POETAS LUSÓFONOS. Fantasias

I ANTOLOGIA DE POETAS LUSÓFONOS. Fantasias Fantasias Acordar dos sonhos, Se é que se chama sonho. Pois, nas noites de insônia tudo é verdadeiro, Na tortura, na incerteza Uma fantasia dentro de um veleiro. Sonhos na madrugada nevando, A loucura

Leia mais

O PASSAPORTE PARA O AMOR

O PASSAPORTE PARA O AMOR O PASSAPORTE PARA O AMOR Dom Juan Michel ÍNDICE 01 A Lua e Eu 02 Um Lindo Amanhecer 03 A Aliança do Amor 04 A Flor dos Desejos 05 As Milhas do Amor 06 Quando o Amor Me Leva a Sonhar 07 O Vento Sopra Lá

Leia mais

SAUDAÇÃO À BANDEIRA NOVEMBRO/2008 A BANDEIRA DO BRASIL

SAUDAÇÃO À BANDEIRA NOVEMBRO/2008 A BANDEIRA DO BRASIL SAUDAÇÃO À BANDEIRA 2008 NOVEMBRO/2008 A BANDEIRA DO BRASIL Quando Dom Pedro I ergueu a espada E independência pediu O povo gritou com força E liberdade conseguiu. Foram feitas outras bandeiras Para o

Leia mais

REALISMO NATURALISMO EM PORTUGAL

REALISMO NATURALISMO EM PORTUGAL AULA 13 LITERATURA PROFª Edna Prado REALISMO NATURALISMO EM PORTUGAL Na aula de hoje falaremos sobre o Realismo português. Mas para começarmos é importante que você saiba o que é realismo. Veja: REAL+ISMO

Leia mais

Centenário do Nascimento de Raul de Leôni

Centenário do Nascimento de Raul de Leôni Centenário do Nascimento de Raul de Leôni José Costa Matos Este centenário do nascimento de Raul de Leôni Ramos acende, na minha devoção, essa luz mediterrânea que se desprende da sua poesia e necessariamente

Leia mais

a d o n i s Poemas Organização e tradução Michel Sleiman Apresentação Milton Hatoum

a d o n i s Poemas Organização e tradução Michel Sleiman Apresentação Milton Hatoum a d o n i s Poemas Organização e tradução Michel Sleiman Apresentação Milton Hatoum Copyright Adonis for the Arabic text Grafia atualizada segundo o Acordo Ortográfico da Língua Portuguesa de 1990, que

Leia mais

Lindo e Triste Brasil

Lindo e Triste Brasil SOCIEDADE MINEIRA DE CULTURA Mantenedora da PUC Minas e do COLÉGIO SANTA MARIA DATA: 07 / / 0 II AVALIAÇÃO ESPECIAL DE GEOGRAFIA 5.º ANO/EF UNIDADE: ALUNO(A): Nº: TURMA: PROFESSOR(A): VALOR: 0,0 MÉDIA:

Leia mais

SUPLEMENTO DE ATIVIDADES

SUPLEMENTO DE ATIVIDADES SUPLEMENTO DE ATIVIDADES NOME: N O : ESCOLA: SÉRIE: 1 Considerado um dos mais importantes escritores de todos os tempos, Edgar Allan Poe se inscreveu na história da literatura mundial com seu estilo inconfundível.

Leia mais

O Despertar da Cidadania

O Despertar da Cidadania O Despertar da Cidadania EDUCAÇÃO LINGUÍSTICA: PRÁTICAS EM PARCERIAS Nome: Isolda Regina Coitinho Araujo e Jailson Luiz Jablonski Título da unidade: O Despertar da Cidadania Ano escolar: 9º ano Objetivo:

Leia mais

A CONSTRUÇÃO DA IDENTIDADE BRASILEIRA EM IRACEMA E MACUNAÍMA

A CONSTRUÇÃO DA IDENTIDADE BRASILEIRA EM IRACEMA E MACUNAÍMA 1 A CONSTRUÇÃO DA IDENTIDADE BRASILEIRA EM IRACEMA E MACUNAÍMA Isaac Santos Cajé (UNIT) INTRODUÇÃO Os estudos recentes da literatura portuguesa alargaram as fontes, possibilitando um novo olhar para velhos

Leia mais

Cabra macho e cidadão do mundo

Cabra macho e cidadão do mundo Cabra macho e cidadão do mundo Uma poesia antilírica, dirigida ao intelecto, mais presa à realidade objetiva do poema enquanto criação; Cronologicamente pertence à geração de 45, mas dela se afasta pela

Leia mais

CONSTRUÇÃO DO EU LÍRICO E O RETRATO NA POETICA CECÍLIA MEIRELES

CONSTRUÇÃO DO EU LÍRICO E O RETRATO NA POETICA CECÍLIA MEIRELES CONSTRUÇÃO DO EU LÍRICO E O RETRATO NA POETICA CECÍLIA MEIRELES Silvia Eula Muñoz¹ RESUMO Neste artigo pretendo compartilhar os diversos estudos e pesquisas que realizei com orientação do Prof. Me. Erion

Leia mais

Desde sempre presente na nossa literatura, cantado por trovadores e poetas, é com Camões que o Amor é celebrado em todo o seu esplendor.

Desde sempre presente na nossa literatura, cantado por trovadores e poetas, é com Camões que o Amor é celebrado em todo o seu esplendor. Desde sempre presente na nossa literatura, cantado por trovadores e poetas, é com Camões que o Amor é celebrado em todo o seu esplendor. O Poeta canta o amor platónico, a saudade, o destino e a beleza

Leia mais

500 anos: O Brasil Colônia na TV

500 anos: O Brasil Colônia na TV 500 anos: O Brasil Colônia na TV Episódio 5: A Conquista da terra e da gente Resumo O episódio 5, A Conquista da terra e da gente, parte da série 500 anos: O Brasil Colônia na TV, apresenta o processo

Leia mais

Literatura. Literatura

Literatura. Literatura Literatura Escrever é esquecer. A literatura é a maneira mais agradável de ignorar a vida. A música embala, as artes visuais animam, as artes vivas entretêm. A primeira, porém, afasta-se da vida por fazer

Leia mais

TUDO POR AMOR. Tudo por amor, divinal, infinita graça, salvou a todos nós! Jesus cumpriu o plano de amor, seu sangue, seu sofrer Foi tudo por amor!

TUDO POR AMOR. Tudo por amor, divinal, infinita graça, salvou a todos nós! Jesus cumpriu o plano de amor, seu sangue, seu sofrer Foi tudo por amor! TUDO POR AMOR A dor, o espinho vil, as lágrimas, o seu sofrer, o meu Senhor na cruz está. Não posso suportar! O que o fez se entregar, pagar o preço lá na cruz? Como um cordeiro foi morrer pra vir me resgatar!

Leia mais

Colégio Nomelini Ensino Fundamental II LISTA Nº 04 9º ANO

Colégio Nomelini Ensino Fundamental II LISTA Nº 04 9º ANO Trazer a tarefa resolvida no dia: 22/03/2013 (Sexta-feira) Prof. Vanessa Matos Interpretação de textos LISTA Nº 04 9º ANO DESCRIÇÃO: A seleção de atividades é para a leitura e interpretação. Responda os

Leia mais

2ª Etapa: Propor a redação de um conto de mistério utilizando os recursos identificados na primeira etapa da atividade.

2ª Etapa: Propor a redação de um conto de mistério utilizando os recursos identificados na primeira etapa da atividade. DRÁCULA Introdução ao tema Certamente, muitas das histórias que atraem a atenção dos jovens leitores são as narrativas de terror e mistério. Monstros, fantasmas e outras criaturas sobrenaturais sempre

Leia mais

CD: Ao Sentir. Alencastro e Patrícia. 1- Ao Sentir Jairinho. Ao sentir o mundo ao meu redor. Nada vi que pudesse ser real

CD: Ao Sentir. Alencastro e Patrícia. 1- Ao Sentir Jairinho. Ao sentir o mundo ao meu redor. Nada vi que pudesse ser real Alencastro e Patrícia CD: Ao Sentir 1- Ao Sentir Jairinho Ao sentir o mundo ao meu redor Nada vi que pudesse ser real Percebi que todos buscam paz porém em vão Pois naquilo que procuram, não há solução,

Leia mais

Diverso é o mundo, e ainda bem.

Diverso é o mundo, e ainda bem. LPLB ME 2 O CONCURSO VESTIBULAR/2001 PÁG. 23 LPLB Questões de 51 a 63 Diverso é o mundo, e ainda bem. (Adaptado de TOLEDO, Roberto Pompeu de. Revista VEJA. São Paulo: Abril, 28 de março de 2001.) PÁG.

Leia mais

Unidade II Cultura: a pluralidade na expressão humana Aula 13.1 Conteúdo: Outras formas de narrar: o conto

Unidade II Cultura: a pluralidade na expressão humana Aula 13.1 Conteúdo: Outras formas de narrar: o conto 2 CONTEÚDO E HABILIDADES FORTALECENDO SABERES DESAFIO DO DIA Unidade II Cultura: a pluralidade na expressão humana Aula 13.1 Conteúdo: Outras formas de narrar: o conto 3 CONTEÚDO E HABILIDADES FORTALECENDO

Leia mais

CAMINHOS. Caminhos (Prov. 14:12) Paulo Cezar e Jayro T. Gonçalves

CAMINHOS. Caminhos (Prov. 14:12) Paulo Cezar e Jayro T. Gonçalves CAMINHOS Caminhos (Prov. 14:12) Paulo Cezar e Jayro T. Gonçalves Posso pensar nos meus planos Pros dias e anos que, enfim, Tenho que, neste mundo, Minha vida envolver Mas plenas paz não posso alcançar.

Leia mais

Aluno (a): n o. Professora: Turma: Sala: Colégio Cenecista Dr. José Ferreira

Aluno (a): n o. Professora: Turma: Sala: Colégio Cenecista Dr. José Ferreira Aluno (a): n o Professora: Turma: Sala: 2 o ano do Ensino Fundamental Colégio Cenecista Dr. José Ferreira 2015 1 Para você, o que é o poema? VERSOS E ESTROFES Poema é um texto organizado em versos e estrofes.

Leia mais

Consternação. Beija-me mais uma vez. Tudo e nada Eu quero Um dilema Em que vivo!

Consternação. Beija-me mais uma vez. Tudo e nada Eu quero Um dilema Em que vivo! Amor perfeito À noite, o mar desponta Nos teus olhos doces No teu corpo, O doce brilho do luar Mexe a brisa Em teus cabelos negros E nessas mãos Tão cheias de carinho Encontro esse amor perfeito Que tens

Leia mais

Quando for grande... QUERO SER PAI!

Quando for grande... QUERO SER PAI! Quando for grande... QUERO SER PAI! Ficha Técnica Autora Susana Teles Margarido Título Quando for grande...quero SER PAI! Ilustrações Joana Dias Paginação/Design Ana do Rego Oliveira Revisão Brites Araújo

Leia mais