EMPREENDEDORISMO NO AGRONEGÓCIO

Save this PDF as:
 WORD  PNG  TXT  JPG

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "EMPREENDEDORISMO NO AGRONEGÓCIO"

Transcrição

1 CURSO TÉCNICO EM PESCA 05 EMPREENDEDORISMO NO AGRONEGÓCIO Cadeia produtiva da pesca/aquicultura e Arranjos Produtivos Locais Soniamar Zschornack Rodrigues Saraiva

2 Governo Federal Ministério da Educação Projeto Gráfico Secretaria de Educação a Distância SEDIS EQUIPE SEDIS UNIVERSIDADE FEDERAL DO RIO GRANDE DO NORTE UFRN Coordenadora da Produção dos Materias Marta Maria Castanho Almeida Pernambuco Coordenador de Edição Ary Sergio Braga Olinisky Coordenadora de Revisão Giovana Paiva de Oliveira Design Gráfico Ivana Lima Diagramação Ivana Lima José Antônio Bezerra Júnior Mariana Araújo de Brito Vitor Gomes Pimentel Arte e ilustração Adauto Harley Carolina Costa Heinkel Huguenin Revisão Tipográfica Adriana Rodrigues Gomes Design Instrucional Janio Gustavo Barbosa Luciane Almeida Mascarenhas de Andrade Jeremias Alves A. Silva Margareth Pereira Dias Revisão de Linguagem Maria Aparecida da S. Fernandes Trindade Revisão das Normas da ABNT Verônica Pinheiro da Silva Adaptação para o Módulo Matemático Joacy Guilherme de Almeida Ferreira Filho Revisão Técnica Rosilene Alves de Paiva

3 rá e v ê c Vo... i u q a por D ando continuidade ao nosso conteúdo programático, nesta aula vamos aprofundar um pouco mais nosso entendimento sobre cadeias produtivas, mais especificamente, as cadeias produtivas da pesca/aquicultura. Vamos procurar entender porque é tão importante que cada um dos elos dessa cadeia esteja cumprindo o seu papel de forma adequada, identificando, ainda, oportunidades de atuação para o profissional técnico em aquicultura/pesca. Esta é a nossa última aula voltada para o aprendizado e discussão de conceitos teóricos, na qual teremos também a oportunidade de conhecer o conceito de Arranjos Produtivos Locais. E então, vamos começar? Identificar os diversos elos que compõem as cadeias produtivas da pesca/aquicultura. Objetivo Identificar oportunidades de atuação nas cadeias produtivas da pesca/aquicultura, de acordo com a realidade da sua região. Apresentar a sua própria definição para o conceito de arranjos produtivos locais. 1

4 Para começo de conversa... Na aula passada, entre outros assuntos, foi apresentado o conceito de Cadeias Produtivas, você lembra qual é? A cadeia de produção como conjunto de operações técnicas constitui a definição mais imediata e mais conhecida do conceito. Este enfoque consiste em descrever as operações de produção responsáveis pela transformação da matéria-prima em produto acabado ou semi-acabado. Segundo esta lógica, uma cadeia de produção apresenta-se como uma sucessão linear de operações técnicas de produção (BATALHA, 2001, p. 40). 2

5 Cadeia produtiva Para entender melhor esse conceito, vamos tentar identificar os principais elementos que compõem cada um dos elos dessa cadeia, utilizando como exemplo a cadeia produtiva da tilápia de cultivo. 1. organizações supridoras de insumos básicos : nesse item, estão inseridos todos os insumos necessários para que um produtor inicie a sua criação. Constituem os elos dessa cadeia: a instituição de pesquisa que estuda o melhoramento genético da espécie; o laboratório que fornece os alevinos; o fabricante de ração; a empresa que fornece os equipamentos e insumos necessários para o acompanhamento da qualidade da água nos viveiros; a empresa especializada no transporte dos alevinos e assim por diante. Esses componentes ou elos da cadeia produtiva também são identificados como à montante, ou seja, são operações realizadas antes de iniciar a atividade principal, que é o cultivo da tilápia as fazendas e agroindústrias com seus processos produtivos : nesse item, inserem-se as atividades de produção propriamente ditas, esse é o elo de referência na cadeia produtiva. É onde o produtor vai utilizar os insumos produzidos nas etapas anteriores e transformá-los em produto, ou seja, a combinação dos alevinos com a ração e a água monitorada nos viveiros, vai se transformar, pelo trabalho do produtor, em tilápias de 500g, prontas para a comercialização as unidades de comercialização atacadista e varejista e os consumidores finais : nesse item, estão inseridas as atividades também conhecidas como à jusante, ou seja, após a realização da atividade principal, ou de produção. Constituem os elos dessa cadeia: a empresa responsável pelo transporte dos peixes até os centros de distribuição; a distribuidora, que colocará o produto nos pontos de venda; o supermercado, responsável pela venda do produto ao consumidor final; a fábrica do gelo utilizado na conservação do produto e assim por diante. 3

6 Observe que todos esses elos estão conectados, de alguma forma, por fluxos de capital, materiais ou de informação. Assim, quando um dos elos deixa de cumprir seu papel, ele acaba influenciando outros. [...] uma cadeia de produção agroindustrial pode ser segmentada, de jusante a montante, em três macrossegmentos. Em muitos casos práticos, os limites dessa divisão não são facilmente identificáveis. Além disso, essa divisão pode variar muito segundo o tipo de produto e segundo o objetivo da análise. Os três macrossegmentos propostos são: a) Comercialização. Representa as empresas que estão em contato com o cliente final da cadeia de produção e que viabilizam o comércio e o consumo de produtos fi nais (supermercados, mercearias, restaurantes, cantinas, etc.). Podem ser incluídas nesse macrossegmento as empresas responsáveis somente pela logística de distribuição. b) Industrialização. Representa as fi rmas responsáveis pela transformação das matérias-primas em produtos fi nais destinados ao consumidor. O consumidor pode ser uma unidade familiar ou outra agroindústria. c) Produção de matérias-primas. Reúne as firmas que fornecem as matérias-primas para que outras empresas avancem no processo de produção do produto final (agricultura, pecuária, pesca, piscicultura, etc.) (BATALHA, 2001, p ). Para entender melhor esse processo, preste bastante atenção nas situações a seguir, em seguida, responda à atividade abaixo: Personagem 1 Alípio é um profissional da área de aquicultura que resolveu investir na produção de alevinos em sua propriedade. Hoje, Alípio possui um laboratório com boa infra-estrutura para reprodução e fornece alevinos de 5 espécies diferentes para mais de 30 produtores localizados na Região. Personagem 2 Matias é proprietário de uma casa de produtos agropecuários. Entre outros produtos, ele comercializa ração para peixes e outros animais. É o único representante das duas principais marcas de ração utilizadas pelos aquicultores da Região. Personagem 3 Alessandra é gerente de uma rede de supermercados que atende a Região, com filiais nos principais Municípios do Estado. Entre os produtos comercializados, os peixes de cultivo têm tido uma boa aceitação por parte dos consumidores, por isso Alessandra mantém contato direto com os produtores da Região, através da Associação dos Aquicultores da Região de Peixolândia. Personagem 4 Dona Josefa é proprietária de uma rede de restaurantes na Região, especializado em pratos à base de pescado. Também adquire os peixes de cultivo através da Associação. 4

7 Personagem 5 Fernando é recém-casado, gosta muito de pescado, mas sua jovem esposa não tem muita habilidade no preparo dos pratos. Por isso, pelo menos duas vezes ao mês eles costumam almoçar num dos restaurantes da Dona Josefa. Também costumam comprar, semanalmente, o peixe oriundo do cultivo, num dos supermercados do Município. Personagem 6 Você é um dos 30 produtores que fornece o pescado para supermercados e restaurantes, através da Associação. Praticando... 1 Todos os personagens descritos acima, inclusive você, estão inseridos, de alguma forma, na cadeia produtiva da aquicultura da região de Peixolândia, certo? Considerando apenas as informações descritas acima, o que você acha que aconteceria com os outros elos dessa cadeia se: 1. Matias resolvesse se aposentar, fechando a casa de produtos agropecuários? Quem seria afetado? E você, como produtor, faria o quê? 2. Alípio ganhasse na loteria e resolvesse abandonar a Região, repentinamente, sem deixar vestígios? Quem seria afetado? E você, como produtor, faria o quê? 3. Alessandra deixasse de negociar com a Associação, e a rede de supermercados passasse a importar o peixe de cultivo de outras Regiões por um valor mais baixo? Quem seria afetado? E você, como produtor, faria o quê? 5

8 4. E se Fernando, representando outras centenas de consumidores, resolvesse não comprar mais peixe fresco, passando a comprar apenas produtos processados (nuggets, filé de peixe empanado, etc.), fazendo com que o consumo caísse de 500 kg/ mês para menos de 80 kg/mês? Quem seria afetado? E você, como produtor, faria o quê? Nas situações acima, de forma bastante resumida, você pode perceber o quanto cada elo de uma mesma cadeia produtiva pode ser afetado por outros. Se tivéssemos, nesse mesmo exemplo, 5 diferentes fornecedores de ração, o fato de um dos fornecedores desistir do negócio não teria o mesmo impacto para o produtor, do que o que ocorreu por se tratar de um único fornecedor, não é mesmo? Por outro lado, se você desistisse do negócio, em meio a outros 30 produtores, isso poderia acontecer sem grandes prejuízos para os demais. Vejamos agora outro exemplo na área de pesca: para entender a forma como os diversos elos da cadeia interagem entre si, observemos o exemplo da cadeia produtiva de um determinado tipo de pescado, onde o pescador vende sua produção para um atravessador a preços muito baixos e, muitas vezes, em troca de financiamentos para adquirir materiais de pesca e/ou alimentos. Nesse caso, temos uma relação conflituosa em que o pescador, considerado o elo mais fraco da cadeia, não recebe o valor justo pelo seu trabalho em função de outro componente da cadeia, a quem interessa que o pescador receba cada vez menos pelo produto para que ele possa lucrar cada vez mais. Essa mesma interação entre os diversos elos da cadeia pode ocorrer também de forma cooperativa, como no exemplo em que o comerciante de pescado, ao receber um percentual pelo seu trabalho, procura vender o produto pelo melhor preço, o que aumentaria a sua renda e também a renda do pescador. É importante lembrar que essas relações não ocorrem de forma isolada, elas estão inseridas em diferentes ambientes, institucional e organizacional. Como ambiente institucional, temos as leis, os costumes, etc., que infl uenciam na forma como os diferentes elos da cadeia se relacionam. Como ambiente organizacional, no exemplo citado acima, temos as instituições responsáveis pelas políticas públicas, assistência técnica e fomento à produção, as organizações sociais, etc., que poderiam intervir de forma que o pescador, ou seja, o elo mais fraco da cadeia, pudesse vir a se fortalecer, através do acesso a informações técnicas e/ou financiamentos, entre outros. 6

9 E o empreendedor? Entender o funcionamento da cadeia produtiva na qual pretende atuar é de grande importância para o futuro empreendedor, uma vez que a sua atividade irá depender, em maior ou menor escala, do desempenho dos outros elos dessa cadeia. Vejamos mais um exemplo: Um empreendedor identifica uma excelente oportunidade de negócios, que é a transformação de resíduos da indústria do pescado em farinha de peixe para utilização no preparo de ração animal. Ele consegue o fi nanciamento para os equipamentos, ou seja, o ambiente organizacional lhe é favorável, também consegue uma licença de operação, já que o seu empreendimento pode ser considerado um econegócio, sendo que o ambiente institucional também lhe é favorável. Finalmente, ele está apto a assinar um contrato com uma fábrica de rações, que se compromete em comprar toda a sua produção. As projeções financeiras apontam para o sucesso do empreendimento, e o nosso empreendedor também domina a tecnologia necessária para a realização de todo o processo de produção. Ainda assim, ele resolve não investir nessa empresa, pois não conseguiu entrar em acordo com um dos elos da cadeia produtiva, o que pode inviabilizar seu empreendimento. E então, você consegue descobrir qual é? E então, você lembrou-se dos fornecedores de matéria-prima? Isso mesmo, no exemplo citado, as indústrias de pesca, embora não utilizem os resíduos, que são descartados no meio ambiente, se recusaram a assinar um contrato de fornecimento com o nosso empreendedor. Logo, se ele investir nesse negócio, a qualquer momento uma dessas empresas pode se recusar a fornecer a matéria-prima, podendo, ela própria, passar a investir no aproveitamento desses resíduos. E sem matéria-prima, o empreendimento não funciona, certo? Praticando... 2 No item autoavaliação, da nossa terceira aula, você foi convidado a pesquisar na Internet ou nos materiais disponíveis nas outras disciplinas do Curso, qual a situação atual do setor Pesqueiro/aquícola no cenário mundial, nacional e também na sua Região. De acordo com as informações obtidas, procure identificar, no espaço abaixo, exemplos de empresas/instituições/pessoas inseridas na cadeia produtiva da pesca e/ou aquicultura da sua Região. 7

10 a) organizações supridoras de insumos básicos (à montante): b) processos produtivos (atividade principal) c) unidades de comercialização atacadista e varejista e os consumidores fi nais Na aula passada, você também foi convidado a escolher o empreendimento no qual irá investir nas próximas aulas. Como primeiro passo nessa tarefa, você identificou uma oportunidade. Agora, procure localizar a oportunidade identificada de acordo com a sua posição na cadeia produtiva. Ou seja: ela faz parte da atividade principal, está à montante ou à jusante? Não esqueça. Um bom empreendedor nem sempre precisa criar um novo produto ou serviço, ele pode encontrar formas de fazer o mesmo produto/serviço de forma mais rápida, mais barata ou com melhor qualidade. O importante é que o seu produto/serviço possua um diferencial no mercado. Você também deve tomar o cuidado em escolher um produto ou serviço relativamente simples, uma vez que o objetivo maior é o aprendizado. Com exemplos mais simples você terá maior facilidade em acompanhar todas as aulas. E então? 8

11 O produto/serviço escolhido é : Muito bem! Ao concluir essa disciplina, esperamos contar com mais um exemplo de empreendedorismo de sucesso! Arranjos Produtivos Locais Bem, agora que já estamos familiarizados com termos como empreendedorismo ; agronegócio e cadeias produtivas, vamos aprender um novo conceito: você já ouviu falar em Arranjos Produtivos Locais? Arranjos Produtivos Locais são aglomerações territoriais de agentes econômicos, políticos e sociais com foco em um conjunto específico de atividades econômicas que apresentam vínculos mesmo que incipientes. Geralmente envolvem a participação e a interação de empresas que podem ser desde produtoras de bens e serviços finais até fornecedores de insumos e equipamentos, prestadoras de consultoria e serviços, comercializadoras, clientes, entre outros e suas variadas formas de representação e associação. Incluem também diversas outras instituições públicas e privadas voltadas para: formação e capacitação de recursos humanos, como escolas técnicas e universidades; pesquisa, desenvolvimento e engenharia; política, promoção e financiamento (BRITO; ALBAGLI, 2003, p. 3-4). E tudo começou com a globalização... Na nossa terceira aula, falamos sobre globalização e em como esse fenômeno tem afetado nossas vidas. Se considerarmos a Globalização como o resultado da integração cada vez maior entre mercados, meios de transporte e de comunicação, provocando uma interdependência comercial entre os países e interferindo nas suas diferentes culturas, alterando a forma como as pessoas se vestem, se divertem ou se alimentam; passemos a imaginar o papel e o poder das grandes empresas multinacionais, presentes, ao mesmo tempo, nos mais longínquos lugares. 9

12 Essas grandes empresas facilmente passam a dominar o mercado no segmento onde atuam, sendo favorecidas, entre outros fatores, pelo poder econômico e/ou domínio tecnológico. E as pequenas e médias empresas, qual será o seu papel num mundo globalizado? Como competir com a tecnologia e os preços da multinacionais? Foi para atender a essa preocupação que surgiram as redes de cooperação, entre as quais estão inseridos os Arranjos Produtivos Locais, focados na cooperação e associação entre as empresas. Essa cooperação ocorre através da união de conhecimentos, divisão de tarefas, compartilhamento de equipamentos, instalações e mão-de-obra, entre outros, trazendo muitas vantagens para essas empresas. Conforme descrito no conceito acima, são aglomerações territoriais, representadas por um conjunto de profi ssionais, empresas e instituições localizados num mesmo território, ou seja, guardando uma certa proximidade em relação ao espaço geográfico onde estão instalados.um exemplo na área da pesca poderia ser um Município ou comunidade onde existem pescadores, empresas de pesca, empresas de beneficiamento do pescado, agências de fomento, órgão de assistência técnica, exportadores, etc., de forma que a relação entre os mesmos seja cooperativa e não de competição, ou seja, todos cooperam entre si para que a atividade continue prosperando, o que faz desse Município ou comunidade uma referência quando se trata de produção pesqueira em um determinado Estado ou País. No Brasil, tem-se discutido e estudado as redes de pequenas e médias empresas, pois desempenham papel fundamental na economia brasileira. Uma dessas iniciativas é a Redesist, Uma rede de pesquisa interdisciplinar, formalizada desde 1997, sediada no Instituto de Economia da Universidade Federal do Rio de Janeiro e que conta com a participação de várias universidades e institutos de pesquisa no Brasil, além de manter parcerias com outras instituições da América Latina, Europa e Ásia. Para saber mais sobre esse assunto, você vai encontrar o endereço da Redesist na Internet, nas nossas sugestões para leitura. Hoje estamos concluindo a segunda Unidade de Conteúdo da nossa disciplina. A partir da próxima aula, passaremos a trabalhar com uma das principais ferramentas de planejamento utilizadas pelo empreendedor: a pesquisa de mercado, utilizando como exemplo o empreendimento que você escolheu. Para reforçar o aprendizado de hoje, juntando oportunidades na cadeia produtiva da pesca/aquicultura, empreendedorismo e arranjos produtivos locais, vamos voltar, na Autoavaliação, ao exemplo do empreendedor que desistiu de montar uma empresa de aproveitamento de resíduos industriais de pescado, porque não contava com a colaboração de outro elo da cadeia, que eram as indústrias de pescado, fornecedoras da principal matéria-prima utilizada na fabricação do seu produto. Por hoje é só, espero contar com você nas aulas seguintes. Não falte! 10

13 Leitura complementar REDE DE PESQUISA EM SISTEMAS E ARRANJOS PRODUTIVOS E INOVATIVOS LOCAIS RedeSist. Disponível em: < Acesso em: 8 jan Sobre Arranjos Produtivos Locais, visite a página da Redesist, na Internet, disponível no endereço anterior. E continue observando, no mundo real, detalhes da cadeia produtiva da pesca/ aquicultura no seu Município. Converse com as pessoas, identifique possíveis entraves e oportunidades. Quanto mais você se empenhar em conhecer a realidade do setor em que pretende atuar, melhor será o seu desempenho como profissional. Na aula de hoje, reapresentamos o conceito de cadeias produtivas através de exemplos específicos voltados para a área da pesca/aquicultura. Através desses exemplos, você pode identifi car, de forma concreta, os diversos elos que compõem essa cadeia, bem como fatores específi cos como a interdependência entre cada um deles, além da possível infl uência dos ambientes institucional e/ou organizacional. Mais uma vez, você foi chamado a escolher o produto e/ou serviço a partir do qual você acompanhará nossas próximas aulas, com foco nas ferramentas de planejamento utilizadas pelo empreendedor, após a apresentação de um novo conceito, o de Arranjos Produtivos Locais. Finalmente, fizemos mais uma retrospectiva acerca dos principais temas abordados em aulas anteriores, mais especifi camente sobre as diferentes formas de empreender. 11

14 Autoavaliação Utilizando o conceito de Arranjos Produtivos Locais, imagine uma situação ideal de colaboração entre os vários elos da cadeia produtiva apresentada acima. Como as empresas de pesca agiriam? O que o empreendedor poderia fazer para provocar uma mudança nas atitudes dessas empresas? Como os demais elos da cadeia poderiam participar? Pense um pouco e não esqueça de colocar sua resposta no espaço abaixo: As empresas poderiam O empreendedor O Governo A fábrica de ração 12

15 Referências BATALHA, Mário O. (Coord.). Gestão agroindustrial: GEPAI: Grupo de Estudos e Pesquisas Agroindustriais. 2. ed. São Paulo: Atlas, v 1. BRITO, J.; ALBAGLI, S. Glossário de arranjos e sistemas produtivos e inovativos locais. Rede de Pesquisa em Sistemas Produtivos e Inovativos Locais - REDESIST, Rio de Janeiro, REDE DE PESQUISA EM SISTEMAS E ARRANJOS PRODUTIVOS E INOVATIVOS LOCAIS RedeSist. Disponível em: < Acesso em: 8 jan SANDRONI, P. Novíssimo dicionário de economia. 11. ed. São Paulo: Best Seller, Anotações 13

16 Anotações 14

17 Anotações 15

18 Anotações 16

19

20

CURSO TÉCNICO EM OPERAÇÕES COMERCIAIS CONTABILIDADE. Sônia Maria de Araújo. Custos. Maria Selma da Costa Cabral

CURSO TÉCNICO EM OPERAÇÕES COMERCIAIS CONTABILIDADE. Sônia Maria de Araújo. Custos. Maria Selma da Costa Cabral CURSO TÉCNICO EM OPERAÇÕES COMERCIAIS 13 CONTABILIDADE Sônia Maria de Araújo Custos Maria Selma da Costa Cabral Governo Federal Ministério da Educação Projeto Gráfico Secretaria de Educação a Distância

Leia mais

CURSO TÉCNICO EM OPERAÇÕES COMERCIAIS CONTABILIDADE. Sônia Maria de Araújo. Conceito, Débito, Crédito e Saldo. Maria Selma da Costa Cabral

CURSO TÉCNICO EM OPERAÇÕES COMERCIAIS CONTABILIDADE. Sônia Maria de Araújo. Conceito, Débito, Crédito e Saldo. Maria Selma da Costa Cabral CURSO TÉCNICO EM OPERAÇÕES COMERCIAIS 05 CONTABILIDADE Sônia Maria de Araújo Conceito, Débito, Crédito e Saldo Maria Selma da Costa Cabral Governo Federal Ministério da Educação Projeto Gráfico Secretaria

Leia mais

CURSO TÉCNICO EM OPERAÇÕES COMERCIAIS CONTABILIDADE. Balancete de verificação. Sônia Maria de Araújo

CURSO TÉCNICO EM OPERAÇÕES COMERCIAIS CONTABILIDADE. Balancete de verificação. Sônia Maria de Araújo CURSO TÉCNICO EM OPERAÇÕES COMERCIAIS 09 CONTABILIDADE Balancete de verificação Sônia Maria de Araújo Governo Federal Ministério da Educação Projeto Gráfico Secretaria de Educação a Distância SEDIS EQUIPE

Leia mais

CURSO TÉCNICO EM OPERAÇÕES COMERCIAIS CONTABILIDADE. Sônia Maria de Araújo. Conceito e Formação do Patrimônio Inicial

CURSO TÉCNICO EM OPERAÇÕES COMERCIAIS CONTABILIDADE. Sônia Maria de Araújo. Conceito e Formação do Patrimônio Inicial CURSO TÉCNICO EM OPERAÇÕES COMERCIAIS 02 CONTABILIDADE Conceito e Formação do Patrimônio Inicial Sônia Maria de Araújo Governo Federal Ministério da Educação Projeto Gráfico Secretaria de Educação a Distância

Leia mais

CURSO TÉCNICO EM ADMINISTRAÇÃO. Contabilidade. Origem da Contabilidade. Sônia Maria de Araújo

CURSO TÉCNICO EM ADMINISTRAÇÃO. Contabilidade. Origem da Contabilidade. Sônia Maria de Araújo CURSO TÉCNICO EM ADMINISTRAÇÃO 01 Contabilidade Origem da Contabilidade Sônia Maria de Araújo Governo Federal Ministério da Educação Projeto Gráfico Secretaria de Educação a Distância SEDIS equipe sedis

Leia mais

CURSO TÉCNICO EM OPERAÇÕES COMERCIAIS CONTABILIDADE. Sônia Maria de Araújo Maria Selma da Costa Cabral. Operações com mercadorias / Preço de vendas

CURSO TÉCNICO EM OPERAÇÕES COMERCIAIS CONTABILIDADE. Sônia Maria de Araújo Maria Selma da Costa Cabral. Operações com mercadorias / Preço de vendas CURSO TÉCNICO EM OPERAÇÕES COMERCIAIS 14 CONTABILIDADE Operações com mercadorias / Preço de vendas Sônia Maria de Araújo Maria Selma da Costa Cabral Governo Federal Ministério da Educação Projeto Gráfico

Leia mais

CURSO TÉCNICO EM OPERAÇÕES COMERCIAIS CONTABILIDADE. Escrituração e o Método das Partidas Dobradas. Sônia Maria de Araújo

CURSO TÉCNICO EM OPERAÇÕES COMERCIAIS CONTABILIDADE. Escrituração e o Método das Partidas Dobradas. Sônia Maria de Araújo CURSO TÉCNICO EM OPERAÇÕES COMERCIAIS 08 CONTABILIDADE Escrituração e o Método das Partidas Dobradas Sônia Maria de Araújo Governo Federal Ministério da Educação Projeto Gráfico Secretaria de Educação

Leia mais

C U R S O T É C N I C O E M S E G U R A N Ç A D O T R A B A L H O. matemática. Juros Compostos. Elizabete Alves de Freitas

C U R S O T É C N I C O E M S E G U R A N Ç A D O T R A B A L H O. matemática. Juros Compostos. Elizabete Alves de Freitas C U R S O T É C N I C O E M S E G U R A N Ç A D O T R A B A L H O 10 matemática Juros Compostos Elizabete Alves de Freitas Governo Federal Ministério da Educação Projeto Gráfico Secretaria de Educação

Leia mais

FUNDAMENTOS E PRÁTICAS NA EAD

FUNDAMENTOS E PRÁTICAS NA EAD CURSO TÉCNICO EM SEGURANÇA DO TRABALHO 03 FUNDAMENTOS E PRÁTICAS NA EAD O que é Educação a Distância Artemilson Alves de Lima Governo Federal Ministério da Educação Projeto Gráfico Secretaria de Educação

Leia mais

Empreendedorismo no Agronegócio

Empreendedorismo no Agronegócio C U R S O T É C N I C O E M P E S C A 07 Empreendedorismo no Agronegócio Planejando uma Pesquisa de Mercado Soniamar Zschornack Rodrigues Saraiva Governo Federal Ministério da Educação Projeto Gráfico

Leia mais

CURSO TÉCNICO EM OPERAÇÕES COMERCIAIS CONTABILIDADE. Sônia Maria de Araújo. Classificação e função das contas

CURSO TÉCNICO EM OPERAÇÕES COMERCIAIS CONTABILIDADE. Sônia Maria de Araújo. Classificação e função das contas CURSO TÉCNICO EM OPERAÇÕES COMERCIAIS 06 CONTABILIDADE Classificação e função das contas Sônia Maria de Araújo Governo Federal Ministério da Educação Projeto Gráfico Secretaria de Educação a Distância

Leia mais

7 etapas para construir um Projeto Integrado de Negócios Sustentáveis de sucesso

7 etapas para construir um Projeto Integrado de Negócios Sustentáveis de sucesso 7 etapas para construir um Projeto Integrado de Negócios Sustentáveis de sucesso Saiba como colocar o PINS em prática no agronegócio e explore suas melhores opções de atuação em rede. Quando uma empresa

Leia mais

INFORMÁTICA I. BrOffi ce Writer Mala Direta e Etiqueta. Raimundo Nonato Camelo Parente

INFORMÁTICA I. BrOffi ce Writer Mala Direta e Etiqueta. Raimundo Nonato Camelo Parente C U R S O T É C N I C O E M O P E R A Ç Õ E S C O M E R C I A I S 13 INFORMÁTICA I BrOffi ce Writer Mala Direta e Etiqueta Raimundo Nonato Camelo Parente Governo Federal Ministério da Educação Projeto

Leia mais

EMPREENDEDORISMO NO AGRONEGÓCIO

EMPREENDEDORISMO NO AGRONEGÓCIO CURSO TÉCNICO EM PESCA 06 EMPREENDEDORISMO NO AGRONEGÓCIO Pesquisa de Mercado: o que é isso? Soniamar Zschornack Rodrigues Saraiva Governo Federal Ministério da Educação Projeto Gráfico Secretaria de Educação

Leia mais

CONTABILIDADE. Apuração e Contabilização de Lucro Bruto, Apuração e Contabilização das Provisões. Sônia Maria de Araújo Maria Selma da Costa Cabral

CONTABILIDADE. Apuração e Contabilização de Lucro Bruto, Apuração e Contabilização das Provisões. Sônia Maria de Araújo Maria Selma da Costa Cabral CURSO TÉCNICO EM OPERAÇÕES COMERCIAIS 12 CONTABILIDADE Apuração e Contabilização de Lucro Bruto, Apuração e Contabilização das Provisões Sônia Maria de Araújo Maria Selma da Costa Cabral Governo Federal

Leia mais

Empreendedorismo no Agronegócio

Empreendedorismo no Agronegócio CURSO TÉCNICO EM PESCA 09 Empreendedorismo no Agronegócio O que é Marketing? Soniamar Zschornack Rodrigues Saraiva Governo Federal Ministério da Educação Projeto Gráfico Secretaria de Educação a Distância

Leia mais

CONTABILIDADE. Atividades de lançamentos, razonetes e balancete. Sônia Maria de Araújo Maria Selma da Costa Cabral

CONTABILIDADE. Atividades de lançamentos, razonetes e balancete. Sônia Maria de Araújo Maria Selma da Costa Cabral CURSO TÉCNICO EM OPERAÇÕES COMERCIAIS 10 CONTABILIDADE Atividades de lançamentos, razonetes e balancete Sônia Maria de Araújo Maria Selma da Costa Cabral Governo Federal Ministério da Educação Projeto

Leia mais

Instrumentação para o Ensino de Geografia II DISCIPLINA. Um pouco mais sobre a Água. Autora. Sandra Kelly de Araújo. aula

Instrumentação para o Ensino de Geografia II DISCIPLINA. Um pouco mais sobre a Água. Autora. Sandra Kelly de Araújo. aula DISCIPLINA Instrumentação para o Ensino de Geografia II Um pouco mais sobre a Água Autora Sandra Kelly de Araújo aula 10 Governo Federal Presidente da República Luiz Inácio Lula da Silva Ministro da Educação

Leia mais

C U R S O T É C N I C O E M O P E R A Ç Õ E S C O M E R C I A I S INFORMÁTICA I. BrOffi ce Impress terceira parte. Raimundo Nonato Camelo Parente

C U R S O T É C N I C O E M O P E R A Ç Õ E S C O M E R C I A I S INFORMÁTICA I. BrOffi ce Impress terceira parte. Raimundo Nonato Camelo Parente C U R S O T É C N I C O E M O P E R A Ç Õ E S C O M E R C I A I S 08 INFORMÁTICA I BrOffi ce Impress terceira parte Raimundo Nonato Camelo Parente Governo Federal Ministério da Educação Projeto Gráfico

Leia mais

MANUAL OPERACIONAL PLANO DE DESENVOLVIMENTO PRELIMINAR PDP

MANUAL OPERACIONAL PLANO DE DESENVOLVIMENTO PRELIMINAR PDP MINISTÉRIO DO DESENVOLVIMENTO, INDÚSTRIA E COMÉRCIO EXTERIOR SECRETARIA DO DESENVOLVIMENTO DA PRODUÇÃO DEPARTAMENTO DE MICRO, PEQUENAS E MÉDIAS EMPRESAS MANUAL OPERACIONAL PLANO DE DESENVOLVIMENTO PRELIMINAR

Leia mais

matemática Taxa de porcentagem e outros tópicos de matemática financeira Elizabete Alves de Freitas

matemática Taxa de porcentagem e outros tópicos de matemática financeira Elizabete Alves de Freitas C U R S O T É C N I C O E M S E G U R A N Ç A D O T R A B A L H O 08 matemática Taxa de porcentagem e outros tópicos de matemática financeira Elizabete Alves de Freitas Governo Federal Ministério da Educação

Leia mais

Empreendorismo no Agronegócio

Empreendorismo no Agronegócio C U R S O T É C N I C O E M P E S C A 04 Empreendorismo no Agronegócio O que é Agronegócio? Soniamar Zschornack Rodrigues Saraiva Governo Federal Ministério da Educação Projeto Gráfico Secretaria de Educação

Leia mais

Orientações para elaborar um. Plano de Negócios

Orientações para elaborar um. Plano de Negócios Orientações para elaborar um Plano de Negócios Maio de 2010 www.nascente.cefetmg.br Página 1 Apresentação Este documento contém um roteiro básico de Plano de Negócios. O objetivo é permitir que o futuro

Leia mais

CURSO TÉCNICO EM OPERAÇÕES COMERCIAIS CONTABILIDADE. Sônia Maria de Araújo. Planos de Contas

CURSO TÉCNICO EM OPERAÇÕES COMERCIAIS CONTABILIDADE. Sônia Maria de Araújo. Planos de Contas CURSO TÉCNICO EM OPERAÇÕES COMERCIAIS 07 CONTABILIDADE Planos de Contas Sônia Maria de Araújo Governo Federal Ministério da Educação Projeto Gráfico Secretaria de Educação a Distância SEDIS EQUIPE SEDIS

Leia mais

Empreenda! 9ª Edição Roteiro de Apoio ao Plano de Negócios. Preparamos este roteiro para ajudá-lo (a) a desenvolver o seu Plano de Negócios.

Empreenda! 9ª Edição Roteiro de Apoio ao Plano de Negócios. Preparamos este roteiro para ajudá-lo (a) a desenvolver o seu Plano de Negócios. Empreenda! 9ª Edição Roteiro de Apoio ao Plano de Negócios Caro (a) aluno (a), Preparamos este roteiro para ajudá-lo (a) a desenvolver o seu Plano de Negócios. O Plano de Negócios deverá ter no máximo

Leia mais

C U R S O T É C N I C O E M S E G U R A N Ç A D O T R A B A L H O. matemática. Função: definição, domínio e imagem. Elizabete Alves de Freitas

C U R S O T É C N I C O E M S E G U R A N Ç A D O T R A B A L H O. matemática. Função: definição, domínio e imagem. Elizabete Alves de Freitas C U R S O T É C N I C O E M S E G U R A N Ç A D O T R A B A L H O 11 matemática Função: definição, domínio e imagem Elizabete Alves de Freitas Governo Federal Ministério da Educação Projeto Gráfico Secretaria

Leia mais

EMPREENDEDORISMO NO AGRONEGÓCIO

EMPREENDEDORISMO NO AGRONEGÓCIO CURSO TÉCNICO EM PESCA 13 EMPREENDEDORISMO NO AGRONEGÓCIO Elaborando um Plano de Negócios Soniamar Zschornack Rodrigues Saraiva Governo Federal Ministério da Educação Projeto Gráfico Secretaria de Educação

Leia mais

COOPERATIVISMO - ORGANIZAÇÃO SOCIAL COMO BASE DO DESNVOLVIMENTO SUSTENTÁVEL DA AGRICULTURA FAMILIAR Osvaldir Dalbello e Diane Franz EPAGRI, Paraná.

COOPERATIVISMO - ORGANIZAÇÃO SOCIAL COMO BASE DO DESNVOLVIMENTO SUSTENTÁVEL DA AGRICULTURA FAMILIAR Osvaldir Dalbello e Diane Franz EPAGRI, Paraná. COOPERATIVISMO - ORGANIZAÇÃO SOCIAL COMO BASE DO DESNVOLVIMENTO SUSTENTÁVEL DA AGRICULTURA FAMILIAR Osvaldir Dalbello e Diane Franz EPAGRI, Paraná. 1.Introdução A cooperação sempre existiu na história

Leia mais

UNOCHAPECÓ Programação Econômica e Financeira

UNOCHAPECÓ Programação Econômica e Financeira Estruturas de mercado UNOCHAPECÓ Programação Econômica e Financeira Texto para Discussão 1 De acordo com a natureza do mercado em que estão inseridas, as empresas deparam-se com decisões políticas diferentes,

Leia mais

C U R S O T É C N I C O E M S E G U R A N Ç A D O T R A B A L H O. matemática. Regra de três. Elizabete Alves de Freitas

C U R S O T É C N I C O E M S E G U R A N Ç A D O T R A B A L H O. matemática. Regra de três. Elizabete Alves de Freitas C U R S O T É C N I C O E M S E G U R A N Ç A D O T R A B A L H O 02 matemática Regra de três Elizabete Alves de Freitas Governo Federal Ministério da Educação Projeto Gráfico Secretaria de Educação a

Leia mais

8. AS EQUIPES VIRTUAIS PROMOVENDO VANTAGENS COMPETITIVAS NA BUNGE FERTILIZANTES S/A

8. AS EQUIPES VIRTUAIS PROMOVENDO VANTAGENS COMPETITIVAS NA BUNGE FERTILIZANTES S/A 8. AS EQUIPES VIRTUAIS PROMOVENDO VANTAGENS COMPETITIVAS NA BUNGE FERTILIZANTES S/A Adriane Hartman Fábio Gomes da Silva Dálcio Roberto dos Reis Luciano Scandelari 1 INTRODUÇÃO Este artigo pretende mostrar

Leia mais

Como escrever um estudo de caso que é um estudo de caso? Um estudo so é um quebra-cabeça que tem de ser resolvido. A primeira coisa a

Como escrever um estudo de caso que é um estudo de caso? Um estudo so é um quebra-cabeça que tem de ser resolvido. A primeira coisa a Página 1 1 Como escrever um Estudo de Caso O que é um estudo de caso? Um estudo de caso é um quebra-cabeça que tem de ser resolvido. A primeira coisa a lembre-se de escrever um estudo de caso é que o caso

Leia mais

O IMPACTO DO ENSINO DE EMPREENDEDORISMO NA GRADUAÇÃO DE ENGENHARIA : RESULTADOS E PERSPECTIVAS.

O IMPACTO DO ENSINO DE EMPREENDEDORISMO NA GRADUAÇÃO DE ENGENHARIA : RESULTADOS E PERSPECTIVAS. O IMPACTO DO ENSINO DE EMPREENDEDORISMO NA GRADUAÇÃO DE ENGENHARIA : RESULTADOS E PERSPECTIVAS. Fernando Toledo Ferraz - ferraz@cybernet.com.br Departamento de Engenharia de Produção Myriam Eugênia R.

Leia mais

QUER TER SUCESSO NOS NEGÓCIOS? CONFIRA NOSSAS DICAS!

QUER TER SUCESSO NOS NEGÓCIOS? CONFIRA NOSSAS DICAS! QUER TER SUCESSO NOS NEGÓCIOS? CONFIRA NOSSAS DICAS! 4 Introdução 5 Conheça seu público 5 Crie uma identidade para sua empresa 6 Construa um site responsivo 6 Seja direto, mas personalize o máximo possível

Leia mais

PROGRAMA DE EMPREENDEDORISMO 10ª e 11ª Classes

PROGRAMA DE EMPREENDEDORISMO 10ª e 11ª Classes república de angola ministério da educação PROGRAMA DE EMPREENDEDORISMO 10ª e 11ª Classes Formação de Professores do 1º Ciclo do Ensino Secundário FASE DE EXPERIMENTAÇÃO Ficha Técnica Título Programa de

Leia mais

Metroflex Telecom Brasil Internet Brasweb AMBIENTAÇÃO DE NOVOS COLABORADORES PARTE I

Metroflex Telecom Brasil Internet Brasweb AMBIENTAÇÃO DE NOVOS COLABORADORES PARTE I Metroflex Telecom Brasil Internet Brasweb AMBIENTAÇÃO DE NOVOS COLABORADORES PARTE I A Brasweb Internet foi criada em 1997, o surgimento da empresa aconteceu após um de seus sócios (Fernando Almeida) sofrer

Leia mais

O Papel dos Meios de Comunicação na Formação da Imagem Empresarial importância do Assessor de Imprensa neste processo 1

O Papel dos Meios de Comunicação na Formação da Imagem Empresarial importância do Assessor de Imprensa neste processo 1 O Papel dos Meios de Comunicação na Formação da Imagem Empresarial importância do Assessor de Imprensa neste processo 1 Evelyn Nascimento Bastos 2 Palavras-chaves: Meios de Comunicação; Imagem Empresarial;

Leia mais

BrOffice Calc Inserindo Funções

BrOffice Calc Inserindo Funções C U R S O T É C N I C O E M S E G U R A N Ç A D O T R A B A L H O 14 Informática BrOffice Calc Inserindo Funções Raimundo Nonato Camelo Parente Governo Federal Ministério da Educação Projeto Gráfico Secretaria

Leia mais

COMPONENTES DA ESTRUTURA DO PLANO DE NEGÓCIO

COMPONENTES DA ESTRUTURA DO PLANO DE NEGÓCIO COMPONENTES DA ESTRUTURA DO PLANO DE NEGÓCIO No Modelo de Plano de Negócio, disponível no seu ambiente do Concurso você terá um passo a passo para elaborar o seu Plano, bem como todo o conteúdo necessário

Leia mais

ATIVIDADES PRÁTICAS SUPERVISIONADAS

ATIVIDADES PRÁTICAS SUPERVISIONADAS ATIVIDADES PRÁTICAS SUPERVISIONADAS CST em Recursos Humanos 2ª Série Processos Gerenciais A atividade prática supervisionada (ATPS) é um procedimento metodológico de ensino-aprendizagem desenvolvido por

Leia mais

PLANO DE NEGÓCIO. EMPRESA (inserir logo) SET/14

PLANO DE NEGÓCIO. EMPRESA (inserir logo) SET/14 PLANO DE NEGÓCIO EMPRESA (inserir logo) SET/14 Índice 1 INTRODUÇÃO-Sumário Executivo 04 1.1 Identificação da Empresa 04 1.1.1 Histórico da empresa 04 1.1.2 Definição do modelo de negócio 05 1.1.3 Constituição

Leia mais

Sistema Agroindustrial

Sistema Agroindustrial Sistema Agroindustrial......... Prof. Adriano Alves Fernandes DCAB - Departamento de Ciências Agrárias e Biológicas CEUNES- Universidade Federal do Espírito Santo 1- Introdução Para o entendimento das

Leia mais

A técnica a serviço da aproximação com os doadores: Marketing de relacionamento nos Doutores da Alegria

A técnica a serviço da aproximação com os doadores: Marketing de relacionamento nos Doutores da Alegria Agentes Financiadores Notícias e atualidades sobre Agentes Financiadores nacionais e internacionais página inicial A técnica a serviço da aproximação com os doadores: Marketing de relacionamento nos Doutores

Leia mais

A experiência da Engenharia Clínica no Brasil

A experiência da Engenharia Clínica no Brasil Página 1 de 5 Sobre a Revista Ed 24 - fev 04 Home Medical Infocenter Med Atual Edição Atual Serviços Global Home Brasil Home Busca Mapa do Site Fale Conosco Edição Atual Edição Atual Matéria de Capa Artigo

Leia mais

Verificando a viabilidade do negócio

Verificando a viabilidade do negócio NEGÓCIO CERTO COMO CRIAR E ADMINISTRAR BEM SUA EMPRESA Verificando a viabilidade do negócio Manual Etapa 2/Parte 1 Bem-vindo! Olá, caro empreendedor! É um prazer ter você na Etapa 2 do Programa de Auto-Atendimento

Leia mais

O que a Postura Consultiva tem a ver com Você

O que a Postura Consultiva tem a ver com Você O que a Postura Consultiva tem a ver com Você Marcelo Egéa M* O que é postura consultiva Criar e sustentar uma marca é um trabalho que exige o máximo de todos na empresa. Alguns têm contato direto com

Leia mais

Plano de Negócios e Pesquisas de Mercado: Ninguém Vive Sem

Plano de Negócios e Pesquisas de Mercado: Ninguém Vive Sem Plano de Negócios e Pesquisas de Mercado: Ninguém Vive Sem Henrique Montserrat Fernandez Muitas pessoas, antes de abrir a empresa, já têm uma idéia do que ela produzirá. Mas será que é isso que os clientes

Leia mais

UM GUIA RÁPIDO ORIENTADO A RESULTADOS (vigência: 29 JUN 2009)

UM GUIA RÁPIDO ORIENTADO A RESULTADOS (vigência: 29 JUN 2009) GESTÃO DE PROCESSOS UM GUIA RÁPIDO ORIENTADO A RESULTADOS (vigência: 29 JUN 2009) 1. O QUE É PROCESSO? Processos têm sido considerados uma importante ferramenta de gestão, um instrumento capaz de aproximar

Leia mais

Desafios para a gestão escolar com o uso de novas tecnologias Mariluci Alves Martino

Desafios para a gestão escolar com o uso de novas tecnologias Mariluci Alves Martino Desafios para a gestão escolar com o uso de novas tecnologias Mariluci Alves Martino A escola e a gestão do conhecimento Entender as instituições educacionais pressupõe compreendê-las e colocá-las em relação

Leia mais

Resultados parciais das oficinas

Resultados parciais das oficinas Datum des Magazins Julho de 2013 ANÁLISE DE CONSTELAÇÃO Resultados parciais das oficinas ANÁLISE DE CONSTELAÇÃO no projeto Innovate O projeto INNOVATE trata-se de uma cooperação científica entre Alemanha

Leia mais

TÍTULO: RECRUTAMENTO E SELEÇÃO DE PESSOAS ESTUDO DE CASO NO RAMO VAREJISTA DE SUPERMERCADOS NA CIDADE DE SANTA ALBERTINA/SP

TÍTULO: RECRUTAMENTO E SELEÇÃO DE PESSOAS ESTUDO DE CASO NO RAMO VAREJISTA DE SUPERMERCADOS NA CIDADE DE SANTA ALBERTINA/SP TÍTULO: RECRUTAMENTO E SELEÇÃO DE PESSOAS ESTUDO DE CASO NO RAMO VAREJISTA DE SUPERMERCADOS NA CIDADE DE SANTA ALBERTINA/SP CATEGORIA: CONCLUÍDO ÁREA: CIÊNCIAS SOCIAIS APLICADAS SUBÁREA: ADMINISTRAÇÃO

Leia mais

Diretrizes para programas de leitura organizados por bibliotecas - algumas sugestões práticas

Diretrizes para programas de leitura organizados por bibliotecas - algumas sugestões práticas Diretrizes para programas de leitura organizados por bibliotecas - algumas sugestões práticas Introdução A Seção de Leitura da IFLA tem o prazer de apresentar algumas sugestões práticas para as bibliotecas

Leia mais

Estratégia de Desenvolvimento de Pessoas em Ação

Estratégia de Desenvolvimento de Pessoas em Ação Estratégia de Desenvolvimento de Pessoas em Ação Caros colegas, orienta o modo como nossa organização trabalha para selecionar, desenvolver, motivar e valorizar o bem mais importante da Bausch + Lomb nossas

Leia mais

GUIA DE BOAS PRÁTICAS

GUIA DE BOAS PRÁTICAS GUIA DE BOAS PRÁTICAS A RODADA DE NEGÓCIOS A RODADA DE NEGÓCIOS É UM EVENTO EMPRESARIAL ORGANIZADO PARA PROMOVER NEGÓCIOS E PARCERIAS. Em um mesmo local estão empresas convidadas com interesse em comprar,

Leia mais

Empreenda! 8ª Edição Roteiro de Apoio ao Plano de Negócios. Preparamos este roteiro para ajudá-lo(a) a desenvolver o seu Plano de Negócios.

Empreenda! 8ª Edição Roteiro de Apoio ao Plano de Negócios. Preparamos este roteiro para ajudá-lo(a) a desenvolver o seu Plano de Negócios. Empreenda! 8ª Edição Roteiro de Apoio ao Plano de Negócios Caro (a) aluno (a), Preparamos este roteiro para ajudá-lo(a) a desenvolver o seu Plano de Negócios. O Plano de Negócios deverá ter no máximo 20

Leia mais

O GERENTE DE PROJETOS

O GERENTE DE PROJETOS O GERENTE DE PROJETOS INTRODUÇÃO Autor: Danubio Borba, PMP Vamos discutir a importância das pessoas envolvidas em um projeto. São elas, e não os procedimentos ou técnicas, as peças fundamentais para se

Leia mais

FINANCIAMENTO DO DESENVOLVIMENTO

FINANCIAMENTO DO DESENVOLVIMENTO FINANCIAMENTO DO DESENVOLVIMENTO Apresentação Esse relatório trata do Financiamento do Desenvolvimento Regional formulado pelo Ministério da Integração Nacional-MI, como contribuição à reflexão do tema

Leia mais

As Organizações e a Teoria Organizacional

As Organizações e a Teoria Organizacional Página 1 de 6 As Organizações e a Teoria Organizacional Autora: Sara Fichman Raskin Este texto é totalmente baseado no primeiro capítulo do livro Organizational theory: text and cases, do autor Jones Gareth,

Leia mais

A APAE E A EDUCAÇÃO INCLUSIVA

A APAE E A EDUCAÇÃO INCLUSIVA A APAE E A EDUCAÇÃO INCLUSIVA - APRESENTAÇÃO 1- COMO SURGIU A IDÉIA DA EDUCAÇÃO INCLUSIVA? 2- O QUE SIGNIFICA INCLUSÃO ESCOLAR? 3- QUAIS AS LEIS QUE GARANTEM A EDUCAÇÃO INCLUSIVA? 4- O QUE É UMA ESCOLA

Leia mais

Micro-Química Produtos para Laboratórios Ltda.

Micro-Química Produtos para Laboratórios Ltda. Micro-Química Produtos para Laboratórios Ltda. Resumo Com a globalização e os avanços tecnológicos, as empresas estão operando num ambiente altamente competitivo e dinâmico. As organizações que quiserem

Leia mais

Assunto: Entrevista com a primeira dama de Porto Alegre Isabela Fogaça

Assunto: Entrevista com a primeira dama de Porto Alegre Isabela Fogaça Serviço de Rádio Escuta da Prefeitura de Porto Alegre Emissora: Rádio Guaíba Assunto: Entrevista com a primeira dama de Porto Alegre Isabela Fogaça Data: 07/03/2007 14:50 Programa: Guaíba Revista Apresentação:

Leia mais

ONG S E ASSOCIAÇÕES. Aproveite bem todas as dicas, fotos e textos deste guia, pois eles são muito importantes.

ONG S E ASSOCIAÇÕES. Aproveite bem todas as dicas, fotos e textos deste guia, pois eles são muito importantes. ONG S E ASSOCIAÇÕES PARA COMEÇAR Você tem vontade de participar mais do que acontece ao seu redor, dar uma força para resolver questões que fazem parte da rotina de certos grupos e comunidades e colocar

Leia mais

Prestação de contas de convênios: dever do gestor, direito da sociedade

Prestação de contas de convênios: dever do gestor, direito da sociedade Instituto Serzedello Corrêa Prestação de contas de convênios: dever do gestor, direito da sociedade Módulo 1 Noções básicas sobre convênios Março, 2012 Copyright 2012, Tribunal de Contas de União

Leia mais

Licenciatura em Espanhol

Licenciatura em Espanhol Licenciatura em Espanhol Rebeka Caroça Seixas Apresentação e Objetivos Estamos bem adiantados em nosso curso. Já falamos sobre o conceito de arte, conhecendo um pouco de cada linguagem artística. Hoje,

Leia mais

MANUAL DE ESTÁGIO CURRICULAR SUPERVISIONADO ADMINISTRAÇÃO

MANUAL DE ESTÁGIO CURRICULAR SUPERVISIONADO ADMINISTRAÇÃO MANUAL DE ESTÁGIO CURRICULAR SUPERVISIONADO ADMINISTRAÇÃO 1 SUMÁRIO Lista de Anexos... 3 1. APRESENTAÇÃO... 4 2. FUNDAMENTAÇÃO LEGAL... 5 3. DEFINIÇÕES... 5 4. OBJETIVOS... 6 5. PLANEJAMENTO E COMPETÊNCIAS...

Leia mais

Educação à Distância: Possibilidades e Desafios

Educação à Distância: Possibilidades e Desafios Educação à Distância: Possibilidades e Desafios Resumo André Alves Freitas Andressa Guimarães Melo Maxwell Sarmento de Carvalho Pollyanna de Sousa Silva Regiane Souza de Carvalho Samira Oliveira Os cursos

Leia mais

DICIONÁRIO DO EMPREENDEDOR. Tenha na ponta da língua os termos que não podem faltar no vocabulário de quem almeja alcançar o sucesso ESPECIAL

DICIONÁRIO DO EMPREENDEDOR. Tenha na ponta da língua os termos que não podem faltar no vocabulário de quem almeja alcançar o sucesso ESPECIAL DICIONÁRIO DO EMPREENDEDOR DICIONÁRIO DO EMPREENDEDOR Tenha na ponta da língua os termos que não podem faltar no vocabulário de quem almeja alcançar o sucesso 54 TEXTO MARIA BEATRIZ VACCARI ARTE IVAN VOLPE

Leia mais

1 POR QUE EMPRESA JÚNIOR?

1 POR QUE EMPRESA JÚNIOR? Título: SOLUÇÃO ESTATÍSTICA JÚNIOR- PRIMEIRA DO GÊNERO NO RJ Autores:Regina Serrão Lanzillotti - lanzillotti@uol.com.br Aline Moraes da Silva alineuerj@zipmail.com.br Anna Paula Leite de Mattos anna.mattos@zipmail.com.br

Leia mais

Prefácio. Julio Rezende Pai, empreendedor

Prefácio. Julio Rezende Pai, empreendedor Prefácio Nesse treinamento vou compartilhar o que os empresários do ramo de SEGURANÇA ELETRÔNICA não compartilham com ninguém, aliás, nenhum empresário quer contar o segredo de suas Empresas, Correto?

Leia mais

TERMO DE REFERÊNCIA CONTRATAÇÃO CONSULTOR

TERMO DE REFERÊNCIA CONTRATAÇÃO CONSULTOR TERMO DE REFERÊNCIA CONTRATAÇÃO CONSULTOR NOME DO PROJETO: PROJETO DE DESENVOLVIMENTO REGIONAL INTEGRADO E SUSTENTÁVEL PDRIS Nº ACORDO EMPRÉSTIMO: 8185-0/BR NÃO OBJEÇÃO - (TERMO DE REFERÊNCIA) Nº DO TDR:

Leia mais

PRODUÇÃO DE PEIXES EM TANQUES-REDE. Apresentação de Caso Cultivo de Tilápias em Paulo Afonso - BA

PRODUÇÃO DE PEIXES EM TANQUES-REDE. Apresentação de Caso Cultivo de Tilápias em Paulo Afonso - BA PRODUÇÃO DE PEIXES EM TANQUES-REDE Apresentação de Caso Cultivo de Tilápias em Paulo Afonso - BA Demanda do Governo do Estado Elaborar um PROGRAMA com oobjetivodeotimizar o uso dos recursos hídricos existentes

Leia mais

Google imagens. Gestão de pessoas II. Kirlla Cristhine Almeida Dornelas, Doutora em Psicologia Docente

Google imagens. Gestão de pessoas II. Kirlla Cristhine Almeida Dornelas, Doutora em Psicologia Docente Google imagens Missão, valores e visão na gestão Gestão de pessoas II Kirlla Cristhine Almeida Dornelas, Doutora em Psicologia Docente O gestor ESTRATÉGICO de pessoas ѱ O gestor de pessoas tem de utilizar

Leia mais

Carcinicultura. (Camarão de Água Doce) AQUICULTURA. José NAILTON Canuto e Silva Engenheiro de Pesca - IFES

Carcinicultura. (Camarão de Água Doce) AQUICULTURA. José NAILTON Canuto e Silva Engenheiro de Pesca - IFES Carcinicultura (Camarão de Água Doce) AQUICULTURA José NAILTON Canuto e Silva Engenheiro de Pesca - IFES Carcinicultura Carcinicultura O Camarão Espécie: Macrobrachium rosenbergii Popular: camarão da Malásia

Leia mais

Prof Ms Keilla Lopes Mestre em Administração pela UFBA Especialista em Gestão Empresarial pela UEFS Graduada em Administração pela UEFS

Prof Ms Keilla Lopes Mestre em Administração pela UFBA Especialista em Gestão Empresarial pela UEFS Graduada em Administração pela UEFS DISCIPLINA: Constituição de novos empreendimentos Aula 5 Assunto: Continuando O Plano de Negócios ( segundo o modelo do SEBRAE) Prof Ms Keilla Lopes Mestre em Administração pela UFBA Especialista em Gestão

Leia mais

Carta de Adesão à Iniciativa Empresarial e aos 10 Compromissos da Empresa com a Promoção da Igualdade Racial - 1

Carta de Adesão à Iniciativa Empresarial e aos 10 Compromissos da Empresa com a Promoção da Igualdade Racial - 1 Carta de Adesão à Iniciativa Empresarial pela Igualdade Racial e à sua agenda de trabalho expressa nos 10 Compromissos da Empresa com a Promoção da Igualdade Racial 1. Considerando que a promoção da igualdade

Leia mais

OS DESAFIOS LEGAIS NAS SOCIEDADES COOPERATIVAS DA AGRICULTURA FAMILIAR E ECONOMIA SOLIDARIA 1

OS DESAFIOS LEGAIS NAS SOCIEDADES COOPERATIVAS DA AGRICULTURA FAMILIAR E ECONOMIA SOLIDARIA 1 1 OS DESAFIOS LEGAIS NAS SOCIEDADES COOPERATIVAS DA AGRICULTURA FAMILIAR E ECONOMIA SOLIDARIA 1 Adilson Francelino Alves 2 ; Luiz Cláudio Borille 3 ; Ivone Belon Lucas 2 Área: Direito Cooperativo Resumo:

Leia mais

Exclusivo: Secretária de Gestão do MPOG fala sobre expectativas do Governo Dilma

Exclusivo: Secretária de Gestão do MPOG fala sobre expectativas do Governo Dilma Exclusivo: Secretária de Gestão do MPOG fala sobre expectativas do Governo Dilma Entrevista, Ministério do Planejamento domingo, 6 de novembro de 2011 Carlos Bafutto O SOS Concurseiro discutiu, com exclusividade,

Leia mais

O PAPEL EMPREENDEDOR NO SISTEMA DE GESTÃO DA QUALIDADE * PALAVRAS-CHAVE: Sistema de Gestão da Qualidade. Representante da Diretoria. ISO 9001.

O PAPEL EMPREENDEDOR NO SISTEMA DE GESTÃO DA QUALIDADE * PALAVRAS-CHAVE: Sistema de Gestão da Qualidade. Representante da Diretoria. ISO 9001. O PAPEL EMPREENDEDOR NO SISTEMA DE GESTÃO DA QUALIDADE * Adalberto Luiz de Souza ** RESUMO: Este texto tem por finalidade descrever o papel do representante da direção, referente ao atendimento de requisito

Leia mais

PROGRAMA INSTITUCIONAL DE BOLSA DE INICIAÇÃO À DOCÊNCIA (PIBID): UMA AVALIAÇÃO DA ESCOLA SOBRE SUAS CONTRIBUIÇÕES

PROGRAMA INSTITUCIONAL DE BOLSA DE INICIAÇÃO À DOCÊNCIA (PIBID): UMA AVALIAÇÃO DA ESCOLA SOBRE SUAS CONTRIBUIÇÕES PROGRAMA INSTITUCIONAL DE BOLSA DE INICIAÇÃO À DOCÊNCIA (PIBID): UMA AVALIAÇÃO DA ESCOLA SOBRE SUAS CONTRIBUIÇÕES Silva.A.A.S. Acadêmica do curso de Pedagogia (UVA), Bolsista do PIBID. Resumo: O trabalho

Leia mais

META Explicar a importância da análise dos impactos socioculturais advindos do desenvolvimento da prática turística.

META Explicar a importância da análise dos impactos socioculturais advindos do desenvolvimento da prática turística. OS IMPACTOS SOCIOCULTURAIS VERSUS PRÁTICA TURÍSTICA META Explicar a importância da análise dos impactos socioculturais advindos do desenvolvimento da prática turística. OBJETIVOS Ao fi nal desta aula,

Leia mais

Introdução. Gerência de Projetos de Software. Sumário. Sistemas de Informação para Processos Produtivos

Introdução. Gerência de Projetos de Software. Sumário. Sistemas de Informação para Processos Produtivos Sumário Sistemas de Informação para Processos Produtivos 1. Gerência de 2. Agentes principais e seus papéis 3. Ciclo de vida do gerenciamento de projetos M. Sc. Luiz Alberto lasf.bel@gmail.com Módulo 6

Leia mais

O PAPEL DESEMPENHADO PELO PROGRAMA LEXT-OESSTE E SUAS CONTRIBUIÇÕES PARA A FORMAÇÃO E PARA O EXERCÍCIO PROFISSIONAL

O PAPEL DESEMPENHADO PELO PROGRAMA LEXT-OESSTE E SUAS CONTRIBUIÇÕES PARA A FORMAÇÃO E PARA O EXERCÍCIO PROFISSIONAL O PAPEL DESEMPENHADO PELO PROGRAMA LEXT-OESSTE E SUAS CONTRIBUIÇÕES PARA A FORMAÇÃO E PARA O EXERCÍCIO PROFISSIONAL Larissa dos Santos Gomes Resumo O presente artigo refere-se ao trabalho de conclusão

Leia mais

EMPREENDEDORISMO NO AGRONEGÓCIO

EMPREENDEDORISMO NO AGRONEGÓCIO CURSO TÉCNICO EM PESCA 14 EMPREENDEDORISMO NO AGRONEGÓCIO Elaborando um Plano de Negócios: O plano financeiro Soniamar Zschornack Rodrigues Saraiva Governo Federal Ministério da Educação Projeto Gráfico

Leia mais

C U R S O T É C N I C O E M S E G U R A N Ç A D O T R A B A L H O. matemática. Moeda, câmbio e conversões monetárias. Elizabete Alves de Freitas

C U R S O T É C N I C O E M S E G U R A N Ç A D O T R A B A L H O. matemática. Moeda, câmbio e conversões monetárias. Elizabete Alves de Freitas C U R S O T É C N I C O E M S E G U R A N Ç A D O T R A B A L H O 07 matemática Moeda, câmbio e conversões monetárias Elizabete Alves de Freitas Governo Federal Ministério da Educação Projeto Gráfico Secretaria

Leia mais

Centro Acadêmico Paulo Freire - CAPed Maceió - Alagoas - Brasil ISSN: 1981-3031

Centro Acadêmico Paulo Freire - CAPed Maceió - Alagoas - Brasil ISSN: 1981-3031 COORDENADOR PEDAGÓGICO E SUA IMPORTÂNCIA NO PROCESSO DE ENSINO-APRENDIZAGEM Polyana Marques Lima Rodrigues 1 poly90lima@hotmail.com Willams dos Santos Rodrigues Lima 2 willams.rodrigues@hotmail.com RESUMO

Leia mais

Guia Rápido de. Empreendedorismo. Guia Rápido de. Empreendedorismo. Ipiranga. Ipiranga

Guia Rápido de. Empreendedorismo. Guia Rápido de. Empreendedorismo. Ipiranga. Ipiranga Guia Rápido de 1 O Guia Rápido de da FATEC foi desenvolvido como parte integrante das atividades da V Semana de Tecnologia da FATEC. Participaram da sua elaboração os alunos do 5º semestre do curso de

Leia mais

30/09/2008. Entrevista do Presidente da República

30/09/2008. Entrevista do Presidente da República Entrevista coletiva concedida pelo Presidente da República, Luiz Inácio Lula da Silva, em conjunto com o presidente da Venezuela, Hugo Chávez, com perguntas respondidas pelo presidente Lula Manaus-AM,

Leia mais

ATIVIDADES PRÁTICAS SUPERVISIONADAS

ATIVIDADES PRÁTICAS SUPERVISIONADAS ATIVIDADES PRÁTICAS SUPERVISIONADAS CST em Gestão da Tecnologia da Informação 1ª. Série Estratégia em Tecnologia da Informação A Atividade Prática Supervisionada (ATPS) é um procedimento metodológico de

Leia mais

COMPETITIVIDADE EM PECUÁRIA DE CORTE

COMPETITIVIDADE EM PECUÁRIA DE CORTE ARTIGOS TÉCNICOS 04/2006 Júlio Otávio Jardim Barcellos Médico Veterinário, D.Sc - Zootecnia Professor Adjunto Depto Zootecnia UFRGS julio.barcellos@ufrgs.br Guilherme Cunha Malafaia Aluno do Curso de Pós

Leia mais

UNIDADE 3 Identificação de oportunidades

UNIDADE 3 Identificação de oportunidades UNIDADE 3 Identificação de oportunidades Provavelmente seja um dos maiores mitos sobre as novas idéias para negócios: a idéia deve ser única. Na realidade pouco importa se a idéia é única ou não, o que

Leia mais

Capítulo 3. Focalizando o novo negócio

Capítulo 3. Focalizando o novo negócio O QUE É UMA EMPRESA? De acordo com Santos (1982), a empresa é comumente definida pelos economistas como uma unidade básica do sistema econômico, cuja principal função é produzir bens e serviços. Os objetivos

Leia mais

SERVIÇO PÚBLICO FEDERAL MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO INSTITUTO FEDERAL DE EDUCAÇÃO, CIÊNCIA E TECNOLOGIA FARROUPILHA PRÓ-REITORIA DE EXTENSÃO

SERVIÇO PÚBLICO FEDERAL MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO INSTITUTO FEDERAL DE EDUCAÇÃO, CIÊNCIA E TECNOLOGIA FARROUPILHA PRÓ-REITORIA DE EXTENSÃO SERVIÇO PÚBLICO FEDERAL MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO INSTITUTO FEDERAL DE EDUCAÇÃO, CIÊNCIA E TECNOLOGIA FARROUPILHA PRÓ-REITORIA DE EXTENSÃO ANEXO I. PROJETO DE CURTA DURAÇÃO 1. IDENTIFICAÇÃO 1.1 Título do

Leia mais

Psicologia da Educação D I S C I P L I N A. A família. Autora. Vera Lúcia do Amaral. aula

Psicologia da Educação D I S C I P L I N A. A família. Autora. Vera Lúcia do Amaral. aula D I S C I P L I N A Psicologia da Educação A família Autora Vera Lúcia do Amaral aula 11 Governo Federal Presidente da República Luiz Inácio Lula da Silva Ministro da Educação Fernando Haddad Secretário

Leia mais

MODELO 1 PARA SELEÇÃO DE PROPOSTAS DE ARRANJOS PRODUTIVOS LOCAIS

MODELO 1 PARA SELEÇÃO DE PROPOSTAS DE ARRANJOS PRODUTIVOS LOCAIS ANEXO 1 MODELO 1 PARA SELEÇÃO DE PROPOSTAS DE ARRANJOS PRODUTIVOS LOCAIS Este documento serve como base orientadora para a apresentação de propostas de Arranjos Produtivos Locais para enquadramento no

Leia mais

MANUAL DE INTEGRAÇÃO - DIRETORIA Edição 1 Balneário Camboriú, novembro de 2014.

MANUAL DE INTEGRAÇÃO - DIRETORIA Edição 1 Balneário Camboriú, novembro de 2014. MANUAL DE INTEGRAÇÃO - DIRETORIA Edição 1 Balneário Camboriú, novembro de 2014. OBJETIVO O presente manual se destina a orientar a diretoria da ACIBALC, quanto à administração de suas pastas, o gerenciamento

Leia mais

PROGRAMA INSTITUCIONAL DE BOLSAS DE INICIAÇÃO À DOCÊNCIA PIBID ESPANHOL

PROGRAMA INSTITUCIONAL DE BOLSAS DE INICIAÇÃO À DOCÊNCIA PIBID ESPANHOL PROGRAMA INSTITUCIONAL DE BOLSAS DE INICIAÇÃO À DOCÊNCIA PIBID ESPANHOL A língua espanhola na Educação Básica A implantação da língua espanhola por meio da lei federal 11.161, que diz respeito à sua oferta

Leia mais

O guia do profissional de Recursos Humanos. Como melhorar o desenvolvimento da equipe

O guia do profissional de Recursos Humanos. Como melhorar o desenvolvimento da equipe O guia do profissional de Recursos Humanos Como melhorar o desenvolvimento da equipe 1 Introdução 03 Conhecendo as dores do seu time 05 Investir nos colaboradores! 08 Estabelecendo metas 11 A meditação

Leia mais

QUALIDADE NO ATENDIMENTO E GRAU DE SATISFAÇÃO ATRIBUÍDO PELO CONSUMIDOR AO COMÉRCIO VAREJISTA DE TRÊS LAGOAS/MS

QUALIDADE NO ATENDIMENTO E GRAU DE SATISFAÇÃO ATRIBUÍDO PELO CONSUMIDOR AO COMÉRCIO VAREJISTA DE TRÊS LAGOAS/MS 1 QUALIDADE NO ATENDIMENTO E GRAU DE SATISFAÇÃO ATRIBUÍDO PELO CONSUMIDOR AO COMÉRCIO VAREJISTA DE TRÊS LAGOAS/MS Elisângela de Aguiar Alcalde (Docente MSc. das Faculdades Integradas de Três Lagoas-AEMS)

Leia mais

Marketing Básico Capítulo II. O Composto de Marketing Os 4 P s

Marketing Básico Capítulo II. O Composto de Marketing Os 4 P s Marketing Básico Capítulo II O Composto de Marketing Os 4 P s O Produto Podemos definir produto como sendo o ator principal da relação de troca, onde o mesmo deve resultar como amplamente satisfatório

Leia mais

Porvir, programa do Instituto Inspirare, lança guia temático Tecnologia na Educação

Porvir, programa do Instituto Inspirare, lança guia temático Tecnologia na Educação Porvir, programa do Instituto Inspirare, lança guia temático Tecnologia na Educação ü Em cinco capítulos, o guia Tecnologia na Educação aborda a importância da tecnologia para a educação; os principais

Leia mais