A EDUCAÇÃO ALIMENTAR E NUTRICIONAL NO ESPAÇO ESCOLAR: SABER, SABOR E SAÚDE

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "A EDUCAÇÃO ALIMENTAR E NUTRICIONAL NO ESPAÇO ESCOLAR: SABER, SABOR E SAÚDE"

Transcrição

1 UNIJUÍ UNIVERSIDADE REGIONAL DO NOROESTE DO ESTADO DO RIO GRANDE DO SUL PROGRAMA DE PÓS-GRADUAÇÃO STRICTO SENSU EM EDUCAÇÃO NAS CIÊNCIAS ROSEMERI AQUILLA A EDUCAÇÃO ALIMENTAR E NUTRICIONAL NO ESPAÇO ESCOLAR: SABER, SABOR E SAÚDE Ijuí (RS) 2011

2 1 ROSEMERI AQUILLA A EDUCAÇÃO ALIMENTAR E NUTRICIONAL NO ESPAÇO ESCOLAR: SABER, SABOR E SAÚDE Dissertação apresentada ao Programa de Pós- Graduação Stricto Sensu em Educação nas Ciências Mestrado, da Universidade Regional do Noroeste do Estado do Rio Grande do Sul (UNIJUÍ), como requisito parcial para a obtenção do título de Mestre em Educação nas Ciências. Orientador: Doutor José Pedro Boufleuer Ijuí (RS), 2011

3 2 A concepção de conhecimento não só incide e se reflete em tudo o que se ensina e se aprende (que poderíamos chamar de conhecimento na educação), mas também em tudo o que intervém como fundamentação, organização e orientação desse ensinar e aprender, ou dessa prática educativa (que distinguiríamos como conhecimento da educação). (BOUFLEUER, 2001, p. 71).

4 3 AGRADECIMENTOS Agradeço a Deus, fonte de minha inspiração, que me acalentou em todos os momentos difíceis. Acredito, confiante nele, que esta obra, resultado de tanto esforço, trará benefícios a todos que a lerem, será instrumento de propagação da tão importante Educação Alimentar, e proporcionará uma vida mais saudável e isenta de patologias às realidades escolares que a instituírem. A todos os pesquisadores e estudiosos com quem busquei aprender e interagir segundo seus saberes, os quais me inspiraram por contribuir e acreditar em uma Educação inovadora, todos citados no final deste estudo. Ao meu orientador José Pedro Boufleuer, a quem admiro pela sua trajetória na Educação. Muito obrigada por compartilhar comigo seus saberes, sempre com paciência e dedicação, disposto a ouvir, ajudar e interagir no resultado desta produção. Também, pela competência em sinalizar os melhores caminhos a seguir, pela confiança depositada que me estimulou a investigar um tema pouco estudado e pela oportunidade de saborear os resultados deste trabalho, incentivando ainda mais minha paixão pelo estudo da Educação Alimentar. À prefeitura de Catuípe/RS, pelo apoio e pela compreensão quanto à importância desta pesquisa para o avanço da Educação Alimentar em nossas escolas e em nossa comunidade. Aos membros da comunidade escolar de Horizontina e Pinheirinho do Vale/RS, por proporcionarem uma gama de informações valiosas para a realização e construção deste estudo. À minha família que esteve em todos os momentos me incentivando, em especial à minha mãe e ao meu esposo. Enfim, agradeço a todos que de alguma forma me auxiliaram na produção desta articulação entre educação e nutrição, na promoção de uma vida saudável e na formação de saberes e seres.

5 4 RESUMO A dissertação assume o pressuposto de que a escola, enquanto espaço de formação humana, pode também desenvolver uma prática de Educação Alimentar. Após a apresentação da questão da Segurança e Insegurança Alimentar e Nutricional, a pesquisa aborda aspectos relativos à legislação sobre o assunto e às influências da mídia no consumo alimentar. Em seguida é traçado o histórico do Programa Nacional de Alimentação Escolar e se discutem questões relativas à Educação Alimentar a partir das potencialidades pedagógicas da hora da merenda. Tendo como referência essas tematizações, a pesquisa apresenta e discorre sobre dois modelos gaúchos de gestão escolar que realizam práticas pedagógicas inovadoras relacionadas à Alimentação Escolar, que são os modelos adotados nos municípios de Horizontina e Pinheirinho do Vale, ambos localizados no Estado do Rio Grande do Sul. A busca de dados ocorreu em escolas de Educação Infantil, de Ensino Fundamental e de Educação Especial desses municípios, em que foi entrevistada parte da comunidade escolar (pais, professores, conselheiros da alimentação escolar, merendeiras, nutricionistas), perfazendo um total de 41 pessoas. Nesses espaços pesquisados a Educação Alimentar aparece em atividades práticas como o cultivo de horta escolar, encenações teatrais, contação de histórias, oficinas de culinária, dentre outras. Dentre os projetos pedagógicos das escolas se destacam os da merenda pedagógica, da avaliação nutricional e o da capacitação da comunidade escolar para a boa alimentação. Como contribuição deste estudo tem-se a demonstração de que resultados positivos no âmbito da educação alimentar requerem planejamento das escolas sobre o tema, programa adequado de aquisição de alimentos, alimentos, supervisão e orientações adequadas e estabelecimento de vínculos entre a cultura familiar e as ações de formação no âmbito da escola. Por fim, constata-se a importância de que qualquer atividade prática de educação alimentar seja acompanhada de uma explicitação das razões de uma alimentação saudável. Palavras-chave: Educação para a saúde. Educação alimentar e nutricional. Alimentação escolar. Formação humana.

6 5 ABSTRACT The dissertation takes the assumption that the school as an area of human development, can also develop a practice of Nutrition Education. After the presentation the issue of Security and Insecurity Nutrition and Food research addresses aspects of the legislation on the subject and media influences on food intake. It is then traced the history of the National School Feeding and raising questions regarding Nutrition Education from the educational potential of the lunch hour. With reference thematizations these, the study presents and discusses two models of school management gauchos who perform teaching practices related to school feeding, which are the models adopted in the municipalities of Horizontina and Pinheirinho do Vale, both located in Rio Grande do South The search data occurred in preschools, elementary schools and municipalities of Special Education, who was interviewed on the part of the school community (parents, teachers, counselors, school meals, cooks, nutritionists), a total of 41 people. In these spaces surveyed Food Education appears in practical activities such as growing school garden, theatrical performances, storytelling, cooking workshops, among others. Among the educational projects in schools to highlight the teaching of meals, nutritional assessment and training of the school community for good food. As a contribution of this study is to demonstrate that positive results in the context of nutrition education in schools requires planning on the subject, an appropriate program to buy food, adequate supervision and guidance and establishment of links between the family culture and training initiatives within the school. Finally, there is the importance of practical activity that any food education is accompanied by an explanation of the reasons for a healthy diet. Keywords: Health education. Food and nutrition education. School feeding. Human Formation.

7 6 LISTA DE FIGURAS Figura 1: Total de participantes da pesquisa por faixa etária no município de Horizontina, RS Figura 2: Total de participantes da pesquisa por faixa etária no município de Pinheirinho do Vale, RS Figura 3: Total da comunidade escolar de Horizontina, participante da pesquisa, por segmento/ Figura 4: Total da comunidade escolar de Pinheirinho do Vale, participante da pesquisa, por segmento/ Figura 5: Aula em que os alunos preparam a bolacha caseira aprendendo as letras do alfabeto, Horizontina/RS Figura 6: Cultivo da horta escolar nas escolas de Pinheirinho do Vale/RS Figura 7: Exemplo de Merenda Pedagógica e sistema em que os alunos se servem nas escolas de Horizontina/RS Figura 8: Exemplo da avaliação nutricional que é realizada nas escolas de Pinheirinho do Vale/RS Figura 9: Cultivo da horta escolar por alunos de Horizontina/RS Figura 10: Capacitação com um especialista sobre preparação da merenda pedagógica em que estão participando merendeiras Figura 11: Capacitação sobre produção de alimentos saudáveis em que estão participando merendeiras e pais... 80

8 7 LISTA DE MAPAS Mapa 1: Mapa 2: Mapa 3: Mapa 4: Mapa 5: O que é Educação Alimentar para os professores de Horizontina, RS? O que é Educação Alimentar para os professores de Pinheirinho do Vale, RS? O que é Educação Alimentar para os que trabalham diretamente com a alimentação escolar e o Comales, de Horizontina, RS? O que é Educação Alimentar para os que trabalham diretamente com alimentação escolar e o Comales, de Pinheirinho do Vale, RS?. 68 O que é Educação Alimentar para os pais de Pinheirinho do Vale, RS?... 68

9 8 LISTA DE ABREVIATURAS E SIGLAS APAE Associação dos Pais e Amigos dos Excepcionais CAE Conselho de Alimentação Escolar COMALES Conselho Municipal de Alimentação Escolar CNA Comissão Nacional de Alimentação CONSEA Conselho de Segurança Alimentar e Nutricional DHAA Direito Humano à Alimentação Adequada. EAN Educação Alimentar e Nutricional EJA Educação de Jovens e Adultos EMATER Empresa de Assistência Técnica e Extensão Rural FAE Fundação de Assistência ao Estudante FAO Organização das Nações Unidas para Agricultura e Alimentação FIAN Rede de Ação e Informação pelo Direito a se Alimentar FNDE Fundo Nacional de Desenvolvimento da Educação LDB Lei de Diretrizes e Bases da Educação Nacional LOSAN Lei Orgânica de Segurança Alimentar e Nutricional MEC Ministério da Educação e Cultura OMS Organização Mundial da Saúde PCNs Parâmetros Curriculares Nacionais PNAE Programa Nacional de Alimentação Escolar PNAN Política Nacional de Alimentação e Nutrição PNAD Pesquisa Nacional por Amostra de Domicílios PNDS Pesquisa Nacional de Demografia e Saúde POF Pesquisa de Orçamentos Familiares SA Segurança Alimentar SENAR Serviço Nacional de Aprendizagem Rural SISAN Sistema Nacional de Segurança Alimentar e Nutricional SMEC Secretaria Municipal de Educação e Cultura SUS Sistema Único de Saúde

10 9 SUMÁRIO INTRODUÇÃO SEGURANÇA E INSEGURANÇA ALIMENTAR E NUTRICIONAL Segurança Alimentar: legislação e seu contexto atual Insegurança Alimentar Mídia: informando e influenciando o consumo alimentar A PRÁTICA DA EDUCAÇÃO ALIMENTAR: A HORA DA MERENDA O desenvolver histórico do Programa Nacional de Alimentação Escolar O sabor da Alimentação Escolar, significados e representações culturais A Educação Alimentar como tema transversal A EDUCAÇÃO ALIMENTAR NO CONTEXTO ESCOLAR O percurso metodológico Conhecendo os espaços em que foi realizada a pesquisa Ações de Educação Alimentar desenvolvidas e a sua compreensão por parte das comunidades escolares Ouvindo as vozes da comunidade escolar: os resultados e a importância da inclusão da Educação Alimentar As práticas de Educação Alimentar e a sua articulação com demais saberes escolares Atividades de educação permanente em alimentação, saúde e educação para toda a comunidade escolar...76 CONSIDERAÇÕES FINAIS...81 REFERÊNCIAS...83 OBRAS CONSULTADAS...88 ANEXOS...90

11 10 INTRODUÇÃO Inicialmente, cabe indicar um conjunto de questões que se referem ao surgimento deste trabalho, ou seja, como se desenvolveu, quais as reflexões suscitadas e os resultados alcançados. Assim, é importante referir a minha trajetória, entendendo, consequentemente, a escolha deste tema e o caminho percorrido pelo estudo. Ao chegar ao Mestrado em Educação nas Ciências constatei que muito havia para ser pesquisado. Foram dias, meses e anos de estudo, em que passei a dedicar cada momento a leituras e pesquisas, intercalando o tempo com o trabalho, onde cumpro 40 horas semanais. O universo acadêmico me angustiava e, ao mesmo tempo, me incentivava. As indagações que surgiam e a busca incansável pela compreensão dos assuntos trabalhados nos componentes curriculares me fizeram aprender muito e expandir minhas leituras e saberes. Nesse sentido, aprendendo e partindo da experiência profissional adquirida na trajetória do Serviço Público, executado junto às escolas e, em especial, na Política da Educação Alimentar onde o nutricionista desempenha papel fundamental como responsável pela merenda e como promotor de saúde algumas questões do cotidiano vêm me inquietando. Uma delas é que atualmente poucos municípios do Estado do Rio Grande do Sul consideram o espaço escolar rico para a construção humana em todos os sentidos e, portanto, para a prática de Educação Alimentar. Um dos desafios que a Educação Escolar enfrenta na atualidade é a definição do real papel educativo das escolas, no sentido de saber se faz parte das suas tarefas oportunizar uma formação humana em geral, isto é, preparar para a vida em todas as suas dimensões. Considerando que o aluno está sob os cuidados da escola por longos anos, espera-se que esta procure desenvolver todas as suas dimensões fundamentais, permitindo que ele incorpore novas percepções, aprenda novos sentidos, novos modos de fazer, de agir e de interagir, partindo da vivência de cada um e do coletivo. Na sociedade atual, dada à diversidade e a complexidade das informações

12 11 que são disseminadas pela escola, algumas representam necessidade instantânea de serem trabalhadas, constituindo-se verdadeiros desafios educacionais, como por exemplo, introduzir o trabalho de Educação Alimentar e Nutricional (EAN), abordando o tema da alimentação saudável como parte do processo educacional no Espaço Escolar. Um dos aspectos importantes a serem desenvolvidos nesta perspectiva ampliada das tarefas da escola é o da Alimentação Saudável, o que implica considerar a escola como espaço fundamental e privilegiado em que os alunos têm uma educação alimentar, fazendo parte de seu processo de formação humana. Isso inclui decifrar a realidade da Educação Alimentar apresentada nas escolas, incentivando a exploração de todos os espaços por ela oportunizados para a aprendizagem da saúde e de outros saberes que as desafiam. A alimentação equilibrada e balanceada é um dos fatores fundamentais para a eutrofia 1 e para o bom desenvolvimento físico, psíquico e social das pessoas. A alimentação adequada refere-se ao padrão alimentar adequado às necessidades biológicas e sociais dos indivíduos e de acordo com as fases do curso da vida. Para ser adequada a alimentação deve embasar-se em práticas alimentares culturalmente referenciadas; valorizar o consumo de alimentos saudáveis regionais (como legumes, frutas e verduras); observar a qualidade e a quantidade dos alimentos nas refeições; e considerar os aspectos comportamentais e afetivos relacionados a essas práticas. Uma alimentação que não cumpre com essas condições pode resultar, por exemplo, em aumento de peso 2 (BRASIL, 2007). e/ou em deficiências de vitaminas e minerais A saúde alimentar pode também vir a ser comprometida pela desnutrição ou por doenças que levam ao mau aproveitamento dos alimentos ingeridos, resultando em inadequação quantitativa da energia de que o corpo necessita. Observe-se que a desnutrição é um problema que tem como consequência o crescimento e o desenvolvimento deficiente, maior vulnerabilidade a doenças infecciosas, redução da capacidade de raciocínio, problemas de ordem motora, entre outros (MONDINI; MONTEIRO, 1998, p. 30). 1 Eutrofia nutrição de boa qualidade. 2 A expressão peso aqui, refere-se ao peso de uma pessoa, deve ser citada, portanto como peso da massa corporal.

13 12 Outro fato preocupante relacionado ao estado nutricional de crianças diz respeito aos índices de aumento de sobrepeso e obesidade na população infantil do Brasil e também do mundo. Modificou-se radicalmente o quadro da situação nutricional no país pela transição de um quadro de desnutrição 3 infantil grave para uma epidemia de obesidade, que vem se acentuando significativamente e suscitando a criação de políticas públicas de saúde voltadas para o controle do peso corporal (SALOMONS; RECH; LOCH, 2007, p. 248). A própria definição de Obesidade Doença na qual o excesso de gordura corporal se acumulou a tal ponto que a saúde pode ser afetada (Organização Mundial de Saúde, OMS) demonstra a preocupação com as possíveis consequências do acúmulo de tecido adiposo no organismo. De fato, esta é uma doença universal de prevalência crescente e que vem adquirindo proporções epidêmicas, sendo um dos principais problemas de saúde pública da sociedade moderna (LOPES, 2006). Comprovando essa modificação do quadro nutricional, os resultados são da Pesquisa de Orçamentos Familiares (POF) , realizada pelo IBGE, em parceria com o Ministério da Saúde, que comprovou que em 2009, uma em cada três crianças de 5 a 9 anos estava acima do peso recomendado pela Organização Mundial de Saúde (OMS). Pode-se verificar que o excesso de peso e a obesidade são encontrados com grande frequência a partir de 5 anos de idade, em todos os grupos de renda e em todas as regiões brasileiras. Ainda segundo este estudo, a parcela dos meninos e rapazes de 10 a 19 anos de idade com excesso de peso da massa corporal passou de 3,7% ( ) para 21,7% ( ). Já entre as meninas e moças o crescimento do excesso foi de 7,6% para 19,4%, respectivamente nos anos especificados. Também o excesso de peso da massa corporal em homens adultos saltou de 18,5% para 50,1% e ultrapassou, em , o das mulheres, que foi de 28,7% para 48%. A POF revelou um salto no número de crianças de 5 a 9 anos com excesso de peso da massa corporal ao longo de 34 anos: em , 34,8% dos meninos estavam com o peso acima da faixa considerada saudável pela OMS. Em 1989, este 3 Tanto o estado de desnutrição, como sobrepeso e obesidade caracterizam um quadro de má nutrição.

14 13 índice era de 15%, contra 10,9% em Observou-se padrão semelhante nas meninas, que de 8,6% na década de 70 passaram para 11,9% no final dos anos 80 e chegaram aos 32% em O que preocupa nesses índices é o aparecimento de patologias associadas provocadas pelo excesso ou pela falta de alimentos. Esta realidade direciona a investigação para a amenização desses danos, incentivando as práticas de Educação Alimentar para o início da vida, prosseguindo nas séries iniciais e seguindo, gradualmente, ao avançar da idade, na intenção de introduzir nas crianças e jovens hábitos saudáveis, duradouros e promissores. Apesar dessas constatações, observa-se que muitas escolas não se preocupam com a saúde nutricional de seus alunos e em oportunizar, pela alimentação escolar, um espaço de aprendizagem permanente e interdisciplinar. Por que não trabalhar a Educação em Saúde por meio de atividades pedagógicas práticas que partam da realidade do aluno, respeitando sempre sua condição socioeconômica e sua cultura alimentar? Talvez a argumentação de Boufleuer (2001, p. 59) nos ajude a responder esta pergunta quando afirma que: a educação constitui uma interação que precisa ser coordenada e que suas tarefas de ensino e aprendizagem se relacionam, em grandes linhas, com a reprodução dos componentes simbólicos do mundo da vida: a cultura, a sociedade e a personalidade. É nesse sentido que entendemos que as tarefas de ensino e aprendizagem se relacionam com o mundo da vida e que as atividades pedagógicas exercidas na escola devem partir da realidade do aluno. Os dados aqui apresentados visam a despertar para a urgência de incluir a Educação Alimentar nas escolas. Complementando a importância do tema abordado e da importância de preparar o espaço escolar para a realização do trabalho de Educação Alimentar e Nutricional, cabe mencionar matéria da Revista do Conselho Federal de Nutricionistas, (nº33, de janeiro-abril/2011), intitulada Alimentação saudável ganha reforço nas escolas". Esta matéria refere a Lei da Cantina Saudável, que, aliada à Lei de junho de 2009, deveria garantir alimentação saudável aos alunos matriculados na rede de educação básica do Brasil.Infelizmente a Lei da Cantina

15 14 Saudável, que proíbe a venda de frituras, guloseimas, alimentos gordurosos e muito calóricos nas cantinas e lanchonetes das escolas municipais e particulares, em regra, não é cumprida, vigorando apenas em poucos estados brasileiros. Se fosse respeitada esta lei, nenhuma escola venderia em suas cantinas esses alimentos nocivos à saúde dos escolares. Nos estados em que esta lei vigora, como, Paraná e Minas Gerais, e nas cidades de Florianópilis (SC), Rio de Janeiro (RJ), Ribeirão Preto (SP) e dentre outras, há relatos de que ela tem sido um importante instrumento de promoção da saúde dos escolares, segundo reportagem dessa Revista. Acreditamos que mediante uma Educação Alimentar nas escolas seja possível chegar a essa desejada Segurança Alimentar e Nutricional. Enquanto processo recíproco, criativo e interativo de ensino e aprendizagem entre duas ou mais pessoas, a educação escolar pode ampliar o acesso à informação sobre saúde e nutrição. No âmbito das escolas, a começar pelo planejamento pedagógico, passando pelas atividades em sala de aula, e chegando aos diferentes momentos de recreação, ou mesmo às atividades extramuros, é possível proporcionar aprendizagens que favoreçam uma nova postura em relação ao ato de comer. Ao mesmo tempo, é importante valorizar individualmente e em grupo o prazer da alimentação e estimular uma relação equilibrada com os alimentos e com os diversos saberes do currículo escolar. Marques (2002, p. 7) enfatiza que: As reformas da educação nas últimas décadas foram articuladas a partir de pressupostos que direcionaram as atividades de ensino para inserção no mundo do trabalho. Este movimento deve ser repensado, estabelecendo-se novas alternativas para a educação. Alternativas que reforcem, entre outros aspectos, a capacitação para a vida autônoma, para o exercício da cidadania e da dignidade, para a participação na vida política do país e para o desenvolvimento e o aperfeiçoamento das manifestações culturais em suas diversas formas. Nesse contexto, segundo a Organização das Nações Unidas para Agricultura e Alimentação (FAO, 2005, p.11), Segurança Alimentar existe quando todas as pessoas, em todos os momentos, têm acesso físico e econômico a uma alimentação que seja suficiente, segura, nutritiva e que atenda a necessidades nutricionais e preferências alimentares de modo a propiciar vida ativa e saudável.

16 15 A pesquisa em questão consiste em um estudo sobre a Alimentação Escolar como uma prática pedagógica a partir de duas experiências que foram escolhidas em virtude de sua trajetória destacada pelo Prêmio Gestão Eficiente em Alimentação Escolar, realidades que estão implicadas com a tematização da Educação Alimentar na escola, e na busca por oportunizar escolhas para uma vida saudável. Nesse sentido, é importante conhecer o Prêmio Gestão Eficiente em Alimentação Escolar, o qual foi criado com o objetivo de avaliar, classificar e divulgar as prefeituras do Brasil que realizam a gestão da alimentação escolar com qualidade. Tem o intuito de disseminar estas boas práticas para que sejam conhecidas e adotadas por outros gestores. O lançamento do prêmio aconteceu em Os municípios que receberam este prêmio foram avaliados a partir dos indicadores quantitativos, que consideram aspectos financeiros, como a complementação municipal em relação ao recurso total para o PNAE; os indicadores nutricionais, que analisam o número, a qualidade e a quantidade de refeições servidas por aluno, número de alunos por nutricionista, número de refeições por merendeira, número de escolas com refeitório, frequência de cursos de Educação Alimentar para alunos e capacitação para merendeiros, dias de atendimento com oferta de Alimentação Escolar, impactos do Programa na economia local; os indicadores do desenvolvimento local, que visam aos recursos gastos com produtores locais em relação ao total de recursos; e, ainda, pelo indicador da atuação do Conselho de Alimentação Escolar, que refere o número de reuniões do CAE e a forma de escolha do representante da sociedade civil. Este estudo procura analisar ainda, e de forma mais específica, os indicadores qualitativos apresentados, que envolvem os projetos desenvolvidos e outras iniciativas devidamente anexadas ao formulário de inscrição. Os dois indicadores quanti e qualitativos, classificam os que consideram os melhores, que agora serão analisados no que tange a práticas de Educação Alimentar envolvendo toda a comunidade escolar, como os alunos, pais, serventes e merendeiras, direção e professores e Conselho de Alimentação Escolar, compilando todas as atividades que envolvam um saber a ser trabalhado, uma iniciativa de educar para a alimentação saudável.

17 16 Pretende-se responder à questão: como essas duas realidades inscrevem a educação alimentar nas suas rotinas, envolvendo as práticas pedagógicas? Ainda, pretende-se elucidar a forma como este trabalho é desenvolvido no dia-a-dia e os efeitos dessas práticas, as possíveis alternativas para que esse trabalho se desenvolva de forma interdisciplinar, articulado com o todo do trabalho da escola, uma vez que a alimentação nutre o corpo, mas também tem a ver com a convivência e permite a interligação de diferentes saberes. De acordo com Freire (2005, p. 98), ensinar exige compreender que a educação é uma forma de intervenção no mundo e, diante disso, entendemos que aprendemos e nos (re)construímos nas relações que estabelecemos com nossos semelhantes ao longo de nossa vida. A prática da merenda escolar nas escolas carrega significados, marca as diferenças. Aqui no Brasil existe um diferencial: as nossas escolas públicas fornecem de forma gratuita a merenda, o que não acontece nas escolas particulares do país. Para a consecução dos objetivos deste estudo apresentamos, no primeiro capítulo, o conceito de Segurança e de Insegurança Alimentar. Em relação à Segurança Alimentar apresentamos a legislação e seu contexto na atualidade. No que tange à Insegurança Alimentar abordamos a influência da mídia no consumo alimentar de crianças, adolescentes e adultos. No segundo capítulo apresentamos uma reflexão sobre a significativa oportunidade da prática da Educação Alimentar: a hora da merenda e o desenvolver histórico do Programa Nacional de Alimentação Escolar. Propomos, nesse sentido, uma reflexão sobre o sabor da Alimentação Escolar, seus significados e representações culturais. Por fim, investigamos o significado da Educação Alimentar como tema transversal. No terceiro capítulo apresentamos a Educação Alimentar no contexto escolar, a metodologia utilizada na pesquisa e conhecemos os espaços em que a mesma foi realizada. Relatamos as atividades de Educação Alimentar praticadas nas escolas investigadas e o que estas entendem por Educação Alimentar. Abrimos espaço para as vozes das comunidades escolares investigadas e analisamos os resultados obtidos pelas práticas de Educação Alimentar, bem como sua importância no

18 17 conjunto do trabalho da escola. Considerações acerca da educação permanente em alimentação e saúde para toda a comunidade escolar encerram o capítulo. Para finalizar, seguem as considerações finais a que se chegou com a realização do trabalho, as referências utilizadas e que fundamentam a dissertação, e os anexos, os quais ilustram e complementam o estudo.

19 18 1 SEGURANÇA E INSEGURANÇA ALIMENTAR E NUTRICIONAL São os dados relativos à situação nutricional da população brasileira, em especial de crianças e adolescentes que frequentam instituições educacionais, que instigam à reflexão sobre as possibilidades de uma educação alimentar articulada com o conjunto do trabalho formativo das escolas. Há índices alarmantes relativos à obesidade, a doenças derivadas do descontrole alimentar, como o diabetes melittus, que chamam a atenção para consequências irremediáveis à saúde da população, caso a questão não seja enfrentada com a seriedade que exige. Para o início de nosso percurso investigativo tratamos, no presente capítulo, do tema da Segurança e da Insegurança Alimentar e Nutricional, orientando-nos a partir da recente e importante Lei n , de 15/9/2006 Lei Orgânica de Segurança Alimentar e Nutricional - LOSAN. O proposto no âmbito desta lei, confrontado com a real situação alimentar e nutricional da população brasileira, especialmente a escolar, certamente indicará o quanto ainda há para ser feito. 1.1 Segurança Alimentar: legislação e seu contexto atual Pode-se dizer que o conceito de Segurança Alimentar surgiu a partir da Segunda Grande Guerra, com mais da metade da Europa devastada e sem condições de produzir o seu próprio alimento. Esse conceito leva em conta três aspectos principais: quantidade, qualidade e regularidade no acesso aos alimentos. O conceito de segurança alimentar e nutricional é fruto de um processo de construção coletiva e vem sendo ampliado no decorrer dos últimos anos, principalmente a partir das duas últimas Conferências Mundiais sobre Alimentação 4, podendo ser assim expresso: Segurança alimentar e nutricional consiste em garantir a todos condições de acesso a alimentos básicos seguros e de qualidade, em quantidade suficiente, de modo permanente e sem comprometer o acesso a outras necessidades essenciais, com base em práticas alimentares saudáveis, contribuindo assim para uma existência digna em um contexto de desenvolvimento integral da pessoa humana. (CONTI; VALENTE, 2002, p 48). 4 Conferências Mundiais sobre Alimentação: Cúpulas Mundiais sobre Alimentação realizadas em Roma, em 1996 e 2002 (ONU/FAO).

20 19 No Brasil, a I Conferência Nacional de Alimentação e Nutrição, realizada em 1986, agregou um componente importante a este conceito, afirmando que a alimentação é um direito de cidadania, enquanto o Conselho de Segurança Alimentar e Nutricional (CONSEA) 5 agregou-lhe a dimensão da nutrição e da utilização biológica do alimento. A partir daquele contexto passou-se a trabalhar na elaboração e proposição de políticas estratégicas de intervenção no campo da segurança alimentar e nutricional. Conhecer os pontos principais da Lei Orgânica de Segurança Alimentar e Nutricional (Lei nº /2006) permitirá esclarecer questões como a Segurança Alimentar e indicará os desafios do que seria uma possível prática de Educação Alimentar. O art. 1 o da Lei em foco estabelece as definições, os princípios, as diretrizes, os objetivos e a composição do Sistema Nacional de Segurança Alimentar e Nutricional (SISAN). Tal sistema deverá ser assegurado por meio do poder público, com a participação da sociedade civil organizada, cabendo a ele formular e instituir políticas, planos, programas e ações que assegurem o direito humano à alimentação adequada. Como proposto pela Lei, todos os cidadãos têm o direito garantido à alimentação adequada do ponto de vista nutricional e higiênico. O evidente não cumprimento deste princípio traz a urgência de se buscar alternativas para a sua efetivação mediante políticas, planos, enfim, formas de assegurar este direito a toda população. Já o art. 2 o estabelece que a alimentação adequada é direito fundamental do ser humano, inerente à dignidade da pessoa humana e indispensável à realização dos direitos consagrados na Constituição da República Federativa do Brasil (CF/88), devendo o poder público adotar as políticas e ações que se façam necessárias para promover e garantir a Segurança Alimentar e Nutricional da população. Confrontando o disposto na legislação com a realidade da população verifica-se o descumprimento de um princípio constitucional. E mais uma vez pode-se indicar a necessidade de políticas e ações que cumpram o estabelecido na lei. De que forma, porém, o poder 5 O CONSEA foi criado pelo presidente Itamar Franco, em 1990, extinto pelo presidente Fernando Henrique Cardoso, em 1995, e recriado pelo presidente Lula, em 2003.

PROJETO DE LEI DO SENADO Nº, DE 2010

PROJETO DE LEI DO SENADO Nº, DE 2010 PROJETO DE LEI DO SENADO Nº, DE 2010 Institui diretrizes para a promoção da alimentação saudável nas escolas de educação infantil, fundamental e de nível médio das redes pública e privada, em âmbito nacional.

Leia mais

BOLETIM DO LEGISLATIVO Nº 11, DE 2012

BOLETIM DO LEGISLATIVO Nº 11, DE 2012 BOLETIM DO LEGISLATIVO Nº 11, DE 2012 Educação e Sustentabilidade Tatiana Feitosa de Britto A Conferência das Nações Unidas sobre o Desenvolvimento Sustentável (Rio+20) tem como tema o futuro que queremos,

Leia mais

Preferências alimentares individuais; Disponibilidade dos alimentos no mercado; Influência das propagandas no mercado, na televisão.

Preferências alimentares individuais; Disponibilidade dos alimentos no mercado; Influência das propagandas no mercado, na televisão. Nutrição na Infância e Adolescência A alimentação e a nutrição constituem requisitos básicos para a promoção e a proteção da saúde, possibilitando a afirmação plena do potencial de crescimento e desenvolvimento

Leia mais

Hábitos saudáveis na creche

Hábitos saudáveis na creche 11 Hábitos saudáveis na creche Elvira Bezerra Pessoa: elvirabe@gmail.com Patrícia Edióne da Silva Graduada edionne.jp@hotmail.com Adeilson Paulino de Barros UEPB 1.INTRODUÇÃO No Brasil o atendimento á

Leia mais

ATUAÇÃO DA FAO NA ALIMENTAÇÃO ESCOLAR

ATUAÇÃO DA FAO NA ALIMENTAÇÃO ESCOLAR ATUAÇÃO DA FAO NA ALIMENTAÇÃO ESCOLAR II Encontro Nacional de Experiências Inovadoras em Alimentação Escolar 50 ANOS Sr. José Tubino Representante da Organização das Nações Unidas para Agricultura e Alimentação

Leia mais

Ministério do Desenvolvimento Social e Combate à Fome

Ministério do Desenvolvimento Social e Combate à Fome Ministério do Desenvolvimento Social e Combate à Fome Fome Zero: Eixos Articuladores Acesso ao alimento Bolsa Família Alimentação escolar (PNAE) Cisternas Restaurantes Populares Agricultura Urbana / Hortas

Leia mais

PROJETO ESCOLA E CIDADANIA

PROJETO ESCOLA E CIDADANIA PROJETO DE AQUISIÇÃO DE KIT ESCOLAR PROJETO ESCOLA E CIDADANIA 1. HISTÓRICO A preocupação com a causa da criança e do adolescente em situação de risco, faz nascer instituições proféticas espalhadas pelo

Leia mais

EDUCAÇÃO E CIDADANIA: OFICINAS DE DIREITOS HUMANOS COM CRIANÇAS E ADOLESCENTES NA ESCOLA

EDUCAÇÃO E CIDADANIA: OFICINAS DE DIREITOS HUMANOS COM CRIANÇAS E ADOLESCENTES NA ESCOLA EDUCAÇÃO E CIDADANIA: OFICINAS DE DIREITOS HUMANOS COM CRIANÇAS E ADOLESCENTES NA ESCOLA Autores: FIGUEIREDO 1, Maria do Amparo Caetano de LIMA 2, Luana Rodrigues de LIMA 3, Thalita Silva Centro de Educação/

Leia mais

Art. 2º - São diretrizes da Política Municipal de Educação Alimentar e Combate à Obesidade:

Art. 2º - São diretrizes da Política Municipal de Educação Alimentar e Combate à Obesidade: PROJETO DE LEI N. 426/2013 ESTADO DO AMAZONAS ESTABELECE diretrizes para a Política Municipal de Educação Alimentar Escolar e Combate à Obesidade, e dá outras providências. Art.1º - O Poder Público Municipal,

Leia mais

Alimentação e Saúde a responsabilidade de cada um e de todos nós

Alimentação e Saúde a responsabilidade de cada um e de todos nós Alimentação e Saúde a responsabilidade de cada um e de todos nós Elisabetta Recine Observatório de Políticas de Segurança Alimentar e Nutrição OPSAN/UnB Ação Brasileira pela Nutrição e Direitos Humanos

Leia mais

O desafio hoje para o Pediatra e também para sociedade é cuidar das crianças que vão viver 100 anos ou mais e que precisam viver com qualidade de

O desafio hoje para o Pediatra e também para sociedade é cuidar das crianças que vão viver 100 anos ou mais e que precisam viver com qualidade de O desafio hoje para o Pediatra e também para sociedade é cuidar das crianças que vão viver 100 anos ou mais e que precisam viver com qualidade de vida. A infância e adolescência são idades ideais para

Leia mais

AVALIAÇÃO NUTRICIONAL DE MENINAS DO INTERIOR DO ESTADO DE SÃO PAULO Uyeda, Mari*

AVALIAÇÃO NUTRICIONAL DE MENINAS DO INTERIOR DO ESTADO DE SÃO PAULO Uyeda, Mari* AVALIAÇÃO NUTRICIONAL DE MENINAS DO INTERIOR DO ESTADO DE SÃO PAULO Uyeda, Mari* Resumo: Vasconcellos, Jorge** As mudanças ocorridas em nosso pais, principalmente a crescente modernização e urbanização,

Leia mais

Carta Internacional da Educação Física e do Esporte da UNESCO

Carta Internacional da Educação Física e do Esporte da UNESCO Carta Internacional da Educação Física e do Esporte da UNESCO 21 de novembro de 1978 SHS/2012/PI/H/1 Preâmbulo A Conferência Geral da Organização das Nações Unidas para a Educação, a Ciência e a Cultura,

Leia mais

Sumário 1. CARO EDUCADOR ORIENTADOR 3 PARCEIROS VOLUNTÁRIOS 3. TRIBOS NAS TRILHAS DA CIDADANIA 4

Sumário 1. CARO EDUCADOR ORIENTADOR 3 PARCEIROS VOLUNTÁRIOS 3. TRIBOS NAS TRILHAS DA CIDADANIA 4 Guia do Educador CARO EDUCADOR ORIENTADOR Sumário 1. CARO EDUCADOR ORIENTADOR 3 2. PARCEIROS VOLUNTÁRIOS 3 3. TRIBOS NAS TRILHAS DA CIDADANIA 4 Objetivo GERAL 5 METODOLOGIA 5 A QUEM SE DESTINA? 6 O QUE

Leia mais

Estratégias e programas para a garantia do Direito Humano à Alimentação Adequada

Estratégias e programas para a garantia do Direito Humano à Alimentação Adequada I Seminário Estadual da Rede-SANS Desafios e estratégias para a promoção da alimentação saudável adequada e solidária no Estado de São Paulo Estratégias e programas para a garantia do Direito Humano à

Leia mais

PLANO DE AÇÃO FÓRUM DO MUNICÍPIO QUE EDUCA

PLANO DE AÇÃO FÓRUM DO MUNICÍPIO QUE EDUCA PLANO DE AÇÃO FÓRUM DO MUNICÍPIO QUE EDUCA PROPOSTA DE AÇÃO Criar um fórum permanente onde representantes dos vários segmentos do poder público e da sociedade civil atuem juntos em busca de uma educação

Leia mais

Trabalho em Equipe e Educação Permanente para o SUS: A Experiência do CDG-SUS-MT. Fátima Ticianel CDG-SUS/UFMT/ISC-NDS

Trabalho em Equipe e Educação Permanente para o SUS: A Experiência do CDG-SUS-MT. Fátima Ticianel CDG-SUS/UFMT/ISC-NDS Trabalho em Equipe e Educação Permanente para o SUS: A Experiência do CDG-SUS-MT Proposta do CDG-SUS Desenvolver pessoas e suas práticas de gestão e do cuidado em saúde. Perspectiva da ética e da integralidade

Leia mais

PROJETO FAZENDO ESCOLA: UMA EXPERIÊNCIA DO ORIENTADOR NO COMPROMISSO DA CAPACITAÇÃO DOCENTE

PROJETO FAZENDO ESCOLA: UMA EXPERIÊNCIA DO ORIENTADOR NO COMPROMISSO DA CAPACITAÇÃO DOCENTE PROJETO FAZENDO ESCOLA: UMA EXPERIÊNCIA DO ORIENTADOR NO COMPROMISSO DA CAPACITAÇÃO DOCENTE Sérgio Dal-Ri Moreira Pontifícia Universidade Católica do Paraná Palavras-chave: Educação Física, Educação, Escola,

Leia mais

SAÚDE E EDUCAÇÃO INFANTIL Uma análise sobre as práticas pedagógicas nas escolas.

SAÚDE E EDUCAÇÃO INFANTIL Uma análise sobre as práticas pedagógicas nas escolas. SAÚDE E EDUCAÇÃO INFANTIL Uma análise sobre as práticas pedagógicas nas escolas. SANTOS, Silvana Salviano silvanasalviano@hotmail.com UNEMAT Campus de Juara JESUS, Lori Hack de lorihj@hotmail.com UNEMAT

Leia mais

COMISSÃO DE CONSTITUIÇÃO E JUSTIÇA E DE CIDADANIA REDAÇÃO FINAL PROJETO DE LEI Nº 6.047-D, DE 2005. O CONGRESSO NACIONAL decreta:

COMISSÃO DE CONSTITUIÇÃO E JUSTIÇA E DE CIDADANIA REDAÇÃO FINAL PROJETO DE LEI Nº 6.047-D, DE 2005. O CONGRESSO NACIONAL decreta: COMISSÃO DE CONSTITUIÇÃO E JUSTIÇA E DE CIDADANIA REDAÇÃO FINAL PROJETO DE LEI Nº 6.047-D, DE 2005 Cria o Sistema Nacional de Segurança Alimentar e Nutricional - SISAN com vistas em assegurar o direito

Leia mais

PROJETO Educação de Qualidade: direito de todo maranhense

PROJETO Educação de Qualidade: direito de todo maranhense PROJETO Educação de Qualidade: direito de todo maranhense 1. DISCRIMINAÇÃO DO PROJETO Título do Projeto Educação de Qualidade: direito de todo maranhense Início Janeiro de 2015 Período de Execução Término

Leia mais

Presidência da República Casa Civil Subchefia para Assuntos Jurídicos

Presidência da República Casa Civil Subchefia para Assuntos Jurídicos Presidência da República Casa Civil Subchefia para Assuntos Jurídicos LEI Nº 11.346, DE 15 DE SETEMBRO DE 2006. Cria o Sistema Nacional de Segurança Alimentar e Nutricional SISAN com vistas em assegurar

Leia mais

ESPORTE NÃO É SÓ PARA ALGUNS, É PARA TODOS! Esporte seguro e inclusivo. Nós queremos! Nós podemos!

ESPORTE NÃO É SÓ PARA ALGUNS, É PARA TODOS! Esporte seguro e inclusivo. Nós queremos! Nós podemos! ESPORTE NÃO É SÓ PARA ALGUNS, É PARA TODOS! Esporte seguro e inclusivo. Nós queremos! Nós podemos! Documento final aprovado por adolescentes dos Estados do Amazonas, da Bahia, do Ceará, do Mato Grosso,

Leia mais

A APAE E A EDUCAÇÃO INCLUSIVA

A APAE E A EDUCAÇÃO INCLUSIVA A APAE E A EDUCAÇÃO INCLUSIVA - APRESENTAÇÃO 1- COMO SURGIU A IDÉIA DA EDUCAÇÃO INCLUSIVA? 2- O QUE SIGNIFICA INCLUSÃO ESCOLAR? 3- QUAIS AS LEIS QUE GARANTEM A EDUCAÇÃO INCLUSIVA? 4- O QUE É UMA ESCOLA

Leia mais

EDUCAÇÃO DO CAMPO: Interfaces teóricas e políticas na formação do professor

EDUCAÇÃO DO CAMPO: Interfaces teóricas e políticas na formação do professor EDUCAÇÃO DO CAMPO: Interfaces teóricas e políticas na formação do professor Juliana Graciano Parise 1 Eliane de Lourdes Felden 2 Resumo: O trabalho apresenta uma experiência de ensino articulado à pesquisa

Leia mais

O PAPEL DA CONTAÇÃO DE HISTÓRIA NA EDUCAÇÃO INFANTIL

O PAPEL DA CONTAÇÃO DE HISTÓRIA NA EDUCAÇÃO INFANTIL 0 O PAPEL DA CONTAÇÃO DE HISTÓRIA NA EDUCAÇÃO INFANTIL 1 O PAPEL DA CONTAÇÃO DE HISTÓRIA NA EDUCAÇÃO INFANTIL Renato da Guia Oliveira 2 FICHA CATALOGRÁFICA OLIVEIRA. Renato da Guia. O Papel da Contação

Leia mais

Projeto Tempero de Mãe

Projeto Tempero de Mãe Projeto Tempero de Mãe Secretaria Municipal de Educação 1 Introdução A nutrição da população brasileira está cada vez mais afetada de más influências que vão da ignorância de uns até a superstição de outros,

Leia mais

Carvalho Goretti Moreira Leal de, Themis; Ribas Almeida, Milene. Brasil RESUMO

Carvalho Goretti Moreira Leal de, Themis; Ribas Almeida, Milene. Brasil RESUMO ID:862 PROJETO DE EXTENSÃO UNIVERSITÁRIA AMPLIANDO AS AÇÕES DE PREVENÇÃO EM DST/AIDS E HEPATITES VIRAIS JUNTO À POPULAÇÃO ESCOLAR: UM ESPAÇO PARA FORMAÇÃO PROFISSIONAL E PROMOÇÃO DA SAÚDE Carvalho Goretti

Leia mais

TEMA: O LÚDICO NA APRENDIZAGEM DA LEITURA E DA ESCRITA

TEMA: O LÚDICO NA APRENDIZAGEM DA LEITURA E DA ESCRITA TEMA: O LÚDICO NA APRENDIZAGEM DA LEITURA E DA ESCRITA RESUMO Os educadores têm se utilizado de uma metodologia Linear, que traz uma característica conteudista; É possível notar que o Lúdico não se limita

Leia mais

X Encontro Nacional de Educação Matemática Educação Matemática, Cultura e Diversidade Salvador BA, 7 a 9 de Julho de 2010

X Encontro Nacional de Educação Matemática Educação Matemática, Cultura e Diversidade Salvador BA, 7 a 9 de Julho de 2010 INVESTIGAÇÃO MATEMÁTICA: UMA EXPERIÊNCIA DE ENSINO Bruno Rodrigo Teixeira 1 Universidade Estadual de Londrina - UEL bruno_matuel@yahoo.com.br Camila Rosolen 2 Universidade Estadual de Londrina - UEL camilarosolen@yahoo.com.br

Leia mais

A EXTENSÃO EM MATEMÁTICA: UMA PRÁTICA DESENVOLVIDA NA COMUNIDADE ESCOLAR. GT 05 Educação Matemática: tecnologias informáticas e educação à distância

A EXTENSÃO EM MATEMÁTICA: UMA PRÁTICA DESENVOLVIDA NA COMUNIDADE ESCOLAR. GT 05 Educação Matemática: tecnologias informáticas e educação à distância A EXTENSÃO EM MATEMÁTICA: UMA PRÁTICA DESENVOLVIDA NA COMUNIDADE ESCOLAR GT 05 Educação Matemática: tecnologias informáticas e educação à distância Nilce Fátima Scheffer - URI-Campus de Erechim/RS - snilce@uri.com.br

Leia mais

MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO FUNDO NACIONAL DE DESENVOLVIMENTO DA EDUCAÇÃO

MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO FUNDO NACIONAL DE DESENVOLVIMENTO DA EDUCAÇÃO MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO FUNDO NACIONAL DE DESENVOLVIMENTO DA EDUCAÇÃO TERMO DE REFERÊNCIA PARA AVALIAÇÃO EXTERNA DO PROJETO EDUCANDO COM A HORTA ESCOLAR 1. Breve Histórico do Projeto de Cooperação Técnica

Leia mais

PROJETO PEDAGÓGICO DO ENSINO FUNDAMENTAL E MÉDIO

PROJETO PEDAGÓGICO DO ENSINO FUNDAMENTAL E MÉDIO PROJETO PEDAGÓGICO DO ENSINO FUNDAMENTAL E MÉDIO APRESENTAÇÃO O Projeto Político Pedagógico da Escola foi elaborado com a participação da comunidade escolar, professores e funcionários, voltada para a

Leia mais

EDUCAÇÃO NUTRICIONAL - CONSTRUÇÃO COMPARTILHADA DO CONHECIMENTO JOSILENE RUBIA MURARA - CRN2 6832 LUIZE AMANDA SALVADOR CRN2 6112

EDUCAÇÃO NUTRICIONAL - CONSTRUÇÃO COMPARTILHADA DO CONHECIMENTO JOSILENE RUBIA MURARA - CRN2 6832 LUIZE AMANDA SALVADOR CRN2 6112 EDUCAÇÃO NUTRICIONAL - CONSTRUÇÃO COMPARTILHADA DO CONHECIMENTO JOSILENE RUBIA MURARA - CRN2 6832 LUIZE AMANDA SALVADOR CRN2 6112 INTRODUÇÃO Modificações na população brasileira vêm sendo objetivamente

Leia mais

A Educação Ambiental no Ensino Fundamental de escolas municipais de Pesqueira-PE

A Educação Ambiental no Ensino Fundamental de escolas municipais de Pesqueira-PE A Educação Ambiental no Ensino Fundamental de escolas municipais de Pesqueira-PE Autor(a): Josineide Braz de Miranda Coautor(es): Anderson Carlos Maia da Silva, Josefa Sandra de Almeida Silva, kelren Jane

Leia mais

(II Conferência Nacional de Segurança Alimentar Nutricional, 2004)

(II Conferência Nacional de Segurança Alimentar Nutricional, 2004) 1 Segurança Alimentar e Nutricional Segurança alimentar é a realização do direito de todos ao acesso regular e permanente a alimentos de qualidade, em quantidade suficiente, sem comprometer o acesso a

Leia mais

ACS Assessoria de Comunicação Social

ACS Assessoria de Comunicação Social DISCURSO DO MINISTRO DA EDUCAÇÃO, HENRIQUE PAIM Brasília, 3 de fevereiro de 2014 Hoje é um dia muito especial para mim. É um dia marcante em uma trajetória dedicada à gestão pública ao longo de vários

Leia mais

Segurança Alimentar e Nutricional

Segurança Alimentar e Nutricional Segurança Alimentar e Nutricional Coordenação Geral da Política de Alimentação e Nutrição/ DAB/ SAS Ministério da Saúde Afinal, o que é Segurança Alimentar e Nutricional? Segurança Alimentar e Nutricional

Leia mais

O ORIENTADOR FRENTE À INCLUSÃO DA PESSOA COM DEFICIENCIA NA ESCOLA REGULAR DE ENSINO

O ORIENTADOR FRENTE À INCLUSÃO DA PESSOA COM DEFICIENCIA NA ESCOLA REGULAR DE ENSINO O ORIENTADOR FRENTE À INCLUSÃO DA PESSOA COM DEFICIENCIA NA ESCOLA REGULAR DE ENSINO Flávia Fernanda Vasconcelos Alves Faculdades Integradas de Patos FIP flaviavasconcelos.edu@hotmail.com INTRODUÇÃO Observa-se

Leia mais

MAPEAMENTO E ORGANIZAÇÃO DOS PROGRAMAS E PROJETOS DE EXTENSÃO PARA A CONSTRUÇÃO DO CATÁLOGO DE EXTENSÃO DA FURG 2009-2012

MAPEAMENTO E ORGANIZAÇÃO DOS PROGRAMAS E PROJETOS DE EXTENSÃO PARA A CONSTRUÇÃO DO CATÁLOGO DE EXTENSÃO DA FURG 2009-2012 MAPEAMENTO E ORGANIZAÇÃO DOS PROGRAMAS E PROJETOS DE EXTENSÃO PARA A CONSTRUÇÃO DO CATÁLOGO DE EXTENSÃO DA FURG 2009-2012 Simone Machado Firme FURG 1 Karine Vargas Oliveira FURG 2 Michele Fernanda Silveira

Leia mais

RELATÓRIO DA PESQUISA ONLINE: Avaliação dos Atores do Sistema de Garantia de Direitos participantes das Oficinas em São Paulo

RELATÓRIO DA PESQUISA ONLINE: Avaliação dos Atores do Sistema de Garantia de Direitos participantes das Oficinas em São Paulo RELATÓRIO DA PESQUISA ONLINE: Avaliação dos Atores do Sistema de Garantia de Direitos participantes das Oficinas em São Paulo APRESENTAÇÃO A SaferNet Brasil é uma associação civil de direito privado, com

Leia mais

A FORMAÇÃO DE SUJEITOS CRÍTICOS NO ENSINO SUPERIOR: UM POSSÍVEL CAMINHO PARA A TRANSFORMAÇÃO SOCIAL. Marijara de Lima Monaliza Alves Lopes

A FORMAÇÃO DE SUJEITOS CRÍTICOS NO ENSINO SUPERIOR: UM POSSÍVEL CAMINHO PARA A TRANSFORMAÇÃO SOCIAL. Marijara de Lima Monaliza Alves Lopes A FORMAÇÃO DE SUJEITOS CRÍTICOS NO ENSINO SUPERIOR: UM POSSÍVEL CAMINHO PARA A TRANSFORMAÇÃO SOCIAL Marijara de Lima Monaliza Alves Lopes FACULDADE ALFREDO NASSER INSTITUTO SUPERIOR DE EDUCAÇÃO III PESQUISAR

Leia mais

RELATÓRIO DE TRABALHO DOCENTE OUTUBRO DE 2012 EREM JOAQUIM NABUCO

RELATÓRIO DE TRABALHO DOCENTE OUTUBRO DE 2012 EREM JOAQUIM NABUCO UNIVERSIDADE CATÓLICA DE PERNAMBUCO PIBID PROGRAMA INSTITUCIONAL DE BOLSA DE INICIAÇÃO À DOCÊNCIA CÍCERO WILLIAMS DA SILVA EMERSON LARDIÃO DE SOUZA MARIA DO CARMO MEDEIROS VIEIRA ROBERTO GOMINHO DA SILVA

Leia mais

PROGRAMAs de. estudantil

PROGRAMAs de. estudantil PROGRAMAs de empreendedorismo e protagonismo estudantil Ciclo de Palestras MAGNUM Vale do Silício App Store Contatos Calendário Fotos Safari Cumprindo sua missão de oferecer uma educação inovadora e de

Leia mais

PRÓ-MATATEMÁTICA NA FORMAÇÃO DE PROFESSORES

PRÓ-MATATEMÁTICA NA FORMAÇÃO DE PROFESSORES PRÓ-MATATEMÁTICA NA FORMAÇÃO DE PROFESSORES Regina Luzia Corio de Buriasco * UEL reginaburiasco@sercomtel.com.br Magna Natália Marin Pires* UEL magna@onda.com.br Márcia Cristina de Costa Trindade Cyrino*

Leia mais

MÚLTIPLAS LEITURAS: CAMINHOS E POSSIBILIDADES

MÚLTIPLAS LEITURAS: CAMINHOS E POSSIBILIDADES MÚLTIPLAS LEITURAS: CAMINHOS E POSSIBILIDADES EDIT MARIA ALVES SIQUEIRA (UNIVERSIDADE FEDERAL DE VIÇOSA). Resumo Diferentes instrumentos de avaliação (ENEM, SIMAVE) tem diagnosticado o despreparo dos alunos

Leia mais

Desafios e Perspectivas para a Educação Alimentar e Nutricional

Desafios e Perspectivas para a Educação Alimentar e Nutricional I FÓRUM DE EDUCAÇÃO ALIMENTAR E NUTRICIONAL PARA A PROMOÇÃO DA SAÚDE Desafios e Perspectivas para a Educação Alimentar e Nutricional Ações do Ministério da Saúde Brasília-DF, 17/10/06 Educação Alimentar

Leia mais

APÊNDICE C DIRETRIZES VOLUNTÁRIAS PARA A INTEGRAÇÃO DA BIODIVERSIDADE NAS POLÍTICAS, PROGRAMAS E PLANOS DE AÇÃO NACIONAIS E REGIONAIS DE NUTRIÇÃO

APÊNDICE C DIRETRIZES VOLUNTÁRIAS PARA A INTEGRAÇÃO DA BIODIVERSIDADE NAS POLÍTICAS, PROGRAMAS E PLANOS DE AÇÃO NACIONAIS E REGIONAIS DE NUTRIÇÃO APÊNDICE C DIRETRIZES VOLUNTÁRIAS PARA A INTEGRAÇÃO DA BIODIVERSIDADE NAS POLÍTICAS, PROGRAMAS E PLANOS DE AÇÃO NACIONAIS E REGIONAIS DE NUTRIÇÃO Objetivo O objetivo das Diretrizes é apoiar os países a

Leia mais

A IMPORTÂNCIA DO LÚDICO NA APRENDIZAGEM DOS ALUNOS NOS ANOS INICIAIS RESUMO

A IMPORTÂNCIA DO LÚDICO NA APRENDIZAGEM DOS ALUNOS NOS ANOS INICIAIS RESUMO A IMPORTÂNCIA DO LÚDICO NA APRENDIZAGEM DOS ALUNOS NOS ANOS INICIAIS RESUMO Marcelo Moura 1 Líbia Serpa Aquino 2 Este artigo tem por objetivo abordar a importância das atividades lúdicas como verdadeiras

Leia mais

MATRIZ CURRICULAR CURRÍCULO PLENO

MATRIZ CURRICULAR CURRÍCULO PLENO MATRIZ CURRICULAR Curso: Graduação: Habilitação: Regime: Duração: PEDAGOGIA LICENCIATURA FORMAÇÃO PARA O MAGISTÉRIO EM EDUCAÇÃO INFANTIL SERIADO ANUAL - NOTURNO 4 (QUATRO) ANOS LETIVOS Integralização:

Leia mais

ESTUDAR E BRINCAR OU BRINCAR E ESTUDAR? ESTUDAR E BRINCAR OU BRINCAR E ESTUDAR?

ESTUDAR E BRINCAR OU BRINCAR E ESTUDAR? ESTUDAR E BRINCAR OU BRINCAR E ESTUDAR? ESTUDAR E BRINCAR OU BRINCAR E ESTUDAR? O que dizem as crianças sobre o brincar e a brincadeira no 1 ano do Ensino Fundamental? Resumo JAIRO GEBIEN - UNIVALI 1 Esta pesquisa visa investigar os momentos

Leia mais

FORMAÇÃO DOCENTE: ASPECTOS PESSOAIS, PROFISSIONAIS E INSTITUCIONAIS

FORMAÇÃO DOCENTE: ASPECTOS PESSOAIS, PROFISSIONAIS E INSTITUCIONAIS FORMAÇÃO DOCENTE: ASPECTOS PESSOAIS, PROFISSIONAIS E INSTITUCIONAIS Daniel Silveira 1 Resumo: O objetivo desse trabalho é apresentar alguns aspectos considerados fundamentais para a formação docente, ou

Leia mais

Objetivo Promover reflexões acerca da identidade, do papel e das atribuições das equipes pedagógicas do IFTM, visando à construção coletiva de ações

Objetivo Promover reflexões acerca da identidade, do papel e das atribuições das equipes pedagógicas do IFTM, visando à construção coletiva de ações Objetivo Promover reflexões acerca da identidade, do papel e das atribuições das equipes pedagógicas do IFTM, visando à construção coletiva de ações a serem implementadas nos câmpus do Instituto. A identidade

Leia mais

5.1 Nome da iniciativa ou Projeto. Academia Popular da Pessoa idosa. 5.2 Caracterização da Situação Anterior

5.1 Nome da iniciativa ou Projeto. Academia Popular da Pessoa idosa. 5.2 Caracterização da Situação Anterior 5.1 Nome da iniciativa ou Projeto Academia Popular da Pessoa idosa 5.2 Caracterização da Situação Anterior O envelhecimento é uma realidade da maioria das sociedades. No Brasil, estima-se que exista, atualmente,

Leia mais

Proposta de Pacto Federativo pela Alimentação Adequada e Saudável: uma agenda para os próximos anos

Proposta de Pacto Federativo pela Alimentação Adequada e Saudável: uma agenda para os próximos anos Ministério de Desenvolvimento Social e Combate à Fome Secretaria Nacional de Segurança Alimentar e Nutricional Câmara Intersetorial de Segurança Alimentar e Nutricional - CAISAN Secretaria-Executiva Proposta

Leia mais

EDUCAÇÃO PERMANENTE DESAFIOS NO CONTEXTO ATUAL

EDUCAÇÃO PERMANENTE DESAFIOS NO CONTEXTO ATUAL EDUCAÇÃO PERMANENTE DESAFIOS NO CONTEXTO ATUAL JOSÉ INÁCIO JARDIM MOTTA ESCOLA NACIONAL DE SAÚDE PÚBLICA Fundação Oswaldo Cruz Curitiba 2008 EDUCAÇÃO PERMANENTE UM DESAFIO EPISTÊMICO Quando o desejável

Leia mais

POLÍTICAS PÚBLICAS NA EDUCAÇÃO INFANTIL

POLÍTICAS PÚBLICAS NA EDUCAÇÃO INFANTIL 1 POLÍTICAS PÚBLICAS NA EDUCAÇÃO INFANTIL Erika Cristina Pereira Guimarães (Pibid-UFT- Tocantinópolis) Anna Thércia José Carvalho de Amorim (UFT- Tocantinópolis) O presente artigo discute a realidade das

Leia mais

A PRÁTICA INVESTIGATIVA NO CURSO DE PEDAGOGIA: AVANÇOS E DESAFIOS A FORMAÇÃO DO PEDAGOGO NO CONTEXTO ATUAL

A PRÁTICA INVESTIGATIVA NO CURSO DE PEDAGOGIA: AVANÇOS E DESAFIOS A FORMAÇÃO DO PEDAGOGO NO CONTEXTO ATUAL A PRÁTICA INVESTIGATIVA NO CURSO DE PEDAGOGIA: AVANÇOS E DESAFIOS Ana Lúcia Cunha Duarte UCB duart_ana@hotmail.com Resumo: A prática investigativa desenvolvida no curso de Pedagogia do Centro de Educação,

Leia mais

CARTA DE OTTAWA. PRIMEIRA CONFERÊNCIA INTERNACIONAL SOBRE PROMOÇÃO DA SAÚDE Ottawa, novembro de 1986

CARTA DE OTTAWA. PRIMEIRA CONFERÊNCIA INTERNACIONAL SOBRE PROMOÇÃO DA SAÚDE Ottawa, novembro de 1986 CARTA DE OTTAWA PRIMEIRA CONFERÊNCIA INTERNACIONAL SOBRE PROMOÇÃO DA SAÚDE Ottawa, novembro de 1986 A Primeira Conferência Internacional sobre Promoção da Saúde, realizada em Ottawa, Canadá, em novembro

Leia mais

O interesse por atividades práticas contribuindo na alfabetização através do letramento

O interesse por atividades práticas contribuindo na alfabetização através do letramento O interesse por atividades práticas contribuindo na alfabetização através do letramento A contribuição do interesse e da curiosidade por atividades práticas em ciências, para melhorar a alfabetização de

Leia mais

ALFABETIZAÇÃO DE CRIANÇAS COM DEFICIÊNCIA INTELECTUAL NO ENSINO REGULAR

ALFABETIZAÇÃO DE CRIANÇAS COM DEFICIÊNCIA INTELECTUAL NO ENSINO REGULAR ALFABETIZAÇÃO DE CRIANÇAS COM DEFICIÊNCIA INTELECTUAL NO ENSINO REGULAR Luciana Barros Farias Lima e Claudia Regina Pinheiro Machado Universidade Federal do Estado do Rio de Janeiro UNIRIO lucpeda@gmail.com

Leia mais

PERCEPÇÃO AMBIENTAL DE PROFESSORES DE GEOGRAFIA DO ENSINO FUNDAMENTAL

PERCEPÇÃO AMBIENTAL DE PROFESSORES DE GEOGRAFIA DO ENSINO FUNDAMENTAL PERCEPÇÃO AMBIENTAL DE PROFESSORES DE GEOGRAFIA DO ENSINO FUNDAMENTAL Danilo Coutinho da Silva Bacharel e Licenciado em Geografia - UFPB danilogeog@hotmail.com INTRODUÇÃO A Educação Ambiental (EA) deve

Leia mais

8. O OBJETO DE ESTUDO DA DIDÁTICA: O PROCESSO ENSINO APRENDIZAGEM

8. O OBJETO DE ESTUDO DA DIDÁTICA: O PROCESSO ENSINO APRENDIZAGEM CORRENTES DO PENSAMENTO DIDÁTICO 8. O OBJETO DE ESTUDO DA DIDÁTICA: O PROCESSO ENSINO APRENDIZAGEM Se você procurar no dicionário Aurélio, didática, encontrará o termo como feminino substantivado de didático.

Leia mais

A Interdisciplinaridade como Metodologia de Ensino INTRODUÇÃO

A Interdisciplinaridade como Metodologia de Ensino INTRODUÇÃO A Interdisciplinaridade como Metodologia de Ensino O bom professor é o que consegue, enquanto fala trazer o aluno até a intimidade do movimento de seu pensamento. Paulo Freire INTRODUÇÃO A importância

Leia mais

PROJETO 2 EDUCAÇÃO AMBIENTAL E ALIMENTAR COM A HORTA ESCOLAR

PROJETO 2 EDUCAÇÃO AMBIENTAL E ALIMENTAR COM A HORTA ESCOLAR PROJETO 2 EDUCAÇÃO AMBIENTAL E ALIMENTAR COM A HORTA ESCOLAR JUSTIFICATIVA Uma vez que a sobrevivência da sociedade dependerá da alfabetização cultural, social e ecológica e, sendo a Terra nossa casa maior,

Leia mais

Escola: Escola Municipal Rural Sucessão dos Moraes

Escola: Escola Municipal Rural Sucessão dos Moraes Projeto Novos Talentos Escola: Escola Municipal Rural Sucessão dos Moraes Oficina: Comer bem, para viver melhor! Cristiane da Cunha Alves Tatiane Garcez Bianca Maria de Lima Danielle Costa INTRODUÇÃO/JUSTIFICATIVA

Leia mais

Educação Integral, Escola de Tempo Integral e Aluno em Tempo Integral na Escola.

Educação Integral, Escola de Tempo Integral e Aluno em Tempo Integral na Escola. Educação Integral, Escola de Tempo Integral e Aluno em Tempo Integral na Escola. Chico Poli Algumas vezes, fora da escola há até mais formação do que na própria escola. (M. G. Arroyo) É preciso toda uma

Leia mais

SUAS e Sistema Nacional de Segurança Alimentar e Nutricional SISAN: Desafios e Perspectivas para a Intersetorialiade

SUAS e Sistema Nacional de Segurança Alimentar e Nutricional SISAN: Desafios e Perspectivas para a Intersetorialiade SUAS e Sistema Nacional de Segurança Alimentar e Nutricional SISAN: Desafios e Perspectivas para a Intersetorialiade XIV ENCONTRO NACIONAL DO CONGEMAS Fortaleza, 22 e 23 de março de 2012 História recente

Leia mais

Que o poder público apóie as iniciativas locais de intervenção na insegurança alimentar e nutricional fortalecendo o desenvolvimento local

Que o poder público apóie as iniciativas locais de intervenção na insegurança alimentar e nutricional fortalecendo o desenvolvimento local CARTA DE JOINVILLE No período de 26 a 29 de maio de 2010 a cidade de Joinville em Santa Catarina sediou o CONBRAN 2010 - XXI Congresso Brasileiro de Nutrição, I Congresso Iberoamericano de Nutrição e o

Leia mais

O PEDAGOGO E O CONSELHO DE ESCOLA: UMA ARTICULAÇÃO NECESSÁRIA

O PEDAGOGO E O CONSELHO DE ESCOLA: UMA ARTICULAÇÃO NECESSÁRIA O PEDAGOGO E O CONSELHO DE ESCOLA: UMA ARTICULAÇÃO NECESSÁRIA SANTOS *, Josiane Gonçalves SME/CTBA josiane_2104@hotmail.com Resumo Os tempos mudaram, a escola mudou. Refletir sobre a escola na contemporaneidade

Leia mais

PROFESSOR DE MATEMÁTICA E EDUCADOR ESPECIAL: UM PASSO PARA INCLUSÃO

PROFESSOR DE MATEMÁTICA E EDUCADOR ESPECIAL: UM PASSO PARA INCLUSÃO ISSN 2316-7785 PROFESSOR DE MATEMÁTICA E EDUCADOR ESPECIAL: UM PASSO PARA INCLUSÃO RESUMO Karen Rodrigues Copello Universidade Federal de Santa Maria karen_keruso@hotmail.com Debora Silvana Soares Universidade

Leia mais

Educação Nutricional. Por quê?

Educação Nutricional. Por quê? Educação Nutricional Por quê? CRIANÇAS COM DOENÇAS DE ADULTOS CAUSAS: * Estilo de Vida = Sedentarismo * Má Alimentação * Hereditariedade CONSEQÜÊNCIAS: * Hipertensão * Diabetes - tipo 2 * Colesterol e

Leia mais

ITINERÁRIOS FORMATIVOS: CAMINHOS POSSÍVEIS NA EDUCAÇÃO PROFISSIONAL

ITINERÁRIOS FORMATIVOS: CAMINHOS POSSÍVEIS NA EDUCAÇÃO PROFISSIONAL ITINERÁRIOS FORMATIVOS: CAMINHOS POSSÍVEIS NA EDUCAÇÃO PROFISSIONAL Resumo Gabriel Mathias Carneiro Leão1 - IFPR, UFPR Rosane de Fátima Batista Teixeira2 - IFPR Grupo de Trabalho Cultura, Currículo e Saberes

Leia mais

Estratégia Nacional de Promoção da Alimentação Complementar Saudável

Estratégia Nacional de Promoção da Alimentação Complementar Saudável Estratégia Nacional de Promoção da Alimentação Complementar Saudável Janeiro/2009 1. Introdução A introdução de alimentos na dieta da criança após os seis meses de idade tem a função de complementar as

Leia mais

MANUAL. Campanha de incentivo ao consumo de Frutas, Legumes e Verduras nas Centrais de Abastecimento. [Digite texto]

MANUAL. Campanha de incentivo ao consumo de Frutas, Legumes e Verduras nas Centrais de Abastecimento. [Digite texto] MANUAL Campanha de incentivo ao consumo de Frutas, Legumes e Verduras nas Centrais de Abastecimento [Digite texto] Grupo de Trabalho Ministério do Desenvolvimento Social e Combate à Fome (MDS) Ministério

Leia mais

Projeto de Extensão. Título: Esporte e Inclusão Social no Instituto de Educação Física da Universidade Federal Fluminense

Projeto de Extensão. Título: Esporte e Inclusão Social no Instituto de Educação Física da Universidade Federal Fluminense Projeto de Extensão Título: Esporte e Inclusão Social no Instituto de Educação Física da Universidade Federal Fluminense 1.0 - JUSTIFICATIVA Considerando que a Extensão Universitária tem entre as suas

Leia mais

Profea- Projeto de Formação de Educadores Ambientais

Profea- Projeto de Formação de Educadores Ambientais Profea- Projeto de Formação de Educadores Ambientais Mostra Local de: Maringá PR Categoria do projeto: I Projetos em Andamento (projetos em execução atualmente) Nome da Instituição/Empresa: Facinor- Faculdade

Leia mais

DIAGNÓSTICO DO PERFIL DO LEITOR: ANÁLISE COMPARATIVA ENTRE O ENSINO PÚBLICO E PRIVADO NA REGIÃO OESTE DO ESTADO DE SÃO PAULO

DIAGNÓSTICO DO PERFIL DO LEITOR: ANÁLISE COMPARATIVA ENTRE O ENSINO PÚBLICO E PRIVADO NA REGIÃO OESTE DO ESTADO DE SÃO PAULO DIAGNÓSTICO DO PERFIL DO LEITOR: ANÁLISE COMPARATIVA ENTRE O ENSINO PÚBLICO E PRIVADO NA REGIÃO OESTE DO ESTADO DE SÃO PAULO Érika Cristina Mashorca Fiorelli, UNESP - Presidente Prudente-SP, SESI/SP; Ana

Leia mais

As 11 dúvidas mais frequentes

As 11 dúvidas mais frequentes As 11 dúvidas mais frequentes Deyse Campos Assessora de Educação Infantil dcampos@positivo.com.br Frequentemente recebemos solicitações de professores de escolas que estão utilizando o Sistema Positivo

Leia mais

ALIMENTAÇÃO ESCOLAR : MUNICIPALIZAÇÃO É FATOR DECISIVO NA EDUCAÇÃO. VELLOSO, Cleusa Bandeira de Oliveira

ALIMENTAÇÃO ESCOLAR : MUNICIPALIZAÇÃO É FATOR DECISIVO NA EDUCAÇÃO. VELLOSO, Cleusa Bandeira de Oliveira ALIMENTAÇÃO ESCOLAR : MUNICIPALIZAÇÃO É FATOR DECISIVO NA EDUCAÇÃO VELLOSO, Cleusa Bandeira de Oliveira SILVEIRA, Alberto Esteves Antunes Universidade de Passo Fundo RESUMO A municipalização da alimentação

Leia mais

FORTALECIMENTO DA AGENDA DE SEGURANÇA ALIMENTAR E NUTRICIONAL NA EDUCAÇÃO O Programa Nacional de Alimentação Escolar - PNAE

FORTALECIMENTO DA AGENDA DE SEGURANÇA ALIMENTAR E NUTRICIONAL NA EDUCAÇÃO O Programa Nacional de Alimentação Escolar - PNAE MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO FUNDO NACIONAL DE DESENVOLVIMENTO DA EDUCAÇÃO FNDE DIRETORIA DE AÇÕES EDUCACIONAIS DIRAE COORDENAÇÃO- GERAL DE PROGRAMAS DE ALIMENTAÇÃO ESCOLAR CGPAE SBS Q.2 Bloco F Edifício FNDE

Leia mais

Universidade Estadual do Sudoeste da Bahia Brasil. Educação: Ensino, pesquisa e extensão! Solange Barreto Chaves¹

Universidade Estadual do Sudoeste da Bahia Brasil. Educação: Ensino, pesquisa e extensão! Solange Barreto Chaves¹ Universidade Estadual do Sudoeste da Bahia Brasil Educação: Ensino, pesquisa e extensão! Solange Barreto Chaves¹ Resumo O presente texto tem por objetivo refletir e discutir sobre a integração entre ensino,

Leia mais

EDUCAÇÃO FÍSICA PARA PORTADORES DE NECESSIDADES ESPECIAIS (PNEE): construindo a autonomia na escola

EDUCAÇÃO FÍSICA PARA PORTADORES DE NECESSIDADES ESPECIAIS (PNEE): construindo a autonomia na escola EDUCAÇÃO FÍSICA PARA PORTADORES DE NECESSIDADES ESPECIAIS (PNEE): construindo a autonomia na escola Autora: CAMILA SOUZA VIEIRA Introdução A presente pesquisa tem como temática Educação física para Portadores

Leia mais

A EDUCAÇÃO, A CULTURA, O ESPORTE E O LAZER PARA OS IDOSOS

A EDUCAÇÃO, A CULTURA, O ESPORTE E O LAZER PARA OS IDOSOS A EDUCAÇÃO, A CULTURA, O ESPORTE E O LAZER PARA OS IDOSOS Agostinho Both3 3, Carmen Lucia da Silva Marques 3,José Francisco Silva Dias 3 As instituições, em especial as educacionais, não podem se furtar

Leia mais

MATEMÁTICA: É PRECISO LER, ESCREVER E SE ENVOLVER

MATEMÁTICA: É PRECISO LER, ESCREVER E SE ENVOLVER MATEMÁTICA: É PRECISO LER, ESCREVER E SE ENVOLVER Nilton Cezar Ferreira 1 Por mais de dois séculos já se faz reformas curriculares no Brasil, no entanto nenhuma dessas reformas conseguiu mudar de forma

Leia mais

Elaboração de Projetos

Elaboração de Projetos Elaboração de Projetos 2 1. ProjetoS Projeto: uma nova cultura de aprendizagem ALMEIDA, Maria Elizabeth Bianconcini de. Projeto: uma nova cultura de aprendizagem. [S.l.: s.n.], jul. 1999. A prática pedagógica

Leia mais

ORGANIZAÇÃO DE ESPAÇO FÍSICO NA CRECHE ( os cantinhos ), que possibilitou entender o espaço como aliado do trabalho pedagógico, ou seja, aquele que

ORGANIZAÇÃO DE ESPAÇO FÍSICO NA CRECHE ( os cantinhos ), que possibilitou entender o espaço como aliado do trabalho pedagógico, ou seja, aquele que Introdução A formação continuada iniciou-se com um diagnóstico com os profissionais que atuam nos Centros de Educação Infantil do nosso município para saber o que pensavam a respeito de conceitos essenciais

Leia mais

O TRABALHO DOCENTE NUM PROGRAMA DE ALFABETIZAÇÃO DE JOVENS E ADULTOS: CONTRADIÇÕES E PERSPECTIVAS

O TRABALHO DOCENTE NUM PROGRAMA DE ALFABETIZAÇÃO DE JOVENS E ADULTOS: CONTRADIÇÕES E PERSPECTIVAS O TRABALHO DOCENTE NUM PROGRAMA DE ALFABETIZAÇÃO DE JOVENS E ADULTOS: CONTRADIÇÕES E PERSPECTIVAS Daiana Rodrigues dos Santos Prado¹; Francine de Paulo Martins² Estudante do Curso de Pedagogia; e-mail:

Leia mais

A EDUCAÇÃO AMBIENTAL NA EDUCAÇÃO INFANTIL

A EDUCAÇÃO AMBIENTAL NA EDUCAÇÃO INFANTIL A EDUCAÇÃO AMBIENTAL NA EDUCAÇÃO INFANTIL ALVES, Ana Paula PUCPR SAHEB, Daniele PUCPR Grupo de Trabalho - Didática: Teorias, Metodologias e Práticas Agência Financiadora: não contou com financiamento Resumo

Leia mais

OFICINA DE TRABALHO PACTO FEDERATIVO PELA ALIMENTACAO ADEQUADA E SAUDÁVEL

OFICINA DE TRABALHO PACTO FEDERATIVO PELA ALIMENTACAO ADEQUADA E SAUDÁVEL OFICINA DE TRABALHO PACTO FEDERATIVO PELA ALIMENTACAO ADEQUADA E SAUDÁVEL Brasília, agosto 2015 Elisabetta Recine OPSAN/NUT/FS/UnB Consea Por que estamos aqui?? Mobilizar e sensibilizar rede de profissionais

Leia mais

CURSOS PRECISAM PREPARAR PARA A DOCÊNCIA

CURSOS PRECISAM PREPARAR PARA A DOCÊNCIA Fundação Carlos Chagas Difusão de Idéias novembro/2011 página 1 CURSOS PRECISAM PREPARAR PARA A DOCÊNCIA Elba Siqueira de Sá Barretto: Os cursos de Pedagogia costumam ser muito genéricos e falta-lhes um

Leia mais

PÓS-GRADUAÇÃO STRICTO SENSU MESTRADO EM CIÊNCIAS DA EDUCAÇÃO SILMARA SILVEIRA ANDRADE

PÓS-GRADUAÇÃO STRICTO SENSU MESTRADO EM CIÊNCIAS DA EDUCAÇÃO SILMARA SILVEIRA ANDRADE PÓS-GRADUAÇÃO STRICTO SENSU MESTRADO EM CIÊNCIAS DA EDUCAÇÃO SILMARA SILVEIRA ANDRADE POLÍTICAS PÚBLICAS EDUCACIONAIS: FORTALECIMENTO DA LÍNGUA ESTRANGEIRA Assunção, Paraguay Abril 2015 POLÍTICAS PÚBLICAS

Leia mais

PROJETO interação FAMÍLIA x ESCOLA: UMA relação necessária

PROJETO interação FAMÍLIA x ESCOLA: UMA relação necessária PROJETO interação FAMÍLIA x ESCOLA: UMA relação necessária Apoio: Secretária municipal de educação de santo Afonso PROJETO INTERAÇÃO FAMÍLIA X ESCOLA: UMA RELAÇÃO NECESSÁRIA. É imperioso que dois dos principais

Leia mais

Educação Alimentar e Nutricional no Espaço Escolar como Promotora de Vida Saudável

Educação Alimentar e Nutricional no Espaço Escolar como Promotora de Vida Saudável Educação Alimentar e Nutricional no Espaço Escolar como Promotora de Vida Saudável Comissão de Educação e Cultura da Câmara de Deputados 16 de outubro de 2007, Brasília-DF UNIVERSIDADE FEDERAL DO PARANÁ

Leia mais

PLANTANDO NOVAS SEMENTES NA EDUCAÇÃO DO CAMPO

PLANTANDO NOVAS SEMENTES NA EDUCAÇÃO DO CAMPO PLANTANDO NOVAS SEMENTES NA EDUCAÇÃO DO CAMPO Alunos Apresentadores:Aline Inhoato; Rafhaela Bueno de Lourenço; João Vitor Barcelos Professor Orientador: Mario Ubaldo Ortiz Barcelos -Email: muobubaldo@gmail.com

Leia mais

Sumário. I. Apresentação do Manual. II. A Prevenção de Acidentes com Crianças. III. Programa CRIANÇA SEGURA Pedestre

Sumário. I. Apresentação do Manual. II. A Prevenção de Acidentes com Crianças. III. Programa CRIANÇA SEGURA Pedestre Sumário I. Apresentação do Manual II. A Prevenção de Acidentes com Crianças III. Programa CRIANÇA SEGURA Pedestre IV. Como a Educação pode contribuir para a Prevenção de Acidentes no Trânsito V. Dados

Leia mais

Mostra de Projetos 2011. Construindo a Sociedade que Queremos

Mostra de Projetos 2011. Construindo a Sociedade que Queremos Mostra de Projetos 2011 Construindo a Sociedade que Queremos Mostra Local de: Piraquara Categoria do projeto: I - Projetos em implantação, com resultados parciais. Nome da Instituição/Empresa: Associação

Leia mais

CENTRO UNIVERSITÁRIO DE CARATINGA

CENTRO UNIVERSITÁRIO DE CARATINGA CENTRO UNIVERSITÁRIO DE CARATINGA RELAÇÃO DE RESUMOS DE MONOGRAFIAS E ARTIGOS DE PÓS- GRADUAÇÃO Lato sensu Curso: Língua Inglesa/2005 Nome Aluno(a) Título Monografia/Artigo Orientador/Banca Annelise Lima

Leia mais

Currículo e tecnologias digitais da informação e comunicação: um diálogo necessário para a escola atual

Currículo e tecnologias digitais da informação e comunicação: um diálogo necessário para a escola atual Currículo e tecnologias digitais da informação e comunicação: um diálogo necessário para a escola atual Adriana Cristina Lázaro e-mail: adrianaclazaro@gmail.com Milena Aparecida Vendramini Sato e-mail:

Leia mais

BENEFÍCIO DE PRESTAÇÃO CONTINUADA E ENVELHECIMENTO ATIVO: CONQUISTAS E DESAFIOS

BENEFÍCIO DE PRESTAÇÃO CONTINUADA E ENVELHECIMENTO ATIVO: CONQUISTAS E DESAFIOS BENEFÍCIO DE PRESTAÇÃO CONTINUADA E ENVELHECIMENTO ATIVO: CONQUISTAS E DESAFIOS Cristiane Cinat Universidade Estadual Paulista Júlio de Mesquita Filho - UNESP - Franca cricriblue@hotmail.com Introdução

Leia mais