Nova Ortografia - Atualização em Redação Oficial

Save this PDF as:
 WORD  PNG  TXT  JPG

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "Nova Ortografia - Atualização em Redação Oficial"

Transcrição

1 GESPÚBLICA EGM FAMEM Nova Ortografia - Atualização em Redação Oficial Prof. Tammy de Oliveira Cunha Ramos Licenciada em Letra s UERJ e Coordenadora da Escola de Gestão Municipal/FAMEM

2

3 Origem Nossa Língua- breve viagem histórica 1) Latim Vulgar Origem da Língua Portugues Falado pelos soldados, artesãos, comerciantes, artistas etc. 2) Latim Clássico Elite minoria

4 Tipos de Comunicações Particular trocada entre pessoas mais ou menos íntimas sobre assuntos da vida privada. Ex.: notícias do cotidiano, agradecimentos, convites, pêsames. Comercial inclui toda espécie de documentos ligados a transações comerciais,industriais,financeiras, bancárias (pública ou privada) etc. Oficial quando provém de instituições do serviço público, tanto civis, como militares, e abrange atos dos poderes legislativo, executivo e judiciário.

5 Comunicação Oficial Correspondência entre 2 ou mais órgãos/setores Remetente é quem escreve determinada mensagem Destinatário aquele que recebe a mensagem Documentos mais utilizados:ofício e memorando. A eficácia da correspondência depende basicamente de que o remetente saiba formular o que deseja transmitir ao destinatário em linguagem clara. Celso Pedro Luft

6 Redação Oficial É a forma pela qual o Poder Público redige atos normativos e comunicações, e deve caracterizar-se por: impessoalidade, método,organização uso do padrão culto da Língua/respeito às normas técnicas em vigência Decreto 4176/ Manual de Redação da Pres. da República - Padrão

7 Impessoalidade verbal Utilize conjugação impessoal sempre que possível, conjugando o verbo na terceira pessoa ou utilizando verbos na forma passiva. Exemplos: Eu sei que o prazo é de uma semana. (inadequado) É sabido que o prazo é de uma semana. (adequado) Redigiram o ofício... (inadequado) O ofício foi redigido... (adequado)

8 Atributos da Redação Oficial Fundamentalmente esses atributos decorrem da Constituição, que dispõe, no artigo 37: "A administração pública direta, indireta ou fundacional, de qualquer dos Poderes da União, dos Estados, do Distrito Federal e dos Municípios obedecerá aos princípios de legalidade, impessoalidade, moralidade, publicidade e eficiência (...)". Sendo a publicidade e a impessoalidade princípios fundamentais de toda administração pública, claro está que devem igualmente nortear a elaboração dos atos e comunicações oficiais.

9 Elementos essenciais na Redação Oficial Clareza qualidade essencial da boa expressão (quem pensa claramente/ se expressa claramente) Concisão emprego da linguagem adequada, da palavra exata e necessária, economia verbal Coesão União íntima das partes Coerência

10 CORREÇÃO GRAMATICAL É a utilização do padrão culto da Língua; Respeito às regras apropriadas ao perfeito uso FORMALIDADE/UNIFORMIDADE - Diz respeito à polidez, à civilidade no tratamento do assunto/padronização das comunicações; Segue o Novo Acordo Ortográfico e suas mudanças

11 NOVO ACORDO ORTOGRÁFICO DA LÍNGUA PORTUGUESA Assinado em Lisboa, em 16 de dezembro de 1990 No Brasil, foi aprovado pelo Decreto Legislativo Nº 54 em 18 de abril de 1995 Decreto Nº 6.583, de 29 de setembro de Prorrogado até 2016 Não afeta aspectos da Língua falada, apenas a escrita.

12 Portugal,Brasil,Angola,São Tomé e Príncipe, Cabo Verde,Guiné-Bissau,Moçambique e Timor Leste

13 Erros comuns: AMBIGUIDADE É uma frase ou oração que pode ter mais de um sentido. Gera equívocos de compreensão EVITE a CLAREZA é requisito imprescindível de todo texto técnico; Decorre, geralmente, da dificuldade de identificarse que palavra se refere um pronome que possui mais de um antecedente.

14 EVITE Ex.: O Chefe de Gabinete comunicou ao Diretor que ele seria exonerado (Quem seria exonerado? O Chefe de Gabinete ou o Diretor?) Certo: O Chefe de Gabinete comunicou a exoneração dele ao Diretor (O Chefe de Gabinete foi exonerado) Certo: O Chefe de Gabinete comunicou ao Diretor a Exoneração deste ( O Diretor foi exonerado)

15 Pronomes de Tratamento O emprego dos pronomes de tratamento obedece à secular tradição. Vossa Excelência para as seguintes autoridades: a) do Poder Executivo: Presidente da República ( Não será abreviada a forma de tratamento); Vice-Presidente da República; Ministros de Estado;

16 Pronomes de Tratamento b) do Poder Legislativo: Deputados Federais e Senadores; Ministro do Tribunal de Contas da União; Deputados Estaduais e Distritais; Conselheiros dos Tribunais de Contas Estaduais; Presidentes das Câmaras Legislativas Municipais. c) do Poder Judiciário: Ministros dos Tribunais Superiores; Membros de Tribunais; Juízes; Auditores da Justiça Militar.

17 V. S.ª - Vossa Senhoria usado em tratamentos cerimoniosos e respeitosos a pessoas com grande prestígio, como:. Vereadores, Consultores, Gestores, Chefes, Secretários, Diretores De Autarquias E Cargos De Chefia Atuais.

18 V. Rev.mª - Vossa Reverendíssima usado em tratamentos cerimoniosos e respeitosos a sacerdotes, bispos e religiosos em geral. V.A. - Vossa Alteza usado em tratamentos cerimoniosos e respeitosos a príncipes, princesas, duques e duquesas.

19 V. Em.ª - Vossa Eminência usado em tratamentos cerimoniosos e respeitosos a cardeais, que são eclesiásticos do Sacro Colégio pontifício e participam no conclave para a eleição de um novo Papa. V. S. - Vossa Santidade usado em tratamentos cerimoniosos e respeitosos ao Papa. Este pronome de tratamento é também utilizado por ocidentais em tratamentos cerimoniosos e respeitosos ao Dalai Lama, embora não seja utilizado pelos tibetanos.

20 V. M. - Vossa Majestade usado em tratamentos cerimoniosos e respeitosos a reis e rainhas. V. Mag.ª (s) - Vossa Magnificência usado em tratamentos cerimoniosos e respeitosos a reitores de Universidades.

21 Observações: 1. Em comunicações oficiais, está abolido o uso do tratamento digníssimo (DD). A dignidade é pressuposto para que se ocupe qualquer cargo público, sendo desnecessária sua repetida evocação

22 Observações: 2. Fica dispensado o emprego do superlativo Ilustríssimo para as autoridades que recebem o tratamento de Vossa Senhoria e para particulares. É suficiente o uso do pronome de tratamento Senhor.

23 Observações: 3. Acrescente-se que Doutor não é forma de tratamento, e sim título acadêmico. Evite usá-lo indiscriminadamente. Como regra geral, empregue-o apenas em comunicações dirigidas a pessoas que tenham tal grau por terem concluído curso universitário de doutorado.

24 Ofício É uma modalidade de comunicação oficial para Órgãos da Administração Pública entre si e também particulares; Geralmente, é uma comunicação externa; P. 14 ( manual )

25 USO DO VOCATIVO OFICIO O vocativo a ser empregado em comunicações dirigidas aos Chefes de Poder é Excelentíssimo Senhor, seguido do cargo respectivo: Excelentíssimo Senhor Presidente da República, Excelentíssimo Senhor Presidente do Congresso Nacional, Excelentíssimo Senhor Presidente do Supremo Tribunal Federal.

26 As demais autoridades serão tratadas com o vocativo Senhor, seguido do cargo respectivo: Senhor Senador, Senhor Juiz, Senhor Ministro, Senhor Governador,

27 a)papel Ofício A4 b)fonte: Times New Roman fonte12 c) local e data em que foi assinado, por extenso, com alinhamento à direita: Exemplo: São Luís, 15 de março de d) assunto: resumo do teor do documento Exemplo: Assunto: Produtividade do órgão em 2015 (negrito)

28 Concordância dos pronomes de tratamento Sempre empregando o pronome possessivo na terceira pessoa (singular ou plural), e nunca na segunda pessoa do plural (vosso/a) Ex.: Vossa Senhoria emitirá o seu parecer. Ex.:Vossa Excelência receberá congratulações por seu magnífico desempenho.

29 a) para autoridades superiores, inclusive o Presidente da República: Respeitosamente, b) para autoridades de mesma hierarquia ou de hierarquia inferior: Atenciosamente, Obs.: Foi abolido o fechamento Cordialmente.

30 O memorando é a modalidade de comunicação entre unidades administrativas de um mesmo órgão, que podem estar hierarquicamente em mesmo nível ou em nível diferente É eminentemente interna.

31 O correio eletrônico (" "), por seu baixo custo e celeridade, transformou-se na principal forma de comunicação para transmissão de documentos O campo assunto do formulário de correio eletrônico mensagem deve ser preenchido de modo a facilitar a organização documental. Sempre que disponível, deve-se utilizar recurso de confirmação de leitura.

32 Caso não seja disponível, deve constar da mensagem pedido de confirmação de recebimento. Nos termos da legislação em vigor, para que a mensagem de correio eletrônico tenha valor documental, e, para que possa ser aceito como documento original, é necessário existir certificação digital que ateste a identidade do remetente, na forma estabelecida em lei.

33 Obs.: Segundo Manual da Presidência, nos termos da legislação em vigor, para que a mensagem de correio eletrônico tenha valor documental, para que possa ser aceito como documento original, é necessário existir certificação digital que ateste a identidade do remetente, na forma estabelecida em lei.

34 Conforme a Medida provisória de 2001, a lei brasileira determina que qualquer documento digital tem validade legal se for certificado pela ICP-Brasil (Infraestrutura de Chaves Públicas Brasileira). A medida provisória também prevê a utilização de certificados emitidos por outras infraestruturas de chaves públicas, desde que as partes que assinam reconheçam previamente a validade destes.

35 A utilização da assinatura ou firma digital providencia a prova inegável de que uma mensagem veio do emissor. Uma assinatura digital deve ter as seguintes propriedades: autenticidade - o receptor deve poder confirmar que a assinatura foi feita pelo emissor; integridade - qualquer alteração da mensagem faz com que a assinatura não corresponda mais ao documento; irretratabilidade - o emissor não pode negar a autenticidade da mensagem.

36 Obs.: O que a MP portanto outorga à ICP-Brasil é a fé pública, considerando que qualquer documento digital assinado com o certificado emitido pela ICP-Brasil pode de fato ser considerado assinado pela própria pessoa.

37 Relatório Simples É um documento por meio do qual o funcionário apresenta relato das atividades desenvolvidas em cursos, seminários, congressos ou outro evento externo de que tenha participado. Obs.: Algumas empresas/órgãos públicos possuem um tipo-padrão de relatório, que deverá ser seguido, quando solicitado. Ex.: relatório de viagem, relatório contábil etc.

38 Modelos de Memorando

39

40

41

42

43 Atividade Compare 2 modelos de documentos do Setor no qual você trabalha, consertando-os e adaptandoos às normas oficiais, quando necessário. Use sua criatividade e boa sorte!

44 Encerramento:Reflexão Todas as coisas cooperam para o bem daqueles que amam a Deus Romanos 8:28

Dicas. Português REDAÇÃO OFICIAL

Dicas. Português REDAÇÃO OFICIAL REDAÇÃO OFICIAL Dicas de Português REDAÇÃO OFICIAL CONSELHO NACIONAL DE JUSTIÇA Presidente Corregedor Nacional de Justiça Conselheiros Ministro Ricardo Lewandowski Ministra Nancy Andrighi Ministro Lelio

Leia mais

Noções sobre comunicação na Administração Pública. O que é Redação Oficial. Gustavo Justino de Oliveira*

Noções sobre comunicação na Administração Pública. O que é Redação Oficial. Gustavo Justino de Oliveira* Noções sobre comunicação na Administração Pública O que é Redação Oficial Gustavo Justino de Oliveira* O presente material contará principalmente de informações colhidas no Manual de Redação da Presidência

Leia mais

MANUAL DE PADRONIZAÇÃO DE DOCUMENTOS E ATOS OFICIAIS

MANUAL DE PADRONIZAÇÃO DE DOCUMENTOS E ATOS OFICIAIS CÂMARA DE VEREADORES DE BALNEÁRIO CAMBORIÚ Avenida das Flores, 675 Bairro dos Estados Balneário Camboriú Santa Catarina 88339-130 www.balneariocamboriu.sc.leg.br (47) 3263-7686 MANUAL DE PADRONIZAÇÃO DE

Leia mais

LISTA DE EXERCÍCIOS DA DISCIPLINA COMUNICAÇÃO OFICIAL

LISTA DE EXERCÍCIOS DA DISCIPLINA COMUNICAÇÃO OFICIAL LISTA DE EXERCÍCIOS DA DISCIPLINA COMUNICAÇÃO OFICIAL Esta série de questões consiste em um material de apoio ao estudo e à fixação de conceitos do programa de Comunicação Oficial. Na prova, as questões

Leia mais

HISTÓRICO DAS REVISÕES N.ºREVISÃO DATA IDENTIFICAÇÃO DO DOCUMENTO

HISTÓRICO DAS REVISÕES N.ºREVISÃO DATA IDENTIFICAÇÃO DO DOCUMENTO HISTÓRICO DAS REVISÕES N.ºREVISÃO DATA IDENTIFICAÇÃO DO DOCUMENTO 01 1 /05/2011 Emissão inicial 03 1º/05/2011 Emissão inicial Elaborado: 1 /05/2011 Revisado: 1 /04/2011 da Qualidade Análise Crítica e Aprovação

Leia mais

Erros mais freqüentes

Erros mais freqüentes Lição 1 Erros mais freqüentes Extraímos de comunicações empresariais alguns erros, que passamos a comentar: 1. Caso se faça necessário maiores esclarecimentos... Apontamos duas falhas: 1. Caso se faça

Leia mais

REDAÇÃO OFICIAL E A IMPORTÂNCIA DO ATO DE COMUNICAR

REDAÇÃO OFICIAL E A IMPORTÂNCIA DO ATO DE COMUNICAR REDAÇÃO OFICIAL E A IMPORTÂNCIA DO ATO DE COMUNICAR Rosângela Vasconcelos Tavares Professora Revisora-Redatora Língua e Comunicação [Adicione uma legenda para sua foto aqui.] Redação Oficial: O que é?

Leia mais

Lição 4 Instrumentos de Correspondências dos Correios

Lição 4 Instrumentos de Correspondências dos Correios 69 Lição 4 Instrumentos de Correspondências dos Correios Após concluir o estudo desta lição, esperamos que você possa: Associar os instrumentos de correspondências dos Correios às suas respectivas características.

Leia mais

Prof. Paulo Barbosa duvidas@paulobarbosa.com.br

Prof. Paulo Barbosa duvidas@paulobarbosa.com.br Prof. Paulo Barbosa duvidas@paulobarbosa.com.br Esse material pode ser denominado Notas de Aulas. Ele não é autodidático, não o utilize como fonte única de consulta para estudos para préconcurso. Use-o

Leia mais

REDAÇÃO TÉCNICA: Certidões, Termos de Declarações, Notificações, Memorandos, Atas e Ofícios

REDAÇÃO TÉCNICA: Certidões, Termos de Declarações, Notificações, Memorandos, Atas e Ofícios REDAÇÃO TÉCNICA: Certidões, Termos de Declarações, Notificações, Memorandos, Atas e Ofícios CONSIDERAÇÕES GERAIS: FORMA E ESTRUTURA ESPECÍFICAS PRONOMES DE TRATAMENTO MACRO ESTRUTURA PRONOMES DE TRATAMENTO

Leia mais

Resolução nº 68, de 31 de maio de 1995. R E S O L V E

Resolução nº 68, de 31 de maio de 1995. R E S O L V E Resolução nº 68, de 31 de maio de 1995. O Presidente do Tribunal de Justiça do Estado do Acre, no uso de suas atribuições legais. R E S O L V E Aprovar, no âmbito do Poder Judiciário Estadual, as Normas

Leia mais

CADERNO DE COMPRAS E LICITAÇÕES

CADERNO DE COMPRAS E LICITAÇÕES 2010 PREFEITURA MUNICIPAL DE CONTAGEM SECRETARIA MUNICIPAL DE ADMINISTRAÇÃO DIRETORIA DE COMPRAS E LICITAÇÕES CADERNO DE COMPRAS E LICITAÇÕES 1. OBJETIVO Este manual tem por objetivo esclarecer as questões

Leia mais

Disciplina: LÍNGUA PORTUGUESA APLICADA À ADMINISTRAÇÃO PUBLICA

Disciplina: LÍNGUA PORTUGUESA APLICADA À ADMINISTRAÇÃO PUBLICA Disciplina: LÍNGUA PORTUGUESA APLICADA À ADMINISTRAÇÃO PUBLICA O que é Redação Oficial Em uma frase, pode-se dizer que redação oficial é a maneira pela qual o Poder Público redige atos normativos e comunicações.

Leia mais

www.concursovirual.com.br

www.concursovirual.com.br DIREITO ADMINISTRATIVO TEMA: CONHECIMENTOS GERAIS CORREIOS/2015 CONHECIMENTOS GERAIS ESTADO UNITÁRIO - PODER CENTRAL (França) ESTADO COMPOSTO ESTADO UNITÁRIO (Formação histórica) ESTADO REGIONAL MENOS

Leia mais

NORMA DE CORRESPONDÊNCIA NOR 103

NORMA DE CORRESPONDÊNCIA NOR 103 MANUAL DE ORGANIZAÇÃO COD. 100 ASSUNTO: CORRESPONDÊNCIA COD: NOR 103 APROVAÇÃO: Resolução nº 024, de 02/09/03 NORMA DE CORRESPONDÊNCIA NOR 103 1/13 SUMÁRIO 1. FINALIDADE... 02 2. CONCEITUAÇÃO... 02 3.

Leia mais

Introdução Redação Redação Comercial Microsoft Word 2010

Introdução Redação Redação Comercial Microsoft Word 2010 Sumário Introdução... 1 ATA... 3 Circular... 5 DECLARAÇÃO... 8 REQUERIMENTO... 10 Envelopes... 11 MEMORANDOS... 13 PROCURAÇÕES... 16 OFÍCIO... 17 CARTA DE COBRANÇA... 19 ATESTADO... 22 ATESTADO... 23 CURRICULUM

Leia mais

CÂMARA MUNICIPAL DE RONDONÓPOLIS Estado de Mato Grosso

CÂMARA MUNICIPAL DE RONDONÓPOLIS Estado de Mato Grosso INSTRUÇÃO NORMATIVA SLE Nº 004/2011 Versão 01 Unidade Responsável: Secretaria Legislativa Institucional Unidade Executora: Coordenação de Arquivo e Registro/Chefia Registro Legislativo Data da Aprovação:

Leia mais

CONSELHO REGIONAL DE ADMINISTRAÇÃO DO DISTRITO FEDERAL

CONSELHO REGIONAL DE ADMINISTRAÇÃO DO DISTRITO FEDERAL Oficio nº0202/2014/fisc/cra-df Ao Senhor CF (IM) Bruno Abreu Cardozo Adjunto do Superintendente administração Pregoeiro da Marinha do Brasil Brasília/DF, 23 de outubro de 2014. Assunto: Consulta ao CRA-DF

Leia mais

a) requerimento na forma do anexo 1; b) formulário cadastral na forma do anexo 2;

a) requerimento na forma do anexo 1; b) formulário cadastral na forma do anexo 2; 1 CIRCULAR Nº 178 Comunicamos que a Diretoria do Banco Central do Brasil, em sessão de 11.5.1972, tendo em vista o disposto na Resolução nº 220, de 10.5.1972, resolveu baixar as seguintes normas relativas

Leia mais

CONTEÚDO PROGRAMÁTICO

CONTEÚDO PROGRAMÁTICO CONTEÚDO PROGRAMÁTICO ÍNDICE Pronomes...2 Pronomes Pessoais...2 Pronomes de Tratamento...3 Pronomes Possessivos...3 Pronomes Demonstrativos...3 Pronomes Indefinidos...4 Pronomes Relativos...4 Pronomes

Leia mais

INFORMÁTICA PROF. RAFAEL ARAÚJO

INFORMÁTICA PROF. RAFAEL ARAÚJO INFORMÁTICA PROF. RAFAEL ARAÚJO CERTIFICADO DIGITAL O certificado digital é um arquivo eletrônico que contém dados de uma pessoa ou instituição, utilizados para comprovar sua identidade. Este arquivo pode

Leia mais

LEI COMPLEMENTAR Nº 003/2010, de 10 de março de 2010

LEI COMPLEMENTAR Nº 003/2010, de 10 de março de 2010 LEI COMPLEMENTAR Nº 003/2010, de 10 de março de 2010 DISPÕE SOBRE A ESTRUTURA ORGANIZACIONAL, REGULAMENTAÇÃO DO QUADRO DE PESSOAL E VENCIMENTOS DA CÂMARA MUNICIPAL DE VEREADORES DE SÃO CARLOS, ESTADO DE

Leia mais

CÂMARA MUNICIPAL DE ACARAÚ - CE C O N C U R S O P Ú B L I C O EDITAL Nº 001/2014

CÂMARA MUNICIPAL DE ACARAÚ - CE C O N C U R S O P Ú B L I C O EDITAL Nº 001/2014 ANEXO I Relação dos Cargos, Vagas Oferecidas, Carga Horária e Salário Base O Cargo, a Escolaridade/Pré-Requisitos, (Coluna C) - Total de Vagas, (Coluna D) - Vagas Reservadas para Portadores de Deficiência,

Leia mais

FASES CONTEÚDOS/MÉTODOS/MATERIAIS TEMPO Diálogo sobre a importância do requerimento como meio de Introdução comunicação.

FASES CONTEÚDOS/MÉTODOS/MATERIAIS TEMPO Diálogo sobre a importância do requerimento como meio de Introdução comunicação. Nível Área de Competência Chave UFCD Conteúdo Tema Objectivos específicos B2; B3 Linguagem e Comunicação LC2C Produzir textos de acordo com técnicas e finalidades específicas. LC3C - Produzir textos informativos,

Leia mais

Prefeitura do Município de Foz do Iguaçu

Prefeitura do Município de Foz do Iguaçu INSTRUÇÃO NORMATIVA Nº 02/2014 - FOZPREV DATA: 5 de junho de 2014 SÚMULA: Regulamenta critérios de participação em eventos externos e procedimentos para a utilização de diárias de viagem e passagens custeadas

Leia mais

ESTRUTURA NORMATIVA ICP-BRASIL

ESTRUTURA NORMATIVA ICP-BRASIL Autenticidade Digital ESTRUTURA NORMATIVA ICP-BRASIL Estrutura Normativa ICP-Brasil Comitê Gestor da ICP-Brasil 1 Estrutura Normativa ICP-Brasil É um documento que explica como são organizados e criados

Leia mais

MANUAL DE NORMAS E PROCEDIMENTOS PARA COMPRAS E CONTRATAÇÃO DE SERVIÇOS COMPRADORES E FORNECEDORES FUNDAÇÃO DE APOIO À UNIFESP

MANUAL DE NORMAS E PROCEDIMENTOS PARA COMPRAS E CONTRATAÇÃO DE SERVIÇOS COMPRADORES E FORNECEDORES FUNDAÇÃO DE APOIO À UNIFESP MANUAL DE NORMAS E PROCEDIMENTOS PARA COMPRAS E CONTRATAÇÃO DE SERVIÇOS COMPRADORES E FORNECEDORES FUNDAÇÃO DE APOIO À UNIFESP 2015 ÍNDICE 1. Introdução... 2 2. Dos Objetivos Específicos... 2 3. Dos Envolvidos

Leia mais

LEI N 951, DE 18 DE MARÇO DE 2003

LEI N 951, DE 18 DE MARÇO DE 2003 LEI N 951, DE 18 DE MARÇO DE 2003 Dispõe sobre as Normas do Cerimonial Público e Ordem de Precedência no Município de Bonito-MS., e dá outras providências. Autor: Luemir do Couto Coelho O Prefeito Municipal

Leia mais

Universidade Cruzeiro do Sul. Campus Virtual Unidade I: Unidade: Gêneros Textuais Técnico-Profissionais

Universidade Cruzeiro do Sul. Campus Virtual Unidade I: Unidade: Gêneros Textuais Técnico-Profissionais Universidade Cruzeiro do Sul Campus Virtual Unidade I: Unidade: Gêneros Textuais Técnico-Profissionais 2010 0 Unidade: Gêneros Textuais Técnico- Profissionais Você já teve medo de escrever um texto? Sim?

Leia mais

Instrução Normativa nº 1, de 30 de dezembro de 2010 (Pág. 46) Estabelece procedimentos relativos à certificação de entidades beneficentes de

Instrução Normativa nº 1, de 30 de dezembro de 2010 (Pág. 46) Estabelece procedimentos relativos à certificação de entidades beneficentes de Instrução Normativa nº 1, de 30 de dezembro de 2010 (Pág. 46) Estabelece procedimentos relativos à certificação de entidades beneficentes de assistência social, no âmbito do Ministério do Desenvolvimento

Leia mais

Nota Técnica nº 446/2010/COGES/DENOP/SRH/MP. ASSUNTO: Averbação de tempo de serviço. Referência: Processo Administrativo nº 10176.

Nota Técnica nº 446/2010/COGES/DENOP/SRH/MP. ASSUNTO: Averbação de tempo de serviço. Referência: Processo Administrativo nº 10176. MINISTÉRIO DO PLANEJAMENTO, ORÇAMENTO E GESTÃO Secretaria de Recursos Humanos Departamento de Normas e Procedimentos Judiciais Coordenação-Geral de Elaboração, Sistematização e Aplicação das Normas Nota

Leia mais

PROJETO DE LEI DO SENADO Nº, DE 2012

PROJETO DE LEI DO SENADO Nº, DE 2012 PROJETO DE LEI DO SENADO Nº, DE 2012 Dispõe sobre normas gerais referentes a aspectos das políticas urbana, ambiental e de saúde associadas à instalação de infraestrutura de telecomunicações no País. O

Leia mais

XLIII PLENÁRIA NACIONAL DO FÓRUM DOS CONSELHOS ESTADUAIS DE EDUCAÇÃO - FNCE

XLIII PLENÁRIA NACIONAL DO FÓRUM DOS CONSELHOS ESTADUAIS DE EDUCAÇÃO - FNCE XLIII PLENÁRIA NACIONAL DO FÓRUM DOS CONSELHOS ESTADUAIS DE EDUCAÇÃO - FNCE O Futuro da Educação a Distância na Educação Básica Francisco Aparecido Cordão facordao@uol.com.br Dispositivos da LDB e DECRETOS

Leia mais

TÍTULO 10 SISTEMA PÚBLICO DE ESCRITURAÇÃO DIGITAL SPED E ESCRITURAÇÃO FISCAL DIGITAL EFD

TÍTULO 10 SISTEMA PÚBLICO DE ESCRITURAÇÃO DIGITAL SPED E ESCRITURAÇÃO FISCAL DIGITAL EFD (*) 1) SISTEMA PÚBLICO DE ESCRITURAÇÃO DIGITAL SPED 1.1) FINALIDADE: instituído pelo Decreto nº 6.022, de janeiro de 2007, o projeto do Sistema Público de Escrituração Digital SPED faz parte do programa

Leia mais

Estatuto Orgânico do Ministério da Administração Pública, Emprego e Segurança Social

Estatuto Orgânico do Ministério da Administração Pública, Emprego e Segurança Social Estatuto Orgânico do Ministério da Administração Pública, Emprego e Segurança Social Ter, 02 de Junho de 2009 18:38 Administrador REPÚBLICA DE ANGOLA Conselho de Ministros Decreto-lei nº 8 /07 de 4 de

Leia mais

Sumário. Introdução... 1

Sumário. Introdução... 1 Sumário Introdução... 1 Capítulo 1. Números e Estatísticas da Internet... 3 Número de usuários...3 Internautas residenciais ativos...3 Comércio eletrônico...6 A Certificação Digital e o Judiciário...7

Leia mais

GUIA PRÁTICO VENDA DE IMÓVEIS POR AJUSTE DIRETO

GUIA PRÁTICO VENDA DE IMÓVEIS POR AJUSTE DIRETO GUIA PRÁTICO VENDA DE IMÓVEIS POR AJUSTE DIRETO INSTITUTO DE GESTÃO FINANCEIRA DA SEGURANÇA SOCIAL, I.P. ISS, I.P. Departamento/Gabinete Pág. 1/12 FICHA TÉCNICA TÍTULO Guia Prático Venda de Imóveis por

Leia mais

Unidade III. Comunicação Empresarial. Profª. Cleide de Freitas

Unidade III. Comunicação Empresarial. Profª. Cleide de Freitas Unidade III Comunicação Empresarial Profª. Cleide de Freitas Resumo aula anterior Construção de textos Tipos de parágrafos Texto Narrativo, Descritivo e Dissertativo Resumo Esquema Resenha Sinóptico O

Leia mais

CURSO DE INICIAÇÃO AO SERVIÇO PÚBLICO FEDERAL

CURSO DE INICIAÇÃO AO SERVIÇO PÚBLICO FEDERAL MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO SECRETARIA DE EDUCAÇÃO PROFISSIONAL E TECNOLÓGICA INSTITUTO FEDERAL DE EDUCAÇÃO, CIÊNCIA E TECNOLOGIA DO RIO GRANDE DO NORTE CAMPUS APODI COORDENAÇÃO DE GESTÃO DE PESSOAS CURSO DE

Leia mais

Ministério da Educação Universidade Federal do Pampa Pró-Reitoria de Gestão de Pessoal FOLHA PONTO

Ministério da Educação Universidade Federal do Pampa Pró-Reitoria de Gestão de Pessoal FOLHA PONTO FOLHA PONTO Abrangência: Técnicos Administrativos É de responsabilidade da Chefia imediata, o acompanhamento através da folha ponto da situação de Frequência do Servidor, sobre o que estabelece a presente

Leia mais

Freguesia de Requião

Freguesia de Requião Freguesia de Requião Regulamento e Tabela de Taxas e Licenças Ano de 2014 Em conformidade com o disposto nas alíneas d) e f), nº 1 do artigo 9º, conjugada com a alínea h) do nº 1 do artigo 16º, da Lei

Leia mais

LEI N. 4.016/2.001. (Cria a Estrutura Organizacional Básica da Prefeitura Municipal de Rio Verde e dá outras providências)

LEI N. 4.016/2.001. (Cria a Estrutura Organizacional Básica da Prefeitura Municipal de Rio Verde e dá outras providências) LEI N. 4.016/2.001 (Cria a Estrutura Organizacional Básica da Prefeitura Municipal de Rio Verde e dá outras providências) A CÂMARA MUNICIPAL DE RIO VERDE-GO APROVA E EU SANCIONO A SEGUINTE LEI: Art. 1

Leia mais

PREFEITURA DO MUNICÍPIO DE ITAÚNA - MG Edital de Chamamento para Cadastro nº 01/2013

PREFEITURA DO MUNICÍPIO DE ITAÚNA - MG Edital de Chamamento para Cadastro nº 01/2013 PREFEITURA DO MUNICÍPIO DE ITAÚNA - MG Edital de Chamamento para Cadastro nº 01/2013 Edital de convocação de Pessoas Jurídicas para inscrição e atualização do Cadastro de Fornecedores do Município de Itaúna.

Leia mais

CONSELHO MUNICIPAL DOS DIREITOS DA CRIANÇA E DO ADOLESCENTE COMISSÃO DE AVALIAÇÃO E MONITORAMENTO DE PROJETOS DO FMDCA EDITAL N 02/2014

CONSELHO MUNICIPAL DOS DIREITOS DA CRIANÇA E DO ADOLESCENTE COMISSÃO DE AVALIAÇÃO E MONITORAMENTO DE PROJETOS DO FMDCA EDITAL N 02/2014 CONSELHO MUNICIPAL DOS DIREITOS DA CRIANÇA E DO ADOLESCENTE COMISSÃO DE AVALIAÇÃO E MONITORAMENTO DE PROJETOS DO FMDCA EDITAL N 02/2014 EDITAL DE SELEÇÃO PÚBLICA DE PROJETOS PARA FINANCIAMENTO COM RECURSOS

Leia mais

PROJETO DE CAPACITAÇÃO INTRODUÇÃO À GESTÃO PÚBLICA

PROJETO DE CAPACITAÇÃO INTRODUÇÃO À GESTÃO PÚBLICA MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO SECRETARIA DE EDUCAÇÃO PROFISSIONAL E TECNOLÓGICA INSTITUTO FEDERAL DE EDUCAÇÃO, CIÊNCIA E TECNOLOGIA DO RIO GRANDE DO NORTE CAMPUS SANTA CRUZ COORDENAÇÃO DE GESTÃO DE PESSOAS PROJETO

Leia mais

(Real Archivo Militar/1808) NORMAS PARA UTILIZAÇÃO E REPRODUÇÃO DE ACERVO DO ARQUIVO HISTÓRICO DO EXÉRCITO

(Real Archivo Militar/1808) NORMAS PARA UTILIZAÇÃO E REPRODUÇÃO DE ACERVO DO ARQUIVO HISTÓRICO DO EXÉRCITO MINISTÉRIO DA DEFESA EXÉRCITO BRASILEIRO DECEx DPHCEx ARQUIVO HISTÓRICO DO EXÉRCITO (Real Archivo Militar/1808) NORMAS PARA UTILIZAÇÃO E REPRODUÇÃO DE ACERVO DO ARQUIVO HISTÓRICO DO EXÉRCITO 1. FINALIDADE

Leia mais

PROJETO DE LEI Nº 1412015 DATA: 21/12/2015

PROJETO DE LEI Nº 1412015 DATA: 21/12/2015 PROJETO DE LEI Nº 1412015 DATA: 21/12/2015 SÚMULA: Autoriza o Executivo Municipal a criar empregos públicos e contratar servidores públicos para execução de programas descentralizados na área da saúde

Leia mais

Instrução Normativa RFB nº 777 de 19/10/07 DOU 30/11/07

Instrução Normativa RFB nº 777 de 19/10/07 DOU 30/11/07 Instrução Normativa RFB nº 777 de 19/10/07 DOU 30/11/07 Estabelece procedimentos de credenciamento de funcionários de entidades autorizadas a emitir certificados de origem, para fins de acesso ao sistema

Leia mais

RESOLUÇÃO N o 53 de 28/01/2013 - CAS RESOLVE: CAPÍTULO I DAS DEFINIÇÕES

RESOLUÇÃO N o 53 de 28/01/2013 - CAS RESOLVE: CAPÍTULO I DAS DEFINIÇÕES Regulamento de Estágios Estágios Não Obrigatórios Remunerados (ENOR) e Estágios Curriculares Obrigatórios (ECO) de alunos dos cursos superiores da Universidade Positivo. Aprovado pela Resolução n o 53

Leia mais

APOSTILA DE EXEMPLO (Esta é só uma reprodução parcial do conteúdo)

APOSTILA DE EXEMPLO (Esta é só uma reprodução parcial do conteúdo) APOSTILA DE EXEMPLO (Esta é só uma reprodução parcial do conteúdo) 1 Índice AULA 1 REDAÇÃO DE DOCUMENTOS... 3 Carta Comercial... 3 Requerimento... 6 Procuração... 7 Memorando... 8 Ofício... 9 Recibo...

Leia mais

EDITAL 008/2010 - PROJETO BRA/06/032 CÓDIGO: TRANSFERÊNCIA TECNOLOGIA

EDITAL 008/2010 - PROJETO BRA/06/032 CÓDIGO: TRANSFERÊNCIA TECNOLOGIA PRESIDÊNCIA DA REPÚBLICA SECRETARIA DE ASSUNTOS ESTRATÉGICOS PROGRAMA DAS NAÇÕES UNIDAS PARA O DESENVOLVIMENTO EDITAL 008/2010 - PROJETO BRA/06/032 CÓDIGO: TRANSFERÊNCIA TECNOLOGIA O Projeto BRA/06/032

Leia mais

Unidade 3 Como escrever uma carta

Unidade 3 Como escrever uma carta UNIDADE 3 Inicialmente, é preciso destacar dois tipos básicos de carta. O primeiro é a correspondência oficial e comercial, que nos é enviada pelos poderes políticos ou por empresas privadas (comunicações

Leia mais

PROCEDIMENTOS PARA INEXIGIBILIDADES DE LICITAÇÃO. Tal modalidade é prevista pela lei 8666/93 nos artigos abaixo transcritos:

PROCEDIMENTOS PARA INEXIGIBILIDADES DE LICITAÇÃO. Tal modalidade é prevista pela lei 8666/93 nos artigos abaixo transcritos: PROCEDIMENTOS PARA INEXIGIBILIDADES DE LICITAÇÃO. Tal modalidade é prevista pela lei 8666/93 nos artigos abaixo transcritos: Art. 13. Para os fins desta Lei, consideram-se serviços técnicos profissionais

Leia mais

Segurança da Informação

Segurança da Informação Conceitos Segurança da Informação Assinatura Digital Certificado Digital Criptografia Legislação Aplicabilidade no TJMG AGENDA Segurança da Informação É a proteção da informação de vários tipos de ameaças

Leia mais

Nº 36 de 2014 - CN (Mensagem nº 365 de 2014, na origem) 1. PROJETO DE LEI

Nº 36 de 2014 - CN (Mensagem nº 365 de 2014, na origem) 1. PROJETO DE LEI PROJETO DE LEI Nº 36 de 2014 - CN (Mensagem nº 365 de 2014, na origem) ROL DE DOCUMENTOS 1. PROJETO DE LEI 2. EXPOSIÇÃO DE MOTIVOS 3. MENSAGEM 4. LEGISLAÇÃO CITADA PROJETO DE LEI Nº 36, DE 2014 Altera

Leia mais

Ao Ilmo. Presidente do Instituto Chico Mendes de Conservação da Biodiversidade-ICMBio Prezado Sr. Rômulo Mello

Ao Ilmo. Presidente do Instituto Chico Mendes de Conservação da Biodiversidade-ICMBio Prezado Sr. Rômulo Mello Rio de Janeiro, 27 de junho de 2011. Ao Ilmo. Presidente do Instituto Chico Mendes de Conservação da Biodiversidade-ICMBio Prezado Sr. Rômulo Mello Encaminhamos, em função da Consulta Pública, a minuta

Leia mais

ESTADO DO RIO GRANDE DO SUL PREFEITURA MUNICIPAL DE SANT ANA DO LIVRAMENTO Palácio Moisés Viana Unidade Central de Controle Interno

ESTADO DO RIO GRANDE DO SUL PREFEITURA MUNICIPAL DE SANT ANA DO LIVRAMENTO Palácio Moisés Viana Unidade Central de Controle Interno ESTADO DO RIO GRANDE DO SUL PREFEITURA MUNICIPAL DE SANT ANA DO LIVRAMENTO Palácio Moisés Viana Unidade Central de Controle Interno PARECER de CONTROLE Nº 003/09 ENTIDADE SOLICITANTE: Departamento de Água

Leia mais

Certificação Digital a forma segura de navegar na rede

Certificação Digital a forma segura de navegar na rede Certificação Digital a forma segura de navegar na rede O que é o Certificado Digital ICP-Brasil? É um certificado emitido em conformidade com as regras e legislações da Infra-estrutura de Chaves Públicas

Leia mais

CAPÍTULO I Disposições gerais

CAPÍTULO I Disposições gerais ESTATUTOS DO CONSELHO DAS FINANÇAS PÚBLICAS Aprovados pela Lei n.º 54/2011, de 19 de outubro, com as alterações introduzidas pelo artigo 187.º da Lei n.º 82-B/2014, de 31 de dezembro (Grafia adaptada em

Leia mais

PARTE 1. Resolução 551/2011

PARTE 1. Resolução 551/2011 PARTE 1 Resolução 551/2011 TRIBUNAL DE JUSTIÇA DO ESTADO DE SÃO PAULO RESOLUÇÃO Nº 551/2011 Regulamenta o processo eletrônico no âmbito do Tribunal de Justiça do Estado de São Paulo e dá outras providências.

Leia mais

SERVIÇO PÚBLICO FEDERAL CONSELHO REGIONAL DE ENGENHARIA E AGRONOMIA DO ESTADO DE SÃO PAULO CREA-SP

SERVIÇO PÚBLICO FEDERAL CONSELHO REGIONAL DE ENGENHARIA E AGRONOMIA DO ESTADO DE SÃO PAULO CREA-SP Instrução nº 2555/2013 Estabelece normas operacionais de procedimentos para aumentar a segurança na concessão de registros profissionais no CREA-SP mediante a confirmação da autenticidade de documentos

Leia mais

PROJETO DE CAPACITAÇÃO INICIAÇÃO AO SERVIÇO PÚBLICO FEDERAL

PROJETO DE CAPACITAÇÃO INICIAÇÃO AO SERVIÇO PÚBLICO FEDERAL MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO SECRETARIA DE EDUCAÇÃO PROFISSIONAL E TECNOLÓGICA INSTITUTO FEDERAL DE EDUCAÇÃO, CIÊNCIA E TECNOLOGIA DO RIO GRANDE DO NORTE CAMPUS JOÃO CÂMARA COORDENAÇÃO DE GESTÃO DE PESSOAS PROJETO

Leia mais

ASSUNTO: Certificação de Organizações de Formação do pessoal do controlo de tráfego aéreo, prevista na Lei n.º 6/2009, de 29 de Janeiro

ASSUNTO: Certificação de Organizações de Formação do pessoal do controlo de tráfego aéreo, prevista na Lei n.º 6/2009, de 29 de Janeiro INSTITUTO NACIONAL DE AVIAÇÃO CIVIL, I.P. C I R C U L A R D E I N F O R M A Ç Ã O A E R O N Á U T I C A PORTUGAL INFORMAÇÃO AERONÁUTICA Aeroporto da Portela / 1749-034 Lisboa Telefone: 21 842 35 02 / Fax:

Leia mais

MANUAL DO ESTÁGIO EM DIREITO

MANUAL DO ESTÁGIO EM DIREITO MANUAL DO ESTÁGIO EM DIREITO ORIENTAÇÕES AOS ESTAGIÁRIOS 1) OS ESTAGIÁRIOS DEVERÃO FAZER OS PLANTÕES NO NÚCLEO DE PRÁTICA JURÍDICA a) O estagiário do Núcleo de Prática Jurídica deverá comparecer, duas

Leia mais

II Fórum de acessibilidade e II Seminário de ações afirmativas, diversidade e inclusão. OS TRABALHOS DEVERÃO SEGUIR A SEGUINTE FORMATAÇÃO:

II Fórum de acessibilidade e II Seminário de ações afirmativas, diversidade e inclusão. OS TRABALHOS DEVERÃO SEGUIR A SEGUINTE FORMATAÇÃO: II Fórum de acessibilidade e II Seminário de ações afirmativas, diversidade e inclusão. OS TRABALHOS DEVERÃO SEGUIR A SEGUINTE FORMATAÇÃO: I - RESUMO EXPANDIDO: Modalidade: Destinada a alunos de graduação,

Leia mais

Presidência da República Casa Civil Subchefia para Assuntos Jurídicos

Presidência da República Casa Civil Subchefia para Assuntos Jurídicos Presidência da República Casa Civil Subchefia para Assuntos Jurídicos DECRETO N o 70.436, DE 18 DE ABRIL DE 1972. Regulamenta a aquisição pelos portugueses, no Brasil, dos direitos e obrigações previstos

Leia mais

PROCESSO SELETIVO SIMPLIFICADO

PROCESSO SELETIVO SIMPLIFICADO MINUTA DE EDITAL N 468/IFC/2014, de 31 de outubro de 2014. PROCESSO SELETIVO SIMPLIFICADO O Reitor do Instituto Federal de Educação, Ciência e Tecnologia Catarinense IFC, no uso de suas atribuições legais

Leia mais

Ministério Público da União Técnico Redação Oficial Prof.: Maria Tereza Faria

Ministério Público da União Técnico Redação Oficial Prof.: Maria Tereza Faria Ministério Público da União Técnico Redação Oficial Prof.: Maria Tereza Faria REDAÇÃO OFICIAL Correspondência Oficial: maneira pela qual o Poder Público (artigo 37 da Constituição: "administração pública

Leia mais

PROVIMENTO N 18. CONSIDERANDO a necessidade de racionalizar a tramitação de dados a cargo dos notários;

PROVIMENTO N 18. CONSIDERANDO a necessidade de racionalizar a tramitação de dados a cargo dos notários; PROVIMENTO N 18 Dispõe sobre a instituição e funcionamento da Central Notarial de Serviços Eletrônicos Compartilhados CENSEC. A CORREGEDORA NACIONAL DA JUSTIÇA, Ministra ELIANA CALMON, no uso de suas atribuições

Leia mais

PORTARIA NORMATIVA N o 18, DE 05 DE MARÇO DE 2010

PORTARIA NORMATIVA N o 18, DE 05 DE MARÇO DE 2010 INSTITUTO CHICO MENDES DE CO NSERVAÇÃO DA BIODIVERSIDADE PORTARIA NORMATIVA N o 18, DE 05 DE MARÇO DE 2010 Estabelece os procedimentos relativos à emissão de certificados em eventos de capacitação e desenvolvimento

Leia mais

ISO/IEC 17050-1. Avaliação da conformidade Declaração de conformidade do fornecedor Parte 1: Requisitos gerais

ISO/IEC 17050-1. Avaliação da conformidade Declaração de conformidade do fornecedor Parte 1: Requisitos gerais QSP Informe Reservado Nº 42 Janeiro/2005 ISO/IEC 17050-1 Avaliação da conformidade Declaração de conformidade do fornecedor Parte 1: Requisitos gerais Tradução livre especialmente preparada para os Associados

Leia mais

CGU Controladoria-Geral da União OGU Ouvidoria-Geral da União Coordenação-Geral de Recursos de Acesso à Informação

CGU Controladoria-Geral da União OGU Ouvidoria-Geral da União Coordenação-Geral de Recursos de Acesso à Informação Controladoria-Geral da União OGU Ouvidoria-Geral da União Coordenação-Geral de Recursos de Acesso à Informação PARECER Referência: 23480.012306/-43 Assunto: Restrição de acesso: Ementa: Órgão ou entidade

Leia mais

PARECER Nº, DE 2012. RELATOR: Senador ARMANDO MONTEIRO

PARECER Nº, DE 2012. RELATOR: Senador ARMANDO MONTEIRO PARECER Nº, DE 2012 Da COMISSÃO DE ASSUNTOS ECONÔMICOS, sobre o Projeto de Lei do Senado nº 461, de 2009 Complementar, do Senador Sérgio Zambiasi, que altera o art. 195 da Lei nº 5.172, de 25 de outubro

Leia mais

Controladoria-Geral da União Ouvidoria-Geral da União PARECER. Recurso contra decisão denegatória ao pedido de acesso à informação.

Controladoria-Geral da União Ouvidoria-Geral da União PARECER. Recurso contra decisão denegatória ao pedido de acesso à informação. Controladoria-Geral da União Ouvidoria-Geral da União PARECER Referência: 8700.000695/201-72 Assunto: Restrição de acesso: Ementa: Órgão ou entidade recorrido (a): Recorrente: Recurso contra decisão denegatória

Leia mais

Lei dos Formulários dos Diplomas

Lei dos Formulários dos Diplomas CÓDIGOS ELECTRÓNICOS DATAJURIS DATAJURIS é uma marca registada no INPI sob o nº 350529 Lei dos Formulários dos Diplomas (1998) Todos os direitos reservados à DATAJURIS, Direito e Informática, Lda. É expressamente

Leia mais

- Relatos de experiência e de práticas pedagógicas: Mínimo de 1 página e máximo de 2 conforme o modelo do Anexo IV. Manter cabeçalho.

- Relatos de experiência e de práticas pedagógicas: Mínimo de 1 página e máximo de 2 conforme o modelo do Anexo IV. Manter cabeçalho. ESPECIFICAÇÕES PARA O ENVIO DE ARTIGOS: Serão publicados nos Cadernos Temáticos IV cinco modelos de artigos: relatos de experiência; relatos de práticas pedagógicas; resumos estendidos; artigos e; artigos

Leia mais

GUIA PRÁTICO LICENCIAMENTO DA ATIVIDADE DOS ESTABELECIMENTOS DE APOIO SOCIAL

GUIA PRÁTICO LICENCIAMENTO DA ATIVIDADE DOS ESTABELECIMENTOS DE APOIO SOCIAL GUIA PRÁTICO LICENCIAMENTO DA ATIVIDADE DOS ESTABELECIMENTOS DE APOIO SOCIAL INSTITUTO DA SEGURANÇA SOCIAL, I.P ISS, I.P. Departamento/Gabinete Pág. 1/15 FICHA TÉCNICA TÍTULO Guia Prático Licenciamento

Leia mais

FUNDAÇÃO GETULIO VARGAS Programa de Certificação de Qualidade Curso de Graduação em Administração

FUNDAÇÃO GETULIO VARGAS Programa de Certificação de Qualidade Curso de Graduação em Administração FUNDAÇÃO GETULIO VARGAS Programa de Certificação de Qualidade Curso de Graduação em Administração PROVA DE COMUNICAÇÃO EMPRESARIAL 1º Semestre / 2010 - P2 - TIPO 1 DADOS DO ALUNO: Nome: Assinatura INSTRUÇÕES:

Leia mais

REGULAMENTO DO ARQUIVO MUNICIPAL DE GOUVEIA. Capítulo 1. Constituição e Funções do Arquivo Municipal. Artigo 1º. Artigo 2º. Capítulo II Da Recolha

REGULAMENTO DO ARQUIVO MUNICIPAL DE GOUVEIA. Capítulo 1. Constituição e Funções do Arquivo Municipal. Artigo 1º. Artigo 2º. Capítulo II Da Recolha 1 REGULAMENTO DO ARQUIVO MUNICIPAL DE GOUVEIA Capítulo 1 Constituição e Funções do Arquivo Municipal. Artigo 1º O Arquivo Municipal da Câmara Municipal de Gouveia (C.M.G.) compreende o âmbito, funções

Leia mais

Criação dos Conselhos Municipais de

Criação dos Conselhos Municipais de Criação dos Conselhos Municipais de Educação Ada Pimentel Gomes Fernandes Vieira Fortaleza 02.08.2009 Por que criar Conselhos de Educação? O Art. 1º da Constituição Federal/1988 traduz a nossa opção por

Leia mais

PROMOÇÕES DISTRIBUIÇÃO DE PRÊMIOS NO ÂMBITO DAS ACE S

PROMOÇÕES DISTRIBUIÇÃO DE PRÊMIOS NO ÂMBITO DAS ACE S PROMOÇÕES DISTRIBUIÇÃO DE PRÊMIOS NO ÂMBITO DAS ACE S Manual sobre a realização de Promoções Comerciais pelas Associações Comerciais, elaborada pela Coordenadoria Institucional da FACIAP Federação das

Leia mais

PROJETO DE LEI N.º 7.004, DE 2013 (Do Sr. Vicente Candido)

PROJETO DE LEI N.º 7.004, DE 2013 (Do Sr. Vicente Candido) CÂMARA DOS DEPUTADOS PROJETO DE LEI Nº 7004, DE 2013 (Do Sr Vicente Candido) Altera a Lei nº 8977, de 6 de janeiro de 1995, que "dispõe sobre o serviço de TV a Cabo e dá outras providências" DESPACHO:

Leia mais

MANUAL DE REDAÇÃO DA PRESIDÊNCIA DA REPÚBLICA

MANUAL DE REDAÇÃO DA PRESIDÊNCIA DA REPÚBLICA PRESIDÊNCIA DA REPÚBLICA CASA CIVIL MANUAL DE REDAÇÃO DA PRESIDÊNCIA DA REPÚBLICA 2 a edição, revista e atualizada Brasília, 2002 Fernando Henrique Cardoso Presidente da República Pedro Pullen Parente

Leia mais

1. DO OBJETO: 2. DO OBJETIVO:

1. DO OBJETO: 2. DO OBJETIVO: 1 EDITAL PARA SELEÇÃO DE ALUNOS PARA OS CURSOS DE ESPECIALIZAÇÃO EM GESTÃO DE PROJETOS DE INVESTIMENTOS EM SAÚDE E GESTÃO DE RECURSOS FÍSICOS E TECNOLÓGICOS EM SAÚDE DA EAD/ENSP/FIOCRUZ EM PARCERIA COM

Leia mais

port 617-2007 - ANVISA - ATENDIMENTO AO PÚBLICO - POLÍTICA - REGRAS

port 617-2007 - ANVISA - ATENDIMENTO AO PÚBLICO - POLÍTICA - REGRAS port 617-2007 - ANVISA - ATENDIMENTO AO PÚBLICO - POLÍTICA - REGRAS PORTARIA ANVISA Nº 617, DE 30 DE AGOSTO DE 2007 DOU 03.09.2007 Dispõe sobre a Política de Atendimento ao Público da Agência Nacional

Leia mais

O USO DO CERTIFICADO ICP- BRASIL NA CENTRAL NACIONAL DE INDISPONIBILIDE DE BENS

O USO DO CERTIFICADO ICP- BRASIL NA CENTRAL NACIONAL DE INDISPONIBILIDE DE BENS O USO DO CERTIFICADO ICP- BRASIL NA CENTRAL NACIONAL DE INDISPONIBILIDE DE BENS Frederico Jorge Vaz de Figueiredo Assad 1º Oficial Registrador de Ribeirão Preto - SP CENTRAL NACIONAL DE INDISPONIBILIDE

Leia mais

CONSTITUIÇÃO DE 1891

CONSTITUIÇÃO DE 1891 CONSTITUIÇÃO DE 1891 Porto Alegre, dezembro de 2014. CONSTITUIÇÃO DA REPÚBLICA DOS ESTADOS UNIDOS DO BRASIL DE 1891 INFLUÊNCIA E CONTEXTO HISTÓRICO A constituição de 1891 foi fortemente inspirada na constituição

Leia mais

Edital nº 03, de 10 de setembro de 2015.

Edital nº 03, de 10 de setembro de 2015. Edital nº 03, de 10 de setembro de 2015. A Escola de Governo e Gestão do Município de Jundiaí - EGGMJ, no uso das atribuições que lhe confere a Lei nº 7.641, de 1º de março de 2011, torna pública a abertura

Leia mais

PREFEITURA MUNICIPAL DE NEPOMUCENO

PREFEITURA MUNICIPAL DE NEPOMUCENO Nepomuceno, 14 de julho de 2014. MENSAGEM Nº 024/2014 Exmo. Sr. FRANCISCO RICARDO GATTINI DD. Presidente da Câmara Municipal de NEPOMUCENO MG Senhor Presidente, Submeto à consideração da Augusta Casa Legislativa,

Leia mais

SE Brasília/DF Jan./2013 24.000 ex. 10,5x29,7cm Editora MS/CGDI/SAA OS 2013/0124

SE Brasília/DF Jan./2013 24.000 ex. 10,5x29,7cm Editora MS/CGDI/SAA OS 2013/0124 1 12 SE Brasília/DF Jan./2013 24.000 ex. 10,5x29,7cm Editora MS/CGDI/SAA OS 2013/0124 SE Brasília/DF Jan./2013 24.000 ex. 10,5x29,7cm Editora MS/CGDI/SAA OS 2013/0124 12 Em 2013, o registro de dados no

Leia mais

PODER EXECUTIVO MUNICIPAL DE ITIQUIRA- MT

PODER EXECUTIVO MUNICIPAL DE ITIQUIRA- MT INSTRUÇÃO NORMATIVA SCS Nº 002/2012, DE 31 DE OUTUBRO DE 2012. Versão nº 01 Aprovação em: 31/10/2012 Ato de Aprovação: Decreto Municipal nº 053/2012 Unidade Responsável: Departamento de Comunicação I -

Leia mais

RESOLUÇÃO CONSU Nº 05/2009

RESOLUÇÃO CONSU Nº 05/2009 RESOLUÇÃO CONSU Nº 05/2009 Cria o Núcleo de Inovação Tecnológica da UESC - NIT O Presidente do Conselho Universitário CONSU - da Universidade Estadual de Santa Cruz UESC, no uso de suas atribuições, em

Leia mais

PROJETO BRA/04/029 Seleciona CONSULTOR na modalidade PRODUTO* CÓD. PROFI

PROJETO BRA/04/029 Seleciona CONSULTOR na modalidade PRODUTO* CÓD. PROFI PROJETO BRA/04/029 Seleciona CONSULTOR na modalidade PRODUTO* CÓD. PROFI Os currículos e as fichas de cadastro deverão ser encaminhados para o endereço eletrônico seguranca.cidada@mj.gov.br até o dia 16/03/2014.

Leia mais

Ensino Religioso no Brasil

Ensino Religioso no Brasil Ensino Religioso no Brasil Frederico Monteiro BRANDÃO 1 Cláudio José Palma SANCHEZ 2 José Artur Teixeira GONÇALVES³ RESUMO: Esse artigo tem como objetivo expor uma parte da história do ensino religioso

Leia mais

PROJETO DE LEI DO SENADO Nº 205, DE 2014

PROJETO DE LEI DO SENADO Nº 205, DE 2014 PROJETO DE LEI DO SENADO Nº 205, DE 2014 Dispõe sobre a regulamentação da profissão de sanitarista e técnico sanitarista, e dá outras providências. O CONGRESSO NACIONAL decreta: Capítulo I Disposição preliminar

Leia mais

UNIABEU CENTRO UNIVERSITÁRIO EDITAL CONCURSOS DE BOLSAS 2016.1

UNIABEU CENTRO UNIVERSITÁRIO EDITAL CONCURSOS DE BOLSAS 2016.1 UNIABEU CENTRO UNIVERSITÁRIO EDITAL CONCURSOS DE BOLSAS 2016.1 O Reitor do UNIABEU - Centro Universitário torna pública a abertura de inscrições para o Processo Seletivo Social, para o 1º semestre de 2016,

Leia mais

Em 2013, o registro de dados no SIOPS passará a ser obrigatório.

Em 2013, o registro de dados no SIOPS passará a ser obrigatório. Em 2013, o registro de dados no SIOPS passará a ser obrigatório. Fique atento aos procedimentos e prazos estabelecidos pela Lei para declaração de despesas com saúde. art certificado digital-siops-10,5x29,7.indd

Leia mais

REGULAMENTAÇÃO APLICÁVEL ÀS GRAVAÇÕES POR REPRESENTANTES DOS MEIOS DE COMUNICAÇÃO SOCIAL NAS INSTALAÇÕES DO PARLAMENTO EUROPEU

REGULAMENTAÇÃO APLICÁVEL ÀS GRAVAÇÕES POR REPRESENTANTES DOS MEIOS DE COMUNICAÇÃO SOCIAL NAS INSTALAÇÕES DO PARLAMENTO EUROPEU 4.4 REGULAMENTAÇÃO APLICÁVEL ÀS GRAVAÇÕES POR REPRESENTANTES DOS MEIOS DE COMUNICAÇÃO SOCIAL NAS INSTALAÇÕES DO PARLAMENTO EUROPEU DECISÃO DA MESA DE 7 DE SETEMBRO DE 2015 A MESA DO PARLAMENTO EUROPEU,

Leia mais

EDITAL PREG Nº. 07, DE 29 DE JANEIRO DE 2016. PROCESSO SELETIVO PARA PROFESSOR SUBSTITUTO

EDITAL PREG Nº. 07, DE 29 DE JANEIRO DE 2016. PROCESSO SELETIVO PARA PROFESSOR SUBSTITUTO EDITAL PREG Nº. 07, DE 29 DE JANEIRO DE 2016. PROCESSO SELETIVO PARA PROFESSOR SUBSTITUTO A PRÓ-REITORA DE ENSINO DE GRADUAÇÃO da Fundação Universidade Federal de Mato Grosso do Sul, no uso de suas atribuições

Leia mais

Guia Prático da Escrituração Fiscal DIgital - EFD Infrmações Gerais sobre a EFD

Guia Prático da Escrituração Fiscal DIgital - EFD Infrmações Gerais sobre a EFD Guia Prático da Escrituração Fiscal DIgital - EFD Infrmações Gerais sobre a EFD Sumário: 1. INFORMAÇÕES GERAIS SOBRE A EFD 1. 1 APRESENTAÇÃO 1. 2 LEGISLAÇÃO 1. 3 DA APRESENTAÇÃO DO ARQUIVO DA EFD 1. 4

Leia mais