Sumário 1 APRESENTAÇÃO... 5

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "Sumário 1 APRESENTAÇÃO... 5"

Transcrição

1 Guia Acadêmico 2012

2 Sumário 1 APRESENTAÇÃO CURSOS OFERECIDOS ADMINISTRAÇÃO COM HABILITAÇÃO ADMINISTRAÇÃO GERAL... 7 Matriz Curricular do curso de Administração para COMÉRCIO EXTERIOR... Erro! Indicador não definido. SISTEMAS DE INFORMAÇÃO... Erro! Indicador não definido. MARKETING... Erro! Indicador não definido. Matriz Curricular do curso de Administração para COMUNICAÇÃO SOCIAL COM HABILITAÇÃO EM JORNALISMO Matriz Curricular do curso de Comunicação Social com Hab. em Jornalismo até de Matriz Curricular do curso de Com. Social com Hab. em Jornalismo a partir de Matriz Curricular do curso de Com. Social com Hab. em Jornalismo a partir de Matriz Curricular do curso de Comunicação Social com Hab. em Jornalismo a partir de COMUNICAÇÃO SOCIAL COM HABILITAÇÃO EM PUBLICIDADE E PROPAGANDA Matriz Curricular do curso de Com. Social com Hab. em Pub. e Propaganda até Matriz Curricular - Com. Social com Hab. em Pub. e Propaganda a partir de Matriz Curricular - Com. Social com Hab. em Pub. e Propaganda a partir de DIREITO Matriz Curricular do curso de Direito a partir de Matriz Curricular do curso de Direito a partir de FONOAUDIOLOGIA... ERRO! INDICADOR NÃO DEFINIDO. Matriz Curricular do curso de Fonoaudiologia a partir de Erro! Indicador não definido TURISMO... ERRO! INDICADOR NÃO DEFINIDO. Matriz Curricular do curso de Turismo até Erro! Indicador não definido. Matriz Curricular do curso de Turismo a partir de Erro! Indicador não definido FISIOTERAPIA Matriz Curricular (a partir de 2006/01) Matriz Curricular de Fisioterapia a partir de Matriz Curricular de Fisioterapia a partir de CURSO SUPERIOR DE TECNOLOGIA EM GESTÃO DE RECURSOS HUMANOS Matriz Curricular do Curso Sup. de Tec. em Gestão de Recursos Humanos CURSO SUPERIOR DE TECNOLOGIA EM REDES DE COMPUTADORES Matriz Curricular do Curso Sup. de Tec. em Redes de Computadores até Matriz Curricular do Curso Sup. de Tec. em Redes de Computadores a partir de Matriz Curricular do Curso Sup. de Tec. em Redes de Computadores a partir de DESIGN MODA Matriz Curricular do curso de Design de Moda a partir de PSICOLOGIA Matriz Curricular do curso de Psicologia a partir de Matriz curricular de Psicologia para ingressantes a partir de FARMÁCIA Matriz Curricular de Farmácia para ingressantes até Matriz Curricular de Farmácia para ingressantes a partir de NUTRIÇÃO Matriz curricular de Nutrição até PROGRAMA DE TREINAMENTO PROFISSIONAL OBJETIVO O QUE É O PTP? ATIVIDADES COMPLEMENTARES

3 4.1 CAPACITAÇÃO BÁSICA VIVÊNCIA PROFISSIONAL PROJETOS DE TREINAMENTO PROFISSIONAL TRABALHO VOLUNTÁRIO APERFEIÇOAMENTO ACADÊMICO ATIVIDADES EXTERNAS ESTÁGIO SUPERVISIONADO ATIVIDADES COMPLEMENTARES... ERRO! INDICADOR NÃO DEFINIDO. 6 CALENDÁRIO ACADÊMICO HORÁRIO ESCOLAR PERÍODO LETIVO PLANO DE ENSINO FREQUÊNCIA LIMITES DE FALTAS JUSTIFICATIVA DE FALTAS E REGIME ESPECIAL DO REGIME ESPECIAL DE APRENDIZAGEM DA JUSTIFICATIVA DE FALTAS... ERRO! INDICADOR NÃO DEFINIDO. 13.PRAZOS AVISOS E COMUNICADOS DESEMPENHO ESCOLAR AVALIAÇÃO DO DESEMPENHO ESCOLAR COEFICIENTE DE RENDIMENTO (CR) MATRÍCULA E REMATRÍCULA CANCELAMENTO DE MATRÍCULA TRANCAMENTO DE MATRÍCULA DISPENSA DE DISCIPLINA REVISÃO DA NOTA AVALIAÇÃO... ERRO! INDICADOR NÃO DEFINIDO. 20.MONITORIA APOIO PEDAGÓGICO PRÊMIO ACADÊMICO NOTA DEZ OUVIDORA TRANSFERÊNCIA TRANSFERÊNCIA EXTERNA TRANSFERÊNCIA PARA OUTRAS INSTITUIÇÕES

4 24.3 TRANSFERÊNCIAS INTERNAS INFORMAÇÕES TELEFÔNICAS COLAÇÃO DE GRAU E DOCUMENTAÇÕES EM GERAL FIXAÇÃO DE CARTAZES ACHADOS E PERDIDOS REPRESENTAÇÃO DISCENTE ATIVIDADES DIVERSAS BIBLIOTECA NORMAS DE ATENDIMENTO AUDIOVISUAL LABORATÓRIOS REGULAMENTO INTERNO FINANCEIRO CONVÊNIOS DESCONTO PARA FAMÍLIA TABELA DE TAXAS DE EXPEDIÊNTE DA SECRETARIA GERAL... ERRO! INDICADOR NÃO DEFINIDO. 4

5 1 APRESENTAÇÃO Prezado (a) Acadêmico (a) Você está ingressando em uma Instituição com professores qualificados Especialistas, Mestres e Doutores - com experiência profissional na área privada e/ou pública e treinados em didática do ensino superior. O ensino da Faculdade Estácio de Sá está voltado para o contexto da Região da Grande Florianópolis, objetivando formar profissionais capacitados para os desafios do mercado de trabalho. Este Guia Acadêmico foi elaborado para fornecer ao aluno informações que facilitem a compreensão do curso escolhido, do currículo, do sistema de avaliação vigente, dos procedimentos acadêmicos, da legislação em vigor, entre outros aspectos. Mantenha-o sempre à mão para que possa consultá-lo sobre qualquer dúvida. O MEC através da Resolução nº 04 de 13 de julho de 2005 instituiu as Diretrizes Curriculares Nacionais do Curso de Administração, Bacharelado, onde extinguiu as habilitações do curso de Administração, permanecendo somente bacharelado em Administração com as suas respectivas linhas de formação. Ingressantes até , por direito adquirido, terão ainda as habilitações. Os ingressantes a partir de fazem parte da nova matriz de Administração com currículo único e suas linhas de formações. Seja bem-vindo! A Direção 5

6 2 CURSOS OFERECIDOS Cursos Autorização / Conceito Reconhecimento / Conceito Vagas/ Anuais Turno Duração do Curso Administração (em atividade) Resolução nº 04 de 13 de julho de 2005 Resolução nº 04 de 13 de julho de Diurno Noturno e 8 semestres Comunicação Social Jornalismo Comunicação Social Publicidade Propaganda Direito Fisioterapia hab. hab. e Portaria Ministerial n de 12 de dezembro de Conceito B. Portaria Ministerial n de 12 de dezembro de Conceito B. Portaria Ministerial nº 1531 de 22 de maio de Conceito B. Portaria Ministerial n de 21 de maio de Recomendado Portaria Ministerial n. 490 de 09 de fevereiro de Conceito MB. Portaria Ministerial n. 490 de 09 de fevereiro de Conceito MB. Portaria Ministerial nº 322 de 12 de abril de Conceito B Portaria Ministerial nº 571 de 21 de agosto de Conceito Recomendado Renovação de reconhecimento: Portaria Ministerial nº 01 de 06 de janeiro de Matutino e Noturno Matutino e Noturno Matutino e Noturno 8 semestres 8 semestres 10 semestres 100 Diurno 10 semestres Enfermagem Psicologia Design de Moda Farmácia Nutrição Curso Superior de Tecnologia em Gestão de Recursos Humanos Curso Superior de Tecnologia em Redes de Computadores. Portaria Ministerial n. 820 de 20 de setembro de 2007 Conceito MB. Portaria Ministerial n. 99 de 8 de fevereiro de 2008 Conceito MB Portaria Ministerial n. 109 de 8 de fevereiro de 2008 Conceito MB Portaria Ministerial n. 419 de 05 de junho de 2008 Conceito MB Portaria Ministerial n. 380 de 27 de maio de 2008 Conceito MB Portaria Ministerial n de 03 de dezembro de Conceito A. Portaria Ministerial n de 18 de maio de Conceito A. Portaria Ministerial nº 430 de 21 de outubro de Portaria Ministerial nº 487 de 20 de dezembro de Portaria Ministerial n. 242 de 30 de novembro de Conceito CMB. Portaria Ministerial n. 243 de 30 de novembro de Conceito CMB Matutino e Noturno Matutino e Noturno Matutino e Noturno Matutino e Noturno Matutino e Noturno Matutino e Noturno Matutino e Noturno 08 semestres 08 semestres 08 semestres 08 semestres 09 semestres 4 semestres 5 semestres De acordo com a Portaria Ministerial 2402 de 09 de novembro de 2001, os cursos de Administração e Habilitações, Turismo, Comunicação Social e Habilitações e Fonoaudiologia poderão acrescer em 50% o percentual de vagas anuais oferecidas. 6

7 2.1 ADMINISTRAÇÃO COM HABILITAÇÃO ADMINISTRAÇÃO GERAL Coordenador do Curso: Prof. Bernardo Meyer Bacharel em Administração - ESAG / UDESC Mestre em Master Of Business Administration. - Depaul University, D.U., Estados Unidos Doutor em Administração UFPR O profissional de administração geral realiza pesquisas, estudos, análises, interpretação, planejamento, implantação, coordenação e controle dos trabalhos nos campos de administração gera, como por exemplo: administração e seleção de pessoal, organização, análise, métodos e programas de trabalho, orçamento, administração de material e financeira, administração mercadológica, administração de produção, relações industriais, bem como outros campos em que estes se desdobrem ou com os quais sejam conexos. Elabora ainda pareceres, relatórios, planos, projetos, arbitragens e laudos, em que se exija a aplicação de conhecimentos inerentes às técnicas de organização. Diferencial da Estácio de Sá: além da sólida formação humanista, o curso proporciona uma visão sistêmica, atual e extremamente voltada para a dinâmica das organizações do novo milênio. Tem como objetivo desenvolver competências e habilidades que capacitem o profissional a atuar de forma ética em um ambiente de competitividade e internacionalização de mercado, fornecendo subsídios para o estabelecimento de estratégias e tomadas de decisão com vista ao alcance dos resultados. Duração: 4 anos. Período: Diurno ou noturno. Vagas: 400 Diurno 300 noturno. Atividades profissionais: Exercer cargos de gerência ou diretoria; Pesquisar e lançar produtos, estudar o comportamento do consumidor, planejar campanhas e promoções; Cuidar da obtenção, manutenção e multiplicação do capital; Planejar o fluxo dos processos, a inovação, qualidade e produtividade; Atuar na seleção, contratação e desenvolvimento de pessoas; Operar nos processos de armazenagem e distribuição de produtos. Mercado de trabalho: Hoje em dia, para montar e gerir uma empresa são necessários sólidos conhecimentos de administração. São impressionantes os números de empresas brasileiras que quebram nos 7

8 primeiros anos, cometendo alguns dos erros mais básicos previstos em qualquer livro de administração. Segundo dados do IBGE (2000), através do Cadastro Central de Empresas, existem no Estado de Santa Catarina (duzentos e trinta e cinco mil e cinqüenta e uma) empresas dos mais variados tipos e tamanhos. Por outro lado, o Conselho Regional de Administração de Santa Catarina (2001) informa que existem apenas (vinte e dois mil) bacharéis em Administração. Desnecessário dizer que o Bacharel em Administração Geral possui um enorme mercado a ser conquistado, mesmo considerando que existem hoje (dezoito mil) acadêmicos nos bancos escolares dos cursos de Administração. Abaixo a Matriz do Curso de Administração respeitando a Resolução nº 4 de 13 de julho de Matriz Curricular do curso de Administração para

9 9

10 Habilitações... 10

11 ADMINISTRAÇÃO: 11

12 12

13 Matriz Curricular do curso de Administração para

14 14

15 2.2 COMUNICAÇÃO SOCIAL COM HABILITAÇÃO EM JORNALISMO Coordenador do curso: Regina Zandomênico Bacharel em Comunicação Social com habilitação em Jornalismo (UFSC); Mestre em Ciências da Comunicação - Jornalismo (USP). O profissional tem sua atuação voltada para a promoção da democratização dos meios de comunicação, passando todas as informações para os usuários, utilizando-se dos vários instrumentos de comunicação, tais como: internet, livros, fotos, revistas, jornais falados e escritos, rádio, entre outros. Diferencial do curso de Jornalismo da Estácio de Sá: O seu perfil empreendedor. O profissional que o curso pretende formar é o jornalista empreendedor com o domínio das modernas ferramentas da profissão, conhecimento da realidade em que convive, compromissado com a ética profissional e a função social da comunicação. Duração: 4 anos Período: Matutino, Vespertino e noturno. Vagas: 150 anuais Atividades profissionais: Trabalhar em veículos de comunicação e instituições que incluam a atividade caracterizada como de imprensa e de informação jornalística de interesse geral ou setorializado; Criar, planejar, organizar e gerir seu próprio negócio na área de comunicação; Atuar nos novos veículos de mídia virtual; Trabalhar com fotografia, áudio e vídeo e produção gráfica. Mercado de trabalho: O mercado de trabalho para profissionais de comunicação em Santa Catarina, no Brasil e no mundo está em expansão. A cada dia que passa, abrem-se novas possibilidades para quem atua na área, mas nem sempre elas estão no mercado tradicional de trabalho, como as redações de jornais e revistas, as emissoras abertas de TV e rádio e as revistas. Hoje, o mercado da Internet, as assessorias e consultorias de comunicação estão abrindo espaços, mas é preciso que os profissionais sejam preparados para esse mercado emergente. E é isso que o curso de Jornalismo da Estácio de Sá está oferecendo, ao trazer para o currículo acadêmico a discussão sobre o empreendedorismo na comunicação. Assim, dará uma opção a mais ao egresso, para procurar alternativas produtivas. Matriz Curricular do curso de Comunicação Social com Hab. em Jornalismo até de

16 16

17 Matriz Curricular do curso de Com. Social com Hab. em Jornalismo a partir de

18 18

19

20 Matriz Curricular do curso de Com. Social com Hab. em Jornalismo a partir de

21 Matriz Curricular do curso de Comunicação Social com Hab. em Jornalismo a partir de

22 22

23 23

24 2.3 - COMUNICAÇÃO SOCIAL COM HABILITAÇÃO EM PUBLICIDADE E PROPAGANDA Coordenador do curso: Diego Moreau de Carvalho Bacharel em (PUC _RS) Mestre em Ciências da Linguagem (UNISUl) A tarefa do publicitário é encontrar a melhor maneira de fazer chegar ao consumidor informações sobre um determinado produto ou serviço oferecido por uma empresa. Cabe a ele definir a melhor forma de apresentação e promoção deste produto ou serviço, contribuindo para sua venda. Cria, planeja e executa a campanha publicitária. Diferencial do curso de Publicidade e Propaganda da Faculdade Estácio de Sá: a oferta de disciplinas que capacitam seus estudantes a trabalhar em outras áreas, além de uma agência de propaganda, tendo em vista as inúmeras oportunidades que se apresentam no mercado altamente competitivo. O profissional que a Estácio de Sá quer formar é o publicitário com o domínio das modernas ferramentas da profissão, conhecimento da realidade em que convive e compromissado com a ética profissional e a função social da comunicação. Duração: 4 anos. Período: Matutino e noturno. Vagas: 150 anuais. Atividades profissionais: Atender e planejar estratégias comunicacionais para organizações; Criar e produzir campanhas publicitárias para serem veiculadas em mídias tradicionais (televisão, rádio, jornal, revista), mídias alternativas e novas mídias; Planejar a veiculação da campanha publicitária junto aos meios de comunicação; Trabalhar com fotografia publicitária; Atuar em house agency (agência de publicidade dentro de uma empresa); Trabalhar em assessorias de comunicação e de marketing, em meios de comunicação, em empresas de design e em assessorias de marketing esportivo e marketing cultural. Mercado de trabalho: A publicidade é, atualmente, uma das principais ferramentas para organizações lucrativas ou não. Através dela, é possível promover o produto e/ou serviço, informando o público-alvo e/ou o cliente a respeito da referida oferta. Dificilmente um produto sairá do ponto-de-venda, se não houver uma comunicação eficiente com o mercado. No mercado altamente competitivo, as empresas procuram cada vez mais profissionais de comunicação capacitados para dissipar a concorrência e conquistar fatias significativas de mercado. Matriz Curricular do curso de Com. Social com Hab. em Pub. e Propaganda até

25 25

26 26

27 Matriz Curricular - Com. Social com Hab. em Pub. e Propaganda a partir de

28 Matriz Curricular - Com. Social com Hab. em Pub. e Propaganda a partir de

29 29

30 2.4 - DIREITO Coordenadora do curso: Mônica Godoy Mestre em Direito Internacional /Master's Degree. Università degli Studi di Verona, UNIV, Itália.; Graduado em Direito (Università degli Studi di Sassari, UNISS, Itália). Vivencia-se no século XXI a necessidade da ruptura de paradigmas nas ciências em geral. A ciência jurídica tradicional, cujos pilares se consolidaram no século XVIII, como não seria diferente, está passando por uma crise de legitimidade, pois ela não mais consegue dar respostas as novas demandas que surgiram com as várias mudanças sociais que ocorreram nos dois últimos séculos. As mudanças acontecem de maneira célere. Por isso, o curso de Direito da Faculdade Estácio de Sá de Santa Catarina está voltado à formação de profissionais com capacitação técnica de alto nível para o exercício genérico das diferentes profissões jurídicas, em consonância com as necessidades sociais e do mercado de trabalho. Diferencial da Estácio de Sá: o Curso de Direito busca formar o bacharel para que tenha uma visão interdisciplinar, pois não existe mais espaço para um profissional com ilações simplistas e ingênuas, mas sim plural, diversa e crítica, a fim de que consiga dar respostas aos anseios relacionando o saber jurídico com os demais saberes que compõe o universo cultural. Além disso, o curso visa proporcionar a integração da teoria com a prática, pois é sabido que a ciência jurídica é também conhecida como uma ciência prática. Portanto, reconhece-se que a teoria sem a prática é ineficaz, mas também a prática sem a teoria fica incompleta. E, por fim, visa estar inserido com a formação de bacharéis preocupados com o desenvolvimento social do meio em que ele está inserido, buscandose mediante os trabalhos de extensão a permanente e salutar troca de experiências entre a comunidade acadêmica e a comunidade local. Duração: 5 anos. Período: Matutino e noturno. Vagas: 50 por turno. Atividades profissionais: O bacharel em Direito exercerá, de forma exclusiva, as seguintes atividades profissionais: Advocacia: representará clientes, tanto da iniciativa privada quanto pública, junto ao Poder Judiciário ou órgãos administrativos do Estado, elaborando petições escritas ou defesas orais. Membro do Ministério Público: atuará como Promotor de Justiça ou Procurador da República na defesa da sociedade e das minorias em seus interesses difusos e coletivos, elaborando, por exemplo, denúncias, ação civil pública, etc. 30

31 Magistratura: julgará os conflitos trazidos pelas partes, sejam elas pessoas físicas, jurídicas ou do próprio Estado. Delegado de Polícia: atuará principalmente na condução da investigação criminal. Magistério de Ensino Superior na área jurídica: atuará formando as novas gerações de bacharéis em Direito. Além disso, a formação jurídica propicia também a atuação em outras áreas afins tanto no Estado quanto na iniciativa privada. Mercado de trabalho: Apesar do discurso de que o mercado de trabalho para o profissional do Direito está saturado, o leque de opções para atuar no mesmo é atrativo, principalmente àqueles que querem seguir uma carreira pública. O profissional do Direito ocupa, de forma exclusiva, as vagas de magistrado do Poder Judiciário, em nível estadual e federal. Outro órgão de atuação exclusiva é o Ministério Público. No âmbito estadual, o bacharel em Direito poderá ocupar o cargo de Promotor de Justiça e, no Federal, de Procurador da República. Também pode atuar no Ministério Público do Trabalho como Procurador do Trabalho. O cargo público de Delegado de Polícia, tanto na Polícia Federal quanto na Polícia Civil dos Estados, é exclusivo para o bacharel em Direito. O bacharel em Direito, depois de aprovado no Exame da Ordem dos Advogados do Brasil (OAB), pode exercer a advocacia como profissional liberal ou como empregado na iniciativa privada. Os órgãos públicos, os municípios, os Estados e a União também precisam de um corpo de advogados para defender seus interesses, sendo os mesmos chamados de procuradores. O magistério nas Faculdades de Direito, seja da iniciativa privada ou pública, também é outra área de atuação àqueles que tiveram formação jurídica e realizaram estudos de pós-graduação em mestrado ou doutorado. A formação jurídica possibilita também a atuação em outras atividades profissionais que não são exclusivas da área jurídica, como, por exemplo, a de Auditor Federal de Tributos. Tendo em vista as transformações pelas quais passa a sociedade moderna, o mercado de trabalho exige um profissional do Direito com formação humanista e técnica sólida, para que consiga entender a sociedade e o mercado em que vive e possa dar orientações adequadas na seara jurídica. 31

32

33 33

34 34

35 Matriz Curricular do curso de Direito a partir de

36 36

37 37

38 Matriz Curricular do curso de Direito a partir de

39 39

40 40

41 41

42 2.7 - FISIOTERAPIA Coordenadora do Curso: Rita de Cassia Clark Teodoroski Licenciatura em Educação Física (FOA) Bacharel em Fisioterapia (ESEHA) Mestre em Ciências do Movimento Humano (UDESC). O Curso de Fisioterapia da Faculdade Estácio de Sá de Santa Catarina assegura a formação de profissionais com conhecimentos, habilidades e atitudes para: a) inserir-se profissionalmente nos diversos níveis de atenção à saúde, atuando em programas de promoção, manutenção, prevenção, proteção e recuperação da saúde, sensibilizados e comprometidos com o ser humano, respeitando-o e valorizando-o; b) realizar consultas, avaliações, reavaliações do paciente coletando dados, solicitando, executando e interpretando exames propedêuticos e complementares que permitam elaborar um diagnóstico cinético-funcional; c) eleger e quantificar as técnicas, recursos e condutas fisioterápicas apropriadas; d) desenvolver e executar projetos de pesquisa e extensão que contribuam na produção do conhecimento; e) desempenhar atividade de planejamento, organização e gestão de serviços de saúde públicos ou privados; f) trabalhar em equipes multiprofissionais e interdisciplinares na promoção da saúde e prevenção de doenças. Diferencial da Estácio de Sá de Santa Catarina: A Faculdade Estácio de Sá de Santa Catarina tem por objetivo oferecer um curso que aborde de forma efetiva a atuação da fisioterapia como um importante benefício social através do trabalho em equipe interdisciplinar. Atuações estas norteadas pela ética e o desenvolvimento de pesquisa científica. O curso conta com uma estrutura de laboratórios na área biológica básica e nas disciplinas profissionalizantes, conta com uma clínica-escola de fisioterapia com amplas instalações e modernos recursos tecnológicos, como também muitos convênios com hospitais, prefeituras e através delas os postos de saúde, entidades de educação especial e reabilitação, clubes de futebol entre outros locais, proporcionando uma atuação e aprendizado de forma multiprofissional e interdisciplinar nas várias áreas de atenção fisioterápica. O diferencial do profissional que a FESSC proporciona advém da constante inter-relação ensino, pesquisa, extensão, para a abrangência dos conhecimentos teóricos e científicos necessários ao desenvolvimento de competências e habilidades profissionais e à formação integral do aluno abrindo possibilidades para uma formação voltada às necessidades de saúde da comunidade. A FESSC como Instituição de Ensino Superior, zela pela formação de qualidade dos futuros profissionais fisioterapeutas, contribuindo, consequentemente, com a saúde da população brasileira. Duração: 5 anos Período: Matutino e Diurno

43 Vagas: 50 por semestre. Mercado de trabalho: As duas últimas décadas foram decisivas para o crescimento da Fisioterapia no Brasil, ampliando, sobremaneira, o número de vagas ofertadas e, conseqüentemente, o número de profissionais no mercado. Somos, ao todo, no Brasil, aproximadamente fisioterapeutas, distribuídos de maneira pouco uniforme. O Estado de Santa Catarina possui atualmente cerca de fisioterapeutas registrados no Conselho Regional de Fisioterapia e Terapia Ocupacional da 10ª Região CREFITO-10, insuficientes para atender a todos que necessitarem de atendimento fisioterápico, no Estado, comprovando, desta forma, que novos profissionais serão absorvidos facilmente por hospitais, clínicas, clubes esportivos, universidades, postos de saúde, centros de reabilitação, empresas públicas e privadas, etc. Fica evidente a necessidade de formar novos profissionais para atender a demanda existente, principalmente se compararmos o número de Fisioterapeutas que atuam em Santa Catarina com os demais estados da região Sul, Paraná e Rio Grande do Sul, além da grande diversificação das áreas de atuação do profissional fisioterapeuta como a docência, atuação em hospitais, clínicas, centros de reabilitação, ambulatórios, escolas, clubes esportivos, programas institucionais, ações básicas de saúde, atividades administrativas e pesquisa nas instituições de ensino do Estado de Santa Catarina. Atualmente, o curso está com 3 (três) currículos em andamento ( , e 110). A matriz 110 foi elaborada a fim de contemplar as prerrogativas do MEC no Parecer CNE/CES nº 8/2007 e Parecer CNE/CES nº 213/2008, que definem o limite mínimo para integralização e carga horária do curso em 5 anos e horas, respectivamente. As matrizes supracitadas serão apresentadas a seguir. Matriz Curricular (a partir de 2006/01) 43

44 44

45 45

46 Matriz Curricular de Fisioterapia a partir de

47 47

48 48

49 Matriz Curricular de Fisioterapia a partir de

50 50

51 51

52 2.8 - CURSO SUPERIOR DE TECNOLOGIA EM GESTÃO DE RECURSOS HUMANOS Coordenador do curso: Prof. Bernardo Meyer Bacharel em Administração - ESAG / UDESC Mestre em Administração - Depaul University, D.U., Estados Unidos Doutor em Administração UFPR Perfil Profissiográfico: O objetivo do Curso Superior de Tecnologia em Gestão de Recursos Humanos é proporcionar uma formação prática sobre Gestão em Recursos Humanos e as demais disciplinas instrumentais que envolvem a moderna administração relacionada com as pessoas, o que possibilita uma formação abrangente e substancial para o mundo do trabalho. Considerando a escassa oferta de formação específica, bem como a ausência de profissionais no nível tático das operações de Recursos Humanos das organizações, com formação superior especializada, justifica-se a criação do Curso Superior de Tecnologia em Gestão de Recursos Humanos. Graças ao conteúdo programático, bem como à formação profissional e acadêmica de seus docentes, o curso oferece aos alunos um referencial teórico, conceitual e prático, capaz de alinhá-los às novas demandas de mercado quanto à gestão de pessoas sem perder de vista questões do ambiente externo e interno, como cultura, valores e liderança. Ele se distinguirá ainda pelo estreito contato que manterá com as empresas, através da vinculação profissional de seus professores que ocupam funções de destaque na área de Recursos Humanos em grandes organizações, inclusive multinacionais bem como através de depoimentos de presidentes, principais executivos e consultores de Recursos Humanos de empresas da cidade e região, proporcionando um benchmarking das experiências inovadoras em Recursos Humanos. Além do pleno conhecimento e domínio dos processos de RH, o curso proporcionará aos alunos, através de disciplinas como, noções Finanças e Contabilidade, Informática, Direito do Trabalho e Relações Sindicais, Ética nas organizações, Técnica de Negociação, dentre outros, uma visão do funcionamento das áreas afins nas empresas, bem como de metodologias que os habilitarão a identificar as necessidades dos clientes internos e externos, elaborarem projetos e interpretarem os demonstrativos financeiros básicos, traçarem estratégias de Recursos Humanos alinhadas com a missão e objetivos da empresa. Tais condições nos assegurarão a absorção dos alunos pelo Mercado de trabalho e melhor aproveitamento profissional para aqueles que estejam atuando nessa área, tudo isso sem considerar a grande importância que as organizações vêm dando à gestão do seu capital humano (Administração de Pessoas, Talentos e Conhecimento), percebendo as pessoas como o seu grande diferencial de sobrevivência, crescimento e competitividade. Duração: 04 semestres 52

53 Período: Diurno ou noturno Vagas: 200 vagas 53

54 Matriz Curricular do Curso Sup. de Tec. em Gestão de Recursos Humanos 54

55 2.9 - CURSO SUPERIOR DE TECNOLOGIA EM REDES DE COMPUTADORES Coordenador do Curso: Clodomir Coradini Graduado em Ciência da Computação Mestre em Ciência da Computação Perfil Profissiográfico: O Curso Superior de Tecnologia em Redes de Computadores visa à formação de um profissional com perfil para a atuação no mercado de trabalho em empresas e instituições de todos os tipos e portes, que tenham necessidade de pessoal gabaritado em projeto e administração e programação de ambientes onde as redes de computadores sejam instrumento de diferenciação competitiva. Cabe a este profissional projetar, administrar, manter e estudar as necessidades, possibilidades e técnicas adequadas para assegurar o bom desempenho da infra-estrutura das redes de computadores e sistemas da empresa. O profissional formado aprenderá a estudar e analisar os planos da empresa, estabelecendo contatos com a direção para verificar as possibilidades e conveniências da utilização de sistemas de informação, visando apresentar projetos sobre a viabilidade técnica da implantação de redes de computadores para o suporte daqueles sistemas. Sendo assim, este profissional estará apto para utilizar técnicas de projeto, implementação e manutenção de redes de computadores, que atendam às necessidades da empresa. Para tal fim o perfil do profissional que exercerá a profissão terá as seguintes características: 1. Sólidos conhecimentos em redes de computadores que lhe permitam projetar, implementar e administrar ambientes eficientes, eficazes e seguros; 2. capacidade de implementar programas de computadores que complementem o ambiente de redes, tornando-o configurável; 3. capacidade de desenvolver sistemas (programas) para Internet, utilizando tecnologias atuais; 4. conhecimentos de Controle e administração de projetos; 5. capacidade de travar um relacionamento interpessoal adequado ao ambiente empresarial. A praticidade e agilidade no fluxo das informações são essenciais para o bom funcionamento da empresa ou instituição. Com a globalização da economia, torna-se necessária à obtenção de resultados provenientes do rápido processamento de informações, colocando os computadores e suas formas de comunicação cada vez mais evidentes em qualquer que seja o ambiente de trabalho. Neste aspecto a interconexão dos sistemas em escala mundial torna-se fator fundamental para o crescimento e competitividade das empresas. A administração eficiente da informação contribui de forma decisiva para o aumento da capacidade de inovação das empresas, tornando-as mais competitivas. Isto levou as empresas a um investimento em informática, tanto no que se refere a sistemas de informação com todo seu aparato de hardware e software como no que se refere à infra-estrutura necessária, incluindo-se neste particular as redes de computadores. 55

56 As redes de computadores são hoje indispensáveis ao crescimento e sobrevivência de qualquer organização, permitindo: 1. Apoiar a empresa na busca de seus objetivos estratégicos; 2. apoiar os processos de tomada de decisões; 3. apoiar as operações das empresa; 4. fortalecer a posição da empresa, identificando oportunidades de mercado. Duração: 05 semestres Período: Diurno ou noturno. Vagas: 200 anuais Matriz Curricular do Curso Sup. de Tec. em Redes de Computadores até

57 57

58 Matriz Curricular do Curso Sup. de Tec. em Redes de Computadores a partir de

59 Matriz Curricular do Curso Sup. de Tec. em Redes de Computadores a partir de

60 Matriz Curricular do Curso Sup. de Tec. em Redes de Computadores (A PARTIR DE ) - Grade 04 Estrutura Curricular Curso: 4054 REDES DE COMPUTADORES Currículo: 110Vigência: 01/01/2010 até a presente data. Reconhecimento: 30/11/2006 Reconhecido pela Portaria MEC nº 243 Período: 1 Código Disciplina Carga Horária Créditos ED Matur. Pré-Req. T P C T P C CCT0001 ALGORITMOS CCT0006 ORGANIZAÇÃO DE COMPUTADORES CCT0007 PROTOCOLO DE REDES DE COMPUTADORES CCT0008 REDES DE COMPUTADORES CCT0011 SISTEMAS OPERACIONAIS CEL0014 ANÁLISE TEXTUAL Período: 2 Código Disciplina Carga Horária Créditos ED Matur. Pré-Req. T P C T P C CCE0012 ELETRICe ELETRICIDADE CCT0002 COMUNICAÇÃO DE DADOS CCT0007 CCT0008 CCT0014 CABEAMENTO CCT0017 COMUNICAÇÕES ÓTICAS PARA TRANSMISSÃO DE DADOS CCT0007 CCT0008 CCT0023 INFRAESTRUTURA DE REDES DE COMPUTADORES CCT0007 CCT0008 CCT0034 REDES SEM FIO CCT0007 CCT0008 Período: 3 Código Disciplina Carga Horária T P C Créditos T P C ED Matur. Pré-Req. CCT0037 ELETRICe ADMINISTRAÇÃO DE REDES EM SOFTWARE LIVRE CCT0038 ADMINISTRAÇÃO DE REDES EM SOFTWARE PROPRIETÁRIO CCT0007 CCT CCT0007 CCT0008 CCT0042 ARQUITETURA DE SISTEMAS DISTRIBUIDOS CCT0011 CCT0082 PROGRAMAÇÃO PARA SERVIDORES CCT0100 TECNOLOGIA DA INFORMAÇÃO E COMUNICAÇÃO CCT0112 INOVAÇÃO TECNOLÓGICA

61 Período: 4 Código Disciplina Carga Horária Créditos ED Matur. Pré-Req. T P C T P C CCT0041 ANÁLISE DE REDES CCT0007 CCT0008 CCT0085 PROTOCOLOS DE COMUNICAÇÃO CCT0007 CCT0008 CCT0086 PROTOCOLOS DE ROTEAMENTO CCT0007 CCT0008 CCT0082 PROGRAMAÇÃO PARA SERVIDORES CCT0007 CCT0008 CCT0089 REDES DE BANDA LARGA CCT0007 CCT0008 CCT0093 ROTEAMENTO E COMUTAÇÃO CCT0007 CCT0008 Período: 5 Código Disciplina Carga Horária Créditos ED Matur. Pré-Req. T P C T P C CCT0044 BANCOS DE DADOS PARA REDES CCT0056 GESTÃO DA QUALIDADE EM PROJETOS CCT0059 GESTÃO DE SEGURANÇA DA INFORMAÇÃO CCT0088 REDES CONVERGENTES CCT0007 CCT0008 CCT0094 SEGURANÇA DE REDES DE COMPUTADORES CCT0007 CCT0008 CEL0101 LIBRAS OPTATIVA 61

62 ENFERMAGEM Coordenadora do Curso: Ana Cristina Oliveira da Silva Hoffmann Mestre profissionalizante em Saúde e Gestão do Trabalho (UNIVALI) Especialização em Enfermagem Obstétrica (UFSC) Especialização em Enfermagem na Saúde da Família (UFSC) Bacharel em Enfermagem (UFSC) O Curso de Enfermagem da Faculdade Estácio de Sá de Santa Catarina assegura a formação de profissionais com conhecimentos, habilidades e atitudes para: Atuar profissionalmente, compreendendo a natureza humana em suas dimensões, em suas expressões e fases evolutivas; Incorporar a ciência/arte do cuidar como instrumento de interpretação profissional; Estabelecer novas relações com o contexto social, reconhecendo a estrutura e as formas de organização social, suas transformações e expressões; Desenvolver formação técnico-científica que confira qualidade ao exercício profissional; Compreender a política de saúde no contexto das políticas sociais, reconhecendo os perfis epidemiológicos das populações; Reconhecer a saúde como direito e condições dignas de vida e atuar de forma a garantir a integralidade da assistência, entendida como conjunto articulado e contínuo das ações e serviços preventivos e curativos, individuais e coletivos, exigidos para cada caso em todos os níveis de complexidade do sistema; Atuar nos programas de assistência integral à saúde da criança, do adolescente, da mulher, do adulto e do idoso; Ser capaz de diagnosticar e solucionar problemas de saúde, de comunicar-se, de tomar decisões, de intervir no processo de trabalho, de trabalhar em equipe e de enfrentar situações em constante mudança; Reconhecer as relações de trabalho e sua influência na saúde; Atuar como sujeito no processo de formação de recursos humanos; Responder às especificidades regionais de saúde através de intervenções planejadas estrategicamente, em níveis de promoção, prevenção e reabilitação à saúde, dando atenção integral à saúde dos indivíduos, das famílias e das comunidades; Reconhecer-se como coordenador do trabalho da equipe de enfermagem; Assumir os compromissos éticos, humanísticos e sociais com o trabalho multiprofissional em saúde. Promover estilos de vida saudáveis, conciliando as necessidades tanto dos seus clientes/pacientes quanto às de sua comunidade, atuando como agente de transformação social; Usar adequadamente novas tecnologias, tanto de informação e comunicação, quanto de ponta para o cuidar de enfermagem; Atuar nos diferentes cenários da prática profissional, considerando os pressupostos dos modelos clínico e epidemiológico; Identificar as necessidades individuais e coletivas de saúde da população, seus condicionantes e determinantes; 62

63 Intervir no processo de saúde-doença, responsabilizando-se pela qualidade da assistência/cuidado de enfermagem em seus diferentes níveis de atenção à saúde, com ações de promoção, prevenção, proteção e reabilitação à saúde, na perspectiva da integralidade da assistência; Coordenar o processo de cuidar em enfermagem, considerando contextos e demandas de saúde; Prestar cuidados de enfermagem compatíveis com as diferentes necessidades apresentadas pelo indivíduo, pela família e pelos diferentes grupos da comunidade; Compatibilizar as características profissionais dos agentes da equipe de enfermagem às diferentes demandas dos usuários; Integrar as ações de enfermagem às ações multiprofissionais; Gerenciar o processo de trabalho em enfermagem com princípios de Ética e de Bioética, com resolutividade tanto em nível individual como coletivo em todos os âmbitos de atuação profissional; Planejar, implementar e participar dos programas de formação e qualificação contínua dos trabalhadores de enfermagem e de saúde; Planejar e implementar programas de educação e promoção à saúde, considerando a especificidade dos diferentes grupos sociais e dos distintos processos de vida, saúde, trabalho e adoecimento; Desenvolver, participar e aplicar pesquisas e/ou outras formas de produção de conhecimento que objetivem a qualificação da prática profissional; Respeitar os princípios éticos, legais e humanísticos da profissão; Interferir na dinâmica de trabalho institucional, reconhecendo-se como agente desse processo; Utilizar os instrumentos que garantam a qualidade do cuidado de enfermagem e da assistência à saúde; Participar da composição das estruturas consultivas e deliberativas do sistema de saúde; Assessorar órgãos, empresas e instituições em projetos de saúde; Cuidar da própria saúde física e mental e buscar seu bem-estar como cidadão e como enfermeiro; e Reconhecer o papel social do enfermeiro para atuar em atividades de política e planejamento em saúde (BRASIL, 2001, pp. 5-6). Diferencial da Estácio de Sá de Santa Catarina: A instituição tem por objetivo oferecer cursos na área da saúde que abordem de forma efetiva a atuação destes profissionais segundo modelo atual de política de saúde vigente, para um importante benefício social, interdisciplinaridade e o trabalho em equipe multidisciplinar, atuações estas norteadas pela ética e o desenvolvimento de pesquisa científica. O curso de graduação em enfermagem da Instituição de Ensino Superior (IES) incorpora em seu projeto pedagógico o arcabouço teórico do SUS, estimulando a inserção precoce e progressiva do estudante neste sistema, garantindo formação dos egressos com ênfase na promoção, recuperação e reabilitação da saúde e prevenção de doenças. O diferencial profissional que a instituição proporciona nos seus cursos de graduação em saúde e especificamente da enfermagem advém da constante inter-relação ensino, pesquisa, extensão, para a abrangência dos conhecimentos teóricos e científicos necessários ao desenvolvimento de competências e habilidades profissionais e à formação integral do aluno abrindo possibilidades. O Curso de Graduação em Enfermagem da Faculdade Estácio de Sá de Santa Catarina tem as bases da sua criação assentadas nas colocações supramencionadas, articuladas com a política nacional de saúde, e emerge no cenário da formação de enfermeiros (as) com a intencionalidade de não ser 63

64 apenas mais um curso, mas de realmente poder contribuir com a formação de um profissional que faça diferença, pelo seu fazer, seu posicionar-se, seu aparecer e, finalmente, pelo seu ser. Almeja, fundamentalmente, a formação de enfermeiro(a) generalista, com capacidade crítica, reflexiva e criativa para responder aos desafios do cenário da saúde em um mundo globalizado, devidamente habilitado (a) para a prática profissional em seus diferentes níveis de complexidade de atenção à saúde. Espera-se com a sua implantação, poder oferecer um ensino de Graduação de Enfermagem de excelência em padrão de qualidade, formando ativadores de mudanças e lideranças promotoras de saúde, cuja prática social, voltada para o cuidado, gerência, educação e pesquisa, seja capaz de transformar a realidade dos problemas de saúde local, regional e nacional, e de contribuir para a elevação do nível de educação em saúde e de qualidade de vida da população brasileira. O curso conta com uma estrutura de laboratórios na área biológica básica e nas disciplinas profissionalizantes, laboratório de enfermagem com amplas instalações e modernos recursos tecnológicos, como também muitos convênios com hospitais, prefeituras e através delas os postos de saúde, entidades de educação especial e reabilitação, entre outros locais, proporcionando uma atuação e aprendizado de forma multiprofissional nos diferentes níveis de atenção a saúde. Duração: 5 anos. Período: Diurno e Noturno Vagas: 100 por semestre. Mercado de trabalho: Nos últimos três anos, com a política de descentralização adotada pela administração estadual, o setor saúde, a exemplo de outras áreas, passa por transformações tendo que se adequar ao novo modelo. Foram criadas novas Secretarias Regionais, passando de 18 para 29. Com esta filosofia, há uma expectativa de transferência por parte do executivo, de capacidades reais tanto políticas, técnicas, financeiras e administrativas para as instâncias regionais e locais. No que se refere à área da saúde, isto implica na contratação de recursos humanos em qualidade e quantidade, ampliando a perspectiva de absorção de profissionais da área da saúde, e em especial de Enfermeiros (as) por todo Estado. O profissional bacharel em Enfermagem conta com um mercado de trabalho em crescente ascensão. Está capacitado para atuar no processo saúde-doença do indivíduo, da família e da comunidade, intervindo com criatividade e responsabilidade nas áreas de assistência, administração, ensino e pesquisa. No cenário hospitalar planeja e implementa ações de enfermagem ao ser humano com problemas clínicos ou cirúrgicos em unidades de clínica médica, centro cirúrgico e obstétrico, unidades de terapia intensiva(utis, clínicas pediátricas). A enfermagem psiquiátrica é outro campo de trabalho importante, não somente quando o profissional atende pessoas com distúrbios psíquicos ou comportamentais, seja no âmbito domiciliar, ambulatorial e/ou em qualquer unidade do hospital ou em hospitais especializados, como também quando desenvolve e participa de programas e ações de promoção da saúde mental. 64

65 No cenário ambulatorial presta assistência integral à saúde da criança, do adolescente, da mulher, do adulto e do idoso, em consonância com os Programas e Políticas Públicas de Saúde. Na comunidade atua conforme o contexto social, político e cultural em que o ser humano está inserido, planejando, implementando, participando e avaliando ações, promoção e proteção à saúde, de acordo com os determinantes do perfil sócio e epidemiológico, buscando a melhoria da qualidade de vida da população. No âmbito do ensino, o profissional de enfermagem atua como educador em saúde, estimulando e promovendo a educação permanente dos trabalhadores de enfermagem, adotando o conceito de integralidade como eixo orientador dos processos de formação e qualificação, sempre procurando tornar possível a aproximação da formação às necessidades sociais de saúde. No exercício da administração, desempenha ações integradas de gerenciamento e direção de serviços de saúde e enfermagem, lidera a equipe de enfermagem, realiza consultoria, auditoria e emite parecer sobre matérias de Enfermagem. Matriz Curricular do curso de Enfermagem Alunos ingressantes a partir de GRADE DE ENFERMAGEM 65

66 66

67 Atividade estruturada do Curso de ENFERMAGEM Atividades Estruturadas, embasadas no Art. 2º, item II da Resolução CNE/CES nº 3, de 2 de julho de 2007, implicam a construção de conhecimento, com autonomia, a partir do trabalho discente. A concepção destas atividades deve privilegiar a articulação entre a teoria e a prática, a reflexão crítica e o processo de auto-aprendizagem. Para atender a este propósito, o ensino deve ser centrado na aprendizagem, tendo o professor como mediador entre o conhecimento acumulado e os interesses e necessidades do aluno. Com as atividades estruturadas pretende-se preparar o aluno como sujeito ativo, reflexivo, criativo, inovador, empreendedor, que tenha autonomia nos estudos. O fundamental é criar condições para que o aluno possa construir ativamente o seu próprio conhecimento. Dessa forma, a aprendizagem se dará como resultado do aprendizado ativo, com base na própria prática do sujeito e nas sucessivas mudanças provocadas pela informação gradativamente assimilada. Assim, poderão ser indicados como objetivos específicos de aprendizagem, que o aluno: compare, diferencie, classifique, busque causas e conseqüências, identifique princípios ou regularidades, priorize objetivos de ação, selecione métodos e técnicas adequadas, execute, analise, avalie etc. Cada atividade percorrerá um caminho, variando os materiais e as estratégias, mas sempre no mesmo sentido, de acordo com Davini (1999): PRÁTICA/REALIDADE = REFLEXÃO = TEORIA = SELEÇÃO DE PRINCÍPIOS E MÉTODOS PARA AÇÃO FUTURA NOVA = PRÁTICA/TRANSFORMAÇÃO DA REALIDADE As disciplinas com atividades estruturadas A metodologia de ação das atividades estruturadas visa trazer uma mudança no processo de aprendizagem, integrando sociedade educação trabalho, com o planejamento de atividades que surgem das situações do próprio cotidiano social do aluno e do trabalho profissional, envolvendo participação individual e em grupo, convivência com a diversidade de opiniões, oportunidade de autonomia de estudos e o acesso a diferentes modos de aprender, especialmente, de aprender a aprender. Desta forma, as disciplinas que possuem atividades estruturadas encontram-se na matriz Curricular com a indicação de carga horária de campo. E todas elas deverão ser realizadas através de visitas as instituições de saúde indicadas pelos professores das referidas disciplinas complementando-as com uma revisão bibliográfica específica, sendo de fundamental importância a reflexão teórica por parte do acadêmico, fazendo assim a relação teoria e prática. Matriz Curricular do Curso de Enfermagem Alunos ingressantes a partir de GRADE DE ENFERMAGEM 67

68 68

69 69

70 DESIGN MODA Coordenadora do Curso: Jorge Elias Dolzan Bacharel em Desenho Industrial (Projeto de Produto e Programação Visual) - UDESC Especialista em Ensino de Artes Visuais UDESC Mestre em Ciências da Linguagem - UNISUL O Curso e seus objetivos O Curso Superior em Design de Moda tem seu projeto pedagógico calcado nas indicações propostas pelas diretrizes institucionais e pedagógicas da Faculdade Estácio de Sá de Santa Catarina - FESSC. O primeiro direcionamento específico se faz quando se organizam as disciplinas do curso Design de Moda em disciplinas de conteúdo básico, específico e teórico-prático, constituindo-se como um curso em plenas condições de formar um profissional com sólida formação teórica e prática, habilidades interpessoais bem desenvolvidas e sensíveis vocação econômica e social no contexto em que está inserido. O Curso Superior em Design de Moda da FESSC utilizou como ponto de partida para sua concepção o foco na formação do designer geral, direcionando sua base curricular e seus conteúdos no desenvolvimento da atividade do design como manipulador de interfaces, onde coexistem cinco grandes áreas do saber profissional: o saber artístico, o técnico, o mercadológico, o didáticocientífico e o administrativo-organizacional. Assim como leva em consideração a diversidade cultural e étnica da região que caracteriza seu entorno, devido à situação econômica baseada no setor têxtil e de confecção, a FESSC, sintonizada com esta demanda, propõe um curso voltado para gestão e o desenvolvimento do design de moda. O Curso Superior em Design de Moda - Bacharelado em Design com Habilitação em Moda, foi desenvolvido com a intenção de formar um profissional completo, solucionador de problemas relacionados às interfaces industria/consumidor, produto/usuário, produto/produção, entre outras; considerando aspectos técnicos do seu trabalho, mas também as formações culturais, artísticas e históricas, que influencia a moda, a compreensão da importância e do impacto de seu trabalho na sociedade, o conhecimento da tecnologia e dos métodos utilizados na produção de moda, e ênfase na habilidade de gestão para dirigir ou atuar em equipes de trabalho interdisciplinares na elaboração de pesquisas e no desenvolvimento de projetos. O projeto pedagógico elege a tese da qualidade enquanto indicador de comprometimento com a formação e qualificação do profissional da moda, que transforma idéias em produtos, propondo soluções que estejam de acordo com o contexto sócio-econômico e cultural ao qual pertence. Assim, a concepção do Curso Superior em Design de Moda da FESSC está assentada no princípio de que a formação de recursos humanos com estas especialidades, somente se faz possível com o modelo pedagógico em que a pluralidade seja o móvel do ensino, precisamente porque o ecletismo é um sustentáculo ao conhecimento e ao desenvolvimento de um profissional apto e capaz a desempenhar atividade no ramo da moda, mais especificamente têxtil e de confecções. 70

71 Destaca-se ainda que, a concepção do Curso, em perfeita relação de correspondência com o Projeto Institucional da FESSC, se constitui em condição determinante para formar um profissional da moda com sólida formação teórica, habilidades interpessoais bem desenvolvidas e extremamente sensível à vocação econômica e social da realidade na qual está inserido. O Curso Superior em Design de Moda tem como finalidade formar profissionais na área do design de moda aptos a interpretar e modificar aspectos relacionados à criação e ao desenvolvimento de produtos do setor, adaptando os aspectos técnicos, comerciais e de promoção do produto, com embasamento artístico, técnico, mercadológico, didático-científico e administrativo-organizacional, caracterizadores da formação de um profissional criativo e com grande potencial de adaptação as mutações que o mercado apresenta. Um profissional competente e bem formado sempre encontra uma alternativa de auto locação profissional. O Curso Superior em Design de Moda objetiva o espírito empreendedor estimulado durante o curso, capacitando seus alunos como empreendedores considerando os novos paradigmas que o mercado profissional aponta no mundo todo. Objetivo Geral e específicos Formar profissionais na área do design de moda, críticos, criadores e éticos, transformadores e autônomos, aptos para atender a interpretar os aspectos relacionados à criação e desenvolvimento de produtos, adaptando os aspectos técnicos, comerciais e de promoção do produto, com embasamento artístico, técnico, mercadológico, didático-científico e administrativo-organizacional. Formar profissionais habilitados a exercer a função de designers de moda junto ao setor têxtil e de confecção. Desenvolver nos profissionais as habilidades de gestão do processo produtivo da moda para atender as expectativas de empresas do setor. Desenvolver habilidades para utilização de técnicas de exploração do processo lógico e criativo, utilizando-as como ferramentas para a criação e desenvolvimento de produtos e serviços; Planejar, organizar, dirigir e executar serviços a serem oferecidos na área; Prospectar, planejar, gerir e executar projetos e programas estratégicos, assim como participar do planejamento e operacionalização dos estudos de viabilidade econômico-financeira de empreendimentos e projetos; Identificar, analisar e avaliar os possíveis efeitos positivos e negativos provocados pelas atividades de design em determinados espaços e comunidades; Gerir a qualidade de serviços e produtos; Utilizar metodologias em Projetos, Planos e Programas da área; Desenvolver competências e habilidades no campo do design de moda, contribuindo para a solução de problemas de organizações empresariais do setor; Desenvolver a pesquisa, a análise e adequação das tendências internacionais de moda, visando atender às condições climáticas, sócio-econômicas e culturais. Aprofundar conhecimentos inerentes ao setor de confecção e têxtil. Perfil do Egresso A Faculdade Estácio de Sá de Santa Catarina tem as bases do seu Modelo Institucional centradas na qualidade, organização e informação, visando a uma ativa geração de novos conhecimentos e funcionando como um núcleo dinâmico de formação de recursos humanos de bom padrão. 71

72 O Curso Superior em Design de Moda, em consonância com esses propósitos, assume a sua parcela de responsabilidade, contribuindo para a formação de profissionais capazes de a partir da análise do ambiente em que irão operar e do conhecimento multidisciplinar adquirido, atuar no mercado de forma dinâmica, dentro de princípios de competência e ética, preenchendo as necessidades e expectativas do setor. A atividade profissional do designer de moda exige uma formação ao mesmo tempo generalista - no sentido tanto de conhecimentos específicos e pontuais como uma ampla visão de mundo e conhecimentos de áreas diversas - e particularizada - especialmente com conhecimentos técnicos e específicos. Impulsionando-o a uma atuação dinâmica e multidisciplinar. Nesse sentido, cabe destacar que a formação do Bacharel em Design de Moda deve contemplar a relação com os problemas de interface. Cabendo ao referido Curso o comprometimento de uma logística de informação a ser apresentada e trabalhada acompanhando os princípios que norteiam a atividade de design no que compete à interface, impulsionando o profissional a ser formado na prática constante de mediar e interpretar informações coletadas nos vários segmentos que compõem a sociedade e o mercado profissional. Para tanto o Curso vai de acordo com os conceitos de design de interface focando uma formação, de forma geral, nas seguintes áreas do saber: 1) Artística: 2) Técnica: 3) Mercadológica: 4) Didática-Científica: 5) Administrativa-Organizacional. O sucesso profissional do bacharel em Design de Moda será garantido pela solidez da formação nestas 5 (cinco) áreas da ampla formação cultural adquiridas durante o curso de graduação. Serão fatores fundamentais para este sucesso, o desenvolvimento pedagógico do curso que garantirá formação e informação, métodos, técnicas e meios ao aluno, para que com isso ele possa compreender e aperfeiçoar a capacidade de "aprender a aprender"; que estimulará sua autoconfiança, sua sensibilidade, sua determinação, seu nível de organização pessoal e no trabalho; que alicerçará sua habilidade de trabalho em equipe e facilidade de adaptação a contextos novos, sua criatividade, seu espírito inovador, seu poder de liderança, de gerenciamento e decisão, sua confiabilidade e habilidade comunicativa; capacidade de síntese, de crítica e de inovação; além de sua atualização tecnológica. O Profissional formado pelo Curso Superior em Design de Moda estará apto a gerenciar atividades de design no âmbito público e privado, pois terá uma educação formal voltada para o gerenciamento, manutenção e excelência dessas atividades, por isso os profissionais egressos do Curso Superior em Design de Moda da FESSC deverão ser capazes de: Gerenciar a atividade de design no seu âmbito público e privado; Estabelecer intercâmbio técnico-científico e criativo com os prestadores de serviço e a comunidade em geral para a gestão do design; Proporcionar o desenvolvimento de pesquisa permanente para o desenvolvimento, para a manutenção ou para a reestruturação do perfil das organizações/entidades envolvidas no segmento, em nível municipal, estadual e regional; Capacitar e organizar eventos: promover congressos, exposições, desfiles e outros eventos de natureza social, cultural, científica ou econômica; Organizar e administrar empresas e empreendimentos de design: cuidar da organização observando os aspectos jurídicos necessários à implantação, manutenção e permanência no mercado, bem como de todos os aspectos da administração destas empresas e destes empreendimentos; Participar de estudos científicos de Design, levando em consideração as áreas de pesquisa 72

73 existente e buscando novas frentes de análise na área; O Bacharel em Design de Moda pode também atuar no processo de gestão, planejamento e controle da produção de moda, pois tem o conhecimento de todo o ciclo de vida do produto, desde a pesquisa e criação da moda, até a modelagem, produção, promoção e venda de moda. Deste modo, por se caracterizar o fenômeno de design como atividade multi-diversificada, o Bacharel em Design de Moda assume o papel de participação, de integração e de estudo das iniciativas que utilizem o design como proposta ou meio que propiciem benefícios a este, revelando competências para: Capacidade de atuação nos diversos setores do mercado e em todas as áreas concernentes à profissão; Capacidade de compreensão da necessidade do contínuo aperfeiçoamento profissional e do desenvolvimento de suas habilidades técnicas e gestoras sobre as atividades de design; Capacidade para planejar, organizar, implantar e gerir programas de design;. Capacidade criativa para propor soluções inovadora, utilizando domínio de técnicas e de processos de criação; Capacidade para o domínio de linguagem própria expressando conceitos e soluções em seus projetos, de acordo com as diversas técnicas de expressão e reprodução visual; Capacidade de interagir com especialistas de outras áreas e de atuar em equipes interdisciplinares; Domínio das etapas que constituem todo o ciclo de vida dos produtos, formadas pela percepção do problema, técnicas de coleta e análise de dados, geração e avaliação de alternativas, configuração da solução e apresentação dos resultados; Conhecimento de produção, incluindo qualidade, produtividade, custos e investimentos, além da administração dos recursos humanos para a produção; Competência para empreender, analisando criticamente as organizações, seja da natureza que forem, antecipando e promovendo suas transformações; Formação humanística e visão global que o habilite a compreender o meio social em seus aspectos, político, econômico e cultural onde está inserido e a tomar decisões em um mundo diversificado e interdependente buscando o progresso e o desenvolvimento das comunidades onde atua e da comunidade em geral; Interesse e apoio ao desenvolvimento, nas áreas da docência e pesquisa. O bacharel em Design de Moda formado pela FESSC terá habilidades para desempenhar diversas funções na área, dentre as quais o projeto pedagógico destaca as seguintes: Assumir cargos de design seja em supervisão, gerência, assessoria ou direção, coordenação, desenvolvimento de produtos, criação, consultoria, em empreendimentos públicos ou privados; Atuar como agente multiplicador do conhecimento de design; Empreender, analisando criticamente as organizações, antecipando e promovendo suas transformações e gerindo-as com competência; Coordenar trabalhos técnicos e criativos, estudos, pesquisas e projetos dos setores municipais, estaduais e federais além de inter-regionais; Elaborar e analisar planos para o desenvolvimento de produtos e de mercado, considerando fatores e influências externas e internas; Internacionalizar os valores de responsabilidade social, justiça e ética profissional. Serão capazes ainda de: 73

74 Compreender a necessidade de um contínuo aperfeiçoamento profissional e do desenvolvimento pessoal; Prosseguir estudos de pós-graduação em programas de especialização (lato sensu) ou de mestrado e doutorado (strictu senso). Por último, a FESSC assume o compromisso de criar um Curso Superior de qualidade em todas as suas dimensões, refletindo na preocupação com a formação do profissional através da revisão periódica da Matriz Curricular e com a contínua adaptação às novas necessidades sociais. Duração: 4 anos. Período: Matutino / Vespertino ou Noturno. Vagas: 50 por semestre/turno. Oferta e demanda do Curso na Grande Florianópolis O pólo de confecção da região de Florianópolis floresceu a partir dos anos de 1980, registrando uma evolução institucional considerável, e logo acusando pressões em relação à avalanche das importações do comércio liberal nacional e da política cambista sustentada, ou que sustentou, o Plano Real. A expressão pólo confeccionista da região de Florianópolis, aponta Hoyêdo Nunes Lins, passou a freqüentar documentos técnicos desde a implementação, pela municipância, de um projeto objetivando o apoio a centenas de micro e pequenas empresas ligadas à produção de artigos do vestuário que atuavam na região. Sob o signo da institucionalização, o pólo foi "erigido" em meio a vínculos que envolveram, além da prefeitura de Florianópolis, órgãos como, pelo menos, SEBRAE-SC, SENAI, UFSC, ETEFESC e UDESC, cuja participação não ocorreu sempre com a mesma intensidade e da mesma forma. Passo decisivo na trajetória do pólo foi a criação da Associação das Indústrias do Vestuário da Grande Florianópolis (ASSINVEST), em dezembro de Concebida para atuar como entidade de representação e defesa dos interesses dos associados, essa instituição tem desempenhado importante papel na "organização" do setor. O cadastramento das empresas, filiadas ou não, e o levantamento das suas necessidades são exemplos do desempenho protagonizado. Não menos importante foi a tentativa de fomentar as atividades de criação (estilismo, modelagem) e de estruturar e estimular as vendas através da implantação de centros de moda e comercialização: diretamente vinculados à ASSINVEST, surgiram, pelo menos, o Shopping Entrelaços (hoje com proprietário externo ao setor, depois de quase ter "quebrado"), a Central da Moda, no Terminal Rodoviário Rita Maria, e o Trajano Mall Center. 1 Assim abastecido o pólo sentiu um crescimento considerável, principalmente no que compete a fabricação de tecidos planos. Um levantamento do Instituto de Planejamento Urbano de Florianópolis assinalou que, em apenas três anos, 510 empresas de vestuário instalaram-se na região, gerando novos empregos (...) 2. No início dos anos 90, o gênero "vestuário, calçados e artefatos de tecidos" era o que concentrava a maior quantidade de estabelecimentos industriais da região. O parque fabril ainda é relativamente jovem, conforme apontado em diagnóstico do SEBRAE- SC de 1993, que constatou ser novo, naquele momento, o maquinário em uso. 1 LINS, Hoyêdo Nunes. Aprendizagem e inovação numa área confeccionista do sul do Brasil. RECITEC, Recife, v.4, n.2, p , Op. Cit LINS, Hoyêdo Nunes. 74

75 Com a importação crescente em decorrência das políticas econômicas nacionais, houve a quebra de muitas confecções e uma queda brusca no número de empresas do ramo na região. Artigo em jornal local, publicado no calor dos acontecimentos, mencionou o desaparecimento de 40% das confecções. No final dos anos 90, após a desvalorização da moeda brasileira, o setor parece ter passado por uma considerável "depuração". É opinião quase unânime entre os agentes envolvidos que as empresas em atividade, pelo menos as de maior projeção, correspondem às que tentaram se robustecer perante as adversidades da década. O surgimento de grandes empresas no estado, em particular na região do Vale do Itajaí, caso da Hering, visando a terceirização produtiva no estado como um todo, inclusive na Região da Grande Florianópolis, impulsionaram o certo crescimento. Onde desde os primeiros movimentos nessa direção, nos últimos meses de 1999, mais de 10 microempresas passaram a integrar a rede de faccionistas. Como a qualidade era a principal exigência, a iniciativa da Hering acabou desencadeando processo local de capacitação de firmas com o envolvimento de diferentes instituições. Em faces dos movimentos deste mercado na região, durante boa parte se percebeu uma movimentação na industria local. De um lado firmas do setor de confecção e de outras instituições de ensino iniciaram uma participação ativa na trajetória do setor. Entrevistas realizadas em 12 firmas da região indicaram que as reações dos principais atores do pólo vestuarista às novas condições de atuação foram heterogêneas [Quadro abaixo]. Todas as empresas pesquisadas realizaram investimentos nos anos 90. Entretanto, para o maior número, os gastos (em todo o período, somados) não superaram US$ 300 mil. Desse modo, se eram maioria as que registravam máquinas estrangeiras nas respectivas estruturas produtivas, de aquisição facilitada pelas políticas de abertura comercial e de apreciação do câmbio, somente em um caso observou-se a presença de sistema CAD, uma tecnologia essencial e de uso difundido internacionalmente na indústria de vestuário, no bojo de uma crescente penetração da microeletrônica nesse setor (Hoffman, 1985). Por outro lado, mais da metade declarou utilizar insumos estrangeiros, vantajosos devido aos preços e às condições de pagamento oferecidas. O pólo de confecção da região de Florianópolis floresceu a partir dos anos de 1980, registrando uma evolução institucional considerável, e logo acusando pressões em relação à avalanche das importações do comércio liberal nacional e da política cambista sustentada, ou que sustentou, o Plano Real. Indicadores Número de firmas Total de firmas 12 Investimentos nos anos 90 (US$ mil) Até 100 > 100 a 300 >300 a 600 >600 Presença de máquinas importadas Sim Não

76 Presença de sistema CAD Sim Não Uso de insumos importados Sim Não Pessoal em pesquisa e desenvolvimento Sim Não Iniciativas em qualidade e produtividade e inovações organizacionais Sim Não Indicadores de modernização de um conjunto de firmas do pólo de confecções da região de Florianópolis. FONTE SENAC, Poucas são as empresas que apontarão a busca de inovações, presas no conservadorismo de empresas familiares a maioria não investe em atividades de pesquisa e desenvolvimento em moda. Comprova-se tal acontecimento quando se considera que entre os fatores chaves da competitividade na indústria de confecção figura a produção de peças de maior valor unitário, com maior importância para moda e estilo, que exigirão empresas mais flexíveis, capazes de oferecer respostas rápidas a um mercado altamente diferenciado e exigente". 3 A carência do setor de criação reafirma-se ainda mais na prática de um fazer moda através de cópia. Empresas de menor porte, que poderiam buscar seu crescimento próprio, investem na aquisição de peças prontas, de empresas de ponta, para copiar suas formas, levando o setor de criação em moda ao descrédito. O setor de criação restringe-se assim ao de desmanche e reprodução de peças copiadas. Até agora, poucas são as empresas que conseguiram progredir com suas criações, impossibilitando o surgimento de uma iconografia do pólo.a falta de conhecimento da área, a pouca compreensão do entendimento do conceito real de design e de moda, leva consideravelmente ao descaso do conceito real de qualidade. Não surpreende que no estado catarinense muitas são as empresas, que dado o crescimento do mercado asiático, vêem-se em crise. Uma das saídas é investir em criação própria. Essas crises potencializam de forma positiva o setor educacional. Afinal a procura da mão-deobra especializada no setor torna-se vital para qualquer empresa. Ao contrário de anos atrás, onde mercado não reconhecia que as instituições de ensino desempenhariam um papel importante nas perfomances do setor empresarial, atualmente com o surgimento de alguns cursos importantes na região o olhar mudou. E não só regionalmente, mas no estão todo o olhar das empresas para as instituições é positivo e impulsionador de parcerias caso do Projeto Santa Catarina Moda Contemporânea SCMC 4, que em 2004 e 2005, firmou parcerias ativas entre empresas e instituições na conceituação de coleções inusitadas, fomentando o discurso iconográfico do pólo de confecção estatal. As empresas participantes deste projeto foram: Ana Paula Calçados; Boby Blues; Buettner SA; 3 Bastos, C. P. M. (1993). "Competitividade da indústria do vestuário: nota técnica setorial do complexo têxtil". In: IE/UNICAMP-IEI/UFRJ-FDC-FUNCEX. Estudo da competitividade da indústria brasileira. Campinas. (mimeo). 4 Maiores detalhes podem ser coletados no site do projeto: 76

77 Companhia Hering; AMC Têxtil Ltda (Colcci); Dudalina SA; Fábrica de rendas e bordados Hoepcke; Karsten SA; Marisol SA; Oceano Confecções Surfwear Ltda; Tecnoblu Label and Tags. Todas essas empresas trabalharam em conjunto com instituições de ensino do estado de Santa Catarina. Destas duas apenas eram da região da Grande Florianópolis UDESC e UNISUL. O olhar sobre o pólo de vestuário da Grande Florianópolis mostra-se promissor. Empresas e instituições apresentaram, nos últimos 20 anos, uma mudança em suas perspectivas, algumas impulsionando e agindo para o fomento do discurso de moda, e outras reagindo frente ao setor oferecendo, com garantia e qualidade uma preparação adequada de profissionais. Porém, a grandiosidade do setor, ainda crescente, fortifica a necessidade de maior qualidade, e quantidade, de profissionais formados na área da moda, não apenas no discurso técnino e tecnólogo, não apenas na formação de de bacharéis em estilismo, mas sim na formação de designers na área, profissionais que possam contribuir não apenas para o desenvolvimento de coleções, mas das empresas confeccionistas como um todo, impulsionando Santa Catarina, não apenas pelos produtos aqui produzidos, mas pelas empresas e seus empreendedores aqui formados. Reconhecendo a responsabilidade social de toda instituição de ensino superior, o Curso Superior em Design de Moda da Faculdade Estácio de Sá de Santa Catarina concebe a atividade do design, inserida no contexto social, econômico e cultural regional e local, como elemento promotor da inclusão social, procurando não apenas formar profissionais capazes e atualizados, aptos a desenvolver projetos voltados para a melhoria da qualidade de vida do homem, a promoção do desenvolvimento do país e a construção da cidadania, mas contribuir diretamente para a solução dos problemas sociais ao nível da comunidade local através da oferta de cursos livres, desenhos simplificados para produtos e serviços oferecidos por micro-empresas familiares, desenhos de produtos/serviços e processos que permitam aproveitar resíduos e matérias primas locais disponíveis e palestras e orientações gratuitas para a comunidade empreendedora local. Uma nova informação, não encontrada no Projeto Pedagógico do Curso de Design de Moda da Estácio de Sá de Santa Catarina, é o investimento do Estado de Santa Catarina no desenvolvimento da moda, num projeto chamado de: DELPHI 2007 o futuro da moda em Santa Catarina ( ). Que aponta o objetivo do estado se tornar o segundo maior pólo em desenvolvimento em design de moda do Brasil. O mesmo material aponta o perfil desejado pelas empresas catarinense neste futuro próximo, um profissional capacitado no desenvolvimento de produto, gestor de informações e manipulador de técnicas criativas. Atividade estruturada do Curso de Design de Moda Atividades Estruturadas, embasadas no Art. 2º, item II da Resolução CNE/CES nº 3, de 2 de julho de 2007, implicam a construção de conhecimento, com autonomia, a partir do trabalho discente. A concepção destas atividades deve privilegiar a articulação entre a teoria e a prática, a reflexão crítica e o processo de auto-aprendizagem. Para atender a este propósito, o ensino deve ser centrado na aprendizagem, tendo o professor como mediador entre o conhecimento acumulado e os interesses e necessidades do aluno. O currículo dos cursos deve ser concebido como um conjunto integrado e articulado de situações organizadas de modo a promover aprendizagens significativas e seus conteúdos são apenas um dos meios para o desenvolvimento de competências que ampliem a formação dos alunos e sua interação com a realidade, de forma crítica e dinâmica. No ensino por competências o conhecimento é trabalhado de forma intertransdisciplinar, contextualizado, privilegiando a construção de conceitos e a criação do sentido, visando mobilizar um conjunto de recursos cognitivos (saberes, capacidades, informações etc.) para solucionar com pertinência e eficácia uma série de situações. (PERRENOUD, P. Dez novas competências para ensinar. Porto Alegre: Artmed, 2001.) Para tanto, as atividades devem ser estruturadas em projetos, bem como por resolução de problemas, além de pesquisas. Devem 77

78 privilegiar análises, sínteses, inferências, generalizações, analogias, associações e transferências. As tarefas propostas devem constituir desafios que incitem os alunos a mobilizar seus conhecimentos, habilidades e valores. As Atividades Estruturadas atendem também ao paradigma da complexidade (MORIN, E. A religação dos saberes: o desafio do século XXI. Jornadas temáticas idealizadas e dirigidas por Edgar Morin. Tradução e notas de Flávia Nascimento. Rio de Janeiro: Bertrand Brasil, 2001.), propondo um ensino fundamentado em múltiplas visões que proporcionem aos alunos aprendizagens que desenvolvam a visão crítica, criativa e transformadora. Nesse contexto, de acordo com Behrens em sua obra: Metodologia de aprendizagem baseada em problemas. (In: VEIGA, I. P. A. (Org.).Técnicas de ensino: novos tempos, novas configurações. Campinas, SP: Papirus, 2006.p (Coleção Magistério: Formação e Trabalho Pedagógico).), situa-se a problematização que possibilita uma visão pluralista, tendo como ponto de partida o questionamento que vincula articulações diferenciadas, com a finalidade de produzir conhecimento. Os alunos podem simultaneamente realizar a apropriação de conceitos, quando os examinam minuciosamente; articular essas aquisições à medida que as relacionam ao problema a ser resolvido e mobilizar essas aquisições na prática. (ROEGIERS, Xavier; DE KETELE, Jean-Marie. Uma pedagogia da integração: competências e aquisições no ensino. Tradução de Carolina Huang. 2. ed. Porto Alegre: Artmed, 2004.) O que se pretende estimular nos alunos não é a memorização de informações e, sim, a investigação e compreensão dos problemas, a construção de seu próprio conhecimento por meio da participação ativa neste processo. (DAVINI, M. C. Currículo integrado. In: SANTANA, J. P.; CASTRO, J.L. de. Capacitação em desenvolvimento de recursos humanos de saúde. Natal: EDUFRN,1999. p ) Se a proposição de memorizar e repetir precisa ser ultrapassada, como proceder para contemplar uma prática pedagógica que acolha os pressupostos da abordagem crítica? [...] Não se trata de negar a pertinência das técnicas de ensino tradicionais, mas de retomá-las com um posicionamento crítico e reflexivo que enriqueça a produção do conhecimento em um novo paradigma. (BEHRENS, 2006) Isto não quer dizer também que os conhecimentos em si sejam negligenciados. Pelo contrário, além de serem imprescindíveis, a atividade assimiladora do sujeito que aprende se aplica sempre a um objetivo ou assunto que requer ser assimilado. Com as atividades estruturadas pretende-se preparar o aluno como sujeito ativo, reflexivo, criativo, inovador, empreendedor, que tenha autonomia nos estudos. O fundamental é criar condições para que o aluno possa construir ativamente o seu próprio conhecimento. Dessa forma, a aprendizagem se dará como resultado do aprendizado ativo, com base na própria prática do sujeito e nas sucessivas mudanças provocadas pela informação gradativamente assimilada. Assim, poderão ser indicados como objetivos específicos de aprendizagem, que o aluno: compare, diferencie, classifique, busque causas e conseqüências, identifique princípios ou regularidades, priorize objetivos de ação, selecione métodos e técnicas adequadas, execute, analise, avalie etc. Desse modo, a metodologia de ação das atividades estruturadas visa trazer uma mudança no processo de aprendizagem, integrando sociedade educação trabalho, com o planejamento de atividades que surgem das situações do próprio cotidiano social do aluno e do trabalho profissional, envolvendo participação individual e em grupo, convivência com a diversidade de opiniões, oportunidade de autonomia de estudos e o acesso a diferentes modos de aprender, especialmente, de aprender a aprender. Cada atividade percorrerá um caminho, variando os materiais e as estratégias, mas sempre no mesmo sentido, de acordo com Davini (1999): PRÁTICA/REALIDADE = REFLEXÃO = TEORIA = SELEÇÃO DE PRINCÍPIOS E MÉTODOS PARA AÇÃO FUTURA NOVA = PRÁTICA/TRANSFORMAÇÃO DA REALIDADE 78

79 Sendo assim, na concepção/elaboração de um currículo integrado que contemple atividades estruturadas, alguns passos devem ser trilhados: 1.Definir conteúdos e competências e organizá-los por categorias; 2.Em cada categoria definir conceitos, processos, princípios e técnicas para o desenvolvimento de tais conjuntos de conteúdos/competências; 3.Elaborar um mapa conceitual/estrutura de conteúdos, a partir da organização anterior; 4.Destacar, no mapa conceitual, as unidades de aprendizagem, que se definem como estruturas pedagógicas dinâmicas orientadas por determinados objetivos comuns de aprendizado; 5.Definir o conjunto de disciplinas mais apropriadas para incorporarem as atividades estruturadas supervisionadas. Obs: As atividades poderão ser interdisciplinares, ou seja, uma mesma atividade poderá atender várias disciplinas. 6.Planejar atividades de aprendizagem originadas das situações do próprio cotidiano social do aluno e do trabalho profissional, que incentivem a reflexão, a busca de conhecimentos desenvolvidos nas disciplinas curriculares que contemplem atividades estruturadas, e que reverterão em ação. São exemplos de atividades que não podem ser consideradas atividades estruturadas aquelas em que o professor é o principal ator, quando faz demonstrações, resumos, sínteses etc; as que estão descontextualizadas dos conteúdos das disciplinas a que se referem; as que não tem caráter significativo. As atividades estruturadas estão relacionadas e contextualizadas no âmbito da disciplina, enquanto as atividades complementares referem-se ao curso como um todo e à formação geral do aluno. As disciplinas com atividades estruturadas Um dos princípios essenciais da atividade estruturada é possibilitar uma vivência completa de ações que em sala não teriam possibilidade de serem promovidas. Dentro disso o Curso de Design de Moda selecionou disciplinas, cuja aplicabilidade prática deve ser praticada fora de sala caso de pesquisas (em todo seus aspectos), de utilização intensiva de técnicas, da prática de algumas ferramentas onde os alunos precisam usar tempo extra, fora de sala, para empreenderem sua formação com maior qualidade. Sendo assim todas as disciplinas de projetação (Laboratórios de Criação e Criatividades, Metodologia de Projeto e os Projetos de Coleção), de manipulação de técnicas (caso dos Desenhos de 1ª à 4ª fase, das Modelagens da 4ª à 6ª fase, dos Laboratórios de Costura 1 e 2 e do Laboratório de Computação), de pesquisa e coleta de informações/dados (caso das Tecnologias Têxtil e de Produção, Materiais e aviamentos, Pesquisa de moda e Ergonomia Aplicada a Moda) tiveram a alocação de 1 crédito por semana para a atividade estruturada. Por participarem como ação complementar na formação do Curso, mas não menos importante, as disciplinas de Laboratório Fotográfico e Metodologia Científica tiveram a alocação de 2 créditos por semana para a atividade estruturada, compreendendo-se que, nestes casos, a vivência fora de sala (caso da produção, da leitura e de pesquisas) compõe o processo de ensino-aprendizagem das mesmas. As outras disciplinas, de vertente teórica, asseguram-se sem alocação de atividade estruturada. Entende-se que para determinadas disciplinas é preciso um tempo maior para os debates e as participações em sala. As disciplinas que possuem atividades estruturadas encontram-se na matriz Curricular com a indicação de carga horária de campo. Vide a Matriz que segue: 79

80 Matriz Curricular do curso de Design de Moda a partir de Alunos ingressantes a partir de GRADE DE DESIGN DE MODA - GRADE CURRICULAR

81 81

82 PSICOLOGIA Coordenador do Curso: Janine Pacheco da Luz Mestre em Engenharia da Produção (UFSC) Especialização em Psicanálise (UFSC) Bacharel em Psicologia (UFSC) O Curso de Psicologia da Faculdade Estácio de Sá de Santa Catarina assegura a Formação de Psicólogos com conhecimentos, habilidades e atitudes para: O graduado em Psicologia da Faculdade Estácio de Sá de Santa Catarina deverá estar capacitado a: Levantar informação bibliográfica em indexadores, periódicos, livros, manuais técnicos e outras fontes especializadas através de meios convencionais e eletrônicos; Ler e interpretar comunicações científicas e relatórios técnicos na área da Psicologia; Utilizar o método experimental, de observação e outros, como investigação científica; Realizar entrevistas em diferentes contextos; Analisar e interpretar relações entre contextos e processos psicológicos e comportamentais; Analisar e interpretar manifestações verbais e corporais como fontes primárias de acesso a estados subjetivos; Interagir com pessoas e grupos, considerando os valores e circunstâncias envolvidas nas suas demandas; Utilizar os recursos da matemática, estatística e informática para a análise, apresentação de dados e para a preparação de instrumentais para atividades profissionais, de ensino e de pesquisa. Da mesma forma, o profissional formado deve estar capacitado para o desempenho e atuação para: Analisar o campo de atuação do psicólogo e seus desafios contemporâneos; Analisar o contexto em que atua profissionalmente em suas dimensões institucional e organizacional, explicitando a dinâmica das interações entre os seus agentes sociais; Identificar, definir e formular questões de investigação científica no campo da Psicologia, vinculando-as a decisões metodológicas quanto à escolha, coleta, e análise de dados em projetos de pesquisa; Escolher e utilizar instrumentos e procedimentos de coleta de dados em Psicologia, tendo em vista a sua pertinência; Avaliar fenômenos humanos de ordem cognitiva, comportamental e afetiva, em diferentes contextos; Realizar diagnóstico, avaliação de processos psicológicos de indivíduos, de grupos e de organizações; Coordenar e manejar processos grupais, considerando as diferenças individuais e sócioculturais dos seus membros; Atuar inter e multiprofissionalmente, sempre que a compreensão dos processos e fenômenos envolvidos assim o recomendar; Relacionar-se com o outro de modo a propiciar o desenvolvimento de vínculos interpessoais requeridos na sua atuação profissional; 82

83 Atuar profissionalmente, em diferentes níveis de ação, de caráter preventivo ou terapêutico, considerando as características das situações e dos problemas específicos com os quais se depara; Realizar orientação, aconselhamento psicológico e psicoterapia; Elaborar relatos científicos, pareceres técnicos, laudos, relatórios e outras comunicações profissionais, inclusive materiais de divulgação; Apresentar trabalhos e discutir idéias em público; Saber buscar e usar o conhecimento científico necessário à atuação profissional, assim como gerar conhecimento a partir da prática profissional; Fazer uso das teorias estudadas a partir de suas dimensões filosófica (visão de homem), epistemológica (modo de construção do conhecimento) e histórica (contextualização do conhecimento), para compreender, analisar e intervir sobre os fenômenos e processos psicológicos. Pautar sua postura e atuação como psicólogo em princípios éticos e científicos, atento ao processo de construção permanente da identidade profissional, para contribuir com o desenvolvimento da profissão. Promover ações na atenção à saúde no sentido da prevenção, promoção, proteção e reabilitação da saúde psicológica e psicossocial, de forma individual e coletiva. Analisar e processar problemas, elaborar, executar, avaliar e aperfeiçoar projetos de intervenção psicossocial, psicoterapêutica e reeducativa, para atender a demandas e necessidades de pessoas, coletividades, grupos, organizações e comunidades. Elaborar, executar, avaliar e aperfeiçoar projetos de pesquisa que visem articular teoria e prática, ciência e exercício profissional no campo da Psicologia, de modo a contribuir para a construção teórica permanente e o bem-estar psicológico. Atuar e coordenar equipes multi ou interprofissionais, para atender aos objetivos e necessidades de organizações e instituições sociais, sem perder a especificidade do modo próprio do psicólogo de conhecer e intervir na realidade. Posicionar-se criticamente, com base em referencial teórico da Psicologia, diante dos fenômenos sociais, culturais, políticos e econômicos do País, para contribuir e fazer avançar a reflexão nos diversos setores da sociedade Diferencial da Estácio de Sá de Santa Catarina: Orientamos nosso projeto visando à formação de um profissional que possa constituir-se, fundamentalmente, num agente de transformação social que incorpore na sua formação a integração ensino, pesquisa e extensão. Se no seu início a Psicologia privilegiava a formação clínica autônoma e privada -, atualmente, como já destacamos, configura-se a importância de outras vertentes na formação deste profissional. O psicólogo formado por esta instituição poderá vir a atuar tanto na área da saúde pública como em escolas, organizações e espaços comunitários em que se executem ações preventivas, educativas e terapêuticas. Poderá ainda, e sobretudo, atuar como integrante de equipes multiprofissionais em instituições públicas ou privadas. Na área da investigação deverá também estar apto a atuar como pesquisador de novos conhecimentos na área da Psicologia contribuindo para o crescimento da ciência e profissão. Por isso, é importante formar profissionais com uma visão social e atuação crítica para que sejam capazes de sugerir e modificar comportamentos a fim de prevenir e solucionar as eventuais demandas específicas que possam surgir na população. O curso conta com uma estrutura de laboratórios na área biológica básica e nas disciplinas profissionalizantes, conta com uma clínica-escola de Psicologia com amplas instalações e modernos recursos tecnológicos, como também muitos convênios com hospitais, prefeituras e através delas os 83

84 postos de saúde, entidades de educação especial e reabilitação, clubes de futebol entre outros locais, proporcionando uma atuação e aprendizado de forma multiprofissional nas várias áreas de atenção psicológica. O diferencial profissional que a FESSC proporciona advém da constante inter-relação ensino, pesquisa, extensão, para a abrangência dos conhecimentos teóricos e científicos necessários ao desenvolvimento de competências e habilidades profissionais e à formação integral do aluno abrindo possibilidades para uma formação voltada às necessidades de saúde da comunidade. A FESSC como Instituição de Ensino Superior, zela pela formação de qualidade dos futuros profissionais fisioterapeutas, contribuindo, conseqüentemente, com a saúde da população brasileira. Assim, almejamos contribuir para formar um Psicólogo e cidadão capaz de compreender o campo dos fenômenos e processos psicológicos, considerado em sua pluralidade de objetos, métodos, teorias e técnicas; de atuar profissionalmente na promoção do desenvolvimento e da saúde psíquica de pessoas, grupos, organizações, comunidades e coletividades por meio de ações preventivas e intervenções psico-sociais, psicoterapêuticas e educativas. Ainda, um psicólogo que sustente suas intervenções em princípios éticos e científicos; um profissional comprometido com seu tempo e com a construção de uma sociedade igualitária, plural, democrática e justa; defensor intransigente das condições para o pleno exercício da cidadania e dos direitos humanos. Duração: 5 anos. Período: 2 períodos Vespertino Noturno. Vagas: 200 vagas anuais. Mercado de trabalho: Incentivamos uma formação embasada no pensamento crítico, para que o aluno possa aprender a pensar, avaliar, criticar e, principalmente, investigar sobre estratégias que possam ser utilizadas para resolver as situações-problema, sendo preparado para o mercado de trabalho. Esse mercado abrange, além das áreas clássicas (Psicologia Clínicas nas suas diferentes abordagens, Psicologia Escolar e Organizacional) várias áreas emergentes, como por exemplo: a Psicologia do Trânsito, a Psicologia Esportiva, a Psicologia Jurídica, a Psicologia Hospitalar e a Psicologia voltada para a Propaganda. Mostrando que o mercado de trabalho está se ampliando em tantas áreas quanto possíveis, inclusive nas já existentes, como a Social, a Escolar e a Organizacional. Essas alternativas estão no terceiro setor, nas ONGs Organizações Não Governamentais, com projetos de atendimento à população e ao trabalhador, visando a melhoria da qualidade de vida. Matriz Curricular do curso de Psicologia a partir de

85 85

86 Matriz curricular de Psicologia para ingressantes a partir de

87 87

88 88

Competências e Habilidades Específicas:

Competências e Habilidades Específicas: DIRETRIZES CURRICULARES NACIONAIS DO CURSO DE GRADUAÇÃO EM ENFERMAGEM 1. PERFIL DO FORMANDO EGRESSO/PROFISSIONAL Enfermeiro, com formação generalista, humanista, crítica e reflexiva. Profissional qualificado

Leia mais

GRADUAÇÃO EM ENFERMAGEM

GRADUAÇÃO EM ENFERMAGEM GRADUAÇÃO EM ENFERMAGEM CARACTERIZAÇÃO DO CURSO DENOMINAÇÃO: CURSO DE GRADUAÇÃO EM ENFERMAGEM DIPLOMA CONFERIDO: BACHAREL NÚMERO DE VAGAS: 100 VAGAS ANUAIS NÚMERO DE ALUNOS POR TURMA: 50 ALUNOS TURNOS

Leia mais

FISIOTERAPIA - GRADUAÇÃO

FISIOTERAPIA - GRADUAÇÃO FISIOTERAPIA - GRADUAÇÃO CARACTERIZAÇÃO DO CURSO DENOMINAÇÃO: Curso De Graduação Em Fisioterapia. DIPLOMA CONFERIDO: BACHAREL NÚMERO DE VAGAS: 225 VAGAS ANUAIS TURNOS DE OFERTA: NOTURNO REGIME LETIVO:

Leia mais

DIRETRIZES CURRICULARES NACIONAIS DO CURSO DE GRADUAÇÃO EM MEDICINA

DIRETRIZES CURRICULARES NACIONAIS DO CURSO DE GRADUAÇÃO EM MEDICINA DIRETRIZES CURRICULARES NACIONAIS DO CURSO DE GRADUAÇÃO EM MEDICINA 1. PERFIL DO FORMANDO EGRESSO/PROFISSIONAL Médico, com formação generalista, humanista, crítica e reflexiva. Capacitado a atuar, pautado

Leia mais

CURSO: ENFERMAGEM. Objetivos Específicos 1- Estudar a evolução histórica do cuidado e a inserção da Enfermagem quanto às

CURSO: ENFERMAGEM. Objetivos Específicos 1- Estudar a evolução histórica do cuidado e a inserção da Enfermagem quanto às CURSO: ENFERMAGEM Missão Formar para atuar em Enfermeiros qualificados todos os níveis de complexidade da assistência ao ser humano em sua integralidade, no contexto do Sistema Único de Saúde e do sistema

Leia mais

CENTRO UNIVERSITÁRIO ESTÁCIO RADIAL DE SÃO PAULO SÍNTESE DO PROJETO PEDAGÓGICO DE CURSO 1

CENTRO UNIVERSITÁRIO ESTÁCIO RADIAL DE SÃO PAULO SÍNTESE DO PROJETO PEDAGÓGICO DE CURSO 1 SÍNTESE DO PROJETO PEDAGÓGICO DE CURSO 1 CURSO: Redes de Computadores MISSÃO DO CURSO Com a modernização tecnológica e com o surgimento destes novos serviços e produtos, fica clara a necessidade de profissionais

Leia mais

CONSELHO NACIONAL DE EDUCAÇÃO (*) CÂMARA DE EDUCAÇÃO SUPERIOR

CONSELHO NACIONAL DE EDUCAÇÃO (*) CÂMARA DE EDUCAÇÃO SUPERIOR CONSELHO NACIONAL DE EDUCAÇÃO (*) CÂMARA DE EDUCAÇÃO SUPERIOR RESOLUÇÃO CNE/CES Nº 5, DE 7 DE NOVEMBRO DE 2001. Institui Diretrizes Curriculares Nacionais do Curso de Graduação em Nutrição. O Presidente

Leia mais

CENTRO UNIVERSITÁRIO UNIVATES

CENTRO UNIVERSITÁRIO UNIVATES CENTRO UNIVERSITÁRIO UNIVATES REGULAMENTO DE ESTÁGIO CURRICULAR NÃO OBRIGATÓRIO CURSO DE FISIOTERAPIA, BACHARELADO REGULAMENTO DO ESTÁGIO SUPERVISIONADO NÃO OBRIGATÓRIO Das Disposições Gerais O presente

Leia mais

PUBLICIDADE E PROPAGANDA

PUBLICIDADE E PROPAGANDA PUBLICIDADE E PROPAGANDA Nome IES: UNIVERSIDADE DE CUIABÁ - UNIC 1 CURSO: AGRONOMIA Dados de identificação da Universidade de Cuiabá - UNIC Dirigente da Mantenedora Presidente: Ed. Rodrigo Calvo Galindo

Leia mais

CURSO DE ADMINISTRAÇÃO. Concepção do Curso de Administração

CURSO DE ADMINISTRAÇÃO. Concepção do Curso de Administração CURSO DE ADMINISTRAÇÃO Concepção do Curso de Administração A organização curricular do curso oferece respostas às exigências impostas pela profissão do administrador, exigindo daqueles que integram a instituição

Leia mais

PROJETO PEDAGÓGICO. Curso de Graduação Tecnológica em Marketing

PROJETO PEDAGÓGICO. Curso de Graduação Tecnológica em Marketing PROJETO PEDAGÓGICO Curso de Graduação Tecnológica em Marketing Porto alegre, 2011 1 1. Objetivos do Curso O projeto do curso, através de sua estrutura curricular, está organizado em módulos, com certificações

Leia mais

RESUMO PROJETO PEDAGÓGICO DO CURSO SUPERIOR DE EVENTOS

RESUMO PROJETO PEDAGÓGICO DO CURSO SUPERIOR DE EVENTOS RESUMO PROJETO PEDAGÓGICO DO CURSO SUPERIOR DE EVENTOS SALVADOR 2012 1 CONTEXTUALIZAÇÃO Em 1999, a UNIJORGE iniciou suas atividades na cidade de Salvador, com a denominação de Faculdades Diplomata. O contexto

Leia mais

Enfermagem. Nome IES: UNIVERSIDADE DE CUIABÁ - UNIC

Enfermagem. Nome IES: UNIVERSIDADE DE CUIABÁ - UNIC Enfermagem Nome IES: UNIVERSIDADE DE CUIABÁ - UNIC 1 CURSO: Enfermagem Dados de identificação da Universidade de Cuiabá - UNIC Dirigente da Mantenedora residente: Ed. Rodrigo Calvo Galindo Base legal da

Leia mais

CURSO DE GRADUAÇÃO PRESENCIAL SISTEMAS DE INFORMAÇÃO

CURSO DE GRADUAÇÃO PRESENCIAL SISTEMAS DE INFORMAÇÃO FUNDAÇÃO UNIVERSIDADE DO TOCANTINS CURSO DE GRADUAÇÃO PRESENCIAL SISTEMAS DE INFORMAÇÃO Identificação do Curso Nome do Curso: Sistemas de Informação Titulação: Bacharelado Modalidade de ensino: Presencial

Leia mais

SERVIÇO PÚBLICO FEDERAL UNIVERSIDADE FEDERAL DA PARAÍBA CONSELHO SUPERIOR DE ENSINO, PESQUISA E EXTENSÃO

SERVIÇO PÚBLICO FEDERAL UNIVERSIDADE FEDERAL DA PARAÍBA CONSELHO SUPERIOR DE ENSINO, PESQUISA E EXTENSÃO SERVIÇO PÚBLICO FEDERAL UNIVERSIDADE FEDERAL DA PARAÍBA CONSELHO SUPERIOR DE ENSINO, PESQUISA E EXTENSÃO RESOLUÇÃO N 72/2009 Aprova o Projeto Político-Pedagógico do Curso de Sistemas de Informação, modalidade

Leia mais

1. IDENTIFICAÇÃO DO CURSO

1. IDENTIFICAÇÃO DO CURSO 1. IDENTIFICAÇÃO DO CURSO O Curso de Secretariado Executivo das Faculdades Integradas de Ciências Exatas Administrativas e Sociais da UPIS, reconhecido pelo MEC desde 1993, pela Portaria 905, de 24.06,1993,

Leia mais

CENTRO UNIVERSITÁRIO ESTÁCIO RADIAL DE SÃO PAULO SÍNTESE DO PROJETO PEDAGÓGICO DE CURSO 1 MISSÃO DO CURSO

CENTRO UNIVERSITÁRIO ESTÁCIO RADIAL DE SÃO PAULO SÍNTESE DO PROJETO PEDAGÓGICO DE CURSO 1 MISSÃO DO CURSO SÍNTESE DO PROJETO PEDAGÓGICO DE CURSO 1 CURSO: 4001 Publicidade e Propaganda MISSÃO DO CURSO O curso de Publicidade e Propaganda do Centro Universitário Estácio Radial de São Paulo tem como missão formar

Leia mais

Bacharelado em Serviço Social

Bacharelado em Serviço Social Informações gerais: Bacharelado em Serviço Social Duração do curso: 04 anos (08 semestres) Horário: Vespertino e Noturno Número de vagas: 300 vagas anuais Coordenador do Curso: Profª Ms. Eniziê Paiva Weyne

Leia mais

Projeto Pedagógico do Curso

Projeto Pedagógico do Curso Projeto Pedagógico do Curso Fundamentação Diretrizes curriculares do MEC Diretrizes curriculares da SBC Carta de Princípios da UNICAP Projeto Pedagógico Institucional da UNICAP Diretrizes Curriculares

Leia mais

ANEXO AO MODELO DO PLANO DE AULA DO PROCESSO SELETIVO DOCENTE GERAL (PSD-G) 2015.1

ANEXO AO MODELO DO PLANO DE AULA DO PROCESSO SELETIVO DOCENTE GERAL (PSD-G) 2015.1 ANEXO AO MODELO DO PLANO DE AULA DO PROCESSO SELETIVO DOCENTE GERAL (PSD-G) 2015.1 ARQUITETURA E URBANISMO Graduar arquitetos e urbanistas com uma sólida formação humana, técnico-científica e profissional,

Leia mais

MEDICINA. Nome IES: UNIVERSIDADE DE CUIABÁ - UNIC 1

MEDICINA. Nome IES: UNIVERSIDADE DE CUIABÁ - UNIC 1 MEDICINA Nome IES: UNIVERSIDADE DE CUIABÁ - UNIC 1 CURSO: MEDICINA Dados de identificação da Universidade de Cuiabá - UNIC Dirigente da Mantenedora Presidente: Ed. Rodrigo Calvo Galindo Base legal da Mantenedora

Leia mais

CURSO SUPERIOR DE TECNOLOGIA EM DESIGN DE MODA

CURSO SUPERIOR DE TECNOLOGIA EM DESIGN DE MODA CURSO SUPERIOR DE TECNOLOGIA EM DESIGN DE MODA Nome IES: UNIVERSIDADE DE CUIABÁ - UNIC 1 Curso Superior em Tecnologia em Design de Moda Dados de identificação da Universidade de Cuiabá - UNIC Dirigente

Leia mais

CONSELHO NACIONAL DE EDUCAÇÃO CÂMARA DE EDUCAÇÃO SUPERIOR RESOLUÇÃO CNE/CES 1, DE 18 DE FEVEREIRO DE 2003. (*)

CONSELHO NACIONAL DE EDUCAÇÃO CÂMARA DE EDUCAÇÃO SUPERIOR RESOLUÇÃO CNE/CES 1, DE 18 DE FEVEREIRO DE 2003. (*) CONSELHO NACIONAL DE EDUCAÇÃO CÂMARA DE EDUCAÇÃO SUPERIOR RESOLUÇÃO CNE/CES 1, DE 18 DE FEVEREIRO DE 2003. (*) Institui Diretrizes Curriculares Nacionais dos Cursos de Graduação em Medicina Veterinária.

Leia mais

REGULAMENTO DE ESTÁGIO SUPERVISIONADO - 2014

REGULAMENTO DE ESTÁGIO SUPERVISIONADO - 2014 1 FACULDADE DE ESTUDOS SOCIAIS DO ESPÍRITO SANTO PIO XII CURSO DE ADMINISTRAÇÃO DE EMPRESAS CURSO DE ADMINISTRAÇÃO EM COMÉRCIO EXTERIOR I INTRODUÇÃO REGULAMENTO DE ESTÁGIO SUPERVISIONADO - 2014 O currículo

Leia mais

PROJETO POLÍTICO PEDAGÓGICO DO CURSO DE CIÊNCIAS CONTÁBEIS. (Resumido)

PROJETO POLÍTICO PEDAGÓGICO DO CURSO DE CIÊNCIAS CONTÁBEIS. (Resumido) FACULDADE DE CIÊNCIAS CONTÁBEIS E ADMINISTRATIVAS DE CACHOEIRO DE ITAPEMIRIM ES Curso de Administração reconhecido pelo Decreto Federal nº 78.951, publicado no D.O.U. de 16-12-1976 Curso de Ciências Contábeis

Leia mais

FACULDADE ESTÁCIO MONTESSORI DE IBIÚNA ESTÁCIO FMI SÍNTESE DO PROJETO PEDAGÓGICO DE CURSO 1

FACULDADE ESTÁCIO MONTESSORI DE IBIÚNA ESTÁCIO FMI SÍNTESE DO PROJETO PEDAGÓGICO DE CURSO 1 SÍNTESE DO PROJETO PEDAGÓGICO DE CURSO 1 CURSO: ADMINISTRAÇÃO - BACHARELADO MISSÃO DO CURSO Formar profissionais de elevado nível de consciência crítica, competência técnica empreendedora, engajamento

Leia mais

GRADUAÇÃO E PÓS-GRADUAÇÃO APRESENTAÇÃO E GRADE CURRICULAR DOS CURSOS

GRADUAÇÃO E PÓS-GRADUAÇÃO APRESENTAÇÃO E GRADE CURRICULAR DOS CURSOS GRADUAÇÃO E PÓS-GRADUAÇÃO APRESENTAÇÃO E GRADE CURRICULAR DOS CURSOS Graduação PROCESSOS GERENCIAIS 1.675 HORAS Prepara os estudantes para o empreendedorismo e para a gestão empresarial. Com foco nas tendências

Leia mais

FACULDADE PASCHOAL DANTAS

FACULDADE PASCHOAL DANTAS FACULDADE PASCHOAL DANTAS PROJETO PEDAGÓGICO DO CURSO BACHARELADO EM ADMINISTRAÇÃO ÊNFASE GESTÃO DE PEQUENAS E MÉDIAS EMPRESAS SÃO PAULO - SP NOVEMBRO DE 2008 ÍNDICE 1. Visão e Missão da FPD...3 2. ORGANIZAÇÃO

Leia mais

NUTRIÇÃO. Nome IES: UNIVERSIDADE DE CUIABÁ - UNIC

NUTRIÇÃO. Nome IES: UNIVERSIDADE DE CUIABÁ - UNIC NUTRIÇÃO Nome IES: UNIVERSIDADE DE CUIABÁ - UNIC 1 CURSO: NUTRIÇÃO Dados de identificação da Universidade de Cuiabá - UNIC Dirigente da Mantenedora Presidente: Ed. Rodrigo Calvo Galindo Base legal da Mantenedora

Leia mais

FACULDADE DE SAÚDE, CIÊNCIAS HUMANAS E TECNOLÓGICAS DO PIAUÍ DIRETORIA GERAL

FACULDADE DE SAÚDE, CIÊNCIAS HUMANAS E TECNOLÓGICAS DO PIAUÍ DIRETORIA GERAL RESOLUÇÃO Nº 011/2008 FACULDADE DE SAÚDE, CIÊNCIAS HUMANAS E TECNOLÓGICAS DO PIAUÍ NORMATIZA O ESTÁGIO CURRICULAR SUPERVISIONADO OBRIGATÓRIO INTERNATO DO CURSO DE MEDICINA DA FACULDADE NOVAFAPI. A Diretora

Leia mais

FACULDADE DE TALENTOS HUMANOS

FACULDADE DE TALENTOS HUMANOS FACULDADE DE TALENTOS HUMANOS PROJETO PEDAGÓGICO DO CURSO DE SISTEMAS DE INFORMAÇÃO UBERABA MG INSTITUTO EDUCACIONAL GUILHERME DORÇA PRESIDENTE: LUIZ HUMBERTO DORÇA FACULDADE DE TALENTOS HUMANOS DIRETOR

Leia mais

RESOLUÇÃO Nº 039/2004-COU/UNICENTRO

RESOLUÇÃO Nº 039/2004-COU/UNICENTRO RESOLUÇÃO Nº 039/2004-COU/UNICENTRO REVOGADA PELA RESOLUÇÃO Nº 128/2014- COU/UNICENTRO. DISPOSITIVOS DO PROJETO PEDAGÓGICO APROVADO POR ESTA RESOLUÇÃO, ESTÃO ALTERADOS PELA RESOLUÇÃO Nº 26/2009-COU/UNICENTRO.

Leia mais

SERVIÇO PÚBLICO FEDERAL UNIVERSIDADE FEDERAL DA PARAÍBA CONSELHO SUPERIOR DE ENSINO, PESQUISA E EXTENSÃO

SERVIÇO PÚBLICO FEDERAL UNIVERSIDADE FEDERAL DA PARAÍBA CONSELHO SUPERIOR DE ENSINO, PESQUISA E EXTENSÃO 1 SERVIÇO PÚBLICO FEDERAL UNIVERSIDADE FEDERAL DA PARAÍBA CONSELHO SUPERIOR DE ENSINO, PESQUISA E EXTENSÃO Resolução n 90/ 2011 Aprova o Projeto Pedagógico do Curso de Graduação em Relações Públicas, Bacharelado,

Leia mais

MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO CONSELHO NACIONAL DE EDUCAÇÃO CÂMARA DE EDUCAÇÃO SUPERIOR RESOLUÇÃO Nº 13, DE 24 DE NOVEMBRO DE 2006 (*)

MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO CONSELHO NACIONAL DE EDUCAÇÃO CÂMARA DE EDUCAÇÃO SUPERIOR RESOLUÇÃO Nº 13, DE 24 DE NOVEMBRO DE 2006 (*) MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO CONSELHO NACIONAL DE EDUCAÇÃO CÂMARA DE EDUCAÇÃO SUPERIOR RESOLUÇÃO Nº 13, DE 24 DE NOVEMBRO DE 2006 (*) Institui as Diretrizes Curriculares Nacionais do Curso de Graduação em Turismo

Leia mais

III Princípios Gerais da Formação Médica

III Princípios Gerais da Formação Médica I Motivação Aprovação da Lei 12.871 de 22/10/2013; Necessidade de ter diretrizes curriculares em sintonia com o programa Mais Médicos; A oportunidade de atualizar e aprimorar as diretrizes de 2001; Acompanhar

Leia mais

CURSO: REDES DE COMPUTADORES

CURSO: REDES DE COMPUTADORES CURSO: REDES DE COMPUTADORES Dados de Identificação da Universidade de Cuiabá - UNIC Dirigente da Mantenedora Presidente: Ed. Rodrigo Calvo Galindo Base Legal da Mantenedora A Ata de Assembléia Geral para

Leia mais

SÍNTESE PROJETO PEDAGÓGICO. Missão

SÍNTESE PROJETO PEDAGÓGICO. Missão SÍNTESE PROJETO PEDAGÓGICO Curso: DIREITO Missão O Curso se propõe a formar profissionais conscientes da finalidade do Direito como instrumento de transformação social e construção da cidadania, capazes

Leia mais

O Curso Superior de Tecnologia em Redes de Computadores possui flexibilidade para atender dois tipos de certificações intermediárias, que são:

O Curso Superior de Tecnologia em Redes de Computadores possui flexibilidade para atender dois tipos de certificações intermediárias, que são: 1) Formas de participação do Corpo Discente: O Colegiado do Curso é um órgão consultivo, deliberativo e normativo, onde é possível a participação do corpo discente nas decisões que competem a exposição

Leia mais

CURSO: EDUCAÇÃO FÍSICA (bacharelado)

CURSO: EDUCAÇÃO FÍSICA (bacharelado) CURSO: EDUCAÇÃO FÍSICA (bacharelado) Missão Sua missão é tornar-se referência na formação de profissionais para atuar nos diferentes segmentos humanos e sociais, considerando a atividade física e promoção

Leia mais

CURSO DE GRADUAÇÃO EM FARMÁCIA PROPOSTA DE DIRETRIZES CURRICULARES

CURSO DE GRADUAÇÃO EM FARMÁCIA PROPOSTA DE DIRETRIZES CURRICULARES CURSO DE GRADUAÇÃO EM FARMÁCIA PROPOSTA DE DIRETRIZES CURRICULARES 1 1. PERFIL DO FORMANDO EGRESSO/PROFISSIONAL 1.1. Perfil Comum: Farmacêutico, com formação generalista, humanista, crítica e reflexiva.

Leia mais

COMPETÊNCIAS PROFISSIONAIS DO PSICÓLOGO BRASILEIRO. Dra. Iraní Tomiatto de Oliveira

COMPETÊNCIAS PROFISSIONAIS DO PSICÓLOGO BRASILEIRO. Dra. Iraní Tomiatto de Oliveira COMPETÊNCIAS PROFISSIONAIS DO PSICÓLOGO BRASILEIRO Dra. Iraní Tomiatto de Oliveira Sumário Psicologia no Brasil: percurso histórico Psicologia no Brasil nos últimos vinte anos Referências legais e organização

Leia mais

SISTEMAS DE INFORMAÇÃO

SISTEMAS DE INFORMAÇÃO SISTEMAS DE INFORMAÇÃO UNIVERSIDADE DE CUIABÁ - UNIC 1 CURSO: BACHARELADO EM SISTEMAS DE INFORMAÇÃO Dados de Identificação da Universidade de Cuiabá - UNIC Dirigente da Mantenedora Presidente: Ed. Rodrigo

Leia mais

MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO CONSELHO NACIONAL DE EDUCAÇÃO. INTERESSADO: Conselho Nacional de Educação / Câmara de Educação Superior COLEGIADO CES

MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO CONSELHO NACIONAL DE EDUCAÇÃO. INTERESSADO: Conselho Nacional de Educação / Câmara de Educação Superior COLEGIADO CES PARECER CNE/CES 1133/2001 - HOMOLOGADO Despacho do Ministro em 1/10/2001, publicado no Diário Oficial da União de 3/10/2001, Seção 1E, p. 131. MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO CONSELHO NACIONAL DE EDUCAÇÃO INTERESSADO:

Leia mais

MEDICINA PROJETO POLÍTICO-PEDAGÓGICO DO CURSO DE MEDICINA (SÍNTESE)

MEDICINA PROJETO POLÍTICO-PEDAGÓGICO DO CURSO DE MEDICINA (SÍNTESE) PROJETO POLÍTICO-PEDAGÓGICO DO CURSO DE (SÍNTESE) Ao longo de mais de cinco décadas, a Pontifícia Universidade Católica de Minas Gerais (PUC Minas) estruturou um ambiente acadêmico intelectualmente rico

Leia mais

SÍNTESE DO PROJETO PEDAGÓGICO CURSO DE COMUNICAÇÃO SOCIAL/GESTÃO DA COMUNICAÇÃO INTEGRADA ARCOS

SÍNTESE DO PROJETO PEDAGÓGICO CURSO DE COMUNICAÇÃO SOCIAL/GESTÃO DA COMUNICAÇÃO INTEGRADA ARCOS SÍNTESE DO PROJETO PEDAGÓGICO CURSO DE COMUNICAÇÃO SOCIAL/GESTÃO DA COMUNICAÇÃO INTEGRADA ARCOS 1 PERFIL DO CURSO A comunicação integrada é, cada vez mais, um instrumento necessário para a sobrevivência

Leia mais

Objetivos Específicos Os objetivos específicos demostram que ao final do curso os alunos deverão estar aptos a:

Objetivos Específicos Os objetivos específicos demostram que ao final do curso os alunos deverão estar aptos a: CURSO: Graduação em Marketing ( graduação) Missão O Curso de Graduação em Marketing tem como missão formar profissionais com capacidade de criar, planejar, executar e controlar processos de marketing que

Leia mais

CHECK-LIST PARA ELABORAÇÃO DO PROJETO PEDAGÓGICO DO CURSO

CHECK-LIST PARA ELABORAÇÃO DO PROJETO PEDAGÓGICO DO CURSO CHECK-LIST PARA ELABORAÇÃO DO PROJETO PEDAGÓGICO DO CURSO Com a finalidade de otimizar o processo de elaboração e avaliação dos Projetos Pedagógicos do Cursos (PPC), sugere-se que os itens a seguir sejam

Leia mais

REGULAMENTAÇÃO DO ESTÁGIO CURRICULAR DO CURSO DE FISIOTERAPIA DA ASCES

REGULAMENTAÇÃO DO ESTÁGIO CURRICULAR DO CURSO DE FISIOTERAPIA DA ASCES REGULAMENTAÇÃO DO ESTÁGIO CURRICULAR DO CURSO DE FISIOTERAPIA DA ASCES NATUREZA E FINALIDADES Art. 1º. O estágio curricular do Curso de Fisioterapia da Faculdade ASCES constitui uma etapa curricular com

Leia mais

Universidade Anhembi Morumbi On-line. Os mesmos professores. A mesma aula. O mesmo diploma. Tudo a um clique de você.

Universidade Anhembi Morumbi On-line. Os mesmos professores. A mesma aula. O mesmo diploma. Tudo a um clique de você. Universidade Anhembi Morumbi On-line. Os mesmos professores. A mesma aula. O mesmo diploma. Tudo a um clique de você. Educação a Distância Anhembi Morumbi Agora você pode estudar em uma universidade internacional

Leia mais

FACULDADE DE TALENTOS HUMANOS PROJETO PEDAGÓGICO DO CURSO DE ENFERMAGEM

FACULDADE DE TALENTOS HUMANOS PROJETO PEDAGÓGICO DO CURSO DE ENFERMAGEM FACULDADE DE TALENTOS HUMANOS PROJETO PEDAGÓGICO DO CURSO DE ENFERMAGEM UBERABA MG 2010 INSTITUTO EDUCACIONAL GUILHERME DORÇA PRESIDENTE: LUIZ HUMBERTO DORÇA FACULDADE DE TALENTOS HUMANOS DIRETOR ACADÊMICO

Leia mais

Informações sobre o Curso de Administração

Informações sobre o Curso de Administração Objetivo Geral do Curso: Informações sobre o Curso de Administração Prover a sociedade de profissional dotado de senso crítico e comportamento ético-profissional qualificado. Um Administrador criativo,

Leia mais

Fundamentação Teórica

Fundamentação Teórica Atividades Estruturadas 1 Fundamentação Teórica Atividades Estruturadas, embasadas no Art. 2º, item II da Resolução CNE/CES nº 3, de 2 de julho de 2007, implicam a construção de conhecimento, com autonomia,

Leia mais

CONSELHO NACIONAL DE EDUCAÇÃO CÂMARA DE EDUCAÇÃO SUPERIOR RESOLUÇÃO N 7, DE 31 DE MARÇO DE 2004.

CONSELHO NACIONAL DE EDUCAÇÃO CÂMARA DE EDUCAÇÃO SUPERIOR RESOLUÇÃO N 7, DE 31 DE MARÇO DE 2004. 1 CONSELHO NACIONAL DE EDUCAÇÃO CÂMARA DE EDUCAÇÃO SUPERIOR RESOLUÇÃO N 7, DE 31 DE MARÇO DE 2004. (*) (**) Institui as Diretrizes Curriculares Nacionais para os cursos de graduação em Educação Física,

Leia mais

Título I Das Disposições Preliminares. TÍTULO II Do Processo Seletivo. TÍTULO III Da matrícula

Título I Das Disposições Preliminares. TÍTULO II Do Processo Seletivo. TÍTULO III Da matrícula Regulamento do Processo Seletivo para ingresso nos cursos de Graduação Bacharelado e Licenciatura e Graduação Tecnológica da Faculdade Paulus de Tecnologia e Comunicação. Missão Institucional Promover

Leia mais

SERVIÇO PÚBLICO FEDERAL UNIVERSIDADE FEDERAL DA PARAÍBA CONSELHO SUPERIOR DE ENSINO, PESQUISA E EXTENSÃO

SERVIÇO PÚBLICO FEDERAL UNIVERSIDADE FEDERAL DA PARAÍBA CONSELHO SUPERIOR DE ENSINO, PESQUISA E EXTENSÃO SERVIÇO PÚBLICO FEDERAL UNIVERSIDADE FEDERAL DA PARAÍBA CONSELHO SUPERIOR DE ENSINO, PESQUISA E EXTENSÃO Resolução n 36 / 2009 Aprova o Projeto Político-Pedagógico do Curso de Graduação em Línguas Estrangeiras

Leia mais

Curso de Relações Públicas: 34 anos de tradição, ética e excelência

Curso de Relações Públicas: 34 anos de tradição, ética e excelência Universidade Metodista de São Paulo Faculdade de Jornalismo e Relações Públicas Curso de Relações Públicas: 34 anos de tradição, ética e excelência Fábio França Maria Aparecida Ferrari Maio de 2006 1 Tradição

Leia mais

SERVIÇO PÚBLICO FEDERAL UNIVERSIDADE FEDERAL DO PARÁ CONSELHO SUPERIOR DE ENSINO, PESQUISA E EXTENSÃO RESOLUÇÃO N. 4.640, DE 25 DE FEVEREIRO DE 2015

SERVIÇO PÚBLICO FEDERAL UNIVERSIDADE FEDERAL DO PARÁ CONSELHO SUPERIOR DE ENSINO, PESQUISA E EXTENSÃO RESOLUÇÃO N. 4.640, DE 25 DE FEVEREIRO DE 2015 1 SERVIÇO PÚBLICO FEDERAL UNIVERSIDADE FEDERAL DO PARÁ CONSELHO SUPERIOR DE ENSINO, PESQUISA E EXTENSÃO RESOLUÇÃO N. 4.640, DE 25 DE FEVEREIRO DE 2015 Aprova o Projeto Pedagógico do Curso de Bacharelado

Leia mais

SÍNTESE PROJETO PEDAGÓGICO. Missão

SÍNTESE PROJETO PEDAGÓGICO. Missão SÍNTESE PROJETO PEDAGÓGICO Curso: Gestão Ambiental campus Angra Missão O Curso Superior de Tecnologia em Gestão Ambiental da Universidade Estácio de Sá tem por missão a formação de Gestores Ambientais

Leia mais

a importância de formar profissionais para atuar nos campos de trabalho emergentes na área;

a importância de formar profissionais para atuar nos campos de trabalho emergentes na área; SERVIÇO PÚBLICO FEDERAL UNIVERSIDADE FEDERAL DA PARAÍBA CONSELHO SUPERIOR DE ENSINO, PESQUISA E EXTENSÃO Resolução n. 66/ 2012 Aprova o Projeto Pedagógico do Curso de Graduação em Computação, Licenciatura

Leia mais

UNIVERSIDADE PRESBITERIANA MACKENZIE Coordenadoria Geral de Pós-Graduação Lato Sensu

UNIVERSIDADE PRESBITERIANA MACKENZIE Coordenadoria Geral de Pós-Graduação Lato Sensu PORTFÓLIO ESPECIALIZAÇÃO / MBA UNIVERSIDADE PRESBITERIANA MACKENZIE Sumário ÁREA: CIÊNCIAS DA SAÚDE... 2 CURSO DE ESPECIALIZAÇÃO: PSICOLOGIA ORGANIZACIONAL E DO TRABALHO... 2 ÁREA: COMUNICAÇÃO E LETRAS...

Leia mais

CENTRO UNIVERSITÁRIO UNIVATES

CENTRO UNIVERSITÁRIO UNIVATES CENTRO UNIVERSITÁRIO UNIVATES REGULAMENTO DE ESTÁGIO CURRICULAR NÃO OBRIGATÓRIO CURSO DE DESIGN, BACHARELADO REGULAMENTO DE ESTÁGIO CURRICULAR NÃO OBRIGATÓRIO Das Disposições Gerais O estágio não obrigatório,

Leia mais

APRESENTAÇÃO OBJETIVO DO CURSO

APRESENTAÇÃO OBJETIVO DO CURSO 1 APRESENTAÇÃO Segundo Diretrizes Curriculares Nacionais dos Cursos de Graduação em Design (2004), o curso de graduação em Design deve ensejar, como perfil desejado do formando, capacitação para a apropriação

Leia mais

Resolução nº 2/2006 3/2/2006 RESOLUÇÃO CNE Nº 2, DE 2 DE FEVEREIRO DE 2006 DOU 03.02.2006

Resolução nº 2/2006 3/2/2006 RESOLUÇÃO CNE Nº 2, DE 2 DE FEVEREIRO DE 2006 DOU 03.02.2006 Resolução nº 2/2006 3/2/2006 RESOLUÇÃO CNE Nº 2, DE 2 DE FEVEREIRO DE 2006 DOU 03.02.2006 Institui as Diretrizes Curriculares Nacionais para o curso de graduação em Engenharia Agrícola e dá outras providências.

Leia mais

OBJETIVOS DO CURSO PERFIL DO EGRESSO

OBJETIVOS DO CURSO PERFIL DO EGRESSO 1 APRESENTAÇÃO Segundo Diretrizes Curriculares Nacionais dos Cursos Tecnologicos conforme RESOLUÇÃO CNE/CP 3, DE 18 DE DEZEMBRO DE 2002, A educação profissional de nível tecnológico, integrada às diferentes

Leia mais

BACHARELADOS INTERDISCIPLINARES

BACHARELADOS INTERDISCIPLINARES BACHARELADOS INTERDISCIPLINARES Bacharelados Interdisciplinares (BIs) e similares são programas de formação em nível de graduação de natureza geral, que conduzem a diploma, organizados por grandes áreas

Leia mais

DIRETRIZES CURRICULARES PARA OS CURSOS DE BACHARELADO E LICENCIATURA DA UTFPR

DIRETRIZES CURRICULARES PARA OS CURSOS DE BACHARELADO E LICENCIATURA DA UTFPR Ministério da Educação Universidade Tecnológica Federal do Paraná Pró-Reitoria de Graduação e Educação Profissional DIRETRIZES CURRICULARES PARA OS CURSOS DE BACHARELADO E LICENCIATURA DA UTFPR Resolução

Leia mais

Curso Tecnólogo em Gestão da Tecnologia da Informação - 2013 -

Curso Tecnólogo em Gestão da Tecnologia da Informação - 2013 - Curso Tecnólogo em Gestão da Tecnologia da Informação - 2013 - O Curso Tecnólogo em Gestão da Tecnologia da Informação é um curso da área de informática e tem seu desenho curricular estruturado por competências

Leia mais

ODONTOLOGIA. Nome IES: UNIVERSIDADE DE CUIABÁ - UNIC

ODONTOLOGIA. Nome IES: UNIVERSIDADE DE CUIABÁ - UNIC ODONTOLOGIA Nome IES: UNIVERSIDADE DE CUIABÁ - UNIC 1 CURSO: ODONTOLOGIA Dados de identificação da Universidade de Cuiabá - UNIC Dirigente da Mantenedora Presidente: Ed. Rodrigo Calvo Galindo Base legal

Leia mais

BACHARELADO. Administração. Ciências Contábeis. Ciências Econômicas. Serviço Social. Ciências Sociais. Objetivos. Objetivos. Objetivos.

BACHARELADO. Administração. Ciências Contábeis. Ciências Econômicas. Serviço Social. Ciências Sociais. Objetivos. Objetivos. Objetivos. BACHARELADO Administração O curso de Administração tem como objetivo formar profissionais que poderão atuar como executivos, técnicos em funções administrativas e/ou empreendedores, com capacidade de alinhar

Leia mais

MANUAL DE ESTÁGIO SUPERVISIONADO CURSO DE FISIOTERAPIA

MANUAL DE ESTÁGIO SUPERVISIONADO CURSO DE FISIOTERAPIA MANUAL DE ESTÁGIO SUPERVISIONADO CURSO DE FISIOTERAPIA Este manual tem por finalidade orientar os alunos do curso de fisioterapia, sobre a sistemática e os procedimentos para a execução do Estagio Supervisionado

Leia mais

Área de Ciências Humanas

Área de Ciências Humanas Área de Ciências Humanas Ciências Sociais Unidade: Faculdade de Ciências Humanas e Filosofia (FCHF) www.fchf.ufg.br Em Ciências Sociais estudam-se as relações sociais entre indivíduos, grupos e instituições,

Leia mais

ADMINISTRAÇÃO. 1. TURNOS: Matutino HABILITAÇÃO: Bacharelado em Administração Noturno. PRAZO PARA CONCLUSÃO: Mínimo = 5 anos

ADMINISTRAÇÃO. 1. TURNOS: Matutino HABILITAÇÃO: Bacharelado em Administração Noturno. PRAZO PARA CONCLUSÃO: Mínimo = 5 anos ADMINISTRAÇÃO 1. TURNOS: Matutino HABILITAÇÃO: Bacharelado em Administração Noturno GRAU ACADÊMICO: Bacharel em Administração PRAZO PARA CONCLUSÃO: Mínimo = 5 anos Máximo = 8 anos 2. HISTÓRICO DO CURSO

Leia mais

Universidade. Estácio de Sá. Gestão e Negócios

Universidade. Estácio de Sá. Gestão e Negócios Universidade Estácio de Sá Gestão e Negócios A Estácio Hoje reconhecida como a maior instituição particular de ensino superior do país, a Universidade Estácio de Sá iniciou suas atividades em 1970, como

Leia mais

Universidade Estadual do Centro-Oeste Reconhecida pelo Decreto Estadual nº 3.444, de 8 de agosto de 1997

Universidade Estadual do Centro-Oeste Reconhecida pelo Decreto Estadual nº 3.444, de 8 de agosto de 1997 RESOLUÇÃO Nº 19-CEPE/UNICENTRO, DE 6 DE MARÇO DE 2009. Aprova o Curso de Especialização em Mercados Emergentes em Comunicação, modalidade modular, a ser ministrado no Campus Santa Cruz, da UNICENTRO. O

Leia mais

PROJETO PEDAGÓGICO DO BACHARELADO EM ESTUDOS LITERÁRIOS INSTITUTO DE ESTUDOS DA LINGUAGEM (IEL) DEPARTAMENTO DE TEORIA LITERÁRIA UNICAMP

PROJETO PEDAGÓGICO DO BACHARELADO EM ESTUDOS LITERÁRIOS INSTITUTO DE ESTUDOS DA LINGUAGEM (IEL) DEPARTAMENTO DE TEORIA LITERÁRIA UNICAMP PROJETO PEDAGÓGICO DO BACHARELADO EM ESTUDOS LITERÁRIOS INSTITUTO DE ESTUDOS DA LINGUAGEM (IEL) DEPARTAMENTO DE TEORIA LITERÁRIA UNICAMP I.) Histórico da criação do curso A proposta de criação de uma nova

Leia mais

INFORMAÇÕES DO PPC Perfil do Egresso

INFORMAÇÕES DO PPC Perfil do Egresso INFORMAÇÕES DO PPC Perfil do Egresso O Curso Superior de Tecnologia em Secretariado visa formar profissionais com competência técnica, comunicação interpessoal, postura ética, visão holística, espírito

Leia mais

GUIA ACADÊMICO ATIVIDADES COMPLEMENTARES CURRICULARES

GUIA ACADÊMICO ATIVIDADES COMPLEMENTARES CURRICULARES GUIA ACADÊMICO ATIVIDADES COMPLEMENTARES CURRICULARES Válido para ingressantes a partir do 1º/2010 Prezado (a) acadêmico (a), Seja bem vindo ao Centro Universitário Instituto de Educação Superior de Brasília

Leia mais

RESOLUÇÃO CONSEPE 33/99 ALTERA O PLANO CURRICULAR E O REGIME DO CURSO DE HOTELARIA, DO CÂMPUS DE BRAGANÇA PAULISTA.

RESOLUÇÃO CONSEPE 33/99 ALTERA O PLANO CURRICULAR E O REGIME DO CURSO DE HOTELARIA, DO CÂMPUS DE BRAGANÇA PAULISTA. RESOLUÇÃO CONSEPE 33/99 ALTERA O PLANO CURRICULAR E O REGIME DO CURSO DE HOTELARIA, DO CÂMPUS DE BRAGANÇA PAULISTA. O Presidente do Conselho de Ensino, Pesquisa e Extensão - CONSEPE, no uso da atribuição

Leia mais

Características gerais

Características gerais Características gerais O curso de Publicidade e Propaganda (PP) habilita para o desenvolvimento de processos de criação publicitária (para atuar em agências de publicidade, jornais, revistas, internet)

Leia mais

Nossa inserção na Graduação se dá por meio da Unidade Curricular Educação e Comunicação na Prática Médica.

Nossa inserção na Graduação se dá por meio da Unidade Curricular Educação e Comunicação na Prática Médica. Ao longo desses 15 anos o CEDESS congrega atividades de ensino, pesquisa e extensão, nos níveis de graduação e pós-graduação lato e stricto sensu e tem por objeto de estudo o binômio Educação e Saúde.

Leia mais

Informações do PPC que constarão na página eletrônica do Curso. Missão

Informações do PPC que constarão na página eletrônica do Curso. Missão Informações do PPC que constarão na página eletrônica do Curso CURSO: PSICOLOGIA Missão O Curso de Psicologia da Estácio de Sá tem como missão formar Psicólogos generalistas que no desempenho de suas atividades

Leia mais

PROGRAMA DE APRENDIZAGEM MBA E PÓS-GRADUAÇÃO

PROGRAMA DE APRENDIZAGEM MBA E PÓS-GRADUAÇÃO PROGRAMA DE APRENDIZAGEM MBA E PÓS-GRADUAÇÃO PROFISSIONAL MBA e Pós-Graduação Cursos inovadores e alinhados às tendências globais Nossos cursos seguem modelos globais e inovadores de educação. Os professores

Leia mais

Design Manual do curso

Design Manual do curso Design Manual do curso Informações gerais INFORMAÇÕES GERAIS Nome: curso de Design, bacharelado Código do currículo: 2130 Nível: curso superior de graduação Início: o curso de Design com habilitação em

Leia mais

CURSOS DE PÓS - GRADUAÇÃO

CURSOS DE PÓS - GRADUAÇÃO CURSOS DE PÓS - GRADUAÇÃO ESPECIALIZAÇÃO EM ECOTURISMO Objetivo: O Curso tem por objetivo capacitar profissionais, tendo em vista a carência de pessoas qualificadas na área do ecoturismo, para atender,

Leia mais

Projeto de Curso de Pós-Graduação MULTI MBA FAGV TURMA 02. MBA Master in Business Administration Especialização Lato-Sensu E AUDITORIA.

Projeto de Curso de Pós-Graduação MULTI MBA FAGV TURMA 02. MBA Master in Business Administration Especialização Lato-Sensu E AUDITORIA. Projeto de Curso de Pós-Graduação MULTI MBA FAGV TURMA 02. MBA Master in Business Administration Especialização Lato-Sensu GESTÃO ESTRATÉGICA DE NEGÓCIOS E PROJETOS - GESTÃO ESTRATÉGICA DE PESSOAS E LIDERANÇA

Leia mais

MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO SECRETARIA DE EDUCAÇÃO PROFISSIONAL E TECNOLÓGICA INSTITUTO FEDERAL DE EDUCAÇÃO, CIÊNCIA E TECNOLOGIA DO RIO GRANDE DO SUL

MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO SECRETARIA DE EDUCAÇÃO PROFISSIONAL E TECNOLÓGICA INSTITUTO FEDERAL DE EDUCAÇÃO, CIÊNCIA E TECNOLOGIA DO RIO GRANDE DO SUL MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO SECRETARIA DE EDUCAÇÃO PROFISSIONAL E TECNOLÓGICA INSTITUTO FEDERAL DE EDUCAÇÃO, CIÊNCIA E TECNOLOGIA DO RIO GRANDE DO SUL CÂMPUS CANOAS PROJETO PEDAGÓGICO CURSO FIC PRONATEC Canoas

Leia mais

Avaliar, sistematizar e decidir as condutas mais adequadas, baseadas em evidências científicas;

Avaliar, sistematizar e decidir as condutas mais adequadas, baseadas em evidências científicas; CURSO: FISIOTERAPIA Missão O curso de Fisioterapia da Universidade Estácio de Sá, através de uma estrutura embasada em princípios contemporâneos, tem por missão a formação de um fisioterapeuta generalista,

Leia mais

CONSELHO NACIONAL DE EDUCAÇÃO CÂMARA DE EDUCAÇÃO SUPERIOR RESOLUÇÃO Nº 8, DE 7 DE MAIO DE 2004. (*)

CONSELHO NACIONAL DE EDUCAÇÃO CÂMARA DE EDUCAÇÃO SUPERIOR RESOLUÇÃO Nº 8, DE 7 DE MAIO DE 2004. (*) CONSELHO NACIONAL DE EDUCAÇÃO CÂMARA DE EDUCAÇÃO SUPERIOR RESOLUÇÃO Nº 8, DE 7 DE MAIO DE 2004. (*) Institui as Diretrizes Curriculares Nacionais para os cursos de graduação em Psicologia. O Presidente

Leia mais

PROCESSO Nº 1693/07 PROTOCOLO Nº 9.080.702-1 PARECER Nº 677/07 APROVADO EM 09/11/07

PROCESSO Nº 1693/07 PROTOCOLO Nº 9.080.702-1 PARECER Nº 677/07 APROVADO EM 09/11/07 PROTOCOLO Nº 9.080.702-1 PARECER Nº 677/07 APROVADO EM 09/11/07 CÂMARA DE EDUCAÇÃO SUPERIOR INTERESSADA: FACULDADE MUNICIPAL VIZINHANÇA VALE DO IGUAÇU - VIZIVALI MUNICÍPIO: DOIS VIZINHOS ASSUNTO: Pedido

Leia mais

R E S O L U Ç Ã O. Artigo 2º - O Currículo, ora alterado, será implantado no início do ano 2000, para os matriculados no 1º semestre.

R E S O L U Ç Ã O. Artigo 2º - O Currículo, ora alterado, será implantado no início do ano 2000, para os matriculados no 1º semestre. RESOLUÇÃO CONSEPE 30/99 ALTERA O PLANO CURRICULAR E O REGIME DO CURSO DE ADMINISTRAÇÃO, DO CÂMPUS DE BRAGANÇA PAULISTA. O Presidente do Conselho de Ensino, Pesquisa e Extensão - CONSEPE, no uso da atribuição

Leia mais

Missão. - Estimular a capacidade de análise dos problemas que se apresentam no campo da Saúde Pública e Privada;

Missão. - Estimular a capacidade de análise dos problemas que se apresentam no campo da Saúde Pública e Privada; CURSO: Farmácia Missão O curso tem como missão formar profissionais farmacêuticos capazes de exercer atividades referentes aos fármacos e aos medicamentos, às análises clínicas e toxicológicas, ao controle,

Leia mais

FURB Campus II Blumenau Informações gerais dos cursos a serem oferecidos. FURB Campus III Blumenau Informações gerais dos cursos a serem oferecidos

FURB Campus II Blumenau Informações gerais dos cursos a serem oferecidos. FURB Campus III Blumenau Informações gerais dos cursos a serem oferecidos ANEXO I QUADRO DE CURSOS E VAGAS FURB Universidade Regional de Blumenau FURB Campus I Blumenau ADMINISTRAÇÃO Comércio Exterior Noturno 35 ADMINISTRAÇÃO Gestão Empresarial Noturno 70 ADMINISTRAÇÃO Gestão

Leia mais

PROGRAMAÇÃO DE DISCIPLINA. Enfermagem em Saúde Coletiva da Criança e do Adolescente (1º Semestre / 2013)

PROGRAMAÇÃO DE DISCIPLINA. Enfermagem em Saúde Coletiva da Criança e do Adolescente (1º Semestre / 2013) PROGRAMAÇÃO DE DISCIPLINA Enfermagem em Saúde Coletiva da Criança e do Adolescente (1º Semestre / 2013) Coordenador: Prof ª Aurea Tamami Minagawa Toriyama Carga horária total: 60 horas 30 horas práticas

Leia mais

MATRIZ CURRICULAR CURRÍCULO PLENO/ 2013

MATRIZ CURRICULAR CURRÍCULO PLENO/ 2013 Curso: Graduação: Habilitação: Regime: Duração: COMUNICAÇÃO SOCIAL BACHARELADO MATRIZ CURRICULAR PUBLICIDADE E PROPAGANDA SERIADO ANUAL - NOTURNO 4 (QUATRO) ANOS LETIVOS Integralização: A) TEMPO TOTAL

Leia mais

FARMÁCIA. Nome IES: UNIVERSIDADE DE CUIABÁ - UNIC

FARMÁCIA. Nome IES: UNIVERSIDADE DE CUIABÁ - UNIC FARMÁCIA Nome IES: UNIVERSIDADE DE CUIABÁ - UNIC 1 CURSO: FARMÁCIA Dados de identificação da Universidade de Cuiabá - UNIC Dirigente da Mantenedora Presidente: Ed. Rodrigo Calvo Galindo Base legal da Mantenedora

Leia mais

Sárgom Ceranto Marketing e Soluções Corporativas comercial@trecsson.com.br

Sárgom Ceranto Marketing e Soluções Corporativas comercial@trecsson.com.br PREZADO (A) SENHOR (A) Agradecemos seu interesse em nossos programas de ensino e lhe cumprimentamos pela iniciativa de buscar o seu aperfeiçoamento profissional. Você está recebendo o programa do curso

Leia mais

REGULAMENTO DE ESTÁGIOS DO CURSO DE BIOMEDICINA I. INTRODUÇÃO

REGULAMENTO DE ESTÁGIOS DO CURSO DE BIOMEDICINA I. INTRODUÇÃO REGULAMENTO DE ESTÁGIOS DO CURSO DE BIOMEDICINA I. INTRODUÇÃO Este documento regulamenta os estágios obrigatórios e não obrigatórios do Curso de Bacharelado em Biomedicina visando à formação integral do

Leia mais