Orgânica da Administração Pública Desportiva

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "Orgânica da Administração Pública Desportiva"

Transcrição

1 Decreto-Lei n.º , de 5 de Setembro de 1942 Orgânica da Administração Pública Desportiva (Cria a Direcção-Geral da Educação Física, Desportos e Saúde Escolar, organismo a que foi atribuída a competência para cuidar e dirigir a educação física no País, fora das escolas, da Organização Nacional Mocidade Portuguesa e da Fundação Nacional para a Alegria no Trabalho) Decreto n.º , de 5 de Setembro de Artigo 1.º...3 Artigo 2.º...4 Artigo 3.º...4 Artigo 4.º...4 Artigo 5.º...4 Artigo 6.º...4 Artigo 7.º...4 Artigo 8.º...5 Artigo 9.º...5 Artigo 10.º...5 Artigo 11.º...6 Artigo 12.º...6 Artigo 13.º...6 Artigo 14.º...6 Artigo 15.º...7 Artigo 16.º...7 Artigo 17.º...7 Artigo 18.º...7 Artigo 19.º...7 Artigo 20.º...7 Artigo 21.º...7 Artigo 22.º...7 Artigo 23.º...8 Artigo 24.º...8 Artigo 25.º...8 Artigo 26.º...8 Artigo 27.º...8

2 Tem-se com este decreto-lei essencialmente em vista criar o órgão do Estado que há-de orientar e promover, fora da Mocidade Portuguesa, a educação física do povo português e introduzir disciplina nos desportos. Entendeu-se que esse órgão podia, ao menos por agora, ser uma direcção-geral. Não se pretende substituir a organização existente que se formou espontâneamente ou sem intervenção directa do Estado; pretende-se assistir àquela organização, orientar-lhe a actividade e completá-la quando se mostre insuficiente nos elementos que a constituem. Nada se tira ao que existe; sobrepõe-se-lhe alguma coisa de que se espera muito. É a Direcção-Geral da Educação Física, Desportos e Saúde Escolar, em que se transforma a Direcção-Geral da Saúde Escolar. A Direcção-Geral da Saúde Escolar tem estado a trabalhar segundo certa orientação. Não se tem preocupado só com os males físicos dos alunos; tem procurado determinar a medida em que esses males afectam as suas possibilidades de aplicação e apreensão. Tem mesmo ido mais além: em vez de partir do mal físico para a inferioridade das faculdades de espírito, tem muitas vezes partido da verificação desta para descobrir aquele e ensaiado o tratamento que julga apropriado ao desaparecimento ou atenuação de um e da outra. Não se limita a fazer medicina; faz medicina pedagógica. Esta orientação deve manter-se. Com o presente diploma não se quer que seja atingida. O regime legal a que ficam sujeitos os serviços de saúde escolar é o mesmo a que já estavam submetidos. Substituem-se, apenas, vários quadros de médicos escolares por um quadro único. Os médicos escolares deixam de pertencer a escolas determinadas para pertencerem a localidades, de modo a poderem ser mandados prestar serviço em qualquer escola. Reconhece-se que, com isto, pode diminuir-se-lhes a eficiência relativamente às escolas que estavam bem dotadas. Haverá porém o cuidado de lhes não alargar demasiado o campo de actividade para poderem, com rendimento útil, desempenhar a sua função. Isto não põe um problema de orientação; põe o problema do alargamento do quadro. Este alargar-se-á logo que as circunstâncias o permitam. Para já procurou tornar-se possível ocorrer às necessidades de um maior número de escolas. Os elementos que se possuem mostram que isso pode fazer-se sem prejudicar a eficiência do serviço e era até o que já estava a fazer-se em alguns casos. Porque se constitui um quadro único, igualam-se os vencimentos e as obrigações dos médicos escolares. Se os serviços da saúde escolar estavam organizados e se deseja que mantenham o mesmo espírito que os orientava, compreende-se que a nova direcção-geral se forme, sobretudo, à volta da educação física e dos desportos. A parte pròpriamente burocrática da Direcção-Geral da Saúde Escolar era diminuta e pode, sem dificuldade, ser desempenhada pela nova direcção-geral; a parte relativa à actuação directa no ambiente escolar, que era a mais importante, continuará, uma vez determinado o campo em que há-de desenvolver-se, a cargo dos médicos e dos inspectores. Isto constitui uma garantia a mais de que nos serviços da saúde escolar o espírito de mantém o mesmo. A nova direcção-geral tem uma grande missão a cumprir. Atribui-se-lhe uma competência que lhe permite tomar as iniciativas no capítulo da educação física; conhecer, intervindo, directamente ou através de delegados seus, nas organizações desportivas, tudo o que se passa no seio destas, de modo a conduzi-las no sentido de não sacrificarem nunca o interesse geral ao que lhes parece ser o seu interesse particular; e realizar, por intermédio dos inspectores e dos médicos dos desportos, o que aquelas organizações não têm podido ou querido fazer. Para isto, pode cercar-se dos conselhos técnicos que julgar indispensáveis e fazer sentir a sua acção através de delegados regionais ou locais. No respectivo regulamento se fixarão os termos particulares em que esta competência geral há-de exercer-se. Ao organizar-se a Direcção-Geral da Educação Física, Desportos e Saúde Escolar, pensou-se nas necessidades de outros serviços do Ministério. A consideração destas necessidades pôs o problema da criação de uma inspecção-geral do ensino, da reorganização da Junta Nacional da Educação, da integração da Universidade Técnica na Direcção-Geral do Ensino Superior e das Belas-Artes e da reorganização da Inspecção dos Espectáculos. E estas reorganizações de serviços pressupõem alterações no quadro do pessoal que importava prever desde já. A não ser para o ensino particular, e ainda assim em termos muito restritos, não existe práticamente inspecção do ensino. Há para o ensino primário um corpo de inspectores disciplinares, que se têm limitado a desempenhar as funções de sindicantes ou inquiridores quando a algum professor primário é mandado

3 instaurar processo disciplinar ou quando é preciso averiguar factos que, por qualquer modo, chegam ao conhecimento do Ministério. Não fazem, pois, pròpriamente inspecções mesmo só com intuitos disciplinares; organizam processos sobre suspeitas de infracções disciplinares. É uma função que tanto pode ser desempenhada por eles como por qualquer pessoa que se nomeie para sindicante ou inquiridor. Não parece necessário demonstrar a conveniência de uma inspecção pedagógica e administrativa do ensino. Não poderá para o ensino superior falar-se de inspecção pedagógica; mas, sem nenhuma espécie de agravo, pode pensar-se nela para os outros graus de ensino. Nestes não interessa ao Estado só o que se ensina. Não se quer aludir ao método próprio de cada disciplina, mas ao processo geral de formação do espírito que, aliás, o abrange. Além de que parece praticamente irrealizável uma inspecção pedagógica do ensino superior e não o é seguramente dos outros graus de ensino. A Junta Nacional da Educação carece, para funcionar de modo a não se perderem os resultados da sua actividade, de um instrumento burocrático que a acompanhe e organize os processos relativos às questões que lhe são submetidas. Isso fica pertencendo à Secretaria-Geral, que, para tanto, é dotada do pessoal necessário. Carece, além disso, de que, pelo menos, o seu órgão central - O Conselho Permanente da Acção Educativa - seja transformado de modo a poder considerar os problemas fundamentais da educação nacional e não gastar a maior parte da sua actividade a julgar processos disciplinares. Isto é função que pode ser desempenhada por outro órgão, pela Inspecção-Geral, por exemplo. Neste sentido se reorganizará a Junta Nacional da Educação. A integração da Universidade Técnica na Direcção-Geral do Ensino Superior e das Belas-Artes visa à unificação dos serviços administrativos no ensino superior. Que não há uma razão de fundo suficientemente forte para se arrumarem as várias escolas de ensino superior em direcções-gerais diferentes demonstra-o o facto de a Faculdade de Engenharia do Porto depender da Direcção-Geral do Ensino Superior e o Instituto Superior Técnico depender da Direcção-Geral do Ensino Técnico; e o mesmo pode dizer-se para as Faculdades de Medicina e para a Escola Superior de Medicina Veterinária. Isto, porém, só demonstra que as escolas podem estar mal arrumadas, mas não que devam sê-lo como agora o são. Se o espírito que deve informar o ensino em cada escola superior lhe fosse determinado por intervenção activa da Direcção-Geral, justificava-se a sua separação por direcções-gerais diferentes. Mas, dada a autonomia pedagógica das Universidades e das escolas de ensino superior, é a estas e não à Direcção- Geral que pertence orientar o ensino. Fala-se, já se vê, da orientação própria de cada ramo de ensino, e não da orientação geral, que, supondo uma certa política, há-de resultar da legislação e ser directamente executada pelo Ministro. Posto assim o problema, parece nada se opor e antes tudo aconselhar a unificação administrativa dos serviços. A Inspecção dos Espectáculos tem desempenhado uma acção fortemente disciplinadora na vida dos artistas e das empresas. Tem evitado muitos desmandos. Tem procurado, opondo-se, que não seja gravemente perturbada certa orientação política. Mas não tem tido possibilidade de propor ou até de impor a realização de uma política educativa de que o espectáculo público pode ser um instrumento precioso. A função cultural e mesmo de propaganda do teatro e do cinema não tem sido suficientemente desempenhada. O problema do teatro, sobretudo de declamação, é muito delicado. Mas há que procurar-lhe uma solução. Há que procurar que o teatro e o cinema desempenhem completamente a sua função. Talvez isso possa conseguir-se através de um regime de colaboração entre a Inspecção e o Secretariado da Propaganda Nacional. Esse regime se procurará. Usando da faculdade conferida pela 2.ª parte do n.º 2 do artigo 109.º da Constituição, o Governo decreta e eu promulgo, para valer como lei, o seguinte: Artigo 1.º É criada a Inspecção-Geral do Ensino, a cuja jurisdição ficam sujeitos todos os estabelecimentos de ensino, oficiais ou particulares, com excepção dos militares. Aos seminários e outros estabelecimentos de formação ou alta cultura eclesiástica aplicar-se-á o disposto no artigo XX da Concordata. 1.º Enquanto não forem organizados os serviços da Inspecção-Geral serão as funções de inspecção desempenhadas pelas direcções-gerais respectivas e pela Inspecção do Ensino Particular no que diz respeito a este ramo de ensino.

4 2.º Até se proceder àquela organização o Ministro da Educação Nacional designará, por despacho, os inspectores do ensino primário especialmente incumbidos dos serviços de orientação pedagógica. Artigo 2.º Reorganizar-se-á a Junta Nacional da Educação de modo a poder desempenhar eficientemente as funções que lhe cabem como organismo de consulta e estudo. Artigo 3.º O presidente da Junta Nacional da Educação, o comissário nacional da Mocidade Portuguesa e o presidente do Instituto para a Alta Cultura continuam a exercer gratuitamente os seus cargos e a todos se aplica o disposto no artigo 37.º do Regimento da Junta Nacional da Educação. Artigo 4.º Além das atribuições que lhe estão fixadas, compete à Secretaria-Geral: 1º Publicar os Anais do Ministério; 2º Assegurar o expediente da Junta Nacional da Educação, preparando, organizando e ordenando os processos sobre todos os assuntos que lhe sejam submetidos, secretariar as suas sessões, salvo as das secções personalizadas, e lavrar as respectivas actas; 3º Organizar e conservar o arquivo e a biblioteca do Ministério; 4º Proceder, de acordo com o Instituto Nacional de Estatística, à anotação e elaboração dos dados estatísticos referentes aos serviços do Ministério e colaborar com o mesmo Instituto, nos termos que forem acordados, na organização de outras estatísticas que interessem àqueles serviços. Artigo 5.º Transitam para a Direcção-Geral do Ensino Superior e das Belas-Artes os serviços relativos à Universidade Técnica. Artigo 6.º É extinta a Direcção-Geral do Ensino Técnico e criada a Direcção-Geral do Ensino Técnico Elementar e Médio. Artigo 7.º É extinta a Direcção-Geral da Saúde Escolar e criada a Direcção-Geral da Educação Física, Desportos e Saúde Escolar, que, além das atribuições fixadas àquela, terá as seguintes: 1º Cuidar, fora das escolas, da Organização Nacional Mocidade Portuguesa e da Fundação Nacional para a Alegria no Trabalho, da educação física do povo português, directamente e através das instituições públicas ou particulares constituídas com esse objectivo como fim principal ou acessório, dirigindo e vigiando a sua actividade; 2º Promover junto dos elementos da organização corporativa e das organizações industriais e comerciais a prática sistemática dos exercícios ordenados à formação física dos trabalhadores e de suas famílias; 3º Concertar com as câmaras municipais o modo mais adequado a, nas sedes dos concelhos e nas freguesias, desenvolver o gosto pelas práticas de educação física; 4º Instituir, em colaboração com a Mocidade Portuguesa e sob a direcção do Instituto Nacional de Educação Física, escolas móveis para preparar os dirigentes da educação física;

5 5º Superintender em todas as actividades desportivas que não estejam directamente subordinadas à Mocidade Portuguesa e à Fundação Nacional para a Alegria no Trabalho ou que não tenham carácter estritamente escolar; 6º Prestar às actividades desportivas existentes nas escolas a colaboração que lhe solicitarem; 7º Sujeitar a exame médico os desportistas, pertencentes a qualquer organização desportiva, de cuja aptidão física suspeite e proibir-lhes a prática de quaisquer desportos; 8º Intervir na selecção das pessoas que, nos exercícios ou competições desportivas, houverem de desempenhar funções de direcção ou técnicas, ou tiverem poderes de decisão; 9º Conhecer, directamente ou em recurso, de todas as questões relativas à disciplina do desporto, ou elas surjam entre desportistas, ou entre organizações desportivas, ou entre uns e outras; 10º Exercer autoridade disciplinar sobre os desportistas, sobre as organizações desportivas, assim como sobre os técnicos e fiscais com poderes de consulta ou decisão; 11º Velar pela formação do espírito desportivo, utilizando todos os meios que julgar adequados à disciplina do público; 12º Cuidar da educação física dos desportistas, vigiando a que lhes é ministrada nas organizações a que pertencerem e impondo a estas que a instituam por forma regular quando não existir; 13º Fazer tudo o que possa interessar ao revigoramento físico da gente portuguesa e à disciplina dos desportos. 1.º Os poderes disciplinares atribuídos à Direcção-Geral neste artigo não eliminam os que actualmente se exercem dentro da própria organização desportiva, mas, uma vez que aquela tome qualquer decisão e a comunique, cessa toda a actividade disciplinar desta. 2.º As decisões da Direcção-Geral em matéria de disciplina são insusceptíveis de recurso. Artigo 8.º O Instituto Nacional de Educação Física será reorganizado e fica desde já dependente da Direcção-Geral da Educação Física, Desportos e Saúde Escolar. Artigo 9.º O Comité Olímpico Português, para continuar a gozar do reconhecimento oficial que foi expresso na portaria de 21 de Abril de 1937, deverá submeter a lista dos seus membros à aprovação do Ministério da Educação Nacional. único. O subsídio atribuído ao Comité Olímpico Português pelo artigo 2.º da Lei n.º 1810, de 27 de Julho de 1925, passa a ser administrado pela Direcção-Geral da Educação Física, Desportos e Saúde Escolar. Os médicos escolares constituem um quadro único. Artigo 10.º 1.º O número de médicos escolares que devem prestar serviço em cada localidade será fixado por despacho do Ministro da Educação Nacional. 2.º Em cada localidade os médicos escolares constituem um corpo e assegurarão os serviços que lhes incumbem pela forma que o director-geral determinar. 3.º O director-geral poderá impor aos médicos escolares que, sem prejuízo dos serviços que especialmente lhes competem, colaborem com os médicos dos desportos ou os substituam quando isso for julgado necessário ou conveniente.

6 Nota: As disposições sobre os médicos escolares foram revistas pelo Decreto-Lei n.º , de 29 de Junho de 1950 e pelo Decreto-Lei n.º , de 28 de Novembro de Artigo 11.º A Inspecção dos Espectáculos será reorganizada e no respectivo diploma se fixarão as taxas que deverá cobrar. Artigo 12.º Os quadros do pessoal da Secretaria-Geral, das direcções-gerais e das inspecções e os vencimentos ou gratificações a que o mesmo pessoal tem direito constam dos mapas anexos a este decreto-lei. 1º No regulamento dos serviços da Direcção-Geral da Educação Física, Desportos e Saúde Escolar se indicará a constituição dos conselhos técnicos e desportivos que funcionarão junto da mesma direcçãogeral e se fixarão as gratificações a abonar aos seus membros. Nota: Os conselhos técnicos e desportivos foram extintos pelo Decreto-Lei n.º , de 2 de Junho de º O inspector do ensino particular poderá requisitar, para servirem, em comissão anual renovável por iguais períodos de tempo, como subinspectores, até cinco professores dos ensinos liceal, técnico ou primário. Este serviço considerar-se-á, para todos os efeitos, prestado no ramo e grau de ensino a que o professor pertencer. 3º Fora de Lisboa, os governadores civis serão delegados da Inspecção dos Espectáculos e os secretários dos governos civis terão as atribuições de subinspectores. 4º O quadro do pessoal da Inspecção dos Espectáculos que consta do mapa anexo a este decreto-lei só será preenchido depois de reorganizados os respectivos serviços. O lugar de projeccionista só será provido quando a Inspecção dispuser de sala própria para projecção. 5º No diploma que reorganizar os serviços da Inspecção dos Espectáculos se indicará a constituição dos conselhos teatral e técnicos que deverão funcionar junto da mesma Inspecção e se fixarão as gratificações a atribuir aos seus membros. Artigo 13.º Os directores-gerais, os inspectores do ensino particular e dos espectáculos e os chefes de repartição e de secção serão escolhidos pelo Ministro entre pessoas de reconhecida competência. 1º Os professores nomeados para qualquer dos cargos indicados neste artigo exercerão as respectivas funções em comissão quinquenal renovável, mas podem a todo o tempo regressar ao serviço docente, preenchendo lugar do quadro donde saíram, se houver vaga, ou ficando supranumerários com direito a ocupar a primeira vaga. 2º O serviço prestado nas condições do parágrafo anterior considerar-se-á, para todos os efeitos, prestado no ramo e grau de ensino a que o professor pertencer. 3º Até à organização dos serviços da Inspecção-Geral do Ensino as condições de provimento e de remuneração do cargo de inspector do ensino particular são as estabelecidas no Decreto-Lei n.º , de 4 de Setembro de Artigo 14.º O chefe da Secretaria-Geral e o bibliotecário-arquivista serão escolhidos pelo Ministro, respectivamente, entre licenciados em Letras ou em Direito e entre diplomados com o curso de bibliotecário-arquivista.

7 Artigo 15.º Os inspectores e os médicos dos desportos serão escolhidos pelo Ministro entre pessoas de reconhecida competência. Nota: Redacção dada pelo Decreto-Lei n.º , de 3 de Junho de º O provimento far-se-á provisoriamente pelo período de três anos, findo o qual poderá ser convertido em definitivo. 2º Se a nomeação recair em funcionário público, poderá ser feita em comissão de serviço, contando-se o tempo da comissão como se fosse prestado no desempenho do lugar a que o funcionário pertença. 3º A nomeação em comissão é susceptível de ser convertida em definitiva ao fim de três anos. Nota: Os três parágrafos foram aditados pelo Decreto-Lei n.º As disposições neles contidas seriam, depois, tornadas extensivas aos inspectores da saúde escolar e aos médicos escolares, conforme disposição contida no artigo 5.º do Decreto-Lei n.º , de 28 de Novembro de Artigo 16.º Os inspectores da saúde escolar serão escolhidos entre os médicos escolares e estes serão recrutados nos termos do artigo único do Decreto n.º , de 9 de Março de Artigo 17.º É aplicável aos médicos dos desportos o disposto no artigo 3.º do Decreto-Lei n.º , de 25 de Julho de 1935, relativamente aos médicos escolares. Artigo 18.º Os subinspectores e o projeccionista da Inspecção dos Espectáculos são escolhidos pelo Ministro. Artigo 19.º Para efeito de nomeação e promoção, os primeiros, segundos e terceiros-oficiais e os aspirantes da Secretaria-Geral, das direcções-gerais e das inspecções constituem um quadro único. 1º O ingresso no quadro e as promoções dentro dele fazem-se mediante concurso de provas públicas. Aos concursos para primeiros e segundos-oficiais podem apresentar-se, respectivamente, os segundos e terceiros-oficiais com três anos de bom serviço; aos concursos para terceiros-oficiais e aspirantes os indivíduos com a habilitação mínima do 2.º ciclo liceal ou equivalente. 2º Os primeiros, segundos e terceiros-oficiais são de nomeação vitalícia; os aspirantes são contratados. Artigo 20.º Para efeito de promoção os contínuos do Ministério constituem um quadro único. Artigo 21.º O actual chefe de secção da Direcção-Geral do Ensino Liceal será colocado no lugar de chefe de repartição da mesma Direcção-Geral. Artigo 22.º Os funcionários da Direcção-Geral do Ensino Técnico e os da Direcção-Geral da Saúde Escolar irão ocupar, sem dependência de qualquer formalidade, lugares da sua categoria, respectivamente, na Direcção-Geral

8 do Ensino Técnico Elementar e Médio e na Direcção-Geral da Educação Física, Desportos e Saúde Escolar. 1º Um dos actuais adjuntos do director-geral do Ensino Técnico, a designar em despacho ministerial, será colocado no lugar de chefe da Secretaria-Geral, conservando, porém, a sua categoria de chefe de repartição. O outro será provido, sem dependência de qualquer formalidade, no lugar de chefe da repartição da Direcção-Geral do Ensino Técnico Elementar e Médio. 2º Um dos segundos-oficiais da Direcção-Geral do Ensino Técnico, a designar em despacho ministerial, transitará para a Direcção-Geral do Ensino Superior e das Belas-Artes. 3º O actual adjunto do director-geral da Saúde Escolar será colocado num lugar de médico escolar. 4º Os actuais médicos escolares, qualquer que seja a sua categoria e o ramo de ensino a que estejam adstritos, bem como o médico escolar da extinta Escola Prática de Agricultura de Queluz, irão ocupar, sem dependência de qualquer formalidade, lugares do quadro geral dos médicos escolares. Artigo 23.º Os actuais adjuntos do director-geral do Ensino Primário serão providos, sem dependência de qualquer formalidade, nos lugares de chefe de secção da Direcção-Geral do Ensino Primário. Artigo 24.º Por despacho ministerial se indicará o contínuo de 1.ª classe que deve transitar da Secretaria-Geral para a Direcção-Geral da Educação Física, Desportos e Saúde Escolar e o contínuo de 2.ª classe que deve transitar da Direcção-Geral do Ensino Técnico para a Inspecção dos Espectáculos. Artigo 25.º É revogado o Decreto n.º , de 22 de Março de Artigo 26.º As receitas actualmente cobradas em dinheiro pela Inspecção dos Espectáculos passam a sê-lo por meio de estampilhas fiscais. Artigo 27.º As dúvidas que se suscitarem na execução do presente decreto-lei serão resolvidas por despacho do Ministro da Educação Nacional. Publique-se e cumpra-se como nele se contém. Paços do Governo da República, 5 de Setembro de ANTÓNIO ÓSCAR DE FRAGOSO CARMONA - António de Oliveira Salazar - Mário Pais de Sousa - Adriano Pais da Silva Vaz Serra - João Pinto da Costa Leite - Manuel Ortins de Bettencourt - Duarte Pacheco - Francisco José Caeiro - Mário de Figueiredo - Rafael da Silva Neves Duque.

ESTATUTOS DO CENTRO DE INFORMAÇÃO, MEDIAÇÃO E ARBITRAGEM DA ORDEM DOS NOTÁRIOS. Capítulo I. Disposições Gerais. Artigo 1.º

ESTATUTOS DO CENTRO DE INFORMAÇÃO, MEDIAÇÃO E ARBITRAGEM DA ORDEM DOS NOTÁRIOS. Capítulo I. Disposições Gerais. Artigo 1.º Capítulo I Disposições Gerais Artigo 1.º Natureza, âmbito, objecto e sede 1. O Centro de Informação, Mediação e Arbitragem da Ordem dos Notários (adiante designado por Centro), é a instituição de arbitragem,

Leia mais

Decreto n.º 196/76 de 17 de Março

Decreto n.º 196/76 de 17 de Março Decreto n.º 196/76 de 17 de Março Considerando a profunda reconversão por que passa a Administração Pública em ordem a adaptá-la às finalidades prosseguidas pelo processo revolucionário em curso; Considerando

Leia mais

Lei Orgânica da Provedoria de Justiça

Lei Orgânica da Provedoria de Justiça Lei Orgânica da Provedoria de Justiça Decreto-Lei n.º 279/93, de 11 de Agosto (alterado pelo Decreto Lei N.º15/98, de 29 de Janeiro) (alterado pelo Decreto-Lei n.º 195/2001, de 27 de Junho) (alterado pelo

Leia mais

Ministério da Ciência e Tecnologia

Ministério da Ciência e Tecnologia Ministério da Ciência e Tecnologia Decreto n.º4/01 De 19 de Janeiro Considerando que a investigação científica constitui um pressuposto importante para o aumento da produtividade do trabalho e consequentemente

Leia mais

Decreto n.º 301/72, de 14 de Agosto

Decreto n.º 301/72, de 14 de Agosto Decreto n.º 301/72, de 14 de Agosto O Decreto-Lei n.º 132/70, de 30 de Março, determina, no n.º 4 do artigo 23.º e no n.º 2 do artigo 27.º, que constará de regulamento a organização das provas do concurso

Leia mais

CONSELHO DE MINISTROS

CONSELHO DE MINISTROS CONSELHO DE MINISTROS Decreto n.º 35/02 de 28 de Junho Considerando a importância que a política comercial desempenha na estabilização económica e financeira, bem como no quadro da inserção estrutural

Leia mais

DECRETO-LEI N.º 94-D/98,

DECRETO-LEI N.º 94-D/98, DECRETO-LEI N.º 94-D/98, de 17 de Abril Fundo de Apoio ao Estudante Ao definir as bases gerais do financiamento do ensino superior público, a Lei n.º 113/97, de 16 de Setembro, veio criar, enquadrando-o

Leia mais

REGIMENTO DO CONSELHO MUNICIPAL DE EDUCAÇÃO DE SANTARÉM. Preâmbulo

REGIMENTO DO CONSELHO MUNICIPAL DE EDUCAÇÃO DE SANTARÉM. Preâmbulo REGIMENTO DO CONSELHO MUNICIPAL DE EDUCAÇÃO DE SANTARÉM Preâmbulo A Lei n.º 159/99, de 14 de Setembro estabelece, no seu artigo 19.º, n.º 2, alínea b), a competência dos órgãos municipais para criar os

Leia mais

Portaria n.º 605/99, de 5 de Agosto Regulamento do Sistema Nacional de Farmacovigilância (Revogado pela Decreto-Lei n.º 242/2002, de 5 de Novembro)

Portaria n.º 605/99, de 5 de Agosto Regulamento do Sistema Nacional de Farmacovigilância (Revogado pela Decreto-Lei n.º 242/2002, de 5 de Novembro) Regulamento do Sistema Nacional de Farmacovigilância (Revogado pela Decreto-Lei n.º 242/2002, de 5 de Novembro) O sistema de avaliação e autorização de introdução no mercado de medicamentos, que tem vindo

Leia mais

Art. 3º A sua sede é em Lisboa, podendo, contudo, criar dependências onde for julgado necessário ou conveniente.

Art. 3º A sua sede é em Lisboa, podendo, contudo, criar dependências onde for julgado necessário ou conveniente. ESTATUTOS CAPÍTULO I Natureza, nacionalidade, duração e sede da instituição Art. 1º A Fundação Calouste Gulbenkian, criada por Calouste Sarkis Gulbenkian no seu testamento de 18 de Junho de 1953, com que

Leia mais

Carreiras e Quadros de Pessoal dos Serviços da Assembleia da República

Carreiras e Quadros de Pessoal dos Serviços da Assembleia da República Carreiras e Quadros de Pessoal dos Serviços da Assembleia da República Resolução da Assembleia da República n.º 8/98, de 18 de Março 1, (Declaração de Rectificação n.º 11/98, de 8 de Junho) com as alterações

Leia mais

CÂMARA MUNICIPAL DE BRAGANÇA

CÂMARA MUNICIPAL DE BRAGANÇA CÂMARA MUNICIPAL DE BRAGANÇA Regulamento do Processo de Fiscalização das Obras Particulares Sujeitas a Licenciamento Municipal Preâmbulo Estabelece o artigo 24º. do DL 445/91, de 20 Novembro, com a redacção

Leia mais

Despacho n.º 28777/2008, de 10 de Novembro Série II n.º 218

Despacho n.º 28777/2008, de 10 de Novembro Série II n.º 218 Despacho n.º 28777/2008, de 10 de Novembro Série II n.º 218 Regulamento de horário de trabalho aplicável aos trabalhadores da DGCI que prestam serviço no Edifício Satélite 1 - Em conformidade com o disposto

Leia mais

NORMAS TRANSITÓRIAS DE FUNCIONAMENTO DO MERCADO DE GADO DE CHAVES. 1.ª Âmbito e Objecto

NORMAS TRANSITÓRIAS DE FUNCIONAMENTO DO MERCADO DE GADO DE CHAVES. 1.ª Âmbito e Objecto NORMAS TRANSITÓRIAS DE FUNCIONAMENTO DO MERCADO DE GADO DE CHAVES 1.ª Âmbito e Objecto As presentes normas visam disciplinar a actividade do Mercado de Gado de Chaves. 2.ª Da organização do Mercado de

Leia mais

REGULAMENTO MUNICIPAL DE INSPECÇÃO DE ASCENSORES, MONTA-CARGAS, ESCADAS MECÂNICAS E TAPETES ROLANTES. Preâmbulo

REGULAMENTO MUNICIPAL DE INSPECÇÃO DE ASCENSORES, MONTA-CARGAS, ESCADAS MECÂNICAS E TAPETES ROLANTES. Preâmbulo REGULAMENTO MUNICIPAL DE INSPECÇÃO DE ASCENSORES, MONTA-CARGAS, ESCADAS MECÂNICAS E TAPETES ROLANTES Preâmbulo O Decreto-Lei n. 295/98, de 22 de Setembro, que transpôs para o direito interno a Directiva

Leia mais

2.2. GESTÃO DOS RECURSOS HUMANOS

2.2. GESTÃO DOS RECURSOS HUMANOS - DOCUMENTO 15 Extractos dos Referentes Externos e Internos que suportam o Referencial 2.2. GESTÃO DOS RECURSOS HUMANOS REFERENTES EXTERNOS LEGISLAÇÃO Lei nº 31/2002 de 20 de Dezembro CAPÍTULO I Sistema

Leia mais

Decreto-Lei n.º 213/92 de 12 de Outubro Altera o Decreto-Lei n.º 93/90, de 19 de Março (Reserva Ecológica Nacional).

Decreto-Lei n.º 213/92 de 12 de Outubro Altera o Decreto-Lei n.º 93/90, de 19 de Março (Reserva Ecológica Nacional). A leitura deste documento, que transcreve o conteúdo do Decreto-Lei n.º 213/92, de 12 de Outubro, não substitui a consulta da sua publicação em Diário da República. Decreto-Lei n.º 213/92 de 12 de Outubro

Leia mais

MINISTÉRIO DO COMÉRCIO

MINISTÉRIO DO COMÉRCIO MINISTÉRIO DO COMÉRCIO REGULAMENTO INTERNO DAS REPRESENTAÇÕES COMERCIAIS DA REPÚBLICA DE ANGOLA NO ESTRANGEIRO CAPÍTULO I DISPOSIÇÕES GERAIS Artigo 1º (Natureza) As representações são órgãos de execução

Leia mais

REGULAMENTO DO CONSELHO DA COMUNIDADE DO ACES ALENTEJO CENTRAL 2

REGULAMENTO DO CONSELHO DA COMUNIDADE DO ACES ALENTEJO CENTRAL 2 REGULAMENTO DO CONSELHO DA COMUNIDADE DO ACES ALENTEJO CENTRAL 2 O Decreto-Lei n.º 28/2008 publicado em Diário da República, 1ª série, Nº 38, de 22 de Fevereiro de 2008, que criou os agrupamentos de Centros

Leia mais

LEI N. 108/91, DE 17 DE AGOSTO (LEI DO CONSELHO ECONÓMICO E SOCIAL)

LEI N. 108/91, DE 17 DE AGOSTO (LEI DO CONSELHO ECONÓMICO E SOCIAL) LEI N. 108/91, DE 17 DE AGOSTO (LEI DO CONSELHO ECONÓMICO E SOCIAL) Com as alterações introduzidas pelas seguintes leis: Lei n.º 80/98, de 24 de Novembro; Lei n.º 128/99, de 20 de Agosto; Lei n.º 12/2003,

Leia mais

Regulamento do Conselho de Administração da Assembleia da República

Regulamento do Conselho de Administração da Assembleia da República Regulamento do Conselho de Administração da Assembleia da República publicado no Diário da Assembleia da República, II Série C, n.º 11 de 8 de Janeiro de 1991 Conselho de Administração O Conselho de Administração

Leia mais

REGULAMENTO INTERNO DO GABINETE DO PRESIDENTE

REGULAMENTO INTERNO DO GABINETE DO PRESIDENTE REGULAMENTO INTERNO DO GABINETE DO PRESIDENTE CAPÍTULO I Objecto ARTIGO.º (Objecto) O presente regulamento define a composição e o regime jurídico do pessoal do Gabinete do Presidente do Tribunal de Contas.

Leia mais

Administração de Macau pelas suas Gentes e Alto Grau de Autonomia

Administração de Macau pelas suas Gentes e Alto Grau de Autonomia Sistema Político Administração de Macau pelas suas Gentes e Alto Grau de Autonomia A 20 de Dezembro de 1999 Macau passa a Região Administrativa Especial da República Popular da China, sendo simultaneamente

Leia mais

REGULAMENTO DO CONSELHO MUNICIPAL DE EDUCAÇÃO NOTA JUSTIFICATIVA

REGULAMENTO DO CONSELHO MUNICIPAL DE EDUCAÇÃO NOTA JUSTIFICATIVA NOTA JUSTIFICATIVA Em conformidade com os poderes regulamentares que lhes são atribuídos pelos artigos 112º n.º 8 e 241º da Lei Constitucional, devem os Municípios aprovar os respectivos regulamentos municipais,

Leia mais

CAPITULO I OBJECTIVOS DO REGULAMENTO

CAPITULO I OBJECTIVOS DO REGULAMENTO Preâmbulo: O SIADAP visa contribuir para a melhoria do desempenho e qualidade de serviço da Administração Pública, para a coerência e harmonia da acção dos serviços, dirigentes e demais trabalhadores e

Leia mais

Decreto-Lei n.º 193/73, de 30 de Abril - Revogado. Reestruturação do Fundo de Fomento do Desporto (FFD)

Decreto-Lei n.º 193/73, de 30 de Abril - Revogado. Reestruturação do Fundo de Fomento do Desporto (FFD) Decreto-Lei n.º 193/73, de 30 de Abril - Revogado Reestruturação do Fundo de Fomento do Desporto (FFD) Artigo 1.º...2 Artigo 2.º...3 Artigo 3.º...3 Artigo 4.º...3 Artigo 5.º...3 Artigo 6.º...4 Artigo 7.º...4

Leia mais

MUNICÍPIO DE CONDEIXA-A-NOVA

MUNICÍPIO DE CONDEIXA-A-NOVA NOTA JUSTIFICATIVA A Lei 159/99, de 14 de Setembro, estabelece no seu artigo 19.º, n.º 2, alínea b), a competência dos órgãos municipais para criar os Conselhos locais de Educação. A Lei 169/99, de 18

Leia mais

- CONSELHO MUNICIPAL DE EDUCAÇÃO DE LAGOS - PREÂMBULO

- CONSELHO MUNICIPAL DE EDUCAÇÃO DE LAGOS - PREÂMBULO PREÂMBULO A Lei de Bases do Sistema Educativo (Lei nº 46/86 de 14 de Outubro) consagrou a interacção com a comunidade educativa local como um pilar fundamental da política educativa. Por essa razão o nº

Leia mais

Artigo 1.º. Entre Melgaço e Arbo, sobre o rio Minho, será construída uma ponte internacional que una Portugal e Espanha.

Artigo 1.º. Entre Melgaço e Arbo, sobre o rio Minho, será construída uma ponte internacional que una Portugal e Espanha. Decreto n.º 19/96 de 1 de Julho Convénio entre a República Portuguesa e o Reino de Espanha para a Construção de Uma Ponte Internacional sobre o Rio Minho entre as Localidades de Melgaço (Portugal) e Arbo

Leia mais

Secretaria de Estado do Sector Empresarial Público. Decreto-Lei nº 7/07 de 2 de Maio

Secretaria de Estado do Sector Empresarial Público. Decreto-Lei nº 7/07 de 2 de Maio Secretaria de Estado do Sector Empresarial Público Decreto-Lei nº 7/07 de 2 de Maio Tendo em conta a história económica do nosso País após a independência, a propriedade pública ainda ocupa um lugar muito

Leia mais

Decreto-Lei n.º 187/2002 de 21 de Agosto *

Decreto-Lei n.º 187/2002 de 21 de Agosto * Decreto-Lei n.º 187/2002 de 21 de Agosto * Nos termos da Resolução do Conselho de Ministros n.º 103/2002, de 26 de Julho, que aprovou o Programa para a Produtividade e o Crescimento da Economia, foi delineado

Leia mais

- REGIMENTO - CAPITULO I (Disposições gerais) Artigo 1.º (Normas reguladoras)

- REGIMENTO - CAPITULO I (Disposições gerais) Artigo 1.º (Normas reguladoras) - REGIMENTO - Considerando que, a Lei 159/99, de 14 de Setembro estabelece no seu artigo 19.º, n.º 2, alínea b), a competência dos órgãos municipais para criar os conselhos locais de educação; Considerando

Leia mais

O GOVERNO. Art.º 182º da Constituição da República Portuguesa

O GOVERNO. Art.º 182º da Constituição da República Portuguesa O GOVERNO Art.º 182º da Constituição da República Portuguesa «O Governo é o órgão de condução da política geral do país e o órgão superior da Administração Pública.» 1 Pela própria ideia que se retira

Leia mais

8226 Diário da República, 1.ª série N.º 215 8 de Novembro de 2007

8226 Diário da República, 1.ª série N.º 215 8 de Novembro de 2007 8226 Diário da República, ª série N.º 215 8 de Novembro de 2007 da Madeira os Drs. Rui Nuno Barros Cortez e Gonçalo Bruno Pinto Henriques. Aprovada em sessão plenária da Assembleia Legislativa da Região

Leia mais

Decreto-Lei n.º 26/2012. de 6 de fevereiro

Decreto-Lei n.º 26/2012. de 6 de fevereiro Decreto-Lei n.º 26/2012 de 6 de fevereiro No âmbito do Compromisso Eficiência, o XIX Governo Constitucional determinou as linhas gerais do Plano de Redução e Melhoria da Administração Central (PREMAC).

Leia mais

Proposta de Decreto Legislativo Regional

Proposta de Decreto Legislativo Regional Proposta de Decreto Legislativo Regional Regulamenta na Região Autónoma dos Açores, os aspectos relativos à realização, em escolas da rede pública, do estágio pedagógico das licenciaturas em ensino e dos

Leia mais

Portaria n.º 1159/90, de 27 de Novembro

Portaria n.º 1159/90, de 27 de Novembro Portaria n.º 1159/90, de 27 de Novembro (atualizada com as alterações das Portarias n.ºs 129/94, de 1 de março e 355/2004, de 5 de abril) [Aviso: A consulta deste documento não substitui nem dispensa a

Leia mais

CONSELHO MUNICIPAL DE EDUCAÇÃO DE REDONDO REGIMENTO

CONSELHO MUNICIPAL DE EDUCAÇÃO DE REDONDO REGIMENTO y Câmara Municipal de Redondo CONSELHO MUNICIPAL DE EDUCAÇÃO DE REDONDO REGIMENTO O DL 7/2003, de 15 de Janeiro, que prevê a constituição do Conselho Municipal de Educação, regulou as suas competências

Leia mais

CONSELHO MUNICIPAL DE DESENVOLVIMENTO ECONÓMICO E SOCIAL REGULAMENTO. Artigo 1º. (Natureza) Artigo 2º. (Objectivos)

CONSELHO MUNICIPAL DE DESENVOLVIMENTO ECONÓMICO E SOCIAL REGULAMENTO. Artigo 1º. (Natureza) Artigo 2º. (Objectivos) CONSELHO MUNICIPAL DE DESENVOLVIMENTO ECONÓMICO E SOCIAL REGULAMENTO Artigo 1º (Natureza) O Conselho Municipal de Desenvolvimento Económico e Social (CMDES) é um órgão de reflexão e consulta no domínio

Leia mais

Ministério da Educação

Ministério da Educação Ministério da Educação Decreto Lei n.º 7/03 de 17 de Junho Diário da República, I Série nº47 17.06.2003 Considerando as últimas alterações verificadas na denominação dos organismos de administração central

Leia mais

Decreto-Lei n.º 142/99 de 30 de Abril

Decreto-Lei n.º 142/99 de 30 de Abril Decreto-Lei n.º 142/99 de 30 de Abril A Lei n.º 100/97, de 13 de Setembro, estabelece a criação de um fundo, dotado de autonomia financeira e administrativa, no âmbito dos acidentes de trabalho. O presente

Leia mais

Estatutos da Associação de Pais e Encarregados de Educação Dos Alunos do Agrupamento de Escolas de Atouguia da Baleia CAPITULO I

Estatutos da Associação de Pais e Encarregados de Educação Dos Alunos do Agrupamento de Escolas de Atouguia da Baleia CAPITULO I Estatutos da Associação de Pais e Encarregados de Educação Dos Alunos do Agrupamento de Escolas de Atouguia da Baleia CAPITULO I DENOMINAÇÃO, NATUREZA E FINS ARTIGO I A Associação de Pais e Encarregados

Leia mais

C 213/20 Jornal Oficial da União Europeia 6.8.2010

C 213/20 Jornal Oficial da União Europeia 6.8.2010 C 213/20 Jornal Oficial da União Europeia 6.8.2010 COMISSÃO ADMINISTRATIVA PARA A COORDENAÇÃO DOS SISTEMAS DE SEGURANÇA SOCIAL Estatutos da Comissão Administrativa para a Coordenação dos Sistemas de Segurança

Leia mais

sucessivamente plasmado no nº1 do artigo 20º do Decreto-Lei nº 409/89, de 18 de Novembro e no artigo 18º do Decreto-Lei nº 312/99, de 10 de Agosto

sucessivamente plasmado no nº1 do artigo 20º do Decreto-Lei nº 409/89, de 18 de Novembro e no artigo 18º do Decreto-Lei nº 312/99, de 10 de Agosto Tem a Administração Educativa recorrido, ora com carácter ocasional, ora com carácter regular, à contratação por oferta de escola de pessoal docente detentor de formação especializada para assegurar a

Leia mais

Diário da República, 1.ª série N.º 133 13 de Julho de 2009 4449. (CNC), anexo ao presente decreto -lei e que dele faz parte integrante. Artigo 2.

Diário da República, 1.ª série N.º 133 13 de Julho de 2009 4449. (CNC), anexo ao presente decreto -lei e que dele faz parte integrante. Artigo 2. Diário da República, 1.ª série N.º 133 13 de Julho de 2009 4449 Decreto-Lei n.º 160/2009 de 13 de Julho Com a aprovação de um novo Sistema de Normalização Contabilística, inspirado nas normas internacionais

Leia mais

REGULAMENTO MUNICIPAL

REGULAMENTO MUNICIPAL REGULAMENTO MUNICIPAL REALIZAÇÃO DE ESPECTÁCULOS DE NATUREZA DESPORTIVA E DE DIVERTIMENTOS PÚBLICOS NAS VIAS, JARDINS E DEMAIS LUGARES PÚBLICOS AO AR LIVRE REALIZAÇÃO DE ESPECTÁCULOS DE NATUREZA DESPORTIVA

Leia mais

JORNAL OFICIAL. Sumário REGIÃO AUTÓNOMA DA MADEIRA. Segunda-feira, 31 de março de 2014. Série. Número 44

JORNAL OFICIAL. Sumário REGIÃO AUTÓNOMA DA MADEIRA. Segunda-feira, 31 de março de 2014. Série. Número 44 REGIÃO AUTÓNOMA DA MADEIRA JORNAL OFICIAL Segunda-feira, 31 de março de 2014 Série Sumário VICE-PRESIDÊNCIA DO GOVERNO REGIONAL E SECRETARIA REGIONAL DO PLANO E FINANÇAS Portaria n.º 34/2014 Aprova a organização

Leia mais

(Aprovado em sessão do Plenário de 04.06.93 e publicado no D.R., II Série, n.º 204, de 31.08.93)

(Aprovado em sessão do Plenário de 04.06.93 e publicado no D.R., II Série, n.º 204, de 31.08.93) REGULAMENTO INTERNO DA COMISSÃO PERMANENTE DE CONCERTAÇÃO SOCIAL (Aprovado em sessão do Plenário de 04.06.93 e publicado no D.R., II Série, n.º 204, de 31.08.93) CAPÍTULO I PRINCÍPIOS GERAIS Artigo 1.

Leia mais

Decreto Legislativo Regional nº. 003/2001

Decreto Legislativo Regional nº. 003/2001 Decreto Legislativo Regional nº. 003/2001 REVALORIZAÇÃO DAS CARREIRAS DO PESSOAL TÉCNICO CONTABILISTA E DE AUXILIAR DE CONTABILIDADE DA DIRECÇÃO REGIONAL DO ORÇAMENTO E TESOURO O Decreto Regulamentar Regional

Leia mais

MINISTÉRIO DA JUSTIÇA

MINISTÉRIO DA JUSTIÇA Diário da República, 1.ª série N.º 185 23 de Setembro de 2009 6789 de contrato de trabalho a tempo parcial e de contrato em regime de prestação de serviços, é calculado proporcionalmente. Artigo 13.º Direitos

Leia mais

第 三 章 執 行 預 算 第 135/2005 號 行 政 長 官 批 示. 7) Executar o plano de formação de pessoal; ( 七 ) 執 行 人 員 培 訓 計 劃 ;

第 三 章 執 行 預 算 第 135/2005 號 行 政 長 官 批 示. 7) Executar o plano de formação de pessoal; ( 七 ) 執 行 人 員 培 訓 計 劃 ; N.º 19 9-5-2005 BOLETIM OFICIAL DA REGIÃO ADMINISTRATIVA ESPECIAL DE MACAU I SÉRIE 545 ( 七 ) 執 行 人 員 培 訓 計 劃 ; ( 八 ) 核 實 收 支 文 件, 並 為 船 舶 建 造 廠 的 正 常 運 作 提 供 輔 助 7) Executar o plano de formação de pessoal;

Leia mais

Município de Vieira do Minho

Município de Vieira do Minho CONSELHO MUNICIPAL DE EDUCAÇÃO DE VIEIRA DO MINHO REGIMENTO INTERNO A lei nº 159/99, de 14 de Setembro estabelece no seu artigo19º, nº 2, alínea b), a competência dos órgãos municipais para criar os conselhos

Leia mais

Conselho Municipal de Educação

Conselho Municipal de Educação 1 Regimento do (CME) do Município de Vila Nova de Paiva A Lei 159/99, de 14 de Setembro estabelece no seu artigo 19, n.º2, alínea b), a competência dos órgãos municipais para criar os conselhos locais

Leia mais

MINISTÉRIO DA JUVENTUDE E DESPORTOS

MINISTÉRIO DA JUVENTUDE E DESPORTOS MINISTÉRIO DA JUVENTUDE E DESPORTOS Decreto executivo n.º 128/06 de 6 de Outubro Havendo a necessidade de se definir a estrutura e regulamentar o funcionamento dos órgãos da Casa da Juventude, ao abrigo

Leia mais

Ministério da Ciência e Tecnologia

Ministério da Ciência e Tecnologia Ministério da Ciência e Tecnologia Conselho de Ministros DECRETO nº.../07 de... de... Considerando que as aplicações pacíficas de energia atómica assumem cada vez mais um papel significativo no desenvolvimento

Leia mais

Decreto-Lei n.º 144/2008 de 28 de Julho

Decreto-Lei n.º 144/2008 de 28 de Julho Decreto-Lei n.º 144/2008 de 28 de Julho O Programa do XVII Governo prevê o lançamento de uma nova geração de políticas locais e de políticas sociais de proximidade, assentes em passos decisivos e estruturados

Leia mais

GOVERNO. Estatuto Orgânico do Ministério da Administração Estatal

GOVERNO. Estatuto Orgânico do Ministério da Administração Estatal REPÚBLICA DEMOCRÁTICA DE TIMOR LESTE GOVERNO Decreto N. 2/ 2003 De 23 de Julho Estatuto Orgânico do Ministério da Administração Estatal O Decreto Lei N 7/ 2003 relativo à remodelação da estrutura orgânica

Leia mais

Ministério dos Transportes

Ministério dos Transportes Ministério dos Transportes Decreto Lei 1/05 De 17 de Janeiro Convindo estabelecer as normas orgânicas e funcionais que se coadunam com as actuais exigências da organização do Ministério dos Transportes,

Leia mais

COMPLEXO DE APOIO ÀS ACTIVIDADES DESPORTIVAS (CAAD) LEI ORGÂNICA

COMPLEXO DE APOIO ÀS ACTIVIDADES DESPORTIVAS (CAAD) LEI ORGÂNICA COMPLEXO DE APOIO ÀS ACTIVIDADES DESPORTIVAS (CAAD) LEI ORGÂNICA Decreto-Lei n.º 64/97 de 26 de Março O Decreto-Lei nº 64/97, de 26 de Março, foi revogado pelo Decreto-Lei nº 96/2003, de 07 de Maio, que

Leia mais

MINISTÉRIOS DA SAÚDE, DO AMBIENTE E DO ORDENAMENTO DO TERRITÓRIO E DA REFORMA DO ESTADO E DA ADMINISTRAÇÃO PÚBLICA

MINISTÉRIOS DA SAÚDE, DO AMBIENTE E DO ORDENAMENTO DO TERRITÓRIO E DA REFORMA DO ESTADO E DA ADMINISTRAÇÃO PÚBLICA MINISTÉRIOS DA SAÚDE, DO AMBIENTE E DO ORDENAMENTO DO TERRITÓRIO E DA REFORMA DO ESTADO E DA ADMINISTRAÇÃO PÚBLICA Portaria n. 390/2002 de 11 de Abril A Resolução do Conselho de Ministros n.º 166/2000,

Leia mais

REGULAMENTO MUNICIPAL DE EXERCÍCIO DA ACTIVIDADE DE ARRUMADOR DE AUTOMÓVEIS

REGULAMENTO MUNICIPAL DE EXERCÍCIO DA ACTIVIDADE DE ARRUMADOR DE AUTOMÓVEIS REGULAMENTO MUNICIPAL DE EXERCÍCIO DA ACTIVIDADE DE ARRUMADOR DE AUTOMÓVEIS (Aprovado na 24ª Reunião Ordinária de Câmara Municipal realizada em 16 de Dezembro de 2003, na 2ª Reunião da 5ª Sessão Ordinária

Leia mais

Por despacho do Presidente da Assembleia da República de 26 de Julho de 2004, foi aprovado

Por despacho do Presidente da Assembleia da República de 26 de Julho de 2004, foi aprovado Regulamento dos Estágios da Assembleia da República para Ingresso nas Carreiras Técnica Superior Parlamentar, Técnica Parlamentar, de Programador Parlamentar e de Operador de Sistemas Parlamentar Despacho

Leia mais

3574 DIÁRIO DA REPÚBLICA I SÉRIE-A N. o 139 18 de Junho de 2003 MINISTÉRIO DA CIÊNCIA E DO ENSINO SUPERIOR

3574 DIÁRIO DA REPÚBLICA I SÉRIE-A N. o 139 18 de Junho de 2003 MINISTÉRIO DA CIÊNCIA E DO ENSINO SUPERIOR 3574 DIÁRIO DA REPÚBLICA I SÉRIE-A N. o 139 18 de Junho de 2003 MINISTÉRIO DA CIÊNCIA E DO ENSINO SUPERIOR Decreto-Lei n. o 120/2003 de 18 de Junho A Lei Orgânica do Ministério da Ciência e do Ensino Superior,

Leia mais

Regime Jurídico dos Certificados de Aforro, Série A

Regime Jurídico dos Certificados de Aforro, Série A Regime Jurídico dos Certificados de Aforro, Série A Decreto n.º 43454 de 30 de Dezembro de 1960 1. O artigo 30.º do Decreto-Lei n.º 42 900, de 5 de Abril de 1960, previu nova modalidade de renda vitalícia

Leia mais

REGIÃO ADMINISTRATIVA ESPECIAL DE MACAU

REGIÃO ADMINISTRATIVA ESPECIAL DE MACAU N.º 41 12-10-2009 BOLETIM OFICIAL DA REGIÃO ADMINISTRATIVA ESPECIAL DE MACAU I SÉRIE 1535 澳 門 特 別 行 政 區 REGIÃO ADMINISTRATIVA ESPECIAL DE MACAU 50/2009 Ordem Executiva n.º 50/2009 Usando da faculdade conferida

Leia mais

Regulamento do Conselho Municipal de Educação do Fundão. Preâmbulo

Regulamento do Conselho Municipal de Educação do Fundão. Preâmbulo REGULAMENTO DO CONSELHO MUNICIPAL DE EDUCAÇÃO DO FUNDÃO Publicação II SÉRIE N.º 98 20 de Maio de 2010 Regulamento do Conselho Municipal de Educação do Fundão Preâmbulo A Lei de Bases do Sistema Educativo

Leia mais

Câmara Municipal Gondomar REGULAMENTO DO CONSELHO MUNICIPAL DE EDUCAÇÃO DE GONDOMAR

Câmara Municipal Gondomar REGULAMENTO DO CONSELHO MUNICIPAL DE EDUCAÇÃO DE GONDOMAR Câmara Municipal Gondomar REGULAMENTO DO CONSELHO MUNICIPAL DE EDUCAÇÃO DE GONDOMAR Aprovado pela Câmara em 6/02/2003, alterado em Reunião de Câmara de 18/09/2003 Aprovado pela Assembleia Municipal em

Leia mais

Decreto-Lei n.º 125/2008, de 21 de Julho

Decreto-Lei n.º 125/2008, de 21 de Julho Decreto-Lei n.º 125/2008, de 21 de Julho Introduz um regime de fiscalização e de sanção contra-ordenacional aplicável a infracções aos deveres previstos no Regulamento (CE) n.º 1781/2006, do Parlamento

Leia mais

REGULAMENTO DO CONSELHO MUNICIPAL DE JUVENTUDE DO CARTAXO. Preâmbulo

REGULAMENTO DO CONSELHO MUNICIPAL DE JUVENTUDE DO CARTAXO. Preâmbulo REGULAMENTO DO CONSELHO MUNICIPAL DE JUVENTUDE DO CARTAXO Preâmbulo As Autarquias Locais são os órgãos que, devido à sua proximidade com a população, mais facilmente podem criar condições para uma efetiva

Leia mais

Decreto-Lei n.º 202/81. Ajudas de custo - deslocações em território nacional

Decreto-Lei n.º 202/81. Ajudas de custo - deslocações em território nacional Alterado pelo Dec.-Lei n.º 93/85, de 2-4. MINISTÉRIO DA ADMINISTRAÇÃO INTERNA Decreto-Lei n.º 202/81 de 10 de Julho Publicado no DR 156 Série I de 1981-07-10 Ajudas de custo - deslocações em território

Leia mais

5948 DIÁRIO DA REPÚBLICA. Decreto Presidencial n.º 232/12 de 4 de Dezembro. administrativa das actividades do Ministério,

5948 DIÁRIO DA REPÚBLICA. Decreto Presidencial n.º 232/12 de 4 de Dezembro. administrativa das actividades do Ministério, 5948 DIÁRIO DA REPÚBLICA Decreto Presidencial n.º 232/12 de 4 de Dezembro Havendo necessidade de se dotar o Ministério do Urbanismo e Habitação do respectivo Estatuto Orgânico, na sequência da aprovação

Leia mais

QUADRO DE TRANSFERÊNCIA DE COMPETÊNCIAS PARA OS MUNICÍPIOS EM MATÉRIA DE EDUCAÇÃO

QUADRO DE TRANSFERÊNCIA DE COMPETÊNCIAS PARA OS MUNICÍPIOS EM MATÉRIA DE EDUCAÇÃO QUADRO DE TRANSFERÊNCIA DE COMPETÊNCIAS PARA OS MUNICÍPIOS EM MATÉRIA DE EDUCAÇÃO APROVADO PELO DECRETO-LEI N.º 144/2008, DE 28 DE JULHO ALTERADO PELOS SEGUINTES DIPLOMAS: - Lei n.º 3-B/2010, de 28 de

Leia mais

Lei n.º 29/87, de 30 de Junho ESTATUTO DOS ELEITOS LOCAIS

Lei n.º 29/87, de 30 de Junho ESTATUTO DOS ELEITOS LOCAIS Lei n.º 29/87, de 30 de Junho ESTATUTO DOS ELEITOS LOCAIS A Assembleia da República decreta, nos termos dos artigos 164.º, alínea d), 167.º, alínea g), e 169.º, n.º 2, da Constituição, o seguinte: Artigo

Leia mais

Avaliação do Pessoal docente

Avaliação do Pessoal docente Avaliação do Pessoal docente Decreto Regulamentar nº 10/2000 de 4 de Setembro BO nº 27, I série Página 1 de 9 Decreto Regulamentar nº 10/2000 de 4 de Setembro BO nº 27, I série A revisão do sistema de

Leia mais

JORNAL OFICIAL. Suplemento. Sumário REGIÃO AUTÓNOMA DA MADEIRA. Quinta-feira, 21 de janeiro de 2016. Série. Número 14

JORNAL OFICIAL. Suplemento. Sumário REGIÃO AUTÓNOMA DA MADEIRA. Quinta-feira, 21 de janeiro de 2016. Série. Número 14 REGIÃO AUTÓNOMA DA MADEIRA JORNAL OFICIAL Quinta-feira, 21 de janeiro de 2016 Série Suplemento Sumário PRESIDÊNCIA DO GOVERNO REGIONAL Decreto Regulamentar Regional n.º 2/2016/M Fixa o Valor do Metro Quadrado

Leia mais

(Regimento para o Conselho Nacional de Protecção Civil) Decreto-Regulamentar n.º 3/2002 De 12 de Junho

(Regimento para o Conselho Nacional de Protecção Civil) Decreto-Regulamentar n.º 3/2002 De 12 de Junho I SÉRIE N.º 20 B. O. DA REPÚBLICA DE CABO VERDE 12 DE JULHO DE 2001 (Regimento para o Conselho Nacional de Protecção Civil) Decreto-Regulamentar n.º 3/2002 De 12 de Junho A Lei de Bases de Protecção Civil,

Leia mais

Estatuto Orgânico do Ministério da Ciência e Tecnologia

Estatuto Orgânico do Ministério da Ciência e Tecnologia Estatuto Orgânico do Ministério da Ciência e Tecnologia Conselho de Ministros Decreto Lei n.º 15/99 De 8 de Outubro Considerando que a política científica tecnológica do Governo propende para uma intervenção

Leia mais

UNIVERSIDADE EDUARDO MONDLANE CENTRO DE BIOTECNOLOGIA REGULAMENTO DE ORGANIZAÇÃO E FUNCIONAMENTO. CAPÍTULO I Das disposições gerais

UNIVERSIDADE EDUARDO MONDLANE CENTRO DE BIOTECNOLOGIA REGULAMENTO DE ORGANIZAÇÃO E FUNCIONAMENTO. CAPÍTULO I Das disposições gerais UNIVERSIDADE EDUARDO MONDLANE CENTRO DE BIOTECNOLOGIA REGULAMENTO DE ORGANIZAÇÃO E FUNCIONAMENTO CAPÍTULO I Das disposições gerais ARTIGO 1 (Denominação, natureza jurídica e finalidade) O Centro de Biotecnologia,

Leia mais

REGULAMENTO DO CONSELHO CIENTÍFICO DO INSTITUTO DE INVESTIGAÇÃO CIENTIFICA TROPICAL. Artigo 1. Composição

REGULAMENTO DO CONSELHO CIENTÍFICO DO INSTITUTO DE INVESTIGAÇÃO CIENTIFICA TROPICAL. Artigo 1. Composição REGULAMENTO DO CONSELHO CIENTÍFICO DO INSTITUTO DE INVESTIGAÇÃO CIENTIFICA TROPICAL Artigo 1. Composição A composição do conselho científico do Instituto de Investigação Científica Tropical, I.P., abreviadamente

Leia mais

INSTITUTO POLITÉCNICO DE PORTALEGRE ESCOLA SUPERIOR DE TECNOLOGIA E GESTÃO REGULAMENTO DO DEPARTAMENTO. Tecnologia e Design

INSTITUTO POLITÉCNICO DE PORTALEGRE ESCOLA SUPERIOR DE TECNOLOGIA E GESTÃO REGULAMENTO DO DEPARTAMENTO. Tecnologia e Design INSTITUTO POLITÉCNICO DE PORTALEGRE ESCOLA SUPERIOR DE TECNOLOGIA E GESTÃO REGULAMENTO DO DEPARTAMENTO Tecnologia e Design CAPÍTULO I Disposições Gerais Artigo 1.º (Definição) O Departamento de Tecnologia

Leia mais

É aprovado o Regulamento dos Núcleos Distritais ou Regionais do Projecto VIDA, anexo a este despacho e que dele faz parte integrante.

É aprovado o Regulamento dos Núcleos Distritais ou Regionais do Projecto VIDA, anexo a este despacho e que dele faz parte integrante. PRESIDÊNCIA DO CONSELHO DE MINISTROS E MINISTÉRIOS DA DEFESA NACIONAL, DA ADMINISTRAÇÃO INTERNA, DA JUSTIÇA, DA EDUCAÇÃO, DA SAÚDE E DO EMPREGO E DA SEGURANÇA SOCIAL. Despacho conjunto. - Considerando

Leia mais

PROTECÇÃO DO CONSUMIDOR. Desde 2004 a Informar os Consumidores de Jogos de Fortuna ou Azar. Responsabilidade Social: www.jogoresponsavel.

PROTECÇÃO DO CONSUMIDOR. Desde 2004 a Informar os Consumidores de Jogos de Fortuna ou Azar. Responsabilidade Social: www.jogoresponsavel. PROTECÇÃO DO CONSUMIDOR Desde 2004 a Informar os Consumidores de Jogos de Fortuna ou Azar Responsabilidade Social: www.jogoresponsavel.pt Transparência e Segurança: www.jogoremoto.pt A REGULAÇÃO EM PORTUGAL

Leia mais

Conselho Municipal de Educação de Santa Marta de Penaguião Projecto de Regimento

Conselho Municipal de Educação de Santa Marta de Penaguião Projecto de Regimento Conselho Municipal de Educação de Santa Marta de Penaguião Projecto de Regimento A Lei de Bases do Sistema Educativo assume que o sistema educativo se deve organizar de forma a descentralizar, desconcentrar

Leia mais

Regimento do Conselho Municipal de Educação de Cascais

Regimento do Conselho Municipal de Educação de Cascais Regimento do Conselho Municipal de Educação de Cascais Índice Natureza e Objetivos 2 Competências 2 Composição 3 Comissão Permanente 4 Presidência 5 Periodicidade 5 Convocação das reuniões 6 Quórum 6 Uso

Leia mais

Regimento do Conselho Municipal de Educação do Concelho de Marvão. Preâmbulo

Regimento do Conselho Municipal de Educação do Concelho de Marvão. Preâmbulo Regimento do Conselho Municipal de Educação do Concelho de Marvão Preâmbulo A Lei n.º 159/99, de 14 de Setembro estabelece no seu artigo 19.º, n.º 2, alínea b), a competência dos órgãos municipais para

Leia mais

ESTATUTOS. Artigo 1.º Denominação e sede

ESTATUTOS. Artigo 1.º Denominação e sede ESTATUTOS Artigo 1.º Denominação e sede 1. A associação adopta a denominação CAAD Centro de Arbitragem Administrativa. 2. A associação tem a sua sede na Avenida Duque de Loulé, n.º 72 A, freguesia de Santo

Leia mais

Lei n.º 40/99 de 9 de Junho

Lei n.º 40/99 de 9 de Junho Lei n.º 40/99 de 9 de Junho Assegura a informação e consulta dos trabalhadores em empresas ou grupos de empresas transnacionais e regula a instituição de conselhos de empresa europeus ou de procedimentos

Leia mais

Lei n.º 133/99 de 28 de Agosto

Lei n.º 133/99 de 28 de Agosto Mediação Familiar Lei n.º 133/99 de 28 de Agosto Altera a Organização Tutelar de Menores, nomeadamente através da introdução de novos artigos de que destacamos aquele que se refere à mediação Artigo 147.º

Leia mais

ESTATUTOS CENTRO ARBITRAGEM DA CÂMARA DE COMÉRCIO DE BARLAVENTO/ AGREMIAÇÃO EMPRESARIAL. Artigo 1º: Da constituição e sede do Centro de Arbitragem

ESTATUTOS CENTRO ARBITRAGEM DA CÂMARA DE COMÉRCIO DE BARLAVENTO/ AGREMIAÇÃO EMPRESARIAL. Artigo 1º: Da constituição e sede do Centro de Arbitragem ESTATUTOS CENTRO ARBITRAGEM DA CÂMARA DE COMÉRCIO DE BARLAVENTO/ AGREMIAÇÃO EMPRESARIAL Artigo 1º: Da constituição e sede do Centro de Arbitragem 1. O Centro de Arbitragem foi criado pela Câmara de Comércio

Leia mais

CAPÍTULO I Disposições gerais

CAPÍTULO I Disposições gerais ESTATUTOS DO CONSELHO DAS FINANÇAS PÚBLICAS Aprovados pela Lei n.º 54/2011, de 19 de outubro, com as alterações introduzidas pelo artigo 187.º da Lei n.º 82-B/2014, de 31 de dezembro (Grafia adaptada em

Leia mais

Lei nº 8/90 de 20 de Fevereiro. Bases da contabilidade pública

Lei nº 8/90 de 20 de Fevereiro. Bases da contabilidade pública Lei nº 8/90 de 20 de Fevereiro Bases da contabilidade pública A Assembleia da República decreta, nos termos dos artigos 164.º, alínea d), e 169.º, n.º 3, da Constituição, o seguinte: Artigo 1.º Objecto

Leia mais

CONSELHO MUNICIPAL DE EDUCAÇÃO DE RIO MAIOR

CONSELHO MUNICIPAL DE EDUCAÇÃO DE RIO MAIOR Município de Rio Maior CONSELHO MUNICIPAL DE EDUCAÇÃO DE RIO MAIOR Regimento Preâmbulo A Lei nº 159/99, de 14 de Setembro, estabelece na alínea b) do nº2, do seu artigo 19, a competência dos órgãos municipais

Leia mais

Proposta de alteração do regime jurídico da promoção da segurança e saúde no trabalho Posição da CAP

Proposta de alteração do regime jurídico da promoção da segurança e saúde no trabalho Posição da CAP Proposta de alteração do regime jurídico da promoção da segurança e saúde no trabalho Posição da CAP Em Geral Na sequência da publicação do novo Código do Trabalho, aprovado pela Lei n.º 7/2009, de 12

Leia mais

UNIVERSIDADE DA BEIRA INTERIOR Departamento de Gestão e Economia

UNIVERSIDADE DA BEIRA INTERIOR Departamento de Gestão e Economia UNIVERSIDADE DA BEIRA INTERIOR Departamento de e Economia REGULAMENTO DO 2º CICLO DE ESTUDOS CONDUCENTES AO GRAU DE MESTRE EM ECONOMIA Artigo 1.º Criação A Universidade da Beira Interior, através do Departamento

Leia mais

REGULAMENTO DO COLÉGIO DA ESPECIALIDADE DE URBANISMO

REGULAMENTO DO COLÉGIO DA ESPECIALIDADE DE URBANISMO REGULAMENTO DO COLÉGIO DA ESPECIALIDADE DE URBANISMO PREÂMBULO CAPÍTULO I - DISPOSIÇÕES GERAIS Artigo 1.º Objecto Artigo 2.º Princípios Artigo 3.º Finalidades Artigo 4.º Atribuições Artigo 5.º Relações

Leia mais

Ministério dos Petróleos

Ministério dos Petróleos Ministério dos Petróleos Decreto Executivo nº 197/08 de 16 de Setembro Considerando a necessidade do estabelecimento de disposições relativas ao estatuto das entidades inspectoras das redes e ramais de

Leia mais

ACORDO BÁSICO DE ASSISTÊNCIA TÉCNICA Assinado no Rio de Janeiro, a 29 de dezembro de 1964.

ACORDO BÁSICO DE ASSISTÊNCIA TÉCNICA Assinado no Rio de Janeiro, a 29 de dezembro de 1964. ACORDO BÁSICO DE ASSISTÊNCIA TÉCNICA Assinado no Rio de Janeiro, a 29 de dezembro de 1964. Aprovado pelo Decreto Legislativo nº 11, de 1966. Entrada em vigor (art. 6º, 1º) a 2 de maio de 1966. Promulgado

Leia mais

Regime de constituição e de direitos e deveres das associações de pais e de encarregados de educação Decreto-Lei n.º 372/90 de 27 de Novembro

Regime de constituição e de direitos e deveres das associações de pais e de encarregados de educação Decreto-Lei n.º 372/90 de 27 de Novembro Regime de constituição e de direitos e deveres das associações de pais e de encarregados de educação Decreto-Lei n.º 372/90 de 27 de Novembro A Lei n.º 7/77, de 1 de Fevereiro, bem como a legislação que

Leia mais

REGULAMENTO DO CONSELHO MUNICIPAL DE SAÚDE. (Aprovado na 23ª Reunião Ordinária de Câmara Municipal, realizada em 21 de Novembro de 2001)

REGULAMENTO DO CONSELHO MUNICIPAL DE SAÚDE. (Aprovado na 23ª Reunião Ordinária de Câmara Municipal, realizada em 21 de Novembro de 2001) REGULAMENTO DO CONSELHO MUNICIPAL DE SAÚDE (Aprovado na 23ª Reunião Ordinária de Câmara Municipal, realizada em 21 de Novembro de 2001) REGULAMENTO DO CONSELHO MUNICIPAL DE SAÚDE (Aprovado na 23ª Reunião

Leia mais

Regimento do Conselho Municipal de Educação de Braga

Regimento do Conselho Municipal de Educação de Braga Regimento do Conselho Municipal de Educação de Braga A lei de bases do sistema educativo assume que o sistema educativo se organiza de forma a descentralizar, desconcentrar e diversificar as estruturas

Leia mais