CATÁLOGO TÉCNICO E DE PRODUTOS INFRAESTRUTURA SANEAMENTO ÁGUA E ESGOTO TELEFONIA GÁS

Save this PDF as:
 WORD  PNG  TXT  JPG

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "CATÁLOGO TÉCNICO E DE PRODUTOS INFRAESTRUTURA SANEAMENTO ÁGUA E ESGOTO TELEFONIA GÁS"

Transcrição

1 TÁLOGO TÉNIO E PROUTOS INFRESTRUTUR SNEMENTO ÁGU E ESGOTO TELEFONI GÁS 1

2 mprsa qu mais crscu nos últimos 22 anos no stor. Um dos lídrs na fabricação d tubos conxõs do país. 2

3 Qum somos 3

4 Produtos Qualificados Linhas: sanamnto, tlfonia, gás, irrigação, prdial, létrica gotécnico. São mais d 600 produtos fabricados m conformidad com as normas técnicas vignts. Produtos orr Plastik, qualidad, durabilidad garantia. 4

5 Produtos Qualificados través d um procsso altamnt tcnológico, os tubos conxõs orr Plastik são fabricados com a máxima qualidad, durabilidad rsistência. orr Plastik possui crtificação ISO 9001 participa d todos os programas d garantia d qualidad xistnts para os produtos qu fabrica, tudo isso pla ddicação m ofrcr para nosso consumidor clint smpr um produto d alta qualidad. São ralizadas inspçõs contínuas divrsos tsts amostrais para comprovar as spcificaçõs d cada produto, sgundo sua rspctiva norma técnica vignt. orr Plastik ofrc ao mrcado tubos conxõs d PV Politilno fabricados m conformidad com as normas técnicas vignts para atndr as dmandas dos projtos d rds d colta d sgoto, infrastrutura, gás combustívl, irrigação, instalaçõs prdiais rsidnciais para construção d poços tubulars profundos. qualidad dsts produtos são garantidas através da aplicação d tcnologia quipamntos d última gração, dstinados a garantir o dsmpnho xigidos nos mprndimntos xcutados por mpritiras, construtoras concssionárias d todo país. orr Plastik participa do Programa rasiliro para Qualidad Produtividad do Habitat, ofrcndo ao mrcado produtos com qualidad rconhcida plo Ministério das idads. través d análiss priódicas é vrificado o cumprimnto das spcificaçõs técnicas das normas vignts por part dos fabricants d matriais d construção. Fotos do stoqu linha d produção da unidad orr Plastik/SP. Fotos d procssos d qualidad. Laboratório orr Plastik Sudst. 5

6 fofo P Esgoto oltor Ligação Prdial Tlfonia / Gás

7 UÇÃO ÁGU - LINH FOFO FOFO - NR 7665 scrição Tubos d PV rígido para sistmas d adução distribuição d água, fabricados d acordo com a Norma NT Sistmas para adução distribuição d água - Tubos d PV 12 FOFO com junta lástica aractrísticas Os produtos dsta linha são compostos por tubos d PV rígido com comprimnto total d 6 mtros na cor azul junta lástica nos diâmtros nominais N a N500. Os tubos são dimnsionados para atndr a prssão d srviço d 1,0 Mpa, ou sja, 10 Kgf/cm³, à tmpratura d 25º, incluindo as vntuais sobrprssõs dinâmicas prvistas calculadas para tubulação m carga. plicaçõs stinam-s à aplicação m sistmas d adução distribuição d água à tmpratura ambint, m rds d abastcimnto condominal. São linhas utilizadas por mprsas públicas privadas rsponsávis pla instalação manutnção d rds. São prfitamnt intrcambiávis com tubos conxõs d frro fundido, o qu prmit o acoplamnto das pontas do tubos d PV nas bolsas dos tubos ou conxõs d frro fundido. Junta Elástica linha FOFO da orr Plastik é composta por tubos com junta lástica. O sistma d vdação un a sgurança d uma junta intgrada com a vrsatilidad d um sistma rmovívl para as suas ncssidads m Infrastrutura. Uma das vantagns é a facilidad d aplicação através da junta lástica. Est tipo d vdação foi projtado para facilitar uma possívl substituição do anl, m caso d manutnção, sm opraçõs d alto custo. 7

8 UÇÃO ÁGU - LINH FOFO FOFO - NR 7665 Instruçõs - NR 9822 INSTLÇÃO EM VL a) Srviços d qubra do pavimnto, scavação, prparo rgularização do fundo da vala: 1. scavação da vala dv sr fita d forma qu o ntulho rsultant da qubra do pavimnto ou vntual bas do rvstimnto do solo fiqu afastado da borda da vala, vitando com isso o su uso indvido no nvolvimnto da tubulação. 2. Quando s tratar d solo rochoso (rocha dcomposta, pdras soltas rocha viva), é ncssária a xcução d um brço d aria (isnto d pdras) do, no mínimo, 10 cm sob os tubos. O fundo da vala dv sr uniform, dvndo vitar colos rssaltos. Para tanto, dv-s utilizar aria ou matrial quivalnt. h=10 cm ria Solo Rochoso 3. Quando o funda da vala for constituído d argila saturada, tabatinga ou lodo, sm condiçõs mcânicas mínimas para o assntamnto dos tubos, dv-s xcutar uma bas d cascalho ou d concrto convnintmnt staquada. tubulação sobr tais bass dv sr assntada, apoiada sobr um colchão d aria ou matrial quivalnt. h=10 cm anco d ria as d oncrto ou ascalho b) omprimnto d montagm tabla 1 aprsnta o comprimnto d montagm para os tubos, qu dv sr considrado na laboração d projtos quantificação d matriais, conform NT: 8

9 INFRESTRUTUR FOFO - NR 7665 Instruçõs - NR 9822 c) ssntamnto da tubulação xcução das juntas: 1. O sntido da montagm dv sr, d prfrência, das pontas dos tubos para as bolsas. 2. Na obra não é prmitido aqucimnto dos tubos para conformação d curvas d bolsas ou furos. 3. Utilizar smpr Pasta Lubrificant na junta lástica, pois ólos ou graxas podm danificar o anl d borracha. 4. pós introduzir a ponta chanfrada do tubo no fundo da bolsa, rcuar aproximadamnt 1 cm, a fim d s criar um spaço para prmitir possívis movimntos da tubulação dvido a dilataçõs rcalqus do trrno. Para facilitar st procsso, rcomndas marcar na ponta do tubo a profundidad da bolsa. 5. O acoplamnto dv sr manual, com uso d alavanca (manual, conform figura abaixo) ou com frramnta d tração adquada qu não danifiqu o tubo. Encaix dos tubos por sistma manual 6. tnção! Não s dv utilizar a pá d rtroscavadira para acoplar os tubos. 9

10 UÇÃO ÁGU - LINH FOFO FOFO - NR 7665 Instruçõs - NR s conxõs d junta lástica dvm sr ancoradas, dvndo-s utilizar, para tal, blocos d ancoragm projtados para qu rsistam a vntuais sforços longitudinais transvrsais, sforços sts qu não são absorvidos pla junta lástica. 7. Todos os quipamntos dvm sr ancorados no sntido do pso próprio dos possívis longitudinais, d tal forma qu stas pças trabalhm livrs d sforços ou dformaçõs. d) Srviços d ratrro rcomposição do pavimnto 1. nts da xcução do ratrro, todas as juntas dvrão sr vrificadas quanto à sua stanquidad. s inspçõs dvrão sr fitas, d prfrência, ntr drivaçõs,, no máximo, a cada 500 mtros. 2. Toda tubulação dv sr rcobrta com matrial slcionado (isnto d pdra) plo mnos até 30 cm acima da gratriz suprior do tubo. compactação dv sr fita m camadas sucssivas d 15 cm, sndo qu, até atingir a altura do tubo, a compactação dv sr fita, manualmnt, apnas nas latrais do msmo. 3. O rstant do matrial dv sr lançado m camadas sucssivas d 30 cm compactadas d tal forma qu obtnham o msmo stado do trrno das latrais da vala. 4. Obdcr smpr o indicado no projto nunca utiliz rodas d máquinas na compactação da vala. ompactação final com quipamnto apropriado 30cm ompactação m camadas com 15 cm as: mín cm para fundo trroso mín cm para fundo rochoso 10

11 INFRESTRUTUR FOFO - NR 7665 Instruçõs - NR Quando a profundidad da vala for infrior a 80 cm ou quando a tubulação atravssar ruas com psadas cargas d tráfgo, frrovias, tc, dvrão sr tomadas mdidas spciais d protção dos tubos, ntr las a xcução d canaltas colocando o tubo no su intrior, nvolvido m matrial granular uma tampa d concrto dvidamnt armado (situação ); ou a xcução d uma laja d concrto dvidamnt armado (Situação ). Solo d Ratrro analta d oncrto Laj d oncrto Tubo ria d Envolvimnto Tubo ria d Envolvimnto SITUÇÃO SITUÇÃO 6. Não é rcomndado o nvolvimnto dos tubos d PV com concrto, pois sts podm sofrr rupturas podm atingir o tubo. aso o projtista opt por sta solução, dvrá dimnsionar uma protção d concrto, dotando-o d armadura para garantir o su dsmprnho d viga contínua. Rcomndaçõs Tst d Estanquidad - O tst dv sr ralizado a cada 500 mtros d tubulação com água na tmpratura ambint d 20º. - prssão não dv ultrapassar 1,5 vzs a prssão máxima d srviço do tubo, sndo aplicado durant mais d 1 hora, m hipóts alguma, mais d 24 horas. - v sr vrificada a ancoragm dos tubos conxõs. tubulação dv sr prnchida com água a partir do ponto mais baixo para qu xpuls o ard su intrior após aguardado 24 horas com prssão stática no intrior da tubulação dv-s prssurizar com bomba manual (lntamnt) até atingir a prssão tst. onsumo d Pasta Lubrificant 11

12 UÇÃO ÁGU - LINH FOFO FOFO - NR 7665 TUO FOFO JEI N () 4, ,8 8, ,0 13, ,2 17, , TUO FOFO MIS - 1,6 MP 350 N () 7, ,7 13, ,2 20, , , LUV ORRER FOFO 1 L N () L () 1 () ,5 224, , URV FOFO 90º N () () () 119,5 171,8 223, ,5 235 d () () 4,8 6, ,3 13,1 12

13 INFRESTRUTUR FOFO - NR 7665 URV FOFO 45º N () d 119, ,8 171, , , , , , , , ,3 13,1 330 URV FOFO 22º 30' N () () () 119,5 171,8 223, ,5 235 d () () 4,8 6, ,3 13,1 NEL ORRH FOFO 13

14 ISTRIUIÇÃO ÁGU - LINH P P - NR 5647 scrição Tubos conxõs orr Plastik P Tubos d PV rígido para sistmas ntrrados d distribuição d água potávl, fabricados d acordo com a Norma NR Sistmas para adução distribuição d água - Tubos conxõs d PV-U 6,3 com junta lástica, com diâmtros nominais até N. aractrísticas Sistma composto por tubos d PV com comprimnto total d 6 mtros junta lástica nos diâmtros nominais N 50, N N. Os tubos stão dimnsionados quanto à prssão d srviço com lass 12-6 kgf/cm² (0,6 Mpa), lass 15-7,5 Kgf/cm² (0, Mpa) lass Kgf/cm² (1 Mpa), à tmpratura d 20º. plicaçõs Os tubos conxõs da Linha P orr Plastik são aplicados m sistmas d adução distribuição d água potávl à tmpratura ambint, dstinados a mprsas públicas privadas rsponsávis pla instalação manutnção d rds d abastcimnto, sndo também rcomndados para instalação da rd cntral d abastcimnto m condomínios. Junta Elástica linha orr Plastik P é composta por tubos com junta lástica. O sistma d vdação un a sgurança d uma junta intgrada com a vrsatilidad d um sistma rmovívl para as suas ncssidads m Infrastrutura. aplicação prmit grand facilidad na instalação manutnção d trchos, tornando su manusio uma opração simpls rápida, sm a ncssidad d sistmas complxos durant a xcução. 14

15 INFRESTRUTUR P - NR 5647 Instruçõs - NR 9822 INSTLÇÃO EM VL a) Srviços d qubra do pavimnto, scavação, prparo rgularização do fundo da vala: 1. scavação da vala dv sr fita d forma qu o ntulho rsultant da qubra do pavimnto ou vntual bas do rvstimnto do solo fiqu afastado da borda da vala, vitando com isso o su uso indvido no nvolvimnto da tubulação. 2. Quando s tratar d solo rochoso (rocha dcomposta, pdras soltas rocha viva), é ncssária a xcução d um brço d aria (isnto d pdras) do, no mínimo, 10 cm sob os tubos. O fundo da vala dv sr uniform, dvndo vitar colos rssaltos. Para tanto, dv-s utilizar aria ou matrial quivalnt. h=10 cm ria Solo Rochoso 3. Quando o funda da vala for constituído d argila saturada, tabatinga ou lodo, sm condiçõs mcânicas mínimas para o assntamnto dos tubos, dv-s xcutar uma bas d cascalho ou d concrto convnintmnt staquada. tubulação sobr tais bass dv sr assntada, apoiada sobr um colchão d aria ou matrial quivalnt. h=10 cm anco d ria as d oncrto ou ascalho b) omprimnto d montagm tabla 1 aprsnta o comprimnto d montagm para os tubos, qu dv sr considrado na laboração d projtos quantificação d matriais, conform NT: 50 5,88m 5,85m 5,83m 15

16 ISTRIUIÇÃO ÁGU - LINH P P - NR 5647 Instruçõs - NR 9822 c) ssntamnto da tubulação xcução das juntas: 1. O sntido da montagm dv sr, d prfrência, das pontas dos tubos para as bolsas. 2. Na obra não é prmitido aqucimnto dos tubos para conformação d curvas d bolsas ou furos. 3. Utilizar smpr Pasta Lubrificant na junta lástica, pois ólos ou graxas podm danificar o anl d borracha. 4. pós introduzir a ponta chanfrada do tubo no fundo da bolsa, rcuar aproximadamnt 1 cm, a fim d s criar um spaço para prmitir possívis movimntos da tubulação dvido a dilataçõs rcalqus do trrno. Para facilitar st procsso, rcomnda-s marcar na ponta do tubo a profundidad da bolsa. 5. O acoplamnto dv sr manual, com uso d alavanca (manual, conform figura abaixo) ou com frramnta d tração adquada qu não danifiqu o tubo. 6. tnção! Não s dv utilizar a pá d rtroscavadira para acoplar os tubos. Encaix dos tubos por sistma manual 16

17 INFRESTRUTUR P - NR 5647 Instruçõs - NR s conxõs d junta lástica dvm sr ancoradas, dvndo-s utilizar, para tal, blocos d ancoragm projtados para qu rsistam a vntuais sforços longitudinais transvrsais, sforços sts qu não são absorvidos pla junta lástica. 7. Todos os quipamntos dvm sr ancorados no sntido do pso próprio dos possívis longitudinais, d tal forma qu stas pças trabalhm livrs d sforços ou dformaçõs. d) Srviços d ratrro rcomposição do pavimnto 1. nts da xcução do ratrro, todas as juntas dvrão sr vrificadas quanto à sua stanquidad. s inspçõs dvrão sr fitas, d prfrência, ntr drivaçõs,, no máximo, a cada 500 mtros. 2. Toda tubulação dv sr rcobrta com matrial slcionado (isnto d pdra) plo mnos até 30 cm acima da gratriz suprior do tubo. compactação dv sr fita m camadas sucssivas d 15 cm, sndo qu, até atingir a altura do tubo, a compactação dv sr fita, manualmnt, apnas nas latrais do msmo. 3. O rstant do matrial dv sr lançado m camadas sucssivas d 30 cm compactadas d tal forma qu obtnham o msmo stado do trrno das latrais da vala. 4. Obdcr smpr o indicado no projto nunca utiliz rodas d máquinas na compactação da vala. ompactação final com quipamnto apropriado 30cm ompactação m camadas com 15 cm as: mín cm para fundo trroso mín cm para fundo rochoso 17

18 ISTRIUIÇÃO ÁGU - LINH P P - NR 5647 Instruçõs - NR Quando a profundidad da vala for infrior a 80 cm ou quando a tubulação atravssar ruas com psadas cargas d tráfgo, frrovias, tc, dvrão sr tomadas mdidas spciais d protção dos tubos, ntr las a xcução d canaltas colocando o tubo no su intrior, nvolvido m matrial granular uma tampa d concrto dvidamnt armado (situação ); ou a xcução d uma laja d concrto dvidamnt armado (Situação ). Solo d Ratrro analta d oncrto Laj d oncrto Tubo ria d Envolvimnto Tubo ria d Envolvimnto SITUÇÃO SITUÇÃO 6. Não é rcomndado o nvolvimnto dos tubos d PV com concrto, pois sts podm sofrr rupturas podm atingir o tubo. aso o projtista opt por sta solução, dvrá dimnsionar uma protção d concrto, dotando-o d armadura para garantir o su dsmprnho d viga contínua. Rcomndaçõs Tst d Estanquidad - O tst dv sr ralizado a cada 500 mtros d tubulação com água na tmpratura ambint d 20º. - prssão não dv ultrapassar 1,5 vzs a prssão máxima d srviço do tubo, sndo aplicado durant mais d 1 hora, m hipóts alguma, mais d 24 horas. - v sr vrificada a ancoragm dos tubos conxõs. tubulação dv sr prnchida com água a partir do ponto mais baixo para qu xpuls o ard su intrior após aguardado 24 horas com prssão stática no intrior da tubulação dv-s prssurizar com bomba manual (lntamnt) até atingir a prssão tst. onsumo d Pasta Lubrificant

19 INFRESTRUTUR P - NR 5647 TUO P LSSE 12 / 15 / 20 JEI N / 50 / 60 / 85 / 110 6m 50 / 60 / 85 / lass 12 lass 15 lass 20 2,7 3,3 4,3 3,9 4,7 6,1 5,0 6,1 7,8 P P N / 50 / 60 / 85 / 110 N / 50 / 60 / 85 / ,5 85,5 110,5 63,5 72,9 77,6 81,9 98,5 110,9 OLR TOM P UNIVERSL (3/4" 1/2") x pol 60 x 3/4 85 x 3/4 110 x 3/4 Obs: Todas as mdidas acompanham bucha d rdução d 3/4" x 1/2" d H x pol 60 x 3/4 85 x 3/4 110 x 3/4 H 58, ,5 59, d 3/4 3/4 3/4 50,2 50,2 50 TEE P JE N () 50 85/60 H N () H ,5 85,5 110,5 63,5 72,9 77, / ,5 72,

20 ISTRIUIÇÃO ÁGU - LINH P P - NR 5647 REUÇÃO P x 85 x x x 85 x 85 x x x 85 x 85 x x x ,5 63,5 72,9 60,5 60,5 85, , LUV ORRER P N / 50 / 60 / 85 / 110 L N / 50 / 60 / 85 / ,5 85,5 110,5 L URV P 45º 50* * * *Pças Moldadas L L N () L () () , ,6 224,5 118,1 () 60,5 85,5 110,5 () , * * * *Pças Moldadas ,3 99,6 118,1 60,5 85,5 110,

21 INFRESTRUTUR P - NR 5647 URV P 22º 30' L 50* * * L N () L () () ,5 110 *Pças Moldadas URV P 11º15 50* * * L L1 N () L () () , () () *Pças Moldadas NEL ORRH P 21

22 ESGOTO - LINH OLETOR ESGOTO OLETOR - NR 7362 scrição Linha upla Pard Tubos fabricados d acordo com a norma NR tubos d PV rígido com junta lástica - Sistmas ntrrados para condução d sgoto - Part 1: Rquisitos para Tubos d PV com junta lástica Part 3: Rquisitos para Tubos d PV com upla Pard. Linha oltora Tubos fabricados d acordo com a norma NR tubos d PV rígido com junta lástica - Sistmas ntrrados para condução d sgoto - Part 1: Rquisitos para Tubos d PV com junta lástica Part 2: Rquisitos para Tubos d PV com Pard Maciça. onxõs para oltors d Esgoto onxõs fabricadas conform normas vignts intrcambiávis com as linhas acima com todas as soluçõs m tubos d PV ncontradas no mrcado. aractrísticas Linha upla Pard Linha oltora s três linhas são compostas por tubos d PV na cor ocr, com comprimnto total d 6 mtros, atndndo às xigências normativas da NR plicaçõs Os tubos da linha coltora orr Plastik dstinam-s à aplicação m rds coltoras d sgoto doméstico scoamnto d rsíduos industriais águas pluviais. São as linhas adotadas por mprsas públicas privadas rsponsávis pla instalação manutnção d rds d sgoto público projtos industriais, amplamnt aplicada também m rds d sgoto d condomínios. Junta Elástica linha upla Pard possui sistma d vdação do tipo junta lástica, com anl aplicado plo lado xtrno na ponta do tubo. Os anéis são produzidos m borracha do tipo NR (nitrílica), matéria-prima rsistnt às açõs agrssivas químicas do sgoto, ólos graxas. junta lástica garant total stanquidad xclnt dsmpnho unindo vrsatilidad d um sistma rmovívl para as divrsas ncssidads dos projtos d infrastrutura. linha oltora possui sistma d vdação do tipo junta lástica com anl aplicado na bolsa do tubo. Os anéis são produzidos m borracha do tipo NR (nitrílica). O anl m polipropilno srv para auxiliar no corrto posicionamnto da junta dntro da bolsa, vitando su dslocamnto minimizando riscos d vazamnto. 22

23 INFRESTRUTUR ESGOTO OLETOR - NR 7362 Instruçõs - NR 9822 INSTLÇÃO EM VL a) Srviços d qubra do pavimnto, scavação, prparo rgularização do fundo da vala: 1. scavação da vala dv sr fita d forma qu o ntulho rsultant da qubra do pavimnto ou vntual bas do rvstimnto do solo fiqu afastado da borda da vala, vitando com isso o su uso indvido no nvolvimnto da tubulação. 2. Quando s tratar d solo rochoso (rocha dcomposta, pdras soltas rocha viva), é ncssária a xcução d um brço d aria (isnto d pdras) do, no mínimo, 10 cm sob os tubos. O fundo da vala dv sr uniform, dvndo vitar colos rssaltos. Para tanto, dv-s utilizar aria ou matrial quivalnt. h=10 cm ria Solo Rochoso 3. Quando o funda da vala for constituído d argila saturada, tabatinga ou lodo, sm condiçõs mcânicas mínimas para o assntamnto dos tubos, dv-s xcutar uma bas d cascalho ou d concrto convnintmnt staquada. tubulação sobr tais bass dv sr assntada, apoiada sobr um colchão d aria ou matrial quivalnt. h=10 cm anco d ria as d oncrto ou ascalho b) omprimnto d montagm tabla 1 aprsnta o comprimnto d montagm para os tubos, qu dv sr considrado na laboração d projtos quantificação d matriais, conform NT: 350 5,90m 5,88m 5,86m 5,84m 5,82m 5,78m 5,77m 23

24 ESGOTO - LINH OLETOR ESGOTO OLETOR - NR 7362 Instruçõs - NR 9822 c) ssntamnto da tubulação xcução das juntas: 1. O sntido da montagm dv sr, d prfrência, das pontas dos tubos para as bolsas. 2. Na obra não é prmitido aqucimnto dos tubos para conformação d curvas d bolsas ou furos. 3. Utilizar smpr Pasta Lubrificant na junta lástica, pois ólos ou graxas podm danificar o anl d borracha. 4. pós introduzir a ponta chanfrada do tubo no fundo da bolsa, rcuar aproximadamnt 1 cm, a fim d s criar um spaço para prmitir possívis movimntos da tubulação dvido a dilataçõs rcalqus do trrno. Para facilitar st procsso, rcomnda-s marcar na ponta do tubo a profundidad da bolsa. 5. O acoplamnto dv sr manual, com uso d alavanca (manual, conform figura abaixo) ou com frramnta d tração adquada qu não danifiqu o tubo. 6. tnção! Não s dv utilizar a pá d rtroscavadira para acoplar os tubos. Encaix dos tubos por sistma manual 24

25 INFRESTRUTUR ESGOTO OLETOR - NR 7362 Instruçõs - NR s conxõs d junta lástica dvm sr ancoradas, dvndo-s utilizar, para tal, blocos d ancoragm projtados para qu rsistam a vntuais sforços longitudinais transvrsais, sforços sts qu não são absorvidos pla junta lástica. 7. Todos os quipamntos dvm sr ancorados no sntido do pso próprio dos possívis longitudinais, d tal forma qu stas pças trabalhm livrs d sforços ou dformaçõs. d) Srviços d ratrro rcomposição do pavimnto 1. nts da xcução do ratrro, todas as juntas dvrão sr vrificadas quanto à sua stanquidad. s inspçõs dvrão sr fitas, d prfrência, ntr drivaçõs,, no máximo, a cada 500 mtros. 2. Toda tubulação dv sr rcobrta com matrial slcionado (isnto d pdra) plo mnos até 30 cm acima da gratriz suprior do tubo. compactação dv sr fita m camadas sucssivas d 15 cm, sndo qu, até atingir a altura do tubo, a compactação dv sr fita, manualmnt, apnas nas latrais do msmo. 3. O rstant do matrial dv sr lançado m camadas sucssivas d 30 cm compactadas d tal forma qu obtnham o msmo stado do trrno das latrais da vala. 4. Obdcr smpr o indicado no projto nunca utiliz rodas d máquinas na compactação da vala. ompactação final com quipamnto apropriado 30cm ompactação m camadas com 15 cm as: mín cm para fundo trroso mín cm para fundo rochoso 25

26 ESGOTO - LINH OLETOR ESGOTO OLETOR - NR 7362 Instruçõs - NR s conxõs d junta lástica dvm sr ancoradas, dvndo-s utilizar, para tal, blocos d ancoragm projtados para qu rsistam a vntuais sforços longitudinais transvrsais, sforços sts qu não são absorvidos pla junta lástica. 7. Todos os quipamntos dvm sr ancorados no sntido do pso próprio dos possívis longitudinais, d tal forma qu stas pças trabalhm livrs d sforços ou dformaçõs. d) Srviços d ratrro rcomposição do pavimnto 1. nts da xcução do ratrro, todas as juntas dvrão sr vrificadas quanto à sua stanquidad. s inspçõs dvrão sr fitas, d prfrência, ntr drivaçõs,, no máximo, a cada 500 mtros. 2. Toda tubulação dv sr rcobrta com matrial slcionado (isnto d pdra) plo mnos até 30 cm acima da gratriz suprior do tubo. compactação dv sr fita m camadas sucssivas d 15 cm, sndo qu, até atingir a altura do tubo, a compactação dv sr fita, manualmnt, apnas nas latrais do msmo. 3. O rstant do matrial dv sr lançado m camadas sucssivas d 30 cm compactadas d tal forma qu obtnham o msmo stado do trrno das latrais da vala. 4. Obdcr smpr o indicado no projto nunca utiliz rodas d máquinas na compactação da vala. ompactação final com quipamnto apropriado 30cm ompactação m camadas com 15 cm as: mín cm para fundo trroso mín cm para fundo rochoso 26

27 INFRESTRUTUR ESGOTO OLETOR - NR 7362 TUO OLETOR ESGOTO ORRUGO 6 m N () ,6 185,2 231,5 291,2 369, TUO OLETOR ESGOTO JEI *TMÉM FORNEIO OM JERI 6 m N () 2, ,8 3,6 65 4,5 90 6, , , , TUO ESGOTO PRESSURIZO JEI 6 m N () 4, ,8 8, ,0 13, , , , TUO ESGOTO 1,6 MP PRESSURIZO JEI 6 m N () 7, ,7 13, ,2 20, , ,

28 ESGOTO - LINH OLETOR ESGOTO OLETOR - NR NR PTOR T ERÂMIO Rsina aria (rvstimnto intrno) 135, PTOR T x ORRUGO P MISTO 194, , , PTOR T x ESGOTO , ,2 165, , ,2 P OLETOR ESGOTO , , ,8 160, ,5 103,3 230,6 92, ,

29 INFRESTRUTUR ESGOTO OLETOR - NR NR URV URT OLETOR ESGOTO 45º URV URT OLETOR ESGOTO 90º R ,5 152,5 URV LONG OLETOR ESGOTO 45º , , , , , , , ,5 617 R URV LONG OLETOR ESGOTO 90º R R , ,4 376, ,7 457, , , ,5 102,8 890, , , ,

30 ESGOTO - LINH OLETOR ESGOTO OLETOR - NR NR URV LONG OLETOR ESGOTO 22º 30 ** ** 350** ** * PEÇS MOLS ** ISPONÍVEIS SO ONSULT JOELHO OLETOR ESGOTO 45º I I 60,5 110, ,8 201,5 251, JOELHO OLETOR ESGOTO 90º I I 60,5 110, ,8 201,5 251, JUNÇÃO OLETOR ESGOTO x 125 x 125 x x x x 350 x 350 x , , , ,

31 INFRESTRUTUR ESGOTO OLETOR - NR NR JUNÇÃO OLETOR ESGOTO REUÇÃO d x ,6 d x x ,8,8 x x x x ,5 x ,5 x ,5 x ,5 x x x x x LUV ORRER OLETOR ESGOTO JE / JEI , , ,5 230,6 310, , ,8,8 REUÇÃO EXÊNTRI OLETOR ESGOTO d x x x x d 2, ,4 333, ,6 209, ,5 359,8 149,6 SEL OLETOR 45º SEM TRVS x ,5 31

32 ESGOTO - LINH OLETOR ESGOTO OLETOR - NR NR SEL OLETOR 90º SEM TRVS d x x x x x x x x 350 x x d , ,2 110, ,4,1 323, ,2 160,6 255, ,4 110, , , , , , , ,6 110, ,4 110,4 SELIM OLETOR ESGOTO OM TRV 90º x x x x H d 144,5 110,4 160 d 55 SELIM OMPTO x x F 144, ,5 105,2 TEE OLETOR ESGOTO INJ x x x x H ,1 110,

33 INFRESTRUTUR ESGOTO OLETOR - NR NR TEE OLETOR ESGOTO b x H b x 342, ,5 171,4 62 x 425,5,5 212,7 x , x ,5 372, x x H TEE REUÇÃO OLETOR ESGOTO b x * H d x b d H x 292, ,5 110,5 152,1 x ,5 245 x 385,5 62,5 160,6 190,5 x ,5 245 x ,8 160,6 240 x ,8 2 x ,5 110,5 305 x ,7 160,6 269 x ,5,8 330 x , x , x , x ,8 340 x ,5 320 x ,6 330 x ,5 480 TIL LIGÇÃO PREIL R r H ,5 180,3 110,4 132,9 166,7 d1 101,6 ESSÓRIOS NEL ORRH OLETOR ESGOTO ORRUGO NEL ORRH OLETOR ESGOTO NEL ORRH PR SELIM ORRUGO NEL ORRH PR SELIM 33

34 LIGÇÃO PREIL LIGÇÃO PREIL PR RML - NR 8417 scrição Os Tubos para ligação prdial são fabricados m politilno na cor prta, atndndo a sguint Norma: NR Sistmas d ramais prdiais d água - Tubos d Politilno PE - Rquisitos (spcificaçõs para tubos na cor Prta). aractrísticas Esta linha é composta por tubos d politilno PE com comprimntos comrciais d 50 mtros, nos diâmtros d Os tubos stão dimnsionados m suas spssuras d pards m rlação à prssão d srviço d 1 Mpa, fabricados com composto d politilno PE 80, a 30º. plicaçõs Os tubos são dstinados à instalação d sistmas para ligação dos ramais prdiais d água, trcho comprndido ntr o ponto d drivação da rd d distribuição d água o kit cavalt (ou unidad d mdição control) d uma rsidência. É a linha adotada por mprsas públicas privadas rsponsávis pla instalação manutnção dst sistma. Podm também sr aplicadas m rds d ramais prdiais d condomínios. 34

35 INFRESTRUTUR LIGÇÃO PREIL PR RML - NR 8417 UTO PE PN 4 / 6 / 8 / 10 / 12 / 14 / 16 PE 80 PN 4 PN 5 PN 6 PN 8 PN 10 PN 12,5 PN 16 PE PN 5 SR 32,25 SR 26 SR 21 SR 17 SR 13,6 SR 11 SR 9 PN 6 PN 8 PN 10 PN 12,5 PN ,3 2,5 3,0 3,8 4,7 5,8 7,0 2,4 2,9 3,6 4,5 5,6 6,9 8,4 90 2,8 3,5 4,3 5,4 6,7 8,2 10, ,5 4,3 5,3 6,6 8,2 10,0 12, ,9 4,9 6,0 7,5 9,3 11,4 13, ,4 5,4 6,7 8,3 10,4 12,8 15, ,0 6,2 7,7 9,5 11,9 14,6 17, ,6 7,0 8,6 10,7 13,4 16,4 20,0 6,2 7,7 9,6 11,9 14,6 18,2 23, ,0 8,7 10,8 13,4 16,7 20,5 25,0 7,8 9,7 11,9 14,9 18,6 22,8 27,8 - TUO PR LIGÇÃO PREIL PE ,3 3,0 35

36 TELEFONI E GÁS TELEFONI / GÁS - NR scrição Tlfonia linha Tlfonia é fabricada m PV rígido na cor branca, atndndo os rquisitos da Norma NR Gás rd d gás é fabricada m PE na cor amarla, atndndo as dfiniçõs da Norma NR aractrísticas Tlfonia Esta linha é composta por tubos conxõs d PV PE nos diâmtros d 32. Rds d gás omposta por tubos d PE 80 ou PE, nos diâmtros d 20 a. plicaçõs Tlfonia Os tubos são dstinados à instalação d sistmas para ligação d sistmas tlfônicos, trcho comprndido ntr o ponto d drivação da rd tlfônica a rsidência. Uma linha adotada por mprsas públicas privadas rsponsávis pla instalação manutnção dst sistma. Podm também sr aplicadas m ramais prdiais d condomínios. Gás Os tubos são dstinados à instalação d sistmas d gás m rsidências ntr o ponto d drivação da rd o intrior da rsidência. Uma linha adotada por mprsas públicas privadas rsponsávis pla instalação manutnção dst sistma. Podm também sr aplicadas m ramais prdiais d condomínios. 36

37 INFRESTRUTUR TELEFONI / GÁS - NR UTO TEL LSSE / lass lass 2,4 1,8 2,4 1,8 6 m UTO LIGHT 132 2, ,2 6 m UTO PE (cm) ,8 6 / 12 / 4,5 90 5, , , , , ,7 11,9 6 / 12 / 6 / 12 / 6 / 12 / 6 / 12 / 6 / 12 6 / 12 6 / 12 6 / 12 SUUTO PE () (m) ,0 3, ,7 1 37

38 TELEFONI E GÁS TELEFONI / GÁS - NR URV 90º LSSE /,5 lass 2,4 1,8 lass 2,4 1,8 URV 45º LSSE /, R lass lass R,5 2,4 1,8 2,4 1,8 OL TEL ,4 2, lass 2,4 1,8 lass 2,4 1,8 38

39 INFRESTRUTUR TELEFONI / GÁS - NR LUV LIGHT ,0 2, , ,5 2,5 TUOS PR RES SR 32,25 SR 26 SR 21 SR 17 SR 13,6 SR 11 SR 9 PE 80 PN 4 PN 5 PN 6 PN 8 PN 10 PN 12,5 PN 16 PE PN 5 PN 6 PN 8 PN 10 PN 12,5 PN , ,3 2, ,4 3,0 3, ,4 3,0 3,7 4,5 50-2,3 2,4 3,0 3,7 4,6 5,6 63 2,3-2,5 3,0 3,8 4,7 5,8 7,0 2,4 2,9 3,6 4,5 5,6 6,9 8,4 90 2,8 3,5 4,6 5,4 6,7 8,2 10, ,5 4,3 5,3 6,6 8,2 10,0 12, ,9 4,9 6,0 7,5 9,3 11,4 13, ,4 5,4 6,7 8,3 10,4 12,8 15, ,0 6,2 7,7 9,5 11,9 14,6 17, ,6 7,0 8,6 10,7 13,4 16,4 20,0 6,2 7,7 9,6 11,9 14,9 18,2 22, ,0 8,7 10,8 13,4 16,7 20,5 25,0 7,8 9,7 11,9 14,9 18,6 22,8 27,8 OSERVÇÃO: Nos rsrvamos o dirito, a nosso critério, d altrar /ou modi car informaçõs dst catálogo gral d produtos a qualqur momnto, sm aviso prévio, salvo indicação m contrário, as altraçõs ntrarão m vigor imdiatamnt após sua publicação; portanto, vri qu s houv altração das informaçõs priodicamnt. 39

40 40 JULHO / 2014

CATÁLOGO TÉCNICO E DE PRODUTOS IRRIGAÇÃO IRRIGAÇÃO GEOTÉCNICO

CATÁLOGO TÉCNICO E DE PRODUTOS IRRIGAÇÃO IRRIGAÇÃO GEOTÉCNICO CTÁLOGO TÉCNICO E E PROUTOS IRRIGÇÃO IRRIGÇÃO GEOTÉCNICO 1 mprsa qu mais crscu nos últimos 22 anos no stor. Um dos lídrs na fabricação d tubos conxõs do país. 2 3 Produtos Qualificados Linhas: sanamnto,

Leia mais

F o l e s S a n f o n a d o s

F o l e s S a n f o n a d o s Fols Sanfonados Protção individualmnt sob mdida sanfonada por sanfonada A protção prfita para o homm para a máquina. A Hnnig projta produz fols sanfonados para máquinasfrramnta há mais d 50 anos. Hoj a

Leia mais

MÓDULO 4 4.8.1 - PROCEDIMENTOS DE TESTES DE ESTANQUEIDADE PARA LINHAS DE ÁGUA, ESGOTO E OUTROS LÍQUIDOS

MÓDULO 4 4.8.1 - PROCEDIMENTOS DE TESTES DE ESTANQUEIDADE PARA LINHAS DE ÁGUA, ESGOTO E OUTROS LÍQUIDOS MÓDULO 4 4.8.1 - PROCEDIMENTOS DE TESTES DE ESTANQUEIDADE PARA LINHAS DE ÁGUA, ESGOTO E OUTROS LÍQUIDOS Normas Aplicávis - NBR 15.950 Sistmas para Distribuição d Água Esgoto sob prssão Tubos d politilno

Leia mais

NR-35 TRABALHO EM ALTURA

NR-35 TRABALHO EM ALTURA Sgurança Saúd do Trabalho ao su alcanc! NR-35 TRABALHO EM ALTURA PREVENÇÃO Esta é a palavra do dia. TODOS OS DIAS! PRECAUÇÃO: Ato ou fito d prvnir ou d s prvnir; A ação d vitar ou diminuir os riscos através

Leia mais

RETIFICAÇÃO DO EDITAL DE PREGÃO PRESENCIAL Nº. 015/2013 REGISTRO DE PREÇOS

RETIFICAÇÃO DO EDITAL DE PREGÃO PRESENCIAL Nº. 015/2013 REGISTRO DE PREÇOS Fundo Municipal Sd cr Saúd ta- Comissão ria dprmannt Sa d RETIFICAÇÃO DO EDITAL DE PREGÃO PRESENCIAL Nº. 015/2013 REGISTRO DE PREÇOS OBJETO: Aquisição d Kit HIV Hpatit (Rgistro d Prços). RETIFICA-SE através

Leia mais

Catálogo M2404. PowerTrap. Série GP Série GT. Bomba Mecânica e Purgador Bomba

Catálogo M2404. PowerTrap. Série GP Série GT. Bomba Mecânica e Purgador Bomba Catálogo M404 PowrTrap Mcânica Séri GP Séri GT Rcupração ficaz do Mlhora a ficiência da planta Aumnto da produtividad qualidad dos produtos são, alguns dos bnfícios da drnagm rcupração do, além d rduzir

Leia mais

OAB 1ª FASE RETA FINAL Disciplina: Direito Administrativo MATERIAL DE APOIO

OAB 1ª FASE RETA FINAL Disciplina: Direito Administrativo MATERIAL DE APOIO I. PRINCÍPIOS: 1. Suprmacia do Intrss Público sobr o Particular Em sndo a finalidad única do Estado o bm comum, m um vntual confronto ntr um intrss individual o intrss coltivo dv prvalcr o sgundo. 2. Indisponibilidad

Leia mais

Empresa Elétrica Bragantina S.A

Empresa Elétrica Bragantina S.A Emprsa Elétrica Bragantina S.A Programa Anual d Psquisa Dsnvolvimnto - P&D Ciclo 2006-2007 COMUNICADO 002/2007 A Emprsa Elétrica Bragantina S.A, concssionária d srviço público d distribuição d nrgia létrica,

Leia mais

PRODUTOS GERDAU PARA PAREDES DE CONCRETO

PRODUTOS GERDAU PARA PAREDES DE CONCRETO PRODUTOS GERDAU PARA PAREDES DE CONCRETO SISTEMA CONSTRUTIVO PAREDES DE CONCRETO NBR60 PAREDES DE CONCRETO Sistma construtivo m qu as lajs as pards são moldadas m conjunto, formando um lmnto monolítico.

Leia mais

Vinilfort 1. CARACTERÍSTICAS TÉCNICAS: 2. BENEFÍCIOS: Função: Transporte de esgoto sanitário em redes coletoras;

Vinilfort 1. CARACTERÍSTICAS TÉCNICAS: 2. BENEFÍCIOS: Função: Transporte de esgoto sanitário em redes coletoras; Vinilfort Localização no Website Tigre: Obra Infra-estrutura Saneamento Esgoto VINILFORT Função: Transporte de esgoto sanitário em redes coletoras; Aplicações: Ligações prediais, redes coletoras, interceptores

Leia mais

Lei nº 7998/90. Pós MP nº 665/14 Vigência 60 dias após a data da publicação Art. 2ºB Revogado Art. 2ºB Revogado Art. 2ºB Revogado

Lei nº 7998/90. Pós MP nº 665/14 Vigência 60 dias após a data da publicação Art. 2ºB Revogado Art. 2ºB Revogado Art. 2ºB Revogado Ants da MP nº 665/14 Art. 2o-B. Em carátr xcpcional plo prazo d sis mss, os trabalhadors qu stjam m situação d dsmprgo involuntário plo príodo comprndido ntr doz dzoito mss, inintrruptos, qu já tnham sido

Leia mais

CAPÍTULO 06 ESTUDOS DE FILAS EM INTERSEÇÕES NÃO SEMAFORIZADAS

CAPÍTULO 06 ESTUDOS DE FILAS EM INTERSEÇÕES NÃO SEMAFORIZADAS APÍTULO 06 ESTUDOS DE FILAS EM INTERSEÇÕES NÃO SEMAFORIZADAS As filas m intrsçõs não smaforizadas ocorrm dvido aos movimntos não prioritários. O tmpo ncssário para ralização da manobra dpnd d inúmros fators,

Leia mais

TECNOLOGIA DE INFORMAÇÃO

TECNOLOGIA DE INFORMAÇÃO FUNDAÇÃO EDUCACIONAL DE ALÉM PARAÍBA INSTITUTO SUPERIOR DE EDUCAÇÃO NAIR FORTES ABU-MERHY TECNOLOGIA DE INFORMAÇÃO PLANEJAMENTO DO PARQUE TECNOLÓGICO 2011-2013 Tcnologia d Informação - FEAP 1 - Rlação

Leia mais

Vedação. Climatécnica CONJUNTOS DE GRELHA E FILTRO LINHA PFA 10.000 - IV GERAÇÃO. em poliuretano

Vedação. Climatécnica CONJUNTOS DE GRELHA E FILTRO LINHA PFA 10.000 - IV GERAÇÃO. em poliuretano Climatécnica CONJUNTOS DE GRELHA E FILTRO LINHA PFA 10.000 - IV GERAÇÃO SISTEMA DE PROTEÇÃO INSTALAÇÃO RÁPIDA INSTALAÇÃO SEM USAR FERRAMENTA Corpo injtado m trmoplástico auto-xtinguívl (UL94V0). progrssivo

Leia mais

EMPRESA ESTRUTURA. Com diversificado, a Tubonasa possui uma sólida infraestrutura seguindo padrões internacionais de armazenagem e manuseio.

EMPRESA ESTRUTURA. Com diversificado, a Tubonasa possui uma sólida infraestrutura seguindo padrões internacionais de armazenagem e manuseio. EMPRES Tubonasa ços é uma organização prsnt há mais d anos no mrcado, é pionira m su sgmnto d distribuição d tubos m aço carbono, quadrados, rtangulars rdondos; m suas mais divrsas normas, para as mais

Leia mais

ÍNDICE VINILFORT E VINILFORT ULTRA

ÍNDICE VINILFORT E VINILFORT ULTRA ÍNICE VINILFORT E VINILFORT ULTRA Características da Linha Vinilfort Itens da Linha Vinilfort Características da Linha Vinilfort Ultra Itens da Linha Vinilfort Ultra Instruções Gerais Tabelas de Perda

Leia mais

AII. ANEXO II COEFICIENTE DE CONDUTIBILIDADE TÉRMICA IN-SITU

AII. ANEXO II COEFICIENTE DE CONDUTIBILIDADE TÉRMICA IN-SITU ANEXO II Coficint d Condutibilidad Térmica In-Situ AII. ANEXO II COEFICIENTE DE CONDUTIBILIDADE TÉRMICA IN-SITU AII.1. JUSTIFICAÇÃO O conhcimnto da rsistência térmica ral dos componnts da nvolvnt do difício

Leia mais

POLÍTICA DA QUALIDADE

POLÍTICA DA QUALIDADE TUBOS E CONEXÕES PD N BR 1 5561 POLI ERG POL GP10 0BK PEA IERG D NB PE 1 00 D R 15 PEA 561 D NB R 15 E 45 0 PN GP10 561 0BK GP1 10 Á GUA PE 1 00B 00 D K PE E 45 100 0 PN DE 4 10 E 50 P SGOT O N 10 ÁGU

Leia mais

Experiência n 2 1. Levantamento da Curva Característica da Bomba Centrífuga Radial HERO

Experiência n 2 1. Levantamento da Curva Característica da Bomba Centrífuga Radial HERO 8 Expriência n 1 Lvantamnto da Curva Caractrística da Bomba Cntrífuga Radial HERO 1. Objtivo: A prsnt xpriência tm por objtivo a familiarização do aluno com o lvantamnto d uma CCB (Curva Caractrística

Leia mais

Desse modo, podemos dizer que as forças que atuam sobre a partícula que forma o pêndulo simples são P 1, P 2 e T.

Desse modo, podemos dizer que as forças que atuam sobre a partícula que forma o pêndulo simples são P 1, P 2 e T. Pêndulo Simpls Um corpo suspnso por um fio, afastado da posição d quilíbrio sobr a linha vrtical qu passa plo ponto d suspnsão, abandonado, oscila. O corpo o fio formam o objto qu chamamos d pêndulo. Vamos

Leia mais

PLUGUES E TOMADAS. Padrão NBR 14.136. Painel Setorial INMETRO 11 abr 2006

PLUGUES E TOMADAS. Padrão NBR 14.136. Painel Setorial INMETRO 11 abr 2006 PLUGUES E TOMADAS Padrão NBR 14.136 Painl Storial INMETRO 11 abr 2006 1 NBR para (P&T) 2 ABNT NBR NM 60884-1 tomadas para uso doméstico análogo Part 1: Rquisitos grais - Fixa as condiçõs xigívis para P&T

Leia mais

Custos e despesas total. Número de. de pessoal. empresas ativas

Custos e despesas total. Número de. de pessoal. empresas ativas Tabla 1.7 - Estrutura dos custos dspsas s mprsas industriais com 5 ou mais pssoas ocupas, sgundo as divisõs os grupos d ativids - Brasil - 2012 Unid d invstigação: Emprsa (continua) Divisõs grupos d ativids

Leia mais

uma estrutura convencional. Desta forma, o desempenho de um sistema estrutural está diretamente relacionado com o desempenho de suas ligações.

uma estrutura convencional. Desta forma, o desempenho de um sistema estrutural está diretamente relacionado com o desempenho de suas ligações. ISSN 1809-5860 ESTUDO DE UMA LIGAÇÃO VIGA-PILAR UTILIZADA EM GALPÕES DE CONCRETO PRÉ- MOLDADO Anamaria Malachini Miotto 1 & Mounir Khalil El Dbs 2 Rsumo Em gral, as ligaçõs ntr lmntos pré-moldados d concrto

Leia mais

PSICROMETRIA 1. É a quantificação do vapor d água no ar de um ambiente, aberto ou fechado.

PSICROMETRIA 1. É a quantificação do vapor d água no ar de um ambiente, aberto ou fechado. PSICROMETRIA 1 1. O QUE É? É a quantificação do vapor d água no ar d um ambint, abrto ou fchado. 2. PARA QUE SERVE? A importância da quantificação da umidad atmosférica pod sr prcbida quando s qur, dntr

Leia mais

PROGRAMA DE REESTRUTURAÇÃO DA UNIDADE

PROGRAMA DE REESTRUTURAÇÃO DA UNIDADE Campus d Ilha Soltira PROGRAMA DE REESTRUTURAÇÃO DA UNIDADE Aos dz (10) dias do mês d stmbro (09) do ano d dois mil doz (2012), na Sala d Runiõs da Congrgação, as parts abaio nomadas tomaram ciência do

Leia mais

Catálogo de Perfis Padronizados

Catálogo de Perfis Padronizados Extrusão Gral Catálogo d Prfis P Shaping a lightr futur Frramntaria Estoqu d tarugos rfis Introdução SP no Mundo Fundada m 1963 na Suécia, a Sapa iniciou suas atividads a partir do zro s transformou, m

Leia mais

PLANTA DE ARQUITETURA LEGÍTIMO VILA FORMOSA OPÇÃO 3 DORM E COZINHA FECHADA FINAIS 2 e 3

PLANTA DE ARQUITETURA LEGÍTIMO VILA FORMOSA OPÇÃO 3 DORM E COZINHA FECHADA FINAIS 2 e 3 PLANTA D ARQUITTURA OPÇÃO 3 DORM COZINHA FCHADA DTALH PILAR APTO. FINAL 3 COZINHA COZINHA TRRAÇO SRVIÇO BANHO 2 DORMITÓRIO 2 SALA D JANTAR SALA D JANTAR CIRCULAÇÃO BANHO 1 SALA D STAR DORMITÓRIO 1 SUÍT

Leia mais

Válvula Condicionadora de Vapor Tipo DUP. e válvula de controle de água de resfriamento

Válvula Condicionadora de Vapor Tipo DUP. e válvula de controle de água de resfriamento Válvula Condicionadora d Vapor Tipo DUP válvula d control d água d rsfriamnto Aplicação: Válvula Condicionadora d Vapor para Cntrais Elétricas Procssos Industriais combinada numa unidad com válvula d control

Leia mais

Dinâmica Longitudinal do Veículo

Dinâmica Longitudinal do Veículo Dinâmica Longitudinal do Vículo 1. Introdução A dinâmica longitudinal do vículo aborda a aclração frnagm do vículo, movndo-s m linha rta. Srão aqui usados os sistmas d coordnadas indicados na figura 1.

Leia mais

SISTEMA DE PONTO FLUTUANTE

SISTEMA DE PONTO FLUTUANTE Lógica Matmática Computacional - Sistma d Ponto Flutuant SISTEM DE PONTO FLUTUNTE s máquinas utilizam a sguint normalização para rprsntação dos númros: 1d dn * B ± 0d L ond 0 di (B 1), para i = 1,,, n,

Leia mais

PROCEDIMENTO DE MEDIÇÃO DE ILUMINÂNCIA DE EXTERIORES

PROCEDIMENTO DE MEDIÇÃO DE ILUMINÂNCIA DE EXTERIORES PROCEDIMENTO DE MEDIÇÃO DE ILUMINÂNCIA DE EXTERIORES Rodrigo Sousa Frrira 1, João Paulo Viira Bonifácio 1, Daian Rznd Carrijo 1, Marcos Frnando Mnzs Villa 1, Clarissa Valadars Machado 1, Sbastião Camargo

Leia mais

Introdução. uniformização de cargas. uniformização de cargas. uniformização de cargas ALVENARIA ESTRUTURAL COM BLOCOS DE CONCRETO.

Introdução. uniformização de cargas. uniformização de cargas. uniformização de cargas ALVENARIA ESTRUTURAL COM BLOCOS DE CONCRETO. ALVENARIA ESTRUTURAL COM BLOCOS DE CONCRETO - Estrutura - Engnhiro Civil - Ph.D. (85)3244-3939 (85)9982-4969 luisalbrto1@trra.com.br Introdução projto xcução basados m normas técnicas, psquisa prática

Leia mais

Em cada ciclo, o sistema retorna ao estado inicial: U = 0. Então, quantidade de energia W, cedida, por trabalho, à vizinhança, pode ser escrita:

Em cada ciclo, o sistema retorna ao estado inicial: U = 0. Então, quantidade de energia W, cedida, por trabalho, à vizinhança, pode ser escrita: Máquinas Térmicas Para qu um dado sistma raliz um procsso cíclico no qual rtira crta quantidad d nrgia, por calor, d um rsrvatório térmico cd, por trabalho, outra quantidad d nrgia à vizinhança, são ncssários

Leia mais

INSTRUÇÕES MANUAL DE. Conheça nossos outros produtos. AQUECEDOR A GÁS Modelos: Scaldare

INSTRUÇÕES MANUAL DE. Conheça nossos outros produtos. AQUECEDOR A GÁS Modelos: Scaldare Conhça nossos outros produtos * Fogõs a gás * Fogõs a lnha * Fogõs industriais * Cooktops * Fornos létricos * Fornos d mbutir * Frigobars * Frzrs * Climatizadoras d vinho * Expositora d crvjas bbidas *

Leia mais

6. Moeda, Preços e Taxa de Câmbio no Longo Prazo

6. Moeda, Preços e Taxa de Câmbio no Longo Prazo 6. Moda, Prços Taxa d Câmbio no Longo Prazo 6. Moda, Prços Taxa d Câmbio no Longo Prazo 6.1. Introdução 6.3. Taxas d Câmbio ominais Rais 6.4. O Princípio da Paridad dos Podrs d Compra Burda & Wyplosz,

Leia mais

EMPRESA BRASILEIRA DE TELECOMUNICAÇÕES S.A - EMBRATEL

EMPRESA BRASILEIRA DE TELECOMUNICAÇÕES S.A - EMBRATEL EMPRESA BRASILEIRA DE TELECOMUNICAÇÕES S.A - EMBRATEL PLANO ALTERNATIVO DE SERVIÇO N o 001 - EMBRATEL 1. APLICAÇÃO Est Plano d Srviço ofrc ao usuário do Srviço d Tlfonia Fixa Comutada, a possibilidad d

Leia mais

OFICINA 9-2ºSementre / MATEMÁTICA 3ª SÉRIE / QUESTÕES TIPENEM Professores: Edu Vicente / Gabriela / Ulício

OFICINA 9-2ºSementre / MATEMÁTICA 3ª SÉRIE / QUESTÕES TIPENEM Professores: Edu Vicente / Gabriela / Ulício OFICINA 9-2ºSmntr / MATEMÁTICA 3ª SÉRIE / QUESTÕES TIPENEM Profssors: Edu Vicnt / Gabrila / Ulício 1. (Enm 2012) As curvas d ofrta d dmanda d um produto rprsntam, rspctivamnt, as quantidads qu vnddors

Leia mais

Curso de Engenharia Mecânica Disciplina: Física 2 Nota: Rubrica. Coordenador Professor: Rudson R Alves Aluno:

Curso de Engenharia Mecânica Disciplina: Física 2 Nota: Rubrica. Coordenador Professor: Rudson R Alves Aluno: Curso d Engnharia Mcânica Disciplina: Física 2 Nota: Rubrica Coordnador Profssor: Rudson R Alvs Aluno: Turma: EA3N Smstr: 1 sm/2017 Data: 20/04/2017 Avaliação: 1 a Prova Valor: 10,0 p tos INSTRUÇÕES DA

Leia mais

ASSUNTO Nº 4 POLARIDADE INSTANTÂNEA DE TRANSFORMADORES

ASSUNTO Nº 4 POLARIDADE INSTANTÂNEA DE TRANSFORMADORES ASSUNTO Nº 4 POLARIDADE INSTANTÂNEA DE TRANSFORMADORES 17 As associaçõs d pilhas ou batrias m séri ou parallo xigm o domínio d suas rspctivas polaridads, tnsõs corrnts. ALGUMAS SITUAÇÕES CLÁSSICAS (pilhas

Leia mais

Planificação :: TIC - 8.º Ano :: 15/16

Planificação :: TIC - 8.º Ano :: 15/16 AGRUPAMENTO DE ESCOLAS DE SÃO PEDRO DA COVA Escola Básica d São Pdro da Cova Planificação :: TIC - 8.º Ano :: 5/6.- Exploração d ambints computacionais Criação d um produto original d forma colaborativa

Leia mais

No N r o m r a m s a?

No N r o m r a m s a? Normas? EM ALGUMA CERÂMICA... NORMAS? O qu tnho a vr com isso? VENDAS NORMAS??? O qu é isso?...um clint dixou d fchar o pdido porqu o bloco não stava dntro das NORMAS... Grnt Produção...Uma carga d Blocos

Leia mais

Augusto Massashi Horiguti. Doutor em Ciências pelo IFUSP Professor do CEFET-SP. Palavras-chave: Período; pêndulo simples; ângulos pequenos.

Augusto Massashi Horiguti. Doutor em Ciências pelo IFUSP Professor do CEFET-SP. Palavras-chave: Período; pêndulo simples; ângulos pequenos. DETERMNAÇÃO DA EQUAÇÃO GERAL DO PERÍODO DO PÊNDULO SMPLES Doutor m Ciências plo FUSP Profssor do CEFET-SP Est trabalho aprsnta uma rvisão do problma do pêndulo simpls com a dmonstração da quação do príodo

Leia mais

FAQ DEM/ Esta é uma. Estímulo 2012? Assim, não. Fundo. R: 1. Após tenha

FAQ DEM/ Esta é uma. Estímulo 2012? Assim, não. Fundo. R: 1. Após tenha Esta é uma Mdida só para 2012, ou vai continuar? Não stá prvisto na lgislação um príodo d vigência. Uma ntidad mprgadora com mnos d cinco (5) trabalhadors pod candidatar s ao Estímulo 2012? Sim. Nst caso,

Leia mais

Para verificar a atualização desta norma, como revogações ou alterações, acesse o Visalegis.

Para verificar a atualização desta norma, como revogações ou alterações, acesse o Visalegis. 18/05/12 Anvisa - Lgislação - Portarias Lgislação Para vrificar a atualização dsta norma, como rvogaçõs ou altraçõs, acss o Visalgis. Portaria n º 27, d 13 d janiro d 1998 A Scrtária d Vigilância Sanitária,

Leia mais

INSTRUÇÕES. Os formadores deverão reunir pelo menos um dos seguintes requisitos:

INSTRUÇÕES. Os formadores deverão reunir pelo menos um dos seguintes requisitos: INSTRUÇÕES Estas instruçõs srvm d orintação para o trino das atividads planadas no projto Europu Uptak_ICT2lifcycl: digital litracy and inclusion to larnrs with disadvantagd background. Dvrão sr usadas

Leia mais

2 Mbps (2.048 kbps) Telepac/Sapo, Clixgest/Novis e TV Cabo; 512 kbps Cabovisão e OniTelecom. 128 kbps Telepac/Sapo, TV Cabo, Cabovisão e OniTelecom.

2 Mbps (2.048 kbps) Telepac/Sapo, Clixgest/Novis e TV Cabo; 512 kbps Cabovisão e OniTelecom. 128 kbps Telepac/Sapo, TV Cabo, Cabovisão e OniTelecom. 4 CONCLUSÕES Os Indicadors d Rndimnto avaliados nst studo, têm como objctivo a mdição d parâmtros numa situação d acsso a uma qualqur ára na Intrnt. A anális dsts indicadors, nomadamnt Vlocidads d Download

Leia mais

MANUAL TÉCNICO Amanco Ductilfort Desenho e Dimensões

MANUAL TÉCNICO Amanco Ductilfort Desenho e Dimensões Amanco Ductilfort Desenho e Dimensões Os tubos Amanco Ductilfort são uma linha em PVC dúctil utilizada na construção de redes para condução de água. Perfeitamente intercambiáveis às tubulações de ferro

Leia mais

INSTRUÇÕES MANUAL DE. Conheça nossos outros produtos. FOGÕES LENHA Modelos: Nº00, Nº0, Nº1, Nº2.

INSTRUÇÕES MANUAL DE. Conheça nossos outros produtos. FOGÕES LENHA Modelos: Nº00, Nº0, Nº1, Nº2. Conhça nossos outros produtos * Fogõs a gás * Fogõs a lnha * Fogõs industriais * Cooktops * Fornos létricos * Fornos d mbutir * Frigobars * Frzrs * Climatizadoras d vinho * Expositora d crvjas bbidas *

Leia mais

ENGENHARIA DE MANUTENÇÃO. Marcelo Sucena

ENGENHARIA DE MANUTENÇÃO. Marcelo Sucena ENGENHARIA DE MANUTENÇÃO Marclo Sucna http://www.sucna.ng.br msucna@cntral.rj.gov.br / marclo@sucna.ng.br ABR/2008 MÓDULO 1 A VISÃO SISTÊMICA DO TRANSPORTE s A anális dos subsistmas sus componnts é tão

Leia mais

CONDIÇÕES DE OPERAÇÃO DE TUBOS DE POLIETILENO PE (NORMATIVO) CONDIÇÕES PARA USO DE MATERIAL REPROCESSADO (NORMATIVO)

CONDIÇÕES DE OPERAÇÃO DE TUBOS DE POLIETILENO PE (NORMATIVO) CONDIÇÕES PARA USO DE MATERIAL REPROCESSADO (NORMATIVO) ABR 98 Tubos d politilno PE abp/e001 Espcificação Origm: ISO 4427/96 abp - associação brasilira d tubos poliolfínicos sistmas CTPE - Comissão Técnica d Politilno abp/e001 - Polythyln (PE) pips - Spcification

Leia mais

AUTO CENTRAGEM DA PLACA DE RETENÇÃO DE UMA MÁQUINA DE PISTÕES AXIAIS TIPO SWASHPLATE. azevedoglauco@unifei.edu.br

AUTO CENTRAGEM DA PLACA DE RETENÇÃO DE UMA MÁQUINA DE PISTÕES AXIAIS TIPO SWASHPLATE. azevedoglauco@unifei.edu.br AUTO CENTRAGEM DA PLACA DE RETENÇÃO DE UMA MÁQUINA DE PISTÕES AXIAIS TIPO SWASHPLATE Glauco José Rodrigus d Azvdo 1, João Zangrandi Filho 1 Univrsidad Fdral d Itajubá/Mcânica, Av. BPS, 1303 Itajubá-MG,

Leia mais

INSTRUÇÕES MANUAL DE. Conheça nossos outros produtos VENAX VENAX. FOGÕES A LENHA Leia atentamente este manual antes de utilizar o produto

INSTRUÇÕES MANUAL DE. Conheça nossos outros produtos VENAX VENAX. FOGÕES A LENHA Leia atentamente este manual antes de utilizar o produto Conhça nossos outros produtos * FOGÕES A GÁS * FOGÕES A LENHA * FOGÕES INDUSTRIAIS * COOKTOPS * FORNOS ELÉTRICOS * FORNOS A GÁS E ELÉTRICOS DE EMBUTIR * REFRIGERADORES * FREEZERS * CLIMATIZADORAS DE VINHO

Leia mais

MANUAL TÉCNICO Amanco PBAfort

MANUAL TÉCNICO Amanco PBAfort Amanco PBAfort Os tubos Amanco PBAfort constituem a linha em PVC rígido utilizada na construção de redes enterradas para condução de água. São resistentes à corrosão tanto em relação à água transportada

Leia mais

Curso de Engenharia Química Disciplina: Física 2 Nota: Rubrica. Coordenador Professor: Rudson R Alves Aluno:

Curso de Engenharia Química Disciplina: Física 2 Nota: Rubrica. Coordenador Professor: Rudson R Alves Aluno: Curso d Engnharia Química Disciplina: Física 2 Nota: Rubrica Coordnador Profssor: Rudson R Alvs Aluno: Turma: EQ3M Smstr: 1 sm/2017 Data: 27/04/2017 Avaliação: 1 a Prova Bimstral Valor: 10,0 p tos INSTRUÇÕES

Leia mais

A VARIAÇÃO ENTRE PERDA & PERCA: UM CASO DE MUDANÇA LINGUÍSTICA EM CURSO?

A VARIAÇÃO ENTRE PERDA & PERCA: UM CASO DE MUDANÇA LINGUÍSTICA EM CURSO? A VARIAÇÃO ENTRE PERDA & PERCA: UM CASO DE MUDANÇA LINGUÍSTICA EM CURSO? Luís Augusto Chavs Frir, UNIOESTE 01. Introdução. Esta é uma psquisa introdutória qu foi concrtizada como um studo piloto d campo,

Leia mais

PSI-2432: Projeto e Implementação de Filtros Digitais Projeto Proposto: Conversor de taxas de amostragem

PSI-2432: Projeto e Implementação de Filtros Digitais Projeto Proposto: Conversor de taxas de amostragem PSI-2432: Projto Implmntação d Filtros Digitais Projto Proposto: Convrsor d taxas d amostragm Migul Arjona Ramírz 3 d novmbro d 2005 Est projto consist m implmntar no MATLAB um sistma para troca d taxa

Leia mais

Edital. V Mostra LEME de Fotografia e Filme Etnográficos e II Mostra LEME de Etnografia Sonora

Edital. V Mostra LEME de Fotografia e Filme Etnográficos e II Mostra LEME de Etnografia Sonora Edital V Mostra LEME d Fotografia Film Etnográficos 5º SEMINÁRIO DO LABORATÓRIO DE ESTUDOS EM MOVIMENTOS ÉTNICOS - LEME 19 a 21 d stmbro d 2012 Univrsidad Fdral do Rcôncavo da Bahia Cachoira-BA O 5º Sminário

Leia mais

2 o CONGRESSO BRASILEIRO DE P&D EM PETRÓLEO & GÁS

2 o CONGRESSO BRASILEIRO DE P&D EM PETRÓLEO & GÁS 2 o CONGRESSO BRASILEIRO DE P&D EM PETRÓLEO & GÁS CONTROLE DE TEMPERATURA DE SECADORES DE REVESTIMENTOS CERÂMICOS ALIMENTADOS COM GÁS NATURAL Júlio Elias Normy-Rico 1, Jssé Flip Müllr 2,Vilmar Mngon Bristol

Leia mais

SIM - SISTEMA DE IMPOSTO MÍNIMO

SIM - SISTEMA DE IMPOSTO MÍNIMO E L U C I D Á R I O do SIM - SISTEMA DE IMPOSTO MÍNIMO (Principais Qustõs, Esclarcimntos Rspostas) 1. O qu é o SIM Sistma d Imposto Mínimo? É uma nova forma d pagar IRPS ou IRPC a qu passam a ficar obrigados

Leia mais

ISSN 1677-7042 SECRETARIA DE INSPEÇÃO DO TRABALHO DEPARTAMENTO DE SEGURANÇA E SAÚDE NO TRABALHO

ISSN 1677-7042 SECRETARIA DE INSPEÇÃO DO TRABALHO DEPARTAMENTO DE SEGURANÇA E SAÚDE NO TRABALHO Nº 91, sxta-fira, 14 d maio d 2010 1 199 SECRETARIA DE INSPEÇÃO DO TRABALHO DEPARTAMENTO DE SEGURANÇA E SAÚDE NO TRABALHO PORTARIA N o - 183, DE 11 DE MAIO DE 2010 Aprova o Anxo II (Plataformas Instalaçõs

Leia mais

INSTRUÇÕES MANUAL DE. LENHA Leia atentamente este manual antes de utilizar o produto. Conheça nossos outros produtos VENAX VENAX FOGÕES A

INSTRUÇÕES MANUAL DE. LENHA Leia atentamente este manual antes de utilizar o produto. Conheça nossos outros produtos VENAX VENAX FOGÕES A Conhça nossos outros produtos * FOGÕES A GÁS * FOGÕES A LENHA * FOGÕES INDUSTRIAIS * COOKTOPS * FORNOS ELÉTRICOS * FORNOS A GÁS E ELÉTRICOS DE EMBUTIR * REFRIGERADORES * FREEZERS * CLIMATIZADORAS DE VINHO

Leia mais

PROJETO DE PILARES DE CONCRETO ARMADO

PROJETO DE PILARES DE CONCRETO ARMADO UNIVERSIDDE FEDERL DO RIO GRNDE DO SUL ESCOL DE ENGENHRI DEPRTMENTO DE ENGENHRI CIVIL PROJETO DE PILRES DE CONCRETO RMDO MÉRICO CMPOS FILHO 014 SUMÁRIO 1 Dimnsõs... 1 1.1 Dimnsõs mínimas das sçõs transvrsais

Leia mais

A ferramenta de planeamento multi

A ferramenta de planeamento multi A frramnta d planamnto multi mdia PLANVIEW TELEVISÃO Brv Aprsntação Softwar d planamnto qu s basia nas audiências d um príodo passado para prvr asaudiências d um príodo futuro Avrsatilidad afacilidad d

Leia mais

ANÁLISE CUSTO - VOLUME - RESULTADOS

ANÁLISE CUSTO - VOLUME - RESULTADOS ANÁLISE CUSTO - VOLUME - RESULTADOS 1 Introdução ao tma Exist todo o intrss na abordagm dst tma, pois prmit a rsolução d um conjunto d situaçõs qu s aprsntam rgularmnt na vida das organizaçõs. Estas qustõs

Leia mais

Empreendedorismo e Empregabilidade PE04/V01

Empreendedorismo e Empregabilidade PE04/V01 1 APROVAÇÃO DO DOCUMENTO Rsponsávl plo Procsso Validação Função Nom Razão para a nova vrsão Coord. CTCO José Pirs dos Ris Não - vrsão inicial Pró-Prsidnt para a Qualidad João Lal Aprovação Prsidnt IPBja

Leia mais

INEC ESPECIALIZAÇÃO EM : GERÊNCIA CONTÁBIL, FINANCEIRA E AUDITORIA TURMA III. Lins - SP - 2012 2º Dia : 20 de Outubro.

INEC ESPECIALIZAÇÃO EM : GERÊNCIA CONTÁBIL, FINANCEIRA E AUDITORIA TURMA III. Lins - SP - 2012 2º Dia : 20 de Outubro. INEC AUDITRIA Prof. CLAUDECIR PATN ESPECIALIZAÇÃ EM : GERÊNCIA CNTÁBIL, FINANCEIRA E AUDITRIA TURMA III 1 Lins - SP - 2012 2º Dia : 20 utubro. CNTRLE - Concitos; - Auditoria Control Intrno; - Importância

Leia mais

DELIBERAÇÃO N.º 793/2012

DELIBERAÇÃO N.º 793/2012 DELIBERAÇÃO N.º 793/2012 Parágrafo único Nos casos m qu o afastamnto s stndr por tmpo suprior ao prvisto, dsd qu autorizada sua prorrogação, fará jus, às diárias corrspondnts ao príodo prorrogado. Art.

Leia mais

Florianópolis, 09 de abril de 1998. PORTARIA Nº 0173/GR/98.

Florianópolis, 09 de abril de 1998. PORTARIA Nº 0173/GR/98. UNIVERSIDADE FEDERAL DE SANTA CATARINA GABINETE DO REITOR PORTARIAS Florianópolis, 09 d abril d 1998 PORTARIA Nº 0173/GR/98 O Ritor da Univrsidad Fdral d Santa Catarina, no uso d suas atribuiçõs statutárias

Leia mais

APONTAMENTOS PRÁTICOS PARA OFICIAIS DE JUSTIÇA

APONTAMENTOS PRÁTICOS PARA OFICIAIS DE JUSTIÇA ESQUEMA PRÁTICO ) Prazo Máximo Duração do Inquérito 2) Prazo Máximo Duração do Sgrdo d Justiça 3) Prazo Máximo Duração do Sgrdo d Justiça quando stivr m causa a criminalidad rfrida nas al.ªs i) a m) do

Leia mais

Rio Grande do Norte terá maior oferta de energia eólica em leilão Agência Estado 17/04/2015

Rio Grande do Norte terá maior oferta de energia eólica em leilão Agência Estado 17/04/2015 www.lmntos.com.br du dilignc slção d arogradors inspçõs d fábricas ngnharia do propritário projtos solars ntr outros 17 d abril d 2015 Sxta-Fira - # 1.528 Rio Grand do Nort trá maior ofrta d nrgia ólica

Leia mais

PLANO DE CURSO 2011. 3 aulas Data show Aulas expositivas Estudo de casos e análise de precedentes dos Tribunais Estaduais e Superiores.

PLANO DE CURSO 2011. 3 aulas Data show Aulas expositivas Estudo de casos e análise de precedentes dos Tribunais Estaduais e Superiores. Est Plano d Curso podrá sofrr altraçõs a critério do profssor / ou da Coordnação. PLANO DE CURSO 2011 DISCIPLINA: DIREITO PROCESSUAL CIVIL III Excução civil, tutlas d urgência procdimntos spciais. PROFESSOR:

Leia mais

CTOC - Câmara dos Técnicos Oficiais de Contas Sistema de Informação do Técnico Oficial de Contas

CTOC - Câmara dos Técnicos Oficiais de Contas Sistema de Informação do Técnico Oficial de Contas IAS 17 (1) NORMA INTERNACIONAL DE CONTABILIDADE IAS 17 Locaçõs ÍNDICE Parágrafos Objctivo 1 Âmbito 2-3 Dfiniçõs 4-6 Classificação d locaçõs 7-19 Locaçõs nas dmonstraçõs financiras d locatários 20-35 Locaçõs

Leia mais

17 3. Problemática e hipóteses levantadas. 19 4. Objetivos geral e específicos. 20 5. Breve histórico do Projeto Quebra Anzol.

17 3. Problemática e hipóteses levantadas. 19 4. Objetivos geral e específicos. 20 5. Breve histórico do Projeto Quebra Anzol. Sumario Introdução 13 13 1. Aprsntação gral. 2. Justificativa rlvância do tma d psquisa. 17 3. Problmática hipótss lvantadas. 19 4. Objtivos gral spcíficos. 20 5. Brv histórico do Projto Qubra Anzol. 20

Leia mais

PROVA DE MATEMÁTICA APLICADA VESTIBULAR 2013 - FGV CURSO DE ADMINISTRAÇÃO RESOLUÇÃO: Profa. Maria Antônia C. Gouveia

PROVA DE MATEMÁTICA APLICADA VESTIBULAR 2013 - FGV CURSO DE ADMINISTRAÇÃO RESOLUÇÃO: Profa. Maria Antônia C. Gouveia PROVA DE MATEMÁTICA APLICADA VESTIBULAR 013 - FGV CURSO DE ADMINISTRAÇÃO Profa. Maria Antônia C. Gouvia 1. A Editora Progrsso dcidiu promovr o lançamnto do livro Dscobrindo o Pantanal m uma Fira Intrnacional

Leia mais

4. Escoamento de um Fluido Real

4. Escoamento de um Fluido Real 4. Escoamnto d um Fluido al O scoamnto d um luido ral é mais complxo qu o d um luido idal. A viscosidad dos luidos rais é rsponsávl plas orças d atrito ntr as partículas luidas, bm como ntr stas os contornos

Leia mais

LIMPEZA DE VESTIÁRIOS E SANITÁRIOS

LIMPEZA DE VESTIÁRIOS E SANITÁRIOS IT 002/01 SUMÁRIO 1. Objtivo... 2 2. Abrangência... 2 3. Documntos Complmntars... 2 4. Dfiniçõs/Siglas... 2 5. Dscrição dos Procdimntos... 2 6. Rgistros... 6 7. Histórico d Rvisõs... 7 8. Fluxograma...

Leia mais

Art. 1º Atualizar o Manual de Instruções Gerais (MIG) Cadastro, na forma apresentada no demonstrativo anexo.

Art. 1º Atualizar o Manual de Instruções Gerais (MIG) Cadastro, na forma apresentada no demonstrativo anexo. Atualiza o Manual d Instruçõs Grais (MIG) Cadastro. A Dirtoria Excutiva da Confdração Nacional das Cooprativas do Sicoob Ltda. Sicoob Confdração, com fulcro no art. 58 do Estatuto Social, basado na strutura

Leia mais

Manual do Usuário KP1510

Manual do Usuário KP1510 Manual do Usuário KP1510 Kypass Tcnologia Ltda. www.kypass.com.br 2 ÍNDICE 1. Primiros passos... 4 1.1 Considraçõs iniciais... 4 1.2 Espcificaçõs técnicas... 5 1.3 Utilização do snsor biométrico... 6 1.4

Leia mais

2. NOME DO CURSO ESPECIALIZAÇÃO EM GESTÃO DAS RELAÇÕES HUMANAS NA ORGANIZAÇÃO

2. NOME DO CURSO ESPECIALIZAÇÃO EM GESTÃO DAS RELAÇÕES HUMANAS NA ORGANIZAÇÃO 1. ÁREA DO CONHECIMENTO CIÊNCIAS HUMANAS: PSICOLOGIA 2. NOME DO CURSO ESPECIALIZAÇÃO EM GESTÃO DAS RELAÇÕES HUMANAS NA ORGANIZAÇÃO 3. JUSTIFICATIVA: Prspctivas no Mrcado Amazonns: A cidad d Manaus possui

Leia mais

COMERCIALIZAÇÃO PROIBIDA POR TERCEIROS

COMERCIALIZAÇÃO PROIBIDA POR TERCEIROS 06 ISSN 677-7042 Nº 22, quarta-fira, 3 d novmbro d 203 PORTARIA Nº 2.72, DE 2 DE NOVEMBRO DE 203 Rdfin o rgulamnto técnico d procdimntos hmotrápicos. O MINISTRO DE ESTADO DA SAÚDE, no uso da atribuição

Leia mais

/ :;7 1 6 < =>6? < 7 A 7 B 5 = CED? = DE:F= 6 < 5 G? DIHJ? KLD M 7FD? :>? A 6? D P

/ :;7 1 6 < =>6? < 7 A 7 B 5 = CED? = DE:F= 6 < 5 G? DIHJ? KLD M 7FD? :>? A 6? D P 26 a Aula 20065 AMIV 26 Exponncial d matrizs smlhants Proposição 26 S A SJS ntão Dmonstração Tmos A SJS A % SJS SJS SJ % S ond A, S J são matrizs n n ", (com dt S 0), # S $ S, dond ; A & SJ % S SJS SJ

Leia mais

Proposta de Resolução do Exame Nacional de Física e Química A 11.º ano, 2011, 1.ª fase, versão 1

Proposta de Resolução do Exame Nacional de Física e Química A 11.º ano, 2011, 1.ª fase, versão 1 Proposta d Rsolução do Exam Nacional d ísica Química A 11.º ano, 011, 1.ª fas, vrsão 1 Socidad Portugusa d ísica, Divisão d Educação, 8 d Junho d 011, http://d.spf.pt/moodl/ 1. Movimnto rctilíno uniform

Leia mais

As Abordagens do Lean Seis Sigma

As Abordagens do Lean Seis Sigma As Abordagns do Lan Sis Julho/2010 Por: Márcio Abraham (mabraham@stcnt..br) Dirtor Prsidnt Doutor m Engnharia d Produção pla Escola Politécnica da Univrsidad d São Paulo, ond lcionou por 10 anos. Mastr

Leia mais

TÍTULO: ÉTICA CONTÁBIL: UM ESTUDO DE CASO EM ESCRITÓRIOS DE CONTABILIDADE.

TÍTULO: ÉTICA CONTÁBIL: UM ESTUDO DE CASO EM ESCRITÓRIOS DE CONTABILIDADE. TÍTULO: ÉTICA CONTÁBIL: UM ESTUDO DE CASO EM ESCRITÓRIOS DE CONTABILIDADE. CATEGORIA: CONCLUÍDO ÁREA: CIÊNCIAS SOCIAIS APLICADAS SUBÁREA: CIÊNCIAS CONTÁBEIS INSTITUIÇÃO: UNIVERSIDADE ANHEMBI MORUMBI AUTOR(ES):

Leia mais

3 Aritmética Computacional

3 Aritmética Computacional 33 3 Aritmética Computacional 3. Introdução Quando s utiliza um qualqur instrumnto d trabalho para ralizar uma tarfa dv-s tr um conhcimnto profundo do su modo d funcionamnto, das suas capacidads das suas

Leia mais

Edital de seleção de candidatos para o Doutorado em Matemática para o Período 2015.2

Edital de seleção de candidatos para o Doutorado em Matemática para o Período 2015.2 ] Univrsidad Fdral da Paraíba Cntro d Ciências Exatas da Naturza Dpartamnto d Matmática Univrsidad Fdral d Campina Grand Cntro d Ciências Tcnologia Unidad Acadêmica d Matmática Programa Associado d Pós-Graduação

Leia mais

GERADOR ELETROSTÁTICO

GERADOR ELETROSTÁTICO GERADOR ELETROSTÁTICO Est artigo irá mostrar como construir um grador ltrostático, projto muito famoso m firas d Ciências. É uma máquina muito intrssant dvido às pqunas faíscas qu gra, dmonstrando claramnt

Leia mais

ESTUDO DA CINÉTICA DE SECAGEM DO BAGAÇO DO PEDUNCULO DO CAJU IN NATURA E ENRIQUECIDO, COM APLICAÇÃO DO MODELO DIFUSIONAL DE FICK.

ESTUDO DA CINÉTICA DE SECAGEM DO BAGAÇO DO PEDUNCULO DO CAJU IN NATURA E ENRIQUECIDO, COM APLICAÇÃO DO MODELO DIFUSIONAL DE FICK. ESTUDO DA CINÉTICA DE SECAGEM DO BAGAÇO DO PEDUNCULO DO CAJU IN NATURA E ENRIQUECIDO, COM APLICAÇÃO DO MODELO DIFUSIONAL DE FICK. N. M. RIBEIRO FILHO 1 ; R. C. SANTOS 3 ; O. L. S. d ALSINA ; M. F. D. MEDEIROS

Leia mais

N os das páginas 3 a 9 10 a 12 13

N os das páginas 3 a 9 10 a 12 13 PROVA 1 Instruçõs CADERNO DE QUESTÕES 1- Você stá rcbndo o sguint matrial: a) st cadrno com o nunciado das qustõs discursivas, das qustõs objtivas, das qustõs rlativas às suas imprssõs sobr a prova, assim

Leia mais

ALTERAÇÃO Nº 8 tudo até 31 de Agosto de 2007. Diplomas alterados

ALTERAÇÃO Nº 8 tudo até 31 de Agosto de 2007. Diplomas alterados ALTERAÇÃO Nº 8 tudo até 31 d Agosto d 2007 Diplomas altrados CAPÍTULO I Disposiçõs grais Administração local autárquica (A) Municípios Frgusias Dcrto-Li n.º 17/2007, d 22 d Janiro, qu criou o rgim xcpcional

Leia mais

INSTRUÇÕES MANUAL DE. Conheça nossos outros produtos. FOGÕES A GÁS Modelos: 600.200 / 432.200 / 420 TV / 205 CT / 205 ST / 226 TV / 226 CT

INSTRUÇÕES MANUAL DE. Conheça nossos outros produtos. FOGÕES A GÁS Modelos: 600.200 / 432.200 / 420 TV / 205 CT / 205 ST / 226 TV / 226 CT Conhça nossos outros produtos * Fogõs a gás * Fogõs a lnha * Fogõs industriais * Cooktops * Fornos létricos * Fornos d mbutir * Frigobars * Frzrs * Climatizadoras d vinho * Epositora d crvjas bbidas *

Leia mais

Coletor Esgoto. Transporte de esgoto sanitário em redes coletoras.

Coletor Esgoto. Transporte de esgoto sanitário em redes coletoras. Coletor Esgoto Obra Infra-estrutura Saneamento Esgoto Coletor esgoto Transporte de esgoto sanitário em redes coletoras. Ligações prediais, redes coletoras, interceptores de esgoto sanitário, sistemas condominais,

Leia mais

CARVALHO HOSKEN S/A carvalhohosken.com.br CARVALHO HOSKEN S.A. ENGENHARIA E CONSTRUÇÕES CNPJ: 33.342.023/0001-33

CARVALHO HOSKEN S/A carvalhohosken.com.br CARVALHO HOSKEN S.A. ENGENHARIA E CONSTRUÇÕES CNPJ: 33.342.023/0001-33 Balanço Social Em 31 d dzmbro d 2015 2014 1 - Bas d Cálculo 2015 Valor (Mil rais) 2014 Valor (Mil rais) Rcita líquida (RL) 190.202 292.969 Rsultado opracional (RO) 111.720 (16.955) Rsultado Financiro (29.648)

Leia mais

Este documento constitui um instrumento de documentação e não vincula as instituições

Este documento constitui um instrumento de documentação e não vincula as instituições 2004R0854 PT 01.07.2013 009.001 1 Est documnto constitui um instrumnto d documntação não vincula as instituiçõs B C2 REGULAMENTO (CE) N. o 854/2004 DO PARLAMENTO EUROPEU E DO CONSELHO d 29 d Abril d 2004

Leia mais

alfatubo Engineering Pipes Produzimos tubos... Canalizamos energias... Tabalhamos para um futuro sustentávél...

alfatubo Engineering Pipes Produzimos tubos... Canalizamos energias... Tabalhamos para um futuro sustentávél... alfatubo Produzimos tubos... Canalizamos nrgias... Tabalhamos para um futuro sustntávél... Catálogo Produtos 1 1.1.alfaHIDRO Obras Públicas Infra-struturas Rga Industrial Transport Água Potávl 1.2. alfagás

Leia mais

NOTA SOBRE INDETERMINAÇÕES

NOTA SOBRE INDETERMINAÇÕES NOTA SOBRE INDETERMINAÇÕES HÉLIO BERNARDO LOPES Rsumo. Em domínios divrsos da Matmática, como por igual nas suas aplicaçõs, surgm com alguma frquência indtrminaçõs, d tipos divrsos, no cálculo d its, sja

Leia mais

Encontro na casa de Dona Altina

Encontro na casa de Dona Altina Ano 1 Lagdo, Domingo, 29 d junho d 2014 N o 2 Encontro na casa d Dona Altina Na última visita dos studants da UFMG não foi possívl fazr a runião sobr a água. Houv um ncontro com a Associação Quilombola,

Leia mais

CA Nimsoft Monitor Snap

CA Nimsoft Monitor Snap CA Nimsoft Monitor Snap Guia d Configuração do Monitoramnto do srvidor Cisco UCS cisco_ucs séri 2.1 Avisos lgais Copyright 2013, CA. Todos os diritos rsrvados. Garantia O matrial contido nst documnto é

Leia mais

UNIVERSIDADE DE SÃO PAULO ESCOLA DE ENGENHARIA DE SÃO CARLOS DEPARTAMENTO DE ENGENHARIA DE ESTRUTURAS. SET 410 Estruturas de concreto armado II

UNIVERSIDADE DE SÃO PAULO ESCOLA DE ENGENHARIA DE SÃO CARLOS DEPARTAMENTO DE ENGENHARIA DE ESTRUTURAS. SET 410 Estruturas de concreto armado II UNIVERSIDADE DE SÃO PAULO ESCOLA DE ENGENHARIA DE SÃO CARLOS DEPARTAMENTO DE ENGENHARIA DE ESTRUTURAS SET 40 Estruturas d concrto armado II Turma - 008 Concrto armado: projto d pilars d acordo com a NBR

Leia mais

COMPANHIA HIDRO ELÉTRICA DO SÃO FRANCISCO DIVISÃO DE CADASTRO DE FORNECEDORES - DECF CLASSES COMERCIAIS POR ARGUMENTO DE PESQUISA

COMPANHIA HIDRO ELÉTRICA DO SÃO FRANCISCO DIVISÃO DE CADASTRO DE FORNECEDORES - DECF CLASSES COMERCIAIS POR ARGUMENTO DE PESQUISA COMPANHIA HIDRO LÉTRICA DO SÃO FRANCISCO DIVISÃO D CADASTRO D FORNCDORS - DCF CLASSS COMRCIAIS POR ARGUMNTO D PSQUISA S02350000001 S02320000003 S02300199254 S02980299006 S02304599001 S02300599252 S02988824002

Leia mais