Desfibriladores cardíacos são equipamentos essenciais

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "Desfibriladores cardíacos são equipamentos essenciais"

Transcrição

1 Um padrão para a medição da energia de pulso de desfibrilação A exatidão da energia do desfibrilador é fundamental em sua aplicação segura e é requisito de Normas nacionais e internacionais de segurança e desempenho de desfibriladores cardíacos, conforme a norma IEC :2002 [Márcio Bottaro, Vlamir Viana e Ricardo Clemente de Abreu] Desfibriladores cardíacos são equipamentos essenciais no suporte a vida. A desfibrilação cardíaca é entendida como uso terapêutico do choque elétrico, com corrente monopolar ou bipolar de grande amplitude e curta duração, aplicado no tórax ou diretamente sobre o miocárdio [1]. O parâmetro elétrico mais importante, e que é utilizado como referência na aplicação do desfibrilador, é a energia aplicada pelo equipamento ao paciente em Joules [2]. Esta energia é resultante da tensão, corrente e tempo de aplicação de carga de desfibrilação. A medição da energia aplicada no pulso de desfibrilação é um parâmetro de controle de segurança e desempenho destes equipamentos, sendo normalmente a referência em programas de ensaios recorrentes para equipamentos já em uso clínico. Em laboratórios que realizam ensaios de tipo, em conformidade com normas nacionais e internacionais, geralmente relacionados a processos de certificação e avaliação da conformidade de produtos, a medição deste parâmetro não é menos relevante, e leva a uma série de estudos metrológicos relacionados a medição de pulsos de alta tensão. O emprego de analisadores de Energia de desfibriladores, também denominados Joulímetros pela maioria de seus usuários em departamentos de Engenharia Clínica, acaba sendo comprometido em laboratórios de ensaios acreditados pela Rede Brasileira de Laboratórios de Ensaios (RBLE), já que a Rede Brasileira de Calibração (RBC) não apresenta laboratório acreditado para tal grandeza, especificamente nesta aplicação. Normalmente o procedimento laboratorial consiste na aquisição do pulso de alta tensão sobre uma carga considerada não-indutiva e no processamento matemático destes valores para obtenção da energia levando em conta a configuração ideal dos componentes envolvidos. Este processamento normalmente é realizado por osciloscópios digitais ou sistemas de aquisição de dados capazes de processar os sinais com boa resolução em tempo e amplitude. O resultado da energia pode ser expresso como: onde Ut representa os pontos de tensão adquiridos no intervalo de amostragem dt e R é a resistência de carga considerada não indutiva. A experiência de Laboratórios de ensaios, como o da Seção Técnica de Ensaios em Equipamentos Eletromédicos (STEEE) do IEE/USP, na utilização de divisores de alta tensão para medição de sinais pulsados ou mesmo pulsos individuais aponta para uma complexidade no tratamento dos dados que pode tornar-se problemática na medição de pulsos muito curtos com divisores que não apresentam boa resposta em frequência. A avaliação da incerteza de medição nestes processos, levando em conta a resposta em frequên cia destes instrumentos, tem sido estudada frequentemente, mas apenas modelos aproximados de propagação de erros foram apresentados na literatura até o momento [3,4]. Felizmente no caso dos pulsos de desfibrilação, a complexidade da medição da amplitude e a duração de pulso são consideravelmente menores do que em outras aplicações mais complexas de divisores de alta tensão, e o emprego de pontas atenuadoras é suficiente para se obter resultados com boa exatidão em amplitude e tempo, já que estes instrumentos apresentam largura de banda muito mais extensa do que a necessária para este propósito o que resulta em uma resposta quase plana em frequência. Divergências encontradas em ensaios laboratoriais e em ensaios recorrentes efetuados em desfibriladores cardíacos levaram a investigação do comportamento de analisadores de desfibriladores cardíacos e de métodos empregados de forma alternativa para medição da energia do pulso de desfibrilação. Nos circuitos de medição de laboratório, com maior controle metrológico de componentes e instrumentos de medição, verificaram-se tendências de desvios em relação aos analisadores e em relação às informações apresentadas pelos fabricantes de desfibriladores cardíacos sob ensaio. Estes desvios cresciam a medida que cargas menores (1) 54 Dezembro 2010

2 (simulando a impedância de paciente) eram empregadas para verificação da exatidão das informações declaradas nos equipamentos. Juntamente aos analisadores e sistemas de ensaio foram empregados medidores de corrente não invasivos com resposta em frequência adequada aos sinais monitorados. O estudo preliminar foi efetuado com um gerador de pulso de desfibrilação monopolar adaptado especialmente para uso em laboratório, um analisador de segurança com impedância interna de 50 Ω QED-6 da Biotek Instruments Inc., dois sistemas de medição de energia de pulsos de desfibrilação da STEEE que consistem em um sistema independente da carga com uma ponta de prova de alta tensão P6015A da Tektronix, um alicate amperímetro A622 da Tektronix, ambos acoplados a um osciloscópio DPO7000 da Tektronix para aquisição e processamento dos sinais e um sistema simplificado para medição da energia por meio somente da ponta de alta tensão P6015A acoplada ao osciloscópio com dependência da carga utilizada. Os resultados preliminares são indicados junto a Tabela 1. Estes dados foram analisados e verificou-se, por meio do comportamento da tensão e corrente medidos, que a ausência de componentes reativas nas cargas empregadas nos ensaios e nos analisadores de segurança não era totalmente verdadeira, e a resposta indutiva realmente era intensificada a medida que os pulsos eram aplicados sobre cargas com menor resistência (Figuras 1 e 2). Tabela 1. Estudo comparativo preliminar de sistemas de medição Carga (Ω) Seleção (J) Analisador (J) Dependente (J) Independente (J) ,5(9,0) 278,2(9,7) ,6(7,2) 222,2 (7,8) ,7(5,3) 164,4 (5,7) ,2(16,4) 324,72 (9,7) 328,4(11,5) ,0(12,9) 254,08 (7,6) 257,6(9,0) ,0(9,4) 185,23 (5,5) 188,0(6,6) ,0(10,6) 362,4(12,7) ,3(8,3) 286,8(10,0) ,1(6,2) 210,0(7,6) ,4(11,1) 377,1(13,2) ,5(8,9) 301,1(10,5) ,6(6,4) 216,8(7,6) Dezembro

3 Este fato levou ao projeto de um sistema de referência que não sofresse influência de tais parâmetros elétricos e pudesse indicar de forma direta a energia entregue a carga. O sistema proposto é um calorímetro com medição da variação de temperatura por meio de termorresistências que pode ser utilizado como padrão de referência para calibração de analisadores de segurança e sistemas de ensaio laboratoriais. Os calorímetros são empregados como padrões primários e secundários em várias áreas da metrologia. A experiência do IEE/ USP na construção e caracterização destes sistemas [6] levou a construção de um primeiro protótipo a ser empregado como referência nestes ensaios. Este padrão utiliza 4 termorresistências de 4 fios que garantem a detecção do momento exato do equilíbrio térmico do sistema e podem detectar pequenas variações de temperatura provenientes de pulsos de desfibrilação com energias a partir de 40 J. Para o processamento dos sinais, o sistema utiliza 4 multímetros de bancada com medição de resistência a 4 fios, interligados por um sistema de aquisição de dados utilizando a plataforma LabVIEW da National Instruments que incorpora os coeficientes de calibração das termorresistências. A energia pode ser calculada pela equação abaixo: onde mw e cw são a massa e calor específico da água, tf e ti são a temperatura final e inicial da água. Os primeiros resultados mostram boa resolução, exatidão e reprodutibilidade na faixa de 40 a 360 J e esclarecem as divergências encontradas em ensaios em laboratório. O calorímetro empregado na medição da energia do pulso de desfibrilação consiste em um sistema termicamente isolado preenchido em seu reservatório interno com água destilada e deionizada obtida em destiladores empregados em Osmose Reversa (C < 10-8 S), com monitoramento de temperatura por termorresistências que conferem maior exatidão para a determinação da energia entregue ao sistema. O reservatório possui um sistema de paredes isolantes com camada de ar entre as mesmas que reduz a troca de calor com o ambiente. Cargas com resistências entre 25 Ω e 175 Ω são (2) 56 Dezembro 2010

4 inseridas no reservatório interno, ficando submersas em água, e ligações com a menor distância possível de condutores é aplicada. Para garantir menores incertezas no sistema, a energia entregue aos condutores também foi medida para correção de eventuais perdas durante a aplicação do pulso de desfibrilação que se caracteriza por produção de altas correntes. O primeiro protótipo pode ser visualizado na figura 3. As quatro termorresistências são acopladas a quatro multímetros com capacidade de medição a quatro fios, conectados a um sistema de aquisição de dados em plataforma LabVIEW para processamento dos dados e obtenção dos valores de variação de temperatura (Figura 4). Dois sistemas foram avaliados para verificar a eficiência da homogeneização, isolação e estabilidade térmica do sistema: Sistema com fluxo de líquido forçado e Sistema com agitação de líquido externa. Sistema com fluxo de líquido forçado - Neste sistema uma Dezembro

5 bomba de imersão de baixo fluxo e baixa potência é inserida junto ao reservatório interno para garantir a homogeneidade do líquido que sofrerá alteração de temperatura após a entrega de energia à carga. A vantagem deste sistema é a rápida homogeneidade do meio e consequentemente menores perdas térmicas ao longo do processo. No entanto, a contribuição na elevação da energia pela potência de entrada do motor da bomba e pelo atrito provocado pela água e pelos componentes mecânicos da bomba geram maior instabilidade no sistema e tornam seu uso restrito a energias mais elevadas. Devido a estas limitações e desvantagens gerais relacionadas ao maior número de elementos invasivos no sistema (condutores de alimentação da bomba submersa), este sistema não foi aprovado para utilização como padrão. Sistema com agitação de líquido externa - A agitação externa consiste basicamente em uma mesa vibratória operando em baixa vibração, capaz de homogeneizar o líquido interno com eficiência, ainda assim menor que a bomba submersa, porém contribuindo com a entrega de energia ao meio somente pelo atrito do líquido com as paredes do sistema e corpo da carga, o que pode ser desprezível em baixas taxas de vibração. O sistema com agitação de líquido externa, mesmo com um tempo de homogeneização maior que o primeiro modelo, garante o equilíbrio do meio com poucas perdas de energia e evita contribuições de incertezas provenientes de fontes internas de fornecimento de energia, sendo selecionado para o primeiro padrão em desenvolvimento. A avaliação da isolação térmica do sistema consistiu na incorporação de um elemento aquecido (bloco de alumínio), a temperatura de aproximadamente 30 ºC e monitoramento por meio dos sensores termorresistentes já empregados no calorímetro. Os resultados podem ser verificados junto a figura 5. Após a inserção do elemento aquecido, o sistema de vibração é acionado juntamente com o sistema de aquisição de dados. Pode-se observar que mesmo com variações ambientais promovidas propositalmente por meio de uma câmara climática, as 58 Dezembro 2010

6 perdas do sistemas podem ser consideradas muito baixas. Um segundo ensaio foi efetuado para avaliação da contribuição do sistema vibratório na elevação da temperatura do meio e consequente contribuição na elevação de energia. Este ensaio teve duração de 30 minutos utilizando-se uma vibração duas vezes superior à vibração normal utilizada no processo de medição. Nenhuma variação foi perceptível aos sensores, indicando que a contribuição na elevação de temperatura pode ser considerada desprezível. Mesmo com essas contribuições podendo ser ignoradas, as mesmas foram computadas de forma a garantir a exatidão do padrão. A resistência dos condutores de conexão do calorímetro é fundamental para caracterização das componentes de incerteza que podem afetar os resultados de medição com o padrão. Juntamente a resistência destes condutores, a resistência de contato do sistema acaba por ser avaliada, e o sistema como um todo pode ser caracterizado e validado. Com auxílio de um gerador de pulso de desfibrilação monopolar adaptado especialmente para uso em laboratório (figura 6), pulsos de desfibrilação de energias entre 40 e 360 J foram aplicados ao padrão, e por meio de um alicate de corrente e uma ponta de prova de alta tensão Tektronix A622 e P6015A respectivamente, a energia perdida devido aos valores da resistência de contato e dos condutores de ligação da carga utilizados no padrão pode ser determinada. A caracterização da perda de energia em função da energia aplicada consiste basicamente na medição da tensão sobre os Dezembro

7 ENSAIOS terminais de entrada e sobre a posição relativa de entrada dos condutores no meio líquido. Esta energia, mesmo apresentando valores muito baixos, foi utilizada para correção dos resultados obtidos inicialmente com o padrão. Resultados A etapa final de caracterização do padrão consistiu em medidas comparativas, utilizando o desfibrilador adaptado do Laboratório da STEEE, dois analisadores de segurança com impedância interna de 50 Ω QED-6 da Instruments Inc. (Analisador 1) e Impulse 4000 (Analisador 2) da Dynatech Nevada Inc., dois sistemas de medição de energia de pulsos de desfibrilação da STEEE que consistem em um sistema independente da carga com uma ponta de prova de alta tensão P6015A da Tektronix, um alicate amperímetro A622 da Tektronix, ambos acoplados a um osciloscópio DPO7000 da Tektronix para aquisição e processamento dos sinais (denominado Sistema Independente da Carga) e um sistema simplificado para medição da energia por meio somente da ponta de alta tensão P6015A acoplada ao osciloscópio com dependência da carga utilizada (denominado Sistema Dependente da Carga). Os resultados mostram uma boa coincidência entre os resultados do sistema independente das características de carga utilizado pelo Laboratório da STEEE e o padrão, com algumas divergências apresentadas, principalmente em relação aos valores em baixa impedância, entre os valores medidos pelo sistema simplificado da STEEE e o padrão. Em 50 Ω divergências também foram en- 60 Dezembro 2010 contradas, levando em conta que os sistemas de medição foram utilizados simultaneamente e o padrão de forma intercalada, já que o mesmo não permite o acoplamento conjunto. Os dados com os desvios relativos entre cada sistema e o padrão, para cada carga selecionada, são ilustrados separadamente no gráficos das figuras 7 a 10. Estes resultados ilustram claramente a tendência de maiores desvios em baixo valores de carga, e mostram a maior deficiência do método de medição simplificado, somente pela aquisição da tensão na carga de ensaio, já que o mesmo é insensível aos efeitos

8 reativos apresentado pela carga em altas correntes. Os valores de referência foram estabelecidos com base no padrão já que o mesmo depende somente da transferência de energia sem levar em conta os fatores elétricos assinalados anteriormente. O primeiro modelo de padrão de referência para medição de energia de pulso de desfibrilação apresentou resultados satisfatórios. Sua capacidade de medição direta da energia transferida pelo pulso elétrico em alta tensão sobre uma carga com propriedades reativas em verdade desconhecidas, mostra-se como maior vantagem deste dispositivo sobre os demais sistemas utilizados para este propósito. A avaliação inicial dos desvios atribuídos principalmente às características indutivas dos componentes utilizados como cargas de ensaio indica uma tendência de erros na medida em que as cargas são reduzidas e consequentemente as correntes são elevadas no circuito de medição. Um sistema com aquisição da corrente de ensaio pode colaborar bastante para redução dos Dezembro

9 erros sistemáticos do sistema de medição, mas não é a forma mais usual de ensaio adotada. A característica não-indutiva de resistores de alta potência pode não ser verdadeira quando aplicamos a eles pulsos de alta tensão provenientes de desfibriladores cardíacos. Cuidados especiais quanto a este comportamento devem ser tomados, já que é possível verificar que o resultado dos ensaios pode variar substancialmente, chegando algumas vezes próximo aos valores limite estabelecidos por Normas (15% para a IEC :2002). A exatidão declarada pelos analisadores de segurança empregados neste trabalho é da ordem de 5%. O sistema de medição da energia com dependência do resistor de carga (método de cálculo de energia pela aquisição da tensão sobre a carga) apresenta uma incerteza da ordem de 3%, e quando acoplamos um medidor de corrente, a mesma é elevada para aproximadamente 3,7%. Com o padrão por calorimetria foram obtidas incertezas iniciais da ordem de 2% que poderiam ser aprimoradas pelo uso de componentes menores em menores volumes de líquido. A composição das incertezas abrangidas pelo padrão pode ser verificada na Tabela 2. As mesmas ainda estão sendo melhores estudadas para um equacionamento mais apurado de sua contribuição na incerteza total do sistema, bem como para a avaliação de outras componentes não incorporadas. Tabela 2. Componentes de incerteza do padrão Componente de incerteza Contribuição para a incerteza expandida Exatidão de Termorresistências < 45 % Sistema de leitura de temperatura < 15 % Variação no volume de líquido < 20 % Perdas no isolamento térmico < 5 % Variação na homogeneização <1 % Tempo de homogeneização < 1 % Perdas de energia nos condutores < 2 % Acréscimo de energia por agitação < 1 % 62 Dezembro 2010

10 Mesmo com uma avaliação preliminar, é evidenciada a maior contribuição do sistema de leitura de temperatura em conjunto com as termorresistências para as incertezas do sistema, e consequentemente sua exatidão. O sistema utilizado apresenta uma incerteza total de 0,03ºC e uma melhor calibração na faixa de utilização podem reduzir sua parcela de contribuição aos erros do sistema. Enfim, a ideia foi apresentar a avaliação preliminar de um padrão para medição da energia entregue por pulsos de desfibrilação. Os dados iniciais mostram uma boa resposta do sistema e sua utilização como referência na medição da energia de pulsos de desfibrilação aponta para cuidados a serem tomados com sistemas de medição da energia de desfibriladores por meio de cargas consideradas não indutivas e aquisição das formas de onda de alta tensão sobre as mesmas. Com a grande vantagem de não apresentar influência de fatores reativos das cargas utilizadas nos ensaios, e de medir a energia diretamente pela calorimetria, este sistema pode ser considerado um padrão para avaliação da energia e ainda um padrão de referência para calibração de sistemas de medição e analisadores de energia, serviço ainda indisponível na RBC. O estudo de um sistema com melhor exatidão e resolução em energia, podendo ser empregado em faixas menores que 40 J, esta em andamento na STEEE, devendo este ser empregado por fim como padrão de referência do laboratório e eventualmente podendo ser utilizado como padrão de calibração ou de referência para programas de intercomparação. Agradecimentos Os autores agradecem a toda equipe técnica da STEEE que de forma direta ou indireta colaboraram com este trabalho. Referências [1] B.J. Roth, Defibrillators in Encyclopedia of medical devices and instrumentation, vol. 2, pp , John Wiley & Sons Inc., Hoboken, New Jersey, [2] International Electrotechnical Comission. International Standard IEC Medical electrical equipment - Part 2: Particular requirements for the safety of cardiac defibrillators. Geneva: International Electrotechnical Comission, [3] F. C. Creed, T. Kawamura, G. Newe, Step response of measuring systems for high impulse voltages in IEEE Transactions on Power Apparatus and Systems, vol. 11, pp , [4] G. Betta, C. Liguori, A. Pietrosanto, Propagation of uncertainty in a discrete Fourier transform algorithm, Measurement, vol. 27, pp , [5] H. Tang, A. Bergman, Uncertainty calculation for an impulse voltage divider characterized by step response, High Voltage Engineering Symposium, no. 467, pp , [6] M. Bottaro, et al., A practical method to determine the heating and cooling curves of x-ray tube assemblies, Med. Phys., vol. 34, pp , Márcio Bottaro, Vlamir Viana e Ricardo Clemente de Abreu são do Instituto de Eletrotécnica e Energia da USP - - usp.br - Dezembro

MINISTÉRIO DA INDÚSTRIA, DO COMÉRCIO E DO TURISMO

MINISTÉRIO DA INDÚSTRIA, DO COMÉRCIO E DO TURISMO MINISTÉRIO DA INDÚSTRIA, DO COMÉRCIO E DO TURISMO INSTITUTO NACIONAL DE METROLOGIA, NORMALIZAÇÃO E QUALIDADE INDUSTRIAL - INMETRO Portaria n.º 115, de 29 de junho de 1998 O Presidente do Instituto Nacional

Leia mais

Desenvolvimento de Amperímetro Alicate Baseado em Magnetômetros GMR para Medição de Correntes Elétricas Contínuas

Desenvolvimento de Amperímetro Alicate Baseado em Magnetômetros GMR para Medição de Correntes Elétricas Contínuas Desenvolvimento de Amperímetro Alicate Baseado em Magnetômetros GMR para Medição de Correntes Elétricas Contínuas Alunos: Marcos Civiletti de Carvalho e Camila Schuina Orientador: Carlos Roberto Hall Barbosa

Leia mais

Métodos normalizados para medição de resistência de aterramento Jobson Modena e Hélio Sueta *

Métodos normalizados para medição de resistência de aterramento Jobson Modena e Hélio Sueta * 40 Capítulo VI Métodos normalizados para medição de resistência de aterramento Jobson Modena e Hélio Sueta * A ABNT NBR 15749, denominada Medição de resistência de aterramento e de potenciais na superfície

Leia mais

ANÁLISE DOS PADRÕES DE RESISTÊNCIA ELÉTRICA DO LABORATÓRIO DE CALIBRAÇÃO DE GRANDEZAS ELÉTRICAS DA ELETRONORTE PARA MELHORIA DA INCERTEZA DE MEDIÇÃO

ANÁLISE DOS PADRÕES DE RESISTÊNCIA ELÉTRICA DO LABORATÓRIO DE CALIBRAÇÃO DE GRANDEZAS ELÉTRICAS DA ELETRONORTE PARA MELHORIA DA INCERTEZA DE MEDIÇÃO ANÁLISE DOS PADRÕES DE RESISTÊNCIA ELÉTRICA DO LABORATÓRIO DE CALIBRAÇÃO DE GRANDEZAS ELÉTRICAS DA ELETRONORTE PARA MELHORIA DA INCERTEZA DE MEDIÇÃO Thiago Brito P. de Souza 1, Marcelo Melo da Costa, Thiago

Leia mais

3 Transdutores de temperatura

3 Transdutores de temperatura 3 Transdutores de temperatura Segundo o Vocabulário Internacional de Metrologia (VIM 2008), sensores são elementos de sistemas de medição que são diretamente afetados por um fenômeno, corpo ou substância

Leia mais

I Seminário da Pós-graduação em Engenharia Elétrica

I Seminário da Pós-graduação em Engenharia Elétrica DESENVOLVIMENTO DE FERRAMENTAS COMPUTACIONAIS PARA ESTUDOS EM LINHAS SUBTERRÂNEAS DE DISTRIBUIÇÃO DE ENERGIA ELÉTRICA Danilo Sinkiti Gastaldello Aluno do Programa de Pós-Graduação em Engenharia Elétrica

Leia mais

CALIBRAÇÃO DE GERADORES DE ESD E EFT UTILIZADOS EM ENSAIOS DE COMPATIBILIDADE ELETROMAGNÉTICA

CALIBRAÇÃO DE GERADORES DE ESD E EFT UTILIZADOS EM ENSAIOS DE COMPATIBILIDADE ELETROMAGNÉTICA METROLOGIA-00 Metrologia para a Vida Sociedade Brasileira de Metrologia (SBM) Setembro 0 05, 00, Recife, Pernambuco - BRASIL CALIBRAÇÃO DE GERADORES DE ESD E EFT UTILIZADOS EM ENSAIOS DE COMPATIBILIDADE

Leia mais

A INSTRUMENTAÇÃO VIRTUAL COMO FORMA DE INTEGRAÇÃO ENTRE A TEORIA E PRÁTICA NO ENSINO DE MEDIDAS ELÉTRICAS

A INSTRUMENTAÇÃO VIRTUAL COMO FORMA DE INTEGRAÇÃO ENTRE A TEORIA E PRÁTICA NO ENSINO DE MEDIDAS ELÉTRICAS A INSTRUMENTAÇÃO VIRTUAL COMO FORMA DE INTEGRAÇÃO ENTRE A TEORIA E PRÁTICA NO ENSINO DE MEDIDAS ELÉTRICAS Cesar Ramos Rodrigues - cesar@ieee.org Universidade Federal de Santa Maria, Centro de Tecnologia,

Leia mais

Menor diferença entre indicações de um dispositivo mostrador que pode ser significativamente percebida. RESOLUÇÃO (DE

Menor diferença entre indicações de um dispositivo mostrador que pode ser significativamente percebida. RESOLUÇÃO (DE 1 1,QVWUXomRGH7UDEDOKR ^'_a`cbdegfihkj lgmndm opmnqir>stdumkfihtj vkw xymz_g{} ~wabdj! ƒu ˆ Š Œ iž ƒ u i %šœ, Ÿž u SUMÁRIO 3 DEFINIÇÕES 1 OBJETIVO 2 REFERÊNCIA 3 DEFINIÇÕES 4 DESCRIÇÃO DA ATIVIDADE 5 REGISTROS

Leia mais

Portaria Inmetro nº 89, de 06 de abril de 2006.

Portaria Inmetro nº 89, de 06 de abril de 2006. MINISTÉRIO DO DESENVOLVIMENTO, INDÚSTRIA E COMÉRCIO EXTERIOR INSTITUTO NACIONAL DE METROLOGIA, NORMALIZAÇÃO E QUALIDADE INDUSTRIAL - INMETRO Portaria Inmetro nº 89, de 06 de abril de 2006. O PRESIDENTE

Leia mais

Em qualquer processo produtivo, deve-se garantir que as

Em qualquer processo produtivo, deve-se garantir que as Confiabilidade, calibração e definições importantes para os instrumentos de medir Os instrumentos de medição são os dispositivos utilizados para realizar uma medição e no âmbito da metrologia legal são

Leia mais

X-007 SISTEMA DE MEDIÇÃO MICROPROCESSADO PARA ESTAÇÕES COMPACTAS DE TRATAMENTO DE ESGOTO SANITÁRIO

X-007 SISTEMA DE MEDIÇÃO MICROPROCESSADO PARA ESTAÇÕES COMPACTAS DE TRATAMENTO DE ESGOTO SANITÁRIO X-007 SISTEMA DE MEDIÇÃO MICROPROCESSADO PARA ESTAÇÕES COMPACTAS DE TRATAMENTO DE ESGOTO SANITÁRIO Celso J. Munaro Engenheiro Eletricista pela Universidade Federal de Santa Maria. Mestre e Doutor em Automação

Leia mais

Transdução de Grandezas Biomédicas

Transdução de Grandezas Biomédicas Transdução de Grandezas Biomédicas Aula 05 Mestrado em Eng. Biomédica Docente: > Marcelino M. de Andrade A Aula! Condicionadores de Sinais A grande variedade de sensores necessária para transformar um

Leia mais

PROCEDIMENTO DE CÁLCULO DE INCERTEZA NA MEDIÇÃO DE ALTA TENSÃO

PROCEDIMENTO DE CÁLCULO DE INCERTEZA NA MEDIÇÃO DE ALTA TENSÃO PROCEDIMENTO DE CÁLCULO DE INCERTEZA NA MEDIÇÃO DE ALTA TENSÃO Cláudio R. S. Silva,Thiago P. S. Azevedo, Ewerton R. Granhen 3, Ivan S. S. Silva 4 Universidade Federal do Pará, Belém, Brasil, claudiorui75@yahoo.com.br

Leia mais

Projeto e implementação de um sistema de controle em malha fechada para transmissão hidrostática usando o sistema Field Point da NI

Projeto e implementação de um sistema de controle em malha fechada para transmissão hidrostática usando o sistema Field Point da NI Projeto e implementação de um sistema de controle em malha fechada para transmissão hidrostática usando o sistema Field Point da NI "A implementação do sistema SCADA usando Field Point e interface LabVIEW,

Leia mais

Sensores e Atuadores (2)

Sensores e Atuadores (2) (2) 4º Engenharia de Controle e Automação FACIT / 2009 Prof. Maurílio J. Inácio Atuadores São componentes que convertem energia elétrica, hidráulica ou pneumática em energia mecânica. Através dos sistemas

Leia mais

Aula V Medição de Variáveis Mecânicas

Aula V Medição de Variáveis Mecânicas Aula V Medição de Variáveis Mecânicas Universidade Federal da Bahia Escola Politécnica Disciplina: Instrumentação e Automação Industrial I(ENGF99) Professor: Eduardo Simas(eduardo.simas@ufba.br) Sensores

Leia mais

Experimento 2 Gerador de funções e osciloscópio

Experimento 2 Gerador de funções e osciloscópio Experimento 2 Gerador de funções e osciloscópio 1. OBJETIVO O objetivo desta aula é introduzir e preparar o estudante para o uso de dois instrumentos muito importantes no curso: o gerador de funções e

Leia mais

EXPERIÊNCIA Nº 4 ESTUDO DE UM TROCADOR DE CALOR DE FLUXO CRUZADO

EXPERIÊNCIA Nº 4 ESTUDO DE UM TROCADOR DE CALOR DE FLUXO CRUZADO EXPERIÊNCIA Nº 4 ESTUDO DE UM TROCADOR DE CALOR DE FLUXO CRUZADO 1. CONCEITOS ENVOLVIDOS Convecção de calor em escoamento externo; Transferência de calor em escoamento cruzado; Camada limite térmica; Escoamento

Leia mais

Uma viagem pelas instalações elétricas. Conceitos & aplicações

Uma viagem pelas instalações elétricas. Conceitos & aplicações Uma viagem pelas instalações elétricas. Conceitos & aplicações Avaliação do Sistema de Transformação em Subestações e Painéis de Média Tensão - Operação, Manutenção e Ensaios Eng. Marcelo Paulino Sistema

Leia mais

CALIBRAÇÃO DE UM TERMÔMETRO Pt-100 COMO PADRÃO DE TRABALHO DE UM LABORATÓRIO DE SERVIÇOS METROLÓGICOS

CALIBRAÇÃO DE UM TERMÔMETRO Pt-100 COMO PADRÃO DE TRABALHO DE UM LABORATÓRIO DE SERVIÇOS METROLÓGICOS MEROLOGIA-003 Metrologia para a Vida Sociedade Brasileira de Metrologia (SBM) Setembro 0 05, 003, Recife, Pernambuco - BRASIL CALIBRAÇÃO DE UM ERMÔMERO Pt-00 COMO PADRÃO DE RABALO DE UM LABORAÓRIO DE SERVIÇOS

Leia mais

Análise Técnico/Financeira para Correção de Fator de Potência em Planta Industrial com Fornos de Indução.

Análise Técnico/Financeira para Correção de Fator de Potência em Planta Industrial com Fornos de Indução. Análise Técnico/Financeira para Correção de Fator de Potência em Planta Industrial com Fornos de Indução. Jeremias Wolff e Guilherme Schallenberger Electric Consultoria e Serviços Resumo Este trabalho

Leia mais

MEDIDA DO TEMPO DE RESPOSTA DE SENSORES DE TEMPERATURA DO SISTEMA DE PROTEÇÃO DO REATOR DA USINA NUCLEAR DE ANGRA I

MEDIDA DO TEMPO DE RESPOSTA DE SENSORES DE TEMPERATURA DO SISTEMA DE PROTEÇÃO DO REATOR DA USINA NUCLEAR DE ANGRA I MEDIDA DO TEMPO DE RESPOSTA DE SENSORES DE TEMPERATURA DO SISTEMA DE PROTEÇÃO DO REATOR DA USINA NUCLEAR DE ANGRA I Iraci Martínez Pereira Gonçalves *, Sergio Ricardo Pereira Perillo * Rubson Pereira da

Leia mais

Medidas elétricas em altas frequências

Medidas elétricas em altas frequências Medidas elétricas em altas frequências A grande maioria das medidas elétricas envolve o uso de cabos de ligação entre o ponto de medição e o instrumento de medida. Quando o comprimento de onda do sinal

Leia mais

SISTEMA DE AUTOMONITORAMENTO INDIVIDUALIZADO DE TI s E MÉTODO DE DIAGNÓSTICO PARA SISTEMAS DE MEDIÇÃO DE ENERGIA ELÉTRICA

SISTEMA DE AUTOMONITORAMENTO INDIVIDUALIZADO DE TI s E MÉTODO DE DIAGNÓSTICO PARA SISTEMAS DE MEDIÇÃO DE ENERGIA ELÉTRICA SISTEMA DE AUTOMONITORAMENTO INDIVIDUALIZADO DE TI s E MÉTODO DE DIAGNÓSTICO PARA SISTEMAS DE MEDIÇÃO DE ENERGIA ELÉTRICA Luiz Carlos Grillo de Brito Julio César Reis dos Santos CENTRO DE PESQUISAS DE

Leia mais

SNPTEE SEMINÁRIO NACIONAL DE PRODUÇÃO E TRANSMISSÃO DE ENERGIA ELÉTRICA

SNPTEE SEMINÁRIO NACIONAL DE PRODUÇÃO E TRANSMISSÃO DE ENERGIA ELÉTRICA SNPTEE SEMINÁRIO NACIONAL DE PRODUÇÃO E TRANSMISSÃO DE ENERGIA ELÉTRICA Versão 1.0 GSE/1 14 a 17 Outubro de 2007 Rio de Janeiro - RJ GRUPO XIII GRUPO DE ESTUDO DE SUBESTAÇÃO E EQUIPAMENTOS ELÉTRICOS -

Leia mais

UNIVERSIDADE FEDERAL DO PARANÁ SETOR DE TECNOLOGIA DEPARTAMENTO DE ENGENHARIA ELÉTRICA

UNIVERSIDADE FEDERAL DO PARANÁ SETOR DE TECNOLOGIA DEPARTAMENTO DE ENGENHARIA ELÉTRICA UNIVERSIDADE FEDERAL DO PARANÁ SETOR DE TECNOLOGIA DEPARTAMENTO DE ENGENHARIA ELÉTRICA DESENVOLVIMENTO DE UM PAR DE LUVAS INSTRUMENTALIZADAS PARA AQUISIÇÃO DE MOVIMENTOS APLICADAS AO PROCESSAMENTO E RECONHECIMENTO

Leia mais

VISÃO COMPUTACIONAL APLICADA PARA O APOIO À CALIBRAÇÃO DE TERMOHIGRÔMETROS

VISÃO COMPUTACIONAL APLICADA PARA O APOIO À CALIBRAÇÃO DE TERMOHIGRÔMETROS VISÃO COMPUTACIONAL APLICADA PARA O APOIO À CALIBRAÇÃO DE TERMOHIGRÔMETROS Vladimir Geraseev Junior Universidade de Taubaté - UNITAU vgeraseev@gmail.com RESUMO Este trabalho tem como objetivo apresentar

Leia mais

Automação Industrial AULA 04: Sensores e atuadores OBJETIVO: Apresentar os sensores e atuadores mais utilizados nos projetos de automação..

Automação Industrial AULA 04: Sensores e atuadores OBJETIVO: Apresentar os sensores e atuadores mais utilizados nos projetos de automação.. AULA 04: Sensores e atuadores OBJETIVO: Apresentar os sensores e atuadores mais utilizados nos projetos de automação.. A pirâmide de automação Nível 5: Gerenciamento corporativo Nível 3: Nível 2: Nível

Leia mais

4 Transformadores de impedância em linha de transmissão planar

4 Transformadores de impedância em linha de transmissão planar 4 Transformadores de impedância em linha de transmissão planar 4.1 Introdução A utilização de estruturas de adaptação de impedância capazes de acoplar os sinais elétricos, de modo eficiente, aos dispositivos

Leia mais

NORMA PARA CERTIFICAÇÃO E HOMOLOGAÇÃO DE TRANSMISSORES E TRANSCEPTORES MONOCANAIS ANALÓGICOS AM

NORMA PARA CERTIFICAÇÃO E HOMOLOGAÇÃO DE TRANSMISSORES E TRANSCEPTORES MONOCANAIS ANALÓGICOS AM ANEXO À RESOLUÇÃO N o 370, DE 13 DE MAIO DE 2004. NORMA PARA CERTIFICAÇÃO E HOMOLOGAÇÃO DE TRANSMISSORES E TRANSCEPTORES MONOCANAIS ANALÓGICOS AM 1. Objetivo Esta norma estabelece os requisitos técnicos

Leia mais

3 Montagem experimental

3 Montagem experimental 3 Montagem experimental Este capítulo tem o objetivo de apresentar a descrição da montagem e dos equipamentos utilizados para o desenvolvimento do trabalho experimental proposto. Primeiramente será discutida

Leia mais

DSCE FEEC - UNICAMP 1. 8. Normatização da Qualidade da Energia Elétrica

DSCE FEEC - UNICAMP 1. 8. Normatização da Qualidade da Energia Elétrica 8. Normatização da Qualidade da Energia Elétrica Introdução Existe uma tendência mundial em rediscutir as normas de âmbito nacional para se chegar a um consenso internacional. As iniciativas nesse sentido

Leia mais

SISTEMA AUTOMÁTICO DE AQUISIÇÃO DE DADOS DE UM INCINERADOR DE RESÍDUOS

SISTEMA AUTOMÁTICO DE AQUISIÇÃO DE DADOS DE UM INCINERADOR DE RESÍDUOS SISTEMA AUTOMÁTICO DE AQUISIÇÃO DE DADOS DE UM INCINERADOR DE RESÍDUOS C.L.C. Rodrigues 1, J.E.C. Monte 1 ; P.R. Pinto 1 ; J. L. Paes 2 ; Paulo M. B. Monteiro 3 1- Instituto Federal de Minas Gerais Campus

Leia mais

MTS. Sistema de ensaio de medidores. - Fontes - Amplificadores - Padrões - Calculadores de erro - Cabeçote - Transformadores

MTS. Sistema de ensaio de medidores. - Fontes - Amplificadores - Padrões - Calculadores de erro - Cabeçote - Transformadores MTS Sistema de ensaio de medidores - Fontes - Amplificadores - Padrões - Calculadores de erro - Cabeçote - Transformadores Desenho de um Sistema padrão ou Monitor para os valores atuais* Monitor Impressora*

Leia mais

Capítulo 8 Fluxo de carga c.a/c.c.

Capítulo 8 Fluxo de carga c.a/c.c. Capítulo 8 Fluxo de carga c.a/c.c. 8.1 Introdução Um sistema de transmissão em corrente contínua (c.c.) que interliga dois sistemas de corrente alternada () é chamado de elo de corrente contínua (elo c.c.,

Leia mais

Incertezas de Medições em Calibrações: aplicações práticas no ambiente hospitalar

Incertezas de Medições em Calibrações: aplicações práticas no ambiente hospitalar I Congresso Brasileiro de Engenharia Clínica Palestra: Incertezas de Medições em Calibrações: aplicações práticas no ambiente hospitalar São Paulo, 30 de Setembro de 2005 Gilberto Carlos Fidélis Instrutor

Leia mais

DESENVOLVIMENTO DE UM ANEMÔMETRO POR CONVECÇÃO FORÇADA

DESENVOLVIMENTO DE UM ANEMÔMETRO POR CONVECÇÃO FORÇADA I CIMMEC 1º CONGRESSO INTERNACIOANAL DE METROLOGIA MECÂNICA DE 8 A 10 DE OUTUBRO DE 2008 Rio de janeiro, Brasil DESENVOLVIMENTO DE UM ANEMÔMETRO POR CONVECÇÃO FORÇADA Marcos A. A. de Oliveira 1, Gil Roberto

Leia mais

3 Configurações para realização do transformador de impedância em linha de transmissão planar 3.1.Introdução

3 Configurações para realização do transformador de impedância em linha de transmissão planar 3.1.Introdução 3 Configurações para realização do transformador de impedância em linha de 3.1.Introdução Neste capítulo serão apresentadas diversas configurações que possibil itam a realização do transformador de impedância

Leia mais

15/02/2012. IV.2_Controle e Automação II. Introdução. Conteúdo SENSORES

15/02/2012. IV.2_Controle e Automação II. Introdução. Conteúdo SENSORES IV.2_Controle e Automação II Formando Profissionais Para o Futuro SENSORES Introdução No estudo da automação em sistemas industriais, comerciais e/ou residenciais há a necessidade de determinar as condições

Leia mais

Instrumentação para Espectroscopia Óptica. CQ122 Química Analítica Instrumental II 2º sem. 2014 Prof. Claudio Antonio Tonegutti

Instrumentação para Espectroscopia Óptica. CQ122 Química Analítica Instrumental II 2º sem. 2014 Prof. Claudio Antonio Tonegutti Instrumentação para Espectroscopia Óptica CQ122 Química Analítica Instrumental II 2º sem. 2014 Prof. Claudio Antonio Tonegutti INTRODUÇÃO Os componentes básicos dos instrumentos analíticos para a espectroscopia

Leia mais

Conceitos e definições para correção do fator de potência através de carga capacitiva

Conceitos e definições para correção do fator de potência através de carga capacitiva Conceitos e definições para correção do fator de potência através de carga capacitiva anobra de capacitores Na ligação de capacitores a uma rede ocorre um processo transitório severo até que seja atingido

Leia mais

1 Problemas de transmissão

1 Problemas de transmissão 1 Problemas de transmissão O sinal recebido pelo receptor pode diferir do sinal transmitido. No caso analógico há degradação da qualidade do sinal. No caso digital ocorrem erros de bit. Essas diferenças

Leia mais

9º ENTEC Encontro de Tecnologia: 23 a 28 de novembro de 2015

9º ENTEC Encontro de Tecnologia: 23 a 28 de novembro de 2015 ANÁLISE DE DISTORÇÕES HARMÔNICAS Michelle Borges de Oliveira¹; Márcio Aparecido Arruda² ¹Universidade de Uberaba, Uberaba Minas Gerais ²Universidade de Uberaba, Uberaba Minas Gerais oliveiraborges.michelle@gmail.com;

Leia mais

ASPECTOS DA CALIBRAÇÃO DE ANEMÔMETROS NOS EMPREENDIMENTOS EÓLICOS

ASPECTOS DA CALIBRAÇÃO DE ANEMÔMETROS NOS EMPREENDIMENTOS EÓLICOS ASPECTOS DA CALIBRAÇÃO DE ANEMÔMETROS NOS EMPREENDIMENTOS EÓLICOS Jorge Antonio Villar Alé - villar@pucrs.br Gabriel Cirilo da Silva Simioni - simioni@pucrs.br Pedro da Silva Hack - pedro.hack@pucrs.br

Leia mais

Medidor monofásico eletrônico LUMEN MC

Medidor monofásico eletrônico LUMEN MC Medidor monofásico eletrônico LUMEN MC kwh MEDIDOR ELETRÔNICO LUMEN MC 120V 15(100)A 60Hz 2Fios 1EL 1Fase REVERSO Ke 0,625 Wh/Pulso Kh 0,625 Wh/Pulso Classe B 2008 Y K Portaria INMETRO/Dimel nº 00000000

Leia mais

UNIVERSIDADE FEDERAL DE SANTA MARIA COLÉGIO TÉCNICO INDUSTRIAL DE SANTA MARIA Curso de Eletrotécnica

UNIVERSIDADE FEDERAL DE SANTA MARIA COLÉGIO TÉCNICO INDUSTRIAL DE SANTA MARIA Curso de Eletrotécnica UNIVERSIDADE FEDERAL DE SANTA MARIA COLÉGIO TÉCNICO INDUSTRIAL DE SANTA MARIA Curso de Eletrotécnica Apostila de Automação Industrial Elaborada pelo Professor M.Eng. Rodrigo Cardozo Fuentes Prof. Rodrigo

Leia mais

Fundamentos de Medidas Elétricas em Alta Freqüência

Fundamentos de Medidas Elétricas em Alta Freqüência Centro de Pesquisas de Energia Elétrica Fundamentos de Medidas Elétricas em Alta Freqüência Apresentador: André Tomaz de Carvalho Área: DLE Medidas Elétricas em Alta Frequência Quando o comprimento de

Leia mais

CONHECIMENTOS ESPECÍFICOS» CONTROLE E PROCESSOS INDUSTRIAIS (Perfil 03) «

CONHECIMENTOS ESPECÍFICOS» CONTROLE E PROCESSOS INDUSTRIAIS (Perfil 03) « CONHECIMENTOS ESPECÍFICOS» CONTROLE E PROCESSOS INDUSTRIAIS (Perfil 03) «21. Os valores de I e Vo para o circuito dado a seguir, considerando os diodos ideais, são, respectivamente: a) 7 ma e 6 V. b) 7

Leia mais

Experiência 05 Resistência de Isolamento

Experiência 05 Resistência de Isolamento Universidade Federal de Santa Catarina Departamento de Engenharia Elétrica Laboratório de Materiais Elétricos EEL 7051 Professor Clóvis Antônio Petry Experiência 05 Resistência de Isolamento Fábio P. Bauer

Leia mais

Monitor Cardíaco. Universidade Federal de Santa Maria Centro de Tecnologia Departamento de Eletrônica e Computação

Monitor Cardíaco. Universidade Federal de Santa Maria Centro de Tecnologia Departamento de Eletrônica e Computação Universidade Federal de Santa Maria Centro de Tecnologia Departamento de Eletrônica e Computação Monitor Cardíaco Proposta de Trabalho de Conclusão de Curso Prof. Giovani Baratto Santa Maria Agosto de

Leia mais

2. Simbologia e Nomenclatura

2. Simbologia e Nomenclatura 2. Simbologia e Nomenclatura Nessa seção simbologia e nomenclatura é apresentado os termos mais utilizados e padronizados em instrumentação industrial. Sua compreensão é de suma importância para o entendimento

Leia mais

Uma viagem pelas instalações elétricas. Conceitos & aplicações

Uma viagem pelas instalações elétricas. Conceitos & aplicações Uma viagem pelas instalações elétricas. Conceitos & aplicações Avaliação do Sistema de Transformação em Subestações e Painéis de Média Tensão - Operação, Manutenção e Ensaios Eng. Marcelo Paulino Subestações

Leia mais

GABARITO - DEF30. Questão 1

GABARITO - DEF30. Questão 1 GABARITO - DEF30 Questão 1 a) Ensaio em aberto: Um dos lados do transformador é deixado em aberto, normalmente o lado de alta tensão. Instrumentos de medição são conectados para medir a corrente I 1, V

Leia mais

Soluções Encontradas para Realização do Ensaio de Descargas Parciais no Campo em Buchas Capacitivas de Transformadores e Reatores de Potência

Soluções Encontradas para Realização do Ensaio de Descargas Parciais no Campo em Buchas Capacitivas de Transformadores e Reatores de Potência 1 Soluções Encontradas para Realização do Ensaio de Descargas Parciais no Campo em Buchas Capacitivas de Transformadores e Reatores de Potência F. S. Brasil, B. M. Campos, J. A. S. Andrade, J. A. S. Tostes,

Leia mais

INSTRUMENTAÇÃO PARA O MONITORAMENTO E ANÁLISE DE TRASNSFORMADORES DE POTÊNCIA COM BASE NA MEDIÇÃO DE DESCARGAS PARCIAIS NO CAMPO

INSTRUMENTAÇÃO PARA O MONITORAMENTO E ANÁLISE DE TRASNSFORMADORES DE POTÊNCIA COM BASE NA MEDIÇÃO DE DESCARGAS PARCIAIS NO CAMPO INSTRUMENTAÇÃO PARA O MONITORAMENTO E ANÁLISE DE TRASNSFORMADORES DE POTÊNCIA COM BASE NA MEDIÇÃO DE DESCARGAS PARCIAIS NO CAMPO Hélio Amorim *, Alain Levy *, André Tomaz *, Orsino Borges *, José Cardoso

Leia mais

Semana de Atividades Científicas 2012 Associação Educacional Dom Bosco Faculdade de Engenharia de Resende Engenharia Elétrica Eletrônica

Semana de Atividades Científicas 2012 Associação Educacional Dom Bosco Faculdade de Engenharia de Resende Engenharia Elétrica Eletrônica Semana de Atividades Científicas 2012 Associação Educacional Dom Bosco Faculdade de Engenharia de Resende Engenharia Elétrica Eletrônica UTILIZAÇÃO DA ANÁLISE DE GASES DISSOLVIDOS EM ÓLEO MINERAL ISOLANTE

Leia mais

VI SBQEE. 21 a 24 de agosto de 2005 Belém Pará Brasil

VI SBQEE. 21 a 24 de agosto de 2005 Belém Pará Brasil VI SBQEE 21 a 24 de agosto de 2005 Belém Pará Brasil Código: BEL 02 7687 Tópico: Aplicação de Novas Tecnologias DESENVOLVIMENTO DE EQUIPAMENTO PARA GERAÇÃO DE VARIAÇÕES DE TENSÃO DE CURTA DURAÇÃO (VTCD)

Leia mais

Diário Oficial da União Seção 01 DOU 22 de junho de 2011 Página [87]

Diário Oficial da União Seção 01 DOU 22 de junho de 2011 Página [87] Diário Oficial da União Seção 01 DOU 22 de junho de 2011 Página [87] INSTRUÇÃO NORMATIVA N 3, DE 21 DE JUNHO DE 2011 A Diretoria Colegiada da Agência Nacional de Vigilância Sanitária, no uso das atribuições

Leia mais

Capítulo V. Dispositivos de proteção Parte III. Proteção e seletividade. 26 O Setor Elétrico / Maio de 2010. Relé df/dt. Fusível. Conexão.

Capítulo V. Dispositivos de proteção Parte III. Proteção e seletividade. 26 O Setor Elétrico / Maio de 2010. Relé df/dt. Fusível. Conexão. 26 Capítulo V Dispositivos de proteção Parte III Por Cláudio Mardegan* Relé df/dt Muitas vezes, esperar alguns ciclos para operar um relé de frequência pode não ser uma solução real de proteção de um sistema

Leia mais

Multiplexação de Displays

Multiplexação de Displays Multiplexação de Displays D.T. e J.R.B./200 (revisão) E.T.M./2003 (revisão da parte experimental) E.T.M./200 (revisão) E.T.M./2006 (revisão) RESUMO Nesta experiência são apresentados alguns conceitos sobre

Leia mais

2. Fundamentos Teóricos

2. Fundamentos Teóricos 2. Fundamentos Teóricos 2.1. Conceitos Metrológicos 2.1.1. O Sistema Internacional de Unidades O Sistema Internacional de Unidades ( SI ) está dividido em duas classes ; - Unidades de Base - Unidades derivadas

Leia mais

GABARITO - DEP34. Questão 1. Questão 2. Questão 3. Questão 4

GABARITO - DEP34. Questão 1. Questão 2. Questão 3. Questão 4 GABARITO - DEP34 Questão 1 Os TCs para serviço de proteção apresentam boas características de exatidão, 0,1%, 0,3%, 0,6% e 1,2%. Também apresentam uma baixa corrente de saturação, quando comparados com

Leia mais

MEDIÇÃO DE TAXA DE ERRO DE BIT Alba Angélica Ratis

MEDIÇÃO DE TAXA DE ERRO DE BIT Alba Angélica Ratis Universidade Federal do Rio Grande do Norte Departamento de Engenharia Elétrica Disciplina: Instrumentação Eletrônica Professor: Luciano Cavalcanti MEDIÇÃO DE TAXA DE ERRO DE BIT Alba Angélica Ratis Este

Leia mais

Manual de segurança SIL

Manual de segurança SIL Manual de segurança SIL PolyTrans P32000P0/1* ThermoTrans P32100P0/1* SensoTrans P32200P0/1* SensoTrans P32300P0/1* www.knick.de Índice 1 Âmbito de aplicação e padrões... 4 1.1 Abreviaturas...6 2 Descrição

Leia mais

PROTOCOLO DO 2º PROGRAMA DE ENSAIOS DE PROFICIÊNCIA

PROTOCOLO DO 2º PROGRAMA DE ENSAIOS DE PROFICIÊNCIA PROTOCOLO DO 2º PROGRAMA DE ENSAIOS DE PROFICIÊNCIA PROGRAMA DA COMPARAÇÃO INTERLABORATORIAL DE CALIBRAÇÃO NA AREA DE TEMPERATURA FORA DAS INSTALAÇÕES PERMANENTES Rodada 01 Revisão 02 22 de Novembro de

Leia mais

PROCEDIMENTO ESPECIFICAÇÃO TÉCNICA PARA EQUIPAMENTO ELETRÔNICO PARA CONVERSÃO DE VOLUME DE GÁS NATURAL ÍNDICE DE REVISÕES

PROCEDIMENTO ESPECIFICAÇÃO TÉCNICA PARA EQUIPAMENTO ELETRÔNICO PARA CONVERSÃO DE VOLUME DE GÁS NATURAL ÍNDICE DE REVISÕES UNIDADE: GERAL 1 de 14 ÍNDICE DE REVISÕES Rev. 0 EMISSÃO INICIAL DESCRIÇÃO E/OU FOLHAS ATINGIDAS Rev. 0 Rev. 1 Rev. 2 Rev. 3 Rev. 4 Rev. 5 Rev. 6 Rev. 7 Rev. 8 DATA: 18/04/13 ELABORAÇÃO: Andre VERIFICAÇÃO:

Leia mais

BC 0205 Fenômenos Térmicos. Experimento 3 Roteiro

BC 0205 Fenômenos Térmicos. Experimento 3 Roteiro BC 005 Fenômenos Térmicos Experimento Roteiro Calorimetria parte Professor: Data: / /0 Turma: Turno: Nome: RA: Proposta Determinar a capacidade térmica do recipiente que constitui o calorímetro e o calor

Leia mais

Aplicação e Operação de Medidores Ultra-Sônicos. José Paulo C. Santana PETROBRAS G&E 7/8/2012

Aplicação e Operação de Medidores Ultra-Sônicos. José Paulo C. Santana PETROBRAS G&E 7/8/2012 Aplicação e Operação de Medidores Ultra-Sônicos José Paulo C. Santana PETROBRAS G&E 7/8/2012 1- Conceitos básicos 2-Portarias ANP & INMETRO 3- Desenvolvimento da tecnologia 4-Características comparativas

Leia mais

Ganhos do Plano de Calibração. Celso P. Saraiva Resp. Técnico Lab. Calibração

Ganhos do Plano de Calibração. Celso P. Saraiva Resp. Técnico Lab. Calibração Ganhos do Plano de Calibração Celso P. Saraiva Resp. Técnico Lab. Calibração Desenvolvimento Definições básicas em Metrologia; Propriedades das distribuições normais; O que calibrar? Como estabelecer um

Leia mais

BOLETIM TÉCNICO. NR-10 - Segurança em Instalações e Serviços em Eletricidade. 1. Introdução. 2. Porque da importância da NR-10

BOLETIM TÉCNICO. NR-10 - Segurança em Instalações e Serviços em Eletricidade. 1. Introdução. 2. Porque da importância da NR-10 NR-10 - Segurança em Instalações e Serviços em Eletricidade 1. Introdução A Norma Regulamentadora n 10 é um documento que descreve um conjunto de procedimentos e requisitos para as atividades que envolvem

Leia mais

ELO Sistemas Eletrônicos S.A. 100406011-002

ELO Sistemas Eletrônicos S.A. 100406011-002 MEDIDOR ELETRÔNICO ELO2106 MANUAL DO USUÁRIO Agosto de 2008 ELO Sistemas Eletrônicos S.A. 100406011-002 Índice ÍNDICE... I INTRODUÇÃO... 1-1 CONTEÚDO DESTE MANUAL... 1-1 ONDE OBTER MAIS INFORMAÇÕES...

Leia mais

UNIVERSIDADE FEDERAL DO RIO GRANDE DO SUL ESCOLA DE ENGENHARIA DEPARTAMENTO DE ENGENHARIA MECÂNICA ENG03108 MEDIÇÕES TÉRMICAS

UNIVERSIDADE FEDERAL DO RIO GRANDE DO SUL ESCOLA DE ENGENHARIA DEPARTAMENTO DE ENGENHARIA MECÂNICA ENG03108 MEDIÇÕES TÉRMICAS UNIVERSIDADE FEDERAL DO RIO GRANDE DO SUL ESCOLA DE ENGENHARIA DEPARTAMENTO DE ENGENHARIA MECÂNICA ENG03108 MEDIÇÕES TÉRMICAS ANÁLISE DA EFICIÊNCIA TÉRMICA DE ISOLAMENTOS EM AQUECIMENTO E RESFRIAMENTO

Leia mais

INSTRUMENTAÇÃO. Eng. Marcelo Saraiva Coelho

INSTRUMENTAÇÃO. Eng. Marcelo Saraiva Coelho INSTRUMENTAÇÃO CONCEITOS E DEFINIÇÕES Nas indústrias, o termo PROCESSO tem um significado amplo. Uma operação unitária, como por exemplo, destilação, filtração ou aquecimento, é considerado um PROCESSO.

Leia mais

www.bluemedia.com.br MEDIDORES

www.bluemedia.com.br MEDIDORES www.bluemedia.com.br MEDIDORES Detector de Falhas e Analisador Preditivo - PA A linha PA de Detectores de Falhas e Analisadores Preditivos KRON traz uma nova abordagem para o conceito de monitoramento

Leia mais

PROJETO DE LEI. Reajusta os valores da Taxa de Serviços Metrológicos, e dá outras providências. O CONGRESSO NACIONAL decreta:

PROJETO DE LEI. Reajusta os valores da Taxa de Serviços Metrológicos, e dá outras providências. O CONGRESSO NACIONAL decreta: PROJETO DE LEI Reajusta os valores da Taxa de Serviços Metrológicos, e dá outras providências. O CONGRESSO NACIONAL decreta: Art. 1 o A Taxa de Serviços Metrológicos, instituída pelo art. 11 da Lei n o

Leia mais

Distância de acionamento. Distância sensora nominal (Sn) Distância sensora efetiva (Su) Distância sensora real (Sr) 15/03/2015

Distância de acionamento. Distância sensora nominal (Sn) Distância sensora efetiva (Su) Distância sensora real (Sr) 15/03/2015 Ministério da educação - MEC Secretaria de Educação Profissional e Técnica SETEC Instituto Federal de Educação Ciência e Tecnologia do Rio Grande do Sul Campus Rio Grande Sensores São dispositivos que

Leia mais

AUDITANDO UM SISTEMA DE MEDIÇÃO

AUDITANDO UM SISTEMA DE MEDIÇÃO AUDITANDO UM SISTEMA DE MEDIÇÃO Bernardino Coelho da Silva 1 or não ser um tema de domínio de todos, ainda é muito comum percebermos certa dificuldade dos Auditores na condução de avaliação de sistemas

Leia mais

Principais Meios de Transmissão Par Trançado Cabo Coaxial Fibra Ótica Micro Ondas

Principais Meios de Transmissão Par Trançado Cabo Coaxial Fibra Ótica Micro Ondas Modelo de Comunicação Propósito principal A troca de informação entre dois agentes Comunicação de Computadores Comunicação de Dados Transmissão de Sinais Agente Dispositivo de entrada Transmissor Meio

Leia mais

Aplicação do princípio de Redes de Bragg em sensores baseados em cabo coaxial

Aplicação do princípio de Redes de Bragg em sensores baseados em cabo coaxial Aplicação do princípio de Redes de Bragg em sensores baseados em cabo coaxial Mariana Brisky Costa (UTFPR) E-mail: marianabrisky@gmail.com José Jair Alves Mendes Junior (UTFPR) E-mail: mendes.junior13@yahoo.com.br

Leia mais

PRÁTICAS PARA A DISCIPLINA LABORATÓRIO DE INSTALAÇÕES ELÉTRICAS

PRÁTICAS PARA A DISCIPLINA LABORATÓRIO DE INSTALAÇÕES ELÉTRICAS PRÁTICAS PARA A DISCIPLINA LABORATÓRIO DE INSTALAÇÕES ELÉTRICAS APOSTILA DO PROFESSOR 2 APOSTILA DO PROFESSOR PRÁTICA N 1 - Dispositivos de comando de iluminação. LABORATÓRIO DE INSTALAÇÕES ELÉTRICAS APOSTILA

Leia mais

Objetivos. Medição em Máquinas Rotativas. Avaliação Dielétrica Set 2012. de Equipamentos de Alta Tensão com base nas Descargas Parciais

Objetivos. Medição em Máquinas Rotativas. Avaliação Dielétrica Set 2012. de Equipamentos de Alta Tensão com base nas Descargas Parciais Centro de Pesquisas de Energia Elétrica Avaliação Dielétrica de Equipamentos de Alta Tensão com base nas Descargas Parciais Medição em Máquinas Rotativas Apresentador: Alain F. S. Levy Objetivos A medição

Leia mais

VERIFICAÇÃO INICIAL DE MEDIDORES DE VOLUME DE GÁS TIPO DIAFRAGMA

VERIFICAÇÃO INICIAL DE MEDIDORES DE VOLUME DE GÁS TIPO DIAFRAGMA VERIFICAÇÃO INICIAL DE MEDIDORES DE VOLUME DE GÁS TIPO DIAFRAGMA NORMA N o NIE-DIMEL-073 APROVADA EM DEZ/05 N o /06 SUMÁRIO 1. Objetivo 2. Campo de Aplicação 3. Responsabilidades 4. Documentos de Referência

Leia mais

SISTEMA E MEDIDOR ONLINE DE ESTABILIDADE ELÉTRICA DE FLUIDO DE PERFURAÇÃO

SISTEMA E MEDIDOR ONLINE DE ESTABILIDADE ELÉTRICA DE FLUIDO DE PERFURAÇÃO 1/11 SISTEMA E MEDIDOR ONLINE DE ESTABILIDADE ELÉTRICA DE CAMPO DA INVENÇÃO FLUIDO DE PERFURAÇÃO 1 2 A presente invenção refere-se a fluidos empregados na perfuração e completação de poços de petróleo.

Leia mais

CORRENTE CONTÍNUA E CORRENTE ALTERNADA

CORRENTE CONTÍNUA E CORRENTE ALTERNADA CORRENTE CONTÍNUA E CORRENTE ALTERNADA Existem dois tipos de corrente elétrica: Corrente Contínua (CC) e Corrente Alternada (CA). A corrente contínua tem a característica de ser constante no tempo, com

Leia mais

Avaliação de Pára-raios no Campo e no Laboratório por meio das Descargas Parciais utilizando TC de Alta Frequência

Avaliação de Pára-raios no Campo e no Laboratório por meio das Descargas Parciais utilizando TC de Alta Frequência 1 Avaliação de Pára-raios no Campo e no Laboratório por meio das Descargas Parciais utilizando TC de Alta Frequência H. P. Amorim Júnior *, Pesquisador, CEPEL, A. T. Carvalho, Pesquisador, CEPEL, T. B.

Leia mais

Analisador de Espectros

Analisador de Espectros Analisador de Espectros O analisador de espectros é um instrumento utilizado para a análise de sinais alternados no domínio da freqüência. Possui certa semelhança com um osciloscópio, uma vez que o resultado

Leia mais

Fundação Centro Tecnológico de Minas Gerais IMPLANTAÇÃO DO LABORATÓRIO DE VAZÃO DE GÁS DA FUNDAÇÃO CENTRO TECNOLÓGICO DE MINAS GERAIS

Fundação Centro Tecnológico de Minas Gerais IMPLANTAÇÃO DO LABORATÓRIO DE VAZÃO DE GÁS DA FUNDAÇÃO CENTRO TECNOLÓGICO DE MINAS GERAIS Fundação Centro Tecnológico de Minas Gerais IMPLANTAÇÃO DO LABORATÓRIO DE VAZÃO DE GÁS DA FUNDAÇÃO CENTRO TECNOLÓGICO DE MINAS GERAIS V Seminário de Metrologia Aeroespacial V SEMETRA 21 a 24 de julho de

Leia mais

Laboratório de Sistemas de Energia. Ensaio de Colectores Solares Térmicos e Módulos Fotovoltaicos

Laboratório de Sistemas de Energia. Ensaio de Colectores Solares Térmicos e Módulos Fotovoltaicos Laboratório de Sistemas de Energia Ensaio de Colectores Solares Térmicos e Módulos Fotovoltaicos LSE 05-2013 1 Laboratório de Sistemas de Energia Ensaio de Colectores Solares Térmicos segundo as Normas:

Leia mais

VI SBQEE. 21 a 24 de agosto de 2005 Belém Pará Brasil

VI SBQEE. 21 a 24 de agosto de 2005 Belém Pará Brasil VI SBQEE 21 a 24 de agosto de 2005 Belém Pará Brasil Código: BEL 11 7608 Tópico: Modelagem e Simulações AVALIAÇÃO DE TÉCNICAS PARA AUMENTO DE SUPORTABILIDADE DE UM SISTEMA DE ACIONAMENTO À VELOCIDADE VARIÁVEL

Leia mais

Submódulo 12.2. Instalação do sistema de medição para faturamento

Submódulo 12.2. Instalação do sistema de medição para faturamento Submódulo 2.2 Instalação do sistema de medição para faturamento Rev. Nº. Motivo da revisão Data de aprovação pelo ONS Data e instrumento de aprovação pela ANEEL 0 Este documento foi motivado pela criação

Leia mais

ELETROTÉCNICA ELM ROTEIRO DA AULA PRÁTICA 01 A LEI DE OHM e AS LEIS DE KIRCHHOFF

ELETROTÉCNICA ELM ROTEIRO DA AULA PRÁTICA 01 A LEI DE OHM e AS LEIS DE KIRCHHOFF ELETROTÉCNICA ELM ROTEIRO DA AULA PRÁTICA 01 A LEI DE OHM e AS LEIS DE KIRCHHOFF NOME: TURMA: DATA: / / OBJETIVOS: Ler o valor nominal de cada resistor através do código de cores. Conhecer os tipos de

Leia mais

Bibliografia. Forouzan, Behrouz A. Comunicação de Dados e Redes de Computadores. 4. ed. McGraw-Hill, 2008.

Bibliografia. Forouzan, Behrouz A. Comunicação de Dados e Redes de Computadores. 4. ed. McGraw-Hill, 2008. Redes Sem Fio Você vai aprender: Contextualização das redes sem fio; Fundamentos de transmissão de sinais digitais; Fundamentos de radio comunicação; Arquiteturas em redes sem fio; Redes WLAN padrão IEEE

Leia mais

Detecção do Intervalo de Saturação de Transformadores de Corrente através do Cálculo do Desvio Padrão entre Amostras da Corrente Secundária

Detecção do Intervalo de Saturação de Transformadores de Corrente através do Cálculo do Desvio Padrão entre Amostras da Corrente Secundária PAPER 1/6 Title Detecção do Intervalo de Saturação de Transformadores de Corrente através do Cálculo do Desvio Padrão entre Amostras da Corrente Secundária Registration Nº: (Abstract) 266 Company Centro

Leia mais

ANEMÔMETRO A FIO QUENTE

ANEMÔMETRO A FIO QUENTE UNIVERSIDADE FEDERAL DO RIO GRANDE DO NORTE CENTRO DE TECNOLOGIA DEPARTAMENTO DE ENGENHARIA ELÉTRICA INSTRUMENTAÇÀO ELTRÔNICA ANEMÔMETRO A FIO QUENTE Cayo Cid de França Moraes 200321285 Natal/RN ANEMÔMETRO

Leia mais

TÉCNICA DE MEDIÇÃO ELETRÔNICA DA CAMADA SEMI- REDUTORA UTILIZANDO TRANSISTOR BIPOLAR DE JUNÇÃO

TÉCNICA DE MEDIÇÃO ELETRÔNICA DA CAMADA SEMI- REDUTORA UTILIZANDO TRANSISTOR BIPOLAR DE JUNÇÃO International Joint Conference RADIO 2014 Gramado, RS, Brazil, Augustl 26-29, 2014 SOCIEDADE BRASILEIRA DE PROTEÇÃO RADIOLÓGICA - SBPR TÉCNICA DE MEDIÇÃO ELETRÔNICA DA CAMADA SEMI- REDUTORA UTILIZANDO

Leia mais

CENTRO UNIVERSITÁRIO CATÓLICA DE SANTA CATARINA EM JOINVILLE PRÓ-REITORIA ACADÊMICA CURSO DE ENGENHARIA ELÉTRICA

CENTRO UNIVERSITÁRIO CATÓLICA DE SANTA CATARINA EM JOINVILLE PRÓ-REITORIA ACADÊMICA CURSO DE ENGENHARIA ELÉTRICA CENTRO UNIVERSITÁRIO CATÓLICA DE SANTA CATARINA EM JOINVILLE PRÓ-REITORIA ACADÊMICA CURSO DE ENGENHARIA ELÉTRICA Matriz Curricular vigente a partir de 2012/1 Fase Cód. Disciplina Prérequisitos Carga Horária

Leia mais

RELATÓRIO TÉCNICO N 04/2008 ANÁLISE DA AÇÃO DE ALTAS TEMPERATURAS EM PAINEL EM ALVENARIA DE BLOCOS CERÂMICOS VAZADOS

RELATÓRIO TÉCNICO N 04/2008 ANÁLISE DA AÇÃO DE ALTAS TEMPERATURAS EM PAINEL EM ALVENARIA DE BLOCOS CERÂMICOS VAZADOS RELATÓRIO TÉCNICO N 04/2008 ANÁLISE DA AÇÃO DE ALTAS TEMPERATURAS EM PAINEL EM ALVENARIA DE BLOCOS CERÂMICOS VAZADOS - Pauluzzi Produtos Cerâmicos LTDA - Porto Alegre - Fevereiro de 2008. RELATÓRIO TÉCNICO

Leia mais

3º Experimento 1ª Parte: Lei de Ohm

3º Experimento 1ª Parte: Lei de Ohm 3º Experimento 1ª Parte: Lei de Ohm 1. Objetivos: Verificar a lei de Ohm. Determinar a resistência elétrica através dos valores de tensão e corrente. 2. Teoria: No século passado, George Ohm enunciou:

Leia mais

Aplicação de Leds e fotometria

Aplicação de Leds e fotometria 40 Capítulo VII Aplicação de Leds e fotometria Por José Gil Oliveira* A iluminação artificial tem sido objeto de evolução tecnológica ao longo dos anos. Atualmente, em face da necessidade do aumento da

Leia mais