ENSINO PRIMÁRIO GETULISTA: CARTILHAS ESCOLARES COMO INSTRUMENTO DE DOUTRINAÇÃO INFANTIL

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "ENSINO PRIMÁRIO GETULISTA: CARTILHAS ESCOLARES COMO INSTRUMENTO DE DOUTRINAÇÃO INFANTIL"

Transcrição

1 [Digite uma 1 citação ENSINO PRIMÁRIO GETULISTA: CARTILHAS ESCOLARES COMO INSTRUMENTO DE DOUTRINAÇÃO INFANTIL Zenaide Inês Schmitz 1 Miguel Ângelo Silva da Costa 2 RESUMO O regime getulista, sobretudo, no contexto do chamado Estado-Novo, exerceu amplo controle sobre a educação. Entre os distintos campos de produção de sentidos, encontram-se as cartilhas escolares infantis, suportes de memória carregados de forte sentido patriótico. Seus autores tinham como objetivo a produção/ difusão de sentidos/ consciências na população infanto-juvenil, com base nos pressupostos básicos da mentalidade que deu suporte ideológico ao regime varguista: autoridade, hierarquia, ordem e patriotismo. Este trabalho, portanto, se dedica à análise de cartilhas infantis destinadas ao ensino primário, colocando em tela seu papel no processo de construção de uma identidade nacional marcada pelo culto ao líder e a pátria. Palavras-Chave: Regime Varguista. Ensino primário. Cartilhas escolares. Identidade nacional. Introdução Aos 10 dias de novembro de 1937, na esteira da crise de 1929 e sob os efeitos dos desajustes econômicos, políticos e sociais com os quais a sociedade brasileira convivia, Getúlio Dorneles Vargas, em pronunciamento à nação, deu início ao regime que ficou conhecido na história política brasileira como Estado Novo ( ). A partir de então, com o firme propósito de suprimir dos imaginários sociais qualquer representação do passado, presente e futuro coletivos que não fosse a emanada do regime varguista, um amplo e poderoso aparato propagandístico emergiu articulado ao poder político em vigor e ao monopólio simbólico emanado do Estado. Criado, por decreto presidencial em 1939 e dirigido por Lourival Fontes, um jornalista simpático ao ideário fascista de Mussolini (LEVINE, 2001), o Departamento de Imprensa e Propaganda (DIP) encarregou-se da missão de doutrinar a opinião pública acerca dos princípios da autoridade, hierarquia, ordem e patriotismo. Vale 1 Graduação em História. Mestranda do Programa de Pós-graduação em Educação, da Universidade Comunitária da Região de Chapecó - Unochapecó. Participa do grupo de Pesquisa CNPq/ Unochapecó: Ensino e Formação de Professores. Bolsista FAPESC. 2 Doutor em História (UNISINOS). Professor permanente do Programa de Pós-graduação em Educação, da Universidade Comunitária da Região de Chapecó - Unochapecó.

2 2 mencionar, princípios básicos da mentalidade que deu suporte ideológico ao regime implantado em 1937 (CAPELATO, 1998). No entanto, entre os distintos campos de produção de sentidos, de personificação do poder, onde a propaganda política, imiscuída à construção da imagem pública de Vargas, foi decisiva, as cartilhas escolares infantis destinadas ao ensino primário traduzem facetas significativas de valores e práticas importantes de doutrinação infantil, num cenário político, social e cultural densamente articulado ao projeto varguista de construção da nacionalidade. O propósito deste trabalho consiste em colocar tela o papel das cartilhas escolares no processo de construção na nacionalidade com base no culto ao líder e a pátria. Em diálogo com o horizonte teórico oferecido por Roger Chartier, sobretudo no que diz respeito às noções complementares de representações e práticas sociais, nos concentremos em duas cartilhas: Getúlio Vargas para crianças, de autoria de Alfredo Barroso; Getúlio Vargas, amigo das crianças, produzida pelo Departamento de Imprensa e Propaganda (DIP). A Educação e o ensino como instrumento político ideológico do Estado Novo Segundo Stuart Hall (2011, p.49), as identidades nacionais não são coisas com as quais nós nascemos, mas são formadas e transformadas no interior da representação. Na esteira deste raciocínio, podemos considerar que a ditadura varguista o Estado Novo, registrou significativas mudanças de sentido na sociedade de então. A Educação, ou melhor, o sistema educacional naquele período, em sincronia com o projeto de nacionalização compulsória empreendido, contribuiu decisivamente para a construção de novos sentidos de pertencimento à nação. A ideologia do cidadão trabalhador e o discurso acerca da necessária modernização do país ganharam corpo desde cedo. Do ensino primário ao superior, crianças, jovens e adultos foram alvos de uma forte e eficiente propaganda ideológica tecida em diálogo com intelectuais atrelados ao projeto nacionalista implantado. Não à toa nomes como o de Oliveira Viana, Francisco Campos, Azevedo Amaral, entre outros, despontaram com vigor no cenário político-social brasileiro (OLIVEIRA, 1990). Luciano Aronne de Abreu (2008), por exemplo, observa que o golpe de 10 de novembro de 1937 foi defendido por uma elite intelectual dedicada a promover a necessária adequação entre política e espírito nacional, questão fundamental para a desejada harmonia social. Entre esses intelectuais, Francisco Oliveira Vianna, que também atuou como

3 3 consultor jurídico do Ministério do Trabalho na década de 1930, despontou como um dos principais, se não o principal teórico da ideologia do Estado autoritário brasileiro (GOMES, 2005). Para Ângela de Castro Gomes (2005, p. 110), enquanto um dos intelectuais integrantes da montagem do pensamento autoritário, Oliveira Vianna exerceu inequívoca influência, entre seus contemporâneos, que com ele foram forçados a debater, quer com ele concordassem quer dele discordassem. Mas não só isso, ainda segundo Castro Gomes (2005), no campo político, ao oferecer subsídios para uma proposta autoritária, Oliveira Vianna também contribui para configuração de uma engenharia política corporativa dedicada à sua implementação do Estado Novo. Foi justamente isso que Luciano Aronne de Abreu (2008) também observou em análise dedicada ao pensamento de Oliveira Vianna e suas interfaces com o Estado Novo. Para o historiador, a associação entre o regime autoritário e um suposto realismo político proposta por Vianna, passou pela necessidade de subordinar os interesses dos indivíduos, clãs ou partidos ao interesse coletivo. No raciocínio de Oliveira Vianna, isso seria expresso precisamente pela capacidade de obediência e disciplina, pelo culto do Estado e de sua autoridade (ABREU, 2008, p. 54). Em síntese, a moral da história, segundo Luciano Aronne de Abreu (2008) é a de que obediência e autoridade colocavam-se como condições essenciais para a manutenção da ordem e o desenvolvimento de uma nação, na qual o Estado seria o cérebro e os demais órgãos grupos, classes, profissões desempenhariam diferentes funções, complementares entre si, formando um todo harmônico (ABREU, 2008, p. 55). Se Oliveira Vianna se envolveu no processo de construção de um arcabouço institucional para o Estado republicano, intelectuais como Francisco Campos e Azevedo Amaral, também se envolveram na elaboração de um projeto que combatesse o criticado atraso do Brasil. Para Maria Célia Marcondes de Moraes (2000), a proposta de Francisco Campos, para o Estado Novo, refletia um projeto de nação no qual não houvesse espaço para ideologia exótica. Assim, a especificidade do Estado Novo para Francisco Campos residia justamente na construção de um novo Brasil, sob ponto de vista econômico, político, social e educacional. Na política, eliminando-se as instituições liberais, restringindo-se drasticamente o poder legislativo do Parlamento em favor do executivo, limitando-se as liberdades e garantias individuais, estabelecendo-se controle e censura à imprensa. Na economia, organizando-se a economia nacional pela solidariedade entre capital e trabalho mediante a estrutura corporativa, mantendo-se, portanto, inalterado o apoio aos

4 4 aspectos básicos da ordem capitalista. Na educação atendendo-se às exigências do estado atual de civilização e de cultura (MORAES, 2000, p. 181). No pensamento de Francisco Campos e o mesmo pode ser dito em relação ao de Azevedo Amaral, a sociedade brasileira não dispunha de maturidade política suficiente para exercer seu direito de participação nos processos decisórios do país. A suposta ausência de consciência política, questão de longa data presente no debate político brasileiro, poderia colocar em risco o destino do país, uma vez que indivíduos sem a devida maturidade política poderiam ascender às instâncias superiores do governo. Daí a defesa de um homem forte nas rédeas da nação. Daí também a necessidade de difundir no imaginário social da época uma figura mítica, que fosse capaz de deflagrar o necessário processo de integração e de modernização da nação. Vargas, por não ter antecedentes que rivalizassem com ele em prestígio, foi o escolhido (GOMES, 2005, p. 116). Marco Antônio Cabral dos Santos (2007), também compartilha da ideia de que Francisco Campos articulou a propaganda do regime com o firme propósito de transformar Vargas no grande líder da nação, ou melhor, no estadista que a sociedade brasileira necessitava naquele momento, até porque, segundo se propagava, Vargas dispunha da sabedoria do homem brasileiro, seus traços psicológicos, sua sensibilidade, qualidades necessárias para governar o país em momento de tamanha dramaticidade, de artificialismo político e de atraso. (GOMES, 2005, p. 118). Na construção do Estado Nacional, o discurso propagandístico articulava a necessidade da formação de uma grande família nacional, em que o presidente Vargas era o pai e os filhos o povo nobre e trabalhador e, onde, no dizer de Azevedo Amaral (apud GOMES, 2005, p. 112), a democracia nova só comporta um único partido: o partido do Estado, que é também o partido da Nação. A produção historiográfica acerca da influência dos intelectuais orgânicos na política implantada pelo Estado Novo é ampla e diversificada, de modo que não seria no espaço deste trabalho que conseguíramos dar conta do debate já realizado. O que, de fato, nos importa aqui é o fato de que este forte e denso aparato político-ideológico permeou diferentes instâncias da sociabilidade inclusive as escolares. A Educação, ou melhor, o sistema de ensino e as práticas educativas tanto no ensino primário como secundário ao longo do Estado Novo, não apenas despontaram como parte deste projeto político emanado do Estado, como, também, acabaram assumindo um papel fundamental no que consiste a configuração de uma nova identidade nacional. Nagle (2001, p.145), neste sentido, aponta que a escolarização passou a ser vista como o instrumento do

5 5 progresso histórico dedicado a transformar o simples indivíduo em força produtiva: uma alternativa viável e necessária no processo de regeneração do indivíduo, de reconstrução da nacionalidade, quer sob o ponto de vista produtivo quer sob o ponto de vista da própria nacionalidade. No processo de construção da verdade doutrinária propagada pelo regime e, em enquanto mediadores entre o Estado e a sociedade, a intelectualidade também se encarregou de produzir dispositivos culturais dedicados a ampliar o consumo de conteúdos doutrinários próprios. Em realidade, imagens ricamente elaboradas e pensadas como operadores simbólicos (LENHARO, 1986, p. 54) que, com rapidez e precisão, esvoaçaram sobre os diferentes segmentos da sociedade brasileira, inclusive sobre aqueles em idade escolar. Todavia, essas operações de construção de sentidos não estiveram imunes às tensões decorrentes das disputas de e pelo poder na instância governativa do Estado. Não havia apenas consensos no espaço da intelectualidade. Ao contrário, no âmbito da intelectualidade dedicada ao Estado Novo havia um confronto de posicionamentos quanto à suporte ideológico dedicado à Educação. Enquanto reformadores, que se batiam pelos princípios de obrigatoriedade do ensino, laicidade, co-educação e o Plano Nacional de Educação, grupos de vertente católica viam na interferência do estado um perigo de monopólio e na laicidade e co-educação, uma afronta aos princípios da educação católica (ROMANELLI, 2003, p. 130). Para Moraes (2000, p.136), ainda que os dois projetos educacionais se apresentassem divergentes em sua superfície, não havia discordância de fundo entre eles: ambos se adequavam, cada um a seu modo, às relações sociais vigentes e sua dinâmica e organização não eram sequer postas em questão. A disputa travada, portanto, gravitava em torno da hegemonia de suas propostas a nível governamental. Marta Maria Chagas de Carvalho (1998) salienta que, na primeira metade da década de 1930, a luta pelo controle do aparelho escolar, foi fundamental para o desenvolvimento do campo pedagógico, propiciando normas e orientações às práticas escolares, o que acabou promovendo mudanças de mentalidade no interior das instituições de ensino escolar. Naquele novo contexto e num esforço conjunto para a formação da consciência nacional, foi criado o Ministério da Educação e Saúde Pública, chefiado por Francisco Campos. Com a criação do Ministério, também houve a centralização dos vários níveis de ensino. Além disso, a criação do Ministério inaugurou um novo espaço de poder que se configurou num espaço estratégico de controle técnico e doutrinário do aparelho escolar. Isso significa dizer que, enquanto instrumento utilizado pelo governo federal para a construção da nacionalidade brasileira, a proposta do ministério foi instituir um sistema de educação

6 6 integrado em todo o território nacional, diferente da política educacional que vigorou na República Velha, quando cada estado esteve livre para criar seu próprio sistema escolar. Conforme aponta Rogério Luiz Souza (2014, p.408), depois da vitória de 1930, o governo de Vargas tomou medidas para acabar de vez com o passado liberal. Para tanto, também se tornou necessário persuadir e convencer a todos da disposição dos agentes estatais em construir uma pátria ordeira e genuinamente brasileira. As instituições escolares, neste empreendimento, se tornaram instrumentos de validação/ viabilização do nacionalismo almejado. O sistema escolar passou a ser articulado e responsabilizado pela educação das crianças e da juventude (SOUZA, 2014, p.410). Diversas medidas foram tomadas com a instituição da chamada Reforma Francisco Campos. Entre elas, o processo de reorganização do ensino secundário e universitário. Foram criados os Conselhos Nacional e Estadual de Educação. Em São Paulo, por exemplo, as Faculdades de Educação, Ciências e Letras, vinculada a Universidade de São Paulo (USP), dedicou-se à formação de docentes para atuar no nível secundário. Além disso, a reforma estabeleceu o regime de seriação e também a obrigatoriedade de frequência às aulas (ROMANELLI, 2003). Com a implantação do Estado Novo, o papel da educação no projeto de construção da nacionalidade ficou mais visível. As atividades escolares, em nível nacional, foram centralizadas através da defesa da unidade de programas e de material didático. Esse foi um dos primeiros passos para a formação de um nacionalismo adequado e apto a tornar o país homogêneo, eliminando as distinções regionais e culturais (FIORI, 1991). O modelo de nacionalismo imposto à escola aparentemente demonstrava a adesão de professores e alunos à causa nacional, mas reprimia as manifestações de resistência. Enquanto força aglutinadora de interesses, o ideário nacionalista implantado foi fundamental para a legitimação da política de dominação do Estado. Isso fica evidente pelo Decreto n. o 406, de maio de 1938, que estabeleceu legislação específica para as escolas em face da Campanha da Nacionalização inaugurada em Pela mesma lei, o material didático utilizado nas escolas deveria ser em Língua Portuguesa, os professores e diretores deveriam ser brasileiros natos, sendo vetada a circular de material em língua estrangeira e o currículo escolar adequado em história e geografia do Brasil. 3 3 Para o governo brasileiro, a língua nacional a ser falada em todo o país e ensinada em todas as escolas era um critério definido como formador da nação brasileira. Para tanto, se impunha às escolas que, além do ensino da língua pátria, o conteúdo a ser transmitido nas escolas também deveria estar voltado à exaltação da pátria, do ser brasileiro. O estímulo ao patriotismo, o uso de símbolos nacionais e a comemoração de datas nacionais também aparecem na legislação da época (NAGLE, 2001).

7 7 A escola e os professores foram os atores escolhidos para preparar as novas gerações. Estes teriam como tarefa articular a identificação da população com os símbolos da nação e com os comportamentos considerados patrióticos. Tratava-se, pois, de formar indivíduos para desenvolver uma maturidade intelectual racional que os tornasse aptos a constituir, na sociedade civil, o corpo político do Estado Nacional. Para tanto, Capanema criou o Instituto Nacional do Livro (INL) em 1937; e a partir do decreto-lei n o de 30 de dezembro de 1938, todos os materiais didáticos produzidos deveriam ter a aprovação do governo e seguir a política estadonovista. Com a criação de medidas enfáticas em torno do livro didático, nos fica a impressão de que os homens fortes do Estado tinham consciência do potencial pedagógico do livro. Não à toa, conforme Maria Celina D Araújo, uma intensa bibliografia foi produzida pela imprensa oficial para cultuar a personalidade de Vargas. Várias histórias de Vargas para crianças chegaram às bibliotecas, demonstrando como desde o nascimento Getúlio estaria fadado a liderar seu povo em um grande projeto. Ensinavam também que Vargas, desde muito cedo, tivera a antevisão de que a política, partidos e parlamentos eram elementos espúrios, perniciosos à sociedade ( D ARAÚJO, 2000, p.36). Para Diana Gonçalves Vidal (1998), durante a década de 1920 e 30, a leitura e os livros tornaram-se preocupação de educadores e políticos. O livro passou a ser visto como uma fonte de experiência e a leitura não somente como o acesso a informação, mas, também, como elemento (con) formador do imaginário coletivo infantil. Assim, como crescia a demanda por livros, também foram ampliados os critérios definidores de uma boa publicação. O controle sobre os livros passou a ser desenvolvido pela Comissão Nacional do Livro Didático (CNLD), criada pelo mesmo decreto de n , e passou a ser composta por sete membros 4 designados pelo Presidente da República. À CNLD cabia examinar e proferir julgamento dos livros didáticos que lhe fosse apresentados; estimular a produção e orientar a importação de livros didáticos; indicar livros de valor para serem traduzidos e editados por poderes públicos e ainda, sugerir abertura de concurso para produção de determinadas espécies de livros didáticos de sensível necessidade e ainda não existentes no Brasil (OLIVEIRA, GUIMARÃES, BOMENY, 1984, p. 33). Se a decisão da comissão indicasse modificações a serem feitas no texto original da obra, depois de modificada, a obra deveria novamente ser submetida ao exame para parecer final. Segundo Juliana Miranda Filgueiras (2013), os livros didáticos autorizados receberiam 4 Em março de 1939, o Presidente da República assina o decreto-lei n o que amplia para dezessete o número de membros da Comissão Nacional do Livro Didático (OLIVEIRA, GUIMARÃES, BOMENY, 1984).

8 8 um número de registro que deveria aparecer na capa do livro, conjuntamente com a frase: livro de uso autorizado pelo Ministério da Educação. A cada ano, no mês de janeiro, o Ministério da Educação publicaria, no Diário Oficial, a relação de livros didáticos de uso autorizado. Mas afinal, o que fazia um livro não ser publicado? O artigo 20 o do decreto-lei n o enumerou onze impedimentos à autorização de obras relacionados à questão políticoideológica: a) o livro que atente, de qualquer forma, contra a unidade, a independência ou a honra nacional; b) que contenha, de modo explícito, ou implícito, pregação ideológica ou indicação da violência contra o regime político adotado pela Nação; c) que envolva qualquer ofensa ao Chefe da Nação, ou às autoridades constituídas, ao Exército, à Marinha, ou às demais instituições nacionais; d) que despreze ou escureça as tradições nacionais, ou tente deslustrar as figuras dos que se bateram ou se sacrificaram pela pátria; e) que encerre qualquer afirmação ou sugestão, que induza o pessimismo quanto ao poder e ao destino da raça brasileira; f) que inspire o sentimento da superioridade ou inferioridade do homem de uma região do país, com relação ao das demais regiões; g) que incite ódio contra as raças e as nações estrangeiras; h) que desperte ou alimente a oposição e a luta entre as classes sociais; i) que procure negar ou destruir o sentimento religioso, ou envolve combate a qualquer confissão religiosa; j) que atente contra a família, ou pregue ou insinue contra a indissolubilidade dos vínculos conjugais; k) que inspire o desamor à virtude, induza o sentimento da inutilidade ou desnecessidade do esforço individual, ou combata as legítimas prerrogativas da personalidade humana (OLIVEIRA, GUIMARÃES, BOMENY, 1984, p. 35). Conforme Figueiras (2013, p. 167), os artigos 21, 22 e 23 definiam os critérios de eliminação quanto às questões pedagógicas, metodológicas, conceituais (relacionadas às áreas do conhecimento), de linguagem, além de questões gráficas e de mercado. Filgueiras (2013) conclui que praticamente todos os livros didáticos não autorizados pela CNLD incidiam nos artigos 21 e 23 do decreto-lei n /38: eram livros escritos em linguagem defeituosa, com incorreção gramatical, emprego de termos, expressões regionais ou gírias, com erros de natureza científica ou técnica, redigidos de maneira inadequada em relação aos programas oficiais ou não adotavam a ortografia estabelecida pela lei. Somente uma avaliação restringiu o uso do livro didático por infringir o artigo 20 do decreto-lei n /38, que tratava das questões ideológicas (FILGUEIRAS, 2013, p.178). Diferentes autores apontaram que o rigor no combate as ideologias subversivas gerou profundas reações aos livros. A compreensão de que a profusão das obras deveria ser controlada, pela análise de seu teor e mérito [...] levava a ações, muitas vezes arbitrárias,

9 9 especialmente em função do acirramento das lutas políticas no Estado Novo (VIDAL, 1998, p. 92). Como enfatiza Choppin (2004), para entender o significado correto da regulamentação do livro didático é necessário estudar os contornos das políticas educacionais que estabeleceram sua regulamentação, analisando as regras que o Estado impôs à sua produção, nos diferentes contextos históricos. Conforme salientam Oliveira, Guimarães e Bomeny (1984), a criação da regulamentação do livro didático se insere em um contexto maior de política educacional, que é o da nacionalização do ensino e do movimento da juventude brasileira. Por outro lado, a política governamental de Vargas dedicada aos livros didáticos não incluía tão somente a avaliação e fiscalização, era um processo mais extenso, que incluía conforme já mencionado, também a produção. Assim, para dar corpo ao ideário nacionalista, o governo, por intermédio do DIP, passou a produzir seus próprios produtos livretos, livros cartazes, cinejornais, programas de rádio com notícias e músicas, fotografias para uso da imprensa, cerimônias cívicas e outras (SKIDMORE, 1982). As cartilhas escolares infantis como instrumento de doutrinação infantil Crianças! Aprendendo no lar e nas escolas o culto da Pátria, trareis para a vida prática todas as probabilidades de êxito. Só o amor constrói e, amando o Brasil, forçosamente o conduzireis aos mais altos destinos entre as Nações, realizando os desejos de engrandecimento aninhados em cada coração brasileiro. Getúlio Vargas (BARROSO, 1942, p. 05) Conforme mencionamos, a Educação se apresentou como importante meio para a formação do cidadão idealizado pelo Estado Novo. Através de práticas educativas dedicadas às gerações mais novas, a difusão do ideário da nacionalidade se ancorou nos livros escolares transformados em objetos de formação moral e cívica. A criança, nesse sentido, passou a ser compreendida como promessa de um futuro melhor no âmbito uma nação soberana, tornandose um dos alvos da propaganda de corte nacionalista dirigida pelo Estado. Essa política de difusão do ideário nacionalista pode também ser percebida nas cartilhas escolares infantis, as quais, enquanto suportes de leitura dedicados a modelar comportamentos desejados, visões de mundo, de nação, etc., carregam conteúdos traduzidos em linguagem simples e de fácil

10 10 acesso. Foi justamente este, o caso das cartilhas escolares Getúlio Vargas para crianças e Getúlio Vargas, amigo das crianças, ambas produzidas durante o Estado Novo Enquanto livros de leitura, as cartilhas destinadas ao público infantil no contexto do Estado do Novo nos oferecem uma porta de entrada para um mundo social em construção, ou se quisermos, conforme Roger Chartier (1990, p. 17), para um mundo social no qual os discursos não são neutros, visto que produzem estratégias e práticas (sociais, escolares, políticas) dedicadas a impor uma autoridade à custa de outros, por elas menosprezados, a legitimar um projeto reformador ou a justificar, para os próprios indivíduos, as suas escolhas e condutas. Mas que discursos e representações estariam impregnados nas cartilhas infantis? Elas realmente representam facetas do discurso nacionalista vigente na época? Seriam elas, de fato, veículos dedicados à doutrinação do público infantil em idade escolar? Então vejamos! Cada sociedade, em diferentes épocas, compreendeu e produziu os seus escritos a seu modo. Conforme Nelly Novaes Coelho (2008, p ), conhecer a literatura que cada época destinou às suas crianças, é conhecer os ideais e valores sobre os quais cada sociedade se fundamentou, visto que o livro infantil é entendido como uma mensagem (comunicação) entre um ator-adulto (o que possui a experiência do real) e um leitor-criança (o que deve adquirir tal experiência). Assim, o ato de ler e ouvir se transformou em um ato de aprendizagem que na perspectiva da política governamental de Vargas foram aproveitados para difundir os valores de uma política nacional centralizadora e homogeneizante. O público infantil, ou melhor dito, o cidadão mirim, tornou-se alvo da política governamental e os mínimos detalhes foram observados para garantir a eficácia do processo. Por conta disso, os livros escolares produzidos pelo DIP, além de exercitarem a leitura e escrita, também procuravam repassar um imenso repositório de conselhos de moral, de bom comportamento, de boa conduta, da piedade, de respeito ao próximo, de amor à família e à Pátria, de rememoração de feitos e datas considerados da nacionalidade ou da humanidade e até mesmo de exaltação ao regime político de plantão, além de tudo aquilo que se considera digno da formação da criança e do jovem: a natureza (e suas partes), o índio, o folclore, os grandes vultos da ciência, das artes, do desporto, da política etc., contanto que representem o otimismo, a perseverança, a abnegação, o altruísmo e todas essas atitudes tidas como nobres e elevadas (MACIEL, et all, 2014, p. 60). Quanto à tipologia, as cartilhas sob análise podem ser compreendidas como livros de leitura isolados, pois de acordo com Batista, Galvão, Klinke:

11 11 Os livros isolados são aqueles que menos claramente apresentam suas funções escolares. Embora elementos do título e da organização permitam inferir uma destinação escolar, ela não é claramente explicitada por indicações de nível ou série. Estão agrupados nessa categoria dois grandes conjuntos de livros [...] o primeiro conjunto, é composto por títulos usados tanto como manuais quanto como livros paraescolares, voltados à leitura recreativa [...] o segundo conjunto é composto por títulos para os quais não se encontram indicações de uso como manual, caracterizando-se, por isso, apenas como livros de leitura recreativa, integrantes da biblioteca da sala ou da escola (BATISTA, GALVÃO, KLINKE, 2002, p. 35). A cartilha Getúlio Vargas para crianças (Figura 01) foi escrita por Alfredo Barroso, ilustrada por Francisco Dias da Silva e editada em Publicada pela Empresa de Publicações Infantis Ltda, no Rio de Janeiro e financiada pelo Departamento de Imprensa e Propaganda. O formato do material é 12 x 11 cm, acompanhado de 112 páginas, sendo elas distribuídas entre um texto de tom formal, de fácil compreensão e de 52 ilustrações. As ilustrações e textos são ordenados em páginas duplas onde de um lado está o texto e do outro lado está a ilustração acompanhada de um trecho explicativo. Figura 1 Capa da cartilha "Getúlio Vargas para crianças" Fonte BARROSO, Alfredo. Getúlio Vargas para crianças. Rio de Janeiro: Empresa de Publicações Infantis Ltda, O conteúdo, abaixo descrito no Quadro 01, dedica-se a traçar a biografia de Vargas, a contar como se deu sua escalada à presidência e descrever sua trajetória na presidência. Conta, igualmente, com informações sobre o Governo Provisório, sobre a Revolução de 1932, a Constituição de 1934 e a instauração do Estado Novo.

12 12 Capítulos Títulos Páginas Número de ilustrações 1 Infância e estudos 6 a Vida militar 17 a De Ministro a Presidente 29 a Revolução de outubro 39 a Reconstrução Nacional 49 a O Estado Novo 83 a Força e trabalho 93 a O homem simples e bom 109 a Quadro 1 Distribuição dos capítulos da cartilha: Getúlio Vargas para crianças Fonte: BARROSO, Alfredo. Getúlio Vargas para crianças. Rio de Janeiro: Empresa de Publicações Infantis Ltda, A intenção pedagógica da cartilha fica evidente quando se analisa seu conteúdo e narrativa. Combinando diferentes cenários e experiências de Vargas, a narrativa coloca em tela seu percurso social desde a infância de modo dialogado com a história nacional. Enquanto um suporte de memória, a cartilha articula o passado de Vargas como seu presente: uma espécie de jogo temporal e pedagógico, no qual a construção de um modelo de sujeito a ser seguido emerge do conteúdo narrado. Os episódios, por exemplo, que configuram a Revolução de 1930, despontam na forma de uma narrativa que justifica as decisões tomadas na época. O leitor tem a impressão de que Vargas chegou ao governo provisório por decisão do povo brasileiro, visto que, conforme seu autor, o povo, nas ruas, comemorou festivamente a deposição do governo de uma república que faltara aos compromissos assumidos para com a Nação (BARROSO, 1942, p.44). Já, a cartilha Getúlio Vargas amigo das crianças (Figura 02), carrega um conteúdo de teor mais propagandístico. De 1940, o material tem 32 páginas, de formato 27 x 19 cm. Sem autoria, há 45 ilustrações ao longo de suas páginas, sendo que destas, 34 retratam a imagem de Vargas, e nenhuma é acompanhada de legenda. A linguagem utilizada, assim como a primeira, é de simples compreensão. A linguagem acessível ao público infantil e juvenil desponta como uma estratégia para simplificar a formação intelectual. Autores e editores, ao simplificarem questões complexas, impedem que os textos dos livros provoquem reflexões ou possíveis discordâncias por parte dos leitores (BITTENCOURT, 1998).

13 13 Figura 2 Capa da cartilha "Getúlio Vargas o amigo das crianças Fonte DEPARTAMENTO DE IMPRENSA E PROPAGANDA. Getúlio Vargas o amigo das crianças. Rio de Janeiro, O conteúdo da cartilha Getúlio Vargas amigo das crianças gravita em torno de argumentos dedicados a mostrar às crianças o amor de Vargas para com elas. Há um forte apelo emocional no transcorrer da cartilha. Capelato (2009, p. 129), neste sentido, sugere que o uso de tal mecanismo, em se tratando de um público infantil, faz parte de um estratégia na qual o discurso é direcionado a uma personalidade ainda não formada completamente. Partes Assuntos Páginas Número de ilustrações 1 Crianças 2 a Regionalismo/nacionalismo 6 a Juventude brasileira 10 a Realizações para as crianças 25 a Amizade de Vargas com as crianças 30 a 32 2 Quadro 2 Distribuição dos assuntos da cartilha: Getúlio Vargas o amigo das crianças Fonte DEPARTAMENTO DE IMPRENSA E PROPAGANDA. Getúlio Vargas o amigo das crianças. Rio de Janeiro, No processo de desenvolvimento do ser humano, a passagem de uma fase para outra é um processo natural. Existe um período da fase da criança que ela começa a lutar para defender a sua vontade e a sua independência em relação ao poder dos pais ou irmãos mais velhos, ou seja, é quando inconscientemente, a criança tenta construir sua própria imagem ou

14 14 identidade e se depara com múltiplos estímulos ou interdições aos seus impulsos, etc. Nessa fase de amadurecimento interior da criança, a inserção de imagens resulta decisiva para a sua formação em relação a si mesma e ao mundo à sua volta, por isso da importância do livro com diversas gravuras durante a infância. (COELHO, 2000, p. 54). Segundo Ângela de Castro Gomes, a própria CNLI, criada em 1936, sabia da importância das leituras nessa fase e afirmavam que as leituras realizadas na infância influenciavam de maneira especial a psique do indivíduo, habitando o espírito do leitor até a velhice e constituindo-se em lastro inestimável para o resto da vida. Além disso, como também observavam, era essa a literatura que entrava nos lares, espaço vedado à regulamentação estatal, diferentemente do da escola (GOMES, 2000, p. 120). Nessa perspectiva, é imprescindível inserir os estudos das representações desenvolvidas por Roger Chartier (1991, p. 185), que alertam para a fraqueza da imaginação do ser humano. Ou seja, quando não se consegue estabelecer os vínculos necessários para diferenciar as representações da realidade, uma vez que, as imagens, quando usadas como forma de dominação, revelam uma realidade que não o é. A representação transforma-se em máquina de fabricar respeito e dominação. Podemos, neste sentido, estabelecer relação com as representações que foram criadas pelo Estado Novo, as quais procuraram atingir o imaginário das pessoas de forma a se tornarem uma tradição. Aliadas a estratégias propagandísticas, a intenção era difundi-la para as gerações futuras. Geralmente, nesse processo de manipulação, o público escolhido é aquele que ainda não tem uma mentalidade crítica formada, o que faz com facilidade que as imagens sejam absorvidas e incutidas mentalmente, sem criticidade, como verdades absolutas. O público infantil, neste caso, é percebido como indivíduos cuja mentalidade ainda virgem, apresentase totalmente desprovidas do poder de contradição, tornando-se, por assim dizer, frágil alvo da manipulação. As estratégias desenvolvidas pelo DIP eram inúmeras e exibiam em suas mensagens um forte apelo aos sentimentos que, procurando atingir o público infantil, passaram a ser acionados de forma exagerada e exacerbada. Frases dirigidas diretamente às crianças são chegam a ser irônicas. O uso de imagens associadas a textos também reflete estratégias para atrair crianças que, no primeiro contato com os materiais impressos, são encantados pelo que visualizam. Essas evidências encontram-se, por exemplo, na imagem (Figura 03) da contracapa da cartilha Getúlio Vargas o amigo das crianças, quando o olhar de Vargas, direcionado a uma

15 15 criança, representa a forma de diálogo. É como se o Presidente estivesse falando diretamente à ela. Figura 3: Contra capa da cartilha "Getúlio Vargas o amigo das crianças" Fonte DEPARTAMENTO DE IMPRENSA E PROPAGANDA. Getúlio Vargas o amigo das crianças. Rio de Janeiro, Enquanto parte de um complexo jogo de significação, a imagem também carrega em si facetas políticas de um projeto de futuro atribuído a Vargas: o de consolidar-se não apenas como o pai dos pobres, mas, também, o amigo das crianças. Para Roger Chartier (1991) esta operação de significação, se refle no que o historiador francês chama de protocolos de leitura. Mecanismos que impõem ao leitor uma maneira de ler e uma mecânica literária que o coloca onde o autor deseja que esteja, ou seja, a disposição e a divisão do texto, sua tipografia, sua ilustração. Esses procedimentos de produção de livros, não pertencem à escrita, mas à impressão, não são decididas pelo autor, mas pelo editor-livreiro e podem sugerir leituras diferentes de um mesmo texto (CHARTIER, 1996, p. 96). No caso do Estado Novo, esses dispositivos foram acionados pelo DIP, órgão vital para converter, em ações práticas, a política estadonovista. Os dispositivos acionados pelo DIP articulavam a imagem de Vargas de forma valorativa, facilitando, assim, a compreensão da proposta governamental. De acordo com Nelly Novaes Coelho (2000), no campo da

16 16 psicanálise, quando a criança é levada a se identificar com o herói, o belo, o bom, ocorre a sua própria personificação e ela passa a se sentir protegida e segura. Identificada com os heróis e as heroínas do mundo maravilhoso, a criança é levada, inconscientemente, a resolver sua própria situação superando o medo que inibe e ajudando-a a enfrentar os perigos e as ameaças que sente à sua volta e assim, gradativamente, pode alcançar o equilíbrio adulto (COELHO, 2000, p. 55). Essas estratégias aparecem claramente nas cartilhas, tanto nas ilustrações, como no texto, quando foram usados diversos recursos (invocação, sugestão, indução, fala imperativa...) para atrair seu público. Esse apelo à atenção do leitor assume um caráter coercitivo: a exigência de bons modos, a escuta, exemplos a serem seguidos que acabam revelando o autoritarismo presente: Vargas determina, as crianças escutam e obedecem. Com o propósito de atingir o imaginário infantil, são criadas nas cartilhas representações de Vargas. Assim, a ausência de Vargas é suprimida pelas imagens transmitidas pelas cartilhas. O efeito da representação assume a força do poder. Contudo, a representação neste caso reflete o poder, e o poder passa a ser representado por meio das imagens de Vargas contidas nas cartilhas. Uma condição de realidade subjetiva na qual o ausente se faz presente por meio da imagem que representa. Vargas e o projeto político alavancado pelo Estado Novo tornam visíveis por meio das imagens. Dessa forma, a função simbólica, ou de representação, define as formas de como o real deve ser aprendido pelo público leitor: o público infantil. Nesse sentido, podemos concluir que as cartilhas Getúlio Vargas para crianças e Getúlio Vargas amigo das crianças refletem facetas políticas de uma Escola dedicada à veicular os valores estadonovistas e, por razões diversas, que certamente estiveram ligadas à possibilidade de atingir um público contínuo na longa duração, realizar o exercício da doutrinação infantil. Referências ABREU, Luciano Aronne de. Estado Novo, realismo e autoritarismo político. Dossiê: Política e Sociedade, n o 12, p.49-66, abril de ABREU, Marta (Orgs). Leitura, História e História da Leitura. São Paulo: Fapesp, BARROSO, Alfredo. Getúlio Vargas para crianças. Rio de Janeiro: Empresa de Publicações Infantis Ltda, 1942.

17 17 BATISTA, Antônio Augusto Gomes; GALVÃO, Ana Maria de Oliveira; KLINKE, Karina. Livros escolares de leitura: uma morfologia ( ). Revista Brasileira de Educação. N.º. 20, p , maio/jun/jul/ago, BITTENCOURT, Circe. Livros didáticos entre textos e imagens. In: (Orgs). O saber histórico na sala de aula. São Paulo: Contexto, BOMENY, Helena M.B. Três decretos e um ministério: a propósito da educação do Estado Novo. In: PANDOLFI, Dulce Chaves. Repensando o Estado Novo. Rio de Janeiro: Editora FGV, CAPELATO, Maria Helena Rolim. Ensino primário franquista: os livros escolares como instrumento de doutrinação infantil. Revista Brasileira de História. V.29, n.57, p , CAPELATO, Maria Helena Rolim. Multidões em cena: Propaganda política no varguismo e no peronismo. Campinas/SP: Papirus, CARVALHO, Marta Maria Chagas de. A Escola Nova e o impresso: um estudo sobre as estratégias editoriais de difusão do escolanovismo no Brasil. FARIA, Luciano Mendes (Orgs). Modos de ler, formas de escrever: estudos da história da leitura e da escrita no Brasil. Belo Horizonte, Autêntica, CHARTIER, Roger (Orgs). Práticas de leitura. São Paulo: Estação Liberdade, CHARTIER, Roger. História Cultural: entre práticas e representações. Rio de Janeiro: Bertrand, CHARTIER, Roger. O mundo como representação. Estudos Avançados 11(5), p , 991. CHOPPIN, Alain. História dos livros e das edições didáticas: sobre o estado da arte. Educação e Pesquisa, São Paulo, v.30, n.3, p , st./dez COELHO, Nelly Novaes. Literatura infantil: teoria, análise, didática. São Paulo: Moderna, D ARAUJO, Maria Celina. O Estado Novo. Rio de Janeiro: Jorge Zahar., DEPARTAMENTO DE IMPRENSA E PROPAGANDA. Getúlio Vargas o amigo das crianças. Rio de Janeiro, FILGUEIRAS, Juliana Miranda Filgueiras. Avaliações dos livros didáticos na Comissão Nacional do Livro Didático: a conformação dos saberes escolares nos anos de RBHE, Campinas-SP, v. 13, n. 1 (31), p , jan./abr FIORI, Neide Almeida. Aspectos da evolução do Ensino Público: ensino público e política de assimilação cultural no estado de Santa Catarina nos período imperial e republicano. Florianópolis: editora da UFSC, GOMES, Ângela de Castro. Autoritarismo e corporativismo no Brasil: o legado de Vargas. Revista USP. São Paulo, n.65, p , março/maio, 2005.

18 18 GOMES, Ângela de Castro. História e historiadores: a política cultural do Estado Novo. Rio de Janeiro: Ediora Fundação Getúlio Vargas, HALL, Stuart. A identidade cultural na pós-modernidade. Rio de Janeiro: DP&A, LENHARO, Alcir. Sacralização da Política. 2. E. Campinas, Papirus, LEVINE, Robert M. Pai dos pobres? o Brasil e a Era Vargas. São Paulo: Companhia das Letras, MACIEL, Francisca Izabel Pereira. et all. Livros de leitura brasileiros: repositório de moralidade, piedade, amor à família e à pátria. Rede de Estúdios en Lectura y Escritura. Biblioteca Virtual Disponível em: Acesso em 15 agos MORAES, Maria Célia Marcondes de. Reformas de ensino, modernização administrada. A experiência de Francisco Campos: anos vinte e trinta. Florianópolis: UFSC, Centro de Ciências da Educação, Núcleo de Publicações, NAGLE, Jorge. Educação e Sociedade na Primeira República. 2 ed. Rio de Janeiro: DP&A, OLIVEIRA, João Batista Araújo e; GUIMARÃES, Sonia Dantas Pinto; BOMÉNY, Helena Maria Bousquet. A política do livro didático. Campinas: ED. Unicamp, OLIVEIRA, Lúcia Lippi de. A questão nacional na Primeira República. São Paulo: Brasiliense, REIS, Elisa. O Estado Nacional: o caso brasileiro. Estudos Históricos. Rio de Janeiro. Vol. 1, n.2. p , ROMANELLI, O. O. História da educação no Brasil ( ). 28. ed. Petrópolis: Vozes, SKIDMORE, Thomas. Brasil: de Getúlio Vargas a Castelo Branco. Rio de Janeiro: Paz e Terra, SOUZA, Rogério Luiz. A arte de disciplinar os sentidos: o uso de retratos e imagens em tempos de nacionalização ( ). Revista Brasileira de educação. V.19, n.57, p , abr./jun, VIDAL, Diana Gonçalves. Práticas de leitura na escola brasileira nos anos de 1920 e In: FARIA, Luciano Mendes (org). Modos de ler/formas de escrever: estudos de história da leitura e da escrita no Brasil. Belo Horizonte: Autêntica, 1998.

LINK 280. ENSINO PRIMÁRIO GETULISTA: CARTILHAS ESCOLARES COMO o INSTRUMENTO DE DOUTRINAÇÃO INFANTIL

LINK 280. ENSINO PRIMÁRIO GETULISTA: CARTILHAS ESCOLARES COMO o INSTRUMENTO DE DOUTRINAÇÃO INFANTIL [Digite 1 uma citação do LINK 280 document [Digite ENSINO PRIMÁRIO GETULISTA: CARTILHAS ESCOLARES COMO o uma ou o INSTRUMENTO DE DOUTRINAÇÃO INFANTIL resumo citação do de uma document Zenaide Inês Schmitz

Leia mais

Reforma gerencial do Estado, teoria política e ensino da administração pública

Reforma gerencial do Estado, teoria política e ensino da administração pública Artigo Especial Reforma gerencial do Estado, teoria política e ensino da administração pública Luiz Carlos Bresser-Pereira 1 1 Fundação Getúlio Vargas. Ministro da Fazenda (1987). Ministro da Administração

Leia mais

O INTELECTUAL/PROFESSOR DE EDUCAÇÃO FÍSICA E SUA FUNÇÃO SOCIAL 1

O INTELECTUAL/PROFESSOR DE EDUCAÇÃO FÍSICA E SUA FUNÇÃO SOCIAL 1 O INTELECTUAL/PROFESSOR DE EDUCAÇÃO FÍSICA E SUA FUNÇÃO SOCIAL 1 Efrain Maciel e Silva 2 Resumo: Estudando um dos referenciais do Grupo de Estudo e Pesquisa em História da Educação Física e do Esporte,

Leia mais

EDUCAÇÃO, INFÂNCIA E NACIONALISMO: UMA ABORDAGEM A PARTIR DAS CARTILHAS ESCOLARES GETÚLIO VARGAS PARA CRIANÇAS E GETÚLIO VARGAS: O AMIGO DAS CRIANÇAS

EDUCAÇÃO, INFÂNCIA E NACIONALISMO: UMA ABORDAGEM A PARTIR DAS CARTILHAS ESCOLARES GETÚLIO VARGAS PARA CRIANÇAS E GETÚLIO VARGAS: O AMIGO DAS CRIANÇAS EDUCAÇÃO, INFÂNCIA E NACIONALISMO: UMA ABORDAGEM A PARTIR DAS CARTILHAS ESCOLARES GETÚLIO VARGAS PARA CRIANÇAS E GETÚLIO VARGAS: O AMIGO DAS CRIANÇAS Resumo Zenaide Inês Schmitz 1 - Unochapecó Miguel Ângelo

Leia mais

Golpe Militar: As Mudanças na Grade Curricular do Estado de Santa Catarina. múltiplas dimensões foram pouco analisadas de forma globalmente

Golpe Militar: As Mudanças na Grade Curricular do Estado de Santa Catarina. múltiplas dimensões foram pouco analisadas de forma globalmente Golpe Militar: As Mudanças na Grade Curricular do Estado de Santa Catarina. RESUMO O Regime Militar brasileiro, implantado por um golpe de Estado em 1964, durou vinte e um anos e mudou a face do país.

Leia mais

Revista Especial de Educação Física Edição Digital v. 3, n. 1, novembro 2006.

Revista Especial de Educação Física Edição Digital v. 3, n. 1, novembro 2006. UM ENSAIO SOBRE A DEMOCRATIZAÇÃO DA GESTÃO NO COTIDIANO ESCOLAR: A CONEXÃO QUE FALTA. Noádia Munhoz Pereira Discente do Programa de Mestrado em Educação PPGE/FACED/UFU - noadia1@yahoo.com.br Resumo O presente

Leia mais

AVALIADORES & AVALIADOS (CONSENSOS?)

AVALIADORES & AVALIADOS (CONSENSOS?) AVALIADORES & AVALIADOS (CONSENSOS?) Jailson Rogério GOMES* Universidade Estadual de Goiás O presente trabalho objetiva revelar e desvelar representações, problemas, dilemas e desafios enfrentados pelos

Leia mais

Nas Margens da Educação: imprensa feminina e urbanidade moderna na Ribeirão Preto das primeiras décadas do século XX

Nas Margens da Educação: imprensa feminina e urbanidade moderna na Ribeirão Preto das primeiras décadas do século XX Nas Margens da Educação: imprensa feminina e urbanidade moderna na Ribeirão Preto das primeiras décadas do século XX Jorge Luiz de FRANÇA * Nesta comunicação, pretendemos, por intermédio das publicações

Leia mais

VER PARA COMPREENDER: A SELEÇÃO DE IMAGENS NOS LIVROS DIDÁTICOS DE HISTÓRIA DURANTE O REGIME MILITAR BRASILEIRO

VER PARA COMPREENDER: A SELEÇÃO DE IMAGENS NOS LIVROS DIDÁTICOS DE HISTÓRIA DURANTE O REGIME MILITAR BRASILEIRO VER PARA COMPREENDER: A SELEÇÃO DE IMAGENS NOS LIVROS DIDÁTICOS DE HISTÓRIA DURANTE O REGIME MILITAR BRASILEIRO Juliana Ponqueli Contó (PIBIC/Fundação Araucária - UENP), Jean Carlos Moreno (Orientador),

Leia mais

Marta Kohl de Oliveira Algumas Contribuições da Psicologia Cognitiva

Marta Kohl de Oliveira Algumas Contribuições da Psicologia Cognitiva Marta Kohl de Oliveira Algumas Contribuições da Psicologia Cognitiva A criança que chega à escola é um indivíduo que sabe coisas e que opera intelectualmente de acordo com os mecanismos de funcionamento

Leia mais

ENSINO DE GEOGRAFIA, CULTURA POPULAR E TEMAS TRANSVERSAIS: uma proposta de transversalidade a partir dos Parâmetros Curriculares Nacionais (PCN s)

ENSINO DE GEOGRAFIA, CULTURA POPULAR E TEMAS TRANSVERSAIS: uma proposta de transversalidade a partir dos Parâmetros Curriculares Nacionais (PCN s) ENSINO DE GEOGRAFIA, CULTURA POPULAR E TEMAS TRANSVERSAIS: uma proposta de transversalidade a partir dos Parâmetros Curriculares Nacionais (PCN s) Kálita Tavares da SILVA 1 ; Estevane de Paula Pontes MENDES

Leia mais

1. O pensamento marxista e o contexto contemporâneo

1. O pensamento marxista e o contexto contemporâneo Prof. Dr. Elydio dos Santos Neto AS CONTRIBUIÇÕES DE ANTONIO GRAMSCI PARA COMPREENDER A ESCOLA E O PROFESSOR NA ESTRUTURA DA SOCIEDADE CAPITALISTA 1. O pensamento marxista e o contexto contemporâneo No

Leia mais

A ORGANIZAÇÃO CURRICULAR DO CURSO DE FORMAÇÃO DE DOCENTES NO PARANÁ A PARTIR DOS DOCUMENTOS ORIENTADORES DE 2006 E 2014

A ORGANIZAÇÃO CURRICULAR DO CURSO DE FORMAÇÃO DE DOCENTES NO PARANÁ A PARTIR DOS DOCUMENTOS ORIENTADORES DE 2006 E 2014 A ORGANIZAÇÃO CURRICULAR DO CURSO DE FORMAÇÃO DE DOCENTES NO PARANÁ A PARTIR DOS DOCUMENTOS ORIENTADORES DE 006 E 014 Resumo Eduardo Marcomini UNINTER 1 Ligia Lobo de Assis UNINTER Grupo de Trabalho Políticas

Leia mais

FONTES PRIMÁRIAS SOBRE A HISTÓRIA DA EDUCAÇÃO NO BRASIL: BOLETINS E CIRCULARES DO APOSTOLADO POSITIVISTA (1881-1927) APRESENTAÇÃO

FONTES PRIMÁRIAS SOBRE A HISTÓRIA DA EDUCAÇÃO NO BRASIL: BOLETINS E CIRCULARES DO APOSTOLADO POSITIVISTA (1881-1927) APRESENTAÇÃO FONTES PRIMÁRIAS SOBRE A HISTÓRIA DA EDUCAÇÃO NO BRASIL: BOLETINS E CIRCULARES DO APOSTOLADO POSITIVISTA (1881-1927) APRESENTAÇÃO João Carlos da Silva 1 A produção da IPB reúne uma farta publicação de

Leia mais

Jusnaturalismo ou Positivismo Jurídico:

Jusnaturalismo ou Positivismo Jurídico: 1 Jusnaturalismo ou Positivismo Jurídico: Uma breve aproximação Clodoveo Ghidolin 1 Um tema de constante debate na história do direito é a caracterização e distinção entre jusnaturalismo e positivismo

Leia mais

Pontifícia Universidade Católica do Paraná Centro de Teologia e Ciências Humanas Programa de Pós-Graduação em Educação. Teoria da Educação

Pontifícia Universidade Católica do Paraná Centro de Teologia e Ciências Humanas Programa de Pós-Graduação em Educação. Teoria da Educação Pontifícia Universidade Católica do Paraná Centro de Teologia e Ciências Humanas Programa de Pós-Graduação em Educação Teoria da Educação Prof. Dra. Pura Lucia Oliver Martins SEMINÁRIO ANÍSIO TEIXEIRA

Leia mais

Philippe Perrenoud Faculdade de Psicologia e Ciências da Educação Universidade de Genebra 2009

Philippe Perrenoud Faculdade de Psicologia e Ciências da Educação Universidade de Genebra 2009 EDUCAÇÃO PARA A CIDADANIA: Passar do Discurso para a Ação Philippe Perrenoud Faculdade de Psicologia e Ciências da Educação Universidade de Genebra 2009 1º Fórum de Ideias - Cambridge University Press

Leia mais

A ORGANIZAÇÃO DO TRABALHO PEDAGÓGICO COMO PRINCÍPIO EDUCATIVO NA FORMAÇÃO DE PROFESSORES

A ORGANIZAÇÃO DO TRABALHO PEDAGÓGICO COMO PRINCÍPIO EDUCATIVO NA FORMAÇÃO DE PROFESSORES A ORGANIZAÇÃO DO TRABALHO PEDAGÓGICO COMO PRINCÍPIO EDUCATIVO NA FORMAÇÃO DE Universidade Estadual De Maringá gasparin01@brturbo.com.br INTRODUÇÃO Ao pensarmos em nosso trabalho profissional, muitas vezes,

Leia mais

COM CRIANÇAS INGRESSANTES NO ENSINO FUNDAMENTAL: UMA EXPERIÊNCIA POSSÍVEL NOS DIFERENTES MODOS DE ENSINAR

COM CRIANÇAS INGRESSANTES NO ENSINO FUNDAMENTAL: UMA EXPERIÊNCIA POSSÍVEL NOS DIFERENTES MODOS DE ENSINAR O USO DO BLOG COM CRIANÇAS INGRESSANTES NO ENSINO FUNDAMENTAL: UMA EXPERIÊNCIA POSSÍVEL NOS DIFERENTES MODOS DE ENSINAR Isnary Aparecida Araujo da Silva 1 Introdução A sociedade atual vive um boom da tecnologia,

Leia mais

Uma Biblioteca e a vontade de formar leitores.

Uma Biblioteca e a vontade de formar leitores. Uma Biblioteca e a vontade de formar leitores. Prof. Ms. Deisily de Quadros (FARESC) deisily@uol.com.br Graduando Mark da Silva Floriano (FARESC) markfloriano@hotmail.com Resumo: Este artigo apresenta

Leia mais

NÚCLEO DE ESTUDOS E PESQUISAS HISTÓRIA DA EDUCAÇÃO EM PERNAMBUCO: 13 ANOS DE HISTÓRIA

NÚCLEO DE ESTUDOS E PESQUISAS HISTÓRIA DA EDUCAÇÃO EM PERNAMBUCO: 13 ANOS DE HISTÓRIA NÚCLEO DE ESTUDOS E PESQUISAS HISTÓRIA DA EDUCAÇÃO EM PERNAMBUCO: 13 ANOS DE HISTÓRIA Margarete Maria da Silva meghamburgo@yahoo.com.br Graduanda em Pedagogia e membro do NEPHEPE Universidade Federal de

Leia mais

RELACIONAMENTO JURÍDICO DO ESTADO BRASILEIRO COM INSTITUIÇÕES RELIGIOSAS, NO QUE CONCERNE À EDUCAÇÃO

RELACIONAMENTO JURÍDICO DO ESTADO BRASILEIRO COM INSTITUIÇÕES RELIGIOSAS, NO QUE CONCERNE À EDUCAÇÃO RELACIONAMENTO JURÍDICO DO ESTADO BRASILEIRO COM INSTITUIÇÕES RELIGIOSAS, NO QUE CONCERNE À EDUCAÇÃO GEORGE DE CERQUEIRA LEITE ZARUR Consultor Legislativo da Área XV Educação, Desporto, Bens Culturais,

Leia mais

O PROJETO POLÍTICO-PEDAGÓGICO NO CONTEXTO DA GESTÃO ESCOLAR 1

O PROJETO POLÍTICO-PEDAGÓGICO NO CONTEXTO DA GESTÃO ESCOLAR 1 O PROJETO POLÍTICO-PEDAGÓGICO NO CONTEXTO DA GESTÃO ESCOLAR 1 Janete Maria Lins de Azevedo 2 Falar sobre o projeto pedagógico (PP) da escola, considerando a realidade educacional do Brasil de hoje, necessariamente

Leia mais

LIVROS PARA A ESCOLA NORMAL NO PARANÁ: MODELOS E PROJETOS SOCIAIS SE VIABILIZAM NA ESCOLA

LIVROS PARA A ESCOLA NORMAL NO PARANÁ: MODELOS E PROJETOS SOCIAIS SE VIABILIZAM NA ESCOLA LIVROS PARA A ESCOLA NORMAL NO PARANÁ: MODELOS E PROJETOS SOCIAIS SE VIABILIZAM NA ESCOLA Marlete dos Anjos Silva Schaffrath 13 Maria Elisabeth Blanck Miguel 14 Faculdade de Artes do Paraná Área: História

Leia mais

ENSINO DA DISCIPLINA DE GEOMETRIA ANALÍTICA PARA ALUNOS COM DEFICIÊNCIA VISUAL: RELATO DE UMA EXPERIÊNCIA

ENSINO DA DISCIPLINA DE GEOMETRIA ANALÍTICA PARA ALUNOS COM DEFICIÊNCIA VISUAL: RELATO DE UMA EXPERIÊNCIA ENSINO DA DISCIPLINA DE GEOMETRIA ANALÍTICA PARA ALUNOS COM DEFICIÊNCIA VISUAL: RELATO DE UMA EXPERIÊNCIA Divane Marcon Fundação Universidade Federal do Pampa divanemarcon@unipampa.edu.br Fabiane C. Höpner

Leia mais

PROVA DAS DISCIPLINAS CORRELATAS TEORIA DO ESTADO

PROVA DAS DISCIPLINAS CORRELATAS TEORIA DO ESTADO P á g i n a 1 PROVA DAS DISCIPLINAS CORRELATAS TEORIA DO ESTADO 1. Na teoria contratualista, o surgimento do Estado e a noção de contrato social supõem que os indivíduos abrem mão de direitos (naturais)

Leia mais

RELATO DE EXPERIÊNCIA E PRÁTICA ESTÁGIO DOCENTE NA DISCIPLINA METODOLOGIA DA GEOGRAFIA NO CURSO DE GRADUAÇÃO EM GEOGRAFIA DA UNIVERSIDADE DE BRASÍLIA

RELATO DE EXPERIÊNCIA E PRÁTICA ESTÁGIO DOCENTE NA DISCIPLINA METODOLOGIA DA GEOGRAFIA NO CURSO DE GRADUAÇÃO EM GEOGRAFIA DA UNIVERSIDADE DE BRASÍLIA RELATO DE EXPERIÊNCIA E PRÁTICA ESTÁGIO DOCENTE NA DISCIPLINA METODOLOGIA DA GEOGRAFIA NO CURSO DE GRADUAÇÃO EM GEOGRAFIA DA UNIVERSIDADE DE BRASÍLIA Gilvan Charles Cerqueira de Araújo 1 INTRODUÇÃO Este

Leia mais

O RESGATE DO PENSAMENTO DE ALBERTO TORRES PARA A COMPREENSÃO HISTORIOGRÁFICA DA POLÍTICA NACIONAL DO PÓS- REVOLUÇÃO DE

O RESGATE DO PENSAMENTO DE ALBERTO TORRES PARA A COMPREENSÃO HISTORIOGRÁFICA DA POLÍTICA NACIONAL DO PÓS- REVOLUÇÃO DE O RESGATE DO PENSAMENTO DE ALBERTO TORRES PARA A COMPREENSÃO HISTORIOGRÁFICA DA POLÍTICA NACIONAL DO PÓS- REVOLUÇÃO DE 1930 Jorge Eschriqui Vieira PINTO Alberto Torres foi um intelectual vanguardista entre

Leia mais

PLANEJAMENTO NA EDUCAÇÃO INFANTIL: UMA CONSTRUÇÃO COLETIVA.

PLANEJAMENTO NA EDUCAÇÃO INFANTIL: UMA CONSTRUÇÃO COLETIVA. PLANEJAMENTO NA EDUCAÇÃO INFANTIL: UMA CONSTRUÇÃO COLETIVA. OLIVEIRA 1, Jordânia Amorim da Silva. SOUSA 2, Nádia Jane de. TARGINO 3, Fábio. RESUMO Este trabalho apresenta resultados parciais do projeto

Leia mais

Resumo Aula-tema 01: A literatura infantil: abertura para a formação de uma nova mentalidade

Resumo Aula-tema 01: A literatura infantil: abertura para a formação de uma nova mentalidade Resumo Aula-tema 01: A literatura infantil: abertura para a formação de uma nova mentalidade Pensar na realidade é pensar em transformações sociais. Atualmente, temos observado os avanços com relação à

Leia mais

PRÁTICAS E PERSPECTIVAS DE DEMOCRACIA NA GESTÃO EDUCACIONAL

PRÁTICAS E PERSPECTIVAS DE DEMOCRACIA NA GESTÃO EDUCACIONAL PRÁTICAS E PERSPECTIVAS DE DEMOCRACIA NA GESTÃO EDUCACIONAL Coleção EDUCAÇÃO SUPERIOR Coordenação editorial: Claudenir Módolo Alves Metodologia Científica Desafios e caminhos, Osvaldo Dalberio / Maria

Leia mais

A MATEMÁTICA NA EDUCAÇÃO INFANTIL (2ª EDIÇÃO) Tatiana Comiotto Menestrina 1 (Coordenadora da Ação de Extensão)

A MATEMÁTICA NA EDUCAÇÃO INFANTIL (2ª EDIÇÃO) Tatiana Comiotto Menestrina 1 (Coordenadora da Ação de Extensão) A MATEMÁTICA NA EDUCAÇÃO INFANTIL (2ª EDIÇÃO) Área Temática: Educação Tatiana Comiotto Menestrina 1 (Coordenadora da Ação de Extensão) Pamela Paola Leonardo 2 Marnei Luis Mandler 3 Palavras-chave: Matemática,

Leia mais

Leitura na escola reflexões pedagógicas sobre os processos de formação de leitores e escritores na educação infantil, jovens e adultos.

Leitura na escola reflexões pedagógicas sobre os processos de formação de leitores e escritores na educação infantil, jovens e adultos. Leitura na escola reflexões pedagógicas sobre os processos de formação de leitores e escritores na educação infantil, jovens e adultos. Diogo Vieira do Nascimento 1 (UERJ/EDU) Fabiana da Silva 2 (UERJ/EDU)

Leia mais

de Ciências do Ambiente e Sustentabilidade na Amazônia

de Ciências do Ambiente e Sustentabilidade na Amazônia Anais do I Seminário Internacional de Ciências do Ambiente e Sustentabilidade na Amazônia A CONTRIBUIÇÃO DA DIDÁTICA CRÍTICA NA INTERLIGAÇÃO DE SABERES AMBIENTAIS NO PROCESSO DE FORMAÇÃO DE PROFESSORES

Leia mais

GERENCIAMENTO ELETRÔNICO DE DOCUMENTOS DO GEPHE - GRUPO DE ESTUDOS E PESQUISAS EM HISTÓRIA DA EDUCAÇÃO EM CAMPINA GRANDE PARAIBA

GERENCIAMENTO ELETRÔNICO DE DOCUMENTOS DO GEPHE - GRUPO DE ESTUDOS E PESQUISAS EM HISTÓRIA DA EDUCAÇÃO EM CAMPINA GRANDE PARAIBA GERENCIAMENTO ELETRÔNICO DE DOCUMENTOS DO GEPHE - GRUPO DE ESTUDOS E PESQUISAS EM HISTÓRIA DA EDUCAÇÃO EM CAMPINA GRANDE PARAIBA Autora: Regina Coelli Gomes Nascimento - Professora do curso de História

Leia mais

Índice. 1. Metodologia na Educação de Jovens e Adultos...3

Índice. 1. Metodologia na Educação de Jovens e Adultos...3 GRUPO 6.1 MÓDULO 4 Índice 1. Metodologia na Educação de Jovens e Adultos...3 1.1. Desenvolvimento e Aprendizagem de Jovens e Adultos... 4 1.1.1. Educar na Diversidade... 5 1.2. Os Efeitos da Escolarização/Alfabetização

Leia mais

LER E ESCREVER: APRENDER COM O LÚDICO

LER E ESCREVER: APRENDER COM O LÚDICO LER E ESCREVER: APRENDER COM O LÚDICO Inês Aparecida Costa QUINTANILHA; Lívia Matos FOLHA; Dulcéria. TARTUCI; Maria Marta Lopes FLORES. Reila Terezinha da Silva LUZ; Departamento de Educação, UFG-Campus

Leia mais

OS CAMINHOS DA PRODUÇÃO BIBLIOGRÁFICA EM GESTÃO DEMOCRÁTICA: UM ESTUDO SOBRE AS REVISTAS NOVA ESCOLA E EDUCAÇÃO & SOCIEDADE

OS CAMINHOS DA PRODUÇÃO BIBLIOGRÁFICA EM GESTÃO DEMOCRÁTICA: UM ESTUDO SOBRE AS REVISTAS NOVA ESCOLA E EDUCAÇÃO & SOCIEDADE OS CAMINHOS DA PRODUÇÃO BIBLIOGRÁFICA EM GESTÃO DEMOCRÁTICA: UM ESTUDO SOBRE AS REVISTAS NOVA ESCOLA E EDUCAÇÃO & SOCIEDADE LUCIANE WEBER BAIA HEES Núcleo de Estudos e Pesquisas: Política e Gestão da Educação

Leia mais

MÚLTIPLAS LEITURAS: CAMINHOS E POSSIBILIDADES

MÚLTIPLAS LEITURAS: CAMINHOS E POSSIBILIDADES MÚLTIPLAS LEITURAS: CAMINHOS E POSSIBILIDADES EDIT MARIA ALVES SIQUEIRA (UNIVERSIDADE FEDERAL DE VIÇOSA). Resumo Diferentes instrumentos de avaliação (ENEM, SIMAVE) tem diagnosticado o despreparo dos alunos

Leia mais

EVASÃO ESCOLAR DE ALUNOS TRABALHADORES NA EJA

EVASÃO ESCOLAR DE ALUNOS TRABALHADORES NA EJA EVASÃO ESCOLAR DE ALUNOS TRABALHADORES NA EJA OLIVEIRA, Paula Cristina Silva de Faculdade de Educação/UFMG EITERER, Carmem Lúcia. (Orientadora) Faculdade de Educação/UFMG RESUMO: Este é um trabalho de

Leia mais

LUÍS REIS TORGAL. SUB Hamburg A/522454 ESTADO NOVO. Ensaios de História Política e Cultural [ 2. IMPRENSA DA UNIVERSIDADE DE COIMBRA

LUÍS REIS TORGAL. SUB Hamburg A/522454 ESTADO NOVO. Ensaios de História Política e Cultural [ 2. IMPRENSA DA UNIVERSIDADE DE COIMBRA LUÍS REIS TORGAL SUB Hamburg A/522454 ESTADOS NOVOS ESTADO NOVO Ensaios de História Política e Cultural [ 2. a E D I Ç Ã O R E V I S T A ] I u IMPRENSA DA UNIVERSIDADE DE COIMBRA 2 0 0 9 ' C O I M B R

Leia mais

A LEITURA E O PROCESSO DE ALFABETIZAÇÃO E LETRAMENTO

A LEITURA E O PROCESSO DE ALFABETIZAÇÃO E LETRAMENTO A LEITURA E O PROCESSO DE ALFABETIZAÇÃO E LETRAMENTO Adriana M. das Virgens Chagas (adrianachagas3@hotmail.com) Aluna de graduação do curso de Pedagogia das Faculdades Integradas de Aracruz Luciana C.

Leia mais

CULTURA ESCOLAR DICIONÁRIO

CULTURA ESCOLAR DICIONÁRIO CULTURA ESCOLAR Forma como são representados e articulados pelos sujeitos escolares os modos e as categorias escolares de classificação sociais, as dimensões espaço-temporais do fenômeno educativo escolar,

Leia mais

3.3. Conselho escolar e autonomia: participação e democratização da gestão administrativa, pedagógica e financeira da educação e da escola

3.3. Conselho escolar e autonomia: participação e democratização da gestão administrativa, pedagógica e financeira da educação e da escola 3.3. Conselho escolar e autonomia: participação e democratização da gestão administrativa, pedagógica e financeira da educação e da escola João Ferreira de Oliveira - UFG Karine Nunes de Moraes - UFG Luiz

Leia mais

FORMAÇÃO MATEMÁTICA EM CURSOS DE PEDAGOGIA EM DOIS TEMPOS: UM ESTUDO

FORMAÇÃO MATEMÁTICA EM CURSOS DE PEDAGOGIA EM DOIS TEMPOS: UM ESTUDO FORMAÇÃO MATEMÁTICA EM CURSOS DE PEDAGOGIA EM DOIS TEMPOS: UM ESTUDO Thiago Tavares Borchardt Universidade Federal de Pelotas thiago tb@hotmail.com Márcia Souza da Fonseca Universidade Federal de Pelotas

Leia mais

O CURRÍCULO NA PERSPECTIVA DO RECONSTRUCIONISMO SOCIAL

O CURRÍCULO NA PERSPECTIVA DO RECONSTRUCIONISMO SOCIAL O CURRÍCULO NA PERSPECTIVA DO RECONSTRUCIONISMO SOCIAL Resumo Fabiana Antunes Machado 1 - UEL/PR Rosana Peres 2 - UEL/PR Grupo de trabalho - Comunicação e Tecnologia Agência Financiadora: Capes Objetiva-se

Leia mais

Proposta Curricular do Estado de São Paulo para a Disciplina de Sociologia

Proposta Curricular do Estado de São Paulo para a Disciplina de Sociologia Proposta Curricular do Estado de São Paulo para a Disciplina de Ensino Médio Elaborar uma proposta curricular para implica considerar as concepções anteriores que orientaram, em diferentes momentos, os

Leia mais

PROJETO PEDAGÓGICO DO ENSINO FUNDAMENTAL E MÉDIO

PROJETO PEDAGÓGICO DO ENSINO FUNDAMENTAL E MÉDIO PROJETO PEDAGÓGICO DO ENSINO FUNDAMENTAL E MÉDIO APRESENTAÇÃO O Projeto Político Pedagógico da Escola foi elaborado com a participação da comunidade escolar, professores e funcionários, voltada para a

Leia mais

ALFABETIZAÇÃO DE JOVENS E ADULTOS: EM DEFESA DE UMA AÇÃO INTERDISCIPLINAR

ALFABETIZAÇÃO DE JOVENS E ADULTOS: EM DEFESA DE UMA AÇÃO INTERDISCIPLINAR 1 ALFABETIZAÇÃO DE JOVENS E ADULTOS: EM DEFESA DE UMA AÇÃO INTERDISCIPLINAR Maurina Passos Goulart Oliveira da Silva 1 mauripassos@uol.com.br Na formação profissional, muitas pessoas me inspiraram: pensadores,

Leia mais

Golpe Militar: A Psicologia e o Movimento Estudantil do Rio Grande do Sul

Golpe Militar: A Psicologia e o Movimento Estudantil do Rio Grande do Sul 1919 X Salão de Iniciação Científica PUCRS Golpe Militar: A Psicologia e o Movimento Estudantil do Rio Grande do Sul Pâmela de Freitas Machado 1, Helena B.K.Scarparo 1 (orientadora) 1 Faculdade Psicologia,

Leia mais

Sociologia. Professor: Matheus Bortoleto Rodrigues E-mail: bortoletomatheus@yahoo.com.br Escola: Dr. José Ferreira

Sociologia. Professor: Matheus Bortoleto Rodrigues E-mail: bortoletomatheus@yahoo.com.br Escola: Dr. José Ferreira Sociologia Professor: Matheus Bortoleto Rodrigues E-mail: bortoletomatheus@yahoo.com.br Escola: Dr. José Ferreira [...] tudo o que é real tem uma natureza definida que se impõe, com a qual é preciso contar,

Leia mais

PONTIFÍCIA UNIVERSIDADE CATÓLICA DE SÃO PAULO Faculdade de Educação PROJETO DE PESQUISA

PONTIFÍCIA UNIVERSIDADE CATÓLICA DE SÃO PAULO Faculdade de Educação PROJETO DE PESQUISA PROJETO DE PESQUISA INSTITUIÇÕES E INTELECTUAIS DA EDUCAÇÃO NO BRASIL: HISTÓRIA, IDEIAS E TRAJETÓRIAS Responsável: Prof. Dr. Mauro Castilho Gonçalves O projeto investiga a história de instituições educativas

Leia mais

DINÂMICA CURRICULAR DO CURSO DE PEDAGOGIA - 2008. Disciplinas Teórica Prática Estágio Total. 1º Período

DINÂMICA CURRICULAR DO CURSO DE PEDAGOGIA - 2008. Disciplinas Teórica Prática Estágio Total. 1º Período MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO Universidade Federal de Alfenas. UNIFAL-MG Rua Gabriel Monteiro da Silva, 700. Alfenas/MG. CEP 37130-000 Fone: (35) 3299-1000. Fax: (35) 3299-1063 DINÂMICA CURRICULAR DO CURSO DE

Leia mais

EDUCAÇÃO E CIDADANIA: OFICINAS DE DIREITOS HUMANOS COM CRIANÇAS E ADOLESCENTES NA ESCOLA

EDUCAÇÃO E CIDADANIA: OFICINAS DE DIREITOS HUMANOS COM CRIANÇAS E ADOLESCENTES NA ESCOLA EDUCAÇÃO E CIDADANIA: OFICINAS DE DIREITOS HUMANOS COM CRIANÇAS E ADOLESCENTES NA ESCOLA Autores: FIGUEIREDO 1, Maria do Amparo Caetano de LIMA 2, Luana Rodrigues de LIMA 3, Thalita Silva Centro de Educação/

Leia mais

Elvira Cristina de Azevedo Souza Lima' A Utilização do Jogo na Pré-Escola

Elvira Cristina de Azevedo Souza Lima' A Utilização do Jogo na Pré-Escola Elvira Cristina de Azevedo Souza Lima' A Utilização do Jogo na Pré-Escola Brincar é fonte de lazer, mas é, simultaneamente, fonte de conhecimento; é esta dupla natureza que nos leva a considerar o brincar

Leia mais

Contribuição da metodologia de pesquisa na Educação Tutorial: A formação dos petianos do PET Pedagogia da UFOP

Contribuição da metodologia de pesquisa na Educação Tutorial: A formação dos petianos do PET Pedagogia da UFOP Contribuição da metodologia de pesquisa na Educação Tutorial: A formação dos petianos do PET Pedagogia da UFOP ALVES, Crislaine 1; CARVALHO, Daiane 1; CRUZ, Júlia 1, FÉLIX, Michelle 1; FERREIRA, Juliane

Leia mais

Curso de Formação Pedagógica para Docentes da FEI. Coordenação Prof. Dr. Marcos T. Masetto

Curso de Formação Pedagógica para Docentes da FEI. Coordenação Prof. Dr. Marcos T. Masetto Curso de Formação Pedagógica para Docentes da FEI Coordenação Prof. Dr. Marcos T. Masetto 1 Curso de Formação Pedagógica para Docentes da FEI Professor Doutor Marcos T. Masetto Objetivos Desenvolver competências

Leia mais

ENTUSIASMO PELA EDUCAÇÃO E O OTIMISMO PEDAGÓGICO. pesquisadores da educação, como também é considerado ponto de virada de

ENTUSIASMO PELA EDUCAÇÃO E O OTIMISMO PEDAGÓGICO. pesquisadores da educação, como também é considerado ponto de virada de ENTUSIASMO PELA EDUCAÇÃO E O OTIMISMO PEDAGÓGICO Irene Domenes Zapparoli - UEL/ PUC/SP/ehps zapparoli@onda.com.br INTRODUÇÃO Jorge Nagle com o livro Educação e Sociedade na Primeira República consagrou-se

Leia mais

A IMPORTÂNCIA DOS JOGOS NO ENSINO DE MATEMÁTICA NAS SÉRIES INICIAIS

A IMPORTÂNCIA DOS JOGOS NO ENSINO DE MATEMÁTICA NAS SÉRIES INICIAIS A IMPORTÂNCIA DOS JOGOS NO ENSINO DE MATEMÁTICA NAS SÉRIES INICIAIS SILVA, Bárbara Tavares da 1 ARAÚJO, Junivan Gomes de 2 ALVES, Suênha Patrícia 3 ARAÚJO, Francinário Oliveira de 4 RESUMO Sabemos que

Leia mais

PROJETO FAZENDO ESCOLA: UMA EXPERIÊNCIA DO ORIENTADOR NO COMPROMISSO DA CAPACITAÇÃO DOCENTE

PROJETO FAZENDO ESCOLA: UMA EXPERIÊNCIA DO ORIENTADOR NO COMPROMISSO DA CAPACITAÇÃO DOCENTE PROJETO FAZENDO ESCOLA: UMA EXPERIÊNCIA DO ORIENTADOR NO COMPROMISSO DA CAPACITAÇÃO DOCENTE Sérgio Dal-Ri Moreira Pontifícia Universidade Católica do Paraná Palavras-chave: Educação Física, Educação, Escola,

Leia mais

UNIVERSIDADE DO CONTESTADO UnC CAMPUS MAFRA/RIO NEGRINHO/PAPANDUVA NÚCLEO DE CIÊNCIAS DA SAÚDE E MEIO AMBIENTE

UNIVERSIDADE DO CONTESTADO UnC CAMPUS MAFRA/RIO NEGRINHO/PAPANDUVA NÚCLEO DE CIÊNCIAS DA SAÚDE E MEIO AMBIENTE UNIVERSIDADE DO CONTESTADO UnC CAMPUS MAFRA/RIO NEGRINHO/PAPANDUVA NÚCLEO DE CIÊNCIAS DA SAÚDE E MEIO AMBIENTE PROJETO AVALIAÇÃO INTEGRAL DA CRIANÇA MAFRA 2009 Núcleo de Ciências da Saúde e Meio Ambiente

Leia mais

Pedagogia. Objetivos deste tema. 3 Sub-temas compõem a aula. Tecnologias da informação e mídias digitais na educação. Prof. Marcos Munhoz da Costa

Pedagogia. Objetivos deste tema. 3 Sub-temas compõem a aula. Tecnologias da informação e mídias digitais na educação. Prof. Marcos Munhoz da Costa Pedagogia Prof. Marcos Munhoz da Costa Tecnologias da informação e mídias digitais na educação Objetivos deste tema Refletir sobre as mudanças de experiências do corpo com o advento das novas tecnologias;

Leia mais

Quando a educação constrói identidades: Brasil e Argentina no transcorrer dos séculos XIX e XX

Quando a educação constrói identidades: Brasil e Argentina no transcorrer dos séculos XIX e XX ASCOLANI, Adrián; VIDAL, Diana Gonçalves (orgs.). Reformas educativas no Brasil e na Argentina - ensaios de História Comparada da Educação (1820-2000). São Paulo: Cortez, 2009. Quando a educação constrói

Leia mais

COLÉGIO ESTADUAL PEDRO ARAUJO NETO ENSINO FUNDAMENTAL E MÉDIO DISCIPLINA DE ENSINO RELIGIOSO

COLÉGIO ESTADUAL PEDRO ARAUJO NETO ENSINO FUNDAMENTAL E MÉDIO DISCIPLINA DE ENSINO RELIGIOSO COLÉGIO ESTADUAL PEDRO ARAUJO NETO ENSINO FUNDAMENTAL E MÉDIO DISCIPLINA DE ENSINO RELIGIOSO General Carneiro 2010 APRESENTAÇÃO DA DISCIPLINA DE ENSINO RELIGIOSO. O Ensino Religioso existiu num primeiro

Leia mais

LINGUAGEM ESCRITA NA EDUCAÇÃO INFANTIL: FORMAS DE CONHECER O MUNDO

LINGUAGEM ESCRITA NA EDUCAÇÃO INFANTIL: FORMAS DE CONHECER O MUNDO LINGUAGEM ESCRITA NA EDUCAÇÃO INFANTIL: FORMAS DE CONHECER O MUNDO SILVA, Hayana Crislayne Benevides da. Graduanda Pedagogia - UEPB/Campus I hayana_benevides@yahoo.com.br SILVA, Alzira Maria Lima da. Graduanda

Leia mais

EDUCAÇÃO DO CAMPO: Interfaces teóricas e políticas na formação do professor

EDUCAÇÃO DO CAMPO: Interfaces teóricas e políticas na formação do professor EDUCAÇÃO DO CAMPO: Interfaces teóricas e políticas na formação do professor Juliana Graciano Parise 1 Eliane de Lourdes Felden 2 Resumo: O trabalho apresenta uma experiência de ensino articulado à pesquisa

Leia mais

COMPRE AQUI E MORE BEM : A LINGUAGEM PUBLICITÁRIA E OS DISCURSOS DA PROPAGANDA IMOBILIÁRIA

COMPRE AQUI E MORE BEM : A LINGUAGEM PUBLICITÁRIA E OS DISCURSOS DA PROPAGANDA IMOBILIÁRIA COMPRE AQUI E MORE BEM : A LINGUAGEM PUBLICITÁRIA E OS DISCURSOS DA PROPAGANDA IMOBILIÁRIA Maria Eliane Gomes Morais (PPGFP-UEPB) Linduarte Pereira Rodrigues (DLA/PPGFP-UEPB) Resumo: Os textos publicitários

Leia mais

A FORMAÇÃO DE SUJEITOS CRÍTICOS NO ENSINO SUPERIOR: UM POSSÍVEL CAMINHO PARA A TRANSFORMAÇÃO SOCIAL. Marijara de Lima Monaliza Alves Lopes

A FORMAÇÃO DE SUJEITOS CRÍTICOS NO ENSINO SUPERIOR: UM POSSÍVEL CAMINHO PARA A TRANSFORMAÇÃO SOCIAL. Marijara de Lima Monaliza Alves Lopes A FORMAÇÃO DE SUJEITOS CRÍTICOS NO ENSINO SUPERIOR: UM POSSÍVEL CAMINHO PARA A TRANSFORMAÇÃO SOCIAL Marijara de Lima Monaliza Alves Lopes FACULDADE ALFREDO NASSER INSTITUTO SUPERIOR DE EDUCAÇÃO III PESQUISAR

Leia mais

PLANO DE ENSINO E ESTRATÉGIAS

PLANO DE ENSINO E ESTRATÉGIAS PLANO DE ENSINO E ESTRATÉGIAS Profª. Msc. Clara Maria Furtado claramaria@terra.com.br clara@unifebe.edu.br PLANEJAMENTO Representa uma organização de ações em direção a objetivos bem definidos, dos recursos

Leia mais

3ª FASE Prof.a Carolina Oliveira

3ª FASE Prof.a Carolina Oliveira 3ª FASE Prof.a Carolina Oliveira CONTEÚDOS E HABILIDADES FORTALECENDO SABERES DESAFIO DO DIA DINÂMICA LOCAL INTERATIVA 4º Bimestre Atividade Avaliativa de Ens. Religioso Aula 172 Conteúdo Contar histórias

Leia mais

FORMAÇÃO CONTINUADA CAMINHOS PARA O ENSINO

FORMAÇÃO CONTINUADA CAMINHOS PARA O ENSINO FORMAÇÃO CONTINUADA CAMINHOS PARA O ENSINO SUPERIOR PLANO DE ENSINO E ESTRATÉGIAS Profª Msc. Clara Maria Furtado PROJETO POLÍTICO PEDAGÓGICO CURRÍCULO ORGANIZAÇÃO CURRICULAR PLANEJAMENTO DO CURSO OBJETIVOS

Leia mais

O USO DO LIVRO DIDÁTICO NO PROCESSO ENSINO- APRENDIZAGEM NAS CIÊNCIAS SOCIAIS : 1ª A 4ª SÉRIES

O USO DO LIVRO DIDÁTICO NO PROCESSO ENSINO- APRENDIZAGEM NAS CIÊNCIAS SOCIAIS : 1ª A 4ª SÉRIES Título: O USO DO LIVRO DIDÁTICO NO PROCESSO ENSINO- APRENDIZAGEM NAS CIÊNCIAS SOCIAIS : 1ª A 4ª SÉRIES Área Temática: Educação e Ensino Fundamental Autora: ANELSI SALETTE BIANCHIM Instituição: Universidade

Leia mais

RE SIGNIFICANDO A AVALIAÇÃO INSTITUCIONAL

RE SIGNIFICANDO A AVALIAÇÃO INSTITUCIONAL RE SIGNIFICANDO A AVALIAÇÃO INSTITUCIONAL Maria Celina Melchior Dados da autora Mestre em Educação, Avaliadora Institucional do INEP/SINAES/MEC, atuou como avaliadora in loco do Prêmio Inovação em Gestão

Leia mais

Presidência da República Casa Civil Secretaria de Administração Diretoria de Gestão de Pessoas Coordenação Geral de Documentação e Informação

Presidência da República Casa Civil Secretaria de Administração Diretoria de Gestão de Pessoas Coordenação Geral de Documentação e Informação Presidência da República Casa Civil Secretaria de Administração Diretoria de Gestão de Pessoas Coordenação Geral de Documentação e Informação Coordenação de Biblioteca 6. EDUCAÇÃO E CULTURA Senhor Reitor:

Leia mais

HOMOAFETIVIDADE FEMININA NO BRASIL: REFLEXÕES INTERDISCIPLINARES ENTRE O DIREITO E A LITERATURA

HOMOAFETIVIDADE FEMININA NO BRASIL: REFLEXÕES INTERDISCIPLINARES ENTRE O DIREITO E A LITERATURA HOMOAFETIVIDADE FEMININA NO BRASIL: REFLEXÕES INTERDISCIPLINARES ENTRE O DIREITO E A LITERATURA Juliana Fabbron Marin Marin 1 Ana Maria Dietrich 2 Resumo: As transformações no cenário social que ocorreram

Leia mais

A atividade de Relações Públicas como suporte para a gestão socialmente responsável

A atividade de Relações Públicas como suporte para a gestão socialmente responsável A atividade de Relações Públicas como suporte para a gestão socialmente responsável Felipe de Oliveira Fernandes Vivemos em um mundo que está constantemente se modificando. O desenvolvimento de novas tecnologias

Leia mais

GRAMSCI E A PRÁTICA PEDAGÓGICA DO CENTRO DE TRABALHO E CULTURA

GRAMSCI E A PRÁTICA PEDAGÓGICA DO CENTRO DE TRABALHO E CULTURA GRAMSCI E A PRÁTICA PEDAGÓGICA DO CENTRO DE TRABALHO E CULTURA SPINELLI, Mônica dos Santos IE/PPGE/UFMT RESUMO O texto apresenta resultados parciais da pesquisa teórica sobre categorias conceituais em

Leia mais

Professor MaPP Educação Infantil Conhecimentos Pedagógicos

Professor MaPP Educação Infantil Conhecimentos Pedagógicos Professor MaPP Educação Infantil Conhecimentos Pedagógicos 11) Analisando a relação entre desenvolvimento e aprendizagem na perspectiva de Vygotsky, é correto afirmar que: a) Desenvolvimento e aprendizagem

Leia mais

CURSOS PRECISAM PREPARAR PARA A DOCÊNCIA

CURSOS PRECISAM PREPARAR PARA A DOCÊNCIA Fundação Carlos Chagas Difusão de Idéias novembro/2011 página 1 CURSOS PRECISAM PREPARAR PARA A DOCÊNCIA Elba Siqueira de Sá Barretto: Os cursos de Pedagogia costumam ser muito genéricos e falta-lhes um

Leia mais

UNIDADE 3 O QUE REPRESENTA PARA NÓS O PPP? ÉTICA E LIBERDADE NA CONSTRUÇAO DA AUTONOMIA DA ESCOLA

UNIDADE 3 O QUE REPRESENTA PARA NÓS O PPP? ÉTICA E LIBERDADE NA CONSTRUÇAO DA AUTONOMIA DA ESCOLA UNIDADE 3 O QUE REPRESENTA PARA NÓS O PPP? ÉTICA E LIBERDADE NA CONSTRUÇAO DA AUTONOMIA DA ESCOLA Módulo 3 - Direitos Humanos e o Projeto Político Pedagógico da escola Objetivos: Nesta unidade vamos discutir

Leia mais

A ARTICULAÇÃO ENTRE ENSINO MÉDIO E ENSINO PROFISSIONAL DE NÍVEL TÉCNICO, SEGUNDO A LDB E AS NOVAS DIRETRIZES CURRICULARES

A ARTICULAÇÃO ENTRE ENSINO MÉDIO E ENSINO PROFISSIONAL DE NÍVEL TÉCNICO, SEGUNDO A LDB E AS NOVAS DIRETRIZES CURRICULARES A ARTICULAÇÃO ENTRE ENSINO MÉDIO E ENSINO PROFISSIONAL DE NÍVEL TÉCNICO, SEGUNDO A LDB E AS NOVAS DIRETRIZES CURRICULARES Guiomar Namo de Mello Diretora Executiva da Fundação Victor Civita Membro do Conselho

Leia mais

Música nas escolas: uma análise do Projeto de Resolução das Diretrizes Nacionais para a operacionalização do ensino de Música na Educação Básica

Música nas escolas: uma análise do Projeto de Resolução das Diretrizes Nacionais para a operacionalização do ensino de Música na Educação Básica Música nas escolas: uma análise do Projeto de Resolução das Diretrizes Nacionais para a operacionalização do ensino de Música na Educação Básica Luis Ricardo Silva Queiroz Presidente da ABEM presidencia@abemeducacaomusical.com.br

Leia mais

O EMPREENDEDORISMO NA EDUCAÇÃO BÁSICA PÚBLICA

O EMPREENDEDORISMO NA EDUCAÇÃO BÁSICA PÚBLICA O EMPREENDEDORISMO NA EDUCAÇÃO BÁSICA PÚBLICA Genilson José da Silva Universidade Federal da Paraíba genilsonjos27@gmail.com Maria das Graças de Almeida Baptista Universidade Federal da Paraíba - mgabaptista2@yahoo.com.br

Leia mais

PRINCÍPIO DE ADMINISTRAÇÃO CIENTÍFICA

PRINCÍPIO DE ADMINISTRAÇÃO CIENTÍFICA UNIVERSIDADE ESTADUAL DE CAMPINAS - UNICAMP INSTITUTO DE FILOSOFIA E CIÊNCIAS HUMANAS - IFCH DEPARTAMENTO DE ECONOMIA E PLANEJAMENTO ECONÔMICO - DEPE CENTRO TÉCNICO ECONÔMICO DE ASSESSORIA EMPRESARIAL

Leia mais

A imagem idealizada de uma infância saudável e feliz hoje se

A imagem idealizada de uma infância saudável e feliz hoje se VOZ DO LEITOR ANO 4 EDIÇÃO 30 On/off-line: entreolhares sobre as infâncias X, Y e Z Amanda M. P. Leite A imagem idealizada de uma infância saudável e feliz hoje se prende a uma espécie de saudosismo da

Leia mais

CURSO EDUCAÇÃO, RELAÇÕES RACIAIS E DIREITOS HUMANOS

CURSO EDUCAÇÃO, RELAÇÕES RACIAIS E DIREITOS HUMANOS CURSO EDUCAÇÃO, RELAÇÕES RACIAIS E DIREITOS HUMANOS MARTA LÚCIA DA SILVA ROSANA CAPPUTI BORGES Educação Infantil: desigualdades de idade e raça, um grande desafio a ser conquistado. São Paulo 2012 EDUCAÇÃO

Leia mais

ESPAÇO E TEMPO NA EDUCAÇÃO INFANTIL: ALTERNATIVAS DIDÁTICO- PEDAGÓGICAS.

ESPAÇO E TEMPO NA EDUCAÇÃO INFANTIL: ALTERNATIVAS DIDÁTICO- PEDAGÓGICAS. ESPAÇO E TEMPO NA EDUCAÇÃO INFANTIL: ALTERNATIVAS DIDÁTICO- PEDAGÓGICAS. Introdução: O presente artigo tem a pretensão de fazer uma sucinta exposição a respeito das noções de espaço e tempo trabalhados

Leia mais

anped 25ª reunião anual

anped 25ª reunião anual O PLANO DE DESENVOLVIMENTO DA ESCOLA-PDE NO ENSINO FUNDAMENTAL:O QUE MUDOU NA ESCOLA 1 GT Ensino Fundamental N.º13 Catarina de Almeida Santos- UFG Laydes Seabra Guimarães e Souza-UCG Sueli Azevedo de Souza

Leia mais

UNIVERSIDADE LUTERANA DO BRASIL CURSO DE GRADUAÇAO EM PEDAGOGIA LICENCIAMENTO EAD

UNIVERSIDADE LUTERANA DO BRASIL CURSO DE GRADUAÇAO EM PEDAGOGIA LICENCIAMENTO EAD UNIVERSIDADE LUTERANA DO BRASIL CURSO DE GRADUAÇAO EM PEDAGOGIA LICENCIAMENTO EAD Município: Pirassununga Estado: São Paulo Turma: 440 Pólo: Fundação de Ensino de Pirassununga Tutor (a): Inez Nunes Paula

Leia mais

BOLETIM DO LEGISLATIVO Nº 11, DE 2012

BOLETIM DO LEGISLATIVO Nº 11, DE 2012 BOLETIM DO LEGISLATIVO Nº 11, DE 2012 Educação e Sustentabilidade Tatiana Feitosa de Britto A Conferência das Nações Unidas sobre o Desenvolvimento Sustentável (Rio+20) tem como tema o futuro que queremos,

Leia mais

NÚCLEO DE EDUCAÇÃO MATEMÁTICA E ENSINO DE FÍSICA E AS NOVAS TECNOLOGIAS NA FORMAÇÃO DE PROFESSORES

NÚCLEO DE EDUCAÇÃO MATEMÁTICA E ENSINO DE FÍSICA E AS NOVAS TECNOLOGIAS NA FORMAÇÃO DE PROFESSORES NÚCLEO DE EDUCAÇÃO MATEMÁTICA E ENSINO DE FÍSICA E AS NOVAS TECNOLOGIAS NA FORMAÇÃO DE PROFESSORES Edson Crisostomo dos Santos Universidade Estadual de Montes Claros - UNIMONTES edsoncrisostomo@yahoo.es

Leia mais

O Significado da Avaliação

O Significado da Avaliação 49 O Significado da Avaliação 1 INTRODUÇÃO Angela Maria Dal Piva Avaliar faz parte do ato educativo. Avalia-se para diagnosticar avanços e entraves, para interferir, agir, problematizar, e redefinir os

Leia mais

introdução Trecho final da Carta da Terra 1. O projeto contou com a colaboração da Rede Nossa São Paulo e Instituto de Fomento à Tecnologia do

introdução Trecho final da Carta da Terra 1. O projeto contou com a colaboração da Rede Nossa São Paulo e Instituto de Fomento à Tecnologia do sumário Introdução 9 Educação e sustentabilidade 12 Afinal, o que é sustentabilidade? 13 Práticas educativas 28 Conexões culturais e saberes populares 36 Almanaque 39 Diálogos com o território 42 Conhecimentos

Leia mais

Artigo: Educação e Inclusão: Projeto Moral ou Ético. Autora: Sandra Dias ( Buscar na internet o texto completo)

Artigo: Educação e Inclusão: Projeto Moral ou Ético. Autora: Sandra Dias ( Buscar na internet o texto completo) Artigo: Educação e Inclusão: Projeto Moral ou Ético. Autora: Sandra Dias ( Buscar na internet o texto completo) Os ideais e a ética que nortearam o campo da educação Comenius: A educação na escola deve

Leia mais

BASE NACIONAL COMUM CURRICULAR DA EDUCAÇÃO INFANTIL

BASE NACIONAL COMUM CURRICULAR DA EDUCAÇÃO INFANTIL BASE NACIONAL COMUM CURRICULAR DA EDUCAÇÃO INFANTIL 1988 CONSTITUIÇÃO FEDERAL ANTECEDENTES Art. 210. Serão fixados conteúdos mínimos para o ensino fundamental, de maneira a assegurar formação básica comum

Leia mais

MAPEAMENTO DE PESQUISAS EDUCACIONAIS EM TORNO DA PEDAGOGIA DA ALTERNÂNCIA TEMAS E DEBATES DAS PESQUISAS DE PÓS GRADUAÇÃO EM EDUCAÇÃO (2005-2010)

MAPEAMENTO DE PESQUISAS EDUCACIONAIS EM TORNO DA PEDAGOGIA DA ALTERNÂNCIA TEMAS E DEBATES DAS PESQUISAS DE PÓS GRADUAÇÃO EM EDUCAÇÃO (2005-2010) MAPEAMENTO DE PESQUISAS EDUCACIONAIS EM TORNO DA PEDAGOGIA DA ALTERNÂNCIA TEMAS E DEBATES DAS PESQUISAS DE PÓS GRADUAÇÃO EM EDUCAÇÃO (2005-2010) Taílla Caroline Souza Menezes¹ e Ludmila Oliveira Holanda

Leia mais

O SERVIÇO SOCIAL NA UNIVERSIDADE CASTELO BRANCO: ENSINO, PESQUISA E EXTENSÃO NA CONSTRUÇÃO DE UM PROJETO DE CIDADANIA.

O SERVIÇO SOCIAL NA UNIVERSIDADE CASTELO BRANCO: ENSINO, PESQUISA E EXTENSÃO NA CONSTRUÇÃO DE UM PROJETO DE CIDADANIA. O SERVIÇO SOCIAL NA UNIVERSIDADE CASTELO BRANCO: ENSINO, PESQUISA E EXTENSÃO NA CONSTRUÇÃO DE UM PROJETO DE CIDADANIA. Profa. Elizabeth Rodrigues Felix 1 I- INTRODUÇÃO Com dezoito anos de existência, o

Leia mais

Formação docente e movimentos sociais: diálogos e tensões cotidianas

Formação docente e movimentos sociais: diálogos e tensões cotidianas A PRÁTICA PEDAGÓGICA E MOVIMENTOS SOCIAIS: DIÁLOGOS FORMATIVOS PARA O TRABALHO DOCENTE NA PEDAGOGIA DA ALTERNÂNCIA Eliziane Santana dos Santos 1 Ludmila Oliveira Holanda Cavalcante 2 ¹ Bolsista FAPESB,

Leia mais

EDUCAÇÃO PERMANENTE DESAFIOS NO CONTEXTO ATUAL

EDUCAÇÃO PERMANENTE DESAFIOS NO CONTEXTO ATUAL EDUCAÇÃO PERMANENTE DESAFIOS NO CONTEXTO ATUAL JOSÉ INÁCIO JARDIM MOTTA ESCOLA NACIONAL DE SAÚDE PÚBLICA Fundação Oswaldo Cruz Curitiba 2008 EDUCAÇÃO PERMANENTE UM DESAFIO EPISTÊMICO Quando o desejável

Leia mais

A IMAGEM NA SALA DE AULA: UMA PROPOSTA DE PROJETO DE TRABALHO

A IMAGEM NA SALA DE AULA: UMA PROPOSTA DE PROJETO DE TRABALHO A IMAGEM NA SALA DE AULA: UMA PROPOSTA DE PROJETO DE TRABALHO Gabriela Gonçalves da Silva 1 Jonney Gomes de Freitas Abreu 2 Marielli Gomes Mendonça 3 Mônica Mitchell de Morais Braga 4 Murilo Raphael Dias

Leia mais