Elisangela Batista da Silva. OLHE BEM A CIDADE: Design emocional, place branding e a marca de Belo Horizonte

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "Elisangela Batista da Silva. OLHE BEM A CIDADE: Design emocional, place branding e a marca de Belo Horizonte"

Transcrição

1

2 Elisangela Batista da Silva OLHE BEM A CIDADE: Design emocional, place branding e a marca de Belo Horizonte Belo Horizonte 2014

3 Elisangela Batista da Silva OLHE BEM A CIDADE: Design emocional, place branding e a marca de Belo Horizonte Dissertação apresentada ao Programa de Pós-graduação em Design da Universidade do Estado de Minas Gerais (UEMG) como requisito parcial para a obtenção de grau de Mestre em Design, na linha de pesquisa: Design, Cultura e Sociedade. Orientadora: Profª. Drª. Rita Aparecida Ribeiro. Belo Horizonte Universidade do Estado de Minas Gerais UEMG 2014

4 S586o Silva, Elisangela Batista da. Olhe bem a cidade : design emocional, place branding e a marca de Belo Horizonte [manuscrito] / Elisangela Batista da Silva f. il. color. fots. ; 31 cm. Orientadora: Rita Aparecida Ribeiro Dissertação (mestrado) Universidade do Estado de Minas Gerais. Programa de Pós-Graduação em Design. Bibliografia: f Desenho (Projetos) Branding (Marketing) Belo Horizonte - Teses. 2. Movimentos Sociais Urbanos participação do cidadão Belo Horizonte Teses, 3. Espaços públicos territorialidade humana Belo Horizonte Teses. I. Ribeiro, Rita Aparecida da Conceição. II. Universidade do Estado de Minas Gerais. Escola de Design. III. Título. CDU: 7.05(815.1) Ficha Catalográfica: Cileia Gomes Faleiro Ferreira CRB 236/6

5 Ao meu pai, que me ensinou, entre tantas coisas, a amar esta cidade com suas histórias e casos. À Luzia. E a minha eterna mãe, por tudo!

6 AGRADECIMENTOS Agradeço primeiramente a Deus, aos meus amigos e benfeitores do Plano Maior, pela oportunidade do trabalho, da aprendizagem e pelas pessoas que encontrei durante esta jornada. À minha querida orientadora e amiga, Rita Aparecida Ribeiro, que sempre apoiou e incentivou o meu crescimento acadêmico e profissional. Às minhas amigas Érika Savernini e Chris Veras, que sempre me apoiaram e incentivaram na busca pelo conhecimento. E ao Maurício Gino, que me orientou o caminho no momento certo. À Miriam Moreira, prima, amiga, irmã, comadre, revisora, tradutora, presente em todos os momentos. Aos meus amigos e parceiros de mestrado Cris Ibarra e André Mol. À Cintia Carvalho, pelo incentivo e apoio amigo. À Flávia Coutinho, pela orientação precisa. A todos entrevistados que contribuíram para a realização deste trabalho. Aos professores Regina, Lia e Sérgio e todos os amigos que contribuíram para a realização desta empreitada.

7 RESUMO O presente estudo reflete sobre a construção da marca de uma cidade a partir de movimentos urbanos que dela se apropriam, tendo o design como ferramenta articuladora e motivadora de emoções. Nos dias atuais, vários países têm investido no place branding como ferramenta para criar esse diferencial. Entretanto, a participação do cidadão na constituição da imagem de uma cidade é fundamental. Como recorte, foi analisada a imagem da marca de Belo Horizonte, a partir dos anos de 1970/1980, quando surgiram movimentos espontâneos em prol do espaço público e pela memória da cidade; e nos anos de 2010 houve a retomada dessas mobilizações. Para compreender esse cenário, baseou-se nas teorias sobre a cidade e a sua imagem e o design aplicado no espaço público. Buscou-se compreender os conceitos e teorias sobre marca, branding e place branding. Recorreu-se também às teorias do design emocional e sua aplicação nos processos da construção de uma marca. Foram realizados levantamento e análise de alguns movimentos que sugerem a valorização da cidade, estimulando o sentimento de pertença dos cidadãos. Foi também feita pesquisa qualitativa acerca do significado e emoção sobre a cidade Belo Horizonte e entrevistas com articuladores de alguns movimentos urbanos que se apropriam da cidade. Constatamos que a imagem da marca de Belo Horizonte ainda está em processo de construção. Palavras-chave: Design. Cidade. Place Branding. Marcas. Emoção.

8 ABSTRACT The present study reflects on the construction of brand of a city through urban movements that appropriate this city, having the design as tool that is articulator and motivating of emotions. Nowadays, several countries have invested in place branding as tool to create this differencial. However, the citizen s participation in the constitution of the image of a city is fundamental. In this study, we analyze the brand image of Belo Horizonte from the 1970/1980, when arise spontaneous movements in favor of public space and memory of the city. In the years 2010, reappear these mobilizations to understand this scenario, we based on the theories about the city and its image and the design apphied in public space. We sought to understand concepts and teories about mark, branding and place branding. We resorted also the theories of emocional design and its application in processes of building a brand. It was made analysis of some movements that suggest the appreciation of the city and stimulate the feeling of belonging of citizens. It was made, yet, a qualitative research on the meaning and emotion about Belo Horizonte interviews with articulators of some urban movements that appropriated of the city. We found that the brand image of Belo Horizonte is still under construction. Key words: Design. City. Branding of places. Brands. Emotion.

9 LISTA DE ILUSTRAÇÕES FIGURA 1 - Marca país Barcelona FIGURA 2 - Telefone público em forma de Berimbau: Bahia FIGURA 3 - Anúncio da Arno dos anos de FIGURA 4 - Anúncio da Maizena dos anos de FIGURA 5 - Campanha Benetton Amamentar FIGURA 6 - Logotipo da Apple tatuado FIGURA 7 - Coador de chá Te ò de Stefano Pirovano FIGURA 8 - Modelo básico de produtos emocionais FIGURA 9 - Visão da empresa x visão do consumidor FIGURA 10 - Planta geral de Belo Horizonte FIGURA 11 - Praça da Liberdade, FIGURA 12 - Praça Sete, FIGURA 13 - Praça da Savassi, FIGURA 14 - Av. Afonso Pena, FIGURA 15 - Adesivo Olhe bem as montanhas FIGURA 16 - Cartaz e camiseta do I Encontro pela Revitalização da Praça da Estação FIGURA 17 - Marca comemorativa dos 100 anos FIGURA 18 - Infográfico dos conceitos-chave FIGURA 19 - Ícone pertencer FIGURA 20 - Ícone acolher FIGURA 21 - Ícone memória FIGURA 22 - Ícone natureza FIGURA 23 - Ícone afeto FIGURA 24 - Ícone futuro FIGURA 25 - Ícone Minas FIGURA 26 - Ícone agito FIGURA 27 - Ícone estresse FIGURA 28 - Ícone estagnada FIGURA 29 - Gráfico de algumas regerências de Belo Horizonte FIGURA 30 - Gráfico de outras referências de Belo Horizonte... 89

10 FIGURA 31 - Logotipo Coletivo Gentileza FIGURA 32 - Ação Mudas por sonhos FIGURA 33 - Sonho interpretado por MN, designer gráfico FIGURA 34 - Sonho interpretado por IT, designer gráfico FIGURA 35 - Storytelling ação Sonhos por mudas FIGURA 36 - Embalagem das bombas de sementes FIGURA 37 - Logotipo do coletivo Desestressa BH FIGURA 38 - Banner explicativo do conceito de coletivo FIGURA 39 - Banner Vem ser feliz em BH FIGURA 40 - Divulgação e passo a passo da ação de Natal FIGURA 41 - Chamadas para piquenique FIGURA 42 - Mapa de localização do parque do evento FIGURA 43 - Botons Desestressa BH FIGURA 44 - Proposta da ação Ponto do Livro FIGURA 45 - Ponto do Livro Praça da Liberdade FIGURA 46 - Passo a passo da ação Ponto do Livro FIGURA 47 - Missões Imagina na copa FIGURA 48 - Ação Imagina na praça e Charrete Net

11 LISTA DE ABREVIATURAS E SIGLAS ADE AIDS AMA AMDA BH IAB IBAMA IEPHA-MG MBR ONG UEMG Área de Diretrizes Especiais Síndrome da imunodeficiência adquirida American Marketing Association Associação Mineira de Defesa do Meio Ambiente Belo Horizonte Instituto dos Arquitetos do Brasil Instituto Brasileiro do Meio Ambiente Instituto Estadual do Patrimônio Histórico e Artístico de Minas Gerais Minerações Brasileiras Reunidas Organização Não Governamental Universidade do Estado de Minas Gerais

12 SUMÁRIO 1 1 INTRODUÇÃO A IMAGEM DA CIDADE E O DESIGN A imagem da cidade A imagem A cidade Componentes da imagem Globalização e identidade O espaço urbano O significado do espaço O design na cidade Influência do design na construção de marcos nas cidades PLACE BRANDING Conceitos sobre marcas A marca: evolução A marca: identidade e imagem Branding: a gestão de marca Place Branding A marca aplicada a lugares e os seus cidadãos Place Branding: valorização local e as ferramentas de design O DESIGN EMOCIONAL Por uma antropologia das emoções A emoção do consumo As teorias do design emocional O design emocional e a construção das marcas Este trabalho foi revisado de acordo com as novas regras ortográficas aprovadas pelo Acordo Ortográfico assinado entre os países que integram a Comunidade de Países de Língua Portuguesa (CPLP), em vigor no Brasil desde E foi formatado de acordo com a ABNT NBR de

13 5 UM OLHAR SOBRE BELO HORIZONTE Belo Horizonte Breve histórico Belo Horizonte: uma construção afetiva Belo Horizonte: entre construções e desconstruções Anos 1970/1980: as primeiras mobilizações Belo Horizonte: uma cidade centenária Significado, emoção e referências de Belo Horizonte Pesquisa 01 Qualitativa A retomada: anos Coletivos em Belo Horizonte Coletivo Gentileza Design Coletivo Gentileza & cidade Desestressa BH Design Desestressa BH & cidade O Ponto do Livro Projeto Imagina na praça Design Imagem de Belo Horizonte Análise dos coletivos CONSIDERAÇÕES FINAIS REFERÊNCIAS APÊNDICE

14 12 1 INTRODUÇÃO Esta dissertação propõe um estudo sobre a construção da marca da cidade por seus cidadãos que por meio de movimentos urbanos apropriam e reivindicam o direito à cidade e o papel do design nesse processo. A criação de uma marca para representar um lugar tem sido recorrente nas últimas décadas. O argumento do crescimento do mercado global tem estimulado os países, cidades e localidades a buscarem soluções de marketing e identidade como soluções imediatas de um reposicionamento. Simon Anholt, teórico e autor de livros sobre branding aplicado a lugares, foi o primeiro a relacionar que a gestão de produtos poderia ser aplicada à gestão de marcas dirigidas a lugares, mas o assunto deu margem a várias interpretações. Depois disso, o autor tem buscado identificar os equívocos realizados por muitos para promover um local. A gestão de marcas, nomeada como branding, trabalha os conceitos da marca e os seus valores tangíveis e intangíveis. Uma marca não é um logotipo, nem a sua identidade visual, nem mesmo o produto ou serviço oferecido, ela é o conjunto de significados construídos pelos indivíduos, que geralmente estabelece um relacionamento emocional. E uma cidade é um organismo vivo, muito mais complexo do que uma organização, e exige atenção especial, não devendo ser tratada como um produto. Segundo Anholt (2010), a imagem de um país deve ser conquistada, não construída. E a conquista de uma imagem inicia-se na forma pela qual os cidadãos veem e sentem a sua cidade, pois eles são os principais atores, são eles que vivenciam as cidades, e as cidades só existem por causa deles. Os sentimentos por uma cidade estão conectados nas suas vivências, no bem-estar de transitar nas ruas, entre monumentos e praças e/ou à maneira pela qual o indivíduo integra-se aos aspectos sociais, econômicos, culturais e simbólicos, às lembranças que a cidade produz no imaginário, possibilitando a sua existência virtual, que extrapolam o tempo e o espaço. E o design pode ser utilizado como o elemento de expressão dos atores sociais em relação à cidades, pois apresenta as ferramentas necessárias para

15 13 gerar representações e valores, estabelecendo vínculos significativos para as pessoas. As marcas elas precisam conectar-se com a cultura para alcançar o coração das pessoas (GOBÉ, 2010, p. 15). De acordo com Norman (2008), as emoções verdadeiras e duradouras levam muito tempo para serem cultivadas, elas acontecem em decorrência de uma interação prolongada. O que importa é a história da interação, as associações que as pessoas têm com os objetos e as lembranças que eles evocam. O objeto de estudo proposto é a cidade de Belo Horizonte, que passa por um processo de retomada da cidade como espaço de uso. Nos últimos anos surgiram vários movimentos articulados pelos cidadãos que têm provocado algumas mudanças na maneira das pessoas interagirem ou refletirem sobre a cidade. Alguns desses movimentos urbanos propõem a interação dos cidadãos e a cidade com base no uso das praças, parques e ruas, quebrando a rotina da cidade. Outros movimentos convocam a população a usar a cidade, questionando algumas diretrizes estabelecidas pelo poder público. O objetivo geral do trabalho é relacionar o design emocional na construção da imagem da cidade por parte dos cidadãos, a partir de estudo de caso de movimentos urbanos que possuem em sua gênese ações que motivem a valorização da cidade e o pertencimento dos seus cidadãos. Busca-se também: compreender a imagem da cidade e o seu contexto urbano e a presença do design nesse ambiente; entender os conceitos de place branding, percebendo como são aplicáveis ou não; identificar o que a cidade significa e a sua relação emocional com o indivíduo; identificar e analisar as expressões de valorização e pertença do cidadão a partir dos anos de 1970 e 1980, a retomada nos anos de 2010 por meio de movimentos urbanos, o papel do design como motivador emocional nessa construção e o reflexo de todo esse processo na construção da marca da cidade. A metodologia utilizada parte da construção do referencial teórico sobre os temas abordados sobre espaços urbanos, emoção, design e place branding. Em seguida, fez-se o levantamento de alguns movimentos articulados pelos cidadãos, que não tenham relação direta com órgãos públicos ou iniciativas privadas.

16 14 Por fim, realizou-se pesquisa qualitativa on-line com cidadãos, buscando as suas percepções sobre o significado, sentimento e referências da cidade de Belo Horizonte. Optou-se pelo método on-line por ser mais dinâmico, além de propriciar ao entrevistado mais liberdade para expressar-se. E a última etapa foi a análise de alguns movimentos que atuam em Belo Horizonte. Para realizar essa análise, foram selecionados os coletivos urbanos, Desestressa BH, Coletivo Gentileza e o Imagina na Praça. Esses movimentos foram abordados sobre questões pertinentes sobre o movimento, a relação com a cidade, o papel do design e o papel dessas marcas na formação da imagem da cidade e, consequentemente, em sua marca.

17 15 2 A IMAGEM DA CIDADE E O DESIGN A imagem de uma cidade está relacionada à atuação dos seus atores nos âmbitos sociais, culturais, ambientais e econômicos. São eles que a constituem em seus vários aspectos, percebendo-a, vivenciando-a e concebendo-a a todo o instante. E o design em suas competências e interdisciplinaridades torna-se parte dessa construção. 2.1 A imagem da cidade A imagem A palavra imagem para a maioria das pessoas está relacionada à representação visual de algo. Entretanto, Santaella e Nörth (2008) dividem o mundo das imagens em dois domínios: o das representações visuais e o domínio imaterial. As representações visuais abrangem os desenhos, pinturas, gravuras, fotografia, cinema, televisão, vídeo, holografia e infográficas, todas tangíveis. Já o segundo domínio, o imaterial, representa a mente, as visões, a imaginação, esquemas e modelos mentais. A tangibilidade das representações imagéticas depende de um processo individual de leitura, de apreensão e de decodificação dos elementos existentes do universo intangível do pensamento. Não existe separação entre ambos os domínios, pois para a materialização do primeiro é necessária a estruturação mental para a expressão das imagens em seus devidos suportes. Portanto, a imagem é uma das formas de expressão do pensamento e desempenha, desde os primórdios, papel de destaque na vida humana, que se justifica também pelo aspecto orgânico, um dos primeiros contatos sensoriais do homem com o mundo é por meio da visão. As imagens visualizadas no cotidiano são primeiramente projeções formadas no interior do cérebro, a partir do processo do aparelho ocular. No entanto, a compreensão e assimilação dessas imagens dependem das relações sociais e culturais que o indivíduo tem com o mundo. Para Flusser (2002, p. 9),

18 16 as imagens são mediações entre homem e mundo. O homem existe, isto é, o mundo não lhe é acessível imediatamente. Imagens têm o propósito de representar o mundo. E são por meio dessas representações que o homem decodifica o seu entorno criando conceitos, memórias para sua história A cidade A Revolução Industrial é o marco de profundas mudanças na sociedade, tanto econômicas quanto sociais. E é a partir desse momento histórico que a sociedade passa a articular em torno do capital, da produção em massa e, consequentemente, do consumo. Lefebvre (2006) lembra que a cidade existe muito antes da industrialização. O autor indica inicialmente a cidade política, que era dominada pelos arredores agrários. Em seguida, surge a cidade comercial e os processos de troca começam se estabelecer e a centralizar riquezas. Com o advento da indústria, as cidades já estabelecidas irão se adequar à nova realidade urbana. A indústria, a princípio, não está diretamente vinculada à cidade, pois é geralmente implantada próxima de fontes de energia e matérias-primas, mas aproxima-se da cidade para ficar perto do capital e da mão-de-obra. A indústria começa a gerar concentrações urbanas que acompanham o capital. Segundo Lefebvre (2006), o processo de industrialização e crescimento urbano tornam-se inseparáveis e ao mesmo tempo conflitantes. As cidades são centros de vida social e política onde se acumulam não apenas as riquezas, com também os conhecimentos, as técnicas e as obras (obras de arte, monumentos) (LEFEBVRE, 2006, p. 4). O autor apresenta a cidade como uma obra, que se contrapõe e duela com sua natureza capitalista moderna. A obra é valor de uso e o uso de uma cidade está relacionado às suas ruas, praças, edifícios, monumentos, é a festa que oferece prazer, sem o objetivo da troca. O valor de troca é o produto, comércio, consumo. As cidades antes do advento das indústrias possuíam uma concentração dos grupos de pessoas que cultivavam os costumes, culturas e conhecimento que valorizavam o local. Lefebvre (2004) lembra que a realidade urbana propiciou a perda de elementos da época anterior, das cidades antes da indústria, que possuíam a imagem enaltecedora, espaços demarcados e dominados pelos

19 17 monumentos, o sentido de pertencer e uma totalidade orgânica. A comunicação era feita face a face, a troca de experiência entre os habitantes fazia parte do cotidiano. Não existia o intercâmbio de valores tão intenso com outras cidades como nos dias atuais. O estado tinha o poder de manter a nação unida, tanto economicamente, como também no aspecto sociocultural. O crescimento de uma nação está, também, diretamente implicado na expansão do seu mercado consumidor, sendo criadas novas necessidades, novos hábitos de consumo. Novos valores são aos poucos consumidos e a cultura também é aos poucos modificada, as identidades que eram sólidas começam a se fragmentar ou até mesmo se desfazer. Como um conceito socioeconômico, a modernidade designa uma grande quantidade de mudanças tecnológicas e sociais que tomaram forma nos últimos dois séculos e alcançaram um volume crítico no final do século XIX: industrialização, urbanização e crescimento populacional rápidos; proliferação de novas tecnologias e meios de transporte; saturação do capitalismo avançado, explosão de um cultura de consumo de massa e assim por diante (SINGER, 2004, p. 95). A cidade é absorvida pelo ritmo imposto pela modernidade: sinais, cartazes, anúncios de publicidade, ruas, avenidas, prédios e monumentos contribuem para uma nova estimulação sensorial. O final do século XIX é um momento de inovações, novas tecnologias, produção em massa. A sociedade urbana produz e consome em ritmo crescente e acelerado. O cotidiano altera-se, esses novos elementos introduzidos alimentam os pensamentos e as imagens imaginadas e produzidas pelos indivíduos contribuem para a realimentação desses novos centros urbanos. Uma imagem ou representação da cidade pode se prolongar, sobreviver às suas condições, inspirar uma ideologia e projetos urbanísticos. Dito de outro modo, o objeto sociológico real, neste caso, é a imagem e, sobretudo a ideologia (LEFEBVRE, 2004, p. 61). A imagem de uma cidade é algo complexo de explicitar, pois ela abrange dos aspectos físicos até os conceitos intangíveis elaborados por cada um de seus atores. Portanto, as cidades estão sempre em construção, a sua imagem é formada por identidades, espaços e significados que se interpolam e agregam valores.

20 Componentes da imagem Segundo Lynch (2011), a cidade é o resultado de muitos construtores e está sempre mudando a sua estrutura por motivos particulares. Ele ainda afirma que não existe uma percepção na íntegra, mas sim fragmentada. A influência de cada ator social é fundamental na construção da imagem da cidade e nesse processo devem-se considerar três componentes: identidade, estrutura e significado. Uma imagem ambiental pode ser decomposta em três componentes: identidade, estrutura e significado. É conveniente abstraí-los para análise, desde que não se perca de vista que sempre aparecem juntos. Uma imagem viável requer, primeiro, a identificação de um objeto, o que implica sua diferenciação de outras coisas, seu reconhecimento enquanto entidade separável. A isso se dá o nome de identidade, não no sentido de igualdade com alguma outra coisa, mas com o significado de individualidade ou unicidade. Em segundo lugar, a imagem deve incluir a relação espacial ou pragmática do objeto com o observador e outros objetos. E por último, esse objeto deve ter algum significado para o observador, seja ele prático ou emocional (LYNCH, 2011, p. 9). Esses três pontos são abordados por Lynch principalmente do ponto de vista físico e ambiental das cidades. Entretanto, pode-se ampliar essa análise e considerar os aspectos humanos e sociais Globalização e identidade A identidade tornou-se um assunto cada vez mais discutido na época atual. Hall (2006) apresenta três concepções de identidade: a primeira é do sujeito do Iluminismo, que tem como essência o eu, a identidade do indivíduo. A segunda, o sujeito sociológico, que se baseia na identidade formada pela interação entre o eu e a sociedade. E o terceiro é a fragmentação do sujeito, sujeito pós-moderno que possui várias identidades que são formadas e transformadas em diferentes momentos. Segundo Canclini (2007), a globalização é indicada como elemento homogeneizador, devido à quantidade e à rapidez como as transações comerciais e a comunicação acontecem. Essa ideia de homogeneidade argumentada como tendência sugere a iminência de integração global. Mas o autor adverte sobre esse argumento de uniformidade por ela produzida, pois segundo ele não existe

21 19 consenso sobre a sua capacidade em reorganizar ou decompor a ordem social (CANCLINI, 2007, p. 41). Hall (2006, p. 77) também considera o argumento da homogeneização das identidades muito simplista, exagerado e unilateral. Segundo o autor, as identidades nacionais continuam fortes, entretanto, as identidades locais têm mais destaque. A origem da globalização é situada por Canclini (2007) a partir da segunda metade do século XX. De acordo com o autor, é importante entender a diferença entre a transnacionalização da internacionalização para compreender melhor a globalização. A internacionalização da economia e da cultura começa com as navegações; as colonizações e a abertura comercial com o extremo oriente e com a América Latina. Eram consumidos objetos e informações de outras localidades, mas a maioria era produzida no próprio local, o que vinha de fora passava por controles alfandegários que protegiam o seu país. O autor explica que a transnacionalização é uma consequência da primeira. A partir da primeira metade do século XX os fluxos, os movimentos, empresas e organizações não têm sede exclusiva em determinada nação. A globalização teve suas bases nesses dois processos, mas foi o desenvolvimento das tecnologias de informação que engendrou processos globais que proporcionam uma expansão para as mais diversas áreas econômicas, culturais, sociais. Esse processo se deslancha principalmente com o advento da informática e da internet. Hoje, os centros urbanos e as metrópoles são receptores e emissores de informações, comportamentos, modas, ideias, artefatos, etc. O discurso da globalização compreende o avanço do capital e, por consequência, o do consumo. De acordo com Harvey (1996, p. 307), o capital é um processo de reprodução da vida social por meio da produção de mercadorias em que todas as pessoas do mundo capitalista avançado estão profundamente implicadas. Nesse sentido, pode-se considerar que a globalização impacta nas identidades nacionais de três maneiras (HALL, 2006): desintegrando as identidades; contribuindo no reforço da identidade local e particularista pela resistência; e no surgimento de novas identidades híbridas, fragmentadas, produzindo novas culturas: o multiculturalismo. A desintegração das identidades

22 20 advém, entre outros fatores, do consumo de imagens mediadas pelos meios de comunicação de outras culturas e pela exposição a influências externas. Também segundo Thompson (2001) os meios midiáticos possuem importante papel nas mudanças culturais, por ser um multiplicador da mobilidade, pois permitem que os indivíduos conheçam e vivenciem eventos que acontecem em lugares distantes e os estimulam a imaginar novas possibilidades às formas de viver características em seus locais: Os fluxos culturais entre as nações e o consumismo global criam possibilidades de identidades partilhadas como consumidores para os mesmo bens, clientes para os mesmo serviços, públicos para as mesmas mensagens e imagens entre pessoas que estão bastante distantes umas das outras no espaço e no tempo (HALL, 2006, p. 74). O resultado é a produção de identidades fragmentadas, híbridas. Canclini (2007, p. 108) cita o Brasil como uma sociedade nacional mais disposta à hibridação. Isso se deve à maneira como foi colonizado e à sua história. O Brasil é um país extenso em território, não possui uma etnia predominante, porém, mantém a língua portuguesa como um elo desse vasto território. A miscigenação é a base; a cultura africana, indígena e a europeia proporcionaram o multiculturalismo e o sincretismo que fazem parte do cotidiano do brasileiro. São várias identidades locais construindo uma imagem do país que é reconhecida pelos outros países. Em relação ao reforço da identidade local e particularista pela resistência citada por Hall (2006), Castells (2002) também aborda os movimentos sociais, políticos e urbanos voltados para o local como formas de construção de identidades em contraponto aos princípios global. O autor cita três formas e origens de construção de identidade: a) identidade legitimadora - introduzida pelas instituições dominantes da sociedade na intenção de aumentar e racionalizar sua dominação em relação aos atores sociais; b) identidade de resistência - criada por atores que estão na situação de desvalorização ou estigmatizadas pela lógica da dominação; c) identidade de projeto - quando os atores sociais utilizam elementos culturais e constroem uma nova identidade que os reposiciona na sociedade. A identidade de resistência leva à construção de comunas ou comunidades.

23 21 Esses movimentos, com o transcorrer do tempo, geram um sentimento de pertença e, em muitos casos, uma identidade cultural. Castells (2002, p. 79) apresenta a hipótese de que para que isso aconteça é necessária a mobilização social: as pessoas precisam participar de movimentos urbanos (não exatamente revolucionários) pelos quais são revelados e defendidos interesses comuns, e a vida é, de algum modo, compartilhada e um novo significado pode ser produzido. Esses movimentos têm como objetivos principais as necessidades urbanas de condições de vida e consumo coletivo; a afirmação da identidade cultural local; e a conquista da autonomia política e participação na qualidade de cidadão. Possibilitam, assim, o fortalecimento da imagem da cidade e da cultura local. A construção de identidades vale-se da matéria-prima fornecida pela História, Geografia, Biologia, instituições produtivas e reprodutivas, pela memória coletiva e por fantasias pessoais, pelos aparatos de poder e revelações de cunho religioso. Porém, todos esses materiais são processados pelos indivíduos, grupos sociais e sociedades, que reorganizam seu significado em função de tendências sociais e projetos culturais enraizados em sua estrutura social, bem como em sua visão de tempo e espaço (CASTELLS, 2002, p. 23). De acordo com Bonsiepe (2011. p. 54), a identidade não é tanto o que cada um tem, mas vive no imaginário do outro. Identidades pertencem ao I imaginaire. Elas são artefatos de comunicação. E são esses artefatos de comunicação que representarão as visualidades produzidas pelo imaginário, articulados em processos narrativos da identidade e, consequentemente, o estabelecimento de imagens que representem a individualidade ou particularidades citadas por Lynch. Castells (2000) lembra que identidades organizam significados O espaço urbano Segundo Certeau (2000, p. 202), existe uma oposição entre espaço e lugar e o lugar remete à ideia de algo inerte, indica a configuração de posição, enquanto o espaço é o lugar praticado. E cita o filosofo Merleau-Ponty, que distinguia o espaço geométrico, análogo à referência de lugar, do espaço antropológico que deriva de uma experiência, uma relação com o mundo. Assim,

A CONSTRUÇÃO DE UMA MARCA-LUGAR E O DESENVOLVIMENTO REGIONAL

A CONSTRUÇÃO DE UMA MARCA-LUGAR E O DESENVOLVIMENTO REGIONAL A CONSTRUÇÃO DE UMA MARCA-LUGAR E O DESENVOLVIMENTO REGIONAL Giovana Goretti Feijó de Almeida 1 Resumo: Este estudo visa um melhor entendimento a respeito do conceito de marcalugar (que também é chamado

Leia mais

ANEXO II VIVÊNCIAS E TÉCNICAS DE DINÂMICAS DE GRUPO PARA ELABORAÇÃO DO DIAGNÓSTICO RÁPIDO PARTICIPATIVO URBANO (DRPU)

ANEXO II VIVÊNCIAS E TÉCNICAS DE DINÂMICAS DE GRUPO PARA ELABORAÇÃO DO DIAGNÓSTICO RÁPIDO PARTICIPATIVO URBANO (DRPU) ANEXO II VIVÊNCIAS E TÉCNICAS DE DINÂMICAS DE GRUPO PARA ELABORAÇÃO DO DIAGNÓSTICO RÁPIDO PARTICIPATIVO URBANO (DRPU) As dinâmicas aqui apresentadas podem e devem ser adaptadas de acordo com os objetivos

Leia mais

Pinacoteca do Estado de São Paulo: proposta de estudo publicitário para um museu de arte estatal 1

Pinacoteca do Estado de São Paulo: proposta de estudo publicitário para um museu de arte estatal 1 Pinacoteca do Estado de São Paulo: proposta de estudo publicitário para um museu de arte estatal 1 Ana Grazielle de Sá ALMEIDA 2 André da Rocha PINA 3 Diego Felipe Cezar ESTEVES 4 Rodrigo Barreto BEZERRA

Leia mais

PERFIL DO CURSO INFORMAÇÕES SOBRE AS ATRIBUIÇÕES DOS ARQUITETOS E URBANISTAS INFORMAÇÕES SOBRE O MERCADO DE TRABALHO

PERFIL DO CURSO INFORMAÇÕES SOBRE AS ATRIBUIÇÕES DOS ARQUITETOS E URBANISTAS INFORMAÇÕES SOBRE O MERCADO DE TRABALHO UNIÃO DE ENSINO E CULTURA DE GUARAPUAVA - UNIGUA FACULDADE GUARAPUAVA CURSO DE ARQUITETURA E URBANISMO PERFIL DO CURSO INFORMAÇÕES SOBRE AS ATRIBUIÇÕES DOS ARQUITETOS E URBANISTAS INFORMAÇÕES SOBRE O MERCADO

Leia mais

Roteiro de Aplicação da Economia Criativa e Inovação como critérios na FETEPS

Roteiro de Aplicação da Economia Criativa e Inovação como critérios na FETEPS Roteiro de Aplicação da Economia Criativa e Inovação como critérios na FETEPS Com objetivo de auxiliar na elaboração dos trabalhos, apresentamos critérios relacionados a Economia Criativa e Inovação, conceitos

Leia mais

PROJETO MUTAÇÕES: Cada um na sua, mas todos ligados em rede O mundo e o planeta Urbanização e cidades Globalização: o mundo em toda parte

PROJETO MUTAÇÕES: Cada um na sua, mas todos ligados em rede O mundo e o planeta Urbanização e cidades Globalização: o mundo em toda parte PROJETO MUTAÇÕES: O início do século XXI impressiona não apenas pelo volume das mudanças que se efetivaram em todos os campos da ação humana, mas também na velocidade com que elas têm se processado. Em

Leia mais

Fase I - Contexto e Pesquisa - Alinhamento dos conceitos de Branding, análise do contexto atual e introdução ao Design Thinking.

Fase I - Contexto e Pesquisa - Alinhamento dos conceitos de Branding, análise do contexto atual e introdução ao Design Thinking. Os programas de Pós-Graduação oferecidos pela Faculdade de Tecnologia do Istituto Europeo di Design estão em conformidade legal e atendem as Resoluções CNE/CES nº 1, de 3 de abril de 2001 e nº 1, de 8

Leia mais

Fase I - Contexto e Pesquisa - Alinhamento dos conceitos de Branding, análise do contexto atual e introdução ao Design Thinking.

Fase I - Contexto e Pesquisa - Alinhamento dos conceitos de Branding, análise do contexto atual e introdução ao Design Thinking. Os programas de Pós-Graduação oferecidos pela Faculdade de Tecnologia do Istituto Europeo di Design estão em conformidade legal e atendem as Resoluções CNE/CES nº 1, de 3 de abril de 2001 e nº 1, de 8

Leia mais

1. O feminino e a publicidade: em busca de sentido

1. O feminino e a publicidade: em busca de sentido 1. O feminino e a publicidade: em busca de sentido No estudo da Comunicação, a publicidade deve figurar como um dos campos de maior interesse para pesquisadores e críticos das Ciências Sociais e Humanas.

Leia mais

"O valor emocional das marcas."

O valor emocional das marcas. DOMINGO, FEVEREIRO 24, 2008 "O valor emocional das marcas." Por Thales Brandão Atualmente as empresas estão buscando cada vez mais gerir suas marcas com conjunto de valores completamente diferentes dos

Leia mais

Projeto do Livro. Paisagens Art Déco, Arquitetura no Rio de Janeiro Virgilio Garbayo. Conteúdo

Projeto do Livro. Paisagens Art Déco, Arquitetura no Rio de Janeiro Virgilio Garbayo. Conteúdo Projeto do Livro Conteúdo Introdução Conceito Art Déco no Rio de Janeiro Cidade Maravilhosa, Urbanismo e humanidade Divulgar a arquitetura Art Déco no Rio de Janeiro Público alvo Análise de Competidores

Leia mais

CONSUMO E OS DESEJOS CONSUMISTAS

CONSUMO E OS DESEJOS CONSUMISTAS CONSUMO E OS DESEJOS CONSUMISTAS 2012 Graduanda em Psicologia pelo Centro Universitário de Lavras UNILAVRAS (Brasil) E-mail: vivianecastrofreire@yahoo.com.br RESUMO As necessidades humanas estão diretamente

Leia mais

1. O que é Folclore? Uma análise histórica e crítica do conceito.

1. O que é Folclore? Uma análise histórica e crítica do conceito. Objetivos Proporcionar o entendimento das características gerais do processo folclórico brasileiro; Estruturar o profissional de Eventos para conhecer particularidades de alguns acontecimentos que envolvem

Leia mais

Ensino Técnico Integrado ao Médio FORMAÇÃO GERAL. Ensino Médio

Ensino Técnico Integrado ao Médio FORMAÇÃO GERAL. Ensino Médio Ensino Técnico Integrado ao Médio FORMAÇÃO GERAL Ensino Médio ETEC PROFª NAIR LUCCAS RIBEIRO Código: 156 Município: TEODORO SAMPAIO Área de conhecimento: Linguagens, Códigos e suas Tecnologias Componente

Leia mais

Diferenças entre o mundo rural e o urbano.

Diferenças entre o mundo rural e o urbano. Oficina Urbanização Esta oficina tem como objetivo analisar uma das principais características do mundo atual; a vida em cidades. Pretendemos compreender a evolução das cidades na história e como se configuram

Leia mais

GUIA RÁPIDO DO CURSO TÉCNICO EM DESIGN DE INTERIORES

GUIA RÁPIDO DO CURSO TÉCNICO EM DESIGN DE INTERIORES UNIVERSIDADE ANHEMBI MORUMBI A Universidade Anhembi Morumbi foi criada em 1970 com o intuito de oferecer o primeiro curso superior de Turismo. Na década de 80, amplia sua oferta de cursos em diferentes

Leia mais

Seminário Internacional do Museu Histórico Nacional

Seminário Internacional do Museu Histórico Nacional Seminário Internacional do Museu Histórico Nacional Ponta do Calabouço e adjacências: história, memória e patrimônio nos 450 anos da cidade do Rio de Janeiro CHAMADA PÚBLICA DE TRABALHOS A faixa de terra

Leia mais

Currículo Referência em Artes Visuais Ensino Médio

Currículo Referência em Artes Visuais Ensino Médio Currículo Referência em Artes Visuais Ensino Médio 1º ANO - ENSINO MÉDIO Objetivos Conteúdos Expectativas - Conhecer a área de abrangência profissional da arte e suas características; - Reconhecer e valorizar

Leia mais

Cartografia do circuito das artes visuais na cidade de São Paulo: uma análise da presença da arte no espaço urbano Mariana Dell Avanzi Universidade

Cartografia do circuito das artes visuais na cidade de São Paulo: uma análise da presença da arte no espaço urbano Mariana Dell Avanzi Universidade Cartografia do circuito das artes visuais na cidade de São Paulo: uma análise da presença da arte no espaço urbano Mariana Dell Avanzi Universidade de São Paulo mariana.avanzi@usp.br Estágio final da pesquisa

Leia mais

CIDADES EDUCADORAS DICIONÁRIO

CIDADES EDUCADORAS DICIONÁRIO CIDADES EDUCADORAS A expressão Cidade Educativa, referindo-se a um processo de compenetração íntima entre educação e vida cívica, aparece pela primeira vez no Relatório Edgar Faure, publicado em 1972,

Leia mais

O conceito de parque ainda gera controvérsias. Comumente confundido com o

O conceito de parque ainda gera controvérsias. Comumente confundido com o 1 INTRODUÇÃO O conceito de parque ainda gera controvérsias. Comumente confundido com o jardim público e até mesmo com as praças ajardinadas, o parque público abrange usos e funções das mais complexas,

Leia mais

CURSO SUPERIOR DE GRADUAÇÃO PUBLICIDADE E PROPAGANDA GRADE DETALHADA DO CURSO COM AS EMENTAS DAS DISCIPLINAS

CURSO SUPERIOR DE GRADUAÇÃO PUBLICIDADE E PROPAGANDA GRADE DETALHADA DO CURSO COM AS EMENTAS DAS DISCIPLINAS CURSO SUPERIOR DE GRADUAÇÃO PUBLICIDADE E PROPAGANDA GRADE DETALHADA DO CURSO COM AS EMENTAS DAS DISCIPLINAS Cultura Brasileira 1º PERÍODO O fenômeno cultural. Cultura(s) no Brasil. Cultura regional e

Leia mais

Universidade Federal Fluminense IACS - Instituto de Arte e Comunicação Social Departamento de Comunicação Social Curso de Publicidade e Propaganda

Universidade Federal Fluminense IACS - Instituto de Arte e Comunicação Social Departamento de Comunicação Social Curso de Publicidade e Propaganda Universidade Federal Fluminense IACS - Instituto de Arte e Comunicação Social Departamento de Comunicação Social Curso de Publicidade e Propaganda Disciplinas Optativas Publicidade Carga horária total

Leia mais

5.1. As significações do vinho e o aumento de seu consumo

5.1. As significações do vinho e o aumento de seu consumo 5 Conclusão Para melhor organizar a conclusão desse estudo, esse capítulo foi dividido em quatro partes. A primeira delas aborda as significações do vinho e como elas se relacionam com o aumento de consumo

Leia mais

ACERVOS FOTOGRÁFICOS HISTÓRICOS. Organização, Pesquisa e Usos de Documentos Visuais. Aline Lopes de Lacerda alopeslacerda@gmail.

ACERVOS FOTOGRÁFICOS HISTÓRICOS. Organização, Pesquisa e Usos de Documentos Visuais. Aline Lopes de Lacerda alopeslacerda@gmail. ACERVOS FOTOGRÁFICOS HISTÓRICOS Organização, Pesquisa e Usos de Documentos Visuais Aline Lopes de Lacerda alopeslacerda@gmail.com Parte I - Fotografia e valor documentário Parte II - A fotografia nos arquivos:

Leia mais

6º SIMPÓSIO IBERO-AMERICANO DE HISTÓRIA DA CARTOGRAFIA

6º SIMPÓSIO IBERO-AMERICANO DE HISTÓRIA DA CARTOGRAFIA www.6siahc.cl 6º SIMPÓSIO IBERO-AMERICANO DE HISTÓRIA DA CARTOGRAFIA DO MUNDO AO MAPA E DO MAPA AO MUNDO: OBJETOS, ESCALAS E IMAGINÁRIOS DO TERRITÓRIO 19, 2O e 21 DE ABRIL DE 2O16 SANTIAGO, CHILE Imagem:

Leia mais

Fase I - Contexto e Pesquisa - Alinhamento dos conceitos de Branding, análise do contexto atual e introdução ao Design Thinking.

Fase I - Contexto e Pesquisa - Alinhamento dos conceitos de Branding, análise do contexto atual e introdução ao Design Thinking. Os programas de Pós-Graduação oferecidos pela Faculdade de Tecnologia do Istituto Europeo di Design estão em conformidade legal e atendem as Resoluções CNE/CES nº 1, de 3 de abril de 2001 e nº 1, de 8

Leia mais

AS IMPLICAÇÕES DA PAISAGEM NO AUXÍLIO DA EDUCAÇÃO AMBIENTAL

AS IMPLICAÇÕES DA PAISAGEM NO AUXÍLIO DA EDUCAÇÃO AMBIENTAL AS IMPLICAÇÕES DA PAISAGEM NO AUXÍLIO DA EDUCAÇÃO AMBIENTAL Wallace Matheus Torres Peres / UERJ w.matheustorres@bol.com.br Renan Caldas Galhardo Azevedo / UERJ renan.azevedo08@outlook.com INTRODUÇÃO O

Leia mais

Cadernos do CNLF, Vol. XIII, Nº 04

Cadernos do CNLF, Vol. XIII, Nº 04 IMAGENS CONTEMPORÂNEAS: ABORDAGENS ACERCA DA ANÁLISE DA IMAGEM Elis Crokidakis Castro (UFRJ/UNESA/UNIABEU) eliscrokidakis@yahoo.it Caminhei até o horizonte onde me afoguei no azul (Emil de Castro) Para

Leia mais

A importância do design nos negócios

A importância do design nos negócios A importância do design nos negócios SUMÁRIO Apresentação 4 A importância do Design 5 Design de Comunicação 13 A Escada do Design 6 Design Gráfico 14 O processo do Design 7 Logomarca 15 Design & Inovação

Leia mais

QUEM É O PROFESSOR QUE ALFABETIZA NAS ESCOLAS MUNICIPAIS DE BELO HORIZONTE? Maria do Socorro Macedo (FAE/UFMG)

QUEM É O PROFESSOR QUE ALFABETIZA NAS ESCOLAS MUNICIPAIS DE BELO HORIZONTE? Maria do Socorro Macedo (FAE/UFMG) 1 QUEM É O PROFESSOR QUE ALFABETIZA NAS ESCOLAS MUNICIPAIS DE BELO HORIZONTE? Maria do Socorro Macedo (FAE/UFMG) Este trabalho tem por objetivo traçar um perfil dos professores alfabetizadores da rede

Leia mais

SOMOS UMA AGÊNCIA JOVEM, ÁGIL E CRIATIVA QUE TEM UM PROPÓSITO BEM CLARO: TER BOAS IDEIAS PARA GERAR BONS RESULTADOS.

SOMOS UMA AGÊNCIA JOVEM, ÁGIL E CRIATIVA QUE TEM UM PROPÓSITO BEM CLARO: TER BOAS IDEIAS PARA GERAR BONS RESULTADOS. 2 plenapropaganda portfólio quem somos 3 SOMOS UMA AGÊNCIA JOVEM, ÁGIL E CRIATIVA QUE TEM UM PROPÓSITO BEM CLARO: TER BOAS IDEIAS PARA GERAR BONS RESULTADOS. A Plena é uma agência que atua sempre focada

Leia mais

MIGRAÇÃO E RELAÇÃO CAMPO-CIDADE 1

MIGRAÇÃO E RELAÇÃO CAMPO-CIDADE 1 MIGRAÇÃO E RELAÇÃO CAMPO-CIDADE 1 Débora Aparecida Tombini* Marcos Aurélio Saquet** INTRODUÇÃO Desde o surgimento da vida humana na Terra até o início do século XIX, a população cresceu em ritmo lento

Leia mais

ENSINO DE MATEMÁTICA PONTO BLOG

ENSINO DE MATEMÁTICA PONTO BLOG ENSINO DE MATEMÁTICA PONTO BLOG Moema Gomes Moraes 1 RESUMO: Este trabalho faz uma reflexão sobre os aspectos relacionados ao uso de Blogs no ensino de Matemática. Para isto, ele inicia fazendo uma reflexão

Leia mais

REVITALIZAÇÕES PORTUÁRIAS NO MUNDO A TRANSFORMAÇÃO DAS CIDADES E A INCORPORAÇÃO DE NOVOS CONCEITOS

REVITALIZAÇÕES PORTUÁRIAS NO MUNDO A TRANSFORMAÇÃO DAS CIDADES E A INCORPORAÇÃO DE NOVOS CONCEITOS REVITALIZAÇÕES PORTUÁRIAS NO MUNDO A TRANSFORMAÇÃO DAS CIDADES E A INCORPORAÇÃO DE NOVOS CONCEITOS FRENTE MARÍTIMA ALGUMAS DAS CIDADES MAIS FASCINANTES DO MUNDO, COMO GÊNOVA, LISBOA, LONDRES, BARCELONA,

Leia mais

RESOLUÇÃO. Artigo 3º - O Plano de Implantação, Conteúdo Programático e demais características do referido Curso constam do respectivo Processo.

RESOLUÇÃO. Artigo 3º - O Plano de Implantação, Conteúdo Programático e demais características do referido Curso constam do respectivo Processo. RESOLUÇÃO CONSEPE 59/2001 ALTERA O CURRÍCULO DO CURSO DE ARQUITETURA E URBANISMO, DO CÂMPUS DE ITATIBA, DA UNIVERSIDADE SÃO FRANCISCO. O Presidente do Conselho de Ensino, Pesquisa e Extensão - CONSEPE,

Leia mais

- Aula 04_2012 - Profa. Ms. Karen Reis

- Aula 04_2012 - Profa. Ms. Karen Reis Protótipos de Jogos Digitais - Aula 04_2012-1 O documento do game (GDD) Game Design Document (GDD) usa palavras, tabelas e diagramas para explicar o conceito e o funcionamento de um game, a partir de uma

Leia mais

Walter Benjamin - Questões de Vestibulares

Walter Benjamin - Questões de Vestibulares Walter Benjamin - Questões de Vestibulares 1. (Uem 2011) A Escola de Frankfurt tem sua origem no Instituto de Pesquisa Social, fundado em 1923. Entre os pensadores expoentes da Escola de Frankfurt, destaca-se

Leia mais

ALGUMAS CONSIDERAÇÕES SOBRE A ESTÉTICA DO CARTAZ DE GUERRA NA EUROPA 1914-1918

ALGUMAS CONSIDERAÇÕES SOBRE A ESTÉTICA DO CARTAZ DE GUERRA NA EUROPA 1914-1918 ALGUMAS CONSIDERAÇÕES SOBRE A ESTÉTICA DO CARTAZ DE GUERRA NA EUROPA 1914-1918 Prof. Dr. Vanessa Bortulucce A proposta desta comunicação é realizar uma reflexão acerca dos elementos que constituem a estética

Leia mais

INTERAÇÕES GRUPAIS: O PORCESSO DE CONSTRUÇÃO DA LEITURA E ESCRITA ATRAVÉS DE ATIVIDADES DIVERSIFICADAS EM SALA DE AULA.

INTERAÇÕES GRUPAIS: O PORCESSO DE CONSTRUÇÃO DA LEITURA E ESCRITA ATRAVÉS DE ATIVIDADES DIVERSIFICADAS EM SALA DE AULA. INTERAÇÕES GRUPAIS: O PORCESSO DE CONSTRUÇÃO DA LEITURA E ESCRITA ATRAVÉS DE ATIVIDADES DIVERSIFICADAS EM SALA DE AULA. TÁSIA FERNANDA WISCH (UNIVERSIDADE FEDERAL DE SANTA MARIA). Resumo O presente artigo

Leia mais

PROGRAMA DE APRENDIZAGEM MBA E PÓS-GRADUAÇÃO

PROGRAMA DE APRENDIZAGEM MBA E PÓS-GRADUAÇÃO PROGRAMA DE APRENDIZAGEM MBA E PÓS-GRADUAÇÃO PROFISSIONAL MBA e Pós-Graduação Cursos inovadores e alinhados às tendências globais Nossos cursos seguem modelos globais e inovadores de educação. Os professores

Leia mais

A Nova Velha Praça do Ferreira: signo da requalificação do Centro de Fortaleza.

A Nova Velha Praça do Ferreira: signo da requalificação do Centro de Fortaleza. A Nova Velha Praça do Ferreira: signo da requalificação do Centro de Fortaleza. Ricardo Alexandre Paiva FAUUSP-DAUUFC paiva_ricardo@yahoo.com.br O objeto de estudo do presente trabalho é uma análise do

Leia mais

A DIVERSIDADE CULTURAL: UM ELO ENTRE A MATEMÁTICA E OUTROS SABERES

A DIVERSIDADE CULTURAL: UM ELO ENTRE A MATEMÁTICA E OUTROS SABERES A DIVERSIDADE CULTURAL: UM ELO ENTRE A MATEMÁTICA E OUTROS SABERES Marilene Rosa dos Santos Coordenadora Pedagógica de 5ª a 8ª séries da Prefeitura da Cidade do Paulista rosa.marilene@gmail.com Ana Rosemary

Leia mais

PRAÇA DAS GERAÇOES. Autores: Ana Luiza Ribeiro¹; Junia Caldeira¹ Afiliações: 1 - UniCeub Keywords: praça, revitalizaçao, espaço publico

PRAÇA DAS GERAÇOES. Autores: Ana Luiza Ribeiro¹; Junia Caldeira¹ Afiliações: 1 - UniCeub Keywords: praça, revitalizaçao, espaço publico PRAÇA DAS GERAÇOES Autores: Ana Luiza Ribeiro¹; Junia Caldeira¹ Afiliações: 1 - UniCeub Keywords: praça, revitalizaçao, espaço publico INTRODUÇÃO O artigo aborda o tema das áreas verdes nas quadras 700.

Leia mais

EMENTÁRIO DO CURO DE PUBLICIDADE E PROPAGANDA

EMENTÁRIO DO CURO DE PUBLICIDADE E PROPAGANDA EMENTÁRIO DO CURO DE PUBLICIDADE E PROPAGANDA LET 02630 LÍNGUA PORTUGUESA Noções gerais da língua portuguesa. Leitura e produção de diferentes tipos de textos, em especial os relativos à comunicação de

Leia mais

Vamos ao M useu? Vamos ao Museu? Vamos ao Museu? Vamos ao Museu? useu? Vamos ao Museu? Vamos ao Museu?

Vamos ao M useu? Vamos ao Museu? Vamos ao Museu? Vamos ao Museu? useu? Vamos ao Museu? Vamos ao Museu? Vamos ao Museu? Vamos ao Museu? é programa que visa ampliar as experiências culturais de estudantes, professores e comunidades por meio de ações educativas que envolvem visitas a espaços de preservação

Leia mais

Observar a paisagem. Nesta aula, vamos verificar como a noção de

Observar a paisagem. Nesta aula, vamos verificar como a noção de A U A UL LA Observar a paisagem Nesta aula, vamos verificar como a noção de paisagem está presente na Geografia. Veremos que a observação da paisagem é o ponto de partida para a compreensão do espaço geográfico,

Leia mais

COMUNICAÇÃO EDUCAÇÃO - EXPOSIÇÃO: novos saberes, novos sentidos. Título de artigo de SCHEINER, Tereza.

COMUNICAÇÃO EDUCAÇÃO - EXPOSIÇÃO: novos saberes, novos sentidos. Título de artigo de SCHEINER, Tereza. COMUNICAÇÃO EDUCAÇÃO - EXPOSIÇÃO: novos saberes, novos sentidos Título de artigo de SCHEINER, Tereza. Nova Teoria do Museu onde este é pensado já não mais apenas como instituição (no sentido organizacional),

Leia mais

11 a 14 de dezembro de 2012 Campus de Palmas

11 a 14 de dezembro de 2012 Campus de Palmas ESTUDO DO TERMO ONOMA E SUA RELAÇÃO COM A INTERDISCIPLINARIDADE NOS PARÂMETROS CURRICULARES DO ENSINO FUNDAMENTAL DA GEOGRAFIA NA PERSPECTIVA DA ONOMÁSTICA/TOPONÍMIA Verônica Ramalho Nunes 1 ; Karylleila

Leia mais

PAISAGEM URBANA A IDENTIDADE CULTURAL E SOCIAL LAPEANA, ATRAVÉS DO PATRIMÔNIO EDIFICADO DA CIDADE DA LAPA

PAISAGEM URBANA A IDENTIDADE CULTURAL E SOCIAL LAPEANA, ATRAVÉS DO PATRIMÔNIO EDIFICADO DA CIDADE DA LAPA PAISAGEM URBANA A IDENTIDADE CULTURAL E SOCIAL LAPEANA, ATRAVÉS DO PATRIMÔNIO EDIFICADO DA CIDADE DA LAPA Karin Comerlatto da Rosa kcomerlattodarosa@yahoo.com.br Resumo: A história da Lapa está presente

Leia mais

Graduanda em Geografia pela Universidade de São Paulo. Bolsista de iniciação científica da FUSP/BNDES. Contato: ca-milafranco@hotmail.

Graduanda em Geografia pela Universidade de São Paulo. Bolsista de iniciação científica da FUSP/BNDES. Contato: ca-milafranco@hotmail. Implementação de bancos de dados georeferenciados das Viagens Filosóficas Portuguesas (1755-1808) e a criação de um material didático com o uso do Google Earth. Camila Franco 1 Ermelinda Moutinho Pataca

Leia mais

MANUAL DE UTILIZAÇÃO DAS MÍDIAS SOCIAIS CLUBE TURISMO

MANUAL DE UTILIZAÇÃO DAS MÍDIAS SOCIAIS CLUBE TURISMO MANUAL DE UTILIZAÇÃO DAS MÍDIAS SOCIAIS CLUBE TURISMO INTRODUÇÃO: As mídias sociais estão cada vez mais presentes no dia-a-dia das pessoas, oferecendo soluções e transformando as relações pessoais e comerciais.

Leia mais

ENSINO DE GEOGRAFIA E A INCLUSÃO DE PESSOAS COM DEFICIÊNCIA VISUAL

ENSINO DE GEOGRAFIA E A INCLUSÃO DE PESSOAS COM DEFICIÊNCIA VISUAL 1 ENSINO DE GEOGRAFIA E A INCLUSÃO DE PESSOAS COM DEFICIÊNCIA VISUAL Profa. Dra. Carla C. R. G. de Sena * carla@ourinhos.unesp.br MsC. Waldirene R. do Carmo ** walcarmo@usp.br Resumo: Este trabalho apresenta

Leia mais

Apresentação. Marizilda dos Santos Menezes Luis Carlos Paschoarelli (orgs.)

Apresentação. Marizilda dos Santos Menezes Luis Carlos Paschoarelli (orgs.) Apresentação Marizilda dos Santos Menezes Luis Carlos Paschoarelli (orgs.) SciELO Books / SciELO Livros / SciELO Libros MENEZES, MS., and PASCHOARELLI, LC., orgs. Design e planejamento: aspectos tecnológicos

Leia mais

ENSINO DE GEOGRAFIA, CULTURA POPULAR E TEMAS TRANSVERSAIS: uma proposta de transversalidade a partir dos Parâmetros Curriculares Nacionais (PCN s)

ENSINO DE GEOGRAFIA, CULTURA POPULAR E TEMAS TRANSVERSAIS: uma proposta de transversalidade a partir dos Parâmetros Curriculares Nacionais (PCN s) ENSINO DE GEOGRAFIA, CULTURA POPULAR E TEMAS TRANSVERSAIS: uma proposta de transversalidade a partir dos Parâmetros Curriculares Nacionais (PCN s) Kálita Tavares da SILVA 1 ; Estevane de Paula Pontes MENDES

Leia mais

5. CONCLUSÃO. 5.1 Resumo dos Resultados

5. CONCLUSÃO. 5.1 Resumo dos Resultados 5. CONCLUSÃO 5.1 Resumo dos Resultados O presente trabalho se propôs a entender os significados atribuídos pelo público feminino de baixa renda no consumo dos produtos do mercado HPPC, especificamente

Leia mais

A PRODUÇÃO SOCIOESPACIAL DO BAIRRO PINHEIRINHO EM SÃO JOSÉ DOS CAMPOS-SP: A BUSCA PELA CIDADANIA

A PRODUÇÃO SOCIOESPACIAL DO BAIRRO PINHEIRINHO EM SÃO JOSÉ DOS CAMPOS-SP: A BUSCA PELA CIDADANIA A PRODUÇÃO SOCIOESPACIAL DO BAIRRO PINHEIRINHO EM SÃO JOSÉ DOS CAMPOS-SP: A BUSCA PELA CIDADANIA Ana Lia Ferreira Mendes de Carvalho liafmc@yahoo.com.br Geografia Bacharelado - UNIFAL-MG INTRODUÇÃO O presente

Leia mais

BASE NACIONAL COMUM CURRICULAR ENSINO MÉDIO. Edenia Maria Ribeiro do Amaral UFRPE/PPGEC Assessoria da Área de Ciências da Natureza - BNCC

BASE NACIONAL COMUM CURRICULAR ENSINO MÉDIO. Edenia Maria Ribeiro do Amaral UFRPE/PPGEC Assessoria da Área de Ciências da Natureza - BNCC BASE NACIONAL COMUM CURRICULAR ENSINO MÉDIO Edenia Maria Ribeiro do Amaral UFRPE/PPGEC Assessoria da Área de Ciências da Natureza - BNCC A BASE NACIONAL COMUM CURRICULAR É parte de um Sistema Nacional

Leia mais

Plano de Trabalho Docente - 2014. Ensino Médio

Plano de Trabalho Docente - 2014. Ensino Médio Plano de Trabalho Docente - 2014 Ensino Médio Código: 0262 ETEC ANHANQUERA Município: Santana de Parnaíba Área de Conhecimento: Linguagens, códigos e suas tecnologias. Componente Curricular: Artes Série:

Leia mais

Conexão na Escola, o princípio para a Construção de Conhecimentos.

Conexão na Escola, o princípio para a Construção de Conhecimentos. Conexão na Escola, o princípio para a Construção de Conhecimentos. Elizabeth Sarates Carvalho Trindade 1 Resumo: A utilização e articulação das tecnologias e mídias pela educação no processo de aprendizagem

Leia mais

PROGRAMA DO 7ª SÉRIE / 8º ANO DO ENSINO FUNDAMENTAL II - 2014 I UNIDADE

PROGRAMA DO 7ª SÉRIE / 8º ANO DO ENSINO FUNDAMENTAL II - 2014 I UNIDADE COORDENAÇÃO COLÉGIO OFICINA 1 PROGRAMA DO 7ª SÉRIE / 8º ANO DO ENSINO FUNDAMENTAL II - 2014 I UNIDADE DISCIPLINA CONTEÚDO COMPETÊNCIAS E HABILIDADES LÍNGUA PORTUGUESA REDAÇÃO OFICINA DE LEITURA ARTES EDUCAÇÃO

Leia mais

COMÉRCIO E CIDADE : UMA RELAÇÃO DE ORIGEM

COMÉRCIO E CIDADE : UMA RELAÇÃO DE ORIGEM 1 COMÉRCIO E CIDADE : UMA RELAÇÃO DE ORIGEM Heliana Comin Vargas Publicado no Portal do Estado de São Paulo. www.estadao.com.br/ext/eleicoes/artigos31/08/2000 Desde o início das civilizações, comércio

Leia mais

Trabalho sobre Social Media Como implementar Social Media na empresa

Trabalho sobre Social Media Como implementar Social Media na empresa Como implementar Social Media na empresa 1 As razões: Empresas ainda desconhecem benefícios do uso de redes sociais Das 2,1 mil empresas ouvidas em estudo do SAS Institute e da Harvard Business Review,

Leia mais

MINISTERIO DA DEFESA DEPARTAMENTO DE EDUCAÇÃO E CULTURA DO EXERCITO DIRETORIA DE EDUCAÇÃO PREPARATÓRIA E ASSISTENCIAL

MINISTERIO DA DEFESA DEPARTAMENTO DE EDUCAÇÃO E CULTURA DO EXERCITO DIRETORIA DE EDUCAÇÃO PREPARATÓRIA E ASSISTENCIAL APROVO Em conformidade com as Port. 38-DECEx, 12ABR11 e Port 137- Cmdo Ex, 28FEV12 MINISTERIO DA DEFESA DEPARTAMENTO DE EDUCAÇÃO E CULTURA DO EXERCITO DIRETORIA DE EDUCAÇÃO PREPARATÓRIA E ASSISTENCIAL

Leia mais

Mude seu ponto de vista sobre como morar

Mude seu ponto de vista sobre como morar Mude seu ponto de vista sobre como morar De tempos em tempos a humanidade descobre uma nova perspectiva de vida. A mente cria desejos. Desejos que abrem espaços. Espaços que se transformam em novos enfoques.

Leia mais

METODOLOGIA SEBRAE BAHIA PARA PÓLOS DE EMPREENDEDORISMO CULTURAL

METODOLOGIA SEBRAE BAHIA PARA PÓLOS DE EMPREENDEDORISMO CULTURAL Trabalho apresentado no III ENECULT Encontro de Estudos Multidisciplinares em Cultura, realizado entre os dias 23 a 25 de maio de 2007, na Faculdade de Comunicação/UFBa, Salvador-Bahia-Brasil. METODOLOGIA

Leia mais

MATRIZ CURRICULAR CURRÍCULO PLENO/ 2013

MATRIZ CURRICULAR CURRÍCULO PLENO/ 2013 Curso: Graduação: Habilitação: Regime: Duração: COMUNICAÇÃO SOCIAL BACHARELADO MATRIZ CURRICULAR PUBLICIDADE E PROPAGANDA SERIADO ANUAL - NOTURNO 4 (QUATRO) ANOS LETIVOS Integralização: A) TEMPO TOTAL

Leia mais

PARQUE URBANO ORLA DA BARRA

PARQUE URBANO ORLA DA BARRA A BARRA: ESPAÇO MONUMENTO PATRIMÔNIO E CULTURA PARQUE URBANO ORLA DA BARRA A Vila Velha, conhecida também como a Vila do Porto da Barra ou Vila do Pereira uma alusão ao primeiro donatário da Capitania

Leia mais

A INSERÇÃO DA CULTURA LÚDICA NO ENSINO DA ARTE RESUMO

A INSERÇÃO DA CULTURA LÚDICA NO ENSINO DA ARTE RESUMO A INSERÇÃO DA CULTURA LÚDICA NO ENSINO DA ARTE Francisco Souza da Costa¹ Pedagogia-Universidade Estadual do Ceará e-mail: f.souza39@yahoo.com.br RESUMO O artigo apresenta uma abordagem da importância das

Leia mais

Mais Cultura nas Escolas

Mais Cultura nas Escolas Mais Cultura nas Escolas O que é o Programa Mais Cultura nas Escolas? Projeto Andarilha das Letras, Circulação Literária/ FUNARTE É o encontro de projetos pedagógicos de escolas da rede pública com experiências

Leia mais

Interdisciplinareidade: a arte rompendo fronteiras entre as áreas do conhecimento

Interdisciplinareidade: a arte rompendo fronteiras entre as áreas do conhecimento Interdisciplinareidade: a arte rompendo fronteiras entre as áreas do conhecimento Donald Hugh de Barros Kerr Júnior 1 Como pensar em ensino de arte e contemporaneidade, sem perceber as transformações que

Leia mais

Computação Móvel para Contribuir à Educação e Sustentabilidade - Estudo de Caso

Computação Móvel para Contribuir à Educação e Sustentabilidade - Estudo de Caso Computação Móvel para Contribuir à Educação e Sustentabilidade - Estudo de Caso COSTA, P. M. a,a*, MONTEIRO, R. L. a,b* a. Universidade Federal de Minas Gerais, Belo Horizonte b. Universidade Federal de

Leia mais

ENTRE A LEI, OS COSTUMES E O DESENVOLVIMENTO: O PROJETO URBANÍSTICO DE 1970 EM MONTES CLAROS/MG.

ENTRE A LEI, OS COSTUMES E O DESENVOLVIMENTO: O PROJETO URBANÍSTICO DE 1970 EM MONTES CLAROS/MG. ENTRE A LEI, OS COSTUMES E O DESENVOLVIMENTO: O PROJETO URBANÍSTICO DE 1970 EM MONTES CLAROS/MG. Michael Jhonattan Delchoff da Silva. Universidade Estadual de Montes Claros- Unimontes. maicomdelchoff@gmail.com

Leia mais

PROJETO POLÍTICO PEDAGÓGICO DA DISCIPLINA AUDIOVISUAL DA ESCOLA POLITÉCNICA DE SAÚDE JOAQUIM VENÂNCIO

PROJETO POLÍTICO PEDAGÓGICO DA DISCIPLINA AUDIOVISUAL DA ESCOLA POLITÉCNICA DE SAÚDE JOAQUIM VENÂNCIO PROJETO POLÍTICO PEDAGÓGICO DA DISCIPLINA AUDIOVISUAL DA ESCOLA POLITÉCNICA DE SAÚDE JOAQUIM VENÂNCIO 1. AUDIOVISUAL NO ENSINO MÉDIO O audiovisual tem como finalidade realizar-se como crítica da cultura,

Leia mais

CIBERCIDADES. Um Modelo de Inteligência Coletiva. André Lemos Facom - UFBA

CIBERCIDADES. Um Modelo de Inteligência Coletiva. André Lemos Facom - UFBA CIBERCIDADES. Um Modelo de Inteligência Coletiva André Lemos Facom - UFBA Vivemos na cidade e sentimos sua transformação a cada dia. As novas tecnologias de comunicação e informação estão reconfigurando

Leia mais

MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO CONSELHO NACIONAL DE EDUCAÇÃO CÂMARA DE EDUCAÇÃO SUPERIOR RESOLUÇÃO Nº 6, DE 2 DE FEVEREIRO DE 2006 1

MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO CONSELHO NACIONAL DE EDUCAÇÃO CÂMARA DE EDUCAÇÃO SUPERIOR RESOLUÇÃO Nº 6, DE 2 DE FEVEREIRO DE 2006 1 MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO CONSELHO NACIONAL DE EDUCAÇÃO CÂMARA DE EDUCAÇÃO SUPERIOR RESOLUÇÃO Nº 6, DE 2 DE FEVEREIRO DE 2006 1 Institui as Diretrizes Curriculares Nacionais do curso de graduação em Arquitetura

Leia mais

I D E N T I D A D E V I S U A L

I D E N T I D A D E V I S U A L IDENTIDADE VISUAL A percepção realiza ao nível sensório o que no domínio do raciocínio se conhece como entendimento. Ver é compreender. Rudolf Arnheim, sociólogo SUMÁRIO Apresentação...3 Conceito visual...4

Leia mais

OFICINA DE FOTOGRAFIA E VÍDEO COM CELULARES

OFICINA DE FOTOGRAFIA E VÍDEO COM CELULARES OFICINA DE FOTOGRAFIA E VÍDEO COM CELULARES RELATÓRIO Oficina de fotografia e vídeo com celulares como ferramenta de inclusão visual através de tecnologias acessíveis, percepção do território, construção

Leia mais

MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO CONSELHO NACIONAL DE EDUCAÇÃO CÂMARA DE EDUCAÇÃO SUPERIOR RESOLUÇÃO Nº 2, DE 17 DE JUNHO DE 2010 (*)

MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO CONSELHO NACIONAL DE EDUCAÇÃO CÂMARA DE EDUCAÇÃO SUPERIOR RESOLUÇÃO Nº 2, DE 17 DE JUNHO DE 2010 (*) MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO CONSELHO NACIONAL DE EDUCAÇÃO CÂMARA DE EDUCAÇÃO SUPERIOR RESOLUÇÃO Nº 2, DE 17 DE JUNHO DE 2010 (*) Institui as Diretrizes Curriculares Nacionais do curso de graduação em Arquitetura

Leia mais

As crianças, a cultura. Lisandra Ogg Gomes

As crianças, a cultura. Lisandra Ogg Gomes As crianças, a cultura lúdica e a matemática Lisandra Ogg Gomes Aprendizagens significativas: Como as crianças pensam o cotidiano e buscam compreendê-lo? (Caderno de Apresentação, 2014, p. 33). O que as

Leia mais

IV EDIPE Encontro Estadual de Didática e Prática de Ensino 2011

IV EDIPE Encontro Estadual de Didática e Prática de Ensino 2011 PORTAL DO FÓRUM GOIANO DE EJA: INTERAÇÃO SOCIAL E EDUCAÇÃO EM AMBIENTE VIRTUAL Danielly Cardoso da Silva Karla Murielly Lôpo Leite Maria Emília de Castro Rodrigues O presente texto tem por objetivo apresentar

Leia mais

Segurança e lazer são o destaque da publicidade deste imóvel. Fonte: Informe Publicitário distribuído em via pública

Segurança e lazer são o destaque da publicidade deste imóvel. Fonte: Informe Publicitário distribuído em via pública Capítulo 3 CONDOMÍNIOS-CLUBE NA CIDADE DE SÃO PAULO A área de lazer cada vez mais assume posição de destaque nos informes publicitários do mercado imobiliário residencial. O programa dos condomínios residenciais

Leia mais

O BRINCAR, A BRINCADEIRA, O JOGO, A ATIVIDADE LÚDICA E A PROPOSTA PEDAGÓGICA PARA A EDUCAÇÃO INFANTIL

O BRINCAR, A BRINCADEIRA, O JOGO, A ATIVIDADE LÚDICA E A PROPOSTA PEDAGÓGICA PARA A EDUCAÇÃO INFANTIL O BRINCAR, A BRINCADEIRA, O JOGO, A ATIVIDADE LÚDICA E A PROPOSTA PEDAGÓGICA PARA A EDUCAÇÃO INFANTIL Josiane Lima Zanata (Seduc) josianezanata@hotmail.com Ivani Souza Mello (UFMT) ivanimello1@hotmail.com

Leia mais

PARÂMETRO DE ARTE PARA O ENSINO FUNDAMENTAL - REDE MUNICIPAL ENSINO DE TRÊS CORAÇÕES. Diretrizes para o ensino de Arte 2011

PARÂMETRO DE ARTE PARA O ENSINO FUNDAMENTAL - REDE MUNICIPAL ENSINO DE TRÊS CORAÇÕES. Diretrizes para o ensino de Arte 2011 PARÂMETRO DE ARTE PARA O ENSINO FUNDAMENTAL - REDE MUNICIPAL ENSINO DE TRÊS CORAÇÕES 1 Diretrizes para o ensino de Arte 2011 1 Arte e legislação educacional: A inclusão da Arte no currículo escolar foi

Leia mais

Mercado Municipal do Estado de Sa o Paulo

Mercado Municipal do Estado de Sa o Paulo Mercado Municipal do Estado de Sa o Paulo O Mercado Municipal de São Paulo é uma construção histórica localizada na região central da capital. Obra projetada pelo arquiteto Franscisco de Paula Ramos de

Leia mais

A IMAGEM NA SALA DE AULA: UMA PROPOSTA DE PROJETO DE TRABALHO

A IMAGEM NA SALA DE AULA: UMA PROPOSTA DE PROJETO DE TRABALHO A IMAGEM NA SALA DE AULA: UMA PROPOSTA DE PROJETO DE TRABALHO Gabriela Gonçalves da Silva 1 Jonney Gomes de Freitas Abreu 2 Marielli Gomes Mendonça 3 Mônica Mitchell de Morais Braga 4 Murilo Raphael Dias

Leia mais

CENTRO UNIVERSITÁRIO UNIVATES

CENTRO UNIVERSITÁRIO UNIVATES CENTRO UNIVERSITÁRIO UNIVATES REGULAMENTO DE ESTÁGIO CURRICULAR NÃO OBRIGATÓRIO CURSO DE ARQUITETURA E URBANISMO, BACHARELADO CURRÍCULO 1610 REGULAMENTO DE ESTÁGIO CURRICULAR NÃO OBRIGATÓRIO Das Disposições

Leia mais

AUTOR(ES): MAITHÊ CORSI DA SILVA, FERNANDO TEIXEIRA CARVALHO, RENAN GUSTAVO MOLINA

AUTOR(ES): MAITHÊ CORSI DA SILVA, FERNANDO TEIXEIRA CARVALHO, RENAN GUSTAVO MOLINA TÍTULO: A IMPORTÂNCIA DO E-COMMERCE NAS PEQUENAS EMPRESAS CATEGORIA: EM ANDAMENTO ÁREA: CIÊNCIAS SOCIAIS APLICADAS SUBÁREA: ADMINISTRAÇÃO INSTITUIÇÃO: FACULDADE DE JAGUARIÚNA AUTOR(ES): MAITHÊ CORSI DA

Leia mais

Curadoria e montagem de exposições de arte: um campo de diversas profissões

Curadoria e montagem de exposições de arte: um campo de diversas profissões Curadoria e montagem de exposições de arte: um campo de diversas profissões As oportunidades de trabalho e as novas profissões ligadas à arte contemporânea têm crescido muito nos últimos anos, impulsionadas

Leia mais

poro Série de 13 cartazes lambe-lambe impressos em serigrafia e afixados em locais públicos, Por outras práticas e espacialidades

poro Série de 13 cartazes lambe-lambe impressos em serigrafia e afixados em locais públicos, Por outras práticas e espacialidades poro Por outras práticas e espacialidades Série de 13 cartazes lambe-lambe impressos em serigrafia e afixados em locais públicos, Belo Horizonte, MG, 2010. MANIFESTO por uma cidade lúdica e coletiva, por

Leia mais

ampliação dos significados. conhecedor fruidor decodificador da obra de arte

ampliação dos significados. conhecedor fruidor decodificador da obra de arte Comunicação O ENSINO DAS ARTES VISUAIS NO CONTEXTO INTERDISCIPLINAR DA ESCOLA ALMEIDA, Maria Angélica Durães Mendes de VASONE, Tania Abrahão SARMENTO, Colégio Hugo Palavras-chave: Artes visuais Interdisciplinaridade

Leia mais

Matriz de referência DE CIÊNCIAS HUMANAS E SUAS TECNOLOGIAS AVALIE BA 2012 - ENSINO MÉDIO

Matriz de referência DE CIÊNCIAS HUMANAS E SUAS TECNOLOGIAS AVALIE BA 2012 - ENSINO MÉDIO D01 (H) - Reconhecer a História como produto histórico, social e cultural e suas implicações na produção historiográfica. D02 (H) - Reconhecer o ofício do historiador como produtor do conhecimento histórico.

Leia mais

A PRODUÇÃO DO ESPAÇO URBANO NO BAIRRO DA MARAMBAIA, BELÉM-PA: UM ESTUDO DE CASO

A PRODUÇÃO DO ESPAÇO URBANO NO BAIRRO DA MARAMBAIA, BELÉM-PA: UM ESTUDO DE CASO A PRODUÇÃO DO ESPAÇO URBANO NO BAIRRO DA MARAMBAIA, BELÉM-PA: UM ESTUDO DE CASO Evandro Neves evandronevez@live.com Universidade do Estado do Pará Filipe Dias Evandro Neves li.pedias@hotmail.com Universidade

Leia mais

Há muito tempo eu escuto esse papo furado Dizendo que o samba acabou Só se foi quando o dia clareou. (Paulinho da Viola)

Há muito tempo eu escuto esse papo furado Dizendo que o samba acabou Só se foi quando o dia clareou. (Paulinho da Viola) Diego Mattoso USP Online - www.usp.br mattoso@usp.br Julho de 2005 USP Notícias http://noticias.usp.br/canalacontece/artigo.php?id=9397 Pesquisa mostra porque o samba é um dos gêneros mais representativos

Leia mais

1 Introdução. 1.1 A Nova Era Digital

1 Introdução. 1.1 A Nova Era Digital 11 1 Introdução Com o advento da nova era da internet, conhecida com web 2.0, e o avanço das tecnologias digitais, o consumidor passa a ter maior acesso à informação bem como à facilidade de expressar

Leia mais

Pesquisa Qualitativa. Lideranças de Movimentos Sociais e Segmentos da População Abril 2007

Pesquisa Qualitativa. Lideranças de Movimentos Sociais e Segmentos da População Abril 2007 Pesquisa Ibope Pesquisa Qualitativa Lideranças de Movimentos Sociais e Segmentos da População Abril 2007 Metodologia Estudo do tipo qualitativo, envolvendo duas técnicas complementares: 1) Entrevistas

Leia mais

Consumption of fashion, culture and city: a look at the Vila Madalena (SP)

Consumption of fashion, culture and city: a look at the Vila Madalena (SP) CONSUMO DE MODA, CULTURA E CIDADE: UM OLHAR PARA A VILA MADALENA (SP) Consumption of fashion, culture and city: a look at the Vila Madalena (SP) Resumo Nunes, Luisa da Conceição; Graduando; Universidade

Leia mais

GENTE EDUCADA, CIDADE BONITA. Modelo de Projeto para Leopoldina Minas Gerais. Projeto de Atividades. 1º Edição

GENTE EDUCADA, CIDADE BONITA. Modelo de Projeto para Leopoldina Minas Gerais. Projeto de Atividades. 1º Edição GENTE EDUCADA, CIDADE BONITA Projeto de Atividades 1º Edição Modelo de Projeto para Leopoldina Minas Gerais 1. INTRODUÇÃO A educação atualmente não pode se restringir apenas ao ambiente escolar, o estudante

Leia mais

Arquitetura: do repertório à prática

Arquitetura: do repertório à prática Arquitetura: do repertório à prática Arquiteto: - tecton, em grego, designava um artífice ligado à construção de objetos por junção de peças; - arqui, prefixo que indica superioridade. Arquitetura: Aurélio:

Leia mais