FÓRMULA 1 E CIDADES: O ESPORTE-ESPETÁCULO NAS ESTRATÉGIAS EMPRESARIAL E TERRITORIAL 1

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "FÓRMULA 1 E CIDADES: O ESPORTE-ESPETÁCULO NAS ESTRATÉGIAS EMPRESARIAL E TERRITORIAL 1"

Transcrição

1 FÓRMULA 1 E CIDADES: O ESPORTE-ESPETÁCULO NAS ESTRATÉGIAS EMPRESARIAL E TERRITORIAL 1 Vitor Hugo dos Santos Teixeira Universidade Federal Fluminense Resumo A partir dos anos 2000, a Fórmula 1 como um evento esportivo de exibição mundial, passou a ser disputada pelos governos locais de cidades que almejam o status global. Sendo um esporte historicamente elitista, se encaixa perfeitamente no modelo de cidade que emergiu no pós-crise, onde a diferenciação é uma característica chave. Os carros, a velocidade e a tecnologia de ponta da categoria mais importante do automobilismo mundial são símbolos que, na visão empresarial de seus organizadores e das administrações locais, agregam valor à marca da cidade, podendo assim ser vendida como um produto para a elite global, através, sobretudo, do mecanismo institucional do City Marketing. Palavras-chave: Megaeventos Esportivos, City Marketing e Cidades Globais. Grupo de trabalho nº 12 O local e o global na produção da cidade espetáculo: retóricas, coalizações e resistência popular. 1 Trabalho sob orientação da Prof.ª Dr.ª Fernanda Ester Sánchez Garcia do PPGAU EAU/UFF/RJ.

2 "A Fórmula 1 é um tempo perdido se não for para vencer." (Airton Senna da Silva) 1. Introdução O presente trabalho tem como objetivo compreender como a Fórmula 1 vem servindo ao empresariamento urbano, modelo de gestão das cidades que tem como característica se utilizar de grandes eventos para se legitimar. Como a categoria mais avançada do esporte a motor, a Fórmula 1 mobiliza milhares de profissionais em diversos países, alcança milhões de espectadores em todo o mundo e demanda enormes investimentos financeiros. Essa categoria esportiva tornou-se um verdadeiro fenômeno global e representa um segmento importante para análise da influência no desenvolvimento de estratégias de promoção e venda de novas cidades dentro de um cenário mundial, através, sobretudo, do mecanismo institucional do City Marketing (SÁNCHEZ, 1997). A gestão empresarial das cidades surgiu no início da década de 70, com o aumento da desindustrialização e do desemprego nas grandes cidades do mundo capitalista avançado. Fortaleceu-se assim o discurso dos benefícios da racionalidade do mercado e da privatização, e de que um comportamento empresarial e competitivo seria a saída para essa cidade em crise. Um ambiente mais flexível ao desenvolvimento pósindustrial, focado em turismo e serviços, dinamizaria a economia local e atrairia vultosos fluxos de investimento. A esse movimento o geógrafo britânico David Harvey (1989) chamou de empresariamento urbano, que viria a substituir o gerenciamento das décadas anteriores. Se alguma cidade pode ser considerada símbolo da recuperação através do empresariamento é Barcelona. Além do legado (palavra desde então incorporada ao vocabulário dos políticos) deixado pelos Jogos Olímpicos de 1992, houve um esforço intenso para vendê-la como um modelo a ser seguido. Os sociólogos Jordi Borja e Manuel Castells, patrocinados por agências multilaterais, estiveram presentes em seminários em todo o mundo e produziram documentos que são verdadeiras receitas para as cidades (VAINER, 2000). É nesse contexto que a Fórmula 1, como um evento esportivo de exibição mundial, passou a ser também disputada pelos governos locais de cidades que almejam o status internacional. Novas etapas têm sido incluídas no calendário ano após ano, ou 2

3 em corridas extras ou em substituição às antigas. Grandes Prêmios (GPs) tradicionais como os de San Marino e França cederam espaço para Bahrein, China, Turquia, Singapura, Valência, Abu Dhabi, Coreia do Sul e Índia. O ano de 2012 teve o maior número de corridas da história do Campeonato Mundial: 20 (ver mapa 2). Portanto, procuraremos mostrar neste artigo como o empresariamento urbano encontrou na Fórmula 1 um microcosmo perfeito, no qual, inseparavelmente, são desenvolvidas diversas atividades econômicas, políticas e culturais. Além disso, entendemos que o circuito mundial dessa categoria automobilística representa um antro laboratorial global de pesquisas tecnológicas, não só relacionadas ao esporte em si, mas também na produção e promoção de novos territórios com fins empresariais. 2. Globalização e (re)produção do capitalismo mundial na f1 Sendo a Fórmula 1 um megaevento esportivo de grande expressão e repercussão em nível global, vemos que diversos aspectos da sociedade capitalista se desenvolvem, e são envolvidas nesse meio, podendo ser destacadas, principalmente, a relação de mercado e de consumo envolvido em seu ambiente, bem como a (re)produção do espaço capitalista internacional. Além disso, a F-1 é um laboratório mundial de pesquisas tecnológicas. Assim, permite ser considerado um espaço de alta tecnologia em que somente os melhores conseguem adentrar e fixar-se. A globalização encontra na Fórmula 1 um microcosmo perfeito no qual são desenvolvidos todas as suas atividades econômicas, políticas, espaciais e culturais, já que todas elas parecem estar vivendo um momento de convergência. As atividades econômicas desenvolvidas são principalmente as relações de trabalho, consumo e mercado, as quais acompanham em ritmo acelerado as mudanças da sociedade. Mesmo assim, não podemos nos esquecer de que a Fórmula 1 é um negócio lucrativo restrito a um ínfimo número de homens extremamente ricos e influentes. Novamente aparece sua característica elitista. A relação capitalista é estrutural, as equipes que antes se constituíam nas chamadas escuderias, passaram a ser chamadas de equipes devido aos milionários contratos de patrocínio, publicidade e/ou as associações com fabricantes de motores. Porém, os fabricantes de veículos não se contentaram apenas com o patrocínio. Atualmente, estão comprando equipes ou estão se coligando a qualquer delas. A participação das indústrias automobilísticas acirra as disputas nas pistas e busca atrair o 3

4 interesse do público pelo espetáculo, bem como ampliar a influência no mercado de consumo. Harvey argumenta que, o capitalismo tem de preparar o terreno para uma expansão do produto e um crescimento em valores reais (e, eventualmente, atingílos), pouco importando as consequências sociais, políticas, geopolíticas ou ecológicas. Na medida em que a virtude vem da necessidade, um dos pilares básicos da ideologia capitalista é que o crescimento é tanto inevitável como bom. HARVEY, 2010, p.166). A valorização econômica e financeira passa a fazer parte da rotina do grande prêmio. O consumo é estimulado para que as negociações deem lucro, pilotos são garotos-propagandas e carros são veículos de propaganda. Os interesses econômicos estão acima de qualquer atitude esportiva ou moralmente correta. Os pilotos não têm mais o direito de decidir sozinhos a suas ações na corrida, é transparente a sua posição de trabalhador que precisa cumprir regras e acordos anteriormente assumidos. É uma situação de hierarquização econômica da relação de trabalho, com direito a compra e venda de mão-de-obra e sua sujeição aos interesses do capitalista dentro do esporte. As bases das relações de trabalho, na Fórmula 1, são semelhantes à de uma empresa capitalista em que se preza a eficiência no trabalho, onde os privilégios atingem os melhores empregados e ocorre o trabalho excessivo para alguns. O luxo que vive a Fórmula 1, está amalgamado com diversos aspectos sombrios. A relação de trabalho expressa a questão do poder, estabelecido e demarcado, seja no contrato ou pela mídia especulativa na esfera da relação dos pilotos com seus companheiros e com seus chefes. Os contratos exercem pressão sobre a conduta do piloto dentro e fora das pistas, tendo que seguir aos interesses da equipe e subjugando seus próprios desejos. Assim, Sennett nos mostra que na sociedade moderna, especialmente em instiuições dinâmicas, a busca do talento efetivamente funciona num contexto de inclusão social. Os mesmos testes, avaliações e datas importantes que recompensam os melhores servem de base para descartar outros, abaixo deste nível de elite. (SENNETT, 2006, p. 106). Outra característica interessante desse esporte é a diversidade de nacionalidades dos pilotos. Antes centrada na Europa, os europeus eram os privilegiados, sendo considerado um esporte mundial, mas de raízes locais. Entretanto, atualmente há pilotos de quatro dos cinco continentes. Porém, as equipes, embora sejam variadas, as nacionalidades estão majoritariamente localizadas nos chamados países centrais. O que pode ser considerado como mundial em sua totalidade, são as equipes como um todo, que podem ter a sede em um país, pilotos de outro, motor de outro e os 4

5 patrocinadores de toda a parte do mundo, assim como seus torcedores e/ou consumidores. Estes são, sem dúvida, aspectos do global dentro do esporte. As fronteiras na Fórmula 1, embora sejam difíceis de serem demarcadas, elas existem para diferenciar culturas e territórios, já que a economia de modo geral não pode ser pensada apenas localmente. As relações se dão globalmente, há uma interdependência financeira, tecnológica e industrial, na qual estão envolvidos as equipes e seus patrocinadores agravando a relação de dependência entre as equipes. A questão local na Fórmula 1 parece estar mais envolvida nas corridas, onde a cidade ao sediar uma etapa do campeonato deve se adequar sob vários aspectos às necessidades impostas pela Federação Internacional de Automobilismo (FIA) 2, tais como: a estrutura dos autódromos e circuitos urbanos, das arquibancadas, do transporte e do alojamento de pilotos e equipamentos/acessórios (logística), de tal modo que os ambientes desta categoria esportiva passaram a ter estruturas semelhantes em vários países. Este é um megaevento turístico que há algum tempo vem influenciando na dinâmica de transação e movimentação econômica. O Circuito mundial da Fórmula 1 é um negócio rentável de várias maneiras, tanto nas comunicações pela propaganda explícita como na venda dos direitos de transmissão. Por isso, prevalece a necessidade da informação e da publicidade. Conforme Broudehoux (2010), quando relaciona os megaeventos com seu alto nível de midiatização, a autora acredita que na idade da televisão global, a maior parte dos lucros reais dos grandes eventos esportivos decorrem, principalmente, dos direitos de transmissão em escala mundial. A difusão da informação só foi possível no mundo globalizado, após a formação de conglomerados internacionais de multimídia, que contaram ainda com o desenvolvimento tecnológico: os satélites, a microeletrônica e a digitalização, por exemplos. No capitalismo, ciência e tecnologia são utilizadas como mercadorias. O que está presente na Fórmula 1 é o consumo que se faz desde o projeto do carro. Tanto ciência quanto tecnologia assumem papeis decisivos, pois possibilitam o desenvolvimento do carro e o envolvimento de ambas com a técnica e a arte do engenheiro mecânico. Fazendo desse esporte algo complexo que, integrando arte de pilotagem e design, transformam engenheiros e projetistas em artistas capacitados no desenvolvimento tanto 2 O regulamento da Fórmula 1 é administrado pela FIA, a principal entidade internacional regulamentadora de corridas de automóveis e também a federação internacional para associações automobilísticas (SYLT e REID, 2006, p. 33). 5

6 da beleza quanto das inovações tecnológicas. Proporciona, assim, um espetáculo de velocidade, envolvendo o homem e a máquina unidos pela técnica de pilotagem e o conhecimento. Segundo Harvey, num mundo de rápidas mudanças de gostos e necessidades e de sistemas de produção flexíveis (em oposição ao mundo relativamente estável do fordismo padronizado), o conhecimento da última técnica, do mais novo produto, da mais recente descoberta científica, implica a possibilidade de alcançar uma importante vantagem competitiva. (HARVEY, 2010, p. 151). A Fórmula 1 enquanto um veículo de propaganda mundial com telespectadores/consumidores em todo o mundo, é um negócio altamente rentável. É o produto sendo mostrado em uso, sendo um ponto de contato direto entre produtor e consumidor. As equipes estão interessadas em patrocinadores lucrativos por isso as grandes montadoras tendem a dominar as equipes pequenas, pois estas precisam de capital e concentração de investimento para serem competitivas. Com isso, a categoria mais importante do automobilismo mundial, vive um constante ritmo de mudanças tecnológicas, seja através da adequação dos carros às normas e regras da FIA, seja pelo desenvolvimento dos meios comunicacionais ou da eletrônica. Este espaço metamorfoseia um laboratório tecnológico de altíssima qualidade e de controle de qualidade no qual o erro não é perdoado e a perfeição é o objetivo principal para conseguir provar os desafios dos circuitos, da tecnologia e do limite da capacidade humana. Busca-se ser o melhor para que se possa ter uma mercadoria de qualidade a ser vendida, ou seja, o mercado da Fórmula 1 não se restringe apenas a comercialização nos autódromos ou a merchandising, pois ela engloba mercadorias como ciência, tecnologia e informação, todas dotadas de valores que serão apropriadas por empresas e distribuídas aos países sedes, em vista de uma produção rentável. Segundo Gilmar Mascarenhas (1999), o esporte deve ser encarado como uma atividade econômica, particularmente quando realizado em caráter oficial, de competição, e oferecido à sociedade (público espectador) como um artigo de consumo. Enquanto atividade econômica voltada para o entretenimento comercializado, o esporte precisa ser oferecido em lugares apropriados. Portanto, a Fórmula 1, enquanto laboratório, não só testa como possibilita o desenvolvimento de cada novo equipamento. Por trás dos pilotos há uma multidão de especialistas da esfera empresarial que transformam esse campeonato num verdadeiro espetáculo artístico, tecnológico e publicitário. Dentro desses parâmetros, a F-1 se enquadra no perfil de eventos que transcendem fronteiras territoriais. 6

7 3. Antecedentes e bastidores da fórmula 1: uma nota Apesar de a história moderna dos Grandes Prêmios de Fórmula 1 ter começado apenas em 1950, o surgimento do esporte data de um período bem anterior. Segundo Kapadia (2006), a invenção do motor a vapor no século XVIII deu início à 1ª Revolução Industrial, revolucionando o modo de produção em níveis tanto econômicos como sociais. No fim do século XIX o desenvolvimento de outra grande invenção transformaria o mundo novamente: o motor de combustão interna. A Fórmula 1 foi estabelecida oficialmente em 1950, com a criação do primeiro Campeonato Mundial de Pilotos de Fórmula 1 pela Federação Internacional de Automobilismo (FIA). Martins (1999) lembra que a primeira corrida ocorreu em 13 de maio de 1950 no autódromo de Silverstone, na Grã-Bretanha, e foi vencida por Giuseppe Farina, que também viria a ganhar o campeonato naquele mesmo ano. Apesar do nome (Campeonato Mundial de Fórmula 1), Jenkins et al. (2007) explicam que o campeonato era basicamente europeu, com seis corridas na Europa (Grã-Bretanha, Mônaco, Suíça, Bélgica, França e Itália) e apenas uma nos Estados Unidos, as 500 Milhas de Indianápolis. A Fórmula 1 da década de 1950 era muito diferente da que se conhece nos dias de hoje. Não existia transmissão televisiva, patrocínios ou mesmo autódromos. Com estruturas precárias e poucos investimentos, os interesses eram predominantemente esportivos. Inclusive, até a explosão do patrocínio comercial em 1960, os carros costumavam correr nas cores nacionais de cada um. Diversos autores, como Martins (1999) e Takai (2005), classificam este período como a era romântica da Fórmula 1. No entanto, foram os anos da década de 1960 que marcaram a consagração da Fórmula 1 no mundo automobilístico. Como esclarece Wright (2001), foi nesta ocasião que a categoria sofreu suas mais profundas mudanças, passando por uma verdadeira revolução tecnológica, comandada, principalmente, por Colin Chapman (o grande instituidor do monocoque 3 na F-1) e pela utilização da aerodinâmica. A intensificação do uso da tecnologia tornaria o esporte mais competitivo e, portanto, mais lucrativo, marcando o fim do romantismo que predominou na Fórmula 1 por toda a década de Mais do que um esporte, a Fórmula 1 se tornaria, principalmente no fim dos anos 60 e início dos 70, um negócio altamente lucrativo, onde os interesses capitalistas 3 Fuselagem - é a camada de proteção exterior de uma estrutura, geralmente de metal. O nome vem da palavra francesa "fuselé", que significa forma aerodinâmica. Na fuselagem monocoque o casco é essencialmente uma fina parede tubular que suporta todos os esforços. Monocoque é uma palavra francesa que significa "single shell." Mais comum é a semimonocoque. 7

8 prevaleceriam sobre os interesses esportivos. Além disso, Kapadia (2006) esclarece que a década de 1960 marca o surgimento do patrocínio esportivo na Fórmula 1 e da espetacularização propriamente dita do esporte. É justamente neste período que os Grandes Prêmios passam a ser encarados como meios comerciais efetivos. Mais uma vez, Chapman é o propulsor do movimento, quando sua equipe, a Lotus, se junta à companhia de tabaco Imperial Tobacco em 1968, dando origem à equipe Gold Leaf Team Lotus. Esse precedente aberto por Chapman e a lei britânica que proibiu anúncios de cigarros e bebidas alcoólicas na televisão impulsionaram o uso do patrocínio pelas empresas (principalmente as de tabaco) como estratégia de marketing, transformando o patrocínio em uma das maiores fontes de investimentos das equipes de F-1: (...) o advento do patrocínio comercial na Fórmula 1 foi em 1968 quando a equipe Lotus de Colin Chapman assegurou fundos da fabricante de cigarros Imperial Tobacco ao pintar seus carros nas cores da marca de cigarros Gold Leaf. Durante os anos subsequentes o tabaco se tornaria uma das maiores fontes de investimentos para muitas equipes, onde a marca Marlboro da Philip Morris provaria ser a mais duradoura (...). (JENKINS et al., 2007, p. 31). Impulsionada pelos crescentes interesses comerciais e industriais, a espetacularização da Fórmula 1 iniciada na década de 1960 continua sua expansão pela década de Para Henry (2003), o nome mais importante deste período foi o de Bernie Ecclestone. Considerado atualmente a maior autoridade dentro da Fórmula 1, Ecclestone é um ex-piloto de Fórmula 3 4. Sua participação efetiva no esporte se iniciou em 1972 com a aquisição da equipe Brabham. Ao se tornar dono de uma equipe, Bernie também se tornaria membro da Formula One Constructors Association (Foca), a organização responsável por representar as equipes da Fórmula 1. O principal objetivo da Foca era o de coordenar os interesses coletivos dos construtores e representá-los perante a FIA. Buscando centralizar a organização das corridas, Bernie Ecclestone passou a se envolver pessoalmente nas negociações dos direitos comerciais 5 da F-1 sob o nome da Foca, tornando-se o principal responsável pela unificação da cobertura televisiva da 4 A Fórmula 3 é uma categoria inferior à Fórmula 1. Surgiu como uma competição nacional da Inglaterra logo após a Segunda Guerra Mundial, para possibilitar o acesso de pilotos novatos às competições. 5 Atualmente, os direitos comerciais da F-1 incluem os direitos de transmissão televisiva das corridas, taxas de sanção das corridas, anúncios ao redor da pista do circuito e o Paddock Club, um centro de hospitalidades. Valem cerca de US$ 1 bilhão por ano, dos quais US$ 705 milhões foram para a FOA em O restante foi pago à Allsport Management, que, em troca de uma taxa paga à FOA, administra os anúncios ao redor da pista. (SYLT E REID, 2006, p. 34). 8

9 Fórmula 1 (HENRY, 2003, p ). Incentivado principalmente por Bernie Ecclestone, o patrocínio comercial continuou ganhando espaço nos negócios da Fórmula 1. Entretanto, a mercantilização da Fórmula 1, iniciada na década de 1970 por Ecclestone, fez do começo da década de 1980 um período turbulento para o esporte, em que, como explica Henry (2003), uma crise de interesses entre a Fédération Internationale du Sport Automobile (Fisa) 6 e a Foca dividiu a categoria. A luta entre as duas organizações pelo controle da Fórmula 1 foi resolvida em 1981 com a assinatura do primeiro Pacto de Concórdia 7, um acordo que basicamente estabelece os termos em que a Fórmula 1 deve operar e define os limites e responsabilidades tanto da FIA quanto da Foca e das equipes. Além disso, o acordo também estabeleceu que os direitos comerciais da F-1 pertenceriam à Foca e definiu como seria feita a divisão da receita gerada pela publicidade e transmissão televisiva das corridas. Foi desta maneira que Bernie Ecclestone, o então presidente da Foca, assumiu o controle efetivo do lado financeiro e comercial da Fórmula 1. Segundo Sylt e Reid (2006), Bernie Ecclestone foi tão bem sucedido na administração do lado comercial da Fórmula 1 que em 1997, quando foi assinado um novo pacto, a FIA transferiu da Foca para a Formula One Administration (FOA) os direitos comerciais da Fórmula 1. A FOA é uma das empresas da holding Slec, criada por Ecclestone, para gerenciar os negócios da Fórmula 1, pois: As especificidades da Fórmula 1 atingiram tão elevado grau de sofisticação e de fontes de receita, que foi preciso criar várias empresas para geri-la. A holding chama-se Slec, abreviação do nome da esposa de Ecclestone, a ex-modelo croata Slavica Radic. (...) A Slec tem a Formula One Administration (FOA), que é, na realidade, quem detém os direitos de TV cedidos pela FIA e ratificados em 2006, por US$ 360 milhões, pelos próximos 100 anos. Mas é a Formula One Management (FOM) quem comercializa a venda dos direitos às empresas de TV que transmitem a corrida ao vivo. A italiana RAI, a alemã RTL e a japonesa Fuji, por exemplo, pagam US$ 56 milhões por temporada. A Rede Globo investe US$ 12 milhões por ano. 8 Martins (1999) explica que a entrada de Ecclestone na Foca em 1972 terminou com o romantismo da Fórmula 1 e alterou radicalmente a maneira como se estabeleciam 6 A Fisa era uma divisão da FIA que lidava diretamente com a Fórmula 1, mas foi extinta em 1993 por uma reestruturação da própria FIA (FIA, 2005). 7 O documento recebeu este nome, pois foi assinado na sede da FIA em Paris, que se localiza perto da Place de la Concorde (JENKINS et al., 2007, p.32). 8 O ESTADO DE S. PAULO. Guia Especial da F1,

10 as relações comerciais dentro da F-1, transformando-a num rentável investimento: O maior exemplo é que o calendário de F-1 se tornou um grandioso espetáculo mundial, visto ao vivo pela TV por 4,2 bilhões de telespectadores em 62 países. Esses números crescem para 17,6 bilhões em 96 países, se forem computados os noticiários compactos dos vários noticiosos, reprises ou videoteipes. (MARTINS, 1999, p ) Contudo, Bernie Ecclestone se tornou um dos empresários mais ricos do Reino Unido, com uma fortuna estimada em mais de dois bilhões de libras esterlinas, e o homem mais poderoso da Fórmula 1. Suas empresas, que formam o Formula One Group, controlam praticamente tudo que envolve o esporte. O Concorde Agreement, que vem sendo renovado desde 1981, dá a ele o direito de explorar não apenas os direitos televisivos, mas também a administração, organização e logística de cada etapa do Mundial. Aos 82 anos, Bernie Ecclestone negocia diretamente com os governos locais as exigências para colocar suas cidades no mapa do circuito mundial de Fórmula 1, atualmente visto como uma vitrine das cidades globais. Ele se utiliza da competição intercidades para aumentar o valor fixo cobrado por ano para receber uma etapa da F-1 9. Está também em seus planos fazer uma oferta pública inicial de ações na bolsa de valores de Singapura, aproveitando o recente crescimento da categoria à Ásia, em que se estima captar US$ 1,5 bilhão. Tabela Estimativa de taxa anual paga por país-sede para receber a etapa da Fórmula 1 (2011). Fonte: Formula One s new urban economies. Acessado em 04/06/ LEFEBVRE, S.; ROULT, R. Formula One s new urban economies. J. Cities (2011), doi: /j.cities

11 4. F-1 e cidades: nova cartografia e estratégia de atuação O ano de 1999 marca de vez a entrada da Fórmula 1 nas estratégias de City Marketing das cidades, quando o Grande Prêmio da Malásia substitui o GP da Argentina, com dificuldades financeiras. Sem nenhuma tradição no esporte, a Malásia viu na Fórmula 1 uma forma de se promover para o mundo e foi o segundo país asiático a receber uma etapa da categoria (o primeiro havia sido o Japão na década de 1980). Desde então, outros países seguiram o mesmo caminho: Bahrein (2004), China (2004), Turquia (2005), Singapura (2008), Valência (Espanha, 2008), Abu Dhabi (2009), Coreia do Sul (2010) e Índia (2011). Em 2012, Os Estados Unidos voltaram a receber a Fórmula 1 e, em 2014, será a vez da Rússia (GUIMARÃES, 2012). Mapa 1 Circuito Mundial da Fórmula 1 em Fonte: Arquivo pessoal. Acessado em 04/06/

12 Mapa 2 A Nova Fórmula 1. Circuito Mundial da categoria nas temporadas Fonte: Acessado em 04/06/2013 De comum nas novas etapas está o crescimento da exposição das cidades sede, normalmente com edifícios de arquitetura de impacto e em circuitos de rua. As cidades sempre foram um atrativo da Fórmula 1, mas não passavam de um pano de fundo das disputas na pista. Nos últimos anos, porém, elas têm ganhado importância na transmissão, justificando assim o alto custo para sediar uma corrida. Cada etapa pode custar dezenas de milhões de dólares aos governos, pagas a empresas ligadas ao homem mais poderoso do esporte, Bernie Ecclestone, que comandam a administração, estrutura, logística e transmissão de todas as corridas. Lefebvre (1998) chama a atenção para a inseparável relação entre os sistemas comunicacionais e os diversos mercados, dentre os quais o próprio mercado do espaço. Não à toa o GP da França, que estava no Mundial desde o início da modalidade, em 1950, não renovou seu contrato em Após o rompimento, Ecclestone já manifestou o desejo de que o evento seja realizado num circuito de rua, em Paris, ideia rechaçada pela prefeitura da capital francesa 10. Assim, 10 SCHUEY. Ecclestone insiste em levar a F-1 até Paris. Autosport, Portugal, 01 de junho, Disponível em: f Acesso em: junho,

13 através do aumento da competitividade (SANTOS, 2000) entre lugares, firmas, grupos sociais e indivíduos cria-se o produtivismo urbano, que viabiliza a simbiose entre o lucro e prestígio. Nesta conjuntura, os administradores locais são estimulados a oferecer a cultura urbana e o patrimônio histórico para o mercado, ainda que esta oferta seja ocultada por discursos eruditos que afirmam a sua inspiração em promissoras experiências estrangeiras. (RIBEIRO, 2006, p. 44). Outro aspecto importante entre os novos GPs é que todos os circuitos são projetados pelo arquiteto alemão Hermann Tilke. Apesar de não ser oficialmente ligado a uma empresa de Bernie Ecclestone, Tilke parece estar de alguma maneira incorporado ao modelo de negócio do empresário, que desde os anos 80 se caracteriza por vender pacotes fechados aos promotores de corrida. As pistas projetadas pelo alemão, porém, têm sido criticadas por especialistas do meio, já que estariam mais preocupadas com aspectos visuais do que com o próprio esporte. Fábio Seixas, jornalista de automobilismo da Folha de São Paulo, afirma que as novas etapas não têm sido boas para a Fórmula 1. A principal crítica é que os novos circuitos seriam pensados para outros fins que não a corrida: Do ponto de vista financeiro, pra empresa do Bernie Ecclestone, é ótimo. Certamente ele vai ganhar mais dinheiro correndo no Bahrein, na China, na Malásia do que correndo em Paul Ricard, Estoril ou Le Man. Mas obviamente que pro esporte, pra quem gosta de corrida, do ponto de vista técnico, de pilotagem, do torcedor, seria muito mais legal ver a Fórmula 1 correndo num circuito bom. As grandes corridas são em circuitos antigos, que foram ficando no calendário pela qualidade que eles têm. E foram circuitos pensados pro esporte, não foram pensados pra televisão, não foram pensados visualmente, foram pensados por pilotos, por gente que entende do assunto [ ]. Minha crítica é que fica uma coisa pasteurizada. 11 As pistas perderiam seu aspecto único em cada cidade para se transformar em um produto de um mesmo arquiteto em diferentes pontos do globo. O grande impacto visual, que funciona para a televisão e impressiona o telespectador, teria sido superdimensionado nestes projetos, deixando de lado um traçado de pista que proporcione boas corridas. 11 Entrevista concedida a Folha de São Pauo em 15/07/

14 Figura 1 City Marketing e uso da imagem no Circuito Urbano de Singapura. Fonte: Acessado em 04/06/2013. Esse modelo fechado vendido aos países por Bernie Ecclestone nem sempre é exitoso. China e Turquia até hoje são fracassos de público, tanto pelo valor dos ingressos incompatível com a renda da população (como pela falta de hábito de assistir corridas de automóvel). No caso da China, há outro fator: o tamanho do circuito, refletindo simbolicamente como o país quer se projetar para o exterior. Sánchez (2003) argumenta que a produção do espaço-mercadoria envolve também a produção de representações que o acompanham. Esse espaço é concebido como lugar onde o privado se afirma, produzindo signos que parecem realizar desejos e fantasias de consumo moldados por valores da mundialidade. A principal preocupação de Bernie Ecclestone com o público que vai ao autódromo é como ele vai aparecer na televisão. Segundo a Formula One Management (FOM), em 2010 a Fórmula 1 foi vista por 527 milhões de indivíduos, com 16 mil horas de cobertura televisionadas em 187 países. Em reportagem do The New York Times sobre o retorno da Fórmula 1 aos Estados Unidos em 2012, no Texas, Dave Kallmann percebeu este atual momento do esporte: a racetrack is just a big television studio 12. Se o circuito é um estúdio, logo o público passa a ser tratado como plateia de um espetáculo, não como torcedores e fãs do esporte, uma tendência já identificada pelo antropólogo Marcos Alvito, da Universidade Federal Fluminense, no futebol: "De certa maneira, o torcedor do campo virou uma 12 COHEN, Jason. With Some Rich Car Fans, Formula One Could Work. The New York Times, Texas, 23, julho, Disponível em: Acesso em: junho,

15 espécie de figurante para o espetáculo televisivo" 13. Bernie Ecclestone nunca escondeu como vê a categoria; em entrevista a Fábio Seixas, declarou que se dependesse dele não teria gente no autódromo porque só dá trabalho. O fato é que sua principal fonte de receita não vem do valor dos ingressos da arquibancada comum ou do que é consumido no autódromo, muitas vezes explorado pelos promotores locais, mas sim de tudo que envolve a realização do evento e sua transmissão. A Fórmula 1 como espetáculo é considerada atraente até mesmo para cidades que ainda não existem. Em 2010 a Coreia do Sul estreou o seu GP num descampado na região de Yeongam, na futura cidade de Sampo District. A cidade ainda vai ser construída ao redor do autódromo, que será integrado à malha urbana, sendo transformado então em um circuito de rua. A ideia é que o local se torne um centro de atividades relacionadas ao automobilismo, visando atrair turistas e promover pesquisa na área de tecnologia. O custo, de aproximadamente US$ 1,67 bilhão, será da empresa que promove a corrida, Korea Auto Valley, junto com o governo da província de South Jeolla. A nova cidade abrigará 10 mil moradores e deve ser totalmente concluída em A evolução de sua construção será transmitida ano a ano, para todo o mundo, durante o GP da Coreia do Sul de Fórmula Neste sentido, colocar as cidades no mapa do mundo passou a ser uma meta recorrente dos governos locais, um objetivo ordenador das ações estratégicas que concentram na cidade-mercadoria a possibilidade de transcender as crises produzidas pela reestruturação econômica e construir um futuro de progresso e recuperação econômica sintonizado com as exigências da nova ordem mundial, de modo a viabilizar o crescimento econômico em novos parâmetros. (SÁNCHEZ, 2003, p. 50) Em televisão aberta, as transmissões ocorrem aos sábados, com uma hora de treino classificatório que define as posições da largada, e aos domingos, com a corrida de duas horas 15. As imagens externas da cidade são exibidas principalmente durante o treino classificatório. Realizado em três baterias, os intervalos entre cada uma são o principal espaço para mostrar o entorno do circuito e as belezas do lugar. No Grande Prêmio da Coreia do Sul, planos de uma grande ponte em construção, que dará acesso à futura cidade de Sampo Disctrit, foram ao ar com comentários dos locutores sobre o projeto 13 PINHEIRO, Daniela. A Copa do Cabo ao Rio. Revista Piauí, Rio de Janeiro, maio, Disponível em: ludopedicas/a-copa-do-cabo-ao-rio. Acesso em: junho, COREIA quer criar cidade ao redor de autódromo. LANCE!NET, 18, outubro, Fórmula 1. Disponível em: cidadeautodromo_0_ html. Acesso em: junho, Na TV a cabo se exibe também os dois treinos livres de sexta-feira e o treino livre da manhã de sábado. 15

16 coreano. Em Valência, planos aéreos do autódromo e das praias cheias do verão europeu são as preferidas. Como muitos dos novos circuitos são de rua, a cidade está presente também durante a corrida, sob os comentários dos locutores. Os momentos monótonos da transmissão são preenchidos com curiosidades sobre o local, opiniões sobre o acesso ao circuito e a rede hoteleira, os vips e as esposas dos pilotos que estão no paddock 16, e ainda elogios à arquitetura de regiões revitalizadas ou recém-construídas, normalmente à beira-mar. Uma propaganda efetiva das cidades que querem se colocar num lugar de destaque no competitivo mundo globalizado. Portanto, conforme observado por Broudehoux (2010), ( ) megaeventos afetam a paisagem urbana, não só por eles incentivarem grandes centros urbanos e projetos de infraestrutura desportivas, mas também porque promovem a estetização da paisagem urbana. Isto significa que a visibilidade e a imaginabilidade tornamse critérios orientadores para as intervenções urbanas e essa imagem de ações conscientes são priorizadas, muitas vezes em detrimento das necessidades fundamentais locais. Figura 2 Setor de marinas no Circuito Urbano de Valência e ao fundo a praia. Fonte: Acessado em 04/06/2013. Figura 3 Estetização da paisagem urbana. Imagem panorâmica do Circuito Urbano de Valência. 16 Edificação encontrada nos circuitos de automobilismo para abrigar o pessoal das equipes, veículos, oficiais de prova e convidados. 16

17 Fonte: Acessado em 04/06/ Considerações finais Portanto, entendemos que também é possível por meio do estudo do caso da Fórmula 1, visualizarmos as grandes transformações que estão ocorrendo na organização espaco-territorial em escala mundial dentro do contexto da globalização neoliberal. Porém, a Fórmula 1, assim como a sociedade atual, vive um intenso movimento de espetacularização das relações, sejam elas quais forem. A globalização, acompanhando esse processo, favorece a homogeneização de cenários e do capital cultural, as diferenças entre os lugares (pelo menos do ponto de vista arquitetônico e urbanístico) tendem a diminuir se esse processo continuar a progredir tão velozmente como está. Contudo, para o planejamento urbano de cidades emergentes, a exposição proporcionada pela Fórmula 1 é vista como uma grande oportunidade de atrair investimentos internacionais e de se inserir no restrito grupo das cidades consideradas globais. Como um esporte historicamente elitista, a Fórmula 1 vem se encaixando perfeitamente no modelo de cidade que emergiu no pós-crise, onde a diferenciação é uma característica chave (HARVEY, 1989). Os carros, a velocidade e a tecnologia de ponta da categoria mais importante do automobilismo mundial são símbolos que, na visão empresarial das administrações locais, agregam valor à marca da cidade, podendo assim ser melhor vendida como um produto para a elite global. Entretanto, a Fórmula 1, como indutora do crescimento econômico a partir de investimentos externos, assim como outros eventos esportivos, ainda tem que provar sua eficácia numa análise detalhada caso a caso. Mas, além do questionável retorno 17

18 financeiro para esses novos lugares, fica claro que está em disputa um projeto de cidade que enxerga na promoção da imagem uma oportunidade para atração de recursos do turismo de alto luxo e do mercado imobiliário especulativo, o que em tese geraria desenvolvimento econômico. Uma lógica cada vez mais fortalecida diante do apelo fácil e funcional ao espetáculo e da consolidação da diferenciação e do individualismo como valor nas sociedades capitalistas. Referências bibliográficas BROUDEHOUX, Anne-Marie. Event-led Urban Image construction: Potemkinism, the Media and the Periphery. Conferência Internacional Megaeventos e Cidades. Niterói, PPGAU/UFF, IPPUR/UFRJ, novembro, DEBORD, G. A Sociedade do Espectáculo. Rio de Janeiro: Contraponto, GUIMARÃES, Renato C. V. Megaeventos Esportivos e Cidades Globais: A Fórmula 1 em Valência, Espanha. Monografia (Especialização em Planejamento Urbano e Regional) Universidade Federal do Rio de Janeiro IPPUR, HARVEY, D. "Do gerenciamento ao empresariamento: a transformação da administração urbana no capitalismo tardio"; in Espaço e Debates, ano XVI, n. 39 pp , A Condição Pós-moderna. São Paulo: Loyola, 19ª ed., HENRY, A. The Powerbrokers: The battle for F1 s billions. St. Paul: Motorbooks International, JENKINS, M.; PASTERNAK, K.; WEST, R. Performance at the Limit: Business Lessons from Formula 1 Motor Racing. Cambridge: New York, KAPADIA, B. Formula One: the story of grand prix racing. London: New Holland Publishers, LEFEBVRE, Henry. The production of space. London, Blackwell, MARTINS, Lemyr. Os arquivos da Fórmula 1. São Paulo: Panda, MASCARENHAS, Gilmar. À Geografia dos Esportes. Uma introdução. Scripta Nova. Revista Electrónica de Geografía y Ciencias Sociales. Universidad de Barcelona nº 35, 1 de marzo de RIBEIRO, Ana Clara T. Acumulação primitiva de capital simbólico: sob a inspiração do Rio de Janeiro. In: Corpos e Cenários urbanos: territórios urbanos e políticas culturais. (JEUDY, Henri P. & JACQUES, Paola B. ogs.) Salvador: EDUFBA, SÁNCHEZ, F. Cidade Espetáculo: Política, Planejamento e City Marketing. Cutitiba: Ed. Palavra, A reinvenção das cidades para um mercado mundial. Chapecó: Argos,

19 SANTOS, Milton Por uma outra globalização: do pensamento único à consciência universal. Rio de Janeiro: Record, SASSEN, Saskia. A cidade global. In: LAVINAS, Lena; CARLEIAL, Liana Maria da Frota; NABUCO, Maria Helena (Org.). Reestruturação do espaço urbano e regional no Brasil. São Paulo: Hucitec, 1993, pp SENNETT, RICHARD. A Cultura do Novo Capitalismo. Rio de janeiro: Record, SYLT, C.; REID, C. The Business Of Formula 1 Volume 2: The Market, The Sponsors, Hospitality and The Races. Sport Business Group Ltd., TAKAI, A.M. Antecedentes da globalização: o caso da Fórmula 1. Dissertação (Mestrado em Sociologia) Universidade Estadual Paulista Júlio de Mesquita Filho, VAINER, C. Pátria, empresa e mercadoria. Notas sobre a estratégia discursiva do planejamento estratégico urbano. ARANTES; VAINER; MARICATO. A cidade do pensamento único. Desmanchando consensos. Petrópolis, Vozes, WRIGHT, P. Formula 1 Technology. Warrendale: Society of Automotive Engineers, Inc.,

entrevista: tamas rohonyi

entrevista: tamas rohonyi entrevista: tamas rohonyi GP do Brasil A fórmula 1, segundo esporte mais popular no Brasil, tem no Grande Prêmio do Brasil um exemplo de organização e arrecadação. Nesta entrevista exclusiva, seu promotor,

Leia mais

Futebol alemão X Futebol brasileiro

Futebol alemão X Futebol brasileiro Futebol alemão X Futebol brasileiro Um fez sua revolução. Outro nem começou! Novembro de 2015 A revolução na Alemanha Eliminação precoce na Eurocopa de 2000 impulsionou as mudanças. Plano de longo prazo

Leia mais

Marketing esportivo é um mercado de ouro

Marketing esportivo é um mercado de ouro 1 de 5 05/04/2010 19:37 Imprimir Reportagem / mercado Marketing esportivo é um mercado de ouro Um patrocínio para uma corrida de rua pode chegar a R$ 1 milhão. Palestras com treinadores e atletas valem

Leia mais

Marketing Esportivo. os desafios e as oportunidades. Claudinei P. Santos. Delft Consultores - ABRAESPORTE - INNE

Marketing Esportivo. os desafios e as oportunidades. Claudinei P. Santos. Delft Consultores - ABRAESPORTE - INNE Marketing Esportivo os desafios e as oportunidades Delft Consultores - ABRAESPORTE - INNE Algumas provocações... Incentivo ao esporte Integração social pelo esporte Patrocínio Copa 2014 Olimpíadas 2016

Leia mais

Projetos de intervenção urbanística no Centro Velho de São Paulo: estudo sobre seus impactos nos movimentos sociais por moradia.

Projetos de intervenção urbanística no Centro Velho de São Paulo: estudo sobre seus impactos nos movimentos sociais por moradia. Projetos de intervenção urbanística no Centro Velho de São Paulo: estudo sobre seus impactos nos movimentos sociais por moradia. Leianne Theresa Guedes Miranda lannethe@gmail.com Orientadora: Arlete Moysés

Leia mais

5 Apresentação do método de avaliação de desempenho aplicado ao Programa TV Digital para as Áreas Rurais

5 Apresentação do método de avaliação de desempenho aplicado ao Programa TV Digital para as Áreas Rurais 5 Apresentação do método de avaliação de desempenho aplicado ao Programa TV Digital para as Áreas Rurais 5.1 A Rede Globo A Rede Globo é uma das maiores redes de televisão do mundo, com milhões de espectadores

Leia mais

UM POUCO SOBRE A COPA DO MUNDO NO BRASIL

UM POUCO SOBRE A COPA DO MUNDO NO BRASIL UM POUCO SOBRE A COPA DO MUNDO NO BRASIL Julho/2013 Em 2014, o Brasil sediará a Copa do Mundo e em 2016 as Olimpíadas. Os brasileiros efetivamente são apaixonados por futebol e quando foi divulgado que

Leia mais

O capitalismo e o Advento de uma sociedade de consumo

O capitalismo e o Advento de uma sociedade de consumo O capitalismo e o Advento de uma sociedade de consumo Camila Fernandes Colégio Mãe de Deus T. 301 Resumo: A condição da redução do cidadão em consumidor, e a criação de tal cultura global, deu-se através

Leia mais

White Paper - Impacto Econômico da Copa de 2014 no Brasil 1

White Paper - Impacto Econômico da Copa de 2014 no Brasil 1 White Paper - Impacto Econômico da Copa de 2014 no Brasil 1 A Casual Auditores Independentes, empresa de auditoria especializada em entidades desportivas estuda as informações financeiras dos clubes de

Leia mais

AS NOVAS TECNOLOGIAS DA INFORMAÇÃO NUMA SOCIEDADE EM TRANSIÇÃO

AS NOVAS TECNOLOGIAS DA INFORMAÇÃO NUMA SOCIEDADE EM TRANSIÇÃO AS NOVAS TECNOLOGIAS DA INFORMAÇÃO NUMA SOCIEDADE EM TRANSIÇÃO AS NOVAS TECNOLOGIAS DA INFORMAÇÃO NUMA SOCIEDADE EM TRANSIÇÃO MÁRCIA MARIA PALHARES (márcia.palhares@uniube.br) RACHEL INÊS DA SILVA (bcpt2@uniube.br)

Leia mais

Após a década de 1990, várias pessoas em todo o mundo mantêm hábito de consumo semelhantes.

Após a década de 1990, várias pessoas em todo o mundo mantêm hábito de consumo semelhantes. A ECONOMIA GLOBAL Após a década de 1990, várias pessoas em todo o mundo mantêm hábito de consumo semelhantes. O século XX marcou o momento em que hábitos culturais, passaram a ser ditados pelas grandes

Leia mais

PLANO DE PATROCÍNIO EVENTO REGIONAL VICE-PRESIDÊNCIA COMERCIAL

PLANO DE PATROCÍNIO EVENTO REGIONAL VICE-PRESIDÊNCIA COMERCIAL PLANO DE PATROCÍNIO EVENTO REGIONAL VICE-PRESIDÊNCIA COMERCIAL Dir. Nac. de Marketing Jun/13 APRESENTAÇÃO As emoções da Copa Espírito Santo de Futebol estão de volta. A Rede Vitória, pelo sexto ano consecutivo,

Leia mais

Valorização e Globalização da Marca Brasil Plano Aquarela, Megaeventos e Marketing Turístico Internacional

Valorização e Globalização da Marca Brasil Plano Aquarela, Megaeventos e Marketing Turístico Internacional Valorização e Globalização da Marca Brasil Plano Aquarela, Megaeventos e Marketing Turístico Internacional Tribunal de Contas da União, 17 de agosto de 2011 Plano Aquarela Desde 2005 é a base metodológica

Leia mais

Nos últimos anos o mercado brasileiro de imóveis vivenciou um crescimento inacreditável, o lançamento de novas unidades mais a valorização de imóveis

Nos últimos anos o mercado brasileiro de imóveis vivenciou um crescimento inacreditável, o lançamento de novas unidades mais a valorização de imóveis Nos últimos anos o mercado brasileiro de imóveis vivenciou um crescimento inacreditável, o lançamento de novas unidades mais a valorização de imóveis usados, além do crescimento de renda da população e

Leia mais

Análise de Mercados Potenciais APRO Filmes Publicitários 2010/2011

Análise de Mercados Potenciais APRO Filmes Publicitários 2010/2011 Análise de Mercados Potenciais APRO Filmes Publicitários 2010/2011 Elaborado pela: Unidade de Inteligência Comercial - ic@apexbrasil.com.br Apex-Brasil Tel: +55 61 3426.0202 Fax: +55 61 3426.0263 www.apexbrasil.com.br

Leia mais

DA INCUBAÇÃO À ACELERAÇÃO DE NEGÓCIOS: NOVAS ROTAS DE DESENVOLVIMENTO

DA INCUBAÇÃO À ACELERAÇÃO DE NEGÓCIOS: NOVAS ROTAS DE DESENVOLVIMENTO 1 DA INCUBAÇÃO À ACELERAÇÃO DE NEGÓCIOS: NOVAS ROTAS DE DESENVOLVIMENTO Cesar Simões Salim Professor e Autor de livros de empreendedorismo cesar.salim@gmail.com Visite meu blog: http://colecaoempreendedorismo.blogspot.com/

Leia mais

Panorama Mundial (2013)

Panorama Mundial (2013) Panorama Mundial (2013) Produção mundial alcançou US$ 444 bilhões em 2013; Mesmo com os efeitos da crise internacional, registra 85% de crescimento desde 2004, a uma taxa média de 7% ao ano; 54% da produção

Leia mais

Prospecto para Patrocínadores

Prospecto para Patrocínadores Esporte Clube São Bento Prospecto para Patrocínadores Apresentação A Ogli Consultoria e Gestão de Negócios, terá a responsabilidade de gerir todo o projeto desde a captação de recursos, formação de elenco

Leia mais

Exercícios de 3ª Revolução Industrial

Exercícios de 3ª Revolução Industrial Exercícios de 3ª Revolução Industrial 1. (IFMG) Disponível em: http://autoentusiastas.blogspot.com.br/2012/10/industria-automobilistica-definidoo.html. Acesso em: 21/11/2012. A imagem retrata um cenário

Leia mais

Descrição do Sistema de Franquia. Histórico do Setor. O Fórum Setorial de Franquia

Descrição do Sistema de Franquia. Histórico do Setor. O Fórum Setorial de Franquia Descrição do Sistema de Franquia Franquia é um sistema de distribuição de produtos, tecnologia e/ou serviços. Neste sistema uma empresa detentora de know-how de produção e/ou distribuição de certo produto

Leia mais

OS PRINCIPAIS PROBLEMAS DA GESTÃO DA CADEIA DE SUPRIMENTOS

OS PRINCIPAIS PROBLEMAS DA GESTÃO DA CADEIA DE SUPRIMENTOS OS PRINCIPAIS PROBLEMAS DA GESTÃO DA CADEIA DE SUPRIMENTOS Esta seção apresenta alguns dos problemas da gestão da cadeia de suprimentos discutidos em mais detalhes nos próximos capítulos. Estes problemas

Leia mais

O Marketing Esportivo evoluiu. A Escala também.

O Marketing Esportivo evoluiu. A Escala também. O Marketing Esportivo evoluiu. A Escala também. O número de academias dobrou de 2007 a 2010; O futebol do Brasil é o 6º mais rico do mundo; Se na década de 70 tivemos as primeiras transmissões de eventos

Leia mais

CONTEXTO HISTORICO E GEOPOLITICO ATUAL. Ciências Humanas e suas tecnologias R O C H A

CONTEXTO HISTORICO E GEOPOLITICO ATUAL. Ciências Humanas e suas tecnologias R O C H A CONTEXTO HISTORICO E GEOPOLITICO ATUAL Ciências Humanas e suas tecnologias R O C H A O capitalismo teve origem na Europa, nos séculos XV e XVI, e se expandiu para outros lugares do mundo ( Ásia, África,

Leia mais

Pequenas e Médias Empresas no Canadá. Pequenos Negócios Conceito e Principais instituições de Apoio aos Pequenos Negócios

Pequenas e Médias Empresas no Canadá. Pequenos Negócios Conceito e Principais instituições de Apoio aos Pequenos Negócios Pequenas e Médias Empresas no Canadá Pequenos Negócios Conceito e Principais instituições de Apoio aos Pequenos Negócios De acordo com a nomenclatura usada pelo Ministério da Indústria do Canadá, o porte

Leia mais

O Mercado Esportivo e a Importância do Administrador: Cenário e Perspectivas

O Mercado Esportivo e a Importância do Administrador: Cenário e Perspectivas O Mercado Esportivo e a Importância do Administrador: Cenário e Perspectivas Marcelo Claro 4 de outubro de 2012 Esporte é paixão e emoção Um pouco do mercado esportivo no mundo Quase 900 milhões de pessoas

Leia mais

Perspectivas para o desenvolvimento brasileiro e a indústria de commodities minerais

Perspectivas para o desenvolvimento brasileiro e a indústria de commodities minerais Perspectivas para o desenvolvimento brasileiro e a indústria de commodities minerais João Carlos Ferraz BNDES 31 de agosto de 2008 Guia Contexto macroeconômico Políticas públicas Perpectivas do investimento

Leia mais

THE NEXT GENERATION IS NOW MANAGEMENT & CONSULTING GROUP

THE NEXT GENERATION IS NOW MANAGEMENT & CONSULTING GROUP Soluções integradas para a Indústria do turismo empresarial THE NEXT GENERATION IS NOW MANAGEMENT & CONSULTING GROUP A equipa da XYM Hospitality e os seus parceiros possuem vastos conhecimentos sobre a

Leia mais

Soluções Simples www.designsimples.com.br solucoes@designsimples.com.br

Soluções Simples www.designsimples.com.br solucoes@designsimples.com.br Soluções Simples www.designsimples.com.br solucoes@designsimples.com.br C1 Introdução Este guia traz noções essenciais sobre inovação e foi baseado no Manual de Oslo, editado pela Organização para a Cooperação

Leia mais

LOGÍSTICA Professor: Dr. Edwin B. Mitacc Meza

LOGÍSTICA Professor: Dr. Edwin B. Mitacc Meza LOGÍSTICA Professor: Dr. Edwin B. Mitacc Meza edwin@engenharia-puro.com.br www.engenharia-puro.com.br/edwin Introdução A A logística sempre existiu e está presente no dia a dia de todos nós, nas mais diversas

Leia mais

entrevista Felipe Cavalcante, Presidente da ADIT Brasil

entrevista Felipe Cavalcante, Presidente da ADIT Brasil entrevista Felipe Cavalcante, Presidente da ADIT Brasil 10 Brasil-Portugal no Ceará ABRINDO PORTAS PARA O BRASIL PRESIDENTE DA ADIT BRASIL, FELIPE CAVALCANTE DESTACA O ATUAL PANORAMA DOS INVESTIMENTOS

Leia mais

O legado e os megaeventos. Erich Beting 24/10/2012

O legado e os megaeventos. Erich Beting 24/10/2012 O legado e os megaeventos Erich Beting 24/10/2012 O que é legado? Pelo dicionário, a definição mais exata que se pode ter, quando aplicado a um megaevento esportivo, é a seguinte: Legado: o que é transmitido

Leia mais

Investimento para Mulheres

Investimento para Mulheres Investimento para Mulheres Sophia Mind A Sophia Mind Pesquisa e Inteligência de Mercado é a empresa do grupo de comunicação feminina Bolsa de Mulher voltada para pesquisa e inteligência de mercado. Cem

Leia mais

Brasil, País do ingresso mais caro do Mundo

Brasil, País do ingresso mais caro do Mundo PLURI Especial Brasil, País do ingresso mais caro do Mundo Fernando Ferreira - Economista, Especialista em Gestão e Marketing do Esporte e Pesquisa de Mercado, Diretor da Pluri Consultoria, da BrSM Brasil

Leia mais

CompuStream Plano de Negócios COMPUSTREAM CONSULTORIA LTDA.

CompuStream Plano de Negócios COMPUSTREAM CONSULTORIA LTDA. CompuStream Plano de Negócios COMPUSTREAM CONSULTORIA LTDA. A CompuStream, empresa especializada em desenvolvimento de negócios, atua em projetos de investimento em empresas brasileiras que tenham um alto

Leia mais

EUA e a Copa do Mundo 2014: uma paixão cada vez maior

EUA e a Copa do Mundo 2014: uma paixão cada vez maior EUA e a Copa do Mundo 2014: uma paixão cada vez maior Se para os Estados Unidos não existe nada maior que afinal do campeonato de futebol americano, eles têm que esperar para ver a Copa do Mundo. O que

Leia mais

Estimados colegas representantes dos países membros do Fórum das Federações, Embaixadores e delegados

Estimados colegas representantes dos países membros do Fórum das Federações, Embaixadores e delegados PRESIDENCIA DA REPÚBLICA SECRETARIA DE RELAÇÕES INSTITUCIONAIS SUBCHEFIA DE ASSUNTOS FEDERATIVOS Assunto: DISCURSO DO EXMO. SUBCHEFE DE ASSUNTOS FEDERATIVOS DA SECRETARIA DE RELAÇÕES INSTITUCIONAIS DA

Leia mais

Copa Rede. Amazônica de Futsal! APRESENTAÇÃO

Copa Rede. Amazônica de Futsal! APRESENTAÇÃO Copa Rede Amazônica de Futsal APRESENTAÇÃO A Copa Rede Amazônica de Futsal chega a sua 18ª edição em 2016. O evento leva milhares de pessoas para torcer pelos times locais e do interior, incentivando o

Leia mais

Antecedentes Históricos da Administração: Os primórdios da Administração

Antecedentes Históricos da Administração: Os primórdios da Administração Antecedentes Históricos da Administração: Os primórdios da Administração No decorrer da história da humanidade sempre existiu alguma forma simples ou complexa de administrar as organizações. O desenvolvimento

Leia mais

Espanholização do futebol brasileiro.

Espanholização do futebol brasileiro. Espanholização do futebol brasileiro. Corremos esse risco? Abril de 2013 Reflexão sobre o ambiente de negócios atual do futebol brasileiro. Marketing e Gestão Esportiva 1 O que ocorreu na Espanha O futebol

Leia mais

Caio Luiz de Carvalho Presidente

Caio Luiz de Carvalho Presidente Caio Luiz de Carvalho Presidente Os desafios do Brasil Deixar de ser espectador e se tornar ator do processo. Todos os brasileiros. Profissionais ou espectadores, envolvidos diretamente ou não. Muitas

Leia mais

PANORAMA DO MERCADO Asiático

PANORAMA DO MERCADO Asiático Boletim PANORAMA DO MERCADO Asiático Edição nº 1 Julho/2015 Coordenação Geral de Mercados Americanos/Asiático - CGMA Diretoria de Mercados Internacionais - DMINT Apresentação A série Boletim Panorama dos

Leia mais

Política de Software e Serviços

Política de Software e Serviços Política de Software e Serviços Encontro de Qualidade e Produtividade em Software - Brasília Dezembro / 2003 Ministério da Ciência e Tecnologia Secretaria de Política de Informática e Tecnologia Antenor

Leia mais

20 de dezembro de 2010. Perguntas e Respostas

20 de dezembro de 2010. Perguntas e Respostas Perguntas e Respostas Índice 1. Qual é a participação de mercado da ALL no mercado de contêineres? Quantos contêineres ela transporta por ano?... 4 2. Transportar por ferrovia não é mais barato do que

Leia mais

Legado dos Megaeventos Esportivos para o Turismo Brasileiro

Legado dos Megaeventos Esportivos para o Turismo Brasileiro Legado dos Megaeventos Esportivos para o Turismo Brasileiro Ana Isabel Mesquita de Oliveira Secretária Nacional de Políticas de Turismo Brasília, 17 de Agosto de 2011 Números País/evento Número ingresso

Leia mais

O PROJETO PORQUE PATROCINAR

O PROJETO PORQUE PATROCINAR PAIXÃO NACIONAL O gosto pelo futebol parece ser uma das poucas unanimidades nacionais do Brasil. As diferenças sociais, políticas e econômicas, tão marcantes no dia a dia do país diluem-se quando a equipe

Leia mais

A CRISE ENERGÉTICA E AS EMPRESAS DE ENERGIA DO FUTURO (*)

A CRISE ENERGÉTICA E AS EMPRESAS DE ENERGIA DO FUTURO (*) A CRISE ENERGÉTICA E AS EMPRESAS DE ENERGIA DO FUTURO (*) Enquanto o Brasil vinha insistindo em uma política energética privilegiando grandes usinas e extensas linhas de transmissão, cada vez mais distantes

Leia mais

A Lição de Lynch. O mago dos investimentos conta como ganhar nas bolsas depois de Buffet e Soros

A Lição de Lynch. O mago dos investimentos conta como ganhar nas bolsas depois de Buffet e Soros A Lição de Lynch O mago dos investimentos conta como ganhar nas bolsas depois de Buffet e Soros Por Laura Somoggi, de Marblehead (EUA) É muito provável que o nome Peter Lynch não lhe seja familiar. Ele

Leia mais

ASSOCIAÇÃO CULTURAL E EDUCACIONAL DE GARÇA FACULDADE DE CIÊNCIAS HUMANAS CURSO DE BACHARELADO EM TURISMO RA: 31.951

ASSOCIAÇÃO CULTURAL E EDUCACIONAL DE GARÇA FACULDADE DE CIÊNCIAS HUMANAS CURSO DE BACHARELADO EM TURISMO RA: 31.951 ASSOCIAÇÃO CULTURAL E EDUCACIONAL DE GARÇA FACULDADE DE CIÊNCIAS HUMANAS CURSO DE BACHARELADO EM TURISMO RA: 31.951 A ATIVIDADE TURÍSTICA E O SEGMENTO DE EVENTOS. PERSPECTIVAS DE CRESCIMENTO GRAÇAS À COPA

Leia mais

1 O Problema 1.1 Introdução

1 O Problema 1.1 Introdução 1 O Problema 1.1 Introdução As teorias de adoção e de difusão de novos produtos em tecnologia sustentam que, no lançamento, os produtos ainda são acessíveis a apenas poucos consumidores que estão dispostos

Leia mais

Guerra fria (o espaço mundial)

Guerra fria (o espaço mundial) Guerra fria (o espaço mundial) Com a queda dos impérios coloniais, duas grandes potências se originavam deixando o mundo com uma nova ordem tanto na parte política quanto na econômica, era os Estados Unidos

Leia mais

Na época dos nossos bisavós os computadores já existiam, apesar de extremamente rudimentares. Eram os computadores mecânicos, que realizavam cálculos

Na época dos nossos bisavós os computadores já existiam, apesar de extremamente rudimentares. Eram os computadores mecânicos, que realizavam cálculos Na época dos nossos bisavós os computadores já existiam, apesar de extremamente rudimentares. Eram os computadores mecânicos, que realizavam cálculos através de um sistema de engrenagens, accionado por

Leia mais

Revista EXAME: As 10 armadilhas da Previdência Complementar

Revista EXAME: As 10 armadilhas da Previdência Complementar Revista EXAME: As 10 armadilhas da Previdência Complementar Os fundos de previdência privada, sejam fechados ou abertos, têm características próprias e vantagens tributárias em relação aos investimentos

Leia mais

Melhor Prática vencedora: Monitoramento (Capital) Observatório do Turismo da Cidade de São Paulo

Melhor Prática vencedora: Monitoramento (Capital) Observatório do Turismo da Cidade de São Paulo 1 Melhor Prática vencedora: Monitoramento (Capital) Observatório do Turismo da Cidade de São Paulo DESTINO: São Paulo/SP INSTITUIÇÃO PROMOTORA: São Paulo Turismo S/A RESPONSÁVEL: Tasso Gadzanis Luiz Sales

Leia mais

{ 2 } Parque Tecnológico Capital Digital

{ 2 } Parque Tecnológico Capital Digital { 2 } Parque Tecnológico Capital Digital { 3 } 1. INTRODUÇÃO: PARQUE TECNOLÓGICO CAPITAL DIGITAL - PTCD Principal polo de desenvolvimento Científico, Tecnológico e de Inovação do Distrito Federal, o PTCD

Leia mais

Síntese do planejamento e os impactos para o país com a Copa do Mundo 2014

Síntese do planejamento e os impactos para o país com a Copa do Mundo 2014 Code-P0 Síntese do planejamento e os impactos para o país com a Copa do Mundo 2014 Encontro Nacional - Abracen Eventos Esportivos e os Impactos para o país São Paulo, 7 de março de 2012 Code-P1 O Brasil

Leia mais

Nota à imprensa. Novo estudo sigma da Swiss Re, O seguro no mundo em 2010 revela aumento do volume global de prêmios e do capital

Nota à imprensa. Novo estudo sigma da Swiss Re, O seguro no mundo em 2010 revela aumento do volume global de prêmios e do capital Nota à imprensa ab Novo estudo sigma da Swiss Re, O seguro no mundo em 2010 revela aumento do volume global de prêmios e do capital Contatos: Daniel Staib, Zurique Telefone +41 43 285 8136 Thomas Holzheu,

Leia mais

Contribuição da TIA/TEC-LA para a ANATEL sobre o gerenciamento do espectro de rádio-frequência

Contribuição da TIA/TEC-LA para a ANATEL sobre o gerenciamento do espectro de rádio-frequência Contribuição da TIA/TEC-LA para a ANATEL sobre o gerenciamento do espectro de rádio-frequência Sendo uma organização que representa os interesses de fabricantes e fornecdores de produtos e sistemas para

Leia mais

Brasileiro faz plano de banda larga dos EUA

Brasileiro faz plano de banda larga dos EUA Brasileiro faz plano de banda larga dos EUA 4 de outubro de 2009 O brasileiro Carlos Kirjner, nomeado pelo presidente Barack Obama para o cargo de conselheiro do diretor-geral da Comissão Federal de Comunicações

Leia mais

O programa de urbanização de favelas da prefeitura de São Paulo um estudo de caso da favela de Heliópolis

O programa de urbanização de favelas da prefeitura de São Paulo um estudo de caso da favela de Heliópolis O programa de urbanização de favelas da prefeitura de São Paulo um estudo de caso da favela de Heliópolis Fabiana Cristina da Luz luz.fabiana@yahoo.com.br Universidade Cruzeiro do Sul Palavras-chave: Urbanização

Leia mais

BREVE APRESENTACAO, ~

BREVE APRESENTACAO, ~ BREVE APRESENTACAO, ~ Jornal era considerado mídia obrigatória O principal diferencial costumava ser o volume de circulação, principalmente se o jornal era auditado pelo IVC. Os jornais eram procurados

Leia mais

A CARTA DE BANGKOK PARA A PROMOÇÃO DA SAÚDE EM UM MUNDO GLOBALIZADO

A CARTA DE BANGKOK PARA A PROMOÇÃO DA SAÚDE EM UM MUNDO GLOBALIZADO A CARTA DE BANGKOK PARA A PROMOÇÃO DA SAÚDE EM UM MUNDO GLOBALIZADO Introdução Escopo A Carta de Bangkok identifica ações, compromissos e promessas necessários para abordar os determinantes da saúde em

Leia mais

Porque estádios tão vazios? Pt. 3. 17 Motivos para NÃO ir aos Estádios. Fernando Ferreira

Porque estádios tão vazios? Pt. 3. 17 Motivos para NÃO ir aos Estádios. Fernando Ferreira PLURI Especial Porque estádios tão vazios? Pt. 3 17 Motivos para NÃO ir aos Estádios PLURI Consultoria Pesquisa, Valuation, Gestão e marketing Esportivo. Curitiba-PR Twitter: @pluriconsult www.facebook/pluriconsultoria

Leia mais

PROGRAMA DE GOVERNO DA FRENTE POPULAR A FAVOR DO AMAPÁ PROPOSTAS PARA O AMAPÁ CONTINUAR AVANÇANDO

PROGRAMA DE GOVERNO DA FRENTE POPULAR A FAVOR DO AMAPÁ PROPOSTAS PARA O AMAPÁ CONTINUAR AVANÇANDO PROGRAMA DE GOVERNO DA FRENTE POPULAR A FAVOR DO AMAPÁ PROPOSTAS PARA O AMAPÁ CONTINUAR AVANÇANDO MACAPÁ-AP JULHO DE 2014 ÍNDICE APRESENTAÇÃO 1 INTRODUÇÃO 2 DIRETRIZES 3 PRINCÍPIOS 4 OBJETIVOS ESTRATÉGICOS

Leia mais

A REORIENTAÇÃO DO DESENVOLVIMENTO INDUSTRIAL BRASILEIRO IBGC 26/3/2015

A REORIENTAÇÃO DO DESENVOLVIMENTO INDUSTRIAL BRASILEIRO IBGC 26/3/2015 A REORIENTAÇÃO DO DESENVOLVIMENTO INDUSTRIAL BRASILEIRO IBGC 26/3/2015 1 A Situação Industrial A etapa muito negativa que a indústria brasileira está atravessando vem desde a crise mundial. A produção

Leia mais

Observe o circuito mundial que o aparelho percorre, desde a idealização até o produto final:

Observe o circuito mundial que o aparelho percorre, desde a idealização até o produto final: Questão 1: Leia as informações abaixo: Na tampa traseira do ipod, a frase Designed by Apple in Califórnia. Assembled in China (Projetado pela Apple na Califórnia. Montado na China) é um exemplo de como

Leia mais

MARKETING INTERNACIONAL

MARKETING INTERNACIONAL ALUNO RA TURMA SALA DATA / / 2014 UNIVERSIDADE SÃO JUDAS TADEU FACULDADES DE CIÊNCIAS HUMANAS E SOCIAIS PROGRAMA DE REVISÃO INTEGRADA DE ADMINISTRAÇÃO PRIAD 2014 MARKETING INTERNACIONAL PROF. MS ALEXANDRE

Leia mais

Campeonato Alagoano 2014 Período: Janeiro a maio de 2014. Campeonato Alagoano

Campeonato Alagoano 2014 Período: Janeiro a maio de 2014. Campeonato Alagoano Campeonato Alagoano 2014 Período: Janeiro a maio de 2014 Campeonato Alagoano A emoção do Campeonato Alagoano faz parte da programação da TV Pajuçara desde 2008. E, de lá pra cá, já virou tradição de todo

Leia mais

PROJETO PEDAGÓGICO DE POS GRADUAÇÃO LATO SENSU 2014/2015

PROJETO PEDAGÓGICO DE POS GRADUAÇÃO LATO SENSU 2014/2015 PROJETO PEDAGÓGICO DE POS GRADUAÇÃO LATO SENSU 2014/2015 1- JUSTIFICATIVA O setor de eventos vem passando por uma grande reformulação. Dos eventos corporativos, hoje mais bem estruturados e com foco específico,

Leia mais

Colégio São Paulo Geografia Prof. Eder Rubens - 2013

Colégio São Paulo Geografia Prof. Eder Rubens - 2013 Colégio São Paulo Geografia Prof. Eder Rubens - 2013 CAP. 02 A Dinâmica dos espaços da Globalização. (9º ano) *Estudaremos a difusão do modo capitalista de produção, ou seja, do modo de produzir bens e

Leia mais

No modo de produção escravista os trabalhadores recebiam salários muito baixos.

No modo de produção escravista os trabalhadores recebiam salários muito baixos. Atividade extra Fascículo 2 Sociologia Unidade 3 Questão 1 Leia com atenção o texto de Paul Lovejoy sobre escravidão: Enquanto propriedade, os escravos eram bens móveis: o que significa dizer que eles

Leia mais

6. Considerações finais

6. Considerações finais 84 6. Considerações finais Nesta dissertação, encontram-se registros de mudanças sociais que influenciaram as vidas de homens e mulheres a partir da chegada das novas tecnologias. Partiu-se da Revolução

Leia mais

Planejamento Estratégico

Planejamento Estratégico Planejamento Estratégico Análise externa Roberto César 1 A análise externa tem por finalidade estudar a relação existente entre a empresa e seu ambiente em termos de oportunidades e ameaças, bem como a

Leia mais

Ensino Fundamental II

Ensino Fundamental II Ensino Fundamental II Valor do trabalho: 2.0 Nota: Data: /dezembro/2014 Professora: Angela Disciplina: Geografia Nome: n o : Ano: 8º Trabalho de Recuperação Final de Geografia ORIENTAÇÕES: Leia atentamente

Leia mais

Atingir Escolinhas de Futebol e Futsal em todos os Estados Brasileiros, oferecendo uma competição de alto nível, planejada, organizada e contínua;

Atingir Escolinhas de Futebol e Futsal em todos os Estados Brasileiros, oferecendo uma competição de alto nível, planejada, organizada e contínua; A ABEFF A ABEFF é uma associação sem fins lucrativos que visa oportunizar, organizar, representar e defender as entidades que se denominam Escolinhas de Futebol e de Futsal e Futsete, setor este, que tem

Leia mais

Os territórios e suas abordagens de desenvolvimento regional / local. Cleonice Alexandre Le Bourlegat

Os territórios e suas abordagens de desenvolvimento regional / local. Cleonice Alexandre Le Bourlegat Os territórios e suas abordagens de desenvolvimento regional / local Cleonice Alexandre Le Bourlegat Complexidade sistêmica e globalização dos lugares A globalidade (conectividade em rede) do planeta e

Leia mais

Seja um Profissional em Energia Solar

Seja um Profissional em Energia Solar Seja um Profissional em Energia Solar Nós, da Blue Sol, acreditamos no empoderamento de todos os consumidores de energia elétrica no Brasil através da possibilidade de geração própria da energia consumida.

Leia mais

Exportação de Serviços

Exportação de Serviços Exportação de Serviços 1. Ementa O objetivo deste trabalho é dar uma maior visibilidade do setor a partir da apresentação de algumas informações sobre o comércio exterior de serviços brasileiro. 2. Introdução

Leia mais

Vantagens competitivas e estratégicas no uso de operadores logísticos. Prof. Paulo Medeiros

Vantagens competitivas e estratégicas no uso de operadores logísticos. Prof. Paulo Medeiros Vantagens competitivas e estratégicas no uso de operadores logísticos Prof. Paulo Medeiros Introdução nos EUA surgiram 100 novos operadores logísticos entre 1990 e 1995. O mercado para estas empresas que

Leia mais

História da propaganda brasileira: dos fatos à linguagem

História da propaganda brasileira: dos fatos à linguagem História da propaganda brasileira: dos fatos à linguagem A trajetória A cada período da trajetória, em cada contexto social em que se inseriu, a publicidade encontrou a sua maneira de dizer, dialogando

Leia mais

O Valor estratégico da sustentabilidade: resultados do Relatório Global da McKinsey

O Valor estratégico da sustentabilidade: resultados do Relatório Global da McKinsey O Valor estratégico da sustentabilidade: resultados do Relatório Global da McKinsey Executivos em todos os níveis consideram que a sustentabilidade tem um papel comercial importante. Porém, quando se trata

Leia mais

Nas Ruas de BH. BIENAL ANTP de MARKETING 2.006 Categoria: Marketing Institucional. Empresa de Transportes e Trânsito de Belo Horizonte - BHTRANS

Nas Ruas de BH. BIENAL ANTP de MARKETING 2.006 Categoria: Marketing Institucional. Empresa de Transportes e Trânsito de Belo Horizonte - BHTRANS BIENAL ANTP de MARKETING 2.006 Categoria: Marketing Institucional Nas Ruas de BH Empresa de Transportes e Trânsito de Belo Horizonte - BHTRANS Responsável pela Experiência: Rodrigo César Magalhães Silva

Leia mais

Entrevista Jornal Zero Hora (RS)

Entrevista Jornal Zero Hora (RS) Entrevista Jornal Zero Hora (RS) ZH: Grifes europeias estariam voltando seus olhos para emergentes como o Brasil em razão da crise em seus países de origem. Vamos ver abrir mais lojas de produtos de luxo

Leia mais

SÍNTESE PROJETO PEDAGÓGICO. Missão

SÍNTESE PROJETO PEDAGÓGICO. Missão SÍNTESE PROJETO PEDAGÓGICO CURSO: TURISMO ( bacharelado) Missão Formar profissionais humanistas, críticos, reflexivos, capacitados para planejar, empreender e gerir empresas turísticas, adaptando-se ao

Leia mais

01/12/2012 MEIO AMBIENTE E RESPONSABILIDADE SOCIAL. Guarantã do Norte/MT A SOCIEDADE ESTÁ EM TRANSFORMAÇÃO

01/12/2012 MEIO AMBIENTE E RESPONSABILIDADE SOCIAL. Guarantã do Norte/MT A SOCIEDADE ESTÁ EM TRANSFORMAÇÃO MEIO AMBIENTE E RESPONSABILIDADE SOCIAL Guarantã do Norte/MT A SOCIEDADE ESTÁ EM TRANSFORMAÇÃO TAREFAS ESTRUTURA PESSOAS AMBIENTE TECNOLOGIA ÊNFASE NAS TAREFAS Novos mercados e novos conhecimentos ÊNFASE

Leia mais

Palavras-chave: Peças publicitárias; comerciais marcantes; televisão; criatividade. Área do conhecimento: Ciências Sociais Aplicadas.

Palavras-chave: Peças publicitárias; comerciais marcantes; televisão; criatividade. Área do conhecimento: Ciências Sociais Aplicadas. COMERCIAIS MARCANTES Açucena Vieira de Morais, Daniella Zarro Teixeira Silva Pinto, James da Silva Costa, Ariane Fernanda da Silva Costa, Silene Fernandes Bicudo Univap Universidade do Vale do Paraíba/FCSAC

Leia mais

Conheça a trajetória da empresa no Brasil através desta entrevista com o Vice- Presidente, Li Xiaotao.

Conheça a trajetória da empresa no Brasil através desta entrevista com o Vice- Presidente, Li Xiaotao. QUEM É A HUAWEI A Huawei atua no Brasil, desde 1999, através de parcerias estabelecidas com as principais operadoras de telefonia móvel e fixa no país e é líder no mercado de banda larga fixa e móvel.

Leia mais

biblioteca Cultura de Inovação Dr. José Cláudio C. Terra & Caspar Bart Van Rijnbach, M Gestão da Inovação

biblioteca Cultura de Inovação Dr. José Cláudio C. Terra & Caspar Bart Van Rijnbach, M Gestão da Inovação O artigo fala sobre os vários aspectos e desafios que devem ser levados em consideração quando se deseja transformar ou fortalecer uma cultura organizacional, visando a implementação de uma cultura duradoura

Leia mais

A ascensão dos subdesenvolvidos. Geografia Professor Daniel Nogueira

A ascensão dos subdesenvolvidos. Geografia Professor Daniel Nogueira GE GRAFIA A ascensão dos subdesenvolvidos Geografia Professor Daniel Nogueira Os grupos econômicos são grupos de países com comportamento econômico específico. Geralmente economias com aspectos semelhantes.

Leia mais

Gestão e Marketing Esportivo. Prof. José Carlos Brunoro

Gestão e Marketing Esportivo. Prof. José Carlos Brunoro Gestão e Marketing Esportivo Prof. José Carlos Brunoro O Sucesso depende de 3 pontos importantes 1. CONHECIMENTO 2. LIDERANÇA 3. CONDUTA PESSOAL 1 CONHECIMENTO Estudo Constante Aprender com todos Idioma

Leia mais

Profissionais Portugueses no Brasil. Empresas Familiares

Profissionais Portugueses no Brasil. Empresas Familiares Profissionais Portugueses no Brasil Empresas Familiares Tópicos Abordados As Gerações e o Mercado de Trabalho Empresas Familiares no Brasil Cenário Brasileiro e Estatísticas de Emprego no Brasil Características

Leia mais

PROJETO DE LEI Nº, DE 2015

PROJETO DE LEI Nº, DE 2015 PROJETO DE LEI Nº, DE 2015 (Do Sr. Betinho Gomes) Acrescenta dispositivos ao artigo 42 da Lei nº 9.615, de 24 de março de 1998, para dispor sobre a distribuição dos recursos oriundos da comercialização

Leia mais

Entre esses eventos, destacam-se, recentemente:

Entre esses eventos, destacam-se, recentemente: Resumo Com a criação do Ministério do Turismo em 2003, o Brasil passa a ter, pela primeira vez em sua história, um ministério voltado exclusivamente para a atividade turística. A partir de então a Embratur

Leia mais

Turismo de (bons) negócios. 26 KPMG Business Magazine

Turismo de (bons) negócios. 26 KPMG Business Magazine Turismo de (bons) negócios 26 KPMG Business Magazine Segmento ganha impulso com eventos internacionais e aumento da demanda interna Eventos mobilizaram mais de R$ 20,6 bilhões em 2011 A contagem regressiva

Leia mais

Marketing Esportivo Grande chance do Brasil virar o jogo e entrar para o Primeiro Mundo. São Paulo, 12 de agosto de 2010

Marketing Esportivo Grande chance do Brasil virar o jogo e entrar para o Primeiro Mundo. São Paulo, 12 de agosto de 2010 Marketing Esportivo Grande chance do Brasil virar o jogo e entrar para o Primeiro Mundo São Paulo, 12 de agosto de 2010 Agenda Quem Somos Marketing Esportivo Comunicação Total Patrocinados Patrocinadores

Leia mais

CARACTERÍSTICAS OBJETIVOS PRODUTOS

CARACTERÍSTICAS OBJETIVOS PRODUTOS INTRODUÇÃO Niterói - cidade considerada digital já em 1999 é uma das mais conectadas em banda larga do país. Na cidade conhecida por seus belos casarões, museus e centros culturais, foi criada em agosto

Leia mais

Para informação adicional sobre os diversos países consultar: http://europa.eu.int/information_society/help/links/index_en.htm

Para informação adicional sobre os diversos países consultar: http://europa.eu.int/information_society/help/links/index_en.htm Anexo C: Súmula das principais iniciativas desenvolvidas na Europa na área da Sociedade de Informação e da mobilização do acesso à Internet em banda larga Para informação adicional sobre os diversos países

Leia mais

Desenvolvimento de Pessoas na Administração Pública. Assembléia Legislativa do Estado de Säo Paulo 14 de outubro de 2008

Desenvolvimento de Pessoas na Administração Pública. Assembléia Legislativa do Estado de Säo Paulo 14 de outubro de 2008 Desenvolvimento de Pessoas na Administração Pública Assembléia Legislativa do Estado de Säo Paulo 14 de outubro de 2008 Roteiro 1. Contexto 2. Por que é preciso desenvolvimento de capacidades no setor

Leia mais

Rede IPTV DX - Clubes Desportivos

Rede IPTV DX - Clubes Desportivos White Paper 24 de Setembro de 2014 Rede IPTV DX - Clubes Desportivos Alcançando e realizando o potencial do torcedor móvel IPTV Móvel para Clubes Desportivos - DX - 1 O negócio de mídia e venda para torcedores

Leia mais

Panorama da avaliação de programas e projetos sociais no Brasil. Martina Rillo Otero

Panorama da avaliação de programas e projetos sociais no Brasil. Martina Rillo Otero Panorama da avaliação de programas e projetos sociais no Brasil Martina Rillo Otero 1 Sumário Objetivos da pesquisa Metodologia Quem foram as organizações que responderam à pesquisa? O que elas pensam

Leia mais

O LEGADO DOS MEGAEVENTOS ESPORTIVOS PARA O BRASIL

O LEGADO DOS MEGAEVENTOS ESPORTIVOS PARA O BRASIL O LEGADO DOS MEGAEVENTOS ESPORTIVOS PARA O BRASIL MEGAEVENTOS CHEGANDO. COPA DO MUNDO FIFA EM 2014... OLIMPÍADAS EM 2016... Qual o legado real desses megaeventos para nosso país? Qual o custo (financeiro

Leia mais