FÓRMULA 1 E CIDADES: O ESPORTE-ESPETÁCULO NAS ESTRATÉGIAS EMPRESARIAL E TERRITORIAL 1

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "FÓRMULA 1 E CIDADES: O ESPORTE-ESPETÁCULO NAS ESTRATÉGIAS EMPRESARIAL E TERRITORIAL 1"

Transcrição

1 FÓRMULA 1 E CIDADES: O ESPORTE-ESPETÁCULO NAS ESTRATÉGIAS EMPRESARIAL E TERRITORIAL 1 Vitor Hugo dos Santos Teixeira Universidade Federal Fluminense Resumo A partir dos anos 2000, a Fórmula 1 como um evento esportivo de exibição mundial, passou a ser disputada pelos governos locais de cidades que almejam o status global. Sendo um esporte historicamente elitista, se encaixa perfeitamente no modelo de cidade que emergiu no pós-crise, onde a diferenciação é uma característica chave. Os carros, a velocidade e a tecnologia de ponta da categoria mais importante do automobilismo mundial são símbolos que, na visão empresarial de seus organizadores e das administrações locais, agregam valor à marca da cidade, podendo assim ser vendida como um produto para a elite global, através, sobretudo, do mecanismo institucional do City Marketing. Palavras-chave: Megaeventos Esportivos, City Marketing e Cidades Globais. Grupo de trabalho nº 12 O local e o global na produção da cidade espetáculo: retóricas, coalizações e resistência popular. 1 Trabalho sob orientação da Prof.ª Dr.ª Fernanda Ester Sánchez Garcia do PPGAU EAU/UFF/RJ.

2 "A Fórmula 1 é um tempo perdido se não for para vencer." (Airton Senna da Silva) 1. Introdução O presente trabalho tem como objetivo compreender como a Fórmula 1 vem servindo ao empresariamento urbano, modelo de gestão das cidades que tem como característica se utilizar de grandes eventos para se legitimar. Como a categoria mais avançada do esporte a motor, a Fórmula 1 mobiliza milhares de profissionais em diversos países, alcança milhões de espectadores em todo o mundo e demanda enormes investimentos financeiros. Essa categoria esportiva tornou-se um verdadeiro fenômeno global e representa um segmento importante para análise da influência no desenvolvimento de estratégias de promoção e venda de novas cidades dentro de um cenário mundial, através, sobretudo, do mecanismo institucional do City Marketing (SÁNCHEZ, 1997). A gestão empresarial das cidades surgiu no início da década de 70, com o aumento da desindustrialização e do desemprego nas grandes cidades do mundo capitalista avançado. Fortaleceu-se assim o discurso dos benefícios da racionalidade do mercado e da privatização, e de que um comportamento empresarial e competitivo seria a saída para essa cidade em crise. Um ambiente mais flexível ao desenvolvimento pósindustrial, focado em turismo e serviços, dinamizaria a economia local e atrairia vultosos fluxos de investimento. A esse movimento o geógrafo britânico David Harvey (1989) chamou de empresariamento urbano, que viria a substituir o gerenciamento das décadas anteriores. Se alguma cidade pode ser considerada símbolo da recuperação através do empresariamento é Barcelona. Além do legado (palavra desde então incorporada ao vocabulário dos políticos) deixado pelos Jogos Olímpicos de 1992, houve um esforço intenso para vendê-la como um modelo a ser seguido. Os sociólogos Jordi Borja e Manuel Castells, patrocinados por agências multilaterais, estiveram presentes em seminários em todo o mundo e produziram documentos que são verdadeiras receitas para as cidades (VAINER, 2000). É nesse contexto que a Fórmula 1, como um evento esportivo de exibição mundial, passou a ser também disputada pelos governos locais de cidades que almejam o status internacional. Novas etapas têm sido incluídas no calendário ano após ano, ou 2

3 em corridas extras ou em substituição às antigas. Grandes Prêmios (GPs) tradicionais como os de San Marino e França cederam espaço para Bahrein, China, Turquia, Singapura, Valência, Abu Dhabi, Coreia do Sul e Índia. O ano de 2012 teve o maior número de corridas da história do Campeonato Mundial: 20 (ver mapa 2). Portanto, procuraremos mostrar neste artigo como o empresariamento urbano encontrou na Fórmula 1 um microcosmo perfeito, no qual, inseparavelmente, são desenvolvidas diversas atividades econômicas, políticas e culturais. Além disso, entendemos que o circuito mundial dessa categoria automobilística representa um antro laboratorial global de pesquisas tecnológicas, não só relacionadas ao esporte em si, mas também na produção e promoção de novos territórios com fins empresariais. 2. Globalização e (re)produção do capitalismo mundial na f1 Sendo a Fórmula 1 um megaevento esportivo de grande expressão e repercussão em nível global, vemos que diversos aspectos da sociedade capitalista se desenvolvem, e são envolvidas nesse meio, podendo ser destacadas, principalmente, a relação de mercado e de consumo envolvido em seu ambiente, bem como a (re)produção do espaço capitalista internacional. Além disso, a F-1 é um laboratório mundial de pesquisas tecnológicas. Assim, permite ser considerado um espaço de alta tecnologia em que somente os melhores conseguem adentrar e fixar-se. A globalização encontra na Fórmula 1 um microcosmo perfeito no qual são desenvolvidos todas as suas atividades econômicas, políticas, espaciais e culturais, já que todas elas parecem estar vivendo um momento de convergência. As atividades econômicas desenvolvidas são principalmente as relações de trabalho, consumo e mercado, as quais acompanham em ritmo acelerado as mudanças da sociedade. Mesmo assim, não podemos nos esquecer de que a Fórmula 1 é um negócio lucrativo restrito a um ínfimo número de homens extremamente ricos e influentes. Novamente aparece sua característica elitista. A relação capitalista é estrutural, as equipes que antes se constituíam nas chamadas escuderias, passaram a ser chamadas de equipes devido aos milionários contratos de patrocínio, publicidade e/ou as associações com fabricantes de motores. Porém, os fabricantes de veículos não se contentaram apenas com o patrocínio. Atualmente, estão comprando equipes ou estão se coligando a qualquer delas. A participação das indústrias automobilísticas acirra as disputas nas pistas e busca atrair o 3

4 interesse do público pelo espetáculo, bem como ampliar a influência no mercado de consumo. Harvey argumenta que, o capitalismo tem de preparar o terreno para uma expansão do produto e um crescimento em valores reais (e, eventualmente, atingílos), pouco importando as consequências sociais, políticas, geopolíticas ou ecológicas. Na medida em que a virtude vem da necessidade, um dos pilares básicos da ideologia capitalista é que o crescimento é tanto inevitável como bom. HARVEY, 2010, p.166). A valorização econômica e financeira passa a fazer parte da rotina do grande prêmio. O consumo é estimulado para que as negociações deem lucro, pilotos são garotos-propagandas e carros são veículos de propaganda. Os interesses econômicos estão acima de qualquer atitude esportiva ou moralmente correta. Os pilotos não têm mais o direito de decidir sozinhos a suas ações na corrida, é transparente a sua posição de trabalhador que precisa cumprir regras e acordos anteriormente assumidos. É uma situação de hierarquização econômica da relação de trabalho, com direito a compra e venda de mão-de-obra e sua sujeição aos interesses do capitalista dentro do esporte. As bases das relações de trabalho, na Fórmula 1, são semelhantes à de uma empresa capitalista em que se preza a eficiência no trabalho, onde os privilégios atingem os melhores empregados e ocorre o trabalho excessivo para alguns. O luxo que vive a Fórmula 1, está amalgamado com diversos aspectos sombrios. A relação de trabalho expressa a questão do poder, estabelecido e demarcado, seja no contrato ou pela mídia especulativa na esfera da relação dos pilotos com seus companheiros e com seus chefes. Os contratos exercem pressão sobre a conduta do piloto dentro e fora das pistas, tendo que seguir aos interesses da equipe e subjugando seus próprios desejos. Assim, Sennett nos mostra que na sociedade moderna, especialmente em instiuições dinâmicas, a busca do talento efetivamente funciona num contexto de inclusão social. Os mesmos testes, avaliações e datas importantes que recompensam os melhores servem de base para descartar outros, abaixo deste nível de elite. (SENNETT, 2006, p. 106). Outra característica interessante desse esporte é a diversidade de nacionalidades dos pilotos. Antes centrada na Europa, os europeus eram os privilegiados, sendo considerado um esporte mundial, mas de raízes locais. Entretanto, atualmente há pilotos de quatro dos cinco continentes. Porém, as equipes, embora sejam variadas, as nacionalidades estão majoritariamente localizadas nos chamados países centrais. O que pode ser considerado como mundial em sua totalidade, são as equipes como um todo, que podem ter a sede em um país, pilotos de outro, motor de outro e os 4

5 patrocinadores de toda a parte do mundo, assim como seus torcedores e/ou consumidores. Estes são, sem dúvida, aspectos do global dentro do esporte. As fronteiras na Fórmula 1, embora sejam difíceis de serem demarcadas, elas existem para diferenciar culturas e territórios, já que a economia de modo geral não pode ser pensada apenas localmente. As relações se dão globalmente, há uma interdependência financeira, tecnológica e industrial, na qual estão envolvidos as equipes e seus patrocinadores agravando a relação de dependência entre as equipes. A questão local na Fórmula 1 parece estar mais envolvida nas corridas, onde a cidade ao sediar uma etapa do campeonato deve se adequar sob vários aspectos às necessidades impostas pela Federação Internacional de Automobilismo (FIA) 2, tais como: a estrutura dos autódromos e circuitos urbanos, das arquibancadas, do transporte e do alojamento de pilotos e equipamentos/acessórios (logística), de tal modo que os ambientes desta categoria esportiva passaram a ter estruturas semelhantes em vários países. Este é um megaevento turístico que há algum tempo vem influenciando na dinâmica de transação e movimentação econômica. O Circuito mundial da Fórmula 1 é um negócio rentável de várias maneiras, tanto nas comunicações pela propaganda explícita como na venda dos direitos de transmissão. Por isso, prevalece a necessidade da informação e da publicidade. Conforme Broudehoux (2010), quando relaciona os megaeventos com seu alto nível de midiatização, a autora acredita que na idade da televisão global, a maior parte dos lucros reais dos grandes eventos esportivos decorrem, principalmente, dos direitos de transmissão em escala mundial. A difusão da informação só foi possível no mundo globalizado, após a formação de conglomerados internacionais de multimídia, que contaram ainda com o desenvolvimento tecnológico: os satélites, a microeletrônica e a digitalização, por exemplos. No capitalismo, ciência e tecnologia são utilizadas como mercadorias. O que está presente na Fórmula 1 é o consumo que se faz desde o projeto do carro. Tanto ciência quanto tecnologia assumem papeis decisivos, pois possibilitam o desenvolvimento do carro e o envolvimento de ambas com a técnica e a arte do engenheiro mecânico. Fazendo desse esporte algo complexo que, integrando arte de pilotagem e design, transformam engenheiros e projetistas em artistas capacitados no desenvolvimento tanto 2 O regulamento da Fórmula 1 é administrado pela FIA, a principal entidade internacional regulamentadora de corridas de automóveis e também a federação internacional para associações automobilísticas (SYLT e REID, 2006, p. 33). 5

6 da beleza quanto das inovações tecnológicas. Proporciona, assim, um espetáculo de velocidade, envolvendo o homem e a máquina unidos pela técnica de pilotagem e o conhecimento. Segundo Harvey, num mundo de rápidas mudanças de gostos e necessidades e de sistemas de produção flexíveis (em oposição ao mundo relativamente estável do fordismo padronizado), o conhecimento da última técnica, do mais novo produto, da mais recente descoberta científica, implica a possibilidade de alcançar uma importante vantagem competitiva. (HARVEY, 2010, p. 151). A Fórmula 1 enquanto um veículo de propaganda mundial com telespectadores/consumidores em todo o mundo, é um negócio altamente rentável. É o produto sendo mostrado em uso, sendo um ponto de contato direto entre produtor e consumidor. As equipes estão interessadas em patrocinadores lucrativos por isso as grandes montadoras tendem a dominar as equipes pequenas, pois estas precisam de capital e concentração de investimento para serem competitivas. Com isso, a categoria mais importante do automobilismo mundial, vive um constante ritmo de mudanças tecnológicas, seja através da adequação dos carros às normas e regras da FIA, seja pelo desenvolvimento dos meios comunicacionais ou da eletrônica. Este espaço metamorfoseia um laboratório tecnológico de altíssima qualidade e de controle de qualidade no qual o erro não é perdoado e a perfeição é o objetivo principal para conseguir provar os desafios dos circuitos, da tecnologia e do limite da capacidade humana. Busca-se ser o melhor para que se possa ter uma mercadoria de qualidade a ser vendida, ou seja, o mercado da Fórmula 1 não se restringe apenas a comercialização nos autódromos ou a merchandising, pois ela engloba mercadorias como ciência, tecnologia e informação, todas dotadas de valores que serão apropriadas por empresas e distribuídas aos países sedes, em vista de uma produção rentável. Segundo Gilmar Mascarenhas (1999), o esporte deve ser encarado como uma atividade econômica, particularmente quando realizado em caráter oficial, de competição, e oferecido à sociedade (público espectador) como um artigo de consumo. Enquanto atividade econômica voltada para o entretenimento comercializado, o esporte precisa ser oferecido em lugares apropriados. Portanto, a Fórmula 1, enquanto laboratório, não só testa como possibilita o desenvolvimento de cada novo equipamento. Por trás dos pilotos há uma multidão de especialistas da esfera empresarial que transformam esse campeonato num verdadeiro espetáculo artístico, tecnológico e publicitário. Dentro desses parâmetros, a F-1 se enquadra no perfil de eventos que transcendem fronteiras territoriais. 6

7 3. Antecedentes e bastidores da fórmula 1: uma nota Apesar de a história moderna dos Grandes Prêmios de Fórmula 1 ter começado apenas em 1950, o surgimento do esporte data de um período bem anterior. Segundo Kapadia (2006), a invenção do motor a vapor no século XVIII deu início à 1ª Revolução Industrial, revolucionando o modo de produção em níveis tanto econômicos como sociais. No fim do século XIX o desenvolvimento de outra grande invenção transformaria o mundo novamente: o motor de combustão interna. A Fórmula 1 foi estabelecida oficialmente em 1950, com a criação do primeiro Campeonato Mundial de Pilotos de Fórmula 1 pela Federação Internacional de Automobilismo (FIA). Martins (1999) lembra que a primeira corrida ocorreu em 13 de maio de 1950 no autódromo de Silverstone, na Grã-Bretanha, e foi vencida por Giuseppe Farina, que também viria a ganhar o campeonato naquele mesmo ano. Apesar do nome (Campeonato Mundial de Fórmula 1), Jenkins et al. (2007) explicam que o campeonato era basicamente europeu, com seis corridas na Europa (Grã-Bretanha, Mônaco, Suíça, Bélgica, França e Itália) e apenas uma nos Estados Unidos, as 500 Milhas de Indianápolis. A Fórmula 1 da década de 1950 era muito diferente da que se conhece nos dias de hoje. Não existia transmissão televisiva, patrocínios ou mesmo autódromos. Com estruturas precárias e poucos investimentos, os interesses eram predominantemente esportivos. Inclusive, até a explosão do patrocínio comercial em 1960, os carros costumavam correr nas cores nacionais de cada um. Diversos autores, como Martins (1999) e Takai (2005), classificam este período como a era romântica da Fórmula 1. No entanto, foram os anos da década de 1960 que marcaram a consagração da Fórmula 1 no mundo automobilístico. Como esclarece Wright (2001), foi nesta ocasião que a categoria sofreu suas mais profundas mudanças, passando por uma verdadeira revolução tecnológica, comandada, principalmente, por Colin Chapman (o grande instituidor do monocoque 3 na F-1) e pela utilização da aerodinâmica. A intensificação do uso da tecnologia tornaria o esporte mais competitivo e, portanto, mais lucrativo, marcando o fim do romantismo que predominou na Fórmula 1 por toda a década de Mais do que um esporte, a Fórmula 1 se tornaria, principalmente no fim dos anos 60 e início dos 70, um negócio altamente lucrativo, onde os interesses capitalistas 3 Fuselagem - é a camada de proteção exterior de uma estrutura, geralmente de metal. O nome vem da palavra francesa "fuselé", que significa forma aerodinâmica. Na fuselagem monocoque o casco é essencialmente uma fina parede tubular que suporta todos os esforços. Monocoque é uma palavra francesa que significa "single shell." Mais comum é a semimonocoque. 7

8 prevaleceriam sobre os interesses esportivos. Além disso, Kapadia (2006) esclarece que a década de 1960 marca o surgimento do patrocínio esportivo na Fórmula 1 e da espetacularização propriamente dita do esporte. É justamente neste período que os Grandes Prêmios passam a ser encarados como meios comerciais efetivos. Mais uma vez, Chapman é o propulsor do movimento, quando sua equipe, a Lotus, se junta à companhia de tabaco Imperial Tobacco em 1968, dando origem à equipe Gold Leaf Team Lotus. Esse precedente aberto por Chapman e a lei britânica que proibiu anúncios de cigarros e bebidas alcoólicas na televisão impulsionaram o uso do patrocínio pelas empresas (principalmente as de tabaco) como estratégia de marketing, transformando o patrocínio em uma das maiores fontes de investimentos das equipes de F-1: (...) o advento do patrocínio comercial na Fórmula 1 foi em 1968 quando a equipe Lotus de Colin Chapman assegurou fundos da fabricante de cigarros Imperial Tobacco ao pintar seus carros nas cores da marca de cigarros Gold Leaf. Durante os anos subsequentes o tabaco se tornaria uma das maiores fontes de investimentos para muitas equipes, onde a marca Marlboro da Philip Morris provaria ser a mais duradoura (...). (JENKINS et al., 2007, p. 31). Impulsionada pelos crescentes interesses comerciais e industriais, a espetacularização da Fórmula 1 iniciada na década de 1960 continua sua expansão pela década de Para Henry (2003), o nome mais importante deste período foi o de Bernie Ecclestone. Considerado atualmente a maior autoridade dentro da Fórmula 1, Ecclestone é um ex-piloto de Fórmula 3 4. Sua participação efetiva no esporte se iniciou em 1972 com a aquisição da equipe Brabham. Ao se tornar dono de uma equipe, Bernie também se tornaria membro da Formula One Constructors Association (Foca), a organização responsável por representar as equipes da Fórmula 1. O principal objetivo da Foca era o de coordenar os interesses coletivos dos construtores e representá-los perante a FIA. Buscando centralizar a organização das corridas, Bernie Ecclestone passou a se envolver pessoalmente nas negociações dos direitos comerciais 5 da F-1 sob o nome da Foca, tornando-se o principal responsável pela unificação da cobertura televisiva da 4 A Fórmula 3 é uma categoria inferior à Fórmula 1. Surgiu como uma competição nacional da Inglaterra logo após a Segunda Guerra Mundial, para possibilitar o acesso de pilotos novatos às competições. 5 Atualmente, os direitos comerciais da F-1 incluem os direitos de transmissão televisiva das corridas, taxas de sanção das corridas, anúncios ao redor da pista do circuito e o Paddock Club, um centro de hospitalidades. Valem cerca de US$ 1 bilhão por ano, dos quais US$ 705 milhões foram para a FOA em O restante foi pago à Allsport Management, que, em troca de uma taxa paga à FOA, administra os anúncios ao redor da pista. (SYLT E REID, 2006, p. 34). 8

9 Fórmula 1 (HENRY, 2003, p ). Incentivado principalmente por Bernie Ecclestone, o patrocínio comercial continuou ganhando espaço nos negócios da Fórmula 1. Entretanto, a mercantilização da Fórmula 1, iniciada na década de 1970 por Ecclestone, fez do começo da década de 1980 um período turbulento para o esporte, em que, como explica Henry (2003), uma crise de interesses entre a Fédération Internationale du Sport Automobile (Fisa) 6 e a Foca dividiu a categoria. A luta entre as duas organizações pelo controle da Fórmula 1 foi resolvida em 1981 com a assinatura do primeiro Pacto de Concórdia 7, um acordo que basicamente estabelece os termos em que a Fórmula 1 deve operar e define os limites e responsabilidades tanto da FIA quanto da Foca e das equipes. Além disso, o acordo também estabeleceu que os direitos comerciais da F-1 pertenceriam à Foca e definiu como seria feita a divisão da receita gerada pela publicidade e transmissão televisiva das corridas. Foi desta maneira que Bernie Ecclestone, o então presidente da Foca, assumiu o controle efetivo do lado financeiro e comercial da Fórmula 1. Segundo Sylt e Reid (2006), Bernie Ecclestone foi tão bem sucedido na administração do lado comercial da Fórmula 1 que em 1997, quando foi assinado um novo pacto, a FIA transferiu da Foca para a Formula One Administration (FOA) os direitos comerciais da Fórmula 1. A FOA é uma das empresas da holding Slec, criada por Ecclestone, para gerenciar os negócios da Fórmula 1, pois: As especificidades da Fórmula 1 atingiram tão elevado grau de sofisticação e de fontes de receita, que foi preciso criar várias empresas para geri-la. A holding chama-se Slec, abreviação do nome da esposa de Ecclestone, a ex-modelo croata Slavica Radic. (...) A Slec tem a Formula One Administration (FOA), que é, na realidade, quem detém os direitos de TV cedidos pela FIA e ratificados em 2006, por US$ 360 milhões, pelos próximos 100 anos. Mas é a Formula One Management (FOM) quem comercializa a venda dos direitos às empresas de TV que transmitem a corrida ao vivo. A italiana RAI, a alemã RTL e a japonesa Fuji, por exemplo, pagam US$ 56 milhões por temporada. A Rede Globo investe US$ 12 milhões por ano. 8 Martins (1999) explica que a entrada de Ecclestone na Foca em 1972 terminou com o romantismo da Fórmula 1 e alterou radicalmente a maneira como se estabeleciam 6 A Fisa era uma divisão da FIA que lidava diretamente com a Fórmula 1, mas foi extinta em 1993 por uma reestruturação da própria FIA (FIA, 2005). 7 O documento recebeu este nome, pois foi assinado na sede da FIA em Paris, que se localiza perto da Place de la Concorde (JENKINS et al., 2007, p.32). 8 O ESTADO DE S. PAULO. Guia Especial da F1,

10 as relações comerciais dentro da F-1, transformando-a num rentável investimento: O maior exemplo é que o calendário de F-1 se tornou um grandioso espetáculo mundial, visto ao vivo pela TV por 4,2 bilhões de telespectadores em 62 países. Esses números crescem para 17,6 bilhões em 96 países, se forem computados os noticiários compactos dos vários noticiosos, reprises ou videoteipes. (MARTINS, 1999, p ) Contudo, Bernie Ecclestone se tornou um dos empresários mais ricos do Reino Unido, com uma fortuna estimada em mais de dois bilhões de libras esterlinas, e o homem mais poderoso da Fórmula 1. Suas empresas, que formam o Formula One Group, controlam praticamente tudo que envolve o esporte. O Concorde Agreement, que vem sendo renovado desde 1981, dá a ele o direito de explorar não apenas os direitos televisivos, mas também a administração, organização e logística de cada etapa do Mundial. Aos 82 anos, Bernie Ecclestone negocia diretamente com os governos locais as exigências para colocar suas cidades no mapa do circuito mundial de Fórmula 1, atualmente visto como uma vitrine das cidades globais. Ele se utiliza da competição intercidades para aumentar o valor fixo cobrado por ano para receber uma etapa da F-1 9. Está também em seus planos fazer uma oferta pública inicial de ações na bolsa de valores de Singapura, aproveitando o recente crescimento da categoria à Ásia, em que se estima captar US$ 1,5 bilhão. Tabela Estimativa de taxa anual paga por país-sede para receber a etapa da Fórmula 1 (2011). Fonte: Formula One s new urban economies. Acessado em 04/06/ LEFEBVRE, S.; ROULT, R. Formula One s new urban economies. J. Cities (2011), doi: /j.cities

11 4. F-1 e cidades: nova cartografia e estratégia de atuação O ano de 1999 marca de vez a entrada da Fórmula 1 nas estratégias de City Marketing das cidades, quando o Grande Prêmio da Malásia substitui o GP da Argentina, com dificuldades financeiras. Sem nenhuma tradição no esporte, a Malásia viu na Fórmula 1 uma forma de se promover para o mundo e foi o segundo país asiático a receber uma etapa da categoria (o primeiro havia sido o Japão na década de 1980). Desde então, outros países seguiram o mesmo caminho: Bahrein (2004), China (2004), Turquia (2005), Singapura (2008), Valência (Espanha, 2008), Abu Dhabi (2009), Coreia do Sul (2010) e Índia (2011). Em 2012, Os Estados Unidos voltaram a receber a Fórmula 1 e, em 2014, será a vez da Rússia (GUIMARÃES, 2012). Mapa 1 Circuito Mundial da Fórmula 1 em Fonte: Arquivo pessoal. Acessado em 04/06/

12 Mapa 2 A Nova Fórmula 1. Circuito Mundial da categoria nas temporadas Fonte: Acessado em 04/06/2013 De comum nas novas etapas está o crescimento da exposição das cidades sede, normalmente com edifícios de arquitetura de impacto e em circuitos de rua. As cidades sempre foram um atrativo da Fórmula 1, mas não passavam de um pano de fundo das disputas na pista. Nos últimos anos, porém, elas têm ganhado importância na transmissão, justificando assim o alto custo para sediar uma corrida. Cada etapa pode custar dezenas de milhões de dólares aos governos, pagas a empresas ligadas ao homem mais poderoso do esporte, Bernie Ecclestone, que comandam a administração, estrutura, logística e transmissão de todas as corridas. Lefebvre (1998) chama a atenção para a inseparável relação entre os sistemas comunicacionais e os diversos mercados, dentre os quais o próprio mercado do espaço. Não à toa o GP da França, que estava no Mundial desde o início da modalidade, em 1950, não renovou seu contrato em Após o rompimento, Ecclestone já manifestou o desejo de que o evento seja realizado num circuito de rua, em Paris, ideia rechaçada pela prefeitura da capital francesa 10. Assim, 10 SCHUEY. Ecclestone insiste em levar a F-1 até Paris. Autosport, Portugal, 01 de junho, Disponível em: f Acesso em: junho,

13 através do aumento da competitividade (SANTOS, 2000) entre lugares, firmas, grupos sociais e indivíduos cria-se o produtivismo urbano, que viabiliza a simbiose entre o lucro e prestígio. Nesta conjuntura, os administradores locais são estimulados a oferecer a cultura urbana e o patrimônio histórico para o mercado, ainda que esta oferta seja ocultada por discursos eruditos que afirmam a sua inspiração em promissoras experiências estrangeiras. (RIBEIRO, 2006, p. 44). Outro aspecto importante entre os novos GPs é que todos os circuitos são projetados pelo arquiteto alemão Hermann Tilke. Apesar de não ser oficialmente ligado a uma empresa de Bernie Ecclestone, Tilke parece estar de alguma maneira incorporado ao modelo de negócio do empresário, que desde os anos 80 se caracteriza por vender pacotes fechados aos promotores de corrida. As pistas projetadas pelo alemão, porém, têm sido criticadas por especialistas do meio, já que estariam mais preocupadas com aspectos visuais do que com o próprio esporte. Fábio Seixas, jornalista de automobilismo da Folha de São Paulo, afirma que as novas etapas não têm sido boas para a Fórmula 1. A principal crítica é que os novos circuitos seriam pensados para outros fins que não a corrida: Do ponto de vista financeiro, pra empresa do Bernie Ecclestone, é ótimo. Certamente ele vai ganhar mais dinheiro correndo no Bahrein, na China, na Malásia do que correndo em Paul Ricard, Estoril ou Le Man. Mas obviamente que pro esporte, pra quem gosta de corrida, do ponto de vista técnico, de pilotagem, do torcedor, seria muito mais legal ver a Fórmula 1 correndo num circuito bom. As grandes corridas são em circuitos antigos, que foram ficando no calendário pela qualidade que eles têm. E foram circuitos pensados pro esporte, não foram pensados pra televisão, não foram pensados visualmente, foram pensados por pilotos, por gente que entende do assunto [ ]. Minha crítica é que fica uma coisa pasteurizada. 11 As pistas perderiam seu aspecto único em cada cidade para se transformar em um produto de um mesmo arquiteto em diferentes pontos do globo. O grande impacto visual, que funciona para a televisão e impressiona o telespectador, teria sido superdimensionado nestes projetos, deixando de lado um traçado de pista que proporcione boas corridas. 11 Entrevista concedida a Folha de São Pauo em 15/07/

14 Figura 1 City Marketing e uso da imagem no Circuito Urbano de Singapura. Fonte: Acessado em 04/06/2013. Esse modelo fechado vendido aos países por Bernie Ecclestone nem sempre é exitoso. China e Turquia até hoje são fracassos de público, tanto pelo valor dos ingressos incompatível com a renda da população (como pela falta de hábito de assistir corridas de automóvel). No caso da China, há outro fator: o tamanho do circuito, refletindo simbolicamente como o país quer se projetar para o exterior. Sánchez (2003) argumenta que a produção do espaço-mercadoria envolve também a produção de representações que o acompanham. Esse espaço é concebido como lugar onde o privado se afirma, produzindo signos que parecem realizar desejos e fantasias de consumo moldados por valores da mundialidade. A principal preocupação de Bernie Ecclestone com o público que vai ao autódromo é como ele vai aparecer na televisão. Segundo a Formula One Management (FOM), em 2010 a Fórmula 1 foi vista por 527 milhões de indivíduos, com 16 mil horas de cobertura televisionadas em 187 países. Em reportagem do The New York Times sobre o retorno da Fórmula 1 aos Estados Unidos em 2012, no Texas, Dave Kallmann percebeu este atual momento do esporte: a racetrack is just a big television studio 12. Se o circuito é um estúdio, logo o público passa a ser tratado como plateia de um espetáculo, não como torcedores e fãs do esporte, uma tendência já identificada pelo antropólogo Marcos Alvito, da Universidade Federal Fluminense, no futebol: "De certa maneira, o torcedor do campo virou uma 12 COHEN, Jason. With Some Rich Car Fans, Formula One Could Work. The New York Times, Texas, 23, julho, Disponível em: Acesso em: junho,

15 espécie de figurante para o espetáculo televisivo" 13. Bernie Ecclestone nunca escondeu como vê a categoria; em entrevista a Fábio Seixas, declarou que se dependesse dele não teria gente no autódromo porque só dá trabalho. O fato é que sua principal fonte de receita não vem do valor dos ingressos da arquibancada comum ou do que é consumido no autódromo, muitas vezes explorado pelos promotores locais, mas sim de tudo que envolve a realização do evento e sua transmissão. A Fórmula 1 como espetáculo é considerada atraente até mesmo para cidades que ainda não existem. Em 2010 a Coreia do Sul estreou o seu GP num descampado na região de Yeongam, na futura cidade de Sampo District. A cidade ainda vai ser construída ao redor do autódromo, que será integrado à malha urbana, sendo transformado então em um circuito de rua. A ideia é que o local se torne um centro de atividades relacionadas ao automobilismo, visando atrair turistas e promover pesquisa na área de tecnologia. O custo, de aproximadamente US$ 1,67 bilhão, será da empresa que promove a corrida, Korea Auto Valley, junto com o governo da província de South Jeolla. A nova cidade abrigará 10 mil moradores e deve ser totalmente concluída em A evolução de sua construção será transmitida ano a ano, para todo o mundo, durante o GP da Coreia do Sul de Fórmula Neste sentido, colocar as cidades no mapa do mundo passou a ser uma meta recorrente dos governos locais, um objetivo ordenador das ações estratégicas que concentram na cidade-mercadoria a possibilidade de transcender as crises produzidas pela reestruturação econômica e construir um futuro de progresso e recuperação econômica sintonizado com as exigências da nova ordem mundial, de modo a viabilizar o crescimento econômico em novos parâmetros. (SÁNCHEZ, 2003, p. 50) Em televisão aberta, as transmissões ocorrem aos sábados, com uma hora de treino classificatório que define as posições da largada, e aos domingos, com a corrida de duas horas 15. As imagens externas da cidade são exibidas principalmente durante o treino classificatório. Realizado em três baterias, os intervalos entre cada uma são o principal espaço para mostrar o entorno do circuito e as belezas do lugar. No Grande Prêmio da Coreia do Sul, planos de uma grande ponte em construção, que dará acesso à futura cidade de Sampo Disctrit, foram ao ar com comentários dos locutores sobre o projeto 13 PINHEIRO, Daniela. A Copa do Cabo ao Rio. Revista Piauí, Rio de Janeiro, maio, Disponível em: ludopedicas/a-copa-do-cabo-ao-rio. Acesso em: junho, COREIA quer criar cidade ao redor de autódromo. LANCE!NET, 18, outubro, Fórmula 1. Disponível em: cidadeautodromo_0_ html. Acesso em: junho, Na TV a cabo se exibe também os dois treinos livres de sexta-feira e o treino livre da manhã de sábado. 15

16 coreano. Em Valência, planos aéreos do autódromo e das praias cheias do verão europeu são as preferidas. Como muitos dos novos circuitos são de rua, a cidade está presente também durante a corrida, sob os comentários dos locutores. Os momentos monótonos da transmissão são preenchidos com curiosidades sobre o local, opiniões sobre o acesso ao circuito e a rede hoteleira, os vips e as esposas dos pilotos que estão no paddock 16, e ainda elogios à arquitetura de regiões revitalizadas ou recém-construídas, normalmente à beira-mar. Uma propaganda efetiva das cidades que querem se colocar num lugar de destaque no competitivo mundo globalizado. Portanto, conforme observado por Broudehoux (2010), ( ) megaeventos afetam a paisagem urbana, não só por eles incentivarem grandes centros urbanos e projetos de infraestrutura desportivas, mas também porque promovem a estetização da paisagem urbana. Isto significa que a visibilidade e a imaginabilidade tornamse critérios orientadores para as intervenções urbanas e essa imagem de ações conscientes são priorizadas, muitas vezes em detrimento das necessidades fundamentais locais. Figura 2 Setor de marinas no Circuito Urbano de Valência e ao fundo a praia. Fonte: Acessado em 04/06/2013. Figura 3 Estetização da paisagem urbana. Imagem panorâmica do Circuito Urbano de Valência. 16 Edificação encontrada nos circuitos de automobilismo para abrigar o pessoal das equipes, veículos, oficiais de prova e convidados. 16

17 Fonte: Acessado em 04/06/ Considerações finais Portanto, entendemos que também é possível por meio do estudo do caso da Fórmula 1, visualizarmos as grandes transformações que estão ocorrendo na organização espaco-territorial em escala mundial dentro do contexto da globalização neoliberal. Porém, a Fórmula 1, assim como a sociedade atual, vive um intenso movimento de espetacularização das relações, sejam elas quais forem. A globalização, acompanhando esse processo, favorece a homogeneização de cenários e do capital cultural, as diferenças entre os lugares (pelo menos do ponto de vista arquitetônico e urbanístico) tendem a diminuir se esse processo continuar a progredir tão velozmente como está. Contudo, para o planejamento urbano de cidades emergentes, a exposição proporcionada pela Fórmula 1 é vista como uma grande oportunidade de atrair investimentos internacionais e de se inserir no restrito grupo das cidades consideradas globais. Como um esporte historicamente elitista, a Fórmula 1 vem se encaixando perfeitamente no modelo de cidade que emergiu no pós-crise, onde a diferenciação é uma característica chave (HARVEY, 1989). Os carros, a velocidade e a tecnologia de ponta da categoria mais importante do automobilismo mundial são símbolos que, na visão empresarial das administrações locais, agregam valor à marca da cidade, podendo assim ser melhor vendida como um produto para a elite global. Entretanto, a Fórmula 1, como indutora do crescimento econômico a partir de investimentos externos, assim como outros eventos esportivos, ainda tem que provar sua eficácia numa análise detalhada caso a caso. Mas, além do questionável retorno 17

18 financeiro para esses novos lugares, fica claro que está em disputa um projeto de cidade que enxerga na promoção da imagem uma oportunidade para atração de recursos do turismo de alto luxo e do mercado imobiliário especulativo, o que em tese geraria desenvolvimento econômico. Uma lógica cada vez mais fortalecida diante do apelo fácil e funcional ao espetáculo e da consolidação da diferenciação e do individualismo como valor nas sociedades capitalistas. Referências bibliográficas BROUDEHOUX, Anne-Marie. Event-led Urban Image construction: Potemkinism, the Media and the Periphery. Conferência Internacional Megaeventos e Cidades. Niterói, PPGAU/UFF, IPPUR/UFRJ, novembro, DEBORD, G. A Sociedade do Espectáculo. Rio de Janeiro: Contraponto, GUIMARÃES, Renato C. V. Megaeventos Esportivos e Cidades Globais: A Fórmula 1 em Valência, Espanha. Monografia (Especialização em Planejamento Urbano e Regional) Universidade Federal do Rio de Janeiro IPPUR, HARVEY, D. "Do gerenciamento ao empresariamento: a transformação da administração urbana no capitalismo tardio"; in Espaço e Debates, ano XVI, n. 39 pp , A Condição Pós-moderna. São Paulo: Loyola, 19ª ed., HENRY, A. The Powerbrokers: The battle for F1 s billions. St. Paul: Motorbooks International, JENKINS, M.; PASTERNAK, K.; WEST, R. Performance at the Limit: Business Lessons from Formula 1 Motor Racing. Cambridge: New York, KAPADIA, B. Formula One: the story of grand prix racing. London: New Holland Publishers, LEFEBVRE, Henry. The production of space. London, Blackwell, MARTINS, Lemyr. Os arquivos da Fórmula 1. São Paulo: Panda, MASCARENHAS, Gilmar. À Geografia dos Esportes. Uma introdução. Scripta Nova. Revista Electrónica de Geografía y Ciencias Sociales. Universidad de Barcelona nº 35, 1 de marzo de RIBEIRO, Ana Clara T. Acumulação primitiva de capital simbólico: sob a inspiração do Rio de Janeiro. In: Corpos e Cenários urbanos: territórios urbanos e políticas culturais. (JEUDY, Henri P. & JACQUES, Paola B. ogs.) Salvador: EDUFBA, SÁNCHEZ, F. Cidade Espetáculo: Política, Planejamento e City Marketing. Cutitiba: Ed. Palavra, A reinvenção das cidades para um mercado mundial. Chapecó: Argos,

19 SANTOS, Milton Por uma outra globalização: do pensamento único à consciência universal. Rio de Janeiro: Record, SASSEN, Saskia. A cidade global. In: LAVINAS, Lena; CARLEIAL, Liana Maria da Frota; NABUCO, Maria Helena (Org.). Reestruturação do espaço urbano e regional no Brasil. São Paulo: Hucitec, 1993, pp SENNETT, RICHARD. A Cultura do Novo Capitalismo. Rio de janeiro: Record, SYLT, C.; REID, C. The Business Of Formula 1 Volume 2: The Market, The Sponsors, Hospitality and The Races. Sport Business Group Ltd., TAKAI, A.M. Antecedentes da globalização: o caso da Fórmula 1. Dissertação (Mestrado em Sociologia) Universidade Estadual Paulista Júlio de Mesquita Filho, VAINER, C. Pátria, empresa e mercadoria. Notas sobre a estratégia discursiva do planejamento estratégico urbano. ARANTES; VAINER; MARICATO. A cidade do pensamento único. Desmanchando consensos. Petrópolis, Vozes, WRIGHT, P. Formula 1 Technology. Warrendale: Society of Automotive Engineers, Inc.,

As transformações na paisagem da área central do Rio de Janeiro: o espaço da cidade tornado mercadoria

As transformações na paisagem da área central do Rio de Janeiro: o espaço da cidade tornado mercadoria As transformações na paisagem da área central do Rio de Janeiro: o espaço da cidade tornado mercadoria Horacio Nogueira Pizzolante Graduando em Geografia, Pontifícia Universidade Católica do Rio de Janeiro.

Leia mais

entrevista: tamas rohonyi

entrevista: tamas rohonyi entrevista: tamas rohonyi GP do Brasil A fórmula 1, segundo esporte mais popular no Brasil, tem no Grande Prêmio do Brasil um exemplo de organização e arrecadação. Nesta entrevista exclusiva, seu promotor,

Leia mais

Marketing esportivo é um mercado de ouro

Marketing esportivo é um mercado de ouro 1 de 5 05/04/2010 19:37 Imprimir Reportagem / mercado Marketing esportivo é um mercado de ouro Um patrocínio para uma corrida de rua pode chegar a R$ 1 milhão. Palestras com treinadores e atletas valem

Leia mais

O Mercado Esportivo e a Importância do Administrador: Cenário e Perspectivas

O Mercado Esportivo e a Importância do Administrador: Cenário e Perspectivas O Mercado Esportivo e a Importância do Administrador: Cenário e Perspectivas Marcelo Claro 4 de outubro de 2012 Esporte é paixão e emoção Um pouco do mercado esportivo no mundo Quase 900 milhões de pessoas

Leia mais

Projetos de intervenção urbanística no Centro Velho de São Paulo: estudo sobre seus impactos nos movimentos sociais por moradia.

Projetos de intervenção urbanística no Centro Velho de São Paulo: estudo sobre seus impactos nos movimentos sociais por moradia. Projetos de intervenção urbanística no Centro Velho de São Paulo: estudo sobre seus impactos nos movimentos sociais por moradia. Leianne Theresa Guedes Miranda lannethe@gmail.com Orientadora: Arlete Moysés

Leia mais

White Paper - Impacto Econômico da Copa de 2014 no Brasil 1

White Paper - Impacto Econômico da Copa de 2014 no Brasil 1 White Paper - Impacto Econômico da Copa de 2014 no Brasil 1 A Casual Auditores Independentes, empresa de auditoria especializada em entidades desportivas estuda as informações financeiras dos clubes de

Leia mais

AS NOVAS TECNOLOGIAS DA INFORMAÇÃO NUMA SOCIEDADE EM TRANSIÇÃO

AS NOVAS TECNOLOGIAS DA INFORMAÇÃO NUMA SOCIEDADE EM TRANSIÇÃO AS NOVAS TECNOLOGIAS DA INFORMAÇÃO NUMA SOCIEDADE EM TRANSIÇÃO AS NOVAS TECNOLOGIAS DA INFORMAÇÃO NUMA SOCIEDADE EM TRANSIÇÃO MÁRCIA MARIA PALHARES (márcia.palhares@uniube.br) RACHEL INÊS DA SILVA (bcpt2@uniube.br)

Leia mais

Futebol alemão X Futebol brasileiro

Futebol alemão X Futebol brasileiro Futebol alemão X Futebol brasileiro Um fez sua revolução. Outro nem começou! Novembro de 2015 A revolução na Alemanha Eliminação precoce na Eurocopa de 2000 impulsionou as mudanças. Plano de longo prazo

Leia mais

entrevista Felipe Cavalcante, Presidente da ADIT Brasil

entrevista Felipe Cavalcante, Presidente da ADIT Brasil entrevista Felipe Cavalcante, Presidente da ADIT Brasil 10 Brasil-Portugal no Ceará ABRINDO PORTAS PARA O BRASIL PRESIDENTE DA ADIT BRASIL, FELIPE CAVALCANTE DESTACA O ATUAL PANORAMA DOS INVESTIMENTOS

Leia mais

Oportunidade: efeitos socioeconômicos 2006-2014. Preparativos: sorteio final e venda de ingressos

Oportunidade: efeitos socioeconômicos 2006-2014. Preparativos: sorteio final e venda de ingressos Introdução: função do COL Oportunidade: efeitos socioeconômicos 2006-2014 Preparativos: sorteio final e venda de ingressos O legado já começou Conclusão Introdução: função do COL Oportunidade: efeitos

Leia mais

Exercícios de 3ª Revolução Industrial

Exercícios de 3ª Revolução Industrial Exercícios de 3ª Revolução Industrial 1. (IFMG) Disponível em: http://autoentusiastas.blogspot.com.br/2012/10/industria-automobilistica-definidoo.html. Acesso em: 21/11/2012. A imagem retrata um cenário

Leia mais

COPA DO MUNDO BRASIL 2014

COPA DO MUNDO BRASIL 2014 SERGS DEBATES 2008 Wesley Cardia COPA DO MUNDO BRASIL 2014 Porque Investir Nessa Idéia? INTRODUÇÃO Sport has a huge influentce in our lives. After work, it is the largest form of mass civil participation,

Leia mais

Valorização e Globalização da Marca Brasil Plano Aquarela, Megaeventos e Marketing Turístico Internacional

Valorização e Globalização da Marca Brasil Plano Aquarela, Megaeventos e Marketing Turístico Internacional Valorização e Globalização da Marca Brasil Plano Aquarela, Megaeventos e Marketing Turístico Internacional Tribunal de Contas da União, 17 de agosto de 2011 Plano Aquarela Desde 2005 é a base metodológica

Leia mais

Melhor Prática vencedora: Economia Local (Capital) São Paulo Indy 300

Melhor Prática vencedora: Economia Local (Capital) São Paulo Indy 300 1 Melhor Prática vencedora: Economia Local (Capital) São Paulo Indy 300 DESTINO: São Paulo/SP INSTITUIÇÃO PROMOTORA: São Paulo Turismo S/A RESPONSÁVEL: Tasso Gadzanis Luiz Sales Em 14 de março de 2010,

Leia mais

Observe o circuito mundial que o aparelho percorre, desde a idealização até o produto final:

Observe o circuito mundial que o aparelho percorre, desde a idealização até o produto final: Questão 1: Leia as informações abaixo: Na tampa traseira do ipod, a frase Designed by Apple in Califórnia. Assembled in China (Projetado pela Apple na Califórnia. Montado na China) é um exemplo de como

Leia mais

P E R S P E C T I V A S D O T U R I S M O

P E R S P E C T I V A S D O T U R I S M O P E R S P E C T I V A S D O T U R I S M O Brasil JULHO 2011 P E R S P E C T I VA S D O T U R I S M O b r a s i l Introdução Com a realização de megaeventos esportivos como a Copa do Mundo FIFA 2014 e os

Leia mais

Panorama Mundial (2013)

Panorama Mundial (2013) Panorama Mundial (2013) Produção mundial alcançou US$ 444 bilhões em 2013; Mesmo com os efeitos da crise internacional, registra 85% de crescimento desde 2004, a uma taxa média de 7% ao ano; 54% da produção

Leia mais

Caio Luiz de Carvalho Presidente

Caio Luiz de Carvalho Presidente Caio Luiz de Carvalho Presidente Os desafios do Brasil Deixar de ser espectador e se tornar ator do processo. Todos os brasileiros. Profissionais ou espectadores, envolvidos diretamente ou não. Muitas

Leia mais

5 Apresentação do método de avaliação de desempenho aplicado ao Programa TV Digital para as Áreas Rurais

5 Apresentação do método de avaliação de desempenho aplicado ao Programa TV Digital para as Áreas Rurais 5 Apresentação do método de avaliação de desempenho aplicado ao Programa TV Digital para as Áreas Rurais 5.1 A Rede Globo A Rede Globo é uma das maiores redes de televisão do mundo, com milhões de espectadores

Leia mais

REVITALIZAÇÕES PORTUÁRIAS NO MUNDO A TRANSFORMAÇÃO DAS CIDADES E A INCORPORAÇÃO DE NOVOS CONCEITOS

REVITALIZAÇÕES PORTUÁRIAS NO MUNDO A TRANSFORMAÇÃO DAS CIDADES E A INCORPORAÇÃO DE NOVOS CONCEITOS REVITALIZAÇÕES PORTUÁRIAS NO MUNDO A TRANSFORMAÇÃO DAS CIDADES E A INCORPORAÇÃO DE NOVOS CONCEITOS FRENTE MARÍTIMA ALGUMAS DAS CIDADES MAIS FASCINANTES DO MUNDO, COMO GÊNOVA, LISBOA, LONDRES, BARCELONA,

Leia mais

PLANO DE PATROCÍNIO EVENTO REGIONAL VICE-PRESIDÊNCIA COMERCIAL

PLANO DE PATROCÍNIO EVENTO REGIONAL VICE-PRESIDÊNCIA COMERCIAL PLANO DE PATROCÍNIO EVENTO REGIONAL VICE-PRESIDÊNCIA COMERCIAL Dir. Nac. de Marketing Jun/13 APRESENTAÇÃO As emoções da Copa Espírito Santo de Futebol estão de volta. A Rede Vitória, pelo sexto ano consecutivo,

Leia mais

Futebol: paixão & negócios. 4 KPMG Business Magazine

Futebol: paixão & negócios. 4 KPMG Business Magazine Futebol: paixão & negócios 4 KPMG Business Magazine Gestão eficiente de estádios, com o uso comercial das estruturas, pode render receitas milionárias para os clubes Receitas do São Paulo com o Morumbi,

Leia mais

O patrocínio como estratégia de investimento no esporte

O patrocínio como estratégia de investimento no esporte O patrocínio como estratégia de investimento no esporte Prof. Helcio M. Rodrigues Projeto apresentado ao Centro de Pós-Graduação e Pesquisa das Faculdades Metropolitanas Unidas RESUMO Este trabalho tem

Leia mais

ANTECEDENTES DA GLOBALIZAÇÃO: O CASO DA FÓRMULA 1

ANTECEDENTES DA GLOBALIZAÇÃO: O CASO DA FÓRMULA 1 XI CONGRESSO BRASILEIRO DE SOCIOLOGIA 1 A 5 DE SETEMBRO DE 2003, UNICAMP, CAMPINAS, SP GRUPO DE TRABALHO SOCIOLOGIA DO LAZER E DO ESPORTE ANTECEDENTES DA GLOBALIZAÇÃO: O CASO DA FÓRMULA 1 AUTORA: ANDRÉA

Leia mais

Gestão para um mundo melhor EMPREENDEDOR/Entrevista. Julho 1999.

Gestão para um mundo melhor EMPREENDEDOR/Entrevista. Julho 1999. GESTÃO PARA UM MUNDO MELHOR Gestão para um mundo melhor EMPREENDEDOR/Entrevista. Julho 1999. RESUMO: Para o consultor e empresário Oscar Motomura, a sociedade global precisa evoluir, abandonando sua ganância

Leia mais

Gestão da Comunicação em Situações de Crise no Ambiente Médico-Hospitalar

Gestão da Comunicação em Situações de Crise no Ambiente Médico-Hospitalar Gestão da Comunicação em Situações de Crise no Ambiente Médico-Hospitalar Sumário Prefácio: Os hospitais não são essenciais Introdução: O sistema hospitalar mudou, mas continua o mesmo! Imagem pública

Leia mais

Construção do Espaço Africano

Construção do Espaço Africano Construção do Espaço Africano Aula 2 Colonização Para melhor entender o espaço africano hoje, é necessário olhar para o passado afim de saber de que forma aconteceu a ocupação africana. E responder: O

Leia mais

Marketing Esportivo. os desafios e as oportunidades. Claudinei P. Santos. Delft Consultores - ABRAESPORTE - INNE

Marketing Esportivo. os desafios e as oportunidades. Claudinei P. Santos. Delft Consultores - ABRAESPORTE - INNE Marketing Esportivo os desafios e as oportunidades Delft Consultores - ABRAESPORTE - INNE Algumas provocações... Incentivo ao esporte Integração social pelo esporte Patrocínio Copa 2014 Olimpíadas 2016

Leia mais

UNIDADE 2 Empreendedorismo

UNIDADE 2 Empreendedorismo UNIDADE 2 Empreendedorismo O mundo tem sofrido inúmeras transformações em períodos de tempo cada vez mais curtos. Alguns conceitos relativos à administração predominaram em determinados momentos do século

Leia mais

Copa Rede. Amazônica de Futsal! APRESENTAÇÃO

Copa Rede. Amazônica de Futsal! APRESENTAÇÃO Copa Rede Amazônica de Futsal APRESENTAÇÃO A Copa Rede Amazônica de Futsal chega a sua 18ª edição em 2016. O evento leva milhares de pessoas para torcer pelos times locais e do interior, incentivando o

Leia mais

Análise de Mercados Potenciais APRO Filmes Publicitários 2010/2011

Análise de Mercados Potenciais APRO Filmes Publicitários 2010/2011 Análise de Mercados Potenciais APRO Filmes Publicitários 2010/2011 Elaborado pela: Unidade de Inteligência Comercial - ic@apexbrasil.com.br Apex-Brasil Tel: +55 61 3426.0202 Fax: +55 61 3426.0263 www.apexbrasil.com.br

Leia mais

A VIOLÊNCIA DA NOTÍCIA NA GLOBALIZAÇÃO: AS AGÊNCIAS TRANSNACIONAIS E O COMANDO DOS CÍRCULOS DE INFORMAÇÕES

A VIOLÊNCIA DA NOTÍCIA NA GLOBALIZAÇÃO: AS AGÊNCIAS TRANSNACIONAIS E O COMANDO DOS CÍRCULOS DE INFORMAÇÕES A VIOLÊNCIA DA NOTÍCIA NA GLOBALIZAÇÃO: AS AGÊNCIAS TRANSNACIONAIS E O COMANDO DOS CÍRCULOS DE INFORMAÇÕES André B. Pasti AGB-Campinas pasti@cotuca.unicamp.br INTRODUÇÃO No atual período da globalização

Leia mais

A Indústria da Propaganda

A Indústria da Propaganda A Indústria da Propaganda Aprendendo com o Passado Transformando o Presente Vivendo o Futuro Junho 2004 Um Pouco de História As Relações Macro-Econômicas e o Desenvolvimento da Propaganda no Brasil Anos

Leia mais

Transformações espaciais na/da cidade do Rio de janeiro decorrentes da construção dos corredores expressos Transcarioca e TransBrasil

Transformações espaciais na/da cidade do Rio de janeiro decorrentes da construção dos corredores expressos Transcarioca e TransBrasil Transformações espaciais na/da cidade do Rio de janeiro decorrentes da construção dos corredores expressos Transcarioca e TransBrasil Marcela Virginio Dametto 1 marcela.dametto@hotmail.com Prof Drª Regina

Leia mais

COMISSÃO DE CIÊNCIA, TECNOLOGIA, COMUNICAÇÃO E INFORMÁTICA

COMISSÃO DE CIÊNCIA, TECNOLOGIA, COMUNICAÇÃO E INFORMÁTICA COMISSÃO DE CIÊNCIA, TECNOLOGIA, COMUNICAÇÃO E INFORMÁTICA PROJETO DE LEI N o 3.771, DE 2004 Dispõe sobre a identificação obrigatória da localização de paisagens de interesse turístico nas condições que

Leia mais

Unidade 6: O Leste e o Sudeste Asiático

Unidade 6: O Leste e o Sudeste Asiático Unidade 6: O Leste e o Sudeste Asiático Capítulo 1: Japão - Capítulo 2: China - Capítulo 4: Tigres Asiáticos Apresentação elaborada pelos alunos do 9º Ano C Monte Fuji - Japão Muralha da China Hong Kong

Leia mais

:: C A N A L B A N D N E W S ::

:: C A N A L B A N D N E W S :: :: TABELA DE PREÇOS :: JANEIRO JANEIRO 2013 2011 :: C A N A L B A N D N E W S :: SKY, NET, Claro TV, Oi Tv e independentes, alcança mais de 10.800.000 assinantes. SEXO 4 IDADE CLASSE SOCIAL DIA INÍCIO

Leia mais

O maior público já presente nos autódromos do país

O maior público já presente nos autódromos do país O maior público já presente nos autódromos do país Média de 540.000 pessoas nos autódromos Mais de 3.500.000 de pessoas impactadas pela Televisão - Por etapa Mais de 59.400 pessoas curtem o Facebook da

Leia mais

Nota à imprensa. Novo estudo sigma da Swiss Re, O seguro no mundo em 2010 revela aumento do volume global de prêmios e do capital

Nota à imprensa. Novo estudo sigma da Swiss Re, O seguro no mundo em 2010 revela aumento do volume global de prêmios e do capital Nota à imprensa ab Novo estudo sigma da Swiss Re, O seguro no mundo em 2010 revela aumento do volume global de prêmios e do capital Contatos: Daniel Staib, Zurique Telefone +41 43 285 8136 Thomas Holzheu,

Leia mais

Prospecto para Patrocínadores

Prospecto para Patrocínadores Esporte Clube São Bento Prospecto para Patrocínadores Apresentação A Ogli Consultoria e Gestão de Negócios, terá a responsabilidade de gerir todo o projeto desde a captação de recursos, formação de elenco

Leia mais

No ritmo da criação OPORTUNIDADE

No ritmo da criação OPORTUNIDADE Shutterstock POR BRUNO MORESCHI No ritmo da criação Nosso país ainda caminha a passos lentos quando o assunto é economia criativa. Mas as incubadoras podem ajudar a recuperar o tempo perdido Da música

Leia mais

A COPA DO MUNDO É NOSSA

A COPA DO MUNDO É NOSSA Central de Cases Fonte: clip-art A COPA DO MUNDO É NOSSA www.espm.br/centraldecases Central de Cases A COPA DO MUNDO É NOSSA Preparado pelo Prof. Marcus S. Piaskowy, da ESPM-SP. Recomendado para as disciplinas

Leia mais

FALANDO PARA O MUNDO. www.espm.br/centraldecases

FALANDO PARA O MUNDO. www.espm.br/centraldecases FALANDO PARA O MUNDO www.espm.br/centraldecases FALANDO PARA O MUNDO Preparado pelo Prof. Marcus S. Piaskowy. Este caso foi escrito inteiramente a partir de informações cedidas pela empresa e outras fontes

Leia mais

Presidente da Terra Brasis faz críticas às mudanças na regulamentação do resseguro

Presidente da Terra Brasis faz críticas às mudanças na regulamentação do resseguro Presidente da Terra Brasis faz críticas às mudanças na regulamentação do resseguro Por Paulo Botti, presidente da Terra Brasis, resseguradora local Nascido em 2008 após árduo trabalho e amplo diálogo entre

Leia mais

Plano de Mídia TV PAJUÇARA

Plano de Mídia TV PAJUÇARA Campeonato Alagoano A emoção do Campeonato Alagoano faz parte do Pajuçara Sistema de Comunicação desde 2008. E, de lá pra cá, já virou tradição de todo alagoano acompanhar todos os lances do seu time do

Leia mais

Emilio Botín: O objetivo é nos tornarmos o banco privado número um do Brasil

Emilio Botín: O objetivo é nos tornarmos o banco privado número um do Brasil Nota de Imprensa Emilio Botín: O objetivo é nos tornarmos o banco privado número um do Brasil Presidente mundial do Banco Santander apresenta em São Paulo o Plano Estratégico 2008-2010 para o A integração

Leia mais

ENTREVISTA. Marco Aurélio Klein. por Rafael Valente Mackenzie

ENTREVISTA. Marco Aurélio Klein. por Rafael Valente Mackenzie ENTREVISTA Marco Aurélio Klein M arco Aurélio Klein é diretor responsável pela área de futebol do Ministério dos Esportes e coordenador-executivo da Comissão Paz no Esporte, além de professor de marketing

Leia mais

Campeonato Alagoano 2014 Período: Janeiro a maio de 2014. Campeonato Alagoano

Campeonato Alagoano 2014 Período: Janeiro a maio de 2014. Campeonato Alagoano Campeonato Alagoano 2014 Período: Janeiro a maio de 2014 Campeonato Alagoano A emoção do Campeonato Alagoano faz parte da programação da TV Pajuçara desde 2008. E, de lá pra cá, já virou tradição de todo

Leia mais

INTERVENÇÃO Dr. José Vital Morgado Administrador Executivo da AICEP ****

INTERVENÇÃO Dr. José Vital Morgado Administrador Executivo da AICEP **** INTERVENÇÃO Dr. José Vital Morgado Administrador Executivo da AICEP **** Gostaria de começar por agradecer o amável convite da CIP para participarmos nesta conferência sobre um tema determinante para o

Leia mais

Espaço Geográfico (Tempo e Lugar)

Espaço Geográfico (Tempo e Lugar) Espaço Geográfico (Tempo e Lugar) Somos parte de uma sociedade, que (re)produz, consome e vive em uma determinada porção do planeta, que já passou por muitas transformações, trata-se de seu lugar, relacionando-se

Leia mais

CONTEXTO OLÍMPICO LIMITAÇÕES ÀS ATIVIDADES DE MARKETING EM EVENTOS ESPORTIVOS

CONTEXTO OLÍMPICO LIMITAÇÕES ÀS ATIVIDADES DE MARKETING EM EVENTOS ESPORTIVOS CONTEXTO OLÍMPICO LIMITAÇÕES ÀS ATIVIDADES DE MARKETING EM EVENTOS ESPORTIVOS Lei Geral da Copa e Ato Olímpico 1. Introdução Com a proximidade dos eventos esportivos que serão realizados no Brasil, como

Leia mais

CANAIS 14 UHF 22 da NET

CANAIS 14 UHF 22 da NET www.facebook.com/tvredepaulista www.twitter.com/tvredepaulista www.youtube.com/tvredepaulista www.projectocom.com.br tvredepaulista Fundação Cultural Anhanguera R. Dr. Leonardo Cavalcanti, 56 Centro Jundiaí/SP

Leia mais

MBA Comunicação Integrada e Novas Mídias. Prof. Eduardo Ambrósio

MBA Comunicação Integrada e Novas Mídias. Prof. Eduardo Ambrósio ARENAS DA COMUNICAÇÃO COM O MERCADO ENTRETENIMENTO FEIRAS MKT ESPORTIVO MKT DIGITAL VAREJO PUBLICIDADE E PROPAGANDA MODA ENTRETENIMENTO ARENAS DA COMUNICAÇÃO COM O MERCADO ENTRETENIMENTO Viagens Culinária

Leia mais

As lições de Vancouver

As lições de Vancouver As lições de Vancouver O sucesso das Olimpíadas de Inverno realizadas na cidade canadense ensina diversas lições sobre como organizar eventos desse porte Com a proximidade das duas grandes competições

Leia mais

TEORIA GERAL DA ADMINISTRAÇÃO I

TEORIA GERAL DA ADMINISTRAÇÃO I TEORIA GERAL DA ADMINISTRAÇÃO I 1 TEORIA GERAL DA ADMINISTRAÇÃO I Administração é a maneira de governar organizações ou parte delas. É o processo de planejar, organizar, dirigir e controlar o uso de recursos

Leia mais

O papel do CFO na estratégia corporativa

O papel do CFO na estratégia corporativa O papel do CFO na estratégia corporativa Paola Sardi Madueño, Diretora de Estratégia da Monitor Deloitte Dezembro 2014 Tendências globais (1/2) Embora com pesos diferentes, existem algumas tendências globais

Leia mais

Marlboro? Onde?! 1. Erik Paiva LOPES 2 Diego DALMASO MARTINS 3 MSc. Carolina Maria Martyres VENTURINI 4 Universidade Federal do Pará, Belém, PA

Marlboro? Onde?! 1. Erik Paiva LOPES 2 Diego DALMASO MARTINS 3 MSc. Carolina Maria Martyres VENTURINI 4 Universidade Federal do Pará, Belém, PA Marlboro? Onde?! 1 Erik Paiva LOPES 2 Diego DALMASO MARTINS 3 MSc. Carolina Maria Martyres VENTURINI 4 Universidade Federal do Pará, Belém, PA Resumo Na temporada de 2010 da Fórmula 1 a Scuderia Ferrari

Leia mais

O processo de concentração e centralização do capital

O processo de concentração e centralização do capital O processo de concentração e centralização do capital Pedro Carvalho* «Algumas dezenas de milhares de grandes empresas são tudo, os milhões de pequenas empresas não são nada», afirmava Lénine no seu livro

Leia mais

Tecnologia híbrida no centro das atenções da TOYOTA RACING para 2014

Tecnologia híbrida no centro das atenções da TOYOTA RACING para 2014 011 30/01/2014 Tecnologia híbrida no centro das atenções da TOYOTA RACING para 2014 A TOYOTA Racing revelou os primeiros detalhes da participação no Campeonato do Mundo de Endurance FIA 2014 (WEC), no

Leia mais

Luau Bom D+ Bom D+ Verão. Desafio Ciclístico

Luau Bom D+ Bom D+ Verão. Desafio Ciclístico 4 Luau Bom D+ 10 Bom D+ Verão 16 Desafio Ciclístico 22 Triathlon Bahia de Todos os Santos 28 Revezamento a Nado Farol a Farol 34 Carnaval 2013 Record Bahia O que já era bom ficou ainda melhor. A primeira

Leia mais

multi media soluções em comunicação

multi media soluções em comunicação multi media soluções em comunicação PARANÁ multi media multi media 1 MI DE HABITANTES NA REGIÃO R$18 BI POTENCIAL DE CONSUMO R$ 12 BI EM INVESTIMENTOS NA REGIÃO 1º NO RANKING INDUSTRIAS R$ 18 BI PIB DA

Leia mais

EUA e a Copa do Mundo 2014: uma paixão cada vez maior

EUA e a Copa do Mundo 2014: uma paixão cada vez maior EUA e a Copa do Mundo 2014: uma paixão cada vez maior Se para os Estados Unidos não existe nada maior que afinal do campeonato de futebol americano, eles têm que esperar para ver a Copa do Mundo. O que

Leia mais

Turismo em Fortaleza: City Marketing e Reestruturação Urbana

Turismo em Fortaleza: City Marketing e Reestruturação Urbana Turismo em Fortaleza: City Marketing e Reestruturação Urbana Autora: Amíria Bezerra Brasil e-mail: amiria@uol.com.br Instituição: Mestrado em Desenvolvimento Urbano (MDU), Universidade Federal de Pernambuco

Leia mais

Após a década de 1990, várias pessoas em todo o mundo mantêm hábito de consumo semelhantes.

Após a década de 1990, várias pessoas em todo o mundo mantêm hábito de consumo semelhantes. A ECONOMIA GLOBAL Após a década de 1990, várias pessoas em todo o mundo mantêm hábito de consumo semelhantes. O século XX marcou o momento em que hábitos culturais, passaram a ser ditados pelas grandes

Leia mais

Marie Curie Vestibulares Lista 4 Geografia Matheus Ronconi AGROPECUÁRIA, INDÚSTRIA E DISTRIBUIÇÃO TECNOLÓGICA MUNDIAL

Marie Curie Vestibulares Lista 4 Geografia Matheus Ronconi AGROPECUÁRIA, INDÚSTRIA E DISTRIBUIÇÃO TECNOLÓGICA MUNDIAL AGROPECUÁRIA, INDÚSTRIA E DISTRIBUIÇÃO TECNOLÓGICA MUNDIAL 1) (UDESC - 2012) São exemplos da indústria de bens de consumo (ou leve): a) Indústria de autopeças e de alumínio. b) Indústria de automóveis

Leia mais

Megaeventos esportivos: cidade, cultura e desenvolvimento sustentável

Megaeventos esportivos: cidade, cultura e desenvolvimento sustentável Megaeventos esportivos: cidade, cultura e desenvolvimento sustentável GILMAR MASCARENHAS (Programa de Pós-Graduação em Geografia/UERJ) IV Semana do Patrimônio Cultural de Pernambuco Recife, 15 a 19 de

Leia mais

THE NEXT GENERATION IS NOW MANAGEMENT & CONSULTING GROUP

THE NEXT GENERATION IS NOW MANAGEMENT & CONSULTING GROUP Soluções integradas para a Indústria do turismo empresarial THE NEXT GENERATION IS NOW MANAGEMENT & CONSULTING GROUP A equipa da XYM Hospitality e os seus parceiros possuem vastos conhecimentos sobre a

Leia mais

Sistemas de comunicação e novas tecnologias

Sistemas de comunicação e novas tecnologias Sistemas de comunicação e novas tecnologias Módulo 3: Capitalismo informacional 3.3: Ascensão da TV paga Esta obra estálicenciada sob umalicença CreativeCommons. Prof. Dr. Marcos Dantas 1948 Pequenos empreendedores

Leia mais

Overdose de Corinthians e São Paulo aumenta vendas de lojas

Overdose de Corinthians e São Paulo aumenta vendas de lojas B O L E T I M OFERECIMENTO NÚMERO DO DIA 16/03/2015 US$ 957 mi faturou o COI com patrocínios durante o último ciclo olímpico, entre os anos de 2009 e 2012 Overdose de Corinthians e São Paulo aumenta vendas

Leia mais

Transporte Terrestre X Aluguel de Veículos:

Transporte Terrestre X Aluguel de Veículos: Transporte Terrestre X Aluguel de Veículos: Serviços Diferentes para Clientes Diferentes? Moderador: Tomás Ramos 04/02/2009 Considerando-se o tráfego e os problemas de segurança nas grandes cidades da

Leia mais

Primeiramente podemos classificar três diferentes tipos estruturais de

Primeiramente podemos classificar três diferentes tipos estruturais de VITRINAS 1 INTRODUÇÃO Elegantes e essenciais, as vitrinas são elementos versáteis criados nas mais diversas versões e representam o ponto chave para apresentação do produto a ser vendido nos mais diferentes

Leia mais

Prêmios Internacionais. cobertura

Prêmios Internacionais. cobertura Prêmios Internacionais cobertura Festivais Inegavelmente, o Brasil é uma potência criativa global. Essa posição de destaque tem se consolidado ainda mais nos últimos anos e a grande vitrine desse processo

Leia mais

CONCLUSÕES DA REUNIÃO EMPRESARIAL PORTUGAL - ESPANHA. 22 de junho de 2015

CONCLUSÕES DA REUNIÃO EMPRESARIAL PORTUGAL - ESPANHA. 22 de junho de 2015 CONCLUSÕES DA REUNIÃO EMPRESARIAL PORTUGAL - ESPANHA UMA UNIÃO EUROPEIA MAIS FORTE 22 de junho de 2015 A União Europeia deve contar com um quadro institucional estável e eficaz que lhe permita concentrar-se

Leia mais

PARCEIROS BONS. Mercado

PARCEIROS BONS. Mercado Mercado BONS PARCEIROS por Fabio Steinberg Saiba quem são e como funcionam os Conventions & Visitors Bureaus, que divulgam o destino, sendo fundamentais para a captação de visitantes e eventos. Há milhares

Leia mais

PANORAMA DO MERCADO Asiático

PANORAMA DO MERCADO Asiático Boletim PANORAMA DO MERCADO Asiático Edição nº 1 Julho/2015 Coordenação Geral de Mercados Americanos/Asiático - CGMA Diretoria de Mercados Internacionais - DMINT Apresentação A série Boletim Panorama dos

Leia mais

LOGÍSTICA & BRASIL Artigo

LOGÍSTICA & BRASIL Artigo O artigo aborda relações entre logística, formação profissional e infra-estrutura do país. São debatidas questões sobre a evolução da logística no Brasil, a preparação educacional do profissional de logística

Leia mais

Planejamento estratégico de transporte para Copa do Mundo de Futebol e outros mega torneios internacionais

Planejamento estratégico de transporte para Copa do Mundo de Futebol e outros mega torneios internacionais Planejamento estratégico de transporte para Copa do Mundo de Futebol e outros mega torneios internacionais Philippe H. BOVY Professor Honorário / Instituto Federal Suíço de Tecnologia Lausanne / Suíça

Leia mais

Copa 2014 Desafios e Oportunidades

Copa 2014 Desafios e Oportunidades Copa 2014 Desafios e Oportunidades A Copa 2014 tem dono... A Copa é da FIFA Exigências atribuladas no caderno de encargos Com a Copa de 2010, o único continente que ainda não sediou o evento foi a Oceania

Leia mais

Gestão e Marketing Esportivo. Prof. José Carlos Brunoro

Gestão e Marketing Esportivo. Prof. José Carlos Brunoro Gestão e Marketing Esportivo Prof. José Carlos Brunoro O Sucesso depende de 3 pontos importantes 1. CONHECIMENTO 2. LIDERANÇA 3. CONDUTA PESSOAL 1 CONHECIMENTO Estudo Constante Aprender com todos Idioma

Leia mais

O Marketing Esportivo evoluiu. A Escala também.

O Marketing Esportivo evoluiu. A Escala também. O Marketing Esportivo evoluiu. A Escala também. O número de academias dobrou de 2007 a 2010; O futebol do Brasil é o 6º mais rico do mundo; Se na década de 70 tivemos as primeiras transmissões de eventos

Leia mais

Publicaqui na Copa. #publicaquinacopa. Nossa Proposta

Publicaqui na Copa. #publicaquinacopa. Nossa Proposta Publicaqui na Copa #publicaquinacopa Nossa Proposta Criar virais sobre tudo que envolve a Copa do Mundo 2014. Queremos estar presentes nesta atmosfera, divulgando e espalhando pelo mundo a energia da nossa

Leia mais

ENDURO DE KART DO INTERIOR ETAPA VENDA NOVA DO IMIGRANTE

ENDURO DE KART DO INTERIOR ETAPA VENDA NOVA DO IMIGRANTE ENDURO DE KART DO INTERIOR ETAPA VENDA NOVA DO IMIGRANTE APRESENTAÇÃO DO PROJETO A ASSOCIAÇÃO FÃS DE KART DO ES tem o prazer de apresentar um evento inédito no Estado do ES ENDURO DE KART DO INTERIOR

Leia mais

Resenha Crítica. Resignificação das relações sociais diante da compressão do tempo-espaço

Resenha Crítica. Resignificação das relações sociais diante da compressão do tempo-espaço Resenha Crítica Bibliografia: HARVEY, David. A compressão do tempo-espaço e a condição pós-moderna. In:. A condição pós-moderna. São Paulo: Loyola, 1989. Cap. 17, p. 257-276. Andrea Menezes Bacharel em

Leia mais

O legado e os megaeventos. Erich Beting 24/10/2012

O legado e os megaeventos. Erich Beting 24/10/2012 O legado e os megaeventos Erich Beting 24/10/2012 O que é legado? Pelo dicionário, a definição mais exata que se pode ter, quando aplicado a um megaevento esportivo, é a seguinte: Legado: o que é transmitido

Leia mais

Ensino Fundamental II

Ensino Fundamental II Ensino Fundamental II Valor do trabalho: 2.0 Nota: Data: /dezembro/2014 Professora: Angela Disciplina: Geografia Nome: n o : Ano: 8º Trabalho de Recuperação Final de Geografia ORIENTAÇÕES: Leia atentamente

Leia mais

- Samuelson: Acredita que somente as organizações monopolistas, podem desenvolver programas sociais, mantendo seu lucro no mesmo patamar.

- Samuelson: Acredita que somente as organizações monopolistas, podem desenvolver programas sociais, mantendo seu lucro no mesmo patamar. Responsabilidade Social Corporativa Esse tema hoje em dia é utilizado tanto nos meios acadêmicos quanto empresarial, mostrando assim, seus importantes conceitos sobre Responsabilidade Social e sobre ética.

Leia mais

AOS CANDIDATOS À PRESIDÊNCIA DA REPÚBLICA DO BRASIL PROPOSTAS DE POLÍTICAS PARA A ÁREA DAS COMUNICAÇÕES

AOS CANDIDATOS À PRESIDÊNCIA DA REPÚBLICA DO BRASIL PROPOSTAS DE POLÍTICAS PARA A ÁREA DAS COMUNICAÇÕES AOS CANDIDATOS À PRESIDÊNCIA DA REPÚBLICA DO BRASIL PROPOSTAS DE POLÍTICAS PARA A ÁREA DAS COMUNICAÇÕES 1 Apresentação 1. As comunicações, contemporaneamente, exercem crescentes determinações sobre a cultura,

Leia mais

18 de novembro de 2009 Colóquio Solar NATAL-RN 11 de dezembro de 2009 Conferência Nacional para Energia Solar SÃO PAULO-SP

18 de novembro de 2009 Colóquio Solar NATAL-RN 11 de dezembro de 2009 Conferência Nacional para Energia Solar SÃO PAULO-SP Colóquio e Conferência Nacional Encontro técnico-econômico para desenvolvimento e aplicação de projetos de energia solar na matriz energética brasileira 18 de novembro de 2009 Colóquio Solar NATAL-RN 11

Leia mais

Quase 6 Bilhões de Euros em campo!

Quase 6 Bilhões de Euros em campo! PLURI Sportmetric Valor de mercado das Seleções que disputarão a Copa 2014 PLURI Consultoria Pesquisa, Valuation, Gestão e marketing Esportivo. Twitter: @pluriconsult www.facebook/pluriconsultoria Fernando

Leia mais

Entrevistas pessoais com as 80 maiores empresas de turismo no Brasil;

Entrevistas pessoais com as 80 maiores empresas de turismo no Brasil; 10ª edição / 2014 Apresentação Entrevistas pessoais com as 80 maiores empresas de turismo no Brasil; Série histórica iniciada em 2004 Pesquisa complementar ao BDET (Boletim de Desempenho Econômico do Turismo),

Leia mais

UNIVERSIDADE CÂNDIDO MENDES PRÓ REITORIA DE PLANEJAMENTO E DESENVOLVIMENTO DIRETORIA DE PROJETOS ESPECIAIS MARKETING ESPORTIVO POR DENISE SALTARELLI

UNIVERSIDADE CÂNDIDO MENDES PRÓ REITORIA DE PLANEJAMENTO E DESENVOLVIMENTO DIRETORIA DE PROJETOS ESPECIAIS MARKETING ESPORTIVO POR DENISE SALTARELLI UNIVERSIDADE CÂNDIDO MENDES PRÓ REITORIA DE PLANEJAMENTO E DESENVOLVIMENTO DIRETORIA DE PROJETOS ESPECIAIS MARKETING ESPORTIVO POR DENISE SALTARELLI ORIENTADOR PROFº MARCO ANTONIO CHAVES Rio de Janeiro,

Leia mais

Prêmios Internacionais. cobertura

Prêmios Internacionais. cobertura Prêmios Internacionais cobertura Festivais Inegavelmente, o Brasil é uma potência criativa global. Essa posição de destaque tem se consolidado ainda mais nos últimos anos e a grande vitrine desse processo

Leia mais

Cristiano Ronaldo O futebolista mais valioso do mundo. Janeiro 2014

Cristiano Ronaldo O futebolista mais valioso do mundo. Janeiro 2014 Cristiano Ronaldo O futebolista mais valioso do mundo Janeiro 2014 Índice Contexto 02 Objectivos 03 Metodologia 04 Imagem 05 Sports Reputation Index by IPAM 07 Determinação do valor potencial 12 Prevendo

Leia mais

Porque estádios tão vazios? Pt. 3. 17 Motivos para NÃO ir aos Estádios. Fernando Ferreira

Porque estádios tão vazios? Pt. 3. 17 Motivos para NÃO ir aos Estádios. Fernando Ferreira PLURI Especial Porque estádios tão vazios? Pt. 3 17 Motivos para NÃO ir aos Estádios PLURI Consultoria Pesquisa, Valuation, Gestão e marketing Esportivo. Curitiba-PR Twitter: @pluriconsult www.facebook/pluriconsultoria

Leia mais

O CAPITALISMO E A DIVISÃO INTERNACIONAL DO TRABALHO (DIT)

O CAPITALISMO E A DIVISÃO INTERNACIONAL DO TRABALHO (DIT) O CAPITALISMO E A DIVISÃO INTERNACIONAL DO TRABALHO (DIT) O capitalismo teve origem na Europa, entre os séculos XIII e XIV, com o renascimento urbano e comercial e o surgimento de uma nova classe social:

Leia mais

Legado dos Megaeventos Esportivos para o Turismo Brasileiro

Legado dos Megaeventos Esportivos para o Turismo Brasileiro Legado dos Megaeventos Esportivos para o Turismo Brasileiro Ana Isabel Mesquita de Oliveira Secretária Nacional de Políticas de Turismo Brasília, 17 de Agosto de 2011 Números País/evento Número ingresso

Leia mais

Marketing de Causas Sociais

Marketing de Causas Sociais Marketing de Causas Sociais Denilson Motta denilson.motta@yahoo.com.br AEDB Lúcia Maria Aparecido Vieira lucivie3@hotmail.com UBM Vanderléia Duarte potter_van@yahoo.com.br AEDB Rayanna Mattos Viana rayannamviana@gmail.com

Leia mais

Finanças e informação em São Paulo: o mercado de capitais e o circuito da informação financeira

Finanças e informação em São Paulo: o mercado de capitais e o circuito da informação financeira Finanças e informação em São Paulo: o mercado de capitais e o circuito da informação financeira André Buonani Pasti andre@pasti.art.br IG/UNICAMP Palavras-chave: finanças, informação, São Paulo O atual

Leia mais

UMA RESPOSTA ESTRATÉGICA AOS

UMA RESPOSTA ESTRATÉGICA AOS UMA RESPOSTA ESTRATÉGICA AOS DESAFIOS DO CAPITALISMO GLOBAL E DA DEMOCRACIA Luiz Carlos Bresser-Pereira A Reforma Gerencial ou Reforma à Gestão Pública de 95 atingiu basicamente os objetivos a que se propunha

Leia mais