REGULAMENTO INTERNO DA FORMAÇÃO DA NHK, LDA ÍNDICE

Save this PDF as:
 WORD  PNG  TXT  JPG

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "REGULAMENTO INTERNO DA FORMAÇÃO DA NHK, LDA ÍNDICE"

Transcrição

1 REGULAMENTO INTERNO DA FORMAÇÃO DA NHK, LDA ÍNDICE CAPITULO 01- Requisitos de Acesso e Formas de Inscrição CAPITULO 02 - Critérios e Métodos de Seleção dos Formandos e Novos Formadores Seleção de Formandos Seleção de Novos Formadores 04 CAPITULO 03 - Condições de Funcionamento da Atividade Formativa Cancelamento de inscrições e substituições de formandos Adiamentos, Interrupções e Cancelamento Regime De Pagamentos e Devoluções...06 CAPITULO 04 Direitos e Deveres Direitos e Deveres dos Formandos Direitos e Deveres dos Formadores Direitos e Deveres da NHK. 09 CAPITULO 05 Assiduidade e Repetições de Cursos CAPITULO 06 Proteção de Dados Pessoais.10 CAPITULO 07 Critérios e Métodos de Avaliação da Formação Escala de Avaliação Avaliação e Certificação do Curso de Formação de Formadores...12 CAPITULO 08 Emissão de Documentos Certificados de Formação Outros Documentos CAPITULO 09 Procedimento de Tratamento de Reclamações CAPITULO 10 Descrição Genérica de Funções e Responsabilidades no Âmbito da formação Tarefas do colaborador do atendimento ao público Tarefas do formador Tarefas do Coordenador Pedagógico Tarefas do Gestor de Formação Pág. 1 de 16

2 CAPITULO 1 - REQUISITOS DE ACESSO E FORMAS DE INSCRIÇÃO Os formandos/empresas poderão efectuar a sua pré-inscrição (reserva de lugar) nos cursos de formação da seguinte forma: Presencialmente, nas instalações da empresa; Via telefone, ou site da empresa (quando tiver disponível). Entre de 2 a 5 úteis dias de antecedência relativo à data de início do curso, a NHK confirma o interesse do formando e, em caso afirmativo, realizar-se-á a inscrição definitiva. Contudo, a inscrição só ficará validada após preenchimento da ficha de inscrição (presencialmente ou por ), pagamento efectuado e confirmação de que possui o perfil de entrada para o curso de formação pretendido. Os requisitos de acesso variam consoante os cursos de formação, sendo necessário consultar previamente o respectivo plano de curso (ex. objectivos do curso e o perfil de entrada/destinatários). Os cursos de formação serão divulgados da seguinte forma: Serviço de telemarketing; Divulgação de brochuras/panfletos; No site da empresa (quando estiver operacional) e nos sites de divulgação de formação profissional; Nas redes sociais (quando estiver operacional). Caso pretendam algum esclarecimento ou aconselhamento sobre a o modo de efectuar a inscrição ou sobre a oferta formativa da NHK, poderão fazê-lo através do , telefone: (das 09h-21h). Pág. 2 de 16

3 CAPITULO 2 - CRITÉRIOS E MÉTODOS DE SELEÇÃO DOS FORMANDOS E DE NOVOS FORMADORES 2.1. Selecção de Formandos No caso do Curso de Formação de Formadores, os formandos são seleccionados da seguinte forma: Análise curricular. Nesta fase irá analisar-se a ficha de inscrição, o CV europeu, o certificado de habilitações literárias e o seu documento de identificação. Entrevista de selecção ou questionário de selecção. Os candidatos preencherão um questionário de selecção ou realizar-se-á a entrevista individual para avaliar as expectativas/motivações dos formandos. Critérios de selecção são os seguintes: Deve ter preferencialmente uma qualificação de nível superior; Não pode ter qualificações inferiores ao 9º ano de escolaridade; Interesse e motivação para a realização da acção de formação; Disponibilidade; Situação profissional; Expectativas e necessidades de formação; Relacionamento interpessoal (capacidade de comunicação e interacção, tolerância, capacidade facilidade de cooperação e de trabalho em equipa, capacidade de coordenação de trabalho, ) Competências pessoais e sociais adequadas à função: autonomia, assertividade, capacidade de resolução de problemas, espírito empreendedor, iniciativa, criatividade, flexibilidade, ) Competências básicas no domínio das TIC; Experiência profissional; e, Outra que se venham a verificar necessárias para a concretização do objectivo da formação. Nos outros cursos, os formandos serão seleccionados em conformidade com os requisitos existentes no perfil de entrada do curso respectivo após análise da ficha de inscrição dos formandos. Pág. 3 de 16

4 A selecção dos formandos para frequência das acções de formação depende da entrega da documentação acima mencionada, nos prazos estipulados. No caso da formação intra-empresa, a selecção dos formandos será da responsabilidade da Empresa Cliente de acordo com o Programa do Curso Selecção de Novos Formadores Os requisitos e os critérios de selecção de novos formadores são os seguintes: Serem detentores de formação científica ou técnica e pedagógica adequada para cada área de educação e formação. Serem detentores de CCP de formadores; Possuírem pelo menos 150 horas de formação na área respectiva; Possuírem disponibilidade; Interesse e motivação pela função. Sempre haja necessidade de seleccionar formadores para cursos homologados pela respectiva entidade certificadora (Ex: Curso de Formação de Formadores, do IEFP) será tido em conta os requisitos constantes no Referencial do respectivo Curso. No caso de Formadores para ministrar a Formação Pedagógica de Formadores, é submetido na plataforma da netforce os dados (pessoais e profissionais) para dar conhecimento da entrada do novo Colaborador e requerer aprovação por parte do IEFP, de acordo com o referencial do Curso de Formação. A selecção final do formador é realizada com base nos requisitos regulamentadas pelo DGERT, no perfil definido pela NHK, nas características / competências demonstradas. Pág. 4 de 16

5 CAPITULO 3 - CONDIÇÕES DE FUNCIONAMENTO DA ATIVIDADE FORMATIVA O horário de atendimento da empresa é o seguinte: De 2ªF a 6ªF, das 09h-21h; Sábados e Domingos das 09h-18h. No caso da formação inter-empresas, o local da formação será a sala 1,2 e 3 situado na Rua Jorge Barradas no 51B, Lisboa. Na formação intra-empresa poderá decorrer nas instalações da empresa cliente, caso se constate previamente a existência de todas as condições necessárias à realização do curso. A NHK compromete-se a: Ministrar pela forma e meios previstos, o curso referido no contrato de formação, no local e no horário pré-definido; A fornecer, por sua iniciativa e sem a obrigatoriedade legal, a entrega de documentação ou do manual do curso; A respeitar as condições de higiene e segurança nos contextos em que se desenvolve a acção de formação; A não exigir ao formando tarefas não compreendidas no objecto do curso; Emitir gratuitamente um certificado de frequência/formação ao formando relativo a uma acção que este tenha concluído; Entregar um cronograma (com a discriminação das datas da formação) e programa da formação; Disponibilizar o regulamento interno da empresa na recepção para consulta do formando e anexá-lo ao contrato de formação do formando. O horário de formação e outras condições poderão ser ajustadas caso haja um acordo explícito por parte dos formandos/cliente, de modo a garantir a qualidade do processo pedagógico Cancelamento de inscrições e substituições de formandos A NHK aceita cancelamento da inscrição do formando no período de 2 dias úteis, contados a partir do 1º pagamento, e pela forma escrita de carta registada com aviso de Pág. 5 de 16

6 recepção endereçada à NHK. Neste caso, dar-se-á a restituição do valor pago relativo ao curso. No que diz respeito à substituição dos formandos, são permitidas desde que comunicadas por escrito à NHK preferencialmente 24h antes do inicio do curso Adiamentos, Interrupções e Cancelamento Excepcionalmente, a NHK reserva o direito a adiar o início do curso se não tiver o nº de formandos considerados suficientes para o funcionamento da acção. Dever-se-á confirmar o interesse/disponibilidade dos formandos para as novas datas, ficando a decisão de realização de comum acordo. Se ocorrer cancelamento do curso de formação a NHK compromete-se a devolver o valor do curso aos formandos/empresas Regime De Pagamentos e Devoluções O pagamento do curso deverá ser efectuado através de transferência bancária para o NIB indicado na ficha de inscrição ou por cheque à ordem da NHK Formação e Novas Tecnologias Unipessoal Lda. ou em numerário. Para além do valor do curso (S/IVA) o formando pagará uma taxa de inscrição de 30,40 apenas uma vez relativa ao 1º curso de formação profissional que realize na empresa. O não pagamento de uma só prestação implica o imediato vencimento de todas as restantes, as quais tornam-se desde logo exigíveis. O direito de resolução do contrato por parte do formando, poderá ser efectuado no período de 2 dias úteis, contados a partir do 1º pagamento, e pela forma escrita de carta registada com aviso de recepção endereçada à NHK. Pág. 6 de 16

7 CAPITULO 4 DIREITOS E DEVERES 4.1. Direitos e Deveres dos Formandos Os direitos dos Formandos: 1 O formando tem o direito a receber gratuitamente um certificado comprovativo da frequência e/ou aproveitamento obtido no curso, desde que concluído com aproveitamento, conforme regulamento do curso; 2 O formando pode efectuar reclamações, registando-as no Livro de Reclamações da empresa. Também pode apresentar sugestões através de formulário disponível na instituição para esse efeito (este formulário é disponibilizado a quem o solicite e/ou pessoa responsável pela acção de formação quando deslocada da região da sede). 3 O formando tem o direito a receber o cronograma e o programa de curso, após ter assinado o contrato de formação do respectivo curso; 4 Tem igualmente direito a receber o duplicado do contrato de formação do formando devidamente preenchido e assinado; 5 O formando também tem o direito de consultar/obter o regulamento interno da empresa antes de se inscrever num determinado curso de formação; 6 Ser ressarcido do valor do curso, caso este não se realize por causas não imputáveis a si ou caso desista dentro do prazo e comunique conforme definido no Regulamento Interno. Os deveres dos formandos: 1 O formando obriga-se a frequentar o curso de formação com interesse, assiduidade, pontualidade e com respeito pelo disposto no Regulamento Interno. 2 Obriga-se a: a) Entregar toda a documentação pessoal válida, trabalhos do curso, sempre que necessário, dentro dos prazos legais; b) Registar-se nas plataformas de apoio ao funcionamento do curso dentro dos prazos legais; c) Participar no curso de formação de harmonia com os programas, metodologias e processos de trabalho definidos; b) Prestar as provas de avaliação de conhecimentos a que venha a ser submetido; c) Efectuar a avaliação do curso de formação; d) Tratar com urbanidade a entidade formadora e os seus representantes; d) Guardar lealdade à entidade formadora, abstendo-se da prática de qualquer ato de onde possa resultar prejuízo ou descrédito para a respectiva entidade; Pág. 7 de 16

8 e) Zelar pela conservação e boa utilização dos bens e instalações utilizadas pelo formando e entidades associadas ao projecto, para ministrar o curso de formação; f) Entregar comprovativo escrito à entidade formadora relativo à falta dada no âmbito do curso frequentado, assim como de uma possível desistência do curso; g) Suportar os custos de substituição ou reparação dos equipamentos e materiais que utilizar no curso de formação, sempre que os danos produzidos resultem de comportamento doloso ou gravemente negligente da parte do formando; h) A não trazer o seu equipamento informático para as instalações da NHK; i) A não fumar dentro das instalações da NHK Direitos e Deveres dos Formadores 1 - Os direitos dos formadores são os seguintes: a) Receber atempadamente o valor pecuniário do serviço prestado de acordo com o aprovado em contrato de trabalho ou prestação de serviços; b) Obter documento comprovativo, emitido pela entidade formadora em acções por ela desenvolvidas, do qual conste especificamente o domínio, a duração e a qualidade da sua intervenção; c) Apresentar propostas com vista à melhoria das actividades formativas, nomeadamente através da participação no processo de desenvolvimento e nos critérios de avaliação da acção de formação, de acordo com o plano geral institucionalmente definido; d) Dispor de uma sala de formação devidamente adequada e equipada para o tipo de formação, assim como de meios/recursos didácticos; 2 Para efeito do disposto da alínea b) do número anterior, o formador disporá de documento adequado, de modelo a aprovar por Portaria do Ministro do Emprego e da Segurança Social. 1 - Quanto aos deveres dos formadores: a) Fixar os objectivos da sua prestação e a metodologia pedagógica a utilizar, tendo em consideração o diagnóstico de partida, os objectivos da acção e os destinatários da mesma, com observância das orientações da entidade formadora ou beneficiária; b) Cooperar com a entidade formadora, bem como com os outros intervenientes no processo formativo, no sentido de assegurar a eficácia da acção de formação; c) Preparar de forma adequada e prévia cada acção de formação, tendo em conta os objectivos da acção, os seus destinatários, a metodologia pedagógica mais ajustada, a estruturação do programa, a preparação de documentação e de suportes pedagógicos de apoio, o plano de sessão e os instrumentos de avaliação, Pág. 8 de 16

9 bem como os pontos da situação intercalares que determinem eventuais reajustamentos no desenvolvimento da acção; d) Participar na concepção técnica-pedagógica da acção, adequando os seus conhecimentos técnicos e pedagógicos ao contexto em que se desenvolve o processo formativo; e) Assegurar a reserva sobre dados e acontecimentos relacionados com o processo de formação e seus intervenientes; f) Zelar pelos meios materiais e técnicos postos à sua disposição; g) Ser assíduo e pontual; h) Cumprir a legislação e os regulamentos; i) Avaliar os formandos em função dos objectivos afixados e do nível de adequação conseguido; 2 O formador, enquanto elemento determinante para o êxito da acção formativa, é submetido a avaliação, tanto no âmbito da sua competência técnico-profissional como no seu contributo para a criação de um clima de confiança e compreensão mútuas entre os intervenientes no processo formativo Direitos e Deveres da NHK, Lda. Os direitos da entidade formadora: a) Receber o valor do curso e taxa de inscrição (sempre que seja a 1ª vez que faça um curso na NHK) na forma e no prazo acordado entre ambas as partes (conforme contrato de formação do formando/empresa); b) Receber atempadamente toda a informação/documentação necessária por parte do formando/empresa para a preparação/organização do curso de formação; c) A não realizar o curso de formação caso não haja o nº mínimo de formandos conforme regulamento do curso (Ex: Formação de Formadores) ou caso o cliente/empresa não garanta as condições (físicas/ambientais e didácticas) necessárias para a prossecução da acção de formação. Os deveres da entidade formadora: a) Realizar o curso de formação conforme o programa do curso, no local, datas e horário acordado por ambas as partes; b) Proporcionar uma sala de formação devidamente preparada e equipada para o tipo de formação; c) A fornecer, por sua iniciativa e sem a obrigatoriedade legal, a entrega de documentação ou do manual do curso; d) A emitir gratuitamente, a favor do formando, um certificado comprovativo da frequência e/ou aproveitamento obtido no curso, desde que concluído com aproveitamento; Pág. 9 de 16

10 e) Garantir a estrita confidencialidade no tratamento dos dados pessoais do formando/cliente; f) Devolver o valor do curso aos formandos caso a acção de formação não se realize nas situações definidas no Regulamento Interna da empresa. CAPITULO 5 - ASSIDUIDADE E REPETIÇÕES DE CURSOS A assiduidade dos formandos é verificada através da assinatura diária das folhas de presença, no caso do curso de formação de formadores. Nos outros cursos de formação, a assiduidade é registada e verificada no Sistema de Intranet da empresa. As faltas dos formandos serão consideradas justificadas conforme o disposto no Código do Trabalho em vigor. O formando deverá entregar à entidade formadora um comprovativo por escrito emitido pelo Organismo competente referindo o motivo da falta, o dia e o período em causa. Todas as outras faltas são consideradas não justificadas. Para efeitos de certificação dos formandos, as faltas justificadas serão consideradas para efeito do cálculo da taxa de assiduidade. Para efeitos de aproveitamento e emissão dos certificados, a assiduidade do formando deverá ser igual ou superior a 95% da duração total da formação. Caso a formação preveja outras regras serão as que aplicar-se-ão. No Curso de Formação de Formadores a taxa de assiduidade é a mesma, mas não podem faltar a um sub-módulo inteiro. À excepção do curso de formação de formadores, os formandos poderão repetir o curso gratuitamente uma vez, no prazo de 9 meses após a conclusão do curso e caso tenham tido uma avaliação negativa. CAPITULO 6 - PROTEÇÃO DE DADOS PESSOAIS Quanto à recolha e gestão da informação sobre os participantes na formação, a NHK irá respeitar a legislação em vigor relativa à protecção de dados pessoais (Lei nº67/1998, de 26 de Outubro). Os dados pessoais cedidos pelos formandos/clientes destinam-se exclusivamente: À organização e funcionamento da acção de formação, nomeadamente, para efeitos de emissão de certificados de formação; Ao processamento interno para efeitos administrativos, estatísticos e avaliativos; Pág. 10 de 16

11 À utilização para efeitos de auditoria, nomeadamente, da entidade certificadora do Sistema de Qualidade das entidades formadoras (DGERT), da entidade certificadora do Curso de Formação de Formadores (IEFP). Para fins comerciais por parte da NHK junto dos formandos/empresas. A NHK garante ao titular dos dados a confidencialidade dos dados pessoais cedidos e reserva-lhe o direito de acesso, rectificação ou cancelamento dos mesmos nos termos estabelecidos na legislação em vigor. CAPITULO 07 FORMAÇÃO - CRITÉRIOS E MÉTODOS DE AVALIAÇÃO DA A NHK promove a avaliação da reacção/satisfação dos formandos com o objectivo de aferir o grau de satisfação em relação à acção de formação, ao desempenho formador, ao desempenho do Coordenador Pedagógico/Pessoal Não docente e às condições em que a mesma decorreu. No final de cada acção de formação é solicitado aos formandos o preenchimento do questionário da avaliação da satisfação do curso de formação. A NHK promove ainda a avaliação das aprendizagens com o intuito de avaliar em que medida os formandos adquiriram os conhecimentos e as competências de acordo com os objectivos do programa. Os instrumentos utilizados na avaliação das aprendizagens poderão ser testes, prova e/ou exercícios individuais ou grupais, simulações e outros conforme o programa do curso. Pretendemos basear nas ponderações definidas no sistema de avaliação do curso, para se atribuir a respectiva classificação a cada formando. Regra geral, um formando obterá aproveitamento num curso de formação, se obtiver uma classificação igual ou superior a 50% e tenha cumprido com a taxa de assiduidade em vigor do curso. Caso existam outras regras, estas serão antecipadamente comunicadas aos formandos (inter-empresas) ou acordadas com o cliente (intraempresa) Escala de Avaliação A escala de avaliação a usar nos Testes de Avaliação dos Conhecimentos será qualitativa (Ex: insuficiente, satisfatório, bom, relevante e excelente) a partir da conversão de uma escala quantitativa. Pág. 11 de 16

12 CONVERSÃO DA ESCALA QUANTITATIVA PARA ESCALA QUALITATIVA: Escala Quantitativa Escala Qualitativa 0 a 49% Insuficiente 50% a 69% Satisfatório 70% a 84% Bom 85% a 94% Relevante 95% a 100% Excelente Esta conversão permite a atribuição da classificação de 0% a 100% para o teste (avaliação de conhecimentos), mas na folha de resultados do teste é referida a escala qualitativa Avaliação e Certificação do Curso de Formação de Formadores: A metodologia de avaliação em vigor será a seguinte: AVALIAÇÃO FINAL = [(0,10 X AD) + (0,3 X AS/OP)+ (0,30 X AS/CP) + (0,3 X AS/PI)] O peso de cada um dos elementos apresentados é distinto para o cálculo da Avaliação Final dos formandos. Assim sendo, a Avaliação Final dos formandos assenta nas seguintes percentagens: (i) Avaliação Diagnóstica (AD): Simulação Pedagógica Inicial - 10% (ii) Avaliação Sumativa (AS): Objetivos Pedagógicos (OP) 30% Competências Pedagógicas (CP) 30% Projeto de Intervenção (PI) 30% O formando terá acesso ao certificado de competências pedagógicas (emitido pelo IEFP) quando: Tiver uma taxa de assiduidade global igual ou superior a 95% da carga horária total do curso; Não pode faltar a um sub-módulo por inteiro; Tiver uma classificação final do curso igual ou superior a 50%. Tiver entregue toda a documentação necessária (documentos e trabalhos realizados); Pág. 12 de 16

13 Se tiver registado na plataforma da netforce e tiver actualizado o seu perfil pessoal até 5 dias após o início do curso; Tiver efectuado o pagamento de 50,00 ao IEFP, após a submissão da acção por parte da entidade formadora, na plataforma da netforce digitalizar o comprovativo de pagamento e anexar todos os documentos pessoais solicitados pelo IEFP, dentro do prazo estipulado pela entidade certificadora (IEFP). No último dia do curso, o formando preenche um questionário de avaliação da qualidade da formação. CAPITULO 08 - EMISSÃO DE DOCUMENTOS 8.1. Certificados de Formação No final da formação os formandos têm direito a um certificado de acordo com os requisitos legais em vigor. Para a emissão dos certificados é necessário que sejam facultados à NHK as informações sobre aproveitamento, assiduidade e dados pessoais do formando. A emissão dos certificados será realizada de acordo com o disposto da Portaria nº474/2010, de 8 de Julho. No caso de a formação não possuir sistema de avaliação será emitido um certificado de frequência, desde que o formando tenha uma taxa de assiduidade igual ou superior a 95% Outros Documentos De acordo com o acordado com o cliente, a NHK fornecerá os elementos necessários para integrar no Dossier Técnico-Pedagógico, nomeadamente: Programa de formação; Cronograma; Regulamento de desenvolvimento da formação; Identificação da documentação de apoio e dos meios audiovisuais utilizados; Identificação do coordenador, dos formadores e outros agentes; Fichas de inscrição dos formandos, ou lista nominativa em caso de designação pelo empregador; Registos e resultados do processo de selecção, quando aplicável; Registos do processo de substituição, quando aplicável; Pág. 13 de 16

14 Contractos de formação com os formandos e contractos com os formadores, quando aplicável; Planos de sessão; Sumários das sessões e registos de assiduidade; Provas, testes e relatórios de trabalhos realizados, quando aplicável; Registos e resultados da avaliação da aprendizagem; Registo da classificação final, quando aplicável; Registos e resultados da avaliação de desempenho dos formadores, coordenadores e outros agentes; Registos e resultados da avaliação de satisfação dos formandos; Registos de ocorrências; Comprovativo de entrega dos certificados aos formandos; Relatório final de avaliação da acção; Relatórios de acompanhamento e de avaliação de estágios, quando aplicável; Resultados do processo de selecção de entidades receptoras De estagiários, quando aplicável; Actividades de promoção da empregabilidade dos formandos, quando aplicável; Relatórios, atas de reunião ou outros documentos que evidenciem actividades de acompanhamento e coordenação pedagógica; Documentação relativa à divulgação da acção, quando aplicável. CAPITULO 09 - PROCEDIMENTO DE TRATAMENTO DE RECLAMAÇÕES O tratamento/gestão das reclamações consiste numa importante ferramenta para melhorar o desempenho da NHK, assim como para melhorar o grau de satisfação dos clientes. No último dia do curso de formação, o formando tem a oportunidade de manifestar o seu comentário, sugestão e/ou reclamações através do preenchimento do questionário da satisfação do curso. O formando/cliente também tem a possibilidade de apresentar uma reclamação por escrito no Livro de Reclamações, via telefone ou por qualquer outra via, em qualquer ocasião para os seguintes contactos: Tel (das 09h-21h) ou p/. Para que uma reclamação possa ser devidamente analisada deverá conter determinados elementos, tais como, a identificação do formando, acção nº e uma breve descrição da situação/queixa com eventuais documentos ou evidências do motivo. Pág. 14 de 16

15 Compete ao Gestor de Formação analisar e tratar das reclamações apresentadas. Caso a reclamação seja considerada fundamentada, o Gestor de Formação deverá responder num prazo de 5 dias úteis após a recepção da mesma. Quaisquer comentários, sugestões ou reclamações são vitais para a melhoria da gestão da empresa e da satisfação dos formandos/clientes. CAPITULO 10 - DESCRIÇÃO GENÉRICA DE RESPONSABILIDADES NO ÂMBITO DA FORMAÇÃO FUNÇÕES E Tarefas do colaborador do atendimento ao público: Estabelece contacto com os potenciais clientes; Marca reuniões com potenciais clientes; Confirma a realização do curso; Procede à preparação do curso e confirma a sua realização conjuntamente com o Coordenador Pedagógico; Confirma a disponibilização dos meios; Após instruções da Administração executa as compras ao fornecedor indicado; Arquiva os documentos de compra; Recepciona o produto/serviço e procede à sua inspecção; Confere a factura do fornecimento; Efectua o pagamento ao fornecedor após decisão da Administração; Regista os alunos que ainda não fizeram o pagamento integral do curso já iniciado; Controla os recebimentos; Assegura a inscrição dos formandos nas acções de formação sob a supervisão da Coordenadora Pedagógica. Tarefas do formador: Planifica, prepara, desenvolve e avalia sessões de formação de uma área técnicocientífica específica, utilizando métodos e técnicas pedagógicas adequadas. Elabora o programa da área temática a ministrar, aquando da concepção/ alteração de um curso, Desenvolve as sessões, transmitindo e desenvolvendo conhecimentos; Avalia as sessões de formação e/ou os formandos, utilizando técnicas e instrumentos de avaliação, tais como inquéritos, questionários, trabalhos práticos e observação. Por vezes elabora, aplica e classifica testes de avaliação. Pág. 15 de 16

16 Tarefas do Coordenador de Formação: Organiza acções de formação, informa os formadores sobre os objectivos globais e específicos disponibilizando os meios necessários ao desenvolvimento das acções; Coordena pedagogicamente as acções de formação e avalia-as, elaborando e utilizando critérios e instrumentos de avaliação pertinentes. Organiza o dossier técnico pedagógico dos cursos de formação profissional; Consulta os Mapas de Organização de Turmas; Procede à preparação do curso de formação, conjuntamente com o Gestor de Formação; Procede à aquisição de documentação; Disponibiliza a informação sobre legislação aos formandos e formadores que necessitarem; Tarefas do Gestor de Formação: Supervisiona a organização de acções de formação, recrutando formadores e informando-os sobre os objectivos globais e específicos e disponibilizando os meios necessários ao desenvolvimento das acções; Analisa os resultados das diversas acções de formação; Garante a selecção dos formadores, em conjunto com a Administração; Actualiza os registos de Recursos Humanos, após formalização da admissão dos formadores; Supervisiona a preparação do curso, conjuntamente com os Coordenadores e os Colaboradores do Atendimento ao Público; Elabora relatórios mensais sobre a actividade formativa e dados estatísticos; Dá conhecimento de eventuais actualizações aos Colaboradores; Aprova a documentação do curso de formação, conjuntamente com a Administração; Gere os seus colaboradores, de acordo com as determinações legais e a política de recursos humanos da empresa, nomeadamente ao nível das acções de acolhimento de novos colaboradores, definição e avaliação do plano individual de trabalho, avaliação das acções de formação e do desempenho do colaborador. Pág. 16 de 16

HISTÓRICO DE REVISÕES REVISÃO DATA SÍNTESE DA REVISÃO

HISTÓRICO DE REVISÕES REVISÃO DATA SÍNTESE DA REVISÃO HISTÓRICO DE REVISÕES REVISÃO DATA SÍNTESE DA REVISÃO ELABORAÇÃO ASSINATURA APROVAÇÃO ASSINATURA ÍNDICE CAPÍTULO 1. POLÍTICA E ESTRATÉGIA/ÂMBITO... 3 1.1 POLÍTICA E ESTRATÉGIA DA ENTIDADE... 3 1.2 OBJECTIVO

Leia mais

Regulamento Interno. Artigo 1º (Missão)

Regulamento Interno. Artigo 1º (Missão) Regulamento Interno O presente regulamento aplica-se a todos os Cursos de formação concebidos, organizados e desenvolvidos pelo Nucaminho - Núcleo dos Camionistas do Minho, com o objetivo de promover o

Leia mais

REGULAMENTO INTERNO. Capítulo I Princípios Gerais. Artigo Primeiro Objecto

REGULAMENTO INTERNO. Capítulo I Princípios Gerais. Artigo Primeiro Objecto REGULAMENTO INTERNO Capítulo I Princípios Gerais Artigo Primeiro Objecto O presente Regulamento define o regime de funcionamento interno do Centro de Formação Ciência Viva reconhecido pelo Ministério da

Leia mais

Regulamento de Formação AIP

Regulamento de Formação AIP Regulamento de Formação AIP Introdução Considerando que: Primeiro: A AIP Associação Industrial Portuguesa - Câmara de Comércio e Indústria é uma organização de utilidade pública sem fins lucrativos que

Leia mais

Regulamento Geral da Formação

Regulamento Geral da Formação Regulamento Geral da Formação Índice 1.APRESENTAÇÃO... 4 1.1 OBJETIVO... 4 1.2. ÂMBITO... 4 1.3. APRESENTAÇÃO... 4 1.4. PÚBLICO-ALVO... 4 1.5. HORÁRIO ATENDIMENTO... 4 1.6. MODALIDADES DE FORMAÇÃO... 4

Leia mais

REGULAMENTO DA FORMAÇÃO

REGULAMENTO DA FORMAÇÃO REGULAMENTO DA FORMAÇÃO ÍNDICE 1. INTRODUÇÃO... 3 2. OBJECTO E ÂMBITO DE APLICAÇÃO DO REGULAMENTO DA FORMAÇÃO... 3 3. POLÍTICA E ESTRATÉGIA DA ENTIDADE... 3 4. FORMAS E MÉTODOS DE SELECÇÃO... 4 4.1. Selecção

Leia mais

Regulamento de Formação da B-Training, Consulting

Regulamento de Formação da B-Training, Consulting Regulamento de Formação da B-Training, Consulting Desde já seja bem-vindo à B-Training, Consulting! Agradecemos a sua preferência e desejamos que o Curso corresponda às suas expectativas e que obtenha

Leia mais

REGULAMENTO DA ACTIVIDADE FORMATIVA

REGULAMENTO DA ACTIVIDADE FORMATIVA A CadSolid tem como missão contribuir para a modernização da indústria portuguesa, mediante o desenvolvimento e comercialização de produtos e serviços inovadores, personalizados e concebidos para satisfazer

Leia mais

REGULAMENTO DE MOBILIDADE DE DIPLOMADOS Leonardo da Vinci

REGULAMENTO DE MOBILIDADE DE DIPLOMADOS Leonardo da Vinci REGULAMENTO DE MOBILIDADE DE DIPLOMADOS Leonardo da Vinci Tendo a Coordenação em colaboração com o DGA RI, elaborado e submetido uma candidatura ao Programa Leonardo da Vinci, foi esta aprovada pela Agência

Leia mais

REGULAMENTO INTERNO DO FORMANDO E-LEARNING PQ.11.01/B 2014/03/31 Página 1 de 9

REGULAMENTO INTERNO DO FORMANDO E-LEARNING PQ.11.01/B 2014/03/31 Página 1 de 9 Página 1 de 9 1. APRESENTAÇÃO da ENTIDADE FORMADORA Fundado em 1996, o começou por ensinar informática a crianças e jovens, como franchisado da FUTUREKIDS em Vila Nova de Gaia, dando aulas no seu Centro

Leia mais

REGULAMENTO INTERNO DEPARTAMENTO DE FORMAÇÃO HAPINEZ CENTRO DE EXCELÊNCIA PARA A PSICOLOGIA. Pág.1/19

REGULAMENTO INTERNO DEPARTAMENTO DE FORMAÇÃO HAPINEZ CENTRO DE EXCELÊNCIA PARA A PSICOLOGIA. Pág.1/19 REGULAMENTO INTERNO DEPARTAMENTO DE FORMAÇÃO HAPINEZ CENTRO DE EXCELÊNCIA PARA A PSICOLOGIA Pág.1/19 Índice DISPOSIÇÕES GERAIS 3 1. Localização 3 2. Âmbito 3 3. Política e Estratégia de Actuação 3 4. Inscrições

Leia mais

Critérios Gerais de Avaliação

Critérios Gerais de Avaliação Agrupamento de Escolas Serra da Gardunha - Fundão Ano Lectivo 2010/2011 Ensino Básico A avaliação escolar tem como finalidade essencial informar o aluno, o encarregado de educação e o próprio professor,

Leia mais

CURSOS VOCACIONAIS PRÁTICA SIMULADA REGULAMENTO ESPECÍFICO

CURSOS VOCACIONAIS PRÁTICA SIMULADA REGULAMENTO ESPECÍFICO REGULAMENTO ESPECÍFICO MARÇO DE 2014 ÍNDICE ENQUADRAMENTO NORMATIVO... 1 ÂMBITO E DEFINIÇÃO 1 CONDIÇÕES DE ACESSO 1 OBJETIVOS 1 COMPETÊNCIAS A DESENVOLVER 2 ESTRUTURA E DESENVOLVIMENTO DE PS 2 AVALIAÇÃO

Leia mais

INSTITUTO POLITÉCNICO DE LEIRIA

INSTITUTO POLITÉCNICO DE LEIRIA INSTITUTO POLITÉCNICO DE LEIRIA FOR.CET Centro de Formação para Cursos de Especialização Tecnológica Regulamento de Funcionamento dos CET Capítulo I Acesso e Frequência Artigo 1º (Acesso e Frequência)

Leia mais

ESCOLA SECUNDÁRIA COM 2º E 3º CICLOS DE GIL VICENTE. CURSOS PROFISSIONAIS Regulamento da Formação em Contexto de Trabalho (Proposta de trabalho)

ESCOLA SECUNDÁRIA COM 2º E 3º CICLOS DE GIL VICENTE. CURSOS PROFISSIONAIS Regulamento da Formação em Contexto de Trabalho (Proposta de trabalho) ESCOLA SECUNDÁRIA COM 2º E 3º CICLOS DE GIL VICENTE CURSOS PROFISSIONAIS Regulamento da Formação em Contexto de Trabalho (Proposta de trabalho) Âmbito e Definição Artigo 1º 1. O presente documento regula

Leia mais

ACORDO DE PRINCÍPIOS PARA A REVISÃO DO ESTATUTO DA CARREIRA DOCENTE E DO MODELO DE AVALIAÇÃO DOS PROFESSORES DOS ENSINOS BÁSICO E SECUNDÁRIO

ACORDO DE PRINCÍPIOS PARA A REVISÃO DO ESTATUTO DA CARREIRA DOCENTE E DO MODELO DE AVALIAÇÃO DOS PROFESSORES DOS ENSINOS BÁSICO E SECUNDÁRIO ACORDO DE PRINCÍPIOS PARA A REVISÃO DO ESTATUTO DA CARREIRA DOCENTE E DO MODELO DE AVALIAÇÃO DOS PROFESSORES DOS ENSINOS BÁSICO E SECUNDÁRIO E DOS EDUCADORES DE INFÂNCIA Considerando a vontade comum do

Leia mais

REGULAMENTO DE FUNCIONAMENTO DA ATIVIDADE FORMATIVA. Março de 2015 4ª Edição

REGULAMENTO DE FUNCIONAMENTO DA ATIVIDADE FORMATIVA. Março de 2015 4ª Edição REGULAMENTO DE FUNCIONAMENTO DA ATIVIDADE FORMATIVA Março de 2015 4ª Edição Índice 1 O DEPARTAMENTO DE FORMAÇÃO... 3 1.1. POLÍTICA E ESTRATÉGIA... 3 1.2. ESTRUTURA... 3 2 CONDIÇÕES DE FUNCIONAMENTO DA

Leia mais

Diário da República, 1.ª série N.º 120 23 de Junho de 2010 2237

Diário da República, 1.ª série N.º 120 23 de Junho de 2010 2237 Diário da República, 1.ª série N.º 120 23 de Junho de 2010 2237 o previsto para os docentes da educação pré -escolar e do 1.º ciclo do ensino básico, continua aplicar -se o disposto no seu artigo 18.º

Leia mais

ANO LETIVO 2013/2014 CRITÉRIOS GERAIS DE AVALIAÇÃO

ANO LETIVO 2013/2014 CRITÉRIOS GERAIS DE AVALIAÇÃO ANO LETIVO 2013/2014 CRITÉRIOS GERAIS DE AVALIAÇÃO Ensino Básico Os conhecimentos e capacidades a adquirir e a desenvolver pelos alunos de cada nível e de cada ciclo de ensino têm como referência os programas

Leia mais

Regulamento dos Estágios de Formação do Instituto Nacional de Saúde Dr. Ricardo Jorge, I. P. (INSA, I. P.)

Regulamento dos Estágios de Formação do Instituto Nacional de Saúde Dr. Ricardo Jorge, I. P. (INSA, I. P.) Regulamento dos Estágios de Formação do Instituto Nacional de Saúde Dr. Ricardo Jorge, I. P. (INSA, I. P.) É atribuição do Instituto Nacional de Saúde Dr. Ricardo Jorge, I. P. (INSA, I. P.) no sector da

Leia mais

Regulamento de Funcionamento das Acções de Formação

Regulamento de Funcionamento das Acções de Formação Regulamento de Funcionamento das Acções de Formação A Ciência Viva tem como missão a difusão da Cultura Científica e Tecnológica apoiando acções dirigidas à promoção da Educação Científica e Tecnológica

Leia mais

Anexo III ENSINO RECORRENTE REGULAMENTO

Anexo III ENSINO RECORRENTE REGULAMENTO REGULAMENTO INTERNO Anexo III ENSINO RECORRENTE REGULAMENTO REGULAMENTO DO ENSINO RECORRENTE Artigo 1º OBJETO E ÂMBITO 1. O presente regulamento estabelece as regras da organização e desenvolvimento dos

Leia mais

ANEXO I REGULAMENTO GERAL DE AVALIAÇÃO

ANEXO I REGULAMENTO GERAL DE AVALIAÇÃO ANEXO I REGULAMENTO GERAL DE AVALIAÇÃO Artigo 1.º Modalidades 1 São as seguintes as modalidades de avaliação: a) De diagnóstico; b) Modular. 2 A avaliação de diagnóstico é aplicada no início do ano letivo,

Leia mais

Manual do Estagiário ESCS

Manual do Estagiário ESCS Manual do Estagiário ESCS ESCS 2015 ÍNDICE APRESENTAÇÃO. 3 INTRODUÇÃO...4 OS ESTÁGIOS NA ESCS....5 A ESCS RECOMENDA AINDA... 6 DIREITOS DO ESTAGIÁRIO.. 7 SUBSÍDIOS 7 DURAÇÃO DO ESTÁGIO....8 PROTOCOLO DE

Leia mais

ACADEMIA PIONEIROS Férias

ACADEMIA PIONEIROS Férias sempre a mexer (regime OCUPAÇÃO ABERTA) Regulamento Interno Férias 2013 Art.º 1 - Informações Gerais 1. As Férias Academia decorrem nas instalações da Academia Pioneiros e seus parceiros, em regime fechado;

Leia mais

Regulamento de funcionamento da Formação

Regulamento de funcionamento da Formação 1 Regulamento de funcionamento da Formação O presente Regulamento define as regras aplicáveis ao desenvolvimento da actividade formativa. FITI - Federação das Instituições de Terceira Idade 4ª Versão Outubro

Leia mais

ACORDO DE PRINCÍPIOS PARA A REVISÃO DO ESTATUTO DA CARREIRA DOCENTE E DO MODELO DE AVALIAÇÃO DOS PROFESSORES DOS ENSINOS BÁSICO E SECUNDÁRIO

ACORDO DE PRINCÍPIOS PARA A REVISÃO DO ESTATUTO DA CARREIRA DOCENTE E DO MODELO DE AVALIAÇÃO DOS PROFESSORES DOS ENSINOS BÁSICO E SECUNDÁRIO ACORDO DE PRINCÍPIOS PARA A REVISÃO DO ESTATUTO DA CARREIRA DOCENTE E DO MODELO DE AVALIAÇÃO DOS PROFESSORES DOS ENSINOS BÁSICO E SECUNDÁRIO E DOS EDUCADORES DE INFÂNCIA Considerando as orientações políticas

Leia mais

Procedimento de Contratação. (artº 5º do CCP Contratação Excluída) Procedimento 5/2013

Procedimento de Contratação. (artº 5º do CCP Contratação Excluída) Procedimento 5/2013 Procedimento de Contratação (artº 5º do CCP Contratação Excluída) Procedimento 5/2013 Aquisição de Serviços de Consultores-formadores de Ligação e Especialistas para a execução do Projecto nº 084749/2012/831

Leia mais

PRINCÍPIOS PARA A REVISÃO DO MODELO DE AVALIAÇÃO DE DESEMPENHO. 1) Objecto e finalidades da revisão do regime jurídico da avaliação:

PRINCÍPIOS PARA A REVISÃO DO MODELO DE AVALIAÇÃO DE DESEMPENHO. 1) Objecto e finalidades da revisão do regime jurídico da avaliação: PRINCÍPIOS PARA A REVISÃO DO MODELO DE AVALIAÇÃO DE DESEMPENHO DOS EDUCADORES DE INFÂNCIA E DOS PROFESSORES DOS ENSINOS BÁSICO E SECUNDÁRIO 1) Objecto e finalidades da revisão do regime jurídico da avaliação:

Leia mais

Regulamento para a Concessão de Subsídios a Entidades e Organismos que Prossigam Fins de Interesse Público da Freguesia de Areeiro CAPÍTULO I

Regulamento para a Concessão de Subsídios a Entidades e Organismos que Prossigam Fins de Interesse Público da Freguesia de Areeiro CAPÍTULO I Regulamento para a Concessão de Subsídios a Entidades e Organismos que Prossigam Fins de Interesse Público da Freguesia de Areeiro CAPÍTULO I Disposições Gerais Artigo 1º Objecto O presente regulamento

Leia mais

FICHA DE CURSO DESIGNAÇÃO. DURAÇÃO 128 Horas + 3 horas de exame. ÁREA TEMÁTICA DA FORMAÇÃO 862 Segurança e Higiene no Trabalho

FICHA DE CURSO DESIGNAÇÃO. DURAÇÃO 128 Horas + 3 horas de exame. ÁREA TEMÁTICA DA FORMAÇÃO 862 Segurança e Higiene no Trabalho FICHA DE CURSO Neste documento poderá encontrar as principais informações sobre o curso pretendido, nomeadamente a duração, área temática, destinatários, objetivo geral e objetivos específicos, estrutura

Leia mais

CIRCULAR INFORMATIVA

CIRCULAR INFORMATIVA CIRCULAR INFORMATIVA Nº. 47 Data: 2013/12/04 Para conhecimento de: Pessoal docente, discente e não docente ASSUNTO: - Regulamento de Formação Contínua. Para os devidos efeitos, informa-se a comunidade

Leia mais

TURISMO DE PORTUGAL DEPARTAMENTO DE RECURSOS HUMANOS REGULAMENTO GERAL DA FORMAÇÃO

TURISMO DE PORTUGAL DEPARTAMENTO DE RECURSOS HUMANOS REGULAMENTO GERAL DA FORMAÇÃO TURISMO DE PORTUGAL DEPARTAMENTO DE RECURSOS HUMANOS REGULAMENTO GERAL DA FORMAÇÃO INDICE 1 NOTA PRÉVIA 3 2 LINHAS DE ORIENTAÇÃO ESTRATÉGICA 4 3 PLANO DE FORMAÇÃO 4 4 FREQUÊNCIA DE ACÇÕES DE FORMAÇÃO 6

Leia mais

INSTITUTO POLITÉCNICO DE VISEU ESCOLA SUPERIOR DE TECNOLOGIA E GESTÃO DE VISEU REGULAMENTO DOS CURSOS DE ESPECIALIZAÇÃO TECNOLÓGICA

INSTITUTO POLITÉCNICO DE VISEU ESCOLA SUPERIOR DE TECNOLOGIA E GESTÃO DE VISEU REGULAMENTO DOS CURSOS DE ESPECIALIZAÇÃO TECNOLÓGICA INSTITUTO POLITÉCNICO DE VISEU ESCOLA SUPERIOR DE TECNOLOGIA E GESTÃO DE VISEU REGULAMENTO DOS CURSOS DE ESPECIALIZAÇÃO TECNOLÓGICA CAPÍTULO I DISPOSIÇÕES GERAIS Artigo 1.º Objeto e âmbito O presente regulamento

Leia mais

REGULAMENTO DE ESTÁGIO OBRIGATÓRIO DO CURSO DE ADMINISTRAÇÃO I INTRODUÇÃO

REGULAMENTO DE ESTÁGIO OBRIGATÓRIO DO CURSO DE ADMINISTRAÇÃO I INTRODUÇÃO REGULAMENTO DE ESTÁGIO OBRIGATÓRIO DO CURSO DE ADMINISTRAÇÃO I INTRODUÇÃO O estágio curricular do curso de Administração é uma atividade obrigatória, em consonância com as Diretrizes Curriculares Nacionais

Leia mais

Regulamento Geral de Formação

Regulamento Geral de Formação Regulamento Geral de Formação Índice Introdução... 2 Apresentação do Instituto Kiros Portugal... 2 Pré-Requisitos... 2 Metodologia de Inscrição e de Seleção dos Alunos... 3 Condições de Pagamento... 4

Leia mais

FORMULÁRIO E RELATÓRIO DE AVALIAÇÃO DO DESEMPENHO DO PESSOAL DOCENTE

FORMULÁRIO E RELATÓRIO DE AVALIAÇÃO DO DESEMPENHO DO PESSOAL DOCENTE REGIÃO AUTÓNOMA DOS AÇORES SECRETARIA REGIONAL DA EDUCAÇÃO E FORMAÇÃO FORMULÁRIO E RELATÓRIO DE AVALIAÇÃO DO DESEMPENHO DO PESSOAL DOCENTE IDENTIFICAÇÃO Unidade Orgânica: Docente avaliado: Departamento

Leia mais

REGULAMENTO DO BANCO LOCAL DE VOLUNTARIADO DE SOBRAL DE MONTE AGRAÇO

REGULAMENTO DO BANCO LOCAL DE VOLUNTARIADO DE SOBRAL DE MONTE AGRAÇO REGULAMENTO DO BANCO LOCAL DE VOLUNTARIADO DE SOBRAL DE MONTE AGRAÇO Reunião de Câmara (aprovação do projecto) 01/03/2010 Edital (apreciação pública) 19/03/2010 Publicado (projecto) no DR II Série, n.º

Leia mais

Guia de Apoio ao Formando. Formação à distância

Guia de Apoio ao Formando. Formação à distância Regras&Sugestões- Formação e Consultoria, Lda. Guia de Apoio ao Formando Data de elaboração: abril de 2014 CONTACTOS Regras & Sugestões Formação e Consultoria, Lda. Av. General Vitorino laranjeira, Edifício

Leia mais

REGULAMENTO DE ESTÁGIO OBRIGATÓRIO DO CURSO DE Bacharelado em Administração Modalidade a Distância

REGULAMENTO DE ESTÁGIO OBRIGATÓRIO DO CURSO DE Bacharelado em Administração Modalidade a Distância REGULAMENTO DE ESTÁGIO OBRIGATÓRIO DO CURSO DE Bacharelado em Administração Modalidade a Distância I INTRODUÇÃO O estágio curricular do curso de Bacharelado em Administração Modalidade a Distância é uma

Leia mais

CAPÍTULO I. Objectivos e Definição. Artigo 1º. Objectivos

CAPÍTULO I. Objectivos e Definição. Artigo 1º. Objectivos REGULAMENTO DA DISCIPLINA DE ESTÁGIO INTEGRADO EM CONTABILIDADE LICENCIATURA EM GESTÃO FACULDADE DE CIÊNCIAS SOCIAIS E HUMANAS UNIVERSIDADE DA BEIRA INTERIOR CAPÍTULO I Objectivos e Definição Artigo 1º

Leia mais

REGULAMENTO DA FORMAÇÃO E-LEARNING

REGULAMENTO DA FORMAÇÃO E-LEARNING REGULAMENTO DA FORMAÇÃO E-LEARNING AMETSIS CONSULTORES, UNIPESSOAL LDA Elaborado: Aprovado: Pg. 1 de 9 ÍNDICE 1.ENQUADRAMENTO... 3 2.UTILIZAÇÃO ÚNICA E INDIVIDUAL... 3 3.PUBLICITAÇÃO DOS CURSOS... 3 4.INSCRIÇÕES...

Leia mais

REGULAMENTO SOBRE INSCRIÇÕES, AVALIAÇÃO E PASSAGEM DE ANO (RIAPA)

REGULAMENTO SOBRE INSCRIÇÕES, AVALIAÇÃO E PASSAGEM DE ANO (RIAPA) REGULAMENTO SOBRE INSCRIÇÕES, AVALIAÇÃO E PASSAGEM DE ANO (RIAPA) CAPÍTULO I REGIME DE FUNCIONAMENTO Artigo 1º - Âmbito O disposto no presente Regulamento aplica-se apenas aos cursos de graduação da Universidade

Leia mais

REGULAMENTO DO CURSO DE TREINADORES NÍVEL I

REGULAMENTO DO CURSO DE TREINADORES NÍVEL I FEDERAÇÃO PORTUGUESA DE BASQUETEBOL ESCOLA NACIONAL DO BASQUETEBOL REGULAMENTO DO CURSO DE TREINADORES NÍVEL I O presente regulamento, aprovado pelo Conselho Nacional de Formação de Treinadores, rege a

Leia mais

DESPACHO ISEP/P/13/2010. 1. A importância de promover a transparência e a eficiência das actividades e da salvaguarda dos activos;

DESPACHO ISEP/P/13/2010. 1. A importância de promover a transparência e a eficiência das actividades e da salvaguarda dos activos; DESPACHO ISEP/P/13/2010 Considerando: 1. A importância de promover a transparência e a eficiência das actividades e da salvaguarda dos activos; 2. A necessidade de garantir a prevenção e detecção de situações

Leia mais

ESTATUTO 10 de setembro de 2014

ESTATUTO 10 de setembro de 2014 ESTATUTO 10 de setembro de 2014 ESTRUTURA ORGÂNICA A Escola Artística e Profissional Árvore é um estabelecimento privado de ensino, propriedade da Escola das Virtudes Cooperativa de Ensino Polivalente

Leia mais

Protocolo. Carreiras Profissionais

Protocolo. Carreiras Profissionais Protocolo Carreiras Profissionais A TAP e o SITAVA acordam o seguinte: 1. São criadas as seguintes novas categorias profissionais, com a caracterização funcional estabelecida em anexo: a) Analista Programador

Leia mais

Regulamento Interno Academia Pioneiros

Regulamento Interno Academia Pioneiros Regulamento Interno Academia Pioneiros Art.º 1 - Informações Gerais 1. A Academia Pioneiros decorre nas suas próprias instalações, em regime fechado; 2. Cabe à Direção dos Pioneiros de Bragança Futsal

Leia mais

DESPACHO. N.º 21 /2011 Data: 2011/05/30 Para conhecimento de: Pessoal Docente, Discente e Não Docente

DESPACHO. N.º 21 /2011 Data: 2011/05/30 Para conhecimento de: Pessoal Docente, Discente e Não Docente DESPACHO N.º 21 /2011 Data: 2011/05/30 Para conhecimento de: Pessoal Docente, Discente e Não Docente ASSUNTO: Regulamento de Cursos de Especialização Tecnológica da ESTeSL. No âmbito da sua missão e objectivos

Leia mais

REGULAMENTO CURSO DE TREINADORES Grau I Porto/Coimbra/Lisboa

REGULAMENTO CURSO DE TREINADORES Grau I Porto/Coimbra/Lisboa REGULAMENTO CURSO DE TREINADORES Grau I Porto/Coimbra/Lisboa O presente regulamento, aprovado pelo, rege a organização dos Cursos de Treinadores de Grau I e do curso em epígrafe (Porto/Coimbra/Lisboa)

Leia mais

Diário da República, 1.ª série N.º 37 21 de fevereiro de 2012 855

Diário da República, 1.ª série N.º 37 21 de fevereiro de 2012 855 Diário da República, 1.ª série N.º 37 21 de fevereiro de 2012 855 Artigo 150.º Docentes do ensino particular e cooperativo (Renumerado pelo Decreto -Lei n.º 1/98, de 1 de Janeiro.) (Revogado.) Artigo 151.º

Leia mais

REGULAMENTO DO CICLO DE ESTUDOS CONDUCENTE AO GRAU DE MESTRE EM ANIMAÇÃO DIGITAL

REGULAMENTO DO CICLO DE ESTUDOS CONDUCENTE AO GRAU DE MESTRE EM ANIMAÇÃO DIGITAL REGULAMENTO DO CICLO DE ESTUDOS CONDUCENTE AO GRAU DE MESTRE EM ANIMAÇÃO DIGITAL CAPÍTULO I GRAU DE MESTRE Artigo 1.º Criação A ESAP Guimarães confere o grau de Mestre em Animação Digital. O ciclo de estudos

Leia mais

REGULAMENTO DE FUNCIONAMENTO DA FORMAÇÃO

REGULAMENTO DE FUNCIONAMENTO DA FORMAÇÃO Introdução O presente Regulamento foi concebido a pensar em si, visando o bom funcionamento da formação. Na LauTraining Formação e Consultoria, vai encontrar um ambiente de trabalho e de formação agradável

Leia mais

8274 DIÁRIO DA REPÚBLICA I SÉRIE-B N. o 282 6 de Dezembro de 2003

8274 DIÁRIO DA REPÚBLICA I SÉRIE-B N. o 282 6 de Dezembro de 2003 8274 DIÁRIO DA REPÚBLICA I SÉRIEB N. o 282 6 de Dezembro de 2003 Portaria n. o 13/2003 de 6 de Dezembro Considerando que o DecretoLei n. o 205/96, de 25 de Outubro, vem alterar a disciplina jurídica da

Leia mais

REGULAMENTO DE FUNCIONAMENTO DAS ACÇÕES DE FORMAÇÃO

REGULAMENTO DE FUNCIONAMENTO DAS ACÇÕES DE FORMAÇÃO REGULAMENTO DE FUNCIONAMENTO DAS ACÇÕES DE FORMAÇÃO CÂMARA DO COMÉRCIO DE ANGRA DO HEROÍSMO Índice 1. Âmbito de Aplicação 2. Competência Organizativa 3. Política e Estratégia da Entidade 4. Responsabilidades

Leia mais

REGULAMENTO DO CICLO DE ESTUDOS CONDUCENTE AO GRAU DE MESTRE EM DESENHO

REGULAMENTO DO CICLO DE ESTUDOS CONDUCENTE AO GRAU DE MESTRE EM DESENHO REGULAMENTO DO CICLO DE ESTUDOS CONDUCENTE AO GRAU DE MESTRE EM DESENHO CAPÍTULO I GRAU DE MESTRE Artigo 1.º Criação A ESAP - Guimarães confere o grau de Mestre em Desenho com Especialização em Prática

Leia mais

Regulamento do Núcleo de Formação

Regulamento do Núcleo de Formação Regulamento do Núcleo de Formação 2013 1.Nota Introdutória Qualquer processo de formação com qualidade exige medidas e instrumentos de normalização e controlo, que permitam garantir desempenhos de excelência

Leia mais

PT PRIME - Soluções Empresariais de Telecomunicações e Sistemas, S.A., pessoa colectiva nº 502 840 757, com

PT PRIME - Soluções Empresariais de Telecomunicações e Sistemas, S.A., pessoa colectiva nº 502 840 757, com Prime Soluções Empresariais SEDE: Rua de Entrecampos, 28, 1749-076 Lisboa Nº de Pessoa Colectiva 502 M 757 - N' de Matricula 08537 C.R.C.L Capital Social de EUR.; 30 000 000. I/ -I- CONTRATO DE PRESTAÇÃO

Leia mais

REGULAMENTO DE FUNCIONAMENTO DA ATIVIDADE FORMATIVA - Formação Interempresa (formação externa) -

REGULAMENTO DE FUNCIONAMENTO DA ATIVIDADE FORMATIVA - Formação Interempresa (formação externa) - REGULAMENTO DE FUNCIONAMENTO DA ATIVIDADE FORMATIVA - Formação Interempresa (formação externa) - CAPÍTULO I ENQUADRAMENTO 1. O presente Regulamento é aplicável às Acções de Formação promovidas pela SIPRP

Leia mais

REGULAMENTO DAS ATIVIDADES DE MONITORIA ACADÊMICA EM CURSOS SUPERIORES E SUBSEQUENTES

REGULAMENTO DAS ATIVIDADES DE MONITORIA ACADÊMICA EM CURSOS SUPERIORES E SUBSEQUENTES MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO SECRETARIA DE EDUCAÇÃO PROFISSIONAL E TECNOLÓGICA INSTITUTO FEDERAL DE EDUCAÇÃO, CIÊNCIA E TECNOLOGIA DO RIO GRANDE DO SUL CAMPUS OSÓRIO REGULAMENTO DAS ATIVIDADES DE MONITORIA ACADÊMICA

Leia mais

REGULAMENTO DE FUNCIONAMENTO DA FORMAÇÃO

REGULAMENTO DE FUNCIONAMENTO DA FORMAÇÃO REGULAMENTO DE FUNCIONAMENTO DA FORMAÇÃO INDICE... 1 1. Apresentação...3 2. Política e Estratégia...3 2.1. Código de Conduta...4 3. Normas Institucionais...5 4. Responsabilidades da Intelac Rh...6 4.1.

Leia mais

REGULAMENTO DE AVALIAÇÃO DE DESEMPENHO DOS DOCENTES DO ISVOUGA

REGULAMENTO DE AVALIAÇÃO DE DESEMPENHO DOS DOCENTES DO ISVOUGA REGULAMENTO DE AVALIAÇÃO DE DESEMPENHO DOS DOCENTES DO ISVOUGA PG.02.05/A Página 1 de 13 O Estatuto de Carreira do Pessoal Docente do Ensino Superior Politécnico (ECPDP), na redação do Decreto Lei n.º

Leia mais

Regulamento de Controlo Interno. Freguesia de Paçô. Arcos de Valdevez

Regulamento de Controlo Interno. Freguesia de Paçô. Arcos de Valdevez Regulamento de Controlo Interno Freguesia de Paçô Arcos de Valdevez 2013 Regulamento de Controlo Interno Artigo 1º Objecto O presente regulamento tem por objectivo estabelecer as regras, métodos e procedimentos

Leia mais

Projecto de Avaliação do Desempenho Docente. Preâmbulo. Artigo 1.º. Objecto. Básico e Secundário, adiante abreviadamente designado por ECD. Artigo 2.

Projecto de Avaliação do Desempenho Docente. Preâmbulo. Artigo 1.º. Objecto. Básico e Secundário, adiante abreviadamente designado por ECD. Artigo 2. Projecto de Avaliação do Desempenho Docente Preâmbulo ( ) Artigo 1.º Objecto O presente diploma regulamenta o sistema de avaliação do desempenho do pessoal docente estabelecido no Estatuto da Carreira

Leia mais

Princípio da Solidariedade: Responsabilidade de todos os cidadãos na concretização das finalidades do voluntariado;

Princípio da Solidariedade: Responsabilidade de todos os cidadãos na concretização das finalidades do voluntariado; 1. DEFINIÇÃO DE VOLUNTARIADO é o conjunto de acções de interesse social e comunitário, realizadas de forma desinteressada por pessoas, no âmbito de projectos, programas e outras formas de intervenção ao

Leia mais

PROGRAMA DE PÓS-GRADUAÇÃO LATO SENSU. REGULAMENTO DOS CURSOS DE PÓS-GRADUAÇÃO LATO SENSU.

PROGRAMA DE PÓS-GRADUAÇÃO LATO SENSU. REGULAMENTO DOS CURSOS DE PÓS-GRADUAÇÃO LATO SENSU. PROGRAMA DE PÓS-GRADUAÇÃO LATO SENSU. REGULAMENTO DOS CURSOS DE PÓS-GRADUAÇÃO LATO SENSU. PREÂMBULO. A Faculdade Cenecista de Osório, no uso de suas atribuições decorrentes da Resolução nº. 1 de junho

Leia mais

MINUTA DE CONTRATO DE ATRIBUIÇÃO DE APOIOS FINANCEIROS A PESSOAS COLECTIVAS PRIVADAS SEM FINS LUCRATIVOS PROGRAMA MODELAR

MINUTA DE CONTRATO DE ATRIBUIÇÃO DE APOIOS FINANCEIROS A PESSOAS COLECTIVAS PRIVADAS SEM FINS LUCRATIVOS PROGRAMA MODELAR MINUTA DE CONTRATO DE ATRIBUIÇÃO DE APOIOS FINANCEIROS A PESSOAS COLECTIVAS PRIVADAS SEM FINS LUCRATIVOS PROGRAMA MODELAR Entre O Primeiro Outorgante, A Administração Regional de Saúde de. IP, adiante

Leia mais

Índice 1. Introdução... 2 2. Objetivo e Âmbito do Manual do Voluntariado... 2 3. Definições... 2 3.1. Voluntariado... 2 3.2. Voluntário... 3 4.

Índice 1. Introdução... 2 2. Objetivo e Âmbito do Manual do Voluntariado... 2 3. Definições... 2 3.1. Voluntariado... 2 3.2. Voluntário... 3 4. Manual do Índice 1. Introdução... 2 2. Objetivo e Âmbito do Manual do Voluntariado... 2 3. Definições... 2 3.1. Voluntariado... 2 3.2. Voluntário... 3 4. Ser Voluntário da Liga... 3 5. Reflexões prévias...

Leia mais

FICHA TÉCNICA DO CURSO

FICHA TÉCNICA DO CURSO FICHA TÉCNICA DO CURSO ACÚSTICA DE EDIFÍCIOS EDIÇÃO Nº01/2015 1. DESIGNAÇÃO DO CURSO ACÚSTICA DE EDIFÍCIOS 2. COMPETÊNCIAS A DESENVOLVER - Saber dotar um edifício de boas condições de conforto acústico,

Leia mais

AGRUPAMENTO DE ESCOLAS DE MONÇÃO RI ANEXO V REGULAMENTO DAS VISITAS DE ESTUDO E INTERCÂMBIOS ESCOLARES

AGRUPAMENTO DE ESCOLAS DE MONÇÃO RI ANEXO V REGULAMENTO DAS VISITAS DE ESTUDO E INTERCÂMBIOS ESCOLARES AGRUPAMENTO DE ESCOLAS DE MONÇÃO RI ANEXO V REGULAMENTO DAS VISITAS DE ESTUDO E INTERCÂMBIOS ESCOLARES Aprovado em 26 de março de 2013 0 ANEXO V REGULAMENTO DAS VISITAS DE ESTUDO E INTERCÂMBIOS ESC0LARES

Leia mais

Diário da República, 1.ª série N.º 41 1 de Março de 2010 575. Artigo 25.º. Artigo 20.º

Diário da República, 1.ª série N.º 41 1 de Março de 2010 575. Artigo 25.º. Artigo 20.º Diário da República, 1.ª série N.º 41 1 de Março de 2010 575 Artigo 20.º Oferta formativa e monitorização 1 A oferta formativa destinada aos activos desempregados é assegurada através de cursos de educação

Leia mais

Manual de Procedimentos POSI-E3

Manual de Procedimentos POSI-E3 Manual de Procedimentos POSI-E3 13 de Abril de 2012 1 Índice 1. INTRODUÇÃO 3 2. COORDENAÇÃO GERAL 5 3. DOCENTES E DISCIPLINAS 7 3.1 INFORMAÇÃO AOS ALUNOS 7 3.2 RELAÇÕES ALUNOS / DOCENTES 8 4.1 ÁREA PEDAGÓGICA

Leia mais

REGULAMENTO PARA A GESTÃO DE CARREIRAS DO PESSOAL NÃO DOCENTE CONTRATADO NO ÂMBITO DO CÓDIGO DO TRABALHO DA UNIVERSIDADE DO. Capítulo I.

REGULAMENTO PARA A GESTÃO DE CARREIRAS DO PESSOAL NÃO DOCENTE CONTRATADO NO ÂMBITO DO CÓDIGO DO TRABALHO DA UNIVERSIDADE DO. Capítulo I. Regulamentos REGULAMENTO PARA A GESTÃO DE CARREIRAS DO PESSOAL NÃO DOCENTE CONTRATADO NO ÂMBITO DO CÓDIGO DO TRABALHO DA UNIVERSIDADE DO PORTO Aprovado pelo Conselho de Gestão na sua reunião de 2011.01.20

Leia mais

Regulamento Acredita Portugal Realize o seu Sonho

Regulamento Acredita Portugal Realize o seu Sonho Regulamento Acredita Portugal Realize o seu Sonho REGULAMENTO DA 4ª EDIÇÃO DO CONCURSO "BES REALIZE O SEU SONHO" Capítulo I - Introdução e Objetivos 1.º(Introdução e Objetivos) O Concurso Realize o Seu

Leia mais

CHEQUE - FORMAÇÃO. Criar valor

CHEQUE - FORMAÇÃO. Criar valor CHEQUE - FORMAÇÃO Criar valor Legislação Enquadradora A medida Cheque-Formação, criada pela Portaria n.º 229/2015, de 3 de agosto, constitui uma modalidade de financiamento direto da formação a atribuir

Leia mais

AGRUPAMENTO DE ESCOLAS DE AVEIRO 160933 Direção-Geral dos Estabelecimentos Escolares. CAPÍTULO I Disposições gerais.

AGRUPAMENTO DE ESCOLAS DE AVEIRO 160933 Direção-Geral dos Estabelecimentos Escolares. CAPÍTULO I Disposições gerais. AGRUPAMENTO DE ESCOLAS DE AVEIRO 160933 Direção-Geral dos Estabelecimentos Escolares Regulamento Geral dos Cursos Profissionais CURSOS PROFISSIONAIS 2015/2016 CAPÍTULO I Disposições gerais Artigo 1º Objeto

Leia mais

Regulamento da Formação

Regulamento da Formação Regulamento da Formação A PARADOXO HUMANO A Paradoxo Humano - Consultoria em Desenvolvimento Organizacional Lda, adiante designada Paradoxo Humano encontra-se no mercado desde o ano 2000 e assume que as

Leia mais

CÂMARA MUNICIPAL DE MOURA

CÂMARA MUNICIPAL DE MOURA CÂMARA MUNICIPAL DE MOURA Regulamento de Estágio para Ingresso nas Carreiras do Grupo de Pessoal Técnico Superior, Técnico e de Informática do Quadro de Pessoal da Câmara Municipal de Moura PREÂMBULO Publicado

Leia mais

RESOLUÇÃO Nº. 04/12/CP INSEP

RESOLUÇÃO Nº. 04/12/CP INSEP FACULDADE INSTITUTO SUPERIOR DE EDUCAÇÃO DO PARANÁ MANTENEDORA: INSTITUTO PARA O DESENVOLVIMENTO DA EDUCAÇÃO E DA CIDADANIA IEC CNPJ: 02.684.150/0001-97 Maringá: Rua dos Gerânios, 1893 CEP: 87060-010 Fone/Fax:

Leia mais

AVALIAÇÃO DE DESEMPENHO DO PESSOAL DOCENTE

AVALIAÇÃO DE DESEMPENHO DO PESSOAL DOCENTE AVALIAÇÃO DE DESEMPENHO DO PESSOAL DOCENTE Apresentação geral do Decreto Regulamentar (a publicar em breve) - diferenciação; Princípios orientadores - distinção pelo mérito (diferenciação pela positiva);

Leia mais

Lei Orgânica da Provedoria de Justiça

Lei Orgânica da Provedoria de Justiça Lei Orgânica da Provedoria de Justiça Decreto-Lei n.º 279/93, de 11 de Agosto (alterado pelo Decreto Lei N.º15/98, de 29 de Janeiro) (alterado pelo Decreto-Lei n.º 195/2001, de 27 de Junho) (alterado pelo

Leia mais

REGULAMENTO DA BOLSA DE AUDITORES

REGULAMENTO DA BOLSA DE AUDITORES Preâmbulo Tendo por objecto a salvaguarda da qualidade das auditorias executadas sobre actividades ou exercício farmacêuticos, a Ordem dos Farmacêuticos veio criar o presente regulamento da Bolsa de Auditores.

Leia mais

REGULAMENTO DE ESTÁGIO OBRIGATÓRIO DO CURSO DE NUTRIÇÃO CURRÍCULO 2 I INTRODUÇÃO

REGULAMENTO DE ESTÁGIO OBRIGATÓRIO DO CURSO DE NUTRIÇÃO CURRÍCULO 2 I INTRODUÇÃO REGULAMENTO DE ESTÁGIO OBRIGATÓRIO DO CURSO DE NUTRIÇÃO CURRÍCULO 2 I INTRODUÇÃO O estágio curricular do curso de Nutrição é uma atividade obrigatória, em consonância com as Diretrizes Curriculares Nacionais

Leia mais

PRESIDÊNCIA DO GOVERNO REGIONAL Resolução do Conselho do Governo n.º 107/2010 de 14 de Julho de 2010

PRESIDÊNCIA DO GOVERNO REGIONAL Resolução do Conselho do Governo n.º 107/2010 de 14 de Julho de 2010 PRESIDÊNCIA DO GOVERNO REGIONAL Resolução do Conselho do Governo n.º 107/2010 de 14 de Julho de 2010 O Programa Estagiar, nas suas vertentes L, T e U, dirigido a recém-licenciados e mestres, recém-formados

Leia mais

DOSSIER DE ACREDITAÇÃO PARA FORMAÇÃO EM TAT

DOSSIER DE ACREDITAÇÃO PARA FORMAÇÃO EM TAT Instituto Nacional de Emergência Médica, I.P. DOSSIER DE ACREDITAÇÃO PARA FORMAÇÃO EM TAT Maio de 2012 Departamento de Formação em Emergência Médica Rua Almirante Barroso, n.º 36, 4º Piso 1000-013 Lisboa

Leia mais

TERMO DE ACEITAÇÃO DA DECISÃO DE APROVAÇÃO

TERMO DE ACEITAÇÃO DA DECISÃO DE APROVAÇÃO DA DECISÃO DE APROVAÇÃO Entidade Beneficiária Principal: Acrónimo e Designação do Projecto: Referência PAD 2003-2006: Considerando que, por despacho do Ministro Adjunto do Primeiro-Ministro, foi aprovada

Leia mais

REGULAMENTO INTERNO CAPITULO I DISPOSIÇÕES LEGAIS. Art.º 1.º (Definições e Objectivos)

REGULAMENTO INTERNO CAPITULO I DISPOSIÇÕES LEGAIS. Art.º 1.º (Definições e Objectivos) REGULAMENTO INTERNO CAPITULO I DISPOSIÇÕES LEGAIS Art.º 1.º (Definições e Objectivos) O CRIFZ, Centro de Recuperação Infantil de Ferreira do Zêzere, é uma Instituição de Solidariedade Social sem fins lucrativos,

Leia mais

REGULAMENTO DO PROGRAMA DE APOIO A BOLSAS DE QUALIFICAÇÃO E ESPECIALIZAÇÃO ARTÍSTICA 2016. Preâmbulo

REGULAMENTO DO PROGRAMA DE APOIO A BOLSAS DE QUALIFICAÇÃO E ESPECIALIZAÇÃO ARTÍSTICA 2016. Preâmbulo REGULAMENTO DO PROGRAMA DE APOIO A BOLSAS DE QUALIFICAÇÃO E ESPECIALIZAÇÃO ARTÍSTICA 2016 Preâmbulo O departamento de Acção Cultural da Fundação GDA, através do programa de Apoio a Bolsas de Qualificação

Leia mais

FORMAÇÃO INICIAL PEDAGÓGICA DE FORMADORES (Parceria Secção Regional de Lisboa da OF CaF-Formação)

FORMAÇÃO INICIAL PEDAGÓGICA DE FORMADORES (Parceria Secção Regional de Lisboa da OF CaF-Formação) FORMAÇÃO INICIAL PEDAGÓGICA DE FORMADORES (Parceria Secção Regional de Lisboa da OF CaF-Formação) OBJECTIVOS: PRETENDE-SE COM ESTA FORMAÇÃO QUE O PARTICIPANTE ADQUIRA COMPETÊNCIAS DE FORMA A: - Facilitar,

Leia mais

Decreto-Lei n.º 478/99, de 9 de Novembro

Decreto-Lei n.º 478/99, de 9 de Novembro Decreto-Lei n.º 478/99, de 9 de Novembro Objecto... 2 Entidades competentes para a formação dos navegadores de recreio e para a realização dos respectivos exames... 2 Credenciação das entidades formadoras...

Leia mais

REGULAMENTO DE ESTÁGIO OBRIGATÓRIO DO CURSO DE ENGENHARIA DE ALIMENTOS I INTRODUÇÃO

REGULAMENTO DE ESTÁGIO OBRIGATÓRIO DO CURSO DE ENGENHARIA DE ALIMENTOS I INTRODUÇÃO REGULAMENTO DE ESTÁGIO OBRIGATÓRIO DO CURSO DE ENGENHARIA DE ALIMENTOS I INTRODUÇÃO O estágio curricular do curso de Engenharia de Alimentos é uma atividade obrigatória, em consonância com as Diretrizes

Leia mais

REGULAMENTO DE ESTÁGIO OBRIGATÓRIO DO CURSO DE ENGENHARIA MECÂNICA I INTRODUÇÃO

REGULAMENTO DE ESTÁGIO OBRIGATÓRIO DO CURSO DE ENGENHARIA MECÂNICA I INTRODUÇÃO REGULAMENTO DE ESTÁGIO OBRIGATÓRIO DO CURSO DE ENGENHARIA MECÂNICA I INTRODUÇÃO O estágio curricular do curso de Engenharia Mecânica é uma atividade obrigatória, em consonância com as Diretrizes Curriculares

Leia mais

Regulamento Interno IP

Regulamento Interno IP Regulamento Interno IP EQUIPA LOCAL DE INTERVENÇÃO DE ESTREMOZ DO SISTEMA NACIONAL DE INTERVENÇÃO PRECOCE NA INFÂNCIA (SNIPI) REGULAMENTO INTERNO CAPÍTULO I DISPOSIÇÕES GERAIS Artigo 1º Natureza 1 - A

Leia mais

Regulamento Municipal de Apoio às Actividades Desportivas

Regulamento Municipal de Apoio às Actividades Desportivas Regulamento Municipal de Apoio às Actividades Desportivas Preâmbulo A Câmara Municipal de Nordeste tem vindo a apoiar ao longo dos anos de forma directa e organizada toda a actividade desportiva no concelho

Leia mais

GUIA PARA A FORMAÇÃO DE ENTIDADES A CREDENCIAR NO ÂMBITO DA SCIE

GUIA PARA A FORMAÇÃO DE ENTIDADES A CREDENCIAR NO ÂMBITO DA SCIE GUIA PARA A FORMAÇÃO DE ENTIDADES A CREDENCIAR NO ÂMBITO DA SCIE 1/17 Índice 1. Introdução... 3 2. Formação... 4 2.1 Objectivos gerais do curso... 4 2.2. Conteúdos programáticos... 4 2.3. Equipa formativa...

Leia mais

Mestrado de Marketing e Comunicação ESEC ESTGOH Regulamento de Projeto Estágio 1

Mestrado de Marketing e Comunicação ESEC ESTGOH Regulamento de Projeto Estágio 1 1 PREÂMBULO O presente Regulamento organiza a unidade curricular de Projeto Estágio do Mestrado em Marketing e Comunicação. No ensino politécnico, o ciclo de estudos conducente ao grau de mestre deve assegurar,

Leia mais

Instituto Superior de Contabilidade e Administração de Coimbra

Instituto Superior de Contabilidade e Administração de Coimbra Artigo 1.º Âmbito O presente Regulamento fixa as normas gerais relativas a matrículas e inscrições nos cursos do Instituto Superior de Contabilidade e Administração de Coimbra. Artigo 2.º Definições De

Leia mais

ANEXO III REGULAMENTO DE AVALIAÇÃO DE DESEMPENHO

ANEXO III REGULAMENTO DE AVALIAÇÃO DE DESEMPENHO ANEXO III REGULAMENTO DE AVALIAÇÃO DE DESEMPENHO Artigo 1.º Âmbito 1 - O presente regulamento de avaliação de desempenho aplica-se a todos os docentes que se encontrem integrados na carreira. 2 - A avaliação

Leia mais

S.R. DA EDUCAÇÃO E CIÊNCIA. Portaria n.º 71/2006 de 24 de Agosto de 2006

S.R. DA EDUCAÇÃO E CIÊNCIA. Portaria n.º 71/2006 de 24 de Agosto de 2006 S.R. DA EDUCAÇÃO E CIÊNCIA Portaria n.º 71/2006 de 24 de Agosto de 2006 O Plano Regional de Emprego, aprovado pela Resolução n.º 122/2003, de 9 de Outubro, visa, através de um conjunto de medidas estruturantes

Leia mais

REGIMENTO INTERNO AVALIAÇÃO DO PESSOAL NÃO DOCENTE

REGIMENTO INTERNO AVALIAÇÃO DO PESSOAL NÃO DOCENTE REGIMENTO INTERNO AVALIAÇÃO DO PESSOAL NÃO DOCENTE Artigo 1.º Objectivos da avaliação A avaliação do pessoal não docente visa: a) A avaliação profissional, tendo em conta os conhecimentos, qualidades e

Leia mais