IST Mestrado em Urbanismo e Ordenamento do Território Programa de Planeamento Estratégico e Governância urbana

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "IST Mestrado em Urbanismo e Ordenamento do Território Programa de Planeamento Estratégico e Governância urbana 2014 2015. 1."

Transcrição

1 IST Mestrado em Urbanismo e Ordenamento do Território Programa de Planeamento Estratégico e Governância urbana "Os seres humanos ligados por um projeto concertado têm superioridade em relação àqueles que nenhuma promessa liga e que carecem de intenção Hannah Arendt (1958) 1. Introdução O planeamento estratégico tem sido a melhor ferramenta para a gestão da mudança em contextos territoriais e, em particular, dos urbano-metropolitanos. A passagem de uma cidade fordista, regulada pelos poderes públicos e dinamizada pelos atores económicos, para uma que, em muitos casos, passou a designarse como metrópole, onde o Estado, por via da aguda crise financeira, sente crescente dificuldade em afirmar-se. Os protagonistas agora são múltiplos, situados nos mais diversos campos da vida colectiva. Exigem modalidades de governação mais eficientes, capazes de lidar com a incerteza e funcionarem em multiescalas temporais e espaciais, confrontando todos os atores presentes com as respectivas obrigações para um trajeto linear, de ajustamento ou de inflexão, em busca do sucesso. Este, por seu lado, encontra-se dependente de forças de mercado indiferentes aos afectos ou à boa-vontade dos atores. Nesta competição incessante por maior protagonismo leia-se investimentos produtivos, visitantes e importância funcional as cidades e os territórios desenvolveram técnicas de promoção capazes de os reconstruírem como objetos desejados ou, pelo menos, como objetos tolerados (veja-se o caso dos bairros críticos). Esse é o papel do Marketing Territorial. 2. Objetivos Dadas as três dimensões do programa - Estratégia, marketing, governação - pretende-se: Introduzir o conceito de planeamento estratégico e desenvolver as metodologias da sua aplicação a cidades e regiões; analisar os principais problemas que se colocam à governância urbana; apresentar e discutir formas de promoção da participação pública no planeamento e gestão urbanística e da sua articulação com as entidades públicas competentes; abordar as técnicas de promoção territorial. 3. Programa Roteiro teórico I. Os ciclos de vida das cidades e dos territórios: Um percurso compreensível e influenciável? II. O planeamento estratégico: Fundamentos e pertinência a. Planeamento formal vs planeamento informal b. O neoliberalismo como chave para a compreensão das novas dinâmicas territoriais III. Estratégia ou Estratégias? a. Plano Estratégico i. Escola francesa ii. Método GBN-Global Business Network iii. Carta Estratégica b. Estudos estratégicos temáticos c. Planos de ação d. A estratégia em planos espaciais IV. Territorial branding V. Governança Urbana a. Hard Power e Soft Power b. Emergências e mecanismos 1

2 Roteiro prático c. Dificuldades e alcance I. Recursos e instrumentos para o planeamento estratégico a. Decisão e modelo organizativo b. Análise do contexto interno c. Análise do contexto externo d. Diagnóstico prospetivo e. Construção da visão estratégica f. Estratégias, programas de atuação e ações g. Avaliação e monitorização II. Mobilização de atores III. Acompanhamento de trabalhos 4. Tipologia de aulas As aulas poderão assentar em: Pesquisa e crítica bibliográfica; Reflexão em torno de material audiovisual; Debate com oradores convidados; Visitas de campo; Aulas de exposição e debate; Trabalhos de aplicação metodológica. 5. Competências a Adquirir O aluno, no final do percurso pedagógico deverá ser capaz de: - Identificar o sentido e a intensidade da mudança em contextos territoriais - Reconhecer a dimensão central da incerteza para o planeamento e gestão urbana - Perceber as consequências da pós-modernidade no ordenamento do território e, em particular, na exigência de uma maior partilha entre atores na busca da legitimação da ação - Delinear processos de planeamento estratégico para regiões e cidades a partir de roteiros metodológicos específicos - Fomentar os mecanismos e iniciativas adequadas para o envolvimento comunitário na construção de um futuro sustentável para os territórios do quotidiano - Contribuir para estratégias de promoção territorial 6. Avaliação A avaliação será efectuada de acordo com os seguintes princípios: Haverá uma classificação para a componente teórica e para a componente prática; O peso de ambas as componentes será de 50%; No caso da não realização ou de uma classificação negativa na componente prática o resultado do exame terá de ser positivo e será seguido de um exame oral que definirá a classificação final; No caso da componente teórica ser superior à da componente prática aquela corresponderá integralmente à classificação final; Para efeitos de passagem todos os alunos terão de obter, pelo menos, 10 valores no exame. 7. Programa do trabalho prático 7.1. Apresentação 2

3 O planeamento estratégico insere-se no que facilmente se pode designar como instrumentos informais de planeamento não só porque não encontram nenhum imperativo legal para a sua realização como a metodologia de organização, desenvolvimento e mobilização de stakeholders e cidadãos é de uma grande flexibilidade. Para além disso a sua esfera de aplicação é também muito ampla, permitindo que o planeamento estratégico não seja apenas meramente uma intenção mas uma forma de intervir. Neste caso a proposta de trabalho centra-se na construção de um processo de planeamento estratégico simplificado, atendendo às circunstâncias próprias de um exercício académico, que se deve iniciar logo a partir do diagnóstico de um território. Neste caso concreto a opção deverá ser pela consideração de um dos seguintes concelhos da NUT III Alto Trás-os Montes: Alfândega da Fé Boticas Macedo de Cavaleiros Miranda do Douro Mogadouro Ribeira de Pena Valpaços Vila Flor Vila Pouca de Aguiar Vimioso Vinhais O trabalho de grupo é, assim, uma construção a 3 tempos: diagnóstico, recursos, governança; estratégia; operacionalização Objetivos a alcançar Compreensão dos passos mais comuns do planeamento estratégico; Visão integrada do processo de construção estratégica; Estimular a capacidade de proposição criativa e sustentada Forma de apresentação e entrega Existirão 3 partes que integrarão o documento final mas que serão apresentadas em momentos distintos. O suporte papel será o da apresentação do trabalho datas importantes Final Março 1º parte, apreciação e apresentação; Final Abril 2º parte, apreciação e apresentação; Final Maio 3ª parte, apresentação. 8. Bibliografia Principal 3

4 ALBRECHTS, L. (2004), "Strategic (spatial) planning reexamined", Environment and Planning B: Planning and Design, 31(5), pp FERRÂO, J. (2011), O ordenamento do território como política pública, FCG, Lisboa FONSECA FERREIRA, A. (2005), Gestão Estratégica de Cidades e Regiões, Fundação Calouste Gulbenkian, Lisboa GONÇALVES, J. e FERREIRA, J. A. (2015), The planning of strategy: A contribution to the improvement of spatial Planning, Land Use Policy, 45, pp GONÇALVES, Jorge et al. (2009), Participação Pública e Monitorização de Planos in Métodos e Técnicas para o Desenvolvimento Sustentável, Parqueexpo, Lisboa, pp GUERRA, Isabel (2003), Tensões do Urbanismo Quotidiano in Políticas Urbanas. Tendências, estratégias e oportunidades, Fundação Calouste Gulbenkian, Lisboa OLIVEIRA DAS NEVES, A. (1996), Planeamento Estratégico e Ciclo de Vida das Grandes Cidades? Exemplos de Lisboa e Barcelona, Ed. CELTA, Lisboa SEIXAS, J. (2007), Lisboa - Uma Análise Crítica à Governação da Cidade, Tese de doutoramento Universidade Autónoma de Barcelona/ISCTE, Lisboa-Barcelona. SILVA, J.L.A. (2005), Cenários para as indústrias dos sectores tradicionais em Portugal num horizonte de 2010/2015 e aplicação da metodologia da prospectiva estratégica à indústria cerâmica, CENCAL, Caldas da Rainha Secundária AAVV (1996), Guia para a elaboração de planos estratégicos de cidades médias, DGOTDU, Lisboa ALVES, Paulo (2007), Planeamento Estratégico e Marketing de Cidades, CCP, Lisboa ALVES, Sónia (2008), A diferença que a participação faz em iniciativas de regeneração urbana, Sociedade e Território, nº 41, pp AZEVEDO, A. et al. (2011), City Marketing, My place in XXI, 2ª ed., Vida Económica, Porto. BAGNASCO, A., LE GALÈS, P. (ed.) (2000), Cities in Contemporary Europe, Cambridge University Press, Cambridge BORJA, Jordi (2004), La Ciudad Conquistada, Alianza Esayo, Madrid COSTA, Eduarda M. (1999), Uma nota sobre as políticas de cidades em Portugal nos anos 90, Inforgeo, nº14, pp (acessível em CRAVEIRO, Teresa, Nunes da Silva, Fernando (2000), Participação pública na operacionalização do planeamento municipal, Urbanismo, 6, ano 2, pp FONT, JAUME y PUJADAS, ROMA (1998), Ordenacion y Planification Territorial, Ed. Sintesis, Madrid GODET, Michel (1993), Manual de Prospectiva Estratégica. Da antecipação à acção, Publicações D. Quixote, Lisboa. GONÇALVES, J. (Coord.) (2005), Plano Estratégico de Desenvolvimento do Norte Alentejano, AMNA, (acessível em GONÇALVES, J. (Coord.) (2009), Plano Estratégico de Constância 2020, CMC, (acessível em constancia.pt/nr/rdonlyres/a7370aad-e45d-47fb f4a /100185/relat%c3%b3rio_final_pos_apresenta%c3%a7%c3%a3o_maio_09.pdf GONÇALVES, J. (2008), Do Planeamento do Território ao planeamento do desenvolvimento, Actas da conferência Ad Urbem, LNEC, 12 de Dezembro GONÇALVES, J. (2009), Planeamento e Desenvolvimento, Inforgeo, Associação Portuguesa de Geógrafos, nº 24. GUELL, J. M. F. (2006), Planificación estratégica de ciudades, Editorial Reverté, Barcelona. 4

5 GUERRA, Isabel (2000), Planeamento Estratégico de Cidades, Cidades, Comunidades e Territórios, nº 1, 37-56, CET/ISCTE, Lisboa LEDO, Andrés P. (2004), Nuevas realidades territoriales para el siglo XXI, Ed. Sintesis, Madrid MENDES, Ana Lopes (2006), Marketing Territorial aplicado a alteração do bairro do Pica-Pau Amarelo, 46 p., (disponível em PERESTRELO, Margarida (2002), Planeamento Estratégico e Avaliação, Cidades, Comunidades e Territórios, nº 4, CET/ISCTE, Lisboa, pp RAMOS, Isabel Loupa (2009), Cenários para a Paisagem Rural: Contributo para uma Discussão à Escala Local, Revista Portuguesa de Estudos Regionais RAMOS, Isabel Loupa (2009), As dinâmicas da paisagem rural: a formulação de cenários como instrumento de apoio ao planeamento, Tese de Doutoramento, Lisboa. RIBEIRO, F. (2008), Prospectiva Territorial um instrumento para o planeamento de intervenções públicas nos territórios, Sociedade e Território, nº 41, pp SEIXAS, João (2002) Gaps of Urban Governance? Questionings and perceptions upon Metropolitan Lisbon urban management, Cidades, Comunidades e Territórios, nº 5, , CET/ISCTE, Lisboa 5

TEMPOS DE MUDANÇA NOS TERRITÓRIOS DE BAIXA DENSIDADE

TEMPOS DE MUDANÇA NOS TERRITÓRIOS DE BAIXA DENSIDADE TEXTOS UNIVERSITÁRIOS DE CIÊNCIAS SOCIAIS E HUMANAS SUB Hamburg A/609638 TEMPOS DE MUDANÇA NOS TERRITÓRIOS DE BAIXA DENSIDADE AS DINÂMICAS EM TRÁS-OS-MONTES E ALTO DOURO NUNO MIGUEL FERNANDES AZEVEDO FUNDAÇÃO

Leia mais

Caderno Prudentino de Geografia, Presidente Prudente, n.33, v.2, p.170-175, ago./dez.2011. RESENHA:

Caderno Prudentino de Geografia, Presidente Prudente, n.33, v.2, p.170-175, ago./dez.2011. RESENHA: RESENHA: FERRÃO, João. O ordenamento do território como política pública. Lisboa: Fundação Calouste Gulbenkian, 2011. 146p. Hélio Carlos Miranda de Oliveira Prof. do Curso de Geografia da Faculdade de

Leia mais

Relevância da escala inter-municipal na operacionalização de sistemas urbanos policêntricos:

Relevância da escala inter-municipal na operacionalização de sistemas urbanos policêntricos: Relevância da escala inter-municipal na operacionalização de sistemas urbanos policêntricos: exemplificação em territórios de baixa densidade* Tema 1: Desenvolvimento, competitividade e cooperação inter-municipal

Leia mais

4. ªCONFERÊNCIA DA MOBILIDADE URBANA

4. ªCONFERÊNCIA DA MOBILIDADE URBANA EVENTO 4. ª CONFERÊNCIA DA MOBILIDADE URBANA Preparar a Cidade para a Mobilidade do Futuro: Dos Modos Suaves à Mobilidade Eléctrica 17 de Setembro de 2013 MUDE, Museu do Design e da Moda Lisboa ORGANIZAÇÃO

Leia mais

REGULAMENTO DO CONCURSO NACIONAL DE IDEIAS CIDADES CRIATIVAS, REFLEXÃO SOBRE O FUTURO DAS CIDADES PORTUGUESAS

REGULAMENTO DO CONCURSO NACIONAL DE IDEIAS CIDADES CRIATIVAS, REFLEXÃO SOBRE O FUTURO DAS CIDADES PORTUGUESAS REGULAMENTO DO CONCURSO NACIONAL DE IDEIAS CIDADES CRIATIVAS, REFLEXÃO SOBRE O FUTURO DAS CIDADES PORTUGUESAS Dirigido aos alunos do 12.º ano da área curricular não disciplinar de Área de Projecto - 1.ª

Leia mais

Ulisses e Hércules: desafios contemporâneos das Metrópoles de Lisboa e Barcelona ao nível do Desenvolvimento e da Competitividade Territorial

Ulisses e Hércules: desafios contemporâneos das Metrópoles de Lisboa e Barcelona ao nível do Desenvolvimento e da Competitividade Territorial Ulisses e Hércules: desafios contemporâneos das Metrópoles de Lisboa e Barcelona ao nível do Desenvolvimento e da Competitividade Territorial Bruno Pereira Marques (a), Regina Salvador (b) (a) e-geo Centro

Leia mais

Diretiva INSPIRE CONTRIBUTOS PARA O SISTEMA DE MONITORIZAÇÃO TERRITORIAL NA REGIÃO NORTE BRAGA 26 DE NOVEMBRO DE 2015

Diretiva INSPIRE CONTRIBUTOS PARA O SISTEMA DE MONITORIZAÇÃO TERRITORIAL NA REGIÃO NORTE BRAGA 26 DE NOVEMBRO DE 2015 Diretiva INSPIRE CONTRIBUTOS PARA O SISTEMA DE MONITORIZAÇÃO TERRITORIAL NA REGIÃO NORTE BRAGA 26 DE NOVEMBRO DE 2015 As fontes As fontes SOLO URBANO SOLO RURAL R F C N PU / PP INFRAESTRUTURAIS ACOLHIMENTO

Leia mais

No âmbito desta colaboração participou, nomeadamente, nos seguintes estudos:

No âmbito desta colaboração participou, nomeadamente, nos seguintes estudos: Nome- Álvaro António Gomes Domingues Data de nascimento- 11/10/1959 Habilitações académicas: Curso de Geografia da Faculdade de Letras da Universidade do Porto (FLUP). Licenciatura concluída em 1981 com

Leia mais

A MOBILIDADE EM CIDADES MÉDIAS ABORDAGEM NA PERSPECTIVA DA POLÍTICA DE CIDADES POLIS XXI

A MOBILIDADE EM CIDADES MÉDIAS ABORDAGEM NA PERSPECTIVA DA POLÍTICA DE CIDADES POLIS XXI Mobilidade em Cidades Médias e Áreas Rurais Castelo Branco, 23-24 Abril 2009 A MOBILIDADE EM CIDADES MÉDIAS ABORDAGEM NA PERSPECTIVA DA POLÍTICA DE CIDADES POLIS XXI A POLÍTICA DE CIDADES POLIS XXI Compromisso

Leia mais

Autoridade de Gestão do Programa Operacional Regional do Norte. Autoridade de Gestão do Programa Operacional Regional do Alentejo

Autoridade de Gestão do Programa Operacional Regional do Norte. Autoridade de Gestão do Programa Operacional Regional do Alentejo Autoridade de Gestão do Programa Operacional Regional do Norte Autoridade de Gestão do Programa Operacional Regional do Centro Autoridade de Gestão do Programa Operacional Regional de Lisboa Autoridade

Leia mais

Patrocinadores: Apoiantes: Media Partners:

Patrocinadores: Apoiantes: Media Partners: Patrocinadores: Ouro: Prata: Apoiantes: Media Partners: ENQUADRAMENTO Num mercado em mudança a sustentabilidade pode ser uma oportunidade chave para dinamizar o sector e o LiderA um contributo na procura

Leia mais

A Tensão Entre a Gestão Territorial e a Gestão do Desenvolvimento Local: A criatividade como mediadora. O Caso de Óbidos

A Tensão Entre a Gestão Territorial e a Gestão do Desenvolvimento Local: A criatividade como mediadora. O Caso de Óbidos A Tensão Entre a Gestão Territorial e a Gestão do Desenvolvimento Local: A criatividade como mediadora. O Caso de Óbidos Tiago Galvão Martins Dissertação para Obtenção do Grau de Mestre em Urbanismo e

Leia mais

INICIATIVAS URBAVERDE

INICIATIVAS URBAVERDE Evento: 7ª UrbaVerde Feira das Cidades Sustentáveis Organização: Jornal Arquitecturas Datas: dias 23, 24 e 25 de Fevereiro de 2011 Local: Centro de Congressos do Estoril A 7ª UrbaVerde, composta por um

Leia mais

CATÁSTROFES E GRANDES DESASTRES IMPORTÂNCIA DA COMUNICAÇÃO E INFORMAÇÃO PÚBLICA NO ÂMBITO DA PROTEÇÃO CIVIL

CATÁSTROFES E GRANDES DESASTRES IMPORTÂNCIA DA COMUNICAÇÃO E INFORMAÇÃO PÚBLICA NO ÂMBITO DA PROTEÇÃO CIVIL programa Ao evocar os 260 anos do Terramoto de 1755, a Câmara Municipal de Lisboa, através do Programa que agora se apresenta, pretende levar a cabo um conjunto de atividades e manifestações alusivas à

Leia mais

Planeamento Urbano Urbanização e Cidade Planeamento e Planos JOÃO CABRAL FA/UTL

Planeamento Urbano Urbanização e Cidade Planeamento e Planos JOÃO CABRAL FA/UTL Planeamento Urbano Urbanização e Cidade Planeamento e Planos JOÃO CABRAL FA/UTL Cidade de Chaves em DOMINGUES, A. (2006), Cidade & Democracia, 30 anos de transformação urbana em Portugal, Ed. Argumentum,

Leia mais

Relatório de Gestão 2014

Relatório de Gestão 2014 Relatório de Gestão 2014 Índice I. Introdução...3 II. Actividade...4 Eixos de ação... 4 Governação Integrada... 4 Liderança Servidora... 4 Participação e cidadania... 4 Empregabilidade solidária... 4 Migrações

Leia mais

1. DESIGNAÇÃO DA ACÇÃO DE FORMAÇÃO Oficina de Formação de Professores em Empreendedorismo

1. DESIGNAÇÃO DA ACÇÃO DE FORMAÇÃO Oficina de Formação de Professores em Empreendedorismo 1. DESIGNAÇÃO DA ACÇÃO DE FORMAÇÃO Oficina de Formação de Professores em Empreendedorismo 2. RAZÕES JUSTIFICATIVAS DA ACÇÃO: PROBLEMA/NECESSIDADE DE FORMAÇÃO IDENTIFICADO Esta formação de professores visa

Leia mais

Workshop Regional de Disseminação do Pacote da Mobilidade

Workshop Regional de Disseminação do Pacote da Mobilidade Workshop Regional de Disseminação do Pacote da Mobilidade Évora, Universidade de Évora, 24 de Abril de 2012 Programa Preliminar Tema Intervenientes 9h30 Receção aos Participantes 9h45 Boas Vindas e Abertura

Leia mais

PROGRAMA DE PROMOÇÃO DA

PROGRAMA DE PROMOÇÃO DA UNIVERSIDADE DO PORTO PROGRAMA DE PROMOÇÃO DA LITERACIA FINANCEIRA DA U.PORTO Outubro de 2012 Enquadramento do programa na Estratégia Nacional de Formação Financeira Plano Nacional de Formação Financeira

Leia mais

Mudanças nas escolas, desafios para a Inspecção tendências e perspectivas. João Barroso Universidade de Lisboa

Mudanças nas escolas, desafios para a Inspecção tendências e perspectivas. João Barroso Universidade de Lisboa Mudanças nas escolas, desafios para a Inspecção tendências e perspectivas João Barroso Universidade de Lisboa Inspecção-Geral da Educação CONFERÊNCIA NACIONAL 2007 Melhoria da Educação desafios para a

Leia mais

1331002 2013-14 FICHA DA UNIDADE CURRICULAR GESTÃO EMPRESARIAL E EMPREENDEDORISMO

1331002 2013-14 FICHA DA UNIDADE CURRICULAR GESTÃO EMPRESARIAL E EMPREENDEDORISMO Licenciatura em Engenharia Alimentar Ref.ª : 1331002 Ano lectivo: 2013-14 1. Caraterização FICHA DA UNIDADE CURRICULAR GESTÃO EMPRESARIAL E EMPREENDEDORISMO 1.1 - Área científica: 34 - Ciências Empresariais

Leia mais

As Novas Fronteiras da Soberania

As Novas Fronteiras da Soberania As Novas Fronteiras da Soberania 7 de Outubro de 2011 Um Novo Contexto Estratégico de Soberania A Soberania tem que assentar cada vez mais num Novo Contrato de Confiança entre o Estado e o Cidadão, formalizado

Leia mais

De acordo com os objectivos previamente definidos para esta investigação, apresentamos de seguida as respectivas conclusões:

De acordo com os objectivos previamente definidos para esta investigação, apresentamos de seguida as respectivas conclusões: 7.1 Conclusões De acordo com os objectivos previamente definidos para esta investigação, apresentamos de seguida as respectivas conclusões: 1 - Descrever os instrumentos/modelos de gestão e marketing estratégicos

Leia mais

Relação Escola Família - Comunidade

Relação Escola Família - Comunidade Relação Escola Família - Comunidade Profª Manuela Matos (*) Cabe-me abordar o tema relação escola - família comunidade. Tentarei, para o efeito, mobilizar a minha experiência profissional (como educadora

Leia mais

Ficha de Unidade Curricular

Ficha de Unidade Curricular Ficha de Unidade Curricular Unidade Curricular Designação INOVAÇÃO E EMPREENDEDORISMO Área Científica Gestão Ciclo de Estudos Licenciatura em Som e Imagem Ramo de Vídeo e ramo de som Carácter: Obrigatória

Leia mais

REFLEXÕES SOBRE OS MÉTODOS E TÉCNICAS DE PLANEAMENTO: acção colectiva e jogo estratégico de actores Isabel Guerra 1

REFLEXÕES SOBRE OS MÉTODOS E TÉCNICAS DE PLANEAMENTO: acção colectiva e jogo estratégico de actores Isabel Guerra 1 REFLEXÕES SOBRE OS MÉTODOS E TÉCNICAS DE PLANEAMENTO: acção colectiva e jogo estratégico de actores Isabel Guerra 1 1. Pressupostos de entendimento das formas de acção colectiva O objectivo da comunicação

Leia mais

ECONOMIA E POLÍTICA REGIONAL E URBANA (EPRU)

ECONOMIA E POLÍTICA REGIONAL E URBANA (EPRU) ECONOMIA E POLÍTICA REGIONAL E URBANA (EPRU) DOCENTE: Natalino Martins, Prof. Aux. Convidado APRESENTAÇÃO DA DISCIPLINA Dando continuidade a uma área científica e pedagógica em que o ISEG é pioneiro em

Leia mais

LAUREANO, Abel (2012), Noções Sumárias Essenciais de Direito Internacional, Porto, Almedina & Leitão, Lda.

LAUREANO, Abel (2012), Noções Sumárias Essenciais de Direito Internacional, Porto, Almedina & Leitão, Lda. LAUREANO, Abel (2012), Noções Sumárias Essenciais de Direito Internacional, Porto, Almedina & Leitão, Lda. LAUREANO, Abel (2012), Teoria Fundamental do Direito, Vol. I, Introdução. Componentes do Direito,

Leia mais

Planejamento e ordenamento territorial do turismo na Região Metropolitana de Natal-RN

Planejamento e ordenamento territorial do turismo na Região Metropolitana de Natal-RN P á g i n a 1 Planejamento e ordenamento territorial do turismo na Região Metropolitana de Natal-RN Larissa da Silva Ferreira 1 Orientadora: Rita de Cássia da Conceição Gomes 2 O presente trabalho é produto

Leia mais

AGENDA 21 LOCAL UM DESAFIO DE TODOS RESUMO

AGENDA 21 LOCAL UM DESAFIO DE TODOS RESUMO AGENDA 21 LOCAL UM DESAFIO DE TODOS RESUMO http://www.tterra.pt/publicacoes/guia_agenda_21.html 1. ENQUADRAMENTO A Agenda 21 Local mais não é do que um Sistema de Sustentabilidade Local (SSL) constituindo

Leia mais

Mecanismos e modelos de apoio à Comunidade Associativa e Empresarial da Indústria Extractiva

Mecanismos e modelos de apoio à Comunidade Associativa e Empresarial da Indústria Extractiva centro tecnológico da cerâmica e do vidro coimbra portugal Mecanismos e modelos de apoio à Comunidade Associativa e Empresarial da Indústria Extractiva Victor Francisco CTCV Responsável Unidade Gestão

Leia mais

Urban Analytics AcceleratingtheDevelopmentofSmartCitiesinPortugal

Urban Analytics AcceleratingtheDevelopmentofSmartCitiesinPortugal Urban Analytics AcceleratingtheDevelopmentofSmartCitiesinPortugal Iniciativa do Ministério do Ambiente, Ordenamento do Território e Energia Promoção da Direção Geral do Território com a colaboração das

Leia mais

A GESTÃO RISCO NO TERRITÓRIO, O CONTRIBUTO DOS PLANOS REGIONAIS DE ORDENAMENTO DO TERRITÓRIO

A GESTÃO RISCO NO TERRITÓRIO, O CONTRIBUTO DOS PLANOS REGIONAIS DE ORDENAMENTO DO TERRITÓRIO A GESTÃO RISCO NO TERRITÓRIO, O CONTRIBUTO DOS PLANOS REGIONAIS DE ORDENAMENTO DO TERRITÓRIO Painel 4 - Aplicação do planeamento/planejamento e ordenamento do território à gestão de riscos Teresa Cravo

Leia mais

Diagnóstico Social Santo Tirso Referências bibliográficas 426

Diagnóstico Social Santo Tirso Referências bibliográficas 426 Diagnóstico Social Santo Tirso Referências bibliográficas 425 Referências Bibliográficas Diagnóstico Social Santo Tirso Referências bibliográficas 426 Diagnóstico Social Santo Tirso Referências bibliográficas

Leia mais

MONTIJO, CIDADE SAUDÁVEL E SUSTENTÁVEL DA CICLOVIA A UMA REDE PEDONAL E CICLÁVEL

MONTIJO, CIDADE SAUDÁVEL E SUSTENTÁVEL DA CICLOVIA A UMA REDE PEDONAL E CICLÁVEL MONTIJO, CIDADE SAUDÁVEL E SUSTENTÁVEL DA CICLOVIA A UMA REDE PEDONAL E CICLÁVEL Identificação do ponto de partida: O Município de Montijo: - Integra a Rede Portuguesa das Cidades Saudáveis, com quatro

Leia mais

A PAISAGEM COMO ELEMENTO DA IDENTIDADE E RECURSO PARA O DESENVOLVIMENTO

A PAISAGEM COMO ELEMENTO DA IDENTIDADE E RECURSO PARA O DESENVOLVIMENTO Évora, 22-24 de Setembro de 2005 A PAISAGEM COMO ELEMENTO DA IDENTIDADE E RECURSO PARA O DESENVOLVIMENTO Zoran Roca e José António Oliveira CEGED Centro de Estudos de Geografia e Desenvolvimento Universidade

Leia mais

Europass Curriculum Vitae

Europass Curriculum Vitae Europass Curriculum Vitae Informação pessoal Apelido(s) / Nome(s) próprio(s) Morada(s) Endereço(s) de correio electrónico Praceta Brunilde Judice, Lt2, R/C Frente, 2620-267 Ramada Odivelas (Portugal) Telefone(s)

Leia mais

ENPAR 2010 II Encontro de Partilhas: Práticas Educativas de Cidadania

ENPAR 2010 II Encontro de Partilhas: Práticas Educativas de Cidadania Contextualização: A cidadania, na sua prática, implica, de cada indivíduo e do mundo que o rodeia, uma tomada de consciência em contínua evolução, porque se realiza na História. Ou seja, acompanha as mudanças

Leia mais

(Des)Enlace entre cidadãos e sistemas sociais: em torno dos laços sociais na intervenção dos assistentes sociais.

(Des)Enlace entre cidadãos e sistemas sociais: em torno dos laços sociais na intervenção dos assistentes sociais. 2013 1ª Conferência 20 de Março, das 14:30 às 17:00 h Cidadania em tempos de crise: Implicações para a intervenção educativa, social e comunitária Isabel Menezes. Professora Associada com Agregação da

Leia mais

Comissão Social de Freguesia de São Julião do Tojal

Comissão Social de Freguesia de São Julião do Tojal Acta Constituinte Comissão Social de Freguesia de São Julião do Tojal ( Resolução do Conselho de Ministros, 197/97 de 17 de Novembro, com as alterações introduzidas pela Declaração de Rectificação nº10-0/98

Leia mais

FUNDOS EUROPEUS APOIAM INOVAÇÃO SOCIAL/EMPREENDEDORISMO SOCIAL

FUNDOS EUROPEUS APOIAM INOVAÇÃO SOCIAL/EMPREENDEDORISMO SOCIAL FUNDOS EUROPEUS APOIAM INOVAÇÃO SOCIAL/EMPREENDEDORISMO SOCIAL Rosa Maria Simões Vice-presidente do Conselho Diretivo Agência para o Desenvolvimento e Coesão, IP 8 de maio de 2014, Teatro Municipal do

Leia mais

Aprovado. Pelo Conselho de Administração em Reunião de / / Pela Assembleia Geral em / /

Aprovado. Pelo Conselho de Administração em Reunião de / / Pela Assembleia Geral em / / Relatório de Contas do Exercício de 2011 Fevereiro 2012 Aprovado Pelo Conselho de Administração em Reunião de / / Pela Assembleia Geral em / / CONTEÚDO Associados.3 Membros dos Órgãos Sociais... 5 Nota

Leia mais

Centro de Competência de Ciências Sociais Departamento de Ciências da Educação 1º Ciclo de Ciências da Educação. Programa. Unidade Curricular

Centro de Competência de Ciências Sociais Departamento de Ciências da Educação 1º Ciclo de Ciências da Educação. Programa. Unidade Curricular Centro de Competência de Ciências Sociais Departamento de Ciências da Educação 1º Ciclo de Ciências da Educação Programa Unidade Curricular Gestão de Projectos em Educação Área Científica Educação Regência

Leia mais

PÓS-GRADUAÇÃO EM GESTÃO EMPRESARIAL INTERNACIONAL E DIPLOMACIA ECONÓMICA

PÓS-GRADUAÇÃO EM GESTÃO EMPRESARIAL INTERNACIONAL E DIPLOMACIA ECONÓMICA PÓS-GRADUAÇÃO EM GESTÃO EMPRESARIAL INTERNACIONAL E DIPLOMACIA ECONÓMICA Gestão Empresarial Internacional e Diplomacia Económica International Management and Economic Diplomacy 2 O aumento das exportações

Leia mais

MINHO IN. Seminário Valorização dos Recursos Endógenos Agroalimentar & Gastronomia. 25 de Novembro de 2015, Villa Moraes, Ponte de Lima

MINHO IN. Seminário Valorização dos Recursos Endógenos Agroalimentar & Gastronomia. 25 de Novembro de 2015, Villa Moraes, Ponte de Lima MINHO IN Seminário Valorização dos Recursos Endógenos Agroalimentar & Gastronomia 25 de Novembro de 2015, Villa Moraes, Ponte de Lima O MINHO IN Estratégia de Eficiência Coletiva O Minho IN é estratégia

Leia mais

Conferência Internet, Negócio e Redes Sociais

Conferência Internet, Negócio e Redes Sociais Conferência Internet, Negócio e Redes Sociais 24 de maio de 2012 Auditório ISEGI - UNL Patrocínio Principal Apoios Patrocinadores Globais APDSI 24 Maio 2012 Inteligência Competitiva A Nova Agenda Digital

Leia mais

Gestão Empresarial. Comércio e Serviços

Gestão Empresarial. Comércio e Serviços Curso de Gestão Empresarial para Comércio e Serviços PROMOÇÃO: COLABORAÇÃO DE: EXECUÇÃO: APRESENTAÇÃO: > A aposta na qualificação dos nossos recursos humanos constitui uma prioridade absoluta para a Confederação

Leia mais

Ciência na Cidade de Guimarãeswww.ciencianacidade.com

Ciência na Cidade de Guimarãeswww.ciencianacidade.com Ciência na Cidade de Guimarãeswww.ciencianacidade.com Cidade de Guimarães Faixas Etárias do Concelho 65 ou mais 24-64 anos 15-24 anos 0-14 anos 0 20000 40000 60000 80000 100000 População do Concelho 159.576

Leia mais

Pós-Graduação em Administração e Gestão de Escolas

Pós-Graduação em Administração e Gestão de Escolas Pós-Graduação em Administração e Gestão de Escolas ENQUADRAMENTO DO CURSO As escolas são estabelecimentos aos quais está confiada uma missão de serviço público, que consiste em dotar todos e cada um dos

Leia mais

Guia de utilizador Plataformas de Consulta SPOTIA

Guia de utilizador Plataformas de Consulta SPOTIA Guia de utilizador Plataformas de Consulta SPOTIA Este documento serve de apoio à utilização das Plataformas de Consulta do Projecto SPOTIA - Orientações de política territorial sustentável e avaliação

Leia mais

Pós-Graduação em. MARKETING E GESTÃO COMERCIAL de Serviços Financeiros INSTITUTO SUPERIOR DE GESTÃO BANCÁRIA

Pós-Graduação em. MARKETING E GESTÃO COMERCIAL de Serviços Financeiros INSTITUTO SUPERIOR DE GESTÃO BANCÁRIA BSUPERIOR DE GESTÃO INSTITUTO Pós-Graduação em MARKETING E GESTÃO COMERCIAL de Serviços Financeiros 2005 2006 Associação Portuguesa de Bancos INSTITUTO SUPERIOR DE GESTÃO B ISGB THE PORTUGUESE SCHOOL OF

Leia mais

Planos de Mobilidade e Transportes em Portugal e SUMP - conceitos

Planos de Mobilidade e Transportes em Portugal e SUMP - conceitos Planos de obilidade e Transportes em Portugal e SUP - conceitos IT, Gabinete de Planeamento, Inovação e Avaliação aria Isabel Seabra icseabra@imt ip.pt 4 de junho de 2015 Portugal e a obilidade Sustentável

Leia mais

CURSO DE MESTRADO EM SUPERVISÃO UNIVERSIDADE DOS AÇORES

CURSO DE MESTRADO EM SUPERVISÃO UNIVERSIDADE DOS AÇORES CURSO DE MESTRADO EM SUPERVISÃO UNIVERSIDADE DOS AÇORES Disciplina de Metodologia de Ensino das Ciências 2003/04 1º Semestre Docente Responsável: Nilza Costa (*) (nilza@dte.ua.pt) Colaboradores: Luís Marques

Leia mais

CIDADES SUSTENTÁVEIS Diploma de Estudos Pós-Graduados

CIDADES SUSTENTÁVEIS Diploma de Estudos Pós-Graduados 1 CIDADES SUSTENTÁVEIS Diploma de Estudos Pós-Graduados http://cidadessustentaveis.dcea.fct.unl.pt 1. Área Científica Predominante do Curso: Ambiente, urbanismo e desenvolvimento sustentável 2. Porquê

Leia mais

7.ª GRANDE CONFERÊNCIA DO JORNAL ARQUITECTURAS

7.ª GRANDE CONFERÊNCIA DO JORNAL ARQUITECTURAS UMA INICIATIVA INTEGRADA NA: URBAVERDE FEIRA DAS CIDADES SUSTENTÁVEIS ª 7.ª GRANDE CONFERÊNCIA DO JORNAL ARQUITECTURAS ARRENDAMENTO E REABILITAÇÃO: DINAMIZAR O MERCADO, REGENERAR A CIDADE 12 de Abril de

Leia mais

Ficha de Unidade Curricular 2009/2010

Ficha de Unidade Curricular 2009/2010 Ficha de Unidade Curricular 2009/2010 Unidade Curricular Designação INOVAÇÃO E EMPREENDEDORISMO Área Científica Gestão Ciclo de Estudos Licenciatura em Design de Ambientes Carácter: Obrigatória Semestre

Leia mais

Laboratório de Arquitectura III Mestrado Integrado em Arquitectura com especialização em Gestão Urbanística. Ano lectivo 2009/2010

Laboratório de Arquitectura III Mestrado Integrado em Arquitectura com especialização em Gestão Urbanística. Ano lectivo 2009/2010 Laboratório de Arquitectura III Mestrado Integrado em Arquitectura com especialização em Gestão Urbanística. Ano lectivo 2009/2010 Docente responsável: Professora Doutora Catarina Teles Ferreira Camarinhas

Leia mais

CONFERÊNCIA INTERNACIONAL SOBRE PATRIMÔNIO E DESENVOLVIMENTO REGIONAL

CONFERÊNCIA INTERNACIONAL SOBRE PATRIMÔNIO E DESENVOLVIMENTO REGIONAL CONFERÊNCIA INTERNACIONAL SOBRE PATRIMÔNIO E DESENVOLVIMENTO REGIONAL CONFERENCIA INTERNACIONAL SOBRE EL PATRIMONIO Y DESARROLLO REGIONAL CONFERENCE INTERNATIONALE SUR LE PATRIMOINE ET LE DEVELOPPEMENT

Leia mais

ÍNDICE. Índice de Figuras 9 Índice de Quadros 10 Preâmbulo 11

ÍNDICE. Índice de Figuras 9 Índice de Quadros 10 Preâmbulo 11 ÍNDICE Índice de Figuras 9 Índice de Quadros 10 Preâmbulo 11 1. Inovação e o Desenvolvimento Regional 13 1.1 Inovação e geografia económica 15 1.2 Inovação e desenvolvimento regional 18 Questões para reflexão

Leia mais

Seminário de Homenagem Professor Costa Lobo

Seminário de Homenagem Professor Costa Lobo Seminário de Homenagem Professor Costa Lobo.Cerimónia de entrega póstuma de Diploma Honoris Causa. Decorreu no Auditório Armando Guebuza da Universidade Lusófona de Humanidades e Tecnologias (ULHT) de

Leia mais

SEMINÁRIO: DESAFIOS AO TURISMO EM MEIO RURAL

SEMINÁRIO: DESAFIOS AO TURISMO EM MEIO RURAL SEMINÁRIO: DESAFIOS AO TURISMO EM MEIO RURAL Turismo Rural e Territórios Estratégias de Desenvolvimento: Desenvolvimento de Clusters de turismo rural Palmela, 7 novembro 2012 Nuno Fazenda Agenda 1. Breves

Leia mais

Novas estratégias no ensino de geografia para vestibulandos

Novas estratégias no ensino de geografia para vestibulandos Novas estratégias no ensino de geografia para vestibulandos Renata de Souza Ribeiro (UERJ/FFP) Thiago Jeremias Baptista (UERJ/FFP) Eixo: Fazendo escola com múltiplas linguagens Resumo Este texto relata

Leia mais

Política de Cidades Parcerias para a Regeneração Urbana

Política de Cidades Parcerias para a Regeneração Urbana Política de Cidades Parcerias para a Regeneração Urbana Aviso de Abertura de Concurso para Apresentação de Candidaturas de Operações Isoladas PRU/1/2008 Política de Cidades Parcerias para a Regeneração

Leia mais

Programa Operacional Regional Alentejo 2014/2020

Programa Operacional Regional Alentejo 2014/2020 Programa Operacional Regional Alentejo 2014/2020 Universidade de Évora, 10 de março de 2015 Identidade, Competitividade, Responsabilidade Lezíria do Tejo Alto Alentejo Alentejo Central Alentejo Litoral

Leia mais

Curso Geral de Gestão. Pós Graduação

Curso Geral de Gestão. Pós Graduação Curso Geral de Gestão Pós Graduação Curso Geral de Gestão Pós Graduação Participamos num processo acelerado de transformações sociais, políticas e tecnológicas que alteram radicalmente o contexto e as

Leia mais

OPERAÇÕES COFINANCIADAS EM REGIME DE OVERBOOKING PELO QREN, NO ÂMBITO DO PROGRAMA OPERACIONAL DE LISBOA

OPERAÇÕES COFINANCIADAS EM REGIME DE OVERBOOKING PELO QREN, NO ÂMBITO DO PROGRAMA OPERACIONAL DE LISBOA OPERAÇÕES COFINANCIADAS EM REGIME DE OVERBOOKING PELO QREN, NO ÂMBITO DO PROGRAMA OPERACIONAL DE LISBOA Promoção e divulgação dos Jardins da Fundação Calouste Gulbenkian - Centro Interpretativo Gonçalo

Leia mais

O Futuro da Política Europeia de Coesão. Inovação, Coesão e Competitividade

O Futuro da Política Europeia de Coesão. Inovação, Coesão e Competitividade O Futuro da Política Europeia de Coesão Inovação, Coesão e Competitividade 20 de Abril de 2009 António Bob Santos Gabinete do Coordenador Nacional da Estratégia de Lisboa e do Plano Tecnológico Desafios

Leia mais

DESAFIAR, EMPREENDER E INOVAR QUALIFICAR O DESENVOLVIMENTO SOCIAL LOCAL 17 20 JAN 11 SANTA MARIA DA FEIRA

DESAFIAR, EMPREENDER E INOVAR QUALIFICAR O DESENVOLVIMENTO SOCIAL LOCAL 17 20 JAN 11 SANTA MARIA DA FEIRA DESAFIAR, EMPREENDER E INOVAR QUALIFICAR O DESENVOLVIMENTO SOCIAL LOCAL 17 20 JAN 11 SANTA MARIA DA FEIRA desafiar, empreender e inovar qualificar o desenvolvimento social local De 17 a 20 de Janeiro de

Leia mais

Curso(s): Licenciaturas em Engenharia Total de horas Aulas Teórico-Práticas 60 h

Curso(s): Licenciaturas em Engenharia Total de horas Aulas Teórico-Práticas 60 h UNIVERSIDADE CATÓLICA PORTUGUESA F A C U L D A D E D E E NGE N H ARIA Disciplina de DESENHO Contexto da Disciplina Horas de Trabalho do Aluno Curso(s): Licenciaturas em Engenharia Total de horas Aulas

Leia mais

ADMINISTRAÇÃO PÚBLICA EM PORTUGAL

ADMINISTRAÇÃO PÚBLICA EM PORTUGAL ADMINISTRAÇÃO PÚBLICA EM PORTUGAL PESQUISA NO CATÁLOGO BIBLIOGRÁFICO Administração pública AND Portugal ALMEIDA, António Henrique Gomes de - A aplicação do balanced scorecard às agências Públicas : um

Leia mais

REABILITAÇÃO SUSTENTÁVEL Fundo de Desenvolvimento Urbano JESSICA/CGD

REABILITAÇÃO SUSTENTÁVEL Fundo de Desenvolvimento Urbano JESSICA/CGD REABILITAÇÃO SUSTENTÁVEL Fundo de Desenvolvimento Urbano JESSICA/CGD SEMANA DA REABILITAÇÃO URBANA Porto, 03 de Abril 2013 Caixa Geral de Depósitos 2013 03 de Abril 1 A reabilitação urbana e a regeneração

Leia mais

QUERES SER VOLUNTÁRIO(A) NO GEOTA?

QUERES SER VOLUNTÁRIO(A) NO GEOTA? INVENTARIAÇÃO DE POPULAÇÕES DE AVIFAUNA DA RESERVA NATURAL LOCAL DO PAUL DE TORNADA - Quais os objetivos da tarefa? Manter, incrementar e divulgar os valores naturais da Reserva Natural Local do Paul de

Leia mais

o Urbanismo tem por objecto com a construção racional da cidade, incluindo a renovação e gestão urbanas.

o Urbanismo tem por objecto com a construção racional da cidade, incluindo a renovação e gestão urbanas. Doc 5. Proposta de Projecto de Lei Sobre a Profissão, a Prática e a Formação do Urbanista A necessidade de implementar uma política consistente de Ordenamento do Território e Urbanismo, tem determinado

Leia mais

Ficha de Caracterização de Entidade/Projecto. Projecto de Desenvolvimento Comunitário da Ameixoeira - K Cidade

Ficha de Caracterização de Entidade/Projecto. Projecto de Desenvolvimento Comunitário da Ameixoeira - K Cidade Ficha de Caracterização de Entidade/Projecto Projecto de Desenvolvimento Comunitário da Ameixoeira - K Cidade 2 A. IDENTIFICAÇÃO GERAL DA ENTIDADE Projecto(s) Promotor(es) : Sigla Fundação Aga Khan e Santa

Leia mais

Cidades Sustentáveis 2020 Um quadro de referência estratégico para o desenvolvimento urbano sustentável

Cidades Sustentáveis 2020 Um quadro de referência estratégico para o desenvolvimento urbano sustentável Cidades Sustentáveis 2020 Um quadro de referência estratégico para o desenvolvimento urbano sustentável O caminhopara um quadrode referência nacionalparao Desenvolvimento Urbano Sustentável 2020 1. Conhecero

Leia mais

Programa Operacional Regional Alentejo 2014/2020. Identidade, Competitividade, Responsabilidade

Programa Operacional Regional Alentejo 2014/2020. Identidade, Competitividade, Responsabilidade Programa Operacional Regional Alentejo 2014/2020 Identidade, Competitividade, Responsabilidade Acordo de Parceria Consagra a política de desenvolvimento económico, social, ambiental e territorial Define

Leia mais

EXPERIÊNCIA DE GESTÃO INOVADORA AO NÍVEL DA MANUTENÇÃO DOS ESPAÇOS VERDES DA CIDADE DE VILA DO CONDE

EXPERIÊNCIA DE GESTÃO INOVADORA AO NÍVEL DA MANUTENÇÃO DOS ESPAÇOS VERDES DA CIDADE DE VILA DO CONDE EXPERIÊNCIA DE GESTÃO INOVADORA AO NÍVEL DA MANUTENÇÃO DOS ESPAÇOS VERDES DA CIDADE DE VILA DO CONDE Author: Fernanda Órfão¹ Affiliation: 1 - Câmara Municipal de Vila do Conde Keywords: Espaços verdes,

Leia mais

MARKETING INTERNACIONAL

MARKETING INTERNACIONAL INSTITUTO SUPERIOR DE ECONOMIA E GESTÃO Universidade Técnica de Lisboa CURSO DE LICENCIATURA EM GESTÃO Ano lectivo de 2007/2008 (Regras de Bolonha) MARKETING INTERNACIONAL PROGRAMA L I S B O A SETEMBRO

Leia mais

Conselho Local de Acção Social De Vila Nova de Cerveira

Conselho Local de Acção Social De Vila Nova de Cerveira Conselho Local de Acção Social De Vila Nova de Cerveira REGULAMENTO INTERNO INTRODUÇÃO A rede social é uma plataforma de articulação de diferentes parceiros públicos e privados que tem por objectivos combater

Leia mais

Plano Municipal de Cascais contra a Violência Doméstica 2008-2011

Plano Municipal de Cascais contra a Violência Doméstica 2008-2011 Plano Municipal de Cascais contra a Violência Doméstica 2008-2011 A violência doméstica é um fenómeno complexo que requer uma intervenção concertada e multidisciplinar. 1 PLANO MUNICIPAL CONTRA A VIOLÊNCIA

Leia mais

15. Outros Temas. LIVROS E OUTRAS PUBLICAÇÕES: Campos, Ezequiel de (1915),

15. Outros Temas. LIVROS E OUTRAS PUBLICAÇÕES: Campos, Ezequiel de (1915), 15. Outros Temas ATÉ Á DÉCADA DE 40 Campos, Ezequiel de (1915), Carvalho, Augusto da Silva (1903), Martins, João Lopes da Silva (1897), Sousa, Francisco Luíz Pereira (1919), A grei: subsídios para a demografia

Leia mais

PROPOSTA. Conhecer para agir

PROPOSTA. Conhecer para agir PLANO DE TRABALHO 2013 CLASB PROPOSTA Conhecer para agir O Presidente do CLASB (Manuel Durão, Dr.) Introdução O Plano de Ação anual dos Conselhos Locais de Ação Social, por definição, é um documento que

Leia mais

Joana Margarida Gonçalo Ferreira de Oliveira

Joana Margarida Gonçalo Ferreira de Oliveira Curriculum Vitae Joana Margarida Gonçalo Ferreira de Oliveira Dados pessoais Morada: Rua Dona Estefânia nº 3, 4º. 1150-129 Lisboa Contactos: 91 4359997 jmgfoliveira@hotmail.com Local e data de nascimento:

Leia mais

Instituto de Geografia e Ordenamento do Território Horários 2015/2016

Instituto de Geografia e Ordenamento do Território Horários 2015/2016 1º SEMESTRE Turma Docente 2.ª 3.ª 4.ª 5.ª 6.ª Sala - 1.º Dia Sala - 2.º Dia Introdução à Geografia Física Introdução à Geografia Humana Introdução ao Planeamento Territorial (PGT) Conceitos e Perspectivas

Leia mais

AGENDA 21 escolar. Pensar Global, agir Local. Centro de Educação Ambiental. Parque Verde da Várzea 2560-581 Torres Vedras 39º05'08.89" N 9º15'50.

AGENDA 21 escolar. Pensar Global, agir Local. Centro de Educação Ambiental. Parque Verde da Várzea 2560-581 Torres Vedras 39º05'08.89 N 9º15'50. AGENDA 21 escolar Pensar Global, agir Local Centro de Educação Ambiental Parque Verde da Várzea 2560-581 Torres Vedras 39º05'08.89" N 9º15'50.84" O 918 773 342 cea@cm-tvedras.pt Enquadramento A Agenda

Leia mais

A CRIANÇA, UM AGENTE SOCIAL CAPAZ DE DESENHAR PARQUES QUE PROMOVAM ESTÉTICA INTEGRAÇÃO E CONVIVÊNCIA

A CRIANÇA, UM AGENTE SOCIAL CAPAZ DE DESENHAR PARQUES QUE PROMOVAM ESTÉTICA INTEGRAÇÃO E CONVIVÊNCIA A CRIANÇA, UM AGENTE SOCIAL CAPAZ DE DESENHAR PARQUES QUE PROMOVAM ESTÉTICA INTEGRAÇÃO E CONVIVÊNCIA Autores: Leonardo de Albuquerque Batista¹; Grécia Rodríguez¹ Afiliação: 1 - Universidade do Minho Palavras-Chave:

Leia mais

FÓRUM DE PESQUISA CIES 2009. Olhares sociológicos sobre o emprego: relações laborais, empresas e profissões 18 de Dezembro de 2009

FÓRUM DE PESQUISA CIES 2009. Olhares sociológicos sobre o emprego: relações laborais, empresas e profissões 18 de Dezembro de 2009 FÓRUM DE PESQUISA CIES 2009 Olhares sociológicos sobre o emprego: relações laborais, empresas e profissões 18 de Dezembro de 2009 EMPRESAS E INOVAÇÃO Luísa Oliveira luisa.oliveira@iscte.pt Luísa Veloso

Leia mais

formas de cooperação interurbana: o caso da rede de cidades do quadrilátero urbano

formas de cooperação interurbana: o caso da rede de cidades do quadrilátero urbano formas de cooperação interurbana: o caso da rede de cidades do quadrilátero urbano Fernando P. Fonseca Rui A.R Ramos Resumo: Palavras-chave Códigos JEL Abstract:. Keywords JEL Codes 37 estudos regionais

Leia mais

Patrocinadores: Apoiantes: Media Partners:

Patrocinadores: Apoiantes: Media Partners: Patrocinadores: Apoiantes: Media Partners: ENQUADRAMENTO Num mercado em mudança a sustentabilidade pode ser uma oportunidade chave para dinamizar o sector e o LiderA um contributo na procura da sustentabilidade.

Leia mais

Retratos de Trabalho

Retratos de Trabalho Retratos de Trabalho Retratos de Trabalho é uma exposição fotográfica organizada pela Cidade das Profissões e pelo Museu da Indústria do Porto que convida a comunidade do Porto a revisitar profissões e

Leia mais

MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO. Decreto-Lei n.º 99/2001 de 28 Março

MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO. Decreto-Lei n.º 99/2001 de 28 Março MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO Decreto-Lei n.º 99/2001 de 28 Março As escolas superiores de enfermagem e de tecnologia da saúde são estabelecimentos de ensino politécnico dotados de personalidade jurídica e de

Leia mais

GLOCAL 2012 PENSAR GLOBAL, AGIR LOCAL

GLOCAL 2012 PENSAR GLOBAL, AGIR LOCAL GLOCAL 2012 PENSAR GLOBAL, AGIR LOCAL IV CONFERÊNCIA DE AGENDA 21 E SUSTENTABILIDADE LOCAL SEIA, 11 E 12 DE OUTUBRO DE 2012 PROGRAMA [VERSÃO 25SET2012] DEBATE «(DE)CRESCIMENTO?!» VISITAS «ECONOMIA LOCAL»

Leia mais

8, 9 e 10 NOVEMBRO 2011 LISBOA. Novos Mercados Encontro de Sectores INSCREVA-SE JÁ. Especial: MERCADOS INTERNACIONAIS. www.expoenergia2011.about.

8, 9 e 10 NOVEMBRO 2011 LISBOA. Novos Mercados Encontro de Sectores INSCREVA-SE JÁ. Especial: MERCADOS INTERNACIONAIS. www.expoenergia2011.about. 8, 9 e 10 NOVEMBRO 2011 LISBOA Centro de Congressos Univ. Católica Novos Mercados Encontro de Sectores Especial: MERCADOS INTERNACIONAIS ORGANIZAÇÃO PARCEIRO PATROCÍNIO INSCREVA-SE JÁ www.expoenergia2011.about.pt

Leia mais

Plano de Ação 2016 GRACE

Plano de Ação 2016 GRACE Plano de Ação 2016 GRACE Mensagem da Direção É tempo de preparar mais um ano de intensa atividade do GRACE, procurando consolidar o capital de experiência e partilha acumulado e alargar novas perspetivas

Leia mais

A. PROMOVER A DIVULGAÇÃO DA INFORMAÇÃO E DO CONHECIMENTO

A. PROMOVER A DIVULGAÇÃO DA INFORMAÇÃO E DO CONHECIMENTO FICHA DE TRABALHO CADERNO FICHA 5. GESTÃO DO CONHECIMENTO 5.5. ORIENTAÇÕES ESTRATÉGICAS O presente documento constitui uma Ficha que é parte integrante de um Caderno temático, de âmbito mais alargado,

Leia mais

Novos textos no ensino da Geografia

Novos textos no ensino da Geografia Novos textos no ensino da Geografia Renata de Souza Ribeiro (UERJ/ FFP) Thiago Jeremias Baptista (UERJ/ FFP) Resumo Este texto relata a experiência desenvolvida no curso Pré-vestibular Comunitário Cidadania

Leia mais

MINHO INovação 2014/2020

MINHO INovação 2014/2020 MINHO INovação 2014/2020 O MINHO IN Estratégia de Eficiência Coletiva O Minho IN é estratégia de eficiência coletiva, isto é uma ação conjunta assente numa parceria que partilha um objetivo em concreto:

Leia mais

SEMANA POLAR OUTUBRO 2015

SEMANA POLAR OUTUBRO 2015 RELATÓRIO SUMÁRIO SEMANA POLAR OUTUBRO 2015 Coordenação, José Seco e José Xavier De 4 a 10 de Outubro de 2015, escolas e cientistas ao redor do planeta reuniram-se novamente pelo objetivo de levar a ciência

Leia mais

2.ª CONFERÊNCIA MOBILIDADE URBANA

2.ª CONFERÊNCIA MOBILIDADE URBANA 2.ª CONFERÊNCIA MOBILIDADE URBANA Gestão Inteligente e Competitividade 15 de Setembro 2011 Museu da Carris Conheça as estratégias nacionais e internacionais para uma gestão eficiente da mobilidade urbana

Leia mais