REVISTA MULTIDISCIPLINAR DA UNIESP

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "REVISTA MULTIDISCIPLINAR DA UNIESP"

Transcrição

1 67 UM ESTUDO DA CRONOLOGIA DO MARKETING DE RELACIONAMENTO E DE SUA IMPORTÂNCIA PARA O COMÉRCIO DAS PEQUENAS CIDADES DO INTERIOR DE UM ESTADO DA REGIÃO CENTRO OESTE DO BRASIL SPREA, Joseney 1 Resumo: Este artigo mostra a importância do marketing de relacionamento, pois o início do século XXI é considerado a era do cliente e não mais do produto ou serviço. Por isso, as organizações têm de saber se relacionar com seus clientes por meio do atendimento personalizado e por inúmeras outras estratégias utilizadas pelo marketing de relacionamento. Para aplicação destas estratégias, a equipe de vendas é essencial e, por isso, deve se manter motivada e atenta às necessidades do consumidor. A metodologia utilizada, pesquisa bibliográfica e de campo, permitiu realizar levantamento sobre como os comerciantes das pequenas cidades do interior de um estado da região centro oeste do Brasil se relacionam com seus consumidores, como os atraem e, principalmente, como os fidelizam. Foram aplicados questionários em estabelecimentos diversificados, pois o maior objetivo do marketing de relacionamento é que os clientes tornem-se fiéis à determinada marca ou produto. Palavras-chave: Marketing Marketing de Relacionamento Fidelização Papel do Vendedor. Abstract: This article shows the importance of the relationship marketing, therefore the beginning of century XXI is considered the age of the customer and not more of the product or service. Therefore, the organizations have to know to become related with its customers by means of the personalized attendance and for innumerable other strategies used for the relationship marketing. For application of these strategies the team of sales is essential and therefore, it must be remained motivated and intent to the necessities of the consumer. The used methodology, bibliographical research and of field, allowed to carry through survey on as the traders of the small cities of the interior of a state of the region center west of Brazil if they relate with its consumers, as they attract them mainly and, as fidelity. usetd by the relationship marketing. Questionnaires in diversified establishments had been applied, therefore the objective greater of the relationship marketing is that the customers become fidiciary offices the definitive mark or product. Key-words: Marketing Marketing Relationship Loyalty Rule of Salesperson. INTRODUÇÃO Este artigo tem como fundamento apresentar um estudo da cronologia do marketing de relacionamento e a sua importância para as pequenas cidades do interior

2 68 de um estado da região cento oeste do Brasil. Dessa forma, este trabalho demonstra que tais cidades têm seu comércio independente dos grandes centros e da capital deste estado e que alguns consumidores passam meses sem saírem de seus municípios, pois encontram tudo de que precisam ou solicitam encomendas ali mesmo, sem precisar deslocar-se aos grandes centros ou a capital do estado. Esta pesquisa relata qual o plano de marketing ou propaganda que o comércio das pequenas cidades do interior utilizam para divulgar suas promoções e até mesmo para serem notados. O marketing contribui para a criação, a comunicação e a entrega de valores para os clientes e também para se obter um bom relacionamento. O consumidor não tem em mente o que é marketing, tem noções mínimas de propaganda, mas tem um grau de relacionamento que as grandes empresas gostariam de manter com seus clientes. Esse artigo teve o auxílio de questionários, cujos resultados são demonstrados expressamente por meio de gráficos. O tema apresentado foi baseado em referências bibliográficas, livros, outros artigos científicos e da convivência nesta região do Brasil. CRONOLOGIA A comercialização de produtos, segundo Arruda e Piletti (1995 pág.25), teve início com o fim do sistema feudal, uma vez que a população começou a agrupar-se novamente, surgindo, então, novos povoados que se transformaram em cidades. Ali eram realizadas feiras, armavam-se tendas, cambistas trocavam moedas e artesões fabricavam e vendiam produtos. Alguns saiam visitando cidades e propriedades rurais, como uma espécie de caixeiro viajante, mascate. A negociação era feita na base de troca, isto é, a oferta de um produto com o recebimento de outro. Para que ocorresse essa troca, era necessária a aceitação de ambas as partes e que cada um tivesse algo de valor a oferecer para a outra; cada parte era livre para aceitar ou rejeitar a oferta. A troca é a base para a comercialização e conseqüentemente para o marketing. De acordo com Cobra (1940, pág.31), em meados de 1600 foi caracterizada a fase de subsistência, cada família produzia seu próprio sustento, garantindo assim a sobrevivência. No ano de 1700 começam a se formar as pequenas cidades. Foi nessa

3 69 fase que se iniciou a separação entre produção e consumo. Os consumidores passam a dizer aos produtores o que queriam consumir e as mercadorias eram elaboradas sob encomenda. Na primeira metade do XIX (1800 a 1849), inicia-se a fase da produção especulativa, os fabricantes se arriscam a fabricar algumas mercadorias que eles imaginavam que os consumidores iriam adquirir. Na segunda metade do século XIX surgem os efeitos da Revolução Industrial que se fazem sentir na produção massiva de mercadorias a partir de máquinas e equipamentos. No século XX, então, tem início a era do produto, vindo a seguir a era da venda e o início deste século XXI é a era do cliente. O diferencial da comercialização entre tempos antigos e modernos é o surgimento do marketing, que vem mostrar que o consumidor é o ponto de partida para qualquer negócio, procurando realizar suas necessidades e satisfações. Há uma expansão da classe média urbana, absorvendo todos os bens produzidos, com isso o consumidor passa a ser o foco principal. Com base em Kotler (2000, pág.30), marketing é um conjunto de processos que envolvem a criação, a comunicação e a entrega de valor para os clientes, bem como a administração do relacionamento com eles, de modo que beneficie a organização e seu público interessado. Por meio de um grupo de pessoas, eles obtêm aquilo de que necessitam e o que desejam com a criação, oferta e livre negociação de produtos e serviços. De acordo com Semenik e Bamossy (1995, pág.05), marketing não é propaganda, ela é considerada uma das ferramentas do marketing. A venda também faz parte do processo decisório. O marketing lida com a venda de produtos e serviços. Segundo Mackenna (1997, p.06), marketing não é uma função; é uma forma de fazer negócios. O marketing não é uma nova campanha de publicidade ou a promoção desse mês. Tem que ser uma atividade difundida, parte do trabalho de todos, das recepcionistas à diretoria. Sua tarefa não é a de enganar o cliente, nem falsificar a imagem da empresa. É integrar o cliente à elaboração do produto e desenvolver um processo sistemático de interação que dará firmeza à relação. Desta forma, o marketing aborda diversas ferramentas, como o estudo e criação de produtos, a localização e distribuição dos mesmos junto aos consumidores,

4 70 seja física ou virtualmente, o treinamento dos funcionários como forma de obter um atendimento de qualidade, a definição do preço de venda dos produtos, entre outras. Assim, o marketing é uma ferramenta que a organização tem para dirigi-la na direção desejada, pois diante do mercado competitivo há várias mudanças e a organização que tem um bom plano de marketing, consegue se adaptar às inovações do mercado. Culliton (1948, pág.148) utilizou pela primeira vez o chamado marketing mix, ou seja, o composto de marketing, constituído por: (1) Produto: conjunto de benefícios que satisfazem um desejo ou uma necessidade do consumidor e pelo qual ele está disposto a pagar em função da sua disponibilidade de recursos. Os produtos vão além de bens tangíveis. De modo geral, incluem objetos físicos, serviços, pessoas, locais, organizações, idéias ou combinações desses elementos; (2) Preço: valor agregado que justifica a troca. A transferência de posse de um produto é planejada e adequada por esse elemento. Algumas organizações tomam decisões de preço utilizando a técnica de mark-up, isto é, analisam os custos inerentes à produção, comercialização, distribuição e divulgação do produto, consideram a margem de lucro pretendida e definem seu preço levando ou não em conta os preços médios praticados pelos concorrentes; (3) Praça: local ou meio pelo qual é oferecido o produto. Trata-se de planejar e administrar onde, como, quando e sob que condições o produto será colocado no mercado, também conhecido como logística; (4) Promoção: meio pelo qual a organização, no seu dia-adia, estabelece diversas formas de comunicação que visam promover os seus produtos, serviços, benefícios, valores e marca, bem como fortalecer o relacionamento a longo prazo com os clientes. Marketing é a atenção total ao cliente, o respeito, a preocupação constante em identificar suas necessidades reais, direcionando todas as atividades das empresas, buscando explorar uma oportunidade de negócio, surgida a partir das necessidades do cliente. Dessa forma, o marketing vem evoluindo da soberania do produto para a soberania do cliente. O alvo principal do marketing é o cliente, pois sem ele a empresa não tem razão de existir. Sendo assim, o princípio do marketing é que os clientes não compram produtos ou serviços, compram o que o produto ou serviço faz por eles. O marketing prioriza a emoção para com os clientes de modo a torná-los fiéis ao produto e parceiros da organização, não estando restrito a um departamento, mas sendo visto com

5 71 consciência por todos os integrantes e departamentos da organização e, assim, formando uma rede de informação interna e externa. Descreve Mackenna (1993, pág.07 e 25) que organizações bem-sucedidas percebem que o marketing é como a qualidade: essencial para a organização. Tudo inicia quando o consumidor pensa em produtos e organizações e começa a compará-los. Dessa forma, institui-se uma hierarquização de necessidades, conceitos e valores que os levarão a definir sobre a decisão de compra. O objetivo real do marketing é compreender seus clientes e definir qual o público alvo a organização deseja atingir. Por meio desse ponto, ela conseguirá alcançar suas metas. TENDÊNCIAS De acordo com Las Casas (2005 pág.38), o marketing ao longo dos anos também vem sofrendo mudanças. No início deste século XXI, outras mudanças estão previstas para acontecer, surgindo algumas novas tendências: (1) Globalização: organizações não devem pensar apenas em mercados nacionais, mas também em mercados internacionais. Hoje, não basta conhecer apenas um mercado, é necessário conhecer vários, para garantir e alcançar objetivos de uma organização, principalmente quanto a recursos e vendas; (2) Planos econômicos: mercadólogos devem estar atentos aos sinais de economia, bem como as demais variáveis externas, para fazerem as necessárias adaptações no plano de marketing; (3) Qualidade: empresas que não perseguirem programas de qualidade estarão sem vantagem competitiva na primeira década deste século XXI. Com a abertura das importações, as empresas brasileiras passaram a ter concorrência de muitos países que estão avançados quanto a este aspecto; (4) Promoção: passou a ocupar um lugar de destaque no planejamento de marketing de grandes, médias e até pequenas organizações. Tida como a disciplina que mais cresce no universo da comunicação, ações promocionais no ponto de venda continuam sendo as mais utilizadas pelas organizações; (5) Marketing de Relacionamento: prática de relações entre, consumidores, fornecedores e distribuidores. Resulta em fortes vínculos econômicos, técnicos e sociais entre as partes. As transações passam a serem rotineiras; (6) Ênfase na manutenção e satisfação dos clientes: por isso através dos dados obtidos

6 72 dos clientes, a organização para tentar mantê-los tem de adequar os serviços de acordo com a clientela; (7) Aumento na cota de clientes: organizações procuram manter os seus clientes, no relacionamento, satisfação e manutenção. Com isso, a cota de clientes vem aumentando, isto significa que os clientes estão satisfeitos com produtos e serviços utilizados; (8) Marketing de Database: forma que a empresa tem de coletar dados de seus clientes. Por meio desse banco de dados ela vai saber quais gostos e costumes cada cliente tem, saber fazer ofertas adequadas de todos os aspectos de comercialização; (9) Automação de vendas: tecnologia nos dias atuais tem se mostrado muito útil e parceira na realização das vendas, pois ela oferece meios que ajudam a demonstrar os produtos para os clientes. Por meio de notebooks, palmtops, celulares e datashow, além de demonstrar promoções realizando o pedido naquele momento; (10) Comunicação integrada de marketing: esse sistema integra todos os elementos de comunicação, que são, publicidade, assessoria de imprensa, promoção de vendas, marketing de patrocínio e comunicação do ponto de venda. Tais recursos têm a função de passar à mesma mensagem. Dentro das novas tendências mercadológicas, o marketing de relacionamento tem se mostrado o mais eficiente no processo de conquista do consumidor, pois é por meio de um bom atendimento que a organização fideliza seu cliente, fazendo com que ele volte a comprar novamente. Segue a definição de marketing de relacionamento, conforme Vavra (1993, pág.08): é o processo de aquisição, retenção e evolução de clientes lucrativos. Isto requer uma concentração clara nos atributos do serviço que representam o valor que o cliente procura e que por ele cria fidelidade. A partir do momento que a organização consegue superar as expectativas do cliente, ela consegue visualizar se o cliente irá se tornar fiel à marca ou ao produto. Pode-se dizer que a organização está utilizando um bom marketing de relacionamento. Para Cardoso (2001, pág.40), marketing de relacionamento pode também ser definido como planejamento, gerenciamento e operacionalização de experiência do cliente, aplicando-se as mais avançadas tecnologias da informação visando à fidelização e criação de valor, incluído ex-clientes como possíveis novos clientes. Ainda de acordo com Cardoso e Gonçalves (2001), alguns aspectos merecem maior reflexão: vender para um novo cliente custa bem mais que vender para um cliente

7 73 antigo; o cliente insatisfeito logo passará adiante a má experiência para outros; uma organização aumenta o seu lucro com um pequeno aumento da sua retenção de seus clientes; a probabilidade de vender um produto para um cliente antigo é bem maior do que a venda do mesmo produto para um novo cliente; os clientes insatisfeitos, que reclamam, logo voltarão a fazer negócios com a organização assim que esta resolver seus problemas. Cardoso e Filho (2001, pág.23) citam que marketing de relacionamento focaliza principalmente a satisfação/relação com o cliente. Isso permite descobrir as expectativas e necessidades individuais do cliente, atuando de maneira administrativa e, conseqüentemente, permite aperfeiçoar seus produtos e melhorar seus serviços, de maneira que possam atender aos clientes de forma personalizada, fazendo crescer a lealdade e respeito do cliente junto à empresa. Na implementação de uma solução de marketing de relacionamento eficaz, a organização enfrentará desafios que, para serem sanados, exigirão uma forte integração entre processos e dados. O marketing de relacionamento é essencial ao desenvolvimento da liderança no mercado, à rápida aceitação de novos produtos e serviços e à consecução da fidelidade do consumidor. À medida que o mercado torna-se cada vez mais fragmentado, as organizações encontram dificuldades em usar as tradicionais técnicas de marketing em massa para conseguir participação no mercado. O marketing abrangente e as campanhas de propaganda não são mais tão eficazes como antigamente, ou seja, uma mensagem não serve para todos. Por causa da proliferação dos serviços e das necessidades dos clientes, as organizações precisam negociar com diversos tipos de clientes. Centrais de atendimento necessitam de informações do cliente em tempo real, assim como o marketing automatizado só conseguirá reduzir gastos se for baseado em dados confiáveis e exatos. Conseqüentemente, o marketing de relacionamento deve oferecer uma visão unificada e consistente do cliente para o colaborador, dispor de um histórico do seu relacionamento com a organização, capacitá-lo a fazer a segmentação dos seus clientes e utilizar o marketing pessoal. Uma estratégia de marketing de relacionamento requer não apenas tecnologia, mas mudanças nos processos e atitude dentro da organização. Isto implica

8 74 em reorganizar a organização por cliente, efetivando estratégias de relacionamento personalizado. Vavra (1993, pág.08), apresenta que marketing de relacionamento consiste em procurar criar novo valor para os clientes e compartilhar esse valor entre o produtor e o consumidor; reconhecer o papel fundamental que os clientes individuais têm, não apenas como compradores, mas na definição no valor que desejam. Anteriormente, esperava-se que as organizações identificassem e fornecessem esse valor a partir daquilo que elas consideravam como um produto. Com o marketing de relacionamento, entende-se que o cliente ajuda a organização fornecer o pacote de benefícios que ele valoriza. Assim, o valor é criado com o cliente e não pelo cliente. Vavra (1993, pág.25) cita ainda o uso de várias técnicas e processos de marketing, vendas, comunicação e cuidado com o cliente para identificar clientes de forma individualizada e nominal; criar um relacionamento entre a sua empresa e esses clientes (relacionamento que se prolongue por muitas transações) e administrar esse relacionamento para benefício dos seus clientes e da sua empresa. Em seus ensinamentos, Las Casas (2006) conceitua marketing de relacionamento como todas as atividades de marketing destinadas a manter um relacionamento com o cliente a partir do momento que ele entra em contato com a organização, procurando manter uma perfeita relação entre clientes e fornecedores e podendo, assim, conquistá-lo e mantê-lo. Por meio dessa relação com o consumidor, passam a surgir informações importantes a partir de coletas de dados que irão ajudar na busca da satisfação e necessidades do cliente. Surge então a necessidade da empresa de obter um banco de dados do cliente e este ter uma boa qualidade, pois somente produtos ou serviços de qualidade são capazes de manter clientes. A IMPORTÂNCIA DO BANCO DE DADOS Bogmann (2000, pág.76) comenta que não tem como falar de marketing de relacionamento sem associar banco de dados, pois os dois caminham juntos. Essa proposta de ter um banco de dados é importante, pois é por meio desse banco que a organização coleta dados que irão transformar-se em informações que ajudam na

9 75 tomada de decisões. Dessa forma, se a organização conhece os consumidores fica mais fácil oferecer o produto ou serviço adequado. O banco de dados, ao registrar informações detalhadas sobre os consumidores, tem condições de conhecer bem seus desejos e necessidades, construindo um relacionamento de longo prazo. O banco de dados é uma das ferramentas mais importantes do marketing de relacionamento. Por meio do banco de dados obtêm-se informações atualizadas em tempo real, criando, assim, um canal de comunicação com o cliente, rápido, eficiente e direto. FIDELIZAÇÃO Nota-se que o objetivo maior do marketing de relacionamento é a fidelização. Conforme Levy e Weitz (2000, pág.157), a fidelidade do cliente significa que os clientes estão comprometidos a fazer compras em um estabelecimento comercial. A fidelidade é mais que simplesmente gostar mais de um estabelecimento que de outro. A fidelidade significa que os clientes estão comprometidos. Las Casas (2002) demonstra que o conceito de fidelidade requer a criação de um valor constante. As organizações têm que desenvolver programas de fidelização com base na personalização. A partir do momento que a organização tem todas as informações dos clientes no banco de dados, cria-se então o marketing um-a-um, ou seja, é a capacidade que a empresa tem de fazer ofertas individualizadas de acordo com cada grupo de consumidor. Segundo Las Casas (2006, pág.34), o relacionamento não diz respeito apenas ao contato direto e pessoal, mas também ás indicações que o cliente faz da empresa para outras pessoas. O serviço pós-venda é que leva a empresa a fidelizar o cliente. Vavra (1972, pág.285) afirma que o pós-marketing é o processo de proporcionar satisfação contínua e reforço aos indivíduos ou organizações que são clientes atuais ou que já foram clientes. Os clientes devem ser identificados, reconhecidos, comunicados, auditados em relação à

10 76 satisfação e, por fim, respondidos. O objetivo do pós-marketing é o de construir relacionamentos duradouros com todos os clientes. Segundo Terry Vavra (1972, pág.310), a qualidade do serviço prestado ao cliente e o pós-marketing são elementos chave do marketing de relacionamento. O sucesso de um programa de fidelização depende desses componentes para se alcançar a satisfação máxima do cliente. MARKETING DE VAREJO Levy e Weitz (2000) conceituam varejo como o conjunto de atividades de negócios que adiciona valor a produtos e serviços vendidos a consumidores para seu uso pessoal e familiar. As atividades oferecidas pelos varejistas são importantes, pois satisfazem desejos e necessidades dos consumidores. O varejo é uma instituição econômica significativa e um grande negócio em nossa sociedade. O PAPEL DO VENDEDOR O consumidor está tornando-se cada vez mais exigente. Por isso, o vendedor tem um papel fundamental. Sua função é a de ajudar no esclarecimento, orientação, informação aos clientes e no pós-venda. O vendedor passa a ser um consultor e o departamento de vendas um prestador de serviços. Os vendedores que tem contato mais íntimo com os clientes tem melhores condições de informar as organizações à que estão ligados sobre tendências mercadológicas. Las Casas (2002 pág. 98) associa que o vendedor tem que apresentar características essenciais ao devido cargo, tais como: (1) físicas: aparência, comunicação, postura, saúde; (2) mentais: habilidade no raciocínio lógico, técnico ou conceitual; (3) gerais: sexo, idade, estado civil, classe social etc.; (4) personalidade: ambição, honestidade, auto-realização, entusiasmo etc e; (5) nível de experiência: educacional e no trabalho.

11 77 Demonstra Las Casas (2002, pág.153 e 159) a importância do treinamento para a empresa e para os vendedores. Para a organização, além de otimizar os investimentos, permite a formação de uma equipe mais coesa. Conseqüentemente, aumenta os lucros e o faturamento e diminui a rotatividade. Para os vendedores, o treinamento é um importante fator motivacional, pois conseguem melhores resultados tanto no desempenho do trabalho, quanto no nível de rendimento. O treinamento contribui para: melhorar o relacionamento com os clientes; motivar a equipe de vendas; aumentar as vendas; aumentar a lucratividade; melhorar o uso do tempo; reduzir os custos de vendas e controlar a força de vendas. Vendedores treinados e conhecedores do ramo de negócios em que atuam produzem mais eficientemente, proporcionando maior retorno para a empresa. Conseqüentemente, obtendo melhores resultados, os vendedores sentem-se mais motivados, diminuindo o índice de rotatividade. ATENDIMENTO Em seus ensinamentos Ford, McNair e Perry (2005) postulam que é importante oferecer excepcional atendimento, isto implica em realizar modificações no comportamento de: executivos, gerentes e demais colaboradores, o que requer persistência, dedicação e, acima de tudo, prática. O atendimento ao cliente é primordial, pois os clientes têm cada vez mais escolhas, isso faz com que deixem ser fiéis a determinado produto. Por isso um bom atendimento é um fator importante para que o cliente crie satisfação pelo produto. Ford, McNair e Perry (2005) ainda afirmam que, para um bom atendimento ao cliente, é necessário planejamento, comprometimento e treinamento. O treinamento tem que ser aplicado com freqüência e persistência. O bom atendimento requer colaboração de toda a organização. Isso inclui desde a política corporativa, o sistema telefônico, a aparência do pessoal, roupas, tom de voz, habilidades para escutar, energia, até as boas maneiras. Para eles,

12 78 O treinamento pode se dar de muitas formas e tamanhos. É informal e formal. É introdutório e revigorante. Pode ser divertido e participativo. Pode ser exaustivo e intenso. É investimento, não custo. E, mais importante, treinamento gera avanços contínuos. Treinamento funciona. Quando desenvolve habilidades no atendimento ao cliente, há uma mudança no próprio comportamento do vendedor. Essas habilidades requerem tempo e repetição (Ford; McNair; Perry, 2005, pág.38). Destaca-se que o funcionário tem papel importante no atendimento ao cliente, pois ele representa a empresa e qualquer manifestação é percebida pelo cliente. Logo, há dimensões na qualidade do atendimento ao cliente: confiança, responsabilidade, valorização, empatia e competência. Juntas, essas dimensões formam a primeira e a ultima impressão do cliente a respeito da empresa. METODOLOGIA A metodologia utilizada na pesquisa apóia-se, inicialmente, na pesquisa bibliográfica, isto é, em livros e em outros artigos científicos, com base em autores que definem o marketing e sua evolução e tendências. Em seguida, foi realizado estudo de campo, embasado na pesquisa quantitativa, cuja característica está na coleta de dados por meio do questionário com perguntas abertas e fechadas, aplicado aos comerciantes de cidades do interior de um estado da região centro oeste do Brasil. Andrade (2003, pág. 121) ensina que a pesquisa é o conjunto de procedimentos sistemáticos, baseado no raciocínio lógico, que tem por objetivo encontrar soluções para problemas propostos, mediante a utilização de métodos científicos. A análise e interpretação dos dados deu-se através da pesquisa quantitativa, cujos resultados obtidos pelo questionário foram demonstrados por meio dos gráficos. Foi utilizada a pesquisa quantitativa por ser mais adequada para apurar opiniões e atitudes explícitas e conscientes dos entrevistados. Richardson (2007, pág.70) explica que o método quantitativo representa, em princípio, a intenção de garantir a precisão dos resultados, evitar distorções de análise e interpretação, possibilitando, consequentemente, uma margem de segurança quanto às inferências.

13 79 Conforme Andrade (2003, pág.158), gráficos são figuras usadas para a representação de dados numéricos ou resultados extraídos da análise de dados que permitem evidenciar as relações ou estabelecer comparações entre eles. Por meio dos gráficos, chegou-se as estratégias aplicadas no comércio das pequenas cidades do interior, demonstrando o relacionamento dos comerciantes com seus consumidores. RESULTADOS De acordo com os dados coletados nos comércios das pequenas cidades do interior de um estado da região centro oeste do Brasil, a seguir estão as diversas maneiras que os comerciantes e seus clientes se relacionam. O IBGE calcula uma média de habitantes por municípios e, aproximadamente, 150 estabelecimentos comerciais. Na pesquisa de campo foram aplicados 20 questionários para estabelecimentos comerciais diversificados, com perguntas direcionadas aos comerciantes. Gráfico 1- Maneiras de fidelizar clientes (%) Entra em contato para avisar sobre novidades 28% Conhece seu consumidor pelo nome 44% Cria Programas para o consumidor Adquirir Produtos 28% Fonte: Elaborado pelo autor O Gráfico acima registra que 44% dos comerciantes procuram conhecer seu consumidor pelo nome. Em contrapartida, 28%, criam programas de fidelidade, entrando em contato para avisar de novidades. Os supermercados entrevistados utilizam o sistema de degustação e outros estabelecimentos entrevistados disseram que, para fidelizar os clientes, realizam promoções e fornecem brindes.

14 80 Gráfico 2- Tipos de marketing ou propaganda utilizado (%) Rádio 34% Panfleto 28% Outdoor 16% Veículo de Som 22% Fonte: Elaborado pelo autor Conforme o gráfico 2, o tipo de divulgação mais utilizado, com o percentual de 34%, é realizado por meio de emissoras de rádio. 22% disseram que utilizam os veículos de som (carros e motos) que anunciam o nome do estabelecimento, localidade, promoções do dia. Este é um dos meios de propaganda utilizados que o consumidor melhor assimila, principalmente nos sítios e pequenas propriedades rurais próximos aos municípios. Devido ao comércio ser em comunidades pequenas, percebe-se a facilidade da divulgação face a face, muito usada também. 28% dos entrevistados relataram utilizar os panfletos, meio de comunicação que mais consegue entrar nas residências e demais localidades. Gráfico 3- Empresas que possuem Banco de Dados dos clientes Sim 54% Não 46% Fonte: Elaborado pelo autor

15 81 O gráfico 3 demonstra que 54% dos estabelecimentos comerciais pesquisados possuem um banco de dados, leia-se cadernos de anotações ou listas realizadas no Office. Em contrapartida, nota-se uma deficiência de um banco de dados, pois 46% não utilizam dados de nenhum cliente. Após entrevistar alguns comerciantes, verificou-se que não há, ainda, nenhum software utilizado no armazenamento de dados, devido às clientelas serem pequenas. Gráfico 4: Empresas que investem em treinamento para seus vendedores Sim 62% Não 38% Fonte: Elaborado pelo autor De acordo com os dados obtidos, 62% dos estabelecimentos comerciais tem a consciência de que é importante investir em treinamentos para seus vendedores, pois a partir dos treinamentos, os mesmos irão trabalhar motivados. Vendedores bem treinados contribuem para um bom atendimento. No que tange a colaboração de toda a organização, nota-se que todos os consumidores concordam que esta é essencial para um bom atendimento. Logo, é importante aos estabelecimentos comerciais terem espírito de coletividade e deixar de ter aquela imagem que quem tem que vender é apenas a equipe de vendas. Todos têm que estar envolvidos em um mesmo ideal. Gráfico 6- O que é mais atrativo para o consumidor dentro do estabelecimento Atendimento 50% Produtos 28% Fonte: Elaborado pelo autor Localização 22%

16 82 Todos os entrevistados responderam que o atrativo dos estabelecimentos comerciais é o atendimento, demonstrando um percentual de 50% concordam que um bom atendimento é primordial para o cliente, pois se ele for bem atendido com certeza voltará. Produtos de qualidade têm um determinado peso, 28% responderam que o produto é um dos atrativos de maior importância. Gráfico 7- Há existência de ameaças diante das grandes lojas estabelecidas nos grandes centros ou na capital (%) Não 86% Sim 14% Fonte: Elaborado pelo autor Os resultados obtidos demonstram que 86% dos comerciantes não se sentem ameaçados pelas grandes lojas estabelecidas nos grandes centros ou na capital do estado. O que foi dito é que cada um tem seu valor e maneira de trabalhar. Gráfico 8- O consumidor é atendido pelo nome (%) Não 42% Sim 48% As Vezes 10% Fonte: Elaborado pelo autor

17 83 A análise representa que 48% dos comerciantes conhecem o consumidor pelo nome. Nota-se que, nos municípios estudados, a relação entre comerciante e consumidor é bem próxima, pois há uma facilidade de conhecer os clientes. Também, em contrapartida, 10% dizem que, às vezes, conhecem o cliente pelo nome. Gráfico 9- De que maneira há um novo contato com o cliente (%) Contato Pessoal 29% Telefone 56% Fonte: Elaborado pelo autor Não entra em contato 15% O gráfico 9 mostra que 29% dos clientes entrevistados entram em contato novamente após a primeira compra, por meio do próprio contato pessoal. Em seguida, 56% ligam para o cliente anunciando as novidades e 15% não entram em contato com o cliente. CONSIDERAÇÕES FINAIS Este artigo teve o objetivo de mostrar a importância do marketing de relacionamento para os comerciantes das pequenas cidades de um estado da região centro oeste do Brasil, e de detectar de que maneira os comerciantes se relacionam com o seu cliente. Além disso, este trabalho pretendeu demonstrar como o comércio de pequenas cidades se organiza diante do comércio dos grandes centros ou da capital. Observa-se que os vendedores conhecem o cliente pelo nome e estão sempre em contato com eles. Isto ajuda para a conquista e fidelização desses consumidores. Os comerciantes utilizam-se, portanto, de divulgação enviando panfletos, veículo (carro ou moto) de som, que passa pelas ruas e estradas anunciando as novidades.

18 84 Com isso, os proprietários do comércio das pequenas cidades não se vêem ameaçados pelo comércio dos grandes centros ou da capital do estado, pois cada um tem seu valor e sua maneira de trabalhar. Conclui-se, também, que há uma carência de treinamento para com os vendedores. Os comerciantes têm de procurar fontes para atualizar o que o mercado exige e os consumidores esperam. O comércio ali analisado ainda possui banco de dados rudimentar de seus clientes, o que contribui para que o cliente seja conhecido e tenha um atendimento personalizado, ou seja, os vendedores irão conhecer seus desejos e necessidades a serem atendidos. O marketing de relacionamento aplicado em comércio das pequenas cidades é mais rápido em relação ao comércio localizado nos grandes centros, pois tem a facilidade de conhecer os clientes que ali freqüentem diariamente, facilitando para que o número de vendas venha a ser maior e os pequenos municípios tenham um comércio independente. BIBLIOGRAFIA ARRUDA, José jobson de; PILETTI Nelson. História Geral do Brasil. São Paulo: Ática, p. BOGMANN, Itzhak Meir. Marketing de Relacionamento. Estratégias de fidelização e suas implicações financeiras. São Paulo: Nobel, p. BASTA, Darci ( eti.al). Fundamentos de Marketing. 2 ed.fev, p. COBRA, Marcos. Admistração de Marketing. 2 ed. São Paulo: Atlas, FORD, Lisa; MCNAIR, David; PERRY, Bill. O excepcional Atendimento ao cliente. São Paulo. Edcta, 2005, 235p. FAUSTINI. Volney. A Inovação vencedora do varejo. São Paulo: Faustini KOTLER, Philip. Adminstração de marketing, a edição do novo milênio. 10 ed, Prentice Hall, 2000, 30p. LAS CASAS. Alexandre Luzzi. Marketing de Varejo.3 ed. São Paulo, Atlas, p. LAS CASAS. Alexandre Luzzi. Administração de Vendas. 6 ed. São Paulo: Atlas.2002.

19 85 LAS CASAS. Alexandre Luzzi. Administração de Marketing. São Paulo, Atlas, 2006, 528p. LEVY, Michael; WEITZ, Barton A. Administração de varejo. São Paulo: Atlas, 2000, 695 p. MACKENNA. Regis. Marketing de Relacionamento. 23 ed.rio de Janeiro: Elsevier, p. RICHARDSON. Roberto Jarry. Pesquisa Social. Atlas, 3 ed, 2007 SEMENIK. Richard J; BASSOMI, Gary J. Principios de Marketing. São Paulo: Makron Books,1995. VAVRA. Terry G. Marketing de relacionamento. After Marketing. São Paulo: Atlas, SECRETARIA MUNICIPAL DE PLANEJAMENTO. Presidente Prudente-SP. 1 Mestre em Gestão de Empresas pelo ISCTE Business School - Instituto Universitário e coordenador do curso de Administração da Uniesp, campus de Presidente Prudente.

Atendimento pós-venda: gestão estratégica da ex...

Atendimento pós-venda: gestão estratégica da ex... Atendimento pós-venda: gestão estratégica da ex... (/artigos /carreira/comopermanecercalmosob-pressao /89522/) Carreira Como permanecer calmo sob pressão (/artigos/carreira/como-permanecer-calmosob-pressao/89522/)

Leia mais

TÍTULO: O CRM NA FIDELIZAÇÃO DE CLIENTES EM UMA EMPRESA DE MATERIAL PARA CONSTRUÇÃO

TÍTULO: O CRM NA FIDELIZAÇÃO DE CLIENTES EM UMA EMPRESA DE MATERIAL PARA CONSTRUÇÃO TÍTULO: O CRM NA FIDELIZAÇÃO DE CLIENTES EM UMA EMPRESA DE MATERIAL PARA CONSTRUÇÃO CATEGORIA: CONCLUÍDO ÁREA: CIÊNCIAS SOCIAIS APLICADAS SUBÁREA: ADMINISTRAÇÃO INSTITUIÇÃO: FACULDADE DE AURIFLAMA AUTOR(ES):

Leia mais

A Importância do Marketing nos Serviços da. Área de Saúde - Estratégias utilizadas para fidelizar o cliente

A Importância do Marketing nos Serviços da. Área de Saúde - Estratégias utilizadas para fidelizar o cliente A Importância do Marketing nos Serviços da Área de Saúde - Estratégias utilizadas para fidelizar o cliente Hellen Souza¹ Universidade do Vale do Rio dos Sinos UNISINOS RESUMO Este artigo aborda a importância

Leia mais

MARKETING DE RELACIONAMENTO: UM ESTUDO DE CASO NO COMÉRCIO DE TRÊS LAGOAS

MARKETING DE RELACIONAMENTO: UM ESTUDO DE CASO NO COMÉRCIO DE TRÊS LAGOAS MARKETING DE RELACIONAMENTO: UM ESTUDO DE CASO NO COMÉRCIO DE TRÊS LAGOAS ADRIELI DA COSTA FERNANDES Aluna da Pós-Graduação em Administração Estratégica: Marketing e Recursos Humanos da AEMS PATRICIA LUCIANA

Leia mais

A SATISFAÇÃO DOS CLIENTES DE UMA TRANSPORTADORA DA CIDADE DE SÃO PAULO: UM ESTUDO DE CASO

A SATISFAÇÃO DOS CLIENTES DE UMA TRANSPORTADORA DA CIDADE DE SÃO PAULO: UM ESTUDO DE CASO 25 a 28 de Outubro de 2011 ISBN 978-85-8084-055-1 A SATISFAÇÃO DOS CLIENTES DE UMA TRANSPORTADORA DA CIDADE DE SÃO PAULO: UM ESTUDO DE CASO Marcelo Cristian Vieira 1, Carolina Zavadzki Martins 2,Gerliane

Leia mais

TÉCNICA DE VENDAS: UMA ABORDAGEM DIRETA

TÉCNICA DE VENDAS: UMA ABORDAGEM DIRETA 1 TÉCNICA DE VENDAS: UMA ABORDAGEM DIRETA Alan Nogueira de Carvalho 1 Sônia Sousa Almeida Rodrigues 2 Resumo Diversas entidades possuem necessidades e interesses de negociações em vendas, e através desses

Leia mais

MARKETING: PRINCIPAL FERRAMENTA PARA A EFETIVAÇÃO DAS VENDAS

MARKETING: PRINCIPAL FERRAMENTA PARA A EFETIVAÇÃO DAS VENDAS MARKETING: PRINCIPAL FERRAMENTA PARA A EFETIVAÇÃO DAS VENDAS CAUÊ SAMUEL SCHIMIDT 1 FERNANDO GRANADIER 1 Resumo O mercado atual está cada vez mais competitivo e para sobreviver nesse meio, é necessário

Leia mais

CONSULTOR CARLOS MARTINS AÇAO EM MARKETING

CONSULTOR CARLOS MARTINS AÇAO EM MARKETING CONSULTOR CARLOS MARTINS CRIA - AÇAO EM MARKETING SUA EMPRESA Copyright Consultor Carlos Martins - Todos os direitos reservados wwwcarlosmartinscombr - consultor@carlosmartinscombr Como conquistar Clientes

Leia mais

SATISFAÇÃO DO CLIENTE: Um estudo de caso em uma loja de roupa de Castilho/SP.

SATISFAÇÃO DO CLIENTE: Um estudo de caso em uma loja de roupa de Castilho/SP. SATISFAÇÃO DO CLIENTE: Um estudo de caso em uma loja de roupa de Castilho/SP. Andressa Caroline Pereira Rufino Discente do 2º ano do curso de Administração FITL/AEMS Patrícia de Oliveira Docente das Faculdades

Leia mais

Unidade IV. Gerenciamento de Produtos, Serviços e Marcas. Prof a. Daniela Menezes

Unidade IV. Gerenciamento de Produtos, Serviços e Marcas. Prof a. Daniela Menezes Unidade IV Gerenciamento de Produtos, Serviços e Marcas Prof a. Daniela Menezes Tipos de Mercado Os mercados podem ser divididos em mercado de consumo e mercado organizacional. Mercado de consumo: o consumidor

Leia mais

O PLANEJAMENTO DE COMUNICAÇÃO COMO DIFERENCIAL COMPETITIVO

O PLANEJAMENTO DE COMUNICAÇÃO COMO DIFERENCIAL COMPETITIVO O PLANEJAMENTO DE COMUNICAÇÃO COMO DIFERENCIAL COMPETITIVO Josiane Corrêa 1 Resumo O mundo dos negócios apresenta-se intensamente competitivo e acirrado. Em diversos setores da economia, observa-se a forte

Leia mais

A Importância do CRM nas Grandes Organizações Brasileiras

A Importância do CRM nas Grandes Organizações Brasileiras A Importância do CRM nas Grandes Organizações Brasileiras Por Marcelo Bandeira Leite Santos 13/07/2009 Resumo: Este artigo tem como tema o Customer Relationship Management (CRM) e sua importância como

Leia mais

Obtendo resultados reais através do CRM

Obtendo resultados reais através do CRM Porque investir em CRM? Aresposta é simples: Seus clientes consideram o foco da empresa no consumidor como prérequisito, não como diferencial. Eles esperam poder negociar com você quando, onde e como quiserem.

Leia mais

Palestrante Paulo Gerhardt Inspira, Motiva e Sensibiliza para Resultados Superiores

Palestrante Paulo Gerhardt Inspira, Motiva e Sensibiliza para Resultados Superiores Palestrante Paulo Gerhardt Inspira, Motiva e Sensibiliza para Resultados Superiores Com uma abordagem inovadora e lúdica, o professor Paulo Gerhardt tem conquistado plateias em todo o Brasil. Seu profundo

Leia mais

Unidade IV. Marketing. Profª. Daniela Menezes

Unidade IV. Marketing. Profª. Daniela Menezes Unidade IV Marketing Profª. Daniela Menezes Comunicação (Promoção) Mais do que ter uma ideia e desenvolver um produto com qualidade superior é preciso comunicar a seus clientes que o produto e/ ou serviço

Leia mais

GESTÃO ESTRATÉGICA DE MARKETING

GESTÃO ESTRATÉGICA DE MARKETING GESTÃO ESTRATÉGICA DE MARKETING PÓS-GRADUAÇÃO / FIB-2009 Prof. Paulo Neto O QUE É MARKETING? Marketing: palavra em inglês derivada de market que significa: mercado. Entende-se que a empresa que pratica

Leia mais

Prof. Marcelo Mello. Unidade III DISTRIBUIÇÃO E

Prof. Marcelo Mello. Unidade III DISTRIBUIÇÃO E Prof. Marcelo Mello Unidade III DISTRIBUIÇÃO E TRADE MARKETING Canais de distribuição Canal vertical: Antigamente, os canais de distribuição eram estruturas mercadológicas verticais, em que a responsabilidade

Leia mais

Situação mercadológica hoje: Era de concorrência e competição dentro de ambiente globalizado.

Situação mercadológica hoje: Era de concorrência e competição dentro de ambiente globalizado. TECNICAS E TECNOLOGIAS DE APOIO CRM Situação mercadológica hoje: Era de concorrência e competição dentro de ambiente globalizado. Empresas já não podem confiar em mercados já conquistados. Fusões e aquisições

Leia mais

O comprometimento dos colaboradores é a chave para o sucesso das organizações

O comprometimento dos colaboradores é a chave para o sucesso das organizações O comprometimento dos colaboradores é a chave para o sucesso das organizações Jean C. de Lara (Faculdade SECAL) jean@smagon.com.br Maria Elisa Camargo (Faculdade SECAL) elisa@aguiaflorestal.com.br Enir

Leia mais

Varejo: será que o foco está mesmo no cliente?

Varejo: será que o foco está mesmo no cliente? Revista da ESPM -101 Varejo: será que o foco está mesmo no cliente? FÁTIMA MOTTA Graduada em Administração de Empresas (FMU) e Comunicação (ECA/USP) Pós -Graduada em Administração de Empresas (PUC/SP)

Leia mais

O CRM e a TI como diferencial competitivo

O CRM e a TI como diferencial competitivo O CRM e a TI como diferencial competitivo Nelson Malta Callegari (UTFPR) nelson.estudo@gmail.com Profº Dr. João Luiz Kovaleski (UTFPR) kovaleski@pg.cefetpr.br Profº Dr. Luciano Scandelari (UTFPR) luciano@cefetpr.br

Leia mais

IMPORTANTES ÁREAS PARA SUCESSO DE UMA EMPRESA

IMPORTANTES ÁREAS PARA SUCESSO DE UMA EMPRESA IMPORTANTES ÁREAS PARA SUCESSO DE UMA EMPRESA SILVA, Paulo Henrique Rodrigues da Discente da Faculdade de Ciências Jurídicas e Gerencias E-mail: ph.rs@hotmail.com SILVA, Thiago Ferreira da Docente da Faculdade

Leia mais

CRM Uma ferramenta tecnológica inovadora

CRM Uma ferramenta tecnológica inovadora CRM Uma ferramenta tecnológica inovadora Nelson Malta Callegari (UTFPR) nelson.estudo@gmail.com Prof Dr. João Luiz Kovaleski (UTFPR) kovaleski@pg.cefet.br Prof Dr. Antonio Carlos de Francisco (UTFPR) acfrancisco@pg.cefetpr.br

Leia mais

2.1. COMPETINDO COM TECNOLOGIA DA INFORMAÇÃO

2.1. COMPETINDO COM TECNOLOGIA DA INFORMAÇÃO 1 2.1. COMPETINDO COM TECNOLOGIA DA INFORMAÇÃO Fundamentos da Vantagem Estratégica ou competitiva Os sistemas de informação devem ser vistos como algo mais do que um conjunto de tecnologias que apoiam

Leia mais

FACULDADE REDENTOR NUCLEO DE APOIO EMPRESARIAL CURSO DE ADMINISTRAÇÃO

FACULDADE REDENTOR NUCLEO DE APOIO EMPRESARIAL CURSO DE ADMINISTRAÇÃO FACULDADE REDENTOR NUCLEO DE APOIO EMPRESARIAL CURSO DE ADMINISTRAÇÃO Justificativa: As transformações ocorridas nos últimos anos têm obrigado as organizações a se modificarem constantemente e de forma

Leia mais

Somente com estratégia, varejo consegue reter clientes

Somente com estratégia, varejo consegue reter clientes Somente com estratégia, varejo consegue reter clientes Márcia Sola O mercado varejista no Brasil tem experimentado uma série de mudanças nos últimos anos. A estabilização da economia, o desenvolvimento

Leia mais

Balanced Scorecard BSC. O que não é medido não é gerenciado. Medir é importante? Também não se pode medir o que não se descreve.

Balanced Scorecard BSC. O que não é medido não é gerenciado. Medir é importante? Também não se pode medir o que não se descreve. Balanced Scorecard BSC 1 2 A metodologia (Mapas Estratégicos e Balanced Scorecard BSC) foi criada por professores de Harvard no início da década de 90, e é amplamente difundida e aplicada com sucesso em

Leia mais

INSTITUTO DE EDUCAÇÃO TECNOLÓGICA

INSTITUTO DE EDUCAÇÃO TECNOLÓGICA INSTITUTO DE EDUCAÇÃO TECNOLÓGICA Autor: Jeferson Correia dos Santos ARTIGO TÉCNICO INOVAÇÃO NA GESTÃO DE PÓS-VENDAS: SETOR AUTOMOTIVO RESUMO A palavra inovação tem sido atualmente umas das mais mencionadas

Leia mais

Mídias sociais como apoio aos negócios B2C

Mídias sociais como apoio aos negócios B2C Mídias sociais como apoio aos negócios B2C A tecnologia e a informação caminham paralelas à globalização. No mercado atual é simples interagir, aproximar pessoas, expandir e aperfeiçoar os negócios dentro

Leia mais

Mónica Montenegro António Jorge Costa

Mónica Montenegro António Jorge Costa Mónica Montenegro António Jorge Costa INTRODUÇÃO... 4 REFERÊNCIAS... 5 1. ENQUADRAMENTO... 8 1.1 O sector do comércio em Portugal... 8 2. QUALIDADE, COMPETITIVIDADE E MELHORES PRÁTICAS NO COMÉRCIO... 15

Leia mais

A IMPORTÂNCIA DO E - COMMERCE UM ESTUDO DE CASO NA LOJASMEL

A IMPORTÂNCIA DO E - COMMERCE UM ESTUDO DE CASO NA LOJASMEL 1 A IMPORTÂNCIA DO E - COMMERCE UM ESTUDO DE CASO NA LOJASMEL Jaqueline Kelly Stipp 1 Jéssica Galindo de Souza 2 Luana Alves dos Santos Lemos 3 Edson Leite Lopes Gimenez 4 RESUMO Esse artigo tem como objetivo

Leia mais

UNIVERSIDADE DO VALE DO RIO DOS SINOS - UNISINOS CIÊNCIAS DA COMUNICAÇÃO CURSO DE RELAÇÕES PÚBLICAS. Daniela Valdez Rodrigues

UNIVERSIDADE DO VALE DO RIO DOS SINOS - UNISINOS CIÊNCIAS DA COMUNICAÇÃO CURSO DE RELAÇÕES PÚBLICAS. Daniela Valdez Rodrigues UNIVERSIDADE DO VALE DO RIO DOS SINOS - UNISINOS CIÊNCIAS DA COMUNICAÇÃO CURSO DE RELAÇÕES PÚBLICAS Daniela Valdez Rodrigues A RELAÇÃO DO MARKETING DE RELACIONAMENTO COM RELAÇÕES PÚBLICAS São Leopoldo

Leia mais

COMÉRCIO E DISTRIBUIÇÃO DE ALIMENTOS.

COMÉRCIO E DISTRIBUIÇÃO DE ALIMENTOS. COMÉRCIO E DISTRIBUIÇÃO DE ALIMENTOS. A Rio Quality existe com o objetivo de proporcionar a total satisfação dos clientes e contribuir para o sucesso de todos. Essa integração se dá através do investimento

Leia mais

Um dos objetivos deste tema é orientar as ações sistemáticas na busca satisfazer o consumidor estimulando a demanda e viabilizando o lucro.

Um dos objetivos deste tema é orientar as ações sistemáticas na busca satisfazer o consumidor estimulando a demanda e viabilizando o lucro. PLANO DE MARKETING Andréa Monticelli Um dos objetivos deste tema é orientar as ações sistemáticas na busca satisfazer o consumidor estimulando a demanda e viabilizando o lucro. 1. CONCEITO Marketing é

Leia mais

Módulo 4 O que é CRM?

Módulo 4 O que é CRM? Módulo 4 O que é CRM? Todos nós já sabemos a importância de manter os clientes fiéis e a qualidade do atendimento que temos que oferecer para fidelizar cada vez mais os clientes. Atualmente, uma das principais

Leia mais

ESTRATÉGIAS MERCADOLÓGICAS UTILIZADAS PELAS OPERADORAS, TIM, CLARO E VIVO.

ESTRATÉGIAS MERCADOLÓGICAS UTILIZADAS PELAS OPERADORAS, TIM, CLARO E VIVO. 1 ESTRATÉGIAS MERCADOLÓGICAS UTILIZADAS PELAS OPERADORAS, TIM, CLARO E VIVO. Juliana da Silva RIBEIRO 1 RESUMO: O presente trabalho enfoca as estratégias das operadoras de telefonia móvel TIM,VIVO e CLARO

Leia mais

LOGÍSTICA 1. Nubia Aparecida dos Reis Souza 2 RESUMO

LOGÍSTICA 1. Nubia Aparecida dos Reis Souza 2 RESUMO 1 LOGÍSTICA 1 Nubia Aparecida dos Reis Souza 2 RESUMO Versa o presente artigo sobre logística e suas aplicabilidades no mundo moderno. A logística foi criada para suprir necessidades durante a Segunda

Leia mais

O MARKETING DIRETO COMO CONQUISTA DE CLIENTES

O MARKETING DIRETO COMO CONQUISTA DE CLIENTES O MARKETING DIRETO COMO CONQUISTA DE CLIENTES Rosanne Farineli Peixoto Gomes, Ivonete A. Canuto Dias, Valdete Neri Andrade, Luiz Sérgio Almeida dos Santos e Wagner Conceição INTRODUÇÃO O mercado atual

Leia mais

Ana Claudia M. dos SANTOS 1 Edson Leite Lopes GIMENEZ 2

Ana Claudia M. dos SANTOS 1 Edson Leite Lopes GIMENEZ 2 O desempenho do processo de recrutamento e seleção e o papel da empresa neste acompanhamento: Um estudo de caso na Empresa Ober S/A Indústria E Comercio Ana Claudia M. dos SANTOS 1 Edson Leite Lopes GIMENEZ

Leia mais

A l e x a n d r a P a u l o

A l e x a n d r a P a u l o A l e x a n d r a P a u l o ESCOLA SECUNDÁRIA SERAFIM LEITE TRABALHO FINAL TÉCNICAS DE VENDA Alexandra Paulo 11ºI Nº 21160 Disciplina: Comercializar e vender Prof: João Mesquita 20-12-2012 2012-2013 1

Leia mais

T2Ti Tecnologia da Informação Ltda T2Ti.COM http://www.t2ti.com Projeto T2Ti ERP 2.0. Bloco Comercial. CRM e AFV

T2Ti Tecnologia da Informação Ltda T2Ti.COM http://www.t2ti.com Projeto T2Ti ERP 2.0. Bloco Comercial. CRM e AFV Bloco Comercial CRM e AFV Objetivo O objetivo deste artigo é dar uma visão geral sobre os Módulos CRM e AFV, que fazem parte do Bloco Comercial. Todas informações aqui disponibilizadas foram retiradas

Leia mais

CRM (CUSTOMER RELATIONSHIP MANAGEMENT) E A TECNOLOGIA DA INFORMAÇÃO (TI)

CRM (CUSTOMER RELATIONSHIP MANAGEMENT) E A TECNOLOGIA DA INFORMAÇÃO (TI) CRM (CUSTOMER RELATIONSHIP MANAGEMENT) E A TECNOLOGIA DA INFORMAÇÃO (TI) Nelson Malta Callegari (UTFPR) nelson.estudo@gmail.com Profº Dr. João Luiz Kovaleski (UTFPR) kovaleski@pg.cefetpr,br Profº Dr. Luciano

Leia mais

Portfolio de cursos TSP2

Portfolio de cursos TSP2 2013 Portfolio de cursos TSP2 J. Purcino TSP2 Treinamentos e Sistemas de Performance 01/07/2013 Como encantar e fidelizar clientes Visa mostrar aos participantes a importância do conhecimento do cliente,

Leia mais

Satisfação dos consumidores: estudo de caso em um supermercado de Bambuí/MG

Satisfação dos consumidores: estudo de caso em um supermercado de Bambuí/MG Satisfação dos consumidores: estudo de caso em um supermercado de Bambuí/MG Ana Clara Rosado Silva (1) ; Daiane Oliveira Borges (2) ; Tatiana Morais Leite (3) ; Vanessa Oliveira Couto (4) ; Patrícia Carvalho

Leia mais

CURSO SUPERIOR DE TECNOLOGIA EM MARKETING PROJETO INTEGRADOR

CURSO SUPERIOR DE TECNOLOGIA EM MARKETING PROJETO INTEGRADOR CURSO SUPERIOR DE TECNOLOGIA EM MARKETING PROJETO INTEGRADOR PROJETO INTEGRADOR 1. INTRODUÇÃO Conforme as diretrizes do Projeto Pedagógico dos Cursos Superiores de Tecnologia da Faculdade Unida de Suzano

Leia mais

Sistemas Empresariais. Capítulo 3: Sistemas de Negócios. Colaboração SPT SIG

Sistemas Empresariais. Capítulo 3: Sistemas de Negócios. Colaboração SPT SIG Capítulo 3: Sistemas de Negócios Colaboração SPT SIG Objetivos do Capítulo Explicar como os SI empresariais podem apoiar as necessidades de informação de executivos, gerentes e profissionais de empresas.

Leia mais

Colaboração nas Empresas SPT SIG Aplicações Empresariais

Colaboração nas Empresas SPT SIG Aplicações Empresariais Capítulo 3: Sistemas de Apoio Gerenciais Colaboração nas Empresas SPT SIG Aplicações Empresariais Objetivos do Capítulo Explicar como os SI empresariais podem apoiar as necessidades de informação de executivos,

Leia mais

PRIAD: GESTÃO DE RELACIONAMENTO COM CLIENTES

PRIAD: GESTÃO DE RELACIONAMENTO COM CLIENTES PRIAD: GESTÃO DE RELACIONAMENTO COM CLIENTES ALUNO RA: ASSINATURA: DATA: / / AS RESPOSTAS DEVERRÃO SER TOTALMENTE MANUSCRITAS Prof. Claudio Benossi Questionário: 1. Defina o que é Marketing? 2. Quais são

Leia mais

CRM - gestão eficiente do relacionamento com os clientes

CRM - gestão eficiente do relacionamento com os clientes CRM - gestão eficiente do relacionamento com os clientes Mais que implantação, o desafio é mudar a cultura da empresa para documentar todas as interações com o cliente e transformar essas informações em

Leia mais

ENDOMARKETING: Utilização como ferramenta de crescimento organizacional

ENDOMARKETING: Utilização como ferramenta de crescimento organizacional ENDOMARKETING: Utilização como ferramenta de crescimento organizacional Carlos Henrique Cangussu Discente do 3º ano do curso de Administração FITL/AEMS Marcelo da Silva Silvestre Discente do 3º ano do

Leia mais

Mídias sociais nas empresas O relacionamento online com o mercado

Mídias sociais nas empresas O relacionamento online com o mercado Mídias sociais nas empresas O relacionamento online com o mercado Maio de 2010 Conteúdo Introdução...4 Principais conclusões...5 Dados adicionais da pesquisa...14 Nossas ofertas de serviços em mídias sociais...21

Leia mais

INTERNACIONALIZAÇÃO DE EMPRESAS - Marketing Internacional

INTERNACIONALIZAÇÃO DE EMPRESAS - Marketing Internacional INTERNACIONALIZAÇÃO DE EMPRESAS - Marketing CURSO: Administração DISCIPLINA: Comércio FONTE: DIAS, Reinaldo. RODRIGUES, Waldemar. Comércio Exterior Teoria e Gestão. Atlas. São Paulo: 2004 2.4d_ização de

Leia mais

CONSULTOR DE NE N GÓ G CIO I S

CONSULTOR DE NE N GÓ G CIO I S CONSULTOR DE NEGÓCIOS INTRODUÇÃO A LaPozzi Professional Cosméticos fornece ao mercado de cosméticos capilar profissional, produtos de alta tecnologia e extratos naturais, com a proposta de deixar seus

Leia mais

Departamento Comercial e Marketing. Escola Secundaria de Paços de Ferreira 2009/2010. Técnicas de Secretariado

Departamento Comercial e Marketing. Escola Secundaria de Paços de Ferreira 2009/2010. Técnicas de Secretariado Escola Secundaria de Paços de Ferreira 2009/2010 Técnicas de Secretariado Departamento Comercial e Marketing Módulo 23- Departamento Comercial e Marketing Trabalho realizado por: Tânia Leão Departamento

Leia mais

Atitude Empreendedora: Uma competência estratégica ao profissional de treinamento e desenvolvimento.

Atitude Empreendedora: Uma competência estratégica ao profissional de treinamento e desenvolvimento. Atitude Empreendedora: Uma competência estratégica ao profissional de treinamento e desenvolvimento. Por PAULA FRANCO Diante de um cenário empresarial extremamente acirrado, possuir a competência atitude

Leia mais

XIX CONGRESSO DE PÓS-GRADUAÇÃO DA UFLA 27 de setembro a 01 de outubro de 2010

XIX CONGRESSO DE PÓS-GRADUAÇÃO DA UFLA 27 de setembro a 01 de outubro de 2010 A IMPORTÂNCIA DAS PESSOAS E DA TECNOLOGIA DA INFORMAÇÃO PARA O DESENVOLVIMENTO DAS ORGANIZAÇÕES: UM ESTUDO DE CASO NA CÂMARA MUNICIPAL DE IPAMERI - GOIÁS. MÁRCIO FERNANDES 1, MARTA MARIA DE SOUZA 2, DÉBORA

Leia mais

GERENCIAMENTO DE CLÍNICAS

GERENCIAMENTO DE CLÍNICAS GERENCIAMENTO DE CLÍNICAS A administração eficiente de qualquer negócio requer alguns requisitos básicos: domínio da tecnologia, uma equipe de trabalho competente, rigoroso controle de qualidade, sistema

Leia mais

O que significa esta sigla?

O que significa esta sigla? CRM Para refletir... Só há duas fontes de vantagem competitiva. A capacidade de aprender mais sobre nossos clientes, mais rápido que o nosso concorrente e a capacidade de transformar este conhecimento

Leia mais

Gestão de Negócios. Unidade III FUNDAMENTOS DE MARKETING

Gestão de Negócios. Unidade III FUNDAMENTOS DE MARKETING Gestão de Negócios Unidade III FUNDAMENTOS DE MARKETING 3.1- CONCEITOS DE MARKETING Para a American Marketing Association: Marketing é uma função organizacional e um Marketing é uma função organizacional

Leia mais

A IMPORTÂNCIA DO MARKETING DE RELACIONAMENTO PARA AS ORGANIZAÇÕES: FOCO NO CLIENTE EXTERNO

A IMPORTÂNCIA DO MARKETING DE RELACIONAMENTO PARA AS ORGANIZAÇÕES: FOCO NO CLIENTE EXTERNO A IMPORTÂNCIA DO MARKETING DE RELACIONAMENTO PARA AS ORGANIZAÇÕES: FOCO NO CLIENTE EXTERNO 1 GOLVEIA, Francielli José Primo. 2 DA ROSA, MsC. Wanderlan Barreto. RESUMO Nesta pesquisa, será abordada a importância

Leia mais

Fiorella Del Bianco. Tema: Estágios de introdução e crescimento do ciclo de vida do produto.

Fiorella Del Bianco. Tema: Estágios de introdução e crescimento do ciclo de vida do produto. Fiorella Del Bianco Tema: Estágios de introdução e crescimento do ciclo de vida do produto. Objetivo: Nesta aula, o aluno conhecerá os estágios iniciais do ciclo de vida do produto (CVP), que são de introdução

Leia mais

XIX CONGRESSO DE PÓS-GRADUAÇÃO DA UFLA 27 de setembro a 01 de outubro de 2010

XIX CONGRESSO DE PÓS-GRADUAÇÃO DA UFLA 27 de setembro a 01 de outubro de 2010 APLICAÇÃO DA TECNOLOGIA DA INFORMAÇÃO NA COMUNICAÇÃO EMPRESARIAL (Estudo de Caso: Rede Eletrosom Ltda em Pires do Rio - GO) MÁRCIO FERNANDES 1, DÉBORA DE AMORIM VIEIRA 2, JOSIANE SILVÉRIA CALAÇA MATOS

Leia mais

MARKETING AMBIENTAL: UMA FERRAMENTA EMPRESARIAL ESTRATÉGICA

MARKETING AMBIENTAL: UMA FERRAMENTA EMPRESARIAL ESTRATÉGICA 1 MARKETING AMBIENTAL: UMA FERRAMENTA EMPRESARIAL ESTRATÉGICA Felipe Rogério Pereira (UniSALESIANO Araçatuba/SP) HerculesFarnesi Cunha ( Docente das Faculdades Integradas de Três Lagoas- AEMS e UniSALESIANO

Leia mais

Aula 7 Aplicações e questões do Comércio Eletrônico.

Aula 7 Aplicações e questões do Comércio Eletrônico. Aula 7 Aplicações e questões do Comércio Eletrônico. TENDÊNCIAS NO COMÉRCIO ELETRÔNICO Atualmente, muitos negócios são realizados de forma eletrônica não sendo necessário sair de casa para fazer compras

Leia mais

PARTE IV Consolidação do Profissional como Consultor. Técnicas de Consultoria Prof. Fabio Costa Ferrer, M.Sc.

PARTE IV Consolidação do Profissional como Consultor. Técnicas de Consultoria Prof. Fabio Costa Ferrer, M.Sc. FATERN Faculdade de Excelência Educacional do RN Coordenação Tecnológica de Redes e Sistemas Curso Superior de Tecnologia em Sistemas para Internet Técnicas de Consultoria Prof. Fabio Costa Ferrer, M.Sc.

Leia mais

Operações de Merchandising estratégias competitivas para o aumento da vendas em supermercados do pequeno varejo de secos e molhados

Operações de Merchandising estratégias competitivas para o aumento da vendas em supermercados do pequeno varejo de secos e molhados Operações de Merchandising estratégias competitivas para o aumento da vendas em supermercados do pequeno varejo de secos e molhados Fabiano Akiyoshi Nagamatsu Everton Lansoni Astolfi Eduardo Eufrasio De

Leia mais

VENHA FAZER PARTE DA NOSSA EQUIPE DE VENCEDORES! PROPOSTA DISTRIBUIDOR LA POZZI

VENHA FAZER PARTE DA NOSSA EQUIPE DE VENCEDORES! PROPOSTA DISTRIBUIDOR LA POZZI VENHA FAZER PARTE DA NOSSA EQUIPE DE VENCEDORES! PROPOSTA DISTRIBUIDOR LA POZZI INTRODUÇÃO A LaPozzi Professional Cosméticos fornece ao mercado de cosméticos capilar profissional, produtos inovadores,

Leia mais

OS DESAFIOS LOGISTICOS DO COMÉRCIO ELETRÔNICO

OS DESAFIOS LOGISTICOS DO COMÉRCIO ELETRÔNICO OS DESAFIOS LOGISTICOS DO COMÉRCIO ELETRÔNICO Fabiana Rubim Cintra Murilo Rodrigues da Silva Patrick Beirigo Andrade RESUMO Este artigo tem o objetivo de expor os principais problemas que o comércio eletrônico

Leia mais

Unidade II MARKETING DE VAREJO E. Profa. Cláudia Palladino

Unidade II MARKETING DE VAREJO E. Profa. Cláudia Palladino Unidade II MARKETING DE VAREJO E NEGOCIAÇÃO Profa. Cláudia Palladino Preço em varejo Preço Uma das variáveis mais impactantes em: Competitividade; Volume de vendas; Margens e Lucro; Muitas vezes é o mote

Leia mais

Conceito de Marketing Considerações Preliminares Atendimento

Conceito de Marketing Considerações Preliminares Atendimento Conceito de Marketing Considerações Preliminares Atendimento Metodologia de Ensino 1) Noções de Marketing 2) Marketing de Serviço 3) Marketing de Relacionamento 1 2 1) Noções de Marketing 3 4 5 6 www.lacconcursos.com.br

Leia mais

1- O que é um Plano de Marketing?

1- O que é um Plano de Marketing? 1- O que é um Plano de Marketing? 2.1-1ª etapa: Planejamento Um Plano de Marketing é um documento que detalha as ações necessárias para atingir um ou mais objetivos de marketing, adaptando-se a mudanças

Leia mais

TREINAMENTO SOBRE PRODUTOS PARA VENDEDORES DO VAREJO COMO ESTRATÉGIA PARA MAXIMIZAR AS VENDAS 1. Liane Beatriz Rotili 2, Adriane Fabrício 3.

TREINAMENTO SOBRE PRODUTOS PARA VENDEDORES DO VAREJO COMO ESTRATÉGIA PARA MAXIMIZAR AS VENDAS 1. Liane Beatriz Rotili 2, Adriane Fabrício 3. TREINAMENTO SOBRE PRODUTOS PARA VENDEDORES DO VAREJO COMO ESTRATÉGIA PARA MAXIMIZAR AS VENDAS 1 Liane Beatriz Rotili 2, Adriane Fabrício 3. 1 Pesquisa realizada no curso de Administração da Unijuí 2 Aluna

Leia mais

Líder em consultoria no agronegócio

Líder em consultoria no agronegócio MPRADO COOPERATIVAS mprado.com.br COOPERATIVAS 15 ANOS 70 Consultores 25 Estados 300 cidade s 500 clientes Líder em consultoria no agronegócio 1. Comercial e Marketing 1.1 Neurovendas Objetivo: Entender

Leia mais

A confluência dos vídeos e a Internet

A confluência dos vídeos e a Internet WHITEPAPER A confluência dos vídeos e a Internet Por que sua empresa deveria investir em vídeos em 2013 e como a Construção Civil pode utilizar os vídeos como diferencial competitivo. 1 Saiba como os vídeos

Leia mais

PARA QUE SERVE O CRM?

PARA QUE SERVE O CRM? Neste mês, nós aqui da Wiki fomos convidados para dar uma entrevista para uma publicação de grande referência no setor de varejo, então resolvemos transcrever parte da entrevista e apresentar as 09 coisas

Leia mais

INTRODUÇÃO AO TRADE MARKETING Fazendo a diferença no Ponto de Venda. www.pdvativo.com.br

INTRODUÇÃO AO TRADE MARKETING Fazendo a diferença no Ponto de Venda. www.pdvativo.com.br Fazendo a diferença no Ponto de Venda EBOOK Sumário Revisão O que é Trade Marketing? Entenda o Comportamento de Compra do Consumidor O que é Merchandising? Revisão Para entender sobre Trade Marketing devemos

Leia mais

Marketing Estratégico no Agronegócio Brasileiro

Marketing Estratégico no Agronegócio Brasileiro Marketing Estratégico no Agronegócio Brasileiro Prof. Adriano Alves Fernandes DCAB - Departamento de Ciências Agrárias e Biológicas CEUNES - Universidade Federal do Espírito Santo 1- Introdução Uma grande

Leia mais

CRM CRM. Marketing. Marketing. Vendas. Vendas. CRM Customer Relationship Management Gerenciamento do Relacionamento com o Cliente

CRM CRM. Marketing. Marketing. Vendas. Vendas. CRM Customer Relationship Management Gerenciamento do Relacionamento com o Cliente Customer Relationship Management Gerenciamento do Relacionamento com o Cliente O mundo passou por profundas e importantes transformações, sobretudo nos últimos cinco anos, impulsionadas pelo crescimento

Leia mais

FIDELIZAÇÃO DE CLIENTES Uma nova abordagem

FIDELIZAÇÃO DE CLIENTES Uma nova abordagem ICPG Instituto Catarinense de Pós-Graduação www.icpg.com.br 1 FIDELIZAÇÃO DE CLIENTES Uma nova abordagem Carlos de Andrade Giancarlo Moser Professor de Metodologia da Pesquisa Curso de Pós-Graduação em

Leia mais

Endomarketing: um estudo de caso em uma agência de uma instituição financeira de Bambuí- MG

Endomarketing: um estudo de caso em uma agência de uma instituição financeira de Bambuí- MG Endomarketing: um estudo de caso em uma agência de uma instituição financeira de Bambuí- MG Bruna Jheynice Silva Rodrigues 1 ; Lauriene Teixeira Santos 2 ; Augusto Chaves Martins 3 ; Afonso Régis Sabino

Leia mais

PLANEJAMENTO ESTRATEGICO NAS EMPRESAS DA AMAZÔNIA: O CASO DE CRUZEIRO DO SUL/AC.

PLANEJAMENTO ESTRATEGICO NAS EMPRESAS DA AMAZÔNIA: O CASO DE CRUZEIRO DO SUL/AC. PLANEJAMENTO ESTRATEGICO NAS EMPRESAS DA AMAZÔNIA: O CASO DE CRUZEIRO DO SUL/AC. César Gomes de Freitas, Instituto Federal de Educação, Ciência e Tecnologia do Acre, Campus Cruzeiro do Sul/Acre, Brasil

Leia mais

Aula 7: TREINAMENTO E DESENVOLVIMENTO

Aula 7: TREINAMENTO E DESENVOLVIMENTO Aula 7: TREINAMENTO E DESENVOLVIMENTO OBJETIVOS Definir com maior precisão o que é marketing; Demonstrar as diferenças existentes entre marketing externo, marketing interno e marketing de treinamento;

Leia mais

REVISANDO O CONCEITO E A EVOLUÇÃO DO MARKETING

REVISANDO O CONCEITO E A EVOLUÇÃO DO MARKETING PROGRAMA PRIMEIRA EMPRESA INOVADORA PRIME GESTÃO MERCADOLÓGICA 2009 REVISANDO O CONCEITO E A EVOLUÇÃO DO MARKETING Todo comprador poderá adquirir o seu automóvel da cor que desejar, desde que seja preto.

Leia mais

Palavra chave: Capital Humano, Gestão de Pessoas, Recursos Humanos, Vantagem Competitiva.

Palavra chave: Capital Humano, Gestão de Pessoas, Recursos Humanos, Vantagem Competitiva. COMPREENDENDO A GESTÃO DE PESSOAS Karina Fernandes de Miranda Helenir Celme Fernandes de Miranda RESUMO: Este artigo apresenta as principais diferenças e semelhanças entre gestão de pessoas e recursos

Leia mais

Gestão e Marketing Análise SWOT - FFOA

Gestão e Marketing Análise SWOT - FFOA Gestão e Marketing Análise SWOT - FFOA SWOT Strengths (Forças), Weaknesses (Fraquezas), Opportunities (Oportunidades) e Threats (Ameaças) Forças Oportunidades Fraquezas Ameaças Interno Externo Ajudam Atrapalham

Leia mais

Operadores Logísticos : uma tendência nos sistemas de distribuição das empresas brasileiras?

Operadores Logísticos : uma tendência nos sistemas de distribuição das empresas brasileiras? Operadores Logísticos : uma tendência nos sistemas de distribuição das empresas brasileiras? Introdução O Contexto econômico do mundo globalizado vem sinalizando para as empresas que suas estratégias de

Leia mais

práticas recomendadas Cinco maneiras de manter os recrutadores à frente da curva social

práticas recomendadas Cinco maneiras de manter os recrutadores à frente da curva social práticas recomendadas Cinco maneiras de manter os recrutadores à frente da curva social Não há dúvidas de que as tecnologias sociais têm um impacto substancial no modo como as empresas funcionam atualmente.

Leia mais

O uso da tecnologia CRM em uma empresa de pequeno porte no município de Bambuí-MG

O uso da tecnologia CRM em uma empresa de pequeno porte no município de Bambuí-MG O uso da tecnologia CRM em uma empresa de pequeno porte no município de Bambuí-MG Caroline Passatore¹, Dayvid de Oliveira¹, Gustavo Nunes Bolina¹, Gabriela Ribeiro¹, Júlio César Benfenatti Ferreira² 1

Leia mais

Sistemas de Canais Sistemas de Informação

Sistemas de Canais Sistemas de Informação É necessário o entendimento de como os produtos chegam aos clientes, o que ocorre por meio de uma série de entidades de Marketing conhecidas como canais. Os Sistemas de Canais são todos os sistemas envolvidos

Leia mais

MARKETING DE RELACIONAMENTO: Uma análise no Xerox das Faculdades Integradas de Três Lagoas AEMS.

MARKETING DE RELACIONAMENTO: Uma análise no Xerox das Faculdades Integradas de Três Lagoas AEMS. MARKETING DE RELACIONAMENTO: Uma análise no Xerox das Faculdades Integradas de Três Lagoas AEMS. Amanda Susan de Freitas Carvalho Discente do 4º ano do curso de Administração FITL/AEMS Ângela de Souza

Leia mais

GESTÃO POR COMPETÊNCIAS

GESTÃO POR COMPETÊNCIAS GESTÃO POR COMPETÊNCIAS STM ANALISTA/2010 ( C ) Conforme legislação específica aplicada à administração pública federal, gestão por competência e gestão da capacitação são equivalentes. Lei 5.707/2006

Leia mais

ESTUDOS PARA IMPLEMENTAÇÃO DE SISTEMA DE GESTÃO DA QUALIDADE EM UMA EMPRESA DE CONSULTORIA EM ENGENHARIA CIVIL

ESTUDOS PARA IMPLEMENTAÇÃO DE SISTEMA DE GESTÃO DA QUALIDADE EM UMA EMPRESA DE CONSULTORIA EM ENGENHARIA CIVIL ESTUDOS PARA IMPLEMENTAÇÃO DE SISTEMA DE GESTÃO DA QUALIDADE EM UMA EMPRESA DE CONSULTORIA EM ENGENHARIA CIVIL ANA LAURA CANASSA BASSETO (UTFPR) alcanassa@hotmail.com Caroline Marqueti Sathler (UTFPR)

Leia mais

Unidade IV MERCADOLOGIA. Profº. Roberto Almeida

Unidade IV MERCADOLOGIA. Profº. Roberto Almeida Unidade IV MERCADOLOGIA Profº. Roberto Almeida Conteúdo Aula 4: Marketing de Relacionamento A Evolução do Marketing E-marketing A Internet como ferramenta As novas regras de Mercado A Nova Era da Economia

Leia mais

TCC: PESQUISA MERCADOLÓGICA SHOPPING VIA DIRETA 1

TCC: PESQUISA MERCADOLÓGICA SHOPPING VIA DIRETA 1 TCC: PESQUISA MERCADOLÓGICA SHOPPING VIA DIRETA 1 Juliana Brancaglioni CASCIATORI 2 Letícia Prado dos SANTOS 3 Bruno Monteiro ZONATTO³ Joyce VIEIRA³ Jakeline CASARIN³ Paulo CRISP³ Rodolfo BASSETO³ Weder

Leia mais

MARKETING MARKETING TRADICIONAL MARKETING ATUAL DEVIDO AO PANORAMA DO MERCADO, AS EMPRESAS BUSCAM: ATRAÇÃO E RETENÇÃO DE CLIENTES

MARKETING MARKETING TRADICIONAL MARKETING ATUAL DEVIDO AO PANORAMA DO MERCADO, AS EMPRESAS BUSCAM: ATRAÇÃO E RETENÇÃO DE CLIENTES MARKETING Mercado Atual Competitivo Produtos / Serviços equivalentes Globalizado Conseqüências Infidelidade dos clientes Consumidores mais exigentes Desafio Conquistar clientes fiéis MARKETING TRADICIONAL

Leia mais

AULA 4 Marketing de Serviços

AULA 4 Marketing de Serviços AULA 4 Marketing de Serviços Mercado Conjunto de todos os compradores reais e potenciais de um produto ou serviço. Trata-se de um sistema amplo e complexo, que envolve: FORNECEDORES CONCORRENTES CLIENTES

Leia mais

UNIMEP MBA em Gestão e Negócios

UNIMEP MBA em Gestão e Negócios UNIMEP MBA em Gestão e Negócios Módulo: Sistemas de Informações Gerenciais Aula 4 TI com foco nos Negócios: Áreas envolvidas (Parte II) Flávio I. Callegari www.flaviocallegari.pro.br O perfil do profissional

Leia mais

LÍDERES DO SECULO XXI RESUMO

LÍDERES DO SECULO XXI RESUMO 1 LÍDERES DO SECULO XXI André Oliveira Angela Brasil (Docente Esp. das Faculdades Integradas de Três Lagoas-AEMS) Flávio Lopes Halex Mercante Kleber Alcantara Thiago Souza RESUMO A liderança é um processo

Leia mais

TÉCNICAS AVANÇADAS PARA CRIAÇÃO E CONSTRUÇÃO DE VALORIZAÇÃO DE MARCA

TÉCNICAS AVANÇADAS PARA CRIAÇÃO E CONSTRUÇÃO DE VALORIZAÇÃO DE MARCA TÉCNICAS AVANÇADAS PARA CRIAÇÃO E CONSTRUÇÃO DE VALORIZAÇÃO DE MARCA ALMEIDA, Gabriela Maria de. Discente do Curso de Administração de Empresas da Faculdade de Ciências Jurídicas e Gerencias MICHEL, Murillo

Leia mais

Design Estratégico. Profa. Dra. Cristianne Cordeiro Nascimento criscordeiro@uel.br Universidade Estadual de Londrina

Design Estratégico. Profa. Dra. Cristianne Cordeiro Nascimento criscordeiro@uel.br Universidade Estadual de Londrina Profa. Dra. Cristianne Cordeiro Nascimento criscordeiro@uel.br Universidade Estadual de Londrina Design Estratégico Vamos ver neste final de semana... Criatividade e inovação, design e sociedade contemporânea.

Leia mais