Produto Interno Bruto (PIB) do Estado de Rondônia

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "Produto Interno Bruto (PIB) do Estado de Rondônia - 2002-2012"

Transcrição

1 GOVERNO DO ESTADO DE RONDÔNIA Secretaria de Estado do Planejamento, Orçamento e Gestão- SEPOG Gerência do Observatório e Desenvolvimento Regional - GODR Produto Interno Bruto (PIB) do Estado de Rondônia Porto Velho

2 GOVERNADOR DO ESTADO DE RONDÔNIA Confúcio Ayres Moura SECRETÁRIO DE ESTADO DO PLANEJAMENTO, ORÇAMENTO E GESTÃO George Alessandro Gonçalves Braga SECRETÁRIO ADJUNTO Pedro Antônio Afonso Pimentel GERÊNCIA DO OBSERVATÓRIO E DESENVOLVIMENTO REGIONAL Jorge César Ugalde EQUIPE TÉCNICA Teresa Cristina Simoni Hilda Coêlho Gomes Denny APOIO Margareth Brito do Nascimento Sarah Magna de Souza Secretaria de Estado do Planejamento, Orçamento e Gestão Av. Farquar, nº 2986, Complexo Rio Madeira, Curvo 2, Edifício Rio Cautário, 6º andar. Bairro: Pedrinhas Web: Fone : (69) Fone : (69) Fax : (69)

3 SUMÁRIO Apresentação Introdução Síntese da Economia Brasileira Síntese da Economia Brasileira de Rondônia Produto Interno Bruto per capita Desempenho dos Setores Econômicos Agropecuária Indústria Serviços Anexos- Tabelas e Gráficos Tabela 11 - Produto Interno Bruto do Brasil, Região Norte e Estados da Região Norte Tabela 12- Participação na Composição do PIB do Brasil - Estados da Região Norte Tabela 13- Valor adicionado bruto Total, a preços básicos do Brasil e Estados da Região Norte Tabela 14 - Valor adicionado bruto da Agropecuária a preços básicos do Brasil e Estados da Região Norte Tabela 15 - Valor adicionado bruto da Indústria, discriminados: Indústria Extrativa, Indústria de Transformação, Construção Civil, Produção e distribuição de eletricidade e gás, água, esgoto e limpeza urbana, a preços básicos do Brasil e Estados da Região Norte Tabela 16- Valor adicionado bruto de Serviços, discriminados: Comercio, Transportes, armazenagem e correio, Serviços de informação, Intermediação financeira, seguros e previdência complementar e serviços relacionados, Atividades imobiliárias e aluguéis, Administração, saúde e educação públicas e seguridade social, Outros serviços, a preços básicos do Brasil e Estados da Região Norte Tabela 17- Produto Interno Bruto per Capita do Brasil, por Regiões e Unidades da Federação

4 Apresentação A Secretaria de Estado do Planejamento, Orçamento e Gestão de Rondônia, através da Gerencia do Observatório e Desenvolvimento Regional- GODR divulga, por meio do presente documento, os números e análise do Produto Interno Bruto rondoniense referente ao ano de Os números apresentados sobre a economia são resultados da parceria celebrada entre o Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística - IBGE e os órgãos de estatística das unidades da federação Governo e Superintendência da Zona Franca de Manaus SUFRAMA. Portanto, são números comparáveis, pois são elaborados segundo a mesma metodologia conduzida pelo Instituto. Neste documento são apresentados os resultados consolidados do PIB e PIB per capita de Rondônia, Brasil e demais unidades da federação, com série de 2002 a O documento contém ainda tabelas detalhadas por atividade econômica, a composição setorial do PIB, além de contemplar a variação do PIB de 2003 a Ressaltamos, entretanto, que no momento o IBGE está realizando a revisão da base do Sistema de Contas Nacionais, cuja nova série, com referência em 2010, será divulgada em Assim, os números ora apresentados do PIB das Unidades da Federação tiveram como referência os valores do Sistema de Contas Nacionais Trimestrais. Dessa forma, os números de 2012 que ora se apresenta, apesar de consolidados com o IBGE e as demais unidades da federação, ainda são dados preliminares. Em 2015, quando da divulgação da nova série com referência em 2010, os resultados das Contas Regionais do Brasil referentes a 2010, 2011 e 2012 serão reapresentados, de forma definitiva e o ano de 2013 pela primeira vez, integrados, também, à nova série do Sistema de Contas Nacionais do Brasil. Neste contexto, o nível de detalhamento apresentado neste documento corresponde a 12 atividades econômicas e não a 17, como na série O motivo para esta agregação está vinculado à disponibilidade de informações do Sistema de Contas Nacionais Trimestrais. Assim, a redução do nível de detalhamento dado pelas Contas Nacionais Trimestrais resulta na restrição da comparabilidade da série disponível, Ainda, nesse ano, excepcionalmente, devido ao momento de transição pela mudança de base, o PIB das Unidades da Federação não foi ajustado em volume com o PIB nacional. Isto se deve ao fato de que nesse momento as contas nacionais não estão sendo calculadas somente pelo indicador trimestral que utiliza as pesquisas conjunturais. Portanto, em razão das diferenças de base de dados, metodologicamente há uma impossibilidade de comparação do ponto de vista do crescimento em volume do PIB entre as Unidades da Federação, que tem como base para seu cálculo, as pesquisas estruturais. George Alessandro Gonçalves Braga Secretário de Estado do Planejamento, Orçamento e Gestão 4

5 Introdução A economia mundial, segundo relatório do Banco Central, apresentou desaceleração ao longo de 2012, mesmo com a adoção de medidas adicionais de afrouxamento monetário nos países do G4 e de novos incentivos para investimentos na China. Em meados do ano, houve o agravamento da crise fiscal, bancária e política na Europa, redução no ritmo da recuperação econômica nos Estados Unidos e aumento da aversão ao risco nos mercados financeiros. No terceiro trimestre vislumbrou-se uma breve recuperação nos Estados Unidos, Reino Unido e China, porém, ao final do ano voltou a arrefecer as principais economias globais, inclusive nos EUA onde se instalou um impasse político na tentativa de superar o chamado abismo fiscal. Na área do euro, a economia entrou em recessão, intensificando-se ao final do ano. As cotações internacionais das commodities mantiveram a tendência decrescente iniciada em 2011 e foram interrompidas no terceiro trimestre pelos aumentos nos preços dos grãos, em função da estiagem ocorrida nos EUA, e das commodities metálicas, oriundas do pacote de investimentos da China. Nesse ambiente, a trajetória declinante da inflação favoreceu a manutenção de taxas de juros muito baixas nas economias importantes e o prolongamento dos ciclos monetários e fiscais expansionistas nas economias emergentes. No Brasil, a atividade econômica apresentou menor dinamismo, a taxa do PIB foi 1,0% em 2012, ante 2,7% em Esse crescimento foi puxado, principalmente, pelo desempenho do consumo das famílias, sustentado pelo crédito e pela força do mercado de trabalho. 5

6 Síntese da Economia Brasileira A economia brasileira no ano de 2012 apresentou crescimento de 1,0%, menor, desde a crise econômica mundial de O baixo desempenho da economia deveu-se em parte pela conjuntura internacional desfavorável, limitação na oferta de crédito mundial e atividade econômica em ritmo lento, especialmente na zona do Euro e nos Estados Unidos. O governo brasileiro, mesmo adotando medidas de estímulo ao consumo, não consegui alavancar a economia. Houve recuo nos investimentos, redução da capacidade produtiva e estagnação no comércio exterior. Diante disso, ocorreram quedas na indústria e na agropecuária de 0,8% e 2,1%, respectivamente. No setor industrial houve uma diminuição na indústria de transformação e na extração mineral. Na agropecuária o desempenho das lavouras foi insatisfatório, devido às condições climáticas adversas nas regiões Sul e Sudeste. A atividade de serviços mostrou crescimento no ano de 2012, com expansão de 1,9%, devido ao crescimento da massa salarial, expansão do crédito e redução nas taxas de juros (segundo o Banco Central, menor taxa da série, 7,25%), o que impulsionou especialmente as vendas do comércio varejista em ritmo maior que produção industrial. Segundo o Copom - Comitê de Política Monetária, Banco Central, no ano de 2012 a inflação foi 5,84% e de 6,50% em 2011, situando-se dentro do intervalo de tolerância estabelecido pelo Conselho Monetário Nacional pelo nono ano consecutivo. Os preços livres variaram entre 6,56% em 2012 e 6,63% em 2011 e os preços administrados, 3,65% em 2012 e de 6,20% em Em valores correntes, o PIB brasileiro, registrou R$ 4,392 trilhões em O incremento em relação ao ano de 2011 foi de R$ 249,081 bilhões. O PIB per capita alcançou o valor de R$ ,86 em 2012 ante R$ ,65 em Em termos de crescimento real, a taxa foi de 0,2%. Síntese da Economia de Rondônia O Produto Interno Bruto - PIB do Estado de Rondônia em 2012 apresentou uma variação de 5,47% em relação a Somou a ordem de R$ (Vinte e nove bilhões, e trezentos e sessenta e dois milhões de reais), em 2011, R$ ((Vinte e sete bilhões oitocentos e trinta e nove milhões de reais). Representa 12,7% do total da Região Norte e. 0,7.% do Brasil. Rondônia ocupou a 22ª posição na série 2002 a 2008 e no ano de 2010 e, em 2009, 2011 e 2012 a 21ª posição do PIB em nível nacional. Em 2012, Produção e distribuição de eletricidade, gás, água, esgoto e limpeza urbana foi a atividade que mais se destacou, com um crescimento de (316,23%), seguida de serviços de informações (54,64%);transportes, armazenagem e correio (18,11%) Saúde e Educação Mercantis 6

7 (15,9%); Intermediação financeira, seguros e previdência complementar e serviços relacionados (12,73%). Tabela 01 - Composição do Produto Interno Bruto PIB, a preços correntes Rondônia (em R$ milhão) Anos Discriminação * 2011* 2012* Valor adicionado bruto a preço básico corrente (+) Impostos sobre produtos, líquidos de subsídios (+) Produto interno bruto a preço de mercado corrente Fonte: IBGE/SEPLAN, Contas Regionais do Brasil *Dados preliminares Maiores participações das atividades econômicas no Valor Adicionado Bruto a preço básico em 2012 foram: conforme (Tabela 05): a Administração Pública, Defesa e Seguridade Social com a participação de 28,5%, seguido da Agropecuária com 20,5%; Comércio 12%; Construção com 11,1%; Indústria de transformação com 5,7%; Atividades Imobiliárias, Aluguéis de 6,2%. Essas atividades econômicas concentraram 84,1% do valor adicionado. Agregando-se as atividades econômicas por setores, no ano de 2012, a participação de Serviços representou 61,2% do Valor adicionado bruto total, seguindo a Agropecuária com 20,5% e a Indústria com 18,3%. Gráfico 01- Participação dos Setores da Economia no Valor adicionado Bruto - Rondônia-2012 Indústria; 18,3% Agropecuária; 20,5% Serviços; 61,2% Fonte: IBGE/SEPOG, Contas Regionais do Brasil 7

8 Tabela 02- Ranking do Produto Interno Bruto a preços correntes das Unidades da Federação Unidades da Federação (em R$ milhão) Produto Interno Bruto Ranking São Paulo º 1º 1º Rio de Janeiro º 2º 2º Minas Gerais º 3º 3º Rio Grande do Sul º 4º 4º Paraná º 5º 5º Santa Catarina º 6º 6º Distrito Federal º 7º 7º Bahia º 8º 8º Goiás º 9º 9º Pernambuco º 10º 10º Espírito Santo º 11º 11º Pará º 12º 12º Ceará º 13º 13º Mato Grosso º 14º 14º Amazonas º 15º 15º Maranhão º 16º 16º Mato Grosso do Sul º 17º 17º Rio Grande do Norte º 18º 18º Paraíba º 19º 19º Alagoas º 20º 20º Rondônia º 21º 21º Sergipe º 22º 22º Piauí º 23º 23º Tocantins º 24º 24º Amapá º 25º 25º Acre º 26º 26º Roraima º 27º 27º Fonte: IBGE, em parceria com os Órgãos Estaduais de Estatística, Secretarias Estaduais de Governo e Superintendência da Zona Franca de Manaus - SUFRAMA Tabela 03- Ranking do PIB dos Estados da Região Norte Estados Produto Interno Bruto Ranking Pará º 1º 1º Amazonas º 2º 2º Rondônia º 3º 3º Tocantins º 4º 4º Amapá º 5º 5º Acre º 6º 6º Roraima º 7º 7º Fonte: IBGE/SEPOG, Contas Regionais do Brasil Dados preliminares ] PRODUTO INTERNO BRUTO PER CAPITA (em R$ milhão) O PIB per capita corresponde à divisão do PIB pela população residente. A cada ano esse numero é oficialmente encaminhado pelo IBGE ao Tribunal de Contas da União (TCU) para servir de 8

9 base como um dos indicadores de repasse do Fundo de Participação dos Municípios das capitais e do Distrito Federal. Em Rondônia, o produto Interno Bruto Per Capita 2012 foi de R$ ,00 (Dezoito mil e quatrocentos e sessenta e seis reais), com um crescimento de 4,6% comparado ao ano de Na tabela 04, em relação ao Brasil, em 2012, ocupou 12ª posição e o 1ª da região norte. Em destaque temos o Distrito Federal com o maior PIB per Capita do Brasil, com R$64.653,00 (Sessenta e quatro mil seiscentos e cinqüenta e três reais). Tabela 04- Ranking do PIB Per Capita das Unidades da Federação, em relação ao Brasil e suas regiões Discriminação PIB per capita Ranking PIB per capita Ranking (R$1,00) Brasil Região (R$1,00) Brasil Região Brasil Região Norte Rondônia º 2º º 1º Acre º 6º º 6º Amazonas º 1º º 2º Roraima º 3º º 3º Pará º 7º º 7º Amapá º 4º º 4º Tocantins º 5º º 5º Região Nordeste Maranhão º 8º º 8º Piauí º 9º º 9º Ceará º 5º º 5º Rio Grande do Norte º 4º º 3º Paraíba º 6º º 6º Pernambuco º 2º º 2º Alagoas º 7º º 7º Sergipe º 1º º 1º Bahia º 3º º 4º Região Sudeste Minas Gerais º 4º º 4º Espírito Santo º 3º º 3º Rio de Janeiro º 2º º 2º São Paulo º 1º º 1º Região Sul Paraná º 3º º 3º Santa Catarina º 1º º 1º Rio Grande do Sul º 2º º 2º Região Centro-Oeste Mato Grosso do Sul º 3º º 3º Mato Grosso º 2º º 2º Goiás º 4º º 4º Distrito Federal º 1º º 1º Fonte: IBGE/SEPOG, Contas Regionais do Brasil. Dados preliminares 9

10 Desempenho dos setores econômicos Tabela 05 Participação dos setores da economia no valor adicionado do Estado de Rondônia 2012 Setor Valor adicionado em R$ milhão Participação (%) Agropecuária ,5 Indústria ,3 Serviços ,2 Estado ,0 Fonte: IBGE/SEPOG-RO *Dados preliminares Serviços obteve a maior participação na composição do valor adicionado bruto (61%), seguido da agropecuária (20,5%) e indústria (18,3%). Em relação a 2011, tiveram uma variação nominal de (7,2%) na agropecuária, (1,2%) na indústria, (6,2)% nos serviços. A Administração Pública foi a atividade que manteve a maior participação: 28,4% em 2011 e 28,5 em 2012, seguida da Agropecuária com 20,5% e Comércio com 12,1%. Tabela 06-Participação das atividades econômicas no valor adicionado bruto a preço básico de Rondônia 2010/2012 (Em R$ milhão) Atividade econômica Valor % Valor % Valor % Agropecuária , , ,51 Indústria , ,25 Indústria Extrativa Mineral 88 0, , ,41 Indústria de Transformação , , ,69 Produção e distribuição de eletricidade e gás, água, esgoto e limpeza urbana 167 0,8 64 0, ,03 Construção 950 4, , ,12 Serviços , , ,24 Comércio , , ,09 Transportes, armazenagem e correio 538 2, , ,96 Serviços de informação 287 1, , ,00 Intermediação financeira, seguros e previdência complementar 586 2, , ,02 Atividades imobiliárias e aluguel , , ,20 Administração, saúde e educação públicas , , ,49 Outros serviços , , ,49 Valor Adicionado Bruto a Preço Básico Corrente ,00 Fonte: IBGE/SEPOG-RO *Dados preliminares 10

11 Agropecuária A agropecuária é representativa para o estado de Rondônia, em função do agronegócio que são gerados com a produção advinda da agricultura e da pecuária. A safra agrícola 2012 de cereais, leguminosas e oleaginosas registrou uma área plantada de hectares, com variação anual de (-0,1%) e a quantidade produzida de toneladas com variação de 21,7% em comparação a Em relação á região norte, representou 24,6% na área plantada e 25,1% na produção total. Os dados obtidos na safra de grãos de 2012 colocam Rondônia em evidência na região norte como o 1º produtor de café e feijão, 2º na produção de milho, soja e cacau e o 3º maior produtor de arroz e banana e o 4º em mandioca. O setor agropecuário obteve um crescimento nominal no valor adicionado bruto de 7,2%, sendo responsável por 20,5% do valor adicionado do Estado. A agricultura responde por um percentual menor do valor adicionado, ficando a maior parte com a pecuária de corte e de leite. Os principais produtos da lavoura que tiveram quedas significativas na quantidade produzida, em 2012, foram: café, que mostrou queda em 2011 e continuou caindo em 2012 (-3%) e mandioca (- 8,04%). Os demais produtos mostraram crescimento, destacando o Coco-da-baía (914,4%), Milho (57,2%), Arroz (41,5%) A safra de café mostrou redução devido a fatores climáticos durante o ciclo da produção, sistema de cultivo, práticas inadequadas, elevados custos de insumo e mão-de-obra, além da redução do parque cafeeiro que foi transformado em área para pastagem. Mesmo assim, Rondônia é o quinto maior produtor de café do país e o segundo da espécie robusta. Tabela 07 - Produção e taxa de crescimento (%) da produção das principais lavouras Rondônia Produção Taxa de crescimento Produtos / /2011 Arroz (em casca) (t) ,58 41,51 Cana-de-açúcar (t) ,23 1,32 Feijão (em grão) (t) ,57 5,97 Mandioca (t) ,69-8,04 Milho (em grão) (t) ,09 57,16 Soja (em grão) (t) ,86 12,15 Banana (cacho) (t) ,75 9,61 Cacau (em amêndoa) (t) ,81 3,45 Café (em grão) Total (t) ,58-3,04 Coco-da-baía (Mil frutos) ,19 914,44 Fonte: SEPOG-RO/IBGE. Produção Agrícola Municipal 11

12 A pecuária rondoniense ocupa lugar de destaque no PIB estadual, possui rebanhos efetivos de grande, médio e pequeno porte, sendo que a maior participação é bovinos. No ano de 2011 houve uma redução de -4,5% no total do efetivo dos rebanhos, mas em 2012 apontou uma pequena recuperação de 0,6%, mas não consegui igualar os dados de O rebanho de aves foi o que mais contribuiu para esse resultado negativo (-26,9%) em 2011, pois é a segunda maior participação no efetivo de rebanhos do estado. Em 2012 embora tenha mostrado pequeno crescimento do rebanho, foram verificadas quedas nos efetivos de caprinos (-17,2%), asininos (-10,9%), suíno (-3,8), bubalinos, (-3,8%) e ovinos (-3,5%). Tabela 08- Efetivo do rebanho do estado de Rondônia, Participação relativa 2010, 2011 e 2012 e variação % 2011/2010 e 2012/2011 (cabeças) Tipo de Rebanho Participação relativa Variação % / /2011 Bovino ,74 77,27 77,07 2,87 0,30 Equino ,98 1,08 1,11 5,30 3,48 Bubalino ,04 0,04 0,04-4,72-3,80 Asinino ,01 0,02 0,01 26,70-10,94 Muar ,16 0,18 0,18 6,39 4,45 Suíno ,51 1,49 1,42-6,13-3,84 Caprino ,09 0,12 0,10 31,79-17,23 Ovino ,82 0,93 0,90 8,87-3,49 Aves ,78 15,88 16,09-26,86 2,09 Total ,49 0,56 Fonte: SEPOG-RO/IBGE. Produção Pecuária Municipal O ambiente da produção pecuária rondoniense foi semelhante à de outros estados brasileiros em busca de saídas estratégicas para contornar os fatores como custos dos principais insumos, logística e distribuição. A pecuária rondoniense é composta por efetivos dos rebanhos de grande, médio e pequeno porte. O destaque fica por conta do rebanho bovino com cabeças sendo aproximadamente, 70% para corte e 30% rebanho de leite. A participação relativa de Rondônia em 2012 no efetivo total de bovinos foi de 77% em 2012 e de galináceos, 16%. No período, foi observada uma variação negativa de (-13,3%) em vacas ordenhadas, mas, mesmo assim obteve uma produção de mil litros de leite e variação de 1,4% em relação à do ano anterior. É considerado o maior produtor de leite da região norte, participando com 43,2% no total da região. O valor da produção alcançou R$ 456 milhões e variação percentual de 17,9% em comparação a Quanto ao rebanho bovino de corte, foram abatidos aproximadamente 2,0 milhões de cabeças em 2012 representando 8,1% de crescimento sobre o ano anterior. A produção de carne obtida ficou em 12

13 torno de 479 milhões de toneladas e a variação anual 10,5%. Parte dessa produção, de carne in natura foi exportada para outros países e blocos econômicos. A variação 2012/2011 foi de 93,3%. Os principais produtos de origem animal do estado: leite, ovos de galinha e mel de abelha. Os de origem vegetal destacaram-se o açaí, castanha do Pará, palmito, borracha, carvão vegetal, madeira em tora, óleo de copaíba e outros. Indústria A atividade industrial é composta pela indústria extrativa mineral, indústria de transformação, produção e distribuição de eletricidade, gás e água e construção civi. Em 2012, o setor indústria representou 18,3% do valor adicionado bruto, mostrando queda na participação em relação a 2011 (19,02%). Mesmo com desaceleração no setor, houve crescimento nominal (1,2%). A maior retração registrada na indústria foi extrativa mineral (-36,8%) devido à maior fiscalização nas áreas minerais, redução da produção e retração da demanda externa; na indústria de transformação com (-6,74%) em função do baixo dinamismo industrial, excesso de estoque de matéria-prima. A exceção ocorreu na atividade Serviços Industriais de Utilidades Públicas - SIUP com (319%), em função dos investimentos ocorridos no segmento elétrico como o Luz para Todos e P&D, entre outros; e na construção civil com 0,8%, crescimento decorrentes pelo aumento dos investimentos públicos em obras de infra-estrutura e unidades habitacionais tanto do Programa de Aceleração do Crescimento (PAC I), iniciado em 2007, e o Programa Minha Casa, Minha Vida (PMCMV), em 2009, contribuindo fortemente para a geração novos postos formais de trabalho, como nos investimentos privados com construções de edificações residenciais e comerciais. Tabela 09 - Participação das atividades da indústria no valor adicionado bruto a preço básico do setor industrial - Rondônia e 2012 (Em R$ milhão) Atividade Valor % Valor % Valor % Indústria , , ,00 Indústria Extrativa Mineral 88 2, , ,25 Indústria de Transformação , , ,18 Produção e distribuição de eletricidade e gás, água, esgoto e limpeza urbana 167 5, , ,64 Construção , , ,93 Fonte:SEPOG, Contas Regionais do Brasil Nota: Dados preliminares Observamos que em 2010, segundo a tabela 08, a Indústria de Transformação representava 60% das atividades industriais do estado, esse panorama mudou em 2011 e 2012 ficando a maior 13

14 representação com a construção Civil 61 %, influenciado pelo bom do momento, a construção das Usinas Hidroelétricas de Jirau e Santo Antônio. Serviços O setor de Serviços cresceu 6,3% em termos nominais, sendo responsável por 61,2% do valor adicionado do Estado. Administração Pública contribuiu com 28,5%, aumentou sua participação em relação a 2011 e Comércio 12,1%, embora ocupe a segunda maior participação, mostrou queda de (-5,5%) no valor adicionado bruto. As atividades com maiores crescimentos foram: informação 54,6%, transportes 18,1%, saúde e educação com 15,94%, administração pública 10,1%, aluguel 1,8%. Quanto aos empregos, de acordo com dados disponibilizados pelo MTE/RAIS, o número de empregos formais no estado de Rondônia em dezembro de 2012, foram , com crescimento de 3,60% em relação ao estoque de emprego de dezembro de Tabela 10 - Participação das atividades econômicas do setor serviços no valor adicionado bruto a preços básicos do setor serviços e 2012 ( Em R$ milhão) Atividade econômica Valor % Valor % Valor % Serviços , , ,24 Comércio , , ,09 Transportes, armazenagem e correio 538 2, , ,96 Serviços de informação 287 1, , Intermediação financeira, seguros e previdência complementar 586 2, , ,02 Atividades imobiliárias e aluguel , , ,2 Administração, saúde e educação públicas , , ,49 Outros serviços , , ,49 Fonte: IBGE/SEPLAN, Contas Regionais do Brasil Dados preliminares 14

15 Anexos 15

16 Tabela 11 - Produto Interno Bruto do Brasil, Região Norte e Estados da Região Norte Anos Produto Interno Bruto ( Em R$ milhão) Brasil Norte Rondônia Acre Amazonas Roraima Pará Amapá Tocantins Fonte: IBGE, em parceria com os Órgãos Estaduais de Estatística, Secretarias Estaduais de Governo e Superintendência da Zona Franca de Manaus - SUFRAMA. Tabela 12- Participação na Composição do PIB do Brasil - Estados da Região Norte Discriminação Participação no Produto Interno Bruto (%) Brasil 100,0 100,0 100,0 100,0 100,0 100,0 100,0 100,0 100,0 100,0 100,0 Norte 4,7 4,8 4,9 5,0 5,1 5,0 5,1 5,0 5,3 5,4 5,3 Rondônia 0,5 0,6 0,6 0,6 0,6 0,6 0,6 0,6 0,6 0,7 0,7 Acre 0,2 0,2 0,2 0,2 0,2 0,2 0,2 0,2 0,2 0,2 0,2 Amazonas 1,5 1,5 1,6 1,6 1,7 1,6 1,5 1,5 1,6 1,6 1,5 Roraima 0,2 0,2 0,1 0,1 0,2 0,2 0,2 0,2 0,2 0,2 0,2 Pará 1,7 1,8 1,8 1,8 1,9 1,9 1,9 1,8 2,1 2,1 2,1 Amapá 0,2 0,2 0,2 0,2 0,2 0,2 0,2 0,2 0,2 0,2 0,2 Tocantins 0,4 0,4 0,4 0,4 0,4 0,4 0,4 0,4 0,5 0,4 0,4 Fonte: IBGE, em parceria com os Órgãos Estaduais de Estatística, Secretarias Estaduais de Governo e Superintendência da Zona Franca de Manaus - SUFRAMA Tabela 13 - Valor adicionado bruto Total, a preços básicos do Brasil e Estados da Região Norte ( Em R$ milhão) Anos Brasil Norte Rondônia Acre Amazonas Roraima Pará Amapá Tocantins Valor adicionado bruto a preços básicos Fonte: IBGE, em parceria com os Órgãos Estaduais de Estatística, Secretarias Estaduais de Governo e Superintendência da Zona Franca de Manaus SUFRAMA 16

17 Tabela 14 - Valor adicionado bruto da Agropecuária a preços básicos do Brasil e Estados da Região Norte ( Em R$ milhão) Anos Brasil Norte Rondônia Acre Amazonas Roraima Pará Amapá Tocantins Valor Adicionado da Agropecuária Fonte: IBGE, em parceria com os Órgãos Estaduais de Estatística, Secretarias Estaduais de Governo e Superintendência da Zona Franca de Manaus SUFRAMA Tabela 15 - Valor adicionado bruto da Indústria, discriminados: Indústria Extrativa, Indústria de Transformação, Construção Civil, Produção e distribuição de eletricidade e gás, água, esgoto e limpeza urbana, a preços básicos do Brasil e Estados da Região Norte (Continua) Valor adicionado bruto a preços básicos ( Em R$ milhão) Discriminação Indústria extrativa Brasil Norte Rondônia Acre Amazonas Roraima Pará

18 Tabela 15 - Valor adicionado bruto da Indústria, discriminados: Indústria Extrativa, Indústria de Transformação, Construção Civil, Produção e distribuição de eletricidade e gás, água, esgoto e limpeza urbana, a preços básicos do Brasil e Estados da Região Norte Discriminação (continuação) Valor adicionado bruto a preços básicos ( Em R$ milhão) Indústria extrativa Amapá Tocantins Indústria de transformação Brasil Norte Rondônia Acre Amazonas Roraima Pará Amapá Tocantins Construção civil Brasil Norte Rondônia Acre Amazonas Roraima Pará Amapá Tocantins

19 Tabela 15 - Valor adicionado bruto da Indústria, discriminados: Indústria Extrativa, Indústria de Transformação, Construção Civil, Produção e distribuição de eletricidade e gás, água, esgoto e limpeza urbana, a preços básicos do Brasil e Estados da Região Norte Discriminação Valor adicionado bruto a preços básicos ( Em R$ milhão) Produção e distribuição de eletricidade e gás, água, esgoto e limpeza urbana Brasil Norte Rondônia Acre Amazonas Roraima Pará Amapá Tocantins Fonte: IBGE, em parceria com os Órgãos Estaduais de Estatística, Secretarias Estaduais de Governo e Superintendência da Zona Franca de Manaus SUFRAMA conclusão 19

20 Tabela 16- Valor adicionado bruto de Serviços, discriminados: Comercio, Transportes, armazenagem e correio, Serviços de informação, Intermediação financeira, seguros e previdência complementar e serviços relacionados, Atividades imobiliárias e aluguéis, Administração, saúde e educação públicas e seguridade social, Outros serviços, a preços básicos do Brasil e Estados da Região Norte (continua) Valor adicionado bruto a preços básicos ( Em R$ milhão) Discriminação Comércio Brasil Norte Rondônia Acre Amazonas Roraima Pará Amapá Tocantins Transportes, armazenagem e correio Brasil Norte Rondônia Acre Amazonas Roraima Pará Amapá Tocantins

21 Tabela 16- Valor adicionado bruto de Serviços, discriminados: Comercio, Transportes, armazenagem e correio, Serviços de informação, Intermediação financeira, seguros e previdência complementar e serviços relacionados, Atividades imobiliárias e aluguéis, Administração, saúde e educação públicas e seguridade social, Outros serviços, a preços básicos do Brasil e Estados da Região Norte (continuação) Valor adicionado bruto a preços básicos ( Em R$ milhão) Discriminação Serviços de informação Brasil Norte Rondônia Acre Amazonas Roraima Pará Amapá Tocantins Intermediação financeira, seguros e previdência complementar e serviços relacionados Brasil Norte Rondônia Acre Amazonas Roraima Pará Amapá Tocantins

22 Tabela 16- Valor adicionado bruto de Serviços, discriminados: Comercio, Transportes, armazenagem e correio, Serviços de informação, Intermediação financeira, seguros e previdência complementar e serviços relacionados, Atividades imobiliárias e aluguéis, Administração, saúde e educação públicas e seguridade social, Outros serviços, a preços básicos do Brasil e Estados da Região Norte (continuação) Valor adicionado bruto a preços básicos ( Em R$ milhão) Discriminação Atividades imobiliárias e aluguéis Brasil Norte Rondônia Acre Amazonas Roraima Pará Amapá Tocantins Administração, saúde e educação públicas e seguridade social Brasil Norte Rondônia Acre Amazonas Roraima Pará Amapá Tocantins

23 Tabela 16- Valor adicionado bruto de Serviços, discriminados: Comercio, Transportes, armazenagem e correio, Serviços de informação, Intermediação financeira, seguros e previdência complementar e serviços relacionados, Atividades imobiliárias e aluguéis, Administração, saúde e educação públicas e seguridade social, Outros serviços, a preços básicos do Brasil e Estados da Região Norte (conclusão) Valor adicionado bruto a preços básicos ( Em R$ milhão) Discriminação Outros serviços Brasil Norte Rondônia Acre Amazonas Roraima Pará Amapá Tocantins Fonte: IBGE, em parceria com os Órgãos Estaduais de Estatística, Secretarias Estaduais de Governo e Superintendência da Zona Franca de Manaus SUFRAMA 23

24 Tabela 17- Produto Interno Bruto per Capita do Brasil, por Grandes Regiões e Unidades da Federação (Continua) Brasil, Estados e Regiões PRODUTO INTERNO BRUTO PER CAPITA (R$1,00) NORTE Rondônia Acre Amazonas Roraima Pará Amapá Tocantins NORDESTE Maranhão Piauí Ceará Rio Grande do Norte Paraíba Pernambuco Alagoas Sergipe Bahia SUDESTE Minas Gerais Espírito Santo Rio de Janeiro São Paulo SUL

25 Tabela 17- Produto Interno Bruto per Capita do Brasil, por Grandes Regiões e Unidades da Federação Brasil, Estados e Regiões (Conclusão) PRODUTO INTERNO BRUTO PER CAPITA (R$1,00) Paraná Santa Catarina Rio Grande do Sul CENTRO-OESTE Mato Grosso do Sul Mato Grosso Goiás Distrito Federal BRASIL Fonte: IBGE, em parceria com os Órgãos Estaduais de Estatística, Secretarias Estaduais de Governo e Superintendência da Zona Franca de Manaus SUFRAMA 25

PIB DO ESTADO DE RONDÔNIA 2007

PIB DO ESTADO DE RONDÔNIA 2007 PIB DO ESTADO DE RONDÔNIA 2007 Para o ano de 2007, o Produto Interno Bruto PIB do Estado de Rondônia apresentou um crescimento de 5,2% em relação ao ano anterior, ficando assim com 16ª a colocação no ranking

Leia mais

Tabela 4 - Participação das atividades econômicas no valor adicionado bruto a preços básicos, por Unidades da Federação - 2010

Tabela 4 - Participação das atividades econômicas no valor adicionado bruto a preços básicos, por Unidades da Federação - 2010 Contas Regionais do Brasil 2010 (continua) Brasil Agropecuária 5,3 Indústria 28,1 Indústria extrativa 3,0 Indústrias de transformação 16,2 Construção civil 5,7 Produção e distribuição de eletricidade e

Leia mais

INSTITUTO BRASILEIRO DE GEOGRAFIA E ESTATÍSTICA - IBGE

INSTITUTO BRASILEIRO DE GEOGRAFIA E ESTATÍSTICA - IBGE Presidente da República Luiz Inácio Lula da Silva Ministro do Planejamento, Orçamento e Gestão Paulo Bernardo Silva INSTITUTO BRASILEIRO DE GEOGRAFIA E ESTATÍSTICA - IBGE Presidente Eduardo Pereira Nunes

Leia mais

Avaliação das Contas Regionais do Piauí 2008

Avaliação das Contas Regionais do Piauí 2008 Avaliação das Contas Regionais do Piauí 2008 A economia piauiense, em 2008, apresentou expansão em volume do Produto Interno Bruto (PIB) de 8,8% em relação ao ano anterior. Foi a maior taxa de crescimento

Leia mais

DEPEC Departamento de Pesquisas e Estudos Econômicos RORAIMA OUTUBRO DE 2015

DEPEC Departamento de Pesquisas e Estudos Econômicos RORAIMA OUTUBRO DE 2015 DEPEC Departamento de Pesquisas e Estudos Econômicos RORAIMA OUTUBRO DE 2015 DADOS GERAIS DO ESTADO DA RORAIMA Total Part % Brasil Part % Região Área Total - km² 224.118 2,64% 5,82% População - mil (1)

Leia mais

Tabela 1 - Conta de produção por operações e saldos, segundo as Grandes Regiões e as Unidades da Federação - 2004-2008

Tabela 1 - Conta de produção por operações e saldos, segundo as Grandes Regiões e as Unidades da Federação - 2004-2008 (continua) Produção 5 308 622 4 624 012 4 122 416 3 786 683 3 432 735 1 766 477 1 944 430 2 087 995 2 336 154 2 728 512 Consumo intermediário produtos 451 754 373 487 335 063 304 986 275 240 1 941 498

Leia mais

CONTAS REGIONAIS DO AMAZONAS 2009 PRODUTO INTERNO BRUTO DO ESTADO DO AMAZONAS

CONTAS REGIONAIS DO AMAZONAS 2009 PRODUTO INTERNO BRUTO DO ESTADO DO AMAZONAS CONTAS REGIONAIS DO AMAZONAS 2009 PRODUTO INTERNO BRUTO DO ESTADO DO AMAZONAS APRESENTAÇÃO A Secretaria de Estado de Planejamento e Desenvolvimento Econômico SEPLAN em parceria com a SUFRAMA e sob a coordenação

Leia mais

INSTITUTO BRASILEIRO DE GEOGRAFIA E ESTATÍSTICA - IBGE

INSTITUTO BRASILEIRO DE GEOGRAFIA E ESTATÍSTICA - IBGE Presidenta da República Dilma Rousseff Ministra do Planejamento, Orçamento e Gestão Miriam Belchior INSTITUTO BRASILEIRO DE GEOGRAFIA E ESTATÍSTICA - IBGE Presidenta Wasmália Bivar Diretor-Executivo Nuno

Leia mais

GOVERNADOR DO ESTADO DO AMAZONAS JOSÉ MELO SECRETÁRIO DE ESTADO DE PLANEJAMENTO E DESENVOLVIMENTO ECONÔMICO AIRTON ÂNGELO CLAUDINO

GOVERNADOR DO ESTADO DO AMAZONAS JOSÉ MELO SECRETÁRIO DE ESTADO DE PLANEJAMENTO E DESENVOLVIMENTO ECONÔMICO AIRTON ÂNGELO CLAUDINO GOVERNO DO ESTADO DO AMAZONAS Secretaria de Estado de Planejamento e Desenvolvimento Econômico SEPLAN Produto Interno Bruto Trimestral do Estado do Amazonas 1º Trimestre de 2014 JUNHO de 2014 GOVERNADOR

Leia mais

Tabela 4 - Participação das atividades econômicas no valor adicionado bruto a preços básicos, por Unidades da Federação - 2012

Tabela 4 - Participação das atividades econômicas no valor adicionado bruto a preços básicos, por Unidades da Federação - 2012 Contas Regionais do Brasil 2012 (continua) Brasil Agropecuária 5,3 Indústria 26,0 Indústria extrativa 4,3 Indústria de transformação 13,0 Construção civil 5,7 Produção e distribuição de eletricidade e

Leia mais

Ceará: Resultados do Produto 9 Interno Bruto (PIB) 2008

Ceará: Resultados do Produto 9 Interno Bruto (PIB) 2008 GOVERNO DO ESTADO DO CEARÁ SECRETARIA DE PLANEJAMENTO E GESTÃO (SEPLAG) INSTITUTO DE PESQUISA E ESTRATÉGIA ECONÔMICA DO CEARÁ (IPECE) Ceará: Resultados do Produto 9 Interno Bruto (PIB) 2008 1. ECONOMIA

Leia mais

4º Trimestre 2012 4º Trimestre 2013 Recuo na Agropecuária Pequeno recuo na agropecuária

4º Trimestre 2012 4º Trimestre 2013 Recuo na Agropecuária Pequeno recuo na agropecuária Estimativa Trimestral do PIB 4º Trimestre e ano de 2013 26.06.2014 1 Roteiro 1º Panorama de Alagoas 2º Apresentação gráfica dos dados da Estimativa Trimestral do PIB 3º Apresentação gráfica dos dados por

Leia mais

FLUXO ATIVIDADES IMOBILIÁRIAS POR UNIDADE DA FEDERAÇÃO NO ESTADO DA PARAÍBA 2009

FLUXO ATIVIDADES IMOBILIÁRIAS POR UNIDADE DA FEDERAÇÃO NO ESTADO DA PARAÍBA 2009 FLUXO POR UNIDADE DA FEDERAÇÃO NO ESTADO DA PARAÍBA 2009 Entradas e Saídas de Mercadorias Base 2009 FLUXO, POR UNIDADE DA FEDERAÇÃO NO ESTADO DA PARAÍBA - 2009 Estados Norte 7.938 0,37 0 0,00-7.938 0,37

Leia mais

XVIIIª. Conjuntura, perspectivas e projeções: 2014-2015

XVIIIª. Conjuntura, perspectivas e projeções: 2014-2015 XVIIIª Conjuntura, perspectivas e projeções: 2014-2015 Recife, 18 de dezembro de 2014 Temas que serão discutidos na XVIII Análise Ceplan: 1. A economia em 2014: Mundo Brasil Nordeste, com ênfase em Pernambuco

Leia mais

FLUXO MANUTENÇÃO, REPARAÇÃO E INSTALAÇÃO DE MÁQUINAS E EQUIPAMENTOS POR UNIDADE DA FEDERAÇÃO NO ESTADO DA PARAÍBA 2009

FLUXO MANUTENÇÃO, REPARAÇÃO E INSTALAÇÃO DE MÁQUINAS E EQUIPAMENTOS POR UNIDADE DA FEDERAÇÃO NO ESTADO DA PARAÍBA 2009 FLUXO MANUTENÇÃO, REPARAÇÃO E INSTALAÇÃO DE MÁQUINAS E EQUIPAMENTOS POR UNIDADE DA FEDERAÇÃO NO ESTADO DA PARAÍBA 2009 Entradas e Saídas de Mercadorias Base 2009 FLUXO MANUTENÇÃO, REPARAÇÃO E INSTALAÇÃO

Leia mais

Dimensão social. Habitação

Dimensão social. Habitação Dimensão social Habitação Indicadores de desenvolvimento sustentável - Brasil 2004 235 39 Adequação de moradia Este indicador expressa as condições de moradia através da proporção de domicílios com condições

Leia mais

FLUXO FABRICAÇÃO DE MÁQUINAS, APARELHOS E MATERIAIS ELÉTRICOS POR UNIDADE DA FEDERAÇÃO NO ESTADO DA PARAÍBA - 2009

FLUXO FABRICAÇÃO DE MÁQUINAS, APARELHOS E MATERIAIS ELÉTRICOS POR UNIDADE DA FEDERAÇÃO NO ESTADO DA PARAÍBA - 2009 FLUXO FABRICAÇÃO DE MÁQUINAS, APARELHOS E MATERIAIS ELÉTRICOS POR UNIDADE DA FEDERAÇÃO NO ESTADO DA PARAÍBA - 2009 Entradas e Saídas de Mercadorias Base 2009 FLUXO, POR UNIDADE DA FEDERAÇÃO NO ESTADO DAPARAÍBA

Leia mais

PANORAMA DA INDÚSTRIA DE TRANSFORMAÇÃO BRASILEIRA

PANORAMA DA INDÚSTRIA DE TRANSFORMAÇÃO BRASILEIRA PANORAMA DA INDÚSTRIA DE TRANSFORMAÇÃO BRASILEIRA 5ª Edição Última atualização 17 de Dezembro de 2014 SUMÁRIO APRESENTAÇÃO... 5 1. A DESINDUSTRIALIZAÇÃO NO BRASIL... 6 1.1. Evolução da Participação da

Leia mais

Informativo PIB Trimestral

Informativo PIB Trimestral Informativo PIB Trimestral v. 1 n. 1 abr. jun. 2010 ISSN 2178-8367 Economia baiana cresce 10,4% no segundo trimestre e acumula alta de 10,0% no 1º semestre No segundo trimestre de 2010, a economia baiana

Leia mais

O Agronegócio Mundial e Brasileiro

O Agronegócio Mundial e Brasileiro O Agronegócio Mundial e Brasileiro Eugênio Stefanelo Segundo Porter, você é competitivo quando tem um desempenho em longo prazo acima da média dos concorrentes. O agronegócio, que engloba as operações

Leia mais

BOLETIM DE CONJUNTURA INDUSTRIAL

BOLETIM DE CONJUNTURA INDUSTRIAL GOVERNO DO ESTADO DO CEARÁ SECRETARIA DO PLANEJAMENTO E GESTÃO (SEPLAG) Instituto de Pesquisa e Estratégia Econômica do Ceará (IPECE) BOLETIM DE CONJUNTURA INDUSTRIAL 3º TRIMESTRE DE 2011 Fortaleza-CE

Leia mais

Figura 1 - Precipitação pluviométrica acumulada - Brasil - 2011

Figura 1 - Precipitação pluviométrica acumulada - Brasil - 2011 Comentários pecuária brasileira, no ano de 2011, foi afetada pelo agravamento da A crise de algumas das mais importantes economias mundiais, sobretudo a europeia. Como reflexo da desaceleração econômica

Leia mais

Saldo de Empregos Celetistas Cearense - Fevereiro de 2014

Saldo de Empregos Celetistas Cearense - Fevereiro de 2014 Enfoque Econômico é uma publicação do IPECE que tem por objetivo fornecer informações de forma imediata sobre políticas econômicas, estudos e pesquisas de interesse da população cearense. Por esse instrumento

Leia mais

INSTITUTO BRASILEIRO DE GEOGRAFIA E ESTATÍSTICA - IBGE

INSTITUTO BRASILEIRO DE GEOGRAFIA E ESTATÍSTICA - IBGE Presidenta da República Dilma Rousseff Ministra do Planejamento, Orçamento e Gestão Miriam Belchior INSTITUTO BRASILEIRO DE GEOGRAFIA E ESTATÍSTICA - IBGE Presidenta Wasmália Bivar Diretor-Executivo Fernando

Leia mais

Contas Regionais do Brasil 2010

Contas Regionais do Brasil 2010 Diretoria de Pesquisas Contas Regionais do Brasil 2010 Coordenação de Contas Nacionais frederico.cunha@ibge.gov.br alessandra.poca@ibge.gov.br Rio, 23/11/2012 Contas Regionais do Brasil Projeto de Contas

Leia mais

Contas Nacionais Trimestrais

Contas Nacionais Trimestrais Contas Nacionais Trimestrais Indicadores de Volume e Valores Correntes 1º Trimestre de 2015 Coordenação de Contas Nacionais 29 de maio de 2015 Tabela Resumo Principais resultados do PIB a preços de mercado

Leia mais

SECRETARIA DE ESTADO DE TRANSPORTES DO ESTADO DO PARÁ

SECRETARIA DE ESTADO DE TRANSPORTES DO ESTADO DO PARÁ SECRETARIA DE ESTADO DE TRANSPORTES DO ESTADO DO PARÁ PLANO ESTADUAL DE LOGÍSTICA E TRANSPORTES DO ESTADO DO PARÁ PERFIL ECONÔMICO E INSERÇÃO INTERNACIONAL DO PARÁ SÃO PAULO MARÇO/2009 EQUIPE TÉCNICA Carlos

Leia mais

MINISTÉRIO DA AGRICULTURA, PECUÁRIA E ABASTECIMENTO Secretaria de Relações Internacionais do Agronegócio. Balança Comercial do Agronegócio Junho/2012

MINISTÉRIO DA AGRICULTURA, PECUÁRIA E ABASTECIMENTO Secretaria de Relações Internacionais do Agronegócio. Balança Comercial do Agronegócio Junho/2012 MINISTÉRIO DA AGRICULTURA, PECUÁRIA E ABASTECIMENTO Secretaria de Relações Internacionais do Agronegócio Balança Comercial do Agronegócio Junho/2012 I - Resultados do mês Em junho de 2012 as exportações

Leia mais

CONSELHO CURADOR DO FUNDO DE GARANTIA DO TEMPO DE SERVIÇO RESOLUÇÃO N 289, DE 30 DE JUNHO DE

CONSELHO CURADOR DO FUNDO DE GARANTIA DO TEMPO DE SERVIÇO RESOLUÇÃO N 289, DE 30 DE JUNHO DE CONSELHO CURADOR DO FUNDO DE GARANTIA DO TEMPO DE SERVIÇO RESOLUÇÃO N 289, DE 30 DE JUNHO DE 1998 Estabelece diretrizes para a aplicação dos recursos e a elaboração das propostas orçamentárias do FGTS,

Leia mais

FLUXO TELECOMINICAÇÕES COM FIO POR UNIDADE DA FEDERAÇÃO NO ESTADO DA PARAÍBA - 2009

FLUXO TELECOMINICAÇÕES COM FIO POR UNIDADE DA FEDERAÇÃO NO ESTADO DA PARAÍBA - 2009 FLUXO TELECOMINICAÇÕES COM FIO POR UNIDADE DA FEDERAÇÃO NO ESTADO DA PARAÍBA - 2009 Entradas e Saídas de Mercadorias Base 2009 FLUXO TELECOMINICAÇÕES COM FIO POR UNIDADE DA FEDERAÇÃO NO ESTADO DA PARAÍBA

Leia mais

Soluções estratégicas em economia

Soluções estratégicas em economia Soluções estratégicas em economia Cenário macroeconômico e perspectivas para 2014/2018 maio de 2014 Perspectivas para a economia mundial Perspectivas para a economia brasileira Perspectivas para os Pequenos

Leia mais

GERAÇÃO DE EMPREGOS FORMAIS

GERAÇÃO DE EMPREGOS FORMAIS GERAÇÃO DE EMPREGOS FORMAIS no Estado do Rio de Janeiro FEVEREIRO DE 2014 BRASIL O saldo líquido de empregos formais em fevereiro deste ano foi de 260.823 em todo o país, segundo o Cadastro Geral de Empregados

Leia mais

110,0 105,0 100,0 95,0 90,0 85,0 80,0

110,0 105,0 100,0 95,0 90,0 85,0 80,0 BOI GORDO O ano de 2013 registrou preços elevados para a arroba do boi gordo, em todas as praças pecuárias acompanhadas pelo Sistema FAEB/SENAR. No acumulado do ano, foram verificadas as seguintes valorizações:

Leia mais

SISTEMA NACIONAL DE PESQUISA DE CUSTOS E ÍNDICES DA CONSTRUÇÃO CIVIL S I N A P I RESULTADOS DE MAIO/2013

SISTEMA NACIONAL DE PESQUISA DE CUSTOS E ÍNDICES DA CONSTRUÇÃO CIVIL S I N A P I RESULTADOS DE MAIO/2013 SISTEMA NACIONAL DE PESQUISA DE CUSTOS E ÍNDICES DA CONSTRUÇÃO CIVIL S I N A P I RESULTADOS DE MAIO/2013 COMENTÁRIOS Índice Nacional da Construção Civil varia -5,12% em Maio O Índice Nacional da Construção

Leia mais

Suinocultura - Análise da Conjuntura Agropecuária

Suinocultura - Análise da Conjuntura Agropecuária Suinocultura - Análise da Conjuntura Agropecuária fevereiro de 2013. 1 - Considerações Iniciais A Suinocultura é uma das atividades da agropecuária mais difundida e produzida no mundo. O porco, espécie

Leia mais

Anexo IV Metas Fiscais IV.1 Anexo de Metas Fiscais Anuais (Art. 4 o, 2 o, inciso I, da Lei Complementar n o 101, de 4 de maio de 2000)

Anexo IV Metas Fiscais IV.1 Anexo de Metas Fiscais Anuais (Art. 4 o, 2 o, inciso I, da Lei Complementar n o 101, de 4 de maio de 2000) Anexo IV Metas Fiscais IV.1 Anexo de Metas Fiscais Anuais (Art. 4 o, 2 o, inciso I, da Lei Complementar n o 101, de 4 de maio de 2000) Em cumprimento ao disposto na Lei Complementar n o. 101, de 4 de maio

Leia mais

Análise dos investimentos industriais previstos para a Bahia por Territórios de Identidade e setores de atividade econômica entre 2008 e 2012

Análise dos investimentos industriais previstos para a Bahia por Territórios de Identidade e setores de atividade econômica entre 2008 e 2012 ARTIGOS Análise dos investimentos industriais previstos para a Bahia por Territórios de Identidade e setores de atividade econômica entre 2008 e 2012 Fabiana Karine S. Andrade* Os investimentos industriais

Leia mais

ROTAS INTERNAS DE PRODUTOS DE EXPORTAÇÃO: O CASO DA SOJA

ROTAS INTERNAS DE PRODUTOS DE EXPORTAÇÃO: O CASO DA SOJA 1 Outubro 2009 ROTAS INTERNAS DE PRODUTOS DE EXPORTAÇÃO: O CASO DA SOJA Fernando Raphael Ferro de Lima * INTRODUÇÃO Este trabalho busca compreender como se modificaram, no período recente, os fluxos internos

Leia mais

Fundação de Economia e Estatística Centro de Informações Estatísticas Núcleo de Contabilidade Social

Fundação de Economia e Estatística Centro de Informações Estatísticas Núcleo de Contabilidade Social Fundação de Economia e Estatística Centro de Informações Estatísticas Núcleo de Contabilidade Social COMENTÁRIOS ACERCA DOS NÚMEROS FINAIS DO PIB DO RS E DAS DEMAIS UNIDADES DA FEDERAÇÃO EM 2010 Equipe

Leia mais

PRODUÇÃO E ÁREA COLHIDA DE SOJA NO NORDESTE

PRODUÇÃO E ÁREA COLHIDA DE SOJA NO NORDESTE Ano V Agosto de 2011 Nº 13 INFORME RURAL ETENE Escritório Técnico de Estudos Econômicos do Nordeste - ETENE Ambiente de Estudos, Pesquisas e Avaliação - AEPA PRODUÇÃO E ÁREA COLHIDA DE SOJA NO NORDESTE

Leia mais

PREFEITURA MUNICIPAL DE DOURADOS SECRETARIA MUNICIPAL DE PLANEJAMENTO E MEIO AMBIENTE

PREFEITURA MUNICIPAL DE DOURADOS SECRETARIA MUNICIPAL DE PLANEJAMENTO E MEIO AMBIENTE Tab 220 - Censo Agropecuário 2006 - Resultados Preliminares Descrição Valor Unidade Número de estabelecimentos agropecuários 2052 Estabelecimentos Área dos estabelecimentos agropecuários Número de estabelecimentos

Leia mais

I - Cenário Macroeconômico

I - Cenário Macroeconômico I - Cenário Macroeconômico Introdução Análise da Conjuntura Econômica do País Cenário Macroeconômico e Proposta Orçamentária para 2006 Projeto de Lei Orçamentária Mensagem Presidencial Introdução Em atendimento

Leia mais

ESTADO DE GOIÁS SECRETARIA DE ESTADO DE GESTÃO E PLANEJAMENTO INSTITUTO MAURO BORGES DE ESTATÍSTICAS E ESTUDOS SOCIOECONÔMICOS-IMB

ESTADO DE GOIÁS SECRETARIA DE ESTADO DE GESTÃO E PLANEJAMENTO INSTITUTO MAURO BORGES DE ESTATÍSTICAS E ESTUDOS SOCIOECONÔMICOS-IMB ESTADO DE GOIÁS SECRETARIA DE ESTADO DE GESTÃO E PLANEJAMENTO INSTITUTO MAURO BORGES DE ESTATÍSTICAS E ESTUDOS SOCIOECONÔMICOS-IMB Superintendência de Estatísticas, GOVERNO DO ESTADO DE GOIÁS Marconi Ferreira

Leia mais

Indicador do PIB Trimestral Espírito Santo IV Trimestre de 2011

Indicador do PIB Trimestral Espírito Santo IV Trimestre de 2011 Indicador do PIB Trimestral Espírito Santo IV Trimestre de 2011 Vitória, 29 de Maio de 2012 Indicador de PIB trimestral 17 atividades econômicas pesquisadas, em consonância com os setores das Contas Regionais

Leia mais

FACT-SHEET. Cana-de-Açúcar, Milho e Soja. Programa Agricultura e Meio Ambiente. WWF - Brasil

FACT-SHEET. Cana-de-Açúcar, Milho e Soja. Programa Agricultura e Meio Ambiente. WWF - Brasil FACT-SHEET Cana-de-Açúcar, Milho e Soja Programa Agricultura e Meio Ambiente WWF - Brasília Março 28 WWF- Secretaria Geral Denise Hamú Superintendência de Conservação de Programas Temáticos Carlos Alberto

Leia mais

Questão 25. Questão 27. Questão 26. alternativa B. alternativa C

Questão 25. Questão 27. Questão 26. alternativa B. alternativa C Questão 25 No Brasil, no período 1990-91 a 2003-04, a produção de grãos apresentou crescimento de 125%, enquanto a área plantada aumentou apenas 24%, conforme mostra o gráfico. BRASIL _ ÁREA PLANTADA E

Leia mais

Soja - Análise da Conjuntura Agropecuária. Novembro 2015 PARANÁ

Soja - Análise da Conjuntura Agropecuária. Novembro 2015 PARANÁ Soja - Análise da Conjuntura Agropecuária Novembro 2015 PARANÁ A estimativa de área para a safra 2015/16 de soja é recorde no Paraná. Segundo os técnicos de campo serão semeados 5,24 milhões de hectares,

Leia mais

Boletim Informativo* Agosto de 2015

Boletim Informativo* Agosto de 2015 Boletim Informativo* Agosto de 2015 *Documento atualizado em 15/09/2015 (Erratas páginas 2, 3, 4 e 9) EXTRATO GERAL BRASIL 1 EXTRATO BRASIL 396.399.248 ha 233.712.312 ha 58,96% Número de Imóveis Cadastrados²:

Leia mais

Informativo PIB Trimestral

Informativo PIB Trimestral Informativo PIB Trimestral v. 5 n. 1 jan.-mar. 2014 ISSN 2178-8367 Atividade econômica baiana cresce 2,0% no primeiro trimestre de 2014 O recente dado do Produto Interno Bruto a preços de mercado (PIBpm)

Leia mais

Nível de Atividade: Investimento Desaba e Arrasta o PIB Trimestral

Nível de Atividade: Investimento Desaba e Arrasta o PIB Trimestral 6 análise de conjuntura Nível de Atividade: Investimento Desaba e Arrasta o PIB Trimestral Brasileiro Vera Martins da Silva (*) As perspectivas sombrias sobre a economia brasileira se confirmaram e houve

Leia mais

Nº 23 Março 2012. Perfil da Raça da População Cearense

Nº 23 Março 2012. Perfil da Raça da População Cearense Nº 23 Março 2012 Perfil da Raça da População Cearense Análise a partir dos dados do Censo Demográfico 2010 GOVERNO DO ESTADO DO CEARÁ Cid Ferreira Gomes Governador Domingos Gomes de Aguiar Filho Vice Governador

Leia mais

Indicadores de Desempenho Publicado em Novembro de 2015

Indicadores de Desempenho Publicado em Novembro de 2015 Publicado em Novembro de 2015 Fatos Relevantes Agosto/2015 Vendas Industriais As vendas industriais registraram expansão de 28,40% em agosto. Trata-se do maior aumento dos últimos três meses e aponta para

Leia mais

Responsáveis Técnicos: SILVIO ISOPO PORTO AROLDO ANTONIO DE OLIVEIRA NETO FRANCISCO OLAVO BATISTA DE SOUSA

Responsáveis Técnicos: SILVIO ISOPO PORTO AROLDO ANTONIO DE OLIVEIRA NETO FRANCISCO OLAVO BATISTA DE SOUSA Safra 2013/2014 Segundo Levantamento Agosto/2013 1 Ministério da Agricultura, Pecuária e Abastecimento Secretaria de Produção e Agroenergia SPAE Departamento de CanadeAçúcar e Agroenergia DCAA Companhia

Leia mais

MINISTÉRIO DA AGRICULTURA, PECUÁRIA E ABASTECIMENTO Secretaria de Relações Internacionais do Agronegócio. Balança Comercial do Agronegócio Março/2015

MINISTÉRIO DA AGRICULTURA, PECUÁRIA E ABASTECIMENTO Secretaria de Relações Internacionais do Agronegócio. Balança Comercial do Agronegócio Março/2015 MINISTÉRIO DA AGRICULTURA, PECUÁRIA E ABASTECIMENTO Secretaria de Relações Internacionais do Agronegócio Balança Comercial do Agronegócio Março/2015 I Resultados do mês (comparativo Mar/2015 Mar/2014)

Leia mais

Boletim de Comércio Exterior da Bahia Março 2015

Boletim de Comércio Exterior da Bahia Março 2015 ISSN 2179-8745 Boletim de Comércio Exterior da Bahia Março 2015 Sumário SUMÁRIO Governo do Estado da Bahia Rui Costa Secretaria do Planejamento João Leão Superintendência de Estudos Econômicos e Sociais

Leia mais

Jornal Brasileiro de Indústrias da Biomassa Biomassa Florestal no Estado de Goiás

Jornal Brasileiro de Indústrias da Biomassa Biomassa Florestal no Estado de Goiás Jornal Brasileiro de Indústrias da Biomassa Biomassa Florestal no Estado de Goiás O Estado de Goiás está situado na Região Centro-Oeste do Brasil e, segundo dados oficiais, ocupa área territorial de 340.111,783

Leia mais

Acidentes de Trabalho com Consequência óbitos

Acidentes de Trabalho com Consequência óbitos Acidentes de Trabalho com Consequência óbitos Brasília DF Abril/2015 1. INTRODUÇÃO O Ministério da Previdência (MPS), por intermédio da Empresa de Tecnologia e Informações da Previdência Social (DATAPREV),

Leia mais

Indicadores IBGE. Estatística da Produção Agrícola. Abril de 2012. Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística IBGE

Indicadores IBGE. Estatística da Produção Agrícola. Abril de 2012. Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística IBGE Indicadores IBGE Estatística da Produção Agrícola Abril de 2012 Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística IBGE Presidenta da República Dilma Rousseff Ministra do Planejamento, Orçamento e Gestão

Leia mais

Nos últimos 20 anos, o País vem se redemocratizando e

Nos últimos 20 anos, o País vem se redemocratizando e ERRATA A página 19 foi substituída pela página abaixo: Quadro de servidores públicos municipais 1999-2002 Nos últimos 20 anos, o País vem se redemocratizando e passando por uma redistribuição de poderes

Leia mais

QUADRO DO SETOR ALIMENTAR EM SANTA CATARINA 1. PANORAMA DO SETOR DE ALIMENTOS EM SANTA CATARINA

QUADRO DO SETOR ALIMENTAR EM SANTA CATARINA 1. PANORAMA DO SETOR DE ALIMENTOS EM SANTA CATARINA Câmara Italiana de Comércio e Indústria de Santa Catarina (Órgão reconhecido pelo Governo Italiano Decreto Mise29/7/2009) Tel.: +55 48 3027 2710 / Fax: +55 48 3222 2898 www.brasileitalia.com.br info@brasileitalia.com.br

Leia mais

Brasil Em Números. Novembro 2013

Brasil Em Números. Novembro 2013 Brasil Em Números Novembro 2013 Introdução Na contagem regressiva para receber a Copa do Mundo da FIFA 2014, o Brasil comemora conquistas importantes no campo econômico e social: elevou 37 milhões de brasileiros

Leia mais

Dezembro/2014 Belo Horizonte - MG

Dezembro/2014 Belo Horizonte - MG SECRETARIA DE ESTADO DE AGRICULTURA, PECUÁRIA E ABASTECIMENTO DE MINAS GERAIS SUBSECRETARIA DO AGRONEGÓCIO Dezembro/2014 Belo Horizonte - MG 2 ÍNDICE 03. Apresentação 04. Dados Gerais do PIB do Agronegócio

Leia mais

GOVERNO DO ESTADO DO CEARÁ SECRETARIA DO PLANEJAMENTO E COORDENAÇÃO (SEPLAN) Instituto de Pesquisa e Estratégia Econômica do Ceará (IPECE)

GOVERNO DO ESTADO DO CEARÁ SECRETARIA DO PLANEJAMENTO E COORDENAÇÃO (SEPLAN) Instituto de Pesquisa e Estratégia Econômica do Ceará (IPECE) GOVERNO DO ESTADO DO CEARÁ SECRETARIA DO PLANEJAMENTO E COORDENAÇÃO (SEPLAN) Instituto de Pesquisa e Estratégia Econômica do Ceará (IPECE) NOTA TÉCNICA Nº 17 UMA COMPARAÇÃO DA COBERTURA PREVIDENCIÁRIA

Leia mais

FLUXO ATIVIDADES DOS SERVIÇOS DE TECNOLOGIA DA INFORMAÇÃO, POR UNIDADE DA FEDERAÇÃO NO ESTADO DA PARAÍBA 2009

FLUXO ATIVIDADES DOS SERVIÇOS DE TECNOLOGIA DA INFORMAÇÃO, POR UNIDADE DA FEDERAÇÃO NO ESTADO DA PARAÍBA 2009 FLUXO ATIVIDADES DOS DE TECNOLOGIA DA INFORMAÇÃO, POR UNIDADE DA FEDERAÇÃO NO ESTADO DA PARAÍBA 2009 Entradas e Saídas de Mercadorias Base 2009 FLUXO, POR UNIDADE DA FEDERAÇÃO NO ESTADO DA PARAÍBA - 2009

Leia mais

INDICAÇÃO N o, DE 2015

INDICAÇÃO N o, DE 2015 55ª Legislatura 1ª Sessão Legislativa Ordinária INDICAÇÃO N o, DE 2015 Sugere a criação de um programa de irrigação nas regiões afetadas por estiagens, em estados brasileiros. Agricultura, Pecuária e Abastecimento:

Leia mais

INVESTIMENTOS GOVERNAMENTAIS EM C,T&I NAS MICROEMPRESAS E EMPRESAS DE PEQUENO PORTE

INVESTIMENTOS GOVERNAMENTAIS EM C,T&I NAS MICROEMPRESAS E EMPRESAS DE PEQUENO PORTE MINISTÉRIO DA CIÊNCIA, TECNOLOGIA E INOVAÇÃO Secretaria de Desenvolvimento Tecnológico e Inovação Coordenação Geral de Inovação Tecnológica INVESTIMENTOS GOVERNAMENTAIS EM C,T&I NAS MICROEMPRESAS E EMPRESAS

Leia mais

Análise dos resultados

Análise dos resultados Análise dos resultados Pesquisa Anual da Indústria da Construção - PAIC levanta informações sobre o segmento empresarial da indústria da construção em A todo o Território Nacional. A presente análise visa

Leia mais

Nº 56 Março 2013. Desequilíbrios Regionais no Brasil e a Distribuição Desigual de Recursos Entre os Estados

Nº 56 Março 2013. Desequilíbrios Regionais no Brasil e a Distribuição Desigual de Recursos Entre os Estados Nº 56 Março 2013 Desequilíbrios Regionais no Brasil e a Distribuição Desigual de Recursos Entre os Estados GOVERNO DO ESTADO DO CEARÁ Cid Ferreira Gomes Governador Domingos Gomes de Aguiar Filho Vice Governador

Leia mais

PAINEL 16,0% 12,0% 8,0% 2,5% 1,9% 4,0% 1,4% 0,8% 0,8% 0,0% 5,0% 3,8% 2,8% 3,0% 2,1% 1,0% 1,0% -1,0%

PAINEL 16,0% 12,0% 8,0% 2,5% 1,9% 4,0% 1,4% 0,8% 0,8% 0,0% 5,0% 3,8% 2,8% 3,0% 2,1% 1,0% 1,0% -1,0% Ministério do Desenvolvimento, Indústria e Comércio Exterior ASSESSORIA ECONÔMICA PAINEL PRINCIPAIS INDICADORES DA ECONOMIA BRASILEIRA Número 58 1 a 15 de setembro de 2010 PIB TRIMESTRAL Segundo os dados

Leia mais

INDICADORES ECONÔMICO-FISCAIS

INDICADORES ECONÔMICO-FISCAIS GOVERNO DO ESTADO DE SANTA CATARINA SECRETARIA DE ESTADO DA FAZENDA - SEF DIRETORIA DE PLANEJAMENTO ORÇAMENTÁRIO DIOR NOTA EXPLICATIVA: A DIOR não é a fonte primária das informações disponibilizadas neste

Leia mais

PIB DO ESTADO DE SÃO PAULO 2005

PIB DO ESTADO DE SÃO PAULO 2005 PIB DO ESTADO DE SÃO PAULO 2005 A Fundação Seade, em parceria com o IBGE, divulga os resultados do PIB do Estado de São Paulo, em 2005. Simultaneamente, os órgãos de estatística das demais Unidades da

Leia mais

Contabilizando para o Cidadão Entendendo as Finanças Públicas

Contabilizando para o Cidadão Entendendo as Finanças Públicas Nº de Famílias Beneficiadas pelo Bolsa Família em Relação ao Total de Famílias do Nº de Famílias Beneficiadas / Total de Famílias - ano 2015 (%) 50,00% 48,2% 42,8% Média Nacional - % de Famílias Beneficiadas

Leia mais

SISTEMA INTEGRADO DE PRODUÇÃO Todo o sucesso da fumicultura brasileira está alicerçado no Sistema Integrado de Produção. Implantado em 1918 no Rio

SISTEMA INTEGRADO DE PRODUÇÃO Todo o sucesso da fumicultura brasileira está alicerçado no Sistema Integrado de Produção. Implantado em 1918 no Rio SISTEMA INTEGRADO DE PRODUÇÃO Todo o sucesso da fumicultura brasileira está alicerçado no Sistema Integrado de Produção. Implantado em 1918 no Rio Grande do Sul, de forma pioneira na fumicultura brasileira

Leia mais

Tabela 1. Raiz de mandioca Área colhida e quantidade produzida - Brasil e principais estados Safras 2005/06 a 2007/08

Tabela 1. Raiz de mandioca Área colhida e quantidade produzida - Brasil e principais estados Safras 2005/06 a 2007/08 Mandioca outubro de 2008 Safra nacional 2006/07 Na safra brasileira 2006/07 foram plantados 2,425 milhões de hectares e colhidos 26,920 milhões de toneladas - representando um crescimento de 0,87% e de

Leia mais

2 PIB MINEIRO CRESCE AINDA MENOS DO QUE O BRASILEIRO Prof. Flávio Riani

2 PIB MINEIRO CRESCE AINDA MENOS DO QUE O BRASILEIRO Prof. Flávio Riani ANO 4 NÚMERO 30 SETEMBRO DE 2014 PROFESSORES RESPONSÁVEIS: FLÁVIO RIANI & RICARDO RABELO 1 - CONSIDERAÇÕES INICIAIS A divulgação do crescimento do PIB brasileiro no primeiro semestre desse ano, além de

Leia mais

Nota Técnica Número 03 fevereiro 2013

Nota Técnica Número 03 fevereiro 2013 SINDIFERN Nota Técnica Número 03 fevereiro 2013 Arrecadação de ICMS no Estado do Rio Grande do Norte: uma análise da evolução em anos recentes Introdução O presente estudo dedica-se a informação e análise

Leia mais

AGRÍCOLA NO BRASIL. Prefácio. resultados do biotecnologia: Benefícios econômicos da. Considerações finais... 7 L: 1996/97 2011/12 2021/22...

AGRÍCOLA NO BRASIL. Prefácio. resultados do biotecnologia: Benefícios econômicos da. Considerações finais... 7 L: 1996/97 2011/12 2021/22... O OS BENEFÍCIOS ECONÔMICOS DA BIOTECNOLOGIA AGRÍCOLA NO BRASIL L: 1996/97 2011/12 O caso do algodão geneticamente modificado O caso do milho geneticamente modificado O caso da soja tolerante a herbicida

Leia mais

SECRETARIA DE ESTADO DA ASSISTÊNCIA SOCIAL, TRABALHO E HABITAÇÃO SST DIRETORIA DE TRABALHO E EMPREGO. TEXTO PARA DISCUSSÃO nº 3 de 2012

SECRETARIA DE ESTADO DA ASSISTÊNCIA SOCIAL, TRABALHO E HABITAÇÃO SST DIRETORIA DE TRABALHO E EMPREGO. TEXTO PARA DISCUSSÃO nº 3 de 2012 1 SECRETARIA DE ESTADO DA ASSISTÊNCIA SOCIAL, TRABALHO E HABITAÇÃO SST DIRETORIA DE TRABALHO E EMPREGO TEXTO PARA DISCUSSÃO nº 3 de 2012 DESEMPENHO ECONÔMICO E MERCADO DE TRABALHO CATARINENSE À LUZ DA

Leia mais

VALOR DA PRODUÇÃO AGROPECUÁRIA DO BRASIL EM 2003, POR UNIDADE DA FEDERAÇÃO 1

VALOR DA PRODUÇÃO AGROPECUÁRIA DO BRASIL EM 2003, POR UNIDADE DA FEDERAÇÃO 1 VALOR DA PRODUÇÃO AGROPECUÁRIA DO BRASIL EM 2003, POR UNIDADE DA FEDERAÇÃO 1 Alfredo Tsunechiro 2 Vagner Azarias Martins 3 1 - INTRODUÇÃO 1 2 3 Qual a verdadeira magnitude do valor da produção agropecuária

Leia mais

Dispõe sobre a emissão de certificados de origem preferenciais na Exportação.

Dispõe sobre a emissão de certificados de origem preferenciais na Exportação. SECEX - PORTARIA Nº 16, DE 19 DE MAIO DE 2011 Dispõe sobre a emissão de certificados de origem preferenciais na Exportação. A SECRETÁRIA DE COMÉRCIO EXTERIOR DO MINISTÉRIO DO DESENVOLVIMENTO, INDÚSTRIA

Leia mais

Estrutura Produtiva e Evolução da Economia de São Paulo

Estrutura Produtiva e Evolução da Economia de São Paulo Estrutura Produtiva e Evolução da Economia de São Paulo Este boxe apresenta a estrutura da economia paulista e sua evolução nos últimos dez anos, comparando-as com a do país. Gráfico 1 PIB Variação real

Leia mais

Desempenho Recente e Perspectivas para a Agricultura

Desempenho Recente e Perspectivas para a Agricultura Desempenho Recente e Perspectivas para a Agricultura A safra de grãos do país totalizou 133,8 milhões de toneladas em 2009, de acordo com o Levantamento Sistemático da Produção Agrícola (LSPA) de dezembro,

Leia mais

GERAÇÃO DE EMPREGOS FORMAIS

GERAÇÃO DE EMPREGOS FORMAIS GERAÇÃO DE EMPREGOS FORMAIS no Estado do Rio de Janeiro JULHO DE 2014 BRASIL O mês de julho de 2014 fechou com um saldo líquido positivo de 11.796 novos empregos em todo país, segundo dados do Cadastro

Leia mais

Emprego Formal do Estado do Amazonas Novembro 2015

Emprego Formal do Estado do Amazonas Novembro 2015 GOVERNO DO ESTADO DO AMAZONAS Secretaria de Estado de Planejamento, Desenvolvimento, Ciência, Tecnologia e Inovação - SEPLANCTI Emprego Formal do Estado do Amazonas Novembro 2015 MANAUS AMAZONAS 2015 GOVERNADOR

Leia mais

BOLETIM ANUAL DO MERCADO DE GRÃOS: MILHO SAFRA 2008 / 2009 Maio de 2008

BOLETIM ANUAL DO MERCADO DE GRÃOS: MILHO SAFRA 2008 / 2009 Maio de 2008 BOLETIM ANUAL DO MERCADO DE GRÃOS: MILHO SAFRA 2008 / 2009 Maio de 2008 Mercado Internacional Em 2007, a produção anual de milho atingiu quase 720 milhões de tonelada (Tabela 1), quando os Estados Unidos,

Leia mais

Conjuntura - Saúde Suplementar

Conjuntura - Saúde Suplementar Conjuntura - Saúde Suplementar 25º Edição - Abril de 2014 SUMÁRIO Conjuntura - Saúde Suplementar Apresentação 3 Seção Especial 5 Nível de Atividade 8 Emprego 9 Emprego direto em planos de saúde 10 Renda

Leia mais

FLUXO TRANSPORTE AQUAVIÁRIO POR UNIDADE DA FEDERAÇÃO NO ESTADO DA PARAÍBA - 2009

FLUXO TRANSPORTE AQUAVIÁRIO POR UNIDADE DA FEDERAÇÃO NO ESTADO DA PARAÍBA - 2009 FLUXO POR UNIDADE DA FEDERAÇÃO NO ESTADO DA PARAÍBA - 2009 Entradas e Saídas de Mercadorias Base 2009 FLUXO, POR UNIDADE DA FEDERAÇÃO NO ESTADO DA PARAÍBA - 2009 Estados Norte 0 0,00 0 0 0 0,00 Rondônia

Leia mais

Compromisso com o Brasil

Compromisso com o Brasil m o Brasil Compromisso com o Brasil O SENAR O Serviço Nacional de Aprendizagem Rural, SENAR, é a maior escola aberta do Brasil. Capacita homens e mulheres, acompanha e evolui no trabalho que desenvolve

Leia mais

ZONCACAU: COMO SUGESTÃO PARA A CAMARA SETORIAL DO CACAU. Alfredo Homma - Embrapa Amazônia Oriental. Brasília, 12 novembro de 2013

ZONCACAU: COMO SUGESTÃO PARA A CAMARA SETORIAL DO CACAU. Alfredo Homma - Embrapa Amazônia Oriental. Brasília, 12 novembro de 2013 ZONCACAU: COMO SUGESTÃO PARA A CAMARA SETORIAL DO CACAU Alfredo Homma - Embrapa Amazônia Oriental. Brasília, 12 novembro de 2013 Disciplinar a expansão da produção de cacau no Brasil e ofertar instrumentos

Leia mais

A Mineração Industrial em Goiás

A Mineração Industrial em Goiás A Mineração Industrial em Goiás Luciano Ferreira da Silva 1 Resumo: A extração mineral constitui atividade de relevante importância para a economia do estado de Goiás, ocupando posição de destaque no cenário

Leia mais

Desempenho da Agroindústria em 2004. histórica iniciada em 1992. Como tem sido freqüente nos últimos anos (exceto em 2003), os

Desempenho da Agroindústria em 2004. histórica iniciada em 1992. Como tem sido freqüente nos últimos anos (exceto em 2003), os Desempenho da Agroindústria em 2004 Em 2004, a agroindústria obteve crescimento de 5,3%, marca mais elevada da série histórica iniciada em 1992. Como tem sido freqüente nos últimos anos (exceto em 2003),

Leia mais

FLUXO ATIVIDADES DE SEDES DE EMPRESAS E DE CONSULTORIA EM GESTÃO EMPRESARIAL POR UNIDADE DA FEDERAÇÃO DO ESTADO DA PARAÍBA 2009

FLUXO ATIVIDADES DE SEDES DE EMPRESAS E DE CONSULTORIA EM GESTÃO EMPRESARIAL POR UNIDADE DA FEDERAÇÃO DO ESTADO DA PARAÍBA 2009 FLUXO ATIVIDADES DE SEDES DE EMPRESAS E DE CONSULTORIA EM GESTÃO EMPRESARIAL POR UNIDADE DA FEDERAÇÃO DO ESTADO DA PARAÍBA 2009 Entradas e Saídas de Mercadorias Base 2009 FLUXO ATIVIDADES DE SEDES DE EMPRESAS

Leia mais

Panorama Econômico - Outubro/08

Panorama Econômico - Outubro/08 Panorama Econômico - Outubro/08 COMÉRCIO INTERNACIONAL BALANÇA COMERCIAL MENSAL (OUTUBRO/2008) - MDIC Fato Em outubro, a Balança Comercial fechou com superavit de US$ 1,21 bilhão, resultado de exportações

Leia mais

MINISTÉRIO DA AGRICULTURA, PECUÁRIA E ABASTECIMENTO Secretaria de Relações Internacionais do Agronegócio. Balança Comercial do Agronegócio Agosto/2015

MINISTÉRIO DA AGRICULTURA, PECUÁRIA E ABASTECIMENTO Secretaria de Relações Internacionais do Agronegócio. Balança Comercial do Agronegócio Agosto/2015 MINISTÉRIO DA AGRICULTURA, PECUÁRIA E ABASTECIMENTO Secretaria de Relações Internacionais do Agronegócio Balança Comercial do Agronegócio Agosto/2015 I Resultados do mês (comparativo Agosto/2015 Agosto/2014)

Leia mais

Desafios da Indústria e da Política de Desenvolvimento Produtivo

Desafios da Indústria e da Política de Desenvolvimento Produtivo Desafios da Indústria e da Política de Desenvolvimento Produtivo Josué Gomes da Silva IEDI Seminário Internacional: A Hora e a Vez da Política de Desenvolvimento Produtivo BNDES / CNI CEPAL / OCDE 22/09/2009

Leia mais

RESOLUÇÃO Nº 4.342, DE 20 DE JUNHO DE 2014

RESOLUÇÃO Nº 4.342, DE 20 DE JUNHO DE 2014 RESOLUÇÃO Nº 4.342, DE 20 DE JUNHO DE 2014 Dispõe sobre ajustes nas normas de de custeio, de investimento e de comercialização com recursos do crédito rural, a partir de 1º de julho de 2014. O Banco Central

Leia mais

Índice de Desenvolvimento da Educação Básica IDEB. Inep/MEC Reynaldo Fernandes. Presidente do Inep/MEC e Professor da FEA-RP/USP

Índice de Desenvolvimento da Educação Básica IDEB. Inep/MEC Reynaldo Fernandes. Presidente do Inep/MEC e Professor da FEA-RP/USP Índice de Desenvolvimento da Educação Básica IDEB Inep/MEC Reynaldo Fernandes Presidente do Inep/MEC e Professor da FEA-RP/USP O IDEB IDEB = j N j P j Indicador sintético que combina informações de desempenho

Leia mais

INSTITUTO PARANAENSE DE DESENVOLVIMENTO ECONÔMICO E SOCIAL - IPARDES

INSTITUTO PARANAENSE DE DESENVOLVIMENTO ECONÔMICO E SOCIAL - IPARDES CURITIBA Setembro 2015 GOVERNO DO ESTADO DO PARANÁ CARLOS ALBERTO RICHA - Governador SECRETARIA DE ESTADO DO PLANEJAMENTO E COORDENAÇÃO GERAL SILVIO MAGALHÃES BARROS - Secretário INSTITUTO PARANAENSE DE

Leia mais

PORTO ALEGRE E DEMAIS CAPITAIS BRASILEIRAS

PORTO ALEGRE E DEMAIS CAPITAIS BRASILEIRAS Equipe de Vigilância de Eventos Vitais, Doenças e Agravos não Transmissíveis Coordenadoria Geral de Vigilância em Saúde Secretaria Municipal da Saúde da Prefeitura Municipal de Porto Alegre PORTO ALEGRE

Leia mais

FLUXO DE ATIVIDADES DE PRESTAÇÃO DE SERVIÇOS DE INFORMAÇÃO POR UNIDADE DA FEDERAÇÃO NO ESTADO DA PARAÍBA 2009

FLUXO DE ATIVIDADES DE PRESTAÇÃO DE SERVIÇOS DE INFORMAÇÃO POR UNIDADE DA FEDERAÇÃO NO ESTADO DA PARAÍBA 2009 FLUXO DE ATIVIDADES DE PRESTAÇÃO DE DE INFORMAÇÃO POR UNIDADE DA FEDERAÇÃO NO ESTADO DA PARAÍBA 2009 Entradas e Saídas de Mercadorias Base 2009 FLUXO DE, POR UNIDADE DA FEDERAÇÃO NO ESTADO DA PARAÍBA -

Leia mais