III ESTUDO PRELIMINAR SOBRE OS RESÍDUOS SÓLIDOS DOMICILIARES DA CIDADE DE ITAJUBÁ (MG): CARACTERIZAÇÃO FÍSICA NO PERÍODO DO INVERNO

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "III-012 - ESTUDO PRELIMINAR SOBRE OS RESÍDUOS SÓLIDOS DOMICILIARES DA CIDADE DE ITAJUBÁ (MG): CARACTERIZAÇÃO FÍSICA NO PERÍODO DO INVERNO"

Transcrição

1 III ESTUDO PRELIMINAR SOBRE OS RESÍDUOS SÓLIDOS DOMICILIARES DA CIDADE DE ITAJUBÁ (MG): CARACTERIZAÇÃO FÍSICA NO PERÍODO DO INVERNO Andriani Tavares Tenório e Silva (1) Engenheira Ambiental pela Universidade Federal de Itajubá - UNIFEI. Mestranda de Engenharia de Energia, Universidade Federal de Itajubá - UNIFEI. Diretora do Departamento de Meio Ambiente da Secretaria Municipal de Meio de Ambiente de Itajubá (MG). Herlane dos Santos Costa Engenheira Civil pela Universidade Federal do Espírito Santo - UFES. Mestre e Doutora em Engenharia Civil (Hidráulica e Saneamento) pela Escola de Engenharia de São Carlos, Universidade de São Paulo - EESC/USP. Professora lotada no Instituto de Recursos Naturais da Universidade Federal de Itajubá (MG) IRN/UNIFEI. Endereço (1) : Rua Oswaldo Cruz,78, apt Varginha - Itajubá - MG - CEP: Brasil - Tel: 55 (35) Fax: 55 (35) RESUMO Os resíduos sólidos passaram a constituir um problema mundial a partir da revolução industrial. Essa situação se agravou com processo de urbanização exigindo dos municípios providências urgentes e adequadas para gerenciamento destes resíduos. Para adoção dessas medidas é necessário analisar quantitativamente os resíduos sólidos. A maneira mais utilizada para tal fim é a caracterização física, que constitui objetivo do presente trabalho, sendo realizada para os resíduos sólidos domiciliares do município de Itajubá - MG. A amostragem foi realizada de forma criteriosa pelo método do quarteamento, utilizando os dados fornecidos pela empresa responsável pela coleta e transporte dos resíduos domésticos no município de Itajubá, no período de inverno, em três setores de classe de nível econômico diferentes. A partir dos resultados foram possíveis a determinação da composição física média dos resíduos e a análise sobre a implantação de um programa de reciclagem. Por meio deste estudo também foi possível observar as alterações comportamentais e culturais da cidade ao longo do tempo, bem como as relações existentes entre as diversas classes sociais. PALAVRAS-CHAVE: Caracterização física, Resíduos sólidos, Reciclagem, Itajubá MG. INTRODUÇÃO A partir da revolução industrial, com a consolidação do capitalismo sistema socioeconômico dominante os resíduos sólidos passaram a constituir um problema em todos os quadrantes do mundo. Ao conseqüente processo de urbanização, que gerou grandes concentrações humanas em algumas cidades, se aliou o consumo de produtos menos duráveis e ambos produziram um aumento significativo da quantidade e diversidade desses resíduos. Tal quadro está a exigir de todos os municípios urgentes e adequadas medidas para gerenciá-los, minimizando, assim, os impactos que possam causar ao meio ambiente, como enchente, poluição do ar, da água, do solo, deslizamentos de encostas, transmissão de doenças, entre outros. Pesquisa do Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística - IBGE, de 2000, indica a produção por dia de toneladas de resíduos, em nosso país, sendo que em sua grande maioria, dispostos à céu aberto. Essa inadequação atinge o município de Itajubá-MG, que enfrenta sérios problemas quanto a destinação de seus resíduos. O município de Itajubá está localizado no Sul de Minas Gerais em altitude aproximada de metros acima do nível do mar, ocupando 290 km 2 de extensão. O município possui 57 bairros e, segundo o Censo de 2000, realizado pelo IBGE, a cidade contém habitantes. ABES - Associação Brasileira de Engenharia Sanitária e Ambiental 1

2 Para iniciar um projeto que envolva coleta, reciclagem e/ou tratamento é importante avaliar quantitativamente e qualitativamente o perfil dos resíduos sólidos gerados em diferentes pontos da região em questão. A partir desta análise é possível a identificação de alterações do perfil dos resíduos num mesmo município, devido a variações em atividades econômicas, níveis sociais, questões culturais, entre outros. A maneira mais utilizada para analisar quantitativamente os resíduos é a caracterização física, que constitui o objetivo do presente trabalho, sendo realizada para os resíduos sólidos domiciliares do município de Itajubá. É importante considerar ao se realizar a caracterização física dos resíduos sólidos domiciliares, que estes podem variar suas características ao longo do seu percurso até seu destino final, bem como ao longo do tempo. A alternativa que deve ser tomada pelos municípios para equacionar os problemas relacionados a estes resíduos é a adoção de um gerenciamento integrado, que consiste, conforme BIDONE (1999), num conjunto de ações que envolvem desde a geração dos resíduos, seu manejo, coleta, tratamento e disposição, dando a cada tipo de resíduo atenção especial, ou seja, o tratamento e a disposição mais adequado, baseando-se, sempre, no conceito da minimização e buscando a ausência de resíduos para disposição final. O investimento do município para equacionar este problema proporciona uma série de vantagens econômicas e sociais como: melhoria das condições ambientais e de saúde pública do município; diminuição de gastos com remediação de áreas degradadas pelo mal acondicionamento dos resíduos sólidos; educação/conscientização ambiental da população; geração de empregos diretos e indiretos; resgate social de indivíduos; entre outros. MATERIAL E MÉTODOS O presente estudo foi realizado de acordo com as etapas seguintes: 1. Estudos preliminares. 2. Coleta de dados e informações. 3. Caracterização dos resíduos. 4. Estruturação e análise estatística dos dados. 5. Identificação de mercado. 6. Análise dos resultados. 7. Identificação de alternativas. Na primeira etapa foi feita uma revisão bibliográfica buscando conhecer o método utilizado para caracterizar fisicamente os resíduos sólidos domiciliares (RSD), as normas aplicadas aos resíduos sólidos, alternativas de destino final adequado para os resíduos e as principais pesquisas sobre a caracterização e o destino adequado dos RSD publicada nos últimos anos. A revisão bibliográfica foi realizada com base em consultas as normas da Associação Brasileira de Normas Técnicas (ABNT), a artigos publicados em revistas eletrônicas sobre a caracterização física e as alternativas para o adequado destino dos resíduos sólidos domiciliares e, também, a livros da biblioteca da Universidade Federal de Itajubá (UNIFEI). A segunda etapa consistiu em pesquisa sobre os dados da cidade de Itajubá, da situação atual dos resíduos sólidos domiciliares do município: de quanto é produzido diariamente, como é feita a coleta e qual o destino dos resíduos. Nesta etapa, contactaram-se o IBGE e a Secretaria Municipal de Assistência Social de Itajubá, a fim de obter dados de habitantes por faixa de renda da cidade, no entanto estas informações ainda não foram levantadas. Após estas etapas, realizou-se a terceira etapa, na qual fez-se a caracterização física dos resíduos sólidos domiciliares do município de Itajubá utilizando o método do quarteamento recomendado pela norma brasileira NBR (ABNT, 1987). As amostragens foram realizadas no depósito de resíduos do município chamado popularmente de lixão, localizado na estrada do Pessegueiro, no quilômetro oito da marginal do Rio Sapucaí, no período de 01/09/2003 à 06/09/2003, correspondente a estação do inverno. Como ficaria onerosa a amostragem em todos os setores de coleta existentes, escolheram-se três setores em função do nível sócio-econômico da população residente nos bairros que compõem estes setores, classificando ABES - Associação Brasileira de Engenharia Sanitária e Ambiental 2

3 os em A, B e C. Setor A considerado de alto nível sócio-econôminco, setor B de médio nível e o setor C de baixo nível. Em cada um dos setores foram coletadas três amostras em diferentes dias, totalizando nove amostras. O volume adotado para cada amostra foi de 100 litros, pois a NBR (ABNT, 1987) não especifica. A caracterização física foi feita separando, manualmente, o material inorgânico do orgânico, sendo os materiais acondicionados em sacos plásticos para posterior pesagem. Os resíduos sólidos domiciliares inorgânicos foram divididos em: papel/papelão, metal ferroso, metal não ferroso, vidro, pano/trapo, plástico e outros. Após a separação o material foi pesado em uma balança manual Filizolla e posteriormente fez-se o cálculo da porcentagem. Foi realizada, na quarta etapa, a análise estatística dos dados no Microsoft Excel, bem como foram elaborados gráficos e tabelas para a apresentação dos resultados. Devido a indisponibilidade de dados sobre a densidade demográfica com relação à distribuição de renda, fez-se a média aritmética das amostras analisadas, com seus respectivos desvios padrão. Como neste trabalho considerou-se que a população de Itajubá tivesse a mesma distribuição de renda, sendo portanto um trabalho preliminar, recomenda-se que em futuros trabalhos faça o levantamento da população por nível de renda e assim caracterize cada setor em função da média ponderada, viabilizando o dimensionamento das partes constituintes do sistema de limpeza urbana. A quinta etapa constituiu da elaboração de um formulário para a identificação, por meio de telefone, de empresas que se interessam em comprar materiais recicláveis brutos ou beneficiados. Na sexta etapa, foi feita uma análise dos resultados obtidos. A sétima etapa constitui na comparação entre os resultados obtidos da identificação de mercado (etapa 5) e os resultados da caracterização dos resíduos sólidos domésticos (etapa 3 e 4), visando a identificação de alternativas para o destino adequado dos resíduos sólidos domiciliares gerados em Itajubá. RESULTADOS A coleta dos resíduos sólidos domiciliares no município é realizada por uma empresa terceirizada, de segundafeira a sábado. No centro da cidade a coleta é feita todos os dias, nos demais bairros três vezes por semana. Diariamente cinco caminhões do tipo compactadores fazem a coleta, sendo que cada um realiza em média três viagens por dia totalizando kg de resíduos sólidos domiciliares coletados por dia. O sistema de coleta é dividido em 10 setores, de acordo com a freqüência, horário e percurso dos caminhões coletores. Os resultados obtidos da caracterização física dos RSD da cidade de Itajubá são apresentados na Tabela 1. Foram selecionados três setores da cidade em função dos padrões adotados para a realização do presente estudo: setor A corresponde ao setor onde moram as pessoas de maior pode aquisitivo da cidade; setor B corresponde ao setor que não se enquadram nem no setor A nem no C; setor C corresponde ao setor da cidade onde reside a população carente. Tabela 1: Composição física dos RSD de Itajubá/MG. Componentes Setor A (%) Setor B(%) Setor C (%) Itajubá(%) Papel/Papelão 10,8 +1,20 11,53 + 1,79 5,37 + 1,76 9,23 + 3,37 Vidro 0,30 + 0,20 3,33 + 3,33 2,00 + 1,31 1,88 + 1,52 Plástico 9,25 + 2,25 12,60 + 1,49 11,77 + 3,75 11,21 + 1,74 Pano/Trapo 1,08 + 0,43 2,53 + 0,84 2,05 + 0,78 1,89 + 0,74 Metal Ferroso 0,00 + 0,00 0,13 + 0,23 0,43 + 0,51 0,19 + 0,22 Metal não Ferroso 0,70 + 0,20 2,23 + 0,87 1,83 + 0,80 1,59 + 0,80 Matéria Orgânica 73,78 + 1,12 59,42 + 3,35 62,42 + 6,83 65,19 + 7,57 Outros 4,09 + 0,5 8,23 + 1,80 14,13 + 3,91 8,82 + 5,05 ABES - Associação Brasileira de Engenharia Sanitária e Ambiental 3

4 65,19% 8,82% 1,59% 0,19% 1,89% 11,21% 9,23% 1,88% Papel/Papelão Vidro Plástico Pano/Trapo Metal Ferroso Metal não Ferroso Matéria Orgânica Outros Figura 1 Composição física média dos resíduos sólidos domiciliares do município de Itajubá MG. A partir dos resultados obtidos e agrupados na Tabela 1, pôde-se classificar os resíduos dos diferentes setores, em grupos que refletem seus graus de tratabilidade, biodegradabilidade e de combustão. Os resultados são apresentados a seguir. Analisando a Figura 1, observa-se que 65,19% dos resíduos sólidos domésticos da cidade Itajubá é material orgânico, constituído principalmente de restos de alimentos, cascas de frutas e de legumes, e folhas de vegetais. A porcentagem de papel/papelão (9,23%) é pequena em relação a média brasileira que é 24,5%(PHILIPPI JÚNIOR,1999), isto é justificado pelo fato deste material sofrer uma separação prévia pelos catadores antes de ser destinado ao lixão. Pode se observar uma quantidade significativa de plástico (11,21%), principalmente do tipo mole/filme, que constituem as sacolas de supermercado utilizadas para o acondicionamento dos resíduos. Vidros foram encontrados em pequena quantidade (1,88%), certamente pelo fato das embalagens de vidro estarem sendo substituídas por plásticos. No componente pano/trapo (1,89%), observou uma predominância de roupas usadas no setor de poder aquisitivo menor. Agrupou-se neste os materiais da família dos tecidos, panos e fios. A classe dos metais subdividiu-se em metais ferrosos, encontrado em pequena quantidade (0,19%) e metais não ferrosos, tais como latas de bebidas, coletado também em quantidade insignificante (1,59%). Isto se deve ao fato de que as latinhas de alumínio possuem um alto valor agregado, quando reciclado para cadeia produtiva, o que demonstra que esses são separados antes de chegarem ao depósito de resíduos do município. Como outros foram considerados papel higiênico, fraldas descartáveis, pilhas, isopor, madeira, e outros materiais não identificados. CLASSIFICAÇÃO DOS RESÍDUOS SÓLIDOS DOMÉSTICOS Os resíduos sólidos domésticos podem ser classificados de diversas formas, dependendo do objetivo desejado, uma delas é em função da biodegradabilidade, outra é em função de seu grau de combustão, e uma terceira maneira, segundo D ALMEIDA & VILHENA (2000) é em putrescível, reciclável e combustível. Esta classificação dos diversos constituintes gerados em uma cidade pode orientar na elaboração de um gerenciamento integrado dos RSD de acordo com a realidade e o potencial do município. ABES - Associação Brasileira de Engenharia Sanitária e Ambiental 4

5 Nas Tabelas 2, 3 e 4 é mostrado a classificação dos resíduos sólidos domiciliares da cidade de Itajubá em função da biodegradabilidade, do grau de combustão, e segundo classificação sugerida por D ALMEIDA & VILHENA (2000), respectivamente. Tabela 2: Classificação dos RSD de Itajubá segundo LIMA (s/d) Setor A (%) B (%) C (%) Facilmente degradáveis (FD) 76,94 64,75 72,69 Moderadamente degradáveis (MD) 11,26 12,70 6,75 Dificilmente degradáveis (DD) 10,76 16,49 16,10 Não degradáveis (ND) 1,04 6,06 4,46 Tabela 3: Classificação dos RSD de Itajubá em função do grau de combustão Setor A (%) B (%) C (%) Combustível* 99,00 94,31 95,74 Incombustível 1,00 5,69 4,26 * Considera o material orgânico Tabela 4: Classificação dos RSD de Itajubá segundo o D ALMEIDA & VILHENA (2000) Setor A (%) B (%) C (%) Putrescível 84,58 70,95 67,79 Reciclável 95,91 91,77 85,87 Combustível* 25,22 34,89 33,32 * Não considera o material orgânico Através desta classificação é possível identificar as características mais marcantes dos resíduos sólidos domésticos gerados no município. Estas serão importantes na definição do tipo de coleta, transporte e destinação final que deverão ser aplicados ao município. Pode-se observar a partir da análise dos resultados, que os RSD gerados nos três setores do município de Itajubá são primordialmente combustíveis, facilmente degradáveis e recicláveis. Verificou-se também uma porcentagem maior de materiais recicláveis gerados pelas pessoas de poder aquisitivo maior. IDENTIFICAÇÃO DE MERCADO Foi elaborado um formulário para identificar mercado para os materiais recicláveis. Esta identificação foi realizada através do contato por telefone com as 23 indústrias existentes no município de Itajubá. Destas, 16 responderam ao formulário, ou seja, 69,60% das empresas do município. Das empresas que responderam ao formulário 25,00% é de pequeno porte, 43,75% é de médio porte e 31,25% de grande porte. Analisando os dados obtidos pela pesquisa, pôde-se observar que 93,75% das empresas não aceitam comprar ou receber sem custos nenhum tipo de material bruto e 6,25% aceitam na forma bruta pano ou trapo, com a condição destes atenderem os padrões da empresa. A justificativa dada pelas empresas pela não aceitação de materiais brutos é que para elas é inviável reciclar estes materiais para uso posterior, sendo que em algumas estes resíduos não são de utilidade em função de suas atividades. E, também, não interessa às indústrias serem intermediárias na venda destes materiais. A maioria revende seus resíduos para sucateiros ou empresas de reciclagem que dão um destino adequado aos resíduos. Existem em Itajubá, duas grandes empresas de reciclagem que recebem vários tipos de materiais como: papel, papelão, plástico, metal em geral e vidro, e uma delas recebe resíduo contaminado de uma das empresas do município. Além destas, existem outras empresas recicladoras na região e, também, vários sucateiros, que compram principalmente papel, papelão, metais e plástico. ABES - Associação Brasileira de Engenharia Sanitária e Ambiental 5

6 Em relação aos materiais beneficiados, há uma grande aceitação por parte das empresas na compra de materiais feitos com papel, papelão e plásticos reciclados, desde que estes apresentem qualidade adequada e custo viável. Os materiais feitos com panos, trapos, metais não ferrosos e vidros possuem uma pequena aceitação das empresas. As empresas não interessam por materiais feitos com metal ferroso reciclado. IDENTIFICAÇÃO DE ALTERNATIVAS Comparando os resultados da caracterização dos resíduos sólidos domésticos com os de identificação de mercado, pôde-se observar que no município a maior parte dos materiais recicláveis já está sendo separada antes de chegarem ao lixão. Isto mostra, que a população itajubense começa a se preocupar com os problemas causados pela disposição inadequada dada aos resíduos sólidos. Mas, ainda existe muito material, que pode ser reciclado, sendo destinado ao lixão. Para isto, uma alternativa seria a implantação no município de um sistema de coleta seletiva. Esta alternativa se mostra possível, pois de acordo com a Tabela 5, ainda há uma grande quantidade principalmente de papel/papelão e plástico, sendo destinados inadequadamente. Estes materiais poderiam ser vendidos para sucateiros ou empresas de reciclagem existentes no município, ou poderia ser montada uma cooperativa com os catadores do lixão para a reciclagem destes materiais. Tabela 5: Geração de Resíduos em Itajubá - MG Componentes Itajubá (%) Itajubá (kg/d) Itajubá (t/mês) Papel/Papelão 9, ,35 170,77 Vidro 1, ,65 34,73 Plástico 11, ,23 207,25 Pano/Trapo 1, ,79 34,88 Metais ferrosos 0,19 116,45 3,49 Metais não ferrosos 1,59 979,55 29,39 Matéria Orgânica 65, , ,69 Outros 8, ,53 163,13 Os objetos produzidos com papel/papelão e plásticos reciclados são bem aceitos nas empresas do município, viabilizando, portanto a reciclagem e posterior venda destes na própria cidade. Para o sucesso das ações na área de resíduos sólidos é necessário que estas façam parte de um gerenciamento integrado dos resíduos sólidos que contempla a coleta regular, uma eventual segunda etapa de triagem e, finalmente, a disposição final adequada. A educação ambiental da população também é primordial para o sucesso do programa, tanto na fase de implantação como na sua manutenção. A quantidade de matéria orgânica gerada no município também é significativa, como podemos observar na Tabela 5. O ideal seria que a matéria orgânica fosse reciclada, através do processo de compostagem, que transforma o material orgânico em húmus, com o controle da umidade, temperatura e aeração. Este húmus poderia ser utilizado como adubo para plantação de mudas de plantas ornamentais e de árvores para a arborização da cidade. Mas, segundo LONZA (2003) não é recomendável a implantação de uma usina de compostagem antes da implantação de um aterro sanitário e de programa de coleta seletiva em cidades com população menor de habitantes. A usina de compostagem poderia ser implantada após o funcionamento do aterro sanitário juntamente com o programa de coleta seletiva, aumentado a possibilidade de sucesso do gerenciamento de resíduos sólidos. No entanto, é imprescindível que se faça um estudo de viabilidade técnica econômica ambiental para a adoção desta tecnologia. ABES - Associação Brasileira de Engenharia Sanitária e Ambiental 6

7 CONCLUSÃO Por meio da caracterização dos RSD pode-se ver a mudança comportamental e cultural de uma cidade ao longo do tempo, bem como, as relações existentes entre as diversas classes sociais. Os resíduos sólidos domésticos gerados no município de Itajubá são compostos por 65,19 % de matéria orgânica, 25,99% de material reciclável seco da qual 35,51% é papel/papelão e 43,13% é plástico, e 8,82% de resíduos não recicláveis. Os resíduos sólidos domésticos foram classificados como combustíveis, recicláveis e facilmente degradáveis, indicando seu elevado potencial de reciclagem. Apesar da quantidade de materiais recicláveis que chegam no lixão de Itajubá ter diminuído em relação a É necessário que haja uma parceria entre a comunidade e o poder público para o sucesso do programa de coleta seletiva no município. Existe interesse das empresas do município em ajudar na questão dos resíduos sólidos domésticos, comprando ou recebendo objetos produzidos com materiais recicláveis. Há em Itajubá vários sucateiros e empresas de reciclagens, interessadas na compra principalmente de papel/papelão, plástico, metais e algumas em vidros. REFERÊNCIAS BIBLIOGRÁFICAS 1. ASSOCIAÇÃO BRASILEIRA DE NORMAS TÉCNICAS. NBR Amostragem de resíduos. Rio de Janeiro, BIDONE, F.R.A., org. Metodologias e técnicas de minimização, reciclagem, e reutilização de resíduos sólidos urbanos. Rio de Janeiro: ABES, D ALMEIDA, M.L.O.; VILHENA, A.; coord. Lixo Municipal: Manual de Gerenciamento Integrado. São Paulo: IPT/CEMPRE, INSTITUDO BRASILEIRO DE GEOGRAFIA E ESTÁSTICA (2000). Pesquisa Nacional de Saneamento Básico. htt://www.ibge.gov.br/home/previdencia/noticias/ pnsb.shtm. Acesso em 13 set INSTITUDO BRASILEIRO DE GEOGRAFIA E ESTÁSTICA (2000). Censo Acesso em 13 set LIMA, J.D. (s/d). Gestão de resíduos sólidos urbanos no Brasil. Campina Grande PB, Inspira Comunicação e Design. 7. LONZA, V.C.V. Fundação Estadual do Meio Ambiente de Minas Gerais. /Comunicação Oral/. (05/set.2003). ABES - Associação Brasileira de Engenharia Sanitária e Ambiental 7

ICTR 2004 CONGRESSO BRASILEIRO DE CIÊNCIA E TECNOLOGIA EM RESÍDUOS E DESENVOLVIMENTO SUSTENTÁVEL Costão do Santinho Florianópolis Santa Catarina

ICTR 2004 CONGRESSO BRASILEIRO DE CIÊNCIA E TECNOLOGIA EM RESÍDUOS E DESENVOLVIMENTO SUSTENTÁVEL Costão do Santinho Florianópolis Santa Catarina ICTR 2004 CONGRESSO BRASILEIRO DE CIÊNCIA E TECNOLOGIA EM RESÍDUOS E DESENVOLVIMENTO SUSTENTÁVEL Costão do Santinho Florianópolis Santa Catarina CARACTERIZAÇÃO FÍSICA DOS RESÍDUOS SÓLIDOS DOMICILIARES

Leia mais

RESUMO. Palavras chave: resíduos sólidos; composição gravimétrica; gestão; reintegração ambiental

RESUMO. Palavras chave: resíduos sólidos; composição gravimétrica; gestão; reintegração ambiental 1 AVALIAÇÃO DA COMPOSIÇÃO GRAVIMÉTRICA E POTENCIAL DE REINTEGRAÇÃO AMBIENTAL DOS RESÍDUOS SÓLIDOS GERADOS NA CIDADE DE VIÇOSA, MINAS GERAIS (*) Marcos Alves de Magalhães 1, Adriana Barbosa Sales de Magalhães

Leia mais

COMPOSIÇÃO GRAVIMÉTRICA DOS RESÍDUOS SÓLIDOS DOMICILIARES ENCAMINHADOS AO ATERRO SANITÁRIO DO MUNICÍPIO DE GOIÂNIA (GO).

COMPOSIÇÃO GRAVIMÉTRICA DOS RESÍDUOS SÓLIDOS DOMICILIARES ENCAMINHADOS AO ATERRO SANITÁRIO DO MUNICÍPIO DE GOIÂNIA (GO). COMPOSIÇÃO GRAVIMÉTRICA DOS RESÍDUOS SÓLIDOS DOMICILIARES ENCAMINHADOS AO ATERRO SANITÁRIO DO MUNICÍPIO DE GOIÂNIA (GO). Renata Gonçalves Moura Ribeiro Engenheira Civil pela Universidade Católica de Goiás

Leia mais

III-066 ANÁLISE QUALI-QUANTITATIVA DOS RESÍDUOS SÓLIDOS URBANOS DA CIDADE DE MARINGÁ/PR

III-066 ANÁLISE QUALI-QUANTITATIVA DOS RESÍDUOS SÓLIDOS URBANOS DA CIDADE DE MARINGÁ/PR III-066 ANÁLISE QUALI-QUANTITATIVA DOS RESÍDUOS SÓLIDOS URBANOS DA CIDADE DE MARINGÁ/PR Carlos de Barros Jr (1) Engenheiro Químico, Professor do Departamento de Engenharia Química da Universidade Estadual

Leia mais

ANÁLISE DA COLETA SELETIVA DE RESÍDUOS SÓLIDOS URBANOS EM ARCOS- MG: POSTURA OPERACIONAL E PARTICIPAÇÃO DA POPULAÇÃO

ANÁLISE DA COLETA SELETIVA DE RESÍDUOS SÓLIDOS URBANOS EM ARCOS- MG: POSTURA OPERACIONAL E PARTICIPAÇÃO DA POPULAÇÃO ANÁLISE DA COLETA SELETIVA DE RESÍDUOS SÓLIDOS URBANOS EM ARCOS- MG: POSTURA OPERACIONAL E PARTICIPAÇÃO DA POPULAÇÃO Tatiane Castaño Valadares*, Fernando Vieira de Sousa FUNEDI/UEMG taticastanobiologia@gmail.com

Leia mais

III-258 UTILIZAÇÃO DA COMPOSTAGEM NA PRODUÇÃO DE ESPÉCIES PAISAGÍSTICAS DESTINADAS A ARBORIZAÇÃO URBANA NO MUNICÍPIO DE VIÇOSA - MG

III-258 UTILIZAÇÃO DA COMPOSTAGEM NA PRODUÇÃO DE ESPÉCIES PAISAGÍSTICAS DESTINADAS A ARBORIZAÇÃO URBANA NO MUNICÍPIO DE VIÇOSA - MG III-258 UTILIZAÇÃO DA COMPOSTAGEM NA PRODUÇÃO DE ESPÉCIES PAISAGÍSTICAS DESTINADAS A ARBORIZAÇÃO URBANA NO MUNICÍPIO DE VIÇOSA - MG Fabiano de Jesus Ribeiro (1) Técnico em Topografia pela Escola Média

Leia mais

ANEXO MODELO DE DIAGNÓSTICO

ANEXO MODELO DE DIAGNÓSTICO ANEXO MODELO DE DIAGNÓSTICO OBJETIVO DO DIAGNÓSTICO: Este modelo de diagnóstico contém alguns itens que poderão ser complementados com outras informações e tem o objetivo de possibilitar ao município a

Leia mais

PLANO DE GERENCIAMENTO INTEGRADO DE RESÍDUOS SÓLIDOS URBANOS PGIRS Diretrizes para Implementação

PLANO DE GERENCIAMENTO INTEGRADO DE RESÍDUOS SÓLIDOS URBANOS PGIRS Diretrizes para Implementação AUDIÊNCIA PÚBLICA - PGIRS Engenheira Sanitarista Kátia Cristina de Souza Assessoria Técnica da Preifeitura de Cuiabá Cuiabá, 24 de Novembro de 2014 PLANO DE GERENCIAMENTO INTEGRADO DE RESÍDUOS SÓLIDOS

Leia mais

III-018 - CARACTERIZAÇÃO FÍSICA E GERENCIAMENTO DOS RESÍDUOS SÓLIDOS DE SERVIÇOS DE SAÚDE EM CLÍNICA ODONTOLÓGICA: UM ESTUDO DE CASO

III-018 - CARACTERIZAÇÃO FÍSICA E GERENCIAMENTO DOS RESÍDUOS SÓLIDOS DE SERVIÇOS DE SAÚDE EM CLÍNICA ODONTOLÓGICA: UM ESTUDO DE CASO 22º Congresso Brasileiro de Engenharia Sanitária e Ambiental 14 a 19 de Setembro 2003 - Joinville - Santa Catarina III-018 - CARACTERIZAÇÃO FÍSICA E GERENCIAMENTO DOS RESÍDUOS SÓLIDOS DE SERVIÇOS DE SAÚDE

Leia mais

POTENCIAL DA RECICLAGEM EM CUIABÁ E NO ESTADO DE MATO GROSSO

POTENCIAL DA RECICLAGEM EM CUIABÁ E NO ESTADO DE MATO GROSSO SEMINÁRIO PREPARATÓRIO À XII CONFERÊNCIA DAS CIDADES REGIÃO CENTRO-OESTE CUIABÁ, 02 DE SETEMBRO DE 2011 TEMA: POLÍTICA NACIONAL DE RESÍDUOS SÓLIDOS POTENCIAL DA RECICLAGEM EM CUIABÁ E NO ESTADO DE MATO

Leia mais

III-115 RECICLAGEM: BENEFÍCIOS E PERDAS OBTIDAS EM CAMPO GRANDE MS

III-115 RECICLAGEM: BENEFÍCIOS E PERDAS OBTIDAS EM CAMPO GRANDE MS III-115 RECICLAGEM: BENEFÍCIOS E PERDAS OBTIDAS EM CAMPO GRANDE MS Getúlio Ezequiel da Costa Peixoto Filho (1) Engenheiro Ambiental pela Universidade Católica de Brasília UCB. Mestrando em Tecnologias

Leia mais

III-070 - GERENCIAMENTO DOS RESÍDUOS SÓLIDOS GERADOS PELA REDE HOTELEIRA DO PÓLO DE TURISMO COSTA DAS DUNAS

III-070 - GERENCIAMENTO DOS RESÍDUOS SÓLIDOS GERADOS PELA REDE HOTELEIRA DO PÓLO DE TURISMO COSTA DAS DUNAS 22º Congresso Brasileiro de Engenharia Sanitária e Ambiental 14 a 19 de Setembro 2003 - Joinville - Santa Catarina III-070 - GERENCIAMENTO DOS RESÍDUOS SÓLIDOS GERADOS PELA REDE HOTELEIRA DO PÓLO DE TURISMO

Leia mais

Rua Osmane Barbosa, 937 - JK Montes Claros - MG - CEP: 39.404-006 - Brasil - Tel: (38) 3690-3626 - e- mail: sheilacivil@yahoo.com.

Rua Osmane Barbosa, 937 - JK Montes Claros - MG - CEP: 39.404-006 - Brasil - Tel: (38) 3690-3626 - e- mail: sheilacivil@yahoo.com. I-025 DIAGNÓSTICO E PROPOSTA DE LAYOUT DE UMA ESTAÇÃO DE TRATAMENTO E TRANSBORDO DOS RESÍDUOS GERADOS EM POSTOS DE COMBUSTÍVEIS NO NORTE DE MINAS GERAIS, COMO ALTERNATIVA DE DESTINAÇÃO DESSES RESÍDUOS

Leia mais

1) NOME DO PROJETO: Reciclando oportunidades - coleta seletiva como instrumento de sustentabilidade, trabalho e renda.

1) NOME DO PROJETO: Reciclando oportunidades - coleta seletiva como instrumento de sustentabilidade, trabalho e renda. 1) NOME DO PROJETO: Reciclando oportunidades - coleta seletiva como instrumento de sustentabilidade, trabalho e renda. 2) AUTORA DO PROJETO: Vanessa Maia de Amorim Evangelista Promotora de Justiça 1ª Promotoria

Leia mais

individual foram agrupados em uma categoria somente. 2.1.2.2 Infra-estrutura

individual foram agrupados em uma categoria somente. 2.1.2.2 Infra-estrutura individual foram agrupados em uma categoria somente. 2.1.2.2 Infra-estrutura Todo o processo de amostragem, desde a descarga dos resíduos até a segregação dos componentes, foi realizado no CIRSURES em

Leia mais

OS IMPACTOS POSITIVOS ADVINDOS COM A IMPLANTAÇÃO DA COLETA SELETIVA NO BAIRRO DE SANTA ROSA, CAMPINA GRANDE-PB

OS IMPACTOS POSITIVOS ADVINDOS COM A IMPLANTAÇÃO DA COLETA SELETIVA NO BAIRRO DE SANTA ROSA, CAMPINA GRANDE-PB OS IMPACTOS POSITIVOS ADVINDOS COM A IMPLANTAÇÃO DA COLETA SELETIVA NO BAIRRO DE SANTA ROSA, CAMPINA GRANDE-PB Hérika Juliana Linhares Maia Graduada em Direito pela Universidade Federal de Campina Grande-UFCG;

Leia mais

é lei Agora Política Nacional de Resíduos Sólidos poder público, empresas, catadores e população Novos desafios para

é lei Agora Política Nacional de Resíduos Sólidos poder público, empresas, catadores e população Novos desafios para Política Nacional de Resíduos Sólidos Agora é lei Novos desafios para poder público, empresas, catadores e população Marco histórico da gestão ambiental no Brasil, a lei que estabelece a Política Nacional

Leia mais

EVOLUÇÃO DA GERAÇÃO DE RESÍDUOS SÓLIDOS NO MUNICÍPIO DE BENTO GONÇALVES, R.S.- NO PERÍODO DE 1993 A 2001.

EVOLUÇÃO DA GERAÇÃO DE RESÍDUOS SÓLIDOS NO MUNICÍPIO DE BENTO GONÇALVES, R.S.- NO PERÍODO DE 1993 A 2001. EVOLUÇÃO DA GERAÇÃO DE RESÍDUOS SÓLIDOS NO MUNICÍPIO DE BENTO GONÇALVES, R.S.- NO PERÍODO DE 1993 A 2001. Vania Elisabete Schneider (1)(*) : Departamento de Ciências Exatas e da Natureza (DCEN/CARVI).

Leia mais

DETERMINAÇÃO DA COMPOSIÇÃO GRAVIMÉTRICA DOS RESÍDUOS SÓLIDOS DOMICILIARES DO MUNICÍPIO DE JOÃO PESSOA - PB

DETERMINAÇÃO DA COMPOSIÇÃO GRAVIMÉTRICA DOS RESÍDUOS SÓLIDOS DOMICILIARES DO MUNICÍPIO DE JOÃO PESSOA - PB DETERMINAÇÃO DA COMPOSIÇÃO GRAVIMÉTRICA DOS RESÍDUOS SÓLIDOS DOMICILIARES DO MUNICÍPIO DE JOÃO PESSOA - PB Josué Peixoto Flores Neto (1) Engenheiro civil pela UFPB em 1988. Coordenador Técnico e de Planejamento

Leia mais

XXVII Congresso Interamericano de Engenharia Sanitária e Ambiental. Os principais fatores que influenciam a produção do lixo estão listados.

XXVII Congresso Interamericano de Engenharia Sanitária e Ambiental. Os principais fatores que influenciam a produção do lixo estão listados. III-063 - ANÁLISE DAS CARACTERÍSTICAS DO LIXO DOMICILIAR URBANO DO MUNICÍPIO DO RIO DE JANEIRO Mauro Wanderley Lima (1) Engenheiro pela Universidade Federal do Rio de Janeiro (UFRJ - 1981). Especialização

Leia mais

V-006 - PROJETO PARA AMPLIAÇÃO DA COLETA SELETIVA NO MUNICÍPIO DE BELÉM EM PARCERIA COM A ASSOCIAÇÃO DOS CATADORES DO AURÁ

V-006 - PROJETO PARA AMPLIAÇÃO DA COLETA SELETIVA NO MUNICÍPIO DE BELÉM EM PARCERIA COM A ASSOCIAÇÃO DOS CATADORES DO AURÁ V-006 - PROJETO PARA AMPLIAÇÃO DA COLETA SELETIVA NO MUNICÍPIO DE BELÉM EM PARCERIA COM A ASSOCIAÇÃO DOS CATADORES DO AURÁ Janary Fonseca Pinheiro (1) Engenheiro Civil pela Universidade Federal do Pará

Leia mais

Coleta seletiva de lixo e Reciclagem

Coleta seletiva de lixo e Reciclagem Etec. Prof. Mário Antônio Verza Coleta seletiva de lixo e Reciclagem Realização: CIPA Responsável CIPA: Micaiser Faria Silva (2015/2016) A reciclagem é o processo de reaproveitamento do lixo descartado,

Leia mais

IX Seminário Nacional de Resíduos Sólidos por uma gestão integrada e sustentável

IX Seminário Nacional de Resíduos Sólidos por uma gestão integrada e sustentável 14 - VERIFICAÇÃO DA VIABILIDADE ECONÔMICA DA IMPLANTAÇÃO DE UMA USINA DE RECICLAGEM DE RESÍDUOS SÓLIDOS DOMICILIARES DE BAIRROS DE CLASSE MÉDIA E ALTA DE JOÃO PESSOA: ESTUDO DE CASO PARA RESIDÊNCIAS UNIFAMILIARES

Leia mais

III-002 - RESÍDUOS SÓLIDOS DE UMA ESCOLA - QUANTIFICAÇÃO, CARACTERIZAÇÃO E SOLUÇÕES

III-002 - RESÍDUOS SÓLIDOS DE UMA ESCOLA - QUANTIFICAÇÃO, CARACTERIZAÇÃO E SOLUÇÕES III-002 - RESÍDUOS SÓLIDOS DE UMA ESCOLA - QUANTIFICAÇÃO, CARACTERIZAÇÃO E SOLUÇÕES Kelma M a Nobre Vitorino (1) Química industrial pela UFC,1988. Mestrado em Engenharia Sanitária e Ambiental pela UFPB,1991.

Leia mais

III-006 PROPOSTA DE GESTÃO INTEGRADA E COMPARTILHADA DOS RESÍDUOS SÓLIDOS URBANOS, PARA DOIS MUNICÍPIOS DE SERGIPE

III-006 PROPOSTA DE GESTÃO INTEGRADA E COMPARTILHADA DOS RESÍDUOS SÓLIDOS URBANOS, PARA DOIS MUNICÍPIOS DE SERGIPE III-006 PROPOSTA DE GESTÃO INTEGRADA E COMPARTILHADA DOS RESÍDUOS SÓLIDOS URBANOS, PARA DOIS MUNICÍPIOS DE SERGIPE José Daltro Filho (1) Engenheiro Civil (UFBA,1975); Doutor em Engenharia (Hidráulica/Saneamento-EESC-USP,

Leia mais

Missão. Quem somos: Promover o conceito de Gerenciamento Integrado do Resíduo Sólido Municipal; Promover a reciclagem pós-consumo;

Missão. Quem somos: Promover o conceito de Gerenciamento Integrado do Resíduo Sólido Municipal; Promover a reciclagem pós-consumo; Quem somos: Associação sem fins lucrativos, fundado em 1992, o CEMPRE se dedica à promoção da reciclagem dentro do conceito de gerenciamento integrado do lixo. Missão Promover o conceito de Gerenciamento

Leia mais

III-369 ESTUDOS PARA IMPLANTAÇÃO DE COLETA SELETIVA EM SHOPPING DE GRANDE PORTE EM GOIÂNIA - GO

III-369 ESTUDOS PARA IMPLANTAÇÃO DE COLETA SELETIVA EM SHOPPING DE GRANDE PORTE EM GOIÂNIA - GO III-369 ESTUDOS PARA IMPLANTAÇÃO DE COLETA SELETIVA EM SHOPPING DE GRANDE PORTE EM GOIÂNIA - GO Lívia Evangelista Veloso (1) Engenheira Civil pela Universidade Federal de Goiás (EEC/UFG). Aluna do Curso

Leia mais

GERENCIAMENTO DE RESÍDUOS SÓLIDOS - A IMPORTÂNCIA DA EDUCAÇÃO AMBIENTAL NO PROCESSO DE IMPLANTAÇÃO DA COLETA SELETIVA DE LIXO O CASO DE IJUÍ/RS 1

GERENCIAMENTO DE RESÍDUOS SÓLIDOS - A IMPORTÂNCIA DA EDUCAÇÃO AMBIENTAL NO PROCESSO DE IMPLANTAÇÃO DA COLETA SELETIVA DE LIXO O CASO DE IJUÍ/RS 1 GERENCIAMENTO DE RESÍDUOS SÓLIDOS - A IMPORTÂNCIA DA EDUCAÇÃO AMBIENTAL NO PROCESSO DE IMPLANTAÇÃO DA COLETA SELETIVA DE LIXO O CASO DE IJUÍ/RS 1 Juliana Carla Persich 2, Sérgio Luís Allebrandt 3. 1 Estudo

Leia mais

III-084 - PROPOSTA DE PLANO UNIFICADO DE GERENCIAMENTO DE RESÍDUOS SÓLIDOS PARA POSTOS REVENDEDORES DE COMBUSTÍVEIS DO ESTADO DO ESPÍRITO SANTO

III-084 - PROPOSTA DE PLANO UNIFICADO DE GERENCIAMENTO DE RESÍDUOS SÓLIDOS PARA POSTOS REVENDEDORES DE COMBUSTÍVEIS DO ESTADO DO ESPÍRITO SANTO III-084 - PROPOSTA DE PLANO UNIFICADO DE GERENCIAMENTO DE RESÍDUOS SÓLIDOS PARA POSTOS REVENDEDORES DE COMBUSTÍVEIS DO ESTADO DO ESPÍRITO SANTO Larisse Brunoro Grecco (1) Graduanda em Tecnologia em Saneamento

Leia mais

R.156.056.074.14. Produto II Relatório Consolidado (Composição Gravimétrica) Município de Toledo. CLIENTE: Fundação Agência das Bacias PCJ

R.156.056.074.14. Produto II Relatório Consolidado (Composição Gravimétrica) Município de Toledo. CLIENTE: Fundação Agência das Bacias PCJ R.156.056.074.14 Produto II Relatório Consolidado (Composição Gravimétrica) Município de Toledo CLIENTE: Fundação Agência das Bacias PCJ Contrato n 25/2013 Prestação de Serviços Técnicos Especializados

Leia mais

DESENVOLVIMENTO DE UM COLETOR DE COPOS PLÁSTICOS DESCARTÁVEIS VISANDO A MINIMIZAÇÃO DE VOLUME

DESENVOLVIMENTO DE UM COLETOR DE COPOS PLÁSTICOS DESCARTÁVEIS VISANDO A MINIMIZAÇÃO DE VOLUME DESENVOLVIMENTO DE UM COLETOR DE COPOS PLÁSTICOS DESCARTÁVEIS VISANDO A MINIMIZAÇÃO DE VOLUME Maria Zanin (1) Professora do Departamento de Engenharia de Materiais da Universidade Federal de São Carlos

Leia mais

COORDENAÇÃO DE EXTENSÃO E INTEGRAÇÃO CAMPUS EMPRESA IF-SUDESTE DE MINAS GERAIS CAMPUS MURIAÉ

COORDENAÇÃO DE EXTENSÃO E INTEGRAÇÃO CAMPUS EMPRESA IF-SUDESTE DE MINAS GERAIS CAMPUS MURIAÉ Em Busca dos 3Rs (REDUZIR, REUTILIZAR E RECICLAR) 1. EQUIPE Coordenadora: Andrea Procópio Lourenço Técnica em Assuntos Educacionais Mariana Silva de Paiva Engenheira Agrônoma Professora Ana Tereza César

Leia mais

MODELO DE ANÁLISE DE RISCOS APLICADA NA GESTÃO DE RESÍDUOS SÓLIDOS INDUSTRIAIS

MODELO DE ANÁLISE DE RISCOS APLICADA NA GESTÃO DE RESÍDUOS SÓLIDOS INDUSTRIAIS ISSN 1984-9354 MODELO DE ANÁLISE DE RISCOS APLICADA NA GESTÃO DE RESÍDUOS SÓLIDOS INDUSTRIAIS Leonardo Dias Pinto (Latec/UFF) Osvaldo Luiz Gonçalves Quelhas (Latec/UFF) Resumo Os resíduos sólidos provenientes

Leia mais

1. Nome da Prática inovadora: Coleta Seletiva Uma Alternativa Para A Questão Socioambiental.

1. Nome da Prática inovadora: Coleta Seletiva Uma Alternativa Para A Questão Socioambiental. 1. Nome da Prática inovadora: Coleta Seletiva Uma Alternativa Para A Questão Socioambiental. 2. Caracterização da situação anterior: O município de Glória de Dourados possui 9.927 habitantes (IBGE-2011),

Leia mais

Educação ambiental e participação comunitária. Modelo de projeto (estruturação)

Educação ambiental e participação comunitária. Modelo de projeto (estruturação) Educação ambiental e participação comunitária Modelo de projeto (estruturação) A problemática da coleta seletiva 3.2. Concepção geral do sistema projetado 3.3. Objetivos gerais 3.4. Objetivos específicos

Leia mais

PLANO MUNICIPAL DE SANEAMENTO BÁSICO

PLANO MUNICIPAL DE SANEAMENTO BÁSICO PLANO MUNICIPAL DE SANEAMENTO BÁSICO SANTO ANTÔNIO DAS MISSÕES - RS BRASIL PLANO MUNICIPAL DE SANEAMENTO BÁSICO PREFEITURA MUNICIPAL DE SANTO ANTÔNIO DAS MISSÕES Elaborado por: COMITE DE COORDENAÇÃO DO

Leia mais

Caracterização dos resíduos sólidos no município de Foz do Iguaçu

Caracterização dos resíduos sólidos no município de Foz do Iguaçu Caracterização dos resíduos sólidos no município de Foz do Iguaçu *Eloisa Maieski Antunes Universidade Tecnológica Federal do Paraná. elo.ambiental@gmail.com Rui Roberto dos Santos Bordinhão - Universidade

Leia mais

GERENCIAMENTO DE RESÍDUOS SÓLIDOS NA UNIVERSIDADE TECNOLÓGICA FEDERAL DO PARANÁ CAMPUS FRANCISCO BELTRÃO 1

GERENCIAMENTO DE RESÍDUOS SÓLIDOS NA UNIVERSIDADE TECNOLÓGICA FEDERAL DO PARANÁ CAMPUS FRANCISCO BELTRÃO 1 1 GERENCIAMENTO DE RESÍDUOS SÓLIDOS NA UNIVERSIDADE TECNOLÓGICA FEDERAL DO PARANÁ CAMPUS FRANCISCO BELTRÃO 1 Morgana Suszek Gonçalves 2, Larissa Kummer 3, Maurício Ihlenfeldt Sejas 4, Thalita Grando Rauen

Leia mais

PROJETO DE GESTÃO DE RESÍDUOS SÓLIDOS NO MUNICÍPIO DE SERTÃO - RS SOB ÓTICA DO GERENCIAMENTO INTEGRADO DOS RESÍDUOS SÓLIDOS URBANOS (GIRSU)

PROJETO DE GESTÃO DE RESÍDUOS SÓLIDOS NO MUNICÍPIO DE SERTÃO - RS SOB ÓTICA DO GERENCIAMENTO INTEGRADO DOS RESÍDUOS SÓLIDOS URBANOS (GIRSU) PROJETO DE GESTÃO DE RESÍDUOS SÓLIDOS NO MUNICÍPIO DE SERTÃO - RS SOB ÓTICA DO GERENCIAMENTO INTEGRADO DOS RESÍDUOS SÓLIDOS URBANOS (GIRSU) Joviane Salvador IFRS Instituto Federal de Educação, Ciência

Leia mais

R. A. G. Battistelle, R. M. F. de Marco e A. A. Lopes

R. A. G. Battistelle, R. M. F. de Marco e A. A. Lopes QUANTIFICAÇÃO DA GERAÇÃO E DISPOSIÇÃO DOS RESÍDUOS SÓLIDOS URBANOS EM MUNICÍPIOS DO ESTADO DE SÃO PAULO-BRASIL R. A. G. Battistelle, R. M. F. de Marco e A. A. Lopes RESUMO De acordo com a Constituição

Leia mais

IV Seminário de Iniciação Científica

IV Seminário de Iniciação Científica LIXO MÍNIMO: EDUCANDO PARA SOCIEDADES SUSTENTÁVEIS Heliene Ferreira da Silveira Batista 1,3 Andréia Arruda de Oliveira Mosca 2,3 1 Bolsista PIVIC/UEG 2 Pesquisadora - Orientadora 3 Curso de Geografia,

Leia mais

Verificação da sustentabilidade das ações do Programa LIXO NOSSO DE CADA DIA, realizado pelo Ministério Público do Estado de Santa Catarina.

Verificação da sustentabilidade das ações do Programa LIXO NOSSO DE CADA DIA, realizado pelo Ministério Público do Estado de Santa Catarina. PROPOSTA DE PROJETO DE COOPERAÇÃO TECNICO-CIENTIFÍCA ENTRE O MINISTÉRIO DO MEIO AMBIENTE E A ASSOCIAÇÃO BRASILEIRA DE ENGENHARIA SANITÁRIA E AMBIENTAL SEÇÃO SANTA CATARINA Verificação da sustentabilidade

Leia mais

A EVOLUÇÃO DA COLETA SELETIVA E RECICLAGEM DE RESÍDUOS SÓLIDOS URBANOS NO BRASIL

A EVOLUÇÃO DA COLETA SELETIVA E RECICLAGEM DE RESÍDUOS SÓLIDOS URBANOS NO BRASIL A EVOLUÇÃO DA COLETA SELETIVA E RECICLAGEM DE RESÍDUOS SÓLIDOS URBANOS NO BRASIL 1. Aspectos gerais A geração de lixo urbano no Brasil está em torno de 140,000 ton/dia, sendo que a estimativa dos órgãos

Leia mais

PROGRAMA DE EDUCAÇÃO AMBIENTAL IMPLANTADO NO MUNICÍPIO DE GUIRICEMA - MG, COMO INSTRUMENTO DE GERENCIAMENTO PARTICIPATIVO DOS RESIDUOS SOLIDOS URBANOS

PROGRAMA DE EDUCAÇÃO AMBIENTAL IMPLANTADO NO MUNICÍPIO DE GUIRICEMA - MG, COMO INSTRUMENTO DE GERENCIAMENTO PARTICIPATIVO DOS RESIDUOS SOLIDOS URBANOS PROGRAMA DE EDUCAÇÃO AMBIENTAL IMPLANTADO NO MUNICÍPIO DE GUIRICEMA - MG, COMO INSTRUMENTO DE GERENCIAMENTO PARTICIPATIVO DOS RESIDUOS SOLIDOS URBANOS Marcos Alves de Magalhães (1) (1) Engenheiro Agrônomo/UFV;

Leia mais

Universidade Federal de Itajubá Instituto de Recursos Naturais

Universidade Federal de Itajubá Instituto de Recursos Naturais Título: Gerenciamento integrado de resíduos sólidos e aplicação da educação ambiental para implantação e manutenção de um programa permanente de coleta seletiva no Campus da Universidade Federal de Itajubá

Leia mais

MUNICÍPIO DE MARECHAL CÂNDIDO RONDON ESTADO DO PARANÁ PLANO MUNICIPAL DE SANEAMENTO BÁSICO PROGRAMAS, PROJETOS E AÇÕES (PPA)

MUNICÍPIO DE MARECHAL CÂNDIDO RONDON ESTADO DO PARANÁ PLANO MUNICIPAL DE SANEAMENTO BÁSICO PROGRAMAS, PROJETOS E AÇÕES (PPA) MUNICÍPIO DE MARECHAL CÂNDIDO RONDON ESTADO DO PARANÁ PLANO MUNICIPAL DE SANEAMENTO BÁSICO PROGRAMAS, PROJETOS E AÇÕES (PPA) SUMÁRIO PROGRAMAS, PROJETOS E AÇÕES... 4 1. SISTEMA DE ABASTECIMENTO DE ÁGUA...

Leia mais

Seminário Sustentabilidade Local 2011. Gestão de Resíduos Sólidos em Teodoro Sampaio SP

Seminário Sustentabilidade Local 2011. Gestão de Resíduos Sólidos em Teodoro Sampaio SP Seminário Sustentabilidade Local 2011 Gestão de Resíduos Sólidos em Teodoro Sampaio SP Teodoro Sampaio - SP 21.386 habitantes Área da unidade territorial: 1.555,996 km² (IBGE, Censo 2010) Resíduos Sólidos

Leia mais

TRATAMENTO DE RESÍDUOS SÓLIDOS URBANOS (RSU) Profa. Margarita María Dueñas Orozco margarita.unir@gmail.com

TRATAMENTO DE RESÍDUOS SÓLIDOS URBANOS (RSU) Profa. Margarita María Dueñas Orozco margarita.unir@gmail.com TRATAMENTO DE RESÍDUOS SÓLIDOS URBANOS (RSU) Profa. Margarita María Dueñas Orozco margarita.unir@gmail.com TRATAMENTO Série de procedimentos destinados a reduzir a quantidade ou o potencial poluidor dos

Leia mais

Mensagem do Ministério Público do Estado de Goiás

Mensagem do Ministério Público do Estado de Goiás PRATIQUE COLETA SELETIVA Mensagem do Ministério Público do Estado de Goiás O Ministério Público do Estado de Goiás (MP-GO) tem a missão de defender a ordem jurídica, o regime democrático e os interesses

Leia mais

MINISTÉRIO PÚBLICO DO ESTADO DO PARANÁ PROGRAMA DE GESTÃO SOCIOAMBIENTAL. Plano de Gerenciamento de Resíduos Sólidos (Modelo Sugestivo)

MINISTÉRIO PÚBLICO DO ESTADO DO PARANÁ PROGRAMA DE GESTÃO SOCIOAMBIENTAL. Plano de Gerenciamento de Resíduos Sólidos (Modelo Sugestivo) MINISTÉRIO PÚBLICO DO ESTADO DO PARANÁ PROGRAMA DE GESTÃO SOCIOAMBIENTAL Plano de Gerenciamento de Resíduos Sólidos (Modelo Sugestivo) Comarca de xxxxxxxxxxxxxxxx xxxxxxxxxxx / 2013 1. IDENTIFICAÇÃO DO

Leia mais

Jacqueline Rogéria Bringhenti Patricia Dornelas Bassani Manuela Mantovanelli da Mota

Jacqueline Rogéria Bringhenti Patricia Dornelas Bassani Manuela Mantovanelli da Mota COLETA SELETIVA DE MATERIAIS RECICLÁVEIS EM CONDOMÍNIOS RESIDENCIAIS DO MUNICÍPIO DE VITÓRIA (ES). Jacqueline Rogéria Bringhenti Patricia Dornelas Bassani Manuela Mantovanelli da Mota INTRODUÇÃO Vitória

Leia mais

RESIDUOS ORGÂNICOS E INORGÂNICOS. De modo geral, podemos dizer que os resíduos domiciliares se dividem em orgânicos e inorgânicos.

RESIDUOS ORGÂNICOS E INORGÂNICOS. De modo geral, podemos dizer que os resíduos domiciliares se dividem em orgânicos e inorgânicos. RESIDUOS ORGÂNICOS E INORGÂNICOS De modo geral, podemos dizer que os resíduos domiciliares se dividem em orgânicos e inorgânicos. Resíduos orgânicos: São biodegradáveis (se decompõem naturalmente). São

Leia mais

Palavras-chave: Coleta Seletiva, resíduos sólidos, reciclagem.

Palavras-chave: Coleta Seletiva, resíduos sólidos, reciclagem. RESIDUOS SOLIDOS DA CIDADE OCIDENTAL-GO. LOPES, Ana Paula Guimarães ALCÂNTARA, Patrícia de Fátima Pires de. Licenciatura Plena em Biologia. Consórcio Setentrional - UnB. apgl@live.com. RESUMO Este artigo

Leia mais

Valoração Econômica do Lixo da Cidade de Goiânia-GO

Valoração Econômica do Lixo da Cidade de Goiânia-GO Valoração Econômica do Lixo da Cidade de Goiânia-GO Estevão Julio Walburga Keglevich de Buzin (UFG) Bióloogo e Pesquisador conhecer@conhecer.org.br Ivonete Maria Parreira (UFG) Médica Veterinária e Pesquisadora

Leia mais

Coleta Seletiva : Desafios e Oportunidades

Coleta Seletiva : Desafios e Oportunidades Coleta Seletiva : Desafios e Oportunidades Experiências e estratégias para coleta e reciclagem de embalagens longa vida ABSTRACT O gerenciamento dos resíduos sólidos urbanos é uma das questões ambientais

Leia mais

Saneamento Básico Municipal

Saneamento Básico Municipal Saneamento Básico Municipal Apresentação COMISSÃO INTERNA DE PRESERVAÇÃO AMBIENTAL E DESENVOLVIMENTO SUSTENTÁVEL Componentes da Comissão Instituídos pela Portaria N 019/2015 e 031/2015. Carina Aparecida

Leia mais

ESTUDO PARA INCLUSÃO SOCIOPRODUTIVA DE CATADORES NA COOPERATIVA COOPERAMÉRICA COOPERAMÉRICA - COOPERATIVA DE RECICLAGEM RIO AMÉRICA URUSSANGA - SC

ESTUDO PARA INCLUSÃO SOCIOPRODUTIVA DE CATADORES NA COOPERATIVA COOPERAMÉRICA COOPERAMÉRICA - COOPERATIVA DE RECICLAGEM RIO AMÉRICA URUSSANGA - SC ESTUDO PARA INCLUSÃO SOCIOPRODUTIVA DE CATADORES NA COOPERATIVA COOPERAMÉRICA COOPERAMÉRICA - COOPERATIVA DE RECICLAGEM RIO AMÉRICA URUSSANGA - SC SETEMBRO DE 2014 ÍNDICE 1. INTRODUÇÃO... 2 2. CARACTERIZAÇÃO

Leia mais

Projeto Piloto Gerenciamento de Resíduos Sólidos ( Sairé)

Projeto Piloto Gerenciamento de Resíduos Sólidos ( Sairé) Projeto Piloto Gerenciamento de Resíduos Sólidos ( Sairé) Objetivo do Projeto: Promover o correto gerenciamento integrado dos resíduos sólidos urbanos nas Cidades de pequeno e médio porte. ( população

Leia mais

X-Araújo-Brasil-1 ROTEIRO PARA ELABORAÇÃO DO PROJETO DE GERENCIAMENTO DE RESÍDUOS PARA EMPRESAS CONSTRUTORAS DA CIDADE DE JOÃO PESSOA PB (BRASIL)

X-Araújo-Brasil-1 ROTEIRO PARA ELABORAÇÃO DO PROJETO DE GERENCIAMENTO DE RESÍDUOS PARA EMPRESAS CONSTRUTORAS DA CIDADE DE JOÃO PESSOA PB (BRASIL) X-Araújo-Brasil-1 ROTEIRO PARA ELABORAÇÃO DO PROJETO DE GERENCIAMENTO DE RESÍDUOS PARA EMPRESAS CONSTRUTORAS DA CIDADE DE JOÃO PESSOA PB (BRASIL) Nelma Mirian Chagas de Araújo¹ Engenheira civil pela UFPB

Leia mais

Proposta para Criação de um Plano de Gerenciamento de Resíduos Recicláveis Descartados pelos Órgãos e Entidades da Prefeitura de Belo Horizonte

Proposta para Criação de um Plano de Gerenciamento de Resíduos Recicláveis Descartados pelos Órgãos e Entidades da Prefeitura de Belo Horizonte Proposta para Criação de um Plano de Gerenciamento de Resíduos Recicláveis Descartados pelos Órgãos e Entidades da Prefeitura de Belo Horizonte BELO HORIZONTE 2013 1 Proposta para Criação de um Plano de

Leia mais

CARACTERIZAÇÃO E QUANTIFICAÇÃO DOS RESÍDUOS SÓLIDOS URBANOS EM DOIS BAIRROS DE CLASSES SOCIAIS DISTINTAS NO MUNICÍPIO DE SÃO GABRIEL DA PALHA ES

CARACTERIZAÇÃO E QUANTIFICAÇÃO DOS RESÍDUOS SÓLIDOS URBANOS EM DOIS BAIRROS DE CLASSES SOCIAIS DISTINTAS NO MUNICÍPIO DE SÃO GABRIEL DA PALHA ES CARACTERIZAÇÃO E QUANTIFICAÇÃO DOS RESÍDUOS SÓLIDOS URBANOS EM DOIS BAIRROS DE CLASSES SOCIAIS DISTINTAS NO MUNICÍPIO DE SÃO GABRIEL DA PALHA ES Leandro Cezar Valbusa Bragato¹ Acadêmico de Engenharia Ambiental

Leia mais

III-220 PROGRAMA DE COLETA SELETIVA EM GRANDES INSTITUIÇÕES DE ENSINO: OS RESÍDUOS SÓLIDOS ANALISADOS E VALORIZADOS SOB A ÓTICA DA GESTÃO AMBIENTAL

III-220 PROGRAMA DE COLETA SELETIVA EM GRANDES INSTITUIÇÕES DE ENSINO: OS RESÍDUOS SÓLIDOS ANALISADOS E VALORIZADOS SOB A ÓTICA DA GESTÃO AMBIENTAL III-220 PROGRAMA DE COLETA SELETIVA EM GRANDES INSTITUIÇÕES DE ENSINO: OS RESÍDUOS SÓLIDOS ANALISADOS E VALORIZADOS SOB A ÓTICA DA GESTÃO AMBIENTAL Régia Lúcia Lopes (1) Engenheira Civil pela UFRN em 1986.

Leia mais

VI-003 SOLUÇÕES INTEGRADAS PARA A PROBLEMÁTICA RESÍDUOS ORGÂNICOS: RESULTADOS ALCANÇADOS ATRAVÉS DE UMA REDE DE COOPERAÇÃO

VI-003 SOLUÇÕES INTEGRADAS PARA A PROBLEMÁTICA RESÍDUOS ORGÂNICOS: RESULTADOS ALCANÇADOS ATRAVÉS DE UMA REDE DE COOPERAÇÃO VI-003 SOLUÇÕES INTEGRADAS PARA A PROBLEMÁTICA RESÍDUOS ORGÂNICOS: RESULTADOS ALCANÇADOS ATRAVÉS DE UMA REDE DE COOPERAÇÃO Josanídia Santana Lima (1) Bióloga, Profa. Adjunto do Instituto de Biologia da

Leia mais

Plano Municipal de Gestão Integrada de Resíduos Sólidos - Farroupilha -

Plano Municipal de Gestão Integrada de Resíduos Sólidos - Farroupilha - Plano Municipal de Gestão Integrada de Resíduos Sólidos - Farroupilha - 1ª Audiência Pública Convênio de cooperação técnica Prefeitura Municipal de Farroupilha/UCS Farroupilha, 14 de dezembro de 2013.

Leia mais

III-120 - RESIDUOS SÓLIDOS GERADOS EM REFEITÓRIOS

III-120 - RESIDUOS SÓLIDOS GERADOS EM REFEITÓRIOS III-120 - RESIDUOS SÓLIDOS GERADOS EM REFEITÓRIOS Kelma Maria Nobre Vitorino (1) Química industrial pela UFC,1988. Mestrado em Engenharia Sanitária e Ambiental pela UFPB,1991. Professora Coordenadora do

Leia mais

CATEGORIA: Pôster Eixo Temático - Tecnologias DIAGNÓSTICO E MONITORAMENTO DE RESÍDUOS SÓLIDOS NO CAMPUS LUIZ DE QUEIROZ

CATEGORIA: Pôster Eixo Temático - Tecnologias DIAGNÓSTICO E MONITORAMENTO DE RESÍDUOS SÓLIDOS NO CAMPUS LUIZ DE QUEIROZ CATEGORIA: Pôster Eixo Temático - Tecnologias DIAGNÓSTICO E MONITORAMENTO DE RESÍDUOS SÓLIDOS NO CAMPUS LUIZ DE QUEIROZ Nathália Bernardes Ribeiro 1 Izabela da Silveira Cardoso 2 Guilherme Aleoni 3 Miguel

Leia mais

GESTÃO DOS SISTEMAS DE LIMPEZA URBANA CONCEITOS

GESTÃO DOS SISTEMAS DE LIMPEZA URBANA CONCEITOS RESÍDUOS SÓLIDOS A palavra lixo é proveniente do latim lix, que significa cinza ou lixívia, ou do verbo lixare, que significa polir, desbastar, arrancar o supérfluo. GESTÃO DOS SISTEMAS DE LIMPEZA URBANA

Leia mais

Programa de Coleta Seletiva da Prefeitura do Campus 15 Anos de Parcerias Sustentáveis

Programa de Coleta Seletiva da Prefeitura do Campus 15 Anos de Parcerias Sustentáveis Programa de Coleta Seletiva da Prefeitura do Campus 15 Anos de Parcerias Sustentáveis Minimização O manejo ambientalmente saudável do resíduo sólido urbano deve ir além do simples depósito ou aproveitamento

Leia mais

TÍTULO AUTORES ÁREA TEMÁTICA Objetivo: DEDICATÓRIA

TÍTULO AUTORES ÁREA TEMÁTICA Objetivo: DEDICATÓRIA TÍTULO: CARACTERIZAÇÃO DOS CATADORES DE PAPEL NO COMÉRCIO DE FEIRA DE SANTANA -BA AUTORES: Celso Luiz P. da Silva, Clairton Batista Vieira, Gilmar Matias P. Júnior, Wilson Dourado Lima, Maria de Fátima

Leia mais

é o processo biológico de decomposição e de reciclagem da matéria orgânica contida em

é o processo biológico de decomposição e de reciclagem da matéria orgânica contida em Módulo: Responsabilidade Socioambiental Educador: Flavio Furtado. O que é compostagem? é o processo biológico de decomposição e de reciclagem da matéria orgânica contida em restos de origem animal ou vegetal

Leia mais

PRÁTICAS DE EDUCAÇÃO AMBIENTAL VOLTADAS AOS RESIDUOS SOLIDOS DE UMA UNIDADE ESCOLAR DE CONCEIÇÃO DO ARAGUAIA PARÁ

PRÁTICAS DE EDUCAÇÃO AMBIENTAL VOLTADAS AOS RESIDUOS SOLIDOS DE UMA UNIDADE ESCOLAR DE CONCEIÇÃO DO ARAGUAIA PARÁ PRÁTICAS DE EDUCAÇÃO AMBIENTAL VOLTADAS AOS RESIDUOS SOLIDOS DE UMA UNIDADE ESCOLAR DE CONCEIÇÃO DO ARAGUAIA PARÁ Fabiana Bassani (1) Tecnóloga Ambiental Universidade Tecnológica Federal do Paraná; Mestre

Leia mais

1. CLASSIFICAÇÃO DOS RESÍDUOS

1. CLASSIFICAÇÃO DOS RESÍDUOS Página1 1. CLASSIFICAÇÃO DOS RESÍDUOS Diversos autores vêm utilizando metodologias próprias de classificação de resíduos sólidos, tendo como referência a fonte de geração, o local de produção, os aspectos

Leia mais

TÍTULO: Plano de Aula RECICLANDO. Anos iniciais. 4º ano. Ciências. Ser Humano e Saúde. 2 aulas (50 minutos cada) Educação Presencial

TÍTULO: Plano de Aula RECICLANDO. Anos iniciais. 4º ano. Ciências. Ser Humano e Saúde. 2 aulas (50 minutos cada) Educação Presencial Org.: Claudio André - 1 TÍTULO: RECICLANDO Nível de Ensino: Ensino Fundamental / Anos iniciais Ano/Semestre de estudo Componente Curricular: Tema: Duração da Aula: Modalidade de Ensino: 4º ano Ciências

Leia mais

26º Congresso Brasileiro de Engenharia Sanitária e Ambiental

26º Congresso Brasileiro de Engenharia Sanitária e Ambiental III-323 - AVALIAÇÃO DA VIABILIDADE DE IMPLANTAÇÃO DE UM PROGRAMA DE COLETA SELETIVA EM UNIDADES PRISIONAIS DO ESTADO DE MINAS GERAIS Cícero Antonio Antunes Catapreta (1) Eng. Civil, Mestre e Doutor em

Leia mais

METODOLOGIA PARA CARACTERIZAÇÃO DE RESÍDUOS SÓLIDOS EM ESCOLAS E CONDOMÍNIO; UMA CONTRIBUIÇÃO PARA IMPLANTAÇÃO DE COLETA SELETIVA

METODOLOGIA PARA CARACTERIZAÇÃO DE RESÍDUOS SÓLIDOS EM ESCOLAS E CONDOMÍNIO; UMA CONTRIBUIÇÃO PARA IMPLANTAÇÃO DE COLETA SELETIVA METODOLOGIA PARA CARACTERIZAÇÃO DE RESÍDUOS SÓLIDOS EM ESCOLAS E CONDOMÍNIO; UMA CONTRIBUIÇÃO PARA IMPLANTAÇÃO DE COLETA SELETIVA Monica Maria Pereira da Silva (1) Bióloga pela Universidade Estadual da

Leia mais

VIABILIDADE AMBIENTAL E ECONÔMICA DA RECUPERAÇÃO ENERGÉTICA DE RESÍDUOS POR MEIO DE COMBUSTÍVEL DERIVADO DE RESÍDUO - CDR

VIABILIDADE AMBIENTAL E ECONÔMICA DA RECUPERAÇÃO ENERGÉTICA DE RESÍDUOS POR MEIO DE COMBUSTÍVEL DERIVADO DE RESÍDUO - CDR VIABILIDADE AMBIENTAL E ECONÔMICA DA RECUPERAÇÃO ENERGÉTICA DE RESÍDUOS POR MEIO DE COMBUSTÍVEL DERIVADO DE RESÍDUO - CDR CONFERÊNCIA WASTE TO ENERGY 2014 MARILIA TISSOT DIRETORA EXECUTIVA VIABILIDADE

Leia mais

PROJETO PAPAMÓVEIS COLETA PROGRAMADA DE OBJETOS VOLUMOSOS NO MUNICÍPIO DE VITÓRIA ES

PROJETO PAPAMÓVEIS COLETA PROGRAMADA DE OBJETOS VOLUMOSOS NO MUNICÍPIO DE VITÓRIA ES PROJETO PAPAMÓVEIS COLETA PROGRAMADA DE OBJETOS VOLUMOSOS NO MUNICÍPIO DE VITÓRIA ES Wagner Reis e Silva (1)* Biomédico Organização Santamarense de Educação e Cultura (OSEC-SP), Especialista em Saneamento

Leia mais

V-Nóbrega-Brasil-1 CONHECIMENTO E A PARTICIPAÇÃO DA POPULAÇÃO DA CIDADE DE JOÃO PESSOA BRASIL - NO SEU PROGRAMA DE COLETA SELETIVA

V-Nóbrega-Brasil-1 CONHECIMENTO E A PARTICIPAÇÃO DA POPULAÇÃO DA CIDADE DE JOÃO PESSOA BRASIL - NO SEU PROGRAMA DE COLETA SELETIVA V-Nóbrega-Brasil-1 CONHECIMENTO E A PARTICIPAÇÃO DA POPULAÇÃO DA CIDADE DE JOÃO PESSOA BRASIL - NO SEU PROGRAMA DE COLETA SELETIVA Claudia Coutinho Nóbrega¹ Engenheira civil pela UFPB (1989), Mestre em

Leia mais

Município de Capanema - PR

Município de Capanema - PR LEI Nº. 1.557, DE 20 DE MAIO DE 2015. Dispõe sobre a política municipal de resíduos sólidos do Município de Capanema e dá outras providências. A Câmara Municipal de Capanema, Estado do Paraná, aprovou

Leia mais

História do vidro no Brasil

História do vidro no Brasil História do vidro no Brasil A fabricação do vidro brasileiro teve seu início após a Revolução de 30, liderada por Getúlio Vargas, e foi intensificada pela conjuntura mundial da época centralizada nos problemas

Leia mais

ABES Associação Brasileira de Engenharia Sanitária e Ambiental 1

ABES Associação Brasileira de Engenharia Sanitária e Ambiental 1 I-055 CARACTERIZAÇÃO DE RESÍDUOS SÓLIDOS URBANOS COMO FERRAMENTA PARA AVALIAÇÃO PRELIMINAR DO SISTEMA DE GERENCIAMENTO DE RESÍDUOS SÓLIDOS DE UM MUNICÍPIO DA SERRA GAÚCHA - RS Vania Elisabete Schneider

Leia mais

O ENGAJAMENTO DA INDÚSTRIA DE TINTAS NA POLÍTICA NACIONAL DE RESÍDUOS SÓLIDOS

O ENGAJAMENTO DA INDÚSTRIA DE TINTAS NA POLÍTICA NACIONAL DE RESÍDUOS SÓLIDOS O ENGAJAMENTO DA INDÚSTRIA DE TINTAS NA POLÍTICA NACIONAL DE RESÍDUOS SÓLIDOS Há muitos anos, a indústria de tintas, sob a liderança da ABRAFATI (Associação Brasileira dos Fabricantes de Tintas), pesquisa

Leia mais

Prognóstico Ambiental dos Resíduos de Construção Civil do Município de Biritiba-Mirim, SP

Prognóstico Ambiental dos Resíduos de Construção Civil do Município de Biritiba-Mirim, SP Prognóstico Ambiental dos Resíduos de Construção Civil do Município de Biritiba-Mirim, SP Barbara Almeida Souza (Centro Universitário Senac SP) Graduanda de Engenharia Ambiental. basouza2@gmail.com Maurício

Leia mais

DIAGNÓSTICO DOS RESÍDUOS SÓLIDOS DO MUNICÍPIO DE CANHOBA/SE

DIAGNÓSTICO DOS RESÍDUOS SÓLIDOS DO MUNICÍPIO DE CANHOBA/SE DIAGNÓSTICO DOS RESÍDUOS SÓLIDOS DO MUNICÍPIO DE CANHOBA/SE Josiene Ferreira dos Santos Lima¹-Tecnóloga em Saneamento Ambiental. Aluna do Curso de Geografia (UFS). Pós-Graduanda em Gestão Ambiental e Desenvolvimento

Leia mais

DIAGNÓSTICO DA COLETA E DESTINAÇÃO FINAL DOS RESÍDUOS DA CONSTRUÇÃO CIVIL NO MUNICÍPIO DE ANÁPOLIS-GO

DIAGNÓSTICO DA COLETA E DESTINAÇÃO FINAL DOS RESÍDUOS DA CONSTRUÇÃO CIVIL NO MUNICÍPIO DE ANÁPOLIS-GO DIAGNÓSTICO DA COLETA E DESTINAÇÃO FINAL DOS RESÍDUOS DA CONSTRUÇÃO CIVIL NO MUNICÍPIO DE ANÁPOLIS-GO Cinthia Martins dos SANTOS Programa de Pós Graduação em Engenharia do Meio Ambiente, Escola de Engenharia,

Leia mais

DIAGNÓSTICO AMBIENTAL DO CENTRO DE TRATAMENTO DE RESÍDUOS SÓLIDOS URBANOS DA CATURRITA EM SANTA MARIA-RS

DIAGNÓSTICO AMBIENTAL DO CENTRO DE TRATAMENTO DE RESÍDUOS SÓLIDOS URBANOS DA CATURRITA EM SANTA MARIA-RS DIAGNÓSTICO AMBIENTAL DO CENTRO DE TRATAMENTO DE RESÍDUOS SÓLIDOS URBANOS DA CATURRITA EM SANTA MARIA-RS Carolina Gaspar Enderle (1) Aluna do curso Técnico em Segurança do Trabalho do Colégio Técnico Industrial

Leia mais

PROJETO PEDAGÓGICO DE CURSO DE FORMAÇÃO INICIAL CONTINUADA (FIC)

PROJETO PEDAGÓGICO DE CURSO DE FORMAÇÃO INICIAL CONTINUADA (FIC) PROJETO PEDAGÓGICO DE CURSO DE FORMAÇÃO INICIAL CONTINUADA (FIC) RECICLADOR Florestal 2014 Reitora da Universidade Federal de Viçosa Nilda de Fátima Ferreira Soares Pró-Reitor de Ensino Vicente de Paula

Leia mais

I-059 - ESTUDO DA COMPOSIÇÃO GRAVIMÉTRICA DOS RESÍDUOS SÓLIDOS URBANOS DO MUNICÍPIO DE ÓBIDOS-PA E DETERMINAÇÃO DA PRODUÇÃO PER CAPITA MUNICIPAL

I-059 - ESTUDO DA COMPOSIÇÃO GRAVIMÉTRICA DOS RESÍDUOS SÓLIDOS URBANOS DO MUNICÍPIO DE ÓBIDOS-PA E DETERMINAÇÃO DA PRODUÇÃO PER CAPITA MUNICIPAL I-059 - ESTUDO DA COMPOSIÇÃO GRAVIMÉTRICA DOS RESÍDUOS SÓLIDOS URBANOS DO MUNICÍPIO DE ÓBIDOS-PA E DETERMINAÇÃO DA PRODUÇÃO PER CAPITA MUNICIPAL Davi Edson Sales De Souza (1) Engenheiro Sanitarista pela

Leia mais

Prefeitura da Cidade do Rio de Janeiro Secretaria Municipal de Meio Ambiente GESTÃO DE RESÍDUOS SÓLIDOS DA CIDADE DO RIO DE JANEIRO

Prefeitura da Cidade do Rio de Janeiro Secretaria Municipal de Meio Ambiente GESTÃO DE RESÍDUOS SÓLIDOS DA CIDADE DO RIO DE JANEIRO Prefeitura da Cidade do Rio de Janeiro Secretaria Municipal de Meio Ambiente GESTÃO DE RESÍDUOS SÓLIDOS DA CIDADE DO RIO DE JANEIRO Seminário Ecoinnvacion Eima2013 9 a 10 de Julho de 2013 Edificio del

Leia mais

UNISAL ARTIGO PARA MOSTRA DE RESPONSABILIDADE SOCIAL AMERICANA 2011

UNISAL ARTIGO PARA MOSTRA DE RESPONSABILIDADE SOCIAL AMERICANA 2011 UNISAL ARTIGO PARA MOSTRA DE RESPONSABILIDADE SOCIAL AMERICANA 2011 Autora: Profa. Dra. Melissa Furlan Cursos: Direito e Engenharia Ambiental Área de Pesquisa: Meio Ambiente Título do artigo: O destino

Leia mais

Usina de Reciclagem e Compostagem de Lixo em Vila Velha: Viabilidade Econômica e a Incorporação de Benefícios Sociais e Ambientais

Usina de Reciclagem e Compostagem de Lixo em Vila Velha: Viabilidade Econômica e a Incorporação de Benefícios Sociais e Ambientais Usina de Reciclagem e Compostagem de Lixo em Vila Velha: Viabilidade Econômica e a Incorporação de Benefícios Sociais e Ambientais José Ramon Martinez Pontes (CST) n03644@cst.com.br Patricia Alcântara

Leia mais

DIAGNÓSTICO DO GERENCIAMENTO DOS RESÍDUOS SÓLIDOS NAS EMPRESAS DE CONSTRUÇÃO CIVIL DE ARACAJU-SERGIPE COM UMA PROPOSTA DE SUSTENTABILIDADE

DIAGNÓSTICO DO GERENCIAMENTO DOS RESÍDUOS SÓLIDOS NAS EMPRESAS DE CONSTRUÇÃO CIVIL DE ARACAJU-SERGIPE COM UMA PROPOSTA DE SUSTENTABILIDADE DIAGNÓSTICO DO GERENCIAMENTO DOS RESÍDUOS SÓLIDOS NAS EMPRESAS DE CONSTRUÇÃO CIVIL DE ARACAJU-SERGIPE COM UMA PROPOSTA DE SUSTENTABILIDADE Marta Aline Santos () Técnica em Química com habilitação em Análises

Leia mais

Prática Pedagógica: Coleta de Lixo nas Escolas

Prática Pedagógica: Coleta de Lixo nas Escolas Prática Pedagógica: Coleta de Lixo nas Escolas Introdução O objetivo desse trabalho é ajudar as Escolas e demais instituições na implantação do programa da coleta seletiva do lixo e do lixo eletrônico.

Leia mais

PROBLEMÁTICA DO LIXO NO ENTORNO DA ESCOLA ANDRÉ VIDAL DE NEGREIROS CUITÉ/PB

PROBLEMÁTICA DO LIXO NO ENTORNO DA ESCOLA ANDRÉ VIDAL DE NEGREIROS CUITÉ/PB PROBLEMÁTICA DO LIXO NO ENTORNO DA ESCOLA ANDRÉ VIDAL DE NEGREIROS CUITÉ/PB Melo, Kaline Fonseca; Freire, Aline Katiane da Silva; Santos, Igor Luiz Vieira de Lima. Universidade Federal de Campina Grande

Leia mais

REFLEXÕES ACERCA DA GERAÇÃO, COLETA E DESTINAÇÃO FINAL DOS RESÍDUOS SÓLIDOS URBANOS NO BRASIL E NO MUNDO. Área: ECONOMIA

REFLEXÕES ACERCA DA GERAÇÃO, COLETA E DESTINAÇÃO FINAL DOS RESÍDUOS SÓLIDOS URBANOS NO BRASIL E NO MUNDO. Área: ECONOMIA REFLEXÕES ACERCA DA GERAÇÃO, COLETA E DESTINAÇÃO FINAL DOS RESÍDUOS SÓLIDOS URBANOS NO BRASIL E NO MUNDO Área: ECONOMIA OLIVEIRA, Valdemir Pereira dos Santos de ROSA, Tatiana Diair Lourenzi Franco BORGES,

Leia mais

CONCEITOS DOS FUNCIONÁRIOS DA UNIOESTE (REITORIA) SOBRE RESÍDUOS SÓLIDOS NO DESENVOLVIMENTO DE UM TRABALHO DE EDUCAÇÃO AMBIENTAL

CONCEITOS DOS FUNCIONÁRIOS DA UNIOESTE (REITORIA) SOBRE RESÍDUOS SÓLIDOS NO DESENVOLVIMENTO DE UM TRABALHO DE EDUCAÇÃO AMBIENTAL CONCEITOS DOS FUNCIONÁRIOS DA UNIOESTE (REITORIA) SOBRE RESÍDUOS SÓLIDOS NO DESENVOLVIMENTO DE UM TRABALHO DE EDUCAÇÃO AMBIENTAL 1 SILVA, Fabíola Barbosa B; 1 CARNIATTO, Irene; 1 PILOTTO, Anyele Liann;

Leia mais

CONTRIBUIÇÃO PARA O ESTUDO DA GESTÃO DE RESÍDUOS DA CONSTRUÇÃO CIVIL EM BELO HORIZONTE E REGIÃO

CONTRIBUIÇÃO PARA O ESTUDO DA GESTÃO DE RESÍDUOS DA CONSTRUÇÃO CIVIL EM BELO HORIZONTE E REGIÃO Porto Alegre/RS 23 a 26/11/2015 CONTRIBUIÇÃO PARA O ESTUDO DA GESTÃO DE RESÍDUOS DA CONSTRUÇÃO CIVIL EM BELO HORIZONTE E REGIÃO Sarah Moreira de Almeida ( * ), Raphael Tobias Vasconcelos Barros, Aylton

Leia mais

O lixo é tudo aquilo que reputamos como desnecessário e descartamos em algum lugar. Há lixos de todos os tipos e sendo produzidos e descartados de

O lixo é tudo aquilo que reputamos como desnecessário e descartamos em algum lugar. Há lixos de todos os tipos e sendo produzidos e descartados de LIXO O lixo é tudo aquilo que reputamos como desnecessário e descartamos em algum lugar. Há lixos de todos os tipos e sendo produzidos e descartados de várias maneiras. Uma das formas mais comuns de classificar

Leia mais

UNIVERSIDADE FEDERAL DE SERGIPE UFS NÚCLEO LOCAL DA UNITRABALHO PLANO DE MELHORAMENTOS COOPERATIVA DE AGENTES AUTÔNOMOS DE RECICLAGEM DE ARACAJU CARE

UNIVERSIDADE FEDERAL DE SERGIPE UFS NÚCLEO LOCAL DA UNITRABALHO PLANO DE MELHORAMENTOS COOPERATIVA DE AGENTES AUTÔNOMOS DE RECICLAGEM DE ARACAJU CARE UNIVERSIDADE FEDERAL DE SERGIPE UFS NÚCLEO LOCAL DA UNITRABALHO PLANO DE MELHORAMENTOS COOPERATIVA DE AGENTES AUTÔNOMOS DE RECICLAGEM DE ARACAJU CARE Fevereiro/2012 Elaboração: Prof. Antonio Ramirez Hidalgo

Leia mais

VI - 113 - MEIO AMBIENTE, CIDADANIA E EDUCAÇÃO AMBIENTAL EM COMUNIDADE DE PEQUENO PORTE: ESTUDO DE CASO

VI - 113 - MEIO AMBIENTE, CIDADANIA E EDUCAÇÃO AMBIENTAL EM COMUNIDADE DE PEQUENO PORTE: ESTUDO DE CASO VI - 113 - MEIO AMBIENTE, CIDADANIA E EDUCAÇÃO AMBIENTAL EM COMUNIDADE DE PEQUENO PORTE: ESTUDO DE CASO Terezinha Rodrigues Chaves (1) Engenheira Química Universidade Federal do Ceará (UFC). Bacharel e

Leia mais