AVALIAÇÃO DA DURABILIDADE DOS CAMPOS CIRÚRGICOS REPROCESSÁVEIS E SUA RELAÇÃO COM OS ÍNDICES DE INFECÇÃO DO SÍTIO CIRÚRGICO

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "AVALIAÇÃO DA DURABILIDADE DOS CAMPOS CIRÚRGICOS REPROCESSÁVEIS E SUA RELAÇÃO COM OS ÍNDICES DE INFECÇÃO DO SÍTIO CIRÚRGICO"

Transcrição

1 0 UNISALESIANO Centro Univesitário Católico Salesiano Auxilium Curso de Enfermagem Elizabete Santana Lígia Maria Abraão Patrícia Cristina Ritz AVALIAÇÃO DA DURABILIDADE DOS CAMPOS CIRÚRGICOS REPROCESSÁVEIS E SUA RELAÇÃO COM OS ÍNDICES DE INFECÇÃO DO SÍTIO CIRÚRGICO LINS 2009 SP

2 1 ELIZABETE SANTANA LÍGIA MARIA ABRAÃO PATRÍCIA CRISTINA RITZ AVALIAÇÃO DA DURABILIDADE DOS CAMPOS CIRÚRGICOS REPROCESSÁVEIS E SUA RELAÇÃO COM OS ÍNDICES DE INFECÇÃO DO SÍTIO CIRÚRGICO Trabalho de Conclusão de Curso apresentado à Banca Examinadora do Centro Universitário Católico Salesiano Auxilium, curso de Enfermagem sob a orientação da Profª Esp.Viviane Cristina Bastos Armede e orientação técnica da Profª Esp. Jovira Maria Sarraceni. LINS 2009 SP

3 0 S223a Santana, Elizabete; Abraão, Lígia Maria; Ritz, Patrícia Cristina Avaliação da durabilidade dos campos cirúrgicos reprocessáveis e sua relação com os índices de infecção do sítio cirúrgico / Elizabete Santana; Lígia Maria Abraão; Patrícia Cristina Ritz Lins, p. il. 31cm. Monografia apresentada ao Centro Universitário Católico Salesiano Auxilium UNISALESIANO, Lins-SP, para graduação em Enfermagem, 2009 Orientadores: Jovira Maria Sarraceni; Viviane Cristina Bastos Armede. 1. Campos Cirúrgicos Reprocessáveis. 2. Barreira Antimicrobiana. 3. Infecção - Sítio Cirúrgico. I Título. CDU

4 2 ELIZABETE SANTANA LÍGIA MARIA ABRAÃO PATRÍCIA CRISTINA RITZ AVALIAÇÃO DA DURABILIDADE DOS CAMPOS CIRÚRGICOS REPROCESSÁVEIS E SUA RELAÇÃO COM OS ÍNDICES DE INFECÇÃO DO SÍTIO CIRÚRGICO Monografia apresentada ao Centro Universitário Católico Salesiano Auxilium, para obtenção do título de Bacharel em Enfermagem. Aprovada em: / / Banca Examinadora: Prof(a) Orientador(a): Viviane Cristina Bastos Armede Titulação: Especialista em Centro Cirúrgico e Central de Material e Esterilização pela Universidade Estadual de Londrina (UEL). Assinatura: 1º Prof(a) Titulação: Assinatura: 2º Prof(a): Titulação: Assinatura:

5 3 EPÍGRAFE A tarefa não é contemplar o que ninguém ainda contemplou, mas meditar, como ninguém ainda meditou, sobre o que todo mundo tem diante dos olhos. Schopenhauer

6 4 A Deus Por ter me oportunizado a realização deste curso e conhecer e formar amigos. Por ter me honrado e guiado meus passos, fortificando-os no caminho desta longa trajetória. Agradeço-te por todas as bênçãos que tens me dado, pelo dom da vida e as dificuldades, que tem me feito maturar e crescer. Devo-te tudo que tenho que sou e serei. Obrigada por me amar e fazer-me amar-te infinitamente. Aos meus pais: José Roberto e Casimira Por serem as pessoas que depois de Deus mais me amam, por confiarem em meus sonhos, abraçarem meus ideais, me transmitirem valores morais, serem guerreiros e meus fiéis escudeiros, pelo carinho, amor, dedicação. Pelo dom da vida, pelas noites em claro, pelas palavras de conforto, por me ouvirem nos momentos de choro, por me entenderem, por me refugiarem em um universo de amor por me guiarem nos primeiros passos e jamais soltarem minha mão no longo trajeto que é a vida. Por serem meus grandes amigos, minhas vigas de sustentação, meu porto seguro, fortalezas construídas de amor e paciência... Eu os amo demais. À minha Irmã Janete Por ser minha amiga, confidente, acreditar no meu potencial, pelo carinho, por estar comigo em todos os momentos de alegria, tristeza e dúvidas. Você também faz parte desta conquista, uma das muitas que iremos dividir... Amo-te imensamente. És um presente de Deus em minha vida! Às minhas Amigas Edileide e Débora Yumi Pelos momentos de confidência, amizade, descontração, apoio, alegria... Por terem se tornado minhas irmãs Gêmula como tantas vezes brinquei. Amo-as muito e oro a Deus que as abençoe cada vez mais...esta etapa em nossa vidas termina agora, mas nossa amizade tenho certeza que perdurará por longos anos.

7 5 A minha pastora Nilça Obrigada por ter desapertado meus olhos, ouvidos e coração para esse Deus tão lindo, pelas palavras de carinho que sempre me destina, por ter se tornado, como muitas vezes brinquei, uma maezona. Amo-te muito. Aos Amigos A todos, não tão somente os da Universidade, quero que se sintam lembrados e que saibam que também são muito amados por mim. As minhas companheiras de monografia Lígia e Patrícia Lígia: Pela dedicação, comprometimento, descontração e amizade. Certamente a pela sua disposição e vontade de fazer sempre o melhor, tenho certeza que a escolha não poderia ser melhor. Nossa amizade construiu-se ao longo destes quatro anos e tenho certeza que foi Deus quem direcionou nossos passos para que nos tornássemos verdadeiras escuderias. Crescemos e amadurecemos muito ao longo destes anos. Espero que o tempo e o futuro, que hoje parece tão incerto, não nos afaste jamais. Você e mara te amo muito e você sabe disso. Muito sucesso! Paty: Por dedicar-se ao longo dessa trajetória. Desejo a você muito sucesso, e tenho certeza que ele virá como conseqüência de seu trabalho. Foi muito bom estar ao seu lado nessa trajetória. Você é alguém especial. Que Deus te abençoe ricamente. A Professora Jovis Por sempre nos conceder um tempinho. Pelo carinho com o qual exerce sua função. Pelas palavras de incentivo, momentos de descontração e por ser simples e cativante. Hoje você não é só minha professora, mas também minha grande amiga. Admiro-te muito e espero ter-te sempre

8 6 próxima. Jamais permita que sua luz se apague. Que Deus a abençoe ricamente. A Professora Viviane Por todos os momentos em que nos socorreu com o Trovão Azul. Por compartilhar suas experiências profissionais e pessoais. Agradeço também, pela paciência, carinho, dedicação, incentivo e por ter se tornado ao longo do tempo uma pessoa tão especial em minha vida. Que Deus a faça prosperar sempre. A Professora Ângela: Por toda a paciência e por ter compartilhado seu vasto conhecimento e tempo na elaboração deste trabalho, ensinando-nos que nada na vida é tão perfeito que não se possa buscar aperfeiçoamento. Admiro-te muito e espero que Deus a ilumine sempre. Sou imensamente grata por tudo. Aos Demais professores Por terem contribuído com a minha formação e terem me instruído ao longo destes quatro anos me apresentando esta área tão apaixonante que é a Enfermagem. (Bete)

9 7 A Deus A razão da minha vida, de minha existência, aquele que faz possível o impossível, que opera maravilhas onde já não existe esperança... Aquele que com todos os obstáculos permitiu que eu chegasse ao término de mais essa jornada. Aos Meus pais Mara e Mário ; e irmãos Aline e Guilherme Os protagonistas de toda minha história. Meus alicerces, meus amores... Só Deus sabe o que passamos para que eu pudesse chegar até aqui. Tantas lagrimas, tantas saudades... Quantas orações né Mamãe... Mas a oração do justo pode muito em seus efeitos, e após as lutas sempre chegam as vitórias. É chegado o tempo de colheita em nossas vidas, e esses frutos nós iremos colher juntos. Amo vocês, amo incondicionamente... Essa conquista é nossa! Meus avós Irene e Roberto (in memorian) Aqueles que sempre me deram crédito, e que sempre me apoiaram para que eu batalhasse em busca de meus ideais... A Minha avó Ditinha (In Memorian)... Gostaria que você ainda estivesse aqui para presenciar esse momento que tanto esperamos... Obrigada por ter acreditado em mim, obrigada pelo amor inigualável, pelo carinho e atenção sincera que sempre me disponibilzou, obrigada simplesmente por ter existido em minha vida. Amo você e vou continuar amando sempre... Saudades Eternas! A Minha Tia Ana (Guinha) Tia, se não fossem as tuas intercessões e o seu cuidado, eu não teria chegado até aqui. Obrigada por sempre me direcionar para os caminhos trilhados segundo a vontade de Deus.

10 8 Ao tio Clodô e a tia Jane Obrigada pelo carinho, cuidado e atenção. Que o Senhor Jesus possa recompensá-los por tudo o que fizeram por mim. A Professora Angela Pessoa mais que abençoada, que eu tive o privilégio de ter em meu caminho. Umas das pessoas sem a qual este trabalho não teria se realizado. Saiba que lhe admiro muito pelo seu caráter, por sua competência, por sua simplicidade, e pela profissional maravilhosa que é... Obrigada por tudo, pela transferência de conhecimento, pelo apoio, pelas correções, obrigada por ter se feito presente neste momento tão importante de nossas vidas. A minha orientadora A precursora de todo esse trabalho, aquela que conquistou um espaço enorme não somente no meu coração, mas em toda minha vida. Aprendi muito com você, não somente no decorrer das aulas, mas sim com seu jeito de ser e com sua maneira de viver. Obrigada por tudo o que fez por mim... Amo para sempre! A Professora Marilisa Baralhas A alegria em pessoa, que contagia a todos com seu brilho, com seu simples jeito de ser... obrigada pela confiança, por sempre ter me dado forças para eu acreditasse que é possível irmos além do que os nossos olhos podem ver. A Professora Jovira Professora, você nos motivou a sempre estar em busca de novos horizontes... de crescimento, de aprimoramento. Com você a metodologia deixou de ser um bicho de sete cabeças. Obrigada por tudo... E parabéns, pois você cativa a todos com seu jeito único de ensinar...

11 9 A minha amiga Paty Zamian Minha amiga, conselheira, cuidadora... minha mãezinha do coração! Se hoje eu me tornei uma pessoinha melhor, você é uma das responsáveis por isso. Agradeço a Deus por ter colocado alguém de tamanha importância em minha vida. Amo você e certamente sentirei muito sua falta. Sucesso! A minha amiga, irmã, companheira e parceira de quarto: Joseana Jô, obrigada por fazer parte da minha vida, obrigada por me ouvir, por me aconselhar, por me aturar nos momentos de estresse, por me consolar nas horas de angústia, por me aguentar com a luz acesa até altas horas... por ceder um espaço na sua família, por ter me proporcionado inúmeros momentos de alegria... Enfim, obrigada por cada instante que passamos juntas! Amo-te! A minha amiga Ana Paula Dantas Amada do Senhor, lamento por não te-la conhecido antes. Você é uma benção que veio diretamente dos céus para iluminar a minha vida! Você faz toda a diferença pelos lugares onde passa... Nunca se esqueça de que eu nunca te esqueço. A minha grande amiga Cristiane Naves Não tenho palavras para descrever a tamanha importância que tem para mim... você faz parte de toda minha história, é um dos presentes mais preciosos que Jesus poderia ter me dado! Sua amizade me faz bem, me fez crescer, amadurecer... Não importa a distancia, os verdadeiros amigos sempre permanecem e as verdadeiras amizades nunca morrem. Nós somos a prova disso e essa conquista também é sua! As minhas amigas do Oasis: Aquelas a quem eu chamo carinhosamente de fididas Juntas vivemos momentos além de especiais, sentirei muita falta de cada uma... e as nossas lembranças ficarão eternamente guardadas em meu coração!

12 10 Helô: A gente se entende... a gente se dá bem! Pessoa mais que especial na minha vida, exemplo vivo de determinação e com certeza de muito sucesso! Lidjuka : Aquela que trouxe alegria e descontração aos meus dias. Fidi! você vai morar pra sempre em meu coração! Sabrina Favarão: Quem sempre me apoiou e torceu para que eu me desse bem... Você é muito especial na minha vida... Amo! Marina: Pessoa que põe amor em tudo aquilo que faz, sempre disposta a oferecer um ombro amigo! Mara Jackson... amo demais! Léslie: Você é única viu Fidida! E muito especial também, além do que imagina. Carol: Minha japoneusa preferida. Ooh Bacuritiense, você vai fazer muita falta! Dayse Belissíma: Tem um brilho que não existe... contagia e faz bem a todos com sua alegria. Ana Vasconcellos (ex moradora do Oasis): de quem eu vou encher as paciências ano que vem? Você já mora no meu coração, viu sua TO de Sucesso! As minhas parceiras de monografia Bete e Paty A você Bete, o meu muito obrigada por me ouvir sempre, por me aconselhar, por me fazer enxergar as coisas, por me aturar e acima de tudo por estar sempre ao meu lado em toda e qualquer circunstância. Amo-te, vc é presente de Deus em minha vida! Já estou sentindo falta de tudo o que vivemos... Sucesso amiga! Que Deus lhe abençoe sempre, e que nós nunca venhamos perder a essência do que é realmente ser amigo... Paty, obrigada por tudo, pela amizade, companheirismo e cumplicidade! Vc tem o coração de ouro, obrigada por sempre se preocupar comigo, obrigada por ter estado ao meu lado ao longo dessa luta de 4 anos. Valeu a pena, que essa venha ser 1ª de inúmeras conquistas em nossas vidas! (Lígia)

13 11 Deus e Nossa Senhora Por terem me dado força, coragem e sabedoria para enfrentar os problemas que surgiram ao longo deste trabalho. Por todas as vezes que uma porta se fechava para nós, dezenas se abriam em seguida. Obrigada por terem permitido que mais uma etapa de minha vida fosse concluída com sucesso. Aos meus pais Celso e Eliani Porque se cheguei até aqui foi graças a vocês, que desde o começo estiveram ao meu lado, sempre me ensinando o verdadeiro valor da vida. Estão sempre ao meu lado nos momentos de angústia e medo, mas principalmente estão nos momentos mais felizes da minha vida. Quando eu crescer quero ser igual a vocês. Essa vitória é nossa! Amo vocês!!! Aos meus irmãos Biela, Biel e Gi Pelos sorrisos e abraços que recebia ao voltar pra casa nos finais de semana. Por todas as vezes que me ligaram só pra dizer Estamos com saudades de você. Fique com Deus. Isso tudo foi para vocês e por vocês. Amo vocês meus anjos Ao meu namorado Rafael Por todas as vezes que escutou as minhas reclamações, por ter segurado a minha mão nos momentos em que eu achei que fosse cair. E quando eu pensava em desistir me lembrava do quanto eu era capaz de superar as dificuldades. Obrigada por fazer parte de mais essa conquista. Amo você! A minha parceira de quarto Lidjuca Minha amiga irmã, uma pessoa que aprendi a amar e admirar, uma muleca nas horas de brincadeira e uma mulher quando tinha que falar sério. Foi muito bom ter dividido não só o quarto nesses 3 anos, mas uma linda amizade. Lidjuca e Paty amigas for ever...rs

14 12 As minhas parceiras de monografia Lígia não preciso nem dizer o quanto você foi, é e será importante na minha vida, você é uma pessoa que eu levarei guardadinha no meu coração pra sempre, a fididinha mais cheirosa que eu conheci...rs Bete aprendi várias coisas com você, inclusive o caminho para a... rs. Sei que esse trabalho foi o início de uma grande amizade. Foi muito bom ter vocês ao meu lado nessa etapa da minha vida. Adoro vocês!!! As minhas amigas presentes... Carol e Gabi minhas japonesas preferidas, sempre alegres, contagiando a todos com sua alegria de viver. Gi quietinha, mas sempre companheira. Jú gordinha suas histórias vão ficar pra sempre. Maria Laura (Car) valeu pelas caronas...rs Jaci sempre estressada, mas bem humorada. Sol sempre sorrindo. Nessa a baladeira estudiosa. Paty e Débora uma dupla dinâmica. Agradeço sempre a Deus por ter permitido que nós nos conhecêssemos. Minha casa e meu coração estarão sempre abertos para vocês. E as amigas ausentes Mi aprendi tantas coisas com você nos anos que passamos juntas, dedicação a sua profissão, carinho pelos pacientes, determinação, sua marca registrada é o companherismo. Lê além de T.O compositora, uma música melhor que a outra. Saudades de um tempo que não volta mais. Adoro vocês!!!

15 13 A Prof. Viviane Obrigada pela dedicação durante esses anos, pelos pasteis na Dalci, pelo carinho, amizade, companheirismo. Você estará sempre no meu coração e claro o Trovão Azul também. Espero que nossa amizade perdure por muito tempo. Te adoro do fundo do meu coração professora loira! A Prof. Ângela Por ter acolhido esse trabalho com tanto carinho e dedicação. Obrigada por ter nos ajudado na realização desse projeto sem pedir nada em troca. Que Deus te ilumine sempre. A Prof. Marilisa (Mamy) Não sei nem como posso te agradecer tudo o que fez por mim. Hoje você é mais que uma professora é uma amiga. Apesar de sua pouca idade o meu carinho por você é o mesmo de uma filha por sua mãe. Obrigada por ter aberto as portas da sua casa para mim, sua família. Que Deus te conserve sempre assim. Te amo Mamy A Prof. Jovis Uma pessoa maravilhosa. Exigente quando tinha que ser, mas compreensiva, justa e amiga, que entendeu o problema pelo qual meu grupo passava e nos ajudou. Você sempre diz que professor de metodologia nunca é homenageado, o que eu acho uma grande injustiça, pois você merece sim muitas homenagens não só pela profissional que você é, mas também pela mulher que você é. Te amo do fundo do meu coração! (Paty)

16 14 AGRADECIMENTOS A todos aqueles que direta ou indiretamente contribuíram e torceram pela realização deste trabalho. A vocês o nosso MUITO OBRIGADA! A nossa querida professora Angela Obrigada pela credibilidade, pelo apoio e segurança que sempre nos transmitiu... que Deus possa recompensá-la por tudo o que fez por nós! Aos professores Francisco, Flávio e Luis Alberto Massarote Muito obrigada pela atenção, pelo tempo cedido a nosso favor, pelo auxílio e pelas ricas sugestões que só vieram acrescentar em nosso trabalho. Ao Moacir Por ser sempre tão prestativo e nos ter auxiliado com tanto zelo e dedicação. Ao José Roberto Por nos auxiliar com seus conhecimentos na área de informática e pela amizade. As Meninas da Lavanderia e Central de Materiais Pelo carinho, serviços prestados, por terem nos auxiliado de tão bom grado na realização das lavagens e esterilizações dos campos. Por terem se tornado pessoas especiais em nossas vidas e por toda experiência adquirida junto a vocês. Ao centro Universitário a Unidade Hospitalar Que gentilmente cederam suas instalações, oportunizando a realização deste trabalho.

17 15 A Cantina do Bigode Pelo carinho que todos os funcionários dedicaram não tão somente a mas a todos que se utilizam deste refúgio tão amado. Todos vocês são pessoas especiais, das quais nos recordaremos com carinho. nós, As Meninas da biblioteca (Vera, Adriana, Carla, Cris, Raquel e Sandra) Por abrigarem nossas reuniões de monografia e pela paciência e dedicação prestada durante os quatro anos. Aos Demais funcionários do Centro Universitário Pela dedicação com que realizam suas funções, contribuindo sempre para o bom funcionamento da instituição. Ora, a fé é o firme fundamento das coisas que se esperam, e a convicção das coisas que não se vêem. (Hebreus 11: 01) (Bete, Lígia e Paty)

18 16 RESUMO O uso de campos operatórios para proteção dos pacientes contra possíveis infecções ao longo de intervenções cirúrgicas data desde o final do século XIX, sendo os do tipo reprocessáveis mais utilizados, devido ao seu baixo custo. Estes devem repelir líquidos, barrar bactérias e serem resistentes à tração. Não há consenso acerca da durabilidade dos campos cirúrgicos. A literatura demonstra que hospitais não possuem métodos de monitorização do uso dos campos, utilizando-os à sua exaustão, favorecendo acúmulo de microrganismos, podendo elevar a incidência de infecções do sítio cirúrgico. O presente estudo desenvolveu-se no Laboratório de Microbiologia do Centro Universitário da Cidade de Lins, Lavanderia e Central de Materiais e Esterilização de uma Unidade Hospitalar do município de Lins-SP, tendo por objetivo investigar a durabilidade dos campos cirúrgicos reprocessáveis simples mistos (50% poliéster e 50% algodão), tamanho 50 cm x 50 cm, identificando sua eficácia como barreira antimicrobiana, enquanto novos e após múltiplos reprocessamentos. Para tanto, utilizou-se a metodologia alemã da Deutsches Institut for Normüng (DIN), empregada na realização de testes com materiais porosos. O microrganismo de escolha foi o Staphylococcus aureus ATCC Os resultados microbiológicos obtidos determinaram que a barreira antimicrobiana dos campos cirúrgicos simples 50% poliéster e 50% algodão, permanece eficaz até o número limite de 50 vezes. Ao final na pesquisa pode-se concluir que os campos cirúrgicos possuem um tempo de vida útil, o qual deve ser respeitado, através de mecanismos que possibilitem um sistema de controle, afim de não expor o paciente a condições que possam caracterizar risco para aquisição de infecções e / ou maiores agravos a sua saúde. Palavras-chave: Campos Cirúrgicos Reprocessáveis. Barreira Antimicrobiana. Infecção-Sitio Cirúrgico.

19 17 ABSTRACT The use of field surgical for protecting patients against possible infections in surgical room has been carried out since the end of the nineteenth century being the reprocessable type more used, due to its low cost. These must repel liquids, to bar bacterias and will be more resistant to tension. There is not an agreement about the durability of field surgical. The Literature shows that hospitals do not have methods of use of fields, using them to its exhaustion, allowing accumulate of microorganisms, increasing the incidence of surgical site infections. The present study was carried out in the Microbiology Laboratory at Center University in city Lins, in the Laundry and the Sterilization and Material Center of a Hospital Unit in Lins, São Paulo, Brazil. The purpose was to investigate the durability of surgical field reprocessable simple mixed from 50% cotton and 50% polyester and measuring 50cmX50cm, in order to identify its antimicrobial efficiency while new and after successive reprocessements, using the Deutsches Institut for Normüng (Din) methodology, employed in the realization of tests with porous material. The microorganism selected was the Staphylococcus aureus ATCC The microbial results showed that the antimicrobial barrier of mixed simple 50% polyester and 50% cotton surgical field, seems efficient up to the limit number of 50 times. Thus, it is concluded that surgical field has a time of life usefull, what must be respected, through of mechanisms that allow a control system similar not to expose the patient to the conditions that can characterize risks to infections acquisition and/or more appeals to its health. Keywords: Reprocessed field surgical. Antimicrobial barrier. Infection. Surgical site.

20 18 LISTA DE FIGURAS Figura 1: Repique de bactérias Figura 2: Repique de bactérias Figura 3: Preparo de suspensão bacteriana Figura 4: Disposição das placas de Petri no fluxo laminar Figura 5: Disposição das placas de Petri no fluxo laminar Figura 6: Disposição dos campos no fluxo laminar com técnica asséptica 52 Figura 7: Disposição dos campos no fluxo laminar com técnica asséptica 52 Figura 8: Inoculação de suspensão bacteriana Figura 9: Inoculação de suspensão bacteriana Figura 10: Realização de cultura bacteriana Figura 11: Realização de cultura bacteriana Figura 12: Proliferação bacteriana Figura 13: Escala visual de coloração dos campos cirúrgicos reprocessáveis LISTA DE QUADROS Quadro 1: Separação de roupas hospitalares por sujidades Quadro 2: Fases do Processo de Autoclavagem LISTA DE TABELAS Tabela 1: Campos cirúrgicos reprocessáveis simples mistos Tabela 2: Proliferação bacteriana dos campos do Grupo LISTA DE ABREVIATURA E SIGLAS

21 19 AORN: Association of Operating Romm Nurses (Associação de Enfermeiros de Centro Cirúrgico) ASM: Ágar Sal Manitol ATCC: American Type Culture Collection (Coleção Americana dos Tipos de Cultura) ºC: Graus Celsius CCIH: Comissão de Controle de Infecção Hospitalar CDC: Centers for Disease Control and Prevention (Centro de Controle e Prevenção de Doenças) CEP: Comitê de Ética e Pesquisa cm: centímetros CME: Central de Materiais e Esterilização DIN: Deusches Institut für Normung (Instituto Alemão para Normatização) EPI: Equipamento de proteção individual EUA: Estados Unidos da América IH: Infecções hospitalares ISC: Infecção do sítio cirúrgico kg: quilogramas LH: Lavanderia hospitalar ml: mililitros l: microlitros MO: Microrganismos NNIS: National Nosocomial Infections Surveillance (Fiscalização Nacional das Infecções Nosocomiais) PVP-I: Solução asséptica SOBECC: Sociedade Brasileira de Enfermeiros de Centro Cirúrgico TNT: Tecido não tecido TSA: Tryptone Soya Agar UCC :Unidade de Centro Círúrgico UFC: Unidade de Formação de Colônias UV: Ultra-violeta

22 20 SUMÁRIO INTRODUÇÃO CONCEITOS PRELIMINARES Centro Cirúrgico Cirurgia Microrganismos Infecção Infecções Hospitalares Infecção do Sítio Cirúrgico Métodos de Controle de Infecção Campos Cirúrgicos Campos Cirúrgicos Reutilizáveis Campos Cirúrgicos Descartáveis Central de Material e Esterilização Esterilização Lavanderia Área suja Processo de Lavagem Umectação Enxágüe Pré-Lavagem Lavagem Alvejamento Amaciamento Neutralização Área limpa MATERIAIS E MÉTODOS Condições Ambientais... 48

23 Material Testes Microbiológicos Testes de barreira microbiana Processamento dos campos Análise Estatística RESULTADOS DISCUSSÃO CONCLUSÃO REFERÊNCIAS... 63

24 22 INTRODUÇÃO O enfermeiro é o profissional que além de supervisionar, gerenciar e coordenar sua equipe constitui o elo principal na relação profissional-cliente. É considerado, segundo a legislação oficial, o responsável pelos cuidados de enfermagem de alta complexidade técnica, procedimentos esses de risco para a incidência das infecções. Contudo, pode-se dizer que este profissional é de grande importância para identificação, notificação, prevenção e manutenção do controle de infecções. (FONTANA; LAUTERT, 2006) Embora tenham ocorrido avanços tecnológicos no ambiente cirúrgico, bem como uma constante ampliação no conhecimento sobre fatores de risco de infecção hospitalar, ainda são altas e significativas as taxas de infecção do sítio cirúrgico. Segundo Mangramm (apud BURGATTI, 2007), são muitas as medidas de controle e prevenção de infecção do sítio cirúrgico recomendadas, sendo que as mais reconhecidas reúnem-se nas Diretrizes de Recomendações de Controle de Infecção do Sítio Cirúrgico do Centro de Controle e Prevenção de Doenças (CDC), Estados Unidos, de 1999, onde são considerados fatores de risco intrínsecos e extrínsecos. Dentre esses fatores encontram-se os relacionados ao paciente como: idade, tipo de cirurgia, doenças de base, enfermidades associadas, e os que se referem aos procedimentos assistenciais, como: a técnica cirúrgica, o preparo pré-operatório, o ambiente, a paramentação cirúrgica, a antibioticoprofilaxia entre outros. Tradicionalmente, a paramentação cirúrgica constitui-se de gorro, máscara, luvas estéreis, óculos de proteção, propé, uniforme privativo, campos cirúrgicos e avental cirúrgico esterilizados, tendo como principal finalidade impedir a transferência de microrganismos da equipe cirúrgica e da própria pele do paciente para a ferida operatória, reduzindo o risco de sua contaminação e

25 23 de infecção do sítio cirúrgico. (LACERDA et al., apud BURGATTI, 2007) Este estudo traz como enfoque central os campos cirúrgicos simples mistos, que constituem um dos principais instrumentos de proteção, sendo organizados a fim de criar e manter uma barreira antimicrobiana eficaz que minimize a passagem de microrganismos entre áreas não-estéreis e estéreis. Para ser eficaz, o campo deve servir como barreira física resistente ao sangue, soluções aquosas e atrito, mantendo-se íntegro, livre de fiapos e puídos. Segundo Silva et al., (1997) o campo cirúrgico do tipo reprocessável possui como características: ser de fácil conservação, resistente e durável, gerando economia devido ao seu baixo custo, sendo de fácil manuseio. Muitos fabricantes de campos cirúrgicos registram perda de qualidade da barreira antimicrobiana do campo após 75 processos de lavagem ou ciclos de esterilização. (MEEKER; ROTHROCK, 1997) De acordo com Rodrigues et al. (2006), a lavagem dos campos cirúrgicos de tecido em hospitais não deve exceder o número de 65, devido à alteração sofrida em sua barreira após os vários reprocessamentos, o que a torna ineficaz. Ramos (2003), afirma que mediante os testes realizados, o efeito barreira dos têxteis cirúrgicos é garantido até os 35 ciclos de lavagem. Ainda não existe um consenso acerca da durabilidade e ciclos de esterilizações as quais podem ser submetidos os campos cirúrgicos, além de serem poucas as publicações referentes ao assunto, o que aponta a necessidade de se realizar mais estudos e pesquisas que possam viabilizar tais dados. Os enfermeiros reconheceram a falta de controle de qualidade efetiva no reprocessamento, não sendo possível determinar a meia vida dos tecidos, onde muitas vezes os componentes são utilizados até rasgar e mesmo rasgados. (MONTEIRO et al., 2000) Meeker; Rothrock (1997) propõem em sua literatura, um sistema para monitorizar o número de vezes que um material foi lavado, o que é essencial para o controle de qualidade da barreira antimicrobiana. A literatura demonstra que os hospitais atuais não possuem nenhum método de controle que possibilite a monitorização do uso dos campos cirúrgicos reprocessáveis, utilizados a sua exaustão, sendo muitas vezes

26 24 cerzidos, favorecendo o acúmulo de microrganismos, podendo elevar a incidência de infecções do sítio cirúrgico, bem como o aumento da ocorrência de infecções hospitalares. A infecção do sítio cirúrgico é a mais importante causa de complicações do pós-operatório no paciente cirúrgico. Estatísticas do Centro para Controle de Prevenção de Doenças (CDC) indicam que 14 a 16% das infecções hospitalares são atribuídas às infecções de sítio cirúrgico, fato esse que adiciona-se a significativos custos relativos a cuidados de saúde devido a complicação dessas infecções. (CIOSAK; OLIVEIRA, 2007, p.259) As infecções do sítio cirúrgico eram consideradas a terceira modalidade das infecções hospitalares, sendo uma complicação relevante, contribuindo diretamente para o aumento da morbimortalidade de pacientes pós-cirúrgicos causando prejuízos tanto físicos como emocionais, além de elevar consideravelmente os custos com tratamento, repercutindo em uma maior permanência hospitalar. (SILVA, et al., 2007; CIOSAK; OLIVEIRA, 2007) Levando-se em consideração que as preocupações com a proteção do meio ambiente aumentaram significativamente nos últimos 30 anos. Pode-se dizer que a utilização de campos cirúrgicos reprocessáveis, tem contribuído de modo direto para a redução do impacto ambiental, já que o uso de campos cirúrgicos descartáveis gera grande demanda de resíduos hospitalares, o que implica em maiores custos à unidade, prejudicando as condições do meio ambiente. (RAMOS, 2003) Com base nos dados apresentados, esta pesquisa propõe investigar a durabilidade dos campos cirúrgicos reprocessáveis, identificando sua eficácia como barreira microbiana, enquanto novos e após vários reprocessamentos, utilizando para isso testes microbiológicos padronizados, avaliando sua eficácia antimicrobiana. Através de levantamento bibliográfico pretende-se descrever os conceitos preliminares de centro cirúrgico, cirurgia, infecção do sítio cirúrgico e hospitalar, métodos de controle e prevenção, campos operatórios, ciclos de lavagem e esterilização, lavanderia e central de materiais e esterilização. Dando continuidade ao experimento, objetiva-se realizar reprocessamentos dos campos, observando as alterações sofridas após os ciclos de lavagem e esterilização, para posterior análise estatística.

AVALIAÇÃO DA DURABILIDADE DOS CAMPOS CIRÚRGICOS REPROCESSÁVEIS SIMPLES DE ALGODÃO E SUA RELAÇÃO COM O ÍNDICE DE INFECÇÕES DO SÍTIO CIRÚRGICO

AVALIAÇÃO DA DURABILIDADE DOS CAMPOS CIRÚRGICOS REPROCESSÁVEIS SIMPLES DE ALGODÃO E SUA RELAÇÃO COM O ÍNDICE DE INFECÇÕES DO SÍTIO CIRÚRGICO AVALIAÇÃO DA DURABILIDADE DOS CAMPOS CIRÚRGICOS REPROCESSÁVEIS SIMPLES DE ALGODÃO E SUA RELAÇÃO COM O ÍNDICE DE INFECÇÕES DO SÍTIO CIRÚRGICO Elizabete Santana Lígia Maria Abraão Patrícia Cristina Ritz

Leia mais

O papel da CCIH no Processamento de Roupas de Serviços de Saúde

O papel da CCIH no Processamento de Roupas de Serviços de Saúde O papel da CCIH no Processamento de Roupas de Serviços de Saúde A Portaria MS nº 2616/98 define a Infecção Hospitalar (IH) como sendo aquela adquirida após a admissão do paciente e que se manifesta durante

Leia mais

PREVENÇÃO DE INFECÇÃO EM SÍTIO CIRÚRGICO (ISC)

PREVENÇÃO DE INFECÇÃO EM SÍTIO CIRÚRGICO (ISC) PREVENÇÃO DE INFECÇÃO EM SÍTIO CIRÚRGICO (ISC) Enf.ª Cláudia Cristina Castro de Andrade SEC/SCIH devidos créditos! Plágio é Crime! UM POUCO DE HISTÓRIA... Até a metade do século XIX ISC= óbito Joseph Lister,

Leia mais

AEMS- FACULDADES INTEGRADAS DE TRÊS LAGOAS MS

AEMS- FACULDADES INTEGRADAS DE TRÊS LAGOAS MS AEMS- FACULDADES INTEGRADAS DE TRÊS LAGOAS MS ASSEPSIA E CONTROLE DE INFECÇÃO Prof. MARCELO ALESSANDRO RIGOTTI LICENCIADO EM ENFERMAGEM e ESPECIALISTA EM CONTROLE DE INFEÇÃO Mestrando pela Escola de Enfermagem

Leia mais

Limpeza hospitalar *

Limpeza hospitalar * CONSELHO REGIONAL DE ENFERMAGEM DE SÃO PAULO São Paulo, março de 2009. Limpeza hospitalar * Limpeza hospitalar é o processo de remoção de sujidades de superfícies do ambiente, materiais e equipamentos,

Leia mais

1. CONCEITOS E OBJETIVOS DA VIGILÂNCIA EPIDEMIOLÓGICA

1. CONCEITOS E OBJETIVOS DA VIGILÂNCIA EPIDEMIOLÓGICA 1. CONCEITOS E OBJETIVOS DA VIGILÂNCIA EPIDEMIOLÓGICA A VIGILÂNCIA EPIDEMIOLÓGICA SEGUNDO A LEI 8.080, DE 1990, QUE INSTITUIU O SISTEMA ÚNICO DE SAÚDE (SUS), PODE SER DEFINIDA COMO: O CONJUNTO DE AÇÕES

Leia mais

EBOLA MEDIDAS DE PREVENÇÃO E CONTROLE EM SERVIÇOS DE SAÚDE ANA RAMMÉ DVS/CEVS

EBOLA MEDIDAS DE PREVENÇÃO E CONTROLE EM SERVIÇOS DE SAÚDE ANA RAMMÉ DVS/CEVS EBOLA MEDIDAS DE PREVENÇÃO E CONTROLE EM SERVIÇOS DE SAÚDE ANA RAMMÉ DVS/CEVS Ebola Perguntas e Respostas 13 O que fazer se um viajante proveniente desses países africanos apresentar sintomas já no nosso

Leia mais

CONSELHO REGIONAL DE MEDICINA DO ESTADO DO PARANÁ

CONSELHO REGIONAL DE MEDICINA DO ESTADO DO PARANÁ PARECER Nº2497/2015 - CONSELHO REGIONAL DE MEDICINA DO PARANÁ ASSUNTO: PROTETOR PARA ESTETOSCÓPIOS PARECERISTA: CONS.º ALCEU FONTANA PACHECO JÚNIOR EMENTA: Protetor para estetoscópios - Obrigatoriedade

Leia mais

ANEXO ROTEIRO DE INSPEÇÃO DO PROGRAMA DE CONTROLE DE INFECÇÃO HOSPITALAR

ANEXO ROTEIRO DE INSPEÇÃO DO PROGRAMA DE CONTROLE DE INFECÇÃO HOSPITALAR 1 OBJETIVO: ANEXO ROTEIRO DE INSPEÇÃO DO PROGRAMA DE CONTROLE DE INFECÇÃO HOSPITALAR Este Roteiro estabelece a sistemática para a avaliação do cumprimento das ações do Programa de Controle de Infecção

Leia mais

Medidas de Precaução

Medidas de Precaução Medidas de Precaução INFLUENZA A (H1N1) Gerência-Geral de Tecnologia em Serviços de Saúde GGTES/Anvisa Medidas de Precaução Precaução Padrão Precauções Baseadas na Transmissão: contato gotículas aerossóis

Leia mais

FUNDAMENTOS DA ENFERMAGEM ENFª MARÍLIA M. VARELA

FUNDAMENTOS DA ENFERMAGEM ENFª MARÍLIA M. VARELA FUNDAMENTOS DA ENFERMAGEM ENFª MARÍLIA M. VARELA INFECÇÃO As infecções são doenças que envolvem bactérias, fungos, vírus ou protozoários e sua proliferação pode ser vista quando o paciente tem os sintomas,

Leia mais

Aspectos Microbiológicos das IRAS (infecções relacionadas à assistência a saúde) Infecções hospitalares Infecções nosocomiais

Aspectos Microbiológicos das IRAS (infecções relacionadas à assistência a saúde) Infecções hospitalares Infecções nosocomiais Aspectos Microbiológicos das IRAS (infecções relacionadas à assistência a saúde) Infecções hospitalares Infecções nosocomiais Prof. Cláudio Galuppo Diniz Prof. Cláudio 1 Qualquer tipo de infecção adquirida

Leia mais

1- O que é infecção hospitalar? Para fins de classificação epidemiológica, a infecção hospitalar é toda infecção adquirida durante a internação

1- O que é infecção hospitalar? Para fins de classificação epidemiológica, a infecção hospitalar é toda infecção adquirida durante a internação 1- O que é infecção hospitalar? Para fins de classificação epidemiológica, a infecção hospitalar é toda infecção adquirida durante a internação hospitalar (desde que não incubada previamente à internação)

Leia mais

INSTRUMENTAÇÃO CIRÚRGICA RGICA RESPONSABILIDADE COMPARTILHADA INSTRUMENTADOR CIRÚRGICO A INSTRUMENTAÇÃO CIRÚRGICA: é uma atividade de enfermagem, não sendo entretanto, ato privativo da mesma e que o profissional

Leia mais

Ambiente físico do Centro de Material Esterilizado

Ambiente físico do Centro de Material Esterilizado Ambiente físico do Centro de Material Esterilizado Gessilene de Sousa Sobecc, julho2011 Agenda Regulamentação Definição: Centro de Material Esterilizado - CME; Estrutura Física: Áreas de composição; Fluxograma

Leia mais

Para melhorar a saúde no Brasil com RFID

Para melhorar a saúde no Brasil com RFID Para melhorar a saúde no Brasil com RFID João Ricardo Tinoco de Campos Diretor de Enfermagem IDR Instituto Data Rio para Administração Pública RFID usado a favor da Biossegurança e da CCIH: Comissão de

Leia mais

Risco Biológico. A ocorrência do evento danoso está ligado à :

Risco Biológico. A ocorrência do evento danoso está ligado à : RISCO BIOLÓGICO Risco Biológico A ocorrência do evento danoso está ligado à : 1) Existência ou não de medidas preventivas Níveis de Biossegurança. 2) Existência ou não de medidas preventivas que garantam

Leia mais

Drª Viviane Maria de Carvalho Hessel Dias Infectologista Presidente da Associação Paranaense de Controle de Infecção Hospitalar 27/09/2013

Drª Viviane Maria de Carvalho Hessel Dias Infectologista Presidente da Associação Paranaense de Controle de Infecção Hospitalar 27/09/2013 Drª Viviane Maria de Carvalho Hessel Dias Infectologista Presidente da Associação Paranaense de Controle de Infecção Hospitalar 27/09/2013 Conceitos Básicos Organismo Vivo Conceitos Básicos Organismo Vivo

Leia mais

A PERCEPÇÃO DO TÉCNICO DE ENFERMAGEM SOBRE LIMPEZA TERMINAL EM UTI

A PERCEPÇÃO DO TÉCNICO DE ENFERMAGEM SOBRE LIMPEZA TERMINAL EM UTI 1 A PERCEPÇÃO DO TÉCNICO DE ENFERMAGEM SOBRE LIMPEZA TERMINAL EM UTI INTRODUÇÃO Maria do Socorro Oliveira Guimarães - NOVAFAPI Paula Cristina Santos Miranda Queiroz - NOVAFAPI Rosania Maria de Araújo -

Leia mais

LIMPEZA. Maria da Conceição Muniz Ribeiro. Mestre em Enfermagem (UERJ)

LIMPEZA. Maria da Conceição Muniz Ribeiro. Mestre em Enfermagem (UERJ) LIMPEZA Maria da Conceição Muniz Ribeiro Mestre em Enfermagem (UERJ) A limpeza é um dos elementos eficaz nas medidas de controle para romper a cadeia epidemiológica das infecções. Ela constitui um fator

Leia mais

Controle de populações microbianas: eficácia da ação de desinfetantes sobre superfícies inertes

Controle de populações microbianas: eficácia da ação de desinfetantes sobre superfícies inertes Departamento de Microbiologia Instituto de Ciências Biológicas Universidade Federal de Minas Gerais http://www.icb.ufmg.br/mic Controle de populações microbianas: eficácia da ação de desinfetantes sobre

Leia mais

FUNDAÇÃO SANTA CASA DE MISERICÓRDIA DO PARÁ. N 0 Recomendação REC - 004

FUNDAÇÃO SANTA CASA DE MISERICÓRDIA DO PARÁ. N 0 Recomendação REC - 004 Página 1/14 1) INTRODUÇÃO: Estas recomendações são direcionadas a prevenção e controle das infecções do sítio cirúrgico. As medidas de prevenção de infecção do sítio cirúrgico (ISC) se dividem em ações

Leia mais

RELAÇÃO TRABALHOS APROVADOS 9º SIMPÓSIO

RELAÇÃO TRABALHOS APROVADOS 9º SIMPÓSIO RELAÇÃO TRABALHOS APROVADOS 9º SIMPÓSIO Os Trabalhos publicados são de total responsabilidade dos respectivos autores. 1 - CÓD. 792 CONSCIENTIZAÇÃO DA EQUIPE DE ENFERMAGEM DA CME SOBRE A IMPORTÂNCIA DO

Leia mais

O USO DE EQUIPAMENTOS DE PROTEÇÃO PELOS ALUNOS E TÉCNICOS DA FACULDADE NOVAFAPI

O USO DE EQUIPAMENTOS DE PROTEÇÃO PELOS ALUNOS E TÉCNICOS DA FACULDADE NOVAFAPI O USO DE EQUIPAMENTOS DE PROTEÇÃO PELOS ALUNOS E TÉCNICOS DA FACULDADE NOVAFAPI Francisca Miriane de Araújo- NOVAFAPI Lorena Bezerra Barros- NOVAFAPI Marcela de Lacerda Valença- NOVAFAPI Márcio Edivandro

Leia mais

Procedimento da Higiene das Mãos

Procedimento da Higiene das Mãos HIGIENE DAS MÃOS Pág. 1/7 Objetivo Melhorar as práticas de higiene das mãos dos profissionais de saúde. Reduzir a transmissão cruzada de microrganismos patogénicos. Âmbito Todos os serviços clínicos e

Leia mais

PNEUMONIA ASSOCIADA À VENTILAÇÃO MECÂNICA

PNEUMONIA ASSOCIADA À VENTILAÇÃO MECÂNICA PNEUMONIA ASSOCIADA À VENTILAÇÃO MECÂNICA CONCEITO A Pneumonia Associada à Ventilação Mecânica (PAV) é infecção diagnosticada após 48h de ventilação mecânica até a sua suspensão. ETIOLOGIA Tabela 1. Microorganismos

Leia mais

HIGIENIZAÇÃO, LIMPEZA E PARAMENTAÇÃO

HIGIENIZAÇÃO, LIMPEZA E PARAMENTAÇÃO Bem Vindos! HIGIENIZAÇÃO, LIMPEZA E PARAMENTAÇÃO Quem sou? Farmacêutica Bioquímica e Homeopata. Especialista em Análises Clínicas, Micologia, Microbiologia e Homeopatia. 14 anos no varejo farmacêutico

Leia mais

Transporte do paciente com suspeita de DVE (Doença do Vírus Ebola)

Transporte do paciente com suspeita de DVE (Doença do Vírus Ebola) Transporte do paciente com suspeita de DVE (Doença do Vírus Ebola) Por orientação do Ministério da Saúde o transporte terrestre do paciente com suspeita de DVE (Doença do Vírus Ebola), será realizado pelo

Leia mais

PROTOCOLO MÉDICO. Assunto: Infecção do sítio cirúrgico. Especialidade: Infectologia. Autor: Cláudio de Cerqueira Cotrim Neto e Equipe GIPEA

PROTOCOLO MÉDICO. Assunto: Infecção do sítio cirúrgico. Especialidade: Infectologia. Autor: Cláudio de Cerqueira Cotrim Neto e Equipe GIPEA PROTOCOLO MÉDICO Assunto: Infecção do sítio cirúrgico Especialidade: Infectologia Autor: Cláudio de Cerqueira Cotrim Neto e Equipe GIPEA Data de Realização: 29/04/2009 Data de Revisão: Data da Última Atualização:

Leia mais

Modelos de Mensagens para Homenagens Mais Utilizadas

Modelos de Mensagens para Homenagens Mais Utilizadas 1012. Stylo Formaturas Produtora Agenciamento e Produção de Formaturas A jornada pareceu árdua e difícil... O desânimo tentou se apossar por vezes... Entretanto, o lembrar de suas faces preocupadas E tanto

Leia mais

USO PRÁTICO DOS INDICADORES DE IRAS: SUBSIDIANDO O TRABALHO DA CCIH HOSPITAIS COM UTI

USO PRÁTICO DOS INDICADORES DE IRAS: SUBSIDIANDO O TRABALHO DA CCIH HOSPITAIS COM UTI USO PRÁTICO DOS INDICADORES DE IRAS: SUBSIDIANDO O TRABALHO DA CCIH HOSPITAIS COM UTI Débora Onuma Médica Infectologista INTRODUÇÃO O que são Indicadores? 1. Indicador é uma medida quantitativa que pode

Leia mais

Centro de Prevenção e Controle de Doenças CCD Núcleo Municipal de Controle de Infecção Hospitalar - NMCIH

Centro de Prevenção e Controle de Doenças CCD Núcleo Municipal de Controle de Infecção Hospitalar - NMCIH Centro de Prevenção e Controle de Doenças CCD ALERTA EPIDEMIOLÓGICO I Influenza Suína ABRIL 2009 Definição de caso 1-Caso suspeito de infecção humana pelo vírus da influenza suína A (H1N1). Apresentar

Leia mais

O desafio é A Segurança do Paciente

O desafio é A Segurança do Paciente O desafio é A Segurança do Paciente CAISM - Fevereiro de 2011: Implantação do Segundo Desafio Global Cirurgias Seguras Salvam Vidas Profª Drª Roseli Calil Enfº Adilton Dorival Leite Conhecendo um pouco

Leia mais

PREVENÇÃO DA INFECÇÃO CIRÚRGICA

PREVENÇÃO DA INFECÇÃO CIRÚRGICA HOSPITAL DE SANTA MARIA COMISSÃO DE CONTROLO DA INFECÇÃO HOSPITALAR Piso 6, Tel. 5401/1627 Norma n.º 4 (Actualização em Março de 2006) PREVENÇÃO DA INFECÇÃO CIRÚRGICA De acordo com o Inquérito de Prevalência

Leia mais

PROGRAMA DE CONTROLE DE INFECÇÃO HOSPITALAR-PCIH

PROGRAMA DE CONTROLE DE INFECÇÃO HOSPITALAR-PCIH Código: PCIH. SCIH. 001 Versão: 1.0 Revisão: 00 Página: 1de 9 PROGRAMA DE CONTROLE DE INFECÇÃO HOSPITALAR-PCIH 2013 Código: PCIH. SCIH. 001 Versão: 1.0 Revisão: 00 Página: 2de 9 Programa de Atividades

Leia mais

1.1. PROTOCOLO DE IDENTIFICAÇÃO E MONITORAMENTO DE CONTACTANTES DE CASOS DE DOENÇA PELO VÍRUS EBOLA (DVE)

1.1. PROTOCOLO DE IDENTIFICAÇÃO E MONITORAMENTO DE CONTACTANTES DE CASOS DE DOENÇA PELO VÍRUS EBOLA (DVE) 1.1. PROTOCOLO DE IDENTIFICAÇÃO E MONITORAMENTO DE CONTACTANTES DE CASOS DE DOENÇA PELO VÍRUS EBOLA (DVE) ATUALIZAÇÃO: VERSÃO 11-27 DE OUTUBRO DE 2014 7.2.1. Introdução A detecção de casos suspeitos de

Leia mais

DA IH À IACS: A NOMENCLATURA MUDOU ALGUMA COISA? Elaine Pina

DA IH À IACS: A NOMENCLATURA MUDOU ALGUMA COISA? Elaine Pina DA IH À IACS: A NOMENCLATURA MUDOU ALGUMA COISA? Hospitais Públicos P e Privados Elaine Pina O NOME DAS COISAS What s s there in a name? A rose by any other name would smell as sweet William Shakespeare

Leia mais

Estudo. Hospitais Emergência (1984)

Estudo. Hospitais Emergência (1984) 1. Introdução A partir da segunda metade do século XX é possível constatarmos um acentuado desenvolvimento tecnológico na área médica, sobretudo no que diz respeito ao diagnóstico e à terapia. Além disso,

Leia mais

Instrução de Trabalho. Circulação de sala

Instrução de Trabalho. Circulação de sala 1 de 5 526 5 RESULTADO ESPERADO: Promover ato cirúrgico em tempo hábil, com segurança para o paciente e para toda a equipe cirurgica. 526 PROCESSOS RELACIONADOS: Atendimento Cirúrgico (Assistência Cirúrgica)

Leia mais

Norma aplicada ao Vestuário para Bloco Operatório EN 13795

Norma aplicada ao Vestuário para Bloco Operatório EN 13795 3as Jornadas APHH 1 Norma aplicada ao Vestuário para Bloco Operatório EN 13795 Alexandra Coelho 2 Fabrico de Dispositivos Médicos PME Líder ISO 9001 ISO 13485 Marcação CE, Dispositivos Médicos classe I

Leia mais

Concurso Literário. O amor

Concurso Literário. O amor Concurso Literário O Amor foi o tema do Concurso Literário da Escola Nova do segundo semestre. Durante o período do Concurso, o tema foi discutido em sala e trabalhado principalmente nas aulas de Língua

Leia mais

ANEXO I Descrição dos Cargos

ANEXO I Descrição dos Cargos ANEXO I Descrição dos Cargos DESCRIÇÃO: 1. - Auxiliar de Enfermagem: Prestar cuidados diretos de enfermagem ao paciente, por delegação e sob a supervisão do enfermeiro e do médico. Administrar medicação

Leia mais

1. Quais os EPIs ( e outros) devem ser utilizados na assistência a pacientes com suspeita de infecção pelo vírus Ebola?

1. Quais os EPIs ( e outros) devem ser utilizados na assistência a pacientes com suspeita de infecção pelo vírus Ebola? Segue abaixo, uma série de perguntas e respostas elaboradas pela GGTES (com base em questionamentos enviados pelos estados), a fim de esclarecer dúvidas e complementar alguns pontos da Nota Técnica nº

Leia mais

Medidas de Controle e Prevenção da Infecção

Medidas de Controle e Prevenção da Infecção Secretaria de Estado de Saúde e Defesa Civil do Rio de Janeiro Secretaria Municipal de Saúde e Defesa Civil do Rio de Janeiro Protocolos Influenza A (H1N1) Medidas de Controle e Prevenção da Infecção Porta

Leia mais

Protocolo de Higienização de Mãos ISGH Página 1

Protocolo de Higienização de Mãos ISGH Página 1 Protocolo de Higienização de Mãos ISGH Página 1 ELABORAÇÃO Bráulio Matias de Carvalho - Médico Infectologista- ISGH Selma Furtado Magalhães - Gerente de Risco - ISGH COLABORADORES Jamile de Sousa Pacheco

Leia mais

FUNDAÇÃO SANTA CASA DE MISERICÓRDIA DO PARÁ. N 0 Recomendação REC - 003

FUNDAÇÃO SANTA CASA DE MISERICÓRDIA DO PARÁ. N 0 Recomendação REC - 003 Página 1/6 1- INTRODUÇÃO: O trato urinário é um dos sítios mais comuns de infecção hospitalar, contribuindo com cerca de 40% do total das infecções referidas por hospitais gerais. Além das condições de

Leia mais

Sobre esta obra, você tem a liberdade de:

Sobre esta obra, você tem a liberdade de: Sobre esta obra, você tem a liberdade de: Compartilhar copiar, distribuir e transmitir a obra. Sob as seguintes condições: Atribuição Você deve creditar a obra da forma especificada pelo autor ou licenciante

Leia mais

Rotina para Prevenção de Transmissão de Tuberculose Nosocomial

Rotina para Prevenção de Transmissão de Tuberculose Nosocomial MINISTÉRIO DA SAÚDE SECRETARIA DE ATENÇÃO À SAÚDE HOSPITAL FEDERAL DE BONSUCESSO COMISSÃO DE CONTROLE DE INFECÇÃO HOSPITALAR ROTINA A13 elaborada em 09/12/2010 Rotina para Prevenção de Transmissão de Tuberculose

Leia mais

Precaução padrão e Isolamento

Precaução padrão e Isolamento Precaução padrão e Isolamento Precauções de Isolamento no Perioperatório Enf Dra.Valeska Stempliuk IEP/HSL Pontos importantes Modos de transmissão de patógenos Por que isolar? Quem deve saber que o paciente

Leia mais

Risco Biológico. Profª Enfª Luciene F. Lemos Borlotte

Risco Biológico. Profª Enfª Luciene F. Lemos Borlotte Risco Biológico Profª Enfª Luciene F. Lemos Borlotte Mini Currículo Graduada em Enfermagem e Obstetrícia UFES Especialista em Educação Profissional FIOCRUZ/UFES Membra da ABEN-ES Atuação Profissional:

Leia mais

UNIVERSIDADE FEDERAL DO TRIÂNGULO MINEIRO DIRETORIA DE ENFERMAGEM SERVIÇO DE EDUCAÇÃO EM ENFERMAGEM

UNIVERSIDADE FEDERAL DO TRIÂNGULO MINEIRO DIRETORIA DE ENFERMAGEM SERVIÇO DE EDUCAÇÃO EM ENFERMAGEM UNIVERSIDADE FEDERAL DO TRIÂNGULO MINEIRO DIRETORIA DE ENFERMAGEM SERVIÇO DE EDUCAÇÃO EM ENFERMAGEM MINICURSO: Assistência de enfermagem ao cliente com feridas Ferida cirúrgica 1º Semestre de 2013 Instrutora:

Leia mais

Oxigenação tecidular Normotermia Antibioterapia profilática. Técnica cirúrgica Duração da cirurgia Hemorragia/Transfusão

Oxigenação tecidular Normotermia Antibioterapia profilática. Técnica cirúrgica Duração da cirurgia Hemorragia/Transfusão INFECÇÃO DO LOCAL CIRÚRGICO: DESTINO, AGOIRO?? José Polónia (CHP-HSA) HSA) Ignaz Semmelweis 1840 s Joseph Lister 1860 s William Halsted 1880 s John Burke 1960 s Oxigenação tecidular Normotermia Antibioterapia

Leia mais

CUIDADOS NAS ETAPAS DO PROCESSAMENTODOS ARTIGOS EM CME

CUIDADOS NAS ETAPAS DO PROCESSAMENTODOS ARTIGOS EM CME CUIDADOS NAS ETAPAS DO PROCESSAMENTODOS ARTIGOS EM CME II SIMPÓSIO NORTE/NORDESTE DE ENFERMAGEM EM CENTRO CIRÚRGICO, RECUPERAÇÃO ANESTÉSICA E CENTRO DE MATERIAL E ESTERILIZAÇÃO NADJA FERREIRA Enfermeira

Leia mais

COMISSÃO DE CONTROLE DE INFECÇÃO HOSPITALAR SERVIÇO DE CONTROLE DE INFECÇÃO HOSPITALAR. Higienização das Mãos

COMISSÃO DE CONTROLE DE INFECÇÃO HOSPITALAR SERVIÇO DE CONTROLE DE INFECÇÃO HOSPITALAR. Higienização das Mãos COMISSÃO DE CONTROLE DE INFECÇÃO HOSPITALAR SERVIÇO DE CONTROLE DE INFECÇÃO HOSPITALAR *Definição: Higienização das Mãos Lavagem das mãos é a fricção manual vigorosa de toda superfície das mãos e punhos,

Leia mais

BIOSSEGURANÇA/RISCO. S e r v i ç o s O d o n t o l ó g i c o s : prevenção e controle de risco.

BIOSSEGURANÇA/RISCO. S e r v i ç o s O d o n t o l ó g i c o s : prevenção e controle de risco. BIOSSEGURANÇA/RISCO S e r v i ç o s O d o n t o l ó g i c o s : prevenção e controle de risco. SIGLÁRIO ANVISA Agência Nacional de Vigilância Sanitária CAT Comunicação de Acidente de Trabalho CDC Centro

Leia mais

SCIH PREVENÇÃO DE INFECÇÃO DO TRATO URINÁRIO - ITU

SCIH PREVENÇÃO DE INFECÇÃO DO TRATO URINÁRIO - ITU M Pr02 1 de 5 Histórico de Revisão / Versões Data Versão/Revisões Descrição Autor 1.00 Proposta inicial EB, MS RESUMO A infecção do trato urinário relacionada à assistência à saúde (ITU-RAS) no adulto

Leia mais

Melhor desempenho. Maior produtividade. DuPont. Sontara FS PANOS DE LIMPEZA PROFISSIONAL

Melhor desempenho. Maior produtividade. DuPont. Sontara FS PANOS DE LIMPEZA PROFISSIONAL Melhor desempenho. Maior produtividade. DuPont Sontara FS PANOS DE LIMPEZA PROFISSIONAL Maior qualidade, segurança e eficiência nos processos de limpeza profissional. Quem olha para o futuro com vontade

Leia mais

1. Porque eu te amo nunca será suficiente 2. Porque a cada dia você me conquista mais e de um jeito novo 3. Porque a ciência não tem como explicar

1. Porque eu te amo nunca será suficiente 2. Porque a cada dia você me conquista mais e de um jeito novo 3. Porque a ciência não tem como explicar 1. Porque eu te amo nunca será suficiente 2. Porque a cada dia você me conquista mais e de um jeito novo 3. Porque a ciência não tem como explicar nosso amor 4. Porque a gente discute nossos problemas

Leia mais

EXAMES MICROBIOLÓGICOS. Profa Dra Sandra Zeitoun

EXAMES MICROBIOLÓGICOS. Profa Dra Sandra Zeitoun EXAMES MICROBIOLÓGICOS Profa Dra Sandra Zeitoun Exames microbiológicos Os microorganismos que causam doenças infecciosas são definidos como patógenos, pois se multiplicam e causam lesão tecidual. Todos

Leia mais

Faculdade de Ciências Médicas da Santa Casa de SP Curso de Graduação em Enfermagem Autorização em 04/12/00 Parecer No. 1115/00

Faculdade de Ciências Médicas da Santa Casa de SP Curso de Graduação em Enfermagem Autorização em 04/12/00 Parecer No. 1115/00 PROGRAMA DA DISCIPLINA DE MICROBIOLOGIA Plano de Ensino Ano Letivo 2012 1º Semestre CHEFE DA DISCIPLINA: Profª Dra. Lycia Mara Jenné Mímica COORDENADOR DO CURSO: CORPO DOCENTE: Profª. Alessandra Navarini

Leia mais

REGIMENTO INTERNO DA COMISSÂO DE CONTROLE DE INFECÇÃO HOSPITALAR (CCIH) E SERVIÇO DE CONTROLE DE INFECÇÃO HOSPITALAR (SCIH) DO HU/UFJF

REGIMENTO INTERNO DA COMISSÂO DE CONTROLE DE INFECÇÃO HOSPITALAR (CCIH) E SERVIÇO DE CONTROLE DE INFECÇÃO HOSPITALAR (SCIH) DO HU/UFJF REGIMENTO INTERNO DA COMISSÂO DE CONTROLE DE INFECÇÃO HOSPITALAR (CCIH) E SERVIÇO DE CONTROLE DE INFECÇÃO HOSPITALAR (SCIH) DO HU/UFJF CAPÍTULO I DA DENOMINAÇÃO Artigo 1º Atendendo à Portaria de número

Leia mais

Músicos, Ministros de Cura e Libertação

Músicos, Ministros de Cura e Libertação Músicos, Ministros de Cura e Libertação João Paulo Rodrigues Ferreira Introdução Caros irmãos e irmãs; escrevo para vocês não somente para passar instruções, mas também partilhar um pouco da minha experiência

Leia mais

MINISTÉRIO DA SAÚDE HOSPITAL GERAL DE BONSUCESSO COMISSÃO DE CONTROLE DE INFECÇÃO HOSPITALAR ROTINA A 24 - Revisada em 29/10/2010

MINISTÉRIO DA SAÚDE HOSPITAL GERAL DE BONSUCESSO COMISSÃO DE CONTROLE DE INFECÇÃO HOSPITALAR ROTINA A 24 - Revisada em 29/10/2010 MINISTÉRIO DA SAÚDE HOSPITAL GERAL DE BONSUCESSO COMISSÃO DE CONTROLE DE INFECÇÃO HOSPITALAR ROTINA A 24 - Revisada em 29/10/2010 Recomendações para prevenção e controle das enterobactérias produtoras

Leia mais

PERTO DE TI AUTOR: SILAS SOUZA MAGALHÃES. Tu és meu salvador. Minha rocha eterna. Tu és minha justiça, ó Deus. Tu és Jesus, amado da Minh alma.

PERTO DE TI AUTOR: SILAS SOUZA MAGALHÃES. Tu és meu salvador. Minha rocha eterna. Tu és minha justiça, ó Deus. Tu és Jesus, amado da Minh alma. PERTO DE TI Tu és meu salvador. Minha rocha eterna. Tu és minha justiça, ó Deus. Tu és Jesus, amado da Minh alma. Jesus! Perto de ti, sou mais e mais. Obedeço a tua voz. Pois eu sei que tu és Senhor, o

Leia mais

ENFERMAGEM EM BIOSSEGURANÇA

ENFERMAGEM EM BIOSSEGURANÇA BIOSSEGURANÇA : 1-CONCEITO: É a ciência que estuda o manuseio de substâncias biológicas avaliando todas as condições que serão necessárias para a atividade de enfermagem. 1.2 Considerações gerais : Em

Leia mais

INSTITUIÇÃO: CENTRO UNIVERSITÁRIO DAS FACULDADES METROPOLITANAS UNIDAS

INSTITUIÇÃO: CENTRO UNIVERSITÁRIO DAS FACULDADES METROPOLITANAS UNIDAS TÍTULO: BIOSSEGURANÇA EM LABORATORIOS ANALITICOS CATEGORIA: CONCLUÍDO ÁREA: CIÊNCIAS BIOLÓGICAS E SAÚDE SUBÁREA: BIOMEDICINA INSTITUIÇÃO: CENTRO UNIVERSITÁRIO DAS FACULDADES METROPOLITANAS UNIDAS AUTOR(ES):

Leia mais

A IMPORTÂNCIA DA CME DENTRO DA CIRURGIA SEGURA

A IMPORTÂNCIA DA CME DENTRO DA CIRURGIA SEGURA 19. A IMPORTÂNCIA DA CME DENTRO DA CIRURGIA SEGURA Enf.ª M.Sc. Elaine Lasaponari COREN SP.nº68.582 CME E CIRURGIA SEGURA : UMA EXIGÊNCIA NO SÉCULO XXI Cultura para cirurgia Cirurgia segura Segura Pode

Leia mais

Estabelecimentos de Saúde/Infec

Estabelecimentos de Saúde/Infec Secretaria Estadual de Saúde Centro Estadual de Vigilância em Saúde Divisão de Vigilância Sanitária Núcleo de Vigilância em Estabelecimentos de Saúde/Infec Ana Luiza Rammé Ana Carolina Kraemer Roberta

Leia mais

QUALIDADE NO REPROCESSAMENTO DE ARTIGOS PELO VAPOR SATURADO SOB PRESSÃO. Unidade Acadêmica: Núcleo de Estudos em Saúde Coletiva - NESC/UFG

QUALIDADE NO REPROCESSAMENTO DE ARTIGOS PELO VAPOR SATURADO SOB PRESSÃO. Unidade Acadêmica: Núcleo de Estudos em Saúde Coletiva - NESC/UFG QUALIDADE NO REPROCESSAMENTO DE ARTIGOS PELO VAPOR SATURADO SOB PRESSÃO. Alline Cristhiane da Cunha MENDONÇA 1 ; Ana Lúcia Queiroz BEZERRA 2 ; Anaclara Ferreira Veiga TIPPLE 3. Unidade Acadêmica: Núcleo

Leia mais

BIOSSEGURANÇA. com ênfase na RDC ANVISA 302. Prof. Archangelo P. Fernandes

BIOSSEGURANÇA. com ênfase na RDC ANVISA 302. Prof. Archangelo P. Fernandes BIOSSEGURANÇA com ênfase na RDC ANVISA 302 Prof. Archangelo P. Fernandes BIOSSEGURANÇA LABORATORIAL Atitude Bom Senso Comportamento BIOSSEGURANÇA LABORATORIAL Atitude Bom Senso Comportamento Conhecimento

Leia mais

Gripe por Influenza A H1N1 *

Gripe por Influenza A H1N1 * CONSELHO REGIONAL DE ENFERMAGEM DE SÃO PAULO São Paulo, maio de 2009. Gripe por Influenza A H1N1 * Informações básicas O que é Gripe por Influenza A H1N1? A gripe por Influenza A H1N1 (Suína) é uma doença

Leia mais

Corrente Sanguínea. Critérios Nacionais de Infecções. Relacionadas à Assistência à Saúde. Agência Nacional de Vigilância Sanitária

Corrente Sanguínea. Critérios Nacionais de Infecções. Relacionadas à Assistência à Saúde. Agência Nacional de Vigilância Sanitária Agência Nacional de Vigilância Sanitária Corrente Sanguínea Critérios Nacionais de Infecções Relacionadas à Assistência à Saúde Unidade de Investigação e Prevenção das Infecções e dos Efeitos Adversos

Leia mais

Programa para prevenção de ATs com perfurocortantes. Érica Lui Reinhardt Pesquisadora - Fundacentro

Programa para prevenção de ATs com perfurocortantes. Érica Lui Reinhardt Pesquisadora - Fundacentro Programa para prevenção de ATs com perfurocortantes Érica Lui Reinhardt Pesquisadora - Fundacentro Respeito Ambiente Ocupacional Saudável Programas integrados PPRA, PCMSO, PGRSS... Visão holística do serviço

Leia mais

CARTILHA ELETRÔNICA INFLUENZA A (H1N1) INFORMAÇÃO E PREVENÇÃO PARA AS ESCOLAS

CARTILHA ELETRÔNICA INFLUENZA A (H1N1) INFORMAÇÃO E PREVENÇÃO PARA AS ESCOLAS CARTILHA ELETRÔNICA INFLUENZA A (H1N1) INFORMAÇÃO E PREVENÇÃO PARA AS ESCOLAS ORIENTAÇÃO AOS PEDAGOGOS Todas as informações constantes nesta cartilha devem ser levadas ao conhecimento de todos os alunos,

Leia mais

Acidentes com materiais perfurocortantes

Acidentes com materiais perfurocortantes Acidentes com materiais perfurocortantes Forma de transmissão: Oral-fecal Riscos biológicos Via respiratória (gotículas ou aérea) Contato Via sanguínea Alto risco Risco Intermediário Sem risco Sangue e

Leia mais

Contêineres rígidos para esterilização

Contêineres rígidos para esterilização Por Silvia Baffi 1. Introdução Contêineres rígidos para esterilização Contêineres são recipientes rígidos e reutilizáveis para a esterilização. São compostos por diferentes dispositivos que podem ser denominados

Leia mais

Equipamento de Proteção Individual

Equipamento de Proteção Individual Equipamento de Proteção Individual NR 6 Equipamento de Proteção Individual De acordo com a NR-6 da Portaria nº 3214 de 8 de junho de 1978, do Ministério do Trabalho e Emprego, considera-se Equipamento

Leia mais

Prof. Marcelo Luiz Pereira

Prof. Marcelo Luiz Pereira CUIDADOS COM O AR CONDICIONADO PARA O CONTROLE DE PARTÍCULAS EM SUSPENSÃO CENTRAL DE MATERIAL E ESTERILIZAÇÃO : ÁREA DE PREPARO, ÁREA ESTÉRIL E ARMAZENAMENTO Prof. Marcelo Luiz Pereira Mestre 1 e Doutorando

Leia mais

DIMENSIONAMENTO DO ENXOVAL HOSPITALAR. ENFª ELISABETE REINEHR Março 2015

DIMENSIONAMENTO DO ENXOVAL HOSPITALAR. ENFª ELISABETE REINEHR Março 2015 DIMENSIONAMENTO DO ENXOVAL HOSPITALAR ENFª ELISABETE REINEHR Março 2015 ENXOVAL HOSPITALAR É o conjunto de roupas utilizadas pelos hospitais com a finalidade de atender os diversos serviços e procedimentos

Leia mais

LEVANTAMENTO DOS RISCOS DE CONTAMINAÇÃO EM UM LABORATÓRIO DE ANÁLISES CLÍNICAS NO CENTRO- OESTE DO ESTADO PARANÁ

LEVANTAMENTO DOS RISCOS DE CONTAMINAÇÃO EM UM LABORATÓRIO DE ANÁLISES CLÍNICAS NO CENTRO- OESTE DO ESTADO PARANÁ LEVANTAMENTO DOS RISCOS DE CONTAMINAÇÃO EM UM LABORATÓRIO DE ANÁLISES CLÍNICAS NO CENTRO- OESTE DO ESTADO PARANÁ Guilherme Viero, Marlise Shoenhals, Franciele A.C. Follador, Darlan Clóvis Vettorello Rech,

Leia mais

CONTROLE DA INFECÇÃO HOSPITALAR É DEFICIENTE EM MAIS DE 90% DOS HOSPITAIS DE SÃO PAULO

CONTROLE DA INFECÇÃO HOSPITALAR É DEFICIENTE EM MAIS DE 90% DOS HOSPITAIS DE SÃO PAULO CONTROLE DA INFECÇÃO HOSPITALAR É DEFICIENTE EM MAIS DE 90% DOS HOSPITAIS DE SÃO PAULO 13/04/2009 Levantamento inédito sobre a situação do controle da infecção hospitalar realizado pelo Conselho Regional

Leia mais

MELHORES MOMENTOS. Expressão de Louvor Paulo Cezar

MELHORES MOMENTOS. Expressão de Louvor Paulo Cezar MELHORES MOMENTOS Expressão de Louvor Acordar bem cedo e ver o dia a nascer e o mato, molhado, anunciando o cuidado. Sob o brilho intenso como espelho a reluzir. Desvendando o mais profundo abismo, minha

Leia mais

HIGIENIZAÇÃO HOSPITALAR 2013

HIGIENIZAÇÃO HOSPITALAR 2013 HIGIENIZAÇÃO HOSPITALAR 2013 O Hospital realiza uma combinação complexa de atividades especializadas, onde o serviço de Higienização e Limpeza ocupam um lugar de grande importância. Ao se entrar em um

Leia mais

Associação Tenda Espírita Pai Joaquim D Angola e Vovó Cambina

Associação Tenda Espírita Pai Joaquim D Angola e Vovó Cambina Associação Tenda Espírita Pai Joaquim D Angola e Vovó Cambina Psicografias Setembro de 2014 Sumário Luciana Pereira da Costa... 2 Luiz Paiva Neto... 2 Comunicado... 3 Debi Godoi Galvão... 3 Sou a criança...

Leia mais

INFORME TÉCNICO Nº 01/2007 ASSUNTO: CONTROLE DE BACTÉRIAS MULTIRRESISTENTES

INFORME TÉCNICO Nº 01/2007 ASSUNTO: CONTROLE DE BACTÉRIAS MULTIRRESISTENTES ESTADO DO RIO GRANDE DO SUL SECRETARIA ESTADUAL DA SAÚDE CENTRO ESTADUAL DE VIGILÂNCIA EM SAÚDE DIVISÃO DE VIGILÂNCIA SANITÁRIA Núcleo de Vigilância em Estabelecimentos de Saúde- Controle de Infecção INFORME

Leia mais

EMBALAGENS PARA ESTERILIZAÇÃO.

EMBALAGENS PARA ESTERILIZAÇÃO. EMBALAGENS PARA ESTERILIZAÇÃO. Márcia Cristina O Pereira Enfermeira encarregada da central de material esterilizado HMSL. Especialista em CC, CME, RA USP Mestrado em saúde do adulto - USP FINALIDADE DA

Leia mais

LAUDO 012/2013 SAE C.S. SANTA MARTA. SMS LAUDO PERICIAL DE INSALUBRIDADE/ PERICULOSIDADE N 012/2013 1

LAUDO 012/2013 SAE C.S. SANTA MARTA. SMS LAUDO PERICIAL DE INSALUBRIDADE/ PERICULOSIDADE N 012/2013 1 PREFEITURA MUNICIPAL DE PORTO ALEGRE SECRETARIA MUNICIPAL DA SAÚDE - SMS GERÊNCIA DE SAÚDE DO SERVIDOR MUNICIPAL - GSSM EQUIPE DE PERÍCIA TÉCNICA - EPT LAUDO 012/2013 SAE C.S. SANTA MARTA. SMS LAUDO PERICIAL

Leia mais

Situação Epidemiológica da Doença pelo Vírus Ebola (DVE) Dra Walria Toschi S/SUBPAV/SVS/CVE/GVDATA

Situação Epidemiológica da Doença pelo Vírus Ebola (DVE) Dra Walria Toschi S/SUBPAV/SVS/CVE/GVDATA Situação Epidemiológica da Doença pelo Vírus Ebola (DVE) Dra Walria Toschi S/SUBPAV/SVS/CVE/GVDATA Rio de Janeiro 11 de novembro de 2014 Epidemiologia O vírus Ebola foi identificado pela primeira vez em

Leia mais

Segurança Biológica (2) - práticas de assepsia

Segurança Biológica (2) - práticas de assepsia UNIVERSIDADE FEDERAL DO RIO GRANDE FURG EENF CURSO DE GRADUAÇÃO Disciplina: Semiologia e Semiotécnica II Segurança Biológica (2) - práticas de assepsia Profª Marta Riegert Borba - 2012 8. ASSEPSIA 8.1

Leia mais

2 Por que o reprocessamento de materiais médico-hospitalares é necessário no âmbito hospitalar

2 Por que o reprocessamento de materiais médico-hospitalares é necessário no âmbito hospitalar 2 Por que o reprocessamento de materiais médico-hospitalares é necessário no âmbito hospitalar Este capítulo tem por objetivo apresentar de maneira sucinta questões pertinentes a infecção hospitalar, por

Leia mais

RELACIONAMENTO TERAPÊUTICO ENTRE ENFERMEIRO E PACIENTE TRANSPLANTADO CARDÍACO: FORÇA VITAL PARA A HUMANIZAÇÃO

RELACIONAMENTO TERAPÊUTICO ENTRE ENFERMEIRO E PACIENTE TRANSPLANTADO CARDÍACO: FORÇA VITAL PARA A HUMANIZAÇÃO RELACIONAMENTO TERAPÊUTICO ENTRE ENFERMEIRO E PACIENTE TRANSPLANTADO CARDÍACO: FORÇA VITAL PARA A HUMANIZAÇÃO O transplante cardíaco é uma forma de tratamento para os pacientes com insuficiência cardíaca

Leia mais

Informe aos profissionais de saúde sobre as características da infecção por Mycobacterium abscessus, medidas para diagnóstico, tratamento e prevenção

Informe aos profissionais de saúde sobre as características da infecção por Mycobacterium abscessus, medidas para diagnóstico, tratamento e prevenção Informe aos profissionais de saúde sobre as características da infecção por Mycobacterium abscessus, medidas para diagnóstico, tratamento e prevenção Em decorrência das infecções causadas por micobactéria,

Leia mais

Relatório de Gestão da CCIH

Relatório de Gestão da CCIH Relatório de Gestão da CCIH 1 - Apresentação A Comissão de Controle de Infecção Hospitalar CCIH é formada por membros executores -01 enfermeira, 01 farmacêutica e 01 infectologista e consultoresrepresentantes

Leia mais

Biossegurança RISCOS BIOLOGICOS. UNISC Departamento de Biologia e Farmácia Prof. Jane Renner

Biossegurança RISCOS BIOLOGICOS. UNISC Departamento de Biologia e Farmácia Prof. Jane Renner Biossegurança RISCOS BIOLOGICOS UNISC Departamento de Biologia e Farmácia Prof. Jane Renner Risco biológico Definição Agente de origem biológica que possui a capacidade de produzir efeitos deletérios em

Leia mais

PRÁTICAS DE BIOSSEGURANÇA ADOTADAS POR MANICURES/PEDICURES NA PREVENÇÃO DE HEPATITE B E C

PRÁTICAS DE BIOSSEGURANÇA ADOTADAS POR MANICURES/PEDICURES NA PREVENÇÃO DE HEPATITE B E C PRÁTICAS DE BIOSSEGURANÇA ADOTADAS POR MANICURES/PEDICURES NA PREVENÇÃO DE HEPATITE B E C Renato Nelson Sasso 1, Lauyze Dall"ago Barbosa 2, Janete Lane Amadei 3 RESUMO: As hepatites emergem com problema

Leia mais

FREQUÊNCIA DE FUNGOS DERMATÓFITOS EM ONICOMICOSES

FREQUÊNCIA DE FUNGOS DERMATÓFITOS EM ONICOMICOSES Anais da Academia de Ciências e Tecnologia de São José do Rio Preto. 2008: 1(1): FREQUÊNCIA DE FUNGOS DERMATÓFITOS EM ONICOMICOSES FERNANDA CRISTOVÂO CATTÂNEO Resumo. As micoses superficiais de pele são

Leia mais

a) sempre que se produza uma mudança nas condições de trabalho, que possa alterar a exposição aos agentes biológicos;

a) sempre que se produza uma mudança nas condições de trabalho, que possa alterar a exposição aos agentes biológicos; Os 32 itens da NR-32 a serem trabalhados nesta primeira etapa do projeto 32 para implantação nos estabelecimentos de saúde até 2009 foram selecionados e estudados pela diretoria do Sinsaúde por serem os

Leia mais

Segurança do Paciente e Atendimento de Qualidade no Serviço Público e Privado

Segurança do Paciente e Atendimento de Qualidade no Serviço Público e Privado Simpósio Mineiro de Enfermagem e Farmácia em Oncologia Belo Horizonte - MG, setembro de 2013. Segurança do Paciente e Atendimento de Qualidade no Serviço Público e Privado Patricia Fernanda Toledo Barbosa

Leia mais

O PREFEITO DA CIDADE DO RIO DE JANEIRO, no uso de suas atribuições legais,

O PREFEITO DA CIDADE DO RIO DE JANEIRO, no uso de suas atribuições legais, DECRETO N.º 23915, DE 13 DE JANEIRO DE 2004 DISPÕE SOBRE O LICENCIAMENTO SANITÁRIO A QUE ESTÃO SUJEITOS OS SALÕES DE CABELEIREIROS, OS INSTITUTOS DE BELEZA, ESTÉTICA, PODOLOGIA E ESTABELECIMENTOS CONGÊNERES;

Leia mais

Sistema de Gestão da Qualidade PROTOCOLO: Limpeza concorrente e terminal do leito, cortinas, mobiliários e equipamentos hospitalares

Sistema de Gestão da Qualidade PROTOCOLO: Limpeza concorrente e terminal do leito, cortinas, mobiliários e equipamentos hospitalares Página: 1/9 INTRODUÇÃO: A limpeza e a desinfecção de superfícies são elementos que propiciam segurança e conforto aos pacientes, profissionais e familiares nos serviços de saúde. Colabora também para o

Leia mais