FACULDADE BOA VIAGEM CENTRO DE CAPACITAÇÃO EDUCACIONAL GLEDSON BARBOSA DE CARVALHO. INFECÇÃO GENITAL OCASIONADA POR Chlamydia Trachomatis

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "FACULDADE BOA VIAGEM CENTRO DE CAPACITAÇÃO EDUCACIONAL GLEDSON BARBOSA DE CARVALHO. INFECÇÃO GENITAL OCASIONADA POR Chlamydia Trachomatis"

Transcrição

1 FACULDADE BOA VIAGEM CENTRO DE CAPACITAÇÃO EDUCACIONAL GLEDSON BARBOSA DE CARVALHO INFECÇÃO GENITAL OCASIONADA POR Chlamydia Trachomatis RECIFE 2014

2 GLEDSON BARBOSA DE CARVALHO INFECÇÃO GENITAL OCASIONADA POR Chlamydia Trachomatis Monografia apresentada à Faculdade Boa Viagem e ao Centro de Capacitação Educacional, como exigência do Curso de Pós- Graduação Lato Sensu em Citologia Clínica. Orientador: Prof. Esp. Danilo Pontes de Oliveira Barros RECIFE 2014

3 C331i Carvalho, Gledson Barbosa de, Infecção genital ocasionada por Chlamydia Trachomatis / Gledson Barbosa de Carvalho. Recife : Ed. do Autor, f. : il. PeR BPE Orientador: Prof. Esp. Danilo Pontes de Oliveira Barros. Monografia (Curso de Pós-graduação Lato Sensu em Citologia Clínica) Faculdade Boa Viagem. Centro de Capacitação Educacional. Resumo em português e inglês. Inclui referências. Inclui anexo. 1. INFECÇÕES POR CLAMÍDIA DIAGNÓSTICO. 2. APARELHO GENITAL DOENÇAS PREVENÇÃO. 3. GINECOLOGIA PATOLÓGICA. 4. DOENÇAS SEXUALMENTE TRANSMISSÍVEIS TRATAMENTO. 5. EXAMES CITOPATO- LÓGICO. 6. INFECÇÕES POR CLAMÍDA PESQUISA. I. Barros, Danilo Pontes de Oliveira. II. Título. CDU CDD

4 GLEDSON BARBOSA DE CARVALHO INFECÇÃO GENITAL OCASIONADA POR Chlamydia Trachomatis Monografia para obtenção do grau de Especialista em Citologia Clínica. Recife, 09 de Abril de 2014 EXAMINADOR Nome: Titulação: PARECER FINAL:

5 RESUMO Chlamydia trachomatis é uma bactéria do tipo cocos, gram-negativa. Ela atua como parasita intracelular obrigatório de células eucarióticas, sendo incapaz de sintetizar adenosina trifosfato (ATP). Infecta somente célula humana e está frequentemente associada à infecção do trato genital humano, se constituindo um dos principais agentes sexualmente transmissíveis entre as populações humanas. A infecção é assintomática em até 50% dos homens e em 70% das mulheres. No Brasil, são raros os Serviços de Saúde que oferecem a pesquisa dessa bactéria sistematicamente como parte de uma consulta ginecológica ou de pré-natal, mesmo existindo no mercado vários métodos de diagnósticos baseados em: pesquisa de ácidos nucléicos, pesquisa de antígenos (Ag), cultura e pesquisa de anticorpos (Ac). O presente estudo buscou realizar um levantamento bibliográfico dessa bactéria, muitas vezes presente mas desconhecida na população por se apresentar frequentemente de forma assintomática, frisamos seu ciclo de desenvolvimento, seu modo de infecção e seus possíveis métodos de diagnóstico. Palavras-chave: Chlamydia trachomatis; Infecção genital; diagnóstico.

6 ABSTRACT Chlamydia trachomatis is a bacteria like cocci, gram-negative. It acts as an obligate intracellular parasite of eukaryotic cells, being unable to synthesize adenosine triphosphate (ATP). Infects only human cell and is often associated with human genital tract infection, constituting a major sexually transmitted agents in human populations. The infection is asymptomatic in 50% of men and 70% women. In Brazil, there are few that offer health services research this bacterium systematically as part of a gynecological or prenatal care, even though there are various methods of market-based diagnostics: research nucleic acids, search antigen (Ag) culture and antibodies (Ab). This study sought to conduct a literature review of this bacterium often present but unknown in the population is often present asymptomatically, we stress its development cycle, its mode of infection and its possible diagnostic methods. Keywords: Chlamydia trachomatis; Genital Infection; diagnosis.

7 SUMÁRIO 1.INTRODUÇÃO OBJETIVOS OBJETIVO GERAL OBJETIVOS ESPECÍFICOS FUNDAMENTAÇÃO TEÓRICA Chlamydia Trachomatis CICLO DE VIDA A INFECÇÃO DIAGNÓSTICO LABORATORIAL PESQUISA DE ANTICORPOS (AC) CULTURA PESQUISA DE ANTÍGENOS (AG) PESQUISA DE ÁCIDOS NUCLÉICOS CONCLUSÃO...15 REFERÊNCIAS...16

8 5 1. Introdução A Organização Mundial da Saúde (OMS) estima que a cada ano ocorram em torno de 92 milhões de novos casos de infecção pela clamídia, dos quais a maioria é observada em países em desenvolvimento, afetando principalmente adolescentes e jovens (WORLD HEALTH ORGANIZATION, 2013). No Brasil, como tais afecções não se incluem entre as doenças sexualmente transmissíveis (DSTs) de notificação compulsória, estima-se que ocorram cerca de novos casos de clamídia a cada ano (PIAZZETTA, R.C.P.S. et al., 2011). São raros os serviços de saúde que oferecem sistematicamente a pesquisa dessas bactérias como parte de uma consulta ginecológica ou de pré-natal. Nos serviços privados de saúde, só se pesquisa Chlamydia trachomatis (C. trachomatis) em casos sintomáticos ou quando um dos parceiros sexuais relata a presença desta bactéria. Mesmo nessas situações, a pesquisa laboratorial não faz parte da rotina da maioria dos serviços de saúde (JALIL, E.M. et al., 2008). O diagnóstico é dificultado pela inadequação laboratorial e pela dificuldade de caracterizar os sintomas específicos, particularmente em mulheres, das quais aproximadamente 70% podem ser assintomáticas (ORTIZ, L. et al. 1996). Nas que apresentam sintomatologia, ocorreu uma associação significativa com a positividade para a C. trachomatis e a presença de corrimento e ectrópio, o que coincide com os achados de alguns estudos, os quais encontraram a presença de corrimento vaginal dito anormal, definido como secreção, com características diferentes das produzidas nos períodos cíclicos de mudanças hormonais, como o sintoma mais frequente entre as mulheres com infecção por C. trachomatis (BARCELOS, M.R.B. et al., 2008; JALIL, E.M. et al., 2008; BENZAKEN, A.S. et al., 2010; BOZICEVIC, I. et al., 2011) e considerado como um dos fatores essenciais para o diagnóstico da doença inflamatória pélvica (GRAY-SWAIN, M.R.; PEIPERT, J.F., 2006). Sendo assim, o presente estudo visa fazer um levantamento bibliográfico dessa bactéria, muitas vezes assintomática, mas bastante presente em nossa população, enfatizando seu ciclo de desenvolvimento, seu modo de infecção e seus possíveis métodos de diagnóstico.

9 6 2. Objetivos 2.1 Objetivo geral Levantamente bibliográfico sobre Chlamydia trachomatis 2.2 Objetivos específicos Descrever: O Ciclo de vida A Infecção O Diagnostico laboratorial

10 7 3. Fundamentação teórica 3.1 Chlamydia trachomatis Ciclo de vida Chlamydia trachomatis é uma bactéria do tipo cocos, gram-negativa, que varia de 0,2 a 1,5 µm. Ela atua como parasita intracelular obrigatório de células eucarióticas, sendo incapaz de sintetizar ATP. Infecta somente célula humana e está frequentemente associada à infecção do trato genital humano, se constituindo um dos principais agentes sexualmente transmissíveis entre as populações humanas (PEREIRA, 2011). A família Chlamydiaceae é composta pelo gênero Chlamydia, o qual apresenta três espécies patogênicas ao homem, C. trachomatis, C. pneumoniae e C. psittaci. As duas últimas são agentes etiológicos de grande parte das infecções respiratórias (MANAVI, 2006; POIARES, et al. 2008). Já a espécie Chlamydia trachomatis é responsável pela etiogenia de patologias diferentes, associadas às biovariedades tracoma, linfogranuloma venéreo e infecções genitais (WARFORD, et al. 1999). Os sorotipos podem ser classificados de acordo com as diferentes apresentações clínicas: os sorotipos A, B, Ba (está correto), C estão associados ao tracoma endêmico; L1, L2, L3 ao LGV; D, E, F, G, H, I, J, K a infecções genitais e em neonatos (BLACK, 1997; BARNES, 1989; WARFORD, et al., 1999). Ela é uma bactéria imóvel, com ciclo de desenvolvimento bifásico e replicação dentro de vacúolos na célula hospedeira, formando inclusões citoplasmáticas características (BARNES, 1989). A replicação apresenta um ciclo multimórfico e sem sincronismo de desenvolvimento. Dentro deste ciclo multimórfico ocorrem duas formas bem distintas: os corpos elementares (EB) e os corpos reticulares (RB) (HALL, 1997; SCHACHTER; STAMM, 1999). Os corpos elementares são a forma infecciosa, entram no endossoma da célula hospedeira, depois de penetrar através de receptores na superfície da célula epitelial suscetível à clamídia (SCHACHTER; STAMM, 1999).

11 8 Figura 1. Ciclo de desenvolvimento da Chlamydia trachomatis (The intracellular life of chlamydiae, 2013) Aproximadamente oito horas após a entrada da C. trachomatis na célula, começa a replicação por divisão binária, completando-se o ciclo dentro do endossoma. O RB é maior em tamanho e mais rico em RNA; é a forma metabólica e não-infecciosa da clamídia. Em 24 a 72 horas o RB retorna à forma EB, formando vacúolos contendo de 100 a EB. Quando estes vacúolos substituem quase todo o citoplasma da célula hospedeira, ocorre lise e lançamento de EB para o meio extracelular, podendo dar início a um novo ciclo de infecção (WARFORD, et al., 1999). Apesar de ser antigenicamente complexa, são dois os antígenos mais relacionados ao diagnóstico e à patogênese da infecção por essa bactéria. São eles: o antígeno lipopolissacarídico (LPS), mais encontrado no RB, constituído principalmente por ácido cetodeoxietanóico; e o antígeno da major outer membrane protein (Momp) (WARFORD, et al., 1999). Os antígenos da Momp são espécie e subespécie-específicos; por isso são utilizados para a sorotipagem (caracterização realizada através de painel de anticorpos monoclonais) (SCHACHTER; STAMM, 1999). Essa bactéria possui restrições metabólicas, sendo incapaz de sintetizar ATP e necessitando de fonte externa de energia. A parede celular é característica de bactéria gram-negativa, mas, por ter vida intracelular obrigatória, foi originalmente

12 9 considerada um vírus. Entretanto, diferentemente dos vírus, possui RNA e DNA (BARNES, 1989; HALL, 1997; SCHACHTER; STAMM, 1999) A Infecção A infecção urogenital por C. trachomatis é a causa de doença sexualmente transmissível bacteriana mais prevalente no mundo, causando infecções genitais sintomáticas e, mais comumente, assintomáticas (FERNANDEZ, R.N.; XIMENES, A.C.; ALVES, M.F.C, 2005; GÖRANDER, S. et al., 2008). A Organização Mundial de Saúde (OMS) estima que anualmente cerca de 100 milhões de novos casos ocorrem em todo o mundo. Estudos mostram que as infecções por clamídia é a doença bacteriana transmitida mais comum em países europeus e nos Estados Unidos, com mais de 2,8 milhões de novos casos estimados para ocorrer a cada ano. Em 2009, mais de 1,2 milhões de casos de infecção por clamídia foram notificados para Centros de Controle de Doenças (CDC). A prevalência de infecção por clamídia foi de 6,8% entre as mulheres sexualmente ativas com idade entre anos (BORBOREMA-ALFAIA, 2013). No Brasil, de acordo com estudos epidemiológicos de doenças sexualmente transmissíveis (DSTs) em grupos específicos de mulheres que participaram ginecologia, planejamento familiar, pré-natal e clínicas mostrou uma prevalência de 2,1-27,1% para a infecção genital por C. trachomatis (MIRANDA A. E., GADELHA A. M. J., PASSOS M. R. L., 2003). No homem, a clamídia é responsável por 30% a 50% dos casos de uretrite não gonocócica, e, quando não tratada, pode levar à síndrome de Reiter (BLACK, M.C. 1997; SCHACHTER, J.; STAMM, W.E. 1999; WARFORD, A. et al. 1999). Uma característica desta síndrome é a recorrência, e inclui uretrite, artrite, uveíte e, frequentemente, lesões de pele e de membranas mucosas (MCCORMACK, M.W. et al. 1995; WARFORD, A. et al. 1999). A co-infecção poderia ainda, induzir respostas inflamatórias, diminuindo a eficiência da resposta imune celular e a capacidade de eliminar o HPV nas células da camada basal, facilitando a persistência viral (SMITH et al., 2002, 2004; ZEREU et al., 2007; PABA et al., 2008). Finan; Musharrafieh; Almawi (2006) também comentam que a infecção por C. trachomatis pode induzir a expressão de

13 10 mediadores pro-inflamatórios, alterando a adesão célula-célula e afetando o processo de diferenciação celular. Na mulher, a infecção genital pode causar salpingite, cervicite, uretrite, endometrite, doença inflamatória pélvica (DIP), infertilidade e gravidez ectópica (BLACK, M.C., 1997; GAYDOS, C. et al., 1998; HILLIS, D.S. et al., 1996; MCCORMACK, M.W. et al., 1995; QUINN, T.C. et al., 1996). Quando sintomática, observam-se corrimento vaginal, disúria e sangramento após as relações sexuais. A infecção se inicia usualmente pela endocérvice, podendo ocorrer na uretra e no reto, sendo incomum apenas na uretra (5% a 30%). Ocorre mais frequentemente na endocérvice e na uretra, em 50% a 60% dos casos (BLACK, M.C., 1997). A ascensão do microrganismo do trato geniturinário para o endométrio e para as trompas de Falópio pode ser causa de dor no baixo ventre e de anormalidades menstruais (WEINSTOCK, H.M.D. et al., 1994). O paradoxo em relação à infecção por clamídia é que, mesmo assintomática, pode causar severa imunopatologia tubária. Os testes de triagem para o diagnóstico e o tratamento promoveram uma redução de aproximadamente 56% na incidência de Doença Inflamatória Pélvica (SCHOLES, D.S. et al., 1996). Múltiplos estudos (BLACK, M.C., 1997; GAYDOS, C. et al., 1998; HILLIS, D.S. et al., 1996; QUINN, T.C. et al., 1996; WEINSTOCK, H.M.D. et al., 1994) apontam a infecção sintomática ou assintomática como associada à gravidez ectópica. A salpingite latente e não tratada é uma importante causa de infertilidade (BLACK, M.C., 1997, WARFORD, A. et al., 1999). A infecção por Chlamydia trachomatis está associada a resultados adversos na gravidez, incluindo aborto, ruptura prematura de membranas, trabalho de parto prematuro, baixo peso ao nascimento, óbito fetal, infecção neonatal e endometrite pós-parto (MEYERS, D.S.; HALVORSON, H.; LUCKHAUPT, S.; U.S., 2007). A gravidez ectópica pode causar morte durante o primeiro trimestre de gravidez (HILLIS, D.S. et al., 1996). A infecção por exposição perinatal ocorre em aproximadamente dois terços dos recém-nascidos de mães infectadas. A transmissão ocorre durante o trabalho de parto, sendo a causa mais comum de conjuntivite de inclusão que se desenvolve dentro de duas semanas após o nascimento e, quando não tratada, pode causar pneumonia (SEADI, C. F., 2002). A profilaxia das conjuntivites em recém-nascidos expostos à infecção falha em 15% a 25% dos casos (BLACK, M.C., 1997, WEINSTOCK, H.M.D. et al., 1994). O tratamento da pneumonia pode necessitar de hospitalização prolongada, podendo

14 11 deixar como sequela uma deficiência na função pulmonar destas crianças (WARFORD, A. et al., 1999). O Centers for Disease Control (CDC) recomenda a triagem em todas as mulheres sexualmente ativas com evidência de cervicite mucopurulenta e idade inferior a 20 anos; em mulheres com idade entre 20 e 30 anos que não utilizam preservativos regularmente e/ou que tenham trocado de parceiro nos últimos 90 dias, e em todas as mulheres com idade inferior a 30 anos atendidas em clínicas de planejamento familiar (HOWELL, M.R. et al., 1998). Ainda, alguns estudos têm sugerido a infecção por C. trachomatis como um fator de risco independente para o desenvolvimento de câncer cervical (SALCEDO, M.M.B.P. et al., 2008; OLIVEIRA, M.L. et al., 2008). Como também associado ao HPV, possivelmente porque essa bactéria teria papel facilitador na carcinogênese do colo do útero mediado pelo HPV, através das proteínas HSP60, que possuem ação anti-apoptótica, facilitando a atuação das oncoproteínas virais em células infectadas pelo HPV (OLIVEIRA, M.L. et al., 2008) No Brasil, são raros os Serviços de Saúde que oferecem a pesquisa dessa bactéria sistematicamente como parte de uma consulta ginecológica ou de pré-natal (JALIL, E.M. et al., 2008), embora na maioria das mulheres a infecção seja assintomática ou com sintomas mínimos. Esse dado é relevante na medida em que há evidências de que o rastreamento de gestantes assintomáticas pode detectar a infecção por clamídia e que o tratamento dessa infecção durante o curso da gestação melhora os resultados sobre a saúde materna e fetal, havendo recomendação para o rastreamento dessa bactéria durante a gravidez (MEYERS, D.S.; HALVORSON, H.; LUCKHAUPT, S., 2007) Diagnóstico laboratorial O aprimoramento de métodos laboratoriais permitiu um grande avanço no diagnóstico e avaliação epidemiológica das infecções provocadas pela C. trachomatis (MELLES, H.H.B. et al., 2000).

15 Pesquisa de anticorpos (Ac) As técnicas sorológicas mais comuns, como a fixação do complemento, a imunofluorescência indireta (IFI), que utiliza células infectadas com o sorotipo L2, e o enzimaimunoensaio heterogêneo, que utiliza antígenos recombinantes, detectam anticorpos gênero-específicos, ou seja, contra o antígeno LPS presente nos corpos elementares ou reticulares (BLACK, M.C., 1997; SCHACHTER, J.; STAMM, W.E., 1999). As técnicas que permitem detectar separadamente anticorpos de classe IgG, IgA e IgM são mais úteis, embora a pesquisa de IgM seja frequentemente indetectável quando a infecção é recorrente (BLACK, M.C., 1997; SCHACHTER, J.; STAMM, W.E., 1999). A presença de anticorpo IgM e/ou IgA e um aumento significativo (pelo menos dois títulos) de IgG entre uma amostra colhida na fase aguda e outra na convalescente evidenciam uma infecção recente (WARFORD, A. et al., 1999). A microimunofluorescência (MIF) descrita por Wangs et al. (1973) para a pesquisa de anticorpos é espécie e subespécie-específica. O princípio da técnica é o mesmo da IFI, mas difere nos antígenos, que são utilizados em quantidades mínimas, representando todas as espécies e sorotipos da clamídia (agrupados opcionalmente por afinidades). O MIF é a técnica de escolha para a pesquisa do anticorpo IgM no diagnóstico de pneumonia por clamídia no recém-nascido e a mais sensível entre as técnicas sorológicas, mas é laboriosa e de alto custo (BLACK, M.C., 1997; BLACK, M.C., 1997; SCHACHTER, J.; STAMM, W.E., 1999; WARFORD, A. et al., 1999) Cultura A técnica de referência para o diagnóstico desse agente ainda é o cultivo, que possui especificidade de quase 100%; no entanto, a sensibilidade não é muito boa (HERKENHOFF, Marcos Edgar et al., 2012). A sensibilidade deste método pode atingir um nível de cerca de % com meio de cultura especializada e condições de cultura, pessoal especializado e, pelo menos, 72 horas de tempo de cultura. Um elevado nível de suspeita em um clínico alerta é essencial para a escolha do meio de cultura e as condições para a direita, e uma melhoria significativa na taxa de

16 13 cultura pode também ser conseguida por transporte urgente e processamento das amostras no laboratório (SU W.H.,2011). Esse tipo de exame requer cultivo de linhagens celulares e estas são de alto custo e de difícil conservação, fazendo com que muitos laboratórios abandonem essa prática (HERKENHOFF, Marcos Edgar et al., 2012). Várias linhagens celulares permitem o cultivo da clamídia, sendo mais utilizadas as células McCoy distribuídas em monocamadas sobre microplacas. Este método utiliza a cycloheximida, droga citostática que permite a utilização de células em plena atividade metabólica, com apenas 24h de incubação, tornando-as mais sensíveis ao desenvolvimento da clamídia (RIPA, K.T.; MARDH, P.A., 1977). Na coleta da amostra, quer para fins citológicos, quer para fins de isolamento, devesse sempre considerar a quantidade de células epiteliais contidas nesse material (PHILLIPS, R.S. et al. 1987), levando-se em conta que a clamídia é um microrganismo intracelular obrigatório, com preferência por células do epitélio colunar. Assim, a presença dessas células reflete a qualidade da amostra para diagnóstico laboratorial. A vantagem da cultura é a baixa probabilidade de contaminação e a preservação do microrganismo para estudos adicionais, como o teste de suscetibilidade à terapia antimicrobiana e genotipagem (BLACK, M.C., 1997). Devido à alta especificidade, até meados de 1998, era a única metodologia aceita para fins médico-legais em suspeita de estupro e abuso sexual, conforme recomendação do CDC. A cultura tem sido considerada o padrão-ouro (gold standard), podendo, por vezes, subestimar a especificidade de outras técnicas mais sensíveis. Resultados discordantes em relação à cultura já foram até mesmo considerados falso-positivos, quando na verdade faltava sensibilidade à cultura (LEBAR, D.W., 1996). Por outro lado, avaliar testes menos sensíveis comparando-os com a cultura é superestimar a sensibilidade do teste em relação à verdadeira infecção (BLACK, M.C., 1997; HADGU, A., 1996). O isolamento da C. trachomatis em cultura de células não constitui padrão ouro com 100% de especificidade e sensibilidade. Entretanto, se processado sob condições ótimas, é mais sensível que os métodos novos e é específico (BLACK, M.C., 1997; MAGDER, L. et al. 1990). A agência americana Food and Drug Administration (FDA) tem ampliado a definição de um resultado verdadeiramente positivo para a infecção por clamídia,

17 14 baseando-se na combinação de dois testes (cultural e não-cultural) (BLACK, M.C., 1997). De acordo com o Guia da Prática Clínica, publicado pelo CDC, um diagnóstico é definitivo quando a cultura é positiva ou um teste não-cultural é confirmado por um segundo teste não-cultural. A associação de duas técnicas nãoculturais positivas é aceita como padrão-ouro expandido (SEADI, C.F. et al., 2002) Pesquisa de antígenos (Ag) Os testes de detecção de antígenos baseiam-se na reação com os antígenos contidos no LPS e no Momp. A detecção direta de antígeno também pode ser realizada por testes de EIA (Enzimaimunoensaio), os quais podem variar quanto ao tipo de fase sólida (como microplacas, pérolas, tubos) onde está ligado o anticorpo primário. Quando o antígeno está presente, este reage com um anticorpo marcado com enzima, cujo produto final pode ser avaliado por espectrofotometria, fluorescência ou quimiluminescência e correlacionado com a positividade ou não do teste (SEADI, C.F. et al., 2002). Técnicas de EIA que empregam anticorpo anti-lps apresentam a desvantagem de poderem resultar em reação cruzada com o LPS de outras bactérias (BLACK, M.C., 1997; WEINSTOCK, H.M.D. et al., 1994), levando a resultados falsamente positivos Pesquisa de ácidos nucléicos A partir de 1980, a tecnologia de detecção de ácidos nucléicos encontrou ampla aplicação no diagnóstico de infecção por clamídia, por ser mais rápida e sensível e por não depender da viabilidade da amostra. Sondas de DNA com sequência complementar ao RNA ribossomal 16S do genoma da clamídia e marcadas com éster de acridina, ao hibridizar com o DNA da clamídia, são absorvidas por magnetismo, e a reação é quantificada com o uso de um luminômetro. Amostras hemolisadas são inadequadas devido ao efeito de autofluorescência, podendo produzir resultados falso-positivos (BLACK, M.C., 1997). Boas práticas de laboratório e procedimentos de desinfecção são imprescindíveis para minimizar problemas de contaminação.

18 15 4. Conclusão As mulheres com infecções por clamídia frequentemente não são diagnosticadas até que surjam complicações, tais como a doença inflamatória pélvica (DIP). Mesmo assim, os sintomas de doença inflamatória pélvica causados por infecção por clamídia podem estar ausentes ou não ser específicos, aumentando o risco de complicações a longo prazo. Assim, reafirmamos a conclusão de autores de que não existe, de fato, sintoma que se possa dizer específico de infecção genital pela C. trachomatis. Uma vez infectados, as mulheres tornam-se suscetíveis à sequela da obstrução tubária bilateral e os homens ao fator masculino de infertilidade. Como a população jovem é a mais afetada, o rastreamento de casos assintomáticos tem sido recomendado em alguns países desde os anos de 1990, na maioria das vezes em populações específicas como em clínicas de DST, pré-natal e planejamento familiar. No Brasil, o rastreamento para C. trachomatis tem sido meta do Ministério da Saúde desde 1999 e tem sido realizado dentro da possibilidade dos serviços, em gestantes e adolescentes em atendimentos específicos como planejamento familiar, atendimento pré-natal e prevenção do câncer do colo do útero. Nos métodos de diagnósticos, ao abordarmos a pesquisa indireta, registramos a existência de situações em que é necessário a coleta de duas amostras em intervalos de pelo menos 15 dias, com o risco de altos percentuais de reações cruzadas pelas técnicas de EIA e de IFI. A má administração de tais limites do método compromete seus resultados. Por outro lado, a cultura, apesar de exigir infraestrutura pouco acessível da maioria dos laboratórios de rotina, oferece maior segurança quanto à contaminação de amostras. Sua sensibilidade, mesmo sendo inferior somente à da PCR, compensa-se pela sua especificidade. Já nos testes diretos, como a pesquisa de antígenos e ácidos nucleicos, apresentam maior sensibilidade e especificidade para o diagnóstico, embora impliquem maior custo. Os indiretos, como a pesquisa de anticorpos séricos, são frequentemente utilizados para o rastreamento por se constituírem métodos fáceis para coleta e manuseio, mas têm restrições por não serem adequados para pesquisa de infecção ativa e pelos altos percentuais de reações cruzadas. Finalmente, os métodos mais completos em termos de sensibilidade e especificidade e com menores riscos são os

19 16 de detecção de ácidos nucléicos, dos quais a PCR é o mais difundido, apesar de seus custos elevados. REFERÊNCIAS BARCELOS, M.R.B. et al. Infecções genitais em mulheres atendidas em Unidade Básica de Saúde: prevalência e fatores de risco. Revista Brasileira de Ginecologia e Obstetrícia. 2008, v. 30, n. 7, p BARNES, C.R. Laboratory diagnosis of human chlamydial infections. Clinical Microbiology Reviews, v. 2, n. 2, p , BENZAKEN, A.S. et al. Prevalência da infecção por clamídia e gonococo em mulheres atendidas na clínica de DST da Fundação Alfredo da Matta, Manaus, Amazonas. DST Jornal Brasileiro de Doenças Sexualmente Transmissiveis, v. 22, n. 3, p , BLACK, M.C. Current methods of laboratory diagnosis of Chlamydia trachomatis infections. Clinical Microbiology Reviews, v. 10, n. 1, p , BORBOREMA-ALFAIA, Ana Paula B. de et al. Chlamydia trachomatis infection in a sample of northern Brazilian pregnant women: prevalence and prenatal importance. Brazilian Journal of Infectious Diseases, Salvador, v. 17, n. 5, Oct BOZICEVIC, I. et al. Urine-based testing for Chlamydia trachomatis among young adults in a population-based survey in Croatia: feasibility and prevalence. BMC Public Health, v. 11, p. 230, FERNANDES, A.M.S. et al. Infecção por Chlamydia trachomatis e Neisseria gonorrhoeae em mulheres atendidas em serviço de planejamento familiar. Revista Brasileira de Ginecologia e Obstetrícia, v. 31, n. 5, p , FERNANDEZ, R.N.; XIMENES, A.C.; ALVES, M.F.C. Detecção do DNA de Chlamydia trachomatis em espondiloartropatias e artrite reumatoide. Revista Brasileira de Reumatologia, v. 45, n. 5, p , 2005.

20 17 FINAN, R. R.; MUSHARRAFIEH, U.; ALMAWI, W.Y. Detection of Chlamydia trachomatis and herpes simplex type 1 or 2 in cervical samples in human papilloma virus (HPV)- positive and HPV-negative women. Clinical of Microbiology Infect, v. 12, p , FRANCESCHI, S. et al. Cervical infection with Chlamydia trachomatis and Neisseria gonorrhoeae in women from ten areas in four continents. A cross-sectional study in Sexually Transmitted Infections, v. 34, n. 8, p , GAYDOS, C. et al. Molecular amplification assays to detect chlamydial infections in urine specimens form high school female students and monitor the persistence of chlamydial DNA after therapy. Journal of Infectious Diseases, v. 177, p , GEISLER, W.M.; JAMES, A.B. Chlamydial and gonococcal infections 23. in women seeking pregnancy testing at family-planning clinics. American Journal of Obstetrics & Gynecology, v. 198, n. 5, p. 502 e 1-4, GÖRANDER, S. et al. Soroprevalence of Herpes simplex vírus type 2, five oncogênico human papillomaviruses, and Chlamydia trachomatis in Katowoice, Poland. Clinical and Vaccine Immunology, v. 15, n. 4, p , GRAY-SWAIN, M.R.; PEIPERT, J.F. Pelvic inflammatory disease in adolescents. Current Opinion in Obstetrics and Gynecology, v. 18, n. 5, p , HADGU, A. The discrepancy in discrepant analysis. Lancet, v. 348, p , HALL, S.G. Chlamydia trachomatis: update on laboratory diagnosis. Check sample. The American Society for Clinical Pathology, v. 40, n. 4, p , HERKENHOFF, Marcos Edgar et al. Prevalência de Chlamydia trachomathis em amostras endocervicais de mulheres em São Paulo e Santa Catarina pela PCR. Jornal Brasileiro de Patologia e Medicina Laboratorial. Rio de Janeiro, v. 48, n. 5, Oct

21 18 HILLIS, D.S. et al. Screening for Chlamydia: a key to the prevention of pelvic inflammatory disease. The New England Journal of Medicine, v. 334, n. 21, p , HOWELL, M.R. et al. Screening for Chlamydia trachomatis in asymptomatic women attending family planning clinics: a cost-effectiveness analysis of three strategies. Annals of Internal Medicine, v. 128, n. 4, p , JALIL, E.M. et al. Prevalência da infecção por clamídia e gonococo em gestantes de seis cidades brasileiras. Revista Brasileira de Ginecologia e Obstetrícia, Rio de Janeiro, v. 30, n. 12, Dec LEBAR, D.W. Keeping up with new technology: new approaches to diagnosis of Chlamydia infection. Clinical Chemistry, v. 42, n. 2, p , MACHADO, F.A.C. et al. Prevalência de infecção por HIV, HTLV, VHB e de sífilis e clamídia em gestantes numa unidade de saúde terciária na Amazônia ocidental brasileira. Revista Brasileira de Ginecologia e Obstetrícia, v. 32, n. 4, p , MAGDER, L. et al. Effect of patient characteristics on performance of an Enzyme immunoassay for detecting cervical Chlamydia trachomatis infection. Journal of Clinical Microbiology, v. 28, p , MANAVI, K. A review on infection with Chlamydia trachomatis. Best Practice & Research Clinical Obstetrics and Gynaecology, v. 20, n. 6, p , MCCORMACK, M.W. et al. Urethrites in principles and practice of infectious diseases. Nova York: Churchill Livingstone, ed.4 p , MELLES, H.H.B. et al. Avaliação de parâmetros para o diagnóstico laboratorial de infecção genital feminina pela Chlamydia trachomatis. Revista da Sociedade Brasileira de Medicina Tropical, Uberaba, v. 33, n. 4, Aug

Chlamydiceae. Tabela 1: Classificação atual da família Chlamydiacea e as espécies suscetíveis aos gêneros. Família Chlamydiaceae

Chlamydiceae. Tabela 1: Classificação atual da família Chlamydiacea e as espécies suscetíveis aos gêneros. Família Chlamydiaceae Departamento de Microbiologia Instituto de Ciências Biológicas Universidade Federal de Minas Gerais http://www.icb.ufmg.br/mic Chlamydiceae Introdução As Clamídias são patógenos intracelulares obrigatórios

Leia mais

Doenças Sexualmente transmissíveis - DST

Doenças Sexualmente transmissíveis - DST Doenças Sexualmente transmissíveis - DST Bacteriologia Médica Carina Scolari Gosch Neisséria O gênero Neisséria é formado por bactérias diplococos g(-) Neisséria gonorrheaea Contato: Perda da resistência

Leia mais

Palavras chaves: Chlamydia trachomatis, Infertilidade conjugal, PCR para chlamydia.

Palavras chaves: Chlamydia trachomatis, Infertilidade conjugal, PCR para chlamydia. Pesquisa da Chlamydia Trachomatis através da reação em cadeia da polimerase após realização de sorologia (enzimaimunoensaio e imunofluorescência indireta) em pacientes inférteis Autores: Fabiana Carmo

Leia mais

EFEITO DAS DSTS NO FUTURO REPRODUTIVO

EFEITO DAS DSTS NO FUTURO REPRODUTIVO EFEITO DAS DSTS NO FUTURO REPRODUTIVO INFECÇÕES DO TRATO REPRODUTIVO INFECÇÕES ENDÓGENAS INFECÇÕES DE TRANSMISSÃO SEXUAL (DST) INFECÇÕES IATROGÊNICAS Estimativa de casos novos de DST curáveis*, 2000 -

Leia mais

Texto de revisão. Dda. Sheilla Sette Cerqueira Dr. Luiz André Vieira Fernandes

Texto de revisão. Dda. Sheilla Sette Cerqueira Dr. Luiz André Vieira Fernandes Texto de revisão Introdução Dda. Sheilla Sette Cerqueira Dr. Luiz André Vieira Fernandes Infecção Genital por Clamídia Baseado em artigo original do New England Journal of Medicine 2003; 349: 2424-30 Jeffrey

Leia mais

COMO ATUAR NO DIAGNÓSTICO PRÁTICO E TRATAMENTO DO CORRIMENTO GENITAL FEMININO E CERVICITES

COMO ATUAR NO DIAGNÓSTICO PRÁTICO E TRATAMENTO DO CORRIMENTO GENITAL FEMININO E CERVICITES UNIVERSIDADE FEDERAL DO RIO GRANDE DO NORTE CENTRO DE CIÊNCIAS DA SAÚDE DEPARTAMENTO DE TOCO-GINECOLOGIA COMO ATUAR NO DIAGNÓSTICO PRÁTICO E TRATAMENTO DO CORRIMENTO GENITAL FEMININO E CERVICITES Ana Katherine

Leia mais

Aula: 10.2 Conteúdos: Clamídia, Sífilis, Gonorreia, Herpes, HPV, HIV.

Aula: 10.2 Conteúdos: Clamídia, Sífilis, Gonorreia, Herpes, HPV, HIV. A A Aula: 10.2 Conteúdos: Clamídia, Sífilis, Gonorreia, Herpes, HPV, HIV. 2 A A Habilidades: Conhecer algumas doenças sexualmente transmissíveis, analisando suas causas e consequências. 3 A A DST s Clamídia

Leia mais

DSTS - Doenças Sexualmente Transmissíveis. Alunas : Manuella Barros / Anna Morel /Elaine Viduani.

DSTS - Doenças Sexualmente Transmissíveis. Alunas : Manuella Barros / Anna Morel /Elaine Viduani. DSTS - Doenças Sexualmente Transmissíveis Alunas : Manuella Barros / Anna Morel /Elaine Viduani. O que são DSTS? São as doenças sexualmente transmissíveis (DST), são transmitidas, principalmente, por contato

Leia mais

Papilomavírus Humano HPV

Papilomavírus Humano HPV Papilomavírus Humano HPV -BIOLOGIA- Alunos: André Aroeira, Antonio Lopes, Carlos Eduardo Rozário, João Marcos Fagundes, João Paulo Sobral e Hélio Gastão Prof.: Fragoso 1º Ano E.M. T. 13 Agente Causador

Leia mais

UNIVERSIDADE PRESIDENTE ANTÔNIO CARLOS - UNIPAC CURSO DE ENFERMAGEM DANIELLY CRISTINA DA SILVA LUANA CAROLINE URETRITE GONOCÓCICA E NÃO-GONOCÓCICA

UNIVERSIDADE PRESIDENTE ANTÔNIO CARLOS - UNIPAC CURSO DE ENFERMAGEM DANIELLY CRISTINA DA SILVA LUANA CAROLINE URETRITE GONOCÓCICA E NÃO-GONOCÓCICA UNIVERSIDADE PRESIDENTE ANTÔNIO CARLOS - UNIPAC CURSO DE ENFERMAGEM DANIELLY CRISTINA DA SILVA LUANA CAROLINE URETRITE GONOCÓCICA E NÃO-GONOCÓCICA BOM DESPACHO 2011 UNIVERSIDADE PRESIDENTE ANTÔNIO CARLOS

Leia mais

PlanetaBio Artigos Especiais www.planetabio.com. DST-Doenças Sexualmente Transmissíveis

PlanetaBio Artigos Especiais www.planetabio.com. DST-Doenças Sexualmente Transmissíveis DST-Doenças Sexualmente Transmissíveis (texto de Marcelo Okuma) As Doenças Sexualmente Transmissíveis (DST) constituem um grave problema de saúde pública, pois essas doenças, se não tratadas, são debilitantes,

Leia mais

Adolescência e Puberdade. Adolescere Pubescere

Adolescência e Puberdade. Adolescere Pubescere Adolescência e Puberdade Adolescere Pubescere Síndrome da Adolescência Busca de si mesmo e da identidade adulta Tendência grupal Necessidade de intelectualizar e fantasiar-elaboração do luto Crises

Leia mais

VAMOS FALAR SOBRE. AIDS + DSTs

VAMOS FALAR SOBRE. AIDS + DSTs VAMOS FALAR SOBRE AIDS + DSTs AIDS A AIDS (Síndrome da Imunodeficiência Adquirida) atinge indiscriminadamente homens e mulheres e tem assumido proporções assustadoras desde a notificação dos primeiros

Leia mais

AVALIAÇÃO DO CONHECIMENTO DOS ACADÊMICOS DA FACULDADE DE APUCARANA EM RELAÇÃO À Chlamydia trachomatis

AVALIAÇÃO DO CONHECIMENTO DOS ACADÊMICOS DA FACULDADE DE APUCARANA EM RELAÇÃO À Chlamydia trachomatis Revista F@pciência, Apucarana-PR, ISSN 1984-2333, v.10, n. 1, p. 41 30, 2014 31 AVALIAÇÃO DO CONHECIMENTO DOS ACADÊMICOS DA FACULDADE DE APUCARANA EM RELAÇÃO À Chlamydia trachomatis RESUMO MOURA, P. H.

Leia mais

GRUPO HOSPITALAR CONCEIÇÃO HOSPITAL NOSSA SENHORA DA CONCEIÇÃO LABORATÓRIO DE ANÁLISES CLÍNICAS

GRUPO HOSPITALAR CONCEIÇÃO HOSPITAL NOSSA SENHORA DA CONCEIÇÃO LABORATÓRIO DE ANÁLISES CLÍNICAS POP n.º: I 140 Página 1 de 6 1. Sinonímia Detecção qualitativa do DNA bacteriano de Chlamydia trachomatis (CT) e Neisseria gonorrhoeae (NG) por PCR ( Polymerase Chain Reaction) em urina de homens e mulheres,

Leia mais

HPV = human papillomavirus ou papillomavirus humano; É um tipo de vírus que ataca o tecido epitelial humano (Cutts et Al, 2007; Soper, 2006);

HPV = human papillomavirus ou papillomavirus humano; É um tipo de vírus que ataca o tecido epitelial humano (Cutts et Al, 2007; Soper, 2006); HPV HPV HPV = human papillomavirus ou papillomavirus humano; É um tipo de vírus que ataca o tecido epitelial humano (Cutts et Al, 2007; Soper, 2006); São conhecidos mais de 100 tipos de HPV (Linhares e

Leia mais

Papilomavírus Humanos (HPV) Virologia MIP Instituto Biomédico Universidade Federal Fluminense

Papilomavírus Humanos (HPV) Virologia MIP Instituto Biomédico Universidade Federal Fluminense Papilomavírus Humanos (HPV) Virologia MIP Instituto Biomédico Universidade Federal Fluminense Características principais Agente etiológico das verrugas (tumores epiteliais benignos) Infectam epitélio de

Leia mais

Doenças sexualmente transmissíveis curáveis

Doenças sexualmente transmissíveis curáveis Doenças sexualmente transmissíveis curáveis infectologia Helio Magarinos Torres Filho Diretor médico, diretor técnico e médico patologista clínico do Laboratório Richet Pesquisas de Fisiopatologia Humana.

Leia mais

HPV. Câncer do Colo do Útero Verrugas Genitais. G u i a d e P ediatria

HPV. Câncer do Colo do Útero Verrugas Genitais. G u i a d e P ediatria HPV Câncer do Colo do Útero Verrugas Genitais G u i a d e P ediatria Você tenta fazer tudo que é possível para proteger sua filha, para garantir que tudo dê certo hoje e amanhã. Ela confia em você. Essa

Leia mais

DST Testes Moleculares GENÉTICA MOLECULAR GENÉTICA MOLECULAR

DST Testes Moleculares GENÉTICA MOLECULAR GENÉTICA MOLECULAR GENÉTICA MOLECULAR GENÉTICA MOLECULAR DST Testes Moleculares A Genética de Microorganismos do Hermes Pardini é reconhecida por oferecer uma gama de exames moleculares que auxiliam nas decisões clínicas

Leia mais

Síndrome DST Agente Tipo Transmissã o Sexual Vaginose bacteriana Candidíase

Síndrome DST Agente Tipo Transmissã o Sexual Vaginose bacteriana Candidíase Síndrome DST Agente Tipo Transmissã o Sexual Vaginose bacteriana Candidíase Corrimentos Gonorréia Clamídia Tricomonías e múltiplos bactéria NÃO SIM Candida albicans Neisseria gonorrhoeae Chlamydia trachomatis

Leia mais

Virulogia. Vírus. Vírus. características 02/03/2015. Príons: Proteína Viróides: RNA. Características. Características

Virulogia. Vírus. Vírus. características 02/03/2015. Príons: Proteína Viróides: RNA. Características. Características Vírus Virulogia Características Vírus- latim veneno - agentes filtráveis Parasita intracelular obrigatório Extracelular: virion Intracelular: vírus Possuem alta especificidade Vírus Características Alta

Leia mais

Análise e discussão: O câncer do colo uterino é uma doença de evolução lenta. Na grande maioria dos casos, esta neoplasia é precedida por estágios

Análise e discussão: O câncer do colo uterino é uma doença de evolução lenta. Na grande maioria dos casos, esta neoplasia é precedida por estágios PREVENÇÃO DE LESÕES EPITELIAIS DE COLO UTERINO EM GESTANTES ATENDIDAS NO HOSPITAL UNIVERSITÁRIO DE SANTA MARIA Área Temática: Saúde Thissiane de Lima Gonçalves 1 Leidiane de Lucca 2, Leiticia B. Jantsch³,

Leia mais

Diagnóstico Imunológico das Infecções Congênitas

Diagnóstico Imunológico das Infecções Congênitas Diagnóstico Imunológico das Infecções Congênitas Rubéola e Síndrome da Rubéola Congênita Rubéola e Síndrome da Rubéola Congênita Vírus da Rubéola Togavirus Vírus de RNA fita simples Principal epítopo dominante:

Leia mais

HEPATITE C PCR Qualitativo, Quantitativo e Genotipagem

HEPATITE C PCR Qualitativo, Quantitativo e Genotipagem HEPATITE C PCR Qualitativo, Quantitativo e Genotipagem O Vírus da Hepatite C (HCV) é considerado o principal agente etiológico responsável por 90 a 95% dos casos de hepatite pós-transfusional não A e não

Leia mais

Trocando Ideias 2012 Cidade Maravilhosa, 2 de julho de 2012. Análise crítica do tratamento sindrômico em DST

Trocando Ideias 2012 Cidade Maravilhosa, 2 de julho de 2012. Análise crítica do tratamento sindrômico em DST Trocando Ideias 2012 Cidade Maravilhosa, 2 de julho de 2012 Análise crítica do tratamento sindrômico em DST Mauro Romero Leal Passos Professor Associado Chefe do Setor de DST - UFF Vice-Presidente da SGORJ

Leia mais

O que são DSTs? Gonorréia e/ou Uretrites não Gonocócicas, Tricomoníase, Candidíase.

O que são DSTs? Gonorréia e/ou Uretrites não Gonocócicas, Tricomoníase, Candidíase. O que são DSTs? DSTs significa, doenças sexualmente transmissíveis, que são passadas nas relações sexuais com pessoas que estejam com essas doenças. São DSTs, a gonorréia, a sífilis, a clamídia, o herpes

Leia mais

O primeiro passo para evitar o câncer do colo do útero é se informar. Que tal começar agora?

O primeiro passo para evitar o câncer do colo do útero é se informar. Que tal começar agora? O primeiro passo para evitar o câncer do colo do útero é se informar. Que tal começar agora? Folheto Consumidora 9x15cm.indd 1 7/21/08 6:07:48 PM A cada ano, 500.000 mulheres no mundo têm câncer do colo

Leia mais

DSTs. Como é contraída; Como evitar; Como tratar. PIBID:Fernanda Alves,Fernanda Gallon,Luciana Catardo e Priscila Faccinello

DSTs. Como é contraída; Como evitar; Como tratar. PIBID:Fernanda Alves,Fernanda Gallon,Luciana Catardo e Priscila Faccinello DSTs Como é contraída; Como evitar; Como tratar PIBID:Fernanda Alves,Fernanda Gallon,Luciana Catardo e Priscila Faccinello O que são DSTs? A sigla DSTs quer dizer doenças sexualmente transmissíveis;ou

Leia mais

UM NOVO TESTE PARA TUBERCULOSE

UM NOVO TESTE PARA TUBERCULOSE UM NOVO TESTE PARA TUBERCULOSE Rio de Janeiro e Manaus testam para o Ministério da Saúde uma nova tecnologia para o diagnóstico da tuberculose pulmonar Que novo teste é este? O Xpert MTB/RIF é um método

Leia mais

CHLAMYDIA. Imuno-Rápido. CÓD. 618010-R: 10 determinações CÓD. 618020-R: 20 determinações CÓD. 618040-R: 40 determinações.

CHLAMYDIA. Imuno-Rápido. CÓD. 618010-R: 10 determinações CÓD. 618020-R: 20 determinações CÓD. 618040-R: 40 determinações. MS 10310030083 Imuno-Rápido CHLAMYDIA Kit para determinação qualitativa de Chlamydia trachomatis, por método imunocromatográfico, usando anticorpos específicos para identificação seletiva da Chlamydia

Leia mais

MARCADORES SOROLÓGICOS DE HEPATITE B EM GESTANTES DE UMA UNIDADE DE SAÚDE EM PONTA GROSSA

MARCADORES SOROLÓGICOS DE HEPATITE B EM GESTANTES DE UMA UNIDADE DE SAÚDE EM PONTA GROSSA 11. CONEX Apresentação Oral Resumo Expandido 1 ÁREA TEMÁTICA: ( ) COMUNICAÇÃO ( ) CULTURA ( ) DIREITOS HUMANOS E JUSTIÇA ( ) EDUCAÇÃO ( ) MEIO AMBIENTE ( X ) SAÚDE ( ) TRABALHO ( ) TECNOLOGIA MARCADORES

Leia mais

Conheça as principais DSTs e confira as dicas de prevenção que o Instituto Corpore preparou para você:

Conheça as principais DSTs e confira as dicas de prevenção que o Instituto Corpore preparou para você: Conheça as principais DSTs e confira as dicas de prevenção que o Instituto Corpore preparou para você: CANCRO MOLE Pode ser chamada também de cancro venéreo. Popularmente é conhecida como cavalo. Manifesta-se

Leia mais

COMO RASTREAR E TRATAR CHLAMYDIA E VAGINOSE BACTERIANA NA GESTAÇÃO. Lívia Custódio Pereira Ambulatório de PTGI/ DST/Patologia vulvar HUB- UNB

COMO RASTREAR E TRATAR CHLAMYDIA E VAGINOSE BACTERIANA NA GESTAÇÃO. Lívia Custódio Pereira Ambulatório de PTGI/ DST/Patologia vulvar HUB- UNB COMO RASTREAR E TRATAR CHLAMYDIA E VAGINOSE BACTERIANA NA GESTAÇÃO Lívia Custódio Pereira Ambulatório de PTGI/ DST/Patologia vulvar HUB- UNB CHLAMYDIA Gram negativa intracelular obrigatória infecção crônica

Leia mais

Unidade II Vida e ambiente Aula 7.2 Conteúdo: Doenças Sexualmente Transmissíveis.

Unidade II Vida e ambiente Aula 7.2 Conteúdo: Doenças Sexualmente Transmissíveis. Unidade II Vida e ambiente Aula 7.2 Conteúdo: Doenças Sexualmente Transmissíveis. 2 Habilidade: Conhecer as Doenças Sexualmente Transmissíveis (DSTs), sua prevenção e forma de tratamento. 3 REVISÃO Métodos

Leia mais

UNIVERSIDADE TUIUTI DO PARANÁ LUIZ SASSO FILHO PERFIL DOS PORTADORES DO VÍRUS HIV ATENDIDOS NO HOSPITAL DIA AIDS EM BRASÍLIA D.F.

UNIVERSIDADE TUIUTI DO PARANÁ LUIZ SASSO FILHO PERFIL DOS PORTADORES DO VÍRUS HIV ATENDIDOS NO HOSPITAL DIA AIDS EM BRASÍLIA D.F. UNIVERSIDADE TUIUTI DO PARANÁ LUIZ SASSO FILHO PERFIL DOS PORTADORES DO VÍRUS HIV ATENDIDOS NO HOSPITAL DIA AIDS EM BRASÍLIA D.F. BRASÍLIA DF 2009 PERFIL DOS PORTADORES DO VÍRUS HIV ATENDIDOS NO HOSPITAL

Leia mais

DOENÇAS SEXUALMENTE TRANSMISSÍVEIS E AIDS

DOENÇAS SEXUALMENTE TRANSMISSÍVEIS E AIDS DOENÇAS SEXUALMENTE TRANSMISSÍVEIS E AIDS As Doenças Sexualmente Transmissíveis (DST) estão entre os problemas de saúde pública mais comuns no Brasil e em todo o mundo, sendo atualmente consideradas o

Leia mais

CITOLOGIA EM MEIO LÍQUIDO

CITOLOGIA EM MEIO LÍQUIDO CITOLOGIA EM MEIO LÍQUIDO CITOLOGIA EM MEIO LÍQUIDO CITOLOGIA EM MEIO LÍQUIDO O DB Diagnósticos do Brasil oferece a seus clientes o que há de mais moderno e eficiente no diagnóstico preventivo de câncer

Leia mais

Papilomavirus Humano (HPV)

Papilomavirus Humano (HPV) Papilomavirus Humano (HPV) Introdução O HPV é uma doença infecciosa, de transmissão freqüentemente sexual, cujo agente etiológico é um vírus DNA não cultivável do grupo papovírus. Atualmente são conhecidos

Leia mais

HIV no período neonatal prevenção e conduta

HIV no período neonatal prevenção e conduta HIV no período neonatal prevenção e conduta O HIV, agente causador da AIDS, ataca as células do sistema imune, especialmente as marcadas com receptor de superfície CD4 resultando na redução do número e

Leia mais

Estratégias para o controle das IST/ HIV/ aids

Estratégias para o controle das IST/ HIV/ aids Aconselhamento e Manejo Básico B das Infecções Sexualmente Transmissíveis Estratégias para o controle das IST/ HIV/ aids Roberto Dias Fontes Sociedade Brasileira de DST Regional Bahia sbdstba@terra.com.br

Leia mais

VIROLOGIA HUMANA. Professor: Bruno Aleixo Venturi

VIROLOGIA HUMANA. Professor: Bruno Aleixo Venturi VIROLOGIA HUMANA Professor: Bruno Aleixo Venturi O que são vírus? A palavra vírus tem origem latina e significa "veneno". Provavelmente esse nome foi dado devido às viroses, que são doenças causadas por

Leia mais

Principais DST s DOENÇAS SEXUALMENTE TRANSMISSÍVEIS (DST) -BACTERIANAS- ducrey) Gonorréia. *Sífilisfilis. Ulcerativas

Principais DST s DOENÇAS SEXUALMENTE TRANSMISSÍVEIS (DST) -BACTERIANAS- ducrey) Gonorréia. *Sífilisfilis. Ulcerativas DOENÇAS SEXUALMENTE TRANSMISSÍVEIS (DST) -BACTERIANAS- Gonorréia Sífilis Principais DST s Doenças Ulcerativas *Sífilisfilis *Doença herpética HSV1 e HSV2 *Cancro mole ( (Haemophylus ducrey) *Linfogranuloma

Leia mais

DOENÇAS SEXUALMENTE TRANSMISSÍVEIS

DOENÇAS SEXUALMENTE TRANSMISSÍVEIS DOENÇAS SEXUALMENTE TRANSMISSÍVEIS DOENÇAS SEXUALMENTE TRANSMISSÍVEIS Doenças Sexualmente Transmissíveis são aquelas que são mais comumente transmitidas através da relação sexual. PRINCIPAIS DOENÇAS SEXUALMENTE

Leia mais

Infecções ginecológicas. - Vulvovaginites e DIP -

Infecções ginecológicas. - Vulvovaginites e DIP - Cadeira de Clínica Obstétrica e Ginecológica Infecções ginecológicas. - Vulvovaginites e DIP - C. Calhaz Jorge Ano lectivo de 2009/ 2010 Infecções ginecológicas. Vulvovaginites e DIP Sistemas de defesa

Leia mais

VACINA CONTRA PAPILOMAVÍRUS HUMANO HPV

VACINA CONTRA PAPILOMAVÍRUS HUMANO HPV 1º Trimestre 2007 VACINA CONTRA PAPILOMAVÍRUS HUMANO HPV Em junho de 2006, foi aprovada pela FDA (Food And Drug Administration) dos Estados Unidos (EUA) uma vacina recombinante quadrivalente contra papilomavírus

Leia mais

VIROLOGIA RETROVÍRUS 1. HIV

VIROLOGIA RETROVÍRUS 1. HIV Instituto Federal de Santa Catarina Curso Técnico em Biotecnologia Unidade Curricular: Microbiologia VIROLOGIA RETROVÍRUS 1. Prof. Leandro Parussolo O que é um retrovírus? É qualquer vírus que possui o

Leia mais

PROTOCOLO GESTANTE COM SÍFILIS. Carmen Silvia Bruniera Domingues Vigilância Epidemiológica Programa Estadual DST/Aids - SP

PROTOCOLO GESTANTE COM SÍFILIS. Carmen Silvia Bruniera Domingues Vigilância Epidemiológica Programa Estadual DST/Aids - SP PROTOCOLO GESTANTE COM SÍFILIS Carmen Silvia Bruniera Domingues Vigilância Epidemiológica Programa Estadual DST/Aids - SP O que fazer antes do bebê chegar? Os caminhos do pré-natal... (fase I estamos grávidos

Leia mais

Vacinas contra HPV. Fábio Russomano

Vacinas contra HPV. Fábio Russomano Vacinas contra HPV Curso de Atualização em Patologia do Trato Genital Inferior e Colposcopia ABG RJ Instituto de Ginecologia da UFRJ 20 de junho de 2009 Fábio Russomano Sumário Cenário do Câncer de Colo

Leia mais

Doenças sexualmente transmissíveis

Doenças sexualmente transmissíveis Doenças sexualmente transmissíveis Lília Maria de Azevedo Moreira SciELO Books / SciELO Livros / SciELO Libros MOREIRA, LMA. Doenças sexualmente transmissíveis. In: Algumas abordagens da educação sexual

Leia mais

GESTANTE HIV* ACOMPANHAMENTO PRÉ-NATAL. Profª.Marília da Glória Martins Recomendações do Ministério da Saúde

GESTANTE HIV* ACOMPANHAMENTO PRÉ-NATAL. Profª.Marília da Glória Martins Recomendações do Ministério da Saúde GESTANTE HIV* ACOMPANHAMENTO PRÉ-NATAL Profª.Marília da Glória Martins Recomendações do Ministério da Saúde Abordagem inicial a Os serviços que hoje são considerados porta de entrada para o diagnóstico

Leia mais

TROCANDO IDEIAS XIX HERPES NA GESTAÇÃO COMO CONDUZIR

TROCANDO IDEIAS XIX HERPES NA GESTAÇÃO COMO CONDUZIR TROCANDO IDEIAS XIX HERPES NA GESTAÇÃO COMO CONDUZIR Profª Filomena Aste Silveira HERPES GENITAL (origem grega significa alastrar-se) DNA virus - Alfaherpes viridae Dupla hélice PERÍODO de incubação 7

Leia mais

O QUE VOCÊ PRECISA SABER

O QUE VOCÊ PRECISA SABER DIAGNÓSTICO DE INFLUENZA E OUTROS VIRUS RESPIRATÓRIOS NO HIAE. O QUE VOCÊ PRECISA SABER Maio de 2013 Laboratório Clínico Serviço de Controle de Infecção Hospitalar Apenas para lembrar alguns aspectos das

Leia mais

MINISTÉRIO DA SAÚDE SECRETARIA DE VIGILÂNCIA EM SAÚDE DEPARTAMENTO DE VIGILÂNCIA EPIDEMIOLÓGICA

MINISTÉRIO DA SAÚDE SECRETARIA DE VIGILÂNCIA EM SAÚDE DEPARTAMENTO DE VIGILÂNCIA EPIDEMIOLÓGICA MINISTÉRIO DA SAÚDE SECRETARIA DE VIGILÂNCIA EM SAÚDE DEPARTAMENTO DE VIGILÂNCIA EPIDEMIOLÓGICA Acompanhamento das gestantes vacinadas inadvertidamente (GVI) com a vacina dupla viral (sarampo e rubéola)

Leia mais

Boletim Eletrônico Julho 2013 67ª edição Visite nosso Site www.colposcopia.org.br

Boletim Eletrônico Julho 2013 67ª edição Visite nosso Site www.colposcopia.org.br Boletim Eletrônico Julho 2013 67ª edição Visite nosso Site www.colposcopia.org.br EXISTE PREVENÇÃO E EQUIDADE SOCIAL NA INFORMAÇÃO E PREVENÇÃO DAS DOENÇAS RELACIONADAS AO HPV? Esta pergunta fez com que

Leia mais

Boletim Eletrônico Agosto 2013 68ª edição Visite nosso Site www.colposcopia.org.br

Boletim Eletrônico Agosto 2013 68ª edição Visite nosso Site www.colposcopia.org.br Boletim Eletrônico Agosto 2013 68ª edição Visite nosso Site www.colposcopia.org.br PADRÕES DE POSITIVIDADE DO DNA-HPV E DE ANTICORPOS EM JOVENS DO SEXO FEMININO E MASCULINO SUGEREM QUE O CURSO NATURAL

Leia mais

Nota Técnica de Caxumba

Nota Técnica de Caxumba Nota Técnica de Caxumba Isabella Ballalai Membro do comitê de Saúde Escolar da SOPERJ e presidente da SBIm Tânia Cristina de M. Barros Petraglia Presidente do comitê de Infectologia da SOPERJ e vice presidente

Leia mais

A genética do vírus da gripe

A genética do vírus da gripe A genética do vírus da gripe Para uma melhor compreensão das futuras pandemias é necessário entender sobre as pandemias passadas e os fatores que contribuem para a virulência, bem como estabelecer um compromisso

Leia mais

Hepatites Virais. Carmen Regina Nery e Silva agosto 2011 Regina.nery@aids.gov.br

Hepatites Virais. Carmen Regina Nery e Silva agosto 2011 Regina.nery@aids.gov.br Hepatites Virais Carmen Regina Nery e Silva agosto 2011 Regina.nery@aids.gov.br Definição Hepatite viral: Doença causada exclusivamente por vírus hepatotrópico. Diagnóstico Diferencial: CMV, mononucleose

Leia mais

QUESTIONÁRIO DE FOLLOW-UP - HOMEM VIH NEGATIVO

QUESTIONÁRIO DE FOLLOW-UP - HOMEM VIH NEGATIVO INSTRUÇÕES PARA A EQUIPA DO ESTUDO: Os participantes no estudo devem preencher o questionário de follow-up com intervalos regulares de -6 meses. Certifique-se de que é distribuído o questionário adequado.

Leia mais

Vacinas Bivalente e Quadrivalente: Prós e contras

Vacinas Bivalente e Quadrivalente: Prós e contras IX S impós io de Atualização em G inecolog ia Oncológ ica III S impós io de G enitos copia do DF AB PTG IC C apítulo DF 12-14 de Maio de 2011 Vacinas Bivalente e Quadrivalente: Prós e contras Fábio Russomano

Leia mais

Seleção de Temas. Questionário - Proficiência Clínica. Área: Imunologia Rodada: Julho/2008. Prezado Participante,

Seleção de Temas. Questionário - Proficiência Clínica. Área: Imunologia Rodada: Julho/2008. Prezado Participante, Seleção de Temas Prezado Participante, Gostaríamos de contar com a sua contribuição para a elaboração dos próximos materiais educativos. Cada questionário desenvolve um assunto (temas) específico dentro

Leia mais

Hélio Vasconcellos Lopes

Hélio Vasconcellos Lopes HIV/AIDS no Município de Santos e dados brasileiros Hélio Vasconcellos Lopes Coordenador do Programa Municipal DST/AIDS/Hepatites da Secretaria Municipal de Saúde Professor titular da Faculdade de Medicina

Leia mais

ANEXO II. 1 HEPATITE B VÍRUS DA HEPATITE B (Hepatitis B Vírus HBV)

ANEXO II. 1 HEPATITE B VÍRUS DA HEPATITE B (Hepatitis B Vírus HBV) ANEXO II ANEXO DA RESOLUÇÃO SESA Nº.../2009 MANUAL DE ORIENTAÇÃO PARA ALTERAÇÃO DA CAUSA DE REJEIÇÃO DO CÓDIGO 57 (INCONCLUSIVO), PELOS SERVIÇOS DE HEMOTERAPIA NO SHTWEB. 1. Segundo a RDC nº 153 de 14

Leia mais

No tempo da Grécia antiga foram chamadas de doenças venéreas, como referência a Vênus, a Deusa do Amor.

No tempo da Grécia antiga foram chamadas de doenças venéreas, como referência a Vênus, a Deusa do Amor. As DST acompanham a história da humanidade. Durante a evolução da espécie humana, as DST vêm acometendo pessoas de todas as classes, sexos e religiões. No tempo da Grécia antiga foram chamadas de doenças

Leia mais

Patologia Geral AIDS

Patologia Geral AIDS Patologia Geral AIDS Carlos Castilho de Barros Augusto Schneider http://wp.ufpel.edu.br/patogeralnutricao/ SÍNDROME DA IMUNODEFICIÊNCIA ADQUIRIDA (AIDS ou SIDA) Doença causada pela infecção com o vírus

Leia mais

Diagnóstico Microbiológico

Diagnóstico Microbiológico Diagnóstico Microbiológico Identificação e Tipagem Bacteriana Prof. Vânia Lúcia Diagnóstico clínico Sinais (mensuráveis) e sintomas (subjetivos) Origem Etiologia Natureza Diagnóstico laboratorial Identificação

Leia mais

ESTA PALESTRA NÃO PODERÁ SER REPRODUZIDA SEM A REFERÊNCIA DO AUTOR

ESTA PALESTRA NÃO PODERÁ SER REPRODUZIDA SEM A REFERÊNCIA DO AUTOR ESTA PALESTRA NÃO PODERÁ SER REPRODUZIDA SEM A REFERÊNCIA DO AUTOR Considerações sobre o diagnóstico de doenças transmitidas pelo sangue Ms. Paulo Germano de Carvalho O sangue é uma porta de entrada para

Leia mais

Infecção por Chamydophila felis. Introdução

Infecção por Chamydophila felis. Introdução Infecção por Chamydophila felis Nicoly Pereira Estudante de Medicina Veterinária Estagiária Pets - Merial Saúde Animal Leonardo Brandão, MV, MSc, Ph.D Gerente de Produto Pets Merial Saúde Animal Introdução

Leia mais

PREVINA O CÂNCER DO COLO DO ÚTERO

PREVINA O CÂNCER DO COLO DO ÚTERO SENADO FEDERAL PREVINA O CÂNCER DO COLO DO ÚTERO SENADOR CLÉSIO ANDRADE 2 Previna o câncer do colo do útero apresentação O câncer do colo do útero continua matando muitas mulheres. Especialmente no Brasil,

Leia mais

Informações gerais sobre Sífilis Congênita e o impacto das intervenções

Informações gerais sobre Sífilis Congênita e o impacto das intervenções Version 1.1 September 2013 Informações gerais sobre Sífilis Congênita e o impacto das intervenções Este documento apresenta uma visão geral sobre a doença, sua epidemiologia e intervenções específicas

Leia mais

Ectopia cervical: relação com CA colo? predisposição para DST?

Ectopia cervical: relação com CA colo? predisposição para DST? Ectopia cervical: relação com CA colo? predisposição para DST? Nilma Antas Neves PHD, MsC, MD Profa. Adjunta Ginecologia Universidade Federal Bahia Presidente Comissão Trato Genital Inferior FEBRASGO Razões

Leia mais

RASTREIO EM SITUAÇÕES ESPECIAIS

RASTREIO EM SITUAÇÕES ESPECIAIS RASTREIO EM SITUAÇÕES ESPECIAIS Maria José de Camargo IFF / FIOCRUZ CERVIX www.cervixcolposcopia.com.br Gestantes Pós-menopausa Histerectomizadas Imunossuprimidas Adolescentes Mulheres sem história de

Leia mais

Assunto: Realização de teste rápido de HIV,Sífilis e outros agravos.

Assunto: Realização de teste rápido de HIV,Sífilis e outros agravos. PARECER Nº121/2015 PAD: Nº 43/2015 Autora: Conselheira Renata Ramalho Da Cunha Dantas Solicitante: Dr. Ronaldo Miguel Beserra Assunto: Realização de teste rápido de HIV,Sífilis e outros agravos. DO FATO

Leia mais

HPV Fatores relacionados à persistência da infecção

HPV Fatores relacionados à persistência da infecção HPV Fatores relacionados à persistência da infecção Papilomavírus humano(hpv) Agente etiológico do câncer cervical e lesões precursoras. DNA-HPV pode ser detectado com prevalência de 90 a 100% nas amostras

Leia mais

Gestantes, porque é possível aguardar o parto?

Gestantes, porque é possível aguardar o parto? Gestantes, porque é possível aguardar o parto? Profª Filomena Aste Silveira Qualificada em patologia cervical Colaboradora das novas diretrizes - Responsável pelo capítulo de baixo grau Doutorado - UFRJ

Leia mais

-Os Papiloma Vírus Humanos (HPV) são vírus da família Papovaviridae.

-Os Papiloma Vírus Humanos (HPV) são vírus da família Papovaviridae. -Os Papiloma Vírus Humanos (HPV) são vírus da família Papovaviridae. -Chamado de HPV, aparece na forma de doenças como condiloma acuminado, verruga genital ou crista de galo. -Há mais de 200 subtipos do

Leia mais

Doenças sexualmente transmissíveis Resumo de diretriz NHG M82 (primeira revisão, setembro 2013)

Doenças sexualmente transmissíveis Resumo de diretriz NHG M82 (primeira revisão, setembro 2013) Doenças sexualmente transmissíveis Resumo de diretriz NHG M82 (primeira revisão, setembro 2013) Jan van Bergen, Janny Dekker, Joan Boeke, Elize Kronenberg, Rob van der Spruit, Jako Burgers, Margriet Bouma,

Leia mais

QUESTIONÁRIO DE FOLLOW-UP - HOMEM VIH POSITIVO

QUESTIONÁRIO DE FOLLOW-UP - HOMEM VIH POSITIVO INSTRUÇÕES PARA A EQUIPA DO ESTUDO: Os participantes no estudo devem preencher o questionário de follow-up com intervalos regulares de - meses. Certifique-se de que é distribuído o questionário adequado.

Leia mais

PLANEJANDO A GRAVIDEZ

PLANEJANDO A GRAVIDEZ dicas POSITHIVAS PLANEJANDO A GRAVIDEZ Uma pessoa que vive com HIV/aids pode ter filhos biológicos? Pode. As pessoas que vivem com HIV/aids não devem abandonar seus sonhos, incluindo o desejo de construir

Leia mais

ANÁLISE DE PERFIL EPIDEMIOLÓGICO DE MULHERES QUE FAZEM EXAME PAPANICOLAU EM UNIDADE DE SAÚDE EM CAJAZEIRAS-PB E RALAÇÕES COM HPV.

ANÁLISE DE PERFIL EPIDEMIOLÓGICO DE MULHERES QUE FAZEM EXAME PAPANICOLAU EM UNIDADE DE SAÚDE EM CAJAZEIRAS-PB E RALAÇÕES COM HPV. ANÁLISE DE PERFIL EPIDEMIOLÓGICO DE MULHERES QUE FAZEM EXAME PAPANICOLAU EM UNIDADE DE SAÚDE EM CAJAZEIRAS-PB E Saúde e Educação Janiele Maria Vasconcelos Mota RALAÇÕES COM HPV Áreas Temáticas Autora Instituição

Leia mais

CAMPANHA PELA INCLUSÃO DA ANÁLISE MOLECULAR DO GENE RET EM PACIENTES COM CARCINOMA MEDULAR E SEUS FAMILIARES PELO SUS.

CAMPANHA PELA INCLUSÃO DA ANÁLISE MOLECULAR DO GENE RET EM PACIENTES COM CARCINOMA MEDULAR E SEUS FAMILIARES PELO SUS. Laura S. W ard CAMPANHA PELA INCLUSÃO DA ANÁLISE MOLECULAR DO GENE RET EM PACIENTES COM CARCINOMA MEDULAR E SEUS FAMILIARES PELO SUS. Nódulos da Tiróide e o Carcinoma Medular Nódulos da tiróide são um

Leia mais

CITOLOGIA ONCÓTICA CÂNCER

CITOLOGIA ONCÓTICA CÂNCER CITOLOGIA ONCÓTICA Neoplasia: crescimento desordenado de células, originando um tumor (massa de células) Tumor benigno: massa localizada de células que se multiplicam vagarosamente e se assemelham ao seu

Leia mais

Resumo. Descriptors: Chlamydia trachomatis, Sexually Transmitted Diseases, Women s Health

Resumo. Descriptors: Chlamydia trachomatis, Sexually Transmitted Diseases, Women s Health Science in Health 2011 jan-abr; 2(1): 55-63 CHLAMYDIA TRACHOMATIS E INFECÇÕES GENITAIS FEMININAS Chlamydia trachomatis and female genital infections Bianca de Cássia Troncarelli de Campos Parra Flores**

Leia mais

Clamídia e Gonorreia

Clamídia e Gonorreia Doenças Sexualmente Transmissíveis DST Além da Aids, diversas outras doenças são transmitidas através do sangue e, por consequência, do ato sexual, e podem ser evitadas com comportamento sexual responsável

Leia mais

TÍTULO: A IMPORTÂNCIA DA DOENÇA INFLAMATÓRIA PÉLVICA DA DETERMINAÇÃO DA GRAVIDEZ ECTÓPICA

TÍTULO: A IMPORTÂNCIA DA DOENÇA INFLAMATÓRIA PÉLVICA DA DETERMINAÇÃO DA GRAVIDEZ ECTÓPICA TÍTULO: A IMPORTÂNCIA DA DOENÇA INFLAMATÓRIA PÉLVICA DA DETERMINAÇÃO DA GRAVIDEZ ECTÓPICA CATEGORIA: CONCLUÍDO ÁREA: CIÊNCIAS BIOLÓGICAS E SAÚDE SUBÁREA: BIOMEDICINA INSTITUIÇÃO: CENTRO UNIVERSITÁRIO DAS

Leia mais

Mestrado em Biologia Molecular em Saúde

Mestrado em Biologia Molecular em Saúde Mestrado em Biologia Molecular em Saúde Casuística da infeção por Chlamydia trachomatis, Ureaplasma urealyticum/ Ureaplasma parvum e Mycoplasma hominis em amostras genitourinárias de utentes de um Laboratório

Leia mais

Diagnóstico Molecular

Diagnóstico Molecular Cadernos de Informação Científica Ano 7 nº 10 2012 Diagnóstico Molecular C a d e r n o s d e I n f o r m a ç ã o C i e n t í f i c a diagnóstico molecular O conhecimento em Biologia Molecular vem crescendo

Leia mais

Infecção pelo HIV e AIDS

Infecção pelo HIV e AIDS Infecção pelo HIV e AIDS Infecção pelo HIV e AIDS 1981: pneumonia por Pneumocystis carinii/jirovecii outros sinais e sintomas: infecção do SNC, infecção disseminada por Candida albicans, perda de peso,

Leia mais

Doenças Sexualmente Transmissíveis (pág. 273)

Doenças Sexualmente Transmissíveis (pág. 273) Doenças Sexualmente Transmissíveis (pág. 273) -DST (no passado conhecidas como doenças venéreas ou doenças de rua ); - São doenças transmitidas por meio de ato sexual ou contato com sangue do doente; -

Leia mais

Chlamydia trachomatis: genótipos circulantes, comparação de métodos para o seu diagnóstico e necessidade do seu rastreio

Chlamydia trachomatis: genótipos circulantes, comparação de métodos para o seu diagnóstico e necessidade do seu rastreio : genótipos circulantes, comparação de métodos para o seu diagnóstico e necessidade do seu rastreio Ana Filipa Duque Serras DISSERTAÇÃO PARA OBTENÇÃO DO GRAU DE MESTRE EM MICROBIOLOGIA MÉDICA Julho de

Leia mais

Toxoplasmose congênita: Um breve estudo revisivo. Congenital toxoplasmosis, a brief review study

Toxoplasmose congênita: Um breve estudo revisivo. Congenital toxoplasmosis, a brief review study Toxoplasmose congênita: Um breve estudo revisivo Congenital toxoplasmosis, a brief review study Gabrielle Fernandes Kurihara ; Aline Gritti Rodrigues; Joyce Beira Miranda da Silva Resumo: Com base nos

Leia mais

Diagnóstico Tardio do HIV em Crianças e Adolescentes Nascidas de mães Portadoras do HIV" Programa Estadual de DST/AIDS-SP www.crt.saude.sp.gov.

Diagnóstico Tardio do HIV em Crianças e Adolescentes Nascidas de mães Portadoras do HIV Programa Estadual de DST/AIDS-SP www.crt.saude.sp.gov. Diagnóstico Tardio do HIV em Crianças e Adolescentes Nascidas de mães Portadoras do HIV" Programa Estadual de DST/AIDS-SP www.crt.saude.sp.gov.br Casos notificados de AIDS, Brasil e São Paulo - 1980 a

Leia mais

Guia de orientação e aconselhamento para contracepção hormonal com Sistema Intrauterino (SIU)

Guia de orientação e aconselhamento para contracepção hormonal com Sistema Intrauterino (SIU) Guia de orientação e aconselhamento para contracepção hormonal com Sistema Intrauterino (SIU) Material distribuído exclusivamente por profissionais de saúde às pacientes usuárias de SIU, a título de orientação.

Leia mais

Papel do enfermeiro na promoção e prevenção do Papiloma Vírus Humano na adolescência

Papel do enfermeiro na promoção e prevenção do Papiloma Vírus Humano na adolescência Papel do enfermeiro na promoção e prevenção do Papiloma Vírus Humano na adolescência Aline Cipriano Rocha Costa Aluna do Curso de Graduação em Enfermagem. Irene Cortina Docente do Curso de Graduação em

Leia mais

SEXUALMENTE TRANSMISSÍVEIS

SEXUALMENTE TRANSMISSÍVEIS DOENÇAS SEXUALMENTE TRANSMISSÍVEIS ÚLCERAS DST ANORRETAIS Bacterianas - sífilis - cancróide - gonorréia - linfogranuloma venéreo - donovanose Virais - herpes simples - condiloma acuminado - citomegalovírus

Leia mais

QUESTIONÁRIO DE AVALIAÇÃO INICIAL - HOMEM VIH POSITIVO

QUESTIONÁRIO DE AVALIAÇÃO INICIAL - HOMEM VIH POSITIVO INSTRUÇÕES PARA A EQUIPA DO ESTUDO: Após inscrição no estudo, os participantes devem preencher este questionário de avaliação inicial. Certifique-se de que é distribuído o questionário adequado. Após o

Leia mais

Declaração de Conflitos de Interesse

Declaração de Conflitos de Interesse Declaração de Conflitos de Interesse Nada a declarar. Elias Fernando Miziara - DF MR A biologia viral na indução do câncer por HPV Epidemiologia no Brasil Dr. Elias Fernando Miziara Lesâo provocada por

Leia mais

D.S.T. CANCRO MOLE TRICOMO ÍASE CANDIDÍASE HERPES CONDILOMA LI FOGRA ULOMA GONORRÉIA SÍFILIS GRANULOMA AIDS

D.S.T. CANCRO MOLE TRICOMO ÍASE CANDIDÍASE HERPES CONDILOMA LI FOGRA ULOMA GONORRÉIA SÍFILIS GRANULOMA AIDS D.S.T D.S.T. CANCRO MOLE TRICOMO ÍASE CANDIDÍASE HERPES CONDILOMA LI FOGRA ULOMA GONORRÉIA SÍFILIS GRANULOMA AIDS CANCRO MOLE Agente: bactéria Haemophilus ducreyi Transmissão: sexo vaginal, anal ou oral

Leia mais