1º Ten Al ENIO VINICIUS DA ROSA COLVELLO

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "1º Ten Al ENIO VINICIUS DA ROSA COLVELLO"

Transcrição

1 1º Ten Al ENIO VINICIUS DA ROSA COLVELLO GUERRA INVISÍVEL: MEDIDAS DEFENSIVAS CONTRA AGENTES BIOLÓGICOS E TOXINAS RIO DE JANEIRO º Ten Al ALINE BATISTA DE CASTRO

2 1º Ten Al ENIO VINICIUS DA ROSA COLVELLO GUERRA INVISÍVEL: MEDIDAS DEFENSIVAS CONTRA AGENTES BIOLÓGICOS E TOXINAS Trabalho de conclusão de curso apresentado à Escola de Saúde do Exército como requisito parcial para aprovação no Curso de Formação de Oficiais do Serviço de Saúde, especialização em Aplicações Complementares às Ciências Militares Orientador: Ten Cel Clayton Barroso Colvello RIO DE JANEIRO 2010

3 C727g Colvello, Enio Vinicius da Rosa Guerra Invisível: medidas defensivas contra agentes biológicos e toxinas / Enio Vinicius da Rosa Colvello. - Rio de Janeiro, f. ; 30 cm Orientador: Clayton Barroso Colvello Trabalho de Conclusão de Curso (especialização) Escola de Saúde do Exército, Programa de Pós-Graduação em Aplicações Complementares às Ciências Militares, Referências: f Bioterrorismo. 2. Biovigilância. I. Colvello, Clayton Barroso. II. Escola de Saúde do Exército. III. Título. CDD

4 1º Ten Al ENIO VINICIUS DA ROSA COLVELLO GUERRA INVISÍVEL: MEDIDAS DEFENSIVAS CONTRA AGENTES BIOLÓGICOS E TOXINAS COMISSÃO DE AVALIAÇÃO CLAYTON BARROSO COLVELLO Tenente Coronel Orientador RONALDO ROCHA DOS SANTOS Capitão Coorientador FABIANE DE MELO BARBOSA 2º Tenente Avaliadora RIO DE JANEIRO 2010

5 AGRADECIMENTOS Agradeço ao meu pai, por ter me apoiado em mais esta jornada. Tu és muito mais do que progenitor, és amigo, conselheiro e, literalmente, orientador. Com muita honra abaterei a vossa espada na solenidade de conclusão de curso. À minha mãe, que sempre acreditou em mim. Quando havia perdido a fé nos homens ela abriu-me os olhos para a justiça divina, dando-me forças para lutar contra as adversidades e sabedoria para aceitar o que não posso mudar. Finalmente, agradeço a Deus por mais esta oportunidade. Espero ter adotado a postura e feito as escolhas corretas, de modo a ser digno de tamanho presente.

6 O mundo é um lugar perigoso de se viver, não por causa daqueles que fazem o mal, mas sim por causa daqueles que observam e deixam o mal a- contecer. (Albert Einstein)

7 RESUMO O presente trabalho tem como objetivo conhecer os principais agentes biológicos e toxinas passíveis de serem empregados no bioterrorismo, bem como as medidas defensivas contra tais ameaças que estejam ao alcance do Exército Brasileiro, do sistema de saúde nacional e da população em geral. Consultou-se protocolos clínico-laboratoriais da sociedade de microbiologia americana, do Centro de Prevenção e Controle de Doenças (CDC) e manuais do Exército norte-americano, o qual tem ampla experiência no combate ao terrorismo. As principais armas biológicas são: as bactérias do gênero Bulkholderia e Brucella; as bactérias Coxiella burnetii, Bacillus anthracis e Yersinia pestis; as toxinas botulínica e estafilocócica e uma ampla variedade de vírus tal como o Ebola, Marburg, Varíola e Gripe Aviária. Estes agentes podem ser divididos em 3 grupos, de acordo com o grau de risco que representam. Em geral, estas armas biológicas são silenciosas e até mesmo o seu reconhecimento é difícil, exigindo mobilização de profissionais qualificados e de recursos que nem sempre estão disponíveis em países em desenvolvimento como o Brasil. Conclui-se que a defesa contra agentes biológicos e toxinas inicia-se com medidas simples de educação, campanhas de vacinação e com investimentos em treinamento de profissionais e aquisição de equipamentos para vigilância e detecção dos microorganismos. Laboratórios de nível 3 e 4 de biossegurança são necessários para a identificação e confirmação dos agentes, estrutura esta que não está ao nosso alcance. Uma vez que a população e as autoridades não contam com ataques terroristas em nosso país, estamos completamente despreparados e vulneráveis a tais ameaças. Palavras-Chaves: Bioterrorismo. Biovigilância.

8 ABSTRACT This work is aimed to know the most common biological agents used by bioterrorists and the countermeasures against such threats which could be carried by the Brazilian Army, the healthcare system and the population in general. Were analyzed the American Society of Microbiology s clinical protocols, documents from the Center for Disease Control and Prevention (CDC) and the American army s manuals, considering the wide experience accumulated by this organization in terms of terrorism defense. The principal biological organisms and toxins used as weapons are: the bacterial genres Bulkholderia and Brucella; the bacteria Coxiella burnetii, Bacillus anthracis and Yersinia pestis; the toxins botulinic and staphilococcical and a large variety of viruses such as Ebola, Marburg, Smallpox and Avian Influenza A. These agents can be divided in 3 groups, due to the risk that they represent. Commonly, these weapons are silent, hard to be recognized. Qualified professionals and expensive resources are necessary, but most of them are not present in developing countries like Brazil. Defense against biologic agents and toxins starts with common measures like educational support, vaccination and investment in professional training and acquisition of surveillance equipments and detectors for the microorganisms. Level 3-4 bio-safety laboratories could perform the identification and confirmation steps, but this structure is not at our disposal. Considering that our population and authorities do not expect terrorist attacks on our country, we are completely unprepared and vulnerable to this threats. Key words: Bioterrorism. Biological surveillance.

9 SUMÁRIO 1 INTRODUÇÃO PROBLEMA JUSTIFICATIVA OBJETIVO METODOLOGIA DESENVOLVIMENTO REFERENCIAL TEÓRICO PRINCIPAIS AGENTES BIOLÓGICOS E TOXINAS Antraz Burkholderia mallei e B. pseudomallei Brucella species Toxina botulínica Coxiella burnetti Enterotoxina estafilocócica Gripe Aviária - H5N Yersinia pestis Francisella tularensis Principais vírus MEDIDAS DEFENSIVAS ALERTAS À POPULAÇÃO CAMPANHAS DE VACINAÇÃO MANUTENÇÃO DE ESTOQUES DE MEDICAMENTOS AÇÕES DE INTELIGÊNCIA VIGILÂNCIA EPIDEMIOLÓGICA E BIOLÓGICA IDENTIFICAÇÃO DOS AGENTES COLHEITA E TRANSPORTE DAS AMOSTRAS TRATAMENTO DAS VÍTIMAS DISCUSSÃO E CONCLUSÃO REFERÊNCIAS... 37

10 8 1 INTRODUÇÃO Há mais de 2500 anos, os exércitos assírios usaram grãos de centeio com escleródios do fungo Claviceps purpurea para contaminar as reservas de água dos inimigos. Da mesma forma, Sólon de Atenas utilizou a planta tóxica Helleborus niger (Heléboro) durante o cerco à Krissa. Já no século XIV, corpos de vítimas da peste foram catapultados através dos muros de Caffa pelo exército da Tartária, o que levou ao fim da batalha e início da Peste Negra que afligiu a Europa. Na época das grandes navegações, colonizadores ingleses presentearam os nativos norteamericanos com roupas contaminadas com varíola, como estratégia para eliminar os obstáculos à conquista do novo território. Em 1937 o Japão iniciou pesquisas com agentes biológicos na Manchúria, os quais foram usados contra a China em 1940, levando a uma epidemia de praga na região. No final da Segunda Guerra, os laboratórios foram destruídos, revelando um arsenal biológico de cerca de 400 Kg de antraz prontos para serem utilizados em bombas de fragmentação. Estes exemplos históricos são indicativos de que microorganismos e toxinas têm potencial bélico e constituem uma séria ameaça aos desprevenidos. Mesmo com a assinatura, em 1972, de uma convenção para proibição do desenvolvimento de armas biológicas, que teve a participação de diversos países, incluindo Estados Unidos, Iraque e União Soviética, diversos incidentes e acidentes continuam ocorrendo ao redor do globo. Após os fatídicos atentados de 11 de setembro nos Estados Unidos e da disseminação através do sistema postal de correspondências contaminadas com esporos de Bacillus anthracis (antraz), o terrorismo passou a ser uma ameaça real e constante. Em um país em desenvolvimento como o Brasil, futuro palco de eventos internacionais como a Copa do Mundo de 2014 e as Olimpíadas de 2016, é preciso estar preparado para situações semelhantes, que possam comprometer a lei e a ordem nacional. Em se tratando de armas biológicas, medidas de inteligência podem não ser suficientes para frear um ataque, sendo a guerra contra tais agentes travada dentro de laboratórios especializados. Os objetivos deste trabalho são: identificar os principais agentes utilizados na guerra biológica e conhecer as estratégias de combate a tais ameaças.

11 9 1.1 PROBLEMA As armas biológicas sempre foram artefatos de difícil controle e de potencial destrutivo incerto. Este fato, aliado aos poucos relatos de seu uso ao longo da história, manteve por certo tempo a guerra biológica como uma possibilidade remota. Embora os principais alvos de ataques sejam os países envolvidos diretamente em conflitos internacionais, a natureza imprevisível do terrorismo não permite que país nenhum se escuse de considerar a possibilidade de ser alvo, intencional ou não, de um ataque terrorista (OSTERHOLM, 2001). Algum extremista poderia propositadamente infectar-se com um determinado vírus e trafegar livremente pelos aeroportos internacionais, disseminando a doença silenciosamente. Um país como o Brasil, em fase de desenvolvimento, vem atraindo a atenção do mundo, principalmente quando se tem prevista a realização de eventos internacionais em seu território. Face a esta exposição, fica a pergunta: Como proceder no caso de um ataque terrorista envolvendo agentes biológicos ou toxinas? 1.2 JUSTIFICATIVA No momento em que uma arma biológica atinge o seu alvo, está instaurado o medo e o caos, com a possibilidade de sobrecarga do sistema de saúde do país. O contra-ataque não se dá com fuzis ou granadas e o capacete não irá proteger os combatentes. A guerra invisível deverá ser travada em postos avançados para triagem dos pacientes possivelmente expostos e nos laboratórios especializados onde se procede a identificação do agente em questão. Para tal defesa, é preciso se ter em mãos equipamentos apropriados, profissionais treinados e informações atualizadas sobre o diagnóstico clínico e laboratorial das doenças. É importante que os militares do corpo de saúde do Exército tenham acesso a estas informações, pois nesses momentos críticos as forças armadas quase sempre são mobilizadas. 1.3 OBJETIVO O presente trabalho tem por objetivo reunir informações fidedignas e atualizadas sobre os principais agentes utilizados na confecção de armas biológicas,

12 10 propondo medidas de defesa contra um possível ataque bioterrorista, mais especificamente no que diz respeito a biovigilância, manejo dos pacientes infectados, colheita e transporte de amostras e identificação. 1.4 METODOLOGIA Será realizada uma consulta a bases de dados como LILACS, MEDLINE e Science Direct, a manuais do Exército norte-americano e aos protocolos clínicos e diretrizes terapêuticas disponíveis nos sítios de organizações governamentais internacionais na rede mundial de computadores. O trabalho terá prosseguimento com a elaboração do texto onde serão resumidos os principais agentes biológicos, suas características epidemiológicas, forma de diagnóstico clínico-laboratorial e possíveis tratamentos, bem como as medidas defensivas adotadas pelas autoridades em caso de um incidente biológico.

13 11 2. DESENVOLVIMENTO 2.1 REFERENCIAL TEÓRICO Armas biológicas podem ser microorganismos ou toxinas por estes produzidas, dotadas de potencial para causar doença em humanos, plantas ou animais, ou simplesmente causar deterioração em material biológico. Guerra biológica consiste no uso destes agentes com o propósito de matar ou gerar doenças nos seres vivos, de modo a intimidar ou coagir a população ou governo, com objetivos políticos ou sociais (KOENIG, KHAN e SCHLTZ, 2006). Com o objetivo de frear tal ameaça, em 10 de abril de 1972 foi assinada em Londres, Washington e Moscou, a Convenção para a Proibição do Desenvolvimento, Produção e Armazenagem de Armas Bacteriológicas (Biológicas) e Toxinas e sua Destruição, versando o seu primeiro artigo sobre o seguinte: Art I: cada Estado participante desta Convenção compromete-se a nunca, em qualquer circunstância, produzir, armazenar ou de outra forma adquirir ou reter: (1) Agentes microbianos ou de outra origem biológica, ou toxinas independente da origem ou método de produção, de qualquer tipo ou quantidade sem justificativa profilática, de proteção ou com outros propósitos pacíficos; (2) Armas, equipamentos ou meios próprios para a disseminação de tais agentes ou toxinas com propósitos hostis ou em conflitos armados. (BTWC,1972, p. 2) Nos próximos artigos, a Convenção recomenda o auxílio mútuo entre as nações para a garantia da ordem, mediante uma proposta de troca constante de informações de inteligência, tecnologias e medidas profiláticas e de proteção. (BTWC, 1972). O professor Dr Luiz Jacintho da Silva, da Universidade Estadual de Campinas, trouxe a tona o caso de Sverdlovsk (União Soviética) ocorrido em 1979: Por um motivo qualquer, houve a dispersão

14 12 acidental de uma quantidade desconhecida de esporos do Bacillus anthracis. Inúmeros casos e óbitos por antraz em humanos e em animais foram detectados, os humanos tanto da forma inalatória como da digestiva. Esse episódio sugere que os soviéticos teriam conseguido uma forma eficiente para disseminar os esporos do B. anthracis por via aérea. (DA SILVA, 2001, p. 1520) Tais eventos comprovam o insucesso da Convenção de 1972 em coibir o desenvolvimento de armas biológicas. Da Silva também comenta em seu artigo Guerra Biológica, Bioterrorismo e Saúde Pública sobre a determinação da ONU para destruição dos estoques do vírus da varíola ao redor do mundo e, mesmo assim, sobre a possibilidade de ainda existir o vírus em laboratórios de países belicosos como o Iraque (DA SILVA, 2001). A vacinação contra a varíola foi interrompida na década de 80, ou seja, 40% da população mundial nunca foi vacinada e o restante apresentaria imunidade declinante. Com base nisso, o autor imagina um cenário de ataque biológico utilizando-se deste vírus: A letalidade da varíola é de cerca de 30%. É uma doença altamente contagiosa; se o vírus for veiculado no aeroporto de uma grande cidade, não só haveria um elevado número de casos, mas esses seriam dispersados por praticamente todo o mundo, lembrando que o período de incubação da varíola varia de 7 a 17 dias, geralmente de 12 a 14. (DA SILVA, 2001, p. 1521) Alerta aos riscos supracitados, principalmente após os atentados de setembro de 2001, a agência norte-americana de vigilância sanitária (Food and Drug Administration FDA) passou a promover campanhas de defesa contra ameaças biológicas. Em seu manual Building a Stronger Defense Against Bioterrorism, o órgão chama a atenção para a necessidade de novos regulamentos (Lei do Bioterrorismo), do aumento da vigilância sobre alimentos e outros produtos

15 13 importados mediante ensaios laboratoriais de controle de qualidade, de investir em novas tecnologias para detecção dos agentes mais conhecidos neste tipo de ataque, bem como a disposição de um estoque estratégico de vacinas, anti-toxinas e antibióticos (FDA, 2010). O Centro para Controle e Prevenção de Doenças (Center for Desease Control and Prevention CDC) vem trabalhando na área da informação, uma das poucas armas contra o bioterrorismo. Segundo o órgão norte-americano, os agentes biológicos podem ser classificados em 3 grupos (A, B e C), de acordo com o risco que apresentam (CDC, 2010). Na categoria A estão as mais sérias ameaças, que podem ser facilmente transmitidas ou disseminadas, resultando em altas taxas de mortalidade e maior impacto nos sistemas de saúde. Neste grupo estão os agentes causadores da varíola, botulismo (toxina do Clostridium botulinum), tularemia (Francisella tularensis), praga (Yersinia pestis), da febre viral hemorrágica (diversos vírus) e o Antraz (B. anthracis) (CDC, 2010). Na segunda categoria (B), estão agentes de transmissão moderadamente fácil, de baixa mortalidade, porém causadores de moderada morbidade. Entre eles figuram os agentes causadores da Brucelose (Brucella sp.), da Febre Q (Coxiella burnetii), Febre Tifóide (Salmonella typhi, Rickettsia prowazekii) e da encefalite viral (alfavírus), bem como uma série de ameaças aos alimentos e reservas d`água (toxina do Clostridium perfringens, ricina, enterotoxina estafilocócica B, Vibrio cholerae e Cryptosporidium parvum) (CDC, 2010). Na última categoria (C) estão agrupados agentes que podem vir a compor armas biológicas no futuro, geralmente vírus e príons causadores de doenças infecciosas emergentes, a exemplo do hantavírus (CDC, 2010). Além de informações clínicas e epidemiológicas fornecidas pelo CDC, a Sociedade Americana de Microbiologia disponibiliza em seu sítio na rede mundial de computadores protocolos clínicos e laboratoriais sobre as principais doenças causadas por agentes biológicos (ASM, 2010), que serão resumidos no presente trabalho. 2.2 PRINCIPAIS AGENTES BIOLÓGICOS E TOXINAS A seguir, será abordada individualmente cada ameaça biológica, seu histórico, distribuição geográfica, informações clínicas, diagnóstico laboratorial e

16 14 tratamento, com base nos protocolos clínico-laboratoriais disponibilizados pela Sociedade Americana de Microbiologia (ASM, 2010) Antraz (GRUPO A) (ASM, 2008a) a. Características O Bacillus anthracis é um bacilo gram-positivo grande, aos pares ou individualmente disposto, que produz esporos altamente resistentes, além de substância citotóxicas. b. Histórico O B. anthracis é mencionado no Livro de Gênesis, quando fora responsável pela quinta praga do Egito. Na Europa do século XVII houve uma pandemia da pústula maligna na Europa e, no século XIX surgiram os primeiros casos da forma cutânea e respiratória associada ao manuseio de produtos animais. Em outubro de 2001, a área metropolitana da cidade de Nova Iorque foi cenário de um ataque bioterrorista, onde cartas contendo esporos do Bacillus anthracis foram endereçadas a várias autoridades e à população em geral, remetidas por um grupo terrorista islâmico. Vinte e dois casos de infecção foram documentados. c. Distribuição Geográfica A bactéria distribui-se pelas zonas temperadas, Américas Central e do Sul, sul e leste europeu, Ásia, África e Caribe. d. Apresentação clínica Após o contato com produtos animais, consumo de carne mal cozida de animais infectados ou inalação de esporos, a infecção ocorre respectivamente por três vias: cutânea, gastrointestinal e respiratória. Na forma cutânea, os esporos penetram por cortes na pele, formam-se pápulas, bolhas com área necrótica ao centro e edema. O óbito ocorre em 20% dos casos, devido a uma infecção sistêmica e complicações respiratórias devido ao

17 15 edema nas regiões torácica e cervical. A forma gastrointestinal inicia-se com uma inflamação aguda do trato intestinal, com náuseas, perda de apetite, vômito e febre, seguida de dores abdominais, vômitos com sangue e diarréia. A mortalidade é de 25 a 60% nos casos não tratados. Quando a infecção se dá pela inalação dos esporos, a forma respiratória se manifesta após 1 a 6 dias. Os sintomas são febre, fadiga, tosse e desconforto no tórax. Dispnéia, diaforese e cianose surgem abruptamente. A morte ocorre em quase 100% dos casos, após 24 a 36 horas do surgimento dos sintomas. O raio x é exame patognomônico da doença, onde se observa o mediastino aumentada com efusão pleural sem infiltrados. e. Tratamento Três antibióticos são aprovados para o tratamento do antraz: ciprofloxacino, tetraciclinas e penicilinas. Para as pessoas expostas ao antraz, mas que não apresentam sintomas, um curso de 60 dias de antibiótico é utilizado para se reduzir os riscos de infecção. f. Diagnóstico laboratorial Sub-cultura em ágar Sangue crescimento acentuado; Morfologia: Bacilos gram-positivos; Motilidade negativa em 6 horas; Executar teste de sensibilidade à penicilina; Testes obrigatórios: Reação em Cadeia da Polimerase e ensaio de Imunofluorescência Direta Burkholderia mallei e B. pseudomallei (GRUPO B) (ASM, 2008b) a. Características Burkholderia mallei é um cocobacilo gram-negativo aeróbico sem motilidade, que pode ou não ser oxidase positivo ou crescer no ágar MacConkey. B. pseudomallei por sua vez, é um bacilo gram-negativo aeróbico reto ou ligeiramente curvado, sempre oxidase positivo e capaz de crescer na maioria dos meios de

18 16 cultura, tal como ágar chocolate, sangue ou MacConkey, além de produzir um odor característico de mofo. b. Histórico Durante a 1ª Guerra Mundial, os alemães infectaram cavalos e mulas com cepas de B. mallei, comprometendo o transporte de tropas e suprimentos. A doença pode ser transmitida a humanos, popularmente conhecida como mormo. B. pseudomallei foi um dos primeiros agentes reportados como causador de doenças em usuários de drogas, causando um quadro de septicemia com abscessos pulmonares, hepáticos e renais conhecido na literatura médica por melioidose. Na guerra do Vietnã, soldados australianos e norte-americanos infectaram-se com organismos do ambiente, e apelidaram a doença de Bomba Relógio do Vietnã devido à reativação do quadro após algumas décadas. c. Distribuição geográfica B. mallei foi erradicada na Europa e América devido a um extenso programa de sacrifício de eqüinos soropositivos, mas ainda existem raros casos de mormo na Ásia e África. A melioidose, por sua vez, ainda é uma doença endêmica em algumas regiões tropicais, inclusive no Brasil. No Vietnã e na Tailândia, por exemplo, foram encontradas altas concentrações de microorganismos em águas de arrozais. d. Apresentação clínica O mormo pode manifestar-se de forma cutânea ou sistêmica, tendo um período de incubação de 1 a 14 dias. Na forma cutânea são vistos nódulos acompanhados de linfadenite localizada. A forma sistêmica manifesta-se como uma pneumonia lobar ou brônquica, podendo levar à bacteremia. O quadro é fatal caso não haja tratamento com antimicrobianos. A melioidose pode ser assintomática (maioria dos casos), aguda ou crônica. Nos casos agudos há pneumonia, febre alta, dispnéia, hemoptise e dor torácica, tendo um período de incubação de 1 a 5 dias. Quando a doença cronifica, lesões granulomatosas podem ser vistas em vários tecidos e os sintomas são mínimos.

19 17 e. Tratamento Ciprofloxacino e Doxaciclina podem ser utilizados para a profilaxia de B. mallei. Formas agudas ou crônicas de infecção por B. pseudomallei podem ser tratadas pela administração parenteral de carbapenêmicos por 2 a 4 semanas, seguida de terapia oral com amoxicilina-ácido clavulânico ou doxiciclina associada a sulfametoxazol-trimetoprima por 3 a 6 meses. f. Diagnóstico laboratorial B. mallei Morfologia: cocobacilos gram-negativos; Cultura: colônias cinzentas, translúcidas, crescendo após 48 horas em á- gar Sangue, podendo ou não crescer no ágar MacConkey. Sem odor característico; Reações: Oxidase variável, indol negativo, catalase positivo; Antibiograma: sem zona de inibição no teste com Polimixina B; Motilidade negativa; Meio TSI: fundo vermelho (sem alteração) e inclinação vermelha; Testes adicionais: Arginina positiva; Nitrato positivo sem gás. B. pseudomallei Morfologia: bastonetes gram-negativos, pequenos, alongados ou curvados; Cultura: colônias brancas com bom crescimento após 48 horas em ágar Sangue e MacConkey. Podem tornar-se enrugadas e perder pigmentação com o tempo. Odor forte de mofo. Reações: Oxidase positiva, indol negativo Antibiograma: sem zona de inibição no teste com Polimixina B; Motilidade negativa. Meio TSI: fundo vermelho (sem alteração) e inclinação variável. Testes adicionais: Arginina positiva; Nitrato positivo com produção de gás.

20 Brucella species (GRUPO B) (ASM, 2004a) a. Características É um pequeno cocobacilo gram-negativo aeróbico e fastidioso. b. Histórico A Brucelose é uma zoonose propagada pelo gado (Brucella abortus), por ovelhas (B. melitensis), porcos (B. suis) e cães (B. canis). Fora descoberta em 1887, na ilha de Malta, quando o médico militar David Bruce isolou a bactéria Brucella melitensis de um soldado britânico morto. Após a proibição do consumo de leite de vaca pelas tropas, os casos da doença declinaram, praticamente desaparecendo após a adoção dos processos de pasteurização do leite. Em 1954, B. suis fora o primeiro agente biológico introduzido no programa de armas biológicas norte-americano, por se tratar de um organismo altamente infectante em pequenas doses propagadas por aerossol. c. Distribuição geográfica B. melitensis é o agente mais comum, infectando o gado na América Latina e na Europa. Em áreas rurais, onde o leite é consumido sem passar pelo processo de pasteurização, a doença é mais comum. Todo ano, são diagnosticados entre 50 e 100 casos na América do Norte. d. Apresentação clínica Pode causar infecções agudas ou crônicas. Seus sintomas são inespecíficos, tal como febre, dor de cabeça, anorexia, dores nas costas e perda de peso. A forma crônica mimetiza uma tuberculose miliar, com lesões supurativas no fígado e espinha. A mortalidade é baixa, em torno de 5%. e. Tratamento Doxiciclina (200 mg/dia) em combinação com rifampicina ou estreptomicina

21 19 (600 a 900mg/dia), durante 6 semanas. f. Diagnóstico laboratorial Morfologia: Gram de hemocultura: pequenos (0,4x0,8 micra) cocobacilos gram-negativos; Cultura: Incubar a 5-10% de CO 2 a 35ºC; Pequeno crescimento após 24 horas em ágar Chocolate. Não cresce no ágar MacConkey; Teste de satelitismo com Staphilococcus aureus ATCC negativo; Reações: Oxidase positivo e catalase positivo. Uréia positivo; Motilidade negativa; Nitrato positivo Toxina botulínica (GRUPO A) (ASM, 2003a) a. Características Clostridium botulinum são bacilos gram-positivos ligeiramente curvados, anaeróbios e móveis, usualmente encontrados no solo e habitats aquáticos, produtores de distintas neurotoxinas antigênicas com atividades farmacológicas similares. Estas toxinas podem ser de sete tipos (A a G), e o botulismo humano é causado pelas toxinas do tipo A (usada com fins terapêuticos na concentração de 0,3% da dose letal), B e E. b. Histórico Casos de botulismo ocorrem quando alimentos são preparados ou preservados por métodos que não destroem os esporos bacterianos e permitem a produção das toxinas. O potencial do envenenamento intencional com a toxina é uma ameaça realista, visto que a inalação dos esporos ou contaminação dos alimentos são formas simples de dispersão, onde um grama da toxina aerosolizada pode levar à morte de um milhão e meio de pessoas. O estudo da toxina como arma pelos Estados Unidos da América iniciou-se no começo da Segunda Guerra Mundial e acabou após a Convenção de No

22 20 final dos anos 90, a ex-união Soviética e o Iraque ainda conduziam pesquisas com C. botulinum, enquanto no Japão, um culto religioso conhecido por Aum Shinrikyo (em Português, Verdade Suprema ) promoveu ao menos três atentados utilizandose da toxina aerosolizada em cidades japonesas. c. Distribuição geográfica A bactéria é cosmopolita, habitando os solos e águas do mundo inteiro. d. Apresentação clínica A doença pode ser adquirida pela ingestão de alimentos contendo a toxina pré-formada (em crianças, a ingestão dos microorganismos pode levar à posterior produção endógena da toxina) ou pela contaminação de ferimentos com a bactéria. A síndrome clínica do botulismo aparece após 6 horas a 10 dias e é caracterizada por sintomas neurológicos e sinais decorrentes de um bloqueio das junções colinérgicas autônomas e musculatura voluntária, induzidos pela toxina. Dor abdominal, náuseas, vômitos, diarréia, boca seca, dificuldade em focar a visão num ponto próximo e diplopia são os sintomas iniciais. Os sintomas evoluem para disfonia, disfagia e dispnéia, culminando no comprometimento dos músculos respiratórios e falência respiratória. e. Tratamento Administração empírica de antitoxina logo no surgimento dos primeiros sintomas neurológicos. f. Diagnóstico laboratorial Morfologia: bastonetes grandes, gram-positivos (tornam-se gramnegativos quando mais velhos) em grupos ou individuais e móveis. Cultura: colônias que crescem na profundidade do ágar são cobertas por uma penugem. Na superfície, são grandes, semitransparentes e com bordos irregulares.

23 21 Liquefaz a gelatina, produzindo ácido e gás da glicose, levulose e maltose. Ácido acético é o principal produto metabólico produzido. Detecção da toxina em 10 ml de soro (colhido no início do quadro clínico) ou em 50 g de fezes, vômito ou alimento ingerido. Teste de ELISA para detecção dos tipos A, B, E e G Coxiella burnetti (GRUPO B) (ASM, 2003b) a. Características Coxiella burnetti são cocobacilos gram-negativos pleomórficos intracelulares obrigatórios, que podem aparecer fora das células na forma esporiforme, ou na forma vegetativa metabolicamente ativa. Está associada filogeneticamente com os gêneros Pseudomonas, Francisella e Legionella. b. Histórico Em 1935, trabalhadores de um abatedouro em Queensland, Austrália, apresentaram uma doença febril de etiologia desconhecida que veio a ser conhecida como Febre Q. Mais tarde, descobriu-se que a Febre Q é uma zoonose transmitida por cabras, ovelhas, bovinos ou até mesmo gatos domésticos através de partículas de poeira contaminadas com aerossóis em doses muito baixas. c. Distribuição geográfica Não se tem uma estimativa mundial da distribuição da C. burnetti, e são apenas 45 os casos relatados pelo CDC em território norte-americano. d. Apresentação clínica Os sintomas não são específicos, podendo haver pneumonia (47-63% dos pacientes), hepatite (60%) ou somente febre (14%). O período de incubação é de 2 a 3 semanas, com o surgimento de febre alta, dores de cabeça, mialgia e artralgia, tosse e rush cutâneo. Além das manifestações radiográficas de pneumonia, os pacientes podem apresentar elevação das enzimas hepáticas. A doença tem uma

Influenza A (H1N1): Perguntas e Respostas

Influenza A (H1N1): Perguntas e Respostas Influenza A (H1N1): Perguntas e Respostas Para entender a influenza: perguntas e respostas A comunicação tem espaço fundamental na luta contra qualquer doença. Um exemplo é o caso do enfrentamento da influenza

Leia mais

Bactérias e Doenças Associadas

Bactérias e Doenças Associadas Bactérias e Doenças Associadas Disenteria Bacilar Agente Etiológico: Bactérias do gênero Shigella Forma de transmissão: Água e alimentos contaminados com as fezes dos doentes. Sintomas: Infecção intestinal,

Leia mais

Gripe por Influenza A H1N1 *

Gripe por Influenza A H1N1 * CONSELHO REGIONAL DE ENFERMAGEM DE SÃO PAULO São Paulo, maio de 2009. Gripe por Influenza A H1N1 * Informações básicas O que é Gripe por Influenza A H1N1? A gripe por Influenza A H1N1 (Suína) é uma doença

Leia mais

A Gripe A ALGUMAS NOTAS HISTÓRICAS SOBRE A GRÍPE. Data de 1580, a primeira descrição completa de uma pandemia gripal.

A Gripe A ALGUMAS NOTAS HISTÓRICAS SOBRE A GRÍPE. Data de 1580, a primeira descrição completa de uma pandemia gripal. A Gripe A ALGUMAS NOTAS HISTÓRICAS SOBRE A GRÍPE Data de 1580, a primeira descrição completa de uma pandemia gripal. Desde esta altura que correram mundo, mais de trinta pandemias, causadas por diversos

Leia mais

Informativo Empresarial Especial

Informativo Empresarial Especial Informativo Empresarial Especial Gripe Suína Plano de Contingência Empresarial A Gripe Influenza A H1N1 e o Transporte Rodoviário A gripe que ficou conhecida como gripe suína é causada por vírus que se

Leia mais

TEXTO BÁSICO PARA SUBSIDIAR TRABALHOS EDUCATIVOS NA SEMANA DE COMBATE À DENGUE 1

TEXTO BÁSICO PARA SUBSIDIAR TRABALHOS EDUCATIVOS NA SEMANA DE COMBATE À DENGUE 1 TEXTO BÁSICO PARA SUBSIDIAR TRABALHOS EDUCATIVOS NA SEMANA DE COMBATE À DENGUE 1 A Dengue A dengue é uma doença infecciosa de origem viral, febril, aguda, que apesar de não ter medicamento específico exige

Leia mais

Gripe A (H1N1) de origem suína

Gripe A (H1N1) de origem suína Gripe A (H1N1) de origem suína A gripe é caracterizada como uma doença infecciosa com alto potencial de contagio causado pelo vírus Influenza. Este vírus apresenta três tipos, sendo eles o A, B e C. Observam-se

Leia mais

Ocorrências de casos humanos de influenza suína no México e EUA Informe do dia 26.04.09, às 13h

Ocorrências de casos humanos de influenza suína no México e EUA Informe do dia 26.04.09, às 13h Ministério da Saúde Gabinete Permanente de Emergências em Saúde Pública ALERTA DE EMERGÊNCIA DE SAÚDE PÚBLICA DE IMPORTÂNCIA INTERNACIONAL Ocorrências de casos humanos de influenza suína no México e EUA

Leia mais

Traduzido por: Edson Alves de Moura Filho e-mail: edson.moura@saude.gov.br

Traduzido por: Edson Alves de Moura Filho e-mail: edson.moura@saude.gov.br A Doença Do Boletim Epidemiológico, Vol 22, nº 3, setembro de 2001 Influenza: Aspectos Epidemiológicos Básicos para o Desenvolvimento de Vacinas A influenza (a flu ) é uma dos mais notórios achaques (doença

Leia mais

VIROLOGIA. 1. Ebola 2. Febre Chikungunya

VIROLOGIA. 1. Ebola 2. Febre Chikungunya Instituto Federal de Santa Catarina Curso Técnico em Biotecnologia Unidade Curricular: Microbiologia VIROLOGIA 1. Ebola 2. Febre Chikungunya Prof. Leandro Parussolo Família: Filoviridae Gênero: Filovirus

Leia mais

Gripe Suína ou Influenza A (H1N1)

Gripe Suína ou Influenza A (H1N1) Gripe Suína ou Influenza A (H1N1) Perguntas e respostas 1. O que é Gripe Suína ou Influenza A (H1N1)? 2. A gripe causada pelo Influenza A (H1N1) é contagiosa? 3. Quem pode adoecer pela nova gripe causada

Leia mais

Risco Biológico. A ocorrência do evento danoso está ligado à :

Risco Biológico. A ocorrência do evento danoso está ligado à : RISCO BIOLÓGICO Risco Biológico A ocorrência do evento danoso está ligado à : 1) Existência ou não de medidas preventivas Níveis de Biossegurança. 2) Existência ou não de medidas preventivas que garantam

Leia mais

Principais Sintomas. Medidas de Prevenção

Principais Sintomas. Medidas de Prevenção A gripe é uma doença causada pelo vírus da Influenza, que ocorre predominantemente nos meses mais frios do ano. Esse vírus apresenta diferentes subtipos que produzem a chamada gripe ou influenza sazonal.

Leia mais

Agente Infectante. Vetor / Transmissão. Doença. Sinais e Sintomas Hemorragias na pele, no nariz e em outros locais. Febre, fraqueza, dores musculares.

Agente Infectante. Vetor / Transmissão. Doença. Sinais e Sintomas Hemorragias na pele, no nariz e em outros locais. Febre, fraqueza, dores musculares. Dengue Dengue Agente Infectante Arbovirus Vetor / Transmissão Picada do mosquito Aedes Aegypti Sinais e Sintomas Hemorragias na pele, no nariz e em outros locais. Febre, fraqueza, dores musculares. Profilaxia

Leia mais

A brucelose, também conhecida como febre ondulante, febre do Mediterrâneo

A brucelose, também conhecida como febre ondulante, febre do Mediterrâneo O que é? A brucelose, também conhecida como febre ondulante, febre do Mediterrâneo ou febre de Malta, é uma zoonose causada por microrganismos do gênero Brucella sendo que a infecção é quase sempre transmitida

Leia mais

A hepatite aguda causa menos danos ao fígado que a hepatite crônica.

A hepatite aguda causa menos danos ao fígado que a hepatite crônica. Hepatites Virais O FÍGADO E SUAS FUNÇÕES. O fígado é o maior órgão do corpo humano, está localizado no lado superior direito do abdômen, protegido pelas costelas (gradio costal). É responsável por aproximadamente

Leia mais

PREFEITURA DE FLORIANÓPOLIS SECRETARIA MUNICIPAL DE SAÚDE CENTRO DE CONTROLE DE ZOONOSES DENGUE

PREFEITURA DE FLORIANÓPOLIS SECRETARIA MUNICIPAL DE SAÚDE CENTRO DE CONTROLE DE ZOONOSES DENGUE DENGUE O que é? A dengue é uma doença febril aguda, causada por vírus, transmitido pelo mosquito Aedes aegypti (Brasil e Américas) e Aedes albopictus (Ásia). Tem caráter epidêmico, ou seja, atinge um grande

Leia mais

INFLUENZA. Cinthya L Cavazzana Médica Infectologista COVISA/CCD

INFLUENZA. Cinthya L Cavazzana Médica Infectologista COVISA/CCD INFLUENZA Cinthya L Cavazzana Médica Infectologista COVISA/CCD GRIPE x RESFRIADO Resfriado: é uma doença do trato respiratório superior. É geralmente causada por um vírus, mais freqüentemente um rhinovirus

Leia mais

Aprovado em reunião de Disciplina de Moléstias Infecciosas em 04.05.2009.

Aprovado em reunião de Disciplina de Moléstias Infecciosas em 04.05.2009. Plano interino de preparação do Hospital das Clínicas da Faculdade de Medicina de Botucatu (Unesp) para atendimento a pacientes com Influenza A suína (H1N1). Carlos Magno Castelo Branco Fortaleza Professor

Leia mais

Ministério da Saúde esclarece as principais dúvidas sobre a doença e apresenta recomendações para viajantes internacionais.

Ministério da Saúde esclarece as principais dúvidas sobre a doença e apresenta recomendações para viajantes internacionais. Ministério da Saúde esclarece as principais dúvidas sobre a doença e apresenta recomendações para viajantes internacionais. Fonte: Agência Fiocruz 1. Há casos de influenza A (H1N1) no Brasil? Não. Até

Leia mais

Centro de Prevenção e Controle de Doenças CCD Núcleo Municipal de Controle de Infecção Hospitalar - NMCIH

Centro de Prevenção e Controle de Doenças CCD Núcleo Municipal de Controle de Infecção Hospitalar - NMCIH Centro de Prevenção e Controle de Doenças CCD ALERTA EPIDEMIOLÓGICO I Influenza Suína ABRIL 2009 Definição de caso 1-Caso suspeito de infecção humana pelo vírus da influenza suína A (H1N1). Apresentar

Leia mais

Informe sobre a gripe causada pelo novo vírus Influenza A/H1N1

Informe sobre a gripe causada pelo novo vírus Influenza A/H1N1 Informe sobre a gripe causada pelo novo vírus Influenza A/H1N1 DOCUMENTO PARA O PÚBLICO EM GERAL Coordenação: Sociedade Brasileira de Infectologia (SBI) Associação Médica Brasileira (AMB) Apoio e participação:

Leia mais

Rotina para Prevenção de Transmissão de Tuberculose Nosocomial

Rotina para Prevenção de Transmissão de Tuberculose Nosocomial MINISTÉRIO DA SAÚDE SECRETARIA DE ATENÇÃO À SAÚDE HOSPITAL FEDERAL DE BONSUCESSO COMISSÃO DE CONTROLE DE INFECÇÃO HOSPITALAR ROTINA A13 elaborada em 09/12/2010 Rotina para Prevenção de Transmissão de Tuberculose

Leia mais

VIROLOGIA. 1. Rubéola 2. Gripe 3. Resfriado 4. Hepatite

VIROLOGIA. 1. Rubéola 2. Gripe 3. Resfriado 4. Hepatite Instituto Federal de Santa Catarina Curso Técnico em Biotecnologia Unidade Curricular: Microbiologia VIROLOGIA 1. Rubéola 2. Gripe 3. Resfriado 4. Hepatite Prof. Leandro Parussolo RUBÉOLA Rubéola Família:

Leia mais

Informe Técnico sobre o vírus Influenza A (H7N9)

Informe Técnico sobre o vírus Influenza A (H7N9) Informe Técnico sobre o vírus Influenza A (H7N9) SOBRE O VÍRUS INFLUENZA A (H7N9) O vírus influenza A (H7N9) é um subtipo de vírus influenza A de origem aviária. Esse subtipo viral A (H7N9) não havia sido

Leia mais

HIV. O vírus da imunodeficiência humana HIV-1 e HIV-2 são membros da família Retroviridae, na subfamília Lentividae.

HIV. O vírus da imunodeficiência humana HIV-1 e HIV-2 são membros da família Retroviridae, na subfamília Lentividae. A Equipe Multiprofissional de Saúde Ocupacional da UDESC lembra: Dia 01 de dezembro é dia mundial de prevenção à Aids! Este material foi desenvolvido por alunos do Departamento de Enfermagem da Universidade

Leia mais

INSTITUTO FEDERAL DE EDUCAÇÃO, CIÊNCIA E TECNOLOGIA DO SUL DE MINAS GERAIS CAMPUS MUZAMBINHO Curso Técnico em Enfermagem

INSTITUTO FEDERAL DE EDUCAÇÃO, CIÊNCIA E TECNOLOGIA DO SUL DE MINAS GERAIS CAMPUS MUZAMBINHO Curso Técnico em Enfermagem INSTITUTO FEDERAL DE EDUCAÇÃO, CIÊNCIA E TECNOLOGIA DO SUL DE MINAS GERAIS CAMPUS MUZAMBINHO Curso Técnico em Enfermagem JUNIEL PEREIRA BRITO A INFLUEZA A-H1N1 Debate e Prevenção MUZAMBINHO 2010 JUNIEL

Leia mais

VIROLOGIA HUMANA. Professor: Bruno Aleixo Venturi

VIROLOGIA HUMANA. Professor: Bruno Aleixo Venturi VIROLOGIA HUMANA Professor: Bruno Aleixo Venturi O que são vírus? A palavra vírus tem origem latina e significa "veneno". Provavelmente esse nome foi dado devido às viroses, que são doenças causadas por

Leia mais

1. Aspectos Epidemiológicos

1. Aspectos Epidemiológicos 1. AspectosEpidemiológicos A influenza é uma infecção viral que afeta principalmente o nariz, a garganta, os brônquiose,ocasionalmente,ospulmões.sãoconhecidostrêstiposdevírusdainfluenza:a,b e C. Esses

Leia mais

15/10/2009. Cocobacilos Gram-negativos. Taxonomia: Intracelular. Família Brucellaceae; Não formador de esporo. Gênero Brucella 10 espécies..

15/10/2009. Cocobacilos Gram-negativos. Taxonomia: Intracelular. Família Brucellaceae; Não formador de esporo. Gênero Brucella 10 espécies.. UNIVERSIDADE FEDERAL FLUMINENSE BACTERIOLOGIA NUTRIÇÃO Brucella e Listeria Brucella PROF. RENATA F. RABELLO 2 o SEMESTRE/2009 INTRODUÇÃO Taxonomia: Família Brucellaceae; Gênero Brucella 10 espécies.. Significado

Leia mais

EBOLA. Informe técnico e orientações para as ações de vigilância e serviços de saúde de referência

EBOLA. Informe técnico e orientações para as ações de vigilância e serviços de saúde de referência EBOLA Informe técnico e orientações para as ações de vigilância e serviços de saúde de referência FEBRE HEMORRÁGICA DO EBOLA O vírus Ebola foi identificado pela primeira vez em 1976, no Zaire (atual República

Leia mais

Adultos e idosos também precisam se vacinar

Adultos e idosos também precisam se vacinar ANO VII N.º 10 Abril 2013 Canal de Comunicação da Sistel para os Usuários de Saúde Adultos e idosos também precisam se vacinar Na hora de cuidar da própria saúde, muitos adultos e idosos não dão importância

Leia mais

Exército já se prepara contra guerra química na Olimpíada

Exército já se prepara contra guerra química na Olimpíada Exército já se prepara contra guerra química na Olimpíada Por Francisco Edson Alves Equipamento monitora e identifica substâncias perigosas a quilômetros, por controle remoto Preparando-se para um desafio

Leia mais

Informe Epidemiológico EBOLA Atualizado em 26-09-2014, às 10h

Informe Epidemiológico EBOLA Atualizado em 26-09-2014, às 10h Informe Epidemiológico EBOLA Atualizado em 26-09-2014, às 10h Em 08 de agosto de 2014 a Organização Mundial da Saúde (OMS) declarou o surto pela Doença do Vírus Ebola no Oeste da África, uma Emergência

Leia mais

AUTARQUIA EDUCACIONAL DE BELO JARDIM CURSO BACHARELADO EM ENFERMAGEM ROSELINE CALISTO FEBRE DO NILO OCIDENTAL

AUTARQUIA EDUCACIONAL DE BELO JARDIM CURSO BACHARELADO EM ENFERMAGEM ROSELINE CALISTO FEBRE DO NILO OCIDENTAL AUTARQUIA EDUCACIONAL DE BELO JARDIM CURSO BACHARELADO EM ENFERMAGEM ROSELINE CALISTO FEBRE DO NILO OCIDENTAL Belo Jardim 2008 FEBRE DO NILO OCIDENTAL 1. DESCRIÇÃO Infecção viral que pode transcorrer de

Leia mais

Informação pode ser o melhor remédio. Hepatite

Informação pode ser o melhor remédio. Hepatite Informação pode ser o melhor remédio. Hepatite HEPATITE A hepatite é uma inflamação do fígado provocada na maioria das vezes por um vírus. Diferentes tipos de vírus podem provocar hepatite aguda, que se

Leia mais

HOSPITAL DE CLÍNICAS UFPR

HOSPITAL DE CLÍNICAS UFPR HOSPITAL DE CLÍNICAS UFPR HC UFPR COMITÊ DE INFLUENZA SUÍNA 27 de abril DIREÇÃO DE ASSISTÊNCIA SERVIÇO DE EPIDEMIOLOGIA INFECTOLOGIA CLÍNICA - ADULTO E PEDIÁTRICA SERVIÇO DE CONTROLE DE INFECÇÃO HOSPITALAR

Leia mais

Sumário. Prólogo 13 Apresentação 17 Agradecimentos 29

Sumário. Prólogo 13 Apresentação 17 Agradecimentos 29 Sumário Prólogo 13 Apresentação 17 Agradecimentos 29 Introdução 31 O fracasso da política da bioviolência 32 Bases temáticas 34 Três encruzilhadas 34 Lei para a humanidade 35 Terminologia 37 Apresentação

Leia mais

VACINE-SE A PARTIR DE 1 DE OUTUBRO CONSULTE O SEU MÉDICO

VACINE-SE A PARTIR DE 1 DE OUTUBRO CONSULTE O SEU MÉDICO VACINE-SE A PARTIR DE 1 DE OUTUBRO CONSULTE O SEU MÉDICO Perguntas frequentes sobre a gripe sazonal O que é a gripe? É uma doença infecciosa aguda das vias respiratórias, causada pelo vírus da gripe. Em

Leia mais

VIROSES. Prof. Edilson Soares www.profedilson.com

VIROSES. Prof. Edilson Soares www.profedilson.com VIROSES Prof. Edilson Soares www.profedilson.com CATAPORA OU VARICELA TRANSMISSÃO Saliva Objetos contaminados SINTOMAS Feridas no corpo PROFILAXIA Vacinação HERPES SIMPLES LABIAL TRANSMISSÃO Contato

Leia mais

Ebola. Vírus. Profissional da Saúde. O que saber. Notificação. sintomas. O que saber. Doença do Vírus Ebola Oeste Africano. Febre.

Ebola. Vírus. Profissional da Saúde. O que saber. Notificação. sintomas. O que saber. Doença do Vírus Ebola Oeste Africano. Febre. EPI Fluxo 1 dias Profissionais da Saúde O que Saber sintomas Vírus Contatos GRAU Fluídos secreção Letalidade Febre Triagem Ebola O que saber Central/CIEVS/SP Emílio Ribas Profissional da Saúde Contato

Leia mais

INFORME TÉCNICO FEBRE MACULOSA BRASILEIRA

INFORME TÉCNICO FEBRE MACULOSA BRASILEIRA SUBSECRETARIA DE VIGILÂNCIA EM SAÚDE SUPERINTENDÊNCIA DE VIGILÂNCIA EPIDEMIOLÓGICA E AMBIENTAL COORDENAÇÃO DE VIGILÂNCIA EPIDEMIOLÓGICA DIVISÃO DE TRANSMISSÍVEIS E IMUNOPREVINÍVEIS GERENCIA DE DOENÇAS

Leia mais

É uma doença respiratória aguda, causada pelo vírus A (H1N1).

É uma doença respiratória aguda, causada pelo vírus A (H1N1). INFLUENZA (GRIPE) SUÍNA INFLUENZA SUÍNA É uma doença respiratória aguda, causada pelo vírus A (H1N1). Assim como a gripe comum, a influenza suína é transmitida, principalmente, por meio de tosse, espirro

Leia mais

COLÉGIO SÃO JOSÉ. 7º ano- Ciências Ensino Fundamental Professora Vanesca 2015

COLÉGIO SÃO JOSÉ. 7º ano- Ciências Ensino Fundamental Professora Vanesca 2015 COLÉGIO SÃO JOSÉ 7º ano- Ciências Ensino Fundamental Professora Vanesca 2015 REINO MONERA - Formado por bactérias (heterótrofas) e algas azuis (autótrofas) Célula bacteriana Ribossomos Citoplasma Membrana

Leia mais

SECRETARIA MUNICIPAL DE SAÚDE E DEFESA CIVIL SUBSECRETARIA DE PROMOÇÃO, ATENÇÃO BÁSICA E VIVILÂNCIA COORDENADORIA DE SAÚDE DA AP 5.

SECRETARIA MUNICIPAL DE SAÚDE E DEFESA CIVIL SUBSECRETARIA DE PROMOÇÃO, ATENÇÃO BÁSICA E VIVILÂNCIA COORDENADORIA DE SAÚDE DA AP 5. SECRETARIA MUNICIPAL DE SAÚDE E DEFESA CIVIL SUBSECRETARIA DE PROMOÇÃO, ATENÇÃO BÁSICA E VIVILÂNCIA COORDENADORIA DE SAÚDE DA AP 5.2 DIVISÃO DE VIGILÂNCIA EM SAÚDE DIVISÃO DE VIGILÂNCIA EM SAÚDE BETI BRISSE

Leia mais

INFORMAÇÃO É PREVENÇÃO! ESCLAREÇA AQUI SUAS DÚVIDAS

INFORMAÇÃO É PREVENÇÃO! ESCLAREÇA AQUI SUAS DÚVIDAS GRIPE A (H1N1) INFORMAÇÃO É PREVENÇÃO! ESCLAREÇA AQUI SUAS DÚVIDAS Fazer de cada dia um dia melhor Informe-se e proteja a sua saúde e a de sua família. Talvez você esteja inseguro com tantas informações

Leia mais

Vacinação em massa contra febre amarela na África 4.

Vacinação em massa contra febre amarela na África 4. Publicação Científica do Curso de Bacharelado em Enfermagem do CEUT. Ano 2010 (1). Edição 17 Shirley da Luz Gomes 1 Rômulo Luis de Oliveira Bandeira 2 Selonia Patrícia Oliveira Sousa 3 Otacílio Batista

Leia mais

Microbiologia Clínica

Microbiologia Clínica Microbiologia Clínica A descoberta dos microrganismos Lentes 200 a 300 X As primeiras observações: Leeuwenhoek (em 1677) 1 Leeuwenhoek: microrganismos ("animálculos ) Pasteur (1822-1895) 2 A geração espontânea

Leia mais

GOVERNO DO ESTADO DA BAHIA Secretaria da Saúde do Estado da Bahia Superintendência de Vigilância e Proteção da Saúde

GOVERNO DO ESTADO DA BAHIA Secretaria da Saúde do Estado da Bahia Superintendência de Vigilância e Proteção da Saúde GOVERNO DO ESTADO DA BAHIA Secretaria da Saúde do Estado da Bahia Superintendência de Vigilância e Proteção da Saúde NOTA TÉCNICA Nº 03/2015 DIVEP/LACEN/SUVISA/SESAB Assunto: Casos de ZIKA Vírus e de Doença

Leia mais

RAIVA. A raiva é um doença viral prevenível de mamíferos, que geralmente é transmitida através da mordida de uma animal infectado.

RAIVA. A raiva é um doença viral prevenível de mamíferos, que geralmente é transmitida através da mordida de uma animal infectado. RAIVA A raiva é um doença viral prevenível de mamíferos, que geralmente é transmitida através da mordida de uma animal infectado. RAIVA PRINCIPAIS VETORES - Furão (ferrets) - Raposas - Coiotes - Guaxinins

Leia mais

Uma nova pandemia de gripe? Quais são as evidências?

Uma nova pandemia de gripe? Quais são as evidências? Uma nova pandemia de gripe? Quais são as evidências? Cláudia Codeço codeco@fiocruz.br Programa de Computação Científica FIOCRUZ-RJ Março 2006 Estrutura O contexto do problema As evidências científicas

Leia mais

USO RACIONAL DE ANTIMICROBIANOS NA PRODUÇÃO ANIMAL Renata Magalhães Casadei :

USO RACIONAL DE ANTIMICROBIANOS NA PRODUÇÃO ANIMAL Renata Magalhães Casadei : USO RACIONAL DE ANTIMICROBIANOS NA PRODUÇÃO ANIMAL Renata Magalhães Casadei : Nos últimos anos, a ocorrência de bactérias resistentes aos principais compostos antibióticos tem aumentado, havendo inclusive

Leia mais

infectadas. O período de contagiosidade estimado estende-se do quinto dia antes

infectadas. O período de contagiosidade estimado estende-se do quinto dia antes Sarampo Introdução O sarampo é uma doença infecciosa aguda de alta transmissibilidade, causada por um vírus da família Paramixoviridae, gênero Morbillivirus A transmissão ocorre através de secreções e

Leia mais

Emergência de Saúde Pública de Importância Internacional ESPII. Ocorrências de casos humanos na América do Norte Informe do dia 29.04.

Emergência de Saúde Pública de Importância Internacional ESPII. Ocorrências de casos humanos na América do Norte Informe do dia 29.04. I. Informações gerais Ministério da Saúde Secretaria de Vigilância em Saúde Gabinete Permanente de Emergências de Saúde Pública Emergência de Saúde Pública de Importância Internacional ESPII Ocorrências

Leia mais

NOTA TÉCNICA EBOLA SITUAÇÃO NA ÁFRICA E CONDUTAS PARA PROFISSIONAIS DE SAÚDE

NOTA TÉCNICA EBOLA SITUAÇÃO NA ÁFRICA E CONDUTAS PARA PROFISSIONAIS DE SAÚDE SECRETARIA DE ESTADO DA SAÚDE DE SÃO PAULO COORDENADORIA DE CONTROLE DE DOENÇAS CENTRO DE VIGILÂNCIA EPIDMEIOLÓGICA PROF. ALEXANDRE VRANJAC NOTA TÉCNICA EBOLA SITUAÇÃO NA ÁFRICA E CONDUTAS PARA PROFISSIONAIS

Leia mais

VÍRUS. Fonte: http://rounielo.blogspot.com.br/2011/05/parte-30-foto-em-3-d-do-virus-da-aids.html

VÍRUS. Fonte: http://rounielo.blogspot.com.br/2011/05/parte-30-foto-em-3-d-do-virus-da-aids.html VÍRUS Fonte: http://rounielo.blogspot.com.br/2011/05/parte-30-foto-em-3-d-do-virus-da-aids.html RESUMO -Os vírus não pertencem a nenhum reino específico, são estudados como um caso à parte. -Os vírus são

Leia mais

O que um estudante de medicina deve saber? Edvaldo Souza

O que um estudante de medicina deve saber? Edvaldo Souza O que um estudante de medicina deve saber? Edvaldo Souza Sumário Definição História Epidemiologia Etiologia Modos de transmissão Quadro Clínico Diagnóstico laboratorial Diagnóstico diferencial Tratamento

Leia mais

Actualizado em 28-09-2009* Definição de caso, de contacto próximo e de grupos de risco para complicações

Actualizado em 28-09-2009* Definição de caso, de contacto próximo e de grupos de risco para complicações Definição de caso, de contacto próximo e de grupos de risco para complicações 1. Introdução A evolução da epidemia causada pelo vírus da gripe pandémica (H1N1) 2009 implica que as medidas sejam adaptadas

Leia mais

CHIKUNGUNYA. No final de 2013 foi registrada a transmissão autóctone da doença em vários países do Caribe.

CHIKUNGUNYA. No final de 2013 foi registrada a transmissão autóctone da doença em vários países do Caribe. CHIKUNGUNYA Andyane Freitas Tetila Médica Infectologista Mestre em Doenças Infecciosas e Parasitárias pela UFMS Coordenadora de Vigilância Epidemiológica SESAU/PMCG CHIKUNGUNYA A Febre do Chikungunya é

Leia mais

TB - TUBERCULOSE. Prof. Eduardo Vicente

TB - TUBERCULOSE. Prof. Eduardo Vicente TB - TUBERCULOSE Prof. Eduardo Vicente A História do TB A tuberculose foi chamada antigamente de "peste cinzenta", e conhecida também em português como tísica pulmonar ou "doença do peito" - é uma das

Leia mais

A genética do vírus da gripe

A genética do vírus da gripe A genética do vírus da gripe Para uma melhor compreensão das futuras pandemias é necessário entender sobre as pandemias passadas e os fatores que contribuem para a virulência, bem como estabelecer um compromisso

Leia mais

O reino moneraé composto pelas bactériase cianobactérias(algas azuis). Elas podem viver em diversos locais, como na água, ar, solo, parasitas.

O reino moneraé composto pelas bactériase cianobactérias(algas azuis). Elas podem viver em diversos locais, como na água, ar, solo, parasitas. Reino Monera O reino moneraé composto pelas bactériase cianobactérias(algas azuis). Elas podem viver em diversos locais, como na água, ar, solo, dentro de animais e plantas, ou ainda, como parasitas. Existem

Leia mais

INDICAÇÕES BIOEASY. Segue em anexo algumas indicações e dicas quanto à utilização dos Kits de Diagnóstico Rápido Bioeasy Linha Veterinária

INDICAÇÕES BIOEASY. Segue em anexo algumas indicações e dicas quanto à utilização dos Kits de Diagnóstico Rápido Bioeasy Linha Veterinária INDICAÇÕES BIOEASY Segue em anexo algumas indicações e dicas quanto à utilização dos Kits de Diagnóstico Rápido Bioeasy Linha Veterinária 1- ANIGEN RAPID CPV AG TEST BIOEASY PARVOVIROSE Vendas de Filhotes:

Leia mais

Aspectos Microbiológicos das IRAS (infecções relacionadas à assistência a saúde) Infecções hospitalares Infecções nosocomiais

Aspectos Microbiológicos das IRAS (infecções relacionadas à assistência a saúde) Infecções hospitalares Infecções nosocomiais Aspectos Microbiológicos das IRAS (infecções relacionadas à assistência a saúde) Infecções hospitalares Infecções nosocomiais Prof. Cláudio Galuppo Diniz Prof. Cláudio 1 Qualquer tipo de infecção adquirida

Leia mais

1. CARACTERÍSTICAS GERAIS: Estão divididas em dois grandes grupos: Arqueobactérias e Eubactérias; São unicelular, heterótrofo (bactérias) ou

1. CARACTERÍSTICAS GERAIS: Estão divididas em dois grandes grupos: Arqueobactérias e Eubactérias; São unicelular, heterótrofo (bactérias) ou 1. CARACTERÍSTICAS GERAIS: Estão divididas em dois grandes grupos: Arqueobactérias e Eubactérias; São unicelular, heterótrofo (bactérias) ou autótrofo (algas azuis); A única organela presente são os ribossomos;

Leia mais

Organização Mundial da Saúde

Organização Mundial da Saúde Organização Mundial da Saúde Questões frequentemente postas sobre a Gripe Aviária (tradução informal da responsabilidade da DGS a partir do documento original em inglês) O que é a gripe aviária? Quais

Leia mais

15/10/2009. Taxonomia: Grandes bastonetes Gram-positivos em cadeia. Família Baccilaceae; Aeróbios. Gênero Bacillus 235 espécies (incluindo

15/10/2009. Taxonomia: Grandes bastonetes Gram-positivos em cadeia. Família Baccilaceae; Aeróbios. Gênero Bacillus 235 espécies (incluindo UNIVERSIDADE FEDERAL FLUMINENSE BACTERIOLOGIA NUTRIÇÃO Bacillus e Clostridium Bacillus PROF. RENATA F. RABELLO 2 o SEMESTRE/2009 INTRODUÇÃO Taxonomia: Família Baccilaceae; Gênero Bacillus 235 espécies

Leia mais

INFORME TÉCNICO CONTEXTO EPIDEMIOLÓGICO - COPA DO MUNDO FIFA 2014 23/05/14

INFORME TÉCNICO CONTEXTO EPIDEMIOLÓGICO - COPA DO MUNDO FIFA 2014 23/05/14 INFORME TÉCNICO CONTEXTO EPIDEMIOLÓGICO - COPA DO MUNDO FIFA 2014 23/05/14 INTRODUÇÃO Eventos de massa podem ser entendidos como qualquer evento que envolva grande número de pessoas, reunidas para um objetivo

Leia mais

Boletim Epidemiológico

Boletim Epidemiológico Página 1 / 8 1. Situação Epidemiológica do Sarampo Diferentes regiões do mundo estão definindo metas para a eliminação do sarampo e da rubéola até o ano de 2015. No entanto, surtos recentes de sarampo

Leia mais

Cartilha da Influenza A (H1N1)

Cartilha da Influenza A (H1N1) Cartilha da Influenza A (H1N1) Agosto 2009 SECRETARIA MUNICIPAL DE SAÚDE SECRETARIA ADJUNTA DE ATENÇÃO INTEGRADA Á SAÚDE DEPARTAMENTO DE VIGILÂNCIA EM SAÚDE Micarla de Sousa Prefeita da Cidade do Natal

Leia mais

PROVA FORMAÇÃO DE AGENTE DE COMBATE A ENDEMIAS Prefeitura Municipal de Ouro Preto 1- Assinale a alternativa que define o que é epidemiologia.

PROVA FORMAÇÃO DE AGENTE DE COMBATE A ENDEMIAS Prefeitura Municipal de Ouro Preto 1- Assinale a alternativa que define o que é epidemiologia. 1- Assinale a alternativa que define o que é epidemiologia. a) Estudo de saúde da população humana e o inter relacionamento com a saúde animal; b) Estudo de saúde em grupos de pacientes hospitalizados;

Leia mais

GRIPE sempre deve ser combatida

GRIPE sempre deve ser combatida GRIPE sempre deve ser combatida Aviária Estacional H1N1 SAZONAL suína GRIPE = INFLUENZA Que é a INFLUENZA SAZONAL? É uma doença própria do ser humano e se apresenta principalmente durante os meses de inverno

Leia mais

O MINISTRO DE ESTADO DA SAÚDE, no uso da competência que lhe confere o inciso II do parágrafo único do art. 87 da Constituição, e

O MINISTRO DE ESTADO DA SAÚDE, no uso da competência que lhe confere o inciso II do parágrafo único do art. 87 da Constituição, e PT GM 472/2009 PORTARIA Nº 472 DE 9 DE MARÇO DE 2009 Resolução GMC Nº 50/08 Regulamento Técnico MERCOSUL para Transporte de Substâncias Infecciosas e Amostras Biológicas entre os Estados Partes do MERCOSUL

Leia mais

Diante da pandemia de influenza A (H1N1) e com base no conhecimento atual sobre a disseminação mundial deste novo vírus, o Comitê Estadual de

Diante da pandemia de influenza A (H1N1) e com base no conhecimento atual sobre a disseminação mundial deste novo vírus, o Comitê Estadual de Diante da pandemia de influenza A (H1N1) e com base no conhecimento atual sobre a disseminação mundial deste novo vírus, o Comitê Estadual de Enfrentamento da Influenza A H1N1 elaborou esta cartilha com

Leia mais

EBOLA FEBRE HEMORRÁGICA - FICHA TÉCNICA. O que é a febre hemorrágica - Ebola?

EBOLA FEBRE HEMORRÁGICA - FICHA TÉCNICA. O que é a febre hemorrágica - Ebola? 1 EBOLA FEBRE HEMORRÁGICA - FICHA TÉCNICA O que é a febre hemorrágica - Ebola? Febre hemorrágica Ebola (Ebola HF) é uma doença grave, muitas vezes fatal em seres humanos e primatas não-humanos (macacos,

Leia mais

BIOSSEGURANÇA Conceitos e Requisitos do Guia de Boas Práticas da OCDE e ligação com requisitos da ABNT NBR ISO/IEC 17025 e ABNT ISO Guia 34

BIOSSEGURANÇA Conceitos e Requisitos do Guia de Boas Práticas da OCDE e ligação com requisitos da ABNT NBR ISO/IEC 17025 e ABNT ISO Guia 34 Conceitos e Requisitos do Guia de Boas Práticas da OCDE e ligação com requisitos da ABNT NBR ISO/IEC 17025 e ABNT ISO Guia 34 Fernanda Sabagh A origem do conceito Década de 70 na Califórnia inicia uma

Leia mais

FUNDAMENTOS DA ENFERMAGEM ENFª MARÍLIA M. VARELA

FUNDAMENTOS DA ENFERMAGEM ENFª MARÍLIA M. VARELA FUNDAMENTOS DA ENFERMAGEM ENFª MARÍLIA M. VARELA INFECÇÃO As infecções são doenças que envolvem bactérias, fungos, vírus ou protozoários e sua proliferação pode ser vista quando o paciente tem os sintomas,

Leia mais

Pesquisa Etiológica. Exame específico

Pesquisa Etiológica. Exame específico Influenza A (H1N1) O vírus A Influenza A(H1 N1) é uma doença respiratória e a transmissão ocorre de pessoa a pessoa, principalmente por meio de tosse, espirro ou de contato com secreções respiratórias

Leia mais

DOENÇA PELO VÍRUS EBOLA (DVE) CIEVS/COVISA Novembro/2014

DOENÇA PELO VÍRUS EBOLA (DVE) CIEVS/COVISA Novembro/2014 DOENÇA PELO VÍRUS EBOLA (DVE) CIEVS/COVISA Novembro/2014 VIGILÂNCIA EPIDEMIOLÓGICA INFORMAÇÃO MEDIDAS DE BIOSEGURANÇA Doença pelo Vírus Ebola (DVE) Descoberta: 1976 Dois focos simultâneos, emnzara, Sudão

Leia mais

REINO MONERA BACTÉRIAS

REINO MONERA BACTÉRIAS REINO MONERA BACTÉRIAS 7º ANO - CIÊNCIAS PROFESSORA LISIANE VIEL MORFOLOGIA Parede celular DNA circular e pedaços de DNA = plastídeos Presença de flagelos = locomoção Ribossomos e grãos de glicogênio =

Leia mais

Estado do Rio Grande do Sul Secretaria de Estado da Saúde. DOENÇA PELO VÍRUS EBOLA (DVE) Marilina Bercini 23/10/14

Estado do Rio Grande do Sul Secretaria de Estado da Saúde. DOENÇA PELO VÍRUS EBOLA (DVE) Marilina Bercini 23/10/14 Estado do Rio Grande do Sul Secretaria de Estado da Saúde DOENÇA PELO VÍRUS EBOLA (DVE) Marilina Bercini 23/10/14 DVE - Histórico Vírus Ebola foi identificado em 1976 em 2 surtos: no Zaire (atual República

Leia mais

SECRETARIA DE ESTADO DA SAÚDE COORDENADORIA DE CONTROLE DE DOENÇAS CENTRO DE VIGILÂNCIA EPIDEMIOLÓGICA

SECRETARIA DE ESTADO DA SAÚDE COORDENADORIA DE CONTROLE DE DOENÇAS CENTRO DE VIGILÂNCIA EPIDEMIOLÓGICA Informe Técnico nº 1 MERCÚRIO METÁLICO Diante da exposição por Mercúrio metálico de moradores do Distrito de Primavera, Município de Rosana, SP, a DOMA/CVE presta o seguinte Informe Técnico. Breve histórico

Leia mais

ACNE. CAUSADOR Propionibacterium acnes. CONTAMINAÇÃO Alterações hormonais Proliferação de bactérias comuns da pele

ACNE. CAUSADOR Propionibacterium acnes. CONTAMINAÇÃO Alterações hormonais Proliferação de bactérias comuns da pele BACTERIOSES MONERA PELE ACNE CAUSADOR Propionibacterium acnes CONTAMINAÇÃO Alterações hormonais Proliferação de bactérias comuns da pele SINTOMAS Acúmulo de secreção Formação de pontos brancos ERISIPELA

Leia mais

FEBRE AMARELA: Informações Úteis

FEBRE AMARELA: Informações Úteis FEBRE AMARELA: Informações Úteis Quando aparecem os sintomas? Os sintomas da febre amarela, em geral, aparecem entre o terceiro e o sexto dia após a picada do mosquito. Quais os sintomas? Os sintomas são:

Leia mais

EPIDEMIOLOGIA. CONCEITOS EPIDÊMICOS Professor Esp. André Luís Souza Stella

EPIDEMIOLOGIA. CONCEITOS EPIDÊMICOS Professor Esp. André Luís Souza Stella EPIDEMIOLOGIA CONCEITOS EPIDÊMICOS Professor Esp. André Luís Souza Stella CONCEITOS EPIDÊMICOS - ENDEMIA ENDEMIA: É uma doença localizada em um espaço limitado denominado faixa endêmica. Isso quer dizer

Leia mais

ALERTA SARAMPO Atualização da Situação Epidemiológica, Setembro 2014:

ALERTA SARAMPO Atualização da Situação Epidemiológica, Setembro 2014: ALERTA SARAMPO Atualização da Situação Epidemiológica, Setembro 2014: O Estado de São Paulo reforça a recomendação para que todos os GVE mantenham os municípios de sua área de abrangência em TOTAL ALERTA

Leia mais

Vigilância Epidemiológica: Informar para conhecer

Vigilância Epidemiológica: Informar para conhecer Vigilância Epidemiológica: Informar para conhecer Vigilância epidemiológica no Brasil 1990: Sistema de Informação de Agravos de Notificação SINAN 2007 SINAN Net - http://dtr2004.saude.gov.br/sinanweb/

Leia mais

Mycobacterium sp. Classe Actinomycetes. Família Mycobacteriaceae. Gêneros próximos: Nocardia, Rhodococcus e Corynebacterium

Mycobacterium sp. Classe Actinomycetes. Família Mycobacteriaceae. Gêneros próximos: Nocardia, Rhodococcus e Corynebacterium Mycobacterium sp. Classe Actinomycetes Família Mycobacteriaceae Gêneros próximos: Nocardia, Rhodococcus e Corynebacterium Mycobacterium sp. Complexo M.tuberculosis M.tuberculosis M.bovis M.africanum Micobactérias

Leia mais

É uma doença infecciosa febril, causada pelo vírus Chikungunya (CHIKV), transmitido pelos mosquitos Aedes aegypti e Aedes albopictus.

É uma doença infecciosa febril, causada pelo vírus Chikungunya (CHIKV), transmitido pelos mosquitos Aedes aegypti e Aedes albopictus. Chikungunya O QUE É O que é Chikungunya? É uma doença infecciosa febril, causada pelo vírus Chikungunya (CHIKV), transmitido pelos mosquitos Aedes aegypti e Aedes albopictus. O que significa o nome? Significa

Leia mais

ELEMENTOS DE MICROBIOLOGIA Perigos Microbiológicos

ELEMENTOS DE MICROBIOLOGIA Perigos Microbiológicos ELEMENTOS DE MICROBIOLOGIA Perigos Microbiológicos Rosa Helena Luchese, PhD Departamento de Tecnologia de Alimentos Universidade Federal Rural do Rio de Janeiro E-mail: rhluche@ufrrj.br CONTAMINANTES DOS

Leia mais

Epidemia pelo Vírus Ébola

Epidemia pelo Vírus Ébola Epidemia pelo Vírus Ébola O vírus Ébola é neste momento uma das grandes ameaças virais em África e está a espalhar-se para outros Continentes. Actualmente são conhecidas quatro estirpes do vírus, e já

Leia mais

Luiz Antonio Vane Prof. Titular do Depto de Anestesiologia da F.M. Botucatu - UNESP

Luiz Antonio Vane Prof. Titular do Depto de Anestesiologia da F.M. Botucatu - UNESP Luiz Antonio Vane Prof. Titular do Depto de Anestesiologia da F.M. Botucatu - UNESP CENTRO CIRÚRGICO Jardim Japonês Centro Cirúrgico Hospital Maternidade Terezinha de Jesus Juiz de Fora (MG) Queimaduras

Leia mais

Plano de Contingência de Saúde Pública de Portos

Plano de Contingência de Saúde Pública de Portos Plano de Contingência de Saúde Pública de Portos Gerência Geral de Instalações e Serviços de Interesse Sanitário, Meios de Transporte e Viajantes em Portos, Aeroportos e Fronteiras 18 e 19 de junho de

Leia mais

INFLUENZA A (H1N1) CARTILHA DE RECOMENDAÇÕES Para empresas, repartições públicas e comércio em geral

INFLUENZA A (H1N1) CARTILHA DE RECOMENDAÇÕES Para empresas, repartições públicas e comércio em geral INFLUENZA A (H1N1) CARTILHA DE RECOMENDAÇÕES Para empresas, repartições públicas e comércio em geral Diante da pandemia de influenza A (H1N1) e com base no conhecimento atual sobre a disseminação mundial

Leia mais

Sindrome respiratória felina. Rinotraquiete viral Clamidiose Calicivirose

Sindrome respiratória felina. Rinotraquiete viral Clamidiose Calicivirose DOENÇAS DE FELINOS Sindrome respiratória felina Rinotraquiete viral Clamidiose Calicivirose RINOTRAQUEÍTE Agente etiológico: Herpesvírus felino Conhecida como "a gripe do gato", pois os sintomas são parecidos

Leia mais

CONHECIMENTOS GERAIS

CONHECIMENTOS GERAIS CONHECIMENTOS GERAIS 01 A gripe é uma doença infecciosa associada, principalmente, ao aparelho respiratório, causada pelo vírus Influenza. Existem três tipos desse vírus: A, B e C. O vírus Influenza A

Leia mais

-.BORDETELOSE CANINA "TOSSE DOS CANIS"

-.BORDETELOSE CANINA TOSSE DOS CANIS -.BORDETELOSE CANINA "TOSSE DOS CANIS" A bactéria Bordetella bronchiséptica é a causa primária da traqueobronquite infecciosa canina (tosse dos canis).embora a tosse dos canis seja a manifestação clínica

Leia mais

Podem ser portadores e formar uma rede de transmissão. Não, porque contêm químicos e está clorada.

Podem ser portadores e formar uma rede de transmissão. Não, porque contêm químicos e está clorada. Influenza A H1N1 /GRIPE SUÍNA PERGUNTAS E RESPOSTAS: PERGUNTA 1. Quanto tempo o vírus da gripe suína permanece vivo numa maçaneta ou superfície lisa? 2. O álcool em gel é útil para limpar as mãos? 3. Qual

Leia mais

Prepare sua viagem à África do Sul

Prepare sua viagem à África do Sul Prepare sua viagem à África do Sul Embaixada do Brasil na África do Sul Endereço: Hillcrest Office Park, Woodpecker Place, First Floor, 177 Dyer Road, Hillcrest. Cidade: Pretória Telefone: (00xx27 12)

Leia mais

www.drapriscilaalves.com.br [COMPLEXO RESPIRATÓRIO VIRAL FELINO]

www.drapriscilaalves.com.br [COMPLEXO RESPIRATÓRIO VIRAL FELINO] [COMPLEXO RESPIRATÓRIO VIRAL FELINO] 2 Complexo Respiratório Viral Felino É um conjunto de sintomas causado pelas doenças Rinotraqueíte Felina e Calicivirose Felina. São doenças virais cujos sinais clínicos

Leia mais