7 a SÉRIE 8 o ANO EDUCAÇÃO FÍSICA. Caderno do Professor Volume 1. Linguagens ENSINO FUNDAMENTAL ANOS FINAIS

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "7 a SÉRIE 8 o ANO EDUCAÇÃO FÍSICA. Caderno do Professor Volume 1. Linguagens ENSINO FUNDAMENTAL ANOS FINAIS"

Transcrição

1 7 a SÉRIE 8 o ANO ENSINO FUNDAMENTAL ANOS FINAIS Caderno do Professor Volume 1 EDUCAÇÃO FÍSICA Linguagens

2 GOVERNO DO ESTADO DE SÃO PAULO SECRETARIA DA EDUCAÇÃO MATERIAL DE APOIO AO CURRÍCULO DO ESTADO DE SÃO PAULO CADERNO DO PROFESSOR EDUCAÇÃO FÍSICA ENSINO FUNDAMENTAL ANOS FINAIS 7 a SÉRIE/8 o ANO VOLUME 1 Nova edição São Paulo

3 Governo do Estado de São Paulo Governador Geraldo Alckmin Vice-Governador Guilherme Afif Domingos Secretário da Educação Herman Voorwald Secretário-Adjunto João Cardoso Palma Filho Chefe de Gabinete Fernando Padula Novaes Subsecretária de Articulação Regional Rosania Morales Morroni Coordenadora da Escola de Formação e Aperfeiçoamento dos Professores EFAP Silvia Andrade da Cunha Galletta Coordenadora de Gestão da Educação Básica Maria Elizabete da Costa Coordenadora de Gestão de Recursos Humanos Cleide Bauab Eid Bochixio Coordenadora de Informação, Monitoramento e Avaliação Educacional Ione Cristina Ribeiro de Assunção Coordenadora de Infraestrutura e Serviços Escolares Ana Leonor Sala Alonso Coordenadora de Orçamento e Finanças Claudia Chiaroni Afuso Presidente da Fundação para o Desenvolvimento da Educação FDE Barjas Negri

4 Senhoras e senhores docentes, A Secretaria da Educação do Estado de São Paulo sente-se honrada em tê-los como colaboradores nesta nova edição do Caderno do Professor, realizada a partir dos estudos e análises que permitiram consolidar a articulação do currículo proposto com aquele em ação nas salas de aula de todo o Estado de São Paulo. Para isso, o trabalho realizado em parceria com os PCNP e com os professores da rede de ensino tem sido basal para o aprofundamento analítico e crítico da abordagem dos materiais de apoio ao currículo. Essa ação, efetivada por meio do programa Educação Compromisso de São Paulo, é de fundamental importância para a Pasta, que despende, neste programa, seus maiores esforços ao intensificar ações de avaliação e monitoramento da utilização dos diferentes materiais de apoio à implementação do currículo e ao empregar o Caderno nas ações de formação de professores e gestores da rede de ensino. Além disso, firma seu dever com a busca por uma educação paulista de qualidade ao promover estudos sobre os impactos gerados pelo uso do material do São Paulo Faz Escola nos resultados da rede, por meio do Saresp e do Ideb. Enfim, o Caderno do Professor, criado pelo programa São Paulo Faz Escola, apresenta orientações didático-pedagógicas e traz como base o conteúdo do Currículo Oficial do Estado de São Paulo, que pode ser utilizado como complemento à Matriz Curricular. Observem que as atividades ora propostas podem ser complementadas por outras que julgarem pertinentes ou necessárias, dependendo do seu planejamento e da adequação da proposta de ensino deste material à realidade da sua escola e de seus alunos. O Caderno tem a proposição de apoiá-los no planejamento de suas aulas para que explorem em seus alunos as competências e habilidades necessárias que comportam a construção do saber e a apropriação dos conteúdos das disciplinas, além de permitir uma avaliação constante, por parte dos docentes, das práticas metodológicas em sala de aula, objetivando a diversificação do ensino e a melhoria da qualidade do fazer pedagógico. Revigoram-se assim os esforços desta Secretaria no sentido de apoiá-los e mobilizá-los em seu trabalho e esperamos que o Caderno, ora apresentado, contribua para valorizar o ofício de ensinar e elevar nossos discentes à categoria de protagonistas de sua história. Contamos com nosso Magistério para a efetiva, contínua e renovada implementação do currículo. Bom trabalho! Herman Voorwald Secretário da Educação do Estado de São Paulo

5 SUMÁRIO Orientação sobre os conteúdos do volume 6 Tema 1 Esporte Modalidade individual: atletismo (corridas, arremessos e lançamentos) 8 Situação de Aprendizagem 1 Corridas com barreiras e obstáculos 10 Atividade Avaliadora 17 Proposta de Situações de Recuperação 17 Situação de Aprendizagem 2 Bola arremessada ao cesto ou ao gol 18 Atividade Avaliadora 25 Proposta de Situações de Recuperação 26 Recursos para ampliar a perspectiva do professor e do aluno para a compreensão do tema 28 Tema 2 Luta: caratê 30 Situação de Aprendizagem 3 Identificação do conhecimento a respeito do conceito de luta 34 Atividade Avaliadora 42 Proposta de Situações de Recuperação 43 Recursos para ampliar a perspectiva do professor e do aluno para a compreensão do tema 43 Tema 3 Organismo humano, movimento e saúde Capacidades físicas: aplicações no atletismo e na luta 46 Situação de Aprendizagem 4 Se ficar, tem arremesso; se correr, tem lançamento 47 Atividade Avaliadora 51 Proposta de Situações de Recuperação 51 Recursos para ampliar a perspectiva do professor e do aluno para a compreensão do tema 51

6 Tema 4 Esporte Modalidade coletiva a escolher 52 Situação de Aprendizagem 5 Desenvolvendo algumas estratégias de jogo do esporte coletivo (futsal, handebol, basquetebol) 54 Situação de Aprendizagem 6 Organizando as funções ofensivas e defensivas do esporte coletivo 60 Atividade Avaliadora 65 Proposta de Situações de Recuperação 65 Recursos para ampliar a perspectiva do professor e do aluno para a compreensão do tema 66 Tema 5 Ginástica Práticas contemporâneas, princípios orientadores, técnicas e exercícios 68 Situação de Aprendizagem 7 Vivenciando e entendendo a ginástica 69 Situação de Aprendizagem 8 Estudando mais ginástica 75 Atividade Avaliadora 77 Proposta de Situações de Recuperação 78 Recursos para ampliar a perspectiva do professor e do aluno para a compreensão do tema 80 Quadro de conteúdos do Ensino Fundamental Anos Finais 82 5

7 ORIENTAÇÃO SOBRE OS CONTEÚDOS DO VOLUME Até a 4 a série/5 o ano do Ensino Fundamental, os alunos vivenciaram um amplo conjunto de experiências de Se-Movimentar, acumularam informações e conhecimentos sobre jogo, esporte, ginástica, luta, atividade rítmica etc., decorrentes não só da participação nas aulas de Educação Física, mas do contato com as mídias e com a Cultura de Movimento dos grupos socioculturais a que se vinculam (família, amigos, comunidade local etc.). Agora, entre a 5 a série/6 o ano e a 8 a série/9 o ano, trata-se de evidenciar os significados, os sentidos e as intencionalidades presentes em tais experiências, cotejando-os com os presentes nas codificações das culturas esportiva, lúdica, gímnica, rítmica e das lutas. Por Cultura de Movimento entende-se o conjunto de significados, sentidos, símbolos e códigos que se produzem e reproduzem dinamicamente nos jogos, esportes, danças e atividades rítmicas, lutas, ginásticas etc., os quais influenciam, delimitam, dinamizam e/ou constrangem o Se-Movimentar dos sujeitos, base de nosso diálogo expressivo com o mundo e com os outros. O Se-Movimentar é a expressão individual e/ou grupal no âmbito de uma Cultura de Movimento; é a relação que o sujeito estabelece com essa cultura a partir de seu repertório (informações, conhecimentos, movimentos, condutas etc.), de sua história de vida, de suas vinculações socioculturais e de seus desejos. Assim, pretende-se que as Situações de Aprendizagem aqui sugeridas para os temas Esporte, Luta, Ginástica e Organismo humano, movimento e saúde possibilitem que os alunos diversifiquem, sistematizem e aprofundem suas experiências do Se-Movimentar no âmbito das culturas lúdica, esportiva, gímnica e de lutas. Isso proporcionará novas experiências de Se-Movimentar, nas quais eles estabelecerão novas significações e ressignificarão experiências já vivenciadas. Espera-se que o enfoque adotado para o desenvolvimento dos conteúdos deste volume seja compatível com as intencionalidades do projeto político-pedagógico de cada escola. No tema Esporte Modalidade individual, serão abor dados as corridas, os arremessos e os lançamentos no atletismo, enfatizando os princípios técnicos e táticos, as principais regras e o processo histórico dessa modalidade esportiva. Os alunos precisam identificar diferentes características e compreender a evolução dos princípios técnicos relacionados às provas de corridas com barreiras e obstáculos e às de arremessos e lançamentos. Também serão abordados os princípios operacionais, e está prevista a escolha de uma modalidade esportiva coletiva por parte da escola. As orientações contidas neste volume indicam a abordagem que se espera para tratar das técnicas e táticas como fatores de aumento da complexidade do jogo e proporcionar aos alunos noções de arbitragem, exemplificando com algumas modalidades esportivas. 6

8 Educação Física 7ª série/8º ano Volume 1 O tema Luta tomará o caratê como exemplo e abordará os princípios, as regras e o processo histórico dessa manifestação da cultura de movimento. O objetivo principal é que os alunos expressem opiniões acerca de termos e condutas cotidianas associadas à luta, reconhecendo e valorizando as diferentes características pessoais e interpessoais proporcionadas por esse elemento cultural, além de compreender e comparar seus estilos. No estudo do tema Organismo humano, movimento e saúde, serão enfocadas algumas capacidades físicas no tocante às suas aplicações no atletismo e no caratê. Nesse momento, os alunos deverão identificar as implicações das capacidades físicas, comparar os diferentes grupos musculares mencionados e reconhecer sua importância no desempenho das provas de corrida com barreiras e obstáculos, de arremessos e lançamentos e também em lutas. No tema Ginástica, serão tratados os princípios orientadores, técnicas e exercícios de algumas práticas contemporâneas, com destaque para a ginástica aeróbica e a ginástica localizada, com base em uma abordagem que trabalha com seus princípios técnico-táticos, suas principais regras e seu processo histórico. Porém, o projeto político-pedagógico da escola poderá optar por outra manifestação de ginástica associada à cultura jovem. Isso posto, professor, bom trabalho! 7

9 TEMA 1 ESPORTE MODALIDADE INDIVIDUAL: ATLETISMO (CORRIDAS, ARREMESSOS E LANÇAMENTOS) Neste volume da 7 a série/8 o ano, terá continuidade o trabalho com a modalidade individual atletismo, relacionada com o tema Esporte, com destaque para as corridas com barreiras e obstáculos, além das provas de arremesso e lançamento. Tal abordagem reforça a importância da compreensão e da vivência dessa modalidade por parte dos alunos, diversificando suas experiências no âmbito da cultura esportiva. Na atualidade, é no atletismo, sobretudo, que são realizados e estimulados movimentos como correr, saltar e lançar ou arremessar objetos a distância, embora tais movimentos estejam sistematizados e incorporados à maioria das modalidades esportivas, a exemplo do futebol, do basquetebol, do voleibol e do handebol, entre outras. Como modalidade esportiva, a iniciação ao atletismo, tal como em outros esportes, ocorre (ou deveria ocorrer), principalmente, na escola, como atividade curricular ligada à disciplina de Educação Física. No entanto, sabemos que essa modalidade está pouco presente nas aulas e, quando isso ocorre, busca-se melhor rendimento técnico em detrimento de um possível valor pedagógico-educacional, o que a torna pouco atrativa para muitos professores e para os próprios alunos. Em alguns países, como a Jamaica, atribui- -se grande destaque sociocultural à prática do atletismo, em especial às corridas rasas em distâncias curtas, o que motiva os alunos em idade escolar a se envolverem com esse universo desde cedo. No Brasil, há predileção por modalidades esportivas coletivas, que possibilitam maior relação interpessoal, com destaque para as modalidades que têm a bola como implemento principal. Torna-se necessário, portanto, criar estratégias de ensino que possibilitem ao atletismo fazer sentido, ter significado para a vida do aluno, mobilizando seus desejos e potencialidades, sem se restringir ao aspecto do rendimento técnico, embora o treino ou o exercício continuado de determinadas habilidades também sejam importantes na realização de algumas atividades, visto que servem, também, para corrigir deficiências ou fragilidades no condicionamento físico e não apenas técnico (KUNZ, 2006, p. 141). No caso particular do atletismo, o significado do Se-Movimentar nas corridas é exatamente a experiência de correr o mais velozmente possível ou arremessar/lançar implementos o mais longe possível e não correr ou arremessar para vencer outra pessoa simplesmente. Além disso, deve-se aliar uma perspectiva lúdica ao ensino dessas habilidades, e ao atletismo em geral, dentro do ambiente escolar. As habilidades expressas nas corridas e nos arremessos e lançamentos têm significados, sentidos e intencionalidades que não se restringem, exclusivamente, ao universo do atletismo. É preciso notar que o desenvolvimento de seus fundamentos técnicos pode ser transferido a várias modalidades esportivas, bem como à resolução de situações relacionadas com a realização de atividades cotidianas (deslocar- -se rapidamente para atravessar uma rua ou avenida, arremessar ou lançar um objeto etc.). O ensino do atletismo como elemento da Cultura de Movimento no meio escolar apresenta certas dificuldades. Isso ocorre, principal- 8

10 Educação Física 7ª série/8º ano Volume 1 mente, quando há ausência de espaço e de materiais específicos. Entretanto, essa dificuldade poderia ser atenuada mediante a adaptação de espaços comuns à maioria das escolas (quadras, pátios) ou pela utilização de materiais alternativos para confecção dos implementos próprios do atletismo. Tais adaptações devem envolver a colaboração participativa e criativa dos alunos na elaboração de condições que favoreçam a vivência do atletismo na escola, tornando-os também agentes desse processo edu- cacional. Vale ressaltar que espaços no entorno da comunidade também podem ser utilizados. Matthiesen e colaboradores (2005) sugerem a utilização de diferentes tipos de obstáculo durante o processo de ensino e aprendizagem das corridas com obstáculos, nos quais o aluno possa apoiar os pés se assim precisar. Podem ser utilizados materiais como caixas de madeira ou papelão, pneus, banco sueco, cordas e barbantes. Conexão Editorial Figura 1 Obstáculos adaptados. Possibilidades interdisciplinares Professor, o tema Esporte poderá ser desenvolvido de modo integrado com a disciplina de História, na medida em que envolve conteúdos relacionados à história do atletismo e das suas provas em diferentes contextos. Converse com o professor responsável por essa disciplina em sua escola. Essa iniciativa facilitará a compreensão dos conteúdos de forma mais global e integrada pelos alunos. 9

11 SITUAÇÃO DE APRENDIZAGEM 1 CORRIDAS COM BARREIRAS E OBSTÁCULOS Pular um muro para apanhar uma pipa ou saltar uma poça de água na calçada são alguns desafios cotidianos que envolvem a corrida e o salto. A compreensão dos movimentos demanda a mobilização de alguns conhecimentos e vivências significativas. Experimentar diferentes maneiras de saltar um obstáculo pode ser mais prazeroso e significativo para o aluno quando ele percebe as infinitas possibilidades de Se-Movimentar. A intenção é que os alunos vivenciem, percebam, identifiquem, analisem e compreendam alguns aspectos característicos das corridas com barreiras e obstáculos, além de outras possibilidades de saltar obstáculos com diferentes alturas, percorrendo diversas distâncias e imprimindo variações de velocidades. Conteúdo e temas: corridas com barreiras e corridas com obstáculos evolução técnica e principais regras; formas de passagem sobre barreiras e obstáculos; velocidade de deslocamento nas diferentes distâncias percorridas; características pessoais e interpessoais para saltar barreiras e obstáculos. Competências e habilidades: identificar diferentes possibilidades de saltar obstáculos e relacioná-las com a evolução das técnicas das corridas atuais; identificar ajustes na corrida e no posicionamento do corpo para ultrapassar barreiras e obstáculos em diferentes alturas; perceber e analisar as características pessoais e interpessoais para a transposição de barreiras e obstáculos; identificar e compreender princípios técnicos relacionados às provas de corrida com barreiras e obstáculos. Sugestão de recursos: caixa de papelão; cordas; bastões de madeira; garrafas PET; arcos; cones. Desenvolvimento da Situação de Aprendizagem 1 Professor, antes de iniciar a Situação de Aprendizagem 1, realize com os alunos a leitura da atividade Para começo de conversa, que consta no Caderno do Aluno, levantando os conhecimentos prévios dos alunos sobre o conteúdo atletismo. Nessa ocasião, solicite o registro das questões norteadoras. Você já ouviu falar em atletismo, não é? É uma modalidade olímpica, individual, que tem tradição no esporte brasileiro. As provas de atletismo são agrupadas em provas de pista, de campo, de marcha atlética, combinadas, de cross country, de pedestrianismo e corridas em montanhas, conforme divulga, oficialmente, a Confederação Brasileira de Atletismo (CBAt). Neste Caderno, você terá a oportunidade de conhecer mais de perto as corridas com barreiras e com obstáculos, além das provas de arremesso e lançamento. Será que você conhece alguma dessas provas? Vamos conferir? 1. O que diferencia a corrida normal da corrida com obstáculos ou barreiras? Espera-se que o aluno consiga dizer que na corrida normal não há nenhum tipo de obstáculo que o atleta deva transpor. 10

12 Educação Física 7ª série/8º ano Volume 1 2 Você já viu ou praticou alguma prova de arremesso ou de lançamento? Onde? Qual? Resposta pessoal. 3. Você poderia dar alguns exemplos de provas de arremesso ou de lançamento disputadas no atletismo? Espera-se que o aluno cite pelo menos um tipo de prova de arremesso ou lançamento do atletismo: arremesso de peso, lançamento de martelo, lançamento de dardo ou lançamento de disco. 4. Você saberia listar os nomes dos implementos que os atletas arremessam e lançam em provas de atletismo? Espera-se que o aluno cite pelo menos um ou dois dos implementos utilizados nas provas de arremesso e lançamento do atletismo: martelo, peso, disco ou dardo. 5. O que precisamos fazer para que os lançamentos ou os arremessos alcancem maior distância? Espera-se que o aluno associe a técnica de execução ao bom desempenho/resultado, relacionando também com algumas características pessoais de quem realiza os movimentos. Etapa 1 Circuito de obstáculos Organize, nos limites de uma quadra ou área correspondente, um circuito formado por obstáculos diversos (caixas de papelão de tamanhos variados, cordas ou bastões apoiados sobre cones ou garrafas PET preenchidas com areia), cordas delimitando zonas de salto e/ou arcos utilizados como referência para as passadas até os obstáculos. Procure incluir obstáculos com alturas e formatos variados e próximos das medidas oficiais, para motivar ou desafiar os alunos. Solicite que experimentem maneiras diferentes de ultrapassar os obstáculos e que procurem não tocá-los, deslocá-los ou derrubá-los. Etapa 2 Correr e saltar sem derrubar os obstáculos Após algumas passagens pelo circuito, sugira aos alunos que percorram o trajeto o mais rápido possível sem que toquem ou derrubem os obstáculos. Em seguida, eleve a altura de alguns obstáculos e proponha aos alunos que tentem ajustar os movimentos para ultrapassá-los, sem saltá-los nem tocá-los, procurando apenas passar próximo a eles. Para finalizar esta etapa, sugira aos alunos que comentem em grupo as dificuldades e as facilidades encontradas na realização das tarefas. Aproveite também para discutir com os alunos as dificuldades e adaptações para realização das tarefas por pessoas com deficiência, por exemplo, visual. Professor, oriente os alunos a realizarem a Pesquisa em grupo, que consta no Caderno do Aluno. Vamos saber um pouco mais sobre as provas de atletismo? Reúna-se com seu grupo e, com o auxílio de seu professor, escolha uma ou duas das questões sugeridas a seguir e faça uma pesquisa. Para realizá-la, vocês podem visitar alguns sites e pesquisar em revistas e jornais ou livros na biblioteca da escola ou na biblioteca pública mais próxima. Vejam algumas sugestões de sites: Comitê Paralímpico Brasileiro. Disponível em: <http://www.cpb.org.br/>. Acesso em: 9 out Confederação Brasileira de Atletismo. Disponível em: <http://www.cbat.org.br>. Acesso em: 23 maio Federação Paulista de Atletismo. Disponível em: <http://www.atletismofpa.org.br/>. Acesso em: 23 maio

13 PUCRS Campus Uruguaiana. Disponível em: <http://www.pucrs.campus2.br/>. Acesso em: 23 maio Revista Atletismo. Disponível em: <http:// artigos-tecnicos> Acesso em: 23 maio Questões para pesquisa Como surgiram as provas de corrida com barreiras e com obstáculos? Segundo informações disponíveis no site da CBAt, as provas de corrida com barreiras surgiram na Inglaterra, em meados do século XIX, possivelmente como tentativa de imitar as competições hípicas. No início, usavam-se, como barreiras, toras enterradas no solo. Quanto às corridas com obstáculos, sabe-se que a primeira foi realizada em Edimburgo, na Escócia, em E as provas de arremesso e de lançamento? Como eram praticadas essas provas nas Olimpíadas da Grécia Antiga? Relativamente aos Jogos Olímpicos na Grécia Antiga, a primeira prova da qual se tem notícia é uma corrida cujo percurso se estendia por cerca de 192 m. Posteriormente, foram incluídas outras provas, além da corrida: pentatlo, lançamento de disco, salto em distância, lançamento de dardo, luta livre, boxe, pancrácio (mistura de boxe e luta livre), corrida de bigas e corrida de cavalos. Como evoluíram as regras nessas provas? Das Olimpíadas da Grécia Antiga às Olimpíadas da Era Moderna, uma mudança significativa foi a inclusão das mulheres no atletismo, vetadas na Antiguidade. Foram também adicionadas outras provas: arremesso de peso, corridas de revezamento, marcha atlética (masculina e feminina), heptatlo/pentatlo feminino, salto com vara, salto em altura, salto triplo, lançamento de martelo e decatlo. Foram excluídas as provas de: luta livre, pancrácio, corrida de bigas e corrida de cavalos. Algumas respostas específicas sobre como provas antigas se apresentam hoje: corrida: as corridas de 192,27 m evoluíram para corridas de 100 m, 200 m, 400 m, 800 m, m (masculina), m (feminina), m (masculina), m, 100/110 m com barreiras, 400 m com barreiras, m com obstáculos (masculina) e revezamentos m e m; pentatlo: na Grécia Antiga a prova era composta de: salto em distância, corrida, lançamento de dardo e disco e luta livre. O pentatlo moderno, inspirado nos Jogos Olímpicos da Antiguidade, inclui: hipismo (concurso de saltos), esgrima (espada), natação (200 m livre), tiro esportivo (pistola de ar 10 m) e corrida (3 000 m). No atletismo moderno temos: decatlo masculino composto de dez provas: corridas de 100 m, 400 m e m e de 110 m com barreiras; saltos em distância, em altura e com vara; arremesso de peso, lançamento de disco e de dardos; pentatlo feminino composto de cinco provas: corridas de 200 m e de 80 m com barreiras, saltos em distância e em altura, arremesso de peso; heptatlo feminino composto de sete provas: corridas de 200 m, 800 m e 100 m com barreiras, saltos em distância e em altura, arremesso de peso e lançamento de dardo. Na arte, que expressões artísticas (esculturas, pinturas etc.) podem ser associadas a essas provas? Exemplo de escultura: Discóbolo, obra de Míron, século V a.c. Disponível em: <http://greciantiga.org/img/index.asp?num=0783>. Acesso em: 5 set Quais são as melhores marcas nessas provas? Professor, note que alguns recordes já podem ter sido melhorados em competições recentes. No caso de dúvida, verifique os sites indicados neste volume. Melhores marcas nessas provas Corridas Provas Masculino Feminino 100 m m m m 1: : m 3: :56:55 12

14 Educação Física 7ª série/8º ano Volume 1 Corridas Saltos Provas Masculino Feminino m 3: :56: m com barreiras m com barreiras m com barreiras m m 1: :27, m 2: :15,17 em distância 8.74 m 7.10 m em altura 2.35 m 2.08 m triplo m m com vara 6.01 m 5.06 m Arremesso de peso m m Lançamentos de disco m m de dardo m m Fonte: International Association of Athletics Federations. Disponível em: <http://www.iaaf.org/statistics/toplists/inout=o/age=n/season=2009/sex=w/all=n/legal=a/disc=4x4/detail.html>. Acesso em: 9 out Como são praticadas essas provas nas Paralimpíadas? Nas Paralimpíadas participam atletas com deficiência física e visual. As provas são organizadas segundo o grau de deficiência dos atletas, a partir de uma classificação funcional. No atletismo são realizadas as provas de corridas, arremessos, lançamentos e saltos. Que tipos de corrida fazem parte das provas combinadas (decatlo e heptatlo)? decatlo: corridas de 100 m, 400 m e m e de 110 m com barreiras; heptatlo: corridas de 200 m, 800 m e 100 m com barreiras. Quais as principais características das provas quanto às solicitações das capacidades físicas dos atletas? corridas de velocidade: velocidade; corridas de longa distância: resistência; corridas com barreiras: velocidade; corridas com obstáculos: resistência; corridas de revezamento: velocidade; arremessos e lançamentos: força; saltos: força e velocidade. Há diferenças entre as capacidades físicas nas provas de corrida com barreiras e nas de corrida com obstáculos para adultos? Sim. As corridas com barreiras são de curta distância (100 m/110 m, 200 m e 400 m), e a capacidade física predominante necessária para essas provas é a velocidade. As corridas com obstáculos percorrem uma distância de m, portanto, são de longa duração, de modo que a capacidade predominante necessária é a resistência. Etapa 3 Vencendo as barreiras e compreendendo as vivências Pergunte aos alunos se eles reconhecem a relação entre variação na velocidade e distâncias percorridas entre as barreiras e obstáculos, se associam características pessoais dos corredores às exigências na ultrapassagem e se percebem quais são as dificuldades para transpor barreiras e obstáculos em atividades da vida cotidiana. Forme grupos de alunos (misturando meninas e meninos), distribua imagens de pessoas ou atletas realizando saltos sobre barreiras ou obstácu- 13

15 los e peça para que os grupos identifiquem e analisem algumas características das provas em questão. É importante que as imagens selecionadas facilitem a tarefa de identificação e análise a ser realizada. Estimule-os para que relacionem as próprias situações vivenciadas com as imagens: altura das barreiras e obstáculos, vestimentas, condições dos locais das provas, características das pessoas, expressões faciais, entre outros, para enriquecer o repertório individual. Provas com barreiras Etapa 4 Modificações e regras relacionadas às corridas com barreiras e obstáculos Peça para os alunos levantarem, na internet ou em outras fontes, informações sobre as modificações das barreiras e obstáculos e as alterações nas regras ao longo da evolução das corridas. Os dados coletados poderão ser referidos nas etapas seguintes. É importante sugerir aos alunos alguns sites, livros ou locais para orientar a pesquisa. Provas com obstáculos Feminina Masculina Feminina e masculina Feminina e masculina 100 m 110 m 400 m m Nessas provas, há dez barreiras a serem transpostas; o que varia é a distância entre elas. Há diferença de altura nas provas femininas e masculinas e não é permitido apoiar os pés nas barreiras. Nessas provas, há cinco obstáculos a serem transpostos. Há diferença de altura nas provas femininas e masculinas e é permitido apoiar os pés nas barreiras. Neste momento, após a realização da pesquisa e da discussão, você poderá considerar a atividade Divulgando o resultado da pesquisa, sugerida no Caderno do Aluno, para elaboração de um mural ou de uma história em quadrinhos, para fins de instrumento de avaliação. Para encerrar este conteúdo, solicite que, para a próxima aula, os alunos realizem a atividade Lição de casa e leiam a seção Você sabia?. Kevin R. Morris/Bohemian Nomad Picturemakers/Corbis/Latinstock Album/Akg-Images/Latinstock Figura 2 Corrida com obstáculos masculina. Figura 3 Corrida com barreiras feminina. 14

16 Educação Física 7ª série/8º ano Volume 1 Divulgando os resultados da pesquisa O atletismo é uma das modalidades esportivas que vem projetando o Brasil nas competições internacionais, por isso merece maior divulgação. De posse das informações que vocês pesquisaram, conversem com os colegas dos outros grupos e troquem informações com eles. Que tal fazer uma reportagem, uma HQ (história em quadrinhos) ou um mural para divulgar um pouco mais as provas dessa modalidade esportiva? Eu sou o artista... o poeta... o escritor... Você fez pesquisas sobre as corridas com barreiras e com obstáculos e também sobre lançamentos e arremessos. Faça uma seleção de imagens (da internet, de revistas ou de jornais) sobre corridas com barreiras e com obstáculos, lançamentos e arremessos. Caso prefira, desenhe você mesmo as imagens. Escolha a forma que desejar para expressar a mensagem do conjunto das imagens que você selecionou ou desenhou sobre as provas de atletismo estudadas neste volume. Pode ser um desenho, uma história em quadrinhos, um poema, uma história, uma maquete, a letra de uma música ou outra forma de expressão. Peça ajuda a professores e amigos se for necessário. Após a realização desta atividade, convide outros colegas de turma para fazer uma sessão de apresentação dos trabalhos criados por vocês. Você sabia? Há diferenças entre as corridas de velocidade e as corridas com barreiras? CORRIDAS DE VELOCIDADE 100 m rasos 200 m rasos 400 m rasos Saída Aceleração Passada Agência Istoé Chegada CORRIDAS COM BARREIRAS 100 m barreira 400 m barreira 110 m barreira m obstáculos Ação: BARREIRAS Fonte: ISTOÉ Online. Set

17 As provas de campo, de arremessos e lançamentos masculinas e femininas têm diferenças quanto aos implementos utilizados. Por exemplo, o martelo usado pelos homens pesa 7,26 kg e o usado pelas mulheres pesa 4 kg. Confira as características desses implementos. Agência Istoé A EQUIPE Todas as provas acontecem na zona central do estádio. 1 O DISCO 1 3 Jaula: lançamento é realizado dentro o em frente dos lançadores O MARTELO Comprimento Empunhadura: Diâmetro: de 10 a de ferro sólido Homens Ponta de metal Mulheres 2 O DARDO De metal ou madeira. 4 O PESO Homens 10 cm Mulheres Fonte: ISTOÉ Online. Set Deve-se atentar para a boa utilização de todo material empregado nas aulas de atletismo, principalmente, quando fazemos adaptações para que os alunos possam saltar e transpor barreiras e obstáculos com segurança. Aproveite mais esse momento para que os alunos com alguma deficiência possam demonstrar todas as suas potencialidades. Portanto, é importante que eles elaborem, com você, as estratégias de utilização dos materiais. Os alunos costumam ser destemidos, por isso, é preciso conscientizá-los de que, para testar seus limites, também precisam pensar na segurança. Da mesma forma, essa recomendação vale para arremessos e lançamentos. É sempre prudente alertar: Cuidado! Lá vem um disco, um dardo (lança) e uma bola pesada!. 16

18 Educação Física 7ª série/8º ano Volume 1 Conexão Editorial Figura 4 Corrida com obstáculos. ATIVIDADE AVALIADORA Após a atividade relacionada às corridas com barreiras e obstáculos, solicite aos alunos uma análise sobre as dificuldades individuais em sua realização, além de sugestões de variações para minimizar tais dificuldades. Observe a participação dos alunos na discussão. Poderá ser avaliada, também, a apresentação das pesquisas solicitadas. Tomando por base as características gerais de medidas (formato, peso, tamanho, altura etc.) das barreiras e dos obstáculos, os alunos poderão formar grupos para elaborar e construir tais implementos. Os próprios alunos poderão apresentar alguns critérios para avaliar os materiais confeccionados segundo sua praticidade e originalidade (criatividade), bem como em relação ao ambiente, entre outros aspectos. PROPOSTA DE SITUAÇÕES DE RECUPERAÇÃO Durante o percurso pelas várias etapas da Situação de Aprendizagem, alguns alunos poderão não apreender os conteúdos da forma esperada. É necessário, então, professor, que novas Situações de Aprendizagem sejam propostas, permitindo ao aluno revisitar o processo de outra maneira. Tais estratégias podem ser desenvolvidas durante as aulas ou em outros momentos, individualmente ou em pequenos grupos, com todos os alunos ou apenas os que apresentaram dificuldades. Por exemplo: roteiro de estudos com perguntas norteadoras elaboradas por você, para posterior apresentação por escrito; 17

19 apreciação e análise de filmes ou documentários, orientadas por você, professor; apreciação e registro, por parte do aluno, de movimentos próprios e dos colegas; pesquisas em sites ou em outras fontes, para posterior apresentação e análise; elaboração e apresentação (desenhos ou maquetes) de pequenos circuitos de corridas com barreiras e obstáculos, a partir de referenciais e elementos sugeridos por você, professor; resolução de outras situações-problema, não contempladas na Atividade Avaliadora, referentes a técnicas e táticas das corridas com barreiras e obstáculos; atividade-síntese de um determinado conteúdo em que as várias atividades serão refeitas e discutidas posteriormente (por exemplo: circuito que contemple diferentes provas de corridas com barreiras e obstáculos); avaliação com questões de múltipla escolha referentes à história e à evolução técnica das provas com barreiras e obstáculos, ou elaboração, por parte dos alunos, de um jogo de perguntas e respostas. SITUAÇÃO DE APRENDIZAGEM 2 BOLA ARREMESSADA AO CESTO OU AO GOL Perceber a realização de determinados movimentos não é uma tarefa simples se não formos incentivados e sensibilizados a fazê- -lo. Arremessar e lançar são movimentos que caracterizam algumas modalidades esportivas, como o basquetebol ou o handebol, por exemplo, mas como perceber, identificar e associar os movimentos arremesso e lançamento caracte rísticos do atletismo e presentes em outras modalidades esportivas? Os alunos realizarão diferentes possibilidades de arremessos e lançamentos com bolas de diversos tamanhos e pesos, além de outros objetos como argolas e bambolês. Em seguida, serão motivados a analisar e comparar as provas de arremesso e lançamentos do atletismo e a perceber os diferentes estilos do Se-Movimentar, considerando as possíveis adaptações de espaços e materiais como forma de compreender a evolução da técnica e das regras. Conteúdo e temas: adaptação e adequação de espaços e materiais para a prática de arremesso e lançamentos; formas e estilos de deslocamentos para o arremesso e lançamentos; arremesso de peso e lançamentos de disco, dardo e martelo: processo histórico, evolução técnica e principais regras. Competências e habilidades: identificar os princípios técnicos relacionados às provas de arremesso e lançamentos; identificar e perceber a presença das diferentes possibilidades de arremesso e lançamentos em outras modalidades esportivas; identificar diferentes formas de arremesso e lançamentos; reconhecer qual estilo de arremesso permite maior facilidade de execução; apontar diferenças e semelhanças entre as três modalidades de lançamentos; adaptar e selecionar locais para realizar os diferentes tipos de arremesso e lançamento. Sugestão de recursos: bolas diversas de borracha, de folhas de jornal, de tênis, basquetebol, futsal, voleibol, handebol, medicine ball; bastonetes de giz; argolas; arcos ou bambolês; frisbee; corda; cabos de vassouras. 18

20 Educação Física 7ª série/8º ano Volume 1 Desenvolvimento da Situação de Aprendizagem 2 Etapa 1 Quero ver quem consegue! Pergunte aos alunos: É possível que uma pessoa posicionada de costas, em relação à tabela do basquete ou à trave do handebol, acerte a cesta ou o gol? Como tais arremessos podem ser realizados? Sugira aos alunos que se organizem em dois grupos. Inicialmente, os integrantes de cada grupo, posicionados de costas para a tabela de basquete ou para o gol do handebol, próximos ao centro da quadra, tentarão acertar a cesta ou o gol arremessando diferentes tipos de bola (basquetebol, futsal, vôlei, handebol, borracha ou folhas de jornal). Oriente-os para que os arremessos sejam realizados acima da cabeça, com ambas as mãos. Solicite aos alunos que identifiquem qual pé posicionado à frente lhes permite maior apoio no momento do arremesso. Após experimentar distâncias variadas e diferentes tipos de bola, os alunos tentarão novos arremessos. Na primeira tentativa, eles devem ficar de frente para a cesta ou para o gol, executando o arremesso por sobre a cabeça e, posteriormente, a partir do tórax (passe de peito). Oriente-os para que recuperem as bolas somente após todas terem sido arremessadas, para que não sejam atingidos durante a atividade. Solicite aos alunos a elaboração de variações na realização da atividade, estabelecendo novas metas ou alvos para os arremessos. Etapa 2 Jogo das argolas e lanças Utilizando arcos, bambolês, argolas ou mangueiras cortadas e presas em forma de círculos, cabos de vassouras ou folhas de jornal enroladas, proponha aos alunos que experimentem diferentes formas de lançamento tentando acertá-los ou encaixá-los em alvos como cones, garrafas PET cheias de areia, bolas, postes de voleibol ou varas fixadas ao chão, distribuídos na quadra ou pátio. Após livre experimentação, sugira variações quanto ao distanciamento em relação aos alvos e algumas propostas de deslocamentos, como a realização de semigiros (semelhante ao que ocorre no lançamento de disco) e giros completos (como no lançamento de martelo) e também a corrida com um objeto em punhado (como no lançamento de dardo), permitindo aos alunos identificar a melhor forma de atingir a meta. Dentre os implementos ou objetos a serem manipulados, o disco é o que pode oferecer ao aluno maior dificuldade no que se refere à técnica, mas isso pode ser superado quando desafios são lançados aos alunos: O dardo foi lançado como uma lança, como se estivéssemos caçando? O martelo foi lançado como se estivéssemos atingindo um objeto no ar? O peso, como se estivéssemos arremessando uma pedra para bem longe? E como se deve lançar o disco? Na utilização do dardo, é importante que os alunos sejam auxiliados a perceber a relação entre o corredor de lançamento (área de lançamento) e a área ou o alvo. Pode-se relacionar a velocidade, a força e o equilíbrio necessários antes, durante e após a execução. Na falta do objeto específico, o aluno poderá simular o lançamento de dardo com objetos que permitam perceber a trajetória do dardo e comparar com outros objetos lançados anteriormente, para verificar se há diferença. Por exemplo: Qual é a diferença ao lançar uma bola e um cabo de vassoura? Que tipos de ajuste são necessários para cada tipo de lançamento? Os objetos manipulados 19

21 sofrem interferência de que tipo? Há diferença entre manipular e lançar uma bola e um cabo de vassoura? Não há por que temer o ensino do lançamento de martelo, se forem estabelecidas as orientações de segurança, pois é um dos implementos mais fáceis de ser adaptado. Essa é uma das provas que requer intervenção de sua parte quanto ao nível de complexidade no momento de execução, com combinação de giros e lançamentos. Por isso, é importante sugerir diferentes formas de giros, orientar para percepção dos movimentos axiais, propor a execução de giros com apenas uma das mãos pelo lado direito e depois, pelo esquerdo, bem como lançamentos sem giros e com giros com a mão direita, com a mão esquerda e com ambas as mãos (alternando saída pelo lado direito e lado esquerdo). Uma possibilidade de vivência prática é utilizar uma bola de handebol dentro de uma sacola plástica (fixada com um nó). Segurando nas alças, o aluno poderá realizar as variações sugeridas até a execução do lançamento. Em relação ao arremesso de peso, pode-se colocar o aluno de costas para a rede de voleibol, com uma bola sobre o ombro, amparada pela mão correspondente. Peça para o aluno executar meio giro e arremessar a bola por cima da rede. Além de sugerir essas práticas, é preciso fazer questionamentos a todo momento, tais como: Quais são as capacidades físicas envolvidas na realização do lançamento do martelo? O movimento ou lançamento realizado pode ser comparado ao movimento de lançamento do dardo ou arremesso do peso? Quais são as semelhanças e as diferenças? Nas competições esportivas oficiais para ambos os gêneros, as provas dessa modalidade são constituídas de: arremesso de peso, lançamento de disco, lançamento de martelo e lançamento de dardo. Etapa 3 Perceber e compreender o arremesso Procure questionar os alunos se conseguem identificar quais estratégias são necessárias para arremessar mais longe ou mais alto e também se percebem as dificuldades que encontram ao arremessar ou lançar e a que as atribuem. Sugira aos alunos que observem e relacionem as semelhanças e as diferenças entre o arremesso realizado no atletismo e os arremessos realizados em outros esportes, para posterior análise em grupo. Feminino Masculino Adaptação Imagem Peso 4 kg 7,26 kg Nas competições oficiais, cada atleta tem direito a três arremessos. Os arremessos são realizados dentro de uma área própria com 2,13 m de diâmetro. Bolas ou medicine ball. Planet News Archive/SSPL/Getty Images 20

22 Educação Física 7ª série/8º ano Volume 1 Feminino Masculino Adaptação Imagem Disco Martelo Dardo 1 kg e 18 cm de diâmetro 2 kg e 22 cm de diâmetro Nas provas oficiais, cada lançador tem direito a três lançamentos. O lançamento é realizado dentro de um círculo com 2,5 m com uma gaiola de proteção de, aproximadamente, 4 m de altura. 4 kg 7,26 kg É constituído por cabeça (esfera concreta), cabo e empunhadura. Aqui também há uma gaiola de segurança a fim de proteger os espectadores. 600 g e comprimento entre 2,20 m e 2,30 m 800 g e comprimento entre 2,60 m e 2,70 m Os lançamentos de dardo são realizados em um corredor com 4 m de largura e, aproximadamente, 36,5 m de comprimento. O dardo é constituído por cabeça (ponta que atinge o chão primeiro), corpo e empunhadura (local onde o lançador manipula e segura o dardo). Tampas redondas de vasilhas plásticas ou um frisbee. Bola amarrada a uma corda ou presa dentro de uma meia. Cabo de vassoura ou folhas de jornal enroladas. Dimitri Iundt/TempSport/Corbis/Latinstock Jun Tsukida/Aflo Sport/Latinstok Patrik Giardino/Corbis/Latinstok 21

23 Etapa 4 Olha o arremesso! Olha o lançamento! Lá vem bola! Oriente os alunos a formarem dois grupos (preferencialmente, com meninas e meninos) dispostos em lados opostos de uma quadra de voleibol, ou área correspondente, em cujo centro serão dispostas bolas pesadas (bolas de exercício, medicine ball, bolas de basquete ou de futsal). A partir da linha central, serão traçadas duas linhas (uma de cada lado), distantes de 3 a 4 metros do centro, as quais limitarão a chamada zona de tiro. Os integrantes de cada equipe, de posse de bolas mais leves que as do centro (de borracha, de tênis ou de meia), tentarão deslocar (lançar ou atirar) as bolas localizadas no centro para além do limite da zona de lançamento ou de tiro do lado adversário. Todas as vezes que as bolas do centro ultrapassarem os limites da zona de tiro, deverão ser recolocadas no centro. Uma alternativa para esta atividade é oferecer alvos móveis aos atiradores, fazendo que bolas de basquete ou de handebol atravessem o centro da quadra ou do pátio, rolando no chão ou quicando. Cordas ou bastonetes de giz podem ser úteis para demarcar os arremessos feitos pelos alunos, para que estes tenham a noção de quanto estão conseguindo acertar e, assim, estabelecer metas individuais e coletivas (grupos), além de perceber a influência de certas capacidades físicas nos arremessos de peso (essa informação será útil também para os lançamentos). O lançamento de disco e o arremesso de peso apresentam uma particularidade no que se refere às mulheres. Em meados da década de 1920, essas provas contaram, pela primeira vez, com a participação feminina, fato que coincide com o movimento de emancipação deflagrado na França (berço do movimento). A prova feminina de lançamento de disco foi incluída nos Jogos Olímpicos de Amsterdã, em No Brasil, qual é o histórico do lançamento de disco? Quando essa modalidade começou a ser praticada? Vocês já ouviram falar da famosa estátua Discóbolo, de Míron? Pirozzi/Album/akg-images/Latinstock Figura 5 Discóbolo, de Míron. 22

24 Educação Física 7ª série/8º ano Volume 1 Etapa 5 Perceber e compreender o lançamento Procure questionar os alunos se conseguem identificar: as estratégias necessárias para lançar mais longe ou as dificuldades que encontram ao lançarem e a que as atribuem; as diferenças ou semelhanças entre os três tipos de lançamentos do atletismo; as diferenças ou semelhanças entre os lançamentos do atletismo com os realizados em outras modalidades esportivas e que características dos objetos lançados (peso, formato e dimensão) influenciaram os resultados conquistados por meninas e meninos. Sugira aos alunos que observem e relacionem semelhanças e diferenças entre os lançamentos realizados no atletismo e aqueles observados em outros esportes, para posterior análise em grupo. Professor, aproveite e apresente, durante a Situação de Aprendizagem, informações referentes à existência das provas combinadas (masculinas e femininas), que podem servir como possibilidades a serem vivenciadas em um festival na escola. Tais informações permitem aos alunos tomar conhecimento de outras provas do atletismo que contemplam as vivências realizadas. Provas combinadas Corridas com barreiras e obstáculos, arremessos, lançamentos e saltos Feminina Heptatlo Masculina Decatlo 1 o dia: 100 m com barreiras, salto em altura, arremesso de peso e 200 m rasos. 2 o dia: salto em distância, lançamento de dardo e 800 m rasos. 1 o dia: 100 m rasos, salto em distância, arremesso de peso, salto em altura e 400 m rasos. 2 o dia: 110 m com barreiras, arremesso de disco, salto com vara, lançamento de dardo e 1500 m rasos. Professor, instrua os alunos para que realizem as atividades Desafio! e Você aprendeu?, que constam no Caderno do Aluno, para retomar o que foi estudado sobre o tema Esporte Modalidade individual: Atletismo. Desafio! As fotos a seguir são relacionadas às seguintes provas do atletismo: ( A ) lançamento de martelo. ( B ) corrida com obstáculos. ( C ) arremesso de peso. ( D ) lançamento de disco. ( E ) lançamento de dardo. ( F ) corrida com barreiras. Indique nos parênteses a letra correspondente a cada imagem: 23

25 1. ( C ) 2. ( F ) 3. ( A ) 4. ( B ) 5. ( B ) 6. ( F ) Dimitri Iundt/TempSport/ Corbis/Latinstock Patrick Giardino/ Corbis/Latinstock Jun Tsukida/Aflo Sport/ Latinstock Bohemian Nomad Picturemakers/ Corbis-Latinstock Michael Steele/Getty Images B. Pepone/zefa/Corbis/Latinstock Mark A. Johnson/ Corbis/Latinstock Photolibrary/Latinstock 7. ( E ) 8. ( D ) 24

26 Educação Física 7ª série/8º ano Volume 1 1. Nas corridas com barreiras, os atletas: I têm que saltar as barreiras; II só são desclassificados quando derrubam, deliberadamente, uma barreira; III transpõem um total de 10 barreiras; IV masculinos percorrem 110 metros ou 400 metros. Dessas alternativas, estão corretas: a) I e II apenas. b) II e III apenas. c) III e IV apenas. d) I e IV apenas. e) I, II, III e IV. 2. A corrida com obstáculos: I inclui saltar fossos com água; II tem m; III não tem raias específicas; IV é prova tanto masculina como feminina. Dessas alternativas, estão corretas: a) I, II e III apenas. b) II, III e IV apenas. c) I, III e IV apenas. d) I, II e IV apenas. e) I, II, III e IV. 3. Entre as provas combinadas (decatlo e heptatlo) estão as de corrida com barreira. Corresponde a um dos eventos do decatlo: a) 100 m com barreira. b) 110 m com barreira. c) 400 m. d) 800 m. e) m com obstáculos. 4. Dos objetos citados, qual é usado na prova denominada arremesso? a) peso. b) dardo. c) martelo. d) disco. 5. Entre as diferentes provas de arremesso e lançamento, a que tem a marca mundial de maior distância é a de: a) peso. b) dardo. c) martelo. d) disco. ATIVIDADE AVALIADORA Poderão ser analisadas a apresentação e a discussão das pesquisas solicitadas sobre as semelhanças e as diferenças entre os arremessos e lançamentos realizados no atletismo e em outras modalidades esportivas. Ao término das vivências relacionadas, observe a participação dos alunos na elaboração de outras atividades associadas ao tema, adequando-as aos espaços alternativos presentes na escola. 25

27 A criatividade dos alunos na elaboração ou confecção de materiais e implementos alternativos, a serem utilizados nos lançamentos, também poderá ser avaliada. Verifique se os alunos têm condições de adaptar objetos do cotidiano e criar ou recriar os implementos para os lançamentos e arremessos. Sugira materiais adaptados: sacos com areia amarrados com corda (martelo), cabos de vassoura e folhas de jornal enroladas (dardo), tampas redondas de recipientes plásticos (disco). Considerando as distâncias alcançadas pelos implementos lançados no atletismo, oriente os alunos a pesquisar possíveis espaços em sua escola onde seja possível realizá-los. A partir da identificação das características gerais (formato, peso, tamanho etc.) dos objetos utilizados nas provas de arremesso e lançamentos, proponha aos alunos que se agrupem para a confecção desses objetos utilizando material alternativo. As adaptações podem ser avaliadas, pois fazê-las requer dos alunos a mobilização dos conhecimentos elaborados durante a Situação de Aprendizagem. PROPOSTA DE SITUAÇÕES DE RECUPERAÇÃO Durante o percurso pelas várias etapas da Situação de Aprendizagem, alguns alunos poderão não apreender os conteúdos da forma esperada. É necessário, então, professor, que novas Situações de Aprendizagem sejam propostas, permitindo ao aluno revisitar o processo de outra maneira. Tais estratégias podem ser desenvolvidas durante as aulas ou em outros momentos, individualmente ou em pequenos grupos, envolvendo todos os alunos ou apenas os que apresentaram dificuldades. Por exemplo: roteiro de estudos com perguntas norteadoras elaboradas por você, para posterior apresentação por escrito; apreciação e análise de filmes ou documentários, orientadas por você; apreciação e registro, por parte do aluno, de movimentos próprios e dos colegas; elaboração e apresentação (pode-se optar por registro escrito, representação gráfica, produção de artefato audiovisual etc.) de exercícios e jogos que envolvam o arremesso e os lançamentos, a partir de referenciais e elementos sugeridos pelo professor; pesquisas em sites ou em outras fontes, para posterior apresentação e análise; resolução de outras situações-problema, não contempladas na Atividade Avaliadora, referentes a técnicas e táticas do arremesso e dos lançamentos; atividade-síntese de um determinado conteúdo em que as várias atividades serão refeitas em uma única aula e discutidas posteriormente (por exemplo: circuito que contemple diferentes possibilidades de arremesso e lançamentos); avaliação com questões de múltipla escolha referentes à história e à evolução técnica das provas com barreiras e obstáculos ou elaboração, por parte dos alunos, de um jogo de perguntas e respostas. Professor, leia agora com a classe a seção Aprendendo a aprender, do Caderno do Aluno. Procure mostrar aos seus alunos que se trata de um texto com informações extras, o qual não está diretamente ligado às Situações de Aprendizagem. Caso haja necessidade, você pode contextualizar a informação utilizando-se de seus próprios conhecimentos. 26

ENSINO FUNDAMENTAL COORDENADORA SANDRA MARA KUCHNIR

ENSINO FUNDAMENTAL COORDENADORA SANDRA MARA KUCHNIR ENSINO FUNDAMENTAL COORDENADORA SANDRA MARA KUCHNIR 2014 EDUCAÇÃO FÍSICA EDUCAÇÃO FÍSICA PRODUÇÃO CULTURAL DA SOCIEDADE EXPRESSADA ATRAVÉS DO MOVIMENTO EDUCAÇÃO FÍSICA CONTEÚDOS EDUCAÇÃO FÍSICA EIXOS ESPORTE

Leia mais

ORGANIZAÇÃO DE CONTEÚDOS CURRICULARES. Rosana Nascentes de Melo E. M. Prof. Leôncio do Carmo Chaves UDI - rosananascentes@terra.com.

ORGANIZAÇÃO DE CONTEÚDOS CURRICULARES. Rosana Nascentes de Melo E. M. Prof. Leôncio do Carmo Chaves UDI - rosananascentes@terra.com. ORGANIZAÇÃO DE CONTEÚDOS CURRICULARES Rosana Nascentes de Melo E. M. Prof. Leôncio do Carmo Chaves UDI - rosananascentes@terra.com.br Resumo A Educação Física, como disciplina escolar, deve estar inserida

Leia mais

ATLETISMO SE APRENDE NA ESCOLA: O PROJETO DO NÚCLEO DE ENSINO DA UNESP/RIO CLARO 2003

ATLETISMO SE APRENDE NA ESCOLA: O PROJETO DO NÚCLEO DE ENSINO DA UNESP/RIO CLARO 2003 ATLETISMO SE APRENDE NA ESCOLA: O PROJETO DO NÚCLEO DE ENSINO DA UNESP/RIO CLARO 2003 Sara Quenzer MATTHIESEN 1 Adriano Percival CALVO, Augusto César Lima e SILVA, Flórence Rosana FAGANELLO 2 Resumo: Este

Leia mais

PREFEITURA MUNICIPAL DE BOM DESPACHO-MG PROCESSO SELETIVO SIMPLIFICADO - EDITAL 001/2009 CARGO: PROFESSOR NÍVEL III EDUCAÇÃO FÍSICA CADERNO DE PROVAS

PREFEITURA MUNICIPAL DE BOM DESPACHO-MG PROCESSO SELETIVO SIMPLIFICADO - EDITAL 001/2009 CARGO: PROFESSOR NÍVEL III EDUCAÇÃO FÍSICA CADERNO DE PROVAS CADERNO DE PROVAS 1 A prova terá a duração de duas horas, incluindo o tempo necessário para o preenchimento do gabarito. 2 Marque as respostas no caderno de provas, deixe para preencher o gabarito depois

Leia mais

Educação Física Inclusiva

Educação Física Inclusiva LUIZ HENRIQUE DE PAULA CONCEIÇÃO 1 RODRIGO HÜBNER MENDES 2 Educação Física Inclusiva O esporte para pessoas com deficiência teve seu início após a Primeira Guerra Mundial, como forma de tratamento de soldados

Leia mais

COLÉGIO TERESIANO BRAGA Ano Letivo 2011-2012 Educação Física 1º Período 7º Ano 1. ATLETISMO

COLÉGIO TERESIANO BRAGA Ano Letivo 2011-2012 Educação Física 1º Período 7º Ano 1. ATLETISMO COLÉGIO TERESIANO BRAGA Ano Letivo 2011-2012 Educação Física 1º Período 7º Ano 1. ATLETISMO Corridas Especialidades Velocidade Meio-Fundo Fundo Barreiras Estafetas Provas 60m, 100m, 200m, 400m 800m, 1500m,

Leia mais

Experimentação Esportiva

Experimentação Esportiva Experimentação Esportiva Aula 1 O Movimento e o Rio 2016 Versão 1.0 Objetivos 1 Resgatar alguns conceitos sobre o movimento e o desenvolvimento motor e suas fases. 2 Definir habilidade motora e identificar

Leia mais

Revista Especial de Educação Física Edição Digital nº. 2 2005 JOGOS OLÍMPICOS NA EDUCAÇÃO FÍSICA INFANTIL.

Revista Especial de Educação Física Edição Digital nº. 2 2005 JOGOS OLÍMPICOS NA EDUCAÇÃO FÍSICA INFANTIL. JOGOS OLÍMPICOS NA EDUCAÇÃO FÍSICA INFANTIL. Angela Rodrigues Luiz E.M.E.I. Irmã Maria Apparecida Monteiro UDI angela_rodriguesluiz@yahoo.com.br Resumo Estratégia de Ensino desenvolvida com crianças de

Leia mais

A. Disposições Gerais

A. Disposições Gerais FEDERAÇÃO PORTUGUESA DE ATLETISMO Direcção Técnica Nacional Sector juvenil Versão de 29 de Maio de 2008 REGULAMENTO GERAL DE COMPETIÇÕES NORMAS RELACIONADAS COM OS ESCALÕES DO ATLETISMO JUVENIL A. Disposições

Leia mais

PROJETO E REGULAMENTO GERAL

PROJETO E REGULAMENTO GERAL OLIMPÍADAS DO INSTITUTO EDUCACIONAL NOVOS TEMPOS PROJETO E REGULAMENTO GERAL Ensino Fundamental II e Médio OUTUBRO DE 2015 APRESENTAÇÃO: As Olimpíadas do Instituto Educacional Novos Tempos (OLIENT), visam

Leia mais

SERVIÇO PÚBLICO FEDERAL MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO INSTITUTO FEDERAL DE EDUCAÇÃO, CIÊNCIA E TECNOLOGIA FARROUPILHA PRÓ-REITORIA DE EXTENSÃO

SERVIÇO PÚBLICO FEDERAL MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO INSTITUTO FEDERAL DE EDUCAÇÃO, CIÊNCIA E TECNOLOGIA FARROUPILHA PRÓ-REITORIA DE EXTENSÃO SERVIÇO PÚBLICO FEDERAL MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO INSTITUTO FEDERAL DE EDUCAÇÃO, CIÊNCIA E TECNOLOGIA FARROUPILHA PRÓ-REITORIA DE EXTENSÃO ANEXO I. PROJETO DE LONGA DURAÇÃO 1. IDENTIFICAÇÃO 1.1 Título do

Leia mais

ENSINAR CIÊNCIAS FAZENDO CIÊNCIA

ENSINAR CIÊNCIAS FAZENDO CIÊNCIA ENSINAR CIÊNCIAS FAZENDO CIÊNCIA Antonio Carlos Pavão Quero saber quantas estrelas tem no céu Quero saber quantos peixes tem no mar Quero saber quantos raios tem o sol... (Da canção de João da Guabiraba

Leia mais

Ensino Técnico Integrado ao Médio FORMAÇÃO GERAL. Ensino Médio

Ensino Técnico Integrado ao Médio FORMAÇÃO GERAL. Ensino Médio Ensino Técnico Integrado ao Médio FORMAÇÃO GERAL Ensino Médio Etec: PROFª NAIR LUCCAS RIBEIRO Código: 156 Município: TEODORO SAMPAIO Área de conhecimento: Área de Linguagens, Códigos e suas Tecnologias

Leia mais

EMENTÁRIO. Princípios de Conservação de Alimentos 6(4-2) I e II. MBI130 e TAL472*.

EMENTÁRIO. Princípios de Conservação de Alimentos 6(4-2) I e II. MBI130 e TAL472*. EMENTÁRIO As disciplinas ministradas pela Universidade Federal de Viçosa são identificadas por um código composto por três letras maiúsculas, referentes a cada Departamento, seguidas de um número de três

Leia mais

1 JOGOS ESCOLARES DE INTEGRAÇÃO DA EMDAR 9 a 14 de julho de 2012 PROGRAMAÇÃO

1 JOGOS ESCOLARES DE INTEGRAÇÃO DA EMDAR 9 a 14 de julho de 2012 PROGRAMAÇÃO 1 Ministério da Educação Universidade Federal de Viçosa Campus Florestal Educação Física (Licenciatura) Prefeitura Municipal de Florestal Secretaria Municipal de Educação Escola Municipal Derci Alves Ribeiro

Leia mais

A classificação do exame corresponde à média aritmética simples, arredondada às unidades, das classificações das duas provas (escrita e prática).

A classificação do exame corresponde à média aritmética simples, arredondada às unidades, das classificações das duas provas (escrita e prática). INFORMAÇÃO PROVA DE EQUIVALÊNCIA À FREQUÊNCIA Nº 2/2015 EDUCAÇÃO FÍSICA Abril de 2015 Prova 28 2015 2.º Ciclo do Ensino Básico (Decreto-Lei n.º 139/2012, de 5 de julho) O presente documento divulga as

Leia mais

EMENTÁRIO. Princípios de Conservação de Alimentos 6(4-2) I e II. MBI130 e TAL472*.

EMENTÁRIO. Princípios de Conservação de Alimentos 6(4-2) I e II. MBI130 e TAL472*. EMENTÁRIO As disciplinas ministradas pela Universidade Federal de Viçosa são identificadas por um código composto por três letras maiúsculas, referentes a cada Departamento, seguidas de um número de três

Leia mais

PROGRAMA DE EDUCAÇÃO FÍSICA

PROGRAMA DE EDUCAÇÃO FÍSICA PROGRAMA DE EDUCAÇÃO FÍSICA 7ª, 8ª e 9ª classes 1º CICLO DO ENSINO SECUNDÁRIO Ficha Técnica TÍTULO: Programa de Educação Física - 7ª, 8ª e 9ª classes EDITORA: INIDE IMPRESSÃO: GestGráfica, S.A. TIRAGEM:

Leia mais

XV JOGOS ARI DE SÁ. Ensino Fundamental I 2015 REGULAMENTO

XV JOGOS ARI DE SÁ. Ensino Fundamental I 2015 REGULAMENTO XV JOGOS ARI DE SÁ Ensino Fundamental I 2015 REGULAMENTO ABERTURA 1. DIA: 26/09/2015 ( Sábado ) 9h 2. LOCAL: Manhã Ginásio 2.1 - Concentração Manhã: galeria do Ensino Fundamental I 2.2 - Desfile de abertura

Leia mais

1. Na cerimônia de abertura dos Jogos Olímpicos os atletas da delegação da Grécia são sempre os primeiros que desfilam. Está informação está correta?

1. Na cerimônia de abertura dos Jogos Olímpicos os atletas da delegação da Grécia são sempre os primeiros que desfilam. Está informação está correta? 1. Na cerimônia de abertura dos Jogos Olímpicos os atletas da delegação da Grécia são sempre os primeiros que desfilam. Está informação está correta? Sim, os atletas da Grécia são sempre os primeiros a

Leia mais

MODELAGEM MATEMÁTICA E INTERDISCIPLINARIDADE NA CORREÇÃO DE FLUXO EM ITAJAÍ/SC

MODELAGEM MATEMÁTICA E INTERDISCIPLINARIDADE NA CORREÇÃO DE FLUXO EM ITAJAÍ/SC ISSN 2316-7785 MODELAGEM MATEMÁTICA E INTERDISCIPLINARIDADE NA CORREÇÃO DE FLUXO EM ITAJAÍ/SC Rafael Borini Martins Costa Borini Instituto Federal Catarinense - Campus Camboriú rborini@hotmail.com Resumo

Leia mais

OS JOGOS PEDAGÓGICOS COMO FERRAMENTAS DE ENSINO

OS JOGOS PEDAGÓGICOS COMO FERRAMENTAS DE ENSINO OS JOGOS PEDAGÓGICOS COMO FERRAMENTAS DE ENSINO Resumo FIALHO, Neusa Nogueira FACINTER neusa_nf@yahoo.com.br Área Temática: Educação: Teorias, Metodologias e Práticas. Não contou com financiamento A falta

Leia mais

RELATO DE EXPERIÊNCIA DA PRÁTICA DE LEITURA SIMULTÂNEA: FORMANDO COMPORTAMENTO LEITOR

RELATO DE EXPERIÊNCIA DA PRÁTICA DE LEITURA SIMULTÂNEA: FORMANDO COMPORTAMENTO LEITOR RELATO DE EXPERIÊNCIA DA PRÁTICA DE LEITURA SIMULTÂNEA: FORMANDO COMPORTAMENTO LEITOR Cristina Marico Matsubara Prefeitura do Município de São Paulo cr.matsubara@gmail.com Emilio Celso de Oliveira Prefeitura

Leia mais

GOVERNO DO ESTADO DE SÃO PAULO SECRETARIA DE ESTADO DA EDUCAÇÃO

GOVERNO DO ESTADO DE SÃO PAULO SECRETARIA DE ESTADO DA EDUCAÇÃO GOVERNO DO ESTADO DE SÃO PAULO SECRETARIA DE ESTADO DA EDUCAÇÃO Planejamento Anual - 2012 Prof. Helcio Denis - CREF 002163-G/SP - G/SP - CRP-124.184-LP 5ª série 6º ano do Ensino Fundamental II Educação

Leia mais

ATLETISMO. Osvaldo Tadeu da Silva Junior

ATLETISMO. Osvaldo Tadeu da Silva Junior ATLETISMO Osvaldo Tadeu da Silva Junior OBJETIVO DA DISCIPLINA Conhecer, compreender e analisar os processos de ensino aprendizagem e treinamento das corridas; Conhecer, compreender e analisar os processos

Leia mais

1 Regras dos Esportes de Verao da Special Olympics Basketball BASQUETEBOL

1 Regras dos Esportes de Verao da Special Olympics Basketball BASQUETEBOL 1 BASQUETEBOL As Regras Oficiais da Special Olympics devem governar todas as competições de Basquete da Special Olympics. Como um programa de esportes internacional, a Special Olympics criou estas regras

Leia mais

Plano de Trabalho Docente 2014. Ensino Médio

Plano de Trabalho Docente 2014. Ensino Médio Plano de Trabalho Docente 2014 Ensino Médio Etec Etec: PROFª NAIR LUCCAS RIBEIRO Código: 156 Município: TEODORO SAMPAIO Área de conhecimento: Área de Linguagens, Códigos e suas Tecnologias Componente Curricular:

Leia mais

CONHECIMENTOS GERAIS

CONHECIMENTOS GERAIS Nome: Assinatura: CONHECIMENTOS GERAIS (15 questões) 1. Complete com o que consta no artigo 60, do ECA- Estatuto da Criança e do Adolescente/1990. É proibido qualquer trabalho para menores de ( ) anos

Leia mais

COLETIVO VOLEIBOL e FUTSAL ESPORTE AVALIAÇÃO CONTEÚDO BÁSICO CONTEÚDOS ESPECÍFICOS CONTEÚDOS ESTRUTURAN TES METODOLÓGICO E RECURSOS DIDÁTICOS

COLETIVO VOLEIBOL e FUTSAL ESPORTE AVALIAÇÃO CONTEÚDO BÁSICO CONTEÚDOS ESPECÍFICOS CONTEÚDOS ESTRUTURAN TES METODOLÓGICO E RECURSOS DIDÁTICOS PLANO DE TRABALHO DOCENTE (PTD) Professora: PAULA LUÍZA SCHAFER KARPINSKI Disciplina: Educação Física Ano: 2015 Período: 1ºTRIMESTRE Série: 9º Ano C e D ESTRUTURAN TES CONTEÚDO BÁSICO ESPECÍFICOS JUSTIFICATIVA

Leia mais

PROJETO JOGOS DA BOA EDUCAÇÃO PROFESSOR FERNANDO GIANNANGELO DE OLIVEIRA CEASLAS

PROJETO JOGOS DA BOA EDUCAÇÃO PROFESSOR FERNANDO GIANNANGELO DE OLIVEIRA CEASLAS PROJETO JOGOS DA BOA EDUCAÇÃO PROFESSOR FERNANDO GIANNANGELO DE OLIVEIRA CEASLAS SÃO PAULO 2012 Jogos La Salle da Boa Educação O projeto dos jogos da Boa Educação surgiu em 2009 com o objetivo de atender

Leia mais

DIRETRIZES CURRICULARES 1º ao 5º ANO EDUCAÇÃO FÍSICA

DIRETRIZES CURRICULARES 1º ao 5º ANO EDUCAÇÃO FÍSICA CENTRO EDUCACIONAL CHARLES DARWIN ENSINO FUNDAMENTAL 2014 DIRETRIZES CURRICULARES 1º ao 5º ANO EDUCAÇÃO FÍSICA OBJETIVO GERAL Favorecer o desenvolvimento corporal e mental harmônicos, consolidar hábitos

Leia mais

Palavras chaves: Formação de professores. Prática inovadora. Planejamento docente.

Palavras chaves: Formação de professores. Prática inovadora. Planejamento docente. REPENSANDO O PLANEJAMENTO DIDÁTICO PARA UMA PRÁTICA INOVADORA EM UM CURSO DE FORMAÇÃO DOCENTE. Cecilia Gaeta Universidade Federal de São Paulo UNIFESP (professora convidada) Martha Prata-Linhares Universidade

Leia mais

OFICINA DE JOGOS MATEMÁTICOS E MATERIAIS MANIPULÁVEIS

OFICINA DE JOGOS MATEMÁTICOS E MATERIAIS MANIPULÁVEIS OFICINA DE JOGOS MATEMÁTICOS E MATERIAIS MANIPULÁVEIS Mais informações: Site PIBID: http://www.pibid.ufrn.br/ Site LEM/UFRN: http://www.ccet.ufrn.br/matematica/lemufrn/index.html E-mail do LEM/UFRN: lem2009ufrn@yahoo.com.br

Leia mais

FACULDADES INTEGRADAS PADRE ALBINO. Catálogo 2015 do Curso de Educação Física - Licenciatura

FACULDADES INTEGRADAS PADRE ALBINO. Catálogo 2015 do Curso de Educação Física - Licenciatura EMENTÁRIO ANATOMIA I Ementa:. Estudo da forma, estrutura, função e localização de órgãos que compõem os sistemas que formam o aparelho locomotor: sistema esquelético, sistema articular, sistema muscular

Leia mais

EDUCAÇÃO FÍSICA Conteúdo de prova 5ª etapa 6º ano Fundamental

EDUCAÇÃO FÍSICA Conteúdo de prova 5ª etapa 6º ano Fundamental EDUCAÇÃO FÍSICA Conteúdo de prova 5ª etapa 6º ano Fundamental ATLETISMO - Corridas A prática das corridas envolvem basicamente o bom condicionamento físico do atleta. Nas provas oficiais as corridas dividem-se

Leia mais

APOSTILA DE VOLEIBOL

APOSTILA DE VOLEIBOL APOSTILA DE VOLEIBOL O voleibol é praticado em uma quadra retangular dividida ao meio por uma rede que impede o contato corporal entre os adversários. A disputa é entre duas equipes compostas por seis

Leia mais

O INGRESSO NA CARREIRA DE PROFESSORES DE EDUCAÇÃO FÍSICA NA PREFEITURA DE SÃO PAULO: Currículo e atuação docente

O INGRESSO NA CARREIRA DE PROFESSORES DE EDUCAÇÃO FÍSICA NA PREFEITURA DE SÃO PAULO: Currículo e atuação docente O INGRESSO NA CARREIRA DE PROFESSORES DE EDUCAÇÃO FÍSICA NA PREFEITURA DE SÃO PAULO: Currículo e atuação docente Leandro Pedro de Oliveira¹ INTRODUÇÃO A introdução à carreira docente tem sido objeto de

Leia mais

Oficina 18: TRATAMENTO DA INFORMAÇÃO. Introdução

Oficina 18: TRATAMENTO DA INFORMAÇÃO. Introdução Oficina 18: TRATAMENTO DA INFORMAÇÃO Introdução Segundo os Parâmetros Curriculares Nacionais (PCNs) o conteúdo Tratamento da Informação, deve ser trabalhado de modo que estimule os alunos a fazer perguntas,

Leia mais

PROVAS INTERNAS. Provas Internas - Período: 04 de maio de 2013. Pontuação Geral das Provas Internas: PROVA TIPO 1º 2º

PROVAS INTERNAS. Provas Internas - Período: 04 de maio de 2013. Pontuação Geral das Provas Internas: PROVA TIPO 1º 2º 1ª Etapa PROVAS INTERNAS Provas Internas - Período: 04 de maio de 2013 Pontuação Geral das Provas Internas: PROVA TIPO 1º 2º 1. Desfile de Abertura Prévia 3000 2800 2. Grito de Guerra na Gincana Prévia

Leia mais

Instituto Federal de Educação, Ciência e Tecnologia do Rio de Janeiro

Instituto Federal de Educação, Ciência e Tecnologia do Rio de Janeiro Instituto Federal de Educação, Ciência e Tecnologia do Rio de Janeiro Programa de Pós-Graduação Stricto Sensu Mestrado Profissional em Ensino de Ciências Campus Nilópolis Ana Paula Inacio Diório AS MÍDIAS

Leia mais

BRINCANDO E APRENDENDO COM O POVO KALAPALO: A VIVÊNCIA DA CULTURA CORPORAL INDÍGENA NA EDUCAÇÃO FÍSICA ESCOLAR

BRINCANDO E APRENDENDO COM O POVO KALAPALO: A VIVÊNCIA DA CULTURA CORPORAL INDÍGENA NA EDUCAÇÃO FÍSICA ESCOLAR BRINCANDO E APRENDENDO COM O POVO KALAPALO: A VIVÊNCIA DA CULTURA CORPORAL INDÍGENA NA EDUCAÇÃO FÍSICA ESCOLAR CORRÊA *, Denise Aparecida SPQMH/NEFEF/UFSCar - PUC/SP depiucorrea@ig.com.br Resumo A proposta

Leia mais

PLANO DE AULA:Futebol e Cultura da Paz - "Jogando para a Paz"

PLANO DE AULA:Futebol e Cultura da Paz - Jogando para a Paz PLANO DE AULA:Futebol e Cultura da Paz - "Jogando para a Paz" Educando para a Paz Nei Alberto Salles Filho Professor do Curso de Licenciatura em Educação Física da Universidade Estadual de Ponta Grossa

Leia mais

Palavras-chaves: Formação de professores; Estágio Supervisionado; Reflexão sobre a prátida; Escrita docente; Diários de aula.

Palavras-chaves: Formação de professores; Estágio Supervisionado; Reflexão sobre a prátida; Escrita docente; Diários de aula. DIÁRIOS DE AULA ONLINE: ANÁLISE DE UM DISPOSITIVO DE FORMAÇÃO DOCENTE NA LICENCIATURA EM MATEMÁTICA Jane Bittencourt 1 Alice Stephanie Tapia Sartori 2 Resumo Esse trabalho tem como foco a formação inicial

Leia mais

Experimentação Esportiva

Experimentação Esportiva Experimentação Esportiva Aula 4 Criando um Plano Rio 2016 Versão 1.0 Objetivos 1 Conhecer um passo a passo para trabalhar com a categorização de esportes. 2 Identificar sugestões de planejamento para as

Leia mais

REFLEXÕES PEDAGÓGICAS

REFLEXÕES PEDAGÓGICAS REFLEXÕES PEDAGÓGICAS A forma como trabalhamos, colaboramos e nos comunicamos está evoluindo à medida que as fronteiras entre os povos se tornam mais diluídas e a globalização aumenta. Essa tendência está

Leia mais

O PROFESSOR EM SITUAÇÃO DE ESTÁGIO NAS AULAS DE EDUCAÇÃO FÍSICA: A COMPREENSÃO DOS ALUNOS

O PROFESSOR EM SITUAÇÃO DE ESTÁGIO NAS AULAS DE EDUCAÇÃO FÍSICA: A COMPREENSÃO DOS ALUNOS O PROFESSOR EM SITUAÇÃO DE ESTÁGIO NAS AULAS DE EDUCAÇÃO FÍSICA: A COMPREENSÃO DOS ALUNOS Bruna Silvestre Estevam Graduanda do curso de Licenciatura em Educação Física Universidade do Extremo Sul Catarinense

Leia mais

LIVRO DO PROFESSOR LIBRAS 1 O ANO 35. Espaços da escola. Encaminhamento

LIVRO DO PROFESSOR LIBRAS 1 O ANO 35. Espaços da escola. Encaminhamento Atividade 9 Espaços da escola Encaminhamento Leve os alunos para conhecer os espaços da escola: sala de leitura, informática, refeitório, quadra de futebol, parque, etc. Peça para os alunos registrarem

Leia mais

O JOGO CONTRIBUINDO DE FORMA LÚDICA NO ENSINO DE MATEMÁTICA FINANCEIRA

O JOGO CONTRIBUINDO DE FORMA LÚDICA NO ENSINO DE MATEMÁTICA FINANCEIRA O JOGO CONTRIBUINDO DE FORMA LÚDICA NO ENSINO DE MATEMÁTICA FINANCEIRA Denise Ritter Instituto Federal Farroupilha Campus Júlio de Castilhos deniseritter10@gmail.com Renata da Silva Dessbesel Instituto

Leia mais

Este documento vai ser divulgado na escola-sede do Agrupamento e na página eletrónica: www.aepjm.pt/joomla.

Este documento vai ser divulgado na escola-sede do Agrupamento e na página eletrónica: www.aepjm.pt/joomla. Agrupamento de Escolas Pedro Jacques de Magalhães INFORMAÇÃO PROVA DE EQUIVALÊNCIA À FREQUÊNCIA EDUCAÇÃO FÍSICA Prova 28 2015 2.º Ciclo do Ensino Básico O presente documento divulga a informação relativa

Leia mais

NOVA BRASILÂNDIA D` OESTE

NOVA BRASILÂNDIA D` OESTE Projeto NOVA BRASILÂNDIA D` OESTE 2012 ESCOLA ESTADUAL DE ENSINO FUNDAMENTAL ALEXANDRE DE GUSMÃO AUTORA: PROFESSORA AMANDA OLIVEIRA DE SOUZA ARAÚJO DISCIPLINA DE MATEMÁTICA PÚBLICO ALVO: TURMAS DO 5º ANO

Leia mais

RELATÓRIO DO ENCONTRO PRESENCIAL. O1 a 03 de Março de 2013. Polo Ipanema DISCIPLINAS: ATLETISMO I E EXPRESSÃO RÍTMICA E CORPORAL

RELATÓRIO DO ENCONTRO PRESENCIAL. O1 a 03 de Março de 2013. Polo Ipanema DISCIPLINAS: ATLETISMO I E EXPRESSÃO RÍTMICA E CORPORAL RELATÓRIO DO ENCONTRO PRESENCIAL O1 a 03 de Março de 2013. Polo Ipanema DISCIPLINAS: ATLETISMO I E EXPRESSÃO RÍTMICA E CORPORAL Tutores: Dilson Borges Ribeiro Junior Cláudia Xavier Correa Ipanema está

Leia mais

Dia da família na escola. 13 de março de 2010

Dia da família na escola. 13 de março de 2010 1 Dia da família na escola 13 de março de 2010 Sugestões de atividades Desde 2009, o Amigos da Escola tem incentivado às escolas participantes do projeto a tornar os dias temáticos em dias da família e

Leia mais

Matemática em Toda Parte II

Matemática em Toda Parte II Matemática em Toda Parte II Episódio: Matemática no Transporte Resumo O episódio Matemática no Transporte, da série Matemática em Toda Parte II, vai mostrar como alguns conceitos matemáticos estão presentes

Leia mais

Histórico do Voleibol. Prof. Maick da Silveira Viana

Histórico do Voleibol. Prof. Maick da Silveira Viana Histórico do Voleibol Prof. Maick da Silveira Viana Quando começou? Conta a história que o voleibol foi criado na Associação Cristã de Moços (ACM) de Massachusetts pelo professor William Morgan em 1895.

Leia mais

UNIVERSIDADE ESTADUAL DE GOIÁS

UNIVERSIDADE ESTADUAL DE GOIÁS UNIVERSIDADE ESTADUAL DE GOIÁS PRÓ-REITORIA DE EXTENSÃO, CULTURA E ASSUNTOS ESTUDANTIS II SIMPÓSIO DE EXTENSÃO, CULTURA E ASSUNTOS ESTUDANTIS 13 e 14 de junho de 2013 O PROJETO DE EXTENSÃO MATEMÁTICA LEGAL

Leia mais

UM POSSÍVEL DIÁLOGO ENTRE FUTEBOL E GÊNERO NAS AULAS DE EDUCAÇÃO FÍSICA: O ESTÁGIO NUMA ESCOLA MUNICIPAL DE GOIÂNIA

UM POSSÍVEL DIÁLOGO ENTRE FUTEBOL E GÊNERO NAS AULAS DE EDUCAÇÃO FÍSICA: O ESTÁGIO NUMA ESCOLA MUNICIPAL DE GOIÂNIA UM POSSÍVEL DIÁLOGO ENTRE FUTEBOL E GÊNERO NAS AULAS DE EDUCAÇÃO FÍSICA: O ESTÁGIO NUMA ESCOLA MUNICIPAL DE GOIÂNIA Tiago Onofre da Silva 1 Rafael Santos Nunes 2 RESUMO: O presente artigo aborda o processo

Leia mais

APRENDIZAGEM DA LINGUAGEM ORAL DA CRIANÇA COM SÍNDROME DE DOWN NA EDUCAÇÃO INFANTIL: CONCEPÇÕES DE PAIS E PROFESSORES

APRENDIZAGEM DA LINGUAGEM ORAL DA CRIANÇA COM SÍNDROME DE DOWN NA EDUCAÇÃO INFANTIL: CONCEPÇÕES DE PAIS E PROFESSORES APRENDIZAGEM DA LINGUAGEM ORAL DA CRIANÇA COM SÍNDROME DE DOWN NA EDUCAÇÃO INFANTIL: CONCEPÇÕES DE PAIS E PROFESSORES Resumo Gabriela Jeanine Fressato 1 - Universidade Positivo Mariana Gomes de Sá Amaral

Leia mais

Mostra de Projetos 2011

Mostra de Projetos 2011 Mostra de Projetos 2011 Fala cidadão: promovendo o direcionamento social, educacional e profissional do aluno da E.J.A, visando à transformação de sua realidade, na construção da cidadania Mostra Local

Leia mais

Passagem do EF1 para o EF2 Questões e desafios. Como minimizar impactos e construir espaços para uma transição positiva

Passagem do EF1 para o EF2 Questões e desafios. Como minimizar impactos e construir espaços para uma transição positiva Passagem do EF1 para o EF2 Questões e desafios Como minimizar impactos e construir espaços para uma transição positiva quem são os alunos do 5º ano? GRUPO 5º ANO 1 Professor Parceiro Aumento da Responsabilidade

Leia mais

II Congresso Nacional de Formação de Professores XII Congresso Estadual Paulista sobre Formação de Educadores

II Congresso Nacional de Formação de Professores XII Congresso Estadual Paulista sobre Formação de Educadores II Congresso Nacional de Formação de Professores XII Congresso Estadual Paulista sobre Formação de Educadores A VISÃO DE ALGUMAS BOLSISTAS DO PIBID SOBRE SUA ATUAÇÃO EM CONTEXTOS EDUCACIONAIS INCLUSIVOS

Leia mais

MINISTÉRIO DA DEFESA EXÉRCITO BRASILEIRO DECEx - DPEP ESCOLA DE EDUCAÇÃO FÍSICA DO EXÉRCITO (C Mil Edc Fis / 1922)

MINISTÉRIO DA DEFESA EXÉRCITO BRASILEIRO DECEx - DPEP ESCOLA DE EDUCAÇÃO FÍSICA DO EXÉRCITO (C Mil Edc Fis / 1922) MINISTÉRIO DA DEFESA EXÉRCITO BRASILEIRO DECEx - DPEP ESCOLA DE EDUCAÇÃO FÍSICA DO EXÉRCITO (C Mil Edc Fis / 1922) Curso de Instrutor de Educação Física do Exército (CI 2014) Sumário Bem-vindo à EsEFEx

Leia mais

R E G U L A M E N T O 2 0 0 6

R E G U L A M E N T O 2 0 0 6 CAMPEONATOS BRASILEIROS CAIXA DE ATLETISMO DE MENORES XXXIII Masculino e Feminino R E G U L A M E N T O 2 0 0 6 Emitido em 15/02/06 Art. 1º - Os CAMPEONATOS BRASILEIROS DE ATLETISMO DE MENORES têm por

Leia mais

II Jogos Estudantis do Colégio Vital Brazil

II Jogos Estudantis do Colégio Vital Brazil II Jogos Estudantis do Colégio Vital Brazil Antes da pretensão de promover um campeonato, deve-se promover o homem em sua infinita potencialidade e complexidade, REVERDITO, SCAGLIA E MONTAGNER 2013....

Leia mais

JUSTIFICATIVA PEDAGÓGICA DA PRODUÇÃO DE CONTEÚDOS DIGITAIS NA FORMATAÇÃO DO SOFTWARE EDUCACIONAL (SIMULAÇÃO E ANIMAÇÃO)

JUSTIFICATIVA PEDAGÓGICA DA PRODUÇÃO DE CONTEÚDOS DIGITAIS NA FORMATAÇÃO DO SOFTWARE EDUCACIONAL (SIMULAÇÃO E ANIMAÇÃO) JUSTIFICATIVA PEDAGÓGICA DA PRODUÇÃO DE CONTEÚDOS DIGITAIS NA FORMATAÇÃO DO SOFTWARE EDUCACIONAL (SIMULAÇÃO E ANIMAÇÃO) De acordo com o Edital de produção de conteúdo digitais multimídia, alguns aspectos

Leia mais

UNIVERSIDADE FEDERAL DO RECÔNCAVO DA BAHIA CENTRO DE ARTES, HUMANIDADES E LETRAS CAHL CURSO DE LICENCIATURA EM HISTÓRIA

UNIVERSIDADE FEDERAL DO RECÔNCAVO DA BAHIA CENTRO DE ARTES, HUMANIDADES E LETRAS CAHL CURSO DE LICENCIATURA EM HISTÓRIA UNIVERSIDADE FEDERAL DO RECÔNCAVO DA BAHIA CENTRO DE ARTES, HUMANIDADES E LETRAS CAHL CURSO DE LICENCIATURA EM HISTÓRIA ESTÁGIO SUPERVISIONADO I - ATIVIDADE DE OBSERVAÇÃO ELABORAÇÃO DE DIAGNÓSTICO SOBRE

Leia mais

REGULAMENTO PROVAS ESPORTIVAS. 11ª Gincana do Calouro Solidário Univille 2014

REGULAMENTO PROVAS ESPORTIVAS. 11ª Gincana do Calouro Solidário Univille 2014 REGULAMENTO PROVAS ESPORTIVAS 11ª Gincana do Calouro Solidário Univille 2014 Como parte das atividades, a Univille, em parceria com o Departamento de Educação Física, realizará, na 11ª Gincana do Calouro

Leia mais

Dist. da linha saída à 1ª barreira

Dist. da linha saída à 1ª barreira TÉCNICA DAS CORRIDAS COM BARREIRAS Antes de mais nada podemos dizer que as corridas com barreiras são provas de velocidade rasa porque, muito embora o barreiristas se depare com uma série de barreiras

Leia mais

PLANEJAMENTO ANUAL DE EDUCAÇÃO FÍSICA

PLANEJAMENTO ANUAL DE EDUCAÇÃO FÍSICA COLÉGIO VICENTINO IMACULADO CORAÇÃO DE MARIA Educação Infantil, Ensino Fundamental e Médio Rua Rui Barbosa, 1324, Toledo PR Fone: 3277-8150 PLANEJAMENTO ANUAL DE EDUCAÇÃO FÍSICA SÉRIE: 7º ANO PROFESSORA:

Leia mais

A UTILIZAÇÃO DE JOGOS E BRINCADEIRAS POPULARES MODIFICADOS NAS AULAS DE EDUCAÇÃO FÍSICA DO INSTITUTO FEDERAL DE ALAGOAS - CAMPUS MACEIÓ

A UTILIZAÇÃO DE JOGOS E BRINCADEIRAS POPULARES MODIFICADOS NAS AULAS DE EDUCAÇÃO FÍSICA DO INSTITUTO FEDERAL DE ALAGOAS - CAMPUS MACEIÓ A UTILIZAÇÃO DE JOGOS E BRINCADEIRAS POPULARES MODIFICADOS NAS AULAS DE EDUCAÇÃO FÍSICA DO INSTITUTO FEDERAL DE ALAGOAS - CAMPUS MACEIÓ JOSÉ ROBERTO ALVES ARAÚJO 1,2 MICHELLINE FERNANDES DE OLIVEIRA 1

Leia mais

Mão Na Forma. Episódios: Os Sólidos de Platão, O Barato de Pitágoras e Quadrado, Cubo e Cia

Mão Na Forma. Episódios: Os Sólidos de Platão, O Barato de Pitágoras e Quadrado, Cubo e Cia Mão Na Forma Episódios: Os Sólidos de Platão, O Barato de Pitágoras e Quadrado, Cubo e Cia Resumo Esta série, intitulada Mão na Forma, tem o objetivo de trazer a Geometria encontrada na natureza para dentro

Leia mais

FICHA DE INSCRIÇÃO PRÊMIO PROFESSORES DO BRASIL 2015

FICHA DE INSCRIÇÃO PRÊMIO PROFESSORES DO BRASIL 2015 Bem - vindo ao Prêmio Professores do Brasil! FICHA DE INSCRIÇÃO PRÊMIO PROFESSORES DO BRASIL 2015 O processo de inscrição foi pensado para ajudá-lo a refletir sobre práticas de ensino e aprendizagem desenvolvidas

Leia mais

A UTILIZAÇÃO DE TECNOLOGIAS NO ENSINO DE ARTES VISUAIS NA EDUCAÇÃO INFANTIL. Resumo

A UTILIZAÇÃO DE TECNOLOGIAS NO ENSINO DE ARTES VISUAIS NA EDUCAÇÃO INFANTIL. Resumo A UTILIZAÇÃO DE TECNOLOGIAS NO ENSINO DE ARTES VISUAIS NA EDUCAÇÃO INFANTIL Camila Lacerda Ortigosa Pedagogia/UFU mila.lacerda.g@gmail.com Eixo Temático: Educação Infantil Relato de Experiência Resumo

Leia mais

EDUCAÇÃO FÍSICA 2º CICLO I E A

EDUCAÇÃO FÍSICA 2º CICLO I E A AGRUPAMENTO DE ESCOLAS DE MARTIM DE FREITAS ESCOLA BÁSICA 2/3 MARTIM DE FREITAS Ano letivo 2015/2016 EDUCAÇÃO FÍSICA 2º CICLO NÍVEIS INTRODUTÓRIO (I), ELEMENTAR (E) e AVANÇADO (A) 1. Se tem a bola, passar

Leia mais

MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO COORDENAÇÃO DE APERFEIÇOAMENTO DE PESSOAL DE NÍVEL SUPERIOR DIRETORIA DE EDUCAÇÃO BÁSICA PRESENCIAL DEB

MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO COORDENAÇÃO DE APERFEIÇOAMENTO DE PESSOAL DE NÍVEL SUPERIOR DIRETORIA DE EDUCAÇÃO BÁSICA PRESENCIAL DEB MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO COORDENAÇÃO DE APERFEIÇOAMENTO DE PESSOAL DE NÍVEL SUPERIOR DIRETORIA DE EDUCAÇÃO BÁSICA PRESENCIAL DEB ANEXO II Edital Pibid n /2012 CAPES PROGRAMA INSTITUCIONAL DE BOLSA DE INICIAÇÃO

Leia mais

Informação - Prova de Equivalência à Frequência

Informação - Prova de Equivalência à Frequência Informação - Prova de Equivalência à Frequência Prova de Equivalência à Frequência de EDUCAÇÃO FÍSICA Código: 28 Ano de escolaridade: 6º ano (Decreto Lei n.º 139/2012, de 5 de julho e Despacho Normativo

Leia mais

MATRIZ CURRICULAR CURRÍCULO PLENO/2014 1.ª SÉRIE CÓDIGO DISCIPLINAS CHA MODALIDADE 00-7157-02 DIDÁTICA 080

MATRIZ CURRICULAR CURRÍCULO PLENO/2014 1.ª SÉRIE CÓDIGO DISCIPLINAS CHA MODALIDADE 00-7157-02 DIDÁTICA 080 Curso: Graduação: Regime: EDUCAÇÃO FÍSICA MATRIZ CURRICULAR LICENCIATURA SERIADO ANUAL NOTURNO Duração: 3 (TRÊS) ANOS LETIVOS Integralização: A) TEMPO TOTAL - MÍNIMO = 03 (TRÊS) ANOS LETIVOS - MÁXIMO =

Leia mais

Atividade física adaptada

Atividade física adaptada Atividade Física Adaptada e Saúde para Todos Perspectivas Holística, Política, de Desenvolvimento e de Diversidade Atividade física adaptada Grupo alvo: portadores de deficiência mental Objetivos As atividades

Leia mais

SÍNTESE DO PROJETO PEDAGÓGICO EDUCAÇÃO FÍSICA (bacharelado) / CORAÇÃO EUCARÍSTICO E-MEC Nº 2009 08671

SÍNTESE DO PROJETO PEDAGÓGICO EDUCAÇÃO FÍSICA (bacharelado) / CORAÇÃO EUCARÍSTICO E-MEC Nº 2009 08671 SÍNTESE DO PROJETO PEDAGÓGICO EDUCAÇÃO FÍSICA (bacharelado) / CORAÇÃO EUCARÍSTICO E-MEC Nº 2009 08671 01 PERFIL DOS CURSOS O conhecimento científico/tecnológico e as transformações econômicas, educacionais,

Leia mais

IV EDIPE Encontro Estadual de Didática e Prática de Ensino 2011

IV EDIPE Encontro Estadual de Didática e Prática de Ensino 2011 NATAÇÃO E DESEMPENHO ESCOLAR: EXPERIÊNCIA DE UMA EXTENSÃO DA UFG COM UMA ESCOLA PÚBLICA Poliana Siqueira Pedroza 1 Luís César de Souza 2 RESUMO Comunidade Aquática é um projeto de extensão do curso de

Leia mais

A PRÁTICA INVESTIGATIVA NO CURSO DE PEDAGOGIA: AVANÇOS E DESAFIOS A FORMAÇÃO DO PEDAGOGO NO CONTEXTO ATUAL

A PRÁTICA INVESTIGATIVA NO CURSO DE PEDAGOGIA: AVANÇOS E DESAFIOS A FORMAÇÃO DO PEDAGOGO NO CONTEXTO ATUAL A PRÁTICA INVESTIGATIVA NO CURSO DE PEDAGOGIA: AVANÇOS E DESAFIOS Ana Lúcia Cunha Duarte UCB duart_ana@hotmail.com Resumo: A prática investigativa desenvolvida no curso de Pedagogia do Centro de Educação,

Leia mais

PROGRAMAÇÃO OFICIAL ATLETISMO

PROGRAMAÇÃO OFICIAL ATLETISMO PROGRAMAÇÃO OFICIAL ATLETISMO SESSÃO TÉCNICA DATA:17/07/2015 SEXTA-FEIRA HORÁRIO: 16:00 LOCAL: GINÁSIO DE ESPORTES COL. EST. NILO CAIRO ENDEREÇO: RUA PROF ERASTO GAERTNER - CENTRO INÍCIO DA COMPETIÇÃO

Leia mais

A LINGUAGEM ESCRITA COMO UMA DAS MÚLTIPLAS

A LINGUAGEM ESCRITA COMO UMA DAS MÚLTIPLAS A LINGUAGEM ESCRITA COMO UMA DAS MÚLTIPLAS LINGUAGENS DA CRIANÇA Professor(a), no tema anterior, A criança de seis anos no ensino fundamental, falamos sobre quem são e como são essas crianças que ingressam

Leia mais

1. O QUE É. Existem mais de 60 desafios repartidos por 4 categorias de atividade física: Força, Destreza, Velocidade e Expressão Corporal.

1. O QUE É. Existem mais de 60 desafios repartidos por 4 categorias de atividade física: Força, Destreza, Velocidade e Expressão Corporal. 1. O QUE É O Sporttable Box resulta de uma surpreendente fusão entre jogos de tabuleiro e atividade física. É, sobretudo, um projeto que procura promover a Atividade Física e a sua importância no desenvolvimento

Leia mais

EDUCAÇÃO FÍSICA. Professor. Módulo 3 Volume 1 Educação Física

EDUCAÇÃO FÍSICA. Professor. Módulo 3 Volume 1 Educação Física EDUCAÇÃO FÍSICA Professor Módulo 3 Volume 1 Educação Física GOVERNO DO ESTADO DO RIO DE JANEIRO Governador Sergio Cabral Vice-Governador Luiz Fernando de Souza Pezão SECRETARIA DE ESTADO DE EDUCAÇÃO Secretário

Leia mais

SISTEMÁTICA DO DESPORTO II

SISTEMÁTICA DO DESPORTO II INSTITUTO POLITÉCNICO DE SANTARÉM Escola Superior de Desporto de Rio Maior Ano Lectivo 2009/20010 SISTEMÁTICA DO DESPORTO II Licenciatura em Desporto: Variante de Condição Física Regente: Hugo Louro Docentes:

Leia mais

O ESTUDO DA CONSTRUÇÃO DE CASAS POPULARES E A RELAÇÃO COM CONTEÚDOS MATEMÁTICOS

O ESTUDO DA CONSTRUÇÃO DE CASAS POPULARES E A RELAÇÃO COM CONTEÚDOS MATEMÁTICOS ISSN 2177-9139 O ESTUDO DA CONSTRUÇÃO DE CASAS POPULARES E A RELAÇÃO COM CONTEÚDOS MATEMÁTICOS Edimar Fonseca da Fonseca edyyfon@yahoo.com.br Fundação Universidade Federal do Pampa, Campus Caçapava do

Leia mais

Projecto Nestum Rugby Rugby nas Escolas

Projecto Nestum Rugby Rugby nas Escolas Projecto Nestum Rugby Rugby nas Escolas Introdução A Federação Portuguesa de Rugby (FPR) acordou com o Gabinete do Desporto Escolar o lançamento do Projecto Nestum, Rugby nas Escolas. A NESTUM apoia este

Leia mais

Colégio Adventista de Rio Preto Educação Física BASQUETEBOL. Basquetebol 8º ano. basquetebol

Colégio Adventista de Rio Preto Educação Física BASQUETEBOL. Basquetebol 8º ano. basquetebol Colégio Adventista de Rio Preto Educação Física BASQUETEBOL Basquetebol 8º ano Basquetebol Origem e Evolução: Estados Unidos - 1891 Prof. James Naismith Universidade Springfield - USA Ginástica - inverno

Leia mais

TRABALHO COLABORATIVO NO DESENVOLVIMENTO DE PROJETOS DE MATEMÁTICA

TRABALHO COLABORATIVO NO DESENVOLVIMENTO DE PROJETOS DE MATEMÁTICA TRABALHO COLABORATIVO NO DESENVOLVIMENTO DE PROJETOS DE MATEMÁTICA Sheila Salles 1 Unesp/Rio Claro shesalles@hotmail.com Dr. Laurizete Ferragut Passos 2 Unesp/Rio Claro laurizet@terra.com.br Público Alvo

Leia mais

A FORMAÇÃO DO PROFESSOR POLIVALENTE E O TRABALHO COM RESOLUÇÃO DE PROBLEMAS NOS ANOS INICIAIS DO ENSINO FUNDAMENTAL

A FORMAÇÃO DO PROFESSOR POLIVALENTE E O TRABALHO COM RESOLUÇÃO DE PROBLEMAS NOS ANOS INICIAIS DO ENSINO FUNDAMENTAL ISSN: 1981-3031 A FORMAÇÃO DO PROFESSOR POLIVALENTE E O TRABALHO COM RESOLUÇÃO DE PROBLEMAS NOS ANOS INICIAIS DO ENSINO FUNDAMENTAL Juliane dos Santos Medeiros (UFAL) jumedeiros_santos@yahoo.com.br Rosemeire

Leia mais

EMENTAS DE DISCIPLINAS - BACHARELADO NÍVEL I

EMENTAS DE DISCIPLINAS - BACHARELADO NÍVEL I EMENTAS DE DISCIPLINAS - BACHARELADO 31157-04 Anatomia Humana NÍVEL I Estudo sobre a estruturação do organismo humano com ênfase nas características morfológicas dos sistemas anatômicos respiratório, cardiovascular,

Leia mais

ANEXO I UNIVERSIDADE DA REGIÃO DE JOINVILLE UNIVILLE COLÉGIO DA UNIVILLE PLANEJAMENTO DE ENSINO E APRENDIZAGEM

ANEXO I UNIVERSIDADE DA REGIÃO DE JOINVILLE UNIVILLE COLÉGIO DA UNIVILLE PLANEJAMENTO DE ENSINO E APRENDIZAGEM ANEXO I UNIVERSIDADE DA REGIÃO DE JOINVILLE UNIVILLE COLÉGIO DA UNIVILLE PLANEJAMENTO DE ENSINO E APRENDIZAGEM 1. Curso: Missão do Colégio: Promover o desenvolvimento do cidadão e, na sua ação educativa,

Leia mais

pontuação Discursiva 02 questões 15 pontos 30 pontos Múltipla escolha 25 questões 2,8 pontos 70 pontos

pontuação Discursiva 02 questões 15 pontos 30 pontos Múltipla escolha 25 questões 2,8 pontos 70 pontos Caderno de Provas EDUCAÇÃO FÍSICA Edital Nº. 36/2011 REITORIA/IFRN 29 de janeiro de 2012 INSTRUÇÕES GERAIS PARA A REALIZAÇÃO DA PROVA Use apenas caneta esferográfica azul ou preta. Escreva o seu nome completo

Leia mais

Experimentação Esportiva

Experimentação Esportiva Experimentação Esportiva Aula 3 A categorização dos esportes Olímpicos e Rio 2016 Versão 1.0 Objetivos 1 Compreender a categorização dos esportes Olímpicos e por similaridade de movimentos, ações ou local

Leia mais

V. REGULAMENTAÇÃO RELATIVA À HOMOLOGAÇÃO DE RECORDES DE PORTUGAL, RECORDES NACIONAIS E RECORDES NACIONAIS DE ESTRADA

V. REGULAMENTAÇÃO RELATIVA À HOMOLOGAÇÃO DE RECORDES DE PORTUGAL, RECORDES NACIONAIS E RECORDES NACIONAIS DE ESTRADA V. REGULAMENTAÇÃO RELATIVA À HOMOLOGAÇÃO DE RECORDES DE PORTUGAL, RECORDES NACIONAIS E RECORDES NACIONAIS DE ESTRADA A. Homologação de Recordes de Portugal 1. GENERALIDADES Para que uma marca possa ser

Leia mais

Circuito de Atletismo em Pavilhão Games and Fun

Circuito de Atletismo em Pavilhão Games and Fun 2014 Circuito de Atletismo em Pavilhão Games and Fun Departamento Técnico Associação de Atletismo do Porto Introdução O Circuito de Torneios de Atletismo em Pavilhão tem como propósito o combate dos modelos

Leia mais

Um breve histórico da GA

Um breve histórico da GA Ginástica Artística Um breve histórico da GA Séc. XIX Alemanha O nome que mais se destaca na história da formação da ginástica moderna foi do alemão Friedrich Ludwig Jahn (1778-1852), grande nacionalista

Leia mais

Critérios de Avaliação Educação Física

Critérios de Avaliação Educação Física M. E. - GEPE Critérios de Avaliação Educação Física Grupo Disciplinar de Educação Física 2015/2016 1. Introdução Na procura da qualidade, torna-se evidente o papel essencial desempenhado pelas estruturas

Leia mais

BRINCANDO E APRENDENDO COM DAMATEMÁTICA

BRINCANDO E APRENDENDO COM DAMATEMÁTICA BRINCANDO E APRENDENDO COM DAMATEMÁTICA Patrícia Zanon Peripolli Instituto Federal Farroupilha-Câmpus de Julio de Castilhos patriciazperipolli@gmail.com Roena Moreira Leal Instituto Federal Farroupilha-Câmpus

Leia mais