7 a SÉRIE 8 o ANO EDUCAÇÃO FÍSICA. Caderno do Professor Volume 1. Linguagens ENSINO FUNDAMENTAL ANOS FINAIS

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "7 a SÉRIE 8 o ANO EDUCAÇÃO FÍSICA. Caderno do Professor Volume 1. Linguagens ENSINO FUNDAMENTAL ANOS FINAIS"

Transcrição

1 7 a SÉRIE 8 o ANO ENSINO FUNDAMENTAL ANOS FINAIS Caderno do Professor Volume 1 EDUCAÇÃO FÍSICA Linguagens

2 GOVERNO DO ESTADO DE SÃO PAULO SECRETARIA DA EDUCAÇÃO MATERIAL DE APOIO AO CURRÍCULO DO ESTADO DE SÃO PAULO CADERNO DO PROFESSOR EDUCAÇÃO FÍSICA ENSINO FUNDAMENTAL ANOS FINAIS 7 a SÉRIE/8 o ANO VOLUME 1 Nova edição São Paulo

3 Governo do Estado de São Paulo Governador Geraldo Alckmin Vice-Governador Guilherme Afif Domingos Secretário da Educação Herman Voorwald Secretário-Adjunto João Cardoso Palma Filho Chefe de Gabinete Fernando Padula Novaes Subsecretária de Articulação Regional Rosania Morales Morroni Coordenadora da Escola de Formação e Aperfeiçoamento dos Professores EFAP Silvia Andrade da Cunha Galletta Coordenadora de Gestão da Educação Básica Maria Elizabete da Costa Coordenadora de Gestão de Recursos Humanos Cleide Bauab Eid Bochixio Coordenadora de Informação, Monitoramento e Avaliação Educacional Ione Cristina Ribeiro de Assunção Coordenadora de Infraestrutura e Serviços Escolares Ana Leonor Sala Alonso Coordenadora de Orçamento e Finanças Claudia Chiaroni Afuso Presidente da Fundação para o Desenvolvimento da Educação FDE Barjas Negri

4 Senhoras e senhores docentes, A Secretaria da Educação do Estado de São Paulo sente-se honrada em tê-los como colaboradores nesta nova edição do Caderno do Professor, realizada a partir dos estudos e análises que permitiram consolidar a articulação do currículo proposto com aquele em ação nas salas de aula de todo o Estado de São Paulo. Para isso, o trabalho realizado em parceria com os PCNP e com os professores da rede de ensino tem sido basal para o aprofundamento analítico e crítico da abordagem dos materiais de apoio ao currículo. Essa ação, efetivada por meio do programa Educação Compromisso de São Paulo, é de fundamental importância para a Pasta, que despende, neste programa, seus maiores esforços ao intensificar ações de avaliação e monitoramento da utilização dos diferentes materiais de apoio à implementação do currículo e ao empregar o Caderno nas ações de formação de professores e gestores da rede de ensino. Além disso, firma seu dever com a busca por uma educação paulista de qualidade ao promover estudos sobre os impactos gerados pelo uso do material do São Paulo Faz Escola nos resultados da rede, por meio do Saresp e do Ideb. Enfim, o Caderno do Professor, criado pelo programa São Paulo Faz Escola, apresenta orientações didático-pedagógicas e traz como base o conteúdo do Currículo Oficial do Estado de São Paulo, que pode ser utilizado como complemento à Matriz Curricular. Observem que as atividades ora propostas podem ser complementadas por outras que julgarem pertinentes ou necessárias, dependendo do seu planejamento e da adequação da proposta de ensino deste material à realidade da sua escola e de seus alunos. O Caderno tem a proposição de apoiá-los no planejamento de suas aulas para que explorem em seus alunos as competências e habilidades necessárias que comportam a construção do saber e a apropriação dos conteúdos das disciplinas, além de permitir uma avaliação constante, por parte dos docentes, das práticas metodológicas em sala de aula, objetivando a diversificação do ensino e a melhoria da qualidade do fazer pedagógico. Revigoram-se assim os esforços desta Secretaria no sentido de apoiá-los e mobilizá-los em seu trabalho e esperamos que o Caderno, ora apresentado, contribua para valorizar o ofício de ensinar e elevar nossos discentes à categoria de protagonistas de sua história. Contamos com nosso Magistério para a efetiva, contínua e renovada implementação do currículo. Bom trabalho! Herman Voorwald Secretário da Educação do Estado de São Paulo

5 SUMÁRIO Orientação sobre os conteúdos do volume 6 Tema 1 Esporte Modalidade individual: atletismo (corridas, arremessos e lançamentos) 8 Situação de Aprendizagem 1 Corridas com barreiras e obstáculos 10 Atividade Avaliadora 17 Proposta de Situações de Recuperação 17 Situação de Aprendizagem 2 Bola arremessada ao cesto ou ao gol 18 Atividade Avaliadora 25 Proposta de Situações de Recuperação 26 Recursos para ampliar a perspectiva do professor e do aluno para a compreensão do tema 28 Tema 2 Luta: caratê 30 Situação de Aprendizagem 3 Identificação do conhecimento a respeito do conceito de luta 34 Atividade Avaliadora 42 Proposta de Situações de Recuperação 43 Recursos para ampliar a perspectiva do professor e do aluno para a compreensão do tema 43 Tema 3 Organismo humano, movimento e saúde Capacidades físicas: aplicações no atletismo e na luta 46 Situação de Aprendizagem 4 Se ficar, tem arremesso; se correr, tem lançamento 47 Atividade Avaliadora 51 Proposta de Situações de Recuperação 51 Recursos para ampliar a perspectiva do professor e do aluno para a compreensão do tema 51

6 Tema 4 Esporte Modalidade coletiva a escolher 52 Situação de Aprendizagem 5 Desenvolvendo algumas estratégias de jogo do esporte coletivo (futsal, handebol, basquetebol) 54 Situação de Aprendizagem 6 Organizando as funções ofensivas e defensivas do esporte coletivo 60 Atividade Avaliadora 65 Proposta de Situações de Recuperação 65 Recursos para ampliar a perspectiva do professor e do aluno para a compreensão do tema 66 Tema 5 Ginástica Práticas contemporâneas, princípios orientadores, técnicas e exercícios 68 Situação de Aprendizagem 7 Vivenciando e entendendo a ginástica 69 Situação de Aprendizagem 8 Estudando mais ginástica 75 Atividade Avaliadora 77 Proposta de Situações de Recuperação 78 Recursos para ampliar a perspectiva do professor e do aluno para a compreensão do tema 80 Quadro de conteúdos do Ensino Fundamental Anos Finais 82 5

7 ORIENTAÇÃO SOBRE OS CONTEÚDOS DO VOLUME Até a 4 a série/5 o ano do Ensino Fundamental, os alunos vivenciaram um amplo conjunto de experiências de Se-Movimentar, acumularam informações e conhecimentos sobre jogo, esporte, ginástica, luta, atividade rítmica etc., decorrentes não só da participação nas aulas de Educação Física, mas do contato com as mídias e com a Cultura de Movimento dos grupos socioculturais a que se vinculam (família, amigos, comunidade local etc.). Agora, entre a 5 a série/6 o ano e a 8 a série/9 o ano, trata-se de evidenciar os significados, os sentidos e as intencionalidades presentes em tais experiências, cotejando-os com os presentes nas codificações das culturas esportiva, lúdica, gímnica, rítmica e das lutas. Por Cultura de Movimento entende-se o conjunto de significados, sentidos, símbolos e códigos que se produzem e reproduzem dinamicamente nos jogos, esportes, danças e atividades rítmicas, lutas, ginásticas etc., os quais influenciam, delimitam, dinamizam e/ou constrangem o Se-Movimentar dos sujeitos, base de nosso diálogo expressivo com o mundo e com os outros. O Se-Movimentar é a expressão individual e/ou grupal no âmbito de uma Cultura de Movimento; é a relação que o sujeito estabelece com essa cultura a partir de seu repertório (informações, conhecimentos, movimentos, condutas etc.), de sua história de vida, de suas vinculações socioculturais e de seus desejos. Assim, pretende-se que as Situações de Aprendizagem aqui sugeridas para os temas Esporte, Luta, Ginástica e Organismo humano, movimento e saúde possibilitem que os alunos diversifiquem, sistematizem e aprofundem suas experiências do Se-Movimentar no âmbito das culturas lúdica, esportiva, gímnica e de lutas. Isso proporcionará novas experiências de Se-Movimentar, nas quais eles estabelecerão novas significações e ressignificarão experiências já vivenciadas. Espera-se que o enfoque adotado para o desenvolvimento dos conteúdos deste volume seja compatível com as intencionalidades do projeto político-pedagógico de cada escola. No tema Esporte Modalidade individual, serão abor dados as corridas, os arremessos e os lançamentos no atletismo, enfatizando os princípios técnicos e táticos, as principais regras e o processo histórico dessa modalidade esportiva. Os alunos precisam identificar diferentes características e compreender a evolução dos princípios técnicos relacionados às provas de corridas com barreiras e obstáculos e às de arremessos e lançamentos. Também serão abordados os princípios operacionais, e está prevista a escolha de uma modalidade esportiva coletiva por parte da escola. As orientações contidas neste volume indicam a abordagem que se espera para tratar das técnicas e táticas como fatores de aumento da complexidade do jogo e proporcionar aos alunos noções de arbitragem, exemplificando com algumas modalidades esportivas. 6

8 Educação Física 7ª série/8º ano Volume 1 O tema Luta tomará o caratê como exemplo e abordará os princípios, as regras e o processo histórico dessa manifestação da cultura de movimento. O objetivo principal é que os alunos expressem opiniões acerca de termos e condutas cotidianas associadas à luta, reconhecendo e valorizando as diferentes características pessoais e interpessoais proporcionadas por esse elemento cultural, além de compreender e comparar seus estilos. No estudo do tema Organismo humano, movimento e saúde, serão enfocadas algumas capacidades físicas no tocante às suas aplicações no atletismo e no caratê. Nesse momento, os alunos deverão identificar as implicações das capacidades físicas, comparar os diferentes grupos musculares mencionados e reconhecer sua importância no desempenho das provas de corrida com barreiras e obstáculos, de arremessos e lançamentos e também em lutas. No tema Ginástica, serão tratados os princípios orientadores, técnicas e exercícios de algumas práticas contemporâneas, com destaque para a ginástica aeróbica e a ginástica localizada, com base em uma abordagem que trabalha com seus princípios técnico-táticos, suas principais regras e seu processo histórico. Porém, o projeto político-pedagógico da escola poderá optar por outra manifestação de ginástica associada à cultura jovem. Isso posto, professor, bom trabalho! 7

9 TEMA 1 ESPORTE MODALIDADE INDIVIDUAL: ATLETISMO (CORRIDAS, ARREMESSOS E LANÇAMENTOS) Neste volume da 7 a série/8 o ano, terá continuidade o trabalho com a modalidade individual atletismo, relacionada com o tema Esporte, com destaque para as corridas com barreiras e obstáculos, além das provas de arremesso e lançamento. Tal abordagem reforça a importância da compreensão e da vivência dessa modalidade por parte dos alunos, diversificando suas experiências no âmbito da cultura esportiva. Na atualidade, é no atletismo, sobretudo, que são realizados e estimulados movimentos como correr, saltar e lançar ou arremessar objetos a distância, embora tais movimentos estejam sistematizados e incorporados à maioria das modalidades esportivas, a exemplo do futebol, do basquetebol, do voleibol e do handebol, entre outras. Como modalidade esportiva, a iniciação ao atletismo, tal como em outros esportes, ocorre (ou deveria ocorrer), principalmente, na escola, como atividade curricular ligada à disciplina de Educação Física. No entanto, sabemos que essa modalidade está pouco presente nas aulas e, quando isso ocorre, busca-se melhor rendimento técnico em detrimento de um possível valor pedagógico-educacional, o que a torna pouco atrativa para muitos professores e para os próprios alunos. Em alguns países, como a Jamaica, atribui- -se grande destaque sociocultural à prática do atletismo, em especial às corridas rasas em distâncias curtas, o que motiva os alunos em idade escolar a se envolverem com esse universo desde cedo. No Brasil, há predileção por modalidades esportivas coletivas, que possibilitam maior relação interpessoal, com destaque para as modalidades que têm a bola como implemento principal. Torna-se necessário, portanto, criar estratégias de ensino que possibilitem ao atletismo fazer sentido, ter significado para a vida do aluno, mobilizando seus desejos e potencialidades, sem se restringir ao aspecto do rendimento técnico, embora o treino ou o exercício continuado de determinadas habilidades também sejam importantes na realização de algumas atividades, visto que servem, também, para corrigir deficiências ou fragilidades no condicionamento físico e não apenas técnico (KUNZ, 2006, p. 141). No caso particular do atletismo, o significado do Se-Movimentar nas corridas é exatamente a experiência de correr o mais velozmente possível ou arremessar/lançar implementos o mais longe possível e não correr ou arremessar para vencer outra pessoa simplesmente. Além disso, deve-se aliar uma perspectiva lúdica ao ensino dessas habilidades, e ao atletismo em geral, dentro do ambiente escolar. As habilidades expressas nas corridas e nos arremessos e lançamentos têm significados, sentidos e intencionalidades que não se restringem, exclusivamente, ao universo do atletismo. É preciso notar que o desenvolvimento de seus fundamentos técnicos pode ser transferido a várias modalidades esportivas, bem como à resolução de situações relacionadas com a realização de atividades cotidianas (deslocar- -se rapidamente para atravessar uma rua ou avenida, arremessar ou lançar um objeto etc.). O ensino do atletismo como elemento da Cultura de Movimento no meio escolar apresenta certas dificuldades. Isso ocorre, principal- 8

10 Educação Física 7ª série/8º ano Volume 1 mente, quando há ausência de espaço e de materiais específicos. Entretanto, essa dificuldade poderia ser atenuada mediante a adaptação de espaços comuns à maioria das escolas (quadras, pátios) ou pela utilização de materiais alternativos para confecção dos implementos próprios do atletismo. Tais adaptações devem envolver a colaboração participativa e criativa dos alunos na elaboração de condições que favoreçam a vivência do atletismo na escola, tornando-os também agentes desse processo edu- cacional. Vale ressaltar que espaços no entorno da comunidade também podem ser utilizados. Matthiesen e colaboradores (2005) sugerem a utilização de diferentes tipos de obstáculo durante o processo de ensino e aprendizagem das corridas com obstáculos, nos quais o aluno possa apoiar os pés se assim precisar. Podem ser utilizados materiais como caixas de madeira ou papelão, pneus, banco sueco, cordas e barbantes. Conexão Editorial Figura 1 Obstáculos adaptados. Possibilidades interdisciplinares Professor, o tema Esporte poderá ser desenvolvido de modo integrado com a disciplina de História, na medida em que envolve conteúdos relacionados à história do atletismo e das suas provas em diferentes contextos. Converse com o professor responsável por essa disciplina em sua escola. Essa iniciativa facilitará a compreensão dos conteúdos de forma mais global e integrada pelos alunos. 9

11 SITUAÇÃO DE APRENDIZAGEM 1 CORRIDAS COM BARREIRAS E OBSTÁCULOS Pular um muro para apanhar uma pipa ou saltar uma poça de água na calçada são alguns desafios cotidianos que envolvem a corrida e o salto. A compreensão dos movimentos demanda a mobilização de alguns conhecimentos e vivências significativas. Experimentar diferentes maneiras de saltar um obstáculo pode ser mais prazeroso e significativo para o aluno quando ele percebe as infinitas possibilidades de Se-Movimentar. A intenção é que os alunos vivenciem, percebam, identifiquem, analisem e compreendam alguns aspectos característicos das corridas com barreiras e obstáculos, além de outras possibilidades de saltar obstáculos com diferentes alturas, percorrendo diversas distâncias e imprimindo variações de velocidades. Conteúdo e temas: corridas com barreiras e corridas com obstáculos evolução técnica e principais regras; formas de passagem sobre barreiras e obstáculos; velocidade de deslocamento nas diferentes distâncias percorridas; características pessoais e interpessoais para saltar barreiras e obstáculos. Competências e habilidades: identificar diferentes possibilidades de saltar obstáculos e relacioná-las com a evolução das técnicas das corridas atuais; identificar ajustes na corrida e no posicionamento do corpo para ultrapassar barreiras e obstáculos em diferentes alturas; perceber e analisar as características pessoais e interpessoais para a transposição de barreiras e obstáculos; identificar e compreender princípios técnicos relacionados às provas de corrida com barreiras e obstáculos. Sugestão de recursos: caixa de papelão; cordas; bastões de madeira; garrafas PET; arcos; cones. Desenvolvimento da Situação de Aprendizagem 1 Professor, antes de iniciar a Situação de Aprendizagem 1, realize com os alunos a leitura da atividade Para começo de conversa, que consta no Caderno do Aluno, levantando os conhecimentos prévios dos alunos sobre o conteúdo atletismo. Nessa ocasião, solicite o registro das questões norteadoras. Você já ouviu falar em atletismo, não é? É uma modalidade olímpica, individual, que tem tradição no esporte brasileiro. As provas de atletismo são agrupadas em provas de pista, de campo, de marcha atlética, combinadas, de cross country, de pedestrianismo e corridas em montanhas, conforme divulga, oficialmente, a Confederação Brasileira de Atletismo (CBAt). Neste Caderno, você terá a oportunidade de conhecer mais de perto as corridas com barreiras e com obstáculos, além das provas de arremesso e lançamento. Será que você conhece alguma dessas provas? Vamos conferir? 1. O que diferencia a corrida normal da corrida com obstáculos ou barreiras? Espera-se que o aluno consiga dizer que na corrida normal não há nenhum tipo de obstáculo que o atleta deva transpor. 10

12 Educação Física 7ª série/8º ano Volume 1 2 Você já viu ou praticou alguma prova de arremesso ou de lançamento? Onde? Qual? Resposta pessoal. 3. Você poderia dar alguns exemplos de provas de arremesso ou de lançamento disputadas no atletismo? Espera-se que o aluno cite pelo menos um tipo de prova de arremesso ou lançamento do atletismo: arremesso de peso, lançamento de martelo, lançamento de dardo ou lançamento de disco. 4. Você saberia listar os nomes dos implementos que os atletas arremessam e lançam em provas de atletismo? Espera-se que o aluno cite pelo menos um ou dois dos implementos utilizados nas provas de arremesso e lançamento do atletismo: martelo, peso, disco ou dardo. 5. O que precisamos fazer para que os lançamentos ou os arremessos alcancem maior distância? Espera-se que o aluno associe a técnica de execução ao bom desempenho/resultado, relacionando também com algumas características pessoais de quem realiza os movimentos. Etapa 1 Circuito de obstáculos Organize, nos limites de uma quadra ou área correspondente, um circuito formado por obstáculos diversos (caixas de papelão de tamanhos variados, cordas ou bastões apoiados sobre cones ou garrafas PET preenchidas com areia), cordas delimitando zonas de salto e/ou arcos utilizados como referência para as passadas até os obstáculos. Procure incluir obstáculos com alturas e formatos variados e próximos das medidas oficiais, para motivar ou desafiar os alunos. Solicite que experimentem maneiras diferentes de ultrapassar os obstáculos e que procurem não tocá-los, deslocá-los ou derrubá-los. Etapa 2 Correr e saltar sem derrubar os obstáculos Após algumas passagens pelo circuito, sugira aos alunos que percorram o trajeto o mais rápido possível sem que toquem ou derrubem os obstáculos. Em seguida, eleve a altura de alguns obstáculos e proponha aos alunos que tentem ajustar os movimentos para ultrapassá-los, sem saltá-los nem tocá-los, procurando apenas passar próximo a eles. Para finalizar esta etapa, sugira aos alunos que comentem em grupo as dificuldades e as facilidades encontradas na realização das tarefas. Aproveite também para discutir com os alunos as dificuldades e adaptações para realização das tarefas por pessoas com deficiência, por exemplo, visual. Professor, oriente os alunos a realizarem a Pesquisa em grupo, que consta no Caderno do Aluno. Vamos saber um pouco mais sobre as provas de atletismo? Reúna-se com seu grupo e, com o auxílio de seu professor, escolha uma ou duas das questões sugeridas a seguir e faça uma pesquisa. Para realizá-la, vocês podem visitar alguns sites e pesquisar em revistas e jornais ou livros na biblioteca da escola ou na biblioteca pública mais próxima. Vejam algumas sugestões de sites: Comitê Paralímpico Brasileiro. Disponível em: <http://www.cpb.org.br/>. Acesso em: 9 out Confederação Brasileira de Atletismo. Disponível em: <http://www.cbat.org.br>. Acesso em: 23 maio Federação Paulista de Atletismo. Disponível em: <http://www.atletismofpa.org.br/>. Acesso em: 23 maio

13 PUCRS Campus Uruguaiana. Disponível em: <http://www.pucrs.campus2.br/>. Acesso em: 23 maio Revista Atletismo. Disponível em: <http:// artigos-tecnicos> Acesso em: 23 maio Questões para pesquisa Como surgiram as provas de corrida com barreiras e com obstáculos? Segundo informações disponíveis no site da CBAt, as provas de corrida com barreiras surgiram na Inglaterra, em meados do século XIX, possivelmente como tentativa de imitar as competições hípicas. No início, usavam-se, como barreiras, toras enterradas no solo. Quanto às corridas com obstáculos, sabe-se que a primeira foi realizada em Edimburgo, na Escócia, em E as provas de arremesso e de lançamento? Como eram praticadas essas provas nas Olimpíadas da Grécia Antiga? Relativamente aos Jogos Olímpicos na Grécia Antiga, a primeira prova da qual se tem notícia é uma corrida cujo percurso se estendia por cerca de 192 m. Posteriormente, foram incluídas outras provas, além da corrida: pentatlo, lançamento de disco, salto em distância, lançamento de dardo, luta livre, boxe, pancrácio (mistura de boxe e luta livre), corrida de bigas e corrida de cavalos. Como evoluíram as regras nessas provas? Das Olimpíadas da Grécia Antiga às Olimpíadas da Era Moderna, uma mudança significativa foi a inclusão das mulheres no atletismo, vetadas na Antiguidade. Foram também adicionadas outras provas: arremesso de peso, corridas de revezamento, marcha atlética (masculina e feminina), heptatlo/pentatlo feminino, salto com vara, salto em altura, salto triplo, lançamento de martelo e decatlo. Foram excluídas as provas de: luta livre, pancrácio, corrida de bigas e corrida de cavalos. Algumas respostas específicas sobre como provas antigas se apresentam hoje: corrida: as corridas de 192,27 m evoluíram para corridas de 100 m, 200 m, 400 m, 800 m, m (masculina), m (feminina), m (masculina), m, 100/110 m com barreiras, 400 m com barreiras, m com obstáculos (masculina) e revezamentos m e m; pentatlo: na Grécia Antiga a prova era composta de: salto em distância, corrida, lançamento de dardo e disco e luta livre. O pentatlo moderno, inspirado nos Jogos Olímpicos da Antiguidade, inclui: hipismo (concurso de saltos), esgrima (espada), natação (200 m livre), tiro esportivo (pistola de ar 10 m) e corrida (3 000 m). No atletismo moderno temos: decatlo masculino composto de dez provas: corridas de 100 m, 400 m e m e de 110 m com barreiras; saltos em distância, em altura e com vara; arremesso de peso, lançamento de disco e de dardos; pentatlo feminino composto de cinco provas: corridas de 200 m e de 80 m com barreiras, saltos em distância e em altura, arremesso de peso; heptatlo feminino composto de sete provas: corridas de 200 m, 800 m e 100 m com barreiras, saltos em distância e em altura, arremesso de peso e lançamento de dardo. Na arte, que expressões artísticas (esculturas, pinturas etc.) podem ser associadas a essas provas? Exemplo de escultura: Discóbolo, obra de Míron, século V a.c. Disponível em: <http://greciantiga.org/img/index.asp?num=0783>. Acesso em: 5 set Quais são as melhores marcas nessas provas? Professor, note que alguns recordes já podem ter sido melhorados em competições recentes. No caso de dúvida, verifique os sites indicados neste volume. Melhores marcas nessas provas Corridas Provas Masculino Feminino 100 m m m m 1: : m 3: :56:55 12

14 Educação Física 7ª série/8º ano Volume 1 Corridas Saltos Provas Masculino Feminino m 3: :56: m com barreiras m com barreiras m com barreiras m m 1: :27, m 2: :15,17 em distância 8.74 m 7.10 m em altura 2.35 m 2.08 m triplo m m com vara 6.01 m 5.06 m Arremesso de peso m m Lançamentos de disco m m de dardo m m Fonte: International Association of Athletics Federations. Disponível em: <http://www.iaaf.org/statistics/toplists/inout=o/age=n/season=2009/sex=w/all=n/legal=a/disc=4x4/detail.html>. Acesso em: 9 out Como são praticadas essas provas nas Paralimpíadas? Nas Paralimpíadas participam atletas com deficiência física e visual. As provas são organizadas segundo o grau de deficiência dos atletas, a partir de uma classificação funcional. No atletismo são realizadas as provas de corridas, arremessos, lançamentos e saltos. Que tipos de corrida fazem parte das provas combinadas (decatlo e heptatlo)? decatlo: corridas de 100 m, 400 m e m e de 110 m com barreiras; heptatlo: corridas de 200 m, 800 m e 100 m com barreiras. Quais as principais características das provas quanto às solicitações das capacidades físicas dos atletas? corridas de velocidade: velocidade; corridas de longa distância: resistência; corridas com barreiras: velocidade; corridas com obstáculos: resistência; corridas de revezamento: velocidade; arremessos e lançamentos: força; saltos: força e velocidade. Há diferenças entre as capacidades físicas nas provas de corrida com barreiras e nas de corrida com obstáculos para adultos? Sim. As corridas com barreiras são de curta distância (100 m/110 m, 200 m e 400 m), e a capacidade física predominante necessária para essas provas é a velocidade. As corridas com obstáculos percorrem uma distância de m, portanto, são de longa duração, de modo que a capacidade predominante necessária é a resistência. Etapa 3 Vencendo as barreiras e compreendendo as vivências Pergunte aos alunos se eles reconhecem a relação entre variação na velocidade e distâncias percorridas entre as barreiras e obstáculos, se associam características pessoais dos corredores às exigências na ultrapassagem e se percebem quais são as dificuldades para transpor barreiras e obstáculos em atividades da vida cotidiana. Forme grupos de alunos (misturando meninas e meninos), distribua imagens de pessoas ou atletas realizando saltos sobre barreiras ou obstácu- 13

15 los e peça para que os grupos identifiquem e analisem algumas características das provas em questão. É importante que as imagens selecionadas facilitem a tarefa de identificação e análise a ser realizada. Estimule-os para que relacionem as próprias situações vivenciadas com as imagens: altura das barreiras e obstáculos, vestimentas, condições dos locais das provas, características das pessoas, expressões faciais, entre outros, para enriquecer o repertório individual. Provas com barreiras Etapa 4 Modificações e regras relacionadas às corridas com barreiras e obstáculos Peça para os alunos levantarem, na internet ou em outras fontes, informações sobre as modificações das barreiras e obstáculos e as alterações nas regras ao longo da evolução das corridas. Os dados coletados poderão ser referidos nas etapas seguintes. É importante sugerir aos alunos alguns sites, livros ou locais para orientar a pesquisa. Provas com obstáculos Feminina Masculina Feminina e masculina Feminina e masculina 100 m 110 m 400 m m Nessas provas, há dez barreiras a serem transpostas; o que varia é a distância entre elas. Há diferença de altura nas provas femininas e masculinas e não é permitido apoiar os pés nas barreiras. Nessas provas, há cinco obstáculos a serem transpostos. Há diferença de altura nas provas femininas e masculinas e é permitido apoiar os pés nas barreiras. Neste momento, após a realização da pesquisa e da discussão, você poderá considerar a atividade Divulgando o resultado da pesquisa, sugerida no Caderno do Aluno, para elaboração de um mural ou de uma história em quadrinhos, para fins de instrumento de avaliação. Para encerrar este conteúdo, solicite que, para a próxima aula, os alunos realizem a atividade Lição de casa e leiam a seção Você sabia?. Kevin R. Morris/Bohemian Nomad Picturemakers/Corbis/Latinstock Album/Akg-Images/Latinstock Figura 2 Corrida com obstáculos masculina. Figura 3 Corrida com barreiras feminina. 14

16 Educação Física 7ª série/8º ano Volume 1 Divulgando os resultados da pesquisa O atletismo é uma das modalidades esportivas que vem projetando o Brasil nas competições internacionais, por isso merece maior divulgação. De posse das informações que vocês pesquisaram, conversem com os colegas dos outros grupos e troquem informações com eles. Que tal fazer uma reportagem, uma HQ (história em quadrinhos) ou um mural para divulgar um pouco mais as provas dessa modalidade esportiva? Eu sou o artista... o poeta... o escritor... Você fez pesquisas sobre as corridas com barreiras e com obstáculos e também sobre lançamentos e arremessos. Faça uma seleção de imagens (da internet, de revistas ou de jornais) sobre corridas com barreiras e com obstáculos, lançamentos e arremessos. Caso prefira, desenhe você mesmo as imagens. Escolha a forma que desejar para expressar a mensagem do conjunto das imagens que você selecionou ou desenhou sobre as provas de atletismo estudadas neste volume. Pode ser um desenho, uma história em quadrinhos, um poema, uma história, uma maquete, a letra de uma música ou outra forma de expressão. Peça ajuda a professores e amigos se for necessário. Após a realização desta atividade, convide outros colegas de turma para fazer uma sessão de apresentação dos trabalhos criados por vocês. Você sabia? Há diferenças entre as corridas de velocidade e as corridas com barreiras? CORRIDAS DE VELOCIDADE 100 m rasos 200 m rasos 400 m rasos Saída Aceleração Passada Agência Istoé Chegada CORRIDAS COM BARREIRAS 100 m barreira 400 m barreira 110 m barreira m obstáculos Ação: BARREIRAS Fonte: ISTOÉ Online. Set

17 As provas de campo, de arremessos e lançamentos masculinas e femininas têm diferenças quanto aos implementos utilizados. Por exemplo, o martelo usado pelos homens pesa 7,26 kg e o usado pelas mulheres pesa 4 kg. Confira as características desses implementos. Agência Istoé A EQUIPE Todas as provas acontecem na zona central do estádio. 1 O DISCO 1 3 Jaula: lançamento é realizado dentro o em frente dos lançadores O MARTELO Comprimento Empunhadura: Diâmetro: de 10 a de ferro sólido Homens Ponta de metal Mulheres 2 O DARDO De metal ou madeira. 4 O PESO Homens 10 cm Mulheres Fonte: ISTOÉ Online. Set Deve-se atentar para a boa utilização de todo material empregado nas aulas de atletismo, principalmente, quando fazemos adaptações para que os alunos possam saltar e transpor barreiras e obstáculos com segurança. Aproveite mais esse momento para que os alunos com alguma deficiência possam demonstrar todas as suas potencialidades. Portanto, é importante que eles elaborem, com você, as estratégias de utilização dos materiais. Os alunos costumam ser destemidos, por isso, é preciso conscientizá-los de que, para testar seus limites, também precisam pensar na segurança. Da mesma forma, essa recomendação vale para arremessos e lançamentos. É sempre prudente alertar: Cuidado! Lá vem um disco, um dardo (lança) e uma bola pesada!. 16

18 Educação Física 7ª série/8º ano Volume 1 Conexão Editorial Figura 4 Corrida com obstáculos. ATIVIDADE AVALIADORA Após a atividade relacionada às corridas com barreiras e obstáculos, solicite aos alunos uma análise sobre as dificuldades individuais em sua realização, além de sugestões de variações para minimizar tais dificuldades. Observe a participação dos alunos na discussão. Poderá ser avaliada, também, a apresentação das pesquisas solicitadas. Tomando por base as características gerais de medidas (formato, peso, tamanho, altura etc.) das barreiras e dos obstáculos, os alunos poderão formar grupos para elaborar e construir tais implementos. Os próprios alunos poderão apresentar alguns critérios para avaliar os materiais confeccionados segundo sua praticidade e originalidade (criatividade), bem como em relação ao ambiente, entre outros aspectos. PROPOSTA DE SITUAÇÕES DE RECUPERAÇÃO Durante o percurso pelas várias etapas da Situação de Aprendizagem, alguns alunos poderão não apreender os conteúdos da forma esperada. É necessário, então, professor, que novas Situações de Aprendizagem sejam propostas, permitindo ao aluno revisitar o processo de outra maneira. Tais estratégias podem ser desenvolvidas durante as aulas ou em outros momentos, individualmente ou em pequenos grupos, com todos os alunos ou apenas os que apresentaram dificuldades. Por exemplo: roteiro de estudos com perguntas norteadoras elaboradas por você, para posterior apresentação por escrito; 17

19 apreciação e análise de filmes ou documentários, orientadas por você, professor; apreciação e registro, por parte do aluno, de movimentos próprios e dos colegas; pesquisas em sites ou em outras fontes, para posterior apresentação e análise; elaboração e apresentação (desenhos ou maquetes) de pequenos circuitos de corridas com barreiras e obstáculos, a partir de referenciais e elementos sugeridos por você, professor; resolução de outras situações-problema, não contempladas na Atividade Avaliadora, referentes a técnicas e táticas das corridas com barreiras e obstáculos; atividade-síntese de um determinado conteúdo em que as várias atividades serão refeitas e discutidas posteriormente (por exemplo: circuito que contemple diferentes provas de corridas com barreiras e obstáculos); avaliação com questões de múltipla escolha referentes à história e à evolução técnica das provas com barreiras e obstáculos, ou elaboração, por parte dos alunos, de um jogo de perguntas e respostas. SITUAÇÃO DE APRENDIZAGEM 2 BOLA ARREMESSADA AO CESTO OU AO GOL Perceber a realização de determinados movimentos não é uma tarefa simples se não formos incentivados e sensibilizados a fazê- -lo. Arremessar e lançar são movimentos que caracterizam algumas modalidades esportivas, como o basquetebol ou o handebol, por exemplo, mas como perceber, identificar e associar os movimentos arremesso e lançamento caracte rísticos do atletismo e presentes em outras modalidades esportivas? Os alunos realizarão diferentes possibilidades de arremessos e lançamentos com bolas de diversos tamanhos e pesos, além de outros objetos como argolas e bambolês. Em seguida, serão motivados a analisar e comparar as provas de arremesso e lançamentos do atletismo e a perceber os diferentes estilos do Se-Movimentar, considerando as possíveis adaptações de espaços e materiais como forma de compreender a evolução da técnica e das regras. Conteúdo e temas: adaptação e adequação de espaços e materiais para a prática de arremesso e lançamentos; formas e estilos de deslocamentos para o arremesso e lançamentos; arremesso de peso e lançamentos de disco, dardo e martelo: processo histórico, evolução técnica e principais regras. Competências e habilidades: identificar os princípios técnicos relacionados às provas de arremesso e lançamentos; identificar e perceber a presença das diferentes possibilidades de arremesso e lançamentos em outras modalidades esportivas; identificar diferentes formas de arremesso e lançamentos; reconhecer qual estilo de arremesso permite maior facilidade de execução; apontar diferenças e semelhanças entre as três modalidades de lançamentos; adaptar e selecionar locais para realizar os diferentes tipos de arremesso e lançamento. Sugestão de recursos: bolas diversas de borracha, de folhas de jornal, de tênis, basquetebol, futsal, voleibol, handebol, medicine ball; bastonetes de giz; argolas; arcos ou bambolês; frisbee; corda; cabos de vassouras. 18

20 Educação Física 7ª série/8º ano Volume 1 Desenvolvimento da Situação de Aprendizagem 2 Etapa 1 Quero ver quem consegue! Pergunte aos alunos: É possível que uma pessoa posicionada de costas, em relação à tabela do basquete ou à trave do handebol, acerte a cesta ou o gol? Como tais arremessos podem ser realizados? Sugira aos alunos que se organizem em dois grupos. Inicialmente, os integrantes de cada grupo, posicionados de costas para a tabela de basquete ou para o gol do handebol, próximos ao centro da quadra, tentarão acertar a cesta ou o gol arremessando diferentes tipos de bola (basquetebol, futsal, vôlei, handebol, borracha ou folhas de jornal). Oriente-os para que os arremessos sejam realizados acima da cabeça, com ambas as mãos. Solicite aos alunos que identifiquem qual pé posicionado à frente lhes permite maior apoio no momento do arremesso. Após experimentar distâncias variadas e diferentes tipos de bola, os alunos tentarão novos arremessos. Na primeira tentativa, eles devem ficar de frente para a cesta ou para o gol, executando o arremesso por sobre a cabeça e, posteriormente, a partir do tórax (passe de peito). Oriente-os para que recuperem as bolas somente após todas terem sido arremessadas, para que não sejam atingidos durante a atividade. Solicite aos alunos a elaboração de variações na realização da atividade, estabelecendo novas metas ou alvos para os arremessos. Etapa 2 Jogo das argolas e lanças Utilizando arcos, bambolês, argolas ou mangueiras cortadas e presas em forma de círculos, cabos de vassouras ou folhas de jornal enroladas, proponha aos alunos que experimentem diferentes formas de lançamento tentando acertá-los ou encaixá-los em alvos como cones, garrafas PET cheias de areia, bolas, postes de voleibol ou varas fixadas ao chão, distribuídos na quadra ou pátio. Após livre experimentação, sugira variações quanto ao distanciamento em relação aos alvos e algumas propostas de deslocamentos, como a realização de semigiros (semelhante ao que ocorre no lançamento de disco) e giros completos (como no lançamento de martelo) e também a corrida com um objeto em punhado (como no lançamento de dardo), permitindo aos alunos identificar a melhor forma de atingir a meta. Dentre os implementos ou objetos a serem manipulados, o disco é o que pode oferecer ao aluno maior dificuldade no que se refere à técnica, mas isso pode ser superado quando desafios são lançados aos alunos: O dardo foi lançado como uma lança, como se estivéssemos caçando? O martelo foi lançado como se estivéssemos atingindo um objeto no ar? O peso, como se estivéssemos arremessando uma pedra para bem longe? E como se deve lançar o disco? Na utilização do dardo, é importante que os alunos sejam auxiliados a perceber a relação entre o corredor de lançamento (área de lançamento) e a área ou o alvo. Pode-se relacionar a velocidade, a força e o equilíbrio necessários antes, durante e após a execução. Na falta do objeto específico, o aluno poderá simular o lançamento de dardo com objetos que permitam perceber a trajetória do dardo e comparar com outros objetos lançados anteriormente, para verificar se há diferença. Por exemplo: Qual é a diferença ao lançar uma bola e um cabo de vassoura? Que tipos de ajuste são necessários para cada tipo de lançamento? Os objetos manipulados 19

21 sofrem interferência de que tipo? Há diferença entre manipular e lançar uma bola e um cabo de vassoura? Não há por que temer o ensino do lançamento de martelo, se forem estabelecidas as orientações de segurança, pois é um dos implementos mais fáceis de ser adaptado. Essa é uma das provas que requer intervenção de sua parte quanto ao nível de complexidade no momento de execução, com combinação de giros e lançamentos. Por isso, é importante sugerir diferentes formas de giros, orientar para percepção dos movimentos axiais, propor a execução de giros com apenas uma das mãos pelo lado direito e depois, pelo esquerdo, bem como lançamentos sem giros e com giros com a mão direita, com a mão esquerda e com ambas as mãos (alternando saída pelo lado direito e lado esquerdo). Uma possibilidade de vivência prática é utilizar uma bola de handebol dentro de uma sacola plástica (fixada com um nó). Segurando nas alças, o aluno poderá realizar as variações sugeridas até a execução do lançamento. Em relação ao arremesso de peso, pode-se colocar o aluno de costas para a rede de voleibol, com uma bola sobre o ombro, amparada pela mão correspondente. Peça para o aluno executar meio giro e arremessar a bola por cima da rede. Além de sugerir essas práticas, é preciso fazer questionamentos a todo momento, tais como: Quais são as capacidades físicas envolvidas na realização do lançamento do martelo? O movimento ou lançamento realizado pode ser comparado ao movimento de lançamento do dardo ou arremesso do peso? Quais são as semelhanças e as diferenças? Nas competições esportivas oficiais para ambos os gêneros, as provas dessa modalidade são constituídas de: arremesso de peso, lançamento de disco, lançamento de martelo e lançamento de dardo. Etapa 3 Perceber e compreender o arremesso Procure questionar os alunos se conseguem identificar quais estratégias são necessárias para arremessar mais longe ou mais alto e também se percebem as dificuldades que encontram ao arremessar ou lançar e a que as atribuem. Sugira aos alunos que observem e relacionem as semelhanças e as diferenças entre o arremesso realizado no atletismo e os arremessos realizados em outros esportes, para posterior análise em grupo. Feminino Masculino Adaptação Imagem Peso 4 kg 7,26 kg Nas competições oficiais, cada atleta tem direito a três arremessos. Os arremessos são realizados dentro de uma área própria com 2,13 m de diâmetro. Bolas ou medicine ball. Planet News Archive/SSPL/Getty Images 20

22 Educação Física 7ª série/8º ano Volume 1 Feminino Masculino Adaptação Imagem Disco Martelo Dardo 1 kg e 18 cm de diâmetro 2 kg e 22 cm de diâmetro Nas provas oficiais, cada lançador tem direito a três lançamentos. O lançamento é realizado dentro de um círculo com 2,5 m com uma gaiola de proteção de, aproximadamente, 4 m de altura. 4 kg 7,26 kg É constituído por cabeça (esfera concreta), cabo e empunhadura. Aqui também há uma gaiola de segurança a fim de proteger os espectadores. 600 g e comprimento entre 2,20 m e 2,30 m 800 g e comprimento entre 2,60 m e 2,70 m Os lançamentos de dardo são realizados em um corredor com 4 m de largura e, aproximadamente, 36,5 m de comprimento. O dardo é constituído por cabeça (ponta que atinge o chão primeiro), corpo e empunhadura (local onde o lançador manipula e segura o dardo). Tampas redondas de vasilhas plásticas ou um frisbee. Bola amarrada a uma corda ou presa dentro de uma meia. Cabo de vassoura ou folhas de jornal enroladas. Dimitri Iundt/TempSport/Corbis/Latinstock Jun Tsukida/Aflo Sport/Latinstok Patrik Giardino/Corbis/Latinstok 21

23 Etapa 4 Olha o arremesso! Olha o lançamento! Lá vem bola! Oriente os alunos a formarem dois grupos (preferencialmente, com meninas e meninos) dispostos em lados opostos de uma quadra de voleibol, ou área correspondente, em cujo centro serão dispostas bolas pesadas (bolas de exercício, medicine ball, bolas de basquete ou de futsal). A partir da linha central, serão traçadas duas linhas (uma de cada lado), distantes de 3 a 4 metros do centro, as quais limitarão a chamada zona de tiro. Os integrantes de cada equipe, de posse de bolas mais leves que as do centro (de borracha, de tênis ou de meia), tentarão deslocar (lançar ou atirar) as bolas localizadas no centro para além do limite da zona de lançamento ou de tiro do lado adversário. Todas as vezes que as bolas do centro ultrapassarem os limites da zona de tiro, deverão ser recolocadas no centro. Uma alternativa para esta atividade é oferecer alvos móveis aos atiradores, fazendo que bolas de basquete ou de handebol atravessem o centro da quadra ou do pátio, rolando no chão ou quicando. Cordas ou bastonetes de giz podem ser úteis para demarcar os arremessos feitos pelos alunos, para que estes tenham a noção de quanto estão conseguindo acertar e, assim, estabelecer metas individuais e coletivas (grupos), além de perceber a influência de certas capacidades físicas nos arremessos de peso (essa informação será útil também para os lançamentos). O lançamento de disco e o arremesso de peso apresentam uma particularidade no que se refere às mulheres. Em meados da década de 1920, essas provas contaram, pela primeira vez, com a participação feminina, fato que coincide com o movimento de emancipação deflagrado na França (berço do movimento). A prova feminina de lançamento de disco foi incluída nos Jogos Olímpicos de Amsterdã, em No Brasil, qual é o histórico do lançamento de disco? Quando essa modalidade começou a ser praticada? Vocês já ouviram falar da famosa estátua Discóbolo, de Míron? Pirozzi/Album/akg-images/Latinstock Figura 5 Discóbolo, de Míron. 22

24 Educação Física 7ª série/8º ano Volume 1 Etapa 5 Perceber e compreender o lançamento Procure questionar os alunos se conseguem identificar: as estratégias necessárias para lançar mais longe ou as dificuldades que encontram ao lançarem e a que as atribuem; as diferenças ou semelhanças entre os três tipos de lançamentos do atletismo; as diferenças ou semelhanças entre os lançamentos do atletismo com os realizados em outras modalidades esportivas e que características dos objetos lançados (peso, formato e dimensão) influenciaram os resultados conquistados por meninas e meninos. Sugira aos alunos que observem e relacionem semelhanças e diferenças entre os lançamentos realizados no atletismo e aqueles observados em outros esportes, para posterior análise em grupo. Professor, aproveite e apresente, durante a Situação de Aprendizagem, informações referentes à existência das provas combinadas (masculinas e femininas), que podem servir como possibilidades a serem vivenciadas em um festival na escola. Tais informações permitem aos alunos tomar conhecimento de outras provas do atletismo que contemplam as vivências realizadas. Provas combinadas Corridas com barreiras e obstáculos, arremessos, lançamentos e saltos Feminina Heptatlo Masculina Decatlo 1 o dia: 100 m com barreiras, salto em altura, arremesso de peso e 200 m rasos. 2 o dia: salto em distância, lançamento de dardo e 800 m rasos. 1 o dia: 100 m rasos, salto em distância, arremesso de peso, salto em altura e 400 m rasos. 2 o dia: 110 m com barreiras, arremesso de disco, salto com vara, lançamento de dardo e 1500 m rasos. Professor, instrua os alunos para que realizem as atividades Desafio! e Você aprendeu?, que constam no Caderno do Aluno, para retomar o que foi estudado sobre o tema Esporte Modalidade individual: Atletismo. Desafio! As fotos a seguir são relacionadas às seguintes provas do atletismo: ( A ) lançamento de martelo. ( B ) corrida com obstáculos. ( C ) arremesso de peso. ( D ) lançamento de disco. ( E ) lançamento de dardo. ( F ) corrida com barreiras. Indique nos parênteses a letra correspondente a cada imagem: 23

25 1. ( C ) 2. ( F ) 3. ( A ) 4. ( B ) 5. ( B ) 6. ( F ) Dimitri Iundt/TempSport/ Corbis/Latinstock Patrick Giardino/ Corbis/Latinstock Jun Tsukida/Aflo Sport/ Latinstock Bohemian Nomad Picturemakers/ Corbis-Latinstock Michael Steele/Getty Images B. Pepone/zefa/Corbis/Latinstock Mark A. Johnson/ Corbis/Latinstock Photolibrary/Latinstock 7. ( E ) 8. ( D ) 24

26 Educação Física 7ª série/8º ano Volume 1 1. Nas corridas com barreiras, os atletas: I têm que saltar as barreiras; II só são desclassificados quando derrubam, deliberadamente, uma barreira; III transpõem um total de 10 barreiras; IV masculinos percorrem 110 metros ou 400 metros. Dessas alternativas, estão corretas: a) I e II apenas. b) II e III apenas. c) III e IV apenas. d) I e IV apenas. e) I, II, III e IV. 2. A corrida com obstáculos: I inclui saltar fossos com água; II tem m; III não tem raias específicas; IV é prova tanto masculina como feminina. Dessas alternativas, estão corretas: a) I, II e III apenas. b) II, III e IV apenas. c) I, III e IV apenas. d) I, II e IV apenas. e) I, II, III e IV. 3. Entre as provas combinadas (decatlo e heptatlo) estão as de corrida com barreira. Corresponde a um dos eventos do decatlo: a) 100 m com barreira. b) 110 m com barreira. c) 400 m. d) 800 m. e) m com obstáculos. 4. Dos objetos citados, qual é usado na prova denominada arremesso? a) peso. b) dardo. c) martelo. d) disco. 5. Entre as diferentes provas de arremesso e lançamento, a que tem a marca mundial de maior distância é a de: a) peso. b) dardo. c) martelo. d) disco. ATIVIDADE AVALIADORA Poderão ser analisadas a apresentação e a discussão das pesquisas solicitadas sobre as semelhanças e as diferenças entre os arremessos e lançamentos realizados no atletismo e em outras modalidades esportivas. Ao término das vivências relacionadas, observe a participação dos alunos na elaboração de outras atividades associadas ao tema, adequando-as aos espaços alternativos presentes na escola. 25

27 A criatividade dos alunos na elaboração ou confecção de materiais e implementos alternativos, a serem utilizados nos lançamentos, também poderá ser avaliada. Verifique se os alunos têm condições de adaptar objetos do cotidiano e criar ou recriar os implementos para os lançamentos e arremessos. Sugira materiais adaptados: sacos com areia amarrados com corda (martelo), cabos de vassoura e folhas de jornal enroladas (dardo), tampas redondas de recipientes plásticos (disco). Considerando as distâncias alcançadas pelos implementos lançados no atletismo, oriente os alunos a pesquisar possíveis espaços em sua escola onde seja possível realizá-los. A partir da identificação das características gerais (formato, peso, tamanho etc.) dos objetos utilizados nas provas de arremesso e lançamentos, proponha aos alunos que se agrupem para a confecção desses objetos utilizando material alternativo. As adaptações podem ser avaliadas, pois fazê-las requer dos alunos a mobilização dos conhecimentos elaborados durante a Situação de Aprendizagem. PROPOSTA DE SITUAÇÕES DE RECUPERAÇÃO Durante o percurso pelas várias etapas da Situação de Aprendizagem, alguns alunos poderão não apreender os conteúdos da forma esperada. É necessário, então, professor, que novas Situações de Aprendizagem sejam propostas, permitindo ao aluno revisitar o processo de outra maneira. Tais estratégias podem ser desenvolvidas durante as aulas ou em outros momentos, individualmente ou em pequenos grupos, envolvendo todos os alunos ou apenas os que apresentaram dificuldades. Por exemplo: roteiro de estudos com perguntas norteadoras elaboradas por você, para posterior apresentação por escrito; apreciação e análise de filmes ou documentários, orientadas por você; apreciação e registro, por parte do aluno, de movimentos próprios e dos colegas; elaboração e apresentação (pode-se optar por registro escrito, representação gráfica, produção de artefato audiovisual etc.) de exercícios e jogos que envolvam o arremesso e os lançamentos, a partir de referenciais e elementos sugeridos pelo professor; pesquisas em sites ou em outras fontes, para posterior apresentação e análise; resolução de outras situações-problema, não contempladas na Atividade Avaliadora, referentes a técnicas e táticas do arremesso e dos lançamentos; atividade-síntese de um determinado conteúdo em que as várias atividades serão refeitas em uma única aula e discutidas posteriormente (por exemplo: circuito que contemple diferentes possibilidades de arremesso e lançamentos); avaliação com questões de múltipla escolha referentes à história e à evolução técnica das provas com barreiras e obstáculos ou elaboração, por parte dos alunos, de um jogo de perguntas e respostas. Professor, leia agora com a classe a seção Aprendendo a aprender, do Caderno do Aluno. Procure mostrar aos seus alunos que se trata de um texto com informações extras, o qual não está diretamente ligado às Situações de Aprendizagem. Caso haja necessidade, você pode contextualizar a informação utilizando-se de seus próprios conhecimentos. 26

O PLANEJAMENTO E DESENVOLVIMENTO DAS AULAS DE JOGOS ESPORTIVOS COLETIVOS EM ESCOLAS DO CEAGB

O PLANEJAMENTO E DESENVOLVIMENTO DAS AULAS DE JOGOS ESPORTIVOS COLETIVOS EM ESCOLAS DO CEAGB ISSN: 1981-3031 O PLANEJAMENTO E DESENVOLVIMENTO DAS AULAS DE JOGOS ESPORTIVOS COLETIVOS EM ESCOLAS DO CEAGB Wagner Tenorio Cavalcante Brito Medeiros¹ Eriberto José Lessa de Moura² RESUMO Existe um vasto

Leia mais

III FESTIVAL DE ATLETISMO ESCOLAR DE SANTARÉM

III FESTIVAL DE ATLETISMO ESCOLAR DE SANTARÉM PREFEITURA MUNICIPAL DE SANTARÉM SECRETARIA MUNICIPAL DE EDUCAÇÃO E DESPORTO SEMED ASSESSORIA DE ESPORTE E LAZER Av. Borges Leal, n o 2.561D CEP 68.040-080 Santarém-PA Fone: (93) 3522-2594 CGC 05.182.233/0010-67

Leia mais

EDUCAÇÃO FÍSICA Conteúdo de prova 5ª etapa 6º ano Fundamental

EDUCAÇÃO FÍSICA Conteúdo de prova 5ª etapa 6º ano Fundamental EDUCAÇÃO FÍSICA Conteúdo de prova 5ª etapa 6º ano Fundamental ATLETISMO - Corridas A prática das corridas envolvem basicamente o bom condicionamento físico do atleta. Nas provas oficiais as corridas dividem-se

Leia mais

1. Pedagogia do esporte: características e princípios básicos

1. Pedagogia do esporte: características e princípios básicos Introdução Atualmente, o esporte possui enorme popularidade no cenário mundial, o que leva milhões de crianças e adolescentes a praticá-lo em alguma escola de iniciação esportiva. Dentre as inúmeras modalidades

Leia mais

Balanço da 5ª Unidade de Ensino

Balanço da 5ª Unidade de Ensino Mestrado em Ensino da Educação Física nos Ensinos Básico e Secundário Estágio Pedagógico de Educação Física e Desporto 2012/2013 Balanço da 5ª Unidade de Ensino Orientador de Estágio: Profª Ana Severo

Leia mais

ATLETISMO. Osvaldo Tadeu da Silva Junior

ATLETISMO. Osvaldo Tadeu da Silva Junior ATLETISMO Osvaldo Tadeu da Silva Junior OBJETIVO DA DISCIPLINA Conhecer, compreender e analisar os processos de ensino aprendizagem e treinamento das corridas; Conhecer, compreender e analisar os processos

Leia mais

Cartões de recurso pedagógico

Cartões de recurso pedagógico Cartões de recurso pedagógico Movimentações e habilidades 1. Movimentação - Sem bola 2. Adaptação à bola - Manipulação da bola 3. Movimentação - Com bola 4. Habilidades de lançamento - Rolamento 5. Habilidades

Leia mais

R E G U L A M E N T O 2 0 0 6

R E G U L A M E N T O 2 0 0 6 CAMPEONATOS BRASILEIROS CAIXA DE ATLETISMO DE MENORES XXXIII Masculino e Feminino R E G U L A M E N T O 2 0 0 6 Emitido em 15/02/06 Art. 1º - Os CAMPEONATOS BRASILEIROS DE ATLETISMO DE MENORES têm por

Leia mais

NORMA 12. CATEGORIAS OFICIAIS DO ATLETISMO BRASILEIRO POR FAIXA ETÁRIA Aprovada pela Assembleia Geral em 26.04.2014 Atualizada em 19.02.

NORMA 12. CATEGORIAS OFICIAIS DO ATLETISMO BRASILEIRO POR FAIXA ETÁRIA Aprovada pela Assembleia Geral em 26.04.2014 Atualizada em 19.02. NORMA 12 CATEGORIAS OFICIAIS DO ATLETISMO BRASILEIRO POR FAIXA ETÁRIA Aprovada pela Assembleia Geral em 26.04.2014 Atualizada em 19.02.2015 Art. 1º - As categorias e respectivas faixas etárias da Confederação

Leia mais

V. REGULAMENTAÇÃO RELATIVA À HOMOLOGAÇÃO DE RECORDES DE PORTUGAL, RECORDES NACIONAIS E RECORDES NACIONAIS DE ESTRADA

V. REGULAMENTAÇÃO RELATIVA À HOMOLOGAÇÃO DE RECORDES DE PORTUGAL, RECORDES NACIONAIS E RECORDES NACIONAIS DE ESTRADA V. REGULAMENTAÇÃO RELATIVA À HOMOLOGAÇÃO DE RECORDES DE PORTUGAL, RECORDES NACIONAIS E RECORDES NACIONAIS DE ESTRADA A. Homologação de Recordes de Portugal 1. GENERALIDADES Para que uma marca possa ser

Leia mais

ORIENTAÇÕES PARA O ACOMPANHAMENTO DA INTERVENÇÃO PEDAGÓGICA

ORIENTAÇÕES PARA O ACOMPANHAMENTO DA INTERVENÇÃO PEDAGÓGICA DOCUMENTO ORIENTADOR CGEB Nº 11 DE 2014 COORDENADORIA DE GESTÃO DA EDUCAÇÃO BÁSICA ORIENTAÇÕES PARA O ACOMPANHAMENTO DA INTERVENÇÃO PEDAGÓGICA SÃO PAULO JUNHO DE 2014 Governador Geraldo Alckmin Vice-Governador

Leia mais

O ENSINO DO HANDEBOL NA ESCOLA: UMA PROPOSTA DE SISTEMATIZAÇÃO DOS CONTEÚDOS

O ENSINO DO HANDEBOL NA ESCOLA: UMA PROPOSTA DE SISTEMATIZAÇÃO DOS CONTEÚDOS O ENSINO DO HANDEBOL NA ESCOLA: UMA PROPOSTA DE SISTEMATIZAÇÃO DOS CONTEÚDOS Resumo Scheila Medina 1 - PUCPR Luís Rogério de Albuquerque 2 - PUCPR Grupo de Trabalho - Didática: Teorias, Metodologias e

Leia mais

ATLETISMO. Alyne Rayane

ATLETISMO. Alyne Rayane ATLETISMO Alyne Rayane O QUE É ATLETISMO? O atletismo é um conjunto de esportes constituído por três modalidades: corrida, lançamentos e saltos. ATLETISMO QUANDO SURGIU? Atletismo tempo dos ancestrais;

Leia mais

A Matemática entra em Campo

A Matemática entra em Campo A Matemática entra em Campo José AyslanCarlos Monteiro (1) ; RoselaniMaas (2) ; Sandra Aparecida Silva (3) ;Margaret Aparecida Carvalho (4) (1) Professor orientador de Educação Física da EEB Dr. Hermann

Leia mais

Disciplina: Educação Física abril de 2015

Disciplina: Educação Física abril de 2015 INFORMAÇÃO PROVA DE EQUIVALÊNCIA À FREQUÊNCIA Disciplina: Educação Física abril de 2015 Prova 2015 2.º Ciclo do Ensino Básico O presente documento divulga informação relativa à prova de equivalência à

Leia mais

CENSO ESCOLAR ESTADO DE SÃO PAULO INFORME 2014

CENSO ESCOLAR ESTADO DE SÃO PAULO INFORME 2014 GOVERNO DO ESTADO DE SÃO PAULO SECRETARIA DE ESTADO DA EDUCAÇÃO COORDENADORIA DE INFORMAÇÃO, MONITORAMENTO E AVALIAÇÃO EDUCACIONAL CENSO ESCOLAR ESTADO DE SÃO PAULO INFORME Governador do Estado de São

Leia mais

PLANEJAMENTO DE AULA 2010 EDUCAÇÃO FÍSICA PROFESSOR MARCIO LUIZ DALMOLIN

PLANEJAMENTO DE AULA 2010 EDUCAÇÃO FÍSICA PROFESSOR MARCIO LUIZ DALMOLIN COLÉGIO ESTADUAL PEDRO ARAUJO NETO PLANEJAMENTO DE AULA 2010 EDUCAÇÃO FÍSICA PROFESSOR MARCIO LUIZ DALMOLIN GENERAL CARNEIRO 2010 OBJETIVOS GERAIS DA DISCÍPLINA Proporcionar ao aluno a cultura corporal

Leia mais

PLANO DE AÇÃO ESCOLAS PRIORITÁRIAS - 2014

PLANO DE AÇÃO ESCOLAS PRIORITÁRIAS - 2014 DOCUMENTO ORIENTADOR CGEB Nº 02 DE 2014 COORDENADORIA DE GESTÃO DA EDUCAÇÃO BÁSICA PLANO DE AÇÃO ESCOLAS PRIORITÁRIAS - 2014 SÃO PAULO MARÇO DE 2014 Governador Geraldo Alckmin Vice-Governador Guilherme

Leia mais

GOVERNO DO ESTADO DE SÃO PAULO

GOVERNO DO ESTADO DE SÃO PAULO GOVERNO DO ESTADO DE SÃO PAULO Governador Geraldo Alckmin Vice-Governador Guilherme Afif Domingos Secretário da Educação Herman Voorwald Secretária-Adjunta Cleide Bauab Eid Bochixio Chefe de Gabinete Fernando

Leia mais

INFORMATIVO 2015 GRUPO 3

INFORMATIVO 2015 GRUPO 3 INFORMATIVO 2015 GRUPO 3 3 Considerar a criança como sujeito é levar em conta, nas relações que com ela estabelecemos, que ela tem desejos, ideias, opiniões, capacidade de decidir, de criar, e de inventar,

Leia mais

GOVERNO DO ESTADO DE SÃO PAULO SECRETARIA DE ESTADO DA EDUCAÇÃO COORDENADORIA DE INFORMAÇÃO, MONITORAMENTO E AVALIAÇÃO EDUCACIONAL

GOVERNO DO ESTADO DE SÃO PAULO SECRETARIA DE ESTADO DA EDUCAÇÃO COORDENADORIA DE INFORMAÇÃO, MONITORAMENTO E AVALIAÇÃO EDUCACIONAL GOVERNO DO ESTADO DE SÃO PAULO SECRETARIA DE ESTADO DA EDUCAÇÃO COORDENADORIA DE INFORMAÇÃO, MONITORAMENTO E AVALIAÇÃO EDUCACIONAL DESEMPENHO ESCOLAR ESTADO DE SÃO PAULO Governador do Estado de São Paulo

Leia mais

TEMA : O Basquetebol

TEMA : O Basquetebol TRABALHO PARA A DISCIPLINA DE EDUCAÇÃO FÍSICA TEMA : O Basquetebol Trabalho realizado por: David Carreira Ribeiro Pág.1 ÍNDICE 1 INTRODUÇÃO BREVE ENQUADRAMENTO HISTÓRICO....... 1 2 CARACTERISTICAS GERAIS

Leia mais

É constituída por 12 jogadores: -6 jogadores efetivos -6 jogadores suplentes -Até 2 líberos

É constituída por 12 jogadores: -6 jogadores efetivos -6 jogadores suplentes -Até 2 líberos Regras básicas de vôlei Vôlei é um desporto praticado numa quadra dividida em duas partes por uma rede, possuindo duas equipes de seis jogadores em cada lado. O objetivo da modalidade é fazer passar a

Leia mais

UM EVENTO EM EQUIPA PARA CRIANÇAS

UM EVENTO EM EQUIPA PARA CRIANÇAS ASSOCIAÇÃO INTERNACIONAL DAS FEDERAÇÕES DE ATLETISMO IAAF UM EVENTO EM EQUIPA PARA CRIANÇAS GUIA PRÁTICO PARA ANIMADORES DE EVENTOS 1 Grupo de Trabalho de Atletismo Juvenil IAAF Björn Wangemann (IAAF)

Leia mais

ROTEIRO DE RECUPERAÇÃO FINAL DE FÍSICA

ROTEIRO DE RECUPERAÇÃO FINAL DE FÍSICA ROTEIRO DE RECUPERAÇÃO FINAL DE FÍSICA Nome: Nº 9º ano Data: / / 2015 Professor: Boniek Nota: A - Introdução Leia, atentamente, este roteiro, pois ele resgata conteúdos essenciais para o prosseguimento

Leia mais

A Proposta da IAAF 03. Campeonato para 13-15 anos de idade 03. Formato da Competição 04. Organização da Competição 05.

A Proposta da IAAF 03. Campeonato para 13-15 anos de idade 03. Formato da Competição 04. Organização da Competição 05. Índice: A Proposta da IAAF 03 Campeonato para 3-5 anos de idade 03 Formato da Competição 04 Organização da Competição 05 Resultados 06 Arbitragem necessária para o Evento 07 Preparação do Equipamento Necessário

Leia mais

O HANDEBOL NO ENSINO MÉDIO

O HANDEBOL NO ENSINO MÉDIO O HANDEBOL NO ENSINO MÉDIO Derli Juliano Neuenfeldt 1 Cláudia Barth 2 Ricardo Caron Taís P. Cordeiro RESUMO Este trabalho, que fez parte da disciplina de Handebol I, caracteriza-se como um exercício de

Leia mais

IV JOGOS MUNICIPAIS DA TERCEIRA IDADE DE PORTO ALEGRE 1, 2 e 3 de julho de 2005 - Ginásio Tesourinha REGULAMENTO ESPECÍFICO. Módulo Competitivo

IV JOGOS MUNICIPAIS DA TERCEIRA IDADE DE PORTO ALEGRE 1, 2 e 3 de julho de 2005 - Ginásio Tesourinha REGULAMENTO ESPECÍFICO. Módulo Competitivo PREFEITURA MUNICIPAL DE PORTO ALEGRE SECRETARIA MUNICIPAL DE ESPORTES, RECREAÇÃO E LAZER IV JOGOS MUNICIPAIS DA TERCEIRA IDADE DE PORTO ALEGRE 1, 2 e 3 de julho de 2005 - Ginásio Tesourinha REGULAMENTO

Leia mais

TROFÉU BRASIL CAIXA DE ATLETISMO XXXIII Edição

TROFÉU BRASIL CAIXA DE ATLETISMO XXXIII Edição TROFÉU BRASIL CAIXA DE ATLETISMO XXXIII Edição Art. 1º - Art. 2º - Art. 3º - O Troféu Brasil de Atletismo é uma competição realizada anualmente que têm por propósito básico a difusão do Atletismo e a verificação

Leia mais

Um guia para elaboração de projetos em Educação Ambiental

Um guia para elaboração de projetos em Educação Ambiental Um guia para elaboração de projetos em Educação Ambiental Introdução Antes de mais nada, temos que ter claro que não existe uma receita pronta para a inserção da dimensão ambiental no currículo escolar,

Leia mais

1ºTorneio Bancário Society de Clubes Paulista REGULAMENTO 2015

1ºTorneio Bancário Society de Clubes Paulista REGULAMENTO 2015 REGULAMENTO 2015 1º Torneio Bancário Society de Clubes Paulista 2015, é uma promoção da Secretaria de Esporte do Sindicato dos Bancários, e tem por finalidade efetuar o congraçamento entre os bancários

Leia mais

CONCURSO PÚBLICO PARA PROVIMENTO DE CARGO EFETIVO PROFESSOR DE ENSINO BÁSICO, TÉCNICO E TECNOLÓGICO Edital 21/2015 Campus Rio Pomba FOLHA DE PROVA

CONCURSO PÚBLICO PARA PROVIMENTO DE CARGO EFETIVO PROFESSOR DE ENSINO BÁSICO, TÉCNICO E TECNOLÓGICO Edital 21/2015 Campus Rio Pomba FOLHA DE PROVA Tema 01: METODOLOGIA DO ENSINO DOS ESPORTES INDIVIDUAIS E COLETIVOS O ensino de esportes coletivos na Educação Física escolar deve ser balizado em princípios pedagógicos importantes como a diversidade,

Leia mais

A IMPORTÂNCIA ATRIBUÍDA PELO PEDAGOGO AO ENSINO DA MATEMÁTICA NOS ANOS INICIAIS. Palavras-chave: ensino-aprendizagem; Matemática; Anos Iniciais.

A IMPORTÂNCIA ATRIBUÍDA PELO PEDAGOGO AO ENSINO DA MATEMÁTICA NOS ANOS INICIAIS. Palavras-chave: ensino-aprendizagem; Matemática; Anos Iniciais. 1 A IMPORTÂNCIA ATRIBUÍDA PELO PEDAGOGO AO ENSINO DA MATEMÁTICA NOS ANOS INICIAIS Janaina de Carvalho Vieira da Silva, Faculdade Jesus Maria José, janainacarvieira@gmail.com Daniela Souza Lima, Faculdade

Leia mais

CADERNO DE ATIVIDADES PARA O PRIMEIRO ANO DO ENSINO FUNDAMENTAL DE NOVE ANOS: FERRAMENTA DE APOIO AO PROFESSOR DA CRIANÇA DE 6 ANOS.

CADERNO DE ATIVIDADES PARA O PRIMEIRO ANO DO ENSINO FUNDAMENTAL DE NOVE ANOS: FERRAMENTA DE APOIO AO PROFESSOR DA CRIANÇA DE 6 ANOS. CADERNO DE ATIVIDADES PARA O PRIMEIRO ANO DO ENSINO FUNDAMENTAL DE NOVE ANOS: FERRAMENTA DE APOIO AO PROFESSOR DA CRIANÇA DE 6 ANOS. Elaine Cristina Rodrigues Gomes Vidal. Gruhbas Projetos Educacionais

Leia mais

O ENSINO DO ATLETISMO NO CURSO DE LICENCIATURA EM EDUCAÇÃO FÍSICA À DISTÂNCIA: DESAFIOS E POSSIBILIDADES

O ENSINO DO ATLETISMO NO CURSO DE LICENCIATURA EM EDUCAÇÃO FÍSICA À DISTÂNCIA: DESAFIOS E POSSIBILIDADES O ENSINO DO ATLETISMO NO CURSO DE LICENCIATURA EM EDUCAÇÃO FÍSICA À DISTÂNCIA: DESAFIOS E POSSIBILIDADES Resumo Com o desenvolvimento das tecnologias de comunicação e informação a Educação à distância

Leia mais

VELOCIDADE, AGILIDADE, EQUILÍBRIO e COORDENAÇÃO VELOCIDADE

VELOCIDADE, AGILIDADE, EQUILÍBRIO e COORDENAÇÃO VELOCIDADE 1 VELOCIDADE, AGILIDADE, EQUILÍBRIO e COORDENAÇÃO VELOCIDADE - É a capacidade do indivíduo de realizar movimentos sucessivos e rápidos, de um mesmo padrão, no menor tempo possível. Força; Fatores que influenciam

Leia mais

O ENSINO DE MATEMÁTICA NA EDUCAÇÃO PROFISSIONALIZANTE- INDUSTRIAL NA VOZ DO JORNAL O ETV : ECOS DA REFORMA CAPANEMA

O ENSINO DE MATEMÁTICA NA EDUCAÇÃO PROFISSIONALIZANTE- INDUSTRIAL NA VOZ DO JORNAL O ETV : ECOS DA REFORMA CAPANEMA O ENSINO DE MATEMÁTICA NA EDUCAÇÃO PROFISSIONALIZANTE- INDUSTRIAL NA VOZ DO JORNAL O ETV : ECOS DA REFORMA CAPANEMA Antonio Henrique Pinto ahenriq@unicamp.br Introdução O ensino de matemática passou por

Leia mais

JOGOS LÚDICOS PARA AULAS DE EDUCAÇÃO FÍSICA

JOGOS LÚDICOS PARA AULAS DE EDUCAÇÃO FÍSICA JOGOS LÚDICOS PARA AULAS DE EDUCAÇÃO FÍSICA VOLUME 2 1 NOME DO JOGO: JOGOS DOS DEZ PASSES CONTEÚDOS: Passe ESPECIFICIDADE EM: Andebol; Basquetebol; Corfebol. MATERIAL NECESSÁRIO: Bolas; coletes OBJECTIVO

Leia mais

Estruturas de ensino dos esportes no Programa Segundo Tempo CAPÍTULO. cap2.indd 1 27/05/13 18:02

Estruturas de ensino dos esportes no Programa Segundo Tempo CAPÍTULO. cap2.indd 1 27/05/13 18:02 2 Estruturas de ensino dos esportes no Programa Segundo Tempo CAPÍTULO cap2.indd 1 27/05/13 18:02 cap2.indd 2 27/05/13 18:02 CONSIDERAÇÕES TEÓRICAS ESTRUTURA DO ENSINO DOS JEC Uma proposta de ensino dos

Leia mais

PROGRAMA INSTITUCIONAL DE BOLSA DE INICIAÇÃO À DOCÊNCIA - PIBID

PROGRAMA INSTITUCIONAL DE BOLSA DE INICIAÇÃO À DOCÊNCIA - PIBID PROGRAMA INSTITUCIONAL DE BOLSA DE INICIAÇÃO À DOCÊNCIA - PIBID DETALHAMENTO DO SUBPROJETO 1. Unidade: 2. Área do Subprojeto: Amambai 3. Curso(s) envolvido(s) na proposta: Interdisciplinar Obs.: Para proposta

Leia mais

Conteúdo de prova 2ª etapa 6º ano Fundamental

Conteúdo de prova 2ª etapa 6º ano Fundamental Conteúdo de prova 2ª etapa 6º ano Fundamental Jogos Populares Os jogos populares buscam resgatar jogos culturais e tradicionais de várias regiões do mundo. Vários costumes e acontecimentos na antiguidade

Leia mais

RELATO DE EXPERIÊNCIA RELATO DE EXPERIÊNCIA: DO ESTÁGIO SUPERVISIONADO À PROPOSTA DE UM PROJETO COM FOCO NA MULTIMODALIDADE

RELATO DE EXPERIÊNCIA RELATO DE EXPERIÊNCIA: DO ESTÁGIO SUPERVISIONADO À PROPOSTA DE UM PROJETO COM FOCO NA MULTIMODALIDADE RELATO DE EXPERIÊNCIA RELATO DE EXPERIÊNCIA: DO ESTÁGIO SUPERVISIONADO À PROPOSTA DE UM PROJETO COM FOCO NA MULTIMODALIDADE INTRODUÇÃO Patrícia Aparecida Mendes * Thiago Henrique da Silva ** A Geografia

Leia mais

Capítulo 9 Pesquisa e avaliação: como criar um ciclo de melhoramento

Capítulo 9 Pesquisa e avaliação: como criar um ciclo de melhoramento 99 Como Transformar a educação para a Seguinte Geração Capítulo 9 Pesquisa e avaliação: como criar um ciclo de melhoramento Introdução ao capítulo de Saul Rockman Presidente, Rockman et al @rockmaneval

Leia mais

GESTÃO DO CONHECIMENTO NO DESENVOLVIMENTO

GESTÃO DO CONHECIMENTO NO DESENVOLVIMENTO GESTÃO DO CONHECIMENTO NO DESENVOLVIMENTO DE COMPETÊNCIAS PROFISSIONAIS UTILIZANDO FERRAMENTAS DA EAD 04/2005 029-TC-C4 LANE PRIMO SENAC/CE laneprimo@aol.com C MÉTODOS E TECNOLOGIAS 4 EDUCAÇÃO CORPORATIVA

Leia mais

VOLEIBOL. 11. O Jogador que executa o saque, deve estar em qual posição? 1) Em que ano foi criado o voleibol? a) 1997. a) posição número 6.

VOLEIBOL. 11. O Jogador que executa o saque, deve estar em qual posição? 1) Em que ano foi criado o voleibol? a) 1997. a) posição número 6. VOLEIBOL 1) Em que ano foi criado o voleibol? a) 1997 b) 2007 c) 1996 d) 1975 e)1895 2. Quem inventou o voleibol? a) William G. Morgan b) Pelé c) Roberto Carlos d) Ronaldinho Gaúcho e) Michael Jackson

Leia mais

FÓRUM DE DISCUSSÃO COMO FERRAMENTA PARA A CONSTRUÇÃO DO CONHECIMENTO

FÓRUM DE DISCUSSÃO COMO FERRAMENTA PARA A CONSTRUÇÃO DO CONHECIMENTO FÓRUM DE DISCUSSÃO COMO FERRAMENTA PARA A CONSTRUÇÃO DO CONHECIMENTO Rose Madalena Pereira da Silva (Pedagoga e Tutora em EaD) Sara Ingrid Borba (Pedagoga, Mestre em educação e Tutora em EaD) RESUMO Este

Leia mais

CAMPEONATOS BRASILEIROS CAIXA DE ATLETISMO DE JUVENIS INTERSELEÇÕES LV Masculino e XLIII Feminino

CAMPEONATOS BRASILEIROS CAIXA DE ATLETISMO DE JUVENIS INTERSELEÇÕES LV Masculino e XLIII Feminino CAMPEONATOS BRASILEIROS CAIXA DE ATLETISMO DE JUVENIS INTERSELEÇÕES LV Masculino e XLIII Feminino Art. 1º - Os CAMPEONATOS BRASILEIROS DE ATLETISMO DE JUVENIS têm por propósito básico a integração nacional,

Leia mais

Palavras-chave: Memória, Patrimônio, Discurso. INTRODUÇÃO

Palavras-chave: Memória, Patrimônio, Discurso. INTRODUÇÃO AQUI TEM HISTÓRIA : LUGARES DE MEMÓRIA Adriely M. de Oliveira (C. Sociais UEL/ Bolsista IC/Fundação Araucária). Orientadora: Ana Cleide Chiarotti Cesário. Palavras-chave: Memória, Patrimônio, Discurso.

Leia mais

FORMAÇÃO INICIAL EM EDUCAÇÃO FÍSICA EM UM PROGRAMA DE EXTENSÃO UNIVERSITÁRIA COM PESSOAS COM DEFICIÊNCIA

FORMAÇÃO INICIAL EM EDUCAÇÃO FÍSICA EM UM PROGRAMA DE EXTENSÃO UNIVERSITÁRIA COM PESSOAS COM DEFICIÊNCIA FORMAÇÃO INICIAL EM EDUCAÇÃO FÍSICA EM UM PROGRAMA DE EXTENSÃO UNIVERSITÁRIA COM PESSOAS COM DEFICIÊNCIA Resumo Juliana Silva Cristina 1 - UFU Maria Clara Elias Polo 2 - UFU Grupo de Trabalho - Formação

Leia mais

CARACTERIZAÇÃO DA INCIDÊNCIA DE LESÕES ESPORTIVAS DURANTE OS 53º JOGOS REGIONAIS

CARACTERIZAÇÃO DA INCIDÊNCIA DE LESÕES ESPORTIVAS DURANTE OS 53º JOGOS REGIONAIS CARACTERIZAÇÃO DA INCIDÊNCIA DE LESÕES ESPORTIVAS DURANTE OS 53º JOGOS REGIONAIS Beatriz de Vilas Boas de Oliveira 1, Keyleytonn Sthil Ribeiro 2 1 Faculdade de Pindamonhangaba, Curso de Fisioterapia, biavilasboas@yahoo.com.br

Leia mais

UMA EXPERIÊNCIA PSICOPEDAGÓGICA NA FACULDADE DE ENGENHARIA DA PUCRS

UMA EXPERIÊNCIA PSICOPEDAGÓGICA NA FACULDADE DE ENGENHARIA DA PUCRS UMA EXPERIÊNCIA PSICOPEDAGÓGICA NA FACULDADE DE ENGENHARIA DA PUCRS Jorge Ferreira da Silva Filho Pontifícia Universidade Católica do Rio Grande do Sul Viegas Ribas Pesquisador e Consultor Psicopedagógico

Leia mais

Sugestão de Planejamento da Semana Pedagógica

Sugestão de Planejamento da Semana Pedagógica GOVERNO DO ESTADO DO TOCANTINS SECRETARIA DA EDUCAÇÃO E CULTURA DIRETORIA REGIONAL DE ENSINO DE ARAGUAINA SETOR REGIONAL DE DESENVOLVIMENTO DA EDUCAÇÃO E ENSINO INTEGRAL Sugestão de Planejamento da Semana

Leia mais

CONSTRUINDO PONTES: UMA EXPERIÊNCIA DE INTERCÂMBIO CULTURAL E TECNOLÓGICO ENTRE TRÊS ESCOLAS PÚBLICAS DO BRASIL E DA ARGENTINA

CONSTRUINDO PONTES: UMA EXPERIÊNCIA DE INTERCÂMBIO CULTURAL E TECNOLÓGICO ENTRE TRÊS ESCOLAS PÚBLICAS DO BRASIL E DA ARGENTINA CONSTRUINDO PONTES: UMA EXPERIÊNCIA DE INTERCÂMBIO CULTURAL E TECNOLÓGICO ENTRE TRÊS ESCOLAS PÚBLICAS DO BRASIL E DA ARGENTINA Resumo Jessiel Odilon Junglos 1 - FURB Mauricio Capobianco Lopes 2 - FURB

Leia mais

IDOSOS E A LEITURA DE JORNAL.

IDOSOS E A LEITURA DE JORNAL. IDOSOS E A LEITURA DE JORNAL. Adriana Pastorello. Programa de Pós-Graduação Universidade Estadual Paulista Câmpus de Marília SP. Grupo de pesquisa: Processos de leitura e de escrita: apropriação e objetivação.

Leia mais

Eixo-temático: Avaliação e Gestão Educacional

Eixo-temático: Avaliação e Gestão Educacional Eixo-temático: Avaliação e Gestão Educacional AVALIAÇÃO DA IMPLEMENTAÇÃO DO PROJETO LUGARES DE APRENDER: A ESCOLA SAI DA ESCOLA DO PROGRAMA CULTURA É CURRÍCULO DA SECRETARIA ESTADUAL DE EDUCAÇÃO DO ESTADO

Leia mais

Avaliação na Educação Infantil Legislação e Pesquisas

Avaliação na Educação Infantil Legislação e Pesquisas Avaliação na Educação Infantil Legislação e Pesquisas Maévi Anabel Nono UNESP Instituto de Biociências, Letras e Ciências Exatas Departamento de Educação São José do Rio Preto Diversos pesquisadores têm

Leia mais

PASSADO, PRESENTE E FUTURO DAS DIVISÕES DE BASE NO FUTEBOL DO BRASIL JANEIRO DE

PASSADO, PRESENTE E FUTURO DAS DIVISÕES DE BASE NO FUTEBOL DO BRASIL JANEIRO DE PASSADO, PRESENTE E FUTURO DAS DIVISÕES DE BASE NO FUTEBOL DO BRASIL JANEIRO DE 2013 Temos lido e ouvido muitos comentários nos últimos dias sobre o processo de formação de Atletas no Brasil, emitidas

Leia mais

MÓDULO 5. Op.2 - Desportos Coletivos-BASQUETEBOL

MÓDULO 5. Op.2 - Desportos Coletivos-BASQUETEBOL 1. Origem, evolução e tendências de desenvolvimento da modalidade 1.1. Contextos organizacionais e formas de prática 1.2. Aspetos demográficos e geográficos da prática 1.3. Tendências de desenvolvimento

Leia mais

ITS / CTA. Autores Ademir Alonso & Alberto Carlos

ITS / CTA. Autores Ademir Alonso & Alberto Carlos ITS / CTA Escola Técnica Volume Simonsen I Capítulo I Autores Ademir Alonso & Alberto Carlos 1 ITS / CTA Sumário SUMÁRIO Volume I Capítulo I Unidade I Capítulo I - Beneficios da Educação Física Capítulo

Leia mais

APOSTILA 2015 EDUCAÇÃO FÍSICA PROFESSORA: PRISCILA

APOSTILA 2015 EDUCAÇÃO FÍSICA PROFESSORA: PRISCILA APOSTILA 2015 EDUCAÇÃO FÍSICA PROFESSORA: PRISCILA 1 SUMÁRIO 1.1 Educação Física...3 1.2 Jogos Cooperativos...3 1.3 Flagbol...5 1.3.1 Origem do Esporte...6 1.3.2 Material para jogar Flagbol...6 1.3.3 Técnicas

Leia mais

FERNANDO FERNANDES DA SILVA PRODUÇÃO DIDÁTICO PEDAGÓGICA (OAC)

FERNANDO FERNANDES DA SILVA PRODUÇÃO DIDÁTICO PEDAGÓGICA (OAC) 1 FERNANDO FERNANDES DA SILVA PRODUÇÃO DIDÁTICO PEDAGÓGICA (OAC) IES: UNIVERSIDADE ESTADUAL DE LONDRINA ORIENTADOR: Prof. DARTAGNAN PINTO GUEDES ÁREA CURRICULAR: EDUCAÇÃO FÍSICA DEZEMBRO 2008 LONDRINA

Leia mais

O estado da arte nas pesquisas sobre as relações famíliaescola nos anais da Anppep e Conpe

O estado da arte nas pesquisas sobre as relações famíliaescola nos anais da Anppep e Conpe Anais do XV Encontro de Iniciação Científica da PUC-Campinas - 26 e 27 de outubro de 2010 ISSN 1982-0178 O estado da arte nas pesquisas sobre as relações famíliaescola nos anais da Anppep e Conpe Leandro

Leia mais

presidente Brasil Por Nízea Coelho

presidente Brasil Por Nízea Coelho a PRIMEIRA presidente do Brasil Por Nízea Coelho 1 Lula é um fenômeno no mundo Historiador, mestre e futuro doutor. Este é Leandro Pereira Gonçalves, professor de História do Centro de Ensino Superior

Leia mais

CONTATOS: Av. Central Bloco 990/1120 Lote 1020 Loja 02 Núcleo Bandeirantes Brasília DF Tel. 3386-2422 3386-6781 ATENDIMENTO:

CONTATOS: Av. Central Bloco 990/1120 Lote 1020 Loja 02 Núcleo Bandeirantes Brasília DF Tel. 3386-2422 3386-6781 ATENDIMENTO: Manual do Aluno 0 CONTATOS: Av. Central Bloco 990/1120 Lote 1020 Loja 02 Núcleo Bandeirantes Brasília DF Tel. 3386-2422 3386-6781 ATENDIMENTO: Horário de atendimento - Segunda a Sexta: 08h as 20h. - Sábado:

Leia mais

RESUMO. Palavras-chave: atletismo; escola; Educação Física. Key-words: athletics, school, Physical Education.

RESUMO. Palavras-chave: atletismo; escola; Educação Física. Key-words: athletics, school, Physical Education. Atletismo se aprende na escola Matthiesen SQ, Calvo AP, Silva AC, Faganello FR Grupo de Estudos Pedagógicos e Pesquisa em Atletismo do Departamento de Educação Física da UNESP/Rio Claro Brasil data de

Leia mais

O Movimento Paralímpico. Aula 2 Esportes Paralímpicos Parte 1

O Movimento Paralímpico. Aula 2 Esportes Paralímpicos Parte 1 O Movimento Paralímpico Aula 2 Esportes Paralímpicos Parte 1 Objetivos 1 2 Apresentar a classificação funcional dos esportes Paralímpicos. Conhecer os seguintes esportes Paralímpicos: atletismo, halterofilismo,

Leia mais

METODOLOGIA COMPARTILHAR DE INICIAÇÃO AO VOLEIBOL

METODOLOGIA COMPARTILHAR DE INICIAÇÃO AO VOLEIBOL METODOLOGIA COMPARTILHAR DE INICIAÇÃO AO VOLEIBOL 2012 Todo material didático-pedagógico contido neste documento é fruto da experiência de diversos profissionais, principalmente professores de educação

Leia mais

Duração da atividade: Recomendam-se cinco encontros/aulas, com duração de uma hora-aula para cada encontro.

Duração da atividade: Recomendam-se cinco encontros/aulas, com duração de uma hora-aula para cada encontro. Nível de ensino: Ensino Fundamental Componente Curricular: Educação Física Modalidade: Futsal Duração da atividade: Recomendam-se cinco encontros/aulas, com duração de uma hora-aula para cada encontro.

Leia mais

DICA PEDAGÓGICA EDUCAÇÃO INFANTIL

DICA PEDAGÓGICA EDUCAÇÃO INFANTIL DICA PEDAGÓGICA EDUCAÇÃO INFANTIL 1. TÍTULO DO PROGRAMA As histórias do senhor urso. 2. EPISÓDIO(S) TRABALHADO(S): Em busca das cores. 3. SINOPSE DO(S) EPISÓDIO(S) ESPECÍFICO(S) Episódio explora de maneira

Leia mais

Jovens e adultos IFFarroupilha- Câmpus São Borja

Jovens e adultos IFFarroupilha- Câmpus São Borja 1 Entre a elevação da escolaridade e a qualificação profissional: Uma experiência com os RESUMO: Jovens e adultos IFFarroupilha- Câmpus São Borja KAEFER, Verle. Maria Teresinha 1 DUTRA, Paim. Isolete 2

Leia mais

PALAVRAS-CHAVE: Lei 10.639/2003. Diversidade Etnicorracial. Práticas Pedagógicas.

PALAVRAS-CHAVE: Lei 10.639/2003. Diversidade Etnicorracial. Práticas Pedagógicas. REVELANDO SENTIDOS E DESPERTANDO PERTENÇAS: O PROCESSO DE IMPLEMENTAÇÃO DA LEI 10.639/03 EM UMA ESCOLA DA REDE PÚBLICA DE ENSINO DE CAMPINA GRANDE-PB Acacia Silva Alcantara Graduanda Pedagogia UEPB/PROPESQ/PIBIC-Af

Leia mais

Copa Diarinho tem craques para mostrar

Copa Diarinho tem craques para mostrar DIÁRIO DO VALE 1 Sul-Fluminense, Terça-feira, 4 de agosto de 2015 - Suplemento especial do Diário do Vale - Não pode ser vendido separadamente Copa Diarinho tem craques para mostrar Do goleiro ao atacante,

Leia mais

EXAME DE SELEÇÃO PROCESSO COMPLEMENTAR 2012/1 TÉCNICO DE NÍVEL MÉDIO INTEGRADO

EXAME DE SELEÇÃO PROCESSO COMPLEMENTAR 2012/1 TÉCNICO DE NÍVEL MÉDIO INTEGRADO Ministério da Educação Secretaria de Educação Profissional e Tecnológica Instituto Federal de Educação, Ciência e Tecnologia do Rio Grande do Sul Campus Restinga EXAME DE SELEÇÃO PROCESSO COMPLEMENTAR

Leia mais

Experimentação Esportiva

Experimentação Esportiva Experimentação Esportiva Aula 4 Criando um Plano Rio 2016 Versão 1.0 Objetivos 1 Conhecer um passo a passo para trabalhar com a categorização de esportes. 2 Identificar sugestões de planejamento para as

Leia mais

Informações pelo e-mail: erich.franco@ibecscomunidadeetica.org.br

Informações pelo e-mail: erich.franco@ibecscomunidadeetica.org.br Oficinas para Atividades com Grupos Informações pelo e-mail: erich.franco@ibecscomunidadeetica.org.br I - OBJETO DO TRABALHO: 1. Analisar as principais questões metodológicas dos processos grupais, a partir

Leia mais

Art. 3º. O Plano Municipal Decenal de Educação observará os seguintes elementos e princípios: I diagnóstico e realidade sócio-educacional e história;

Art. 3º. O Plano Municipal Decenal de Educação observará os seguintes elementos e princípios: I diagnóstico e realidade sócio-educacional e história; Lei nº 1.315, de 25 de agosto de 2003. Dispõe sobre o Plano Municipal Decenal de Educação e dá outras providências. O PREFEITO MUNICIPAL DE CODÓ, ESTADO DO MARANHÃO: Faço saber que a Câmara Municipal de

Leia mais

PSICOMOTRICIDADE, JOGOS E BRINCADEIRAS NO PROCESSO ENSINO- APRENDIZAGEM MARILENE FERREIRA DE LIMA OLIVEIRA E.E DR. MORATO DE OLIVEIRA RESUMO

PSICOMOTRICIDADE, JOGOS E BRINCADEIRAS NO PROCESSO ENSINO- APRENDIZAGEM MARILENE FERREIRA DE LIMA OLIVEIRA E.E DR. MORATO DE OLIVEIRA RESUMO PSICOMOTRICIDADE, JOGOS E BRINCADEIRAS NO PROCESSO ENSINO- APRENDIZAGEM MARILENE FERREIRA DE LIMA OLIVEIRA E.E DR. MORATO DE OLIVEIRA RESUMO Na vida de uma criança, para além do entretenimento, o jogo

Leia mais

CN Ensino Médio Oficina de Produção Textual Modalidade EaD Multas e infrações no trânsito Material do monitor

CN Ensino Médio Oficina de Produção Textual Modalidade EaD Multas e infrações no trânsito Material do monitor Prezado monitor Essa Oficina denominada Multas e infrações no trânsito objetiva auxiliar o aluno na elaboração de produções textuais. E para atingir esse objetivo trabalharemos com conteúdos, alguns já

Leia mais

X Encontro Nacional de Educação Matemática Educação Matemática, Cultura e Diversidade Salvador BA, 7 a 9 de Julho de 2010

X Encontro Nacional de Educação Matemática Educação Matemática, Cultura e Diversidade Salvador BA, 7 a 9 de Julho de 2010 EDUCAÇÃO MATEMÁTICA E TEMAS POLÍTICO-SOCIAIS: O DÉFICIT DA PREVIDÊNCIA É MITO OU REALIDADE? Elizabeth Mattiazzo-Cardia USC-Universidade Sagrado Coração-Bauru-SP beth@cardia.com.br Mara Sueli Simão Moraes

Leia mais

Unidade: 01. 6 Ano Ensino Fundamental Atletismo. Prof.º Leonardo Delgado

Unidade: 01. 6 Ano Ensino Fundamental Atletismo. Prof.º Leonardo Delgado 6 Ano Ensino Fundamental Atletismo Unidade: 01 Prof.º Leonardo Delgado 1. HISTÓRIA DO ATLETISMO O atletismo é a forma organizada mais antiga de esporte e se vem celebrando há milhares de anos, sendo utilizado

Leia mais

Quem é o cidadão que freqüenta os sites de ciência brasileiros

Quem é o cidadão que freqüenta os sites de ciência brasileiros Quem é o cidadão que freqüenta os sites de ciência brasileiros Dayse Lúcia M. Lima Instituto Nacional de Tecnologia INT/MCT Brasil Os portais das agências governamentais se tornaram o espaço preferencial

Leia mais

RELATO DE EXPERIÊNCIA DE ESTÁGIO DE EDUCAÇÃO FÍSICA NO CONTEXTO DA EDUCAÇÃO INFANTIL

RELATO DE EXPERIÊNCIA DE ESTÁGIO DE EDUCAÇÃO FÍSICA NO CONTEXTO DA EDUCAÇÃO INFANTIL RELATO DE EXPERIÊNCIA DE ESTÁGIO DE EDUCAÇÃO FÍSICA NO CONTEXTO DA EDUCAÇÃO INFANTIL Resumo MATUCHESKI, Franciele Luci PUCPR francielematucheski@yahoo.com.br Eixo Temático: Práticas e Estágios nas Licenciaturas

Leia mais

Art. 3º - Os Campeonatos são disputados anualmente, podendo ser realizados em várias etapas.

Art. 3º - Os Campeonatos são disputados anualmente, podendo ser realizados em várias etapas. Art. 1º - Os CAMPEONATOS ESTADUAIS CAIXA DE ATLETISMO MIRIM têm por propósito básico a integração estadual, a difusão do Atletismo e a verificação do desenvolvimento de seu estágio técnico nos diversos

Leia mais

HISTORIANDO GUARIBAS: UMA EXPERIÊNCIA DE ESCOLARIZAÇÃO DO SESC LER i

HISTORIANDO GUARIBAS: UMA EXPERIÊNCIA DE ESCOLARIZAÇÃO DO SESC LER i HISTORIANDO GUARIBAS: UMA EXPERIÊNCIA DE ESCOLARIZAÇÃO DO SESC LER i Rozenilda Maria de Castro Silva ii O trabalho que pretendemos socializar é o Projeto Pedagógico Historiando Guaribas, de alfabetização

Leia mais

OS GÊNEROS EMERGENTES NO BLOG E SUA INTERFACE NO APRENDIZADO RESUMO

OS GÊNEROS EMERGENTES NO BLOG E SUA INTERFACE NO APRENDIZADO RESUMO OS GÊNEROS EMERGENTES NO BLOG E SUA INTERFACE NO APRENDIZADO RESUMO Luciano de Lima Costa Raquel Pessoni Tinonin Thaís Inácio Braga (G CLCA UENP/CJ) Luiz Antonio Xavier Dias (Orientador CLCA UENP/CJ) O

Leia mais

1 a SÉRIE EDUCAÇÃO FÍSICA. Caderno do Professor Volume 1. Linguagens ENSINO MÉDIO

1 a SÉRIE EDUCAÇÃO FÍSICA. Caderno do Professor Volume 1. Linguagens ENSINO MÉDIO 1 a SÉRIE ENSINO MÉDIO Caderno do Professor Volume 1 EDUCAÇÃO FÍSICA Linguagens GOVERNO DO ESTADO DE SÃO PAULO SECRETARIA DA EDUCAÇÃO MATERIAL DE APOIO AO CURRÍCULO DO ESTADO DE SÃO PAULO CADERNO DO PROFESSOR

Leia mais

EIXO 4 - Política e Gestão da Educação Profissional e Tecnológica

EIXO 4 - Política e Gestão da Educação Profissional e Tecnológica EIXO 4 - Política e Gestão da Educação Profissional e Tecnológica FÓRUNS DE ESTUDOS: UMA ALTERNATIVA DE DISCUSSÃO DE NOVAS POSSIBILIDADES E AÇÕES NA MELHORIA DO PROCESSO DE CONSTRUÇÃO E FORTALECIMENTO

Leia mais

Associação Espaço Mundo Associação de Apoio ao Estudante Africano APEAL ARAL-Associação Associação de Residentes do Alto do Lumiar

Associação Espaço Mundo Associação de Apoio ao Estudante Africano APEAL ARAL-Associação Associação de Residentes do Alto do Lumiar REFERÊNCIA: 081 DESIGNAÇÃO: ALL ARTES - Espaço MuDança BIP/ZIP em que pretende intervir: 25. Cruz Vermelha 26. Pedro Queiróz Pereira ENTIDADES: Promotoras: Parceira: Associação Espaço Mundo Associação

Leia mais

SERVIÇO SOCIAL DA INDÚSTRIA DEPARTAMENTO REGIONAL DO RIO GRANDE DO SUL UNIDADE ESTRATÉGICA DE RESULTADOS LAZER

SERVIÇO SOCIAL DA INDÚSTRIA DEPARTAMENTO REGIONAL DO RIO GRANDE DO SUL UNIDADE ESTRATÉGICA DE RESULTADOS LAZER SERVIÇO SOCIAL DA INDÚSTRIA DEPARTAMENTO REGIONAL DO RIO GRANDE DO SUL UNIDADE ESTRATÉGICA DE RESULTADOS LAZER SESI CORRIDA DE RUA 2012 - Classificatória para a Corrida de São Silvestre - REGULAMENTO GERAL

Leia mais

COLÉGIO MILITAR DE BELO HORIZONTE CONCURSO DE ADMISSÃO 2008 / 2009 PROVA DE MATEMÁTICA 1º ANO DO ENSINO MÉDIO

COLÉGIO MILITAR DE BELO HORIZONTE CONCURSO DE ADMISSÃO 2008 / 2009 PROVA DE MATEMÁTICA 1º ANO DO ENSINO MÉDIO COLÉGIO MILITAR DE BELO HORIZONTE CONCURSO DE ADMISSÃO 2008 / 2009 PROVA DE MATEMÁTICA 1º ANO DO ENSINO MÉDIO CONFERÊNCIA: Chefe da Subcomissão de Matemática Chefe da CEI Dir Ens CPOR / CMBH PÁGINA 2 RESPONDA

Leia mais

Palavras-chave: Novas Tecnologias Educação Professor Prática Pedagógica

Palavras-chave: Novas Tecnologias Educação Professor Prática Pedagógica EDUCAÇÃO E PROFESSOR DIANTE DO USO DAS NOVAS TECNOLOGIAS Resumo Marília Gerlane Guimarães da Silva graduanda UEPB mariliagerlany@hotmail.com Orientadora: Profª Ms. Eliane Brito de Lima- UEPB/PMCG eliabrito@ig.com.br

Leia mais

Quiz temático Esportes (fevereiro)

Quiz temático Esportes (fevereiro) Quiz temático Esportes (fevereiro) Primeira semana - Quiz Temático Esportes Durante todo o mês de fevereiro, o Programa de Relacionamento da Prysmian vai testar seus conhecimentos sobre esportes! Nesta

Leia mais

MURAL INFORMATIVO PET: INSTRUMENTO DE COMUNICAÇÃO E INFORMAÇÃO PARA A COMUNIDADE ACADÊMICA

MURAL INFORMATIVO PET: INSTRUMENTO DE COMUNICAÇÃO E INFORMAÇÃO PARA A COMUNIDADE ACADÊMICA MURAL INFORMATIVO PET: INSTRUMENTO DE COMUNICAÇÃO E INFORMAÇÃO PARA A COMUNIDADE ACADÊMICA Débora Rodrigues LIMA¹; Norrama Araújo, SANTOS² ; Jade Alves de Souza, PACHECO³; Lívia Maria Souza, SILVA 4 ;

Leia mais

Mestrado Online respostas

Mestrado Online respostas Mestrado Online respostas Resumo 1. Por que razão escolheu este mestrado em regime online? 1. Escolhi o mestrado online porque é um mestrado que aborda questões relacionadas com a minha área de formação,

Leia mais

DESPORTO ESCOLAR ATLETISMO CURSO DE JUIZES DE ESCOLA

DESPORTO ESCOLAR ATLETISMO CURSO DE JUIZES DE ESCOLA DESPORTO ESCOLAR ATLETISMO CURSO DE JUIZES DE ESCOLA DESPORTO ESCOLAR CURSO DE JUIZES DE ESCOLA ATLETISMO O ATLETISMO É COMPOSTO POR PROVAS DE PISTA, ESTRADA E CORTA- MATO AS PROVAS DE PISTA ESTÃO DIVIDIDAS

Leia mais

O TÊNIS COMO ALTERNATIVA NO CURRÍCULO ESCOLAR PARA CRIANÇAS ENTRE 8 E 12 ANOS.

O TÊNIS COMO ALTERNATIVA NO CURRÍCULO ESCOLAR PARA CRIANÇAS ENTRE 8 E 12 ANOS. 26 O TÊNIS COMO ALTERNATIVA NO CURRÍCULO ESCOLAR PARA CRIANÇAS ENTRE 8 E 12 ANOS. RESUMO O Guia curricular (1995) proposto pela Secretaria de Estado da Educação de Minas Gerais apresentou poucas alternativas

Leia mais

UNIVERSIDADE DO CONTESTADO UnC Curso de Educação Física

UNIVERSIDADE DO CONTESTADO UnC Curso de Educação Física EMENTÁRIO DAS DISCIPLINAS Disciplina: BIOLOGIA Características gerais dos seres vivos. Química da célula. Citologia. Microscopia. Divisão celular. Formas de reprodução. Histologia. Disciplina: ANATOMIA

Leia mais

LAZER, EDUCAÇÃO FÍSICA E FORMAÇÃO DESPORTIVA. MSc. Paulo José dos Santos de Morais

LAZER, EDUCAÇÃO FÍSICA E FORMAÇÃO DESPORTIVA. MSc. Paulo José dos Santos de Morais LAZER, EDUCAÇÃO FÍSICA E FORMAÇÃO DESPORTIVA MSc. Paulo José dos Santos de Morais LAZER, EDUCAÇÃO FÍSICA E FORMAÇÃO DESPORTIVA. Lazer Grande variedade de ações e atuações humanas nos mais diversificados

Leia mais

1) 07/04/2014 1 Ano (Ensino Médio) 11h15min às 12h00min

1) 07/04/2014 1 Ano (Ensino Médio) 11h15min às 12h00min Observações realizadas na EEEF Senador Salgado Filho: Características: - Professora supervisora: Claudia Cassol - Acadêmica: Lidiele R. Bueno - Apresenta espaço amplo, tem quadra nova para as práticas

Leia mais

Reflexões sobre a prática docente na Educação Infantil.

Reflexões sobre a prática docente na Educação Infantil. 6. Humanização, diálogo e amorosidade. Reflexões sobre a prática docente na Educação Infantil. Santos, Marisa Alff dos 1 Resumo O presente trabalho tem como objetivo refletir sobre as práticas docentes

Leia mais