Risco de Contaminação por Sangue e Lesão às Pessoas na Sala Cirúrgica

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "Risco de Contaminação por Sangue e Lesão às Pessoas na Sala Cirúrgica"

Transcrição

1 Risco de Contaminação por Sangue e Lesão às Pessoas na Sala Cirúrgica EDWARD J. QUEBBEMANN, MD., PHD.,* GORDON L. TELFORD, MD.,* SUSAN HUBBARD, R.N.,* KAREN WADSWORTH, R.N.,* BETTY HARDMAN, R.N., CNOR* HANNAH GOODMAN, M.S.,* e MARK S. GOTTLIEB, PH.D Departamento de Cirurgia* e Divisão da Bioestatística, Medical College of Wisconsin, Milwalkee, Wisconsin O potencial de transmissão de doenças altamente virais à saúde de trabalhadores da área de saúde existe quando o sangue contaminado é inoculado através da lesão ou quando o sangue entra em contato com pele não intacta. As pessoas da sala cirúrgica estão expostas a um risco particularmente alto em relação a lesões e contaminação pelo sangue, mas dados específicos sobre quais pessoas possuem maior risco e quais práticas alteram o risco neste ambiente são quase inexistentes. Para definir estes riscos, enfermeiras com experiência em salas cirúrgicas foram empregadas para exclusivamente observar e registrar as lesões e contaminações por sangue que ocorreram durante 234 cirurgias envolvendo 1763 pessoas. De modo geral, 118 das cirurgias (50%) resultaram em pelo menos uma pessoa ficando contaminada pelo sangue. Cortes e lesões por agulhas ocorreram em 15% das cirurgias. Vários fatores foram observados como alterando significativamente o risco de contaminação por sangue ou lesões: especialidade cirúrgica, função de cada pessoa, duração do procedimento, quantidade de perda de sangue, número de agulhas utilizadas e volume de fluido de irrigação utilizado. Os cálculos de risco que usam valores médios para incluir todas as pessoas na sala cirúrgica ou todas as operações realizadas subestimam substancialmente o risco para cirurgiões e primeiros assistentes, os quais sofrem 81% de todas as contaminações corpóreas e 65% das lesões. A área do corpo contaminada também mudou com a especialidade cirúrgica. Estes dados podem ajudar a definir proteção mais apropriada para indivíduos na sala cirúrgica e deve permitir refinamentos de práticas e técnicas para reduzir lesões. Muitos profissionais da área de saúde agora reconhecem que o sangue proveniente de pacientes infectados pode transmitir doenças virais através da inoculação percutânea ou contato sangüíneo com pele não intacta. Embora o risco de contrair hepatite B ou C seja muito alto e já seja reconhecido há muitos anos, é o medo de contrair uma infecção por HIV que causou as maiores alterações nos procedimentos e dispositivos concebidos para reduzir este risco. Alguns trabalhos 1-6 tentaram calcular a magnitude do risco de contrair infecção por HIV para estas pessoas que trabalham na sala cirúrgica. Os Centros para Controle de Doenças (CDC) dos Estados Unidos recomendaram Precauções Universais para redução deste risco, e estas foram estendidas e adquiriram força de lei pela Administração de Saúde e Segurança Ocupacional (OSHA). Infelizmente, estes grupos não possuem informações suficientes provenientes do ambiente da sala cirúrgica para definir adequadamente a freqüência e distribuição da exposição ao sangue, ou a freqüência e causas de perfurações por agulha e outras lesões. Cirurgiões e supervisores de salas cirúrgicas também necessitam destas informações a fim de serem capazes de escolher as roupas de proteção adequadas para evitar contaminação por sangue e para planejar procedimentos para evitar lesões. O objetivo deste estudo foi identificar quantitativamente a freqüência de contaminação por sangue e lesão percutânea, as causas da lesão e fatores que podem aumentar ou reduzir o risco dos indivíduos durante procedimentos cirúrgicos. Materiais e Métodos Este estudo foi realizado em dois hospitais que servem como centros de referência terciários e são os dois principais hospitais escola do The Medical College of Wisconsin. A maioria das cirurgias foi realizada com participação de residentes cirúrgicos e estudantes. Três enfermeiras com experiência em sala cirúrgica foram empregadas exclusivamente para a realização deste estudo. Estas não tinham nenhuma outra responsabilidade relacionada ao cuidado do paciente ou administrativa. As enfermeiras observaram todas as pessoas que participaram em procedimentos e documentaram a distribuição da exposição ao sangue no corpo e aventais. Procuraram pelas lesões ocorridas (geralmente acompanhadas pela exclamação de dor ou desconforto da vítima) e documentaram as possíveis causas destas lesões. A enfermeira do estudo chegava na sala de cirurgia 30 minutos antes da operação para registrar as pessoas e iniciar a coleta de dados sobre o procedimento cirúrgico. Durante a cirurgia, elas registraram ocorrências adversas tais como perfurações por agulhas, espirros de sangue, e luvas rasgadas. No final do procedimento ou quando os indivíduos trocaram de avental ou de luvas, os participantes foram cuidadosamente inspecionados. Qualquer contaminação na parte externa do avental foi observada e registrada. A enfermeira então auxiliou cada pessoa na remoção de seu próprio avental e luvas e no processo, virou do avesso o avental e inspecionou o lado interno quanto a sinais de penetração de sangue. A roupa da assepsia, sapato e tornozeleira e todas as áreas expostas da pele foram inspecionadas quanto à contaminação por sangue. A presença da enfermeira no estudo foi bem aceita pelos cirurgiões e outras pessoas da sala cirúrgica que estavam sendo observados, pois o tópico era de interesse e preocupação de todos os que trabalham nas nossas salas cirúrgicas. Questões sobre como uma lesão ou contaminação por sangue tinha ocorrido foram prontamente respondidas.

2 As enfermeiras escolheram as cirurgias a serem observadas de forma a incluir uma ampla variedade de operações e especialidades. Foram escolhidos procedimentos variando de procedimentos curtos, com pouca perda de sangue sob anestesia local, até operações longas e complexas com alta perda de sangue. Procedimentos tais como inserção de cateter venoso central, endoscopias e trocas simples de curativos não foram incluídos. O período de observação terminava quando o paciente deixava a sala cirúrgica e os instrumentos eram removidos. Definições Papel. A todas as pessoas foi designado um papel baseado na sua posição na mesa cirúrgica e na sua função. Em quase todos os casos, um cirurgião da equipe e um residente participaram na operação e o papel cirurgião foi designado à pessoa realizando a maior parte do procedimento. O outro foi designado como primeiro assistente. Outros papéis foram definidos mais facilmente e foram intuitivamente óbvios para uma enfermeira com experiência em sala cirúrgica. Outros Assistentes foram geralmente residentes cirúrgicos com nível júnior ou estudantes de medicina que seguraram retratores. Instrumentador foi geralmente um técnico treinado em assistir e controlar o instrumental estéril. A circulante foi uma enfermeira que preparou o paciente e organizou suprimentos durante a operação, não usou um avental e quase sempre usou luvas. Contaminação Corpórea: Esta foi definida como a presença de sangue visível (e não outros fluidos) sobre a pele ou roupa não removido no final da operação. Gotas muito pequenas podem ter sido perdidas, pois somente o sangue prontamente óbvio foi registrado. Áreas do Avental. Estas são geralmente óbvias, exceto pelo tórax superior, definida como a área acima de uma linha traçada na axila e o joelho que significava a área do avental do joelho até a parte inferior do avental, a qual é variável em comprimento, dependendo da altura da pessoa. O punho foi limitado à área de malha no pulso. Áreas adicionais de contaminação por sangue foram a touca, máscara, óculos e coberturas de sapatos, mas estas não foram consideradas contaminação do corpo. Corte, Perfuração, Esguichos. Um corte foi definido como uma laceração linear na pele, independentemente do instrumento que causou o corte. Uma perfuração foi a lesão causada por uma agulha e pode não ser visível. Um evento de esguicho de porte foi um esguicho não esperado ou jato de sangue que tenha sido de alto volume e não controlado, geralmente fazendo com que pelo menos uma pessoa fosse contaminada. Análises Estatísticas A freqüência de eventos de contaminação para cada papel, serviço cirúrgico e partes selecionadas do corpo foi comparada com a freqüência correspondente de eventos que ocorreram no restante da amostra pela construção de tabelas 2 x 2 apropriadas e avaliação das estatísticas quadradas de Pearson, risco relativo e intervalo de confiança de 95%. Onde eventos de contaminação foram avaliados por pessoa ou por operação, o número de eventos ocorrido foi comparado com o número esperado de eventos que poderiam ter ocorrido com base na freqüência geral de eventos na amostra total do estudo. Os valores p para as diferenças entre estes números esperados e observados de eventos foram computados, assumindo-se que os eventos observados seguem a distribuição de Poisson. A associação entre fatores contínuos refletindo as condições cirúrgicas (duração da operação, perda de sangue estimada, agulhas utilizadas e volume de fluido de irrigação) e o número de eventos de contaminação ocorridos por operação foram avaliados utilizando a correlação de classificação de Spearman. Uma análise multidimensional foi realizada a fim de determinar quais condições cirúrgicas estavam associadas ao maior risco de contaminação quando o efeito de outras condições cirúrgicas foram consideradas. Uma análise de regressão logística ordinal de modelo de probabilidades cumulativas foi realizada 7,8 Para esta análise, o número de contaminações por operação foi dividido em cinco categorias correspondentes a 0, 1, 2 3, e 4 ou mais eventos de contaminação por cirurgia. Esta categorização foi utilizada como variável dependente na análise de logística ordinal utilizando o procedimento de SAS V6.06 (SAS Institute, 1989). O teste de classificação para suposição de probabilidades proporcionais foi avaliado para confirmar a adequação do modelo de logística ordinal. O modelo de logística ordinal, sob a suposição de probabilidade proporcional, fornece uma estimativa associada a uma variável de predição do risco relativo (relação de probabilidade) de ocorrer um evento ou eventos de contaminação adicional versus possuir um nível mais baixo de eventos de contaminação por operação. Para os fatores cirúrgicos contínuos com associação significativa com a contaminação, o risco associado com estar a um maior nível de eventos de contaminação foi computado para um aumento no fator igual à metade da diferença no valor do fator nos percentis 20º e 80º desta distribuição. Resultados O estudo observou 234 operações separadas realizadas por oito serviços de especialidades e envolveu 1763 pessoas (Tabela 1). De modo geral, 118 dos 234 procedimentos (50%) resultaram em pelo menos uma pessoa se tornando contaminada. A especialidade cirúrgica influenciou o risco de um indivíduo ficar contaminado. A especialidade com a menor contaminação corpórea (38%) foi cirurgia geral e a maior foi ginecologia (75%), excluindo as especialidades com somente um único caso cada. O número de áreas contaminadas do corpo durante uma cirurgia também diferiu por especialidade; a maior foi mais de duas áreas por operação, encontrada em cirurgias ortopédicas.

3 Tabela 1. Risco de Contaminação Corpórea por Especialidade Serviço N de cirurgias Cirurgias com contaminação % Áreas do Corpo Áreas/Cirurgia (média) Cardiotorácica ,02 Geral * 71 1,00* Ginecologia ,50 Neurocirurgia ,00 Ortopedia ,11 Transplante ,00 Trauma ,38 Vascular ,36 Total ,37 * p < 0,05, comparado com o grupo residual p < 0,01, comparado com o grupo residual p < 0,001, comparado com o grupo residual As áreas do corpo que foram contaminadas com sangue são apresentadas na Figura 1 e demonstram algumas diferenças em áreas contaminadas baseadas na especialidade cirúrgica. Procedimentos em ginecologia apresentaram um maior risco para contaminação de um dedo individual que o restante das especialidades (risco relativo = 2,07, p < 0,001), enquanto que a ortopedia apresentou a menor contaminação de dedo (risco relativo = 0,39, p < 0,003), apesar da contaminação corpórea geral mais freqüente. Apesar da porcentagem igualmente alta de contaminação de dedo em relação a contaminações de outros locais do corpo em procedimentos cardiológicos, o risco para um indivíduo foi significativamente maior para procedimentos ginecológicos quando as lesões por pessoa foram avaliadas. Cirurgias realizadas por ambos os serviços de cirurgia geral e ginecologia apresentaram alto risco para contaminação do antebraço (risco relativo = 2,02 e 2,84, p < 0,03, respectivamente). A cirurgia geral apresentou muito menos risco para contaminação de face e pescoço (risco relativo = 0,29, p<0,002), enquanto que a ortopedia apresentou muito mais risco (risco relativo = 3,8, p < 0,001). Áreas não cobertas do corpo (por exemplo, face e pescoço) foram contaminados mais freqüentemente que áreas do corpo cobertas por um avental (por exemplo, tórax e abdômen). A freqüência de contaminação do corpo também diferiu de acordo com o papel destes participantes na operação e demonstra o risco muito maior do cirurgião e primeiro assistente (Tabela 2). Estes dois papéis englobaram 81% de todas as contaminações corpóreas e estes foram contaminados em aproximadamente um terço de seus procedimentos cirúrgicos. O instrumentador, o circulante e o anestesiologista apresentaram uma freqüência muito baixa de contaminação. O tempo requerido para a cirurgia também influenciou a freqüência de contaminação corpórea (Tabela 3). Cirurgias curtas (< 1 hora) estiveram associadas com aproximadamente uma contaminação a cada cinco operações, mas procedimentos com mis de 5 horas estiveram associados com aproximadamente três contaminações por cirurgia; um aumento de 15 vezes. A freqüência de contaminação corpórea aumentou à medida que a quantidade perdida de sangue aumentou (Tabela 4). Porém, o maior o número tanto de pessoas quanto de áreas do corpo ocorreu durante operações com perda de sangue menor que 500 ml, pois maior quantidade destas foram realizadas. Um fator adicional correlacionado com a contaminação corpórea foi a quantidade de fluido de irrigação utilizado (correlação de Spearman = 0,29, p < 0,0001). Os eventos de lesões e de esguichos de porte que ocorreram durante as cirurgias são listados na Tabela 5. O cirurgião e primeiro assistente foram os que receberam as lesões e borrifos com maior freqüência. A causa dos cortes para dois primeiros assistentes foi passar uma agulha de sutura. Um instrumentador cortou o seu dedo ao abrir uma ampola de vidro e um anestesiologista cortou se antebraço em uma parte afiada do equipamento. Um cirurgião foi cortado enquanto removia um curativo. Somente um corte em um cirurgião foi devido a uma lâmina sendo utilizada para dissecação na ferida. As lesões com perfuração com agulha foram predominantemente devido à agulhas de sutura. Quinze dos eventos ocorreram durante sutura, cinco durante a colocação ou retirada da agulha do suporte e quatro durante passagem da sutura para uma outra pessoa. Duas perfurações foram causadas por uma agulha oca, uma foi causada por uma espícula óssea e uma ocorreu durante uma sutura com arame. Duas perfurações por agulha foram causadas por tentar pegar agulhas que tinham caído no campo operatório. Uma foi devido a arrematar a sutura com a agulha ainda conectada. Um dos fatores que apareceram como relacionados ao número de lesões foi o número de agulhas utilizadas durante o procedimento. Estas informações são apresentadas na Tabela 6 e mostram um aumento em perfurações por agulhas à medida que o número de agulhas utilizadas aumenta.

4 Figura 1. Distribuição de locais do corpo contaminados para cada especialidade cirúrgica. Os valores foram calculados como o número de contaminações de uma área dividida pelo número total de contaminações da área para aquela especialidade x 100. Somente especialidades com mais de 40 áreas contaminadas foram avaliadas. Áreas cobertas pelo avental são designadas pela linha acima do gráfico da contaminação geral: valores nesta área indicam penetração do sangue no avental

5 Tabela 2. Número de Pessoas e Áreas do Corpo Classificado por Papel Papel N total N Contaminado % RR IC 95% Áreas Áreas/Pessoa Cirurgião ,2 3,2, 5, ,62* Primeiro Assistente ,4 2,6, 4, ,44* Outro Assistente ,4 0.74, 1,5 44 0,16 Instrumentador ,4 0,20, 0, ,04* Anestesiologista ,8 0,06 0,02, 0,18 4 0,01* Circulante ,3 0,03 0,004, 0,18 1 0,003* Outros NC NC 0 0 Total ,18 * p < 0,001 p < 0,01 RR = risco relativo de contaminação comparado com o restante do grupo; IC = intervalo de confiança deste risco; NC = Não comparável A importância relativa e influência destes fatores relacionados ao evento em conjunto e a sua associação com o nível d eventos de contaminação por cirurgia foi avaliado em uma análise de regressão logística ordinal multidimensional. A Tabela 7 apresenta um resumo desta análise. O número de pessoas participando na cirurgia, o tempo requerido para a cirurgia, a quantidade de sangue perdido e o volume do fluido de irrigação utilizado foram todos fatores significativos associados positivamente predizendo o número de eventos de contaminação. O número de agulhas empregado durante a operação não foi um fator de predição independente. Tabela 3. Número de Contaminações Corpóreas por Cirurgia Classificado por Duração da Cirurgia Duração (hr) N de Cirurgias Áreas Contaminação /Operação < , , , , , ,71 > ,35 Correlação de Spearman de contaminação com tempo = 0,44, p < 0,001. Discussão Para aqueles que trabalham na sala cirúrgica, a contaminação por sangue é um evento diário que é freqüentemente ignorado ou assumido como sendo inevitável. Certamente, se não fosse a existência de vírus que podem causar uma infecção letal e que sejam transmissíveis através do sangue, tal contaminação poderia somente ser um problema cosmético para o profissional da área de saúde. Como vírus (especificamente hepatite B, C e HIV) podem causar doenças letais quando inoculados parenteralmente ou quando colocados em contato com pele não intacta, existem razões suficientes para reduzir o contato com sangue para o nível mais baixo possível. A pele não intacta é uma ocorrência comum em pessoas da sala cirúrgica devido à dermatite causada pela assepsia freqüente e de cortes e abrasões ocorridos durante atividades recreacionais fora do hospital. Para melhorar a segurança, nós descrevemos a freqüência de lesões e distribuição de contaminação por sangue juntamente com os fatores de risco para indivíduos que trabalham nesta área. Tabela 4. Perda de Sangue em Relação às Áreas Corpóreas Perda de Sangue (ml) N cirurgias Áreas Contaminações /Cirurgia < , , , , ,00 > ,38 Correlação de Spearman de contaminações por cirurgias com perda de sangue = 0,40, p < 0,0001. Até pouco tempo atrás, a literatura descrevendo o risco na sala cirúrgica era relativamente esparsa 9-11 ; um grande estudo sobre perfurações com agulha especificamente excluiu o ambiente da sala cirúrgica. 12 Dados sobre estes tópicos, porém, são elementos importantes na previsão de riscos à cirurgiões relacionados à aquisição de infecção por HIV durante o período de prática. Recentemente, Gerberding et al 13 discutiram o risco de exposição ao sangue no San Francisco General Hospital após coletar dados em 1307 cirurgias consecutivas. Estes encontraram uma taxa e lesão de 1,7% e uma taxa de contaminação de pele de 7,3% nas cirurgias, comparados com nossos resultados de 15,4% e 50,4%, respectivamente. Existem várias razões possíveis para esta discrepância. O estudo de Gerbending observou operações consecutivas, enquanto que o presente estudo escolheu cirurgias com a finalidade de englobar uma distribuição ampla de procedimentos e evitar a predominância de uma especialidade em particular ou tipo de cirurgia. Isto pode levar a uma maior preponderância de casos mais longos e complexos do que é típico para muitos hospitais. Também é importante, que a intensidade de

6 observação em nosso estudo impediu a observação de casos consecutivos e, provavelmente, levou à descoberta da nossa maior taxa de lesões e contaminação. As enfermeiras que realizaram este estudo entenderam a importância dos dados coletados. Elas foram treinadas na observação cuidadosa e registro de contaminação por sangue e acidentes com lesão e não confiaram na memória. Elas não tiveram nenhuma outra responsabilidade com o cuidado do paciente e puderam avaliar completamente todas as pessoas no final de cada procedimento observado. É possível, portanto, que a incidência mais baixa do estudo de Gerberding seja devido a um relato menos apurado, o que se sabe que pode ocorrer. 14 Tabela 5. Contagem de Lesões e Eventos de Esguichos de Porte Classificadas por Papel e Expressas como Porcentagem de Todas as Cirurgias Papel Corte (%) Perfuração (%) Borrifos (%) Cirurgião 2 (0,9) 13 (6)* 15 (6) Primeiro Assistente 2 (0,9) 6 (3) 15 (6) Outro Assistente 0 4 (2) 11 (5) Instrumentador 1 (0,4) 7 (3) 2 (0,9) Anestesiologista 1 (0,4) 0 7 (3) Circulante (1)* Outros (0,4) Total 6 (3) 30 (13) 54 (23) * p < 0,001, comparado com o grupo residual p < 0,01, comparado com o grupo residual p < 0,05, comparado com o grupo residual O cirurgião e primeiro assistente apresentaram uma maior incidência de lesões, enquanto que o instrumentador e circulante apresentaram uma menor incidência de borrifos que as demais pessoas do grupo A existência de políticas para alterar a prática na sala cirúrgica provavelmente não é uma fonte da diferença ente os dois estudos, pois nosso hospital similarmente implementou várias alterações 3 anos atrás para reduzir lesões, e estas foram publicadas. 15,16 A incidência de infecção por HIV é baixa em nosso hospital, porém. Desta forma, o conhecimento de que o ambiente é na verdade perigoso pode alterar os cuidados com que cada profissional implementa as políticas e procedimentos, contrário à conclusão de Gerbending et al. As diferenças no uso de aventais e luvas também causaram uma diferença nas taxas de exposição. Gerbending et al descreveram o uso de aventais à prova-d'água, os quais não foram utilizados em nosso estudo devido ao desconforto causado pelo uso deste tipo de avental. Embora eles freqüentemente tenham usado luvas duplas, somente o serviço de ortopedia rotineiramente utilizou luvas duplas na nossa instituição. A incidência muito menor de contaminação nos dedos neste grupo em nossa série fortemente sugere que o uso de luvas duplas seja uma prática efetiva e deve ser adotada. Vários outros fatores alteram o risco aos profissionais de saúde na sala cirúrgica, e estes possuem implicações importantes para predição do risco, mudança da prática e alteração de comportamento. Tabela 6. Número de Agulhas Utilizadas durante um Procedimento e Número de Lesões Causadas por Perfurações com Agulha N de Agulhas Utilizadas N de Cirurgias N de Perfurações Perfurações/ Cirurgia < , , , ,64 > ,48 Correlação de Spearman de contaminações por cirurgia com o número de perfurações com agulha = 0,3, p < 0,0001 Influência da Especialidade Existem vários fatores possíveis que podem alterar a probabilidade de contaminação por sangue de um indivíduo durante uma cirurgia. Entre estes estão a cirurgia sendo realizada, as práticas da equipe durante a cirurgia, o papel do individuo, a quantidade de perda de sangue e a roupa de proteção utilizada pelo indivíduo. Qualquer operação em particular ocorre de forma muito infreqüentemente para uma análise útil neste tipo de estudo. Em adição, as práticas de trabalho específicas que aumentam ou reduzem o risco são muito numerosas para identificar, controlar e analisar adequadamente. Portanto, estes aspectos foram assumidos como sendo dependentes da especialidade cirúrgica. A influência da especialidade cirúrgica na contaminação por sangue pela equipe cirúrgica é importante, e é apresentada na Tabela 1. Tabela 7. Efeito da Alteração das Condições Cirúrgicas no Risco de Aumento de Níveis de Contaminação a Partir de Regressão Logística Ordinal Multidimensional Fator Unidade de Aumento Risco Relativo com Aumento N de pessoas 1 pessoa 1,86 0,0001 Duração da cirurgia 1,5 hr 1,44 0,04 Perda de sangue 250 ml 1,16 0,0006 Fluido de irrigação 700 ml 1,11 0,004 Com cada aumento de fator, existe um aumento proporcional ao risco relativo na incidência de uma contaminação adicional. Por exemplo, para cada 1,5 hora adicional de cirurgia, o risco de uma contaminação adicional aumenta em 44% A especialidade também influenciou no padrão de contaminação (Figura 1) e sugere que certas práticas ou roupas sejam capazes de melhorar a proteção. Todas as especialidades estão propensas a altas taxas de contaminação nos dedos, mas isto foi muito menor na cirurgia ortopédica. A razão presumida para isto foi o uso muito comum de duas luvas por cirurgiões ortopédicos e a ausências desta prática em outras especialidades. Os cirurgiões ortopédicos apresentam maior contaminação da face e pescoço devido aos respingos de sangue de ferramentas com acionamento e uso de fluidos de irrigação. Isto pode ser alterado por proteção adicional na face ou dispositivos para proteger p

7 de respingos. Este grupo também apresentou altas taxas de contaminação nas pernas e pé devido ao sangue correndo para baixo na lateral da mesa cirúrgica e pode ser prevenido pelo uso de perneiras mais altas ou mais longas e aventais mais resistentes a líquidos. Isto não foi um problema para o serviço cardíaco pois a perda de sangue pareceu ficar contida na cavidade torácica. Os cirurgiões gerais e ginecológicos freqüentemente colocam as suas mãos e braços profundamente no abdômen e causam uma alta penetração de sangue na área do antebraço. Isto pode ser alterado utilizando-se materiais impermeáveis nesta área do avental. Influência dos papéis Um outro fator que geralmente influenciou na contaminação por sangue foi o papel do indivíduo, conforme demonstrado na Tabela 2. O cirurgião (seja da equipe ou residente) esteve exposto ao maior risco de contaminação, seguido de perto pelo primeiro assistente. Quanto mais longe uma pessoa estava da ferida, menor foi o risco de contaminação. Freqüência das lesões Embora a transmissão de doenças virais tenha ocorrido através da pele com abrasão, o modo mais perigoso de transmissão é através da inoculação percutânea por cortes ou perfurações com agulhas. Estas ocorreram mais freqüentemente no cirurgião e primeiro assistente (Tabela 5). O instrumentador também recebeu várias perfurações com agulha devido à tarefa de carregar e descarregar agulhar do porta-agulhas e passar o instrumento ao cirurgião. Conclusões e recomendações A freqüência de contaminação por sangue na sala cirúrgica é alta e a distribuição da contaminação cobre todas as áreas do corpo. Portanto, uma roupa de proteção adequada deve ser usada, incluindo cobertura para a cabeça, óculos e cobertura alta para sapatos. O risco de contaminação varia com a especialidade e cada grupo deve desenvolver políticas, procedimentos e roupas apropriadas a fim de prevenir a contaminação particular em seus procedimentos. O cirurgião e primeiro assistente possuem um maior risco de contaminação por sangue e devem usar os aventais mais protetores (e, freqüentemente, os mais caros e menos confortáveis), enquanto que outros assistentes e enfermeiras podem usar aventais mais leves. A probabilidade de contaminação por sangue aumentou à medida que a perda de sangue operatória e o tempo de cirurgia aumentaram. Quando estas condições são previstas, precauções adicionais devem ser tomadas, tais como usar aventais com material menos permeável, trocar aventais mais freqüentemente, utilizar coberturas para mangas ou aventais plásticos e, freqüentemente, se auto-inspecionar quanto a sinais de contaminação pesada por sangue. Luvas duplas também devem ser rotineiramente ser usadas nestas cirurgias. Cada instituição deve possuir um protocolo estabelecido para manipulação de materiais perfuro-cortantes e evitar contaminação por sangue, o que é aplicável ao ambiente da sala cirúrgica e que é construído geralmente ao redor das Precauções Universais recomendadas pelo CDC. Referências 1. McKinncy WP, Young MJ. The cumulative probability or occupationally-acquired HIV infection: the risks of repeated exposures during a surgical carrer. Infect Control Hosp Epidemiol 1990: 11: Lowenfels AB, Wormser GP. Jain R. Frequency of puncture injuries in surgeons and estimated risk of HIV infection. Arch Surg 1989; 124: Schecler WP. HIV transmission to surgeons: assessment of risk, infection control precautions, and standards or conduct. Occup Med: Stat of the Art Reviews 1989; 4: Raahave D. Bremelgaard A. AIDS/HIV:.the cumulative risk to surgeons needs changes in surgical handicraft. Surg Res Commun 1990; 8: Roach PJ. Fleming C. Hagen MD. Pauker SG. Prostalic cancer in a patient with asymptomatic HIV infection: Are some lives more equal than others? Med Decis Making 1988; 8: Hagen MD, Meyer KB. Pauker SG. Routine preoperative screening for HIV: Does the risk to the surgeon outweigh the risk to the patient? JAMA 1988: 259: Armstrong BG, Sloan M. Ordinal Regression Models for epidemiological data. Am J Epidemiol 1989; 129: Agresti A. Tutorial on modeling ordered categorical response data. Psychol Bull 1989; 105: Hussain SA, Latif ABA, Choudhary AAAA. Risk to surgeons: a survey of accidental injuries during operations. Br J Surg 1988; 75: Matta H, Thompson AM. Rainey JB. Does wearing two pairs of gloves protect operating theatre staff from skin contamination? Br Med J 1988; 297: Bessinger CD. Preventing transmission of human immunodeficiency virus during operations. Surg Gynecol Obstet 1988; 167: Jagger J. Hunt EH, Brand-Elnaggar J. Pearson RD. Rates of needle stick injury in a university hospital. N Eng J Med 1988; 319: Gerberding JL. Littell C, Tarkington A. CI al. Risk or exposure of surgical personnel to patients blood during surgery at San Francisco General Hospital N Engl J Med 1990: 322: Hamory BH. Underreporting of needlestick injuries in a university hospital. Am J Infect Control 1983; 11: Telford GL. Quebbeman EJ, Condon RE. A protocol to reduce risk of contracting AIDS and other blood-borne diseases in the OR. Surg Rounds 1987: 10: Quebbeman EJ. Telford GL. Condon RE. The threat of AIDS in the operating room Perspect Vasc Surg 1989; 2:

ACIDENTES DE TRABALHO COM MATERIAL BIOLÓGICO E/OU PERFUROCORTANTES ENTRE OS PROFISSIONAIS DE SAÚDE

ACIDENTES DE TRABALHO COM MATERIAL BIOLÓGICO E/OU PERFUROCORTANTES ENTRE OS PROFISSIONAIS DE SAÚDE ACIDENTES DE TRABALHO COM MATERIAL BIOLÓGICO E/OU PERFUROCORTANTES ENTRE OS PROFISSIONAIS DE SAÚDE Os acidentes de trabalho com material biológico e/ou perfurocortante apresentam alta incidência entre

Leia mais

Luiz Antonio Vane Prof. Titular do Depto de Anestesiologia da F.M. Botucatu - UNESP

Luiz Antonio Vane Prof. Titular do Depto de Anestesiologia da F.M. Botucatu - UNESP Luiz Antonio Vane Prof. Titular do Depto de Anestesiologia da F.M. Botucatu - UNESP CENTRO CIRÚRGICO Jardim Japonês Centro Cirúrgico Hospital Maternidade Terezinha de Jesus Juiz de Fora (MG) Queimaduras

Leia mais

Risco Biológico. A ocorrência do evento danoso está ligado à :

Risco Biológico. A ocorrência do evento danoso está ligado à : RISCO BIOLÓGICO Risco Biológico A ocorrência do evento danoso está ligado à : 1) Existência ou não de medidas preventivas Níveis de Biossegurança. 2) Existência ou não de medidas preventivas que garantam

Leia mais

Acidentes com materiais perfurocortantes

Acidentes com materiais perfurocortantes Acidentes com materiais perfurocortantes Forma de transmissão: Oral-fecal Riscos biológicos Via respiratória (gotículas ou aérea) Contato Via sanguínea Alto risco Risco Intermediário Sem risco Sangue e

Leia mais

MANUAL DE CONDUTAS EM EXPOSIÇÃO OCUPACIONAL A MATERIAL BIOLÓGICO

MANUAL DE CONDUTAS EM EXPOSIÇÃO OCUPACIONAL A MATERIAL BIOLÓGICO MINISTÉRIO DA SAÚDE SECRETARIA DE POLÍTICAS DE SAÚDE COORDENAÇÃO NACIONAL DE DST E AIDS MANUAL DE CONDUTAS EM EXPOSIÇÃO OCUPACIONAL A MATERIAL BIOLÓGICO INTRODUÇÃO O objetivo deste documento é descrever

Leia mais

Riscos Biológicos & Trabalhadores da Saúde. Dra Cristiane Rapparini Doutora em Infectologia pela UFRJ Coordenadora do Projeto Riscobiologico.

Riscos Biológicos & Trabalhadores da Saúde. Dra Cristiane Rapparini Doutora em Infectologia pela UFRJ Coordenadora do Projeto Riscobiologico. Riscos Biológicos & Trabalhadores da Saúde Dra Cristiane Rapparini Doutora em Infectologia pela UFRJ Coordenadora do Projeto Riscobiologico.org Riscos Biológicos & Trabalhadores da Saúde 1621134 - Produzido

Leia mais

Medidas de Precaução

Medidas de Precaução Medidas de Precaução INFLUENZA A (H1N1) Gerência-Geral de Tecnologia em Serviços de Saúde GGTES/Anvisa Medidas de Precaução Precaução Padrão Precauções Baseadas na Transmissão: contato gotículas aerossóis

Leia mais

ENFERMAGEM EM BIOSSEGURANÇA

ENFERMAGEM EM BIOSSEGURANÇA BIOSSEGURANÇA : 1-CONCEITO: É a ciência que estuda o manuseio de substâncias biológicas avaliando todas as condições que serão necessárias para a atividade de enfermagem. 1.2 Considerações gerais : Em

Leia mais

Conceito de segurança em dispositivos médico-hospitalares - a teoria e o mercado. Eliane Martinho

Conceito de segurança em dispositivos médico-hospitalares - a teoria e o mercado. Eliane Martinho Conceito de segurança em dispositivos médico-hospitalares - a teoria e o mercado Eliane Martinho A SEGURANÇA DO PROFISSIONAL DA SAÚDE ACIDENTES OCUPACIONAIS POR MATERIAIS PÉRFURO- CORTANTES HISTÓRICO 1984

Leia mais

UNIVERSIDADE FEDERAL DE SÃO PAULO ESCOLA PAULISTA DE MEDICINA CURSO DE PÓS GRADUAÇÃO - 2001 DISCIPLINA DE DOENÇAS INFECCIOSAS E PARASITÁRIAS DISCIPLINA DE EPIDEMIOLOGIA HOSPITALAR RISCO OCUPACIONAL: SANGUE

Leia mais

O papel da CCIH no Processamento de Roupas de Serviços de Saúde

O papel da CCIH no Processamento de Roupas de Serviços de Saúde O papel da CCIH no Processamento de Roupas de Serviços de Saúde A Portaria MS nº 2616/98 define a Infecção Hospitalar (IH) como sendo aquela adquirida após a admissão do paciente e que se manifesta durante

Leia mais

LEVANTAMENTO DOS RISCOS DE CONTAMINAÇÃO EM UM LABORATÓRIO DE ANÁLISES CLÍNICAS NO CENTRO- OESTE DO ESTADO PARANÁ

LEVANTAMENTO DOS RISCOS DE CONTAMINAÇÃO EM UM LABORATÓRIO DE ANÁLISES CLÍNICAS NO CENTRO- OESTE DO ESTADO PARANÁ LEVANTAMENTO DOS RISCOS DE CONTAMINAÇÃO EM UM LABORATÓRIO DE ANÁLISES CLÍNICAS NO CENTRO- OESTE DO ESTADO PARANÁ Guilherme Viero, Marlise Shoenhals, Franciele A.C. Follador, Darlan Clóvis Vettorello Rech,

Leia mais

Risco de contágio ocupacional pelo sangue do doente durante os procedimentos neurocirúrgicos

Risco de contágio ocupacional pelo sangue do doente durante os procedimentos neurocirúrgicos Risco de contágio ocupacional pelo sangue do doente durante os procedimentos neurocirúrgicos Flávia Elisa Antunes Lemes de Oliveira*, Claudia Reiko Akamoto Sato*, Milton K. Shibata** Centro de Estudos

Leia mais

EBOLA MEDIDAS DE PREVENÇÃO E CONTROLE EM SERVIÇOS DE SAÚDE ANA RAMMÉ DVS/CEVS

EBOLA MEDIDAS DE PREVENÇÃO E CONTROLE EM SERVIÇOS DE SAÚDE ANA RAMMÉ DVS/CEVS EBOLA MEDIDAS DE PREVENÇÃO E CONTROLE EM SERVIÇOS DE SAÚDE ANA RAMMÉ DVS/CEVS Ebola Perguntas e Respostas 13 O que fazer se um viajante proveniente desses países africanos apresentar sintomas já no nosso

Leia mais

Precaução padrão e Isolamento

Precaução padrão e Isolamento Precaução padrão e Isolamento Precauções de Isolamento no Perioperatório Enf Dra.Valeska Stempliuk IEP/HSL Pontos importantes Modos de transmissão de patógenos Por que isolar? Quem deve saber que o paciente

Leia mais

É uma fratura comum que ocorre em pessoas de todas as idades. Anatomia. Clavícula

É uma fratura comum que ocorre em pessoas de todas as idades. Anatomia. Clavícula Fratura da Clavícula Dr. Marcello Castiglia Especialista em Cirurgia do Ombro e Cotovelo É uma fratura comum que ocorre em pessoas de todas as idades. Anatomia O osso da clavícula é localizado entre o

Leia mais

ACIDENTE COM MATERIAL BIOLÓGICO

ACIDENTE COM MATERIAL BIOLÓGICO ACIDENTE COM MATERIAL BIOLÓGICO EXPOSIÇÃO A MATERIAL BIOLÓGICO Sangue, fluidos orgânicos potencialmente infectantes (sêmen, secreção vaginal, liquor, líquido sinovial, líquido pleural, peritoneal, pericárdico,

Leia mais

1.1. PROTOCOLO DE IDENTIFICAÇÃO E MONITORAMENTO DE CONTACTANTES DE CASOS DE DOENÇA PELO VÍRUS EBOLA (DVE)

1.1. PROTOCOLO DE IDENTIFICAÇÃO E MONITORAMENTO DE CONTACTANTES DE CASOS DE DOENÇA PELO VÍRUS EBOLA (DVE) 1.1. PROTOCOLO DE IDENTIFICAÇÃO E MONITORAMENTO DE CONTACTANTES DE CASOS DE DOENÇA PELO VÍRUS EBOLA (DVE) ATUALIZAÇÃO: VERSÃO 11-27 DE OUTUBRO DE 2014 7.2.1. Introdução A detecção de casos suspeitos de

Leia mais

INSTRUMENTAÇÃO CIRÚRGICA RGICA RESPONSABILIDADE COMPARTILHADA INSTRUMENTADOR CIRÚRGICO A INSTRUMENTAÇÃO CIRÚRGICA: é uma atividade de enfermagem, não sendo entretanto, ato privativo da mesma e que o profissional

Leia mais

Programa para prevenção de ATs com perfurocortantes. Érica Lui Reinhardt Pesquisadora - Fundacentro

Programa para prevenção de ATs com perfurocortantes. Érica Lui Reinhardt Pesquisadora - Fundacentro Programa para prevenção de ATs com perfurocortantes Érica Lui Reinhardt Pesquisadora - Fundacentro Respeito Ambiente Ocupacional Saudável Programas integrados PPRA, PCMSO, PGRSS... Visão holística do serviço

Leia mais

BIOSSEGURANÇA/RISCO. S e r v i ç o s O d o n t o l ó g i c o s : prevenção e controle de risco.

BIOSSEGURANÇA/RISCO. S e r v i ç o s O d o n t o l ó g i c o s : prevenção e controle de risco. BIOSSEGURANÇA/RISCO S e r v i ç o s O d o n t o l ó g i c o s : prevenção e controle de risco. SIGLÁRIO ANVISA Agência Nacional de Vigilância Sanitária CAT Comunicação de Acidente de Trabalho CDC Centro

Leia mais

ACIDENTE DE TRABALHO COM MATERIAL BIOLÓGICO: UMA EDUCAÇÃO PERMANENTE PARA OS TRABALHADORES DA SAÚDE PORTO ALEGRE RIO GRANDE DO SUL

ACIDENTE DE TRABALHO COM MATERIAL BIOLÓGICO: UMA EDUCAÇÃO PERMANENTE PARA OS TRABALHADORES DA SAÚDE PORTO ALEGRE RIO GRANDE DO SUL CURSO DE ATUALIZAÇÃO Gestão das Condições de Trabalho e Saúde dos Trabalhadores da Saúde ACIDENTE DE TRABALHO COM MATERIAL BIOLÓGICO: UMA EDUCAÇÃO PERMANENTE PARA OS TRABALHADORES DA SAÚDE PORTO ALEGRE

Leia mais

Situação Epidemiológica da Doença pelo Vírus Ebola (DVE) Dra Walria Toschi S/SUBPAV/SVS/CVE/GVDATA

Situação Epidemiológica da Doença pelo Vírus Ebola (DVE) Dra Walria Toschi S/SUBPAV/SVS/CVE/GVDATA Situação Epidemiológica da Doença pelo Vírus Ebola (DVE) Dra Walria Toschi S/SUBPAV/SVS/CVE/GVDATA Rio de Janeiro 11 de novembro de 2014 Epidemiologia O vírus Ebola foi identificado pela primeira vez em

Leia mais

Serviço de Controle de Infecção Hospitalar Recomendações para higienização das mãos em serviços de saúde.

Serviço de Controle de Infecção Hospitalar Recomendações para higienização das mãos em serviços de saúde. Serviço de Controle de Infecção Hospitalar Recomendações para higienização das mãos em serviços de saúde. São quatro as formas de higienização das mãos nos serviços de saúde: 1.Higienização simples das

Leia mais

Punção Venosa Periférica CONCEITO

Punção Venosa Periférica CONCEITO Punção Venosa Periférica CONCEITO É a criação de um acesso venoso periférico a fim de administrar soluções ou drogas diretamente na corrente sanguínea, para se obter uma ação imediata do medicamento. Preparar

Leia mais

BIOSSEGURANÇA NA PRÁTICA ODONTOLÓGICA

BIOSSEGURANÇA NA PRÁTICA ODONTOLÓGICA Centro Universitário Newton Paiva Escola de Odontologia BIOSSEGURANÇA NA PRÁTICA ODONTOLÓGICA Maria Aparecida Gonçalves de Melo Cunha O que é biossegurança? O termo biossegurança é formado pelo radical

Leia mais

Isolamento. HISTÓRICO 1983: Guia de Isolamento do CDC. 1987: Precauções Universais. 1987: Isolamento de Substâncias Corpóreas

Isolamento. HISTÓRICO 1983: Guia de Isolamento do CDC. 1987: Precauções Universais. 1987: Isolamento de Substâncias Corpóreas Isolamento HISTÓRICO 1983: Guia de Isolamento do CDC Isolamento Categoria Específico Isolamento Doença Específico 1987: Precauções Universais 1987: Isolamento de Substâncias Corpóreas 1996: Novo Guia de

Leia mais

Carrefour Guarujá. O que é DST? Você sabe como se pega uma DST? Você sabe como se pega uma DST? Enfermeira Docente

Carrefour Guarujá. O que é DST? Você sabe como se pega uma DST? Você sabe como se pega uma DST? Enfermeira Docente Carrefour Guarujá Bárbara Pereira Quaresma Enfermeira Docente Enfª Bárbara Pereira Quaresma 2 O que é DST? Toda doença transmitida através de relação sexual. Você sabe como se pega uma DST? SEXO VAGINAL

Leia mais

BIOSSEGURANÇA. com ênfase na RDC ANVISA 302. Prof. Archangelo P. Fernandes

BIOSSEGURANÇA. com ênfase na RDC ANVISA 302. Prof. Archangelo P. Fernandes BIOSSEGURANÇA com ênfase na RDC ANVISA 302 Prof. Archangelo P. Fernandes BIOSSEGURANÇA LABORATORIAL Atitude Bom Senso Comportamento BIOSSEGURANÇA LABORATORIAL Atitude Bom Senso Comportamento Conhecimento

Leia mais

Oxigenação tecidular Normotermia Antibioterapia profilática. Técnica cirúrgica Duração da cirurgia Hemorragia/Transfusão

Oxigenação tecidular Normotermia Antibioterapia profilática. Técnica cirúrgica Duração da cirurgia Hemorragia/Transfusão INFECÇÃO DO LOCAL CIRÚRGICO: DESTINO, AGOIRO?? José Polónia (CHP-HSA) HSA) Ignaz Semmelweis 1840 s Joseph Lister 1860 s William Halsted 1880 s John Burke 1960 s Oxigenação tecidular Normotermia Antibioterapia

Leia mais

SEGURANÇA DO PROFISSIONAL

SEGURANÇA DO PROFISSIONAL SEGURANÇA DO PROFISSIONAL RISCO BIOLÓGICO Palestrante: Carolina Cardoso de Araujo Ferri Importância na Enfermagem Brasil: 1,5 milhões de profissionais São Paulo: 346.730 profissionais * Enfermeiros: 65.981

Leia mais

CHEK LIST CIRURGIA SEGURA SALVA VIDAS/ LATERALIDADE

CHEK LIST CIRURGIA SEGURA SALVA VIDAS/ LATERALIDADE 1 de 6 335547222 5 RESULTADO ESPERADO: 335547222 Ajudar a garantir que as equipes cirúrgicas sigam de forma consistente algumas medidas de segurança críticas. Espera-se que dessa forma os riscos mais comuns

Leia mais

Fluxograma de atendimento a acidente de trabalho

Fluxograma de atendimento a acidente de trabalho Fluxograma de atendimento a acidente de trabalho Assim que ocorrer o acidente Introdução Fluxo AT Com o objetivo de adotar medidas de cuidado e segurança à saúde de médicos, clientes e colaboradores, a

Leia mais

Introdução. O conforto e a Segurança abrangem aspectos físicos, psicossociais e espirituais e. humano.

Introdução. O conforto e a Segurança abrangem aspectos físicos, psicossociais e espirituais e. humano. Introdução O conforto e a Segurança abrangem aspectos físicos, psicossociais e espirituais e constituem necessidades básicas do ser humano. Movimentação do paciente Para que o paciente se sinta confortável

Leia mais

Protocolo de Higienização de Mãos ISGH Página 1

Protocolo de Higienização de Mãos ISGH Página 1 Protocolo de Higienização de Mãos ISGH Página 1 ELABORAÇÃO Bráulio Matias de Carvalho - Médico Infectologista- ISGH Selma Furtado Magalhães - Gerente de Risco - ISGH COLABORADORES Jamile de Sousa Pacheco

Leia mais

16/02/2013 ESPECÍFICO DE ENFERMAGEM ABORDAGEM SINDRÔMICA DAS DST. Prof. Rivaldo lira

16/02/2013 ESPECÍFICO DE ENFERMAGEM ABORDAGEM SINDRÔMICA DAS DST. Prof. Rivaldo lira ABORDAGEM SINDRÔMICA DAS DST ESPECÍFICO DE ENFERMAGEM Prof. Rivaldo lira 1 2 Assinale a alternativa que indica todas as afirmativas corretas. a) São corretas apenas as afirmativas 1 e 2. b) São corretas

Leia mais

USO PRÁTICO DOS INDICADORES DE IRAS: SUBSIDIANDO O TRABALHO DA CCIH HOSPITAIS COM UTI

USO PRÁTICO DOS INDICADORES DE IRAS: SUBSIDIANDO O TRABALHO DA CCIH HOSPITAIS COM UTI USO PRÁTICO DOS INDICADORES DE IRAS: SUBSIDIANDO O TRABALHO DA CCIH HOSPITAIS COM UTI Débora Onuma Médica Infectologista INTRODUÇÃO O que são Indicadores? 1. Indicador é uma medida quantitativa que pode

Leia mais

VALIDAÇÃO: Enf 1 e 2, CIPE, Ambulatório Central, COMPOPE Graciete S. Marques, Fernanda R. Rodrigues, Priscila Almeida, Paula

VALIDAÇÃO: Enf 1 e 2, CIPE, Ambulatório Central, COMPOPE Graciete S. Marques, Fernanda R. Rodrigues, Priscila Almeida, Paula Revisão: 01 PÁG: 1 CONCEITO Consiste no procedimento de remoção dos fios cirúrgicos com técnica asséptica, o qual pode ser retirada pode ser total ou alternada. FINALIDADE Oferecer a limpeza da incisão

Leia mais

HISTÓRIA DA DOENÇA O vírus Ebola foi identificado pela primeira vez em 1976, no Zaire (atual República Democrática do Congo), e, desde então, tem produzido vários surtos no continente africano. Esse vírus

Leia mais

Estratégias para o controle de infecções na Terapia Intravenosa e lavagem do cateter flushing

Estratégias para o controle de infecções na Terapia Intravenosa e lavagem do cateter flushing Disciplina: Terapia intravenosa: práticas de enfermagem para uma assistência de qualidade S NT2: O Sistema de Infusão: acessórios e equipamentos eletrônicos em Terapia Intravenosa Estratégias para o controle

Leia mais

Instrumental Cirúrgico Ortopédico

Instrumental Cirúrgico Ortopédico Instrumental Cirúrgico Ortopédico Os médicos e cirurgiões que assistem pessoas visando manter ou restabelecer apropriadamente a estrutura do corpo e suas funções são conhecidos como Ortopedistas. São profissionais

Leia mais

Preparo da pele: tão simples quanto parece?

Preparo da pele: tão simples quanto parece? Preparo da pele: tão simples quanto parece? Larissa Cavassin Enfermeira CCIH Assuntos abordados: Banho pré-operatório Mupirocina nasal Anti-sepsia cirúrgica das mãos e uso de preparações alcoólicas PVPI

Leia mais

Profilaxia Pós-Exposição ao HIV. Alcyone Artioli Machado FMRP-USP - 2006

Profilaxia Pós-Exposição ao HIV. Alcyone Artioli Machado FMRP-USP - 2006 Profilaxia Pós-Exposição ao HIV Alcyone Artioli Machado FMRP-USP - 2006 Fatores de risco para infecção ocupacional pelo HIV O risco de infecção ocupacional pelo HIV era aumentado quando: A exposição ocupacional

Leia mais

UNIMAR UNIVERSIDADE DE MARÍLIA CURSO DE ODONTOLOGIA REGULAMENTO DA CLÍNICA ODONTOLÓGICA UNIMAR 2011. Profª. Dr.ª Beatriz Flávia de M.

UNIMAR UNIVERSIDADE DE MARÍLIA CURSO DE ODONTOLOGIA REGULAMENTO DA CLÍNICA ODONTOLÓGICA UNIMAR 2011. Profª. Dr.ª Beatriz Flávia de M. UNIMAR UNIVERSIDADE DE MARÍLIA CURSO DE ODONTOLOGIA REGULAMENTO DA CLÍNICA ODONTOLÓGICA UNIMAR 2011 Profª. Dr.ª Beatriz Flávia de M. Trazzi Objetivos: As normas descritas abaixo, deverão ser acatadas pelos

Leia mais

DISPOSITIVO DE SEGURANÇA. Fernanda Mara Coelho Cardozo Consultora Educacional BD Medical Mestranda em Enfermagem pela EERP - USP

DISPOSITIVO DE SEGURANÇA. Fernanda Mara Coelho Cardozo Consultora Educacional BD Medical Mestranda em Enfermagem pela EERP - USP DISPOSITIVO DE SEGURANÇA Fernanda Mara Coelho Cardozo Consultora Educacional BD Medical Mestranda em Enfermagem pela EERP - USP No passado e no Presente Novas Tecnologias Cenário Atual Complexidade terapêutica

Leia mais

Centro de Prevenção e Controle de Doenças CCD Núcleo Municipal de Controle de Infecção Hospitalar - NMCIH

Centro de Prevenção e Controle de Doenças CCD Núcleo Municipal de Controle de Infecção Hospitalar - NMCIH Centro de Prevenção e Controle de Doenças CCD ALERTA EPIDEMIOLÓGICO I Influenza Suína ABRIL 2009 Definição de caso 1-Caso suspeito de infecção humana pelo vírus da influenza suína A (H1N1). Apresentar

Leia mais

Luvas Cirúrgicas e Luvas de Procedimentos: Considerações sobre o seu uso

Luvas Cirúrgicas e Luvas de Procedimentos: Considerações sobre o seu uso BIT Boletim Informativo de Tecnovigilância, Brasília, Número 2, abril-maio-junho 2011 ISSN 2178-440X Luvas Cirúrgicas e Luvas de Procedimentos: Considerações sobre o seu uso Unidade de Tecnovigilância

Leia mais

Plano de Contingência de Saúde Pública de Portos

Plano de Contingência de Saúde Pública de Portos Plano de Contingência de Saúde Pública de Portos Gerência Geral de Instalações e Serviços de Interesse Sanitário, Meios de Transporte e Viajantes em Portos, Aeroportos e Fronteiras 18 e 19 de junho de

Leia mais

Luxação do Ombro ou Luxação Gleno Umeral

Luxação do Ombro ou Luxação Gleno Umeral Luxação do Ombro ou Luxação Gleno Umeral INTRODUÇÃO Oque é Luxação Gleno Umeral? Luxação é o termo empregado quando há perda de contato entre os ossos que compõem uma articulação. No caso do ombro a articulação

Leia mais

Artrodese do cotovelo

Artrodese do cotovelo Artrodese do cotovelo Introdução A Artrite do cotovelo pode ter diversas causas e existem diversas maneiras de tratar a dor. Esses tratamentos podem ter sucesso pelo menos durante um tempo. Mas eventualmente,

Leia mais

Actualizado em 16-10-2009* Medidas de protecção individual em serviços de saúde

Actualizado em 16-10-2009* Medidas de protecção individual em serviços de saúde Medidas de protecção individual em serviços de saúde Estas medidas devem ser implementadas em todos os serviços de prestação de cuidados de saúde primários ou hospitalares, públicos ou privados, e durante

Leia mais

Modelo de Instruções de Uso

Modelo de Instruções de Uso Modelo de Instruções de Uso Brocas Cirúrgicas carbide De Soutter Descrição e Especificações e Características do Produto As Brocas Cirúrgicas carbide De Soutter são produzidas em aço inoxidável e possuem

Leia mais

RISCOS BIOLÓGICOS PROFISSIONAIS DE SAÚDE

RISCOS BIOLÓGICOS PROFISSIONAIS DE SAÚDE RISCOS BIOLÓGICOS PROFISSIONAIS DE SAÚDE HIV Hepatite B Hepatite C Transmissão sangüínea Mais de 60 diferentes agentes infecciosos 40% dos casos de hepatites B e C 2.5% das infecções pelo HIV Atribuíveis

Leia mais

Hospital São Paulo SPDM Associação Paulista para o Desenvolvimento da Medicina Hospital Universitário da UNIFESP

Hospital São Paulo SPDM Associação Paulista para o Desenvolvimento da Medicina Hospital Universitário da UNIFESP Página: 1/5 SUMÁRIO 1. OBJETIVO: Proporcionar o ambiente ideal para a reparação tecidual. 2. APLICAÇÃO: Aos pacientes com feridas abertas (com exposição de tecidos, ex. úlceras por pressão, deiscências

Leia mais

DRA. GLÁUCIA BERRETA RUGGERI MÉDICA ENDOCRINOLOGISTA DO CENTRO DE SAÚDE OCUPACIONAL HOSPITAL ISRAELITA ALBERT EINSTEIN glauciabr@einstein.

DRA. GLÁUCIA BERRETA RUGGERI MÉDICA ENDOCRINOLOGISTA DO CENTRO DE SAÚDE OCUPACIONAL HOSPITAL ISRAELITA ALBERT EINSTEIN glauciabr@einstein. DRA. GLÁUCIA BERRETA RUGGERI MÉDICA ENDOCRINOLOGISTA DO CENTRO DE SAÚDE OCUPACIONAL HOSPITAL ISRAELITA ALBERT EINSTEIN glauciabr@einstein.br Segurança do Paciente => 1999 => Marco => TheError is Human

Leia mais

Doença por vírus Ébola. Equipamento de Proteção Individual (EPI) Equipamento de Proteção Individual, colocação, remoção, características

Doença por vírus Ébola. Equipamento de Proteção Individual (EPI) Equipamento de Proteção Individual, colocação, remoção, características NÚMERO: 020/2014 DATA: 29/10/2014 ASSUNTO: PALAVRAS-CHAVE: PARA: CONTACTOS: Doença por vírus Ébola. Equipamento de Proteção Individual (EPI) Equipamento de Proteção Individual, colocação, remoção, características

Leia mais

Fratura da Porção Distal do Úmero

Fratura da Porção Distal do Úmero Fratura da Porção Distal do Úmero Dr. Marcello Castiglia Especialista em Cirurgia do Ombro e Cotovelo O cotovelo é composto de 3 ossos diferentes que podem quebrar-se diversas maneiras diferentes, e constituem

Leia mais

Agência Nacional de Vigilância Sanitária Anvisa. Emergência em saúde pública: Ebola

Agência Nacional de Vigilância Sanitária Anvisa. Emergência em saúde pública: Ebola Emergência em saúde pública: Ebola Situação atual Trata-se do maior surto de ebola já registrado nas últimas quatro décadas que já afetou 03 países do continente Africano* A OMS categorizou o atual surto

Leia mais

ESTUDO BIBLIOGRÁFICO SOBRE ACIDENTES COM PERFURO CORTANTES

ESTUDO BIBLIOGRÁFICO SOBRE ACIDENTES COM PERFURO CORTANTES ESTUDO BIBLIOGRÁFICO SOBRE ACIDENTES COM PERFURO CORTANTES INTRODUÇÃO *Cindy Heloisa Silva da Silva - NOVAFAPI *Frida Jéssica de Carvalho e Silva- NOVAFAPI *Renata Giordana de Sousa Andrelino- NOVAFAPI

Leia mais

Equipamento de Proteção Individual

Equipamento de Proteção Individual Equipamento de Proteção Individual NR 6 Equipamento de Proteção Individual De acordo com a NR-6 da Portaria nº 3214 de 8 de junho de 1978, do Ministério do Trabalho e Emprego, considera-se Equipamento

Leia mais

A lavagem de mãos é um procedimento indispensável em todos os procedimentos relacionados a terapia intravenosa.

A lavagem de mãos é um procedimento indispensável em todos os procedimentos relacionados a terapia intravenosa. A lavagem de mãos é um procedimento indispensável em todos os procedimentos relacionados a terapia intravenosa. Projeto coordenado por Profa. Dra. Denise Costa Dias 1. Selecionar a veia e os materiais

Leia mais

Transporte do paciente com suspeita de DVE (Doença do Vírus Ebola)

Transporte do paciente com suspeita de DVE (Doença do Vírus Ebola) Transporte do paciente com suspeita de DVE (Doença do Vírus Ebola) Por orientação do Ministério da Saúde o transporte terrestre do paciente com suspeita de DVE (Doença do Vírus Ebola), será realizado pelo

Leia mais

FUNDAMENTOS DA ENFERMAGEM ENFª MARÍLIA M. VARELA

FUNDAMENTOS DA ENFERMAGEM ENFª MARÍLIA M. VARELA FUNDAMENTOS DA ENFERMAGEM ENFª MARÍLIA M. VARELA INFECÇÃO As infecções são doenças que envolvem bactérias, fungos, vírus ou protozoários e sua proliferação pode ser vista quando o paciente tem os sintomas,

Leia mais

1. Quais os EPIs ( e outros) devem ser utilizados na assistência a pacientes com suspeita de infecção pelo vírus Ebola?

1. Quais os EPIs ( e outros) devem ser utilizados na assistência a pacientes com suspeita de infecção pelo vírus Ebola? Segue abaixo, uma série de perguntas e respostas elaboradas pela GGTES (com base em questionamentos enviados pelos estados), a fim de esclarecer dúvidas e complementar alguns pontos da Nota Técnica nº

Leia mais

CONCEITO. É definido como um material colocado no interior de uma ferida ou cavidade, visando permitir a saída de fluídos ou ar que estão

CONCEITO. É definido como um material colocado no interior de uma ferida ou cavidade, visando permitir a saída de fluídos ou ar que estão DRENOS CONCEITO É definido como um material colocado no interior de uma ferida ou cavidade, visando permitir a saída de fluídos ou ar que estão ou podem estar ali presentes. OBJETIVOS DOS DRENOS Permitem

Leia mais

Para melhorar a saúde no Brasil com RFID

Para melhorar a saúde no Brasil com RFID Para melhorar a saúde no Brasil com RFID João Ricardo Tinoco de Campos Diretor de Enfermagem IDR Instituto Data Rio para Administração Pública RFID usado a favor da Biossegurança e da CCIH: Comissão de

Leia mais

Lesão do Ligamento Cruzado Posterior (LCP)

Lesão do Ligamento Cruzado Posterior (LCP) Lesão do Ligamento Cruzado Posterior (LCP) INTRODUÇÃO O ligamento cruzado posterior (LCP) é um dos ligamentos menos lesados do joelho. A compreensão dessa lesão e o desenvolvimento de novos tratamentos

Leia mais

Português SERVIÇOS PARA PACIENTES INTERNACIONAIS

Português SERVIÇOS PARA PACIENTES INTERNACIONAIS SERVIÇOS PARA PACIENTES INTERNACIONAIS A Cleveland Clinic Foundation, organização de atendimento de saúde sem fins lucrativos, vem prestando um excepcional atendimento a pacientes tanto dos Estados Unidos

Leia mais

Influenza A (H1N1) H1N1

Influenza A (H1N1) H1N1 Secretaria de Estado de Saúde e Defesa Civil do Rio de Janeiro Secretaria Municipal de Saúde e Defesa Civil do Rio de Janeiro Protocolos Influenza A (H1N1) H1N1 Medidas de Controle e Prevenção da Infecção

Leia mais

Cateter intravascular com dispositivo de segurança Análise de custo-efetividade

Cateter intravascular com dispositivo de segurança Análise de custo-efetividade Cateter intravascular com dispositivo de segurança Análise de custo-efetividade I. Elaboração final: março 2008 II. Autores: Alvaro Koenig III. Previsão de revisão: não há IV. Tema: Uso de cateteres intravasculares

Leia mais

INFORME TÉCNICO 001/2014 3ª Atualização

INFORME TÉCNICO 001/2014 3ª Atualização SECRETARIA DE ESTADO DE SAÚDE DO RIO DE JANEIRO SUBSECRETARIA DE VIGILÂNCIA EM SAÚDE INFORME TÉCNICO 001/2014 3ª Atualização Subsecretaria de Vigilância em Saúde VIGILÂNCIA DA DOENÇA PELO VÍRUS EBOLA (DVE)

Leia mais

1. CONCEITOS E OBJETIVOS DA VIGILÂNCIA EPIDEMIOLÓGICA

1. CONCEITOS E OBJETIVOS DA VIGILÂNCIA EPIDEMIOLÓGICA 1. CONCEITOS E OBJETIVOS DA VIGILÂNCIA EPIDEMIOLÓGICA A VIGILÂNCIA EPIDEMIOLÓGICA SEGUNDO A LEI 8.080, DE 1990, QUE INSTITUIU O SISTEMA ÚNICO DE SAÚDE (SUS), PODE SER DEFINIDA COMO: O CONJUNTO DE AÇÕES

Leia mais

PREVENÇÃO DE INFECÇÃO EM SÍTIO CIRÚRGICO (ISC)

PREVENÇÃO DE INFECÇÃO EM SÍTIO CIRÚRGICO (ISC) PREVENÇÃO DE INFECÇÃO EM SÍTIO CIRÚRGICO (ISC) Enf.ª Cláudia Cristina Castro de Andrade SEC/SCIH devidos créditos! Plágio é Crime! UM POUCO DE HISTÓRIA... Até a metade do século XIX ISC= óbito Joseph Lister,

Leia mais

EBOLA. Informe técnico e orientações para as ações de vigilância e serviços de saúde de referência

EBOLA. Informe técnico e orientações para as ações de vigilância e serviços de saúde de referência EBOLA Informe técnico e orientações para as ações de vigilância e serviços de saúde de referência FEBRE HEMORRÁGICA DO EBOLA O vírus Ebola foi identificado pela primeira vez em 1976, no Zaire (atual República

Leia mais

Biossegurança RISCOS BIOLOGICOS. UNISC Departamento de Biologia e Farmácia Prof. Jane Renner

Biossegurança RISCOS BIOLOGICOS. UNISC Departamento de Biologia e Farmácia Prof. Jane Renner Biossegurança RISCOS BIOLOGICOS UNISC Departamento de Biologia e Farmácia Prof. Jane Renner Risco biológico Definição Agente de origem biológica que possui a capacidade de produzir efeitos deletérios em

Leia mais

Capítulo 7 Estudos sobre Causalidade e Etiologia

Capítulo 7 Estudos sobre Causalidade e Etiologia L E I T u R A C R í T I C A D E A R T I G O S C I E N T í F I CO S 105 Capítulo 7 Estudos sobre Causalidade e Etiologia 7.1 Introdução Relembrando o que foi dito no capítulo 1 os estudos randomizados,

Leia mais

Acidente com material pérfuro-cortante

Acidente com material pérfuro-cortante Acidente com material pérfuro-cortante Cássia de Lima Aluna do Curso de Graduação em Enfermagem. Isabel Cristina Kowal Olm Cunha Docente do Curso de Graduação em Enfermagem. Orientadora. RESUMO Existem

Leia mais

Procedimento da Higiene das Mãos

Procedimento da Higiene das Mãos HIGIENE DAS MÃOS Pág. 1/7 Objetivo Melhorar as práticas de higiene das mãos dos profissionais de saúde. Reduzir a transmissão cruzada de microrganismos patogénicos. Âmbito Todos os serviços clínicos e

Leia mais

Nos termos da alínea a) do nº 2 do artigo 2º do Decreto Regulamentar nº 14/2012, de 26 de janeiro, emite-se a Orientação seguinte:

Nos termos da alínea a) do nº 2 do artigo 2º do Decreto Regulamentar nº 14/2012, de 26 de janeiro, emite-se a Orientação seguinte: NÚMERO: 014/2014 DATA: 11/08/2014 ATUALIZAÇÃO 29/10/2014 ASSUNTO: PALAVRAS-CHAVE: PARA: CONTACTOS: Doença por vírus Ébola. Procedimentos de vigilância de viajantes durante um voo, antes do embarque ou

Leia mais

Postura profissional e Segurança no trabalho

Postura profissional e Segurança no trabalho Postura profissional e Segurança no trabalho Ivete Apª Galdino Camilo e Marisa Harumi Kanaschiro DRH - S.E.S.M.T. HSL e FCMS - PUC/SP Não reproduza sem os devidos créditos! PLÁGIO É CRIME! Postura Profissional

Leia mais

Corrente Sanguínea. Critérios Nacionais de Infecções. Relacionadas à Assistência à Saúde. Agência Nacional de Vigilância Sanitária

Corrente Sanguínea. Critérios Nacionais de Infecções. Relacionadas à Assistência à Saúde. Agência Nacional de Vigilância Sanitária Agência Nacional de Vigilância Sanitária Corrente Sanguínea Critérios Nacionais de Infecções Relacionadas à Assistência à Saúde Unidade de Investigação e Prevenção das Infecções e dos Efeitos Adversos

Leia mais

PRIMEIROS SOCORROS. RECURSOS HUMANOS - PH/PHA Data: 28/03/2000 PESSOAS: NOSSA MELHOR ENERGIA

PRIMEIROS SOCORROS. RECURSOS HUMANOS - PH/PHA Data: 28/03/2000 PESSOAS: NOSSA MELHOR ENERGIA PRIMEIROS SOCORROS CONCEITO TRATAMENTO IMEDIATO E PROVISÓRIO CARACTERÍSTICAS DO SOCORRISTA CONHECIMENTO INICATIVA CONFIANÇA CRIATIVIDADE CALMA SOLIDARIEDADE ESTADO DE CHOQUE HIPOTENSÃO COM ACENTUADA BAIXA

Leia mais

CÂMARA MUNICIPAL DO RIO DE JANEIRO Gabinete do Vereador DR. JAIRINHO DECRETA:

CÂMARA MUNICIPAL DO RIO DE JANEIRO Gabinete do Vereador DR. JAIRINHO DECRETA: PROJETO DE LEI Nº 442/2005 Despacho DISPÕE SOBRE A OBRIGATORIEDADE DE REALIZAÇÃO DE EXAME SOROLÓGICO PRÉ-NATAL EM MULHERES GRÁVIDAS PARA DIAGNÓSTICO PRECOCE DE VÍRUS DA AIDS, DAS HEPATITES B E C E DOS

Leia mais

SUPORTE NUTRICIONAL. Nutrição Parenteral

SUPORTE NUTRICIONAL. Nutrição Parenteral UNIVERSIDADE FEDERAL DO TRIÂNGULO MINEIRO DISCIPLINA DE NUTROLOGIA SUPORTE NUTRICIONAL Nutrição Parenteral EnfªDanielli Soares Barbosa Equipe Multiprofissional Terapia Nutricional HC-UFTM CONCEITO Solução

Leia mais

Informe Técnico. Orientações para Vigilância e Manejo de Casos Suspeitos de Doença pelo Vírus Ebola (DVE)

Informe Técnico. Orientações para Vigilância e Manejo de Casos Suspeitos de Doença pelo Vírus Ebola (DVE) Subsecretaria de Promoção, Atenção Primária e Vigilância em Saúde Subsecretaria de Atenção Hospitalar Urgência e Emergência Informe Técnico Orientações para Vigilância e Manejo de Casos Suspeitos de Doença

Leia mais

COMISSÃO DE CONTROLE DE INFECÇÃO HOSPITALAR SERVIÇO DE CONTROLE DE INFECÇÃO HOSPITALAR. Higienização das Mãos

COMISSÃO DE CONTROLE DE INFECÇÃO HOSPITALAR SERVIÇO DE CONTROLE DE INFECÇÃO HOSPITALAR. Higienização das Mãos COMISSÃO DE CONTROLE DE INFECÇÃO HOSPITALAR SERVIÇO DE CONTROLE DE INFECÇÃO HOSPITALAR *Definição: Higienização das Mãos Lavagem das mãos é a fricção manual vigorosa de toda superfície das mãos e punhos,

Leia mais

NÚCLEO DE BIOSSEGURANÇA HOSPITALAR

NÚCLEO DE BIOSSEGURANÇA HOSPITALAR GOVERNO DO ESTADO DO RIO DE JANEIRO SUBSECRETARIA ESTADUAL DE SAÚDE SUPERINTENDÊNCIA DE SAÚDE NÚCLEO DE BIOSSEGURANÇA HOSPITALAR NÚCLEO DE BIOSSEGURANÇA HOSPITALAR 2 3 BIOSSEGURANÇA É O ESTADO, QUALIDADE

Leia mais

Rotina para Prevenção de Transmissão de Tuberculose Nosocomial

Rotina para Prevenção de Transmissão de Tuberculose Nosocomial MINISTÉRIO DA SAÚDE SECRETARIA DE ATENÇÃO À SAÚDE HOSPITAL FEDERAL DE BONSUCESSO COMISSÃO DE CONTROLE DE INFECÇÃO HOSPITALAR ROTINA A13 elaborada em 09/12/2010 Rotina para Prevenção de Transmissão de Tuberculose

Leia mais

PROCEDIMENTO GERAL. Identificação e Avaliação de Perigos e Riscos de SST

PROCEDIMENTO GERAL. Identificação e Avaliação de Perigos e Riscos de SST PÁG. 1/8 1. OBJETIVO Definir a sistemática para identificação contínua de perigos, avaliação de riscos de e determinação de medidas de controle para redução dos riscos de, seguindo a hierarquia: eliminação,

Leia mais

BIOSSEGURANÇA NA VISÃO DO RECÉM INGRESSO NO CURSO DE ODONTOLOGIA

BIOSSEGURANÇA NA VISÃO DO RECÉM INGRESSO NO CURSO DE ODONTOLOGIA BIOSSEGURANÇA NA VISÃO DO RECÉM INGRESSO NO CURSO DE ODONTOLOGIA Vanara Florêncio Passos * Thyciana Rodrigues Ribeiro * João Arruda Cajazeira Neto * Sérgio Lima Santiago ** PET Odontologia Universidade

Leia mais

INFECCÇÕES RELACIONADAS A SERVIÇOS DE SAÚDE ORIENTAÇÕES PARA PÚBLICO EM GERAL. Conhecendo um pouco mais sobre as Precauções Específicas

INFECCÇÕES RELACIONADAS A SERVIÇOS DE SAÚDE ORIENTAÇÕES PARA PÚBLICO EM GERAL. Conhecendo um pouco mais sobre as Precauções Específicas INFECCÇÕES RELACIONADAS A SERVIÇOS DE SAÚDE ORIENTAÇÕES PARA PÚBLICO EM GERAL 1 Conhecendo um pouco mais sobre as Precauções Específicas Para entendermos a importância das Precauções Específicas no ambiente

Leia mais

GERENCIANDO O HOME CARE Utilizando os indicadores de desempenho para a melhor tomada de decisão. CONTROLE DE INFECÇÃO DOMICILIAR

GERENCIANDO O HOME CARE Utilizando os indicadores de desempenho para a melhor tomada de decisão. CONTROLE DE INFECÇÃO DOMICILIAR GERENCIANDO O HOME CARE Utilizando os indicadores de desempenho para a melhor tomada de decisão. CONTROLE DE INFECÇÃO DOMICILIAR Dra Carla Guerra Médica Infectologista Pronep-SP Patrocínio: Realização:

Leia mais

Informações sobre anestesia

Informações sobre anestesia Informações sobre anestesia Estamos fornecendo este documento para ajudar os pacientes que serão submetidos a anestesia, para melhor entendimento do processo. Leia-o cuidadosamente e entenda o conteúdo.

Leia mais

Gestão de Risco e Controle interno. (09 de agosto)

Gestão de Risco e Controle interno. (09 de agosto) Gestão de Risco e Controle interno (09 de agosto) Área construída 17.500 m² Internações /mês 1295 Trabalhadores 860 Clinicas Médicas 5 Leitos 202 Recém nascidos/mês 140 Leitos Ambulatoriais 39 Atend.PA/mês

Leia mais

Técnica de higienização simples das mãos/higienização antisséptica das mãos

Técnica de higienização simples das mãos/higienização antisséptica das mãos HIGIENIZAÇÃO DAS MÃOS Objetivos: As mãos constituem a principal via de transmissão de microrganismos durante a assistência prestada aos pacientes, pois a pele é um reservatório natural de diversos microrganismos

Leia mais

O risco de contaminação pelo vírus HIV na cirurgia ortopédica*

O risco de contaminação pelo vírus HIV na cirurgia ortopédica* O risco de contaminação pelo vírus HIV na cirurgia ortopédica* MILTON CHOHFI 1, EDUARDO ALEXANDRINO SERVOLO DE MEDEIROS 2, JOSÉ LAREDO FILH0 3, SÉRGIO BARSANTI WEY 4 RESUMO Os autores realizam trabalho

Leia mais

Higiene e Segurança no Trabalho

Higiene e Segurança no Trabalho Curso Técnico em Mecânica Integrado ao Ensino Médio. Higiene e Segurança no Trabalho EPI & EPC Joinville, outubro de 2014 Medidas de Proteção no Trabalho Quando se fala em Segurança e Saúde no Trabalho

Leia mais

Câncer de Pulmão. Prof. Dr. Luis Carlos Losso Medicina Torácica Cremesp 18.186

Câncer de Pulmão. Prof. Dr. Luis Carlos Losso Medicina Torácica Cremesp 18.186 Câncer de Pulmão Todos os tipos de câncer podem se desenvolver em nossas células, as unidades básicas da vida. E para entender o câncer, precisamos saber como as células normais tornam-se cancerosas. O

Leia mais

Manejo dos Resíduos de Serviços de Saúde

Manejo dos Resíduos de Serviços de Saúde GERENCIAMENTO DE RISCO AMBIENTAL Manejo dos Resíduos de Serviços de Saúde Nos Estabelecimentos Assistenciais de Saúde Dados da Pesquisa Nacional de Saneamento Básico apontam que somente 63% dos municípios

Leia mais