Valter Donaciano Correia

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "Valter Donaciano Correia"

Transcrição

1 Valter Donaciano Correia

2 Nota do autor Diz um provérbio antigo que, você não pode ajudar alguém a subir, sem você ficar mais perto do topo. Este livro não é apenas uma síntese de assuntos relacionados com o treino do futebol, centrado no âmbito da aprendizagem desportiva. Sobre o ponto de vista do projecto Teoria do Futebol, pretendemos que cada leitor tenha o melhor acesso a um conjunto de temáticas, com desejo de reflectir sobre elas e os seus autores, que procure actualizar toda a informação e aprendizagem conseguida, que critique, mas mais do que isso, que não leve cada palavra como uma verdade universal e impermutável. O futebol é algo bastante atractivo, complexo, interessante e ao mesmo tempo simples. É verdade que um treinador de sucesso não deve perceber apenas de futebol. Para qualquer treinador de futebol, jogador ou praticante, interessado ou curioso, basta envolver-se nos conteúdos que rodeiam este desporto para, simplesmente, dinamizar o conhecimento e a vontade de atingir patamares superiores, seja dentro ou fora de qualquer disciplina desportiva. Facilmente compreendemos que o desporto pressupõe formação e educação, e com ele desenvolve-se uma estratégia educativa, pela qual devia passar qualquer jovem pessoa, independentemente do sexo, etnia ou classe social. Teoria do Futebol é um projecto básico, simples, de aprendizagem e de ensino, que procura qualquer conhecimento para a formação de treinadores de futebol, bem como a constante melhoria e aprovação de todos os leitores e seguidores. Assim, este livro é publicado como agradecimento a cada um dos nossos leitores e seguidores, com os quais temos privilégio em crescer e chegar cada vez mais longe, sem esquecer que sem todos eles, seria impossível. A todos os leitores do Teoria do Futebol, um muito obrigado

3 Sumário 1) A importância do treino na formação do atleta e da equipa 2) A relação entre o treino e a competição 3) A idealização do treino 4) Introdução aos princípios do treino a) O princípio da individualidade biológica b) O princípio da adaptação c) O princípio da sobrecarga d) O princípio da continuidade e) O princípio da interdependência Volume-Intensidade f) O Princípio da especificidade g) O princípio da variabilidade h) O princípio da saúde i) A inter-relação entre os princípios 5) Exercícios a) Exercício 1: passe curto, médio ou passe longo b) Exercício 2: combinações directas c) Exercício 3: Marcação, desmarcação e combinações directas d) Exercício 4: relação com bola e) Exercício 5: Posse de bola e saída de jogo f) Exercício 6: Posse de bola g) Exercício 7: Saída de jogo organizada h) Exercício 8: Defesas contra atacantes i) Exercício 9: construção de situações de finalização contra saída de jogo j) Exercício 10: Mobilidade da equipa k) Exercício 11: Mobilidade da equipa l) Exercício 12: mini-jogo m) Exercício 13: praticar transições n) Exercício 14: aprofundar para finalizar o) Exercício 15: o comboio p) Exercício 16: em profundidade q) Exercício 17: finalizar r) Exercício 18: transição ofensiva s) Exercício 19: na posse da bola t) Exercício 20: variar o passe u) Exercício 21: levantar a cabeça v) Exercício 22: introdução ao equilíbrio defensivo w) Exercício 23: cada vez mais rápido x) Exercício 24: amplitude máxima y) Exercício 25: o percurso z) Exercício 26: o losango aa) Exercício 27: o hexágono

4 bb) Exercício 28: balizas ao contrário cc) Exercício 29: com a bola no ar dd) Exercício 30: as bolas não chegam 6) As fases do jogo no futebol a) Movimentos horizontais durante a Fase II e Fase III ofensivas b) Saída de jogo ou Fase III ofensiva c) Inversão de bola durante a Fase II ofensiva d) A criação de situações de finalização durante a Fase II ofensiva e) A finalização ou Fase I ofensiva f) Equilíbrio defensivo ou Fase III defensiva g) Recuperação defensiva ou Fase II defensiva h) A defesa propriamente dita ou Fase I defensiva 7) Esquemas gerais para as várias fases do jogo 8) O controlo emocional no futebol a) Mas porque deve o indivíduo ter um elevado controlo emocional? b) Que mais pode causar a falta de controlo emocional? c) O que o treinador deve instruir ao atleta? d) Para o treinador 9) A concentração psicológica a) Exercícios para melhorar a concentração

5

6 A importância do treino na formação do atleta e da equipa Um treinador não deve saber apenas de futebol. Para saber futebol, tanto treinadores como jogadores devem estudar e estudar muito além de praticar bastante. O que fazer e como fazer são pontos de vista importantes, cujas próprias questões procuram respostas para a evolução da organização táctica. Mais do que um treinador de futebol, o mister é um líder, e como em qualquer profissão, um líder deve ser capaz de perceber o que ele mesmo sabe, perceber quais as lacunas da sua equipa ou o que cada um dos seus subordinados não sabe, perceber que o grupo não tem a mesma responsabilidade como ele, e mais importante que tudo, até que o conhecimento sobre as matérias e pessoas sobre as quais lidera: deve ser capaz de transmitir a mensagem sobre as suas ideias, filosofias e pensamentos. Sobre futebol qualquer um sabe ou pelo menos tem algumas ideias. E dar ordens qualquer um dá, sejam boas ou más. Mas nem todos sabem mandar e muito menos são aqueles que são capazes de fazer a mensagem ser recebida pelo receptor, ou seja, fazer com que o seu subordinado compreenda qual a função que deve realizar e como deve agir fora da sua função. Por exemplo, servirá ao treinador saber qual é o modelo de jogo que quer para a sua equipa, mesmo sendo o melhor modelo de jogo do mundo, se não é capaz de começar um treino com uma palestra e continuar com os exercícios necessários para que a equipa aprenda a jogar a sua maneira? Ou então, com um exemplo mais prático: o chefe. De que serve ao chefe saber tudo sobre negócios, se não é capaz de reconhecer o valor de cada um dos seus funcionários e ainda por cima dar ordens erradas? Para uma equipa de futebol, o mais importante é ter um modelo de jogo bem definido, com um conjunto de princípios bem definidos que organizam a equipa de determinada forma. A idealização de um modelo de jogo por um treinador parte sempre da sua filosofia, da cultura do clube e da pressão social, como os adeptos e os média. Só existe uma forma de idealizar um modelo de jogo dentro de um plantel, sendo a forma como o treinador deve passar a mensagem sobre as suas ideias aos seus jogadores, que é através do treino. Operacionar o modelo de treino é a forma mais eficaz de inserir o modelo de jogo no seio do grupo, além de algumas vantagens que sempre vem junto. Formas de defender, formas de atacar, formas de comunicar entre os jogadores e todas as ideias que surgem na mente do treinador apenas são transmitidas através do treino, e, independentemente se o treinador foi ou não jogador de futebol, a capacidade de liderança de um grupo é a chave secreta que distingue os treinadores normais dos melhores treinadores do mundo. Muitos dos melhores treinadores do mundo nem são mestres tácticos, mas são mestres em identificar erros e lacunas e a corrigir esses defeitos da equipa, treinando várias formas de jogar que todas juntas formam a equipa. Qualquer equipa funciona com a ligação entre as partes e o todo, sendo as partes cada jogador e o todo o plantel ou então os jogadores que disputam a partida. Através do treino, o treinador deve interiorizar cada uma das suas ideias em cada jogador, ideias essas que ensinam o jogador a jogar em equipa sem o desligar da sua qualidade individual. Aliás, o treinador deve fazer uso da qualidade individual de cada jogador e assim construir o plural baseado no singular da equipa, sendo capaz de fazer a ligação correcta entre a própria filosofia, a qualidade do plantel e os objectivos do grupo. Assim, podemos concluir que através do treino é possível domesticar cada um dos jogadores perante o modelo de jogo definido pelo treinador, uma vez que dessa forma, o rendimento

7 do atleta dispara. Ao mesmo tempo, o alto rendimento atleta tem influência no rendimento da equipa. Esta relação tem um desfecho importante para o futebol, principalmente no futebol moderno: a valorização do atleta e aos altos rendimentos da equipa que valorizam o estatuto do clube no seio da competição. A relação entre o treino e a competição Jogo e modelação parecem ser conceitos cuja especificidade está bastante distante. No entanto, a importância do treino na formação do atleta e da equipa apresenta exactamente o contrário. Através do treino, ao construir formas de jogar específicas, o treinador é capaz de intervir no nível de qualidade de jogo da equipa, valendo até o treino como a única forma de fazer a ligação entre jogadores, equipa e modelo de jogo. Segundo Garganta (1997), como se quer jogar é como se deve treinar. Assim, o objectivo principal do modelo de treino é especializar os jogadores no modelo de jogo definido que, ao ser aplicado durante uma partida de futebol, será avaliado em função da eficácia de cada acção individual e colectiva. Visto que existe uma relação entre treino e jogo, um deve ser semelhante ao outro e ao mesmo tempo, um termo deve fazer progredir o outro termo, buscando o alto rendimento. A avaliação correcta de cada jogador e das suas habilidades tácticas, técnicas, físicas e psicológicas, permite definir uma forma de jogar "ideal" da equipa, sendo que essa forma de jogar apenas pode ser colocada em prática ou em causa através do treino, através de inúmeros exercícios, que cumprem vários princípios específicos do treino. Assim, a ideia de jogo terá um papel importante na forma de treinar, e quanto mais coerente for essa forma de jogar, mais fácil será a forma como será racionalizada através do treino, pois a eficácia e prestação do atleta ou da equipa espelha-se na forma como se treina.

8 A forma como queremos jogar é a forma como devemos treinar e a modelação das características da equipa tem um papel preponderante nessa construção. O futebol é uma modalidade com características muito específicas, e por isso a forma de treinar deve aproximar-se da forma de jogar. O princípio da especificidade do treino resolve esta questão, obrigando a que cada exercício contenha os mesmos estímulos e mesmas situações como uma partida de futebol, ou que sejam aproximados à realidade do jogo. Quanto maior for o grau de correspondência entre o modelo de treino, o modelo de jogo e a realidade do jogo, melhores e mais eficazes serão os resultados do treino, pois a modelação do jogo da equipa condiciona o processo de planeamento e de periodização do treino. Por resumo, provamos que existe uma relação entre o jogo e o treino. Evidentemente que a necessidade de formar um modelo de jogo que seja eficaz e único perante as outras equipas já é uma realidade do futebol moderno. Os resultados do treino apenas são conhecidos durante o jogo, pois é exactamente no jogo onde se formam os estímulos ideais que o treino não consegue reproduzir, e por isso, devemos ter em atenção que até que uma forma de jogar tenha sido totalmente racionalizada perante a equipa, o treino deve ser visto como a componente global e a competição como um ramo dessa componente, ao ponto que um jogo não é mais do que apenas noventa minutos de treino. A idealização do treino " Não concebo a modificação de um comportamento por magia. Tem de ser com o treino. E quando digo treino quero dizer treinos. ". A frase citada pertence a José Mourinho e refere a melhor forma de formar uma equipa e a forma de jogar dessa equipa. Uma vez que o modelo de jogo tem uma forma de ser induzido nos atletas, que é através do treino, e como o treino é sinónimo de trabalho e esforço, o próprio treino também tem uma forma de ser induzido no trabalho da equipa através de ideologias específicas, sendo estas ideologias representadas através dos inúmeros exercícios disponíveis ao treinador, desde que todos esses exercícios sejam específicos para a modalidade. Cada treinador tem uma forma de pensar independente de todos os outros treinadores, e por isso organiza uma forma de treinar também independente dos colegas de profissão. Por essa razão, cada equipa tem uma forma de jogar que a distingue de todas as outras. Ainda se considera o factor sorte como chave para resolver jogos e definir campeões, uma vez que o futebol é um desporto de probabilidades e sem previsão eficaz de todas as situações que surgem durante a competição. No entanto, grandes treinadores compreendem que a sorte é construída, e que o treino tenta combater esse detalhe, preparando a equipa para cada um dos vários momentos. A figura representa uma entre várias formas de treinar, onde os vários princípios do treino partem do singular para o plural, sem esquecer que cada princípio está ligado aos restantes princípios.

9 Pela ordem da figura, o treinador deve distinguir quais as habilidades de cada atleta, sejam físicas, técnicas, tácticas ou psicológicas, pois cada atleta é diferente de todos os outros, e a mesma forma de treinar não produz os mesmos efeitos em dois atletas, Só assim o treinador distingue qual será a forma de treinar para estimular o atleta até ao seu alto rendimento, através de exercícios. Cada exercício deve cumprir quatro princípios fundamentais - adaptação, sobrecarga, continuidade e interdependência - pois só assim poderá desenvolver o atleta de acordo com as características da modalidade. Para conseguir alcançar um desenvolvimento eficaz nessas características, o treinador deve orientar os jogadores em exercícios que sejam específicos para o futebol, mas ao mesmo variar esses exercícios. Por outras palavras, deve escolher exercícios que sejam eficazes para a estimulação correcta do atleta em todas as características físicas, técnicas, tácticas ou psicológicas de acordo com o seu modelo de jogo, mas também variar os exercícios, de forma impedir que os atletas sejam sempre estimulados da mesma forma, assim como também procurar e treinar novas características na equipa e ao mesmo tempo melhorar a criatividade da mesma. O treinador deve ter em conta que cada atleta é um ser vivo e não uma máquina, e que fisicamente tem limites. Cada exercício deve procurar aumentar o rendimento do atleta ao seu máximo, mas de forma ética. Por fim, todos os princípios estão ligados entre si, e o treinador capaz de orientar o treino obedecendo a todos estes princípios, é considerado mestre na vertente do treino. Portanto, o treino é um fenómeno complexo, compreendido como um forma especial de ensino, que pressupõe instrução e didáctica. O processo de treino deve ter sustentação no Modelo de jogo e num modelo de treino resultante do primeiro. Portanto, o modelo de jogo é o orientador de todo o modelo de treino, sendo que a eficácia do primeiro modelo depende da forma de aplicação do segundo modelo, enquanto o segundo modelo depende do primeiro para ser operacionalizado.

10 Introdução aos princípios do treino O futebol é um desporto com características muito próprias e específicas, que o transformam num desporto cujo treino deve ser cuidadosamente programada e analisado e ao mesmo tempo, tem também práticas comuns aos jogos desportivos colectivos. O modelo de preparação / treino deverá estar orientado por uma preparação técnicotática que tenha como objectivo estimular o tipo de solicitações que o modelo de jogo e os seus princípios exigem. (Frade, 1985, citado por Freitas, 2004) Em 2006, José Mourinho afirmou: "Não acredito, no futebol de hoje, em equipas bem fisicamente e outras mal. Há equipas adaptadas, ou não, à forma de jogar do seu treinador. O que nós procuramos é que a equipa se consiga adaptar ao tipo de esforço que a nossa forma de jogar exige." Segundo estas palavras de Mourinho, o treinador deve ter não só um modelo de jogo idealizado para um objectivo final que depende de vários factores, como deve também ter um método e filosofia de treino para que o atleta melhor responda à condições exigidas pelo modelo de jogo. Através de exercícios é possível alcançar essas condições, mas, por sua vez, os exercícios devem responder às condições exigidas pelo método de treino. Assim, existem vários princípios de treino, que, de uma forma geral são norteadores para a criação de uma forma de treinar eficaz, independentemente do método de treino. Entende-se que cada treinador tem a sua forma de trabalhar e de encarar o treino, mas que deve ter em conta condições gerais para a aplicação do seu método de treino, que são os princípios do treino. Uma vez que o treinador é responsável por todo o processo de treino, deve conhecer os objectivos e os efeitos dos exercícios. Cada modelo de jogo corresponde a uma metodologia de treino diferente, ou seja apenas existe uma forma de treinar para uma forma de jogar. A partir destas duas premissas, podemos concluir que o treinador deve escolher exercícios que melhor adaptem os seus jogadores ao seu modelo de jogo, percebendo que cada jogador se adaptará de forma diferente, e que o mesmo exercício não serve para habilitar a mesma forma de jogar em equipas diferentes. O princípio da individualidade biológica A individualidade biológica explica a variabilidade entre elementos da mesma espécie, o que faz com que não existam dois seres da mesma espécie iguais. Cada ser humano possui estruturas físicas e psicológicas individualizadas ou diferenciadas dos restantes seres humanos, para que cada um seja único, e nesse sentido o treino individual teria melhores resultados, pois obedeceria às características e necessidades de cada indivíduo. No entanto, existem grupos homogéneos que facilitam o treino desportivo, e o treinador deve verificar as potencialidades, necessidades e fraquezas de cada atleta para que o treino tenha um desenvolvimento aproximado sobre o ideal.

11 Existem duas capacidades constitucionais que partem do princípio da individualidade biológica: Fenótipo - responsável pela capacidade de evolução ou potencial das habilidades encontradas no genótipo, ou seja elementos variáveis que são adicionados ao indivíduo após o nascimento. Está dividido em habilidades motoras e desportivas, nível intelectual, consumo máximo de oxigénio, limiar anaeróbico e percentual de fibras musculares Genótipo - responsável pelo potencial do atleta, incluindo vários factores como composição corporal, biótipo, altura máxima possível e percentual de fibras musculares. Considera-se como a carga genética recebida. Está dividido em estatura, estrutura corporal, aptidões físicas e intelectuais, força máxima, composição corporal e percentual os tipos de fibras musculares Para compreender o fenótipo e o genótipo, podemos considerar que cada ser vivo nasce com determinadas características (genótipo), mas que os vários estímulos do meio ambiente transformam esse ser vivo ao longo da vida (fenótipo). Cada ser humano é único, e por isso necessita de ser compreendido e ajudado a escolher uma direcção para a sua evolução. Não é possível que a partir da padronização de qualquer forma de treino para grupos inteiros de indivíduos obtenha sempre bons resultados. Assim, o plantel deve ser dividido em vários grupos, de acordo com os objectivos da equipa e capacidades dos vários membros da equipa. A capacidade institucional Genótipo, caracteriza os ideais, a predisposição inata ou aptidão. Podemos considerar que o Genótipo é o dom que nasce com o indivíduo e o distingue dos restantes. Cada indivíduo é mais propenso a realizar determinadas tarefas, seja a nível físico, psicológico ou técnico. Por sua vez, a capacidade institucional Fenótipo é a capacidade que o indivíduo tem para evoluir, ou seja, após a nascença do indivíduo, os vários estímulos do meio ambiente definem a personalidade e características do indivíduo, mas sempre em volta da sua predisposição inapta. Para Ibidem (1995), o campeão seria aquele que nasceu com o seu dom natural, e o desenvolveu adequadamente ao longo de muito treino. No futebol, frequentemente surgem vários talentos que por falta de condições, tanto sociais como desportivas, acabam em segundo plano ou acabam mesmo por seguir outra profissão fora do futebol. Por vezes, existem talentos dentro dos plantéis, mas que estão escondidos, pois o seu treinador ou ex-treinadores não foram capazes de reconhecer o seu valor, julgando que o melhor caminho para o atleta seria outra função ou outra posição. Neste caso, a função do atleta é distinguir quais são as habilidades naturais do indivíduo e traçar o caminho certo para a progressão eficaz do atleta. É por essa razão que o líder de um plantel é nomeado treinador, pois a sua função é desenvolver as habilidades naturais do atleta dentro dos seus limites.

12 Princípio da adaptação A capacidade de adaptação dos seres vivos permitiu a evolução das espécies ao longo de milhões de anos, e impediu também que quase todas as espécies desaparecessem de um momento para o outro. O ser humano conseguiu permanecer e prevalecer no planeta, devido à sua capacidade de adaptação. Ligado ao princípio da individualidade biológica, o princípio da adaptação é um princípio da natureza e também desportivo. De acordo com Weineck (1991), a adaptação é a lei mais universal e importante da vida. Adaptações biológicas apresentam-se como mudanças funcionais e estruturais em quase todos os sistemas. No desporto, entende-se que as alterações dos órgãos e sistemas funcionais aparecem em decorrência das actividades psicofísicas e desportivas, ou seja treino. Essas alterações são feitas através de estímulos. Para o mesmo autor, no desporto, raramente o genótipo é completamente transformado em fenótipo, mesmo no treino mais duro. O que existe são fases de maior adaptabilidade, que se encontram em diferentes períodos para factores de desempenho de coordenação e factores condicionados, que são designadas por fases sensitivas. A zona limite destas fases sensitivas, ou seja, o período onde é possível exprimir melhor as características dos atletas é chamado de período crítico, que é justamente o momento quando o atleta concentra toda a sua atenção no exercício. O conceito de Homeostase No organismo vivo, existe um equilíbrio instável mantido entre os sistemas que constituem o organismo e o meio ambiente. Esse é o estado de Homeostase (Dantas, 1995). Para o mesmo autor, existem factores que podem romper a Homeostase, desde factores internos, geralmente oriundos do córtex cerebral, ou externos como calor, frio, situações inusitadas, emoções, variação da pressão, esforço físico, traumatismos, e por ai fora. De todos esses factores e mais alguns que influenciam no equilíbrio da Homeostase, ou seja, quando a perturbam, o organismo dispara um mecanismo compensatório para restabelecer o equilíbrio. Assim, qualquer estímulo provoca uma reacção no organismo, pois este busca constantemente o equilíbrio e as respostas adequadas para alcançar esse equilíbrio. O conceito de estímulo pode ser entendido como um factor que altera as condições do organismo, seja de forma física ou psicológica. O calor ou o frio, exercícios físicos, as emoções e as infecções são exemplos de estímulos frequentes no treino desportivo. Existem quatro tipos de estímulos diferentes: Estímulos débeis - estímulos demasiado fracos ou que não produzem adaptação satisfatória, e que não acarretam consequências ou resultados Estímulos médios - qualquer estímulo de baixa intensidade, que excita o organismo mas que não produz adaptações posteriores, ou seja, fortes o suficiente para provocar uma reacção mas demasiado fracos para criar adaptações. Estímulos fortes - provocam adaptações, e são estímulos ideais para o treino organizado, pois proporcionam adaptações mais seguras, plenas e prolongadas.

13 Estímulos muito fortes - sem o devido controlo por meio de testes periódicos e avaliações generalizadas prévias do estado biológico e psicológico do indivíduo, este tipo de estímulos não é recomendado, pois existe um risco enorme de causar lesões ou danos permanentes. Os exercícios são desenvolvidos com o objectivo de estimular cada atleta sobre a forma de stress. Quando o organismo é estimulado, imediatamente aparecem mecanismos de compensação para responder a um aumento das necessidades fisiológicas, ou seja, existe uma relação entre os estímulos do treino e o fenómeno do stress. Para Tubino, Stress ou síndrome da Adaptação geral indica que cada estímulo pode provocar adaptações ou danos num organismo, e esses estímulos são denominados por agentes stressantes (Seyle, 1956, Tubino, 1984). A síndrome da adaptação geral (SAG) está dividida em três fases diferentes até que o agente stressante na sua acção atinja o limite da capacidade fisiológica de compensação no organismo, organizadas da seguinte forma: 1ª fase: reacção de alarme, excitação ou choque; 2ª fase: fase da resistência ou adaptação; 3ª fase: fase da exaustão ou cansaço. Excitação ou choque - quando o cérebro compreende qualquer estímulo como um perigo, como correr o risco de se lesionar por uma queda ou embate contra um colega, entra automaticamente em alarme. Estímulos que provoquem medo ou alarme no atleta, geralmente, diminuem a sua concentração na situação momentânea, isto é, leva a que o atleta faça uma pausa momentânea da concentração na actividade e na sua função a desempenhar, para concentrar a sua atenção em algo que entende como negativo para si mesmo. Resistência ou adaptação - esta fase tende a provocar uma adaptação ao estímulo aplicado com elevação no rendimento, ou seja, o estímulo da actividade ou do exercício eleva ou desenvolve as habilidades do atleta. Geralmente, qualquer atleta se sente confortável nesta fase, excepto se existe algum estímulo diferente do objectivo pretendido, estímulo que reduz a atenção do atleta. Exaustão ou cansaço - nos casos de treino excessivo, quando o corpo não responde positivamente aos estímulos por já estar adaptado, é muito provável que aconteça uma queda de rendimento desportivo. Existe o risco de lesões temporárias ou permanentes, pois a energia que o organismo tem para evoluir já foi praticamente gasta. Por conclusão, segundo este princípio do treino, a função do treinador é escolher os exercícios que melhor façam a ligação entre atleta e modelo de jogo, sem esquecer que cada exercício deve estimular o atleta para que este evolua de forma rápida e eficaz, melhorando o seu rendimento e consequentemente o rendimento da equipa. Tendo em conta as directrizes do treino actuais, o treino desportivo já é tão importante como o jogo de futebol. Embora o jogo de futebol seja o maior teste aos resultados do treino, não deixa de ser também um treino, com todas as condições reais a que o atleta pode ser exposto. Assim, os melhores treinadores, além da vertente táctica, dominam também a vertente do treino, pois são mais capazes de transmitir as suas ideias sobre o seu modelo de jogo através do treino.

14 Princípio da sobrecarga Imediatamente após uma carga de trabalho, o organismo necessita de recuperar e estabelecer o equilíbrio em relação ao meio ambiente, ou seja, o organismo necessitará de um tempo de recuperação para repor a energia gasta durante a actividade. Por outras palavras, este princípio respeita que após o esforço, o atleta precisa de um período de recuperação, e será durante esse período de descanso que o organismo responde aos estímulos a que o atleta foi exposto durante determinada actividade. No momento imediato após a aplicação de uma carga de trabalho, há uma recuperação do organismo que restabelece o equilíbrio entre o organismo e o meio ambiente, que é a Homeostase. (Dantas, 1995). Segundo Hegedus (196919, cada estímulo produz um desgaste diferente dos restantes estímulos, que é reposto após o término do trabalho. Os estímulos causam diferentes desgastes, mas o organismo é capaz de fazer a recuperação de si mesmo e preparar-se para uma carga de trabalho mais forte, chamando a este fenómeno de assimilação compensatória. Com a evolução do treino, o treinador deve aplicar estímulos cada vez mais fortes sobre os atletas, elevando o limite de adaptação de cada jogador. Este é o princípio da sobrecarga ou da progressão gradual, fundamental em todos os processos de evolução desportiva. Existem duas fases pelas quais o organismo atravessa ao recuperar as energias: Período de restauração - o organismo recompõe a energia gasta durante a actividade até um igual nível de energia anterior ao estímulo. Período de restauração ampliada - o organismo reúne uma fonte de energia superior à da fase anterior, preparando para receber estímulos mais fortes. Uma vez que não existe certezas em predeterminar o estado exacto de recuperação individual, o treinador deve estar atento a cada atleta, indagando sobre sensações subjectivas como o estado de ânimo, sono, cansaço ou dores, que são uma grande ajuda na determinação de uma recuperação plena do organismo. Períodos muito curtos ou prolongados de inactividade podem produzir as reacções citadas. Para um controlo racional da recuperação do atleta, deve-se fazer uso constante dos testes para de determinação do estado actual de desempenho e avaliar a evolução do atleta em relação ao estado de desempenho de cada mesociclo de treino. Esta comparação funciona como acerto para as sobrecargas que visam a elevação máxima da qualidade física e do tempo previsto para o desempenho máximo. As cargas de trabalho devem ser contínuas e variadas, pois o estímulo de treino permanente cria a condição de treino crónico ou prolongado e a dosagem das cargas está directamente ligada ao acumulo de experiências motoras, que após a sua assimilação ao longo dos anos, serão perdidas na mesma proporção em que foram adquiridas se o treino for interrompido. No mesmo sentido, a recuperação será mais rápida após a retoma dos trabalhos, mesmo em condições de intensidade inferiores. Mais ainda, o treino deve ser programado com antecedência suficiente, para que não existem períodos mínimos de inactividade durante o ciclo de treino, pois quando o atleta se exclui dos treinos durante determinados períodos de tempo, atinge a fase de destreinamento. Para isso, é preferível reduzir os trabalhos em termos de volume invés

15 de deixar as habilidades do singular se desvanecerem, comparando com as habilidades do colectivo. Existe ainda a síndrome de super-treino ou overtraining, que acontece quando o atleta força progressivamente o seu treino, o que causa uma queda no rendimento, pois o organismo perde a capacidade de recuperar das sobrecargas sucessivas e entra em perda. Os sintomas deste caso em alguns atletas são parecidos com os do treino forte, mas são crónicos. Costuma ser mais comum em atletas que treinam em provas de longa duração, mas pode ocorrer em todo tipo de desportistas (Bompa, 2003). Neste caso, recomenda-se Por resumo, o princípio da sobrecarga está directamente ligado ao aumento sucessivo da carga de trabalho. O treinador deve reconhecer que à medida que a carga actual já não constitui um estímulo suficientemente forte para a evolução do atleta, é o momento ideal para aumentar a dificuldade do exercício, dependendo dos objectivos anteriormente definidos, ou seja, dificultar as condições do exercício para um nível máximo que o atleta o consegue realizar, mas a um nível mínimo para treinar o atleta dentro das condições requeridas pelo treinador. Princípio da continuidade A continuidade do treino desportivo é extremamente importante, pois exercícios que estejam ligados entre si, ou seja, que acomodem o atleta em estímulos do mesmo tipo, são essenciais para a adaptação do atleta. O princípio da continuidade e o princípio da adaptação estão ligados entre si, mas a continua evolução das matérias do treino ao longo do tempo são primordiais para progressivamente o organismo se adaptar. De acordo com Tubino, a condição atlética só pode ser conseguida após anos seguidos de treino, e por isso existe uma influência bastante significativa das preparações anteriores em qualquer sistema de treino em andamento. Isto significa que demora sempre tempo determinado para se conseguir alcançar rendimento superior ao normal, e ao mesmo tempo os treinos anteriores influenciam treinos actuais, ou seja, o que o plantel trabalhou em exercícios anteriores, esse trabalho os ajudará a estarem aptos para exercícios mais difíceis ou mais evoluídos. Pode-se acrescentar que este princípio compreenderá sempre no treino em curso uma sistematização de trabalho que não permita uma quebra de continuidade, isto é, que o mesmo apresente uma intervenção compacta de todas as variáveis interactuantes. Em outras palavras, considerando um tempo maior, o princípio da continuidade é aquela directriz que não permite interrupções durante esse período. (ibidem, 1984). A continuidade é extremamente importante, mesmo ao nível do treino amador e no lazer, e não apenas no aspecto físico, bem como no aspecto psicológico e no aspecto técnico, além de outros factores que podem influenciar ou interferir na prática desportiva. A adaptação do atleta às dificuldades e condições do treino apenas é conseguida através da realização sistemática do treino, ou seja, e houver uma solicitação repetida ao longo de determinado período de treino, solicitação que pode ser entendida como exercícios diferentes, com dificuldades cada vez mais elevadas, mas com o mesmo contexto. A estabilidade do rendimento depende essencialmente da quantidade de carga

16 realizada ao longo de um determinado período de tempo, desde que esse tempo seja suficiente para obter essa estabilidade. Princípio da Interdependência Volume-Intensidade Um exercício durante um treino de futebol contém sempre duas varáveis que o identificam ou definem. Uma dessas variáveis, o volume, define a quantidade de estímulos que o atleta sofre durante o exercício. Por outro lado, a intensidade define a qualidade dos estímulos, ou seja, se o exercício é mais ou menos difícil. O princípio da Interdependência Volume-Intensidade está directamente ligado ao princípio da sobrecarga, pois o aumento limitado das cargas de trabalho é um factor que melhora a performance desportiva do atleta. Esse aumento de cargas de trabalho é feito por conta do volume e devido à intensidade do exercício. Os atletas de alto rendimento, independentemente do desporto praticado, estão referenciados a uma grande intensidade e volume durante o treino, ou seja, estão sujeitos a uma carga de trabalho elevada, mas sempre adequada à fase do treino. Existe uma relação entre o volume e a intensidade do treino. As duas variáveis estão ligadas entre si, mas o aumento dos estímulos de uma dessas variáveis pode causar a diminuição de estímulos da outra variável. Por exemplo, partindo de um exercício simples, mas que apresenta a variável de volume elevada, e a variável de intensidade baixa, os estímulos desse exercício afectam o atleta mais fisicamente do que psicologicamente, pois obriga a um esforço físico elevado durante o exercício. Por outro lado, um exercício muito intenso, mas com pouco volume de trabalho, é um exercício mais difícil mentalmente. Os estímulos afectam o atleta de forma psicológica, em detrimento da forma física. Actualmente, a intensidade é reconhecida como qualidade do treino, ao ponto que um treino de qualidade é o treino que prepara cada atleta para a duração completa de uma prova, mantendo sempre um elevado desgaste durante essa prova. Ao mesmo tempo, o volume do treino é considerado tão importante como a intensidade, pois é o elemento que delimita a quantidade de acções que o atleta realiza durante um determinado período de tempo. A relação entre as variáveis intensidade e volume do exercício serve como referência para o alto rendimento desportivo. NOTA: As variáveis Volume e Intensidade não são ou não estão explícitas a todos os treinadores, para que possam ser definidas num treino ou numa acção baseada na relação entre as duas variáveis. Respeitando a ética do treino, o atleta nunca deve ser colocado em risco durante o treino, isto se o treinador tiver dúvidas na relação entre estas duas variáveis. Os bons treinadores conseguem distinguir a relação entre a variável volume e a variável intensidade do treino. Princípio da especificidade Nos tempos anteriores ao surgimento do Princípio da especificidade, a condição física era o objectivo principal do treino, ao ponto que a organização táctica era por vezes "excluída". Entendia-se que as capacidades físicas de cada atleta eram a chave do alto rendimento. Desde o surgimento do princípio da especificidade, e consequentemente do

17 "treino com bola", as capacidades físicas dos atletas são treinadas apenas em especificidade, ou seja, apenas as partes do corpo específicas da modalidade são treinadas. Esta "modernização" do treino, entendendo como uma parte da periodização táctica, embora mais difícil que a periodização convencional, elevou o rendimento das equipas, seja a nível amador ou profissional. O princípio da especificidade é aquele que impõe, como ponto essencial, que o treino deve ser montado sobre os requisitos específicos da performance desportiva, em termos de qualidade física interveniente, sistema energético preponderante, segmento corporal e coordenações psicomotoras utilizados (ibidem, 1995). A aplicação de um determinado estímulo durante a execução do treino provoca no organismo uma determinada resposta específica relacionada com o estímulo utilizado. O treino de força provoca adaptações sobre os mecanismos neuro-musculares, específicos das fibras musculares que foram solicitadas nos treinos. Os exercícios de resistência provocam adaptações musculares sobre as mitocôndrias e capilares para elevar a capacidade de gerar energia aeróbica. O princípio da especificidade está ligado ao princípio da individualidade biológica, ao ponto que o exercício não só deve ser específico para a modalidade, sob a forma de treinar os atletas de acordo com as condições específicas dessa modalidade, como também melhor se adaptar as características do atleta, reflectindo sobre duas categorias de fundamentos fisiológicos: os aspectos metabólicos e os aspectos neuromusculares, ou seja, ao mesmo tempo que treina o sistema energético e o sistema cárdiorespiratório do atleta, o treino deve também ser desenvolvido com o mesmo tipo de actividade de performance da modalidade, ou seja, o treino e a competição deve seguir as mesmas directrizes. Isto serve, cada vez mais, para firmar na consciência do treinador que o treino, principalmente na fase próxima à competição, deve ser estritamente específico, e que a realização de actividades diferentes das executadas durante a performance com a finalidade de preparação física, se justifica se for feita para evitar a inibição reactiva (ou saturação de aprendizagem). (ibidem, 1995). Assim, o princípio da especificidade recomenda o treino exclusivo da parte do sistema ou do corpo que esteja a receber a sobrecarga, e a adaptação fisiológica será específica para esta parte do corpo. A elaboração de um programa de treino deve ser específica para uma actividade ou habilidade própria da modalidade.

18 Princípio da Variabilidade Aliado ao princípio da especificidade, o princípio da variabilidade dos exercícios é responsável pelo treino mais completo possível do atleta, para que o indivíduo seja estimulado por uma quantidade máxima de estímulos quanto possível, desde que esses estímulos estejam em conformidade com os conceitos de segurança e eficiência que regem a actividade. A partir da variabilidade de estímulos através dos exercícios, as probabilidades de atingir uma maior performance são maiores. Quanto maior for a diversificação desses estímulos é obvio que estes devem estar em conformidade com todos os conceitos de segurança e eficiência que regem a actividade maiores serão as possibilidades de se atingir uma melhor performance. (ibidem, 1996). Os exercícios devem ser variados, mesmo que os objectivos de cada exercício sejam os mesmos que outros exercícios. Durante a competição, o atleta é exposto a vários tipos de dificuldades e obstáculos, que apenas um treino completo permite ao atleta ultrapassar todas essas barreiras com facilidade. Quando o treinador escolhe vários exercícios, o atleta é exposto a várias situações diferentes, melhorando o seu feedback e consequentemente aumentando o seu rendimento desportivo. Ao mesmo tempo, a variabilidade de exercícios diminui o aparecimento de factores desestimulantes, actua sobre a motivação do atleta, melhora a criatividade do singular, do plural e do treinador, e mais do que tudo, possibilita o aparecimento de novas técnicas de treino que, através do treino não variável, não seria possível o seu surgimento. Princípio da Saúde Assim, não só a Ginástica Localizada em si e suas actividades complementares possuem grande importância. Também os sectores de apoio da Academia, como o Departamento Médico, a Avaliação Funcional e o Departamento Nutricional assumem relevante função no sentido de orientar todo o trabalho, visando a aquisição e a manutenção dessa Saúde. (ibidem, 1996). Actualmente, vários atletas colocam a sua vida em risco, não só em desportos radicais, como em praticamente todos os desportos. O compromisso com o alto rendimento desportivo e bons resultados leva os atletas a praticar actividades fora do treino e ainda treinadores elevar o treino para actividades que não tem compromisso com o aspecto saúde. O treinador deve ter em conta que o treino não deve ultrapassar limites éticos, e tanto o treinador como a direcção e organização do clube devem compreender que determinadas práticas para o sucesso desportivo económico ultrapassam limites desportivos não aceites, uma vez que o atleta é um ser vivo, e a condicional física tem limites que impedem o atleta de ir mais além. Práticas como doping e overtraining podem melhorar resultados durante determinado período de treino, mas certamente trarão consequências negativas num futuro próximo, se não mesmo uma queda abrupta de rendimento ou mesmo destabilização do organismo.

19 Qualquer responsável que faça parte do clube, seja staff, direcção, organização ou treinador, deve compreender que o sucesso desportivo não passa pela utilização de práticas desportivas adversas. Qualquer exercício deve ser levado em conta que é praticado por seres vivos e não por máquinas ou seres virtuais, que tem limites que não podem ser recuperados quando ultrapassados e por isso deve existir um equilíbrio entre perigo e segurança do exercício igual ao equilíbrio do jogo. Na competição, o jogo perigoso em demasia leva a expulsões e/ou suspensões por parte dos atletas que o praticam, impedindo ou diminuindo assim lesões ou abandonos em qualquer equipa. O treino deve ser compreendido como actividade norteadora para a melhoria de várias habilidades técnicas, tácticas, físicas e psicológicas, mas ao mesmo tempo deve ser compreendido como actividade limitada, e os riscos que ocorrem durante a competição, ocorrem também durante o treino. Mais ainda, o atleta e o treinador devem ter em conta factores externos à actividade física. O descanso, a alimentação e a prática ou não prática de determinadas actividades determina a performance do treino e da competição. Atletas profissionais entendem o desporto como uma profissão, e sabem que o rendimento máximo não depende apenas do período entre entrar e sair do estádio. O rendimento depende imenso da condição física e psicológica, e, aceitando que não estão a treinar ou a competir a maior parte do tempo, regularizam as actividades extra-desportivas, visando alcançar o sucesso desportivo.

20 A inter-relação entre os princípios Existem vários princípios norteadores do treino desportivo, independentemente da actividade praticada. Todos esses princípios, quando considerados individualmente, tem as suas próprias funções e o seu valor, mas cada uma dessas leis não existe apenas por existir. A integração desses princípios é extremamente importante, ao ponto que apenas com desenvolvimento de todos os princípios, ou pelo menos aqueles que são considerados norteadores para determinado objectivo, se consegue aproximar do rendimento desportivo máximo. Apesar dessa importante correlação, os Princípios da Adaptação, da Sobrecarga, da Continuidade e da Interdependência Volume-Intensidade é que vão não só dar corpo como orientar toda a aplicação prática do treino, ou seja, são os verdadeiros responsáveis pela arrumação de todo o processo de treino, traduzida na forma dos micro, meso e macro-ciclos de trabalho. (ibidem, 1996). Quando mais e melhor for compreendido cada um dos princípios abordados, mais fácil será para o treinador organizar o treino da sua equipa, pois possui melhores competências para organizar um treino de rendimento. No entanto, a equipa depende da qualidade individual do singular, mas principalmente da capacidade de ligação entre cada singular. Da mesma forma, o profundo conhecimento destes princípios e de outros conhecimentos não é o único factor determinante para o sucesso do treino, A excelência apenas é conseguida com a relação perfeita destes conhecimentos, que apenas é conseguida através da aplicação no treino.

ANTF. Acção de Actualização para Treinadores de Futebol de Jovens. Simplificação da Estrutura Complexa do Jogo. Fases do Jogo

ANTF. Acção de Actualização para Treinadores de Futebol de Jovens. Simplificação da Estrutura Complexa do Jogo. Fases do Jogo ANTF Acção de Actualização para Treinadores de Futebol de Jovens Simplificação da Estrutura Complexa do Jogo Fases do Jogo VÍTOR URBANO FASES DO JOGO No Futebol Moderno, todos os jogadores da equipa, sem

Leia mais

ASPECTOS PSICOLÓGICOS NO Futsal através do treino Integrado

ASPECTOS PSICOLÓGICOS NO Futsal através do treino Integrado ASPECTOS PSICOLÓGICOS NO Futsal através do treino Integrado Francisco Batista Introdução A aplicação da Psicologia no treino desportivo tem, nestes últimos anos sido muito importante. A Psicologia é uma

Leia mais

O sonho do treinador específico = Sonho de guarda-redes Apenas 32 equipas profissionais, o que não impede a exigência de profissionalismo noutras divisões Num mundo de poucas oportunidades, só a qualidade

Leia mais

Organização do treino de Badminton

Organização do treino de Badminton Organização do treino de Badminton Introdução O treino tem sempre uma variabilidade de factores enorme, qual o objectivo, a quem se destina, iniciação ou alto rendimento, qual a altura da época que nos

Leia mais

AS REGRAS DO BASQUETEBOL

AS REGRAS DO BASQUETEBOL AS REGRAS DO BASQUETEBOL A BOLA A bola é esférica, de cabedal, borracha ou material sintéctico. O peso situa-se entre 600 g e 650g e a circunferência deve estar compreendida entre 75 cm e 78 cm. CESTOS

Leia mais

VALÊNCIAS FÍSICAS. 2. VELOCIDADE DE DESLOCAMENTO: Tempo que é requerido para ir de um ponto a outro o mais rapidamente possível.

VALÊNCIAS FÍSICAS. 2. VELOCIDADE DE DESLOCAMENTO: Tempo que é requerido para ir de um ponto a outro o mais rapidamente possível. VALÊNCIAS FÍSICAS RESISTÊNCIA AERÓBICA: Qualidade física que permite ao organismo executar uma atividade de baixa para média intensidade por um longo período de tempo. Depende basicamente do estado geral

Leia mais

Ser um Treinador de Sucesso com Crianças

Ser um Treinador de Sucesso com Crianças APEF Ser um Treinador de Sucesso com Crianças Pedro Teques Departamento de Psicologia e Comunicação da APEF Direcção de Contacto: Pedro Teques, Departamento de Psicologia e Comunicação, Associação Portuguesa

Leia mais

Jornadas Técnico-Pedagógica Hóquei em Patins

Jornadas Técnico-Pedagógica Hóquei em Patins Federação Portuguesa de Patinagem Jornadas Técnico-Pedagógica Hóquei em Patins Associação de Patinagem de Lisboa GrupoDesportivode Patinagem Cascais, 23 de Abril de 2005 Federação Portuguesa de Patinagem

Leia mais

O Rugby na Escola. Acção de Formação Maia Saudável Junho 2009. Francisco Carvalho - "Maia Saudável" - 2009

O Rugby na Escola. Acção de Formação Maia Saudável Junho 2009. Francisco Carvalho - Maia Saudável - 2009 O Rugby na Escola Acção de Formação Maia Saudável Junho 2009 História do Jogo O rugby teve origem em Inglaterra quando um estudante, Web Wellis do Colégio de Rugby, durante um jogo de futebol, segurou

Leia mais

A TREINABILIDADE DO JOVEM JOGADOR DE HÓQUEI EM PATINS JORNADA TÉCNICO - PEDAGÓGICA DEZEMBRO 2005 PROF. LUIS SÉNICA

A TREINABILIDADE DO JOVEM JOGADOR DE HÓQUEI EM PATINS JORNADA TÉCNICO - PEDAGÓGICA DEZEMBRO 2005 PROF. LUIS SÉNICA A TREINABILIDADE DO JOVEM JOGADOR DE HÓQUEI EM PATINS JORNADA TÉCNICO - PEDAGÓGICA DEZEMBRO 2005 PROF. LUIS SÉNICA EVOLUÇÃO/DESENVOLVIMENTO DO JOVEM PRATICANTE Processo constante mas descontínuo, por ciclos

Leia mais

PRINCIPIOS GERAIS PARA A ELABORAÇÃO DE UM PLANO DE JOGO

PRINCIPIOS GERAIS PARA A ELABORAÇÃO DE UM PLANO DE JOGO PRINCIPIOS GERAIS PARA A ELABORAÇÃO DE UM PLANO DE JOGO ANTÓNIO GUERRA DEPARTAMENTO DE FORMAÇÃO DA FPV CONHEÇA A SUA EQUIPA E A COMPETIÇÃO ONDE PARTICIPA Primeiro que tudo têm de conhecer a sua equipa,

Leia mais

Treino em Circuito. O que é?

Treino em Circuito. O que é? Circuitando O que é? O trabalho em circuito foi idealizado por R.E.Morgan e G.T. Adamson em 1953, na Universidade de Leeds, na Inglaterra, como ofrma de manter os seus atletas em trabalho físico num espaço

Leia mais

Curso de Treinadores de Futsal 1º Nível Dezembro/08 Janeiro/09. Capacidades Motoras Caderno de Exercícios. Bruno Torres

Curso de Treinadores de Futsal 1º Nível Dezembro/08 Janeiro/09. Capacidades Motoras Caderno de Exercícios. Bruno Torres Curso de Treinadores de Futsal 1º Nível Dezembro/08 Janeiro/09 Capacidades Motoras Caderno de Exercícios Bruno Torres 1 Modelo de Activação Funcional 2 Operacionalização: Activação Funcional. Grupos de

Leia mais

Efeitos da Inactividade e Readaptação Física do Desportista após uma lesão

Efeitos da Inactividade e Readaptação Física do Desportista após uma lesão Efeitos da Inactividade e Readaptação Física do Desportista após uma lesão por Mestre Francisco Batista Escola Superior de Educação de Almeida Garrett - Lic. Educação Física 1 Introdução Como sabemos uma

Leia mais

Projecto de criação. Escola de Futebol do. Clube Académico de Futebol Viseu

Projecto de criação. Escola de Futebol do. Clube Académico de Futebol Viseu Projecto de criação Escola de Futebol do Clube Académico de Futebol Viseu Setembro de 2002 Índice Metas propostas do projecto... 3 Recursos humanos... 3 Recursos materiais... 4 Instalações... 4 Material

Leia mais

Desenvolvimento da criança e o Desporto

Desenvolvimento da criança e o Desporto Desenvolvimento da criança e o Desporto Desenvolvimento da criança e o Desporto DESPORTO ENSINO TREINO CRIANÇAS E JOVENS I - O QUÊ? II - QUANDO? III - COMO? Desenvolvimento da criança e o Desporto I Capacidades

Leia mais

FUTSAL. O Futsal é um jogo desportivo colectivo praticado por duas equipas, cada uma delas formada por cinco jogadores de campo e sete suplentes.

FUTSAL. O Futsal é um jogo desportivo colectivo praticado por duas equipas, cada uma delas formada por cinco jogadores de campo e sete suplentes. FUTSAL 1. História do Futsal A prática do futebol de salão começou a dar aos primeiros passos na década de 30 no século XX, nos campos de basquetebol e em pequenos salões. As primeiras regras tiveram por

Leia mais

IMPACTOS Agudos / de Momento e Crónicos / Constantes.

IMPACTOS Agudos / de Momento e Crónicos / Constantes. Wash Scoring (Limpar a Pontuação) por Tom Tait (treinador de Voleibol dos EUA Penn State University e ex-adjunto das Selecções Sénior Masculinas; USA All-Time Great Coach Award) UM POUCO DE HISTÓRIA Em

Leia mais

CARTA EUROPEIA DO DESPORTO

CARTA EUROPEIA DO DESPORTO CARTA EUROPEIA DO DESPORTO Objectivo da Carta... 3 Definição e âmbito de aplicação da Carta... 3 O movimento desportivo... 4 Instalações e actividades... 4 Lançar as bases... 4 Desenvolver a participação...

Leia mais

Núcleo de Desporto Escolar. Futsal

Núcleo de Desporto Escolar. Futsal Universidade Técnica de Lisboa Faculdade de Motricidade Humana Mestrado em Ensino da Educação Física nos Ensinos Básico e Secundário Estágio Pedagógico 2012/2013 Escola Básica 2,3 de Alfornelos - Núcleo

Leia mais

Master Leon 2005. Pepu Hernadez (Ex- Estudiantes) Mário Pesquera (Seleccionador nacional) Ricard Casas (Pamesa Valência) Mais defesa.

Master Leon 2005. Pepu Hernadez (Ex- Estudiantes) Mário Pesquera (Seleccionador nacional) Ricard Casas (Pamesa Valência) Mais defesa. Pepu Hernadez (Ex- Estudiantes) Mário Pesquera (Seleccionador nacional) Ricard Casas (Pamesa Valência) Mais defesa. Mário Silva 1 Filosofia: No basquetebol moderno não faz sentido defender da mesma forma

Leia mais

didáticas para jogos e brincadeiras na educação física escolar

didáticas para jogos e brincadeiras na educação física escolar Título do artigo: A construção de sequências didáticas para jogos e brincadeiras na educação física escolar Disciplina: Educação Física Selecionador: Marcos Santos Mourão (Marcola) Categoria: Professor

Leia mais

Fundamentos Teórico-Práticos do Aquecimento no Futsal

Fundamentos Teórico-Práticos do Aquecimento no Futsal futsalcoach.com la web para el técnico de fútbol sala C Copyright 2005, F U T S A L C O A C H, Spain Todos los derechos reservados Autor: Prof. João Carlos Romano Preparador Físico de la Selección Brasileña

Leia mais

PLANIFICAÇÃO MODULAR ANO LECTIVO 2012 / 2013

PLANIFICAÇÃO MODULAR ANO LECTIVO 2012 / 2013 PLANIFICAÇÃO MODULAR ANO LECTIVO 2012 / 2013 CURSO/CICLO DE FORMAÇÃO: 12º ano - TMI (2010 / 2013) DISCIPLINA: Educação Física N.º TOTAL DE MÓDULOS: 4 N.º N.º DE 11 20 JCD III - Basquetebol (Nível Elementar)

Leia mais

COMPETÊNCIAS CHAVE PARA O EMPREENDEDORISMO

COMPETÊNCIAS CHAVE PARA O EMPREENDEDORISMO COMPETÊNCIAS CHAVE PARA O EMPREENDEDORISMO DEFINIÇÕES OPERACIONAIS E INDICADORES COMPORTAMENTAIS Pag. 1 Elaborada por Central Business Abril 2006 para o ABRIL/2006 2 COMPETÊNCIAS CHAVE PARA O EMPREENDEDORISMO

Leia mais

Organização da Carreira Desportiva no Pentatlo Moderno

Organização da Carreira Desportiva no Pentatlo Moderno Organização da Carreira Desportiva no Pentatlo Moderno ETAPA IDADES ESCALÕES PROVAS INICIAÇÃO ATÉ 9 ANOS APRENDIZES TRIATLO 9 A 10 ANOS BENJAMINS TRIATLO APRENDIZAGEM 11 A 12 ANOS INFANTIS TRIATLO DESENVOLVIMENTO

Leia mais

Unidades de Formação e Cargas Horárias Taekwondo Grau II

Unidades de Formação e Cargas Horárias Taekwondo Grau II Unidades de Formação e Cargas Horárias Taekwondo Grau II UNIDADES DE FORMAÇÃO HORAS 1. TAEKWONDO II 32 2. HISTÓRIA E FILOSOFIA DO TAEKWONDO 4 3. REGRAS DE ARBITRAGEM: COMBATES E POOMSAES 4 4. ORGANIZAÇÃO

Leia mais

PLANO DE ESTUDOS DE EDUCAÇÃO FÍSICA - 7º ANO

PLANO DE ESTUDOS DE EDUCAÇÃO FÍSICA - 7º ANO PLANO DE ESTUDOS DE EDUCAÇÃO FÍSICA - 7º ANO Ano Letivo 2014 2015 PERFIL DO ALUNO 7º ANO METAS ATIVIDADES DESPORTIVAS O aluno cumpre o nível INTRODUÇÃO de cinco matérias diferentes distribuídas da seguinte

Leia mais

TRIPLO SALTO VELOCIDADE FORÇA OUTRAS VELOCIDADE EXECUÇAO (MOV. ACÍCLICO) FORÇA RESISTÊNCIA HIPERTROFIA CAPACIDADE DE ACELERAÇÃO EQUILÍBRIO

TRIPLO SALTO VELOCIDADE FORÇA OUTRAS VELOCIDADE EXECUÇAO (MOV. ACÍCLICO) FORÇA RESISTÊNCIA HIPERTROFIA CAPACIDADE DE ACELERAÇÃO EQUILÍBRIO TRIPLO SALTO O TRIPLO SALTO É UMA DISCIPLINA TÉCNICA MUITO COMPLEXA QUE OBRIGA A UM GRANDE APERFEIÇOAMENTO EM VÁRIAS VERTENTES, VISTO O SEU DESENVOLVIMENTO DEPENDER DE UMA COMBINAÇÃO DE VÁRIAS HABILIDADES

Leia mais

FAQ ironguides INSTRUÇÕES DE TREINO : BUILDING ROUTINE

FAQ ironguides INSTRUÇÕES DE TREINO : BUILDING ROUTINE FAQ ironguides INSTRUÇÕES DE TREINO : BUILDING ROUTINE 1 ESTRUTURA DA PLANILHA ESTRUTURA DA PLANILHA Dia da Semana: Procure seguir a ordem da planilha. Descrição detalhada do seu PRIMEIRO TREINO: Aqui

Leia mais

A ACTIVIDADE FÍSICA F PREVENÇÃO DA IMOBILIDADE NO IDOSO EDNA FERNANDES

A ACTIVIDADE FÍSICA F PREVENÇÃO DA IMOBILIDADE NO IDOSO EDNA FERNANDES A ACTIVIDADE FÍSICA F NA PREVENÇÃO DA IMOBILIDADE NO IDOSO EDNA FERNANDES Epidemiologia do Envelhecimento O envelhecimento da população é um fenómeno de amplitude mundial, a OMS (Organização Mundial de

Leia mais

SAÚDE. Apresentação do tema: Saúde. É um completo bem estar físico, mental e social e não somente a ausência de doença ou enfermidade.

SAÚDE. Apresentação do tema: Saúde. É um completo bem estar físico, mental e social e não somente a ausência de doença ou enfermidade. Apresentação do tema: Saúde É um completo bem estar físico, mental e social e não somente a ausência de doença ou enfermidade. 1.Desenvolvimento das Capacidades Motoras - Resistência - Força - Velocidade

Leia mais

Lentos, atrasados e desequilibrados

Lentos, atrasados e desequilibrados Deslocamentos Lentos, atrasados e desequilibrados Descoordenação espaço-tempo pela falta de referências e pelas dificuldades naturais da areia, vento ou sol Maior dificuldade em deslocamentos para trás

Leia mais

CONSELHO DE ARBITRAGEM

CONSELHO DE ARBITRAGEM CONSELHO DE ARBITRAGEM Avaliação Época 2014/2015 Setúbal, 20 de Setembro de 2014 Observadores Distritais TESTE ESCRITO (a) 1. Identifique o comportamento e sinalética que estão estabelecidos numa situação

Leia mais

PROPOSTA DE REFERENCIAL DE FORMAÇÃO

PROPOSTA DE REFERENCIAL DE FORMAÇÃO Federação: Federação Portuguesa de Capoeira Modalidade/Disciplina: Capoeira Conversão de Treinadores de Grau em Treinadores de Grau II Componente Prática: 10 horas Componente Teórica: 38 horas Total de

Leia mais

CARTA EUROPEIA DO DESPORTO INTRODUÇÃO

CARTA EUROPEIA DO DESPORTO INTRODUÇÃO CARTA EUROPEIA DO DESPORTO INTRODUÇÃO A Carta Europeia do Desporto do Conselho da Europa é uma declaração de intenção aceite pelos Ministros europeus responsáveis pelo Desporto. A Carta Europeia do Desporto

Leia mais

Caracterização. Objetivo

Caracterização. Objetivo VOLEIBOL Caracterização O voleibol é um jogo desportivo coletivo praticado por duas equipas, cada uma composta por seis jogadores efetivos e, no máximo, seis suplentes, podendo um ou dois destes jogadores

Leia mais

A COMPETIÇÃO NA INFÂNCIA E ADOLESCÊNCIA. Prof. Dr. Renato Sampaio Sadi DCEFS-UFSJ 2012

A COMPETIÇÃO NA INFÂNCIA E ADOLESCÊNCIA. Prof. Dr. Renato Sampaio Sadi DCEFS-UFSJ 2012 A COMPETIÇÃO NA INFÂNCIA E ADOLESCÊNCIA Prof. Dr. Renato Sampaio Sadi DCEFS-UFSJ 2012 Apresentação Produtividade do Grupo de Estudos e Pesquisas em Pedagogia do Esporte - GEPE Variáveis físicas, psicológicas

Leia mais

JOGOS DESPORTIVOS COLETIVOS

JOGOS DESPORTIVOS COLETIVOS JOGOS DESPORTIVOS COLETIVOS Prof. Ms. Daniel Querido danielquerido@gmail.com Ocupam lugar importante na cultura esportiva contemporânea Riqueza de situações: - constituem um meio formativo; - prática orientada

Leia mais

CURSO DE APERFEIÇOAMENTO, ACTUALIZAÇÃO E AVALIAÇÃO ÁRBITROS ASSISTENTES DE 2.ª CATEGORIA Futebol de 11 TESTE ESCRITO PERGUNTAS

CURSO DE APERFEIÇOAMENTO, ACTUALIZAÇÃO E AVALIAÇÃO ÁRBITROS ASSISTENTES DE 2.ª CATEGORIA Futebol de 11 TESTE ESCRITO PERGUNTAS FEDERAÇÃO PORTUGUESA DE FUTEBOL CONSELHO DE ARBITRAGEM CURSO DE APERFEIÇOAMENTO, ACTUALIZAÇÃO E AVALIAÇÃO ÁRBITROS ASSISTENTES DE 2.ª CATEGORIA Futebol de 11 Tomar, 5 de Agosto de 2007 ÉPOCA 2007/2008

Leia mais

Periodização do Treino

Periodização do Treino Periodização do Treino Seniores masculinos AAC OAF FUTSAL Número: 3 Unidade de Treino Objectivos: Organização do processo defensivo, transição ataque defesa, potência aeróbia especifica Data: 27/08/2005

Leia mais

ESCOLA SECUNDÁRIA DE ODIVELAS MATRIZ DO EXAME DE EQUIVALÊNCIA À FREQUÊNCIA EDUCAÇÃO FÍSICA 3º Ciclo Ano lectivo 2009/2010

ESCOLA SECUNDÁRIA DE ODIVELAS MATRIZ DO EXAME DE EQUIVALÊNCIA À FREQUÊNCIA EDUCAÇÃO FÍSICA 3º Ciclo Ano lectivo 2009/2010 Ginástica de Solo Prova Prática ESCOLA SECUNDÁRIA DE ODIVELAS MATRIZ DO EXAME DE EQUIVALÊNCIA À FREQUÊNCIA EDUCAÇÃO FÍSICA 3º Ciclo Ano lectivo 2009/2010 Tempo de realização: 45m A prova é composta por

Leia mais

ICC Europe Howzat Text Portuguese Version

ICC Europe Howzat Text Portuguese Version ICC Europe Howzat Text Portuguese Version Bem-vindo ao Howzat! A ECB Coach Education em parceria com a ICC Europe está empenhada em disponibilizar recursos de nível mundial; o Howzat! foi pensado para

Leia mais

A importância da Psicologia no Desporto

A importância da Psicologia no Desporto ASSOCIAÇÃO PORTUGUESA DE ESCOLAS DE FUTEBOL APEF A importância da Psicologia no Desporto Pedro Teques Departamento de Psicologia e Comunicação da APEF Direcção de Contacto: Pedro Teques, Departamento de

Leia mais

Departamento de Formação

Departamento de Formação FEDERAÇÃO PORTUGUESA DE BADMINTON Departamento de Formação Documento Orientador de Formação de Treinadores Nível I, II e III Com apoio de: ÍNDICE INTRODUÇÃO 3 OBJECTIVOS 4 FUNÇÃO DO TREINADOR 4 SISTEMA

Leia mais

DISCIPLINA: PESO CONTEÚDOS PROGRAMÁTICOS

DISCIPLINA: PESO CONTEÚDOS PROGRAMÁTICOS PESO 220 DISCIPLINA: PESO DOMÍNIO DAS TÉCNICAS (LANÇADORES DESTROS) FASE III APERFEIÇOAMENTO TÉCNICO B FASES / NÍVEIS CONTEÚDOS PROGRAMÁTICOS - Adquirir noções gerais do lançamento do peso, através de

Leia mais

A Sessão de Treino. A Sessão de Treino. Curso de Treinadores de Nível 1. Cascais, 27 de Setembro

A Sessão de Treino. A Sessão de Treino. Curso de Treinadores de Nível 1. Cascais, 27 de Setembro A Sessão de Treino 2008 Temas a abordar A Sessão de Treino Preocupações do Treinador no treino Instrução Gestão Clima Disciplina Formas de organização da sessão de treino Para que servem Critérios de selecção

Leia mais

SABER ESTUDAR: Estuda num local que favoreça a concentração e que seja sossegado. Não estudes com televisão ligada.

SABER ESTUDAR: Estuda num local que favoreça a concentração e que seja sossegado. Não estudes com televisão ligada. SABER ESTUDAR: 1. CONDIÇÕES FÍSICAS E PSICOLÓGICAS Estudar é uma actividade que se aprende, tal como se aprende a nadar ou a andar de bicicleta. Claro que nestas situações o treino é fundamental! Existem

Leia mais

FIBROMIALGIA EXERCÍCIO FÍSICO: ESSENCIAL AO TRATAMENTO. Maj. Carlos Eugenio Parolini médico do NAIS do 37 BPM

FIBROMIALGIA EXERCÍCIO FÍSICO: ESSENCIAL AO TRATAMENTO. Maj. Carlos Eugenio Parolini médico do NAIS do 37 BPM FIBROMIALGIA EXERCÍCIO FÍSICO: ESSENCIAL AO TRATAMENTO Maj. Carlos Eugenio Parolini médico do NAIS do 37 BPM A FIBROMIALGIA consiste numa síndrome - conjunto de sinais e sintomas - com manifestações de

Leia mais

Escola Secundária Júlio Dinis- Ovar

Escola Secundária Júlio Dinis- Ovar Escola Secundária Júlio Dinis- Ovar Sumário: 1. Aspectos genéricos do treino desportivo 1.1.Evolução do Processo de treino; 1.2.Objectivos do treino e a definição de alto rendimento; 1.3.Fundamentação

Leia mais

MÉTODOS DE TREINAMENTO AERÓBICO *

MÉTODOS DE TREINAMENTO AERÓBICO * MÉTODOS DE TREINAMENTO AERÓBICO * Marlos Rodrigues Domingues Qualidades físicas divididas fisiologicamente e pedagogicamente em: - Orgânicas: as principais são as resistências aeróbica, anaeróbica lática

Leia mais

DEFESA INDIVIDUAL por Luís Laureano

DEFESA INDIVIDUAL por Luís Laureano DEFESA INDIVIDUAL por Luís Laureano Sempre que me encontro em Reguengos não perco a oportunidade de observar atentamente os jogos do meu Clube. Tenho visto, nomeadamente, no escalão de Sub 14 masculino

Leia mais

MUSCULAÇÃO PRINCÍPIOS BÁSICOS

MUSCULAÇÃO PRINCÍPIOS BÁSICOS 1 MUSCULAÇÃO PRINCÍPIOS BÁSICOS Prof. Dr. Valdir J. Barbanti Escola de Educação Física e Esporte de Ribeirão Preto da Universidade de São Paulo A musculação refere-se à forma de exercícios que envolvem

Leia mais

Princípios de Jogo Formação - Infantis 2013-2014

Princípios de Jogo Formação - Infantis 2013-2014 O futebol é um jogo de oposição entre os jogadores de duas equipas e, simultaneamente, um jogo de cooperação entre os elementos da mesma equipa que procuram, a todo o momento, a adopção de comportamentos

Leia mais

Período de Preparação Período de Competição Período de Transição

Período de Preparação Período de Competição Período de Transição PERIODIZAÇÃO Desde que a chamada "Ciência do Esporte" passou a sistematizar e metodizar o Treinamento Desportivo, a periodização passou a ser a única forma de se organizar todo o trabalho realizado durante

Leia mais

PROGRAMA DE EDUCAÇÃO FÍSICA 10ª Classe

PROGRAMA DE EDUCAÇÃO FÍSICA 10ª Classe PROGRAMA DE EDUCAÇÃO FÍSICA 10ª Classe Formação de Professores do 1º Ciclo do Ensino Secundário Formação Geral Ficha Técnica Título Programa de Educação Física - 10ª Classe Formação de Professores do 1º

Leia mais

MANUAL DO TREINADOR NÍVEL I LANÇAMENTO DO PESO

MANUAL DO TREINADOR NÍVEL I LANÇAMENTO DO PESO LANÇAMENTO DO PESO REGRAS DO LANÇAMENTO DO PESO Local da Competição A prova do lançamento do peso disputa-se num local específico da pista de atletismo, que deverá ter um círculo de lançamentos com 2,135

Leia mais

Documento Técnico A Actividade Física e a Promoção da Saúde na 3ª Idade

Documento Técnico A Actividade Física e a Promoção da Saúde na 3ª Idade Documento Técnico A Actividade Física e a Promoção da Saúde na 3ª Idade DIVISÃO DESPORTO - CME A Actividade Física e a Promoção da Saúde na 3ª Idade 1.1. Conceito de Saúde Segundo a Organização Mundial

Leia mais

Recupere. sono. o ritmo. Conselhos para pessoas que sofrem de insónia

Recupere. sono. o ritmo. Conselhos para pessoas que sofrem de insónia Recupere do sono o ritmo Conselhos para pessoas que sofrem de insónia Prefácio O sono é fundamental na vida de todos nós. Dormir não é um luxo, mas sim uma necessidade fisiológica que devemos respeitar.

Leia mais

Em nome de toda a equipe da F12 Sports, gostaria de felicitá-lo pela recente aquisição da franquia Centro de Treinamento Falcão 12.

Em nome de toda a equipe da F12 Sports, gostaria de felicitá-lo pela recente aquisição da franquia Centro de Treinamento Falcão 12. CARTA DE BOAS VINDAS Prezado Franqueado e Parceiro, Em nome de toda a equipe da F12 Sports, gostaria de felicitá-lo pela recente aquisição da franquia Centro de Treinamento Falcão 12. Acreditamos que esta

Leia mais

Por Personal Trainer Rui Barros

Por Personal Trainer Rui Barros Por Personal Trainer Rui Barros MANTER O PONTO DE EQUILIBRIO E NÃO RESISTIR À MUDANÇA Uma vez que estamos a terminar o nosso ciclo de treinos de verão, gostava de deixar ao leitor uma mensagem de conforto

Leia mais

Associação de Basquetebol de Aveiro CAD Aveiro ARBITRAGEM PAG. 2 PAG. 3 PAG. 4

Associação de Basquetebol de Aveiro CAD Aveiro ARBITRAGEM PAG. 2 PAG. 3 PAG. 4 Associação de Basquetebol de Aveiro CAD Aveiro ARBITRAGEM Árbitro ou Oficial de Mesa. Uma forma diferente de jogar Basquetebol NOV 2015 Nº 01 Índice: PAG. 2 CO N CENTRAÇÃO PAG. 3 CRITÉRIO PAG. 4 COMUNICAÇÃO

Leia mais

Sistemas Robóticos. Sumário. Introdução. Introdução. Arquitecturas de Controlo. Carlos Carreto

Sistemas Robóticos. Sumário. Introdução. Introdução. Arquitecturas de Controlo. Carlos Carreto umário istemas Robóticos de Controlo Introdução deliberativas reactivas híbridas baseadas em comportamentos Carlos Carreto Curso de Engenharia Informática Ano lectivo 2003/2004 Escola uperior de Tecnologia

Leia mais

Corrida de Barreiras. José Carvalho. Federação Portuguesa de Atletismo

Corrida de Barreiras. José Carvalho. Federação Portuguesa de Atletismo Corrida de Barreiras José Carvalho F P A Federação Portuguesa de Atletismo CORRIDAS DE BARREIRAS José Carvalho Objectivo Ser capaz de realizar uma corrida com barreiras - ritmada em velocidade máxima.

Leia mais

Navarro, F. In Planificacion del entrenamiento a largo plazo

Navarro, F. In Planificacion del entrenamiento a largo plazo Um programa de treino bem organizado e planificado, durante um período de tempo prolongado, aumenta a eficácia da preparação para as competições futuras mais importantes, uma vez que: introduz uma utilização

Leia mais

REGRAS DE JOGO POOL (8) e (9)

REGRAS DE JOGO POOL (8) e (9) REGRAS DE JOGO POOL (8) e (9) Introdução 1. Elementos intervenientes 1. 1. Um delegado 1. 2. Um árbitro 1. 3. Dois Jogadores (Conforme a competição), equipados de acordo com o estipulado pelo Bilhar Clube

Leia mais

Escola E.B. 2/3 dos Olivais

Escola E.B. 2/3 dos Olivais Escola E.B. 2/3 dos Olivais Esta planificação foi concebida como um instrumento necessário. Os objectivos da Educação Física no ensino básico bem como os princípios de organização das actividades nas aulas,

Leia mais

Auto-formação para colaboradores

Auto-formação para colaboradores Formação e familiarização directa com o posto de trabalho é, muitas vezes, da responsabilidade da organização. Para uma organização eficaz desta tarefa, o instrutor/tutor necessita não só do conhecimento

Leia mais

Preparação física no Futebol? Uma abordagem sistémica - complexa do Jogo

Preparação física no Futebol? Uma abordagem sistémica - complexa do Jogo Preparação física no Futebol? Uma abordagem sistémica - complexa do Jogo Licenciado em Ciências do Desporto (FMH); Treinador de Futebol há 15 anos; Pós-Graduação em Treino de Alto Rendimento; Especialização

Leia mais

http://ganharpeso.info

http://ganharpeso.info Saiba Porque Não Consegue Ganhar Peso Já pensou inúmeras vezes na sua vida porque é que não consegue ganhar peso nem massa muscular) e, em 90% dos casos, terá pensado que se deve à sua genética. Se os

Leia mais

FITNESSGRAM. O Fitnessgram é um programa de educação e avaliação da aptidão física relacionada com a saúde.

FITNESSGRAM. O Fitnessgram é um programa de educação e avaliação da aptidão física relacionada com a saúde. Professora de Educação Física HelenaMiranda FITNESSGRAM O Fitnessgram é um programa de educação e avaliação da aptidão física relacionada com a saúde. Todos os elementos incluídos no Fitnessgram foram

Leia mais

METODOLOGIA COMPARTILHAR DE INICIAÇÃO AO VOLEIBOL

METODOLOGIA COMPARTILHAR DE INICIAÇÃO AO VOLEIBOL METODOLOGIA COMPARTILHAR DE INICIAÇÃO AO VOLEIBOL 2012 Todo material didático-pedagógico contido neste documento é fruto da experiência de diversos profissionais, principalmente professores de educação

Leia mais

DGEstE - Direção-Geral dos Estabelecimentos Escolares DSRAl - Direção de Serviços da Região Algarve AGRUPAMENTO DE ESCOLAS ENGº DUARTE PACHECO

DGEstE - Direção-Geral dos Estabelecimentos Escolares DSRAl - Direção de Serviços da Região Algarve AGRUPAMENTO DE ESCOLAS ENGº DUARTE PACHECO CRITÉRIOS DE AVALIAÇÃO A avaliação incide sobre as aprendizagens e competências definidas no currículo nacional para as diversas áreas e disciplinas de cada ciclo, expressas no projecto curricular de escola

Leia mais

Regulamento UEFA B (Nível II)

Regulamento UEFA B (Nível II) Cursos de Treinadores de Futebol 11 Regulamento UEFA B (Nível II) 2005/2006 Índice 1. REGULAMENTO DO CURSO...3 1.1. ORGANIZAÇÃO...3 1.2. CONDIÇÕES DE INSCRIÇÃO...3 1.3. CRITÉRIOS DE SELECÇÃO...4 1.4. RECEITAS

Leia mais

PROGRAMA DE EDUCAÇÃO FÍSICA

PROGRAMA DE EDUCAÇÃO FÍSICA PROGRAMA DE EDUCAÇÃO FÍSICA 7ª, 8ª e 9ª classes 1º CICLO DO ENSINO SECUNDÁRIO Ficha Técnica TÍTULO: Programa de Educação Física - 7ª, 8ª e 9ª classes EDITORA: INIDE IMPRESSÃO: GestGráfica, S.A. TIRAGEM:

Leia mais

INFORMAÇÃO-PROVA DE EQUIVALÊNCIA À FREQUÊNCIA ANO LETIVO: 2013/2014

INFORMAÇÃO-PROVA DE EQUIVALÊNCIA À FREQUÊNCIA ANO LETIVO: 2013/2014 INFORMAÇÃO-PROVA DE EQUIVALÊNCIA À FREQUÊNCIA ANO LETIVO: 2013/2014 ENSINO BÁSICO 6º ANO DISCIPLINA DE EDUCAÇÃO FÍSICA CÓDIGO 28 MODALIDADE PROVA ESCRITA E PROVA PRÁTICA INTRODUÇÃO: O presente documento

Leia mais

PLANIFICAÇÃO E PERIODIZAÇÃO DO TREINO DE UMA EQUIPA DA 1ª DIVISÃO

PLANIFICAÇÃO E PERIODIZAÇÃO DO TREINO DE UMA EQUIPA DA 1ª DIVISÃO PLANIFICAÇÃO E PERIODIZAÇÃO DO TREINO DE UMA EQUIPA DA 1ª DIVISÃO Horácio Honório Curso de Treinadores de Hóquei em Patins Nível III CRITÉRIOS DE ORGANIZAÇÃO DA PLANIFICAÇÃO FUNDAÇÃO NORTECOOPE - SÉNIORES

Leia mais

1. História do Voleibol. 2. Caracterização do Voleibol. 2. Regras do Voleibol. Documento de Apoio de Voleibol VOLEIBOL

1. História do Voleibol. 2. Caracterização do Voleibol. 2. Regras do Voleibol. Documento de Apoio de Voleibol VOLEIBOL VOLEIBOL 1. História do Voleibol O Voleibol foi criado em 1885, em Massachussets, por William G. Morgan, responsável pela Educação Física no Colégio de Holyoke, no Estado de Massachussets, nos Estados

Leia mais

Instituto Federal de Educação, Ciência e Tecnologia de Santa Catarina Campus Sombrio Curso Técnico em Agropecuária Integrado ao Ensino Médio

Instituto Federal de Educação, Ciência e Tecnologia de Santa Catarina Campus Sombrio Curso Técnico em Agropecuária Integrado ao Ensino Médio 1 Instituto Federal de Educação, Ciência e Tecnologia de Santa Catarina Campus Sombrio Curso Técnico em Agropecuária Integrado ao Ensino Médio DISCIPLINA: Educação Física CARGA HORÁRIA: 40hs PROFESSOR(A):

Leia mais

MÉTODOS DE TREINAMENTO INTERVALADOS 2 COMPONENTES DO MÉTODO DE TREINO INTERVALADO

MÉTODOS DE TREINAMENTO INTERVALADOS 2 COMPONENTES DO MÉTODO DE TREINO INTERVALADO MÉTODOS DE TREINAMENTO INTERVALADOS 1 INTRODUÇÃO O método de treino por intervalos caracteriza-se por exercícios onde o organismo é submetido a períodos curtos, regulares e repetidos de trabalho com períodos

Leia mais

PLANO DE FORMAÇÃO DE RECURSOS HUMANOS 2012 FORMAÇÃO DE TREINADORES FEDERAÇÃO PORTUGUESA DO PENTATLO MODERNO

PLANO DE FORMAÇÃO DE RECURSOS HUMANOS 2012 FORMAÇÃO DE TREINADORES FEDERAÇÃO PORTUGUESA DO PENTATLO MODERNO 1 PLANO DE FORMAÇÃO DE RECURSOS HUMANOS 2012 FORMAÇÃO DE TREINADORES FEDERAÇÃO PORTUGUESA DO PENTATLO MODERNO 2 1. Introdução O processo de adaptação e ajustamento ao PNFT entra em 2012 na sua fase terminal

Leia mais

ASSOCIAÇÃO DE FUTEBOL DE COIMBRA

ASSOCIAÇÃO DE FUTEBOL DE COIMBRA ASSOCIAÇÃO DE FUTEBOL DE COIMBRA CONSELHO DE ARBITRAGEM GUIA DO OBSERVADOR DO CRONOMETRISTA FUTSAL EDIÇÃO - 2008 2 da A F Coimbra COMPILAÇÃO: COMISSÃ0 DE APOIO TÉCNIC0 DE FUTSAL 2 3 OBSERVADORES DE CRONOMETRISTA

Leia mais

José Epifânio da Franca (entrevista)

José Epifânio da Franca (entrevista) (entrevista) Podemos alargar a questão até ao ensino secundário Eu diria: até à chegada à universidade. No fundo, em que os jovens já são maiores, têm 18 anos, estarão em condições de entrar de uma maneira,

Leia mais

AS REGRAS DO VOLEIBOL

AS REGRAS DO VOLEIBOL AS REGRAS DO VOLEIBOL NÚMERO DE JOGADORES Cada equipa é composta, no máximo, por 12 jogadores inscritos no boletim de jogo. Apenas 6 jogadores ocupam o terreno de jogo ( 6 efectivos e 6 suplentes ). O

Leia mais

NEWSLETTER CETC. 2014 promete... JANEIRO 2014

NEWSLETTER CETC. 2014 promete... JANEIRO 2014 JA N E I R O 2 0 1 4 E M D E S T A Q U E : NEWSLETTER CETC JANEIRO 2014 Plano de actividades V O L U M E I I, N E W S L E T T E R C E T C @ G M A I L. C O M Torneio Gerações Arbitragem 2014 promete...

Leia mais

2.3 Tacada legal 2. 3. 1. Manutenção da mão; 2. 3. 2. Não anúncio de bola e bolsa; 2.4 Bolas embolsadas 2.5 Bolas fora da mesa 2. 5. 1.

2.3 Tacada legal 2. 3. 1. Manutenção da mão; 2. 3. 2. Não anúncio de bola e bolsa; 2.4 Bolas embolsadas 2.5 Bolas fora da mesa 2. 5. 1. Índice 1.1 Mesas Bolas Equipamento 1.2 Saída Posicionamento das bolas 1.3 Tacada 1.4 Bola não embolsada Turno 1.5 Ordem de saída 1.6 Abertura Saída 1.7 Jogo Começo 1.8 Abertura Desvio da bola branca 1.9

Leia mais

PLANO DE TRABALHO FUTEBOL

PLANO DE TRABALHO FUTEBOL PLANO DE TRABALHO FUTEBOL Telefone: (44) 3220-5750 E-mail: centrosesportivos@maringa.pr.gov.br EQUIPE ORGANIZADORA SECRETARIO MUNICIPAL DE ESPORTES E LAZER Francisco Favoto DIRETOR DE ESPORTES E LAZER

Leia mais

EFEITOS DO PROCESSO DE ENSINO-APRENDIZAGEM-TREINAMENTO NO DESEMPENHO DE HABILIDADES TÉCNICAS DE JOGADORES DE FUTEBOL DA CATEGORIA SUB-13

EFEITOS DO PROCESSO DE ENSINO-APRENDIZAGEM-TREINAMENTO NO DESEMPENHO DE HABILIDADES TÉCNICAS DE JOGADORES DE FUTEBOL DA CATEGORIA SUB-13 EFEITOS DO PROCESSO DE ENSINO-APRENDIZAGEM-TREINAMENTO NO DESEMPENHO DE HABILIDADES TÉCNICAS DE JOGADORES DE FUTEBOL DA CATEGORIA SUB-13 Pablo Vecchi Moreira/ NUPEF UFV Mariana Calábria Lopes/ NUPEF UFV

Leia mais

Saiba como gerir uma equipe com essas dicas REALIZAÇÃO

Saiba como gerir uma equipe com essas dicas REALIZAÇÃO Comunicação empresarial eficiente: Saiba como gerir uma equipe com essas dicas REALIZAÇÃO Sumário 01 Introdução 02 02 03 A comunicação dentro das empresas nos dias de hoje Como garantir uma comunicação

Leia mais

XI Mestrado em Gestão do Desporto

XI Mestrado em Gestão do Desporto 2 7 Recursos Humanos XI Mestrado em Gestão do Desporto Gestão das Organizações Desportivas Módulo de Gestão de Recursos Rui Claudino FEVEREIRO, 28 2 8 INDÍCE DOCUMENTO ORIENTADOR Âmbito Objectivos Organização

Leia mais

O ENSINO DO FUTEBOL. Rui Pacheco

O ENSINO DO FUTEBOL. Rui Pacheco O ENSINO DO FUTEBOL Rui Pacheco Guarda - 2009 Se pretendermos estruturar o nosso Futebol e elevar o nivel qualitativo dos nossos jogadores,não poderemos trabalhar ao acaso, implementando os mesmos conteúdos

Leia mais

Índice INTRODUÇÃO 1 HISTÓRIA DO FUTSAL 1 CARACTERIZAÇÃO DA MODALIDADE 3

Índice INTRODUÇÃO 1 HISTÓRIA DO FUTSAL 1 CARACTERIZAÇÃO DA MODALIDADE 3 Índice INTRODUÇÃO 1 HISTÓRIA DO FUTSAL 1 CARACTERIZAÇÃO DA MODALIDADE 3 ESPAÇO DE JOGO 3 BOLA 4 NÚMERO DE JOGADORES 4 ESCOLHA DO CAMPO E DURAÇÃO DO JOGO 4 OBJECTIVO DO JOGO 5 SEGURANÇA 5 CONTEÚDOS TÉCNICO-TÁCTICOS

Leia mais

Lucimere Bohn lucimerebohn@gmail.com Área de Formação: 813 Desporto. Curso: Musculação e Cardiofitness. Módulo: Bases Morfofisiológicas

Lucimere Bohn lucimerebohn@gmail.com Área de Formação: 813 Desporto. Curso: Musculação e Cardiofitness. Módulo: Bases Morfofisiológicas Musculação: Definições Básicas Lucimere Bohn lucimerebohn@gmail.com Área de Formação: 813 Desporto. Curso: Musculação e Cardiofitness. Módulo: Bases Morfofisiológicas Termos frequentes na descrição de

Leia mais

MUDANÇA DE DIRECÇÃO. Tema 5 Conhecimento das Regras de Trânsito; Tema 6 Domínio das Situações de Trânsito

MUDANÇA DE DIRECÇÃO. Tema 5 Conhecimento das Regras de Trânsito; Tema 6 Domínio das Situações de Trânsito MANUAL DO ENSINO DA CONDUÇÃO FT [] [56] [6] FICHA TÉCNICA MUDANÇA DE DIRECÇÃO Níveis GDE Temas Transversais Síntese informativa Nível Nível Táctico Tema 5 Conhecimento das Regras de Trânsito; Tema 6 Domínio

Leia mais

Bola 8 Regras. Índice. Federação Portuguesa de Bilhar. Regras Bola-8 Página 1

Bola 8 Regras. Índice. Federação Portuguesa de Bilhar. Regras Bola-8 Página 1 Bola 8 Regras Índice 1.1 Mesas Bolas Equipamento 1.2 Saída Posicionamento das bolas 1.3 Tacada 1.4 Tacada Bola Anunciada 1.5 Bola não embolsada Turno 1.6 Ordem de saída 1.7 Abertura Saída 1.8 Jogo Começo

Leia mais

PEDRO MAIA FITNESS & CYCLING

PEDRO MAIA FITNESS & CYCLING TREINOS INDOOR Vá para fora cá dentro Assim dizia um slogan turístico há uns anos atrás e que se aplica na perfeição a este género de treino. Apesar deste ano estarmos a ter um Inverno frio mas clemente

Leia mais

PLANIFICAÇÃO EDUCAÇÃO FÍSICA. Secundário Andebol

PLANIFICAÇÃO EDUCAÇÃO FÍSICA. Secundário Andebol Secundário Andebol Conhecer o objectivo e campo do jogo; Conhecer as seguintes regras do jogo: duração do jogo, constituição das equipas, golo, lançamento de saída, guarda-redes, área de baliza, violação

Leia mais

Guia de Orientação a concussão para o público geral

Guia de Orientação a concussão para o público geral FATOS DE UMA CONCUSSÃO A concussão é uma lesão cerebral. Todas as concussões são graves. Os abalos podem ocorrer sem perda de consciência. Todo atleta com os sintomas de uma lesão na cabeça deve ser removido

Leia mais

Glossário. Competência para a acção. (questionário em competências para a acção e actividade)

Glossário. Competência para a acção. (questionário em competências para a acção e actividade) Conceito Competência para a acção Explicação Competência para a acção compreende todas as habilidades, competências e experiências de uma pessoa, que lhe possibilita auto-organizar-se para realizar correctamente

Leia mais

AGRUPAMENTO de ESCOLAS de SANTIAGO do CACÉM Ano Letivo 2015/2016 PLANIFICAÇÃO ANUAL

AGRUPAMENTO de ESCOLAS de SANTIAGO do CACÉM Ano Letivo 2015/2016 PLANIFICAÇÃO ANUAL AGRUPAMENTO de ESCOLAS de SANTIAGO do CACÉM Ano Letivo 2015/2016 PLANIFICAÇÃO ANUAL 3º CICLO EDUCAÇÃO FÍSICA 8º ANO Documento(s) Orientador(es): Programas nacionais de Educação Física; legislação em vigor

Leia mais