Conteúdo. Palavras Iniciais...3

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "Conteúdo. Palavras Iniciais...3"

Transcrição

1

2

3 Conteúdo Palavras Iniciais...3 Resumo Executivo...4 A Carga da Pneumonia...4 A Decisão de Vacinar...5 A Integração da Vigilância Pneumonia Bacteriana e Viral...5 A Introdução de Novas Vacinas: O Papel da Organização Pan-americana de Saúde...6 Metas para o Fortalecimento das Imunizaçcões...6 Novas Vacinas no Horizonte...7 Sessão I...9 A Carga da Doença Pneumocócica: Situação Global...9 A Vigilância de Pneumonia Bacteriana e Meningite Bacteriana nas Américas...10 A Procura da Sinergia: Vigilância da Influenza e Vigilância Pneumocócica...12 Considerações Práticas para a Vigilância de Pneumonia Bacteriana e Meningite...12 Diagnóstico Laboratorial da Pneumonia Bacteriana...14 Sessão II...16 Estudos da Doença Pneumocócica na População...16 A Busca de um Quadro mais Claro Doença Pneumcócica na América Latina e no Caribe...17 Estimativa Regional da Carga da Doença...18 Estimativa Regional de Custo...19 Vacinas contra Pneumococos...20 Avaliando a Eficácia da Vacina contra Pneumococos...22 Impacto da vacina contra o Pneumococo nos Estados Unidos

4 Investimentos em Vacinas: O Desafio da Avaliação de Custo-Efetividade...25 Avaliação da Carga da Menigite...25 Avaliação do Custo da Pneumonia Pneumocócica...26 ProVac: Apoiando Decisões Informadas sobre a Adoção de Vacinas...28 Sessão III...29 Uso de Vacinas Contra Influenza no Brasil...29 Provisão de Dados Essenciais para Avaliação da Vacina...29 Vigilância de Influenza e Dados Secundários de Pneumonia e Influenza...32 Sessão IV...33 Integração do Sistema de Informação...33 Discussão da Proposta para Vigilância Integrada...34 Palavras Finais de Ciro de Quadros...35 Conferenciantes...36 Lista dos Participantes...37 Reconhecimentos Centro de Prevenção e Controle de Doenças (CDC) dos Estados Unidos GlaxoSmithKline Instituto de Vacinas Sabin Ministério da Saúde, Brasil Organização Pan-americana da Saúde (OPAS) PneumoADIP do GAVI Wyeth 2

5 Palavras Iniciais O surto na descoberta e no desenvolvimento de novas vacinas contra as maiores ameaças à saúde tem inspirado uma demanda crescente para os instrumentos e informação requeridos para avaliar seu potencial de maneira mais rápida, eficiente e eficaz na América Latina e no Caribe. Um exemplo primordial nesta busca de conhecimento é o interesse intensificado em procurar saber mais sobre a carga da doença pneumocócica. Em todo mundo, a cada ano, as doenças pneumocócicas matam quase um milhão de crianças com menos de cinco anos de idade principalmente através da pneumonia e meningite e adoecem milhões de pessoas. As vacinas contra doenças pneumocócicas poderiam prevenir a vasta maioria destas mortes e enfermidades. Mas estas vacinas não são baratas, portanto a compreensão dos benefícios à saúde e econômicos é crucial. Ainda, com as variações geográficas no que constitui as cepas dominantes, ou sorotipos da doença, também são necessários dados para ajudar os países a escolher a vacina pneumocócica mais bem formulada para sua região. Recentemente têm havido discussões sobre como acelerar a coleta de dados sobre a carga pneumocócica pela combinação destas atividades com a vigilância da influenza. Em setembro de 2007, o Instituto de Vacinas Sabin, a Organização Pan-americana da Saúde (OPAS), o Centro de Controle e Prevenção de Doenças dos Estados Unidos (U.S. Centers for Disease Control and Prevention [CDC]), e PneumoADIP do GAVI na Universidade de Johns Hopkins colaboraram com o Ministério da Saúde do Brasil para realizar um simpósio de dois dias dedicado a construir uma base para o trabalho de vigilância conjunta para influenza e pneumococo no Brasil. As informações obtidas sobre os desafios científicos, técnicos e logísticos para uma vigilância conjunta das doenças pneumocócicas e influenza foram de grande valor não somente para o Brasil, mas para todos os países que buscam melhorias na sua capacidade de avaliar novas vacinas. Gostaríamos de agradecer a ampla gama de peritos e instituições que contribuíram para o êxito do simpósio. Seu compromisso e paixão são um papel importante na nossa capacidade de colher os plenos benefícios de uma nova era emocionante de imunização. 3

6 Resumo Executivo Os governos agora se vêem face a face com a disponibilidade de três novas vacinas e, obviamente, as decisões para introduzir estas vacinas somente serão apropriadas quando existir informação real sobre o impacto destas doenças na população. Ciro de Quadros, Insitituto de Vacinas Sabin, EUA O simpósio foi realizado enquanto o Brasil considerava acrescentar uma vacina contra doença pneumocócica ao seu programa nacional de imunizações. Como todas as decisões relacionadas a novas imunizações, isto envolveu um processo no qual o Brasil precisa colher informação sobre a carga da doença pneumocócica no país, sobre o alto custo das vacinas já disponíveis no mercado, e sobre a promessa de novas vacinas sendo desenvolvidas no Brasil e em outros países. O Brasil chegou ao simpósio com uma proposta de trazer maior eficácia e eficiência as suas atividades de vigilância de pneumonias bacterianas, integrando-as com a vigilância da influenza, estabelecendo assim um sistema único para avaliar e acompanhar infecções respiratórias graves, principalmente a pneumonia. Espera-se que o conhecimento adquirido deste esforço integrado de vigilância ajudará o Brasil a entender melhor quando e como introduzir uma vacina antipneumocócica e medir seu impacto na saúde. A Carga da Pneumonia A pneumonia é uma causa de mortalidade líder no mundo, tanto em crianças quanto em adultos. A cada ano, mais crianças morrem de pneumonia do que AIDS, tuberculose, malária e sarampo combinados. Há vinte anos, pensávamos, a pneumonia existe e precisa ser tratada, e este era o fim da história, disse Ricardo Marins, do Ministério da Saúde do Brasil. A criança era internada no departamento de pediatria e era somente mais um caso de pneumonia. Ninguém jamais pensou em uma vacina. Uma parte significativa das pneumonias é causada pelo patógeno Streptococcus pneumoniae ou pneumococo, que também causa meningite, septicemia (uma infecção bacteriana no sangue) e otite média aguda (infecções comuns do ouvido). Entre os agentes etiológicos envolvidos em doenças preveníveis por vacinas, o pneumococo é o principal responsável por mortes em crianças com menos de cinco anos de idade. No Brasil, no entanto, com o desenvolvimento econômico, a mortalidade por pneumonia diminuiu, presumivelmente devido a melhoras no acesso à atenção à saúde, tratamento, nutrição, e a qualidade do ar dentro de casas e edifícios. Cada vez mais, a carga significativa de doenças pneumocócicas no Brasil, como nos Estados Unidos, se manifesta como enfermidade em vez de morte. Não obstante, a escassez de dados resultou em uma dificuldade de obter uma compreensão melhor da carga pneumocócica no Brasil. Realmente precisamos saber o que esta carga da doença significa para nós, disse Clélia Aranda, Coordenadora do Centro de Controle de Doenças da Secretaria Estadual de Saúde do Estado de São Paulo. 4

7 A Decisão de Vacinar A obtenção de dados robustos sobre a carga da doença é um componente chave para avaliar os benefícios potenciais de uma vacina. O Brasil está especialmente interessado em obter maiores informações de pesquisadores de doenças pneumocócicas porque, na ocasião da conferência, estava prestes a considerar a adição de três novas vacinas ao seu programa de imunizações. Além da vacina pneumocócica, o Brasil também estava avaliando vacinas contra o papilomavírus humano (HPV), que causa câncer do colo uterino, e rotavírus, uma doença intestinal que rotineiramente causa mortes em crianças. Os governos agora se vêem frente à disponibilidade de três novas vacinas e, obviamente, as decisões para introduzir estas vacinas serão apropriadas somente quando existir informação real sobre o impacto destas doenças na população disse Ciro de Quadros, Vice-Presidente Executivo do Instituto de Vacinas Sabin. No simpósio, pesquisadores de todo o Brasil discutiram os vários desafios que enfrentam ao determinar a carga da doença pneumocócica no Brasil: Os pesquisadores concordaram que é essencial melhorar a vigilância da doença pneumocócica no Brasil. Mudialmente, por exemplo, existem várias cepas pneumocócicas ou sorotipos em circulação. Porém de região a região, existe uma variação sobre qual sorotipo ou grupo de sorotipos causam a maioria das doenças. A escolha de uma vacina pneumocócica que produzirá o efeito mais eficaz no Brasil requer a identificação dos sorotipos dominantes que circulam na região. Uma vez introduzida a vacina, será importante continuar a conduzir um monitoramento que detectará o surgimento de sorotipos que desenvolveram resistência à vacina ou de sorotipos previamente marginais que ameaçam se tornar dominantes. A Integração da Vigilância de Pneumonia Bacteriana e Viral O Brasil já tem um sistema sofisticado de vigilância para influenza que faz parte do desempenho internacional de monitorar mudanças anuais no vírus da influenza. No simpósio, epidemiologistas e cientistas discutiram a lógica, benefícios práticos e os desafios em combinar a vigilância 1. A doença pneumocócica se manifesta de várias de pneumonias bacterianas e virais. O principal argumento formas. Sendo assim, o acompanhamento da a favor desta abordagem é que pessoas apresentando doença significa analisar muitas apresentações e sintomas respiratórios poderiam ser avaliadas e monitoradas diagnósticos diferentes. para ambos importantes grupos etiológicos de pneumonias O diagnóstico da pneumonia é um processo complexo e os estudos são comparáveis somente se usarem processos semelhantes. Muitos casos de pneumonia são tratados no Brasil sem jamais determinar a causa. Sendo assim, a vigilância da doença requer sistemas novos ou aprimorados para determinar a causa subjacente da pneumonia. de maneira integrada. Creio que esta nova abordagem, de combinar a vigilância da pneumonia com a vigilância de influenza, é perfeita, disse Marins. 5

8 Há vinte anos, pensávamos, a pneumonia existe e precisa ser tratada, e este era o fim da história. A criança era internada no departamento de pediatria e era somente mais um caso de pneumonia. Ninguém jamais pensou em vacina. Ricardo Marins, Ministério da Saúde, Brasil A Introdução de Novas Vacinas: O Papel da Organização Pan-americana da Saúde Esta é a primeira vez que discutiremos a vigilância epidemiológica conjunta de pneumonia e influenza, declarou Cuauhtémoc Ruiz Matus, Chefe da Unidade de Imunizações da Organização Pan-americana da Saúde (OPAS). Se não começarmos por discutir a vigilância epidemiológica, a carga da doença e diagnóstico, para determinar como estas doenças estão presentes nos nossos países, não teremos evidência científica e epidemiológica para determinar as medidas de prevenção que devemos aplicar. Qual é o papel da OPAS em ajudar os países a tomarem decisões sobre vacinas? Ruiz deixou claro que contra difteria, coqueluche e tétano, e sarampo, cachumba e rubéola disse Ruiz. Desde 2006, mais aumentos impulsionaram as aquisições de vacinas na região a EUA $941 milhões, mas Ruiz destacou que somente EUA $55 milhões menos de dez por cento foram pagos com assistência externa. O que alcançamos com este investimento? Já percorremos um longo caminho, disse Ruiz. Acrescentou que para crianças com menos de cinco anos de idade nas Américas, um terço de todas as mortes prevenidas entre 1990 e 2002 são vinculadas ao programa de imunizações. O programa de imunizações também fortaleceu os serviços nacionais de saúde, disse Ruiz. Metas para o Fortalecimento das Imunizações a OPAS não vende vacinas nem promove laboratórios específicos. Pelo contrário, seu papel neste processo é de promover excelência técnica e fornecer apoio científico aos países. A OPAS também administra o Fundo Rotatório para a Aquisição de Vacinas, que utiliza um sistema de aquisições a granel para ajudar os países na América Latina e no Caribe na obtenção de vacinas e imunobiológicos a preços acessíveis. O programa de imunizações na região das Américas está entre os mais fortes do mundo disse Ruiz. Ele indicou que na maioria dos países da região a maior parte das vacinas adquiridas são financiadas por meio de tributação nacional em vez de assistência externa. Disse que o investimento em vacinas adquiridas aumentou de cerca de EUA $545 milhões, em 1991, a cerca de EUA $741 milhões em O aumento foi resultado, em parte, ao acréscimo de novas vacinas, incluindo a imunização Trabalhando através de uma iniciativa da Organização Mundial da Saúde (OMS) conhecida como a Global Immunization Vision and Strategy (GIVS), os Ministros da Saúde de países da OPAS desenvolveram quatro metas para orientar suas atividades de imunização: 1. Mudar da vacinação infantil para vacinação da família. 2. Vincular a imunização a outras atividades preventivas como a intervenção nutricional. 3. Estarem prontos para a introdução de novas vacinas. 4. Garantir o fornecimento e qualidade das vacinas. 6

9 Estes patamares complementam um grupo separado de metas desenvolvido pelo Conselho Diretivo da OPAS em 2005, que visa: 1. Aumentar os espaços jurídicos e fiscais para a introdução de novas vacinas. 2. Apoiar as Metas de Desenvolvimento do Milênio para redução da mortalidade por meio da introdução de novas vacinas. 3. Usar o Fundo Rotatório para a aquisição de vacinas novas e subutilizadas. A estratégia regional para as Américas sugere três áreas de empenho, disse Ruiz. Uma é de proteger os avanços do passado. Não podemos nos dar o luxo de perder terreno com pólio e nem ficarmos para trás com sarampo, ele disse. Um dos nossos grandes heróis na erradicação de pólio nas Américas e no mundo, Dr. Ciro de Quadros, está aqui presente; não podemos deixar que (seu trabalho) entre em colapso. A erradicação da pólio ainda está presente na mente de peritos em imunização nas Américas, sendo que o governo do Brasil está oferecendo apoio a países africanos que ainda estão lutando contra a enfermidade. Devemos pensar sobre o que está acontecendo no mundo, porque qualquer pessoa que está vivendo no Moçambique neste momento pode estar em uma área rural no Brasil, em 24 ou 48 horas, Ruiz disse. A próxima área de trabalho, disse ele, é de fechar as lacunas na cobertura de imunizações existentes. Ruiz notou, por exemplo, que 30% das municipalidades na região das Américas tem cobertura de menos de 80% para a terceira dose de DPT. Vimos surtos de sarampo no México e na Venezuela, acrescentou, e o Brasil teve aumento de rubéola porque não tivemos um sistema de vigilância epidemiológica que nos permitisse ver o que estava acontecendo. Existem também novos desafios a considerar, Ruiz disse, tal como a adoção de novas vacinas, o desenvolvimento de novas estratégias para a entrega e preservação de vacinas e para vigilância de doenças. Novas Vacinas no Horizonte Para a introdução de novas vacinas notavelmente vacinas contra o rotavírus, doença pneumocócica e HPV a OPAS acredita que a decisão deve estar estritamente na mão dos países. Não deve ser um mandato global ou regional, Ruiz disse. Pelo contrário, a decisão deve ser baseada nas necessidades e capacidades particulares de cada país. Não é o suficiente dizer que temos uma nova vacina e que precisamos introduzi-la porque está na moda, disse Ruiz. Precisamos de evidência científica para dizer que precisamos desta vacina neste país. Parte da missão da OPAS é de fortalecer a capacidade técnica de cada país, e Ruiz vê uma vigilância integrada e redes de laboratórios como elementos chaves. Não podemos manter sistemas de vigilância isolados para doenças preveníveis por vacinas. Precisamos ter sistemas integrados de vigilância, ele disse. A vigilância é especialmente importante, disse Ruiz, para saber como e quando se deve introduzir uma vacina pneumocócica. Sabemos perfeitamente bem que as novas vacinas não cobrem todos os sorotipos. E dos sorotipos que cobrem, não fornecem proteção contra todos os casos, disse Ruiz. Se não tivermos sistemas de vigilância epidemiológica e uma rede de laboratórios que nos permitirá responder a todas estas perguntas, não saberemos se as vacinas que estamos aplicando são as corretas ou não. Outra questão a considerar é se o país tem capacidade operacional para distribuir a vacina. Por exemplo, a introdução da vacina pneumocócica requer a expansão da capacidade de preservação da vacina e sua refrigeração, conhecida como cadeia fria em 300%. Os custos, naturalmente, também constituem um fator principal. A OPAS está apoiando os esforços nacionais para aumentar a capacidade de conduzir análises de custo-benefício que permitirá aos responsáveis pelas políticas a classificar um crescente número de solicitações concorrentes de recursos para saúde. Alguém está lutando por pesticidas, outros por gerenciamento sanitário de 7

10 lixo, outros estão trabalhando com questões de poluição ambiental disse Ruiz. O cobertor é o mesmo e todos estão puxando-o em diferentes direções. Alguns países, depois de considerarem sua própria evidência, decidiram não introduzir novas vacinas. Ruiz diz que alguns países rejeitaram a vacina contra rotavírus como não sendo custo-efetiva. Para o Brasil e outros países latino-americanos muitas questões permanecem. É correto introduzir a vacina contra pneumococo no Brasil ou Argentina, México ou Guatemala, sem informação sobre os sorotipos circulantes? perguntou Ruiz. Será correto introduzir uma vacina como esta dada a pressão que os laboratórios particulares estão exercendo nos Ministérios da Saúde? Ruiz descreveu a pressão que os países podem sentir para adquirir vacinas diretamente das corporações farmacêuticas em vez de adquirirem através do Fundo Rotatório da OPAS. Ele defendeu o caso de continuar a reforçar o Fundo Rotatório, que Ruiz indicou tem ajudado 30 países, por mais de 30 anos, a barganhar coletivamente os preços para vacinas, tornando-as mais acessíveis mesmo para os países menores e mais pobres. Não é suficiente dizer que temos uma nova vacina e que necessitamos introduzi-la porque está na moda. Precisamos de evidência científica. Cuauhtémoc Ruiz Matus, Organização Pan-Americana da Saúde 8

11 Sessão I: Epidemiologia, Vigilância e Diagnóstico Laboratorial da Doença Pneumocócica e Influenza A Carga da Doença Pneumocócica: Situação Global A pneumonia é a principal causa de mortalidade no mundo, tanto em crianças quanto em adultos. É a segunda causa principal de mortalidade infantil, depois de causas neonatais. Em todo mundo, no ano 2000, 2 milhões de crianças morreram de pneumonia. Cada ano mais crianças morrem de pneumonia do que de AIDS, tuberculose, malaria e sarampo combinados. A pneumonia é a principal causa de morte de crianças na Ásia e África. Entretanto, nas Américas, a carga da pneumonia é principalmente a morbidade (enfermidade) em vez da mortalidade. Aqui temos que pensar em morbidade, porque tivemos grande êxito na redução da mortalidade por pneumonia em toda a região, disse Brendan Flannery, um consultor do Centro de Prevenção e Controle de Doenças (CDC) dos Estados Unidos e que trabalha no Brasil. pneumonia, bacteremia (bactéria no sangue), meningite e otite média (infecção auditiva). No Brasil, diz Flannery, a carga da doença por haemophilus influenza foi reduzida consideravelmente: o Brasil tem uma altíssima cobertura da vacina contra haemophilus influenza B (Hib). A Organização Mundial da Saúde (OMS) estima que dois milhões de mortes são atribuídas a pneumonia anualmente, são causadas pelo pneumococo e pelo haemophilus. (Em 2008 novas estimativas da carga total das doenças pelo pneumococo e haemophilus consideraram o impacto da vacina haemophilus B - Hib). A carga da pneumonia é impressionante, diz Flannery, É um enorme desafio começar a pensar sobre a prevenção desta carga de doença. A OMS estima que 8% de todas as mortes por pneumonia são causadas pelo pneumococo. Mas a pneumonia pneumocócica é a causa principal de mortes preveníveis por vacina em crianças com menos de cinco anos. Mas o que causa pneumonia? Pode ser qualquer número de agentes bacterianos ou virais, e na maioria dos casos, a bactéria ou vírus presente nunca é identificado ou isolado. Mesmo quando é identificado, pode ser difícil determinar se a bactéria ou vírus é a causa da pneumonia ou se a pessoa é simplesmente um portador. A doença primária pode ser o vírus da influenza com a pneumonia bacteriana sendo uma infecção secundária. Assim, identificar a causa da pneumonia nunca é simples. Para isso são necessários recursos radiológicos e microbiológicos laboratoriais. As duas bactérias principais que causam pneumonia são o haemophilus influenza e o Streptococcus pneumoniae, freqüentemente chamado de pneumococo. Ambas as bactérias são geralmente encontradas em colônias nasais ou na garganta. E ambas podem causar A carga da pneumonia é impressionante. É um enorme desafio começar a pensar sobre a prevenção desta carga de doença Brendan Flannery, Centro de Prevenção e Controle de Doenças, EUA 9

12 O Instituto de Vacinas Sabin está trabalhando com O CDC e com a OPAS em uma pesquisa de literatura para determinar a carga da doença pneumocócica nas Américas. O objetivo foi de estimar a carga da doença e os custos associados, e de informar os líderes governamentais sobre os benefícios potenciais de introduzir a vacina contra o pneumococo, disse Flannery. Os resultados foram apresentados em dezembro de 2006 e estão sendo publicados. O Brasil reduziu a carga da pneumonia através de tratamento correto e melhor acesso ao tratamento, Precisamos de um pouco mais de informação para decidir sobre a vacina, a vacina ideal, disse Flannery. Dados locais, estaduais e nacionais têm significado muito maior do que qualquer discurso. Brendan Flannery, Centro de Controle e Prevenção de Doenças, EUA incluindo o uso de antibióticos, oxigênio nos hospitais, e da própria internação, disse Flannery. O Brasil também teve melhoras na nutrição em geral, poluição do ar dentro dos edifícios, higiene e na transmissão de HIV, que em conjunto A Vigilância de Pneumonia Bacteriana e Meningite Bacteriana nas Américas reduzem a vulnerabilidade à doença pneumocócica. No entanto, é importante lembrar que a pneumonia é uma das principais causas de morbidade e internação nos Estados Unidos, disse Flannery. Quando uma vacina apareceu, embora o alto custo para o Programa Nacional de Imunizações dos Estados Unidos, ela foi adquirida e distribuída a uma velocidade que surpreendeu até o próprio CDC muito mais rápido do que esperado. Antes da introdução de uma vacina pneumocócica no Brasil, o país terá que conduzir uma vigilância para estabelecer a carga local de doença pneumocócica. Dados locais, estaduais e nacionais têm significado muito maior do que qualquer discurso, disse Flannery. Disse também que a vigilância para doença pneumocócica é difícil porque a enfermidade se manifesta de tantas formas diferentes, e porque o diagnóstico de pneumonia é complexo. Mas Flannery enfatizou que é primordial superar estes desafios para poder identificar os atuais sorotipos predominantes, especialmente porque novas cepas podem se tornar dominantes após a introdução de vacinas. Uma vigilância que revela sorotipos dominantes também é chave para a escolha da vacina correta, sendo que existem formulações diferentes em desenvolvimento que atingirão uma gama mais ampla de sorotipos, o que pode torná-las mais eficazes em regiões específicas. Existem três principais bactérias responsáveis por infecções invasivas em crianças, e entre estas existe a pneumonia por estreptococo, disse Lucia Helena De Oliveira da Organização Pan-Americana da Saúde (OPAS). A doença pneumocócica causa cerca de 1,6 milhões de mortes anualmente, das quais a um milhão são crianças com menos de cinco anos. Por esta razão, a doença pneumocócica é considerada um dos problemas mais significativos na saúde pública no mundo, disse ela. Existem mais de 90 sorotipos de pneumococo que cientistas organizaram em 40 grupos de soro. Onze destes grupos causam 75% das doenças pneumocócicas invasivas do mundo. A variação do impacto nos diferentes sorotipos é observada regionalmente e em diferentes faixas etárias. Desde 1993, existe uma rede para vigilância laboratorial de doenças pneumocócicas nas Américas, antigamente chamado, em espanhol Sistema Regional de Vacunas (SIREVA). Esta rede, não obstante, não fornece a vigilância epidemiológica necessária para avaliar o impacto de uma vacina nova. Quem são as pessoas que adoecem com esta doença? Qual é a sua faixa etária? Onde está ocorrendo esta doença? pergunta De Oliveira. Disse ainda que é necessária uma vigilância epidemiológica de pneumonias bacterianas e meningite bacteriana para responder a estas perguntas, e para dar seguimento contínuo a sorotipos nas Américas. 10

13 Baseado em estudos existentes de sorotipos nas Américas, a vacina 7-valente (heptavalente) atualmente no mercado, que tem como alvo sete sorotipos, forneceria cerca de 59% de cobertura contra doença pneumocócica. Para uma vacina 10-valente, atualmente em desenvolvimento, a OMS sugere que haveria uma cobertura de 73,5%. E a vacina 13-valente sendo desenvolvida poderia chegar a uma cobertura de 84%. Quais passos poderiam ser tomados para fortalecer a vigilância epidemiológica para doenças pneumocócicas? De Oliveira acredita que a vigilância deve ser implementada pelo estabelecimento de uma série de hospitais sentinela, uma vez que nem todos os hospitais podem conduzir esta vigilância em termos de recursos financeiros e humanos. Em geral, crianças com menos de cinco anos de idade com pneumonia bacteriana são crianças que precisam de internação, disse De Oliveira. Se quisermos encontrar casos de pneumonia bacteriana, os hospitais são os melhores locais. Os hospitais escolhidos devem ter radiologia para o diagnóstico de pneumonia e culturas de sangue para o diagnóstico de meningite, disse De Oliveira. A qualidade e capacidade de redes de laboratórios existentes devem ser mantidas. As definições de casos precisam ser padronizadas, ela disse, e dados devem ser disseminados pela Internet e publicações impressas. A OMS publicou um guia prático de vigilância para pneumonia em espanhol, intitulado Vigilância de Pneumonia Bacteriana e Meningite em Crianças com Menos de Cinco Anos: Um Guia Prático. Um projeto do guia foi distribuído aos brasileiros no Segundo Simpósio Regional sobre Pneumococo realizado em 2006 em São Paulo, e as versões em inglês e português estão sendo preparadas para publicação. Espera-se que o guia ajudará a padronizar a vigilância, com vários países usando o mesmo tipo de hospitais sentinela e as mesmas definições de casos. Precisamos ter uma vigilância que nos permita, num futuro próximo, ter uma idéia da carga da doença na região e que nos permita comparar estes dados entre os países, disse De Oliveira. A riqueza de informação regional terá lugar quando pudermos realizar estas comparações entre os países. Quando crianças com menos de cinco anos são internadas com suspeita de pneumonia, os hospitais sentinela também considerarão a sua inclusão em vigilância para influenza ou outros vírus respiratórios. Este realmente é o nosso ponto de integração para vigilância de doenças pneumocócicas e influenza, disse De Oliveira. É muito importante que começamos a trabalhar, aqui nesta reunião, de maneira muito intensiva, a promover a integração da vigilância de pneumonia com a vigilância da influenza. Precisamos ter uma vigilância que nos permita, num futuro próximo, ter uma idéia da carga da doença na região e que nos permita comparar estes dados entre os países. A riqueza de informação regional terá lugar quando pudermos realizar estas comparações entre os países Lucia Helena De Oliveira, Organização Pan-americana da Saúde 11

14 A Procura da Sinergia: Vigilância da Influenza e Vigilância Pneumocócica Houve discussão considerável na conferência sobre as oportunidades de acrescentar a vigilância pneumocócica às atividades atuais de vigilância de influenza, sendo que ambas envolvem o monitoramento de doenças respiratórias. No Brasil, os hospitais sentinela realizam o monitoramento da influenza. Os hospitais são designados como Centros Nacionais de Influenza, com capacidade para testar amostras com tecnologia imunofluorescente que pode identificar as cepas individuais da gripe. Em seguida, os dados são enviados ao CDC dos EUA, para detectar e caracterizar surtos e advertir sobre pandemias iminentes. Mas existem perguntas sobre se os centros estão fornecendo os tipos de dados exaustivos coletados necessários para uma vigilância epidemiológica correta, disse Otavio Oliva da Organização Pan-americana da Saúde. É necessário integrar a vigilância epidemiológica e os Centros Nacionais de Influenza, comentou. Digo isto com a liberdade de um amigo, colega, lutador é inadmissível termos os Centros Nacionais de Influenza desassociados da vigilância epidemiológica. Existe vigilância epidemiológica nas Américas baseada em doença respiratória aguda, disse Oliva. Mais especificamente, quando crianças com menos de cinco anos são avaliadas para influenza, devem também ser avaliadas para pneumonia, comentou. O protocolo é genérico porque não é normativo, disse. É aberto suficiente para que países que já tenham a infra-estrutura possam aproveitar os principais pilares. O que estou propondo aqui hoje, acrescentou é que o conceito da vigilância moderna já não inclui laboratórios e vigilância. Os dois são integrados. Precisamos gerar dados epidemiológicos e virológicos confiáveis. Os protocolos estão encaminhados na Argentina, Peru e México. O programa também está sendo implementado na América Central e no Caribe. A convergência entre as duas vigilâncias, de pneumococo e influenza, é exatamente (o que é necessário) em doença respiratória aguda. Otavio Oliva, Organização Pan-americana da Saúde em dados tais como mortes por influenza, Oliva comentou. Ele disse, no entanto, que os dados são pouco consistentes em termos de definições, relatórios, análise, e representação geográfica e demográfica. A OMS estendeu um mandato para vigilância estendida através do seu Regulamento Internacional de Saúde, em Como resultado, a OPAS e o CDC desenvolveram um Protocolo Genérico em inglês e espanhol. Os objetivos do protocolo são de detector surtos, identificar novos subtipos de influenza, e de determinar as características epidemiológicas e causas virais (etiologia) da influenza para tomar decisões sobre qual vacina usar e quando se deve vacinar. A convergência entre as duas vigilâncias, de pneumococo e influenza, é exatamente (o que é necessário) Considerações Práticas para a Vigilância de Pneumonia Bacteriana e Meningite Maria Tereza da Costa da OPAS disse que para uma melhor compreensão da carga de doença pneumocócica é necessário trabalhar em muitas áreas simultaneamente. A integração é um ponto essencial nesta vigilância, comentou, assim como a necessidade de coletar informação de programas de imunização, laboratórios e tratamento clínico, e de realizar a vigilância tanto de crianças quanto de adultos mais idosos. A OPAS publicou o guia prático para vigilância de doenças pneumocócicas para as Américas em maio de 12

15 2007. Com este guia, os países podem desenvolver seus próprios protocolos, usando definições de casos que serão comparáveis. Cada país pode escolher seus hospitais sentinela e começar a vigilância de crianças com menos de cinco anos de idade. Alguns países também incluem pessoas com mais de 60 anos, dado a evidência que a vacina poderia ser eficaz em prevenir doenças nos idosos. De acordo com o guia, pacientes suspeitos de pneumonia são submetidos à radiologia do peito. A imagem radiológica indica se é um caso provável de pneumonia bacteriana. (A OMS forneceu uma descrição detalhada sobre o que constitui uma radiologia indicativa de pneumonia bacteriana em crianças). Se a radiologia sugere pneumonia bacteriana, uma amostra de sangue precisa ser colhida enquanto outras evidências da radiologia poderiam resultar em uma decisão de fazer uma cultura de fluídos (líquido pleural) dos pulmões. Paralelamente, amostras virais devem ser coletadas porque existem casos nos quais infecções virais precedem infecções bacterianas. Todos os casos suspeitos de meningite devem ser investigados, com os testes conduzidos para obter fluído pleural ou sangue. No dia 10 de cada mês, dados de cada hospital sentinela devem ser enviados à OPAS em Brasília. Da Costa comentou que muitos países nas Américas estão seguindo adiante com a vigilância pneumocócica. (Veja Tabela). FIGURA 1.1 Avanços na América Central País Hospital sentinela Data de inicio Costa Rica 01/11/2007 El Salvador Hospital Bloom 01/04/2007 Guatemala De Seguro Social Zona 9 Roosevelt 01/04/2007 Honduras Escuela 01/07/2007 Nicarágua La Mascota 01/08/2007 Apresentados por: Maria Tereza da Costa, Organização Pan-americana da Saúde FIGURA 1.2 Avanços na América do Sul País Hospital sentinela Data de inicio El Salvador Baca Oritz Francisco Icaza Bustamante 2006 Paraguai de Medicina Tropical Instituto 01/04/2007 de Previsión Social Materno-Infantil Nacional de Itaguá Pediátrico Acosta Ñu Venezuela Ciudad Hospitlaria Enrique Tejera 2007 Apresentado por: Maria Tereza da Costa, Organização Pan-americana da Saúde 13

16 Temos alguns países que ainda não começaram a notificar casos, disse da Costa. Outros já começaram e tem seu protocolo pronto, mas ainda estão organizando sua vigilância internamente, alguns já estabeleceram seus hospitais mas ainda não começaram, e outros estão notificando regularmente. Ela encorajou os países a começar a notificar mesmo se possuírem somente um hospital sentinela, em vez de esperar que mais de um hospital fique pronto. O financiamento para vigilância, ela comentou, teria que vir dos próprios países. Da Costa também citou a necessidade de boa comunicação entre todos os níveis. Os hospitais precisam receber dados de outras localidades no país e realmente sentirem que fazem parte de uma rede, disse. Já escutei isto frequentemente, pessoas em todo lugar reclamando que nunca recebem seus dados de volta. Então consideram a notificação simplesmente como exercício burocrático e não têm idéia da magnitude da sua participação nesta rede. Os hospitais precisam receber dados de outras localidades no país e realmente sentirem que fazem parte de uma rede. Maria Tereza da Costa, Organização Pan-americana da Saúde Diagnóstico Laboratorial da Pneumonia Bacteriana O pai da vigilância epidemiológica das doenças invasivas causadas por pneumococo aqui no Brasil e na América Latina foi Akira Homa, disse Maria Cristina Brandileone, do Instituto Adolfo Lutz (IAL) de São Paulo. Tudo começou durante uma conversa informal em um churrasco em Washington em A idéia do SIREVA foi inicialmente introduzir a vigilância epidemiológica, ela disse, mas foi logo observado que sem laboratórios capacitados era impossível implementar esta vigilância. Assim a OPAS teve a iniciativa de apoiar os laboratórios nacionais de saúde pública da América Latina e assegurar que todos os 21 países latinoamericanos estivessem trabalhando com metodologias laboratoriais internacionalmente padronizadas e que todos utilizassem as mesmas técnicas gold standard. Para implementar os exames laboratoriais necessários para uma vigilância apropriada das doenças pneumocócicas, é importante considerar a biologia da enfermidade. O pneumococo, assim como as bactérias hemófilus e meningococo, é de transmissão respiratória, colonizando as mucosas da nasofaringe. Dependendo do estado imunológico do portador e da virulência da cepa recentemente adquirida, entre outros fatores, esta bactéria colonizante pode invadir o organismo causando doença localizada (otites, sinusites, pneumonias) ou invasiva (septicemia, bacteremia, meningites). O isolamento do pneumococo da nasofaringe somente indica o estado de portador de pneumococo na nasofaringe. O pneumococo pode ser isolado de casos de doença através dos exames de cultura de amostras clínicas (técnica clássica) ou pode ser identificado através de exames que utilizam técnicas de biologia molecular como a reação em cadeia da polimerase (PCR), a qual detecta genes específicos para a espécie bacteriana (diagnóstico molecular). O pneumococo, meningococo ou hemófilos são bactérias sensíveis aos fatores ambientais (temperatura, ressecamento, nutrientes), sendo necessários meios de cultura enriquecidos, profissionais especializados e rigoroso controle de qualidade para seu isolamento. Para os testes da PCR, cuidados na coleta e a forma de encaminhamento da amostra ao laboratório também são críticos para o sucesso do diagnóstico. O IAL é laboratório de referencia nacional das meningites bacterianas e das doenças pneumocócicas. Entre suas funções está a confirmação da identificação bacterianas, a sorotipagem capsular e os testes de susceptibilidade aos antimicrobianos das cepas de pneumococo, meningococo e hemófilos isoladas no Brasil, as quais são encaminhadas ao IAL pelos s, hospitais públicos e privados, e além de estudar as cepas obtidas através de projetos com universidades. 14

17 QUADRO 1 Diagnóstico Laboratorial para Infecções Respiratórias Virais Terezinha Paiva do Instituto Adolfo Lutz discutiu o diagnóstico laboratorial das infecções virais respiratórias causadoras de pneumonia. Os principais culpados são o vírus da influenza, o vírus respiratório sincicial, o vírus para-influenza e o adenovírus. Nos hospitais sentinela, amostras de vírus respiratório são obtidas por raspados na nasofaringe e na orofaringe. Procedimentos mais invasivos, como lavado bronquial ou aspiração da traquéia, podem ser necessários num paciente hospitalizado para detectar um novo subtipo de vírus da influenza, por exemplo. As amostras são empacotadas em gelo e enviadas por via aérea para um dos três laboratórios de referência no Brasil, onde antígenos podem revelar que tipo de vírus foi detectado por imunofluorescência. Os laboratórios de referência compartilham as amostras com o CDC de Atlanta, que trabalha com parceiros internacionais para construir a evolução global ou uma árvore filogenética para a influenza. Em contrapartida, o CDC oferece ao Brasil soro imune utilizado para caracterizar vírus circulantes no Brasil anualmente. As amostras dos raspados são cruciais para diagnóstico viral e devem ser tomadas nos primeiros cinco dias da doença. Depois disso, os anticorpos do trato respiratório vão impedir o isolamento do vírus. Se os cinco dias já passaram é possível fazer o diagnóstico viral através do exame de sangue. O sangue deve ser examinado duas vezes, uma vez durante a fase aguda e depois após o décimo quarto dia, assim a diferença dos níveis de anticorpos podem ser medidas. As amostras de sangue devem ser mantidas a temperatura ambiente. Temos que trabalhar com metodologias clássicas e moleculares. Temos que saber qual é a melhor hora para utilizá-los. Precisamos saber tudo, diz Paiva. Na discussão subseqüente, foi levantado que o potenciais com o exame de amostras nasais. Brandileone diagnóstico é complicado, freqüentemente pelo fato de destacou que existe um alto potencial para contaminação. muitos pacientes que apresentam com pneumonia chegam Oliva acrescentou que 30 a 40% das crianças têm na emergência ou na clínica já tratados com antibióticos, pneumococo na sua nasofaringe, mas a sua mera presença o que rapidamente torna a bactéria do pneumococo não necessariamente significa que causou pneumonia. indetectável. Também houve discussão sobre os problemas 15

18 Sessão II: A Carga de Doença Pneumocócica e a Vacina Contra Pneumococo Estudos da Doença Pneumocócica na População O Caso da Bahia Um grande estudo prospectivo de crianças na Bahia foi iniciado em março passado e é programado para terminar em agosto de De acordo com Cristiana Nascimento Carvalho da Universidade Federal da Bahia, no Brasil, um estudo não publicado de crianças internadas na universidade tentou determinar a ocorrência de causas virais ou bacterianas da pneumonia. O estudo, realizado de 2003 a 2005, acompanhou O Caso de Goiânia De acordo com Ana Lucia Andrade da Universidade de Goiás, a vigilância da pneumonia no Brasil foi iniciada em 1999, quando a vacina Hib foi introduzida e quando surgiu FIGURA 2.1 Estudo da Etiologia de Pneumonia Comunitária por Métodos Específicos e Não Invasivos em Crianças Brasileiras Hospitalizadas Resultados parciais não publicados Infecção viral: 110 (60%) Infecção bacteriana: 77 (42%) Infecção mista: 52 (28%)* Infecção viral-bacteriana: 43 (23%) Apenas infecção viral: 67 (36%) Apenas infecção bacteriana: 34 (18%) Apresentado por: Cristiana N. Carvalho, Universidade Federal da Bahia, Brasil * até 4 patógenos 184 crianças com pneumonia confirmada por radiologia, a necessidade de determinar a linha de base da pneumonia com uma faixa etária de 26 dias a 4,9 anos de idade. na população. Naquela ocasião, na cidade de Goiânia, foi Infecção viral foi encontrada em 60% dos pacientes, desenvolvido um sistema com meta de detectar 90% da e infecção bacteriana em 42%. Infecções mistas foram pneumonia adquirida ao nível de comunidade. encontradas em 28% dos pacientes, com até quarto Num período de 16 meses, pediatras usando diferentes patógenos encontrados em alguns casos. Os confirmação radiológica detectaram 724 casos de patógenos mais comuns foram o rinovírus, encontrado em pneumonia em crianças com menos de cinco anos, o que 21% dos pacientes, e pneumococo, também encontrado foi calculado como sendo 800 casos por crianças em 21% dos pacientes. nesta faixa etária. As crianças com menos de dois anos 16

19 foram afetadas desproporcionalmente, com casos por crianças, ou seja, um risco de 3,3 vezes mais alto de desenvolver pneumonia. Os pesquisadores também chegaram a traçar os casos de pneumonia geograficamente e confirmar que a carga de pneumonia é mais alta nas áreas mais pobres da cidade. Tivemos uma carga muito alta especificamente na Região Nordeste, que é uma área de renda muito baixa, disse Andrade. Este estudo mostra evidência da associação entre pneumonia e pobreza. Colocando os dados em contexto, Andrade falou da Este perfil epidemiológico inicial é muito interessante porque indicou que praticamente 80% dos casos captados são nas unidades básicas de saúde e se realizássemos a vigilância somente nos hospitais, perderíamos 50% dos casos, comentou Andrade. Andrade advertiu que o estabelecimento de um programa de vigilância para doença pneumocócica é um desafio significante. Mesmo na cidade de Goiânia, onde já existia a vigilância, ela disse que levou um ano para realizar o treinamento, desenvolver a logística, reunir-se com o pessoal e verificar a capacidade laboratorial. necessidade para mais destes estudos locais. Qual é o cenário atual no Brasil? perguntou. Temos uma situação com a disponibilidade de vacina pneumocócica conjugada altamente efetiva, com alto custo por dosagem, e ainda uma falta de estudos que confirmam a carga de infecção pneumocócica durante a infância. Considerando isto, os pesquisadores recentemente lançaram outro estudo, desta vez com crianças com menos de três anos de idade. A meta deste novo estudo era cobrir 95% dos casos de pneumonia incluindo o atendimento de emergência e clínicas ambulatórias, com 140 pediatras participando da rede. Também começaram uma nova tática de vigilância baseada no conceito de que cada criança com menos de três anos que apresenta na emergência com febre de mais de 39 graus centígrados deve ser avaliada para doença pneumocócica. Nas clínicas ambulatoriais, os pesquisadores encontraram muitos desafios, incluindo alta rotatividade de pessoal, falta de capacidade laboratorial, pediatras tratando pneumonia sem confirmação radiológica ou por exames de sangue, e alto número de crianças que já chegavam tomando antibióticos comprados pelos pais. Não obstante, dados preliminares dos primeiros quatro meses de vigilância já estão mostrando resultados interessantes. Os dados confirmaram que a carga mais pesada da pneumonia pneumocócica se encontra em crianças com menos de 18 meses. Mostraram que 33 por cento dos casos envolviam pacientes já tomando antibióticos quando chegavam as unidades de saúde. Temos uma situação com a disponibilidade de vacina pneumocócica conjugada altamente efetiva, com alto custo por dosagem, e ainda uma falta de estudos que confirmam a carga de infecção pneumocócica durante a infância. Ana Lucia Andrade, Universidade de Goiás, Brasil A Busca de um Quadro mais Claro Doença Pneumocócica na América Latina e no Caribe Os pesquisadores do Instituto de Vacinas Sabin, da OPAS, do PneumoADIP, e do CDC dos EUA realizaram um grande levantamento para procurar evidência dos efeitos e custos regionais da doença pneumocócica. O objetivo é ajudar os países na América Latina a avaliar o impacto de uma vacina pneumocócica tanto na enfermidade quanto nos custos em atenção à saúde. 17

20 Uma equipe de pesquisadores trabalhou com evidência econômica, e outra equipe com evidência epidemiológica. Os resultados do trabalho serão publicados em breve. Uma discussão sobre os achados foi apresentada no simpósio por Fernando de la Hoz, Professor da Escola de Saúde Pública na Universidade Nacional da Colômbia. É verdade que existe pouca informação, disse de la Hoz. Mas vemos que temos algum conhecimento. O estudo incluiu uma revisão sistemática da literatura, incluindo referências. Além disso, 48 pesquisadores da região foram solicitados a fornecer informação ainda não publicada. A equipe econômica fez um levantamento com pediatras e vários especialistas para estabelecer um cenário de custos, que considera os vários riscos apresentados pelo pneumococo para uma estimativa de 11 milhões de crianças que nascem na América Latina a cada ano. Estimativa Regional da Carga da Doença A equipe encontrou muitos artigos sobre a meningite pneumocócica mas muito pouco sobre a doença pneumocócica invasiva, ou pneumonia confirmada clinicamente ou radiologicamente. O Brasil contribuiu com sete dos 23 estudos mais importantes. Das crianças da região que chegaram aos cinco anos de idade, a revisão estimou que 9% tiveram pneumonia clínica, e 6% desenvolveram pneumonia confirmada por radiologia. Uma de cada teve septicemia pneumocócica e três de cada tiveram meningite pneumocócica. Assim, dado que 11 milhões de crianças nascem todo ano na América Latina e no Caribe, os pesquisadores estimam que cada ano o pneumococo está causando 1.6 milhões de casos de enfermidades em crianças com menos de cinco anos de idade, incluindo: 1.3 milhões de casos de otite média aguda, casos de pneumonia clínica, casos de diagnóstico radiológico de pneumonia, casos de septicemia, e casos de meningite. Os pesquisadores estimam que a cada ano na região crianças com menos de cinco anos morrem por doença pneumocócica. Além disso, eles projetaram que existem anos de vida ajustada por incapacidade ou DALY (medida de anos saudáveis de vida que são perdidos devido à doença, incapacidade ou morte prematura), de perda em crianças com menos de cinco anos cada ano. Anualmente ocorrem mais de hospitalizações na região por doença pneumocócica, assim como 1.4 milhões de consultas ambulatoriais. FIGURA 2.2 Carga estimada de enfermidade por pneumococo para AL & EC Número de eventos anuais Número de eventos por 1,000 crianças Otitis media aguda causada por Pneumococo Pneumonia Clinica devido a S. pneumoniae b Raio-X (+) pneumonia devido a S. pneumoniae Sepsis Pneumocócica < 1 Meningite Pneumocócica < 1 Mortes por S. pneumoniae DALYs a Cohorte de nascimento anual, idade 0 a 5 anos b Não incluindo raio-x de tórax (+) pneumonia Apresentado por: Fernando de la Hoz, Universidade Nacional da Colombia 11 milhões nascem na AL 18

Vacinas contra o pneumococo

Vacinas contra o pneumococo .... Simpósio Nacional de Doença Pneumocócica e Influenza São Paulo, 20 e 21 de Setembro de Vacinas contra o pneumococo Lúcia Helena de Oliveira Assessora Regional para Novas Vacinas Unidade de Imunizações

Leia mais

VACINAS ANTIPNEUMOCÓCICAS CONJUGADAS

VACINAS ANTIPNEUMOCÓCICAS CONJUGADAS VACINAS ANTIPNEUMOCÓCICAS CONJUGADAS As vacinas conjugadas são aquelas nas quais os antígenos bacterianos são ligados a carreadores protéicos, facilitando o processamento pelos linfócitos T, gerando então,

Leia mais

Vigilância Epidemiológica de Pneumonias no Brasil

Vigilância Epidemiológica de Pneumonias no Brasil Vigilância Epidemiológica de Pneumonias no Brasil COVER/CGDT/ DEVEP/SVS/MS São Paulo,, setembro de 2007 Classificações das Pneumonias Local de aquisição Tempo de evolução Tipo do comprometimento Comunitária

Leia mais

Rede Pública ou Particular?

Rede Pública ou Particular? Vacinar seu filho na feito com carinho para você ganhar tempo! Rede Pública ou Particular? guia rápido das vacinas e principais diferenças Um guia de utilidade pública com as fichas de 10 vacinas para

Leia mais

PORTARIA Nº 1.946, DE 19 DE JULHO DE 2010

PORTARIA Nº 1.946, DE 19 DE JULHO DE 2010 MINISTÉRIO DA SAÚDE GABINETE DO MINISTRO PORTARIA Nº 1.946, DE 19 DE JULHO DE 2010 Institui, em todo o território nacional, o Calendário de vacinação para os Povos Indígenas. O MINISTRO DE ESTADO DA SAÚDE,

Leia mais

Calendário de Vacinação do Prematuro e da Criança

Calendário de Vacinação do Prematuro e da Criança Calendário de Vacinação do Prematuro e da Criança Central de Atendimento: (61) 3329-8000 Calendário de Vacinação do Prematuro Vacinas BCG ID (intradérmica) Hepatite B (HBV) Pneumocócica conjugada Recomendações

Leia mais

Boletim Epidemiológico Secretaria de Vigilância em Saúde Ministério da Saúde Influenza: Monitoramento até a Semana Epidemiológica 29 de 2014

Boletim Epidemiológico Secretaria de Vigilância em Saúde Ministério da Saúde Influenza: Monitoramento até a Semana Epidemiológica 29 de 2014 Boletim Epidemiológico Secretaria de Vigilância em Saúde Ministério da Saúde Influenza: Monitoramento até a Semana Epidemiológica 29 de 2014 A vigilância da influenza no Brasil é composta pela vigilância

Leia mais

CALENDÁRIOS VACINAIS. Renato de Ávila Kfouri Sociedade Brasileira de Imunizações SBIM

CALENDÁRIOS VACINAIS. Renato de Ávila Kfouri Sociedade Brasileira de Imunizações SBIM CALENDÁRIOS VACINAIS Renato de Ávila Kfouri Sociedade Brasileira de Imunizações SBIM VACINA É PARA A VIDA TODA... Oportunidades para a Vacinação criança adolescente adulto Programa infantil Catch up (repescagem)

Leia mais

A pneumonia é uma doença inflamatória do pulmão que afecta os alvéolos pulmonares (sacos de ar) que são preenchidos por líquido resultante da

A pneumonia é uma doença inflamatória do pulmão que afecta os alvéolos pulmonares (sacos de ar) que são preenchidos por líquido resultante da 2 A pneumonia é uma doença inflamatória do pulmão que afecta os alvéolos pulmonares (sacos de ar) que são preenchidos por líquido resultante da inflamação, o que dificulta a realização das trocas gasosas.

Leia mais

Influenza A (H1N1): Perguntas e Respostas

Influenza A (H1N1): Perguntas e Respostas Influenza A (H1N1): Perguntas e Respostas Para entender a influenza: perguntas e respostas A comunicação tem espaço fundamental na luta contra qualquer doença. Um exemplo é o caso do enfrentamento da influenza

Leia mais

50 o CONSELHO DIRETOR 62 a SESSÃO DO COMITÊ REGIONAL

50 o CONSELHO DIRETOR 62 a SESSÃO DO COMITÊ REGIONAL ORGANIZAÇÃO PAN-AMERICANA DA SAÚDE ORGANIZAÇÃO MUNDIAL DA SAÚDE 50 o CONSELHO DIRETOR 62 a SESSÃO DO COMITÊ REGIONAL Washington, D.C., EUA, 27 de setembro a 1 o. de outubro de 2010 CD50/DIV/3 ORIGINAL:

Leia mais

Boletim Epidemiológico Julho/2015

Boletim Epidemiológico Julho/2015 GOVERNO DO ESTADO DO RIO GRANDE DO NORTE SECRETARIA DE ESTADO DA SAÚDE PÚBLICA COORDENADORIA DE PROMOÇÃO À SAÚDE SUBCOORDENADORIA DE VIGILÂNCIA EPIDEMIOLÓGICA CENTRO DE INFORMAÇÃO ESTRATÉGICA EM VIGILANCIA

Leia mais

Protocolo. Vacinação em TCTH

Protocolo. Vacinação em TCTH Protocolo Vacinação em TCTH Versão eletrônica atualizada em Abril 2012 Este protocolo envolve: Vacinação em pacientes e familiares candidatos e tratados com transplante de células-tronco hematopoéticas

Leia mais

CÓLERA/ DIARRÉIA DO VIAJANTE

CÓLERA/ DIARRÉIA DO VIAJANTE ANTITETÂNICA Indicada para prevenção do tétano. Utilizada para imunização de adultos e idosos, inclusive gestantes (após a 12ª semana). Contraindicação: Não há, exceto àquelas comuns a todas as vacinas:

Leia mais

Política de Introdução de Novas Vacinas no Brasil

Política de Introdução de Novas Vacinas no Brasil Política de Introdução de Novas Vacinas no Brasil Ana Goretti Kalume Maranhão Programa Nacional de Imunização/Secretaria de Vigilância em Saúde Ministério da Saúde ana.goretti@saude.gov.br Programa Nacional

Leia mais

Gripe por Influenza A H1N1 *

Gripe por Influenza A H1N1 * CONSELHO REGIONAL DE ENFERMAGEM DE SÃO PAULO São Paulo, maio de 2009. Gripe por Influenza A H1N1 * Informações básicas O que é Gripe por Influenza A H1N1? A gripe por Influenza A H1N1 (Suína) é uma doença

Leia mais

ALERTA SARAMPO Atualização da Situação Epidemiológica, Setembro 2014:

ALERTA SARAMPO Atualização da Situação Epidemiológica, Setembro 2014: ALERTA SARAMPO Atualização da Situação Epidemiológica, Setembro 2014: O Estado de São Paulo reforça a recomendação para que todos os GVE mantenham os municípios de sua área de abrangência em TOTAL ALERTA

Leia mais

Ocorrências de casos humanos de influenza suína no México e EUA Informe do dia 26.04.09, às 13h

Ocorrências de casos humanos de influenza suína no México e EUA Informe do dia 26.04.09, às 13h Ministério da Saúde Gabinete Permanente de Emergências em Saúde Pública ALERTA DE EMERGÊNCIA DE SAÚDE PÚBLICA DE IMPORTÂNCIA INTERNACIONAL Ocorrências de casos humanos de influenza suína no México e EUA

Leia mais

CARACTERÍSTCAS DOS ATENDIMENTOS AOS PACIENTES COM GRIPE H1N1 EM UM SERVIÇO DE REFERÊNCIA

CARACTERÍSTCAS DOS ATENDIMENTOS AOS PACIENTES COM GRIPE H1N1 EM UM SERVIÇO DE REFERÊNCIA 25 a 28 de Outubro de 2011 ISBN 978-85-8084-055-1 CARACTERÍSTCAS DOS ATENDIMENTOS AOS PACIENTES COM GRIPE H1N1 EM UM SERVIÇO DE REFERÊNCIA Regina Lúcia Dalla Torre Silva 1 ; Marcia helena Freire Orlandi

Leia mais

Vacina para Rotavírus

Vacina para Rotavírus Vacina para Rotavírus Alexander R. Precioso Diretor da Divisão de Ensaios Clínicos e Farmacovigilância Instituto Butantan Pesquisador Instituto da Criança HC / FMUSP Epidemiologia da Infecção por Rotavírus

Leia mais

Traduzido por: Edson Alves de Moura Filho e-mail: edson.moura@saude.gov.br

Traduzido por: Edson Alves de Moura Filho e-mail: edson.moura@saude.gov.br A Doença Do Boletim Epidemiológico, Vol 22, nº 3, setembro de 2001 Influenza: Aspectos Epidemiológicos Básicos para o Desenvolvimento de Vacinas A influenza (a flu ) é uma dos mais notórios achaques (doença

Leia mais

Resultados de estudos sobre pneumonia na infância

Resultados de estudos sobre pneumonia na infância Universidade Federal da Bahia Faculdade de Medicina da Bahia Departamento de Pediatria Resultados de estudos sobre pneumonia na infância Métodos Específicos e Não Invivos em Crianç Brileir Hospitalizad

Leia mais

Os caminhos e descaminhos de uma epidemia global

Os caminhos e descaminhos de uma epidemia global Os caminhos e descaminhos de uma epidemia global Por Rodrigo Cunha 5 de junho de 1981. O Relatório Semanal de Morbidez e Mortalidade do Centro para Controle e Prevenção de Doenças (CDC) dos Estados Unidos

Leia mais

D ESENVOLVIMENTO TECNOLÓGICO. Um golpe na meni REVISTA DE MANGUINHOS DEZEMBRO DE 2002

D ESENVOLVIMENTO TECNOLÓGICO. Um golpe na meni REVISTA DE MANGUINHOS DEZEMBRO DE 2002 D ESENVOLVIMENTO TECNOLÓGICO Um golpe na meni 12 Repare na foto ao lado. Trata-se de uma bactéria ampliada milhares de vezes. Vista desse modo, é uma bela imagem de um mundo invisível a olho nu e desvendado

Leia mais

Informe Técnico - SARAMPO nº2 /2010 Atualização da Situação Epidemiológica

Informe Técnico - SARAMPO nº2 /2010 Atualização da Situação Epidemiológica 1 SECRETARIA DE ESTADO DA SAÚDE COORDENADORIA DE CONTROLE DE DOENÇAS CENTRO DE VIGILÂNCIA EPIDEMIOLÓGICA PROF. ALEXANDRE VRANJAC Av. Dr. Arnaldo, 351-6º andar SP/SP CEP: 01246-000 Fone: (11)3082-0957 Fax:

Leia mais

Calendário de Vacinas 2011

Calendário de Vacinas 2011 Calendário de Vacinas 2011 Untitled-2 1 4/4/11 4:59 PM Atualizações + atualizações_arquivo.indd 1 2 Atualizações Calendário Básico de Vacinação 2011 Idade Vacina Dose Doenças evitadas Ao nascer BCG-ID

Leia mais

PROGRAMA NACIONAL DE IMUNIZAÇÃO - PNI. Profª. Andréa Paula Enfermeira andreapsmacedo@gmail.com

PROGRAMA NACIONAL DE IMUNIZAÇÃO - PNI. Profª. Andréa Paula Enfermeira andreapsmacedo@gmail.com PROGRAMA NACIONAL DE IMUNIZAÇÃO - PNI Profª. Andréa Paula Enfermeira andreapsmacedo@gmail.com HISTÓRIA DO PNI Desde que foi criado, em 18 de setembro de 1973, o PNI tornou-se ação de governo caracterizada

Leia mais

Publicação Científica do Curso de Bacharelado em Enfermagem do CEUT. Ano 2009. Edição 15

Publicação Científica do Curso de Bacharelado em Enfermagem do CEUT. Ano 2009. Edição 15 Publicação Científica do Curso de Bacharelado em Enfermagem do CEUT. Ano 2009. Edição 15 Ariane Guerra Fernandes 1 Layanne Kelly Lima de Carvalho Rego 1 Liessia Thays de Araújo 1 Selonia Patrícia Oliveira

Leia mais

É uma doença respiratória aguda, causada pelo vírus A (H1N1).

É uma doença respiratória aguda, causada pelo vírus A (H1N1). INFLUENZA (GRIPE) SUÍNA INFLUENZA SUÍNA É uma doença respiratória aguda, causada pelo vírus A (H1N1). Assim como a gripe comum, a influenza suína é transmitida, principalmente, por meio de tosse, espirro

Leia mais

Capacitação. em Eventos. Situação Epidemiológica das. Meningites no Brasil. Área de Produção Editorial e Gráfica Núcleo de Comunicação

Capacitação. em Eventos. Situação Epidemiológica das. Meningites no Brasil. Área de Produção Editorial e Gráfica Núcleo de Comunicação Secretaria de Vigilância em Saúde Departamento de Vigilância Epidemiológica Coordenação Geral de Doenças Transmissíveis Unidade Técnica de Doenças de Transmissão Respiratória e Imunopreveníveis Capacitação

Leia mais

As Ações de Imunizações e o Programa de Saúde da Família

As Ações de Imunizações e o Programa de Saúde da Família As Ações de Imunizações e o Programa de Saúde da Família 1º. a 3 de junho de 2004 lourdes.maia@funasa.gov.br PNI. Dados Históricos No Brasil, vacina-se desde 1804. 1973 foi criado um Programa Nacional

Leia mais

Centro de Prevenção e Controle de Doenças CCD Núcleo Municipal de Controle de Infecção Hospitalar - NMCIH

Centro de Prevenção e Controle de Doenças CCD Núcleo Municipal de Controle de Infecção Hospitalar - NMCIH Centro de Prevenção e Controle de Doenças CCD ALERTA EPIDEMIOLÓGICO I Influenza Suína ABRIL 2009 Definição de caso 1-Caso suspeito de infecção humana pelo vírus da influenza suína A (H1N1). Apresentar

Leia mais

MENINGITE. Lucila T. Watanabe. Coordenação das Doenças Imunopreveníveis e Respiratórias

MENINGITE. Lucila T. Watanabe. Coordenação das Doenças Imunopreveníveis e Respiratórias MENINGITE Lucila T. Watanabe Coordenação das Doenças Imunopreveníveis e Respiratórias Histórico (I) 1975 Implantação do SVEM (Sistema de vigilância epidemiológica das meningites) Após epidemias de Doença

Leia mais

1. Aspectos Epidemiológicos

1. Aspectos Epidemiológicos 1. AspectosEpidemiológicos A influenza é uma infecção viral que afeta principalmente o nariz, a garganta, os brônquiose,ocasionalmente,ospulmões.sãoconhecidostrêstiposdevírusdainfluenza:a,b e C. Esses

Leia mais

Adultos e idosos também precisam se vacinar

Adultos e idosos também precisam se vacinar ANO VII N.º 10 Abril 2013 Canal de Comunicação da Sistel para os Usuários de Saúde Adultos e idosos também precisam se vacinar Na hora de cuidar da própria saúde, muitos adultos e idosos não dão importância

Leia mais

Vacina contra o HPV Prevenção contra câncer de colo do útero no SUS e inovação tecnológica para o Brasil

Vacina contra o HPV Prevenção contra câncer de colo do útero no SUS e inovação tecnológica para o Brasil Vacina contra o HPV Prevenção contra câncer de colo do útero no SUS e inovação tecnológica para o Brasil Papilomavírus (HPV) O HPV é um vírus capaz de infectar a pele ou as mucosas e possui mais de 100

Leia mais

Lílian Maria Lapa Montenegro Departamento de Imunologia Laboratório rio de Imunoepidemiologia

Lílian Maria Lapa Montenegro Departamento de Imunologia Laboratório rio de Imunoepidemiologia XVIII Congresso Mundial de Epidemiologia e VII Congresso Brasileiro de Epidemiologia Avaliação do desempenho da técnica de nested- PCR em amostras de sangue coletadas de pacientes pediátricos com suspeita

Leia mais

O PAPEL DO SERVIÇO DE EPIDEMIOLOGIA DO HOSPITAL DE CLINICAS DA UFPR NA VIGILÂNCIA DOS EVENTOS ADVERSOS INFANTIS NOS ANOS DE 2004 E 2005.

O PAPEL DO SERVIÇO DE EPIDEMIOLOGIA DO HOSPITAL DE CLINICAS DA UFPR NA VIGILÂNCIA DOS EVENTOS ADVERSOS INFANTIS NOS ANOS DE 2004 E 2005. O PAPEL DO SERVIÇO DE EPIDEMIOLOGIA DO HOSPITAL DE CLINICAS DA UFPR NA VIGILÂNCIA DOS EVENTOS ADVERSOS INFANTIS NOS ANOS DE 2004 E 2005. COORDENADORA Prof Dra. Denise Siqueira de Carvalho EQUIPE EXECUTORA

Leia mais

Sucessos, Desafios e Perspectivas

Sucessos, Desafios e Perspectivas Sucessos, Desafios e Perspectivas Carla Magda A. S. Domingues Coordenação Geral do Programa Nacional de Imunizações Secretaria de Vigilância em Saúde Ministério da Saúde Cenário Epidemiológico 1970 Doença

Leia mais

Redução da mortalidade na infância no Brasil. Setembro de 2013

Redução da mortalidade na infância no Brasil. Setembro de 2013 Redução da mortalidade na infância no Brasil Setembro de 2013 Taxa de mortalidade na infância 62 Redução de 77% em 22 anos (em menores de 5 anos) 1990 33 14 2000 *Parâmetro comparado internacionalmente

Leia mais

IMPACTO DA VACINAÇÃO CONTRA ROTAVÍRUS NO ATENDIMENTO DE DIARRÉIAS NO MUNICÍPIO DE CURITIBA Autores: Cléa Elisa Lopes Ribeiro, Lílian Yuriko Uratani, Marion Burger, Angela Kikomoto Instituição: Secretaria

Leia mais

O MINISTRO DE ESTADO DA SAÚDE, no uso das atribuições que lhe conferem os incisos I e II do parágrafo único do art. 87 da Constituição; e

O MINISTRO DE ESTADO DA SAÚDE, no uso das atribuições que lhe conferem os incisos I e II do parágrafo único do art. 87 da Constituição; e PORTARIA Nº- 3.318, DE 28 DE OUTUBRO DE 2010 Institui em todo o território nacional, o Calendário Básico de Vacinação da Criança, o Calendário do Adolescente e o Calendário do Adulto e Idoso. O MINISTRO

Leia mais

Boletim Epidemiológico Secretaria de Vigilância em Saúde Ministério da Saúde Influenza: Monitoramento até a Semana Epidemiológica 37 de 2015

Boletim Epidemiológico Secretaria de Vigilância em Saúde Ministério da Saúde Influenza: Monitoramento até a Semana Epidemiológica 37 de 2015 Boletim Epidemiológico Secretaria de Vigilância em Saúde Ministério da Saúde Influenza: Monitoramento até a Semana Epidemiológica 37 de 2015 A vigilância da influenza no Brasil é composta pela vigilância

Leia mais

O QUE VOCÊ PRECISA SABER

O QUE VOCÊ PRECISA SABER DIAGNÓSTICO DE INFLUENZA E OUTROS VIRUS RESPIRATÓRIOS NO HIAE. O QUE VOCÊ PRECISA SABER Maio de 2013 Laboratório Clínico Serviço de Controle de Infecção Hospitalar Apenas para lembrar alguns aspectos das

Leia mais

Campanha para Atualização da Caderneta de Vacinação. Brasília - agosto de 2012

Campanha para Atualização da Caderneta de Vacinação. Brasília - agosto de 2012 Campanha para Atualização da Caderneta de Vacinação Brasília - agosto de 2012 18/08/2012 Atualização da Caderneta de Vacinação A campanha será realizada no período de 18 a 24 de agosto Dia da Mobilização

Leia mais

PORTARIA MS Nº 1.271, DE 6 DE JUNHO DE 2014

PORTARIA MS Nº 1.271, DE 6 DE JUNHO DE 2014 PORTARIA MS Nº 1.271, DE 6 DE JUNHO DE 2014 Define a Lista Nacional de Notificação Compulsória de doenças, agravos e eventos de saúde pública nos serviços de saúde públicos e privados em todo o território

Leia mais

Perfil Epidemiológico da Meningite Brasil & Mundo

Perfil Epidemiológico da Meningite Brasil & Mundo Ministério da Saúde Secretaria de Vigilância em Saúde Departamento de Vigilância Epidemiológica Coordenação Geral de Doenças Transmissíveis Unidade Técnica de Doenças de Respiratória e Imunopreveníveis

Leia mais

INSTITUTO FEDERAL DE EDUCAÇÃO, CIÊNCIA E TECNOLOGIA DO SUL DE MINAS GERAIS CAMPUS MUZAMBINHO Curso Técnico em Enfermagem

INSTITUTO FEDERAL DE EDUCAÇÃO, CIÊNCIA E TECNOLOGIA DO SUL DE MINAS GERAIS CAMPUS MUZAMBINHO Curso Técnico em Enfermagem INSTITUTO FEDERAL DE EDUCAÇÃO, CIÊNCIA E TECNOLOGIA DO SUL DE MINAS GERAIS CAMPUS MUZAMBINHO Curso Técnico em Enfermagem JUNIEL PEREIRA BRITO A INFLUEZA A-H1N1 Debate e Prevenção MUZAMBINHO 2010 JUNIEL

Leia mais

VIGILÂNCIA EPIDEMIOLÓGICA

VIGILÂNCIA EPIDEMIOLÓGICA VIGILÂNCIA EPIDEMIOLÓGICA Manual das ações programáticas 1 M o d e l o S a ú d e T o d o D i a PROGRAMA DE VIGILÂNCIA EPIDEMIOLÓGICA DE AGRAVOS TRANSMISSÍVEIS INDICE INTRODUÇÃO... 5 FLUXOGRAMA DO ENVIO

Leia mais

A vacinação com a Pn13, no âmbito do Programa Nacional de Vacinação (PNV), inicia-se no dia 1 de julho de 2015.

A vacinação com a Pn13, no âmbito do Programa Nacional de Vacinação (PNV), inicia-se no dia 1 de julho de 2015. NÚMERO: 008/015 DATA: 01/06/015 ATUALIZAÇÃO 05/06/015 ASSUNTO: PALAVRAS-CHAVE: PARA: CONTACTOS: Programa Nacional de Vacinação. Introdução da vacina conjugada de 13 valências contra infeções por Streptococcus

Leia mais

150 a SESSÃO DO COMITÊ EXECUTIVO

150 a SESSÃO DO COMITÊ EXECUTIVO ORGANIZAÇÃO PAN-AMERICANA DA SAÚDE ORGANIZAÇÃO MUNDIAL DA SAÚDE 150 a SESSÃO DO COMITÊ EXECUTIVO Washington, D.C., EUA, 18 22 de junho de 2012 Tema 4.10 da Agenda Provisória CE150/20, Rev. 1 (Port.) 23

Leia mais

EXERCÍCIOS DE FIXAÇÃO

EXERCÍCIOS DE FIXAÇÃO SECRETARIA DE ESTADO DA SAÚDE SUPERINTENDÊNCIA DE VIGILÂNCIA EM SAÚDE GERÊNCIA DE IMUNIZAÇÕES E REDE FRIO GOIÁS EXERCÍCIOS DE FIXAÇÃO CAMPANHA DE MULTIVACINAÇÃO E IMPLANTAÇÃO DA VACINA INATIVADA POLIOMIELITE

Leia mais

PROTOCOLO PARA INVESTIGAÇÃO DE SURTOS

PROTOCOLO PARA INVESTIGAÇÃO DE SURTOS PROTOCOLO PARA INVESTIGAÇÃO DE SURTOS Proposta Final Salvador, Agosto de 2011 1 PROTOCOLO DE AÇÃO PARA AS SITUAÇÕES DE SURTOS CLASSIFICADOS COMO EMERGÊNCIA EM SAÚDE PÚBLICA O conceito de emergência de

Leia mais

NORMA PROCEDIMENTAL REALIZAÇÃO DE EXAMES LABORATORIAIS

NORMA PROCEDIMENTAL REALIZAÇÃO DE EXAMES LABORATORIAIS 10.03.002 1/09 1. FINALIDADE Estabelecer procedimentos e disciplinar o processo para realização de exames laboratoriais no Hospital de Clínicas - HC. 2. ÂMBITO DE APLICAÇÃO Todas as unidades do HC, em

Leia mais

PROJETO DE LEI Nº 120/2007

PROJETO DE LEI Nº 120/2007 PROJETO DE LEI Nº 120/2007 Cria o programa de incentivo à vacinação da população infantil do Espírito Santo a uso das vacinas contra Hepatite A, Varicela, conjugada Meningococo C e conjugada 7 Valente

Leia mais

Professora do curso de extensão em vacinas da UFRJ. Professor Adjunto de Infectologia Pediátrica da UFRJ,

Professora do curso de extensão em vacinas da UFRJ. Professor Adjunto de Infectologia Pediátrica da UFRJ, VACINAÇÃO DE GESTANTES Isabella Ballalai (MD) Diretora Médica da VACCINI - Clínica de Vacinação Professora do curso de extensão em vacinas da UFRJ Edimilson Migowski (MD, PhD, MSc) Professor Adjunto de

Leia mais

Principais Sintomas. Medidas de Prevenção

Principais Sintomas. Medidas de Prevenção A gripe é uma doença causada pelo vírus da Influenza, que ocorre predominantemente nos meses mais frios do ano. Esse vírus apresenta diferentes subtipos que produzem a chamada gripe ou influenza sazonal.

Leia mais

PROGRAMA NACIONAL DE PREVENÇÃO DAS RESISTÊNCIAS AOS ANTIMICROBIANOS

PROGRAMA NACIONAL DE PREVENÇÃO DAS RESISTÊNCIAS AOS ANTIMICROBIANOS PROGRAMA NACIONAL DE PREVENÇÃO DAS RESISTÊNCIAS AOS ANTIMICROBIANOS Novembro de 2009 PROGRAMA NACIONAL DE PREVENÇÃO DAS RESISTÊNCIAS AOS ANTIMICROBIANOS ÍNDICE Pág. I. INTRODUÇÃO... 2 II. ENQUADRAMENTO...

Leia mais

OBJETIVO REDUZIR A MORTALIDADE

OBJETIVO REDUZIR A MORTALIDADE pg44-45.qxd 9/9/04 15:40 Page 44 44 OBJETIVOS DE DESENVOLVIMENTO DO MILÊNIO BRASIL OBJETIVO REDUZIR A MORTALIDADE NA INFÂNCIA pg44-45.qxd 9/9/04 15:40 Page 45 45 4 " META 5 REDUZIR EM DOIS TERÇOS, ENTRE

Leia mais

Pesquisa Etiológica. Exame específico

Pesquisa Etiológica. Exame específico Influenza A (H1N1) O vírus A Influenza A(H1 N1) é uma doença respiratória e a transmissão ocorre de pessoa a pessoa, principalmente por meio de tosse, espirro ou de contato com secreções respiratórias

Leia mais

Gripe Suína ou Influenza A (H1N1)

Gripe Suína ou Influenza A (H1N1) Gripe Suína ou Influenza A (H1N1) Perguntas e respostas 1. O que é Gripe Suína ou Influenza A (H1N1)? 2. A gripe causada pelo Influenza A (H1N1) é contagiosa? 3. Quem pode adoecer pela nova gripe causada

Leia mais

Política de Vacinação

Política de Vacinação Rol de s cobertas por esta Política Catapora ou Varicela contra Varicela Biken Crianças de 1 a 12 anos: esquema vacinal em dose única. Pacientes imunocomprometidos: portadores de leucemia linfóide aguda

Leia mais

HIV/AIDS Pediatria Sessão Clínica do Internato Revisão Teórica. Orientadora: Dra Lícia Moreira Acadêmico: Pedro Castro (6 Ano)

HIV/AIDS Pediatria Sessão Clínica do Internato Revisão Teórica. Orientadora: Dra Lícia Moreira Acadêmico: Pedro Castro (6 Ano) HIV/AIDS Pediatria Sessão Clínica do Internato Revisão Teórica Orientadora: Dra Lícia Moreira Acadêmico: Pedro Castro (6 Ano) AIDS Conceito Doença que manifesta-se por infecções comuns de repetição, infecções

Leia mais

VERITAE TRABALHO PREVIDÊNCIA SOCIAL SEGURANÇA E SAÚDE NO TRABALHO LEX TRABALHO E SAÚDE

VERITAE TRABALHO PREVIDÊNCIA SOCIAL SEGURANÇA E SAÚDE NO TRABALHO LEX TRABALHO E SAÚDE VERITAE TRABALHO PREVIDÊNCIA SOCIAL SEGURANÇA E SAÚDE NO TRABALHO LEX TRABALHO E SAÚDE Orientador Empresarial Vacinação - Calendário Básico - Criança, Adolescente, Adulto e Idoso Revogação da Portaria

Leia mais

138 a SESSÃO DO COMITÊ EXECUTIVO

138 a SESSÃO DO COMITÊ EXECUTIVO ORGANIZAÇÃO PAN-AMERICANA DA SAÚDE ORGANIZAÇÃO MUNDIAL DA SAÚDE 138 a SESSÃO DO COMITÊ EXECUTIVO Washington, D.C., EUA, 19-23 de junho de 2006 Tema 4.3 da agenda provisória CE138/11 (Port.) 26 de maio

Leia mais

Perguntas e respostas sobre imunodeficiências primárias

Perguntas e respostas sobre imunodeficiências primárias Perguntas e respostas sobre imunodeficiências primárias Texto elaborado pelos Drs Pérsio Roxo Júnior e Tatiana Lawrence 1. O que é imunodeficiência? 2. Estas alterações do sistema imunológico são hereditárias?

Leia mais

UNIMED GOIÂNIA. Centro de Vacinação

UNIMED GOIÂNIA. Centro de Vacinação UNIMED GOIÂNIA COOPERATIVA DE TRABALHO MÉDICO PROCESSO SELETIVO 2013 PARA PREENCHIMENTO DE VAGAS NOS RECURSOS E SERVIÇOS PRÓPRIOS 20 de outubro de 2012 Centro de Vacinação SÓ ABRA ESTE CADERNO QUANDO AUTORIZADO

Leia mais

NÚCLEO DE VIGILÂNCIA EPIDEMIOLÓGICA HOSPITALAR

NÚCLEO DE VIGILÂNCIA EPIDEMIOLÓGICA HOSPITALAR NÚCLEO DE VIGILÂNCIA EPIDEMIOLÓGICA HOSPITALAR Enfª Dda. Verginia Rossato Enfª Danieli Bandeira Santa Maria, 2012 Portaria GM/MS nº 2529, de 23 de novembro de 2004 Institui o Subsistema Nacional de Vigilância

Leia mais

Boletim Epidemiológico

Boletim Epidemiológico Página 1 / 8 1. Situação Epidemiológica do Sarampo Diferentes regiões do mundo estão definindo metas para a eliminação do sarampo e da rubéola até o ano de 2015. No entanto, surtos recentes de sarampo

Leia mais

Campanha Previna-se: encare a pneumonia de peito aberto traz Regina Duarte como madrinha

Campanha Previna-se: encare a pneumonia de peito aberto traz Regina Duarte como madrinha Campanha Previna-se: encare a pneumonia de peito aberto traz Regina Duarte como madrinha Aliança entre SBPT, SBIm, SBI e SBGG, com o apoio da Pfizer, busca alertar a população sobre as doenças pneumocócicas

Leia mais

CRONOLOGIA DA POLIOMIELITE SÉCULO XX

CRONOLOGIA DA POLIOMIELITE SÉCULO XX CRONOLOGIA DA POLIOMIELITE SÉCULO XX Última atualização em 15 de maio de 2003 CRONOLOGIA DA POLIOMIELITE Primeira década 1908 Em Viena, Landsteiner e Popper identificam pela primeira vez o vírus da poliomielite.

Leia mais

VACINAÇÃO DE GESTANTES

VACINAÇÃO DE GESTANTES VACINAÇÃO DE GESTANTES Renato de Ávila Kfouri INTRODUÇÃO A vacinação de grávidas muitas vezes pressupõe oportunidades perdidas de vacinação da mulher, antes da concepção. Doenças imunopreveníveis deveriam

Leia mais

Controle da infecção hospitalar no Estado de São Paulo. Cilmara Polido Garcia

Controle da infecção hospitalar no Estado de São Paulo. Cilmara Polido Garcia Controle da infecção hospitalar no Estado de São Paulo Cilmara Polido Garcia Períodos de 1855 N. de soldados admitidos no hospital N. (%) de soldados que morreram Janeiro a março 10.283 3354 (33) Abril

Leia mais

Iniqüidades nas informações sobre saúde: uma visão global, um exemplo brasileiro. Cesar Victora Universidade Federal de Pelotas

Iniqüidades nas informações sobre saúde: uma visão global, um exemplo brasileiro. Cesar Victora Universidade Federal de Pelotas Iniqüidades nas informações sobre saúde: uma visão global, um exemplo brasileiro Cesar Victora Universidade Federal de Pelotas Resumo da apresentação Iniqüidades na saúde das crianças Uma visão global

Leia mais

A vacina rotavirus foi lançada no Brasil exclusivamente na rede privada, aplicada em 3 doses

A vacina rotavirus foi lançada no Brasil exclusivamente na rede privada, aplicada em 3 doses rotavírus A vacina rotavirus foi lançada no Brasil exclusivamente na rede privada, aplicada em 3 doses Existem 02 vacinas contra o Rotavírus no Brasil 1. O que é rotavírus? O rotavírus é um vírus da família

Leia mais

Inclusão de cinco vacinas no calendário do SUS é aprovada pelo Senado 3

Inclusão de cinco vacinas no calendário do SUS é aprovada pelo Senado 3 Publicação Científica do Curso de Bacharelado em Enfermagem do CEUT. Ano 2011(6). Edição 41. Antônia Cristina Batista Lira 1 Cláudia Fernanda De Sousa Oliveira 1 Daniela Batista de Sousa 1 Janiel Ferreira

Leia mais

Ebola. Vírus. Profissional da Saúde. O que saber. Notificação. sintomas. O que saber. Doença do Vírus Ebola Oeste Africano. Febre.

Ebola. Vírus. Profissional da Saúde. O que saber. Notificação. sintomas. O que saber. Doença do Vírus Ebola Oeste Africano. Febre. EPI Fluxo 1 dias Profissionais da Saúde O que Saber sintomas Vírus Contatos GRAU Fluídos secreção Letalidade Febre Triagem Ebola O que saber Central/CIEVS/SP Emílio Ribas Profissional da Saúde Contato

Leia mais

A genética do vírus da gripe

A genética do vírus da gripe A genética do vírus da gripe Para uma melhor compreensão das futuras pandemias é necessário entender sobre as pandemias passadas e os fatores que contribuem para a virulência, bem como estabelecer um compromisso

Leia mais

MINISTÉRIO DA SAÚDE SECRETARIA DE VIGILÂNCIA EM SAÚDE DEPARTAMENTO DE VIGILÂNCIA EPIDEMIOLÓGICA

MINISTÉRIO DA SAÚDE SECRETARIA DE VIGILÂNCIA EM SAÚDE DEPARTAMENTO DE VIGILÂNCIA EPIDEMIOLÓGICA MINISTÉRIO DA SAÚDE SECRETARIA DE VIGILÂNCIA EM SAÚDE DEPARTAMENTO DE VIGILÂNCIA EPIDEMIOLÓGICA Acompanhamento das gestantes vacinadas inadvertidamente (GVI) com a vacina dupla viral (sarampo e rubéola)

Leia mais

Universidade Federal do Rio Grande FURG VACINAS AULA II. Prof. Edison Luiz Devos Barlem ebarlem@gmail.com

Universidade Federal do Rio Grande FURG VACINAS AULA II. Prof. Edison Luiz Devos Barlem ebarlem@gmail.com Universidade Federal do Rio Grande FURG VACINAS AULA II Prof. Edison Luiz Devos Barlem ebarlem@gmail.com Calendário de Vacinação Infantil 2011 1. BCG (contra Tuberculose); 2. Vacina contra Hepatite B;

Leia mais

RECOMENDAÇÕES PARA A SAÚDE DOS VIAJANTES

RECOMENDAÇÕES PARA A SAÚDE DOS VIAJANTES MERCOSUL/GMC/RES. N 23/08 RECOMENDAÇÕES PARA A SAÚDE DOS VIAJANTES TENDO EM VISTA: O Tratado de Assunção, o Protocolo de Ouro Preto e a Resolução N 22/08 do Grupo Mercado Comum. CONSIDERANDO: Que a Resolução

Leia mais

VIROLOGIA HUMANA. Professor: Bruno Aleixo Venturi

VIROLOGIA HUMANA. Professor: Bruno Aleixo Venturi VIROLOGIA HUMANA Professor: Bruno Aleixo Venturi O que são vírus? A palavra vírus tem origem latina e significa "veneno". Provavelmente esse nome foi dado devido às viroses, que são doenças causadas por

Leia mais

NOTAS TÉCNICAS. Propostas para 2013. Material elaborado pela Equipe da DIVEP/CEI baseado nas notas técnicas 173, 183 e 193/2012 CGPNI/DEVEP/SVS/MS

NOTAS TÉCNICAS. Propostas para 2013. Material elaborado pela Equipe da DIVEP/CEI baseado nas notas técnicas 173, 183 e 193/2012 CGPNI/DEVEP/SVS/MS NOTAS TÉCNICAS Propostas para 2013 Material elaborado pela Equipe da DIVEP/CEI baseado nas notas técnicas 173, 183 e 193/2012 CGPNI/DEVEP/SVS/MS NT Nº193/2012/ CGPNI/DEVEP/SVS/MS Alteração da idade para

Leia mais

Secretaria Municipal de Saúde Coordenação de Saúde Ambiental Subcoordenação de Vigilância Epidemiológica Setor de Agravos Imunopreveníveis

Secretaria Municipal de Saúde Coordenação de Saúde Ambiental Subcoordenação de Vigilância Epidemiológica Setor de Agravos Imunopreveníveis Secretaria Municipal de Saúde Coordenação de Saúde Ambiental Subcoordenação de Vigilância Epidemiológica Setor de Agravos Imunopreveníveis Agosto - 2012 APRESENTAÇÃO O Sistema Único de Saúde (SUS) altera

Leia mais

DOENÇAS OU AGRAVOS DE NOTIFICAÇÃO COMPULSÓRIA IMEDIATA

DOENÇAS OU AGRAVOS DE NOTIFICAÇÃO COMPULSÓRIA IMEDIATA DOENÇAS OU AGRAVOS DE NOTIFICAÇÃO COMPULSÓRIA IMEDIATA NÚCLEO HOSPITALAR DE EPIDEMIOLOGIA HNSC/HCC A Portaria do Ministério da Saúde Nº 1.271, de 06 de Junho de 2014 atualizou a Portaria Nº 104, de 25

Leia mais

Instrumento Administrativo Política Institucional Nº 02.03 Política de Vacinação

Instrumento Administrativo Política Institucional Nº 02.03 Política de Vacinação Rev: 03 Data: 19/07/2010 Página 1 de 5 Anexo I - Rol de Vacinas cobertas por esta Política Vacina Nome da Droga Pré-requisitos para cobertura Documentação necessária Observação Crianças de 1 a 12 anos:

Leia mais

Pneumonia: O Papel dos Vírus Filipe Froes Hospital de Pulido Valente Centro Hospitalar Lisboa Norte 25-03-2010

Pneumonia: O Papel dos Vírus Filipe Froes Hospital de Pulido Valente Centro Hospitalar Lisboa Norte 25-03-2010 Pneumonia: O Papel dos Vírus Filipe Froes Hospital de Pulido Valente Centro Hospitalar Lisboa Norte 25-03-2010 Conflitos de Interesse: Científicos: Comunicação pessoal Financeiros: Sem conflitos de interesses

Leia mais

CALENDÁRIO BÁSICO DE VACINAÇÃO DA CRIANÇA

CALENDÁRIO BÁSICO DE VACINAÇÃO DA CRIANÇA CALENDÁRIO BÁSICO DE VACINAÇÃO DA CRIANÇA SECRETARIA DE ESTADO DA SAÚDE DO PARANÁ SUPERINTENDÊNCIA DE VIGILÂNCIA EM SAÚDE CENTRO DE EPIDEMIOLÓGICA DO PARANÁ PROGRAMA ESTADUAL DE IMUNIZAÇÃO TODO DIA É DIA

Leia mais

Hepatites virais no Brasil: situação, ações e agenda

Hepatites virais no Brasil: situação, ações e agenda Hepatites virais no Brasil: situação, ações e agenda Departamento de DST, Aids e Hepatites Virais Secretaria de Vigilância em Saúde Ministério da Saúde I. Apresentação II. Contexto epidemiológico III.

Leia mais

REGIMENTO INTERNO DA COMISSÂO DE CONTROLE DE INFECÇÃO HOSPITALAR (CCIH) E SERVIÇO DE CONTROLE DE INFECÇÃO HOSPITALAR (SCIH) DO HU/UFJF

REGIMENTO INTERNO DA COMISSÂO DE CONTROLE DE INFECÇÃO HOSPITALAR (CCIH) E SERVIÇO DE CONTROLE DE INFECÇÃO HOSPITALAR (SCIH) DO HU/UFJF REGIMENTO INTERNO DA COMISSÂO DE CONTROLE DE INFECÇÃO HOSPITALAR (CCIH) E SERVIÇO DE CONTROLE DE INFECÇÃO HOSPITALAR (SCIH) DO HU/UFJF CAPÍTULO I DA DENOMINAÇÃO Artigo 1º Atendendo à Portaria de número

Leia mais

Nota Técnica de Caxumba

Nota Técnica de Caxumba Nota Técnica de Caxumba Isabella Ballalai Membro do comitê de Saúde Escolar da SOPERJ e presidente da SBIm Tânia Cristina de M. Barros Petraglia Presidente do comitê de Infectologia da SOPERJ e vice presidente

Leia mais

Grupo Banco Mundial. Construindo um mundo sem pobreza

Grupo Banco Mundial. Construindo um mundo sem pobreza Grupo Banco Mundial Construindo um mundo sem pobreza Enfoque Regional! O Banco Mundial trabalha em seis grandes regiões do mundo: 2 Fatos Regionais: América Latina e Caribe (ALC)! População total: 500

Leia mais

Por Diego González Machín

Por Diego González Machín CENTROS DE REFERÊNCIA E APOIO ÀS EMERGÊNCIAS QUÍMICAS NA AMÉRICA LATINA E NO CARIBE: CENTROS DE RESPOSTA QUÍMICA E OS CENTROS DE INFORMAÇÃO E ASSESSORIA TOXICOLÓGICA 1. Introdução Por Diego González Machín

Leia mais

Adaptação e validação do Manual 5 Chaves da OMS para a inocuidade dos alimentos em escolas primárias da Guatemala

Adaptação e validação do Manual 5 Chaves da OMS para a inocuidade dos alimentos em escolas primárias da Guatemala 5ª REUNIÃO DA COMISSÃO PAN-AMERICANA DE INOCUIDADE DOS ALIMENTOS (COPAIA 5) Rio de Janeiro, Brasil, 10 de junho de 2008 Tema 8 da agenda provisória COPAIA5/8 (Port.) 09 junho 2008 ORIGINAL: ESPANHOL Adaptação

Leia mais

Sumario de Assuntos por Boletim Epidemiológico NÚMERO DO BOLETIM EPIDEMIOLÓGICO

Sumario de Assuntos por Boletim Epidemiológico NÚMERO DO BOLETIM EPIDEMIOLÓGICO Sumario de Assuntos por Boletim Epidemiológico AGRAVO NÚMERO DO BOLETIM EPIDEMIOLÓGICO AIDS 3-4 - 13-14 - 17-18 - 28-34 - 36-38 - 42-44 - 45 Cobertura Vacinal 7-8 - 9-10 - 12-14 - 16-18 - 19-22 - 23-25

Leia mais

Informe Epidemiológico EBOLA Atualizado em 26-09-2014, às 10h

Informe Epidemiológico EBOLA Atualizado em 26-09-2014, às 10h Informe Epidemiológico EBOLA Atualizado em 26-09-2014, às 10h Em 08 de agosto de 2014 a Organização Mundial da Saúde (OMS) declarou o surto pela Doença do Vírus Ebola no Oeste da África, uma Emergência

Leia mais

Monitoramento como Ferramenta Importante na Melhoria das Boas Práticas em Vacinação no SUS-Bahia.

Monitoramento como Ferramenta Importante na Melhoria das Boas Práticas em Vacinação no SUS-Bahia. Monitoramento como Ferramenta Importante na Melhoria das Boas Práticas em Vacinação no SUS-Bahia. 9º Curso Básico de Imunizações Selma Ramos de Cerqueira O QUE É MONITORAMENTO? É O CONJUNTO DE ATIVIDADES

Leia mais

Doença falciforme: Infecções

Doença falciforme: Infecções Doença falciforme: Infecções Célia Maria Silva Médica Hematologista da Fundação Hemominas celia.cmaria@gmail.com Eventos infecciosos Importância Incidência Faixa etária mais acometida (6m - 5a) Internações

Leia mais

ORGANIZAÇÃO DAS NAÇÕES UNIDAS CONFERÊNCIA SOBRE OS OBJETIVOS DE DESENVOLVIMENTO DO MILÊNIO

ORGANIZAÇÃO DAS NAÇÕES UNIDAS CONFERÊNCIA SOBRE OS OBJETIVOS DE DESENVOLVIMENTO DO MILÊNIO ORGANIZAÇÃO DAS NAÇÕES UNIDAS CONFERÊNCIA SOBRE OS OBJETIVOS DE DESENVOLVIMENTO DO MILÊNIO Grupo de Trabalho 4: Fortalecendo a educação e o envolvimento da sociedade civil com relação ao vírus HIV, malária

Leia mais

SECRETARIA DE ESTADO DA SAÚDE COORDENADORIA DE CONTROLE DE DOENÇAS CENTRO DE VIGILÂNCIA EPIDEMIOLÓGICA

SECRETARIA DE ESTADO DA SAÚDE COORDENADORIA DE CONTROLE DE DOENÇAS CENTRO DE VIGILÂNCIA EPIDEMIOLÓGICA Informe Técnico nº 1 MERCÚRIO METÁLICO Diante da exposição por Mercúrio metálico de moradores do Distrito de Primavera, Município de Rosana, SP, a DOMA/CVE presta o seguinte Informe Técnico. Breve histórico

Leia mais