PROPOSTA DE REFERENCIAL DE FORMAÇÃO

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "PROPOSTA DE REFERENCIAL DE FORMAÇÃO"

Transcrição

1 Federação: Federação Portuguesa de Capoeira Modalidade/Disciplina: Capoeira Conversão de Treinadores de Grau em Treinadores de Grau II Componente Prática: 10 horas Componente Teórica: 38 horas Total de horas: 48 Subtema 1 1. PSICOLOGIA DO DESPORTO NA CAPOEIRA (6h) 1. A organização do comportamento do atleta/praticante de Capoeira e a gestão de objetivos: 1.1. A gestão pessoal do comportamento: Domínio relacional Domínio do desempenho do atleta/praticante Os princípios da gestão por objetivos Características dos objetivos Os objectivos de tarefa e de resultado A avaliação e o controle dos objetivos. a nomear pela Federação Portuguesa de Capoeira, com competências de formador nos Parceria em curso com empresas de 1. PSICOLOGIA DO DESPORTO NA CAPOEIRA (CONT.) Subtema 2 2. Análise da prestação individual atleta/praticante de Capoeira: 2.1. Antecedentes e consequentes psicológicos da prestação A atribuição causal: Estabilidade das causas Locus de causalidade A educação da análise individual da prestação. a nomear pela Federação Portuguesa de Capoeira, com competências de formador nos Parceria em curso com empresas de Pág. 1/ 16

2 Subtema 3 1. PSICOLOGIA DO DESPORTO NA CAPOEIRA (CONT.) 3. As emoções e a prática desportiva na Capoeira: 3.1. O significado pessoal da situação desportiva e as reacções emocionais à competição na Capoeira As emoções positivas e negativas A autoconfiança: Gestão do sucesso Gestão eficaz dos objetivos Gestão do pensamento Adaptação progressiva (dessensibilização) Utilização de modelos Organização de rotinas Imagens mentais Processo atributivo O stress e a ansiedade competitiva: Stress do treino Stress da vida diária A adaptação emocional e a gestão do envolvimento. O treino modelado: Palestra pré competição ou no intervalo O treino modelado. CP: 0h CT: 2h Nome Habilitações (Académicas e Profissionais) a nomear pela Federação Portuguesa de Capoeira, com competências de formador nos Parceria em curso com empresas de Pág. 2/ 16

3 Subtema 4 1. PSICOLOGIA DO DESPORTO NA CAPOEIRA (CONT.) 4. A coesão e o ambiente de grupo: 4.1. A dinâmica grupal A atração e a integração no grupo: Formação Perturbação Normalização Realização Os fatores de tarefa e sociais: O envolvimento Fatores pessoais Liderança Equipa. a nomear pela Federação Portuguesa de Capoeira, com competências de formador nos Parceria em curso com empresas de Subtema 5 1. PSICOLOGIA DO DESPORTO NA CAPOEIRA (CONT.) 5. A formação ética do praticante de Capoeira: 5.1. As condutas sociais e os comportamentos agressivos: Agressividade Assertividade Agressão e violência no desporto Declaração de princípios sobre a Sociedade Internacional de Psicologia do Desporto (ISSP). a nomear pela Federação Portuguesa de Capoeira, com competências de formador nos Parceria em curso com empresas de Pág. 3/ 16

4 Subtema 1 2. PEDAGOGIA DO DESPORTO NA CAPOEIRA (8h) 1. O papel do treinador de grau II e da pedagogia na formação dos praticantes e no processo de desenvolvimento na Capoeira: 1.1. O Treinador de Grau II no contexto do Plano Nacional de Formação de Treinadores: O treino desportivo como processo pedagógico e de ensino As responsabilidades do Treinador de Grau II: O que nos mostra a realidade? O que fazer para mudar a realidade? A função de tutoria do Treinador de Grau II O perfil do Treinador de Grau II: Princípios a definir no perfil do Treinador de Grau II: a. Enquanto promotor de atitudes saudáveis perante a vitória e a derrota. b. Atitude a tomar perante os erros e as dificuldades de aprendizagem. c. Formas de relativizar o conceito de sucesso. d. Criação de um ambiente facilitador da aprendizagem. e. Aplicação da imparcialidade. f. Formas de construção de linhas de comunicação. g. Transmissão do espírito desportivo. h. Regular a superação. i. Modelos de preparação e de competição ao desporto juvenil. j. A importância dos modelos de preparação e competição no desporto juvenil. CP: 0h CT: 2h Nome Habilitações (Académicas e Profissionais) a nomear pela Federação Portuguesa de Capoeira, com competências de formador nos Parceria em curso com empresas de Pág. 4/ 16

5 Subtema 2 2. PEDAGOGIA DO DESPORTO NA CAPOEIRA (CONT.) 2. A intervenção pedagógica no treino e na competição: 2.1. Bases da intervenção pedagógica no treino: Estruturação das intervenções em função dos graus de competência e empenhamento Informação ao praticante quanto ao grau de atenção Concetualização do elogio e a repreensão Utilização da comunicação verbal, não verbal e enquanto escutador A unidade de treino procedimentos essenciais: Planeamento da unidade de treino Pontualidade e assiduidade no treino Observação e intervenção no desenrolar da sessão de treino Registos pós treino, as notas memorizadas Aprender e ensinar a abordagem dos conteúdos: Condições essenciais para ensinar as habilidades técnicas: a. Seleção dos conteúdos do programa de ensino. b. Conhecimento dos conteúdos do programa de ensino. c. Desenvolvimento do ambiente (clima) adequado à aprendizagem. d. Aplicação de metodologias de ensino adequada: i. Bases gerais do ensino e treinos desportivos. ii. O ciclo de apresentação prática correção A intervenção pedagógica na competição. CP: 0h CT: 4h Nome Habilitações (Académicas e Profissionais) a nomear pela Federação Portuguesa de Capoeira, com competências de formador nos Parceria em curso com empresas de Pág. 5/ 16

6 Subtema 1 Subtema 3 2. PEDAGOGIA DO DESPORTO NA CAPOEIRA (CONT.) 3. Os pais na prática desportiva das crianças e jovens: 3.1. O importante papel dos pais/encarregado de educação O Treinador de Grau II: estratégias básicas para lidar com os pais/encarregado de educação. DESPORTIVO DE CAPOEIRA (16h) CP: 0h CT: 2h Nome Habilitações (Académicas e Profissionais) 1. Fundamentos do processo de treino desportivo de Capoeira: 1.1. Objetivos do treino desportivo Definição e análise do desempenho desportivo Estado de treino e estado de preparação: a forma desportiva Fadiga e recuperação no processo de treino: e heterocronismo dos processos de fadiga e recuperação Níveis de fadiga no treino desportivo Sobressolicitação e sobretreino como estados limite na aplicação das cargas de treino Modelos gerais explicativos do rendimento desportivo: Modelo unifatorial (supercompensação) Modelo bifatorial (fadiga desempenho) Modelos não lineares Os princípios do treino desportivo: Os princípios biológicos Os princípios metodológicos Os princípios pedagógicos. a nomear pela CP: 0h CT: 2h Nome Habilitações (Académicas e Profissionais) a nomear pela Pág. 6/ 16

7 Subtema 2 DESPORTIVO DE CAPOEIRA (CONT.) 2. O treino das qualidades físicas a resistência: 2.1. Princípios metodológicos para a organização do treino da resistência: as zonas de intensidade e o seu fundamento fisiológico Métodos de treino da resistência: Método de treino contínuo: a. Método de treino contínuo uniforme. b. Método de treino contínuo variado Método por intervalos: a. Método de treino intervalado. b. Método de treino de repetições Método de competição e controlo Organização de exercícios em circuito visando a resistência A utilização dos diferentes métodos de treino da resistência na preparação geral ( de base ), especial e específica Avaliação da resistência aeróbia Avaliação da resistência anaeróbia. CP: 0h CT: 2h Nome Habilitações (Académicas e Profissionais) a nomear pela Pág. 7/ 16

8 Subtema 3 DESPORTIVO DE CAPOEIRA (CONT.) 3. O treino das qualidades físicas a força: 3.1. Fatores condicionantes da capacidade de produção de força: fatores nervosos e fatores musculares. A curva força tempo Componentes e formas de manifestação da força muscular: Força máxima: força limite, força absoluta e força relativa; força isométrica e excêntrica máxima. Hipertrofia muscular e desempenho de força Força rápida: taxa máxima de produção de força ou força explosiva; taxa inicial de produção de força ou força inicial; força reactiva. O ciclo muscular de alongamento encurtamento Força resistente Tipos de resistências exteriores a utilizar no treino da força: Constantes Variáveis: a. Progressivas. b. Acomodativas Isocinéticas Métodos de treino da força: Os métodos da hipertrofia muscular Os métodos da taxa máxima de produção de força Os métodos mistos Os métodos reativos A utilização dos diferentes métodos de treino da força na preparação geral, especial e específica Avaliação da força: Determinação de uma repetição máxima Determinação do défice de força Avaliação da força reativa Avaliação da força resistente. CP: 0h CT: 2h Nome Habilitações (Académicas e Profissionais) a nomear pela Pág. 8/ 16

9 Subtema 5 Subtema 4 DESPORTIVO DE CAPOEIRA (CONT.) 4. O treino das qualidades físicas a velocidade: 4.1. Delimitação conceptual. Velocidade, agilidade e rapidez Factores condicionantes gerais da velocidade (nervosos, metabólicos, neuromusculares e psicológicos) Metodologia do desenvolvimento das várias expressões da velocidade: Tempos de reação simples e complexa Velocidade de execução Capacidade de aceleração Velocidade máxima Velocidade resistente A utilização dos diferentes métodos de treino da velocidade na preparação geral, especial e específica Avaliação da velocidade: Testes de velocidade máxima Testes de velocidade resistente sprints repetidos. DESPORTIVO DE CAPOEIRA (CONT.) 5. O treino das qualidades físicas a flexibilidade: 5.1. Relevância e potenciais desvantagens da flexibilidade no âmbito do treino desportivo Tipos de flexibilidade: estática e dinâmica; activa e passiva; geral e específica Meios e métodos para o treino da flexibilidade: método dinâmico; método estático; exercícios ativos e passivos; PNF A utilização dos diferentes métodos de treino da flexibilidade na preparação geral, especial e específica Avaliação da flexibilidade. a nomear pela a nomear pela Pág. 9/ 16

10 Subtema 7 Subtema 6 DESPORTIVO DE CAPOEIRA (CONT.) 6. A otimização da técnica desportiva: 6.1. Desenvolvimento das capacidades coordenativas e domínio das técnicas desportivas As fases de desenvolvimento da técnica desportiva O exercício técnico: condicionantes na sua prescrição, orientação e avaliação Avaliação da técnica Técnica e qualidades físicas. DESPORTIVO DE CAPOEIRA (CONT.) 7. Intervenção tática e gestão da situação de competição: 7.1. Objetivo do comportamento tático A natureza e as componentes do comportamento tático Princípios metodológicos da formação tática Observação e avaliação do desempenho em situação de competição Intervenção prévia, concomitante e no seguimento da competição. a nomear pela a nomear pela Pág. 10/ 16

11 Subtema 8 DESPORTIVO DE CAPOEIRA (CONT.) 8. Planeamento do treino: 8.1. As operações do planeamento de uma época de treino O estudo prévio: a. Determinação do rendimento da época anterior. b. Avaliação do grau de realização dos objetivos da época anterior. c. Caracterização o nível de treino atingido na época anterior quanto às componentes da carga de treino. d. Definição o perfil atual do atleta. e. Levantamento dos recursos disponíveis Definição de objetivos: a. Hierarquização dos objetivos. b. Natureza dos objetivos no planeamento do treino desportivo Calendário competitivo: a. Estrutura do calendário competitivo. b. Hierarquização e seleção das competições Racionalização das estruturas intermédias (periodização) Seleção dos meios de intervenção Distribuição das cargas de treino Estruturas de periodização da época de treino: A microestrutura: a. A sessão de treino. b. O microciclo A mesoestrutura O mesociclo A macroestrutura O macrociclo, o ano de treino e os planos plurianuais O macrociclo segundo o modelo de periodização de Matveiev: A forma desportiva: aquisição, manutenção e perda temporária Pressupostos teóricos Os períodos de preparação e o seu conteúdo. CP: 0h CT: 3h Nome Habilitações (Académicas e Profissionais) a nomear pela Pág. 11/ 16

12 Subtema 1 Subtema 9 DESPORTIVO DE CAPOEIRA (CONT.) 9. Planeamento do processo de formação desportiva: 9.1. A formação desportiva no quadro da carreira desportiva orientada Treinabilidade e decisões metodológicas (multivariedade e progressão nas cargas de treino e especialização gradual) As fases da carreira de um atleta O desenvolvimento dos vários fatores do desempenho competitivo ao longo das fases de evolução do atleta Periodização do treino na formação desportiva e a sua modificação ao longo das fases de evolução do atleta As competições como meio de formação (insubstituível) a introduzir gradualmente. 4. AVALIAÇÃO DE SAÚDE E ESTRATIFICAÇÃO DE RESICO, NUTRIÇÃO E PRIMEIROS SOCORROS (8h) CP: 0h CT: 3h Nome Habilitações (Académicas e Profissionais) 1. Domínio, pressupostos e os conceitos associados à avaliação e prescrição do exercício, no contexto do treino desportivo de Capoeira, os fatores de risco modificáveis: 1.1. Inatividade física Obesidade Diabetes Tipo II Hipertensão Hipercolesterolémia Hipertriglicidémia Consumo de tabaco. a nomear pela a nomear pela Formação em funcionamento do corpo humano, nutrição, primeiros socorros e desporto infanto juvenil. equivalente, ou em Ciências da Saúde. Pág. 12/ 16

13 Subtema 3 Subtema 2 4. AVALIAÇÃO DE SAÚDE E ESTRATIFICAÇÃO DE RESICO, NUTRIÇÃO E PRIMEIROS SOCORROS (CONT.) 2. Avaliações e prescrições físicas: 2.1. Aplicação de Physical Activity Readiness Questionnaire Questionário para indivíduos com idades entre os 15 e os 69 anos Avaliação e prescrição do exercício no contexto do treino de Capoeira Avaliação da composição corporal Avaliação da aptidão cardiorrespiratória: Métodos de avaliação de todas as componentes da aptidão física, para a Capoeira Capacidade de prescrição de exercício para vários grupos da população, no contexto do treino de Capoeira. 4. AVALIAÇÃO DE SAÚDE E ESTRATIFICAÇÃO DE RESICO, NUTRIÇÃO E PRIMEIROS SOCORROS (CONT.) CP: 2h CT: 1h Nome Habilitações (Académicas e Profissionais) 3. Estilos de vida saudáveis, lesões desportivas e aplicação de primeiros socorros: 3.1. Estilos de vida saudáveis: Regras de higiene na atividade desportiva Principais lesões na atividade desportiva: O exame de avaliação médico desportiva As lesões macrotraumáticas As lesões microtraumáticas Os primeiros socorros: Feridas cutâneas Lesões osteo músculo articulares Traumatismos cranianos e vertebrais. a nomear pela Formação em funcionamento do corpo humano, nutrição, primeiros socorros e desporto infanto juvenil. equivalente, ou em Ciências da Saúde. CP: 2h CT: 1h Nome Habilitações (Académicas e Profissionais) a nomear pela Formação em funcionamento do corpo humano, nutrição, primeiros socorros e desporto infanto juvenil. equivalente, ou em Ciências da Saúde. Pág. 13/ 16

14 Subtema 4 4. AVALIAÇÃO DE SAÚDE E ESTRATIFICAÇÃO DE RESICO, NUTRIÇÃO E PRIMEIROS SOCORROS (CONT.) 4. Nutrição: 4.1. Metabolismo energético Carburantes utilizados na atividade desportiva: Hidratos de carbono Lípidos Proteínas Reservas de glicogénio muscular e hepático Vitaminas e minerais Hidratação. a nomear pela Formação em funcionamento do corpo humano, nutrição, primeiros socorros e desporto infanto juvenil. equivalente, ou em Ciências da Saúde. Pág. 14/ 16

15 Subtema 1 5. METODOLOGIA DE ESTILOS DE ENSINO DE CAPOEIRA (5h) 1. Estilos de ensino de Capoeira: 1.1. Métodos: Tradicionais Socializadores Individualizadores Participativos Reflexivos Criativos Vantagens: Na condicionante dos resultados da aprendizagem Na condicionante da relação no ato didático Na possibilidade de adaptação e combinação em função de objetivos, características e necessidades dos fatores que condicionam o ato didático Na possibilidade de maior variedade de destreza motora, de raciocínio entre outras características Como forma de ensino a trabalhar com as diferenças individuais No ensino efetivo nas diferentes áreas de interesse Enquanto forma estruturante para construção de sessões Como meio de coordenação de experiências para o futuro treinador Reciclagem e atualização do feedback (retorno) ao treinador Enquanto meio de passagem da teoria à prática Enquadramento junto às novas áreas de investigação. CP: 3h CT: 2h Nome Habilitações (Académicas e Profissionais) a nomear pela Pág. 15/ 16

16 Subtema 1 6. OBSERVAÇÃO E ANÁLISE DAS HABILIDADES DE CAPOEIRA (5h) 1. A observação e a avaliação: 1.1. Como ferramenta do processo de treino: O processo de treino e a observação As metodologias da observação no treino Observação, diagnóstico e prescrição no treino Da técnica Capoeira: Análise da habilidade técnica da Capoeira Avaliação e diagnóstico da execução técnica da Capoeira Instrumentos e métodos de observação da técnica da Capoeira Da tática de Capoeira: Análise da dinâmica coletiva dos conjuntos/equipa, duplas/pares e individuais tática Avaliação e diagnóstico da execução tática da equipa/atleta Instrumentos e métodos de observação tática. CP: 3h CT: 2h Nome Habilitações (Académicas e Profissionais) a nomear pela equivalente com especialização em Capoeira. Pág. 16/ 16

PROPOSTA DE REFERENCIAL DE FORMAÇÃO

PROPOSTA DE REFERENCIAL DE FORMAÇÃO Federação: Federação Portuguesa de Lohan Tao Modalidade/Disciplina: Lohan Tao Conversão de Treinadores de Grau em Treinadores de Grau 2 Componente Prática: 5 horas Componente Teórica: 25 horas Total de

Leia mais

REFERENCIAL DE FORMAÇÃO

REFERENCIAL DE FORMAÇÃO Federação: Federação Portuguesa de Alex Ryu Jitsu Modalidade/Disciplina: Alex Ryu Jitsu Conversão de Treinadores de Grau em Treinadores de Grau I Componente Prática: 12 horas Componente Teórica: 20 horas

Leia mais

Treino em Circuito. O que é?

Treino em Circuito. O que é? Circuitando O que é? O trabalho em circuito foi idealizado por R.E.Morgan e G.T. Adamson em 1953, na Universidade de Leeds, na Inglaterra, como ofrma de manter os seus atletas em trabalho físico num espaço

Leia mais

Organização da Carreira Desportiva no Pentatlo Moderno

Organização da Carreira Desportiva no Pentatlo Moderno Organização da Carreira Desportiva no Pentatlo Moderno ETAPA IDADES ESCALÕES PROVAS INICIAÇÃO ATÉ 9 ANOS APRENDIZES TRIATLO 9 A 10 ANOS BENJAMINS TRIATLO APRENDIZAGEM 11 A 12 ANOS INFANTIS TRIATLO DESENVOLVIMENTO

Leia mais

Variáveis Manipuláveis do Treino de Força

Variáveis Manipuláveis do Treino de Força Variáveis Manipuláveis do Treino de Força Lucimere Bohn lucimerebohn@gmail.com Área de Formação: 813 Desporto. Curso: Musculação e Cardiofitness. Módulo: Bases Morfofisiológicas VARIÁVEIS MANIPULÁVEIS

Leia mais

Departamento de Formação

Departamento de Formação FEDERAÇÃO PORTUGUESA DE BADMINTON Departamento de Formação Documento Orientador de Formação de Treinadores Nível I, II e III Com apoio de: ÍNDICE INTRODUÇÃO 3 OBJECTIVOS 4 FUNÇÃO DO TREINADOR 4 SISTEMA

Leia mais

Mentor do Projecto -> Coach-Helper.Com

Mentor do Projecto -> Coach-Helper.Com - Mestrado em Psicologia do Desporto e Exercício; - Técnico de Coaching PNL; - Esteve no Futsal do SCP; - Esteve no CADE e trabalhou com um treinador e atleta no badminton. Paulo Teixeira - 34 anos Contacto

Leia mais

Unidades de Formação e Cargas Horárias Taekwondo Grau II

Unidades de Formação e Cargas Horárias Taekwondo Grau II Unidades de Formação e Cargas Horárias Taekwondo Grau II UNIDADES DE FORMAÇÃO HORAS 1. TAEKWONDO II 32 2. HISTÓRIA E FILOSOFIA DO TAEKWONDO 4 3. REGRAS DE ARBITRAGEM: COMBATES E POOMSAES 4 4. ORGANIZAÇÃO

Leia mais

PLANEAMENTO DO TREINO: DA FORMAÇÃO AO ALTO RENDIMENTO

PLANEAMENTO DO TREINO: DA FORMAÇÃO AO ALTO RENDIMENTO PLANEAMENTO DO TREINO: DA FORMAÇÃO AO ALTO RENDIMENTO António Vasconcelos Raposo Treinador de Mérito de Natação Pura Desportiva Formador da Solidariedade Olímpica Internacional Formador FINA Formador da

Leia mais

Referenciais de FORMAÇÃO. Geral Cursos de Treinadores de Desporto (Graus I, II e III)

Referenciais de FORMAÇÃO. Geral Cursos de Treinadores de Desporto (Graus I, II e III) P r o g r a m a N a c i o n a l d e F o r m a ç ã o d e T r e i n a d o r e s Referenciais de FORMAÇÃO Geral Cursos de Treinadores de Desporto (Graus I, II e III) P r o g r a m a N a c i o n a l d e

Leia mais

CIRCUITO TREINO * O fator especificador do circuito será a qualidade física visada e o desporto considerado.

CIRCUITO TREINO * O fator especificador do circuito será a qualidade física visada e o desporto considerado. CIRCUITO TREINO * O CT é um método polivalente adequado a realizar tanto a preparação cardiopulmonar como a neuromuscular. É, por isto, largamente empregado no treinamento desportivo pela economia de tempo

Leia mais

Métodos da Taxa de Produção de Força ou Máximos Métodos da Hipertrofia Muscular ou Sub-máximos Métodos Mistos. Métodos Reactivos

Métodos da Taxa de Produção de Força ou Máximos Métodos da Hipertrofia Muscular ou Sub-máximos Métodos Mistos. Métodos Reactivos Classificação dos s de treino da Força Classificação dos s de Treino da Força Diversidade Terminológica Classificações com base na carga, modalidade desportiva, etc. T. Força = hipertrofia muscular Classificação

Leia mais

PERIODIZAÇÃO APLICADA AO TREINAMENTO FUNCIONAL

PERIODIZAÇÃO APLICADA AO TREINAMENTO FUNCIONAL PERIODIZAÇÃO APLICADA AO TREINAMENTO FUNCIONAL MÉTODO CONTÍNUO O exercício é executado sem pausa. A intensidade do exercício é, normalmente, submáxima O volume é de moderado para alto VARIAÇÕES METODOLÓGICAS

Leia mais

TRIPLO SALTO VELOCIDADE FORÇA OUTRAS VELOCIDADE EXECUÇAO (MOV. ACÍCLICO) FORÇA RESISTÊNCIA HIPERTROFIA CAPACIDADE DE ACELERAÇÃO EQUILÍBRIO

TRIPLO SALTO VELOCIDADE FORÇA OUTRAS VELOCIDADE EXECUÇAO (MOV. ACÍCLICO) FORÇA RESISTÊNCIA HIPERTROFIA CAPACIDADE DE ACELERAÇÃO EQUILÍBRIO TRIPLO SALTO O TRIPLO SALTO É UMA DISCIPLINA TÉCNICA MUITO COMPLEXA QUE OBRIGA A UM GRANDE APERFEIÇOAMENTO EM VÁRIAS VERTENTES, VISTO O SEU DESENVOLVIMENTO DEPENDER DE UMA COMBINAÇÃO DE VÁRIAS HABILIDADES

Leia mais

Fundamentos do Treino de Jovens no Ténis: O Desenvolvimento Técnico

Fundamentos do Treino de Jovens no Ténis: O Desenvolvimento Técnico Fundamentos do Treino de Jovens no Ténis: O Desenvolvimento Técnico Pedro Felner 2012 Aspectos Decisivos para o Desenvolvimento de uma Técnica Eficiente FLUIDEZ NO MOVIMENTO Aproveitamento do Peso da Raquete:

Leia mais

Ser um Treinador de Sucesso com Crianças

Ser um Treinador de Sucesso com Crianças APEF Ser um Treinador de Sucesso com Crianças Pedro Teques Departamento de Psicologia e Comunicação da APEF Direcção de Contacto: Pedro Teques, Departamento de Psicologia e Comunicação, Associação Portuguesa

Leia mais

CICLO VIRTUOSO DA EDUCAÇÃO FÍSICA

CICLO VIRTUOSO DA EDUCAÇÃO FÍSICA CICLO VIRTUOSO DA EDUCAÇÃO FÍSICA ATUAÇÃO DO PROFESSOR no Nível de Habilidade no Nível de Desempenho DIVERSIDADE DE CONTEÚDO Inserção no Grupo na Auto-estima CONCEITOS E INFORMAÇÕES Comportamentos e Atitudes

Leia mais

Módulo III. Modelos de periodização. Progressão. Progressão. Progressão. Progressão. Prescrição de Exercício. I Estágio Inicial

Módulo III. Modelos de periodização. Progressão. Progressão. Progressão. Progressão. Prescrição de Exercício. I Estágio Inicial Módulo III Prescrição de Exercício valiação Modelos de periodização Interpretação Prescrição Modalidade Freqüência Precauções Duração Intensidade CSM, Guidelines for exercise testing and prescription,(006).

Leia mais

EXERCÍCIOS RESISTIDOS : Uma visão dentro da Escola

EXERCÍCIOS RESISTIDOS : Uma visão dentro da Escola EXERCÍCIOS RESISTIDOS : Uma visão dentro da Escola Professora Mestre em Ciências Escola de Educação Física e Esporte Universidade de São Paulo CONTEÚDO Conceitos básicos. Princípios biológicos do treinamento.

Leia mais

Organização do treino de Badminton

Organização do treino de Badminton Organização do treino de Badminton Introdução O treino tem sempre uma variabilidade de factores enorme, qual o objectivo, a quem se destina, iniciação ou alto rendimento, qual a altura da época que nos

Leia mais

Desenvolvimento da criança e o Desporto

Desenvolvimento da criança e o Desporto Desenvolvimento da criança e o Desporto Desenvolvimento da criança e o Desporto DESPORTO ENSINO TREINO CRIANÇAS E JOVENS I - O QUÊ? II - QUANDO? III - COMO? Desenvolvimento da criança e o Desporto I Capacidades

Leia mais

Dr. Guanis de Barros Vilela Junior

Dr. Guanis de Barros Vilela Junior Dr. Guanis de Barros Vilela Junior A relevância da teoria e da pesquisa em aprendizagem motora para o treinamento e desenvolvimento esportivo Porque um estudante que obterá um diploma superior de Educação

Leia mais

PROGRAMA DE TEORIA E METODOLOGIA DE EDUCAÇÃO FÍSICA 12ª e 13ª classes

PROGRAMA DE TEORIA E METODOLOGIA DE EDUCAÇÃO FÍSICA 12ª e 13ª classes PROGRAMA DE TEORIA E METODOLOGIA DE EDUCAÇÃO FÍSICA 12ª e 13ª classes Formação de Professores do 1º Ciclo do Ensino Secundário Disciplina de Educação Física Ficha Técnica Título Programa de Teoria e Metodologia

Leia mais

Treinar primeiro os grandes grupos musculares (tab. 1) Alternar os movimentos de flexão / extensão (tab. 2) Alternar tronco e m. superiores / m.

Treinar primeiro os grandes grupos musculares (tab. 1) Alternar os movimentos de flexão / extensão (tab. 2) Alternar tronco e m. superiores / m. CONSTRUÇÃO de PROGRAMAS de TREINO 8 Objectivos Selecção dos Exercicíos Organização dos exercicíos Frequência de Treino Selecção das Cargas Selecção do nº. de Repetições Selecção do nº. de Séries e Pausas

Leia mais

PLANO DE FORMAÇÃO DE RECURSOS HUMANOS 2012 FORMAÇÃO DE TREINADORES FEDERAÇÃO PORTUGUESA DO PENTATLO MODERNO

PLANO DE FORMAÇÃO DE RECURSOS HUMANOS 2012 FORMAÇÃO DE TREINADORES FEDERAÇÃO PORTUGUESA DO PENTATLO MODERNO 1 PLANO DE FORMAÇÃO DE RECURSOS HUMANOS 2012 FORMAÇÃO DE TREINADORES FEDERAÇÃO PORTUGUESA DO PENTATLO MODERNO 2 1. Introdução O processo de adaptação e ajustamento ao PNFT entra em 2012 na sua fase terminal

Leia mais

Importância do planejamento de treinamento e das avaliações físicas

Importância do planejamento de treinamento e das avaliações físicas Importância do planejamento de treinamento e das avaliações físicas Definir a carga de treinamento é o primeiro passo para entender a complexidade do treinamento físico (Monteiro, Lopes, 2009). O entendimento

Leia mais

A COMPETIÇÃO NA INFÂNCIA E ADOLESCÊNCIA. Prof. Dr. Renato Sampaio Sadi DCEFS-UFSJ 2012

A COMPETIÇÃO NA INFÂNCIA E ADOLESCÊNCIA. Prof. Dr. Renato Sampaio Sadi DCEFS-UFSJ 2012 A COMPETIÇÃO NA INFÂNCIA E ADOLESCÊNCIA Prof. Dr. Renato Sampaio Sadi DCEFS-UFSJ 2012 Apresentação Produtividade do Grupo de Estudos e Pesquisas em Pedagogia do Esporte - GEPE Variáveis físicas, psicológicas

Leia mais

VALÊNCIAS FÍSICAS. 2. VELOCIDADE DE DESLOCAMENTO: Tempo que é requerido para ir de um ponto a outro o mais rapidamente possível.

VALÊNCIAS FÍSICAS. 2. VELOCIDADE DE DESLOCAMENTO: Tempo que é requerido para ir de um ponto a outro o mais rapidamente possível. VALÊNCIAS FÍSICAS RESISTÊNCIA AERÓBICA: Qualidade física que permite ao organismo executar uma atividade de baixa para média intensidade por um longo período de tempo. Depende basicamente do estado geral

Leia mais

Disciplina: Controle Motor e Fisiologia do Movimento. Flávia Porto RELEMBRANDO...

Disciplina: Controle Motor e Fisiologia do Movimento. Flávia Porto RELEMBRANDO... Disciplina: Controle Motor e Fisiologia do Movimento Flávia Porto RELEMBRANDO... A mais importante característica do treinamento é sua divisão em fases e sua contínua adequação e periodização dos estímulos.

Leia mais

MÉTODOS DE TREINAMENTO AERÓBICO *

MÉTODOS DE TREINAMENTO AERÓBICO * MÉTODOS DE TREINAMENTO AERÓBICO * Marlos Rodrigues Domingues Qualidades físicas divididas fisiologicamente e pedagogicamente em: - Orgânicas: as principais são as resistências aeróbica, anaeróbica lática

Leia mais

Período de Preparação Período de Competição Período de Transição

Período de Preparação Período de Competição Período de Transição PERIODIZAÇÃO Desde que a chamada "Ciência do Esporte" passou a sistematizar e metodizar o Treinamento Desportivo, a periodização passou a ser a única forma de se organizar todo o trabalho realizado durante

Leia mais

DGEstE - Direção-Geral dos Estabelecimentos Escolares DSRAl - Direção de Serviços da Região Algarve AGRUPAMENTO DE ESCOLAS ENGº DUARTE PACHECO

DGEstE - Direção-Geral dos Estabelecimentos Escolares DSRAl - Direção de Serviços da Região Algarve AGRUPAMENTO DE ESCOLAS ENGº DUARTE PACHECO CRITÉRIOS DE AVALIAÇÃO A avaliação incide sobre as aprendizagens e competências definidas no currículo nacional para as diversas áreas e disciplinas de cada ciclo, expressas no projecto curricular de escola

Leia mais

SAÚDE. Apresentação do tema: Saúde. É um completo bem estar físico, mental e social e não somente a ausência de doença ou enfermidade.

SAÚDE. Apresentação do tema: Saúde. É um completo bem estar físico, mental e social e não somente a ausência de doença ou enfermidade. Apresentação do tema: Saúde É um completo bem estar físico, mental e social e não somente a ausência de doença ou enfermidade. 1.Desenvolvimento das Capacidades Motoras - Resistência - Força - Velocidade

Leia mais

Alexandre Sérgio Silva Laboratório de Estudos do Treinamento Físico Aplicado ao Desempenho e Saúde (LETFADS) ass974@yahoo.com.br

Alexandre Sérgio Silva Laboratório de Estudos do Treinamento Físico Aplicado ao Desempenho e Saúde (LETFADS) ass974@yahoo.com.br Alexandre Sérgio Silva Laboratório de Estudos do Treinamento Físico Aplicado ao Desempenho e Saúde (LETFADS) ass974@yahoo.com.br Cognitiva, emocional, Motivacional, lolitiva Tarefas realizadas Tarefas

Leia mais

A TREINABILIDADE DO JOVEM JOGADOR DE HÓQUEI EM PATINS JORNADA TÉCNICO - PEDAGÓGICA DEZEMBRO 2005 PROF. LUIS SÉNICA

A TREINABILIDADE DO JOVEM JOGADOR DE HÓQUEI EM PATINS JORNADA TÉCNICO - PEDAGÓGICA DEZEMBRO 2005 PROF. LUIS SÉNICA A TREINABILIDADE DO JOVEM JOGADOR DE HÓQUEI EM PATINS JORNADA TÉCNICO - PEDAGÓGICA DEZEMBRO 2005 PROF. LUIS SÉNICA EVOLUÇÃO/DESENVOLVIMENTO DO JOVEM PRATICANTE Processo constante mas descontínuo, por ciclos

Leia mais

ÁREA COMPORTAMENTAL E DESENVOLVIMENTO PESSOAL

ÁREA COMPORTAMENTAL E DESENVOLVIMENTO PESSOAL ÁREA COMPORTAMENTAL E DESENVOLVIMENTO PESSOAL COMUNICAÇÃO E IMAGEM COMO FACTORES COMPETITIVOS A sua empresa tem problemas ao nível da comunicação interna? Promover a Comunicação assertiva no relacionamento

Leia mais

Regulamento UEFA B (Nível II)

Regulamento UEFA B (Nível II) Cursos de Treinadores de Futebol 11 Regulamento UEFA B (Nível II) 2005/2006 Índice 1. REGULAMENTO DO CURSO...3 1.1. ORGANIZAÇÃO...3 1.2. CONDIÇÕES DE INSCRIÇÃO...3 1.3. CRITÉRIOS DE SELECÇÃO...4 1.4. RECEITAS

Leia mais

Lucimere Bohn lucimerebohn@gmail.com Área de Formação: 813 Desporto. Curso: Musculação e Cardiofitness. Módulo: Bases Morfofisiológicas

Lucimere Bohn lucimerebohn@gmail.com Área de Formação: 813 Desporto. Curso: Musculação e Cardiofitness. Módulo: Bases Morfofisiológicas Musculação: Definições Básicas Lucimere Bohn lucimerebohn@gmail.com Área de Formação: 813 Desporto. Curso: Musculação e Cardiofitness. Módulo: Bases Morfofisiológicas Termos frequentes na descrição de

Leia mais

A PLANIFICAÇÃO DO TREINO DA FORÇA NOS DESPORTOS COLECTIVOS por Sebastião Mota

A PLANIFICAÇÃO DO TREINO DA FORÇA NOS DESPORTOS COLECTIVOS por Sebastião Mota A PLANIFICAÇÃO DO TREINO DA FORÇA NOS DESPORTOS COLECTIVOS por Sebastião Mota INTRODUÇÃO Este documento foi elaborado segundo uma adaptação da obra de Gilles Cometti, que nos propõe uma matriz inovadora

Leia mais

MUSCULAÇÃO PRINCÍPIOS BÁSICOS

MUSCULAÇÃO PRINCÍPIOS BÁSICOS 1 MUSCULAÇÃO PRINCÍPIOS BÁSICOS Prof. Dr. Valdir J. Barbanti Escola de Educação Física e Esporte de Ribeirão Preto da Universidade de São Paulo A musculação refere-se à forma de exercícios que envolvem

Leia mais

Navarro, F. In Planificacion del entrenamiento a largo plazo

Navarro, F. In Planificacion del entrenamiento a largo plazo Um programa de treino bem organizado e planificado, durante um período de tempo prolongado, aumenta a eficácia da preparação para as competições futuras mais importantes, uma vez que: introduz uma utilização

Leia mais

Confederação Brasileira de Voleibol PREPARAÇÃO FÍSICA Prof. Rommel Milagres SAQUAREMA Dezembro 2013

Confederação Brasileira de Voleibol PREPARAÇÃO FÍSICA Prof. Rommel Milagres SAQUAREMA Dezembro 2013 Confederação Brasileira de Voleibol PREPARAÇÃO FÍSICA Prof. Rommel Milagres SAQUAREMA Dezembro 2013 CURRICULUM VITAE Chefe do Departamento e Preparação Física do Minas Tênis Clube desde 1978 Preparador

Leia mais

MEDIDAS DA FORÇA E RESISTÊNCIA MUSCULAR

MEDIDAS DA FORÇA E RESISTÊNCIA MUSCULAR MEDIDAS DA FORÇA E RESISTÊNCIA MUSCULAR Revisando conceitos... Músculo-esquelética Força Resistência Flexibilidade Motora Agilidade Equilíbrio Potência Velocidade Revisando conceitos... Isométricas (estática)

Leia mais

METODOLOGIA DO TREINO

METODOLOGIA DO TREINO faculdade de motricidade humana unidade orgânica de ciências do desporto METODOLOGIA DO TREINO Objectivos 1. dominar os conceitos fundamentais em treino desportivo. 2. conhecer os diversos factores do

Leia mais

Efeitos da Inactividade e Readaptação Física do Desportista após uma lesão

Efeitos da Inactividade e Readaptação Física do Desportista após uma lesão Efeitos da Inactividade e Readaptação Física do Desportista após uma lesão por Mestre Francisco Batista Escola Superior de Educação de Almeida Garrett - Lic. Educação Física 1 Introdução Como sabemos uma

Leia mais

Uma Questão de Atitude...

Uma Questão de Atitude... Uma Questão de Atitude... Catálogo de Formação 2014 1 Introdução 3 Soluções de Formação 3 Áreas de Formação 4 Desenvolvimento Pessoal 5 Comercial 12 Secretariado e Trabalho Administrativo 15 Indústrias

Leia mais

PLANO DE CARREIRA DO NADADOR DO AMINATA ÉVORA CLUBE DE NATAÇÃO

PLANO DE CARREIRA DO NADADOR DO AMINATA ÉVORA CLUBE DE NATAÇÃO PLANO DE CARREIRA DO NADADOR DO AMINATA ÉVORA CLUBE DE NATAÇÃO PLANO DE CARREIRA DO NADADOR AMINATA ÉVORA CLUBE DE NATAÇÃO Introdução O Aminata Évora Clube de Natação, sendo um clube dedicado a várias

Leia mais

Curso de Treinador de Desporto

Curso de Treinador de Desporto Curso de Treinador de Desporto Grau III P r o g r a m a N a c i o n a l d e F o r m a ç ã o d e T r e i n a d o r e s Mensagem do Presidente do IDP, IP Com o desenvolvimento do Programa Nacional de Formação

Leia mais

Força e Resistência Muscular

Força e Resistência Muscular Força e Resistência Muscular Prof. Sergio Gregorio da Silva, PhD Objetivos do Treinamento com Pesos Aumento da massa muscular Força Potência Velocidade Resistência Muscular Localizada Equilibro Coordenação

Leia mais

Fundamentação Fisiológica da Matriz de Treino

Fundamentação Fisiológica da Matriz de Treino Fundamentação Fisiológica da Matriz de Treino A História Durante anos entendia-se a preparação física numa base de quantidade e depois qualidade. Conseguimos perceber isso através da análise da pirâmide

Leia mais

ASPECTOS PSICOLÓGICOS NO Futsal através do treino Integrado

ASPECTOS PSICOLÓGICOS NO Futsal através do treino Integrado ASPECTOS PSICOLÓGICOS NO Futsal através do treino Integrado Francisco Batista Introdução A aplicação da Psicologia no treino desportivo tem, nestes últimos anos sido muito importante. A Psicologia é uma

Leia mais

PROGRAMA DE FORMAÇÃO

PROGRAMA DE FORMAÇÃO PROGRAMA DE FORMAÇÃO 1. Identificação do Curso Pós-Graduação em Gestão Estratégica de Recursos Humanos 2. Destinatários Profissionais em exercício de funções na área de especialização do curso ou novos

Leia mais

PLANO DE TRABALHO IDOSO

PLANO DE TRABALHO IDOSO PLANO DE TRABALHO IDOSO Telefone: (44) 3220-5750 E-mail: centrosesportivos@maringa.pr.gov.br EQUIPE ORGANIZADORA SECRETARIO MUNICIPAL DE ESPORTES E LAZER Francisco Favoto DIRETOR DE ESPORTES E LAZER Afonso

Leia mais

A psicologia tem uma dimensão prática que se integra em vários contextos e instituições sociais: escolas, hospitais, empresas, tribunais, associações

A psicologia tem uma dimensão prática que se integra em vários contextos e instituições sociais: escolas, hospitais, empresas, tribunais, associações PSICOLOGIA APLICADA A psicologia tem uma dimensão prática que se integra em vários contextos e instituições sociais: escolas, hospitais, empresas, tribunais, associações Os níveis de intervenção vão desde

Leia mais

"Quando vejo uma criança, ela me inspira dois sentimentos; ternura pelo que ela é, respeito pelo que poderá ser". Piaget.

Quando vejo uma criança, ela me inspira dois sentimentos; ternura pelo que ela é, respeito pelo que poderá ser. Piaget. Infância e adolescência "Quando vejo uma criança, ela me inspira dois sentimentos; ternura pelo que ela é, respeito pelo que poderá ser". Piaget. Características ou particularidades da infância (Desenvolvimento)

Leia mais

XVII CLINIC Análise de Indicadores de Força Explosiva de Potência e de Resistência de Força Explosiva em Judocas Juniores vs.

XVII CLINIC Análise de Indicadores de Força Explosiva de Potência e de Resistência de Força Explosiva em Judocas Juniores vs. XVII CLINIC Análise de Indicadores de Força Explosiva de Potência e de Resistência de Força Explosiva em Judocas Juniores vs. Judocas Seniores Coimbra, 6 de Outubro de 2012 Luís Monteiro INTRODUÇÃO OBJETIVOS

Leia mais

Escola Evaristo Nogueira

Escola Evaristo Nogueira Escola Evaristo Nogueira Grupo Disciplinar de Educação Física Ano Lectivo 2014 / 2015 Critérios de Avaliação Os critérios de avaliação constituem referenciais dos professores que lecionam as disciplinas

Leia mais

ACADEMIA CAPIXABA DE FUTEBOL

ACADEMIA CAPIXABA DE FUTEBOL ACADEMIA CAPIXABA DE FUTEBOL ACADEMIA CAPIXABA DE FUTEBOL OBJETIVOS Criar uma academia de futebol infanto-juvenil para atender crianças e adolescentes de Rio Bananal. Proporcionar as crianças de Rio Bananal

Leia mais

Programa do Curso: Uma abordagem multidisciplinar do esporte, com ênfase na Psicologia do Esporte.

Programa do Curso: Uma abordagem multidisciplinar do esporte, com ênfase na Psicologia do Esporte. Programa do Curso: Uma abordagem multidisciplinar do esporte, com ênfase na Psicologia do Esporte. Formato do Curso: O curso terá a duração de 5 (cinco) meses, com aulas a cada 15 dias, ou seja, via de

Leia mais

A Sessão de Treino. A Sessão de Treino. Curso de Treinadores de Nível 1. Cascais, 27 de Setembro

A Sessão de Treino. A Sessão de Treino. Curso de Treinadores de Nível 1. Cascais, 27 de Setembro A Sessão de Treino 2008 Temas a abordar A Sessão de Treino Preocupações do Treinador no treino Instrução Gestão Clima Disciplina Formas de organização da sessão de treino Para que servem Critérios de selecção

Leia mais

Os Benefícios do Taekwon-do na Infância e na Adolescência

Os Benefícios do Taekwon-do na Infância e na Adolescência Liga Desportiva de Taekwon-do do Estado de Minas Gerais - LDTEMG Mestre Ronaldo Avelino Xavier Os Benefícios do Taekwon-do na Infância e na Adolescência Belo Horizonte, 06 de Fevereiro de 2013. Mestre

Leia mais

CURSO DE EDUCAÇÃO FÍSICA BACHARELADO

CURSO DE EDUCAÇÃO FÍSICA BACHARELADO 1 CURSO DE EDUCAÇÃO FÍSICA BACHARELADO EMENTÁRIO DAS DISCIPLINAS 2015.1 BRUSQUE (SC) Atualizado em 15 de janeiro de 2015 pela 2014 Assessoria de Desenvolvimento, conforme Parecer 2 SUMÁRIO 1ª FASE... 4

Leia mais

PLANO DE TRABALHO FUTEBOL

PLANO DE TRABALHO FUTEBOL PLANO DE TRABALHO FUTEBOL Telefone: (44) 3220-5750 E-mail: centrosesportivos@maringa.pr.gov.br EQUIPE ORGANIZADORA SECRETARIO MUNICIPAL DE ESPORTES E LAZER Francisco Favoto DIRETOR DE ESPORTES E LAZER

Leia mais

Fundamentos Teórico-Práticos do Aquecimento no Futsal

Fundamentos Teórico-Práticos do Aquecimento no Futsal futsalcoach.com la web para el técnico de fútbol sala C Copyright 2005, F U T S A L C O A C H, Spain Todos los derechos reservados Autor: Prof. João Carlos Romano Preparador Físico de la Selección Brasileña

Leia mais

DEPARTAMENTO SELEÇÕES REGIONAIS

DEPARTAMENTO SELEÇÕES REGIONAIS DEPARTAMENTO SELEÇÕES REGIONAIS REGULAMENTO INTRODUÇÃO A forma e desenvolvimento de um praticante com evidência de talento e voca de mérito desportivo excecional justificam a existência de uma estrutura

Leia mais

IDERANÇA E GESTÃO. Desenvolver competências que permitam acompanhar, motivar, desenvolver e avaliar equipas de trabalho

IDERANÇA E GESTÃO. Desenvolver competências que permitam acompanhar, motivar, desenvolver e avaliar equipas de trabalho L DE PESSOAS IDERANÇA E GESTÃO Desenvolver competências que permitam acompanhar, motivar, desenvolver e avaliar equipas de trabalho Coordenadores e Chefias Intermédias Adquirir técnicas de Liderança, de

Leia mais

PLANO DE ESTUDOS DE EDUCAÇÃO FÍSICA - 7º ANO

PLANO DE ESTUDOS DE EDUCAÇÃO FÍSICA - 7º ANO PLANO DE ESTUDOS DE EDUCAÇÃO FÍSICA - 7º ANO Ano Letivo 2014 2015 PERFIL DO ALUNO 7º ANO METAS ATIVIDADES DESPORTIVAS O aluno cumpre o nível INTRODUÇÃO de cinco matérias diferentes distribuídas da seguinte

Leia mais

No final do curso os formandos deverão realizar a gestão de uma IPSS, promovendo a sustentabilidade da instituição.

No final do curso os formandos deverão realizar a gestão de uma IPSS, promovendo a sustentabilidade da instituição. 1. OBJETIVOS GERAIS No final do curso os formandos deverão realizar a gestão de uma IPSS, promovendo a sustentabilidade da instituição. 2. OBJETIVOS ESPECÍFICOS Descrever a orgânica das Instituições Sociais;

Leia mais

Escola Secundária Júlio Dinis- Ovar

Escola Secundária Júlio Dinis- Ovar Escola Secundária Júlio Dinis- Ovar Sumário: 1. Aspectos genéricos do treino desportivo 1.1.Evolução do Processo de treino; 1.2.Objectivos do treino e a definição de alto rendimento; 1.3.Fundamentação

Leia mais

EMENTÁRIO DAS DISCIPLINAS DO CURSO DE EDUCAÇÃO FÍSICA - Bacharelado (Currículo iniciado 2012)

EMENTÁRIO DAS DISCIPLINAS DO CURSO DE EDUCAÇÃO FÍSICA - Bacharelado (Currículo iniciado 2012) EMENTÁRIO DAS DISCIPLINAS DO CURSO DE EDUCAÇÃO FÍSICA - Bacharelado (Currículo iniciado 2012) ANÁLISE BIOMECÂNICA DO MOVIMENTO (1504) C/H 68 Análise anátomo-funcional do movimento humano com ênfase no

Leia mais

A tabela abaixo mostra os três níveis de acompanhamento oferecidos e como é composto cada um desses níveis, como segue:

A tabela abaixo mostra os três níveis de acompanhamento oferecidos e como é composto cada um desses níveis, como segue: A VIAPEDAL oferece um serviço completo no treinamento do ciclista. Nós temos serviços que atendem a todos os eixos que compõe o desempenho no Ciclismo e MTB biomecânico, fisiológico, psicológico, técnico-tático,

Leia mais

AÇÕES DE FORMAÇÃO CREDITADAS PARA TREINADORES 2015 - Leiria

AÇÕES DE FORMAÇÃO CREDITADAS PARA TREINADORES 2015 - Leiria AÇÕES DE FORMAÇÃO CREDITADAS PARA TREINADORES 2015 - Leiria Ações Creditadas pelo PNFT 2015 Preços de Inscrição: 1) Ações de 1,4 créditos - 30,00 a. Preço para Filiados - 20,00 2) Ações de 0,8 créditos

Leia mais

VOLEIBOL EM MUTAÇÃO OS DESAFIOS PARA COMEÇAR AGORA A COMPETIR AMANHÃ

VOLEIBOL EM MUTAÇÃO OS DESAFIOS PARA COMEÇAR AGORA A COMPETIR AMANHÃ VOLEIBOL EM MUTAÇÃO OS DESAFIOS PARA COMEÇAR AGORA A COMPETIR AMANHÃ ACÇÃO SOBRE TREINO FÍSICO O TREINO FUNCIONAL EM VOLEIBOL 11 12 13 Junho 19 20 Junho Estar funcional em vez de estar em forma Individualizar,

Leia mais

A, B Preto, Branco etc.

A, B Preto, Branco etc. 1 2 Qualidade a desenvolver Velocidade Reacção Velocidade máxima Conteúdos e métodos a utilizar Jogos de reacção (Barra do lenço, A e B) com distâncias entre 10 e 15 metros Jogos e repetições curtas Distâncias

Leia mais

MÉTODOS DE TREINAMENTO INTERVALADOS 2 COMPONENTES DO MÉTODO DE TREINO INTERVALADO

MÉTODOS DE TREINAMENTO INTERVALADOS 2 COMPONENTES DO MÉTODO DE TREINO INTERVALADO MÉTODOS DE TREINAMENTO INTERVALADOS 1 INTRODUÇÃO O método de treino por intervalos caracteriza-se por exercícios onde o organismo é submetido a períodos curtos, regulares e repetidos de trabalho com períodos

Leia mais

MÉTODOS DE TREINAMENTO FÍSICO

MÉTODOS DE TREINAMENTO FÍSICO MÉTODOS DE TREINAMENTO FÍSICO A escolha do método de TF depende da qualidade física que vai ser trabalhada e da periodização do treinamento. Na fase básica, quando a ênfase é no volume, utiliza-se os métodos

Leia mais

A ACTIVIDADE FÍSICA F PREVENÇÃO DA IMOBILIDADE NO IDOSO EDNA FERNANDES

A ACTIVIDADE FÍSICA F PREVENÇÃO DA IMOBILIDADE NO IDOSO EDNA FERNANDES A ACTIVIDADE FÍSICA F NA PREVENÇÃO DA IMOBILIDADE NO IDOSO EDNA FERNANDES Epidemiologia do Envelhecimento O envelhecimento da população é um fenómeno de amplitude mundial, a OMS (Organização Mundial de

Leia mais

ORIGENS DA PERIODIZAÇÃO DO TREINAMENTO FÍSICO ORIGENS DA PERIODIZAÇÃO DO TREINAMENTO FÍSICO ORIGENS DA PERIODIZAÇÃO DO TREINAMENTO FÍSICO 25/08/2008

ORIGENS DA PERIODIZAÇÃO DO TREINAMENTO FÍSICO ORIGENS DA PERIODIZAÇÃO DO TREINAMENTO FÍSICO ORIGENS DA PERIODIZAÇÃO DO TREINAMENTO FÍSICO 25/08/2008 ORIGENS DA PERIODIZAÇÃO DO TREINAMENTO FÍSICO Anos 30: PIHKALA (Finlândia) Variações no trabalho - recuperação: dias, semanas, meses e anos de treinamento; Diminuição progressiva do volume de treinamento,

Leia mais

Atividade Física e Saúde na Escola

Atividade Física e Saúde na Escola Atividade Física e Saúde na Escola *Eduardo Cardoso Ferreira ** Luciano Leal Loureiro Resumo: Atividade física pode ser trabalhada em todas as idades em benefício da saúde. O objetivo do artigo é conscientizar

Leia mais

DEPARTAMENTO DE EDUCAÇÃO FÍSICA

DEPARTAMENTO DE EDUCAÇÃO FÍSICA Escola Básica Integrada da Praia da Vitória DEPARTAMENTO DE EDUCAÇÃO FÍSICA Após a avaliação diagnóstica realizada para cada matéria/turma, e mediante o documento de departamento «Adaptação do Currículo

Leia mais

Federação Nacional de Karate - Portugal. Fórum de Formadores 2013 Pedro M. Santos

Federação Nacional de Karate - Portugal. Fórum de Formadores 2013 Pedro M. Santos Federação Nacional de Karate - Portugal Fórum de Formadores 2013 Pedro M. Santos Índice Fórum de Formadores 2013 Introdução Diferentes influências e realidades Pessoal qualificado e Especializado em Serviços

Leia mais

Universidade Estadual de Maringá CENTRO DE CIÊNCIAS DA SAÚDE

Universidade Estadual de Maringá CENTRO DE CIÊNCIAS DA SAÚDE R E S O L U Ç Ã O Nº 031/2010-CI/CCS CERTIDÃO Certifico que a presente resolução foi afixada em local de costume, neste Centro, no dia 15/07/2010. Aprovar alterações curriculares no projeto pedagógico

Leia mais

ATIVIDADE FÍSICA, APTIDÃO FÍSICA, SAÚDE E QUALIDADE DE VIDA

ATIVIDADE FÍSICA, APTIDÃO FÍSICA, SAÚDE E QUALIDADE DE VIDA ATIVIDADE FÍSICA, APTIDÃO FÍSICA, SAÚDE E QUALIDADE DE VIDA Revolução industrial Antes da revolução industrial as pessoas eram mais ativas porque viviam constantemente se movimentando no trabalho na escola,

Leia mais

UNIVERSIDADE FEDERAL RURAL DO RIO DE JANEIRO CONSELHO DE ENSINO, PESQUISA E EXTENSÃO SECRETARIA DOS ÓRGÃOS COLEGIADOS

UNIVERSIDADE FEDERAL RURAL DO RIO DE JANEIRO CONSELHO DE ENSINO, PESQUISA E EXTENSÃO SECRETARIA DOS ÓRGÃOS COLEGIADOS DELIBERAÇÃO Nº 385, DE 11 DE DEZEMBRO DE 2009. O DA UNIVERSIDADE FEDERAL RURAL DO RIO DE JANEIRO, tendo em vista a decisão tomada em sua 240ª Reunião Extraordinária, realizada em 11 de dezembro de 2009,

Leia mais

AUMENTO DRAMÁTICO DO INTERESSE E PARTICIPAÇÃO DE CRIANÇAS NO ESPORTE DE ALTO NÍVEL

AUMENTO DRAMÁTICO DO INTERESSE E PARTICIPAÇÃO DE CRIANÇAS NO ESPORTE DE ALTO NÍVEL AUMENTO DRAMÁTICO DO INTERESSE E PARTICIPAÇÃO DE CRIANÇAS NO ESPORTE DE ALTO NÍVEL NECESSIDADE DO MELHOR CONHECIMENTO EM ÁREAS COMO: CRESCIMENTO NORMAL, DESENVOLVIMENTO, EFEITOS DO EXERCÍCIO EM CRIANÇAS

Leia mais

Mentor do Projecto -> Coach-Helper.Com

Mentor do Projecto -> Coach-Helper.Com - Licenciado em Educação Física; - Treinador Nível II em Futebol; - Treinador à 25 anos, passando por todos os escalões; - Treinou a Selecção Distrital de Leiria; - Passou pelo Marinhense, Marítimo, União

Leia mais

Para o jovem aluno que ingressa em nossa escola, ele conta com professores qualificados para melhor ensinar a pratica do kung fu de acordo com o seu

Para o jovem aluno que ingressa em nossa escola, ele conta com professores qualificados para melhor ensinar a pratica do kung fu de acordo com o seu A escola A Escola de kung fu tigre e dragão nasceu com o objetivo de aproximar esta tradicional arte milenar chinesa com o estilo de vida do jovem brasileiro. Com uma proposta dinâmica que mescla atividade

Leia mais

PSICOLOGIA (CEF) - PLANIFICAÇÃO MÓDULO 1 - CRESCER E DESENVOLVER-SE

PSICOLOGIA (CEF) - PLANIFICAÇÃO MÓDULO 1 - CRESCER E DESENVOLVER-SE PSICOLOGIA (CEF) - PLANIFICAÇÃO MÓDULO 1 - CRESCER E DESENVOLVER-SE COMPETÊNCIAS CONTEÚDOS ACTIVIDADES/ - Apresentar comportamentos que promovam um melhor crescimento saudável de si, dada a compreensão

Leia mais

PLANIFICAÇÃO DA ÁREA CURRICULAR DE EDUCAÇÃO FÍSICA. 2º Ciclo e 6º Ano PCD Ano letivo: 2015/2016

PLANIFICAÇÃO DA ÁREA CURRICULAR DE EDUCAÇÃO FÍSICA. 2º Ciclo e 6º Ano PCD Ano letivo: 2015/2016 PLANIFICAÇÃO DA ÁREA CURRICULAR DE EDUCAÇÃO FÍSICA 2º Ciclo e 6º Ano PCD Ano letivo: 2015/2016 COMPETÊNCIAS - CHAVE Competência em Línguas Competência Matemática Competência Científica e Tecnológica Competência

Leia mais

Crescimento e Desenvolvimento de Atletas Jovens nas Distâncias de Fundo e Meio Fundo: Fases Sensíveis

Crescimento e Desenvolvimento de Atletas Jovens nas Distâncias de Fundo e Meio Fundo: Fases Sensíveis Curso Internacional de Meio Fundo e Fundo Asunción, PAR, 6 e 7/06/2015 Crescimento e Desenvolvimento de Atletas Jovens nas Distâncias de Fundo e Meio Fundo: Fases Sensíveis Prof. Dr. Ricardo D Angelo Aspectos

Leia mais

Regulamento dos cursos

Regulamento dos cursos Cursos de Treinadores de Futsal UEFA C - Raízes/Grau I Regulamento dos cursos 2015 e seguintes 1.- ORGANIZAÇÃO A responsabilidade de organização dos Cursos de Treinadores é da Federação Portuguesa de Futebol

Leia mais

PROGRAMA DE ENSINO Ano Lectivo 2014/2015

PROGRAMA DE ENSINO Ano Lectivo 2014/2015 ENSINO Ano Lectivo 2014/2015 ENSINO 2014/2015 BEBÉS Este processo é caracterizado como uma adaptação a um meio novo, com uma afectividade e desenvolvimento integrador, e não de aprendizagem das técnicas

Leia mais

PROJETO BOM CIDADÃO INVESTIR NO CIDADÃO DO FUTURO ATRAVÉS DO ESPORTE KARATÊ

PROJETO BOM CIDADÃO INVESTIR NO CIDADÃO DO FUTURO ATRAVÉS DO ESPORTE KARATÊ PROJETO BOM CIDADÃO INVESTIR NO CIDADÃO DO FUTURO ATRAVÉS DO ESPORTE KARATÊ ÍNDICE 1 APRESENTAÇÃO DO PROJETO 2 JUSTIFICATIVA 3 A IMPORTÂNCIA DO PROJETO NA ACADEMIA 4 OBJETIVO 5 METAS 6 METODOLOGIA 7 O

Leia mais

AGRUPAMENTO DE ESCOLAS DA QUINTA DO CONDE

AGRUPAMENTO DE ESCOLAS DA QUINTA DO CONDE Planeamento Anual Conteúdos Avaliação Inicial Objetivos Curriculares 1. - Registar as principais características dos alunos em função de destrezas que os permitam atingir as metas definidas para esse ano

Leia mais

Cursos de Treinadores de Futebol. UEFA C - Raízes / Grau I. Regulamento do curso 2013/201

Cursos de Treinadores de Futebol. UEFA C - Raízes / Grau I. Regulamento do curso 2013/201 Cursos de Treinadores de Futebol UEFA C - Raízes / Grau I Regulamento do curso 2013/201 /2015 1.- ORGANIZAÇÃO A responsabilidade de organização dos Cursos de Treinadores é da Federação Portuguesa de Futebol

Leia mais

Escola E.B. 2/3 dos Olivais

Escola E.B. 2/3 dos Olivais Escola E.B. 2/3 dos Olivais Esta planificação foi concebida como um instrumento necessário. Os objectivos da Educação Física no ensino básico bem como os princípios de organização das actividades nas aulas,

Leia mais

Associação de Futebol da Guarda

Associação de Futebol da Guarda Federação Portuguesa de Futebol Curso de Treinadores de Futebol UEFA C Raízes/ Grau I Associação de Futebol da Guarda Regulamento do Curso 2015-2016 1.- ORGANIZAÇÃO A responsabilidade de organização dos

Leia mais

CURSO DE EDUCAÇÃO FÍSICA BACHARELADO

CURSO DE EDUCAÇÃO FÍSICA BACHARELADO 1 CURSO DE EDUCAÇÃO FÍSICA BACHARELADO EMENTÁRIO DAS DISCIPLINAS 2012.2 BRUSQUE (SC) 2012 2 SUMÁRIO 1ª FASE... 4 01 HISTÓRIA DA EDUCAÇÃO FÍSICA... 4 02 BIOLOGIA HUMANA... 4 03 NATAÇÃO... 4 04 ESPORTE INDIVIDUAL

Leia mais

FP 108501 FUNDAMENTOS DA GINÁSTICA

FP 108501 FUNDAMENTOS DA GINÁSTICA Ementas das Disciplinas de Educação Física Estão relacionadas abaixo, as ementas e a bibliografia dos diferentes eixos curriculares do Curso, identificadas conforme os ciclos de formação: Ciclo de Formação

Leia mais

PRINCIPIOS GERAIS PARA A ELABORAÇÃO DE UM PLANO DE JOGO

PRINCIPIOS GERAIS PARA A ELABORAÇÃO DE UM PLANO DE JOGO PRINCIPIOS GERAIS PARA A ELABORAÇÃO DE UM PLANO DE JOGO ANTÓNIO GUERRA DEPARTAMENTO DE FORMAÇÃO DA FPV CONHEÇA A SUA EQUIPA E A COMPETIÇÃO ONDE PARTICIPA Primeiro que tudo têm de conhecer a sua equipa,

Leia mais