AS PRÁTICAS ESPORTIVAS/LAZER PARA SE ESTAR SEMPRE EM FORMA : O CONTEMPORÂNEO CULTO AO CORPO E A INTERVENÇÃO DE PROFESSORES DE EDUCAÇÃO FÍSICA

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "AS PRÁTICAS ESPORTIVAS/LAZER PARA SE ESTAR SEMPRE EM FORMA : O CONTEMPORÂNEO CULTO AO CORPO E A INTERVENÇÃO DE PROFESSORES DE EDUCAÇÃO FÍSICA"

Transcrição

1 1 AS PRÁTICAS ESPORTIVAS/LAZER PARA SE ESTAR SEMPRE EM FORMA : O CONTEMPORÂNEO CULTO AO CORPO E A INTERVENÇÃO DE PROFESSORES DE EDUCAÇÃO FÍSICA Ronaldo Medeiros Brazão 1 Tatiana Passos Zylberberg (Orientadora) 2 Resumo Em tempos de adoração e obsessão em cultuar o corpo, as práticas de esporte e lazer são muitas vezes encaradas como treinamento esportivo, sendo atravessadas por perigosos imperativos que prometem juventude, bem-estar, beleza e, consequente, felicidade e saúde a seus praticantes. Tais práticas vêm ganhando cada vez mais adeptos dedicados e fieis. Porém, os limites para a obtenção do tal propalado corpo belo e saudável vêm sendo relativizados, o que induz a reflexão sobre como o professor de Educação Físic a pode intervir nesse contexto contemporâneo de culto ao corpo que estabelece formas de se estar em forma. Este estudo bibliográfico traz para o diálogo escritores contemporâneos para realizar uma análise crítica e reflexiva sobre os conceitos hodiernos de corpo, os valores das práticas esportivas e de lazer e, o papel do profissional em Educação Física em suas intervenções. Há um apelo cada vez mais abrangente e imperativo quanto à prática sistemática e formal de exercícios físicos e esportes para a população em geral, como um dos mecanismos para o indivíduo se manter em forma a partir de uma norma que dita o que é a boa forma. Nesta lógica, as práticas de lazer, que trazem em sua essência o sentido lúdico, o prazer, e sociabilidade, vem se esvaziando, dando lugar cada vez mais a uma necessidade sistemática, um caminho para se conseguir alcançar um ambicionado, veiculado e profetizado patamar de saúde/estética e felicidade plena. Em nome do imperativo sempre jovem, inúmeras pessoas dedicam-se exaustivamente, e até adoecem para tentar manter o status quo do corpo belo. Neste contexto, professores de Educação Física, devem superar os discursos midiáticos e mercadológicos, devem ir além da intervenção técnica para dialogar sobre o entendimento de corpo de seus alunos, tornando-os sujeitos críticos e motivados a práticas mais conscientes, autenticamente saudáveis, superando significados e sentidos oriundos do senso comum. Palavras-Chave: Culto ao corpo, Práticas desportivas/lazer, Intervenção Profissional. Introdução Em tempos de adoração e obsessão em cultuar o corpo, as práticas de esporte e lazer vem sendo atravessadas por perigosos imperativos que prometem juventude, bem-estar, beleza, felicidade e saúde a seus praticantes. As práticas, tanto formais e informais vêm ganhando cada vez mais adeptos fieis. A ferrenha obtenção do tal propalado corpo belo e saudável convocam profissionais de Educação Física a promoverem intervenções que não sejam coniventes com excessos para buscar formas de ter um corpo em forma. 1 Discente do Curso de Educação Física Bacharelado - IEFES-UFC 2 Docente do Instituto de Educação Física e Esportes (IEFES) da Universidade Federal do Ceará (UFC) - Laboratório de Estudos das Possibilidades de Ser (LEPSER)

2 2 Há um apelo cada vez mais abrangente e imperativo quanto à prática sistemática e formal de exercícios físicos e esportes para a população em geral, como um dos mecanismos, segundo Soares (2006), para o indivíduo se manter em forma a partir de uma norma que dita o que é a boa forma. Também é claramente observável, a união e o esforço da mídia, do governo, do mercado e dos setores biomédicos, em propalar os benefícios do ativismo físico para a saúde. Nesta lógica, as práticas de lazer, que trazem em sua essência o sentido lúdico, o prazer, e sociabilidade, vem se esvaziando, dando lugar cada vez mais a uma necessidade sistemática, um caminho para se conseguir alcançar um ambicionado, veiculado e profetizado patamar de saúde/estética e felicidade plena. Em nome do imperativo seja sempre jovem, inúmeras pessoas dedicam-se exaustivamente, e até adoecem para tentar manter o status quo do corpo belo. De acordo com (Soares, 2006, p.120) para muitas pessoas praticar uma atividade motora sistematizada formalmente hoje é quase uma religião, não isenta da culpa quando a ela se falta ou não se é fiel e é também segundo Vaz (1999) um sacrifício disfarçado de alegria obrigatória. Este estudo bibliográfico traz então para o diálogo escritores contemporâneos como Sant anna (2006), Vaz (1999, 2004), Soares (2006) e Bento (2013) para realizar uma análise crítica e reflexiva sobre os conceitos hodiernos de corpo, os valores das práticas esportivas e de lazer, de forma a defender uma intervenção profissional em Educação Física mais crítica e consciente. Revisão de literatura Os poderes dominantes das sociedades, desde a antiguidade clássica, ambicionam controlar e governar os corpos por intermédio de uma série de conhecimentos, técnicas e discursos (SANT ANNA, 2006; VAZ, 1999). Atualmente, vários autores contemporâneos (VAZ, 1999; LÜDORF, 2009, FRAGA, 2006; GALLO, 2006; ODILON, 2015) vêm denunciando existir na essência do contemporâneo culto ao corpo saudável e belo, um poder difuso, que longe de ser sutil, imprime um macrodiscurso (LÜDORF, 2004) da vida ativa e esportiva.

3 3 Gallo (2006) se refere ao controle dos corpos nessa atual configuração de sociedade de controle, que transcendeu os dispositivos disciplinares (FOUCAULT, 1977 apud FRAGA, 2006), como: uma forma de controle-estimulação, de forma que, quanto mais estimulados, quanto mais ativados, paradoxalmente mais controlados estarão os corpos (p.27). Nessa perspectiva biopolítica, envolvendo governo e controle dos corpos pelo poder nas sociedades pós-modernas, diversas instituições contemporâneas como a(s): imprensas, televisão, mídias virtuais, academias de ginástica, escolas, clubes esportivos, clínicas, nos bombardeiam de informações, ditando os mais eficazes exercícios e atividades desportivas, estando estes vinculados às únicas possibilidades de se bem viver, com fins mercadológicos e sanitaristas nem sempre explícitos. Para ilustrar a existência dos fenômenos hodiernos, um estudo que se propôs a observar três perfis femininos dentre os dez mais populares da categoria fitness no Instagram (BATISTA e RODRIGUES, 2014), demonstra como esse poder extremamente difuso sobre o corpo na contemporaneidade, se manifesta pulverizado, através de várias formas e de vários meios (LÜDORF, 2009; TEVES, 2000). Os autores do estudo verificaram por meio de publicações dessas três mulheres, que são ídolos virtuais e possuem milhares de seguidores, um padrão nessas em aparentarem-se felizes, por meio de postagens de várias fotos dos seus corpos sarados e desnudos, vinculados a mensagens explícitas que priorizam o foco nos exercícios físicos, e reprovam às atitudes que fogem do padrão fitness, tal patamar de felicidade veiculado por essas personalidades públicas, que são exemplos para inúmeras pessoas, se encontra condicionado à obrigação de ser vitorioso (a) no mundo fitness. No mesmo contexto, Hansen e Vaz (2004) refletem a relação entre o universo esportivo, resultado, mundo fitness e idolatria: No universo esportivo tornam-se ídolos aqueles que quebram recordes, vencem um número significativo de provas, ganham medalhas importantes. Toda uma preparação, com treinos periodizados de maneira especial, é devotada para a fase final e mais importante de cada competição. Uma estrutura semelhante encontramos no mundo do fitness, no qual a idolatria é concedida aos sarados e às gostosas, ou seja, àqueles que são vistos como vitoriosos na corrida pelo delineamento corporal. (p.144) Se por um lado tais fenômenos democratizam a prática desportiva, por outro demonstra fruto de mecanismos cada vez mais fortes de dominação entre as diferentes classes sociais (TEVES, 2000, p.192). Essa relação entre mídia, corpo, esporte, é

4 4 também facilmente encontrada nas propagandas midiáticas, quando imagens de belos atletas aparecem vendendo, ou usando uma variedade de produtos esportivos, com sedutores invólucros, passando com isso uma imagem corporal saudável, bela, competente (TEVES, 2000). Exaltam-se os padrões de normalidade, o combate ao sedentarismo, através de uma busca infindável pela estética corporal, construindo-se nas massas ideais de beleza, de atleta, e de esporte (MENDES; MELO, 2010; TEVES, 2010). Ao relacionar o culto ao corpo à promoção das atividades físicas com esse fim pelas instituições midiáticas, Soares (2006) questiona se não seria fascista esse discurso do corpo malhado que é vomitado pelos meios de comunicação de massas diuturnamente, nos instigando a refletir sobre a veiculação desse pensamento atual do corpo esculpido, que pela sua tendência egocêntrica, desrespeita e não representa a pluralidade humana, reproduzindo assim, um caminho, único e idealizado para ser feliz, e, consequentemente, saudável. A negligência desses pontos por parte desses meios promove uma insalubre busca desenfreada de um ideal que deve ser singular a todos, indistintamente (TEVES, 2000, ANZAI, 2000; BATISTA e RODRIGUES, 2014). A repetição de imperativos como: seja sempre jovem (SANT ANNA, 2006), na esteira do vômito diuturno midiático, ignora o respeito de cada um para consigo próprio e para com os outros, atribuindo, enfim, a imagem da beleza e a busca pela juventude um patamar bem elevado se comparado aos outros valores humanos. Ao interrogar a finalidade desses seres que são feitos de montanha de músculos, numa sociedade que prescinde cada vez mais de força muscular, Soares (2006) denota, finalmente, o esclarecimento de que há um narcisismo contemporâneo nas sociedades, e que a imagem difundida é mais validada do que a própria existência (BATISTA e RODRIGUES, 2014, p.4). O onipresente discurso da vida ativa (FRAGA, 2006), vinculado a imperativos estéticos, promessas de autonomia, felicidade e saúde, contaminam, com seus objetivos de padronização, os mais diversos cenários. O sentido das práticas desportivas, como já citado, é um deles, que vem sendo afetado de modo impactante e alarmante. Esse sentido, desde sempre perpassado e moldado por mudanças complexas da sociedade referentes ao poder, às instituições sociais e as tecnologias, adquire, constantemente, diferentes significações no imaginário coletivo em função de tais metamorfoses sociais. Porém, através da história da Educação Física e dos esportes, nota-se que tais práticas, mesmo

5 5 com suas reformulações complexas, desde os primórdios da humanidade, estão intrinsecamente ligadas à busca do ser humano por estética corporal, saúde e ludicidade (OLIVEIRA, 1983). Para reafirmar esse fato, Bento (2013, p.80) observa que: As formas de jogo e exercitação, percussoras do desporto e praticadas nas diferentes épocas e contextos históricos e civilizacionais, foram sempre instrumentalizadas para cumprir uma larga panóplia de finalidades muito díspares, incluindo as do corpo e da saúde. A popularização de conhecimentos metodológicos oriundos do treinamento esportivo, facilmente encontrados nas mídias e instituições já citadas, afetam as pessoas não atletas, que acabam iniciando uma cultura desportiva, promovendo treinamentos que encarnam potência, força e ausência de limites, questões tão caras à cultura contemporânea (HANSEN e VAZ, 2004, p.146) repercutindo, em inúmeros casos, nos já mencionados problemas de saúde. Nessa busca incansável, por vezes obsessiva, trilhada por meio de uma árdua rotina de exercícios, de superação de limites em nome de contornos corporais concebidos como ideais para a estética e a saúde (HANSEN e VAZ, 2004), são considerados moralmente superiores aqueles que praticam atividades físicas e desportivas de forma religiosa, formal, sacrificial, como uma obrigação que deve ser cumprida sistematicamente, vigiada constantemente pelos outros, e principalmente por si mesmo (SOARES, 2006; TEVES, 2000; VAZ, 1999). Atado a tais ideais de superação, domínio do corpo, formalidade, e principalmente de religião, o treinamento desportivo segundo Hansen e Vaz (2004) nos: remete a uma das utopias mais antigas, a imortalidade pela tentativa de superação infinita dos limites humanos, pela expectativa de glória eterna ou pela simples perspectiva de uma vida mais longeva - é pelo treinamento que se pode pensar em torná-la possível. (p.141) As práticas corporais como a musculação, assim como as mais diversas modalidades de ginástica, segundo Hansen e Vaz (2004), também passam por um processo de esportivização nesse mesmo contexto de sacrifício e vigilância. Segundo os autores: tais semelhanças com as modalidades esportivas podem ser evidenciadas na grande dedicação de tempo, nos sacrifícios autoimpostos e ainda na vigilância do corpo pelas balanças, adipômetros, fitas métricas e, no caso das academias de ginástica e musculação, essencialmente pelos espelhos (p.136). Em prol desses ideais ambicionados e veiculados, ainda de acordo com Hansen e Vaz (2004), conclui-se que as pessoas comuns, atualmente, são informadas e motivadas

6 6 a substituir as atividades físicas e desportivas por verdadeiros programas de treinamento. Logo, as atividades físicas e desportivas não são passíveis de escolha, possuem caráter obrigatório, formal e sacrificial tornando-se, assim, cada vez mais ambígua sua classificação e caracterização enquanto atividades prazerosas, espontâneas e de lazer (ODILON, 2015). Marcellino (2000) ao conceber as atividades de lazer de um modo totalizante, entende que independente de sua natureza, tais atividades vêm tendo sua essência deturpada, pois sendo interpretadas como atividades de esfera permitida e controlada na vida social, através de pressupostos racionalistas, provocam a morte do lúdico e do prazer. O lúdico no contexto da racionalização e da intelectualização das práticas desportivas acaba padecendo completamente, ou então ficando em "segundo plano". A ludicidade é também evitada, pois comumente, aparenta ser um fenômeno restrito a infância, ou uma irresponsável "perca de tempo". Há um entendimento de que as pessoas adultas devem se preocupar com coisas sérias, consideradas produtivas. O fato de vivermos em uma sociedade cada vez mais esportivizada, impregnada pelo princípio do rendimento, condicionam a distorção de tais interpretações (GOMES, 2004 apud MENDES e MELO, 2010; VAZ, 1999). Kunz (2009, p.29) considera problemático para o esporte, e para os praticantes dessas e de outras manifestações humanas, que tais atividades "sejam, de certo modo, 'intelectualizadas' pelos profissionais, pela ciência e pelos próprios praticantes do esporte". Adotar uma rotina de exercícios físicos ou desportivos compulsivamente, ditados por modismos, como denotador de status, vinculado a esse impactante teor de produtividade, acaba fazendo com que se valorize a performance e o produto ao invés do processo de vivência que lhe dá origem, caracterizando tais práticas saudáveis da mesma forma alienante verificada em outras áreas de atividade humana (MARCELLINO, 2000). Assim, as práticas desportivas atreladas ao desejo de rendimento, de produtividade, segundo Vaz (2009, p.93) trazem a preocupação com uma precisão cada vez maior na análise, traduzida, via de regra, em linguagem matemática, em números que possam comparar grandezas em sua possível equivalência, alterando com isso a especificidade e o sentido da experiência vivida, soterrando o prazer de movimentar-se, em praticar exercícios, pelos supostos resultados dessa movimentação, pois nessa perspectiva, os exercícios físicos não têm mais fins em si mesmo, sendo por vezes vistos até como uma intervenção não medicamentosa em prol da saúde (FRAGA, 2006; ODILON, 2015).

7 7 Pistas para intervenção profissional que rompa com o irrefletido culto as formas O projeto de disciplinar e encaixotar (ODILON, 2015) os corpos por meio de atividades físicas e desportivas, para alcançar o ser ideal, esportivo, é uma ideia que apesar de não ser nova (SOARES, 2006; BENTO, 2013), adquiriu, progressivamente, uma importância surreal na vida da população em geral, um espaço inédito na mídia, e uma consolidada banalização no cotidiano das grandes e pequenas cidades, pelos pontos estéticos e higiênicos já supracitados, acarretando um implícito detrimento da ludicidade, tão característica de tais práticas. Assim, como comentamos anteriormente, tais condutas esportivas acabaram se tornando obsessões desportivas, o que, por não raras vezes, repercute em consequências seriamente desastrosas a seus praticantes, de faixas etárias distintas, como: lesões, esgotamento físico e psicológico, distúrbios de imagem corporal, transtornos alimentares, utilização de anabolizantes, etc (SANT ANNA, 2006; PAULA, 2014, ODILON, 2015). Outras possibilidades para professores de Educação Física compreenderem o corpo e as práticas esportivas/lazer na pós-modernidade estão sendo propostas por diversos pesquisadores que anunciam e denunciam a necessidade de romper com as práticas que criticamos ao decorrer da revisão bibliográfica. Neste sentido, destacamos a proposta de Corpos Anárquicos e Corpos extra-vagantes do coletivo do NISE (Núcleo de Educação Somaestética) da UFC (Cavalcante Junior, 2014, 2015). Romper modelos, romper formas que padronizam e excluem tanto nas práticas de lazer, quanto esportivas. Ao invés de priorizar as obsessões desportivas, podemos convidar as pessoas as experimentações esportivas. A viver diferentes experiências de movimento, ampliando tempos e espaços, desmecanizando os gestos. Os profissionais/professores de Educação Física, precisam transcender os já conhecidos modelos pedagógicos tradicionais da área, que tendem a abordar as temáticas corpo/esporte de forma tecnicista, cartesiana e verticalizada. Há uma vasta literatura que dialoga sobre possíveis intervenções inovadoras, adequadas aos novos paradigmas de nossa sociedade pós-moderna, tendo em vista que há uma busca em tornar as intervenções pedagógicas mais coerentes em relação às rápidas e imprevisíveis mudanças sociais, sendo esse movimento uma constante que vem acontecendo em todas as áreas do conhecimento.

8 8 A área da Educação Física também vem sendo, constantemente, reformulada e teorizada, tendo em vista que a partir de transformações do macro para o micro, a visualização dos sujeitos em relação ao que é corpo, ser corpo, e realizar práticas desportivas também estão passíveis de reinterpretações, e os profissionais precisam estar preparados para esse novo contexto amplo atual. Alguns estudiosos da área da Educação Física, observam e dialogam sobre a necessidade de que o profissional em Educação Física se torne lúcido, consciente e crítico em relação às problemáticas que cercam as práticas corporais, especialmente as práticas esportivas. Tais estudiosos propõem que ele possa intervir em sua atuação profissional mediando conhecimentos não apenas sobre regras, conceitos técnico-táticos, mecanização e aperfeiçoamento dos movimentos, mas sim de forma humanizada, a fim de que os alunos entendam a complexidade dos benefícios que tais práticas podem propiciar aos seus praticantes, na eminência de desconstruir a já denunciada distorção que as práticas corporais desportivas veiculadas pelos canais midiáticos de informação. Considerações finais O professor de Educação Física, independente do campo de intervenção deve superar os discursos midiáticos e mercadológicos, deve ir além da intervenção técnica para dialogar sobre o entendimento de corpo de seus alunos, tornando-os sujeitos críticos e motivados às práticas mais conscientes, humanizadas, e autenticamente saudáveis, superando significados e sentidos oriundos do senso comum. Além disso, defende-se a necessidade de valorizar a individualidade, sem buscar saúde num modelo externo a si. A perspectiva do autocuidado deve ser priorizada, no lugar de buscas estéticas e funcionalistas. Cabe aos professionais da Educação Física, tanto nas práticas esportivas, quanto de lazer, colaborarem para a expressão sensível, livre e autêntica. Ao colaborar que as pessoas não se deixem corromper pela padronização e automatismo, abre-se possibilidade de experiências mais singulares e estésicas. Ao não ceder ao domínio dos modelos midiáticos, outras formas de relacionar com as formas do corpo, podem surgir. Não podemos ser adeptos do embrutecimento pelo movimento, temos que atuar e formar profissionais que atuem para a plasticidade poética do mover-se. Isso implica ainda numa outra compreensão de saúde que não profilática e higiênica. Uma dimensão

9 9 de saúde multifatorial, na qual o peso que temos ou a definição muscular que alcançamos, é um pequeno detalhe do que somos. Este artigo traz alguns elementos reflexivos sobre o culto ao corpo na contemporaneidade e aponta pistas para a intervenção profissional em Educação Física. Esta temática é ampla e nos convoca a permanente investigação. Nos convoca também a (re)avaliar quais os conhecimentos estamos ofertando nos cursos de formação de forma a romper com a hegemonia midiática. Referências ANZAI, K. O corpo enquanto objeto de consumo. Revista Brasileira de Ciência do Esporte, Campinas, v.21, n.2-3, p.71-6, BENTO, J. O. (2013) Desporto: discurso e substância. Belo Horizonte: Instituto Casa da Educação Física/UNICAMP Centro de Estudos Avançados Coleção CEAv Esporte. CAVALCANTE JUNIOR, F. S. (Org). Corpos anárquicos. 1ed. Curitiba, PR: CRV, (Org). Corpos extra-vagantes. 1ed. Curitiba, PR: CRV, FRAGA, A. B. Exercício da informação: governo dos corpos o mercado da vida ativa. Campinas: Autores Associados, GALLO, S. Corpo ativo e filosofia. In: MOREIRA, Wagner Wey (org.). Século XXI: a era do corpo ativo. Campinas: Papirus, HANSEN, R.; VAZ, A. F. Treino, culto e embelezamento do corpo: um estudo em academias de ginástica e musculação. RCBCE, Campinas, v. 26, n. 1, p , set./2004. KUNZ, E. Esporte: uma abordagem fenomenológica. In: STIGGER, M.P.; LOVISOLO, H.R. (Orgs.). Esporte de rendimento e esporte na escola. Campinas: Autores Associados, p LÜDORF, S.M.A. Corpo e formação de professores. Interface (Botucatu), v.13, n.28, p , MARCELLINO, N. C. Estudos do lazer: uma introdução. 2. ed., ampl. Campinas, SP: Autores Associados, 2000.

10 10 MENDES, M.I.B.S.; MELO, J.P.. Notas sobre corpo, saúde e ludicidade. In: MENDES, M.I.B.S.; OLIVEIRA, M.V de Faria. (Org.). Cenários lúdicos em unidades de saúde da família. 1 ed. Natal: Editora do IFRN, 2010, v.1, p OLIVEIRA, V. M. O que é Educação Física. São Paulo. Brasiliense, PAULA, A. I. de. A imagem corporal e a tão propalada padronização do corpo belomagro-forte. In: Cavalcante Jr, Francisco Silva (Org.). Corpos anárquicos. 1.ed. Curitiba/PR: CRV, 2014, v.1, p ROBLE, O. J. Experiência do movimento como prática de flanerie: poéticas de corpos extra-vagantes. In: Cavalcante Jr., Francisco Silva. (Org.). Corpos extra-vagantes. 1.ed. Curitiba; CRV, 2015, v.1, p SANTANNA, D. B. de. É possível realizar uma história do corpo? In: SOARES, C. L. (Org.). Corpo e história. 3.ed. Campinas: Autores Associados, SOARES, C. Corpo, conhecimento e educação: notas esparsas. In: SOARES, Carmen (Org.). Corpo e história. 3.ed. Campinas: Autores Associados, TEVES, N. Corpo e esporte: símbolos da sociedade contemporânea. In: MOREIRA, W. W; SIMÕES, R. (Org). Fenômeno Esportivo no início de um novo milênio. Piracicaba: UNIMEP, VAZ, A.F. Treinar o corpo, dominar a natureza. Notas para uma análise do esporte com base no treinamento corporal. Cadernos Cedes. Ano XIX, n. 48, p , agosto 1999

PRÁTICA EDUCATIVA EM EDUCAÇÃO FÍSICA: A CONTRIBUIÇÃO DAS ÁREAS DE ESTUDO E SUAS RELAÇÕES COM O TRABALHO DOCENTE

PRÁTICA EDUCATIVA EM EDUCAÇÃO FÍSICA: A CONTRIBUIÇÃO DAS ÁREAS DE ESTUDO E SUAS RELAÇÕES COM O TRABALHO DOCENTE PRÁTICA EDUCATIVA EM EDUCAÇÃO FÍSICA: A CONTRIBUIÇÃO DAS ÁREAS DE ESTUDO E SUAS RELAÇÕES COM O TRABALHO DOCENTE RESUMO Leandro Pedro de Oliveira José Rubens de Lima Jardilino (orientador) Este trabalho

Leia mais

CORPO FEMININO E DETERMINAÇÕES DA INDÚSTRIA CULTURAL: CONTRIBUIÇÕES DA PSICOLOGIA SOCIAL Bruna Trevizoli Ferraz Lobo 1

CORPO FEMININO E DETERMINAÇÕES DA INDÚSTRIA CULTURAL: CONTRIBUIÇÕES DA PSICOLOGIA SOCIAL Bruna Trevizoli Ferraz Lobo 1 CORPO FEMININO E DETERMINAÇÕES DA INDÚSTRIA CULTURAL: CONTRIBUIÇÕES DA PSICOLOGIA SOCIAL Bruna Trevizoli Ferraz Lobo 1 (Orientador) Profa. Dra. Tatiana Machiavelli Carmo Souza 2 RESUMO O presente trabalho

Leia mais

Ministério do Esporte

Ministério do Esporte A CULTURA CORPORAL DO MOVIMENTO HUMANO E O ESPORTE EDUCACIONAL Ministério do Esporte OBJETIVOS: 1. Reivindicar e demarcar as fronteiras da cultura corporal do movimento humano (CCMH) como um espaço próprio

Leia mais

Abordagens pedagógicas no ensino de Educação Física. Prof.ª Sara Caixeta

Abordagens pedagógicas no ensino de Educação Física. Prof.ª Sara Caixeta Abordagens pedagógicas no ensino de Educação Física Prof.ª Sara Caixeta Objetivo: Conhecer as diferentes tendências e abordagens pedagógicas da Educação física Brasileira identificando seus fundamentos

Leia mais

UNIVERSIDADE FEDERAL DE GOIÁS CENTRO DE ENSINO E PESQUISA APLICADA À EDUCAÇÃO ÁREA DE COMUNICAÇÃO PROGRAMA DE ENSINO DE EDUCAÇÃO FÍSICA - 2012

UNIVERSIDADE FEDERAL DE GOIÁS CENTRO DE ENSINO E PESQUISA APLICADA À EDUCAÇÃO ÁREA DE COMUNICAÇÃO PROGRAMA DE ENSINO DE EDUCAÇÃO FÍSICA - 2012 UNIVERSIDADE FEDERAL DE GOIÁS CENTRO DE ENSINO E PESQUISA APLICADA À EDUCAÇÃO ÁREA DE COMUNICAÇÃO PROGRAMA DE ENSINO DE EDUCAÇÃO FÍSICA - 2012 7 ANO TURMAS A e B Prof. Alexandre Magno Guimarães Ementa:

Leia mais

O trabalho pedagógico da Educação Física no Ensino Médio profissionalizante no IFG-Uruaçu

O trabalho pedagógico da Educação Física no Ensino Médio profissionalizante no IFG-Uruaçu GTT: Escola O trabalho pedagógico da Educação Física no Ensino Médio profissionalizante no IFG-Uruaçu Almir Zandoná Júnior 1 Fernando Henrique Silva Carneiro 2 Justificativa/Base teórica A entrada da Educação

Leia mais

Edital Nº. 04/2009-DIGPE 10 de maio de 2009

Edital Nº. 04/2009-DIGPE 10 de maio de 2009 Caderno de Provas EDUCAÇÃO FÍSICA Edital Nº. 04/2009-DIGPE 10 de maio de 2009 INSTRUÇÕES GERAIS PARA A REALIZAÇÃO DA PROVA Use apenas caneta esferográfica azul ou preta. Escreva o seu nome completo e o

Leia mais

CONTEÚDOS REFERENCIAIS PARA O ENSINO MÉDIO

CONTEÚDOS REFERENCIAIS PARA O ENSINO MÉDIO CONTEÚDOS REFERENCIAIS PARA O ENSINO MÉDIO Área de Conhecimento: Linguagens Componente Curricular: Educação Física Ementa A Educação Física no Ensino Médio tratará da cultura corporal, sistematicamente

Leia mais

CULTURA JOVEM E NARRATIVA PUBLICITÁRIA: UM ESTUDO SOBRE ANÚNCIOS DE CIGARRO DAS DÉCADAS DE 1960/1970

CULTURA JOVEM E NARRATIVA PUBLICITÁRIA: UM ESTUDO SOBRE ANÚNCIOS DE CIGARRO DAS DÉCADAS DE 1960/1970 Departamento de Comunicação Social CULTURA JOVEM E NARRATIVA PUBLICITÁRIA: UM ESTUDO SOBRE ANÚNCIOS DE CIGARRO DAS DÉCADAS DE 1960/1970 Aluno: Juliana Cintra Orientador: Everardo Rocha Introdução A publicidade

Leia mais

Formação de Professores: um diálogo com Rousseau e Foucault

Formação de Professores: um diálogo com Rousseau e Foucault Formação de Professores: um diálogo com Rousseau e Foucault Eixo temático 2: Formação de Professores e Cultura Digital Vicentina Oliveira Santos Lima 1 A grande importância do pensamento de Rousseau na

Leia mais

JOGOS ESCOLARES E ESPORTE: DITANDO AS REGRAS PARA A EDUCAÇÃO FÍSICA ESCOLAR?

JOGOS ESCOLARES E ESPORTE: DITANDO AS REGRAS PARA A EDUCAÇÃO FÍSICA ESCOLAR? RESUMO JOGOS ESCOLARES E ESPORTE: DITANDO AS REGRAS PARA A EDUCAÇÃO FÍSICA ESCOLAR? Luís César Souza 1 Letícia de Queiroz Rezende 2 Ricardo Tavares de Oliveira 3 A presente pesquisa é realizada dentro

Leia mais

CONGRESSO CARIOCA DE EDUCAÇÃO FÍSICA 2º FEP RJ ABERTURA DO FÓRUM: CONTEXTO GERAL DA EDUCAÇÃO FÍSICA ESCOLAR

CONGRESSO CARIOCA DE EDUCAÇÃO FÍSICA 2º FEP RJ ABERTURA DO FÓRUM: CONTEXTO GERAL DA EDUCAÇÃO FÍSICA ESCOLAR CONGRESSO CARIOCA DE EDUCAÇÃO FÍSICA 2º FEP RJ ABERTURA DO FÓRUM: CONTEXTO GERAL DA EDUCAÇÃO FÍSICA ESCOLAR Acreditamos ser relevante abordar de forma rápida o contexto atual da Educação Física Escolar

Leia mais

ARTES CIRCENSES E EDUCAÇÃO FÍSICA: APROXIMAÇÕES POSSÍVEIS

ARTES CIRCENSES E EDUCAÇÃO FÍSICA: APROXIMAÇÕES POSSÍVEIS 1 ARTES CIRCENSES E EDUCAÇÃO FÍSICA: APROXIMAÇÕES POSSÍVEIS Kárita Cabral Machado FEF/UFG RESUMO O objetivo do presente estudo foi identificar a relação entre a educação física e as artes circenses, do

Leia mais

Palavras-chave: Representação. Homem. Publicidade. Semântica Argumentativa.

Palavras-chave: Representação. Homem. Publicidade. Semântica Argumentativa. REPRESENTAÇÃO MASCULINA NA PUBLICIDADE BRASILEIRA: UM ESTUDO SEMÂNTICO-ARGUMENTATIVO Maria Eliane Gomes Morais (PPGFP-UEPB) Linduarte Pereira Rodrigues (DLA/PPGFP-UEPB) Resumo: A publicidade, assim como

Leia mais

MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO SECRETARIA DE EDUCAÇÃO PROFISSIONAL E TECNOLÓGICA INSTITUTO FEDERAL DE EDUCAÇÃO, CIÊNCIA E TECNOLOGIA GOIANO

MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO SECRETARIA DE EDUCAÇÃO PROFISSIONAL E TECNOLÓGICA INSTITUTO FEDERAL DE EDUCAÇÃO, CIÊNCIA E TECNOLOGIA GOIANO MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO SECRETARIA DE EDUCAÇÃO PROFISSIONAL E TECNOLÓGICA INSTITUTO FEDERAL DE EDUCAÇÃO, CIÊNCIA E TECNOLOGIA GOIANO PROJETO DE ETENSÃO CÂMPUS: Campos Belos ANO DE EECUÇÃO: 2015 LINHAS DE

Leia mais

O PERMEAR HISTÓRICO DA EDUCAÇÃO FÍSICA E SEUS DESAFIOS ATUAIS. MORAIS, Suzianne 1 VILLELA, Pollyana 2

O PERMEAR HISTÓRICO DA EDUCAÇÃO FÍSICA E SEUS DESAFIOS ATUAIS. MORAIS, Suzianne 1 VILLELA, Pollyana 2 O PERMEAR HISTÓRICO DA EDUCAÇÃO FÍSICA E SEUS DESAFIOS ATUAIS MORAIS, Suzianne 1 VILLELA, Pollyana 2 RESUMO: Este trabalho tem como propósito apresentar e analisar o percurso histórico e cultural que a

Leia mais

PROJETO POLÍTICO PEDAGÓGICO NA ESCOLA DE ENSINO MÉDIO DE TEMPO INTEGRAL EM GOIÁS: QUAL PERSPECTIVA?

PROJETO POLÍTICO PEDAGÓGICO NA ESCOLA DE ENSINO MÉDIO DE TEMPO INTEGRAL EM GOIÁS: QUAL PERSPECTIVA? PROJETO POLÍTICO PEDAGÓGICO NA ESCOLA DE ENSINO MÉDIO DE TEMPO INTEGRAL EM GOIÁS: QUAL PERSPECTIVA? Jemis Sabrina Alves de Oliveira 1 Valdirene Alves de Oliveira 2 Resumo: O presente artigo pretende discutir

Leia mais

PROJETO PEDAGÓGICO DO ENSINO FUNDAMENTAL E MÉDIO

PROJETO PEDAGÓGICO DO ENSINO FUNDAMENTAL E MÉDIO PROJETO PEDAGÓGICO DO ENSINO FUNDAMENTAL E MÉDIO APRESENTAÇÃO O Projeto Político Pedagógico da Escola foi elaborado com a participação da comunidade escolar, professores e funcionários, voltada para a

Leia mais

pontuação Discursiva 02 questões 15 pontos 30 pontos Múltipla escolha 25 questões 2,8 pontos 70 pontos

pontuação Discursiva 02 questões 15 pontos 30 pontos Múltipla escolha 25 questões 2,8 pontos 70 pontos Caderno de Provas EDUCAÇÃO FÍSICA Edital Nº. 36/2011 REITORIA/IFRN 29 de janeiro de 2012 INSTRUÇÕES GERAIS PARA A REALIZAÇÃO DA PROVA Use apenas caneta esferográfica azul ou preta. Escreva o seu nome completo

Leia mais

A ABORDAGEM DO ESPORTE NA EDUCAÇÃO FÍSICA ESCOLAR: UMA ANÁLISE DO CONTEXTO

A ABORDAGEM DO ESPORTE NA EDUCAÇÃO FÍSICA ESCOLAR: UMA ANÁLISE DO CONTEXTO A ABORDAGEM DO ESPORTE NA EDUCAÇÃO FÍSICA ESCOLAR: UMA ANÁLISE DO CONTEXTO SEDORKO, Clóvis Marcelo (UEPG) FINCK, Silvia Christina Madrid (UEPG) A hegemonia do esporte na Educação Física Escolar A disciplina

Leia mais

SÓ ABRA QUANDO AUTORIZADO

SÓ ABRA QUANDO AUTORIZADO MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO SECRETARIA DE EDUCAÇÃO PROFISSIONAL E TECNOLÓGICA INSTITUTO FEDERAL DE EDUCAÇÃO, CIÊNCIA E TECNOLOGIA DE MINAS GERAIS CÂMPUS CONGONHAS CONCURSO PÚBLICO DE PROVAS E TÍTULOS EDITAL

Leia mais

Grupo de Trabalho: Temas Livres

Grupo de Trabalho: Temas Livres ATIVIDADE FÍSICA, LAZER E SAÚDE NA ADOLESCÊNCIA: POSSÍVEIS APROXIMAÇÕES Alipio Rodrigues Pines Junior (alipio.rodrigues@gmail.com) Grupo Interdisciplinar de Estudos do Lazer - GIEL/USP/CNPq Tiago Aquino

Leia mais

PIBID E O DESAFIO DA EDUCAÇÃO FÍSICA ESCOLAR: QUAL METODOLOGIA DEVE SER UTILIZADA NAS AULAS?

PIBID E O DESAFIO DA EDUCAÇÃO FÍSICA ESCOLAR: QUAL METODOLOGIA DEVE SER UTILIZADA NAS AULAS? 11. CONEX Apresentação Oral Resumo Expandido 1 ÁREA TEMÁTICA: ( ) COMUNICAÇÃO ( ) CULTURA ( ) DIREITOS HUMANOS E JUSTIÇA ( x ) EDUCAÇÃO ( ) MEIO AMBIENTE ( ) SAÚDE ( ) TRABALHO ( ) TECNOLOGIA PIBID E O

Leia mais

POESIA PRA QUÊ TE QUERO? UMA PERSPECTIVA DO TRABALHO COM POESIA NAS SÉRIES INICIAIS DO ENSINO FUNDAMENTAL

POESIA PRA QUÊ TE QUERO? UMA PERSPECTIVA DO TRABALHO COM POESIA NAS SÉRIES INICIAIS DO ENSINO FUNDAMENTAL POESIA PRA QUÊ TE QUERO? UMA PERSPECTIVA DO TRABALHO COM POESIA NAS SÉRIES INICIAIS DO ENSINO FUNDAMENTAL Rita de Cássia Rangel Alves Rita.alves_2007@hotmail.com Paula Sabrina Barbosa de Albuquerque Paulasabrina.ba@hotmail.com

Leia mais

Rede Jovem de Cidadania, programa de TV de Acesso público. Alexia Melo. Clebin Quirino. Michel Brasil. Gracielle Fonseca. Rafaela Lima.

Rede Jovem de Cidadania, programa de TV de Acesso público. Alexia Melo. Clebin Quirino. Michel Brasil. Gracielle Fonseca. Rafaela Lima. Rede Jovem de Cidadania, programa de TV de Acesso público Alexia Melo Clebin Quirino Michel Brasil Gracielle Fonseca Rafaela Lima Satiro Saone O projeto Rede Jovem de Cidadania é uma iniciativa da Associação

Leia mais

Produção de vídeos pelos Educandos da Educação Básica: um meio de relacionar o conhecimento matemático e o cotidiano

Produção de vídeos pelos Educandos da Educação Básica: um meio de relacionar o conhecimento matemático e o cotidiano Produção de vídeos pelos Educandos da Educação Básica: um meio de relacionar o conhecimento matemático e o cotidiano SANTANA, Ludmylla Siqueira 1 RIBEIRO, José Pedro Machado 2 SOUZA, Roberto Barcelos 2

Leia mais

EDUCADOR INFANTIL E O PROCESSO FORMATIVO NA CONSTRUÇÃO DE ATORES REFLEXIVOS DA PRÁTICA PEDAGÓGICA

EDUCADOR INFANTIL E O PROCESSO FORMATIVO NA CONSTRUÇÃO DE ATORES REFLEXIVOS DA PRÁTICA PEDAGÓGICA GT-1 FORMAÇÃO DE PROFESSORES EDUCADOR INFANTIL E O PROCESSO FORMATIVO NA CONSTRUÇÃO DE ATORES REFLEXIVOS DA PRÁTICA PEDAGÓGICA RESUMO Maria de Lourdes Cirne Diniz Profa. Ms. PARFOR E-mail: lourdinhacdiniz@oi.com.br

Leia mais

VIVENCIANDO ATIVIDADE DE EXTENSÃO NUMA COMUNIDADE CARENTE ATRAVÉS DA CONSULTA DE ENFERMAGEM À MULHERES 1

VIVENCIANDO ATIVIDADE DE EXTENSÃO NUMA COMUNIDADE CARENTE ATRAVÉS DA CONSULTA DE ENFERMAGEM À MULHERES 1 1 VIVENCIANDO ATIVIDADE DE EXTENSÃO NUMA COMUNIDADE CARENTE ATRAVÉS DA CONSULTA DE ENFERMAGEM À MULHERES 1 Anna Maria de Oliveira Salimena 2 Maria Carmen Simões Cardoso de Melo 3 Ívis Emília de Oliveira

Leia mais

A SATISFAÇÃO DA APARÊNCIA CORPORAL MASCULINA: UMA REVISÃO BIBLIOGRÁFICA

A SATISFAÇÃO DA APARÊNCIA CORPORAL MASCULINA: UMA REVISÃO BIBLIOGRÁFICA A SATISFAÇÃO DA APARÊNCIA CORPORAL MASCULINA: UMA REVISÃO BIBLIOGRÁFICA Emília Amélia Pinto Costa da Silva;Priscilla Pinto Costa da Silva; Petrucio Venceslau de Moura;Talita Grazielle Pires de Carvalho;

Leia mais

Elvira Cristina de Azevedo Souza Lima' A Utilização do Jogo na Pré-Escola

Elvira Cristina de Azevedo Souza Lima' A Utilização do Jogo na Pré-Escola Elvira Cristina de Azevedo Souza Lima' A Utilização do Jogo na Pré-Escola Brincar é fonte de lazer, mas é, simultaneamente, fonte de conhecimento; é esta dupla natureza que nos leva a considerar o brincar

Leia mais

Esporte como fator de inclusão de jovens na sociedade FGR: Gustavo:

Esporte como fator de inclusão de jovens na sociedade FGR: Gustavo: Esporte como fator de inclusão de jovens na sociedade Entrevista cedida à FGR em Revista por Gustavo de Faria Dias Corrêa, Secretário de Estado de Esportes e da Juventude de Minas Gerais. FGR: A Secretaria

Leia mais

EVASÃO ESCOLAR DE ALUNOS TRABALHADORES NA EJA

EVASÃO ESCOLAR DE ALUNOS TRABALHADORES NA EJA EVASÃO ESCOLAR DE ALUNOS TRABALHADORES NA EJA OLIVEIRA, Paula Cristina Silva de Faculdade de Educação/UFMG EITERER, Carmem Lúcia. (Orientadora) Faculdade de Educação/UFMG RESUMO: Este é um trabalho de

Leia mais

COMPRE AQUI E MORE BEM : A LINGUAGEM PUBLICITÁRIA E OS DISCURSOS DA PROPAGANDA IMOBILIÁRIA

COMPRE AQUI E MORE BEM : A LINGUAGEM PUBLICITÁRIA E OS DISCURSOS DA PROPAGANDA IMOBILIÁRIA COMPRE AQUI E MORE BEM : A LINGUAGEM PUBLICITÁRIA E OS DISCURSOS DA PROPAGANDA IMOBILIÁRIA Maria Eliane Gomes Morais (PPGFP-UEPB) Linduarte Pereira Rodrigues (DLA/PPGFP-UEPB) Resumo: Os textos publicitários

Leia mais

ALONGAMENTO: INVESTIGAÇÃO ENTRE

ALONGAMENTO: INVESTIGAÇÃO ENTRE ALONGAMENTO: INVESTIGAÇÃO ENTRE ACADÊMICOS DO CURSO DE EDUCAÇÃO FÍSICA DA REGIÃO DE CAMPINAS Marcy Garcia Ramos 1 João Gomes Tojal 2 1 Universidade Estadual de Campinas Departamento de Ciências do Esporte,

Leia mais

A CONSTRUÇÃO DO GÊNERO NA PRÁTICA DE MUSCULAÇÃO EM ACADEMIAS

A CONSTRUÇÃO DO GÊNERO NA PRÁTICA DE MUSCULAÇÃO EM ACADEMIAS A CONSTRUÇÃO DO GÊNERO NA PRÁTICA DE MUSCULAÇÃO EM ACADEMIAS Júlia Bellini Capelari* Cássia Cristina Furlan** Patrícia Lessa*** RESUMO: Neste artigo apresentamos uma análise dos discursos acerca do corpo

Leia mais

EMENTAS DAS DISCIPLINAS

EMENTAS DAS DISCIPLINAS EMENTAS DAS DISCIPLINAS CURSO DE GRADUAÇÃO EM EDUCAÇÃO FÍSICA LICENCIATURA FUNDAMENTOS DA EDUCAÇÃO FÍSICA Apresentação e contextualização da Educação Física e da cultura universitária em geral; Discussão

Leia mais

Educação Física Escolar: análise do cotidiano pedagógico e possibilidades de intervenção

Educação Física Escolar: análise do cotidiano pedagógico e possibilidades de intervenção Educação Física Escolar: análise do cotidiano pedagógico e possibilidades de intervenção Silvia Christina Madrid Finck E-mail: scmfinck@ uol.com.br Resumo: Este artigo refere-se ao projeto de pesquisa

Leia mais

DIMENSÕES PEDAGÓGICAS DAS ATIVIDADES COMPLEMENTARES NA EDUCAÇÃO FÍSICA ESCOLAR

DIMENSÕES PEDAGÓGICAS DAS ATIVIDADES COMPLEMENTARES NA EDUCAÇÃO FÍSICA ESCOLAR DIMENSÕES PEDAGÓGICAS DAS ATIVIDADES COMPLEMENTARES NA EDUCAÇÃO FÍSICA ESCOLAR Prof. Ms Alex.Pina de Almeida Escola de Educação Física e Desportos da UFRJ Professor Dr. Antonio Jorge Gonçalves Soares Faculdade

Leia mais

Procuramos verificar o que propõem alguns professores que ministram disciplinas relacionadas aos temas em questão nos cursos de licenciatura em

Procuramos verificar o que propõem alguns professores que ministram disciplinas relacionadas aos temas em questão nos cursos de licenciatura em A SISTEMATIZAÇÃO DOS CONTEÚDOS DA EDUCAÇÃO FÍSICA ESCOLAR RELACIONADA AOS TEMAS JOGOS E BRINCADEIRAS E CAPOEIRA, NA PERSPECTIVA DE DOCENTES DO ENSINO SUPERIOR André Barros Laércio Iório Luciana Venâncio

Leia mais

Educação ambiental crítica e a formação de professores de pedagogia em uma faculdade municipal no interior do estado de São Paulo

Educação ambiental crítica e a formação de professores de pedagogia em uma faculdade municipal no interior do estado de São Paulo Educação ambiental crítica e a formação de professores de pedagogia em uma faculdade municipal no interior do estado de São Paulo Eliane Aparecida Toledo Pinto Docente da Faculdade Municipal de Filosofia,

Leia mais

Faculdade de Arquitetura, Artes e Comunicação Câmpus de Bauru PLANO DE DISCIPLINA

Faculdade de Arquitetura, Artes e Comunicação Câmpus de Bauru PLANO DE DISCIPLINA PLANO DE DISCIPLINA 1. UNIDADE: Faculdade de Arquitetura, Artes e Comunicação 2. PROGRAMA: Pós-graduação em Televisão Digital: Informação e Conhecimento 3. NÍVEL: Mestrado Profissional 4. ÁREA DE CONCENTRAÇÃO:

Leia mais

A IMPORTÂNCIA DA EDUCAÇÃO FÍSICA PARA OS ALUNOS DO PRÉ VESTIBULAR: A VISÃO DE PROFESSORES DO TERCEIRO ANO DO ENSINO MÉDIO DE ESCOLAS DE FORTALEZA 1

A IMPORTÂNCIA DA EDUCAÇÃO FÍSICA PARA OS ALUNOS DO PRÉ VESTIBULAR: A VISÃO DE PROFESSORES DO TERCEIRO ANO DO ENSINO MÉDIO DE ESCOLAS DE FORTALEZA 1 1 A IMPORTÂNCIA DA EDUCAÇÃO FÍSICA PARA OS ALUNOS DO PRÉ VESTIBULAR: A VISÃO DE PROFESSORES DO TERCEIRO ANO DO ENSINO MÉDIO DE ESCOLAS DE FORTALEZA 1 Renata Pereira Moreira 2 Heraldo Simões Ferreira 3

Leia mais

Palavras-chave: Escola, Educação Física, Legitimidade e cultura corporal.

Palavras-chave: Escola, Educação Física, Legitimidade e cultura corporal. A ORGANIZAÇÃO DO TRABALHO PEDAGÓGICO DA EDUCAÇÃO FÍSICA NA ESCOLA MUNICIPAL RECANTO DO BOSQUE: LIMITES E POSSIBILIDADES PARA UMA INTERVENÇÃO PEDAGÓGICA A PARTIR DO SUBPROJETO DA EDUCAÇÃO FÍSICA DA ESEFFEGO/UEG.

Leia mais

O PERCURSO FORMATIVO DOS DOCENTES QUE ATUAM NO 1º. CICLO DE FORMAÇÃO HUMANA

O PERCURSO FORMATIVO DOS DOCENTES QUE ATUAM NO 1º. CICLO DE FORMAÇÃO HUMANA O PERCURSO FORMATIVO DOS DOCENTES QUE ATUAM NO 1º. CICLO DE FORMAÇÃO HUMANA Profª. Ms. Marilce da Costa Campos Rodrigues - Grupo de estudos e pesquisas em Política e Formação Docente: ensino fundamental

Leia mais

O PAPEL DA ANIMAÇÃO CULTURAL

O PAPEL DA ANIMAÇÃO CULTURAL O PAPEL DA ANIMAÇÃO CULTURAL Graziany Penna Dias Resumo: O presente texto teve por objetivo discutir o papel da animação cultural no campo do lazer. Entendemos que esta discussão se fazer importante já

Leia mais

UM OLHAR ADULTIZADO SOBRE O BRINCAR NA INFÂNCIA

UM OLHAR ADULTIZADO SOBRE O BRINCAR NA INFÂNCIA UM OLHAR ADULTIZADO SOBRE O BRINCAR NA INFÂNCIA Tamara Biasi Donadel 1 Eduarda Virginia Burckardt 2 Resumo: O ato de brincar está presente na história da humanidade, ficando exposto as modificações ocorridas

Leia mais

Palavras chave: texto, gêneros textuais, ensino, PCN, educação.

Palavras chave: texto, gêneros textuais, ensino, PCN, educação. Karen Alves de Andrade 1 RESUMO A inserção dos gêneros textuais no ensino vem mudando a dinâmica da educação em língua portuguesa em nosso país. A importância de se trabalhar a língua em uso, através de

Leia mais

Reflexão: Abordagem ao domínio da matemática, comunicação oral e escrita na Educação de Infância

Reflexão: Abordagem ao domínio da matemática, comunicação oral e escrita na Educação de Infância 1 Reflexão: Abordagem ao domínio da matemática, comunicação oral e escrita na Educação de Infância Mariana Atanásio, Nº 2036909. Universidade da Madeira, Centro de Competência das Ciências Sociais, Departamento

Leia mais

Florianópolis SC - maio 2012. Categoria: C. Setor Educacional: 3. Classificação das Áreas de Pesquisa em EaD Macro: A / Meso: L / Micro: N

Florianópolis SC - maio 2012. Categoria: C. Setor Educacional: 3. Classificação das Áreas de Pesquisa em EaD Macro: A / Meso: L / Micro: N LABORATÓRIO DE EDUCAÇÃO INCLUSIVA: UM ESPAÇO DE DESENVOLVIMENTO TECNOLÓGICO E AMPLIAÇÃO DE CONHECIMENTOS REFERENTES À INCLUSÃO DE PESSOAS COM DEFICIÊNCIA Florianópolis SC - maio 2012 Categoria: C Setor

Leia mais

A Importância do brincar nas aulas de Educação Física MARCELO LEITE

A Importância do brincar nas aulas de Educação Física MARCELO LEITE A Importância do brincar nas aulas de Educação Física MARCELO LEITE RESUMO Este texto é uma reflexão sobre o brincar nas aulas de educação física escolar do primeiro e segundo ciclo do ensino fundamental,

Leia mais

AVALIAÇÃO DA APRENDIZAGEM EM EDUCAÇÃO ONLINE *

AVALIAÇÃO DA APRENDIZAGEM EM EDUCAÇÃO ONLINE * AVALIAÇÃO DA APRENDIZAGEM EM EDUCAÇÃO ONLINE * DILMEIRE SANT ANNA RAMOS VOSGERAU ** m 2003, com a publicação do livro Educação online, o professor Marco Silva conseguiu, com muita pertinência, recolher

Leia mais

PROJETO DE EXTENSÃO FUTEBOL PARA TODOS EDUCANDO ATRAVÉS DO ESPORTE

PROJETO DE EXTENSÃO FUTEBOL PARA TODOS EDUCANDO ATRAVÉS DO ESPORTE PROJETO DE EXTENSÃO FUTEBOL PARA TODOS EDUCANDO ATRAVÉS DO ESPORTE *Luciano Leal Loureiro *Jéssica Finguer RESUMO O presente texto busca explicar o que é o projeto Futebol Para Todos, oferecido pelo curso

Leia mais

A FOTOGRAFIA COMO INSTRUMENTO DIDÁTICO NO ENSINO DE GEOGRAFIA NA PERSPECTIVA DO CONCEITO DE PAISAGEM ENSINO FUNDAMENTAL II ( ANOS FINAIS )

A FOTOGRAFIA COMO INSTRUMENTO DIDÁTICO NO ENSINO DE GEOGRAFIA NA PERSPECTIVA DO CONCEITO DE PAISAGEM ENSINO FUNDAMENTAL II ( ANOS FINAIS ) Thainá Santos Coimbra Secretaria de Estado de Educação do Rio de Janeiro thainahappy@hotmail.com A FOTOGRAFIA COMO INSTRUMENTO DIDÁTICO NO ENSINO DE GEOGRAFIA NA PERSPECTIVA DO CONCEITO DE PAISAGEM ENSINO

Leia mais

Texto base para discussão na Jornada Pedagógica julho/2009 O PLANO DE ENSINO: PONTE ENTRE O IDEAL E O REAL 1

Texto base para discussão na Jornada Pedagógica julho/2009 O PLANO DE ENSINO: PONTE ENTRE O IDEAL E O REAL 1 Texto base para discussão na Jornada Pedagógica julho/2009 O PLANO DE ENSINO: PONTE ENTRE O IDEAL E O REAL 1 É comum hoje entre os educadores o desejo de, através da ação docente, contribuir para a construção

Leia mais

FUNDAÇÃO CARMELITANA MÁRIO PALMÉRIO FACIHUS FACULDADE DE CIÊNCIAS HUMANAS E SOCIAIS Educação de qualidade ao seu alcance

FUNDAÇÃO CARMELITANA MÁRIO PALMÉRIO FACIHUS FACULDADE DE CIÊNCIAS HUMANAS E SOCIAIS Educação de qualidade ao seu alcance SUBPROJETO: CIÊNCIAS BIOLÓGICAS Formação de professores de Biologia e a prática docente no contexto do ensino por investigação INTRODUÇÃO Para superar os entraves que dificultam a construção do ensino

Leia mais

REFLEXÕES SOBRE AS POTENCIALIDADES DE UM PROJETO DE EXTENSÃO

REFLEXÕES SOBRE AS POTENCIALIDADES DE UM PROJETO DE EXTENSÃO REFLEXÕES SOBRE AS POTENCIALIDADES DE UM PROJETO DE EXTENSÃO Fátima Aparecida Queiroz Dionizio UEPG faqdionizio@hotmail.com Joseli Almeida Camargo UEPG jojocam@terra.com.br Resumo: Este trabalho tem como

Leia mais

Gestão Pública. Ética e cidadania. Tema: Ética e Cidadania

Gestão Pública. Ética e cidadania. Tema: Ética e Cidadania Gestão Pública Profa. Márcia Velasques Ética e cidadania Seminário de políticas locais/regionais: as dimensões da ética, da cultura e dos serviços prestados ao público Tema: Ética e Cidadania Núcleo de

Leia mais

PERFIL PROFISSIONAL DO PERSONAL TRAINER: CONSIDERAÇÕES ÉTICAS E DE MARKETING

PERFIL PROFISSIONAL DO PERSONAL TRAINER: CONSIDERAÇÕES ÉTICAS E DE MARKETING PERFIL PROFISSIONAL DO PERSONAL TRAINER: CONSIDERAÇÕES ÉTICAS E DE MARKETING RESUMO: A prática regular da atividade Física e seus efeitos entram no imaginário da população como componentes essenciais do

Leia mais

Futebol e escola no campo do neoliberalismo

Futebol e escola no campo do neoliberalismo Universidade do Extremo Sul Catarinense (UNESC) alvesdr@hotmail.com Introdução O processo de construção deste trabalho foi realizado no campo de ação de um grupo de pesquisa ligado ao programa de Pós Graduação

Leia mais

A EXPERIÊNCIA DO CONTEUDO DANÇA NA INTERFACE E FORMAÇÃO CULTURAL NA EDUCAÇÃO FÍSICA A PARTIR DAS INTERVENÇÕES DO PIBID UFG/CAC

A EXPERIÊNCIA DO CONTEUDO DANÇA NA INTERFACE E FORMAÇÃO CULTURAL NA EDUCAÇÃO FÍSICA A PARTIR DAS INTERVENÇÕES DO PIBID UFG/CAC A EXPERIÊNCIA DO CONTEUDO DANÇA NA INTERFACE E FORMAÇÃO CULTURAL NA EDUCAÇÃO FÍSICA A PARTIR DAS INTERVENÇÕES DO PIBID UFG/CAC Fernanda Costa SANTOS UFG/CAC- nandacostasantos@hotmail.com Karolina Santana

Leia mais

SERVIÇO DE ESCUTA PSICOLÓGICA: UMA ESCUTA PROFUNDA DE CARÁTER EMERGENCIAL

SERVIÇO DE ESCUTA PSICOLÓGICA: UMA ESCUTA PROFUNDA DE CARÁTER EMERGENCIAL SERVIÇO DE ESCUTA PSICOLÓGICA: UMA ESCUTA PROFUNDA DE CARÁTER EMERGENCIAL MORAIS 1, Alexsandra Dias LIMA 2, Aline Cristine da Silva GOMES 3, Inalígia Figueiredo FRANCA 4, Juliana Monteiro da OLIVEIRA 5,

Leia mais

JOGOS ANTIGOS X JOGOS ELETRÔNICOS: UM RELATO DE EXPERIENCIA DO PROCESSO DE INTERVENÇÃO NAS AULAS DE EDUCAÇÃO FÍSICA

JOGOS ANTIGOS X JOGOS ELETRÔNICOS: UM RELATO DE EXPERIENCIA DO PROCESSO DE INTERVENÇÃO NAS AULAS DE EDUCAÇÃO FÍSICA JOGOS ANTIGOS X JOGOS ELETRÔNICOS: UM RELATO DE EXPERIENCIA DO PROCESSO DE INTERVENÇÃO NAS AULAS DE EDUCAÇÃO FÍSICA RESUMO Márcio Henrique Laperuta Érika Nishiiye Laperuta Evandro Lima da Cruz Luiz Gustavo

Leia mais

PROJETO DE INTERVENÇÃO PEDAGÓGICA NA ESCOLA

PROJETO DE INTERVENÇÃO PEDAGÓGICA NA ESCOLA PROJETO DE INTERVENÇÃO PEDAGÓGICA NA ESCOLA O que é o Projeto de Intervenção Pedagógica? O significado de projeto encontrado comumente nos dicionários da Língua Portuguesa está associado a plano de realizar,

Leia mais

Fragmentos do Texto Indicadores para o Desenvolvimento da Qualidade da Docência na Educação Superior.

Fragmentos do Texto Indicadores para o Desenvolvimento da Qualidade da Docência na Educação Superior. Fragmentos do Texto Indicadores para o Desenvolvimento da Qualidade da Docência na Educação Superior. Josimar de Aparecido Vieira Nas últimas décadas, a educação superior brasileira teve um expressivo

Leia mais

O Valor Ideológico na Propaganda de Cerveja 1

O Valor Ideológico na Propaganda de Cerveja 1 O Valor Ideológico na Propaganda de Cerveja 1 Nathália Sene GARIERI/ Licenciada em História Aline Rafaela Portílio LEMES Aline Aparecida SILVA Samuel Douglas Farias COSTA RESUMO A propaganda ocupa um largo

Leia mais

O PAPEL DA PROPAGANDA NO AMBIENTE ESCOLAR

O PAPEL DA PROPAGANDA NO AMBIENTE ESCOLAR O PAPEL DA PROPAGANDA NO AMBIENTE ESCOLAR Izabele Silva Gomes Vívian Galvão Barbosa Universidade Federal de Campina Grande UFCG izabelesilvag@gmail.com viviangbarbosa@msn.com INTRODUÇÃO Termos como Era

Leia mais

O ENSINO DAS FUNÇÕES ATRAVÉS DO JOGO BINGO DE FUNÇÕES

O ENSINO DAS FUNÇÕES ATRAVÉS DO JOGO BINGO DE FUNÇÕES O ENSINO DAS FUNÇÕES ATRAVÉS DO JOGO BINGO DE FUNÇÕES Marcos Aurélio Alves e Silva- UFPE/CAA Alcicleide Ramos da Silva- UFPE/CAA Jucélia Silva Santana- UFPE/CAA Edelweis José Tavares Barbosa- UFPE/CAA

Leia mais

FP 108501 FUNDAMENTOS DA GINÁSTICA

FP 108501 FUNDAMENTOS DA GINÁSTICA Ementas das Disciplinas de Educação Física Estão relacionadas abaixo, as ementas e a bibliografia dos diferentes eixos curriculares do Curso, identificadas conforme os ciclos de formação: Ciclo de Formação

Leia mais

Fase I - Contexto e Pesquisa - Alinhamento dos conceitos de Branding, análise do contexto atual e introdução ao Design Thinking.

Fase I - Contexto e Pesquisa - Alinhamento dos conceitos de Branding, análise do contexto atual e introdução ao Design Thinking. Os programas de Pós-Graduação oferecidos pela Faculdade de Tecnologia do Istituto Europeo di Design estão em conformidade legal e atendem as Resoluções CNE/CES nº 1, de 3 de abril de 2001 e nº 1, de 8

Leia mais

PROPOSTA DE UMA METODOLOGIA PARA ELABORAR PROJETO DE ENSINO INTEGRANDO RECURSOS TECNOLÓGICOS

PROPOSTA DE UMA METODOLOGIA PARA ELABORAR PROJETO DE ENSINO INTEGRANDO RECURSOS TECNOLÓGICOS PROPOSTA DE UMA METODOLOGIA PARA ELABORAR PROJETO DE ENSINO INTEGRANDO RECURSOS TECNOLÓGICOS Fortaleza Ce Agosto 2009 Liádina Camargo Lima Universidade de Fortaleza liadina@unifor.br Categoria C Métodos

Leia mais

MAPB- EDUCAÇÃO FÍSICA

MAPB- EDUCAÇÃO FÍSICA MAPB- EDUCAÇÃO FÍSICA 11) (...) a Educação Física não é apenas educação do ou pelo movimento: é educação de corpo inteiro, entendendo-se, por isso, um corpo em relação com outros corpos e objetos, no espaço.

Leia mais

CONSIDERAÇÕES SOBRE O PROCESSO DE ENSINO APRENDIZAGEM DO ESPORTE NA ESCOLA POR MEIO DE UM ESTUDO DE CASO

CONSIDERAÇÕES SOBRE O PROCESSO DE ENSINO APRENDIZAGEM DO ESPORTE NA ESCOLA POR MEIO DE UM ESTUDO DE CASO CONSIDERAÇÕES SOBRE O PROCESSO DE ENSINO APRENDIZAGEM DO ESPORTE NA ESCOLA POR MEIO DE UM ESTUDO DE CASO FINCK, Silvia Christina Madrid (UEPG) 1 TAQUES, Marcelo José (UEPG) 2 Considerações iniciais Sabemos

Leia mais

Experimentação Esportiva

Experimentação Esportiva Experimentação Esportiva Aula 2 O Movimento e o Rio 2016 Versão 1.0 Objetivos 1 Analisar o desenvolvimento e o amadurecimento dos aspectos motores. 2 Relacionar os Parâmetros Curriculares Nacionais (PCNs)

Leia mais

Percursos da pesquisa de campo: as rodas de conversas e a caracterização dos jovens e seus contextos

Percursos da pesquisa de campo: as rodas de conversas e a caracterização dos jovens e seus contextos 44 5. Percursos da pesquisa de campo: as rodas de conversas e a caracterização dos jovens e seus contextos As rodas de conversa tiveram como proposta convidar os participantes a debater o tema da violência

Leia mais

Projeto de Extensão. Título: Esporte e Inclusão Social no Instituto de Educação Física da Universidade Federal Fluminense

Projeto de Extensão. Título: Esporte e Inclusão Social no Instituto de Educação Física da Universidade Federal Fluminense Projeto de Extensão Título: Esporte e Inclusão Social no Instituto de Educação Física da Universidade Federal Fluminense 1.0 - JUSTIFICATIVA Considerando que a Extensão Universitária tem entre as suas

Leia mais

CINEMA PEDAGÓGICO COMO INTERVENÇÃO PARA PRÁTICA DOCENTE. Elaine Fernanda Dornelas de Souza

CINEMA PEDAGÓGICO COMO INTERVENÇÃO PARA PRÁTICA DOCENTE. Elaine Fernanda Dornelas de Souza Encontro de Ensino, Pesquisa e Extensão, Presidente Prudente, 22 a 25 de outubro, 2012 721 CINEMA PEDAGÓGICO COMO INTERVENÇÃO PARA PRÁTICA DOCENTE Elaine Fernanda Dornelas de Souza Serviço Nacional de

Leia mais

PLANEJAMENTO NA EDUCAÇÃO INFANTIL: UMA CONSTRUÇÃO COLETIVA.

PLANEJAMENTO NA EDUCAÇÃO INFANTIL: UMA CONSTRUÇÃO COLETIVA. PLANEJAMENTO NA EDUCAÇÃO INFANTIL: UMA CONSTRUÇÃO COLETIVA. OLIVEIRA 1, Jordânia Amorim da Silva. SOUSA 2, Nádia Jane de. TARGINO 3, Fábio. RESUMO Este trabalho apresenta resultados parciais do projeto

Leia mais

DA IMPORTÂNCIA DE SUBSTITUIR A EDUCAÇÃO FÍSICA DA ESCOLA POR ATIVIDADES FÍSICAS E/ OU ESPORTIVAS REALIZADAS EM ACADEMIAS, CLUBES, ESCOLINHAS *

DA IMPORTÂNCIA DE SUBSTITUIR A EDUCAÇÃO FÍSICA DA ESCOLA POR ATIVIDADES FÍSICAS E/ OU ESPORTIVAS REALIZADAS EM ACADEMIAS, CLUBES, ESCOLINHAS * DA IMPORTÂNCIA DE SUBSTITUIR A EDUCAÇÃO FÍSICA DA ESCOLA POR ATIVIDADES FÍSICAS E/ OU ESPORTIVAS REALIZADAS EM ACADEMIAS, CLUBES, ESCOLINHAS * ANEGLEYCE T. RODRIGUES, FERNANDO MASCARENHAS, RÚBIA-MAR NUNES

Leia mais

principalmente na UFES (três), na UFSCar (dois) e a UERJ (dois). Em 2005 a produção tem ápice com doze estudos em diferentes universidades.

principalmente na UFES (três), na UFSCar (dois) e a UERJ (dois). Em 2005 a produção tem ápice com doze estudos em diferentes universidades. A PRODUÇÃO CIENTÍFICA EM EDUCAÇÃO ESPECIAL/INCLUSÃO ESCOLAR NA PERSPECTIVA DA PESQUISA-AÇÃO: REFLEXÕES A PARTIR DE SEUS CONTEXTOS Mariangela Lima de Almeida UFES Agência Financiadora: FAPES Num contexto

Leia mais

Público Interno e crises organizacionais: um estudo abordando a incidência de demissões motivadas pelo uso inadequado das redes sociais digitais

Público Interno e crises organizacionais: um estudo abordando a incidência de demissões motivadas pelo uso inadequado das redes sociais digitais Público Interno e crises organizacionais: um estudo abordando a incidência de demissões motivadas pelo uso inadequado das redes sociais digitais Penélope da Silva Almeida SANTOS Universidade Sagrado Coração

Leia mais

Mídia, linguagem e educação

Mídia, linguagem e educação 21 3 22 Mídia, Linguagem e Conhecimento Segundo a UNESCO (1984) Das finalidades maiores da educação: Formar a criança capaz de refletir, criar e se expressar em todas as linguagens e usando todos os meios

Leia mais

CURSO: EDUCAÇÃO FÍSICA (bacharelado)

CURSO: EDUCAÇÃO FÍSICA (bacharelado) CURSO: EDUCAÇÃO FÍSICA (bacharelado) Missão Sua missão é tornar-se referência na formação de profissionais para atuar nos diferentes segmentos humanos e sociais, considerando a atividade física e promoção

Leia mais

LAZER E EDUCAÇÃO. Prof. Dr. Guanis de Barros Vilela Junior

LAZER E EDUCAÇÃO. Prof. Dr. Guanis de Barros Vilela Junior LAZER E EDUCAÇÃO Prof. Dr. Guanis de Barros Vilela Junior Questões a serem discutidas: Questão 1: Se existem Teorias do Lazer a quem, como e porque as mesmas servem? Questão 2: Educação, para que serve?

Leia mais

Heróis sempre vencem desafios: campanha publicitária para divulgação do Concurso Vestibular 2013 1

Heróis sempre vencem desafios: campanha publicitária para divulgação do Concurso Vestibular 2013 1 Heróis sempre vencem desafios: campanha publicitária para divulgação do Concurso Vestibular 2013 1 Juliana Pereira DULTRA 2 Cintia MOLETA 3 Larissa Kiefer de SEQUEIRA 4 Roberto Corrêa SCIENZA 5 Fernanda

Leia mais

AFRICAMOS: PENSAR E VIVER AFRICANIDADES PARA E COM AS CRIANÇAS EM CONTEXTOS COLETIVOS DE EDUCAÇÃO E CUIDADO

AFRICAMOS: PENSAR E VIVER AFRICANIDADES PARA E COM AS CRIANÇAS EM CONTEXTOS COLETIVOS DE EDUCAÇÃO E CUIDADO AFRICAMOS: PENSAR E VIVER AFRICANIDADES PARA E COM AS CRIANÇAS EM CONTEXTOS COLETIVOS DE EDUCAÇÃO E CUIDADO Área Temática: Educação Coordenador: Adilson de Angelo 1 Autoras: Neli Góes Ribeiro Laise dos

Leia mais

Psicologia e trabalho_iniciais_b.qxd 2/11/09 10:19 AM Page xiii

Psicologia e trabalho_iniciais_b.qxd 2/11/09 10:19 AM Page xiii Psicologia e trabalho_iniciais_b.qxd 2/11/09 10:19 AM Page xiii SUMÁRIO Introdução XV 1. Construção do Campo do Trabalho no Pensamento Ocidental como Condição para a Emergência da Psicologia do Trabalho

Leia mais

FORMAÇÃO PEDAGÓGICA DE DOCENTES NO ENSINO SUPERIOR

FORMAÇÃO PEDAGÓGICA DE DOCENTES NO ENSINO SUPERIOR FORMAÇÃO PEDAGÓGICA DE DOCENTES NO ENSINO SUPERIOR As transformações sociais no final do século passado e início desse século, ocorridas de forma vertiginosa no que diz respeito aos avanços tecnológicos

Leia mais

EDITAL NÚMERO 01 DE 10 DE ABRIL DE 2009 Programa de Iniciação Científica Seleção 2009

EDITAL NÚMERO 01 DE 10 DE ABRIL DE 2009 Programa de Iniciação Científica Seleção 2009 Associação Diocesana de Ensino e Cultura de Caruaru Faculdade de Filosofia, Ciências e Letras de Caruaru Reconhecida pelo Decreto 63990 de 15.01.69 D.O 17-01-69 Núcleo de Pesquisa EDITAL NÚMERO 01 DE 10

Leia mais

CURSO PREPARATÓRIO PARA PROFESSORES. Profa. M. Ana Paula Melim Profa. Milene Bartolomei Silva

CURSO PREPARATÓRIO PARA PROFESSORES. Profa. M. Ana Paula Melim Profa. Milene Bartolomei Silva CURSO PREPARATÓRIO PARA PROFESSORES Profa. M. Ana Paula Melim Profa. Milene Bartolomei Silva 1 Conteúdo: Concepções Pedagógicas Conceitos de Educação; Pedagogia; Abordagens Pedagógicas: psicomotora, construtivista,

Leia mais

DISCURSOS LEGITIMADORES DA EDUCAÇÃO FÍSICA NO ENSINO MÉDIO

DISCURSOS LEGITIMADORES DA EDUCAÇÃO FÍSICA NO ENSINO MÉDIO DISCURSOS LEGITIMADORES DA EDUCAÇÃO FÍSICA NO ENSINO MÉDIO Camilla Martins- UFSC INTRODUÇÃO As dificuldades encontradas pela disciplina Educação Física (EF) para legitimarse como componente curricular

Leia mais

BREVE ENSAIO SOBRE EDUCAÇÃO INTEGRAL UM DIREITO OU UMA APOSTA? Regiane Costa (SEMAB-Búzios/SEMED Macaé - regi111@hotmail.com)

BREVE ENSAIO SOBRE EDUCAÇÃO INTEGRAL UM DIREITO OU UMA APOSTA? Regiane Costa (SEMAB-Búzios/SEMED Macaé - regi111@hotmail.com) 01234 BREVE ENSAIO SOBRE EDUCAÇÃO INTEGRAL UM DIREITO OU UMA APOSTA? Regiane Costa (SEMAB-Búzios/SEMED Macaé - regi111@hotmail.com) Reafirmando o compromisso com a escola pública e suas demandas emergentes,

Leia mais

Palavras-chave: 1. Artes; 2. Audiovisual 3. Educação; 4. Rádio; 5. Vídeo

Palavras-chave: 1. Artes; 2. Audiovisual 3. Educação; 4. Rádio; 5. Vídeo Artes Audiovisuais: Estratégia cooperativa na modalidade Educação Jovem e Adulta - EJA STEFANELLI, Ricardo 1 Instituto Federal de Educação Tecnológica de São Paulo RESUMO O presente trabalho na disciplina

Leia mais

MEIO AMBIENTE, JOGOS E COM-VIVÊNCIA: PRINCÍPIOS PARA UMA EDUCAÇÃO AMBIENTAL PELO LAZER

MEIO AMBIENTE, JOGOS E COM-VIVÊNCIA: PRINCÍPIOS PARA UMA EDUCAÇÃO AMBIENTAL PELO LAZER MEIO AMBIENTE, JOGOS E COM-VIVÊNCIA: PRINCÍPIOS PARA UMA EDUCAÇÃO AMBIENTAL PELO LAZER Cae Rodrigues 1 Ricardo Peixoto Stevaux 2 RESUMO A principal motivação para o desenvolvimento desse trabalho fundamenta-se

Leia mais

Violência contra crianças e adolescentes: uma análise descritiva do fenômeno

Violência contra crianças e adolescentes: uma análise descritiva do fenômeno A crise de representação e o espaço da mídia na política RESENHA Violência contra crianças e adolescentes: uma análise descritiva do fenômeno Rogéria Martins Socióloga e Professora do Departamento de Educação/UESC

Leia mais

Prof. Dr. Guanis de Barros Vilela Junior

Prof. Dr. Guanis de Barros Vilela Junior Prof. Dr. Guanis de Barros Vilela Junior INTRODUÇÃO O que é pesquisa? Pesquisar significa, de forma bem simples, procurar respostas para indagações propostas. INTRODUÇÃO Minayo (1993, p. 23), vendo por

Leia mais

ESTÉTICA: IDEAL DE JUVENTUDE DA TERCEIRA IDADE

ESTÉTICA: IDEAL DE JUVENTUDE DA TERCEIRA IDADE ESTÉTICA: IDEAL DE JUVENTUDE DA TERCEIRA IDADE 2008 Paulo Roberto Cardoso Pereira Júnior juniorcamamu@hotmail.com Tatiana Pereira Boureau tatiboureau@hotmail.com Raimundo Francisco Frank Ribeiro frank.ribeiro@terra.com.br

Leia mais

PESQUISA QUANTITATIVA e QUALITATIVA

PESQUISA QUANTITATIVA e QUALITATIVA universidade de Santa Cruz do Sul Faculdade de Serviço Social Pesquisa em Serviço Social I I PESQUISA QUANTITATIVA e QUALITATIVA BIBLIOGRAFIA: MARCONI, Marina de Andrade; LAKATOS, Eva Maria. Técnicas de

Leia mais

A ABORDAGEM DA GEOMETRIA COM CRIANÇAS NA PRÉ-ESCOLA: NÍVEL II

A ABORDAGEM DA GEOMETRIA COM CRIANÇAS NA PRÉ-ESCOLA: NÍVEL II 1 A ABORDAGEM DA GEOMETRIA COM CRIANÇAS NA PRÉ-ESCOLA: NÍVEL II Donizeth Henrique Aleluia Vieira 1 Paula Rodrigues de Souza 2 Suely Miranda Cavalcante Bastos 3 Resumo: Juntamente com o campo dos Números

Leia mais

A BONITEZA DO OLHAR INFANTIL NA PERSPECTIVA EMANCIPADORA: Ensinar e aprender em diálogo com os saberes das crianças

A BONITEZA DO OLHAR INFANTIL NA PERSPECTIVA EMANCIPADORA: Ensinar e aprender em diálogo com os saberes das crianças A BONITEZA DO OLHAR INFANTIL NA PERSPECTIVA EMANCIPADORA: Ensinar e aprender em diálogo com os saberes das crianças PADILHA, Aparecida Arrais PMSP cidarrais@yahoo.com.br Resumo: Este artigo apresenta uma

Leia mais