FUNDAÇÃO UNIVERSIDADE FEDERAL DE RONDÔNIA NÚCLEO DE SAÚDE DEPARTAMENTO DE EDUCAÇÃO FÍSICA

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "FUNDAÇÃO UNIVERSIDADE FEDERAL DE RONDÔNIA NÚCLEO DE SAÚDE DEPARTAMENTO DE EDUCAÇÃO FÍSICA"

Transcrição

1 FUNDAÇÃO UNIVERSIDADE FEDERAL DE RONDÔNIA NÚCLEO DE SAÚDE DEPARTAMENTO DE EDUCAÇÃO FÍSICA OS BENEFÍCIOS DA PRÁTICA REGULAR DE EXERCÍCIOS FÍSICOS COMO CONTRIBUIÇÃO PARA QUALIDADE DE VIDA ANDERSON JONES DURAN RODRIGUES PORTO VELHO RO 2013

2 OS BENEFÍCIOS DA PRÁTICA REGULAR DE EXERCÍCIOS FÍSICOS COMO CONTRIBUIÇÃO PARA QUALIDADE DE VIDA Orientando: Anderson Jones Duran Rodrigues. Orientadora: Mestre Silvia Teixeira de Pinho. Monografia de Graduação apresentada ao curso de Educação Física do Núcleo de Saúde da Universidade Federal de Rondônia UNIR, para obtenção do título de Licenciatura Plena em Educação Física. PORTO VELHO - RO 2013

3 ANDERSON JONES DURAN RODRIGUES DATA DA DEFESA: 07/05/2013 BANCA EXAMINADORA Profª. Ms. Silvia Teixeira de Pinho (Orientadora) Julgamento: Assinatura: Prof. Ms. Luis Gonzaga de Oliveira Gonçalves Julgamento: Assinatura: Prof. Ms. José Roberto de Maio Godoi Filho Julgamento: Assinatura:

4 DEDICATÓRIA Dedico este trabalho as pessoas mais importantes na minha vida, Astrid minha dedicada e amada mãe e a Fernanda minha companheira para todos os momentos, pois sem essas pessoas eu não teria conquistado tantas vitorias e não estaria preparado para mais e mais vitorias. Obrigado pelas broncas, carinhos, incentivos e tudo mais. Amo muito vocês.

5 AGRADECIMENTOS Por toda conquista realizada até este momento, agradeço a Deus, por tudo de bom e crescimento que me proporcionou. Após concluir uma faze tão importante de minha vida tenho tanto a agradecer, tantas pessoas que fizeram parte deste momento. Querida mãe, Astrid, sem seu amor e sua bravura eu não seria o pessoa que sou obrigado por tudo que você me ensinou, me incentivou, muitas vezes me deu broncas que me incentivaram a crescer, eu te amo muito. A minha noiva, Fernanda, obrigado. Sem você tenho certeza que este caminho seria muito difícil. Sei que para você não foi fácil ter que fazer seus trabalhos e ainda cuidar de mim, apesar de tudo, está sempre ao meu lado me apoiando. Eu te amo muito. Aos amigos, de infância, da faculdade, do trabalho da vida meu muito obrigado pelo companheirismo. Querida orientadora, Silvia, agradeço ao destino por ter colocado você no caminho de nossa turma, pois você é muito importante para nossa vida profissional, você nos ajudou no momento mais decisivo de nossa vida acadêmica. Obrigado por tudo. Professores do Departamento de Educação Física, agradeço a todos, cada uma de vocês me ensinou algo novo e importante para minha vida. Vocês foram fundamentais para minha formação.

6 Educais as crianças, para que não seja necessário punir os adultos. Pitágoras

7 SUMÁRIO RESUMO ABSTRACT I INTRODUÇÃO JUSTIFICATIVA OBJETIVO...13 II - METODOLOGIA...14 III REVISÃO DE LITERATURA EXERCÍCIO FÍSICO SEDENTARISMO QUALIDADE DE VIDA EXERCÍCIOS AERÓBIOS E ANAERÓBIOS...26 IV CONSIDERAÇÕES FINAIS...28 V - REFERÊNCIAS BIBLIOGRÁFICAS...29

8 RESUMO O objetivo do presente estudo foi descrever a relação da prática de Exercício Físico com a promoção da Qualidade de Vida. Tendo em vista, o avanço tecnológico e com isso o aumento excessivo da inatividade física, ocasionando um grande número de Sedentários. Este trabalho utilizou a revisão expositiva do tema, com base em vários estudos científicos. O início da prática de qualquer tipo de Atividade Física depende de um estímulo e/ou incentivo. Influências sociais da família e amigos, da mídia e a busca para alcançar seus objetivos, são de enorme importância para o início da prática de Exercícios Físicos. O Exercício Físico ajuda na melhora da Aptidão Física, além de evitar doenças e dar disposição para as pessoas realizarem as tarefas do cotidiano. Estudos recentes apontam que um estilo de vida pouco ativo é um grande fator de risco para o surgimento de varias patologias como a doença coronariana e o acidente vascular cerebral que são as principais causas de mortes em todo o mundo. A Organização Mundial da Saúde (1995) define Qualidade de Vida como a percepção do indivíduo de sua posição na vida, no contexto da cultura e do sistema de valores nos quais ele vive, considerando seus objetivos, expectativas, padrões e preocupações. De acordo com Nahas (2001), são inúmeros os fatores que determinam a Qualidade de Vida tais como: estado de saúde, longevidade, satisfação, prazer e até espiritualidade. De acordo com o mesmo autor, num sentido mais amplo, Qualidade de vida pode ser uma medida da própria dignidade humana, pois pressupõe o atendimento das necessidades humanas fundamentais. A adoção do hábito de pratica Exercícios Físicos com regularidade e bem orientados por um professor de Educação Física proporciona condição para enfrentar a atual vida cotidiana com jornada trabalho e os afazeres do dia-a-dia. Assim sendo, a prática regular de Exercício Físico proporciona um estado de bem estar biopsicossocial onde se obtêm uma saúde estável sem sintomas e isso caracteriza a promoção da Qualidade de Vida. PALAVRA-CHAVES: Exercícios Físicos; Qualidade de Vida; Sedentarismo.

9 ABSTRACT The aim of this study was to describe the relationship of practice Exercise with the promotion of quality of life. Given the technological advances and thus the excessive increase in physical inactivity, resulting in a large number of sedentary. This study used the review expository theme, based on several scientific studies. The early practice of any type of physical activity depends on a stimulus and / or encouragement. Social influences of family and friends, the media and the quest to achieve their goals, are of great importance to the early practice of Physical Exercises. Physical Exercise helps in improving the Physical Fitness, and prevent diseases and willingness to give people perform daily tasks. Recent studies indicate that an active lifestyle is just a big risk factor for the emergence of various diseases such as coronary heart disease and stroke are the leading causes of deaths worldwide. The World Health Organization (1995) defines quality of life as the individual's perception of their position in life in the context of culture and value systems in which they live, considering your goals, expectations, standards and concerns. According to Nahas (2001), there are many factors that determine the quality of life such as: health, longevity, satisfaction, pleasure, and even spirituality. According to the same author, in a broader sense, Quality of life can be a measure of human dignity, because it presupposes the fulfillment of basic human needs. Adopting the habit of practicing Physical Exercise regularly and targeted by a physical education teacher provides the current condition to face everyday life with journey work and chores of day-to-day. Thus, the regular practice Exercise provides a welfare state where biopsychosocial get a stable health without symptoms and this characterizes the promotion of quality of life. KEYWORDS: Physical Exercises; Quality of Life; Sedentary.

10 1. INTRODUÇÃO Nas ultimas décadas, tem-se assistido uma transformação sem precedentes no padrão de vida das pessoas. A mecanização, os avanços tecnológicos, a informatização e a presença cada vez mais frequente dos chamados labor saving devices (mecanismos que poupam o esforço físico) como escadas rolantes, elevadores e controles remotos têm reduzido, conduzido à diminuição progressiva da Atividade Física no trabalho, em casa e no lazer (NAHAS, 2000). Estudos recentes apontam que um estilo de vida pouco ativo é um grande fator de risco para o surgimento de varias patologias como a doença coronariana e o acidente vascular cerebral que são as principais causas de mortes em todo o mundo. Segundo Haskell (1998), 54% dos fatores de risco de morte por problemas cardíacos estão relacionados ao estilo de vida, isto é, alimentação, Atividade Física, pressão arterial, entre outros. Estudos epidemiológicos como de Monteiro et al (2003) realizados no Brasil, mostram que de 87% a 96,5% da população adulta não são suficientemente ativos, porcentagens estas superiores as de 60% reportadas por Gonzalez et al (2001) em relação a 15 países membros da União Europeia. A elevada porcentagem de brasileiros não suficientemente ativos pode contribuir para aumentar as taxas de morbidade e mortalidade. O conceito de Qualidade de Vida é amplo, sendo influenciado por todas as dimensões da vida, que inclui, mas não está limitada a saúde. A Qualidade de Vida está associada aos aspectos de estilo de vida, como Atividade Física, nutrição, comportamento preventivo, controle do estresse e do uso de drogas (álcool, cigarro, entorpecentes, etc.), adicionando-se a esses fatores: a) capacidade s que permitam manter razoáveis funções físicas, emocionais e intelectuais e: b) habilidades para participar em atividades com a família, no local de trabalho e na comunidade. Buscando uma melhora na Qualidade de Vida a população recorre aos Exercícios Físicos, que têm grande aceitação hoje em dia como um bom recurso para minimizar os prejuízos que são causados por vários fatores que afetam o estilo de vida saudável, como o estresse das grandes cidades, Sedentarismo e a má alimentação, que acabam abalando a estrutura qualitativa dos seres humanos (TAHARA, 2003).

11 Segundo Pitanga e Lessa (2010), o Sedentarismo é caracterizado pela ausência de Atividade Física, sendo considerada a doença do século por estar associado ao comportamento cotidiano decorrente dos confortos da vida moderna que através do processo de industrialização provoca a diminuição da prática de atividades. Existem evidencias claras que o Sedentarismo está ligado a doenças cardiovasculares, câncer, diabetes, saúde mental, hipertensão arterial, tendo maior prevalência em mulheres, idosos e pessoas de baixa escolaridade. Com o grande crescimento do Sedentarismo motivado pelo avanço tecnológico mundial e com a grande concentração da população em grandes cidades, procura-se cada vez mais a prática de Exercícios Físicos, buscando amenizar ou acabar com os efeitos do Sedentarismo. Atualmente está em evidencia à preocupação da população com a melhoria da Qualidade de Vida, nota-se que as informações a respeito da pratica de Exercício Físico, acarreta um grande aumento de procura pela prática. É importante ressaltar, no entanto, que o estilo de vida Sedentário não é verificado apenas em adultos, abrange crianças e adolescentes, que realizam cada vez menos Atividade Física em seu dia a dia. Como consequência deste processo, verifica-se que a Aptidão Física de crianças e adolescentes situa-se em níveis que geram preocupações na comunidade científica da área da saúde. Alguns pesquisadores têm discutido o papel da Educação Física escolar em relação à prevenção e promoção da saúde no Brasil preocupação valida, na medida em que se considera a escola como um local primário para a prevenção e promoção da saúde. O profissional de Educação Física tem a possibilidade de avaliar e acompanhar as sucessivas alterações em componentes do crescimento e da Aptidão Física ao longo de determinados períodos. Com relação ao crescimento, por exemplo, Prista (2002) afirma que o seu acompanhamento é consensualmente aceito como um instrumento de utilização na aferição das condições de saúde de uma população, na medida em que contribui de maneira decisiva no diagnóstico de possíveis problemas nutricionais. Com relação à Aptidão Física, Pate (1983) propõe a divisão em Aptidão Física relacionada ao desempenho atlético, e Aptidão Física relacionada à saúde, esta última força/resistência muscular localizada e flexibilidade. Estudos evidenciam que o Exercício Físico praticado regularmente é benéfico para a saúde, proporcionando melhora da eficiência do metabolismo (aumenta o catabolismo lipídico e o gasto calórico corporal) com consequente diminuição da gordura corporal, aumento da massa muscular, aumento da força muscular, melhora

12 da densidade óssea, fortalecimento do tecido conjuntivo, aumento da flexibilidade (melhora a mobilidade articular), melhora na postura, aumento do volume sistólico, diminuição da frequência cardíaca em repouso, aumento da potencia aeróbia, aumento da ventilação pulmonar, diminuição da pressão arterial, melhora a sensibilidade à insulina, melhora do autoconceito, melhora a autoestima e da imagem corporal, diminuição do estresse, da ansiedade, da depressão, da tensão muscular e da insônia, melhora do humor, aumento da disposição física e mental, diminuição do uso de medicamentos como: anti-hipertensivo, antidiabéticos orais, insulina e tranquilizantes, melhora das funções cognitivas e da socialização e também, melhora o funcionamento orgânico geral proporcionando Aptidão Física para uma boa Qualidade de Vida (SANTAREM, 1996; SAMULSKI; LUSTOSA, 1996; MATSUDO, 1996). Conforme o estudo realizado por Santos (2006), os motivos iniciais para a prática de Exercício Físico na idade adulta são: ordem medica; lazer e Qualidade de Vida; estética; saúde (ou Condicionamento Físico). Apesar de o motivo principal não ser a estética boa parte da população está preocupada com a imagem corporal diante a sociedade o que torna a pratica regular de Exercícios Físicos uma grande ferramenta pra se obter os resultados desejados. Com a grande procura pelo Exercício Físico regular tanto por motivos de melhoria de Condição Física e da saúde, ou a busca de um local atrativo socialmente o mercado deste seguimento está em grande ascensão atualmente com o surgimento de grades clubes, academias e ate mesmo profissionais que atendem nas residências dos clientes ou atendem grupos em condomínios. Para Saba (2001) o Exercício Físico é benéfico tanto no aspecto biológico, como também no nível psicológico. Os efeitos positivos sobre os aspectos psicológicos originam do prazer que se é obtido na atividade realizada. Portanto, sabendo se dos malefícios a saúde causados a população que não tem o hábito da prática regular de Exercícios este estudo visa analisar as relações entre Exercício Físico e promoção da Qualidade de Vida. 1.1 JUSTIFICATIVA

13 Justificamos o presente estudo porque é relevante analisar as relações da prática regular de Exercício Físico como contribuição para Qualidade de Vida, tendo em vista que um estilo de vida Sedentário pode ocasionar alguns problemas de saúde. O Exercício Físico ajuda na melhora da Aptidão Física, além de evitar doenças e dar disposição para as pessoas realizarem as tarefas do cotidiano. Os principais fatores abordados por Marcellino (2003) mostram que a saúde o Condicionamento Físico, a estética, o relaxamento, fazer amigos e encontrar amigos, são os motivos por ordem que levam as pessoas a procurarem locais que ofereçam à prática de Exercícios Físicos. Knijnik e Santos (2006), após analisarem os motivos iniciais de adesão de um grupo de adultos, à prática de Exercícios Físicos identificaram aspectos como: ordem médica; lazer e Qualidade de Vida; estética; saúde (ou Condicionamento Físico). Enfatizaram que apesar da principal adesão destes indivíduos não ser de cunho estético, os mesmos demonstraram certa preocupação com a imagem corporal perante a sociedade. Para eles, vários autores apontam como aspectos comuns às pessoas para o início da prática: conhecimento dos benefícios trazidos à saúde; o prazer da prática; conhecimento da melhora dos aspectos sociais e psicológicos e a melhora estética. Segundo Peluso (2005), além dos benefícios, a prática do Exercício Físico também está associada a prejuízos para a saúde mental, aparecendo ligada a quadros como exercício excessivo. Pessoas que criam relações de dependência e compulsão pela prática de Exercícios Físicos passam a buscar nessas atividades mais a diminuição de sensações desagradáveis, como ansiedade, irritabilidade e depressão do que uma boa forma física. Diante destes pressupostos, justificamos o interesse em realizar este estudo, para expor a relação de forma geral entre a prática sistemática de Exercício Físico e a e sua contribuição na Qualidade de Vida. 1.2 OBJETIVO Objetivo Geral; - Descrever a relação da prática de Exercício Físico como contribuição para Qualidade de Vida.

14 Objetivos Específicos; - Verificar os motivos da prática de Exercícios Físicos bem como analisar os benefícios agudos e crônicos desta prática nas valências biológicas, sociais e mentais; - Descrever os motivos que levam ao Sedentarismo; - Analisar as valências da Qualidade de Vida. 2. METODOLOGIA Este trabalho utilizou a revisão expositiva através de análise documental sobre a prática regular de Exercícios Físicos para a promoção da Qualidade de Vida, com base em vários estudos científicos. A escolha do estudo justifica-se pela relevância em se analisar e evidenciar este tema. Para coleta de dados foi feito um levantamento de artigos sobre o assunto e realizado buscas bibliográficas utilizando-se o banco de dados das revistas científicas da área, livros e periódicos da CAPES. Segundo Miranda (1997), este modelo de revisão de literatura expõe o tema em questão através da análise e síntese de pesquisas. No que diz respeito a sua classificação, foi escolhido à classificação de abrangência. Desta forma, estipula-se um período de tempo especifico para a cobertura do tema, considerando o progresso da pesquisa atual. Sendo assim, torna-se claro o problema, além de ser possível uma melhor definição e esclarecimento do mesmo (MIRANDA, 1997). 3 REVISÃO DE LITERATURA 3.1 Exercício Físico Sabe-se que a relação entre Exercício Físico e saúde não é simples, nem tampouco unidirecional. Envolve de alguma forma, a relação com a Aptidão Física, quando abrange componentes associados ao estado de saúde, pode também ser determinada por outros fatores (ambientais, sociais e características genética) e variar,

15 principalmente, em função de objetivos pessoais, idade e condição geral da saúde (NAHAS, 2003; PITANGA, 2003). A Atividade Física é praticada pelo ser humano desde os seus primórdios, pois segundo Saba (2001), a atividade física é o movimento corporal humano que envolve um gasto de energia superior ao gasto da situação de repouso, logo, deduz-se que qualquer atividade que um indivíduo faça que ultrapasse seu gasto energético basal (gasto energético em repouso exigido pelas atividades básicas do corpo), pode ser considerada atividade física. A Atividade Física é primordial para todos, pois uma prática com qualidade proporciona muitos benefícios não só a saúde como também para o social, humor e psicológico. Segundo Monteiro (2004) Exercício Físico é uma atividade com repetições sistemáticas de movimentos orientados, com consequente aumento no consumo de oxigênio devido à solicitação muscular, gerando, portanto, trabalho. O exercício representa um subgrupo de Atividade Física planejada com a finalidade de manter o condicionamento. Pode ser também ser definido como qualquer atividade muscular que gere força e interrompa a homeostase. O Exercício Físico provoca uma serie de respostas fisiológicas nos sistemas corporais e, em especial no sistema cardiovascular. Com o objetivo de manter a homeostasia celular em face do aumento das demandas metabólicas, alguns mecanismos são acionados. Esses mecanismos funcionam sob a forma de arcos reflexos constituídos de receptores, vias aferentes, centros integradores, vias eferentes e efetores; muitas etapas desses mecanismos ainda não foram completamente elucidadas. Para Mcardle (1992) o Exercício Físico pode ser usado no sentido de retardar e, até mesmo, atenuar o processo de declínio das funções orgânicas que são observadas nas fazes da maturação humana, pois promove melhoras na capacidade respiratória, na força muscular, na memoria recente, na cognição e nas habilidades sociais. Vale salientar que os Exercícios Físicos devem ser executados de forma preventiva, ou seja, antes da doença apresentar suas manifestações clínicas. As intervenções reabilitadoras devem ser programadas de modo a atender as necessidades de cada indivíduo e, dessa forma, a Atividade Física deve ser mantida regularmente na Qualidade de Vida e aumento na longevidade. Além disso, o Exercício Físico leva o individuo a uma maior participação social, resultando em um bom nível de bem-estar biopsicofísico, fatores esses que contribuem para a melhoria de sua Qualidade de Vida (CARDOSO, 1992).

16 O exercício, depois de superado o período inicial, é uma atividade usualmente agradável e que traz inúmeros benefícios ao praticante, que vão desde a melhora do perfil lipídico até a melhora da autoestima. Durante a realização de Exercício Físico, ocorre liberação da endorfina e da dopamina pelo organismo, propiciando um efeito tranquilizante e analgésico no praticante regular, que frequentemente se beneficia de um efeito relaxante pós-esforço e, em geral, consegue manter-se num estado de equilíbrio psicossocial mais estável frente às ameaças do meio externo (MARIN-NETO, 1995). Os mecanismos responsáveis pelos ajustes do sistema cardiovascular ao exercício e os índices de limitação da função cardiovascular constituem aspectos básicos relacionados ao entendimento das funções adaptadas. Esses mecanismos são multifatoriais e permitem ao sistema operar de maneira efetiva nas mais diversas circunstanciais. Os ajustes fisiológicos são feitos a partir das demandas metabólicas, cujas informações chegam ao tronco cerebral através de vias aferentes, até a formação reticular bulbar, onde se situam os neurônios reguladores centrais (MONTEIRO, 2004). É importante destacar a importância do discernimento entre conceito de Atividade Física que é uma expressão genérica que pode ser definida como qualquer movimento corporal, produzido pelos músculos esqueléticos, que resulta em gasto energético maior que os níveis de repouso, e do Exercício Físico (um dos seus principais componentes), que é uma Atividade Física planejada, estruturada e repetitiva que tem como objetivo final ou intermediário aumentar ou manter a saúde/aptidão física (MONTEIRO, 2000). Os efeitos fisiológicos do Exercício Físico podem ser classificados em agudos imediatos, agudos tardios e crônicos. Os efeitos agudos, denominados respostas, são os que acontecem em associação direta com a sessão de exercício; os efeitos agudos imediatos são os que ocorrem nos períodos pré e pós-imediato do Exercício Físico, como elevação da frequência cardíaca, da ventilação pulmonar e sudorese; já os efeitos agudos tardios acontecem ao longo das primeiras 24 ou 48 horas (às vezes, até 72 horas) que se seguem a uma sessão de exercício e podem ser identificados na discreta redução dos níveis tensionais, especialmente nos hipertensos, na expansão do volume plasmático, na melhora da função endotelial e na potencialização da ação e aumento da sensibilidade insulínica na musculatura esquelética. Por último, os efeitos crônicos, também denominados adaptações, resultam da exposição frequente e regular as sessões de exercícios e representam aspectos morfofuncionais que diferenciam um individuo fisicamente treinado de outro Sedentário, tendo como

17 exemplos típicos a bradicardia relativa de repouso, a hipertrofia muscular, a hipertrofia ventricular esquerda fisiológica e o aumento do consumo máximo de oxigênio (VO2 máximo). O exercício também é capaz de promover a angiogênese, aumentando o fluxo sanguíneo para os músculos esqueléticos e para o músculo cardíaco. Tem sido demonstrado que o Exercício Físico é eficiente na redução da pressão arterial, porem, a quantidade, o tipo e intensidade do exercício ainda são controversos. Apesar de não haver dúvidas relacionadas aos benefícios do treinamento físico no controle da pressão arterial e respostas metabólicas de pessoas hipertensas, há poucos estudos que avaliam os resultados, em longo prazo de um programa de Exercícios Físicos em pacientes hipertensos (MONTEIRO, 2007). O Sedentarismo pode levar ao aumento da adiposidade visceral que proporciona o aumento da secreção de citosinas pró-inflamatórias, tais como fator de necrose tumoral-α (TNF- α) e interlucinina-6 (IL-6), o que resulta na instalação de um estado de inflamação crônica de grau baixo. O Exercício Físico regular, por sua vez, promove efeitos anti-inflamatórios e tem sido utilizado como terapia preventiva e de tratamento para doenças crônicas (PETERSEN, 2005). A leptina é um hormônio produzido pelo tecido adiposo que desempenha um papel importante na regulação da ingestão alimentar, no gasto energético e na adiposidade (BOMTEIN, 2000). Reed (2010) sugere que o Exercício Físico regular melhora o perfil da leptinemia. Contudo, a influência do exercício sobre a leptina é medida pela alteração na composição corporal. Assim, em indivíduos obesos submetidos a treinamento físico só se observa redução na concentração sérica de leptina quando o protocolo de treinamento reduz a adiposidade. A prática regular de Atividade Física tem sido recomendada para a prevenção e reabilitação de doenças cardiovasculares e outra doenças crônicas por diferentes associações de saúde no mundo como o American College of Sports Medicine, os Centers for Disease Control and Prevention, a American Heart Association, o National Institutes of Hearth, US Surgeon General, a Sociedade Brasileira de Cardiologia, entre outras. Estudos epidemiológicos tem demonstrado relação direta entre inatividade física e a presença de múltiplos fatores de risco como os encontrados na síndrome metabólica. Entretanto, tem sido demonstrado que a pratica regular do Exercício Físico apresenta efeitos benéficos na prevenção e tratamento de hipertensão arterial, resistência à insulina, diabetes, dislipidemia e obesidade. Com isso, o Condicionamento Físico deve ser estimulado para todos, pessoas saudáveis e com

18 múltiplos fatores de risco, desde que sejam capazes de participar de um programa de treinamento físico. Assim como a terapêutica clinica cuida de manter a função dos órgãos, a Atividade Física promove adaptações fisiológicas favoráveis, resultando em melhora da Qualidade de Vida. Atualmente vivemos em tempos da geração saúde, academias com grande fluxo de alunos, corpos sarados e saudáveis. Nesse contexto o comércio de materiais esportivos e profissionais da área de fitness como personal trainers, estão com muito trabalho, não dando conta de atender toda a demanda, clientes com os mais diversos objetivos, desde a redução das gorduras localizadas ao desenvolvimento da atividade física com propósito de saúde e bem estar. Este contexto nos faz parecer uma sociedade ativa, porém não é bem assim, os números apresentados sobre as taxas de sedentarismo ainda são muito altas; em estudos, observa-se um percentual de 30 a 80% de pessoas, dependendo do grupo e de pessoas estudadas, que citam não realizar qualquer tipo de atividade física em seu tempo livre (NAHAS, 2003). Sendo assim, apesar dos benefícios dos exercícios físicos serem muitos e bastante divulgados, a taxa de abandono nos seis primeiros meses dos programas de exercícios físicos, é de aproximadamente 50% (WEINBERG e GOULD, 2008). Segundo Saba (2001), entende-se a aderência como ponto máximo de uma evolução constante, objetivando inserir-se no cotidiano da vida de uma pessoa. Neste sentido, conforme Dishman (1993), o relacionamento com a prática de Atividade Física no passado, tem grande relevância na interpretação dos determinantes passados e presentes, como também nos prognósticos de atividades futuras. Contudo, conforme Saba (2001), o grande desafio é fazer do exercício prática constante de um individuo. Um estudo realizado por Garay e Oliveira (2012) que era objetivado em verificar a relação entre a aderência e frequência dos indivíduos em programas de Atividades Físicas e a influencia de diferentes níveis de Aptidão Física, a pesquisa contou com indivíduos que foram distribuídos em quatro subgrupos em relação à prática de suas Atividades Físicas regulares de alta e de baixa frequência e baixa frequência. Neste sentido foi possível observar que, indivíduos com Aptidão Física inicial acima da média eram mais regulares e frequentes que aqueles com aptidão aeróbia abaixo da média; o grupo não regulares com baixa frequência apresentou valor médio de VO²max e, em contrapartida, níveis iniciais de flexibilidade não influenciaram na manutenção aos programas de Atividade Física. A comparação entre status inicial, ativo ou menos ativo, antes de se iniciar o programa com posterior analise do estado de adesão aos Exercícios Físicos, não apresentou resultado significativo. No estudo concluiu que se o individuo apresentar uma maior

19 Aptidão Física aeróbia pode estar associada a uma maior adesão ao Exercício Físico e que, não necessariamente um perfil ativo ou menos ativo influencia no comportamento posterior em relação à regularidade e a frequência das atividades. O aumento da gordura abdominal pode estar associado a diversas complicações metabólicas e doenças cardiovasculares. Exercícios Físicos reduzem a gordura localizada abdominal, entretanto faltam evidencias conclusivas sobre quais tipos e intensidades de treinamento são mais eficazes. Um estudo realizado por Macedo e Silva (2009) teve como objetivo avaliar e comparar os efeitos dos Exercícios aeróbio e resistido sobre a gordura abdominal de mulheres obesas. O estudo incluiu 31 mulheres (19 grupo aeróbio e 12 grupo resistido) com idades entre 29 e 59 anos, com alto índice de gordura abdominal, não praticantes de Exercício Físico regular. O treinamento do grupo aeróbio incluiu caminhada e corrida em pista de atletismo e do grupo resistido exercícios com pesos. Os grupos realizaram de 50 a 70 minutos de exercícios, três vezes por semana, durante 10 semanas. Foram aferidas a massa corporal, estatura, circunferência da cintura, dobras cutâneas e calculados o Índice de Massa Corporal, o percentual de gordura, a massa de gordura e massa magra nos períodos pré e pós-treinamento. Ambos os programas de exercícios promoveram diminuições significativas na circunferência da cintura, no percentual de gordura corporal e de dobra cutânea do abdome, entretanto a massa corporal e o Índice de Massa Corporal não alteraram significativamente. Apesar de o grupo resistido ter apresentado maiores reduções de circunferência da cintura, gordura subcutânea abdominal e percentual de gordura corporal o grupo aeróbio, não houve diferença estatística entre os valores. O estudo concluiu então que tanto o exercício aeróbio como o resistido, realizados com intensidade moderada e durações de 150 a 210 minutos semanais, promovem diminuição da gordura localizada abdominal e ajustes positivos na composição corporal de mulheres obesas. O Exercício Físico também tem seu lado considerado ruim, o overtraining, que é semelhante a anorexia, ocorre quando a pessoa decide praticar Exercícios Físicos por não estar satisfeito com seu corpo, e não percebe a diferença, dessa forma ele acha que não esta obtendo o resultado desejado e aumenta a quantidade de exercício, até tornar um ciclo vicioso. O mecanismo do overtraining ou excesso de treinamento é um circulo vicioso. O primeiro sintoma é a falta de rendimento no exercício, causada por excesso de treinamento, que por sua vez, leva ao aumento da pratica de Atividades Físicas.

20 Segundo a medica do esporte do HC e da academia Bio Ritmo, Fernanda Rodrigues Lima, intensificando o treinamento, a pessoa começa a sentir os outros sintomas do overtraining, Eles são: Aumento da pressão arterial; Aumento dos batimentos cardíacos; Insônia; Irritabilidade; Queda do sistema imunológico (VIDA SAUDAVEL, 2010). A síndrome do overtraining, que normalmente afeta atletas, e as atividades sem orientação qualificada, comprometem os sistemas fisiológicos, imunológicos e até mesmo psicológicos. Em decorrência disso, o individuo pode sofrer alterações no sono, alem dos distúrbios alimentares como anorexia e bulimia, na busca pelo corpo perfeito. 3.2 Sedentarismo Estudos apontam que hábitos de vida inadequados (má alimentação, estresse, tabagismo, alcoolismo, inatividade física e vários outros) são fatores que ampliam o surgimento de inúmeros tipos de patologias. O Sedentarismo começa a crescer na sociedade como uma grande epidemia, o que representa um enorme risco a saúde da população. Do mesmo modo, Haskell (2007) ratifica que existe uma associação entre Sedentarismo (inatividade física) e a prevalência de doenças, tais como: doença arterial coronariana, hipertensão, acidente vascular encefálico, diabetes, osteoporose, obesidade, câncer, depressão entre outras. Há ainda estudos epidemiológicos que demonstram em números que a inatividade física aumenta substancialmente a incidência relativa de algumas doenças tais como: doença arterial coronariana 45%, infarto agudo do miocárdio 60%, hipertensão arterial 30%, câncer de cólon 41%, câncer de mama 31%, diabetes do tipo II 50% e osteoporose 59% (KATZMARZYK & JANSSEN, 2004). O Sedentarismo causa muitos danos aos sistemas funcionais, o organismo das pessoas nesse estado não é tão funcional quanto o de pessoas que são regularmente ativas, com isso sofrem com os danos causados com a inatividade física tornando-as cada vez mais propensas a demonstrar os sintomas de doenças que possivelmente poderiam ser evitadas com a prática regular de Exercício Físico.

A actividade física e o desporto: um meio para melhorar a saúde e o bem-estar

A actividade física e o desporto: um meio para melhorar a saúde e o bem-estar A actividade física e o desporto: um meio para melhorar a saúde e o bem-estar A actividade física e os desportos saudáveis são essenciais para a nossa saúde e bem-estar. Actividade física adequada e desporto

Leia mais

EXERCÍCIO FÍSICO: ESTRATÉGIA PRIORITÁRIA NA PROMOÇÃO DA SAÚDE E DA QUALIDADE DE VIDA.

EXERCÍCIO FÍSICO: ESTRATÉGIA PRIORITÁRIA NA PROMOÇÃO DA SAÚDE E DA QUALIDADE DE VIDA. 1 EXERCÍCIO FÍSICO: ESTRATÉGIA PRIORITÁRIA NA PROMOÇÃO DA SAÚDE E DA QUALIDADE DE VIDA. Tales de Carvalho, MD, PhD. tales@cardiol.br Médico Especialista em Cardiologia e Medicina do Esporte; Doutor em

Leia mais

24 motivos. academia. para entrar na

24 motivos. academia. para entrar na para entrar na academia Mais um ano se inicia e com ele chegam novas perspectivas e objetivos. Uma das principais promessas feitas é deixar o sedentarismo de lado e entrar na academia! Nesta época é comum

Leia mais

UNIVERSIDADE FEDERAL DE SERGIPE DEPARTAMENTO DE FISIOLOGIA DISCIPLINA: FISIOLOGIA HUMANA EXERCÍCIO FÍSICO PARA POPULAÇÕES ESPECIAIS

UNIVERSIDADE FEDERAL DE SERGIPE DEPARTAMENTO DE FISIOLOGIA DISCIPLINA: FISIOLOGIA HUMANA EXERCÍCIO FÍSICO PARA POPULAÇÕES ESPECIAIS UNIVERSIDADE FEDERAL DE SERGIPE DEPARTAMENTO DE FISIOLOGIA DISCIPLINA: FISIOLOGIA HUMANA EXERCÍCIO FÍSICO PARA POPULAÇÕES ESPECIAIS Prof. Mestrando: Marcelo Mota São Cristóvão 2008 POPULAÇÕES ESPECIAIS

Leia mais

Saúde: Possivelmente, se perguntarmos a todos os nossos amigos e familiares quais são seus desejos para uma vida satisfatória...

Saúde: Possivelmente, se perguntarmos a todos os nossos amigos e familiares quais são seus desejos para uma vida satisfatória... Atualmente, verificamos em programas de TV, nas revistas e jornais e em sites diversos na internet, uma grande quantidade de informações para que as pessoas cuidem da sua saúde. Uma das recomendações mais

Leia mais

AUMENTO DRAMÁTICO DO INTERESSE E PARTICIPAÇÃO DE CRIANÇAS NO ESPORTE DE ALTO NÍVEL

AUMENTO DRAMÁTICO DO INTERESSE E PARTICIPAÇÃO DE CRIANÇAS NO ESPORTE DE ALTO NÍVEL AUMENTO DRAMÁTICO DO INTERESSE E PARTICIPAÇÃO DE CRIANÇAS NO ESPORTE DE ALTO NÍVEL NECESSIDADE DO MELHOR CONHECIMENTO EM ÁREAS COMO: CRESCIMENTO NORMAL, DESENVOLVIMENTO, EFEITOS DO EXERCÍCIO EM CRIANÇAS

Leia mais

A criança, o adolescente e a prática de atividades físicas

A criança, o adolescente e a prática de atividades físicas Texto de apoio ao curso de Especialização Atividade Física Adaptada e Saúde Prof. Dr. Luzimar Teixeira A criança, o adolescente e a prática de atividades físicas A juventude americana não participa de

Leia mais

ATIVIDADE FÍSICA, APTIDÃO FÍSICA, SAÚDE E QUALIDADE DE VIDA

ATIVIDADE FÍSICA, APTIDÃO FÍSICA, SAÚDE E QUALIDADE DE VIDA ATIVIDADE FÍSICA, APTIDÃO FÍSICA, SAÚDE E QUALIDADE DE VIDA Revolução industrial Antes da revolução industrial as pessoas eram mais ativas porque viviam constantemente se movimentando no trabalho na escola,

Leia mais

Atividade Física e Saúde na Escola

Atividade Física e Saúde na Escola Atividade Física e Saúde na Escola *Eduardo Cardoso Ferreira ** Luciano Leal Loureiro Resumo: Atividade física pode ser trabalhada em todas as idades em benefício da saúde. O objetivo do artigo é conscientizar

Leia mais

ARTIGO APRESENTADO NO 17 O CONGRESSO INTERNACIONAL DE EDUCAÇÃO FÍSICA FIEP/2002-01-29 REALIZADO EM FOZ DO IGUAÇU DE 12 A 16 DE JANEIRO DE 2002

ARTIGO APRESENTADO NO 17 O CONGRESSO INTERNACIONAL DE EDUCAÇÃO FÍSICA FIEP/2002-01-29 REALIZADO EM FOZ DO IGUAÇU DE 12 A 16 DE JANEIRO DE 2002 ARTIGO APRESENTADO NO 17 O CONGRESSO INTERNACIONAL DE EDUCAÇÃO FÍSICA FIEP/2002-01-29 REALIZADO EM FOZ DO IGUAÇU DE 12 A 16 DE JANEIRO DE 2002 TÍTULO: NÍVEL DE ATIVIDADE FÍSICA E BARREIRAS PARA A ATIVIDADE

Leia mais

A importância da Atividade Física

A importância da Atividade Física A importância da Atividade Física Introdução Mas o que é atividade física? De acordo com Marcello Montti, atividade física é definida como um conjunto de ações que um indivíduo ou grupo de pessoas pratica

Leia mais

ATIVIDADE FÍSICA E SAÚDE

ATIVIDADE FÍSICA E SAÚDE ATIVIDADE FÍSICA E SAÚDE Ridailda de Oliveira Amaral * RESUMO A atividade física e o exercício foram reconhecidos formalmente como fatores que desempenham um papel essencial no aprimoramento da saúde e

Leia mais

REVISÃO E AVALIAÇÃO DA UNIDADE

REVISÃO E AVALIAÇÃO DA UNIDADE REVISÃO E AVALIAÇÃO DA UNIDADE Adolescência 11 aos 20 anos Mudanças: Amadurecimento biológico Sexual Psicológico Social Características Adolescência Mudança de interesses Conflitos com a família Maior

Leia mais

Em pleno novo milênio nossa sociedade aparece com uma

Em pleno novo milênio nossa sociedade aparece com uma 8 Epidemiologia da Atividade Física & Doenças Crônicas: Diabetes Dênis Marcelo Modeneze Graduado em Educação Física Mestre em Educação Física na Área de Atividade Física, Adaptação e Saúde-UNICAMP Em pleno

Leia mais

Documento Técnico A Actividade Física e a Promoção da Saúde na 3ª Idade

Documento Técnico A Actividade Física e a Promoção da Saúde na 3ª Idade Documento Técnico A Actividade Física e a Promoção da Saúde na 3ª Idade DIVISÃO DESPORTO - CME A Actividade Física e a Promoção da Saúde na 3ª Idade 1.1. Conceito de Saúde Segundo a Organização Mundial

Leia mais

APRENDER A APRENDER EDUCAÇÃO FÍSICA DINÂMICA LOCAL INTERATIVA CONTEÚDO E HABILIDADES HOJE EU APRENDI. AULA: 5.2 Conteúdo: Atividade Física e Saúde

APRENDER A APRENDER EDUCAÇÃO FÍSICA DINÂMICA LOCAL INTERATIVA CONTEÚDO E HABILIDADES HOJE EU APRENDI. AULA: 5.2 Conteúdo: Atividade Física e Saúde A AULA: 5.2 Conteúdo: Atividade Física e Saúde A AULA: 5.2 Habilidades: Compreender os benefícios dos exercícios físicos na promoção da saúde e qualidade de vida A BENEFÍCIOS DA ATIVIDADE A Benefícios

Leia mais

Mais saúde, menos stress

Mais saúde, menos stress iate especial Mais saúde, menos stress conheça Os BenefÍcIOs DA prática esportiva e AprOveIte para escolher A MODALIDADe IDeAL por JOãO rodrigues Um dos maiores diferenciais da Academia do Iate Clube de

Leia mais

VALÊNCIAS FÍSICAS. 2. VELOCIDADE DE DESLOCAMENTO: Tempo que é requerido para ir de um ponto a outro o mais rapidamente possível.

VALÊNCIAS FÍSICAS. 2. VELOCIDADE DE DESLOCAMENTO: Tempo que é requerido para ir de um ponto a outro o mais rapidamente possível. VALÊNCIAS FÍSICAS RESISTÊNCIA AERÓBICA: Qualidade física que permite ao organismo executar uma atividade de baixa para média intensidade por um longo período de tempo. Depende basicamente do estado geral

Leia mais

DIABETES MELLITUS. Ricardo Rodrigues Cardoso Educação Física e Ciências do DesportoPUC-RS

DIABETES MELLITUS. Ricardo Rodrigues Cardoso Educação Física e Ciências do DesportoPUC-RS DIABETES MELLITUS Ricardo Rodrigues Cardoso Educação Física e Ciências do DesportoPUC-RS Segundo a Organização Mundial da Saúde, existem atualmente cerca de 171 milhões de indivíduos diabéticos no mundo.

Leia mais

A MULHER E A ATIVIDADE FÍSICA

A MULHER E A ATIVIDADE FÍSICA A MULHER E A ATIVIDADE FÍSICA INVESTIGAÇÃO CIENTÍFICA DEFICIENTE DIFICULDADES METODOLÓGICAS SEXO FRÁGIL (????) PARTICIPAÇÃO REDUZIDA EQUIPARAÇÃO DE RENDIMENTO CARACTERÍSTICAS GERAIS DO SEXO FEMININO

Leia mais

Praticando vitalidade. Sedentarismo. corra desse vilão!

Praticando vitalidade. Sedentarismo. corra desse vilão! Praticando vitalidade Sedentarismo corra desse vilão! O que é sedentarismo? Sedentarismo é a diminuição de atividades ou exercícios físicos que uma pessoa pratica durante o dia. É sedentário aquele que

Leia mais

APERTE CTRL + L PARA VISUALIZAÇÃO TELA CHEIA

APERTE CTRL + L PARA VISUALIZAÇÃO TELA CHEIA APERTE CTRL + L PARA VISUALIZAÇÃO TELA CHEIA Resumo Desde o nascer da sociedade, pessoas caminham para realizar tarefas cotidianas com o objetivo de sobreviver e, para se caminhar, é preciso energia, energia

Leia mais

Proposta para Implantação do Programa Atividade Física & Mulheres

Proposta para Implantação do Programa Atividade Física & Mulheres 2 Proposta para Implantação do Programa Atividade Física & Mulheres Ana Paula Bueno de Moraes Oliveira Graduada em Serviço Social Pontifícia Universidade Católica de Campinas - PUC Campinas Especialista

Leia mais

saúde Sedentarismo Os riscos do Saiba as causas e consequências de ficar parado e mexa-se!

saúde Sedentarismo Os riscos do Saiba as causas e consequências de ficar parado e mexa-se! saúde Sinal Canal de Comunicação da Sistel para os Usuários de Saúde Ano I - Nº 4 - Dezembro 2014 Os riscos do Sedentarismo Saiba as causas e consequências de ficar parado e mexa-se! O sedentarismo é resultado

Leia mais

Programa de Atividade Física

Programa de Atividade Física Programa de Atividade Física ATIVIDADE FÍSICA E SAÚDE NA TERCEIRA IDADE OBJETIVOS: Analisar: Mudanças que ocorrem como o envelhecimento; Os desafios sócio-econômico e individual do envelhecimento em relação

Leia mais

TÍTULO: RELAÇÃO DE ALUNOS QUE CONSIDERAM A PAUSA NO TREINAMENTO DE HIPERTROFIA MUSCULAR

TÍTULO: RELAÇÃO DE ALUNOS QUE CONSIDERAM A PAUSA NO TREINAMENTO DE HIPERTROFIA MUSCULAR TÍTULO: RELAÇÃO DE ALUNOS QUE CONSIDERAM A PAUSA NO TREINAMENTO DE HIPERTROFIA MUSCULAR CATEGORIA: EM ANDAMENTO ÁREA: CIÊNCIAS BIOLÓGICAS E SAÚDE SUBÁREA: EDUCAÇÃO FÍSICA INSTITUIÇÃO: FACULDADE DE JAGUARIÚNA

Leia mais

Programa de Ginástica Laboral

Programa de Ginástica Laboral Programa de Ginástica Laboral 1. IDENTIFICAÇÃO Nome: Programa de Ginástica Laboral (PGL) Promoção e Organização: Centro de Educação Física, Esportes e Recreação Coordenadoria do Campus de Ribeirão Preto.

Leia mais

FACULDADE DE MEDICINA DO ABC MANTIDA PELA FUNDAÇÃO DO ABC EXAMES REALIZADOS NOS ÁRBITROS DA DO ABC FMABC

FACULDADE DE MEDICINA DO ABC MANTIDA PELA FUNDAÇÃO DO ABC EXAMES REALIZADOS NOS ÁRBITROS DA DO ABC FMABC RELATÓRIO DOS EXAMES REALIZADOS NOS ÁRBITROS DA FEDERAÇÃO PAULISTA DE FUTEBOL PELA FACULDADE DE MEDICINA DO ABC FMABC O Núcleo de Saúde no Esporte da Faculdade de Medicina do ABC FMABC, utilizando as suas

Leia mais

Relação entre atividade física, saúde e qualidade de vida. Notas Introdutórias

Relação entre atividade física, saúde e qualidade de vida. Notas Introdutórias 1 / 3 Texto de apoio ao curso de Especialização Atividade Física Adaptada e Saúde Prof. Dr. Luzimar Teixeira Relação entre atividade física, saúde e qualidade de vida. Notas Introdutórias Luís Otávio Teles

Leia mais

INFLUÊNCIA DO EXERCÍCIO FÍSICO E ORIENTAÇÃO ALIMENTAR EM NÍVEIS DE TRIGLICERIDEMIA DE ADOLESCENTES OBESOS

INFLUÊNCIA DO EXERCÍCIO FÍSICO E ORIENTAÇÃO ALIMENTAR EM NÍVEIS DE TRIGLICERIDEMIA DE ADOLESCENTES OBESOS Encontro Internacional de Produção Científica Cesumar 23 a 26 de outubro de 2007 INFLUÊNCIA DO EXERCÍCIO FÍSICO E ORIENTAÇÃO ALIMENTAR EM NÍVEIS DE TRIGLICERIDEMIA DE ADOLESCENTES OBESOS Ciliane Valerio

Leia mais

Tricoscopia do couro cabeludo 10 DICAS

Tricoscopia do couro cabeludo 10 DICAS Tricoscopia do couro cabeludo 10 DICAS para sair do sedentarismo e INTRODUÇÃO De acordo com dados apurados em 2013 pelo Ministério da Saúde, 64% da população brasileira está com excesso de peso devido

Leia mais

As Atividades físicas suas definições e benefícios.

As Atividades físicas suas definições e benefícios. As Atividades físicas suas definições e benefícios. MUSCULAÇÃO A musculação, também conhecida como Treinamento com Pesos, ou Treinamento com Carga, tornou-se uma das formas mais conhecidas de exercício,

Leia mais

RESUMOS SIMPLES...156

RESUMOS SIMPLES...156 155 RESUMOS SIMPLES...156 156 RESUMOS SIMPLES CARNEIRO, NELSON HILÁRIO... 159 CARNEIRO, NELSON HILÁRIO... 157 CORTE, MARIANA ZANGIROLAME... 159 CORTE, MARIANA ZANGIROLAME... 157 GARCIA JUNIOR, JAIR RODRIGUES...

Leia mais

Prevalência, Conhecimento, Tratamento e Controle da Hipertensão em Adultos dos Estados Unidos, 1999 a 2004.

Prevalência, Conhecimento, Tratamento e Controle da Hipertensão em Adultos dos Estados Unidos, 1999 a 2004. Artigo comentado por: Dr. Carlos Alberto Machado Prevalência, Conhecimento, Tratamento e Controle da Hipertensão em Adultos dos Estados Unidos, 1999 a 2004. Kwok Leung Ong, Bernard M. Y. Cheung, Yu Bun

Leia mais

Atividade Física e Qualidade de Vida Prof. Nivaldo Higajo

Atividade Física e Qualidade de Vida Prof. Nivaldo Higajo Atividade Física e Qualidade de Vida Prof. Nivaldo Higajo Pesquisador em ciências do Esporte Celafiscs - 1991 Prof. Esp. Reabilitação Cardiovascular UniFMU - 2001 Prof. Esp. Fisiologia do Exercício UniFMU

Leia mais

Disciplina: FISIOLOGIA CELULAR CONTROLE DA HOMEOSTASE, COMUNICAÇÃO E INTEGRAÇÃO DO CORPO HUMANO (10h)

Disciplina: FISIOLOGIA CELULAR CONTROLE DA HOMEOSTASE, COMUNICAÇÃO E INTEGRAÇÃO DO CORPO HUMANO (10h) Ementário: Disciplina: FISIOLOGIA CELULAR CONTROLE DA HOMEOSTASE, COMUNICAÇÃO E INTEGRAÇÃO DO CORPO HUMANO (10h) Ementa: Organização Celular. Funcionamento. Homeostasia. Diferenciação celular. Fisiologia

Leia mais

ATIVIDADE FÍSICA: UM ESTUDO SOBRE A REALIZAÇÃO DESTA PRÁTICA NA CIDADE DE CÁCERES-MT

ATIVIDADE FÍSICA: UM ESTUDO SOBRE A REALIZAÇÃO DESTA PRÁTICA NA CIDADE DE CÁCERES-MT ATIVIDADE FÍSICA: UM ESTUDO SOBRE A REALIZAÇÃO DESTA PRÁTICA NA CIDADE DE CÁCERES-MT Giovanna Larissi S. Ribeiro João Batista Franco Borges giolsr@brturbo.com.br RESUMO Este texto trata a respeito da prática

Leia mais

ATIVIDADE FÍSICA ASILAR. Departamento de Psicologia e Educação Física

ATIVIDADE FÍSICA ASILAR. Departamento de Psicologia e Educação Física ATIVIDADE FÍSICA ASILAR Departamento de Psicologia e Educação Física 1. INTRODUÇÃO Compreensivelmente, à medida que envelhecemos podemos observar várias mudanças, tanto com relação aos nossos órgãos e

Leia mais

PREFEITURA MUNICIPAL DE CHOPINZINHO PR SECRETARIA MUNICIPAL DE SAÚDE GESTÃO 2012-2015

PREFEITURA MUNICIPAL DE CHOPINZINHO PR SECRETARIA MUNICIPAL DE SAÚDE GESTÃO 2012-2015 PREFEITURA MUNICIPAL DE CHOPINZINHO PR SECRETARIA MUNICIPAL DE SAÚDE GESTÃO 2012-2015 PROJETO TERCEIRA IDADE ATIVA EDUCADORAS FÍSICAS: LÍDIA POSSO SIMIONATO (responsável) ALANA M. C. KNAKIEWICZ (estagiária)

Leia mais

PLANO DE TRABALHO IDOSO

PLANO DE TRABALHO IDOSO PLANO DE TRABALHO IDOSO Telefone: (44) 3220-5750 E-mail: centrosesportivos@maringa.pr.gov.br EQUIPE ORGANIZADORA SECRETARIO MUNICIPAL DE ESPORTES E LAZER Francisco Favoto DIRETOR DE ESPORTES E LAZER Afonso

Leia mais

Idade, ela pesa 07/07/ 2015. Minhavida.com.br

Idade, ela pesa 07/07/ 2015. Minhavida.com.br Todo mundo quer viver muitos anos, não é mesmo? Mas você já se questionou se está somando mais pontos contra do que a favor na busca pela longevidade? Por isso mesmo, um estudo da Universidade da Califórnia,

Leia mais

Internações por Hipertensão Essencial em homens idosos no Brasil: estudo comparativo entre as regiões nordeste e sudeste no período de 2008 a 2012.

Internações por Hipertensão Essencial em homens idosos no Brasil: estudo comparativo entre as regiões nordeste e sudeste no período de 2008 a 2012. Internações por Hipertensão Essencial em homens idosos no Brasil: estudo comparativo entre as regiões nordeste e sudeste no período de 2008 a 2012. Layz Dantas de Alencar 1 - layzalencar@gmail.com Rosimery

Leia mais

CHEGUE ELEGANTE À PRAIA E TENHA MAIS SAÚDE E QUALIDADE DE VIDA

CHEGUE ELEGANTE À PRAIA E TENHA MAIS SAÚDE E QUALIDADE DE VIDA CHEGUE ELEGANTE À PRAIA E TENHA MAIS SAÚDE E QUALIDADE DE VIDA Por Personal Trainer Rui Barros BENEFICIOS DO EXERCICIO FISICO E INFLUÊNCIA NA QUALIDADE DE VIDA: Os benefícios de um estilo de vida fisicamente

Leia mais

Educação Física 1.ª etapa- 9. o ano

Educação Física 1.ª etapa- 9. o ano Educação Física 1.ª etapa- 9. o ano CONHECENDO MEU CORPO DURANTE O EXERCÍCIO DESCUBRA PORQUE É TÃO IMPORTANTE ACOMPANHAR OS BATIMENTOS CARDÍACOS ENQUANTO VOCÊ SE EXERCITA E APRENDA A CALCULAR SUA FREQUÊNCIA

Leia mais

Portal da Educação Física Referência em Educação Física na Internet

Portal da Educação Física Referência em Educação Física na Internet Portal da Educação Física Referência em Educação Física na Internet MENSURAÇÃO DAS CAPACIDADES ENERGÉTICAS Existe um nível mínimo de energia necessária para manter as funções vitais do organismo no estado

Leia mais

EXERCÍCIOS RESISTIDOS : Uma visão dentro da Escola

EXERCÍCIOS RESISTIDOS : Uma visão dentro da Escola EXERCÍCIOS RESISTIDOS : Uma visão dentro da Escola Professora Mestre em Ciências Escola de Educação Física e Esporte Universidade de São Paulo CONTEÚDO Conceitos básicos. Princípios biológicos do treinamento.

Leia mais

FISIOLOGIA DO EXERCÍCIO PRÁTICAS DE EXERCÍCIOS FÍSICOS NO LAGO JABOTI

FISIOLOGIA DO EXERCÍCIO PRÁTICAS DE EXERCÍCIOS FÍSICOS NO LAGO JABOTI FISIOLOGIA DO EXERCÍCIO PRÁTICAS DE EXERCÍCIOS FÍSICOS NO LAGO JABOTI COELHO, J.C; FONTOURA, R.S; PEREIRA, C.A; DOBICZ, A.F; TORRES, A.A.S. Resumo O presente estudo tende em verificar as principais causas

Leia mais

Qualidade de vida no Trabalho

Qualidade de vida no Trabalho Qualidade de Vida no Trabalho Introdução É quase consenso que as empresas estejam cada vez mais apostando em modelos de gestão voltados para as pessoas, tentando tornar-se as empresas mais humanizadas,

Leia mais

Mapeamento do Perfil Saúde em Instituição Pública - Fundação Centro de Atendimento Sócio Educativo ao Adolescente

Mapeamento do Perfil Saúde em Instituição Pública - Fundação Centro de Atendimento Sócio Educativo ao Adolescente 16 Mapeamento do Perfil Saúde em Instituição Pública - Fundação Centro de Atendimento Sócio Educativo ao Adolescente Leidiane Silva Oliveira Chagas Gestora de Recursos Humanos - Anhanguera Educacional

Leia mais

DIRETRIZES PARA ATIVIDADE FÍSICA: CRIANÇAS E ADOLESCENTES, ADULTOS E IDOSOS

DIRETRIZES PARA ATIVIDADE FÍSICA: CRIANÇAS E ADOLESCENTES, ADULTOS E IDOSOS UNIME UNIÃO METROPOLITANA DE EDUCAÇÃO DIRETRIZES PARA ATIVIDADE FÍSICA: CRIANÇAS E ADOLESCENTES, ADULTOS E IDOSOS Professora Dra Carmem Cristina Beck Professor Dr Francisco José Gondim Pitanga Salvador,

Leia mais

Treinamento de Força e Diabetes. Ms. Sandro de Souza

Treinamento de Força e Diabetes. Ms. Sandro de Souza Treinamento de Força e Diabetes Ms. Sandro de Souza Taxa de prevalência de Diabetes Mellitus Período: 2009 Relevância Diagnóstico de DIABETES MELLITUS Diabetes Care. 2007;30:S4 41. Resistência a Insulina

Leia mais

REVISTA DA UFG - Tema MELHOR IDADE Órgão de divulgação da Universidade Federal de Goiás - Ano V, No. 2, dezembro de 2003

REVISTA DA UFG - Tema MELHOR IDADE Órgão de divulgação da Universidade Federal de Goiás - Ano V, No. 2, dezembro de 2003 REVISTA DA UFG - Tema MELHOR IDADE Órgão de divulgação da Universidade Federal de Goiás - Ano V, No. 2, dezembro de 2003 GOYAZ, M. - Vida ativa na melhor idade. Revista da UFG, Vol. 5, No. 2, dez 2003

Leia mais

Promoção da Saúde na Escola Através das Aulas de Educação Física

Promoção da Saúde na Escola Através das Aulas de Educação Física 10 Promoção da Saúde na Escola Através das Aulas de Educação Física Juliana Marin Orfei Especialista em Atividade Física: Treinamento Esportivo UNICASTELO Viviane Portela Tavares Especialista em Atividade

Leia mais

GERIATRIA E SAUDE: ENVELHECIMENTO ATIVO NA PREVENÇÃO DA OSTEOPOROSE

GERIATRIA E SAUDE: ENVELHECIMENTO ATIVO NA PREVENÇÃO DA OSTEOPOROSE GERIATRIA E SAUDE: ENVELHECIMENTO ATIVO NA PREVENÇÃO DA OSTEOPOROSE Bianca Emanuelle Silva Constâncio Acadêmica do curso de Fisioterapia do Centro Universitário de João Pessoa UNIPÊ, email: biancaemanuelle@live.com

Leia mais

EFEITOS DA ATIVIDADE FÍSICA INTENSA NO CRESCIMENTO DE CRIANÇAS NA FASE ESCOLAR INICIAL

EFEITOS DA ATIVIDADE FÍSICA INTENSA NO CRESCIMENTO DE CRIANÇAS NA FASE ESCOLAR INICIAL EFEITOS DA ATIVIDADE FÍSICA INTENSA NO CRESCIMENTO DE CRIANÇAS NA FASE ESCOLAR INICIAL Acadêmicos da UCB: Helio Carlos Lima de Abreu e Natali Rodrigues RESUMO A atividade física intensa em crianças na

Leia mais

Imunodepressão em Atletas Os marcadores Laboratoriais

Imunodepressão em Atletas Os marcadores Laboratoriais Imunodepressão em Atletas Os marcadores Laboratoriais Quem Sou? Carlos Ballarati : Formação Medicina: Formado em Medicina pela PUC-SP Sorocaba em 1988. Residência Médica: Clinica Medica Unicamp em 1989

Leia mais

A IMPORTÂNCIA DA PRÁTICA DE UMA ATIVIDADE FÍSICA REGULAR NA PROFISSÃO BOMBEIRO MILITAR

A IMPORTÂNCIA DA PRÁTICA DE UMA ATIVIDADE FÍSICA REGULAR NA PROFISSÃO BOMBEIRO MILITAR A IMPORTÂNCIA DA PRÁTICA DE UMA ATIVIDADE FÍSICA REGULAR NA PROFISSÃO BOMBEIRO MILITAR Jacques Douglas ROMÃO 1 RESUMO Na profissão Bombeiro Militar, muitas das atividades profissionais realizadas no dia

Leia mais

Saúde e Desporto. Manuel Teixeira Veríssimo Hospitais da Universidade de Coimbra. Relação do Desporto com a Saúde

Saúde e Desporto. Manuel Teixeira Veríssimo Hospitais da Universidade de Coimbra. Relação do Desporto com a Saúde Saúde e Desporto Manuel Teixeira Veríssimo Hospitais da Universidade de Coimbra Relação do Desporto com a Saúde Dum modo geral aceita-se que o desporto dá saúde Contudo, o desporto também comporta malefícios

Leia mais

Esse tema foi abordado com o objetivo de despertar o interesse pela

Esse tema foi abordado com o objetivo de despertar o interesse pela 10 A Atividade Física e o Controle do Peso Corporal Denis Marcelo Modeneze Mestre em Educação Física na Área de Atividade Física, Adaptação e Saúde na UNICAMP Esse tema foi abordado com o objetivo de despertar

Leia mais

ENVELHECIMENTO SAUDÁVEL

ENVELHECIMENTO SAUDÁVEL ENVELHECIMENTO SAUDÁVEL 1. ENVELHECIMENTO ACTIVO A Organização Mundial da Saúde e a Comissão da União Europeia consideram de grande importância todas as medidas, políticas e práticas, que contribuam para

Leia mais

Apresentação. Introdução. Francine Leite. Luiz Augusto Carneiro Superintendente Executivo

Apresentação. Introdução. Francine Leite. Luiz Augusto Carneiro Superintendente Executivo Evolução dos Fatores de Risco para Doenças Crônicas e da prevalência do Diabete Melito e Hipertensão Arterial na população brasileira: Resultados do VIGITEL 2006-2009 Luiz Augusto Carneiro Superintendente

Leia mais

FORTALECENDO SABERES EDUCAÇÃO FÍSICA DINÂMICA LOCAL INTERATIVA CONTEÚDO E HABILIDADES DESAFIO DO DIA. Aula 3.1 Conteúdo: Atividade física preventiva.

FORTALECENDO SABERES EDUCAÇÃO FÍSICA DINÂMICA LOCAL INTERATIVA CONTEÚDO E HABILIDADES DESAFIO DO DIA. Aula 3.1 Conteúdo: Atividade física preventiva. CONTEÚDO E HABILIDADES FORTALECENDO SABERES DESAFIO DO DIA Aula 3.1 Conteúdo: Atividade física preventiva. 2 CONTEÚDO E HABILIDADES FORTALECENDO SABERES DESAFIO DO DIA Habilidades: Entender os benefícios

Leia mais

Programa de Controle de Peso Corporal

Programa de Controle de Peso Corporal 15 Programa de Controle de Peso Corporal Denis Marcelo Modeneze Mestre em Educação Física na Área de Atividade Física, Adaptação e Saúde na UNICAMP principal objetivo de desenvolver este tema com os alunos

Leia mais

BASES FISIOLÓGICAS DO TREINAMENTO ESPORTIVO

BASES FISIOLÓGICAS DO TREINAMENTO ESPORTIVO BASES FISIOLÓGICAS DO TREINAMENTO ESPORTIVO Dr. José Maria Santarem* Exercícios físicos são parte integrante da prática e preparação esportiva, e podem ser utilizados em medicina com diversas finalidades.

Leia mais

PERCEPÇÃO DA QUALIDADE DE VIDA DOS IDOSOS DO PONTO DE VISTA FÍSICO E NUTRICIONAL

PERCEPÇÃO DA QUALIDADE DE VIDA DOS IDOSOS DO PONTO DE VISTA FÍSICO E NUTRICIONAL PERCEPÇÃO DA QUALIDADE DE VIDA DOS IDOSOS DO PONTO DE VISTA FÍSICO E NUTRICIONAL Nilza Matias Oliver Cruz Faculdade Maurício de Nassau/CG nilzamoc31@hotmail.com Débora de Araújo Targino Faculdade Maurício

Leia mais

CARACTERIZAÇAO DE UM PROGRAMA DE GINÁSTICA LABORAL COMO PREVENÇÃO E REDUÇÃO DA LER/DORT

CARACTERIZAÇAO DE UM PROGRAMA DE GINÁSTICA LABORAL COMO PREVENÇÃO E REDUÇÃO DA LER/DORT CARACTERIZAÇAO DE UM PROGRAMA DE GINÁSTICA LABORAL COMO PREVENÇÃO E REDUÇÃO DA LER/DORT PINHEIRO, L. C.; DUTRA, J.; BRASILINO, F.F; MORALES, P. J. C.; HUCH, T.P. Universidade da Região de Joinville Depto.

Leia mais

Autores: Cristina Somariva Leandro Jacson Schacht. SESI Serviço Social da Indústria Cidade: Concórdia Estado: Santa Catarina 27/10/2015

Autores: Cristina Somariva Leandro Jacson Schacht. SESI Serviço Social da Indústria Cidade: Concórdia Estado: Santa Catarina 27/10/2015 Autores: Cristina Somariva Leandro Jacson Schacht SESI Serviço Social da Indústria Cidade: Concórdia Estado: Santa Catarina 27/10/2015 REDUÇÃO DE PESO E CIRCUNFERÊNCIA ABDOMINAL EM TRABALHADORES DA INDÚSTRIA

Leia mais

EXERCÍCIOS RESISTIDOS. Parte I

EXERCÍCIOS RESISTIDOS. Parte I EXERCÍCIOS RESISTIDOS Parte I DESEMPENHO MUSCULAR Capacidade do músculo realizar trabalho. Elementos fundamentais: Força Potência muscular Resistência à fadiga FATORES QUE AFETAM O DESEMPENHO MUSCULAR

Leia mais

NUTRIÇÃO APLICADA À FARMÁCIA

NUTRIÇÃO APLICADA À FARMÁCIA NUTRIÇÃO APLICADA À FARMÁCIA METABOLISMO BASAL GASTO ENERGÉTICO TOTAL Profª. Alcinira Furtado Farias METABOLISMO BASAL Conjunto de processos por meio dos quais o organismo vivo recolhe e transforma as

Leia mais

POR QUE SER ATIVO ALBERTO OGATA

POR QUE SER ATIVO ALBERTO OGATA POR QUE SER ATIVO ALBERTO OGATA O nosso corpo é uma máquina fantástica, que não foi feita para ficar parada. Se você estiver realmente decidido a ter uma atitude positiva em relação a sua saúde e ao seu

Leia mais

AVALIAÇÃO DA QUALIDADE DE VIDA EM IDOSOS PRATICANTES DE ATIVIDADE FÍSICA SISTEMATIZADA

AVALIAÇÃO DA QUALIDADE DE VIDA EM IDOSOS PRATICANTES DE ATIVIDADE FÍSICA SISTEMATIZADA Nome: YURI MENDES ROSA Professor: ANDERSON FONSECA GARCIA, ESPECIALISTA, EDUCAÇÃO FÍSICA NA EDUCAÇÃO BÁSICA Forma de Apresentação: Painel Escola: INTERATIVA AVALIAÇÃO DA QUALIDADE DE VIDA EM IDOSOS PRATICANTES

Leia mais

A ACTIVIDADE FÍSICA F PREVENÇÃO DA IMOBILIDADE NO IDOSO EDNA FERNANDES

A ACTIVIDADE FÍSICA F PREVENÇÃO DA IMOBILIDADE NO IDOSO EDNA FERNANDES A ACTIVIDADE FÍSICA F NA PREVENÇÃO DA IMOBILIDADE NO IDOSO EDNA FERNANDES Epidemiologia do Envelhecimento O envelhecimento da população é um fenómeno de amplitude mundial, a OMS (Organização Mundial de

Leia mais

A Importância do Sono

A Importância do Sono 1 A Importância do Sono Dra. Regeane Trabulsi Cronfli É um total contra-senso o fato de que, num mundo em que cerca de 16 a 40% das pessoas em geral sofrem de insônia, haja aquelas que, iludidas pelos

Leia mais

OBESIDADE INFANTIL ESCOLAR

OBESIDADE INFANTIL ESCOLAR Pró-Reitoria de Graduação Educação Física Trabalho de Conclusão de Curso II OBESIDADE INFANTIL ESCOLAR Autora: Damielle J. Costa Orientador: Prof. Dr. Ricardo Bernardo Mayolino Brasília - DF 2011 OBESIDADE

Leia mais

NTRODUÇÃO MATERIAL E MÉTODOS

NTRODUÇÃO MATERIAL E MÉTODOS Características socioeconômicas, demográficas, nutricionais, controle glicêmico e atividade física de adolescentes portadores de diabetes melito tipo 1 Izabela Zibetti de ALBUQUERQUE 1 ; Maria Raquel Hidalgo

Leia mais

Centro de Estudos de Fisiologia do Exercício CEFE UNIFESP / EPM

Centro de Estudos de Fisiologia do Exercício CEFE UNIFESP / EPM Prof a. Ms. Carolina Rivolta Ackel Centro de Estudos de Fisiologia do Exercício CEFE UNIFESP / EPM DEFINIÇÃO Acúmulo de estresse provocado pelo treinamento resultando em queda persistente da capacidade

Leia mais

A IMPORTÂNCIA DA PRÁTICA DA ATIVIDADE FÍSICA COMO MEDIDA DE PROMOÇÃO DA SAÚDE E CONTROLE DA OBESIDADE INFANTOJUVENIL

A IMPORTÂNCIA DA PRÁTICA DA ATIVIDADE FÍSICA COMO MEDIDA DE PROMOÇÃO DA SAÚDE E CONTROLE DA OBESIDADE INFANTOJUVENIL A IMPORTÂNCIA DA PRÁTICA DA ATIVIDADE FÍSICA COMO MEDIDA DE PROMOÇÃO DA SAÚDE E CONTROLE DA OBESIDADE INFANTOJUVENIL Autor: SARANÁDIA CAEIRA SERAFIM Orientador: RACHEL DE SÁ BARRETO LUNA CALLOU CRUZ Coautor(es):

Leia mais

Atividade Física e Alimentação Adequada para a Promoção da Saúde

Atividade Física e Alimentação Adequada para a Promoção da Saúde 15 Atividade Física e Alimentação Adequada para a Promoção da Saúde Erika da Silva Maciel Licenciatura em Educação Física - Unimep Especialista em Atividade Física e Qualidade de Vida - Unicamp Mestre

Leia mais

MELHOR IDADE EM MOVIMENTO: IMPORTÂNCIA DA FISIOTERAPIA PREVENTIVA NA FLEXIBILIDADE DE IDOSAS

MELHOR IDADE EM MOVIMENTO: IMPORTÂNCIA DA FISIOTERAPIA PREVENTIVA NA FLEXIBILIDADE DE IDOSAS MELHOR IDADE EM MOVIMENTO: IMPORTÂNCIA DA FISIOTERAPIA PREVENTIVA NA FLEXIBILIDADE DE IDOSAS Área Temática: Saúde Helenara Salvati Bertolossi Moreira 1 (Coordenadora da Ação de Extensão) Helenara Salvati

Leia mais

esporte Do vício ao capa

esporte Do vício ao capa iate capa Do vício ao esporte por filipy barcelos fotos: ivan simas A Revista Iate buscou especialistas no assunto para mostrar como a nicotina age no corpo. Além disso, os profissionais dão dicas de como

Leia mais

SECRETARIA DE RESSOCIALIZAÇÃO. Programa de Alívio e Relaxamento do Estresse

SECRETARIA DE RESSOCIALIZAÇÃO. Programa de Alívio e Relaxamento do Estresse SECRETARIA DE RESSOCIALIZAÇÃO Programa de Alívio e Relaxamento do Estresse SUMÁRIO JUSTIFICATIVA OBJETIVOS EXECUÇÃO CONDIÇÕES GERAIS JUSTIFICATIVA As facilidades e a agitação da vida moderna trouxeram

Leia mais

EFEITOS DE DIFERENTES INTERVALOS RECUPERATIVOS NO NÚMERO DE REPETIÇÕES NO EXERCICIO SUPINO RETO LIVRE Marcelo dos Santos Bitencourt

EFEITOS DE DIFERENTES INTERVALOS RECUPERATIVOS NO NÚMERO DE REPETIÇÕES NO EXERCICIO SUPINO RETO LIVRE Marcelo dos Santos Bitencourt EFEITOS DE DIFERENTES INTERVALOS RECUPERATIVOS NO NÚMERO DE REPETIÇÕES NO EXERCICIO SUPINO RETO LIVRE Marcelo dos Santos Bitencourt Resumo O objetivo deste estudo foi analisar a realização de dois treinamentos

Leia mais

IDOSOS COM HIPERTENSÃO: CARACTERÍSTICAS EPIDEMIOLÓGICAS NO MUNICIPIO DE FOZ DO IGUAÇU, PARANÁ, BRASIL.

IDOSOS COM HIPERTENSÃO: CARACTERÍSTICAS EPIDEMIOLÓGICAS NO MUNICIPIO DE FOZ DO IGUAÇU, PARANÁ, BRASIL. IDOSOS COM HIPERTENSÃO: CARACTERÍSTICAS EPIDEMIOLÓGICAS NO MUNICIPIO DE FOZ DO IGUAÇU, PARANÁ, BRASIL. Paulo Sergio Lemke (Apresentador) 1, Marcos Augusto Moraes Arcoverde (Orientado) 2 Curso de Enfermagem

Leia mais

Promoção para a Saúde

Promoção para a Saúde COLÉGIO RAINHA SANTA ISABEL ANO LETIVO 2013/2014 PROJETO Promoção para a Saúde - Estilos de Vida Saudável Organização: Departamento de Educação Física INTRODUÇÃO As Orientações da União Europeia para a

Leia mais

8. Atividade física. Introdução

8. Atividade física. Introdução 8. Atividade física Introdução Segundo a Organização Mundial de Saúde, a prática de atividade física regular reduz o risco de mortes prematuras, doenças do coração, acidente vascular cerebral, câncer de

Leia mais

A GINÁSTICA LABORAL COMO FERRAMENTA PARA A MELHORIA DA QUALIDADE DE VIDA NO SETOR DE COZINHA EM RESTAURANTES

A GINÁSTICA LABORAL COMO FERRAMENTA PARA A MELHORIA DA QUALIDADE DE VIDA NO SETOR DE COZINHA EM RESTAURANTES A GINÁSTICA LABORAL COMO FERRAMENTA PARA A MELHORIA DA QUALIDADE DE VIDA NO SETOR DE COZINHA EM RESTAURANTES Alexandre Crespo Coelho da Silva Pinto Fisioterapeuta Mestrando em Engenharia de Produção UFSC

Leia mais

MINISTÉRIO DA SAÚDE SECRETARIA DE ATENÇÃO À SAÚDE DEPARTAMENTO DE ATENÇÃO BÁSICA COORDENAÇÃO NACIONAL DE HIPERTENSÃO E DIABETES

MINISTÉRIO DA SAÚDE SECRETARIA DE ATENÇÃO À SAÚDE DEPARTAMENTO DE ATENÇÃO BÁSICA COORDENAÇÃO NACIONAL DE HIPERTENSÃO E DIABETES MINISTÉRIO DA SAÚDE SECRETARIA DE ATENÇÃO À SAÚDE DEPARTAMENTO DE ATENÇÃO BÁSICA COORDENAÇÃO NACIONAL DE HIPERTENSÃO E DIABETES JANEIRO/2011 COORDENAÇÃO NACIONAL DE HIPERTENSÃO E DIABETES CNHD Supervisão

Leia mais

Ginástica Laboral como Meio de Promoção da Qualidade de Vida no Trabalho

Ginástica Laboral como Meio de Promoção da Qualidade de Vida no Trabalho 6 Ginástica Laboral como Meio de Promoção da Qualidade de Vida no Trabalho José Cicero Mangabeira Da Silva Gestor Em Recursos Humanos - Anhanguera Educacional - Campinas-SP Especialista Em Gestão Da Qualidade

Leia mais

PROGRAMA DE QUALIDADE DE VIDA DO TRABALHADOR

PROGRAMA DE QUALIDADE DE VIDA DO TRABALHADOR PROGRAMA DE QUALIDADE DE VIDA DO TRABALHADOR Prof. Dr. Jones Alberto de Almeida Divisão de saúde ocupacional Barcas SA/ CCR ponte A necessidade de prover soluções para demandas de desenvolvimento, treinamento

Leia mais

QUALIDADE DE VIDA NO TRABALHO Professor Romulo Bolivar. www.proenem.com.br

QUALIDADE DE VIDA NO TRABALHO Professor Romulo Bolivar. www.proenem.com.br QUALIDADE DE VIDA NO TRABALHO Professor Romulo Bolivar www.proenem.com.br INSTRUÇÃO A partir da leitura dos textos motivadores seguintes e com base nos conhecimentos construídos ao longo de sua formação,

Leia mais

Uso de substâncias psicoativas em crianças e adolescentes

Uso de substâncias psicoativas em crianças e adolescentes Uso de substâncias psicoativas em crianças e adolescentes Alessandro Alves A pré-adolescência e a adolescência são fases de experimentação de diversos comportamentos. É nessa fase que acontece a construção

Leia mais

Envelhecimento com qualidade: Como as operadoras de planos de saúde estão se organizando. 10ª Jornada PRONEP Rio de Janeiro, setembro 2010

Envelhecimento com qualidade: Como as operadoras de planos de saúde estão se organizando. 10ª Jornada PRONEP Rio de Janeiro, setembro 2010 Envelhecimento com qualidade: Como as operadoras de planos de saúde estão se organizando 10ª Jornada PRONEP Rio de Janeiro, setembro 2010 CONTEXTUALIZANDO: A variação de despesas nos últimos 8 anos superou

Leia mais

MINISTÉRIO DA SAÚDE SECRETARIA DE ATENÇÃO À SAÚDE DEPARTAMENTO DE ATENÇÃO BÁSICA COORDENAÇÃO NACIONAL DE HIPERTENSÃO E DIABETES

MINISTÉRIO DA SAÚDE SECRETARIA DE ATENÇÃO À SAÚDE DEPARTAMENTO DE ATENÇÃO BÁSICA COORDENAÇÃO NACIONAL DE HIPERTENSÃO E DIABETES MINISTÉRIO DA SAÚDE SECRETARIA DE ATENÇÃO À SAÚDE DEPARTAMENTO DE ATENÇÃO BÁSICA COORDENAÇÃO NACIONAL DE HIPERTENSÃO E DIABETES JANEIRO/2011 HIPERTENSÃO ARTERIAL E DIABETES MELLITUS MORBIDADE AUTO REFERIDA

Leia mais

SISTEMA ÚNICO DE SAÚDE E EDUCAÇÃO FÍSICA: APROXIMAÇÕES A PARTIR DO GRUPO DE EPIDEMIOLOGIA DA ATIVIDADE FÍSICA - ATENÇÃO BÁSICA

SISTEMA ÚNICO DE SAÚDE E EDUCAÇÃO FÍSICA: APROXIMAÇÕES A PARTIR DO GRUPO DE EPIDEMIOLOGIA DA ATIVIDADE FÍSICA - ATENÇÃO BÁSICA SISTEMA ÚNICO DE SAÚDE E EDUCAÇÃO FÍSICA: APROXIMAÇÕES A PARTIR DO GRUPO DE EPIDEMIOLOGIA DA ATIVIDADE FÍSICA - ATENÇÃO BÁSICA Área Temática: Saúde Fabricio Boscolo Del Vecchio (Coordenador da Ação de

Leia mais

ANALISE COMPARATIVA DA COMPOSIÇÃO CORPORAL DE POLICIAIS MILITARES RECÉM-ADMITIDOS COM MILITARES COM MAIS DE 10 ANOS DE CARREIRA DO 2º BPM DA PARAÍBA

ANALISE COMPARATIVA DA COMPOSIÇÃO CORPORAL DE POLICIAIS MILITARES RECÉM-ADMITIDOS COM MILITARES COM MAIS DE 10 ANOS DE CARREIRA DO 2º BPM DA PARAÍBA ANALISE COMPARATIVA DA COMPOSIÇÃO CORPORAL DE POLICIAIS MILITARES RECÉM-ADMITIDOS COM MILITARES COM MAIS DE 10 ANOS DE CARREIRA DO 2º BPM DA PARAÍBA Analisando o estilo de vida de algumas pessoas, constatou-se

Leia mais

IMPORTÂNCIA DA RECREAÇÃO PARA O IDOSO INSTITUCIONALIZADO

IMPORTÂNCIA DA RECREAÇÃO PARA O IDOSO INSTITUCIONALIZADO IMPORTÂNCIA DA RECREAÇÃO PARA O IDOSO INSTITUCIONALIZADO Eliane de Sousa Leite/Universidade Federal de Campina Grande/UFCG. E-mail: elianeleitesousa@yahoo.com.br Jeruzete Almeida de Menezes/ Universidade

Leia mais

Reeducação Alimentar na prevenção da Obesidade Professores: Ivo André Polônio; Edi Carlos Iacida; Ângela Cesira Maran Pilquevitch; Silvia Trevisan;

Reeducação Alimentar na prevenção da Obesidade Professores: Ivo André Polônio; Edi Carlos Iacida; Ângela Cesira Maran Pilquevitch; Silvia Trevisan; 1 Reeducação Alimentar na prevenção da Obesidade Professores: Ivo André Polônio; Edi Carlos Iacida; Ângela Cesira Maran Pilquevitch; Silvia Trevisan; Janaina Lopes; Eveline Batista Rodrigues; Cristiane

Leia mais

Projeto Construindo um Futuro Saudável através da prática da atividade física diária

Projeto Construindo um Futuro Saudável através da prática da atividade física diária Projeto Construindo um Futuro Saudável através da prática da atividade física diária Project Building a Healthy Future Through the Daily Practice of Physical Activity Regina Pozena Fisioterapeuta da Secretária

Leia mais

Treinamento Personalizado para Idosos. Discentes: Dulcineia Cardoso Laís Aguiar

Treinamento Personalizado para Idosos. Discentes: Dulcineia Cardoso Laís Aguiar Treinamento Personalizado para Idosos Discentes: Dulcineia Cardoso Laís Aguiar Idosos Indivíduos com idade superior a 60anos Segundo o estatuto do idoso -é assegurando o direito à vida, à saúde, à alimentação,

Leia mais

CORAÇÃO. Na Saúde combata...os inimigos silenciosos! Trabalho Elaborado por: Ana Cristina Pinheiro Mário Quintaneiro

CORAÇÃO. Na Saúde combata...os inimigos silenciosos! Trabalho Elaborado por: Ana Cristina Pinheiro Mário Quintaneiro Trabalho Elaborado por: Na Saúde combata...os inimigos silenciosos! Ana Cristina Pinheiro Mário Quintaneiro CORAÇÃO Olá! Eu sou o seu coração, trabalho dia e noite sem parar, sem descanso semanal ou férias.

Leia mais